Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => Estudos mensais => Tópico iniciado por: Dothy em 01 de Outubro de 2016, 02:35

Título: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2016, 02:35
Boa noite irmãos... Sejam bem-vindos

Vamos iniciar mas um Estudo mensal, convidamos a todos a participarem conosco, trazendo sua mensagem, colaboração video e participação

O Evangelho Segundo o Espiritismo Capítulo XVII
Sede Perfeitos
1- Caracteres da Perfeição
1 – Mas eu vos digo: Amai os vossos inimigos, fazei bem ao que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam. Para serdes filhos de vosso Pai que está nos Céus; o qual faz nascer o seu sol sobre bons e maus, e vir chuva sobre justos e injustos. Porque se vós não amais senão os que vos amam, que recompensas haveis de ter? Não faz os publicanos também o mesmo? E se vós saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis nisso de especial? Não fazem também assim os gentios? Sede vós logo perfeitos, como também vosso Pai celestial é perfeito. (Mateus, V: 44 e 46-48).

            2 – Desde que Deus possui a perfeição infinita em todas as coisas, esta máxima: “Sede perfeitos, como vosso Pai celestial é perfeito”, tomada ao pé da letra, faria supor a possibilidade de atingirmos a perfeição absoluta. Se fosse dado à criatura ser tão perfeita quanto o seu próprio Criador, ela o igualaria, o que é inadmissível. Mas os homens aos quais Jesus se dirigia não teriam compreendido essa questão. Ele se limitou, portanto, a lhes apresentar um modelo e dizer que se esforçassem para atingi-lo.

            Devemos, pois, entender, por essas palavras, a perfeição relativa de que a humanidade é suscetível, e que mais pode aproximá-la da Divindade. Mas em que consiste essa perfeição? Jesus mesmo o disse: “Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos têm ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam”. Com isso, mostra que a essência da perfeição é a caridade, na sua mais ampla acepção, porque ela implica a prática de todas as outras virtudes.

            Com efeito, se observarmos o resultado de todos os vícios, e mesmo dos simples defeitos, reconheceremos que não há nenhum que não altere mais ou menos o sentimento de caridade, porque todos nascem do egoísmo e do orgulho, que são a sua negação. Porque tudo o que excita exageradamente o sentimento da personalidade destrói ou, quando nada, enfraquece os princípios da verdadeira caridade, que são: a benevolência, a indulgência, o sacrifício e o devotamento. O amor do próximo, estendido até o amor dos inimigos, não podendo aliar-se com nenhum defeito contrário à caridade, é sempre, por isso mesmo, o indício de uma superioridade moral maior ou menor. Do que resulta que o grau de perfeição está na razão direta da extensão do amor ao próximo. Eis por que Jesus, depois de haver dado a seus discípulos as regras da caridade, no que ela tem de mais sublime, lhes disse: “Sede logo perfeitos, como também vosso Pai celestial é perfeito”.

Questão reflexiva:

Em que consiste essa perfeição possível à humanidade terrena?
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 01 de Outubro de 2016, 11:25
Amigos com muito carinho para todos o meu bom dia de muita paz e para a minha amiga Dothy o meu muito obrigado pela sua colaboração neste lindo tema.
"Amai os vossos inimigos; fazei o bem àqueles que vos odeiam e orai por aqueles que vos perseguem e que vos caluniam; porque se não amais senão aqueles que vos amam, que recompensa com isso tereis?
Os publicanos não o fazem o também?
 E se vós não saudardes senão vossos irmãos, que fazeis nisso ais que os outros? Os Pagãos não o fazem também? Sede pois, vós outros, perfeitos, como vosso pai celestial é perfeito".
 (Mateus, 5, 44, 46 a 48)
A frase "Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito" mostra uma ordem, uma ordenação dada por Jesus a todos os habitantes do Planeta Terra, independente da seita ou da religião que professe.
Pergunta-se: não sabia Jesus que somos fracos e imperfeitos?
Como pode Ele dar essa ordem peremptória?
Lógico que Ele sabia e sabe ainda, mas o problema é que fomos criados à imagem e semelhança de Deus.
Diante desta verdade, devemos prestar contas ao Pai dentro do melhor nível de evolução que pudermos alcançar.
O modelo para chegarmos ao Pai é Jesus, porque, dentre os encarnados, ele foi o Espírito mais evoluído que desceu neste Planeta.
A sua missão foi a de nos mostrar o caminho da salvação.
Qual o exemplo que nos deu?
Sofreu perseguições, sarcasmos, insultos e morreu na cruz.
Tudo isso para nos ensinar que o reino de Deus está dentro de nós e que só o alcançaremos se seguirmos as suas pegadas.
A perfeição de que Jesus nos ordena está centrada na caridade que fizermos ao nosso próximo.
Esta caridade deve ser exaltada para que culmine até no amor ao inimigo.
Quando ele nos conta a Parábola do Bom Samaritano, por exemplo, faz-nos uma apologia do amor ao próximo, isento de preconceitos, de segundas intenções.
Evoca, também, a ideia de que a humanidade é mais importante do que as crenças particulares.
Ninguém é uma ilha.
Cada um de nós tem responsabilidade para com próximo em termos dos pensamentos emitidos, tanto verbais como mentais.
Nesse mister, a aura do Planeta Terra nada mais é do que a soma de todas as vibrações que emanam de seus habitantes.
Assim, um único pensamento de melhoria, lançado ao globo, pode ser fator desencadeante de perfeição do planeta e do universo.
Contudo, para que possamos emitir bons fluidos, é necessário que saibamos ouvir com clareza a palavra de Deus; para isso, devemos estar constantemente purificando o nosso vaso interior, pois o conhecimento, que é sempre lançado puro, precisa de condições propícias para o nosso crescimento..
Amigos com um abraço sincero de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Sedes perfeito
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2016, 16:33
             Boa tarde amigos... Sejam bem-vindos

Diante da perfeição

-Ninguém te pede a renúncia integral aos bens que te enriquecem os dias terrestres, no entanto, podes doar, de improviso, a migalha do que te sobre ao conforto doméstico, em auxílio ao companheiro necessitado.

- Ninguém espera desempenhes, ainda hoje, o papel de herói na praça pública, mas podes calar, sem detença, a palavra escura ou amargosa capaz de emergir de teu coração para os lábios. - Ninguém aguarda sejas o remédio para todas as doenças, entretanto, ainda hoje, podes ser a enfermagem diligente, balsamizando as úlceras dos enfermos relegados ao abandono.

- Ninguém te solicita prodígios, em manifestações prematuras de fé, mas podes ser, sem delonga, o reconforto que ampare a quantos atravessam as sarças do caminho.

Lembra a semente que te regala o corpo e aprendamos a começar.

A planta que era ontem simples promessa, hoje é a garantia do pão que te supre a mesa.

As maiores e as mais famosas viagens iniciam-se de um passo.

Esforcemo-nos por fazer o melhor ao nosso alcance, desde agora, e a perfeição ser-nos-á, um dia, preciosa fonte de bênçãos, descortinando-nos luminoso porvir.

EMMANUEL
(Do livro Nascer e Renascer, 16, FCXavier)
Título: Re: Sedes perfeito
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Outubro de 2016, 16:53
Olá Dothy

Belo e importantíssimo tema

Que tenhas sucesso neste estudo mensal
Que possamos todos compreender estas lições
Que possamos aprender com o Cristo
Que possamos aplicar os seus ensinamentos
Que sejamos felizes

Abraços a todos que participam destes estudos
Título: Re: Sedes perfeito
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2016, 18:28
Amigos com muito carinho para todos o meu bom dia de muita paz e para a minha amiga Dothy o meu muito obrigado pela sua colaboração neste lindo tema.
"Amai os vossos inimigos; fazei o bem àqueles que vos odeiam e orai por aqueles que vos perseguem e que vos caluniam; porque se não amais senão aqueles que vos amam, que recompensa com isso tereis?
Os publicanos não o fazem o também?
 E se vós não saudardes senão vossos irmãos, que fazeis nisso ais que os outros? Os Pagãos não o fazem também? Sede pois, vós outros, perfeitos, como vosso pai celestial é perfeito".
 (Mateus, 5, 44, 46 a 48)
A frase "Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito" mostra uma ordem, uma ordenação dada por Jesus a todos os habitantes do Planeta Terra, independente da seita ou da religião que professe.
Pergunta-se: não sabia Jesus que somos fracos e imperfeitos?
Como pode Ele dar essa ordem peremptória?
Lógico que Ele sabia e sabe ainda, mas o problema é que fomos criados à imagem e semelhança de Deus.
Diante desta verdade, devemos prestar contas ao Pai dentro do melhor nível de evolução que pudermos alcançar.
O modelo para chegarmos ao Pai é Jesus, porque, dentre os encarnados, ele foi o Espírito mais evoluído que desceu neste Planeta.
A sua missão foi a de nos mostrar o caminho da salvação.
Qual o exemplo que nos deu?
Sofreu perseguições, sarcasmos, insultos e morreu na cruz.
Tudo isso para nos ensinar que o reino de Deus está dentro de nós e que só o alcançaremos se seguirmos as suas pegadas.
A perfeição de que Jesus nos ordena está centrada na caridade que fizermos ao nosso próximo.
Esta caridade deve ser exaltada para que culmine até no amor ao inimigo.
.
Amigos com um abraço sincero de muita paz
(Ligação para o anexo)
Manuel Altino


Boa tarde Altino, eu que agradeço a oportunidade de levar este tema importante e que muito nos mostrará meios e caminhos para a perfeição
abraços
Título: Re: Sedes perfeito
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2016, 18:29
Olá Dothy

Belo e importantíssimo tema

Que tenhas sucesso neste estudo mensal
Que possamos todos compreender estas lições
Que possamos aprender com o Cristo
Que possamos aplicar os seus ensinamentos
Que sejamos felizes

Abraços a todos que participam destes estudos


Obrigada Moises pelos votos e participação
que assim seja
abraços
Título: Re: Sedes perfeito
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2016, 18:31
Deus... Causa primária de todas as coisas

Jesus, nosso irmão, modelo e guia

Questão reflexiva:

Em que consiste essa perfeição possível à humanidade terrena?



Título: Re: Sedes perfeito
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Outubro de 2016, 20:19
Deus... Causa primária de todas as coisas

Jesus, nosso irmão, modelo e guia

Questão reflexiva:

Em que consiste essa perfeição possível à humanidade terrena?




Não basta amar os que nos amam, fazer bem aos que nos fazem bem.
É preciso muito mais:

 “Amai os vossos inimigos, fazei bem ao que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam.”

Afirma Kardec que, por essa frase, Jesus mostra que,
“A essência da perfeição é a caridade, na sua mais ampla acepção, porque ela implica a prática de todas as outras virtudes.”
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 02 de Outubro de 2016, 00:51
Deus... Causa primária de todas as coisas

Jesus, nosso irmão, modelo e guia

Questão reflexiva:

Em que consiste essa perfeição possível à humanidade terrena?




Não basta amar os que nos amam, fazer bem aos que nos fazem bem.
É preciso muito mais:

 “Amai os vossos inimigos, fazei bem ao que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam.”

Afirma Kardec que, por essa frase, Jesus mostra que,
“A essência da perfeição é a caridade, na sua mais ampla acepção, porque ela implica a prática de todas as outras virtudes.”

Boa noite Moises, grata pela participação

Amar a quem simpatizamos é muito mais fácil.o grande mérito e amar aqueles que por diversos motivos nos inspiram raiva, rancor e desejos de vingança
Título: Re: Sede perfeitosr
Enviado por: Dothy em 02 de Outubro de 2016, 00:54
Boa noite irmãos... Muita paz

Sede vós  perfeitos, como também vosso Pai celestial é perfeito. (Mateus, V: 44 e 46-48). Palavras de jesu
s

Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 03 de Outubro de 2016, 10:51
Amigos com muito carinho o meu bom dia sereno de muita paz e meditando neste belo tema que nos ajuda a entender o quanto temos de evoluir para uma dia alcançarmos a perfeição relativa neste planeta de provas e expiações o importante é sermos caridosos para com todos e ao mesmo tempo sermos humildes  para com todos.....
Para dilatar a nossa capacidade espiritual, ainda não encontramos uma fórmula mais elevada e mais bela que a do esforço próprio, dentro da humildade e do amor, no ambiente de trabalho e de lições da Terra, onde Jesus houve por bem instalar a nossa oficina de perfectibilidade para a futura elevação dos nossos destinos de espíritos imortais.
[attach=1]
Ao lavar os pés dos seus discípulos, queria o Divino Mestre testemunhar às criaturas humanas a suprema lição da humildade, demonstrando, ainda uma vez, que, na coletividade cristã, o maior para Deus seria sempre aquele que se fizesse o menor de todos.
O Cristo, que não desdenhou a energia fraternal na eliminação dos erros da criatura humana, afirmando-se como o Filho de Deus nos divinos fundamentos da Verdade, ao lavar os pés dos discípulos, cingiu-se com uma toalha para revelar-se o escravo pelo amor à Humanidade, à qual vinha trazer a luz da vida, na abnegação e no sacrifício supremos.
O trabalho e a Humildade são as duas margens do caminho do auxílio..
Amigos esta é uma vertente que todos temos de trabalhar na nossa vida a humildade para com  todos e ao mesmo tempo fazer da humildade uma nova maneira de estar na vida..
Amigos com um carinhoso abraço de muita paz este vosso dedicado amigo sincero....
[attach=2]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 04 de Outubro de 2016, 00:49
Boa noite amigo
Grata pela importante contribuição ao nosso estudo
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Antonio Renato em 04 de Outubro de 2016, 09:53
                                                                    - Sede perfeitos -

Minha querida irmã Dothy e demais participantes deste estudo, bom dia. Essa proposta,
esse chamamento que Jesus nos faz, coloca-nos no caminho que devemos seguir para
que possamos atingir a meta estabelecida por Deus para todos nós. É sem dúvida um
caminho árduo que exige de todos um esforço muito grande, pois somos espíritos
muito imperfeitos ainda, trazemos vícios de encarnações passadas e estamos nessa
para resgatar e expiar através das provas que nos são apresentadas.
Em que consiste essa perfeição possível a humanidade terrena? No exercício do amor
a todos sem distinção, e permanentemente; podemos ser relativamente perfeitos, pois
se condicionarmos amar tão somente os que nos cercam, não será de grande mérito,
mas amar também o inimigo, e essa é uma grande prova. O despertar em todos de uma
consciência, de que só através da caridade e solidariedade e que se poderá atingir metas
para alcançar uma relativa perfeição, dá a todos uma grande responsabilidade, pois assumimos esse compromisso com Jesus pelo que ele nos ensinou.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 04 de Outubro de 2016, 14:34
[attach=1]O Serviço da Perfeição

Um velho oleiro, muito dedicado ao trabalho, certa feita adoeceu gravemente e entrou a passar enormes dificuldades.

Os parentes, aos quais ele mais servira, moravam em regiões distantes e pareciam haver perdido a memória...

Sem ninguém que o auxiliasse, passou a viver da caridade pública, mas, quando esmolava, caiu na via pública e quebrou uma das pernas, sendo obrigado a recolher-se à cama por longo tempo.

Chorando, amargurado, fez uma prece e rogou a Deus alguma consolação para os seus males.

Então, dormiu e sonhou que um anjo lhe apareceu, trazendo a resposta pedida.

O mensageiro do Céu conduziu-o até o antigo forno em que trabalhava, e, mostrando-lhe alguns formosos vasos de sua produção, perguntou:

- Como é que você conseguiu realizar trabalhos assim tão perfeitos?

O oleiro, orgulhoso de sua obra, informou:

- Usando o fogo com muito cuidado e com muito carinho, no serviço da perfeição. Alguns vasos voltaram ao calor intenso duas ou três vezes.

- E sem fogo você realizaria a sua tarefa? - indagou, ainda, o emissário.

