Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Jornal das Boas Notícias => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 03 de Janeiro de 2018, 13:50

Título: Ambos do coração
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Janeiro de 2018, 13:50
                                                               VIVA JESUS!





             Bom-dia! queridos irmãos.



                    Ambos do coração - a capacidade musical anímica e mediúnica




            Você quer duas sugestões de bons filmes? Pois não posso deixar de recomendá-los, para sua alegria e reflexão. Ambos trazem a palavra coração no título. Um é O Som do coração e outro é A Voz do coração. Ambos são ótimos e emocionantes.
O primeiro deles apresenta um caso de menino prodígio na música, separado dos pais pelo avô materno já no nascimento e adotado por orfanato, cujo reencontro dos três personagens no final da história é emocionante, principalmente levando-se em conta as circunstâncias vividas pelos personagens e sempre sob inspiração da música.
Já o segundo, igualmente envolvido por um menino educado em internato de rígida e autoritária direção, em enredo mais sofrido – em virtude do ambiente difícil enfrentado pelos garotos –, traz a luta de um professor de música para transformação daquelas vidas juvenis, justamente através das notas musicais. Também tem um final emocionante.
Nos dois casos, o pano de fundo é a música. A música que eleva, que transforma, que empolga. Igualmente nos dois casos, meninos prodígios. Um com a voz extraordinária, outro com o talento musical para compor, reger e tocar. Embora o garoto da Voz fosse rebelde, transformou-se ao toque educativo do professor, e o garoto do Som fosse dócil, realizou seu objetivo através da música; em ambos os casos a coincidência de vidas sofridas e abaladas pela violência que ainda caracteriza o comportamento humano. Ao mesmo tempo, porém, as oportunidades de vida, as circunstâncias de aprendizado, e, sem dúvida, o amor que liga os seres, não importando distância, nem idade, nem tampouco as adversidades. 
São dois filmes imperdíveis. Não deixe de ver.  Confira a sinopse:
a) A Voz do coração: Pierre Morhange (Jacques Perrin) é um famoso maestro que retorna à sua cidade-natal ao saber do falecimento de sua mãe. Lá ele encontra um diário mantido por seu antigo professor de música, Clémente Mathieu (Gérard Jugnot), através do qual passa a relembrar sua própria infância. Mais exatamente a década de 40, quando passou a participar de um coro organizado pelo professor, que terminou por revelar seus dotes musicais. Com 95 minutos de duração, no gênero drama, e várias premiações, foi produzido na França em 2004.
b) O Som do coração: August Rush (Freddie Highmore) é resultado de um encontro casual entre um guitarrista e uma violoncelista. Crescido em orfanato e dotado de um dom musical impressionante, ele se apresenta nas ruas de Nova York ao lado do divertido Wizard (Robin Williams). Contando apenas com seu talento musical, August decide usá-lo para tentar reencontrar seus pais. No gênero drama e 100 minutos de duração, foi lançado em 2007 nos Estados Unidos e já recebeu indicação de premiação.
Para quem conhece o Espiritismo é uma delícia assistir ao filme. Ele nos leva a meditar sobre os gênios musicais, sobre a mediunidade musical e especialmente sobre os sons produzidos pelos Espíritos em harmonia e que podem ser captados pelos Espíritos em sintonia com a harmonia que o bem produz. Em Obras Póstumas, por exemplo, no capítulo A Música Celeste, o compositor Rossini afirma: “(...) O Espírito produz os sons que quer. (...) Aquele que compreende muito, que tem nele a harmonia já conquistada, age sobre o fluido universal e reproduz o que o Espírito concebe, sente e quer (...)”. E na Revista Espírita, de setembro de 1864, o mesmo Rossini cita: A música comove as fibras entorpecidas da sensibilidade e as predispõe a receber as impressões morais. A música amolece a alma – é poderosa auxiliar de moralização.
