Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => Estudos mensais => Tópico iniciado por: Gustavo Rettenmaier em 01 de Outubro de 2012, 12:08

Título: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 01 de Outubro de 2012, 12:08

Meu reino não é deste mundo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWJRZ0RQN2F1czc0I3dz)


Amados amigos do Fórum Espírita.
O estudo sério e responsável da Doutrina Espírita é uma das melhores e mais completas alavancas propulsoras do nosso crescimento intelecto-moral.
A parte intelectual eleva-se e progride a partir do raciocínio constante sobre os temas propostos pela codificação efetuada pelo professor Rivail. É a parte cientifica e filosófica da doutrina, nos levando a buscar, pela pesquisa e o confronto de ideias, as respostas para as questões contraditórias que existem nas religiões tradicionais, as quais normalmente nos são negadas.
Mas, como a Doutrina Espírita nos mostra, existe outro componente fundamental nesse processo de evolução continuada do ser imortal, essa criação divina, fruto do seu imenso amor.
Esse componente é o componente moral o qual podemos buscar no estudo do evangelho deixado pelo Mestre Jesus.
E é essa fantástica coletânea de ensinamentos éticos e morais, chamada Evangelho, que estamos buscando compreender melhor para conseguirmos evoluir também no fundamental aspecto moral da vida de cada ser espiritual.
Para isso, os temas colocados no Evangelho Segundo o Espiritismo, são a base para a reflexão que nos levará a essa compreensão aprimorada dos ensinamentos morais do Cristo.
Com o objetivo de contribuir, ou pelo menos tentar, encaminhamos esta proposta de estudo acerca do capitulo 2 do ESE, permeado de trechos dos evangelhos bíblicos, para refletirmos um pouco sobre a vida “de espírito” que possuímos, pois entendemos ser essa a temática central das instruções contidas nesse capítulo.
Esperamos encontrar nos colegas debatedores e visitantes do Fórum, muitas opiniões e conceitos que possam agregar conhecimentos a todos os participantes, procurando colocar também nossa contribuição.
Que o Mestre Jesus possa nos auxiliar e tornar esse estudo proveitoso
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 01 de Outubro de 2012, 12:40
Amigo Gustavo  antes de tudo seja bem vindo e os meus parabéns por este tema  que muito nos pode ajudar  a compreender  mais um pouco este evangelho e  principalmente  este capitulo.
Meu reino não é deste mundo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWNhWDF5WjRnZkhVIw==)
A Vida Futura
Por estas palavras, Jesus se refere claramente à vida futura, que ele apresenta, em todas as circunstâncias, como o fim a que se destina a humanidade, e como devendo ser o objeto das principais preocupações do homem sobre a Terra.
Todas as suas máximas se referem a esse grande princípio.
Sem a vida futura, com efeito, a maior parte dos seus preceitos de moral não teriam nenhuma razão de ser.
É por isso que os que não crêem na vida futura, pensando que ele apenas falava da vida presente, não os compreendem ou os acham pueris.
Esse dogma pode ser considerado, portanto, como o ponto central do ensinamento do Cristo.
Eis porque está colocado entre os primeiros, no início desta obra, pois deve ser a meta de todos os homens.
Só ele pode justificar os absurdos da vida terrestre e harmonizar-se com a justiça de Deus.
Os judeus tinham ideias muito imprecisas sobre a vida futura.
Acreditavam nos anjos, que consideravam como os seres privilegiados da criação, mas não sabiam que os homens, um dia, pudessem tornar-se anjos e participar da felicidade angélica.
Segundo pensavam, a observação das leis de Deus era recompensada pelos bens terrenos, pela supremacia de sua nação no mundo, pelas vitórias que obteriam sobre os inimigos.
As calamidades públicas e as derrotas eram os castigos da desobediência.
Moisés o confirmou, ao dizer essas coisas, ainda mais fortemente, a um povo ignorante, de pastores, que precisava ser tocado antes de tudo pelos interesses deste mundo. Mais tarde, Jesus veio lhes revelar que existe outro mundo, onde a justiça de Deus se realiza. É esse mundo que ele promete aos que observam os mandamentos de Deus. É nele que os bons são recompensados. Esse mundo é o seu reino, no qual se encontra em toda a sua glória, e para o qual voltará ao deixar a Terra.
Jesus, entretanto, conformando o seu ensino ao estado dos homens da época, evitou de lhes dar o esclarecimento completo, que os deslumbraria em vez de iluminar, porque eles não o teriam compreendido.
Ele se limitou a colocar, de certo modo, a vida futura como um princípio, uma lei da natureza, à qual ninguém pode escapar.
Todo cristão, portanto, crê forçosamente na vida futura, mas a ideia que muitos fazem dela é vaga, incompleta, e por isso mesmo falsa em muitos pontos.
Para grande número, é apenas uma crença, sem nenhuma certeza decisiva, e daí as dúvidas, e até mesmo a incredulidade.
O Espiritismo veio completar, nesse ponto, como em muitos outros, o ensinamento do Cristo, quando os homens se mostraram maduros para compreender a verdade.
Com o Espiritismo, a vida futura não é mais simples artigo de fé, ou simples hipótese.
É uma realidade material, provada pelos fatos.
Porque são as testemunhas oculares que a vêm descrever em todas as suas fases e peripécias, de tal maneira, que não somente a dúvida já não é mais possível, como a inteligência mais vulgar pode fazer uma ideia dos seus mais variados aspectos, da mesma forma que imaginaria um país do qual se lê uma descrição detalhada. Ora, esta descrição da vida futura é de tal maneira circunstanciada, são tão racionais as condições da existência feliz ou infeliz dos que nela se encontram, que acabamos por concordar que não podia ser de outra maneira, e que ela bem representa a verdadeira justiça de Deus.
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 01 de Outubro de 2012, 18:33
Muito obrigado mano M.Altino.
Realmente, acho esse tema fascinante.
A compreensão, ou pelo menos a busca de compreensão desse tema nos permite, em minha opinião, compreender e muito, muitas coisas que nos acontecem, bem como encontrar a lógica que a DE nos apresenta, baseada nos ensinamentos do Cristo.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 01 de Outubro de 2012, 22:23
Olá Gustavo, parabéns pelo tema escolhido.. sucesso

Capítulo 2 - MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO

O Ponto de Vista

5 – A idéia clara e precisa que se faça da vida futura dá uma fé inabalável no porvir, e essa fé tem conseqüências enormes sobre a moralização dos homens, porque muda completamente o ponto de vista pelo qual eles encaram a vida terrena. Para aquele que se coloca, pelo pensamento, na vida espiritual, que é infinita, a vida corporal não é mais do que rápida passagem, uma breve permanência num país ingrato. As vicissitudes e as tribulações da vida são apenas incidentes que ele enfrenta com paciência, porque sabe que são de curta duração e devem ser seguidos de uma situação mais feliz. A morte nada tem de pavoroso, não é mais a porta do nada, mas a da libertação, que abre para o exilado a morada da felicidade e da paz. Sabendo que se encontra numa condição temporária e não definitiva, ele encara as dificuldades da vida com mais indiferença, do que resulta uma calma de espírito que lhe abranda as amarguras.

Pelas simples dúvida sobre a vida futura, o homem concentra todos os seus pensamentos na vida terrena. Incerto do porvir, dedica-se inteiramente ao presente. Não entrevendo bens mais preciosos que os da Terra, ele se porta como a criança que nada vê além dos seus brinquedos e tudo faz para os obter. A perda do menor dos seus bens causa-lhe pungente mágoa. Um desengano, uma esperança perdida, uma ambição insatisfeita, uma injustiça de que for vítima, o orgulho ou a vaidade ferida, são tantos outros tormentos, que fazem da sua vida uma angústia perpétua, pois que se entrega voluntariamente a uma verdadeira tortura de todos os instantes.
 Sob o ponto de vista da vida terrena, em cujo centro se coloca, tudo se agiganta ao seu redor. O mal o atinge, como o bem que toca aos outros, tudo adquire aos seus olhos enorme importância. É como o homem que, dentro de uma cidade, vê tudo grande em seu redor: os cidadãos eminentes como os monumentos; mas que, subindo a uma montanha, tudo lhe parece pequeno
 Assim acontece com aquele que encara a vida terrena do ponto de vista da vida futura: a humanidade, como as estrelas no céu, se perdem na imensidade; ele então se apercebe de que grandes e pequenos se confundem como as formigas num monte de terra; que operários e poderosos são da mesa estatura; e ele lamenta essas criaturas efêmeras, que tanto se esfalfam para conquistar uma posição que os eleva tão pouco e por tão pouco tempo. É assim que  importância atribuída aos bens terrenos está sempre na razão inversa da fé que se tem na vida futura.

6 – Se todos pensarem assim, dir-se-á, ninguém mais se ocupando das coisas da Terra, tudo perigará. Mas não, porque o homem procura instintivamente o seu bem estar, e mesmo tendo a certeza de que ficará por pouco tempo em algum lugar, ainda quererá estar o melhor ou o menos mal possível. Não há uma só pessoa que, sentindo um espinho sob a mão, não a retire para não ser picada. Ora, a procura do bem estar força o homem a melhorar todas as coisas, impulsionado como ele é pelo instinto do progresso e da conservação, que decorre das próprias leis da natureza. Ele trabalha, portanto, por necessidade, por gosto e por dever, e com isso cumpre os desígnios da Providência, que o colocou na Terra para esse fim. Só aquele que considera o futuro pode dar ao presente uma importância relativa, consolando-se facilmente de seus revezes, ao pensar no destino que os aguarda.
Deus não condena, portanto, os gozos terrenos, mas o abuso desses gozos, em prejuízo dos interesses da alma. É contra esse abuso que se previnem os que compreendem estas palavras de Jesus: O meu reino não é deste mundo.
                Aquele que se identifica com a vida futura é semelhante a um homem rico, que perde uma pequena soma sem se perturbar; e aquele que concentra os seus pensamentos na vida terrestre é como o pobre que ao perder tudo o que possui, cai em desespero.

                7 – O Espiritismo dá amplitude ao pensamento e abre-lhe novo horizonte. Em vez dessa visão estreita e mesquinha, que o concentra na vida presente, fazendo do instante que passa sobre a terra o único e frágil esteio do futuro eterno, ele nos mostra que esta vida é um simples elo do conjunto harmonioso e grandioso da obra do Criador, e revela a solidariedade que liga todas as existências de um mesmo ser, todos os seres de um mesmo mundo e os seres de todos o mundos. Oferece, assim, uma base e uma razão de ser à fraternidade universal, enquanto a doutrina da criação da alma, no momento do nascimento de cada corpo, faz que todos os seres sejam estranhos uns aos outros. Essa solidariedade das partes de um mesmo todo explica o que é inexplicável, quando apenas consideramos uma parte. Essa visão de conjuntos, os homens do tempo de Cristo não podiam compreender, e por isso o seu conhecimento foi reservado para mais tarde
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 01 de Outubro de 2012, 22:54

REUNIÃO PÚBLICA DO DIA 18-01-2.010
CAPÍTULO II – E.S.E. – MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO

 Quando falamos em Jesus, falamos no Mestre de amor e de luz, que veio trazer a nova
revelação sobre a nossa verdadeira vida.
 Ante Pilatos, Jesus afirmou que o seu reino não era deste mundo, e muitos não tinham
condições para compreender as Suas palavras.
 A realeza de Jesus em nada se assemelhava à realeza dos homens na Terra e às suas
riquezas como o ouro e a prata. Jesus possuía valores relacionados à perfeição do Pai.
 Mais vale para Deus aqueles que acumulam bens espirituais que bens materiais. Os bens
espirituais são os valores da moral, o bem que praticamos durante a nossa existência no Planeta
Terra, mundo das provas expiatórias.
 Somos todos chamados pelo Espiritismo a crer na vida futura, acreditar nas leis de ação e
reação, conscientes de que a reencarnação é a máxima que explica o quão longe ainda estamos
da perfeição.
 Deus nos dá em todas as existências a chance de crescermos, de evoluirmos e de
descobrirmos que a passagem pela Terra nada mais é do que um breve período de tempo, uma
passagem curta e temporária, se considerarmos a eternidade do Espírito.
 A fé na vida futura justifica o uso da moral em nossas ações, nos dá a consciência da
necessidade da prática do bem e da caridade exercitada durante a nossa jornada na Terra.
 As Leis do Progresso e da Conservação fazem parte da nossa jornada. O trabalho nos dá
o pão material, mas é necessário o pão espiritual, aquele que nutre a nossa alma.
 Deus nos empresta o corpo físico, e após o cumprimento de nossas missões e dos nossos
resgates, a “morte” vem e é inevitável, pois todos teremos o momento do desligamento no qual
nos veremos despojados das vestes materiais, e o que sobreviverá em vida real é o nosso
Espírito.
 A beleza do nosso Espírito dependerá da quantidade do bem que praticarmos, das
Lágrimas  que enxugarmos.
 Quantas vezes valorizamos em nossas vidas somente  o presente como tempo único, e
atribuímos  valores maiores aos acontecimentos nele ocorridos? 
 Quantos problemas, perdas materiais, nos causam decepções, frustrações, mágoas ou
angustia,  nos fazendo padecer pelos pensamentos que torturam e nos causam perturbações
espirituais?
 Somos tranqüilos e felizes até o o momento em que nada nos é tirado. Somos egoístas,
porque as nossas preocupações diárias só visam o nosso próprio bem-estar. 
Quantas vezes auxiliamos um irmão?
A visão espírita nos permite compreender a vida como uma longa viagem, sabendo que
sempre algo melhor nos aguarda no seu fim.
A morte não mais nos assusta porque ela representa simplesmente o retorno à morada do
Pai.
Mensagem psicografada por Maria Cecília Cyrino Moreira
 www.casadeemmanuel.org.br (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5jYXNhZGVlbW1hbnVlbC5vcmcuYnI=)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Edna☼ em 01 de Outubro de 2012, 23:16
Tornou pois a entrar Pilatos no pretório, e chamou a Jesus, e disse-lhe: Tu és o Reino dos Judeus? Respondeu-lhe Jesus: O meu Reino não é deste mundo; se o meu Reino fosse deste mundo, certo que os meus ministros haviam de pelejar para que eu não fosse entregue aos judeus; mas por agora o meu Reino não é daqui. Disse-lhe então Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu o dizes, que eu sou rei. Eu não nasci nem vim a este mundo senão para dar testemunho da verdade; todo aquele que é da verdade ouve a minha voz”. (João, cap. XVIII, 33-37)


Como esclarece Allan Kardec, por estas palavras Jesus fala sobre a continuidade da vida após a morte do corpo físico, sendo a vida futura o ponto central do ensinamento do Cristo, daí esta passagem praticamente abrir O Evangelho Segundo Espiritismo, cujas máximas foram agrupadas e distribuídas metodicamente segundo a sua natureza, de maneira que umas se deduzam das outras, tanto quanto possível, para facilitar a compreensão.

Este capítulo mostra, também, que a realeza de Jesus paira muito acima da realeza terrena que ofusca a realidade espiritual e prende o homem na suposta ascendência sobre os demais, uma vez que, estamos aqui de passagem em franco aprendizado intelectual e moral.

O relato cuidadosamente escolhido por Kardec que encerra este maravilhoso capítulo, mostra os enganos da suposta realeza terrena, a qual, dolorosamente, se desfaz ao transpor as portas do túmulo, revelando ali o verdadeiro sentido da vida.

Gustavo, parabéns pelo importante tema escolhido!

Bons estudos a todos!

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mirina em 02 de Outubro de 2012, 01:29
Boa noite amigos,

muito bom o tema, e coincidentemente tenho me debruçado sobre algumas das parábolas de Jesus que nos remetem a ele:

Segue uma muito interessante para análise:
(Mateus 16,24-28)


"Naquele tempo, 24Jesus disse aos discípulos: "Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e me siga. 25Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la.
26De fato, de que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro mas perder a sua vida? Que poderá alguém dar em troca de sua vida? 27Porque o Filho do Homem virá na glória do seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um de acordo com a sua conduta.
28Em verdade vos digo: Alguns daqueles que estão aqui não morrerão antes de verem o Filho do Homem vindo com o seu Reino".

Alguns então serão capazes de enxergar o Reino de Deus antes da morte.
Outros terão que perder sua vida, a qual vida Jesus se refere?  Esta alegoria se refere exatamente a morte?
Ou existe um outro significado para "perder sua vida" para seguí-lo?

Jesus falava por meio de alegorias e enigmas que, naquele tempo, para os que o ouviam, remetiam diretamente a questão material, mas hoje, com a ajuda da Doutrina Espirita, sabemos que não estava se referindo a matéria e aos bens, mas a outro tipo de "vida" a qual as pessoas estavam apegadas.

fica aí minha colaboração,

Abraços e parabéns Gustavo pela escolha do tema, Deus nos guie na nova proposta!

Mirina
São Paulo
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 02:57
Minha querida Maria47, seus posts abrem duas maneiras de pensar muito interessantes.
No primeiro, vemos que as duvidas da vida futura começam a ter seus esclarecimentos, percebemos, se tivermos essa capacidade, que a verdadeira vida é a espiritual.
Mas no segundo post, temos tambem um enfoque que pode ser trazido para  os dias de hoje: a diferença entre liderança e comando.
Jesus era um lider, seu reino não era um reino hierarquizado como os da terra.
Será uma forma de entender o texto?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 03:03
Edna querida, esse tema é realmente fascinante, pelo menos para mim.
Se colocarmos outras passagens, tais como aquela em que Jesus diz que "quem quiser ser o maior no reino de Deus, seja o último e servo de todos", ratifica o que postei antes, e que você cita no seu terceiro parágrafo: a realeza de Jesus é fruto da sua evolução espiritual, é um lider.
Mas esse é só mais um enfoque.
Continuemos pensando.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 03:09
Mirina querida, somos seres materias, ainda.
Temos as necessidades que esse corpo material exige para realizar as tarefas necessárias a nossa evolução, isso é fato.
Mas, parece-me, analisando o evangelho, que existe uma infinidade de passagens falando da vida espiritual.
Essa é só uma.
E gosto dela por que explica com uma linguagem material - reino - a verdade da vida espiritual - não é deste mundo.
De resto, obrigado a todos pela participação e colaboração.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Claudemir dos Santos em 02 de Outubro de 2012, 10:23
Querido amigo Gustavo Rettenmaier,o estudo ainda é o melhor meio de aprender e se esclarecer ,mas se o conhecimento não for devidamente convertido em bons sentimentos,de nada valera o nosso esforço,pois é a pratica o mais meritório,certa vez questionei aos irmãos espirituais sobre a necessidade dos estudos,e eles me responderam,que o estudo é bom,mas a pratica da caridade é melhor ainda,e me revelaram ainda,que na verdade é no mundo espititual que se estuda,e no mundo material que se coloca em pratica.  Abraços e muita paz em Jesus.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Edna☼ em 02 de Outubro de 2012, 11:44
A vida futura


Respondeu-lhe Jesus: O meu Reino não é deste mundo....
(João, cap. XVIII, 33-37)


“Todo cristão, portanto, crê forçosamente na vida futura, mas a idéia que muitos fazem dela é vaga, incompleta, e por isso mesmo falsa em muitos pontos. Para grande número, é apenas uma crença, sem nenhuma certeza decisiva, e daí as dúvidas, e até mesmo a incredulidade."

"O Espiritismo veio completar, nesse ponto, como em muitos outros, o ensinamento do Cristo, quando os homens se mostraram maduros para compreender a verdade. Com o Espiritismo, a vida futura não é mais simples artigo de fé, ou simples hipótese. É uma realidade material, provada pelos fatos."


(in, o Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. II, item 3)

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Edna☼ em 02 de Outubro de 2012, 11:46
A vida futura

“O homem não se preocupará com a vida futura senão quando nela ver um objetivo limpo e claramente definido, uma situação lógica, respondendo a todas as suas aspirações, resolvendo todas as dificuldades do presente, e nela não encontre nada que a razão não possa admitir.

Se se preocupa com o dia de amanhã, é porque a vida do dia seguinte se liga intimamente à vida da véspera: elas são solidárias, uma com a outra; sabe-se que, do que se faz hoje, depende a posição de amanhã, e do que se fizer amanhã dependerá a posição do depois-de-amanhã, a assim por diante.

Tal deve ser, para ele, a vida futura, quando esta não estiver mais perdida nas nuvens da abstração, mas uma atualidade palpável, completamente necessária da vida presente, uma das fases da vida geral, como os dias são fases da vida corpórea; quando verá o presente reagir sobre o futuro, pela força das coisas, e sobretudo quando compreenderá a reação do futuro sobre o presente: quando, em uma palavra, verá o passado, o presente e o futuro se encadeando por uma inexorável necessidade, como a véspera, o dia e o dia seguinte na vida atual, oh! então as suas idéias mudarão completamente, porque verá, na vida futura, não somente um objetivo, mas um meio; não um efeito distante, mas atual; será então, também, que essa crença exercerá, forçosamente, e por uma conseqüência muito natural, uma ação preponderante sobre o estado social e a moralização.

Tal é o ponto de vista sob o qual o Espiritismo nos faz encarar a vida futura.”

por Allan Kardec


* * * * *


Abraços fraternos sempre,

Edna ;)

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 13:03
Claudemir meu caro.
Diz um ditado popular, que "ninguem dá o que não tem".
Se o amigo observar, aqui mesmo no fórum, veremos alguns irmãos muito apegados ao estudo e a pesquisa acerca da DE, muitos, até certo ponto, "deixando de lado" o componente "evangélico", a busca pela evolução moral.
Assim como temos muitos irmãos que reconhecem a existência de progresso moral em pessoas outras que até, por sua formação rejeitam a DE.
A pratica do bem e do amor, meu querido, é inerente ao ser humano, posto que, sendo filho de Deus, é filho do amor.
Mas observe o post #11 da nossa irmã Edna. Você verá que é o estudo sério e aprofundado que pode esclarecer as dúvidas que nos fazem descrentes, materialistas, egoistas.
Por isso mesmo, meu irmão eu gosto tanto desse capitulo do ESE, por que ele nos esclarece que a verdadeira vida é a espiritual.
E nos remete a um estudo mais aprofundado do evangelho como um todo, para melhor compreender passagens que parecem ilógicas.
Apenas o estudo nos fará entender por que "é mais facil um camela passar pelo buraco de uma agulha..." e tantas outras que conhecemos mas não entendemos.
Saber que a vida é eterna e sequencial, pode fazer toda a diferença na pratica diária da caridade.
E caridade não é só abrir a carteira, ao contrário, muitas vezes a maior caridade que podemos fazer é engolir o orgulho e perdoar um ofensor.
Mas isso é tema para outro estudo.
Por ora, continuemos buscando compreender que reino é esse de que Jesus nos falava.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 02 de Outubro de 2012, 13:09
Meus irmãos e minhas irmães.Naqueles tempos,quando Jesus respondeu a Pilatos,seu juiz
pelas ações em que ele foi responsável,deu para que fosse interpretado que havia não porque
temer,pois seu reino não era deste mundo material.Entretanto Pilatos o temia,embora Jesus
não fosse soldado nem tinha um exercito,mas tinha uma força moral muito elevada,um lider
de fato e não de direito.Na sua visão distorcida,Pilatos entendeu que o que Jesus fazia ao
esclarecer o povo,uma ameaça ao seu poder,e em uma atitude na forma de se eximir da res-
-ponsabilidade de julgar,disse ao povo que lavava as sus mãos,gesto este que tem o signifi-
-cado simbólico de dizer:Eu não assumo essa responsabilidade de julgar,e dou a vocês esse
direito,ou seja,entregou a ovelha aos lobos famintos de sangue.Mas Jesus tinha consciência
do que poderia lhe acontecer,pois sendo de um espírito elevado e com uma missão determina-
-da por Deus,não se deixou abalar pela reação deste povo que só entendia que o poder de
um Rei era absoluto,e que naquele momento estava sendo ameaçado.
O espiritismo através da Doutrina Espírita,nos esclarece e dá uma visão maior de como será as
nossas vidas nos reinos de Deus. Jesus na sua passagem pelo nosso mundo,falava destes rei-
-nos,mas não foi compreendido,e muitos até hoje não entendem o que lhes reserva o futuro.Nós
espíritas temos a consciência da responsabilidade de evoluirmos para buscar esses reinos que
nos é reservado,e a medida em que vamos estudando,vamos melhor interpretando o nosso
futuro, nessa encarnação e nas outras sucessivas,pois dada as nossas imperfeições,e por
termos contrariado algumas leis de Deus,será necessário outras encarnações para burilamento
deste espírito.
Fiquem na paz. 
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 13:27
Antonio meu caro, quando você fala em "lider de fato e não de direito", remete ao meu post #7, e coloca com um enfoque interessante.
No LE, pergunta 1018, se minha memória não me trai, a resposta nos diz que Jesus é o "rei", de um reino composto por corações que amam, que procuram praticar o amor que Ele ensinou.
Mas não é um rei convencional, acima de tudo é um lider.
Tambem vejo outro tema, que pode ser pensado.
Se Jesus sabia o que aconteceria, e submeteu-se de forma pacifica, perdoando os agressores, podemos pensar tambem sobre dois outros temas: Que mensagem existe na crucificação? Por que, do ponto de vista humano, material, Jesus foi crucificado?
Muitas perguntas.
Precisa muito estudo para entendê-las.
Por isso precisamos da participação dos amigos, continue refletindo e auxiliando os irmãos de estudo.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 02 de Outubro de 2012, 13:32
Amigos  é com uma Boa tarde a todos  que saúdo e  ao mesmo tempo dar mais um pequeno contributo para este  tema  que é muito importante  e  nos dá uma grande dimensão da  Grandeza de Jesus  e  da sua Realeza  que é  incontestável  no plano de  Vida espiritual . Que  se compreendermos é a Verdadeira Vida do Espírito,  que por agora  apenas está  envolvido nesta matéria que  somos cada um de nós.

A Realeza de Jesus

4. O reino de Jesus não é deste mundo. Isso todos compreendem.
Mas sobre a Terra ele não terá também uma realeza?
O título de rei nem sempre exige o exercício do poder temporal.
Ele é dado, por consenso unânime, aos que, por seu genio, se colocam em primeiro lugar em alguma atividade, dominando o seu século e influindo sobre o progresso da humanidade.
É nesse sentido que se diz: o rei ou o príncipe dos filósofos, dos artistas, dos poetas, dos escritores, etc.
Essa realeza, que nasce do mérito pessoal, consagrada pela posteridade, não tem muitas vezes maior preponderância que a dos Reis coroados?
Ela é imperecível enquanto a outra depende das circunstâncias; ela é sempre abençoada pelas gerações futuras, enquanto a outra é, às vezes, amaldiçoada.
A realeza terrena acaba com a vida, mas a realeza moral continua a imperar, sobretudo, depois da morte.
Sob esse aspecto, Jesus não é um rei mais poderoso que muitos potentados?
Foi com razão, portanto, que ele disse a Pilatos: Eu sou rei, mas o meu reino não é deste mundo.
Amigos  com um grande abraço de muita paz
[attach=1]
Manuerl Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 13:50
Obrigado pela contribuição mano Manuel Altino, muito interessante.
Temos ai a questão do significado da palavra "rei".
Um significado material, no sentido do poder de comando temporal, e o significado moral, no sentido da liderança que se consegue pela capacidade de congregar seguidores.
A mesma situação serve para reino, temporal, comandado e perecivel, ou moral, conquistado pela liderança, a qual não se perde.
"Minhas palavras não passarão.".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Outubro de 2012, 15:46
Olá

Parabéns pela escolha de tão belo tema.

De facto, ao olhar para o nosso planeta, verificamos que quem manda no mesmo, aos mais diversos níveis, desde o nível planetário, passando pelo nível da nação, pelo nível da empresa, pelo nível da família, e acabando no nível do próprio ser humano, individual, não é Jesus. 

Se fosse Jesus que mandasse materialmente na Terra, esta seria um planeta feliz. E os seres humanos seriam felizes, e não teriam condenado o próprio Jesus de Nazaré à morte.

A presença de Jesus é como uma luz que ilumina as imperfeições dos seres deste mundo, por contraste com a sua própria acção altruísta e moralmente superior.  Ele veio cá traçar um rumo, para acelerar o progresso da humanidade terrestre. Mas não é ele que dirige materialmente a Terra. Isso é claro como água.

E a sua luz continua com uma intensidade colossal, passados mais de 2000 anos. E este facto, só por si, já nos deixa espantados. Como é que uma palavra que condena a acção egoísta e orgulhosa de grande parte dos mais poderosos da Terra, acção essa que a história não nos deixa ocultar, sobreviveu à fúria desses mesmos poderosos? Como podia ser tão grande a fé dos primeiros cristãos, que não se calavam perante a perseguição cruel e implacável do poderoso império romano?

O reino de Jesus não é a Terra, pois a Terra ainda está muito longe de merecer um Rei assim.

Mas a luz de Jesus ilumina a Terra e atrai-nos para reinos mais felizes. Se ele não manda materialmente na Terra, também não a abandonou. E é com os olhos postos nele que conseguimos entender que a vida tem sentido, significado. Que vale a pena viver, mesmo quando a vida não é só alegrias, quando o sofrimento nos bate à porta.

Ele merece, pois, o nosso sentido obrigado, mesmo quando duvidamos se merecemos o esforço que ele fez por nós...

- Obrigado Jesus!

bem hajam
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 16:23
"O reino de Jesus não é a Terra, pois a Terra ainda está muito longe de merecer um Rei assim."
Meu caro Vitor, essa frase é muito interessante e me remete a um conceito, dito se não me engano por João Batista: "é preciso mudarem os homens, antes de mudarem os reinos".
Como "o reino de Deus não virá com aparência exterior", a execução do reino de Deus na terra, como pretendiam os seus confrades em sua época, não é um enviado de Deus, no caso Jesus, em um trono dando ordens, mas a observação daquilo que Jesus apresentou como sendo caminho para chegar ao Pai.
O reino de Deus está dentro de nós, pensemos nisso tambem.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Outubro de 2012, 16:53
Olá

Citar
O reino de Deus está dentro de nós, pensemos nisso tambem.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/meu-reino-nao-e-desse-mundo/15/?action=post;num_replies=19#ixzz289nhuWRC

O reino de Deus está dentro e fora de nós. Está em toda a parte. Se existem planetas como a Terra é porque Deus o permite, mesmo sem serem dignos de um rei como Jesus.

