Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Eventos / Notícias => Tópico iniciado por: M em 26 de Dezembro de 2008, 14:21

Título: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 26 de Dezembro de 2008, 14:21
Já vem sendo hábito a revista Super-Interessante brindar-nos com a estafadíssima cassete ateísta acerca das origens do Espiritismo.

Um artigo do Francisco, do Blog de Espiritismo, sobre mais este festival de superficialidade e leviandade:

Exmo. Sr. Director da Super Interessante,

Na Vossa revista número 129 - Janeiro de 2009, colocaram um artigo (com direito a destaque na primeira página) cujo titulo é "Muita fraude e pouca uva", assinado por M.A.S. e que contém inúmeros erros graves, erros esses que poderiam ter sido evitados, por exemplo com uma simples busca na Internet!

Mas vamos analisar os erros ponto por ponto:

No texto introdutório, onde são anunciadas dez falácias do paranormal, no terceiro parágrafo podemos ler "O medo da morte e de desaparecermos por completo fez surgir o espiritismo moderno".

Uma frase tão pequena que demonstra desde logo um desconhecimento enorme do autor sobre o que se está a escrever! Espiritismo moderno é coisa que pura e simplesmente não existe, talvez o erro seja de tradução, pois nos países Anglófonos o New-Spiritualism fez escola, o curioso é que infelizmente muitas vezes confunde-se (e traduz-se) Novo Espiritualismo por Espiritismo... mas estas são duas filosofias diferentes.

Aproveito para referir que não foi o medo da morte e de desaparecermos por completo que fez surgir o espiritismo (e refiro-me ao espiritismo mesmo, não ao novo espiritualismo)... mas adiante.

Continuando a ler o artigo, chegamos então à falacia número 8, onde podemos ler como titulo "O espiritismo moderno".

Primeira frase do texto:

"Os vivos só começaram a relacionar-se com os mortos quando duas meninas asseguravam que falavam com eles através de pancadas", ora bem, isto é errado e todos sabem disso, não faltam exemplos de (se quiser supostas) comunicações com os "mortos" ao longo da história da humanidade.

Um exemplo entre inúmeros outros, pode encontrar na Bíblia quando se lê em Mateus 17: 1, 3 o seguinte “1 Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e seu irmão João, e levou-os, só a eles, a um alto monte. 2 Transfigurou-se diante deles: o seu rosto resplandeceu como o Sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. 3 Nisto, apareceram Moisés e Elias a conversar com Ele.”

Bom, Moisés e Elias já tinham morrido à muito tempo, no entanto estavam ali a conversar com Jesus, pode acreditar ou não (isso é outra questão), mas como este exemplo, existem muitíssimos outros, o que torna muito forçada a vossa frase.

Depois então descrevem a história das irmãs Fox, é por demais conhecida toda a história e infelizmente é igualmente conhecida a tendência de alguns contarem a história por metade!

Como sabe, é muito fácil obter confissões ao nosso gosto, recorrendo a ameaças da pior espécie, isso mesmo foi admitido pela Margaret Fox em 1889.

"(...) As minhas acusações eram completamente falsas. A minha crença no Espiritismo continua incólume. Os fenómeno apoiam-se sobre factos incontestáveis. (...)"

Ou ainda:

"(...) Quando fiz aquelas declarações não era responsável pelas minhas palavras. (...)"

E não, ela não escreveu esta segunda comunicação porque os espíritas tenham lançado uma campanha contra ela!

Ao lado do artigo, podemos ver uma fotografia de uma sessão espírita, onde várias pessoas encontram-se na penumbra, com uma vela acesa, mãos dadas de olhos fechados, etc e tal.

Isso é de facto o que a maioria imagina, mas a realidade é muito diferente!

Por esta altura o senhor Carlos Madeira deverá estar a perguntar-se, o que é então o espiritismo?

As palavras Espiritismo, Espírita e Espiritista, não existiam antes de 1857, a primeira vez que foram publicadas foi num livro com o titulo O Livro dos Espíritos, e logo na introdução existiu o cuidado de referir que "para coisas novas necessitamos de palavras novas (...)"... logo de seguida estão as definições de cada uma dessas novas palavras e quais as diferenças para as palavras Espiritualista e Espiritualismo.

Se o autor do artigo tivesse feito o trabalho de casa, poderia constatar que espiritismo é muito diferente do que imagina, poderia por exemplo verificar na página da ADEP (Associação de Divulgadores de Espiritismo de Portugal) em http://adeportugal.org que existem mais de cem centro espíritas espalhados por todo o país e ilhas (podem visitar qualquer um deles e ver o que lá se passa), que também existem duas associações de médicos espíritas, que os espíritas estão na linha da frente no combate às fraudes, às crendices populares... e muito importante, que os espíritas são pessoas como quaisquer outras, com as suas profissões e nos tempos livres dedicam-se a estudar espiritismo e a ajudar quem necessita, sem proselitismo e sem que nenhum deles receba dinheiro ou qualquer tipo de compensação nessas actividades.

