Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Imortalidade da Alma => Tópico iniciado por: Marianna em 16 de Setembro de 2009, 00:54

Título: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 16 de Setembro de 2009, 00:54




SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO.

O PRIMEIRO DOS DIREITOS NATURAIS DO HOMEM É O DE VIVER.
O PRIMEIRO DEVER É O DE DEFENDER O PRIMEIRO DIREITO.

VISÃO ESPÍRITA DO SER HUMANO:

REENCARNAÇÃO / HOMEM / DESENCARNAÇÃO
                MATERIALIDADE
                    TEMPO
                ESPIRITUALIDADE

Por contingência própria da humanidade terrena, seu processo evolutivo impõe a necessidade das experiências reencarnatórias, através das quais assimila virtudes e descarta imperfeições.

Para tal, o Espírito deixa temporariamente o mundo primitivo - o dos Espíritos - para um estágio vivencial na materialidade que precisa dominar, conforme planejamento em seu benefício. Essa programação genérica, cuja execução depende unicamente da vontade do executor, estabelece inclusive uma carga potencial de vitalidade para o organismo físico e, por conseqüência, um cronograma para o estágio na temporalidade material.

Qualquer alteração nesse planejamento, sem anuência da direção superior da vida, reduzindo o tempo de vivência terrena, deve ser qualificado de suicídio, o que equivale grave transgressão das leis divinas.

A incredulidade, a simples dúvida sobre o futuro, as idéias materialistas, numa palavra, são os maiores excitantes ao suicídio: elas dão a covardia moral.” (Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. V, item 16)

VISÃO ESPÍRITA DO SUICÍDIO

- O homem tem o direito de dispor da sua própria vida?
R- Não, só Deus tem esse direito. O suicídio voluntário é uma transgressão dessa lei.

- O suicídio não é sempre voluntário?
R- O louco que se mata não sabe o que faz.

- O suicídio que tem por objetivo escapar à vergonha de uma ação má é tão repreensível como o que é causado pelo desespero?
R- O suicídio não apaga a falta, ao contrário, haverá duas em lugar de uma. Quando se teve a coragem de fazer o mal, é preciso ter a de suportar suas conseqüências. Deus julga e, segundo a causa, pode, algumas vezes, diminuir seus rigores.

NOTA DE KARDEC:

“Aquele que tira a própria vida para fugir à vergonha de uma ação má, prova que se prende mais à estima dos homens que à de Deus.”

"Um momento de rebeldia põe um destino em perigo, assim como diminuto erro de cálculo ameaça a estabilidade dum edifício inteiro."
(Gúbio - LIBERTAÇÃO, p. 160)

"Aprende, de uma vez para sempre, que és imortal e que não será pelos desvios temerários do suicídio que a criatura humana encontrará o porto da verdadeira felicidade..."
(Camilo Castelo Branco in MEMÓRIAS DE UM SUICIDA - psicografia de Yvone A . Pereira, p. 568)

NADA JUSTIFICA O SUICÍDIO.

MORRER NA HORA CERTA É SEMPRE MELHOR !

CAUSAS PRINCIPAIS:

1. Falta de fé
2. Orgulho = sentimentos feridos
3. Loucura
4. Solução para problemas
5. Obsessão
6. Fraqueza moral

REMÉDIOS RECOMENDADOS:

1. paciência + resignação
2. certeza da vida futura
3. confiança em Deus

CONSEQÜÊNCIAS:

“As conseqüências do suicídio são muito diversas: não há penas fixadas e, em todos os casos, são sempre relativas às causas que provocaram. Mas uma conseqüência à qual o suicida não pode fugir é o desapontamento. De resto, a sorte não é a mesma para todos: depende das circunstâncias. Alguns expiam a sua falta imediatamente, outros em uma nova existência, que será pior do que aquela cujo curso interromperam.” (LE, questão 957)

SUICÍDIO INDIRETO:

“ O suicídio não consiste somente no ato voluntário que produz a morte instantânea; está também em tudo o que se faz, em conhecimento de causa, que deve apressar, prematuramente, a extinção das forças vitais.” (Allan Kardec – O CÉU E O INFERNO, 2 P, Cap. 5, p. 263)

TAMBÉM SUICIDAS:

“São, também, suicidas, os sexólatras inveterados, os viciados deste ou daquele teor, os que ingerem altas cargas de tensão, os que se envenenam com o ódio e se desgastam com as paixões deletérias, os glutões e ociosos, os que cultivam o pessimismo e as enfermidades imaginárias...”  (Joanna De Ângelis – APÓS A TEMPESTADE, p. 100)

CIRCUNSTÂNCIAS REFLEXAS:
 
“(...) quando torna a merecer o prêmio de um novo corpo carnal na Esfera Humana, dentre as provas que repetirá, naturalmente se inclui a extrema tentação ao suicídio na idade precisa em que abandonou a posição de trabalho que lhe cabia (...) ANDRÉ LUIZ - Ação e Reação, p. 93

FONTES:
- O LIVRO DOS ESPÍRITOS:

CONFRARIA  DO CONSOLADOR
Difundindo o Espiritismo




Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Ramon em 24 de Setembro de 2009, 16:57

Prezados Docentes
AO Gabinete da Vice-reitoria comunica e solicita ampla divulgação do Evento - Suicídio: Vamos Prevenir? Que acontecerá no dia 1º de outubro no Auditório 11, a partir das 09 horas com Palestrantes da UERJ, FIOCRUZ, SESDEC, MS, UNB, Jornalistas e Diretor Teatral.
O Evento é aberto a participação de toda a comunidade da UERJ e externa.
Não há inscrição.
Informações adicionais: GVR - 2334-2167

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO SUICÍDIO:VAMOS PREVENIR ?
01 DE OUTUBRO DE 2009.
AUDITÓRIO 11 - UERJ.
09:00 - 09:50: ABERTURA DO EVENTO:

1.SUICÍDIO: HISTÓRICO UERJ: PROF.CHRISTINA MAIOLI - UERJ.
2.SUICÍDIO: VAMOS PREVENIR ? DR.JORGE FAGIM - UERJ.
10:00 - 11:30: CENTROS DE INTERESSE:
1.SUICÍDIO NA UERJ: DR. JORGE FAGIM - UERJ. SRA.MARIANA BTESHE - FIOCRUZ.
2.FAMÍLIA E SUICÍDIO: SRA. ANA MARIA FERRARA - MS.  SRA.ISADORA RAMOS - MS.
3.CULTURA E SUICÍDIO: SR.TUCA MORAES - JORNALISTA.  SR.LUIZ FERNANDO LOBO – PRODUTOR TEATRAL.
4.PREVENÇÃO E SUICÍDIO: SRA.OTÍLIA AZEVEDO - SESDEC. SRA.CLÁUDIA AGUIAR - SESDEC.
11:40 - 12:30: CONSIDERAÇÕES DOS CENTROS DE INTERESSE:
12:30 - 14:00: ALMOÇO.
14:00 - 16:30: PREVENÇÃO DO SUICÍDIO:
MODERADORA:PROF.CHRISTINA MAIOLI - UERJ.
1.EXPERIÊNCIA DA UnB: SRA.BEATRIZ MONTENEGRO - UnB.
2.AVALIAÇÃO DO RISCO E MANEJO DA CRISE SUICIDA: SRA. JÚLIA CAMAROTTI - UnB.
3.PESQUISA PRIORIDADE RIO[FIOCRUZ] ATUALMENTE EM CURSO: PROF.DR. CARLOS ESTELLITA-LINS - FIOCRUZ.
4.MÍDIA:QUAL O SEU PAPEL ? SR.ANDRÉ TRIGUEIRO - JORNALISTA.
5.DEBATE COM A PLATÉIA.
16:30 - 17:00: ENCERRAMENTO:
1.UM CONVITE À REFLEXÃO: DR.JORGE FAGIM.
2.PALAVRAS FINAIS: PROF.CHRISTINA MAIOLI.
 No Jornal dos Espíritos  - Aborto e Suicídio - http://www.jornaldosespiritos.com/2007.3/col49.20.htm (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5qb3JuYWxkb3Nlc3Bpcml0b3MuY29tLzIwMDcuMy9jb2w0OS4yMC5odG0=)
Suicídio na Infância - http://www.jornaldosespiritos.com/2007.3/col49.14.htm (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5qb3JuYWxkb3Nlc3Bpcml0b3MuY29tLzIwMDcuMy9jb2w0OS4xNC5odG0=)
No Panorama Espírita - Por que as crianças se suicidam - http://www.panoramaespirita.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=3750 (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wYW5vcmFtYWVzcGlyaXRhLmNvbS5ici9tb2R1bGVzL3NtYXJ0c2VjdGlvbi9pdGVtLnBocD9pdGVtaWQ9Mzc1MA==)
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: demis em 24 de Setembro de 2009, 17:04
 Olá,
temos de ser condescendentes com os suicidas pois só quem padece de solidão é que sabe o quanto custa sobreviver!
imaginem aquele que não sabe o que é o amor,que nunca namorou,ao ver um casalinho feliz...
se ele se suicidar não deveria talvez de sofrer todos esses horrores que os Espiritos suicidas relatam...

abraços

demis
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 10 de Outubro de 2009, 04:58


A porta falsa do suicídio

Não sei se o leitor já pensou alguma vez em suicídio.
Se o fez, teve o bom-senso de vencer sua depressão e livrar-se, a tempo, do gesto trágico.