O reino de Deus está dentro de nós, entendo como: o nosso espírito imortal está subordinado às leis de Deus. Como o nosso corpo mortal é apenas uma roupa transitória, o principal é o espírito imortal. E é ele que se pode aproximar de Deus.

bem haja   
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 18:40
Vitor meu caro.
Façamos a distinção entre espirito e matéria.
Se entendermos que o universo é o reino de Deus, estamos entendendo que Deus possui um reino material, composto por planetas diversos. Não é um erro em si, posto que foi Ele que os criou.
Mas, pelo menos em meu entendimento, o enfoque do tema esta no fato de que, mesmo esses planetas materiais, possuem habitantes "imateriais": os espiritos mais evoluidos.
De uma maneira simplista, acho que esse é o enfoque do Cristo quando diz que "o reino esta dentro de nós".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 02 de Outubro de 2012, 19:37


Meu reino não é deste mundo

Jesus, a eterna referência para o homem da Terra, não titubeou em afirmar que o seu reino não era deste mundo. Se a Terra não é a morada do Cristo, a que reino então estaremos sendo levados? A pergunta número 55 de O Livro dos Espíritos nos dá uma pista quando fala da pluralidade dos mundos: Todos os globos que circulam no espaço são habitados?  – Sim, e o homem da Terra está longe de ser, como pensa, o primeiro em inteligência, bondade e perfeição. Entretanto, há homens que se julgam superiores a tudo e imaginam que somente este pequeno globo tem o privilégio de ter seres racionais. Orgulho e vaidade! Acreditam que Deus criou o universo só para eles.
A Terra é assim a abençoada escola da alma imortal, que nela estagia por longos períodos na purificação do próprio ser. Da mesma forma que o aluno, após ser diplomado, não precisa mais dos bancos escolares, também o homem, depois de adquirir as virtudes pelas quais trabalhou em sucessivas encarnações, não mais precisa estagiar em mundos materiais, podendo, a partir daí, ter na Espiritualidade e em mundos mais evoluídos as experiências de que agora carece.
Compreendendo a grande escala evolutiva do ser e a necessidade de libertação do homem, Paulo, o apóstolo dos gentios, alerta em carta aos Romanos que o reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo (Carta de Paulo, aos Romanos, 14:17).
A primeira mensagem atesta a existência do plano espiritual e dos vários mundos que servem de asilo para a alma na concretização de suas virtudes. A segunda, importantíssima, nos dá a receita de como atingir os planetas em condições melhores que o nosso.
Ambas são claras na necessidade de passarmos pela Terra sem nos deixar aprisionar por ela. Viver a vida material lutando para que a matéria e tudo o que a engloba sejam elementos providenciais, ferramentas que o Espírito encarnado deve manipular sem atritos ou sangrias.
No entanto, vemos nos dias de hoje a supervalorização de princípios calcados na beleza do corpo e na posse de dinheiro e bens materiais, que estão longe de constituir aquele passaporte que nos permitirá galgar um andar acima visando o mais alto que nos aproximará do Pai.
Pode-se ser belo, ter um bonito corpo e mesmo ter-se dinheiro. É a valorização em demasia desses elementos que constitui obstáculo para alguns. De repente a beleza passa a ser algo tão importante para certas pessoas que tudo sacrificam por ela: tempo, dinheiro, família, amizade etc., numa inversão completa dos valores.
E o maior sacrifício, se assim podemos dizer, que Deus pede aos seus filhos, é que saibamos nos amar uns aos outros. Perdemo-nos na vida na luta pela própria subsistência, enquanto o trabalho, canal de ocupação e mecanismo de aplicação das forças e faculdades humanas para alcançar um determinado fim, como ensina o Aurélio, torna-se, em nossa visão pequena e egoísta, um empecilho da felicidade.
Devemos, portanto, ocupar nosso tempo da forma mais positiva possível, distribuindo e colhendo afetos por onde passarmos. Saibamos honrar cada dia como uma dádiva de Deus aos filhos bem-amados. Aprendamos a viver dentro de nossas próprias capacidades, pois a espiritualidade nada pode fazer quando a nossa imprevidência nos coloca em situações difíceis, principalmente na questão monetária.
O justo viverá pela fé, já nos alertava o sempre querido Paulo em carta aos Romanos (1:17). Não apenas não devemos misturar o espiritual com o material, no ensaio de uma miscigenação impossível – cada elemento é único em sua essência -, como devemos honrar a oportunidade da reencarnação assumindo todos os deveres que ela nos exige em nível social e moral.
Jesus deixou essa repartição bem clara quando salientou firmemente aos fariseus que tentaram embaraçá-lo na questão dos impostos cobrados por César: É-nos permitido pagar ou deixar de pagar a César o tributo? Jesus, lúcido quanto à oportunidade da lição, responde firme: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus (Mateus, 22:15-22 - Marcos, 12:13-17).
Assim é o mundo material, uma escola plena de desafios, cheia de grandeza e de grandes e necessárias provas. Os que carregam seus fardos e assistem os seus irmãos são os meus bem-amados, já nos alertava o Espírito de Verdade em mensagem inserida em O Evangelho segundo o Espiritismo (cap. VI, item 6), na qual nos pede para nos instruirmos na preciosa doutrina que dissipa o erro das revoltas e nos mostra o sublime objetivo da provação humana, que é o de poder ingressar finalmente nos mundos celestes ou divinos, habitações de Espíritos depurados, onde exclusivamente reina o bem.
A Terra, segundo o Espiritismo, pertence à categoria dos mundos de expiação e provas, razão por que aí vive o homem a braços com tantas misérias (ESE, cap. III item 4).
É, portanto, na Terra que devemos desenvolver a inteligência e sublimar o nosso mundo moral, a alma, para conseguir as virtudes necessárias que nos farão ingressar no reino colocado por Jesus, sendo então como ele exemplo de bondade e perfeição.
ELIANA THOMÉ
http://www.oconsolador.com.br
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 02 de Outubro de 2012, 19:52
Boa tarde a todos,
Boa tarde Gustavo,

Mas não é um rei convencional, acima de tudo é um lider.
Tambem vejo outro tema, que pode ser pensado.
Se Jesus sabia o que aconteceria, e submeteu-se de forma pacifica, perdoando os agressores, podemos pensar tambem sobre dois outros temas: Que mensagem existe na crucificação? Por que, do ponto de vista humano, material, Jesus foi crucificado?
Muitas perguntas.
Precisa muito estudo para entendê-las.
Por isso precisamos da participação dos amigos, continue refletindo e auxiliando os irmãos de estudo.

Belo material está sendo criado nesse tópico! Parabéns a todos os participantes.

Minha reflexão se faz, partindo da premissa que Jesus é o Mestre do amor, da sabedoria e um Espírito muito evoluido!

Se Jesus o é, então suas palavras tem um significado sábio e não necessariamente verdadeiro, tendo em vista que o importante e o entendimento e não as palavras.

A lógica somada com o estudo nos indica que Jesus é o verdadeiro Rei desse mundo, tendo em vista que o mundo material faz parte do planeta Terra e também faz parte da nossa evolução, então analisemos algumas suposições lógicas.

1-Jesus queria mostrar  a Pilatos que não precisava ter medo, pois ele não queria tomar seu lugar como "Rei".

2-Jesus queria nos alertar da vida futura.

3-Jesus queria nos mostrar que somos muito pequenos, mas que somos muito importantes aos olhos de Deus e deveríamo ser verdadeiramente humildes, amando a Deus sobre todas as coisas.

4- Jesus queria alertar que era um Rei e que eles iriam fazer besteira em matar um Rei, pois os Reis eram sagrados naquela época.

Penso que em poucas palavras, muito foi dito por Jesus.

Em relação a crucificação, eu penso que:

1- Jesus sabia do seu destino.

2- Concordou com seu destino.

3- Tinha poder suficiente para alterá-lo.

4- Jesus ensinou muito aos seus dicípulos, mas a fé inabalável, aquela que supera o medo da morte, esta ele só pode ensinar com o exemplo. Assim o fez e seus discípulos seguiram seu exemplo.

5- Jesus tinha que morrer para que seus discípulos tivessem mérito.

6- O entendimento errado da morte de Jesus diminuiria os sacríficios de animais e outros rituais.

São só pensamentos, mas são sinceros e todos esses pensamentos estão fundamentados em meus estudos.

Um abraço fraterno.






Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 20:09
"E o maior sacrifício, se assim podemos dizer, que Deus pede aos seus filhos, é que saibamos nos amar uns aos outros."
E como isso é dificil, posto que deve ser melhor compreendido para com os adversários para haver mérito.
Muito bom o texto minha cara Maria47.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Outubro de 2012, 20:13
Mastomisto meu querido, "4- Jesus ensinou muito aos seus dicípulos, mas a fé inabalável, aquela que supera o medo da morte, esta ele só pode ensinar com o exemplo. Assim o fez e seus discípulos seguiram seu exemplo." essa frase é um primor que nos lembra de outro ponto e que de certa forma, responde, um pouco, sobre a mensagem que ha na cruz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 03 de Outubro de 2012, 05:01
Meus caros irmãos,quando eu coloquei em meu post que Jesus era de fato um lider,foi baseado
na sua força moral ,e por isso era respeitado pelos que o seguiam e temido por aqueles  que
por força do poder eram lider,no caso dos reis.Quando Jesus ao responder a Pilatos a sua per-
-gunta,quiz dizer a este que não estava interessado neste poder,pois o seu reino não era deste mundo,dizendo assim num sentido figurado,que o seu reino era bem maior,pois era um reino de
amor.
Fiquem na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 03 de Outubro de 2012, 10:33
Amigos  para todos um Bom Dia de muita paz  e  continuando este debate  lindo onde podemos compreender que  afinal eas palavras  do Cristo quando diz " O Meu Reino não é deste Mundo " nos diz< uma das grandes verdades  que  temos de  sentir que  apenas neste mundo que é uma  escola  onde podemos aprender a sermos melhores  aqui deixo estas palavras que muito nos pode ajudar mais um pouco.
Divaldo Franco - Meu reino não é deste mundo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVpYRU9TUWsxc3RzJmFtcDtwbGF5bmV4dD0xJmFtcDtsaXN0PVBMRTRFOUZCMUNEMENGRkI5QyZhbXA7ZmVhdHVyZT1yZXN1bHRzX3ZpZGVvIw==)

Instruções dos Espíritos

Uma Realeza Terrena

• Uma Rainha de França •

Havre, 1863

8. Quem poderia, melhor do que eu, compreender a verdade destas palavras de Nosso Senhor: meu reino não é deste mundo?
O orgulho me perdeu sobre a Terra.
 Quem, pois, compreenderia o nada dos reinos do mundo, se eu não compreendesse?
O que foi que eu levei comigo, da minha realeza terrena?
Nada, absolutamente nada.
E como para tornar a lição mais terrível, ela não me acompanhou sequer até o túmulo!
Rainha eu fui entre os homens, e rainha pensei chegar no reino dos céus. Mas que desilusão!
 E que humilhação, quando, em vez de ser ali recebida como soberana, tive de ver acima de mim, mas muito acima, homens que eu considerava pequeninos e os desprezava, por não terem nas veias um sangue nobre!
Oh, só então compreendi a fatuidade dos homens e das grandezas que tão avidamente buscamos sobre a Terra!
Para preparar um lugar nesse reino são necessárias a abnegação, a humildade, a caridade, a benevolência para com todos. Não se pergunta o que fostes, que posição ocupastes, mas o bem que fizestes, as lágrimas que enxugastes.
Oh, Jesus!
Disseste que teu reino não era deste mundo, porque é necessário sofrer para chegar ao céu, e os degraus do trono não levam até lá.
São os caminhos mais penosos da vida os que conduzem a ele.
 Procurai, pois, o caminho através de espinhos e abrolhos e não por entre as flores!
Os homens correm atrás dos bens terrenos, como se os pudessem guardar para sempre.
Mas aqui não há ilusões, e logo eles se apercebem de que conquistaram apenas sombras, desprezando os únicos bens sólidos e duráveis, os únicos que lhes aproveitariam na morada celeste, e que lhes podiam abrir as portas dessa morada.
Tende piedade dos que não ganharam o reino dos céus.
 Ajudai-os com as vossas preces, porque a prece aproxima o homem do Altíssimo, é o traço de união entre o céu e a terra.
Não o esqueçais!
Amigos depois  de meditarmos  nestas palavras  e texto  ficamos  mais atentos  ao que podemos fazer  de bom nesta vida
Com um abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Outubro de 2012, 11:51
Olá Gustavo


Citar
Vitor meu caro.
Façamos a distinção entre espirito e matéria.
Se entendermos que o universo é o reino de Deus, estamos entendendo que Deus possui um reino material, composto por planetas diversos. Não é um erro em si, posto que foi Ele que os criou.
Mas, pelo menos em meu entendimento, o enfoque do tema esta no fato de que, mesmo esses planetas materiais, possuem habitantes "imateriais": os espiritos mais evoluidos.
De uma maneira simplista, acho que esse é o enfoque do Cristo quando diz que "o reino esta dentro de nós".

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/meu-reino-nao-e-desse-mundo/15/#ixzz28EOCgVWT

O mundo contém espiritos imateriais, mas não são os espiritos mais evoluídos que conduzem a Terra. Nem sequer conduzem a maioria dos espiritos encarnados que habitam a Terra. Se assim fosse a Terra era um planeta feliz.

Na minha óptica, os espiritos mais evoluídos estão cá para nos ajudar a ter coragem, paciência e resignação. Para nos ajudar a suportar os nossos fardos. Nesse sentido, podem ser o braço de Jesus na Terra. Podemos interpretá-los como uma força que vem do nosso interior, porque actua sobre o nosso próprio espírito. Concordo.

Mas essa força não é um "reino", porque não é imposta. E, infelizmente, nós desprezamos grande parte dessa luz que vem do reino de Jesus.

bem hajas
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 03 de Outubro de 2012, 12:21
Antono meu caro, o amigo faz uma alusão muito pertinente ao LE, pergunta 1018 se não me falha a memória.
Os "suditos" de Jesus, são aqueles "que muito se amam".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 03 de Outubro de 2012, 12:24
Muito instrutivo esse depoimento mano Altino.
Lembro-me de outro, acho que em "Céu e o Inferno", da rainha orgulhosa, na mão inversa desse.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 03 de Outubro de 2012, 12:38
Meu caro Vitor, eu entendo que os espiritos mais evoluidos, que aqui estão, estão para nos auxiliar na nossa jornada em direção ao "reino de Deus".
Entretanto, até pela superioridade, respeitam nossas escolhas, não impondo nada.
Da mesma forma, e ai esta uma das essencias do estudo, o que é o "Reino de Deus"?
Que tipo de reino é esse?
Que tipo de rei é Deus?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Outubro de 2012, 18:22
Olá Gustavo

O reino de Deus é o universo, corporeo e incorpóreo. É tudo. Tudo o que existe tem como base uma Causa Primeira, que é Deus. E o caminho que o universo tomou é aquele que Deus lhe imprimiu. Não fugiu ao controle do Criador. 

Os mundos inferiores também fazem parte do reino de Deus. Mas quem os governa, especificamente, são os homens que lá habitam, porque Deus assim lhes permite. Todavia fazem parte de um plano maior.

Os bons espiritos são a força que empurra os homens para o progresso. Deus deu-nos liberdade, mas não nos abandonou. O progresso é obrigatório. Um dia nós também seremos bons espiritos e também encaminharemos os outros.

Os seres criados para serem livres têm de aprender por si mesmos. Caso contrário eram autómatos pré-programados. Sendo Deus a Inteligência Suprema, tudo tem lógica e utilidade no universo.

bem haja
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 03 de Outubro de 2012, 18:58
Meu caro Vitor, muito boas as suas participações, podemos pensar bastante.
Se, como você fala com muita propriedade, o "reino de Deus" é tudo, por que os judeus, com a conivência do Cristo, esperavam pela vinda desse reino?
E por que Jesus, concordava com essa vinda, salientando que "não virá com aparência exterior"?
Será que não estamos falando de reinos diferentes?
Pensemos...
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: MarcosBorges em 03 de Outubro de 2012, 19:52
E quando Jesus diz:
"E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior.
Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós." (lucas 17: 20 e 21)

De que Reino de Deus é que Jesus está se referindo. Certamente não paraece ser o universo. Será um estado de consciência espiritual, da realidade espiritual?

Abraço fraterno
Marcos borges
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 03 de Outubro de 2012, 20:01
Seja bem vindo ao debate meu caro MarcosBorges.
A citação foi muito bem colocada, que reino é esse de que nos falavam os profetas e que Jesus corrobora?
Como entender a aparente divergência existente entre as profecias e o ministério de Jesus?
Como vemos meu querido, a cada pergunta respondida, outras surgem.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 04 de Outubro de 2012, 01:44
Olá  boa noite

 “ Não se turve o vosso coração, crede em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse já vo-lo tinha dito pois me vou para vos preparar o lugar” (S.João, cap.XIV, v.1)
Sendo a casa do Pai o universo, as diferentes moradas são os mundos que circundam o espaço infinito, onde os espíritos encarnam segundo a sua evolução espiritual (isto nos remete à pluralidade das existências).
Os espíritos nos ensinam que são muito diferentes as condições destas moradas. Tudo depende do grau de adiantamento ou inferioridade de seus habitantes. Durante muito tempo permaneceram pouco esclarecidas as várias parábolas de Jesus. Hoje já sabemos que esta em nossas mãos a nossa evolução.
Jesus veio para nos ensinar as leis divinas. O seu maior exemplo foi o amor por todos nós.
Ele nos disse:” Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”
Será sempre através do amor que poderemos evoluir.
As leis de Deus não são compensadas com bens terrenos, nem as provações que passamos são castigos de Deus. Na vida futura colheremos o que semear-mos durante a curta passagem neste plano.
Não é o futuro terreno que nos deve preocupar como será, pois que este não está garantido. Aqui podemos aprender com os erros do passado e não desperdiçar cada dia que nos é dado por Deus como um presente.

“Meu reino não é deste mundo”- disse Jesus.
Para alcançarmos o reino de Jesus sabemos que será preciso, a abnegação, a benevolência, a humildade e a caridade.
Este é o nosso caminho podemos, errar, tropeçar e cair, mas não será necessário ficarmos no chão. Levantamos e seguimos sem desistir.

Paz e luz
belina


Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: MarcosBorges em 04 de Outubro de 2012, 02:33
Oi Gustavo

Certamente. O reino de Deus é citado no Novo Testamento mais de 80 vezes e em todos existem mais e mais perguntas a serem respondidas. Um outro exemplo:

"E dizia: A que é semelhante o reino de Deus, e a que o compararei?
É semelhante ao grão de mostarda que um homem, tomando-o, lançou na sua horta; e cresceu, e fez-se grande árvore, e em seus ramos se aninharam as aves do céu.
E disse outra vez: A que compararei o reino de Deus?
É semelhante ao fermento que uma mulher, tomando-o, escondeu em três medidas de farinha, até que tudo levedou."
Lucas 13:18-21

Procurando outra fonte para especular sobre o Reino de Deus, ele parece se assemelhar muito a definição de Nirvana por Buda de Shakyamuni.
Nirvana não é um lugar circunscrito mas um estado de total de ausencia de sofrimento, e um estado de compreensão da Verdade incondicional. No Budismo, o nirvana está dentre de cada um em entre nós. É uma Joia a ser conquistada mas que está enclausulada pela nossa ignorancia, egoismo, orgulho, odio, desejo, apego, avareza, poder acumulados nos ciclos de milhares de reencarnações (ou renascimentos, como preferem os budistas) pela falta de esforço em praticar o Dharma (compromisso com a Lei). Os ensinamentos de Jesus que ensina o caminho para compaixão amorosa, a generosidade, os comportamentos éticos, a paciência, o esforço, a concentração e a sabedoria compreensiva é um Dharma.


Este é somente um paralelo no qual ajuda a encontrar resposta sobre o Reino de Deus a que Jesus se referia nas Parabolas.


Abraço fraterno
Marcos Borges
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 04 de Outubro de 2012, 02:42
Meu nobre irmão Gustavo,a minha resposta não é vaga nem indireta,pertinente ela pode até ser
indiretamente,pois a pergunta 1018,feita por kardec aos espíritos foi a seguinte:Em que sentido se devem entender estas palavras do Cristo."Meu reino não é deste mundo".A resposta foi dado a ele:O seu reinado se exerce unicamente sobre os corações puros e desinteressados.Ele está onde quer que domine o amor do bem.Ávidos,porém,das coisas deste mundo e apegados  aos
bens materiais da terra,os homens com ele não estão.Portanto eu fui muito direto ao objetivar
a liderança de Jesus,nas suas andanças e nos seus ensinamentos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 03:25
Belina minha cara, o dia de amanhã terá suas próprias preocupações.
Entretanto, sabemos que existe uma vida eterna a nos esperar, mas em que condições?
Sua manifestação me da a entender que o reino de Deus pode ter uma circunscrição?
De qualquer forma, é um questionamento interessante.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 03:28
Marcos meu caro, sua postagem nos mostra que existe um "reino" a ser alcançado.
Mais do que isso, que esse conceito, com suas variantes, não é novidade nem exclusividade do cristianismo.
E ratifica o caminho mostrado por Jesus.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Oliva Prado em 04 de Outubro de 2012, 12:12
Amigos Bom Dia a todos
Neste ponto de encontro com o estudo deste mês lendo vossas postagens; se me permitirem aqui deixo um humilde ponto de vista .
Como no  email de convite a partecipar no estudo é lembrado o aniversário do mestre de Lyon, Allan Kardec, espero estar há altura de poder referenciar algo da Sua suma importancia para nós que estamos conhecendo a doutrina espírita.

Jesus Modelo e Guia.
...eu penso que há muitas ideias a serem compreendidas nesta afirmação e como se falou aqui no martírio de Jesus eu vejo nesse episódio uma das lições mais importantes por Ele deixada, isto é : Jesus como protetor da vida deu-nos o testemunho da ferocidade humana que foi capaz de O submeter a uma tortura extrema. Sua alma era mais forte que o seu corpo,isto todos compreendemos;  mas sendo o seu corpo também de formação compatível nada em sua caveira se partiu, pois esse devia ser o objetivo da ferocidade daqueles homens que o combatiam.
O video que o irmão Altino postou na sua mensagem 634, fala-nos dessa nossa realidade evolutiva, dos instintos, da razão, da agressão, etc. E deve de ser nesta fase que muitos de nós nos encontramos da compreensão da nossa natureza divina e humana. A compreensão da imortalidade tal qual o Espiritismo nos dá, é que nos fortalece quando temos de vencer a nossa irracionalidade a nossa força bruta.  Nas referencias do Livro dos Espíritos e do Evangelho para este estudo, está lá a ideia que esta outra frase de André  Luiz nos dá.

"Jesus pelo amor, traz Deus ao homem.
(assim ficou registrado na nossa história evolutiva)
Kardec, pela razão leva os homens a Deus."  André Luiz
( tal como ficou escrito pela palavras de Jesus, a vinda do Consolador prometido)

     
Pelo estudo, pela intuição, o filosofar é que nós podemos entender Deus e o homem. Simples.  E no entanto requer muita dedicação perseverança, vontade, de cada um de nós, sabendo que nunca sabemos tudo e que é a passagem do tempo que nos vai dando a oportunidade de saber cada vez mais, tendo para isso de haver a partilha, o diálogo, o universo comum de que somos partecipes .

Muita paz
(estou sem computador por isso não sei com que frequência poderei vir aqui.)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 04 de Outubro de 2012, 12:33
Meu nobre irmão Marcos,em sua resposta vejo bastante coerência em dizer que o reino
citado por Jesus está nos nossos coraçãoes,porque assim ele falava do bom,do justo,do
menos egoísta,do caridoso e de todos que de uma maneira solidária ajuda o seu irmão.Em
nosso mundo atual,vivemos um período de muitas atribulações,ou seja de transiçãoes,onde
o individualismo está presente motivado por uma maior competição na conquista de bens
materiais.Se faz necessário refletirmos sobre esses acontecimentos e coloquemos em nossos
pensamentos o que Jesus nos ensinou,porque na prática desses ensinamentos,alcançaremos
esse reino citado por ele.Na verdade quando Jesus afirmava que o seu reino não era deste
mundo,ele estava se referindo ao mundo espiritual,da verdadeira pátria onde o nosso espírito
por merecer,encontrará a sua morada.
Fique na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 04 de Outubro de 2012, 12:41
Amigos  e companheiros deste estudo como tem sido bom os comentários  colocados que nós dá uma grande  dimensão das palavras de Jesus " O Meu Reino não é deste Mundo "
um bom dia a todos com muita paz e apenas deixo aqui mais uma meditação para  entendermos que sempre é na partilha de todos que vamos  aprendendo........
Jesus, a eterna referência para o homem da Terra, não titubeou em afirmar que o seu reino não era deste mundo.
Se a Terra não é a morada do Cristo, a que reino então estaremos sendo levados?
A pergunta número 55 de O Livro dos Espíritos nos dá uma pista quando fala da pluralidade dos mundos: Todos os globos que circulam no espaço são habitados? 
Sim, e o homem da Terra está longe de ser, como pensa, o primeiro em inteligência, bondade e perfeição.
Entretanto, há homens que se julgam superiores a tudo e imaginam que somente este pequeno globo tem o privilégio de ter seres racionais.
Orgulho e vaidade!
Acreditam que Deus criou o universo só para eles.

A Terra é assim a abençoada escola da alma imortal, que nela estagia por longos períodos na purificação do próprio ser. Da mesma forma que o aluno, após ser diplomado, não precisa mais dos bancos escolares, também o homem, depois de adquirir as virtudes pelas quais trabalhou em sucessivas encarnações, não mais precisa estagiar em mundos materiais, podendo, a partir daí, ter na Espiritualidade e em mundos mais evoluídos as experiências de que agora carece.
Compreendendo a grande escala evolutiva do ser e a necessidade de libertação do homem, Paulo, o apóstolo dos gentios, alerta em carta aos Romanos que o reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo (Carta de Paulo, aos Romanos, 14:17).
A primeira mensagem atesta a existência do plano espiritual e dos vários mundos que servem de asilo para a alma na concretização de suas virtudes.
A segunda, importantíssima, nos dá a receita de como atingir os planetas em condições melhores que o nosso.
Ambas são claras na necessidade de passarmos pela Terra sem nos deixar aprisionar por ela.
Viver a vida material lutando para que a matéria e tudo o que a engloba sejam elementos providenciais, ferramentas que o Espírito encarnado deve manipular sem atritos ou sangrias.
No entanto, vemos nos dias de hoje a super valorização de princípios calcados na beleza do corpo e na posse de dinheiro e bens materiais, que estão longe de constituir aquele passaporte que nos permitirá galgar um andar acima visando o mais alto que nos aproximará do Pai.
Pode-se ser belo, ter um bonito corpo e mesmo ter-se dinheiro.
É a valorização em demasia desses elementos que constitui obstáculo para alguns.
De repente a beleza passa a ser algo tão importante para certas pessoas que tudo sacrificam por ela: tempo, dinheiro, família, amizade etc., numa inversão completa dos valores.

