Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => Estudos mensais => Tópico iniciado por: Aline Alarcão Lemos em 02 de Julho de 2013, 12:48

Título: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 02 de Julho de 2013, 12:48
É com imensa gratidão a todos os envolvidos que inicio este estudo, dentro dos princípios básicos da Doutrina Espírita, com o objetivo único de esclarecer e instigar a nossa reforma interna, tão necessária e tão difícil a nós seres encarnados em condições ainda tão inferiores...

Agradecemos ao Pai Celeste pelo amparo que sempre nos dispensa, através dos amigos espirituais e que estes mesmos amigos possam nos guiar, nos intuir e que possamos todos aqui sermos instrumentos deles, para que possamos esclarecer, e ajudar o maior número de encarnados possíveis, principalmente que possamos aplicar a nós mesmos...

Estudo Mensal - Pensamento Sentimento e Vontade (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWpYYVYzdjBTdEw0I3dz)

#Partindo do princípio de que somos seres espirituais criados simples e ignorantes, mergulhados em um mundo físico, onde como já estudamos, nos serve de grande educandário, e que necessitamos aurir valores, hábitos e atitudes que nos elevem, para que possamos ainda que de forma sutil colaborar na obra do Criador.
#A Ciência Terrena já provou o que nós estudantes do espiritismo já tínhamos conhecimento de que somos energia, emitimos energia, nossos pensamentos consomem glicose em nosso cérebro, logo, toda uma reação fisiológica é desencadeada no organismo, gerando efeitos salutares ou nocivos, conforme o tipo de pensamento que tivermos.

#Partindo deste ponto, iniciaremos o estudo refletindo e discorrendo a cerca do Pensamento:
     *Ininterrupto enquanto estamos acordados; 
     *Força criadora;
     *Formas pensamento;
     *Lei de atração/sintonia;
     *Disciplina;
     *Efeitos...


#Convido a todos os integrantes deste Fórum, a me ajudarem neste estudo, colaborarem com mensagens de forma que ao final do mês, possamos ter adquirido uma bagagem onde seguramente estaremos melhores do que ora estamos.

Que Jesus nos ampare!
 
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Julho de 2013, 14:23
Olá amiga Aline Lemos

Os meus parabéns pela escolha de um tema extremamente muito interessante e muito útil.

O impacto do pensamento nas nossas vidas é tremendo. Tanto a nível físico, como psicológico, como espiritual. E o grande desafio de todas as doutrinas espirituais é obter e partilhar a informação das melhores formas de controlar o pensamento. Controlar os factores que nos levam a pensar de uma forma ou de outra.

Sendo a unidade humana encarnada uma associação de um corpo de carne mortal com um espírito imortal, sujeita a influências de encarnados e desencarnados, mas também influenciadora de outras entidades encarnadas e desencarnadas com quem vai convivendo, sujeita à influência do meio ambiente físico onde vai vivendo, do corpo de carne e das respectivas doenças, muitas das quais são capazes de influenciar/deturpar os dados que percepcionamos e os nossos pensamentos, não pode ser tarefa fácil controlar esse completo e complexo conjunto.
   
Uma das questões que se coloca logo, é a forma como adquirir auto-conhecimento, de modo a descobrirmos o que nós realmente acreditamos, as nossas verdadeiras crenças. Pois a imagem que temos de nós mesmos, nos nossos pensamentos, nem sempre corresponde à realidade. E pode ser até muito diferente da mesma.

Espero que o corolário, no fim deste estudo, nos dê pistas práticas, que funcionem realmente, sobre a forma como podemos tornar os nossos pensamentos mais positivos, mais facilitadores da nossa evolução espiritual. E controlando cada um de nós a si mesmo, de forma eficaz, o conjunto da humanidade também será arrastado para melhor.  O controle do nosso pensamento individual é a chave do controle do pensamento colectivo.

bem hajam
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 02 de Julho de 2013, 14:28

   
Força: “... tudo aquilo capaz de provocar deformações num sistema material ou causar alterações no seu funcionamento (tirá-lo do repouso, acerelá-lo, desacerelá-lo, etc).

   Mas será que um fenômeno psicológico poderá transformar-se em mecânico? Pode o pensamento concretizar-se em uma materialização plástica?
Poderá ser fotografado? ( Ele pode criar, movimentar alguma coisa???)

Pensamento: estudos realizados através de tomografia por emissão de pósitron e ressonância funcionais indicam que o ato de pensar consome oxigênio e glicose. Isso significa que a Ciência está provando que o psiquismo (mente) humano interfere no campo físico através das energias mentais.
     O ato de pensar provoca uma energia, ele provoca uma força porque está consumindo oxigênio e glicose, isso não é Espiritismo, isso é Ciência. E o Espiritismo se adianta, como sempre, ao que a Ciência sempre comprova.
     Kardec começou a esclarecer sobre as forças do pensamento em 1.857, com a publicação de O Livro dos Espíritos, a ciência só está comprovando aquilo que a Doutrina Espírita já dizia lá atrás.
     A ciência está vendo que o psiquismo, toda vez que a gente pensa, toda vez que a gente promove uma idealização nós vamos movimentando forças e isso vai sendo utilizado no corpo físico. Todo ato de pensar (toda expressão mental) vai consequentemente desaguar no corpo físico através de comandos cerebrais, mas é o corpo físico que vai registrar tudo.
     A tomografia por emissão de pósitrons consegue identificar quando uma pessoa está tendo uma idéia, está pensando, ou mesmo delirando por causa da área do cérebro que é ativada – isso é ciência – e eles estão provando que a mente executa todo o trabalho e a parte física começa a registrar tudo isso.
     E isso é um avanço muito grande para os humanos, porque é o que a gente, enquanto Espírita, sempre vem falando, desde a época da Codificação até hj. O plano espiritual sempre falando que os pensamentos influenciam em nossa vida, eles criam todo esse processo de vivência do presente e do futuro, ou seja, entrando no campo da reencarnação, nós somos o fruto do ontem e seremos amanhã o fruto do hoje.
Então o pensamento:
•   É uma força objetiva;
•   Provoca alterações vibratórias no físico;
•   Tem cheiro, cor, traz sua carga vibratória; (ele tem forma, toda vez que se pensa, idealiza-se uma forma no plano espiritual, o psiquismo cria essa forma, não conseguimos ver, médiuns específicos conseguem ver, através de cores ou da visão de alguma forma – formas-pensamento).
•   Por isso deve ser disciplinado. ( A Doutrina insiste nisso, no Evangelho lemos várias passagens a esse respeito – nós precisamos direcionar a nossa mente para alguma coisa construtiva).

Todo pensamento vem acompanhado de um sentimento, e vem sempre carregado das energias pertinentes ao tipo de sentimento envolvido
.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Ann@ em 02 de Julho de 2013, 15:09
Aline, parabéns pelo tema  ;)

É um assunto interessante e atual, além disso está ligado à nossa rotina e uma coisa que eu acredito é que é urgente tirarmos os ensinamentos espíritas dos CEs e transformá-los em hábitos.

Eu já comprovei nesta minha existência o quanto o pensamento influencia, ou favorece, certas situações e não posso deixar de citar o livro de Ernesto Bozzano - Pensamento e Vontade - Cap. Formas do Pensamento.

Todo pensamento cria uma série de vibrações na substância do corpo mental, correspondentes à natureza do mesmo pensamento, e que ai combinam em maravilhoso jogo de cores, tal como se dá com as gotículas de água desprendidas de uma cascata, quando atravessadas pelo raio solar, apenas com a diferença de maior vivacidade e delicadeza de tona.

O corpo mental, graças ao impulso do pensamento, exterioriza uma fração de si mesmo, que toma forma correspondente à intensidade vibratória, tal como o pó de licopódio que, colocado sobre um disco sonante, dispõe-se em figuras geométricas, sempre uniformes em relação com as notas musicais emitidas. Ora, este estado vibratório da fração exteriorizada do corpo mental, tem a propriedade de atrair ai, no meio etéreo, substância sublimada análoga à sua.

Assim é que se produz uma forma pensamento, que é, de certo modo, uma entidade animada de intensa atividade, a gravitar em torno do pensamento gerador... Se este pensamento implica uma aspiração pessoal de  quem o formulou - tal como se dá com a maioria dos pensamentos - volteia, então, ao derredor do seu criador, pronto sempre a reagir benéfica ou maleficamente, cada vez que o sinta em condições passivas.

Estranhamente simbólicas as formas do pensamento, algumas delas representam graficamente os sentimentos que as originaram.


Depois que eu estudei este livro, para mim, foi mais fácil dominar certos pensamentos

Abçs
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: lineu em 02 de Julho de 2013, 16:53
(http://www.mensagemespirita.com.br/uploads/livros_file_foto/50071_gr.jpg)


Segundo Emmanuel, este livro é usado no plano espiritual para auxiliar aqueles que estão em vias de reencarnar. É curto, mas com belas e valiosíssimas lições de reflexão.

São 30 capítulos nos quais instrui e nos convida a refletir sobre vontade, cooperação, instrução, educação, fé, trabalho, associação, sugestão, entendimento, berço, família, filhos, corpo, saúde, vocação, profissão, sociedade, prosperidade, hábito, dever, culpa, auxílio, humildade, tolerância, oração, obsessão, enfermidade, morte e amor.

No anexo, download do livro, em pdf.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 02 de Julho de 2013, 17:49
Espero que o corolário, no fim deste estudo, nos dê pistas práticas, que funcionem realmente, sobre a forma como podemos tornar os nossos pensamentos mais positivos, mais facilitadores da nossa evolução espiritual. E controlando cada um de nós a si mesmo, de forma eficaz, o conjunto da humanidade também será arrastado para melhor.  O controle do nosso pensamento individual é a chave do controle do pensamento colectivo.


Boa tarde Vitor Santos seja bem vindo ao nosso estudo, permaneça conosco no decorrer do mês...
Ao final do estudo, teremos, seguramente, baseados em obras e artigos, as pistas práticas sim, mas desde já salientamos (o que a espiritualidade nos explica) que a prioridade e a aplicação na vida diária é individual, e que nos exigirá muito discernimento e esforço.
Abraço fraterno!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Kazaoka em 02 de Julho de 2013, 17:58
Pensamento, sentimento e vontade são atributos dos seres da criação que são animados por um princípio chamado Espírito. Por sua vez, o Espírito humano que, além destes três atributos, tem o atributo moral refletindo a ação dos três primeiros sobre o homem, encontra-se nidado no pensamento, sentimento e vontade daquele que o criou, ou seja, Deus.
É nisso que está a nossa imagem e semelhança com o nosso criador conforme as palavras de antigos profetas. E é por isso, também, que somos co-criadores em escala reduzida e consubstanciada à nossa esfera de ação.
Estamos ensaiando para a verdadeira vida e para as responsabilidades maiores que nos aguardam fatalmente em um futuro mais ou menos longo de acordo com a velocidade do nosso aprendizado individual. servindo-se dessas três abençoadas ferramentas lapidando a moral daquele que as manuseia.

Excelente tema, boa sorte Aline.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 02 de Julho de 2013, 17:59
Boa tarde Ann@...
Seja muito bem vinda ao estudo deste mês e permaneça conosco, em abundância...
Também acho que é urgente tirarmos este assunto do centro e aplicá-lo diuturnamente em nosso cotidiano.
O livro do Ernesto Bozzano está aqui nas minhas fontes de estudo para desenvolver o tema, e é tão oportuno... Pena que passe desconhecido para a maioria dos encarnados... Mas vamos fazer nossa parte, né?!
Abraços fraternos!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 02 de Julho de 2013, 18:23
Boa tarde Lineu...
Seja bem vindo ao estudo do mês de julho, permaneça conosco no decorrer do mês, para que possamos todos juntos colaborar e receber os benefícios destes ensinamentos...
Ótima a sua participação, disponibilizando o referido livro para download, excelente mesmo, será muito útil a quem quiser estudar mais, além daqui do Fórum.
Abraços fraternos!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 03 de Julho de 2013, 17:50
Boa tarde a todos!!!
Dando continuidade ao nosso estudo...

"(...) Nos planos dos lobos frontais (cerebrais), silenciosos ainda para a investigação científica do mundo, jazem materiais de ordem sublime, que conquistaremos gradualmente, no esforço de ascenção, representando a parte mais nobre de nosso organismo divino em evolução. (...)
... Temos apenas um cérebro que se divide em três regiões distintas. Tomemo-lo como se fora um castelo de três andares: no primeiro situamos a 'residência de nossos impulsos automáticos', simbolizando o sumário vivo dos serviços realizados; no segundo localizamos o 'domicílio das conquistas atuais', onde se erguem e se consolidam as qualidades nobres que estamos edificando no terceiro, temos a 'casa das noções superiores', indicando as eminências que nos cumpre atingir. Num deles moram o hábito e o automatismo; no outro residem o esforço e a vontade; e no último demoram o ideal e a meta superior a ser alcançada. Distribuímos, deste modo, nos três andares, o subconsciente, o consciente e o superconsciente. Como vemos, possuímos, em nós mesmos, o passado, o presente e o futuro.(...)"

Calderaro, instrutor de André Luiz em suas pesquisas no plano espiritual, nos brinda com explicações utilíssimas em nossos estudos da mente e de seu funcionamento... Deixando-nos entender nestes fragmentos que transcrevi acima, que em nossa existência devemos ascender sempre, cuidando para não burlar nosso esforço e entregarmo-nos aos impulsos instintivos, os quais já vencemos através da aquisição do livre arbítrio.
Todo descontrole (vícios/ ações/ atitudes) nos remetem aos nossos instintos, já superados (pelo menos deveriam já estarem superados...), logo quanto mais dominamos nossa vontade, alçamos e ativamos regiões de nosso cérebro que estimulam nossa evolução... E isso é o que o Criador quer de nós, que aproveitemos as oportunidades que nos são dadas.

# Sugiro aos irmãos que queiram se inteirar mais desta análise, que busque o livro No mundo maior - André Luiz (Francisco Cândido Xavier), capítulos 3 e 4.

Que possamos todos prosseguir sob o amparo do Pai Celeste!

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 03 de Julho de 2013, 18:09
Minha querida irmã Aline,parabéns pelo tema escolhido para debatermos no nosso estudo mensal.Somos todos
espíritos pensantes,controlamos pela nossa vontade o que diz respeito as nossas ações,mas não conseguimos controlar os nossos pensamentos.Os pensamentos nos veem muitas das vezes em abundância,independentes
da nossa vontade,e o que podemos fazer pela nossa vontade,é direcionar,ou seja,canaliza-los de uma forma
que não nos tragam prejuizos morais ou mesmo físico,pois toda a ação é precedida por um pensamento.
Fique na paz.

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 03 de Julho de 2013, 18:43
Boa tarde Antônio e Kazaoka... Agradeço a colaboração de vocês e continuem conosco no decorrer do estudo.
Então...
Nossos pensamentos não "tem cerca" que os limite não é mesmo?!
E nossos irmãos desencarnados com pouca instrução sobre as Leis Divinas aproveitam essas portas abertas que deixamos através de nossas telas mentais conhecidas como Formas pensamentos... E como nos prejudicamos, mutuamente...
Mas esta em nossas mãos... E no correto uso de nossa máquina física, psíquica e espiritual.

Vamos, no decorrer deste mês, nos auxiliando no ponto de instrução e contar com o auxílio dos amigos espirituais para nos ajudarem com o ânimo e a persistência perante as dificuldades que ainda temos...

Fiquemos em paz!!!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Cesar Pastori em 03 de Julho de 2013, 19:59
Querida Aline,
Uma característica edificante do pensamento, que verificamos em nossa cara doutrina, são as tendências que estes carregam, que podem ser traduzidas nos percalços que devemos refletir para atingir a condição do aperfeiçoamento interior.

Por intermédio dos vícios e virtudes que temos, podemos averiguar o estado de nosso espírito, o que funciona como um espelho cuja premissa é refletir a nossa imagem. Estes funcionam como indicadores de nosso estado, que através do orai e vigiai torna-se luz em nosso caminho espiritual.

Conforme nos orienta Santo Agostinho, no Evangelho segundo o espiritismo, compete ao homem interrogar a sua própria consciência e realizar um balanço de suas atitudes, o que contempla as vontades e sentimentos que nos norteiam, uma vez que muitos vivem no "piloto automático" e não conseguem identificar os indesejáveis "intrusos" que insistem em poluir nossa mente.

Tal afirmação é representada no mito do minotauro e o herói Teseu, que é a representação da mente inferior do homem. A mente obscurecida pela falta de reflexão e busca da razão, simboliza o labirinto e o lado inferior/negativo, o minotauro (cabeça de touro - animal). Após vencer o temível monstro, devido a coragem que ostenta, ciente de sua força, ornamentado pela fé, características daqueles que conhecem a si mesmo, evitando, portanto, as chagas do medo, dúvida, etc, Teseu terá outro grande desafio, libertar-se do labirinto. Devido ao fio de Ariadne, o herói ao senti-lo (sensibilidade - simboliza a elevação do bruto/animal) consegue encontrar a luz que reside no final do labirinto.

Vale salientar que o lado instintivo não é sinônimo de estagnação, uma vez que a intuição é um instinto que nos remete a nossa natureza.

E o que libertou de fato o herói Teseu, e que também nos libertará? O amor que Ariadne nutria por ele, como dizia o poeta Virgílio, Amor Vincit Omnia ( O amor tudo vence), missão que Jesus nos inspirou.

Muita Luz.

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 04 de Julho de 2013, 00:28
      Kazaoka     (ref #6 em: 020713, às 17:58)

      Conf: Não nos esquecendo q a doutrina sensatamente recomenda q raciocinemos (fé raciocinada) e mesmo, para melhor compreendê-la, q estudemos outras doutrinas e as comparemos com a nossa, vamos raciocinar sobre o tema do tópico: "Pensamento, Sentimento e Vontade".

      Primeiramente, digo ao distinto amigo q, sinceramente, não consigo entender o sentido de o q vc colocou. Peço-lhe me explique o que significa aí afirmação de q "pensamento, sentimento e vontade são atributos do espírito"!

      Me perdoe a ignorância, mas raciocinando, como manda a doutrina: em nosso idioma "atributos" significa características, qualidades, predicados, propriedades. E nessa afirmação? Significa q somente os espíritos as possuem? Ou significa q tais atributos já são inerentes aos espíritos desde o ato da criação, ou q têm a possibilidade de adquiri-los e/ou perdê-los, melhorá-los ou piorá-los, modificá-los com o decorrer do tempo, devido às mudanças, para mais ou para menos, q a compreensão sofre, em função das experiências q a vida nos proporciona, qdo encarnados? Ou q os nossos atributos são os mesmos atributos de Deus, mas somente existentes, ainda, em proporção insignificante?

      Kazaoka:... Por sua vez, o Espírito humano que, além destes três atributos, tem o atributo moral refletindo a ação dos três primeiros sobre o homem, encontra-se nidado no pensamento, sentimento e vontade daquele que o criou, ou seja, Deus. É nisso que está a nossa imagem e semelhança com o nosso criador conforme as palavras de antigos profetas. E é por isso, também, que somos co-criadores em escala reduzida e consubstanciada à nossa esfera de ação.

      Conf: o termo “nidado”, o q significa aí? Vinculado, ligado? Se é isso, o amigo está afirmando q essas características dos espíritos, inclusive a moral, estão ligadas aos atributos de mesmo nome do Criador, é isso? Se é isso, devo trazer uma questão para nosso raciocínio: se todo efeito tem sua causa, qual é a causa q tem como efeito o fato de os espíritos, nós, q procedemos da e estamos nidados (ligados) aos atributos divinos de Infinita Perfeição, Infinita Sabedoria, Infinita Misericórdia/Amor, possuirmos exatamente os atributos opostos a esses de Deus, pois somos gigantescamente Imperfeitos (o oposto da Perfeição), enormemente Ignorantes e Estúpidos (sentido de ignorantes) (o oposto da Sabedoria) e tremendamente Perversos (o oposto do Amor)? Devemos considerar a Imperfeição nidada à Perfeição divina? A estupidez, nidada à Infinita Sabedoria? A Perversidade, nidada ao Supremo Amor?!


      Kazaoka: É nisso que está a nossa imagem e semelhança com o nosso criador conforme as palavras de antigos profetas. E é por isso, também, que somos co-criadores em escala reduzida e consubstanciada à nossa esfera de ação.

      Conf: faço aqui nova tentativa de compreender: onde está essa semelhança com relação aos atributos, se os nossos são opostos aos de Deus? E o vc dizer que somos “co-criadores”, isso não tem o significado de que “criamos com Deus”?

      Mas, o q é q criamos “com” Deus se, eqto a criação divina se realiza, conforme a doutrina, baseada no amor, numa inteligência suprema universal, a criação dos homens, a nossa criação é, como vemos no mundo, entremeada de desamor, inveja, ciúmes, de notável “burrice”, pois q nos leva, com a frequência q a vida nos mostra, a sofrermos as terríveis consequências da lei de causa e efeito?!

      Sinceramente, meu jovem, não consigo entender! E, também sinceramente, lhe digo q gostaria de entender do modo como os companheiros, entre eles vc, nos levam a acreditar q estão entendendo.
........................................
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 04 de Julho de 2013, 00:48
Meus irmãos,como bem colocou a nossa irmã Aline,os nossos pensamentos não tem cerco,nem nada que o aprisi-
-one e é justamente por ele que os obsessores invadem o nosso eu,comandando assim até mesmo a nossa vonta-
-de.Se faz necessário então que estejamos sempre atentos,para não sermos conduzidos por esses pensamentos.
A medida em que vamos evoluindo,vamos consequentemente direcionando melhor os nossos pensamentos,e isto
faz dele o nosso aliado na prática do bem,e essa prática nos leva sempre a ter bons pensamentos.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 04 de Julho de 2013, 13:03
Bom Dia a todos...

Prosseguindo com nosso estudo...

     "(...) A vida mental se inicia por vislumbres e percepções à medida que o Espírito se assenhoreia dos equipamentos do cérebro, que lhe decodificam as ondas do pensamento. Dos impulsos iniciais, instintivos, até à compreensão cósmica e toda uma larga experiência, abre as comportas da comunicação, para tornar-se lógico, antes de alcançar a etapa superior, que é a identificação com a Consciência Divina.
     O ser humano, vitorioso nas etapas anteriores pelas quais passou, ao atingir o momento da razão, traz, ínsitos nos refolhos das fixações da aprendizagem intelectual, os hábitos mentais.
     São eles que passam a dirigir a sua conduta, porque toda a programação existencial começa no pensamento.
     É de alta relevância considerar essa questão, porquanto no pensamento estão as ordens do que se deve realizar e como proceder à sua execução. Deixando-se conduzir pelas manifestações primitivas, habituais, repetem-se, sem resultados positivos, os labores que mantêm o ser no estágio em que se encontra, sem o valor moral para alcançar novos patamares do processo da evolução. (...)    Joanna de Ângelis

Com este trecho da Joanna, podemos sentir a importância da responsabilidade que adquirimos com a aquisição do livre arbítrio. Estando o ser fadado às suas escolhas... Todas as suas escolhas... 
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Lu Crnkovic em 04 de Julho de 2013, 17:15
Oi Aline
Excelente tópico, principalmente por que nos leva a refletir sobre o poder dos nossos pensamentos e como esses pensamentos interferem na energia que emanamos e consequentemente, como essa energia atrai espíritos para perto de nós.
O pensamento é a origem de nossos sentimentos, palavras e ações.
Fico feliz em ver tantas pessoas com comentários relevantes e mostrando que estão se informando e compartilhando opiniões relevantes para a crescimento e fortalecimento da doutrina. Mas principalmente, por que são pessoas como essas que se manifestam nesse tipo de discussão, que são capazes de elevar a vibração da planeta e facilitar o acesso dos bons espíritos a nos ajudarem.
Continuemos nessa seara de fé, em discussões renovadoras e edificantes!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 04 de Julho de 2013, 18:15
Boa Tarde a todos!
Aproveitando o ensejo de estarmos com várias pessoas online neste momento, estudando, o que é uma coisa muito boa.

#Gostaria de sugerir a pesquisa e discussão sobre a Ideoplastia.

Vamos analisar, formar conceitos e postar aqui para a devida colaboração ao entendimento de todos que aqui estão buscando.

Fiquemos em Paz!!! 
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 05 de Julho de 2013, 00:35
Olá Aline!
Parabéns pelo tema escolhido....

 Características do homem integral
 
Quais são as características que definem o homem integral?
Poderíamos dizer que o homem integral é o indivíduo que desenvolveu ao máximo as suas três faculdades essenciais: a faculdade de pensar, a de sentir e a de querer, ou a razão, o sentimento e a vontade.
O pensar e o querer são as faculdades ativas do homem integral, o sentir é a faculdade passiva. Nesse sentido, podemos dizer que o pensar e o querer partem do homem, o sentir acontece nele.
Em geral, sempre se considerou a razão como o patrimônio maior, e talvez único, da inteligência.
Por isso, desenvolver a inteligência significava quase que exclusivamente o desenvolvimento da razão ou do pensar.
O homem inteligente é aquele que sabe pensar. É preciso ensinar a pensar, se diz freqüentemente. Fomos levados a acreditar que o papel mais importante do educador é ensinar a pensar.
Nos dias atuais, entretanto, a inteligência emocional também tem sido difundida. Muito se tem falado da relevância dos aspectos emocionais no desenvolvimento da inteligência.
O ensinar a sentir passou a fazer parte do vocabulário dos educadores, embora não com a mesma força do ensinar a pensar.
Pouco, no entanto, tem sido dito da inteligência volitiva, ou inteligência associada à vontade. O papel dessa inteligência na formação integral do homem precisa ser melhor explorado.
E a razão é simples. Nunca, como agora, os valores éticos e políticos se tornaram tão necessários.
A sociedade moderna, no plano nacional e mesmo internacional, reconhece a importância dos valores éticos na conquista de uma vida mais justa.
Aliás, direito e justiça resultam do uso adequado da vontade, ou do querer. Portanto, são frutos de uma inteligência volitiva bem desenvolvida.
Ousamos afirmar que a sociedade moderna padece as conseqüências de não ter dado a devida importância ao desenvolvimento da inteligência volitiva.
Educadores, em geral, preocupados com a construção de uma sociedade mais justa, deverão assumir, como compromisso inadiável, a tarefa de desenvolver a inteligência volitiva.
Uma educação para o desenvolvimento harmônico das inteligências racional, emocional e volitiva deve ser um dos mais importantes objetivos de uma instituição de ensino e de todo educador.
Os valores do sentimento e da moral sempre ficaram em segundo plano. Sempre foram considerados como pertencentes aos homens fracos e menos espertos.
E esse desprezo trouxe sérias conseqüências, pois muitas das conquistas da Ciência viraram instrumento de violência e submissão.
A violência e a guerra ganharam em requinte e sofisticação. O homem atual sabe muito, mas sofre e é infeliz.
Sem o sentimento e a vontade para conduzir adequadamente a razão, o homem moderno caminha como um viajante num deserto sem oásis.
Sabe para onde ir, mas não encontra a água para matar a sede. Sede de paz e de justiça. Sede de amor e de liberdade.
Para reverter esse estado de coisas, é fundamental voltar nossos olhos para o desenvolvimento das inteligências emocional e volitiva. Sem as conquistas do sentimento e da vontade o homem continuará sedento.
É comum encontrar pessoas que desenvolveram muito apenas o pensar e que, dominadas pelo orgulho, tornaram-se arrogantes e presunçosas.
Carecem da virtude mais importante na caracterização do homem sábio: a humildade. Sem a humildade perdem boas oportunidades de continuar aprendendo. Pensam que já sabem tudo.
Existem indivíduos muito inteligentes e com grande habilidade de decisão, mas vingativos e perversos, verdadeiros déspotas.
Por outro lado, encontramos indivíduos com bons sentimentos, mas que não conseguem tomar decisões corretas. São, com freqüência, iludidos, enganados pelos mais espertos.
O homem integral, portanto, é aquele que logrou o desenvolvimento harmônico do pensar, do sentir e do querer.
O indivíduo que é senhor do próprio pensamento, dos sentimentos e da vontade, pode ser considerado um homem virtuoso, um homem integral.
Pensemos nisso, e acionemos a vontade para conquistar essa meta.
 
Redação do Momento Espírita, com base no texto Educação
integral, de Cosme Bastos Massi, disponível no site:
www.educacional.com.br/articulistas/cosme0001.asp (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5lZHVjYWNpb25hbC5jb20uYnIvYXJ0aWN1bGlzdGFzL2Nvc21lMDAwMS5hc3A=)
Em 27.10.2008.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 05 de Julho de 2013, 00:47

Pensamento, sentimento e vontade
Gizelle Saraiva

Dizem que o pensamento é algo poderosíssimo.Essa afirmação mesmo que correta,encontra-se incompleta. Por exemplo, mesmo que a maioria das pessoas pense em ser feliz, poucas tem o sentimento e a vontade capazes de concretizar a felicidade. Muitos, ao contrário, se sentem descontentes com a sua própria vida e ao alimentar o sentimento de descontentamento, acabam cultivando a vontade de continuar infeliz. Porque todo sentimento induz uma vontade, e grande parte das vontades pensadas e sentidas tornam-se realidade.Quem pensa estar triste, sente-se triste, torna-se triste. Tudo que pensa, acaba sentindo e realizando, seja bom ou ruim.
A imagem, por exemplo, é algo construído por nós mesmos. Se nos imaginarmos como uma pessoa feia, nos sentimos e nos tornamos de fato assustadoras! Até porque, o que assusta não é a imagem de uma pessoa, mas o sentimento que a própria alimenta sobre si.Os padrões de beleza são relativos, questionáveis. Na verdade, não existe uma regra para que alguém seja considerado bonito ou feio. O que existe é o pensamento que a própria pessoa produz de que só seria bonita se fosse dessa ou daquela forma.
Se pensar que tem um corpo feio, irá senti-lo feio, tornando-o de fato horroroso! Independente dele ser magro ou gordo. Porque ele será visto e sentido pelos outros da mesma formauém como o vê e sente. Além do que, um corpo feio, antipatizado pelo dono, é mau cuidado, mal assistido, portanto acaba adquirindo uma aparência realmente desagradável.
Mas se pensar no seu corpo bonito, mesmo que não obedeça aos padrões estéticos de de nossa sociedade, vai senti-lo bonito e o tornar bonito. Af inal, um corpo bem visto por seu dono, é bem cuidado, assistido, adquire uma aparência realmente agradável e um enorme poder de atração.
E é assim com tudo em nossa vida. O pensamento sobre algo ou alguém, constrói um sentimento, que se transforma numa vontade, materializando-se em realidade.Por isso, se imagina que tem algo em sua vida que precisa mudar, antes de procurar qualquer tipo de ajuda, aposte numa mudança de pensamento, sentimento e vontade. Pois a utilização sábia desses três elementos é o segredo das realizações materiais e afetivas.
http://www.gostodeler.com.br
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: lidiane em 05 de Julho de 2013, 01:39
Muito interessante esse tema, pois a todo momento mim pergunto como podemos nos "defender" dos processos obsessivos. A literatura em geral nos inspira a praticarmos o bom pensamento e de elevada índole, mas difícil encontrar a força e impregná-lo de positividade quando estamos passado por aflições ou doenças, como por exemplo a depressão.

As vezes imagino que nos tornamos reféns de nossos pensamentos e como eles não tem limites, sendo preciso grandes modificações morais e edificantes do espírito, acabamos nos entrelaçando com energias de baixa vibração.

Aline, o que podemos fazer, de modo prático, para melhorar a nossa vibração quando já nos encontramos tomados pela obsessão/depressão.

Muita paz a todos!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 05 de Julho de 2013, 01:42
Meus irmãos,para melhor compreessão:Ideoplastia ou teleplastia - do Grego idéa=ideia,aparência+plásso ou
plátto=modelar+ia.Modelagem da matéria pelo pensamento ou a materialização do pensamento.
Ideoplastia é um fenômeno de transfiguração que pode acontecer durante as manifestações dos espíritos.Quan-
-do a influência do desencarnado é muito intensa juntodo campo psicossomático do médium,ele pode assumir
algumas feições do comunicante.
Qualquer fenômeno da transmissão mediúnica ,não nos será lícito esquecer a ideoplastia,pela qual o pensamento
pode materializar-se criando formas que muitas vezes se revestem de longa duração,conforme a persistência da
onda em que se expressam.
Entendendo-se que os poderes mentais são inerentes tanto as criaturas desencarnadas quanto as encarnadas,é
natural que os elementos plásticos e organizadores da ideia se exteriorizem dos médiuns,como também dos
companheiros que lhes comungam tarefas e experiências,estabelecendo-se problemas espontâneos,cuja solução
reclama dicernimento.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 05 de Julho de 2013, 13:59
Bom Dia!!!!!

Joanna de Ângelis - "Desde que no pensamento está a diretriz da conduta, pensar corretamente deve constituir o grande desafio de quem almeja o triunfo."

Gustave Geley – "o pensamento não é um atributo da matéria, mas sim a 'moldagem da matéria viva feita pela idéia'."

Pensamento não é um produto do cérebro, é um produto da alma, o cérebro é um veículo por aonde ele vai se manifestar no corpo físico.

Camille Flammarion e Ernesto Bozzano, este último inclusive com a obra Pensamento e Vontade que nos dá um arsenal de informações a este respeito.

Os nossos pensamentos vão e projetando no astral e isso faz com que criemos uma fotografia destes pensamentos, e no mesmo momento em que alguém tenha os mesmos pensamentos ele se afiniza conosco.

   Empatia – reação provocada ao nos aproximarmos de pessoas com o mesmo padrão vibratório nosso.