Os que não conseguiram suportar a dor ou a decepção, viveram para amargar as surpresas da sobrevivência. Tanto faz acreditar como não, o Espírito continua vivendo, depois da “morte”.

O suicida é a primeira e maior vítima do seu próprio engano.

Mata-se, para fugir dos seus problemas, das suas dores, das suas aflições e, logo que recupera, do outro lado da vida, lucidez suficiente para compreender o seu novo estado, descobre profundamente angustiado, que não conseguiu fugir de si mesmo, nem de seus sofrimentos.

Muitos enganos comete o ser humano que tenta escapar pela porta falsa do suicídio.

  O primeiro deles é o de pensar que a morte é o fim de tudo, o “descanso eterno”, ou a fuga para o nada, conforme sua posição espiritual, filosófica, religiosa e moral.

  O segundo engano está em que o suicida se julga injustiçado pelas leis morais que governam o mundo.

Compreende-se tal atitude, quando a pessoa não admite ou não aceita a reencarnação.

Aquele que só aceita uma existência, não pode, realmente, entender a justiça de um Deus infinitamente bom e perfeito, que parece castigar inocentes.

São indescritíveis os sofrimentos dos suicidas.

Inúmeros Espíritos que passam por esse transe horrível, comparecem às nossas sessões mediúnicas, em busca de esclarecimentos, ajuda e compreensão para a sua tragédia. A maior decepção é a descoberta de que continuam vivos, embora privados do corpo físico.

Muitos deles assistem, verdadeiramente aterrorizados, à lenta decomposição do próprio corpo ao qual, ainda, se sentem presos, por misteriosos laços. Sua angústia é tamanha que, por algum tempo, se tornam inteiramente inacessíveis à ajuda.
Fixados que estão na dilacerante dor física e moral.

- O enforcado continua a lutar, na agonia da sufocação”
- O que se matou à bala, continua a sentir a penetração do projéctil pelo corpo;
- O envenenado sofre, indefinidamente, a destruição dos tecidos atingidos pela droga;
- O afogado segue, experimentando as aflições provocadas pela água, a invadir-lhes os pulmões.
 
E, ao cabo de tudo, depois que o Espírito consegue, pelo menos, compreender algo de sua posição, se vê diante dessa dura realidade:
tem de renascer, começar tudo de novo em outra existência na carne, em situação ainda pior do que a anterior.

Decididamente, leitor, não vale a pena suicidar-se.

Leia, com atenção, os livros que contêm mensagens de Espíritos que passaram por essa dor.

Dois deles são indicados, aqui mesmo: “O MARTÍRIO DOS SUICIDAS” e “MEMÓRIAS DE UM SUICIDA”, ambos publicados pela (FEB).

  O primeiro é uma colectânea de várias mensagens.
  O segundo foi ditado à médium brasileira Yvone A. Pereira pelo espírito de um suicida famoso, Camilo Castelo Branco.

Qualquer pessoa que leia esses depoimentos dramáticos compreenderá, logo, que, sob todos os aspectos, é infinitamente preferível suportar as dores e aflições da vida terrena, do que tentar fugir às leis de Deus.

Por outro lado, por mais paradoxal, que pareça o raciocínio, a dor é uma bênção, porque é com ela que resgatamos erros clamorosos de passadas vidas.

E, sabe-se lá o que andamos fazendo por esse mundo, ao longo dos séculos?

A lei é uma regra de vida estabelecida por D e u s
O homem é um menino que tem de aprender.

Mas, quando um menino precisa aprender a andar, nós não fazemos para ele um curso sobre a arte de andar. Deixamo-lo experimentar e cair, porque sabemos que só à força de muitas quedas ele pode aprender a não cair mais.

O homem precisa, não de aulas teóricas, mas dum conhecimento pessoal, atingido com seu esforço, fruto da sua experiência directa. A escola é automática, é o natural conteúdo da vida.

Desenvolve-se, assim, a inteligência necessária para compreender qual é a regra que rege os nossos movimentos, o prejuízo de não observar e a vantagem de segui-la. Assim, a escola da vida nos ensina a conhecer a Lei.

Uma escola é lugar para estudar e aprender, não para ficar sempre nela. Acabado o curso, os estudantes a deixam. O mesmo acontece com a experimentação terrena.

Uma vez conquistado o conhecimento, os meios terrenos que foram usados para esse escopo são abandonados como material de refugo, ao mesmo tempo que levamos connosco a sabedoria armazenada para utilizá-la e gozar seu fruto em ambientes superiores.

Pode-se assim ver quanto seja útil o viver e, quando tivermos errado, também o sofrer.

Quando o mundo tiver sofrido bastante os danos que derivam do querer apoiar-se só na força e na astúcia, então os evitará e procurará organizar-se numa forma de vida feita de trabalho pacífico e fraternal.

Os sofrimentos não são inúteis:

  Por intermédio deles, o homem toma conhecimento e vê como custa caro ser mau, e assim, para não voltar a sofrer as consequências, aprende a não cometer mais erros.

  As guerras não são propriamente inúteis, porque pelo facto de padecer duramente com as destruições a que elas conduzem, o homem vai aprender a não fazer mais guerras.

  O uso da força não é inútil, porque quem a pratica, mais cedo ou mais tarde, acaba esmagado por ela mesma, e então aprende a não mais à usar.

As astúcias humanas não são inúteis, porque o homem, empregando-as, terá depois, de ficar sabendo quanto são duras as consequências de ter procurado furtar-se à justiça de Deus, prejudicando os outros com o engano.

Terá de compreender a loucura da mentira na exploração do próximo, e que dano representa para quem a usa.

Os atritos das rivalidades e as competições humanas na luta pela vida não são inúteis, porque nos levam a conhecer-nos uns aos outros, a fim de chegarmos à construção daquela grande obra de engenharia biológica que será o organismo da sociedade humana.

A lei repete, ricocheteando como um eco, o que lhe queremos enviar. E quando quisermos viver na ordem e na harmonia, ela nos receberá num abraço de paz e felicidade.

Muito o homem terá de andar por este caminho da experimentação, até que, com seu esforço, faça nascer a nova raça do porvir, a raça dos honestos inteligentes, que conhecem a Lei e obedecem a Deus.

Do livro “A Lei de Deus” - PIETRO UBAL

Fonte:
Hermínio C. Miranda
Trechos extraídos do “Diário de Notícias”
E outros.
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 31 de Outubro de 2009, 18:08


 

Toda autodestruição da integridade física e mental do corpo/espírito é uma forma de suicídio, podendo ser lento ou rápido, consciente ou inconsciente.

Os suicidas são espíritos covardes e criminosos que só conhecerão a extensão do que seja o real sofrimento quando retornarem ao plano astral na condição de suicidas, ocasião em que começarão a sentir os reflexos de seu ato, sentimento este que perdurará por várias encarnações.

Todo abuso que uma pessoa inflige a seu corpo/mente pode ser somatizado em algum tipo de dor. Esta somatização estará dizendo a você que alguma coisa em sua vida está errada e que você deve descobrir o que é e tentar mudá-la.

  Se uma pessoa que tem diabetes, sabendo que não pode comer açúcar, o faz, está cometendo suicídio.