- Nunca! - respondeu o velho, certo do que afirmava.

- Assim também - esclareceu o anjo, bondoso -, o sofrimento e a luta são as chamas invisíveis que Nosso Pai Celestial criou para o embelezamento de nossas almas que, um dia, serão vasos sublimes e perfeitos para o serviço do Céu.

Nesse instante, o doente acordou, compreendeu a Vontade Divina e rendeu graças a Deus.


Francisco Cândido Xavier
Pelo Espírito Meimei.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 04 de Outubro de 2016, 23:50
                                                                    - Sede perfeitos -

Minha querida irmã Dothy e demais participantes deste estudo, bom dia. Essa proposta,
esse chamamento que Jesus nos faz, coloca-nos no caminho que devemos seguir para
que possamos atingir a meta estabelecida por Deus para todos nós. É sem dúvida um
caminho árduo que exige de todos um esforço muito grande, pois somos espíritos
muito imperfeitos ainda, trazemos vícios de encarnações passadas e estamos nessa
para resgatar e expiar através das provas que nos são apresentadas.
Em que consiste essa perfeição possível a humanidade terrena? No exercício do amor
a todos sem distinção, e permanentemente; podemos ser relativamente perfeitos, pois
se condicionarmos amar tão somente os que nos cercam, não será de grande mérito,
mas amar também o inimigo, e essa é uma grande prova.
Boa noite amigo
grata pela contribuição ao nosso estudo
abraços
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 05 de Outubro de 2016, 00:03
(Ligação para o anexo) O Serviço da Perfeição

Um velho oleiro, muito dedicado ao trabalho, certa feita adoeceu gravemente e entrou a passar enormes dificuldades.

Os parentes, aos quais ele mais servira, moravam em regiões distantes e pareciam haver perdido a memória...

Sem ninguém que o auxiliasse, passou a viver da caridade pública, mas, quando esmolava, caiu na via pública e quebrou uma das pernas, sendo obrigado a recolher-se à cama por longo tempo.

Chorando, amargurado, fez uma prece e rogou a Deus alguma consolação para os seus males.

Então, dormiu e sonhou que um anjo lhe apareceu, trazendo a resposta pedida.

O mensageiro do Céu conduziu-o até o antigo forno em que trabalhava, e, mostrando-lhe alguns formosos vasos de sua produção, perguntou:

- Como é que você conseguiu realizar trabalhos assim tão perfeitos?

O oleiro, orgulhoso de sua obra, informou:

- Usando o fogo com muito cuidado e com muito carinho, no serviço da perfeição. Alguns vasos voltaram ao calor intenso duas ou três vezes.

- E sem fogo você realizaria a sua tarefa? - indagou, ainda, o emissário.

- Nunca! - respondeu o velho, certo do que afirmava.

- Assim também - esclareceu o anjo, bondoso -, o sofrimento e a luta são as chamas invisíveis que Nosso Pai Celestial criou para o embelezamento de nossas almas que, um dia, serão vasos sublimes e perfeitos para o serviço do Céu.

Nesse instante, o doente acordou, compreendeu a Vontade Divina e rendeu graças a Deus.


Francisco Cândido Xavier
Pelo Espírito Meimei.

Boa noite Moise.
grata pela linda mensagem que muito contribui com o nosso estudo
Abraços
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 05 de Outubro de 2016, 00:08
[attach=3]Boa noite amigos, sejam bem-vindos


1 – Mas eu vos digo: Amai os vossos inimigos, fazei bem ao que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam. Para serdes filhos de vosso Pai que está nos Céus; o qual faz nascer o seu sol sobre bons e maus, e vir chuva sobre justos e injustos. Porque se vós não amais senão os que vos amam, que recompensas haveis de ter?
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 05 de Outubro de 2016, 10:51
Amigos e ternos companheiros deste cantinho de muita paz para todos o meu bom dia sincero de muita paz e meditando neste tema importante para a nossa evolução.........
Por mais que a vontade de servir a Deus seja grande, e por mais importante que seja seguirmos os seus princípios, não nos esqueçamos que, enquanto encarnados, fazemos também parte do mundo físico. 
[attach=1]
Não precisamos – e nem devemos – nos entregar a uma espécie de vida mística, isolada da vida em sociedade, como tantos o fizeram, buscando agradar a Deus. Não se agrada a Deus através da fuga.
Nossa existência temporária na Terra é uma condição imprescindível para nossa evolução, exatamente pelas inúmeras dificuldades que temos de atravessar.
Ao nos isolarmos, nada mais fazemos do que estacionar: não aprendemos nada, não nos movemos, não evoluímos; pelo contrário, nos tornamos água parada, inútil.
Já que estamos aqui, aproveitemos as oportunidades que nos caem nas mãos diariamente. Temos de viver “com os homens de nosso tempo”, ou seja, nos interessando às questões da vida social, económica, política, e até mesmo às questões banais de cada dia – porém, como bem nos diz o Evangelho, cada uma de nossas ações deve ser feita com um “sentimento de pureza que as possa santificar”.
Tal mensagem cai bem num momento como o que vivemos há pouco em nosso país, onde fervilharam os protestos e manifestações em muitas cidades: são vozes que reivindicam, que expressam, que criticam, mas que acima de tudo pedem para ser ouvidas – e é importante ouvi-las: são estas as vozes que perfuram as paredes que separam as questões públicas das questões privadas, pedindo espaço para a interferência do povo em áreas praticamente impenetráveis e que são do interesse de todos.
Devemos tomar tais questões e situações como as ferramentas necessárias para nosso aprendizado. 
Não aprende nada aquele que, sentado à janela, exclui-se da vida comum, dando os parabéns pelo mal não feito ou por sua posição “acima” de tudo aquilo.
Estamos aqui; fazemos parte; devemos lidar com a realidade que nos rodeia, ou “perderemos” esta encarnação, estagnados.
A pessoa virtuosa é alegre, consciente, ativa; ao entregar-se a qualquer ato, volta seu pensamento ao Criador, com pedidos de proteção e apoio, tendo sempre confiança de que Sua vontade será feita, resultando no melhor possível para todos os envolvidos.
A perfeição e a virtude não está parada, na renúncia, no isolamento: como poderíamos, por exemplo, ser caridosos, se nos isolamos?
Então a Caridade e muita Humildade +pode e deve ser a nossa meta principal para um dia chegarmos a alcançar uma perfeição relativa no planeta que estamos inseridos........
Com um abraço de muita paz este vosso amigo
[attach=2]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: lconforjr em 05 de Outubro de 2016, 22:20

A mensagem inicial deste tópico, trazida pela companheira de estudos Dothy, traz uma pergunta fácil de ser respondida por todos que estudam a doutrina: “Em que consiste essa perfeição possível à humanidade terrena?” e, certamente, a resposta correta é: "em alcançar o máximo de perfeição possível que se traduz pelo amor incondicional aos semelhantes e a toda a criação divina".

Mas porq nós, os homens, os espíritos que aqui estamos encarnados, relutamos, ou hesitamos, ou teimamos, ou melhor ainda, trabalhamos tanto contra nós mesmos? Porq nos esforçamos tanto para não alcançar essa perfeição que é tão recomendada por Jesus, nos Evangelhos, pela doutrina e por tantas mensagens de espíritos superiores, benfeitores, instrutores e amigos?

Afinal, se temos o livre-arbítrio, o que é que nos impede de trabalharmos a nosso favor, de fazermos as escolhas corretas? Porq é que não queremos fazer escolhas corretas e preferimos fazê-las incorretas?  Nós, os bilhões de espíritos que habitam este planeta, gostamos de sofrer?! Preferimos ser infelizes mesmo podendo escolher ser felizes e abençoados por Deus?!

Alguém tem conhecimento suficiente sobre a doutrina para que possa dar uma explicação a esse respeito?
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Antonio Renato em 06 de Outubro de 2016, 12:30
Meus irmãos de estudos bom dia. No mundo em que vivemos e diante das realidades da
nossa vida, o que seria possível na verdade para sermos perfeitos, não ao ponto de nos
igualarmos ao pai, mas uma perfeição relativa que poderemos chegar? Seria então não
cometermos atos condenáveis! Nas nossas ações procurar sempre o bem, exercitar o
amor por exemplo! Se doar através da caridade para socorrer aos mais necessitados? No
meu entendimento, tudo que possamos fazer de bem, nos levam para o lado perfeito da
vida, ser bondoso, caridoso e solidário, dá todos nós uma condição de melhoramento
das nossas imperfeições e nos aproximam de Deus, pois é isto que ele quer de todos nós.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 06 de Outubro de 2016, 16:13
Obrigada Antônio pela participação ao nosso estudo
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: lconforjr em 06 de Outubro de 2016, 16:40
Vc respondeu bem, amigo Renato; a receita para sermos prefeitos é exatamente essa: chegarmos ao ponto de “fazer o bem sem olhar a quem”, isto é, chegar à compreensão de que esse é o caminho para “ser perfeito” e agir em nossos relacionamentos de acordo com isso.

Infelizmente sua resposta não chega à questão crucial e, pelo que vejo em todos os lugares, entre estudiosos da DE, na codificação, nos Centros Espíritas, nas mensagens de tantos espíritos benfeitores, ninguém, nem os espíritos superiores, nem na vasta literatura espírita, nem mesmo nos ensinamentos de Jesus do modo que a DE os passa para nós, existe resposta à pergunta feita na msg anterior: se para sermos perfeitos basta fazer o bem, o que nos impede de fazer o bem? Alguém tem conhecimento suficiente sobre a doutrina para que possa dar uma explicação a esse respeito? Para que serve nosso livre-arbítrio?

Será possível que entre tantos estudiosos da doutrina não exista um que responda essas perguntas?
.

.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 07 de Outubro de 2016, 10:54
Amigos e companheiros deste cantinho de muita paz é com muito carinho que lhes dou o meu bom dia sereno e comentando este lindo estudo onde todos gostávamos e queremos ser perfeitos vejamos com é por vezes muito complicado devido ao orgulho e vaidade.
Parábola do Semeador (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWk5NS1oajdVeTdZIw==)
Jesus disse: "Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito".
Como analisar o imperativo da perfeição, contido nesta frase?
Devemos estar sempre nos aperfeiçoando?
Não seria melhor fazer corpo mole, deixando o encargo para outra encarnação?
Trataremos, neste estudo, do progresso material e do progresso moral, da potência e do ato e da correta ordenação da nossa perfectibilidade.
Perfeição – de perfectio designa o estado de um ser cujas virtualidades se encontram plenamente atualizadas ou realizadas.
Em teologia, plena realização, sob o ponto de vista moral, consumação no bem que compete a cada um possuir e atuar. Assim:
"Todo o homem é chamado à perfeição ou santidade".
Perfeccionismo – Psicologia. Excessiva exigência de perfeição para consigo mesmo ou de outrem.
O perfeccionismo manifesta-se numa sintomatologia neurótica de colorido obsessivo.
Sede – Imperativo do verbo ser. Implica a ideia de ordem, de comando.
A humanidade tem sido influenciada, ao longo do tempo, por pensadores de todos os matizes.
Vejamos como isso se deu para nos desviar dos ensinamentos de Jesus.
No início da era cristã, o progresso material era ainda rudimentar.
Com avanço da ciência,  novas tecnologias se desenvolveram rapidamente. Isso não deveria  deturpar a boa convivência entre progresso material e progresso moral evangélico. Contudo, a história mostra o contrário.
O racionalismo de Descartes (1596-1650), em que a razão sobrepuja todos os outros tipos de conhecimento, foi a mola motora de todo o progresso material subsequente. 
A ideia central era a de que o progresso técnico, propiciando maior produção e produtividade, traria maior bem-estar para humanidade.
Esta tese coloca o esforço de consciência (característico do Cristianismo) em segundo plano.
Um dos maiores defensores da influência do económico sobre a religião e as artes foi Marx.
Isso não quer dizer que outros também não o defenderam.
Observe o Contrato Social de Rousseau.
Para Rousseau, o homem é fundamentalmente bom (no que aproxima do Cristianismo) mas é a sociedade que o faz mau.
Portanto, se melhorarmos a sociedade, melhoraremos o homem.
E como a sociedade é passível de ser mudada por leis e decretos, o progresso seria a consequência inevitável dessas mudanças assim orientadas.
Um exemplo típico é a Revolução Francesa, que se fundamentou em Leis para justificar as "violências necessárias". 
Hobbes, por seu turno, afirma que "o homem é lobo do próprio homem".
A seleção natural das espécies, de Charles Darwin, em que as espécies mais fortes resistem ao tempo, é passada para a sociedade como uma corrida desenfreada e violenta na busca do melhor, de estar sempre suplantando o outro, numa mostra clara da exclusão dos mais fracos.
Tudo isso nos fez esquecer dos ensinamentos de Cristo.
A Filosofia proporciona-nos um raciocínio lógico, que pode nos auxiliar a entender o processo de evolução do Espírito.
Ela nos informa que todas as coisas estão tanto em ato (que é) como em potência (que poderá vir a ser).
Quando Aristóteles definiu Deus como ato puro, disse porque tinha certeza que não havia nenhum ato anterior a Deus, o Criador.
A palavra Je-ho-vá (Jeová, Deus dos Judeus), por exemplo, é um ato puro, pois, em hebraico, quer dizer é, foi, será.
Do exposto, depreende-se que   o Espírito não pode ser ato puro, mas um ato criado por um Ser Supremo.
O Espiritismo nos ensina que de Deus vertem-se dois princípios: o princípio espiritual e o princípio material,  que individualizados formam, respectivamente, o Espírito e a Matéria. Em seu processo evolutivo, o Espírito vai sempre precisar da matéria, pois dela se serve para a sua manifestação.
Deus, quando nos criou, criou-nos simples e ignorantes, ou seja, potencialmente perfeitos.
Os Espíritos superiores, no início de nossa caminhada espiritual, guiaram os nossos passos como um pai segura as mãos de seu filho.
Com o passar do tempo, eles nos deixaram entregues ao nosso livre-arbítrio, com a responsabilidade pelas ações realizadas.
Assim sendo, em cada encarnação nós vamos atualizando a potência de perfeição que existe em cada um de nós.
Nota: se Deus é o Criador, e o Criador é todo bondade e misericórdia, como poderia ter criado um ser defeituoso, monstruoso?.
Não faz sentido assim pensar.
"Amai os vossos inimigos; fazei o bem àqueles que vos odeiam e orai por aqueles que vos perseguem e que vos caluniam; porque se não amais senão aqueles que vos amam, que recompensa com isso tereis?
Os publicanos não o fazem o também?
 E se vós não saudardes senão vossos irmãos, que fazeis nisso ais que os outros?
Os Pagãos não o fazem também? Sede pois, vós outros, perfeitos, como vosso pai celestial é perfeito".
(Mateus, 5, 44, 46 a 48)
A frase "Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito" mostra uma ordem, uma ordenação dada por Jesus a todos os habitantes do Planeta Terra, independente da seita ou da religião que professe. Pergunta-se: não sabia Jesus que somos fracos e imperfeitos?
Como pode Ele dar essa ordem peremptória?
Lógico que Ele sabia e sabe ainda, mas o problema é que fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Diante desta verdade, devemos prestar contas ao Pai dentro do melhor nível de evolução que pudermos alcançar.
O modelo para chegarmos ao Pai é Jesus, porque, dentre os encarnados, ele foi o Espírito mais evoluído que desceu neste Planeta.
A sua missão foi a de nos mostrar o caminho da salvação.
Qual o exemplo que nos deu?
Sofreu perseguições, sarcasmos, blasfêmias e morreu na cruz.
Tudo isso para nos ensinar que o reino de Deus está dentro de nós e que só o alcançaremos se seguirmos as suas pegadas.
A perfeição de que Jesus nos ordena está centrada na caridade que fizermos ao nosso próximo.
Esta caridade deve ser exaltada para que culmine até no amor ao inimigo.
Quando ele nos conta a Parábola do Bom Samaritano, por exemplo, faz-nos uma apologia do amor ao próximo, isento de preconceitos, de segundas intenções. Evoca, também, a ideia de que a humanidade é mais importante do que as crenças particulares.
Ninguém é uma ilha.
Cada um de nós tem responsabilidade para com próximo em termos dos pensamentos emitidos, tanto verbais como mentais.
Nesse mister, a aura do Planeta Terra nada mais é do que a soma de todas as vibrações que emanam de seus habitantes.
 Assim, um único pensamento de melhoria, lançado ao globo, pode ser fator desencadeante de perfeição do planeta e do universo.
Contudo, para que possamos emitir bons fluidos, é necessário que saibamos ouvir com clareza a palavra de Deus; para isso, devemos estar constantemente purificando o nosso vaso interior, pois o conhecimento, que é sempre lançado puro, precisa de condições propícias para o seu crescimento.
O progresso material, pelas suas facilidades, tem nos distanciado de nós mesmos, de nossa interioridade.
Convém, para o nosso próprio bem, que saibamos nos isolar do corre-corre e do diz-que-diz, a fim de acharmos tempo para o cultivo de nossa alma imortal..
Amigos com um grande abraço de muita paz deste vosso amigo sincero
[attach=2]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Outubro de 2016, 15:39
Vc respondeu bem, amigo Renato; a receita para sermos prefeitos é exatamente essa: chegarmos ao ponto de “fazer o bem sem olhar a quem”, isto é, chegar à compreensão de que esse é o caminho para “ser perfeito” e agir em nossos relacionamentos de acordo com isso.