   Antipatia -  reação provocada ao nos aproximarmos de pessoas com diferente padrão vibratório.

   Nós vivemos os frutos dos nossos pensamentos e devemos analisar muito bem isso.
Somos aquilo que pensamos, podemos não demonstrar, mas nós somos o que pensamos. Porque o que pensamos, nem sempre conseguimos colocar em prática (tem pensamentos que não “contamos nem p/ Deus”), faz parte de nossas tendências que não queremos revelar.

   Necessitamos hoje, de um processo de reeducação da nossa mente, todo processo de reeducação de conduta (reforma íntima) começa primeiro na mente. Porque o pensamento dá forma, e chama (atrai) companhias. Nós criamos a todo momento através do pensamento, porque não conseguimos parar de pensar. A dificuldade que muitas pessoas apresentam em meditar, em concentrar é justamente por falta de disciplina na mente, deve-se reeducá-la, existem vários processos de reeducação mental.

# Toda vez que pensamos, projetamos, e atraímos.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 05 de Julho de 2013, 14:23
As vezes imagino que nos tornamos reféns de nossos pensamentos e como eles não tem limites, sendo preciso grandes modificações morais e edificantes do espírito, acabamos nos entrelaçando com energias de baixa vibração.

Aline, o que podemos fazer, de modo prático, para melhorar a nossa vibração quando já nos encontramos tomados pela obsessão/depressão.

Bom Dia Lidiane... Seja muito bem vinda a nosso estudo mensal, continue conosco a fim de ajudarmo-nos mutuamente.

Então...

Nossa condição evolutiva ainda é muito inferior, habitamos um planeta ainda muito involuído, fatos que propiciam a emanação dessas energias indesejáveis. E acabamos nos enlaçando a companhias desencarnadas e encarnadas que não nos fazem bem.
Isso se dá devido a nosso desequilíbrio em todos os sentidos...

Somente o autoconhecimento - obtido através da auto análise e meditação; o conhecimento das Leis que regem o mundo (Leis Cósmicas Divinas) - obtido através do estudo das Obras da Codificação de Allan Kardec, e a aplicação (ou tentativa) destes conhecimentos em sua vivência diária... É que nos dará o equilíbrio necessário para não passarmos em vão pela vida.

E isso não é prático não, é difícil. Exige de nós humanos muita disciplina, foco e discernimento.

Agora com relação a que colocou 'obsessão/depressão' - sugiro que procure um especialista da medicina e que paralelamente procure amparo espiritual. Busque o Atendimento Fraterno em alguma Casa Espírita e se oriente a respeito do amparo espiritual. E tenha fé no Pai, sintonize-se com Ele através de preces, que Ele não nos desampara nunca...

Mas é como foi colocado no vídeo no início do estudo: "Quem tem vontade já tem metade..."

Fiquemos em paz!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 05 de Julho de 2013, 14:45
:) Olá Maria...
Excelentes textos... Continue conosco no decorrer do mês...

Antônio, boas informações a cerca da Ideoplastia... É bem isso mesmo:

pela qual o pensamento
pode materializar-se criando formas que muitas vezes se revestem de longa duração,conforme a persistência da
onda em que se expressam.

Complementando este raciocínio com André Luiz:

“Pelos princípios mentais, que influenciam em todas as direções... Emitindo uma idéia, passamos a refletir as que se assemelham, idéia essa que logo se corporifica, com intensidade correspondente à nossa insistência em sustentá-la...”

#Deixo aqui um convite ao dia de hoje...
Cuidar das Formas-pansamento que estamos projetando ao nosso redor...

Aliás  ::) um bom tema para estudarmos hoje: Formas pensamento...
O que é?
Como funciona?
É possível escolha?
Elas influenciam algo em nosso cotidiano?


# Vamos colaborar pessoal....

Lembrem-se:
"O verbo gasto em serviços do bem é cimento divino para realizações imorredouras. Conversaremos, pois, servindo aos nossos semelhantes de modo substancial, e nosso lucro será crescente."

Abraços fraternos e prossigamos!!!!!!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 05 de Julho de 2013, 23:59

Cuidado com o pensamento

Embora muitos não acreditem, o pensamento
é a maior força que o homem possui.
Ainda não temos noção de quão forte é esse atributo que Deus nos deu:
o pensamento.
O pensamento se forma em nossa mente e cria forma fora de nós,
ligando-se a outros de igual padrão. O pensamento é uma energia que se
irradia à nossa volta e se expande por todo o Universo.
O que enviamos ao Universo recebemos de volta inevitavelmente. 
O pensamento além de criar forma, ele também atrai outros pensamentos
que se encontram em idêntica sintonia. Por isso devemos ter muito
cuidado com os pensamentos.  A vida que temos e tudo o que nos cerca
é resultado dos nossos pensamentos. Culpar aos outros pelos nossos
dissabores é mais fácil do que assumirmos que nós mesmos criamos os
problemas que nos afligem, sempre pelo pensamento. Antes de fazermos
qualquer coisa, antes mesmo de sentirmos, primeiramente pensamos.
Por isso usemos essa força tão poderosa em nosso favor
e em favor do próximo, tendo somente pensamentos voltados para o bem,
pela paz, pela harmonia e pelo amor.
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 06 de Julho de 2013, 00:01

O que nossos pensamentos determinam
 
Marco Aurélio, o grande filósofo que dirigiu o Império Romano, resumiu em nove palavras aquilo que define nosso destino na vida:
Nossa vida é o que os nossos pensamentos determinam.
Inspirado nesta afirmativa, o estudioso Dale Carnegie acrescenta que se tivermos pensamentos felizes, seremos felizes.
Se pensarmos em coisas que nos causam medo, seremos medrosos. Se pensarmos em doenças, provavelmente ficaremos doentes.
Se pensarmos no fracasso, fracassaremos, com toda certeza. Se nos entregarmos à autopiedade, todos irão querer nos evitar, afastar-se de nós.
Normam Vincent Peale afirmou: você não é o que você pensa que é. Mas o que você pensa, você é.
Tudo isso se resume na ideia de uma atitude positiva perante a vida. Devemos nos interessar por nossos problemas, mas não nos preocuparmos com eles.
Há uma grande diferença entre uma e outra postura.
Interessar-se significa procurar compreender como são as coisas e tomar calmamente as medidas necessárias para enfrentá-las.
Preocupar-se significa dar voltas em círculos inúteis e enlouquecedores. Significa sofrer antes e ser dominado pelo medo.
Tais posturas são determinadas pelo pensamento, simplesmente.
Desta forma, o pensamento poderá determinar se seremos felizes ou infelizes, independente de onde estejamos, independente das condições de vida que temos.
Napoleão Bonaparte e Helen Keller podem ser bons exemplos que atestam tais afirmações.
Napoleão dispunha de tudo que os homens habitualmente almejam - glória, poderio, riqueza -, e, não obstante, disse, em seu exílio, na ilha de Santa Helena: Não conheci jamais seis dias de felicidade em minha vida.
Helen Keller - cega, surda, muda - todavia, declarou: Considerei a vida tão bela!
Reflitamos sobre tal comparação.
Como viveram os dois personagens? Que postura mental apresentou cada um deles diante das adversidades?
O filósofo grego Epiceto advertiu-nos que devemos nos preocupar mais em afastar da mente os maus pensamentos do que remover tumores e abscessos do nosso corpo.
E a medicina moderna vem comprovando, dia após dia, que a grande fonte das enfermidades está na postura mental, na qualidade do nosso pensar.
Por isso a importância de perceber que nossa vida é o que nossos pensamentos determinam e que vigiando, cuidando do pensar, viveremos muito melhor.
*   *   *
Emerson, na parte final de seu ensaio sobre a confiança em nós mesmos, diz:
Uma vitória política; um aumento em suas rendas; a recuperação de uma enfermidade; o regresso de um amigo ausente; ou outro qualquer acontecimento exterior, anima-lhe o Espírito e você pensa que lhe estão reservados dias felizes.
Não o creia. Jamais pode ser assim. Nada, a não ser você mesmo, pode trazer-lhe paz.
Redação do Momento Espírita, com citação do cap. 12, pt. IV,
do livro Como evitar preocupações e começar a viver, de
Dale Carnegie, ed. Companhia Editora Nacional.
Em 19.04.2010.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 07 de Julho de 2013, 02:38
                                                  A ideoplasticidade do pensamento

Ingnorais,na terra,a maravilhosa ideoplasticidade do pensamento.Conhecendo a plenitude de suas faculdades,após haver triunfado em muitas experiências que lhes asseguram elevada
posição espiritual,senhores de portentosos dons psíquicos,conquistados com a fé e com a vir-
-tude incorruptíveis,os espíritos superiores possuem uma vontade patente e criadora de todas
as formas da beleza.As vezes apresentam-se  ao vidente.
É assim que se estabelece a união dos dois mundos,o físico e o espiritual,através de fatores
inacessíveis às vossas mededidas e instrumentos materiais.
O tempo reserva muitas surpresas ao homem,dentro da proporção da sua "evolução moral",
concretizando o edifício imortal de todas as ideias altruísticas,nobres generosas,sendo total-
-mente inútil que alguns deles se arvorem em supremas autoridades nos variados ramos da
vida,porque,dentro da sua pretensiosa indigência,se perderão fatalmente no labirinto discur-
-sivo dos seus argumentos mateotécnicos. 
                                                                     Emmanuel 1938.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 07 de Julho de 2013, 18:29
Ideoplastia


O vocábulo “ideoplastia” foi criado pelo Dr. Durand de Gros, em 1860, para designar os principais caracteres da sugestibilidade.

Mais tarde, em 1864, o Dr. Ochorowicz o empregou para designar os efeitos da sugestão e da auto sugestão, quando ela faculta a realização fisiológica de uma ideia, como se dá nos casos da estigmatização.

Finalmente, o professor Richet o propôs, quando das duas experiências com as senhoritas Linda Gazera e Eva C. . . (1912, 1914), cujas experiências demonstraram, de feição nítida e incontestável, a realidade da materialização de semblantes humanos, que eram, por sua vez, reproduções objetivadas e plásticas de retratos e desenhos vistos pelos médiuns.

Claro é que, desses fatos, dever-se-ia logicamente inferir que a matéria viva exteriorizada é plasmada pela ideia.

E aí está a exata significação do termo “Ideoplastia” aplicado aos fenômenos de materialização mediúnica.

O Espiritismo não inventou nada. Todos os seus ensinos, repousam nos conhecimentos que adquiriu na comunicação com os Espíritos, e é para seus adeptos inigualável alegria ver como cada ponto da doutrina se confirma, à medida que se vai estendendo o inquérito, começado há meio século. Cada passo à frente, dado pela investigação independente, conduz fatalmente para nós. Outrora, era a negação total, obstinada, absoluta das manifestações espíritas, sob todas as suas formas, desde os simples movimentos de mesa e escrita automática até os transportes e as materializações. Em nossos dias, só os tardígrados, os ignorantes, é que contestam, ainda, a realidade dos fatos.

Em virtude da lei do progresso que dá a toda alma a possibilidade de adquirir o bem que lhe falta, como, despojar-se do que tem de mau, conforme o esforço e a vontade próprios, temos que o futuro é franco a todas as criaturas. Deus não repudia nenhum de seus filhos, antes recebe-os em Seu seio à medida que atingem a perfeição, deixando a cada qual o mérito das suas obras.

O Espiritismo, tendo por objetivo o estudo de um dos elementos constitutivos do Universo, toca forçosamente na maior parte das ciências; só podia, portanto, vir depois da elaboração delas; nasceu pela força mesma das coisas, pela impossibilidade de tudo se explicar com o auxílio apenas das leis da matéria.

Com a reencarnação desaparecem os preconceitos das raças e de castas pois o mesmo espírito pode tornar a nascer rico ou pobre, capitalista ou proletário, chefe ou subordinado, livre ou escravo, homem ou mulher.

O amor, profundo como o mar, infinito como o céu, abraça todas as escrituras. Deus é o seu foco. Assim como o Sol se projeta, sem exclusões, sobre todas as coisas e reaquece a natureza inteira, assim também o amor divino vivifica todas as almas; seus raios, penetrando através das trevas do nosso egoísmo, vão iluminar com trêmulos clarões os recônditos de cada coração humano. Todos os seres se criaram para amar. As partículas da sua moral, os germes do bem que em si repousaram, fecundados pelo foco supremo se expandirão algum dia, florescerão até que todos sejam reunidos numa única comunhão do amor, numa só fraternidade universal.

Somente o progresso moral pode assegurar aos homens a felicidade na Terra, refreando as paixões más; somente esse progresso pode fazer que entre os homens reinem a concórdia, a paz, a fraternidade.Será ele que deitará por terra as barreiras que separam os povos, que fará caiam os preconceitos de casta e se calem os antagonistas de seitas, ensinando os homens a se considerarem irmãos que tem por dever auxiliarem-se mutuamente e não destinados a viver à custa uns dos outros.

Sei bem que o progresso só se faz por degraus, que é necessário tempo para que a opinião pública se acostume às novidades; assim, é sem impaciência que espero a vinda de novos médiuns, com os quais se poderão continuar esses notáveis descobrimentos. Desde que os fenômenos são reais e que se verificam já um tanto por toda a parte, é certo que se reproduzirão, e então triunfaremos porque a verdade acaba sempre por impor-se.

Ninguém nasce destinado ao mal, porque semelhante disposição derrogaria os fundamentos do Bem Eterno sobre os quais se levanta a Obra de Deus.

O espírito renascente no berço terrestre traz consigo a provação expiatória a que deve ser conduzido ou a tarefa redentora que ele próprio escolheu, de conformidade com os débitos contraídos.

A alma ou Espírito sofre na vida espiritual as consequências de todas as imperfeições que não conseguiu corrigir na vida corporal. O seu estado feliz ou desgraçado, é inerente ao seu grau de pureza ou impureza.

Não há uma única imperfeição da alma que não importe funestas e inevitáveis consequências, como não há uma só qualidade boa que não seja fonte de um gozo.
continua...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 07 de Julho de 2013, 18:30
Continuação...

Toda falta cometida, todo mal realizado é uma dívida contraída que deverá ser paga; se o não for em uma existência, sê-lo-á na seguinte ou seguintes, porque todas as existências são solidárias entre si. Aquele que se quita numa existência não terá necessidade de pagar segunda vez.

Os reflexos mentais, segundo a sua natureza, favorecem-nos a estagnação ou nos impulsionam a jornada para a frente, porque cada criatura humana vive no céu ou no inferno que edificou para si mesma, nas reentrâncias do coração e da consciência, independentemente do corpo físico, porque, observando a vida em sua essência de eternidade gloriosa, a morte vale apenas como transição entre dois tipos da mesma experiência, no “hoje imperecível”.

Quão raros na Terra se capacitam de que trazemos conosco os sinais de nossos pensamentos, de nossas atividades e de nossas obras, e o túmulo nada mais faz que o banho revelador das imagens que escondemos do mundo, sob as vestes da carne!. . .

O espiritismo fornece a chave das relações existentes entre a alma e o corpo, e prova que há reação incessante de um sobre ou outro; desta forma, abre para a ciência uma estrada nova; apontando a verdadeira causa de certas afecções, fornece-lhe os meios de combatê-las. Quando levar em conta a ação do elemento espiritual na economia, a ciência errará menos.

Os espíritos exercem incessante ação sobre o mundo moral e mesmo sobre o mundo físico. Atuam sobre a matéria e sobre o pensamento e constituem uma das potências da natureza, causa eficiente de uma multidão de fenômenos até então inexplicados ou mal explicados e que não encontram explicação senão no Espiritismo.

A responsabilidade das faltas é toda pessoal, ninguém sofre por alheios erros, salvo se a eles deu origem, quer provocando-os pelo exemplo, quer não os impedindo quando poderia fazê-lo.

Não há quem não possa fazer o bem. Somente o egoísta nunca encontra ensejo de o praticar. Basta que se esteja em relações com outros homens para que se tenha ocasião de fazer o bem, e não há dia da existência que não ofereça, a quem não se ache cego pelo egoísmo, oportunidade de praticá-lo. Porque, fazer o bem não consiste, para o homem, apenas em ser caridoso, mas em ser útil, na medida do possível, todas as vezes que o seu concurso venha a ser necessário.

O túmulo é o ponto de reunião de todos os homens. Aí terminam inelutavelmente todas as distinções humanas. Em vão tenta o rico perpetuar a sua memória, mandando erigir faustosos monumentos. O tempo os destruirá, como lhe consumirá o corpo. Assim o quer a Natureza. Menos perecível do que o seu túmulo será a lembrança de suas ações boas e más. A pompa dos funerais não o limpará das suas torpezas, nem o fará subir um degrau que seja na hierarquia espiritual.

Uma vez que o perispírito organiza a matéria, e como esta ressuscita das formas desaparecidas, parece lógico concluir que ele conserva traços desse pretérito, porque a hereditariedade, como veremos, é impotente para fazer-nos compreender o que se passa; parece legítimo supor, portanto, que o próprio perispírito evolveu através de estágios inferiores, antes de chegar ao ponto mais elevado da evolução.

Se a reencarnação é uma verdade, bastante lógico é que as lembranças referentes a uma vida anterior se revelem, como já o disse muitas vezes, mais frequentemente entre as crianças, visto que o perispírito, antes da puberdade, possui ainda um movimento vibratório que, em certas circunstâncias especiais, pode adquirir bastante intensidade, para fazer renascer recordações da existência anterior.

Melhor ainda: as crianças prodígio provam-nos, com evidência irresistível, que a inteligência é independente do organismo que a serve, e isto porque as mais altas formas da atividade intelectual se mostram entre aqueles cuja idade não atingiu a maturidade plena. É esta uma das melhores objeções que se podem opor à teoria materialista.

Porque o perispírito é indestrutível, conservamos, depois da morte, a integralidade de todas as nossas aquisições terrestres, e a memória acorda, então, completa, nos seres suficientemente evolvidos, por maneira que podemos abraçar o panorama de nossa passada existência.

Vê-se, indiscutivelmente, das pesquisas feitas a meio século, pelos sábios mais notáveis do mundo inteiro, que existe no homem um princípio transcendental, desconhecido dos quadros da fisiologia oficial, porque nos é revelado com faculdades que o tornam muitas vezes independente das condições de espaço e de tempo, que regem o mundo material.

Tudo evoluciona, tanto as nações como os indivíduos, assim os mundos como as nebulosas. Tudo parte do simples para chegar ao composto; da homogeneidade primitiva vai-se à prodigiosa complexidade da Natureza atual, realizada por leis que só pedem tempo para produzir todos os seus efeitos.


Gabriel Delanne

Fonte: Anuário Espírita- ed. 1965
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 07 de Julho de 2013, 18:43

Os pensamentos unem as pessoas

Os pensamentos unem as pessoas, mesmo a grandes distancias.
Se forem bons, influenciarão outros para o bem, onde quer que se encontrem.
Se forem maus, sairão fazendo o mal pelo mundo afora.
Não deseje o mal a ninguém.
Expanda para todo o Universo os seus pensamentos de amor.
Eles vão gerar a paz no coração de todos.
Você é o principal beneficiado com os pensamentos de amor que emite.
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 07 de Julho de 2013, 18:54
      Pensamento, Sentimento e Vontade.

      Amigos do fórum,

      Todos nós buscamos o aperfeiçoamento do espírito, independentemente de religião, doutrina ou crença pois, é mais do que evidente, que o que é verdadeiramente mais importante para todos é o chegar à perfeição, e não o meio, a crença, a doutrina, a filosofia pela qual lá possamos chegar.

      Nosso “objetivo final” não é pertencer e compreender esta ou aquela crença, doutrina ou religião; não é permanecer, para sempre, ligado ou estudando ou aceitando esta ou aquela doutrina, mas chegarmos ao objetivo comum a todas: o aperfeiçoamento espiritual. Assim, peço q corrijam se eu estiver errado.

      Tentando trazer minha contribuição ao tema do tópico, raciocinando e refletindo como recomenda o bom-senso, coloco, a seguir, meu modo de entendimento, emprestado de homens q conheceram a verdade libertadora, e da filosofia da física moderna, sobre o Pensamento, o Sentimento e a Vontade. Peço aos amigos q reflitam, raciocinem e não, simplesmente, por preconceito ou porque a doutrina ou alguém considerado um mestre, mentor ou instrutor tenha dito algo diferente, simplesmente joguem fora minha contribuição. Joguem-na fora mas, antes, por favor, a leiam com atenção. O próprio codificador recomenda q usemos nossa cabeça para chegar à compreensão.

      Longe de mim o desejo de confundir, como alguns pensam e já afirmaram. Procuro atender àquela sábia recomendação do mestre Jesus qdo disse: "... colocai vossa luz sobre o velador, para que ilumine a todos!" Tenho absoluta certeza de q se algum dos companheiros de estudos, considera q tem em seu poder algo, um conhecimento, uma palavra q, supõe, poderá auxiliar alguém mais, em qualquer sentido q seja, não o guardaria, egoisticamente, só para si, mas tentaria divulgá-lo para todos (o colocaria sobre o velador)...

      Mas vamos ao tema: Pensamentos: os pensamentos q temos não são verdadeiramente nossos (por favor, antes de considerarem q o q estou dizendo seja um absurdo, ou bobagem, raciocinem a respeito!); os pensamentos vêm do q a vida nos ensina com  suas incessantes experiências/lições, e do que nos mostra no momento em q os temos, ou já nos mostrou antes de os termos. (Ou de onde virão? Alguém teria uma alternativa para esta afirmação? Se tiver, a exponha aqui para q facilite nossa compreensão).

      Por isso, os pensamentos podem nos levar tanto ao caminho do bem, qto ao do mal pois, também é evidente, eles próprios têm seu conteúdo ou teor particular a inclinar-se para o lado do amor, do bem, da bondade, da edificação moral e, por outro lado, a inclinar-se para o lado do desamor, do mal, da degradação moral, da destruição de qualquer tipo de amor e afeto.

      Acreditamos q os pensamentos são nossos, q nós mesmos os formulamos; no entanto, os pensamentos apenas nos chegam, às vezes inesperadamente, ou qdo menos desejamos; permanecem pouco ou muito tempo, nos agradando ou desagradando e se vão, tb qdo menos esperamos e/ou mesmo contra nossa vontade, nos deixando verdadeiras "sequelas" na forma de remorsos, lembranças ou expectativas de alegrias ou tristezas, coisas agradáveis ou desagradáveis, medo, conformidade, desejos de teores diversos, desesperos... que podem durar pouco ou muito tempo, nos felicitando ou infelicitando.

      Porq digo q não são verdadeiramente nossos? Porq nenhum de nós, indivíduos comuns, tem o poder de controlar ou disciplinar seus pensamentos. Não temos comando sobre eles; são eles e, consequentemente, a mente, q nos comandam, e vamos navegando de acordo com o q nos sugerem e conforme o q já aprendemos da vida; assim, podemos navegar por jardins floridos, ou por fétidos pântanos; podemos até chegar a "oferecer a outra face", ou a revidar ofensas, agressões ou maldades, com ações as mais violentas.

      E como afirmar q não temos comando sobre eles? E (é) muito simples constatar isso; basta permanecer num lugar, de preferencia tranquilo e bem acomodado, e tentar manter na mente um só pensamento; ou tentar q este ou aquele permaneça, ou q se vá; ou deixar a mente vazia de pensamentos, pelo tempo q desejar. Com certeza, cada um constatará q não conseguirá fazer isso; se conseguir, por 1 minuto q seja, já será uma vitória. Antes de afirmar q isso q digo é uma grande tolice, tente!


      Mas, se os pensamentos não são nossos, como surgem em nós, inesperadamente, e o tempo todo, incessantemente? O tempo todo nossa mente é invadida por um fluxo contínuo de pensamentos e fantasias q estão fora de nosso controle; podemos mesmo comparar a mente a uma tela na qual se projeta uma espécie de filme sempre cheio de emoções, imaginações e desejos, sempre entremeados de lembranças e expectativas, que estão de acordo com nossas necessidades e defesas para a sobrevivência.

      Todos os pensamentos, em princípio, são provocados por algo q nossos canais de relacionamento com o mundo, os sentidos, captam, de alguma forma, do exterior. Os eventos exteriores, qualquer ação percebida, nos atingem como vibrações (de luz, som...), q provocam, em nós, reações interiores. Essas reações existem porq já temos, fruto das experiências anteriores da vida, outras lembranças de reações motivadas por anteriores percepções/vibrações; aí se forma aquilo a q a psicologia chama de “associação de pensamentos” e tudo isso se revela, finalmente, à nossa percepção/consciência, como se fosse pensamento nosso.

     Os eventos exteriores provocam reações interiores, das quais surgem os pensamentos. Logo, o pensarmos nisto ou naquilo, não é uma escolha deliberada nossa, embora sempre nos pareça q é.

      São as lições e eventos da vida q nos fazem pensar de um modo ou de outro, de conformidade com o q nos provocam as percepções q temos do mundo exterior. Talvez por isso, o nome dado, pela igreja cristã romana, de “pecados capitais” àquilo que temos na mente, e que perturbam nosso avanço espiritual: pensamentos e sentimentos, tantas vezes surgindo contra nossa própria vontade, que nos perturbam, nos fazem mal, mas q, pela igreja, somos culpados e, futuramente, penalizados por tê-los: são os “pecados”, ou sentimentos, de ódio (ira), luxúria (impurezas), avareza (egoísmo), orgulho (soberba), inveja, gula, preguiça. (Aí, é evidente, estão incluídos todos aqueles pensamentos ou ações, atitudes, deploráveis, pois q trazem danos a nós mesmos, ao próximo e mesmo à natureza).

      Pensamentos dessas espécies facilmente nos chegam. Um perfume ou cheiro, um som ou palavra ou voz ou música, uma cor ou luz ou forma, um sabor, um roçar, ou outras percepções dos sentidos, podem despertar memórias, mesmo aquelas já adormecidas e amortecidas há longo tempo e, consequentemente, fazer nascer pensamentos de teor correspondente; assim, gozamos, sofremos, agimos ou deixamos de agir. E, é evidente que nossas escolhas estão, tb, subordinadas a esse mesmo processo q não depende de nós, pois escolhas dependem dos pensamentos, sobre os quais não temos controle; e são eles q despertam a vontade de ter ou não ter, de nos aproximar ou de nos afastar, disto ou daquilo. (Novamente, peço aos amigos q me corrijam se eu estiver errado! Se um psicólogo estiver me lendo, me corrija!


      E os sentimentos, de onde vêm, como surgem? Sem dúvida desse mesmo processo: daquilo q nossos sentidos percebem do mundo exterior q, associado ao q já existe em nosso interior (memória), determinam pensamentos/sentimentos de amor, de ódio, de desejos de vingança, de q haja perdão ou punição, etc...

      E a vontade? A vontade, q é o q leva às decisões e escolhas, é...................
..................................... Continua por mais um pequeno trecho ........................
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 07 de Julho de 2013, 18:56
      Pensamento, Sentimento e Vontade................... final.................

      E a vontade? A vontade, q é o q nos leva às decisões e escolhas, é também provocada pelos pensamentos e sentimentos, tudo decorrente do q a vida, esta escola do bem e do mal, nos faz perceber. E, sendo pensamentos e sentimentos provocados por eventos exteriores q resultam em reações interiores, a vontade q vem dos pensamentos, também o é. Assim, nem os pensamentos, nem sentimentos, nem vontade e, consequentemente, nem as escolhas, pois estas derivam da vontade, são verdadeiramente nossos...

      Talvez por isso, Paulo tenha afirmado: “é o Sr que opera em nós o pensar, o querer e o fazer!”. Opera em nós o pensar, indicando q os pensamentos não são nossos; opera o querer, isto é o desejar de onde resulta a vontade de ter ou de não ter o q que quer seja; e opera o fazer, isto é, a ação correspondente à vontade.

      Confirmando o fato de q os pensamentos não são verdadeiramente nossos, outras palavras de Paulo: “como se tivésseis algum pensamento como sendo de vós mesmos, pois todos os pensamentos vêm de Deus!” Assim, se é o querer q determina as escolhas podemos perceber q as escolhas também não são nossas, já que o querer não é nosso! Do mesmo modo, o mestre Jesus afirmou q as escolhas não são nossas, ao dizer que tudo vem do Alto, q mesmo a escolha de segui-lo (seguir seus ensinamentos) não é nossa: “Ninguém vem a mim, se o Pai que me enviou não o mandar a mim!”!

      Talvez para que não estranhemos q, mesmo não sendo responsáveis pelo nosso querer e pelo nosso fazer, isto é, por nossas obras, estamos sofrendo, Paulo também afirmou: “Não sois salvos por vossas obras, mas pela graça de Deus!”.

      O processo do pensar e de fazer ou obrar é este: vibrações provocadas pelo movimento de energias relativas às ações ou eventos exteriores -> atingem os canais (sentidos) q ligam o mundo exterior ao nosso mundo interior –> captação (ou percepção) dessas vibrações pelos sentidos -> transmissão dessas percepções ao cérebro, através de impulsos nervosos -> interpretação desses impulsos pelo cérebro -> interpretações que provocam reações interiores (com associações) –> resultando em pensamentos e sentimentos –> que resultam nos desejos e na vontade de fazer ou deixar de fazer isto ou aquilo. Portanto, desse processo é q surge o pensamento, o sentimento, a vontade, ou desejo de possuir ou de rejeitar aquilo q nos afetou com suas vibrações, conforme julguemos q seja para nós, agradável, benéfico, prazeroso ou desagradável, maléfico, frustrante.

      Portanto, como a vontade nasce dos sentimentos ou dos pensamentos e, considerando q não temos o comando sobre nossos pensamentos, não temos, consequentemente, controle de nossos sentimentos, vontades e, é evidente, nem de nossas escolhas, pois estas dependem da vontade e desejo, q dependem, não de nós, mas dos sentimentos e dos pensamentos, sobre os quais não temos controle, pois q dependem dos eventos do mundo exterior a nós...
 .............
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 08 de Julho de 2013, 04:25
      Pensamento, Sentimento e Vontade.

      Amigos do fórum,

      Todos nós buscamos o aperfeiçoamento..................................
.............................................................................de q haja perdão ou punição, etc...


     
      E a vontade? A vontade........................................
......................................................................eventos do mundo exterior a nós...



E o que podemos concluir a partir de toda essa abstração?

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 08 de Julho de 2013, 13:50
Bom Dia!!!!!!

Conforti... Seja bem vindo ao nosso estudo mensal, permaneça conosco...

Dando continuidade às nossas análises:

# Nesta semana vamos focar a reeducação dos pensamentos, já que até agora pudemos entender que o pensamento é uma faculdade inerente do Espírito, é força criadora, que atraímos e emitimos energias através dele, e que somos inteiramente responsáveis por eles... Bem como pelas reações advindas em decorrência deles, traduzidas no corpo físico, sejam elas boas ou ruins...

"(...) Desde que todas as expressões do evoluir dependem do pensamento, porque dele provêm, é fácil pensar de forma variável, substituindo aquele que seja incorreto por outro que pareça favorável. Como a pessoa poderá dizer que não sabe discernir queal o ideal daqueloutro que é pernicioso, basta que faça uma avaliação do que lhe constitui bengala para sustentar o já experimentado e perturbador, passando a novo tentame de construções diferente.
     A princípio, a acomodação levará o indivíduo a repetir-se e a não acreditar no êxito da experiência em formação. Cabe-lhe, nesse caso, insistir e perseverar, abrindo novo espaço no campo mental viciado, plantando as sementes novas do otimismo e da esperança, a fim de sair do estado doentio. Logo depois, é imprescindível começar a valorizar tudo quanto se encontra à sua volta, estabelecendo novos padrões de compreensão, assim libertando-se das construções negativas-pessimistas.
O novo hábito se irá implantando lentamente no subconsciente até tornar-se parte integrante do comportamento. (...)"

Que possamos ter a proteção de Nosso Pai no decorrer desta semana!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 08 de Julho de 2013, 16:06
Meus irmãos,quando o nosso irmão Conforti colocou em seu texto que nós não temos comando dos nossos
pensamentos,ele está em concordância com o que eujá havia colocado inicialmente:Nós não temos controle
dos nossos pensamentos,o que nós podemos fazer tão somente é direciona-los.Entretanto esse direciona-
-mento precisa ser estudado para que eles não venham causar nenhum mal,pois só o bem nos trás progres-
-so moral.Na prática,nós somos donos da nossa vontade no que diz respeito as nossas ações.Por isto,podemos ter vários pensamentos que possam nos levar a práticas do bem ou do mal,pratica-las está na nossa vontade.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 08 de Julho de 2013, 16:28
      O amigo Brenno colocou: E o que podemos concluir a partir de toda essa abstração?

      Conf: olá, meu jovem, me perdoe se não fui suficientemente claro nas respostas #31 e #32, acima. O que podemos concluir é, exatamente, isto: que nem os pensamentos, nem sentimentos, nem vontade e, consequentemente, nem as escolhas, são verdadeiramente nossos.
.................................
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 08 de Julho de 2013, 20:55
Conforti....

Um escritor antigo, que fez um dos primeiros livro que li e até hoje o tenho em minha mente, tem uma frase que é oportuna:

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas." Saint Exupery

É uma citação muito verdadeira e neste contexto de nossos estudos deste mês, nós somos sim responsáveis pelos nossos pensamentos, sentimentos, bem como dos efeitos que eles causam em nós e nos outros.
Se assim não fosse, aonde estaria os méritos da Lei de Ação e Reação? E por que teríamos então o nosso livre arbítrio?