É lamentável que se inclua no saco das fraudes do paranormal, uma filosofia que é absolutamente racional, que não admite fé cega, chegando esta filosofia ao ponto de conter a ideia de se algum dia a Ciência contrariar algum dos pontos que o espiritismo defende, abandona-se esse ponto e segue-se a ciência!

Não acha extraordinário?!

Penso que seria importante a uma revista com tanta qualidade como é a Super Interessante, dedicar algumas linhas da próxima edição a corrigir estes erros.

Com toda a certeza que os membros da ADEP estarão à vossa disposição para qualquer esclarecimento necessário, bem como os elementos do blog onde colaboro.

Com os melhores cumprimentos,

Francisco Vazquez Reis
Blog de Espiritismo


Esta foi a carta que enviei ao Sr. Carlos Madeira, Director da revista Super Interessante.

Convidamos todos os espíritas a escrever também uma mensagem e a enviarem para cmadeira@edimpresa.pt


http://blog-espiritismo.blogspot.com/2008/12/equivoco-num-artigo-da-super.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Jsb2ctZXNwaXJpdGlzbW8uYmxvZ3Nwb3QuY29tLzIwMDgvMTIvZXF1aXZvY28tbnVtLWFydGlnby1kYS1zdXBlci5odG1s)

(Nota: os negritos e as cores fui eu que introduzi - Mário)
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 26 de Dezembro de 2008, 14:40
Sr. Director da Super-Interessante,

Já não foi com surpresa, infelizmente, que li mais um artigo vosso, leviano, superficial, mal-intencionado e difamatório em relação ao Espiritismo.

Não tenho mais a acrescentar além do que o Francisco Reis escreveu neste artigo do Blog de Espiritismo e em carta a si dirigida.

Apenas talvez chamar-lhe a atenção para o modo como nestes temas misturam alhos com bugalhos, num sensacionalismo barato digno de qualquer Jornal do Incrível.

Cordialmente,

Mário Correia




É que de facto o direito de asneirar assiste a toda a gente! Porquê então excluir a Super-Interessante dessa prerrogativa democrática? Rapam da caneta ou do computador, dão uma vista de olhos no Skeptical Inquirer e outras randices igualmente pirrónicas, e acham-se capacitados para debitar ideias feitas a granel.


A Super-Interessante decide que:

"O Espiritismo começou com as Irmãs Fox!"

"As Irmãs Fox encenaram os fenómenos!"

"Espiritismo é falar com os Mortos!"

"Espiritismo e New Spiritualism são a mesma coisa!"

"Espiritismo e Mediunismo são a mesma coisa!"

E está decidido! Afinal quem é que sabe de Espiritismo? Os espíritas ou a Super-Interessante, que nunca leu uma linha de Espiritismo?

A Super-Interessante que insista então neste pseudo-Jornalismo, seja para vender mais, seja por birra, seja por fazer gala na asneira!
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: Taprobana em 26 de Dezembro de 2008, 16:21
Olá Mário, olá Francisco, olá amigos!

Quero afirmar a minha admiração e concordância perante a atitude, por cada um de voz levada a cabo, na defesa da verdade que rege a Doutrina Espírita.

Tenho todo o gosto em partilhar convosco este propósito e abaixo transcrevo o e-mail por mim enviado ao director desta publicação, na esperança de poder dar o meu pequeno contributo na defesa daquilo que penso ser a verdade.

Citar
Exmo. Sr. Carlos Madeira, director da revista Super-Interessante:

Tomei conhecimento dos conteúdos do artigo editado na vossa revista número 129 - Janeiro de 2009, intitulado "Muita fraude e pouca uva", assinado por MAS, que revelam de forma muito evidente, o desconhecimento de facto das matérias que aborda, confundindo terminologias que levarão a lamentáveis equívocos junto dos vossos leitores.

A confusão aí expressa entre o que é o espiritualismo e o que é o espiritismo, demonstra de forma óbvia, existir uma lamentável e total falta de conhecimento, acerca dos fundamentos e das práticas que regem a doutrina espírita.

Este erro facilmente poderá ser corrigido, se assim existir vontade da vossa parte, afirmando assim uma honestidade intelectual que quero acreditar que exista, sendo então este artigo resultante da desinformação do seu autor.

Tal como é afirmado na caracterização por vós mesmo levada a cabo no site da Edimprensa, a Super Interessante pretende ser uma revista que aborda de uma forma séria e rigorosa, temas de interesse geral.

Assim, é da mais elementar justiça, que após serem verificados estes factos, seja levada a cabo uma rectificação, que defenderá os propósitos que ainda acredito regerem a existência desta publicação. 

Aguardando que possam ser honrados os compromissos por vós assumidos perante a sociedade, despeço-me.

Joaquim Santos

Um abraço, amigos
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 27 de Dezembro de 2008, 02:39
in Blog de Espiritismo:

Sr. Director da Super-Interessante,

Mais uma vez a vossa revista se permite escrever sobre Espiritismo, e mais uma vez o que afirmam é uma catadupa de lugares-comuns e falácias sem qualquer fundamento.