Infelizmente sua resposta não chega à questão crucial e, pelo que vejo em todos os lugares, entre estudiosos da DE, na codificação, nos Centros Espíritas, nas mensagens de tantos espíritos benfeitores, ninguém, nem os espíritos superiores, nem na vasta literatura espírita, nem mesmo nos ensinamentos de Jesus do modo que a DE os passa para nós, existe resposta à pergunta feita na msg anterior:
Se para sermos perfeitos basta fazer o bem, o que nos impede de fazer o bem?

Acredito que somos imediatistas
E queremos a ação em nós da lei do menor esforço
O que nos impede?
Devemos perseverar na prática do bem
E no bem nos realizarmos
Nossas imperfeições nos impede de fazer o bem
Nossa ignorância também nos impede
Nossos achismos
Nossas convicções deturpadas
Fazer o bem é ingressar na escola do próprio progresso
Escolher fazer o bem é reconhecer-se imperfeito
A meta de toda alma é Deus
Logo fazer o bem
Será sempre nos esforçarmos para completar esta meta

Citar
Alguém tem conhecimento suficiente sobre a doutrina para que possa dar uma explicação a esse respeito?

O conhecimento suficiente da doutrina não nos torna sábios de plantão
E muito menos isso é declarado
Nem nos torna resolvedores dos passos alheios
O conhecimento da Doutrina nos faculta um saber sobre parte de nossa realidade
Uma parte revelada por aqueles que já andaram rumo a Deus um pouco mais do que nós
Um conhecimento que nos faculta uma justa abnegação
Uma justa devoção ao Criador
Um entendimento correto das nossas limitações
Um reconhecimento de nossas falhas
Buscar a pratica do bem até que este bem tornar-se parte integrada de nossas ações
Um algo natural de nossa alma
Citar
Para que serve nosso livre-arbítrio?
A pergunta já é a própria resposta
Ao se perguntar nosso e para que serve
Entende-se que quem pergunta sabe o que vem a ser o livre-arbítrio
Ou que tenha uma noção razoável do que vem a ser
E sabe também que cada um tem o seu
O que nos torna responsáveis pelo que fazemos
Ao ser nosso e não do outro
Corrobora com o ensinamento da nossa indivisível individualidade
Tornando-nos uno
Deus é Uno, único, indivisível
Que sejamos coerentes conosco mesmo dentro de nossas limitações
Isso nos tornar-a praticantes do bem

Citar
Será possível que entre tantos estudiosos da doutrina não exista um que responda essas perguntas?

Chega um momento em nossas  vidas
Em que nós mesmos devemos concluir as nossas respostas
em respeito ao livre-arbítrio que nos foi conferido por Deus
E em respeito a todos aqueles que também assumem as suas responsabilidades morais
E consegue não transferir as próprias ignorâncias e erros aos outros
Assim a doutrina nos explica os agrupamentos dos espíritos e dos encarnados por afinidades
Busquemos atrair os bons espíritos
Busquemos viver a Boa Nova em nossos corações

Bom!
Não sou um conhecedor profundo da Doutrina
Mas entendi que poderia participar
Abraços

Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: lconforjr em 08 de Outubro de 2016, 00:07
Re: Sede perfeitos
      Ref resp #23 em: 07 10 16, às 15:39, de Moisés

      Citação de: lconforjr em 06 10 16, às 16:40 (numa msg dirigida ao Renato): Vc respondeu bem, amigo Renato; a receita para sermos prefeitos é exatamente essa: chegarmos ao ponto de “fazer o bem sem olhar a quem”, isto é, chegar à compreensão de que esse é o caminho para “ser perfeito” e agir em nossos relacionamentos de acordo com isso.

      Mas, infelizmente, sua resposta não chega à questão crucial e, pelo que vejo em todos os lugares, entre estudiosos da DE, na codificação, nos Centros Espíritas, nas mensagens de tantos espíritos benfeitores, ninguém, nem os espíritos superiores, nem na vasta literatura espírita, nem mesmo nos ensinamentos de Jesus do modo que a DE os passa para nós, existe resposta à pergunta feita na msg anterior, que é esta: Se para sermos perfeitos basta fazer o bem, o que nos impede de fazer o bem?

      Moisés disse: Acredito que somos imediatistas... E queremos a ação em nós da lei do menor esforço...

      Conf: exato, Moisés, esse é 'um' do motivos de não fazermos o bem; mas, o principal motivo é que, para fazer o bem é necessário que tenhamos amor em nosso coração, mas não existe ninguém, nem doutrinas, nem filosofias, nem espíritos, que ensinem como fazer para ter amor no coração. A DE, como todas as demais doutrinas religiosas do planeta, não sabe ensinar isso, como "como fazer" para colocar amor num coração vazio de amor pois, se soubesse, estaria ensinando isso a todos os seus adeptos e aos não adeptos. No entanto, Jesus ensinou isso em diversas situações, mas suas palavras se perderam com o tempo, e as doutrinas cristãs não as ensinam para nós ou nem mesmo as conhecem.

      Vc diz, meu amigo que são "Nossas imperfeições que nos impedem de fazer o bem... nossa ignorância... Nossos achismos... Nossas convicções deturpadas...",

      Mas, se é assim como vc diz, lhe pergunto: porq é que a doutrina afirma que temos de sofrer se fazemos o mal? Somos culpados por sermos imperfeitos? Por sermos ignorantes, sendo que foi Deus que nos criou ignorantes (e, segundo a DE, continua criando seres ignorantes e, depois, os faz sofrerem devido ao fato de serem ignorantes, sendo que Ele mesmo é que a todos cria ignorantes! Como entender isso?); ou somos culpados por termos convicções deturpadas? Ou pelos nossos achismos? Se não somos culpados, porq é que Deus nos faz sofrer se, conforme a DE afirma, Deus é justo e que os nossos sofrimentos têm origem nas escolhas que, de propósito, fazemos erradas?

      Mas, amigo, e porq faríamos de propósito escolhas erradas? Deus, segundo a DE, nos criou simples e ignorantes, mas não desequilibrados mentais para que, como loucos, tantos estão escolhendo sofrer, pois escolher fazer escolhas erradas é o mesmo que escolher sofrer.

      Vc tb diz que devemos de começar por nos reconhecer imperfeitos. Mas, Moisés, porq nos tornamos imperfeitos, se, no início, não éramos imperfeitos? De onde vem nossas imperfeições? Porq dizer que somos culpados por sermos imperfeitos e que temos de sofrer por isso, se ser ou não imperfeito não depende de nossa vontade, não depende de nosso querer, de nossos desejos?

      Citação de Conf: Alguém tem conhecimento suficiente sobre a doutrina para que possa dar uma explicação a esse respeito?

      Vc não respondeu a pergunta, o que mostra que não tem conhecimento suficiente para respondê-la, certo? Então faço a mesma pergunta a todos os que participam deste Fórum: alguém sabe respondê-la? A DE sabe?

      Moisés: O conhecimento da Doutrina nos faculta um saber sobre parte de nossa realidade.

      Conf: mas se a DE apenas nos ensina sobre parte da realidade, qual é a justificativa para os nossos sofrimentos devido aos erros que fazemos?

      Citação de Conf: Para que serve nosso livre-arbítrio?

      Conf: a essa pergunta vc apenas respondeu que a resposta está na própria pergunta, que quem pergunta sabe o que é o livre-arbítrio. Sim, a DE, as filosofias definem o livre-arbítrio; mas não foi essa a pergunta apresentada: a pergunta é "para que serve o livre-arbítrio?, pois se Deus a todos deu essa faculdade, porq fazemos escolhas tão erradas que trazem sofrimentos para nossos irmãos e para nós mesmos? Seremos como os sádicos que têm prazer em causar sofrimentos aos demais? Como os masoquistas que sentem prazer em causar sofrimentos para si mesmos?! Ou erramos porq não sabemos como usar o livre-arbítrio?

      Mas, esta última pergunta acima exige outra pergunta: se erramos devido a não saber usar corretamente o livre-arbítrio, qual é a explicação para nossos sofrimentos, se não estamos fazendo escolhas erradas de propósito, mas porq não sabemos como usar corretamente essa capacidade de escolher que Deus nos deu? Onde está nossa responsabilidade por fazer escolhas erradas, se as fazemos erradas exatamente pelo fato de não sabermos como usar corretamente o livre-arbítrio?

      Citação de Conf: Será possível que entre tantos estudiosos da doutrina não exista um que responda essas perguntas?

      A essa pergunta vc respondeu que estamos ainda procurando as respostas, (eu entendi assim, Moisés), e tenho de perguntar: se ainda estamos procurando as respostas, qual é a explicação para nossos sofrimentos? É transgressão às leis de Deus não termos ainda encontrado as respostas de que necessitamos?

      Vc tb diz que "Não sou um conhecedor profundo da Doutrina, Mas entendi que poderia participar". E lhe digo, certamente que vc pode participar e lhe agradeço por ter participado; todos podem e devem participar; estamos estudando a doutrina.

      Abraços.
.


Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Antonio Renato em 08 de Outubro de 2016, 12:55
Meus irmãos de estudos bom dia. Meus irmãos Moisés e lconforjr, deixe-me dá um pitaco,
lembrei do nosso amigo Moura, vou colocar um cadinho de alguma coisa. Jesus nos impõe,
nos ordena, que sejamos perfeitos, a sua autoridade moral é que diz isto, pois ele sabe
quão imperfeitos nós somos, mas porque somos tão imperfeitos hoje se fomos criados
todos perfeitos? Sim, fomos criados perfeitos, mas simples e ignorantes, e essa ignorância
vem se acentuando ao longo dos tempos, motivada pelo não cumprimento de coisas que
aparentemente são simples, mas por falta de entendimento deixa-se de fazer, mesmo tendo
um nível intelectual bem desenvolvido. Há vícios em nós que não conseguimos domina-los
ou não queremos domina-los, e um desses é não cumprir o que seja certo ou correto e
tendemos muitas das vezes a fazer o errado. Às leis de Deus por exemplo, são simples e
nós a trazemos gravadas em nossa consciência, mas em uma forma até mesmo de afrontar
a Deus, deixamos de cumpri-las. Somos a semelhança de Deus? Sim, mas não igual. Jesus
modelo e guia, colocou-se como exemplo para que todos os seguissem se quisessem chegar a Deus, ele era perfeito? Sim, porque não precisou que lhes dissesse que deveria
amar a todos sem distinção, ser bondoso, caridoso, mesmo que isso lhes causar-se dores
e sofrimentos, assim mesmo continuou em seus ensinamentos sem reclamar , e nós na
nossa tamanha imperfeição estamos preparados para tal? O amor e a bondade que possamos ter, não nos é ensinado, brota em cada um de uma forma simples, motivados
pela nossa vontade, as mudanças fazemos nós mesmos quando queremos, pois foi uma
questão de escolha nossa. Assim eu entendo.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 08 de Outubro de 2016, 20:42
Boa tarde amigos, sejam sempre bem vindos
agradeço a presença e colaboração dos amigos Altino Antonio, Moises e Iconfort
Estamos aqui em busca de conhecimento que nos liberte da ignorância que ainda somos portadores
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 08 de Outubro de 2016, 20:47
Sedes perfeito

Jesus, disse:”Amai-vos como Eu vos amo”  e  Allan Kardec:”Amai-vos uns aos outros, porém instrui-vos e assevera: Conhece-se o espírita pela sua transformação moral e esforço que emprega a combater suas más inclinações.”
A essência da perfeição é a caridade, pois implica a prática de todas as virtudes, e o grau de perfeição está  na razão direta da extensão do amor ao próximo. o esforço pela perfeição, portanto, é válido, porque se antepõe à sombra, elimina projeções negativas, contribuindo para o bem-estar do indivíduo em qualquer situação que lhe surja.
 Como a caridade é o amor em atividade, para se saber o tamanho do amor que já sentimos, basta medir a caridade que já fazemos. Muita paz!........
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 10 de Outubro de 2016, 14:43
[attach=1]

Bom dia amigos... Muita paz a vós
Participe do nosso tema
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 13 de Outubro de 2016, 15:02
SEDE PERFEITOS
Iris Sinoti

O capítulo XVII d’O Evangelho Segundo o Espiritismo começa com o seguinte ensinamento: “Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos perseguem e vos caluniam. Porque se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa haveis de ter? Os publicanos também não fazem o mesmo? E, se saudardes apenas os vossos irmãos, que fazeis de especial mais que os outros? Os gentios também não fazem assim? Sede, pois, vós outros, perfeitos, como vosso Pai celestial é perfeito”. Mt (5:44)

Esses são os caracteres da perfeição apresentados por Jesus, e Ele já começa afirmando que temos inimigos quando diz: “Amai os vossos inimigos”. Ele não pergunta se os possuímos, Ele afirma. Então, quem são os nossos inimigos? Como poderemos amá-los se não os conhecemos? Mas basta um olhar mais atento para encontrá-los: desestrutura na família, violência, exploração no trabalho, políticos, competição de toda ordem. São muitos os inimigos.

A própria sociedade se encarrega de identificar os inimigos do momento, e toda a história humana foi assim: “lá está o inimigo”, “ali reside o mal”, precisamos nos afastar, ignorar, eliminar. E o mal permanece, entramos e saímos das existências e o mal nasce e renasce na humanidade.

E se eu descubro que meu maior inimigo reside em mim, e que é justamente esse o inimigo que preciso amar?

Quais são, então, os inimigos que precisamos amar?

Conforme Jung1, “muitas vezes é trágico ver como uma pessoa estraga de modo evidente a própria vida e a dos outros, e como é incapaz de perceber até que ponto essa tragédia parte dela e é alimentada progressivamente por ela mesma”. E diante dessa reflexão não nos é possível o engano, causamos o mal e muitas vezes nos portamos como o ‘inimigo’ para o outro, e pior ainda, somos o nosso maior inimigo. Será que estávamos procurando os inimigos no lugar errado, ou talvez projetando nos outros o que não reconhecemos em nós?

Será que os nossos reais inimigos não são outros: insegurança, perfeccionismo, falta de humildade, falta de respeito, vitimização, controle, racionalização, inveja, deslealdade e infidelidade, etc?

