Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => Estudos mensais => Tópico iniciado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 02:04

Título: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 02:04
Caros Irmãos,
É com muita alegria que venho convidar a todos para o estudo do mês de agosto.
Vamos dividir ideias, compartilhar impressões na certeza de que ninguém sabe o suficiente a ponto de não ter nada a aprender, nem carece de algum saber que não possa dividir.
Afinal, nesta curta caminhada ,ninguém ensina ninguém, aprendemos todos juntos e espero poder aprender muito com todos vocês.
Como existem muitas nuances a serem abordadas no estudo, dividi o material em algumas partes, para facilitar o entendimento.
Seria importante ler todas as partes para poder ter uma compreensão mais completa do assunto.
Desejo a todos um estudo proveitoso e que a espiritualidade nos ampare para que estejamos sintonizados com as frequências elevadas transcorrendo o estudo de forma serena e instrutiva.

Está aberto o estudo mensal do mês de agosto.
           Sejam todos bem vindos!
         

Que a paz de Jesus esteja conosco.


Lei de Causa e Efeito (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVB6aDNxRkpIODJrI3dz)

  Lei de Causa e Efeito

Espírito São, Corpo São:  uma breve análise da influência dos aspectos espirituais sobre o estado de saúde dentro de uma visão metafísica

Introdução

Depois disto havia uma festa entre os judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.
Ora, em Jerusalém há, próximo à porta das ovelhas, um tanque, chamado em hebreu Betesda, o qual tem cinco alpendres.
Nestes jazia grande multidão de enfermos, cegos, mancos e ressecados, esperando o movimento da água.
Porquanto um anjo descia em certo tempo ao tanque, e agitava a água; e o primeiro que ali descia, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse.
E estava ali um homem que, havia trinta e oito anos, se achava enfermo.
E Jesus, vendo este deitado, e sabendo que estava neste estado havia muito tempo, disse-lhe: Queres ficar são?
O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim.
Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda.
Logo aquele homem ficou são; e tomou o seu leito, e andava. E aquele dia era sábado.
(...)
Depois Jesus encontrou-o no templo, e disse-lhe: Eis que já estás são; não peques mais, para que não te suceda alguma coisa pior.
(...)
    João 5:1-14


Nesta passagem o mestre Jesus explica que a origem do sofrimento físico daquele homem eram seus pecados, ou seja, seus erros, sendo pecado entendido como atitude em desacordo com as leis universais.

Jesus nos apresenta aqui uma surpreendente interpretação metafísica acerca da saúde,pois a doença física seria resultado de atitudes que violavam a lei divina, numa clara aplicação da lei de causa e efeito.
Aplicando o ensinamento acima juntamente com os princípios espíritas poderíamos dizer que se a enfermidade ou desarmonia orgânica não encontra causa nesta vida, é porque sua origem ,possivelmente, remonta a outras existências.

A palavra meta física vem do grego onde meta deriva de méta(depois) e física de physis(físico).
A metafísica é o ramo da filosofia que que tem como objeto de estudo as realidades transcendentes que só podem ser descobertas pelas luzes da razão, ou como o próprio nome diz, o que está além do físico, do palpável, do tangível.
Temos visto cada vez mais a utilização da metafísica também na área da saúde.

A medicina oriental há milênios trabalha com parâmetros metafísicos quando do tratamento e prevenção de doenças, a medicina ocidental, por outro lado, via de regra baseava seus diagnósticos nos sintomas físicos, não levando em consideração os aspectos psicológicos e emocionais do paciente, a sua individualidade psicológica e afetiva.

Mas aos poucos isso está mudando, é cada vez mais comum nos deparamos com expressões como” psicossomático” e “somatização”, coisa rara há algumas décadas atrás onde se imaginava que mente e corpo eram apenas engrenagens distintas de uma complexa máquina chamada corpo humano e a comunidade médica ocidental , mesmo que de forma tímida, já tem aceitado que um componente além do puramente físico pode estar por trás de uma série de patologias

A partir do momento em que a medicina ocidental começar a reconhecer de forma ampla que talvez a origem das doenças não se encontra no plano físico, de certa forma, abre-se o caminho para uma forma mais completa de abordar as doenças e desarmonias orgânicas, nascendo assim uma medicina mais completa  que trata o doente e não a doença, uma medicina que promova a saúde, mais do que cure doenças.


                          Saúde= espírito são, mente sã, corpo são

    "As doenças fazem parte das provas e das vicissitudes da vida terrena são inerentes à grosseria da nossa natureza material e à inferioridade do mundo que habitamos. As paixões e os excessos de toda ordem semeiam em nós germens malsãos, às vezes hereditários".

Evangelho Segundo o Espiritismo- cap. XXVIII, n° 77

O que se pretende ,essencialmente,  discutir neste estudo é se de fato há uma relação entre as doenças do corpo e as desarmonias do espírito e os mecanismos pelos quais esta relação, se houver, se desenvolve.

Ao longo desta discussão serão disponibilizados textos complementares,divididos em partes, inclusive as principais descobertas da ciência sobre o mecanismo mente-corpo de modo a permitir uma ampla compreensão do tema.

O estudo está divido em 5 partes:

1- Espírito São, Corpo São
2- O Perispírito e a saúde do corpo físico
3- A doença como mecanismo de aprendizado
4- O papel da mente dentro da manutenção da saúde
5-  Metafísica e Hereditariedade


Questionamentos a serem abordados ao longo do estudo:

1-   Todo transtorno, doença, enfermidade que se manifesta no corpo físico teria necessariamente origem em condutas desarmônicas à lei divina nesta ou em outras existências?
2-   Enquanto não curarmos  a alma continuaremos sofrendo as enfermidades do corpo?
3-   Como o espiritismo vê a interpretação metafísica da saúde? Esta visão seria incompatível com a doutrina?
4-   As enfermidades ou desarmonias orgânicas, também podem , além do caráter  expiatório,serem   provas escolhidas pelo espírito para, auxiliar o progresso daqueles que o cercam , despertando a fraternidade, solidariedade ou mesmo sendo exemplo de superação e determinação diante dos desafios da vida?
5-   Poderia um hábito físico alterar a estrutura perispiritual, a ponto de em uma próxima encarnação o veículo carnal apresentar alguma desarmonia em função deste hábito?
Há alguma relação de ineterferência entre o perispírito e o corpo ou são coisas estanques, não sofrendo o perispírito qualquer impacto do que ocorre no plano físico e vice-versa?
6-   Todas as doenças que o indivíduo irá enfrentar ao longo da vida já foram previamente programadas, ou, ele é em parte, o artíficie constante de sua saúde?

                 Bibliografia
1-   Deepak Chopra, Conexão saúde
2-   Deepak,Chopra  Saúde Perfeita
3-   Allan Kardec  -  Livro dos Espíritos
4-   Valcapelli & Gasparetto,Metafísica da Saúde volumeI,II,II e IX
5-    DavidServan, Anticâncer
6-   Conceição Trucom, Alimentação desintoxicante
7-   Bruno Gimenez & Patrícia Cândido, Evolução Espiritual na Prática
8-   Chico Xavier, Missionários da Luz
9-     Chico xavier, O Consolador

            Que nossos pensamentos reflitam amor,
            Que este amor inunde cada célula do nosso ser,
            E que  nosso veículo físico seja um  espelho divino  da nossa alma.


         
               
           
         
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: rwer em 02 de Agosto de 2012, 02:35
Oi, Susana e amiguinhos,

Eis um tema muito atual.  Bem, vou dar minha impressão sobre o assunto:

Causa: erro comportamental. Efeito: doença.

Espírito, Espírito mesmo, não adoece. Não sabe o que é saúde ou doença.  Mas existem as convenções, e, no Espiritismo, dá-se o nome de "Espírito" à pessoa sem corpo físico.  Ou seja: uma personalidade astral cujo ambiente é o Universo Astral (Mundo dos Espíritos).

Assim, dentro dessa convenção, existe o desequilíbrio do Espírito – a doença "espiritual".

Mas a saúde e a enfermidade estão nos corpos do Espírito: o sutil corpo causal (que André Luiz chama de "corpo mental") e o menos sutil corpo astral (perispírito).

Sim, com minha pouca experiência pessoal e no pequeno mundo de minhas relações, posso afirmar que a mente adoece e cura o corpo.

No sentido inverso, bons hábitos físicos podem curar o Espírito (a pessoa astral). 

Uma vez que o corpo não toma decisões se não houver o Espírito, qualquer hábito físico salutar veio da mente. E a decisão, da Alma.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: zarthur em 02 de Agosto de 2012, 03:11
Caros amigos, 
gosto imensamente de participar dos estudos mensais pois que são, via de regra, conduzidos por companheiros indicados pela direção do FE, e demonstram um preparo e uma boa vontade que sempre produzem os frutos almejados por todos nós: o aprendizado e a troca de experiências.

No estudo deste mês, foi dado ênfase, por enquanto, ao aspecto da relação mente e corpo; mas gostaríamos de lembrar e certamente os amigos abordarão com maiores detalhes mais adiante, a questão da condição social e cultural, como respostas da Lei de Causa e Efeito.
Assim, um homem que na presente existência leve uma vida sobrecarregada de tribulações, com imensas dificuldades até para sustentar seu lar, quase sempre, mas não necessariamente, estará respondendo por seus erros relacionados com a posse ou desmandos da autoridade, em vidas anteriores.
Quando digo, quase sempre, mas não necessariamente, é porque Jesus assim ensinou:

Mateus, cap XIX; v.12

Porque há eunucos de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino ...

Nos dois primeiros casos,  encontramos claramente a Lei de Causa e Efeito, pois que a inibição física não acontece por vontade do homem, mas no terceiro caso é decisão tomada pelo livre-arbítrio.
O espírito antevendo as possibilidades de serviço e a glória espiritual ante o sacrifício, se apresenta na vida física para servir conforme as possibilidades daquela sua escolha.

Mas o maior dos exemplos, aquele que marcou para sempre a humanidade terrestre, foi o sacrifício de Jesus no madeiro infamante.
Não houve naquele caso a ação da Lei de Causa e Efeito e sim, como diz o versículo: e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino ...


 
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: sensitive em 02 de Agosto de 2012, 08:29
Ola Susana!

Eis um tema interessante para a epoca em que vivemos.

Cada vez mais existem doenças provocados pela sistema nervoso, que nada mais nada menos está interligado ao nosso perispirito e que transmite assim o seu mal estar.
Esta nova doença, conhecida como depressao é uma carateristica do nossa epoca moderna.

O sofrimento que causa o esta doença nova provoca um desgaste enorme, um mal estar constante, perda de energia, falta de adaptaçao a situaçao que estamos a viver a nivel fisico, psiquico e emocional.

Muito há para dizer e aprender o sobre este tema, vou estar atenta no que vai ser postado aqui assim como tb vou tentarsaber algo mais atraves da leitura.

Um boa aprendizagem para todos

Sensitive


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 11:06
Bom dia a todos!

Caros Raw, Zarthur e Sensitive,
Agradeço a colaboração no estudo mensal.

Sim, com minha pouca experiência pessoal e no pequeno mundo de minhas relações, posso afirmar que a mente adoece e cura o corpo.
Ótimas considerações Raw. Mente e corpo se acham intimamente ligados, sofrendo constantemente os reflexos de um sobre o outro.

Ótimas considerações Raw. Mente e corpo se acham intimamente ligados, sofrendo constantemente os reflexos de um sobre o outro.
Mateus, cap XIX; v.12
Porque há eunucos de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino ...
Nos dois primeiros casos,  encontramos claramente a Lei de Causa e Efeito, pois que a inibição física não acontece por vontade do homem, mas no terceiro caso é decisão tomada pelo livre-arbítrio.
O espírito antevendo as possibilidades de serviço e a glória espiritual ante o sacrifício, se apresenta na vida física para servir conforme as possibilidades daquela sua escolha.
Bem lembrado Zarthur.
De fato não podemos ignorar que nem tudo é ação da lei de causa e efeito, pois existem atos cujas origens remontam a nós mesmos, quando usamos do nosso lvrre arbítrio.

Cada vez mais existem doenças provocados pela sistema nervoso, que nada mais nada menos está interligado ao nosso perispirito e que transmite assim o seu mal estar.
Esta nova doença, conhecida como depressão é uma caraterística do nossa época moderna.
Muito há para dizer e aprender o sobre este tema, vou estar atenta no que vai ser postado aqui assim como tb vou tentar saber algo mais atraves da leitura.

Cara Sensitive muito obrigada pela sua participação.
Nesse estudo vai ser abordado ,com mais profundidade, este surpreeendente mecanismo biológico através do qual transformamos pensamentos e sentimentos em algo tangível.
Entenderemos melhor a origem das desordens psiquiátricas e psicológicas, entre elas como você bem lembra, tem se destacado a depressão.
Tenho um texto muito interessante especificamente sobre a depressão e no momento oportuno, irei disponibizá-lo no estudo.
Á  medida que a discussão for evoluindo irei enviar textos complementares sobre a temática abordada.
Como sugestão de leitura indico os livros citados na bibliografia.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 11:29
Texto complementar ao estudo

Parte I

Espírito São, Corpo São

“ Deve-se pedir em oração que a mente seja sã num corpo são.
Peça uma alma corajosa que careça do temor da morte,
que ponha a longevidade em último lugar entre as bênçãos da natureza,
que suporte qualquer tipo de labores,
desconheça a ira, nada cobice e creia mais
nos labores selvagens de Hércules do que
nas satisfações, nos banquetes e camas de plumas de um rei oriental.
Revelarei aquilo que podes dar a ti próprio;
Certamente, o único caminho de uma vida tranquila passa pela virtude.”


"Mente sã, corpo são".
Esta famosa colocação feita pelo poeta romano Juvenal, traz implícita uma interpretação metafísica  da saúde, pois segundo sua interpretação um corpo só pode ser saudável  se a mente estiver em harmonia, se seus pensamentos estiverem  saudáveis e despidos de qualquer vício ou paixão.

Como o cérebro é apenas o veículo pelo qual o espírito manifesta seus desejos, suas vontades, poder-se-ia  dizer ainda, sem ter a pretensão de corrigir o ilustre poeta, que:
Espírito são, mente sã, corpo são.
O corpo é o templo divino do espírito.
O nosso  veículo carnal é o instrumento pelo qual nosso espírito irá vivenciar suas experiência neste planeta, então para podermos usufruir ao máximo possível desta abençoada experiência, é importante manter o corpo em equilíbrio, e uma das maneiras de fazê-lo é cultivando hábitos mentais e emocionais saudáveis.

Nas palavras da química  Conceição Trucom , na sua obra “ Alimentação Desintoxicante”:
“ A saúde verdadeira é uma experiência de viver a longevidade com qualidade e discernimento sobre nossas reais metas. Essas metas acontecem a partir de um instrumento que viabiliza tudo o que viemos  realizar na Terra: nosso corpo físico.
Quando cuidamos dele, estamos de volta irradiando a cura para o físico, o emocional, e mental e o espiritual. Está tudo integrado.”

Sem dúvida que o espírito é mais importante do que o corpo,, mas o instrumento físico do qual se serve nosso espírito para vivenciar suas experiência na matéria  deve também ser objeto de atenção.

A busca pelo equilíbrio orgânico deve também ser uma meta diária de cada ser encarnado demonstrando respeito ao bem que lhe foi concedido por empréstimo pela providência divina, pois o corpo como qualquer bem terrestre é um empréstimo divino, e como depositários deveremos devolvê-lo o mais próximo possível ao estado em que nos foi concedido: em equilíbrio.  Não se devolve algo que tomamos emprestado em boas condições, em estado lastimável.

Desta forma ,importante evitar qualquer conduta que possua poder destrutivo sobre esta importante ferramenta de aprendizado, seja um hábito cotidiano ou um pensamento ou emoção descontrolada ,pois a desarmonia mental e emocional é capaz de desorganizar toda a complexa organização celular, trazendo caos e desarmonia, preparando o terreno para a eclosão das mais diversas enfermidades.
   
Talvez não seja exagero afirmar que a enfermidade do corpo pode começar muitas vezes nas desarmonias do espírito.

Em "O Consolador", questão 96, Emmanuel explicita:

"As chagas da alma se manifestam através do envoltório humano.
O corpo doente reflete o panorama interior do espírito enfermo.

A patogenia é um conjunto de inferioridades do aparelho psíquico. ( ... )
A reencarnação, em si mesma, nas circunstâncias do mundo envelhecido nos abusos, já representa uma estação de tratamento e de cura; ( ... ) há enfermidades d’alma , tão persistentes, que podem reclamar várias estações sucessivas, com a mesma intensidade nos processos regeneradores".

(continua...)

paz e luz!
Susana
Metafísica da saúde: Espírito São, Corpo São (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVY5T2ZQWElHWkpVIw==)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 02 de Agosto de 2012, 12:12
Minha querida irmã Susana,parabéns pelo tema escolhido,é um tema bem atual,embora seja
muito complexo e gera muitas controversas.No meu entendimento o espírito está ligado a
mente e ao corpo físico,para se ter um corpo sadio,se faz necessário ter uma mente sadia.Se
nos conduzirmos de uma forma positiva,ou seja,pensando sempre positivamente,daremos ao
nosso corpo e ao nosso espírito uma condição são de viver.É bem verdade que fatores externos
poderão desestabilizar esse estado,mas se estivermos sempre pensando e agindo positivamen-
-te,não sofreremos com essas influências.Eu particularmente acredito muito nesta força.
Fique na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 02 de Agosto de 2012, 12:52
Olá Susana , parabéns pelo tema escolhido. Que Deus a ilumine nesse lindo trabalho....


A Saúde do Espírito...


Por força das leis naturais inelutáveis, jamais teremos, neste mundo, absoluta saúde física. Nosso organismo sofre a ação de todos os processos ambientes. O calor incomoda, o frio nos faz tremer, a alimentação nos modifica, os atos da vida determinam a mudança dos hábitos.


Mas o Salvador nos ensina a procurar uma saúde mais real e preciosa, que é a do espírito. Possuindo-a, teremos transformado as causas de preocupação de nossa vida, e habilitando-nos a gozar a relativa saúde física que o mundo pode oferecer nas suas expressões transitórias.


Sempre houve e haverá corpos enfermos e cansados, na Terra. Na tarefa cristã, semelhante esforço não poderá ser esquecido, mas a iluminação do espírito deve estar em primeiro lugar.


Sempre acreditei que a medicina do corpo é um conjunto de experiências sagradas, de que o homem não poderá prescindir, até que se resolva a fazer a experiência divina e imutável, da cura espiritual.



Reflexões atribuídas ao Apóstolo Paulo de Tarso, presentes no livro “Paulo e Estêvão” - Autoria do Espírito Emmanuel - Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 12:52
Minha querida irmã Susana,parabéns pelo tema escolhido,é um tema bem atual,embora seja
muito complexo e gera muitas controversas.

No meu entendimento o espírito está ligado a mente e ao corpo físico,para se ter um corpo sadio,se faz necessário ter uma mente sadia.Se nos conduzirmos de uma forma positiva,ou seja,pensando sempre positivamente,daremos ao nosso corpo e ao nosso espírito uma condição são de viver.

Seja bem vindo Antônio Renato!
Pois é o tema de fato é complexo e envolve muitas nuances, por isso que ao longo do estudo irei disponibilizar textos complementares com base na ciência, na doutrina e em diversas obras espíritas para nos auxiliar a compreender melhor o processo de interação entre espírito, mente e corpo.
As controvérsias são esperadas e importantes para nosso aprendizado, contanto que as diferenças de opinião sejam manifestadas de forma fraterna e construtiva.
Realmente tudo leva a crer que existe uma forte influência do que pensamos e sentimos sobre nosso veículo físico.
A ciência já começou a dar os primeiros passos na tentativa de desvendar este processo e ,ao longo do estudo, vamos conhecer as últimas observações científicas nesse sentindo.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 02 de Agosto de 2012, 12:58
Minutos de Sabedoria - Mente sã,corpo são !!!!

INTERPRETE corretamente a frase de
Juvenal: mente sã - corpo são.
Não é a mente que depende da saúde do
corpo.
Ao contrário, é o corpo sadio que depende
da mente sadia.
Quando o espírito está perfeitamente
equilibrado, não há enfermidades que nos
ataquem.
Cuide de sua mente, para que a saúde se
reflita em todo o seu corpo.


Livro  : Minutos de Sabedoria
Autor : Carlos Torres Pastorino
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 13:11

Mas o Salvador nos ensina a procurar uma saúde mais real e preciosa, que é a do espírito.
Possuindo-a, teremos transformado as causas de preocupação de nossa vida, e habilitando-nos a gozar a relativa saúde física que o mundo pode oferecer nas suas expressões transitórias.
Sempre houve e haverá corpos enfermos e cansados, na Terra. Na tarefa cristã, semelhante esforço não poderá ser esquecido, mas a iluminação do espírito deve estar em primeiro lugar.
Sempre acreditei que a medicina do corpo é um conjunto de experiências sagradas, de que o homem não poderá prescindir, até que se resolva a fazer a experiência divina e imutável, da cura espiritual.

Reflexões atribuídas ao Apóstolo Paulo de Tarso, presentes no livro “Paulo e Estêvão” - Autoria do Espírito Emmanuel - Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Querida Maria,
Valiosas reflexões que trazes. 
A medicina do corpo sem dúvida tem sua importância, mas á medida que evoluímos cada vez mais seremos médicos de nossas próprias almas e encontraremos, no ínitimo do nosso ser ,os valiosos recursos medicamentosos de que necessitamos.
P.S: Muito oportuna a citação de Minutos de Sabedoria que vem justamente ao encontro do que vem sendo discutido no estudo.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 13:25
continuação da Parte 1

”Saúde é mais do que a ausência de doença ou enfermidade, é o estado perfeito de bem-estar físico, mental e social".

Organização Mundial da Saúde

Um dos maiores divulgadores do conceito de metafísica da saúde foi Deepak Chopra, médico indiano que construiu uma sólida carreira como endocrinologista.
Durante sua vida desenvolveu diversas pesquisas que buscavam aproximar medicina ocidental das tradições milenares de cura indiana.
Unindo conceitos da sabedoria oriental e preceitos da ciência ocidental,o médico indiano  elaborou sua teoria que baseava-se ,fundamentalmente, no equilíbrio dinâmico entre corpo, mente e  espírito.
Dr Deppak Chopra tem diversas obras reconhecidas internacionalmente onde aborda em profundidade a conexão que existe entre mente e corpo.
Em Conexão Saúde, o médico mostra como as evidências científicas conduziram uma revisão dos conceitos acerca da influência da mente na saúde dos pacientes:

“As mais prestigiadas publicações médicas ridicularizavam o conceito de que a doença e a saúde dependiam de algo tão nebuloso quanto a mente dos pacientes.
Agora, porém, tudo iria mudar. A conexão mente-corpo era real, e ali estava a prova, uma torrente de moléculas mensageiras (os hormônios), pouco compreendidas antes dos anos 70, que fluíam pela corrente sanguínea transformando pensamentos, desejos, crenças, preconceitos, desejos, sonhos e medos em realidade física.
A mente se torna matéria, não em um passe de mágica, mas como processo natural dos cinquenta trilhões de células do corpo.
Você não experimenta uma única emoção, sem compartilhá-la  com as células do corpo, dos pulmões, rins, estômago e intestinos. Estes órgãos participam da sua vida tanto quanto o cérebro.”
 
Ainda De acordo com Dr Chopra :

“ A saúde é nosso estado natural. Segundo a Organização Mundial da Saúde, saúde é mais do que a ausência de doença ou enfermidade, é o estado perfeito de bem-estar físico,mental e social.
A esta definição podemos acrescentar o bem-estar espiritual, uma condição na qual a pessoa experimenta em todos os momentos alegria e satisfação em viver, a sensação de plenitude e a consciência de estar em harmonia com todo o universo que a cerca”.

E onde entra o espiritismo ?
O espiritismo tem importância fundamental na manutenção do equilíbrio orgânico, pois a medida que o estado de espírito pode  influenciar também no estado de saúde do ser, a qualidade não só do que fazemos , mas também do que pensamos e sentimos dever ser avaliada com muita cautela.
A doutrina espírita, consoladora e edificadora, importante ferramenta de transformação moral do homem, pode auxiliar e muito a todos que realmente estiverem dispostos a iniciar um processo de autoconhecimento e de reforma íntima a encontrar paz de espírito e o equilíbrio interior.

Ao realizarmos a reforma íntima, estamos também mudando nosso padrão mental e   emocional, nos libertando de vícios e hábitos nocivos e ,assim ,construindo um “novo homem” que pensa e  sente melhor, de forma mais harmônica e em sintonia com o Criador.

Desta  forma com a alma em paz, a mente em harmonia, a saúde do veículo carnal é mera consequência da saúde interna que se reflete no todo.
Obviamente que não basta ser um estudioso da doutrina para se gozar de boa saúde, porque não adianta saber os livros da codificação ao avesso se não nos propusermos a buscar harmonia nos nossos pensamentos e atitudes.

A doutrina não é um fim em si mesma, não foi codificada para ser apenas lida e repetida, mas praticada.
E também não adianta só fazer reforma íntima ,e continuar insistindo na manutenção de hábitos destrutivos, se esquecendo que somos um todo, interligado e conectado.
Pensamentos positivos e elevados trazem harmonia para as células do corpo, tal qual uma orquestra que desanda quando o maestro está em desarmonia, assim funcionam nossas células diante de pensamentos e sentimentos desarmônicos.

O médico francês Dr David Servan no seu livro “Anticâncer”, baseado em pesquisas científicas, reforça a importância de mantermos uma atitude positiva diante da vida e como este comportamento pode ter efeito decisivo sobre a progressão de tumores cancerígenos.

A investigação mais profunda sobre o funcionamento dos hormônios está permitindo a ciência desvendar parte de como acontece este processo, mas ele só será inteiramente compreendido o dia que as fronteiras se estenderem além da mente e chegarem até a realidade do espírito.

“Tudo o que a mente pode conceber é projetado numa tela de 3 dimensões que chamamos corpo. Na verdade, não  temos um corpo e uma mente , mas um “corpomente”, uma teia de inteligência sem costuras que expressa cada fagulha de intuição, cada alteração na configuração dos aminoácidos, cada vibração dos elétrons.”
Deepak Chopra


Segundo Dr Chopra, a origem de mais de 90% dos casos de hipertensão permanece desconhecida:
“ Há indícios de que estímulos psicológicos anormais desempenham algum papel na gênese da hipertensão.
Animais expostos experimentalmente a estresse crônico podem se tornar hipertensos e o estresse psicológico é frequentemente detectado em pacientes com pressão alta.
Desse modo, a maior parte dos médicos, associa estresse, especialmente, psicológico-muito embora para eles isso seja uma espécie de realidade intangível com hipertensão.
(...)
Os médicos acreditam que a ansiedade, o medo e a raiva produzem alterações e alguns elementos químicos do cérebro.
(...)
Em um futuro próximo os biólogos estarão estudando as mudanças ocorridas nos neurotransmissores  quando estes forem estimulados por pensamentos positivos, como amor, compaixão, paz, coragem fé e esperança.
O mais importante é definir o caminho exato percorrido pelos pensamentos no processo de se transformarem em moléculas orgânicas.”

Nosso corpo possui mecanismos para transformar sentimentos , pensamentos e emoções em substâncias químicas que irão interferir diretamente no funcionamento do organismo, onde sentimos na própria pele, no próprio corpo, a ação incessante da lei da causa e efeito.
A raiva ,por exemplo, libera os chamados hormônios do stress, adrenalina e cortisol, que são agentes tóxicos diretamente relacionado a eclosão de várias enfermidades, inclusive câncer.
É o mecanismo biológico a serviço do espírito, transformando sentimentos em realidade física.

paz e luz!
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Edna☼ em 02 de Agosto de 2012, 14:43
Olá Susana, seja muito bem-vinda ao Estudo Mensal. :)

Ao esclarecer sobre as doenças, diz o Espírito Alexandre em uma das obras indicadas no post inicial:  “a luta do aperfeiçoamento é vastíssima... e quanto ao capitulo moléstias (da alma) eles reconhecem que cada filho de Deus deve ser o médico de si mesmo e, até a plena aceitação desta verdade com as aplicações de seus princípios, a criatura estará sujeita a incessantes desequilibrios.”

É muito importante que aqui teremos esclarecimentos neste sentido, aprender a cuidar de nós mesmos com amor e de forma consciente para gozar da saúde física, mental, espiritual que tanto carecemos.

Bons estudos a todos!

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 15:27

Ao esclarecer sobre as doenças, diz Alexandre em uma das obras indicadas no post inicial:  “a luta do aperfeiçoamento é vastíssima... e quanto ao capitulo moléstias (da alma) eles reconhecem que cada filho de Deus deve ser o médico de si mesmo e, até a plena aceitação desta verdade com as aplicações de seus princípios, a criatura estará sujeita a incessantes desequilibrios.”


Olá Edna!
Obrigada pela participação e pela sincera acolhida.
Seu comentário resume muito bem o tema do estudo, obrigada pelo maravilhoso texto.
O espírito nos chama à responsabilidade lembrando que cada homem deve ser o médico de si mesmo, importante refletir portanto sobre esta questão.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 02 de Agosto de 2012, 17:22
Meus cumprimentos a todos!
Gostaria de avisar que já se encontra disponível na mensagem de introdução do tópico, o vídeo explicativo, elaborado pela administração do fórum espírita, referente ao estudo mensal.
Aproveito também para agradecer a equipe do fórum pela edição do vídeo.
O material ficou muito bom. Vale a pena conferir.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: mysky em 02 de Agosto de 2012, 17:59
Olá Susana , parabéns pelo tema escolhido. Que Deus a ilumine nesse lindo trabalho....


A Saúde do Espírito...


Por força das leis naturais inelutáveis, jamais teremos, neste mundo, absoluta saúde física. Nosso organismo sofre a ação de todos os processos ambientes. O calor incomoda, o frio nos faz tremer, a alimentação nos modifica, os atos da vida determinam a mudança dos hábitos.


Mas o Salvador nos ensina a procurar uma saúde mais real e preciosa, que é a do espírito. Possuindo-a, teremos transformado as causas de preocupação de nossa vida, e habilitando-nos a gozar a relativa saúde física que o mundo pode oferecer nas suas expressões transitórias.


Sempre houve e haverá corpos enfermos e cansados, na Terra. Na tarefa cristã, semelhante esforço não poderá ser esquecido, mas a iluminação do espírito deve estar em primeiro lugar.


Sempre acreditei que a medicina do corpo é um conjunto de experiências sagradas, de que o homem não poderá prescindir, até que se resolva a fazer a experiência divina e imutável, da cura espiritual.



Reflexões atribuídas ao Apóstolo Paulo de Tarso, presentes no livro “Paulo e Estêvão” - Autoria do Espírito Emmanuel - Psicografia de Francisco Cândido Xavier.


                                                                         Adorei esse comentário! Muito verdadeiro.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 02 de Agosto de 2012, 23:48
Lei de causa e Efeito.Ao longo de nossa vida material,o nosso corpo físico vai sofrendo o
desgaste natural baseado na redução das células que vão deixando de serem produzidas,
poderia-se até dizer que é a decadência do corpo em função dos anos vividos.O desgaste
é maior quando a mente está em desarmonia com o espírito que anima este corpo,as man-
-zelas costumam ser maiores em pessoas desequilibradas mentalmente.A mente comanda
o corpo como já foi citado,quando estamos em paz e harmonia,o nosso corpo físico fica bem
melhor,a exemplo:há pessoas com idades avançadas,como é o caso,que já não têm a mes-
-ma agilidade de quando era jovem,mas continuam em plena atividade,e continuam com a
mesma alegria de viver.A Doutrina Espírita,tem ajudado muito as pessoas que a estudam e
seguem as suas orientações baseadas nas codificações de Kardec,porque estudando-as,   
compreende-se melhor as leis universais de Deus,e ao exercitá-las,melhora-se o estado
mental,e consequentemente a sua condição física.A lei que mais nos auxila nessa mudança
para melhor,é a lei do amor,quando praticamos ela através da caridade,da indulgência,da
solidariedade para com os nossos irmão,traz-nos um novo animo,uma motivação maior para
viver e caminhar melhor.
fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 03 de Agosto de 2012, 00:45

Cuidando do corpo
 
Deepak  Chopra  é médico formado na Índia, com especialização em Endocrinologia nos Estados Unidos, onde está radicado desde a década de setenta.
Filósofo de reputação internacional, já escreveu mais de três dezenas de livros, sendo um dos mais respeitados pensadores da atualidade.
A respeito do ser humano saudável, ele escreveu: Somos as únicas criaturas na face da Terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos!
Nossas células estão constantemente bisbilhotando nossos pensamentos e sendo modificadas por eles.
Um surto de depressão pode arrasar nosso sistema imunológico.
Apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente.
A alegria e a realização nos mantêm saudáveis e prolongam a vida.
A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse.
Nossas células estão constantemente processando as experiências e metabolizando-as, de acordo com nossos pontos de vista pessoais.
Quando nos deprimimos por causa da perda de um emprego, projetamos tristeza por toda parte no corpo. A produção de neurotransmissores, por parte do cérebro, se reduz. Baixa o nível de hormônios. O ciclo de sono é interrompido.
As plaquetas sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a formar grumos. Os receptores neuropeptídicos, na superfície externa das células da pele, se tornam distorcidos.
E, até nossas lágrimas passam a conter traços químicos diferentes das lágrimas de alegria.
Contudo, nosso perfil bioquímico é alterado, quando nos encontramos em nova posição.
A ansiedade por causa de um exame acaba passando, assim como a depressão por causa de um emprego perdido.
Assim, se desejamos saber como está nosso corpo hoje, basta que nos recordemos do que pensamos ontem.
Se desejamos saber como estará nosso corpo amanhã, será suficiente que examinemos nossos pensamentos hoje.
Abrir nosso coração para a  alegria, às coisas positivas é medida salutar. Se desejamos gozar de saúde física, principiemos a mudar nossa maneira de pensar.
Não foi por outro motivo que o Celeste Médico das nossas almas, conhecedor profundo de todas as leis que regem nosso planeta, foi pródigo em exortações como:
Não vos inquieteis, dizendo: "Que comeremos" ou "Que beberemos", ou "Que vestiremos"?
Pois estas coisas os gentios buscam. De fato, vosso Pai Celestial sabe que necessitais de todas estas coisas.
Portanto, não vos inquieteis com o amanhã, pois o amanhã se inquietará consigo mesmo! Basta a cada dia o seu mal. Com isso, recomendava que não nos deixássemos abraçar pela ansiedade.
E mais: Andai como filhos da luz.
Ora, os filhos da luz iluminam, vibram positivamente, porque luz tem a ver com tudo de bom.
Pensemos nisso e cultivemos saúde física. Afinal, necessitamos de um corpo saudável para bem atender os compromissos que nos cabem.
Que se diria de quem não cuidasse de seu instrumento de trabalho?
 
Redação do Momento Espírita, com dizeres do texto Mutantes, de
Deepak Chopra e dos versículos 31, 32 e 34 do cap. 6 do
Evangelho de Mateus.
Em 19.03.2012.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 03 de Agosto de 2012, 00:52

Irritabilidade causa males físicos

Se observarmos os males físicos que acometem determinadas pessoas,
acabaremos por descobrir que muitos deles se originam na irritação.
Há pessoas que com a mínima contrariedade se irritam
e passam a destilar o seu veneno em todos aqueles que cruzarem
o seu caminho, acabando por afastar todos de si.
Tornam-se pessoas amarguradas e solitárias.
Há um momento em que passam a irritar-se com elas próprias.
De repente aparece uma dor no estômago, uma dor de cabeça,
um mal estar, e outros sintomas.
Quando chegam a um médico, descobrem-se portadoras de uma gastrite,
úlcera, enxaqueca, baixa imunidade e outros males,
às vezes muito piores e de conseqüências irreversíveis.
Tomam todos os remédios prescritos e nada de melhorarem.
É evidente que o mal físico é só uma conseqüência.
O problema está na alma.
Essas pessoas não percebem que somente uma mudança de atitudes,
hábitos e pensamentos lhes trará a cura verdadeira.
Assim, acima de tudo, para o bem da nossa saúde física,
procuremos antes de tudo cuidar da nossa mente e da nossa alma,
buscando os bons pensamentos e praticando o bem.
Com essas atitudes voltadas para o bem e com o pensamento voltado
para Deus nosso Pai, estaremos imunizados contra tantos males
que afligem a humanidade nos dias de hoje.
Para finalizar, lembremo-nos do provérbio:
“Mente sã, corpo são.”
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 01:01
A Doutrina Espírita,tem ajudado muito as pessoas que a estudam e
seguem as suas orientações baseadas nas codificações de Kardec,porque estudando-as,   
compreende-se melhor as leis universais de Deus,e ao exercitá-las,melhora-se o estado
mental,e consequentemente a sua condição física.
A doutrina se reveste em importante medicamento para o espírito, verdadeira vacina contra os males da alma.
Aquele que se propõe a  renovar-se interiormente descobre uma forma mais equilibrada e harmoniosa de viver.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Kazaoka em 03 de Agosto de 2012, 01:06
1-   Todo transtorno, doença, enfermidade que se manifesta no corpo físico teria necessariamente origem em condutas desarmônicas à lei divina nesta ou em outras existências?


A vida é perene para o Espírito e o que vivemos hoje é o resultado daquilo que vamos edificando ao longo das várias existência, onde cada vida física nada mais é do que intervalo em nossa vida eterna como Espírito. Portanto, não só as doenças como, também, as belezas e prazeres que experimentamos, representam o resultado alcançado nas experiências vividas, referindo ao passado, ou como provas necessárias para o bem futuro.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 01:09
A respeito do ser humano saudável, ele escreveu: Somos as únicas criaturas na face da Terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos!
Nossas células estão constantemente bisbilhotando nossos pensamentos e sendo modificadas por eles.

Um surto de depressão pode arrasar nosso sistema imunológico.
Apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente.
A alegria e a realização nos mantêm saudáveis e prolongam a vida.
A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse.
Nossas células estão constantemente processando as experiências e metabolizando-as, de acordo com nossos pontos de vista pessoais.
Quando nos deprimimos por causa da perda de um emprego, projetamos tristeza por toda parte no corpo. A produção de neurotransmissores, por parte do cérebro, se reduz. Baixa o nível de hormônios. O ciclo de sono é interrompido.
(...)
Contudo, nosso perfil bioquímico é alterado, quando nos encontramos em nova posição.
A ansiedade por causa de um exame acaba passando, assim como a depressão por causa de um emprego perdido.
Assim, se desejamos saber como está nosso corpo hoje, basta que nos recordemos do que pensamos ontem.
Se desejamos saber como estará nosso corpo amanhã, será suficiente que examinemos nossos pensamentos hoje.

Abrir nosso coração para a  alegria, às coisas positivas é medida salutar.
Se desejamos gozar de saúde física, principiemos a mudar nossa maneira de pensar.

Cara Maria,
Obrigada pelos textos.
Dr Deepak Chopra realmente transformou a forma como a medicina ocidental via a doença.
Ele é reconhecido internacionalmente pelas suas pesquisas.
Ao longo do estudo irei disponibilizar trechos de seus livros.
Sem dúvida, leitura obrigatória para quem deseja saber mais sobre a metafísica da saúde.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 01:16
1-   Todo transtorno, doença, enfermidade que se manifesta no corpo físico teria necessariamente origem em condutas desarmônicas à lei divina nesta ou em outras existências?

A vida é perene para o Espírito e o que vivemos hoje é o resultado daquilo que vamos edificando ao longo das várias existência, onde cada vida física nada mais é do que intervalo em nossa vida eterna como Espírito. Portanto, não só as doenças como, também, as belezas e prazeres que experimentamos, representam o resultado alcançado nas experiências vividas, referindo ao passado, ou como provas necessárias para o bem futuro.

Seja bem vindo kazaoka!
Obrigada pela participação. Realmente tudo o que vivenciamos hoje foi construído no nosso passado, pois no aprendizado reencarnatório o passado e o presente se reencontram.
Sendo o espírito herdeiro de si mesmo, as experiências pelas quais passa constituem seu valioso patrimônio
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Kazaoka em 03 de Agosto de 2012, 02:38
Outro aspecto importante sobre o que carregamos conosco, sejam elas de que natureza for, é que tudo que portamos estava disperso na natureza e à nossa disposição. O que normalmente acontece é que, o que não temos é porque não estamos aptos a obtê-los naquele momento, em função das condutas que tomamos. Tudo que precisamos ou desejamos como, também, o que devemos evitar, estão de forma acessível e à nossa disposição porém, sua aquisição ou não, dependerá do empenho que fazemos para conquistá-las. Tanto a saúde como as doenças, a felicidade e as tristezas sendo instrumentos de progresso para o Espírito em evolução, estão disponíveis e serão concedidas àqueles que fizerem jus para alcançá-las.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 10:44
Outro aspecto importante sobre o que carregamos conosco, sejam elas de que natureza for, é que tudo que portamos estava disperso na natureza e à nossa disposição. O que normalmente acontece é que, o que não temos é porque não estamos aptos a obtê-los naquele momento, em função das condutas que tomamos. Tudo que precisamos ou desejamos como, também, o que devemos evitar, estão de forma acessível e à nossa disposição porém, sua aquisição ou não, dependerá do empenho que fazemos para conquistá-las. Tanto a saúde como as doenças, a felicidade e as tristezas sendo instrumentos de progresso para o Espírito em evolução, estão disponíveis e serão concedidas àqueles que fizerem jus para alcançá-las.
O espírito é responsável pela sua ventura ou pela sua desdita.
Deus colocou à nossa disposição tudo o que precisamos para ser felizes, cabe a nós aprendermos a usar o nosso livre  arbítrio para descobrir qual caminho leva à felicidade.
Enquanto isso não ocorre ,vamos tropeçando nos atalhos da vida e ás vezes aprendendo pela dor o que poderíamos ter aprendido pelo amor.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 11:14
Bom dia!
Queria aproveitar para agradecer a participação de todos.
Uma visitante questionou se o câncer teria relação com a lei de causa e efeito.
Ao que tudo indica sim, porém ao longo do estudo vamos estudar melhor as causas das enfermidades para compreender  este mecanismo.

paz e luz!
Susana

                                                            Doenças Escolhidas


Emmanuel- Religião dos Espíritos

"Convictos de que o Espírito escolhe as provações que experimentará na Terra, quando se mostre na posição moral de resolver quanto ao próprio destino, é justo recordar que a criatura, durante a reencarnação, elege, automaticamente, para si mesma, grande parte das doenças que se lhe incorporam às preocupações.

Não precisamos lembrar, nesse capítulo, as grandes calamidades particulares, quais sejam o homicídio, de que o autor arrasta as conseqüências na forma de extrema perturbação espiritual, ou o suicídio frustrado, que assinala o corpo daquele que o perpetra com dolorosos e aflitivos remanescentes.

Deter-nos-emos, de modo ligeiro, no exame das decisões lamentáveis, que assumimos quando enleados no carro físico, se saber que lhe martelamos ou desagregamos as peças.
Sempre que já tenhamos deixado as constrições do primitivismo, todos sabemos que a prática do bem é simples dever e que a prática do bem é o único antídoto eficiente contra o império do mal em nós próprios.

Entretanto, rendemo-nos, habitualmente, às sugestões do mal, criando em nós não apenas condições favoráveis à instalação de determinadas moléstias no cosmo orgânico, mas também ligações fluídicas aptas a funcionarem como pontos de apoio para as influências perniciosas interessadas em vampirizar-nos a vida.

Seja na ingestão de alimento inadequado, por extravagâncias à mesa, seja no uso de entorpecentes, no alcoolismo mesmo brando, no aborto criminoso e nos abusos sexuais, estabelecemos em nosso prejuízo as síndromes abdominais de caráter urgente, as úlceras gastrintestinais, as afecções hepáticas, as dispepsias crônicas, as pancreatites, as desordens renais, as irritações do cólon, os desastres circulatórios, as moléstias neoplásicas, a neurastenia, o traumatismo do cérebro, as enfermidades degenerativas do sistema nervoso, além de todo um largo cortejo de sintomas outros, enquanto que na crítica inveterada, na inconformação, na inveja, no ciúme, no despeito, na desesperação e na avareza, engendramos variados tipos de crueldade silenciosa com que, viciando o próprio pensamento, atraímos o pensamento viciado das Inteligências menos felizes, encarnadas ou desencarnadas, que nos rodeiam.

Exteriorizando idéias conturbadas, assimilamos as idéias conturbadas que se agitam em torno de nosso passo, elementos esses que se nos ajustam ao desequilíbrio emotivo, agravando-nos as potencialidades alérgicas ou pesando nas estruturas nervosas que conduzem a dor.

Mantidas tais conexões, surgem freqüentemente os processos obsessivos que, muitas vezes, sem afetarem a razão, nos mantêm no domínio das enfermidades – fantasmas que nos esterilizam as forças e, pouco a pouco, nos corroem a existência.
Guardemo-nos, assim, contra a perturbação, procurando o equilíbrio e compreendendo no bem – expressando bondade e educação – a mais alta fórmula para a solução de nossos problemas.

E ainda mesmo em nos sentindo enfermos, arrastando-nos embora, aperfeiçoemo-nos ajudando aos outros, na certeza de que, servindo ao próximo, serviremos a nós mesmos, esquecendo, por fim, o mercado da invigilância onde cada um adquire as doenças que deseja para tormento próprio."
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 12:00
Parte II O Perispírito e a Saúde do Corpo

O perispírito é o molde do corpo físico?

De acordo com o médico indiano Deepak Chopra  nós teríamos na verdade não um corpo e uma mente, mas um “corpomente” , onde ambos estariam não separados mas intimamente conectados,
Nós como espíritas, podemos entender, ainda, que existe um ”espiritocorpomente”, pois a mente é comandada pelo espírito.
Mas e onde fica o perispírito nisso tudo?

Existem relatos mediúnicos que relacionam transtornos de ordem psiquiátrica ao abuso de substâncias entorpecentes em outras vivências assim, como desordens pulmonares no caso de fumantes, problemas gástricos quando em outras encarnações abusamos dos alimentos e assim por diante e o perispírito teria nestes casos, papel fundamental na gênese da enfermidade que se manifesta no corpo físico na existência atual.

Segundo estes relatos tudo o que se pratica no mundo físico também interfere na delicada estrutura perispiritual, então certas patologias seriam meras consequências naturais de determinadas condutas adotadas, pois o perispírito, nos seus entenderes, seria o molde do corpo físico e no caso dele estar danificado, assim também estaria o veículo carnal correspondente na próxima existência.

Ao que tudo indica nossa experiência espiritual pode influir na constituição do corpo físico, porém não está claro ainda qual seria o papel do perispírito neste processo.
Na doutrina não  encontramos referência de forma explícita  sobre a influência que o perispírito exerce sobre a formação do novo veículo carnal, no sentido de ser um molde do corpo físico ( pelo menos eu não consegui achar).

No entanto, há no Livro dos Espíritos há uma afirmação interessante sobre a  relação que existe entre os caracteres morais do espírito e o novo corpo que lhe servirá de instrumento, dando a entender que o veículo físico está em conformidade com o espírito que irá ocupá-lo:

Questão 217. E do caráter físico de suas existências pretéritas conserva o Espírito traços nas suas existências posteriores?
 
“O novo corpo que ele toma nenhuma relação tem com o que foi anteriormente destruído. Entretanto, o Espírito se reflete no corpo.
Sem dúvida que este é unicamente matéria, porém, nada obstante, se modela pelas capacidades do Espírito, que lhe imprime certo cunho, sobretudo ao rosto, pelo que é verdadeiro dizer-se que os olhos são o espelho a alma, isto é, que o semblante do indivíduo lhe reflete de modo particular a alma.
 Assim é que uma pessoa excessivamente feia, quando nela habita um Espírito bom, criterioso, humanitário, tem qualquer coisa que agrada, ao passo que há rostos belíssimos que nenhuma impressão te causam, que até chegam a inspirar-te repulsão.
Poderias supor que somente corpos bem moldados servem de envoltório aos mais perfeitos Espíritos, quando o certo é que todos os dias deparas com homens de bem, sob um exterior disforme. Sem que haja pronunciada parecença, a semelhança dos gostos e das inclinações pode, portanto, dar lugar ao que se chama “um ar de família.”
 
A.K.: Nenhuma relação essencial guardando o corpo que a alma toma numa encarnação com o de que se revestiu em encarnação anterior, visto que aquele lhe pode vir de procedência muito diversa da deste, fora absurdo pretender-se que, numa série de existências, haja uma semelhança que é inteiramente fortuita. Todavia, as qualidades do Espírito freqüentemente modificam os órgãos que lhe servem para as manifestações e lhe imprimem ao semblante físico e até ao conjunto de suas maneiras um cunho especial.
(...)


Então, pergunta-se: Teríamos também de forma interligada um ”espíritoperispíritocorpomente”, onde todos estariam conectados e sofrendo a ação constante e direta de uns sobre os outros ou o perispírito não faria parte desta conexão?
Poderia o perispírito também ser afetado e até mesmo danificado por nossas emoções e pensamentos( via espírito) ou mesmo por hábitos cotidianos( via corpo físico)?


Algumas considerações de autores espíritas  sobre a relação entre o perisírito e a formação do corpo físico.


A Evolução Anímica (Gabriel Delanne / 1857 - 1926)

E forçoso admitir, portanto, a intervenção de um novo fator que determine as condições construtivas do edifício vital. Precisamos recorrer ao perispírito, pois ele é que contém o desenho prévio, a lei onipotente que servirá de regra inflexível ao novo organismo, e que lhe assinará o lugar na escala morfológica, segundo o grau de sua evolução no embrião que se executa essa ação diretiva.

Depois da Morte (Léon Denis / 1846 - 1927)

O perispírito torna-se, portanto, um molde fluídico, elástico, que calca sua forma sobre a matéria. Daí dimanam as condições fisiológicas do renascimento. As qualidades ou defeitos do molde reaparecem no corpo físico, que não é, na maioria dos casos, senão imperfeita e grosseira cópia do perispírito.

Missionários da Luz (psicografado por Chico Xavier – 1ª ed: 1943)

(André Luiz perguntando a Alexandre)
- Nosso irmão reencarnante apresentar-se-á, mais tarde, entre os homens, tal qual vivia entre nós? Já que as suas instruções se baseiam na forma perispiritual preexistente, terá ele a mesma altura, bem como as mesmas expressões que o caracterizavam em nossa esfera?
Alexandre respondeu sem titubear:
- Raciocine devagar, André! Falamos da forma preexistente, nela significando o modelo de configuração típica ou, mais propriamente, o «uniforme humano». Os contornos e minúcias anatômicas vão desenvolver-se de acordo com os princípios de equilíbrio e com a lei da hereditariedade. A forma física futura de nosso amigo Segismundo dependerá dos cromossomos paternos e maternos; adicione, porém, a esse fator primordial, a influência dos moldes mentais de Raquel, a atuação do próprio interessado, o concurso dos Espíritos Construtores, que agirão como funcionários da natureza divina, invisíveis ao olhar terrestre, o auxilio afetuoso das entidades amigas que visitarão constantemente o reencarnante, nos meses de formação do novo corpo, e poderá fazer uma idéia do que vem a ser o templo físico que ele possuirá, por algum tempo, como dádiva da Superior Autoridade de Deus, a fim de que se valha da bendita oportunidade de redenção do passado e iluminação para o futuro, no tempo e no espaço.

Evolução em Dois Mundos (Espírito André Luiz – psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira – 1ª ed: 1958)

Os Espíritos categoricamente superiores, quase sempre, em ligação sutil com a mente materna que lhes oferta guarida, podem plasmar por si mesmos e, não raro, com a colaboração de instrutores da Vida Maior, o corpo em que continuarão as futuras experiências, interferindo nas essências cromossômicas, com vistas às tarefas que lhes cabem desempenhar.
Os Espíritos categoricamente inferiores, na maioria das ocasiões, padecendo monoideísmo tiranizante, entram em simbiose fluídica com as organizações femininas a que se agregam, experimentando o definhamento do corpo espiritual ou o fenômeno de “ovoidização”, sendo inelutavelmente atraídos ao vaso uterino, em circunstâncias adequadas, para a reencarnação que lhes toca, em moldes inteiramente dependentes da hereditariedade, como acontece à semente, que, após desligar-se do fruto seco, germina no solo, segundo os princípios organogênicos a que obedece, tão logo encontre o favor ambiencial.

A Caminho da Luz (Emmanuel – psicografado por Chico Xavier – 1ª ed: 1938)

Os séculos correram o seu velário de experiências penosas sobre a fronte dessas criaturas de braços alongados e de pelos densos, até que um dia as hostes do invisível operaram uma definitiva transição no corpo perispiritual preexistente, dos homens primitivos, nas regiões siderais e em certos intervalos de suas reencarnações.
Surgem os primeiros selvagens de compleição melhorada, tendendo à elegância dos tempos do porvir.

Uma transformação visceral verificara-se na estrutura dos antepassados das raças humanas.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 03 de Agosto de 2012, 12:44

Doenças e doentes
Por - Gilberto L. Tomasi

As ciências médicas hoje já entendem que a causa de grande parte das doenças está no próprio doente, em suas atitudes perante a vida. São as chamadas doenças psicossomáticas .
Por isso cabe ao próprio doente um esforço maior para poder curar-se. Em qualquer situação de enfermidade o papel mais importante no tratamento é o do próprio paciente, das suas posturas interiores.
É importante salientar que as doenças não são castigo de Deus. Ele é um pai justo que ensina, educa seus filhos com amor, ensinado-os a agirem e se conduzirem pelas leis da fraternidade e do respeito porque essa é receita para os seres humanos conviverem bem uns com os outros e serem felizes.
Devemos procurar as causas das enfermidades em outras fontes, e elas, certamente, estão em nós mesmos.
Miramez (espírito) explica que os maus pensamentos são um lixo que, por lei, dever ficar com quem os produziu.
Todos nós produzimos, em maior ou menor proporção, esse lixo mental e emocional, poluente da alma, através de pensamentos, sentimentos e atitudes anti-fraternas, depressivas ou viciosas, tais como a inveja, o ódio, rancor, o azedume, a revolta. Assim como  também a luxúria, o egoísmo, a ganância, a violência e tantos outros valores negativos os quais nem sempre percebemos.
Quando isso acontece, nossa própria natureza se encarrega de expulsar parte desse lixo para que não nos sufoque e, essa carga mórbida, ao ser drenada para o corpo carnal se materializa nele em forma de doenças, ou de predisposições para determinadas enfermidades.
Se é assim, por qual razão não adoecem tantos seres perversos, imorais, gananciosos, que estão conosco no cotidiano? Quanto mais atrasado o espírito, mais grosseiro e denso é seu corpo espiritual. Por isso ele pode conviver tranquilamente com o próprio lixo. Mas conforme vai evoluindo espiritualmente, através de reencarnações bem aproveitadas, também mais delicado e sensível vai ficando esse corpo, e maior e mas premente também se torna a necessidade dessa drenagem.
 Existem também pessoas com excelente nível espiritual que geram esse lixo mental e também adoecem. Muitas enfermidades produzidas por estado de espírito negativos são geradas nesta mesma vida, mas há também as que procedem de vidas anteriores.
Existem pessoas que são verdadeiras indústrias de mau humor, vivem se lamentando, reclamam de tudo,outras cultivam emoções e sentimentos negativos como a inveja, ciúme, rancor etc..
Esse tipo de atitudes ou procedimento gera uma energia pesada que fica circulando no sistema energético, provocando bloqueios, produzindo males de maior ou menor gravidade.
Mas nem sempre toda essa carga energética pesada é drenada nesta mesma vida, e esse lixo mental permanece nas profundezas do ser, para vir à tona em futuras encarnações.
Existem muitas narrativas de espíritos contando como algum companheiro, ao programar sua futura encarnação inclui nela alguma enfermidade ou limitação. Isto, visando evitar maiores quedas espirituais, em sua futura  jornada.

Conteúdo de palestra apresntada na Casa Espírita Caminho do Evangelho - SJP
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 03 de Agosto de 2012, 12:54

O significado das doenças

Segundo a psicóloga Americana Louise L. Hay, todas as doenças que temos
são criadas por nós. Afirma ela, que somos 100% responsáveis por tudo de
ruim que acontece no nosso organismo.

Todas as doenças têm origem num estado de não-perdão, diz a psicóloga
Americana Louise L. Hay.

Sempre que estamos doentes, necessitamos descobrir a quem precisamos
perdoar.

Quando estamos empacados num certo ponto, significa que precisamos
perdoar mais.

Pesar, tristeza, raiva e vingança são sentimentos que vieram de um
espaço onde não houve perdão. Perdoar dissolve o ressentimento.
A seguir, você vai conhecer uma relação de algumas doenças e suas
prováveis causas, elaboradas pela psicóloga Louise. Reflita, vale a pena
tentar evitá-las:

DOENÇAS/CAUSAS:

AMIDALITE: Emoções reprimidas, criatividade sufocada.
ANOREXIA: Ódio ao externo de si mesmo.
APENDICITE: Medo da vida. Bloqueio do fluxo do que é bom.
ARTERIOSCLEROSE: Resistência. Recusa em ver o bem.
ARTRITE: Crítica conservada por longo tempo.
ASMA: Sentimento contido, choro reprimido.
BRONQUITE: Ambiente familiar inflamado. Gritos, discussões.
CÂNCER: Mágoa profunda, tristezas mantidas por muito tempo.
COLESTEROL: Medo de aceitar a alegria.
DERRAME: Resistência. Rejeição à vida.
DIABETES: Tristeza profunda.
DIARRÉIA: Medo, rejeição, fuga.
DOR DE CABEÇA: Autocrítica, falta de auto-valorização.
DOR NOS JOELHOS: medo de recomeçar, medo de seguir em frente. Pessoas
que procuram se apoiar nos outros.
ENXAQUECA: Raiva reprimida.. Pessoa perfeccionista.
FIBROMAS: Alimentar mágoas causadas pelo parceiro(a).
FRIGIDEZ: Medo. Negação do prazer.
GASTRITE: Incerteza profunda. Sensação de condenação.
HEMORRÓIDAS: Medo de prazos determinados. Raiva do passado.
HEPATITE: Raiva, ódio. Resistência a mudanças.
INSÔNIA: Medo, culpa.
LABIRINTITE: Medo de não estar no controle.
MENINGITE: Tumulto interior. Falta de apoio.
NÓDULOS: Ressentimento, frustração. Ego ferido.
PELE (ACNE): Individualidade ameaçada. Não aceitar a si mesmo.
PNEUMONIA: Desespero. Cansaço da vida.
PRESSÃO ALTA: Problema emocional duradouro não resolvido.
PRESSÃO BAIXA: Falta de amor quando criança.. Derrotismo.
PRISÃO DE VENTRE: Preso ao passado. Medo de não ter dinheiro suficiente.
PULMÕES: Medo de absorver a vida.
QUISTOS: Alimentar mágoa. Falsa evolução.
RESFRIADOS: Confusão mental, desordem, mágoas.
REUMATISMO: Sentir-se vitima.. Falta de amor. Amargura.
RINITE ALÉRGICA: Congestão emocional. Culpa, crença em perseguição.
RINS: medo da crítica, do fracasso, desapontamento.
SINUSITE: Irritação com pessoa próxima.
TIREÓIDE: Humilhação.
TUMORES: Alimentar mágoas.. Acumular remorsos.
ÚLCERAS: Medo.. Crença de não ser bom o bastante.
VARIZES: Desencorajamento. Sentir-se sobrecarregado.

Curioso não?

Por isso vamos tomar cuidado com os nossos sentimentos. ..
Principalmente daqueles, que escondemos de nós mesmos.

Quem esconde os sentimentos, retarda o crescimento da Alma'.


Remédios indicados: Auto-estima, Perdão, Amor


'De todos os homens que conheço o mais sensato é o meu alfaiate.

Cada vez que vou a ele, toma novamente as minhas medidas.

Quanto aos outros, tomam a medida apenas uma vez e pensam que seu
julgamento é sempre do meu tamanho'
George Bernard Shaw
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 03 de Agosto de 2012, 13:14
Lei de Causa e Efeito.Meus irmãos e minhas irmães,o nosso corpo físico sofre o desgaste
natural imposto pela natureza,essa é a lei da vida.Entretanto o desgaste maior vem de
fatores externos,pois a medida em que o mundo evolui,com a adesão de novas tecnologias
para se modernizar e dá melhor qualidade de vida para quem o habitam,maior é a agressão
sofrida não só o corpo físico mais também a mente e o espírito,parece até que a evolução
do mundo vai no sentido contrário a existência material.O ser humano pela dotação da sua
inteligencia,procura através de pesquisas,novas descobertas que poderão trazer ou não
benefícios para todos.Os produtos que são criados para fazerem face a esta modernidade,
o que mais agredi a  natureza,e consequentemente a todos nós,são os produtos químicos,
e esses são lançados não só na atmosfera como também nos alimentos que ingerimos,sejam
através de hormônios nos animais,e os agrotóxicos nas frutas,verduras e legumes.Para citar
como exemplo,eu tomei conhecimento que um frango que é criado nas granjas,levam cerca de
45 dias de sua fase de pinto até o abate,pois os mesmos ficam sob luz acesa e comendo inces-
-santemente ração trabalhada com hormônios.Entretanto,mesmo diante de toda essas agres-
-sões,existem mecanismos que podemos usa-los em nossa defesa e buscar melhor qualidade
de vida,tais como menos alimentos de origem animal,frutas,verdura e legumes sem agrotóxicos,
exercícios físicos e mentais,e tudo isso com certeza fará com que possamos viver melhor.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 14:03

Doenças e doentes
Por - Gilberto L. Tomasi

As ciências médicas hoje já entendem que a causa de grande parte das doenças está no próprio doente, em suas atitudes perante a vida. São as chamadas doenças psicossomáticas .
Por isso cabe ao próprio doente um esforço maior para poder curar-se.
 Em qualquer situação de enfermidade o papel mais importante no tratamento é o do próprio paciente, das suas posturas interiores.
É importante salientar que as doenças não são castigo de Deus. Ele é um pai justo que ensina, educa seus filhos com amor, ensinado-os a agirem e se conduzirem pelas leis da fraternidade e do respeito porque essa é receita para os seres humanos conviverem bem uns com os outros e serem felizes.
Devemos procurar as causas das enfermidades em outras fontes, e elas, certamente, estão em nós mesmos.
Miramez (espírito) explica que os maus pensamentos são um lixo que, por lei, dever ficar com quem os produziu.
(...)
Se é assim, por qual razão não adoecem tantos seres perversos, imorais, gananciosos, que estão conosco no cotidiano? Quanto mais atrasado o espírito, mais grosseiro e denso é seu corpo espiritual. Por isso ele pode conviver tranquilamente com o próprio lixo. Mas conforme vai evoluindo espiritualmente, através de reencarnações bem aproveitadas, também mais delicado e sensível vai ficando esse corpo, e maior e mas premente também se torna a necessidade dessa drenagem.
 Existem também pessoas com excelente nível espiritual que geram esse lixo mental e também adoecem. Muitas enfermidades produzidas por estado de espírito negativos são geradas nesta mesma vida, mas há também as que procedem de vidas anteriores.
(...)
Mas nem sempre toda essa carga energética pesada é drenada nesta mesma vida, e esse lixo mental permanece nas profundezas do ser, para vir à tona em futuras encarnações.
Existem muitas narrativas de espíritos contando como algum companheiro, ao programar sua futura encarnação inclui nela alguma enfermidade ou limitação.
 Isto, visando evitar maiores quedas espirituais, em sua futura  jornada.

Conteúdo de palestra apresntada na Casa Espírita Caminho do Evangelho - SJP
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 14:07

Por isso vamos tomar cuidado com os nossos sentimentos.
Principalmente daqueles, que escondemos de nós mesmos.

Quem esconde os sentimentos, retarda o crescimento da Alma'.
Remédios indicados: Auto-estima, Perdão, Amor
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 03 de Agosto de 2012, 14:38

CÂNCER NA VISÃO ESPÍRITA

Desde tempos imemoriáveis, a melhor medicina sempre foi a preventiva. O grande alquimista Paracelso insistia: "Não se deve tratar a doença; deve-se tratar a saúde". Podemos dizer que, o melhor meio para não se apanhar uma doença, consiste em se manter saudável. Ou seja, proteger o sistema imunológico, de forma a bloquear qualquer germe ou vírus que tentar invadir nosso organismo. Pode-se pensar que seja fácil atingir tal objetivo, através de uma boa dieta, escolhendo alimentos de baixo valor de colesterol, reduzindo o consumo de carne, abstendo-se de consumir açúcar, realizando exercícios físicos, enfim, submetendo-se a tudo aquilo que uma propaganda insistente nos propõe. Mas como explicar, nesse caso, o elevadíssimo número de pessoas que seguiram rigorosamente tais instruções, julgando estar assim protegidas contra os perigos das doenças para um dia, descobrir que seu organismo estava sendo minado pelo câncer? André Luiz conta, através da psicografia de Chico Xavier que um Espírito ao preparava-se para reencarnar, pediu para seu novo corpo físico uma úlcera que apareceria em sua madureza física e que não deveria encontrar cura até sua desencarnação, para que ele pudesse ressarcir um assassinato que cometeu ao esfaquear um homem (que estava na sua madureza física) na região do estômago. Como vemos, mesmo que este Espírito cuide de sua saúde durante toda sua juventude, não fugirá da úlcera “moral” que “ele pediu”.

 ENTÃO, CÂNCER É UMA ENFERMIDADE CÁRMICA? A experiência diz que sim. Estamos submetidos a um mecanismo de causa e efeito que nos premia com a saúde ou corrige com a doença, de acordo com nossas ações.

O CÂNCER SERIA ENTÃO O RESULTADO DE UM COMPORTAMENTO DESAJUSTADO, EM VIDAS ANTERIORES? Nem sempre. A causa pode estar nesta existência. Um exemplo: as estatísticas demonstram grande incidência de câncer no pulmão, em pessoas que fumam. Há elementos cancerígenos nas substâncias que compõem o cigarro. Quem fuma, portanto, é sério candidato a esse mal. Será o seu carma. Há uma charge ilustrativa, em que um cigarro diz para o fumante: "Hoje você me acende. Amanhã eu o apagarei!" Certíssimo! ESTÁ DEMONSTRADO QUE OS FUMANTES PASSIVOS, PESSOAS QUE CONVIVEM COM FUMANTES, TAMBÉM PODEM TER CÂNCER. COMO EXPLICAR ESSA SITUAÇÃO? ENão há inocentes na Terra, um planeta de provas e expiações. O fumante passivo que venha a contrair câncer tem comprometimentos do passado que justificam seu problema. Aliás, o simples fato de aqui vivermos significa que merecemos (ou necessitamos) tudo o que aqui possa nos acontecer. Se não merecêssemos, estaríamos morando em mundos mais saudáveis. ISSO ISENTA DE RESPONSABILIDADE O FUMANTE QUE POLUI O AMBIENTE, SITUANDO-O COMO INSTRUMENTO DE RESGATE PARA ALGUÉM? Ao contrário, apenas o compromete mais. Deus não necessita do concurso humano para exercitar a justiça. Além de responder pelos desajustes que provoca em si mesmo, responderá por prejuízos causados ao meio ambiente e às pessoas. A MEDICINA VEM DESENVOLVENDO TÉCNICAS PARA A CURA DO CÂNCER. CONCEBE-SE QUE DENTRO DE ALGUMAS DÉCADAS SERÁ POSSÍVEL A CURA REDICAL EM TODAS AS SUAS MANIFESTAÇÕES. COMO FICARÃO AQUELES QUE ESTÃO SE REAJUSTANDO PERANTE AS LEIS DIVINAS A PARTIR DE UM CARCIOMA? A medicina vem fazendo grandes progressos, mas está longe de erradicar a doença. Males são superados; outros surgem, nos domínios da sexualidade, a sífilis era um flagelo, decorrente da promiscuidade. Hoje é a AIDS. A dor, a grande mestra, que tem na enfermidade um de seus aguilhões, continuará a nos corrigir, até que aprendamos a respeitar as leis divinas. A PESSOA QUE SOFRE BASTANTE, VITIMADA POR UM CÂNCER, RESGATOU SEUS DÉBITOS, HABILITANDO-SE A UM FUTURO FELIZ NA ESPIRITUALIDADE? A doença elimina as sombras do passado, mas não ilumina o futuro. Este depende de nossas ações, da maneira como enfrentamos problemas e enfermidades. Quando o nosso comportamento diante da dor não oprime aqueles que nos rodeiam, estamos nos redimindo, habilitados a um futuro glorioso. COMO FUNCIONA ISSO? Se o paciente tem câncer, suas dores implicarão em sofrimento para a família. Tudo bem. Faz parte das experiências humanas. Mas, dependendo da maneira como enfrentar seu problema, poderá gerar aflições bem maiores para todos, o que acontece com o paciente revoltado, inconformado, agressivo. Se humilde e resignado, a família lidará melhor com a situação. Pacientes assim estão "zerando o carma".

Disse padre Léo ao padre Fábio de Melo: "Meu filho, eu nunca pedi a Deus que me curasse do meu câncer, por que seria muito injusto eu plantar limão e querer colher outra coisa. Eu fumei a vida inteira. Então, eu peço a Ele que me ensine a morrer do jeito certo. Se eu não faço minha parte, eu me pergunto: será que é honesto eu pedir que Deus faça a parte Dele? Ele já fez a parte Dele nos dando a vida, precisamos fazer a nossa parte cuidando dela!"
http://grupoallankardec.blogspot.com
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 14:56
Os produtos que são criados para fazerem face a esta modernidade,
o que mais agredi a  natureza,e consequentemente a todos nós,são os produtos químicos,
e esses são lançados não só na atmosfera como também nos alimentos que ingerimos,sejam
através de hormônios nos animais,e os agrotóxicos nas frutas,verduras e legumes.
(..)
Entretanto,mesmo diante de toda essas agressões,existem mecanismos que podemos usa-los em nossa defesa e buscar melhor qualidadede vida,tais como menos alimentos de origem animal,frutas,verdura e legumes sem agrotóxicos,exercícios físicos e mentais,e tudo isso com certeza fará com que possamos viver melhor.
Fiquem na paz.

Olá Antônio,
Não há duvida de que muitos hábitos modernos têm tido um impacto negativo na nossa saúde.
A química Conceição Trucom na sua obra " Alimentação desintoxicante" diz que todos nós estamos intoxicados.
Porém a intoxicação não se refere apenas a elementos externos, mas também internos.
E mais, afirma que nunca a humanidade intoxicou-se tanto e tão rapidamente quanto nas últimas décadas:
" Todos pensam que desintoxicar-se é eliminar do corpo físico aquelas substâncias que reconhecemos como venenosas: os agrotóxicos, o excesso de aditivos químicos dos alimentos industrializados, os resíduos dos remédios que ingerimos para sanar uma doença, os resíduos do álcool, fumo, café ,etc.
Entretanto, a questão é mais complexa.porque a intoxicação não acontece somente no plano físico.
(....)
Existe também uma carga imensa de toxinas(energéticas e psicoemocionais) que são produzidas internamente pelo próprio organismo(...)"
De acordo com a química, estamos expostos a um grande número de toxinas( lixo) produzidos pelo meio externo e por nós mesmos( pensamentos e emoções desequilibradas), quando essa carga de toxina é muito elevada, nosso sistema excretor não consegue dar conta de expeli-lá completamente e vamos acumulando resíduos de toxinas.
Este acúmulo pode interferir de forma negativa no funcionamento da mente.
"  Quanto mais intoxicados pior respiramos. Conclusão: Falta energia, lucidez, agilidade mental, memória e pensamentos positivos."
Como já vimos no estudo a mente interfere diretamente no na saúde do corpo e segundo a pesquisadora o inverso também se verifica.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Kazaoka em 03 de Agosto de 2012, 16:22
Doenças nada mais são do que um dos instrumentos criados pela Divina providência para que o Espírito exponha a elas como meio de reajustamento moral, assim como acontece com outras questões do cotidiano do homem. A cura moral não está em sofrermos essa ou aquela enfermidade ou passarmos por essa ou aquela dificuldade. A pretendida cura ocorre através da forma que passamos por tais experiências.
Quanto as doenças estarem vinculadas exclusivamente aos efeitos da má conduta moral, nesta ou em existências pregressas (como é o caso citado aqui sobre o câncer), por parte de quem as contrai, como explicar a ocorrência dessas mesmas doenças em seres que não têm o princípio moral e que, portanto, não têm nada a resgatar de existências anteriores, pois não tem ainda a consciência de si mesmo e da sobrevivência do espírito? Como por exemplo, os animais inferiores e os vegetais podem apresentarem essas doenças ditas cármicas? Portanto, doenças são próprias da matéria e sua ligação com o Ser espiritual fica em função do efeito que exerçam sobre a moral dos que as contraem, cumprindo assim o seu papel de "facilitadores" da ascensão da Alma.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 18:12
A cura moral não está em sofrermos essa ou aquela enfermidade ou passarmos por essa ou aquela dificuldade. A pretendida cura ocorre através da forma que passamos por tais experiências.
Muito bem colocado Kazaoka.
Quanto as doenças estarem vinculadas exclusivamente aos efeitos da má conduta moral, nesta ou em existências pregressas (como é o caso citado aqui sobre o câncer), por parte de quem as contrai, como explicar a ocorrência dessas mesmas doenças em seres que não têm o princípio moral e que, portanto, não têm nada a resgatar de existências anteriores, pois não tem ainda a consciência de si mesmo e da sobrevivência do espírito?
Como por exemplo, os animais inferiores e os vegetais podem apresentarem essas doenças ditas cármicas?
De acordo com a doutrina a origem do sofrimento é diversa quanto aos homens e animais.
Segundo o livro dos espíritos o sofrimento nos animais não tem caráter expiatório, do que se conclui então que são apenas experiências necessárias para seus aprendizados.
Segundo Herculano Pires considera  “os animais sofrem porque evoluem, e toda evolução é acompanhada das dores do parto que anunciam as transações evolutivas para planos superiores...”.
Emmanuel, em página intitulada Animais e Sofrimento, pisicografada por Chico Xavier, complementa:
 “... Ninguém sofre tão somente para resgatar o preço de alguma coisa. Sofre-se também angariando os recursos preciosos para obtê-la. Assim é que o animal atravessa longas eras para instruir-se... Para atingir a auréola da razão, deve conhecer comprida fieira de experiências... Na posição de espírito sublime, não mais conhece a dor.”
Por outro lado a codificação diz que a origem do sofrimento humano está em parte relacionado aos equívocos passados e presentes.
Temos assim que os animais sofrem pela própria natureza do aprendizado e que nós também, só que além disso também sofremos por conta do reflexo de nossas ações passadas.
Assim, uma doença em um animal nunca terá um fim expiatório, já no homem ela poderá ou não ser fruto de uma expiação do que se conclui que todo sofrimento na terra é sempre para aprendizado, terá um fim útil, mas no casos dos homens além pura  finalidade pedagógica ,ele também pode ter como objetivo reparar desarmonias causadas nas leis universais.
Então penso que poderíamos dizer que , nos humanos, as doenças: são todas por aprendizado, mas podem também ter por finalidade a expiação ou serem meras consequências de atos praticados.
Por exemplo, não me agasalho direito, tomo chuva e de repente me vejo com uma pneumonia isso não é uma expiação de uma vivência passada, mas uma experiência a ser vivenciada, porém causada por mim nesta vida pelo uso do meu livre arbítrio.
Mas, (é aí que entra o elemento metafísico) é o meu estado interno, baseado nas minhas disposições mentais e emocionais, que vai ser determinante para que meu sistema imunológico esteja preparado ou não enfrentar o vírus.
Então mesmo que a doença seja aparentemente causada por um agente externo, o meu estado de espírito manifestado pelo meu estado psicoemocional é que vai ser o divisor de águas.
A próxima parte do estudo irá abordar esta temática: a dor como mecanismo de aprendizado.
Iria deixá-la mais para a frente, mas em razão dos rumos do estudo irei disponibilizá-la antes.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Danilo Henrique em 03 de Agosto de 2012, 18:29
Olá amigos!
O tema "Lei de causa e efeito" é um dos que ainda tenho muito o que aprender.
E que eu gostaria de perguntar aos colegas de boa vontade, é em relação à assertiva de Jesus: "Aquele que mata pela espada morrerá pela espada".
Compreendo o significado da frase. Cristo certamente que faz alusão à lei de causa e efeito, do ponto de vista que abrange não só uma vida, mas toda a senda de reencarnações do Espírito, pois é óbvio que nem sempre se verifica a expiação de uma falta na mesma vida em que ela é cometida, muito menos quando o modo de sofrimento da expiação é o mesmo modo de sofrimento da falta provocada.
Mas embora eu compreenda a lei, não compreendo o processo. De que modo ocorre o transcorrer das dívidas ao longo das várias encarnações do Espírito? O que quero saber é mais ou menos isso: Hoje eu matei alguém pela espada, e como expiação dessa falta, é da Lei que eu sofra expiação semelhante à que eu provoquei, pois foi isso que entendi da frase de Jesus. Mas...como isso acontece? Supondo que saldarei na vida posterior essa dívida, por exemplo, alguém me matando também com uma espada. Isto será mesmo uma consequência ou uma necessidade? E se for uma consequência, como que ocorre essa relação de casualidade? E se for uma necessidade, o que justifica essa necessidade, não do ponto de vista filosófico, mas do ponto de vista cientifico?

Abraços!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 03 de Agosto de 2012, 18:43

CONSEQÜÊNCIAS DO PASSADO - ENFERMIDADES CONGÊNITAS - RETORNO DE SUICIDAS - TRAGÉDIAS PASSIONAIS - INDUÇÕES CRIMINOSAS - DESVIOS MORAIS - ASSASSINOS - CALUNIADORES - EXAGERO À MESA - ALCOOLISMO - PRESENTE, PASSADO E FUTURO


1- Como podemos compreender os resultados de nossas existências anteriores?
Emmanuel - Para compreender os resultados das existências anteriores, baste que o homem observe as próprias tendências, oportunidades, lutas e provas.

2 - Como entender, na essência, as dívidas ou vantagens que trazemos de existências passadas?
Emmanuel - Estudos que efetuamos corretamente, ainda que terminados há longo tempo, asseguram-nos títulos profissionais respeitáveis. Faltas praticadas deixam azeda sucata de dores na consciência, pedindo reparação. Se plantarmos preciosa árvore, desde muito, é natural venhamos a surpreende-la, carregada de utilidades e frutos para os outros e para nós. Se nos empenhamos num débito, é justo suportemos a preocupação de pagar.

3 - Qual a lição que as horas nos ensinam?
Emmanuel - Meditemos a simples lição das horas. Comumente, durante a noite, o homem repousa e dorme; em sobrevindo a manhã, desperta e levanta-se com os bens ou com os males que haja procurado para si mesmo, no transcurso da véspera. Assim, a vida e a morte, na lei da reencarnação que rege o destino.

4 - Qual a situação moral da alma no túmulo e no berço?
Emmanuel - No túmulo, a alma, ainda vinculada ao crescimento evolutivo, entra na posse das alegrias e das dores que amontoou sobre a própria cabeça; no berço, acorda e retoma o arado da experiência, nos créditos que lhe cabe desenvolver e nos débitos que está compelida a resgatar.

5 - Em síntese, onde permanece, espiritualmente, a criatura reencarnada?
Emmanuel - Cada criatura reencarnada permanece nas derivantes de tudo o que fez consigo e com o próximo.
6 - Qual a explicação lógica das enfermidades congênitas?
Emmanuel - Os grandes delitos operam na alma; estados indefiníveis de angústia e choque, daí nascendo a explicação lógica das enfermidades congênitas, às vezes inabordáveis a qualquer tratamento.
7 - O que ocorre aos suicidas nas vidas ulteriores?
Emmanuel - Suicidas que estouraram o crânio ou que se entregaram a enforcamento, depois de prolongados suplícios, nas regiões purgatórias, freqüentemente, após diversos tentames frustrados de renascimento, readquirem o corpo de carne, mas, transportam nele as deficiências do corpo espiritual, cuja harmonia desajustaram. Nessa fase, exibem cérebros retardados ou moléstias nervosas obscuras.
8 - E os protagonistas de tragédias passionais?
Emmanuel - Protagonistas de tragédias passionais, violentas e obscuras, criminosos de guerra, aproveitadores de lutas civis, que manejam a desordem para acobertar interesses escusos; exploradores do sofrimento humano, caluniadores, empreiteiros do aborto e da devassidão e malfeitores outros, que a justiça do mundo não conseguiu cadastrar, voltam à reencarnação em tribulações compatíveis com os débitos que assumiram e, muitas vezes, junto das próprias vítimas, sob o mesmo teto, marcados por idênticos laços consangüíneos, tolerando-se mutuamente, até a solução dos enigmas que criaram contra si mesmos, atento ao reequilíbrio de que se vêem necessitados, ou sofrem a pena do resgate preciso em desastres dolorosos, integrando os quadros inquietantes dos acidentes em que se desdobra o resgate do Espírito reencarnado, seja nos transes individuais ou nas provações coletivas.
9 - E aos cúmplices de erros e enganos?
Emmanuel - As grandes dificuldades não caem exclusivamente sob os suicidas e homicidas comuns. Quantos se fizeram instrumentos diretos ou indiretos das resoluções infelizes que adotaram são impelidos a recebe-los nos próprios braços, ofertando-lhes o recinto doméstico por oficina de regeneração.

10 - O que ocorre àqueles que provocaram o suicídio de alguém?
Emmanuel - Se levianamente provocamos o suicídio de alguém, é possível que tenhamos esse mesmo alguém, muito em breve, na condição de um filho-problema ou de um familiar padecente; requisitando-nos auxílio, na medida das responsabilidades que assumimos na falência a que se arrojou.

11 - Que acontece aos que impelem o próximo à falência moral?
Emmanuel - Se instilamos viciação e criminalidade em companheiros do caminho, asfixiando-lhes as melhores esperanças na desencarnação prematura, é certo que se corporificarão, de novo, na Terra, ao nosso lado, a fim de que lhes prestamos concurso imprescindível à reeducação, na pauta dos compromissos a que nos enredamos, ao precipita-los nos enganos terríveis de que buscam desvencilhar-se, abatidos e desditosos.
Nas mesmas circunstâncias carreamos em nós, enraizadas nas forças profundas da mente, os bens ou os males que cultivamos.
12 - E o que ocorre aos desencarnados que malbarataram os tesouros da emoção e da idéia?
Emmanuel - Quando desencarnados, não fugimos à lei de causa e efeito.
Se malbaratamos os tesouros das emoções e dos pensamentos na Terra, deambulamos nas esferas espirituais por doentes da alma, que a perturbação ensandece, fadados a reaparecer no plano carnal com as enfermidades conseqüentes, a se entranharem nos tecidos orgânicos, que nos compõem a vestimenta física.

13 - E àqueles que se entregam aos desequilíbrios do sexo?
Emmanuel - Nessas condições, o porvir esboça-se, nebuloso, apontando-nos graves lições de refazimento e resgate. Se abraçamos desequilíbrios de sexo, agravados com padecimentos alheios por nossa conta, agüentamos inibições genésicas, muitas vezes, com o cansaço precoce e a distrofia muscular, a epilepsia ou o câncer de permeio.
14 - E àqueles que perpetram crimes?
Emmanuel - Se perpetramos crimes na pessoa dos nossos semelhantes, eis-nos à frente de mutilações dolorosas.
5 - E àqueles que se entregam às extravagâncias da mesa?
Emmanuel - Se nos entregamos à extravagância da mesa, arcamos com ulcerações e gastralgias que persistem tanto tempo quanto se nos perdurem as alterações do veículo espiritual.
16 - E àqueles que se afeiçoam ao alcoolismo?
Emmanuel - Se nos afeiçoamos ao alcoolismo ou ao abuso de entorpecentes, somos induzidos à loucura ou à idiotia seja onde for.
17 - E àqueles que se empenham em delitos de maledicência e calúnia?
Emmanuel - Se nos empenhamos em delitos de maledicência e calúnia, atravessamos vastos períodos de surdez ou mudez, precedidas ou seguidas por distonias correlatas.
18 - As conseqüências de nossos erros se verificam apenas na forma de doenças comuns?
Emmanuel - Não. Além disso, é preciso contar com as probabilidades da obsessão, porquanto, cada vez que ofendemos aos que nos partilham a marcha, atraímos, em prejuízo próprio, as vibrações de revolta ou desespero daqueles que se categorizam por vítimas de nossas ações impensadas.

19 - Qual deve ser a nossa atitude perante as provas da vida?
Emmanuel - Diante das provas inquietantes que se demoram conosco, aprendamos a refletir, para auxiliar, melhorar, amparar e servir aqueles que nos cercam.