Muito oportuno seu texto, porém em partes... Há locais onde somos (humanos) remetidos à condição de vítimas, e voltamos a salientar que somos seres fadados à Evolução e o que nos mantém nesta freqüência, onde recebemos influenciações nada salutares, somos nós mesmos, com nossas invigilâncias e nossas falhas morais. Somos responsáveis...

Os estudos nos remetem cedo ou tarde à autoanálise, conhecer o âmago de nosso ser espiritual, nossas reações, nossos limites, nossas falhas, nossos defeitos... E gradativamente, conforme nos conhecemos e conhecemos as Leis Divinas, nossa consciência vai nos incomodando a ponto de não conseguirmos fazer com tanta  freqüência coisas que tanto nos comprometem. A tendência é irmos abandonando essas esferas energéticas que ainda nos assaltam, porém é com um esforço sobrehumano que temos que nos corrigir...

Perdoe-me se não te agradar o post, longe de mim gerar polêmicas, mas devo manter aqui o foco do assunto baseado nas obras da Codificação, que é a proposta do site, com o objetivo único de não confundir nossos visitantes, desprovidos ainda destes conceitos.

Finalizando com uma frase de Bezerra:
"Todo aquele que quiser ser espírita, tem de deixar muito da sua ânsia de ser compreendido."

Abraço fraterno... 
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 09 de Julho de 2013, 00:21
Minha querida irmã aline,somos sim responsáveis pelos nossos pensamentos quando os direcionamos,mas não
o controlamos para que ele não nos venha.O livre arbítrio em conduzir estes pensamentos está em nós,podemos
até buscar um pensamento pelo desejo de realizar alguma coisa,mas é justamente aí que está  o grande perigo
desse desejo.Se estivermos atentos,veremos que mesmo tendo bons pensamentos, há reflexos independentes
 da nossa vontade,de maus pensamentos,e nisto vemos o quanto somos imperfeitos.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 09 de Julho de 2013, 03:08
      O amigo Brenno colocou: E o que podemos concluir a partir de toda essa abstração?

      Conf: olá, meu jovem, me perdoe se não fui suficientemente claro nas respostas #31 e #32, acima. O que podemos concluir é, exatamente, isto: que nem os pensamentos, nem sentimentos, nem vontade e, consequentemente, nem as escolhas, são verdadeiramente nossos.
.................................


Se assim fosse não existiríamos!


Citando duas questões de OLE:

460. De par com os pensamentos que nos são próprios, outros haverá que nos sejam sugeridos?

Vossa alma é um Espírito que pensa. Não ignorais que, freqüentemente, muitos pensamentos vos acodem a um tempo sobre o mesmo assunto, não raro, contrários uns dos outros. Pois bem! No conjunto deles, estão sempre de mistura os vossos com os nossos. Daí a incerteza em que vos vedes. É que tendes em vós duas idéias a se combaterem.”

461. Como havemos de distinguir os pensamentos que nos são próprios dos que nos são sugeridos?

“Quando um pensamento vos é sugerido, tendes a impressão de que alguém vos fala. Geralmente, os pensamentos próprios são os que acodem em primeiro lugar. Afinal, não vos é de grande interesse estabelecer essa distinção. Muitas vezes, é útil que não saibais fazê-la. Não a fazendo, obra o homem com mais liberdade. Se se decide pelo bem, é voluntariamente que o pratica; se toma o mau caminho, maior será a sua responsabilidade.”

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 09 de Julho de 2013, 13:18
Bom Dia!!!!

    "(...)As idéias são criações do nosso Espírito.
     Criações incessantes, ininterruptas, que se projetam no espaço e no tempo, adquirindo forma, movimento, direção e tonalidades equivalentes à natureza, superior ou inferior, das ideias criadas.
     Um pensamento, que expresse desejos ou objetivos, veiculado poderosamente por nosso Espírito, poderá até ser fotografado.
     Poderá, inclusive, ser visto por médiuns videntes ou percebido pelos médiuns sensitivos.
     O nosso campo mental é, pois, inteiramente devassável pelos Espíritos e até pelos encarnados.
     Considerando, por oportuna, a observação de Paulo de Tarso de que 'estamos cercados por uma nuvem de testemunhas', somos compelidos a medir e pensar, na balança consciencial, as sérias responsabilidades que decorrem do conhecimento que já temos de tais verdades. Isso porque tais criações determinarão, inevitavelmente, o tipo e o caráter de nossas companhias espirituais, em virtude das vibrações compensadas.
     Uma mente invigilante atrairá entidades infelizes, vampirizadoras, porque certos Espíritos profundamente materializados, arraigados, ainda, às paixões inferiores, nutrem-se, alimentam-se dessas substâncias produzidas pela mente irresponsável ou deseducada. (...)"

# Aos que interessarem em continuar o estudo, este trecho foi retirado do livro - Estudando a Mediunidade de Martins Peralva, p. 24.

# Continuemos nosso estudo enfatizando a importância da educação de nossos pensamentos (reeducação), temos este potencial e esta capacidade. Cabendo a cada um de nós reconhecer como prejudicial e domar certos pensamentos que nos chegam através de influenciações externas ou pretéritas.

# Convido aos estudantes a buscarem textos devidamente referenciados a cerca desta educação ou reeducação mental, e postarem aqui para enriquecer o tema abordado, já que estaremos amanhã encerrando a discussão sobre Pensamento, dando continuidade ao tema de estudo proposto.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Norizonte da Rosa em 09 de Julho de 2013, 15:17
Olá pessoal.

Bem interessante este livro 'Pensamento e Vontade' de Ernesto Bozzano.
 
O trecho abaixo chama a atenção porque é obra de 1867 e segundo informações na web o autor começou a interessar-se pelo Espíritismo somente em 1891.

"O corpo mental, graças ao impulso do pensamento, exte-rioriza uma fração de si mesmo, que toma forma corres-pondente à intensidade vibratória, tal como o pó de licopó-dio que, colocado sobre um disco sonante, dispõe-se em fi-guras geométricas, sempre uniformes em relação com as notas musicais emitidas.
Ora, esse estado vibratório da fração exteriorizada do “corpo mental”, tem a propriedade de atrair a si, no meio etérico, substância sublimada análoga à sua.
Assim é que se produz uma “forma-pensamento”, que é, de certo modo, uma entidade animada de intensa atividade, a gravitar em torno do pensamento gerador...
Se esse pensamento implica uma aspiração pessoal de quem o formulou – tal como se dá com a maioria dos pen-samentos – volteia, então, ao derredor do seu criador, pron-to sempre a reagir de forma benéfica ou maléfica, cada vez que o sinta em condições passivas."

Abraço.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Norizonte da Rosa em 09 de Julho de 2013, 17:24
Olá Conforti. Seu texto:

"
O processo do pensar e de fazer ou obrar é este: vibrações provocadas pelo movimento de energias relativas às ações ou eventos exteriores -> atingem os canais (sentidos) q ligam o mundo exterior ao nosso mundo interior –> captação (ou percepção) dessas vibrações pelos sentidos -> transmissão dessas percepções ao cérebro, através de impulsos nervosos -> interpretação desses impulsos pelo cérebro -> interpretações que provocam reações interiores (com associações) –> resultando em pensamentos e sentimentos –> que resultam nos desejos e na vontade de fazer ou deixar de fazer isto ou aquilo. Portanto, desse processo é q surge o pensamento, o sentimento, a vontade, ou desejo de possuir ou de rejeitar aquilo q nos afetou com suas vibrações, conforme julguemos q seja para nós, agradável, benéfico, prazeroso ou desagradável, maléfico, frustrante.

      Portanto, como a vontade nasce dos sentimentos ou dos pensamentos e, considerando q não temos o comando sobre nossos pensamentos, não temos, consequentemente, controle de nossos sentimentos, vontades e, é evidente, nem de nossas escolhas, pois estas dependem da vontade e desejo, q dependem, não de nós, mas dos sentimentos e dos pensamentos, sobre os quais não temos controle, pois q dependem dos eventos do mundo exterior a nós...
 .............



Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/pensamento-sentimento-e-vontade/30/#ixzz2YZ5Xj9jj"

Desculpe-me, mas não vejo sua lógica tão lógica assim. Veja que o amigo afirma que por não controlar os pensamentos estes não são nossos. Mas o que tem a ver 'controle do pensamento' com a propriedade deste? Como assim escolher pensar em algo e não conseguir ficar pensando nesse algo? Podemos escolher algum tema, ou alguma coisa, ser material, ou imaginário para nos concentrarmos, mas obviamente não iremos conseguir nos manter em um desses temas sem que outros pensamentos surjam, porque simplesmente não estamos inconscientes e como você mesmo afirma somos bombardeados pelo que nossos sentidos nos transmitem. Além disso qualquer tema que escolhamos pensar, estará obrigatoriamente ligado a outros temas e então obviamente não dará para separá-los, mas em que isso prova que não são nossos esses pensamentos?

Escolha pensar na imagem de uma estrela (um ponto luminoso no céu), poderemos afastar esse tema, a imagem de uma estrela, do contexto em que esse tema se insere? acho que não e portanto outros pensamentos relacionados nos virão.

Que dos pensamentos surjam vontades, desejos, tudo bem, mas que não possamos controlar nossos atos (são atos determinados por um terceiro) simplesmente porque temos vontades? quantos têm vontades, desejos, e nem por isso saem agindo somente para realizá-los! não influi aqui o livre-arbítrio? Da maneira como o amigo escreve, e sem ofender, mas parece que está referindo-se a seres irracionais que, teoricamente, seriam movidos apenas pelas lembranças de boas sensações, ou instintos. Um cão que sinta o cheiro de carne se tiver chance avançará sobre esta. Um cão que sinta a cadela no cio avançará para procriar, mas isso aplica-se necessariamente aos seres racionais?

Desculpem-me, sem querer mas já desvirtuando o tópico acabei respondendo às afirmações de nosso amigo Conforti.

Abraço.



Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: hcancela em 09 de Julho de 2013, 18:27
      O amigo Brenno colocou: E o que podemos concluir a partir de toda essa abstração?

      Conf: olá, meu jovem, me perdoe se não fui suficientemente claro nas respostas #31 e #32, acima. O que podemos concluir é, exatamente, isto: que nem os pensamentos, nem sentimentos, nem vontade e, consequentemente, nem as escolhas, são verdadeiramente nossos.
.................................
Então nada faziamos, éramos máquinas.
Enfim vem na mesma sequência de muitos outros textos nada de novo. Tudo contrário á doutrina Espirita e não só.

Abraços.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 09 de Julho de 2013, 20:46
Que os seus pensamentos sejam positivos porque eles se transformarão em palavras. Que suas palavras sejam positivas porque elas se transformarão em ações. Que suas ações sejam positivas porque elas se transformarão em valores. Que seus valores sejam positivos porque eles determinarão seu destino.  Mahatma Gandhi

# Abraços bem bem bem apertados amigos....
Até amanhã...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 10 de Julho de 2013, 01:05
Vejamos o que a Doutrina Espírita nos diz em O Evangelho segundo o espiritismo:


                                  Pecado por pensamentos. – Adultério

5. Aprendestes que foi dito aos antigos: “Não cometereis adultério. Eu, porém, vos digo que aquele que houver olhado uma mulher, com mau desejo para com ela, já em seu coração cometeu adultério com ela.” (S. Mateus, cap. V, vv.27 e 28.)

6. A palavra adultério não deve absolutamente ser entendida aqui no sentido exclusivo da acepção que lhe é própria, porém, num sentido mais geral. Muitas vezes Jesus a empregou por extensão, para designar o mal, o pecado, todo e qualquer pensamento mau, como, por exemplo, nesta passagem: "Porquanto se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, dentre esta raça adúltera e pecadora, o Filho do Homem também se envergonhará dele, quando vier acompanhado dos santos anjos, na glória de seu Pai.” (S. MARCOS, cap. VIII, v. 38.)

A verdadeira pureza não está somente nos atos; está também no pensamento, porquanto aquele que tem puro o coração, nem sequer pensa no mal. Foi o que Jesus quis dizer: ele condena o pecado, mesmo em pensamento, porque é sinal de impureza.

7. Esse princípio suscita naturalmente a seguinte questão: Sofrem-se as conseqüências de um pensamento mau, embora nenhum efeito produza?

Cumpre se faça aqui uma importante distinção. À medida que avança na vida espiritual, a alma que enveredou pelo mau caminho se esclarece e despoja pouco a pouco de suas imperfeições, conforme a maior ou menor boa-vontade que demonstre, em virtude do seu livre-arbítrio. Todo pensamento mau resulta, pois, da imperfeição da alma; mas, de acordo com o desejo que alimenta de depurar-se, mesmo esse mau pensamento se lhe torna uma ocasião de adiantar-se, porque ela o repele com energia. É indício de esforço por apagar uma mancha. Não cederá, se se apresentar oportunidade de satisfazer a um mau desejo.
Depois que haja resistido, sentir-se-á mais forte e contente com a sua vitória.
Aquela que, ao contrário, não tomou boas resoluções, procura ocasião de praticar o mau ato e, se não o leva a efeito, não é por virtude da sua vontade, mas por falta de ensejo. E, pois, tão culpada quanto o seria se o cometesse.
Em resumo, naquele que nem sequer concebe a idéia do mal, já há progresso realizado; naquele a quem essa idéia acode, mas que a repele, há progresso em vias de realizar-se; naquele, finalmente, que pensa no mal e nesse pensamento se compraz, o mal ainda existe na plenitude da sua força. Num o trabalho está feito; no outro, está por fazer-se. Deus, que é justo, leva em conta todas essas gradações na responsabilidade dos atos e dos pensamentos do homem.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 10 de Julho de 2013, 01:43

O pensamento

Toda coisa grande, majestosa e bela neste mundo nasce e se forja no interior do homem, graças a uma única ideia e a um único sentimento.
Todos os acontecimentos verdadeiros e positivos que nos legaram os séculos passados foram, antes de se realizar, uma ideia oculta na razão e na mente de um homem ou um sentimento sutil no coração de uma mulher.
As fatídicas guerras, mananciais de um caudaloso rio de sangue inocente, foram o produto de um sonho que se incubou no cérebro de um homem.
Os acontecimentos bélicos e as guerras dolorosas que destruíram tronos e derrubaram reinos surgiram de uma ideia absurda na mente de um só homem.
Os ensinamentos sublimes que transformam o curso da vida humana são inclinações românticas no espírito de um só homem que, pelo seu gênio, é considerado estranho ao seu ambiente.
Uma só ideia ergueu as pirâmides. Um sentimento fatal destruiu Tróia. Uma só palavra incendiou a biblioteca de Alexandria.
Um pensamento que se apodera de nós na quietude da noite nos conduz à glória ou à loucura.
Uma palavra pode nos converter em ricos depois da pobreza e em paupérrimos depois da opulência.
*   *   *
O pensamento é força criadora. Antes de se concretizar qualquer coisa no mundo, o pensamento a concebeu, idealizou e lhe deu forma, na mente de um homem.
Antes de surgirem as maravilhosas obras de engenharia, um pensamento as concebeu. Assim foi com a fabulosa muralha da China, que continua a atrair turistas do mundo inteiro.
Assim foi com a extraordinária estrada de ferro Curitiba-Paranaguá, que até hoje nos extasia, quer pela ousadia de transpor abismos, quer pela persistência de avançar através das montanhas, em meio a uma luxuriante e privilegiada vegetação.
Antes de serem concretizadas no mármore as grandes figuras de Moisés, a Pietá, o pensamento de Michelangelo as idealizou, permitindo depois que as suas mãos despissem a pedra bruta, retirando-lhe os excessos, para dela extrair a beleza que admiramos.
Antes de se transformarem em telas famosas, todos os quadros que se encontram nos museus, nos palácios ou no interior das nossas residências, nasceram no pensamento dos seus pintores, que se serviram de tintas, pincéis, técnica específica para as concretizar aos nossos olhos.
Quando observamos, nas noites enluaradas, a abóbada celestial e sentimos o coração pulsar de emoção, pela beleza das luzes que compõem a glória de Deus, na forma de estrelas piscantes;
quando focamos os telescópios na direção dos corpos celestes, e a ciência humana vai descobrindo sempre novos mundos, plenos de beleza e poesia;
quando, ante a grandeza do Universo que apenas começamos a descortinar, pensamos na pequenez do nosso globo, da nossa Terra, lar e escola, pensemos: tudo é obra do pensamento criador de Deus, nosso Pai.
Num momento de luz do Seu pensamento, surgiram as estrelas coruscantes. Num momento de paz, Ele idealizou o imenso Universo em que nos movemos. Num delicado momento de amor, Ele pensou e criou os Espíritos imortais, que somos nós.
 
Redação do Momento Espírita, a partir do texto
O pensamento, de Gibran Khalil Gibran, do livro
Um presente especial, de Roger Patrón Luján, ed.
Aquariana.
Em 27.4.2013.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 10 de Julho de 2013, 11:43
Meus irmãos,isto é verdadeiro,como eu já havia colocado:Toda ação,seja ela boa ou má,é antecidida por um
pensamento,concretizar ou direcioná-lo está na nossa vontade.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 10 de Julho de 2013, 17:47
Boa tarde!!!!!

Amigos do FE vamos seguir... Vamos de Joanna de Ângelis hoje:

" (...) O indivíduo está sempre no seu momento presente, que é o seu instante decisório. O passado, por isso mesmo, não pode servir de parâmetro, senão para aprender como não repetir os erros, pois que é irrecuperável, no entanto reparável. Nada existe que possa ser recuperado na área moral comprometida, no entanto, desde que haja interesse real, poderá ser corrigido. Assim, é negativo manter saudades do já ocorrido, sentir-se frustrado pelo que gostaria que houvesse sucedido mas não aconteceu, ou arrependido em profundidade pelo insucesso de que foi objeto. Tais sentimentos não podem modificar as consequências desencadeadas no pretérito, no entanto, podem ser reformuladas as bases da ação que se repetirá em forma nova, assim modificando os futuros resultados. Eis por que se deve perdoar a tudo e a todos, igualmente proporcionando-se perdão a si mesmo, recompondo-se emocionalmente e recomeçando a tarefa onde ela se desncaminhou. (...)"

# Caros amigos como podem perceber estamos mudando um pouco nosso foco, partindo para a discussão sobre os sentimentos...
Já sabemos bastante coisa a respeito do pensamento, 'os prós e os contras', como se diz por aqui, agora vamos analisar os sentimentos, pois que cada pensamento é envolto por sentimentos... E a ação dessas duas forças em nós humanos são potentes, levando-nos a situações variáveis conforme as energias emitidas...

#Convido-os a se voltarem para os sentimentos:
      Importância;
      Efeitos fisiológicos;
      Efeitos psicológicos;
      Efeitos espirituais;
      Consequências
...

Sigamos na paz de Nosso Pai e de nossos amigos espirituais!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 10 de Julho de 2013, 18:58
Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
      Aline   (ref #44 em: 10.07.13, às 20:46)

      Aline citou: "Que os seus pensamentos sejam positivos porque eles se transformarão em palavras. Que suas palavras sejam positivas porque elas se transformarão em ações. Que suas ações sejam positivas porque elas se transformarão em valores. Que seus valores sejam positivos porque eles determinarão seu destino. (Mahatma Gandhi)".

      Conf: amiga Aline, amigos; não há dúvidas de que nossos valores determinam nosso destino (embora não numa proporção de 100%, pois há fatores imprevisíveis a interferirem em nossas vidas, q podem dar rumo diferente ao destino de cada um). No entanto, temos de raciocinar, estudar q, com certeza, vamos perceber, que Ghandi nunca afirmou (aliás, nenhum sábio deve ter afirmado), senão figuradamente, q nosso destino está em nossas mãos. E não estão porq nossos pensamentos, q é deles q se originam palavras, ações, valores, não são coisas pelas quais sejamos responsáveis. Eles apenas surgem em nós, demoram ou não e se vão, sempre provocados ou consequentes de eventos exteriores. 
............................
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 10 de Julho de 2013, 19:32
Isso é verdadeiromeu irmão Conforti,Os pensamentos surgem em nós,demoram ou não e se vão,sempre
provocando uma consequência de eventos.Está em nós saber administrar esses eventos.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 10 de Julho de 2013, 22:38
      ANTONIO RENATO BARBOSA  (ref #50)

      O amigo Renato escreveu: Os pensamentos surgem em nós, demoram ou não e se vão, sempre provocando uma consequência de eventos. Está em nós saber administrar esses eventos.

      Conf: e lhe pergunto, meu amigo, como dizer q está em nós saber administrá-los ou a capacidade de administrá-los, ou como podemos ser responsáveis por administrá-los de modo correto ou incorreto se os elementos q possuímos para fazer isso também resultam de outros pensamentos que não somos nós q os criamos, mas q apenas são provocados por elementos (dados) q estão fora de nós e vêm para nós, e somos nós q os processamos, com outros conhecimentos gerados por outros pensamentos q, também, apenas vêm para nós e q sobre eles não temos comando?
      (Deu para perceber o q eu quis dizer? Parece q confundi tudo, não?).

      Fique em Deus, Renato
...............................
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 11 de Julho de 2013, 00:45

    Que os seus pensamentos.....................................
............................................................de eventos exteriores. 



Isso é verdadeiro............................
...............................administrar esses eventos.

Fique na paz.
 


Porém, como não somos mais irracionais, temos não só o controle de nossos pensamentos como também a responsabilidade das ações que deles decorrem.

Quanto ao sentimento, é esse um conceito difícil até mesmo de se definir.

Citando o Espírito Diógenes:

"O sentimento é um dos instrumentos que compõem a intimidade da criatura. Na matéria, o Espírito tem possibilidade de testá-lo e exercitá-lo inúmeras vezes pelas várias experiências que sofre ao longo das encarnações. As ilusões causadas pelas expressões materiais e a mistura da pureza sentimental com os impulsos e desejos carnais, levam o homem a questionar a realidade da vida e o valor dos conceitos".


Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 11 de Julho de 2013, 02:29
      Brenno  (ref #52)

      O amigo escreveu: "Porém, como não somos mais irracionais, temos não só o controle de nossos pensamentos como também a responsabilidade das ações que deles decorrem".

      Conf: não, meu jovem amigo, sinto de novamente discordar de vc. Definitivamente, inquestionavelmente, não temos o controle de nossos pensamentos e, consequentemente, é claríssimo, nem a responsabilidade das ações q deles decorrem. E é muito fácil perceber isso; basta fazer aquele simples e pequeno teste q já indiquei. Faça e verifique. Se não fizer, vai continuar duvidando, é evidente!
.............................

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Julho de 2013, 02:41
Meu nobre(nobre na alma)irmão Conforti,veja bem:Vem a nós vários pensamentos,até mesmo os que não são
nossos.Usando do bom senso e pelo dicernimento que temos do que é bom ou mau,procuramos reter os bons
pensamentos pois ele nos levará as boas ações,consequentemente essas boas ações nos levará a ter progres-
-so moral.Administrar é isto,descartar os maus pensamentos e orientar os bons,e estes podemos até busca-los
pelas razões das nossas necessidades,a exemplo disto tem a prática da caridade.O amor que dedicamos à toda
criação que Deus nos deixou,e até mesmo as coisas que pela nossa capacidade e inteligência de poder criar,têm
suas raízes nos pensamentos que podemos ter,pois toda à ação é antecedida por um pensamento.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: macili em 11 de Julho de 2013, 03:58

Olá queridos Irmãos...
Olá Amiga Aline...


Parabéns pelo interessante estudo que está sendo desenvolvido e que nos conduz a refletirmos sobre o tema abordado.

Contribuo com um estudo sobre a Ingratidão onde são abordados os sentimentos da Gratidão e da Ingratidão e suas consequências.

Muita paz em nossos corações...


***

Um estudo sobre Ingratidão
(por Dr. Ricardo Di Bernardi)


Introdução - Todas as criaturas estão mergulhadas no fluido divino, envolvidas pela Lei de Ação e Reação. Esta Lei é automática.


Conceito de Gratidão - Denomina-se gratidão ao sentimento positivo e harmonizador pelo qual reconhecemos o bem que outrem nos proporcionou.


Compreensão Fluídico-energética da Gratidão - O sentimento de gratidão expressa-se por emanações energéticas de alta freqüência e de curtas (ondas finas de baixo comprimento ondulatório). Estas ondas produzem luminosidade e se traduzem por cores claras e nitidamente brilhantes.


Conseqüências do Sentimento de Gratidão - estabelece-se, por este sentimento, sintonia no plano extrafísico com outras energias da mesma freqüência. Em conseqüência deste fato, ao expressarmos gratidão, ampliamos nossos contatos com esferas suaves e esclarecidas, as quais nos envolvem em luz. Além disso, ao direcionarmos a gratidão a outro indivíduo, este, ao receber o impacto das ondas luminosas e suaves, passa a sentir uma agradável sensação de bem-estar. Pode-se chamar de felicidade, ao estado psíquico em que benfeitores se apresentam, pelo contínuo envolvimento energético das ondas de gratidão dos beneficiados.


Conceito de Ingratidão - Denomina-se ingratidão a ausência de um sentimento positivo e harmonizador ao não reconhecer o bem que outrem nos proporcionou por emoções de baixo teor vibratório típicas do ser ingrato.


Emoções Associadas à Ingratidão - A ingratidão freqüentemente se apresenta seguida por atitudes não elevadas por parte do indivíduo ingrato. Exemplificado: não é raro a ocorrência de uma sensação de raiva em relação àquele que prestou auxílio. O beneficiado se considera humilhado devido à sua natureza orgulhosa. Observa-se também a presença de inveja, sentimento que direciona contra o benfeitor. O indivíduo auxiliado sente um misto de tristeza e rancor por não possuir o bem ou a qualidade ética daquele que o orientou. Em muitas ocasiões houve precipitação do benfeitor que não aguardou o momento oportuno no amadurecimento do seu assistido. Como disse Jesus: " Não atirai pérolas aos porcos para que eles não as pisem com os pés".


Compreensão Fluídico-energética da Ingratidão - A ingratidão caracteriza-se por emanações energéticas de baixa freqüência e ondas longas (grande comprimento ondulatório). Estas ondas produzem cores escuras e opacas, portanto, destituídas de brilho e luminosidade.


Conseqüências do Sentimento de Ingratidão - Ao se deixar envolver pelo sentimento de ingratidão, o indivíduo estabelece sintonia, no plano extrafísico, com energias da mesma freqüência. Em razão deste fato, amplia seus contatos com esferas espirituais de baixo teor vibratório. Passa, ao se deter nesta postura ingrata, a se distanciar da luminosidade dos Espíritos protetores e a se identificar com a freqüência vibratória de entidades sofredoras, as quais intercambiam energias deste nível de pensamentos e emoções.


Conseqüência da Ingratidão do Beneficiado sobre o Benfeitor
1. Quando o benfeitor compreende: perdoa. Neste caso, cresce espiritualmente ao exercitar o entendimento e a humanidade. Perdoando o ingrato, atrai para si maior simpatia e amor dos Espíritos de luz (e dos protetores do ingrato), sintonizando sua mente em faixas superiores.

2. Quando o benfeitor se magoa e sofre: passa, nesse caso, a entrar em sintonia com as ondas de tristeza e mágoa que ampliam seu sofrimento. Há uma queda de nível vibratório que fragiliza o benfeitor, tornando-o, portanto, suscetível a Espíritos sofredores.

3. Quando o “benfeitor” reage e revida contra o ingrato: passa a entrar na mesma freqüência vibratória do ingrato, torna-se igual a ele e assimila a ação dos obsessores espirituais. Pode, neste caso, enfermar-se física ou psiquicamente.


Conseqüência da Ingratidão sobre o Próprio Ingrato.
A imaturidade espiritual é o que caracteriza o ingrato. Desta forma, como todo ser imaturo, necessita amadurecer pela experiência.

1.  Amadurecimento pela reflexão (esclarecimento):
a) No plano espiritual: sob a orientação dos espíritos maiores, poderá rever sua postura, modificando-se parcial ou integralmente;

b) Nas próximas existências : além do esforço desenvolvido no sentido de corrigir-se durante o período de erraticidade no plano espiritual, passará a exercitar nas próximas encarnações o sentimento de gratidão em novas oportunidades de esclarecimento e reflexão.


2.  Amadurecimento pela dor: no plano espiritual e nas próximas encarnações.
O amadurecimento pela dor só se faz necessário quando o ingrato não amadurece pelo esclarecimento ou reflexão e não aceita as oportunidades de trabalho regenerativo que lhe são oferecidas. A dor não é imposta pelos espíritos superiores ( muito menos por Deus), mas é conseqüência automática da Lei de Ação e Reação, comentada na introdução deste trabalho.


A Ingratidão mais Freqüente - Culparmos a Deus pelos nossos sofrimentos e dificuldades.
Lembremo-nos de que, na visão espírita, Deus não pune. As leis são perfeitas e justas. O automatismo da Lei de Ação e Reação é que gera situações difíceis para aquele que se distancia do amor. Ao nos afastarmos da Lei de Harmonia Universal, portanto de Deus, criamos situações de sofrimento. Desta maneira, não faz sentido responsabilizarmos Deus pelos nossos sofrimentos.


Deus: Gratidão Plena
1.  À medida que pensamos de forma positiva e salutar, estabelecemos sintonia com as energias cósmicas superiores, a Lei de Deus, que é gratidão plena, retribui-nos com fluidos que vitalizam nossos corpos espirituais, proporcionando-nos equilíbrio e saúde.

2. À medida que trabalhamos, geramos vínculos e a Lei de Deus, sendo gratidão plena, retribui-nos com um banho de paz e harmonia interior.

3. À medida que amamos o próximo, criamos determinadas situações energéticas, e a Lei de Deus, sendo gratidão plena, responde-nos com amor, gerando em nós: Felicidade...


::Dr. Ricardo Di Bernardi é membro do ICEF- Instituto de Cultura Espírita de Florianópolis::



Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: macili em 11 de Julho de 2013, 05:30
Olá a todos...


Acabei de ler um texto que achei interessante para o estudo, apesar de falar ainda de Pensamentos, acho que é válida a sua leitura...


***


Pensamentos e Fluidos

"Os maus pensamentos corrompem os fluidos espirituais,
como os miasmas deletérios corrompem o ar respirável"
- (Allan Kardec - A Gênese, cap. XIV, item 16).



Vimos que o pensamento exerce uma poderosa influência nos fluidos espirituais, modificando suas características básicas. Os pensamentos bons impõem-lhes luminosidade e vibrações elevadas que causam conforto e sensação de bem estar às pessoas sob sua influência. Os pensamentos maus provocam alterações vibratórias contrárias às citadas acima. Os fluidos ficam escuros e sua ação provoca mal estar físico e psíquico.

Pode-se concluir assim, que em torno de uma pessoa, de uma família, de uma cidade, de uma nação ou planeta, existe uma atmosfera espiritual fluídica, que varia vibratoriamente, segundo a natureza moral dos Espíritos envolvidos.

À atmosfera fluídica associam-se seres desencarnados com tendências morais e vibratórias semelhantes. Por esta razão, os Espíritos superiores recomendam que nossa conduta, nas relações com a vida, seja a mais elevada possível. Uma criatura que vive entregue ao pessimismo e aos maus pensamentos, tem em volta de si uma atmosfera espiritual escura, da qual aproximam-se Espíritos doentios. A angústia, a tristeza e a desesperança aparecem, formando um quadro físico-psíquico deprimente, que pode ser modificado sob a orientação dos ensinos morais de Jesus.

"A ação dos Espíritos sobre os fluidos espirituais tem consequências de importância direta e capital para os encarnados. Desde o instante em que tais fluidos são o veículo do pensamento; que o pensamento lhes pode modificar as propriedades, é evidente que eles devem estar impregnados das qualidades boas ou más, dos pensamentos que os colocam em vibração, modificados pela pureza ou impureza dos sentimentos." - (Allan Kardec - A Gênese, cap. XIV, item 16).

À medida que cresce através do conhecimento, o homem percebe que suas mazelas, tanto físicas quanto espirituais, é diretamente proporcional ao seu grau evolutivo e que ele pode mudar esse estado de coisas, modificando-se moralmente. Aliando-se a boas companhias espirituais através de seus bons pensamentos, poderá estabelecer uma melhor atmosfera fluídica em torno de si e, consequentemente, do ambiente em que vive. Resumindo, todos somos responsáveis pelo estado de dificuldades morais que vive o planeta atualmente.

"Melhorando-se, a humanidade verá depurar-se a atmosfera fluídica em cujo meio vive, porque não lhe enviará senão bons fluídos, e estes oporão uma barreira à invasão dos maus. Se um dia a Terra chegar a não ser povoada senão por homens que, entre si, praticam as leis divinas do amor e da caridade, ninguém duvida que não se encontrem em condições de higiene física e moral completamente outras que as hoje existentes."





(Allan Kardec - Revista Espírita - Maio/1867)


Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 11 de Julho de 2013, 07:08


sinto de novamente.....................................
.............................................. duvidando, é evidente!



Nada do que o amigo expõe está em concordância com a Doutrina Espírita!


461. Como havemos de distinguir os pensamentos que nos são próprios dos que nos são sugeridos?

“Quando um pensamento vos é sugerido, tendes a impressão de que alguém vos fala. Geralmente, os pensamentos próprios são os que acodem em primeiro lugar. Afinal, não vos é de grande interesse estabelecer essa distinção. Muitas vezes, é útil que não saibais fazê-la. Não a fazendo, obra o homem com mais liberdade. Se se decide pelo bem, é voluntariamente que o pratica; se toma o mau caminho, maior será a sua responsabilidade.”







Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 11 de Julho de 2013, 12:49
Bom Dia Macili querida...
Muito feliz em te ver por aqui... Permaneça conosco...
Excelentes suas postagens...

Boommm Diaaaa amigos do Fórum...