Não seriam esses os nossos inimigos que nos impedem de olhar profundamente a vida e de amar ao outro, já que não os reconhecendo em nós os projetaremos e não conseguiremos amar ao próximo quando ele nos revela o que somos? Será que a nossa limitação em percebermos quem somos não esbarra exatamente nesses inimigos?

Como podemos amar, então, os nossos inimigos?

O primeiro passo é aceitarmos profundamente o que somos, caso contrário não poderemos mudar. Se não descobrirmos onde reside o nosso mal estaremos todo o tempo atendendo à demanda do ego, ou seja, estaremos acreditando que as respostas estarão fora e que somos realmente pobres vítimas da vida.

Jesus, em Sua profunda capacidade de compreender a natureza humana, sabia que não tínhamos capacidade para “sermos perfeitos tal qual o Pai celestial”, mas como explica Kardec n’O Livro dos Espíritos, os homens daquela época (e nós também) não compreenderiam suas palavras se fossem ditas de outra maneira. Mas à criatura não é dada a capacidade de ser como o Criador, pois conforme afirma Joanna de Ângelis2: “... nenhuma possibilidade existe de alguém ser ‘perfeito como perfeito é o vosso Pai Celestial. Não obstante, se pode inferir que é possível despojar-se do primarismo, como o diamante que para brilhar deve libertar-se de toda a ganga, passando pela necessária lapidação...”.

Ser perfeito na condição humana é esforçar-se para se tornar melhor a cada dia, buscando uma conexão profunda com Deus, vivendo a vida como Cristo nos ensinou, com dignidade e integralidade, com coragem e acima de tudo com amor. Assim entendida a perfeição, a nossa finalidade deve ser a busca da totalidade, a unicidade com Deus. E Deus reside onde poucos de nós O procuramos.

 

 

1 JUNG, Carl G. AION: estudos sobre o simbolismo do si-mesmo. Editora Vozes
2 Jesus e o Evangelho à luz da psicologia profunda. Leal Editora.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 13 de Outubro de 2016, 15:18
Sede perfeitos
JORGE LEITE DE OLIVEIRA


Você, leitor amigo, já deve ter pensado, como eu, na relatividade einsteiniana de tudo, não somente da existência corporal. No entanto, há um lado bom nessa sensação de que tudo acaba rápido: não somente as coisas boas como também as ruins. Vamos aos exemplos revezados:

1º - Um osso do corpo humano pode quebrar-se em um segundo, contudo, a dor e as consequências resultantes da fratura, que se prolongam por dias, chegam a levar à morte física e, consequentemente, à libertação do Espírito, se merecedor.

2º - Um movimento brusco, na direção de um veículo, pode causar a morte de todos os seus passageiros e condutor em apenas um segundo; porém, na direção defensiva, pode ser o bastante para salvar outras vidas.

3º - A reação de uma ganhadora na loteria é algo indescritível. No instante da premiação máxima, fulgem-lhe, na mente, as imagens das roupas mais caras da moda, a mansão que poderá comprar, o carro do último tipo e, principalmente, a independência financeira; contudo, se, como o Jó bíblico, de repente, perde tudo, o mundo parece fugir-lhe sob os pés.

4º - Um grito, numa discussão, pode resultar num golpe fatal em apenas um segundo; mas um brado de uma mãe angustiada pode salvar o filho ou a filha de precipitar-se em despenhadeiro físico ou moral.

5º - Em segundos, no último momento de nossa existência física, todo um turbilhão de acontecimentos, mesmo os mais insignificantes, bons e maus, são rememorados por nós. É quando chegamos à conclusão, amigo leitor, de que mesmo o que nos parece longo, como a existência física, não passa de uma breve página do livro eterno de nossa vida.
Agora uma pergunta: Você já reparou que os maiores incentivadores dos atos contrários às leis naturais são exatamente aqueles que não acreditam, ou fingem acreditar em outra coisa além desta breve existência física? E, por fim, que por desejarem dar vazão aos seus vícios, eles procuram aliciar as demais pessoas a cultivar a animalidade que em si reside?
Isso ocorre porque os Espíritos imperfeitos nos incentivam à prática do mal, não somente para que soframos como eles, como também por inveja dos bons e por não suportarem a felicidade alheia. (KARDEC, 1994, q. 465.)

É inútil, porém, lutarmos contra as leis naturais, que Deus estabeleceu em nosso benefício próprio. Elas são implacáveis, mas exigem respeito, sem o que os mecanismos da Lei Suprema nos proporcionarão, ainda, inumeráveis segundos de ilusão dolorosa e séculos de dor prolongada. Somente quando atingirmos a perfeição, como veremos a seguir, conseguiremos nos libertar da situação de alternância entre sofrimento e bem-estar.

A Lei de Justiça e de Amor, se cultivada por nós, é o caminho mais curto para nossa purificação e consequente libertação do mal. Ela é a base do nosso aperfeiçoamento, e em sete frases de Jesus podemos identificá-la:

1ª – “Amai a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a vós mesmos”. (Mateus, 22: 37 a 39)
Fomos criados para amar e ser amados. Por isso, “conviver para amar e servir”, como propôs Mário Barbosa, é requisito fundamental à nossa felicidade, onde quer que estejamos.

2ª “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito para que todo aquele que nele creia não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João, 3:16)
Isso foi dito por Jesus a Nicodemos. Jesus Cristo trouxe-nos a certeza sobre a vida espiritual, e nisso está a fé que devemos ter nele. Mas crer em Jesus é, sobretudo, a partir disso, tomá-lo como modelo e imitá-lo, pois ninguém, como Ele, amou o mundo a ponto de dar a sua vida por ele.

3ª - “Pois todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não vem para a luz para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.” (João, 3:20-21)
Nos muitos casos de influências espirituais, verificamos que os seres ignorantes, ditos trevosos, fogem daqueles iluminados. E somente quando o arrependimento do mal praticado é sincero, o Espírito devedor começa a se tornar apto a ser socorrido. Só então, suas preces são ouvidas e, principalmente, atendidas conforme suas necessidades imediatas e futuras.
4ª - “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação.” (Mateus, 26:41)

Quem ama o Cristo e busca lhe seguir os exemplos precisa estar permanentemente em oração/trabalho em prol do semelhante, sem jamais deixar de vigiar seus pensamentos, palavras e atos que podem ser influenciados pelos Espíritos das trevas. Não devemos nunca nos esquecer da resposta dos Espíritos superiores a Kardec, quando este lhes perguntou sobre a influência dos Espíritos sobre nós. Essa influência é muito maior do que imaginamos, disseram. “De ordinário, são eles que vos dirigem” (q. 459 LE). Então, se desejamos a companhia dos bons Espíritos, é fundamental que sejamos sempre bons, conforme recomendação contida n’O Livro dos Médiuns.

5ª – “Fazei aos outros o que desejaríeis que eles vos fizessem.” (Mateus, 7:12.) Ou seja, fazei sempre o bem ao vosso próximo.

6ª “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” (João, 8:12)

Os Espíritos inferiores não suportam a luz emanada dos seres elevados. Por isso Jesus, em desdobramento a essa frase, recomendou-nos: “Brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus”. (Mateus, 5:16)

Por fim, Jesus, o modelo mais perfeito que Deus há dado a nós, para nos servir de guia e modelo (questão 625 de O Livro dos Espíritos - LE) nos recomenda, como meta eterna:
7ª - “Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus”. (Mateus, 5:48)

Alcançada essa condição, não mais transitaremos entre o mal, com suas dores, e o bem, com suas alegrias. Nosso estado será de permanente felicidade, pois só o bem nos interessará. Por isso, é importante que registremos e busquemos atender sempre à palavra do Cristo que os bons Espíritos sempre nos recordam, em especial em seu desdobramento na Doutrina Consoladora, que é o Espiritismo.

Queres ser feliz? Então, “Nada esperes dos outros. Sê tu quem ajuda, desculpa, compreende. Se eles te enganam ou te traem, se te censuram ou te exigem o que te não dão, ama-os mais, sofre-os mais, porquanto são mais carentes de amor do que supões”.

(FRANCO, 1975, cap. 31).
É nisso que está a perfeição!
 
Referências:
ALMEIDA, João Ferreira de. A Bíblia Sagrada. Rio de Janeiro: Sociedade Bíblica do Brasil, 1969.
FRANCO, Divaldo Pereira. Leis Morais da Vida. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador: LEAL, 1975.
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 75. ed. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 1994.
______. O Livro dos Médiuns. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2009.
PAROLIN, Sonia Regina Hierro. Org. Conviver para amar e servir. Brasília: Federação Espírita Brasileira, 2013.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Outubro de 2016, 01:10
Ser ou Estar Espírita
Nery Porchia

Já faz algum tempo que venho me questionando sobre a diferença entre uma e outra situação de que fala o título deste escrito. Muitos hão de pensar, mas não é a mesma coisa? Outros dirão, ser espírita é estar espírita!!! Mas eu acho não ser o mesmo e um exclui o outro estado. Quem está espírita, com certeza não é espírita. Depois de estudar um pouco, vou tentar explicar a minha opinião.

Como não poderia deixar de ser, fui às obras básicas para rever o que Kardec nos fala sobre o que é ser espírita. No Capítulo XVII Kardec nos leva a refletir sobre o que é ser espírita.
No livro A Gênese, Introdução, 56, encontrei: “Com o auxílio das novas luzes trazidas pelo espiritismo e pelos espíritos, o homem compreende a solidariedade que une todos os seres; a caridade e a fraternidade tornam-se uma necessidade social; ele faz por convicção o que não fazia senão por dever, e o faz melhor.”

É sobejamente sabido que a Doutrina Espírita codificada por Kardec foi estruturada de acordo com os ensinamentos de Jesus. Logo, o espírita é o seguidor incondicional das revelações do Divino Mestre, as lições que nos deixou pelos escritos dos seus Apóstolos e Evangelistas.

Dentro desse raciocínio vamos encontrar no Evangelho Segundo o Espiritismo , capítulo XVII, “Sede perfeitos”, a explicação por Kardec do Evangelho de Mateus, Cap.V, v. 44, 46, 47 e 48, “Amai os vossos inimigos; fazei o bem àqueles que vos odeiam, e rezai por aqueles que vos perseguem e caluniam. Pois se só amais os que vos amam, que recompensa tereis com isso?

...........Sede, pois, perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito”.

O que podemos entender? Jesus procura nos ensinar que não é para termos a pretensão de ser como o Pai, mas que obedecendo as Leis Divinas, podemos nos tornar homens de bem. E como é o homem de bem?

O item 3 do capítulo mencionado do Evangelho Kardequiano, vamos encontrar que,por princípio é aquele que pratica a lei de justiça, de amor e de caridade em sua maior pureza. Vive interrogando sua consciência para sentir intimamente se seus atos não violaram esses preceitos, se não praticou o mal mas sim o bem que podia e estava ao seu alcance.

Dentro da sua prática de caridade não tem raiva, nem rancor, nem desejo de vingança: segue o exemplo de Jesus perdoando e esquecendo as ofensas, pois sabe que será perdoado na medida que souber perdoar.

Não se envaidece por nada que o tornaria superior: por fortuna, por dotes pessoais, por seu talento, não abusa dos bens materiais que lhe são concedidos.

Não procura conquistar postos e honrarias de qualquer espécie, principalmente no seio da sua comunidade , aceitando com humildade e respeitando os direitos dos seus semelhantes, como gostaria que fossem respeitados os seus..

Se, por qualquer razão, assume um posto de comando em qualquer tipo de Instituição, deverá saber exercer o poder com moderação, sem ferir outrem, tratando das coisas com lisura e competência, sem apego ao poder que lhe foi concedido em caráter transitório. Saber renunciar às vaidades do cargo que ocupa .e deixá-lo com dignidade quando vencer o tempo pré estabelecido.

O item 4 , que tem como título Os bons espíritas, Kardec inicia com as seguintes palavras: “O Espiritismo bem compreendido, mas sobretudo bem sentido, forçosamente conduz aos resultados acima mencionados (o homem de bem), que caracterizam o verdadeiro espírita como o verdadeiro cristão, um e outro tornando-se o mesmo.”

E mais: “Aquele a quem épossível, e com razão, qualificar de verdadeiro e sincero espírita,está num grau superior de adiantamento moral .Seu espírito, que domina a matéria de maneira mais completa, dá a ele uma percepção mais clara do futuro. Reconhece-se o verdadeiro espírita por sua formação moral, e pelos esforços que faz para dominar suas más inclinações.”

O que me diz ao coração esses ensinamentos de Kardec? Me dizem que para me considerar bom espírita preciso, em primeiro lugar, conhecer os ensinamentos do Mestre Jesus, e, na medida que puder me esforçar, segui-los sem constrangimentos e sem arrependimentos.
Que eu devo me desapegar de bens materiais, pensando em ter o que me é concedido dentro do meu merecimento; não sentir orgulho ou vaidade de ser visto como melhor do que qualquer outro Não me prender a poderes fátuos, não pensar em me considerar único capaz de dirigir os destinos da minha instituição.

Saber que tudo na vida matéria lé transitório, recebemos como se fosse um empréstimo em início de viajem e que temos de prestar contas ao chegar no nosso destino – o que Jesus nos acena, as bem aventuranças no plano espiritual.

Será que é difícil assim pensar e assim agir? Não tenho dúvida que sim. Mas tenho que saber definir a minha passagem terrena, se quero aproveitar a Providência Divina que me concede a oportunidade de evolução espiritual, ou ficar marcando passo sem ter como perspectiva a vida futura.

Fui encontrar no livro Obras Póstumas de Kardec, muitas afirmativas interessantes sobre o que é o Espiritismo. No texto intitulado Breve resposta aos detratores do Espiritismo, separei os seguintes trechos:

- “Se pois os livros da doutrina espírita condenam explícita e formalmente um ato reprovável, se além disso não encerram senão instruções para o bem, é evidente que os culpados de ruins ações não beberam neles as suas inspirações, e talvez nem os tivessem visto”

- “O Espiritismo não é mais solidário com os que se dizem espíritas do que a medicina com os charlatães que a explora,, ou a verdadeira religião com os abusos e crimes praticados em nome dela. Só reconhece por adeptos os que praticam os seus ensinos, Istoé, os que trabalham pelo próprio melhoramento moral procurando vencer as suas más inclinações, trabalhando por ser menos egoístas e menos orgulhosos, mais benevolentes, mais humildes, pacientes, caridosos para com o próximo, mais moderados em tudo; pois são esses os sinais característicos do verdadeiro espírita”. (destaque meu)

- “Espírita é quem aceita os princípios da doutrina e conforma com eles a sua obra”.
Conclusão: Procurei aqui sintetizar um pouco do material que consegui coletar,mas que creio ser suficiente para dizer da distinção entre ser espírita e estar espírita..

No meu entendimento ser espírita é aquele que crê em todos os postulados da doutrina, se fundamenta nos ensinos de Jesus, conhece-os e procura com toda a força da sua intuição praticar atos que só podem constituir na sua evolução espiritual. É o praticante e, no dizer de Kardec, o verdadeiro espírita, espírita-cristão. Nada teme, pelo contrário, procurar aproveitar da oportunidade que lhe foi concedida para reparar erros do passado.

Estar espírita é aquele que conhece os postulados da doutrina, aceita-os integralmente mas não os pratica, prefere continuar a usufruir dos prazeres mundanos, se compraz com o poder, tem orgulho do que tem e do que sabe. Luta pelo poder temporal e esquece dos seus deveres mais comezinhos... amor... caridade... perdão.

Somos imperfeitos, mas dentro dessa imperfeição podemos e devemos procurar a perfeição, o aprimoramento do nosso espírito, ouvindo a voz do Mestre...”Sede perfeitos....” ou seja, sermos homens de bem.

Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 14 de Outubro de 2016, 23:19
Boa noite amigos

Amar os inimigos é uma das maiores conquistas sobre o egoísmo e o orgulho, é não lhes guardar ódio, nem rancor, nem desejos de vingança; é perdoar-lhes, sem pensamento oculto e sem condições, o mal que nos causem; é não opor nenhum obstáculo a reconciliação com eles; é desejar-lhes o bem e não o mal; é experimentar júbilo, em vez de pesar, com o bem que lhes advenha; é socorrê-los, em  se apresentando ocasião; é abster-se, quer por palavras, quer por atos, de tudo o que os possa prejudicar; é, finalmente, retribuir-lhes sempre o mal com o bem, sem a intenção de os humilhar.
A essência da perfeição é a caridade, pois implica a prática de todas as virtudes, e o grau de perfeição está  na razão direta da extensão do amor ao próximo.
O esforço pela perfeição, portanto, é válido, porque se antepõe à sombra, elimina projeções negativas, contribuindo para o bem-estar do indivíduo em qualquer situação que lhe surja.
Pelo seu significado profundo, é um amor diferenciado daquele que deve ser oferecido ao inimigo, a quem se fez ofensor, projetando sua imagem controvertida e detestada por si mesmo, naquele que se lhe torna vítima. Amar a esse antagonista é não retribuir a ofensa, não o detestar, não o conduzir no pensamento, conseguir libertar-se de  seu ódio e  agressividade.
O que não ocorre quando o ressentimento, o desejo de revide, a amargura se instalam, porque, de alguma forma, a pessoa passa a depender das vibrações maléficas do seu perseguidor.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 15 de Outubro de 2016, 10:32
Amigos e ternos companheiros deste cantinho de Estudo é sempre com muito carinho que neste momento os cumprimento como meu bom dia sereno de muita paz.....
SedePerfeitos CEAC (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUJEZ3ktNWR5YlVNIw==)
O Homem de bem
Você se considera uma pessoa de bem?
Podemos acreditar que não fazemos o mal e que não fazer o mal é o suficiente.
Kardec pergunta a espiritualidade:
Será suficiente não se fazer o mal para ser agradável a Deus e assegurar situação futura?
E os espíritos respondem: não!
É preciso fazer o bem no limite das próprias forças!
Podemos acreditar que cumprindo os nossos deveres materiais, somos uma criatura de bem.
 Mas o bem vem de dentro de nós.
Será que o meu pensamento é movido pelo bem?
Será que em todos os momentos eu ajo como um homem de bem?
Tá ai o nosso grande desafio, a nossa evolução.
 É um difícil desafio, pois nos encontrarmos em um mundo de provas e expiações.
Porque é um mundo que tem de mais o mal que o bem.
Vamos encontrar pedras no caminho.
Mas essas pedras não estão no mundo.
 Essas pedras estão dentro de nós, são os nossos erros, os nossos vícios.
 Então a nossa meta é atingirmos a condição de perfeição.
Vamos através de etapas fazendo essa caminhada até atingirmos a felicidade.
Na terra podemos ter felicidade perfeita?
Não!
Mas poderemos encontrar uma relativa felicidade por trazermos a consciência tranquila, por termos feito tudo que podia dentro do limite das nossas forças.
Dificilmente encontraremos a nossa felicidade em algo fora de nós.
 Então essa busca incessante de sermos felizes, essa busca incessante do material, do conforto. Não vai nos trazer essa felicidade!
À medida que a gente vai se espiritualizando os apegos excessivos vão diminuindo.
Vamos encarar a vida futura de uma forma diferenciada pelo conhecimento espírita, mas esse conhecimento espírita precisa ser interiorizado, sentido, para que nos momentos de crise eu não me desespere.
E se eu não tiver o conhecimento espírita para fazer a minha reforma interior, para buscar viver melhor e para buscar ser esse homem de bem, pra que serve esse conhecimento?
Na questão 918 Kardec pergunta: por que sinais se pode reconhecer num homem o progresso real que deve elevar seu Espírito na hierarquia espírita?
Resposta:
O Espírito prova a sua elevação quando todos os atos de sua vida corporal são a prática da lei de Deus e quando compreende, por antecipação, a vida espiritual.
Então se quisermos reconhecer um homem elevado basta analisarmos a sua vida e percebemos o conjunto de qualidades morais que aquela alma possui.
 Qual é esse conjunto? Quais são as características do homem de bem?
Ele realiza o autoconhecimento, confia em Deus e na vida futura, ele traz a esperança, a resignação, a beneficência, a solidariedade, a fraternidade, alteridade, caridade, perdão, indulgência, compreensão, perseverança, bondade, humildade, dedicação, e finalmente o conjunto de todas as qualidades o amor!
Kardec pergunta: qual a mais meritória de todas as virtudes?
A mais meritória é o sacrifício do interesse pessoal pelo bem do próximo, sem interesses ocultos.
E o sinal mais característico de imperfeição é o interesse pessoal.
E os espíritos vão além: o desinteresse é coisa muito rara aqui na terra.
O que fazer para ser uma pessoa de bem?
Primeiro: interrogue a consciência sobre seus próprios atos
kardec na pergunta 919: qual o meio mais prático e eficaz que o homem tem de se melhorar nessa vida e de resistir a atração do mal?
Resposta:
Um sábio da antiguidade nos disse: conhece-te a ti mesmo.
Pergunte a si mesmo: se não violou a lei divina; se não cometeu o mal, se fez todo o bem que podia.
Onde é que tá escrito a lei divina?
Os espíritos dizem na nossa consciência.
 Observe se não deixou de escapar voluntariamente uma ocasião de ser útil.
Podemos pensar: a pessoa está abusando! temos que usar o bom senso... quando fazemos uma coisa por amor os espíritos nos advertem se devemos continuar, se aquela criatura está movida de bons sentimentos.
Se ninguém tem de que se queixar de vc
Se fez aos outros aquilo que queria que os outros fizessem por vc
Logicamente que às vezes até fazendo o bem as pessoas ficam com raiva da gente, mas, o importante é se eu não fiz algo que podia levar aquela criatura a trazer aquele sentimento.
Perguntai ainda isso:
Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, a entrar no mundo dos Espíritos, onde nada é oculto, teria eu de temer o olhar de alguém?
Segundo: o homem de bem traz a consciência tranquila não se preocupa se os outros o querem mal, pq ele acredita na justiça divina.
Acrescente fé no futuro.
Aceite as vicissitudes da vida sem murmurar, entendendo-as como provas ou expiações.
Obediência e resignação.
Eu entendo porque sofro racionalmente, através do conheci espírita eu sei que estou inserido na lei de ação e reação.
Doe caridade e amor ao próximo retribuindo o mal com o bem - amar os inimigos!
Faça o bem e tome a defesa do fraco contra o forte
 Quando alguém trata um subalterno de forma ignorante vc fica calado?
 Andre Luiz nos fala beneficência do quotidiano  de quando em quando troquem os grandes conceitos de caridade pelos atos miúdos que lhe confirmem a existência.
Pense nos outros antes de pensar em si, encontrando satisfação nos serviços que presta.
Seja bom, benevolente para com todos sem distinção de raça ou de crença – meus pais, o meu povo, a minha família.
 Respeite as diferenças colocando-se no lugar do outro.
O homem de bem tem várias características, mas tudo isso se resume em amor.
O homem de bem tem esse conjunto de qualidades que leva ele a conquistar o amor
Se conquistarmos uma em cada encarnação estaremos progredindo".
Amigos este belo texto dá para todos meditarmos na Nossa Vida e o que fazemos hoje.........
Com um terno abraço de muita paz e meditemos com sinceridade neste texto.....
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 15 de Outubro de 2016, 21:57
Boa noite amigos

Sede perfeitos

É característica da natureza humana cometer falhas com relativa frequência. Todos somos assim: mais erramos do que acertamos! No entanto, reconhecer a própria fragilidade e falibilidade não é sinal de fraqueza, de incompetência ou de impotência.

Conforme ensinamento constante da questão 776, de O LIVRO DOS ESPÍRITOS, fomos concebidos por Deus como seres potencialmente perfeitos. Somos, então, criaturas perfectíveis.

Assim sendo, dificuldades e aflições, conflitos e sofrimentos, dúvidas e incertezas não são situações imutáveis ou irreversíveis, porque nosso destino é a perfeição. Mas para alcançá-la, necessitamos aprender com as próprias imperfeições e efetuar importantes descobertas no silêncio de nós mesmos, através de um consciente trabalho de perseverança e constância.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 15 de Outubro de 2016, 22:02
Sede perfeito

Em que consiste essa perfeição possível à humanidade terrena?

Não basta amar os que nos amam, fazer bem aos que nos fazem bem. É preciso muito mais: “Amai os vossos inimigos, fazei bem ao que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam.”

Afirma Kardec que, por essa frase, Jesus mostra que a “essência da perfeição é a caridade, na sua mais ampla acepção, porque ela implica a prática de todas as outras virtudes.”

Caridade é o amor em ação, é ver em qualquer pessoa um filho de Deus, um irmão em processo de desenvolvimento, sujeito a enganos, erros e omissões, mas, perfectível, enviando-lhe sempre vibrações de harmonia e paz, e fazendo por ele o que lhe for possível.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Outubro de 2016, 15:01
A RELIGIÃO DOS HOMENS E A RELIGIÃO DE DEUS

“Tendes ouvido o que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás ao teu inimigo. Eu porém vos digo: Amai aos vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos Céus, porque Ele faz nascer o seu Sol sobre os bons e sobre os maus, e vir suas chuvas sobre os justos e injustos. Porque, se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos o mesmo? E se saudardes somente aos vossos irmãos, que fazeis de especial? Não fazem os gentios também o mesmo? Sede vós, pois, perfeitos, como o vosso Pai
celestial é perfeito.”
(Mateus, V, 43-48.)

“Mas os fariseus, sabendo que Jesus fizera calar os saduceus,
reuniram-se; e um deles, doutor da Lei, para o experimentar, fez-lhe esta pergunta: Mestre, qual é o grande mandamento da Lei?
“Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu
coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Estes dois mandamentos resumem toda a Lei e os Profetas.”
(Mateus, XXII, 34-40.)

A Religião dos homens não é a Religião de Deus.

A religião dos homens se resume nos sacramentos: batismo, confissão, crisma, matrimônio, missas, extrema-unção, procissões, festas, dias-santos.

A Religião de Deus é caridade, misericórdia, paz, paciência,
tolerância, perdão, amor a Deus, amor ao próximo.

A religião dos homens é misericórdia sujeita ao numerário.

A Religião de Deus está isenta do dinheiro do mundo.

A religião dos homens circunscreve a razão e o sentimento, prescrevendo a ignorância; não admite a evolução.

A Religião de Deus reclama o estudo e proclama o progresso.

A religião dos homens consiste em dogmas e mistérios que a
consciência repele e o sentimento repudia.

A Religião de Deus derriba as barreiras do sobrenatural e afirma que nunca disse, nem dirá a última palavra, porque é de evolução permanente.

A religião dos homens escraviza as almas, escraviza a inteligência,
anula a razão, condena a análise, a investigação, o livre-exame.

A Religião de Deus manda ao indivíduo, como Paulo, examinar tudo, crescer em todo o conhecimento, fazer o estudo crítico do que lhe for apresentado para separar o bom do mau e não ter tropeço no “dia do Cristo”.

A religião dos homens não tem espírito: para ela o Evangelho é letra morta, não tem a Palavra de Jesus; seus santos são de pau e barro; suas virtudes, de incenso e alfazema; suas obras são folguedos, festanças com alarido de sinos, de foguetes, de fanfarra; seus ornamentos, de fitas e papéis de cores.

A Religião de Deus é vivificada pelo Espírito da Vida Eterna, é
acionada pelas Revelações Sucessivas, baseia-se na Palavra de Jesus, nos Evangelhos, nas Epístolas Apostólicas. Seus santos são Espíritos vivos, puros, ou que se estão purificando e que vêm comunicar-se com os homens na Terra, para guiá-los à Verdade; suas virtudes são as curas dos enfermos operadas por esses Espíritos, as manifestações de materializações, de transportes, de fotografia, que vêm dar a certeza da Imortalidade e estabelecer a Verdadeira Fé.

A religião dos homens é a aflição, o desespero, a morte; ao doente ela só oferece a confissão auricular; ao agonizante, a extrema-unção e depois da morte o De-Profundis com as subseqüentes missas, que constituem um gravame eterno para a família do morto.

A Religião de Deus é a consolação, a esperança, a vida: ao doente dá remédios, fluidos divinos para lenir o sofrimento; ao agonizante desvenda o Reino da Imortalidade e afirma o prosseguimento da Vida independente da vida na Terra; dá de graça a misericórdia, cerca o paciente de amor e a todos recomenda a oração gratuita como meio de auxiliar os que sofrem.

A religião dos homens é composta de uma hierarquia que começa no pequeno cura de aldeia para se elevar através das dignidades de cônego, monsenhor, bispo, arcebispo, cardeal, ao caporal maior, o Sumo Pontífice Infalível, o Papa; cada qual se distingue pela tonsura, vestimenta, rubis, pedrarias de esmeraldas, brilhantes, diamantes e roupagens de seda, de púrpura, de holanda: obrigando o hábito a fazer o monge.

A Religião de Deus é ministrada pelo Espírito, por intermédio dos
dons espirituais de que fala o grande Apóstolo da Luz em sua gloriosa Epístola, hoje de divulgação mundial; ela não distingue o religioso, o cristão, pelo hábito, pela opa, pela batina, pelos anéis, pela coroa, pela mantilha, pelos rosários, pelas medalhas, pelas cruzes, porque qualquer tartufo ou “tartufa” pode usar essas insígnias; mas reconhece o cristão, o religioso pelo caráter, pelo critério, pela fé que dele emana, pela caridade que o caracteriza, pela esperança não fingida que manifesta.

A religião dos homens persegue, anatematiza, odeia e calunia os que são descrentes.

A Religião de Deus perdoa, ora, auxilia, serve e ampara seus próprios perseguidores, detratores, caluniadores e adversários.

A religião dos homens se ilumina à luz do azeite, da cera, da
eletricidade.

A Religião de Deus é a Luz do Mundo e de todo o Universo.

A Religião dos homens é insípida, corruptível; usa o sal material.

A Religião de Deus é o Sal da Terra: conserva, transforma, purifica.

A religião dos homens tem igrejas de pedra, de terra, de cal, de ferro, de madeira.
A Religião de Deus tem por Igreja, como disse o Apóstolo, almas,
espíritos vivificantes.

As igrejas dos homens são de matéria inerte, caem ao embate dos
ventos, das tempestades, das correntezas.

Contra a Igreja de Deus os elementos não prevalecem; ela é
imperecível e se nos mostra cada vez mais viva, mais luminosa.

A religião dos homens é a opressão, o orgulho, o egoísmo, a
mercancia.

A Religião de Deus é a da liberdade, da humildade, do amor, do
desinteresse. A religião dos homens não é a Religião de Deus: a religião dos homens é dos homens e para os homens.

A Religião de Deus é a Luz Universal que proclama a Verdade, o
Caminho e a Vida, repetindo a Palavra do incomparável sábio e santo, Jesus o Cristo: Amai os vossos inimigos; orai pelos que vos caluniam; que a vossa justiça seja maior que a dos escribas e fariseus; ama; a Deus e ao próximo, porque neste amor se fundam a Lei e os Profetas; sede perfeitos como perfeito é o vosso Pai Celestial!

CAIRBAR SCHUTEL
Parabolas e Ensinos de Jesus
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Outubro de 2016, 13:24
NO CAMINHO DA PERFEIÇÃO

Recorda a sementeira de bênçãos na Terra, se desejas atingir a seara do aperfeiçoamento maior, na Espiritualidade Superior.

Não há edifício sem base, tanto quanto não existe realização sem esforço.

Lembra-te de que Jesus não nos pediu o impossível.

As lições do Divino Mestre permanecem vazadas nos quadros mais simples da natureza.

Um grão de mostarda.

Uma candeia sob o velador.

Uma dracma perdida.

Cinco pães e dois peixes.