  Uma pessoa que fuma em excesso, sentindo que o abuso de seu vício está lhe fazendo mal, e continua fumando, está cometendo suicídio.

  Uma pessoa que trabalha obsessivamente, não cuidando de sua saúde e ficando constantemente estressada, está cometendo suicídio.

  Uma pessoa nervosa e ansiosa que não faz nada para melhorar seu estado mental, gerando inúmeros males para sua saúde, está cometendo suicídio.

Os casos citados são exemplos comuns de autodestruição inconsciente e lenta que muitos praticam sem saber ser um tipo de suicídio. Entretanto, essas pessoas não se sentem bem e, portanto, sabem que causam mal a si mesmas, o que lhes retira a qualidade de inconscientes.

Existem casos de tentativas inconscientes de suicídio, como uma pessoa que dirige um veículo em alta velocidade, que pratica um esporte radical, ou qualquer outra situação em que haja risco de vida desnecessário.

Há o suicídio rápido, tal como pular de um prédio alto, dar um tiro na cabeça, cortar os pulsos, tomar veneno e todas as formas de morte que a criatividade humana descobriu, as quais têm como objetivo o tirar a própria vida. Geralmente, esses suicidas têm o pior sentimento que um indivíduo pode ter, que é a autopiedade. Neste caso, como ninguém se penaliza por eles, sentem piedade deles mesmos.

Em alguns países do Oriente, o suicídio é tido como recomeço.

Existem algumas religiões fanáticas, onde seus dirigentes prometem o “paraíso eterno” aos seguidores que se matam em atos de violência, levando consigo pessoas não seguidoras de sua religião, na sua suposta “guerra santa”.

Ocorrem, ainda, aqueles que se suicidam em tempos de guerra levando consigo vários inimigos (como os kamikazes japoneses, durante a Segunda Guerra Mundial).

Nos exemplos acima, o suicídio continua sendo errado, mas sua culpa é amenizada pela formação fanática que tiveram desde a infância, pois, não sabendo da gravidade de seus erros, são como crianças brincando com fogo.

Trecho retirado do livro Não estamos sós, de Caparaó por Everson Pacheco.


Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Anton Kiudero em 31 de Outubro de 2009, 18:38
- O homem tem o direito de dispor da sua própria vida?
R- Não, só Deus tem esse direito. O suicídio voluntário é uma transgressão dessa lei.

No entanto, Deus sabe de antemão o momento e a forma de morte de cada um dos espíritos. E ao espírito cabe pela decisão soberana de seu livre arbitrio, decidir pelo genero de provas pelas quais deseja passar. Portanto, se apenas Deus tem o direito de dispor da vida, Ele o fez de acordo com a vontade do espírito. Não ha nada de voluntário neste aconecimento. Há apenas uma grande contradição entre os interpretadores da doutrina.

MORRER NA HORA CERTA É SEMPRE MELHOR !

E qual morte acontece no universo que não seja na hora certa?

Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 04 de Novembro de 2009, 00:23


Citar
Citação de: Marianna em 16 de Setembro de 2009, 00:54
- O homem tem o direito de dispor da sua própria vida?
R- Não, só Deus tem esse direito. O suicídio voluntário é uma transgressão dessa lei.  


Citar
Citação de: Marianna em 16 de Setembro de 2009, 00:54
MORRER NA HORA CERTA É SEMPRE MELHOR!

Citar
E qual morte acontece no universo que não seja na hora certa?

As duas citações de cima não são minhas, é do autor do texto.

Citar
Trecho retirado do livro Não estamos sós, de Caparaó por Everson Pacheco.


Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Anton Kiudero em 04 de Novembro de 2009, 07:53
As duas citações de cima não são minhas, é do autor do texto.
Sei disto. Apenas realçei algumas questões para aprofundarmos um pouco mais alguns conceitos.
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Haga em 04 de Novembro de 2009, 10:25
http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/(estudo)-o-suicidio/msg33695/#msg33695 (http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/(estudo)-o-suicidio/msg33695/#msg33695)
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 07 de Novembro de 2009, 04:32



PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

“As penas são sempre proporcionadas à consciência que se tenha das faltas cometidas”
(O Livro dos Espíritos, questão 952-A).

Iniciamos nossa abordagem com a informação contida na obra básica da doutrina espírita para esclarecer que a morte por suicídio, sempre um crime perante a lei divina, não acarreta ao espírito sofrimento de igual teor e modo, porque Deus é justo e bom, levando em consideração o nível de consciência do indivíduo na prática do acto.

O facto de termos pontos comuns nas narrativas de espíritos suicidas apenas demonstra que no processo pós-morte existe uma regra geral que o comanda, mas que as particularidades variam ao infinito.

É importante compreendermos isso para corrigir posturas sintetizadas em expressões como “coitado; vai sofrer muito;
a morte por suicídio só acarreta sofrimentos inenarráveis”.

É um engano essa generalização.
Nem todos os suicidas vão passar pelo que passaram os espíritos identificados na obra “Memórias de um Suicida”, psicografado pela médium Yvonne Pereira.

Sem dúvida o suicídio, como um ato contrário à lei divina, acarreta sofrimentos, tanto perispirituais como, principalmente, morais, mas, cada espírito, por ser uma individualidade mergulhada no cosmo divino, com a sua carga pessoal evolutiva, sofrerá de acordo com a intenção, com o grau de sua consciência, tendo seus sofrimentos muitas vezes atenuados por méritos anteriormente conquistados e por intercessão daqueles que lhe concedem amor.

Não há como escapar dos efeitos desse ato contra a vida, mas eles serão proporcionais, pois a lei de Deus não é a de talião.

Se a legislação humana já leva em conta, embora imperfeitamente, as circunstâncias, premeditação ou não, etc., do crime praticado para aplicação da pena, quanto mais Deus, que é a perfeição absoluta.

Marcus de Mario


Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 22 de Novembro de 2009, 02:48



SUPREMA REBELDIA À VONTADE DE DEUS

O suicídio é um ato exclusivamente humano e está presente em todas as culturas. Suas matrizes causais são numerosas e complexas. Pesquisas assinalam que o comportamento suicida tende a ser mais expressivo nas famílias em que os fatores biológicos e genéticos desempenham maior probabilidade de risco.

Os determinantes do suicídio patológico estão nas perturbações mentais, depressões graves, melancolias, desequilíbrios emocionais, delírios crônicos. Algumas pessoas nascem com certas desordens psiquiátricas, tal como a esquizofrenia e o alcoolismo, o que aumenta o risco de suicídio. Há os processos depressivos, onde existem perdas de energia vital no organismo, desvitalizando-o, e, conseqüentemente, interferindo em todo o mecanismo imunológico do ser.

Sob o ponto de vista sociológico, o suicídio é um ato que se produz no marco de situações anômicas(*), em que os indivíduos se vêem forçados a tirar a própria vida para evitar conflitos ou tensões inter-humanas, para eles insuportáveis. Émile Durkheim registra que a causa do suicídio quase sempre é de matriz social, ou seja, o ser individual é abatido pelo ser social. Absorvido pelos valores (sem valor), como o consumismo, a busca do prazer imediato, a competitividade, a necessidade de não ser um perdedor, de ser o melhor, de não falhar, o homem se afasta de si e de sua natureza. Sobrevive de "aparências" para representar um "papel social", como protagonista do meio. E, nesta vivência neurotizante, ele deixa de desenvolver suas potencialidades, não se abre, nem expõe suas emoções e se esmaga na sua intimidade solitária.

(*) Sociologicamente corresponde a uma situação em que há divergência ou conflito entre normas sociais, tornando-se difícil para o indivíduo respeitá-las igualmente.

Há estudos, indicando que de 30 a 40% da população mundial terão depressão uma vez ao longo da vida, pelo menos, mormente na juventude. Até porque, o jovem sofre muito por não conseguir entender, nem se sentir entendido. Muitas vezes a sociedade se revela para ele, como referência de amarguras e instabilidade. Deste modo, age e sente de forma volúvel, sem entender o porquê dessa volubilidade. Sente um vazio em si mesmo e se sente muito só. Destarte, passa facilmente do riso às lagrimas, da alegria à tristeza, e da tristeza, muitas vezes, à depressão, que se instala devoradora, silenciosa, perversa, emudecendo-o, asfixiando-o, sobrevindo uma irritabilidade constante, o cansaço, o desânimo, as idéias de inutilidade e, por fim, o suicídio.