20 - Quais as relações entre o presente, o passado e o futuro?
Emmanuel - Todos estamos no presente, com o ensejo de construir o futuro, mas envolvidos nas conseqüências do passado que nos é próprio. Isso porque tudo aquilo que a criatura semeie, isso mesmo colherá.
EMMANUEL
(Do livro “Leis Do Amor”, Francisco Cândido Xavier E Waldo Vieira)
Fonte: Universo Espírita (Livros digitados)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 03 de Agosto de 2012, 18:48

Causa e efeito
 
Embora muitos de nós não entendamos o funcionamento das Leis de Deus, elas se manifestam a cada instante da vida, como mensageiras da Justiça e do Amor Divinos.
Aquele parente difícil, que nos exige constantes sacrifícios, pode ser o companheiro de ontem, a quem atraiçoamos e induzimos à derrocada moral.
A filha incompreensiva e rebelde pode ser a jovem que ontem nos amava, e a quem abandonamos, inclinando-a ao vício. Hoje ela retorna necessitada do nosso amor e da nossa compreensão.
Ontem colocamos o orgulho e a vaidade no peito de um irmão que nos seguia os exemplos menos felizes. Hoje, talvez, o tenhamos de volta, na feição de esposo mandão ou de filho problema, para sorvermos juntos o cálice da redenção.
Ontem, esquecemos compromissos nobres, arrastando alguém ao suicídio. Hoje, possivelmente, reencontramos esse mesmo alguém na pessoa de um filhinho, portador de moléstia irreversível, tutelando-lhe, à custa de lágrimas, o trabalho de reajuste.
Ontem, abandonamos a companheira inexperiente, à míngua de todo auxílio, situando-a nas garras da delinqüência. Hoje, moramos no espinheiro em forma de lar, carregando fardos de angústia, a fim de aprender a plantar carinho e fidelidade.
O marido faltoso de hoje é aquele mesmo homem que, um dia, inclinamos à crueldade e à mentira.
Assim, cada elo de simpatia ou cada sombra de desafeto, que encontramos na família ou na atividade profissional, podem ser forças do passado a nos pedirem mais amplas afirmações de trabalho e dedicação ao bem.
Tenhamos sempre em mente que todos os delitos que cometemos não desaparecerão, no silêncio do túmulo, porque a vida prossegue, além da morte, desdobrando causas e consequências.
Assim sendo, diante de toda dificuldade e de toda prova, façamos o melhor ao nosso alcance.
Ajudemos aos que partilham conosco as experiências, e oremos pelos que nos perseguem, desculpando todos aqueles que nos infelicitam.
A humildade é a chave de nossa libertação. Dessa forma, sejam quais forem os nossos obstáculos, lutemos por superá-los com dignidade e honradez. E não nos esqueçamos de que a conquista da nossa felicidade começa nos alicerces invisíveis da luta dentro do próprio lar.
*   *   *
Sócrates, um dos filósofos mais conhecidos da Humanidade, sintetizou o que pensava sobre a Lei de causa e efeito numa frase de grande sabedoria. Disse simplesmente: A justiça conduz aos nossos lábios a taça que nós mesmos envenenamos.
Ele se referia apenas aos atos infelizes do ser humano, mas nós podemos acrescentar, sem medo de errar, que a justiça também nos devolve em forma de bênçãos felizes todas as boas ações que praticamos.
Assim é a Lei de causa e efeito: justa e sábia como o próprio Criador.
Redação do Momento Espírita com base no cap. II,
do livro Leis de amor, pelo Espírito Emmanuel, psicografia
 de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, ed. Feesp.
Em 23.06.2010.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: M.Altino em 03 de Agosto de 2012, 18:58
Amiga  Susana  antes de tudo os meus parabéns  pelo tema que nos foi proposto e  no qual podemos  meditar e  compreender muitas  duvidas  que sempre nos assolam nesta vida em que todo o efeito tem sempre por base  uma causa.
Em assuntos da lei de causa e efeito, é imperioso não esquecer que todos os valores da vida, desde as mais remotas constelações à mais mínima partícula sub atômica, pertencem a Deus, cujos insondáveis desígnios podem alterar e renovar, anular ou reconstruir tudo o que está feito.
Assim, pois, somos simples usufrutuários da Natureza que consubstancia os tesouros do Senhor, com responsabilidade em todos os nossos atos, desde que já possuamos algum discernimento.
O Espírito, seja onde for, encarnado ou desencarnado, na Terra ou noutros mundos, gasta, em verdade, o que lhe não pertence, recebendo por empréstimos do Eterno Pai os recursos de que se vale para efetuar a própria sublimação no conhecimento e na virtude.
Patrimônios materiais e riquezas da inteligência, processos e veículos de manifestação, tempo e forma, afeições e rótulos honoríficos de qualquer procedência são de propriedade  do  Todo-Misericordioso, que nos concede a título precário, a fim de que venhamos a utilizá-los no aprimoramento de nós mesmos, marchando nas largas linhas da experiência, de modo a entrarmos na posse definitiva dos valores eternos, sintetizados no Amor e na Sabedoria com que, em futuro remoto, Lhe retrataremos a Glória Soberana.
Desde o elétron aos gigantes astronômicos da Tela Cósmica, tudo constitui reservas das energias de Deus, que usamos, em nosso proveito, por permissão Dele , para  promovermos, com firmeza, nossa própria elevação a Sua Majestade Sublime.
Dessa maneira, é fácil perceber que, após conquistarmos a coroa da razão, de tudo se nos pedirá contas no momento oportuno, mesmo porque não há progresso sem justiça na aferição de valores.
Fazemos errado conceito  de vida na Terra, quando nos achamos sempre dispostos a senhorear indebitamente os recursos do estágio humano, em terras e casas, títulos e favores, prerrogativas e afetos, arrastando, por toda a parte, as algemas do mais gritante egoísmo...
No mundo o homem inteligente deve estar farto de saber que todo conceito de propriedade exclusiva não passa de simples suposição.
Por empréstimo, sim, todos os valores da existência lhe são adjudicados pela Providência Divina, por determinado tempo, de vez que a morte funciona como juiz inexorável, transferindo os bens de certas mãos para outras e marcando com inequívoca exatidão o proveito que cada Espírito extrai das vantagens e concessões que lhe foram entregues pelos Agentes da Infinita Bondade. Aí, vemos os princípios de causa e efeito, em toda a força da sua manifestação, porque, no uso ou no abuso das reservas da vida que representam a eterna Propriedade de Deus, cada alma cria na própria consciência os créditos e os débitos que lhe atrairão inelutavelmente as alegrias e as dores, as facilidades e os obstáculos do caminho.
Quanto mais amplitude em nossos conhecimentos, mais responsabilidade em nossas ações. Através de nossos pensamentos, palavras e atos, que nos fluem, invariáveis, do coração, gastamos e transformamos constantemente as energias do Senhor,  na nossa viagem  evolutiva, nos setores da experiência, e, do quilate de nossas intenções e aplicações, nos sentimentos e práticas da marcha, a vida organiza, em nós mesmos, a nossa conta agradável ou desagradável perante as Leis do Destino.
Com um grande abraço de muita paz
[attach=1]
Manuel Altino
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 20:28

Mas embora eu compreenda a lei, não compreendo o processo. De que modo ocorre o transcorrer das dívidas ao longo das várias encarnações do Espírito? O que quero saber é mais ou menos isso: Hoje eu matei alguém pela espada, e como expiação dessa falta, é da Lei que eu sofra expiação semelhante à que eu provoquei, pois foi isso que entendi da frase de Jesus. Mas...como isso acontece? Supondo que saldarei na vida posterior essa dívida, por exemplo, alguém me matando também com uma espada. Isto será mesmo uma consequência ou uma necessidade? E se for uma consequência, como que ocorre essa relação de casualidade? E se for uma necessidade, o que justifica essa necessidade, não do ponto de vista filosófico, mas do ponto de vista cientifico?


Olá Danilo!
Que bom te ver aqui
Olha, suas perguntas talvez sejam as mesmas de muito mas, sinceramente, não tenho conhecimento suficiente para respondê-las.
Isso não impede  que juntos tentemos chegar a algumas conclusões, aliás é este o objetivo do estudo : refletirmos e aprendermos juntos.
Temos livros psicografados que trazem relatos que mostram um pouco como seriam estes processos, porém não encontramos este grau de minúcia na codificação.
Entendo o que trazes, não sei quando Jesus disse a frase se ela  foi simbólica ou não.
Como Jesus se utilizava muito de metáforas fica ás vezes difícil saber se estamos interpretando de forma correta suas falas, se o que disse era aquilo mesmo ou se estava falando algo com um sentido mais profundo.
Se matei alguém pela espada necessariamente tenho que ser assassinado na próxima encarnação?
A reparação da falta pode ser feita de outra forma?
Exemplo, uma mulher que aborte, matou, então numa próxima existência ela também será asassinada ou poderá sua falta ser reparada de outra maneira ,por exemplo ,através da incapacidade de engravidar?
A lei de acusa e efeito é algo automático, tipo, plantou colheu, ou poder ser que dependendo da situação a expiação não seja necessária?
Exemplo, matou alguém. Ainda em vida se arrependeu , teve um despertar espiritual e aprendeu a lição do amor de forma verdadeira ainda encarnado e mudou o rumo de sua vida.
Necessariamente, terá que ser assassinado como efeito da lei da causa e efeito, ou diante do aprendizado a espiritualidade pode considerar que aquilo não é mais necessário pois ele já internalizou o aprendizado?
Enfim....
Olha Danilo, que posso te dizer é que suas dúvidas, também são as minhas e ainda hoje não consegui formar uma opinião sobre o assunto, mas acho que o estudo é uma ótima oportunidade para chegamos juntos a algumas conclusões.
Da minha parte, irei meditar sobre suas reflexões, e se chegar a alguma conclusão postarei aqui no tópico.
grande abraço
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 20:42

Por empréstimo, sim, todos os valores da existência lhe são adjudicados pela Providência Divina, por determinado tempo, de vez que a morte funciona como juiz inexorável, transferindo os bens de certas mãos para outras e marcando com inequívoca exatidão o proveito que cada Espírito extrai das vantagens e concessões que lhe foram entregues pelos Agentes da Infinita Bondade.

Aí, vemos os princípios de causa e efeito, em toda a força da sua manifestação, porque, no uso ou no abuso das reservas da vida que representam a eterna Propriedade de Deus, cada alma cria na própria consciência os créditos e os débitos que lhe atrairão inelutavelmente as alegrias e as dores, as facilidades e os obstáculos do caminho.

Quanto mais amplitude em nossos conhecimentos, mais responsabilidade em nossas ações.
Através de nossos pensamentos, palavras e atos, que nos fluem, invariáveis, do coração, gastamos e transformamos constantemente as energias do Senhor,  na nossa viagem  evolutiva, nos setores da experiência, e, do quilate de nossas intenções e aplicações, nos sentimentos e práticas da marcha, a vida organiza, em nós mesmos, a nossa conta agradável ou desagradável perante as Leis do Destino.
Com um grande abraço de muita paz
(Ligação para o anexo)
Manuel Altino

Querido Altino!
Muito obrigada pela presença e pelo maravilhoso texto.
Impossível tecer qualquer comentário de um texto que já diz tudo.
Só me resta então copiar um trecho da sua belíssima mensagem para que meditemos.
abraços fraternos
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 20:48

CONSEQÜÊNCIAS DO PASSADO - ENFERMIDADES CONGÊNITAS - RETORNO DE SUICIDAS - TRAGÉDIAS PASSIONAIS - INDUÇÕES CRIMINOSAS - DESVIOS MORAIS - ASSASSINOS - CALUNIADORES - EXAGERO À MESA - ALCOOLISMO - PRESENTE, PASSADO E FUTURO


1- Como podemos compreender os resultados de nossas existências anteriores?
Emmanuel - Para compreender os resultados das existências anteriores, baste que o homem observe as próprias tendências, oportunidades, lutas e provas.

2 - Como entender, na essência, as dívidas ou vantagens que trazemos de existências passadas?
Emmanuel - Estudos que efetuamos corretamente, ainda que terminados há longo tempo, asseguram-nos títulos profissionais respeitáveis. Faltas praticadas deixam azeda sucata de dores na consciência, pedindo reparação. Se plantarmos preciosa árvore, desde muito, é natural venhamos a surpreende-la, carregada de utilidades e frutos para os outros e para nós. Se nos empenhamos num débito, é justo suportemos a preocupação de pagar.

6 - Qual a explicação lógica das enfermidades congênitas?
Emmanuel - Os grandes delitos operam na alma; estados indefiníveis de angústia e choque, daí nascendo a explicação lógica das enfermidades congênitas, às vezes inabordáveis a qualquer tratamento.

7 - O que ocorre aos suicidas nas vidas ulteriores?
Emmanuel - Suicidas que estouraram o crânio ou que se entregaram a enforcamento, depois de prolongados suplícios, nas regiões purgatórias, freqüentemente, após diversos tentames frustrados de renascimento, readquirem o corpo de carne, mas, transportam nele as deficiências do corpo espiritual, cuja harmonia desajustaram. Nessa fase, exibem cérebros retardados ou moléstias nervosas obscuras.


12 - E o que ocorre aos desencarnados que malbarataram os tesouros da emoção e da idéia?
Emmanuel - Quando desencarnados, não fugimos à lei de causa e efeito.
Se malbaratamos os tesouros das emoções e dos pensamentos na Terra, deambulamos nas esferas espirituais por doentes da alma, que a perturbação ensandece, fadados a reaparecer no plano carnal com as enfermidades conseqüentes, a se entranharem nos tecidos orgânicos, que nos compõem a vestimenta física.

13 - E àqueles que se entregam aos desequilíbrios do sexo?
Emmanuel - Nessas condições, o porvir esboça-se, nebuloso, apontando-nos graves lições de refazimento e resgate. Se abraçamos desequilíbrios de sexo, agravados com padecimentos alheios por nossa conta, agüentamos inibições genésicas, muitas vezes, com o cansaço precoce e a distrofia muscular, a epilepsia ou o câncer de permeio.

14 - E àqueles que perpetram crimes?
Emmanuel - Se perpetramos crimes na pessoa dos nossos semelhantes, eis-nos à frente de mutilações dolorosas.

15 - E àqueles que se entregam às extravagâncias da mesa?
Emmanuel - Se nos entregamos à extravagância da mesa, arcamos com ulcerações e gastralgias que persistem tanto tempo quanto se nos perdurem as alterações do veículo espiritual.

16 - E àqueles que se afeiçoam ao alcoolismo?
Emmanuel - Se nos afeiçoamos ao alcoolismo ou ao abuso de entorpecentes, somos induzidos à loucura ou à idiotia seja onde for.

17 - E àqueles que se empenham em delitos de maledicência e calúnia?
Emmanuel - Se nos empenhamos em delitos de maledicência e calúnia, atravessamos vastos períodos de surdez ou mudez, precedidas ou seguidas por distonias correlatas.

18 - As conseqüências de nossos erros se verificam apenas na forma de doenças comuns?
Emmanuel - Não. Além disso, é preciso contar com as probabilidades da obsessão, porquanto, cada vez que ofendemos aos que nos partilham a marcha, atraímos, em prejuízo próprio, as vibrações de revolta ou desespero daqueles que se categorizam por vítimas de nossas ações impensadas.

20 - Quais as relações entre o presente, o passado e o futuro?
Emmanuel - Todos estamos no presente, com o ensejo de construir o futuro, mas envolvidos nas conseqüências do passado que nos é próprio. Isso porque tudo aquilo que a criatura semeie, isso mesmo colherá.
EMMANUEL
(Do livro “Leis Do Amor”, Francisco Cândido Xavier E Waldo Vieira)
Fonte: Universo Espírita (Livros digitados)

Olá Maria,
Muito elucidativas as explicações de Emmanuel.
Tomei a liberdade de selecionar as principais perguntas do seu comentário.
abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 20:54

*   *   *
Sócrates, um dos filósofos mais conhecidos da Humanidade, sintetizou o que pensava sobre a Lei de causa e efeito numa frase de grande sabedoria.
Disse simplesmente: A justiça conduz aos nossos lábios a taça que nós mesmos envenenamos.
Ele se referia apenas aos atos infelizes do ser humano, mas nós podemos acrescentar, sem medo de errar, que a justiça também nos devolve em forma de bênçãos felizes todas as boas ações que praticamos.
Assim é a Lei de causa e efeito: justa e sábia como o próprio Criador.
Redação do Momento Espírita com base no cap. II,
do livro Leis de amor, pelo Espírito Emmanuel, psicografia
 de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, ed. Feesp.
Em 23.06.2010.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Kazaoka em 03 de Agosto de 2012, 22:10

O tema "Lei de causa e efeito" é um dos que ainda tenho muito o que aprender.
E que eu gostaria de perguntar aos colegas de boa vontade, é em relação à assertiva de Jesus: "Aquele que mata pela espada morrerá pela espada".
Compreendo o significado da frase. Cristo certamente que faz alusão à lei de causa e efeito (...)

Danilo, sobre essa assertiva de Jesus, entendo que Ele se referia sim, à Lei de Causa e Efeito. Porém, não com a conotação que muitas vezes atribuímos a ela. Acredito que o que Jesus quis dizer é que tudo emana de nós e para nós retornará. Se você dissemina o bem, aquele que o recebeu de você faz o seu papel redistribuindo o bem que recebeu e assim por diante, em dado momento, sem que você tenha consciência da sua posição no circulo de disseminação do bem que se estabeleceu e que você promoveu, você estará sendo beneficiado, estará colhendo o fruto da sementeira que você ajudou formar. Agora, se o fruto é doce ou amargo, isso vai depender da semente que plantamos.
Se fizermos uma análise simplista dessa frase de Jesus, não poderemos desconsiderar que isso criaria uma cadeia de débitos e créditos entre os Espíritos que nunca fecharia, haveria sempre um resgatando e um contraindo débitos.     
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 03 de Agosto de 2012, 22:34

Se fizermos uma análise simplista dessa frase de Jesus, não poderemos desconsiderar que isso criaria uma cadeia de débitos e créditos entre os Espíritos que nunca fecharia, haveria sempre um resgatando e um contraindo débitos.   

Muito bem colocado.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Agosto de 2012, 10:28

Part III
  A doença como mecanismo de aprendizado


"Quando a gente não aprende pelo amor, a Vida ensina pela Dor".

                                                ditado espírita

A Doença

 textos retirados da obra Metafísica da saúde, volume I de Valcapelli & Gasparetto

"Se você apresenta algum problema físico, é importante perceber qual aspecto da vida está deixando de fluir adequadamente.
A doença é a manifestação dos  conflitos interiores.

É você quem cria as condições propícias à manifestação das doenças.
Da mesma forma, você também tem a capacidade de destruí-las e sarar.
Talvez seja difícil  conceber que você é a causa dos distúrbios da saúde, pois aprendeu erradamente que  o corpo fica doente sem a sua participação.
A metafísica vem mostrando que cada um é responsável por tudo que acontece em seu corpo.
Ser responsável por uma doença, não significa ,necessariamente, que somos os causadores dela.
Para esclarecer este aparente paradoxo, cabe  trazer algumas palavras de Deepak Chopra:
“ Estar relacionado a uma doença não significa causá-la.
Se você sair no inverno sem agasalho, pode apanhar um resfriado. Se isso acontecer, seu descuido fez sua parte, mesmo que um microbiolgista esteja certo ao afirmar que  o que causou o resfriado foi um vírus.
Eu não estou radicalizando a questão a ponto de afirmar que “você causou seu câncer, seu infarto, sua AIDS”, mas acredito que você não está tão afastado destas moléstias.
Na verdade, sendo participantes ativos não nos transformamos em tristes vítimas desamparadas.”

Continua  Valcapelli & Gasparetto:
 “Uma vez já somatizada a doença, é preciso ter o acompanhamento médico para
restabelecer o físico. Paralelamente ao uso de medicamentos, é necessário mudar as
atitudes inadequadas que causam prejuízos emocionais e físicos.

 Os remédios tratam o físico, fortalecem temporariamente o corpo e eliminam os
sintomas. Mas, se você não mudar a condição interna que está gerando a doença, ela
surge em outra área do organismo.


A dor é uma sensação exagerada, com o intuito de despertar a consciência para
as nossas inadequações.
Ela não é o único caminho para o progresso espiritual, como
muitos pensam. Ela faz parte da vida daqueles que resistem ao fluxo natural do ser e
persiste enquanto não houver a reformulação interior.

 Essa transformação pode ocorrer naturalmente durante o período de
convalescença, sem que a pessoa associe seu emocional afetado com a doença,
apesar de estarem intimamente interligados. A dor promove um estado de reflexão. O
simples fato de se abster da dinâmica do cotidiano  por conta de sua condição
debilitada já é um fator positivo para se trabalhar interiormente.

Quando isso acontece, a pessoa altera seus valores e supera esse período
obscuro de sua vida com uma nova postura. Ninguém sai de uma fase de sofrimento
com a mesma cabeça, porque a situação só muda se você mudar.

 A dor tem um poder de transformar o indivíduo. Ela é uma condição extrema
para superar os bloqueios instalados durante a trajetória de vida. Ela só passa
definitivamente quando a pessoa muda sua atitude interna.
 A cura é uma combinação do tratamento físico com o reposicionamento interior.
Do mesmo modo que é importante procurar o médico, também é necessário investigar
as causas emocionais. Uma vez reparada a condição interna, o tratamento físico se
torna mais eficaz.
 A consciência metafísica acelera o processo de recuperação, por indicar em
você aquilo que está mal resolvido. Partindo disso, é só ter boa vontade, abandonar a
vaidade e não ser resistente, que a reformulação acontece com naturalidade.

Por que ficamos doentes?


A cada dia que passa nós vamos descobrindo mais sobre o funcionamento da
natureza.
Desta vez é nosso corpo e a tentativa de responder  a perguntas intrigantes,
como:
Por que ficamos doentes?
Ou mesmo:
Por que um câncer se instala em nossa perna e não em nosso braço?
Ou ainda:
Por que uma forma de doença e não outra?
Por que agora em minha vida, quando tudo parecia bem?
Ao longo da trajetória das ciências médicas, muito pouco se tem conseguido.
A Psicossomática ainda parece engatinhar. Mesmo a medicina paralela, não
convencional e alternativa, parece ter muitos problemas para entender ou explicar
estas questões.
(...)
A grande maioria das pessoas atribui à sorte, ao azar, ao acaso ou a um poder
superior a causa e o comando de tudo que lhes acontece na vida.
Com isso, jamais procuram verificar a verdade sobre os fatos.
Elas preferem optar por uma atitude conformista ou comodista, alimentando uma postura interna de vítimas que as faz sentirem-se coitadas.
É comum, nas situações dolorosas que afetam a elas mesmas ou os outros, as
pessoas se acovardarem, em vez de resistirem com coragem e determinação.
 Quando  não compreendem a causa de certos acontecimentos catastróficos, alguns justificam
seu comodismo com frases como: "Deus ou o destino quis assim" ou "Não aconteceu
porque não era para ser". Outros preferem se revoltar a procurar desvendar a
verdadeira realidade dos fatos.
Reagir com comodismo ou revolta é preservar uma  atitude de vítima.
(...)
Pensar dessa maneira causa-lhe complicações e sofrimentos que reprimem a expressão de vida. Aquele que se julga vítima acredita que está no mundo para sofrer.
Alimentar pensamentos dessa ordem não lhe permitirá usar seu poder de transformar
os acontecimentos desagradáveis e edificar uma vida melhor.
(...)
A idéia de sermos vítimas das fatalidades não é a melhor concepção de vida.
(...)
A natureza é sábia, portanto para toda ação há sempre uma causa, mesmo
quando nossa inteligência não consegue alcançar o conhecimento dos processos da
vida.

Quem segue sua intuição e busca uma outra visão dos acontecimentos,
rompendo com a concepção do acaso e da injustiça, acaba encontrando as respostas
para as ocorrências desagradáveis.
 (...)
Qual a explicação plausível para o que acontece de bom ou prejudicial em nossa
vida?
A resposta é: Você é a causa de tudo!

É o centro de sua vida e senhor de seu  próprio destino.
(...)
Acatar a consciência metafísica é abandonar o pretexto de atribuir ao externo suas
frustrações internas; é reconhecer em si mesmo o referencial manifestador que cria a
realidade, atraindo para si tudo de bom ou ruim que lhe acontece na vida.

A vantagem dessa mudança é que você resgata o poder natural e passa a ter
capacidade para transformar as situações desagradáveis que estão à sua volta,
alterando o curso de sua vida para melhor.
Se de um lado você perde o álibi que justifica suas inabilidades, por outro
adquire o poder interior de intervir nas situações externas. Essa postura vai tirá-lo da
passividade e da dependência dos outros ou da concessão das forças naturais,
proporcionando as condições internas necessárias para edificar uma vida nova.
 (...)
A consciência metafísica não irá privá-lo das experiências de vida, ela atenua a
intensidade dos obstáculos porque o fortalece para  enfrentá-los e favorece na
transposição dos desafios, resgata o poder interior e promove o reconhecimento dos
potenciais latentes na alma."



Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 04 de Agosto de 2012, 12:37
Lei de casa e efeito. Caros irmãos e irmães,ainda quanto a pergunta do nosso irmão Danilo,
"aquele que mata pela espada,pela espada morrerá"Jesus em suas parabolas não quiz
com isto dizer que:"Quem com fero fere,com ferro será ferido". Baseado na lei de causa e
efeito:O que fizeres de bem ou de mal,a ti retornará,é o que eu penso.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 04 de Agosto de 2012, 13:03

Justiça Divina
José Argemiro da Silveira
de Ribeirão Preto, SP

“A cada um será dado segundo as suas obras” - Jesus (Mateus, cap. 17, v. 27)

Lei de Causa e Efeito é a lei divina pela qual a cada ato do ser, corresponde um efeito, um estado, uma obra. No plano físico, a terceira lei de Newton estabelece que quando um elemento material interage com o outro, provocando nele uma força, sofre, automática e instantaneamente uma força contrária de mesma intensidade. No plano espiritual ocorre o mesmo fato. O Espírito tem a liberdade de ação. Pode agir corretamente, ou seja, de acordo com a Lei divina, produzindo, como resultado, o seu progresso e, conseqüentemente, felicidade, satisfação. E pode agir de maneira contrária à lei divina. Como resultado experimentará a frustração, o sofrimento, até compreender a lei de melhor modo.
No Livro dos Espíritos, questão 807, indaga: “Que pensar dos que abusam da superioridade de sua posição social para oprimir o fraco em seu proveito?” Resposta: “São infelizes. Serão oprimidos por sua vez e renascerão numa existência em que sofrerão tudo o que fizeram sofrer”. E no evangelho de Mateus, cap. 5, vers. 25 e seguintes, recomenda Jesus: “Reconciliai-vos o mais depressa possível com o vosso adversário, enquanto estais com ele a caminho”. No capítulo X, item 6, de “Evangelho Segundo o Espiritismo”, Allan Kardec considera que na prática do perdão e do bem em geral há, além de um efeito moral, também um efeito material. Porque quando perdoamos; e quando procuramos fazer o bem estamos realizando boas causas, lançando boa semente ao solo da vida que, por certo, beneficiarão o próprio semeador.
Os ensinos de Jesus são claros a esse respeito, e é tão lógica e digna do Criador essa lei que é difícil entender porque ela não é mais estudada e divulgada. Naturalmente a dificuldade de entendimento da referida lei está ligado à dificuldade que se tem em aceitar a imortalidade do Espírito, e o seu processo evolutivo ao longo do tempo. Sim, porque ao considerar a vida apenas no curto período que vai do berço ao túmulo, inúmeras causas, que produzem efeitos nesta existência, ocorreram em épocas anteriores, e, por outro lado, efeitos de causas da existência atual só vão aparecer no futuro, fora do período acima referido, dificultando a compreensão da lei. A má ação pode não dar frutos imediatos, assim como o leite derramado não azeda imediatamente. Enquanto a má ação não produz resultados, o perverso nela se satisfaz. Mas chegará o momento em que ela lhe trará frutos amargos. Por outro lado, a pessoa age corretamente com os outros, auxilia, procura fazer o bem, e o resultado não aparece, a curto e médio prazo. A pessoa às vezes desiste de praticar o bem porque desanima, não vê resultados. Entretanto, os estudiosos do assunto afirmam com segurança: “Nem no ar, nem nas profundezas do oceano, nem nas cavernas das montanhas, em nenhum outro lugar do mundo podemos nos abrigar do resultado do mal, ou do bem praticados”.
Continua...
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 04 de Agosto de 2012, 13:05

Continuando...

O aparecimento dos efeitos

O aparecimento dos efeitos de uma determinada ação pode ser:
a) a curto prazo, até de imediato, Ex.: Um acidente de veículo, ou outro acidente qualquer, por imprudência. Uma agressão verbal, ou física, e a conseqüente reação do ofendido, etc.;
b) a médio prazo (após a morte do corpo físico); e
c) a longo prazo (em outras existências)
Os fatos que ocorrem em nossas vidas têm causas e terão conseqüências. As condições em que vivemos neste momento são resultado do que fizemos no passado. Algumas das circunstâncias que nos rodeiam no presente são conseqüências do que fizemos há pouco tempo, e outras vêm de passado remoto. Ex.: A pessoa pode comer em excesso, alimentos prejudiciais à saúde, ou se entregar a vícios (fumo, alcoólicos, etc.) e as conseqüências só vão aparecer depois de algum tempo. Ou agir corretamente com os outros (auxiliando, desculpando, colaborando) e o resultado dessas voas ações só surgirão tempos depois. Quando o efeito aparece, de causa que ficou há muito no passado, a pessoa atribui ao destino, a castigos de Deus, ou à sorte. Os instrutores espirituais, (entre eles André Luiz) nos esclarecem que há ações de conseqüências tão graves, tão fortes, que o Espírito só vai poder suportá-la (a conseqüência) muito tempo depois, após várias existências, após ter evoluído, amadurecido, enfim reunido condições para resgatar o seu débito. Se a conseqüência de tais desatinos se dessem em menor espaço de tempo, o Espírito não teria forças para suportar.
Importante destacar que o objetivo da Lei não é punir, mas educar. Aprender o valor do bem às vezes passa por aprender o valor do mal, valor que não pode ser sentido, por vezes, a não ser que fira o próprio sujeito, que desmanche o próprio orgulho. Pode parecer punição, mas sempre encerra a sabedoria de Deus. O pior erro é congelar-se mentalmente naquilo que nos fez sofrer. Daí a necessidade de trabalhar pela auto-estima, limpar o íntimo de ressentimentos, de mágoas, de sentimentos contrários ao amor, à fraternidade. Se hoje está ruim, por causa de ontem, podemos mudar o amanhã através de nossas ações, no presente. O tema é importante e vasto. Os interessados em aprofundar o assunto devem ler o livro “Ação e Reação”, de André Luiz, psicografado por Francisco Cândido Xavier.
(Jornal Verdade e Luz Nº 193 Fevereiro de 2002)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 04 de Agosto de 2012, 13:08

A Lei de Causa e Efeito (Mateus, XXVI, 52, "Prisão de Jesus").

Na prisão de Jesus, o apóstolo Pedro, tentando defendê-lo, saca uma espada e corta a orelha de um soldado. Energicamente, Jesus o repreende, afirmando claramente a Pedro: Quem por espada ferir, por espada será ferido. É a lei de Causa e Efeito, Ação e Reação, ou Plantio e Colheita, que explica a Doutrina Espírita. Tudo o que fazemos, de bem ou mal, retornará a nós mesmos, nesta ou em outras encarnações. É a justiça de Deus, beneficiando-se com nossos bons atos e ensinando-nos com nossas atitudes impensadas, que nos farão refletir e modificar as más tendências.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Agosto de 2012, 13:35
Bom dia a todos!
retomando os estudos, em relação à Parte 2 que se refere à influência do perispírito no desevolvimento de enfermidades físicas, interessante esta afirmação de Kardec na obra A Gênese:
" O perispírito desempenha um papel tão importante no organismo, e num multidão de afecções, que se liga à fisiolgia tão bem quanto à psicologia."

Afecções significa enfermidade, doença, moléstia.

Kardec está aqui afirmando que existe influência do perispírito sobre a manifestação de enfermidades, então teríamos,dentro da própria codificação, a resposta parcial a uma das peguntas suscitadas pelo estudo
Ao longo  deste estudo já vimos que na codificação existe a afirmação de que as qualidades do espírito interferem na formação do corpo e que , nas palavras de Kardec, estas qualidades  freqüentemente modificam os órgãos que lhe servem para as manifestações.
Deste modo, combinando a leitura da questão 217 do LE com a citação apresentada na obra A Gênese, temos então a seguinte conclusão:
o espírito imprime suas qualidades no corpo através do perispírito e que este  teria um papel ativo no processo de manifestação das enfermidades no corpo físico.
 

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Agosto de 2012, 15:48
Lei de casa e efeito. Caros irmãos e irmães,ainda quanto a pergunta do nosso irmão Danilo,
"aquele que mata pela espada,pela espada morrerá"Jesus em suas parabolas não quiz
com isto dizer que:"Quem com fero fere,com ferro será ferido". Baseado na lei de causa e
efeito:O que fizeres de bem ou de mal,a ti retornará,é o que eu penso.
Fiquem na paz.
Amigo Renato, me parece que esta também seria a melhor interpretação do ensinamento de Jesus.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Mourarego em 04 de Agosto de 2012, 17:12
Não poderia ser diferente maninha Susaninha.
Sendo o perispírito o agente das sensações do Espírito, é o estado em que esteja o segundo quem norteará as apreensões e as conseqüências destas que o perispírito trás e envia.
mas isso não quer dizer de uma ação, avaliada, pensada e urdida pelo agente mas sim que este repercutirá tudo o que o Espirito tiver, de bom ou de ruim. Este o seu grau de influência no trabalho anotado.
abraços,
Moura
Bom dia a todos!
retomando os estudos, em relação à Parte 2 que se refere à influência do perispírito no desevolvimento de enfermidades físicas, interessante esta afirmação de Kardec na obra A Gênese:
" O perispírito desempenha um papel tão importante no organismo, e num multidão de afecções, que se liga à fisiolgia tão bem quanto à psicologia."

Afecções significa enfermidade, doença, moléstia.

Kardec está aqui afirmando que existe influência do perispírito sobre a manifestação de enfermidades, então teríamos,dentro da própria codificação, a resposta parcial a uma das peguntas suscitadas pelo estudo
Ao longo  deste estudo já vimos que na codificação existe a afirmação de que as qualidades do espírito interferem na formação do corpo e que , nas palavras de Kardec, estas qualidades  freqüentemente modificam os órgãos que lhe servem para as manifestações.
Deste modo, combinando a leitura da questão 217 do LE com a citação apresentada na obra A Gênese, temos então a seguinte conclusão:
o espírito imprime suas qualidades no corpo através do perispírito e que este  teria um papel ativo no processo de manifestação das enfermidades no corpo físico.
 

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Marlenedd em 04 de Agosto de 2012, 19:16
Não se esqueçam de Deus, por favor, porque além de Deus, o causador de tudo e todas as coisas, só há efeitos.

Profissão de fé espírita raciocinada

1. Há um Deus, inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas.

A prova da existência de Deus está no axioma: Não há efeito sem causa. Vemos incessantemente uma multidão inumerável de efeitos, cuja causa não está na Humanidade, uma vez que a Humanidade está impossibilitada de reproduzi-los, e mesmo de explicá-los: a causa está, pois, acima da Humanidade. É a essa causa que se chama Deus, Jeová, Alá, Brama, Fo-hi, Grande Espírito, etc., segundo as línguas, os tempos e os lugares.

Esses efeitos, de nenhum modo, não se produzem ao acaso, fortuitamente e sem ordem; desde a organização do menor inseto, e do maior grão, até à lei que rege os mundos circulando no espaço, tudo atesta um pensamento, uma combinação, uma previdência, uma solicitude que ultrapassam todas as concepções humanas. Essa causa é, pois, soberanamente inteligente.

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Agosto de 2012, 20:03
Não poderia ser diferente maninha Susaninha.
Sendo o perispírito o agente das sensações do Espírito, é o estado em que esteja o segundo quem norteará as apreensões e as conseqüências destas que o perispírito trás e envia.
mas isso não quer dizer de uma ação, avaliada, pensada e urdida pelo agente mas sim que este repercutirá tudo o que o Espirito tiver, de bom ou de ruim. Este o seu grau de influência no trabalho anotado.
abraços,
Moura

Olá Moura!
Seja bem vindo!
Obrigada pela explicação.
Na verdade trouxe esta colocação porque na parte 2 do estudo se discute a afirmação de que o perispírito seria o molde do corpo físico.
Esta afirmação ás vezes causa dúvida, porque há os que entendem que não existe na codificação nada que indique  isso.
Realmente não vamos achar na doutrina a expressão exata," o perispírito molda o corpo físico", mas da leitura integrada entre seus textos, fica claro que o perispírito,  exerce , e no dizer dos espíritos, uma influência muito importante no organismo físico.
Além disso, há relatos mediúnicos que informam que hábitos adotados nesta vida que desequilibram o veículo físico também atingem o corpo perispiritual, justamente por conta desta integração.
Sabemos que o espírito através do perispírito imprime suas características no veículo físico, resta agora saber se situações que se manifestam em âmbito físico e prejudicam a saúde do veículo carnal,  também interferem no perispírito.
Você entende que existe esta relação?
abraços
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Agosto de 2012, 20:08
Não se esqueçam de Deus, por favor, porque além de Deus, o causador de tudo e todas as coisas, só há efeitos.

Olá Marlenne,
Sim, Deus é o causados de todas as coisas.
As própria leis universais, dentre elas a de causa e efeito, são manifestações divinas.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Agosto de 2012, 22:05
Texto complementar á parte 2 do estudo

A Gênsese- Allan Kardec

Qualidade dos Fluídos

20. O pensamento produz pois uma espécie de efeito físico, que reage sobre o moral; é isso que unicamente o Espiritismo poderia fazer compreender.
O homem o sente instintivamente, pois que procura as reuniões homogêneas e simpáticas, onde sabe que pode absorver novas forças morais; poder-se-ia dizer que ele ali recupera as perdas fluídicas que sofre a cada dia pela irradiação do pensamento, assim como recupera através dos alimentos, as perdas do corpo material.
É que, efetivamente, o pensamento é uma emissão que ocasiona perdas reais nos fluidos espirituais, e por conseguinte nos fluidos materiais, de tal sorte que o homem tem necessidade de se retemperar nos eflúvios que recebe de fora.

Quando se diz que um médico cura seu paciente com boas palavras, estamos expondo uma verdade absoluta, pois o pensamento benfazejo traz consigo fluidos reparadores que atuam sobre o físico tanto como sobre o moral.

21. Dir-se-á que se podem evitar os homens mal intencionados; porém, como subtrair-se à influência dos maus Espíritos que pululam em nosso derredor e se insinuam por toda a parte sem ser vistos?

O meio é muito simples, pois depende da vontade do próprio homem, que traz em si mesmo o preservativo necessário. Os fluidos se unem em razão da semelhança de sua natureza; os fluidos dissemelhantes se repelem; há incompatibilidade entre os bons e os maus fluidos, como entre o azeite e a água.

Que se faz então, quando o ar está viciado? Saneamo-lo, o purificamos, destruindo o foco dos miasmas, combatendo os eflúvios malsãos por correntes mais fortes de ar salubre.
À invasão dos maus fluidos, pois, é preciso opor os bons fluidos; e, como cada um tem em seu próprio perispírito uma fonte fluídica permanente, trazemos o remédio em nós mesmos; trata-se de purificar esta fonte e dar-lhe tais qualidades, que sejam um verdadeiro repulsor para as más influências, em lugar de ser para elas uma força de atração.
O perispírito é pois uma couraça à qual é preciso dar a melhor têmpera possível; ora, como as qualidades do perispírito estão em razão das qualidades da alma, será preciso trabalhar em sua própria melhoria, pois são as imperfeições da alma que atraem os maus Espíritos.

As moscas se dirigem para onde haja focos de corrupção que as atraem; destruídos tais focos, as moscas desaparecerão. Da mesma forma os maus Espíritos vão onde o mal os atrai; destruí o mal, e ele se afastarão. Os Espíritos realmente bons, encarnados ou desencarnados, nada têm a temer da influência dos maus Espíritos."
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Agosto de 2012, 22:41
Meus cumprimentos a todos!

Diante da quantidade de questionamentos levantados, segue abaixo algumas considerações sobre o câncer.
De acordo com o neuropisquiatra francês, Dr David Servan, todos nós temos um câncer dormindo em nós.
Todos fabricamos células defeituosas ao longa da nossa vida, no entanto quando nosso sistema imunológico está em equilíbrio, ele consegue contornar esta situação e a doença não chega a se manifestar.
Assim, quando há o diagnóstico de câncer, isso significa apenas que as células anormais chegaram a um nível muito alto a ponto de ser detectado.
Mas o que temos a ver com isso?
Ninguém intencionalmente deseja ter câncer, porém de acordo com a metafísica da saúde somos em parte responsáveis por nossas doenças porque podemos ou não abrir as portas para que elas entrem.
Pensamentos e sentimentos positivos  equilibrados interferem positivamente no organismo e no sistema imunológico, do contrário pensamentos e emoções em desequilíbrio deprimem o sistema imunológico.
Claro que não basta que vc se sinta  deprimida pelo término de uma relação,se indisponha no trabalho ou brigue com o marido para que surja um tumor cancerígeno.
Não são sentimentos e pensamentos negativos eventuais que terão um impacto significativo na sua saúde, mas a constância e habitualidade destes.
Existe um abismo entre estra deprimida e viver deprimida, entre ter uma decepção e guardar mágoa e rancor, entre se magoar e não perdoar, entre sentir raiva e ser colérico.
Não é uma ação isolada que irá determinar o rumo das coisas, mas o estado de espírito predominante.
Se a soma das emoções e pensamentos negativos durante um longo período for maior que os positivos, esteremos criando um terreno fértil para que a enfermidade se instale.
Lembrando que o câncer não surge de uma hora para outra. Ele é construído por anos, lentamente até que consiga ser detectado.
Trata-se  uma doença multifatorial onde agentes internos e externos trabalham de forma sinérgica.
Nós não criamos o câncer, mas podemos contribuir para seu desenvolvimento, sendo co autores do processo ,pois somos nós que fornecemos o meio adequado para que ele se desenvolva ou não, através não só do através do que ingerimos, consumimos, usamos, bebemos, respiramos, mas também do que sentimos e pensamos.
Aí se verifica também o quão importante é a reforma íntima e a forma como lidamos com os desafios da vida.
Neste caso a origem da enfermidade, também em função da lei de  causa e efeito, opera-se na existência atual sem nenhum componente cármico.
É desta forma que a metafísica costuma ver não só o câncer, mas as doenças em geral.

Bom final de semana para todos!
Susana

* David Servan, médico francês escreveu uma maravilhosa obra sobre o câncer,"Anticâncer"-Prevenir e Vencer Usando Nossas Defesas Naturais".
No livro David aborda as principais causas que estariam por trás do câncer, e , apesar do livro se focar nos aspectos nutricionais, também disserta dobre outros fatores relacionados ao câncer, considerando que o  estado de espírito também desempenha um importante papel na luta contra a doença.
David teve câncer no cérebro aos 30 anos e desencarnou aos 50 anos. Teve uma sobrevida de 20 anos muito além dos 6 meses previstos pela medicina em casos como o seu.


NÃO ACORDE O CÂNCER QUE DORME EM VOCÊ (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTlBZnVEVnZoZTRJJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9lbWJlZGRlZCM=)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: zarthur em 05 de Agosto de 2012, 15:31
Suzana e demais amigos;
gostaria, na oportunidade do nosso estudo mensal, trazer uma consideração sobre a questão 621 de O Livro dos Espíritos
.
Onde está escrita a Lei de Deus?
- Na consciência

 
Com esta pergunta estaria Kardec interessado em saber onde se poderia encontrar algum texto sagrado que contivesse os preceitos morais divinos?
Por certo que não, pois em nada nos tem servido a providência dessa Lei, escrita nas consciências, se não impede que o mal tenha sempre se propagado de forma tão perturbadora na história humana?

Tentando compreender tal resposta, alguns atribuem às Leis Divinas uma potencialidade a se revelar na consciência apenas com o avançar da evolução. Assim, tanto a alma empedernida de um criminoso quanto a de um santo igualmente receberiam, desde sua origem, os registros da moral divina.
A razão e a observação nos têm mostrado que aquela resposta, na sua concisão, esconde, tal como numa parábola de Jesus, ensinamentos cuja compreensão precisava do valor do tempo para ser alcançada.

Na verdade, a Lei, a se expressar através de mecanismos automatizados e justos, que pune os criminosos e educa os ignorantes, está inscrita de forma indelével nas estruturas sutis do perispírito, as quais registram minuciosamente todos os desvios conscientes da criatura quando da sua propensão para o mal.
 
Na obra “Nosso Lar”, o instrutor espiritual de ALuiz comenta que muitas criaturas, mesmo gozando de um corpo físico perfeito, ao desencarnar alcançam o mundo espiritual apresentado graves lesões ou mutilações em seu psicossoma, como sejam, as cavidades orbitais vazias, ou ainda, sem as pernas ou os braços.
Ora, vemos claramente a atuação de mecanismos que impõem automaticamente a pena ao malfeitor, independente de qualquer julgamento pelos tribunais do plano astral.
No momento do ato criminoso, os ditames da Lei impressionam fortemente aquelas estruturas conscienciais, imprimindo ali vibrações em desequilíbrio a demandar o corretivo específico, sendo que este corretivo poderá ocorrer desde a presente encarnação ou nas que se seguirão.

Concluindo diríamos que a Lei de Deus está, de fato, escrita na consciência, pois que ali se encontram os artigos acusadores da Lei, como também os mecanismos da sua Justiça, os quais estarão acordes com as palavras de Jesus: “e daí não sairás até que tenhas pago o último ceitil”. 
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Edna☼ em 05 de Agosto de 2012, 16:08
Part III A doença como mecanismo de aprendizado

"Quando a gente não aprende pelo amor, a Vida ensina pela Dor".
                                               
ditado espírita

"Um velho judeu, de alma torturada por pesados remorsos, chegou, certo dia, aos pés de Jesus, e confessou-lhe estranhos pecados.

Valendo-se da autoridade que detinha no passado, havia despojado vários amigos de suas terras e bens, arremessando-os à ruína total e reduzindo-lhes as famílias a doloroso cativeiro.

Com maldade premeditada, semeara em muitos corações o desespero, a aflição e a morte.

Achava-se, desse modo, enfermo, aflito e perturbado... Médicos não lhe solucionavam os problemas, cujas raízes se perdiam nos profundos labirintos da consciência dilacerada.

O Mestre Divino, porém, ali mesmo, na casa de Simão Pedro, onde se encontrava, orou pelo doente e, em seguida, lhe disse:

          — Vai em paz e não peques mais.

O ancião notou que uma onda de vida nova lhe penetrara o corpo, sentiu-se curado, e saiu, rendendo graças a Deus.

Parecia plenamente feliz, quando, ao atravessar a extensa fila dos sofredores que esperavam pelo Cristo, um pobre mendigo, sem querer, pisou-lhe num dos calos que trazia nos pés.

O enfermo restaurado soltou um grito terrível e atacou o mendigo a bengaladas. Estabeleceu-se grande tumulto.

Jesus veio à rua apaziguar os ânimos.

Contemplando a vítima em sangue, abeirou-se do ofensor e falou:

— Depois de receberes o perdão, em nome de Deus, para tantas faltas, não pudeste desculpar a ligeira precipitação de um companheiro mais desventurado que tu?

O velho judeu, agora muito pálido, pôs as mãos sobre o peito e bradou para o Cristo:

          — Mestre, socorre-me!... Sinto-me desfalecer de novo... Que será isto?

          Mas, Jesus apenas respondeu, muito triste:

- Isso, meu irmão, é o ódio e a cólera que outra vez chamaste ao próprio coração.

E, ainda hoje, isso acontece a muitos que, por falta de paciência e de amor, adquirem amargura, perturbação e enfermidade."


Fonte: Pai Nosso, Francisco Cândido Xavier, ditado pelo Espírito Meimei, sendo que a FEB, expressamente, autorizou a publicação do texto para fins de estudo.


Lindo domingo pra todos! :)

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 05 de Agosto de 2012, 16:25
Lindo ensinamento Edna!
Obrigada pela contribuição.
abraços fraternos
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 05 de Agosto de 2012, 16:49

Na verdade, a Lei, a se expressar através de mecanismos automatizados e justos, que pune os criminosos e educa os ignorantes, está inscrita de forma indelével nas estruturas sutis do perispírito, as quais registram minuciosamente todos os desvios conscientes da criatura quando da sua propensão para o mal.
 
Concluindo diríamos que a Lei de Deus está, de fato, escrita na consciência, pois que ali se encontram os artigos acusadores da Lei, como também os mecanismos da sua Justiça, os quais estarão acordes com as palavras de Jesus: “e daí não sairás até que tenhas pago o último ceitil”.

Muito bom Zarthur,
É natural que os ser humano, diante da dor e do véu do esquecimento, tente encontrar justificativas para burlar os efeitos dos compromissos assumidos, mas o corpo perispiritual denuncia nossas falhas e imperfeições e é nele mesmo que se verifica de forma automática o cumprimento da lei de causa efeito, do que se depreende que o efeito da causa não seria resultado de deliberações da espiritualidade, mas consequência automática da causa, da mesma forma que ocorreria da aplicação de qualquer lei da física.
Não podemos nos esquecer que o que chamamos de leis físicas, são apenas manifestações das leis universais, dese modo que a lei física da ação e reação é  manifestação a nível físico da lei universal da causa e efeito, que a lei física da gravidade é manifestação em âmbito material da lei universal da atração.
Assim, por regra o automatismo é que rege as leis universais do contrário não seriam leis pois estariam sujeitas á intensa variabilidade.
Por fim, a sabedoria divina se manifesta na estabilidade de suas leis, pois a automacidade de uma lei permite ao Pai gerir de forma eficiente todas as ações realizadas no cosmo, sem que tenha que se dedicar à análise detalhada de cada ato individualmente, lembrando apenas que a toda lei também cabe exceção.
abraços
Susana


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 05 de Agosto de 2012, 16:54

COMO SURGEM AS DOENÇAS?

Será que, ao nos sintonizarmos com energias e atitudes negativas, não estamos abrindo caminho para ficarmos doentes?

- Por Edvaldo Kulcheski -
Antes de se falar em cura espiritual, é importante definirmos o que é uma doença. Seria ela um mal de fato? No livro Mãos de Luz, a curadora norte-americana Barbara Ann Brennan apresenta um raciocínio muito interessante: "Toda doença é uma mensagem direta dirigida a você, dizendo-lhe que não tem amado quem você é e nem se tratado com carinho, a fim de ser quem você é". De fato, todas as vezes que nosso corpo apresentar alguma "doença", isto deve ser tomado como um sinal de que alguma coisa não está bem.

A doença não é uma causa, é uma conseqüência proveniente das energias negativas que circulam por nossos organismos espiritual e material. O controle das energias é feito através dos pensamentos e dos sentimentos, portanto, possuímos energias que nos causam doenças porque somos indisciplinados mentalmente e emocionalmente. Em Nos Domínios da Mediunidade, André Luiz explica que "assim como o corpo físico pode ingerir alimentos venenosos que lhe intoxicam os tecidos, também o organismo perispiritual absorve elementos que lhe degradam, com reflexos sobre as células materiais".

Permanentemente, recebemos energia vital que vem do cosmo, da alimentação, da respiração e da irradiação das outras pessoas e para elas imprimimos a energia gerada por nós mesmos. Assim, somos responsáveis por emitir boas ou más energias às outras pessoas. A energia que irradiamos aos outros estará impregnada com nossa carga energética, isto é, carregada das energias de nossos pensamentos e de nossos sentimentos, sendo necessário que vigiemos o que pensamos e sentimos.
Continua...
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 05 de Agosto de 2012, 16:55

TIPOS DE DOENÇAS

Podemos classificar as doenças em três tipos: físicas, espirituais e atraídas ou simbióticas. As doenças físicas são distúrbios provocados por algum acidente, excesso de esforço ou exagero alimentar, entre outros, que fazem um ou mais órgãos não funcionarem como deveriam, criando uma indisposição orgânica.

As doenças espirituais são aquelas provenientes de nossas vibrações. O acúmulo de energias nocivas em nosso perispírito gera a auto-intoxicação fluídica. Quando estas energias descem para o organismo físico, criam um campo energético propício para a instalação de doenças que afetam todos os órgãos vitais, como coração, fígado, pulmões, estômago etc., arrastando um corolário de sofrimentos.

As energias nocivas que provocam as doenças espirituais podem ser oriundas de reencarnações anteriores, que se mantém no perispírito enfermo enquanto não são drenadas. Em cada reencarnação, já ao nascer ou até mesmo na vida intra-uterina, podemos trazer os efeitos das energias nocivas presentes em nosso perispírito, que se agravam à medida que acumulamos mais energia negativa na reencarnação atual. Enquanto persistirem as energias nocivas no perispírito, a cura não se completará.

Já as doenças atraídas ou simbióticas são aquelas que chegam por meio de uma sintonia com fluidos negativos. O que uma criatura colérica vibrando sempre maldades e pestilências pode atrair senão as mesmas coisas? Essa atração gera uma simbiose energética que, pela via fluídica, causa a percepção da doença que está afetando o organismo do espírito que está imantado energeticamente na pessoa, provocando a sensação de que a doença está nela, pois passa a sentir todos os sintomas que o espírito sente. Aí, a pessoa vai ao médico e este nada encontra.

André Luiz afirma que "se a mente encarnada não conseguiu ainda disciplinar e dominar suas emoções e alimenta paixões (ódio, inveja, idéias de vingança), ela entrará em sintonia com os irmãos do plano espiritual, que emitirão fluidos maléficos para impregnar o perispírito do encarnado, intoxicando-o com essas emissões mentais e podendo levá-lo até à doença".
Continuação..
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 05 de Agosto de 2012, 16:58

ELIMINANDO AS ENERGIAS TÓXICAS

Assim, como decorrência de tal determinismo, o corpo físico que veste agora ou outro, em reencarnação futura, terá de ser justamente o dreno ou a válvula de escape para expurgar os fluidos deletérios que o intoxicam e impedem de firmar sua marcha na estrada da evolução. Durante a purificação perispiritual, as toxinas psíquicas convergem para os tecidos, órgãos ou regiões do corpo, provocando disfunções orgânicas que conhecemos como doença.

Quando o espírito não consegue expurgar todo o conteúdo venenoso de seu perispírito durante a existência física, ele desperta no além sobrecarregado de energia primária, densa e hostil. Em tal caso, devido à própria "lei dos pesos específicos", ele pode cair nas zonas umbralinas pantanosas, onde é submetido à terapêutica obrigatória de purgação no lodo absorvente. Assim, pouco a pouco vai se libertando das excrescências, nódoas, venenos e "crostas fluídicas" que nasceram em seu tecido perispiritual por efeito de seus atos de indisciplina vividos na matéria.

Os charcos pantanosos do umbral inferior são do mesmo nível vibratório das manchas e placas, por isso servem para drenar essas energias nocivas. Embora sofram muito nesses locais, isso os alivia da carga tóxica acumulada na Terra, assim como seu psiquismo enfermo, depois de sofrer pela dor cruciante, desperta e se corrige para viver existências futuras mais educativas ou menos animalizadas.

Os espíritos socorristas só retiram dos charcos purgatoriais os "pecadores" que já estão em condições de uma permanência suportável nos postos e colônias de recuperação perispiritual adjacentes à crosta terrestre.

Cada um tem certo limite que pode agüentar em meio a estes charcos, então eles são resgatados mesmo que ainda não tenham expurgado todas as placas, reencarnando em corpos onde permanecerão expurgando e drenando essas energias através das doenças que se manifestarão no corpo físico.
Continua...
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 05 de Agosto de 2012, 16:59

AJUDA DA MEDICINA

A doutrina espírita não prega o conformismo, por isso é lícito procurar a medicina ter rena, que pode aliviar muito e curar onde for permitido. Se a misericórdia divina colocou os medicamentos ao nosso alcance é porque podemos e devemos utilizá-los para combater as energias nocivas que migraram do perispírito para o corpo físico, mas não devemos esquecer que os medicamentos alopáticos combatem somente os efeitos da doença.

Isto quer dizer que, quando as doenças estão presentes no corpo físico, devemos combatê-la, buscar alívio. Muitas vezes, estas doenças exigem tratamentos prolongados, outras vezes necessitamos até de cirurgia, mas tudo faz parte da "Lei de Causa e Efeito", que tenta despertar para uma reforma moral através deste processo doloroso. Qualquer medida profilática em relação às doenças tem que se iniciar na conduta mental, exteriorizando-se na ação moral que reflete o velho conceito latino: mens sana in corpore sano.

Estados de indisciplina são os maiores responsáveis pela convocação de energias primárias e daninhas que adoecem o homem pelas reações de seu perispírito contra o corpo físico. Sentimentos como orgulho, avareza, ciúme, vaidade, inveja, calúnia, ódio, vingança, luxúria, cólera, maledicência, intolerância, hipocrisia, amargura, tristeza, amor-próprio ofendido, fanatismo religioso, bem como as conseqüências nefastas das paixões ilícitas ou dos vícios perniciosos, são também geradores das energias nocivas.

Ou seja, a causa das doenças está na própria leviandade no trato com a vida. Analisando criteriosamente o comportamento, ver-se-á que os males que atormentam as pessoas persistirão enquanto não forem destruídas as causas. Portanto, soluções superficiais são enganosas. É preciso lutar contra todas as aflições, mas jamais de forma milagrosa. Procuremos sempre pensar e agir dentro dos ensinamentos cristãos, a fim de alcançarmos a cura integral.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 05 de Agosto de 2012, 20:03

COMO SURGEM AS DOENÇAS?

Será que, ao nos sintonizarmos com energias e atitudes negativas, não estamos abrindo caminho para ficarmos doentes?

- Por Edvaldo Kulcheski -

A doença não é uma causa, é uma conseqüência proveniente das energias negativas que circulam por nossos organismos espiritual e material. O controle das energias é feito através dos pensamentos e dos sentimentos, portanto, possuímos energias que nos causam doenças porque somos indisciplinados mentalmente e emocionalmente.

 A energia que irradiamos aos outros estará impregnada com nossa carga energética, isto é, carregada das energias de nossos pensamentos e de nossos sentimentos, sendo necessário que vigiemos o que pensamos e sentimos.

O que pensamos e sentimos não prejudica apenas a nós mesmos, mas a todos que conosco interagem, aumentando mais ainda a nossa responsabilidade.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Jocardoso em 05 de Agosto de 2012, 21:17
Entrei há 2 dias no Fórum, confesso que tenho pouco conhecimento da Doutrina Espírita,o meu conhecimento é de conversas com amigos de DE, de livros que leio,filmes,nunca entrei num Centro Espírita,para ouvir um palestrante.Porém , tenho interesse de conhecer mais a DE, encontrar respostas ,talvez não seja este o termo certo.Quanto a leitura do estudo  Causa e Efeito,no meu entender, uma mente doente adoece um corpo,se na mente só existe pensamentos negativos,o corpo vai adoecendo, se entregando a esta energia negativa.Se se vive numa vida desregrada ,onde seu corpo físico físico é maltratado,a mente adoece.
Abraços
Jousie
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 05 de Agosto de 2012, 21:54
A lei de causa e efeito.Meu nobre irmão Zarthur e demais membros do FE,neste estudo
mensal.Com relação a pergunta 621 do livro dos espíritos,onde está a causa e o efeito
desta?Ou seja,que relação tem ela com a lei de causa e efeito?.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 05 de Agosto de 2012, 22:47
Olá

Na minha óptica o que é devido a outras encarnações é o corpo que nos foi escolhido. O espírito é sempre o mesmo, claro.   

Ao viver aqui neste planeta estamos sujeitos às doenças e à precariedade do mesmo. E chega. Não precisamos de doenças trazidas de outras encarnações para sofrermos. Já chegam bem as que cá apanhamos. E as que podemos apanhar por força da herança genética.

A expiação é o facto de estarmos encarnados num planeta precário como este, sujeitos a pessoas egoístas, como nós mesmos (não falo dos companheiros que possam estar em missão e que não pertencem a esta mundo, mas dos que são como eu). Estamos num presidio e, como em todos os presídios, o sofrimento maior é aquele que os companheiros infligem uns aos outros.

A má influência dos espiritos a quem fizemos mal, e que também são inferiores, e não têm a capacidade de perdoar, é o que mais se parece com uma lei de olho por olho dente por dente. Aí há mesmo vingança.

Também acredito que as pessoas com quem encarnamos possam ser pessoas simpáticas, conhecidas de outras encarnações, ou não. E que também podem ser pessoas com quem antipatizámos, entrámos em conflito, e odiámos e com quem necessitamos de nos reconciliar. Podemos encarnar de modo a servir aqueles a quem fizemos mal, por desejo de reparar com o bem o mal que lhes fizemos.   

Acredito na influência da mente sobre o corpo. Ou melhor, sei que ela existe, por experiência própria que ela existe. Sobretudo no efeito nocebo. O efeito placebo é mais difícil de constatar. A ira e o ódio podem fazer-nos mesmo muito mal, fisicamente e espiritualmente.

Não acredito nem um bocadinho nas doenças que o perispirito possa trazer de outras encarnações, mas acredito nas marcas de nascença, que têm mais a haver com algo que nos marcou profundamente, como a marca de um tiro, que nos tirou a vida na outra encarnação. E isso acontece quanto o espaço de tempo entre encarnações é curto, ao que parece.

Não acredito nas tabelas de causa-efeito entre as doenças e o que fizemos em outras encarnações. E nas ideias que defendem que o perispirito trás doenças. Acredito que o espírito que encarna possa influenciar a formação do próprio corpo, mas só acredito que se decide qual o espírito que vai encarnar, logo após a concepção. E que herança genética respeita integralmente as leis da genética, tal como a ciência define.

O homem é demasiado complexo para podermos isolar as influências que possam vir de outras encarnações, no que diz respeito a doenças. Ainda que elas existissem, não se podiam determinar. O carácter esse sim, vem de trás, pois a alma é a mesma. Mas ainda assim é muito influenciado pelo corpo, e pelo meio ambiente em que se vive e em que foi educado. Pode ser difícil muito reconhecer o carácter da pessoa que somos das pessoas que fomos. Por isso, para saber se somos melhores ou piores que outra pessoa teríamos de ser submetidos à encarnação num corpo que tivesse as mesmas condições que ela. A não ser em que casos muito especiais em que isso é muito evidente (Jesus, Francisco Assis, Teresa de Calcutá, etc.). 

E para além de tudo o mais, parece-me errado e nada nem caridoso estar a apontar ás pessoas as razões morais das doenças, que pudessem ter vindo de outras encarnações. Ainda que o soubéssemos. O que interessa, se estiver na nossa mão, é ajudar a combater as doenças, agora apontar a causa em outras encarnações não teria utilidade alguma. Se Deus quisesse que nos lembrássemos dava-nos essas recordações. Se as permite a alguém, é porque isso pode ser útil. Mas não é essa a regra.     

bem hajam
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 05 de Agosto de 2012, 22:48
Entrei há 2 dias no Fórum, confesso que tenho pouco conhecimento da Doutrina Espírita,o meu conhecimento é de conversas com amigos de DE, de livros que leio,filmes,nunca entrei num Centro Espírita,para ouvir um palestrante.
Porém , tenho interesse de conhecer mais a DE, encontrar respostas ,talvez não seja este o termo certo.
Quanto a leitura do estudo  Causa e Efeito,no meu entender, uma mente doente adoece um corpo,se na mente só existe pensamentos negativos,o corpo vai adoecendo, se entregando a esta energia negativa.
Se se vive numa vida desregrada ,onde seu corpo físico físico é maltratado,a mente adoece.
Abraços
Jousie

Querida Jousie,
Seja muito bem vinda ao fórum e obrigada pela presença no estudo.
Você diz que não conhece  muito a doutrina, mas seu comentário mostra justamente o contrário, pois você conseguiu resumir , em poucas palavras, uma das bases da dourina espírita:  a lei de causa e efeito.
Com o tempo você pode ir lendo os livros com calma e também não precisa frequentar um centro espírita para seguir a doutrina, falamos com Deus no templo dos nossos corações.
Conseguiu com simplicidade resumir exatamente a mensagem do estudo: que a fonte do nosso sofrimento, via de regra, remonta a nós mesmos.
Tudo o que fazemos, comemos, pensamos, sentimos terá um impacto no nosso organismo, nós temos o poder de levar a cura ou a doença ao nosso corpo, cabe a nós decidirmos,  no uso do nosso livre-arbítrio, se vamos aprender pelo caminho do sofrimento ou da dor.
Somos os artífices do nosso próprio destino.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: JACY R SENA em 06 de Agosto de 2012, 00:15
  SUZANA,parabéns pelo estudo mensal.                                                                                Cada ação é seguida de uma reação.No decorrer de nossa existencia terrena,somos constantemente usuarios destas leis:Se usarmos nosso pensamento para coisas ruins, futilidades,ou raivosas,vamos atrair só coisas banais, infelicidade,medos, depresão, desespero,ficando um sentimento de um grande vazio dentro do nosso eu,porem se os sentimentos forem, construtivos voltados para o bem , a caridade, a paciencia e benevolencia, esse ima ação+reação será totalmente benéfico para nossa evolução e aperfeiçoamento espiritual.                                                                                                   Portanto temos que tirar de nossas mentes e corações os sentimentos pobres de ação para que as reações do mundo não nos faça padecer em dores e sofrimentos danificando assim nossos corpos com doenças e destruição emocional.                                                              Fique na paz,temos muito o que aprender ainda nessa caminhada com a força do mestre JESÚS.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 06 de Agosto de 2012, 00:27
Parabéns Suzana pela temática escolhida e pela profundidade da abordagem, apresentada com muita didática.
A bibliografia que fundamenta este estudo também é maravilhosa. Enfim, despertou meu desejo de retomar e divulgar os Estudos Mensais do FE.
Um grande abraço a todos! :)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 06 de Agosto de 2012, 11:40
Parabéns Suzana pela temática escolhida e pela profundidade da abordagem, apresentada com muita didática.
A bibliografia que fundamenta este estudo também é maravilhosa. Enfim, despertou meu desejo de retomar e divulgar os Estudos Mensais do FE.
Um grande abraço a todos! :)

Cara Ere,
Obrigada pelas palavras.
Fico feliz em saber que o estudo tem sido útil e que tenha despertado em você o interesse pelos estudo dos mensais do fórum espírita.
Quando elaborei este trabalho não tinha a menos idéia de como seria recebido então foi muito importante o seu "feedback", pois sinaliza que consegui atingir o objetivo do estudo: estimular o interesse e o estudo sobre o tema.
Seja bem vinda!
abraços fraternos
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 06 de Agosto de 2012, 11:51
   
Portanto temos que tirar de nossas mentes e corações os sentimentos pobres de ação para que as reações do mundo não nos faça padecer em dores e sofrimentos danificando assim nossos corpos com doenças e destruição emocional.                                                             
 Fique na paz,temos muito o que aprender ainda nessa caminhada com a força do mestre JESÚS.

Olá Jacy!
Obrigada pela participação no estudo.
É como nos lembrava Jesus: orai e vigiai.
Na rotina frenética do dia-a-dia onde vivemos sob muita pressão e sujeitos a uma série de adversidades se não aprendermos a controlar a qualidade do que pensamos e sentimos estaremos criando em nós as condições propícias para que a enfermidade se instale.
grande abraço
Susana



Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 06 de Agosto de 2012, 13:11
Olá Vitor!
Seja bem vindo ao estudo mensal!
Vamos analisar juntos algumas das suas considerações

Ao viver aqui neste planeta estamos sujeitos às doenças e à precariedade do mesmo. E chega. Não precisamos de doenças trazidas de outras encarnações para sofrermos. Já chegam bem as que cá apanhamos. E as que podemos apanhar por força da herança genética.

Questão 372 do Livro dos Espíritos-Que objetivo visa a providência criando seres desgraçados, como os cretinos e os idiotas?
 “Os que habitam corpos de idiotas são Espíritos sujeitos a uma punição. Sofrem por efeito do constrangimento que experimentam e da impossibilidade em que estão de se manifestarem mediante órgãos não desenvolvidos ou desmantelados.”
Idiotismo, loucura
 
Questão 373 do Livro dos Espíritos-  Qual será o mérito da existência de seres que, como os cretinos e os idiotas, não podendo fazer o bem nem o mal, se acham incapacitados de progredir?
 “É uma expiação decorrente do abuso que fizeram de certas faculdades. É um estacionamento temporário.”


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
João Capítulo IX

" E passando Jesus, viu um homem cego de nascença.

 Perguntaram-lhe os seus discípulos: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?

 Respondeu Jesus: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi para que nele se manifestem as obras de Deus."

" Esta pergunta dos discípulos: foi o pecado desse homem que foi a causa dele ser cego desde nascença? Indica a intuição de uma existência anterior, de outro modo não teria sentido; porque o pecado que seria a causa de uma enfermidade de nascença deveria ser cometido antes do nascimento,e, por conseguinte, numa existência anterior.
Se Jesus visse aí uma falsa idéia teria dito: como esse homem poderia pecar antes de nascer?
(...)

 As questões do Livro dos Espíritos são claras ao dizer que uma doença pode ter origem em uma vida anterior, e ainda usam a palavra punição para aqueles que nasceram com algum tipo grave de deficiência intelectual.
O trecho da obra A Gênese vai ao encontro desta afirmação.
Se você observar, no texto de abertura do estudo tem uma passagem de Jesus, onde ele claramente diz que a origem da doença daquele homem foram seus pecados e diz que para que continue são não deve mais pecar para que não lhe suceda algo pior.
Pergunto: se os pecados não fora praticados nesta vida, uma vez que sua enfermidade era de nascença, onde afinal que se encontra a causa deste efeito?
Importante dizer que nem todas as doenças são oriundas da lei de causa e efeito, pois no caso citado acima do evangelho de João, temos que a enfermidade se deu por prova, para que se cumprisse a vontade de Deus.
Porém, a esmagadora maioria das enfermidades não são apenas provas, mas também resgates onde nos harmonizamos com leis que eventualmente tenhamos transgredido em outras existências.
As doenças que você diz serem por força da genética são também oriunda de nossas ações, uma vez que a genética também está subordinada a lei de causa e efeito.
 A genética exprime no corpo físico as lições que a alma precisa aprender.
A expiação é o facto de estarmos encarnados num planeta precário como este, sujeitos a pessoas egoístas, como nós mesmos (não falo dos companheiros que possam estar em missão e que não pertencem a esta mundo, mas dos que são como eu). Estamos num presidio e, como em todos os presídios, o sofrimento maior é aquele que os companheiros infligem uns aos outros.
Sim amigo, só que pergunto: expiar significa purgar, pagar uma falta, reparar um erro, tem um sentido um pouco mais profundo do que o mero sofrimento, é um sofrimento relacionado a uma falta.
Deste modo quem se encontra em um mundo de provas e expiações é porque transgrediu as leis divinas.
Você mesmo disse que aqui é um presídio, quem vai para o presídio é porque cometeu alguma falta.
O que fizemos ontem foi determinante para que estejamos aqui hoje, não é castigo mas mera reparação ás leis universais.
O espírito é herdeiro de si mesmo, e somos responsáveis pelos desequilíbrios que causamos, daí a necessidade de assumirmos suas consequências.

Por fim, trago um trecho da obra o Evangelho Segundo o Espiritismo, nesse mesmo sentido:
" Que vos direi dos mundos de expiações que já não saibais, pois basta observeis o em que habitais?
 A superioridade da inteligência, em grande número dos seus habitantes, indica que a Terra não é um mundo primitivo, destinado à encarnação dos Espíritos que acabaram de sair das mãos do Criador.
 As qualidades inatas que eles trazem consigo constituem a prova de que já viveram e realizaram certo progresso. Mas, também, os numerosos vícios a que se mostram propensos constituem o índice de grande imperfeição moral. Por isso os colocou Deus num mundo ingrato, para expiarem aí suas faltas, mediante penoso trabalho e misérias da vida, até que hajam merecido ascender a um planeta mais ditoso.
14. Entretanto, nem todos os Espíritos que encarnam na Terra vão para aí em expiação. As raças a que chamais selvagens são formadas de Espíritos que apenas saíram da infância e que na Terra se acham, por assim dizer, em curso de educação, para se desenvolverem pelo contacto com Espíritos mais adiantados.
(...)
Os Espíritos em expiação, se nos podemos exprimir dessa forma, são exóticos, na Terra; já tiveram noutros mundos, donde foram excluídos em conseqüência da sua obstinação no mal e por se haverem constituído, em tais mundos, causa de perturbação para os bons. Tiveram de ser degradados, por algum tempo, para o meio de Espíritos mais atrasados, com a missão de fazer que estes últimos avançassem, pois que levam consigo inteligências desenvolvidas e o gérmen dos conhecimentos que adquiriram. Daí vem que os Espíritos em punição se encontram no seio das raças mais inteligentes. Por isso mesmo, para essas raças é que de mais amargor se revestem OS infortúnios da vida. E que há nelas mais sensibilidade, sendo, portanto, mais provadas pelas contrariedades e desgostos do que as raças primitivas,cujo senso moral se acha mais embotado.
15. A Terra, conseguintemente, oferece um dos tipos de mundos expiatórios, cuja variedade é infinita, mas revelando todos, como caráter comum, o servirem de lugar de exílio para Espíritos rebeldes à lei de Deus."

 
Não acredito nem um bocadinho nas doenças que o perispirito possa trazer de outras encarnações, mas acredito nas marcas de nascença, que têm mais a haver com algo que nos marcou profundamente, como a marca de um tiro, que nos tirou a vida na outra encarnação. E isso acontece quanto o espaço de tempo entre encarnações é curto, ao que parece.
Sim, esta questão do perispírito está em aberto, por isso até da importância da participação de todos neste estudo onde cada um manifesta suas impressões para que possamos juntos chegar a uma conclusão.
Mas Victor, quando você diz que acredita em marcas de nascença causada por um tiro por exemplo, você não acha que o perispírito participa deste processo?
Porque eu tenho dificuldade de visualizar como ele se daria de forma direta, do espírito para o corpo, sem que haja participação do perispírito.

Continua...
 
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 06 de Agosto de 2012, 13:28


Lei de Causa e efeito          

 
Inutilmente tentaremos fugir da nossa consciência culpada.
Uma vez que erramos, não podemos fugir da Lei de Causa e Efeito.
A consciência tranquila é o nosso maior tesouro.
Cuidado com os pequenos erros que nos levam pouco a pouco a grandes arrependimentos.
Que a Grandeza de Deus seja entendida por todos nós.
Humilhai-vos para serdes humildes.
Amai-vos para serdes amados.
De um Espírito Amigo
aos Amigos da Fraternidade
Mensagem recebida pelo
Grupo de Estudos da Psicografia
da Fraternidade Francisco de Assis


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 06 de Agosto de 2012, 13:55
Amigos,
Penso que há uma certa confusão da lei de causa e efeito com vingança.
Em outro tópico, sobre egoísmo, expliquei de uma forma alegórica como que funciona o mecanismo.
Assim, quando jogamos uma pedra para o alto e ela cai na nossa cabeça, isso foi uma vingança da pedra ou uma mera consequência natural de um ato provocado por mim?
É desta forma que penso que funciona a lei de causa e efeito, nós colhemos o que plantamos não por vingança divina ou castigo mas como mero reflexo de nossas atitudes.
Toda ação gera uma reação, isso é uma lei da física que ao final é apenas uma reflexão em âmbito material da lei universal da causa e efeito.
O problema no caso é que ás vezes jogamos a tal pedra há muito tempo e ela demora para cair na nossa cabeça, daí  o dia que cai, como não nos lembramos de quando jogamos, ficamos surpresos.
abraços
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 06 de Agosto de 2012, 14:56
Continuação


E que herança genética respeita integralmente as leis da genética, tal como a ciência define.
 

Sobre isso irei postar um texto mais à frente.

E para além de tudo o mais, parece-me errado e nada nem caridoso estar a apontar ás pessoas as razões morais das doenças, que pudessem ter vindo de outras encarnações. Ainda que o soubéssemos. O que interessa, se estiver na nossa mão, é ajudar a combater as doenças, agora apontar a causa em outras encarnações não teria utilidade alguma. Se Deus quisesse que nos lembrássemos dava-nos essas recordações. Se as permite a alguém, é porque isso pode ser útil. Mas não é essa a regra.     
Vitor, o estudo fala sobre tratar o doente e não a doença.
Enquanto pensarmos desta forma, apenas em combatermos a doença e não a causa continuaremos andando em círculos.
A saúde tem que advir de uma postura preventiva e pró ativa, onde nos antecipamos á doença.
As tabela que outro membro apresentou visa apenas instruir, mostra que tipo de sentimento, pensamento e estado de espirito pode provocar qual doença.
Isso é aplicado há milênios na medicina oriental, a Ayurveda, com excelentes resultados.
Além do mais ela não diz nada que não saibamos.
A ciência já sabe que estados coléricos estão relacionados á hipertensão e úlcera. Que a raiva libera hormônios no organismo e que esta química é responsável pela origem de uma série de doenças.
Não podemos nos furtar a divulgar informação para não causar suscetibilidades.
Creio que todos nós somos maduros o suficiente para não nos melindrarmos porque a medicina oriental relaciona, com base em observações práticas e estudos científicos, que existe relação entre determinado estado de espírito e a manifestação de certas moléstias.
O objetivo destas informações não é humilhar nem expor ninguém, mas apenas possibilitar que possamos identificar que tipo de postura pode estar por trás do mal que se manifesta no organismo, e conhecendo sua causa, facilitar o processo de cura.

A tabela que você citou apenas faz esta correspondência e não foi uma ato de falta de caridade, ao contrário, a meu ver foi um ato de generosidade ,pois visa unicamente compartilhar um conhecimento milenar em auxílio do próximo, conhecimento  este que hoje, já vem sendo utilizado por médicos ocidentais, simultaneamente ao tratamento alopático.
A medicina alopática trata os sintomas da doença, mas a cura verdadeira só irá ocorrer o dia que tratarmos o doente.
Não sei se leu todo o material postado no estudo, mas tem muitos textos interessantes que complementam o estudo e explicam melhor esta questão, vale  apena dar uma conferida.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 06 de Agosto de 2012, 16:35
Minha querida irmã Suzana,concordo plenamente com você no que diz respeito a lei física,se lançarmos uma pedra para o alto,ela fatalmente poderá cair na nossa cabeça,e em se tratando  da lei de causa e efeito,a ação causa uma reação.Pois novamente concordando
com você quando diz que a pedra pode demorar,mas quando cai na cabeça de quem a lançou
causa uma certa surpresa, é porque a mesma não prestou atenção na lei.Mas atento a outra
situação,vemos que a semeadura e livre,mas a colheita é obrigatória.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 06 de Agosto de 2012, 22:51
Mas atento a outra situação,vemos que a semeadura e livre,mas a colheita é obrigatória.
Justamente amigo Antônio é sobre isso a que se refere a alegoria da pedra.
Se jogarmos ela para cima, não tem jeito ela obrigatoriamente vai cair.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 06 de Agosto de 2012, 22:52
texto complemenetar ao estudo

Parte IV- Metafísica e Hereditariedade



" a formação embrionária decorre da simbiose do programa genético (genoma do indivíduo) ao seu programa reencarnatório, definidos, ambos, antes da fecundação, para se compatibilizarem. Aquele, às Leis Naturais que regulam a vida física, e este, ao elenco de tarefas a serem cumpridas, de provas a serem vivenciadas e de expiações a serem cumpridas e/ou resgatadas - naquela existência.”

                      Eurípedes Kuhl- " Genética e Espiritismo"


Texto retirado da obra Metafísica da saúde, volume I de Valcapelli & Gasparetto

"A ciência explica que o único modelo organizacional do corpo humano é a
genética, ou seja, os genes dos pais são os fatores exclusivos e determinantes das
características fisiológicas.
 Na concepção metafísica, o corpo humano é organizado pela consciência não
desperta. O ser possui intrínseca na alma uma estrutura organizacional das células
desde sua formação embrionária. A metafísica admite, porém, que todas as pessoas
herdam uma carga genética que indubitavelmente é necessária para a constituição
biológica. No entanto, o que determina as características fisiológicas são os fatores
existentes no âmago do ser.
São aproveitados os genes compatíveis com a constituição interior para estampar no corpo as particularidades da alma."

Cabe aqui uma breve interrupção da explanação de Gasparetto para abrir um parênteses.
Na obra Missionários da Luz, André Luiz explicava que o perispírito do reencarnante atua sobre o óvulo, dirigindo-o na seleção do espermatozóide, de modo a escolher o mais “útil” à programação reencarnatório.
É escolhido aquele esperamtozóide que junatametente com o óvulo terão as características cromossômicas que irão refletir as características individuais daquele espírito no estágio evolutivo em que se encontra ,além das provações físicas pelas quais o espírito deverá passar.
A mutação genética é determinada pelas condições do espírito  reencarnante.

Continua Gasparetto:
"O princípio da  reencarnação altera consideravelmente as afirmações prematuras dos
pseudocientistas.
Entre as pessoas da família existem profundas afinidades, a começar pelo fato de estarem juntas na trajetória de vida.
Os fatores em comum também estão expressos no corpo, revelando que possuímos semelhantes características na  constituição emocional. Essa afinidade existe tanto nos conteúdos positivos — como semelhantes habilidades e potenciais — quanto nos fatores negativos que se  apresentam em forma de doenças hereditárias ou congênitas.

Um dos fatores que fundamentam a teoria metafísica é que nem todos os filhos
de pais diabéticos, por exemplo, irão desenvolver essa doença. Se a hereditariedade
fosse o fator determinante, todos os filhos desenvolveriam as mesmas doenças, mas
não é isso que acontece. As exceções demonstram que existem os fatores individuais
somando com os genéticos para determinar as condições físicas.

Desse modo, compreende-se que não somos vítimas das informações
genéticas. Não são elas as únicas responsáveis pelo aparecimento das doenças
herdadas ou de má formação, mas sim nossa condição  inata, que nos atrai a uma
família geneticamente compatível e que possibilita  estampar no corpo as marcas
condizentes com nossa própria estruturação interna.


Enfim, a genética deixa de ser o único vilão de algumas enfermidades, e você se torna cada vez mais responsável por seus próprios infortúnios.
Enquanto estivermos fazendo o nosso melhor, tudo andará bem na vida, e
teremos saúde.
 Mas, quando suas atitudes não forem apropriadas, ou seja, se não estiverem de
acordo com sua condição interna, tudo à sua volta se desestabilizará, podendo até
surgir doenças no corpo.

 Agir de maneira inadequada para si é desconfortável e prejudicial. Seria o
mesmo que um adulto vestir uma roupa de criança: vai apertar e machucar.
O corpo é uma espécie de sensor que acusa as atitudes inadequadas que
persistimos em manter. Essas posturas desencadeiam a desarmonia interior, causando
as doenças.


A metafísica não é aplicada para prever futuras doenças, ela objetiva alertá-lo de
sua condição afetiva indevida, para manter a saúde e melhorar a qualidade de vida.
 Em sua concepção básica, compreende-se que passado e futuro fundem-se no
presente.

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: rwer em 07 de Agosto de 2012, 03:14
Amigos,
(...)Assim, quando jogamos uma pedra para o alto e ela cai na nossa cabeça, isso foi uma vingança da pedra ou uma mera consequência natural de um ato provocado por mim?
É desta forma que penso que funciona a lei de causa e efeito, nós colhemos o que plantamos não por vingança divina ou castigo mas como mero reflexo de nossas atitudes.
Toda ação gera uma reação, isso é uma lei da física que ao final é apenas uma reflexão em âmbito material da lei universal da causa e efeito.
O problema no caso é que ás vezes jogamos a tal pedra há muito tempo e ela demora para cair na nossa cabeça, daí  o dia que cai, como não nos lembramos de quando jogamos, ficamos surpresos.
abraços
Susana

Excelente, Susana! Maior lucidez.

Por sermos emotivos, achamos que a Vida responde emocionada às nossas emissões. A gente tende a ver a Lei Universal cheia de caprichos pessoais. Então, a Lei do Carma parece a resposta de um Deus ora melindroso e irritável, ora amigável e bem-humorado.

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Lucazan em 07 de Agosto de 2012, 12:45
Karma ou Lei de Causa e Efeito...

A ideia pre concebida de que tudo que fazemos nos será cobrado em uma próxima encarnação...

Em meus estudos, cheguei a conclusão que na verdade a coisa não acontece desta forma...

Ao desencarnarmos, sobre todas as consequência ou efeito de nosso erros passando pelo período chamado "Pertubação"...

Passamos vários anos que pode chegar a milênios sofrendo, em busca de vinganças, etc...

Será que existe punição maior do que a de não avançar nada neste período.     
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Edna☼ em 07 de Agosto de 2012, 16:26
"As doenças pertencem às provas e às vicissitudes da vida terrena. São inerentes à grosseria da nossa natureza material e à inferioridade do mundo que habitamos. As paixões e os excessos de toda espécie, por sua vez, criam em nossos organismos condições malsãs, freqüentemente transmissíveis pela hereditariedade. Nos mundos mais avançados, física e moralmente, o organismo humano, mais depurado e menos material, não está sujeito às mesmas enfermidades que o nosso, e o corpo não é minado secretamente pela devastação das paixões. É necessário, pois, que nos resignemos a sofrer as conseqüências do meio em que nos situa a nossa inferioridade, até que nos façamos dignos de uma transferência. Isso não deve impedir-nos de lutar para melhorar a nossa situação atual. Mas, se apesar dos nossos esforços, não pudermos fazê-lo, o Espiritismo nos ensina a suportar com resignação os nossos males passageiros. Se Deus não quisesse que pudéssemos curar ou aliviar os sofrimentos corporais, em certos casos, não teria colocado meios curativos à nossa disposição. Sua solicitude previdente, a esse respeito, confirmada pelo instinto de conservação, mostra que o nosso dever é procurá-los e aplicá-los. Ao lado da medicação ordinária, elaborada pela ciência, o magnetismo nos deu a conhecer o poder da ação fluídica, e depois o Espiritismo veio revelar-nos outra espécie de força, através da mediunidade curadora e da influência da prece."     Allan Kardec

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Edna☼ em 07 de Agosto de 2012, 16:31
"Nos mundos que atingiram um grau superior de evolução, as condições da vida moral e material são muito diferentes das que encontramos na Terra. A forma dos corpos é sempre, como por toda parte, a humana, mas embelezada, aperfeiçoada, e sobretudo purificada. O corpo nada tem da materialidade terrena, e não está, por isso mesmo sujeito às necessidades, às doenças e às deteriorações decorrentes do predomínio da matéria..."

(Trecho do resumo do ensinamento de todos os Espíritos superiores).

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 07 de Agosto de 2012, 17:48
Karma ou Lei de Causa e Efeito...

A ideia pre concebida de que tudo que fazemos nos será cobrado em uma próxima encarnação...

Em meus estudos, cheguei a conclusão que na verdade a coisa não acontece desta forma...

Ao desencarnarmos, sobre todas as consequência ou efeito de nosso erros passando pelo período chamado "Pertubação"...

Passamos vários anos que pode chegar a milênios sofrendo, em busca de vinganças, etc...

Será que existe punição maior do que a de não avançar nada neste período.     

Olá Lucazan!
Seja bem vindo ao estudo.
Obrigada pela sua participação.
Vamos por partes, você chegou a ler o exemplo da pedra?
Quando jogamos uma pedra e ela cai isso não ocorre por uma cobrança, mas é mera consequência de um ato, toda ação gera uma reação.
O maior sofirmento que o espírito passa, após a desencarnação é o sofrimento moral pelos atos que lhe pesam na consciência.
É como um efeito bumerangue onde tudo o que fizemos volta para nós.
Creio que nós quando desencarnamos e temos maior consciência dos nossos equívocos pedimos as provas difíceis justamente para que possamos ficar em paz com nossa consciência, então a "expiação" acaba sendo um ato voluntário, só que quando encarnamos , nos esquecemos disso.
Iremos , de uma forma ou de outra nos deparar com as consequência de nossas ações, mas muitas vezes o próprio espírito faz isso com aceitação , se antecipa e pede que tenha a oportunidade de reparar suas faltas.
Assim é que,quando não passamos pela dificuldade com entendimento e aceitação, o mero ajuste e reequilíbrio das leis universais se torna uma verdadeira expíação
Não sei exatamente como se manifesta os detalhes da lei de causa e efeito e espero que através da troca de experiências  durante este estudo, possa compreender melhor este processo.
Mas a  sua existência está prevista não só na doutrina como permeia toda a Bíblia:
" Quem fere pela espada pela espada será ferido"
" De nenhuma maneira sairás daqui enquanto não pagares o último centil"
"Pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará."
" A cada um segundo suas obras."