Numa publicação que se afirma séria, e que pretende abordar de forma acessível temáticas de cultura geral, não seria do mais elementar bom-senso documentarem-se minimamente acerca do que escrevem?

O autor da peça "As Fraudes do Paranormal" prima pela postura intelectualmente desonesta. Falou com representantes do movimento espírita? Leu as obras básicas do Espiritismo? Visitou alguma associação espírita? Então em que se baseia para classificar a priori o Espiritismo como fraude? Estará consciente das implicações desse termo ou arremessa-o assim, por pura sandice e ignorância?

Ora repare:

- O termo Espiritismo foi cunhado em 1857, com a publicação da obra O Livro dos Espíritos. Não há, pois "espiritismo antigo" e "espiritismo moderno"!

- Paranormalidade/percepção extra-sensorial/mediunidade/ comunicação com o Além, sempre houve, desde os alvores da Humanidade.

- O Espiritismo é uma filosofia. Não deve ser confundido com o fenómeno da mediunidade.

- "Fraude" no Espiritismo??? Como? Onde? Quando? Quem? Provas? Onde é que numa associação espírita alguém já vendeu comunicações com os Espíritos???

- As Irmãs Fox não iniciaram o Espiritismo. Despertaram grande curiosidade mediática, pois os fenómenos de Hydesville ocorreram numa época em que a Imprensa já era global. Não eram espíritas nem o Espiritismo tem qualquer ligação com as Irmãs Fox, que são apenas mais um caso entre milhares, que muitos cientistas têm, aliás, estudado.

- As vossas afirmações acerca das Irmãs Fox, primam, aliás, pela mais completa falta de rigor e de pesquisa básica.

Estarão porventura a fazer confundir Espiritismo, filosofia devidamente codificada, com vasto acervo de obras de autores idóneos e honestidade reconhecida, com o vastíssimo campo do "New Spiritualism" norte-americano, que é basicamente comunicação com os mortos, e pasto frequente para encenações grosseiras? Não são coisas comparáveis!

Semelhanças fonéticas ou etimológicas não justificam associações tão infelizes.

Espiritualismo é o oposto de Materialismo. É a grande família filosófica que agrupa todos aqueles que acreditam haver algo mais em si do que matéria.

O Espiritismo, ou Doutrina dos Espíritos, é uma filosofia e um movimento cultural e humanista, legal, idóneo, cumpridor e respeitador das Leis. Nada tem a ver com tratantes de vão de escada ou com exibições circenses de mau gosto!

O Racionalismo Cristão, por exemplo, admite a comunicabilidade dos Espíritos, mas como a sua designação não vos faz lembrar sessões de mesa giramnte e velinhas, é poupado às vossas lamentáveis caricaturas.

Ou será simplesmente que para vós "espírita" e "Espiritismo" são sinónimos de "médium" e "mediunidade"? Se é esse o caso, estamos perante pura e incurável ignorância...

Que façam Jornalismo sério, é a minha sugestão, para que a revista possa ser de facto Super Interessante, e não o contrário!

Com os Melhores Cumprimentos,

André Afonso
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 27 de Dezembro de 2008, 16:38
O endereço apontado acima não está receber emailes.

A quem quiser fazer sentir o seu desagrado por mais esta acusação de "fraude" e por mais esta forma distorcida de retaratar o Espiritismo, sugerimos este endereço electrónico:

cmadeira@motorpress.pt
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: Victor Passos em 27 de Dezembro de 2008, 17:59
Ola Mario e companheiros

Muita paz

    Todos já sabemos da perseguição constante dos detratores do Espiritismo, reforçando vosso esforço apelava a um companheiro se possivel que me enviasse o dito artigo , afim de também poder dar uma nota de minha parte...
   No entanto aqui fica mais um exemplo...

DE ESTUDOS PSICOLÓGICOS COLETÂNEA FRANCESA PUBLICADA SOB A DIREÇÃO DE ALLAN KARDEC
 
DECIMO PRIMEIRO ANO- l868

A INTOLERÂNCIA E A PERSEGUIÇÃO EM RELAÇÃO AO ESPIRITISMO.

             

O facto seguinte nos foi assinalado por um de nossos correspondentes. Calamos, por conveniência, o nome do lugar onde se passou, mas, caso necessário, temos a peça justificativa nas mãos.

O cura de.....tendo sabido que uma de suas paroquianas tinha recebido O Livro dos Espíritos, veio procurá-la em sua casa e lhe fez uma cena escandalosa em apostrafando-o de epítetos muito pouco evangélicos; ameaçou-a, além disto, de não enterrá-la quando ela morresse, se ela não acreditasse no diabo e no inferno; depois, apoderando-se do livro, levou-o.

Alguns dias depois, essa senhora, que aquele insulto havia muito pouco tocado, foi à casa do padre pedir-lhe seu livro, dizendo a si mesma que, se não o restituísse, não era difícil de se proporcionar um outro, e que ela saberia muito bem colocá-lo em lugar seguro.