Geralmente, inconsciente de que "de todos os desvios da vida humana o suicídio é, talvez, o maior deles pela sua característica de falso heroísmo, de negação absoluta da lei do amor e de suprema rebeldia à vontade de Deus, cuja justiça nunca se fez sentir, junto dos homens, sem a luz da misericórdia" (1). O autocídio é o ponto máximo da insatisfação interior e é, equivocadamente, a solução de extremo desespero, como sendo o único meio para fugir da depressão. O "self" do suicida, naquele momento, está tão fragilizado, que o instinto da morte o domina.

Em termos percentuais, 70% das pessoas que cometem suicídio, certamente sofriam de um distúrbio bipolar (maníaco-depressivo); ou de um distúrbio do humor; ou de exaltação/euforia (mania), que desencadearam uma severa depressão súbita, nos últimos minutos que antecederam aos de suas mortes. O suicídio pode ocorrer, tanto na fase depressiva, quanto na fase da mania, sempre conseqüente do estado mental. A Doutrina Espírita esclarece que "o pensamento delituoso é assim como um fruto apodrecido que colocamos na casa de nossa mente. A irritação, a crítica, o ciúme, a queixa exagerada, qualquer dessas manifestações, aparentemente sem importância, pode ser o início de lamentável perturbação, suscitando, por vezes, processos obsessivos nos quais a criatura cai na delinqüência ou na agressão contra si mesma.(2)"

Quando um indivíduo perde a capacidade de se amar, quando a auto-estima está debilitada, passa a ter dificuldade de manter a saúde física, psíquica e somática. André Luiz cita, nas suas obras, que "os estados da mente são projetados sobre o corpo através dos bióforos que são unidades de força psicossomáticas, que se localizam nas mitocôndrias. A mente transmite seus estados felizes ou infelizes a todas as células do nosso organismo, através dos bióforos. Ela funciona ora como um sol irradiando calor e luz, equilibrando e harmonizando todas as células do nosso organismo, e ora como tempestades, gerando raios e faíscas destruidoras que desequilibram o ser, principalmente em atingindo as células nervosas"(3)

A rigor, não existe pessoa "fraca", a ponto de não suportar um problema, por julgá-lo superior às suas forças. O que de fato ocorre é que essa criatura não encontra forças para mobilizar a sua vontade própria e enfrentar os desafios. Joanna de Angelis assevera que o "suicídio é o ato sumamente covarde de quem opta por fugir, despertando em realidade mais vigorosa, sem outra alternativa de escapar"(4).

O mais grave é que o suicida acarreta danos ao seu perispírito. Quando reencarnar, além de enfrentar os velhos problemas ainda não solucionados, verá acrescida a necessidade de reajustar a sua lesão perispiritual. Portanto, adiar dívida significa reencontrá-la mais tarde, com juros cuidadosamente calculados e cobrados, sem moratória. A questão 920, do Livro Espíritos, registra que a vida na Terra foi dada como prova e expiação, e depende do próprio homem lutar, com todas as forças, para ser feliz o quanto puder, amenizando as suas dores. (5)

Além de sofrer no mundo espiritual as dolorosas conseqüências de seu gesto, o suicida ainda renascerá com todas as seqüelas físicas daí resultantes, e terá que arrostar, novamente, a mesma situação-provacional que a sua pouca fé e distanciamento de Deus não lhe permitiram o êxito existencial.

Se os que precipitam a morte do corpo físico soubessem que após o ato suicida "o que [ocorrerá] é o choro convulso e inconsolável dos condenados que nunca se harmonizam! O que [ocorrerá] é a raiva envenenada daquele que já não pode chorar, porque ficou exausto sob o excesso das lágrimas! O que [ocorrerá] é o desaponto, a surpresa aterradora daquele que se sente vivo a despeito de se haver arrojado na morte!O que [ocorrerá] é a consciência conflagrada, a alma ofendida pela imprudência das ações cometidas, a mente revolucionada, as faculdades espirituais envolvidas nas trevas oriundas de si mesma!

É o inferno, na mais hedionda e dramática exposição (...). (6)"· · certamente não cometeriam o autocídio, pois as conseqüências desse ato, como vimos, são lastimáveis. Na Terra é preciso ter tranqüilidade para viver, até porque, não há tormentos e problemas que durem uma eternidade. Recordemos que Jesus nos assegurou que "O Pai não dá fardos mais pesados que nossos ombros" e "aquele que perseverar até o fim, será salvo".(7)

Ante o impositivo da Lei da fraternidade, devemos orar pelos nossos irmãos que deram fim às suas vidas, compadecendo-nos de suas dores, sem condená-los. Até porque, "Todos os suicidas, sem exceção, lamentam o erro praticado e são acordes na informação de que só a prece alivia os sofrimentos em que se encontram e que lhes pareciam eternos."(8}

Tenhamos, pois, piedade dos que fugiram da vida pelas portas falsas do suicídio, pois eles carecem do amor, da graça e da misericórdia de Deus reveladas pela cruz, morte e ascensão de Jesus Cristo.

Jorge Hessen
E-Mail: jorgehessen@gmail.com
Site: http://meuwebsite.com.br/jorgehessen (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL21ldXdlYnNpdGUuY29tLmJyL2pvcmdlaGVzc2Vu)

FONTES:
1- Xavier, Francisco Cândido, O Consolador, Ditado pelo Espírito Emmanuel RJ: Ed. FEB - 13ª edição pergunta 154
2- Mensagem extraída do livro "PACIÊNCIA", de Emmanuel; psicografado por Francisco Cândido Xavier
3- Xavier, Francisco Cândido, Missionário da Luz, Ditado pelo Espírito André Luiz, RJ: Ed. FEB 2003,
4- Franco, Divaldo, Momentos de Iluminação, Ditado pelo Espírito Joanna de Angelis, RJ: ed. FEB.
5- Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, RJ: Ed FEB, 2002, pergunta 920
6- Pereira, Yvonne Amaral, Memórias de um Suicida, RJ: Ed FEB, 1975, Vale dos Suicidas
7- MT 24:13
8- INNOCÊNCIO, J. D. Suicídio. REFORMADOR, Rio de Janeiro, v. 112, n. 1.988, p. 332, nov. 1994.
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 24 de Novembro de 2009, 13:23


Homem que recebeu coração de suicida se mata

Parece difícil de acreditar, mas é verdade. O cenário é o estado americano da Carolina do Sul. Tudo começa quando Terry Cottle se mata, em 1995. O coração de Terry é doado a Sonny Graham, a quem os médicos davam apenas seis meses de vida.

Um ano após a bem-sucedida cirurgia, Sonny começa a se corresponder com Cheryl, a esposa do doador. Os dois se aproximam e se casam. Decidem recomeçar a vida e se mudam para a Geórgia.

Só que 12 anos após se casar com Cheryl, Sonny se suicida da mesma forma que Terry: com um tiro. O corpo é encontrado na garagem, sem qualquer explicação para o ato erxtremo. A mulher fica viúva pela segunda vez e decide que o coração não será mais transplantado.

Só que cientistas afirmam que há mais de 70 casos de transplantes documentados em que os pacientes mudam sua personalidade e passam a ter características do doador do órgão. Mas a relação carece de maior embasamento científico.

(Fernando Moreira)

Quem poderá explicar isso?
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 24 de Novembro de 2009, 14:42

1 - QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS CASOS DE SUICÍDIO?
RESP.: Embora haja muitos casos que se podem estudar de suicídio, eles podem ser classificados em dois grande grupos. a - o direto (ou intencional) b - indireto.

2 - QUAIS OS PRINCIPAIS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DOS SUICÍDIO?
RESP.: Diversas são as consequências do ato, porém, a mais comum, "a que o suicida não pode escapar é o desapontamento", o indivíduo chega a um resultado muito diverso, ou seja, diverso daquele que imaginava atingir com o seu gesto tresloucado. Mas, "a sorte não é a mesma para todos", dependendo das circunstâncias. Alguns expiam sua falta imediatamente, outros numa nova existência que será pior do que aquela cujo curso interromperam.

3 - QUAIS OS ANTÍDOTOS MAIS EFICAZES PARA EVITAR O SUICÍDIO?
RESP.: Há, todavia, algum antídotos eficazes que podem evitar esse mal terrível.