Lei de causa e efeito não é vingança e nem lei de talião.
Na lei de talião temos a vingança; na lei de causa e efeito temos responsabilidade e consequência.
Luzacan, você diz que em seus estudos chegou á conlusão de que "a coisa não acontece desta forma..."
Seria importante para o estudo se pudesse compartilhar como que você entende que as coisas se passam.
Poderia explicar melhor suas conclusões?
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 07 de Agosto de 2012, 22:52

Causa e Efeito

       Em nossas vidas há, entre outras, uma  certa lei funcionando constantemente: a lei de causa e  efeito.
        Ela é muito semelhante à lei da Física descoberta por Isaac Newton (1642-1727), que diz que toda ação causa uma reação e que a ação e a reação são iguais e opostas.
       Através desta lei, Deus nos torna responsáveis por todos os atos livremente cometidos.
        Na prática, quer dizer que tudo o que fazemos retorna a nós mesmos, e retorna de maneira automática.
        Vejamos alguns exemplos:
      * se exageramos na comida (causa), temos uma indigestão (efeito);
        *se descuidamos da saúde (causa), ficamos doentes (efeito);
       * se costumamos brigar com todo mundo (causa), terminamos sozinhos (efeito).
        No entanto, o alcance desta lei é muito maior.
       Ela não se limita às ações praticadas na encarnação presente. A lei de causa e efeito liga fatos separados por séculos, por milênios, entre as inúmeras reencarnações do Espírito, de acordo com o mais perfeito princípio de Justiça.
       Uma  certa circunstância que cria um sofrimento em nossa vida presente, cuja causa não identificamos nela mesma, pode ter sido gerada no passado remoto.
   Os sofrimentos por causas anteriores são,  frequentemente   , e, como os das faltas atuais, a consequência natural da falta cometida; quer dizer, por uma justiça distributiva rigorosa, o homem suporta o que fez os outros suportarem; se foi duro e desumano, ele poderá ser, a seu turno, tratado duramente e com desumanidade: se foi orgulhoso, poderá nascer em uma condição humilhante (...) (O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, Cap. V, Item 7)
      Há livros (inclusive O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO) que colocam este assunto em termos de dívidas contraídas, pagamento de contas, resgate ou coisa parecida. São figuras de linguagem, e não devemos tomá-las ao pé da letra.
        Na verdade, ninguém deve nada a Deus, ao Universo, nem mesmo àqueles a quem prejudicou no passado.
        Simplesmente possuímos uma consciência, que sabe diferenciar o bem do mal e que sabe reconhecer quando se afasta do caminho do Bem. Essa consciência só encontra a Paz quando, de alguma forma, procuramos consertar os estragos provocados por nossas atitudes. E a lei de causa e efeito nos leva a isto.
     Outro engano é crer-se que tudo aquilo que não "pagamos" agora, será "cobrado" mais tarde, com "juros e correção monetária", como se existisse inflação na economia do Cosmo. Se o simples fato de protelarmos o encontro com pessoas e situações onde temos planos de trabalho traçado na Espiritualidade aumentasse o nosso "débito", Deus não seria o Pai misericordioso de Jesus, mas seria o Deus vingativo de Moisés!
       Particularmente, creio que esse engano resulte de uma interpretação imperfeita de trechos de O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, Cap. V, Item 12, que dizem: Deveis considerar-vos felizes por sofrer, porque as vossas dores neste mundo são a dívida das vossas faltas passadas, e essas dores, suportadas pacientemente sobre a Terra, vos poupam séculos de sofrimento na vida futura. (...)
        O homem que sofre é semelhante a um devedor que deve uma grande quantia, a quem diz seu credor: "Se me pagardes hoje, mesmo a centésima parte da dívida, eu vos darei quitação de todo o resto, e sereis livre; se não o fizerdes, eu vos perseguirei até que tenhais pago o último centavo". O devedor não seria venturoso suportando toda sorte de privações para se liberar, pagando a centésima parte do que deve?
        Muita atenção: ali não está dizendo que a dívida não quitada se transformará em séculos de sofrimento, mas que teremos essa dívida nos atormentando a consciência durante séculos, até que resolvamos quitá-la. Não é o débito que aumenta: é o sofrimento moral.
        Esta interpretação se encaixa perfeitamente, não só com o significado da lição, mas com a Justiça de Deus...
        Devemos estar compenetrados do seguinte: perante a Lei de Deus, somos sempre responsáveis:
        - pelo mal que fizemos;
        - pelo bem que deixamos de fazer, quando podíamos;
       - pelas consequências de termos deixado de fazer esse bem.
        E não há maneira nenhuma de aumentar ou diminuir nossas "contas" que não seja o nosso próprio modo de agir.
RITA FOELKER
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 07 de Agosto de 2012, 23:07

A Lei de Causa e Efeito
 
A Lei de Causa e Efeito é conhecida, desde civilizações remotas, sob a designação de Carma.

Nenhum acaso rege os destinos. É a Lei do Carma, Lei de Causa e Efeito ou a Providência Divina, que tudo coordena, ajusta e opera, intervindo tanto nos fenômenos sutis do mundo microscópico, como na vastidão incomensurável do macrocosmo. Ela tem, por objetivo único, dirigir o aperfeiçoamento incessante de todas as coisas e seres que compõem a harmonia da Criação.

O Carma constitui, portanto, a Lei de Causa e Efeito, com o seu saldo credor ou devedor para com o Espírito. As regras inflexíveis de que “a semeadura é livre, mas a colheita obrigatória”, e de que “a cada um será dado conforme as suas obras”, não abrem exceções a quem quer que seja, mas ajustam as criaturas à disciplina coletiva, tão necessária ao equilíbrio e harmonia da Humanidade.

O principal meio de modificar o nosso Carma para melhor reside no controle dos nossos pensamentos, palavras e ações, pois, à medida que nos melhorarmos, reduziremos ou modificaremos os débitos do passado e criaremos um novo Carma para o futuro.

A Lei de Causa e Efeito deveria ser estudada, espiritualmente, pelos homens, com o máximo esmero, meditando todos sobre ela o bastante para se forrarem ao seu gládio severo e inevitável, que desfere represálias impressionantes, porém, justas, criteriosas e sábias, as quais representam a reação da Natureza, ou da Criação, contra a desarmonia estabelecida em suas diretrizes pela própria criatura.

Os homens, no entanto, jamais se aplicam a essa nobre investigação que lhes evitaria desgraças, apoucamentos e ignomínias que, absolutamente, não estariam no seu roteiro, se eles, mais comedidos nas ações diárias, não os criassem para si mesmos, com atitudes verificadas a cada passo na sociedade como dentro do lar.

Oh! Quão severa e temível é a lei que rege os destinos da Criação! Os homens terrenos precisam ser avisados destas impressionantes verdades, a fim de que melhor se conduzam durante as obrigatórias travessias das existências.

Leitor! Ama e respeita a Doutrina do Consolador prometido por Jesus! Zela, prudentemente, pela Revelação, que ela te concede, das Verdades eternas! Difunde-a com clareza e dedicação, porque somente ela, com os ensinamentos das leis que dirigem os destinos humanos, corrigirá tais desarmonias existentes no seio das sociedades terrenas.
Adolfo Bezerra de Menezes
No livro: ‘Dramas da Obsessão’ – Psicografia: Yvone do Amaral Pereira
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 07 de Agosto de 2012, 23:27

Causa e Efeito

       Em nossas vidas há, entre outras, uma  certa lei funcionando constantemente: a lei de causa e  efeito.
        Ela é muito semelhante à lei da Física descoberta por Isaac Newton (1642-1727), que diz que toda ação causa uma reação e que a ação e a reação são iguais e opostas.
       Através desta lei, Deus nos torna responsáveis por todos os atos livremente cometidos.
        Na prática, quer dizer que tudo o que fazemos retorna a nós mesmos, e retorna de maneira automática.
        Vejamos alguns exemplos:
      * se exageramos na comida (causa), temos uma indigestão (efeito);
        *se descuidamos da saúde (causa), ficamos doentes (efeito);
       * se costumamos brigar com todo mundo (causa), terminamos sozinhos (efeito).
        No entanto, o alcance desta lei é muito maior.
       Ela não se limita às ações praticadas na encarnação presente. A lei de causa e efeito liga fatos separados por séculos, por milênios, entre as inúmeras reencarnações do Espírito, de acordo com o mais perfeito princípio de Justiça.
      (...)
      Há livros (inclusive O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO) que colocam este assunto em termos de dívidas contraídas, pagamento de contas, resgate ou coisa parecida. São figuras de linguagem, e não devemos tomá-las ao pé da letra.

        Na verdade, ninguém deve nada a Deus, ao Universo, nem mesmo àqueles a quem prejudicou no passado.
        Simplesmente possuímos uma consciência, que sabe diferenciar o bem do mal e que sabe reconhecer quando se afasta do caminho do Bem. Essa consciência só encontra a Paz quando, de alguma forma, procuramos consertar os estragos provocados por nossas atitudes. E a lei de causa e efeito nos leva a isto.


     Outro engano é crer-se que tudo aquilo que não "pagamos" agora, será "cobrado" mais tarde, com "juros e correção monetária", como se existisse inflação na economia do Cosmo. Se o simples fato de protelarmos o encontro com pessoas e situações onde temos planos de trabalho traçado na Espiritualidade aumentasse o nosso "débito", Deus não seria o Pai misericordioso de Jesus, mas seria o Deus vingativo de Moisés!

       Particularmente, creio que esse engano resulte de uma interpretação imperfeita de trechos de O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, Cap. V, Item 12, que dizem: Deveis considerar-vos felizes por sofrer, porque as vossas dores neste mundo são a dívida das vossas faltas passadas, e essas dores, suportadas pacientemente sobre a Terra, vos poupam séculos de sofrimento na vida futura. (...)

       
        Muita atenção: ali não está dizendo que a dívida não quitada se transformará em séculos de sofrimento, mas que teremos essa dívida nos atormentando a consciência durante séculos, até que resolvamos quitá-la. Não é o débito que aumenta: é o sofrimento moral.

        Esta interpretação se encaixa perfeitamente, não só com o significado da lição, mas com a Justiça de Deus...
        Devemos estar compenetrados do seguinte: perante a Lei de Deus, somos sempre responsáveis:
        - pelo mal que fizemos;
        - pelo bem que deixamos de fazer, quando podíamos;
       - pelas consequências de termos deixado de fazer esse bem.
        E não há maneira nenhuma de aumentar ou diminuir nossas "contas" que não seja o nosso próprio modo de agir.
RITA FOELKER

Amiga Maria,
obrigada por partilhar este texto maravilhoso e muito elucidativo.
Creio que a autora consegui explicar de forma muito feliz que a lei de causa e efeito não tem nada a ver , como equivocadamente costuma se pensar,com  vingança ou lei de talião.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 07 de Agosto de 2012, 23:35
" As paixões e os excessos de toda espécie, por sua vez, criam em nossos organismos condições malsãs, freqüentemente transmissíveis pela hereditariedade.
    Allan Kardec


Querida Edna,
 Esta frase elide qualquer dúvida sobre a aplicação da lei de causa e efeito e a transmissão de nossas fraquezas pelo mecanismo da hereditariedade, é a genética a serviço do espírito moldando no corpo físico as desarmonias da alma.
Temos então, aqui a  lei de causa e efeito embasada pelo próprio codificador.
Este texto que você trouxe foi fundamental para ajudar a responder a algumas questões do estudo.
abraços fraternos
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 08 de Agosto de 2012, 01:00
      Aos amigos,

      - Para termos uma “fé raciocinada” temos de, abandonando os preconceitos, estudar outras doutrinas, compará-las com a nossa e escolher a q mais se harmonize com nosso íntimo! Esse é o conselho da DE! -
.............................................

      Cel: me permitam complementar aquilo q alguns amigos, já colocaram no tópico : <todos> os males físicos – e, também, <todos> os males morais (ou mentais, psicológicos) - se originam de nossa ignorância, pois não sabemos <como> fazer para não estarmos sujeitos a eles; mais explicitamente: não sabemos o <como> fazer para nos libertarmos da ignorância.

      Até mesmo os males provocados pela genética ou por terceiros, por relacionamentos desarmonizados ou conflitos, guerras, acidentes, agressões físicas ou morais, ou pela natureza (como doenças e epidemias, contágios através de o q for, q portam vírus, bactérias, fungos etc) e seus (da natureza) desastres (terremotos, maremotos, erupções vulcânicas, tempestades etc) q tudo destroem, matam e ferem e q, nos animais e vegetais podem deixar “seqüelas”, das quais podem, depois, se originar outros males, vêm, exatamente, dessa nossa ignorância.   

      E, observe se não é assim: não adianta dizer, a quem quer q seja, como diz o texto trazido pela amiga Maria (msg inicial): não se irrite, q isso pode lhe causar gastrite, úlcera, enxaqueca, baixa imunidade e outros males, às vezes muito piores e de conseqüências irreversíveis; também, de nada adianta dizer que “o problema está na alma”; ou, q é necessário uma mudança de atitudes, hábitos e pensamentos, q isso lhe trará a cura verdadeira; não adianta dizer q, para o bem da nossa saúde física, procuremos antes de tudo cuidar da nossa mente e da nossa alma, buscando os bons pensamentos e praticando o bem. O aconselhar “não se irrite”, não acaba com a irritação de ninguém!

      É evidente q, sendo este espaço destinado a se compreender como caminhar em direção ao aperfeiçoamento do espírito, não estamos tratando, para esses males, de medicamentos químicos ou médicos do corpo. Estamos tratando de virtudes q podem curar; por isso o dizer-se q, para nos livrarmos de todos esses males e, evidente mente, de todos os sofrimentos q eles provocam, todos esses conselhos se resumem no último: cuidar da mente e da alma, buscando bons pensamentos e praticando o bem.

      Aí está a grande dificuldade, o obstáculo maior para q os homens se livrem de seus males. Como colocado acima, e nos textos q lemos (talvez todos os dias) em “milhões” de mensagens, participações, comentários, lições etc, só se diz, numa tentativa de ensinar a solução para acabar com todos esses problemas, <o que fazer>; este texto começa, acima, com um “não se irrite!”, e termina com um sério e importante “cuide da mente e da alma buscando bons pensamentos e praticando o bem!”

      Todos esses textos, todas religiões e religiosos só sabem aconselhar <o que fazer>; nunca, o <como fazer>!   

      Será q basta prometer a si mesmo ou a Deus: a partir de agora não vou mais me irritar, e vou cuidar da mente e da alma? A partir de agora, vou mudar meus pensamentos maus, pois estão me prejudicando, e só vou pensar em coisas boas e elevadas?...

      Quem sabe como fazer isso? Quem sabe como cuidar da mente e da alma?  Cuidar da mente e da alma se faz colocando amor no coração, mas quem é q sabe como tornar um coração vazio de amor em um coração cheio de amor?

      Outra coisa: quem sabe como mudar os pensamentos se, a verdade é q ninguém tem domínio sobre eles? Nós não comandamos nossa mente; ela é q nos comanda e, por isso, nos leva daqui para lá, de lá para mais além, para acertos e felicidades, para erros e infelicidades!

      Porq erramos? Será q é porq escolhemos errar, mesmo conhecendo as terríveis conseqüências do erro e q a lei de causa e efeito nos alcançará?!

      E, observem, para q esses conselhos possam chegar a ser atendidos, aqueles q os ouvem devem crer, e profundamente, naqueles q os transmitem; devem crer q vale a pena segui-los mas, e sobretudo, devem aprender <como> fazer para mudar atitudes, hábitos e, principalmente, <como> fazer para mudar os pensamentos. Todos têm de, imperiosamente, saber <como> fazer para, como diz o texto, cuidar da mente e da alma! Não adianta dizer “cuide de sua alma”, se não se disser, também, <como> fazer isso!
....................................



Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: JACY R SENA em 08 de Agosto de 2012, 01:40
     Boa noite SUSANA, e a todos os irmãos desse forum.                                                                                          Pessoas que são negativas, vivem em desarmonia emocional, pois estão sempre atraindo para si energias ruins, o pessimismo será sempre  a sua companhia,e com isso vivem na escuridão das lamentações de sua existencia, atrasando  assim a sua evolução espiritual  e  muitas vezes chega a  induzir as pessoas que estão no seu convivio a terem esse mesmo comportamento;Isso é uma ação com grandes reações. Somos o que  pensamos e o que praticamos se temos energias negativas estas se transformam em graves doenças destruindo o corpo fisico e o espiritual . Muita paz para todos.                                               
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Agosto de 2012, 01:43
Obsessão e Doenças

-A influência de processos obsessivos na eclosão das enfermidades.-

A obsessão causada por um espírito pode fazer com que o obsediado adoeça organicamente?

“ Pululam em torno da Terra os maus Espíritos, em conseqüência da inferioridade moral de seus habitantes. A ação malfazeja desses Espíritos é parte integrante dos flagelos com que a Humanidade se vê a braços neste mundo.
A obsessão que é um dos efeitos de semelhante ação, como as enfermidades e todas as atribulações da vida, deve, pois, ser considerada como provação ou expiação e aceita com esse caráter.”

“Chama-se obsessão à ação persistente que um Espírito mau exerce sobre um indivíduo. Apresenta caracteres muito diferentes, que vão desde a simples influência moral, sem perceptíveis sinais exteriores, até a perturbação completa do organismo e das faculdades mentais”

A Gênses Capítulo XIV – 45

“Nos casos de obsessão grave, o obsidiado fica como que envolto e impregnado de um fluido pernicioso, que neutraliza a ação dos fluidos salutares e os repele.”


A Gênese Capítulo XIV-46

“19. - Todos os dias de sábado Jesus ensinava numa sinagoga. - Um dia, viu ali uma mulher possuída de um Espírito que a punha doente, havia dezoito anos; era tão curvada, que não podia olhar para cima. - Vendo-a, Jesus a chamou e lhe disse: Mulher, estás livre da tua enfermidade. - Impôs-lhe ao mesmo tempo as mãos e ela, endireitando-se, rendeu graças a Deus.
Mas, o chefe da sinagoga, indignado por haver Jesus feito uma cura em dia de sábado, disse ao povo: Há seis dias destinados ao trabalho; vinde nesses dias para serdes curados e não nos dias de sábado.
O Senhor, tomando a palavra, disse-lhe: Hipócrita, qual de vós não solta da carga o seu boi ou seu jumento em dia de sábado e não o leva a beber? - Por que então não se deveria libertar, em dia de sábado, dos laços que a prendiam, esta filha de Abraão, que Satanás conservara atada durante dezoito anos?
A estas palavras, todos os seus adversários ficaram confusos e todo o povo encantado de vê-lo praticar tantas ações gloriosas. (S. Lucas, cap. XIII, vv. 10 a 17.)
20. - Este fato prova que naquela época a maior parte das enfermidades era atribuída ao demônio e que todos confundiam, como ainda hoje, os possessos com os doentes, mas em sentido inverso, isto é, hoje, os que não acreditam nos maus Espíritos confundem as obsessões com as moléstias patológicas.”

Observações:

Apesar de se atribuir em geral aos demônios a origem do mal, neste caso em específico não se tratava apenas de confusão entre obsessão e enfermidade física já que foi o próprio Jesus quem disse:
“Por que então não se deveria libertar, em dia de sábado, dos laços que a prendiam, esta filha de Abraão, que Satanás conservara atada durante dezoito anos?”
Satanás , de acordo com a doutrina, é a personificação do mal sob forma alegórica, então poderíamos dizer que aqui ele representaria os seres malfazejos.
Sim, o caso em questão não era de enfermidade física, mas de  obsessão , porém a obsessão era  a real causadora pela desdita da moça como asseverou Jesus ao dizer que ela agora estava liberta da influência perniciosa que se deu por 18 anos.
Ante tudo o que foi exposto anteriormente, podemos obsevar que pela codificação,seria possível que espíritos sejam responsáveis pelo aparecimento de moléstias e distúrbios  no organismo dos encarnados.

Questão 481 do Livro dos Espíritos. Desempenham os Espíritos algum papel nos fenômenos que se dão com os indivíduos chamados convulsionários?
 
“Sim e muito importante, bem como o magnetismo, que é a causa originária de tais fenômenos. O charlatanismo, porém, os tem amiúde explorado e exagerado, de sorte a lançá-los ao ridículo.”


Importante lembrar que mesmo a ação dos desencarnados também estaria sujeita á ação da lei de causa e efeito, pois que a obsessão, em muitas ocasiões ,tem também origem em ações praticadas por nós, nesta ou em outra existência.
É deste modo que mesmo no caso de uma enfermidade ter origem na ação de outro espírito, ainda  somos em parte responsáveis por ela, na medida que temos dentro de nós mesmos os remédios para evitar que processos obsessivos se instalem.
Já dizia Kardec que não o homem , não raro é o obsessor de si mesmo, assim somos nós que atraímos por sintonia os espíritos imperfeitos.
Desta forma, se uma doença tem origem em um processo obsessivo, como este processo obsessivo teve origem em nós mesmos, cabe então extirpar de nossa alma  o que estiver atraindo a companhia de irmãos em desequilíbrio, pois tratando- se de lei de causa efeito, o ditado mais apropriado seria: diga-me quem és que te direi com quem andas.

Questão 479 do Livro dos Espíritos:
 A prece é meio eficiente para a cura da obsessão?
 
“A prece é em tudo um poderoso auxílio. Mas, crede que não basta que alguém murmure algumas palavras, para que obtenha o que deseja. Deus assiste os que obram, não os que se limitam a pedir. É, pois, indispensável que o obsidiado faça, por sua parte, o que se torne necessário para destruir em si mesmo a causa da atração dos maus Espíritos.”


A doutrina espírita tem o remédio para a cura de qualquer processo obsessivo e suas consequências, inclusive as doenças provocadas pelos fluídos malsãos:
reforma íntima, só que este remédio só pode ser ministrado por nós mesmos.
A consciência metafísica permite a compreensão dos mecanismos da lei de causa e efeito.
Ela nos ensina a ter uma visão mais madura e consciente da vida, onde assumimos nossa parcela de responsabilidade por tudo o que nos acontece.
Assim, vírus, bactérias, obsessores deixam de ser bodes expiatórios,e passamos a buscar dentro de nós mesmos as reais causas da doença pois todo processo enfermiço é uma atuação sinérgica do que ocorre no nosso mundo interno e externo.
Façamos então  à nossa parte.
Que Deus nos abençoe
Abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Agosto de 2012, 01:49
Somos o que  pensamos e o que praticamos se temos energias negativas estas se transformam em graves doenças destruindo o corpo fisico e o espiritual.                                       

é isso aí Jacy! ;)
grande abraço
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Agosto de 2012, 11:39
Olá Coronel,
Obrigada pela participação.
Selecionei algumas partes do seu comentário e respondo abaixo.
abraços
Susana


     
 Cel: me permitam complementar aquilo q alguns amigos, já colocaram no tópico : <todos> os males físicos – e, também, <todos> os males morais (ou mentais, psicológicos) - se originam de nossa ignorância, pois não sabemos <como> fazer para não estarmos sujeitos a eles; mais explicitamente: não sabemos o <como> fazer para nos libertarmos da ignorância.

O aconselhar “não se irrite”, não acaba com a irritação de ninguém!

Aí está a grande dificuldade, o obstáculo maior para q os homens se livrem de seus males. Como colocado acima, e nos textos q lemos (talvez todos os dias) em “milhões” de mensagens, participações, comentários, lições etc, só se diz, numa tentativa de ensinar a solução para acabar com todos esses problemas, <o que fazer>; este texto começa, acima, com um “não se irrite!”, e termina com um sério e importante “cuide da mente e da alma buscando bons pensamentos e praticando o bem!”

      Todos esses textos, todas religiões e religiosos só sabem aconselhar <o que fazer>; nunca, o <como fazer>!   

      Quem sabe como fazer isso? Quem sabe como cuidar da mente e da alma?  Cuidar da mente e da alma se faz colocando amor no coração, mas quem é q sabe como tornar um coração vazio de amor em um coração cheio de amor?

      Outra coisa: quem sabe como mudar os pensamentos se, a verdade é q ninguém tem domínio sobre eles? Nós não comandamos nossa mente; ela é q nos comanda e, por isso, nos leva daqui para lá, de lá para mais além, para acertos e felicidades, para erros e infelicidades!

      Porq erramos? Será q é porq escolhemos errar, mesmo conhecendo as terríveis conseqüências do erro e q a lei de causa e efeito nos alcançará?!

      Não adianta dizer “cuide de sua alma”, se não se disser, também, <como> fazer isso!
....................................


Caro Coronel,
Este é um estudo, ele tem uma sequência, primeiro identificamos o  problema, sua causa para ao longo do estudo abordarmos a terapêutica de cura.
O que ocorre é que a única forma de mudar pensamentos  e sentimentos é através de disciplina e firme propósito de se melhorar.
Então como fazer?
Primeiro, iniciando um sincero processo de autoconhecimento, pois só podemos identificar o que precisamos melhorar quando olhar com verdade para dentro de nós mesmos.
Ouvir críticas também ajuda, porque se várias pessoas diferentes dizem a mesma coisa a meu respeito é porque elas estão percebendo algo que talvez eu não esteja percebendo, então o próximo muitas vezes pode ser o seu mestre.
Depois, tomada consciência sobre nossas imperfeições é necessário buscar todo recurso terapêutico para nos melhorar.
Não existe receita de bolo, mas vários caminhos.
Uns o fazem através de terapia, outros através da meditação, yoga, outros através do engajamento em atividades que os fazem sair do seu "eu" como trabalho voluntário,outros através de leituras edificantes( o que lemos fica arquivado e se praticamos se torna um hábito),  enfim exitem um série de ferramentas disponíveis para nos auxiliar no processo de cura da alma.
A reforma íntima nada  mais é do que isso, identificar uma dificuldade e se esforçar para saná-la.

Como colocar amor num coração vazio?
Primeiro: plantando o amor dentro de si. Qualquer trabalho voluntário constante tem o poder e operar grandes transformações. Diante da dificuldade alheia saímos do nosso casulo e quando sentimos o próximo, suas necessidades, naturalmente nos tornamos mais compassivos e amorosos.
Todas as pessoas que conheci que desenvolveram algum tipo de atividade nesse sentido tiveram visíveis melhoras na forma como se relacionavam com o mundo, se tornaram mais virtuosas.
A caridade  é um eficiente medicamento para degelar corações.

Como mudar pensamentos?
Através de todas as práticas que eu citei acima.
A meditação e a yoga são ferramentas muito importantes para controlar a mente.
O homem sábio não é conduzido pela mente , ele a conduz. Ele não é um escravo dose sentidos, mas senhor do seu destino.
A yoga tem a habilidade de serenar a mente, diminuindo a turbulência e desordem dos nossos pensamentos.
Deus deixou o remédio para cada mal, só que cabe a nós pelo nosso próprio esforço encontrá-los.
Deixei neste comentário várias sugestões, cabe a ti escolher a que mais lhe agrade.
paz e luz
Susana


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: hcancela em 08 de Agosto de 2012, 12:27
Olá Susana

Apesar de atrasado, aquele abraço bem gostoso e muito sucesso para este Estudo mensal :-*

A vida material é uma maravilhosa e insubstituível escola que possibilita que aprendamos e tomemos consciência das nossas atitudes erradas nesta e em vidas pretéritas num futuro menos doloroso quando bem entendido e colocado me prática.
Mas como é que tudo isto aparece" Causa e Efeito"? Do nada? Não! O Princípio do Livre Arbítrio dá ao homem o direito de escolher seus caminhos, de ser (como diria)o autor de sua história, o construtor do seu destino. Entranto, o Princípio de Causa e Efeito, Plantação e Colheita, torna o homem (refém) de seus atos, das suas escolhas.

Nós construímos nossa vida, no exercício do nosso livre arbítrio, na escolha de nossas opções. E optar, não é o que estamos fazendo? Ajudo ou prejudico? Cuido da minha saúde ou me vicio em drogas? Sou amigo ou inimigo? Prego a paz ou fico criando intrigas? Elogio ou critico? Trabalho ou fico ocioso? Construo ou quebro? São as nossa escolhas! Nossas decisões! Nós, meus caros amigos, somos os únicos responsáveis pela escolha do nosso caminho,o problema, é que, após a escolha, temos que trilhar pelo caminho escolhido!

Útil, não é necessariamente aquele que quando está na erraticidade, solicita reencarnar como um deficiente, para purgar atitudes equivocadas. Muito mais importante é aquele que procura, quando está encarnado, adquirir condições para, na próxima vez, reencarnar perfeito, para auxiliar, construtivamente, os seus irmãos.Somos Seres espirituais em trânsito pela Terra.

A expiação, muitas vezes, por conta de uma visão distorcida, soa como castigo divino. Mas, nós espíritas, sabemos e devemos demonstrar pelo exemplo, que as deformidades físicas não estão punindo, mas eliminando as deformidades em nosso espírito milenar, que necessita de ser (limpo) de impuseras.

Podemos atenuar, ou mesmo eliminar, Estas situaçôes? Sim, por atos de amor. Cabe a nós demonstrarmos "que o amor cobre uma multidão de pecados". As pessoas quando enfrentam uma situação difícil, seja ela: física, financeira ou psicológica, e que não sabem, nem conseguem, nem desejam modificá-la, enfrentando-a, costuma dizer:

- Não posso mudar. É meu carma. Eu sou assim! É a anestesia da consciência! É o famoso complexo de Gabriela! Sabem aquela música? "Eu nasci assim, eu cresci assim, eu vivi assim..." E com isso, tenta esquecer que a sua obrigação é mudar! É progredir!

Dentro desta verdade divina, não existe o perdão de Deus, pois recebemos segundo o que obramos, ou seja, segundo o que fizemos. Deus não nos criou para nos punir! Deus é amor... e o Carma não é punição Divina: é a consequência retificadora.

Considerando a Lei de Causa e Efeito, é uma Lei Divina, e que as Leis Divinas foram escritas por Deus, conclui-se que: "Na natureza não há prêmios ou castigos. Há consequências"!

A falsa noção (Karma) Causa e efeito inflexível, nos conduz a dois grandes erros. Um é que o Espiritismo prega ou endossa a necessidade da dor, isto não é verdade.

A dor só seria uma necessidade, se o Espiritismo pregasse que todos deveríamos ser um grupo de masoquistas! O que a Doutrina dos Espíritos demonstra com clareza, é a utilidade da dor, quando persistirmos no egoísmo, no orgulho, na vaidade e demais defeitos lesivos à comunhão de solidariedade com os semelhantes. A dor não é uma criação divina. A dor é criação de quem sofre!

O outro erro é a crença de que a Doutrina Espírita, aconselha o conformismo diante da "má sorte"; isto também não é correto; o que ela ensina é a resignação, atitude bastante diferente, adequada para nos fazer aceitar sem desespero aquilo que não podemos mudar.
Lembro que Dor não é sinónimo de expiação do quer que seja, porque Jesus nos disse" Bem aventurados os pobres de Espirito", porque convém ressalvar que pelo simples facto de sofrermos podemos nada expiar porque é necessário saber sofrer e com resignação.

Compreendamos, Causa e Efeito, como espécie de conta corrente das ações que praticamos no Banco deste mundo, onde há séculos caminhamos endividados, cadastrados no banco da vida, pela constante emissão de cheques sem os necessários fundos de bondade, caridade, amor, etc...
Atenção aos Cheques carecas(sem fundo). ;D


Saudações fraternas

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 08 de Agosto de 2012, 13:17

O Sofrimento e a Lei do Retorno

por Guilhermina Batista Cruz -

As tragédias que estão acontecendo no mundo, nos leva o pensamento ao sofrimento humano e as conseqüências que ele acarreta para as pessoas. Além de estarmos passando por uma transição em nosso planeta, onde, muitas pessoas estão desencarnando, devemos nos ater também ao significado disso para nós do ponto de vista espiritual.

Geralmente, as tragédias mobilizam o sentimento das pessoas em direção à caridade para com o próximo e à mudança de visão em relação aos problemas que irmãos nossos passam. Problemas estes, que afligem pessoas que vivenciam outras realidades. Todo mundo "acorda "um pouco quando acontece uma tragédia. E acorda porque no íntimo já começa a despontar o desejo de ajuda ao próximo, o desejo de “amar ao próximo como a si mesmo”. De uma catástrofe que nos causa sofrimento surge uma renovação do mesmo, no sentido de se mobilizarem forças para ajuda aos irmãos sofredores.

Muita gente tenta negar o sofrimento dizendo que é só nos conscientizarmos de que ele não existe para tudo ficar às claras e os problemas resolvidos. Isso nos reporta ao fato de que nem todos nós passamos por sofrimentos cruéis e catástrofes em nossas vidas, mas, para aqueles irmãos que atravessam momentos difíceis, ele se mostra em toda a sua força, muitas vezes, impedindo-os de terem sequer o entendimento do que estão passando.

O problema do sofrimento, não temos como negar, está relacionado às nossas imperfeições e ao mundo onde estamos aprendendo, muitas vezes, pela dor, pelas desilusões e tragédias, inexplicáveis para muitos, mas que representam um acordar de consciência para o mundo onde vivemos. Sem a aceitação de que viemos novamente para nos ajustarmos às leis divinas, fica difícil entender o sofrimento que muitos irmãos vivenciam. Mesmo que tenha chegado a era da renovação para todos, o sofrimento do irmão é nosso também. Estou falando aqui do sofrimento realmente devastador, como a tragédia ocorrida na Ásia, em que muitos irmãos pereceram de forma trágica, e muitas crianças ficaram órfãs e traumatizadas pelo resto de suas vidas.

O sofrimento que devemos considerar como normal na vida, capaz de superarmos por nós mesmos, é aquele que nos traz as desilusões, as preocupações, os problemas materiais e toda gama disso decorrente. Esses, temos como reverter, como pessoas conscientes em nosso poder interior, e de que merecemos viver com alegria e enfrentarmos os nossos próprios fantasmas, a fim de nos livrarmos deles e sairmos mais fortes.

São nossas ações equivocadas que vão nos acarretar toda uma gama de problemas, com suas conseqüências a perdurar através, muitas vezes, se nos acomodarmos, de uma vida inteira. As ações que praticarmos certamente estarão sujeitas a lei natural de justiça, chamada de "causa e efeito" ou de "ação e reação". É através da lei do retorno, que nos tornamos responsáveis pelo que fizermos a nós mesmos, tanto quanto ao próximo. Nós podemos semear livremente nossas ações, de acordo com o nosso livre arbítrio, mas, devemos estar preparados para a colheita resultante delas.

O livre arbítrio nos foi concedido por Deus para agirmos de acordo com o nosso pensamento, mas, se ainda estamos na sintonia do desamor, do egoísmo, do orgulho e presunção de sermos mais que nosso irmão, as ações semeadas não serão boas, e portanto, a colheita também não será das melhores.

Uma ação que se mostre prejudicial ao próximo ou a nós mesmos, dará ensejo a uma reação contrária, de igual intensidade. Eis o modo pelo qual a Lei do retorno nos ensina a não reincidirmos no erro. Ela não nos castiga, e sim, corrige-nos dos erros cometidos. Ações contrárias ao bem, de encarnações passadas, acarretam colheitas desagradáveis na presente existência. Assim, se pautarmos nossas ações sem ferir nosso próximo, visando o bem, não só nosso como o dele, semearemos um futuro de felicidade e paz.

Precisamos entender o problema do sofrimento. Ele não pode nos reter eternamente em suas malhas, porém, existem irmãos que estão expiando erros; tem gente que acha que tudo isso é bobagem, mas não é. É a oportunidade bendita que Deus está proporcionando para que ajustemos a vibração visando nossa evolução espiritual. Nós precisamos evoluir, e, se não entendermos que aquela atitude não está de acordo com as leis divinas, vamos praticá-la ainda por muito tempo, retardando o nosso crescimento espiritual.

A dor que nos chega precisa ser encarada sem revoltas, pois, muitas vezes, são provas ou expiações de que ainda carece o nosso Espírito. A partir da aceitação dela, vamos encontrar as forças necessárias para sua superação. Com o esclarecimento do sentido dela em nossas vidas, é que podemos resolver o problema em definitivo, e não nos revoltarmos com os sofrimentos. Se tivermos uma fé raciocinada, nos sentiremos mais aptos para enfrentar as aflições.

Como nos diz Allan Kardec, (A Gênese, Capítulo III): "(...)Porém os males mais numerosos são aqueles que o homem criou para si, por seus próprios vícios, aqueles que provêm de seu orgulho, de seu egoísmo, de sua ambição, de sua cobiça, de seus excessos em todas as coisas; aí está a causa das guerras e das calamidades que elas geram, das dissensões, das injustiças, da opressão do fraco pelo mais forte, enfim, da maior parte das moléstias."

A lei de Causa e Efeito nos ajuda a entender os grandes infortúnios que muitos irmãos nossos sofrem, difíceis de aquilatar se não estivermos em sintonia com o amor e a misericórdia de nosso Pai maior. São esses sofrimentos que não conseguem ser explicados por nenhuma teoria materialista, e não podemos simplesmente dizer: você tem que conscientizar-se que não está sofrendo, você é dono de sua própria vida, pare de sofrer. Deveríamos então falar : Meu irmão, tenha forças. Você não está sozinho, acredite em nosso criador. Só ele pode curar-lhe o coração. Fortaleça-se na fé. Ela te ajudará a atravessar essa fase difícil.

Para aqueles que estão em sofrimentos penosos e afligentes, através das catástrofes e de violências atrozes, devemos oferecer o conforto não só da ajuda material, como da ajuda fraterna, moral e amiga, para fortalecer seus espíritos desalentados, ofertando-lhes uma vibração de amor, com o fim de acalmar seus corações.

Paz e luz a todos!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: filhodobino em 08 de Agosto de 2012, 14:22
Amados,
Se há justiça...
Todo efeito é relativizado a uma ou mais causas...
mas, se há justiça, não falo dessa justiça que permite, que alguém defenda outrem diante da suprema corte, alegando simplesmente que erraram o nome do crime... ou seja, o crime de que agora acusam seu cliente a imputabilidade vige, mas o outro com outro nome, já prescrito, pode ser alegado, para se livrar do que agora é acusado seu cliente.
O nome disso não é justiça, é conjunto de normas e comportamentos humanos, para ser aplicado contra os humanos, e não serve para ensinar humanos...
Agora a Justiça da Causa e Efeito, essa é eficaz e eficiente, para ensinar humanos, e também é eficiente e eficaz para que humanos aprendam comportarem-se uns para os outros.
Só isso.
Saúde e Paz!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Agosto de 2012, 18:27
HCancela!
Bem vindo ao estudo!
Antes tarde do que nunca. :D
Atrasado ou não chegou em boa hora e aliás..que postagem!
Difícil até comentar alguma coisa diante da lucidez das suas palavras, mas vou tentar.


A vida material é uma maravilhosa e insubstituível escola que possibilita que aprendamos e tomemos consciência das nossas atitudes erradas nesta e em vidas pretéritas num futuro menos doloroso quando bem entendido e colocado me prática.


Nós, meus caros amigos, somos os únicos responsáveis pela escolha do nosso caminho,o problema, é que, após a escolha, temos que trilhar pelo caminho escolhido!

Útil, não é necessariamente aquele que quando está na erraticidade, solicita reencarnar como um deficiente, para purgar atitudes equivocadas. Muito mais importante é aquele que procura, quando está encarnado, adquirir condições para, na próxima vez, reencarnar perfeito, para auxiliar, construtivamente, os seus irmãos.Somos Seres espirituais em trânsito pela Terra.

A expiação, muitas vezes, por conta de uma visão distorcida, soa como castigo divino. Mas, nós espíritas, sabemos e devemos demonstrar pelo exemplo, que as deformidades físicas não estão punindo, mas eliminando as deformidades em nosso espírito milenar, que necessita de ser (limpo) de impuseras.

Bem observado.



As pessoas quando enfrentam uma situação difícil, seja ela: física, financeira ou psicológica, e que não sabem, nem conseguem, nem desejam modificá-la, enfrentando-a, costuma dizer:

- Não posso mudar. É meu carma. Eu sou assim! É a anestesia da consciência! É o famoso complexo de Gabriela! Sabem aquela música? "Eu nasci assim, eu cresci assim, eu vivi assim..." E com isso, tenta esquecer que a sua obrigação é mudar! É progredir!

rsrs...Complexo de Gabriela foi ótimo  :D

Dentro desta verdade divina, não existe o perdão de Deus, pois recebemos segundo o que obramos, ou seja, segundo o que fizemos. Deus não nos criou para nos punir! Deus é amor... e o Carma não é punição Divina: é a consequência retificadora.

Justamente, não existe perdão porque Deus não se ofende e da mesma forma também não existe castigo.
O único juiz se encontra no tribunal da nossa consciência.

Considerando a Lei de Causa e Efeito, é uma Lei Divina, e que as Leis Divinas foram escritas por Deus, conclui-se que: "Na natureza não há prêmios ou castigos. Há consequências"!
Perfeito!

A falsa noção (Karma) Causa e efeito inflexível, nos conduz a dois grandes erros. Um é que o Espiritismo prega ou endossa a necessidade da dor, isto não é verdade.
Justamente. Aprende pela dor que não conseguiu aprende por amor. A dor se apresenta como ferramenta educativa áqueles que negligenciaram, no uso de sue livre-arbítrio, as valiosas oportunidades de crescimento dentro da harmonia das leis divinas.
Ela não é a única forma de aprendizado, mas o último recurso pedagógico que resta quando todos os demais falharam.

O outro erro é a crença de que a Doutrina Espírita, aconselha o conformismo diante da "má sorte"; isto também não é correto; o que ela ensina é a resignação, atitude bastante diferente, adequada para nos fazer aceitar sem desespero aquilo que não podemos mudar.
Acho que a oração da serenidade resume bem o que você trouxe:

" Deus, concedei-me,
A serenidade para aceitar as coisas que eu não posso modificar;
Coragem para modificar as coisas que posso, e
Sabedoria para saber a diferença."


Realmente assim como, apesar de tudo o que foi codificado, vemos irmãos negarem a atuação da lei de causa e efeito, confundindo-a com vingança e leid e talião, ainda hoje há também certa confusão quanto a diferença entre conformismo e resignação que tem um sentido diverso e mais profundo do que conformismo.
Resignação é uma virtude, conformismo não.

Lembro que Dor não é sinónimo de expiação do quer que seja, porque Jesus nos disse" Bem aventurados os pobres de Espirito", porque convém ressalvar que pelo simples facto de sofrermos podemos nada expiar porque é necessário saber sofrer e com resignação.
Exatamente: só há expiação para aqueles que não tem entendimento e aceitação diante dos revezes da vida.
Sim, de acordo com os espíritos estamos aqui expiando, pagando faltas, mas para aquele que já despertou não há sofrimento em  pagar algo que se deve, mas libertação e sensação de dever cumprido.
A alma resignada não expia apenas vive as experiências necessárias a seu aprendizado, por outro lado a alma revoltada ,vivendo experiência similar, pode sentir que está a passar por uma grande expiação porque sua compreensão é limitada e focada apenas no sofrimento e não no aprendizado.

Compreendamos, Causa e Efeito, como espécie de conta corrente das ações que praticamos no Banco deste mundo, onde há séculos caminhamos endividados, cadastrados no banco da vida, pela constante emissão de cheques sem os necessários fundos de bondade, caridade, amor, etc...
Atenção aos Cheques carecas(sem fundo). ;D

Fechou com chave de ouro! ;)

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Agosto de 2012, 22:05
Agora a Justiça da Causa e Efeito, essa é eficaz e eficiente, para ensinar humanos, e também é eficiente e eficaz para que humanos aprendam comportarem-se uns para os outros.
Só isso.
Saúde e Paz!

Amigo Filhodobino,
Muito obrigada pela sua participação! :)
grande abraço
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Agosto de 2012, 22:40

O Sofrimento e a Lei do Retorno

por Guilhermina Batista Cruz -

Muita gente tenta negar o sofrimento dizendo que é só nos conscientizarmos de que ele não existe para tudo ficar às claras e os problemas resolvidos.

O problema do sofrimento, não temos como negar, está relacionado às nossas imperfeições e ao mundo onde estamos aprendendo, muitas vezes, pela dor, pelas desilusões e tragédias, inexplicáveis para muitos, mas que representam um acordar de consciência para o mundo onde vivemos. Sem a aceitação de que viemos novamente para nos ajustarmos às leis divinas, fica difícil entender o sofrimento que muitos irmãos vivenciam.

 As ações que praticarmos certamente estarão sujeitas a lei natural de justiça, chamada de "causa e efeito" ou de "ação e reação". É através da lei do retorno, que nos tornamos responsáveis pelo que fizermos a nós mesmos, tanto quanto ao próximo. Nós podemos semear livremente nossas ações, de acordo com o nosso livre arbítrio, mas, devemos estar preparados para a colheita resultante delas.

O livre arbítrio nos foi concedido por Deus para agirmos de acordo com o nosso pensamento, mas, se ainda estamos na sintonia do desamor, do egoísmo, do orgulho e presunção de sermos mais que nosso irmão, as ações semeadas não serão boas, e portanto, a colheita também não será das melhores.


A dor que nos chega precisa ser encarada sem revoltas, pois, muitas vezes, são provas ou expiações de que ainda carece o nosso Espírito. A partir da aceitação dela, vamos encontrar as forças necessárias para sua superação.



A lei de Causa e Efeito nos ajuda a entender os grandes infortúnios que muitos irmãos nossos sofrem, difíceis de aquilatar se não estivermos em sintonia com o amor e a misericórdia de nosso Pai maior. São esses sofrimentos que não conseguem ser explicados por nenhuma teoria materialista, e não podemos simplesmente dizer: você tem que conscientizar-se que não está sofrendo, você é dono de sua própria vida, pare de sofrer. Deveríamos então falar : Meu irmão, tenha forças. Você não está sozinho, acredite em nosso criador. Só ele pode curar-lhe o coração. Fortaleça-se na fé. Ela te ajudará a atravessar essa fase difícil.

Ótimo o texto Maria.
Realmente negar o sofrimento não é uma forma sábia de lidar com as dificuldades da vida.
Quando aparece uma situação que cause dor e sofrimento, não podemos simplesmente negá-la, mas enfrentá-la.
E , se porventura, faltarem forças, recorramos ao bondoso Pai que nunca nos esquece.
O maior homem que já caminhou pela Terra não tinha nada a expiar e saiu daqui numa cruz, então diante do nosso sofrimento, lembremos do exemplo de Jesus.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 08 de Agosto de 2012, 23:16
Lei de causa e efeito.Meus irmãos e minhas irmãs, somos o que somos pelo que praticamos,
receberemos o quinhão pelo merecido.As leis de Deus são claras para todos nós,cumpri-las
é um dever,a reação será sempre proporcional a nossa ação.Se ela for boa,se reverterá em
em acréscimo no nosso processo evolutivo,do contrario haverá aumento de débitos a resgatar.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 09 de Agosto de 2012, 01:26
Susana e Queridos amigos, compartilho com vocês este breve vídeo. que apresenta uma entrevista de Divaldo Pereira Franco e cujo tema vem ao encontro das colocações do grupo, servindo para ilustrar o debate sobre a causa e efeito nesta vida, apontando também mecanismos e atitudes para a mudança:
Lei de ação e reação - Divaldo P.Franco (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWJ0MWM5WTk3STNVJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)
Abraços e Paz Profunda
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 09 de Agosto de 2012, 01:48
Lei de causa e efeito.Meus irmãos e minhas irmãs, somos o que somos pelo que praticamos,
receberemos o quinhão pelo merecido.As leis de Deus são claras para todos nós,cumpri-las
é um dever,a reação será sempre proporcional a nossa ação.Se ela for boa,se reverterá em
em acréscimo no nosso processo evolutivo,do contrario haverá aumento de débitos a resgatar.
Fiquem na paz.

Amigo Renato,
Obrigada pela presença constante no estudo.
Suas observações têm sido sempre muito importantes para o entendimento do tema.
Volte sempre! :)
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 09 de Agosto de 2012, 01:59
Todo efeito tem uma causa. Todo efeito inteligente tem uma causa inteligente. O poder da causa inteligente está na razão da grandeza do efeito.
Allan Kardec
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 09 de Agosto de 2012, 02:06
Querida Ere,
Muito esclarecedoras as palavras de Divaldo.
Certamente a maior parte de nossas aflições criamos nesta existência, quando as causas não se encontram nesta, possivelmente, estarão na anteriores, mas em ambos os casos trata-se de mera aplicação da lei de causa e efeito.
abraços fraternos
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: João Toradi em 09 de Agosto de 2012, 11:46
Tudo na vida tem uma resposta e dizer que sabemos todas elas seria ingenuidade de nossa parte. Assim sendo, por mais que aja coerência na lei de causa e efeito, ela pode não ser muito bem entendida e compreendida para nós espíritos. Há acontecimentos que nada tem haver com esta lei, porém não deixa de ocorrer. Em minha opinião, somos nós que fazemos nossas escolhas, mas quando estamos totalmente despertos. Dizer que uma doença foi causada pela "falta" em vidas passadas é muito fácil e aceita por quase todos, mas pode não ser isso, então a pergunta ficaria no ar.
Para mim, a lei de causa e efeito existe, mas ela não se aplica nos espíritos. Peço a todos os irmão aqui, muito cuidado com o que pensamos. Allan Kardec mesmo na pergunta que ele fez a um dos espíritos desencarnados sobre a manipulação em nossas vidas, ele responde que é muito mais do que imaginamos sermos influenciados. Por isso peço que reflitamos um pouco mais sobre o assunto.
Paz e Luz!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 09 de Agosto de 2012, 12:20
Dizer que uma doença foi causada pela "falta" em vidas passadas é muito fácil e aceita por quase todos, mas pode não ser isso, então a pergunta ficaria no ar.

Para mim, a lei de causa e efeito existe, mas ela não se aplica nos espíritos.


Olá João!
Primeiramente seja bem vindo ao fórum e ao estudo mensal. :)
Pelo decorrer do estudo percebemos que uma doença pode ter origem também, mas não apenas, em outra existência.
Pode-se dizer que a doenças ocorrem:
- por pensamentos, sentimentos e hábitos que adotamos nesta vida( mesmo quando o agente desencadeador da doença, pareça ser externo ainda assim somos nós que cultivamos o terreno para que se instalem)
- por ações adotadas em outras existências
- por provas
- por ações de terceiros(obsessores),mas este caso é meio que um desdobramento da primeira e da segunda hipótese, porque em última instância todo processo obsessivo começa em nós mesmos.

Estas conclusões não foram tiradas da minha cabeça de forma aletaória, mas baseada nos textos dos evangelhos e da própria codificação.
Não sei se chegou a ler tudo o que foi postado neste estudo, mas seria importante ler todo o material complementar  e os comentários poque ali você encontrará os textos da doutrina que reforçam este entendimento.
Você diz que na sua opinião a lei de causa e efeito não se aplica aos espíritos, poderia o amigo explicar melhor?
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 09 de Agosto de 2012, 23:44

“Lembramo-nos da Lei de Causa e Efeito apenas em matéria de sofrimento, mas ela funciona também para o bem. Quem faz o bem, queira ou não, será recompensado... O Senhor manda que o mal seja corrigido e o bem seja estimulado em benefício de cada um de nós...”
Chico Xavier
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 09 de Agosto de 2012, 23:47

Lei de causa e efeito

01 – Ouve-se sempre o espírita falar em débito cármico, quando alguém passa por determinado sofrimento.  O que é o carma?
A expressão carma não é espírita.  Está no Hinduísmo e no Budismo.  Define as consequências de nossas ações, boas ou más, que geram reações que nos atingem na mesma intensidade, nesta encarnação ou nas próximas encarnações.

02 – Mas é usada no Espiritismo...
É usada pelos espíritas.  Não consta da Codificação.  Mais correto falar em  Ação e Reação ou  Causa e Efeito.

03 – Qual é a diferença?
A diferença que a expressão Carma costuma ter um sentido passivo.  A pessoa deve sujeitar-se aos males que lhe são impostos, sem reagir, para fazer jus a algo melhor no futuro.  A partir daí temos situações lamentáveis, como o sistema de castas que vige na Índia, a consagrar discriminações, principalmente dos párias, a casta inferior.

04 – Digamos que alguém tenha matado um desafeto, dando-lhe um tiro no peito.  Numa existência futura não deveria morrer assim também, para resgate de sua dívida?
Isso apenas perpetuaria o mal, porquanto alguém deveria fazê-lo, assumindo carma idêntico.  Esse retorno implacável, na mesma proporção, evoca a pena de talião, olho por olho, dente por dente, de Jeová, o sanguinário deus mosaico, substituído pelo Deus de amor e misericórdia, revelado por Jesus.

05 – E como fica o assassino?
Terá desajustes espirituais, decorrentes de seu ato criminoso, que tenderão a refletir-se em seus estados físicos e emocionais, na presente existência ou em futuras, originando males que lhe ensinarão a superar a agressividade.  Paralelamente, será chamado ao compromisso de reajustar-se com sua vítima, compensando-a pelo mal que lhe fez.

06 – Todos estamos sujeitos a essas consequências?
Sim, mas o grau de comprometimento do criminoso dependerá de sua capacidade em distinguir o Bem do mal, o certo do errado.  Quanto maior o seu discernimento, maior a responsabilidade.

07 – Nossos sofrimentos estão sempre associados ao pagamento de dívidas contraídas em vidas anteriores?
Estão mais relacionados com nosso estilo de vida no presente: O que comemos, o que fazemos, como pensamos...  A gordura excessiva, que sobrecarrega o organismo, é mera consequência de um regime alimentar desregrado, sem nenhuma vinculação com existências passadas.

08 – Como saber se nossos males têm sua origem em vidas anteriores ou se são resultantes de nosso comportamento na vida atual?
Os males cármicos são mais entranhados e, não raro, nos acompanham pela vida toda.  A perda de um membro, a doença crônica, a esterilidade, a grave limitação física ou mental...  Os resultantes dos maus cuidados com nossa vida e nosso corpo desaparecem à medida que nos tornamos mais disciplinados.

09 – É possível amenizar os rigores da Lei de Causa e Efeito?
Deus nos concede duas moedas para resgate de nossas dívidas – a dor e o amor.  Se não há amor, aumenta a dor.  Quanto mais amor, menos dor.

10 – Que amor é esse?
O amor fraterno preconizado por Jesus, que se exprime em fazer ao próximo o Bem que gostaríamos nos fizessem.  É ele que cobrea multidão de pecados, como dizia o apóstolo Pedro em sua primeira epístola aos coríntios (4:8).

11 – Os sofrimentos e o exercício do amor promovem a quitação de nossos débitos perante a Justiça Divina?
A quitação definitiva,que exprime a tranquilidade de consciência, será alcançada com a reparação de nossas faltas, compensando nossas vítimas pelos prejuízos que lhes causamos.

Fonte: Livro – Espiritismo, Tudo o Que Você Precisa Saber / autor Richard Simonetti – editora ceac
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 10 de Agosto de 2012, 11:00
Parte V-  O papel da mente na manutenção da saúde

“Tudo o que  a mente humana pode conceber, Ela pode conquistar”
Napoleon Hill



Texto retirado do livro Metafísica da saúde, volume I de Valcapelli & Gasparetto

MENTE SEM LIMITE – Entendendo a mente

"A mente tem diferentes níveis, mas não tem limites.
Compreender a dinâmica das experiências mentais auxilia-nos a lidar melhor
com esse complexo mecanismo do pensar.
Formular pensamentos, ter consciência de nossa lucidez e manipular a
capacidade de escolher e de dar importância são os maiores atributos da raça humana.
Podemos comparar a mente a um grandioso e sofisticado computador que
temos ao nosso inteiro dispor. Como qualquer aparelho de altíssima tecnologia,
precisamos conhecer seu manual de funcionamento. O mesmo se aplica ao universo
psíquico.
 (..)
Somos um sofisticado sistema de captação e produção de energias
vivificadoras, e a mente canaliza e direciona essas energias vitais, criando a atmosfera
energética que influencia a realidade, e estas se moldam de acordo com as nossas
crenças.

(...)
As crenças podem se originar dos valores morais ou  religiosos que nos são
passados pela educação ou formulados através de nossas próprias experiências. Elas
representam as certezas interiores ou aquilo que tomamos como verdadeiro para nós.
Na maioria das vezes são adotadas sem nenhum critério seletivo, não questionamos se
esses valores ainda servem para a realidade atual,  por isso eles são falsos valores.
Porém aqueles que são formulados como resultado de  nossas vivências são mais
realistas, por isso nós os consideramos valores verdadeiros.


As crenças estabelecidas ao longo de sua existência determinam a maneira
como você encara os fatos da vida e servem de base para a escolha de como você
deve reagir e se comportar. Para cada pensamento teremos uma reação em nosso
sistema ou uma sensação. Assim eles também determinam a qualidade de bem ou
mal-estar de seu dia-a-dia.
De uma certa forma, como veremos mais adiante, nossas crenças moldam a realidade, reproduzindo no ambiente externo aquilo que concebemos interiormente.

Cada um vive de acordo com suas próprias crenças.
Se você acredita no bem, terá bons pensamentos, conseqüentemente sua vida
seguirá por um curso harmonioso. Já aqueles que acreditam no mal são maliciosos,
vêem maldade em tudo, acabando por atrair episódios ruins.
 Ser otimista é pensar nas perspectivas favoráveis de uma situação, enquanto ser pessimista é nutrir pensamentos negativos e dar muita importância aos obstáculos.
A mente é comandada por você, por seu livre-arbítrio. De modo geral, aquilo que
se pensa sobre si mesmo e sobre a vida determina a realidade à sua volta.

(...)
A força do pensamento atua tanto nas funções biológicas do corpo como no
ambiente ao redor. Alguns exemplos corriqueiros tornam isso mais explícito, como
pensar em comida e sentir fome, ou imaginar que algo é ameaçador e sentir medo —
esse estado produz no corpo a adrenalina que estimula as funções biológicas
deixando-o em alerta.
(....)

Antigamente acreditava-se que a mente era restrita  ao nosso mundo interior.
Considerava-se que ela se limitava ao cérebro. Desse modo, sua atuação era
puramente interna, não exercendo nenhuma influência no exterior.
Essa visão é baseada no conceito de que o poder do homem obedece a uma
seqüência predeterminada: pensar, mover o corpo e com isso promover reações no
mundo.
Afirmavam os antigos estudiosos do comportamento humano que somos um ser
constituído por partes isoladas que se interligam pelas funções, como o mecanismo de
um carro ou de outra máquina qualquer. Assim, eles  falavam de mente, emoção,
sentimento, corpo, alma, como partes de uma máquina biológica.
Atualmente essas noções estão ultrapassadas.
 Os cientistas afirmam que não existe nada individualizado no homem, que tudo é um
conjunto integrado. Assim, somos sentimentos, emoções, espírito, neurônios e o corpo inteiro.
 
(...)

O corpo acusa o modo como estamos lidando com os acontecimentos.
Cada parte dele reflete uma emoção. Todas as alterações metabólicas têm sua origem nas
atividades mentais.

 Nesse paralelo entre o físico e o mental, você vai compreender que suas atitudes determinam
a saúde física bem como sua condição de vida
De acordo com a maneira como estamos respondendo às situações da vida, temos uma afetividade saudável ou não.
Saúde existe quando pensamos e agimos em concordância com
nossa natureza individual ou nosso temperamento.

Entretanto, se estivermos em desacordo, criamos conflitos que perturbam nossa estabilidade
afetiva que se manifestam no corpo como desequilíbrio ou sintomas.

Sistema de Integridade

O sistema de integridade age em nível de subconsciente. Ele impede que um
bom número de pensamentos seja transformado em realidade. Funciona como uma
defesa natural contra nossa ignorância.
Você já imaginou se todos os pensamentos
negativos carregados de intensidade fossem imediatamente transformados em
realidade? Por certo nem o mundo existiria.

 Quando estamos emocionados formulamos centenas de pensamentos negativos, porque é natural em nosso nível de evolução não sabermos lidar bem com nossa afetividade.
 O sistema de integridade seleciona o material que chega ao subconsciente e só
deixa tornar-se realidade aquilo que é considerado seu melhor. Ele é o preservador da
evolução e dos objetivos da vida em nós.
 Estamos protegidos de nossa ignorância, mas não daquilo de que temos
consciência.


Em outras palavras: se você faz seu melhor, o subconsciente materializa o que
você padronizou como o seu melhor.
Mas se você, movido por escutar os palpites
alheios, resolve agir de uma maneira que não é o seu melhor, então o sistema de
integridade vai retrair-se e algo proporcional ao que você está crendo naquele
momento se materializará. O seu melhor o protege.

O seu melhor é classificado pelas experiências que você viveu e nunca pelo que
você aprende teoricamente.
Você pode ter uma cabeça cheia de moral e valores
aprendidos filosoficamente, mas eles nada têm a ver com o seu melhor. É necessário
que você tenha sentido de corpo inteiro um pensamento para que ele seja reconhecido
como o melhor. Se você já experimentou o perdão e sentiu como ele é benéfico, então
ele passa a ser um padrão e se você não perdoar então seu ato será tido como o pior e
sua realidade será negativa.

 Assim, quando uma mulher que sabe se dar aos outros e tem como experiência
a satisfação afetiva de se dar de uma certa forma nega-se a dar porque se desapontou
com os outros, ela não está fazendo o seu melhor, e assim ela perderá a natural
proteção do sistema de integridade e provavelmente  apresentará seu ressentimento
como um caroço no seio.
Se o fato de ela se negar fosse o melhor dela, o  ressentimento não se transformaria em caroço no seio, porque o sistema de  integridade teria impedido isso.

 Portanto toda doença é algo que você está fazendo e mantendo que não é o seu
melhor de acordo com sua evolução.

 Isso explica por que pessoas mais evoluídas do que nós estão doentes, porque por certo elas não estão fazendo algo exatamente de acordo com sua evolução.
Isso também explica por que uma pessoa mais atrasada que nós pode estar gozando de plena saúde: ela, mesmo em sua ignorância, está fazendo o seu melhor.

 Um ato pode ser natural para uma pessoa e perigoso para outras.
O universo se organiza sob a lei da individualidade.
 A lei da vida é relativa à individualidade, à evolução e à singularidade.

Em suma, a pessoa só fica doente quando seus pensamentos e ações são
contrários ao fluxo de sua natureza íntima e sua relativa sabedoria.

Geralmente isso  acontece quando se tenta mudar o jeito de ser para agradar os outros. É o caso de  uma pessoa comunicativa passar a censurar sua expressão, tornando-se calada.
 Isso  pode causar doenças na garganta. O mesmo acontece com as crianças que são
constantemente repreendidas na expressão verbal; geralmente elas apresentam
inflamações na garganta.

 Na concepção metafísica existe um fator de fundamental importância: não é a
situação externa que determina a condição interna.
 O meio contribui, mas não é um fator determinante, haja vista cada um reagir de uma
maneira frente às mesmas situações.
Diante do desprezo, por exemplo, existem aqueles que se revoltam, tornando-se agressivos;
outros se reprimem e sentem-se carentes; há também aqueles que se tornam independentes.
Dependendo do nível de evolução de cada um, tudo pode dar em nada.

A doença no corpo é desencadeada pelas atitudes nocivas a você em particular,
já que sua evolução é relativa ao que você experimentou. Não se pode dizer que uma
pessoa, em sã consciência, escolhe ter uma determinada doença. Ela surge como um
reflexo de sua condição interna.

 Ao adquirir a consciência metafísica de uma disfunção orgânica, você obtém um
importante recurso para a reorganização do mundo interno. Essa reformulação irá
refletir no ambiente externo, criando uma nova condição de vida, principalmente no
corpo, em forma de saúde e vitalidade.
(...)
Resgatar a saúde representa voltar a fazer seu melhor e aceitar com modéstia e
boa vontade o que você é. Terá portanto que aprender a confiar em si e a ter a
coragem de ser você mesmo diante das expectativas e cobranças do mundo
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 11 de Agosto de 2012, 00:05
Olá Maria,
Muito oportuno este texto do Richard Simonetti, grata por partilhar.
bom final de semana
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Edna☼ em 11 de Agosto de 2012, 01:09
"Abstendo-nos de qualquer digressão científica, porquanto os livros técnicos de educação usual são suficientemente esclarecedores no que reporta aos aspectos exteriores do corpo humano, lembremo-nos de que o Espírito, inquilino da casa física, lhe preside à formação e à sustentação, consciente ou inconscientemente, desde a hora primeira da organização fetal, não obstante quase sempre sob os cuidados protetores de Mensageiros da Providência  Divina.

Trazendo consigo mesmo a soma dos reflexos bons e menos bons de que  é portador, segundo a colheita de méritos e prejuízos  que semeou para si mesmo no solo do tempo, o Espírito incorpora aos moldes reduzidos do próprio ser as células do equipamento humano, associando-as à própria vida, desde a  vesícula germinal.

Amparado no colo materno, estrutura-se-lhe o corpo mediante as células referidas, que, em se multiplicando ao redor da matriz espiritual, como a limalha de ferro sobre o ímã, formam, a principio, os folhetos blastodérmicos de que se derivam o tubo intestinal, o tubo nervoso, o tecido cutâneo, os ossos, os músculos, os vasos.

Em breve, atendendo ao desenvolvimento espontâneo, acha-se o Espírito materializado na arena física, manifestando-se pelo veículo carnal que o exprime. Esse veículo, constituído por bilhões de células ou individuações microscópicas, que se ajustam aos tecidos sutis da alma, partilhando-lhes a natureza eletromagnética, lembra uma oficina complexa, formada de bilhões de motores infinitesimais, movidos por oscilações eletromagnéticas, em comprimento de onda específica, emitindo irradiações próprias e assimilando as irradiações do plano em que se encontram, tudo sob o  comando de um único diretor: a mente.

Desde a fase embrionária do instrumento em que se manifestará no mundo, o Espírito nele plasma os reflexos que lhe são próprios.

Criaturas existem tão conturbadas além-túmulo com os problemas decorrentes do suicídio e do homicídio, da delinqüência e da viciação, que, trazidas ao renascimento, demonstram, de imediato, os mais dolorosos desequilíbrios, pela disfunção vibratória que os cataloga nos quadros da patologia celular.

As enfermidades congênitas nada mais são que reflexos da posição infeliz a que nos conduzimos no pretérito próximo, reclamando-nos a internação na esfera física, às vezes por prazo curto, para tratamento da desarmonia interior em que fomos comprometidos.

Surgem, porém, outras cambiantes dos reflexos do passado na existência do corpo da culpa disfarçada e dos remorsos ocultos. São plantações de tempo certo que a lei de ação e reação governa, vigilante, com segurança e precisão.

É por isso que, muitas vezes, consoante os programas traçados antes do berço, na pauta da dívida e do resgate, a criatura é visitada por estranhas provações, em plena prosperidade material, ou por desastres fisiológicos de comovente expressão, quando mais irradiante se lhe mostra a saúde.

Contudo, é imperioso lembrar que reflexos geram reflexos e que não há pagamento sem justos atenuantes, quando o devedor se revela amigo da solução dos próprios débitos.

A prática do bem, simples e infatigável pode modificar a rota do destino, de vez que o pensamento claro e correto, com ação edificante, interfere nas funções celulares, tanto quanto nos eventos humanos, atraindo em nosso favor, por nosso reflexo melhorado e mais nobre, amparo, luz e apoio, segundo a lei do auxílio."

Segue outro capítulo... ;)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Edna☼ em 11 de Agosto de 2012, 01:11
"A saúde é assim como a posição de uma residência que denuncia as condições do morador, ou de um instrumento que reproduz em si o zelo ou a desídia das mãos que o manejam.

A falta cometida opera em nossa mente um estado de perturbação, ao qual não se reúnem simplesmente as forças desvairadas de nosso arrependimento, mas também as ondas de pesar e acusação da vítima e de quantos se lhe associam ao sentimento, instaurando desarmonias de vastas proporções nos centros da alma, a percutirem sobre a nossa própria instrumentação.

Semelhante descontrole apresenta graus diferentes, provocando lesões funcionais diversas.

A cólera e o desespero, a crueldade e a intemperança criam zonas mórbidas de natureza particular no cosmo orgânico, impondo às células a distonia pela qual se anulam quase todos os recursos de defesa, abrindo-se leira fértil à cultura de micróbios patogênicos nos órgãos menos habilitados à resistência.

É assim que, muitas vezes, a tuberculose e o câncer, a lepra e a ulceração aparecem como fenômenos secundários, residindo a causa primária no desequilíbrio dos reflexos da vida interior.

Todos os sintomas mentais depressivos influenciam as células em estado de mitose, estabelecendo fatores de desagregação.

Por outro lado, importa reconhecer que o relaxamento da nutrição constrange o corpo a pesados tributos de sofrimento.

Enquanto encarnados, é natural que as vidas infinitesimais que nos constituem o veículo de existência retratem as substâncias que ingerimos. Nesse trabalho de permuta constante adquirimos imensa quantidade de bactérias patogênicas que, em se instalando comodamente no mundo celular, podem determinar moléstias infecciosas de variegados caracteres, compelindo-nos a recolher, assim, de volta, os resultados de nossa imprevidência.

Mas não é somente aí, no domínio das causas visíveis, que se originam os processos patológicos multiformes.

Nossas emoções doentias mais profundas, quaisquer que sejam,  geram estados enfermiços.

Os reflexos dos sentimentos menos dignos que alimentamos voltam-se sobre nós mesmos, depois de convertidos em ondas mentais, tumultuando o serviço das células nervosas que, instaladas na pele, nas vísceras, na medula  e no tronco cerebral, desempenham as mais avançadas funções técnicas; acentue-se, ainda, que esses reflexos menos felizes, em se derramando sobre o córtex encefálico, produzem alucinações que podem variar da fobia oculta à loucura manifesta, pelas quais os reflexos daqueles companheiros encarnados  ou desencarnados, que se nos conjugam ao modo de proceder e de ser, nos  atingem com sugestões destruidoras, diretas ou indiretas, conduzindo-nos a deploráveis fenômenos de alienação mental, na obsessão  comum, ainda mesmo quando no jogo das aparências possamos aparecer como pessoas espiritualmente sadias.

Não nos esqueçamos, assim, de que apenas o sentimento reto pode esboçar o reto pensamento, sem os quais a alma adoece pela carência de equilíbrio interior, imprimindo no aparelho somático os desvarios e as perturbações que lhe são conseqüentes.


Fonte: Pensamento e vida, Chico Xavier, pelo Espírito Emmanuel, sendo que a FEB, expressamente, autorizou a publicação para fins de estudo.


Abraços fraternos sempre,

Edna ;)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Diegas em 11 de Agosto de 2012, 03:55
'...E que eu gostaria de perguntar aos colegas de boa vontade, é em relação à assertiva de Jesus: "Aquele que mata pela espada morrerá pela espada"...

Olá, Danilo

Citar
764. Disse Jesus: Quem matou com a espada, pela espada perecerá. Estas palavras não consagram a pena de talião e, assim a morte dada ao assassino não constitui uma aplicação dessa pena ?

“Tomai cuidado ! Muito vos tendes enganado a respeito dessas palavras, como acerca de outras. A pena de talião é a justiça de Deus. É Deus quem a aplica. Todos vós sofreis essa pena a cada instante, pois que sois punidos naquilo em que haveis pecado, nesta existência ou em outra. Aquele que foi causa do sofrimento para seus semelhantes virá a achar-se numa condição em que sofrerá o que tenha feito sofrer. Este o sentido das palavras de Jesus. Mas, não vos disse ele também: Perdoai aos vossos inimigos? E não vos ensinou a pedir a Deus que vos perdoe as ofensas como houverdes vós mesmos perdoado, isto é, na mesma proporção em que houverdes perdoado, compreendei-o bem ?”

------------

Citar
'...De que modo ocorre o transcorrer das dívidas ao longo das várias encarnações do Espírito? O que quero saber é mais ou menos isso: Hoje eu matei alguém pela espada, e como expiação dessa falta, é da Lei que eu sofra expiação semelhante à que eu provoquei, pois foi isso que entendi da frase de Jesus. Mas...como isso acontece? Supondo que saldarei na vida posterior essa dívida, por exemplo, alguém me matando também com uma espada. Isto será mesmo uma consequência ou uma necessidade? E se for uma consequência, como que ocorre essa relação de casualidade? E se for uma necessidade, o que justifica essa necessidade, não do ponto de vista filosófico, mas do ponto de vista cientifico?

A lei de talião é como uma rosca sem fim, que aperta o conjunto. 

Vamos supor que um carrasco tenha utilizado de violencia contra um individuo, e que esse gesto tenha causado na desencarnação da vitima. Isto traria o inconveniente de vitima e carrasco ficarem espiritualmente ligados numa esppecie de divida ativa. Caso a vitima perdoe o carrasco, automaticamente liquida-se a divida; mas caso não perdoar, poderá persistir na vingança até que o oponente seja abatido violentamente, sendo que não necessariamente o carrasco perecerá pelo mesmo tipo de instrumento - a espada.

O que justifica essa necessidade encontra-se no livre-arbitrio. O homem dado à violencia encontra-se espiritualmente desprotegido das falanges do Bem, mais apto a sofrer algum tipo de Mal. Então, imagine o que pode acontecer quando um individuo desencarna e por vingança, servindo-se da imaterialidade, começa a agir contra o seu oponente encarnado, que se mostra fragil e indefeso, sem notar a presença hostil de adversário que lhe prepara armadilhas mortais !!



Abç
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Mourarego em 11 de Agosto de 2012, 17:29
Diegas, pense melhor,
Não existe uma tal "dívida ativa", aliás, essas exceções, pois são o que são, só existem em razão exatamente do estágio em que esteja a vítima.
Falar-se sobre "dívida ativa" é dar-se crédito a que todo ato, como o do exemplo gere uma obsessão obrigatória.
O Carrasco não incidiu contra a vítima de per si, ou seja por sua vontade, ele cumpria a determinação da justiça vigente, assim como um soldado atende a ordem de atirar para matar ao inimigo.
No caso do carrasco, onde matar esteja mais próximo da infringência da lei de Deus, o faria estar ligado as penas da Lei de Causa e Efeito, que em nada podem ser tidas como propulsoras de uma obsessão.
Estas pensas, prevem uma miríade de tormentos, menos que através delas venha um caso obsessivo entre algoz e vítima.
abraços,
Moura
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Agosto de 2012, 18:08
Lei de causa e efeito.Meus irmãos e minhas irmães,temos o nosso livre-arbítrio,comandamos
os nossos pensamentos,poderemos direciona-los para o bem ou para o mal,mas seremos
donos da rasão?praticar uma ação boa ou má nos conduzirá a sermos julgados por Deus,e é
o inevitável.Ao praticar uma ação,teremos que ter a consciência desta responsabilidade que
estamos assumindo,e com certeza haverá danos ou acréscimo moral mediante a escolha.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Diegas em 11 de Agosto de 2012, 18:38
'...O Carrasco não incidiu contra a vítima de per si, ou seja por sua vontade, ele cumpria a determinação da justiça vigente, assim como um soldado atende a ordem de atirar para matar ao inimigo....'

Moura,

Carrascos são todos aqueles que prejudicam o próximo. Melhor se eu tivesse escrito perseguidor e perseguido / ofensor e ofendido / algoz e vitima.

O mais impressionante é que esse tipo de relação conflituosa - onde predomina o odio - pode se estender por varias encarnações num revezamento em que numa encarnação um Espirito se torna vitima e na outra imediata se transforma em algoz. E isso ocorre, às vezes, em virtude de um simples mal entendido, uma palavra mal empregada, numa leve discordia que no decorrer do tempo avoluma-se, tornando-se em odio mortal de ambas as partes.

Mas a sabedoria divina atende bem estes casos quando, superadas todas as alternativas de solução, a Espiritualidade planeja a encarnação dos Espiritos na mesma familia, na tentativa de aproximá-los pelos laços consanguineos.

Toda essa peregrinação reencarnatoria inexistiria, bastando que uma das partes resolvesse perdoar.

É Jesus quem alerta: Se quisermos alcançar o Reino dos Céus devemos antes conciliar com o inimigo, enquanto há tempo e estivermos encarnados.


Abç
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 11 de Agosto de 2012, 20:47
Obrigada amiga Edna por trazer esta mensagem de Emmanuel,
Suas observações, hoje, vêm sendo confirmadas pela ciência médica conforme nos informa Dr Deepak Chopra nos textos postados ao longo do estudo.
Já se sabe que os hormônios tem papel fundamental no processo que transforma pensamentos e sentimentos em enfermidades.
A boa notícia é que a medicação para a cura existe e se encontra dentro de nós: reforma íntima.
abraços
Susana



A cólera e o desespero, a crueldade e a intemperança criam zonas mórbidas de natureza particular no cosmo orgânico, impondo às células a distonia pela qual se anulam quase todos os recursos de defesa, abrindo-se leira fértil à cultura de micróbios patogênicos nos órgãos menos habilitados à resistência.

É assim que, muitas vezes, a tuberculose e o câncer, a lepra e a ulceração aparecem como fenômenos secundários, residindo a causa primária no desequilíbrio dos reflexos da vida interior.

Todos os sintomas mentais depressivos influenciam as células em estado de mitose, estabelecendo fatores de desagregação.
(...)

Os reflexos dos sentimentos menos dignos que alimentamos voltam-se sobre nós mesmos, depois de convertidos em ondas mentais, tumultuando o serviço das células nervosas que, instaladas na pele, nas vísceras, na medula  e no tronco cerebral, desempenham as mais avançadas funções técnicas(..)

Não nos esqueçamos, assim, de que apenas o sentimento reto pode esboçar o reto pensamento, sem os quais a alma adoece pela carência de equilíbrio interior, imprimindo no aparelho somático os desvarios e as perturbações que lhe são conseqüentes.

Fonte: Pensamento e vida, Chico Xavier, pelo Espírito Emmanuel, sendo que a FEB, expressamente, autorizou a publicação para fins de estudo.

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 12 de Agosto de 2012, 00:40

A Lei de Causa e Efeito

A Lei de Causa e Efeito é conhecida, desde civilizações remotas, sob a designação de Carma.

Nenhum acaso rege os destinos. É a Lei do Carma, Lei de Causa e Efeito ou a Providência Divina, que tudo coordena, ajusta e opera, intervindo tanto nos fenômenos sutis do mundo microscópico, como na vastidão incomensurável do macrocosmo. Ela tem, por objetivo único, dirigir o aperfeiçoamento incessante de todas as coisas e seres que compõem a harmonia da Criação.

O Carma constitui, portanto, a Lei de Causa e Efeito, com o seu saldo credor ou devedor para com o Espírito. As regras inflexíveis de que “a semeadura é livre, mas a colheita obrigatória”, e de que “a cada um será dado conforme as suas obras”, não abrem exceções a quem quer que seja, mas ajustam as criaturas à disciplina coletiva, tão necessária ao equilíbrio e harmonia da Humanidade.

O principal meio de modificar o nosso Carma para melhor reside no controle dos nossos pensamentos, palavras e ações, pois, à medida que nos melhorarmos, reduziremos ou modificaremos os débitos do passado e criaremos um novo Carma para o futuro.

A Lei de Causa e Efeito deveria ser estudada, espiritualmente, pelos homens, com o máximo esmero, meditando todos sobre ela o bastante para se forrarem ao seu gládio severo e inevitável, que desfere represálias impressionantes, porém, justas, criteriosas e sábias, as quais representam a reação da Natureza, ou da Criação, contra a desarmonia estabelecida em suas diretrizes pela própria criatura.

Os homens, no entanto, jamais se aplicam a essa nobre investigação que lhes evitaria desgraças, apoucamentos e ignomínias que, absolutamente, não estariam no seu roteiro, se eles, mais comedidos nas ações diárias, não os criassem para si mesmos, com atitudes verificadas a cada passo na sociedade como dentro do lar.

Oh! Quão severa e temível é a lei que rege os destinos da Criação! Os homens terrenos precisam ser avisados destas impressionantes verdades, a fim de que melhor se conduzam durante as obrigatórias travessias das existências.

Leitor! Ama e respeita a Doutrina do Consolador prometido por Jesus! Zela, prudentemente, pela Revelação, que ela te concede, das Verdades eternas! Difunde-a com clareza e dedicação, porque somente ela, com os ensinamentos das leis que dirigem os destinos humanos, corrigirá tais desarmonias existentes no seio das sociedades terrenas.
Adolfo Bezerra de Menezes
No livro: ‘Dramas da Obsessão’ – Psicografia: Yvone do Amaral Pereira

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 12 de Agosto de 2012, 00:42


"Se tudo tem uma causa e toda causa produz um efeito,então não existe um efeito sem uma causa,o qual será sempre proporcional ao fator que lhe deu origem.Desse modo,não será lícito atribuir a Deus a responsabilidade sobre o que nos acontece de bom ou de mau,pois que estes são resultados de nossas ações,que oscilam entre o positivo e o negativo,de modo que cada indivíduo viverá em conformidade com as suas próprias obras.Se a causa sempre precede ao efeito,então os sofrimentos e as alegrias de hoje são resultados de nossos feitos passados.Sendo assim,uma criança que nasça e desde cedo sofra padecimentos inexplicáveis,sem que tenha tido tempo de gerar esse sofrimento na atual existência,nos leva a crer que ela o tenha desencadeado numa experiência anterior à vida intra-uterina,donde se conclui que o homem não se desenvolve numa única existência,necessitando de muitas outras,nas quais lhe será possível aprimorar o espírito destinado à perfeição."

Livro:Sol da Liberdade (Íris Paula Rocha)
pelo Espírito de Sylvia
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 12 de Agosto de 2012, 01:27
Ao praticar uma ação,teremos que ter a consciência desta responsabilidade que
estamos assumindo,e com certeza haverá danos ou acréscimo moral mediante a escolha.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 12 de Agosto de 2012, 01:29

A Lei de Causa e Efeito deveria ser estudada, espiritualmente, pelos homens, com o máximo esmero, meditando todos sobre ela o bastante para se forrarem ao seu gládio severo e inevitável, que desfere represálias impressionantes, porém, justas, criteriosas e sábias, as quais representam a reação da Natureza, ou da Criação, contra a desarmonia estabelecida em suas diretrizes pela própria criatura.

Os homens, no entanto, jamais se aplicam a essa nobre investigação que lhes evitaria desgraças, apoucamentos e ignomínias que, absolutamente, não estariam no seu roteiro, se eles, mais comedidos nas ações diárias, não os criassem para si mesmos, com atitudes verificadas a cada passo na sociedade como dentro do lar.

Adolfo Bezerra de Menezes
No livro: ‘Dramas da Obsessão’ – Psicografia: Yvone do Amaral Pereira
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 12 de Agosto de 2012, 02:03

Em outra área da medicina – a das doenças mentais –, projetos pioneiros que aliam ciência e espiritualidade vêm merecendo atenção redobrada. Nas Casas André Luiz, tem sido acompanhada a evolução de 650 pacientes submetidos aos tratamentos espirituais. Os resultados devem sair em janeiro do próximo ano. Para o diretor técnico e clínico da instituição, o psiquiatra Frederico Leão, “a proposta é exatamente mostrar que as revelações e os conceitos da teoria espírita são demonstráveis do ponto de vista científico. É possível a terapia espiritual andar de mãos dadas com a ciência,o que traz benefícios complementares ao tratamento convencional”.



Alguns fatores parecem ser primordiais na eficácia do tratamento com passes: a fé, a busca pela elevação moral e o aspecto psicológico. Para o psiquiatra Franklin Ribeiro, dirigente do Centro Espírita João Evangelista, no qual trabalha há dezenove anos, o relacionamento que se estabelece entre aquele que procura a casa espírita e os que o acolhem se assemelha ao relacionamento mãe-bebê. Em Missionários da Luz, André Luiz recebe esclarecimentos que definem uma mulher doente que recebe o passe “como a criança frágil sequiosa do carinho materno”. Também Herculano Pires, em Obsessão, Passe e Doutrinação, destaca: “O efeito psicológico resulta dos estímulos provocados no paciente por sua presença num ambiente de pessoas interessadas em ajudá-lo, o que lhe desperta sensação de segurança e confiança em si mesmo”. O dr. Franklin completa: “A minha crença, a crença da pessoa de que aquilo vai funcionar, cria a ligação, e isso a ciência reconhece. Está criado o vínculo entre o passista e o receptor. E, a partir daí, estando a pessoa conectada a uma fonte adequada, a imposição de mãos vai determinar a passagem de energia”. Para ele, a fé é elemento primordial na cura, não importando a que religião pertença o indivíduo.

O dr. Franklin Ribeiro é presidente do Comitê de Medicina Psicossomática da Associação Paulista de Medicina e membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas do Espírito e Religião (NEPER), do Instituto de Psiquiatria da USP, que foi criado em 1998.

Obstinado, o dr.Franklin Ribeiro informa que o preconceito da ciência em relação aos tratamentos espirituais está sendo vencido. O NEPER se reúne a cada quinze dias no Hospital das Clínicas, em São Paulo, apresentando estudos, teses e debatendo curas espirituais e fenômenos mediúnicos. “O momento é propício para que haja essa aliança entre ciência e espiritualidade, porque nós estamos vivendo uma época em que o materialismo precisa de um contraponto, para que se possa manter o equilíbrio entre os seres humanos”, analisa. “Como médico psiquiatra, o que observei é que o que funciona é a associação entre: abordagem biológica, farmacológica, psicológica e espiritual, sendo que todas elas se complementam. Em nenhum momento se excluem”.

Entre Dois Mundos

Muita gente não sabe, mas as técnicas de cura via passe utilizadas no kardecismo têm alguns pontos em comum com outros tipos de cura de origem oriental, que fazem uma convergência entre dois mundos: Ocidente e Oriente. Na base de todas as curas orientais, estão as ciências esotéricas e antigas escrituras em sânscrito encontradas na Índia, China, Japão e Tibete, que remontam a mais de cinco mil anos. O fluido universal é o mesmo.

São conhecidas no Brasil como “terapias alternativas”. O National Institute of Health, entidade ligada ao governo americano, faz importante distinção entre terapias alternativas e terapias complementares. Lá, o termo “alternativo” é dado aos tratamentos que, supostamente, substituiriam o tratamento médico, o que representa um risco. Já a terapia dita “complementar” é aquela que anda paralelamente ao caminho médico convencional. É vista como salutar na prevenção, na recuperação ou na melhoria das condições de vida dos doentes. O uso corrente do termo “alternativo” como vem sendo feito no Brasil seria, portanto, inadequado.

Entre as práticas complementares indicadas por aquele instituto estariam o reiki, a cura prânica e o johrei, que também se valem do uso e manipulação do chamado “fluido vital” ou “campo magnético” citado pelo autor espírita Salvador Gentile no livro Passe Magnético – Fundamentos e Aplicação.