"Faze o melhor que possas,
Trabalha e segue adiante.
Ninguém foge ao progresso
Conforme as Leis de Deus." Emmanuel
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 11 de Julho de 2013, 13:34
Morte do Egoísmo

"Há um preço para a união. Essa união, nós podemos enquadrá-la nos agrupamentos familiares, na vida em sociedade ou nas equipes que se dividem nas várias denominações religiosas. E podemos também ampliá-la para as questões políticas, esportivas e internacionais.

Os reflexos do egoísmo são conhecidos por todos nós. Eles se apresentam na corrupção, na violência urbana, nos desvios de verba, no tráfico de drogas, nas manipulações e imposições de toda ordem, nos abusos, nos desrespeitos às crianças e idosos, nas agressões às mulheres nos estupros, ou seja, em todas as formas de violência, sejam elas verbais, psicológicas ou físicas, reconhecidas pela sociedade diariamente. E que contam com o apoio da mídia, acrescente-se, que incentiva a violência especialmente nos filmes e novelas.

Se pararmos para pensar um pouco, no fundo das agressões, dos vícios, da teimosia, que ainda trazemos, e mesmo da prepotência que nos caracteriza o comportamento, lá está o egoísmo, esse inimigo feroz da felicidade humana. Ele é a causa de todas as nossas dificuldades. Dificuldades morais, pessoais, sociais, internacionais...

Ele, o egoísmo, é quem articula a ambição, o ciúme, o ódio, a inveja, liquidando a tranquilidade e a segurança da sociedade, sendo fonte de todas as misérias humanas, sociais ou individuais. O egoísmo perturba as relações sociais, provoca divisões e, portanto, destrói a união nos vários segmentos da sociedade, até mesmo nas instituições religiosas.

A solução está, pois, na morte do egoísmo. O preço para a união, em qualquer segmento, é a extinção do egoísmo. Isto significa renúncia em favor da felicidade alheia.
A definição da palavra egoísmo, conforme o dicionário é: amor próprio excessivo que leva o indivíduo a olhar unicamente para os seus interesses em detrimento dos alheios.

Eis a causa de toda confusão social que vivemos, reflexo direto da confusão interior que ainda nos permitimos viver.

Temos a coragem de renunciar aos interesses próprios em favor da felicidade uns dos outros?

A morte do egoísmo é a solução que buscamos. É a chave da felicidade!"

Orson Peter Carrara
[/font]
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Julho de 2013, 13:44
Meu nobre(nobre na alma)irmão Brenno,pra se fazer entender,não se faz necessário enfatizar na grafia aquilo
que se quer dizer.Concordando com o nosso irmão Conforti,verdadeiramente nós não temos controle dos nos-
-sos pensamentos,eles poderão nos vir de uma maneira sucessiva e descontrolada,poderemos até tentar reter
alguns por serem bons e neles pautar as nossas ações.Para melhor colocar,imaginemos que se tenha um
pensamento de naquele momento praticar uma caridade,de repente lhe vem na lembrança um compromisso
que se tenha assumido anteriormente,em seguida lhe vem outro pensamento, o de que lhe poderá  acontecer
se deixar de cumprir o seu compromisso.E assim sucessivamente vão vindo os pensamentos,e nada disto está
em desacordo com a Doutrina Espirita,seja apenas uma questão de interpretação.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Julho de 2013, 14:07
Minha querida irmã Aline,aí está uma tarefa difícil para todos nós,vencer o egoismo;essa erva daninha que é a
causa de tantos sofrimentos nessa nossa caminhada evolutiva.A nossa grande vitória é saber controlar o nosso
eu(ego),pois nele reside o egoismo.A melhor forma de fazê-lo é sendo humilde,praticar o amor e a caridade,é
vendo primeiro o vosso depois o nosso,agindo assim, iremos com certeza levar o egoismo a morte.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Dothy em 11 de Julho de 2013, 16:11
Boa tarde queridos amigos...
Boa tarde Aline.... Ótima escolha do tema para o nosso aprendizado

Desejo um estudo de muita compreensão, paz, entendimento ... E que todos nós estejamos receptivos a estes esclarecimentos sobre os tema estudados

FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME VI
 
Questão 295 comentada
CAPÍTULO 40
0295/LE
SENTIMENTOS DOS A QUEM OFENDEMOS
 
Depois do túmulo, os sentimentos que animam os que ofendemos, se esses ofendidos forem Espíritos inferiores, são de vingança, de ódio e de violência, formando, quando podem, toda ordem de obsessão sobre os ofensores do passado.
Se os ofendidos forem Espíritos elevados, que já conhecem o Evangelho e começaram a praticá-lo, eles não gastam tempo em perseguição. A sua arma de luz é o esquecimento das faltas, passando a orar pelos ofensores e ajudando-os em todos os momentos possíveis.
Podemos observar em "Atos" dos apóstolos, que Estevão foi lapidado por ordem de Saulo de Tarso. Depois de desencarnado, entretanto, passou a guiar Paulo nos caminhos da Luz, porque Estêvão era um anjo a serviço do amor. Mesmo sem ter acompanhado o Cristo na Terra, foi enviado por Ele.
O mal não dá trégua aos que geram o ambiente de discórdia, mas, somente depois que os Espíritos do mal sofrerem as conseqüências dele é que mudam de idéia, e passam a fazer o bem. As sementes do bem são pontos de luz nos caminhos do semeador.
Não alimentemos sentimentos de discórdia, pois ela procurar-nos-á onde estivermos; não alimentemos sentimentos de ciúme, pois ele procurar-nos-á no endereço certo; não alimentemos sentimentos de vingança, pois ela não nos deixará sossegados. As imagens que essas desventuras geram são inferiores e condutoras de desarmonia.
A Doutrina Espírita, como Evangelho em estado de progresso revelador, nos coloca todas as nuances nas quais devemos trabalhar para a aquisição dos valores imortais, despertando em nós as qualidades, como atributos de luz. O ofensor nunca se encontra em paz, mesmo se o ofendido o perdoa, porque, se ele ofendeu, gravou na consciência os dramas da ofensa, e cria inimigos internos que são os piores, pois não aceitam arrependimentos que não se fazem acompanhar da prática e, por vezes, cobram até o último ceitil. Eles são justiceiros.
Muitos espiritistas, quando encontram esse tipo de obsessão, pensam que são Espíritos se vingando, quando, muitas vezes, são as próprias imagens às quais o ofensor deu vida por ignorância. É neste sentido que chamamos sempre a atenção das almas de boa vontade para que, no prosseguimento do processo de arrependimento, coloquem em prática a vivência dos bons costumes e a retidão do caráter, porque a limpeza do mundo interno pode vir com grandes infortúnios e pode atravessar gerações e mais gerações com padecimentos incalculáveis. O Espiritismo veio abonar os novos discípulos do Cristo, mostrando-lhes trabalho e renúncia, incentivando-os a lutarem interna e externamente, no sentido de aliviarem em menos tempo o fardo e o jugo, de modo que a consciência, livre do magnetismo do ódio, lhes confira meios de gozar as delícias do céu, no reino do coração.
Nesse passo, quais os sentimentos que devemos gerar? Não é preciso a ninguém perguntarmos, porque a nossa intuição nos dirá, no ambiente que o Cristo gera em nós, nas bênçãos de Deus. Cada inimigo que recrutamos nos nossos caminhos, são portas de entrada para o inferno da consciência em chamas, e cada amigo que fizermos nas nossas andanças, serão pontos de luz que ajudam a nos libertar das trevas.
Querer morrer para ficar livre dos inimigos é falta de conhecimento da verdade, porque eles, depois do túmulo, estão em maior número. Que cada um comece hoje, agora, a perdoá-los, se os tiver, porque o céu começa a surgir agora, no coração de quem perdoa e ama.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Edna☼ em 11 de Julho de 2013, 18:48
Sentimento e Vontade

#Partindo do princípio de que somos seres espirituais criados simples e ignorantes, mergulhados em um mundo físico, onde como já estudamos, nos serve de grande educandário, e que necessitamos aurir valores, hábitos e atitudes que nos elevem, para que possamos ainda que de forma sutil colaborar na obra do Criador.

#A Ciência Terrena já provou o que nós estudantes do espiritismo já tínhamos conhecimento de que somos energia, emitimos energia, nossos pensamentos consomem glicose em nosso cérebro, logo, toda uma reação fisiológica é desencadeada no organismo, gerando efeitos salutares ou nocivos, conforme o tipo de pensamento que tivermos.

Aline Alarcão, muito bom o tema do mês, pois que o pensamento contínuo é uma grande conquista do ser quando ingressa na fase humana, passando a Espírito.

Trouxe uma mensagem para compartilhar com todos, e espero que esteja sendo colocada no momento oportuno do estudo.



Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro,
tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro,
tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama,
se há alguma virtude e se há algum louvor, nisso pensai.” – Paulo
.
 (Filipenses, 4:8.)


"Todas as obras humanas constituem a resultante do pensamento das criaturas. O mal e o bem, o feio e o belo viveram, antes de tudo, na fonte mental quê os produziu, nos movimentos incessantes da vida.

O Evangelho consubstancia o roteiro generoso para que a mente do homem se renove nos caminhos da espiritualidade superior, proclamando a necessidade de semelhante transformação, rumo aos planos mais altos. Não será tão-somente com os primores intelectuais da Filosofia que o discípulo iniciará seus esforços em realização desse teor.

 Renovar pensamentos não é tão fácil como parece à primeira vista. Demanda muita capacidade de renúncia e profunda dominação de si mesmo, qualidades que o homem não consegue alcançar sem trabalho e sacrifício do coração.

É por isso que muitos servidores modificam expressões verbais, julgando que refundiram pensamentos. Todavia, no instante de recapitular, pela repetição das circunstâncias, as experiências redentoras, encontram, de novo, análogas perturbações, porque os obstáculos e as sombras permanecem na mente, quais fantasmas ocultos.

Pensar é criar. A realidade dessa criação pode não exteriorizar-se, de súbito, no campo dos efeitos transitórios, mas o objeto formado pelo poder mental vive no mundo íntimo, exigindo cuidados especiais para o esforço de continuidade ou extinção.

O conselho de Paulo aos filipenses apresenta sublime conteúdo. Os discípulos que puderem compreender-lhe a essência profunda, buscando ver o lado verdadeiro, honesto, justo, puro e amável de todas as coisas, cultivando-o, em cada dia, terão encontrado a divina equação."

Pelo Espírito de Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Abraços fraternos,

Edna ;)

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 11 de Julho de 2013, 19:08

Meu nobre(nobre na alma...................................
..................................................questão de interpretação.
Fique na paz.



Caro amigo Antonio,

É preciso entendermos, em primeiro lugar, que a nossa opinião pessoal, a nossa maneira própria de ver e sentir o mundo, não é regra geral, não é uma Verdade que sirva para todos.

Se o amigo Antonio e o amigo Conforti sentem seus pensamentos como uma espécie de confusão mental sobre a qual os amigos não têm nenhum controle, isso não quer dizer que seja assim para todos os outros Espíritos encarnados.

Temos que ter a humildade de aceitar que a Verdade está nas palavras ditadas pelos Espíritos Superiores e que estão contidas na Doutrina Espírita e não em nossas opiniões pessoais de espíritos ainda muito atrasados.


Voltando ao assunto do tópico:

                                         
Sentimento — conquista evolutiva para aquisições íntimas. 

Na acústica da alma existem mensagens sobre o Plano do Criador para nosso  destino. Aprender  a ouvi‐las e exercitar,  diariamente,  a plena  atenção aos ditames libertadores dos sentimentos.  Interferências internas e externas subtraem‐nos,  constantemente, a apreensão desses “recados do coração”.  Escutar os sentimentos não significa adotá‐los prontamente. Mas aceitá‐los em nossa intimidade e criar uma relação amigável com todos eles. Aceitá‐los sem reprimir  ou  se envergonhar. Essa atitude é o primeiro passo  para um diálogo  educativo com nosso mundo íntimo. Somente assim teremos uma conexão com nossa real identidade psicológica,  possibilitando a rica aventura do  auto-descobrimento  no rumo  da singularidade — a identidade cósmica do Espírito.  Escutar  os sentimentos é cuidar de si, amar  a si mesmo. É uma mudança de atitude consigo.  O  ato de existir ocorre nos sentimentos.  Quem pensa corretamente sobrevive; quem sente nobremente existe.
O pensamento é a janela para a realidade; o  sentimento é o ponto de encontro com a Verdade. É pela nossa forma de sentir a vida que nos tornamos singulares, únicos e celebramos a individualidade. Quando entramos em sintonia com nossa exclusividade e manifestamos o que somos, a felicidade acontece em nossas vidas.  O sentimento é a maior conquista evolutiva do Espírito. Aprendendo a escutá‐lo,  estaremos entendendo melhor a nossa alma. Não existe um só sentimento que não tenha importância no processo do crescimento pessoal.
Quando digo a mim mesmo “não  posso sentir isto”, simplesmente estou desprezando a oportunidade de auto-investigação,de saber qual é ou quais são as mensagens profundas da vida mental. O exercício do auto-amor está em aprender a ouvir a “voz do coração”, pois nele residem os ditames para nossa paz e harmonia.  Os  sentimentos são  guias infalíveis da alma na sua busca de ascensão  e liberdade. O auto-amor consiste na arte de aprender a escutá‐los, estudar a linguagem do  coração. Pela linguagem dos sentimentos,  entendemos o “apoio” do  universo  a nosso  favor. Mas como seguir nossos sentimentos com tantas ilusões? Eis a ingente tarefa de nossos grêmios de amor  espírita‐cristão:  educar  para ouvir os nossos sentimentos.  Radiografar nosso coração. Desenvolver estudos sistematizados de si mesmo.  Temos nos esforçados tanto  quanto  possível  para aplicar  as orientações da doutrina com nosso  próximo. Mas...  E nós?  Como  cuidar  de nós próprios? A proposta libertadora de Jesus estabelece: “amai ao próximo”, e acrescenta:”como a ti mesmo”.

                                                   ESCUTANDO SENTIMENTOS
                                                               
                                                          WANDERLEY S. DE OLIVEIRA pelo Espírito ERMANCE DUFAUX
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 11 de Julho de 2013, 19:09
Olá Dothy e Edna...
Sejam muito bem vindas a este estudo...
Os textos são muito oportunos, fiquem à vontade, continuem colaborando e estudando conosco!
Abraços afetuosos!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 11 de Julho de 2013, 19:30
Você nasceu no lar que precisava nascer, vestiu o corpo físico que merecia, mora onde melhor Deus te proporcionou, de acordo com o teu adiantamento.
 Você possui os recursos financeiros coerentes com tuas necessidades… nem mais, nem menos, mas o justo para as tuas lutas terrenas.
 Seu ambiente de trabalho é o que você elegeu espontaneamente para a sua realização.
 Teus parentes e amigos são as almas que você mesmo atraiu, com tua própria afinidade.
 Portanto, teu destino está constantemente sob teu controle.
 Você escolhe, recolhe, elege, atrai, busca, expulsa, modifica tudo aquilo que te rodeia a existência.
 Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitudes. São as fontes de atração e repulsão na jornada da tua vivência.
 Não reclame, nem se faça de vítima. Antes de tudo, analisa e observa.
 A mudança está em tuas mãos.
 Reprograma tua meta, busca o bem e você viverá melhor.
 Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.”

 Chico Xavier (1910-2002)
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 11 de Julho de 2013, 23:05
      Amigos,

      A base do espiritismo é o cristianismo e, neste, claramente se afirma q os pensamentos e, consequentemente as vontades/desejos deles originados e, ainda consequentemente, as escolhas não são nossas. Devido a isso, o cristianismo até mesmo afirma q "nossas" obras não são nossas; apenas, acreditamos q são.
........................

     
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: macili em 12 de Julho de 2013, 04:40
Olá Amiga Aline e a todos do estudo...

Falando um pouco mais do egoísmo...

***

Uma Vida Idealizada: O Pior Efeito do Egoísmo na Vida Mental

(http://www.wanderleyoliveira.blog.br/images/stories/ARTIGOS/personalismo_humildade.jpg)


Falamos muito em egoísmo no Espiritismo, mas nem sempre estudamos a verdade contida no que o mundo espiritual, desde o trabalho de Allan Kardec, tem ensinado sobre esse sentimento que se tornou uma doença ao longo de nossas reencarnações.
Vamos fazer algumas considerações sobre o tema.
Um dos hábitos mais enraizados que o egoísmo moldou na vida mental é o de satisfazer nossos desejos e interesses, custem o preço que custarem. Isso se chama personalismo. Eis alguns conceitos de personalismo: supervalorização de si mesmo, paixão crônica com tudo que parta de nós, vício de evidência pessoal.
Hoje, quando queremos mudar nossa forma de pensar e de ser através da reforma íntima, temos uma forte tendência consolidada que é transportada também aos ideais de renovação. É assim que se inicia uma batalha interior entre o que somos e o que queremos ser. Como não conseguimos ser quem gostaríamos, de uma hora para outra, experimentamos uma sofreguidão com o fato de ter que nos deparar com quem somos. Há uma acentuada inaceitação de si mesmo e um dilacerante clima de conflito e impaciência com nossa realidade.
Nesse contexto emocional, percebemos claramente que a renovação não poderá ser feita da mesma forma que aplicávamos aos nossos caprichos pessoais. Não há um modo de satisfazer esse desejo de mudar a preço de ilusões ou queimando etapas. Renovação exige suor e muitas vezes as lágrimas. Ainda assim, o personalismo que é uma expressão doentia do egoísmo nos causará muitas vivências dolorosas e que necessitam de orientação e ajuda para serem superadas.
Diante desse conflito interior entre quem somos e quem queremos ser, surge a idealização, e deflagra-se o choque entre EU REAL X EU IDEAL. O eu real é o que sentimos que somos e o ideal é o que pensamos que somos. É daí que surgem as chamadas máscaras com quais escondemos o que sentimos por conta do que pensamos a respeito das normas de convivência social.
O sentimento que gerencia todo esse mecanismo na vida mental é o auxiliar principal do egoísmo, chama-se orgulho, isto é, o sentimento de superioridade pessoal. O orgulho, no dizer de Ermance Dufaux, em seu livro “Mereça ser Feliz”, Editora Dufaux, é uma defesa contra a nossa milenar sensação de inferioridade. Precisamos dele para amortecer a dor que nos faz sentir não ter utilidade ou valia diante desse convite da vida, para avançar por meio da transformação interior. É esse orgulho que projeta e constrói a chamada vida idealizada.
A vida idealizada é um conjunto de ilusões que construímos a respeito de tudo que nos cerca, por exemplo: sobre como deveria ser o nosso casamento, como deveriam ser os nossos filhos e o que eles deveriam fazer, como deveria ser o nosso centro espírita, como deveria agir um determinado líder da doutrina ou um irmão de ideal, enfim, sobre como a vida e as pessoas deveriam ser. A vida idealizada é, sem dúvida, o pior efeito do egoísmo na vida mental para quem agasalha o ideal da renovação interior. Seremos magoados muitas vezes por conta dessa doença, porque ninguém e nem a vida existem para atender nossas expectativas.
Fiz uma descrição no quadro de autoconhecimento anexo sobre algumas diferenças de uma pessoa sintonizada na humildade, em clima espiritual de aceitação e naturalidade, e uma pessoa que idealiza, escrava do egoísmo. Faça uso e reflita qual a sua situação em relação às características de cada um e em qual você se enquadra.
No livro “Mereça ser Feliz – superando as ilusões do orgulho”, a autora espiritual nos oferece, no capítulo “Personalismo, a Lupa do Orgulho”, uma lista de atitudes que poderão ser um bom começo na reeducação de nossas tendências egoísticas e, por conseqüência, a diluição de uma vida idealizada.

Reflitamos:





Fonte: Reforma Íntima em Curso
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 12 de Julho de 2013, 04:53
Meus irmãos.Os esforços continuo que fazemos para dominar as nossas más tendências,nos
levam mais e mais ao aprofundamento do conhecimento da própria vida.Somos muito imper-
-feitos ainda para entendermos porque nos acontecem determinadas coisas,as quais não a
queremos ou não aceitamos.Buscamos então através dos bons pensamentos as coisas que
nos fazem bem pelas boas ações que podemos praticar.Entretanto mesmo na prática do
bem,não conseguimos evitar que nos venham maus pensamentos,muito embora pela compre-
-ensão que temos baseados no conhecimento da Doutrina Espirita e na elevação moral que
já conseguimos ter descartamos esses maus pensamentos.
Somos sim produtos do meio em que vivemos,mas se procurarmos entender melhor e aceitar-
-mos tudo aquilo que nos acontecem,estaremos bem melhores diante de Deus,pois foi pela
sua vontade e na pela nossa esses acontecimentos.
Quiçá podessemos todos nós ter a capacidade de todos nós ter a capacidade de só produzir
em nossas mentes,tão somente os bons pensamentos,seriamos perfeitos,assim como são os
espíritos que já atingiram a perfeição.Portanto meus irmãos,continuemos firmes na nossa caminhada evolutiva procurando sempre fazer o bem,pelas boas ações que podemos praticar.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: macili em 12 de Julho de 2013, 06:24
Olá Amigo Antonio Renato,

Esforcemo-nos para gradativamente dominarmos nossos sentimentos inferiores, procedermos nossa reforma íntima, sem martírio, pois a natureza não dá saltos... visando nossa harmonia interior, nossa paz de espírito...   Abçs fraternos...

***

Estudando a Arrogância I


"Assim não deve ser entre vós, ao contrário, aquele que
quiser tornar-se maior, seja vosso servo; - e, aquele
que quiser ser o primeiro entre vós seja vosso escravo."
Mateus, 20:20-28
O Evangelho Segundo o Espiritismo - cap. VII - item 4


Arrogância, eis um tema de extrema importância para ser meditado em nossos núcleos de amor cristão.
Tenho arrogância? Como descobri-la? O que é arrogância? Um sentimento ou uma atitude? Qual a sua origem? Como se manifesta? Como perceber a atitude arrogante? Que fazer para superar essa doença moral? Como espíritas somos arrogantes? Como? Por que existe ainda a arrogância em nossa conduta, apesar do conhecimento doutrinário?

Os Sábios Guias da Verdade oportunamente responderam ao senhor Allan Kardec:

"De todas as imperfeições humanas, o egoísmo é a mais difícil de desenraizar-se porque deriva da influência da matéria, influência de que o homem, ainda muito próximo de sua origem, não pôde libertar-se e para cujo entretenimento tudo concorre suas leis, sua organização social, sua educação".

O estudo do sentimento de egoísmo constitui elemento fundamental no entendimento de nossas necessidades espirituais. Significa estudar nossa própria história evolutiva. A sutil diferença entre pensar excessivamente em si e pensar em si com benevolência pode determinar a natureza de todos os sentimentos humanos. O excesso de interesse por si mesmo é um ciclo de ilusões que se repete sustentando o auto desamor em milênios de perturbação. A benevolência é a bondade efetiva que caminha de braços dados com a edificação da paz interior.

O codificador ponderou: "Não; a paixão está no excesso de que se acresceu a vontade, visto que o princípio que lhe dá origem foi posto no homem para o bem, tanto que as paixões podem levá-lo à realização de grandes coisas. O abuso que delas se faz é que causa o mal" (O Livro dos Espíritos - questão 907 - comentário de Allan Kardec).

Na fieira do tempo o egoísmo sofreu mutações infinitas que compõem a versatilidade de toda a estrutura sentimental do Ser. O abuso desses "germens de luz" tem constituído entrave ao longo dos tempos. A paixão - ausência de domínio sob gerência da vontade - ensejou reflexos perniciosos, cujas raízes encontram-se no egocentrismo - o estado mental de fechamento das nossas próprias criações.

Nessas linhas de evolução, o instinto de conservação desenvolveu a posse como sinônimo de proteção, vindo a constituir o núcleo da tormenta humana como asseveram acima os Sábios Orientadores da Verdade: "(...) o egoísmo é a mais difícil de desenraizar-se porque deriva da influência da matéria (...)".

Alicerçados na necessidade apaixonada de proteção material, enlouquecemos através da posse e a conduta arrogante ensejou-nos a concretização dessa atitude de egoísmo.

O princípio que gera a arrogância foi colocado no homem para o bem. É a ânsia de crescer e realizar-se. O impulso para progredir. O instinto de conservação que prevê a proteção, a defesa. Tais princípios são os fatores de motivação para a coragem, a ousadia, o encanto com os desafios. Graças a eles surgem os líderes, o idealismo e as grandes realizações inspiradas em visões ampliadas do futuro. O excesso de tudo isso, no entanto, criou a paixão. A paixão gerou o vício. O vício patrocinou o desequilíbrio.

Comparemos o egoísmo como sendo o vírus e a arrogância a doença, seus efeitos nocivos e destruidores. Arrogância, "qualidade ou caráter de quem, por suposta superioridade moral, social, intelectual ou de comportamento, assume atitude prepotente ou de desprezo com relação aos outros; orgulho ostensivo, altivez". Esse o conceito dos dicionários humanos. (Dicionário Houaiss).

No sentido espiritual podemos inferir vários conceitos para o sentimento de arrogar. Vejamos alguns: exacerbada estima a si mesmo. Supervalorização de si. Autoconceito super dimensionado. Desejo compulsivo de se impor aos demais.

O egoísmo é o sentimento básico. Arrogância é a atitude íntima derivada desse alicerce de sensações nascidas no coração ocupado, exclusivamente, com seu ego. Uma compulsiva necessidade de ser o primeiro, o melhor, manifestada através de um cortejo de pensamentos, emoções, sensações e condutas que determinam o raio espiritual no qual a criatura transita.

Asseveram os Sábios Guias: "(...) a paixão está no excesso de que se acresceu a vontade, visto que o princípio que lhe dá origem foi posto no homem para o bem, tanto que as paixões podem levá-lo à realização de grandes coisas. O abuso que delas se faz é que causa o mal".

Façamos um pequeno gráfico. Escreva a palavra arrogância e a circule. Agora faça quatro traços nos pontos cardeais e escreva: rigidez, competição, imprudência, prepotência. Novamente faça um círculo em torno desses pontos e escreva: estado orgulhoso de ser. Feche um novo círculo. Essas são as quatro ações mais perceptíveis em decorrência do ato de arrogar que estruturam expressiva maioria dos estados psicológicos e emocionais do Ser. A partir desse estado orgulhoso de ser, podemos perceber um quadro mental de rígida autossuficiência, do qual nascem as ilusões e os equívocos da caminhada humana, arrojando-nos aos despenhadeiros da insanidade aceitável e da rivalidade envernizada.

O traço predominante na personalidade arrogante é a não conformidade. Usada com equilíbrio, é fonte de crescimento e progresso. Todavia, sob ação dos reflexos da posse e do interesse pessoal, que marcaram, acentuadamente, nossas reencarnações, esse traço atingiu o patamar de rebeldia e obstinação enfermiça. A rebeldia tornou-se um condicionamento psicológico que dilata as ações da arrogância. Uma lente de aumento que decuplica e acelera as mutações da autossuficiência.

Estudemos, portanto, as atitudes pilares da arrogância sob as lentes da rebeldia.

A rigidez é a raiz das condutas autoritárias e da teimosia que, frequentemente, desaguam nos comportamentos de intolerância. Sob ação da rebeldia, patrocina o desrespeito ao Livre-arbítrio alheio e alimentam constantemente o melindre por a vida não ser como ele gostaria que fosse.

A competição não existe sem a comparação e o impulso de disputa. Quando tomado pela paixão, a força motriz de semelhante ação é o sentimento de inveja. Na mira da rebeldia, causa o menosprezo e a indiferença que tenta empanar o brilho de outrem. A competição é o alimento do sentimento de superioridade.

A imprudência é marcada pela ousadia transgressora que não teme e nem respeita os limites. Quase sempre, essa inquietude da alma alcança o perfeccionismo e a ansiedade que, frequentemente, desaguam na necessidade de controle e domínio. Consubstanciam modos rebeldes de ser. Desejo de hegemonia. Sentimento de poder.

A prepotência é um efeito natural da perspicácia que pode insuflar a megalomania, a presunção. Juntos formam o piso da vaidade. A rebeldia, nesse passo, conduz uma desmedida necessidade de fixar-se em certezas que adornam posturas de infalibilidade.

Conforme o temperamento e a história espiritual particular, a arrogância manifesta-se com maior ou menor ênfase em uma das quatro ações descritas, criando efeitos variados no comportamento. Apesar disso, a cadeia de reflexos íntimos é muito similar.

Egoísmo que na sua mutação transforma-se em arrogância; essa, por sua vez, deriva um cortejo de outros sentimentos sob ação do orgulho e da rebeldia.

A arrogância retira-nos o "senso de realidade". Acreditamos mais naquilo que pensamos sobre o mundo e as pessoas do que naquilo que são realmente. Por essa razão, esse processo da vida mental consolida-se como piso de inumeráveis psicopatologias da classificação humana. A alteração da percepção do pensamento é o fator gerador dos mais severos transtornos psiquiátricos. São as manifestações enfermiças do eu na direção do narcisismo. Na rigidez, eu controlo. Na competição, eu sou maior. Na imprudência, eu quero. Na prepotência, eu posso. A arrogância pensa a vida e ao pensa-la, afasta-nos dos nossos sentimentos.

Essa desconexão com a realidade estabelece a presença contínua das fantasias no funcionamento mental, isto é, a "interpretação ou imagem desvirtuada" que a pessoa alimenta acerca de fatos, pessoas e coisas. Nesse passo existem dois tios psicológicos mais comuns. A arrogância voltada para o passado, quando há uma fixação em mágoas decorrentes da inaceitação de ocorrências que na sua excessiva autovalorização, o arrogante acredita não merece-las. O outro tipo é a arrogância dirigida ao futuro, quando a criatura vive de ideais, no mundo das ideias, acreditando-se mais capaz e valorosa que realmente o é. Passível de realizar grandes e importantes missões, tais "deslocamentos da mente" são formas de evadir de algo difícil de aceitar no presente. De alguma maneira, constituem mecanismos protetores, todavia, quando se prolongam demasiadamente, podem gerar enfermidades psíquicas. A depressão é resultado da arrogância voltada ao passado. E a psicose em relação ao futuro.

Interessante observar que uma das propriedades psicológicas doentias mais presentes na estrutura rebelde da arrogância é a incapacidade para percebe-la. O efeito mais habitual de sua ação na mente humana. Basta destacar que dificilmente aceitamos ser adjetivados de arrogantes. Entretanto, um estudo minucioso nos levará a concluir que, raríssimas vezes na Terra, encontraremos condutas livres dessa velha patologia moral.



(segue)
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: macili em 12 de Julho de 2013, 06:39
(continuação)



Relacionemos outros efeitos dessa doença:
1.   Perda do autodomínio.
2.   Apego a convicções pessoais.
3.   Gosto por julgar e rotular a conduta alheia.
4.   Necessidade de exercício do poder.
5.   Rejeição a críticas ou questionamentos.
6.   Negação de sentimentos.
7.   Ter resposta para tudo.
8.   Desprezo aos esforços alheios.
9.   Imponência nas expressões corporais.
10. Personalismo.
11. Autossuficiência nas decisões.
12. Bloqueio na habilidade na empatia.
13. Incapacita para a alteridade.
14. Turva o afeto.
15. Acredita que pode mais do que realmente é capaz.
16. Buscar mais do que necessita.
17. Querer ir além de seus limites.
18. Exigir mais do que consegue.
19. Sentir que somos especiais pelo bem que fazemos.
20. Supor que temos a capacidade de dizer o que é certo e errado para os outros.
21. Sentir-se com direitos e qualidades em função do tempo de doutrina e da folha de
      serviços.
22. Acreditar que temos a melhor percepção sobre as responsabilidades que nos são
      entregues em nome do Cristo.
23. Julgar-se apto a conhecer o que se passa no íntimo de nosso próximo.
24. Desprezar o valor alheio.


A ausência de consciência sobre esse sentimento e suas manifestações de rebeldia tem sido responsável por inúmeros acidentes da vida interpessoal. Mesmo entre os seguidores das orientações do Evangelho, solapam as mais caras afeições, levando muita vez a tomar os amigos como autênticos adversários como destaca a questão 917 de O Livro dos Espíritos.

"Quando compreender bem que no egoísmo reside uma dessas causas, a que gera o orgulho, a ambição, a cupidez, a inveja, o ódio, o ciúme, que a cada momento o magoam, a que perturba todas as relações sociais, provoca as dissensões, aniquila a confiança, a que obriga a se manter constantemente na defensiva contra o seu vizinho, enfim a que do amigo faz inimigo, ele compreenderá também que esse vício é incompatível com a sua felicidade e, podemos mesmo acrescentar, com a sua própria segurança".

Ter autoconsciência é uma das habilidades da inteligência emocional. Saber dar nome aos nossos sentimentos é fundamental no processo de crescimento e reforma interior.

A arrogância que costumamos rejeitar como característica de nossa personalidade é responsável por uma dinâmica metamorfose dos sentimentos. A ignorância de seus efeitos em nossa vida é explorada pelos gênios astutos da perversidade no planeta.

Necessário registrar que os apontamentos sobre a arrogância aqui transcritos foram embasados no livro Porta Larga, o caminho da perdição humana. Um exemplar utilizado nas escolas da maldade em núcleos organizados da erraticidade, arquivado na biblioteca do Hospital Esperança quando seu próprio autor foi resgatado e socorrido por Eurípedes Barsanulfo há algumas décadas. Hoje reencarnado no seio do Espiritismo, esse escritor das penas vãs busca sua redenção na luta contra sua própria arrogância. O gráfico que sugerimos, também da autoria de nosso irmão, é usado em inúmeras plataformas de estudos com finalidades hegemônicas em clãs a perversidade.

