Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Existência de Deus => Tópico iniciado por: waldemar em 12 de Setembro de 2009, 00:23

Título: Estudo sobre a crença em Deus
Enviado por: waldemar em 12 de Setembro de 2009, 00:23
ESTUDOS SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA CRENÇA EM DEUS
 
INÍCIO DO DESENVOLVIMENTO DO SENTIMENTO DE RELIGIOSIDADE
Queridos irmãos candidatos a candidatos a introdução ao estudo da ciência do infinito, muita paz!
O espiritismo é uma ciência de tríplice aspecto, Ciência, Filosofia e Religião: Consequentemente a religiosidade do Espírito imortal, resulta-se num código moral de leis imutáveis, como prescreve a pergunta 621 do livro dos Espíritos, as leis de Deus estão escritas na nossa consciência, marca impagável de Sua existência na sede do livre-arbítrio, ou sede da alma, um sentimento íntimo que todos nós guardamos de que ele existe, desde o momento em que o princípio inteligente (ou princípio espiritual) foi criado.
 
ASPECTO RELIGIOSO DO ESPIRITISMO
Eu pórem, na minha pequenez, prefiro ficar com o aspecto das leis morais que de religioso, até por que partindo da primícia que religião vem do vocábulo latino "religare",a religião nos liga por dois extremos (a criatura ligada ao seu Criador é que faz a religiosidade independentemente quanto as diferentes formas de cultuá-Lo).
Portanto, por qualquer crença que se pratique, qualquer criatura pode se ligar a modo próprio ao seu Criador, até diante de uma "lasca de pedra" se nela tem fé, independentemente de símbolos, imagens, Filosofias, Teologias, Ciências etc, etc. Até aqui não importa as formas de se render qualquer culto, desta ou daquela crença, o homem indiretamente estabelece uma ligação, com o seu Criador através do sentimento Íntimo gravado na alma, ou seja, no Espírito, está neste sentimento inato o carimbo imortal de seu Criador.
 
DESENVOLVIMENTO DO SENTIMENTO DA EXISTÊNCIA DE DEUS NAS CAUSAS PRIMÁRIAS
Nos primórdios da pré-humanidade, o medo e o pavor aos fenômenos da natureza, ainda pela formação do nosso globo, levou o homem primitivo, em seu estado sub-humano, indefesos e assustados ao vislumbro da imensidão agitada, se viram forçados a se curvarem diante dos próprios fenômenos naturais, e viram nestes fenômenos os deuses enfurecidos supostamente castigando a natureza...deu-se o principiar do desabrochar latente que todos traziam no íntimo, o da existência de um poder sobre- humano, início do desenvolvimento da idéia da existência de Deus sacudindo as forças da natureza, terremotos, maremotos, tempestades, inundações etc.
 
O DESABROCHAR DO SENTIMENTO DE ADORAÇÃO
O sentimento de adoração é a elevação do pensamento à Deus. E foi através da adoração desde as origens, que o homem primitivo veio em cada encarnação se aproximando de Deus rendendo-lhe cultos dos mais diferentes.
A adoração segundo os Espíritos da codificação, na pergunta 650 em o livro dos Espíritos, eles nos instruem que ela também é parte da crença da existência de um poder sobre-humano, e não foi produto de um ensinamento. Ela está no mesmo sentimento inato que todos trazemos dentro do nosso íntimo o da existência de Deus.
Pelo culto da adoração a criatura humana estabelece ligação com o seu Criador.
E nos esclarecem os Espíritos da codificação, que a verdadeira adoração é a do coração e não necessita de manifestações exteriores.
Portanto o sentimento inato de adoração, os primitivos nos cultos exteriores, pensavam em apaziguar as fúrias naturais, e para agradar seus deuses depositavam oferendas materiais, sacrifícios animais, humanos e por fim os produtos da terra. Até hoje os cultos exteriores fazem parte de rituais, dogmas etc., nas práticas de muitas crenças presas ao passado.
 
OS DEUSES ESCULTURAIS
Mais tarde com o avançar do sentimento íntimo da existência de um poder sobre-humano, deu-se o início da adoração aos deuses esculturais, o homem modela polindo a pedra lascada, Deus recebeu a imagem animal, ou a imagem do homem, ou meio homem meio animal.
Depois da descoberta do ferro, do bronze e por fim do ouro, os esculturais mais agradáveis aos deuses, seriam os modelados de ouro por ser um metal nobre, agradaria melhor seus deuses.
E por esta causa o bezerro de ouro dos israelitas politeístas, foram energicamente advertidos nessas práticas pagãs por Moisés, após a sua descida do monte Sinai, ao receber decálogo da lei.
 