E as semelhanças de conceito não param por aí. Assim como na cura prânica, os passes espíritas atuam sobre os chamados “centros de força”, conhecidos na literatura hindu como chacras, localizados no perispírito. No livro Entre a Terra e o Céu, o autor André Luiz sublinha a importância desses centros de força, que são como usinas de recepção e armazenamento de energia espiritual, ligados ao corpo físico por terminações nervosas denominadas plexos. E explica: “(…) Vibrando em sintonia uns com os outros, ao influxo do poder diretriz da mente, estes centros estabelecem para nosso uso um veículo de células elétricas, que podemos definir como um campo eletromagnético, no qual o pensamento vibra em circuito fechado”. Na mesma obra, André Luiz exemplifica o chacra coronário, situado no alto da cabeça, que “na Terra é considerado pela filosofia hindu como sendo o lótus de mil pétalas, por ser o mais significativo em razão de seu alto poder de radiações”.

O médico psicoterapeuta e curador prânico, Maurício Angelicola, não se surpreende. E vai além: o mestre Choa Kok Sui, que codificou e sintetizou a cura prânica trazendo-a para o Ocidente em 1987, recomenda a leitura de Allan Kardec como fonte segura de reforma íntima e elevação espiritual. A principal diferença, no entanto, é que a cura prânica não utiliza a energia de entidades superiores desencarnadas. Ela apenas os invoca para proteção do ambiente.

“É inadmissível que um curador prânico não se preocupe com sua própria elevação moral e espiritual, a reforma íntima, essencial também no Espiritismo”, alerta o dr. Maurício, que já deu cursos sobre a técnica para alguns grupos espíritas. “Posso dizer que eles são um segmento que têm muito preparo, têm embasamento teórico e ético”. Outro ponto em comum com o kardecismo é que a cura prânica leva em conta o carma. Em alguns casos, a cura total não é permitida pelo plano espiritual, pois faz parte da evolução do espírito. No entanto, é possível minimizar o sofrimento do doente. “Lidei com alguns doentes de câncer que não puderam se curar, mas através da cura prânica não sofreram os efeitos colaterais da quimioterapia. Mesmo não tendo esperança de sobreviver fisicamente, tiveram uma melhora em sua qualidade de vida”, explica.

Para William Jones, com exceção de casos raros, é impossível curar doenças do carma, pois isto iria contra as Leis Divinas. “Isso tiraria a prova pela qual aquele espírito tem que passar e atrasaria sua expiação. O perispírito, que sobrevive à morte física, é como uma fita magnética em que estão gravados todos os registros das encarnações anteriores. Se um indivíduo fumou demais numa encarnação, pode reencarnar com problemas como bronquite asmática. Isso é, então, uma conseqüência de seus atos anteriores. É uma prova que lhe vai trazer aprendizado. Para isso não há cura, mas pode ser amenizado através do tratamento espiritual, se houver merecimento”, ensina.

Segundo o dr. Maurício Angelicola, são onze os chacras mais importantes. Eles necessitam de limpeza, energização, e são centros de força que contêm pétalas, raízes, ramificações, teias de proteção, formatação, velocidade, coloração e possibilidade de apresentar excesso ou falta de energia. O fluido é chamado de prana, e a técnica consiste em fracionar ou manipular esse fluido universal em matizes específicos, pois cada um dos chacras tem conexão com as glândulas endócrinas e com os sistemas nervoso, circulatório, respiratório, digestivo, etc. Para Angelicola, tal preocupação com a limpeza e o detalhamento das características energéticas de cada chacra, fazem da cura prânica uma das técnicas mais seguras como tratamento coadjuvante à medicina. À semelhança dos médiuns preparados no kardecismo em instituições idôneas, os curadores prânicos têm de ser saudáveis, não-promíscuos, éticos e devem se abster de vícios como o álcool e o fumo. E são, obrigatoriamente, vegetarianos. :) :)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 12 de Agosto de 2012, 02:11
Citar
1-   Todo transtorno, doença, enfermidade que se manifesta no corpo físico teria necessariamente origem em condutas desarmônicas à lei divina nesta ou em outras existências?


A vida é perene para o Espírito e o que vivemos hoje é o resultado daquilo que vamos edificando ao longo das várias existência, onde cada vida física nada mais é do que intervalo em nossa vida eterna como Espírito. Portanto, não só as doenças como, também, as belezas e prazeres que experimentamos, representam o resultado alcançado nas experiências vividas, referindo ao passado, ou como provas necessárias para o bem futuro.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/lei-de-causa-e-efeito-43687/15/#ixzz23I2QOmA6
Lei de ação e reação - Divaldo Franco (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWJuR0pwWlQ0ZTZzJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: hcancela em 12 de Agosto de 2012, 11:56
Olá amigos(as)


Ao ler este tema mensal e outro tópico aqui no forum ( com algumas parecências) só me veio há ideia as palavras de Jesus quando disse!...

" Vinde a mim vós que estais aflitos o sub carregados, que Eu vos aliviarei"

Precisamos todos meditar sobre estas palavras, e quem sabe tirar alguma ideia maravilhosa, que não abundam neste Mundo. ;)

Aquele abraço para todos(as). ;)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 12 de Agosto de 2012, 14:39
Em outra área da medicina – a das doenças mentais –, projetos pioneiros que aliam ciência e espiritualidade vêm merecendo atenção redobrada. Nas Casas André Luiz, tem sido acompanhada a evolução de 650 pacientes submetidos aos tratamentos espirituais. Os resultados devem sair em janeiro do próximo ano. Para o diretor técnico e clínico da instituição, o psiquiatra Frederico Leão, “a proposta é exatamente mostrar que as revelações e os conceitos da teoria espírita são demonstráveis do ponto de vista científico. É possível a terapia espiritual andar de mãos dadas com a ciência,o que traz benefícios complementares ao tratamento convencional”.

Obstinado, o dr.Franklin Ribeiro informa que o preconceito da ciência em relação aos tratamentos espirituais está sendo vencido. O NEPER se reúne a cada quinze dias no Hospital das Clínicas, em São Paulo, apresentando estudos, teses e debatendo curas espirituais e fenômenos mediúnicos. “O momento é propício para que haja essa aliança entre ciência e espiritualidade, porque nós estamos vivendo uma época em que o materialismo precisa de um contraponto, para que se possa manter o equilíbrio entre os seres humanos”, analisa. “Como médico psiquiatra, o que observei é que o que funciona é a associação entre: abordagem biológica, farmacológica, psicológica e espiritual, sendo que todas elas se complementam. Em nenhum momento se excluem”.

Entre Dois Mundos
Muita gente não sabe, mas as técnicas de cura via passe utilizadas no kardecismo têm alguns pontos em comum com outros tipos de cura de origem oriental, que fazem uma convergência entre dois mundos: Ocidente e Oriente. Na base de todas as curas orientais, estão as ciências esotéricas e antigas escrituras em sânscrito encontradas na Índia, China, Japão e Tibete, que remontam a mais de cinco mil anos. O fluido universal é o mesmo.
São conhecidas no Brasil como “terapias alternativas”. O National Institute of Health, entidade ligada ao governo americano, faz importante distinção entre terapias alternativas e terapias complementares. Lá, o termo “alternativo” é dado aos tratamentos que, supostamente, substituiriam o tratamento médico, o que representa um risco. Já a terapia dita “complementar” é aquela que anda paralelamente ao caminho médico convencional. É vista como salutar na prevenção, na recuperação ou na melhoria das condições de vida dos doentes. O uso corrente do termo “alternativo” como vem sendo feito no Brasil seria, portanto, inadequado.
Entre as práticas complementares indicadas por aquele instituto estariam o reiki, a cura prânica e o johrei, que também se valem do uso e manipulação do chamado “fluido vital” ou “campo magnético” citado pelo autor espírita Salvador Gentile no livro Passe Magnético – Fundamentos e Aplicação.

E as semelhanças de conceito não param por aí. Assim como na cura prânica, os passes espíritas atuam sobre os chamados “centros de força”, conhecidos na literatura hindu como chacras, localizados no perispírito. No livro Entre a Terra e o Céu, o autor André Luiz sublinha a importância desses centros de força, que são como usinas de recepção e armazenamento de energia espiritual, ligados ao corpo físico por terminações nervosas denominadas plexos. E explica: “(…) Vibrando em sintonia uns com os outros, ao influxo do poder diretriz da mente, estes centros estabelecem para nosso uso um veículo de células elétricas, que podemos definir como um campo eletromagnético, no qual o pensamento vibra em circuito fechado”. Na mesma obra, André Luiz exemplifica o chacra coronário, situado no alto da cabeça, que “na Terra é considerado pela filosofia hindu como sendo o lótus de mil pétalas, por ser o mais significativo em razão de seu alto poder de radiações”.

O médico psicoterapeuta e curador prânico, Maurício Angelicola, não se surpreende. E vai além: o mestre Choa Kok Sui, que codificou e sintetizou a cura prânica trazendo-a para o Ocidente em 1987, recomenda a leitura de Allan Kardec como fonte segura de reforma íntima e elevação espiritual. A principal diferença, no entanto, é que a cura prânica não utiliza a energia de entidades superiores desencarnadas. Ela apenas os invoca para proteção do ambiente.

 Outro ponto em comum com o kardecismo é que a cura prânica leva em conta o carma. Em alguns casos, a cura total não é permitida pelo plano espiritual, pois faz parte da evolução do espírito. No entanto, é possível minimizar o sofrimento do doente. “Lidei com alguns doentes de câncer que não puderam se curar, mas através da cura prânica não sofreram os efeitos colaterais da quimioterapia. Mesmo não tendo esperança de sobreviver fisicamente, tiveram uma melhora em sua qualidade de vida”, explica.

Para William Jones, com exceção de casos raros, é impossível curar doenças do carma, pois isto iria contra as Leis Divinas. “Isso tiraria a prova pela qual aquele espírito tem que passar e atrasaria sua expiação. O perispírito, que sobrevive à morte física, é como uma fita magnética em que estão gravados todos os registros das encarnações anteriores. Se um indivíduo fumou demais numa encarnação, pode reencarnar com problemas como bronquite asmática. Isso é, então, uma conseqüência de seus atos anteriores. É uma prova que lhe vai trazer aprendizado. Para isso não há cura, mas pode ser amenizado através do tratamento espiritual, se houver merecimento”, ensina.
 

Cara Ere,
Muito importante o texto que trouxe, selecionei alguns techos que achei relevantes.
Bastante interessante o trabalho dos médicos, resgatando a essência da doutrina através do estudo científico.
A questão dos chacras apesar de não ter sido abordada de forma clara na codificação, o foi em obras espíritas extra doutrinárias o que por si só já deveria trazer pela menos uma reflexão sobre o assunto.
É um tema polêmico porque alguns irmãos entendem que é matéria afeta à espiritualidade oriental, o que não é verdade porque os orientais não inventaram , nem criaram os chacras apenas os descobriram, visto que já existiriam.
Outras crenças e filosofias já trabalham com este conceitos há milênios.
Muitos médiuns conseguem enxergar os centros energéticos então possivelmente eles existem , pois não é razoável que estas pessoas estejam simplesmente alucinando.
Então temos que esta informação não é trazida apenas por André Luiz ,mas também por outros espíritos, por médiuns de vidência e por outras crenças e filosofias.
Apesar da codificação não falar em chacras sua existência não está condicionada a nenhuma doutrina então acho que este assunto merece maior estudo e aprofundamento qualquer que seja o credo, crença, filosofia pois que estaria situado no campo da ciência.

abraços
Susana



Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 12 de Agosto de 2012, 14:46
" Vinde a mim vós que estais aflitos o sub carregados, que Eu vos aliviarei"
Precisamos todos meditar sobre estas palavras, e quem sabe tirar alguma ideia maravilhosa, que não abundam neste Mundo. ;)
Amigo Hernani
Obrigada pela lembrança do meigo Jesus, ás vezes nos esquecemos.
grande abraço
susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 13 de Agosto de 2012, 00:25
Citar
É um tema polêmico porque alguns irmãos entendem que é matéria afeta à espiritualidade oriental, o que não é verdade porque os orientais não inventaram , nem criaram os chacras apenas os descobriram, visto que já existiriam.
Outras crenças e filosofias já trabalham com este conceitos há milênios.
Muitos médiuns conseguem enxergar os centros energéticos então possivelmente eles existem , pois não é razoável que estas pessoas estejam simplesmente alucinando.
Então temos que esta informação não é trazida apenas por André Luiz ,mas também por outros espíritos, por médiuns de vidência e por outras crenças e filosofias.

Obrigada Susana, adoro a tua maneira aberta e respeitosa com cada participante, valorizando cada colocação. Um grande abraço e parabéns pelo trabalho
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 13 de Agosto de 2012, 01:14
Eu que agradeço Ere pela participação e pela importante contribuição na evolução do estudo. ;)
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 13 de Agosto de 2012, 01:26
Boa Noite a todos!
Hoje estava lendo o Livro dos Espíritos e me deparei com a questão 764 que explicava o sentido da frase de Jesus" Quem matou pela espada, perecerá pela espada."
Interessante que na mesma questão os espíritos ainda falam sobre a existência da lei de causa e efeito e suas consequências, inclusive mostrando que podemos sofrê-las tanto em função de atos cometidos nesta existência quanto nas anteriores.
Como isso já foi levantado anteriormente aqui no estudo aproveito então para trazer a explicação dos espíritos para refletirmos:

Questão 764 do Livro dos Espíritos:
Disse Jesus: Quem matou com a espada, pela espada perecerá. Estas palavras não consagram a pena de talião e, assim a morte dada ao assassino não constitui uma aplicação dessa pena?
 
“Tomai cuidado! Muito vos tendes enganado a respeito dessas palavras, como acerca de outras.  
  A pena de talião é a justiça de Deus. É Deus quem a aplica. Todos vós sofreis essa pena a cada instante, pois que sois punidos naquilo em que haveis pecado, nesta existência ou em outra.

 Aquele que foi causa do sofrimento para seus semelhantes virá a achar-se numa condição em que sofrerá o que tenha feito sofrer. Este o sentido das palavras de Jesus. Mas, não vos disse ele também: Perdoai aos vossos inimigos? E não vos ensinou a pedir a Deus que vos perdoe as ofensas como houverdes vós mesmos perdoado, isto é, na mesma proporção em que houverdes perdoado, compreendei-o bem?”


abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 13 de Agosto de 2012, 12:12

1-   Todo transtorno, doença, enfermidade que se manifesta no corpo físico teria necessariamente origem em condutas desarmônicas à lei divina nesta ou em outras existências?



Questão 983 do LE-Não experimenta sofrimentos materiais o Espírito que expia suas faltas em nova existência? Será então exato dizer-se que, depois da morte, só há para a alma sofrimentos morais?
 
“É bem verdade que, quando a alma está reencarnada, as tribulações da vida são-lhe um sofrimento; mas, só o corpo sofre materialmente. “Falando de alguém que morreu, costumais dizer que deixou de sofrer. Nem sempre isto exprime a realidade. Como Espírito, está isento de dores físicas; porém, tais sejam as faltas que tenha cometido, pode estar sujeito a dores morais mais agudas e pode vir a ser ainda mais desgraçado em nova existência. O mau rico terá que pedir esmola e se verá a braços com todas as privações oriundas da miséria; o orgulhoso, com todas as humilhações; o que abusa de sua autoridade e trata com desprezo e dureza os seus subordinados se verá forçado a obedecer a um superior mais ríspido do que ele o foi.
Todas as penas e tribulações da vida são expiação das faltas de outra existência, quando não a conseqüência das da vida atual. Logo que daqui houverdes saído, compreendê-lo-eis. (273, 393 e 399)
O homem que se considera feliz na Terra, porque pode satisfazer às suas paixões, é o que menos esforços emprega para se melhorar. Muitas vezes começa a sua expiação já nessa mesma vida de efêmera felicidade, mas certamente expiará noutra existência tão material quanto aquela.

Questão 984 do LE-  As vicissitudes da vida são sempre a punição das faltas atuais?
 
“Não; já dissemos: são provas impostas por Deus, ou que vós mesmos escolhestes como Espíritos, antes de encarnardes, para expiação das faltas cometidas em outra existência, porque jamais fica impune a infração das leis de Deus e, sobretudo, da lei de justiça. Se não for punida nesta existência, sê-lo-á necessariamente noutra. Eis porque um, que vos parece justo, muitas vezes sofre. É a punição do seu passado.”
[/b] (393)


Respondendo então a primeira pergunta do estudo:
Se entendermos que as doenças estão enquadradas no rol de situações consideradas como sofrimento, tribulação, vicissitude, então poder-se responder , de acordo com as informações dos espíritos, que sim.
As doença estaria ligada a lei de causa e efeito e quando sua origem não remontar a esta vida  é porque se encontra em atos praticados em outras existências.

Uma ótima semana para todos
abraços
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: M.Altino em 13 de Agosto de 2012, 12:33
Amiga Susana  é sempre com uma grande  satisfação que leio os  seus comentários  a este  lindo estudo que  está a ajudar muito no conhecimento desta doutrina e  para complementar  a sua  questão que é muito bem colocada  acrescento ainda  esta meditação que penso nos vai ajudar  mais um pouco.
Conforme o estado do Espírito, a dor toma dimensões diferentes, como no caso dos sofrimentos do Espírito encarnado, quando mesmo os sofrimentos morais costumam refletir no físico e fazerem a alma sofrer mais.
São dois aspectos da dor, ao passo que o Espírito desencarnado, não tendo o corpo físico, sofre as dores morais.
No entanto, o corpo mais imediato da alma, que a Doutrina dos Espíritos chama de perispírito, sofre as conseqüências da mente em desarmonia.
Convém estudar sempre as causas e os efeitos de todos esses infortúnios, para que possamos chegar à realidade da vida do Espírito.
Sempre ouvimos os encarnados, ao falarem de alguém que morreu, dizerem que parou de sofrer.
Como se enganam!
Em muitos casos, o sofrimento acompanha a alma depois do túmulo, pois ele foi gerado na sua conduta.
A carne nada tem a ver com os desequilíbrios do Espírito, que passa por todos esses caminhos aprendendo e ensinando, recolhendo experiências de todos os matizes para o celeiro da sua vida.
Como Espírito, ele não está sujeito às dores físicas, no entanto, as dores morais o acompanham aonde quer que esteja, até que a mente se ajuste ao equilíbrio, com as leis naturais, criadas por Deus.
O que "O Livro dos Espíritos" chama de penas temporais, é certificando que a alma não sofre eternamente, o que seria um absurdo, se Deus o permitisse.
Quando a alma pejar as lições que os sofrimentos transmitem, cessará a sua fonte por não mais precisar deste estímulo para o despertamento dos valores.
Quem se dispuser a aprender com Jesus tem por vezes a mesma sorte encontrando duros testemunhos, dentro e fora do próprio lar.
Anotemos o que Marcos anotou no seu Evangelho:
Também os que com ele foram crucificados o insultavam. (Marcos, 1 5:32)
Vejamos que o Mestre recebeu insulto até por parte dos que com Ele foram crucificados, quando para eles deveria ser uma honra estarem junto a Ele.
Como iremos nós outros passar ilesos pelos processos de despertamento espiritual?
Jesus não tinha necessidades individuais de passar pelas agressões do mundo; tudo que Ele sofreu foi para exemplo e estímulo à nossa coragem.
Não existe ascensão sem esforço, e quando esquecemos a nossa parte; surge a dor mais acentuada, no sentido de nos erguer para o alto, nos fazendo sentir a vida, dentro da vida de Deus.
Procura estabilizar teus sentimentos.
Se tens comandados sob tua direção, lembra-te do bom senso e de que todos são irmãos, filhos do mesmo Pai de Amor, para que em outra oportunidade, não venhas a sofrer o mesmo que submetes aos teus subordinados.
Se abusas da tua autoridade no presente, estás lançando sementes de perseguições ao solo das mentes e que deverão, pela lei, crescer. ë a colheita não pode ser de outra pessoa, a não ser do semeador.
Confere a Tua vida todos os dias e corta as arestas do mal que descobrires antes que elas cresçam 8 possam te ferir, do mesmo modo que feres.
Não desprezes a ninguém, nem maltrates os companheiros em caminho.
Avança com Jesus, superando todos os obstáculos, porque em muitos casos, quando vencidos os problemas exteriores, te aparecerão os internos pedindo solução, na tua casa, e depois dentro de ti prepara-te para essas lutas e que Deus te abençoe.
Todas as penas e expiações pelas quais estejas passando são necessárias para o teu futuro. Podem ser resgate do passado, ou processos de despertamento da alma, aqueles valores que se encontram em estado de sono, do qual deves acordar.
O homem que se considera feliz por estar alimentando as paixões inferiores verdadeiramente é um infeliz diante da vida e do seu futuro espiritual, mas a espiritualidade não esmorece com ele, porque sabe que no amanhã mudará de idéia pela sua maturidade, que o tempo encarrega de promover.
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: João Toradi em 13 de Agosto de 2012, 14:43
Dizer que uma doença foi causada pela "falta" em vidas passadas é muito fácil e aceita por quase todos, mas pode não ser isso, então a pergunta ficaria no ar.

Para mim, a lei de causa e efeito existe, mas ela não se aplica nos espíritos.


Olá João!
Primeiramente seja bem vindo ao fórum e ao estudo mensal. :)
Pelo decorrer do estudo percebemos que uma doença pode ter origem também, mas não apenas, em outra existência.
Pode-se dizer que a doenças ocorrem:
- por pensamentos, sentimentos e hábitos que adotamos nesta vida( mesmo quando o agente desencadeador da doença, pareça ser externo ainda assim somos nós que cultivamos o terreno para que se instalem)
- por ações adotadas em outras existências
- por provas
- por ações de terceiros(obsessores),mas este caso é meio que um desdobramento da primeira e da segunda hipótese, porque em última instância todo processo obsessivo começa em nós mesmos.

Estas conclusões não foram tiradas da minha cabeça de forma aletaória, mas baseada nos textos dos evangelhos e da própria codificação.
Não sei se chegou a ler tudo o que foi postado neste estudo, mas seria importante ler todo o material complementar  e os comentários poque ali você encontrará os textos da doutrina que reforçam este entendimento.
Você diz que na sua opinião a lei de causa e efeito não se aplica aos espíritos, poderia o amigo explicar melhor?
grande abraço
Susana
A Paz Suzana!
Obrigado por citação.
A ciência diz que toda ação tem uma reação, isto é fato. Mas como disse, apesar de já ter tido defendido esta bandeira, hoje tenho a certeza de que ela não se aplica para nós espíritos. Digamos que um homem assassina outro por um motivo banal. Hoje isto é explicado da seguinte forma: aquele que matou, adquiriu para si um carma, e em outra vida ou nesta mesmo terá que pagar pelo ato que cometeu, ou seja uma reação para esta ação. Mas o que o outro fez para que tivesse que ser assassinado? Resposta, ele provavelmente cometeu este ato e por isso a reação de uma ação anterior atraiu o seu algoz. Parece soar igual ao que acontece na física, ação e reação. Mas o Espírito pede perdão e "pede" para ser útil na vida futura. Como o Amor é tudo, ele é perdoado e quebra a corrente do carma que teria de passar.
Volto a dizer que era o que eu acreditava, mas como você, Suzana, sou um estudioso e curioso no assunto e isso já não procede mais para mim. Devemos tomar muito cuidado com aquilo que espíritos disseram, pois não tem conhecimento de tudo. A doutrina espírita parou, não quer avançar e ficou iguais as outras que já existiam. Há muitas controvérsias a serem debatidas, a muitos pontos que não correspondem aos fatos.
Se você pratica um ato ruim ou bom hoje, não quer dizer que você vai recebê-lo no futuro. Não estou falando do basicão aqui, antes que alguém diga que se eu estudar eu vou saber, ou se eu comer demais, ficarei enorme. Mas falo da energia que é gerada nos atos que praticamos. Muda-se os atos, muda-se a energia, muda-se a energia, e tudo se modifica. Não se aprisione no dogma de que vamos pagar ou receber por nossas ações. Liberte-se desta prisão. A Energia não é má nem boa, é energia, simplesmente energia que você pode moldar da sua maneira. Esta lei de causa e efeito está funcionando porque eles disseram que era assim e nos subjugamos a isso. Mas na verdade não é.
A Paz e Muita Luz em suas reflexões.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 13 de Agosto de 2012, 15:43

A ciência diz que toda ação tem uma reação, isto é fato. Mas como disse, apesar de já ter tido defendido esta bandeira, hoje tenho a certeza de que ela não se aplica para nós espíritos.
(..)
 Mas o Espírito pede perdão e "pede" para ser útil na vida futura. Como o Amor é tudo, ele é perdoado e quebra a corrente do carma que teria de passar.
Volto a dizer que era o que eu acreditava, mas como você, Suzana, sou um estudioso e curioso no assunto e isso já não procede mais para mim. Devemos tomar muito cuidado com aquilo que espíritos disseram, pois não tem conhecimento de tudo. A doutrina espírita parou, não quer avançar e ficou iguais as outras que já existiam. Há muitas controvérsias a serem debatidas, a muitos pontos que não correspondem aos fatos.
(...)
Se você pratica um ato ruim ou bom hoje, não quer dizer que você vai recebê-lo no futuro. Não estou falando do basicão aqui, antes que alguém diga que se eu estudar eu vou saber, ou se eu comer demais, ficarei enorme. Mas falo da energia que é gerada nos atos que praticamos. Muda-se os atos, muda-se a energia, muda-se a energia, e tudo se modifica.

Obrigada João pelas reflexões trazidas.
Vamos por partes.

Não vou entrar no mérito se os espíritos se equivocaram quanto a algum ponto ou se a doutrina estagnou ou não, porque isso iria gerar muita polêmica e já existem outros tópicos que falam sobre isso.
Mas esqueçamos então por um segundo a codificação e meditemos apenas nas palavras de Jesus.
Como você interpreta então as seguintes  afirmações de Jesus:
 "Quem com a espada fere com a espada será ferido?
 "Não sairás daquei até que tenha pago o útlimo centil"

Quanto a questão do perdão, penso que é um pouco mais profunda.
Não sei se lembra de um texto que postei aqui no estudo que falava do caso de quebrar a janela.
Hipoteticamente, estou jogando vôlei e acabo quebrando a janela do vizinho.
Mesmo que me arrependa, peça desculpas, mude minha postura e me torne mais cautelosa para não ocorrer de novo, houve um prejuízo: a janela foi quebrada e deve ser reparada.
O próprio vizinho pode fazê-lo, mas o correto é que tenha consciência de que fui eu quem causei  aquele dano e me disponha a indenizá-lo para ficar em paz com minha consciência. Se eu não tinha culpa menos ainda o vizinho que teve sua harmonia perturbada por mim.
Claro que aqui estamos falando de condutas mais graves do que quebrar uma janela pois como costumo dizer ninguém vem para a Terra porque mentiu para os pais e é por esta razão que temos o véu do esquecimento.

Concordo que quando mudamos a anergia também alteramos nosso destino, mas dali pra fernte, o que já foi, já foi.
Mesmo que eu tenha aprendido a lição , me arrependido e me transformado ainda assim os "respingos" dos meus atos passados me perseguem. Não porque Deus é inflexível, mas porque o espírito só fica em paz quando se harmoniza com aqueles a quem prejudicou.
Exemplificando: um homem se endivida e pega dinheiro emprestado com um monte de gente.
Anos se passam, ele enriquece e resolve fazer o bem com sua fortuna, se torna um filantropo e auxilia milhares de pessoas. Só que aquelas , lá atrás ainda esperam pela quantia que lhe foi emprestada.
A dívida deste homem não deixou de exisitir porque ele foi generoso com outras pessoas. Então por uma questão de consciência ele vai lá atrás, procura uma apor uma, para devolver o que lhes tirou e seguir em paz com sua consciência.
Quando melhoro e pratico atos bons  deixo de gerar efeitos negativos( ou como você colocou carma negativo), mas o que fizemos no passado  gerou consequência e dependendo do nosso estágio evolutivo,as  assumimos de bom grado porque queremos seguir em frente sem dever nada a ninguém, com a consciência tranquila do dever cumprido  e um passado sem máculas.
 Quanto ao arrependimento ser o suficiente para apagar as faltas não é isso que sugere a doutrina:

Questão 990 do LE:
O arrependimento se dá no estado corporal ou no estado espiritual?
 “No estado espiritual; mas, também pode ocorrer no estado corporal, quando bem compreendeis a diferença entre o bem e o mal.”


Questão 991 do LE
Qual a conseqüência do arrependimento no estado espiritual?
 “Desejar o arrependido uma nova encarnação para se purificar. O Espírito compreende as imperfeições que o privam de ser feliz e por isso aspira a uma nova existência em que possa expiar suas faltas.” (332-975)


Questão 999
 Basta o arrependimento durante a vida para que as faltas do Espírito se apaguem e ele ache graça diante de Deus?
 “O arrependimento concorre para a melhoria do Espírito, mas ele tem que expiar o seu passado.”


Da leitura dos textos chegamos a conclusão de que mesmo que o espírito se arrependa e busque se melhorar , o que plantou lá atrás será colhido.
Como estamos em um fórum espírita nos guiamos pelos ensinamentos dos espíritos, deste modo , pela doutrina espírita é isso que acontece.
E este ensinamento se harmoniza com várias passagens do mestre Jesus, de qualquer forma respeito seu pensar e agradeço as reflexões trazidas no estudo.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 13 de Agosto de 2012, 15:47

Para entender a Lei de Causa e Efeito

Quem já não ouviu ou falou alguma vez “Quem planta, colhe!” ou “Aqui se faz, aqui se paga!”? Pois essas expressões não deixam de ter significado, principalmente quando focada na Lei de Causa e Efeito, um dos princípios fundamentais indicados pela Doutrina Espírita para explicar as eventualidades da vida humana.

Para ser entendida de maneira mais simples, esta Lei nada mais é que uma reação semelhante a todo ato da vida moral do homem. Segundo a concepção de Allan Kardec, Lei de Causa e Efeito não possui nada em comum com o conhecido “karma”, pois sua designação sugere uma dívida a ser resgatada, já causa e efeito nos remete à idéia de que o futuro depende das ações e decisões do presente. Causas positivas geram efeitos positivos e o mesmo acontece em casos opostos.

A Lei de Causa e Efeito busca explicar o que ocorre ao homem encarnado atribuindo um motivo justo e uma finalidade proveitosa para todos os acontecimentos com que ele se depara, inclusive o sofrimento. Entretanto tal concepção não é recente e tampouco nascida apenas do Espiritismo. Na visão da Física, causa e efeito é estudada pela Terceira Lei de Newton, mais conhecida pelo enunciado: se um corpo A aplicar uma força sobre um corpo B, receberá deste uma força de mesma intensidade, mesma direção e sentido oposto à força que aplicou em B.

Conclui-se daí que sua compreensão se torna mais simples se aceitarmos que na natureza (seja ela física ou espiritual) não existem fatos solitários, mas uma série de sistemas de compensação, onde uma força sempre encontrará outra na mesma direção. Para sua prática se tornar possível é necessário o indivíduo compreender que uma ação pode ser representada como uma causa e que o efeito pode ser entendido como sua reação.

Visão espírita

O Espiritismo nos permite enxergar a Lei de Causa e Efeito como nada mais, nada menos que nossas escolhas e consequências praticadas através do livre-arbítrio. Por intermédio da Doutrina é possível compreender que Deus nos torna responsáveis por todos os atos livremente cometidos, ou seja, tudo o que fazemos nos é retornado de maneira automática, porém, sem jamais podermos considerar castigo, já que “plantamos” o que queremos.

A médium psicógrafa e escritora Rita Foelker explica que esta Lei não se limita às ações praticadas na encarnação, mas liga fatos separados por séculos, por milênios, entre as inúmeras reencarnações do espírito, de acordo com o mais perfeito princípio de Justiça Divina. “Uma certa circunstância que cria um sofrimento em nossa vida presente, cuja causa não identificamos nela mesma, pode ter sido gerada no passado remoto”, explica. O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, também esclarece que “os sofrimentos por causas anteriores são, frequentemente, como os das faltas atuais. Quer dizer, por uma justiça rigorosa, o homem suporta o que fez os outros suportarem; se foi duro e desumano, ele poderá ser, a seu turno, tratado duramente e com desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer em uma condição humilhante”.

Para tornarmos a Lei de Causa e Efeito um hábito em nossas vidas e atuarmos de maneira consciente, sabendo que ela age a partir de nossos atos, podemos tomar como base as palavras de André Luiz, quando disse que “causa e efeito é a conta do destino criada por nós mesmos, englobando os créditos e os débitos que em particular nos digam respeito. É o sistema de contabilidade do Governo da Vida!".
O que não se deve esquecer é que tal Lei tem ligação direta com os padrões de hábito estabelecidos por cada ser encarnado e suas implicações repercutem sobre ele mesmo e, inclusive, sobre os outros.

MICHELE LOPES, jornalista
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 13 de Agosto de 2012, 15:57
Para ser entendida de maneira mais simples, esta Lei nada mais é que uma reação semelhante a todo ato da vida moral do homem. Segundo a concepção de Allan Kardec, Lei de Causa e Efeito não possui nada em comum com o conhecido “karma”, pois sua designação sugere uma dívida a ser resgatada, já causa e efeito nos remete à idéia de que o futuro depende das ações e decisões do presente. Causas positivas geram efeitos positivos e o mesmo acontece em casos opostos.
(...)
A Lei de Causa e Efeito busca explicar o que ocorre ao homem encarnado atribuindo um motivo justo e uma finalidade proveitosa para todos os acontecimentos com que ele se depara, inclusive o sofrimento.
(...)
Conclui-se daí que sua compreensão se torna mais simples se aceitarmos que na natureza (seja ela física ou espiritual) não existem fatos solitários, mas uma série de sistemas de compensação(...)
(...)
O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, também esclarece que “os sofrimentos por causas anteriores são, frequentemente, como os das faltas atuais. Quer dizer, por uma justiça rigorosa, o homem suporta o que fez os outros suportarem; se foi duro e desumano, ele poderá ser, a seu turno, tratado duramente e com desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer em uma condição humilhante”.
(...)
Para tornarmos a Lei de Causa e Efeito um hábito em nossas vidas e atuarmos de maneira consciente, sabendo que ela age a partir de nossos atos, podemos tomar como base as palavras de André Luiz, quando disse que “causa e efeito é a conta do destino criada por nós mesmos, englobando os créditos e os débitos que em particular nos digam respeito. É o sistema de contabilidade do Governo da Vida!".
O que não se deve esquecer é que tal Lei tem ligação direta com os padrões de hábito estabelecidos por cada ser encarnado e suas implicações repercutem sobre ele mesmo e, inclusive, sobre os outros.

MICHELE LOPES, jornalista

Muito esclarecedoras estas explicações Maria.
Obrigada
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 13 de Agosto de 2012, 16:12
Conforme o estado do Espírito, a dor toma dimensões diferentes, como no caso dos sofrimentos do Espírito encarnado, quando mesmo os sofrimentos morais costumam refletir no físico e fazerem a alma sofrer mais.
São dois aspectos da dor, ao passo que o Espírito desencarnado, não tendo o corpo físico, sofre as dores morais.
(...)
Sempre ouvimos os encarnados, ao falarem de alguém que morreu, dizerem que parou de sofrer.
Como se enganam!
Em muitos casos, o sofrimento acompanha a alma depois do túmulo, pois ele foi gerado na sua conduta.
A carne nada tem a ver com os desequilíbrios do Espírito, que passa por todos esses caminhos aprendendo e ensinando, recolhendo experiências de todos os matizes para o celeiro da sua vida.
Como Espírito, ele não está sujeito às dores físicas, no entanto, as dores morais o acompanham aonde quer que esteja, até que a mente se ajuste ao equilíbrio, com as leis naturais, criadas por Deus.
(...)
Quando a alma pejar as lições que os sofrimentos transmitem, cessará a sua fonte por não mais precisar deste estímulo para o despertamento dos valores.
(...)
Vejamos que o Mestre recebeu insulto até por parte dos que com Ele foram crucificados, quando para eles deveria ser uma honra estarem junto a Ele.
Como iremos nós outros passar ilesos pelos processos de despertamento espiritual?
Jesus não tinha necessidades individuais de passar pelas agressões do mundo; tudo que Ele sofreu foi para exemplo e estímulo à nossa coragem.
Não existe ascensão sem esforço, e quando esquecemos a nossa parte; surge a dor mais acentuada, no sentido de nos erguer para o alto, nos fazendo sentir a vida, dentro da vida de Deus.
(...)
Confere a Tua vida todos os dias e corta as arestas do mal que descobrires antes que elas cresçam 8 possam te ferir, do mesmo modo que feres.
Não desprezes a ninguém, nem maltrates os companheiros em caminho.
Avança com Jesus, superando todos os obstáculos, porque em muitos casos, quando vencidos os problemas exteriores, te aparecerão os internos pedindo solução, na tua casa, e depois dentro de ti prepara-te para essas lutas e que Deus te abençoe.
Todas as penas e expiações pelas quais estejas passando são necessárias para o teu futuro. Podem ser resgate do passado, ou processos de despertamento da alma, aqueles valores que se encontram em estado de sono, do qual deves acordar.

Caro Altino.
Importantes reflexões que você traz, tomei a liberdade de destacar algumas.
Obrigada amigo por estar sempre contribuindo com seus comentários esclarecedores.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 13 de Agosto de 2012, 21:08
Lei de causa e efeito e expiações. ‏

= “Sem dúvida, todos nós devemos raciocinar sobre nossas crenças; só assim poderemos compreende-las melhor! E, como aconselha Kardec e, evidentemente, todos os homens sensatos, compará-las com as demais para q possamos escolher aquela q mais se harmonize com o nosso íntimo!” =
.................................
Falávamos, um amigo e eu, sobre a lei de causa e efeito e as expiações dessa lei decorrentes.

Cel: conforme a doutrina, as conseqüências dos erros, isto é, a reação dessa Lei provocada pela ação errada, atingirão, inexoravelmente, o “culpado”, num futuro próximo ou distante, podendo resultar em multiplicadas encarnações sofridas, a se estenderem por até milhões de anos, certo?

No entanto, “se” não existir o livre-arbítrio, não existirão, tb, nem culpas, nem culpados e, esse conceito de liberdade de escolher estará totalmente prejudicado.

Amigo: Vc está dizendo o q certas doutrinas dizem q essa lei, por elas defendida, nos impõe expiações pelo fato de q, quando encarnados, por muito tempo, agimos de modo errado, “propositadamente”, causando danos ao próximo.

E é isso mesmo que vemos no mundo: sofrimentos inexplicáveis, até, por muitos, tidos por injustificáveis!

Cel: vemos no mundo sofrimentos de todas as espécies; mas nada vemos q nos leve a concluir, sem sombra de dúvida, q aqueles q sofrem agiram errada ou maldosamente! Esses conceitos são resultantes da crença de que “você colhe o q plantou!”; de q a justiça divina, sempre e inexoravelmente, alcança aquele q errou, para q aprenda a lição e não mais erre, crença plenamente aceita pelas doutrinas reencarnacionistas.

Amigo: Como entender uma pessoa que nasce cega, demente, com síndrome de down... etc ? Isso não seria uma retribuição causada por erros do passado , a tal expiação ?

Cel: vamos raciocinar: primeiro, se temos o livre-arbítrio e podemos escolher praticar o bem e, conseqüentemente, ser felizes, porq escolhemos praticar o mal, que é o mesmo q escolher ser infelizes?

Segundo: será q devemos crer q o Criador, de infinita sabedoria, justiça e amor, teria, propositadamente e por sua soberana vontade, criado seres tão imperfeitos q erram tanto e, como resultado, têm de sofrer essas terríveis conseqüências da lei de causa efeito, para se corrigirem? Se Deus é sabedoria (ou onisciente), nos criou a todos, mesmo sabendo (ou Deus não sabia e foi surpreendido pelos absurdos q faríamos?!) q, após a criação, apresentaríamos defeitos inomináveis (defeitos de fabricação?!) q trariamos extremos sofrimentos a nós mesmos e a nossos semelhantes, q cometeríamos tragédias e desgraças etc?

E ficamos nos perguntando: será q a infinita sabedoria só sabe criar seres que só entendentendem a linguagem da dor? Que a infinita sabedoria só sabe criar, para suas criaturas, os espíritos, um processo de ensinar a evoluir, cujo método mais aplicado e mais eficiente, sejam os sofrimentos?! Os terríveis, torturantes, desesperadores e muitas vezes insuportáveis sofrimentos q vemos no mundo?!

É, realmente, necessário raciocinar!
..............................................
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 14 de Agosto de 2012, 01:14
Amigo Coronel,
Respondo abaixo suas observações.   
 Coronel: E é isso mesmo que vemos no mundo: sofrimentos inexplicáveis, até, por muitos, tidos por injustificáveis!
(...)
Vemos no mundo sofrimentos de todas as espécies; mas nada vemos q nos leve a concluir, sem sombra de dúvida, q aqueles q sofrem agiram errada ou maldosamente!  Esses conceitos são resultantes da crença de que “você colhe o q plantou!”; de q a justiça divina, sempre e inexoravelmente, alcança aquele q errou, para q aprenda a lição e não mais erre, crença plenamente aceita pelas doutrinas reencarnacionistas.


Susana: Estes sofrimentos até podem ser inexplicáveis e injustificáveis para quem não é espírita, para quem o é está tudo bem explicado na doutrina, em especial no "Livro dos espíritos", no "Evangelho Segundo o Espiritismo e em "O Céu e o Inferno".
Estes conceitos não são resultado da "crença" "colheu, plantou" mas da leitura da doutrina espírita e dos ensinamentos de Jesus.
Coronel precisamos decidir uma coisa: somos ou não espíritas?
Se somos ,acreditamos na base codificada por Allan Kardec, se não somos, não acreditamos naquilo.
Pois bem, espalhadas por toda a codificação temos as afirmações dos espíritos de que estamos aqui expiando faltas, de que o sofrimento de hoje é resultado que fizemos nesta vida e em outras existências, etc.
Se você separar um tempo e ler com calma e atenção tudo o que foi postado aqui, irá verificar que existem várias passagens da doutrina em que os espíritos dizem isso com toda as letras , sem deixar margem a nenhuma dúvida.
Então aqui tudo o que está sendo discutido está pautado na codificação, e vai ao encontro do que disseram os espíritos superiores.
Não vou copiar as questões novamente porque creio não haver necessidade , uma vez que são muitas e basta você rolar as páginas do estudo para encontrá-las.
Coronel, percebo que você tem tido dificuldade de aceitar a existência do mal e do sofrimento, mas amigo, a doutrina explica o que chamas de inexplicável, ela diz que Deus não nos pune e que somos nós que buscamos estas experiências para nosso burilamento.
Hoje talvez você esteja tendo dificuldade de conceber que alguém em sã consciência escolha sofrer, mas isso é porque está com a visão obscurecida pela matéria,quando o espírito se encontra livre da influência do corpo físico ele vê as coiasas de outro ãngulo, de uma forma mais ampla e magnâmica, entende que a existência humana por mais longa que seja representa menos que um segundo diante da eternidade.

Coronel: Amigo: Como entender uma pessoa que nasce cega, demente, com síndrome de down... etc ? Isso não seria uma retribuição causada por erros do passado , a tal expiação ?

Susana: É extamente o que dizem dezenas e dezenas  de passagens do Livro dos Espíritos, só que a palavra não é retribuição, mas consequência, que aliás ele mesmo aceita de bom grado para ficar em paz com sua consciência

Coronel: vamos raciocinar: primeiro, se temos o livre-arbítrio e podemos escolher praticar o bem e, conseqüentemente, ser felizes, porq escolhemos praticar o mal, que é o mesmo q escolher ser infelizes?

Susana:
466 do LE- Por que permite Deus que Espíritos nos excitem ao mal?
 
“Os Espíritos imperfeitos são instrumentos próprios a por em prova a fé e a constância dos homens na prática do bem.
Como Espírito que és, tens que progredir na ciência do infinito. Daí o passares pelas provas do mal, para chegares ao bem.
 A nossa missão consiste em te colocarmos no bom caminho. Desde que sobre ti atuam influências más, é que as atrais, desejando o mal; porquanto os Espíritos inferiores correm a te auxiliar no mal, logo que desejes praticá-lo. Só quando queiras o mal, podem eles ajudar-te para a prática do mal. Se fores propenso ao assassínio, terás em torno de ti uma nuvem de Espíritos a te alimentarem no íntimo esse pendor. Mas outros também te cercarão, esforçando-se por te influenciarem para o bem, o que restabelece o equilíbrio da balança e te deixa senhor dos teus atos.”


Coronel, não vou me estender muito para não desvirtuar o estudo e daqui a pouco estarmos discutindo a origem da maldade humana.
Sugiro que leia por favor o Livro dos Espíritos : Livro Terceiro-Leis Morais- Capítulo I: O Bem e o Mal e, a obra " A Gênese", a origem do Bem e do Mal.
Lá encontrará todas as respostas que busca.

 Coronel: Se Deus é sabedoria (ou onisciente), nos criou a todos, mesmo sabendo (ou Deus não sabia e foi surpreendido pelos absurdos q faríamos?!) q, após a criação, apresentaríamos defeitos inomináveis (defeitos de fabricação?!) q trariamos extremos sofrimentos a nós mesmos e a nossos semelhantes,  q cometeríamos tragédias e desgraças etc?

Susana: Quem disse que Deus não sabia? Deus é onisciente lembra?
Não há defeito nenhum, o que chamas de defeito é apenas uma aspecto do aprendizado e resultado da nossa visão limitada diante dos acontecimentos.
Nosso julgamento está equivocado porque estamos vendo só a ponta do iceberg.
Amigo Coronel, o bem e o mal é apenas a forma como nossa mente dual vê as coisas, o cosmos não se rege pela dualidade, muito menos o Criador.
Deus criou coisas simplesmente, nós humanos é que as dividimos em boas e más porque esta é a linguagem que entendemos e é por esta razão que os espíritos se dirigiram a nós usando nossa linguagem.

Coronel: E ficamos nos perguntando: será q a infinita sabedoria só sabe criar seres que só entendentendem a linguagem da dor? Que a infinita sabedoria só sabe criar, para suas criaturas, os espíritos, um processo de ensinar a evoluir, cujo método mais aplicado e mais eficiente, sejam os sofrimentos?! Os terríveis, torturantes, desesperadores e muitas vezes insuportáveis sofrimentos q vemos no mundo?!
Susana:
Questão 634 do LE- Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?

“Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação. Se não existissem montanhas, não compreenderia o homem que se pode subir e descer; se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. É preciso que o Espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mau. Eis por que se une ao corpo.


Trabalhe pela sua reforma íntima e paute sua conduta nos ensinamentos de Jesus se quer ter o direito de habitar mundos mais venturosos.
A Terra é a escola para aqueles que ainda não aprenderam a lição do amor incondicional.
Não aquele amor que temos pelos filhos, pelos pais, pelos amigos e por nós mesmos, mas o amor incodicional por todas as criaturas, o mesmo amor de Jesus.
Enquanto não aprendermos esta lição continuarem aqui repetindo de ano, tanto você  quanto eu.
O que vemos no mundo é o reflexo do estado evolutivo de seus habitantes.
As atrocidades que você vê hoje possivelmente também praticamos em outras encarnações, então cada encarnação é um passo no caminho da libertação.

Coronel:  É, realmente, necessário raciocinar!

Susana:  Amigo Coronel, além dé raciocinar, também é necessário ler e estudar a doutrina.

 paz e luz!
 abraços
 Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Sr.91 em 14 de Agosto de 2012, 03:23
A lei de causa e efeito é evidente em todas as situações da vida, do nosso dia-a dia. Quando percebemos que agimos erradamente, logo nos chega o sentimento de remorso sendo efeito de nosso entendimento, da experiencia, do ato praticado e em seguida a causa de não mais agir erradamente .

Entretanto, o que se deve realmente questionar e entender na mais possível maneira, é o fato de todos os espíritos serem criados simples e ignorantes, ou seja, totalmente alheios as consequências de seus atos, sem nenhum entendimento de sua natureza, ter que penar por não saberem, serem considerados o causador do mal no mundo, se nosso único defeito foi ser ignorante . É totalmente inconcebível  acreditar que livremente escolhemos cometer os mais monstruosos desatinos, sermos portadores dos mais medíocres   sentimentos. Vcs responderão que isso é a matéria que nos domina, mas quem criou essa matéria, quem deu a ela esse poder todo?  Quem tendo todo o conhecimento e possibilidades escolhe passar vidas a fio sofrendo, sendo vitima e algoz de si mesmo e de seus semelhantes ? Ninguem, ninguem com amor matará, falará mentiras . Se existe tudo isso, é por falta de amor, e os homens não podem ser responsabilizados por não amarem, pois se todos somos iguais em condições, por que uns amam e outros não ? O que causou essa diferença ? Ou a natureza humana é assim mesmo ?
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 14 de Agosto de 2012, 11:59
Entretanto, o que se deve realmente questionar e entender na mais possível maneira, é o fato de todos os espíritos serem criados simples e ignorantes, ou seja, totalmente alheios as consequências de seus atos, sem nenhum entendimento de sua natureza, ter que penar por não saberem, serem considerados o causador do mal no mundo, se nosso único defeito foi ser ignorante . É totalmente inconcebível  acreditar que livremente escolhemos cometer os mais monstruosos desatinos, sermos portadores dos mais medíocres   sentimentos. Vcs responderão que isso é a matéria que nos domina, mas quem criou essa matéria, quem deu a ela esse poder todo?  Quem tendo todo o conhecimento e possibilidades escolhe passar vidas a fio sofrendo, sendo vitima e algoz de si mesmo e de seus semelhantes ? Ninguem, ninguem com amor matará, falará mentiras . Se existe tudo isso, é por falta de amor, e os homens não podem ser responsabilizados por não amarem, pois se todos somos iguais em condições, por que uns amam e outros não ? O que causou essa diferença ? Ou a natureza humana é assim mesmo ?

Seja bem vindo Viajante do Espaço!

Vamos nos socorrer do que a diz a doutrina:
O bem e o mal
 
630. Como se pode distinguir o bem do mal?
 
“O bem é tudo o que é conforme à lei de Deus; o mal, tudo o que lhe é contrário. Assim, fazer o bem é proceder de acordo com a lei de Deus. Fazer o mal é infringi-la.”

631. Tem meios o homem de distinguir por si mesmo o que é bem do que é mal?
 
“Sim, quando crê em Deus e o quer saber. Deus lhe deu inteligência para distinguir um do outro.

632. Estando sujeito ao erro, não pode o homem enganar-se na apreciação do bem e do mal e crer que pratica o bem quando em realidade pratica o mal?
 
“Jesus disse: vede o que queríeis que vos fizessem ou não vos fizessem. Tudo se resume nisso. Não vos enganareis.”

634. Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?
 
“Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação. Se não existissem montanhas, não compreenderia o homem que se pode subir e descer; se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. É preciso que o Espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mal. Eis por que se une ao corpo.” (119)


637. Será culpado o selvagem que, cedendo ao seu instinto, se nutre de carne humana?
 
“Eu disse que o mal depende da vontade. Pois bem! Tanto mais culpado é o homem, quanto melhor sabe o que faz.”
 
A.K.: As circunstâncias dão relativa gravidade ao bem e ao mal. Muitas vezes, comete o homem faltas, que, nem por serem conseqüência da posição em que a sociedade o colocou, se tornam menos repreensíveis. Mas, a sua responsabilidade é proporcionada aos meios de que ele dispõe para compreender o bem e o mal. Assim, mais culpado é, aos olhos de Deus, o homem instruído que pratica uma simples injustiça, do que o selvagem ignorante que se entrega aos seus instintos.

Amigo Viajante não existe nem bem nem mal, mas apenas experiências esta é uma classificação que fazemos por conta da dualidade, mas o cosmos não se rege pela dualidade.
Na palavra dos próprios espíritos ,o espírito se torna responsável de acordo com seu grau de entendimento e consciência.
Sim, somos criados simples se ignorantes e durante estes momentos inciais não somos responsabilizados por nosso atos porque somos ignorantes.
Só que a medida que vamos caminhando e entendendo o que é certo e errado e violamos as leis universais não podemos dizer que éramos naquele momento tão "ignorantes( no sentido de ignorar) quanto no início de  nossa criação, quando mal ensaiávamos os primeiros passos.
Deste modo é que quando Hitler matou os judeus, ele tinha plena consciência de que matar era errado, ele não era ignorante quanto a isso, deste modo assumirá as consequências de seus atos, de modo contrário os irmãos selvagens canibais seriam dentro desta ótica menos "culpáveis" ,pois que ainda se encontravam na infância da humanidade.
Então, nós, hoje bem mais conscientes que nossos antepassados não podemos dizer que continuamos simples e ignorantes então a partir do momento que temos inteligência para discernir ,consciência de que algo não deve ser feito  e o fazemos, nasce então a responsabilidade.
Aqui estamos a analisar a existência da causa e efeito e sua implicações, não é o objetivo do estudo discorrer sobre a origem do bem e do mal senão perdemos o foco e o estudo se dispersa.
O que pode-se dizer é que o espírito é responsabilizado por tudo o que faz( lei de causa  e feito) na medida da sua capacidade de compreensão, agora o que leva o espírito encarnado a escolher entre x e y , onde começa esta capacidade de compreensão, etc é assunto pra debate mais profundo e filosófico.
Existem vários tópicos que abordam a origem do mal aqui no fórum, leia também o material que indiquei acima para Coronel.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 14 de Agosto de 2012, 12:18
Viajante do Espaço: Se existe tudo isso, é por falta de amor, e os homens não podem ser responsabilizados por não amarem, pois se todos somos iguais em condições, por que uns amam e outros não ?

Na verdade todos amam, só que uns amam mais a si mesmos
Se você observar, na gênese de toda, "maldade" encontra-se o egoísmo.
O assassino, o ladrão, o estuprador, o estelionatário, o corrupto, todos agem pensando em si mesmos.
Ah, podem sim, porque há 2000 anos atrás veio um espírito muito especial no ensinar o roteiro seguro de vida, quem não o segue é por opção.
Sim, porque o caminho de Jesus importa renúncia e abnegação, é a porta estreita e muitos querem seguir pela porta larga.
abraços
Susana


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Diegas em 14 de Agosto de 2012, 12:43
Entretanto, o que se deve realmente questionar e entender na mais possível maneira, é o fato de todos os espíritos serem criados simples e ignorantes, ou seja, totalmente alheios as consequências de seus atos, sem nenhum entendimento de sua natureza, ter que penar por não saberem, serem considerados o causador do mal no mundo, se nosso único defeito foi ser ignorante...'

Olá, Viajante

Estava me preparando para opinar sobre este seu questionamento quando a Su postou a opinião dela. Então, para não ficar repetitivo, uma vez que ela já respondeu, queria lembrar que
o homem, em suas primeiras encarnações, assemelha-se a uma criancinha, sinonimo de ingenuidade.

Uma criancinha conquista o aprendizado por meio de várias experiencias. Estas experiencias particulares mais se parecem com o metodo tentativa-erro, em que mais se erra do que acerta. Até os animais selvagens são facilmente domesticaveis, desde que os controlemos por meio de alguma premiação. Por exemplo, se um cachorrinho fizer xixi na sala de visitas, e imediatamente o seu dono fizer uma careta feia (não vale a que já possui), resmungar ou bater na bundinha, ele saberá que fez algo indevido e vai procurar não 'errar' novamente. Certamente, o cãozinho ficará com aquela carinha triste, ou entediado, sem saber o motivo do dono zangar-se com ele. Depois da dor, aí entra o proximo passo: ensinar ao animal que ele apanhou por que fez xixi em local indevido, orientando-o que faça num local adequado. Se o animalzinho for obediente às determinações, será premiado - com um belo agrado ou algum comestivel - isto servirá de incentivo para que ele compreenda e nunca mais erre. Se errar, apanha novamente, não tem escapatoria - esta é a lei que eu impus para manter a minha sala limpinha.

Assim tambem ocorre conosco. Deus quer que obedeçamos e deixemos a casa planetária bem limpinha, caso contrario seremos castigados por mau comportamento, com a unica diferença de que nós mesmos nos castigamos quando fazemos algo indevido. A lei divina (causa-efeito) alcança os simples e ignorantes (todos somos, quem não for que levante a mão !) e nos recoloca nos devidos lugares.



Abç
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 14 de Agosto de 2012, 13:07
Assim tambem ocorre conosco. Deus quer que obedeçamos e deixemos a casa planetária bem limpinha, caso contrario seremos castigados por mau comportamento, com a unica diferença de que nós mesmos nos castigamos quando fazemos algo indevido. A lei divina (causa-efeito) alcança os simples e ignorantes (todos somos, quem não for que levante a mão !) e nos recoloca nos devidos lugares.


Olá Diegas!
Bem vindo ao estudo!
Ótimas ponderações.
Estava refletindo sobre o que você trouxe e penso que sim, podemos dizer que ainda somos ignorantes quanto a muitas coisas, mas não sei se ainda podemos ser considerados como "simples".
Explico: já estamos caminhando neste planeta há milhares e milhares de anos.
Já adquirimos bagagem suficiente para que não possamos mais nos considerar uma folha em branco.
Quando penso em simples e ignorantes me vem a imagem de certos índios que ainda se encontram na infância da humanidade( segundo Kardec), espíritos mal saídos das mãos do Criador( sem entrar em detalhes sobre os períodos em que a consciência humana teria ou não estagiado m outros reinos).
Assim, como ainda lhes falta muito aprendizado e conhecimento, podem ser considerados simples e ignorantes.
Mas nós, já sabemos algumas coisas, até porque tanto Jesus, quanto todos os outros mestres e reveladores da humanidade e, inclusive ,os pórprios espíritos nos contaram, então, podemos sim ser considerados imaturos e ignorantes quanto a muitas coisas que ainda nos faltam descobrir, mas não podemos o ser quanto ao que já nos foi ensinado.
Sim, somos crianças tateando o universo e ainda temos muito, mas muito a aprender, porém também já nos ensinaram algumas lições que insistimos em negligenciar, não fazendo o dever de casa.
Então diria que nossa ignorância é relativa porque quanto aquilo que já nos foi ensinado não poderemos alegar desconhecimento.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Sr.91 em 14 de Agosto de 2012, 14:35
Olá Susana, bom dia !

Na palavra dos próprios espíritos ,o espírito se torna responsável de acordo com seu grau de entendimento e consciência.
Sim, somos criados simples se ignorantes e durante estes momentos inciais não somos responsabilizados por nosso atos porque somos ignorantes.
Só que a medida que vamos caminhando e entendendo o que é certo e errado e violamos as leis universais não podemos dizer que éramos naquele momento tão "ignorantes( no sentido de ignorar) quanto no início de  nossa criação, quando mal ensaiávamos os primeiros passos.

Amiga, diz a doutrina que é Deus que escolhe as diferentes missões dos espíritos, quando na infância espiritual ou seja, nesse estágio não somos responsabilizados por nenhum ato, nossos extintos nos dominam mais que hoje . Entretanto, ocorre o contrário . Vejamos o mundo, as pessoas, que segundo as religiões e doutrinas, deliberadamente estão contra as leis de Deus . Se no princípio eramos ignorantes ao ponto de não termos desenvolvido a razão e etc, no mundo atual e nos séculos passados, o ser humano que deveria logicamente ter deixado a ignorância, mostrou e mostra-se cada dia mais um ser ruim e perverso, tendo é claro algumas exceções. Não deveria acontecer o contrário ? Porque somos tão recalcitrantes, porque escolhemos sofrer as consequências de nossos atos ?

Deste modo é que quando Hitler matou os judeus, ele tinha plena consciência de que matar era errado, ele não era ignorante quanto a isso, deste modo assumirá as consequências de seus atos, de modo contrário os irmãos selvagens canibais seriam dentro desta ótica menos "culpáveis" ,pois que ainda se encontravam na infância da humanidade.
Então, nós, hoje bem mais conscientes que nossos antepassados não podemos dizer que continuamos simples e ignorantes então a partir do momento que temos inteligência para discernir ,consciência de que algo não deve ser feito  e o fazemos, nasce então a responsabilidade.

Sim,  Hitler tinha consciência de seus atos, sabia que matar causaria dor e muito sofrimento. E ele fez ! Porque ? De onde veio tanto ódio, tanta perversidade ? E aquelas pessoas que foram suas vítimas, estariam elas sofrendo sem merecer ? Deus utilizou Hitler para aplicar a justiça e mesmo assim ele deve ser condenado ?

Aqui estamos a analisar a existência da causa e efeito e sua implicações, não é o objetivo do estudo discorrer sobre a origem do bem e do mal senão perdemos o foco e o estudo se dispersa.
O que pode-se dizer é que o espírito é responsabilizado por tudo o que faz( lei de causa  e feito) na medida da sua capacidade de compreensão, agora o que leva o espírito encarnado a escolher entre x e y , onde começa esta capacidade de compreensão, etc é assunto pra debate mais profundo e filosófico.
Existem vários tópicos que abordam a origem do mal aqui no fórum, leia também o material que indiquei acima para Coronel.
abraços
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 14 de Agosto de 2012, 16:58
     Amigos,

      = É necessário raciocinar! =

      Cel: Um amigo postou texto sobre a lei de causa e efeito e a dor dela decorrente. 
      Nesse texto q, como em “milhares” de outros, só vemos palavras bonitas, nada mais! O texto não traz qualquer ensinamento ou conselho de valor para favorecer a caminhada do homem. Só palavras e conselhos bonitos, mas q, como todos os outros, nenhum valor têm, pois só ensinam “faça assim! Não faça assim...”;<nunca> ensinam o <como fazer>! Por isso, nenhum valor têm!

      Texto: A dor é uma benção que Deus envia aos seus eleitos. Não vos aflijais, portanto, quando sofrerdes, mas, pelo contrário, bendizei a Deus todo poderoso, que vos marcou com a dor neste mundo, para a glória no céu.

      Cel: isso quer dizer q a dor é o método criado por Deus, que é infinito amor e sabedoria, para nos ensinar a evoluir?! Que devemos adorar, bendizer e agradecer a Deus pelos cânceres, pela loucura ou cegueira, pelas dores sem fim q nos manda e a nossos queridos!... pelas bênçãos que o Criador nos manda, qdo faz morrer em nossos braços, aquela filhinha há tanto tempo esperada e amada por nós... Que devemos agradecer a Deus qdo nossos queridos são vítimas ou praticantes de crimes hediondos e se tornam escravos ou enlouquecidos pelas drogas, ou são alvo de explorações, humilhações e injustiças... ou qdo lhes roubam tudo q, em uma vida inteira, economizaram, à custa de  muitos sacrifícios e esforços, para o sustento dos filhos; qdo lhes roubam todas as esperanças, e  fazem, até mesmo, q não mais creiam em Deus e sua justiça... ??!!

      Texto: Sede paciente, pois a paciência é também caridade, e deveis praticar a lei de caridade, ensinada pelo Cristo, enviado de Deus.

      Cel: para aquele q é impaciente e q não é caridoso, pois não tem controle sobre sua paciência e não tem amor em seu coração, de que adianta dizer “seja paciente”, “seja caridoso”? De q adianta dizer “seja paciente”, para quem está sofrendo dores terríveis, como ver sua filhinha, sua razão de viver, ser violentamente estuprada e assassinada, na sua frente; ou ver seus filhos queridos terem os pés amputados a machadadas para q, qdo adultos, não sejam inimigos eficientes... e tantas coisas mais q vemos no mundo? De q adianta dizer para alguém, mesmo para quem não esteja sofrendo, “seja paciente!”, “receba tudo de mau q a vida lhe der” com agradecimentos a Deus, porq todos os sofrimentos nada mais são do q manifestações de Seu amor por você e por todos Seus filhos bem-amados... ?!

      Texto: A caridade que consiste em dar esmolas aos pobres é a mais fácil de todas. Mas há uma bem mais penosa, e conseqüentemente bem mais meritória, que é a de perdoar os que Deus colocou em nosso caminho para serem os instrumentos de nossos sofrimentos e submeterem à prova a nossa paciência.

     Cel: como dissemos acima, conselhos lindos, sábios, destinados a ter esperanças numa vida com menos sofrimentos! Contudo, palavras, conselhos, exemplos não ensinam ninguém a ter amor... De adianta dizer <o que fazer>, como, por exemplo,  “perdoe seus inimigos, pois q eles são apenas instrumentos de Deus para provocar,  em você e em seus filhos, os mais torturantes sofrimentos? Seja caridoso, ame o próximo, seja paciente com aqueles q põem à prova sua paciência, q humilham seus filhos, q os cubram de injustiças.. etc, se nunca se ensina, pois não sabem ensinar, o <como fazer> isso?!

      Texto: A vida é difícil, bem o sei, constituindo-se de mil bagatelas que são como alfinetadas e acabam por nos ferir.

     Cel: aí, o autor do texto coloca palavras como se não conhecesse seus significados e estivesse brincando com o leitor. É como se aconselhássemos aos q sofrem: “não se incomode, nem se importe com todos esses desesperadores sofrimentos pois q eles nada mais são do que “bagatelas”, isto é, não se incomode com isso pois são apenas  insignificâncias! Não se incomode com essas coisas q, por mais torturantes e desesperadoras q sejam, não têm nenhuma importância; são apenas  ninharia, coisas q são nada mais do q coceirazinhas, apenas “alfinetadas”, isto é, bagatelas e alfinetadas, pois são coisas q nada significam, nem perturbam, não são nada em nossa vida! São <apenas> cânceres, loucura, cegueira, deformações físicas e mentais, acidentes q esmigalham ossos e órgãos, e essa lista sem fim de sofrimentos torturantes, desesperadores, insuportáveis q vemos no mundo e em nossos filhos...  Não se perturbem, não se incomodem, pois isso nada é, nada perturba! Sãop apenas bagatelas, alfinetadas, coceirazinhas q a Lei do Senhor de Infinito Amor nos faz para q sigamos pelo caminho da evolução...  Não se incomodem com isso, pois o Criador ou Suas leis, têm de fazer exatamente isso, e obrigatoriamente, para nós todos pois, com toda sua infinita Sabedoria ( o Criador, das concepções religiosas), só sabe criar seres q só entendem a linguagem da dor; e só sabe criar, e ainda manter, um processo evolutivo, idealizado e criado por Ele, q tem como ensinamento mais usado e mais eficiente, bagatelas, ninharias, alfinetadinhas, isto é, nossos mais bondosos e agradáveis e abençoados cânceres em nosso filhinho, e todas essas abençoadas dores, lágrimas, loucuras... q vemos no mundo!!!

      Texto: Coragem, amigos: o Cristo é o vosso modelo. Sofreu mais que qualquer um de vós, e nada tinham de que se acusar, enquanto tendes a expiar o vosso passado e de fortalecer-vos para o futuro. Sede, pois, paciente, sede cristãos: esta palavra resume tudo!

      Cel: aqui, o autor do texto parece q está dizendo q, mesmo não merecendo, o iluminado sofre! Será q o iluminado, aquele q afirma "eu e o Pai somos um", sofre mesmo não merecendo sofrer? Mas, pela doutrina, o sofrimento não é resultado do merecimento?

      Texto: Apresente-se uma pessoa rica e todas as atenções e deferências lhe são dispensadas. Se for pobre, toda gente como que entende que não precisa preocupar-se com ela. No entanto, quanto mais lastimosa seja a sua posição, tanto maior cuidado devemos pôr em lhe não aumentarmos o infortúnio pela humilhação.

      Cel: aqui, cabe outra questão q ninguém, nem qualquer religião popular, sem exceção, sabe responder: porq o homem, criatura de Deus,(e q, por isso não pode ser mau ou injusto), age de modo mau e injusto? Quem nos criou suscetíveis de apresentarmos gigantescos defeitos morais? Será verdade q devemos acreditar q, mesmo podendo escolher o caminho do bem e, em conseqüência, ser feliz, o homem, nós, de livre vontade, de caso pensado, propositadamente, decidimos escolher o caminho do mal e, em conseqüência, ser infelizes?!
........................................................
 

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/lei-de-causa-e-efeito-43687/135/#ixzz23XkgONhB
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 14 de Agosto de 2012, 18:20
Caros irmãos e irmães.Diante das conjunturas, o que se pode e deve-se concluir em se tratando
de lei de causa e efeito no sentido de diferenciar.O que foi feito por querer fazer ou fazer sem
querer,uma ação foi praticada,haverá uma reação,isto é, um julgamento por parte de Deus.Ci-
-temos a exemplos:quando eu digo que agredi um irmão com atos ou palavras,mas na verdade não queria fazê-lo,foi um ato impensado,mas quando o faço deliberadamente com a intenção de agredir,foi premeditado, então,o que irá acontecer?sendo Deus sempre justo em seu julgamento.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 14 de Agosto de 2012, 18:41
     Amigo Coronel,
Por favor leia o que já foi postado ao longo do estudo.
Está sendo repetitivo nas suas observações, você já encaminhou um comentário anterior com questionamentos similares e que já foi respondido.
Além disso, no tópico "opiniões sobre o egoísmo" também já falamos sobre isso, você postou um comentário bem parecido, inclusive com os mesmos exemplos.
Esta postura inconformista é até compreensível entre aqueles que não conhecem a doutrina espírita ,mas me surpreende muito vê-la entre os adeptos do espiritismo.
Vamos combinar uma coisa? Leia por favor os textos que indiquei, pois suas afirmações mostram que não o fez.
Temos dois caminhos Coronel:  ou estudamos a doutrina ou estudamos a doutrina.
 Se o amigo não compreende a origem do sofrimento humano e todas as  suas nuances apesar dela já ter sido explicada na codificação, então infelizmente não há nada que eu possa fazer.

paz e luz!
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 14 de Agosto de 2012, 20:02

Amiga, diz a doutrina que é Deus que escolhe as diferentes missões dos espíritos, quando na infância espiritual ou seja, nesse estágio não somos responsabilizados por nenhum ato, nossos extintos nos dominam mais que hoje . Entretanto, ocorre o contrário . Vejamos o mundo, as pessoas, que segundo as religiões e doutrinas, deliberadamente estão contra as leis de Deus . Se no princípio eramos ignorantes ao ponto de não termos desenvolvido a razão e etc, no mundo atual e nos séculos passados, o ser humano que deveria logicamente ter deixado a ignorância, mostrou e mostra-se cada dia mais um ser ruim e perverso, tendo é claro algumas exceções. Não deveria acontecer o contrário ? Porque somos tão recalcitrantes, porque escolhemos sofrer as consequências de nossos atos ?
Olá Viajante!
Na verdade esta é uma visão parcial da questão.
O que ocorre é que a Terra é uma escola onde existem alunos que estão no pré-primário, outros no primeiro grau, outros no segundo, alguns na universidade e poucos com mestrado e doutorado. Só que estão todos juntos não só na mesma escola como na mesma sala de aula.
O ser humano só deixaria logicamente a ignorância se todos estivéssemos no mesmo nível evolutivo.
Aqui na Terra temos espíritos mais jovens, outros mais antigos e experimentados e por aí vai.
Existem irmãos que vem de outros planetas ainda mais inferiores que a Terra para aqui aprender e tentar melhorar ao contato com outros espíritos mais experimentados.
Existe um texto muito interessante chamado "Os níveis do ser humano".
É um conto longo mas vale apena ler, talvez te ajude a entender:
http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/os-niveis-do-ser-humano/msg216666/#msg216666
Amigo viajante,
Gostaria muito de poder responder todas as questões que aflingem a sua alma, mas a doutrina me ensinou a compreender que nem tudo vou conseguir entender durante esta encarnação e isso me trouxe resignação porque no momento oportuno o que parecia não ter explicação, será explicado e, liberta do corpo físico, terei condições de compreender o que hoje me parece incompreensível.
Confiemos em Deus e em sua sabedoria, mesmo que por ora o que vemos pareça ir contra a nossa razão, nós não poderíamos no estágio evolutivo que nos encontramos ter a pretensão de obter todas as respostas.
O que foi passado por ora, é suficiente: colhemos os frutos de nossos atos e isso não se enocontra só na codificação ,mas também nos ensinamentos de Jesus:
"A cada um segundo suas obras".
Nem todas as respostas que buscamos encontraremos nesta encarnação.
A caminhada evolutiva é um longo curso, e esta existência é apenas uma pequena etapa deste curso.
As respostas virão com o tempo.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 14 de Agosto de 2012, 20:56
Caros irmãos e irmães.Diante das conjunturas, o que se pode e deve-se concluir em se tratando
de lei de causa e efeito no sentido de diferenciar.O que foi feito por querer fazer ou fazer sem
querer,uma ação foi praticada,haverá uma reação,isto é, um julgamento por parte de Deus.Ci-
-temos a exemplos:quando eu digo que agredi um irmão com atos ou palavras,mas na verdade não queria fazê-lo,foi um ato impensado,mas quando o faço deliberadamente com a intenção de agredir,foi premeditado, então,o que irá acontecer?sendo Deus sempre justo em seu julgamento.
Fiquem na paz.
É  este o espírito amigo Renato, a responsabilidade está na medida da consciência e da intenção que temos quando praticamos o ato, mas mesmo quando agimos"sem querer" devemos refeltir se aquela ação não poderia ser evitada através do nosso auto controle.
 Ás vezes dizemos e fazemos coisas por impulso e nos arrependemos, porém é sempre importante aprender a lidar com nossas emoções, comandando-as e não se deixando comandar por elas.
Ninguém está livre de falar ou fazer algo que se arrependa depois ,mas cabe refletir de modo que estas condutas sejam a exceção e não a regra.
Aqui no estudo existem algumas dicas de atividades que auxiliam no auto conhecimento e no domínio das emoções.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 01:20
Boa Noite a todos! :)
Diante de alguns questionamentos levantados  acerca do porquê da existência do sofrimento humano, trago um trecho do Evangelho Segundo o Espiritismo para meditarmos:

Capítulo III- Há Muitas Moradas na casa de meu Pai

Destinação da Terra. Causa das Misérias Humanas


" 6 – Admira-se de haver sobre a Terra tantas maldades e tantas paixões inferiores, tantas misérias e enfermidades de toda sorte, concluindo-se que miserável coisa é a espécie humana. Esse julgamento decorre de uma visão estreita, que dá uma falsa idéia do conjunto. È necessário considerar que toda humanidade não se encontra na Terra, mas apenas uma pequena fração dela.
Porque a espécie humana abrange todos os seres dotados de razão, que povoam os inumeráveis mundos do Universo. Ora, o que seria a população da Terra, diante da população total desses mundos?
Bem menos que a de um lugarejo em relação a de um grande império. A condição material e moral da humanidade terrena nada tem, pois, de estranho, se levarmos em conta o destino da Terra e a natureza de sua população.

7 – Faríamos uma idéia muito falsa da população de uma grande cidade, se a julgássemos pelos moradores dos bairros mais pobres e sórdidos. Num hospício, só vemos doentes e estropiados; numa presídio, vemos todas as torpezas, todos os vícios reunidos; nas regiões insalubres, a maior parte dos habitantes são pálidos, fracos e necessitados.
Pois bem: consideremos a Terra como um subúrbio, um hospício, uma penitenciária, um país malsão, porque ela é tudo isso a um só tempo, e compreenderemos porque as suas aflições sobrepujam os prazeres. Porque não se enviam aos hospitais as pessoas sadias, nem às casas de correção os que não praticam crimes, e nem os hospitais, nem as casas de correção, são lugares de delícias.

Ora, da mesma maneira que , numa cidade, toda a população não se encontra nos hospitais ou nas prisões, assim a humanidade inteira não se encontra na Terra. E como saímos do hospital quando estamos curados, e da prisão quando cumprimos a pena, o homem sai da Terra para mundos mais felizes, quando se acha curado de suas enfermidades morais."

abraços
susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 02:02

Sobre a existência do mal e da dualidade como ferramenta pedagógica:

" No vosso mundo, tendes necessidade do mal para sentir o bem, da noite para admirar a luz, da doença para apreciar a saúde."


Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo III: Há muitas moradas na casa de meu Pai- Mundos Superiores e Mundos Inferiores, item 11.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 02:12
Causas Atuais das Aflições

" 4 – As vicissitudes da vida são de duas espécies, ou, se quisermos, tem duas origens bem diversas, que importa distinguir: umas têm sua causa na vida presente; outras, fora desta vida.

 Remontando à fonte dos males terrenos, reconhece-se que muitos são as conseqüências naturais do caráter e da conduta daqueles que os sofrem. Quantos homens caem por sua própria culpa! Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição! Quantas pessoas arruinadas por falta de ordem, de perseverança, por mau comportamento ou por terem limitado os seus desejos!

 Quantas uniões infelizes, porque resultaram dos cálculos do interesse ou da vaidade, nada tendo com isso o coração! Que de dissensões de disputas funestas, poderiam ser evitadas com mais moderação e menos suscetibilidade! Quantas doenças e aleijões são o efeito da intemperança e dos excessos de toda ordem!

 Quantos pais infelizes com os filhos, por não terem combatido as suas más tendências desde o princípio. Por fraqueza ou indiferença, deixaram que se desenvolvessem neles os germes do orgulho, do egoísmo e da tola vaidade, que ressecam o coração. Mais tarde, colhendo o que semearam, admiram-se e afligem-se com a sua falta de respeito e a sua ingratidão. Que todos os que têm o coração ferido pelas vicissitudes e as decepções da vida, interroguem friamente a própria consciência. Que remontem passo a passo à fonte dos males que os afligem, e verão se, na maioria das vezes, não podem dizer: “Se eu tivesse ou não tivesse feito tal coisa, não estaria nesta situação”.

A quem, portanto, devem todas essas aflições, senão a si mesmos? O homem é, assim, num grande número de casos o autor de seus próprios infortúnios. Mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples, e menos humilhante para a sua vaidade, acusar a sorte, a Providência, a falta de oportunidade, sua má estrela, enquanto, na verdade, sua má estrela é a sua própria incúria.

            Os males dessa espécie constituem, seguramente, um número considerável das vicissitudes da vida. O homem os evitará, quando trabalhar para o seu adiantamento moral e intelectual.

            5 – A lei humana alcança certas faltas e as pune. O condenado pode então dizer que sofreu a conseqüência do que praticou. Mas a lei não alcança nem pode alcançar a todas as faltas. Ela castiga especialmente as que causam prejuízos à sociedade, e não as que prejudicam apenas os que as cometem.
Mas Deus vê o progresso de todas as criaturas. Eis por que não deixa impune nenhum desvio do caminho reto. Não há uma só falta, por mais leve que seja, uma única infração à sua lei, que não tenha conseqüências forçosas e inevitáveis, mais ou menos desagradáveis.
Donde se segue que, nas pequenas como nas grandes coisas, o homem é sempre punido naquilo em que pecou.
Os sofrimentos conseqüentes são então uma advertência de que ele andou mal. Dão-lhe as experiências e o fazem sentir, a diferença entre o bem e o mal, bem como a necessidade de se melhorar, para evitar no futuro o que já foi para ele uma causa de mágoas. Sem isso, ele não teria nenhum motivo para se emendar, e confiante na impunidade, retardaria o seu adiantamento, e portanto a sua felicidade futura.

Mas a experiência chega, algumas vezes, um pouco tarde; e quando a vida já foi desperdiçada e perturbada, gastas as forças, e o mal é irremediável, então o homem se surpreende a dizer: “Se no começo da vida eu soubesse o que hoje sei, quantas faltas teria evitado; se tivesse de recomeçar, eu me portaria de maneira inteiramente outra; mas já não há mais tempo!” Como o trabalhador preguiçoso que diz: “Perdi o meu dia”, ele também diz: “Perdi a minha vida”.
Mas, assim como para o trabalhador o sol nasce no dia seguinte, e começa uma nova jornada, em que pode recuperar o tempo perdido, para ele também brilhará o sol de uma vida nova, após a noite do túmulo, e na qual poderá aproveitar a experiência do passado e pôr em execução suas boas resoluções para o futuro."

Evangelho Segundo o Espiritismo- Capítulo V: Bem-Aventurados os Aflitos-Causas Atuais das Aflições
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 02:23
Causas Anteriores das Aflições

 "6 – Mas se há males, nesta vida, de que o homem é a própria causa, há também outros que, pelo menos em aparência, são estranhos à sua vontade e parecem golpeá-lo por fatalidade. Assim, por exemplo, a perda de entes queridos e dos que sustentam a família.
Assim também os acidentes que nenhuma previdência pode evitar; os revezes da fortuna, que frustram todas as medidas de prudência; os flagelos naturais; e ainda as doenças de nascença, sobretudo aquelas que tiram aos infelizes a possibilidade de ganhar a vida pelo trabalho: as deformidades, a idiota, a imbecilidade etc.       

Os que nascem nessas condições, nada fizeram, seguramente, nesta vida, para merecer uma sorte triste, sem possibilidade de compensação, e que eles não puderam evitar, sendo impotentes para modificá-las e ficando à mercê da comiseração pública. Por que, pois, esses seres tão desgraçados, enquanto ao seu lado, sob o mesmo teto e na mesma família, outros se apresentam favorecidos em todos os sentidos?

Que dizer, por fim, das crianças que morrem em tenra idade e só conheceram da vida o sofrimento?
 Problemas, todos esses, que nenhuma filosofia resolveu até agora, anomalias que nenhuma religião pode justificar, e que seriam a negação da bondade, da justiça e da providência de Deus, segundo a hipótese da criação da alma ao mesmo tempo em que o corpo, e da fixação irrevogável da sua sorte após a permanência de alguns instantes na Terra.
Que fizeram elas, essas almas que acabam de sair das mãos do Criador, para sofrerem tantas misérias no mundo, e receberem, no futuro, uma recompensa ou uma punição qualquer, se não puderam seguir nem o bem nem o mal?

Entretanto, em virtude do axioma de que todo efeito tem uma causa, essas misérias são efeitos que devem ter a sua causa, e desde que se admita a existência de um Deus justo, essa causa deve ser justa.
Ora a causa sendo sempre anterior ao efeito, e desde que não se encontra na vida atual, é que pertence a uma existência precedente.
Por outro lado, Deus não podendo punir pelo bem o que se fez, nem pelo mal que não se fez, se somos punidos, é que fizemos o mal. E se não fizemos o mal nesta vida, é que o fizemos em outra. Esta é uma alternativa a que não podemos escapar, e na qual a lógica nos diz de que lado está à justiça de Deus.

O homem não é, portanto, punido sempre, ou completamente punido, na sua existência presente, mas jamais escapa às conseqüências de suas faltas.
A prosperidade do mau é apenas momentânea, e se ele não expia hoje, expiará amanhã, pois aquele que sofre está sendo submetido à expiação do seu próprio passado.
A desgraça que, à primeira vista, parece imerecida, tem portanto a sua razão de ser, e aquele que sofre pode sempre dizer: “Perdoai-me, Senhor, porque eu pequei”.

 7 – Os sofrimentos produzidos por causas anteriores são sempre, como os decorrentes de causas atuais, uma conseqüência natural da própria falta cometida.
 Quer dizer que, em virtude de uma rigorosa justiça distributiva, o homem sofre aquilo que fez os outros sofrerem.
Se ele foi duro e desumano, poderá ser, por sua vez, tratado com dureza e desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer numa condição humilhante; se foi avarento, egoísta, ou se empregou mal a sua fortuna, poderá ver-se privado do necessário; se foi mau filho, poderá sofrer com os próprios filhos; e assim por diante.

 É dessa maneira que se explicam, pela pluralidade das existências e pelo destino da Terra, como mundo expiatório que é, as anomalias da distribuição da felicidade e da desgraça, entre os bons e os maus neste mundo.
Essa anomalia é apenas aparente, porque só encaramos o problema em relação à vida presente; mas quando nos elevamos, pelo pensamento, de maneira a abranger uma série de existências, compreendemos que a cada um é dado o que merece, sem prejuízo do que lhe cabe no Mundo dos Espíritos, e que a justiça de Deus nunca falha.

 O homem não deve esquecer-se jamais de que está num mundo inferior, onde só é retido pelas suas imperfeições. A cada vicissitude, deve lembrar que,se estivesse num mundo mais avançado, não teria de sofrê-la, e que dele depende não voltar a este mundo, desde que trabalhe para se melhorar.

  8 – As tribulações da vida podem ser impostas aos Espíritos endurecidos, ou demasiado ignorantes para fazerem uma escolha consciente, mas são livremente escolhidas e aceitas pelos Espíritos arrependidos, que querem reparar o mal que fizeram e tentar fazer melhor.
Assim é aquele que, tendo feito mal a sua tarefa, pede para recomeçá-la, a fim de não perder as vantagens do seu trabalho.
Essas tribulações, portanto, são ao mesmo tempo expiações do passado, que castigam, e provas para o futuro, que preparam. Rendamos graças a Deus que, na sua bondade, concede aos homens a faculdade da reparação, e não o condena irremediavelmente pela primeira falta.


 9 – Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento por que se passa neste mundo seja necessariamente o indício de uma determinada falta; trata-se freqüentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento.
Assim, a expiação serve sempre de prova, mas a prova nem sempre é uma expiação.
Mas provas e expiações são sempre sinais de uma inferioridade relativa, pois aquele que é perfeito não precisa ser provado. Um Espírito pode, portanto, ter conquistado um certo grau de elevação, mas querendo avançar mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual será tanto mais recompensado, se sair vitorioso quanto mais penosa tiver sido a sua luta. Esses são, mais especialmente, os casos das pessoas de tendência naturalmente boas, de alma elevada, de sentimentos nobres inatos, que parecem nada trazer de mal de sua precedente existência, e que sofrem com resignação cristã as maiores dores, pedindo forças a Deus para suportá-las sem reclamar.
Podem-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam reclamações e levam à revolta contra Deus.


O sofrimento que não provoca murmurações pode ser, sem dúvida, uma expiação, mas indica que foi antes escolhido voluntariamente do que imposto; é a prova de uma firme resolução, o que constitui sinal de progresso.

10 –   Os Espíritos não podem aspirar à perfeita felicidade enquanto não estão puros; toda  mancha lhes impede a entrada nos mundos felizes.
Assim acontece com os passageiros de um navio tomado pela peste, aos quais fica impedida a entrada numa cidade, até que estejam purificados. É nas diversas existências corpóreas que os Espíritos se livram, pouco a pouco, de suas imperfeições. As provas da vida fazem progredir, quando bem suportadas; como expiações, apagam as faltas e purificam; são o remédio que limpa a ferida e cura o doente, e quanto mais grave o mal, mais enérgico deve ser o remédio.
Aquele, portanto, que muito sofre, deve dizer que tinha muito a expiar  e alegrar-se de ser curado logo. Dele depende, por meio da resignação, tornar proveitoso o seu sofrimento e não perder os seus resultados por causa de reclamações, sem o que teria de recomeçar."

Evangelho Segundo o Espiritismo- Capítulo V- Bem-Aventurados os Aflitos- Causas Anteriores das Aflições
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 02:30
Motivos de Resignação

Pelas palavras: Bem-aventurados os aflitos, porque eles serão consolados, Jesus indica, ao mesmo tempo, a compensação que espera os que sofrem e a resignação que nos faz bendizer o sofrimento, como o prelúdio da cura.

 Essas palavras podem, também, ser traduzidas assim: deveis considerar-vos felizes por sofrer, porque as vossas dores neste mundo são as dívidas de vossas faltas passadas, e essas dores, suportadas pacientemente na Terra, vos poupam séculos de sofrimento na vida futura. Deveis, portanto, estar felizes por Deus ter reduzido vossa dívida, permitindo-vos quitá-las no presente, o que vos assegura a tranqüilidade para o futuro.