1° - Em primeiro lugar, está a prece que restaura o bom ânimo e a vontade de realização. (Para o Espírito suicida, também, A prece funciona como um bálsamo, que o reergue e o prepara para as encarnações regenerativas).
2° - O trabalho, em segundo lugar, que ajuda a vida a escoar-se mais rapidamente, sem maiores turbulências ajudando o homem a suportar suas vicissitudes com mais paciência e resignação, sem queixas.
3° - Deve-se observar ainda os meios possíveis de reta consciência, através de uma vida honesta, justa e acima de tudo evangelizada.

4 - QUAIS AS CAUSAS PRINCIPAIS DO SUICÍDIO E DA LOUCURA?
RESP.: O suicídio e a loucura representam dois graves problemas que assolam a Humanidade. O suicídio é um atentado contra as leis divinas, pois significa a fuga das responsabilidades e dos encargos da vida; é uma forma de deserção dos compromissos assumidos antes da encarnação, tendo como consequência a anulação de uma existência, fato que, inapelavelmente, demandará um novo recomeço no futuro.

5 - QUAL É A SITUAÇÃO DOS SUICIDAS NO PLANO ESPIRITUAL?
RESP.: O suicídio, assim como a loucura, pode ter como causa ainda o uso desenfreado do álcool, o que conduz à insensatez e inconsciência das atitudes. No entanto, o indivíduo é sempre responsável pelas consequências nefastas de seus atos. O álcool não resolve as vicissitudes humanas; enganam-se aqueles que, em vez de robustecerem na fé em Deus e em si mesmos, na religiosidade, preferem-se refugiar-se no mundo tenebroso do alcoolismo e das drogas. O suicídio é o resultado ou a consequência de uma frouxidão moral, pois o suicida acredita que tudo termina com a morte do corpo.

6 - COMPARE OS PONTOS DE VISTA DO MATERIALISTA E DO ESPÍRITA, COM RELAÇÃO À IDÉIA DE SUICÍDIO?
RESP.: Comparando, pois, os resultados das doutrinas materialistas e espírita, sob o ponto de vista do suicídio, vemos:
1° - Que a lógica de uma conduz a ele, enquanto que, 2° - a lógica de outra o evita, o que é confirmado pela experiência.

1° - A incredulidade, a simples dúvida quanto ao futuro, as idéias materialistas, em uma palavra, são os maiores incentivadores do suicídio. O materialista acredita que tudo termina com a morte do corpo.
2° - Numerosos argumentos tem o espírita para se opor à idéia de suicídio: a certeza de que, abreviando a sua vida, chega a um resultado completamente diferente do que esperava; que foge de um mal para cair em outro ainda pior, mais demorado e mais terrível; que se engana ao pensar que, ao se matar irá mais depressa para o céu; que o suicídio é um obstáculo à reunião no outro mundo, com as pessoas de sua afeição, que lá espera encontrar.

7 - DE ONDE VEM O DESGOSTO PELA VIDA, QUE SE APODERA DE ALGUNS INDIVÍDUOS SEM MOTIVOS PLAUSÍVEIS?
RESP.: Efeito da ociosidade, da falta de fé e geralmente da saciedade. Para aqueles que exercem as suas faculdades com um fim útil e segundo as suas aptidões naturais, o trabalho nada tem de árido e a vida se escoa mais rapidamente; suportam as suas vicissitudes com tanto mais paciência e resignação, quanto mais agem tendo em vista a felicidade mais sólida e mais durável que os espera.

8 -O HOMEM TEM O DIREITO DE DISPOR DA SUA PRÓPRIA VIDA?
RESP.: Não; somente Deus tem esse direito. O suicídio voluntário é uma transgressão dessa lei.

9 - O SUICÍDIO NÃO É SEMPRE VOLUNTÁRIO?
RESP.: O louco que se mata não sabe o que faz.

10 - QUE PENSAR DO SUICÍDIO QUE TEM POR CAUSA O DESGOSTO DA VIDA?
RESP.: Insensatos! Por que não trabalhavam? A existência não lhes teria sido tão pesada!

11 - QUE PENSAR DO SUICIDA QUE TEM POR FIM ESCAPAR ÀS MISÉRIAS E ÀS DECEPÇÕES DESTE MUNDO?
RESP.: Pobres Espíritos que não tiveram a coragem de suportar as misérias da existência! Deus ajuda os que sofrem e não os que não têm forças nem coragem. As tribulações da vida são provas ou expiações. Felizes os que as suportam sem se queixar, porque serão recompensados! Infelizes ao contrário, os que esperam uma saída nisso que, na sua impiedade, chamam de sorte ou acaso! A forte ou o acaso, para me servir da sua linguagem, pode de fato favorecê-los por um instante, mas somente para lhes fazer sentir mais tarde, e de maneira mais cruel, o vazio de suas palavras.

12 - OS QUE LEVARAM O DESGRAÇADO A ESSE ATO DE DESESPERO SOFRERÃO AS CONSEQUÊNCIAS DISSO?
RESP.: Oh! Infelizes deles! Porque responderão como por um assassínio.

13 - O HOMEM QUE SE VÊ ÀS VOLTAS COM A NECESSIDADE E SE DEIXA MORRER DE DESESPERO PODE SER CONSIDERADO COMO SUICIDA?
RESP.: É um suicida, mas os que causaram o suicídio ou que o poderiam impedir são mais culpáveis que ele, a quem a indulgência espera. Não acrediteis, porém, que seja inteiramente absolvido se lhe faltou a firmeza e a perseverança e se não fez o uso de toda a sua inteligência para sairdas dificuldades.

Infeliz dele, sobretudo, se o seu desespero é filho do orgulho; quero dizer, se é um desses homens em quem o orgulho paralisa os recursos da inteligência e que se envergonhariam se tivessem de dever a existência ao trabalho das próprias mãos, preferindo morrer de fome a descer do que chamam a sua posição social! Não há cem vezes mais grandeza e dignidade em lutar contra a adversidade, em enfrentar a crítica de um mundo fútil e egoísta, que tem boa vontade para aqueles a quem nada falta, e que vos volta as costas quando dele necessitais? Sacrificar a vida à consideração desse mundo é uma coisa estúpida, porque ele não se importará com isso.

14 - O SUICIDA QUE TEM POR FIM ESCAPAR À VERGONHA DE UMA AÇÃO MÁ É TÃO REPREENSÍVEL COMO O QUE É LEVADO PELO DESESPERO?
RESP.: O suicídio não apaga a falta. Pelo contrário, com ele, aparecem duas em lugar de uma. Quando se teve a coragem de praticar o mal, é preciso tê-la para sofrer as consequências. Deus é quem julga. E, segundo a causa, pode às vezes diminuir o seu rigor.

15 - O SUICÍDIO É PERDOÁVEL QUANDO TEM POR FIM IMPEDIR QUE A VERGONHA ENVOLVA OS FILHOS OU A FAMÍLIA?
RESP.: Aquele que assim age não procede bem, mas acredita que sim, e Deus levará em conta a sua intenção, porque será uma expiação que a si mesmo impôs. Ele atenua a sua falta pela intenção, mas nem por isso deixa de cometer uma falta. De resto, se abolirdes os abusos da vossa sociedade e os vossos preconceitos, não tereis mais suicídios.

Fonte desconhecida
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 27 de Novembro de 2009, 22:25


16 - QUE PENSAR DAQUELE QUE TIRA A PRÓPRIA VIDA COM A ESPERANÇA DE CHEGAR MAIS CEDO A UMA VIDA MELHOR?
RESP.: Outra loucura! Que ele faça o bem e estará mais seguro de alcançá-la, porque, daquela forma, retarda a sua entrada num melhor e ele mesmo pedirá para vir completar essa vida que interrompeu por uma falsa idéia. Uma falta, qualquer que ela seja, não abre jamais o santuário dos eleitos.

17 - O SACRIFÍCIO DA VIDA NÃO É ÀS VEZES MERITÓRIO, QUANDO TEM POR FIM SALVAR A DE OUTROS OU SER ÚTIL AOS SEMELHANTES?
RESP.: Isso é sublime, de acordo com a intenção, e o sacrifício da vida não é então um suicídio. Mas Deus se opõe a um sacrifício inútil e não pode vê-lo com prazer, se estiver manchado pelo orgulho. Um sacrifício não é meritório senão pelo desinteresse, e aquele que o pratica tem às vezes uma segunda intenção, que lhe diminui o valor aos olhos de Deus.