E não posso deixar de citar essa pérola da Revista Espírita, de maio de 1858: Kardec entrevista o compositor Mozart (1756-1791), que foi famoso menino prodígio e que declarou “Quando estou em boas disposições e inteiramente só, durante o meu passeio, os pensamentos musicais me vêm com abundância. Ignoro donde procedem esses pensamentos e como me chegam; nisso não tenho a mínima vontade, a menor intervenção”. Habitante de Júpiter, revelou: “Onde habito, há melodia em toda parte: no murmúrio das águas, no ciciar das folhas, no canto dos ventos; as flores rumorejam e cantam; tudo produz sons melodiosos. Sê bom, alcança este planeta pelas tuas virtudes”. E fornece essa pérola para esse tema: A música religiosa ajuda a elevação da alma. O pensamento compõe e os ouvintes desfrutam.
O tema sugere o estudo do item 190 de O Livro dos Médiuns, capítulo XVI da segunda parte, onde assinala o Codificador: Médiuns músicos: os que executam, compõem ou escrevem música, sob a influência dos Espíritos. Há médiuns músicos mecânicos, semimecânicos, intuitivos e inspirados, como para as comunicações literárias. E Kardec também classifica os Médiuns de efeitos musicais, considerados muito raros, pois que provocam a execução de composições, em certos instrumentos de música, sem contato com estes, o que não é o caso dos filmes citados. 
E tudo isso sem desconsiderar o patrimônio, bagagem, cultura, habilidades e experiências do próprio Espírito encarnado, como também é o caso dos filmes.
Eis, pois, dois bons filmes para fazer bem ao coração e estimular o raciocínio uma vez mais para constatar a beleza do Espiritismo que nos amplia os horizontes do entendimento.   
Neste ponto, podemos buscar a questão 251 de O Livro dos Espíritos: Os Espíritos são sensíveis à música? E a resposta: Queres falar da vossa música? O que ela é diante da música celeste? Desta harmonia que nada sobre a Terra pode vos dar uma ideia? Uma é para a outra o que o canto do selvagem é para a suave melodia. Entretanto, os Espíritos vulgares podem experimentar um certo prazer em ouvir a vossa música, porque não são ainda capazes de compreender outra mais sublime. A música tem para os Espíritos encantos infinitos, em razão de suas qualidades sensitivas muito desenvolvidas. Refiro-me à música celeste, que é tudo o que a imaginação espiritual pode conceber de mais belo e de mais suave. 
Tudo isso para pensarmos no esforço da espiritualidade em despertar nossa sensibilidade. Seja através da música religiosa – em corais, conjuntos ou valores individuais –, de qualquer denominação, seja pelas canções que marcam as crianças para sempre ou pelas melodias dos grandes gênios musicais de nossa história... Ou mesmo, e por que não, nas músicas contemporâneas e fruto do regionalismo, em todo o planeta? 
É que a música é também um dos instrumentos de despertamento da sensibilidade humana. Existem vários, como a dor através da expiação; as provas através dos obstáculos; a fé como virtude, entre tantos outros. E entre eles, a música, para elevar nosso padrão vibratório e nos convidar a pensar na grandeza de Deus.
Ponderemos que estamos num mundo de provas e expiações, onde ainda há império do mal. E se, num plano de provas e expiações, já temos os sons magníficos da natureza, a voz humana que sensibiliza nos esforços e combinações vocais, e a presença das belas músicas que nos ajudam a viver com mais harmonia, podemos imaginar o que nos aguarda para o futuro? 
            E todo esse entusiasmo e alegria, bem próprios da maravilhosa arte musical, recebem agora um prêmio. É o livro que eu gostaria de ter escrito. O amigo Gutemberg Paschoal publicou a notável obra Música para Evolução do Espírito, com depoimentos, entrevistas, informações científicas e históricas, além, é claro, o destaque doutrinário espírita para que possamos apreciar a música além dos sons e sentir sim sua influência na educação, no aprimoramento moral e no uso em nossas atividades espíritas. Obra de pesquisa, de grande valor cultural doutrinário, já em segunda edição e disponível para os que amam a música e a Doutrina Espírita. Não deixe de ler. A edição é da Mythos e você pode adquiri-lo nas distribuidoras pelo país.


          Orson Peter Carrara









                                                                                                      PAZ, MUITA PAZ!