 O homem que sofre é semelhante a um devedor de grande soma, a quem o credor dissesse: “Se me pagares hoje mesmo a centésima parte, darei quitação do resto e ficarás livre; se não, vou perseguir-te até que pagues o último centavo”. O devedor não ficaria feliz de submeter-se a todas as privações, para se livrar da dívida, pagando somente a centésima parte da mesma? Em vez de queixar-se do credor, não lhe agradeceria?

É esse o sentido das palavras: “Bem-aventurados os aflitos, porque eles serão consolados”. Eles são felizes porque pagam suas dívidas, e porque, após a quitação, estarão livres. Mas se, ao procurar quitá-las de um lado, de outro se endividarem, nunca se tornarão livres. Ora, cada nova falta aumenta a dívida, pois não existe uma única falta, qualquer que seja, que não traga consigo a própria punição, necessária e inevitável. Se não for hoje, será amanhã; se não for nesta vida, será na outra.
(...)"

Evangelho Segundo o Espiritismo- Capítulo V: Bem-Aventurados os Aflitos- Motivos de Resignação
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 02:47
Amigos,
Tomei a liberdade de trazer para o estudo mensal alguns trechos da doutrina sobre as dores e aflições humanas.
Imagino que muitos já os conheçam, mas por vezes é natural nos esquecermos do que já lemos há tempos. Todos os textos postados tem relação com questionamentos aqui levantados e estão também relacionados com o tema de nosso estudo.
Foi necessário abrir este pequeno parêntese para esclarecer alguns pontos que estavam gerando dúvidas sobre o sofrimento e aplicação da lei de causa e efeito.
 Apesar de estarmos direcionando a abordagem para as doenças e enfermidades, em sentido amplo o estudo trata da aplicação da lei de causa e efeito.
Grata pela compreensão.
abraços
Susana


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: João Toradi em 15 de Agosto de 2012, 11:37

A ciência diz que toda ação tem uma reação, isto é fato. Mas como disse, apesar de já ter tido defendido esta bandeira, hoje tenho a certeza de que ela não se aplica para nós espíritos.
(..)
 Mas o Espírito pede perdão e "pede" para ser útil na vida futura. Como o Amor é tudo, ele é perdoado e quebra a corrente do carma que teria de passar.
Volto a dizer que era o que eu acreditava, mas como você, Suzana, sou um estudioso e curioso no assunto e isso já não procede mais para mim. Devemos tomar muito cuidado com aquilo que espíritos disseram, pois não tem conhecimento de tudo. A doutrina espírita parou, não quer avançar e ficou iguais as outras que já existiam. Há muitas controvérsias a serem debatidas, a muitos pontos que não correspondem aos fatos.
(...)
Se você pratica um ato ruim ou bom hoje, não quer dizer que você vai recebê-lo no futuro. Não estou falando do basicão aqui, antes que alguém diga que se eu estudar eu vou saber, ou se eu comer demais, ficarei enorme. Mas falo da energia que é gerada nos atos que praticamos. Muda-se os atos, muda-se a energia, muda-se a energia, e tudo se modifica.

Obrigada João pelas reflexões trazidas.
Vamos por partes.

Não vou entrar no mérito se os espíritos se equivocaram quanto a algum ponto ou se a doutrina estagnou ou não, porque isso iria gerar muita polêmica e já existem outros tópicos que falam sobre isso.
Mas esqueçamos então por um segundo a codificação e meditemos apenas nas palavras de Jesus.
Como você interpreta então as seguintes  afirmações de Jesus:
 "Quem com a espada fere com a espada será ferido?
 "Não sairás daquei até que tenha pago o útlimo centil"

Quanto a questão do perdão, penso que é um pouco mais profunda.
Não sei se lembra de um texto que postei aqui no estudo que falava do caso de quebrar a janela.
Hipoteticamente, estou jogando vôlei e acabo quebrando a janela do vizinho.
Mesmo que me arrependa, peça desculpas, mude minha postura e me torne mais cautelosa para não ocorrer de novo, houve um prejuízo: a janela foi quebrada e deve ser reparada.
O próprio vizinho pode fazê-lo, mas o correto é que tenha consciência de que fui eu quem causei  aquele dano e me disponha a indenizá-lo para ficar em paz com minha consciência. Se eu não tinha culpa menos ainda o vizinho que teve sua harmonia perturbada por mim.
Claro que aqui estamos falando de condutas mais graves do que quebrar uma janela pois como costumo dizer ninguém vem para a Terra porque mentiu para os pais e é por esta razão que temos o véu do esquecimento.

Concordo que quando mudamos a anergia também alteramos nosso destino, mas dali pra fernte, o que já foi, já foi.
Mesmo que eu tenha aprendido a lição , me arrependido e me transformado ainda assim os "respingos" dos meus atos passados me perseguem. Não porque Deus é inflexível, mas porque o espírito só fica em paz quando se harmoniza com aqueles a quem prejudicou.
Exemplificando: um homem se endivida e pega dinheiro emprestado com um monte de gente.
Anos se passam, ele enriquece e resolve fazer o bem com sua fortuna, se torna um filantropo e auxilia milhares de pessoas. Só que aquelas , lá atrás ainda esperam pela quantia que lhe foi emprestada.
A dívida deste homem não deixou de exisitir porque ele foi generoso com outras pessoas. Então por uma questão de consciência ele vai lá atrás, procura uma apor uma, para devolver o que lhes tirou e seguir em paz com sua consciência.
Quando melhoro e pratico atos bons  deixo de gerar efeitos negativos( ou como você colocou carma negativo), mas o que fizemos no passado  gerou consequência e dependendo do nosso estágio evolutivo,as  assumimos de bom grado porque queremos seguir em frente sem dever nada a ninguém, com a consciência tranquila do dever cumprido  e um passado sem máculas.
 Quanto ao arrependimento ser o suficiente para apagar as faltas não é isso que sugere a doutrina:

Questão 990 do LE:
O arrependimento se dá no estado corporal ou no estado espiritual?
 “No estado espiritual; mas, também pode ocorrer no estado corporal, quando bem compreendeis a diferença entre o bem e o mal.”


Questão 991 do LE
Qual a conseqüência do arrependimento no estado espiritual?
 “Desejar o arrependido uma nova encarnação para se purificar. O Espírito compreende as imperfeições que o privam de ser feliz e por isso aspira a uma nova existência em que possa expiar suas faltas.” (332-975)


Questão 999
 Basta o arrependimento durante a vida para que as faltas do Espírito se apaguem e ele ache graça diante de Deus?
 “O arrependimento concorre para a melhoria do Espírito, mas ele tem que expiar o seu passado.”


Da leitura dos textos chegamos a conclusão de que mesmo que o espírito se arrependa e busque se melhorar , o que plantou lá atrás será colhido.
Como estamos em um fórum espírita nos guiamos pelos ensinamentos dos espíritos, deste modo , pela doutrina espírita é isso que acontece.
E este ensinamento se harmoniza com várias passagens do mestre Jesus, de qualquer forma respeito seu pensar e agradeço as reflexões trazidas no estudo.
grande abraço
Susana

Bom Dia Suzana.
A minha intenção aqui foi apenas trazer uma visão que eu tive após meus estudos da doutrina espírita e de outras religiões e o mais importante, as minha próprias conclusões. a grande maioria dos espíritos desencarnados que passaram a doutrina para os médiuns que trabalhavam com Allan Kardec eram católicos, ou seja, não tinham muita evolução. Passaram o que haviam aprendido. O que eles passaram é mentira? Não, eu só acho que existe muito mais coisas que eles não puderam o não sabiam como passar. Mas deixando esta controvérsia para lá um pouquinho, a "lei do perdão" existe? Você com toda certeza responderia que sim, pois além da doutrina afirmar assim, a bíblia diz que Jesus, numa de suas narrativas diz que antes de se apresentar ao tribunal, deveriamos nos entendermos com os nossos desafetos. Mas de coração, Suzana e quem mais estiver lendo este  comentário. Há muito mais coisas por trás de tudo isso. A "lei do perdão" funciona para você própria, e não para os outros. Foi isso que eu quis dizer.
Uma mãe passa o melhor de sua educação ao seu filho e quando ele atinge a idade adulta, ele resolve assumir seu verdadeiro padrão vibratório e começa a suas más ações. Na doutrina ensinam que ambos vieram resgatar faltas pretéritas, mas por que estão não funcionou com o filho? O que saiu errado? Segundo a doutrina, a mãe é culpada por não ter conseguido colocar o rapaz no bom caminho, tendo que, mais uma ver reencarnar junto deste espírito até que ele retorne para a Luz. Eu juro para você que acreditei nisso. Pois é bonito e poético, até escrevi um livro sobre o tema, mas se fosse escrever ele hoje, faria diferente. A mãe não tem culpa do filho ser o que ele insiste em ser, mas a energia que recai sobre esse espírito que encarnou mulher e passou a vida tentando ensinar algo para o espírito filho, é tão pesada que ela "decide" voltar mais uma vez para ajudar o espírito. Bastaria apenas ela parar e dizer que não tem culpa das ações dos outros, mas sim as suas próprias, e as suas próprias, se assim ela quiser poderiam ser dissolvidas. Por isso eu disse que a lei de causa e efeito não poderia se aplicar a nós espíritos. Pois não haveria progresso no planeta, e se observar, é o que está acontecendo. Vou falar apenas dos espíritas pois trata-se de um fórum espirita. Os espíritas, em sua grande maioria acreditam que fazendo isso ou aquilo, podem afastar os espíritos brincalhões e os que querem seus sofrimentos. E eu respondo que não é possível afastar pois eles tem suas próprias vontades. Mas dai nós deixarmos ser atingidos por eles é outra conversa. Mas para isso é necessário começar verdadeiramente o despertar consciente do espírito encarnado, pois eles tem acesso apenas por nós ainda sentirmos culpados, doentes, como Bezerra diz, que a terra é uma hospital e uma prisão. Portanto, agradeço a enorme paciência que teve em debater um pouco aqui comigo.  Gostaria de dizer que estou a disposição para mais debates sobre qualquer assunto. Se eu não ter uma opinião direi, está bem.
Grande Abraço e continue na busca do seu despertar.
Paz e Luz!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 13:56
Olá João!
Respondo abaixo seu comentário.
Por uma questão de organização , dividi a resposta em duas partes.
grande abraço
Susana

a grande maioria dos espíritos desencarnados que passaram a doutrina para os médiuns que trabalhavam com Allan Kardec eram católicos, ou seja, não tinham muita evolução. Passaram o que haviam aprendido.
João,
A doutrina espírita foi ditada por espíritos superiores.
Superior não significa perfeito, mas daí a dizer que não tinham muita evolução acho um pouco precipitado. A eles foi confiada pela espiritualidade a tarefa de sedimentar a base da doutrina espírita, então não deviam ser tão pouco evoluídos assim.
Além do mais Kardec se utilizou do critério da universalidade.
As informações prestadas pelos espíritos foram confrontadas com outras informações colhidas por outros  médiuns diferentes, então mesmo que porventura um espírito estivesse equivocado quanto um ponto de vista, não poderiam todos os demais também estarem quanto ao mesmo ponto.
Não estou dizendo que a doutrina resume tudo, nem poderia porque ela também está sujeita a lei da evolução e deve caminhar junto com a ciência, mas isso não significa que sua base filosófica está pautada sobre achismos pessoais de espíritos católicos.
De qualquer forma, não vou entrar em minúcias porque o objetivo do estudo não é polemizar e só esta sua afirmação  já daria pano pra manga, e talvez fosse necessária a abertura de um tópico só para discutí-la.

O que eles passaram é mentira? Não, eu só acho que existe muito mais coisas que eles não puderam o não sabiam como passar.
Mas isso é algo pacífico. A própria doutrina diz que nem tudo foi falado naquele momento.

Uma mãe passa o melhor de sua educação ao seu filho e quando ele atinge a idade adulta, ele resolve assumir seu verdadeiro padrão vibratório e começa a suas más ações. Na doutrina ensinam que ambos vieram resgatar faltas pretéritas, mas por que estão não funcionou com o filho? O que saiu errado? Segundo a doutrina, a mãe é culpada por não ter conseguido colocar o rapaz no bom caminho, tendo que, mais uma ver reencarnar junto deste espírito até que ele retorne para a Luz.

Nananina. Nunca li isso na doutrina. O que temos é que os pais devem fazer tudo o que estiver a seu alcance para levar os filhos para o caminho do bem e ,se a despeito disso, o filho segue por outro caminho, não é  responsabilidade dos pais.

Questão 208 do LE
Nenhuma influência exercem os Espíritos dos pais sobre o filho depois do nascimento deste?
 “Ao contrário: bem grande influência exercem. Conforme já dissemos, os Espíritos têm que contribuir para o progresso uns dos outros. Pois bem, os Espíritos dos pais têm por missão desenvolver os de seus filhos pela educação. Constitui-lhes isso uma tarefa. Tornar-se-ão culpados, se vierem a falir no seu desempenho.

Questão 209 do LE
 Por que é que de pais bons e virtuosos nascem filhos de natureza perversa? Por outra: por que é que as boas qualidades dos pais nem sempre atraem, por simpatia, um bom Espírito para lhes animar o filho?
 “Não é raro que um mau Espírito peça lhe sejam dados bons pais, na esperança de que seus conselhos o encaminhem por melhor senda e muitas vezes Deus lhe concede o que deseja.”

Questão 210 do LE
 Pelos seus pensamentos e preces podem, os pais atrair para o corpo, em formação, do filho um bom Espírito, de preferência a um inferior?
 “Não, mas podem melhorar o Espírito do filho que lhes nasceu e está confiado. Esse o dever deles. Os maus filhos são uma provação para os pais.”


"Em Allan Kardec temos magistral questão: “Pode considerar-se como missão a paternidade? É, sem contestação possível, uma verdadeira missão. É ao mesmo tempo grandíssimo dever e que envolve, mais do que o que pensa o homem, a sua responsabilidade quanto ao futuro”.
O compromisso de sermos pais ou mães foram assumidos na Pátria Espiritual e reafirmados por ocasião de nosso casamento, na formação da nova família. A responsabilidade dos pais é imensa na educação dos filhos. Não somente na preocupação de dar-lhes alimento, vestuário, lazer, escola, conforto, mas principalmente na dedicação em colocar-lhes no coração os sentimentos e virtudes que os orientarão e lhes iluminarão os caminhos.
Novamente Kardec elucida: “Os espíritos dos pais têm por missão desenvolver os de seus filhos pela educação. Constitui-lhes isso uma tarefa. Tornar-se-ão culpados, se vierem a falir no seu desempenho”.
Deste modo, ninguém poderá subtrair dos genitores a responsabilidade da tarefa.
Isto não significa, em hipótese alguma, que os pais devam realizar uma incrível “mágica” e transformar seus filhos em “anjos” em alguns anos de convivência. O que Jesus nos pede é que sejamos sempre esforçados e dedicados a tão importante encargo, não desanimando ante as dificuldades ou desprezando o lar pela busca obsessiva dos fatores transitórios.
O Espírito não se modificará profundamente de um momento para outro. Porém, todo bom exemplo, toda boa palavra, toda corrigenda sincera, todo diálogo, toda energia, todo carinho, toda disciplina e todo amor jamais se perderão, mesmo que tenham sido encaminhados a um coração endurecido pelo mal, ainda carregando muitas dificuldades.
Não haverá consciência atormentada quando formos pais leais, devotados e sinceros, mesmo com a tristeza de ver nossos filhos incursionando pelos caminhos do desequilíbrio e da ilusão.
O que causará grande tormenta em nossa consciência será a preguiça no exercício de nosso papel paterno/materno, o amor sem limites que cega, a profunda má vontade de grande parte dos pais que acham já saberem tudo, não enxergando suas falhas, e a falta de humildade em reconhecer-nos ainda insipientes quanto aos conhecimentos acerca da educação.
Não somos responsáveis pelas imperfeições de nossos filhos, mas, sim, se adubamos essas tendências infelizes ou se não as combatemos quanto podíamos.
O mais importante não é darmos “shows” de virtudes paternais, e sim que nossos filhos, ao deixarem a vida física, estejam mais enriquecidos espiritualmente e moralmente do que quando chegaram a ela, mesmo que teimem em recalcitrar, resistindo teimosamente em abandonar às próprias sombras. Somente haverá um mundo melhor com o bom desempenho da tarefa educativa por parte dos pais nos lares.
Santo Agostinho esclarece-nos: “Quando os pais hão feito tudo o que devem pelo adiantamento moral de seus filhos, se não alcançam êxito, não têm de que se inculpar a si mesmos e podem conservar tranqüila a consciência”.
Fonte:http://www.gabitogrupos.com

Continua..
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 15 de Agosto de 2012, 13:57
Continuação.

A mãe não tem culpa do filho ser o que ele insiste em ser, mas a energia que recai sobre esse espírito que encarnou mulher e passou a vida tentando ensinar algo para o espírito filho, é tão pesada que ela "decide" voltar mais uma vez para ajudar o espírito.
Amigo João,não necessariamente as coisas ocorrem desta forma. Nem toda mãe que passa por uma situação dessas é porque pediu para voltar. Ás vezes é a primeira experiência do espírito naquela família ,pois ele pediu pais virtuosos para tentar auxiliá-lo.
E mesmo que assim fosse, talvez ela não volte apenas por culpa,mas por amor.
Creio ser meritória e admirável a atitude daqueles que podendo seguir em frente, num verdadeiro exercício de renúncia retoram para ajudar a levantar aqueles que caíram no meio do caminho.
Os espíritas, em sua grande maioria acreditam que fazendo isso ou aquilo, podem afastar os espíritos brincalhões e os que querem seus sofrimentos. E eu respondo que não é possível afastar pois eles tem suas próprias vontades.
Sim, mas amigo o que ocorre é que mesmo tendo suas próprias vontades quando não estamos sintonizados com seus desejos naturalmente eles se vão  em busca daqueles que assim estejam.
Eles se afastam pela sua própria vontade porque nos tornamos desinteressantes, mudam o foco.
O espírito só fica quando há interesse em comum, se não há eles naturalmente partem em busca de algo mais atrativo e que esteja em sintonia com suas vibrações, ou ainda, o que é  muito gratificante, muitos mudam sua postura quando o obsediado muda e buscam auxílio.
 
Questão 467 do LE- Pode o homem eximir-se da influência dos Espíritos que procuram arrastá-lo ao mal?
 
“Pode, visto que tais Espíritos só se apegam aos que, pelos seus desejos, os chamam, ou aos que, pelos seus pensamentos, os atraem.”


Questão 468 do LE- Renunciam às suas tentativas os Espíritos cuja influência a vontade do homem repele?
 
“Que querias que fizessem? Quando nada conseguem, abandonam o campo. Entretanto, ficam à espreita de um momento propício, como o gato que tocaia o rato.

Questão 469 do LE- Por que meio podemos neutralizar a influência dos maus Espíritos?
 
“Praticando o bem e pondo em Deus toda a vossa confiança, repelireis a influência dos Espíritos inferiores e aniquilareis o império que desejam ter sobre vós. Guardai-vos de atender às sugestões dos Espíritos que vos suscitam maus pensamentos, que sopram a discórdia entre vós outros e que vos insuflam as paixões más. Desconfiai especialmente dos que vos exaltam o orgulho, pois que esses vos assaltam pelo lado fraco. Essa a razão por que Jesus, na oração dominical, vos ensinou a dizer: “Senhor! Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.”
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: aluada em 16 de Agosto de 2012, 13:40
Bom dia a todos.  Estou lendo com muita atençao o estudo, mas me passou uma dúvida?  Como podemos entender as doenças que muitos dizem que nos vem de vidas passadas, por exemplo um carcer que aparece do nada em pessoas que estão constantemente fazendo exames e dadas como pessoas de boa saúde?  Gostaria de algumas sugestões.  Obrigado
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: HamLacerda em 16 de Agosto de 2012, 14:27

Não sei se já disseram, mas existe muitos casos de doenças, de dificuldades, de problemas diversos, que estão relacionados com o fato de ter espíritos, digamos, fracos, que não avançam de modo algum, então a providência coloca algumas dificuldades para que eles "acordem".  De fato está associado com a lei de causa e efeito, porque mesmo a preguiça é o efeito de alguma causa, mas é preciso compreender esses fatos para compreender melhor a lei de causa e efeito.

Por, exemplo. Quando ficamos muito tempo na cama sentimos dores em todo o nosso corpo. Isso é uma lei natural de causa e efeito que Deus estabeleceu para as pessoas não ficarem o tempo todo na cama. Assim acontece com muitas coisas morais e físicas.


783 O aperfeiçoamento da humanidade segue sempre uma marcha progressiva e lenta?

– Há o progresso regular e lento que resulta da força das coisas; mas quando um povo não avança rápido o suficiente a Providência provoca, de tempos em tempos, um abalo físico ou moral que o transforma.

☼ O homem não pode permanecer perpetuamente na ignorância, porque tem de atingir o objetivo marcado pela Providência; ele se esclarece pela força das coisas. As revoluções morais, como as sociais, se infiltram pouco a pouco nas idéias, germinam durante séculos, explodem de repente e fazem desabar o edifício apodrecido do passado, que não está mais em harmonia com as novas necessidades e aspirações.

Muitas vezes, o homem percebe nessas transformações apenas a desordem e a confusão momentâneas que atingem seus interesses materiais. Porém, aquele que eleva o pensamento acima dos interesses pessoais admira os desígnios da Providência, que do mal faz surgir o bem. É a tempestade e a agitação que purificam a atmosfera após a perturbação.



Hamlacerda
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Agosto de 2012, 15:12
Olá Aluada!
Bem vinda ao estudo!
Sua pergunta é muito importante.
Hoje pode-se dizer que estamos vivendo uma epidemia de câncer.
Praticamente todos nós, conhecemos alguém que teve câncer.
Trata-se de uma doença multifatorial, e diante da complexidade dos fatores envolvidos não podemos ser levianos de afirmar que a pessoa teve câncer por esta ou aquela razão.
O que podemos fazer é analisar cada caso  em concreto de forma individualizada.
Um livro muito interessante sobre câncer e que penso ser leitura obrigatória a todos aqueles que se preocupam com a saúde é : " Anticâncer" do Dr David Servan.
Hoje o meio que vivemos é um terreno fértil para o câncer.
Estamos todos intoxicados física, mental e emocionalmente, alguns em maior grau , outros em menor, mas a vida moderna também tem seu preço e que ao final todos nós pagamos.
A poluição no ar que respiramos( cheio de metais pesados), a água que bebemos( também muitas vezes contaminada por metais pesados em quantidades acima do permitido), a comida envenenada que comemos , entupida de agrotóxicos( o Brasil é um dos campeões do agrotóxico), os produtos químicos que usamos no nosso dia-a-dia e por aí vai.
Quem quiser saber mais sobre o assunto recomendo que assista o documentário:
“ O veneno está na mesa” disponível no youtube onde técnicos e especialistas falam da gravidade do consumo de agrotóxicos e o seu real impacto sobre a saúde.
A maioria de nós achamos que somos saudáveis, mas será que somos mesmo?
O peito de peru saudável do sanduíche natural é cheio de aditivos químicos cancerígenos, a salada do almoço contém uma dose de veneno a cada dia.
O refrigerante do final de semana contém corantes cancerígenos( como já foi divulgado amplamente pela mídia e as pessoas continuam a beber), os desodorantes antitranspirantes que estão sob suspeita( apesar de alguns médicos, principalmente brasileiros, dizerem que não tem nada de mal, existem países onde seu uso foi banido ou é desestimulado pelos próprios  médicos) fazem parte da nossa rotina diária.
Somado a isso temos a forma como lidamos com as situações da vida e  como nossas emoções em desequilíbrio afetam nosso organismo,preparando o terreno para que a semente do câncer se desenvolva,como foi demonstrado nos textos apresentados no estudo do Dr Chopra.
Não é objetivo causar nenhum pânico ou terrorismo, mas devemos também refletir se  ás vezes aquela pessoa que aparentemente pensamos ter hábitos saudáveis, poderia estar em contato constante com alguns dos fatores de risco de câncer e nem perceber.
E muitas vezes este fator pode estar não só no meio ambiente ou nos hábitos cotidianos, mas dentro dela, através de pensamentos e emoções em desequilíbrio.
No câncer é difícil dizer: foi isso, ou aquilo. No máximo  pode-se dizer  ,através da investigação de cada caso, que: pode ter sido isso, e mais isso, e mais aquilo, somado com isso...
Isso explicaria muitos casos de câncer, onde a origem se encontra nesta vida,  mas como ficam os casos onde não há ,aparentemente,  nenhum fator desencadeador da doença?
Porque o câncer não atinge apenas adultos, mas também crianças e como você disse, aqueles  aparentemente saudáveis.
Seriam estes casos então reflexos de condutas adotadas em outras existências?
Sem dúvida é um assunto que ,pela seriedade , exige mais estudo e aprofundamento. Comprometo-me  a trazer mais material  relacionado ao câncer para que juntos cheguemos a alguma conclusão.
Grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Agosto de 2012, 17:36
Olá Aluada,
A amiga Maria tinha trazido um texto para o estudo que talvez ajude a responder sua pergunta.
abraços
Susana


CÂNCER NA VISÃO ESPÍRITA

Desde tempos imemoriáveis, a melhor medicina sempre foi a preventiva. O grande alquimista Paracelso insistia: "Não se deve tratar a doença; deve-se tratar a saúde". Podemos dizer que, o melhor meio para não se apanhar uma doença, consiste em se manter saudável. Ou seja, proteger o sistema imunológico, de forma a bloquear qualquer germe ou vírus que tentar invadir nosso organismo. Pode-se pensar que seja fácil atingir tal objetivo, através de uma boa dieta, escolhendo alimentos de baixo valor de colesterol, reduzindo o consumo de carne, abstendo-se de consumir açúcar, realizando exercícios físicos, enfim, submetendo-se a tudo aquilo que uma propaganda insistente nos propõe. Mas como explicar, nesse caso, o elevadíssimo número de pessoas que seguiram rigorosamente tais instruções, julgando estar assim protegidas contra os perigos das doenças para um dia, descobrir que seu organismo estava sendo minado pelo câncer? André Luiz conta, através da psicografia de Chico Xavier que um Espírito ao preparava-se para reencarnar, pediu para seu novo corpo físico uma úlcera que apareceria em sua madureza física e que não deveria encontrar cura até sua desencarnação, para que ele pudesse ressarcir um assassinato que cometeu ao esfaquear um homem (que estava na sua madureza física) na região do estômago. Como vemos, mesmo que este Espírito cuide de sua saúde durante toda sua juventude, não fugirá da úlcera “moral” que “ele pediu”.

 ENTÃO, CÂNCER É UMA ENFERMIDADE CÁRMICA? A experiência diz que sim. Estamos submetidos a um mecanismo de causa e efeito que nos premia com a saúde ou corrige com a doença, de acordo com nossas ações.

O CÂNCER SERIA ENTÃO O RESULTADO DE UM COMPORTAMENTO DESAJUSTADO, EM VIDAS ANTERIORES? Nem sempre. A causa pode estar nesta existência. Um exemplo: as estatísticas demonstram grande incidência de câncer no pulmão, em pessoas que fumam. Há elementos cancerígenos nas substâncias que compõem o cigarro. Quem fuma, portanto, é sério candidato a esse mal. Será o seu carma. Há uma charge ilustrativa, em que um cigarro diz para o fumante: "Hoje você me acende. Amanhã eu o apagarei!" Certíssimo! ESTÁ DEMONSTRADO QUE OS FUMANTES PASSIVOS, PESSOAS QUE CONVIVEM COM FUMANTES, TAMBÉM PODEM TER CÂNCER. COMO EXPLICAR ESSA SITUAÇÃO? ENão há inocentes na Terra, um planeta de provas e expiações. O fumante passivo que venha a contrair câncer tem comprometimentos do passado que justificam seu problema. Aliás, o simples fato de aqui vivermos significa que merecemos (ou necessitamos) tudo o que aqui possa nos acontecer. Se não merecêssemos, estaríamos morando em mundos mais saudáveis. ISSO ISENTA DE RESPONSABILIDADE O FUMANTE QUE POLUI O AMBIENTE, SITUANDO-O COMO INSTRUMENTO DE RESGATE PARA ALGUÉM? Ao contrário, apenas o compromete mais. Deus não necessita do concurso humano para exercitar a justiça. Além de responder pelos desajustes que provoca em si mesmo, responderá por prejuízos causados ao meio ambiente e às pessoas. A MEDICINA VEM DESENVOLVENDO TÉCNICAS PARA A CURA DO CÂNCER. CONCEBE-SE QUE DENTRO DE ALGUMAS DÉCADAS SERÁ POSSÍVEL A CURA REDICAL EM TODAS AS SUAS MANIFESTAÇÕES. COMO FICARÃO AQUELES QUE ESTÃO SE REAJUSTANDO PERANTE AS LEIS DIVINAS A PARTIR DE UM CARCIOMA? A medicina vem fazendo grandes progressos, mas está longe de erradicar a doença. Males são superados; outros surgem, nos domínios da sexualidade, a sífilis era um flagelo, decorrente da promiscuidade. Hoje é a AIDS. A dor, a grande mestra, que tem na enfermidade um de seus aguilhões, continuará a nos corrigir, até que aprendamos a respeitar as leis divinas. A PESSOA QUE SOFRE BASTANTE, VITIMADA POR UM CÂNCER, RESGATOU SEUS DÉBITOS, HABILITANDO-SE A UM FUTURO FELIZ NA ESPIRITUALIDADE? A doença elimina as sombras do passado, mas não ilumina o futuro. Este depende de nossas ações, da maneira como enfrentamos problemas e enfermidades. Quando o nosso comportamento diante da dor não oprime aqueles que nos rodeiam, estamos nos redimindo, habilitados a um futuro glorioso. COMO FUNCIONA ISSO? Se o paciente tem câncer, suas dores implicarão em sofrimento para a família. Tudo bem. Faz parte das experiências humanas. Mas, dependendo da maneira como enfrentar seu problema, poderá gerar aflições bem maiores para todos, o que acontece com o paciente revoltado, inconformado, agressivo. Se humilde e resignado, a família lidará melhor com a situação. Pacientes assim estão "zerando o carma".

Disse padre Léo ao padre Fábio de Melo: "Meu filho, eu nunca pedi a Deus que me curasse do meu câncer, por que seria muito injusto eu plantar limão e querer colher outra coisa. Eu fumei a vida inteira. Então, eu peço a Ele que me ensine a morrer do jeito certo. Se eu não faço minha parte, eu me pergunto: será que é honesto eu pedir que Deus faça a parte Dele? Ele já fez a parte Dele nos dando a vida, precisamos fazer a nossa parte cuidando dela!"
http://grupoallankardec.blogspot.com
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: RASEK em 16 de Agosto de 2012, 22:26
 ;)Isso mesmo Suzana!

 ;)O complexo e exato mecanismo das reencarnações... como é perfeito tudo isso aí!!

 :DTudo, mas tudo mesmo tem uma razão de ser e estar. Nada escapa!

 :(Fico pensando nestes políticos corrúptos, extremamente egoístas que pululam por aí, em sarneys, em cabrais, em jader barbalhos etc, o destino destas "coisas", para onde irão ao desencarnar...

 :)Abraços.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Agosto de 2012, 22:35
Não sei se já disseram, mas existe muitos casos de doenças, de dificuldades, de problemas diversos, que estão relacionados com o fato de ter espíritos, digamos, fracos, que não avançam de modo algum, então a providência coloca algumas dificuldades para que eles "acordem".  De fato está associado com a lei de causa e efeito, porque mesmo a preguiça é o efeito de alguma causa, mas é preciso compreender esses fatos para compreender melhor a lei de causa e efeito.
Por, exemplo. Quando ficamos muito tempo na cama sentimos dores em todo o nosso corpo. Isso é uma lei natural de causa e efeito que Deus estabeleceu para as pessoas não ficarem o tempo todo na cama. Assim acontece com muitas coisas morais e físicas.
Hamlacerda
Exatamente Ham. ;)
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Agosto de 2012, 23:07

;)O complexo e exato mecanismo das reencarnações... como é perfeito tudo isso aí!!
:DTudo, mas tudo mesmo tem uma razão de ser e estar. Nada escapa!
:(Fico pensando nestes políticos corrúptos, extremamente egoístas que pululam por aí, em sarneys, em cabrais, em jader barbalhos etc, o destino destas "coisas", para onde irão ao desencarnar...
:)Abraços.
Olá Rasek!
Obrigada pela sua participação!
É amigo, não tenha dúvidas de que eles colherão o que plantaram.
No caso dos políticos há um agravante.
Todo aquele investido em cargo de autoridade tem uma enorme responsabilidade aos olhos da espiritualidade.
De certa forma os políticos corrputos são os responsáveis indiretos por muitas tragédias e dramas humanos.
Nas palavras de jesus, "a quem muito foi dado, muito será exigido" . Todo aquele que estiver investido em uma função de autoridade tem sobre seus ombros também uma imensa responsabilidade.
Os políticos em última instância são servidores públicos, servem( ou deveriam servir) á população e depois irão prestar contas sobre como desempenharam esta missão; se a exerceram tendo em vista o interesse público e o bem coletivo ou se apenas serviram a seus próprios interesses.
A eles, como a todos nós, será dado conforme suas obras.
grande abraço
Susana
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 17 de Agosto de 2012, 01:13
Minha querida irmã Susana,pegando carona na sua última estrofe,"A eles,como a todos nós,
será dado conforme suas obras".A todos,sem exceção,iremos ao pai segundo as nossas
obras,e é nisto que a lei de causa e efeito deixa bem claro para todos.Deus na sua infinita
grandeza,deu-nos o livre-arbítrio,fazemos a escolha,e nesta escolha iremos ao pai prestar
contas do que fizemos,pode-se até ficar impune das leis criadas pelo homem,mas não das
leis de Deus.Os crimes cometidos quando imbuídos de autoridade pelo cargo que ocupa,cito
o caso dos políticos,receberão o castigo merecido,não dado por Deus,mas pelo próprio espí-
-rito que os tenha cometido.
Fique na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 17 de Agosto de 2012, 12:11
(...)pode-se até ficar impune das leis criadas pelo homem,mas não das leis de Deus.
Não tenha dúvidas amigo Renato.
Não há nada oculto que não seja revelado e trazido á luz.
grande abraço
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 17 de Agosto de 2012, 12:37
Bom dia a todos!
Diante dos questionamento acerca do câncer, trago um texto do Dr Deepak Chopra para nos auxiliar entender melhor o mecanismo desta doença e formas de prevení-la.
Dividi o texto em 3 partes.
abraços
Susana

Câncer

"Câncer é a palavra usada para definir o crescimento anormal das células de um organismo. As células anormais invadem o tecido sadio e espalham-se por outros órgãos, provocando seu mau funcionamento e morte.
Estima-se que um em cada quatro americanos vai desenvolver algum tipo de câncer. Embora a causa exata da doença em níveis moleculares ainda seja desconhecida, sabe-se que há muitos tipos de câncer e que certos agentes externos podem ser apontados como a origem de alguns deles.

Causas do câncer

Vírus: hoje já se sabe que alguns vírus podem causar câncer. Por exemplo, já se provou que o vírus EB, que normalmente é o agente infeccioso da mononucleose, causa o linfoma  de Burkitt, que ataca os gânglios linfáticos. Ele também produz o  câncer nasofaríngeo, que ataca o nariz e a cavidade localizada entre a boca e o esôfago.
Obviamente, nem todos os que contraem mononucleose desenvolvem câncer.
Na verdade, apenas uma porcentagem diminuta das pessoas expostas ao vírus adquire a doença. Por que o vírus causa câncer em algumas pessoas e em outras não?
A razão precisa não é conhecida. No entanto, parece que algumas pessoas são mais propensas a contrair qualquer tipo de doença, inclusive o câncer.

Uma variedade de fatores relacionados ao paciente está envolvida, inclusive certa condição chamada imunodepressão.
Esse termo define a imunidade baixa, ou seja, a perda da capacidade do organismo de combater a doença, geralmente uma infecção ou câncer.
O que produz a imunodepressão?  Vários fatores, inclusive vírus, uso de drogas e nutrição deficiente. Em alguns casos, a imunodepressão ocorre porque o corpo produz o
tipo errado de anticorpos, que não conseguem distinguir entre os agentes externos nocivos e as próprias células. Quando isso acontece, a resistência aos invasores diminui, abrindo espaço para infecções e o câncer.
Sejam quais forem as razões de caráter químico ou celular, verificamos novamente que a percepção do self tem importância vital.

Cancerígenos: vários agentes causadores de câncer, ou
cancerígenos, já foram isolados em certos alimentos, no ambiente
de trabalho de alguns profissionais e em substâncias  químicas
específicas. Os maiores vilões são:

1. O cigarro, que desempenha papel crucial nos cânceres de
pulmão, da boca e dos brônquios, e está ligado ao câncer de
bexiga.
2. O amianto, que causa câncer de pulmão.
3. O cloreto de vinil, responsável pelo câncer de fígado.
4. O urânio, associado ao câncer de pulmão.
5. Corantes à base de naftalina, que provocam câncer de bexiga.
6. Nitratos e nitritos do tipo usado rotineiramente para preservar
carnes, implicados nos cânceres de estômago e intestino.

Alguns hormônios e drogas, inclusive algumas das usadas para tratar o câncer, também causam a doença.
 Exposição a radiação nuclear, excesso de sol e de raios X são agentes conhecidos do câncer, assim como uma série de substâncias ndustriais — da fuligem das chaminés ao arsênico —, alcatrão de hulha e produtos para lavagem a seco. A combinação  dos cancerígenos aumenta ainda mais o risco de câncer; o cigarro e oamianto, em especial, potencializam os riscos oferecidos por outros cancerígenos.

Além desses agentes comprovados há vários alimentos estreitamente relacionados ao câncer. Na verdade, cada vez mais o câncer tem sido visto como uma doença determinada pelo estilo de vida, que pode ser prevenida com a mudança de alguns hábitos; por isso todos voltam a atenção para uma dieta que reduza o risco de desenvolvimento da doença.
Veja a última parte deste capítulo, onde discuto esse importante conceito com mais detalhes.

( * Sobre este assunto indico a leitura da obra " Anticâncer" de David Servan.)

Outras causas possíveis: a propensão ao câncer pode ser uma tendência herdada, embora o mecanismo exato ainda não seja conhecido.
Através do DNA, todas as células herdam a capacidade de se reproduzir normalmente. Quando essa habilidade auto-regulada se perde e as células começam a se multiplicar descontroladamente, estão, na verdade, gerando uma linhagem de células “imortais”. No núcleo da célula, uma porção do código genético se transformou em oncogene, ou seja, o gene do câncer. Essa célula se reproduz desordenada e inutilmente, destruindo as irmãs úteis. Esse mecanismo já é bem entendido. O problema é a conexão de um processo que se dá em níveis cromossômicos com o macroambiente — água, ar, alimentos e
características hereditárias.

( * na obra Anticâncer, Dr David Serva mostra que apesar de existir esta relação ela é pequena e não determinante. Em pesquisas feitas com pessoas adotadas, ficou comprovado que estes casos o onde o câncer tem como causa dieta e exclusiva o  fundo hereditário ou genético não são a maioria.)

O papel do estresse no câncer é muito importante.
De alguma maneira direta e poderosa nossas células são capazes de reagir ao estresse, que é interno, e não externo, como algumas pessoas acreditam.
A percepção de uma demanda externa — realizada pelo cérebro ou por qualquer outro órgão — é o verdadeiro estresse: trata-se de uma resposta qualquer. Como resultado do estresse, os sistemas músculo-esquelético, nervoso, endócrino (responsável por hormônios importantes) e imunológico sofrem alterações.
Não se sabe ainda a relação exata entre estresse e câncer. As teorias modernas sustentam que o estresse desencadeia a liberação de hormônios da hipófise, como o ACTH, que por sua vez libera outro hormônio, a cortisona, das glândulas supra-renais. A cortisona é conhecida por diminuir a imunidade orgânica pela inibição da liberação das células T, que, produzidas pelo timo, vigiam o sistema imunológico em busca de doenças.
O resultado final dessa cadeia de eventos é que o corpo se torna mais suscetível, segundo a crença dos pesquisadores, a vírus e agentes cancerígenos.

Genericamente, a partir da simples observação dos pacientes, alguns médicos acreditam que há uma ligação real entre estresse psicológico e câncer.
Quer a doença seja ou não causada pela presença de “hormônios do estresse”, é significativo que ela atinja mais pessoas solteiras, viúvas e divorciadas do que
casadas.

Sabe-se que o estresse é alto nas pessoas solitárias. O perfil psicológico dos pacientes de câncer também revela que essas pessoas tendem a reprimir as emoções intensas, adotando o hábito de não se expressarem livremente. De algum modo, o não
extravasamento das tensões interiores predispõe as pessoas ao câncer.

Acho esse elemento fundamental em qualquer estratégia de prevenção da doença

Continua...
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 17 de Agosto de 2012, 12:49
Continuação.

Parte 2 do texto sobre Câncer

Técnicas atuais de tratamento do câncer

Não existe um tratamento totalmente satisfatório. As opções atuais são:

Cirurgia:  se o câncer estiver restrito a um órgão ou a uma porção dele, então às vezes é possível conseguir a cura pela remoção do órgão ou da região afetada. Isso acontece muito
raramente. A cirurgia é um procedimento freqüentemente mutilante, grande fonte de sofrimento para o paciente,  que pode resultar em disfunções graves.

Radioterapia:  algumas células cancerosas morrem quando expostas a altas doses de radiação ou raios X. O problema é que a radiação também mata as células sadias. Essa terapia pode causar efeitos colaterais devastadores e fraqueza. Em geral, a
radiação não cura de fato o câncer.

Quimioterapia: o tratamento com drogas, ou quimioterapia, é eficaz contra vários tipos de câncer. Esses remédios, entretanto, provocam uma série de efeitos colaterais avassaladores, como perda de cabelo, impotência, esterilidade, náuseas e vômitos.
Como causa a imunodepressão, já discutida anteriormente, a quimioterapia também pode deixar os pacientes ainda mais suscetíveis a outros tipos de câncer.

Técnicas mentais e regressão espontânea do câncer

As pesquisas médicas estão descobrindo cada vez mais a relação da conexão mente/corpo com várias doenças,  e o câncer não é exceção. Um fenômeno raro mas bem documentado  em pacientes de câncer é a “regressão espontânea”, ou seja, a Um estudo do oncologista Carl Simonton, de 1975, analisou a atitude e o curso do tratamento de 152 pacientes de câncer. As respostas ao tratamento foram classificadas de “excelente” a “pobre”.
Vinte pacientes apresentaram resposta excelente. Todos eles também mostravam o que foi descrito como atitude positiva. Catorze deles se encontravam em estado muito grave e tinham menos de 50 por cento de chances de sobreviver por mais cinco anos, de acordo com todas as estatísticas disponíveis.

Vinte e dois pacientes apresentaram resposta muito pobre ao tratamento.
Além disso, todos tinham atitudes negativas diante da situação.
Essas atitudes positivas e negativas eram, basicamente, extensão de seus pensamentos. Pensamentos positivos geram poderosos sentimentos de fé, esperança, coragem, felicidade e convicção.
No outro extremo, pensamentos negativos geram medo, hostilidade, desesperança e desespero, sentimentos igualmente poderosos. Assim, a postura diante dos fatos não é algo a ser considerado superficialmente; a diferença entre atitudes negativas e positivas, no que tange à capacidade do organismo de sobreviver a crises, é como ter duas doenças diferentes. Uma é curável, a outra não.

As atitudes positivas são naturais ou podem ser criadas?
Várias técnicas mentais, inclusive as terapias de visualização, vêm se mostrando úteis no tratamento do câncer. Numa delas,  os pacientes devem visualizar a própria doença, o tratamento e as defesas do organismo pela formação de imagens concretas de si mesmos.
Alguns vêm batalhas espaciais, outros imaginam massas de luz e sombra em movimento.

Certa vez, tive um contatofascinante com essa técnica. Recebi uma paciente para  exames físicos. Era uma mulher de aspecto vigoroso, extremamente viva e atraente, que precisava dos exames para ser admitida em um novo emprego.
Enquanto levantava seu histórico médico, descobri que ela já havia sido diagnosticada como portadora do linfoma não-Hodgkin, um câncer do sistema linfático. Havia sido aconselhada a buscar tratamento em um proeminente hospital-escola associado a uma
famosa faculdade de medicina de Boston. Lá ela recebeu as primeiras doses de quimioterapia. Seu câncer estava  muito avançado e foi definido como Estágio IV B, o que significava que ele já havia alcançado a medula óssea. A paciente apresentou terríveis efeitos colaterais e decidiu não terminar o  tratamento.

Seus pais eram médicos, e a família inteira pressionava para que ela seguisse adiante.
Em vez de enfrentar a pressão, ela se mudou para uma pequena cidade européia e ficou por lá um ano. Praticou sozinha, depois de muitas leituras, as técnicas simples de visualização do dr. Simonton. Um ano depois voltou a Boston. Havia notado que o
inchaço dos gânglios linfáticos e os abscessos localizados em várias partes do corpo haviam diminuído. Quando foi novamente examinada na mesma clínica em que iniciara o tratamento, os médicos ficaram perplexos diante da ausência de qualquer indício
de que aquela paciente um dia que tivera câncer.

Perguntaram-lhe que tipo de quimioterapia vinha recebendo.
Quando ela respondeu que não estava fazendo nenhum tratamento convencional e que apenas praticava sozinha a técnica de Simonton, os médicos tiveram a reação típica dos profissionais de saúde. Disseram-lhe que sua recuperação era conhecida como regressão espontânea; não discutiram mais o assunto,  não exploraram a questão junto com a paciente, nem lhe explicaram o que é regressão espontânea.
 Em sua cabeça, o termo em si, regressão espontânea, permitia-lhes rejeitar o fenômeno. A
semelhança de muitos cientistas e médicos, tinham a mente fechada. Mas a verdade é que a paciente praticou uma técnica definida, e, ao menos para ela, havia uma relação de causa e efeito entre e técnica e os resultados alcançados.

Recentemente, recebi uma paciente com câncer no pulmão que apresentava uma resposta incomumente boa à radiação e à quimioterapia. Ela me confiou, dois anos depois de estar curada, que todos os dias se sentava com os olhos fechados e repetia para si mesma, durante aproximadamente dez minutos: “Vou melhorar, vou me recuperar completamente”. Disse que acreditava sinceramente que aquilo iria acontecer, que tinha absoluta
confiança naquelas afirmações. Ela repetia esse procedimento quatro ou cinco vezes por dia, e, na época, não contou nada a ninguém, nem a mim. Só muitos anos mais tarde revelou seu segredo. Hoje, três anos depois de iniciar o tratamento, não há nenhum indício clínico do câncer de pulmão.

Desde então, venho mencionando esses exemplos a vários pacientes, aconselhando-os a praticar essas técnicas em absoluto segredo. Faço isso por temer os comentários negativos dos amigos e da família, o que diminuiria a eficácia da terapia. Estou convencido de que esses pacientes se saem muito bem. Também os aconselho a passar pela radioterapia, quimioterapia ou cirurgia, quando o oncologista assim determinar, mas acredito que
as técnicas mentais desempenham um importante papel em todo o processo, no mínimo como terapia de apoio. 

Tenho certeza de que é possível determinar que tipo  de pessoa desenvolve câncer, mas ao mesmo tempo creio  que a doença pode ser superada, que pode ser prevenida e curada com a postura mental correta.
Já vimos que as células cancerosas, em sua multiplicação inútil e insensata, perderam contato com sua inteligência básica, o conhecimento genético que deveria regular
adequadamente a divisão celular.
De algum modo, essas técnicas mentais restauram a inteligência das células.
 O aspecto mais promissor dessa terapia é o fato de a cura nascer dentro do
paciente, aproveitando-se da conexão mente-corpo.


Continua...

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 17 de Agosto de 2012, 13:02
Continuação.

Parte 3 do texto sobre Câncer

O  papel da alimentação no câncer, ou a conexão dieta- câncer

Muito embora os leigos sempre tenham afirmado haver uma ligação entre o câncer e os alimentos, a comunidade médica — na verdade, a comunidade científica como um todo — demorou muito para estudar e estabelecer essa conexão.
 Recentemente, no entanto, vários grandes cientistas passaram a reconhecer sua
existência. O Conselho Nacional de Pesquisa divulgou um relatório intitulado  Diet, Nittrition, and Cancer  (1983). Trata-se da mais abrangente análise das pesquisas mundiais em torno de alimentação e câncer, embora tenha o cuidado de dizer que as provas da existência de um elo entre eles ainda não são conclusivas.
No entanto, o conselho publicou as seguintes orientações no tratamento preventivo do câncer:
1. O consumo de gordura deve ser consideravelmente reduzido.
Um americano típico ingere de 40 a 50 por cento das calorias diárias sob a forma de gordura. O relatório recomenda o máximo de 30 por cento. Para algumas pessoas, isso significa cortar o consumo de alimentos gordurosos pela metade.
O conselho observa que a ligação das gorduras com certos tipos de câncer, especialmente os de mama, cólon e próstata, é  o indício mais forte da conexão entre câncer e alimentação.
Esses tipos de câncer são os maiores assassinos de nossa sociedade.

2. Mais cereais integrais, frutas frescas, verduras e legumes
devem ser ingeridos, especialmente os mais ricos em vitamina C.

O conselho também recomenda frutas e legumes ricos em betacaroteno (uma substância química orgânica que o corpo transforma em vitamina A).
Nessa categoria incluem-se as folhas verde-escuras, cenoura, abóbora e toda a família do repolho, ou seja, brócolis, couve-de-bruxelas e couve-flor.

3. Reduzir ao máximo alimentos curados, em conserva  ou defumados.
Ou seja, salsichas,  bacon,  cachorro-quente, peixe defumado e presunto. Embora o conselho ainda não tenha recomendado dietas sem nenhuma carne, mais tarde apresentarei argumentos nesse sentido.

4. O álcool deve ser consumido com moderação.
Ao fazer essa recomendação, o conselho aponta a estreita relação entre
álcool e câncer de boca, de esôfago e de estômago.

Eu acho que qualquer quantidade de álcool aumenta os riscos de câncer.

(...)

No que diz respeito à ligação entre alimentação e câncer, sempre faço as seguintes recomendações extras a meus pacientes:

1. Não fume. Além de ser o responsável direto pelo câncer de pulmão, o cigarro aumenta a probabilidade de que outros cancerígenos presentes no ar desencadeiem a doença, inclusive aqueles que, por si sós, não produzem câncer.

2. Não coma demais. A obesidade está relacionada com a
alta incidência de certos tipos de câncer, especialmente o de útero
e dos rins.

3. Não consuma bebidas alcoólicas, nem com moderação.

4. Modere a ingestão de chá e café quente e bebidas à base de cola.
No Japão, o excesso de chá quente foi associado ao câncer de estômago.
Entre aqueles que bebem muito café — mais de três xícaras por dia —, a incidência de câncer de pâncreas parece ser maior. Chá, café, chocolate e bebidas à base de cola são ricos em substâncias chamadas metilxantinas, suspeitas porque estimulam certas reações celulares que tornam as células mais sensíveis a alguns hormônios, embora seu envolvimento com a doença ainda não tenha sido totalmente desvendado.
De qualquer maneira, tenha cuidado.

5. Inclua generosas quantidades de alimentos fibrosos em sua dieta.
No Ocidente, há uma correlação entre câncer de cólon e poucas fibras. E possível que a ingestão das fibras  dos cereais integrais, das frutas e das verduras sirva para amortecer cancerígenos potenciais à medida que, durante a digestão, eles passam pelos intestinos; de qualquer maneira, as pessoas que comem muitas fibras têm menos chances de desenvolver câncer
de cólon

6. Evite carnes e peixes assados na brasa, ou qualquer comida queimada.
 Há provas conclusivas de que o carvão produz elementos cancerígenos a partir das gorduras carbonizadas.

7. Tome suplementos vitamínicos se sua dieta for pobre em
vitaminas A, C e E.


8. Evite alimentos mofados ou rançosos. O mofo produz
cancerígenos.

9. Não limite sua dieta a uma gama restrita de alimentos.
A variedade previne o câncer evitando a ingestão excessiva de um único cancerígeno, inclusive os naturais, que várias plantas parecem produzir para repelir insetos e fungos, embora essa área ainda seja um tanto obscura para os pesquisadores.

10. Faça uma dieta equilibrada, comendo de tudo com moderação e bebendo muita água filtrada

Você encontrará mais recomendações no capítulo 26, “Dieta e destino”, mas agora já sabe que a alimentação desempenha na prevenção do câncer o mesmo papel importante que tem  em outras doenças ligadas aos hábitos diários.
 Além do  mais, podemos verificar que o grande número de fatores isolados, que contribuem para o câncer, podem ser divididos em duas categorias:

1. Agentes externos: vírus, cancerígenos e influências suspeitas do meio ambiente.

2. Problemas intrínsecos da pessoa que desenvolve a doença.
São eles que aumentam a propensão do indivíduo ao câncer.
Teoricamente, o câncer pode ser evitado se tentarmos  não nos expor aos agentes que o causam (embora seja impossível nos livrarmos de todos eles) e se, acima de tudo, diminuirmos nossa suscetibilidade.
Isso quer dizer encontrar um meio, se ele de fato existir, de aumentar a resistência do organismo.
Em última instância, tudo o que sabemos a respeito do câncer nos leva a aprofundar a busca da conexão psicofisiológica.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 17 de Agosto de 2012, 21:28
O Câncer visto numa perspectiva Espírita

Artigo de Jorge Hessen - Jornalista, professor e historiador (licenciado pela Unb) articulista e palestrante.


Recentemente, na Califórnia, nos Estados Unidos, Hannah Powell-Auslam, uma menina de 10 anos de idade, foi diagnosticada com câncer de mama, um caso considerado, extremamente, raro (carcinoma secretório invasivo). Os médicos fizeram uma mastectomia, mas o câncer se espalhou para um nódulo e Hannah terá que passar por outra cirurgia, ou por tratamento de radioterapia.

Outro caso instigante é o das duas gêmeas idênticas britânicas, diagnosticadas com leucemia, com apenas duas semanas de intervalo. O drama das meninas Megan e Gracie Garwood, de 4 anos, começou em agosto de 2009. "Receber a notícia de que você tem três filhos e dois deles têm câncer é inimaginável", afirmou a mãe das meninas. "Você fica pensando o que fez para merecer isso". Câncer é uma palavra derivada do grego “karkinos”, a figura mitológica de um caranguejo gigante, escolhida por Hipócrates, para representar úlceras de difícil cicatrização e que, ao longo do tempo, consagrou-se como sinônimo genérico das neoplasias malignas. Há mais de cem tipos diferentes de câncer, que variam, ao extremo, em suas causas, manifestações e prognósticos.

Diferentemente do câncer em adultos, em que se leva em conta aspectos do comportamento como fumo, alcoolismo, alimentação, sedentarismo e exposição ao sol, a medicina, ainda, não conseguiu estabelecer os verdadeiros fatores de risco do câncer pediátrico.  Os casos de Hannah Powell-Auslam, Megan e Gracie Garwood bem que podem entrar nas estatísticas brasileiras do câncer infanto-juvenil, que atinge crianças e adolescentes de um a 19 anos. Segundo pesquisa divulgada pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer) e pela Sobop (Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica), o câncer é a doença que mais mata os jovens, na faixa dos cinco aos 18 anos, no Brasil. Pesquisa indica o surgimento de, aproximadamente, 10 mil casos de câncer infanto-juvenil, a cada ano, no Brasil, a partir do biênio 2008/2009. O agravante é que o câncer, nos adolescentes, costuma ser mais agressivo do que nos adultos, e é mais difícil de ser diagnosticado, segundo Luiz Henrique Gebrin, Diretor do Departamento de Mastologia do Hospital Pérola Biynton, em São Paulo (SP).

Será o câncer, então, uma obra do acaso, uma “punição divina” ou um “carma” do espírito? Hoje, à luz da Ciência médica, pode-se afirmar que o fator predominante da carcinogênese é, sem dúvida, o comportamento humano: tabagismo, abuso de álcool, maus hábitos alimentares e de higiene, obesidade e sedentarismo, os quais são responsáveis por quatro, em cada cinco casos de câncer e por 70% do total de mortes. Os cânceres por herança genética pura, ou seja, que não dependem de fatores comportamentais e ambientais, são menos de 5% do total.

A experiência corrobora, pois, que o câncer é uma enfermidade, potencialmente, “cármica”. Estamos submetidos a um mecanismo de causa e efeito que nos premia com a saúde ou corrige com a doença, de acordo com nossas ações. A criança de hoje foi o adulto de antanho. “O corpo físico reflete o corpo espiritual que, por sua vez, reflete o corpo mental, detentor da forma”. (1) “Os que se envenenaram, conforme os tóxicos de que se valeram, renascem, trazendo as afecções valvulares, os achaques do aparelho digestivo, as doenças do sangue e as disfunções endocrínicas, tanto quanto outros males de etiologia obscura; os que incendiaram a própria carne amargam as agruras da ictiose ou do pênfigo; os que se asfixiaram, seja no leito das águas ou nas correntes de gás, exibem os processos mórbidos das vias respiratórias, como no caso do enfisema ou dos cistos pulmonares; os que se enforcaram carreiam consigo os dolorosos distúrbios do sistema nervoso, como sejam as neoplasias diversas e a paralisia cerebral infantil; os que estilhaçaram o crânio ou deitaram a própria cabeça sob rodas destruidoras, experimentam desarmonias da mesma espécie, notadamente as que se relacionam com o cretinismo, e os que se atiraram de grande altura reaparecem, portando os padecimentos da distrofia muscular progressiva ou da osteíte difusa.” (2)

“A cura para o câncer não deverá surgir nos próximos dez anos” (3) é o que afirma o articulista da Revista Time, Shannon Browlee. Talvez os cientistas nunca encontrem uma única resposta, um único medicamento capaz de restaurar a saúde de todos os pacientes com câncer, porque um tumor não é igual ao outro. Os espíritas sabem que não existem doenças e sim doentes. Em verdade, "todos os sintomas mentais depressivos influenciam as células em estado de mitose, estabelecendo fatores de desagregação.” (4) Apesar dos consideráveis avanços tecnológicos, em busca do diagnóstico precoce e do tratamento eficaz, a Medicina e a Ciência, em geral, estão, ainda, distantes de dominarem o comportamento descontrolado das células neoplásicas.

Obviamente, não precisamos insistir na busca de vidas passadas para justificar o câncer: As estatísticas demonstram grande incidência de câncer no pulmão, em pessoas que fumam na atual encarnação. Muitas formas de cânceres têm sua gênese no comportamento moral insano atual, nas atitudes mentais agressivas, nas postulações emocionais enfermiças. “O mau-humor é fator cancerígeno que ora ataca uma larga faixa da sociedade estúrdia.” (5) O ódio, o rancor, a mágoa, a ira são tóxicos fulminantes no oxigênio da saúde mental e física, consomem a energia vital e abrem espaços intercelulares para a distonia e a instalação de doenças. São “agentes poluidores e responsáveis por distúrbios emocionais de grande porte, são eles os geradores de perturbações dos aparelhos respiratório, digestivo, circulatório. Responsáveis por cânceres físicos, são as matrizes das desordens mentais e sociais que abalam a vida”  (6)

Falando sobre doença cármica, “o câncer pode, até, eliminar as sombras do passado, mas não ilumina a estrada do porvir. Isso depende de nossas ações, da maneira como arrostamos problemas e doenças.

Quando a nossa reação diante da dor não oprime aqueles que nos rodeiam, estamos nos redimindo, habilitados a um futuro luminoso. "Quando nos rendemos ao desequilíbrio ou estabelecemos perturbações em prejuízo contra nós (...), plasmamos nos tecidos fisiopsicossomáticos determinados campos de ruptura na harmonia celular, criando predisposições mórbidas para essa ou aquela enfermidade e, conseqüentemente, toda a zona atingida torna-se passível de invasão microbiana.” (7) Outra situação complicada é o aborto que “oferece funestas intercorrências para as mulheres que a ele se submetem, impelindo-as à desencarnação prematura, seja pelo câncer ou por outras moléstias de formação obscura, quando não se anulam em aflitivo processo de obsessão.” ( 8 )

O conhecimento espírita nos auxilia a transformar a carga mental da culpa, incrustada no perispírito, e nos possibilita maior serenidade ante os desafios da doença. Isso influenciará no sistema imunológico. Os reflexos dos sentimentos e pensamentos negativos que alimentamos se voltam sobre nós mesmos, depois de transformados em ondas mentais, tumultuando nossas funções orgânicas.

Para todos os males e quaisquer doenças, centremos nossos pensamentos em Jesus, pois nosso bálsamo restaurador da saúde é, e será sempre, o Cristo. Ajustemo-nos ao Evangelho Redentor, pois o Mestre dos mestres é o médico das nossas almas enfermas.

 
Fontes:

(1)     Xavier, Francisco Cândido. Evolução em Dois Mundos , ditado pelo espírito André Luis 15ª edição, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1997.

(2)     Xavier Francisco Cândido. Religião dos Espíritos, Rio de Janeiro: 11ª Edição Ed. FEB - (Mensagem psicografada por em reunião pública de 03/07/1959)

(3)     Transcrita em um caderno especial na Folha de São Paulo de 4 de novembro de 1999

(4)     Xavier, Francisco Cândido. Pensamento e Vida, ditado pelo espírito Emmanuel, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 2000

(5)     Franco, Divaldo. Receita de Paz, ditado pelo espírito Joanna de Angelis, Salvador: Ed. Leal, 1999

(6)     FRANCO, Divaldo Pereira. O Ser Consciente, Bahia, Livraria Espírita Alvorada Editora, 1993

(7)     Artigo "Uma Visão Integral do Homem", Grupo Espírita Socorrista Eurípides Barsanulfo, disponível no site http://www.geocities.com/Athens/9319/chacras.htm, acessado em 25/04/2006

( 8 )     Xavier Francisco Cândido e  Vieira Waldo. Leis de Amor, São Paulo: Edição FEESP, 1981

Retirado do site: http://www.gostodeler.com.br/materia/12702/o_cancer_visto_numa_perspectiva_espirita.html
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 17 de Agosto de 2012, 21:38
O Câncer na visão espírita


Tema sobre o qual muita gente não gosta nem de falar, o câncer deve atingir em 2030 cerca de 27 milhões de pessoas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas os últimos anos foram marcados por muitos avanços no tratamento e cura dessa doença. Surgiram ainda, e dentro do próprio meio acadêmico – de tradição historicamente materialista –, novas abordagens que contemplam a espiritualidade do paciente, apontada como um importante fator para lidar com o problema, contribuindo também para a sua cura. E o interesse por essas terapias complementares tem crescido tanto que estão se multiplicando, por todo o mundo, os congressos e demais eventos sobre medicina e espiritualidade, como o que acontecerá em novembro deste ano em Bonn, Alemanha.
Médico-cirurgião e expositor espírita, o brasileiro Paulo Cesar Fructuoso é um dos que se interessam pelo assunto. A seguir, o SEI transcreve alguns trechos de entrevista que ele concedeu recentemente a uma publicação do Rio de Janeiro, a “Revista do Espiritismo” (ano 3, no 1).
“Quando comecei a lidar com a doença, em 1972, ocasião em que cursava o terceiro ano médico, sabia-se muito pouco sobre a origem do câncer. Hoje, avançamos bastante, mas não o suficiente para compreender muitos dos enigmas dessa doença” – afirma Fructuoso, que, como espírita, acredita que o câncer possa ter origem em vidas passadas. “Para uma melhor compreensão de certas doenças, como o câncer, devemos sempre levar em conta aspectos científicos e aspectos espirituais. Certamente não é a primeira vez que estamos na Terra, nem será a última. Somos o produto exato do que fizemos, pensamos e falamos em vidas passadas. E somos nós que moldaremos nosso futuro de acordo com o comportamento atual. No dia em que a medicina comprovar a existência do Espírito, muitos véus que ocultam as causas dos insucessos terapêuticos cairão. Por que vacinamos nossos filhos contra doenças causadas por vírus e outros micro-organismos? Porque a ciência demonstrou que esses seres, imperceptíveis aos nossos sentidos, existem. Quando essa mesma ciência, através do desenvolvimento de equipamentos ultrassensíveis, demonstrar também a existência da alma, receptáculo da vida, muitas doenças poderão ser evitadas tão simplesmente pela mudança comportamental da humanidade” – acrescenta o médico, que revela um procedimento particular antes de começar cada cirurgia: “Faço minhas orações. Nossos pensamentos e preces são forças que repercutem por todo o Universo, transmitidos através do fluido cósmico universal, e assim chegam aos benfeitores espirituais. Essa energia é canalizada, redistribuída e revertida às pessoas enfermas. Nunca inicio uma ci­rurgia antes de um sincero Que Deus nos ajude!”
O médico encerra a entrevista com algumas recomendações aos portadores de câncer e às demais pessoas de modo geral: “Que se afastem drasticamente dos hábitos sabidamente nocivos, como, por exemplo, o ato de fumar. Que mulheres e homens façam seus exames preventivos, sem postergar; tenham suas responsabili­dades com o corpo físico, templo do Es­pírito. Cuidado com as radiações solares, principalmente os indivíduos de pele mui­to clara, e com sua alimentação. Eu, par­ticularmente, há muitos anos me abstenho de carne animal, à exceção de peixe. Cui­dado também com o excesso de álcool. E muito zelo com o próximo, com nossos sentimentos. A filosofia espírita nos mos­tra que sofremos sempre naquilo que, em algum momento, propiciamos sofrimento aos outros. E que nossos esforços em nos aprimorarmos moralmente, o cultivo dos bons pensamentos, atos e sentimentos, nos libertam e vão aos poucos limpando nosso perispírito, criando a saúde espiri­tual e, de acréscimo, a física.”

Fonte: http://tempoespirita.blogspot.com.br/2012/07/o-cancer-na-visao-espirita.html
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 18 de Agosto de 2012, 13:23

"Se tudo tem uma causa e toda causa produz um efeito,então não existe um efeito sem uma causa,o qual será sempre proporcional ao fator que lhe deu origem.Desse modo,não será lícito atribuir a Deus a responsabilidade sobre o que nos acontece de bom ou de mau,pois que estes são resultados de nossas ações,que oscilam entre o positivo e o negativo,de modo que cada indivíduo viverá em conformidade com as suas próprias obras.Se a causa sempre precede ao efeito,então os sofrimentos e as alegrias de hoje são resultados de nossos feitos passados.Sendo assim,uma criança que nasça e desde cedo sofra padecimentos inexplicáveis,sem que tenha tido tempo de gerar esse sofrimento na atual existência,nos leva a crer que ela o tenha desencadeado numa experiência anterior à vida intra-uterina,donde se conclui que o homem não se desenvolve numa única existência,necessitando de muitas outras,nas quais lhe será possível aprimorar o espírito destinado à perfeição."

Livro:Sol da Liberdade (Íris Paula Rocha)
pelo Espírito de Sylvia
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 18 de Agosto de 2012, 13:25

Por nossa conta e risco

Quando falamos, a partir deste momento tudo corre por nossa conta e risco.
A lei de causa e efeito, nos confirma que a semeadura é livre, porém a colheita é obrigatória.
Nunca nos esqueçamos que tudo podemos, porém nem tudo nos convém.
A pedra atirada ou a palavra proferida não tem volta, portanto pensemos antes de falar.
Vasos quebrados ficam sempre difíceis de ser reconstituídos.
Devemos estar atentos para não utilizarmos da maledicência, principalmente,
com aqueles que não merecem, e serem execrados por nossas punições injustas...
Também estamos aqui na Terra, pois também somos devedores,
e precisamos da indulgencia da Providencia Divina, para perdoar os nossos erros.
Quando estivermos com dor ou raiva, jamais deveremos tomar qualquer atitude,
pois invariavelmente, sempre tomamos atitudes erradas, que nos complicarão mais tarde.
Não adianta nos momentos de insensatez, termos condutas impróprias,
e ficarmos depois pedindo perdão, pois isto não reverterá o que foi falado.
É preciso que antes de agirmos, pensar o que nossa atitude poderá causar a nós e aos outros.
Antes de falarmos qualquer coisa, por menor que seja, devemos encher nossa boca de água,
para conter o veneno que poderemos destilar, e que poderá envenenar a nós próprios..
Ledo engano achar que os Amigos Espirituais vão ser coniventes com nossas atitudes intempestivas,
e apoiar as medidas que tomamos erradamente, sem que antes
venhamos a sofrer as consequencias e pagar pelos erros que praticamos.
Quando nossa cabeça não pensa antes, fatalmente nosso corpo padecerá mais tarde..
Nossa consciência sempre nos cobrará, e ninguém responderá por nossas atitudes..
Lembremo-nos que devemos nos preparar sempre, para enfrentarmos situações difíceis,
quando não aproveitamos as oportunidades que nos foram dadas, e nunca esquecer,
que tudo que falamos, sempre corre exclusivamente por nossa conta e risco.
 
http://www.gotasdepaz.com.br
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 18 de Agosto de 2012, 13:35

Câncer Moral

O mau-humor sistemático - vício de comportamento emocional - gera a irritabilidade que desencadeia inúmeros males no indivíduo, em particular, e no grupo social onde o mesmo se movimenta, em geral. Desconcertando a razão, açula as tendências negativas que devem ser combatidas, fomentando a maledicência e a indisposição de ânimo.
Todos aqueles que o alimentam, transferem-se de um para outro estado de desajuste orgânico e psicológico, dando margem à instalação de doenças psicossomáticas de tratamento complexo como resultados demorados ou nenhuns.
Todas as criaturas têm o dever de trabalhar pelo próprio progresso intelecto-moral, esforçando-se por vencer as más inclinações.
O azedume resulta, também, da inveja mal disfarçada quanto do ciúme incontido.
Atiça as labaredas destruidoras da desavença, enquanto se compraz na observância da ruína e do desconforto do próximo.
Muitas formas de canceres têm sua gênese no comportamento moral insano, nas atitudes mentais agressivas, nas postulações emocionais enfermiças.
O mau-humor é fator cancerígeno que ora ataca uma larga faixa da sociedade estúrdia.  Exteriorização do egoísmo doentio, aplica-se à inglória tarefa de perseguir os que discordam da sua atitude infeliz, espalhando a inquietação com que se arma de forças para prosseguir na insânia que agasalha.
Reveste-te de equilíbrio ante os mal-humorados e violentos, maledicentes e agressivos. Eles se encontram enfermos, sim, em marcha para a loucura que os vence sob o beneplácito da vontade acomodada.
Oscilantes nos estados d’alma, mudam de um para outro episódio de revolta com facilidade, sem qualquer motivo justificável, como se motivo houvesse que justifique a vigência desse verdugo do homem.
Vigia as nascentes dos teus sentimentos e luta com destemor, nas paisagens íntimas, contra o mau-humor. Policia o verbo rude e ácido, mantendo a dignidade interior e poupando-te ao pugilato das ofensas, decorrente do azedume frequente.
Não olvides da gratidão, nas tuas crises de indisposição... O amanhã é incerto.
Aquele a quem hoje magoas será a porta onde buscarás apoio amanhã.
Conquista o título de pacífico ou faze-te pacificador.
Todo agressor torna-se antipático e asfixia-se na psicosfera morbífica que produz.
O Evangelho é lição de otimismo sem limite e o Espiritismo que o atualiza para o homem contemporâneo convida à transformação moral contínua, sem termo, em prol da edificação interior do adepto que se lhe candidata ao ministério.


Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco. Do livro: Receita de Paz
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: filhodobino em 19 de Agosto de 2012, 08:47
Amados,

(...)
Resta-nos, por dever de ofício, pertinente à fé que anima cada coração, compreender em alteridade, caridade, razão na graduação de cada estágio evolutivo, aceitar o próximo como o próximo deseja ser, no presente instante, e, valorando a impermanência na vigência de cada estágio evolutivo, e fazê-lo com o mesmo respeito, não importa se bacharel, ou togado.
Por alteridade compreender com relação a nosso próximo, mas ser inflexível com relação a nós mesmos.
Todavia, entretanto, contudo... Há imponderabilidades das mais variadas ordens para o crivo da razão, ainda não há pleno na impermanência, posto que imutável só Deus o Seja, então pelo exposto sinto-me como estudante que ainda o sou instado a não definir conclusões aguardando conhecer mais, vivenciar mais experiências, buscar mais educação e conhecimentos.
Então nesta direção afianço não ensino e não forneço conclusões em meus estudos, apenas disponibilizo-os para quem neles encontrar utilidade os use já que nestes termos não possuo lavra própria, senão vejamos:

Gasparetto - Não Julgar (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVVJWXo0Zmt1MGlNIw==)

Saúde Paz!

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 19 de Agosto de 2012, 14:44
DOENÇAS CRÔNICAS E O CONHECIMENTO DA CAUSA A LUZ DO ESPIRITISMO - DR. VITOR RONALDO

Expressivo contingente populacional alimenta a idéia de que a existência terrena não passa de um simples fruto do acaso. Tal postura habitualmente sustentada pelos materialistas, chega a ser compartilhada pelos adeptos das religiões dogmáticas nada receptivos às leis cósmicas responsáveis pelo processo de evolução integral dos humanos. De acordo com esse ponto de vista, a questão da saúde e da doença parece não ter nenhuma relação de causa e efeito com os impulsos ordenadores do espírito. No entanto, a energética comandada pela alma repercute, sim, no campo físico, ora estimulando a saúde ora predispondo o organismo ao desenvolvimento de enfermidades expiatórias de acordo com os impositivos traçados pela lei de causa e efeito.
Certa feita, o espírito André Luiz visitou um departamento especializado no planejamento de reencarnações da cidade astral de Nosso Lar e após, acuradas observações no campo das chamadas enfermidades cármicas assim se expressou:

“... E, durante alguns dias, ali permaneci na instituição benemérita, compreendendo que a existência humana não é um ato acidental e que, no plano da ordem divina, a justiça exerce o seu ministério, todos os dias, obedecendo ao alto desígnio que manda ministrar os dons da vida ‘a cada um por suas obras’.” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 178).

De fato, o desconhecimento das leis de reencarnação e de causa e efeito impede qualquer tipo de raciocínio mais elaborado sobre os “por quês” da vida, o que se constitui motivo suficiente para que, diante da dor, uns alimentem revolta e outros agridam a divindade, alegando abandono e descriminação.
A reencarnação, além de ser uma luz a disseminar claridade sobre as milenares inquirições filosóficas (quem sou, de onde vim e para onde vou), também serve para ampliar a compreensão e o raciocínio daqueles que integram os quadros de uma nova geração de servidores da saúde, convictos das existências sucessivas e, por conseguinte, capazes de conciliar extensa gama de enfermidades crônicas com os imperativos da lei de ação e reação.
O espírito dotado de certo grau de esclarecimento, quando ainda em labor regenerativo no mundo astral, antes de reencarnar, costuma ser convidado a participar do estudo e confecção de seu futuro mapa de provações. André Luiz, em certa ocasião, foi testemunha de semelhante operação transcendental e nos transmite interessante informação passada pelo seu orientador no decorrer daquelas observações específicas:

“Aqui temos o projeto de futura reencarnação dum amigo meu. Não observa certos pontos escuros, desde o cólon descendente à alça sigmóide? Isso indica que ele sofrerá uma úlcera de importância, nessa região, logo que chegue à maioridade física. Trata-se porém de escolha dele.” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 177).

A notícia causou ao ex-médico terreno, verdadeira surpresa, seguida de indisfarçável curiosidade. Nesse ponto o mentor apressou-se em esclarecer o motivo da ocorrência:

“Esse amigo, faz mais de cem anos, cometeu revoltante crime, assassinando um pobre homem a facadas ...” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 177).

Pois bem. Ao analisar a questão da doença crônica pelo prisma espirítico, o estudioso da doutrina sente-se autorizado a admitir a hipótese da sujeição do ser aos mecanismos impositivos de uma condicionante educativa ou cármica, única maneira de entender a verdadeira causa da patologia complexa.
Certas enfermidades duradouras, apesar de tratadas com remédios caros e modernos, não regridem totalmente por uma razão simples de ser entendida: a terapêutica de eleição visa o alívio do sentimento de culpa que atormenta a consciência espiritual e não a cura do arcabouço físico. São casos passíveis de resgate apenas pelo pagamento da “moeda” corrente nos planos infinitos tutelados pela divindade: o amor incondicional. Sem dúvida, um detalhe estranho à ciência comum, mas que se tornará conhecido como expressão coerente de indenização dos males infligidos a si ou ao próximo.
Outra discordância religiosa em torno do sofrimento crônico também precisa ser dirimida: a que afirma ser Deus o responsável pela manifestação da miséria humana. Ora, Deus jamais castiga a quem quer que seja, pois Ele simboliza o amor absoluto na mais pura acepção do termo. O Pai Maior exprime sempre a bondade, a compaixão e a misericórdia perenes. O conhecimento de causa espírita repele a interpretação errônea das mazelas humanas e confere ao próprio transgressor das leis criadas por Deus, a responsabilidade pelas tragédias enfermiças que enfrenta.
Continua...
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 19 de Agosto de 2012, 14:46
Continuação....

A enfermidade crônica, portanto, de acordo com o ponto de vista doutrinário decorre de um estado íntimo de desarmonia temporária entre as instâncias profundas do psiquismo e a lei de harmonia universal. Nos planos espirituais, a alma que se admite em débito, após atingir certo estágio de compreensão, quase sempre solicita uma ou outra restrição orgânica com o intuito de valorizar a própria programação “auto-educativa” a ser efetivada no decorrer da próxima existência terrena. Digamos que a doença pertinaz passe a se comportar como um instrumento saneador de resgate, providencial artifício capaz de manter viva na memória a necessidade inadiável de enfrentar o sofrimento, valendo-se da prática indistinta das exortações evangélicas de Jesus.
Toda condição de sofrimento físico demorado aponta para o esforço de recuperação moral a ser levado em conta pelo espírito faltoso; por isso, se ele, o sofrimento, por um motivo qualquer desaparecesse antes do tempo adequado, a criatura se esqueceria de seus bons propósitos e, por insuficiência evolutiva, voltaria a incidir nos erros de outrora. Convenhamos que na ordem divina existe um tempo estipulado para tudo. Além disso, o tipo e a quantidade de sofrimento crônico mantêm uma relação justa com a falta cometida, sem extrapolar jamais os limites das forças humanas, muito pelo contrário. Graças à misericórdia de Deus, inúmeros atenuantes poderão ser levados em conta.

— Segundo observamos, a justiça se cumpre sempre, mas, logo que se disponha o Espírito à precisa transformação no Senhor, atenua-se o rigorismo do processo redentor. O próprio Pedro nos lembrou, há muitos séculos, que o amor cobre a multidão de pecados”. (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 178).

Eis a sentença de alívio proclamada pelos maiores da espiritualidade.
Conquanto a dívida moral permaneça registrada na memória integral do ser, isto não significa que o indivíduo esteja submetido infalivelmente a um destino fixado, a um carma inamovível, a um predeterminismo inflexível diante da contingência expiatória.
O enfrentamento da dor no plano terreno constitui significativo desafio ao espírito endividado, condição, porém, passível de ser atenuada, quando se persevera no bem. A insistência na maldade é que nos complica a redenção almejada, pois cronifica a dívida moral e dificulta ainda mais o resgate no decorrer das futuras encarnações.
O conhecimento de causa fundamentado no evangelho do Mestre e, nos ensinamentos espíritas, estimula o trabalho reparador e, este, por sua vez, constitui-se precioso atenuante do sofrimento.

“(...)quando o interessado em experiências novas no plano da Crosta é merecedor de serviços “intercessórios”, as forças mais elevadas podem imprimir certas modificações à matéria, desde as atividades embriológicas, determinando alterações favoráveis ao trabalho de redenção.” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 178).

O Mundo Maior não se mostra indiferente ao sofrimento dos que resgatam os débitos vergonhosos do passado. O envolvimento fraternal dos bons espíritos serve de valoroso auxílio aos esforços dispensados em prol da recuperação individual. Qualquer ato de dignidade é contabilizado em favor da criatura em luta retificadora. O que se visa é o bem, o progresso e não o sofrimento. As atitudes dignas e conciliadoras por parte do indivíduo em provação, repercutem de forma favorável no seu quadro provacional, minimizando os efeitos e reduzindo as dores impostas pela doença crônica.

“Todo plano traçado na Esfera Superior tem por objetivos fundamentais o bem e a ascensão, e toda alma que reencarna no círculo da Crosta, ainda aquela que se encontre em condições aparentemente desesperadoras, tem recursos para melhorar sempre.” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 228).

Em face dos comentários somos levados a crer que ninguém adoece por uma causa injusta, mas porque merece. De nossa parte aceitamos a enfermidade crônica na condição de “fator educativo” indispensável aos anseios renovadores da alma em ascensão. Não olvidar que, em muitas ocasiões, a enfermidade que macera a carne transitória foi escolhida pelo próprio espírito endividado em comum acordo com os “espíritos construtores”, prestimosos tarefeiros do bem integrados aos departamentos preparatórios das reencarnações. Invariavelmente, tais espíritos intercedem pelos seus tutelados, prescrevendo com sabedoria a carga expiatória a ser expurgada pela carne, tudo com vistas ao ressarcimento do passado culposo e o conseqüente avanço na senda do progresso espiritual.
É impositivo acabar de uma vez por toda com a mania de referenciar as experiências pungentes como um karma insuportável, uma cruz difícil de ser transportada, quando em verdade, a misericórdia do Alto, presente no auxílio dispensado pelos bons espíritos, sempre se manifesta em prol dos mais sofridos. Só os recalcitrantes não percebem a conjuração amorável das potências invisíveis em proveito da humanidade imperfeita.

Vitor Ronaldo Costa é médico e autor dos livros - Desobsessão e apometria, enfermidades da alma e a proposta terapeutica espírita, o visitador da saúde entre outros.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 19 de Agosto de 2012, 17:21

Câncer – Misericordiosa Dádiva Divina
Por.: Américo Domingos Nunes Filho

Os tecidos e órgãos do corpo são constituídos de células. O  câncer é uma doença que ocorre nas células, as quais, em diferentes locais do organismo, passam a trabalhar de forma anormal, crescendo e reproduzindo-se desordenadamente e sem controle. Como o processo de multiplicação normal das células do organismo é afetado, algumas células não conseguem conter o seu crescimento, advindo, então, o desenvolvimento rápido e de forma desordenada, dando origem aos tumores malignos.

O processo desarmônico evolve com a terrível invasão de órgãos e tecidos vizinhos, podendo, igualmente, as células chegarem ao interior de vasos sangüíneos ou linfáticos e se disseminarem do local onde o tumor começou para outras regiões distantes, processo denominado de metástase.

Trabalhos científicos recentes vêm reafirmar que a origem do  câncer se encontra no núcleo da célula, especificamente no DNA (Ácido Desoxirribonucléico), responsável pelo código genético e com a capacidade de síntese de proteínas. O gene corresponde a um setor ou segmento do DNA, contendo a mensagem completa para a formação de determinada proteína. O DNA encontra-se associado a proteínas, formando os cromossomos, corpúsculos observados, no núcleo da célula, durante a divisão celular.

Os mecanismos biológicos que dão origem ao  câncer são verdadeiramente extraordinários, deixando os pesquisadores estupefatos, atônitos, diante de efeitos estrategicamente desagregadores. Observa-se a ostentação de um comando inteligente, envolvendo os genes e os cromossomos, dotando as células malignas de "superpoderes", lembrando um devastador ataque militar, detonando granadas nos núcleos das células comprometidas e invadindo indefinidamente as adjacentes.

Conseguindo se destacar da massa inicial, as células cancerígenas podem atingir órgãos distantes, edificando bases arrasadoras, interferindo nos processos vitais.
Verifica-se nas raízes do  câncer um poder central, excessivamente controlador, criador da desordem, sem obediência aos comandos orientadores e defensivos do organismo. Desrespeita as ordens emanadas das células saudáveis, continuando a crescer desordenadamente e com a habilidade necessária para estimular a formação de novos vasos sanguíneos.


Existe o Acaso?

Como os genes, segmentos de uma molécula protéica, possuem a faculdade de manipular e ordenar a si próprios? Como proteínas podem demonstrar sabedoria, regulando a formação de outras proteínas? As características morfológicas de um ser vivo, como igualmente o seu funcionamento, dependem dos tipos de proteínas que existem nesse organismo, tudo isso controlado pelo DNA. Como explicar uma proteína ter tanta capacidade de comando específico e brilhante?

Pela informação da ciência, percebemos que os genes são dotados de possível inteligência. Sabemos que a bananeira não dá limão. Por que a glândula mamária não fabrica lágrima? Ela produz leite. O organismo tem conhecimento de que, na glândula mamária, tem que desligar os genes que produzem a saliva, desativar os que produzem o suor, tem que ligar os genes que produzem o leite.

Quem manda desligar? Existe o acaso? Não pode ser o acaso. Quem está dando a ordem é o espírito: "Mama, você tem que produzir leite! Você, glândula sudorípara, não pode produzir leite, não, desliga esse gene e acende o outro!". Já pensou se suássemos leite materno?

Continua...
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 19 de Agosto de 2012, 17:23
Continuação...

Presença de um Agente Orientador

Com o estudo do genoma humano, a própria ciência vem, espantada, dizer que temos apenas 30 mil genes. Como podem apenas 30 mil genes produzir mais de cem mil proteínas? Então, cada gen pode produzir três, quatro até cerca de dez proteínas. E como sabe qual a proteína certa que tem que formar? Tem que existir um fator, orientando tudo isso, uma diretriz, um gerente maior, inclusive responsável pelo caráter do indivíduo. As características da alma não são transmitidas pelos genes, são atributos do espírito.

Comparando o nosso corpo a um bolo, o DNA seria uma espécie de receita e o bolo seria produzido de acordo com as instruções da receita. O espírito é o artífice de todo o processo (genial confeiteiro - utilizou a receita e preparou o bolo).

Resultantes de uma única célula (ovo ou zigoto), cem trilhões de células não podem ser fruto da casualidade, ainda mais que são formados aparelhos e órgãos, como os olhos, ouvidos, etc. Do encontro do espermatozóide com o óvulo, surge o corpo humano, constituindo o ser, o qual consegue, inclusive, chegar à intimidade dos genes e descobrir tantas coisas, descortinando até mesmo sua gênese e destino no Universo. Isso não pode ser fruto do acaso. Um efeito inteligente não pode ser resultante de uma coisa aleatória que surgiu de forma casual, de jeito nenhum, apenas resultante do trabalho de proteínas específicas.