18 - O HOMEM QUE PERECE COMO VÍTIMA DO ABUSO DAS PAIXÕES QUE, COMO SABE, DEVE ABREVIAR O SEU FIM, MAS ÀS QUAIS NÃO TEM MAIS O PODER DE RESISTIR, PORQUE O HÁBITO AS TRANSFORMOU EM VERDADEIRAS NECESSIDADES FÍSICAS, COMETE UM SUICÍDIO?
RESP.: É um suicídio moral. Não compreendeis que o homem, neste caso, é duplamente culpado? Há nele falta de coragem e bestialidade, e além disso o esquecimento de Deus.

19 - É MAIS OU É MENOS CULPADO DO QUE AQUELE QUE CORTA A SUA VIDA POR DESESPERO?
RESP.: É mais culpado, porque teve tempo de raciocinar sobre o seu suicídio. Naquele que o comete instantaneamente há às vezes uma espécie de desvario que se aproxima da loucura; o outro será muito mais punido, porque as penas são sempre proporcionais à consciência que se tenha das faltas cometidas.

20 - QUANDO UMA PESSOA VÊ À SUA FRENTE UMA MORTE INEVITÁVEL E TERRÍVEL, É CULPADA POR ABREVIAR DE ALGUNS INSTANTES O SEU SOFRIMENTO POR UMA MORTE VOLUNTÁRIA?
RESP.: Sempre se é culpado de não esperar o termo fixado por Deus. Aliás, haverá certeza de que ele tenha chegado, malgrado as aparências, e de que não se pode receber um socorro inesperado no derradeiro momento?

21 - CONCEBE-SE QUE, EM CIRCUNSTÂNCIAS ORDINÁRIAS, SEJA O SUICÍDIO REPREENSÍVEL, MAS FIGURAMOS O CASO EM QUE A MORTE É INEVITÁVEL E EM QUE A VIDA SÓ É ABREVIADA POR ALGUNS INSTANTES.
RESP.: É sempre uma falta de resignação e de submissão à vontade do Criador.

22 - NESSE CASO, QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS DE TAL AÇÃO?
RESP.: Uma expiação proporcional à gravidade da falta, segundo as circunstâncias, como sempre.

23 - UMA IMPRUDÊNCIA QUE COMPROMETE A VIDA SEM NECESSIDADE É REPREENSÍVEL?
RESP.: Não há culpabilidade quando não há a intenção ou a consciência positiva de fazer o mal.

24 - AS MULHERES QUE, EM CERTOS PAÍSES, SE QUEIMAM VOLUNTARIAMENTE SOBRE OS CORPOS DE SEUS MARIDOS, PODEM SER CONSIDERADAS COMO SE TENDO SUICIDADO E SOFREM AS CONSEQUÊNCIAS DISSO?
RESP.: Elas obedecem a um preconceito e geralmente o fazem mais pela força do que pela própria vontade. Acreditam cumprir um dever, o que não é característica do suicídio. Sua escusa está na falta de formação moral da maioria delas e na sua ignorância. Essas nuanças bárbaras e estúpidas desaparecem com a civilização.

25 - OS QUE, NÃO PODENDO SUPORTAR A PERDA DE PESSOAS QUERIDAS, SE MATAM NA ESPERANÇA DE SE JUNTAR A ELAS, ATINGEM O SEU OBJETIVO?
RESP.: O resultado para elas é bastante diverso do que esperam, pois em vez de se unirem ao objeto de sua afeição, dele se afastam por mais tempo, porque Deus não pode recompensar um ato de covardia e o insulto que lhe é lançado com a dúvida quanto à sua providência. Eles pagarão esse instante de loucura com aflições ainda maiores do que aquelas que quiseram abreviar, e não terão para os compensar a satisfação que esperavam.

26 - QUAIS SÃO, EM GERAL, AS CONSEQUÊNCIAS DO SUICÍDIO SOBRE O ESTADO DO ESPÍRITO?
RESP.: As consequências do suicídio são as mais diversas. Não há penalidades fixadas e em todos os casos elas são sempre relativas às causas que o produziram. Mas uma consequência a que o suicida não pode escapar é o desapontamento. De resto, a sorte não é a mesma para todos, dependendo das circunstâncias. Alguns expiam sua falta imediatamente, outros numa nova existência, que será pior do que aquela cujo curso interromperam.

27 - QUAIS AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES DOS QUE DESENCARNAM POR SUICÍDIO?
RESP.: A primeira decepção que os aguarda é a realidade da vida que se não extingue com as transições da morte do corpo físico, vida essa agravada por tomentos pavorosos, em virtude de sua decisão tocada de suprema rebeldia.

Suicidas há que continuam experimentando os padecimentos físicos da última hora terrestre, em seu corpo somático, indefinidamente. Anos a fios, sentem as impressões terríveis do tóxico que lhes aniquilou as energias, a perfuração do cérebro pelo corpo estranho partido da arma usada no gesto supremo, o peso das rodas pesadas sob as quais se atiraram na ânsia de desertar da vida, a passagem das águas silenciosas e tristes sobre os seus despojos, onde procuraram o olvido criminoso de suas tarefas no mundo e, comumente, a pior emoção do suicida é a de acompanhar, minuto a minuto, o processo da decomposição do corpo abandonado no seio da terra, verminado e apodrecido.

De todos os desvios da vida humana o suicídio é, talvez, o maior deles pela sua característica de falso heroísmo, de negação absoluta da lei do amor e de suprema rebeldia à vontade de Deus, cuja justiça nunca se fez sentir, junto dos homens, sem a luz da misericórdia.

28 - Em circunstâncias adversas, o suicídio é uma saída para muita gente. O que diz o Espiritismo?
RESP.: Nenhuma religião admite o suicídio. Essa unanimidade evidencia tratar-se de algo contrário às leis divinas. O Espiritismo corrobora essa idéia. Em qualquer tipo de morte podemos dizer que se cumpriram os desígnios divinos. No suicídio, não. Deus não quer que ninguém elimine a própria vida.

29 - Fundamentalistas islâmicos vêm se matando, explodindo como bombas humanas, levando consigo muita gente. E se dizem religiosos...
RESP.: Não conheço nenhum princípio islâmico que recomende o suicídio ou o assassinato. Os que o fazem são fanáticos movidos a ódio, que é a negação da religiosidade, e por uma profunda ignorância quanto às consequências do suicídio.

30 - Quais são?
RESP.: Todo ato de violência que cometemos contra nós mesmos, ferindo ou aniquilando o corpo, atinge o perispírito, nosso corpo espiritual. Em lamentável destrambelho, os suicidas são confinados em regiões de tormentos indescritíveis que, segundo eles próprios, não têm similar na Terra.

31 - Todos sofrem na mesma intensidade?
RESP.: Depende do tipo de suicídio, das circunstâncias agravantes, como é o caso dos homens-bomba, ou atenuantes, envolvendo uma depressão grave, um desequilíbrio mental...

32 - A obsessão é circunstância atenuante?

RESP.: Sem dúvida. Há suicídios que se afiguram como verdadeiros assassinatos, cometidos por inimigos desencarnados. Envolvem de tal forma a vítima que a induzem a matar-se.

33 - Nesse caso, o suicida isenta-se de responsabilidade?  
RESP.: Negativo! Nenhum obsessor nos obriga ao suicídio. Ele nos induz. A decisão é sempre nossa. Mesmo nos casos de subjugação EM que o obsessor domina a vítima, esta tem o instinto de conservação a seu lado e tenderá a resistir, a não ser que a idéia a seduza.

34 - Em incêndios de edifícios tem ocorrido de pessoas presas em andares superiores saltarem para a morte, ante a proximidade das chamas. E' suicídio?
RESP.: E' apenas um gesto instintivo de fuga. O calor, nessa situação, é tão intenso que, literalmente, pode derreter a vítima.

35 - O que podemos fazer pelos suicidas?
RESP.: Esquecer as circunstâncias de sua morte. Deixar de lembrar deles morrendo em decorrência da auto-agressão. Pensar neles vivos, no mundo espiritual, e orar muito por eles. Dizem os suicidas que as orações em seu benefício constituem abençoado refrigério para suas

Fonte desconhecida.
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Luz13 em 27 de Novembro de 2009, 22:53


  Olá,

  qualquer relegião,filosofia condena o suicidio....mas...pessoalmente pergunto-me algumas vezes,será o suicidio cobardia ou um acto de coragem???!!!



