Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Imortalidade da Alma => Tópico iniciado por: Lady_Bird em 13 de Março de 2008, 08:26

Título: Estado de Coma e Experiências pós-morte.
Enviado por: Lady_Bird em 13 de Março de 2008, 08:26
Olá Amigos!

Gostava de poder abordar aqui um outro tema que tambem considero muito interessante.


O que acontece quando as pessoas estão em estado de coma?

Onde se encontra o espírito dessas pessoas e qual a sua missão enquanto estado de coma?

Qual a relação existente entre a libertação da alma, perante o apego da alma ao corpo, aquando por intervenção médica?
Ou seja; qual a relação da alma ficar apegada ao corpo, manter-se encarnada quando o corpo é reanimado pelos médicos?
A intervenção médica intervem, é responsavel por manter a alma na terra ou ocorre simplesmente porque Deus o quer, que a pessoa permaneça viva?
Porque se colocarmos de parte a existência do mundo espíritual, poderemos afirmar que a pessoa se mantêm viva graças á medicina.
Assim como muitas pessoas agradecem certos médicos por pensarem que eles salvaram vidas.
Mas diz-se que todos nós temos o dia e hora em que havemos de partir e Deus é que decide.

Contudo, se pensarmos nos casos em que as pessoas se encontram em estado de coma vegetativo e podem viver anos, se calhar até 1 seculo nesse mesmo estado, sem acordarem do coma, qual é o percurso destas almas, enquanto estado vegetativo, quais as missões que estão a cumprir e qual o fundamento de se encontrarem presas á terra, quando por vezes só dependem duma máquina para se manterem "vivas" e se os médicos determinarem que é inexcusado manterem-se nesse sofrimento optam por desligarem a maquina que as mantêm presas a este mundo?


Assim como quando estamos a sonhar e a nossa alma se liberta do corpo temporariamente,porque é que bastando a pessoa ser acordada e imediatamente a alma que estava ausente volta para o corpo?
A alma é controlada pelos impulsos do corpo?
Porque se nós estamos a sonhar e foi referido que a morte pode ser isso mesmo, quando estamos a dormir e a alma saí do nosso corpo, então se esta não se mantêm no corpo, levita...como é que ao simples impulso físico ela  imediatamente volta para o corpo, se nele não permanecia antes?
Isto pergunto porque tambem pode relacionar-se ou comparar-se a um estado de coma em que a alma se desprende do corpo e posteriormente poderá voltar ao corpo.

Tambem acerca do estado de coma, existem pessoas que dizem terem vivido experiências enquanto se encontravam em coma e muitas outras passam em vida(quando recuperam) a tornarem-se não só crentes quanto a vivenciarem outras experiências, adquirem capacidades extra sensoriais, outrora não existentes.

Alguem quer comentar sobre este tópico?

Um bom dia para vocês!



 
Título: Re: Estado de Coma e Experiências pós-morte.
Enviado por: Vitor Santos em 13 de Março de 2008, 13:31
Olá Lady_Bird

O estado de coma pode corresponder a duas situações distintas:

- O espirito já desencarnou, mas os orgãos são mantidos artificialmente a funcionar. Ou seja o corpo já está morto, são as máquinas que fazem circular e oxigenar o sangue.

Tudo depende do espirito em questão e do tempo que passou após a morte. É normal as pessoas que eram muito apegadas às coisas materiais, durante algum tempo permaneçam num estado de ilusão. Neste caso pode até pensar que ainda estão encarnadas e aflitas porque vão ter com os seus familiares e amigos e eles não os conseguem ver nem ouvir. Os bons espiritos que se interessam pela pessoa e/ou o anjo guardião da mesma tentam ajudar, decerto, mas a pessoa está fechada em si mesma (como acontece com um autista profundo). É frequente serem levados pelo anjo guardião às reuniões mediunicas das Associações Espiritas, pois eles tem mais facilidade de comunicar connosco do que com todos os outros espiritos, pois eles não conseguem admitir que já não estão na carne.

Julgo que todos passamos por uma perturbação aquando do desencarne, mas ela pode demorar horas, dias ou séculos conforme o nivel moral e o apego ás coisas do mundo material. Por isso é tão importante entender que somos espiritos e não nos apegarmos demasiado aos gozos da carne (o problema não é o gozo em si, é viver em função dele).

Citar
livro dos Espiritos

a) - Pode o corpo existir sem a alma?

“Pode; entretanto, desde que cessa a vida do corpo, a alma o abandona. Antes do nascimento, ainda não há união definitiva entre a alma e o corpo; enquanto que, depois dessa união se haver estabelecido, a morte do corpo rompe os laços que o prendem à alma e
esta o abandona. A vida orgânica pode animar um corpo sem alma, mas a alma não pode habitar um corpo privado de vida orgânica.”

b) - Que seria o nosso corpo, se não tivesse alma?