É claro que sabemos que o espírito ali está presente, porque, na realidade, o DNA corresponde a uma fita programada e o corpo humano está subordinado às informações ou ordens dos genes, os quais são os diretores, gerentes, administradores. Contudo, quem é o chefão disso tudo? Quem ministra as ordens? Quem é o grande mentor? É o espírito. Se a fita está com uma programação "errada", nós, espíritas, sabemos que somos os artífices do nosso próprio destino (o acaso não existe). Quando nascemos com alguma deformidade, em verdade a mesma já existia antes em espírito, porque a criamos dentro de nós, em determinada existência pretérita. Então, o espírito é responsável por tudo que pensa e faz, subordinado que está à Lei de Causa e Efeito, divina por excelência.

A excelência da formação do câncer, desacreditando o exuberante mecanismo de formação e manutenção da vida biológica humana, faz-nos crer ser processo orientado por fatores causais. Em verdade, o tumor materializado, na arena física, retrata um processo de cura do espírito. Ações contrárias às Leis Divinas, armazenadas no corpo espiritual, no curso das reencarnações, deságuam nas células físicas, funcionando o corpo somático como mata-borrão, apreendendo os miasmas deletérios extra-espirituais, fazendo com que os genes e cromossomos, sob o impulso do comando espiritual, passem a funcionar de forma desarmônica sob a observação da ótica física.

Disse o apóstolo dos gentios, Paulo de Tarso, em momento de grande felicidade: "O que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na carne, na carne ceifará a corrupção". (Gálatas 6:7-8).

Em verdade, o câncer representa uma benção para o corpo revestido da imortalidade, aproveitando a chance magnífica de soerguimento de suas estruturas íntimas sutis, em desacordo com as leis da vida inscritas na própria consciência. É preciso que o paciente se conscientize de estar recebendo do Alto uma dádiva divina, uma oportunidade gloriosa de libertação espiritual e, sem revolta e desespero, partir igualmente para a cura do corpo enfermo, dedicando-se integralmente ao tratamento proposto e executado pela medicina, revestindo-se de coragem, determinação e paciência, sabendo de antemão que somos herdeiros da Eternidade, filhos de Deus, que é AMOR.

Artigo.:  Câncer – Misericordiosa Dádiva DivinaPor.: Américo Domingos Nunes Filho
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 19 de Agosto de 2012, 17:37

A Cura em Nossas Mãos
Por.: Adésio Alves Machado

A proliferação das enfermidades de todo tipo é uma das características de mundos em níveis de atraso moral-espiritual, ou seja, de mundos de provas e expiações, como o nosso.

Com o avanço do conhecimento humano nas experiências extrafísicas, a cura vai se tornando algo natural, perfeitamente exeqüível, por se encontrar dentro de nós o mecanismo que, devidamente acionado, proporcionar-nos-á a obtenção da tão ambicionada saúde.

Vemos assim que a cura se dará sempre não do exterior para o interior, mas deste para aquele, ou seja, justamente no sentido inverso do que sempre foi imaginado.

Atentemos para o fato de que, mesmo na área da medicina convencional, a cura, processando-se tanto no físico quanto no âmbito psicológico, o paciente não está indene à recidiva, caso não adote uma nova conduta, novos hábitos, os quais haverão de estar estruturados na vivência evangélica.

As experiências difíceis são uma necessidade evolutiva, precisam ser bem vividas, e em sendo bem dimensionadas e compreendidas, ensejar-nos-ão equilíbrio e bem-estar físico e sobretudo espiritual. Saibamos retirar lições contidas nas amargas experiências. Elas existem nas circunstâncias que as engendraram, cujos principais antagonistas fomos nós mesmos.

Cada criatura carrega a sua própria dor, precisa sofrê-la num processo todo de libertação. Ouçamos Divaldo Pereira Franco: “A dor de qualquer natureza é sempre bênção para quem a sabe usar com sabedoria. Na atual larga experiência que vamos galgando temos vivido dores, e elas vão se constituindo companheiras constantes.

Quando não é de uma é de outra natureza. Aprendemos, porém, no silêncio e na oração, a confiar e prosseguir sorrindo, sem deixar-nos abater ou demonstrar ressentimento, apresentar defesa. O melhor é fazermos como JESUS, permanecendo de consciência tranqüila e aproveitar as ocorrências difíceis, e delas extrairmos experiências para o aprimoramento interior. Desta forma, as dores físicas e morais são as irmãs socorristas que nos distendem as mãos, levando-nos adiante”. Tipo de filosofia de vida que se aplica, bem sabemos, a uma minoria capacitada a vivê-la. Entretanto, todos chegaremos lá.

De várias maneiras podemos tornar suportável a nossa dor: rebelando-nos contra ela, torná-la-emos maior; entregando-nos à desesperação, a aflição aumentará; permitindo que o desânimo se apodere de nós, incapacitando-nos de superá-la; deixando-nos dominar pela mágoa, pela reclamação e pelo conceito de “vítima do destino”, mais rude, mais cruel ela se nos apresentará.

Aceitando-a, no entanto, logo a debelaremos pela sua própria condição de naturalidade, e por ela se encontrar nos mecanismos evolucionistas da Lei Maior. É transitória, enfim, sem realidade objetiva. Ela é e será sempre a ausência do bem-estar que existe para ser por nós fruído.

“A psiconeuroimunologia demonstra que cada um é, na área da saúde, aquilo que pensa e quanto se faz de si mesmo”, assevera Joanna de Ângelis. Somos o que pensamos, isto é indiscutível.

Curar-se vai sendo, para nós, pois, a resultante da nossa integração nos profundos mecanismos da vida, onde preponderam as ações do Eterno Bem. A ELE temos de nos agregar em definitivo.

Como toda cura procede de DEUS, curar e curar-se vai sendo um ato de amor, uma vivência do amor, em nós e no outro.

Para o cristão espírita as debilidades do semelhante passam a ser dele, e nessa associação de desejos de bem-estar global, vamos encontrando a plenitude de viver e de conviver, com tudo e com todos, alegres e felizes onde estamos e com quem nos relacionamos.

O encontro da paz, condição almejada pelo homem na Terra, é estado íntimo propiciado pela cura que realizarmos em nós, e ela é também a harmonização nossa entre o desenvolvimento da razão e do sentimento. Estes dois fatores estão no cerne da evolução humana.

Curar-se, por tudo quanto vamos tomando conhecimento e elucubrando, é mergulho no equilíbrio, na harmonia da vida Cósmica. É, enfim, AMAR e ser AMADO.

Primarismo da vida e fase puramente instintiva são estados do passado do homem, os quais vão sendo mais e mais sepultados, para que em seus lugares surja o homem senciente partícipe integral da vida, todo sentimento, fraternidade, caridade, trabalho profícuo e amor por ele mesmo e pelo próximo com total desinteresse.

JESUS, em suas curas, usou o que Joanna de Ângelis chama de AMORTERAPIA,  que naturalmente se acha ao nosso alcance, quando nos dispomos a encontrá-lo. Não somente nos curaremos de uma ou de outra enfermidade como também fortaleceremos nosso sistema imunológico, liberando-nos de novos comprometimentos, ainda mais se entendemos JESUS ao pronunciar: “...e não tornes a pecar para que não te aconteça algo pior”.

Nosso organismo é excelente máquina, sensível e delicada, sempre pronta a obedecer aos impulsos que a ele enviarmos através da mente: se positivos, sentiremos bem-estar; se negativos, favoreceremos a indisposição.

O corpo humano é suscetível de recompor-se quanto de desarranjar-se, dependendo daquilo que fazemos da nossa mente.

Finalizemos com Joanna de Ângelis: “As pessoas irascíveis, realistas-fatalistas, que conduzem azedume e pessimismo, assinalados pelas constantes mudanças de humor, produzem enzimas perniciosas, que irão abrir campo para a invasão orgânica dos elementos microbianos destrutivos. Ao Inverso, aquelas que elaboram pensamentos otimistas, confiantes, alegres, solidários, estimulam o sistema psiconeuimunológico, tornando-se resistentes às viroses e baciloses degenerativas. E mesmo quando são vitimadas por enfermidades dessa procedência, recompõem as defesas orgânicas e restauram a saúde”. MEDITEMOS!

Artigo.: A Cura em Nossas Mãos
Por.: Adésio Alves Machado
(Artigo originalmente publicado na Revista Internacional de Espiritismo em março de 1999).
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 19 de Agosto de 2012, 20:42
      Ram Wer     (ref #1)     Me perdoe pela demora desta resposta!

      Ram escreveu: vou dar minha impressão sobre o assunto: Causa: erro comportamental. Efeito: doença.

      Cel: já q estamos num fórum em q se busca o aperfeiçoamento espiritual e no qual estudamos causas e efeitos, os porquês e razões disso e daquilo, particularmente em relação à moral, pergunto ao amigo Ram: e por q praticamos erros de comportamento? Se devemos entender o “efeito doença” como sendo a ação penalizadora da lei de causa efeito (que pode implicar sofrimentos torturantes , desesperadores e mesmo insuportáveis como vemos no mundo!), e se agimos com erros leves ou graves q sejam, porq agimos assim e erramos tanto? Propositadamente? Refletimos e raciocinamos, pesamos as possíveis conseqüências q poderão nos vir da lei de retribuição, se praticarmos  erros comportamentais e, depois, com conhecimento de causa, em sã consciência, por vontade própria, sem q nada exterior nos force a isso, “escolhemos” decidir, com o insignificante ou inexistente poder q possuímos (!) enfrentar o Infinito Poder do Todo Poderoso, e as dores q Sua lei de justiça, fará cair sobre nós?! Afinal, erramos com conhecimento de causa ou erramos levados pela ignorância?

      E de q adianta saber q a doença ou outro mal qualquer, físico, psíquico ou moral, é um “erro comportamental”? Adiante, isto sim, saber de onde vêm os erros comportamentais, do exterior ou do íntimo de cada um? Se vêm do exterior, nenhuma responsabilidade nos caberá e, em conseqüência, não se encontrará justificativa para a existência da lei de causa e efeito! Se vêm do íntimo, de nosso interior, podemos dizer q a responsabilidade é nossa e, em conseqüência, também podemos dizer q aquela lei existe para nos corrigir, embora com sofrimentos terríveis e torturantes (coisa q nos parece incompatível com o Ser de Infinito Amor e de Infinita Sabedoria)... porém, aqui, podemos perguntar: porq nosso íntimo, nosso interior, se tornou esse poço de maldades q muitos apresentam? Pois, se os erros, como as maldades, vêm do íntimo, teremos de, imperiosamente, saber, não <o q fazer> para transformá-lo num íntimo bom (pois isso, já estamos cansados de saber), mas <como> fazer isso!

      Mas, quem sabe ensinar <como> transformar o íntimo, para q caminhe em direção ao bem? Que crença, que religião das conhecidas, que pessoa sabe <como> fazer isso?

      Se os erros são provocados por algo q vem do exterior, nenhuma responsabilidade cabe ao homem!
     
      Ram: Uma vez que o corpo não toma decisões se não houver o Espírito, qualquer hábito físico salutar veio da mente. E a decisão, da Alma.
       
      Cel: meu amigo, e os hábitos não-salutares, de onde vêm?
 
      Afinal, tudo, sem exceção de coisa alguma, como pensamentos, discernimento, compreensão, desejos, escolhas, amor e ódio, hábitos salutares ou não-salutares, bem e mal e, conseqüentemente, nossos acertos e erros, a intenção de fazer o bem como a de fazer o mal, as virtudes ou os vícios e imperfeições, tudo isso vem de onde? Forma-se, espontaneamente, em nosso interior, ou vem do exterior, das lições/experiencias q incessantemente a escola da vida, nos prporciona, tanto no sentido dop bem qto no sentido do mal? E, vindo do exterior, passam para nosso íntimo ou interior, permanecendo, exatamente, em nossa mente como lembranças, hábitos, costumes, condicionamentos, exatamente, em nossa mente. Tudo nasce, ou vem, ou está em nossa mente; assim a bondade e a maldade e, conseqüentemente, as causas das alegrias e felicidades, como as causas das tristezas, sofrimentos e infelicidades!

      E, sendo assim, o q fazer para mudar esse quadro? Como fazer para descartar o ódio, a maldade e, no lugar deles, colocar o amor?

      E, é fazer isso q nos leva a Deus, certo? Mas <como> fazer, se ninguém e nenhuma religião, doutrina ou filosofia, sem exceção, sabe ensinar?
....................................

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 19 de Agosto de 2012, 20:54
      Maria47    (resp à msg #7)

      Maria trouxe “A Saúde do Espírito”, texto no qual vamos procurar aplicar a recomendação de Kardec: raciocinar!...

      Texto: Por força das leis naturais inelutáveis, jamais teremos, neste mundo, absoluta saúde física...
      Mas o Salvador nos ensina a procurar uma saúde mais real e preciosa, que é a do espírito. Possuindo-a, teremos transformado as causas de preocupação de nossa vida, e habilitando-nos a gozar a relativa saúde física que o mundo pode oferecer nas suas expressões transitórias.

      Cel: perfeito! “O Salvador nos ensina a procurar uma saúde mais real e preciosa, que é a do espírito”.
      Entretanto, quem sabe <como> fazer essa procura? Qual é a religião, doutrina, filosofia ou seguidor delas ou quem seja, q nos ensine <como> fazer isso? Ninguém! Todos, sem exceção, só sabem ensinar “o que fazer” – seja caridoso, solidário, humilde, perdoe a todos, não minta, acredite q Deus tudo faz em nosso beneficio, creia q Deus nos ama, q o futuro será melhor, q vc será recompensado por tudo q sofreu... etc etc.
      Assim, dizem ensinamentos, sermões, “milhões” de textos, os mandamentos de Moisés, as parábolas de Jesus, as cartas de Paulo: somente “<o que fazer>; nunca, o <como fazer>!
      (Uma observação: citei as parábolas de Jesus, e as cartas de Paulo, mas isso não significa q eles também não tenham ensinado o <como fazer>! Pois ensinaram e isso podemos constatar em muitos ensinamentos q deixaram; o q acontece é q as religiões não lhes dão ênfase, ou não compreenderam, ou não refletiram e não raciocinaram sobre eles!)
      Todos, homens bem intencionados e religiões, aconselham: “seja bom; coloque amor em seu coração; seja humilde; não seja egoísta, nem orgulhoso... etc!” Fácil dizer, mas <como fazer> isso, como colocar amor no coração q não tem amor? Como deixar de ser orgulhoso aquele q é orgulhoso, q em sua própria natureza está arraigado o orgulho? Do mesmo modo, como deixar de ser egoísta, aquele q, em seu íntimo, em sua natureza é egoísta? Isso depende de nós, de nossa vontade? Fomos nós mesmos q colocamos, à força, por nossa vontade e escolha, em nosso íntimo, esses defeitos morais, essas imperfeições? Propositadamente? Mesmo sabendo das terríveis conseqüências q a lei de causa e efeito pode nos trazer?
      Afinal, se temos liberdade de escolher, porq escolhemos praticar o mal, q é o mesmo q escolher ser infeliz? Porq desejamos escolher, com nosso livre-arbítrio, ser infelizes?

      Texto: Sempre houve e haverá corpos enfermos e cansados, na Terra. Na tarefa cristã, semelhante esforço não poderá ser esquecido, mas a iluminação do espírito deve estar em primeiro lugar.
 
      Cel: outra sábia afirmação: “a iluminação do espírito deve estar em primeiro lugar!” E porq não acreditamos, verdadeiramente, q deve ser assim? Lembremos q Jesus aconselhou, evidentemente aos q desejam iluminar o espírito: “buscai, <em primeiro lugar>, o Reino de Deus, q tudo o mais vos virá por acréscimo!” É evidente que nós (talvez as exceções sejam raríssimas) não acreditamos profundamente nas palavras de Jesus; e, por isso, não desejamos nos sacrificar ou perder tempo com elas! Se acreditássemos, não estaríamos buscando <em primeiro lugar>, a satisfação de nossas necessidades de sobrevivência, não estaríamos correndo atrás de afetos, amores, de beleza, poder, fama, prestígio, dinheiro, vícios, religiões, emoções, sexo.
 
      Se acreditássemos, realmente e profundamente, em nossas crenças e em Jesus, estaríamos buscando o Reino, não nossos interesses pessoais (busca que nos toma todo o tempo) para facilitar a nossa sobrevivência!
............................................

       
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 19 de Agosto de 2012, 22:49
Olá

Este tópico tem uma boa lista de posts a negar a ciência, o que dá a ideia que alguns espíritas querem encontrar uma ciência para si mesmos, para poder adequar a ciência ao que escreveram alguns médiuns....Mas quando estão aflitos com dores vão ao médico, vão ao centro espirita ou tentam fazer uma cirurgia espiritual?

Isso é o que faziam os católicos antes de a ciência se separar da religião. Tudo aquilo que não lhes convinha, negavam.  Mas a codificação não diz nada disso. Ao contrário, Kardec diz que, se a ciência um dia provasse que tudo o essencial da doutrina não passava de uma ilusão, que devíamos seguir a ciência. Até agora a ciência não conseguiu desmentir nada de sério.

Se Deus é a Causa primeira, tudo decorre das leis da natureza que Ele criou. Se fosse ao acaso, não dependia de leis nenhumas, não havia uma lógica e a ciência nem sequer era possível.

Não há acaso, quer dizer que obedece às leis da natureza. Que natureza é organizada e não um caos.

bem hajam
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 19 de Agosto de 2012, 22:49
Se a causa sempre precede ao efeito,então os sofrimentos e as alegrias de hoje são resultados de nossos feitos passados.Sendo assim,uma criança que nasça e desde cedo sofra padecimentos inexplicáveis,sem que tenha tido tempo de gerar esse sofrimento na atual existência,nos leva a crer que ela o tenha desencadeado numa experiência anterior à vida intra-uterina,donde se conclui que o homem não se desenvolve numa única existência,necessitando de muitas outras,nas quais lhe será possível aprimorar o espírito destinado à perfeição."

A pedra atirada ou a palavra proferida não tem volta, portanto pensemos antes de falar.
Vasos quebrados ficam sempre difíceis de ser reconstituídos.
Devemos estar atentos para não utilizarmos da maledicência, principalmente,
com aqueles que não merecem, e serem execrados por nossas punições injustas...
(...)
Não adianta nos momentos de insensatez, termos condutas impróprias,
e ficarmos depois pedindo perdão, pois isto não reverterá o que foi falado.
É preciso que antes de agirmos, pensar o que nossa atitude poderá causar a nós e aos outros.
Antes de falarmos qualquer coisa, por menor que seja, devemos encher nossa boca de água,para conter o veneno que poderemos destilar, e que poderá envenenar a nós próprios..

Muitas formas de canceres têm sua gênese no comportamento moral insano, nas atitudes mentais agressivas, nas postulações emocionais enfermiças.
O mau-humor é fator cancerígeno que ora ataca uma larga faixa da sociedade estúrdia.  Exteriorização do egoísmo doentio, aplica-se à inglória tarefa de perseguir os que discordam da sua atitude infeliz, espalhando a inquietação com que se arma de forças para prosseguir na insânia que agasalha.
(...)
Vigia as nascentes dos teus sentimentos e luta com destemor, nas paisagens íntimas, contra o mau-humor. Policia o verbo rude e ácido, mantendo a dignidade interior e poupando-te ao pugilato das ofensas, decorrente do azedume frequente.

Certas enfermidades duradouras, apesar de tratadas com remédios caros e modernos, não regridem totalmente por uma razão simples de ser entendida: a terapêutica de eleição visa o alívio do sentimento de culpa que atormenta a consciência espiritual e não a cura do arcabouço físico.
(...)
A enfermidade crônica, portanto, de acordo com o ponto de vista doutrinário decorre de um estado íntimo de desarmonia temporária entre as instâncias profundas do psiquismo e a lei de harmonia universal. Nos planos espirituais, a alma que se admite em débito, após atingir certo estágio de compreensão, quase sempre solicita uma ou outra restrição orgânica com o intuito de valorizar a própria programação “auto-educativa” a ser efetivada no decorrer da próxima existência terrena.

Em face dos comentários somos levados a crer que ninguém adoece por uma causa injusta, mas porque merece. De nossa parte aceitamos a enfermidade crônica na condição de “fator educativo” indispensável aos anseios renovadores da alma em ascensão. Não olvidar que, em muitas ocasiões, a enfermidade que macera a carne transitória foi escolhida pelo próprio espírito endividado em comum acordo com os “espíritos construtores”, prestimosos tarefeiros do bem integrados aos departamentos preparatórios das reencarnações.
(...)
É impositivo acabar de uma vez por toda com a mania de referenciar as experiências pungentes como um karma insuportável, uma cruz difícil de ser transportada, quando em verdade, a misericórdia do Alto, presente no auxílio dispensado pelos bons espíritos, sempre se manifesta em prol dos mais sofridos. Só os recalcitrantes não percebem a conjuração amorável das potências invisíveis em proveito da humanidade imperfeita.

É claro que sabemos que o espírito ali está presente, porque, na realidade, o DNA corresponde a uma fita programada e o corpo humano está subordinado às informações ou ordens dos genes, os quais são os diretores, gerentes, administradores. Contudo, quem é o chefão disso tudo? Quem ministra as ordens? Quem é o grande mentor? É o espírito. Se a fita está com uma programação "errada", nós, espíritas, sabemos que somos os artífices do nosso próprio destino (o acaso não existe). Quando nascemos com alguma deformidade, em verdade a mesma já existia antes em espírito, porque a criamos dentro de nós, em determinada existência pretérita. Então, o espírito é responsável por tudo que pensa e faz, subordinado que está à Lei de Causa e Efeito, divina por excelência.
(...)
A excelência da formação do câncer, desacreditando o exuberante mecanismo de formação e manutenção da vida biológica humana, faz-nos crer ser processo orientado por fatores causais. Em verdade, o tumor materializado, na arena física, retrata um processo de cura do espírito. Ações contrárias às Leis Divinas, armazenadas no corpo espiritual, no curso das reencarnações, deságuam nas células físicas, funcionando o corpo somático como mata-borrão, apreendendo os miasmas deletérios extra-espirituais, fazendo com que os genes e cromossomos, sob o impulso do comando espiritual, passem a funcionar de forma desarmônica sob a observação da ótica física.


As experiências difíceis são uma necessidade evolutiva, precisam ser bem vividas, e em sendo bem dimensionadas e compreendidas, ensejar-nos-ão equilíbrio e bem-estar físico e sobretudo espiritual. Saibamos retirar lições contidas nas amargas experiências. Elas existem nas circunstâncias que as engendraram, cujos principais antagonistas fomos nós mesmos.
(...)
Para o cristão espírita as debilidades do semelhante passam a ser dele, e nessa associação de desejos de bem-estar global, vamos encontrando a plenitude de viver e de conviver, com tudo e com todos, alegres e felizes onde estamos e com quem nos relacionamos.
(...)
JESUS, em suas curas, usou o que Joanna de Ângelis chama de AMORTERAPIA,  que naturalmente se acha ao nosso alcance, quando nos dispomos a encontrá-lo. Não somente nos curaremos de uma ou de outra enfermidade como também fortaleceremos nosso sistema imunológico, liberando-nos de novos comprometimentos, ainda mais se entendemos JESUS ao pronunciar: “...e não tornes a pecar para que não te aconteça algo pior”.

Querida Maria,
Obrigada pela presença constante no estudo.
Os textos que traz sempre enriquecem muito nosso aprendizado.
Grande abraço
Susana


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 19 de Agosto de 2012, 22:55
Este tópico tem uma boa lista de posts a negar a ciência, o que dá a ideia que alguns espíritas querem encontrar uma ciência para si mesmos, para poder adequar a ciência ao que escreveram alguns médiuns....Mas quando estão aflitos com dores vão ao médico, vão ao centro espirita ou tentam fazer uma cirurgia espiritual?
bem hajam

Olá Vitor!
Poderia ser um pouco mais específico em relação a sua observação?
Quais seriam as  idéias que, a princípio, estariam em contradição com a ciência?
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 19 de Agosto de 2012, 23:03
      Cel: perfeito! “O Salvador nos ensina a procurar uma saúde mais real e preciosa, que é a do espírito”.
      Entretanto, quem sabe <como> fazer essa procura? Qual é a religião, doutrina, filosofia ou seguidor delas ou quem seja, q nos ensine <como> fazer isso? Ninguém! Todos, sem exceção, só sabem ensinar “o que fazer” – seja caridoso, solidário, humilde, perdoe a todos, não minta, acredite q Deus tudo faz em nosso beneficio, creia q Deus nos ama, q o futuro será melhor, q vc será recompensado por tudo q sofreu... etc etc.
      Assim, dizem ensinamentos, sermões, “milhões” de textos, os mandamentos de Moisés, as parábolas de Jesus, as cartas de Paulo: somente “<o que fazer>; nunca, o <como fazer>!
(...)
      Todos, homens bem intencionados e religiões, aconselham: “seja bom; coloque amor em seu coração; seja humilde; não seja egoísta, nem orgulhoso... etc!” Fácil dizer, mas <como fazer> isso, como colocar amor no coração q não tem amor?
(...)
      Afinal, se temos liberdade de escolher, porq escolhemos praticar o mal, q é o mesmo q escolher ser infeliz? Porq desejamos escolher, com nosso livre-arbítrio, ser infelizes?
(...)

Amigo Coronel.
Estou realmente desconfiada de que você não está lendo as mensagens do estudo, mas apenas aparece eventualmente aqui para registrar seu inconformismo diante dos reveses da vida.
O digo porque este seu comentário é praticamente uma cópia do primeiro e do segundo.
Os mesmos questionamentos que ,inclusive,já respondi.
Novamente: você está sendo repetitivo nos seus questionamentos. É só rolar as páginas que terá as respostas para as perguntas.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 19 de Agosto de 2012, 23:23
Amigo FilhodoBino,
Gostei muito do seu texto e do vídeo de Gasparetto.
Só não entendi muito qual a relação com o estudo.
Pelo o que entendi o material fala sobre a a necessidade de não julgar e condenar as pessoas, mas estamos falando sobre a ação da lei de causa e efeito e se as enfermidades teriam origem nesta lei.
Desculpe-me, mas talvez eu não tenha conseguido fazer a conexão entre o seu texto e o tema do estudo, poderia explicar melhor?
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: filhodobino em 19 de Agosto de 2012, 23:30
Amigo FilhodoBino,
Gostei muito do seu texto e do vídeo de Gasparetto.
Só não entendi muito qual a relação com o estudo.
Pelo o que entendi o material fala sobre a a necessidade de não julgar e condenar as pessoas, mas estamos falando sobre a ação da lei de causa e efeito e se as enfermidades teriam origem nesta lei.
Desculpe-me, mas talvez eu não tenha conseguido fazer a conexão entre o seu texto e o tema do estudo, poderia explicar melhor?
grande abraço
Susana

Amada irmã,
Reflita...
A lei em si não tem poder de lhe fazer cancerosa, doente, desequilirada, depressiva obssessiva, possessiva, compulsiva, e sim o sentimento de culpa... que o evoluendo melindrado,  entender como castigo, e não como ferramenta pedagógica de elevada eficácia para direcionar pelo livre arbitrio, a evolução.
Saúde e Paz!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 20 de Agosto de 2012, 00:05
Amada irmã,
Reflita...
A lei em si não tem poder de lhe fazer cancerosa, doente, desequilirada, depressiva obssessiva, possessiva, compulsiva, e sim o sentimento de culpa... que o evoluendo melindrado,  entender como castigo, e não como ferramenta pedagógica de elevada eficácia para direcionar pelo livre arbitrio, a evolução.
Saúde e Paz!


Obrigada Filhodobino! :)
Não tinha conseguido entender o alcance da sua mensagem.
Sim, faz sentido amigo. Existe uma diferença entre culpa e responsabilidade. A responsabilidade é uma atitude que reflete maturidade e traz aceitação e entendimento  ,por outro lado a culpa  é um sentimento que  aprisiona, oprime.
Quando nos vemos como responsáveis e não culpados, passamos a enxergar a pedagogia divina em toda sua sabedoria.
 Não há mais culpa, nem castigo mas seres conscientes em busca da cura e libertação de si mesmos.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: João Toradi em 20 de Agosto de 2012, 02:40
Continuação....


Toda condição de sofrimento físico demorado aponta para o esforço de recuperação moral a ser levado em conta pelo espírito faltoso; por isso, se ele, o sofrimento, por um motivo qualquer desaparecesse antes do tempo adequado, a criatura se esqueceria de seus bons propósitos e, por insuficiência evolutiva, voltaria a incidir nos erros de outrora. Convenhamos que na ordem divina existe um tempo estipulado para tudo. Além disso, o tipo e a quantidade de sofrimento crônico mantêm uma relação justa com a falta cometida, sem extrapolar jamais os limites das forças humanas, muito pelo contrário. Graças à misericórdia de Deus, inúmeros atenuantes poderão ser levados em conta.

— Segundo observamos, a justiça se cumpre sempre, mas, logo que se disponha o Espírito à precisa transformação no Senhor, atenua-se o rigorismo do processo redentor. O próprio Pedro nos lembrou, há muitos séculos, que o amor cobre a multidão de pecados”. (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 178).

Eis a sentença de alívio proclamada pelos maiores da espiritualidade.
Conquanto a dívida moral permaneça registrada na memória integral do ser, isto não significa que o indivíduo esteja submetido infalivelmente a um destino fixado, a um carma inamovível, a um predeterminismo inflexível diante da contingência expiatória.
O enfrentamento da dor no plano terreno constitui significativo desafio ao espírito endividado, condição, porém, passível de ser atenuada, quando se persevera no bem. A insistência na maldade é que nos complica a redenção almejada, pois cronifica a dívida moral e dificulta ainda mais o resgate no decorrer das futuras encarnações.
O conhecimento de causa fundamentado no evangelho do Mestre e, nos ensinamentos espíritas, estimula o trabalho reparador e, este, por sua vez, constitui-se precioso atenuante do sofrimento.

“(...)quando o interessado em experiências novas no plano da Crosta é merecedor de serviços “intercessórios”, as forças mais elevadas podem imprimir certas modificações à matéria, desde as atividades embriológicas, determinando alterações favoráveis ao trabalho de redenção.” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 178).

O Mundo Maior não se mostra indiferente ao sofrimento dos que resgatam os débitos vergonhosos do passado. O envolvimento fraternal dos bons espíritos serve de valoroso auxílio aos esforços dispensados em prol da recuperação individual. Qualquer ato de dignidade é contabilizado em favor da criatura em luta retificadora. O que se visa é o bem, o progresso e não o sofrimento. As atitudes dignas e conciliadoras por parte do indivíduo em provação, repercutem de forma favorável no seu quadro provacional, minimizando os efeitos e reduzindo as dores impostas pela doença crônica.

“Todo plano traçado na Esfera Superior tem por objetivos fundamentais o bem e a ascensão, e toda alma que reencarna no círculo da Crosta, ainda aquela que se encontre em condições aparentemente desesperadoras, tem recursos para melhorar sempre.” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 228).

Vitor Ronaldo Costa é médico e autor dos livros - Desobsessão e apometria, enfermidades da alma e a proposta terapeutica espírita, o visitador da saúde entre outros.
Boa Noite!
Usarei este para aumentar ainda mais este nobre debate sobre a "Lei de Causa e Efeito" que na minha opinião pessoal, não se aplica a nós espíritos.
Neste esclarecimento seu a Maria47, você cita um trecho do livro "Missionário da Luz", de André Luiz, psicogafado pelo Chico Xavier.

(““Aqui temos o projeto de futura reencarnação dum amigo meu. Não observa certos pontos escuros, desde o cólon descendente à alça sigmóide? Isso indica que ele sofrerá uma úlcera de importância, nessa região, logo que chegue à maioridade física. Trata-se porém de escolha dele.” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 177).

A notícia causou ao ex-médico terreno, verdadeira surpresa, seguida de indisfarçável curiosidade. Nesse ponto o mentor apressou-se em esclarecer o motivo da ocorrência:

“Esse amigo, faz mais de cem anos, cometeu revoltante crime, assassinando um pobre homem a facadas ...” (André Luiz e Fco. C. Xavier. Missionários da Luz 9ª ed, Rio de Janeiro, FEB, 1973, pág. 177).

Pois bem. Ao analisar a questão da doença crônica pelo prisma espirítico, o estudioso da doutrina sente-se autorizado a admitir a hipótese da sujeição do ser aos mecanismos impositivos de uma condicionante educativa ou cármica, única maneira de entender a verdadeira causa da patologia complexa.
Certas enfermidades duradouras, apesar de tratadas com remédios caros e modernos, não regridem totalmente por uma razão simples de ser entendida: a terapêutica de eleição visa o alívio do sentimento de culpa que atormenta a consciência espiritual e não a cura do arcabouço físico. São casos passíveis de resgate apenas pelo pagamento da “moeda” corrente nos planos infinitos tutelados pela divindade: o amor incondicional. Sem dúvida, um detalhe estranho à ciência comum, mas que se tornará conhecido como expressão coerente de indenização dos males infligidos a si ou ao próximo... ).
Como você mesma leu e entendeu, o espírito agressor sentiu a necessidade de "pagar sua dívida" e decidiu voltar ao plano físico com uma úlcera incurável. A primeira vista, Suzana, nos parece um ato nobre e elevado, sem dúvida, mas venho perguntar a você: Você acha que isto vai pagar o assassinato que ele cometeu? Você acha que a vítima irá ter sua existência de volta, seus projetos de volta, naquela mesma encarnação? Segundo nos revela os irmãos espirituais, João Batista foi decapitado por ter decapitado outros monjes sacerdotes em sua vivência anterior como Elias. Isto realmente valeu como pagamento de sua atitude bárbara? Talvés você me responda que sim, que o mal que causamos e desejamos ao nosso semelhante, volta-se contra nós mesmo e é tentador pensar assim, mas isso não "paga" o mal que fizemos ao semelhante. Provavelmente alguns que já pensaram assim estarão pensando neste momento que só bastaria reencarnarmos e sermos vítimas de nossas antigas vítimas, mas mais uma vez não iria dar certo, pois ele interromperia a minha vida e ficaria agora com uma "dívida".
Quando o jevem perguntou a Jesus o que era necessário para entrar no reino do céu, Jesus foi bem simples. Dispa-se de tudo o que não pode levar e siga-me e eu acredito que este sentimento de culpa que insitem em plantar em nós seja uma dessas coisas.
Ficaria então o crime sem paga? A igreja católica, no século retrasado não usou o nome de Jesus e "aniquilou" vários inimigos? Ela ainda está ai firme e forte, e sabe por que? Porque ela é necessária para muitos espíritos que estão reencarnando hoje no mundo, devido estes sentimentos de culpa. Quando todos os espíritos que habitam este planeta, sejam eles daqui mesmo ou de planetas vizinhos descobrirem a "Verdade" que Jesus menciona, muita coisa que conhecemos irá desaparecer. Mas infelizmente, essa verdade está nas mãos de alguns "espíritos evoluidos" e de outros que entitulamos magos negros. Causará perturbação em muitos, sim isto é fato, mas por outro lado irá trazer a tão sonhada paz que nós almejamos para este planeta.
A enfermidade é devido ao padrão energético que geramos e absorvemos, por isso muita coisa ao nosso redor , faz com que em algum momento pensemos ou desejemos energias contrárias.O corpo humano foi projetado por seres mais antigos que nós para suportar o ambiente terrestre, mas os espíritos que habitam estes corpos são "livres", até o momento que se deixam aprisionar pelas inúmeras "Leis" criadas por eles mesmos. Porém o que acredito é que existe uma energia que é muito mais do que qualquer ser neste orbe, encarnado ou desencarnado, possa explicar, mas que quando você começa a vibrar com ela diretamente, não há doença, não há culpa, não há remorso, não há nada que possa tirá-lo desta comunhão.
Eu citei o auto-perdão anteriormente, foi para que entendesse que a "lei de causa e efeito" da forma que querem explicar é falha. A chave está na palavra que conhecemos como "AMOR". Ame a si mesmo! Não foi esta, uma das recomendações de Jesus? Por que o perdoar 70X7vezes se aplicaria apenas aos nossos agressores? Primeiramente deve ser em nós. E tenho certeza de que o planeta irá começar a sua transformação.
Eu gostaria de que você me disse uma, apenas uma vez que a "lei de causa e efeito" foi realmente bem aplicada em um espírito. E se você encontrar uma, direi a você a verdadeiro motivo da reencarnação.
Paz e Luz!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Celso Luiz em 20 de Agosto de 2012, 03:24
Caros  Irmãos

Sabemos desde muito tempo que o corpo - a mente - a alma  e o espírito, são a essência desta encarnação. As propostas reencarnatórias são programadas  no plano espiritual e analisadas por espíritos superiores, juntamente com eles finaliza-se a proposta de reencarnação e a ela se dá início. Todos nós já estivemos no plano espiritual e por nossa própria vontade (lá Deus também nos dá o livre arbítrio)  voltamos para aprendizado e elevação.  Não viemos pagar dívidas de outras encarnações, viemos para aperfeiçoar as encarnações anteriores e nos tornarmos assim seres mais completos, até atingirmos a superioridade espiritual. As doenças do corpo, da alma, da mente não deveriam estar tão acendentes, afinal nosso mundo está em processo de transição e  para que esta transição seja possível, precisamos estar bem de corpo, alma e mente. Precisamos passar pela transição já regenerados e precisamos aprender a maneira como nos regenerar. E qual é, podem estar se perguntando, esta maneira de regeneração? A resposta é simples: Nossa Conduta Moral A leitura de " O homem de bem" ( Capitulo XVII - Evangelho Segundo o Espiritismo) nos fornece esta conduta. Aquele que tem fé, caros irmãos, a fé verdadeira, não adoece, não se deprime, não desanima
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: RASEK em 20 de Agosto de 2012, 13:38
Boa dia João.

Veja bem, o que eu entendo da Lei da Ação e Reação, é que no caso em tela aqui, é que este espírito reencarnante AINDA sente culpa pelo que causou a outrem.

Ao meu ver e compreender, este espírito poderia  ter pedido uma reencarnação em que a sua pequenina missão fosse, digamos, cuidar, tratar de pessoas que sofressem de úlceras ou outros males intestinais!

Sim, ele poderia ter pedido para ser um médico em sua próxima reencarnação, pois assim seria muito útil em seu intento.

Mas em que seria útil aos outros, ou até mesmo como motivo de satizfação aquele que prejudicou no passado; em apenas contrair uma úlcera na maioriade??

Claro que isso é de foro íntimo mesmo!

Ora, o espírito poderia ainda se achar despreparado para ser um médico com esta missão, daí preferir a doença.

Abraços.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 20 de Agosto de 2012, 16:57
            Para Kazaoka, Susana e todos os amigos  (resp msg #35, de Susana).

      = É preciso raciocinar, como alerta Kardec! =

      Kazaoka (msg ant): A cura moral ... ocorre através da forma que passamos por tais experiências.

      Cel: novamente, o amigo Kazaoka nos leva a uma questão q nenhuma doutrina, religião, e nenhum de seus seguidores conseguem responder: à questão das desigualdades!

      É evidente q dessa frase “a pretendida cura ocorre através da forma q passamos por tais experiências”, se conclui q, as formas de por elas passarem, difere entre os espíritos! 

      Mas, porq é assim? De onde vêm tais desigualdades que fazem q uns sofram mais do q outros, sendo q, desde q abre os olhos para a vida, a luta incessante do homem, é uma busca de ser feliz?! Desigualdades q resultam em íntimos, corações, naturezas, desiguais e, conseqüentemente, ações desigualmente benéficas ou maléficas em relação a terceiros e, conforme a doutrina, merecimentos desiguais (para uns, recompensas; para outros, corretivos)? .............

      Kazaoka (msg ant): Quanto às doenças estarem vinculadas exclusivamente aos efeitos da má conduta moral, nesta ou em existências pregressas (como é o caso citado aqui sobre o câncer), por parte de quem as contrai, como explicar a ocorrência dessas mesmas doenças em seres que não têm o princípio moral e que, portanto, não têm nada a resgatar de existências anteriores, pois não tem ainda a consciência de si mesmo e da sobrevivência do espírito? Como por exemplo, os animais inferiores e os vegetais podem apresentar essas doenças ditas cármicas?
      Segundo OLE o sofrimento nos animais não tem caráter expiatório, do que se conclui então que são apenas experiências necessárias para seus aprendizados.

      Cel: do q tb se conclui os animais sofrem “gratuitamente” e q, para q tenham as experiências necessárias ao aprendizado, o plano de Deus, de soberano amor e justiça, os obriga a sofrer (como também obriga a sofrer os animais ditos racionais) dores torturantes e insuportáveis! É isso q devemos entender da misericórdia e sabedoria do Criador?
      Novamente, se afirma q Deus, de infinito amor, misericórdia e sabedoria, por sua vontade e desejo, só sabe criar, para a evolução de seus filhos bem-amados, um processo cujo método mais aplicado e mais eficiente, são os mais terríveis, torturantes, desesperadores e insuportáveis sofrimentos! Que, portanto, é pela vontade e desejo do Infinito Amor q, se erramos, teremos de sofrer terrivelmente! Será verdade q o plano criado, para nós, pela vontade do soberano amor, tem de ser cheio de dores e sofrimentos! Será isso uma verdade? Ou a interpretação desses conceitos está incorreta? Quem pode dizer?   

      Afirma-se, também, portanto, q os espíritos, nós q de Deus procedemos (q, segundo a doutrina, pelo fato de procedermos de Deus, q é amor, justiça e sabedoria, não podemos ser maus, injustos nem sem inteligência!!!), só entendemos a linguagem da dor! Será verdade?

      Deus nos criou destinados todos a sofrer, (e mesmo, para muitos, por multiplicadas encarnações dolorosas a se estenderem até por milhões de anos!)?! Será q a Infinita Sabedoria só consegue imaginar, idealizar e criar um plano de ensino, no qual, obrigatoriamente, todos temos de sofrer, e sofrer cruelmente, pois é isso q a doutrina diz?
       
      Kazaoka (ou Susana?): Segundo Herculano Pires,  “os animais sofrem porque evoluem, e toda evolução é acompanhada das dores do parto que anunciam as transações evolutivas para planos superiores...”.

      Cel: então o fazer, “obrigatoriamente, sofrer e chorar”, é o desejo e a vontade do Ser de soberano amor, para q, suas simples e ignorantes criaturas, evoluam!! Que, pela vontade de Deus, só evolui quem sofre? Que, se não há sofrimentos desesperadores, não há evolução?!!  Será mesmo isso? Não é necessário raciocinar?

      Susana: Emmanuel... complementa:  “... Ninguém sofre tão somente para resgatar o preço de alguma coisa. Sofre-se também angariando os recursos preciosos para obtê-la. Assim é que o animal atravessa longas eras para instruir-se... Para atingir a auréola da razão, deve conhecer comprida fieira de experiências... Na posição de espírito sublime, não mais conhece a dor.”

      Cel: isso q Emmanuel disse, deve ter respaldo na ciência, pela qual a evolução do q é mais simples, rumo a uma complexidade maior, se dá, naturalmente e através da necessidade de se adaptar às transformações do meio, coisa q deve exigir, naturalmente, esforço de adaptação q poderemos chamar de sofrimento!

      Contudo, o q Emmanuel disse não tem respaldo na doutrina! Para esta, “só sofre quem merece sofrer”! Q alguém me ajude a corrigir se erro ao dizer isso! Só sofre quem, conscientemente, pelo mau uso do livre-arbítrio, comete ações erradas q resultam em danos a terceiros. Como aquele q não tem deméritos, tem de sofrer para evoluir se todo sofrimento vem, conforme a doutrina, de deméritos adquiridos?!

      Há, portanto, necessidade de um esclarecimento, pois o q está no texto, de Herculano e de Emmanuel, contraria a afirmação da doutrina de que “só sofre quem merece sofrer!”     

      Outro ponto a raciocinar: se o espirito sublime, não mais conhece a dor!” e quanto ao mestre Jesus,  porq se diz q sofreu até mais do q todos os homens?! Não era, ainda, um espírito sublime? Merecia, ainda, sofrer? (Se bem q o iluminado só sofre se quiser sofrer!).

      Susana: ... os animais sofrem pela própria natureza do aprendizado e nós também, só que também sofremos por conta ações passadas.
     
... doença em um animal nunca terá um fim expiatório, já no homem ela poderá ou não ser fruto de uma expiação do que se conclui que todo sofrimento na terra é sempre para aprendizado, terá um fim útil, mas no casos dos homens além pura  finalidade pedagógica ,ele também pode ter como objetivo reparar desarmonias causadas nas leis universais.

      Cel: será verdade isso q, muitos estão colocando, pelo q estão concluindo da doutrina ou de obras secundárias, q o aprendizado só pode ser feito à força de sofrimentos?! Que o Deus de infinita sabedoria somente sabe criar um plano para a evolução, cujo método mais aplicado e eficiente é a dor?!

      Outro ponto a raciocinar: no texto está escrito, como sendo objetivo do sofrimento reparar desarmonias causadas nas leis universais. É evidente q, por essa interpretação, devemos concluir q nós (q, conforme afirmação da doutrina, como espíritos procedentes de Deus q somos, não podemos ser maus, nem injustos, nem sem inteligência - mas q, contrariando frontalmente essa afirmação doutrinária, somos, sim, maus, injustos e sem inteligência!) nós, q somos criados para auxiliares na obra da criação divina, somos os primeiros a destruí-la (pois, literamente a destruímos), e a causar desarmonias às leis universais?! Deus nos criou para ajudantes Dele, e nós, fazendo exatamente o contrário: o desajudamos, destruindo sua criação!     

      Terá o Onisciente desejado e criado espíritos q, sabia desde sempre, q, em vez de ajudá-lo, o perturbariam e à sua obra?!

      Susana: ...  que, nos humanos, as doenças: são todas por aprendizado, mas podem também ter por finalidade a expiação conseqüências de atos praticados.

      Cel: amiga, aqui, me permita outras questões, para raciocinar: primeira: se sofremos pois, pelo fato de q sofrer, torturante, terrível, desesperadora e insuportavelmente é necessário ao aprendizado, porq nem todos sofrem igualmente? O aprendizado não é igual para todos?

      Segunda: se o sofrer tem, tb, como objetivo saldar dívidas passadas, porq as dívidas passadas resultam em mais intensos sofrimentos para uns do q para outros?  É q as dívidas, foram desiguais, umas mais leves, outras mais pesadas – está será a resposta! Mas, porq foram desiguais, se no ato da criação éramos todos perfeitamente iguais?  De onde nasceu a desigualdade q destruiu a igualdade primeira?

      Susana: Mas, (é aí que entra o elemento metafísico) é o meu estado interno, baseado nas minhas disposições mentais e emocionais, que vai ser determinante para que meu sistema imunológico esteja preparado ou não enfrentar o vírus.

      Cel: minha amiga, tenho de fazer outra pergunta: porq seu estado interno, baseado em suas disposições mentais, pode ser assim nocivo a vc mesma tanto q, por isso, poderá vir a sofrer? É vc mesma q, pelo seu livre-arbítrio, torna seu estado íntimo mais ou menos sensível em relação aos outros? Lembre-se q, pela justiça divina, só sofre quem merece sofrer!

      E qto ao livre-arbitrio, q vc citou?  Porq fez (ou ainda faz) mau uso dele, se vc sabe q disso lhe resultarão sofrimentos, infelicidades? Usou-o erradamente por ignorância das conseqüências dolorosas q ele lhe traria, ou porq quis?

      Observe: quem é q, podendo escolher ser feliz, escolhe ser infeliz?!  Não há dúvidas q só fazem escolha tão errada os desequilibrados mentalmente e os totalmente ignorantes. Se vc sabe q agindo contra as leis de Deus, terá de sofrer, porq vc agiria contra elas, não é?! 

      Amigos, me perdoem tantas perguntas; a intenção é q, pelo raciocinar, cheguemos a compreender melhor!                         
..........................................
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: aluada em 20 de Agosto de 2012, 17:57
Boa tarde Susana,  agradeço pela atenção e gostaria mesmo de poder debater sofre este assunto, não somemnte o cancer mais outras doenças e outras situações. Vou procurar me aprofundar em  meus questionammentos e  relatos lidos por mim para que possamos nos ajudar de alguma forma.  Abraços  e bjs Sol.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 20 de Agosto de 2012, 21:28
Sabemos desde muito tempo que o corpo - a mente - a alma  e o espírito, são a essência desta encarnação. As propostas reencarnatórias são programadas  no plano espiritual e analisadas por espíritos superiores, juntamente com eles finaliza-se a proposta de reencarnação e a ela se dá início. Todos nós já estivemos no plano espiritual e por nossa própria vontade (lá Deus também nos dá o livre arbítrio)  voltamos para aprendizado e elevação.  Não viemos pagar dívidas de outras encarnações, viemos para aperfeiçoar as encarnações anteriores e nos tornarmos assim seres mais completos, até atingirmos a superioridade espiritual.
(...)
. Aquele que tem fé, caros irmãos, a fé verdadeira, não adoece, não se deprime, não desanima
Olá  Celso!
Obrigada pela presença no estudo.
Sem dúvida que viemos aprender amigo. Cada encarnação é um degrau a mais na evolução espiritual.
Mas também há um componente expiatório na nossa encarnação, pelo menos enquanto estivermos encarnando neste planeta, é o que dizem os espíritos ao longo de toda a codificação.
Se fosse como o amigo coloca, aqui não seria um planeta de provas e expiação, mas apenas de provas.
Não cabe aqui citar de novo tudo o que foi dito ao longo do estudo,mas se der uma olhada nas passagens da codificação citadas neste tópico irá verificar que os espíritos dizem expressamente que as causas de injustiças e misérias humanas quando não se encontram nesta vida se encontram em outras.
A própria passagem de Jesus que abre este estudo também diz a mesma coisa.
Na questão que trata sobre idiotia os espíritos dizem que isso ocorre não por aprendizado ,mas por expiação:
Questão 372 do LE- Que objetivo visa a providência criando seres desgraçados, como os cretinos e os idiotas?
 
“Os que habitam corpos de idiotas são Espíritos sujeitos a uma punição. Sofrem por efeito do constrangimento que experimentam e da impossibilidade em que estão de se manifestarem mediante órgãos não desenvolvidos ou desmantelados

Questão 373 do LE:  Qual será o mérito da existência de seres que, como os cretinos e os idiotas, não podendo fazer o bem nem o mal, se acham incapacitados de progredir?
 
É uma expiação decorrente do abuso que fizeram de certas faculdades. É um estacionamento temporário.”
Agora pergunto: os espíritos dizem que nasce com esta patologia que está em punição,mas punição pelo o que se acabaram de nascer?
 Então por dedução lógica só poder ser por algo praticado anteriormente a reencarnação.
Trouxe no estudo diversas passgens da doutrina que dizem exatamente a mesma coisa.

Deste modo pergunto: os espíritos dizem que quem nasce com esta patologia está em punição e expiação, mas como pode ser punido por alguma coisa se mal chegou ao mundo?
Deste modo, por dedução lógica a causa deste padecimento só pode estar em outras existências.
Neste tópico trouxe várias passagens da codificação neste mesmo sentido.
Quanto á questão da fé e a ocorrência de doenças, não é bem assim.
Chico Xavier tinha fé e teve sua catarata. Vários irmãos espiritualizados foram acometidos de enfermidades ao longo de sua vida física.
 A fé os auxiliou a suportar a doença com resignação, mas não impediu que ela se manifestasse.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 20 de Agosto de 2012, 22:05
         
 Como aquele q não tem deméritos, tem de sofrer para evoluir se todo sofrimento vem, conforme a doutrina, de deméritos adquiridos?!

      Há, portanto, necessidade de um esclarecimento, pois o q está no texto, de Herculano e de Emmanuel, contraria a afirmação da doutrina de que “só sofre quem merece sofrer!”     

      Outro ponto a raciocinar: se o espirito sublime, não mais conhece a dor!” e quanto ao mestre Jesus,  porq se diz q sofreu até mais do q todos os homens?! Não era, ainda, um espírito sublime? Merecia, ainda, sofrer? (Se bem q o iluminado só sofre se quiser sofrer!).

      Susana: ... os animais sofrem pela própria natureza do aprendizado e nós também, só que também sofremos por conta ações passadas.
     
... doença em um animal nunca terá um fim expiatório, já no homem ela poderá ou não ser fruto de uma expiação do que se conclui que todo sofrimento na terra é sempre para aprendizado, terá um fim útil, mas no casos dos homens além pura  finalidade pedagógica ,ele também pode ter como objetivo reparar desarmonias causadas nas leis universais.

      Cel: será verdade isso q, muitos estão colocando, pelo q estão concluindo da doutrina ou de obras secundárias, q o aprendizado só pode ser feito à força de sofrimentos?! Que o Deus de infinita sabedoria somente sabe criar um plano para a evolução, cujo método mais aplicado e eficiente é a dor?!

      Amigos, me perdoem tantas perguntas; a intenção é q, pelo raciocinar, cheguemos a compreender melhor!                         
..........................................

Coronel, o sofrimento não se dá apenas por expiação: se dá por expiação, pela força do aprendizado, por provas, ou nos casos de missionários pela natureza do mundo em que estão a reencarnar.
Por provas: acho que já venci o orgulho e o egoísmo, então peço a oportunidade de vir em uma situação dificil em que precise vencer meu orgulho a cada dia.
Se ao final consigo sair bem sucedida da prova, passo a próxima etapa do curso, se do contrário fico me lamuriando pela condição( que eu mesma escolhi) me sinto humilhada e desafortunada isso mostra que ainda não me libertei do orgulho, daí possivelmente terei que "estudar" mais e refazer esta prova, porque para habitar mundos mais evolúidos é preciso estar em sintonia com o padrão moral de seus habitantes, deste modo preciso me libertar de minha fraquezas e imperfeições se desejo habitar planos mais venturosos.
Por expiação: interferi negativamente na existência de outros seres, ao desencarnar tomo consciência disso, liberta da influência do corpo físico vejo as coisas de outro ângulo e para ficar em paz com minha consciência peço uma circunstância na minha reencarnação que irá me trazer certo nível de desconforto mas que ao final irá me trazer paz na consciência.
Pela natureza do mundo: Jesus, Gandhi "sofreram" pela natureza do mundo e de seus habitantes.
Jesus, sábio psicólogo sideral, sabia que a humanidade pelo seu grau consciencial não entenderia sua mensagem de amor. Ele veio plantar uma semente e sabia dos riscos. Almas do padrão espiritual de Jesus não tem uma visão mesquinha e tacanha da vida. Sabem que qualquer sofrimento por mais atroz que seja não é nada diante da eternidade, tudo passa.
Jesus sabia qual era sua missão e apesar de todos os inconvenientes ela a aceitou por amor a humanidade.
No caso de missões os espíritos sofrem sem ser por expiação, mas isso não se aplica a 99,99% da humanidade e creio que ninguém duvida que nós não nos encontramos em missão.


Amigo Coronel,
É a última vez que lhe chamo a atenção sobre seu proceder.
Já o fiz diversas vezes ao longo deste estudo , inclusive em outros estudos vide o penúltimo do mês de julho:

Amigo Coronel,
Em todos os tópicos sempre levanta os mesmos questionamentos:
- Porque uns são maus outros são bons? Porque existe sofrimentos no mundo? Como se coloca amor no coração? etc.
Estas respostas encontram-se espalhadas por toda a doutrina talvez seja hora de dar uma revisada na codificação.
E lá no estudo da lei de causa e efeito já respondi seus questionamentos.
Alguns de forma direta e outros através de textos publicados ao longo do estudo.
Porque não dá uma passadinha por lá?
Assim você poupa seu tempo e o dos foristas ao responderem perguntas que já foram respondidas.
abraços
Susana

As respostas para todas as sua perguntas encontram-se espalhadas pela doutrina espírita.
Inclusive eu trouxe para  estudo várias citações que respondem partes delas e além de indicações de trechos das obras da codificação para leitura.
Sua postura inconformista nos leva a duas conclusões: ou não estuda a doutrina ou não acredita nela.
A falta de estudo é mais fácil de ser resolvida, basta boa vontade, já a descrença nos ensinamentos dos espíritos, bem, isso é mais complicado.
Se não acredita e nem aceita o que está codificado, se as respostas dos espíritos não lhe bastam nem lhe fazem sentido, então não sei porque ainda continua espírita.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 20 de Agosto de 2012, 23:13
Lei de causa e efeito.Caros irmãos e irmães,eu sempre costumo colocar para as pessoas o
seguinte analise para conclusão:A moeda tem duas faces,e elas devem ser vistas,não se
pode chegar a uma conclusão vendo só uma face.O sofrimento não poderia ser uma escolha
para o aperfeiçoamento moral,não seria inteligente,concordando com o nosso irmão Coronel 
em parte,mas é inteligente aquele que aceita com resignação um sofrimento de que foi aco-
-metido,pois poderá tirar dele um aprendizado para a sua evolução moral.Pois baseado na
lei de causa e efeito,o sofrimento vem por merecimento de quem dele está padecendo.Alguns
poderiam até questionar e dizer:Jesus sofreu muito antes do seu espírito desencarnar,ele
merecia este sofrimento?de que aprendizado necessitaria se nos foi enviado por Deus para
nos ensinar a exercitar as suas leis?.A resposta é muito simples no meu entender:Por ser um
espírito muito elevado e inteligente,se colocou como exemplo a ser seguido por todos nós.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: RASEK em 20 de Agosto de 2012, 23:16
SUZANA.

Isso mesmo!

Tivemos verdadeiros avatares por aqui na Terra, onde Jesus foi o maio deles. E estes pouco ou nada tinham mais a aprender por aqui, pois já alcançaram uma quase plenitude moral (sempre relativa) perante aos demais aqui.

O animal não sofre moralmente porque ele não tem o raciocínio como nós temos. Ele possui mais instinto do que o livre-arbítrio, que seria uma clara faculdade de nós seres humanos.

Ora, quanto mais evoluímos, mas alcançamos o livre-arbítrio. E isso quer dizer que o próprio animal irracional de hoje, carente deste mesmo livre-arbítrio, um dia o terá, aà medida que evolui, que reencarne sussessivamente até o reino hominal ao qual nós pertencemos.

O animal sofre a dor física somente, mas não a moral. E segundo alguns estudiosos, esta dor física ainda é menor do que seria para um ser humano.

Abraços.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 20 de Agosto de 2012, 23:36
Como você mesma leu e entendeu, o espírito agressor sentiu a necessidade de "pagar sua dívida" e decidiu voltar ao plano físico com uma úlcera incurável. A primeira vista, Suzana, nos parece um ato nobre e elevado, sem dúvida, mas venho perguntar a você: Você acha que isto vai pagar o assassinato que ele cometeu? Você acha que a vítima irá ter sua existência de volta, seus projetos de volta, naquela mesma encarnação? Segundo nos revela os irmãos espirituais, João Batista foi decapitado por ter decapitado outros monjes sacerdotes em sua vivência anterior como Elias. Isto realmente valeu como pagamento de sua atitude bárbara?
Talvés você me responda que sim, que o mal que causamos e desejamos ao nosso semelhante, volta-se contra nós mesmo e é tentador pensar assim, mas isso não "paga" o mal que fizemos ao semelhante. Provavelmente alguns que já pensaram assim estarão pensando neste momento que só bastaria reencarnarmos e sermos vítimas de nossas antigas vítimas, mas mais uma vez não iria dar certo, pois ele interromperia a minha vida e ficaria agora com uma "dívida".
(...)
Eu citei o auto-perdão anteriormente, foi para que entendesse que a "lei de causa e efeito" da forma que querem explicar é falha. A chave está na palavra que conhecemos como "AMOR". Ame a si mesmo! Não foi esta, uma das recomendações de Jesus? Por que o perdoar 70X7vezes se aplicaria apenas aos nossos agressores?

Olá João!
Obrigada pela participação constante no estudo.
Quanto ao caso de André Luiz não irei me manifestar porque não sei detalhes do processo reencarnatório.
André Luiz falou por alto, mas existem uma série de nunaces que não foram contadas e que poderiam auxiliar no entendimento da situação.
Quanto ao levantamento que você trouxe sobre dívidas e pagamentos, as coisas não são tão simples assim.
Não poderiei esclarecê-lo em algumas poucas linhas em razão da complexidade da resposta, então peço a gentileza de aguardar um pouco , pois estou  selecionando alguns textos para analisarmos e talvez entendermos melhor o mecanismo.
------------------------------------------------------------------------------------------------------
Sim, a chave é o amor, não tenha dúvidas e assim que entendermos isso,não haverá mais sofrimento e nem estaremos reencarnando mais aqui,pois se nossos atos fossem praticados com base no amor incondicional não haveria culpa, remorsos ,mas apenas a sensação do dever cumprido e quando chegarmos neste estágio estaremos aptos a deixar esta escola e habitar mundos mais venturosos.
Não entendi esta afirmação do perdão e agressores:"Por que o perdoar 70X7vezes se aplicaria apenas aos nossos agressores?"
Poderia explicar melhor o que quis dizer?
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 20 de Agosto de 2012, 23:53
O sofrimento não poderia ser uma escolha para o aperfeiçoamento moral,não seria inteligente,concordando com o nosso irmão Coronel  em parte,mas é inteligente aquele que aceita com resignação um sofrimento de que foi acometido,pois poderá tirar dele um aprendizado para a sua evolução moral.
Certamente amigo Antônio que devemos vivenciar as experiências da vida, principalmente as dolorosas ,com resignação.
Mas,ainda assim amigo,precisamos ter em mente que a lógica do espírito não é a mesma de quando está livre da matéria de quando se encontra encarnado.
O espírito desencarnado tem uma visão mais ampla das coisas e apesar de á primeira vista parecer nada inteligente escolher uma prova que traga algum tipo de sofrimento, o espírito enxerga além e sabe que qualquer sofrimento por mais atroz que pareça representa muito pouco diante da eternidade.

Vejamos o que nos diz a doutrina:
Questão 264 do LE- Que é o que dirige o Espírito na escolha das provas que queira sofrer?

 “Ele escolhe, de acordo com a natureza de suas faltas, as que o levem à expiação destas e a progredir mais depressa. Uns, portanto, impõem a si mesmos uma vida de misérias e privações, objetivando suportá-las com coragem; outros preferem experimentar as tentações da riqueza e do poder, muito mais perigosas, pelos abusos e má aplicação a que podem dar lugar, pelas paixões inferiores que uma e outros desenvolvem; muitos, finalmente, se decidem a experimentar suas forças nas lutas que terão de sustentar em contacto com o vício.”

Questão 266 do LE-  Não parece natural que se escolham as provas menos dolorosas?

 “Pode parecer-vos a vós; ao Espírito, não. Logo que este se desliga da matéria, cessa toda ilusão e outra passa a ser a sua maneira de pensar.

" A.K.: Sob a influência das idéias carnais, o homem, na Terra, só vê das provas o lado penoso.
 Tal a razão de lhe parecer natural sejam escolhidas as que, do seu ponto de vista, podem coexistir com os gozos materiais.
Na vida espiritual, porém, compara esses gozos fugazes e grosseiros com a inalterável felicidade que lhe é dado entrever e desde logo nenhuma impressão mais lhe causam os passageiros sofrimentos terrenos.
 Assim, pois, o Espírito pode escolher prova muito rude e, conseguintemente, uma angustiada existência, na esperança de alcançar depressa um estado melhor, como o doente escolhe muitas vezes o remédio mais desagradável para se curar de pronto.
 Aquele que intenta ligar seu nome à descoberta de um país desconhecido não procura trilhar estrada florida. Conhece os perigos a que se arrisca, mas também sabe que o espera a glória, se lograr bom êxito.

A doutrina da liberdade que temos de escolher as nossas existências e as provas que devamos sofrer deixa de parecer singular, desde que se atenda a que os Espíritos, uma vez desprendidos da matéria, apreciam as coisas de modo diverso da nossa maneira de apreciá-los.
Divisam a meta, que bem diferente é para eles dos gozos fugitivos do mundo.
Após cada existência, vêem o passo que deram e compreendem o que ainda lhes falta em pureza para atingirem aquela meta. Daí o se submeterem voluntariamente a todas as vicissitudes da vida corpórea, solicitando as que possam fazer que a alcancem mais presto. Não há, pois, motivo de espanto no fato de o Espírito não preferir a existência mais suave. Não lhe é possível, no estado de imperfeição em que se encontra, gozar de uma vida isenta de amarguras. Ele o percebe e, precisamente para chegar a fruí-la, é que trata de se melhorar.

Não vemos, aliás, todos os dias, exemplos de escolhas tais? Que faz o homem que passa uma parte de sua vida a trabalhar sem trégua, nem descanso, para reunir haveres que lhe assegurem o bem-estar, senão desempenhar uma tarefa que a si mesmo se impôs, tendo em vista melhor futuro? O militar que se oferece para uma perigosa missão, o navegante que afronta não menores perigos, por amor da Ciência ou no seu próprio interesse, que fazem, também eles, senão sujeitar-se a provas voluntárias, de que lhes advirão honras e proveito, se não sucumbirem?

 A que se não submete ou expõe o homem pelo seu interesse ou pela sua glória? E os concursos não são também todos provas voluntárias a que os concorrentes se sujeitam, com o fito de avançarem na carreira que escolheram? Ninguém galga qualquer posição nas ciências, nas artes, na indústria, senão passando pela série das posições inferiores, que são outras tantas provas. A vida humana é, pois, cópia da vida espiritual; nela se nos deparam em ponto pequeno todas as peripécias da outra.
Ora, se na vida terrena muitas vezes escolhemos duras provas, visando posição mais elevada, por que não haveria o Espírito, que enxerga mais longe que o corpo e para quem a vida corporal é apenas incidente de curta duração, de escolher uma existência árdua e laboriosa, desde que o conduza à felicidade eterna?
Os que dizem que pedirão para ser príncipes ou milionários, uma vez que ao homem é que caiba escolher a sua existência, se assemelham aos míopes, que apenas vêem aquilo em que tocam, ou a meninos gulosos, que, a quem os interroga sobre isso, respondem que desejam ser pasteleiros ou doceiros.

O viajante que atravessa profundo vale ensombrado por espesso nevoeiro não logra apanhar com a vista a extensão da estrada por onde vai, nem os seus pontos extremos.
Chegando, porém, ao cume da montanha, abrange com o olhar quanto percorreu do caminho e quanto lhe resta dele a percorrer. Divisa-lhe o termo, vê os obstáculos que ainda terá de transpor e combina então os meios mais seguros de atingi-lo.
O Espírito encarnado é qual viajante no sopé da montanha. Desenleado dos liames terrenais, sua visão tudo domina, como a daquele que subiu à crista da serrania. Para o viajor, no termo da sua jornada está o repouso após a fadiga; para o Espírito, está a felicidade suprema, após as tribulações e as provas.

Dizem todos os Espíritos que, na erraticidade, eles se aplicam a pesquisar, estudar, observar, a fim de fazerem a sua escolha. Na vida corporal não se nos oferece um exemplo deste fato? Não levamos, freqüentemente, anos a procurar a carreira pela qual afinal nos decidimos, certos de ser a mais apropriada a nos facilitar o caminho da vida? Se numa o nosso intento se malogra, recorremos a outra. Cada uma das que abraçamos representa uma fase, um período da vida. Não nos ocupamos cada dia em cogitar do que faremos no dia seguinte? Ora, que são, para o Espírito as diversas existências corporais, senão fases, períodos, dias da sua vida espírita, que é, como sabemos, a vida normal, visto que a outra é transitória, passageira?
"
abraços
Susana

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 00:08
SUZANA.

Isso mesmo!

Tivemos verdadeiros avatares por aqui na Terra, onde Jesus foi o maio deles. E estes pouco ou nada tinham mais a aprender por aqui, pois já alcançaram uma quase plenitude moral (sempre relativa) perante aos demais aqui.

O animal não sofre moralmente porque ele não tem o raciocínio como nós temos. Ele possui mais instinto do que o livre-arbítrio, que seria uma clara faculdade de nós seres humanos.

Ora, quanto mais evoluímos, mas alcançamos o livre-arbítrio. E isso quer dizer que o próprio animal irracional de hoje, carente deste mesmo livre-arbítrio, um dia o terá, aà medida que evolui, que reencarne sussessivamente até o reino hominal ao qual nós pertencemos.

O animal sofre a dor física somente, mas não a moral. E segundo alguns estudiosos, esta dor física ainda é menor do que seria para um ser humano.

Abraços.


Obrigada Rasek pelos apontamentos. Se quiser saber mais sobre sofrimento animal depois dá uma olhadinha nos tópicos: "suícidio dos animais" e " sofrimento dos animais".
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 01:22
Não sei se já disseram, mas existe muitos casos de doenças, de dificuldades, de problemas diversos, que estão relacionados com o fato de ter espíritos, digamos, fracos, que não avançam de modo algum, então a providência coloca algumas dificuldades para que eles "acordem".  De fato está associado com a lei de causa e efeito, porque mesmo a preguiça é o efeito de alguma causa, mas é preciso compreender esses fatos para compreender melhor a lei de causa e efeito.

Por, exemplo. Quando ficamos muito tempo na cama sentimos dores em todo o nosso corpo. Isso é uma lei natural de causa e efeito que Deus estabeleceu para as pessoas não ficarem o tempo todo na cama. Assim acontece com muitas coisas morais e físicas.


Bem lembrado Ham.
E mesmo neste caso ,como você disse ,vemos a atuação da lei de causa e efeito ,pois se a providência divina  envia estes "alertas" é justamente porque as ações do homem geraram a necessidade de aplicação deste recurso emergencial.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 21 de Agosto de 2012, 01:43
A médium psicógrafa e escritora Rita Foelker explica que esta Lei não se limita às ações praticadas na encarnação, mas liga fatos separados por séculos, por milênios, entre as inúmeras reencarnações do espírito, de acordo com o mais perfeito princípio de Justiça Divina. “Uma certa circunstância que cria um sofrimento em nossa vida presente, cuja causa não identificamos nela mesma, pode ter sido gerada no passado remoto”, explica. O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, também esclarece que “os sofrimentos por causas anteriores são, frequentemente, como os das faltas atuais. Quer dizer, por uma justiça rigorosa, o homem suporta o que fez os outros suportarem; se foi duro e desumano, ele poderá ser, a seu turno, tratado duramente e com desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer em uma condição humilhante”.


Querida Maria, Susana e demais companheiros de estudos, me atrevo a fazer uma pergunta que me incomoda há muito tempo, como podemos analisar a situação de Judas? Quem teria sido ele anteriormente para cumprir tão dolorosa pena de delação? Abraços
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 02:51
Amiga Ere,
Difícil saber.
Existem alguns relatos mediúnicos que tratam sobre Judas e sua traição.
O que posso fazer é trazê-los para que cada um chegue ás suas próprias conclusões.
grande abraço
susana

Uma Entrevista com Judas

Através da mediunidade de Chico Xavier*, o Espírito Humberto de Campos, o mais aplaudido cronista da vida além-túmulo, revela a verdadeira condição espiritual de Judas e desfaz a mitologia negativa das religiões dogmáticas que perseguem até hoje a memória do discípulo que traiu Jesus.
Silêncio augusto cai sobre a Cidade Santa. A antiga capital da Judéia parece dormir o seu sono de muitos séculos. Além, descansa Getsêmani, onde o Divino Mestre chorou numa longa agonia; acolá está o Gólgota sagrado, e em cada coisa silenciosa há um traço de Paixão que as épocas guardarão para sempre. E, em meio de todo o cenário, como um veio cristalino de lágrimas, passa o Cedron silencioso, como se suas águas mudas, buscando o Mar Morto, quisessem esconder das vistas dos homens os segredos insondáveis do Nazareno.
Foi assim, numa dessas noites, que vi Jerusalém, vivendo a sua eternidade de maldições.
Os Espíritos podem vibrar em contato direto com a História. Buscando uma relação mais íntima com a cidade dos profetas, eu procurava observar o passado vivo dos Lugares Santos. Parece que as mãos iconoclastas de Tito por ali passaram como executoras de um decreto irrevogável. Por toda a parte ainda persiste um sopro de destruição e desgraça. Legiões de duendes, embuçados nas suas vestimentas antigas, percorrem as ruínas sagradas e, no meio das fatalidades que pesam sobre o império morto dos judeus, não ouvem os gemidos da Humanidade invisível.
Nas margens caladas do Cedron, não longe talvez do lugar sagrado onde o Salvador esteve com os discípulos, divisei um homem sentado sobre uma pedra. De sua expressão fisionômica irradiava-se cativante simpatia.
- Sabe quem é este? Murmurou alguém nos meus ouvidos. Este é Judas...
- Judas?
- Sim, os Espíritos apreciam, às vezes, não obstante o progresso que já alcançaram, volver atrás, visitando os sítios onde se engrandeceram ou prevaricaram, sentindo-se repentinamente transportados aos tempos idos. Então mergulham o pensamento no passado, regressando ao presente, dispostos ao heroísmo necessário do futuro. Judas costuma vir à Terra, nos dias em que se comemora a Paixão de Nosso Senhor, meditando nos seus atos de antanho...
Aquela figura de homem magnetizava-me. Não estou ainda livre da curiosidade do repórter, mas entre as minhas maldades de pecador e a perfeição de Jesus havia um abismo. Meu atrevimento, porém, e a santa humildade do seu coração ligaram-se, para que eu o entrevistasse, procurando ouvi-lo.

Humberto - O senhor é de fato o ex-filho de Iscariotes?
Judas – Sim, sou Judas (respondeu enxugando uma lágrima nas dobras de sua longa túnica). Como o Jeremias, das Lamentações, contemplo às vezes esta Jerusalém arruinada, meditando no juízo dos homens transitórios...
Humberto – É uma verdade tudo quanto reza o Novo Testamento a respeito da sua personalidade, na tragédia da condenação de Jesus?
Judas – Em parte... Os escribas que redigiram os Evangelhos não atenderam às circunstâncias e à tricas políticas que, acima dos meus atos, predominaram na nefanda crucificação. Pôncio Pilatos e o tetrarca da Galiléia, além dos seus interesses individuais na questão, tinham ainda a seu cargo salvaguardar os interesses do Estado romano, empenhado em satisfazer as aspirações religiosas dos anciãos judeus. Sempre a mesma história. O Sinhedrin desejava o reino do Céu pelejando por Jeová a ferro e fogo; Roma queria o reino da Terra. Jesus estava entre essas forças antagônicas com a sua pureza imaculada. Ora, eu era um dos apaixonados pelas idéias socialistas do Mestre; porém, o meu excessivo zelo pela doutrina me fez sacrificar o seu fundador. Acima dos corações, eu via na política, a única arma com a qual poderia triunfar e Jesus não obteria nenhuma vitória com o desprendimento das riquezas. Com as suas teorias, nunca poderia conquistar as rédeas do poder, já que, em seu manto de pobre, se sentia possuído de um santo horror à propriedade. Planejei, então, uma revolta surda, como se projeta hoje em dia na Terra a queda de um Chefe de Estado. O Mestre passaria a um plano secundário e eu arranjaria colaboradores para uma obra vasta e enérgica, como a que fez mais tarde Constantino Primeiro, o Grande, depois de vencer Maxêncio às portas de Roma, o que, aliás, apenas serviu para desvirtuar o Cristianismo. Entregando, pois, o Mestre a Caifás, não julguei que as coisas atingissem um fim tão lamentável e, ralado de remorsos, presumi que o suicídio era a única maneira de me redimir aos seus olhos.
Humberto – E chegou a salvar-se pelo arrependimento?
Judas – Não. Não consegui. O remorso é uma força preliminar para os trabalhos reparadores. Depois da minha morte trágica, submergi-me em séculos de sofrimentos expiatórios da minha falta. Sofri horrores nas perseguições infligidas em Roma aos adeptos da doutrina de Jesus e as minhas provas culminaram em uma fogueira inquisitorial, onde, imitando o Mestre, fui traído, vendido e usurpado. Vítima da felonia e da traição, deixei na Terra os verdadeiros resquícios do meu crime, na Europa do século XV. Desde esse dia em que me entreguei por amor do Cristo a todos os tormentos e infâmias que me aviltavam, com resignação e piedade pelos meus verdugos, fechei o ciclo das minhas dolorosas reencarnações na Terra, sentindo na fronte o ósculo de perdão da minha própria consciência.
Humberto – E está hoje meditando nos dias que se foram...(pensei com tristeza).
Judas – Sim... estou recapitulando os fatos como se passaram. E agora, irmanado com Ele, que se acha no seu luminoso Reino das Alturas, que ainda não é deste mundo, sinto nestas estradas o sinal dos seus passos divinos. Vejo-o ainda na cruz, entregando a Deus o seu destino... Sinto a clamorosa injustiça dos companheiros que o abandonaram inteiramente e me vem uma recordação carinhosa das poucas mulheres que o ampararam no doloroso transe. Em todas as homenagens a Ele prestadas, eu sou sempre a figura repugnante do traidor. Olho complacentemente os que me acusam sem refletir se podem atirar a primeira pedra... Sobre meu nome pesa a maldição milenária, como sobre estes sítios cheios de miséria e de infortúnio. Pessoalmente, porém, estou saciado de justiça, porque já fui absolvido pela minha consciência, no tribunal dos suplícios redentores.
Quanto ao Divino Mestre (continuou Judas com seus prantos), infinita é a sua misericórdia e não só para comigo, porque, se recebi trinta moedas vendendo-o aos seus algozes, há muitos séculos Ele está sendo criminosamente vendido ao mundo, a grosso e a retalho, por todos os preços, em todos os padrões de ouro amoedado...
Humberto – É verdade!, concluí, e os novos negociadores do Cristo não se enforcam depois de vendê-lo.

Judas afastou-se, tomando a direção do Santo Sepulcro, e eu, confundido nas sombras invisíveis para o mundo, vi que no Céu brilhavam algumas estrelas sobre as nuvens pardacentas e tristes, enquanto o Cedron rolava na sua quietude como um lençol de águas mornas, procurando um mar morto. (19 Abr 1935).

“Crônicas de Além-Túmulo”, psicografado por Chico Xavier – FEB Editora
Fonte: telepatas
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------
Judas reencarnou como Joana D’arc
Por: Gerson Monteiro

Segundo Humberto de Campos, pelo médium Chico Xavier, a última reencarnação de Judas Iscariotes na Terra foi da conhecida heroína francesa Joana D'arc, queimada nas fogueiras inquisitoriais do século XV, conforme mensagem apresentada no livro Crônicas de Além Túmulo. Mesmo assim, lamentamos que sábado que vem, bonecos lembrando Judas serão queimados nas ruas. Porém, se analisarmos bem os fatos da Paixão de Cristo, chegaremos a conclusão que Judas foi mais um traído do que propriamente um traidor.

Essa afirmação tem base no diálogo entre ele e Tiago, no dia anterior à prisão de Jesus, no qual Judas revela o seu plano de simplesmente apressar o triunfo, no mundo, do Cristianismo, e não o de eliminar seu Mestre, que amava profundamente. Esta informação é do Espírito Humberto de Campos, publicada no livro Boa Nova, psicografado também pelo médium Chico Xavier, no capítulo A Ilusão do Discípulo.

A prova disso está no fato de que Judas Iscariotes, ao receber do Sinédrio as trinta moedas de prata como pagamento para entregar Jesus, não esperava receber o fel da amarga desilusão, ao ver o Cristo duramente torturado. Ao perceber a traição dos fariseus, pois não era isso que desejava para o seu Mestre, ele de imediato foi devolver as moedas recebidas para desfazer o acordo infeliz. Nesta oportunidade, porém, recebeu em troca a expressão de deboche dos príncipes dos sacerdotes: "Isso é contigo". Nada mais restava fazer para salvar o Mestre dos Mestres. Infelizmente o plano sinistro estava consumado!

Foi então que Judas, depois de assistir as cenas do Calvário, levado por tremendo remorso, cometeu o suicídio. No entanto, Jesus, após a sua morte e tocado de compaixão, foi ao encontro do espírito enlouquecido de Judas, permanecendo três dias ao seu lado até que ele adormecesse, segundo a revelação da poetisa desencarnada Maria Dolores, no livro Coração e Vida. Só depois desse gesto de amor e de perdão é que Jesus apareceu
materializado a Maria Madalena, segundo o Evangelho de João (Cap. 20: 11 a 18).

http://extra.globo.com/noticias/religiao-e-fe/gerson-monteiro/judas...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 03:02
Em resposta a amiga Ere:

Judas de Kerioth ou Joana d’Arc

A lei da reencarnação é um claro e insofismável ensinamento que encontramos no Evangelho de Jesus, no capítulo XVI:13 a 20, de Mateus ("Quem diz o povo ser o filho do homem?"); em João, III:1 a 12 (colóquio com Nicodemos), e IX:1 a 7 (cura de um cego de nascença).
Segundo Anatole France, a Universidade de Paris, então corporação eclesiástica, foi a principal responsável pela prisão e condenação de Joana d’Arc. Foi vendida pelo conde de Luxemburgo, por proposta da universidade, aos ingleses que a odiavam, por 10.000 libras, além de uma pensão vitalícia ao soldado que a prendera.

 Pedro Cauchon, bispo de Beauvais e aliado dos ingleses, dirigiu o processo de Rouen, constituído o tribunal de padres católicos, que não permitiram nenhuma defesa.
Léon Denis afirma que Joana d’Arc declarava ouvir de suas vozes: "Tem coragem! Serás libertada por uma grande vitória"; e também: "Sofrer é engrandecer-se, é elevar-se."

 Foi queimada viva em praça pública de Rouen, em 30 de maio de 1431. Quando as labaredas começaram a atingi-la, bradou em estado de êxtase: "E as minhas vozes não me enganaram, estou sendo libertada por uma "grande vitória". Vislumbrava uma bela cena espiritual em que via Jesus vindo pessoalmente ao seu encontro, acompanhado dos onze apóstolos e grande número de espíritos de luz, que a felicitaram, embora ela no momento ainda ignorasse que tivesse sido a reencarnação de Judas de Kerioth. Aliás, Judas era oleiro e natural de Kerioth, povoado situado a 35 quilômetros ao sul de Jerusalém. Era o único judeu entre os doze apóstolos.
A igreja católica, após muitos anos, por pressão do povo francês, sob o comando de Calixto III, mandou rever o processo, em 1455, reabilitando Joana d’Arc. Mais tarde, em abril de 1909, beatificou-a, canonizando-a, finalmente, em 16 de maio de 1920. O bispo Pedro Cauchon foi excomungado "post-mortem".
No 3º volume de Os Quatro Evangelhos, de J.-B. Roustaing, p. 207, 7ª edição, temos as palavras probantes de Jesus de que o apóstolo Judas viria a estar em situação idêntica à dos outros (Mateus, XIX: 28):

 "Em verdade vos digo que vós que Me seguistes, quando vier o Filho do Homem, ao tempo da regeneração, estiver assentado no trono da sua glória, também estareis assentados em doze tronos a julgar as doze tribos de Israel.

 "Estas palavras, cujo sentido ora conheceis, despojando o espírito da letra, Jesus as dirigiu: tanto aos onze apóstolos que se conservariam fiéis, como a Judas Iscariote que, sabia-o ele de antemão, viria a traí-lo, falindo gravissimamente à sua missão. Provam elas, portanto, que, nos séculos futuros, ao tempo da regeneração, Judas estará em situação igual à dos outros onze, provando, conseguintemente, que vias e meios de purificação e de progresso moral e intelectual lhe estavam reservados e lhe seriam proporcionados, com o auxílio do tempo, como a todos os Espíritos culpados, consistindo na expiação e na reencarnação que, conforme já dissemos, constituem o inferno, o purgatório, a reparação e o progresso.
"Aquelas palavras proclamaram previamente a falsidade do dogma humano, ímpio e monstruoso, da eternidade das penas para o Espírito culpado; desse inferno eterno que, segundo a Igreja romana, tragou para toda a eternidade a Judas Iscariote, que essa mesma Igreja considera o maior dos réprobos, condenado eternamente ao inferno eterno que ela instituiu."

Dentro da lei de Justiça, Amor e Caridade, Joana d’Arc foi a última reencarnação expiatória de Judas de Kerioth.
No livro Joana d’Arc Médium, Léon Denis assim descreve:
"Ela então se dirige a Isambard de la Pierre e diz: Eu vos peço, ide buscar-me a cruz da igreja mais próxima; quero tê-la erguida bem defronte de meus olhos, até o último instante. Quando lhe apresentaram a cruz, cobre-a de beijos e de pranto. No momento em que vai morrer de uma morte horrível, abandonada por todos, quer ter diante de si a imagem desse outro supliciado que, nos confins do Oriente, no cume de um monte, deu a vida em holocausto à verdade.

 "Os carrascos põem fogo à lenha e turbilhões de fumaça se enovelam no ar. A chama cresce, corre, serpeia por entre as pilhas de madeira. O Bispo de Beauvais acerca-se da fogueira e grita-lhe: Abjura! Ao que Joana, já envolvida num círculo de fogo, responde: "Bispo, morro por vossa causa, apelo do vosso julgamento para Deus!"
"Alguns minutos depois, em voz estridente, lança à multidão silenciosa, aterrorizada, estas retumbantes palavras: "Sim, minhas vozes vinham do Alto. Minhas vozes não me enganaram. Minhas revelações eram de Deus." Ecoa um grito sufocado, supremo apelo da mártir de Rouen ao Mártir do Gólgota: "Jesus".
Examinando a obra literária Crônicas de Além-Túmulo, psicografada por Francisco Cândido Xavier, em bela passagem de uma entrevista do espírito Humberto de Campos com Judas Iscariote, este, ao ser questionado por aquele se "chegou a salvar-se pelo arrependimento", responde:

 - "Não. Não consegui. O remorso é uma força preliminar para os trabalhos reparadores. Depois de minha morte trágica, submergi-me em séculos de sofrimentos expiatórios da minha falta. Sofri horrores nas perseguições infligidas em Roma aos adeptos da doutrina de Jesus e as minha provas culminaram em uma fogueira inquisitorial onde, imitando o Mestre, fui traído, vendido e usurpado. Vítima da felonia e da traição, deixei na Terra os derradeiros resquícios de meu crime, na Europa do século XV. Desde esse dia, em que me entreguei por amor do Cristo a todos os tormentos e infâmias que me aviltavam, com resignação e piedade pelos meus verdugos, fechei o ciclo das minhas dolorosas reencarnações na Terra, sentido na fronte o ósculo do perdão da minha própria consciência."

 Conforme se vê, Judas de Kerioth ou Joana d’Arc é de há muito, no plano espiritual, um espírito liberto, dotado de imensa humildade, comprovando que as vidas sucessivas no processo evolutivo nos dão a oportunidade de retornar ao caminho, conhecer a verdade religiosa para a vida em plenitude que o Mestre Jesus traçou (O Livro dos Espíritos, q. 625).