O livro foi restituído, mas num estado que provava que uma santa cólera tinha se descarregado sobre ele. Estava maculado de rasuras, de anotações, de refutações, onde os Espíritos eram tratados de mentirosos, de demônios, de estúpidos, etc. A fé dessa senhora, longe de ser abalada, não ficou senão mais fortalecida. Prende-se, diz-se, mais moscas com mel do que com vinagre; o padre lhe apresentou o vinagre, ela preferiu o mel, e disse a si mesma: Perdoai-lhe, Senhor, porque ele não sabe o que faz. De que lado estava o verdadeiro cristianismo?

As cenas dessa natureza eram muitos freqüentes há sete ou oito anos, e tinham, às vezes, um caráter de violência que tendia ao burlesco. Recorda-se aquele missionário que espumava de raiva pregando contra o Espiritismo, e se agitava com tanto furor que se temia um instante que caísse no púlpito. E esse outro pregador que convidava todos os detentores de obras espíritas a traze-las para colocá-las no fogo, na praça pública. Infelizmente para ele não lhe foi levada nenhuma, e se as indenizava queimando no pátio do seminário todas aquelas que se pôde proporcionar nas livrarias. Hoje que disso se reconheceu a inutilidade e os inconvenientes, essas demonstrações excêntricas são muito raras; a experiência provou que elas mais desviaram da Igreja do que do Espiritismo.

O fato acima narrado tem um caráter de uma gravidade particular. O padre, em sua igreja, em sua casa, sobre seu terreno; dar ou recusar preces segundo a sua consciência, está em seu direito, dele usa, sem dúvida, às vezes, de maneira mais nociva do que útil à causa que defende, mas, enfim, ele está em seu direito, e achamos ilógico que pessoas que são, de pensamentos senão de fato, separadas da Igreja, que não cumprem nenhum dos deveres que ela impõe, tenham a pretensão de constranger um padre afazer o que, certo ou errado, ele considera como contrário à sua regra. Se não credes na eficácia de suas preces, por que isto exigir dele? Mas, pela mesma razão, ele ultrapassa o seu direito quando se impõe àqueles que não o pedem. No caso de que se trata, que direito tinha esse padre de ir violentar a consciência dessa senhora em seu próprio domicílio, e ali fazer uma visita inquisitorial, e se apoderar daquilo que não lhe pertencia? O que ganha a

religião com esses excessos de zelo? Os amigos inábeis são sempre nocivos.

Esse fato, em si mesmo, é de pouca importância, e não é, em definitivo, senão um aborrecimento que prova a estreiteza das idéias de seu autor; não teríamos dele falado, se não se ligasse a fatos mais graves, às perseguições propriamente ditas, cujas conseqüências são mais sérias.

Estranha anomalia! Qualquer que seja a posição de um homem, oficial ou subordinado a um título qualquer, não se lhe contesta o direito de ser protestante, judeu ou mesmo nada de todo; ele pode ser abertamente incrédulo, materialista ou ateu; pode preconizar tal ou tal filosofia, mas não tem o direito de ser Espírita. Se ele for suspeito de Espiritismo, como outrora se era suspeito de jansenismo, ele é suspeito; se a coisa for confessada, ele é olhado obliquamente por seus superiores quando estes não pensam como ele, considerado como um perturbador da sociedade, ele que abjura toda idéia de ódio e de vingança, que tem por regra conduzir a caridade cristã em sua mais rigorosa acepção, a benevolência para todos, a tolerância, o esquecimento e o perdão das injúrias, em uma palavra, todas as máximas que são a garantia da ordem social, e o maior freio das más paixões. Pois bem! o que, de todos os tempos e entre todos os povos civilizados, é um título à estima das pessoas honestas, se torna um sinal de reprovação aos olhos de certas pessoas que não perdoam a um homem  ter se tornado melhor pelo Espiritismo! Quaisquer que sejam suas qualidades, seus talentos, os serviços prestados, se não é independente, se sua posição não é invulnerável, uma mão, instrumento de uma vontade oculta, pesa sobre ele, o fere, podendo atingi-lo em seus meios de existência, em suas afeições mais caras, e até em sua consideração.

Que coisas semelhantes se passem nas regiões onde a fé exclusiva erige a intolerância em princípio como sua melhor salvaguarda, isso nada tem de surpreendente; mas que tenham lugar num país onde a liberdade de consciência está inscrita no Código das leis como um direito natural, se o compreende mais dificilmente. É preciso, pois, que se tenha muito medo desse Espiritismo que se afeta, no entanto, de apresentar como uma idéia vazia, uma quimera, uma utopia, uma coisa frívola que um sopro da razão pode abater! Se esta luz fantástica não está ainda extinta, no entanto, isso não é por falta de ter soprado em cima. Soprai, pois, soprai sempre: há chamas que se atiçam em soprando em lugar de extingui-las.