O livro, que ainda permanece arquivado em nosso centro de estudos, é um exemplar de inteligência psicológica cujo propósito é combater a mensagem evangélica do Cristo embasada na humildade. Segundo o autor, a arrogância é a porta larga para implantação do caos no orbe terreno.

"Assim não deve ser entre vós, ao contrário, aquele que quiser tornar-se o maior, seja vosso servo; - e, aquele que quiser ser o primeiro entre vós seja vosso escravo".

Por que essa compulsão por ser o maior em uma obra que não nos pertence? Se a obra é do Cristo, por que a antefraternidade?

Considerando tais reflexões acerca dessa doença dos costumes, teçamos algumas ponderações que nos motivem a algumas autoaferições à luz da claridade espírita.

Arrogância    - Intolerância, inveja, poder, vaidade.
Intolerância  - autoritarismo e teimosia.
Inveja           - impulso de disputa e comparação.
Poder            - perfeccionismo e ansiedade.
Vaidade         - Megalomania e presunção.




por Ermance Dufaux
Médium Wanderley S. de Oliveira
Obra: Escutando Sentimentos
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 12 de Julho de 2013, 07:14

Somos aquilo que sentimos. As máscaras não destroem essa realidade. Quando aprendemos o auto-amor, abandonamos o “crítico interno” que existe em nós e passamos a exercer a generosidade do auto-perdão, ou seja, a aceitação incondicional da criatura
ainda imperfeita que somos. Nossa integração com a Verdade depende do conhecimento  dessa realidade particular: escutar a alma! Ela se manifesta na consciência cujos
sentimentos constituem o espelho. Através das sensações, no seu sentido mais amplo, a
alma se manifesta.
Escutando a alma, conectados à sua sabedoria interior, desligamos dos padrões, normas,  ambientes, pessoas e filosofias contrárias à nossa felicidade e inadequadas ao caminho particular de aprimoramento. Saber o que nos convêm, saber o que é útil, exige dilatado discernimento aliado ao tempo. Quando usamos os rótulos certo/errado, fomentamos a culpa e a punição. Quando sabemos o que nos convém, agimos e escolhemos com  responsabilidade na condição de autores do nosso destino. Quando amadurecemos, percebemos que certo e errado se tornam formas de entender, experiências diversificadas.
O  caminho de ascensão  para todos nós, Filhos de Deus, é o mesmo, apenas muda a maneira de caminhar. Cada criatura tem seu  passo, seu  ritmo, sua história. Refletindo sobre conceitos, teçamos algumas ilações para que não nos confundamos: grande distância separa o processo de individuação da atitude de individualismo. 
Na individuação encontramos a necessidade, enquanto no individualismo temos a prevalência do interesse pessoal. 
Na individuação temos a alma; no individualismo, a personalidade. 
Na individuação temos a consciência; no individualismo, o ego.
Na individuação  existem descoberta e criatividade;  no individualismo,  a
imitação e a disputa.
Na individuação temos o preparo e o amadurecimento; no individualismo, a precipitação.
Na individuação experimentamos a realização pessoal; no individualismo, a insaciedade.
A individuação é fruto do amor; o individualismo é a leira do egoísmo.
Na individuação  floresce o crescimento espiritual; o individualismo é a sementeira do egoísmo.
O individualista, queira ou não, também caminha em seu processo de individuação.  Evidentemente, com menos consciência e suas reais necessidades, permitindo larga soma de interesses particularistas.

                                 ESCUTANDO SENTIMENTOS[size=78%] [/size]                                                                                                        WANDERLEY S. DE OLIVEIRA pelo Espírito ERMANCE DUFAUX

[/size][size=78%]                                [/size]
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: hcancela em 12 de Julho de 2013, 09:58
      Amigos,

      A base do espiritismo é o cristianismo e, neste, claramente se afirma q os pensamentos e, consequentemente as vontades/desejos deles originados e, ainda consequentemente, as escolhas não são nossas. Devido a isso, o cristianismo até mesmo afirma q "nossas" obras não são nossas; apenas, acreditamos q são.
........................

     
Olá Conforti

Tudo diferente que nos mostra o Espiritismo.

Espiritismo" Ciência,Filosófica de consequências morais", que tem como guia e modelo(em termos explicativos)Jesus. Aquilo que dizes nos mostra mais uma religião, que não é verdade.O Espiritismo bem estudado nos leva ao conhecimento.Lembro Jesus" Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.Simples assim.

Abraços
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 12 de Julho de 2013, 14:13
Minha querida irmã Macili,muito bem colocado esse estudo da arrogância,ela nos vem quando
exaltamos o nosso ego pelo sentimento do egoismo.Ao controlarmos os nossos impulsos e
as nossas vontades excessivas,damos um grande passo no controle do nosso "Eu".As pai-
-xões sentidas sem que possamos transforma-las, geram em nós sentimentos que não deve-
-mos ter.É o pensamento arraigado em nós de que somos bem melhores dos que têm menos
conhecimento,que nos leva a uma arrogância sem sentido,nos fazem ser intolerantes e prepo-
-tentes. É pela prática do amor e com humildade que chegamos a Deus,sem esses atributos
torna-se impossível chegar até ele.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: macili em 12 de Julho de 2013, 21:21
Olá queridos Amigos deste estudo...

Continuando a estudar a Arrogância...

***

Estudando a Arrogância II


"Não procureis, pois, na Terra, os primeiros lugares,
nem vos colocar acima dos outros, se não quiserdes ser
obrigados a descer. Buscai, ao contrário, o lugar mais
humilde e mais modesto, porquanto Deus saberá
dar-vos um mais elevado no Céu, se o merecerdes".
O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo VII - Item 6.



"E chegou a Cafarnaum e, entrando em casa, perguntou-lhes: Que estáveis vós discutindo pelo caminho? Mas eles calaram-se; porque pelo caminho tinham disputado entre si qual era o maior" (Marcos 9:33 e 34).

Esse cenário da época do Cristo ainda se repete entre nós até hoje. De forma velada, sutil, sob indução do reflexo de arrogância e suas consequentes máscaras, ainda disputamos maioridade em relação a quem partilha conosco o trabalho do bem.

O reflexo mais saliente do ato de arrogar é a disputa pela apropriação da Verdade. Nossa necessidade compulsiva de estarmos sempre com a razão demonstra a ação egoísta pela posse da Verdade, isto é, daquilo que chancelamos como sendo a Verdade. De posse dessa sensação orgulhosa de possuir o "certo" em nosso ponto de vista, há milênios adotam as condutas que nos causam a agradável ilusão de possuirmos autoridade suficiente para julgar com precisão a vida alheia.

É com base nesse estado orgulhoso de ser que sustentamos o velho processo psíquico de autofascinação com o qual nutrimos exacerbada convicção nas opiniões pessoais especialmente em se tratando das intenções e atitudes do próximo. Na raiz desse mecanismo psicológico encontra-se a neurótica necessidade de sentirmos superiores uns em relação aos outros, a disputa.

O orgulho é o sentimento de superioridade pessoal e a arrogância é a expressão doentia desse traço moral.

Iluminados pela Doutrina Espírita, não desejamos mais o mal de outrem. Enobrecidos pelas boas intenções, já nos qualificamos para operar algo de útil em favor do bem alheio, contudo, os reflexos mentais do orgulho ainda não nos permitem vencer o sentimento de importância pessoal. Reconhecer pelo coração o valor alheio na Obra do Cristo ainda constitui um enorme desafio educativo para nossas almas.

A mais destruidora atitude na convivência humana é nossa arrogância de acreditar convictamente no julgamento que fazemos acerca de nosso próximo. Mesmo imbuídos de intenções solidárias, somos néscios em matéria de limites nas relações humanas. Quase sempre somos assaltados por velhos ímpetos arquivados na bagagem da vida afetia que nos inclinam a atitudes de invasão e desrespeito para com o semelhante.

"Assim não deve ser entre vós; ao contrário, aquele que quiser tornar-se o maior, seja vosso servo"; O que faz uma pessoa importante é a sua capacidade de servir, realizar. O impulso para ser útil, edificar; superar limites, alcançar novos patamares de conquistas. É o mesmo princípio originário da arrogância. Entretanto, invertendo a ordem, desenvolvemos a destrutiva acomodação em ser servido.

"Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também" (João, 13:14 e 15)
.

Jesus é o grande exemplo de servidor. Para Ele, lavar os pés dos discípulos não era diminuir, mas avançar. Ele naquele episódio, demonstra possuir consciência lúcida de Sua real condição íntima, portanto, não Se sentiu menor com o ato de servir. Nossa grande dificuldade reside em desconhecer nosso real "tamanho evolutivo". Não sabemos quem somos e partimos para adotar referências para fora de nós. Por isso não discutamos quem é o maior conosco e sim o próximo. E para que essa disputa seja "legítima", criamos o hábito de julgar através da apropriação da verdade. Diminuindo o outro, sentimo-nos maiores.

Humildade é saber quem se é. Nem mais, nem menos. É o estado da mente que se despe das comparações para fora e passa a comparar-se consigo própria, mensurando a realidade de si mesma. Quem se compara com o outro cria a tormenta e não descobriu sua singularidade, seu valor pessoal. Não se ama e, por isso mesmo, necessita compulsivamente estabelecer disputas, incendiando-se de inveja e colecionando rótulos inspirados em irretorquíveis certezas pessoais.

Quando nos abrimos para legitimar a humildade em nossas vidas, adotamo-nos como somos, aceitamos nossas imperfeições. Aprendendo a gostar de nós, eliminamos a ansiedade de competir para denegrir ou excluir. Quando nos amamos, a ânsia de progredir transforma-se em fornalha crepitante de entusiasmo, distanciando-nos da atitude patológica de prestígio ou reconhecimento.

Somente no clima do auto amor elencamos condições essenciais para analisar as tarefas doutrinárias como campo de oportunidade e aprendizado, crescimento e libertação. Sem auto amor e respeito aos semelhantes, vamos repetir a velha cena do Evangelho para saber quem é o maior.

"Não procureis, pois, na Terra, os primeiros lugares, nem vos colocar acima dos outros, se não quiserdes ser obrigados a descer. Buscai, ao contrário, o lugar mais humilde e mais modesto, por quando Deus saberá dar-vos um mais elevado no Céu, se o merecerdes".

Porque essa compulsão por ser o primeiro em uma obra que não nos pertence? Na Obra de nosso Mestre há tarefas e lugares para todos. "(...) Deus saberá dar-vos um mais elevado no Céu,, se o merecerdes".

Tarefas maiores, à luz da mensagem do Cristo, não significam prorrogativas para adoção de privilégios ou garantia de autoridade. A expressividade da responsabilidade na Obra do Cristo obedece a dois fatores: necessidade de remissão perante a consciência e merecimento adquirido pela preparação. Em ambas as situações predomina uma só receita para o aproveitamento da oportunidade: o esforço, sacrifício, renúncia e humildade.

Sobre os ombros daqueles que realçam e brilham no movimento doutrinário pesam severos compromissos interiores perante suas consciências. Compromissos que, certamente, não daríamos conta por agora. Portanto, repensemos nosso foco sobre quantos estejam assoberbados com tarefas de realce, analisando seus caminhos com a espinhosa senda corretiva, repleta de desafios e inquietantes angústias da alma.

Quem se impressiona com o brilho de suas ações se surpreenderia ao conhecer a intensidade dos incômodos e cobranças íntimas que lhos absorvem a consciência ante a grandeza de suas realizações. Ninguém imagina a natureza das tormentas que experimentam os corações sinceros para aprenderem a lidar com o assédio das multidões, atribuindo-lhes virtudes ou qualidades que eles sabem ainda não possuírem. Quanta angústia verte entre o aplauso de fora e as lutas a vencer na sua intimidade.

Não existem pessoas mais ou menos valiosas no serviço de implantação do bem na Terra. Existem resultados mais abrangentes e expressivos que outros, no entanto, não conferem privilégios ou são sinônimos de sossego interior aos seus autores. Existem inúmeros trabalhadores da Doutrina que exercem excelente atuação com invejável rendimento e sentem-se de alma oprimida. Realizam a preço de sacrifícios hercúleos. Outros tantos, com menor expressividade na sua produtividade espiritual, alcançam níveis incomuns de alegria e bem-estar com a vida. Ainda existem aqueles que muito realizam e experimentam uma sensação de grandeza e importância pessoal.

A obra é importante. Nossa participação, por mais significativa, é como destaca Constantino, Espírito Protetor: "Bons espíritas, meus bem-amados, sois todos obreiros da última hora" (O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XX - item 2).




(segue)

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: macili em 12 de Julho de 2013, 21:22
(continuação)




Uma das mais graves angústias dos espíritas internados no Hospital  Esperança é revolta que nutrem contra si mesmos quando conscientizam não serem tão essenciais e importantes quanto supunham no plano físico. Vários se entorpeceram com os efeitos sutis e envernizados da arrogância, acreditando-se indispensáveis, missionários e credores de vantagens em razão das realizações espirituais. Acalentaram expectativas fantasiosas com o desencarne e tombaram na enfermidade do personalismo. Quase sempre, constituem pesado ônus na rotina do Hospital, pois, mesmo aqui, ainda continuam suas disputas inglórias e exigências descabidas com base em suas supostas credenciais de elevação moral, obrigando-nos, algumas vezes, a tomar medidas austeras para tratar-lhes a insolência viciada...

Por mais nobre que seja a tarefa a nós entregue na seara, recordemos os méritos devem ser transferidos para a causa do nosso Mestre. Lutamos todos pela causa do amor, a humanidade redimida. Deveremos periodicamente nos perguntar: que tenho feito dos bens celestes a mim confiados? Cargos, mediunidade, recursos financeiros, influência pelo verbo, a arte de escrever, o talento de administrar, a força física, a saúde, a inteligência, enfim todos os bens com os quais podemos enriquecer nossa caminhada de espiritualização. Estarei os utilizando para o crescimento pessoal e de outros? Consigo perceber minha melhora no uso desses recursos?

A diluição dos efeitos da arrogância em nós depende dessa atitude honesta em lidar com os sentimentos que orbitam na esfera desse reflexo cristalizado no campo mental. Essa honestidade emocional inicia-se com as perguntas: Por que estou sentindo o que estou sentindo? Qual o nome desse sentimento? Qual a mensagem meu coração está me indicando? Estarei disputando com alguém nas atividades? O que penso sobre meu semelhante será realmente a verdade? Por qual razão alguém me causa o sentimento de inveja? Por que me sinto diminuído perante uma determinada criatura?

A outra faceta da arrogância é a baixa auto estima. O desgaste das forças íntimas ao longo desse trajeto de ilusões na supervalorização de si trouxe como efeito o vazio existencial. Após o esbanjamento da Herança Sagrada, o Filho Pródigo da passagem evangélica assevera: "Pai, pequei contra o céu e perante ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros" (Lucas 15:19).

O sentimento de indignidade é o reverso da arrogância. O complexo de inferioridade é a resultante dos desvios clamorosos nesta longa caminhada evolutiva. Por essa razão aprender o auto amor é fundamental.

"A educação, convenientemente entendida, constitui a chave do progresso moral. Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres, como se conhece a de manejar as inteligências, conseguir-se-á corrigi-los, do mesmo modo que se aprumam plantas novas. Essa arte, porém, exige muito tato, muita experiência e profunda observação" (O Livro dos Espíritos - questão 917).

Que nossos apontamentos sobre a arrogância sejam apenas o estímulo inicial para a continuidade dos estudos em torno do tema. A complexidade desse sentimento em nossas vidas merece uma investigação mais detalhada que fugiria à nossa tarefa desta hora. Como mensagem inspiradora para o nosso futuro ante a batalha ingente a ser travada contra nosso egoísmo destruidor, recolhamos nossas meditações na fala do Espírito Verdade:

"Os homens, quando se houverem despojado do egoísmo que os domina, viverão como irmãos, sem se fazerem mal algum, auxiliando-se reciprocamente, impelidos pelo sentimento mútuo da solidariedade. Então, o forte será o amparo e não o opressor do fraco e não mais serão vistos homens a quem falte o indispensável, porque todos praticarão a lei da justiça. Esse o reinado do bem, que os Espíritos estão incumbidos de preparar". (O Livro dos Espíritos - questão 916).
[/size]




por Ermance Dufaux
Médium Wanderley S. de Oliveira
Obra: Escutando Sentimentos
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 12 de Julho de 2013, 21:53

Ouvir a alma é aprender a discernir entre sentimentos e o conjunto variado de manifestações íntimas do ser, sedimentadas na longa trajetória evolutiva, tais como
instintos, tendências, hábitos, complexos, traumas, crenças, desejos, interesses e
emoções.
Escutar a alma é aprender a discernir o que queremos da vida, nossa intenção-básica.
A intenção do Espírito é a força que impulsiona o progresso através do leque dos sentimentos. A intenção genuína da alma reflete na experiência da afetividade
humana, construindo a vastidão das vivências do coração - a metamorfose da
sensibilidade.
A conquista de si mesmo consiste em saber interpretar com fidelidade o que buscamos
no ato de existir, a intenção magnânima que brota das profundezas da alma em
profusão de sentimentos.
Os discípulos sinceros do Espiritismo reflitam na importância do auto-amor como
condição indispensável ao bom aproveitamento da reencarnação. Estar em paz
consigo é recurso elementar na boa aplicação dos Talentos Divinos a nós confiados.
Amar-se não significa laborar por privilégios e vantagens pessoais, mas o modo como
convivemos conosco. Resume-se, basicamente, como tratamos a nós próprios. A
relação que estabelecemos como nosso mundo íntimo. Sobretudo, o respeito que exercemos  àquilo que sentimos. A auto-estima surge quando temos atitude cristã com nossos  sentimentos.
O amor a si não se confunde com o egoísmo, porque quem tem atitude amorosa
consigo está centrado no self. Deslocou o foco de seus sentimentos para a fonte de
sabedoria e elevação, criando ressonância com o ritmo de Deus.Amar-se é ir ao encontro do Si  Mesmo..
Alinhavemos alguns tópicos sugestivos que poderão constar no programa de debates
para reeducação da vida emocional e psicológica à luz dos fundamentos do Espiritismo.
Tomemos por base a análise educacional de Allan Kardec que diz na questão número
917 de O Livro dos Espíritos:

"A educação convenientemente entendida, constitui a chave do progresso moral.
Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres, como se conhece a de manejar as
inteligências, conseguir-se-á corrigi-los, do mesmo modo que se aprumam plantas novas. Essa arte, porém, exige muito tato, muita experiência e profunda observação.
É grave erro pensar-se que, para exercê-la com proveito,baste o conhecimento da Ciência".

Responsabilidade - Somos os únicos responsáveis pelos nossos sentimentos.

Consciência - O sentimento é o espelho da vida profunda do ser e expressa os recados da consciência. Nossos sentimentos são a porta que se abre para esse mundo glorioso que se encontra "oculto", desconhecido.

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 12 de Julho de 2013, 22:12
Re: Pensamento, sentimento e vontade
     
      Antonio Renato   (ref # 69; 12.07.13)

      Sempre buscando ter uma “fé raciocinada”.

      Pelas doutrinas os sofrimentos decorrem das transgressões à lei de Deus.
...........................
      Renato escreveu: Os esforços contínuos que fazemos para dominar as nossas más tendências, nos levam mais e mais ao aprofundamento do conhecimento da vida. Somos muito imperfeitos ainda para entender porque nos acontecem determinadas coisas, que não queremos ou não aceitamos.   

      Entretanto, mesmo na prática do bem, não conseguimos evitar que nos venham maus pensamentos, muito embora pela compreensão que temos baseados no conhecimento da DE e na elevação moral que já conseguimos ter descartamos esses maus pensamentos.

      Somos sim produtos do meio em que vivemos, mas se procurarmos entender melhor e aceitarmos tudo aquilo que nos acontecem, estaremos bem melhores diante de Deus, pois foi pela Sua vontade e não pela nossa esses acontecimentos.

      Quiçá pudéssemos todos nós "ter a capacidade[/b] de só produzir bons pensamentos, seriamos perfeitos, assim como são os espíritos que já atingiram a perfeição.

      Conforti: Amigo Renato, tendo em vista a necessidade de uma “fé raciocinada”, cuja finalidade é uma melhor compreensão daquilo q estamos estudando ou falando, me permita algo para a gente raciocinar:

      Partindo da verdade de q todo efeito tem sua causa, qual é a causa de nossas más tendências? Qual é a causa de, mesmo com esforços contínuos, não conseguirmos dominá-las? Qual é a causa de ainda não termos a capacidade de só produzir bons pensamentos? Qual é a causa de mesmo se praticarmos o bem não conseguirmos evitar q nos venham maus pensamentos?

      O amigo consegue visualizar qual seja a causa de sermos ainda assim? Veja q, pela doutrina (talvez por todas as doutrinas religiosas) a causa de todos os sofrimentos é exatamente o fato de termos más tendências, de não termos bons pensamentos e, em consequência, nem boas ações. Não é isso? Mas, porq não conseguimos corrigir essas coisas q em nós estão erradas? Vc mesmo deu a resposta: porq ainda somos muito imperfeitos.

      A imperfeição é, portanto, segundo a doutrina, e como vc colocou, a causa de todos os sofrimentos dos homens.

      No entanto, meu amigo, vc diz q “somos produtos do meio em que vivemos”, que “não é por nossa vontade, mas que é pela vontade de Deus, q nos vêm o que acontece de bom ou de mau em nossas vidas”, certo? Que, “mesmo praticando o bem, não conseguimos evitar que nos venham maus pensamentos”. q mesmo nos esforçando continuamente não conseguimos dominar as más tendencias...

      Mas, e agora precisamos raciocinar: porq sofremos se “é o meio q nos produz assim como somos”? Porq sofremos se “é pela vontade de Deus q somos assim”? Porq sofremos se “estamos nos esforçando continuamente para eliminar as más tendências”? Porq sofremos por não conseguirmos eliminar as más tendências mesmo nos esforçando? Se mesmo nos esforçando “não conseguimos” evitar q nos venham maus pensamentos?

      O meio é que nos produziu assim como somos; é pela vontade de Deus e não pela nossa q somos assim; é por não conseguirmos evitar q ter más tendências e maus pensamentos, não é isso? Onde está nossa culpa? Onde está nossa responsabilidade por, mesmo nos esforçando, não conseguirmos eliminar coisas más q ainda temos?

      Se os sofrimentos vêm do fato de transgredirmos a lei de causa e efeito (exceções apontadas na doutrina), porq sofremos se não a transgredimos? 

      Então, tentando compreender, porq sofremos?
....................................
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 13 de Julho de 2013, 00:33

PENSAMENTO E VONTADE

CONCEITOS DE PENSAMENTO E VONTADE

O que é o pensamento?

É a faculdade de pensar logicamente, refletir; força criadora, construtora, que molda a matéria, organizando formas abstratas ou concretas, que, juntamente com a vontade, são elementos plásticos e organizadores.

A vontade é a faculdade de querer, desejar; ter intenção, firmeza de ânimo, decisão, coragem, etc.

"Pensar é criar" (Emmanuel, Pão Nosso, cap. 15). A realidade dessa criação pode não exteriorizar-se, de súbito, no campo dos efeitos transitórios, mas o objeto formado pelo poder mental, da vontade firme, vive no mundo íntimo do ser, exigindo cuidados especiais para o esforço de continuidade ou extinção.

Toda criatura possui energia obediente à sua vontade, que, ligada a seu potencial imaginativo, atua exteriormente, influenciando outras criaturas e ambientes distantes. As imagens servem, então, como matérias-primas de todas as criações intelectuais.

O pensamento e a vontade são elementos plásticos e organizadores." Ernesto Bozzano

O pensamento é o resultado de alguém que está a pensar. O homem pensa idéias; ao fazê-lo mobiliza material plástico oriundo do corpo mental, sendo que cabe à vontade dar direção a esses pensamentos, e ao sentimento, a função de dar as propriedades positivas ou negativas a essa energia mental.

Quem pensa é o Espírito; o cérebro é apenas o instrumento. Os pensamentos são materializados no mundo astral (espiritual) com elementos plásticos do corpo mental. Os nossos sentimentos irão dar as propriedades a esses pensamentos, e a nossa vontade, a direção, o destino deles. Pensamentos de amor terão uma coloração e vibração diferente dos pensamentos de ódio.

Os nossos pensamentos formam um envelope energético em torno de nós causando sensações agradáveis ou desagradáveis, dependendo do teor desses pensamentos... Mesmo que estejamos direcionando aos outros, o primeiro a receber é o próprio emissor. Se estivermos pensando mal do nosso próximo, querendo o seu mal, é como se tomássemos veneno e quiséssemos que o outro morresse...

PENSAMENTO COMO ENERGIA MENTAL

A base de toda manifestação psíquica está na mente da criatura.
A mente, por sua vez, é o espelho da vida em toda parte, e, necessita apenas, ser lapidada, educada, para que atinja a magnificência da luz. É como um diamante, em estado bruto, para se tornar pedra preciosa depende da maneira como a tratarmos. Sendo espelho da vida, a mente, gera a força do pensamento que movimenta tudo, criando e transformando, destruindo e refazendo, para depurar e sublimar. Isso, porque em todos os domínios do Universo, vibra a influência recíproca.

Hoje, sabemos que respiramos no mundo das imagens que projetamos e recebemos, dependendo da faixa vibratória que sintonizamos, provisoriamente. A partir de nossa vontade, incorporamos o influxo renovador dos poderes que nos impulsiona à purificação e ao progresso maior. As criaturas, portanto, refletem-se reciprocamente na criação, que reflete os objetivos do Criador. Assim, o reflexo mental de cada ser reside no alicerce da vida. Esse reflexo mental delineia a emotividade; esta plasma a idéia; a idéia determina a atitude; a atitude e a palavra dirigem ações, que geram manifestações, que, por sua vez, são válvulas destruidoras ou alavancas positivas da existência.

PENSAMENTO E VONTADE ENTRE ENCARNADOS NO PLANO FÍSICO
Recentemente, o Sr. Masaro Emoto demostrou a força de nossos pensamentos e sentimentos na água. Ele nos mostrou que energias vibracionais humanas, pensamentos, palavras, idéias afetam a estrutura molecular da água. É bom lembrar que a água está presente em nosso corpo numa proporção de aproximadamente 60 a 70%; estamos, pois, a alterar, com nossos pensamentos, as estruturas aquosas do nosso corpo...

O Sr. Emoto documentou visualmente essas mudanças moleculares na água por meio de suas técnicas fotográficas. Ele congelou gotas de água e examinou-as sob um microscópio de campo escuro dotado de recursos fotográficos. Após ter visto como a água reagia às circunstâncias ambientais, poluição e música, o Sr. Emoto e seus colegas decidiram observar como os pensamentos e as palavras afetavam a formação de águas destiladas não tratadas e águas puras, usando palavras datilografadas em papel por um processador de textos e coladas nos frascos de vidro durante a noite. As águas foram então congeladas e fotografadas. As fotografias mostraram os incríveis reflexos de água, como viva e altamente responsiva a cada uma de nossas emoções e pensamentos.

Ficou claro que a água facilmente assimila as vibrações e as energias do ambiente, seja tóxico e poluído ou naturalmente puro.

PENSAMENTO E VONTADE ENTRE DESENCARNADOS E NO PLANO ESPIRITUAL

Os Espíritos agem sobre os fluidos espirituais, não os manipulando como os homens manipulam os gases, mas com a ajuda do pensamento e da vontade. O pensamento e a vontade são para o Espírito o que a mão é para o homem. Pelo pensamento, eles imprimem a estes fluidos tal ou tal direção; aglomeram-nos, combinam ou dispersam; formam conjuntos tendo uma aparência, uma forma, uma cor determinadas; mudam-lhes as propriedades como um químico muda a dos gases ou outros corpos, combinando-os segundo certas leis. E' a grande oficina ou laboratório da vida espiritual.

Algumas vezes estas transformações são o resultado de uma intenção; freqüentemente, elas são o produto de um pensamento inconsciente; basta ao Espírito pensar em uma coisa para que esta coisa se produza, como basta modular o ar para que este ar repercuta na atmosfera.

Assim é que, por exemplo, um Espírito se apresenta à visão de um encarnado, dotado da visão psíquica, sob as aparências que tinha quando vivo, à época em que se conheceram, tivesse tido várias encarnações depois. Apresenta-se com a roupa, os sinais exteriores, - enfermidades, cicatrizes, membros amputados, etc. - que tinha então; um decapitado se apresentará sem a cabeça. Não é para dizer que haja conservado estas aparências; não certamente, porque, como Espírito, ele não é nem coxo, nem maneta, nem vesgo, nem decapitado; mas o seu pensamento, reportando-se à época em que era assim, seu perispírito toma-lhe imediatamente as aparências, que deixa, do mesmo modo, instantaneamente, desde que o pensamento cesse de agir. Se, pois, foi uma vez negro e uma outra vez branco, apresentar-se-á como negro ou como branco, segundo aquela, destas duas encarnações, sob a qual for evocado e onde se reportará o seu pensamento.
Continua...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 13 de Julho de 2013, 00:34
Continuação....

Por um efeito análogo, o pensamento do Espírito cria fluidicamente os objetos de que tinha o hábito de se servir; um avarento manejará o ouro, um militar terá as suas armas e o seu uniforme, um fumante o seu cachimbo, um lavrador a sua charrua e os seus bois, uma velha a sua roca de fiar. Estes objetos fluídicos são tão reais para o Espírito, quanto estão no estado material para o homem vivo; mas, pela mesma razão que são criados pelo pensamento, a sua existência é tão fugidia quanto o pensamento.

Sendo os fluidos o veículo do pensamento, este age sobre os fluidos como o som age sobre o ar; eles nos trazem o pensamento como o ar nos traz o som. Pode-se dizer, pois, com toda a verdade, que há, nestes fluidos, ondas e raios de pensamento, que se cruzam sem se confundirem, como há no ar ondas e raios sonoros.

Há mais: O pensamento, criando imagens fluídicas, ele se reflete no envoltório perispiritual como num vidro; aí toma um corpo e se fotografa de alguma sorte. Que um homem, por exemplo, tenha a idéia de matar um outro, por impassível que seja o seu corpo material, seu corpo fluídico é colocado em ação pelo pensamento, do qual reproduz todas as nuanças; ele executa fluidicamente o gesto, o ato que tem o desejo de cumprir; o pensamento cria a imagem da vítima, e a cena inteira se desenha, como num quadro, tal como está em seu espírito.

É assim que os movimentos mais secretos da alma repercutem no envoltório fluídico; que uma alma pode ler em outra alma como num livro, e ver o que não é perceptível aos olhos do corpo. Contudo, vendo a intenção, ela pode pressentir o cumprimento do ato, que lhe será a seqüência, mas não pode determinar o momento em que se cumprirá, nem precisar-lhe os detalhes, nem mesmo afirmar que ocorrerá, porque circunstâncias ulteriores podem modificar os planos detidos e mudar as disposições. Ela não pode ver o que não está ainda no pensamento; o que ela vê é a preocupação habitual do indivíduo, seus desejos, seus projetos, seus propósitos bons ou maus.

FORMAS PENSAMENTO

Estranhamente simbólicas as formas do pensamento, algumas delas representam gràficamente os sentimentos que as originaram.



A usura, a ambição, a avidez, produzem formas retorcidas (garras de falcão), como que dispostas a apreender o cobiçado objeto.

O pensamento, preocupado com a resolução de um problema, produz filamentos espirais.


Os sentimentos endereçados a outrem, sejam de ódio ou de afeição, originam formas-pensamentos semelhantes aos projéteis.

A cólera, por exemplo, assemelha-se ao ziguezague do raio, o medo provoca jactos de substância pardacenta, quais salpicos de lama.

CONCLUSÃO
“Nós nos tornamos aquilo que contemplamos. Através do pensamento constante, um ideal fica impresso em nosso coração. Quando fixamos sempre nossos pensamentos no mal que os outros fazem, nossa mente fica poluída pelo mal. Quando, ao contrário, fixamos nossa mente nas virtudes ou no bem-estar dos outros, nossa mente é purificada do mal e acolhe somente bons pensamentos. Nenhum mau pensamento pode penetrar a mente de uma pessoa totalmente dedicada ao amor e à compaixão. Os pensamentos que cultivamos modelam nossa natureza; junto com os outros, eles também nos afetam.”

Sathya Sai Baba

Quando colocamos o Evangelho como nosso guia, ele ajudará na nossa renovação interior, fazendo com que nos transformemos interna e integralmente, aproximando-nos do Criador. Para isso se faz necessário reeducarmos o nosso pensar, vigiando-o.