   Abraços
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 30 de Novembro de 2009, 22:06

Citar
qualquer relegião,filosofia condena o suicidio....mas...pessoalmente pergunto-me algumas vezes,será o suicidio cobardia ou um acto de coragem???!!!

É fraqueza e covardia, o corajoso nada teme, enfrenta e aceita todos os desígnos de Deus.


Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: MarcoALSilva em 01 de Dezembro de 2009, 01:03

Permitam-me opinar. Uma opinião não doutrinária. Ofereço alguns pensamentos que expus em outro site, sem nenhuma pretensão a não ser contribuir para a meditação acerca do tema.

O suicídio é um tema que se pode abordar por vários aspectos. As religiões cristãs em geral abominam o auto-aniquilamento, relegando-o à categoria de máximo pecado capital. É apontado como o crime mais terrível a cometer-se contra a Divindade, vez que, sendo o Pai quem nos dá a vida, só mesmo Ele a pode tirar.

Consoante o credo católico, o corpo de um suicida não pode ser velado em um templo erigido à adoração de Deus. Já se impediu que suicidas fossem enterrados em cemitérios, pelo menos naqueles geridos por clérigos profitentes da fé romana. No que concerne aos que adotam religiões ditas evangélicas, não conheço as implicações teológicas pertinentes mas, por certo, não creio que existam conceitos condescendentes com o autocídio.

Seja como for, quando pensamos do ponto de vista filosófico, ou mesmo teológico, não é difícil concluir que o suicídio deve mesmo ser repudiado, evitado, prevenido. No entanto, devemos nos lembrar que em cada caso de suicídio existe sempre alguém que muito amava aquele que se matou. Existe sempre uma pessoa, digna do sopro de vida do Criador, que traz o coração envenenado com a dor da perda, uma dor ainda mais dilacerante por não ter a válvula de escape do desespero voltado a algum pretenso culpado senão o próprio ser, tão querido, que desertou da vida na Terra. Assim devemos nos lembrar para que um dos mais preciosos Dons Magnos da Alma possa atuar: a Indulgência... Sim, não nos esqueçamos desse Anjo de Luz Misericordiosa. A Indulgência.

Destemperemos o rigor excessivo que devotamos aos que, num momento de insensatez, ousaram aniquilar a chama de carne que os mantinha no meio de nós. Tenhamos misericórdia! Por quem partiu e, mormente, por aqueles que ficaram... Confusos, atônitos, desiludidos com os sonhos e almejos ceifados. O amor e as orações de quem fica, não tenho nenhuma dúvida, baterão sempre nos ouvidos dos Mensageiros Celestiais. O bálsamo que alivia sempre chega a quem dele necessita.

Mais importante ainda, tenhamos muito cuidado em apontar o suicida como alguém destinado às Trevas... Tenhamos muita cautela!!! Não o sabemos! Não detemos o Discernimento Absoluto do Pai Eterno, pelo que não podemos profetizar quanto ao destino de um filho Dele!

Não!!! Não, meus queridos amigos, permitam-me assim estertorar: NÃO!!!!!!!

Não temos o direito de presunçosamente envergar a Toga do Juiz Supremo e condenar, até porque é Ele, o Supremo Magistrado, também o Ser de Inexcedível Amor. Mais que isso, é o próprio Amor em Perfeição Absoluta. Não sabemos se o Coração Sublime de Deus deliberará perdoar e embalar em seus Braços Celestiais aquele pobre suicida. Não é o Perdão um dos mais enfatizados ensinamentos do Mestre Amado de Pura Luz? Não foi da boca do Amor Enquanto Carne que ouvimos a sentença maior do perdão incondicional, não sete mas setenta vezes sete vezes se preciso for?

Como, então, podemos condenar sumariamente um suicida? Que sabemos nós daquele ser que, quem sabe, vitimou-se pelo insidioso veneno da desesperança? Que sabemos nós do espinheiro por ele suportado? Que sabemos nós de sua corrosão interior? Que sabemos nós !!!???

Eu não ouso julgar quem tira sua própria vida. Sei que o reflexo desse ato sobre si mesmo é muito doloroso. Isso me faz lembrar, sempre e sempre, da Indulgência e de minha pequenez diante do Pai Eterno.

Fonte:
http://esoestudos.blogspot.com/2009/09/o-suicidio.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Vzb2VzdHVkb3MuYmxvZ3Nwb3QuY29tLzIwMDkvMDkvby1zdWljaWRpby5odG1s)
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Aldebaran em 01 de Dezembro de 2009, 02:12
Há vários atenuantes para o suicídio, os padecimentos do suicida e as conseqüências de seu ato, não é igual para todos. Vão aí alguns exemplos:
 
1- O subjugado que se suicída: é lhe dado um grande atenuante, pois, estando a sua vontade e o seu livre-arbítrio subjugados pelo obsessor, é mais como se fosse um homícidio da parte de um desencarnado do que propriamente um suicídio. Ademais, ele já estava cumprindo a expiação que era ser subjugado.
 
2- Suicida que se arrepende e elabora importante roteiro em seu novo mergulho na carne: há atenuantes também: se ele se enforcou, pode renascer apenas com problemas de falta de ar, ao contrário de um suicida revoltado, que pode ser constrangido a renascer mudo.

3- Suicida que na sua ultima reencarnação fez grandes benefícios à humanidade: também há atenuantes. Poderá voltar com um corpo mais ou menos perfeito a fim de retomar o seu trabalho. A LEI NÃO É DE PUNIÇÃO!! É DE REAJUSTAMENTO, pois, se ele fez o bem, e tem um programa reencarnatório de prosseguir nesse bem, seria muito injusto que ele renascesse tolhido em suas faculdades mentais ou em seu corpo físico.
 
4- Suicidas que se matam por tédio da vida: há agravantes,  porque poderia ter trabalhado, feito algo de útil

5- Suicidas que se matam por que eram ricos e não aguentaram a humilhação de se tornarem pobres. Há uma possibilidade: tentar de novo a mesma prova. E assim por diante.

Ver a esse respeito, "O Céu e o Inferno", Allan Kardec,


abçs  


Renato

Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Luz13 em 01 de Dezembro de 2009, 09:10

Citar
qualquer relegião,filosofia condena o suicidio....mas...pessoalmente pergunto-me algumas vezes,será o suicidio cobardia ou um acto de coragem???!!!

É fraqueza e covardia, o corajoso nada teme, enfrenta e aceita todos os desígnos de Deus.




  Bom dia Mariana...
  ah quem não acredite em Deus,quem não conheça seus Designios amiga!!!!

   Abraços.
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Luz13 em 01 de Dezembro de 2009, 09:17

Permitam-me opinar. Uma opinião não doutrinária. Ofereço alguns pensamentos que expus em outro site, sem nenhuma pretensão a não ser contribuir para a meditação acerca do tema.

O suicídio é um tema que se pode abordar por vários aspectos. As religiões cristãs em geral abominam o auto-aniquilamento, relegando-o à categoria de máximo pecado capital. É apontado como o crime mais terrível a cometer-se contra a Divindade, vez que, sendo o Pai quem nos dá a vida, só mesmo Ele a pode tirar.

Consoante o credo católico, o corpo de um suicida não pode ser velado em um templo erigido à adoração de Deus. Já se impediu que suicidas fossem enterrados em cemitérios, pelo menos naqueles geridos por clérigos profitentes da fé romana. No que concerne aos que adotam religiões ditas evangélicas, não conheço as implicações teológicas pertinentes mas, por certo, não creio que existam conceitos condescendentes com o autocídio.

Seja como for, quando pensamos do ponto de vista filosófico, ou mesmo teológico, não é difícil concluir que o suicídio deve mesmo ser repudiado, evitado, prevenido. No entanto, devemos nos lembrar que em cada caso de suicídio existe sempre alguém que muito amava aquele que se matou. Existe sempre uma pessoa, digna do sopro de vida do Criador, que traz o coração envenenado com a dor da perda, uma dor ainda mais dilacerante por não ter a válvula de escape do desespero voltado a algum pretenso culpado senão o próprio ser, tão querido, que desertou da vida na Terra. Assim devemos nos lembrar para que um dos mais preciosos Dons Magnos da Alma possa atuar: a Indulgência... Sim, não nos esqueçamos desse Anjo de Luz Misericordiosa. A Indulgência.