No entanto, dirão alguns, o que se pode censurar naquele que não quer e não pratica senão o bem; que cumpre os deveres de sua responsabilidade com zelo, probidade, lealdade e devotamento; que ensina a amar a Deus e a seu próximo; que prega a concórdia e convida todos os homens a se tratarem como irmãos, sem acepção de cultos nem de nacionalidades? Não trabalha ele para o apaziguamento das desavenças e dos antagonismos que causaram tantos desastres? Não é o verdadeiro apóstolo da paz? Reunindo em seus princípios o maior número possível de adeptos, por sua lógica, pela autoridade de sua posição, e, sobretudo, por seu exemplo, não previne dos conflitos lamentáveis? Se, em lugar de um, fossem dez, cem, mil, sua influência salutar não seria nisso muito maior? Tais homens são auxiliares preciosos; jamais o serão bastante; não se deveria encorajá-los, honrá-los? A doutrina que faz penetrar esses princípios no coração do homem pela convicção, apoiada sobre uma fé sincera, não é uma garantia de segurança? Onde se viu, aliás, que os Espíritas fossem turbulentos e causadores de perturbação? Não são eles, ao contrário, sempre e por toda a parte apontados como pessoas pacíficas e amigas da ordem? Todas as vezes que foram provocados por atos de malevolência, em lugar de usar represálias, não evitaram com cuidado o que teria podido ser uma causa de desordem? A autoridade teve que maltratá-los por algum ato contrário à tranqüilidade pública? Não, porque um funcionário, encarregado de manter a ordem, disse recentemente que se todos os seus administradores fossem Espíritas, ele poderia fechar a sua repartição. Há uma homenagem mais característica prestada aos sentimentos que os animam? E a que palavra de ordem eles obedecem? unicamente à de sua consciência, uma vez que não salientam nenhuma personalidade patente ou oculta na sombra. Sua doutrina é sua lei, e essa lei lhe prescreve fazer o bem e evitar o mal; por seu poder moralizador, ela conduziu à moderação homens exaltados, não temendo nada, nem Deus nem a justiça humana, e capazes de tudo. Se ela fosse popular, com que peso não pesaria nos momentos de efervescência e nos centros turbulentos? Em que, pois, esta Doutrina pode ser um motivo de reprovação? Como pode ela chamar a perseguição sobre aqueles que a professam e a propagam?

Admirai-vos que uma doutrina que não produziu senão o bem tenha adversários! Mas não conheceis, pois, a cegueira do espírito de partido? É que jamais considerou o bem que uma coisa pode fazer quando ela é contrária às suas opiniões ou aos seus interesses materiais? Não vos esqueçais de que certos oponentes o são por sistema bem mais do que por ignorância. Será em vão que esperareis conduzi-los a vós pela lógica de vossos raciocínios, e pela perspectiva dos efeitos salutares da Doutrina; eles sabem disto tão bem quanto vós, e é precisamente porque o sabem que não o querem; quanto mais essa lógica é rigorosa e irresistível, mais ela os exaspera, porque ela lhes fecha a boca. Quanto mais se lhes demonstra o bem que o Espiritismo produz, mais eles se irritam, porque sentem que ali está a força; também, devendo salvar o país de maiores desastres, eles o repeliriam apesar de tudo. Vós triunfareis de um incrédulo, de um ateu de boa fé, de uma alma viciosa e corrompida, mas de pessoas deliberadas, nunca!

O que esperam eles com a perseguição? Deter o vôo das idéias novas pela intimidação? Vejamos, em algumas palavras, se esse objetivo pode ser alcançado.

Todas as grandes idéias, todas as idéias renovadoras, tanto na ordem científica quanto na ordem moral, receberam o batismo da perseguição, e isto deveria ser, porque elas feriam os interesses daqueles que viviam das velhas idéias, dos preconceitos e dos abusos. Mas, desde que essas idéias constituíram verdades, é que jamais se viu que a perseguição tenha lhes detido o curso? A história de todos os tempos não está aí para provar que elas, ao contrário, cresceram, que elas se consolidaram, propagadas pelo efeito da própria perseguição? A perseguição foi o estimulante, o aguilhão que as impulsionou para a frente, e fez avançar mais rápido super excitando os espíritos, de sorte que as perseguições trabalharam contra si mesmas, e não ganharam senão serem estigmatizadas pela posteridade. Não se perseguiram senão as idéias às quais via-se um futuro; as que julgavam sem conseqüência, se as deixaram que morressem de morte natural.

O Espiritismo, também ele, é uma grande idéia; deveria, pois, receber seu batismo como seus predecessores, porque o espírito dos homens não mudou, e com ele ocorrerá o que ocorreu aos outros: um crescimento de importância aos olhos da multidão, e, conseqüentemente, uma maior popularidade. Quanto mais as vítimas estão em evidência, pela sua posição, mais haverá ressonância em razão da própria extensão de suas relações.