(Transcrito de O Franciscano, editado pela Associação Espírita Francisco de Assis, Rio de Janeiro, RJ, no período de 1996 a 1998, revisto pelo autor.)
Fonte: http://www.grupodosoito.com.br/subpaginas/judas.htm
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Ere em 21 de Agosto de 2012, 03:34
Amiga Ere,
Difícil saber.
 Existem alguns relatos mediúnicos que tratam sobre Judas e sua traição.
Oque posso fazer é trazê-los para que cada um chegue ás suas próprias conclusões.
grande abraço
susana
Citar

Agradeço muito pelos relatos apresentados, que me parecem extremamente coerentes, inclusive para explicar o sofrimento extremo de Joana D'Arc. Acredito que o estudo das biografias de pessoas importantes da humanidade podem nos ajudar a compreender muito as leis de causa e efeito.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 11:47

      - Porque uns são maus outros são bons?
      - Porque existem sofrimentos no mundo?
      - Como se coloca amor no coração?



Resposta ao amigo Coronel:


Caro Coronel,
Este é um estudo, ele tem uma sequência, primeiro identificamos o  problema, sua causa para ao longo do estudo abordarmos a terapêutica de cura.
O que ocorre é que a única forma de mudar pensamentos  e sentimentos é através de disciplina e firme propósito de se melhorar.
Então como fazer?
Primeiro, iniciando um sincero processo de autoconhecimento, pois só podemos identificar o que precisamos melhorar quando olhar com verdade para dentro de nós mesmos.
Ouvir críticas também ajuda, porque se várias pessoas diferentes dizem a mesma coisa a meu respeito é porque elas estão percebendo algo que talvez eu não esteja percebendo, então o próximo muitas vezes pode ser o seu mestre.
Depois, tomada consciência sobre nossas imperfeições é necessário buscar todo recurso terapêutico para nos melhorar.
Não existe receita de bolo, mas vários caminhos.
Uns o fazem através de terapia, outros através da meditação, yoga, outros através do engajamento em atividades que os fazem sair do seu "eu" como trabalho voluntário,outros através de leituras edificantes( o que lemos fica arquivado e se praticamos se torna um hábito),  enfim exitem um série de ferramentas disponíveis para nos auxiliar no processo de cura da alma.
A reforma íntima nada  mais é do que isso, identificar uma dificuldade e se esforçar para saná-la.
Como colocar amor num coração vazio?
Primeiro: plantando o amor dentro de si. Qualquer trabalho voluntário constante tem o poder e operar grandes transformações. Diante da dificuldade alheia saímos do nosso casulo e quando sentimos o próximo, suas necessidades, naturalmente nos tornamos mais compassivos e amorosos.
Todas as pessoas que conheci que desenvolveram algum tipo de atividade nesse sentido tiveram visíveis melhoras na forma como se relacionavam com o mundo, se tornaram mais virtuosas.
A caridade  é um eficiente medicamento para degelar corações.
Como mudar pensamentos?
Através de todas as práticas que eu citei acima.
A meditação e a yoga são ferramentas muito importantes para controlar a mente.
O homem sábio não é conduzido pela mente , ele a conduz. Ele não é um escravo dose sentidos, mas senhor do seu destino.
A yoga tem a habilidade de serenar a mente, diminuindo a turbulência e desordem dos nossos pensamentos.
Deus deixou o remédio para cada mal, só que cabe a nós pelo nosso próprio esforço encontrá-los.
Deixei neste comentário várias sugestões, cabe a ti escolher a que mais lhe agrade.

paz e luz
Susana

Amigo Coronel,
Respondo abaixo suas observações.   
Coronel: E é isso mesmo que vemos no mundo: sofrimentos inexplicáveis, até, por muitos, tidos por injustificáveis!
(...)
Vemos no mundo sofrimentos de todas as espécies; mas nada vemos q nos leve a concluir, sem sombra de dúvida, q aqueles q sofrem agiram errada ou maldosamente!  Esses conceitos são resultantes da crença de que “você colhe o q plantou!”; de q a justiça divina, sempre e inexoravelmente, alcança aquele q errou, para q aprenda a lição e não mais erre, crença plenamente aceita pelas doutrinas reencarnacionistas.


Susana: Estes sofrimentos até podem ser inexplicáveis e injustificáveis para quem não é espírita, para quem o é está tudo bem explicado na doutrina, em especial no "Livro dos espíritos", no "Evangelho Segundo o Espiritismo e em "O Céu e o Inferno".
Estes conceitos não são resultado da "crença" "colheu, plantou" mas da leitura da doutrina espírita e dos ensinamentos de Jesus.
Coronel precisamos decidir uma coisa: somos ou não espíritas?
Se somos ,acreditamos na base codificada por Allan Kardec, se não somos, não acreditamos naquilo.
Pois bem, espalhadas por toda a codificação temos as afirmações dos espíritos de que estamos aqui expiando faltas, de que o sofrimento de hoje é resultado que fizemos nesta vida e em outras existências, etc.
Se você separar um tempo e ler com calma e atenção tudo o que foi postado aqui, irá verificar que existem várias passagens da doutrina em que os espíritos dizem isso com toda as letras , sem deixar margem a nenhuma dúvida.
Então aqui tudo o que está sendo discutido está pautado na codificação, e vai ao encontro do que disseram os espíritos superiores.
Não vou copiar as questões novamente porque creio não haver necessidade , uma vez que são muitas e basta você rolar as páginas do estudo para encontrá-las.
Coronel, percebo que você tem tido dificuldade de aceitar a existência do mal e do sofrimento, mas amigo, a doutrina explica o que chamas de inexplicável, ela diz que Deus não nos pune e que somos nós que buscamos estas experiências para nosso burilamento.
Hoje talvez você esteja tendo dificuldade de conceber que alguém em sã consciência escolha sofrer, mas isso é porque está com a visão obscurecida pela matéria,quando o espírito se encontra livre da influência do corpo físico ele vê as coiasas de outro ãngulo, de uma forma mais ampla e magnâmica, entende que a existência humana por mais longa que seja representa menos que um segundo diante da eternidade.

Coronel: Amigo: Como entender uma pessoa que nasce cega, demente, com síndrome de down... etc ? Isso não seria uma retribuição causada por erros do passado , a tal expiação ?

Susana: É extamente o que dizem dezenas e dezenas  de passagens do Livro dos Espíritos, só que a palavra não é retribuição, mas consequência, que aliás ele mesmo aceita de bom grado para ficar em paz com sua consciência

Coronel: vamos raciocinar: primeiro, se temos o livre-arbítrio e podemos escolher praticar o bem e, conseqüentemente, ser felizes, porq escolhemos praticar o mal, que é o mesmo q escolher ser infelizes?

Susana:
466 do LE- Por que permite Deus que Espíritos nos excitem ao mal?
 
“Os Espíritos imperfeitos são instrumentos próprios a por em prova a fé e a constância dos homens na prática do bem.
Como Espírito que és, tens que progredir na ciência do infinito. Daí o passares pelas provas do mal, para chegares ao bem.
 A nossa missão consiste em te colocarmos no bom caminho. Desde que sobre ti atuam influências más, é que as atrais, desejando o mal; porquanto os Espíritos inferiores correm a te auxiliar no mal, logo que desejes praticá-lo. Só quando queiras o mal, podem eles ajudar-te para a prática do mal. Se fores propenso ao assassínio, terás em torno de ti uma nuvem de Espíritos a te alimentarem no íntimo esse pendor. Mas outros também te cercarão, esforçando-se por te influenciarem para o bem, o que restabelece o equilíbrio da balança e te deixa senhor dos teus atos.”


Coronel, não vou me estender muito para não desvirtuar o estudo e daqui a pouco estarmos discutindo a origem da maldade humana.
Sugiro que leia por favor o Livro dos Espíritos : Livro Terceiro-Leis Morais- Capítulo I: O Bem e o Mal e, a obra " A Gênese", a origem do Bem e do Mal.
Lá encontrará todas as respostas que busca.
Continua.....
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 11:56
Continuação da resposta a Coronel:


Coronel: Se Deus é sabedoria (ou onisciente), nos criou a todos, mesmo sabendo (ou Deus não sabia e foi surpreendido pelos absurdos q faríamos?!) q, após a criação, apresentaríamos defeitos inomináveis (defeitos de fabricação?!) q trariamos extremos sofrimentos a nós mesmos e a nossos semelhantes,  q cometeríamos tragédias e desgraças etc?

Susana: Quem disse que Deus não sabia? Deus é onisciente lembra?
Não há defeito nenhum, o que chamas de defeito é apenas uma aspecto do aprendizado e resultado da nossa visão limitada diante dos acontecimentos.
Nosso julgamento está equivocado porque estamos vendo só a ponta do iceberg.
Amigo Coronel, o bem e o mal é apenas a forma como nossa mente dual vê as coisas, o cosmos não se rege pela dualidade, muito menos o Criador.
Deus criou coisas simplesmente, nós humanos é que as dividimos em boas e más porque esta é a linguagem que entendemos e é por esta razão que os espíritos se dirigiram a nós usando nossa linguagem.

Coronel: E ficamos nos perguntando: será q a infinita sabedoria só sabe criar seres que só entendentendem a linguagem da dor? Que a infinita sabedoria só sabe criar, para suas criaturas, os espíritos, um processo de ensinar a evoluir, cujo método mais aplicado e mais eficiente, sejam os sofrimentos?! Os terríveis, torturantes, desesperadores e muitas vezes insuportáveis sofrimentos q vemos no mundo?!
Susana:
Questão 634 do LE- Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?

“Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação. Se não existissem montanhas, não compreenderia o homem que se pode subir e descer; se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. É preciso que o Espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mau. Eis por que se une ao corpo.


Trabalhe pela sua reforma íntima e paute sua conduta nos ensinamentos de Jesus se quer ter o direito de habitar mundos mais venturosos.
A Terra é a escola para aqueles que ainda não aprenderam a lição do amor incondicional.
Não aquele amor que temos pelos filhos, pelos pais, pelos amigos e por nós mesmos, mas o amor incodicional por todas as criaturas, o mesmo amor de Jesus.
Enquanto não aprendermos esta lição continuarem aqui repetindo de ano, tanto você  quanto eu.
O que vemos no mundo é o reflexo do estado evolutivo de seus habitantes.
As atrocidades que você vê hoje possivelmente também praticamos em outras encarnações, então cada encarnação é um passo no caminho da libertação.

Coronel:  É, realmente, necessário raciocinar!

Susana:  Amigo Coronel, além dé raciocinar, também é necessário ler e estudar a doutrina.

 paz e luz!
 abraços
 Susana

     Amigo Coronel,
Por favor leia o que já foi postado ao longo do estudo.
Está sendo repetitivo nas suas observações, você já encaminhou um comentário anterior com questionamentos similares e que já foi respondido.
Além disso, no tópico "opiniões sobre o egoísmo" também já falamos sobre isso, você postou um comentário bem parecido, inclusive com os mesmos exemplos.
Esta postura inconformista é até compreensível entre aqueles que não conhecem a doutrina espírita ,mas me surpreende muito vê-la entre os adeptos do espiritismo.
Vamos combinar uma coisa? Leia por favor os textos que indiquei, pois suas afirmações
 mostram que não o fez.
Temos dois caminhos Coronel:  ou estudamos a doutrina ou estudamos a doutrina.
 Se o amigo não compreende a origem do sofrimento humano e todas as  suas nuances apesar dela já ter sido explicada na codificação, então infelizmente não há nada que eu possa fazer.

paz e luz!
abraços
Susana

Amigo Coronel, favor ler as mensagens postadas no estudo, indicadas abaixo:
Mensagem 153 Destinação da Terra. Causa das Misérias Humanas
Mensagem 155 Causas Atuais das Aflições
Mensagem 156 Causas Anteriores das Aflições
Mensagem 157 Motivos de Resignação
Texto os vários níveis do ser humano:
http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/os-niveis-do-ser-humano/msg216666/#msg216666

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: jania.j@hotmail.com em 21 de Agosto de 2012, 15:14
Existe o Ser e o Ter, muitas vezes nós ainda só temos e ai entra as doenças do nosso corpo por ainda termos os maus pensamentos, os maus sentimentos, e esse apoderamento do que é ruim nos traz os desequilíbrios e quem sofre é claro e notório,  nosso corpo físico e a "lei de causa e efeito" nos cobra em determinado momento. Pode ser agora ou não. Parabéns ao Forumespirita
pelo tema abordado aqui.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Mourarego em 21 de Agosto de 2012, 15:39
Muitas pessoas atribuem a coisa que não existe, que é vida passada, pois que o Espírito não morre jamais, doenças que para estas não entendem o porque de eclodirem.
Nada vem por osmose, mas a maioria dos males que nos afligem hoje, tem origem nesta encarnação e não nas outras.
Num exemplo: Eu aos 15 já fumava, aos 20 fumava 4 maços, depois parei por uns tempos mas voltei e fumo demais hoje, quando o enfizema, o cancer de laringe, de fígado, de pulmão ou rins baterem na minha porta  ainda que saiba que fui em quem deu a causa,. ainda ouvirei de Espíritas que os chamo de "Espíritas de porco" tais assertivas totalmente sem pé e nem cabeça.
Abraços,
Moura

Bom dia a todos.  Estou lendo com muita atençao o estudo, mas me passou uma dúvida?  Como podemos entender as doenças que muitos dizem que nos vem de vidas passadas, por exemplo um carcer que aparece do nada em pessoas que estão constantemente fazendo exames e dadas como pessoas de boa saúde?  Gostaria de algumas sugestões.  Obrigado
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 19:35
Muitas pessoas atribuem a coisa que não existe, que é vida passada, pois que o Espírito não morre jamais, doenças que para estas não entendem o porque de eclodirem.
Nada vem por osmose, mas a maioria dos males que nos afligem hoje, tem origem nesta encarnação e não nas
Abraços,
Moura
É isso aí Moura.
A doutrina diz que a maior parte dos nossos males encontram origem nesta vida.
Só no caso da causa não se encontrar nesta existência é que poderia-se atribuir sua origem a encarnações passadas, é o que afirmam os espíritos.
O que a amiga Aluada trouxe, me parece ser aqueles casos onde aparentemente não há nada na conduta do enfermo que teria dado causa a doença.
Porém ,lembrei que ás vezes apesar de parecer que não há uma causa ,  se formos investigar com mais cuidado é possível que encontremos algum fator de risco, muitas vezes ignorado pelo próprio doente.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 19:37
Existe o Ser e o Ter, muitas vezes nós ainda só temos e ai entra as doenças do nosso corpo por ainda termos os maus pensamentos, os maus sentimentos, e esse apoderamento do que é ruim nos traz os desequilíbrios e quem sofre é claro e notório,  nosso corpo físico e a "lei de causa e efeito" nos cobra em determinado momento. Pode ser agora ou não. Parabéns ao Forumespiritapelo tema abordado aqui.

Seja bem vinda ao estudo Jania e obrigada pela participação.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Mourarego em 21 de Agosto de 2012, 19:40
Só para corroborar a tua assertiva Susaninha:
Pergunte-se a muitas pessoas: Qual a notícia que veio como manchete da segunda página do jornal que você elu hoje (repare que nem mesmo quero chegar em ontem), e a reposta será: "Não lembro".
Ora se nem disso nos lembramos, e muitas vezes eu mesmo não lembro nem qual foi meu almoço, ontem mesmo me esqueci de almoçar, como vamos poder afirmar sobre o que nos aconteceu num passado mais distante mesmo que nesta encarnação?
abraços,
Moura
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Marlenedd em 21 de Agosto de 2012, 19:49
Susana e Moura, em relação às causas que debatem não se esqueçam da primeira questão da doutrina: Deus é o Causador de tudo e todas as coisas.

Se isto não chegar, lembrem-se ainda que Deus, o Causador é Único. O resto, diz a doutrina que são efeitos, impressões, sensações, instrumentos de Deus.

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: aluada em 21 de Agosto de 2012, 19:53
Boa tarde Moura....   Concordo em relação ao esquecimento, agora em relação a termos doenças pelo mau pensamento que cultivamos e pelos maus sentimentos como abordou nossa Jania tenho dúvidas visto que não somos perfeitos, com certeza já  cultivamos um pouco de ressentimento, raiva....  mas depois vem o arrependimento e vc aprende a perdoar a si mesmo e aprende o quanto isso faz mal não especificamente à saúde física mas sim ao nosso eu, nossa existencia.  Bjs
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 21:45
Susana e Moura, em relação às causas que debatem não se esqueçam da primeira questão da doutrina: Deus é o Causador de tudo e todas as coisas.

Se isto não chegar, lembrem-se ainda que Deus, o Causador é Único. O resto, diz a doutrina que são efeitos, impressões, sensações, instrumentos de Deus.

Sim amiga Marlenne, você já tinha nos lembrado sobre isso no início do estudo.
abraços
Susana
Não se esqueçam de Deus, por favor, porque além de Deus, o causador de tudo e todas as coisas, só há efeitos.

Profissão de fé espírita raciocinada

1. Há um Deus, inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas.

A prova da existência de Deus está no axioma: Não há efeito sem causa. Vemos incessantemente uma multidão inumerável de efeitos, cuja causa não está na Humanidade, uma vez que a Humanidade está impossibilitada de reproduzi-los, e mesmo de explicá-los: a causa está, pois, acima da Humanidade. É a essa causa que se chama Deus, Jeová, Alá, Brama, Fo-hi, Grande Espírito, etc., segundo as línguas, os tempos e os lugares.

Esses efeitos, de nenhum modo, não se produzem ao acaso, fortuitamente e sem ordem; desde a organização do menor inseto, e do maior grão, até à lei que rege os mundos circulando no espaço, tudo atesta um pensamento, uma combinação, uma previdência, uma solicitude que ultrapassam todas as concepções humanas. Essa causa é, pois, soberanamente inteligente.

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 21 de Agosto de 2012, 22:01
Concordo em relação ao esquecimento, agora em relação a termos doenças pelo mau pensamento que cultivamos e pelos maus sentimentos como abordou nossa Jania tenho dúvidas visto que não somos perfeitos, com certeza já  cultivamos um pouco de ressentimento, raiva....  mas depois vem o arrependimento e vc aprende a perdoar a si mesmo e aprende o quanto isso faz mal não especificamente à saúde física mas sim ao nosso eu, nossa existencia.  Bjs

O que a amiga Jania trouxe de fato ocorre. Inclusive a ciência já tem conseguido demonstrar como sentimentos e pensamentos podem desencadear doenças.
Os hormônios são os responsáveis por transformar o que ocorre em nível emocional e mental em manifestações físicas.
Trouxe ao longo do estudo alguns textos do médico indiano Dr Deepak Chopra que explicam melhor este mecanismo, vale a pena dar uma conferida.
Tem duas postagens, em especial, que falam bem sobre isso:

Em Conexão Saúde, o médico mostra como as evidências científicas conduziram uma revisão dos conceitos acerca da influência da mente na saúde dos pacientes:

“As mais prestigiadas publicações médicas ridicularizavam o conceito de que a doença e a saúde dependiam de algo tão nebuloso quanto a mente dos pacientes.
Agora, porém, tudo iria mudar. A conexão mente-corpo era real, e ali estava a prova, uma torrente de moléculas mensageiras (os hormônios), pouco compreendidas antes dos anos 70, que fluíam pela corrente sanguínea transformando pensamentos, desejos, crenças, preconceitos, desejos, sonhos e medos em realidade física.
A mente se torna matéria, não em um passe de mágica, mas como processo natural dos cinquenta trilhões de células do corpo.
Você não experimenta uma única emoção, sem compartilhá-la  com as células do corpo, dos pulmões, rins, estômago e intestinos. Estes órgãos participam da sua vida tanto quanto o cérebro.”
 
Ainda De acordo com Dr Chopra :

“ A saúde é nosso estado natural. Segundo a Organização Mundial da Saúde, saúde é mais do que a ausência de doença ou enfermidade, é o estado perfeito de bem-estar físico,mental e social.
A esta definição podemos acrescentar o bem-estar espiritual, uma condição na qual a pessoa experimenta em todos os momentos alegria e satisfação em viver, a sensação de plenitude e a consciência de estar em harmonia com todo o universo que a cerca”.


O médico francês Dr David Servan no seu livro “Anticâncer”, baseado em pesquisas científicas, reforça a importância de mantermos uma atitude positiva diante da vida e como este comportamento pode ter efeito decisivo sobre a progressão de tumores cancerígenos.

A investigação mais profunda sobre o funcionamento dos hormônios está permitindo a ciência desvendar parte de como acontece este processo, mas ele só será inteiramente compreendido o dia que as fronteiras se estenderem além da mente e chegarem até a realidade do espírito.
(...)
Segundo Dr Chopra, a origem de mais de 90% dos casos de hipertensão permanece desconhecida:
“ Há indícios de que estímulos psicológicos anormais desempenham algum papel na gênese da hipertensão.
Animais expostos experimentalmente a estresse crônico podem se tornar hipertensos e o estresse psicológico é frequentemente detectado em pacientes com pressão alta.
Desse modo, a maior parte dos médicos, associa estresse, especialmente, psicológico-muito embora para eles isso seja uma espécie de realidade intangível com hipertensão.
(...)
Os médicos acreditam que a ansiedade, o medo e a raiva produzem alterações e alguns elementos químicos do cérebro.
(...)
Em um futuro próximo os biólogos estarão estudando as mudanças ocorridas nos neurotransmissores  quando estes forem estimulados por pensamentos positivos, como amor, compaixão, paz, coragem fé e esperança.
O mais importante é definir o caminho exato percorrido pelos pensamentos no processo de se transformarem em moléculas orgânicas.”

Nosso corpo possui mecanismos para transformar sentimentos , pensamentos e emoções em substâncias químicas que irão interferir diretamente no funcionamento do organismo, onde sentimos na própria pele, no próprio corpo, a ação incessante da lei da causa e efeito.
A raiva ,por exemplo, libera os chamados hormônios do stress, adrenalina e cortisol, que são agentes tóxicos diretamente relacionado a eclosão de várias enfermidades, inclusive câncer.
É o mecanismo biológico a serviço do espírito, transformando sentimentos em realidade física.



Ninguém intencionalmente deseja ter câncer, porém de acordo com a metafísica da saúde somos em parte responsáveis por nossas doenças porque podemos ou não abrir as portas para que elas entrem.
Pensamentos e sentimentos positivos  equilibrados interferem positivamente no organismo e no sistema imunológico, do contrário pensamentos e emoções em desequilíbrio deprimem o sistema imunológico.
Claro que não basta que vc se sinta  deprimida pelo término de uma relação,se indisponha no trabalho ou brigue com o marido para que surja um tumor cancerígeno.
Não são sentimentos e pensamentos negativos eventuais que terão um impacto significativo na sua saúde, mas a constância e habitualidade destes.
Existe um abismo entre estra deprimida e viver deprimida, entre ter uma decepção e guardar mágoa e rancor, entre se magoar e não perdoar, entre sentir raiva e ser colérico.
Não é uma ação isolada que irá determinar o rumo das coisas, mas o estado de espírito predominante.
Se a soma das emoções e pensamentos negativos durante um longo período for maior que os positivos, esteremos criando um terreno fértil para que a enfermidade se instale.
Lembrando que o câncer não surge de uma hora para outra. Ele é construído por anos, lentamente até que consiga ser detectado.
Trata-se  uma doença multifatorial onde agentes internos e externos trabalham de forma sinérgica.
Nós não criamos o câncer, mas podemos contribuir para seu desenvolvimento, sendo co autores do processo ,pois somos nós que fornecemos o meio adequado para que ele se desenvolva ou não, através não só do através do que ingerimos, consumimos, usamos, bebemos, respiramos, mas também do que sentimos e pensamos.
Aí se verifica também o quão importante é a reforma íntima e a forma como lidamos com os desafios da vida.
Neste caso a origem da enfermidade, também em função da lei de  causa e efeito, opera-se na existência atual sem nenhum componente cármico.
É desta forma que a metafísica costuma ver não só o câncer, mas as doenças em geral.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 21 de Agosto de 2012, 22:46
      Susana Fernandes   (resp msg #150)

      = Como aconselha Karde, é necessário raciocinar! =

      Susana escreveu: Por favor, leia o que já foi postado ao longo do estudo. Está sendo repetitivo nas suas observações, você já encaminhou um comentário anterior com questionamentos similares e que já foi respondido.

      Cel: minha querida amiga, fique certa q leio sempre o q é postado nos tópicos de q participo, tanto q penso q os amigos ficam até mesmo cansados de ver qtas questões relativas a eles coloco; até já me perguntaram se meu teclado só tem ponto de interrogação.

      E minha intenção é exatamente essa: sempre trazer questões, repetitivas q sejam, na tentativa de contribuir levando os companheiros à reflexão e, se possível, a q abram os olhos e se sintam motivados a estudar, pesquisar e buscar a Verdade!

      Também, por isso, sempre sou repetitivo, colocando questões, já antes, postadas; e isto se deve ao fato de sempre termos companheiros novos (q, por serem novos, não tentei, ainda, tentar fazer com q reflitam!); e, sobretudo, ao fato de, ao contrário do q a amiga disse acima, <nunca> obter respostas, senão algumas sempre evasivas, ou q não suportam questionamentos.  Nunca vejo respostas q se mostrem definitivas.

      E outra coisa pela qual sempre questiono: é difícil encontrar companheiros q não se refiram somente ao q está escrito nos livros básicos; embora a doutrina recomende “raciocinar”, estudar, comparar, muitos têm colocado a cabeça dos q, antes deles interpretaram, acima da sua, como se receassem sair da linha de pensamentos de sua crença.   

      Susana: Além disso, no tópico "opiniões sobre o egoísmo" também já falamos sobre isso, você postou um comentário bem parecido, inclusive com os mesmos exemplos.

      Esta postura inconformista é até compreensível entre aqueles que não conhecem a doutrina espírita ,mas me surpreende muito vê-la entre os adeptos do espiritismo.

      Cel: não é isso, amiga Susana; nada de inconformismo; como lhe disse, a intenção é contribuir para q outros abram o seu leque de buscas (como aconselha a codificação e como Paulo aconselhou: “estudai de tudo e guardai o q for bom!”). Na verdade, nem espero respostas, mas, sim, q reflitam! E, nisso, há, também, é certo, um pouco de egoísmo pois q, se outros abrirem os olhos e caminharem ao encontro da verdade, o mundo será melhor também para mim!

      Susana: Vamos combinar uma coisa? Leia por favor os textos que indiquei, pois suas afirmações mostram que não o fez.

      Cel: devo discordar da amiga; como coloquei acima, leio todos eles e respondo, ou comento aqueles q achar q vale a pena, para entendimento ou reflexão de alguém mais. Assim, se eu estiver errando, peço-lhe, mesmo por favor q, se tiver tempo e não lhe for trabalhoso, a amiga me questione sobre eles e mesmo me diga porq supõe q não os li. Tenho certeza q a amiga nada poderá dizer.

      Susana: Temos dois caminhos Coronel:  ou estudamos a doutrina ou estudamos a doutrina.

      Cel: minha amiga, como estudar algo, sem estudar aquilo q existe em torno ou além (além no sentido de fora) desse algo?! Com saber o q é melhor, ou q contém ensinamentos q nosso íntimo mais aceite, se não olhamos para os lados, como Kardec aconselhou? Só podemos “sentir”, o q para nós é melhor, comparando o conhecimento q já temos, com os conhecimentos q nos vêm de estudos novos, certo?

      Susana: Se o amigo não compreende a origem do sofrimento humano e todas as  suas nuances apesar dela já ter sido explicada na codificação, então infelizmente não há nada que eu possa fazer.

      Cel: pois exatamente aí está um ponto interessante e q, como a amiga afirma q já está explicado, lhe pediria q me dissesse onde está explicado.

      Observe q, pela doutrina, todos os q sofrem, sofrem porq erraram (evidentemente aí, pela doutrina, devem ser excluídos os q sofrem porq, de um modo ou de outro, escolheram sofrer) e, portanto, a divina lei de retribuição os alcança porq merecem sofrer; dentro desse entendimento, sofrem mais os q erraram proporcionalmente mais, certo? Então, tanto nos erros como nos sofrimentos, vemos desigualdades gigantescas entre os espíritos encarnados. E aí vai uma questão, sempre repetida, mas para a qual ninguém, nem a doutrina, nem qualquer religião popular ou organizada conforme escritos considerados sagrados, consegue apresentar solução: Qual é a causa dessas desigualdades? Não me refiro às desigualdades de procedimentos errados, relativas ao errado uso do livre-arbítrio, mas àquela desigualdade q, na primeira encarnação consciente, passamos a apresentar.

      Éramos todos perfeitamente iguais; no entanto, a partir de certo momento, nos tornamos desiguais. Porq? A resposta, aí, não pode ser q as desigualdades são provocadas pelo desigual uso do livre-arbítrio, pois se somos perfeitamente iguais, no principio, nossos livres-arbítrios, também, são iguais, no princípio.

      Essa é uma pergunta, cuja resposta será de grande importância para todos, mas q a amiga, todas as religiões e doutrinas do mundo, e todos seus seguidores, não saberão responder.

      Essa é uma das questões q sempre são repetidas, cujo objetivo é despertar, nos companheiros, a vontade de questionar, refletir e, afinal, tentar encontrar a resposta. Com isso, terão de alargar seu leque de buscas e, eventualmente, poderão encontrar a solução que procuram.
.........................................     
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 22 de Agosto de 2012, 00:41
      Susana Fernandes   (resp msg #150)

      = Como aconselha Karde, é necessário raciocinar! =

      Susana escreveu: Por favor, leia o que já foi postado ao longo do estudo. Está sendo repetitivo nas suas observações, você já encaminhou um comentário anterior com questionamentos similares e que já foi respondido.

      Cel: minha querida amiga, fique certa q leio sempre o q é postado nos tópicos de q participo, tanto q penso q os amigos ficam até mesmo cansados de ver qtas questões relativas a eles coloco; até já me perguntaram se meu teclado só tem ponto de interrogação.

      E minha intenção é exatamente essa: sempre trazer questões, repetitivas q sejam, na tentativa de contribuir levando os companheiros à reflexão e, se possível, a q abram os olhos e se sintam motivados a estudar, pesquisar e buscar a Verdade!

Questões repetitivas não estimulam ninguém a raciocinar, ao contrário, é algo cansativo e desestimulante.
Se quer realmente motivar as pessoas ao estudo já lhe adianto que está usando a estratégia errada.
A técnica da repetição causa justamente o efeito contrário, além do mais o estudo mensal é algo dinâmico e não comporta este tipo de abordagem.
Peço então a gentileza amigo Coronel de trazer questionamentos diversos dos já trazidos e  não se preocupe, tudo o que você disse está registrado aqui, em algum momento as pessoas que participam do estudo irão ler seus comentários e farão suas reflexões.

        E outra coisa pela qual sempre questiono: é difícil encontrar companheiros q não se refiram somente ao q está escrito nos livros básicos; embora a doutrina recomende “raciocinar”, estudar, comparar, muitos têm colocado a cabeça dos q, antes deles interpretaram, acima da sua, como se receassem sair da linha de pensamentos de sua crença.   
Coronel, não sou nem um pouco ortodoxa..
Se você observar aqui no estudo, apesar de ter trazido muitas passagens da codificação e dos ensinamentos de Jesus, tem aqui: textos de André Luiz, de Emmanuel, de Joanna de Ângelis,etc.
Tem texto até falando de carma dentro da concepção oriental, tem texto de médico indiano...
Apesar de predominar passagens da codificação, deixei o estudo fluir de forma bem livre, solta, de modo que essa sua observação, em relação a este tópico, não tem fundamento.

      Susana: Além disso, no tópico "opiniões sobre o egoísmo" também já falamos sobre isso, você postou um comentário bem parecido, inclusive com os mesmos exemplos.

      Esta postura inconformista é até compreensível entre aqueles que não conhecem a doutrina espírita ,mas me surpreende muito vê-la entre os adeptos do espiritismo.

      Cel: não é isso, amiga Susana; nada de inconformismo; como lhe disse, a intenção é contribuir para q outros abram o seu leque de buscas (como aconselha a codificação e como Paulo aconselhou: “estudai de tudo e guardai o q for bom!”). Na verdade, nem espero respostas, mas, sim, q reflitam! E, nisso, há, também, é certo, um pouco de egoísmo pois q, se outros abrirem os olhos e caminharem ao encontro da verdade, o mundo será melhor também para mim!

Coronel:
"E é isso mesmo que vemos no mundo: sofrimentos inexplicáveis, até, por muitos, tidos por injustificáveis!

Cel: vemos no mundo sofrimentos de todas as espécies; mas nada vemos q nos leve a concluir, sem sombra de dúvida, q aqueles q sofrem agiram errada ou maldosamente! Esses conceitos são resultantes da crença de que “você colhe o q plantou!”; de q a justiça divina, sempre e inexoravelmente, alcança aquele q errou, para q aprenda a lição e não mais erre, crença plenamente aceita pelas doutrinas reencarnacionistas."


O amigo diz que estuda a doutrina e que não tem nada na doutrina que responda seus questionamentos.
Pois bem, sou obrigada a discordar. 
Leia por favor o texto, que posto novamente, abaixo:

Boa Noite a todos! :)
Diante de alguns questionamentos levantados  acerca do porquê da existência do sofrimento humano, trago um trecho do Evangelho Segundo o Espiritismo para meditarmos:

Capítulo III- Há Muitas Moradas na casa de meu Pai

Destinação da Terra. Causa das Misérias Humanas


" 6 – Admira-se de haver sobre a Terra tantas maldades e tantas paixões inferiores, tantas misérias e enfermidades de toda sorte, concluindo-se que miserável coisa é a espécie humana.
Esse julgamento decorre de uma visão estreita, que dá uma falsa idéia do conjunto.
È necessário considerar que toda humanidade não se encontra na Terra, mas apenas uma pequena fração dela.


Porque a espécie humana abrange todos os seres dotados de razão, que povoam os inumeráveis mundos do Universo. Ora, o que seria a população da Terra, diante da população total desses mundos?
Bem menos que a de um lugarejo em relação a de um grande império. A condição material e moral da humanidade terrena nada tem, pois, de estranho, se levarmos em conta o destino da Terra e a natureza de sua população.


7 – Faríamos uma idéia muito falsa da população de uma grande cidade, se a julgássemos pelos moradores dos bairros mais pobres e sórdidos. Num hospício, só vemos doentes e estropiados; numa presídio, vemos todas as torpezas, todos os vícios reunidos; nas regiões insalubres, a maior parte dos habitantes são pálidos, fracos e necessitados.
Pois bem: consideremos a Terra como um subúrbio, um hospício, uma penitenciária, um país malsão, porque ela é tudo isso a um só tempo, e compreenderemos porque as suas aflições sobrepujam os prazeres. Porque não se enviam aos hospitais as pessoas sadias, nem às casas de correção os que não praticam crimes, e nem os hospitais, nem as casas de correção, são lugares de delícias.

Ora, da mesma maneira que , numa cidade, toda a população não se encontra nos hospitais ou nas prisões, assim a humanidade inteira não se encontra na Terra. E como saímos do hospital quando estamos curados, e da prisão quando cumprimos a pena, o homem sai da Terra para mundos mais felizes, quando se acha curado de suas enfermidades morais."
abraços
susana

Então pergunto ao amigo: como os sofrimentos são inexplicáveis e injustificáveis se a doutrina já explicou o porquê de existir sofrimento neste planeta?
Inconformismo significa : falta de conformação,aceitação, anuência, resignação.
Se apesar das explicações dos espíritos continua não entendendo e aceitando a existência do sofrimento, isso se chama inconformismo.

Continua...

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 22 de Agosto de 2012, 00:43
Continuação..

E tem mais:
Causas Anteriores das Aflições

 "6 – Mas se há males, nesta vida, de que o homem é a própria causa, há também outros que, pelo menos em aparência, são estranhos à sua vontade e parecem golpeá-lo por fatalidade. Assim, por exemplo, a perda de entes queridos e dos que sustentam a família.
Assim também os acidentes que nenhuma previdência pode evitar; os revezes da fortuna, que frustram todas as medidas de prudência; os flagelos naturais; e ainda as doenças de nascença, sobretudo aquelas que tiram aos infelizes a possibilidade de ganhar a vida pelo trabalho: as deformidades, a idiota, a imbecilidade etc.       

Os que nascem nessas condições, nada fizeram, seguramente, nesta vida, para merecer uma sorte triste, sem possibilidade de compensação, e que eles não puderam evitar, sendo impotentes para modificá-las e ficando à mercê da comiseração pública. Por que, pois, esses seres tão desgraçados, enquanto ao seu lado, sob o mesmo teto e na mesma família, outros se apresentam favorecidos em todos os sentidos?

Que dizer, por fim, das crianças que morrem em tenra idade e só conheceram da vida o sofrimento?
 Problemas, todos esses, que nenhuma filosofia resolveu até agora, anomalias que nenhuma religião pode justificar, e que seriam a negação da bondade, da justiça e da providência de Deus, segundo a hipótese da criação da alma ao mesmo tempo em que o corpo, e da fixação irrevogável da sua sorte após a permanência de alguns instantes na Terra.
Que fizeram elas, essas almas que acabam de sair das mãos do Criador, para sofrerem tantas misérias no mundo, e receberem, no futuro, uma recompensa ou uma punição qualquer, se não puderam seguir nem o bem nem o mal?

Entretanto, em virtude do axioma de que todo efeito tem uma causa, essas misérias são efeitos que devem ter a sua causa, e desde que se admita a existência de um Deus justo, essa causa deve ser justa.
 Ora a causa sendo sempre anterior ao efeito, e desde que não se encontra na vida atual, é que pertence a uma existência precedente
Por outro lado, Deus não podendo punir pelo bem o que se fez, nem pelo mal que não se fez, se somos punidos, é que fizemos o mal. E se não fizemos o mal nesta vida, é que o fizemos em outra. Esta é uma alternativa a que não podemos escapar, e na qual a lógica nos diz de que lado está à justiça de Deus.

O homem não é, portanto, punido sempre, ou completamente punido, na sua existência presente, mas jamais escapa às conseqüências de suas faltas.
A prosperidade do mau é apenas momentânea, e se ele não expia hoje, expiará amanhã, pois aquele que sofre está sendo submetido à expiação do seu próprio passado.
A desgraça que, à primeira vista, parece imerecida, tem portanto a sua razão de ser, e aquele que sofre pode sempre dizer: “Perdoai-me, Senhor, porque eu pequei”.

 7 – Os sofrimentos produzidos por causas anteriores são sempre, como os decorrentes de causas atuais, uma conseqüência natural da própria falta cometida.
 Quer dizer que, em virtude de uma rigorosa justiça distributiva, o homem sofre aquilo que fez os outros sofrerem.
Se ele foi duro e desumano, poderá ser, por sua vez, tratado com dureza e desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer numa condição humilhante; se foi avarento, egoísta, ou se empregou mal a sua fortuna, poderá ver-se privado do necessário; se foi mau filho, poderá sofrer com os próprios filhos; e assim por diante.

 É dessa maneira que se explicam, pela pluralidade das existências e pelo destino da Terra, como mundo expiatório que é, as anomalias da distribuição da felicidade e da desgraça, entre os bons e os maus neste mundo.
[Essa anomalia é apenas aparente, porque só encaramos o problema em relação à vida presente; mas quando nos elevamos, pelo pensamento, de maneira a abranger uma série de existências, compreendemos que a cada um é dado o que merece, sem prejuízo do que lhe cabe no Mundo dos Espíritos, e que a justiça de Deus nunca falha.

 O homem não deve esquecer-se jamais de que está num mundo inferior, onde só é retido pelas suas imperfeições. A cada vicissitude, deve lembrar que,se estivesse num mundo mais avançado, não teria de sofrê-la, e que dele depende não voltar a este mundo, desde que trabalhe para se melhorar.

  8 – As tribulações da vida podem ser impostas aos Espíritos endurecidos, ou demasiado ignorantes para fazerem uma escolha consciente, mas são livremente escolhidas e aceitas pelos Espíritos arrependidos, que querem reparar o mal que fizeram e tentar fazer melhor.
Assim é aquele que, tendo feito mal a sua tarefa, pede para recomeçá-la, a fim de não perder as vantagens do seu trabalho.
Essas tribulações, portanto, são ao mesmo tempo expiações do passado, que castigam, e provas para o futuro, que preparam. Rendamos graças a Deus que, na sua bondade, concede aos homens a faculdade da reparação, e não o condena irremediavelmente pela primeira falta.


 9 – Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento por que se passa neste mundo seja necessariamente o indício de uma determinada falta; trata-se freqüentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento.
Assim, a expiação serve sempre de prova, mas a prova nem sempre é uma expiação.
Mas provas e expiações são sempre sinais de uma inferioridade relativa, pois aquele que é perfeito não precisa ser provado. Um Espírito pode, portanto, ter conquistado um certo grau de elevação, mas querendo avançar mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual será tanto mais recompensado, se sair vitorioso quanto mais penosa tiver sido a sua luta. Esses são, mais especialmente, os casos das pessoas de tendência naturalmente boas, de alma elevada, de sentimentos nobres inatos, que parecem nada trazer de mal de sua precedente existência, e que sofrem com resignação cristã as maiores dores, pedindo forças a Deus para suportá-las sem reclamar.
Podem-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam reclamações e levam à revolta contra Deus.


O sofrimento que não provoca murmurações pode ser, sem dúvida, uma expiação, mas indica que foi antes escolhido voluntariamente do que imposto; é a prova de uma firme resolução, o que constitui sinal de progresso.

10 –   Os Espíritos não podem aspirar à perfeita felicidade enquanto não estão puros; toda  mancha lhes impede a entrada nos mundos felizes.
Assim acontece com os passageiros de um navio tomado pela peste, aos quais fica impedida a entrada numa cidade, até que estejam purificados. É nas diversas existências corpóreas que os Espíritos se livram, pouco a pouco, de suas imperfeições. As provas da vida fazem progredir, quando bem suportadas; como expiações, apagam as faltas e purificam; são o remédio que limpa a ferida e cura o doente, e quanto mais grave o mal, mais enérgico deve ser o remédio.
Aquele, portanto, que muito sofre, deve dizer que tinha muito a expiar  e alegrar-se de ser curado logo. Dele depende, por meio da resignação, tornar proveitoso o seu sofrimento e não perder os seus resultados por causa de reclamações, sem o que teria de recomeçar."

Evangelho Segundo o Espiritismo- Capítulo V- Bem-Aventurados os Aflitos- Causas Anteriores das Aflições

Continua..
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 22 de Agosto de 2012, 00:44
Continua...

     Susana: Vamos combinar uma coisa? Leia por favor os textos que indiquei, pois suas afirmações mostram que não o fez.

      Cel: devo discordar da amiga; como coloquei acima, leio todos eles e respondo, ou comento aqueles q achar q vale a pena, para entendimento ou reflexão de alguém mais. Assim, se eu estiver errando, peço-lhe, mesmo por favor q, se tiver tempo e não lhe for trabalhoso, a amiga me questione sobre eles e mesmo me diga porq supõe q não os li. Tenho certeza q a amiga nada poderá dizer.
A doutrina diz explicitamente qual o porquê das misérias humanas, vide os diversos textos que postei no estudo, além dos trechos que citei novamente neste comentário, mas você insiste em agir como se esta informação não constasse  da codificação, então como ela está lá, só se pode presumir que não a leu.
Exemplo: você questiona o porquê da existência de sofrimento neste planeta, eu lhe mostro o texto da codificação que explica explicitamente esta razão, e em seguida você faz em outro comentário a mesma pergunta ignorando o texto da codificação que já tinha sido postado e que responde a sua pergunta.
      Susana: Temos dois caminhos Coronel:  ou estudamos a doutrina ou estudamos a doutrina.

      Cel: minha amiga, como estudar algo, sem estudar aquilo q existe em torno ou além (além no sentido de fora) desse algo?! Com saber o q é melhor, ou q contém ensinamentos q nosso íntimo mais aceite, se não olhamos para os lados, como Kardec aconselhou? Só podemos “sentir”, o q para nós é melhor, comparando o conhecimento q já temos, com os conhecimentos q nos vêm de estudos novos, certo?
Sim,mas quem disse o contrário? Não disse para o amigo estudar a doutrina, mas estudar a doutrina o que não o impede de estudar outras coisas que lhe interessem.
      Susana: Se o amigo não compreende a origem do sofrimento humano e todas as  suas nuances apesar dela já ter sido explicada na codificação, então infelizmente não há nada que eu possa fazer.

      Cel: pois exatamente aí está um ponto interessante e q, como a amiga afirma q já está explicado, lhe pediria q me dissesse onde está explicado.

    Nos 5 livros da codificação. Para facilitar o trabalho, trouxe ao longo do estudo algumas citações que respondem suas perguntas, vide em especial, a indicação de leitura sobre o bem e o mal do LE e da Gênese, além das citações do Evangelho Segundo o Espiritismo que não vou colar de novo ,pois basta rolar as páginas do estudo.
       E aí vai uma questão, sempre repetida, mas para a qual ninguém, nem a doutrina, nem qualquer religião popular ou organizada conforme escritos considerados sagrados, consegue apresentar solução: Qual é a causa dessas desigualdades? Não me refiro às desigualdades de procedimentos errados, relativas ao errado uso do livre-arbítrio, mas àquela desigualdade q, na primeira encarnação consciente, passamos a apresentar.
      Éramos todos perfeitamente iguais; no entanto, a partir de certo momento, nos tornamos desiguais. Porq? A resposta, aí, não pode ser q as desigualdades são provocadas pelo desigual uso do livre-arbítrio, pois se somos perfeitamente iguais, no principio, nossos livres-arbítrios, também, são iguais, no princípio.
Amigo Coronel,
O tema do estudo não é livre-arbítrio e nem a origem do bem e do mal.
Existem outros tópicos mais apropriados para você aprofundar este debate. Existe relação entre eles, mas cada um sozinho daria material para um estudo mensal.
Vou dizer para você o que disse para o viajante do espaço, aliás seria bom você depois ver a resposta na íntegra.
É muita pretensão humana querer ter o conhecimento de tudo nesta encarnação.
Você está no pré-primário querendo aprender física quântica...
Por mais que você evolua, existem lições que você só irá aprender em outros planos.
Nem os grandes filósofos da humanidade bateram o martelo e você Coronel quer nesta encarnação desvendar todos os mistérios da vida? Existe o livre-arbítrio, isso basta, agora detalhes minúcias de como ele surge e se desenvolve acho que é matéria para outro curso.
Vamos nos concentrar em aprender lições que nos foram ensinadas, o que por sinal , já dá bastante trabalho.
Sim, todos temos sede de saber e é isso que impulsiona o progresso, mas também temos que ter consciência de nossas limitações e aceitar que nem tudo nos erá revelado nesta existência.
Os próprios espíritos disseram que havia mais a ser dito( assim como Jesus também), então cabe a nós  termos paciência e resignação e aguardar o tempo de Deus.
Por ora basta saber que nós temos o remédio para todo sofrimento: Deus.
Aquele que ama a Deus acima de todas as coisas ( e todas as coisas são todas as coisas mesmo: mulher, filho, trabalho, si mesmo) e confia, suporta os reveses da vida de forma muito mais tranquila porque ele sabe que no momento certo compreenderá o que achava injusto e incompreensível.
Motivos de Resignação

 Essas palavras podem, também, ser traduzidas assim: deveis considerar-vos felizes por sofrer, porque as vossas dores neste mundo são as dívidas de vossas faltas passadas, e essas dores, suportadas pacientemente na Terra, vos poupam séculos de sofrimento na vida futura. Deveis, portanto, estar felizes por Deus ter reduzido vossa dívida, permitindo-vos quitá-las no presente, o que vos assegura a tranqüilidade para o futuro.

 O homem que sofre é semelhante a um devedor de grande soma, a quem o credor dissesse: “Se me pagares hoje mesmo a centésima parte, darei quitação do resto e ficarás livre; se não, vou perseguir-te até que pagues o último centavo”. O devedor não ficaria feliz de submeter-se a todas as privações, para se livrar da dívida, pagando somente a centésima parte da mesma? Em vez de queixar-se do credor, não lhe agradeceria?

É esse o sentido das palavras: “Bem-aventurados os aflitos, porque eles serão consolados”. Eles são felizes porque pagam suas dívidas, e porque, após a quitação, estarão livres. Mas se, ao procurar quitá-las de um lado, de outro se endividarem, nunca se tornarão livres. Ora, cada nova falta aumenta a dívida, pois não existe uma única falta, qualquer que seja, que não traga consigo a própria punição, necessária e inevitável. Se não for hoje, será amanhã; se não for nesta vida, será na outra.
(...)"

Evangelho Segundo o Espiritismo- Capítulo V: Bem-Aventurados os Aflitos- Motivos de Resignação

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Celso Luiz em 22 de Agosto de 2012, 01:26
Continuação..

E tem mais:
Causas Anteriores das Aflições

 "6 – Mas se há males, nesta vida, de que o homem é a própria causa, há também outros que, pelo menos em aparência, são estranhos à sua vontade e parecem golpeá-lo por fatalidade. Assim, por exemplo, a perda de entes queridos e dos que sustentam a família.
Assim também os acidentes que nenhuma previdência pode evitar; os revezes da fortuna, que frustram todas as medidas de prudência; os flagelos naturais; e ainda as doenças de nascença, sobretudo aquelas que tiram aos infelizes a possibilidade de ganhar a vida pelo trabalho: as deformidades, a idiota, a imbecilidade etc.       

Os que nascem nessas condições, nada fizeram, seguramente, nesta vida, para merecer uma sorte triste, sem possibilidade de compensação, e que eles não puderam evitar, sendo impotentes para modificá-las e ficando à mercê da comiseração pública. Por que, pois, esses seres tão desgraçados, enquanto ao seu lado, sob o mesmo teto e na mesma família, outros se apresentam favorecidos em todos os sentidos?

Que dizer, por fim, das crianças que morrem em tenra idade e só conheceram da vida o sofrimento?
 Problemas, todos esses, que nenhuma filosofia resolveu até agora, anomalias que nenhuma religião pode justificar, e que seriam a negação da bondade, da justiça e da providência de Deus, segundo a hipótese da criação da alma ao mesmo tempo em que o corpo, e da fixação irrevogável da sua sorte após a permanência de alguns instantes na Terra.
Que fizeram elas, essas almas que acabam de sair das mãos do Criador, para sofrerem tantas misérias no mundo, e receberem, no futuro, uma recompensa ou uma punição qualquer, se não puderam seguir nem o bem nem o mal?

Entretanto, em virtude do axioma de que todo efeito tem uma causa, essas misérias são efeitos que devem ter a sua causa, e desde que se admita a existência de um Deus justo, essa causa deve ser justa.
 Ora a causa sendo sempre anterior ao efeito, e desde que não se encontra na vida atual, é que pertence a uma existência precedente
Por outro lado, Deus não podendo punir pelo bem o que se fez, nem pelo mal que não se fez, se somos punidos, é que fizemos o mal. E se não fizemos o mal nesta vida, é que o fizemos em outra. Esta é uma alternativa a que não podemos escapar, e na qual a lógica nos diz de que lado está à justiça de Deus.

O homem não é, portanto, punido sempre, ou completamente punido, na sua existência presente, mas jamais escapa às conseqüências de suas faltas.
A prosperidade do mau é apenas momentânea, e se ele não expia hoje, expiará amanhã, pois aquele que sofre está sendo submetido à expiação do seu próprio passado.
A desgraça que, à primeira vista, parece imerecida, tem portanto a sua razão de ser, e aquele que sofre pode sempre dizer: “Perdoai-me, Senhor, porque eu pequei”.

 7 – Os sofrimentos produzidos por causas anteriores são sempre, como os decorrentes de causas atuais, uma conseqüência natural da própria falta cometida.
 Quer dizer que, em virtude de uma rigorosa justiça distributiva, o homem sofre aquilo que fez os outros sofrerem.
Se ele foi duro e desumano, poderá ser, por sua vez, tratado com dureza e desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer numa condição humilhante; se foi avarento, egoísta, ou se empregou mal a sua fortuna, poderá ver-se privado do necessário; se foi mau filho, poderá sofrer com os próprios filhos; e assim por diante.

 É dessa maneira que se explicam, pela pluralidade das existências e pelo destino da Terra, como mundo expiatório que é, as anomalias da distribuição da felicidade e da desgraça, entre os bons e os maus neste mundo.
[Essa anomalia é apenas aparente, porque só encaramos o problema em relação à vida presente; mas quando nos elevamos, pelo pensamento, de maneira a abranger uma série de existências, compreendemos que a cada um é dado o que merece, sem prejuízo do que lhe cabe no Mundo dos Espíritos, e que a justiça de Deus nunca falha.

 O homem não deve esquecer-se jamais de que está num mundo inferior, onde só é retido pelas suas imperfeições. A cada vicissitude, deve lembrar que,se estivesse num mundo mais avançado, não teria de sofrê-la, e que dele depende não voltar a este mundo, desde que trabalhe para se melhorar.

  8 – As tribulações da vida podem ser impostas aos Espíritos endurecidos, ou demasiado ignorantes para fazerem uma escolha consciente, mas são livremente escolhidas e aceitas pelos Espíritos arrependidos, que querem reparar o mal que fizeram e tentar fazer melhor.
Assim é aquele que, tendo feito mal a sua tarefa, pede para recomeçá-la, a fim de não perder as vantagens do seu trabalho.
Essas tribulações, portanto, são ao mesmo tempo expiações do passado, que castigam, e provas para o futuro, que preparam. Rendamos graças a Deus que, na sua bondade, concede aos homens a faculdade da reparação, e não o condena irremediavelmente pela primeira falta.


 9 – Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento por que se passa neste mundo seja necessariamente o indício de uma determinada falta; trata-se freqüentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento.
Assim, a expiação serve sempre de prova, mas a prova nem sempre é uma expiação.
Mas provas e expiações são sempre sinais de uma inferioridade relativa, pois aquele que é perfeito não precisa ser provado. Um Espírito pode, portanto, ter conquistado um certo grau de elevação, mas querendo avançar mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual será tanto mais recompensado, se sair vitorioso quanto mais penosa tiver sido a sua luta. Esses são, mais especialmente, os casos das pessoas de tendência naturalmente boas, de alma elevada, de sentimentos nobres inatos, que parecem nada trazer de mal de sua precedente existência, e que sofrem com resignação cristã as maiores dores, pedindo forças a Deus para suportá-las sem reclamar.
Podem-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam reclamações e levam à revolta contra Deus.


O sofrimento que não provoca murmurações pode ser, sem dúvida, uma expiação, mas indica que foi antes escolhido voluntariamente do que imposto; é a prova de uma firme resolução, o que constitui sinal de progresso.

10 –   Os Espíritos não podem aspirar à perfeita felicidade enquanto não estão puros; toda  mancha lhes impede a entrada nos mundos felizes.
Assim acontece com os passageiros de um navio tomado pela peste, aos quais fica impedida a entrada numa cidade, até que estejam purificados. É nas diversas existências corpóreas que os Espíritos se livram, pouco a pouco, de suas imperfeições. As provas da vida fazem progredir, quando bem suportadas; como expiações, apagam as faltas e purificam; são o remédio que limpa a ferida e cura o doente, e quanto mais grave o mal, mais enérgico deve ser o remédio.
Aquele, portanto, que muito sofre, deve dizer que tinha muito a expiar  e alegrar-se de ser curado logo. Dele depende, por meio da resignação, tornar proveitoso o seu sofrimento e não perder os seus resultados por causa de reclamações, sem o que teria de recomeçar."

Evangelho Segundo o Espiritismo- Capítulo V- Bem-Aventurados os Aflitos- Causas Anteriores das Aflições

Continua..
Interessante a discussão porém, não esqueceram de nada? Vocês estão esquecendo a fé, esquecendo dos ensinamentos de Jesus, ele nos mostrou como não sofrer. Disse aos apóstolos que não conseguiram curar um jovem doente: " Pois em verdade vos digo, se tivésseis a fé do tamanho de um grão de mostarda, dirieis a esta montanha: transporta-te daí para ali e ela se transportaria, e nada vos seria impossível." (Mateus, 17:14 a 20) Portanto, sofremos, expiamos e passamos por provas porque assim queremos, nós somos os causadores de nossos próprios males, por isso estamos aqui, porque não aprendemos que, (nesta ou noutra vida, que seja) a fé pura e simples é o remédio do corpo, da alma, da mente e do espírito. Se não temos esta concepção como passaremos por uma transição de provas e expiações para a regeneração? Nada nos é impossível, nada nos é proibido, porém, nós somos os únicos que não percebemos e entendemos isso. Até onde vale a discussão sobre causa e efeito,se a causa somos nós e o efeito aquilo que produzimos? A discussão deveria tomar rumo para outra vertente, por exemplo: Quais devem ser nossas ações para dirimirmos as causas e efeitos que impomos a nós mesmos e ao mundo em que vivemos? O que devemos fazer para curar nosso planeta promovendo uma transição sem causa dolorosa e doentia mas com efeito sublime e valoroso, assim valorosos como todos nós somos?
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Celso Luiz em 22 de Agosto de 2012, 01:41
Queridos irmãos

O mal só existe, porque é lembrado. Se o esquecermos haverá apenas o bem. Não é verdade?
Se teu irmão sofre de uma doença e tu impõe-lhe as mãos com fé, acreditando no bem que estás fazendo e ele da mesma forma, podes curá-lo. Você acredita nisso?
Não foi assim que Jesus nos ensinou? Não foi praticamente desta maneira que ele caminhou fazendo o bem sobre a Terra? Jamais nos esqueçamos de seus ensinamentos, ele, Jesus, há mais de 2000 anos, nos ensinou o que fazer para não sofrer, e infelizmente, nós ainda não aprendemos, ou vocês acreditam mesmo que temos de passar esta vida sofrendo provas e expiações, degenerados por doenças incuráveis, por desequilíbrios psicológicos, estressados, deprimidos. Se acreditam mesmo nisso, então não acreditam em Jesus e assim, infelizmente a passagem dele por aqui e seus ensinamentos de nada valeram e nós continuaremos indo e vindo a um mundo inferior como esse, por que não aprendemos absolutamente nada.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 22 de Agosto de 2012, 02:21
Interessante a discussão porém, não esqueceram de nada? Vocês estão esquecendo a fé, esquecendo dos ensinamentos de Jesus, ele nos mostrou como não sofrer. Disse aos apóstolos que não conseguiram curar um jovem doente: " Pois em verdade vos digo, se tivésseis a fé do tamanho de um grão de mostarda, dirieis a esta montanha: transporta-te daí para ali e ela se transportaria, e nada vos seria impossível." (Mateus, 17:14 a 20) Portanto, sofremos, expiamos e passamos por provas porque assim queremos, nós somos os causadores de nossos próprios males, por isso estamos aqui, porque não aprendemos que, (nesta ou noutra vida, que seja) a fé pura e simples é o remédio do corpo, da alma, da mente e do espírito. Se não temos esta concepção como passaremos por uma transição de provas e expiações para a regeneração? Nada nos é impossível, nada nos é proibido, porém, nós somos os únicos que não percebemos e entendemos isso. Até onde vale a discussão sobre causa e efeito,se a causa somos nós e o efeito aquilo que produzimos? A discussão deveria tomar rumo para outra vertente, por exemplo: Quais devem ser nossas ações para dirimirmos as causas e efeitos que impomos a nós mesmos e ao mundo em que vivemos? O que devemos fazer para curar nosso planeta promovendo uma transição sem causa dolorosa e doentia mas com efeito sublime e valoroso, assim valorosos como todos nós somos?

Justamente. Se você ler o estudo desde o início é isso que tem sido afirmado: nós somos os causadores dos nossos próprios males.
Todos os textos postados são nesse sentido ,por mais que alguns irmãos tenham dificuldade em assumir suas  responsabilidades.
Amigo Celso, chegaremos lá.
Não podemos ainda abordar em profundidade as soluções porque pela didática do estudo, primeiro precisamos constatar a atuação da lei de causa e e efeito, suas implicações para depois abordarmos a terapêutica de cura.
Como deve ter percebido por alguns comentários isso ainda não é um consenso, então tudo no seu tempo.
Além do mais, ao longo do estudo foram dadas várias dicas de como mudar o padrão psicológico.
Aqui falou-se desde a importância do autoconhecimento até  a reforma íntima como remédio para se evitar o sofrimento, passando até mesmo por técnicas como meditação.
Creio que o caminho todos nós sabemos, falta talvez colocarmos em prática.
Diz o ditado: quem quer mudar muda, quem não quer arruma desculpa.
Nada cai do céu: Ajuda-te que o céu te ajudará.
Aquele que está firmemente determinado a eliminar de si toda e qualquer fraqueza e se tornar uma pessoa melhor tem a sua disposição várias ferramentas.
E a boa notícia é que a principal delas está á disposição de todos, não custa nada e é muito eficiente: os ensinamentos de Jesus.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 22 de Agosto de 2012, 02:33
Queridos irmãos

O mal só existe, porque é lembrado. Se o esquecermos haverá apenas o bem. Não é verdade?
Se teu irmão sofre de uma doença e tu impõe-lhe as mãos com fé, acreditando no bem que estás fazendo e ele da mesma forma, podes curá-lo. Você acredita nisso?
Não foi assim que Jesus nos ensinou? Não foi praticamente desta maneira que ele caminhou fazendo o bem sobre a Terra? Jamais nos esqueçamos de seus ensinamentos, ele, Jesus, há mais de 2000 anos, nos ensinou o que fazer para não sofrer, e infelizmente, nós ainda não aprendemos, ou vocês acreditam mesmo que temos de passar esta vida sofrendo provas e expiações, degenerados por doenças incuráveis, por desequilíbrios psicológicos, estressados, deprimidos. Se acreditam mesmo nisso, então não acreditam em Jesus e assim, infelizmente a passagem dele por aqui e seus ensinamentos de nada valeram e nós continuaremos indo e vindo a um mundo inferior como esse, por que não aprendemos absolutamente nada.

Amigo Celso, releia com calma o estudo.
Segue abaixo um comentário anterior meu sobre o assunto:

Trabalhe pela sua reforma íntima e paute sua conduta nos ensinamentos de Jesus se quer ter o direito de habitar mundos mais venturosos.
A Terra é a escola para aqueles que ainda não aprenderam a lição do amor incondicional.
Não aquele amor que temos pelos filhos, pelos pais, pelos amigos e por nós mesmos, mas o amor incodicional por todas as criaturas, o mesmo amor de Jesus.
Enquanto não aprendermos esta lição continuarem aqui repetindo de ano, tanto você  quanto eu.
O que vemos no mundo é o reflexo do estado evolutivo de seus habitantes.
As atrocidades que você vê hoje possivelmente também praticamos em outras encarnações, então cada encarnação é um passo no caminho da libertação.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: RASEK em 22 de Agosto de 2012, 10:47
Não entendo o debatedor Coronel... é tão lógico e simples a explicação dada pela Espiritismo quanto ao sofrimento... foi por diversas e diversas vezes explicada aqui Suzana e outros... Não consigo entender mesmo!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 22 de Agosto de 2012, 10:52
Pois é Rasek...nem eu.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 22 de Agosto de 2012, 13:00
Minha querida irmã Susana,meu nobre irmão Coronel.Estudemos pois a lei de causa e efeito,
sem que seja necessário exercitá-la durante os nossos debates.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 22 de Agosto de 2012, 14:26
Amigo Antônio obrigada pela preocupação, mas fique tranquilo. :)
Da minha parte não há nenhuma animosidade em relação a Coronel, aliás tenho tido até muita paciência diante de sua postura em relação ao estudo.
Ele é bem vindo, como sempre foi, apenas o alertei sobre seu proceder porque estava prejudicando a evolução do tópico.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 23 de Agosto de 2012, 01:42

AS DOENÇAS NASCEM NA ALMA - COMO EVITÁ-LAS?

Há pouco mais de 20 anos, a moderna Psicologia reconheceu que muitas doenças têm sua origem nos estados emocionais em desequilíbrio. Deu-se o nome de "psicossomática" a relação entre os distúrbios orgânicos e as reações psico-emocionais. Embora hoje tenhamos vasta literatura abordando o tema, desconhecemos por completo os efeitos danosos, muitas vezes recorrentes, provenientes de nosso "estado de espírito". Não temos por hábito, prestarmos atenção às nossas reações, muitos menos compreendermos nossas motivações mais íntimas, carências ou todo e qualquer tipo de desconforto interno. Simplesmente, somos "carregados pela enxurrada de acontecimentos diários", envolvidos pelo estresse, tensões, dificuldades diversas. Reagimos praticamente por instinto, ou seja, acabamos por compactuar com os elementos agressores e nos desarmonizamos em função de querermos "atacar" a fonte de alguns problemas. Normalmente não enxergamos que somos nós mesmos, os maiores causadores dos nossos próprios infortúnios. Deixamo-nos levar pelas mudanças de humor, sofremos a maior parte do tempo por antecipação, nos angustiamos com um futuro que ainda não se alcançou, tentamos manter controle sobre a vida e os acontecimentos, nos ofendemos por qualquer coisa, produzimos medos por insegurança, enfim, geramos um caos pessoal, que, mais cedo ou mais tarde, poderá desembocar como sérios problemas de saúde. É verdade, o mundo lá fora não é fácil, o meio é desafiador e nos ameaça de várias formas. Mas, é preciso nos conscientizar, que a vida é risco, viver é realmente uma grande prova espiritual. Em especial, nesse momento em que o planeta está atravessando por uma série de mudanças de paradigmas. É preciso seguir, muitas vezes, algumas dicas para que não sejamos atingidos duramente por todas essas influências externas. O propósito aqui não é substituir tratamentos convencionais ou sugerir "fórmulas milagrosas de cura", mas reforçar proteções para nosso organismo e espírito:
1) Beba sempre muita água fresca: o elemento purifica, desintoxica, revitaliza e limpa tudo que não for bom para o organismo;
2) Coloque os pés descalços na terra: vivemos isolados do solo, com nossos solados de borracha, metais de automóveis e construções nos despolarizando;
3) Respire lenta e profundamente ar puro: isso perfaz a corrente energética de nosso corpo e reforça nossos órgãos - faça-o pelo nariz, expirando pela boca;
4) Coma mais frutas da estação, bem como os vegetais do período - quanto mais colorido o prato, melhor e não esqueça de mastigar tudo muito devagar;
5) Aproveite suas horas de sono. Acorde minutos antes do usual para espreguiçar, esticar o corpo, fazer uma oração e reflexão;
6) Caminhe sempre - aprecie cada passo de sua jornada, faça-o lentamente, sem pressa, procure fazer algum exercício, aproveite o sol, conecte-se à natureza;
7) Ao chegar em casa, após um dia estressante, tome um banho, mas deixe a água correr livremente por sua nuca;

8) Sorria mais, brinque mais, quebre um pouco os padrões, deixe a sua "criança interior" bailar, criar, correr, evite a rigidez, cultive o bom humor;
9) Leia livros que elevem, assista mais programas culturais, converse coisas interessantes, mas evite insistir em comentar os mesmos problemas;
10) Tenha uma vida espiritual ativa, se informe, pratique a meditação e sempre que puder, ore. Veja Deus em tudo, tenha Deus em tudo, incite sua fé;
11) Evite se aborrecer com coisas pequenas, que estejam fora de seu alcance. Se sentir que o clima "pesou", saia, dê uma volta, não compactue com discussões;
12) Ame-se acima de tudo: goste do jeito que você é, aprecie sua pessoa, tenha muitos amigos, trabalhe sua auto estima e auto confiança.
Essas são apenas algumas dicas simples que, com certeza, ajudarão a superar muitas angústias, ansiedades, transtornos emocionais, bloqueios, etc. De nada adiantar também praticar o que foi sugerido, umas poucas vezes e depois deixar para lá: é necessário habituar-se a seguir cada um dos tópicos, aplicando-os no dia a dia. Lembremos que, assim como existem problemas, também há soluções e nada irá mudar se não tentarmos estabelecer algumas prioridades em nossa jornada, objetivos de melhorias. Ao invés de ficarmos reclamando que tudo "anda mal", que tal mudarmos nosso vocabulário para "tudo vai dar certo"? Porque é pura ilusão acharmos que estaremos livre, por completo, dos problemas terrestres e fugirmos disso. E, certamente, um dos problemas mais comuns são as doenças físicas, resultado de anos de descaso com nosso corpo, mente e coração, negligências pessoais e descuidos por maus hábitos. Sejamos ponderados: por que não tentar, a partir de já, a efetuar transformações em sua vida???
 http://visao-espirita.blogspot.com
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 23 de Agosto de 2012, 01:48

A morte é o retrato da vida.

A verdade revelará na chapa do teu próprio destino as imagens que estiveres criando, sustentando e movimentando no campo da existência.
Se desejas alegria e tranquilidade, além das fronteiras de cinza do sepulcro, semeia, enquanto é tempo, a luz e a sabedoria que pretendes recolher, nas sendas da ascensão espiritual.
Hoje - plantação, segundo a nossa vontade.
Amanhã - seara, conforme a Lei.
Se agora cultivamos a treva, decerto encontraremos, depois, a resposta respectiva.
Se, porém, semearmos o amor e a simpatia onde nos encontrarmos, indiscutivelmente, mais tarde, penetraremos a luz e a beleza da imortalidade vitoriosa.

Emmanuel
(Do livro “Plantão de Paz” - Chico Xavier)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 23 de Agosto de 2012, 02:23
A Lei Mágica
Por.: Osho

Vou lhes dizer uma das leis mais profundas da vida. Vocês podem nem ter pensado a respeito disso de maneira nenhuma. Vocês ouviram – toda a ciência depende disso – que causa e efeito é a base. Você cria a causa e o efeito a segue. A vida é um elo causal. Você põe a semente no solo e ela brota. Se a causa está presente, então a árvore a seguirá. O fogo está lá: você coloca sua mão nele e irá se queimar. A causa está lá e o efeito a seguirá. Você toma veneno e morre. Você arranja a causa e assim o efeito seguirá.

Essa é uma das mais básicas leis científicas, que causa e efeito é o elo mais interior de todos os processos da vida. A religião sabe a respeito de uma segunda lei que é ainda mais profunda do que essa. Mas a segunda lei que é mais profunda do que a primeira parecerá absurda se você não a conhece e não a experimenta.

A religião diz: Produza o efeito e a causa seguirá. Isso é totalmente absurdo em termos científicos. A ciência afirma: Se a causa estiver presente, o efeito a segue. A religião afirma que o inverso também é verdadeiro: você cria o efeito, e veja: a causa segue.

Numa situação na qual você fica feliz. Um amigo chegou, a amada chamou. A situação é a causa – você fica feliz. A felicidade é o efeito. A chegada da amada é a causa. A religião diz: Seja feliz e a amada vem. Crie o efeito e a causa o segue.

Essa é minha própria experiência, que a segunda lei é mais básica do que a primeira. Tenho feito isso e isso tem acontecido. Apenas seja feliz: a amada vem. Apenas seja feliz: os amigos estão presentes. Apenas seja feliz: tudo segue.

Jesus diz a mesma coisa com outras palavras: Procure primeiro pelo reino de Deus, então tudo mais seguirá. Mas o reino de Deus é o final, o efeito. Procure primeiro o fim – o fim significa o efeito, o resultado – e a causa seguirá. É assim que deve ser.

Não apenas colocar uma semente no solo e a árvore segue; basta uma árvore e há milhões de sementes. Se a causa é seguida pelo efeito, o efeito é novamente seguido pela causa. Isso é uma cadeia! Desse modo se torna um círculo – comece de qualquer lugar, crie a causa ou crie o efeito.

Eu lhe digo, é mais fácil criar o efeito porque o efeito depende totalmente de você; a causa pode não ser tão dependente de você. Se você disser que só pode ser feliz quando certo amigo estiver presente, então isso depende de um certo amigo, se ele está presente ou não.

Se eu disser que não posso ser feliz até que consiga muita riqueza, então isso depende do mundo inteiro e da situação econômica e tudo mais. Isso pode não acontecer, e assim não posso ser feliz. Essa causa está além de mim.O efeito está dentro de mim. A causa está nas redondezas, nas situações – a causa está fora. O efeito sou eu! Se puder criar o efeito, a causa o seguirá.

Escolha a felicidade – isso significa que você está escolhendo o efeito – e então veja o que acontece. Escolha o êxtase e veja o que acontece. Escolha ser alegre e veja o que acontece. Toda sua vida mudará imediatamente e você verá milagres acontecendo ao seu redor... Porque agora você criou o efeito e as causas terão que seguir.

Isso irá parecer mágica; você até mesmo pode chamar isso “A Lei da Mágica”. A primeira é a lei da ciência e a segunda é a lei da mágica. Religião é mágica, e você pode ser o mágico. Isso é o que ensino a vocês: ser um mágico, conhecer o segredo da mágica.

Tentem! Vocês vêm tentando o outro por toda vida – não só nessa, porém em muitas outras vidas também. Agora me escutem! Tentem essa fórmula mágica, esse mantra que estou lhes dando. Criem o efeito e vejam o que acontece; causas imediatamente lhes rodeiam, elas seguem. Não esperem pelas causas; vocês já esperaram demais. Escolham a felicidade e vocês serão felizes.

Qual é o problema? Por que vocês não podem escolher? Porque vocês não podem trabalhar com essa lei? Devido às suas mentes, toda a mente, a qual tem sido treinada pelo pensamento científico, diz que se vocês não forem felizes e tentarem ser felizes, essa felicidade será artificial. Se vocês não estão felizes e vocês tentam ser felizes isso será somente representação, isso não será real. Isso é o que o pensamento científico diz, que isso não será real, vocês estarão apenas representando.
Continua..
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 23 de Agosto de 2012, 02:26


Cotinuação..

Mas você não sabe: a energia da vida tem suas próprias maneiras de funcionar. Se você puder agir totalmente isso se tornará o real. A única coisa é: o ator não pode estar presente. Mova-se totalmente nisso, então não há nenhuma diferença. Se você está agindo sem entusiasmo, isso permanecerá artificial.

Se lhe digo para dançar e cantar e para ficar alegre, e você tenta sem entusiasmo, só para ver o que acontece, contudo você permanece por trás...
E você continua pensando: Isso é apenas artificial. Estou tentando, mas isso não está vindo, isso não é espontâneo – então isso permanecerá um fazer, uma perda de tempo.

Se você tentar, então tente entusiasticamente, de todo coração. Não fique para trás, penetre nisso, torne-se o fazer – dissolva o ator no agir e veja o que acontece. Tornar-se-á real e assim você sentirá que é espontâneo. Você não o fez; você então saberá que isso aconteceu. Contudo, a menos que você seja total, isso não pode acontecer. Produza o efeito, esteja completamente nele, e veja e observe os resultados.

Posso fazer de vocês reis sem reinos; vocês precisam somente agir como reis e agir tão totalmente que diante de você mesmo um rei real parecerá como se ele estivesse apenas representando. E quando toda a energia for para isso, torna-se realidade!

Energia torna qualquer coisa real. Se você esperar por reinos, eles nunca chegam. Mesmo para um Napoleão, para um Alexandre, que tiveram grandes reinos, nunca chegaram. Eles permaneceram miseráveis porque eles não chegaram a compreender a segunda, mais básica e principal lei da vida. Alexandre estava tentando criar um reino maior, tornar-se um rei maior e então não sobrava tempo para ele ser rei. Ele morreu antes do reino ficar completo.

Isso aconteceu com muitos. O reino nunca pode ficar completo. O mundo é infinito; seu reino está destinado a ser parcial. Com um reino parcial como é que você pode ser um rei total? Seu reino está destinado a ser limitado e com um reino limitado como é que você pode ser o imperador? É impossível. Porém, você pode ser o imperador. Basta criar o efeito.

Swami Ram, um dos místicos deste século, foi para América. Ele costumava chamar a si mesmo Badshah Ram, Imperador Ram. E ele era um mendigo!

Alguém lhe disse: Você é somente um mendigo, mas você continua chamando a si próprio de imperador. Então Ram disse: Não olhe para minhas coisas, olhe para mim. E ele estava certo, porque se você olhar para as coisas, então todo mundo é um mendigo... Mesmo um imperador. Ele pode ser um mendigo maior, isso é tudo. Quando Ram disse: Olhe para mim! Naquele momento, Ram era o imperador. Se você olhasse, o imperador estava lá.

Crie o efeito, torne-se o imperador, seja um mágico... E agora mesmo, porque não há necessidade de esperar. A pessoa precisa esperar se o reino tiver que vir primeiro. Se a causa precisar ser criada primeiro, então a gente tem que esperar e esperar e esperar e adiar. Não há nenhuma necessidade de esperar para criar o efeito. Você pode ser o imperador agora mesmo.

Quando digo, Seja! Apenas seja o imperador e veja: o reino segue.... Eu o conheci através da minha experiência. Não estou lhe falando sobre uma teoria ou sobre uma doutrina. Seja feliz, e nesse pico de felicidade você verá que o mundo inteiro é feliz com você.

Existe um antigo ditado: Ria e o mundo ri com você; chore e você chora sozinho. Até mesmo as árvores, as pedras, a areia, as nuvens... Se você puder criar o efeito e ser extático, todos eles irão dançar com você; assim toda a existência se torna uma dança, uma celebração.

Mas isso depende de você, se você puder criar o efeito. E digo a você, você pode criá-lo. É a coisa mais fácil possível. Parece muito difícil porque você ainda não tentou. Tente!
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 23 de Agosto de 2012, 02:27

Visão Espírita das Enfermidades:

Entrevista com o  psiquiatra Roberto Lúcio, vice presidente da AME-Brasil:
http://www.forumespirita.net/fe/psicologia-espiritismo/visao-espirita-das-enfermidades/

Vale a pena conferir.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 23 de Agosto de 2012, 12:40
Minhas queridas irmães Susana e Maria 47,que maravilha de textos.,e como foi enriquecedor
para o nosso estudo.Como foi bem colocado no texto inicial,somos verdadeiramente res-
-posáveis pelo que nos acontece em relação aos males de que somos acometidos,se mu-
-darmos os nossos hábitos,certamente iremos evitar esses males,mesmo nesse ambiente
agressivo em que vivemos.Neste nosso mundo moderno em que se cria novas tecnologias
para dá melhor qualidade de vida aos seus habitantes,vem acontecendo o inverso,parece
até que o progresso caminha no sentido contrário a nossa existência.Entretanto alguns
poderiam discordar e dizer que a estimativa de vida das pessoas aumentaram,sim,para
aqueles que a buscam seguindo as orientações do que foi colocado no primeiro texto.
Ainda concordando com o que foi colocado na segunda parte:A causa sempre virá
acompanhada do efeito,pois o efeito é o motivador,e neste caso teremos que está atentos
a ele,pois poderá nos trazer consequências boas ou má.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vivaldo em 23 de Agosto de 2012, 16:45
Olá, boa tarde a todos, que Deus os abençoe. Com relação à causa e efeito nas nossas ações, tenho a seguinte dúvida: como funciona a questão da violência para o espírita. Em que momento ele pode ou até mesmo deve se utilizar dela? Um abraço a todos.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 24 de Agosto de 2012, 00:40
A Lei Mágica
Por.: Osho

Vou lhes dizer uma das leis mais profundas da vida. Vocês podem nem ter pensado a respeito disso de maneira nenhuma. Vocês ouviram – toda a ciência depende disso – que causa e efeito é a base. Você cria a causa e o efeito a segue. A vida é um elo causal. Você põe a semente no solo e ela brota. Se a causa está presente, então a árvore a seguirá. O fogo está lá: você coloca sua mão nele e irá se queimar. A causa está lá e o efeito a seguirá. Você toma veneno e morre. Você arranja a causa e assim o efeito seguirá.

Essa é uma das mais básicas leis científicas, que causa e efeito é o elo mais interior de todos os processos da vida. A religião sabe a respeito de uma segunda lei que é ainda mais profunda do que essa. Mas a segunda lei que é mais profunda do que a primeira parecerá absurda se você não a conhece e não a experimenta.

A religião diz: Produza o efeito e a causa seguirá. Isso é totalmente absurdo em termos científicos. A ciência afirma: Se a causa estiver presente, o efeito a segue. A religião afirma que o inverso também é verdadeiro: você cria o efeito, e veja: a causa segue.

Numa situação na qual você fica feliz. Um amigo chegou, a amada chamou. A situação é a causa – você fica feliz. A felicidade é o efeito. A chegada da amada é a causa. A religião diz: Seja feliz e a amada vem. Crie o efeito e a causa o segue.

Essa é minha própria experiência, que a segunda lei é mais básica do que a primeira. Tenho feito isso e isso tem acontecido. Apenas seja feliz: a amada vem. Apenas seja feliz: os amigos estão presentes. Apenas seja feliz: tudo segue.

Jesus diz a mesma coisa com outras palavras: Procure primeiro pelo reino de Deus, então tudo mais seguirá. Mas o reino de Deus é o final, o efeito. Procure primeiro o fim – o fim significa o efeito, o resultado – e a causa seguirá. É assim que deve ser.

Não apenas colocar uma semente no solo e a árvore segue; basta uma árvore e há milhões de sementes. Se a causa é seguida pelo efeito, o efeito é novamente seguido pela causa. Isso é uma cadeia! Desse modo se torna um círculo – comece de qualquer lugar, crie a causa ou crie o efeito.


Muito interessante esta reflexão que Osho traz.
Obrigada amiga pelo texto.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 24 de Agosto de 2012, 01:14
Como foi bem colocado no texto inicial,somos verdadeiramente res-
-posáveis pelo que nos acontece em relação aos males de que somos acometidos,se mu-
-darmos os nossos hábitos,certamente iremos evitar esses males,mesmo nesse ambiente
agressivo em que vivemos
(...)
Ainda concordando com o que foi colocado na segunda parte:A causa sempre virá
acompanhada do efeito,pois o efeito é o motivador,e neste caso teremos que está atentos
a ele,pois poderá nos trazer consequências boas ou má.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Mourarego em 24 de Agosto de 2012, 01:23
Eu diria, maninha Susana,
que a causa sempre vira precedida pela consequência e para isso explico:
No mais das vezes, nem mesmo atentamos para a causa, porque geralmente a buscamos perto de nós, enquanto que muitas delas se originaram em encarnações passadas e que ainda não conseguimos modificá-las em nossa mente e ações.
Esta a explicação.
Abração,
Moura
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 24 de Agosto de 2012, 01:30
Olá, boa tarde a todos, que Deus os abençoe. Com relação à causa e efeito nas nossas ações, tenho a seguinte dúvida: como funciona a questão da violência para o espírita. Em que momento ele pode ou até mesmo deve se utilizar dela? Um abraço a todos.

Olá Vivaldo,
Seja bem vindo!
Apesar do título do estudo ser "lei de causa e efeito", estamos dando ênfase a sua ação quanto as doenças e enfermidades.
Para não fugir do tema central, te encaminharei por mensagem pessoal a resposta para sua dúvida.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 25 de Agosto de 2012, 14:56
Sim mano moura,nordestino como eu.Concordo que a consequência,ou seja o efeito,como eu
coloquei em um post anterior,é o motivador,ele precede sempre em todas as circunstâncias,
nessa e consequentemente aconteceu em encarnações passadas.Acredito eu que dado a evo-lução espiritual no sentido da perfeição,não mais será provocado as causas e os efeitos de que tanto padecem os espíritos na sua caminhada evolutiva.
Fique na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 26 de Agosto de 2012, 14:54
Acredito eu que dado a evo-lução espiritual no sentido da perfeição,não mais será provocado as causas e os efeitos de que tanto padecem os espíritos na sua caminhada evolutiva.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 26 de Agosto de 2012, 18:39
      Susana Fernandes    (resp sua msg 152)

      = Como aconselha Kardec, devemos raciocinar sobre nossa fé, sobre nossa crença! =

      Antonio Renato (msg anterior): Diante das conjunturas, o que se pode e deve-se concluir em se tratando de lei de causa e efeito no sentido de diferenciar. O que foi feito por querer fazer ou fazer sem querer, (culposo ou doloso) uma ação foi praticada, haverá uma reação, isto é, um julgamento por parte de Deus. Citemos a exemplo: quando eu digo que agredi um irmão com atos ou palavras, mas na verdade não queria fazê-lo, foi um ato impensado, mas quando o faço deliberadamente com a intenção de agredir, foi premeditado, então, o que irá acontecer, sendo Deus sempre justo em seu julgamento?

      Susana: É  este o espírito amigo Renato, a responsabilidade está na medida da consciência e da intenção que temos quando praticamos o ato, mas mesmo quando agimos “sem querer" devemos refletir se aquela ação não poderia ser evitada através do nosso autocontrole.

      Ás vezes dizemos e fazemos coisas por impulso e nos arrependemos, porém é sempre importante aprender a lidar com nossas emoções, comandando-as e não se deixando comandar por elas.

      Cel: a irmã Susana tocou, aqui, num ponto muito sério e importante: “é importante aprender a lidar com nossas emoções, comandando-as e não nos deixando comandar por elas!”. Aí está uma verdade, pois se refere a uma capacidade q, a todo custo, devemos buscar conquistar: a capacidade de comandar nossa mente. Como “milhares” de textos (q estamos até mesmo cansados de ler), este, da amiga, contém o mesmo conselho: “comande suas emoções; seja dono delas e não deixe q elas o comandem!”. Esse é o ideal a, a respeito das emoções, se atingir; mas, como comandar nossas emoções se não comandamos nem mesmo nossos pensamentos, nossa mente? Os pensamentos apenas chegam, duram muito ou pouco tempo e se vão, independentes de nossa vontade! Não temos sobre eles senão uma ação voluntária reduzidíssima, pois nossa mente é q nos comanda, e não nós a ela e, por isso, somos levados daqui para lá, e de lá para mais além, e devido a isso, gozamos ou sofremos.
........................................ 
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 26 de Agosto de 2012, 19:20
     
      Cel: a irmã Susana tocou, aqui, num ponto muito sério e importante: “é importante aprender a lidar com nossas emoções, comandando-as e não nos deixando comandar por elas!”. Aí está uma verdade, pois se refere a uma capacidade q, a todo custo, devemos buscar conquistar: a capacidade de comandar nossa mente. Como “milhares” de textos (q estamos até mesmo cansados de ler), este, da amiga, contém o mesmo conselho: “comande suas emoções; seja dono delas e não deixe q elas o comandem!”. Esse é o ideal a, a respeito das emoções, se atingir; mas, como comandar nossas emoções se não comandamos nem mesmo nossos pensamentos, nossa mente? Os pensamentos apenas chegam, duram muito ou pouco tempo e se vão, independentes de nossa vontade! Não temos sobre eles senão uma ação voluntária reduzidíssima, pois nossa mente é q nos comanda, e não nós a ela e, por isso, somos levados daqui para lá, e de lá para mais além, e devido a isso, gozamos ou sofremos.
........................................

Olá Coronel,
Já lhe disse como:
Como mudar pensamentos?
Através de todas as práticas que eu citei acima.
A meditação e a yoga são ferramentas muito importantes para controlar a mente.
O homem sábio não é conduzido pela mente , ele a conduz. Ele não é um escravo dose sentidos, mas senhor do seu destino.
A yoga tem a habilidade de serenar a mente, diminuindo a turbulência e desordem dos nossos pensamentos.
Deus deixou o remédio para cada mal, só que cabe a nós pelo nosso próprio esforço encontrá-los.
Deixei neste comentário várias sugestões, cabe a ti escolher a que mais lhe agrade.

paz e luz
Susana
A única forma de se verificar a eficiência da prática é experimentando.
A meditação não é técnica de propriedade de nenhuma doutrina, religião ou filosofia ,mas ferramenta de auto conhecimento á disposição de todos.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 30 de Agosto de 2012, 04:00
      Rasek   (resp sua msg #230)

      Olá, novo companheiro de jornada, seja bem-vindo!
     