Nas adjacências de um lago e através de barcos humildes, emoldurou, sem ouro e sem poder humano, a maior epopeia de amor universal que a humanidade já presenciou no curso dos séculos.

Não te esqueças de que o serviço de aprimoramento deve começar nos aspectos mais insignificantes de nossa própria vida.

Um sorriso em casa.

Um favor espontâneo aos amigos.

Um olhar de compreensão a quem sofre.

Uma prece pelos adversários.

Um gesto de fraternidade.

O silencio diante da calúnia.

O socorro mudo aos enfermos.

A caridade de uma boa palavra em auxílio aos ausentes.

Não procures a perfeição pela virtude postiça.

Ninguém pode começar a construção de uma casa pelo telhado.

Somos seres humanos, encarnados e desencarnados, com as nossas raízes ainda presas a terra, mãe admirável de nosso desenvolvimento através dos milênios.

Não pretendas voar sem asas.

Entretanto, se ainda não somos anjos, podemos ser companheiros da bondade fiel.

Tanto quanto possível, começa hoje o ministério da boa vontade para com todos, a partir do teu santuário doméstico, e amanhã conseguirás abençoado equilíbrio em mais amplos degraus no caminho ascensional da evolução.

Chico Xavier / Emmanuel
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Outubro de 2016, 13:41
Caracteres da perfeição
André Martinez


Capítulo 17 de “O Evangelho Segundo o Espiritismo” de Allan Kardec
- Sede Perfeitos –
Itens 1 e 2 – Caracteres da perfeição.

Esta reflexão examina a questão da PERFEIÇÃO ao nosso alcance na vida terrestre e os meios para que pratiquemos as qualidades necessárias a essa perfeição.

Sede vós logo perfeitos, como também vosso Pai celestial é perfeito. (Mateus, 5:44) – quando lemos essa afirmativa de Jesus anotada por Mateus nos sentimos completamente apartados de Deus, pois julgamos impossível sermos PERFEITOS na acepção real da palavra;

Examinando-nos com desassombro notamos que nossas IMPERFEIÇÕES são tão grandes que imaginamos ser necessário ainda MILÊNIO de evolução para atingirmos o estado de “alguma bondade e moral” perante as realidades divinas.

E é isso mesmo: para sermos espíritos BONS com todas as qualidades que os bons devem ter, ainda deveremos estagiar nesta Terra aprendendo a amar – porém – já possuímos os germes dessa BONDADE necessária ao salto de qualidade no rumo da perfeição.

Naturalmente que quando Jesus diz SEDE PERFEITOS COMO VOSSO PAI não espera que nos igualemos em qualidades a DEUS, mas que O IMITEMOS em seu amor, sua misericórdia, sua justiça, como criaturas criadas por ELE e que já possuem no coração os germens dessas virtudes a serem desenvolvidos pela prática do bem.

A busca da perfeição implica em amarmos, inclusive aos nossos inimigos, aos que nos odeiam, aos que nos perseguem e caluniam. Isso porque a PERFEIÇÃO só é atingida quando o nosso coração se vê despojado de toda e qualquer mácula, ódio ou ressentimento para com o semelhante.

O nosso inimigo ou adversário é colocado por DEUS ao nosso lado para que observemos por alguém que não nos ama, este possa nos advertir de nossas más condutas, coisa que nem sempre nos faz os amigos que nos querem bem.

Os amigos são quase sempre indulgentes para com as nossas fraquezas morais, douram a pílula e mascaram a verdade para nos proteger a suscetibilidade com relação às nossas imperfeições – já o inimigo nos aponta sem piedade os erros, fazendo-nos refletir.

“O inimigo, aparente obstáculo de nossa caminhada, é, na verdade, instrumento de nosso aperfeiçoamento”.

Amarmos uns aos outros, inclusive os adversários é dever do espírito na Terra, pois só ampliaremos nosso grau evolutivo através do amor. “Porque se vós não amais senão os que vos amam, que recompensas haveis de ter?” os criminosos e malfeitores também amam aqueles que lhes são caros. Nosso DEVER é ir além disso.

A perfeição que DEUS espera de nós, recomendada por Jesus, consiste na prática do mandamento: “amarmos aos nossos inimigos, fazer o bem aos que nos odeiam e orarmos pelos que nos perseguem”. – a essência da perfeição é a CARIDADE porque ela implica na prática de todas as outras virtudes.

Um dia todos seremos perfeitos pois temos como foi dito, os germens de todas as virtudes que nos cabe desenvolver através da pratica constante do bem.

ACELERAR o processo de aperfeiçoamento pessoal é uma questão de USAR O LIVRE ARBÍTRIO negando-nos a ADERIR AO MAL, SUPERAR OS VÍCIOS E IMPERFEIÇÕES exterminado o egoísmo e o orgulho que se demoram em nós.

Se prestarmos atenção às nossas imperfeições chegaremos à conclusão de que elas são todas – sem exceção – nascidas do nosso ORGULHO e do nosso EGOÍSMO. Então, centras nossos esforços na erradicação dessas MÁS TENDÊNCIAS MILENARES de nosso espírito é dar passo largo na direção do progresso.

A melhor maneira de erradicar o ORGULHO e o EGOÍMO não é combatendo a eles frontalmente. Quando mais cuidamos deles, mais eles aumentam. O segredo está em desenvolvermos as virtudes que lhe fazem oposição, ou seja a HUMILDADE e a CARIDADE.

HUMILDADE é a virtude que erradica sem piedade o ORGULHO de nossas vidas.

Para desenvolver a HUMILDADE temos muitos métodos. O Espiritismo usa o AUTOCONHECIMENTO que nos traz a consciência de que não somos maiores nem melhores que ninguém e por isso, facilita o surgimento de ATITUDES HUMILDES que vamos incorporando ao nosso cotidiano ao nos nivelarmos a todos os demais seres.

Conhecendo a LEI DA REENCARNAÇÃO tomamos ciência de que as situações de saúde, riqueza social, juventude, poder e destaque na vida são transitórias e variam com as múltiplas vidas – muitas vezes numa mesma vida – e portando NENHUM MOTIVO HÁ PARA NOS ORGULHARMOS do que se constitui simples EMPRÉSTIMO divino para nosso crescimento interior.

Hoje senhores, amanhã escravos, hoje saudáveis amanhã doentes, hoje amantes, amanhã carentes; hoje ricos, amanhã pobres... Tudo é INSTRUMENTO DE APRENDIZADO a serviço da evolução. Ter orgulho de que? Todas as bênçãos que você e eu registramos em nossas vidas são fruto da MISERICÓRDIA de Deus que nos premia conforme o USO SÁBIO que fizermos delas.

Para crescermos em CARIDADE basta AMAR INCONDICIONALMENTE, enxergando cada ser ao nosso redor como um irmão querido, que mais cedo ou mais tarde na esteira do tempo se reunirá em nossa companhia na condição de anjo amigo, parceiro evolutivo, alma afim pelo gosto pelo que é BOM na sementeira do BEM.

“O amor do próximo, estendido até o amor dos inimigos, não podendo aliar-se com nenhum defeito contrário à caridade” – por isso mesmo ser caridoso é a maneira mais fácil de desenvolvermos o AMOR INCONDICIONAL ensinado e praticado por JESUS.

O EVANGELHO DE JESUS em sua simplicidade, é o grande ENXUGADOR DE LÁGRIMAS a nossa disposição nesse processo e a maior ferramenta de evolução pois nele encontramos todas as diretrizes seguras para nosso aperfeiçoamento.

O EVANGELHO guarda em si todas as leis morais da vida, cuja prática nos DITANCIA DA DOR, nos APARTA DO SOFRIMENTO e pavimenta a nossa estrada nesta vida para que caminhemos com mais confiança e certeza, aprendendo PELO AMOR e não mais pela dor.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 18 de Outubro de 2016, 22:47
Boa noite amigos

E no que consiste tal perfeição?

Em O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, capítulo XVII, intitulado ‘Sede Perfeitos’, Kardec deixa registrado que “a essência da perfeição é a caridade em sua mais larga acepção, porque ela implica a prática de todas as outras virtudes.” [2]

Mas, se consultarmos as definições da palavra perfeição, além de “pureza, exatidão, correção”, também encontraremos: “O máximo de virtude ou bondade: perfeição de caráter”! [3]

Sendo assim, podemos concluir que Jesus, ao fazer uma associação da perfeição com o amor – inclusive aos inimigos –, desejava caracterizá-la como sendo a benevolência extremada e, por isso mesmo, incondicional. E esse conceito de incondicionalidade é essencial no entendimento do que seja o perfeccionismo.

Ainda do mesmo capítulo de O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, temos as seguintes características do homem de bem:
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 19 de Outubro de 2016, 10:24
amigos com muita amizade e um dia com muita paz venho aqui a este <Estudo dar-vos um abraço sincero de amizade e contribuir com mais um pouco para melhor endermos a perfeição atraés da Humildade e amor ao próximo
MOMENTO ESPÍRITA - POEMA DIVINO (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWx6cDhWSXZQcWtrIw==)
Esta prece nos dá muita paz e convida a todos a rever a sua situação na vida.
[attach=1]
O Espiritismo nos ensina que  a causa primária de todas as coisas, Deus, é a perfeição absoluta.
Perfeição essa que é incompreensível pelo homem no seu atual estágio de evolução, por que  falta-lhe o sentido,o que leva  o Ser que ainda demora-se na sombra, perguntar:
“ Se Deus é perfeito,por que nos criou imperfeitos?
Fomos criados à imagem e semelhança de Deus, mas não fisicamente, e sim, pelo Seu amor, que  está ínsito em nós.
Podemos fazer analogia ao diamante  que se forma em grandes profundidades, a mais de 150 quilômetros abaixo da superfície terrestre e numa temperatura superior a 1500 graus centígrados, cuja gema, não dispensa o buril do artesão, que a pouco e pouco vai desgastando as jaças para  o transformar no mineral de maior dureza que se conhece e na jóia mais cobiçada deste Planeta.
Nos primórdios, tivemos o acompanhamento fraterno  de Entidades Superioras até adquirirmos  o Livre Arbítrio, e  porque nos distanciamos das Leis Divinas  o nosso buril, por efeito educativo, foi a dor e o sofrimento.
Sendo artífice de nossa própria sorte, somos convidados  a burilar as jaças, as imperfeições, combatendo  em nós o egoísmo,o orgulho, a vaidade....
Fomos criados simples e ignorantes mas, com potencial para a perfeição.
A sede insaciável de perfeição que o espírito experimenta, constitui a prova de sua origem divina. Deus está no homem.
A mediocridade jamais o contentará, quando consciente de sua própria natureza.
Assim sendo, as palavras de Jesus, “sede vós logo perfeitos, como também vosso pai celestial é perfeito” precisam ser entendidas em seu sentido relativo pois sendo o criador perfeito, ele jamais será igualado a não ser que se abandone um de seus atributos, o de ser único, o que o descaracterizaria.
 O mestre, entretanto, ao pronunciar aquelas palavras, e consciente de que a tarefa de aperfeiçoamento é individual e intransferível, evidenciava a essência da sua revelação aos homens; o meio pelo qual o ser evolui e que a  vida se rege por amor.
Exortava aos seus discípulos e a todos nós a necessidade de adotar o comportamento que mais o aproxima da natureza divina, o amor.
“Amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam”, ou seja, busquem, sintonizem-se com o bem, com o bom, o belo e coloquem-se assim em condições de exercitar as virtudes que sublimam a emotividade e institui a paz, a fraternidade entre os homens, consubstanciando assim o amor ao próximo, a realidade das leis divinas, sendo, portanto, perfeitos como o pai o é.
A perfeição, portanto, é possível ao homem; perfeição relativa ao seu cabedal, ao seu momento na escala evolutiva, toda vez que o homem age imbuído do sentimento de amor, de caridade, que é o amor em ação.
Mas se agirmos assim, somente com aqueles que amamos ou nos amam, qual a vantagem, se os homens de má vida também o fazem?
Então Jesus orientou:
“Amai os vossos inimigos......” 
E por que devemos amar os inimigos?
 Por que são filhos de Deus e portanto nossos irmãos , dignos  de respeito e consideração a que não devemos negar.
Amar os inimigos é uma das maiores conquistas sobre o egoísmo e o orgulho, é não lhes guardar ódio, nem rancor, nem desejos de vingança; é perdoar-lhes, sem pensamento oculto e sem condições, o mal que nos causem; é não opor nenhum obstáculo a reconciliação com eles; é desejar-lhes o bem e não o mal; é experimentar júbilo, em vez de pesar, com o bem que lhes advenha; é socorrê-los, em  se apresentando ocasião; é abster-se, quer por palavras, quer por atos, de tudo o que os possa prejudicar; é, finalmente, retribuir-lhes sempre o mal com o bem, sem a intenção de os humilhar.
A essência da perfeição é a caridade, pois implica a prática de todas as virtudes, e o grau de perfeição está  na razão direta da extensão do amor ao próximo.
O esforço pela perfeição, portanto, é válido, porque se antepõe à sombra, elimina projeções negativas, contribuindo para o bem-estar do indivíduo em qualquer situação que lhe surja.
Pelo seu significado profundo, é um amor diferenciado daquele que deve ser oferecido ao inimigo, a quem se fez ofensor, projetando sua imagem controvertida e detestada por si mesmo, naquele que se lhe torna vítima. Amar a esse antagonista é não retribuir a ofensa, não o detestar, não o conduzir no pensamento, conseguir libertar-se de  seu ódio e  agressividade.
O que não ocorre quando o ressentimento, o desejo de revide, a amargura se instalam, porque, de alguma forma, a pessoa passa a depender das vibrações maléficas do seu perseguidor.
O amor libera aquele que o cultiva, por essa razão, o mal dos maus não ata a vítima ao algoz, deixando-a em tranquilidade.
O mestre ensinando que o aperfeiçoamento da criatura é infinito não coloca a si mesmo como modelo, embora todos nós, encarnados e desencarnados o tenhamos como o ser mais perfeito que teve contato conosco.
Ele ensina a todos os povos , a todas as raças e a todas as religiões, mas em particular aos Espíritas, pois, “ Àqueles a que mais será dado, mais será pedido”
Jesus, disse:
”Amai-vos como Eu vos amo”  e  Allan Kardec:
”Amai-vos uns aos outros, porém instrui-vos e assevera: Conhece-se o espírita pela sua transformação moral e esforço que emprega a combater suas más inclinações.”
A essência da perfeição é a caridade, pois implica a prática de todas as virtudes, e o grau de perfeição está  na razão direta da extensão do amor ao próximo. o esforço pela perfeição, portanto, é válido, porque se antepõe à sombra, elimina projeções negativas, contribuindo para o bem-estar do indivíduo em qualquer situação que lhe surja.
 Como a caridade é o amor em atividade, para se saber o tamanho do amor que já sentimos, basta medir a caridade que já fazemos.
Amigos é com esta amizade que vamos meditar no que cada um de nós faz e um dia seremos como um diamante belo que tem sempre a Caridade como meta.
Um Abraço de sincera amizade para com todos deste vosso amigo do outro lado do mar
[attach=2]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 21 de Outubro de 2016, 11:06
Amigos e companheiros deste cantinho de muita paz e onde sempre continuamos com o nosso estudo é com  muito carinho que lhes dou o meu bom dia de amizade e convido a todos a meditar nestestexto e assim podermos compreender que a Perfeição é uma causa natural para todos nós quando praticamos a Caridade e somos Humildos para com todos os que nos rodeiam e principalmente os nossos familiares......
O Homem no Mundo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVVCN2pfeDFULS1jIw==)
As tendências ao perfeccionismo têm raízes profundas e escondidas revelando, às vezes, um grande medo indefinido e oculto.
A diferença principal entre um indivíduo saudável e o perfeccionista é que o primeiro controla sua própria vida, enquanto que o segundo é controlado sistematicamente por sua compulsão pertinaz.
Trazemos como somatória de múltiplas existências, crenças negativas de que nosso valor é medido por nossos desempenhos bem sucedidos, e que os erros nos rebaixariam o merecimento como pessoa.
Daí as emoções desconexas de medo, de desagrado e de punição.
O transtorno dos perfeccionistas é não se aceitarem como espíritos falíveis, não aceitando os outros também nessa mesma condição, tentando assim agradar e corresponder às expectativas de todos.
Às vezes os perfeccionistas podem até pensar, mas não admitem – “se eu fracassar, vão me criticar” –; em outras ocasiões, insistem em dizer que ‘não o são’ demonstrando, porém, o contrário, pois ficam profundamente descontrolados quando cometem algum erro.
Certas fixações pelo desempenho perfeito são necessidades de aprovação e carinho que nasceram durante a infância.
 “Se você não fizer tudo certinho, a mamãe e o papai não vão gostar mais de você”: são vozes do passado que ressoam até hoje na mente dos perfeccionista.
Esses distúrbios de comportamento levam, às vezes, os indivíduos a uma lentidão superlativa para fazerem as coisas e, por quererem fazer tudo com tantos detalhes e precisão, acabam sempre fazendo nada.
Outros são conhecidos pelo nome de proteladores, ou seja, adiam sistematicamente a ação, por temerem o não desempenho perfeito ou, por exemplo, se começam a apontar o lápis levam objeto à destruição em alguns minutos, pela busca milimétrica da perfeição. Outros sintomas ou sinais mais comuns são aqueles que levam certas pessoas a colocarem as coisas simetricamente, não podendo ficar um centímetro fora do lugar e quanto mais verificam, mais querem checar e mais têm dúvidas.
Os perfeccionistas necessitam ser impecáveis, respondem a todas as perguntas, mesmo aquelas que não sabem corretamente e, por possuírem desordens psíquicas, buscam incessantemente controlar a ordem exterior, vigiando os comportamentos alheios como verdadeiros juízes da moral e dos costumes do próximo.
Por não admitirmos o erro, e por percebermos que o único fracasso legítimo é aquele com o qual nada aprendemos, é que os conceitos de perfeição doentia perturbam constantemente nossa zona mental.
Portanto, o erro não deve ser considerado como perda definitiva, mas apenas uma experiência de aprendizagem.
“Sede pois, vós outros, perfeitos, como vosso Pai Celestial é perfeito” – disse-nos Jesus Cristo.
Entretanto, não nos conclama com essa assertiva a que tomemos ‘ares’ de perfeição presunçosa, e sim a que nos esforcemos para um crescimento gradual, com o qual o processo da vida vai nos dando habilidades cada vez maiores e melhores.
Somos todos convocados pelo Mestre ao exercício do aperfeiçoamento, mas contemos com o tempo e a prática como fatores essenciais, e nunca com a perfeição como sendo ‘uma determinação martirizante e desgastante’, que faz a criatura dispender uma enorme carga energética para manter uma aparência irrepreensível.
Repensemos o texto cristão, refletindo se estamos buscando o crescimento rumo à perfeição, ou se representamos possuir uma santidade oca, que não suporta sequer o toque da menor contrariedade.
Amigos como podemos compreender será sempre muito importante cultivarmos a Caridade e Humildade dentro dos nossos atos.....
Com um abraço carinhoso de muita paz este vosso amigo do outro lado
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Outubro de 2016, 00:55
Consciência e Evolução