A curiosidade é tanto mais superexcitada quanto mais a pessoa é cercada de mais estima e de mais considerações; todos querem saber o por quê e o como; conhecer o fundo dessas opiniões que levantam tanta cólera; interroga-se, lê-se, e eis como uma multidão de pessoas, que jamais teriam se ocupado do Espiritismo, são levadas a conhecê-lo, a julgá-lo, a apreciá-lo e a adotá-lo. Tal foi, sabe-se, o resultado das declamações coléricas, das interdições pastorais, das diatribes de toda espécie; tal será o das perseguições; elas fazem mais: elevam-no à classe das crenças sérias, porque o bom senso diz que não se bate em coisas vãs.

A perseguição contra as idéias falsas, errôneas, é inútil, porque estas se desacreditam e caem por si mesmas; ela tem por efeito criar partidários e defensores, e retardar-lhe a queda, porque muitas pessoas as consideram boas, precisamente porque são perseguidas. Quando a perseguição ataca idéias verdadeiras, ela vai diretamente contra seu objetivo, porque lhe favorece o desenvolvimento: é, pois, em todos os casos, uma imperícia que se volta contra aqueles que a cometem.

Um escritor moderno lamentou que não se tivesse queimado Lutero, afim de destruir o protestantismo em sua raiz; mas, como não se teria podido queimá-lo senão depois da emissão de suas idéias, se o tivesse feito, o protestantismo, talvez, teria se propagado duas vezes mais do que não o foi. Queimou-se a João Huss; mas que ganhou com isto o concilio de Constança? de se cobrir com uma mancha indestrutível; mas as idéias do mártir não foram queimadas; elas foram um dos fundamentos da reforma. A posteridade concedeu a glória a João Huss e a vergonha ao concilio. (Revista Espírita, agosto de 1866, página236.) Hoje, não queimam mais, mas perseguem de outras maneiras.

Sem dúvida, quando uma tempestade estoura, muitas pessoas se colocam ao abrigo; as perseguições podem, pois, ter por efeito um impedimento momentâneo à livre manifestação do pensamento; os perseguidores, crendo tê-lo abafado, adormecem numa segurança enganosa; mas o pensamento nela não subsiste menos, e as idéias comprimidas são como as plantas em estufa; elas produzem mais depressa.



Muita paz


VICTOR PASSOS
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 27 de Dezembro de 2008, 21:17
Belo texto, Vítor.

No Blog de Espiritismo vamos tentar postar o texto de modo a que se leia.

Desta publicação (Super Interessante) não há a esperar outra coisa, pois repete ciclicamente estas vulgaridades ateístas primárias.

Não estão minimamente interessados em conhecer o Espiritismo, em se informarem, em ouvirem espíritas. Dá-lhes mais jeito, porque vende mais, perpetuar a ideia de que o Espiritismo é pessoas de mãos dadas no meio de velas a fazerem perguntas aos mortos, e de caminho juntam pérolas como as de que o Espiritismo foi fundado pelas Irmãs Fox, que os fenómenos de Hydesville foram uma fraude, ou que o "espiritismo moderno" foi inventado por "medo da morte".

Classificarem o Espiritismo (que é uma filosofia) como uma fraude, a par de fraudes reconhecidas, é o cheque-mate deste artigo, e dos do costume.

O Espiritismo suscita estes ódios

a) aos religiosos, porque vem colocar em perigo a sua pretensa condição de representantes de Deus na terra.

b) aos ateus, porque mostrando que a vida continua, mostra que há vida fora da matéria; logo daí até Deus é um passo, e eles odeiam Deus.

Por estas e outras é que acho que devemos sempre marcar a nossa posição. Serenamente, mas não nos calarmos, pois quem cala, consente. E se nos calarmos, quem lê esta e outras publicações vai interiorizar como verdades calúnias grosseiras.
M.
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: Victor Passos em 28 de Dezembro de 2008, 11:08
Ola bom Amigo Mario
MUITA PAZ

    Meu bom Amigo concordo plenamente com suas afirmações, agradeço então logo que no blog Espiritismo esteja a sintese do conteudo da Interessante que me avise por favor para email que está no meu perfil.
  Temos e devemos fazer vincu dentro dos parametros do bom senso qual qa realidade Espirita da Filosofia que seguimos e não permitir que detratores a manchem a seu belo prazer , quando como diz demonstram e com verdade um desconhecimento total do Espiritismo.

Abraço e muita paz


VICTOR PASSOS
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: Mateus em 28 de Dezembro de 2008, 11:53
 
  Olá Mário
 
  Um pequeno pormenor, estou atento, e calado quanto a este tema, mas, tudo o que acontece não é por acaso.