Pesquisa realizada por Mauro Pilla
Obras Consultadas
Gênese - Allan Kardec
O Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Pensamento e Vida – Emmanuel
Pai Nosso – Emmanuel
Pensamento e Vontade - Ernesto Bozzano
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 13 de Julho de 2013, 20:56

O que nossos pensamentos determinam
 
Marco Aurélio, o grande filósofo que dirigiu o Império Romano, resumiu em nove palavras aquilo que define nosso destino na vida:
Nossa vida é o que os nossos pensamentos determinam.
Inspirado nesta afirmativa, o estudioso Dale Carnegie acrescenta que se tivermos pensamentos felizes, seremos felizes.
Se pensarmos em coisas que nos causam medo, seremos medrosos. Se pensarmos em doenças, provavelmente ficaremos doentes.
Se pensarmos no fracasso, fracassaremos, com toda certeza. Se nos entregarmos à autopiedade, todos irão querer nos evitar, afastar-se de nós.
Normam Vincent Peale afirmou: você não é o que você pensa que é. Mas o que você pensa, você é.
Tudo isso se resume na ideia de uma atitude positiva perante a vida. Devemos nos interessar por nossos problemas, mas não nos preocuparmos com eles.
Há uma grande diferença entre uma e outra postura.
Interessar-se significa procurar compreender como são as coisas e tomar calmamente as medidas necessárias para enfrentá-las.
Preocupar-se significa dar voltas em círculos inúteis e enlouquecedores. Significa sofrer antes e ser dominado pelo medo.
Tais posturas são determinadas pelo pensamento, simplesmente.
Desta forma, o pensamento poderá determinar se seremos felizes ou infelizes, independente de onde estejamos, independente das condições de vida que temos.
Napoleão Bonaparte e Helen Keller podem ser bons exemplos que atestam tais afirmações.
Napoleão dispunha de tudo que os homens habitualmente almejam - glória, poderio, riqueza -, e, não obstante, disse, em seu exílio, na ilha de Santa Helena: Não conheci jamais seis dias de felicidade em minha vida.
Helen Keller - cega, surda, muda - todavia, declarou: Considerei a vida tão bela!
Reflitamos sobre tal comparação.
Como viveram os dois personagens? Que postura mental apresentou cada um deles diante das adversidades?
O filósofo grego Epiceto advertiu-nos que devemos nos preocupar mais em afastar da mente os maus pensamentos do que remover tumores e abscessos do nosso corpo.
E a medicina moderna vem comprovando, dia após dia, que a grande fonte das enfermidades está na postura mental, na qualidade do nosso pensar.
Por isso a importância de perceber que nossa vida é o que nossos pensamentos determinam e que vigiando, cuidando do pensar, viveremos muito melhor.
*   *   *
Emerson, na parte final de seu ensaio sobre a confiança em nós mesmos, diz:
Uma vitória política; um aumento em suas rendas; a recuperação de uma enfermidade; o regresso de um amigo ausente; ou outro qualquer acontecimento exterior, anima-lhe o Espírito e você pensa que lhe estão reservados dias felizes.
Não o creia. Jamais pode ser assim. Nada, a não ser você mesmo, pode trazer-lhe paz.
Redação do Momento Espírita, com citação do cap. 12, pt. IV,
do livro Como evitar preocupações e começar a viver, de
Dale Carnegie, ed. Companhia Editora Nacional.
Em 19.04.2010.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 14 de Julho de 2013, 05:06

                                        História dos Sentimentos
 
Contam que, uma vez, se reuniram todos os sentimentos, qualidades e defeitos dos
homens em um lugar da terra.

Quando o ABORRECIMENTO havia reclamado pela terceira vez, a LOUCURA, como sempre
tão louca, lhes propôs:

Vamos brincar de esconde-esconde?

A INTRIGA levantou a sobrancelha intrigada e a CURIOSIDADE, sem poder
conter-se, perguntou:

Esconde-esconde? Como é isso?

 - É um jogo. Explicou a LOUCURA, em que eu fecho os olhos e começo a contar de um a um milhão enquanto vocês se escondem, e quando eu tiver terminado de contar, o primeiro de vocês
que eu encontrar ocupará meu lugar para continuar o jogo.

O ENTUSIASMO dançou seguido pela EUFORIA.

A ALEGRIA deu tantos saltos que acabou por convencer a DÚVIDA e até mesmo a APATIA,
que nunca se interessava por nada.

Mas nem todos quiseram participar:

A VERDADE preferiu não esconder-se. - "Para que, se no final todos me encontram?" - Pensou.

A SOBERBA opinou que era um jogo muito tonto e a COVARDIA preferiu não arriscar-se.

Um, dois, três, quatro... - Começou a contar a LOUCURA.

A primeira a esconder-se foi a PRESSA, que como sempre caiu atrás da
primeira pedra do caminho.

A FÉ subiu ao céu e a INVEJA se escondeu atrás da sombra do TRIUNFO, que com seu
próprio esforço tinha conseguido subir na copa da árvore mais alta.

A GENEROSIDADE quase não conseguiu esconder-se, pois cada local que encontrava,
lhe parecia maravilhoso para algum de seus amigos:

Se era um lago cristalino, ideal para a BELEZA.

Se era a copa de uma árvore, perfeito para a TIMIDEZ.

Se era o vôo de uma borboleta, o melhor para a VOLÚPIA.

Se era uma rajada de vento, magnífico para a LIBERDADE.

E assim, acabou escondendo-se em um raio de sol.

O EGOÍSMO, ao contrário, encontrou um local muito bom desde o início. Ventilado, cômodo,
mas apenas para ele.

A MENTIRA escondeu-se no fundo do oceano (mentira, na realidade, escondeu-se atrás
do arco-íris) e a PAIXÃO e o DESEJO, no centro dos vulcões.

O ESQUECIMENTO, não recordo-me onde escondeu-se, mas isso não é o mais importante.

Quando a LOUCURA estava lá pelo 999.998, o AMOR ainda não havia encontrado um lugar
para esconder-se, pois todos já estavam ocupados, até que encontrou uma rosa e,
carinhosamente, decidiu esconder-se entre suas flores.

Um milhão! - terminou de contar a LOUCURA e começou a busca.

A primeira a aparecer foi a PRESSA, apenas a três passos de uma pedra.

Depois, escutou-se a FÉ discutindo com DEUS, no céu, sobre zoologia.

Sentiu vibrar a PAIXÃO e o DESEJO nos vulcões.

Em um descuido, encontrou a INVEJA e claro, pode deduzir onde estava o TRIUNFO.

O EGOÍSMO, não teve nem que procurá-lo.

Ele sozinho saiu disparado de seu esconderijo, que na verdade era um ninho de vespas.

De tanto caminhar, sentiu sede e ao aproximar-se de um lago, descobriu a BELEZA.

A DÚVIDA foi mais fácil ainda, pois a encontrou sentada sobre uma cerca sem decidir de
que lado esconder-se.

E assim foi encontrando a todos:

O TALENTO entre a erva fresca,

a ANGÚSTIA em uma caverna escura,

a MENTIRA atrás do arco-íris (mentira, estava no fundo do oceano)

e até o ESQUECIMENTO, que já havia esquecido que estava brincando de esconde-esconde.

Apenas o AMOR não aparecia em nenhum local.

A LOUCURA procurou atrás de cada árvore, em baixo de cada rocha do planeta e em cima
das montanhas.

Quando estava a ponto de dar-se por vencida, encontrou um roseiral.

Pegou uma forquilha e começou a mover os ramos, quando, no mesmo instante, escutou-se
um doloroso grito.

Os espinhos tinham ferido o AMOR nos olhos.

A LOUCURA não sabia o que fazer para desculpar-se.

Chorou, rezou, implorou, pediu e até prometeu ser seu guia.

Desde então, desde que pela primeira vez se brincou de esconde-esconde na terra:

O AMOR é cego e a LOUCURA sempre o acompanha.

                                        Autor desconhecido.



Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 14 de Julho de 2013, 12:23
De Brenno Stoklos:"Deus nada faz de inútil!"Completaria:Inúteis são os pensamentos que nos vêm,que não
produzem o bem.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 14 de Julho de 2013, 19:47
De Brenno Stoklos:"Deus nada faz de inútil!"Completaria:Inúteis são os pensamentos que nos vêm,que não
produzem o bem.
Fiquem na paz.


Concordo, amigo Antonio,

E é por isso que tais pensamentos não podem ser Obra de Deus.



                                                Revista Espírita (Janeiro 1961)


A criação compõe-se de duas naturezas distintas: a natureza material e a natureza intelectual. Esta é o instrumento ativo; aquela é o instrumento passivo.

Esses dois instrumentos são complementos um do outro, isto é, um sem o outro seria de emprego inteiramente nulo.


Sem a natureza intelectual, ou o espírito inteligente e ativo, a natureza material, isto é, a matéria ininteligente e inerte, seria perfeitamente inútil, nada podendo por si mesma. Sem a matéria inerte dar-se-ia o mesmo com o espírito inteligente.

Mesmo o instrumento mais perfeito seria como se não existisse, caso não houvesse alguém para dele se servir.
O mais hábil operário e o sábio da mais elevada ordem seriam tão impotentes quanto o mais completo idiota, se não tivessem instrumentos para desenvolver a sua ciência e fazê-la manifestar-se.


Eis aqui o momento e o lugar de fazer notar que o instrumento material não consiste somente na plaina do marceneiro, no cinzel do escultor, na paleta do pintor, no escalpelo do cirurgião, no compasso ou na luneta do astrônomo; consiste também na mão, na língua, nos olhos, no cérebro, numa palavra, na reunião de todos os órgãos materiais necessários à manifestação do pensamento, o que naturalmente implica a denominação de instrumento passivo à própria matéria sobre a qual a inteligência opera, por meio do instrumento propriamente dito.

É assim que uma mesa, uma casa e um quadro, considerados nos elementos que os compõem, não são menos instrumentos que a serra, a plaina, o esquadro, a colher de pedreiro e o pincel que os produziram, que a mão e os olhos que os dirigiram; enfim, que o cérebro que presidiu a essa direção. Ora, tudo isto, inclusive o cérebro, foi o instrumento complexo de que se serviu a inteligência para manifestar o seu pensamento, sua vontade, que era produzir uma forma, e essa forma ou era uma mesa, ou uma casa, ou um quadro, etc.



Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 14 de Julho de 2013, 19:50

Modificamos Nossa Vida

Nosso pensamento transforma tudo em nossa vida,
é através dele que mandamos ao nosso corpo físico
vibrações de paz e serenidade, onde tudo corre na
mais perfeita harmonia, ou enviamos vibrações negativas,
onde nosso corpo físico vai se debilitando com o passar
do tempo e nós nem percebemos, quando caímos em si,
já estamos tomados pelos males físicos que muitas
vezes nem temos explicações, por isso a importância
de sempre estarmos vigilantes aos sentimentos, que estamos
dando morada em nossos corações,
para mais tarde não sofrermos as conseqüências.
Se modificarmos nossa maneira de pensar, procurando
manter uma sintonia de harmonia em nosso pensamento,
estaremos favorecendo e muito nossa condição vibratória
e desta forma estaremos proporcionando o bem estar
ao nosso corpo físico e espiritual.
Através do pensamento modificamos nossa vida, porque estamos
em constante sintonia com o nosso coração, por isso
a importância de não guardarmos a angustia, a raiva, a mágoa
e outros tantos sentimentos que não são do bem.
Devemos transformar todos esses sentimentos que nos fazem sofrer,
pensando positivamente e tendo a confiança de que somos
capazes para superar e reverter tudo o que não nos faz bem.
Através da nossa reforma íntima, nos livramos de vários
defeitos que nos atrapalham, a evolução nos liberta
do nosso passado, não nos apegamos tanto a pequenas coisas
que nos trazem os pensamentos negativos e que nos levam a depressão,
é neste instante que fazemos a opção por nossa mudança,
do que queremos para nós e o que queremos transmitir
aos nossos irmãos de caminhada.
Tudo em nossa vida são escolhas, nós temos todos os requisitos
para nos transformar basta colocarmos em prática o que aprendemos de bom.
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Felipa em 15 de Julho de 2013, 00:06
Na sua mente tem uma camera
Na sua mente há uma camera preciosa.
È um ponto central que tudo infere e analisa.
Ali, os seus pensamentos se encontram com a atuação de Deus.
Por isso é divina, luminosa, sensível, intocável.
Tudo passa por essa camera.
Ela mede o seu grau de adiantamento espiritual.
È a sua consciência.
No fundo, você é um ser maravilhoso.
Adore a Deus porque o fez assim.
Os outros também são como você.
Têm a mesma camera.
São seres divinos.
Respeite-os.
Ame-os.
Reconhecer-se um ponto de atuação divina é buscar força para amar a todos.
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Kazaoka em 15 de Julho de 2013, 01:07
De Brenno Stoklos:"Deus nada faz de inútil!"Completaria:Inúteis são os pensamentos que nos vêm,que não
produzem o bem.
Fiquem na paz.


Concordo, amigo Antonio,

E é por isso que tais pensamentos não podem ser Obra de Deus.

O que pensamos não é obra de Deus mas a nossa capacidade de pensar, sim!
O pensamento é instrumento que faculta ao homem a capacidade agir com discernimento.

Vejamos outro exemplo;
Deus criou a radiação e os materiais que a produz. Este material, estando disperso na natureza, de acordo com a destinação que lhe é dada, pode ser usado como uma fonte poderosa de energia, com aplicação para o bem ou, se não, pode ser usado como estopim da destruidora bomba atômica. Ao homem Deus deu a capacidade do pensamento e o senso de moral para atribuir-lhe responsabilidades sobre o seu uso. Deus não é criador do mal do homem e nem devemos descarregar Nele a culpabilidade de nossas imperfeições. Podemos ser perfeitos, fomos criados por Deus para isso e tudo que precisamos para alcançarmos essa relativa perfeição está à nossa disposição na perfeição da arquitetura Universal da Criação. É saber usar!.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 15 de Julho de 2013, 01:20

O que pensamos não é obra de Deus, mas a nossa capacidade de pensar, sim!
O pensamento é instrumento que faculta ao homem a capacidade agir com discernimento.

Vejamos outro exemplo;
Deus criou a radiação e os materiais que a produz. Este material, de acordo com a destinação que lhe é dada, pode ser usado como uma fonte poderosa de energia, com aplicação para o bem ou, se não, pode ser usado como estopim da destruidora bomba atômica. Ao homem Deus deu a capacidade do pensamento e o senso de moral para atribuir-lhe responsabilidades sobre o seu uso. Deus não é criador do mal do homem e nem devemos descarregar Nele a culpabilidade de nossas imperfeições. Podemos ser perfeitos, fomos criados por Deus para isso e tudo que precisamos para alcançarmos essa relativa perfeição está à nossa disposição na perfeição da arquitetura Universal da Criação. É só saber usar!.

Concordamos, amigo Kazaoka!


Prosseguindo com os estudos:

                                                    Vontade: Ferramenta da Evolução

Há, porém, muitas outras coisas que Jesus fez;e se cada uma das quais fosse escrita,cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém.
(João, 21:25)

Jesus não perdia a menor oportunidade para ensinar; qualquer situação, qualquer momento, aparentemente insignificante, suscitava para Ele lições de extremada importância para a Humanidade. O tempo urgia, não podia tergiversar. Cada momento tinha o seu valor.

Uma dentre tantas lições de profundeza moral merece destaque especial (Marcos, 11:12 a 14; 19 a 26):

E no dia seguinte, quando saíram de Betânia teve fome. E vendo de longe numa figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa: e chegando a ela não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.

E Jesus falando, disse à figueira: nunca mais coma alguém fruto de ti. E os seus discípulos ouviram isto. (...)

E sendo já tarde saiu fora da cidade. E eles, passando pela manhã, viram que a figueira se tinha secado desde as raízes. E Pedro, lembrando-se, disse-lhe: Mestre, eis que a figueira que tu amaldiçoaste secou. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Tende fé em Deus; Porque, em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te ao mar; e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhes será feito. Por isso vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede que o recebereis e tê-lo-eis; E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai que está nos céus vos perdoe as vossas ofensas; Mas, se vós não perdoardes, também vosso Pai, que está nos céus, vos não perdoará as vossas ofensas."

É interessante observar que, nessa belíssima passagem evangélica, de profunda significação, Pedro não compreendeu de imediato a lição do Mestre, ele sentiu apenas o que seus sentidos registraram, e assim entendeu a atitude de Jesus como se fosse uma maldição.

O divino Amigo, todavia, não tinha tempo a perder, não tentou sequer justificar-se. Ele, a personificação do Amor, jamais prejudicaria quem quer que fosse; quanto mais uma inofensiva árvore, por não ter frutos fora de época. Ele tinha conhecimento de todas as leis da Natureza e em instante algum as transgrediria.

A atitude de Jesus descortinou, como em tantos outros momentos, a sabedoria do Grande Mestre: demonstrar na prática o poder que o homem carrega dentro de si; poder esse que, usado à revelia, pode causar malefícios irreversíveis não só contra a Natureza, mas também contra si e os semelhantes.

(Sabe-se hoje, através de estudos e também pela revelação dos Espíritos, o poder que o pensamento armazena e se expressa pelas palavras. E, de acordo com a emoção, o vigor veiculado, emite jatos de energia magnética na direção do sujeito ou objeto focalizado.)

Primeiro a lição prática: Jesus usou a vontade, através das palavras, para secar a figueira. Deu um tempo suficiente e retornou para completar a lição por meio da teoria.

É então que ressalta o poder da palavra quando pronunciada com fé somada ao poder da oração: "Tende fé em Deus (...), tudo que pedirdes orando crede que o recebereis e tê-lo-eis..."

Mas não deixa de alertar sobre a importância do perdão: "(...) e quando estiverdes orando perdoai se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai que está nos céus vos perdoe as vossas ofensas."

Neste alerta está nitidamente expressa a força poderosa da Vontade. Jesus usou-a. Os homens podem também usá-la. A tarefa que aguardava os Seus discípulos exigia um grande esforço interior, muita vontade, e bem dirigida, para prosseguirem até o fim.

Logo em seguida, completando o alerta, o Mestre conclui: (...) mas se vós não perdoardes, também vosso Pai que está nos céus vos não perdoará as vossas ofensas."

Nessa conclusão, Jesus esclarece que os atos oriundos de qualquer ofensa não serão perdoados. Portanto, cada ação é da responsabilidade de seu autor perante as divinas leis.

O Homem encarnado, em sua tríplice composição - corpo, perispírito, Espírito -, ainda desconhece o potente manancial fluídico que possui. Assim sendo, usa-o às cegas, como a criança que não avalia o perigo que representam certos elementos e objetos nas próprias mãos.

O perispírito, corpo fluídico do Espírito, está intimamente ligado ao corpo físico e ao Espírito; assim sendo, conduz o pensamento que se exterioriza sob o comando poderoso e autoritário da vontade.

A atividade constante, dinâmica, ininterrupta do pensamento, sob esse comando, age vigorosamente sobre a atmosfera do ambiente em que atua; sobre as pessoas com as quais convive; sobre o próprio corpo espiritual, que, por sua vez, reflete no corpo físico e no Espírito. A reação se apresenta de acordo com a qualidade da emissão - boa ou má, superior ou inferior, construtiva ou destrutiva, viciosa ou edificante - que será multiplicada pelo tipo de companhia espiritual que possa atrair.

Assim, pensamentos, palavras de amor, ternura, piedade projetam energias salutares que impregnam a atmosfera em que se respira:

Deus te abençoe! Tenha um bom dia! Tudo vai dar certo! Esse procedimento atrai os bons Espíritos que, por sua vez, colaboram na emissão de energias enriquecedoras.

Todavia, pensamentos e palavras de ódio, raiva, deboche, revolta, projetam energias deletérias:

Maldição! Vá pro inferno! Nada dá certo comigo! Todo tipo de obscenidade e palavrões. E os Espíritos infelizes são atraídos pelo magnetismo emitido, aproximam-se e colaboram na ampliação dos fluidos saturados, bem como na concretização dos pensamentos infelizes.

Por isso, frases otimistas, cheias de fé, de esperança, reanimam. Frases pessimistas abatem o ânimo. Portanto, o estado de ânimo depende da vontade, do querer.

Existe um axioma popular que diz: "Querer é poder!" Realmente, o querer, a vontade, são poderosos. Quando se quer com vigor, consegue-se, pois a emissão das energias é impulsionada pela vontade e dá força para reverter qualquer estado negativo, depressivo em que se encontra. Com fé, se atraem amigos espirituais e, através da oração, estabelece-se sintonia com os Planos Superiores. Por isso, Jesus afirmou: (...) qualquer que disser a este monte ergue-te e lança-te ao mar, e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito."

A vontade se manifesta através dos pensamentos, palavras, gestos, atos, nos momentos mais simples da vida, quando se quer, ou não se quer: falar, andar, comer, sorrir, chorar... até os atos mais complexos: pensar, refletir, progredir, amar, obedecer, estudar, criar, prejudicar, mentir, acusar, e assim por diante.

A vontade pode ser direcionada a favor do próprio indivíduo ou contra ele, os semelhantes, a Natureza, um ideal. Para o bem, para o mal. Para construir, para destruir.

                                                                  A. Merci Spada Borges
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Kazaoka em 15 de Julho de 2013, 01:49
O pensamento é mesmo o grande catalizador de todas ações humanas. Até mesmo a tem sua origem no pensamento. Porque o que é a ?
A fé é aglutinação de três elementos; vontade, certeza, método.
A vontade nasce do pensamento que temos de alcançar um determinado objetivo.
A certeza nasce do pensamento antecipado dos resultados que alcançaremos, a destinação que daremos ao que desejamos e com a importância que eles tem para nós ou para quem os dirigimos.
O método tem sua origem na elaboração dos sistemas para os objetivos serem alcançados, e tem como elementos de formação o pensamento lógico chamado raciocínio.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 15 de Julho de 2013, 05:36
      O pensamento causa a fé, causa a vontade, causa a certeza, causa o método. O pensamento causa essas 3 coisas. E o q é q causa o pensamento?
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 15 de Julho de 2013, 12:55
Bom Dia a todos!!!
Peço desculpas pela minha ausência esses dias, estava com uns contratempos de ordem pessoal, mas estamos de volta....

Para análise de hoje:

Amor e ódio

O pai da psicanálise, Sigmund Freud, estabeleceu que nós carregamos, por dentro d'alma, duas pulsões importantíssimas. Ele chamou de impulso de vida e impulso de morte.

 

O impulso de vida, que ele chamou de impulso de Eros, é aquele em que trabalhamos tudo que é bom, tudo que é para cima, tudo que é pró-vida, alegria, o trabalho, o entusiasmo, a amizade, a família. Tudo isso que faz a vida crescer, é chamado por Freud, impulso de vida.


Mas ele também chamou de impulso de morte aquelas pulsões em que nós apelamos para o desânimo, para a depressão, para o desalento, para a inimizade, para a calúnia. Tudo aquilo que faz a vida cair, tudo aquilo que faz a vida depreciada.


Dentro desse impulso de morte, que um de seus discípulos chamou de impulso tanatológico, nós encontramos o ódio.


O ódio é dessas forças terríveis que vão maculando a criatura, que vão destruindo o indivíduo e certamente infelicitando-o.


O ódio tem mil efeitos, cada um deles pior que o outro.


Quando pensamos nos efeitos do vago-simpático que o ódio provoca, a acidez, a diarréia, o desânimo; quando imaginamos a hipertensão, quando pensamos na depressão, na inapetência, todos esses elementos são provocados pelo ódio.


É uma força destrutiva por excelência, e quando começa, como uma caudal, ela não se detém. Essa força não pára se o detentor do ódio, aquele que está alimentando o ódio, não cair numa realidade expressivamente positiva de que essa força ou essa energia negativa que ele impulsiona, que ele conduz, não tiver termo.


É preciso então que pensemos que o ódio, antes de destruir a qualquer pessoa, de ser dirigido a qualquer coisa, ele primeiramente tenta e consegue desarticular o seu portador.


Portar o ódio é como carregar lixo na alma. Por isso, vale a pena pensar que essa força descontrolada, descompensada, essa força desnorteada em que o ódio se traduz, serve apenas para nos fazer morrer sempre um pouco mais.


Vale a pena pensar no que é que faz com que esse ódio apareça na nossa vida.


Afirmam os seres que guiam a Humanidade, que o ódio é o amor que enlouqueceu. Sim, o ódio é o amor que adoeceu, porque a mesma energia que nós usávamos para construir, agora utilizamos para destruir. A mesma criatura sobre quem dirigíamos o olhar de ternura, agora dirigimos um olhar furioso, um espectro furibundo que parte de nossa intimidade na direção do opositor.


Vale a pena pensar que não tem sentido, depois de dois milênios da visita de Jesus a Terra e que nos propôs amar os próprios inimigos, orar por aqueles que nos perseguem e caluniam, não há sentido alimentar a força fragmentária do ódio que só faz mal a nós.


Por momento, poderemos prejudicar a alguém, causar infelicidade a alguém, entristecer alguém, através da calúnia, da maledicência ou de qualquer outra providência nefasta.


Mas, fundamentalmente, no fundo do vaso de nossa alma, ficam as borras criadas pelo ódio.

 

* * *


O ódio em si mesmo provoca apenas sofrimento. Toda pessoa que odeia é uma pessoa que sofre.


Impossível se imaginar que alguém capaz de odiar possa ser feliz.


É claro que as pessoas interpretam, encenam e muitas vezes não sabem que os problemas que passam a viver em suas vidas, estão atrelados a essa carga de ódio que desferem contra terceiros.


É muito comum que os indivíduos tenham ódio em função de variadas circunstâncias.


São muitos os fenômenos do cotidiano que incitam o indivíduo a sentir ódio, a sentir essa expressão negativa do caráter, que é eminentemente destrutiva.


Uma das faces do ódio, já que ele tem diversificadas faces, é o desprezo.


Quando sentimos desprezo por alguém ou por alguma coisa, a alma age como se esse alguém ou se essa coisa não existissem.


Como o odiento imagina que essa criatura seja-lhe inferior, não merece o seu olhar, não merece a sua atenção, não merece que ela lhe dirija a palavra, vai cortando, vai bloqueando todas as ações de contato, todos os movimentos de acesso. E isso vai caracterizando o desprezo. Deixar de prezar alguma coisa, deixar de considerar alguma coisa.


E quando nós desprezamos alguém, em realidade, estamos muito infelizes. Porque tudo quanto gostaríamos, lá no fundo do ser, era a possibilidade de ser amigo de todo mundo, de receber o aplauso de todo mundo, de ser gostado pelas pessoas, de ter acesso fácil em todo lugar, de onde chegarmos as pessoas nos tratarem com alegria, com entusiasmo, com amizade.


Mas quando desprezamos, nos isolamos, nos fechamos, nos entrincheiramos e gradualmente vamos sentindo que as outras pessoas odiadas por nós, desprezadas por nós, continuam vivendo. E, para o indivíduo que odeia, isso é terrível.


Toda criatura que odeia gostaria que o objeto de seu ódio fosse infeliz, se tornasse infeliz. Que pudesse uma hora dele precisar, e ele poder descarregar toda a carga do seu desprezo.


Felizmente, isso não ocorre. As pessoas odiadas continuam vivendo suas vidas, porque elas só têm responsabilidades para com Deus.


Daí então, o desprezo desqualifica o odiento, atormenta-o cada vez mais e aumenta a sua infelicidade. E o odiento sofre.


Mas, uma outra faceta do ódio, tanto ou mais terrível quanto o desprezo, é o desejo de vingança. Sim, o odiento não se conforma em apenas desprezar. Deseja, em muitos momentos, fazer justiça com as próprias mãos.


Fulano me fez isso, há de pagar!


Se existe um Deus no céu, Fulano há de pagar o que me fez!


Então nós misturamos o nosso ódio com a idéia de Deus. Como se Deus estivesse ao lado de nosso desequilíbrio. Como se Deus estivesse aplaudindo nosso desregramento moral e por isto nós dizemos:


Eu não me vingo, mas Deus me vingará!


Quer dizer, se nós não nos vingamos, é porque já entendemos que isso não se faz, mas Deus, Ele que é o Autor do Universo, a Inteligência Suprema da vida, Ele se vingará em nosso nome.


Vejamos que isso não passa de uma brutal infantilidade. Nós somos ainda criaturas muito infantis em termos espirituais e imaginamos que o nosso impulso de vindita, de vingança, vai nos fazer mais felizes.


A vingança chega a termos inimagináveis. Desde a calúnia movida pela maledicência, em que nós jogamos pessoas contra outras pessoas, destilamos o veneno contra os outros, até o homicídio, até o suicídio.


Sim, Freud estabelece que todas as pessoas que se matam são capazes de matar.


Muita gente se mata na impossibilidade de matar o objeto de seu ódio. E se mata para culpar o outro, para culpar a sociedade.


Alguns têm o desplante de deixar cartas, bilhetes, incriminando terceiras criaturas, por conta do seu suicídio.


Vemos que na hora final, quando ela se desbraga e sai do corpo, mesmo assim, o impulso negativo da alma infantilizada, do espírito infeliz, ainda se mostra forte.


Desse modo, a melhor forma de evitarmos essa onda de ódio que nos avassala é o amor. O amor que começa pela compreensão, a indulgência.


Por que as pessoas erraram contra mim?


Porventura, não terei eu dado motivos independentemente do que aquele aborrecimento nos causou?


Será válido pensar nas razões que levaram alguém a falar contra mim, a falar de mim.


É importantíssimo deixar que o amor tome conta de nós, que o amor luarize nossas consciências, e como o ódio é o amor que enlouqueceu, vale a pena vacinar sempre o amor com esse remédio do trabalho, do relacionamento feliz, para que ele nunca adoeça, com esse remédio da confiança, do trabalho conjunto, da autodoação para que o amor nunca adoeça, sempre admitindo que as pessoas têm direito de se equivocar como nós.


E, por causa disso, ao invés de ódio, vale a pena o amor, até porque, segundo o Evangelista, Deus é amor.

Transcrição do Programa Vida e Valores, de número 108, apresentado por Raul Teixeira, sob coordenação da Federação Espírita do Paraná. Programa gravado em agosto de 2007. Exibido pela NET, Canal 20, Curitiba, no dia 22 de junho de 2008.
Em 21.08.2008.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 15 de Julho de 2013, 15:54
      O pensamento causa a fé, causa a vontade, causa a certeza, causa o método. O pensamento causa essas 3 coisas. E o q é q causa o pensamento?


O pensamento é o Espírito em Si.

É o Espírito em atividade e a atividade do Espírito.

Por isso não se pode silenciá-lo!

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Conforti em 15 de Julho de 2013, 16:16
     
      Amigos,

      Sempre buscando ter uma “fé raciocinada”.
...........................
     
      Há dias, um amigo escreveu:...  mesmo na prática do bem, não conseguimos evitar que nos venham maus pensamentos, que pratiquemos más ações, que nossos sentimentos e vontades (desejos) e escolhas sejam erradas...

      Acredito q sendo nós produtos do meio em que vivemos, e como esse meio é a  vida e tudo mais q ela nos oferece e ensina, e a vida traz a todos problemas sem fim, pelo convívio com os demais, que é isso a causa que nos leva a tantas coisas erradas.

      Porq não aceitamos tudo q nos acontece, se tudo que nos acontece é por obra ou por permissão de Deus? Se procurarmos entender melhor e aceitarmos todas as coisas que nos acontecem, penso que estaremos bem melhores diante de Deus, pois é por Sua vontade e não pela nossa q todas as coisas acontecem.

      Se só tivéssemos bons pensamentos, penso q estaríamos progredindo moralmente; mas, se é assim, porq por mais q me esforce, sempre tenho maus pensamentos?

      Conforti: Amigo, tendo em vista a necessidade de uma “fé raciocinada”, cuja finalidade é uma melhor compreensão daquilo q estamos estudando, me permita algumas palavras paro nosso raciocínio:

      Partindo da verdade de q todo efeito tem sua causa, qual é a causa de nossas más tendências? Qual é a causa de, mesmo com esforços contínuos, não conseguirmos dominá-las? Qual é a causa de ainda não termos a capacidade de só produzir bons pensamentos, de só termos vontades, desejos e escolhas que nos façam não errar tanto? Qual é a causa de mesmo se praticarmos o bem não conseguirmos evitar q essas coisas ruins, como maus pensamentos, cheguem até nós?

      O amigo consegue ter uma ideia de qual seja a causa de sermos ainda assim? Veja q, pela doutrina (talvez por todas as doutrinas religiosas) a causa de todos os sofrimentos é exatamente o fato de sermos incapazes de eliminar as más tendências, de não termos bons pensamentos e, em consequência, nem boas ações. Não é isso? Mas, porq não conseguimos corrigir essas coisas q em nós estão erradas? Vc mesmo deu a resposta: porq ainda somos muito imperfeitos.

      A imperfeição é, portanto, segundo a doutrina, e segundo vc, a causa de todos os sofrimentos dos homens.

      No entanto, meu amigo, vc diz q “somos produtos do meio em que vivemos”, que “é pela vontade de Deus, não pela nossa, q nos vêm o que acontece de bom ou de mau em nossas vidas”, certo? Que, “mesmo na prática do bem, não conseguimos evitar que nos venham maus pensamentos”...

      Então, precisamos raciocinar: porq sofremos se “é o meio q nos produz assim como somos”? Porq sofremos se “é pela vontade de Deus q somos assim”? Porq sofremos se “estamos nos esforçando continuamente para eliminar as más tendências”? Se mesmo nos esforçando “não conseguimos” evitar q nos venham maus pensamentos e que façamos tantas coisas erradas?