E o maior sacrifício, se assim podemos dizer, que Deus pede aos seus filhos, é que saibamos nos amar uns aos outros. Perdemos na vida na luta pela própria subsistência, enquanto o trabalho, canal de ocupação e mecanismo de aplicação das forças e faculdades humanas para alcançar um determinado fim, como ensina o Aurélio, torna-se, em nossa visão pequena e egoísta, um empecilho da felicidade.
Devemos, portanto, ocupar nosso tempo da forma mais positiva possível, distribuindo e colhendo afetos por onde passarmos. Saibamos honrar cada dia como uma dádiva de Deus aos filhos bem-amados.
 Aprendamos a viver dentro de nossas próprias capacidades, pois a espiritualidade nada pode fazer quando a nossa imprevidência nos coloca em situações difíceis, principalmente na questão monetária.
O justo viverá pela fé, já nos alertava o sempre querido Paulo em carta aos Romanos (1:17). Não apenas não devemos misturar o espiritual com o material, no ensaio de uma miscigenação impossível – cada elemento é único em sua essência -, como devemos honrar a oportunidade da reencarnação assumindo todos os deveres que ela nos exige em nível social e moral.
Jesus deixou essa repartição bem clara quando salientou firmemente aos fariseus que tentaram embaraçá-lo na questão dos impostos cobrados por César: É-nos permitido pagar ou deixar de pagar a César o tributo? J
esus, lúcido quanto à oportunidade da lição, responde firme: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus (Mateus, 22:15-22 - Marcos, 12:13-17).
Assim é o mundo material, uma escola plena de desafios, cheia de grandeza e de grandes e necessárias provas.
Os que carregam seus fardos e assistem os seus irmãos são os meus bem-amados, já nos alertava o Espírito de Verdade em mensagem inserida em O Evangelho segundo o Espiritismo (cap. VI, item 6), na qual nos pede para nos instruirmos na preciosa doutrina que dissipa o erro das revoltas e nos mostra o sublime objetivo da provação humana, que é o de poder ingressar finalmente nos mundos celestes ou divinos, habitações de Espíritos depurados, onde exclusivamente reina o bem.
A Terra, segundo o Espiritismo, pertence à categoria dos mundos de expiação e provas, razão por que aí vive o homem a braços com tantas misérias (ESE, cap. III item 4).
É, portanto, na Terra que devemos desenvolver a inteligência e sublimar o nosso mundo moral, a alma, para conseguir as virtudes necessárias que nos farão ingressar no reino colocado por Jesus, sendo então como ele exemplo de bondade e perfeição.
Com um grande abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 13:00
Obrigado aos irmãos que contribuem para a evolução do aprendizado através desse estudo.
Mano Antonio, desculpe a demora para responder, mas acho que essa é a questão, o "reino" esta nos corações dos homens que se desapegam da matéria?
Se conseguirmos seguir os ensinamentos de Jesus quanto ao amor incondicinal, o perdão e o desapego, poderemos, ainda que encarnados em um planeta menos evoluido, ter uma idéia aproximada do tão falado reino.
O problema esta naquilo que nosso irmão M.Altino nos traz em sua postagem, conseguir não misturar a matéria com o espirito.
Conseguir, ainda enquanto encarnados, materializados, ter uma conduta moral tal que nos permita essa idéia de "reino de deus", ainda que imperfeita, como nosso estado atual.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: nasralla em 04 de Outubro de 2012, 13:17
Pode haver algo maior em "se o meu reino fosse deste mundo, meus companheiros competiriam" (ou meus súditos pelejariam/combateriam). Porque se o Reino de Deus está próximo, ele está na Terra. Não é deste mundo significa simplesmente que é do futuro. Na verdade, na verdade, Jesus explicou a origem, a fonte do mal que poucos percebem e conhecem.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Tininh@ em 04 de Outubro de 2012, 13:26
Penso que o reino que Jesus se referia é o reino epiritual e também o reino no coração humano,para que possamos amar a Deus acima detodas as coisas e ao próximo como a nós mesmo. Para mim e de acordo com o que aprendi Ele reina no coração humano... e dai surgi um novo mundo :)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 13:43
Nasralla e Tininha, sejam bem vindas ao estudo.
Interessante seu conceito Nasralla, estamos acostumados a ouvir que "o Brasil é o pais do futuro", mas por que o futuro nunca chega?
Os judeus, irmãos de Jesus tambem acreditavam assim.
O que falta para que esse futuro chegue?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 04 de Outubro de 2012, 14:51
E quando Jesus diz:
"E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior.
Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós." (lucas 17: 20 e 21)

De que Reino de Deus é que Jesus está se referindo. Certamente não paraece ser o universo. Será um estado de consciência espiritual, da realidade espiritual?

Abraço fraterno
Marcos borges

Não podemos confundir "o reino de Jesus" e o "reino de Deus". Para os espíritas Jesus não é Deus. Para alguns católicos é.

O que Jesus respondeu é que o reino de Deus já existia, ou seja, já estava entre nós. Se Jesus se estivesse a referir ao reino (ou melhor, ao governo) da Terra, isso não fazia sentido. O governo da Terra condenou Jesus à morte pela crucificação.

Decerto Jesus referia que o governo de Deus era o governo geral do universo, tanto do universo corporeo, como incorpóreo. Tanto aos mundos dos encarnados, como dos espiritos. Se algo escapasse ao governo de Deus, Ele não seria Todo Poderoso. Escapavam coisas ao controle de Deus. Isso seria a doutrina dos anjos caídos, ou seja do Diabo.

A criação de um ser inteligente e livre, que não é uma máquina, implica a aprendizagem. E a aprendizagem implica erros e acertos. É como uma criança que começa a andar. Se os pais nunca o largarem, com o risco de queda que isso implica, ele nunca andará.

Deus estabeleceu que os mundos seriam diferentes, correspondendo a graus diferentes de aprendizagem, como as classes de uma escola. Nas classes mais baixas da escola, há maior imperfeição, logo acções mais violentas e cruéis. Mas as sensibilidades dos alunos também são menores. Dão-se melhor na brutidade do que os alunos das classes superiores. Para eles, estar num mundo inferior é estar no seu ambiente normal. Não estranham.

Por isso, embora hajam mundos que parecem horríveis, e que não parecem dignos de estar sob o comando indirecto de Deus, fazem todos parte do mesmo plano de progresso geral. Os mesmos seres que agora são espiritos muito elevados também passaram por eles. Mas agora estão irreconheciveis. Já passaram muitos milénios desde essa altura.

Um dia também nós seremos espiritos muito elevados. E vai parecer-nos estranho termos vivido sobre a Terra, quando a mesma era ainda um mundo de provas. E vamos pensar: Deus sabia o que fazia. Olhando para mim agora, para a minha felicidade actual, valeu a pena...

bem haja
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: nasralla em 04 de Outubro de 2012, 15:35
O futuro chegara quando o ser humano recobrar a "Capacidade de analisar as coisas com imparcialidade e isenção de ânimos". Por exemplo, contestamos muita gente, comprovando que Paulo de Tarso foi o pior homem que houve na história da humanidade, o mais maldoso e pérfido, mas as pessoas continuam com suas crenças ignorantes e antifraternas. Nunca vi uma religião divulgar o evangelho de Jesus, e quando questionado demonstro isso, sem que alguém achasse contestação ou falha na argumentação. Mas continuam com o erro por dinheiro ou glória humana. O meu reino também não é deste mundo e se possível nem estaria aqui.
Abraços.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 16:13
"O que Jesus respondeu é que o reino de Deus já existia, ou seja, já estava entre nós. Se Jesus se estivesse a referir ao reino (ou melhor, ao governo) da Terra, isso não fazia sentido. O governo da Terra condenou Jesus à morte pela crucificação."
Muito interessante, meu caro Vitor, essa separação entre reino e governo.
Faz-se muita confusão visto que o "rei", é o governante.
Mas governa o que? e de que forma?
Acho que voltamos a questão dos corações e mentes.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 04 de Outubro de 2012, 16:22
Belina minha cara, o dia de amanhã terá suas próprias preocupações.
Entretanto, sabemos que existe uma vida eterna a nos esperar, mas em que condições?
Sua manifestação me da a entender que o reino de Deus pode ter uma circunscrição?
De qualquer forma, é um questionamento interessante.

Olá Gustavo
Claro que o dia de amanha nos trará outras preocupações, se ainda estivermos neste plano uma vez que não sabemos quando será a nossa hora de partir.
Acreditando sim que nos espera a vida eterna, as condições da mesma serão consoante o grau de perfeição que atingirmos.
Passamos por todos os graus da escala da classificação dos espíritos, até nos libertarmos de todas as impurezas da matéria e aí sim não estaremos mais sujeitos a reencarnações em corpos perecíveis e desfrutaremos a vida eterna junto de Deus.
Mas não deixaremos de ser activos, pois que à medida que o espírito se purifica e se aproxima de Deus continuaremos a contribuir eternamente para a manutenção da Harmonia da Criação.
O reino de Deus pode ter uma circunscrição? Ou seja divisão?
Não tinha pensado nisso não!
Mas se pensarmos:
-somos espíritos em vários graus de evolução;
-temos diferentes ordens de espíritos;
-a própria frase de Jesus”há muitas moradas na casa de meu pai”
Enquanto não atingirmos a perfeição penso que sim.
Paz e luz
belina

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 16:23
"O meu reino também não é deste mundo e se possível nem estaria aqui."
Mas se conheces um pouco a DE, Nasralla, sabes que cada um está onde deve estar para melhor conduzir seu progresso moral.
A questão da imparcialidade e isenção de animos tambem é interessante.
Acho que imparcialidade é muito complicado, veja você mesmo, consegue fazer isso?
Por imparcialidade entendo a capacidade de reconhecer no argumento do irmão uma razão lógica que o satisfaça.
Minha esposa é evangélica e costuma usar uma frase que acho muito interessante: "eu não preciso saber tudo".
As religiões tradicionais são compostas, em sua maioria de pessoas que não precisam saber tudo, seja por que não querem, seja por que não conseguem compreender.
Isso não nos torna melhores, apenas diferentes.
Entertanto, se acreditamos que a vida é progresso e evolução, essas pessoas, como nós mesmos, estão no momento próprio, no local próprio a sua capacidade de entendimento e compreensão das leis de Deus.
Na realidade eles divulgam o evangelho, da forma como eles entendem.
Uma forma diferente e distorcida, mas, tradicional.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 16:32
"Enquanto não atingirmos a perfeição penso que sim. "
Sabe Belina, essa resposta me lembra um tópico sobre "colonias espirituais", se elas existem ou não.
O LE nos diz que não existem regiões circunscritas, mas nossa inferioridade moral nos circunscreve a mundos adequados.
O nosso irmão vitor fez uma distinção entre reino e governo.
Para Deus, ou para a nossa analise sobre o tema, poderia parecer ilógica, entretanto como respondi para ele, governar o que, de que forma?
Se entendermos a escala da classificação dos espiritos que você cita, podemos entender que há divisão sim, mas é uma divisão imposta por Deus?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mourarego em 04 de Outubro de 2012, 17:05
Kingdom, ou reino, é um estado pelo qual passa qualquer país, ontem ou no amanhã.
Governo é a forma com a qual se pode administrar, logo, são coisas diferentes.
O reinado  de um monarca pode ser gerido de formas diferentes mas serrá sempre um reinado.
Deus não governa, preside e por "presidir" se deve entender estar atento, detentor da última palavra.
Se Deus nos governasse não teríamos o livre arbítrio. No entanto é a Lei natural que nos dá os limites de nosso Livre Arbítrio na situação intelecto-moral em que nos encontramos agora.
Quando a informação nos diz: Não cai uma única folha sem a anuência de Deus não se quer dizer que anuindo, Ele a faz cair, mas sim que ele por sua presciência já o sabia a todo tempo.
Abraços,
Moura
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 04 de Outubro de 2012, 17:27
O futuro chegara quando o ser humano recobrar a "Capacidade de analisar as coisas com imparcialidade e isenção de ânimos". Por exemplo, contestamos muita gente, comprovando que Paulo de Tarso foi o pior homem que houve na história da humanidade, o mais maldoso e pérfido, mas as pessoas continuam com suas crenças ignorantes e antifraternas. Nunca vi uma religião divulgar o evangelho de Jesus, e quando questionado demonstro isso, sem que alguém achasse contestação ou falha na argumentação. Mas continuam com o erro por dinheiro ou glória humana. O meu reino também não é deste mundo e se possível nem estaria aqui.
Abraços.

S. Paulo foi um dos mais importantes seguidores de Jesus. Quem não gosta das palavras de  S.Paulo, não gosta das palavras de Jesus, na minha opinião. Li essas palavras com os meus olhos, sei do que falo.

Antes de aderir ao cristianismo, S.Paulo perseguiu cristãos. Mas após a conversão (que, na minha opinião, parece ser uma mensagem mediúnica) ele não só se redimiu, como foi um dos mais fervorosos adeptos de Jesus.

bem haja     
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 04 de Outubro de 2012, 17:42
Kingdom, ou reino, é um estado pelo qual passa qualquer país, ontem ou no amanhã.
Governo é a forma com a qual se pode administrar, logo, são coisas diferentes.
O reinado  de um monarca pode ser gerido de formas diferentes mas serrá sempre um reinado.
Deus não governa, preside e por "presidir" se deve entender estar atento, detentor da última palavra.
Se Deus nos governasse não teríamos o livre arbítrio. No entanto é a Lei natural que nos dá os limites de nosso Livre Arbítrio na situação intelecto-moral em que nos encontramos agora.
Quando a informação nos diz: Não cai uma única folha sem a anuência de Deus não se quer dizer que anuindo, Ele a faz cair, mas sim que ele por sua presciência já o sabia a todo tempo.
Abraços,
Moura

Acho que tens razão.

Não sei como é, mas imagino que é como tu dizes:

- Deus criou o universo e definiu as regras do jogo, ou seja as leis da natureza.

Se Ele governasse, a Terra não podia ser um mundo tão baixo como é.

Agora se Ele precisa de presidir, isso não sei. Pode ter criado o universo de forma autónoma, pois as leis da natureza que Ele Criou são invioláveis. Pode também estar dedicado a outras criações, por exemplo, mais universos paralelos, ou outras coisas que nem imaginamos. Quem sabe?

bem hajas     

 
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 04 de Outubro de 2012, 17:52
Na verdade mano Gustavo,a grande diferença está na colocação,quem governa,administra e 
dirige,não tem o poder absoluto,quem reina sim,podendo ou não fazer o uso deste poder,cita-
-mos a exemplo o reino de Deus.Sabemos que Deus tem sobre tudo e todos,o poder absoluto,
Não faz uso deste porque é soberanamente justo,dando assim a oportunidade de todos parti-
-ciparem deste reino sem distinção.Assim também é o reino a que Jesus se colocava.Era base-
-ado na crença deste poder que os Reis reinavam aqui na terra.Entretanto no nosso mundo
atual,esse poder que os Reis julgavam ter,lhes foram tirado,adequando-os assim as ciscuns-
-tâncias atuais.
Fique na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 18:26
Bem vindo ao debate Moura meu caro.
"Quando a informação nos diz: Não cai uma única folha sem a anuência de Deus não se quer dizer que anuindo, Ele a faz cair, mas sim que ele por sua presciência já o sabia a todo tempo."
Esse é umponto que considero central em qualquer debate sobre o "poder", ou "governo" de Deus.
Ele criou as leis que regem o universo, leis essas imutáveis e perfeitas, portanto, Ele não precisa "governar", tal como entendemos, posto que o sistema funciona por si só.
Mas para quem não tem a visão da eternidade da vida espiritual, fica um pouco dificil compreender o processo.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 18:31
Vitor meu caro, essa questão de Paulo de Tarso é algo que julgo muito interessante.
Se formos analisar, a base doutrinária cristã de hoje e fundamentada nos escritos de Paulo.
Mas, se não me falha a memória, Jesus estabeleceu que Pedro seria a pedra angular da sua igreja.
Não lhe parece um contrasenso?
Quanto ao "governo de Deus", reitero o que escrevi no post anterior e que você tambem cita: Deus criou as regras do jogo, e o jogo flui por si mesmo.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 18:36
Na verdade mano Gustavo,a grande diferença está na colocação,quem governa,administra e 
dirige,não tem o poder absoluto,quem reina sim,podendo ou não fazer o uso deste poder,cita-
-mos a exemplo o reino de Deus.Sabemos que Deus tem sobre tudo e todos,o poder absoluto,
Não faz uso deste porque é soberanamente justo,dando assim a oportunidade de todos parti-
-ciparem deste reino sem distinção.Assim também é o reino a que Jesus se colocava.Era base-
-ado na crença deste poder que os Reis reinavam aqui na terra.Entretanto no nosso mundo
atual,esse poder que os Reis julgavam ter,lhes foram tirado,adequando-os assim as ciscuns-
-tâncias atuais.
Fique na paz.
Antonio meu querido, se deus utilizasse esse poder absoluto,como você diz, não estaria interferindo nas suas leis?
Se as leis que Ele criou são eternas, imutaveis e perfeitas, o "gerenciamento" esta feito, é só seguir as leis.
Dai entendo que nos falta compreender o funcionamento dessas leis para entender e alcançar o "reino de Deus".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: nasralla em 04 de Outubro de 2012, 18:55
Pode ser meu amigo, que algo esteja escapando do seu vasto conhecimento.
É algo muito simples, a melhor notícia que qualquer ser humano possa receber e a melhor notícia para toda a humanidade. Todo ser vivo, seja o que for é ensinado por Deus. Todos nós, sem exceção, até mesmo quem for chamado de satanás, conforme explicou Jesus em Mateus 18-17 e 23. O relato de João 6-45 diz "Está escrito nos profetas: E todos serão ensinados por Deus...". Nada, absolutamente NADA é melhor do que isso. Quem de Deus ouve, entende Jesus, porque ninguém pode entender quem já morreu se não entender o que ele deixou. Evangelho não é livro nem pessoa, mas boa notícia, uma frase. Todos somos ensinados por Deus, mas só os humildes aprendem. Religiosos e ateus tem orgulho de sua posição e por isso NUNCA aprendem.
Deus, um ente todo poderoso, quanto à sua constituição física, obrigatoriamente é YHWH (ser o que quiser) e você nunca, antes, leu isso em nenhum livro no mundo. E no seu relacionamento com os demais é sempre um mensageiro, conforme já expliquei. Não há contestações intelectuais lógicas contra a inteligência, o raciocínio puro.
Abraços. 
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 19:28
"Religiosos e ateus tem orgulho de sua posição e por isso NUNCA aprendem."
Se tem uma verdade com a qual eu concordo, Nasralla, é essa.
Na realidade, o que todos nós precisamos, religiosos, ateus, espiritas, é mais humildade para reconhecer nos demais as virtudes e as necessidades do seu momento evolutivo.
Costumo dizer que contra fatos, não há argumentos, mas infelizmente somos ainda materiais, precisamos de analogias e visualizações materiais para compreender.
Alias o próprio Cristo ja dizia: "Se não entendem quando vos falo das coisas da terra, que adianta falar das coisas do céu?".
Essa é a verdade, não conseguimos ainda entender as coisas da terra...
Como compreender o "reino de Deus", se ele não é "desse mundo"?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: nasralla em 04 de Outubro de 2012, 19:58
Caro Vitor. Depois de convertido, mandou as mulheres calarem a boca nas igrejas, mandou matar um homem, criticou Pedro, e cometeu a maior impiedade que um ser humano poderia cometer que é dizer "quem não trabalhar não pode comer". Tudo isso está na bíblia. Mas sua doutrina mata até hoje, MILHÕES de pessoas de fome. Pode comparar com os piores malfeitores da humanidade que Paulo vai ganhar longe... ah ah ah. Além disso, tem um livro escrito na BN, onde comprova que tudo o que ele escreveu na bíblia está contra Jesus! E inocentes acreditam nele, porque nossos pais acreditaram e vieram passando essa crença ignorante de uma geração para outra. Se me mandar um email, lhe mando pelo menos quarenta gravíssimas observações que comprovam que Paulo de Tarso, depois de convertido, foi na verdade o primeiro anticristo.
Abraços.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 04 de Outubro de 2012, 20:16
Nasralla, não estamos debatendo Paulo de Tarso, embora como eu citei, questiono o fato de as igrejas utilizarem seus escritos como base doutrinária, quando o próprio Jesus estabeleceu que Pedro seria essa base.
Da mesma forma, vento que venta lá, venta cá. Se hoje entendo que cada um esta no momento evolutivo próprio, não posso deixar de entender que isso tambem é verdade para os seguidores do Cristo que o ouviram pessoalmente.
As distorções existentes quanto as mulheres por exemplo, são mais culturais do que religiosas, ainda hoje algumas culturas utilizam as crenças religiosas para subjugá-las, apenas para citar um exemplo do seu texto.
Havemos de entender tambem, que Paulo, como Jesus, era Judeu, povo com uma legislação "religiosa" muito rigida, com dificuldade de conciliar os ensinamentos de Jesus com os preceitos da lei, coisa que ainda hoje persiste.
Acho natural que, em determinado "problema", Paulo, ainda que convertido, utilize-se da lei mosaica para alguma decisão equivocada.
Alias, não pesquisei a fundo, mas no livro Paulo e Estevão, Chico Xavier nos narra a disputa entre Tiago, irmão de Jesus e Paulo sobre circuncidar ou não os novos convertidos. Para você ver que a confusão entre a lei judaica da época e o ministério de Jesus era grande.
Quanto ao que Paulo escreveu, serve tambem para qualquer outro escrito, inclusive nossos tópicos, cada um entende como pode, quer ou convem.
Atenhamos-nos ao debate sobre o tema, afinal buscamos o "reino que nos fora preparado desde a criação do mundo".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: nasralla em 04 de Outubro de 2012, 22:07
Por certo todos sabemos que o Reino de Deus está dentro de cada um. Não está aqui ou ali, mas só é visto é sentido pelos humildes. A única qualidade exigida - e nenhuma mais - é humildade. Ninguém pode ver o reino de Deus se não renascer do Princípio e de Deus. Ninguém pode entrar no Reino de Deus se não se purificar (recobrar a capacidade de analisar as coisas com imparcialidade e isenção de ânimos) e receber uma mensagem ou um sinal de resposta. Todo o resto é tapeação.

A propósito, depois desta mensagem estou me desligando do fórum. Mas, responderei emails enquanto puder.
Abraços.

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: MarcosBorges em 05 de Outubro de 2012, 00:34
Oi  Gustavo

Dependendo do evangelho, o Reino que Jesus se refere é interpretado de forma diferente para a mesma parábola por diferentes evangelistas. No meu último comentário postei a semelhança entre o Reino de Deus o grão de mostarda e ao fermento, por Lucas. Em Mateus o Reino passa a ser dos céus.

"Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante ao grão de mostarda que o homem, pegando nele, semeou no seu campo;
O qual é, realmente, a menor de todas as sementes; mas, crescendo, é a maior das plantas, e faz-se uma árvore, de sorte que vêm as aves do céu, e se aninham nos seus ramos.
Outra parábola lhes disse: O reino dos céus é semelhante ao fermento, que uma mulher toma e introduz em três medidas de farinha, até que tudo esteja levedado. "
Mateus 13:31-33

Eu sou da seguinte opinião: Reino é mais um estado de plena bem-aventurança, esteja em que loca que for, encarnado ou desencarnado. A definição correta de Nirvana pelo budismio e o que mais se assemelha ao Reino dos céus ou de Deus: é um estado ou condição de plena bem-aventurança quando não está mais sujeito aos ciclos reencarnatórios.

Jesus ensina por parábolas o caminho (prática e conhecimento) para podermos realizar por conta própria a chegada nesse estado ou entrada nesse Reino que não é deste mundo. Mundo pode ter outra conotação como um estado no qual nos encontramos, a erraticidade.

Abraços fraternos
Marcos Borges
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 02:25
Nasralla, meu caro, não precisa se retirar do forum, sua participação com certeza engrandeceria o debate, como de fato esta fazendo.
A humildade é sem duvida uma grande virtude, provavemente a maior, mas serpa que é mesmo a única?
Em Mateus, cap. 25 versiculo 31 em diante, se nãoo me engano, esta um roteiro para se chegar ao reino de Deus, onde a humildade é fundamental, mas não é a unica, posto que a humildade, como a própria fé, por si só, na minha opinião, não gera caridade.
Continuemos debatendo.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 02:31
"Eu sou da seguinte opinião: Reino é mais um estado de plena bem-aventurança, esteja em que loca que for, encarnado ou desencarnado."
Meu caro MarcosBorges, essa frase resume muito bem aquilo que penso sobre o reino de Deus.
E nesse conceito, se torna cmpreensivel adificuldade de entendê-lo e enconrá-lo, presos as amarras da matéria densa que nos oprime.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: nasralla em 05 de Outubro de 2012, 03:44
Talvez a humildade seja obrigatória na parábola de Mateus 25 para as ovelhas.
Suponha os seres humanos considerados mais abjetos pelos demais. Fétidos, doentes, famintos, ignorantes. Atendê-los sem nenhum interesse, inclusive sem intenção de participar do Reino de Deus é HUMILDADE.
Suprir necessidade do próximo, instruir, ensinar, ser fraterno, matar a fome, incentivar a cura deles é caráter do humilde quando não se busca recompensa de qualquer espécie, inclusive do Reino de Deus. A simples menção de fazer algo em função da parábola elimina o espírito da parábola.

A humildade pode ser definida ainda da seguinte forma, e o que você vai ler aqui nunca leu também em nenhum lugar no mundo:
a) queremos que a geração futura seja melhor que a nossa; isso é humildade;
b) não somos melhores que os nossos antepassados, nem mesmo melhores que os seres unicelulares que deram origem à vida. Não somos melhores que os nossos pais. Quem puder entender isso saberá o que é ser humilde. Não é ser subserviente, nem bom e nem mau, mas ser humilde quanto à sua condição de ser humano. Todos somos iguais perante Deus, seja quem for. E Deus ensina a todos, sem exceção, mas só os humildes aprendem. E quando aprendem retransmitem aos demais, porém em razão do orgulho, muitos não aprendem. Quem é humilde é igual, dá de comer, de beber, dá o que tem sem pensar em retribuição. As ovelhas nem sabem que fazem boas ações, nem sabem o que é caridade. Só sabem, repito, que todos SEMPRE somos iguais perante Deus. Mesmo que eu conheça pessoalmente Deus, não sou melhor que os demais.
Abraços.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 05 de Outubro de 2012, 03:53
Sim meu nobre irmão Gustavo,Deus tem sobre tudo o poder absoluto que um rei possa ter,
mas não faz uso deste para não contrariar as leis que ele mesmo criou para que alcançassem
o seu reino,em uma forma de ser justo em exercitar o seu poder.
Fique na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 05 de Outubro de 2012, 11:33
Amigos e companheiros deste  estudo e debate  que  estamos a ter  e ao mesmo temo um grande abraço de muita paz  com o meu Bom Dia  de muito carinho.
Vamos nos situar  então quando Jesus  nos diz " O Meu Reino não é deste Mundo "  qual o Reino que  nos queria transmitir.
Então Vejamos como o Livro dos Espíritos na questão 55 nos fala  das pluralidades  dos Mundos e  como ainda  não entendemos  muito bem esse Reino que será o da perfeição, embora todos estejamos  a caminho desse mesmo Reino.
Dependendo da forma de vida sobre a qual queiramos saber, ela existe em todo lugar!
Tudo que saiu das mãos do Criador cria vida; no entanto, em se tratando de vida física, com pelo menos as aparências da que existe na Terra, a resposta toma outras direções.
Se alguém que não conhecesse a Terra tivesse uma visão de todas as casas nela construídas, e perguntasse se todas elas são habitadas por seres humanos, o que responderíamos?
"Certamente, que nem todas.
Muitas delas estão desabitadas; outras foram feitas com determinados objetivos que não o de moradia; outras serão destruídas por já terem cumprido suas missões"...
E, assim, sucessivamente.
O mesmo se dá com os mundos que circulam no universo de Deus.
Nem todos são habitados, por seres humanos, por formas visíveis.
A lógica nos leva a essa realidade, constatada durante nosso aprendizado, nas oportunidades de visitar alguns mundos desabitados, estudando a missão dos mesmos em outros rumos da harmonia Divina, quando tivemos a ventura de constatar mundos habitados por seres com aparência idêntica à dos companheiros da Terra, uns mais adiantados, outros mais atrasados.
É bom que salientemos que não existe algo inútil no seio da criação, pois, se Deus é a Inteligência Suprema, como iria fazer coisas sem proveito?
Isso não cabe na mente do homem dotado de raciocínio e dominado pelo saber.
Cabe-nos dizer que o homem deste século se encontra ansioso para conhecer outros mundos, e o prémio dos esforços consecutivos será as próprias descobertas.
Entretanto, é preciso que os cientistas materiais descubram-se e ensinem aos seus irmãos a se descobrirem.
Cada Espírito é um universo em miniatura e as leis de fora são as mesmas de dentro das almas.
Basta sejam estudadas e respeitadas, para que a luz se faça nos caminhos das criaturas.
O que existe fora, existe dentro; o que está no alto está no baixo.
O empenho na Terra é o de educar os outros, o que muito louvamos, mas necessário se faz que nos eduquemos em primeiro lugar.
Quando estamos em viagem, temos de aprender primeiro os caminhos do lugar queremos; e os caminhos para a grande viagem dos conhecimentos exteriores começa por dentro do coração.
Muitos insistem, perguntam e estudam, as prováveis vindas de seres superiores à Terra, por veículos siderais, e mesmo nos perguntam se são prováveis essas visitas.
Respondemos que sim, com toda a certeza.
No entanto, é necessário o preparo, e o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo é a melhor cartilha para tal empreendimento.
Podes trocar experiências com irmãos de outros mundos, essa é a lei, mas, é bom teres consciência do que deves fazer dessas experiências assimiladas dos companheiros de pátrias mais elevadas que a tua.
E quando alcançares igualmente outros mundos, que estejas preparado para levar a mensagem da fraternidade nas linhas do amor.
Essa é a cooperação de uns para com os outros, no serviço do bem imortal.
Deus está vendo tudo o que se passa em todas as Suas casas, por intermédio dos Seus agentes, que moram em todos os mundos, e através das leis que palpitam em toda a criação.
Penso que tenha  contribuído mais um pouco para  entendermos que  esse  Reino de que Jesus nos fala  é sempre um conquista  pesoal e   nos cabe   então fazer o melhor  para que um dia o possamos  alcançar .
Com um grande abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 12:48
"b) não somos melhores que os nossos antepassados, nem mesmo melhores que os seres unicelulares que deram origem à vida. Não somos melhores que os nossos pais. Quem puder entender isso saberá o que é ser humilde. Não é ser subserviente, nem bom e nem mau, mas ser humilde quanto à sua condição de ser humano. Todos somos iguais perante Deus, seja quem for. E Deus ensina a todos, sem exceção, mas só os humildes aprendem. E quando aprendem retransmitem aos demais, porém em razão do orgulho, muitos não aprendem. Quem é humilde é igual, dá de comer, de beber, dá o que tem sem pensar em retribuição. As ovelhas nem sabem que fazem boas ações, nem sabem o que é caridade. Só sabem, repito, que todos SEMPRE somos iguais perante Deus. Mesmo que eu conheça pessoalmente Deus, não sou melhor que os demais."
Nesse ponto Nasralla, estamos de perfeito acordo.
O que questionei foi exatamente essa distinção entre humildade e subserviência, bem como o fato de que nem todo humilde é caridoso, embora não exista caridade sem humildade.
Reconhecer que é um espirito imperfeito em busca de evolução, já é um passo importante, mas ainda é pouco.
Havemos sim de reconhecer nosso "tamanho", diante a magnitude de Deus e de suas leis.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 12:53
Antonio meu caro, não podemos esquecer tambem do livre arbitrio, nem da necessidade de alcançarmos nossa evlução pelos nossos méritos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 13:01
"É bom que salientemos que não existe algo inútil no seio da criação, pois, se Deus é a Inteligência Suprema, como iria fazer coisas sem proveito?"
Mano Altino, essa é uma verdade dificil de ser "digerida" pelo nosso egocentrismo. Nossa ignorãncia e egoismo, aliada a opressão religiosa de séculos nos faz acreditar que somos "a bolachinha mais recheada do pacote".
"Cada Espírito é um universo em miniatura e as leis de fora são as mesmas de dentro das almas.
Basta sejam estudadas e respeitadas, para que a luz se faça nos caminhos das criaturas.
O que existe fora, existe dentro; o que está no alto está no baixo.
O empenho na Terra é o de educar os outros, o que muito louvamos, mas necessário se faz que nos eduquemos em primeiro lugar."
Muito importante esse pensamento, somos um universo em miniatura e enquanto não nos conhecermos, não conseguirmos nos educarmos, não conseguiremos a evolução que podemos conseguir.
"Penso que tenha  contribuído mais um pouco para  entendermos que  esse  Reino de que Jesus nos fala  é sempre um conquista  pesoal e   nos cabe   então fazer o melhor  para que um dia o possamos  alcançar ."
Com certeza meu querido, contribuiu e contribui muito para melhorar nosso entendimento, salientando que concordamos de fato com essa sentença do final do texto.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 05 de Outubro de 2012, 13:57
Talvez a humildade seja obrigatória na parábola de Mateus 25 para as ovelhas.
Suponha os seres humanos considerados mais abjetos pelos demais. Fétidos, doentes, famintos, ignorantes. Atendê-los sem nenhum interesse, inclusive sem intenção de participar do Reino de Deus é HUMILDADE.
Suprir necessidade do próximo, instruir, ensinar, ser fraterno, matar a fome, incentivar a cura deles é caráter do humilde quando não se busca recompensa de qualquer espécie, inclusive do Reino de Deus. A simples menção de fazer algo em função da parábola elimina o espírito da parábola.