  Ao escrever aqui, pouco disse, mas não estando de acordo, com a postura da revistazinha, confio que não teremos que nos preocupar muito, ou seja:


  A revistazinha vai ganhar muito, muito dinheiro, para no mínimo, poder alimentar, com parte desse dinheiro, para pagar aos funcionários, e assim estes poderem adquirir os alimentos físicos. O que sobrar desse dinheiro vão poder fazer ou não muitas coisas, mas essas coisas, se fossem para alimentar a alma tudo, mas ainda tudo indica que não será, assim os intervenientes da dissolvição desse dinheiroexcedente, quando partir, ou va la morrem, sabemos nós, que não levam com eles as materializações, levando então e sim o que fizeram do dinheiro, ou o que só fizeram.
  Por outro lado, aparecer, em capa de 1ª página numa revistazinha, a falar então em Espiritismo, embora com alinhamentos horizontais de letrinhas a serem lidas da esquerda para a direita com tendências que são as que são só isso. A cada um de nós, o seu entendimento, o seu conhecimento e vivência é e deverá ser suficiente para estarmos razoávelmente tranquilos.
  Quem já ouviu falar de Espiritismo, poderá ler ou não, e aqui, lembro-me que não há acasos.
  As pessoas que ainda não ouriveram ou leram algo sobre o Espiritismo, também poderão ler ou não, e então não há acasos.
  As pessoas que acaso intencionalmente, ao pensarem que conseguiram destronar, o que já estar muito bem enraizado, poderão festejar a vitória enganosa e temporária, com d. perrinhom, ou aguas das pedras, poderás dar abraçõs de satisfação temporários,  porque se por vezes, nós não sabemos o que fazemos, eles também tem esse direito.
 No mínimo ao festejar a vitória, un esfregar agora porque está frio um esfregar de mãos que é muito vão.
 Existe sempre uma verdade, e ou realidade, quando existe anteriormente o boato.

 Serenos e atentos opinação pessoal e então:

 Muita Paz e Amor para Todos, mas para todos

 Mateus
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: hcancela em 28 de Dezembro de 2008, 14:22
Olá amigos(as)

Compreendo a vossa postura,e,por vezes também me vem há ideia outras mais;mas:
Lembro-me do lançamento do livro dos espiritos em Barcelona,e que por conselho dos bons Espiritos,Allan Kardec deixou que eles fossem queimados,e como sabem ,não houve melhor publicidade do que esse acto(na altura denominado auto de Barcelona).
Portanto tanto nessa revista como neste sitio na net(porque aqui também os há,escondidos sob-nome de aprendizes,exploradores,céticos,ex-cristãos,evangélicos,católicos,e,outros nomes tais;etc.etc.etc.
O melhor a fazer( penso eu)é deixá-los falar ou escrever(para eles próprios)acabarão sempre por se cansar,mais dia menos dia,e com isso as pessoas por elas mesmo encontrarão a sua realidade,tal como nós há uns tempos atrás.

O que interessa neste momento é nossa postura,correta e honesta com os ensinamentos do Mestre Jesus:AMAI OS VOSSOS INIMIGOS,PORQUE SE ASSIM NÃO FOR ,QUE MÉRITO É QUE TEREMOS!

QUERIDOS AMIGOS QUE A GRAÇA DE DEUS NO PAI ESTEJA COM TODOS VÓS.

SAUDAÇOES FRATERNAS
CANCELA
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 29 de Dezembro de 2008, 02:32
Caros amigos,

De modo algum alimentamos esperanças de chamar à razão as pessoas que escrevem estas coisas.

A Super-Interessante já recebeu centenas de chamadas de atenção e está farta de saber que Espiritismo é uma filosofia séria, estruturada, cristã, praticada em regime de total voluntariado.

Como está farta de saber que pessoas de mãos dadas, no meio de velas, a falarem com os mortos, é uma prática, é mediunismo, é irresponsabilidade, diversão duvidosa, ou mesmo fraude.

Ainda que os articulistas possam ser superficiais e levianos, e não ponderarem sobre o que escrevem, fazendo eco de estúpidos lugares-comuns, a revista tem uma gestão, que está a par dos inúmeros esclarecimentos e protestos dos espíritas.

É claro que a estupidez ou a ignorância são livres, e não podemos andar a esclarecer à força quem não quer ser esclarecido, mas o Jornalismo tem uma deontologia a respeitar. Esta revista tem grande alcance, atinge camadas jovens via bibiotecas escolares, por exemplo, e entendemos que é nosso dever exigir a rectificação destas alarvidades e da acusação grave de fraude.

Assim fizeram Kardec ou Leon Denis, assim faz a ADEPortugal, o nosso estimado João Xavier de Almeida, o nosso distinto confrade brasileiro Alamar Régis, e tantos outros espíritas, incansavelmente.
Sem cairmos na vulgaridade de quem nos calunia, não nos ficará mal, serenamente, exigir a rectificação.

A carta do Francisco Reis é um exemplo de elevação e dignidade na defesa do Espiritismo.