      Se é o meio que nos produz assim como somos, é pela vontade de Deus e não pela nossa q somos assim; é por não conseguirmos evitar ter más tendências e maus pensamentos, não é isso? Onde está nossa culpa? Cabe-nos responsabilidade por, mesmo nos esforçando, não conseguirmos eliminar coisas más q ainda temos? Por estarmos num meio, do qual somos produto, e onde tudo concorre para q sermos como somos agora?
...................................
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 15 de Julho de 2013, 18:15
Meu nobre(nobre na alma)irmão Conforti.Pela minha linha de raciócinio em que o amigo foi conclusivo na sua
complementação,esta será sempre a constatação da verdade:Somos o que somos pelas razões que consegui-
-mos ser,imperfeitos.Entretanto não é este o principal propósito de estarmos neste mundo de expiação,mas
pelas provas que nos são impostas por Deus para nossa evolução,é chegarmos a perfeição.A prática das boas
ações pelos bons pensamentos que procuramos ter,nos levará a ter o tão necessário progresso moral, mesmo
que neste processo nos venham maus pensamentos,que em muitas das vezes nos divirtuam e nos tiram do
foco do nosso objetivo maior.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 15 de Julho de 2013, 18:39
Minha querida irmã Aline,que bom que está de volta ao nosso convívio.Problemas nos acontecem,como diria os
nosso irmão paulistas:"Faz parte",o bom é quando conseguimos a solução deles.Voltando ao nosso estudo men-
-sal,vamo raciócinar:Como nasce o ódio,e quem o alimenta.Pelo que eu possa entender,se tivermos maus pensa-
-mentos e nos deixarmos envolver por eles,fazendo assim com que eles permaneça em nós,eles se tranformarão
em ódio,e o alimento dele será sempre a nossa incapacidade de não procurarmos nos livrar deles.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 15 de Julho de 2013, 19:33
Fiquei feliz pelo incentivo Antônio Renato Barbosa, agradecida!  ;)

Então, o alimento destes maus pensamentos que origina os maus sentimentos, já que todo pensamento vem envolvido por sentimentos, sejam eles bons ou ruins; o alimento são eles mesmos, com suas variações e fantasias, aliado à nossa invigilância proveniente do desconhecimento ou da falta de prioridades em nossas vidas.
Como o pensamento é um dínamo potente, acabamos atraindo companheiros que ficam nos induzindo às conhecidas 'idéias-fixas' que acabam nos remetendo a um ciclo vicioso...

'O nosso Espírito tem a propriedade de criar formas, situações, coisas e paisagens, sendo-nos facultado, portanto, influenciar, benéfica ou maleficamente, a nós e aos outros. Tem o nosso Espírito não apenas a faculdade de realizar tais criações. Tem-na também para dar-lhes vida ou destruí-las.' - André Luiz - Nos domínios da mediunidade.

'A ignorância poderá produzir indiscutíveis e belos fenômenos, mas só a noção de responsabilidade, a consagração sistemática ao progresso de todos, a bondade e o conhecimento conseguem materializar na Terra os monumentos definitivos da felicidade humana.' Emmanuel


Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Olé em 15 de Julho de 2013, 19:55
      O pensamento causa a fé, causa a vontade, causa a certeza, causa o método. O pensamento causa essas 3 coisas. E o q é q causa o pensamento?

O pensamento é o Espírito em Si.

É o Espírito em atividade e a atividade do Espírito.

Por isso não se pode silenciá-lo!

"Nesse estado (êxtase), todos os pensamentos terrestres desaparecem para dar lugar ao sentimento puro, que é a própria essência de nosso ser imaterial."

http://www.espirito.org.br/portal/codificacao/le/le-2-08.html#1.8
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 15 de Julho de 2013, 19:55

Léon Denis define muito bem a vontade: "A Vontade é força suprema; é a própria alma que exerce o seu império sobre as potências inferiores: o uso que dela façamos determinará nosso adiantamento preparando o nosso futuro, fortificando-nos ou deprimindo-nos." ("Depois da Morte", pág. 212).

Num outro momento, o grande estudioso da Doutrina dos Espíritos afirma:

O poder da vontade sobre os fluidos é ilimitado e aumenta com a elevação do Espírito. No ambiente terrestre, seu poder sobre a matéria é limitado, visto que o homem não se conhece e não sabe utilizar as forças que estão nele..." (Idem, pág. 209).

O poder da vontade se compara ao da água e do fogo: Quando bem direcionados, controlados, são os maiores indutores do progresso; porém, sem controle, sem limites, causam tragédias e destruições.

No episódio da figueira, Jesus demonstrou o poder de destruição da vontade, e a necessidade de usá-la para o bem. Para tanto, acrescentou a fé, a oração e o perdão, para que seus efeitos se ampliassem.

Na breve existência sobre a Terra, Seus feitos exaltaram não apenas o poder da vontade, mas também os seus benefícios: curou cegos, paralíticos, leprosos, obsidiados, acalmou tempestades, caminhou sobre as águas, suportou dores físicas e morais superlativas. Jesus manipulava os fluidos com conhecimento de causa. Assim, usou a figueira para que Seus discípulos testemunhassem a força, o manancial de energia que cada um possuía e, ao mesmo tempo, aprendessem a manipular corretamente essas energias. É preciso conhecer a ferramenta para utilizá-la com proveito.

O mal não é criação divina. É o produto da inferioridade do homem. Deus deu-lhe as ferramentas para serem bem usadas. Quando mal utilizadas, produzem malefícios, tanto para si quanto para os semelhantes, afetando a ambiência em que vive. Assim, ao observar detalhadamente as múltiplas utilidades que uma lâmina apresenta, em suas diferentes versões, perceber-se-á que abre caminhos ásperos; facilita a vida doméstica; salva vidas e as prolonga em salas de cirurgia. Tornou-se, portanto, instrumento de sobrevivência da Humanidade. No entanto, nem sempre se imagina quanto mal, quanta desgraça acarreta quando mal empregada. Todavia, nos bastidores de toda essa dinâmica progressiva ou destrutiva a vontade se faz presente.

A vontade, mal direcionada pelo homem, é hoje a principal causadora dos despautérios em que a Terra se debate. É necessário reverter o direcionamento de seus desejos para o bem comum, para o amor, para a fraternidade. Ninguém vive feliz projetando destruição... Pois, destruindo a seara alheia se destrói as próprias fontes de vida em que se respira.

A demonstração do Divino Amigo para Seus discípulos foi também para a Humanidade de todos os tempos: "Nunca mais coma alguém fruto de ti."

Nessa breve demonstração, iluminou consciências inexperientes: tudo que se destrói no presente, com certeza faltará no futuro.

Sem vontade não se constrói, não se evolui. A vida se compõe de desafios constantes. A cada desafio vencido, uma vitória alcançada. Se a cada desafio forem somados a força da fé, o poder da oração e a plenitude do perdão, não há o que temer. A vontade bem direcionada conduzirá a alma pelos caminhos do Amor.

Nos momentos cruciais em que as asperezas das provas enfraquecerem a vontade, é importante recordar:

Num momento de ira, Moisés destruiu as tábuas da lei; mas, de vontade firme, armou-se de humildade, retornou à áspera tarefa e recuperou os Dez Mandamentos.

Num momento de inferioridade, Judas traiu Jesus.

Num instante de medo, a vontade de Pedro vacilou, e ele negou Jesus.

Num momento de autoridade, Paulo perseguiu Jesus; todavia, num arroubo de coragem, abandonou tudo e seguiu Jesus.

Com a vontade centrada no Divino Mestre Jesus, todos se redimiram.

                                                                 A. Merci Spada Borges
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 15 de Julho de 2013, 20:45
Se alimenta de nós e toma conta de tudo...

Orai e vigiai!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Adriano Santana em 15 de Julho de 2013, 21:03
Não é difícil entender estes conceitos quando não se deseja aprofundar-se ao grau dos neurocientistas, claro :) Mas é possível compreender que:
Vontate = Fé. As coisas que Jesus fala sobre a fé e o que fez por meio dela, se enquadra perfeitamente naquilo que é dito sobre vontade ou seja é a força motriz de realização.
Sentimento = Veículo e substrato da vontade, é a matéria prima com que a vontade executa seu comando. O sentimento fornece a "argamassa" para a concretização da vontade.
Pensamento = Ora, se temos a força, se temos a matéria prima, só nos resta o molde. O pensamento é o modelador, aquilo que dá forma e direção ao movimento da vontade. Por ele se define ou melhor dizendo, se manifesta a vontade.

Penso que seja isto o que extraí destes estudos!
Obrigado e parabéns pelos ensinamentos.
 
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 16 de Julho de 2013, 14:00
'O Amor não é degradação de corpos nem de mentes, e sim a Força de Deus, da Sabedoria Suprema em nós, ou lá como pensem os irmãos ateus acerca dos assuntos mais elevados. Amar é um ato de coragem. Foi o exemplo que nos ofereceu Jesus. É a política mais inteligente que um indivíduo pode conceber.'
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Ann@ em 16 de Julho de 2013, 14:19


O mal não é criação divina. É o produto da inferioridade do homem. Deus deu-lhe as ferramentas para serem bem usadas. Quando mal utilizadas, produzem malefícios, tanto para si quanto para os semelhantes, afetando a ambiência em que vive. Assim, ao observar detalhadamente as múltiplas utilidades que uma lâmina apresenta, em suas diferentes versões, perceber-se-á que abre caminhos ásperos; facilita a vida doméstica; salva vidas e as prolonga em salas de cirurgia. Tornou-se, portanto, instrumento de sobrevivência da Humanidade. No entanto, nem sempre se imagina quanto mal, quanta desgraça acarreta quando mal empregada. Todavia, nos bastidores de toda essa dinâmica progressiva ou destrutiva a vontade se faz presente.

A vontade, mal direcionada pelo homem, é hoje a principal causadora dos despautérios em que a Terra se debate. É necessário reverter o direcionamento de seus desejos para o bem comum, para o amor, para a fraternidade. Ninguém vive feliz projetando destruição... Pois, destruindo a seara alheia se destrói as próprias fontes de vida em que se respira.

A demonstração do Divino Amigo para Seus discípulos foi também para a Humanidade de todos os tempos: "Nunca mais coma alguém fruto de ti."

Nessa breve demonstração, iluminou consciências inexperientes: tudo que se destrói no presente, com certeza faltará no futuro.

Sem vontade não se constrói, não se evolui. A vida se compõe de desafios constantes. A cada desafio vencido, uma vitória alcançada. Se a cada desafio forem somados a força da fé, o poder da oração e a plenitude do perdão, não há o que temer. A vontade bem direcionada conduzirá a alma pelos caminhos do Amor.

Nos momentos cruciais em que as asperezas das provas enfraquecerem a vontade, é importante recordar:

Num momento de ira, Moisés destruiu as tábuas da lei; mas, de vontade firme, armou-se de humildade, retornou à áspera tarefa e recuperou os Dez Mandamentos.

Num momento de inferioridade, Judas traiu Jesus.

Num instante de medo, a vontade de Pedro vacilou, e ele negou Jesus.

Num momento de autoridade, Paulo perseguiu Jesus; todavia, num arroubo de coragem, abandonou tudo e seguiu Jesus.

Com a vontade centrada no Divino Mestre Jesus, todos se redimiram.

                                                                 A. Merci Spada Borges

Gostei muito destas colocações...

Eu gosto muito de "colocar" aquilo que aprendi em prática nos vários eventos da minha rotina diária e isto é bem difícil: perceber quando um sentimento ou pensamento constantes podem nos direcionar para situações complicadas. Na grande maioria das vezes percebemos quando já estamos completamente envolvidos e incomodados com a realidade ao nosso redor.

O orai e vigiai que a amiga Aline trouxe através de um ótimo quadrinho, mostra o quanto somos negligentes ao ignorar um pensamento ou sentimento muito pequeno, que timidamente se mostra no início de certas situações que viraram problemas sérios e dolorosos.

Não podemos ignorar nenhum sentimento ou pensamento que é contrário aos ensinamentos maiores... por menor que ele seja, mesmo que esses sentimentos ou pensamentos nos tomem por frações de segundos, já é o início.

Abçs
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 17 de Julho de 2013, 12:46
Meus irmãos."Só o amor constroi",parece-nos uma frase de efeito,não deixa de ser,mas se pararmos para anali-
-zarmos ela com mais atenção veremos grandes verdades nela contida.Tudo que se constroi tendo o amor como
base,florece e embeleza a vida:A fámilia,a amizade,o trabalho(como mantedor),as atividades sociais de uma ma-
-neira geral.Tudo isto nos leva a crer que o amor é a força,é a alavanca que nos impulsiona para uma vida melhor.
No sentido contrário vem o ódio,este que é alimentado pelo orgulho,pela vaidadee pelo egoismo.Ele destroi,torna 
a vida mais escura,desestrutura tudo o que é de bom,atrapalhando assim a nossa caminhada evolutiva.Portanto meus irmãos,não nos deixemos envolver por maus pensamentos,para que eles não venham se transformar em ó-
-dio e quando ele nos vier,oremos ao pai para que ele possa nos ajudar a nos livrarmos desta eva daninha.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 17 de Julho de 2013, 13:19
Bom Dia a todos!!!!

Vida interior

   Tão necessário quanto a alimentação para uma existência saudável, o cultivo da reflexão, da oração e da meditação torna-se de relevância. A primeira atende às células físicas e o outro àquelas que são de ordem psíquica, geradoras da organização material. Sem a vibração harmônica, procedente do psiquismo, o campo no qual se desenvolvem as de constituição condensada desequilibra-se e, por consequência, a distonia na forma prejudica a realização da modelagem no exterior.

   O oxigênio mantém o corpo, a onda mental sustenta a vida. Indispensáveis ambos, para o ser em equilíbrio, nem sempre são utilizados, esses recursos, com a sabedoria que conduz à dosagem própria. Alguns indivíduos, compreendendo a necessidade de uma respiração bem-orientada, buscam esportes e espairecimento ao ar livre, descuidando-se da vida interior ou abandonando outros compromissos que constituem imperativo básico para o seu real crescimento.

   Outros tomados pelo entusiasmo e encantamento do bem-estar que fruem mediante o exercício de interiorização descuidam-se dos relacionamentos humanos e isolam-se, criando fatores dissolventes na área do comportamento, que levam ao egoísmo, à falta de solidariedade edificante no mundo social.

   A vida interior bem direcionada ensina a criatura a aceitar-se como é, sem desejar imitar modelos transitórios das glórias momentâneas, que brilham sob os focos das lâmpadas da ilusão; mas também a não ambicionar parecer-se com outrem, cujas características são belas neles e não em quem as deseja. Ser autêntico em si mesmo, auto amar-se, sem derrapar nas ambições acumuladoras inspiradas pelo egoísmo, nem supor-se melhor do que os demais, constitui uma vitória sobre os conflitos e os complexos que atormentam e facultam a desvalorização da pessoa amargurada entre lutas internas e fracassos externos.

   Ao aceitar-se como é, desenvolvendo os recursos íntimos para mais crescer e conquistar novos valores morais, o ser atinge o cume das ambições que anelava, sem o saber, não sofrendo os impactos perturbadores das alturas, nem as aflições das regiões servis de onde procede.(...)
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 18 de Julho de 2013, 13:42
Bom Dia!!!!!

Que tal discutirmos hoje a cerca da afirmativa do eminente filósofo espírita Léon Denis:
Onde o psiquismo...
"Dorme no mineral, sonha no vegetal, sente no animal, pensa no homem."

Convido a todos à postar suas colocações a fim de enriquecer o estudo para todos
...


Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Norizonte da Rosa em 18 de Julho de 2013, 17:24
Olá pessoal.

Não tenho o livro de Leon Denis em mãos no momento, mas encontrei em pdf:

De ‘O Problema do Ser, do Destino e da Dor’ de Leon Denis em pdf:


“A lei do progresso não se aplica somente ao homem; é universal. Há, em todos os reinos da Natureza, uma evolução que foi reconhecida pelos pensadores de todos os tempos. Desde a célula verde, desde o embrião errante, boiando à flor das águas, a cadeia das espécies tem-se desenrolado através de séries variadas, até nós.110 Cada elo dessa cadeia representa uma forma da existência que conduz a uma forma superior, a um organismo mais rico, mais bem adaptado às necessidades, às manifestações crescentes da vida; mas, na escala da evolução, o pensamento, a consciência e a liberdade só aparecem passados muitos graus. Na planta a inteligência dormita; no animal ela sonha; só no homem acorda, conhece-se, possui-se e torna-se consciente; a partir daí o progresso, de alguma sorte fatal nas formas inferiores da Natureza, só se pode realizar pelo acordo da vontade humana com as leis Eternas. É pelo acordo, pela união da razão humana com a razão divina que se edificam as obras preparatórias do reino de Deus, isto é, do reino da sabedoria, da justiça, da bondade, de que todo ser racional e consciente tem em si a intuição.”

Questão 75-A de O.L.E (parte desta):

“O instinto é uma inteligência rudimentar, que difere da inteligência propriamente
dita, em que suas manifestações são quase sempre espontâneas, ao passo que as da
inteligência resultam de uma combinação e de um ato deliberado.”

Portanto parece que a parte do ‘mineral’ não foi escrita por Leon Denis, ou foi por outro autor Espírita.

Quanto à inteligência dormitar na planta, parece que é preciso que se descubra (se é que ainda não foi descoberto) que as plantas, que são seres vivos, também têm alguma espécie de inteligência rudimentar, muito mais rudimentar que a dos animais irracionais.

Apenas ideias (nessa última parte)!

Abraço.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Adriano Santana em 18 de Julho de 2013, 18:26
      O pensamento causa a fé, causa a vontade, causa a certeza, causa o método. O pensamento causa essas 3 coisas. E o q é q causa o pensamento?

Ops! Não sei se podemos tomar como premissa que o pensamento é a causa de tudo isto. Acredito que a fonte primária de tudo o que foi citado é sem dúvida o princípio inteligente do universo, ou seja, o espírito.
Por que questiono a premissa? Pelo seguinte, tanto a fé, a vontade quanto o sentimento atuam em universos distintos, ainda que estejam inter-relacionados. Pode haver fé sem pensamento (razão)? Sim. Pode haver sentimento sem pensamento? Sim. Pode haver vontades sem pensamento (razão)? Sim. Logo, não podemos apontar um como causa do outro.

Abraços a todos.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 18 de Julho de 2013, 20:29
Prosseguindo com o estudo...

O despertar do Si

"(...) O ser está fadado à perfeita sintonia com a Consciência Cósmica, que nele dorme, aguardando os fatores que lhe propiciem o desenvolvimento, o contínuo despertar.

Despertar, portanto, é indispensável, abandonando o letargo que procede das faixas por onde transitou, libertando-se do marasmo, em forma de sono da consciência, para as realidades transcendentes, desapegando-se das constrições que impedem a marcha, escravisando o Si nas paixões remanescentes, adormecidas, por sua vez, no inconsciente profundo, que prossegue enviando mensagens pessimistas e perturbadoras.

Conscientizar-sr do que é, do que necessita fazer, de como conseguir o êxito, constitui, para o ser, chamamento urgente, como contribuição valiosa para o empenho na inadiável tarefa da revolução íntima transformadora.

Não poucas vezes encontramos no comportamento humano as referências ao dormir, estar dormindo, adormecido,  caracterizando estados existenciais das criaturas. Certamente de fato, a maioria está adormecida para as prórpias realidades, para os desafios da evolução, para as conquistas do Si. Imediatamente apaixonada por interesses mesquinhos, mergulhada em sombras ou fascinada pelo doentio narcisismo, prefere permanecer em estado de consciência de sono, a experimentar o despertamento para a lucidez, portanto, para os compromissos em relação à vida e ao crescimento interior, que se lhe apresenta como um verdadeiro parto, no que tem razão. Despertar para a realidade nova da vida é como experimentar um parto interior, profundo, libertador, dorido e feliz.(...)

(...) Felizmente, chega-se ao momento em que os verdadeiros mestres e guias  ensinam os caminhos, porém exigem que os aprendizes avancem, conquistando, eles próprios, as distâncias, particularmente aquelas íntimas que os separam do imperecível Si.

As revoluçãoes do pensamento têm sido muito velozes e se acentuam, prenunciadora de uma Nova Era da Consciência, quando os horizontes se farão mais amplos e a compreensão da criatura se tornará mais profunda, particularmente em torno do Si, do Espírito imortal."

Joanna de Ângelis...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 18 de Julho de 2013, 23:12
Sim meus irmãos,está em nós,na nossa consciência esse despertar para a realidade da vida.Se
optarmos para continuarmos neste sono,não avançaremos,ficaremos estagnados.Se faz neces-
-sário então trabalharmos os nossos bons pensamentos para que através deles possamos rea-
-lizar grandes obras,e estas pela nossa vontade irá nos fazer evoluir,ter progresso moral.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Julho de 2013, 23:47

                                           O instinto e a inteligência

11. - Qual a diferença entre o instinto e a inteligência? Onde acaba um e o outro começa? Será o instinto uma inteligência rudimentar, ou será uma faculdade distinta, um atributo exclusivo da matéria?

O instinto é a força oculta que solicita os seres orgânicos a atos espontâneos e involuntários, tendo em vista a conservação deles. Nos atos instintivos não há reflexão, nem combinação, nem premeditação. É assim que a planta procura o ar, se volta para a luz, dirige suas raízes para a água e para a terra nutriente; que a flor se abre e fecha alternativamente, conforme se lhe faz necessário; que as plantas trepadeiras se enroscam em torno daquilo que lhes serve de apoio, ou se lhe agarram com as gavinhas. É pelo instinto que os animais são avisados do que lhes convém ou prejudica; que buscam, conforme a estação, os climas propícios; que constróem, sem ensino prévio, com mais ou
menos arte, segundo as espécies, leitos macios e abrigos para as suas progênies, armadilhas para apanhar a presa de que se nutrem; que manejam destramente as armas ofensivas e defensivas de que são providos; que os sexos se aproximam; que a mãe choca os filhos e que estes procuram o seio materno. No homem, só em começo da vida o instinto domina com exclusividade; é por instinto que a criança faz os primeiros movimentos, que toma o alimento, que grita para exprimir as suas necessidades, que imita o som da voz, que tenta falar e andar. No próprio adulto, certos atos são instintivos,
tais como os movimentos espontâneos para evitar um risco, para fugir a um perigo, para manter o equilíbrio do corpo; tais ainda o piscar das pálpebras para moderar o brilho da luz, o abrir maquinal da boca para respirar, etc.

                                                         A Gênese
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 22 de Julho de 2013, 03:01
Meu nobre(nobre na alma)irmão Brenno stoklo,sim,há diferença e muito grande.O instinto tem sua ação pelo
reflexo,é primitivo,é uma carga que todo ser vivo trás em sí,e a sua ação será sempre pela preservação,en-
-quanto que a inteligência é trabalhada em vem de muitas vidas já passadas.O espírito que anima o nosso
corpo já foi menos inteligente do que é agora,e será mais inteligente nas encarnações futuras.Para uma
observação mais simples,veja a desenvultura de uma criança de hoje e compare-a com as de 40 ou 50 anos
passados,pode-se até dizer que a quantidade de informações que chegam a eles é bem maior do quer era an-
-tes,posso está errado nessa minha observação.
Fique na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Marcos Jantorne em 22 de Julho de 2013, 13:44
Sou espírita, ainda estou estudando evangelho e recentemente li um artigo da revista ABRIL falando sobre Chico Xavier. Confesso que fiquei um pouco abalado, acho que minha fé e eu somos fracos quando pessoas céticas se pronunciam. Fiquei bastante decepcionado e isso afetou minha crença espírita. A revista é séria e é baseada em fatos reais, sem especulações, por isso gostaria que pessoas com um entendimento maior comentassem sobre o assunto. Segue o link da revista: http://super.abril.com.br/religiao/investigacao-chico-xavier-561667.shtml
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 22 de Julho de 2013, 17:44
Sou espírita, ainda estou estudando evangelho e recentemente li um artigo da revista ABRIL falando sobre Chico Xavier. Confesso que fiquei um pouco abalado, acho que minha fé e eu somos fracos quando pessoas céticas se pronunciam. Fiquei bastante decepcionado e isso afetou minha crença espírita. A revista é séria e é baseada em fatos reais, sem especulações, por isso gostaria que pessoas com um entendimento maior comentassem sobre o assunto. Segue o link da revista: http://super.abril.com.br/religiao/investigacao-chico-xavier-561667.shtml

Boa tarde Marcos...
Sabe o que acontece... Existe uma citação que diz 'reconhece-se a árvore pelos frutos', então, analise você o que foi Chico, busque informações, conheça o trabalho que exerceu e pense a respeito...

Com relação à crença espírita, estamos (nós espíritas) todos estudando sempre para termos uma fé raciocinada, subsidiada na mais alta moral cristã, transmitida a nós de todas as formas que possa imaginar, desde a simples ação da natureza até as psicografias... Existem muitas divergências de informações, muitas especulações, mas o fato é que o despertamento da gente para as realidades universais independem de religião... Há tempo para tudo na obra de nosso Pai.
Sugiro que você estude as obras básicas que codificam o Espiritismo (as do Allan Kardec), para alicerçar sua crença... E quando sentir-se fraco ou abalado, que dirija seus pensamentos ao Pai, rogando-lhe forças e discernimento em seus estudos que culminarão na sua melhora, te levando a evoluir devagar mais adiante...
Fique em Paz!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 22 de Julho de 2013, 18:16
Bom amigos estudantes...

Vamos mudar o foco novamente...

Agora falaremos sobre a vontade!

Aguardo seus posts a cerca da vontade e suas particularidades...

Prossigamos na paz do Pai Celeste...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 22 de Julho de 2013, 18:23
As potências da alma

Várias são as potências da alma que podemos nominar como a vontade, a consciência, o livre-arbítrio, o pensamento, a disciplina do pensamento, a dor, entre outras de foro íntimo, interno, responsáveis pelo nosso desenvolvimento ilimitado.
 
Todas essas forças, energias ocultas em nós, latejam nas profundezas misteriosas da Alma.
 
O “Reino dos céus está dentro de vós” disse o Cristo. O mesmo pensamento, de outra maneira expressado pelos Vedas, diz: “Tu trazes em ti um amigo sublime que não conheces”, assim como na sabedoria persa vamos encontrar um pensamento de Suffis Ferdousis: “ Vós viveis no meio de armazéns cheios de riquezas e morreis de fome à porta”. E o que abstraímos desses grandes ensinamentos é que na vida íntima está todo o manancial das felicidades futuras e estas não se acham em lugares determinados no espaço; tampouco as encontraremos no mundo, no exterior.
 


Leon Denis, majestosamente nos ensina que: “Há em toda alma humana dois centros, ou melhor, duas esferas de ação e expressão. Uma delas, circunscrita à outra, manifesta a personalidade, o “eu”, com suas paixões, suas fraquezas, sua mobilidade, sua insuficiência. Enquanto ela for a reguladora de nosso proceder, temos a vida inferior semeada de provações e males. A outra, interna, profunda, imutável, é, ao mesmo tempo, a sede da consciência, a fonte da vida espiritual.”
 
E o que podemos fazer para conectarmos essa esfera interior, já que nela residem todas as esperanças, a paz, a serenidade e a tão almejada felicidade que escorrega, fugidia, pelos nossos dias de incerteza, de desalento, de ilusões?
 
Arriscando buscar a resposta, vamos ao encontro da vontade, a maior de todas as potências da alma, que age como um imã, nos atraindo para os recursos vitais, obedientes à lei de evolução.
 
O princípio superior, a força motora da existência é a vontade. Por ela, sua ação atinge tanto a ordem visível, material, quanto a ordem invisível, pois essa  força está intimamente atrelada à Vontade Divina que é, por sua vez, o motor da Vida Universal.
 
Pela vontade criadora dos Grandes Espíritos, envolvidos plenamente do Espírito Divino, uma vida repleta de maravilhas podem se descortinar diante de nós, se estendendo, degrau a degrau, até o infinito, nas profundezas do céu, nos aproximando de Deus.
 
Se as criaturas pudessem conhecer a extensão dos recursos que nelas dormitam,  talvez ficassem deslumbradas e,  ao invés de se sentirem fracas, medrosas, inseguras, temendo a morte e tantas outras angústias , compreenderiam que elas próprias poderiam criar o seu futuro, repleto de alegrias.
 
A vontade coloca em movimento todas as vibrações da alma, e cada alma, se juntando a outras, formando as sociedades, concentradas num mesmo fito, constituiriam um centro de forças irresistíveis.
 
Querer é poder e o poder da vontade é ilimitado.
 
Pela sua educação e exercício, certos povos chegaram a resultados que parecem prodígios. Porém aqui, é preciso salientar que essa vontade deverá ser acionada e exercitada, tendo em conta os valores mais profundos do Espírito, gerando uma vontade de Potência Divina.
 
Tal educação retempera os ânimos e assegura a vitória em todos os terrenos.
 
Assim, vendo claramente o caminho que se descortina e sabendo que temos a chave de toda a elevação, conservar-nos-emos firmes, inabaláveis, tendo como guia na Estrada Infinita a compreensão da lei de vida, de progresso e amor que rege todas as coisas.
 
Nossa vontade chama-nos: para frente, sempre para frente, cada vez mais conhecimento, mais vida, vida divina! E com ela, conquistaremos a plenitude da existência, construindo para nós uma personalidade melhor e mais radiosa.
 
Saibamos, definitivamente, que toda criatura pode ser boa e feliz; para sê-lo, basta que o queira com energia e constância.
 
Martha Triandafelides Capelotto – Divulgadora do Espiritismo
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 22 de Julho de 2013, 20:23
Para reflexão....
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Dothy em 24 de Julho de 2013, 13:25
 Bom dia Aline.. Bom dia amigos do estudo mensal... Muita paz a todos

            A VONTADE
 
Acresce notar-se que a vontade na alma constitui uma força poderosa na seqüência da sua vida. O poder da vontade realiza prodígios, principalmente dentro de nós, no entanto, é bom que se note que, para termos uma vontade poderosa, necessário se faz o alcance da maturidade espiritual.
O ser humano, pela sua vontade, pode mudar muita coisa nas linhas do destino, e a vida que levamos, mesmo no mundo espiritual, é cheia de mudanças que a vontade pode fazer. Entretanto, essa vontade somente encontra apoio para o que ela realiza, nas experiências acumuladas, o que quer dizer na maturidade espiritual.
 vontade cresce com o tempo. Não existem outros meios e ninguém foi criado diferente do outro. Todos somos iguais, na igualdade que as leis nos mostram, porque Deus, sendo Pai de todas as criaturas, pelo Seu amor não iria criar Espíritos diferentes entre si. Os caminhos para o despertamento das criaturas são variáveis, porém, o peso e as experiências são os mesmos, têm as mesmas forças educativas. A vontade tem um poder muito grande em nossas mudanças, mas quando essa vontade se alicerça na educação e na disciplina, sendo que essa educação e essa disciplina somente ganham terreno quando começa a aflorar na alma a maturidade espiritual. Assim são todas as virtudes: só nascem no clima do despertar para a vida.


Fonte: Internet
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 24 de Julho de 2013, 22:17
Meu nobre(nobre na alma)irmão Brenno stoklo,sim,há diferença e muito grande.O instinto tem sua ação pelo
reflexo,é primitivo,é uma carga que todo ser vivo trás em sí,e a sua ação será sempre pela preservação,en-
-quanto que a inteligência é trabalhada em vem de muitas vidas já passadas.O espírito que anima o nosso
corpo já foi menos inteligente do que é agora,e será mais inteligente nas encarnações futuras.Para uma
observação mais simples,veja a desenvultura de uma criança de hoje e compare-a com as de 40 ou 50 anos
passados,pode-se até dizer que a quantidade de informações que chegam a eles é bem maior do quer era an-
-tes,posso está errado nessa minha observação.
Fique na paz.


Amigo Antonio,

De maneira alguma poderia considerar sua afirmação como incorreta!

É isso mesmo que afirmaste! O instinto é o embrião da Inteligência!

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 25 de Julho de 2013, 00:40
Boa noite a todos!!!! Noite fria aqui em Goiás, Brasil... (5° agora) :o
Prossigamos com nosso estudo:

EDUCAÇÃO DA VONTADE


A educação da vontade é um dos pontos mais importantes da educação espírita.

Ela nos ensina que, antes de tudo, à semelhança de Jesus, devemos colocar a nossa vontade em consonância com a Vontade todo-poderosa de Deus, atendendo às seguintes lições do Mestre:
1. “Seja feita a tua Vontade, assim na terra como nos céus”
2. “Entrará no reino dos céus, aquele que faz a Vontade de meu Pai, que está nos céus”.

Em função disso, o Espírito Emmanuel ensinou-nos o seguinte, no livro “Mensagens Esparsas”, psicografado por Chico Xavier:
“Coloca a Vontade Divina acima de teus desejos e a Vontade Divina os aproveitará”.

LIÇÕES DE ALLAN KARDEC

Allan Kardec, em sua maravilhosa obra de constituição do Espiritismo, nos legou os seguintes ensinamentos que servem de base para a educação da vontade:
1. “A vontade é o pensamento chegado a um certo grau de energia e tornado força motriz”.
2. “Pela vontade o Espírito imprime aos membros e ao corpo movimentos num determinado sentido. Mas se ele tem a força de agir sobre os órgãos materiais, maior deve ser esta força sobre os elementos fluídicos que nos cercam!” (“Revista Espírita” de dezembro de 1868).
3. “A vontade dá aos fluídos espirituais que nos cercam qualidades boas e saudáveis ou más e doentias”. (“Revista Espírita” de março de 1865).
4. “Com a vontade, podemos agir sobre a matéria elementar e, portanto, modificar as propriedades das coisas dentro de certos limites. Assim se explica a faculdade de curar pelo contato e a imposição das mãos, que algumas pessoas possuem num elevado grau”. (Item 131 de “O Livro dos Médiuns”).
5. “Os Espíritos influem sobre o nosso pensamento; conseqüentemente sobre a nossa vontade e a nossa ação”. (Questão 459 de “O Livro dos Espíritos”).
6. “Nenhum Espírito recebe a missão de fazer o mal; quando ele o faz, é pela sua própria vontade, e conseqüentemente terá de sofrer as conseqüências.” (Questão 470 de “O Livro dos Espíritos”).

Dessa forma, a educação espírita leva em consideração todos esses fatores, nos permitindo exercer a vigilância sobre os pensamentos e a vontade, determinando as nossas boas ações e promovendo intervenções benéficas sobre os elementos materiais e os fluidos espirituais.