“Simples massa de carne sem inteligência, tudo o que quiserdes, exceto um homem.”



b) Ainda não houve morte do corpo. Neste caso é como se estivesse a dormir.

Citar
livro dos Espiritos

O sono e os sonhos

400. O Espírito encarnado permanece de bom grado no seu envoltório corporal?

“É como se perguntasses se ao encarcerado agrada o cárcere. O Espírito encarnado aspira constantemente à sua libertação e tanto mais deseja ver-se livre do seu invólucro, quanto mais grosseiro é este.”

401. Durante o sono, a alma repousa como o corpo?

“Não, o Espírito jamais está inativo. Durante o sono, afrouxam-se os laços que o prendem ao corpo e, não precisando este então da sua presença, ele se lança pelo espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos”.

402. Como podemos julgar da liberdade do Espírito durante o sono?

“Pelos sonhos, Quando o corpo repousa, acredita-o, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília. Lembra-se do passado e algumas vezes prevê o futuro. Adquire maior potencialidade e pode por-se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro. Dizes freqüentemente: Tive um sonho extravagante, um sonho horrível, mas absolutamente inverossímil. Enganaste.
É amiúde uma recordação dos lugares e das coisas que viste ou que verás em outra existência e das coisas que viste ou que verás em outra existência ou em outra ocasião. Estando entorpecido o corpo, o Espírito trata de quebrar seus grilhões e de investigar no passado ou no futuro.

“Pobres homens, que mal conheceis os mais vulgares fenômenos da vida! Julgais-vos muito sábios e as coisas mais comezinhas vos confundem. Nada sabeis responder a estas perguntas que todas as crianças formulam: Que fazemos quando dormimos? Que são
os sonhos?

“O sono liberta a alma parcialmente do corpo. Quando dorme, o homem se acha por algum tempo no estado em que fica permanentemente depois que morre. Tiveram sonos inteligentes os Espíritos que, desencarnando, logo se desligam da matéria. Esses Espíritos,
quando dormem, vão para junto dos seres que lhes são superiores. Com estes viajam, conversam e se instruem. Trabalham mesmo em obras que se lhes deparam concluídas, quando volvem, morrendo na Terra, ao mundo espiritual. Ainda esta circunstância é de molde a vos ensinar que não deveis temer a morte, pois que todos os dias morreis, como
disse um santo.

“Isto, pelo que concerne aos Espíritos elevados. Pelo que respeita ao grande número de homens que, morrendo, têm que passar longas horas na perturbação, na incerteza de que tantos já vos falaram, esses vão, enquanto dormem, ou a mundos inferiores à Terra, onde os chamam velhas afeições, ou em busca de gozos quiçá mais baixos do que os em que aqui tanto se deleitam. Vão beber doutrinas ainda mais vis, mais ignóbeis, mais funestas do que as que professam entre vós. E o que gera a simpatia na Terra é o fato de sentir-se o homem, ao despertar, ligado pelo coração àqueles com quem acaba de passar oito ou nove horas de ventura ou de prazer. Também as antipatias invencíveis se explicam pelo fato de sentirmos em nosso íntimo que os entes com quem antipatizamos têm uma consciência diversa da nossa. Conhecemo-los sem nunca os termos visto com os olhos. É ainda o que explica a indiferença de muitos homens. Não cuidam de conquistar novos amigos, por saberem que muitos têm que os amam e lhes querem. Numa
palavra: o sono influi mais do que supondes na vossa vida.

“Graças ao sono, os Espíritos encarnados estão sempre em relação com o mundo dos Espíritos. Por isso é que os Espíritos superiores assentem, sem grande repugnância, em encarnar entre vós. Quis. Deus que, tendo de estar em contacto com o vício, pudessem eles ir retemperar-se na fonte do bem, a fim de igualmente não falirem, quando se propõem a
instruir os outros. O sono é a porta que Deus lhes abriu, para que possam ir ter com seus amigos do céu; é o recreio depois do trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a libertação final, que os restituirá ao meio que lhes é próprio.

“O sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono. Notai, porém, que nem sempre sonhais. Que quer isso dizer? Que nem sempre vos lembrais do que vistes, ou de tudo o que haveis visto, enquanto dormíeis. É que não tendes então a alma no pleno desenvolvimento de suas faculdades. Muitas vezes, apenas vos fica a  lembrança da
perturbação que o vosso Espírito experimenta à sua partida ou no seu regresso, acrescida da que resulta do que fizestes ou do que vos preocupa quando despertos. A não ser assim, como explicaríeis os sonhos absurdos, que tanto os sábios, quanto as mais humildes e
simples criaturas têm? Acontece também que os maus Espíritos se aproveitam dos sonhos para atormentar as almas fracas e pusilânimes.

bem haja