A humildade pode ser definida ainda da seguinte forma, e o que você vai ler aqui nunca leu também em nenhum lugar no mundo:
a) queremos que a geração futura seja melhor que a nossa; isso é humildade;
b) não somos melhores que os nossos antepassados, nem mesmo melhores que os seres unicelulares que deram origem à vida. Não somos melhores que os nossos pais. Quem puder entender isso saberá o que é ser humilde. Não é ser subserviente, nem bom e nem mau, mas ser humilde quanto à sua condição de ser humano. Todos somos iguais perante Deus, seja quem for. E Deus ensina a todos, sem exceção, mas só os humildes aprendem. E quando aprendem retransmitem aos demais, porém em razão do orgulho, muitos não aprendem. Quem é humilde é igual, dá de comer, de beber, dá o que tem sem pensar em retribuição. As ovelhas nem sabem que fazem boas ações, nem sabem o que é caridade. Só sabem, repito, que todos SEMPRE somos iguais perante Deus. Mesmo que eu conheça pessoalmente Deus, não sou melhor que os demais.
Abraços.

Também imagino que todos somos espiritos igualmente importantes para Deus. Deus é imparcial perante as suas criaturas. Qualquer privilégio seria uma injustiça. As leis da natureza são iguais para todos.  Digo "espiritos", pois a carne é provisória.

Se nos víssemos apenas como corpos de carne, aqui da Terra, e nada mais, não poderíamos dizer que Deus é imparcial. Pois os direitos e as oportunidades das pessoas, aqui, estão bem longe de ser iguais. Todos vemos isso.

Se a vida se limitasse à vida na Terra, não poderíamos considerar que Deus é imparcial perante as suas criaturas. E era duvidoso que existisse um reino de Deus, a não ser que concebêssemos Deus à semelhança do homem, isto é, com as mesmas imperfeições do que os homens.

Humildade é reconhecer que somos todos espiritos iguais perante Deus. Aquele que se considera acima dos outros, decerto é mais incapaz de ser caridoso. A não ser com um ou outro, que olhe de cima, como se olha um animal útil e/ou de estimação.

A caridade é uma consequência da humildade, mas também do amor ao próximo. A caridade vai mais longe do que o simples reconhecimento da igualdade. A caridade é baseada na ideia de fraternidade e de solidariedade. 

Reconhecer a igualdade, só por si,  não implica ser caridoso. Podemos reconhecer-nos todos espiritos iguais, mas viver cada um por si. Desconfiados em relação uns aos outros.

Mais do que seres iguais, temos de nos sentir seres irmãos. Temos de nos amar, como os irmãos de sangue que se amam (nem todos os irmãos de sangue se amam, infelizmente...). E a Terra está ainda muito longe disso. Por isso não merece, ainda, um rei como Jesus.

O reino de Jesus é feito de espiritos que se amam mutuamente. Lá chegaremos, no decorrer da nossa vida de espiritos milenares.

Uma confusão que não se pode fazer é de "humilde" com "pobre". Uma pessoa humilde pode ser pobre, do ponto de vista financeiro, mas nem todos os pobres são humildes.

Onde se vê melhor a presença da justiça das leis de Deus é na lei obrigatória do progresso.

Todos os espiritos progridem para a felicidade. Isso é obrigatório, mas tem de ser assumido pelo próprio. Se ele resiste ao progresso, as suas condições de vida vão causar-lhe sofrimentos até que ele decida progredir. Por isso existem mundos, como este, onde existe sofrimento. Se cá estamos é porque, de alguma forma, estamos a resistir a progredir espiritualmente. É um processo de aprendizagem, que nos torna mais sensíveis moralmente. Demora várias reencarnações. Não é uma opção que se toma de um dia para o outro.

A sensibilidade moral é um pau de dois bicos. Por um lado é um sinal de algum desenvolvimento, mas, por outro,  se não agimos de acordo com ela, sofremos mais dos que os que ainda são mais brutos e insensíveis, mais bem adaptados a mundos brutais.   

Se fossemos forçados a progredir, contra a nossa vontade, éramos máquinas, e não seres criados para ser livres.  Se o progresso não fosse obrigatório, podíamos tornar-nos seres infelizes para sempre (lá íamos parar às teorias do inferno e ao diabo...).   

bem hajam
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 05 de Outubro de 2012, 14:37
Olá boa tarde

Gustavo

Eu não falo de "colónias espirituais" nem de regiões, mas sim da" Pluralidade das Existências" onde como espiritos e segundo o nosso grau de evolução reencarnamos.

Tambem nao falo em governo. O que digo é que como espiritos e segundo o nosso grau de evolução existe essa divisão, mas imposta por nós mesmos e nunca por Deus.

Deus nos deu o livre arbritio e nele não interfere. Também nao desampara seus filhos, sempre nos dá a oportunidade de reparar nossos erros.

paz e luz
belina
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 14:57
"A caridade é uma consequência da humildade, mas também do amor ao próximo. A caridade vai mais longe do que o simples reconhecimento da igualdade. A caridade é baseada na ideia de fraternidade e de solidariedade. 
Reconhecer a igualdade, só por si,  não implica ser caridoso. Podemos reconhecer-nos todos espiritos iguais, mas viver cada um por si. Desconfiados em relação uns aos outros."
Vitor meu querido, muito sabias suas palavras, a humildade sem duvida, é a base para a caridade, mas não é a própria. Se formos egoistas, ainda que reconheçamos igualdade entre os nossos irmãos, não seremos caridosos.
"O reino de Jesus é feito de espiritos que se amam mutuamente. Lá chegaremos, no decorrer da nossa vida de espiritos milenares."
"Amaivos uns aos outros como eu vos amei e todos saberão que sois meus discipulos", essa frase tambem, nomeu entendimento, esclarece quem faz parte do reino de Deus, ou pelo menos, que pode fazer parte, pois é o amor que abre as portas do"reino".
"Todos os espiritos progridem para a felicidade. Isso é obrigatório, mas tem de ser assumido pelo próprio. Se ele resiste ao progresso, as suas condições de vida vão causar-lhe sofrimentos até que ele decida progredir."
A vida é uma constante transformação, se não mudarmos com ela, ela nos "atropela", e ai sofremos.
Otima participação meu querido.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 15:10
"Tambem nao falo em governo. O que digo é que como espiritos e segundo o nosso grau de evolução existe essa divisão, mas imposta por nós mesmos e nunca por Deus.
Deus nos deu o livre arbritio e nele não interfere. Também nao desampara seus filhos, sempre nos dá a oportunidade de reparar nossos erros."
Na minha opinião, essa é a essencia dos ensinamentos da DE, a possibilidade de reparar os erros.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 05 de Outubro de 2012, 15:28

Olá  a todos

Linda mensagem

1ª Mensagem de Deus Para Voce (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXoxcmpTU241a09BJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9kZXRhaWxwYWdlIw==)

paz e luz

belina
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 05 de Outubro de 2012, 15:44
Boa tarde a todos,
Estou colocando uma reflexão que acho pertinente para esse tópico.
http://www.forumespirita.net/fe/o-evangelho-segundo-o-espiritismo/parabola-do-semeador-44043/msg295068/#msg295068
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 05 de Outubro de 2012, 15:50
Meus caros irmãos e irmães,muito interessante essa colocação que tem como base a humil-
-dade,isto nos remete a estudos antriores,em que situava aos bem aventurados,sendo estes
pobres de espírito,pois deles serão os reinos dos céus,Ao que Jesus falava a todos deste reino
que está em nós,em nossos coraçãoes.Os humildes,os bons e os benevolentes vivem dentro deste reinado,tendo Jesus como o seu Rei,sendo Deus que orienta todos os reinados. Fiquem na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 16:50
Obrigado aos irmãos Belina e Mastomisto pela contribuição, com certeza terá utilidade para quem tem olhos de ver.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mourarego em 05 de Outubro de 2012, 17:13
A corja ignara, trazia aos apupos a figura do Rabi, já enfraquecido, roto e sujo, sua fronte, banhada em sangue vivo, era encimada por uma coroa de espinhos afinal,   davam-lhe, entre risos e escárnios, o título de Rei de Israel.
Aquele homem, porém, conservava-se sereno.
Não a serenidade do alienado, mas a do Justo, daquele que não convivia com o pecado interior, nem a ignorância.
levaram-no a frente do mandatário e este, lavando as mãos disse: "Não vejo neste homem nenhum ato que o condene", este episódio, diante das massas obteve a resposta que o hipócrita queria, pois que a turba enfurecida e incitada por pessoas mal intencionadas, gritava, morte a jesus, morte a Jesus.
Foi-se o corpo restou-nos, até hoje, o reconhecimento de ter sido o mais puro em nosso meio, aquele que por exceção, encarnou entre nós, com a missão de produzir o progresso dos povos.
Ele fez o seu trabalho, e sempre dizendo, meu reino não é deste mundo, anunciava que tal Reino, existia e que nos estava de portas abertas, mas que nos esforçássemos para consegui-lo.
aliás, segundo um evangelho tido como apócrifo, ou de Thomé, excerto uma de suas afirmações mais forte:
"Não creais que o Reino dos Céus esteja apenas sob as paredes dos templos erigidos pelo Homem.
Levanta uma pedra e ali o achareis, quebrai a lasca de uma madeira e ali ele estará.
Pois que o reino de Deus está sobre tudo que vos envolve neste mundo".
Eu creio nisso, mesmo ainda Imperfeito, tento esforçarmos para deter, um dia, o mérito de estar mais próximo daquilo que penso ser a suprema honra, a de estar a partilhar com o Pai o Reino que o Mashiah, anunciou.Abraços,
Moura
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 18:38
Moura meu querido irmão, obrigado pela participação e pelo texto, cujo crédito podias ter dado.
Entendo, desse texto, como de resto de todo o debate, que o reino ao qual nos referimos, esta no entendimento que cada um possui a seu respeito.
Parece ser dificil para as pessoas, ainda hoje como naquela época para Pilatos, a separação, o discernimento entre o poder (reino) material, imediatista, perene, e a vida eterna, onde imperam as leis do Criador.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mourarego em 05 de Outubro de 2012, 18:47
Mano Gustavo,
o texto "in totum", é deste seu amigo.
Pela postagem fica subentendido que todos o podem utilizar como  e quando quiserem.
abraços,
Moura
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 18:55
Muito bom texto diga-se de passagem meu querido.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: nasralla em 05 de Outubro de 2012, 20:27
Sobre o reino, mais claro que Jesus é impossível. Se desprezam até as palavras dele, entendendo que Deus é caridoso (e por isso vai salvar pessoas?), então você há de entender que Jesus estava errado... E dizer que a caridade é base para salvação é a mesma coisa que dizer que Deus é impiedoso. Se a caridade que leva ao Reino é só da parte dos seres humanos, Deus está fora do Reino!
Jesus recomenda que A P R E N D A M dele em Mateus 11-29. "Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas."
Jesus se declara humilde e não caridoso.
A viúva que deu duas moedas (tudo o que tinha) para o Tesouro foi caridosa? Isso é caridade???. JAMAIS. Isso é humildade.

Caro amigo. É pelo que escrevo aqui que quero sair do fórum. Quando escrevo machuco pela falta de inteligência que vejo nas pessoas. Não raciocinam, não tem inteligência?. Seguem pessoas obtusas, que escreveram livros mas erraram grosseiramente. E porque escreveram livros são seguidos. Aliás, dizer que Deus é a inteligência suprema está próxima de uma bárbarie intelectual, útil para iludir pessoas que não usam uma parte que Deus lhes deu. Lamento. Fora da humildade não há salvação. A caridade por si só faz exatamente o contrário. Exclui as pessoas da salvação do Reino de Deus. Sei que vai doer, mas erram demasiadamente porque o Reino não vem por dizer, ei-lo aqui ou ali. Ele está no meio de vós, ou seja, no pó. Vós sóis pó. Quando virem um mensageiro do Reino de Deus, lembrem-se de ser humildes e se dirigir a ele como sendo pó.

Dizer que se trata de um espírito em evolução nada mais é do que uma orgulhosa mentira. Eu não aceito esse tipo de afirmação sobre a minha pessoa, por questão de inteligência, ou melhor, por várias razões intelectuais se quiser listo num email. Seria bom saber de onde surgiu o termo "espírito". Sou um ser de carne, não religioso, destinado ao pó e cujo comportamento individual (conduta própria) mesmo sendo único no planeta não é melhor do que nenhum dos outros seres eivados de erros coletivos. Meus Deus é o que Ele quiser ser. É único e nenhum ser é igual a Ele.
Abraços.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 05 de Outubro de 2012, 21:18
"Sobre o reino, mais claro que Jesus é impossível. Se desprezam até as palavras dele, entendendo que Deus é caridoso (e por isso vai salvar pessoas?), então você há de entender que Jesus estava errado... E dizer que a caridade é base para salvação é a mesma coisa que dizer que Deus é impiedoso. Se a caridade que leva ao Reino é só da parte dos seres humanos, Deus está fora do Reino."
Nasralla meu caro, mos tentar entender esse pedaço do seu post.
A "caridade" de Deus, que os evangélicos chamam de "graça", e que leva o individuo diretamente para o "paraiso", entendemos por misericórdia, que da ao individuo os meios possiveis e necessários para sua evolução espiritual, a qual se fará, mais dia menos dia, no curso dos séculos.
Deus não esta fora do reino por que Ele é o reino.
"Caro amigo. É pelo que escrevo aqui que quero sair do fórum. Quando escrevo machuco pela falta de inteligência que vejo nas pessoas. Não raciocinam, não tem inteligência?. Seguem pessoas obtusas, que escreveram livros mas erraram grosseiramente. E porque escreveram livros são seguidos. Aliás, dizer que Deus é a inteligência suprema está próxima de uma bárbarie intelectual, útil para iludir pessoas que não usam uma parte que Deus lhes deu. Lamento. Fora da humildade não há salvação."
O amigo fala em humildade, mas ao dizer que "machuca pela falta de inteligência que vejo nas pessoas", o amigo esta se colocando na condição de perfeito, acreditando que aqueles que lhe discordam não sejam inteligentes. Onde esta a SUA humildade?
Todas as pessoas que aqui postaram,eu inclusive, tiveram como objetivo debater idéias, idéias que alguem escreveu sim, em livros antigos e tradicionais tais como a biblia, o LE e o ESE.
Ninguem aqui, e acho que essa é a grande diferença da De para as religiões tradicionais, esta "seguindo" quem quer que seja, ou o qualquer livro.
Tomamos esses livros como referência, e sobre eles analisamos, pesquisamos e refletimos, para poder, em espaços como esse debater aquilo que eles tragam e com isso esclarecer a nós mesmos muitas vezes.
Quem o amigo classifica como "pessoas obtusas"? Kardek? Essa postura parece-me de um cardeal católico radical.
Discordar de Kardek e de quem estuda a DE é um direito seu, classificá-lo de obtuso e chamar seus "seguidores" de "barbaros intelectuais", parece-me um exagero de quem, não tendo argumentos sólidos para questionar e debater, agride.
"A caridade por si só faz exatamente o contrário. Exclui as pessoas da salvação do Reino de Deus. Sei que vai doer, mas erram demasiadamente porque o Reino não vem por dizer, ei-lo aqui ou ali. Ele está no meio de vós, ou seja, no pó. Vós sóis pó. Quando virem um mensageiro do Reino de Deus, lembrem-se de ser humildes e se dirigir a ele como sendo pó."
Com certeza o amigo não conhece a DE, sequer deve ter lido qualquer das obras básicas pois teria uma visão menos "distorcida" do conceito de caridade espirita.
Consideramos que a verdadeira caridade, é aquela que liberta tanto quem a dá, quanto que recebe. A caridade a que você se refere, é aquela as igrejas e os "doutos" do tempo de Jesus faziam, a da esmola facil e humilhante.
O que é um mensageiro do reino de Deus? Um padre católico ou um pastor evangélico?
A lei de adoração, a qual tambem consta no LE, nos mostra que só Deus é passivel de adoração, portanto, meu caro, padres, pastores e similares, são homens como quaisquer outros, e como nós não representam Deus mais do que ninguem.
"Dizer que se trata de um espírito em evolução nada mais é do que uma orgulhosa mentira. Eu não aceito esse tipo de afirmação sobre a minha pessoa, por questão de inteligência, ou melhor, por várias razões intelectuais se quiser listo num email. Seria bom saber de onde surgiu o termo "espírito". Sou um ser de carne, não religioso, destinado ao pó e cujo comportamento individual (conduta própria) mesmo sendo único no planeta não é melhor do que nenhum dos outros seres eivados de erros coletivos. Meus Deus é o que Ele quiser ser. É único e nenhum ser é igual a Ele."
Nessa passagem final, o amigo assume uma condição de materialista, negando a realidade espiritual de cada ser. Nesse ponto o amigo só acerta quando diz que o comportamento não é melhor que qualquer outro.
Provou quer não.
Mas acerta ao dizer que nenhum ser é igual a Deus, e que podemos entendê-lo como quisermos.
A questão que fica para mim é:
Se o amigo não se dispõe a aceitar e meditar sobre conceitos divergentes, tratando por pessoas sem inteligência que se lhe discorde dos argumentos, fracos de lógica por sinal, o que o fez entrar em um site cujo objetivo é exatamente exercitar o que o amigo renega?
Temos por base respeitar todas as doutrinas e pensamentos, religiões e praticas religiosas, ainda que se nos pareçam absurdas, mas diante de seus argumentos e da pouca disponibilidade para fazer um debate construtivo, respeitando opiniões adversas, apenas agradeço sua participação dizendo que o amigo realmente esta livre para excluir-se do debate.
Saliento tambem, que o forum possui regras importantes a serem respeitadas, e que se algum membro do grupo de moderação resolver considerar suas postagens agressivas e contrárias as regras, provavelmente irá exclui-las.
Que Jesus lhe ampare e ilulmine.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 05 de Outubro de 2012, 22:51
Olá  boa noite


Partilhando uma musica muito especial para mim

ESTOU AQUI - Roberto Carlos ♥ (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PW9DRHdHOEMySW0wJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9kZXRhaWxwYWdlIw==)

paz e luz
belina
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 06 de Outubro de 2012, 00:12

Meu reino não é deste mundo

Jesus falava em sentido figurado. Queria dizer que o seu reinado se exerce unicamente sobre os corações puros e desinteressados. Ele está onde quer que domine o amor do bem.
Portanto, o homem que segue  Jesus  pode sim gozar da felicidade que os bens materiais podem trazer, e são necessários, mas não deve focar sua vida nos gozos terrenos, visto que o “reino de Jesus não é deste mundo”.
Que  devemos, então, buscar a temperança, o equilíbrio, apontada como a maior virtude desde os filósofos da antiguidade (Sócrates, Platão). Deve, sim, essencialmente, o espírita se desgarrar das coisas materiais, mas sem necessariamente viver na miséria extrema voluntariamente. (questão 633 e 711, do LE)
Deve ele focar sua vida terrena na prática da caridade ensinada por Jesus e melhor discorrida pela Codificação Espírita, mas sempre vigiando e investindo no autoconhecimento, a fim de evitar o exagero do apego aos bens da carne.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 06 de Outubro de 2012, 01:42
Maria47, minha querida conterrânea, ainda não sei de onde você é.
Mas quero dizer que achei muito boa essa postagem, alias concordo quando vcoê diz que: "Portanto, o homem que segue  Jesus  pode sim gozar da felicidade que os bens materiais podem trazer, e são necessários, mas não deve focar sua vida nos gozos terrenos, visto que o “reino de Jesus não é deste mundo".
Lógico que não podemos pensar em felicidade absoluta, tal como nos informam nossos nobres mentores que trouxeram a doutrina, mas podemos sim nos considerar felizes, se tivermos a consciência de termos aqui, o que nos é necessário.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 06 de Outubro de 2012, 11:42
Olá Belina

Muito obrigado pela partilha. É uma música bonita, com uma letra espectacular. E parece-me dar uma visão de Jesus muito lúcida.

Não há dúvida que Jesus deixou uma marca positiva, consensual e indelével, na história da humanidade. Que a sua luz nos continua a iluminar, que nos ajuda a levar a nossa vida para a frente, com fé, coragem, paciência e resignação, e a apontar o caminho da felicidade futura.

O pessimismo é a escuridão que nos paralisa de medo, que nos faz desistir e afastar uns dos outros. A luz de Jesus vence essa escuridão e une os homens.           

Se não podemos esperar milagres físicos (pelo menos eu não espero), podemos obter de Jesus o milagre da esperança.

A esperança ilumina e une, torna-nos mais optimistas, logo mais capazes de enfrentar o futuro em conjunto. Mais calmos, mais capazes de conseguir usar a inteligência e vencer a ansiedade, unidos, quase poderemos fazer milagres deste mundo que parece, por vezes,  perdido na escuridão...

bem haja
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 06 de Outubro de 2012, 12:13
Amigos e companheiros deste  estudo e debate  mais uma vez  para todos com muita paz  o meu bom dia de  muita harmonia entre todos e continuando na busca de  melhor  conhecermos  as palavras do Mestre quando diz " O Meu Reino não é deste Mundo ".
Vamos  encontrar   de uma forma muita clara no Livro dos Espíritos sobre  penas e gozos futuros.
1018. Em que sentido se devem entender estas palavras do Cristo: Meu reino não é deste mundo?
“Respondendo assim, o Cristo falava em sentido figurado.
Queria dizer que o seu reinado se exerce unicamente sobre os corações puros e desinteressados.
Ele está onde quer que domine o amor do bem.
Ávidos, porém, das coisas deste mundo e apegados aos bens da Terra, os homens com ele não estão.”
"O Meu Reino não é deste Mundo", dizia Jesus, Certamente que o reino do Mestre não era deste planeta; ele está acima das cogitações humanas, por não existirem inferioridades nos planos em que Jesus habita.
A esfera resplandecente, onde Jesus vibra, é de puro amor, e foi esse amor que o Divino Mestre veio nos mostrar para a nossa felicidade.
Mesmo vivendo na Terra por algum tempo,
Ele respirava em plano diferente, onde a harmonia e a paz existem com abundância. Bem assim, o Cordeiro de Deus manifestava outro entendimento espiritual e desejava despertar o reino do Seu amor nos corações das criaturas, como a semente de Deus, para germinar eternamente no ambiente da consciência.
O Cristo era e é a fonte inesgotável de vida para toda a humanidade, como podemos ver nos registros do evangelista:
No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e explanou:
Se alguém tem sede, venha a mim e beba. (João, 7:37)
O Divino Senhor é, pois, um manancial de luzes com cambiantes de vida na diferenciação das nossas necessidades.
Se temos sede, vamos ao Senhor, onde há fartura de água e de alimento espiritual para todas as nossas carências.
"O meu reino não é deste mundo", dizia Jesus com propriedade, ajustando assim os pensamentos de todas as criaturas em busca de outras esperanças para fugir das paixões inferiores, alcançando a fé que eleva, a amor que alegra os corações e a caridade que salva a alma de todas as investidas do erro.
O reino da Terra, por assim dizer, é ainda um ambiente onde as trevas dominam a maior parte, no entanto, a luz tem o dever de dominar essas trevas e de fazer nascer nos corações o reino de Jesus, pelos princípios da leis de amor, justiça e da paz. E para seguir nosso Senhor Jesus Cristo, meu irmão, haverás de sofrer as consequências de onde haja a maior parte do mal, no entanto, deves sofrer com paciência, que a vida e a própria lei, te compensarão, de acordo com o que já conquistaste em favor dos que sofrem.
Não te entregues às investidas das trevas; elas sabem por onde começar a te dominar, e em muitos casos é pela lisonja, para que desperte em teu coração a vaidade, depois o egoísmo e o orgulho.
Daí, vão investindo em teus sentimentos, até o domínio do teu coração, de modo que ficarás cego e surdo para as coisas reais do amor verdadeiro.
Não deves alimentar as trevas que rondam a tua mente com falsas promessas.
Se queres combater o mal, anda no bem, que esse bem te garante a vida, te garantindo a paz. Sê dócil ao convite do Cristo, que Ele tem livre acesso aos mínimos departamentos da tua consciência, e sabe aliviá-la para a harmonia celestial.
Convém observar as leis naturais que te cercam, passando a obedecê-las.
O mundo de Jesus é o mundo do amor, da caridade e da pura fraternidade espiritual, capazes de nos levar à verdadeira felicidade. Tudo tem o traço da nossa conquista, por isso devemos lutar, mas com as armas que Jesus nos ensinou, primeiramente no trabalho honesto, e nesta linha o Evangelho nos fornece todas as diretrizes da vida, para conhecermos a nós mesmos e ganhar mais vida dentro da vida de Deus.
Amigos  não fugindo ao tema proposto para estudo e debate  vejamos  com ainda temos muito caminho a percorrer, para que um dia  ....não sabemos  quando ...........mas que  é sempre mais rápido ou mais lento pelo nosso Livre Arbítrio........... vamos  então sempre  tentar  sermos hoje melhores para depois  podermos  ver o Tal Reino que  Jesus nos Fala e  que por  incrível que nos pareça  está  sempre dentro de cada um de nós
Com um grande abraço de muita paz .
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 06 de Outubro de 2012, 17:39
Meu caro Vitor, alguem ja disse que existem duas formas de entender os milagres:
Na primeira, milagres não existem, visto que tudo possui uma lógica natural, a qual nós ainda não compreendemos.
Na segunda, tudo é um milagre, pois tudo possui uma lógica natural que nós ainda não compreendemos.
Esatmos aqui para compreender, treinar nossos olhos para ver e nossos ouvids para ouvir aquilo que Jesus, nosso Mestre nos ensinou.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 06 de Outubro de 2012, 17:50
Mano Altino, obrigado pela sua participação.
Lendo em seu texto, sobre Jesus "respirar em plano diferente", lembrei-me de outra pasagem do evangelho que me parece interessante, que pode até ser pertinente.
Disse Jesus certa feita: "raça adúltera e perversa, até quando estarei entre vós".
Como entender essa passagem?
Encaixamos ela nesse estudo?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 06 de Outubro de 2012, 18:35
Amigos  e companheiros  deste estudo uma boa tarde a todos e amigo Gustavo  um grande abraço pela  linda condução do estudo.Deixo  aqui mais uma  dissertação sobre  o tema  embora parecendo que muitas vezes se pode tornar repetitivo mas  se o analisarmos bem  contém muitas  advertências para  todos nós  que buscamos aprender  sempre  e  num diálogo simples e amigo.