DO POLITEISMO AO MONOTEÍSMO
A crença em muitos deuses, ou seja, a chamada era do politeísmo muito comum entre os povos, e após o advento de Moisés, os que cultuavam seus diferentes deuses, foram condenados pela interpretação da lei social legislada por Moisés, sob pena de morte, aos não convertidos ao monoteísmo, ou seja, os que não se convertiam a crença num único Deus. Foram chamados de pagãos e por muitos séculos foram anatematizados pelas religiões ditas oficiais.
 
O SENTIMENTO INATO DA EXISTÊNCIA DE DEUS
Aí é que entra a importância de O livro dos Espíritos, segundo a codificação do mespiritismo, quando estudado com perseverança e seriedade em reflexão sobre as perguntas de N.5 e 6 - Que diz: "O sentimento íntimo"(instintivo) que trazemos conosco da existência de Deus, ele existe!
"E de onde nos viria esse sentimento, se ele não se apoiasse em nada"? É a reflexão do mesmo princípio Universal, não há efeito sem causa e nem causa sem efeito, um axioma aplicado às leis naturais, o acaso e o nada não existem em lugar nenhum na criação divina.
 
CRENÇAS PRIMITIVAS ENTRE OS ABORÍGENES
Quando na descoberta do Brasil por Cabral, os portugueses pisaram pela primeira vez, no solo deste vasto continente, encontrou povoados de nativos em estado semi-civilizados de vida natural.
Os indígenas encontrados por Cabral, cultuavam seus deuses naturais, e por todas as nações de nativos das Américas assim, foi à história da humanidade, também por sua origem quanto suas crenças e não poderia ser diferente.
Portanto se o sentimento da existência de um ser supremo, fosse produto único da educação religiosa, não seria universal e nem existiria.
Se antes da descoberta do Brasil nenhum homem civilizado aqui esteve, para ensinar religião aos nativos, de onde viria o sentimento inato quanto a crença ao seu deus Tupã?  É a prova de que a idéia de Deus existia em estado latente nesses nativos, eis a questão?
Por educação religiosa dos indígenas brasileiros, só começou após a chegada dos padres Jesuítas, pela catequese católica uma imposição de intolerância religiosa, eles foram violentados em seus direitos naturais de cultuar seus deuses, proibidos de se curvarem ao deus Tupã. E assim como nossos índios, os escravos também foram proibidos de cultuar seus deuses o Lorum e todas as suas entidades africanas de origem? E, diga-se de passagem, que até hoje, no imenso território amazônico os originários da região, estão sendo catequizados por missionários estrangeiros  religiosos a pretexto de que?
 
CULTUAR DEUS EM ESPÍRITO E VERDADE
Quando o Cristo disse que haverá o tempo em que os verdadeiros adoradores do Pai o adorarão em Espírito e verdade, o espiritismo nos aponta para uma nova era a se despontar para toda a humanidade, a era da conscientização Espírita para todos Espíritos encarnados ou desencarnados, aos mais desapegados da matéria, quanto ao homem do futuro um protótipo de mentalidade mais pura, renderá ao Pai, a verdadeira prática de Justiça, Amor e Caridade em Espírito e verdade for vivenciada por toda a humanidade?
Está condição está prevista por Santo Agostinho Espírito, no capítulo III do evangelho segundo o espiritismo, conforme a mensagem de Jesus,  quando disse: "Que há muitas moradas na casa de meu Pai”... Santo Agostinho descreve as diferentes condições moral e intelectual das cinco categorias de mundos habitados: Primitivos, Provas e Expiações, Regeneradores, Felizes e Angélicos ou Divinos.
Da qual seguimos na Terra, um planeta de provas e expiações, que deverá ser elevado à condição hierárquica a mundo de regeneração, assim gradativamente gerações de encarnações serão substituídas reciprocamente as anteriores. Espíritos encarnados mais adiantados contribuirão para o progresso moral e intelectual da humanidade, vivenciando a verdadeira fé religiosa, quando a lei de Justiça, Amor e Caridade, for pelo menos praticada pela maioria da humanidade em Espírito e Verdade.
 
 
De: Waldemar Oliveira - Dúvidas mandem-me seus e-mails.

waldemar.doutrina@gmail.com