Geziel Andrade
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 25 de Julho de 2013, 00:44

LIÇÕES DE LÉON DENIS

 Léon Denis, em sua notável obra de ratificação dos princípios do Espiritismo, legou-nos os seguintes ensinamentos que orientam o nosso esforço na educação da vontade:

1. “A vontade é a faculdade soberana da alma; é a força espiritual por excelência, e pode mesmo dizer-se que é a essência da sua personalidade”.

2. “Tudo pode a vontade exercida no sentido do bem e de acordo com as leis naturais. Muito também pode para o mal”.

3. “Para regular o nosso adiantamento, preparar o nosso futuro, fortificarmo-nos ou nos rebaixarmos, é bastante fazer uso da vontade”.

4. “O poder da vontade sobre os fluidos é acrescido com a elevação do Espírito”. (Textos extraídos do livro: “Depois da Morte”).

5. “A alma é uma vontade livre e soberana”.

6. “Através da vontade, demonstramos o que guardamos dentro de nós mesmos”.

7. “A vontade pode atuar com intensidade sobre o corpo fluídico, ativar-lhe as vibrações e, por esta forma, apropriá-lo a um modo cada vez mais elevado de sensações, prepará-lo para mais alto grau de existência”.

8. “A vontade de viver, de desenvolver em nós a vida, atrai-nos novos recursos vitais”.

9. “O uso persistente, tenaz, da faculdade soberana da vontade permite-nos modificar a nossa natureza, vencer todos os obstáculos, dominar a matéria, a doença e a morte”.
(Textos extraídos do livro: “O Problema do Ser, do Destino e da Dor”).

Com base nesses ensinamentos valiosos de Léon Denis, buscamos o aprimoramento do uso da vontade, difundindo a prática do bem e conquistando a prosperidade em termos materiais, pessoais, morais e espirituais.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 25 de Julho de 2013, 00:48
Conduta sempre!!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 25 de Julho de 2013, 01:02
LIÇÕES DOS BONS ESPÍRITOS

 Aqui no Brasil, tivemos muitas orientações dos bons Espíritos, através de diferentes médiuns, mostrando-nos a importância de educarmos a vontade:

1. “Vigie o pensamento e a vontade, para que se desenvolvam e marchem dentro dos moldes do ilimitado bem e jamais se arrependerá”. (Espírito Ismael Souto, na mensagem “Tudo é Atração”, psicografada por Chico Xavier).

2. “Pela simples má-vontade pode o homem rolar indefinidamente ao precipício das trevas. Caminhando prudentemente pela simples boa-vontade a criatura alcançará o Divino Reino da Luz”. (Espírito Emmanuel, no livro “Pão Nosso”, psicografado por Chico Xavier).

3. “Quando a criatura busca manejar a própria vontade, escolhe a companhia que prefere e lança-se ao caminho que deseja”. (Espírito André Luiz, no livro “Libertação”, psicografado por Chico Xavier).
 
4. “A inteligência humana, encarnada ou desencarnada, pode contribuir, pelo poder da vontade, na educação ou na reeducação de si própria, selecionando os recursos capazes de lhe favorecerem o aperfeiçoamento”. (Espírito Alberto Seabra, no livro “Vozes do Grande Além”, de psicografia de Chico Xavier).

5. “A vontade é a alavanca do destino”. (Espírito André Luiz, no livro “Sol nas Almas”, psicografado por Chico Xavier).

6. “A vontade é sagrado atributo do Espírito, dádiva de Deus a nós outros para que decidamos, por nós, quanto à direção do próprio destino”. (Espírito Emmanuel, no Cap. 57 do livro “O Espírito da Verdade”, psicografado por Chico Xavier).

7. “A Sabedoria do Universo colocou a vontade em nosso foro íntimo, à guisa de juiz supremo, a fim de que a vontade, em última instância, decida todas as questões que se nos referem à construção do destino”. (Espírito Emmanuel, no “Livro da Esperança”, psicografado por Chico Xavier).

8. “A vontade é o leme de todos os tipos de força, pois governa todos os setores da ação mental. Só a vontade é suficientemente forte para sustentar a harmonia do Espírito”. (Espírito Emmanuel, no livro “Pensamento e Vida”, psicografado por Chico Xavier).

9. “Sem a vontade bem direcionada, não há vida saudável. É a vontade que nos permite transformar instintos em sentimentos; hábitos doentios em saúde; e conquistar a beleza e concretizar os ideais humanos”. (Espírito Joanna de Ângelis, no livro “Triunfo Pessoal”, psicografado por Divaldo P. Franco).

10. “Possuis todos os recursos ao alcance da vontade. Canalizando-a para o bem ou para o mal, fruirás saúde ou doença”. (Espírito Joanna de Ângelis, no livro “Momentos de Felicidade”, psicografado por Divaldo P. Franco).

11. “O melhor remédio, antes de qualquer outro, é a vontade sadia, porque a vontade débil enfraquece a imaginação e a imaginação doentia debilita o corpo”. (Espírito André Luiz, no Cap. 32 do livro “O Espírito da Verdade”).

Aprendamos, dessa forma, a controlar a vontade com a educação espírita.

Seguindo essas orientações oportunas dos bons Espíritos, edificamos um modo elevado de pensar e de agir, e criamos o futuro venturoso que tanto almejamos.

#Desejo uma boa reflexão a todos os estudantes a respeito da importância de nossa Vontade... Que possamos aurir as informações e rogamos aos Amigos Espirituais que nos envolvam com a força necessária para conseguirmos colocar tudo em prática diuturnamente... Até amanhã a todos... Vou-me pois aqui tá frrrrrrrrrrrrriiiiiio!!!!!!!
Boa Noite a todos e até amanhã...  :-*
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 25 de Julho de 2013, 01:29
Meus irmãos,a nossa vontade será sempre a força motriz que nos induzirá a fazer o bem ou
o mal.Quando o pensamento nos dá a forma,é pela nossa vontade que irá acontecer,os nos-
-sos espíritos protetores não interferem,pois nesta ação a nossa vontade é soberana,está
em nós ter o controle dela.
Fiquem na paz.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 25 de Julho de 2013, 13:35
Bom Dia!!
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 25 de Julho de 2013, 14:01
QUERER

Alcançar objetivos é a faina diária dos bilhões de habitantes deste nosso abençoado planeta Terra.

Cada um traça o seu roteiro, define sua meta e para ela caminha a seu modo. Há metas e há metas. Umas de alcance social e humano, inquestionáveis, onde a vitória de um representa benefícios para muitos; outras, de cunho absolutamente egoísta. Milhões sonham com riquezas fáceis, destaques que lhes abram as portas, poder para dominar, beleza para utilização indevida, etc.

Entretanto, são metas.

Quando as metas são positivas temos uma série de fatores e situações conspirando para alcançá-las; quando são negativas, não temos as forças do equilíbrio e do bom senso a nosso favor, mas da doentia fixação do mundo aos nossos pés para obtê-las. Estas últimas não são metas, são buscas obsessivas.

Metas reais trazem-nos alegrias e sabedoria. E para alcançá-las dependemos de um elemento essencial: o QUERER.

Precisamos mobilizar nossas forças, concentrar nossas energias, afinar nossos talentos e direcionar nossa luta no foco desejado.

Quando queremos realmente, imprimimos nossa vontade e a vitória virá, inexoravelmente. Definamos bem nossas metas, para que sejam sinceras e nobres, e verdadeiramente queiramos alcançá-las, para que sejamos felizes e espalhemos felicidade. Mais do que conquistas egoístas ou personalistas, que nossos alvos sejam presentes para a Humanidade...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Julho de 2013, 04:16

A Vontade é o grande dínamo da vida. É por meio dela que pomos em ação nossos pensamentos, quando queremos realizar algo. É preciso querer para transformar um simples desejo em vontade. Daí se infere que desejo e vontade são estímulos diferentes, emanados do pensamento ou de outra fonte motivadora qualquer. Não só são diferentes como até mesmo a vontade pode, e freqüentemente o faz, contrapor-se ao desejo para evitar a consumação de muitas tragédias humanas. É isso que veremos no desenvolvimento desses dois temas, tratados lado a lado e comparativamente.

O querer tem muita força, desde que lutemos pelo que queremos, enquanto o desejo não passa de um simples almejar e muitas vezes representa sonhos e fantasias inatingíveis; a vontade impulsiona, soberana, a concretização de idéias e ideais. Quase sempre realizar um desejo depende do consentimento de outras pessoas, mas a vontade só depende de nós mesmos, de nosso querer.

O desejo está freqüentemente ligado aos nossos sentimentos e emoções, enquanto a vontade realizadora caminha de mãos dadas com a lógica e a razão e, por isso mesmo, é respaldada, também, pelo poder do raciocínio. Assim, é fácil entender que o desejo se consome e, enquanto não se consome, continua a nos martelar a mente, às vezes de forma quase avassaladora. A vontade é o pré-requisito das boas realizações, firma-se na ponderação e na moderação, leva a criatura ao equilíbrio no trabalho e em todos os atos de sua vida. Ela é, portanto, a pedra fundamental, o dínamo de nossos pensamentos, levando ao sucesso na vida, quando dirigida às boas ações. É forte, persuasiva, abre caminho e realiza; o desejo é titubeante, incerto e quase sempre inconseqüente.

Há diferenças notáveis na expressão do desejo dos homens e das mulheres. Não estou me referindo ao desejo sexual, mas ao desejo de forma generalizada. Certas peculiaridades são observadas, também, nas crianças. É o que veremos, a seguir.

Nas mulheres o desejo é mais disfarçado, camuflado e, muitas vezes, indireto. É uma espécie de savoir-faire feminino, manifestado de forma tímida e acanhada. Parecem desejar menos, com menor intensidade, mas isso é ledo engano. Na verdade, as mulheres desejam fortemente, mas sabem quando devem amoldar os seus desejos aos de outras criaturas, tentando evitar conflitos, o que nem sempre conseguem. E, se não conseguem, o mundo parece ruir a seus pés, de forma inconsolável. Sentem-se, então, como se estivessem cometendo imperdoável deslize de comportamento, podendo até sobrevir-lhes o sentimento de vergonha. Se, ao contrário, conseguem consumar o seu desejo, têm o mundo em suas mãos, chegam a sentir o cheiro da felicidade a envolvê-las completamente, da cabeça aos pés.

Nos homens o desejo é mais direto, consome-se em linha reta, sendo premente e, muitas vezes, imediato. É como se estivessem possuídos de uma imensa sede e tivessem que a 'matar' imediatamente. Não há espera, sentem-se impacientes até consumá-lo e consumi-lo. Neles, o impulso do desejo é prioritário e mais facilmente se confunde com a vontade. Quanto mais depressa puderem consumi-lo, mais depressa se desmanchará sua impaciência.

Nas crianças, o desejo pode assumir – e normalmente assume – formas impulsivas incontroláveis. Seus desejos são 'vontadezinhas' ou caprichos de comportamento, que precisam ser preenchidos na hora, sob pena de o mundo vir abaixo. São verdadeiras tiranas e exercem esse poder com desusada astúcia e artimanha. Os pais e, principalmente, as mães poderão deixar-se vencer pela persistência nas suas súplicas e choramingos, se não lhes impuserem disciplina e boa educação, com amor e firmeza. Se deixarem passar a oportunidade, acabarão fracassando na sua principal missão de ensinar e educar a criança nas regras da boa convivência, na formação da vontade e do caráter das novas gerações, tarefa que não deve ser deixada para mais tarde, a cargo dos professores, nas escolas. Estes apenas poderão completá-la, mas jamais substituir o carinho e a dedicação dos pais nessa espinhosa tarefa. A disciplina tem que ser ensinada para ser facilmente aceita, jamais imposta de forma muito severa. Do contrário, surgirão as revoltas e os primeiros vícios da conduta e formação do caráter, difíceis de ser eliminados mais tarde, quando crescidos e adultos. É óbvio que as necessidades básicas da criança terão que ser supridas dentro de um esquema disciplinado para criar hábitos salutares de vida.

Muitos adultos, principalmente mulheres que foram criadas ao sabor de seus desejos quando crianças, fazem uso de muitos artifícios trazidos da infância que tiveram, como por exemplo o hábito de expressar muitos de seus desejos fazendo voz de criança, coisa que nenhum homem faz. É um recurso muito comum, até permitido e aceito por muitas criaturas tolerantes, em nossa sociedade. Outro hábito, muito comum nas grávidas, é o de utilizarem artifícios para satisfazer seus caprichos, convencendo seus maridos a conseguirem, muitas vezes em horários impróprios, o objeto de seus desejos. Procuram, com esse procedimento, atrair a atenção para si, de modo a suprir suas carências de afeto e aconchego, dizendo que, se não forem atendidas, a criança poderá nascer com marcas ou manchas que caracterizam os desejos não satisfeitos. Isso não passa de crendice, mas muitos maridos atendem a esses apelos.

Um aspecto importante a considerar nesta comparação entre desejo e vontade é que a vontade sempre tem a força do espírito como fator dinâmico a acioná-la, daí usar-se freqüentemente a expressão força de vontade, que dispensa mais explicações. Esta não encontra obstáculos que não possam ser vencidos, obviamente, respeitadas as limitações humanas, que variam de indivíduo para indivíduo. Por isso mesmo, cada um deve procurar conhecer seus limites, no sentido de suas limitações realizadoras e da consciência que tem de si mesmo. A vontade, ou melhor, a força de vontade, tem o poder de controlar, de intervir e subjugar todos os atos de fraqueza e as próprias paixões que venham acometer a criatura, freando seus ímpetos e desejos inferiores e intemperados que, muitas vezes, a atingem de forma inconsciente, ou intuídos pelos espíritos inferiores que atuam na atmosfera da Terra. A atuação firme da vontade, nesses casos, é imprescindível para se contrapor e vencer dominadoramente e de forma consciente tais desejos malsãos.

A consciência de si mesmas de que as criaturas livres e esclarecidas dispõem garante, com certeza, o pleno conhecimento de suas possibilidades e de suas limitações, permitindo, através de avaliação constante e rigorosa, de auto-apreciação, proceder de forma simples, adequada e objetiva em todas as circunstâncias, transformando, assim, seus desejos em realizações efetivas, construtivas e progressistas.

Para melhor entender as principais diferenças entre desejo e vontade, devemos recorrer a alguns conceitos básicos relacionados com as principais forças motivadoras subjacentes a um e outra. Toda e qualquer criatura vive em um ambiente compartilhado por outros seres – os seus semelhantes. Todos têm percepções desse ambiente e do próprio 'eu', entendido como tal o conjunto espírito-corpo. Ora, cada uma dessas criaturas, que constituem um 'ser único', tem suficiências e deficiências ou insuficiências a preencher, dependendo do seu grau de evolução ou de espiritualidade. Às deficiências e suficiências, que são percepções próprias de cada ser, devemos agregar as perturbações resultantes do próprio 'eu' (espírito e matéria), do ambiente (forças da natureza), da relação da criatura com o ambiente e da relação das criaturas entre si.

Assim, as deficiências e perturbações são necessidades do 'eu'. As necessidades, que representam condições de insuficiência, são fundamentais no processo de atuação da vontade. A criatura precisa, inicialmente, sentir necessidade de afastar, diminuir ou corrigir certa situação e, até mesmo, adquirir determinadas 'coisas' que possam preencher suas necessidades ou satisfazer alguns desejos. Esses são sentimentos de ambição, impulsos ou ânsia de querer que são dirigidos para objetos, condições ou outras pessoas.

Neste complexo contexto, as necessidades podem ser agradáveis ou desagradáveis. Nele, os desejos surgem com relação às necessidades agradáveis e não se baseiam nas deficiências. Portanto, os desejos buscam, sempre, realizar uma satisfação, algo que nos dá prazer ou proporciona alegria, de preferência já no ato de sua realização. De outro lado, a vontade procura sempre evitar a dor e o sofrimento, e se realiza no preenchimento de nossas necessidades, porém sempre apoiada na razão, na lógica e no raciocínio.

Em alguns casos, a distinção entre desejo e vontade, na forma acima delineada, pode tornar-se bastante sutil e até confusa, porque nem todas as criaturas têm a mesma concepção de 'prazer' e de 'dor'. O grau dessa percepção é determinante na percepção entre desejo e vontade. Por exemplo, se sentimos fome, podemos aplacá-la ingerindo uma refeição apetitosa, o que nos proporciona prazer, pela satisfação desse desejo. Contudo, se tivermos a garganta inflamada, a ingestão desse alimento nos causa dor, afastando-nos do desejo de comer e, nesse caso, podemos nos contrapor com a vontade, rejeitando o alimento ou satisfazendo-nos com um simples prato de sopa.

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 26 de Julho de 2013, 13:08
Bom Dia!!!!
Bom texto Brenno...

“Se as coisas são intangíveis...ora!
 Não é motivo para não querê-las...
 Que tristes os caminhos, se não fora
 A presença distante das estrelas!”

(Mário Quintana, poeta)
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 26 de Julho de 2013, 13:15
Há um ditado, muito usado em grupos de recuperação, que ensina: “Senhor dai-me resignação para aceitar o que não pode ser mudado, dai-me força para mudar o que pode ser modificado e, principalmente, sabedoria para diferenciar uma coisa da outra.”
O Espiritismo ajuda que desenvolvamos uma resignação racional para muitos fatos. Mas, ao contrário do que muitos pensam, não incentiva o comodismo. Ao revés, estuda as potências do espírito humano e facilita o desenvolvimento delas.
 Ensina Léon Denis, na lapidar obra “Depois da Morte”: “Um louco pode procurar lutar contra a ordem imutável das coisas, mas o espírito sensato acha na provação os meios de retemperar, de fortificar as suas qualidades viris. A alma intrépida aceita os males do destino, mas, pelo pensamento, eleva-se acima deles e daí faz um degrau para atingir a virtude.”

Muitas pessoas recuam diante das primeiras dificuldades. Adiam planos, fogem de mudanças, sobrepõem justificativas e sentadas à beira do caminho olham o tempo escoar, enquanto escolhem desculpas e culpados pelo infortúnio de suas opções. Às vezes, é verdade, o tamanho do desafio nos chama atenção. Allan Kardec nos primeiros contatos que teve com o Espírito de Verdade, que o orientou durante a codificação espírita, perguntou: “Pela natureza da minha inteligência, terei aptidão para penetrar, tanto quanto ao homem for permitido fazê-lo, as grandes verdades acerca do nosso destino futuro? A resposta é firme: Sim, tens a aptidão necessária, mas o resultado dependerá da tua perseverança no trabalho.”

Victor Frankl, psiquiatra judeu sobrevivente de um campo de concentração, criou a logoterapia após a vivência aos maus tratos nazistas. Enquanto esteve preso, resolveu libertar-se de seus algozes. Apenas com sua força de vontade, alheou-se do sofrimento e não permitiu que lhe controlassem a mente. _Eles podem controlar o local, o que como, o ambiente e até meu corpo, mas não minha autoconsciência e vontade. Surgia a proatividade como hoje a conhecemos. Ser próativo é mais do que ter iniciativa. É não focar o problema, pois não é ele o que realmente importa e sim nossa atitude diante dele. Segundo ensinam os especialistas, existem as pessoas reativas e as próativas. As reativas apenas reagem a estímulos externos. Caso o tempo esteja bom, o carro funcionando, a esposa carinhosa e a saúde excelente, tudo anda, tudo segue seu curso. Mas se o dia é chuvoso, se o carro apresentou defeito ou se a esposa não acordou bem, já é o suficiente para nada mais prestar e a insatisfação tomar-lhe por completo. Tudo fica parado. As pessoas próativas trabalham com valores e não com fatores externos. Não é um imprevisto, um transtorno, uma contrariedade que a impedirá de produzir, de ajudar, de se melhorar. Ela interage com as circunstâncias externas e não é arrastado por elas, como acontece com as reativas.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 26 de Julho de 2013, 13:26
Todas as pessoas passam fases difíceis na vida. Todas. Algumas interagem com as crises, abertas para aprender. Captam as mensagens implícitas, refletem, mudam pontos de entrave e seguem em frente mais fortalecidas. Outras cambaleiam de crise em crise, sem conseguir marchar rumo a seus ideais e sonhos, principalmente por estarem fechadas a captar as mensagens, de aprender com erros e, não raro, sucumbem pela débil vontade de ir à luta.

Não se consegue mudanças sem lutas e sem mudar.

Mudar não é perder a própria identidade.
É livrar-se do lixo, dos pesos desnecessários, das inutilidades, dos perigosos apegos e excessos injustificáveis, do que te traz confusão, do que te arrasta ao caos, do que te faz adoecer e te deixa infeliz. Isso não compõe a identidade de ninguém. Pois não fomos criados para perdermos, para sermos menos, para habitarmos o fundo do poço. Viemos da Luz e ela é nosso destino.

Todos temos de atravessarmos tempestades, mas ninguém monta acampamento no caminho dos furacões.

É preciso, antes de tudo, não confundirmos efeito com causa.

Não se prenda, portanto, aos problemas.
Retrocedas e encontres lá atrás as causas distantes.
Se procurares direito, quase sempre encontrarás a ti mesmo.
Também não espere se sentir bem para agir.
Muitas pessoas esperam a segunda-feira, o ano novo, o aumento de salário, o momento propício, esperam se sentirem bem para só então agirem.

Como bem diz o neurolingüista Lair Ribeiro: o passarinho não canta porque está feliz. Ele está feliz porque canta. A ação deve anteceder o sentimento. Movimente o universo e os efeitos virão.

Aproveite cada crise, pois, segundo a tradição chinesa, crise é oportunidade de crescimento.

Mas para que essas mudanças avancem é preciso conhecer a vontade como potência do espírito.

Fénelon assinala: “Nada temos de nosso que a nossa vontade; tudo mais não é nosso. A doença leva a saúde e a vida; as riquezas nos são arrancadas pela violência; os talentos do espírito dependem da disposição do corpo. A única coisa que é verdadeiramente nossa é a vontade.”

E Epiteto complementa com exatidão: “Não existem ladrões de vontade.”

Portanto, cumpre a cada um tomar as rédeas de seu destino e construí-lo, enfrentando com desassombro as vicissitudes e desafios da vida, sem transferências de responsabilidades.

Nem tudo que desejamos poderemos alcançar e mudar. Muitas vezes a resignação é sábia, quiçá vital. Mas há muito que depende de nossas forças e do Auxílio Divino. Este nunca falha quando nos apresentamos humildes e merecedores do amparo. Jesus indicou o caminho (S. Mateus, 7:7 ): “Pedi e se vos dará; buscai e achareis; batei à porta e se vos abrirá; porquanto, quem pede recebe e quem procura acha e, àquele que bata à porta, abrir-se-á.”

Esta passagem está devidamente elucidada no Capítulo XXV, item 5, do Evangelho Segundo o Espiritismo: “Do ponto de vista moral, essas palavras de Jesus significam: Pedi a luz que vos clareie o caminho e ela vos será dada; pedi forças para resistirdes ao mal e as tereis; pedi a assistência dos bons Espíritos e eles virão acompanhar-vos e, como o anjo de Tobias, vos guiarão; pedi bons conselhos e eles não vos serão jamais recusados; batei à nossa porta e ela se vos abrirá; mas, pedi sinceramente, com fé, confiança e fervor; apresentai-vos com humildade e não com arrogância, sem o que sereis abandonados às vossas próprias forças e as quedas que derdes serão o castigo do vosso orgulho. Tal o sentido das palavras: buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á.”

Agora é com você!!!

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 26 de Julho de 2013, 17:46
Força gente!
Título: Vontade.
Enviado por: Edna☼ em 28 de Julho de 2013, 19:29
Vontade

"É pelo livre-arbítrio, enfim, que o homem passa a receber a incumbência de assumir a evolução dos hábitos e automatismos. A vontade surge como faculdade que interpõe um hiato entre o impulso e a ação: um retardamento no qual a consciência e a reflexão, ao se fixarem em determinada ordem de idéias, que podemos eleger pelo discernimento, operam a transformação do impulso.

A causa inconsciente do agir cede lugar a idealização de ações, das quais uma é eleita por escolha nossa, em função da nossa escala de valores, pela qual se nos define o objetivo a atingir, escolha esta que, em passando à ação, nos torna responsáveis.

Pelo estudo, pelo trabalho, edificamos os valores que, se relativos ao bem geral, nos guiam à ação na produção do bem comum, no servir, que é o que nos faz progredir, com base na lei que é dando que se recebe, com a assistência constante do Plano Maior.

Quando tivermos assimilado todo o conhecimento e automatizado todo o procedimento evangélico – diz André Luiz -, aí cessará o ciclo das reencarnações e ingressaremos em nova fase que por falta de outra terminologia, se denomina de fase angélica."

Fonte: Espiritismo e Evolução, Rino Curti


Lindo domingo a todos! :)

Abraços fraternos,

Edna ;)


Título: Re: Vontade.
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Julho de 2013, 21:53

Quando tivermos assimilado todo o conhecimento e automatizado todo o procedimento evangélico – diz André Luiz -, aí cessará o ciclo das reencarnações e ingressaremos em nova fase que por falta de outra terminologia, se denomina de fase angélica."

Lindo domingo a todos! :)

Abraços fraternos,

Edna ;)


É exato, amiga Edna,

Quando atingirmos o estágio de Puro Espírito passaremos de aprendizes à colaboradores!

Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 29 de Julho de 2013, 17:28
A EDUCAÇÃO ESPÍRITA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO DA VONTADE

Em função dessas lições maravilhosas do Espiritismo, a educação espírita preocupa-se com a educação de nossa vontade.

Assim, descobrimos a receita verdadeira para a criação de um destino próspero, alegre, sadio e feliz.

A vontade bem educada, de acordo com os princípios espíritas:

1. Enobrece a personalidade;
2. Desponta as qualidades pessoais dignas;
3. Seleciona as boas companhias que nos influenciam para o bem;
4. Propicia a obtenção de sucesso nos empreendimentos;
5. Melhora as condições mentais, morais e espirituais que sustentam a harmonia íntima, a boa convivência e o bom relacionamento com todos.

Portanto, investindo na educação da vontade, orientados pelo Espiritismo, revelamos:

1. A vontade de viver, mesmo enfrentando as provas e os momentos difíceis, necessários ao aprimoramento da alma;
2. A vontade de vencer os vícios, de corrigir as imperfeições morais e de eliminar as deficiências pessoais, para melhorar o estado da consciência e despontar qualidades melhores;
3. A vontade de fazer o bem e de ser útil ao próximo para praticar um estilo mais elevado de vida;
4. A vontade de trabalhar e de estudar sempre para acelerar o progresso;
5. A vontade de vencer na vida, sem temer as derrotas que servem de experiências;
6. A vontade de crescer em maturidade, tendo profundo respeito pelos semelhantes e tratando-os fraternalmente como irmãos, filhos de Deus em jornada evolutiva na escola terrena;
7. A vontade de criar um destino cada vez mais próspero, alegre, sadio e feliz, tanto na vida presente, quanto na vida futura.

Esta é a educação da vontade propiciada pela educação espírita.

Com ela atraímos ainda a ajuda dos bons Espíritos, como nos ensinou o querido e notável médium Chico Xavier:

“Os Espíritos da luz, quando percebem a nossa boa vontade, nos auxiliam em tudo e... vamos caminhando”.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 29 de Julho de 2013, 18:15
He he he... Vamos ter cuidado com isso irmãos.....  ;D
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Antonio Renato em 29 de Julho de 2013, 23:08
meus irmãos,é justamente na alma que reside os nossos sentimentos e é pelos sentimentos
que temos que a nossa vontade se manifesta.Vejamos então o que nos acontece tomando
como base a nossa alma:Quando ela está equilibrada nós nos sentimos bem,a nossa vontade
se manifesta para fazer o bem,pois atrelado a nossa alma está os nossos pensamentos,ao
contrário,quando a alma está inquieta,em desarmonia,nos vêm pensamentos maus,modifica a
nossa vontade.Portanto meus irmãos,a nossa alma é a essência do nosso ser,é o maestro
que comanda e dá o tom da nossa vida,onde os pensamentos,sentimento e vontade são
componentes desta orquestra que está em nós.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 30 de Julho de 2013, 14:50
É dessa forma Antônio, o auto despertamento para que possamos reconhecer a importância da vida, da alma (Espírito encarnado), o desenvolvimento desta consciência é de cada um. De suas análises, de seu auto conhecimento, de suas prioridades para a vida, e cada um a seu tempo. Tem muitos irmãos que pensam muito, outros que fazem muito, outros que ñ pensam nem fazem nada...
Mas tenhamos em mente que uma vez desperta, a consciência e o conhecimento das Leis que regem o mundo, temos que lapidar, estudar, moldar, ou pelo menos tentar, nossos pensamentos, já que como vimos no decorrer do mês, ele, o Pensamento é a base de tudo, é o que determina uma série de fatores (não vistos a olhos físicos) mas que desencadeia uma série de reações, que podem traduzir-se no corpo físico. Com efeitos salutares ou deletérios conforme a qualificação do pensamento emitido, ou cultivado com frequência.
No decorrer deste mês, em minhas análises, pude concluir que nosso cérebro, nosso psiquismo É o terreno a ser arado, depois fertilizado, devidamente semeado para que venha uma colheita venturosa. É daí que parte tudo, e ninguém pode agir em meu psiquismo se eu não permitir, e se houverem interferências (espirituais como já sabemos que há), é por desconhecimento nosso de como 'domar' essa potência que todos nós possuímos chamada Pensamento.
Foi só um ponta pé este estudo para que possamos voltar para dentro de nós mesmos e iniciar o trabalho...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Jotta Carlos em 30 de Julho de 2013, 15:54
Muito importante este tema. E do modo que foi abordado aqui, ficou mais fácil pra entender que não adianta só reconhecer o quanto é dificil, mas é preciso começar logo esse trabalho íntimo em nosso pensamento, com todos os obstáculos que possamos encontrar em nós mesmos.
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 31 de Julho de 2013, 17:46
Bom amigos nada melhor do que fechar nosso mês de estudo, este tema instigante, com um ensinamento da Joanna de Ângelis...

"O pensamento é força viva e atuante, porque procede da mente que tem a sua sede no ser espiritual, sendo, portanto, a exteriorização da Entidade eterna.

Conforme o seu direcionamento, manifesta-se, no mundo das formas, a sua realização. A sua educação é relevante, porque se torna fator essencial para o enfrentamento dos desafios e encontro das soluções necessárias à vida saudável.

Normalmente, em razão do hábito de mal pensar, os indivíduos asseveram que tudo quanto pensam de negativo lhes acontece, e não se dão conta de que são, eles próprios, os responsáveis pela construção mental do que anelam, inconscientemente, e elaboram pelo pensamento. Alterassem a forma de encarar a vida e de pensar, e tudo se modificaria, tornando-se-lhes a existência mais apetecível e positiva.

A neurolinguística demonstra que as fixações mentais contribuem para as realizações humanas, e a neurociência confirma o poder da força mental na atividade humana.

É de mau vezo cultivar-se pensamento destrutivo, pejorativo, perturbador, porquanto a sua emissão vai criar fatores que lhe facultam a condensação na área das emoções, das realidades físicas.

Sempre que se pensar a respeito de uma ocorrência desagradável que se espera aconteça, e constante que a mesma sucedeu, estará na hora de alterar a maneira de elaborar as ideias, construindo-as de forma edificante ou positiva. Ver-se-á que se alterarão os acontecimentos, tornando-os mais felizes e confortadores...
Título: Re: Pensamento, Sentimento e Vontade.
Enviado por: Aline Alarcão Lemos em 31 de Julho de 2013, 18:20
... Não desejamos com isso afirmar que, com o simples fato de elaborar-se uma idéia, necessariamente, acontecerá como se quer ou como se planeja. No entanto, a onda mental emitida se transforma em fator propiciatório, que irá contribuir para tornar viável o desejo, que deve ser acompanhado do empenho, do esforço para torná-lo real, construtivo e edificante.

Vitimado por uma necessidade masoquista, o ser humano, que gosta de chamar atenção pela piedade e não pelos seus incomparáveis valores morais, intelectuais, culturais, sociais e outros, sempre se fixa nos complexos de desgraça, cultivando mentalmente as atitudes que geram infelicidade, assim desenvolvendo uma grande capacidade para produzir os efeitos em que se compraz.

Modificando a estrutura psicológica, pelo sanear do conflito a que se apega, deve direcionar a força mental para a sua realização, a fim de que lhe surjam fatores especiais que o auxiliem na modificação das paisagens íntimas e das ocorrências externas, desde que está programado pelo Pensamento Divino para alcançar os patamares mais elevados da vida.

Necessário que se adapte às alturas, de forma que o crescimento se dê natural e caracterizado pelas bênçãos da alegria, da saúde, da ventura.

A harmonia que predomina no Universo igualmente se encontra no ser humano, que momentaneamente está em desenvolvimento dessas belezas que cantam em toda parte, emulando-o ao avanço sem repouso, ao trabalho sem fadiga, à edificação do melhor em todos os momentos.

Desse modo, os desafios existenciais fazem parte da vida, sem os quais o ser seria destruído pela paralisia da vontade, dos membros, das aspirações, que ser transformariam em doentia aceitação dos níveis inferiores do estágio da evolução.

Viajar no rumo do inconsciente para liberá-lo das heranças primárias e enriquecer o Si com a luz do discernimento elevado, em ininterrupto esforço de engrandecimento e sintonia com a vida, é a finalidade precípua da reencarnação, que liberta o Espírito da roda automática das experiências do ir-e-vir sem conquistas correspondentes às propostas da Divindade. E porque esse fenômeno de conquista do Infinito não cessa, terminada uma etapa outra surgirá mais desafiadora, e mediante essas vitórias o ser se plenifica e se torna uno com Deus."       
Joanna de Ângelis