A VIDA FUTURA
 
 Por estas palavras, Jesus se refere claramente à vida futura, que ele apresenta, em todas as circunstâncias, como o fim a que se destina a humanidade, e como devendo ser o objeto das principais preocupações do homem sobre a terra.
Todas as suas máximas se referem a esse grande princípio.
Sem a vida futura, com efeito, a maior parte dos seus preceitos de moral não teriam nenhuma razão de ser.
É por isso que os que não crêem na vida futura, pensando que ele apenas falava da vida presente, não os compreendem ou os acham pueris.
Esse dogma pode ser considerado, portanto, como o ponto central do ensinamento do Cristo.
Eis porque está colocado entre os primeiros, no início desta obra, pois deve ser a meta de todos os homens.
Só ele pode justificar os absurdos da vida terrestre e harmonizar-se com a justiça de Deus.
 Os judeus tinham ideias muito imprecisas sobre a vida futura.
Acreditavam nos anjos, que consideravam como os seres privilegiados da criação, mas não sabiam que os homens, um dia, pudessem tornar-se anjos e participar da felicidade angélica.
Segundo pensavam, a observação das leis de Deus era recompensada pelos bens terrenos, pela supremacia de sua nação no mundo, pelas vitórias que obteriam sobre os inimigos.
As calamidades públicas e as derrotas eram os castigos da desobediência.
Moisés o confirmou, ao dizer essas coisas, ainda mais fortemente, a um povo ignorante, de pastores, que precisava ser tocado antes de tudo pelos interesses deste mundo.
Mais tarde, Jesus veio lhes revelar que existe outro mundo, onde a justiça de Deus se realiza.
É esse mundo que ele promete aos que observam os mandamentos de Deus.
É nele que os bons são recompensados.
Esse mundo é o seu reino, no qual se encontra em toda a sua glória, e para o qual voltará ao deixar a Terra.
Jesus, entretanto, conformando o seu ensino ao estado dos homens da época, evitou de lhes dar o esclarecimento completo, que os deslumbraria em vez de iluminar, porque eles não o teriam compreendido.
Ele se limitou a colocar, de certo modo, a vida futura como um princípio, uma lei da natureza, à qual ninguém pode escapar.
Todo cristão, portanto, crê forçosamente na vida futura, mas a ideia que muitos fazem dela é vaga, incompleta, e por isso mesmo falsa em muitos pontos. Para grande número, é apenas uma crença, sem nenhuma certeza decisiva, e daí as dúvidas, e até mesmo a incredulidade.
O Espiritismo veio completar, nesse ponto, como em muitos outros, o ensinamento do Cristo, quando os homens se mostraram maduros para compreender a verdade.
Com o Espiritismo, a vida; futura não é mais simples artigo de fé, ou simples hipótese.
É uma realidade material, provada pelos fatos.
Porque são as testemunhas; oculares que a vêm descrever em todas as suas fases e peripécias, de tal maneira, que não somente a dúvida já não é mais possível, como a inteligência mais vulgar pode fazer uma ideia dos seus mais variados aspectos, da mesma forma que imaginaria um país do qual se lê uma descrição detalhada.
Ora, esta descrição da vida futura é de tal maneira circunstanciada, são tão racionais as condições da existência feliz ou infeliz do que nela se encontram, que acabamos por concordar que não podia ser de outra maneira, e que ela bem representa a verdadeira justiça de Deus.
Com um grande abraço de muita paz
[attach=2]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mourarego em 06 de Outubro de 2012, 19:25
O texto codificado mano altino, retrata a ação de Jesus.
é correto que Jesus não tenha dito tudo, e ele mesmo afirmou isso aos discípulos, quando da anunciação do Espírito da Verdade (que não é o Espírito A Verdade).
A explicação pela voz do Nazareno foi a seguinte, "E não vos disse tudo porque os tempos ainda não eram chegados".
Logo, não era possível que o conhecimento pouco e a rudeza mesmo dos discípulos os fizessem compreender se ele se estendesse.
Veja-se que ainda hoje se pensa que Jesus fosse um carpinteiro, mas na verdade tanto ele quanto seu pai, por certo faziam móveis, mas sua atividade central era a de pequenos construtores, ou seja de mestres de obra.
A maior parte dos doze apóstolos era constituída de homens de pouca envergadura intelectual, deles porém destacam-se Paulo, João (o político entre eles) e mais uns dois.
Sobre os dois Tiago conhecidos, há também vasta confusão de idéias, um deles, o reconhecido como filho de Zebedeu, ou Tiago maior, foi um dos primeiros seguidores de Jesus já o outro, Tiago filho de Alfeu, ou Tiago menor, este foi o que ensinou na Síria. os outros dois, são quase que desconhecidos da maioria de nós.
Lembro ainda que de Judas, os apóstolos contavam com tres, um deles  Judas Tadeu, nunca traiu a Jesus, outro, o Iscariotes, este, e sobre este pesa esta acusação que a ciência da história ainda não conseguiu trazer a luz. Alguns historiadores, afirmam que Judas iscariotes, não quis trair, mas sim possibilitar ao mestre e para isso engendrou o plano que fez cativo o Mestre, para que este pudesse falar com os mandatários.
O que pretendi demonstra com esse longo texto? simples: é que se não conhecemos bem nem esta pequena parte da historia referente também a Jesus, é certo que este desconhecimento  nos faça tecer comentários que fogem á verdade dos fatos.
conhecer a estes detalhes nos facilita a correta compreensão do Evangelho.
Abraços,
Moura
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 06 de Outubro de 2012, 23:06
Mano Altino, novamente obrigado pela sua participação.
Esse texto esta, que esta na codificação creio eu, me remete a outra fala de Jesus: "se não compreendeis quando vos falo das coisas da terra, que adianta falar as do céu?".
Acho até que ja me referi a isso por aqui, para um povo ignorante e materialista como o que estava nesse planeta, o discurso de Jesus deveria ser realmente muito complicado.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 06 de Outubro de 2012, 23:09
Moura meu caro, o amigo toca em um ponto que acho muito interessante, o casamento entre as informações cientificas e as informações religiosas.
Por cientificas, refiro-me as ciencias que estudam aspectos que estejam ligados a história e a tradição religiosa, tais como arqueologia e a própria história.
Concordo com o amigo, quanto mais conseguirmos conhecer o aspecto histórico do evangelho, melhor o compreenderemos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: hcancela em 07 de Outubro de 2012, 12:41
Olá amigos(as)

Depois de tanta coisa boa por aqui, até fiquei sem jeito em escrever alguma coisa ;D ;D ;D ;D

Encontrei um pequeno texto em relação ao tema que achei interessante.


Livro: *Convites da Vida* - 23
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

"*O meu reino não é deste mundo*." (João: capítulo 18º, versículo 36.)


Desnecessária a fortuna a fim de frui-la.

Secundária a juventude de modo a gozá-la.

Dispensável o poder para experimentá-la.

A felicidade independe dos valores externos, sempre transitórios, sem maior significação, além daquela que se lhes atribuem Quando na velhice, o homem e passa as evocações, os sucessos e lamenta a juventude vencida.

Na enfermidade, considera os tesouros da saúde e sofre-lhe a ausência.

Diante da constrição da pobreza lembra as dádivas das moedas e experimenta amargura por não as possuir.

Sob condições de dependência, padece não ser forte no mundo dos negócios ou da política, deixan­do-se afligir desnecessariamente.

Acicatado por problemas morais, angustia-se ao verificar o júbilo alheio daqueles que transitam guindados a situações de destaque ou exibindo sorrisos de tranqüilidade.

Isto por ignorar o testemunho de aflição que cada um deve doar no panorama da evolução inadiável, de que ninguém se pode eximir.

Felicidade é construção demorada, que se realiza interiormente a tributo de laboriosa ação sacrificial.

Sem características externas, a seu turno, quando invade o ser, exterioriza-se qual luz brilhante aprisionada em redoma de delicado cristal...

Mesmo quando o homem consegue adicionar a juventude, o poder, a fortuna e a saúde aparente a felicidade não está implicitamente com ele.

Por essa razão, lecionou Jesus que o Seu Reino não é deste mundo, como a corroborar que a felicidade não pode ser encontrada na Terra, por ser ainda o Orbe o domicílio expiatório e de provações onde todos forjamos a felicidade real, que virá só futuramente.

Realiza o teu quinhão de dever com devotamento e faze sempre o melhor a fim de que o aplauso da consciência tranqüila te conduza ao pórtico da felici­dade real.

Não te exasperes face à desdita aparente. Nem te apegues ao júbilo momentâneo também ilusório.

De tudo e todos os estados retira o proveito da aprendizagem e, assim fazendo, a pouco e pouco perceberás que a felicidade é conseqüência da auto-ilu­minação libertadora, como decorrência do amor exercido em plenitude fraternal.


Aquele abraço
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 07 de Outubro de 2012, 20:10
Mano Hcancela, obrigado pela participação e me permita citar um trecho desse texto:
"A felicidade independe dos valores externos, sempre transitórios, sem maior significação."
Embora alguns desses valores, com certeza auxiliem na melhor sensação de felicidade, não são eles que a compõe.
Na realidade, como a codificação nos diz, a felicidade real só se alcança com a evolução moral, mas podeos atravessar nossas provas sem o sentimento de pesar do sofrimento que, por nossa própria ignorância, criamos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Edna☼ em 07 de Outubro de 2012, 22:20
Venha a nós o vosso Reino!
                                             
[attachimg=1 width=300]

“Senhor, destes aos homens leis plenas de sabedoria, que os fariam felizes, se eles as observassem. Com essas leis, poderiam estabelecer a paz e a justiça, e poderiam ajudar-se mutuamente, em vez de mutuamente se prejudicarem, como o fazem. O forte ampararia o fraco, em vez de esmagá-lo. Evitados seriam os males que nascem dos abusos e dos excessos de toda espécie. Todas as misérias deste mundo decorrem da violação das vossas leis, porque não há uma única infração que não traga suas conseqüências fatais.

Destes ao animal o instinto que lhe traça os limites do necessário, e ele naturalmente se conforma com isso. Mas ao homem, além do instinto, destes a inteligência e a razão. E lhe destes ainda a liberdade de observar ou violar aquelas das vossas leis que pessoalmente lhe concernem, ou seja, a faculdade de escolher entre o bem e o mal, para que ele tenha o mérito e a responsabilidade dos seus atos.

Ninguém pode pretextar ignorância das vossas leis, porque, na vossa paternal providência, quisestes que elas fossem gravadas na consciência de cada um, sem nenhuma distinção de cultos ou de nacionalidades. Assim, aqueles que as violam, é porque vos desprezam.

Chegará o dia em que, segundo a vossa promessa, todos as praticarão. Então a incredulidade terá desaparecido, todos vos reconhecerão como o Soberano Senhor de todas as coisas, e o primado de vossas leis estabelecerá o vosso Reino na Terra.

 Dignai-vos, Senhor, de apressar o seu advento, dando aos homens a luz necessária para se conduzirem no caminho da verdade!”

(in, OESE)


Assim seja!

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 08 de Outubro de 2012, 00:28
"Chegará o dia em que, segundo a vossa promessa, todos as praticarão. Então a incredulidade terá desaparecido, todos vos reconhecerão como o Soberano Senhor de todas as coisas,  e primado de vossas leis estabelecerá o vosso Reino na Terra."
Que assim seja minha querida Edna, que assim seja.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: L@CERD@ em 08 de Outubro de 2012, 02:02
Prezados:
Este assunto é vasto e acho que ainda não estamos totalmente preparados para entende-lo.
Só com muito estudo iremos interpretando e evoluindo gradativamente. Cada um no seu devido tempo, pois estaremos sempre em sintonia diferente. É nestes estudos, que iremos afinando esta sintonia  e aprendendo uns com os outros a assimilar, os ensinamentos do Cristo.Eu particularmente, aprendo muito aqui neste forum.
Parabens pelo tema.

Bços fraternos a todos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 08 de Outubro de 2012, 12:28
Meu caro L@cerd@, o evangelho como um todo, é vasto e "complicado", principalmente para se vivenciá-lo.
Mas essa é a importância do estudo, a necessidade que temos de efetivar essa compreensão para, ai sim melhr vivenciá-lo.
Continue estudando e contribuindo com seus irmãos de jornada.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 09 de Outubro de 2012, 16:57
Ola

http://www.youtube.com/watch?v=IBtfJrSwmXA&feature=player_detailpage#t=37s

paz e luz
belina
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 09 de Outubro de 2012, 18:35
Belina minha querida, tenho uma cópia desse filme, que para mim é uma obra prima.
E essa passagem que esta em Mateus 25: 31ss, em minha opinião, resume o ensinamento de Kardek de que fora da caridade não há salvação.
Mas quero ver seu anexo com calma em casa a noite.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 10 de Outubro de 2012, 00:37
Meus companheiros de estudo.Se observarmos com atenção veremos que todos os grandes
mestres,em especial para nós Jesus,pois nos orientamos pelos seus ensinamentos,tinham
em si uma grande paz interior,um sentimento de pureza,e aos seus dicípulos transmitiam esses sentimentos.Viviam eles em nosso mundo,mas ao mesmo tempo ausentes dele.Esse sentimento de ausência,não representava desinteresse,e sim de dizer que nenhum acontecimento de bom ou de rium,iriam afetá-los. Quando Jesus disse que o seu reino não era deste mundo,era então porque  nesse nosso mundo de provas e expiações,não caberia pelas suas imperfeiçoes,um reino tão resplandecente em que eles viviam.Entretanto,em seus ensinamentos,convidava a todos à participarem do seu reino. Foi desta maneira que Jesus
sempre se conduziu.

Fiquem na paz.

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Outubro de 2012, 00:58
Meu caro Antônio, uma interessante lembrança sobre conceitos outros, que de uma maneira geral correspondem aos ensinamentos de Jesus.
A maior pureza dos sentimentos, que levava tambem ao desprendimento do materialismo era o que diferenciava, e continua até hoje diferenciando, esses lideres espirituais que muito nos ensinaram nessa caminhada milenar de espiritos imperfeitos que somos.
Essa condição, semelhante a das crianças como Jesus ensinou, é a chave para compreendermos um pouco mais seus ensinamentos e o significado da palavra caridade.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 10 de Outubro de 2012, 11:46
Olá amigo Gustavo

A  DE nos mostra que sim fora da caridade não há salvação.


Ninguém poderá ver o reino de Deus se não nascer de novo

Jesus quando referiu esta frase já nos mostrava que seria através da reencarnação que resgataríamos nossos débitos e poderíamos evoluir. Mostrou-nos que uma única existência não seria suficiente para atingirmos a perfeição.
   
Em verdade, em verdade, digo-te: Se um homem não renascer da água e do Espírito, não poderá entrar no reino de Deus.

Na época em que Jesus viveu a água era um símbolo da natureza que gerava vida. Assim renascer da água era voltar á vida com corpo físico. e renascer do espírito seria voltar com a sua alma.

O que é nascido da carne é carne e o que é nascido do Espírito é Espírito

Jesus esclarece que um corpo gera outro corpo, mas o espírito só Deus o cria.
A formação do corpo é independente do espírito, que lhe preexiste, de modo que os traços físicos, transmitidos aos filhos pelos pais, nada tem a ver com as características morais, as quais o espírito não herda, mas traz consigo de vidas anteriores.   

O Espírito sopra onde quer; ouves-lhe a voz, mas não sabes nem donde vem, nem para onde vai

Podemos entender que Jesus nos fala do Espírito de Deus, que da vida a quem quer, ou da alma do homem. Também ninguém sabe o que foi ou o que será o Espírito. Não conhecemos o começo. Consagra o princípio da preexistência da alma e, por conseguinte, o da pluralidade das existências.

                                                                                               (ESE)

Paz e luz
belina

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 10 de Outubro de 2012, 12:11
Bom dia a todos.
A palavra reino, naquela época, significava estar sob domínio. No caso os romanos dominavam Jerusalém. Tudo que estava dentro dos domínios dos romanos eram reinados por eles.
Até os porcos eram reinados por eles.
Jesus esta na hierarquia espiritual em grau altíssimo, sendo o mestre do amor. Seu reino é o de ajudar no progresso dos primitivos espíritos terrestres, ou melhor, sua missão. É fato que Jesus faz parte da nobreza espiritual, sendo a terra seu reino, mas como nobre espírito, ajuda onde for necessário.
Assim é o Reino de Jesus. Tudo que está dentro de seu domínio e reinado por ele, inclusive os romanos, mesmo naquela época.
Assim como os porcos eram dominados pelos romanos, assim são os que não tem amor no coração em relação a Jesus.
Um abraço fraterno.

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Outubro de 2012, 12:30
Belina, minha querida, são passagens importantes com certeza, mas como outras passiveis de interpretação, as quais respeitamos.
Entendo que só a pratica do bem, representada na palavra caridade, pode fazer com que nossas faltas sejam redimidas.
A benção do esquecimento é que nos dá o merito efetivo das ações, ou seja, pratico o bem por que ja adquiri a consciência de que esse é o caminho, isso é o correto.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Outubro de 2012, 12:34
Mastomisto, meu caro, entendo por reino, domínio sim, mas, mas o entendimento material, humano, vincula esse domínio a um espaço geográfico e temporal, ou seja um território especifico pelo tempo que eu conseguir me manter.
Ja com Jesus, reino,entendo eu, é figura de linguagem, para poder explicar aquelas mentes infantis e ignorantes, as verdades das leis imutáveis e eternas de Deus.
Quer dizer, Deus governa, ou governará, de acordo com suas leis, quando tivermos a capacidade de compreede-las.
E Deus não esta sujeito as normas, convenções e interpretações dos homens.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 10 de Outubro de 2012, 12:36
Amigo Gustavo um bom Dia  e para  todos um grande abraço e  como este estudo está a despertar muitas  consciências para  compreender a grandes palavras de Jesus perante os Judeus .
Mas  afinal o que nos queria transmitir  Jesus:::::::::...
Seria um Reino diferente   pois  todos na época  só compreendiam a palavra Reino com poderes temporais. Mas  o que Jesus queria dizer  era que o Reino de que nos  falava  era  muito mais do que isso e  continha grandes verdades  de Amor  e Caridade por isso mesmo não foi compreendido.
 Quando nos encontramos na impossibilidade de compreender a vida que vivemos, dificilmente lembramos do bem que significa estarmos vivos e no lugar onde nos situou a própria vida, seguramente pensamos e repensamos a respeito de nossa situação e a circunstância vivida no presente instante, como se este momento atual representasse a única realidade de nossa existência.
Exatamente a incapacidade de percebermos a realidade mais profunda e determinante, em relação às nossas atitudes vividas em todas as existências anteriores, motiva o não conseguirmos compreender que a somatória dos valores vividos está em nossas expressões e caracteres, porém é preciso também considerar que todas as circunstâncias deste momento caracterizam o que somos. Nos é determinado suportar e participar, para nosso devido amadurecimento, um acordar consciente na consciência de quem somos e para que fins aqui estamos, pois esta é nossa casa; o Universo onde estamos nos pertence, é a Casa do Pai.
As diferentes moradas que povoam o Universo circulam no espaço infinito explicando, assim, simbolicamente, que o próprio homem é infinito e eterno.
De acordo a cada uma dessas moradas poderemos identificar a qualidade potencial, evolutiva e moral de cada núcleo de habitantes.
"...Meu reino ainda não é aqui..." "Aquele que pertence à Verdade escuta a minha voz."
Jesus se refere claramente à vida futura, meta que a humanidade deve atingir, e a maior preocupação do homem na terra.
A vida futura fundamenta os preceitos morais de Jesus, e pode ser considerada o eixo de seus ensinamentos.
A vida futura é "o ponto de mira", o facho que ilumina o caminho do homem, dando sentido e direção.
É mediante essa certeza na vida futura, que tudo se suporta e aceita, pois ela justifica todas as anomalias da vida terrena, e está em plena conjunção com a justiça de Deus.
Se não fundamentarmos nossa vida nessa compreensão, possivelmente não abandonaremos as ideias materialistas de nossa existência, e poderemos estar exigindo da Vida e de Deus compensações transitórias.
Não obstante, é necessário esclarecer que essa é uma visão de mundo agarrado em nossas concepções estreitas, a respeito da realidade que nos anima.
Dos mundos, o espiritual eterno, onde a justiça de Deus segue curso, é onde os bons e virtuosos acharão suas compensações, pois, a moeda lá é a virtude e a bondade.
"Aquele que escuta minha voz pertence à Verdade". Este é seu Reino, e para lá Ele foi quando deixou a Terra, para lá vamos todos que ouvimos Sua voz.
A vida futura é um princípio, uma lei da natureza, e a cuja ação ninguém consegue ou conseguirá fugir.
A vida futura com o Espiritismo se torna uma patente realidade, que os fatos demonstram.
Os relatos dos testemunhos, agora é possível imaginá-los, pois eles pintam suas vidas, como são feitas, e reconhecem e declaram que não podemos ser de outra maneira. Patente fica então a verdadeira justiça de Deus.
As qualidades que caracterizam o Ser constituem seu mérito, isso é imperecível e permanente. Essas qualidades o acompanham sempre, mesmo após a desencarnação.
É ao que o Cristo se refere: "Sou Rei mas meu Reino não é deste mundo".
O ponto de vista, portanto, a respeito da vida futura é extremamente importante, pois aclara ideias a respeito da fé inabalável.
Qual nossa visão para encarar a Vida na Terra: o outro mundo referido.
Se nos colocamos na vida espiritual, sendo a mesma indefinida, a vida corpórea é uma simples passagem, um breve estádio. Sendo assim, tudo passará, e devemos viver a paciência e a resignação.
A morte não mais nos aterrará. Ela é agora porta de libertação. Retornar para progredir, para atingir bem- aventurança e paz.
É temporária aqui nossa estadia. Devemos dar menor atenção às preocupações desta vida e maior atenção para nossa vida futura.
Dirigimos então nossa atenção para aquilo que constitui nossos bens reais, conforme nossa percepção.
Assim propicia a ele próprio calma e tranquilidade ou auto-tortura, de acordo ao que sente conforme suas perdas.
A vida futura é mais importante que a vida terrestre, não é temporária e nem perecível.
Mas tudo isto não traria um amolecimento do caráter desse homem, de sua capacidade de trabalho e de progresso?
Há que considerar nisso que todo homem procura instintivamente seu bem estar.
Embora aqui por pouco tempo, viverá o melhor que possa. Se algo o incomoda em sua vida, ele o retirará.
O desejo de bem estar a tudo lho impele, é uma lei da natureza.
Trabalha sempre, por necessidade, dever, gosto, obedece desta forma aos desígnios da Providência que o colocou na Terra para esse fim.
Portanto o homem que compreenda a respeito da vida futura, dará a esta vida efêmera uma importância: que diz respeito ao bem, ao correto cumprimento de suas obrigações para consigo e Deus e, portanto, seu futuro. Os insucessos terão importância de acordo a essa visão.
Nada aceita ou faz que possa vir em detrimento do seu futuro, da alma. "
Meu Reino não é deste mundo" - dito por Jesus -, devemos aplicá-lo a nós mesmos. A vida terrestre é um elo magnífico e harmonioso na obra de Nosso Pai, mas que por nossa imperfeição não conseguimos emular; tornem-nos harmoniosos com Ele, e tudo passará a ser magnífico em nosso coração, em nosso Ser.
A bondade conjugará nossas existências, todas e as de cada um de nós, de todos os seres, em todas suas existências, de todos os seres em todos os mundos.
Por fim, então, estamos na fraternidade universal, solidários, de todas as partes de um mesmo todo, mediante a aplicação constante, em si próprio e com todos os seres, da realidade íntima que nos acerca ao Criador: benevolência, indulgência, abnegação, devotamento, que caracterizam a presença da Caridade em nós, a verdadeira túnica nupcial
Javier Salvador Gamarra
Com um grande abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Outubro de 2012, 13:42
"Quando nos encontramos na impossibilidade de compreender a vida que vivemos, dificilmente lembramos do bem que significa estarmos vivos e no lugar onde nos situou a própria vida, seguramente pensamos e repensamos a respeito de nossa situação e a circunstância vivida no presente instante, como se este momento atual representasse a única realidade de nossa existência."
Meu caro M.Altino.
Muito bom esse texto, do qual extraio esse trecho, em especial a última frase, para introduzir meu pensamento.
O amigo no texto refere-se por diversas vezes em vida futura, o que,dentro do contexto da época de Jesus, e da nossa própria, é muito correto e compreensivel.
Mas, o texto inicial da proposta de estudo retrata que Jesus, afirmando ter seu "reino" em outro mundo, mas dizendo que o reino esta entre nós, nos leva a refletir não sobre uma "vida futura", compreensivel na época de Jesus, mas sobre uma "vida espitritual", tal como podemos compreender da revelação kardecista.
Entendo que a vida futura a que Jesus se referia, e o amigo cita no texto, é a vida espiritual, desprovida dos apegos materiais.
Entretanto, ainda que não tenhamos a capacidade de nos desapegarmos da matéria, ate por que a evolução não dá saltos, ja temos a capacidade de compreender que somos espiritos imortais, vivendo uma experiência material, encarnada.
Dessa forma, aquilo que entendemos por vida futura, podemos entender como a colheita, na espiritualidade, ou mesmo na materialidade, do que estamos plantando na materialidade, tanto quanto estamos colhendo nessa materialidade, a plantação de materialidades anteriores.
Os suditos de Deus, do reino a que Jesus se refere, é a união dos sentimentos nobres daqueles que conseguem compreender as verdades que Jesus ensinou, daqueles que pertencem as verdade que Jesus ensinou.
Para participar desse reino, é preciso ter olhos de ver e ouvidos de ouvir,m aquilo que Jesus ensinou.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 11 de Outubro de 2012, 05:52
Bom dia a todos,
Jesus estava sempre em sinuca de bico, pois não podia falar demais, para não atrapalhar o progresso natural e também não podia falar de menos, pois não estaria ajudando no mesmo!
Que situação!
Quando Jesus falava, penso que: Jesus deveria saber das consequências de suas palavras e ponderava como estas deveriam ser expostas.
É fato que Ele sabia a definição de Reino e utilizou sua sabedoria para nos deixar mais um ensinamento.
Importante ressaltar que nem sempre quem está no domínio de um Reino, se considera reinado por tal Rei, mas é fato que estará sujeito as suas leis enquanto estiver em seus domínios.
Assim é o reino de Deus, ao qual Jesus faz parte como nobre Espírito. Poucos se sentem reinados por Eles, mas todos estão sujeitos as suas Leis.
Seguindo essa lógica, somos Reinados por Deus. Onde Jesus se encaixa?
Penso que Jesus está responsável por gerir as Leis de Deus, ou melhor, fiscalizar o equilíbrio no planeta Terra, devido a sua hierarquia Espiritual.
O pensamento é de que Deus é o Rei do Universo e de todas as coisas e  que existiria um governante da Galáxia e Jesus seria o "Rei" da Terra, ou governante, que segue as Leis do seu Rei maior, Deus.
Esse pensamento está cada vez mais sendo divulgado. Independente de suposição ou não, a lógica contida nele é enorme.
Pensemos nisso.
Um abraço fraterno.
 