O despertar da consciência faculta a responsabilidade a respeito dos atos, face ao desabrochar dos códigos divinos que jazem em germe no ser.

Criado simples e ignorante , o espírito tem como fatalidade a perfeição que lhe está destinada. Alcançá-la com rapidez ou demorar-se por consegui-la, depende da sua vontade, do seu livre-arbítrio.

Passando pela fieira da ignorância , adquiriu experiências mediante as quais pode discernir entre o que deve e o que lhe não é lícito realizar, optando pelas ações que lhe proporcionem
ventura, bem-estar, sem os efeitos perniciosos, aqueles que se tornam desgastantes, afligentes.

Desse modo, torna-se responsável pelo seu destino, que está a construir, modificar, por meio das decisões e atitudes que se permita.

O bem é-lhe o fanal , e este se constitui de tudo aquilo que é conforme
as leis de Deus, que são naturais, vigentes em toda parte.

A herança da ignorância primitiva prende-o no mal, que é contrário à lei
de progresso, não , porém, retendo-o indefinidamente e impossibilitando-o de ser feliz.

Cumpre-lhe , portanto envidar esforços e romper os elos com a retaguarda, avançando nas experiências iluminativas, a principio com dificuldade, face à viciação instalada, para depois
acelerar os mecanismos de desenvolvimento, por força mesmo do prazer e alegria fruídos.

Lentamente, em razão da própria consciência , descobre os tesouros preciosos que lhe estão à disposição e dos quais pode utilizar-se com infinitos benefícios.

Saúde e doença , paz e conflito, alegria e tristeza podem ser elegidos através do discernimento que guia as ações. Sem essa claridade, os estados negativos tornam-se-lhe habituais e , mesmo quando estabelecidos, podem alterar-se através do empenho empregado para vence-los.

Nunca te entregues à desesperança, ao abandono. Não és uma pedra solta, no leito do rio do destino, a rolar incessantemente. Tens uma meta, que te aguarda e que alcançarás.

Penetra-te , mediante a reflexão, e descobre as tuas incalculáveis possibilidades de realização.

Afirma-te o bem , a fim que o seu germe em ti fecunde e cresça. Serás o que penses e planejes, pois que da tua mente e do sentimento procedem os valores que são cultivados.

O teu estado natural é saúde. As enfermidades são os acidentes de trânsito das ações negativas, propiciando-te  reabilitação.

È indispensável manteres atenção e cuidado na  conduta do veículo carnal.

Assim , pensa no bem-estar, anela-o, estimulando-o com realizações corretas.

A tua constituição é harmônica. Os desequilíbrios são ocorrências, na corrente elétrica do teu sistema nervoso, por distorção de carga que as sensações cultivadas proporcionam .

Mantém os interruptores da vigilância ligados, a fim de que impeçam as altas voltagens que os produzem.

Em tua origem és luz avançando para a grande luz.

Só há sombras porque ainda não te dispuseste a movimentar os poderosos geradores de energia adormecida no teu interior.

Faze claridade, iniciando com a chispa da boa vontade e deixando-a crescer até alcançar
toda a potência de que dispõe.

O amor é o teu caminho, porque procede de Deus, que te criou.

Desse modo verticaliza as tuas aspirações e agiganta os teus sentimentos na direção da causalidade primeira.

Tudo podes, se quiseres.

Tudo lograrás se te dispuseres.

Buscando penetrar na ordem das divinas leis que  propiciam o entendimento da vida, ALLAN KARDEC interrogou as venerandas entidades, conforme registrou na questão 117 de O Livro dos Espíritos :

Depende dos espíritos o progredirem mais ou menos rapidamente para a perfeição ?

Certamente. Eles a alcançam mais ou menos rápido conforme o desejo que têm de alcança-la e a submissão que testemunham à vontade de Deus.

Uma criança dócil não se instrui mais depressa do que outra recalcitrante?


Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco.
Livro: Momentos de Consciência
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 23 de Outubro de 2016, 11:21
Amigos e companheiros deste cantinho de m uita paz e onde sempre estudos esta maravilhosa doutrina espirita versando este tema Sede Perfeitos é com muito carin ho que os saúdo com o meu bom dia fraterno de muita paz.....
A Caridade Segundo o Apóstolo Paulo, declamado por Carlos Vereza no 3º Congresso Espírita (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUZCN1NPd2o0Yy13Iw==)
Amigos vamos meditar neste belo texto sobre a Caridade e assim podemos começar a entender o valor da Perfeição...
Por mais que a vontade de servir a Deus seja grande, e por mais importante que seja seguirmos os seus princípios, não nos esqueçamos que, enquanto encarnados, fazemos também parte do mundo físico. 
Não precisamos – e nem devemos – nos entregar a uma espécie de vida mística, isolada da vida em sociedade, como tantos o fizeram, buscando agradar a Deus.
Não se agrada a Deus através da fuga.
Nossa existência temporária na Terra é uma condição imprescindível para nossa evolução, exatamente pelas inúmeras dificuldades que temos de atravessar.
Ao nos isolarmos, nada mais fazemos do que estacionar: não aprendemos nada, não nos movemos, não evoluímos; pelo contrário, nos tornamos água parada, inútil e malsã.
Já que estamos aqui, aproveitemos as oportunidades que nos caem nas mãos diariamente. Temos de viver “com os homens de nosso tempo”, ou seja, nos interessando às questões da vida social, econômica, política, e até mesmo às questões banais de cada dia – porém, como bem nos diz o Evangelho, cada uma de nossas ações deve ser feita com um “sentimento de pureza que as possa santificar”.
Devemos tomar tais questões e situações como as ferramentas necessárias para nosso aprendizado. 
Estamos aqui; fazemos parte; devemos lidar com a realidade que nos rodeia, ou “perderemos” esta encarnação, estagnados.
A pessoa virtuosa é alegre, consciente, ativa; ao entregar-se a qualquer ato, volta seu pensamento ao Criador, com pedidos de proteção e apoio, tendo sempre confiança de que Sua vontade será feita, resultando no melhor possível para todos os envolvidos.
A perfeição e a virtude não estão na inação, na renúncia, no isolamento: como poderíamos, por exemplo, ser caridosos, se nos isolamos?
Amigos e uma das coisas muito importantes é sermos caridodos para com todos e para nós mesmo......
Com  um  abraço de muita paz este vosso amigo
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 23 de Outubro de 2016, 20:41
Boa tarde amigos

Nos caminhos da perfeição

Recorda a sementeira de bênçãos na Terra, se desejas atingir a seara do aperfeiçoamento maior, na Espiritualidade Superior.
Não há edifício sem base, tanto quanto não existe realização sem esforço.
Lembra-te de que Jesus não nos pediu o impossível.
As lições do Divino Mestre permanecem vazadas nos quadros mais simples da natureza.
Um grão de mostarda.
Uma candeia sob o velador.
Uma dracma perdida.
Cinco pães e dois peixes.
Nas adjacências de um lago e através de barcos humildes, emoldurou, sem ouro e sem poder humano, a maior epopéia de amor universal que a humanidade já presenciou no curso dos séculos.
Não te esqueças de que o serviço de aprimoramento deve começar nos aspectos mais insignificantes de nossa própria vida.
Um sorriso em casa.
Um favor espontâneo aos amigos.
Um olhar de compreensão a quem sofre.
Uma prece pelos adversários.
Um gesto de fraternidade.
O silencio diante da calúnia.
O socorro mudo aos enfermos.
A caridade de uma boa palavra em auxílio aos ausentes.
Não procures a perfeição pela virtude postiça.
Ninguém pode começar a construção de uma casa pelo telhado.
Somos seres humanos, encarnados e desencarnados, com as nossas raízes ainda presas a terra, mãe admirável de nosso desenvolvimento através dos milênios.
Não pretendas voar sem asas.
Entretanto, se ainda não somos anjos, podemos ser companheiros da bondade fiel.
Tanto quanto possível, começa hoje o ministério da boa vontade para com todos, a partir do teu santuário doméstico, e amanhã conseguirás abençoado equilíbrio em mais amplos degraus no caminho ascensional da evolução.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 23 de Outubro de 2016, 22:59
O Serviço da Perfeição

Um velho oleiro, muito dedicado ao trabalho, certa feita adoeceu gravemente e entrou a passar enormes dificuldades.

Os parentes, aos quais ele mais servira, moravam em regiões distantes e pareciam haver perdido a memória...

Sem ninguém que o auxiliasse, passou a viver da caridade pública, mas, quando esmolava, caiu na via pública e quebrou uma das pernas, sendo obrigado a recolher-se à cama por longo tempo.

Chorando, amargurado, fez uma prece e rogou a Deus alguma consolação para os seus males.

Então, dormiu e sonhou que um anjo lhe apareceu, trazendo a resposta pedida.

O mensageiro do Céu conduziu-o até o antigo forno em que trabalhava, e, mostrando-lhe alguns formosos vasos de sua produção, perguntou:

- Como é que você conseguiu realizar trabalhos assim tão perfeitos?

O oleiro, orgulhoso de sua obra, informou:

- Usando o fogo com muito cuidado e com muito carinho, no serviço da perfeição. Alguns vasos voltaram ao calor intenso duas ou três vezes.

- E sem fogo você realizaria a sua tarefa? - indagou, ainda, o emissário.

- Nunca! - respondeu o velho, certo do que afirmava.

- Assim também - esclareceu o anjo, bondoso -, o sofrimento e a luta são as chamas invisíveis que Nosso Pai Celestial criou para o embelezamento de nossas almas que, um dia, serão vasos sublimes e perfeitos para o serviço do Céu.

Nesse instante, o doente acordou, compreendeu a Vontade Divina e rendeu graças a Deus.

XAVIER, Francisco Cândido. Pai Nosso. Pelo Espírito Meimei. FEB.

Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 23 de Outubro de 2016, 23:04
Ser perfeito]
A perfeição é a grande meta do Espírito.
Vimos anteriormente que passa ele por várias etapas evolutivas objetivando sempre o progresso, no afã de conquistar este estado que chamamos de perfeição.
Mas qual é a característica do homem que já atingiu este estado?
Allan Kardec, em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, diz que o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade (...),29 e que, quando consulta sua consciência sobre seus atos, vê que fez todo o bem possível, que não se perdeu na ociosidade e que ninguém tem nada a queixar-se dele.
Tem fé em Deus, na vida futura, possuindo em si de uma maneira desenvolvida o sentimento de amor e caridade e sabe que todas as vicissitudes que enfrenta têm um valor significativo na economia da vida, passando-as por isso com resignação.
Enumera o Codificador vários outros valores que dignificam o caráter deste homem, mas deixando claro que muitos outros ele ainda os tem.
Mas como atingir este estado?
Dizem os Espíritos que a prática da virtude em detrimentos dos nossos vícios, é sem dúvida a forma mais rápida de chegarmos lá.
Alertam ainda na questão 894, de “O Livro dos Espíritos”, que há virtude sempre que resistimos ao arrastamento de nossos maus pendores, e continuam: A mais meritória é a que assenta na mais desinteressada caridade. (grifo nosso)
E na questão 895 da obra citada, afirmam que a maior característica da imperfeição é o interesse pessoal.
Raciocinando sob estas valiosas informações, temos então que o personalismo é causa atuante da imperfeição, e se quisermos progredir moralmente, temos que bani-lo do nosso convívio.
A respeito das paixões, ainda são os Espíritos que informam que, quanto ao princípio que lhes dá origem, não é maléfica, o abuso que delas se faz é que causa o mal. Visto assim, deduzimos com o Codificador que, quando dominamos a paixão, ela é útil, quando somos dominados por ela, caímos em excesso e geramos o mal.
Sobre os vícios, o próprio Codificador é quem pergunta: Dentre os vícios, qual o que se pode considerar radical? E os Espíritos respondem: Temo-lo dito muitas vezes: o egoísmo. Daí deriva todo mal.
Mas como vencê-lo? Sabemos que esta é das uma tarefa mais difíceis, visto ele estar enraizado em nosso psiquismo, mas nos alertam os maiores da espiritualidade que ele é sempre maior quanto maior for a influência das coisas materiais sobre nós, e como consequência a melhor maneira de vencê-lo é o desprendimento dos bens do mundo.
E respondendo ainda àquela pergunta de como atingirmos o estado da perfeição, Santo Agostinho nos faz lembrar a famosa frase de Sócrates: Conhece-te a ti mesmo,a que nós completamos com a de Jesus:
Conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará. (João, 8: 32)
Livro: Apostila do Curso de Espiritismo e Evangelho
Centro Espírita Amor e Caridade - Goiânia – GO - 1997
Site: www.autoresespiritasclassicos.com (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5hdXRvcmVzZXNwaXJpdGFzY2xhc3NpY29zLmNvbQ==)
Livros: O Evangelho Segundo o Espiritismo - Pág. 284
O Livro dos Espíritos - Questão 907, 913 e 919
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: M.Altino em 26 de Outubro de 2016, 10:49
[attach=1]Amigos e com panheiros deste cantinho de muita paz e onde sempre continuamos o nosso Estudo que nos ajuda a sermos melhores é com carinho que lhes dou o meu bom dia e ao mesmo tempo esta encenação linda do Grupo Esperança dança e luz sobre a Perfeiçao Moral Vicios e Virtiudes para todos nós meditar.....
Grupo Espirita de Dança Graça e Luz - Perfeição Moral Vicios E Virtudes (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWhIS1RBb2RuNThvIw==)
Perfeição versus perfeccionismo
É-nos possível ser tão perfeitos quanto Deus?
O que é a perfeição?
A perfeição é perfeccionista?
E no que consiste tal perfeição?
Em O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, capítulo XVII, intitulado ‘Sede Perfeitos’, Kardec deixa registrado que “a essência da perfeição é a caridade em sua mais larga acepção, porque ela implica a prática de todas as outras virtudes.”
Mas, se consultarmos as definições da palavra perfeição, além de “pureza, exatidão, correção”, também encontraremos:
“O máximo de virtude ou bondade: perfeição de caráter”!
Sendo assim, podemos concluir que Jesus, ao fazer uma associação da perfeição com o amor
 inclusive aos inimigos –, desejava caracterizá-la como sendo a benevolência extremada e, por isso mesmo, incondicional. E esse conceito de incondicionalidade é essencial no entendimento do que seja o perfeccionismo.
Ainda do mesmo capítulo de O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, temos as seguintes características do homem de bem:
O verdadeiro homem de bem é aquele que pratica a lei de justiça, de amor e de caridade em sua maior pureza.
Se interroga a consciência sobre os seus próprios atos, pergunta a si mesmo se não violou essa lei; se não fez o mal e se fez  todo o bem que podia; se negligenciou voluntariamente uma ocasião de ser útil; se ninguém tem o que reclamar dele; enfim, se fez a outrem tudo o que quereria que se fizesse para com ele.
Tem fé em Deus, em sua bondade, em sua justiça e em sua sabedoria; sabe que nada ocorre sem Sua permissão e se submete, em todas as coisas, à Sua vontade.
Tem fé no futuro; por isso coloca os bens espirituais acima dos bens temporais.
O homem, possuído de sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem esperança de recompensa, retribui o mal com o bem .
E encontra satisfação nos benefícios que derrama, nos serviços que presta, nos felizes que faz, nas lágrimas que seca, nas consolações que dá aos aflitos.
O Seu primeiro movimento é de penar nos outros antes de pensar em si, de procurar o interesse dos outros antes do seu próprio
Em todas as circunstâncias, a caridade é seu guia.
Não tem ódio, nem rancor, nem desejo de vingança.
É indulgente para com as fraquezas alheias, porque sabe que ele mesmo tem necessidade de indulgência.
Não se compraz em procurar os defeitos alheios, nem em colocá-los em evidência.
Se a necessidade a isso o obriga, procura sempre o bem que pode atenuar o mal.
Estuda as próprias imperfeições e trabalha, sem cessar, em combatê-las.
Não se envaidece nem com a fortuna, nem com as vantagens pessoais, porque sabe que tudo o que lhe foi dado, pode lhe ser retirado.
O homem de bem, enfim, respeita em seus semelhantes todos os direitos dados pelas leis da Natureza, como gostaria que os seus fossem respeitados.
Essa não é uma enumeração de todas as qualidades que distinguem o homem de bem, mas todo aquele que se esforce por possuí-las, está no caminho que conduz a todas as outras.
Todavia, essas considerações – que trazem a idéia da perfeição como sendo algo decorrente da harmonia de todos os sentimentos, do saber absoluto, da vontade firme, do amor em sua mais ampla abrangência –, podem gerar, em nós, desconcertantes pensamentos e/ou sensações de dificuldade, de impossibilidade: “é muito difícil, senão impossível, ser tudo isso!”
E o porquê dessa reação?
Porque ainda carregamos diversas imperfeições de caráter, vivenciando, em nosso dia a dia, situações em que:
somos individualistas, impulsivos e agressivos;
julgamos sem tolerância as pessoas que mais amamos ou rejeitamos aquelas outras que nos contrariam;
não conseguimos compreender ou aceitar a opinião alheia;
desejamos que, primeiramente, o “mundo” atenda as nossas necessidades, para somente depois pensarmos nas necessidades daqueles com os quais convivemos;
somos rápidos para reclamar e lentos para agradecer; além de produzirmos uma infinidade de pensamentos pessimistas, que acabam por prejudicar a própria qualidade de vida.
Constatando tal realidade, o Espírito Hammed assim se expressa:
“Nós achamos que deveríamos ser perfeitos, no entanto, somos apenas seres em desenvolvimento espiritual.
Nós achamos que somos anormais, no entanto somos apenas criaturas vivenciando a normalidade da imperfeição humana.”
É característica da natureza humana cometer falhas com relativa frequência.
Todos somos assim: mais erramos do que acertamos!
No entanto, reconhecer a própria fragilidade e falibilidade não é sinal de fraqueza, de incompetência ou de impotência. 
Somos, então, criaturas perfectíveis.
Assim sendo, dificuldades e aflições, conflitos e sofrimentos, dúvidas e incertezas não são situações imutáveis ou irreversíveis, porque nosso destino é a perfeição.
Mas para alcançá-la, necessitamos aprender com as próprias imperfeições e efetuar importantes descobertas no silêncio de nós mesmos, através de um consciente trabalho de perseverança e constância.
A perfeição é o grande objetivo do Espírito e se processa, naturalmente, com a subida de vários degraus evolutivos.
Quem evolui, renova-se para o bem, transforma-se para melhor.
A perfeição consiste, básica e essencialmente, nas boas disposições de nosso coração.  “Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é vosso Pai celeste”.
Em decorrência de uma errônea concepção do que seja a perfeição, muitos a confundem com o perfeccionismo  que é a  tendência obsessivamente exagerada para atingir a perfeição na realização de alguma coisa.
E quais são as características comportamentais de um indivíduo perfeccionista?
O Seu retrato reúne e combina determinados traços psicológicos e sinais particulares, tais como:
Compulsão de fazer as coisas com perfeição, não aceitando a normalidade de algumas limitações humanas. Assim, impõe-se realizar tarefas impecáveis, quando poderia fazê-las apenas com esmero;
Obstinação pela ordem e pela limpeza.
Ao invés de viver cada dia de forma mais leve, torna a vida cansativa em razão de suas metas inatingíveis.
Ele é o maior inimigo da própria paz interior;
Ansiedade de fazer ou resolver coisas de forma imediata.
O que poderia executar em um dia, quer fazer em instantes.
Faz várias coisas ao mesmo tempo, usando o perfeccionismo como uma forma de compensar a insegurança e a inquietação que o dominam perante diversos aspectos de sua realidade;
Tendência a classificar tudo o que existe em extremos opostos: certo e errado, moral e imoral, tudo ou nada.
Não carrega apenas o rótulo de “meticuloso”, mas também o de “disciplinador intransigente” ou de “reformador inflexível”.
Entretanto, quanto mais alguém se aproxima da perfeição, menos rigoroso se torna para com os outros!;
Considerar-se a única pessoa capaz de realizar bem as coisas;
Estar sempre com a razão;
Acreditar que seja um “herói” ou uma “super criatura”, não percebendo que também que pertence à raça humana.
Naturalmente, possui dificuldades e pontos fracos, e, por isso mesmo, vivencia situações apropriadas às próprias forças;
Trabalhar sem interrupção. O trabalho é o seu “lazer” preferido.
O “obrigar-se” a realizar algo é o constrangimento a que frequentemente se impõe.
Sendo assim, por apresentar enormes dificuldades em relaxar, está sempre preso às obrigações;
Pavor de cometer erros.
Às culpas é algo a que constantemente se entrega.
Sua conduta é quase toda alicerçada em rígidas regras e normas sociais.
Ninguém o repreende tão cruelmente quanto ele mesmo;
Possuir enorme necessidade de considerações, elogios e manifestações da estima alheia. Encontra-se, constantemente, num enorme “esforço de ser o melhor”, para confirmar sua boa opinião sobre si mesmo.
Com isso, vive competindo e comparando-se com os outros.
Utiliza-se também das circunstâncias, não como um método de crescimento a ser cultivado na própria intimidade, mas para provar sua “perfeição”.
No entanto, a necessidade de se sentir superior lhe traz um elevado dispêndio de energia emocional;
Julgar-se superior, muito embora uma circunstancial inferioridade em relação a algumas pessoas.
Com isso, nutre um desdém arrogante sobre os outros, em virtude de seus padrões morais e intelectuais, que considera os melhores;
Desculpar-se ou justificar-se insistentemente pelos seus erros, somente quando os reconhece;
Dramatizar problemas e conflitos; bem como
Resistir a ideias e conceitos novos.
Amigos vamos cada um de nós tentar meditar neste texto e verificamos inde cada um de nós nos encontramos para sermos perfeitos..........boa leitura a todos e um grande abraço de amizade sincera a todos,,,,,,,,,
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 27 de Outubro de 2016, 16:26
 Boa tarde amigos

SEDE PERFEITOS COMO VOSSO PAI CELESTIAL É PERFEITO
A frase "Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito" mostra uma ordem, uma ordenação dada por Jesus a todos os habitantes do Planeta Terra, independente da seita ou da religião que professe. Pergunta-se: não sabia Jesus que somos fracos e imperfeitos? Como pode Ele dar essa ordem peremptória? Lógico que Ele sabia e sabe ainda, mas o problema é que fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Diante desta verdade, devemos prestar contas ao Pai dentro do melhor nível de evolução que pudermos alcançar. O modelo para chegarmos ao Pai é Jesus, porque, dentre os encarnados, ele foi o Espírito mais evoluído que desceu neste Planeta. A sua missão foi a de nos mostrar o caminho da salvação. Qual o exemplo que nos deu? Sofreu perseguições, sarcasmos, blasfêmias e morreu na cruz. Tudo isso para nos ensinar que o reino de Deus está dentro de nós e que só o alcançaremos se seguirmos as suas pegadas.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 27 de Outubro de 2016, 16:27
A CARIDADE COMO AMOR AO PRÓXIMO
A perfeição de que Jesus nos ordena está centrada na caridade que fizermos ao nosso próximo. Esta caridade deve ser exaltada para que culmine até no amor ao inimigo. Quando ele nos conta a Parábola do Bom Samaritano, por exemplo, faz-nos uma apologia do amor ao próximo, isento de preconceitos, de segundas intenções. Evoca, também, a idéia de que a humanidade é mais importante do que as crenças particulares.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 27 de Outubro de 2016, 16:28
O IMPERATIVO DA PERFEIÇÃO
"Amai os vossos inimigos; fazei o bem àqueles que vos odeiam e orai por aqueles que vos perseguem e que vos caluniam; porque se não amais senão aqueles que vos amam, que recompensa com isso tereis? Os publicanos não o fazem o também? E se vós não saudardes senão vossos irmãos, que fazeis nisso ais que os outros? Os Pagãos não o fazem também? Sede pois, vós outros, perfeitos, como vosso pai celestial é perfeito". (Mateus, 5, 44, 46 a 48)
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Dothy em 27 de Outubro de 2016, 16:29
Jesus disse: "Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito". Como analisar o imperativo da perfeição, contido nesta frase? Devemos estar sempre nos aperfeiçoando? Não seria melhor fazer corpo mole, deixando o encargo para outra encarnação? Trataremos, neste estudo, do progresso material e do progresso moral, da potência e do ato e da correta ordenação da nossa perfectibilidade.
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Outubro de 2016, 01:58
"Tendo por objetivo a melhora dos homens, o Espiritismo não vem procurar os perfeitos, mas os que se esforçam em tornar-se perfeitos pondo em prática os ensinos dos Espíritos.
O verdadeiro espírita não é o que alcançou o objetivo, mas o que seriamente quer atingi-lo.
Sejam quais forem os seus antecedentes, será bom espírita desde que reconheça suas imperfeições e seja sincero e perseverante no propósito de emendar-se.
Para ele o Espiritismo é uma verdadeira regeneração, porque ele rompe com o seu passado.
Indulgente para com os outros, como quereria que fossem para consigo, de sua boca não sairá nenhuma palavra malévola nem cortante contra ninguém.
Aquele que, numa reunião, se afastasse das conveniências, não só provaria uma falta de cortesia e de urbanidade, mas uma falta de caridade.
Aquele que se chocasse com a contradição e pretendesse impor a sua personalidade ou as suas ideias, daria prova de orgulho.
Ora, nem um nem outro estariam no caminho do verdadeiro Espiritismo, isto é, do Espiritismo cristão.
Aquele que pensa ter uma opinião mais justa que os outros, poderá fazê-la mais bem aceita pela doçura e pela persuasão.
O azedume, de sua parte, seria uma péssima opção."

Allan Kardec
Título: Re: Sede perfeitos
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Outubro de 2016, 14:51

O sofrimento da perfeição
Por: Ana Sousa


Cada vez mais nos deparamos hoje em dia em nós mesmos e nas pessoas à nossa volta com a necessidade crescente de chegar à perfeição.

Mas o que será isto da perfeição?
Um corpo perfeito?
Um desempenho perfeito?

A perfeição acaba muitas vezes por se transformar no mais importante a obter, para corresponder às nossas expectativas e às expectativas que os outros têm de nós, ou pelo menos que nós achamos que eles têm.

E quando não chegamos onde gostávamos de ter chegado?

Nessas alturas, muito frequentemente deitamos tudo para trás das costas, todo o esforço, todo o empenho, todas as pequenas conquistas.
Promovemos em nós um tipo de pensamento exagerado de tudo-ou-nada, ou se é perfeito ou nada valeu a pena.
A culpabilização e a suposta confirmação de falta de valor vão preenchendo os minutos, as horas, os dias.

Em muitos casos de perfeccionismo as tarefas começam a ser adiadas com receio de que não se seja capaz de fazer uma determinada tarefa “na perfeição”, diminuindo consecutivamente o tempo que a ela poderia ser destinado e condenando cada vez mais o resultado final por medo de falhar.

O cansaço do envolvimento em diversas tarefas ao mesmo tempo vai aumentando, para que nada saia do controlo, para que tudo seja feito de uma forma perfeita, onde o corpo começa a entrar em desgaste e a não corresponder às expectativas.

A procura da perfeição é em si mesma imperfeita, não tem em conta os esforços, as conquistas intermédias, as reais expectativas, as reais capacidades e os limites físicos e psicológicos da pessoa.

Face a este sofrimento pela busca incessante da perfeição, há algumas sugestões que podem ser tidas em conta e que não é necessário serem feitas de forma perfeita:

– Permita-se a não ser perfeito, a ser um pouco caótico de vez em quando, a fazer erros e a admiti-los;

– Trabalhe a sua capacidade de crítica construtiva e às vezes ria-se de si próprio, percebendo onde exagerou;

– Perceba através das outras pessoas de que forma o seu perfeccionismo se evidencia e utilize essa informação para ser mais tolerante consigo próprio, aceite conselhos e sugestões dessas pessoas;

– Comprometa-se a libertar-se de alguns rituais perfeccionistas como pesar-se constantemente, ver constantemente o e-mail ou o telemóvel;

– Tome consciência do discurso interno de autocrítica que tem para consigo e vá ensaiando formas alternativas de pensamento mais adaptadas à realidade e à valorização de si mesmo.

O mundo precisa de si como ser imperfeitamente perfeito que é.