Abraço amigo,

Mário/Blog de Espiritismo

Post Scriptum:  vejam, sff, http://blog-espiritismo.blogspot.com/2008/12/alamar-carta-ao-arcebispo-sebastio.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Jsb2ctZXNwaXJpdGlzbW8uYmxvZ3Nwb3QuY29tLzIwMDgvMTIvYWxhbWFyLWNhcnRhLWFvLWFyY2ViaXNwby1zZWJhc3Rpby5odG1s).
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 18 de Janeiro de 2009, 00:18
Leiam o artigo da Super Interessante em:

http://blog-espiritismo.blogspot.com/2009/01/blog-post.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Jsb2ctZXNwaXJpdGlzbW8uYmxvZ3Nwb3QuY29tLzIwMDkvMDEvYmxvZy1wb3N0Lmh0bWw=)

e dirijam o vosso protesto construtivo para

cmadeira@motorpress.pt

samaral@motorpress.pt

fandrade@motorpress.pt

decolx@deco.pt

provedor@provedor-jus.pt

info@erc.pt


Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 29 de Janeiro de 2009, 13:23
Informa-nos o amigo João que a Super Interessante de Fevereiro reproduziu algumas das cartas de protesto que foram enviadas. A todos os companheiros que colaboraram, os nossos parabéns pela disponibilidade e pelo zelo na defesa da honra e dignidade da doutrina que professamos. De caminho, convido-vos a ler  este artigo de Alamar Régias, publicado no Blog de Espiritismo:

http://blog-espiritismo.blogspot.com/2009/01/alamar-voce-ja-imaginou.html  (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Jsb2ctZXNwaXJpdGlzbW8uYmxvZ3Nwb3QuY29tLzIwMDkvMDEvYWxhbWFyLXZvY2UtamEtaW1hZ2lub3UuaHRtbA==)
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: hcancela em 29 de Janeiro de 2009, 14:53
Olá amigo Mário

Gostei bastante das informações,que são para todos nós que tentamos no dia-a-dia ser espiritas, uteis!
Não digo que tenho essa força que o amigo e outros possuem,para desmascarar(perdoe a expressão)os atropelos ,as leis de Deus que todos de uma forma geral o fizemos através dos séculos e, mudar as mentalidades de um dia para o outro é muito dificil.
Frequento e colabora dentro das minhas pouquissimas possibilidades um centro espirita Aqui no porto,tento ao meu jeito e dentro dos ensinamentos do espiritismo que ALLAN KARDEC organizou,com o auxilio dos espiritos elevados(espirito da Verdade),falar ,conversar,enfim amigo;o que é o espiritismo,o que ele nos tem para oferecer,qual o objetivo,e sabe :salvo raro excepções as pessoas dizem que não têm tempo e, muitas outras desculpas ,que creio que você sabe.
Não digo com isto que devemos parar ,antes pelo contrário;mas as pessoas como não querem ler,procurar o que se passa com elas,tornam-se alvos, muito faceis,para a crendice,misticismo,etc;Dai prolifarem cada vez mais as religiões materialista,que oferecem a cura fácil(dito milagre)e a criatura em aflição vai com tanta facilidade pelo espetáculo,do que pela razão.Cada vez mais me convenso que tudo tem um tempo e,acho que esse tempo já chegou(infelizmente pela dor,porque não aprendemos pelo Amor).Este é o tempo de separar o trigo do joio.
Tudo isto caro amigo(perdoe por escrever de mais)que Deus lhe dê muita força e ânimo para conseguir demostrar e informar a todos aqueles que precisarem de saber.
OS SÃO NÃO PRECISAM DE MÉDICO
Um forte abraço para si e para todos os outros irmãos que formaram esse blog.


SAUDAÇÕES FRATERNAS
CANCELA
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 29 de Janeiro de 2009, 21:35
Olá Cancela,
Não é uma questão de força, mas de paciência, caro amigo :) Quem se afiniza com o Espiritismo, será, naturalmente, guiado até à nossa doutrina. Aos outros, amamos como se fossem espíritas como nós, e apenas exigimos o mesmo respeito que lhes dispensamos, sem excepção.
Abração,
Mário
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: Victor Passos em 30 de Janeiro de 2009, 17:39
OLa Amigo Mario
Muita paz

    Reitero todo meu respeito por si, nós precisamos de vozes activas que defendam tal como o Amigo com bom senso e respeito os valores daqueles que como espiritas procuram divulgar com sereidade a nossa Filosofia...

Meus parabens


Muita paz e harmonia

VICTOR PASSOS
Título: Re: Mais calúnias grosseiras da Super-Interessante...
Enviado por: M em 01 de Fevereiro de 2009, 01:54
Olá Caro Victor,

Isto por cá, em Portugal, graças a Deus, não custa nada. Há liberdade de expressão, e é só escrever a cartinha da ordem. Irmãos nossos como por exemplo os cubanos, é que lutam com mais adversidade e correm riscos muito sérios, pois nesse país, como em muitos outros, Espiritismo é considerado "coisa do Diabo"...

Neste post do Blog de Espiritismo (cortesia do blog Campo Fértil) já se pode ampliar a página das cartas:

http://blog-espiritismo.blogspot.com/2009/02/super-interessante-publica-cartas-de.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Jsb2ctZXNwaXJpdGlzbW8uYmxvZ3Nwb3QuY29tLzIwMDkvMDIvc3VwZXItaW50ZXJlc3NhbnRlLXB1YmxpY2EtY2FydGFzLWRlLmh0bWw=)

A revista teve uma atitude louvável ao permitir a nossa resposta. Poderiam ter ignorado, por orgulho ou desdém, mas não o fizeram.

Mário