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 11 de Outubro de 2012, 07:07
Bom dia a todos,
Não sabemos nada ainda!
Talvez um pouquinho!
http://www.forumespirita.net/fe/mensagens-de-animo/impulsos-cosmicos-criadores-e-a-percepcao-de-um-universo-multidimensional/msg296849/#msg296849
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 12:45
Mano Mastomisto, no filme cujo trecho nossa irmã colocou nesse tópico, tem uma cena que acho, como todo o filme, fantástica. Pilatos, ao confrontar Jesus lhe diz que tem "o poder de vida e morte", sobre Jesus que retruca: "você não tem poder nenhum sobre mim, isso não foi lhe dado la de cima".
Ora, a temática do estudo vem exatamente do momento em que Jesus é confrontado com Pilatos, que o questiona sobre seu "reino".
De uma maneira geral, podemos entender que Deus, como o criador do universo, e das leis que o regem isso é fundamental de se entender, é o "rei", desse reino, tendo em Jesus seu "governador" para a terra, e quem sabe nossa galaxia.
Mas realmente, devia ser muito complicado para o Cristo ensinar um povo tão rude e ignorante, uma vez que ainda hoje, temos uma dificuldade imensa de entendê-lo.
Talvez por isso Ele tenha dito que: "se vos falo das coisas da terra e vós não entendeis, que adianta falar das coisas do céu?".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 11 de Outubro de 2012, 13:18
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo,
Tem uma passagem onde Jesus entra no templo e espinafra todos os comerciante...
Depois disso, os comerciantes querem matar Jesus, mas ele some do nada...
Eu penso que Jesus tinha esse poder, ou melhor, essa tecnologia para fugir de Pilatos, mas não quis.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 13:47
Embora tenhamos dificuldade de entender, acredito que o grande "merito" por assim dizer, do ministério de Jesus foi o exemplo.
Ao se deixar levar para a crucificação, que ele sempre "previu", ou alertou, ele da o exemplo de que os "poderes" materiais, temporais, dos reinos da terra, não são nada diante do poder e da felicidade da vida desprovida de apego material.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 11 de Outubro de 2012, 14:19
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo,
Concordo com você, mas não foi o grande mérito e sim a ferramenta utilizada para a realização do mesmo. Jesus veio acelerar o nosso progresso e fez isso através de atos, palavras. Ser um exemplo foi apenas só mais uma ferramenta utilizada para que nós aprendêssemos, com certeza fez toda a diferença, mas foi apenas um meio para um fim.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 14:55
Embora eu entenda a respeite sua opinião, ainda acho que a crucificação foi o ápice da sua estada na terra.
O exemplo sem duvida é uma ferramenta, principalmente em episódios como a cura do servo do centurião.
Mas deixar-se matar como ele fez, é mais do que isso.
Alguem citou uma frase que acho de extrema importância: "morrer se for preciso, matar jamais".
Conseguir fazer isso meu irmão, é merito, e foi isso que Jesus fez ao se deixar levar para acruz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 11 de Outubro de 2012, 15:12
Amigos  e companheiros  deste estudo para todos uma boa tarde e  um grande abraço e  dando continuidade  a este tem que muito nos envolve e  nos faz questionar  um pouco sobre estas palavras de Jesus que  parecia não fazer sentido naquela época.
Vamos  pensar  com  mais  raciocino e dentro do contexto atual que vivemos  para  melhor  compreendermos.
• Se ele era rei e ele dizia que meu reino não é deste mundo, o que ele quis dizer com isso afinal?
• Naquele tempo nem mesmo os apóstolos iriam entender...
• Afinal quem havia feito tantas maravilhas, uma a mais, uma a menos, não seria nada difícil......
• Mas Jesus enfatizou: Meu reino não é deste mundo.
• Desde aqueles tempos o Cristianismo tem tentado explicar isso...
• Criou muitas fantasias, criou o céu maravilhoso; mas igual a terra; só que maravilhoso, onde não há morte, onde não há tristeza, a fome não existe, cidades de ouro, calçadas de ouro, que maravilha de céu!
• Todo mundo orando o dia inteiro, rezando o dia inteiro, cantando louvores a Deus...isso é o céu que eles mostraram pra gente...
• Percebam a idéia...
• Eles tinham um pensamento totalmente material...
• Isso estava arraigado, por que os princípios que eles aprenderam desde todos os tempos não falavam de espiritualidade...
• Não falavam se quer de céu, naquele tempo não tinha esse conceito ainda...
• Ninguém acreditava ou sabia da vida futura...
• Por isso eles colocavam o céu com as coisas que eles desejavam ter na terra...
• E eles imaginavam que Jesus fosse implantar um reino assim, material, mas maravilhoso...
• O espiritismo no tempo oportuno veio nos esclarecer, que Jesus é rei sim...
• Aliais se a terra fosse o centro do universo como se acreditava... se a Terra fosse tudo ...
 Jesus seria Deus, que é a crença de católicos e protestantes, nos não acreditamos nisso...
• O espiritismo nos ensina que Jesus não é Deus, mas ele é o governador da Terra, ele é o espírito de máxima hierarquia no âmbito da terra.
• E quando nós estamos falando de terra, nós não estamos falando só dos seres encarnados, só das coisas materiais, mas dos espíritos que habitam a terra...
• E que nós os encarnados, somos uma parcela pequenina, que estamos aqui para aprender para crescer, mas o nosso ambiente a nossa vida verdadeira esta no plano espiritual...
• É lá que Jesus constrói o seu reino de glória, desde os tempos primordiais, desde quando ele aqui chegou, segundo Emmanuel há 5 bilhões de anos atrás, com a tarefa de construir a Terra em todos os seus aspectos, inclusive o ser humano que nela habita, suas falanges...
• Espíritos que nós chamamos de anjos são espíritos iluminados que vivem num mundo feliz, que vivem num mundo perfeito, todos aqueles que já alcançaram a sublimação, todos aqueles que já superaram as insignificâncias humanas, as imperfeições humanas, todos aqueles que já são felizes intimamente, todos fazem parte do reino de Jesus...
• Ele já existe sim, e Jesus é o rei...
• Também nos fazemos parte deste reino, nós somos sim membros dessa comunidade, membros retardatários que ainda estamos caminhando lentamente, em busca do aperfeiçoamento...
• Como ele mesmo disse na cruz: pai eles não sabem o que fazem...
• Quantas vezes Jesus enfatizou a pouca importância que nós deveríamos dar as coisas materiais, por que nos buscávamos isso
• Quem procurava Jesus não o procurava em busca de salvação da alma, quem o procurava eram os doentes, os aleijados, os cegos, os leprosos, os escravos...
• E os poucos idealistas que foram chamados por ele, os apóstolos, que tinham lá seus afazeres eram todos trabalhadores, pescadores...
• E ele os impressionava, chamava pelo nome, Pedro siga-me, Tiago venha comigo, e era difícil resistir...
• E certamente eram espíritos que já haviam reencarnado para essa missão, por que Jesus também não veio de uma forma bruta inesperadamente, mas ele veio depois de uma preparação intensa, segundo alguns espíritos, Jesus se preparou por mais de 2000 anos...
• E preparou a humanidade por todo esse tempo para que ele pudesse vir e cumprir a sua tarefa senão ele não conseguiria...
• O terreno não estava preparado, e essa preparação incluiu espíritos que deveriam reencarnar para dar sustentação, e também para dar continuidade depois que ele retornasse a espiritualidade...
• O que é que você faz para ser considerado realmente um cidadão do reino em que Jesus é rei?
• Para ser cidadão desse reino em que Jesus é rei é preciso ser manso, é preciso ser pacífico, é preciso ser misericordioso, estão lá no sermão da montanha, todos os quesitos ou requisitos necessários para que nós possamos realmente fazer parte desse reino, embora Jesus tenha dito que não é desse mundo...
• Quando nós incorporarmos esses valores em nós, quando a maioria da humanidade tiver conquistado os valores inerentes ao reino de Jesus, nos transformaremos também a terra nesse mundo maravilhoso...
• Todos os dias nos vemos as grandes tragédias humanas, não apenas no Brasil mas no mundo inteiro, são os crimes violentos, são os crimes bárbaros que nos assola, o medo que bate a porta de todos nós,
• Basta darmos uma passada de olhos na nossa história e nós veremos que nós criamos isso...
• Hoje nos parece injusto: eu não mereço isso, mas a sociedade como um todo, egoisticamente criou isso...
• Não adianta dizer eu não tenho nada com isso...
• Não tem agora, mas nós somos espíritos eternos que caminhamos nessa eternidade, dando nossa contribuição, e se nos vivemos no meio em que vivemos e porque aqui é o nosso lugar...
• É o nosso lugar por que nós que cultivamos, nós que plantamos, fomos nós que fizemos que ele fosse assim...
• Ainda é tempo, aliás, sempre é tempo...
• Ao contrário do que, nós imaginávamos de que haveria um momento final, um término, um momento fatal em que nós, não teríamos nenhuma chance, o espiritismo vem nos esclarecer que, a qualquer tempo nos podemos reconstituir a nossa vida...
• Mas é tempo de analisarmos a nossa conduta...
• Analisarmos se nos já podemos nos enquadrar entre os Bem-aventurados... Era desse reino que Jesus falava e que ele estava construindo não naquele momento, mas que já vinha construindo ao longo dos milênios...
• Por que essa é apenas uma pequena parcela de preparação desse reino maravilhoso, que Jesus veio preparar pra nós...
• Pensamos: eu estou muito longe disso,...
• E claro que Jesus não esperava que nós instantaneamente nos tornássemos aqueles espíritos felizes, capazes de estar no auge do seu reino...
• Mas ele esperava sim, e se empenhou até a morte na cruz, ao longo da historia milhões de espíritos se empenharam, para que passo a passo pudéssemos construir o nosso caráter, de forma a nos tornarmos cidadão do reino de Jesus, através do nosso trabalho, do nosso esforço, e certamente, se Jesus voltasse poderia dizer meu reino é sim também desse mundo.
Depois deste texto vejam como agora podemos entender melhor  tudo o que  Jesus nos queria dizer  com suas palavras .
Com um abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Outubro de 2012, 15:16
Minha querida irmã Belina,muito bem lembrado sobre o reino da água.Foi através dele que
Jesus preparou os seus discípulos para uma nova vida,pois o batismo pela água tinha   si-
-gnificado de renascimento para esta nova vida,pois estando puros,todos poderiam partici-
-par do reino de Jesus.
Fique na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 15:24
Mano Altino, como sempre, muito feliz nas suas colocações, embora eu entenda que o conceito de espiritualidade, de vida espiritual, estivesse tambem no velho testamento, foi apenas com a vinda de Jesus que essa verdade entrou nos circulos de vida da época.
Entretanto, antes, como hoje, temos dificuldade de entender qualquer coisa que nçao possamos tocar, explorar de forma concreta, tal como a vida espiritual.
Essa necessidade de uma mensuração material de tudo é que criou esse deus antropomórfico das religiões tradicionais, ignorando o verdadeiro Deus, suprema inteligencia e bondade, criador do universo e de suas leis imutaveis.
Mas Jesus, como o bom semeador, lançou as sementes.
Cabe aos espiritas e trabalhadores da ultima hora cuidar da lavoura e apascentar o rebanho.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 15:29
Mau caro Antonio.
O próprio João Batista afirmou que el batizava com agua, "mas aquele que virá depois de mim, batizará com o fogo e o espirito santo."
A agua, e o Batista mesmo assim dizia, é um simbolo que regeneração, uma especi de delimitador de fases e hoje é usada pelas religiões cristãs,em especial as igrejas evangélicas, para simbolizar o momento em que o crente afirma seu compromisso de participar do grupo religioso.
Entendo, que o verdadeiro batismo, o batismo de Jesus esta bem exemplificado no episódio de Zaqueu.
Esse sim o verdadeiro convertido, embora exista literatura que de um entendimento umpouco diverso, pois Zaqueu, alterou sua postura, sua conduta, com o entendimento do evangelho de Jesus, como "conhecer jesus".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Outubro de 2012, 15:47
Sim mano Gustavo,entendo bem essas colocações,mais ao concordar com a nossa irmã Belina,
foi no significado que a água tinha naquela época,(pureza),e que até hoje é utilizada pelos
católicos e evangélicos na forma de batismo, renascimento para uma nova vida.
Fique na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 16:21
Exatamente meu caro Antonio, a agua continua significando pureza, e sendo utilizada em rituais, como simbolo de transformação, de mudança, mas até por isso de cunho exterior.
Entretanto, entendemos que a verdadeira mudança se da de forma interior, a chamada reforma intima, a reforma do espirito.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 11 de Outubro de 2012, 16:47
Boa tarde a todos,
Boa tarde Gustavo,
Eu concordo com você, mas o exemplo é uma ferramenta do mestre para com os discípulos.
http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/meu-reino-nao-e-desse-mundo/msg295896/#msg295896
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 17:04
O exemplo, meu caro, é o que realmente educa.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 11 de Outubro de 2012, 17:17
Amigo Gustavo um abraço e  como as suas ultimas palavras nos  chamam à responsabilidade  de tudo o que  fazemos na vida.
Cabe aos espíritas e trabalhadores da ultima hora cuidar da lavoura e apascentar o rebanho.
Muito bem  esta frase e com podemos entender  a divulgação e  sempre pelos nossos atos sermos capazes de  entender que podemos  aspirar a um Mundo melhor  desde que  sejamos  capazes de  colocar na vida  as coisas que vamos  sabendo.
Sempre o exemplo de vida  embora  com o livre arbítrio de cada um de nós e  quando compreendemos  que  afinal estamos aqui apenas de passagem para o verdadeiro reino  Espiritual como como Jesus nos quis  dizer, é  atingido  pelo trabalho e  renovação de  cada um de nós.
Com um abraço de muita paz
 [attach=1]
Manuel Altino
 


Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 11 de Outubro de 2012, 17:50
Ola amigos
  citação de nosso amigo Altino
 E ele os impressionava, chamava pelo nome, Pedro siga-me, Tiago venha comigo, e era difícil resistir...
• E certamente eram espíritos que já haviam reencarnado para essa missão, por que Jesus também não veio de uma forma bruta inesperadamente, mas ele veio depois de uma preparação intensa, segundo alguns espíritos, Jesus se preparou por mais de 2000 anos...
• E preparou a humanidade por todo esse tempo para que ele pudesse vir e cumprir a sua tarefa senão ele não conseguiria...
• O terreno não estava preparado, e essa preparação incluiu espíritos que deveriam reencarnar para dar sustentação, e também para dar continuidade depois que ele retornasse a espiritualidade...


A terrra sempre teve espiritos iluminados preparando a vinda de Jesus, esta é a minha opineao.
Aqui fica um exemplo

Sidarta Gautama (Buda) nasceu aproximadamente 600 anos a.C.

Buda 600 anos a.C
A verdade está dentro de nós, não surge das coisas externas.
há um centro interno em todos os seres, onde a verdade habita em toda sua plenitude.
Jesus
O reino de Deus está dentro de cada um de vós.

Buda 600 anos a.C
Um vegetariano questionou Buda sobre a moralidade de comer carne.
Buda respondeu;
- O que sai da tua boca, é mais importante do que aquilo que entra.
Jesus
Os fariseus questionaram Jesus dizendo:
Porque comem os teus discípulos sem lavar as mãos?
Jesus respondeu:
- O mal não é o que entra na boca do homem,
mas sim aquilo que sai.

Buda 600 anos a.C
O passado não deve ser perseguido,
e o futuro não deve ser desejado.
O passado está morto, e o futuro ainda não veio.
Jesus
Não vos inquieteis pelo o dia de amanhã.

Buda 600 anos a.C
Viva na alegria e no amor, mesmo no meio daqueles que te odeiam.
Jesus
Amai aos vossos inimigos, bendizei aqueles que vos maldizem, e fazei o bem aos que vos odeiam.

Buda 600 anos a.C
Existe um reino longínquo desse mundo transitório.
Jesus
Meu reino não é deste mundo.

Buda 600 anos a.C
De que servem cabelo e manto impecáveis, oh tolo!
se dentro de ti, tudo está confuso, e no entanto penteia a superfície.
Jesus
Sepulcros caiados, por fora são limpos e enfeitados,
mas por dentro guardam todo tipo de imundície e podridão.
limpai primeiro o interior, e o exterior ficará limpo também.

Buda 600 anos a.C
Qualquer ato que eu realize, bom ou mal, dele serei o herdeiro.
Jesus
Será dado à cada um, segundo suas obras.

Buda 600 anos a.C
Um homem só é nobre quando consegue sentir piedade por todas as criaturas.
Jesus
Bem aventurados os misericórdiosos.

Buda 600 anos a.C
“Pratiquem a bondade”
Jesus
“Praticai o bem”

Buda 600 anos a.C
A verdade liberta-nos do mal; não há no mundo libertador igual.
Confia na verdade, mesmo que não sejais capazes de compreendê-la,
mesmo que no começo vos pareça amarga a sua doçura".
Jesus
Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Buda 600 anos a.C
"É mais fácil ver os erros dos outros que os próprios;
é muito difícil enxergar os próprios defeitos.
Espalham-se os defeitos dos outros como palha ao vento,
mas escondem-se os próprios erros como um jogador trapaceiro"
Jesus
Por que olhas o cisco no olho de teu irmão e não vês a trave no teu?
Como ousas dizer a teu irmão: 'Deixa-me tirar o cisco do teu olho!
Hipócrita! tira primeiro o cisco da tua visão.

Buda
“A concórdia é boa, ouça com respeito à todos,
e esteja disposto a ouvir as doutrinas que os outros professam.”
Jesus
Mestre!
Encontramos outros que não te seguem connosco, expulsando demónios em teu nome, e lhes proibimos!
Disse-lhes Jesus:
"Não os proibais! Quem não é contra nós, é por nós."


Pesquisado e organizado por Renatogkoenig.
05/01/2010.

paz e luz
belina




Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 18:19
Por isso mano Altino, temos de "orar e vigiar", pois para "quem muito se deu, muito será cobrado".
E a cobrança é o exemplo que oferecemos aos nossos irmãos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 18:23
Belina minha querida, se não me falha a memória, é no ESE que esta a referencia aos filosofos gregos que, séculos antes do cristo ja defendiam muitas de suas idéias e posturas.
Entendo que a mensagem de Deus é enviada por Ele aos seus filhos, desde sempre.
Entretanto sempre de acordo com a capacidade de entendimento que nós espiritos pequenos eignorantes possuimos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Outubro de 2012, 19:19
Meu nobre irmão Gustavo,de quando você concordou comigo no sentido de dizer que a água
tinha um sentido de renovação aos que eram batizados pela água,na época  que Jesus teve   as suas andanças aqui na terra,e que até hoje esses ritos são utilizados por católicos e evangélicos,isso para eles.Entretanto assim como você,eu também tenho a consciência que a verdadeira transformação se dá por uma reforma íntima,e essa interpretação deve ser de todo
 espírita que realmente quer caminhar no sentido da evolução do seu espírito.
Fique na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Outubro de 2012, 19:41
Exatamente meu querido Antonio, exatamente.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: L@CERD@ em 12 de Outubro de 2012, 05:56
"Meu reino não é desse mundo"
Com estas palavras, Jesus disse claramente que  devemos  cuidar da nossa vida futura, pois estamos aqui na terra, para cumprir nossas provas e espiações, fazermos o bem, cumprindo todos os seus ensinamentos, nos preparando espiritualmente para encontrar-mos com Ele em seu reino, isto é, no reino de Deus. Reino esse, onde a justiça é realmente cumprida, por isso não lavemos as mãos como Pilatos.
Paz a tdos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 12 de Outubro de 2012, 18:18
Ola amigos

Do livro “Nas Pegadas Do Mestre”

O Reino dos Céus é dos fortes. Os abúlicos, os pusilânimes e os covardes jamais o alcançarão. Sua posse de¬pende de uma porfiada conquista. A obra da salvação é obra de educação. Educar é desenvolver os poderes latentes do espírito, dentre os quais sobressai a Vontade. É com o poder da Vontade que se alcança o Céu. “A Vontade”, disse um eminente educador, “é a força principal do carácter, é, numa palavra, o próprio homem.” Tomás de Aquino, in¬terpelado por certa senhora de alta sociedade sobre o que se fazia preciso para ganhar o Céu, respondeu: “Querer”.
A maioria dos erros que cometemos são atos de fraqueza moral. Os vícios dominam-nos, a cólera arrebata-nos, o ciúme consome-nos, a ambição perturba-nos, o orgulho cega-nos, o egoísmo envilece-nos. Dissimulamos a cada passo, abafando a verdade, preterindo a justiça, pactuando com a iniquidade. E tudo por quê? — por fraqueza.


Uma vontade frouxa, deseducada, é a causa dos fracas¬sos, dos desapontamentos, das quedas e das humilhações por que passamos na trajetória da existência. O Reino dos Céus há de ser tomado à força. É o único caso em que a vio¬lência se justifica. Sem energia de vontade não se doma a animalidade que nos degrada, não se sobe a simbólica esca¬da de Jacó. Sem coragem moral não se abraça a verdade, nem se vive segundo a justiça.
O Apocalipse (3:15, 16 e 21), em sua linguagem parabóli¬ca, diz: “Não és frio, nem quente, oxalá fosses frio ou quente: És morno, por isso estou para te vomitar de minha boca. Ao vencedor, fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus”.
O morno é o fraco, é o tíbio, o indeciso, o medroso, que não sabe porfiar, que foge espavorido das lutas e das pelejas.
Jesus disse aos seus discípulos:
— Ide. Eu vos envio como ovelhas no meio de lobos.
Ele queria, portanto, homens resolutos, dispostos a en¬frentar obstáculos e a conjurar perigos. A ovelha no meio da alcateia corre risco iminente. E o Mestre aponta e salienta esse perigo ordenando peremptoriamente: “Ide”. Referindo--se ao caminho da salvação, disse que esse caminho é estreito como estreita é a porta que lhe dá acesso. Para melhor eluci¬dar o caso, acrescenta: “Quem quiser ser meu discípulo, renuncie a tudo, inclusive à própria vida, tome sua cruz e siga-me”. (Mateus, 16:24; Marcos, 8:34; Lucas, 9:23.)
Os dizeres acima não dão margem a mal-entendidos. Eles exprimem clara e positivamente que, para ser cristão, o homem precisa tornar-se forte, corajoso, intrépido. E o Mestre o exem¬plificou dando perfeito testemunho, na sua vida terrena, de integridade de carácter, de valor moral e de intrepidez.
Ninguém me convence de pecado. — Eu venci o mun¬do. — Seja o teu falar sim, sim; não, não. Não temais os ho¬mens. — Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito — são frases de um Espírito forte e valoroso. A expulsão dos vendilhões do templo, dadas as condições e o meio em que se operou, foi mais do que um ato de coragem moral, foi um cartel de desafio atirado pelo Mestre a uma horda de inimi¬gos ferozes e poderosos.
O homem atual carece de valor moral.
O parasitismo crescente comprova tal asserção. Atra¬vessamos uma época de crise de energia. Não de energia eléctrica, como clama a imprensa de nossos dias, mas de energia moral, de coragem cívica, de inteireza de carácter. Semelhan¬te crise é de consequências gravíssimas para a Humanidade. A crise de energia eléctrica acarreta males relativos e saná¬veis, enquanto a crise de energia moral, se não for conjura¬da, trará a dissolução social, determinará um verdadeiro cataclismo mundial.
Salvar é educar. O Reino dos Céus é conquista dos for¬tes. Eduquemos a vontade libertando nosso espírito da ig¬nominiosa servidão, do negregado cativeiro do vício e das paixões.
Imaginar a salvação fora da auto educação de nossas almas é utopia dogmática incompatível com a atualidade.
Salvemos o mundo, salvando-nos a nós mesmos.
SURSUM CORDA!

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 12 de Outubro de 2012, 20:59
Lacerda meu querido, alguns posts para tras troquei uma idéia com mano Altino sobre "vida futura".
Por vida futura, entendo eu, é a vida espiritual que todos temos, mas que só a teremos emplenitude, ao desapegarmo-nos da matéria, visto que espiritos, somos todos desde sempre.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 12 de Outubro de 2012, 21:01
Belina, minha querida, querer todos querem, mas poucos conseguem ter olhos de ver e ouvidos de ouvir, para comprender a estrada trilhada por Jesus, a qual devemos seguir, carregando nossa própria cruz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 14 de Outubro de 2012, 03:24
Boa noite a todos,
Se conseguíssemos ver a escadaria que vai nos levar até a perfeição, provavelmente ficaríamos bem desanimados, mas podemos ver os próximos degraus...
É muita pretensão, alguém achar que não vai mais reencarnar, então...
http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/a-crianca-na-visao-espirita/msg297346/#msg297346
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Edna☼ em 14 de Outubro de 2012, 16:03
Venha a nós o teu reino

«Venha a nós o teu reino... » — assim rogou Jesus ao Pai Celestial, sabendo que só o Plano de Deus pode conceder-nos a verdadeira felicidade.

Mas, o Mestre não se limitou a pedir; ele trabalhou e se esforçou para que o Reino do Céu encontrasse as bases necessárias na Terra.

Espalhou, com as próprias mãos, as bênçãos da paz e da alegria, a fim de que os homens se fizessem melhores.

Uma locomotiva não corre sem trilhos adequados.

Um automóvel não avança sem a estrada que lhe é própria.

Um prato bem feito precisa ser preparado com todos os temperos necessários.

Assim também, o auxílio celeste reclama o nosso esforço. Ë sempre indispensável purificar o nosso sentimento para recebê-lo e difundi-lo.

Sem a bondade em nós, não poderemos sentir a bondade de Deus ou entender a bondade de nossos semelhantes.

Quando é noite e reclamamos: — «Venha a nós a luz», é necessário ofereçamos a lâmpada ou a candeia, para que a luz resplandeça entre nós.

Se rogamos a Graça Divina, preparemos o sentimento para entendê-la e manifestá-la, a fim de que a felicidade e a harmonia vivam conosco.

Jesus trabalhou pela vinda da Glória do Céu ao mundo, auxiliando a todos e ajudando-nos até à cruz do sacrifício, dando-nos a entender que o Reino de Deus é Amor e só pelo Amor brilhará entre os homens para sempre.”


Fonte: Pai Nosso, Francisco Candido Xavier, ditado pelo Espírito Meimei, Editora FEB, que autorizou a publicação do texto para fins de estudo.


Abraços fraternos sempre,

Edna  ;)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 15 de Outubro de 2012, 00:50
Boa noite meus queridos irmãos de jornada e estudos.
Depois de um feriadão desconectado, volto ao estudo para pedir desculpas pela ausência involuntária e agradecer aos irmãos que aqui estiveram dando sua contribuição.
Entendo meu caro Mastomisto, que nosso orbe esta com o amparo de espiritos mais evoluidos, e nessa condição poderá ter algum que aqui esteja, não pela necessidade de reencarnar, mas pela vontade de auxiliar aqueles, como nós, retardatários nessa sublime caminhada.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 15 de Outubro de 2012, 00:54
Edna, minha querida, é uma grande verdade, o Mestre fez de tudo para nos ensinar o caminho seguro que leva ao reino de Deus, mas rebeles e teimosos, não compreendemos e aqui estamos, remando em rio de divicil navegação.
Mas com certeza, o amparo não nos falta, e aprenderemos a rogar de forfma correta e principalmente, a agradecer as maravilhas que a misericórdia divina nos presenteiam todos os dias.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 15 de Outubro de 2012, 12:55
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo,
Nós devemos seguir evoluindo. Pelo que entendo, evoluímos em conhecimento e sabedoria.
Quando não estamos encarnados, estamos desencarnados, seja nesse mundo ou em outros. A escadaria é imensa, de tal forma que o próprio Jesus continua a subi-la. Não estou dizendo que ele precisa reencarnar nesse planeta, mas que Jesus ainda continua aprendendo e agindo, sim me parece lógico.
Quando Jesus for perfeito que nem Deus, ele não existirá mas como espírito, pois se fundirá com Deus, de tal forma que fará parte de tudo e todos.
Então, ou Jesus ainda está na estrada da evolução, ou Jesus e Deus viraram um só, de tal forma que o espírito de Jesus não existe mais como uma individualização de Deus e sim como o próprio Deus.
Um abraço fraterno.

Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 15 de Outubro de 2012, 15:52
Meu caro amigo Mastomisto.
Conhecimento e sabedoria, não são necessariamente concomitantes. Conheço pessoas com um conhecimento gigantesco sobre determinado assunto, mas sem sabedoria nenhuma.
O que a doutrina nos diz, é que devemos evoluir, intelectual e moralmente, sendo que necessitamos da evolução intelectual para melhor compreender o conceito moral.
O LE nos fala, e confesso que não decorei o texto, que, se voltassemos ao "todo universal", onde a individualidade de cada um?
Por que Deus criaria espiritos para que tivessem toda uma caminhada evolutiva, para voltar a unir-se a Ele?
Da mesma forma, não teríamos sido criados, e sim "expulsos" da "composição" imaterial divina.
Entendo meu querido que "o Pai cria sempre, e o filho tambem", portanto o universo imenso que existe ao nosso redor é a morada de todas as criaturas de Deus, desde as primitivas formas, até os luminares espiritos dos mundos divinos, onde o amor de Deus é a regra.
Mas sempre como individualidades, pois sem elas, as individualidades, de que reino Jesus falava, posto que não existiriam súditos, apenas o Rei?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 15 de Outubro de 2012, 16:29
Boa tarde a todos,
Estou adorando esse tópico e sua forma de analisar cada comentário e toda a DE.
Amigo, não sei se estamos no caminho certo, mas espero que sim!
Quanto a sabedoria, eu penso que é muito difícil defini-la, mas existe tal definição.
Penso que é uma das asas.
A outra é a do conhecimento.
2 asas, a do conhecimento e a da sabedoria.
Se um dia me pedissem para definir Jesus, eu o definiria assim:
O maior espírito e com mais conhecimento, ou menos ignorante, e o mais sábio, ou o que mais sabia usar este conhecimento, que já encarnou na Terra, que tenhamos conhecimento.
Quanto a definição de Deus, eu definiria assim:
Tudo de tudo!
Como Jesus seria tudo de tudo sem se fundir com Deus?
E relação a não voltarmos a ser Deus, isso não é nos dito, mas como pode ser dito se está tão distante. Se a perfeição bastasse, então existirão inúmeros espíritos perfeitos no futuro que sofrerão por nada poderem fazer, já que ao tudo saberem a escolha se acaba e pronto. Se pudermos voltar a Deus por merecimento, será uma dádiva, não uma maldição, mas quando merecermos, não quando morrermos, que é o que o LE nos diz.
A definição é tudo para termos um entendimento.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 15 de Outubro de 2012, 18:17
Meu caro Mastomisto, continuemos o debate.
Sabedoria, de uma maneira simplista de identificar, e a capacidade de bem utilizar os conhecimentos adquiridos.
Dessa forma, sabedoria e conhecimento, estão unidos, embora como citei antes, não sejam necessariamente concomitantes. Portanto, seriam a mesma asa.
Quem disse que espiritos perfeitos "sofrerão por nada poderem fazer"?
Jesus nos diz no evangelho, que "o Pai trabalha sempre, e o filho tambem". Quer dizer Deus trabalha sempre e ele, Jesus, tambem.
A medida que formos evoluindo, nossas atividades deixarão de ser materiais, pelo nosso crescimento e passarão a ser mais espirituais, em auxilio aqueles que estejam nos estagios iniciais da caminhada, tal como Jesus e uma infinidade de auxiliares seus fizeram conosco no passado.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 15 de Outubro de 2012, 19:20
Olá

Citar
«Venha a nós o teu reino... » — assim rogou Jesus ao Pai Celestial, sabendo que só o Plano de Deus pode conceder-nos a verdadeira felicidade.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/meu-reino-nao-e-desse-mundo/135/#ixzz29OOLDRVr

Esta frase também esclarece que, de momento, quem governa directamente este mundo são os homens, e não Deus. Se o reino de Deus já cá estivesse, não precisava de vir.

De qualquer modo, eu acredito que isto quer dizer que nós temos de aprender a viver a favor das leis da natureza, tanto das leis espirituais como das materiais, que são as leis de Deus. A virtude trás felicidade, tanto na Terra, como depois.

As leis de Deus existem e são invioláveis, mas nós temos a liberdade de as aproveitar a nosso favor, ou de as ignorarmos e desprezarmos. Até que um dia, cansados de tanto sofrimento, resolvemos aproveitar a força da corrente divina. E deixamo-nos levar pela força do amor divino. 

bem hajam
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 15 de Outubro de 2012, 19:35
Boa tarde a todos,
Boa tarde Gustavo,
Blz, concordamos que simplificadamente sabedoria seja saber usar o conhecimento. Então precisamos ter o conhecimento moral para podermos usá-los. Muitos sabem que amar é o caminho, mais poucos sabem usar esse conhecimento.
Temos que lembrar que trazemos nossa bagagem de conhecimento de outras vidas.
Muitos que têm pouco estudo podem ser dotados de extrema sabedoria, tendo em vista que tudo que vivermos é um tipo de informação e consequentemente, uma forma de conhecimento. Porém, precisamos de conhecimentos científicos, que são adquiridos em livros e escolas. Esse conhecimento é importante para que possamos crescer em sabedoria, tendo em vista que sabedoria é saber usar o conhecimento e quanto mais tivermos, maior será a oportunidade de nos tornarmos sábios.
Espíritos perfeitos ainda estão na escala de aprendizado, pois ser feliz e não ter mais o que aprender são coisas diferentes.
Na verdade é claro que é uma hipótese, tendo em vista que nem os espíritos no LE  sabem do final da jornada, assim como não sabem do início, mas sabem do Mundo Divino, onde o espíritos serão totalmente felizes.
Muito já foi dito, mas que grau de espírito Jesus deve ser?
Será que ele é um espírito abtante dos Mundos Divinos?
Enfim, penso que no final da escalada, quando estivermos no grau máximo dos Mundos Divinos, deveremos nos unir novamente com Deus.
Deus realmente trabalha, mas através de suas Leis. Deus não é um espírito, ele é toda a ciência e todas as consciências espirituais.
Sei lá, penso em Deus como uma força neutra, que não interfere no nosso progresso. Milagre não existe. Este é apenas algo científico que ainda não entendemos, mas chegaremos lá.

Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 15 de Outubro de 2012, 20:36
Vitor meu caro, as leis de Deus são imutáveis, mas nos não só podemos, como com muita frequencia as violamos.
O problema de planetas como a terra, é que aqui ainda estamos realmente governados pelos sentidos, pelo materialismo, pela ignorância das coisas espiritais que Jesus veio nos mostrar e nós não entendemos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 15 de Outubro de 2012, 20:44
"Então precisamos ter o conhecimento moral para podermos usá-los. Muitos sabem que amar é o caminho, mais poucos sabem usar esse conhecimento."
O conhecimento moral, é o que o Cristo nos mostrou e temos estudado nesses séculos todos. O que nos falta é a sabedoria de colocá-lo em pratica, talvez por não termos ainda inteligência suficiente para entender.
"Espíritos perfeitos ainda estão na escala de aprendizado, pois ser feliz e não ter mais o que aprender são coisas diferentes."
Realmente, ser feliz pode não significar saber tudo, por isso mesmo, podemos ser "felizes" aceitando o que sabemos. Conhecimento relativo, felicidade relativa.
Outra coisa que me parece muito obvia: estamos muito longe de compreender Deus.
Por esse motivo, definí-lo é sempre precipitado, quando não uma forma de arrogÂncia e presunção.
Mas não vejo como possamos nos "unir" a Ele, perdendo nossa individualidade, ao contrário, a medida que evoluimos e nos libertamos da matéria, podemos nos tornar mais amorosos e caridosos.
Quem sabe um de nós não estará, em melênios futuros, em algum planeta primitivo, servindo de mensageiro da palavra de Deus para aqueles que ainda estãocomeçando a jornada?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Vitor Santos em 16 de Outubro de 2012, 02:25
Vitor meu caro, as leis de Deus são imutáveis, mas nos não só podemos, como com muita frequencia as violamos.
O problema de planetas como a terra, é que aqui ainda estamos realmente governados pelos sentidos, pelo materialismo, pela ignorância das coisas espiritais que Jesus veio nos mostrar e nós não entendemos.

Nós não podemos violar as leis da natureza. Podemos é desprezá-las e ignorá-las. O que rema a favor da corrente vai mais depressa. O que rema contra a corrente está tramado: cansa-se e não sai do sitio.

O que nós podemos seguir ou não são os bons conselhos morais. O que segue a boa moral, e a aplica na sua vida, rema a favor da corrente, no âmbito da sua vida de espírito milenar. O que rema contra a corrente não consegue avançar, até se cansar e decidir virar o barco, a favor da corrente.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 16 de Outubro de 2012, 09:43
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo,
Realmente estamos muito longe de entender Deus, mas se Deus está dentro de nós e em todas as coisas, então é muito mais fácil entende-lo do que entendermos Jesus, por exemplo.
Por isso eu escrevi o post #141.
As vezes é melhor enxergarmos apenas o próximo passo e agirmos do que enxergarmos o todo e ficarmos desanimados.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Outubro de 2012, 12:25
Vitor meu caro, será que não violamos as leis da natureza, ou as leis naturais?
As leis de Deus, as leis naturais, são perfeitas e acima de tudo, equilibradas.
Mas temos nosso livre arbitrio, e muito frequentemente queremos brincar de "ser deus".
Isso acarreta consequencias, normalmente desagradáveis.
Não nos esqueçamos que todo efeito, possui uma causa.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Outubro de 2012, 12:35
Mastomisto, meu caro, a compreensão de Deus é algo muito complexo, muito distante da nossa capacidade atual.
Entretanto em nosso orgulho desmedido, criamos as religiões que nos balizam, onde normalmente seguimos, não o evangelho, ou os ensinamentos de Deus, mas a interpretação de nossos lideres.
Quando um pastor, ou lider religioso, cria um igreja nova, e no Brasil são apenas 34 mil delas, os que lhe acompanham de inicio, estãos eguindo quem, Deus, Jesus, ou o gerente do credo?
Compreender Deus, através dos ensinamentos de Jesus não é tão complicado quanto parece.
Dificil é abrir mão do materialismo, tirando a trave que nos cega os olhos, para enfim enxergar.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 16 de Outubro de 2012, 12:47
Olá amigos

Sabedoria
A sabedoria é de extraordinária importância para a questão do "tratar as pessoas", por isso o conceito geral é que, sábio é aquele que sabe decidir corretamente, sempre respeitando a moral e os costumes. Assim, agir com sabedoria é o mesmo que:
      Respeitar o pensamento alheio.
      Ser gentil para com as pessoas.
      Ser humilde.
      Tratar o outro como gostaria de ser tratado.
Todo esse conjunto de ideias, identificadas para com quem é sábio, ou seja, para com quem detém a sabedoria, tem contribuído beneficamente para a evolução moral do ser humano.
Jesus nos ensina a verdadeira sabedoria que conduz a uma vida justa e à felicidade. Não se trata da cultura que se conquista pelo pensamento, mas da sabedoria que vem de Deus. Esta sabedoria divina guiou magistralmente a história do povo de Deus, revelando que a verdadeira felicidade pertence ao Reino de Deus. Em outras palavras, penso que a sabedoria não é apenas um fruto do esforço do homem, mas é em primeiro lugar um dom que Deus concede gratuitamente aos seus filhos.
Eu identifico a sabedoria com Justiça.
"Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas".
A ideia de Deus transmitida por Moisés e pelos antigos profetas foi a que se adaptava à compreensão de um povo de pastores, há trinta e muitos séculos. Um Chefe.

A ideia de Deus que Jesus transmitiu, sem negar o que era divino na Lei de Moisés, foi a de um Deus de amor, compaixão e justiça. Um Pai.
 Assim toda sabedoria implica exercício da justiça, e este, se for verdadeiro, produz a libertação..
Paz e luz


Sabedoria Budista (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUMtblNaZC1tY0xvJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9kZXRhaWxwYWdlIw==)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 16 de Outubro de 2012, 12:54
Amigos e companheiros  deste estudo é sempre com muita alegria que vos venho dar um Bom Dia e  agradecer ao nosso amigo Gustavo pela condução deste lindo estudo .
Como podemos  entender  o Reino de  Deus  de que Jesus tanto falava  nos diz  que apenas só é possivel pelo amor  ao próximo e  em também nos  modificar na vida .
O Reino de Deus está proximo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUNmdFJWa2RwcXB3Iw==)
João Batista, o precursor do mestre, dizia: "Arrependei-vos porque está próximo o reino dos céus"... "Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar.
O Espírito Irmão X, no capítulo 3, do livro Boa Nova, dá-nos uma ideia da implantação do reino de Deus feita por Jesus.
Estando Jesus sentado nas adjacências do Templo, em Jerusalém, Hanã, sacerdote, dirigiu-se a ele e lhe perguntou:
 "Galileu, que fazes na cidade?
 Passo por Jerusalém, buscando a fundação do Reino de Deus! - exclamou o Cristo, com modesta nobreza.
Reino de Deus? - tornou o sacerdote com acentuada ironia. - E que pensas tu venha a ser isso?
Esse Reino é obra divina no coração dos homens! - esclareceu Jesus, com grande serenidade.
 Obra divina em tuas mãos? - revidou Hanã, com uma gargalhada de desprezo".
Continuando a conversa, perguntou-lhe sobre quem os ajudaria e como levaria a cabo tamanho empreendimento. Jesus sempre respondia com firmeza e tranquilidade.
Daí a algum tempo, na cercanias de Cafarnaum, dirigiu-se a um grupo de alegres pescadores, convidando-os a pescar homens.
Buscai primeiro o Reino de Deus e sua justiça.
Muitos procuram o evangelho para a realização dos próprios caprichos: mandar e fazer-se obedecer, ter privilégios... Raros aceitam a condição do aprendiz.
Querem ser favoritos de Deus.
Busquemos, sim, em primeiro lugar a vontade Deus.
"O reino de Deus não vem com aparência exterior.
Lembremo-nos de que a prática do proselitismo é, muitas vezes, prejudicial aos elevados projetos de realização.
Por que apresentar pompas e números vaidosamente, nos grupos de fé? A realização divina começará no íntimo de cada um. No corpo que se vai, a maioria pode ver apenas a carne. Por que constrangê-lo a ver o Espírito se ainda não é a sua hora?
"O Reino de Deus está no meio de Vós."
Nem nas obras sem fé que se reduzem a pedra e pó. Nem na fé sem obras que é estagnação da alma.
Nem no movimento sem ideal de elevação que é cansaço vazio. Nem no ideal de elevação sem movimento que é ociosidade brilhante. Nem exigência a todo o instante. Nem desculpa sem fim. A edificação do Reino Divino é obra de aprimoramento, de ordem, esforço, aplicação aos desígnios do Mestre, com bases no trabalho metódico e na harmonia necessária.
Conservemos do passado apenas o que for bom e justo, belo e nobre. Cada hora na atualidade pode ser o reajustamento de uma atitude.
Alguém nos magoa? Reiniciemos o esforço da boa compreensão.
 Alguém não nos entende?
Perseveremos em demonstrar os nossos intuitos mais nobres.
"Se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo algum entrareis no Reino dos Céus.
Os escribas e fariseus não eram criminosos, cumpriam os seus deveres, respeitavam as leis, jejuavam, pagavam impostos... Adoravam o eterno Pai, mas não vacilavam em humilhar o irmão de jornada. O cristão não surgiu na Terra para circunscrever-se à casinhola da personalidade, mas para transformar vidas e aperfeiçoá-las com a própria existência.
"E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus.
Por que Jesus usou o símbolo do arado? É pesado, demanda esforços, provoca suor, fere a terra...
Contudo, depois chegam semeaduras e colheitas, pães e pratos e celeiros guarnecidos.
 O reino de Deus não é um lugar circunscrito, mas "obra divina no coração dos homens", ou seja, a edificação da sabedoria e a conquista do amor, através do trabalho incessante na prática do bem.
É o desapego aos bens materiais, o perdão às ofensas dos inimigos, enfim, é a lembrança das Leis Divinas ou Naturais, gravadas por Deus em nossa consciência.
Nesse sentido, todo o esforço despendido em auxiliar o próximo, em silenciar uma crítica, em pensar duas vezes antes de querelar com o vizinho assume papel relevante na prática da perfeição.
Com um grande abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Outubro de 2012, 13:15
Belina minha querida, obrigado pela contribuição.
Parece-me que seu entendimento não difere muito do nosso quanto ao quesito sabedoria, ou seja, é a melhor utilização possivel da inteligência.
Mas você acrescenta um detalhe que considero muito importante: o Sentimento.
Saber tambem usar os sentimentos mais nobres, como a humildade e o respeito, em beneficio próprio e dos irmãos de jornada.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Outubro de 2012, 13:19
"O reino de Deus não é um lugar circunscrito, mas "obra divina no coração dos homens", ou seja, a edificação da sabedoria e a conquista do amor, através do trabalho incessante na prática do bem.
É o desapego aos bens materiais, o perdão às ofensas dos inimigos, enfim, é a lembrança das Leis Divinas ou Naturais, gravadas por Deus em nossa consciência.
Nesse sentido, todo o esforço despendido em auxiliar o próximo, em silenciar uma crítica, em pensar duas vezes antes de querelar com o vizinho assume papel relevante na prática da perfeição."
Mano Altino, obrigado pela participação sempre muito ponderada, e me permita citar o final do seu texto, para dizer que nessas frases encerra-se um conceito muito apropriado daquilo que chamamos de "reino de Deus".
O reino pela afinidade, pela participação comunitária na observância das leis imutáveis e soberanas de Deus.
O reino pela união de interesses e acima de tudo, de sentimentos nobres.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 16 de Outubro de 2012, 16:00
Boa tarde a todos,
Boa tarde Gustavo,
As religiões não são criadas pelo "orgulho desmedido", mas por uma má interpretação das escrituras. Estas são uma ferramenta, que muitos se utilizam para serem felizes. É inerente do homem querer ser feliz, seja agora ou no futuro. A sabedoria faz toda a diferença, tendo em vista que ser fanático é estar cego, pois a verdade, em nosso nível de aprendizado, não existe.
Aquele, que não consegue escutar uma opinião nova, por achar que já sabe a verdade, deve rever seus conceitos, pois o sábio sabe que nada sabe.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Outubro de 2012, 16:41
Mastomisto meu querido, vamos "conjecturar".
Se não me falha a memória, em Mateus cap. 11 Jesus nos diz que "desde os tempos de João Batista, o reino de Deus era tomado pela violência, e eram os violentos que o arrebatavam por que assim diziam a lei e os profetas".
"Desde os tempos de", nos remete a um tempo passado, normalmente bem passado, mas o Batsita era contemporâneo de Jesus, com uma diferença, se não me engano, de 3 meses, não parece um pouco fora de proposito essa expressão?
Tanto era fora de proposito que Jesus mesmo se encarrega de explicar: "se quereis entender o que vos digo, Ele É, o Elias que havia de vir.".
Essa passagem me parece muito claro sobre João Batista ser Elias.
Mas que Elias? de que forma?
Espiritas, que entendem a reencarnação, a sustentam ai.
Judeus, que aceitam a transmigração das almas provavelmente a aceitem tambem.
Cristão tradicionais, que limitam-se a aceitar as interpretações da biblia feitas pelas suas lideranças, a rejeitam.
O que faz com que uma infinidade de igrejas, ja citei que no Brasil são 34 mil, rejeite a reencarnação, portanto tenham o mesmo entendimento sobre o tema e mesmo assim se espalhem pelos 4 cantos do pais?
Na verdade meu caro, e o orgulho existe, e muito, entre os espiritas tambem, é o orgulho que lhes impedem de raciocinar, de refletir, de aceitar outras possibilidades, pois se assim o fizessem teriam de admitir estar em erro.
Quem gosta de assumir que erra?
Mas se o amigo acha que estou falando do orgulho que mantem essas distorções, voltemos ao inicio do cristianismo, quando Jesus disse apenas que: "amai-vos uns aos outros como Eu vos amei, e todos saberão que sois meus discipulos.".
Não precisamos de igrejas e religiões meu caro, precisamos apenas nos amar.
As igrejas e religiões foram criadas por homens que queriam dominar, controla, subjugar, outros homens.
Isso, em meu entendimento, é orgulho, egoismo, arrogância.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 16 de Outubro de 2012, 17:12
Boa tarde a todos,
Boa tarde Gustavo.
Capítulo 27: Jesus Faz a Obra do Pai na Terra (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTdfXzI4V3M5aXRzJmFtcDtsaXN0PVBMQUQzNjcyRTcwRUQ5OEVCMiZhbXA7aW5kZXg9MjgmYW1wO2ZlYXR1cmU9cGxwcF92aWRlbyN3cw==)
Isso não é orgulho, é no mínimo burrice.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 16 de Outubro de 2012, 17:57
Ola amigos

** Este poema é um dos mais belos e verdadeiros sobre Jesus, que nos segura no colo, nos ampara, segura em nossas mãos e nos leva pelo caminho... Sua autoria é reinvidicada por 5 pessoas, mas parece que a autoria mesmo do poema é de Mary Stevenson, escrito em 1936.


Pegadas na areia

Uma noite eu tive um sonho...
Sonhei que estava andando na praia
com o Senhor
e no céu passavam cenas de minha vida.
Para cada cena que passava,
percebi que eram deixados dois pares
de pegadas na areia:
um era meu e o outro do Senhor.
Quando a última cena da minha vida
passou diante de nós, olhei para trás,
para as pegadas na areia,
e notei que muitas vezes,
no caminho da minha vida,
havia apenas um par de pegadas na areia.
Notei também que isso aconteceu
nos momentos mais difíceis
e angustiantes da minha vida.
Isso aborreceu-me deveras
e perguntei então ao meu Senhor:
- Senhor, tu não me disseste que,
tendo eu resolvido te seguir,
tu andarias sempre comigo,
em todo o caminho?
Contudo, notei que durante
as maiores tribulações do meu viver,
havia apenas um par de pegadas na areia.
Não compreendo por que nas horas
em que eu mais necessitava de ti,
tu me deixaste sozinho.
O Senhor me respondeu:
- Meu querido filho.
Jamais te deixaria nas horas
de prova e de sofrimento.
Quando viste na areia,
apenas um par de pegadas,
eram as minhas.
Foi exactamente aí,
que te carreguei nos braços.


Autoria: Copyright © 1984 Mary Stevenson, a partir do texto original 1936, Todos os direitos reservados **



Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Outubro de 2012, 18:57
Mastomisto meu caro, ainda não consegui ver o video, mas qual a diferença entre a burrice e o orgulho?
Temos um ditado que diz que "errar é humano", eu costumo completar que "persistir no erro é burrice ou falta de carater".
NInguem erra por querer errar, erra por ignorância.
No momento em que alguem, como Jesus, vem nos abrir os olhos, e ainda assim, desrespeitamos aquilo que ele ensinou, fazemos por orgulho.
Um orgulho escondido, negado, mas orgulho. O orgulho de não ser chamado de burro.
O orgulho de ser "dono da verdade". O orgulho de ser o lider com seguidores que lhes aceitam as interpretações.
Até por que meu querido, quando falamos em lideranças falamos de pessoas que conhecem, com mais clareza e amplidão, a verdade.
Quando um pastor cria uma igreja nova, para vender suas meias ungidas, faz por orgulho, o orgulho que leva a ganância.
E quando as pessoas deixam uma religião, para seguir esse pastor, deixam por orgulho, o orgulho que leva ao egoismo.
É meu entendimento.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Outubro de 2012, 18:58
Belina minha querida, esse texto é realmente fantástico, sempre me emociono com ele.
Alias sei que ja virou música e parece, ate filme.
Obrigado pela contribuição.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 16 de Outubro de 2012, 22:01
Boa noite a todos,
Boa noite Gustavo,
O vídeo tem 1 minuto, vê e depois me diz.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Outubro de 2012, 00:43
Mastomisto meu caro, olhei o video mas confesso que não entendi o encaixe dele com o tema.
Mas realmente, Jesus tinha seu entendimento sobre as leis, e o aplicava.
Deveriamos aprender com ele, a seguir mais nosso coração, nossos bons sentimentos, ao inves do formalismo das leis religiosas.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 17 de Outubro de 2012, 10:41
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo,
Entendo que não tenha entendido.
Esse vídeo, que é uma passagem da Bíblia, exemplifica a burrice alheia, ou melhor, a limitação alheia, ou melhor, a ignorância, misturado com limitação, misturado com orgulho.
Esse vídeo é o exemplo do porque de Jesus falar que não veio destruir a lei. Ele destruiu a lei, mas falou que não veio fazer isso.
Esse vídeo exemplifica porque Jesus participava dos dogmas judeus.
Me parece lógico, que era para não ser morto antes do tempo.
Imagina um não Judeu, afirmando que era o filho do homem.
Matar Jesus porque curou no sábado? Não existe uma palavra que descreva esse pensamento.
Fanatismo? Imbecilidade? Mongolice?
Só sei que foi assim!
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Outubro de 2012, 12:30
Mastimisto meu caro, teoria do esquartejador, vamos por partes.. rsrsrs
Não vejo o video da mesma forma que o amigo, alias não consigo ver no video metade do que o amigo escreve, mas vamos auma análise minha.
A passagem mostra que aquelas pessoas tinham fé, acreditavam que a agua poderia curar, alguma coisa a ver com a "agua fluidificada"?
Ao contrário do "dogma" judeu do sabado, que exigia ocio, Jesus colhia e curava no sabado, confrontando os sacerdotes, o video mostra uma cura.
Jesus sempre se colocou contra, e acho que as igrejas de hoje continuam sem entender isso, as manifestações exteriores de culto e adoração. Por isso chamava os sacerdotes de hipócritas.
Entretanto, eles possuiam uma lei, que para alguns vale ainda nos dias de hoje, onde a morte era o castigo mais comum para as "desobediências" desse dogmatismo.
Aquilo que o amigo chama de burrice, Jesus chamou de "cegueira", dizendo que eles tem olhos, mas não enxergam, e "surdez", pois tem ouvidos e não ouvem.
Quanto ao entendimento de Jesus cumprir ou não as leis, foi esse um dos temas que me fez estudar a DE.
Tambem entendia como o amigo que Jesus revogava as leis.
Mas não meu caro, Ele fe-las cumprir.
Se fizermos um estudo sério, uma análise sem paixão das escrituras como um todo, e Kardek cita isso no LE, questão 59 se não me engano, a biblia como um todo, não possui erros.
Nós, atraves do nosso orgulho de querer nos igualar a Deus, do nosso egoismo de achar que somos "a bolachinha mais recheada do pacote", é que faz que haja tanto desencontro entre VT e NT.
Ignorância meu querido, ignorância, não nos esqueçamos da derradeira frase do Mestre em seu suplicio: "Pai, perdoa, eles não sabem o que fazem.".
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: belina em 17 de Outubro de 2012, 12:36
Ola amigos
Bom dia

Gustavo ainda nao lhe disse que está de parabéns pela orientaçao deste estudo, lapso meu me desculpe.
Estou adorando o aprendizado.
Não resisti a colocar a prece que eu acho mais linda.
Paz e Luz
belina
Prece Dominical - Meu Reino não é deste Mundo... (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUxsQXBYRjFjcjRZJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9kZXRhaWxwYWdlIw==)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Outubro de 2012, 12:41
Belina minha querida, obrigado pela sua generosidade.
Vou olhar o víde com calma a noite em casa para poder opinar sobre ele.
Abraços.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 17 de Outubro de 2012, 13:46
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo.
A Bíblia é um livro para alcançarmos a sabedoria, não para termos conhecimento. Se tivesse que apostar minhas fichas, eu apostaria que o velho testamento é quase todo manipulado e o novo, muita coisa. Enfim, muita sabedoria pode ser tirada deste livro.
Eu tenho estudado muito a Bíblia e cada vez mais tenho essa convicção.
Você encontra tudo na Bíblia, ela te ensina o que você estiver procurando.
Meu ponto é:
Se alguém curasse um doente na minha frente, naquela época, eu no mínimo ia pensar que essa pessoa era especial ao olhos de Deus. Ou iria pensar que era o demônio corrompendo a Lei e iria fugir dele.
Nunca pensaria que era uma pessoa normal, pois não é normal curar os outros. Será que era normal curar os outros naquela época?
Se analisarmos que pra eles, curar uma ferida e curar uma cegueira, poderia ser considerado a mesma coisa, então eles seriam apenas mega ignorantes.
Se fosse assim, melhoraria muito o contexto.
Os essênio eram os curandeiros daquela época e os nazarenos também faziam curas. Será que era comum acontecer milagres?
Não sei como Jesus se safou dessa, mas não foi a única vez que tentaram matar Jesus.
Quanto a Jesus ser Judeu, ele o era para fins comercias. Marketing. Jesus era sábio. Os Judeus eram um povo muito limitado e Jesus não poderia seguir as Leis de um povo limitado, então era
Judeu apenas para não ser descriminado pelos fanáticos, mas não seguia as suas leis e sim as leis de Deus.
Um exemplo: Moisés. Ele criou leis para organizar o povo, as quais a morte era a punição.
Só que, nos 10 mandamentos tem, não matarás.
Muito doido. Moisés, para mim é que nem Maomé. Generais religiosos. Conhecemos a árvore pelos frutos.
Um abraço fraterno.



Um abraço fraterno.
 
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Outubro de 2012, 14:52
Mastomisto meu caro, existe uma corrente de pensadores que coloca Jesus não como um lider religioso, mas politico.
Como para o povo judeu, politica ereligião eram a mesma coisa, posto que eles entendiam serem o povo escolhido e governado por Deus, quando Jesus confronta o poder sacerdotal constituido, afronta a estrutura social do povo.
Os sacerdotes que dirigiam a sociedade judaica, observavam as leis de Deus, dentro do seu entendimento. Entendimento esse recheado de orgulho e vaidade, posto que só eles eram os "doutores da lei". só eles sabiam, e quem ousasse questionar era perseguido e morto, como Jesus foi.
É por isso que insisto na questão da ignorância permeada pelo orgulho.
Não conheço, e para não ser considerado burro posto que meu orgulho não permite, não concordo, simples assim como diria nosso querido Moura.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 17 de Outubro de 2012, 15:00
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo,
Então está claro que Jesus não era desse povo e não seguia suas Leis.
Não saber não é burrice, burrice é achar que sabe. Heheh.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Outubro de 2012, 15:14
Meu querido, Jesus é o governador espiritual do planeta, esta muito acima de qualquer individuo ou mesmo população desse orbe.
Ele é a lei, a vivencia pratica da lei, tal como Ele entendia e tentava ensinar.
Quanto a burrice, ai começamos a concordar, não apenas achar que sabe, mas o que é pior, saber e ainda assim errar.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 17 de Outubro de 2012, 15:35
Bom dia a todos,
Bom dia Gustavo,
Sabemos que os 10 mandamentos são, ainda hoje, de grande valia para a moralidade.
Seguindo, sabemos que os dogmas são, muitas vezes, pura perda de tempo e progresso e que Jesus sabia. Ele veio destruir toda Lei que não tivesse de acordo com as Leis Divinas.
Porém, para isso ele deveria ser escutado. Assim como hoje, muitos só escutam quem tem mérito para falar, muito pior era naquele tempo.
Jesus teve que ser circuncisado?
Acho que sim.
Jesus teve que ser batizado?
Isso nós sabemos.
Jesus seguia as Leis dos homens?
Sim, ele pedia para dar a Cesar o que era dele.
Por que?
Para ser escutado e poder ser um exemplo.
Burrice, também pode ser considerado como falta de inteligência. Mecanismo ao qual depende do nosso corpo físico e do nosso corpo espiritual.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 17 de Outubro de 2012, 15:46
Amigos  para todos uma boa tarde e com muita paz  venho mais uma vez  dar  um pequeno contributo para que este estudo seja  um lindo debate  para que possamos compreender as palavras  de Jesus " O Meu Reino não é deste  Mundo " e  como podemos  aceitar esta  verdade  sem meditarmos na Lei do Amor  e  do nosso melhoramento na vida  com uma  verdadeira Reforma Intima  em cada um de nós.
Só desta maneira é que podemos  compreender  então qual o verdadeiro Reino de que Jesus nos Fala.
Divaldo Franco - Meu reino não é deste mundo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVpYRU9TUWsxc3RzJmFtcDtwbGF5bmV4dD0xJmFtcDtsaXN0PVBMNTQ3RTBDRjUzMkYyNDkxMCZhbXA7ZmVhdHVyZT1yZXN1bHRzX3ZpZGVvIw==)

Tendo os fariseus perguntado a Jesus quando viria o reino de Deus, ele respondeu: O reino de Deus não vem com mostras exteriores.
Por isso ninguém poderá dizer: está  aqui, ou está  acolá, pois o reino de Deus está dentro de vós.
Concluímos da resposta do Mestre que o reino de Deus está em nós próprios.
Não obstante, é ele mesmo quem assim nos adverte: Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça; tudo o mais vos será dado por acréscimo.
Como ?
Buscar aquilo que está em nós?
E depender dessa pesquisa todo o nosso bem?
A explicação nos é dada pela seguinte parábola: O reino de Deus é semelhante a um tesouro oculto no campo, que foi encontrado por um homem, o qual, movido de grande gozo, foi vender tudo que possuía e adquiriu aquele campo.
Agora podemos entender: o reino de Deus está em nosso Espírito mesmo, porém oculto e ignorado.
Possuir e ignorar que possui, equivale a não possuir.
Ter e não saber que tem, é como se não tivesse.
Daí a necessidade de procurá-lo.
E, pelo dizer da semelhança, é de inestimável valor esse tesouro ou reino de Deus.
Tanto assim, que todo aquele que o descobre, coloca-o desde logo acima de tudo o mais. Este asserto é corroborado por outra parábola : O reino de Deus é semelhante a um negociante de pérolas que, encontrando uma de subido valor, foi vender tudo o que possuía e a comprou.
Já sabemos algo de importante sobre o caso.
Mas, que será, afinal, o reino de Deus e que ideia devemos fazer desse tesouro oculto em nosso Espírito?
O reino de Deus é o conjunto de energias e faculdades que jazem latentes em nossa alma. E' o reino da vida, da imortalidade e do poder, do qual só nos apercebemos depois que começamos a sentir em nós as vibrações da vida espiritual, cuja atividade se exerce através do amor e da justiça, empolgando nosso ser.
Que é, de fato, o reino da força que tudo vence, nos diz este outro apólogo: O reino de Deus é semelhante a uma semente de mostarda, que um homem semeou no campo.
Esta semente é, na verdade, a menor de todas; mas, depois de haver crescido, é a maior de todas as hortaliças, e se faz árvore, de sorte que as aves do céu fazem ninhos em seus ramos.
Tal é como o Mestre revela a incomparável energia de ação e de expansão que se esconde no reino de Deus.
E que essa ação se verifica através do sentimento da justiça, sabemos por esta admoestação do Senhor: Se a vossa justiça não for superior à dos escribas é fariseus, não possuireis o reino de Deus.
O roteiro, portanto, que conduz ao tesouro oculto é um só: o cumprimento do dever, a prática do bem, a conduta reta.
"Nem todo o que me diz Senhor! Senhor! entrará no reino de Deus, mas somente aqueles que fizerem a vontade de meu Pai. Naquele dia, muitos me dirão: Senhor, em teu nome nós profetizamos, expelimos demónios e obramos maravilhas.
Mas eu lhes direi abertamente: Não vos conheço; apartai-vos de mim, vós que vivestes na iniquidade."
E o Rei, então, dirá: Vinde, benditos de meu Pai; possuí como herança o reino que vos está destinado desde a fundação do mundo. Pois tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era forasteiro, e me recolhestes; estava nu, e me vestistes; enfermo e preso, e me visitastes.
Então, perguntarão os justos: Quando, Senhor, te vimos com tais necessidades e te assistimos?
 E o Rei dirá:" Em verdade vos digo que quantas vezes o fizestes a um dos meus irmãos mais pequenos, a mim o fizestes."
Sabemos então, já, o que é o reino de Deus, onde se oculta, e o que nos cumpre fazer para possuí-lo.
LIVRO: EM TORNO DO MESTRE
Amigos  e  amigo Gustavo  um grande abraço de muita paz  e  muito força  na sua linda condução deste estudo que muito nos  enriquece.
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Outubro de 2012, 16:05
"O reino de Deus é o conjunto de energias e faculdades que jazem latentes em nossa alma. E' o reino da vida, da imortalidade e do poder, do qual só nos apercebemos depois que começamos a sentir em nós as vibrações da vida espiritual, cuja atividade se exerce através do amor e da justiça, empolgando nosso ser."
Mano Altino, obrigado pelas suas palavras e pela participação com esse texto de muita profundidade.
Tomo a liberdade de copiar um pequeno trecho do texto, por entender que essa passagem muito bem resume a apresentação do conceito de "reino de Deus" que existe no texto e principalmente, da melhor maneira de percebermos o significado dessa expressão.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Mastomisto em 17 de Outubro de 2012, 16:43
Boa tarde a todos,
Boa tarde M.Altino.
Divaldo simplesmente Franco!
Para acrescentar, não podemos esquecer que o Reino de deus está dentro de todos nós. Também se encontra dentro dos animais, minerais e de tudo que tem energia. Seguindo uma lógica simples, o Reino de Deus está em todos os lugares, mas se não encontrarmos este reino dentro de nós, provavelmente não encontraremos em lugar nenhum.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Outubro de 2012, 18:46
"Seguindo uma lógica simples, o Reino de Deus está em todos os lugares, mas se não encontrarmos este reino dentro de nós, provavelmente não encontraremos em lugar nenhum."
Meu querido, essa frase encerra uma verdade inquestionável.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 19 de Outubro de 2012, 00:45

O reino de Deus

Todos conhecem a bela expressão de Jesus segundo a qual,
"o Reino de Deus está dentro de nós mesmos".
Observe isto: se Deus está no Reino Dele,
e este Reino está dentro de nós mesmos, o que você conclui?
Certamente conclui que Deus está dentro de nós mesmos.
O entendimento do que disse Jesus não é fácil.
Mas, se você se aplicar sinceramente ao estudo desse ensinamento,
perceberá com certeza o que o Mestre quis dizer.
Um pintor não está em pessoa no quadro que pintou. Está no quadro em espírito.
Deus não está em nós pessoalmente, mas em espírito.
Assim como o quadro não é o pintor, mas reflete o pintor,
nós não somos Deus, mas O refletimos.
Por isso se diz que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus.
Esse Espírito de Deus em nós é o que nos vivifica,
e nos conduz à bem-aventurança.
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 19 de Outubro de 2012, 00:50
Reino de Deus - Emmanuel.avi (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVBXUnluU2xfcWdBI3dz)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 19 de Outubro de 2012, 01:07
O Reino de Deus está Próximo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVBiVENzdU91Z3l3I3dz)
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Felipa em 19 de Outubro de 2012, 01:18


“O Reino de Deus está no meio de vós” Jesus (Lucas, 17:21)

Nem na alegria excessiva que ensurdece.