Destemperemos o rigor excessivo que devotamos aos que, num momento de insensatez, ousaram aniquilar a chama de carne que os mantinha no meio de nós. Tenhamos misericórdia! Por quem partiu e, mormente, por aqueles que ficaram... Confusos, atônitos, desiludidos com os sonhos e almejos ceifados. O amor e as orações de quem fica, não tenho nenhuma dúvida, baterão sempre nos ouvidos dos Mensageiros Celestiais. O bálsamo que alivia sempre chega a quem dele necessita.

Mais importante ainda, tenhamos muito cuidado em apontar o suicida como alguém destinado às Trevas... Tenhamos muita cautela!!! Não o sabemos! Não detemos o Discernimento Absoluto do Pai Eterno, pelo que não podemos profetizar quanto ao destino de um filho Dele!

Não!!! Não, meus queridos amigos, permitam-me assim estertorar: NÃO!!!!!!!

Não temos o direito de presunçosamente envergar a Toga do Juiz Supremo e condenar, até porque é Ele, o Supremo Magistrado, também o Ser de Inexcedível Amor. Mais que isso, é o próprio Amor em Perfeição Absoluta. Não sabemos se o Coração Sublime de Deus deliberará perdoar e embalar em seus Braços Celestiais aquele pobre suicida. Não é o Perdão um dos mais enfatizados ensinamentos do Mestre Amado de Pura Luz? Não foi da boca do Amor Enquanto Carne que ouvimos a sentença maior do perdão incondicional, não sete mas setenta vezes sete vezes se preciso for?

Como, então, podemos condenar sumariamente um suicida? Que sabemos nós daquele ser que, quem sabe, vitimou-se pelo insidioso veneno da desesperança? Que sabemos nós do espinheiro por ele suportado? Que sabemos nós de sua corrosão interior? Que sabemos nós !!!???

Eu não ouso julgar quem tira sua própria vida. Sei que o reflexo desse ato sobre si mesmo é muito doloroso. Isso me faz lembrar, sempre e sempre, da Indulgência e de minha pequenez diante do Pai Eterno.

Fonte:
http://esoestudos.blogspot.com/2009/09/o-suicidio.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Vzb2VzdHVkb3MuYmxvZ3Nwb3QuY29tLzIwMDkvMDkvby1zdWljaWRpby5odG1s)


   Bem haja ...gostei muito das ultimas palavras...."Eu não ouso julgar.............."




     Abraços amigos.
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Luz13 em 01 de Dezembro de 2009, 09:19
Há vários atenuantes para o suicídio, os padecimentos do suicida e as conseqüências de seu ato, não é igual para todos. Vão aí alguns exemplos:
 
1- O subjugado que se suicída: é lhe dado um grande atenuante, pois, estando a sua vontade e o seu livre-arbítrio subjugados pelo obsessor, é mais como se fosse um homícidio da parte de um desencarnado do que propriamente um suicídio. Ademais, ele já estava cumprindo a expiação que era ser subjugado.
 
2- Suicida que se arrepende e elabora importante roteiro em seu novo mergulho na carne: há atenuantes também: se ele se enforcou, pode renascer apenas com problemas de falta de ar, ao contrário de um suicida revoltado, que pode ser constrangido a renascer mudo.

3- Suicida que na sua ultima reencarnação fez grandes benefícios à humanidade: também há atenuantes. Poderá voltar com um corpo mais ou menos perfeito a fim de retomar o seu trabalho. A LEI NÃO É DE PUNIÇÃO!! É DE REAJUSTAMENTO, pois, se ele fez o bem, e tem um programa reencarnatório de prosseguir nesse bem, seria muito injusto que ele renascesse tolhido em suas faculdades mentais ou em seu corpo físico.
 
4- Suicidas que se matam por tédio da vida: há agravantes,  porque poderia ter trabalhado, feito algo de útil

5- Suicidas que se matam por que eram ricos e não aguentaram a humilhação de se tornarem pobres. Há uma possibilidade: tentar de novo a mesma prova. E assim por diante.

Ver a esse respeito, "O Céu e o Inferno", Allan Kardec,


abçs  


Renato




   Bem haja Roberto pelo esclarecimento!!!!

   Abraços
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Aldebaran em 01 de Dezembro de 2009, 16:00
Obrigado pelo carinho Luz,

Só um porém, meu nome é Renato  :D

bjs


Aldebaran (Renato)  :-*


Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Mourarego em 01 de Dezembro de 2009, 16:56
Pôxa mano Renato,
você reclama de tudo eim?
A nossa maninha Luz, que tem dupla viusta apenas lembrou seu nome de antiga reencarnação mayetra. Oras!!!!
Abração,
Moura
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Luz13 em 01 de Dezembro de 2009, 18:32
Obrigado pelo carinho Luz,

Só um porém, meu nome é Renato  :D

bjs


Aldebaran (Renato)  :-*




  Perdão maninho ;)....foi sem querer.
  Beijinho :)
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Luz13 em 01 de Dezembro de 2009, 18:38
Pôxa mano Renato,
você reclama de tudo eim?
A nossa maninha Luz, que tem dupla viusta apenas lembrou seu nome de antiga reencarnação mayetra. Oras!!!!
Abração,
Moura

   Gosto do seu humor maninho Mouro!!!!! :D :D :D :D

    Beijo com carinho
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Aldebaran em 01 de Dezembro de 2009, 20:34
Pôxa mano Renato,
você reclama de tudo eim?
A nossa maninha Luz, que tem dupla viusta apenas lembrou seu nome de antiga reencarnação mayetra. Oras!!!!
Abração,
Moura

hehehheee pode ser ...

Na minha penúltima reencarnação, entretanto, acho que foi Renato (Nato = aquele que nasceu; Re-nato, aquele que nasceu de novo) chique não acham?  ;)

abçs

Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Mourarego em 02 de Dezembro de 2009, 15:58
Então antes da penúltima deves ter te chjamado No -nato, aqueole que não nasceu...
agora só pra aliviar:
Um cara estava de saco cheio da vida.
Não ganhava nem bronca do chefe, era mais feio que a necessidade, e mais calado do que uma porta.
Ai resolveu pular da vida e para isso elegeu o mais alto edifício do Rio de Janeiro.
dito e feito, entrou  no edifício subiu ao telhado e de lá se atirou...
Como o prédio ficava na praça Mauá., lçocal de grande ajuntamento de ambulantes, não se sabe se por azar ou sorte o cara caiu em cima de um carrinho de venda de água de côco.
foi aquele barulhão, todo mundo querendo ver (já notaram como a morte dos outros chama atenção?)...
Levantando-se assustado o quase suicida se levanta e ouve de pronto  a pergunta cretina:
Ué cara, o que houve?
E ele espumando responde: Sei la... tô chegando agora.
Abraços,
Moura
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Jorge em 02 de Dezembro de 2009, 16:25
Então antes da penúltima deves ter te chjamado No -nato, aqueole que não nasceu...
agora só pra aliviar:
Um cara estava de saco cheio da vida.
Não ganhava nem bronca do chefe, era mais feio que a necessidade, e mais calado do que uma porta.
Ai resolveu pular da vida e para isso elegeu o mais alto edifício do Rio de Janeiro.
dito e feito, entrou  no edifício subiu ao telhado e de lá se atirou...
Como o prédio ficava na praça Mauá., lçocal de grande ajuntamento de ambulantes, não se sabe se por azar ou sorte o cara caiu em cima de um carrinho de venda de água de côco.
foi aquele barulhão, todo mundo querendo ver (já notaram como a morte dos outros chama atenção?)...
Levantando-se assustado o quase suicida se levanta e ouve de pronto  a pergunta cretina:
Ué cara, o que houve?
E ele espumando responde: Sei la... tô chegando agora.
Abraços,
Moura

 :D :D :D

Abração amigo Moura.

Jorge
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Marianna em 23 de Janeiro de 2010, 19:06
Achei ótimo o artigo Marcos.
Título: Re: SUICÍDIO, TERRÍVEL ENGANO
Enviado por: Bcrazy em 04 de Fevereiro de 2010, 17:53
Leitura muito interessante! Obrigada por partilhar.
Continue em paz!