Nem na tristeza demasiada que deprime.
Nem na ternura incondicional que prejudica.
Nem na severidade indiscriminada que destrói.
Nem na cegueira afetiva que jamais corrige.
Nem no rigor que resseca.
Nem no absurdo afirmativo que é o dogma.
Nem no absurdo negativo que é vaidade.
Nem nas obras sem fé que se reduzem a pedra e pó.

Nem na fé sem obras que é estagnação da alma.
Nem no movimento sem ideal de elevação que é cansaço vazio.
Nem no ideal de elevação sem movimento que é ociosidade brilhante.
Nem cabeça excessivamente voltada para o firmamento com inteira despreocupação do valioso trabalho na Terra.
Nem pés definitivamente chumbados ao chão do Planeta com integral esquecimento dos apelos do Céu.
Nem exigência a todo instante.
Nem desculpa sem-fim.
O Reino Divino não será concretizado na Terra, através de atitudes extremistas.
O próprio Mestre asseverou-nos que sublime realização está no meio de nós.
A edificação do Reino Divino é obra de aprimoramento, de ordem, esforço e aplicação aos desígnios do Mestre, com bases no trabalho metódico e na harmonia necessária.
Não te prendas excessivamente às dificuldades do dia de ontem, nem te inquietes demasiado pelos prováveis obstáculos de amanhã.
Vive e age bem no dia de hoje, equilibra-te e vencerás.

Xavier, Francisco Cândido, Vinha de Luz, pelo espírito Emmanuel. 15.ed. Rio de Janeiro, FEB, 1998, cap. 177.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 19 de Outubro de 2012, 02:50
Maria47, minha cara, obrigado pela participação.
Realmente, os ensinamentos de Jesus são simplesmente complicados...rsrsr
É necessário muito estudo e reflexão para bem compreendê-los, e quanto mais estudamos, mais percebemos que precisamos estudar.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 19 de Outubro de 2012, 12:43
Amigos  e companheiros deste  estudo antes  de tudo o meu Bom Dia  de muita paz e mais uma vez  um grande abraço ao nosso amigo Gustavo pela linda condução do estudo.
Como temos vindo a dizer  muito falamos que realmente o Reino de  Deus  não é deste mundo segundo palavras de Jesus...........
Mas  amigos se pensarmos um pouco vamos compreender que  esse Mesmo Reino é sempre uma forma de estar na vida  e nos despojarmos de muitas imperfeições que ainda temos e que nos fazem manter  um pouco esta forma  de vermos o Reino como algo quase  difícil a alcançar ........... mas não bastas nos modificarmos um pouco na vida e deixarmos de  ser por vezes  muito materialistas  penso eu .
Então vamos   tentar nos modificar na vida  e  com a bondade e caridade podemos antever  esse Reino  e mais  sentir que está dentro de nós , assim o queiramos  entender.
E amigos e companheiros  vejam que  por vezes o mais importante é deixamos  de lado muitas das nossas vaidades  e  sentir  que  uma das grandes qualidades que temos sempre de tentar  ter é  a Humildade  e  sinto que  se  todos nós  nos tentarmos modificar estamos a nos aproximar  desse Maravilhoso reino de que Jesus nos diz
 Me desculpem mas é  apenas um pensamento meu e como tudo seria bom de  fizermos   dentro de nós  a grande mudança interior.
Pois  por vezes buscamos fora o que temos dentro de nós ........... e não o queremos entender......
Um grande abraço de muita paz .
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 19 de Outubro de 2012, 13:14
Obrigado pela participação, meu caro M.Altino, sempre muito precisa.
Jesus ja dizia tambem, que o reino pertencia as crianças, pois que se não nos parecessemos com ela não o herdariamos.
Nelas vemos a humildade e a sinceridade, a pureza de sentimentos, ainda que, pelo passado delituoso de espiritos eternos que são, esses sentimentos possam conter equivocos.
Mas aprenderemos, ainda que demore, aprenderemos.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 19 de Outubro de 2012, 15:51
Amigos  uma boa tarde a todos e amigo Gustavo muito bem lembrado essa sua expressão  que Jesus nos diz " Deixar vir a Mim as Criancinhas" , mas  entende- se  que  a criança pela sua  candura é o mesmo que  simplicidade , que  afinal todos devíamos ter  para  assim entender o que  Jesus sempre  nos  quer dizer:
"Apresentaram-lhe, então, criancinhas, a fim de que ele as tocasse; e como seus discípulos afastassem com palavras rudes aqueles que as apresentavam, Jesus vendo isso zangou-se e lhes disse:
"Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais; porque o reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham.
Eu vos digo, em verdade, todo aquele que não receber o reino de Deus como uma criança, nele não entrará".
E as tendo abraçado, as abençoou, impondo-lhes as mãos". (Marcos, Cap. X, VV. 13 a 16).
O Espírito é sempre Espírito.
Ele passa pela fase infantil, mas continua sendo Espírito, ou seja: traz dentro de si as boas ou más qualidades de outras vidas. A infância é um tempo de repouso para o Espírito.
Não podendo manifestar as suas tendências, principalmente as más, em virtude da debilidade do corpo físico, este período torna-o acessível aos conselhos daqueles que devem fazê-lo progredir.
É então que se pode reformar o seu caráter e reprimir as suas más tendências.
O reino de Deus é para aqueles que se assemelham às crianças.
Jesus não disse que o reino dos céus é para as crianças, porque sabia que o Espírito que nela habita não é um Espírito puro, porém, um ser que, momentaneamente, não pode manifestar as suas tendências.
Além disso, há, também, o esquecimento do passado, que ajuda o Espírito a expressar-se espontaneamente.
Geralmente a criança age sem malícia e sem segundas intenções.
A criança é um símbolo de pureza de coração.
Significa dizer que a entrada no reino de Deus é decorrente da simplicidade e da humildade do Espírito.
Nesse sentido, os estados de fraqueza, as ações ingénuas e as atitudes de obediência auxiliar-nos- ão eficazmente na percepção das leis naturais.
O reino de Deus não vem com aparências externas, ele é fruto de um árduo trabalho de reformulação interior.
Aprendamos com a criança.
A sua espontaneidade ensina-nos que a humildade, a simplicidade e a pureza de coração são sumamente indispensáveis à nossa evolução espiritual.
Com um abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 19 de Outubro de 2012, 16:16
"Geralmente a criança age sem malícia e sem segundas intenções.
A criança é um símbolo de pureza de coração.
Significa dizer que a entrada no reino de Deus é decorrente da simplicidade e da humildade do Espírito."
Essa é a essencia meu caro, essa é a essencia...
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 21 de Outubro de 2012, 12:16
Caros irmão e irmães de estudo.Concordando plenamente com o texto postado pelo nosso irmão Altino,diria que muitos procuram os reinos dos céus suas riquezas como se elas fossem palpáveis,quando na verdade estão dentro de nós.Descobrir esses reinos e suas riquezas, está na prática das leis de Deus,na verdade o exercício delas é que nos conduz a esses reinos e consequetemente disfrutar das suas riquezas.Em muitas vidas,espíritos renitentes teimam em não aceitar de como buscar o reino de que Jesus falava,e nessa sua ingnorância burra,
continuou por várias  encarnações,e irá continuar se não procurar entender e aceitar o que foi dito por Jesus.
Fiquem na paz
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 21 de Outubro de 2012, 16:29
Antonio, meu caro, uma coisa que tenho dito com frequencia, é que em nossa posição atual, necessitamos de elementos de comparação para compreender alguma coisa.
Quanto ao "reino de Deus", não é diferente. Colocamos nesse reino, aqueles belezas e privilégios que entendemos ser melhores, analogos aos que temos aqui, materialmente.
Alguem ja disse, e eu concordo, que omais rico não é aquele que mais possui, mas o que menos necessidades possui.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 23 de Outubro de 2012, 00:25
As riquezas do reino de que Jesus falava,nunca devem ser comparadas as riquezas materiais,e
nunca serão,mesmo que pudessem ter pontos semelhantes, pois estando dentro de nós esse reino,se traduz as suas riquezas em:Amor,humildade,solidariedade,benevolência,moral elevada.
Sendo assim,para vivenciar esse reino,são essas que devemos ter.
Fiquem na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 23 de Outubro de 2012, 01:18
Exatamente meu caro Antonio.
Apenas compreenderemos e viveremos o reino de Deus quando alcançarmos essas virtudes, as quais fazem parte do amor incondicional que Jesus falou.
Até continuaremos comparando as maravilhas celestiais, com as misérias terrenas.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: M.Altino em 23 de Outubro de 2012, 12:31
Amigos e companheiros deste estudo para todos o meu bom dia de muita paz e  um grande abraço ao amigo Gustavo pela persistência  no comando deste  lindo tema  e  que  muitas coisas  se dizem e  parece que compreendemos , mas  sintam amigo por vezes   todos nós  compreendemos  que realmente o que Jesus nos  dizia  era  uma grande verdade.
Mas  agora como nós  que  bem sabemos  , mas  nos custa compreender essa verdade  pela nossa condição ainda muito material e o quanto nos temos de  despojar  de muitas coisas  que nos  sentimos  apegados .
Então me lembrei desta parábola do rico e de Lázaro e deste  testemunho  para que possamos meditar e  agir na vida  de outra forma  perante  as situações que nos  aparecem e sermos  afinal testemunhos desse mesmo Reino que  Jesus no fala .
Meu reino não é deste mundo (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWNhWDF5WjRnZkhVIw==)
 “Disse-lhe Abraão: Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos.
– E disse ele: Não, Abraão, meu pai; mas, se algum dos mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. – porem Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite.” 
(Lucas 16:29-31
Demonstrar que a vida espiritual existe e que os espíritos estão conscientes após a morte. (os personagens são espíritos desencarnados)
O Espiritismo confirma que a vida continua após a morte na sua plenitude e consciência.
Comprovando de forma cabal, a existência de um mundo espiritual.
 Demonstra que a vivência egoística dos prazeres da vida física causa sofrimentos na vida futura.
O Espiritismo ensina que não basta apenas se abster de prejudicar o próximo, a inatividade, isto é, não fazer o bem já é um mal.
Vejam como sempre tudo passa pelo nosso  modo de atuar na vida e  sermos  sempre capazes de  nos modificar.
Com um abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 23 de Outubro de 2012, 12:47
Obrigado, mano Altino, por mais uma participação qualificada e pela generosidade.
Essa parábola pode ter muitos significados, como de resto qualquer uma, mas entendo que ela mostra não apenas a realidade das consequencias espirituais dos equivocos materiais, como tambem a importância de reaciocinarmos sobre o que nos é transmitido, desde sempre, acerca do evangelho.
Principalmente, quanto a verdadeira vida, ao verdadeiro Reino.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 25 de Outubro de 2012, 01:32
Meus irmãos e minhas irmães.Somos espíritos em evolução e vivemos em um mundo de provas
e expiações,buscamos as provas como forma de resgate,aceitando os sofrimentos decorrentes
delas na forma de aperfeiçoamento moral,para podermos então ter direito aos reinos dos céus.
Jesus nos seus ensinamentos disse para  para todos,eu vos dou o meu Reino que me foi dado
pelo pai,para que todos possam dele participar,eu sou o caminho,sigam-me.Entretanto,há espí-
-ritos renitentes que não aceitam e por isso aumentam as suas provas para outras encarnações
sucessivas que irão acontecer.Sim meus irmãos,esse Reino na verdade não é deste mundo,está
em outro plano,cabe a todos nós capacitarmo-nos para no futuro dele participar.É bem verdade
que a caminhada não é fácil,não foi para Jesus que era um espírito de moral muito elevada,
porque seria diferente para nós que estamos ainda na fase de aprendizado.Portanto se dese-
-jarmos esse Reino para nós,devemos lutar para conquista-lo.
Fiquem na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 25 de Outubro de 2012, 11:43
Antonio meu caro, obrigado pela participação.
O final de seu texto é perfeito, devemos lutar, nos esforçar para conseguir participar do reino de amor e paz que Jesus nos fala.
E essa luta, esse esforço tambem foi muito bem exemplificado pelo Mestre quando de sua passagem por aqui.
Tomemo-lo como exemplo.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 27 de Outubro de 2012, 13:19
Meus caros irmãos e irmães.Nesse nosso mundo de provas e expiação,há:Reinos que foram criados,outros que foram conquistados pela força e pelo poder.Em todos esses Reinos,os povos que neles viviam,eram sob forma de opressão,criavam-se leis que davam aos seus Reis,poderes
absolutos,aos que não aceitavam,eram tratados como inimigo do Rei,e punidos de forma diver-
-sa.O que diferencia esses Reinos do Reino de Jesus,é que neste todos poderemos participar,
por isso é que nós somos convidados,e esse convite especial é feito pelo própio  Rei,e para tal,compete-no nos preparar-mos para ele,e essa preparação se inicia apartir do momento em
que fazemos a nossa reforma íntima,exercitando as leis universais de Deus,principalmente a lei
do amor.Assim como disse Jesus,"meu Reino não é deste mundo",disse-nos:Conquiste-no,atra-
-vés das suas obras,pratique a caridade,a solidariedade,seja humilde,eleve a sua moral,e par-
-ticipe do meu Reino.Assim meus irmão e minhas irmães,poderemos viver neste Reino maravi-
-lhoso.
Fiquem na paz.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 28 de Outubro de 2012, 23:52
Obrigado meu caro Antonio, por mais uma participação.
Mas será que não podemos, praticando essas virtudes que o amigo cita, nos considerarmos membros desse reino, ainda que estando nesse plano material?
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 29 de Outubro de 2012, 10:13
Sim meu caro irmão Gustavo,desde que sejamos humilde bastante o quanto foram,Chico Xavier,
Madre Teresa de Calcutá,Mahatm Gandhi,irmã Dulce,e outros que deram provas de amor e dedi-
-cação aos seus semelhante.Por isto enquanto tivermos dento de nós,algum sentimento de vai-
-dade,egoismo,isto é,preso ao nosso "EGO",não estaremos ainda preparados para este Reino,
mesmo praticando as virtudes,ou seja exercitando as leis de Deus.Entretanto,este é o caminho,
pois assim Jesus nos ensinou.
Fique na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 29 de Outubro de 2012, 10:33
Bem lembrado meu caro, bem lembrado.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Conforti em 30 de Outubro de 2012, 14:37
      Antonio Renato    (ref msg #197)

      Aos amigos do tópico,
      Ao amigo Renato,

      Convido-os todos a raciocinar.

      Renato escreveu: Somos espíritos em evolução e vivemos em um mundo de provas e expiações, buscamos as provas como forma de resgate, aceitando os sofrimentos decorrentes delas na forma de aperfeiçoamento moral,para podermos então ter direito aos reinos dos céus.

      Cel: amigos, como forma de fazer raciocinar, como aconselha a DE, me permitam uma pergunta: se estamos buscando sofrimentos (provas, como Renato disse) como forma de resgate, o q é q, no passado (e mesmo no presente) nos levou a contrair essas dívidas q agora procuramos resgatar? Nós as contraímos propositadamente? Raciocinamos sobre as terríveis consequências q da Lei virão sobre nós e, mesmo assim, decidimos escolher contrair tais dívidas?
 
      Renato: Jesus nos seus ensinamentos disse para  para todos, eu vos dou o meu Reino que me foi dado pelo pai, para que todos possam dele participar, eu sou o caminho, sigam-me.Entretanto, há espíritos renitentes que não aceitam e por isso aumentam as suas provas para outras encarnações sucessivas que irão acontecer.

      Cel: amigos, se todo efeito tem sua causa, qual é a causa q faz q uns sejam renitentes a ponto de preferirem aumentar suas provas, q sabem, poderão ser terríveis? Porq nem todos são renitentes como esses?
..............................

     



Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 30 de Outubro de 2012, 16:46
Coronel meu caro, esse debate esta ficando longo.
Acho que a grande dificuldade que temos, todos nós, esta em conseguir raciocinar emnivel de vida eterna e imortalidade.
Quem denós, em sã consciencia, cometeria crimes e desatinos sabendo que obrigatoriamente pagaria por eles, de forma cruel muitas vezes, e sem apelação?
Eu respondo: Ninguem.
O problema meu querido, é que não temos essa compreensão, nunca a tivemos, e em enão tendo essa compreensão da imortalidade do espirito e da eternidade da vida, vivemos, de encarnação em encarnação, aproveitando o maximo que cada um pode dar, dentro de um ponto de visto lógico, mas material e estanque.
Somos renitentes, por que ainda não aprendemos que somos eternos, e a cada nova oportunidade, nos ocupamos com as coisas de cesar, os bens e prazeres materiais, deixando de lado as correções necessárias para que o espirito avance em direção da perfeição.
Nossa ignorância nos leva a querer prazer material, a busca desregrada e egoista desse prazer nos leva ao erro, a percepção desse erro nos leva a busca da reparação, a dificuldade da reparação, aliada a possibilidade de manutenção do prazer egoista nos leva a sucumbir e gera um circulo vicioso, que somente agora, com os sabios esclarecimentos da DE, conseguimos começar a compreender, para começar a empreender a nossa reforma intima, que poderá quebrar esse circulo.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Conforti em 02 de Novembro de 2012, 02:02
Rettenmaier    (ref msg #204)

Amigo, perdoe nova msg longa; se puder, será a última. Se puder, faça um pequeno esforço e leia até o fim, refletindo, raciocinando.

Rettenmanier: Coronel meu caro, esse debate esta ficando longo.

Cel: mas estamos chegando aos “finalmentes”, não? Veja q muita coisa já compreendemos: q ninguém é culpado de errar por ser ignorante; q não há culpas nem culpados, pois não agimos por livre vontade, mas conforme aquilo q a escola da vida já nos ensinou; q é na própria escola onde viemos para aprender a nos libertar das imperfeições q aprendemos a nos prender às mais monstruosas delas; q é na escola de espíritos q nos tornamos possuidores de todos os defeitos morais q existem; q, se sinceramente queremos compreender alguma coisa, não podemos ficar na superfície do problema, mas temos de mergulhar em busca das mais longínquas causas do porq isso é assim, e aquilo não é assim; ou do porq uns são virtuosos e outros são cheios de imperfeições; aprendemos q temos de fazer, a nós mesmos, aquela sequência, quase sem fim, de perguntas q nos levará, finalmente, a entender q, como disse acima, não há culpas nem culpados, pois compreenderemos q todas as causas de todos os erros estão fora de nosso alcance desfazê-las.

E, amigo Rettenmaier,  quem é q, mergulhado totalmente na matéria, com um corpo e um cérebro materiais, q o Criador nos impõe, consegue raciocinar em nível de vida eterna e imortalidade, meu amigo? Temos de, mesmo estando mergulhados na matéria e, sem sair dela, estudar, pesquisar, raciocinar para tentar compreender. E estudar e pesquisar como diz a DE, no LM, cap 3, item 35, comparando nossa crença com as demais para então, escolher aquela q mais se harmonize com nosso íntimo (e q, é evidente, pode ser totalmente diferente de tudo em q cremos até agora).

Rett: Quem de nós, em sã consciência, cometeria crimes e desatinos sabendo que obrigatoriamente pagaria por eles...? Ninguém.

  Cel: exato, meu amigo, e isso é mais uma mostra de q não há culpados nem culpas, pois todos aqueles q cometem esses absurdos, não estão agindo em sã consciência, como vc mesmo está dizendo, e quem age não estando em sã consciência não é responsável pelos erros q faz.

Rett: O problema meu querido, é que não temos essa compreensão...

Cel: se buscarmos, podemos ter! Daí a importância de pesquisarmos, de compararmos, com a nossa, as outras linhas espiritualistas q estão pelo mundo; de não ficarmos hipnotizados com os olhos somente voltados para nossas crenças, pelo fato de termos total confiança nelas.

Rett:  Somos renitentes, por que ainda não aprendemos que somos eternos, e a cada nova oportunidade, nos ocupamos com as coisas de cesar, os bens e prazeres materiais, deixando de lado as correções necessárias para que o espírito avance em direção da perfeição. Nossa ignorância nos leva a querer prazer material, a busca desregrada e egoista desse prazer nos leva ao erro, a percepção desse erro nos leva a busca da reparação, a dificuldade da reparação, aliada a possibilidade de manutenção do prazer egoísta nos leva a sucumbir e gera um circulo vicioso...

Cel: mais uma razão para compreendermos q não temos culpas nem nos cabe qualquer responsabilidade por nossos erros, pois veja q não somos renitentes porq queremos ser, mas, como vc disse, é porq ainda não aprendemos q somos eternos; q nos agarramos aos bens e prazeres materiais, porq ainda não temos força de vontade suficiente para nos libertarmos das coisas de Cesar, e força de vontade não somos nós q a criamos e colocamos em nós mesmos; q deixamos de lado as correções necessárias para que o espirito progrida, não por nossa culpa, mas porq, mesmo desejando, não temos força de vontade suficiente para realizá-las  etc etc.

Rett: Nossa ignorância nos leva a... prazer material, a busca desregrada e egoista desse prazer... ao erro, a dificuldade da reparação, aliada a possibilidade de manutenção do prazer egoísta nos leva a sucumbir e gera um circulo vicioso...

Cel: veja, mais uma questão q nos diz q não temos culpas por fazer coisas erradas, pois as fazemos porq a ignorância (q não somos nós q a colocamos em nós) não permite; que somos egoístas, mas q não somos nós q desejamos ser egoístas, pois é a escola da vida q nos faz egoístas etc.

Rett: ... que somente agora, com os sábios esclarecimentos da DE, conseguimos começar a compreender, para começar a empreender a nossa reforma intima, que poderá quebrar esse circulo.

Cel: bem, aqui não concordo com vc, pois, lhe pergunto: vc sabe como fazer sua reforma íntima? Veja, q a necessidade da reforma íntima se resume no fato de sermos egoístas e, consequentemente, na ausência de amor em nosso coração, concorda? E como alguém, q tem o coração vazio de amor, colocará amor no próprio coração? Como alguém fará para deixar de ser egoísta? Basta prometer a si mesmo, ou a Deus: a partir de amanhã vou amar os semelhantes, vou ser honesto, humilde, não mais vou ser invejoso, raivoso, maldoso, não vou ter mais desejos inconfessáveis?! Ou dizer: a partir do ano q vem não mais serei egoista?! Vc diz q as lições q está conhecendo agora o farão compreender como fazer a reforma intima, certo? No entanto, se a base da reforma intima é o amor, como vc colocará amor em seu coração? Amor, como todas as demais virtudes, não se ensina, nem se aprende, nem com lições, conselhos, palavras, exemplos. Ninguém q é mau ou orgulhoso se tornará bom ou humilde porq a lição lhe diz q deve ser bom e humilde. E, perceba: ninguém aprende a ser virtuoso, pois virtudes nem se ensinam, nem se aprendem.
............................................................ 


Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 02 de Novembro de 2012, 16:14
Meu caro Coronel, em primeiro lugar deixe me pedir desculpas se o amigo se seintiu ofendido pela minha postagem anterior. Não tenho problema com suas postagens, até por que normalmente me fazem pensar e gosto disso, mas realmente nem sempre nossas atividades nos permitem dispor do tempo necessário para uma análise correta.
Dito isso vamos a nova postagem.
"q, se sinceramente queremos compreender alguma coisa, não podemos ficar na superfície do problema, mas temos de mergulhar em busca das mais longínquas causas do porq isso é assim, e aquilo não é assim."
Essa a grande virtude, por assim dizer da DE, nos faz pensar e nos permite mergulhar sempre mais fundo nos conceitos que nos são ignorados, ou escondidos de proposito.
Por isso a importância do debate, da troca de idéias, bem como da pesquisa em fontes dversas e, se possivel, contraditórias. Só assim se consegue a sintese possivel e necessária.
Quanto ao restate da postagem, digo que se estamos no planeta material de provas e expiações, é por que nosso nivel de entendimento, evolução e compreensão esta nesse patamar. Precisamos da matéria para crescer e aprender, a viver sem ela.
O ESE, nos diz de forma clara, que "Deus não condena os gozos terrenos, condena sim o abuso que se faça desses gozos em detrimento das coisas da alma." Quer dizer, precisamos aprender a retirar da matéria, a satisfação das nossas necessidades, gerando progresso para a satisfação das necessidades dos nossos irmãos.
A reforma intima, que é a compreensão da realidade espiritual e a vivencia dos ensinamentos do Cristo, é como a evolução, não dá saltos.
Quando conseguirmos efetivamente reaciocinar, e por isso a DE é a fé raciocinada, compreenderemos que precisamos nos questionar continuamente e gradualmente, mudarmos nossa conduta, não de forma mecanica, mas de maneira raciocinada, para ser efetiva.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Conforti em 02 de Novembro de 2012, 17:31
Rettenmaier      (ref msg #206)

Que é isso, meu amigo, vc não me ofendeu de nenhum modo. Fique tranquilo.

Logo mais respondo sua msg integralmente. Abçs.
.......................................................
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Antonio Renato em 02 de Novembro de 2012, 17:52
Meus irmãos e minhas irmães que participaram deste debate do estudo mensal,com o tema:Meu Reino não é deste mundo.Foi muito bom o debate,proveitoso com certeza.E foram
muitas  as opiniões,algumas delas contraditórias,mas na sua maioria,seguiram de acordo
com o que nos ensina a doutrina.Em muitas das vezes achamos que temos as respostas,pois
nos prendemos ao nosso nivel intelectual desenvolvido e não na compreensão verdadeira do
que seja rel,nos ensinamentos da Doutrina Espírita,pois por mais que achemos em ter estas
respostas,menos saberemos em dizê-las,pois somos ainda espíritos em evolução.Quando Jesus
disse que:"Meu Reino nâo é deste Mundo",deu um recado,por assim dizer,que as coisas materi-
-ais não estavam contidas nesse seu Reino em que ele convidava para que todos dêle partici-
-passem,pois deveriamos assim dá menos valor e apêgo a essas coisas,que nos prende e atra-
-sam a nossa evolução.Portanto meus companheiros e companheiras de caminhada,estudemos mais,para compreendermos melhor.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 03 de Novembro de 2012, 19:55
Meu caro Antonio, obrigado por suas manifestações, sempre muito prudentes.
Embora o mês tenha acabado e novo estudo se inicie, esse tema certamente deve continuar como conteudo de estudo e reflexão.
Título: Re: Meu Reino Não é Desse Mundo
Enviado por: RenanCarvalho em 09 de Março de 2013, 02:00
Sobre este assunto, recomendo a obra de Rene Girard, antropólogo frances. O reino não é deste mundo, porque desde o princípio esteve orientado pelas trevas e Jesus veio para mudar isso.