      Rasek escreveu: Não entendo o debatedor Coronel... é tão lógico e simples a explicação dada pelo Espiritismo quanto ao sofrimento...

       Cel: meu amigo, vc vai entender já, já! O assunto a q sempre me atenho, é o importantíssimo, para todos, assunto das desigualdades iniciais, q provocam sentimentos, ações, procedimentos desiguais e, conseqüentemente, sofrimentos desiguais.

      Vamos raciocinar, como aconselha Kardec: Qual é a primeira preocupação dos seres humanos, sem exceção de nenhum (talvez, tb, a de todos os não humanos), desde q adquirem a consciência de si mesmos ou, qto aos irracionais, desde q percebem suas necessidades:  aproximar-se, o mais possível, do bem-estar, do q lhe seja agradável, da felicidade, e afastar-se, também o mais possível, do mal-estar, das infelicidades! A luta de todos, sem exceção de nenhum, do mais virtuoso ao mais corrupto, seja pela prática de ações no sentido do bem, ou no sentido mal, é nada mais q uma batalha incessante para conquistar a felicidade, concorda? No entanto, porq uns são felizes, ou mais felizes do q os outros? E porq muitos são extremamente infelizes? É evidente q todos dirão q essa desigualdade vem de desiguais sentimentos q proporcionam desiguais ações, umas boas e outras más, causas desiguais q resultam em efeitos desiguais. Pelo visto, portanto, uns são mais felizes, outros são mais infelizes devido a q seus sentimentos, discernimentos, compreensão, caracteres, desejos e obras são desiguais.  Assim, desigualdades naquilo q mais interessa o homem, a felicidade, vêm de desigualdades existentes no próprio homem, certo? Mas, se, no princípio, éramos perfeitamente iguais, o q fez q nos tornássemos tão gigantescamente desiguais? O q foi (ou, o q é, pois a criação continua) q desfez a perfeita igualdade  inicial (aquela “perfeita igualdade” inicial, é evidente, não se refere à raça, cor dos olhos, peso etc, mas àqueles elementos ou qualidades vindas do campo moral (q podem ser influenciadas pelo campo fisiológico), em particular qto ao mundo interno de sentimentos q resultam numa maior, ou mais rápida, ou menor e mais lenta evolução. (Fui confuso?!)

       É evidente q a resposta não pode ser o desigual uso do livre-arbítrio, ou livres-arbítrios desiguais (essa é a resposta sempre dada!) porq, seres perfeitamente iguais terão, sem dúvida, livres-arbítrios perfeitamente iguais, concorda?

      Observe mais: se não houvesse sido desfeita a perfeita igualdade inicial, não haveria desigualdade em relação à aceitação das provas: todos a aceitariam submissos, ou todos delas reclamariam, igualmente, certo? Fato q resultaria em, se houvessem, méritos ou deméritos idênticos para todos.

      No entanto, as desigualdades são enormes pois, como diz a doutrina, há desigualdades q poderão levar o espírito a multiplicadas e doloridas encarnações, a se estenderem até por milhões de anos!: “... os que aceitam suas provas sem murmurar chegam mais depressa à perfeição do q os outros..., outros são rebeldes, murmuram e, por isso, chegam mais tarde à perfeição!”.

      Logo, podemos daí concluir q, antes dessa desigual aceitação das provas, já existia desigualdade entre os espíritos.

      E são as desigualdades q, dessa inicial desigualdade nascem, q levam, uns à felicidade e, outros, às mais extremas infelicidades, como vemos no mundo. Isso é mais do q evidente pois, se os espíritos não fossem desiguais, o merecimento de todos, seria perfeitamente igual!

      Aí está uma questão q nenhuma religião, filosofia e nenhum de seus seguidores consegue responder e q, se soubessem, constatariam q, ao ser humano, nenhuma responsabilidade cabe por ser desigual e pela prática de obras desiguais, em relação aos demais!
.................................................................           
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 30 de Agosto de 2012, 13:22
      Rasek   (resp sua msg #230)

      Olá, novo companheiro de jornada, seja bem-vindo!
     
      Rasek escreveu: Não entendo o debatedor Coronel... é tão lógico e simples a explicação dada pelo Espiritismo quanto ao sofrimento...

       Cel: meu amigo, vc vai entender já, já! O assunto a q sempre me atenho, é o importantíssimo, para todos, assunto das desigualdades iniciais, q provocam sentimentos, ações, procedimentos desiguais e, conseqüentemente, sofrimentos desiguais.

      Vamos raciocinar, como aconselha Kardec: Qual é a primeira preocupação dos seres humanos, sem exceção de nenhum (talvez, tb, a de todos os não humanos), desde q adquirem a consciência de si mesmos ou, qto aos irracionais, desde q percebem suas necessidades:  aproximar-se, o mais possível, do bem-estar, do q lhe seja agradável, da felicidade, e afastar-se, também o mais possível, do mal-estar, das infelicidades! A luta de todos, sem exceção de nenhum, do mais virtuoso ao mais corrupto, seja pela prática de ações no sentido do bem, ou no sentido mal, é nada mais q uma batalha incessante para conquistar a felicidade, concorda? No entanto, porq uns são felizes, ou mais felizes do q os outros? E porq muitos são extremamente infelizes?
(...)
Mas, se, no princípio, éramos perfeitamente iguais, o q fez q nos tornássemos tão gigantescamente desiguais? O q foi (ou, o q é, pois a criação continua) q desfez a perfeita igualdade  inicial (aquela “perfeita igualdade” inicial, é evidente, não se refere à raça, cor dos olhos, peso etc, mas àqueles elementos ou qualidades vindas do campo moral (q podem ser influenciadas pelo campo fisiológico), em particular qto ao mundo interno de sentimentos q resultam numa maior, ou mais rápida, ou menor e mais lenta evolução. (Fui confuso?!)

      (...)
      No entanto, as desigualdades são enormes pois, como diz a doutrina, há desigualdades q poderão levar o espírito a multiplicadas e doloridas encarnações, a se estenderem até por milhões de anos!: “... os que aceitam suas provas sem murmurar chegam mais depressa à perfeição do q os outros..., outros são rebeldes, murmuram e, por isso, chegam mais tarde à perfeição!”.

      Logo, podemos daí concluir q, antes dessa desigual aceitação das provas, já existia desigualdade entre os espíritos.

      E são as desigualdades q, dessa inicial desigualdade nascem, q levam, uns à felicidade e, outros, às mais extremas infelicidades, como vemos no mundo. Isso é mais do q evidente pois, se os espíritos não fossem desiguais, o merecimento de todos, seria perfeitamente igual!

      Aí está uma questão q nenhuma religião, filosofia e nenhum de seus seguidores consegue responder e q, se soubessem, constatariam q, ao ser humano, nenhuma responsabilidade cabe por ser desigual e pela prática de obras desiguais, em relação aos demais!
       

--------------------------------------------------------------------------------------------------
Amigo Coronel,
O tema do estudo não é livre-arbítrio e nem a origem do bem e do mal.
Existem outros tópicos mais apropriados para você aprofundar este debate.
Existe relação entre eles, mas cada um sozinho daria material para um estudo mensal.
Vou dizer para você o que disse para o viajante do espaço, aliás seria bom você depois ver a resposta na íntegra.
É muita pretensão humana querer ter o conhecimento de tudo nesta encarnação.
Você está no pré-primário querendo aprender física quântica...
Por mais que você evolua, existem lições que você só irá aprender em outros planos.
Nem os grandes filósofos da humanidade bateram o martelo e você Coronel quer nesta encarnação desvendar todos os mistérios da vida? Existe o livre-arbítrio, isso basta, agora detalhes minúcias de como ele surge e se desenvolve acho que é matéria para outro curso.
Vamos nos concentrar em aprender lições que nos foram ensinadas, o que por sinal , já dá bastante trabalho.
Sim, todos temos sede de saber e é isso que impulsiona o progresso, mas também temos que ter consciência de nossas limitações e aceitar que nem tudo nos erá revelado nesta existência.
Os próprios espíritos disseram que havia mais a ser dito( assim como Jesus também), então cabe a nós  termos paciência e resignação e aguardar o tempo de Deus.
Por ora basta saber que nós temos o remédio para todo sofrimento: Deus.
Aquele que ama a Deus acima de todas as coisas ( e todas as coisas são todas as coisas mesmo: mulher, filho, trabalho, si mesmo) e confia, suporta os reveses da vida de forma muito mais tranquila porque ele sabe que no momento certo compreenderá o que achava injusto e incompreensível.

Amigo Coronel,
Esqueça um pouco essa obsessão em querer descobrir nesta encarnação os mecanismos do livre arbítrio.
Ele existe, por ora isso basta.
Se concentre em vivenciar os ensinamentos de Jesus e a cada dia dar o seu melhor se esforçando ao máximo para vencer todas as fraquezas e imperfeições: é este o objetivo de nossa encarnação.
O resto é secundário, no momento oportuno você terá as repostas que busca, se não for nesta será em outra existência.
Não se angustie com isso, temos coisas muito mais importantes para resolver antes de querer descobrir todos os mistérios da vida. Se os espíritos não entraram em minúcias é proque ainda não era a hora de termos acesso a este conhecimento, devemos então humildemente nos resignar diante da sabedoria de Deus.
O tempo de Deus não é o tempo dos homens.

Questão 17 do LE- É dado ao homem conhecer o princípio das coisas?

“Não, Deus não permite que ao homem tudo seja revelado neste mundo.”


Questão 18 do LE-  Penetrará o homem um dia o mistério das coisas que lhe estão ocultas?
“O véu se levanta a seus olhos, à medida que ele se depura; mas, para compreender certas coisas, são-lhe precisas faculdades que ainda não possui.”


Questão 19 do LE- O homem não pode, pelas investigações das ciências, penetrar em alguns dos segredos da natureza?
 “A ciência lhe foi dada para seu adiantamento em todas as coisas, mas não pode ultrapassar os limites fixados por Deus.”


Questão 123 do LE- Por que há Deus permitido que os Espíritos possam tomar o caminho do mal?

“Como ousais pedir a Deus contas de Seus atos? Supondes poder penetrar-lhe os desígnios?
Podeis, todavia, dizer o seguinte: A sabedoria de Deus está na liberdade de escolher que Ele deixa a cada um, porquanto, assim, cada um tem o mérito de suas obras.”


Fique em paz.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: JACY R SENA em 30 de Agosto de 2012, 17:01
   Muita paz para todos;                                                                                                  O compromisso que assumimos com a espiritualidade antes de reencarnamos,representa a lei da ação e reação;Pois através de nosso carma é que sofremosos desajustes de nossa vida terrena ou, seja surgem as dores e sofrimentos os quais muitas vezes não temos a compreensão e nem o conhecimento de suas causas,porem através do estudo e entendimento da doutrina de CRISTO,é que poderemos aprender o por que dessas dores e assim buscar-mos nosso processo evolutivo auxiliado pela providencia divina;Nosso mestre JESÚS,nos ensinou que devemos buscar o seu julgamento que é leve se soubermos nos conduzir nesse plano terrestre com as açóes de fé , caridade, e obidiencia dentro das leis divinas.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 31 de Agosto de 2012, 01:01
(...)porem através do estudo e entendimento da doutrina de CRISTO,é que poderemos aprender o por que dessas dores e assim buscar-mos nosso processo evolutivo auxiliado pela providencia divina;Nosso mestre JESÚS,nos ensinou que devemos buscar o seu julgamento que é leve se soubermos nos conduzir nesse plano terrestre com as açóes de fé , caridade, e obidiencia dentro das leis divinas.

Quando seguimos o caminho de Jesus, tudo fica mais fácil de suportar.
abraços
Susana

Pegadas na areia


Uma noite eu tive um sonho...
Sonhei que estava andando na praia
com o Senhor
e no céu passavam cenas de minha vida.

Para cada cena que passava,
percebi que eram deixados dois pares
de pegadas na areia:
um era meu e o outro do Senhor.

Quando a última cena da minha vida
passou diante de nós, olhei para trás,
para as pegadas na areia,
e notei que muitas vezes,
no caminho da minha vida,
havia apenas um par de pegadas na areia.

Notei também que isso aconteceu
nos momentos mais difíceis
e angustiantes da minha vida.
Isso aborreceu-me deveras
e perguntei então ao meu Senhor:
- Senhor, tu não me disseste que,
tendo eu resolvido te seguir,
tu andarias sempre comigo,
em todo o caminho?

Contudo, notei que durante
as maiores tribulações do meu viver,
havia apenas um par de pegadas na areia.
Não compreendo por que nas horas
em que eu mais necessitava de ti,
tu me deixaste sozinho.

O Senhor me respondeu:
- Meu querido filho.
Jamais te deixaria nas horas
de prova e de sofrimento.
Quando viste na areia,
apenas um par de pegadas,
eram as minhas.
Foi exatamente aí,
que te carreguei nos braços.


Poema de Mary Stevenson
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: filhodobino em 31 de Agosto de 2012, 14:33
Citar
Questão 123 do LE- Por que há Deus permitido que os Espíritos possam tomar o caminho do mal?

“Como ousais pedir a Deus contas de Seus atos? Supondes poder penetrar-lhe os desígnios?
Podeis, todavia, dizer o seguinte: A sabedoria de Deus está na liberdade de escolher que Ele deixa a cada um, porquanto, assim, cada um tem o mérito de suas obras.”
Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/lei-de-causa-e-efeito-43687/240/#ixzz2588jSBgT

Não há código de conduta, escrito, perfeito.
Há um código de comportamento que vai se aperfeiçoando, à medida que seu possuidor e utilitarista único, se elevam moralmente no plano evolutivo, naturalmente assistido, que na conformidade da prática consciente de um erro ou engano, exprobra o filho do Altíssimo, na justa, justíssima regra do nível do seu conhecimento, que é pessoal e intransferível...
Notemos: Há enorme diferença entre a polidez natural e a interesseira, que não suporta a menor contrariedade, na intimidade, mas, paradoxalmente até suscita a si mesmo ser contrariado em público, ocasião em que já possui preparado, pronto para uso manifesta e insincera, fingídia modéstia...
À aquele que elege para si estudo comparado, facilmente percebe essa ignomínia do comportamento humano, que prevarica intencionalmente e com conhecimento de causa.
Consideremos... É esse comportamento gerador inconteste de causa e efeito?


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/paginas-de-internet-espiritas/estudante-espirita-assertivas-biblicas-e-o-evangelho-segundo-o-espiritismo/225/#ixzz2588u0p5r


A Obediência e a Resignação.wmv (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWw4VUtpM3A3b3ZvIw==)
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 01 de Setembro de 2012, 23:17
Boa Noite Amigos!
Queria agradecer a participação de todos durante o estudo mensal de agosto.
Obrigada a todos os foristas que contribuíram com comentários para que pudéssemos compreender um pouco melhor o mecanismo da causa e efeito, em especial no tocante a gênese das enfermidades.
Cada um de vocês foram  fundamentais para o êxito deste estudo.
Aprendi muito com todos e espero que os textos e comentários postados tenham sido de alguma utilidade.
Não conseguimos talvez encontrar todas as respostas.
A influência do perispírito, ou não, no processo de enfermidades não foi totalmente esclarecida, mas creio que conseguimos responder os demais questionamentos apresentados.
Ao final destes mais de 30 dias, concluímos que a lei de causa e efeito, antes de ser mecanismo de castigo e vingança ,trata-se de verdadeira expressão da misericórdia divina.
Importante lei universal  e ao mesmo tempo eficiente ferramenta pedagógica para nos ensinar a importância de amar.
Aquele que aprendeu a lei do amor, nada mais tem a expiar . Como todos seus atos são com base no amor, não há dores ou sofrimentos a suportar.
Enfermidades, doenças, patologias, dores e sofrimentos deixam de existir quando respeitamos a harmonia da leis divinas.
Esse estado será alcançado por todos nós em algum momento, mas podemos começar a buscá-lo agora.
 Não evitaremos as consequências de nossos atos passados, mas poderemos escrever um novo futuro e evitar novos sofrimentos.
E quando isso ocorrer, quando  a lei do amor for praticada em toda sua plenitude, estaremos aptos a habitar esferas mais venturosas onde a dor e o sofrimento serão  apenas vagas lembranças de um passado distante.

"Ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo. Mas qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim”
Chico Xavier

Obrigada a todos!
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 03 de Setembro de 2012, 21:53

      Susana Fernandes   (resp sua msg #254)

      Susana escreveu sobre o estudo de agosto, lei de causa efeito: Não conseguimos talvez encontrar todas as respostas.

      Cel: permita-me dizer q as respostas mais importantes nem mesmo foram pesquisadas, pois as perguntas convenientes não foram feitas!

      Aqui, lhe apresento um único exemplo de pergunta de extrema importância q não foi feita: "qual é a causa da existência da lei moral de causa e efeito?" Que ninguém diga q a resposta é óbvia, porq não é e adiante veremos porq não é obvia. Sei q a amiga poderá dizer q esse detalhe, ou q esse aspecto não tem nada a ver com o estudo; q no tópico se estuda a lei, mas que não se estuda o porquê dessa lei, o porquê de sua existência. Outros dirão: “mas, é evidente q a causa de sua existência é corrigir os homens (a DE repete “punir” e punir de modo torturante) qdo são culpados por ações q, entre outras coisas, tragam danos ao próximo. A DE, no ESE afirma q “o homem deve ser punido naquilo em que pecou!”.

      Mas, essa está longe de ser a resposta definitiva. Devemos nos aprofundar mais um pouco: “e porq o homem peca?”. Dirão, como disse Kardec: “porq o homem usa de modo indevido seu livre-arbítrio e, com isso, escolhe o q não deve escolher!”. Mas, também essa não é a resposta final. Devemos nos aprofundar mais e mais: “e porq o homem usa de modo indevido seu livre-arbítrio?”... e as perguntas não terão fim, porq as respostas, as causas das perguntas, estão num lugar onde não temos condições de alcançá-las, de conhecê-las. Então, obviamente, nunca saberemos quais as verdadeiras causas q têm como efeito aquelas causas subsequentes, cujos efeitos nos levam a não usar corretamente nosso livre-arbítrio!  E, desse modo (q, sem dúvida é o modo q acontece na realidade), <nunca> saberemos porq os homens pecam, porq têm de ser corrigidos com as terríveis conseqüências da lei de causa e efeito, porq são considerados responsáveis ou culpados.

      Se algum companheiro não concorde com essa argumentação, lhe peço, por favor, e para que possamos entender melhor, q apresente uma alternativa, ou q exponha o porq de não concordar.

      Susana: ... Ao final destes mais de 30 dias, concluímos que a lei de causa e efeito, antes de ser mecanismo de castigo e vingança, trata-se de verdadeira expressão da misericórdia divina. Importante lei universal  e ao mesmo tempo eficiente ferramenta pedagógica para nos ensinar a importância de amar.

      Cel: não consigo compreender do modo q muitos amigos estão compreendendo, pois é a própria doutrina q usa as palavras “punição”, “castigo”, “locais de punição”, “penalidades torturantes”, que afirma q essas punições podem implicar em multiplicadas e doloridas encarnações a se estenderem até por milhões de anos!... Essas palavras da doutrina e as afirmações de q não existem punições, de que Deus não pune (mas q sua Lei nos impõe cânceres, dores se fim, sofrimentos desesperadores e insuportáveis) com certeza, encherão de confusão a cabeça de muitos dos q procuram conhecer a doutrina! 

     
........................................................
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 04 de Setembro de 2012, 00:37

     

      Susana: ... Ao final destes mais de 30 dias, concluímos que a lei de causa e efeito, antes de ser mecanismo de castigo e vingança, trata-se de verdadeira expressão da misericórdia divina. Importante lei universal  e ao mesmo tempo eficiente ferramenta pedagógica para nos ensinar a importância de amar.

      Cel: não consigo compreender do modo q muitos amigos estão compreendendo, pois é a própria doutrina q usa as palavras “punição”, “castigo”, “locais de punição”, “penalidades torturantes”, que afirma q essas punições podem implicar em multiplicadas e doloridas encarnações a se estenderem até por milhões de anos!... Essas palavras da doutrina e as afirmações de q não existem punições, de que Deus não pune (mas q sua Lei nos impõe cânceres, dores se fim, sofrimentos desesperadores e insuportáveis) com certeza, encherão de confusão a cabeça de muitos dos q procuram conhecer a doutrina! 

     
........................................................

Coronel a lei se chama: lei de causa e efeito.
Lembra do exemplo da pedra que jogamos para cima e cai na cabeça?
É exatamente este o mecanismo.
Jogamos a pedra há algumas encarnações e hoje ela está caindo de volta.
Isso não é punição mas mero reflexo dos atos praticados, porém para todo aquele que ainda não desenvolveu o espírito de renúncia, abnegação e resignação estes efeitos se consistem em verdadeiras punições, castigos.
O efeito punitivo se verifica no modo como o espírito vivencia  a consequência de seus atos.
Exemplo: se nasço com um grave deformidade física( sem as mãos) mas me resigno e procuro ser o mais feliz possível dentro desta condição, estou recebendo o efeito de uma ação passada mas não sofro.
É claro que o espírito gostaria de dispor de todos os membros em perfeito estado, mas ele se conforma com sua situação e tem aceitação.
Tem irmãos nessa situação que pintam, dirigem e são exemplos de superação.
Por outro lado um outro espírito na mesma situação, também colhendo o que plantou não aceita sua condição e se revolta contra a providência divina. para este irmão, o "efeito da causa" neste caso se reveste em verdadeira punição ,pois sua falta de aceitação o leva a sentir a consequência de seus atos como castigo.
Uma situação pode ser vista como punição ou aprendizado, depende da ótica e maturidade do observador.
Uma coisa é certa, colhemos sempre o que plantamos ,mas podemos ser gratos porque Deus permite que através desta perfeita e misericordiosa lei aliviemos nossas culpas e remorsos pelas desarmonias que causamos e possamos seguir em frente.
Amigo Coronel, não tente sondar o insondável.
Você pode ler todos os livros, conhecer toda a ciência que existem respostas que não vai encontrar nessa encarnação.
Esqueça um pouco essa idéia fixa de querer descobrir todos os porquês da vida, o que existe hoje é o que temos condições de compreender.
Existem ensinamentos que não podermos aprender aqui, ainda faltam outros degraus que apenas serão subidos em outros planos.
O livre arbítrio existe, isso basta agora os detalhes, o momento em que o homem que era simples e ignorante começa a fazer escolhas equivocadas, bem isso não é matéria deste curso.
Trabalhe a resignação e a confiança em Deus. Se algo lhe choca a razão a ponto  de duvidar da bondade divina, pode estar certo de que Deus não erra e no momento oportuno entenderá o que por ora lhe parece incompreensível.
O lema do meu Estado é trabalhe e confie, é justamente isso que viemos fazer aqui: trabalhar pela nossa melhoria, confiando na sabedoria divina.
Busque a instrução e o conhecimento mas sempre tendo em mente que não nos será dado conhecer os detalhes dos mistérios da vida nesta existência. Então saibamos discernir o que é possível conhecer e o que se encontra nos domínios do insondável.
Em vez de pensar no que não temos ou exaltar nossas dores e sofrimentos, agradeçamos esta bendita oportunidade reenarcarnatória de renascimento ,pois existem milhões de espíritos em estado de culpa e remorso que padecem sofrimentos morais torturantes e que aguardam ansiosamente a oportunidade de reencarnar mesmo que nas piores condições imagináveis.
Por pior  que seja o sofrimento ainda assim devemos ser gratos  simplesmente por estarmos vivos.
Acho que o vídeo abaixo responde todas as suas perguntas.

História de Nick Vujicic (legendado em português) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PU8tYlBXemwwa2hZI3dz)
" E eu senti que Deus havia respondido a minha pergunta.
A pergunta foi:
Por quê?
Por quê Tu me fizeste dessa forma?
E a resposta foi:
Você confia em mim?"

Oração da Serenidade
Deus, concedei-me,
A serenidade para aceitar as coisas que eu não posso modificar;
Coragem para modificar as coisas que posso, e
Sabedoria para perceber a diferença.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 07 de Setembro de 2012, 18:29
       Maria Martins, de Belo Horizonte, visitante escreveu: 

       "Eu me pergunto se o câncer tem relação c/causas e efeitos/..."

       Cel: se a amiga é espirita kardecista, sabe q, pela doutrina espírita (e talvez por todas as outras doutrinas religiosas q apregoam a realidade de uma justiça divina), só sofre quem merece sofrer (ou, então, pela missão q assume, por provas escolhidas, ou pela adaptação às circunstâncias da vida do meio onde está). Logo, na  visão das religiões, como as conhecemos, câncer ou o q seja, ou dos mais simples e pequenos contratempos ou infortúnios, aos mais terríveis e desesperadores sofrimentos, são impostos aos seres vivos, pela lei de causa e efeito. Sofrer sem merecer, na concepção das religiões, configura extremo absurdo, pois q não se harmoniza com a crença no Amor e Justiça divinos. 
..........................................
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Felipa em 06 de Outubro de 2012, 00:37

Colheita
 
Não há efeito sem causa: tudo tem seu motivo.
Não há espinheiro sem plantio anterior: só a semente pode produzir a planta.
Recapitular a lição é mais desagradável a quem sabe menos.
Há efeitos dolorosos de erros que praticaste e que te estão sendo cobrados desde já. E, quanto mais cedo pagamos, melhor.
Todo homem é crucificado quando cravado no corpo físico. De seu comportamento, nessa cruz, dependerá sua ressurreição amanhã.
Cada vez que descemos à matéria, encontramos a dor.
A visita da dor chega com desagrado do visitado: mas, quando sai, deixa luz em seu rastro.
O resultado de qualquer coisa tem que ser idêntico à causa que o moveu.
Se o resultado é a dor, a causa forçosamente foi um erro.
Se foste tu que plantaste, mesmo com outro nome, e se a colheita vem às tuas mãos, recebe-a de boa vontade.
Os laços negativos amarrados por nós só por nós podem ser desfeitos.
Não pode haver comparação entre os milênios da vida de um espírito e os poucos anos de permanência na Terra de um corpo.
A dor causada por nós em outrem, nós a sentiremos, amanhã, em nós mesmos, porque todos somos  um.
A responsabilidade que sobre nós pesa reflete o passado. As agruras que sofremos são frutos amargos que plantamos. Quem faz a plantação deve recolher os frutos, doces ou amargos, não apenas como direito, mas como dever.
Então, amigo, vigia!
Por que deixas aberta a porta por onde penetram teus inimigos? Sabes fechar à chave tuas coisas terrenas, que cuidadosamente guardas, e deixas às escâncaras as entradas do mais precioso tesouro que és tu mesmo?
Defende os anéis e perdes os dedos... para que te servirão os anéis?
Carlos Torres Pastorino
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: MarcosBorges em 06 de Outubro de 2012, 05:52
Oi Suzana,


"Enfermidades, doenças, patologias, dores e sofrimentos deixam de existir quando respeitamos a harmonia da leis divinas."

Nos atemos até agora as causas morais.

Certamente que a Lei de causa e efeito se aplica a todos as coisas, aos seres vivos, espiritos encarnados e desencarnados. Mas será que a mesma somente está no plano das questões morais? Ou também não pode estar associado ao plano das questões puramente materiais?

E no tocante aos demais seres vivos? Neles também manifestam doenças e patologias (iguais a nossa) no qual, vivenciam sofrimentos físicos e emocionais. Será que podemos também aplica o fator de desrespeito as leis divinas?


Abraço fraterno
Marcos Borges


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 06 de Outubro de 2012, 13:51
Olá MarcosBorges

Uma das razões pelas quais eu não acredito que as doenças tenham causas morais,  é precisamente por os animais também sofrerem as mesmas doenças dos seres humanos.

Se o que assistimos aqui na Terra fosse uma demonstração de justiça moral, aplicada do do ponto de vista material, então os que têm comportamentos que fazem sofrer os outros, os maus, se assim se pode dizer, seriam mais doentes do que os bons (se assim se pode dizer). É evidente que assim não é. Tanto sofrem de doença os bons como os maus.

A mensagem que eu leio neste mundo, pelo menos do ponto de vista das pessoas moralmente sensíveis, é que se trata de um mundo em que temos de viver, mas que é muito precário, e em que a dose de sofrimento pode ser muito grande. Mesmo que não estejamos a sofrer, estamos a ver o sofrimento por todo o lado.

O que quer dizer que o objectivo é sair daqui, tão depressa quanto possível, cumprindo a nossa missão o melhor que formos capazes, lutando e orando para ter fé, coragem, paciência e resignação, de forma a chegar ao fim sem desistir, pelo suicido. Vale a pena lutar para nos elevarmos, para não ter que voltar (ou pelo menos para dar alguns passos positivos, no sentido da evolução para mundos melhores). 

Cada vez que reencarnamos, contudo, é uma nova oportunidade, tal como o nascer do sol é o anuncio de um novo dia. A reencarnação não é o anuncio de uma fatalidade, de uma vida definitivamente manchada pelo pecado original, ou pelas encarnações anteriores, mas uma oportunidade para sair da escuridão, na direcção da luz. Uma nova esperança.

bem haja
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 07 de Outubro de 2012, 03:24
Oi Suzana,


"Enfermidades, doenças, patologias, dores e sofrimentos deixam de existir quando respeitamos a harmonia da leis divinas."

Nos atemos até agora as causas morais.

Certamente que a Lei de causa e efeito se aplica a todos as coisas, aos seres vivos, espiritos encarnados e desencarnados. Mas será que a mesma somente está no plano das questões morais? Ou também não pode estar associado ao plano das questões puramente materiais?

E no tocante aos demais seres vivos? Neles também manifestam doenças e patologias (iguais a nossa) no qual, vivenciam sofrimentos físicos e emocionais. Será que podemos também aplica o fator de desrespeito as leis divinas?


Abraço fraterno
Marcos Borges

Olá Marcos,
Não sei se o amigo leu o estudo por completo mas esse questionamento já foi discutido aqui.
De forma resumida: o sofrimento nos animais se dá por força das coisas, por aprendizado.
nos homens também se dá por força das coisas para aprendizado, mas também por expiação.
Animais sofrem por aprendizado, homens por aprendizado e expiação.
O LE diz que as doenças de nascença são na sua esmagadora maioria frutos de expiação.
Os animais estão aqui vivenciando as etapas primárias de aprendizado, nós já somos calejados na escola da Terra e aliás em outras fora daqui também, de modo que a maior parte dos sofrimentos por meros aprendizados já foram vivenciados em outras etapas.
Trouxe textos bem interessantes do Dr Deepak Chopra que mostram que não existiria esta dissociação entre questão materiais e morais quanto a enfermidade. Estariam interligadas.
Aliás vale a pena ler os textos do médico que foram trazidos ao longo do estudo, são muito esclarecedores.
Tem até o caso que cito da bactéria e de situações que aparentemente tem origem externa  mas que na verdade também estão relacionadas com nosso estado psicológico.
A frase que trouxe significa que: o dia que respeitarmos as leis divinas não estaremos mais qui na Terra pois aqui é escola para espíritos contumazes violadores das leis divinas e isso está na doutrina, depois dá uma lida no texto do ESE que fala sobre a destinação da Terra.( também encontrará no estudo).
Deste modo quando respeitarmos as leis divinas não haverá mais dor e sofrimento porque a dor é a linguagem pedagógica da realidade dual tridimensional deste planeta, em outros mundos mais venturosos habitados por espíritos que vivem em harmonia dentro das leis divinas não se conhece a enfermidade, a dor , o sofrimento.
abraços
Susana

P.S: Desculpe amigo não poder dar uma resposta mais detalhada mas é os questionamentos que você traz , apesar de muito importantes , já foram discutidos aqui, depois dê uma olhadinha no estudo na íntegra que vai encontrar o que tentei dizer mais bem explicado.


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: MarcosBorges em 07 de Outubro de 2012, 05:29
Oi Vitor

Bem colocado seus argumentos. Penso o mesmo.

Oi Susana,


Não li o estudo todo. Compreendi o primeiro parágrafo e penso o mesmo.

"Os animais estão aqui vivenciando as etapas primárias de aprendizado, nós já somos calejados na escola da Terra e aliás em outras fora daqui também, de modo que a maior parte dos sofrimentos por meros aprendizados já foram vivenciados em outras etapas."

Então não existe uma relação de causa e efeito entre o sofrimento gerado por patologias e enfermidades com específicas formas e etapas de aprendizado. Por exemplo, alguns sofrimentos relacionados a determinadas patologias seriam específicos nas etapas primárias, não sendo mais necessários para aprendizados em estapas posteriores embora nada impeça que ocorram por força das coisas.

"O LE diz que as doenças de nascença são na sua esmagadora maioria frutos de expiação."

Doenças de nascença é um termo muito generico. A maioria das enfermidades e patologias tem sua genese durante o desenvolvimento, antes do nascimento, por herança mendeliana ou por disfunções geneticas não-mendelianas. Assim as doenças de nascença podem ser consideradas como devido a força das coisas. Assim é difícil determinar quando um sofrimento gerado por doenças de nascença é por aprendizado ou por expiação. E quiça um expiação pode fazer o papel de aprendizado.

O raciocínio de Deepak tem fundamento. A dissociação entre causas materias e morais dificulta mais a compreensão e a visão do processo das enfermidade e seus papeis ou como causa principal ou como coadjuvante.

"Tem até o caso que cito da bactéria e de situações que aparentemente tem origem externa  mas que na verdade também estão relacionadas com nosso estado psicológico."

Isso é mais comum do que se imagina. Existe uma relação muito grande entre incompetência do sistema imune em lidar com agentes infecciosos e disturbios afetivos e do humor, principalmente os que produzem estresse crônico (estado que se mantem mesmo sem a presença do agente estressor).


"o dia que respeitarmos as leis divinas não estaremos mais qui na Terra pois aqui é escola para espíritos contumazes violadores das leis divinas e isso está na doutrina, depois dá uma lida no texto do ESE que fala sobre a destinação da Terra."

Eu vou procura pelo o estudo. Mas vc se expressa acima como a Terra seja sempre destinada a ser um escola primária e secundaria: um mundo intermediário, de passagem para chegar a outros mundos que são escolas mais superiores.

Abraço fraterno
Marcos Borges




Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 07 de Outubro de 2012, 12:11
Meus nobres irmãos Coronel,Marcos Borges e minha irmã Susana.No mundo em que vivemos
nada é irreal ou totalmente verdadeiro que se relacione com os acontecimentos,não é como
a matemática uma ciência exata,haverá sempre uma explicação para diferentes situações.Em
se tratando de causas e efeitos,nada poderá ser respondido em definitivo,não importa quão
seja o nivel intelectual e moral que se possa ter,as respostas serão dadas a medida em o
nosso espírito for sendo esclarecido,não nesta, mas em outras encarnações que irão sem dú-
-vidas,acontecer.Como bem respondeu a nossa irmã Susana ao nosso irmão Coronel,em ter
respostas a tudo, se ainda não chegamos ao nivel total de entendimento.Pelo meu entedi-
-mento,o exemplo para enfatizar ,são os sofrimentos  que poderemos passar talvez nesta encarnação.Nenhuma resposta poderá ser dada em difinitivo,o que o motivou.É assim que eu penso.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 07 de Outubro de 2012, 12:42
Oi Vitor

Bem colocado seus argumentos. Penso o mesmo.

Oi Susana,


Não li o estudo todo. Compreendi o primeiro parágrafo e penso o mesmo.

"Os animais estão aqui vivenciando as etapas primárias de aprendizado, nós já somos calejados na escola da Terra e aliás em outras fora daqui também, de modo que a maior parte dos sofrimentos por meros aprendizados já foram vivenciados em outras etapas."

Então não existe uma relação de causa e efeito entre o sofrimento gerado por patologias e enfermidades com específicas formas e etapas de aprendizado. Por exemplo, alguns sofrimentos relacionados a determinadas patologias seriam específicos nas etapas primárias, não sendo mais necessários para aprendizados em estapas posteriores embora nada impeça que ocorram por força das coisas.

"O LE diz que as doenças de nascença são na sua esmagadora maioria frutos de expiação."

Doenças de nascença é um termo muito generico. A maioria das enfermidades e patologias tem sua genese durante o desenvolvimento, antes do nascimento, por herança mendeliana ou por disfunções geneticas não-mendelianas. Assim as doenças de nascença podem ser consideradas como devido a força das coisas. Assim é difícil determinar quando um sofrimento gerado por doenças de nascença é por aprendizado ou por expiação. E quiça um expiação pode fazer o papel de aprendizado.
Marcos, nós temos o corpo que merecemos. a genética cumpre um papel determinado pela espiritualidade.
As doenças mesmo quando se pense que são em razão apenas de um componente material, genético estão na verdade vinculadas a lei de causa e e efeito porque mesmo este componente genético foi previamente determinado antes de nossa encarnacção. No momento da fecundação são é escolhido" o espermatozóide que juntamente com o óvulo dará as ao reencarnante as características  necessárias ao aprendizado.
Depois leia a questão, já trazida  no estudo sobre idiotia, apesar da doença  ter fundo genético os espíritos dizem que é uma expiação, assim existe uma causa anterior a genética a qual esta se condiciona.
A genética mostra a superfície, a ponta do iceberg mas se formos a fundo existe um mecanismo por trás da genética.

O raciocínio de Deepak tem fundamento. A dissociação entre causas materias e morais dificulta mais a compreensão e a visão do processo das enfermidade e seus papeis ou como causa principal ou como coadjuvante.

"Tem até o caso que cito da bactéria e de situações que aparentemente tem origem externa  mas que na verdade também estão relacionadas com nosso estado psicológico."

Isso é mais comum do que se imagina. Existe uma relação muito grande entre incompetência do sistema imune em lidar com agentes infecciosos e disturbios afetivos e do humor, principalmente os que produzem estresse crônico (estado que se mantem mesmo sem a presença do agente estressor).


"o dia que respeitarmos as leis divinas não estaremos mais qui na Terra pois aqui é escola para espíritos contumazes violadores das leis divinas e isso está na doutrina, depois dá uma lida no texto do ESE que fala sobre a destinação da Terra."

Eu vou procura pelo o estudo. Mas vc se expressa acima como a Terra seja sempre destinada a ser um escola primária e secundaria: um mundo intermediário, de passagem para chegar a outros mundos que são escolas mais superiores.
Desculpe amigo não ter desenvolvido em profundidade seus questionamentos, é que seria repetitiva e como já fiz isso antes em outros momentos seria mais fácil dar uma olhada nos textos e comentários já postados.
Como se trata de uma questão complexa não dá para responder em duas linhas, por isso até que trouxe tantos textos.
Não sou médica , aliás o amigo tem muito mais propriedade para falar sobre o assunto do que eu, durante o estudo trouxe textos, principalmente do Chopra, porque a medicina ayurvédica tem uma visão mais integral das enfermidades trazendo também um componente extrafísico.
A Ayurveda se propõe a tratar o doente e não a doença porque ela acredita que a fonte das enfermidades estão no doente mesmo quando a origem parece advir de uma fator externo como uma bactéria ou um vírus. No mínimo ele foi co autor, normalmente inconsciente, porque teria fornecido o terreno biológico adequado através dos pensamentos e emoções para que a  doença se desenvolvesse.
A doutrina espírita em vários momentos diz que existe relação entre o que se fez no passado e a enfermidade que por ora nos acomete, a própria passagem de Jesus que abre este estudo também é nesse sentido.
Mas reconheço que há muito mais a ser falado e que o estudo ainda não tenha talvez conseguido atingir a raiz, o cerne da da questão.
O texto que te indiquei do ESE diz algo neste sentido: Não se envia pessoas sãs para o hospício, nem inocentes para penitenciária, pois bem a Terra é tudo isso hospício e penitenciária ao mesmo tempo.
Deste modo quando se está são se sai do hospital e quando se cumpre a pena se deixa a penitenciária.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: hcancela em 07 de Outubro de 2012, 12:55
Olá amigios(as)

Achei este artigo, que apesar de nao ser meu,achei  interessante para este estudo.Espero que gostem.


A dor que nos bate à porta é aviso para que mudemos de rumo"



A lei de causa e efeito te chegou, no exato momento em que já te consideravas vencedor, cobrando dívidas passadas, apresentando-te agora problemas difíceis de resolver, incluindo provações que te atormentam a alma?

Age com inteligência, empenha-te em servir em benefício dos outros, e a Misericórdia Divina interferirá no campo da Justiça, em teu favor, e conseguirás com certeza usando de toda tua boa-vontade e determinação, renovar o próprio caminho, modificando a terrível situação.

Em função de tua posição nas tarefas que desempenhas, teus adversários gratuitos te impõem duros reveses, promovendo discórdia e incompreensão em torno das responsabilidades que te marcam as horas?

Empenha-te em servir, e em breve tempo, transformarás aversão em simpatia, angariando novos amigos para a esfera da tua luta renovadora.

Tropeços e entraves à realização de teus ideais te afligem tirando-te a paz?

Pensa, que se te decidires por servir, atrairás braços inúmeros que estarão contigo, sintonizados no esforço das boas obras, colaborando para o sucesso do teu empreendimento no bem.

Sentes a influência obsessiva da parte de inimigos desencarnados a te inibirem os movimentos, como se grilhões invisíveis te barrassem os passos?

Dispõe-te a servir, cada vez mais com empenho vontade e decisão, e logo terás convertido teu desafeto em cooperador, criando atmosfera de paz e amor, ao redor de teus passos.

O volumoso número, de tuas obrigações, te parecem difíceis, ou até mesmo quase impossíveis de que possas lograr êxito na execução dos deveres que a vida te designa no cometimento das boas obras, causando-te a impressão de iminente insucesso?

Empenha-te em servir, e sem dúvida em breve colherás novos contingentes de cooperadores e verás frutificar em teu caminho as flores que te serão dispensadas dos projetos edificantes dos amigos espirituais, que contigo laboram em auxílio da implantação do amor na terra.

Seja qual for tua dificuldade, jamais desanimes. Os obstáculos que nos visitam no caminho do nosso progresso moral, são agentes renovadores, nos ajudando a acumular as riquezas da experiência. Trabalho digno no exercício do bem, é cimento espiritual na construção da felicidade em obediência às Leis naturais. O que hoje é sombra e perturbação, amanhã poderá ser luz e esclarecimento, segurança e harmonia. Mas para que isso aconteça por demonstração da Força Divina em nossa fraqueza humana, é necessário olvidar a nós mesmos, procurando servir.

Como nos esclarece o Espírito Benfeitor Adolfo Bezerra de Menezes, “Espírito algum, construirá a escada da ascensão sem atender as determinações do auxílio mútuo”, Ensinando-nos que o auxílio que prestarmos ao próximo, será revertido em nosso próprio benefício, pois como bem sabemos “É dando que se recebe”.

Francisco Rebouças.


Saudações fraternas

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: MarcosBorges em 10 de Outubro de 2012, 02:43
Oi Antonio

"No mundo em que vivemos nada é irreal ou totalmente verdadeiro que se relacione com os acontecimentos,não é como
a matemática uma ciência exata,haverá sempre uma explicação para diferentes situações."

Concordo com seus comentários. Acrescentando também que haverá diferentes explicações para uma situação. As contingências e incertezas também fazem parte dos domínios das relações de causa e efeito.

O que vejo normalmente é colocar causa e efeito como coisas distintas, esquecendo que uma causa é também um efeito de uma causa anterior. Por isso que a causa primaria de todas as coisas, como causa sem causa, está além do domínio sensível e experimental, é pura metafísica não sendo, portanto uma forma de construção de conhecimento exato.

No mais o que existe mesmo são múltiplas oportunidades de vivenciar experiências e tirar delas o melhor proveito para nosso aperfeiçoamento como homem de bem. Cada experiência é única como também produz uma variedade de efeitos dependendo das nossas intenções. E essas intenções serão as causas de vários efeitos possíveis de se experienciar.


Oi Suzana, compreendi seus argumentos e até simpatizo com eles.

"A Ayurveda se propõe a tratar o doente e não a doença porque ela acredita que a fonte das enfermidades estão no doente mesmo quando a origem parece advir de uma fator externo como uma bactéria ou um vírus. No mínimo ele foi co autor, normalmente inconsciente, porque teria fornecido o terreno biológico adequado através dos pensamentos e emoções para que a  doença se desenvolvesse."

Em tese a Ayurveda se aplica em algumas patologias, mas o que não podemos é generalizar. Varias doenças é parte integrante da própria natureza de ser da vida. Não quer dizer que Deus criou a doença e sim que varias situações naturais que chamamos doença o são porque nos afeta de algum modo nossa forma de viver e manifestamos, por conta disso; insatisfação, irritação, tristeza e vários sofrimentos; ai sim gera estresse que produz novos sofrimentos que por vezes se somatizam em enfermidades.

No processo de ser da vida orgânica, os seres vivos internamente procuram manter o controle, ou homeostase. Mas a homeostase é passível de ser quebrada. Para manter o controle sobre essa ruptura da homeostase que não pode ser evitada há processos que procuram verificar pontos de ruptura e elimina-los antes que se estendam. Isso leva tempo e nesse meio-tempo o ser vivo sofre. É nesse processo e incerteza de quando ocorrerá uma quebra da homeostase, e se vai ser corrigido, é que permite as formas de vida sencientes experienciarem o momento e tirar dele aprendizado. Outra questão é que as possibilidades das quebras de homeostase permitem o fenômeno da seleção natural agir; os seres que conseguirem superar ou corrigir são mais tolerantes as mudanças do momento que outros. A descendência desse grupo sobrevivente ajudará a perpetuar a vida, possibilitando a formação da diversidade de seres.   


"O texto que te indiquei do ESE diz algo neste sentido: Não se envia pessoas sãs para o hospício, nem inocentes para penitenciária, pois bem a Terra é tudo isso hospício e penitenciária ao mesmo tempo.
Deste modo quando se está são se sai do hospital e quando se cumpre a pena se deixa a penitenciária."

Mas esse raciocínio, no meu ponto de vista, é extremista. Concordo que na terra existam elementos que podemos comparar a hospícios e penitenciarias, mas também tem matizes de elementos que no conjunto são como hospitais-escolas. Certamente neste planeta não existem pessoas completamente saudáveis, mas saudáveis em algum aspecto e doente em outros. É neste conjunto hospital-escola que estão essas pessoas que não são nem indicada para hospício e penitenciaria, mesmo que não sejam completamente saudáveis.


Abraço fraterno
Marcos Borges
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 10 de Outubro de 2012, 12:03


"O texto que te indiquei do ESE diz algo neste sentido: Não se envia pessoas sãs para o hospício, nem inocentes para penitenciária, pois bem a Terra é tudo isso hospício e penitenciária ao mesmo tempo.
Deste modo quando se está são se sai do hospital e quando se cumpre a pena se deixa a penitenciária."

Mas esse raciocínio, no meu ponto de vista, é extremista. Concordo que na terra existam elementos que podemos comparar a hospícios e penitenciarias, mas também tem matizes de elementos que no conjunto são como hospitais-escolas. Certamente neste planeta não existem pessoas completamente saudáveis, mas saudáveis em algum aspecto e doente em outros. É neste conjunto hospital-escola que estão essas pessoas que não são nem indicada para hospício e penitenciaria, mesmo que não sejam completamente saudáveis.


Abraço fraterno
Marcos Borges

Olá Marcos,
Mas não é uma opinião minha. É o que ensinam os espíritos que ditaram a codificação.
Podemos até achar esta explicação extremista ou injusta, mas aí caberia então questionar a autoridade e conhecimento dos espíritos que revelaram a codiicação. Porque se admitimos que eles poderiam ter se equivocado então teríamos que rever toda a doutrina porque ela é toda pautada nos ensinamentos destes espíritos e sua autoridade reside na universalidade dos seus ensinamentos.
No estágio evolutivo em que me encontro não me sinto ainda em condições de refutar estas explicações pois pode ser que a minha capacidade de percepção é que esteja limitada, mas de qualquer forma fica aí a passagem para análise e reflexão.
abraços
Susana

"Destino da Terra e Causa das Misérias Humanas
6 – Admira-se de haver sobre a Terra tantas maldades e tantas paixões inferiores, tantas misérias e enfermidades de toda sorte, concluindo-se que miserável coisa é a espécie humana. Esse julgamento decorre de uma visão estreita, que dá uma falsa idéia do conjunto. È necessário considerar que toda humanidade não se encontra na Terra, mas apenas uma pequena fração dela. Porque a espécie humana abrange todos os seres dotados de razão, que povoam os inumeráveis mundos do Universo. Ora, o que seria a população da Terra, diante da população total desses mundos? Bem menos que a de um lugarejo em relação a de um grande império. A condição material e moral da humanidade terrena nada tem, pois, de estranho, se levarmos em conta o destino da Terra e a natureza de sua população.

7 – Faríamos uma idéia muito falsa da população de uma grande cidade, se a julgássemos pelos moradores dos bairros mais pobres e sórdidos. Num hospital, só vemos doentes e estropiados; numa galé, vemos todas as torpezas, todos os vícios reunidos; nas regiões insalubres, a maior parte dos habitantes são pálidos, fracos e doentes. Pois bem: consideremos a Terra como um arrabalde, um hospital, uma penitenciária, um pantanal, porque ela é tudo isso a um só tempo, e compreenderemos porque as suas aflições sobrepujam os prazeres. Porque não se enviam aos hospitais as pessoas sadias, nem às casas de correção os que não praticam crimes, e nem os hospitais, nem as casas de correção, são lugares de delícias.

                Ora, da mesma maneira que , numa cidade, toda a população não se encontra nos hospitais ou nas prisões, assim a humanidade inteira não se encontra na Terra. E como saímos do hospital quando estamos curados, e da prisão quando cumprimos a pena, o homem sai da Terra para mundos mais felizes, quando se acha curado de suas enfermidades morais."
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: hcancela em 10 de Outubro de 2012, 14:53
Olá amigos(as)

Marcos,de momento não estou e casa, como tal não tenho o ESE comigo, mas se colocarmos  algo Dele e dizer que é "mais ou menos neste sentido" é começar logo aqui a interpretar mal, porque é opinião nossa e não o que realmente lá diz. Na maioria das vezes na codificação ou noutros livros,  nós só dermos ênfase a determinada frase, e tirá-la do conjunto, pode de facto pode dar um ideia errada. 

Permita-me ou exemplo!... Eu interpreto desta forma; Somos todos doentes Psicológicos, não iremos sair deste Hospício que é o Planeta Terra, até nos livrarmos das amarras que nos prendem (prisão), e isto é para mim é o, Materialismo, a maldade, a gula, sexo sem desenfreado,etc; enfim tudo que nos faz vir e vir numas sucessivas encarnações, tanta forem precisas., Isto minha opinião, que no contexto geral do ESE pode não ser bem assim, aliás o ESE segundo as escrituras, foi Jesus que o disse, e que os espíritos Superiores o explicaram.

Outro exemplo;..Para mim Hospício e penitenciaria, e a mesma coisa, porque serve também de hospital e escola, porque através da dor e cura dolorosa nos ensina a melhor forma de mudarmos e assim aprendermos, mesmo que seja de fora dura, o que acontece na maioria das vezes.

Marcos não quis de forma alguma o contradizer em sua opinião, mas como repara há sempre várias formas de ver a coisas, não querendo dizer que ela é mais certa,mas se olharmos com olhos de ver o ESE no seu todo, nada há lá que se contradiga.Minha opinião.

Abraços fraternos
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 11 de Outubro de 2012, 00:49
Olá amigos(as)

Marcos,de momento não estou e casa, como tal não tenho o ESE comigo, mas se colocarmos  algo Dele e dizer que é "mais ou menos neste sentido" é começar logo aqui a interpretar mal, porque é opinião nossa e não o que realmente lá diz.

Justamente por isso que trouxe o texto por inteiro logo acima do seu comentário, para contextualizar a informação e para que cada um chegue ás suas próprias conclusões.
Quando respondi Marcos não estava com o texto do ESE em mãos, mas me lembrava do teor e também não dispunha de tempo para procurá-lo na internet e nem no estudo, pois estava de saída por isso até que sugeri ao amigo que lesse o estudo em sua totalidade porque o texto que fala sobre a destinação da Terra já se encontrava na íntegra neste estudo era só rolar as páginas.
abraços
Susana
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 11 de Outubro de 2012, 01:06
Olá  Marcos,
Com o objetivo de prestar os esclarecimentos solicitados pelo amigo e dentro daquela linha de raciocínio que vinha desenvolvendo sobre estarmos calejados e o caráter expiatório do nosso aprendizado, trago esta passagem do ESE ( que também está relacionada áquela outra que fala sobre a destinação da Terra):

"25 – A encarnação é uma punição, e somente os Espíritos culpados é que lhe estão sujeitos?

                A passagem dos Espíritos pela vida corpórea é necessária, para que eles possam realizar, com a ajuda do elemento material, os propósitos cuja execução Deus lhes confiou. É ainda necessária por eles mesmos, pois a atividade que então se vêem obrigados a desempenhar ajuda-os a desenvolver a inteligência. Deus, sendo soberanamente justo, deve aquinhoar eqüitativamente a todos os seus filhos. É por isso que Ele concede a todos o mesmo ponto de partida, a mesma aptidão, as mesmas obrigações a cumprir e a mesma liberdade de ação. Todo privilégio seria uma preferência, e toda preferência uma injustiça. Mas a encarnação, para todos os Espíritos, é apenas um estado transitório. É uma tarefa que Deus lhes impõe, no princípio da existência, como primeira prova do uso que farão do seu livre arbítrio. Os que executam essa tarefa com zelo, sobem rapidamente, e de maneira menos penosa, os primeiros degraus da iniciação, e gozam mais cedo o resultado do seu trabalho. Os que, ao contrário, fazem mau uso da liberdade que Deus lhes concede, retardam o seu progresso. E é assim que por sua obstinação, podem prolongar indefinidamente a necessidade de se reencarnarem. E é então que a encarnação se torna um castigo.     

               26 – Observação – Uma comparação vulgar nos fará melhor compreender esta diferença. O estudante não atinge os graus superiores, sem ter percorrido a série de classes que o levam até lá. Essas classes, por mais trabalho que exijam, são o meio de atingir o fim, e não uma punição. O estudante laborioso abrevia a caminhada, encontrando menos dificuldades. Acontece o contrário com aquele que a negligência e a preguiça obrigam a repetir certas classes. Não é, porém, o estudo que constitui uma punição, mas a obrigação de recomeçá-lo em cada classe.

                É o que se passa com o homem na Terra. Para o Espírito do selvagem, que está quase no começo da vida espiritual, a encarnação é um meio de desenvolver a inteligência. Mas, para o homem esclarecido, em que o senso moral está largamente desenvolvido, e que se vê obrigado a repetir as etapas de uma vida corporal cheia de angústias, enquanto já podia ter atingido o fim, é um castigo, pela necessidade em que se acha de prolongar a sua permanência nos mundos inferiores e infelizes.
Aquele que, ao contrário, trabalha ativamente para o seu progresso moral, pode não somente abreviar a duração de sua encarnação material, mas franquear de uma vez os graus intermediários, que o distanciam dos mundos superiores."

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: rtt em 11 de Outubro de 2012, 01:52
Olá MarcosBorges

Uma das razões pelas quais eu não acredito que as doenças tenham causas morais,  é precisamente por os animais também sofrerem as mesmas doenças dos seres humanos.

Se o que assistimos aqui na Terra fosse uma demonstração de justiça moral, aplicada do do ponto de vista material, então os que têm comportamentos que fazem sofrer os outros, os maus, se assim se pode dizer, seriam mais doentes do que os bons (se assim se pode dizer). É evidente que assim não é. Tanto sofrem de doença os bons como os maus.

A mensagem que eu leio neste mundo, pelo menos do ponto de vista das pessoas moralmente sensíveis, é que se trata de um mundo em que temos de viver, mas que é muito precário, e em que a dose de sofrimento pode ser muito grande. Mesmo que não estejamos a sofrer, estamos a ver o sofrimento por todo o lado.

O que quer dizer que o objectivo é sair daqui, tão depressa quanto possível, cumprindo a nossa missão o melhor que formos capazes, lutando e orando para ter fé, coragem, paciência e resignação, de forma a chegar ao fim sem desistir, pelo suicido. Vale a pena lutar para nos elevarmos, para não ter que voltar (ou pelo menos para dar alguns passos positivos, no sentido da evolução para mundos melhores). 

Cada vez que reencarnamos, contudo, é uma nova oportunidade, tal como o nascer do sol é o anuncio de um novo dia. A reencarnação não é o anuncio de uma fatalidade, de uma vida definitivamente manchada pelo pecado original, ou pelas encarnações anteriores, mas uma oportunidade para sair da escuridão, na direcção da luz. Uma nova esperança.

bem haja

Boa noite Vitor e outr@s.

"o objectivo é sair daqui, tão depressa quanto possível, cumprindo a nossa missão o melhor que formos capazes, lutando e orando para ter fé, coragem, paciência e resignação, de forma a chegar ao fim sem desistir, pelo suicido. Vale a pena lutar para nos elevarmos, para não ter que voltar (ou pelo menos para dar alguns passos positivos, no sentido da evolução para mundos melhores)."

Essa ideia é interessante, porém às vezes penso, será que o desejo de sair da terra não é uma covardia, uma fuga, e o melhor não seria buscar com todas as forças resolver os problemas do planeta? O sofrimento sempre existirá, se não ao nosso lado, num local distante. Ao sair da terra vamos esquecer daquel@s que aqui sofrem? Então desejar escapar é o mesmo que ser cego para os problemas daqui. Ainda mais quem supostamente estaria apto para um outro ambiente superior, este indivíduo seria da maior utilidade para ajudar nas reformas e transformações necessárias.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: hcancela em 11 de Outubro de 2012, 10:03
Olá amigos(as)

Marcos,de momento não estou e casa, como tal não tenho o ESE comigo, mas se colocarmos  algo Dele e dizer que é "mais ou menos neste sentido" é começar logo aqui a interpretar mal, porque é opinião nossa e não o que realmente lá diz.

Justamente por isso que trouxe o texto por inteiro logo acima do seu comentário, para contextualizar a informação e para que cada um chegue ás suas próprias conclusões.
Quando respondi Marcos não estava com o texto do ESE em mãos, mas me lembrava do teor e também não dispunha de tempo para procurá-lo na internet e nem no estudo, pois estava de saída por isso até que sugeri ao amigo que lesse o estudo em sua totalidade porque o texto que fala sobre a destinação da Terra já se encontrava na íntegra neste estudo era só rolar as páginas.
abraços
Susana
abraços
Susana
Tamu de acordo..kkkkkkkkkkkkkkkkk
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: HamLacerda em 11 de Outubro de 2012, 15:08

Essa ideia é interessante, porém às vezes penso, será que o desejo de sair da terra não é uma covardia, uma fuga, e o melhor não seria buscar com todas as forças resolver os problemas do planeta? O sofrimento sempre existirá, se não ao nosso lado, num local distante. Ao sair da terra vamos esquecer daquel@s que aqui sofrem? Então desejar escapar é o mesmo que ser cego para os problemas daqui. Ainda mais quem supostamente estaria apto para um outro ambiente superior, este indivíduo seria da maior utilidade para ajudar nas reformas e transformações necessárias.

Meu caro, o que você diz é o mesmo que dizer que um camponês poderia ajudar mais a sua família ficando no campo, que indo para a cidade fazer uma faculdade ou se tornar um cientista.

No campo ele só poderia fazer o que estivesse ao seu alcance, estaria limitado ao que o campo oferece, enquanto que na faculdade, com novas tecnologias, novos conhecimentos, ele poderia ajudar mais a sua família e a sua região de forma mais eficiente.

Com os espíritos acontece o mesmo, saindo da terra suas faculdades aumentam, outras se desenvolvem, tornando mais capaz de trabalhar e ajudar os mundos inferiores.



Hamlacerda
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 11 de Outubro de 2012, 16:29
Citar
Boa noite Vitor e outr@s.

"o objectivo é sair daqui, tão depressa quanto possível, cumprindo a nossa missão o melhor que formos capazes, lutando e orando para ter fé, coragem, paciência e resignação, de forma a chegar ao fim sem desistir, pelo suicido. Vale a pena lutar para nos elevarmos, para não ter que voltar (ou pelo menos para dar alguns passos positivos, no sentido da evolução para mundos melhores)."

Essa ideia é interessante, porém às vezes penso, será que o desejo de sair da terra não é uma covardia, uma fuga, e o melhor não seria buscar com todas as forças resolver os problemas do planeta? O sofrimento sempre existirá, se não ao nosso lado, num local distante. Ao sair da terra vamos esquecer daquel@s que aqui sofrem? Então desejar escapar é o mesmo que ser cego para os problemas daqui. Ainda mais quem supostamente estaria apto para um outro ambiente superior, este indivíduo seria da maior utilidade para ajudar nas reformas e transformações

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/lei-de-causa-e-efeito-43687/270/#ixzz28zzSyQUb

Se não acreditarmos na evolução para mundos melhores, quando estivermos aptos para isso, então a ideia de aperfeiçoamento espiritual individual deixa de ter lógica. Isso era o mesmo que dizer que nós estamos destinados a um só mundo, e que a nossa evolução depende da evolução do conjunto desse mundo, e vice-versa. Isso não é espiritismo. O espiritismo diz que, um dia, nós até deixaremos de ter necessidade de reencarnar. O que pressupõe uma evolução para mundos cada vez mais perfeitos.

Pode acontecer que a evolução do global de um mundo se dê a uma velocidade semelhante à evolução do individuo, durante muitas encarnações. Mas, nesse caso, na realidade ele está a mudar para um mundo melhor, quando reencarna de novo, no mesmo planeta. De qualquer modo, um dia, o individuo tem de descolar de mundos tão materiais como é a Terra.

Concordo que cada um de nós conta para a evolução do planeta, como um gota de água conta para a formação do oceano. Enquanto cá andamos, de facto, devemos fazer o melhor possível. E as próprias leis da natureza só nos permitem sair do ciclo de encarnações na Terra, para melhor, quando estivermos aptos para isso. Por isso, ninguém foge. As pessoas podem é conquistar o direito a encarnar em mundos melhores, por mérito próprio. Sem mérito, ninguém se vai embora. E quando ganhamos forças para tal, então voltamos em missão, a mundos inferiores ao nosso nível.

O que faz a evolução do planeta é o conjunto de todas as pessoas da Terra, ou seja, de milhões e milhões de espiritos. Portanto, a operação da mudança, no planeta, depende da mudança de milhões de espiritos e não de um só. É uma operação conjugada e não individual. A diferença entre os mundos regeneradores e mundos de provas é que nos primeiros o número de espiritos mais avançados é maior do que nos segundos e são eles que conduzem os destinos do planeta. Ao passo que na Terra é ao contrário. Mas em ambos existem espiritos avançados e menos avançados.   

Cada um sente a força que tem. Eu acho que ter força para levar a minha vida a bom termo, sem entrar em desespero, se ela se tornar extremamente difícil, portanto sem nunca me suicidar, já é um excelente objectivo. Não me sinto com forças para levar a vida dos outros para a frente, também, para além do que as relações familiares me exigem. Penso que, para ter essa força toda, já é necessário não ser deste mundo. Ou seja, vir em missão, depois de ter ultrapassado esta fase. É o caso de Jesus. Ele disse mesmo: "o meu reino não é deste mundo", o que eu interpreto também como a afirmação de que a evolução espiritual de Jesus já era muito superior à dos espiritos da Terra, e que ele veio em missão. Ele já não era daqui. 

Não se trata de covardia, mas de ter noção das nossas forças. De nos pormos no nosso lugar. Se fossemos pensar assim, porque deveriam vir os espiritos em missão, de outros níveis superiores? Os que estão, só por si, não deveriam dar conta do recado sozinhos?
- os espiritos que vêm em missão, são espiritos com mais capacidade, de mundos superiores. E são esses que dão os impulsos que vão depois mudar a face dos mundos. Eu não em considero com capacidade para fazer isso. Seria como contar com as crianças, em vez dos adultos, para melhorar as escolas. Não quer dizer que as crianças não contribuam um pouco, mas não se pode esperar delas a força para fortes mudanças.   

Para além disso, aqueles que estão hoje na Terra, tal como nós, também evoluem. Nós não os deixamos à mercê da sorte, eles evoluem, tal como nós. Um dia poderemos encarnar em mundos inferiores em missão, mas quando tivermos forças para isso. Os que estão aqui na Terra em missão pensam de outra forma, pois sentem-se com muito mais força, e é então que participam no progresso dos mundos mais atrasados. Mas eu não estou em missão. Eu sou daqui, por enquanto. Tomara eu ter força para mim. Já não é mau.

O próprio Jesus saiu daqui sem resolver os problemas que o mundo tinha. Se nós somos covardes por nos querermos ir embora, então Jesus também seria covarde de não ter continuado a reencarnar aqui até resolver os problemas do mundo. Não é o caso. O que acontece é que cada um está aqui a fazer o que as suas forças lhe permitem. Uns só tem forças para si mesmo, outros nem isso, e suicidam-se, outros têm força para empurrar o mundo inteiro, como Jesus, Francisco Assis, Teresa de Calcutá, e muitos outros. Eles estão um tempo e missão, mas depois voltam ao seu meio. É como aquelas pessoas que estão, aqui na Terra, um tempo, em missões humanitárias, e depois retornam à sua vida normal. 
 
bem haja
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: rtt em 11 de Outubro de 2012, 17:52
Não penso que devemos permanecer na terra para sempre. O que penso é que sair deste para mundos mais adiantados não deveria ser um fim em si mesmo, mas uma consequência secundária do verdadeiro objetivo que é o progresso individual aliado a solidariedade com todos os outros.
Aproveitando a analogia apresentada, penso que focar apenas na ida para outros mundo é como o morador de uma favela que ao se tornar uma celebridade rica(jogador de futebol ou músico por exemplo) se esquece das suas origens e das pessoas que antes estavam consigo; ou, se não esquece, é como um viajante que ao estar numa cidade só pensa na cidade para qual irá a seguir, em vez de aproveitar as possibilidades do local em que está.
Enquanto estamos na terra, poderiamos ver que a forma em que vivemos é repleta de iniquidades que precisam ser reparadas, que poderiamos fazer o possível para melhorar isso, e há muito a ser feito.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 11 de Outubro de 2012, 23:20
Olá RTT

As intenções das pessoas podem ser muito boas e altruístas. E isso é bom. Mas as acções que vemos neste mundo não são condizentes com essas intenções. E as acções é que dizem quem são realmente as pessoas.

Dizermos que somos muito bons e muito fortes é conversa para camelo. É só ao passar as provas que sabemos quem é quem. E os que são realmente mais fortes não são os fanfarrões, que vivem a anunciar a sua valentia, através de palavras de auto-publicidade. Eles agem como valentões, não falam como valentões. Só no momento seguinte ao desencarne sabemos quem era valente e quem não era. Pois as provas desta vida só cessam com a morte.

Se nós vivemos num ambiente de que gostamos, é normal que queiramos permanecer no mesmo. E que não achemos assim muito mau. Eu não gosto deste mundo. Acho que este mundo é horrível. Um autêntico purgatório. E isso não é de agora, sempre achei isso. Mesmo quando a vida sorri a uma pessoa, é preciso ser insensível para não olhar para o lado, pois há sempre imensa gente a sofrer aqui. Eu não fico aliviado com a ideia que as pessoas sofrem porque merecem sofrer. Eu gostava que ninguém sofresse, se possível. A lei da caridade não tinha sentido, se não nos doesse também o sofrimento alheio.

O sofrimento pode ser benéfico, para nos fazer mudar de ideias, em relação a gostar deste mundo. Para nos desapegarmos dele mais depressa. Mas nem por isso gostamos de sofrer ou ver os outros a sofrer.   

Não sou o super-homem, para emendar o mundo. Nem sequer me considero um espírito em missão. Mas cada sabe o que sente, em relação a si mesmo. Jesus que era Jesus, não foi capaz de o fazer, apenas deu uma forte contribuição no sentido de alertar para as vantagens da virtude.

O mundo não corresponde aos objectivos da doutrina de Jesus, passados mais de 2000 anos. O que acontece é que muitos dos espiritos que habitaram a Terra já cá não estão. Muitos espiritos que realmente evoluíram, de acordo com a mensagem de Jesus. São os que já não encarnam aqui na Terra, a não ser que seja em missão, depois de já ter adquirido forças para o efeito, em mundos superiores.

Jesus falava no "reino dos céus" como um objectivo. Se ele achasse que a virtude era gostar de estar aqui, teria voltado. E não falaria em reino dos céus, nem que esta não era o seu reino. Diria que a Terra se tornaria o céu. Mas, que eu saiba, ele não reencarnou aqui até agora. E a Terra, em mais de 2000 anos não se tornou o céu. Evoluiu, mas pouco, do ponto de vista moral. A evolução da tecnologia não foi acompanhada com um ritmo de evolução semelhante, do ponto de vista moral.
 
Tomara que cada homem seja capaz de evoluir moralmente um pouco, individualmente. Ter objectivos de mudar o mundo é irrealismo, na minha opinião. Mesmo os maiores mestres da humanidade apenas conseguem dar pequenos impulsos. E eu estou imensamente longe da capacidade deles...

Neste mundo o  tempo de sofrimento é mais provável. E quem gosta de sofrer e de ver sofrer, são os masoquistas e os sádicos. Eu não pertenço a nenhum desses tipos.

bem hajam
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: rtt em 12 de Outubro de 2012, 02:41
Não entendi o seu segundo parágrafo, mas me identifico bastante com muitas coisas que disse.
Eu também não gosto desse mundo. Às vezes quando vejo pessoas rindo ou sorrindo em demasia sou tentado a as considerar hipócritas, com tanto sofrimento que existe. Por exemplo, na atualidade se destaca para mim a situação dos animais e das pessoas oprimidas. Os documentários e livros estão aí para detalhar isso. Os produtos industrializados são feitos com testes macabros em animais e através de uma sofisticada forma de escravidão por dívida. Mesmo os equipamentos eletrônicos que estamos usando para nos comunicar foram fabricados utilizando como matéria-prima minérios obtidos de pessoas que dizimam gorilas e elefantes e matam, escravizam e estupram mulheres e criaças (ver R.D. do Congo)
Mas sabemos que os mundos melhores também já passaram por algo parecido em algum momento. E melhoraram por um passe de mágica? Melhoraram depois de muita ação. Na terra também algumas coisas melhoraram assim e ela está destinada a evoluir. Os povos quando se libertaram do colonialismo e da escravidão e minorias como negros e mulheres quando conquistaram direitos, precisaram agir bastante. E então vem aquela velha questão de que esses problemas acontecem por causa da omissão dos bons, que são menos audaciosos que os maus.
Há diversas formas de agir. Jesus e outras pessosa fizeram grandes conscientizações. Mesmo rompendo padrões de consumo(como com alternativas aos produtos industrializados que citei acima) se pode conseguir alguma coisa. Mudar o mundo é improvável, mas fará diferença para os indivíduos que forem salvos da desgraça por nossa ação. E como você tem inteligência para perceber e se incomodar com o sofrimento, é capaz de fazer bastante. Eu não conseguiria ter a consciência tranquila em deixar esse mundo sem ter feito nada.
Sinto muito se meu texto parece algo militante ou convocatório, mas não é a minha intenção e neste momento não fui capaz de escrever da maneira mais adequada.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 12 de Outubro de 2012, 12:58
Olá

Com o segundo paragrafo eu quero dizer que só intenções não chegam para demonstrar a virtude. É só ao fim de ter vivido a vida toda é que podemos concluir se contribuímos positivamente para o mundo ou não, isto é, se as nossas acções positivas compensaram as negativas.

Quando somos jovens, saudáveis, bem sucedidos e nos sentimos na maior, pode parecer-nos que é tudo muito fácil, que vamos dar a volta a todas as dificuldades e ter força para tudo. Mas o mais provável é a vida trazer situações difíceis. Por exemplo a doença, nossa e/ou a dos nossos, as dificuldades financeiras, a perda de pessoas amadas, a lentificação e/ou a dependência, na velhice, etc. Para vencer essas dificuldades sem sucumbir (suicídio), pode ser precisa muita força. E já não é mau, se conseguirmos isso. Mas se tudo correr muito bem, melhor. Eu não desejo o mal de ninguém, apenas observo a realidade (a minha e das outras pessoas).       

Eu acho que nós podemos passar aqui em fases diferentes da nossa evolução de espiritos.

- Primeiro ainda numa fase primitiva, em que a brutidade do mundo não nos afecta, pois ainda somos muito brutos. Estamos no nosso ambiente. O objectivo é desenvolver a inteligência.

- Depois numa fase em que já desenvolvemos a inteligência e a sensibilidade. Já sabemos que a acção virtuosa é o melhor para nós, mas ainda somos fracos. Fazemos o que podemos, mas podemos muito pouco. O objectivo é livrar-nos deste mundo, elevando-nos acima dele.

- por fim, quando já não somos deste mundo, podemos vir cá em missão, para ajudar os outros, tal como os outros fizeram antes connosco. Nessa fase já somos mais fortes. É então que podemos fazer alguma coisa a sério, pela humanidade terrena.   

Eu penso que estou da segunda fase. Mas não sei se tenho capacidade de avaliar isso bem.

 bem haja
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 13 de Outubro de 2012, 22:40
      Susana Fernandes    (ref msg #228)

      Su escreveu: nós somos os causadores dos nossos próprios males. Todos os textos postados são nesse sentido, por mais que alguns irmãos tenham dificuldade em assumir suas  responsabilidades.

      Cel: nem todos, amiga; meus textos tentam mostrar exatamente o contrário: q os homens <não> são os causadores dos próprios males, pois não são os homens q se fazem bons ou maus! É o nível de aprendizado em q estão q os fazem ser como são. Se não é a vida q ensina, para q, pela doutrina, vamos à vida? Onde aprendemos a ser bons ou maus? Antes de virmos à matéria, ou depois, já aqui na matéria?

       São as lições desta escola de espíritos, vindas desse sem número de experiências, boas ou más, q nos fazem ser o q somos. Se não, qual é a razão do porq uns são bons e outros são maus? Será verdade q o mau é mau porq desejou e escolheu ser mau? Se é assim, porq nem todos desejam e escolhem como ele?     

      Su: Creio que o caminho todos nós sabemos, falta talvez colocarmos em prática. Diz o ditado: quem quer mudar muda, quem não quer arruma desculpa.

      Cel: minha amiga, se soubéssemos o caminho, certamente estaríamos todos seguindo por ele! Esse não é o próprio caminha da felicidade? Veja q a luta de todos os homens, de todos os instantes, desde q abrem os olhos para a vida, até q perdem a consciência, é uma luta para ser feliz! E veja q, pelas doutrinas, todos sabem q a felicidade está nesse caminho e q, não o seguindo, é q somos infelizes! Então, porq não o seguimos?

      Su: Nada cai do céu: Ajuda-te que o céu te ajudará. Aquele que está firmemente determinado a eliminar de si toda e qualquer fraqueza e se tornar uma pessoa melhor tem a sua disposição várias ferramentas.

      Cel: aqui repito a mesma pergunta feita com relação a seguir o caminho q, como vc diz, crê q todos conhecemos: todos conhecem quais são essa ferramentas (pois q essas ferramentas, afinal, devem se confundir com o próprio caminho, não?) ou nem todos? Porq, se as temos a nossa disposição, não as usamos? Somos responsáveis por não usá-las? Se somos, qual é a causa q tem como efeito q não as usemos mesmo sabendo q elas nos levarão ao caminho certo?

      Su: E a boa notícia é que a principal delas está á disposição de todos, não custa nada e é muito eficiente: os ensinamentos de Jesus.

      Cel: aqui a amiga está perfeita no q diz; no entanto, é preciso lembrar q, embora a mais eficiente ferramenta esteja nos ensinamentos de Jesus, somente conhecemos seus ensinamentos do modo como as crenças e doutrinas nos comunicam e elas, nenhuma delas, nos esclarece sobre o como usá-la.
..............................

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 13 de Outubro de 2012, 23:09
      Susana Fernandes   (ref msg #241)

      Amigos, é preciso estar atento para perceber q o Osho não se refere ao quadro onde está colocada aquela lei apregoada pelas doutrinas. Tanto q ele, nesse interessante texto, diz q, nela, o efeito precede a causa (fato q a ciência atual vem pesquisando).

      Osho não está se referindo a causas e efeitos que expliquem sua implicação em relação a seres criados em perfeitas condições de igualdade, sob todos os aspectos. Para estes, as explicações desse e de outros sábios relativas a lei de causa e efeito, são totalmente diferentes.
...........................................

     
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: MarcosBorges em 15 de Outubro de 2012, 00:51
Oi pessoal, estive viajando. Mas vamos lá...

Oi Suzana,

Este argumento é o que se denomina argumento de autoridade. Se lê minha opinião verá que não pretendo enfrentar ou desdizer o conhecimento dos espíritos. Em meu argumento opinei que não me parece lógico limitar a Terra a esses dois estados, hospício e penitenciaria. Pela força da expressão, pelo contexto em que se inserem, estes dois estados são os que o sofrimento se vivencia em forma de expiação. Não conheço nenhum argumento que sustente a entrada voluntaria em um hospício (manicômio) ou na penitenciaria. Além destes, em minha opinião, existiria também um terceiro estado, hospital-escola. Nele há sofrimento, nele não há pessoas sãs, mas nele existem aqueles que embora "doentes" são capazes de encontrar através do conhecimento e da pratica do bem o caminho para sair deles. Assim são pessoas que são "doentes" em alguns aspectos, mas são capazes de voluntariamente compreender e se corrigir e, portanto são sãs em outros aspectos.

Uma coisa que percebo na doutrina espírita e que me faz defendê-la é que a mesma possibilita uma analise critica do seu conteúdo, mesmo que seja parte de um consenso. Qualquer estudo da doutrina espírita deve ter o papel de fazer com que as pessoas sejam boas formadoras de opinião e bons críticos de suas próprias ideias e de outros e, não somente adquirir conhecimento, compreender o raciocínio de Kardec e dos espíritos. 

A questão é que quando encontramos uma opinião critica ou um questionamento, temos uma visão negativa no qual se quer demonstrar os equívocos, os erros, ou a falta de fundamento. Nem sempre questionamentos e criticas tem essas pretensões, embora o foco e permitir que uma doutrina não fique estática. Veja que o próprio Kardec em varias vezes constrói uma pergunta aos espíritos que é um questionamento a uma resposta a pergunta anterior. A análise critica também faz parte da própria codificação kardequiana. E mesmo o que é um consenso fundamentado na universalidade dos ensinos dos espíritos deve ser continuamente averiguado através das correlações com evidencias, isso é ser progressista.  E não há progresso sem indivíduos capazes de formarem, boas opiniões e seres bons críticos. É esta pratica progressista que torna os alicerces mais fortes.

Veja que o texto do ESE "Destino da Terra e Causa das Misérias Humanas", vai justamente contra ao extremismo entre outras palavras, não se pode comparar a saúde da população de toda uma cidade a partir de uma amostra de habitantes retirada de alguns lugares "insalubres". Ai é que vem o questionamento, porque na Terra, um planeta de provas e expiações, também não dever refletir o que ocorre no contexto da humanidade por todo o universo?

Assim, voltando a minha opinião, a representação de hospital-escola não descaracteriza o argumento dos espíritos de que na Terra "as aflições sobrepujam os prazeres”. E nem invalida o argumento de estados "hospício" e "penitenciarias". Em um hospital-escola encontra-se aflitos, mas que são diferentes dos aflitos que residem em um hospício ou numa penitenciaria. 

Percebe que a pergunta não está direcionada a demonstrar equívocos nos ensino dos espíritos, mas a fazer uma analise critica que permite um melhor entendimento o que pode ocasionar, ou não, mudança.

Continuemos em nossas reflexões.   

Abraço fraterno
Marcos Borges
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: MarcosBorges em 15 de Outubro de 2012, 01:46
Oi Hcancela

"Para mim Hospício e penitenciaria, e a mesma coisa, porque serve também de hospital e escola, porque através da dor e cura dolorosa nos ensina a melhor forma de mudarmos e assim aprendermos, mesmo que seja de fora dura, o que acontece na maioria das vezes.

Marcos não quis de forma alguma o contradizer em sua opinião, mas como repara há sempre várias formas de ver a coisas, não querendo dizer que ela é mais certa,mas se olharmos com olhos de ver o ESE no seu todo, nada há lá que se contradiga.Minha opinião."


Certamente que devemos olhar qualquer texto do ESE no contexto do conjunto da obra. Não estou dizendo que existem equívocos quando me refiro a uma ideia extremista. A grande dificuldade em transmitir um conhecimento está em transferir um conhecimento a partir de comparações de forma mais didática, o que pode na maioria das vezes levarmos a interpretações diversas. Mas se observarmos bem hospício e penitenciaria são termos usados para determinar estados no qual os espíritos se encontram. Se fossem a mesma coisa seria mais lógico resumir em um único termo. Se existem dois ou três termo é porque deve haver distinções. No que se refere se é um local que podemos comparar a um hospital e escola, tenho minhas dúvidas. Certamente que nestes estados os espíritos não estão presos para a vida eterna e não são locais circunscritos. Em minha opinião, estes estados estão mais para introspecção e reflexão do que para aprendizado em seu sentido lato. Certamente que o objetivo é se melhorem e sair dele e continuar seu caminho evolutivo. Uma coisa que há em comum com estes dois estados é que, em minha opinião, eles são expiatórios. Assim ninguém, vivencia estes dois estados hospício e penitenciaria de forma voluntaria.

Abraço fraterno
Marcos Borges

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2012, 12:40
Não penso que devemos permanecer na terra para sempre. O que penso é que sair deste para mundos mais adiantados não deveria ser um fim em si mesmo, mas uma consequência secundária do verdadeiro objetivo que é o progresso individual aliado a solidariedade com todos os outros.

Olá RTT,
Entendo seu ponto de vista mas pensemos juntos:
É egoísmo querer passar de ano ate chegar a faculdade?
É egoísmo se privar do contato com a família para morar fora se formar em medicina e depois devolver isso para a humanidade?
Um professor é egoísta por almejar o diploma de modo a depois instruir futuramente outros irmãos?
Se ele não pensasse primeiro na sua evolução e no seu objetivo nunca viria a se tornar professor e consequentemente não teria condições de compartilhar o seu conhecimento com aqueles que tem fome de saber.
É egoísmo querer buscar novos horizontes e adquiri outros conhecimentos para depois compartilhá-los com nosso irmãos?
 Esta é a jornada do espírito, evoluir sempre
Se ficarmos estacionados na Terra sob o pretexto de ajudar o planeta ad eternum ,caminharemos muito devagar e teremos menos condições de auxiliar nosso irmãos.
As almas que realmente transformaram o mundo e fizeram diferença na humanidade foram almas muito evoluídas que adquiriram grande bagagem de conhecimento e depois retornaram para dividir isso com outros espíritos menos esclarecidos.
Os espíritos após chegarem a níveis mais avançados continuam retornando a mundos menos avançados para instruir suas humanidades, eles não se tornam egoístas que apenas pensam na sua evolução como um fim em si mesmo.
Penso que este é o destino de todos nós, fatalmente em algum momento atingiremos a angelitude e nos tornaremos também um dia espíritos superiores e mais adiantados em relação a outra coletividade.
Se pensarmos na história da humanidade, de tempos em tempos são enviados irmãos à Terra para trazer idéias, conceitos e costumes mais avançados de modo a impulsionar o progresso material e moral e assim  auxiliar na evolução dos homens.
Estes espíritos mais avançados, mais experimentados já aprenderam a lição que vem ensinar e por isso nossos costumes muitas vezes lhes parecem tão chocantes aponto de operarem verdadeiras revoluções e transformações morais e sociais.
Um dia seremos nós que estaremos a reencarnar em um mundo menos avançado para levar um pouco de conhecimento ,mas se ficarmos estacionados num mesmo globo sob o pretexto de ajudarmos aqueles irmãos que lá ficaram não teremos oportunidade de obter os recursos( mais conhecimento) de modo a ajudá-los de forma mais eficiente.
Primeiro subimos os degraus para depois descermos ,quando assim for da  vontade do pai, por isso amigo não se preocupe porque os espíritos nunca se esquecem do sofrimento alheio e além disso não existe apenas a Terra no universo, mas muitas outras moradas onde também existe dor e sofrimento e onde também poderemos ser úteis dentro dos desígnios divinos.
Não é egoísmo querer melhorar e adquirir conhecimento, principalmente quando depois iremos dividir isso com a humanidade.
Enquanto uns saem para continuar o curso pedagógico em outrso orbes outros chegam destes mundos mais felizes para ensinar seus irmãos, é um intercâmbio espiritual que nunca pára pois onde houver sofrimento existirá sempre o amparo divino.
grande abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2012, 13:23
Olá Marcos,
Trouxe algumas passagens da doutrina ( dentro do que vínhamos conversando) para o amigo meditar.

 
"Questão 175 do LE. Haverá alguma vantagem em voltar-se a habitar a Terra?
 
“Nenhuma vantagem particular, a menos que seja em missão, caso em que se progride aí como em qualquer planeta.”

"Questão 921 do LE . Concebe-se que o homem será feliz na Terra, quando a Humanidade estiver transformada. Mas, enquanto isso se não verifica, poderá conseguir uma felicidade relativa?
 
“O homem é quase sempre o obreiro da sua própria infelicidade. Praticando a lei de Deus, a muitos males se forrará e proporcionará a si mesmo felicidade tão grande quanto o comporte a sua existência grosseira.”
 
A.K.: Aquele que se acha bem compenetrado de seu destino futuro não vê na vida corporal mais do que uma estação temporária, uma como parada momentânea em péssima hospedaria. Facilmente se consola de alguns aborrecimentos passageiros de uma viagem que o levará a tanto melhor posição, quanto melhor tenha cuidado dos preparativos para empreendê-la. Já nesta vida somos punidos pela infrações, que cometemos, das leis que regem a existência corpórea, sofrendo os males conseqüentes dessas mesmas infrações e dos nossos próprios excessos. Se, gradativamente, remontarmos à origem do que chamamos as nossas desgraças terrenas, veremos que, na maioria dos casos, elas são a conseqüência de um primeiro afastamento nosso do caminho reto. Desviando-nos deste, enveredamos por outro, mau, e, de conseqüência em conseqüência, caímos na desgraça.'

"Questão 1013 do LE ,Que se deve entender por purgatório?
 
“Dores físicas e morais: o tempo da expiação. Quase sempre, na Terra é que fazeis o vosso purgatório e que Deus vos obriga a expiar as vossas faltas.”
 
A.K.: O que o homem chama purgatório é igualmente uma alegoria, devendo-se entender como tal, não um lugar determinado, porém, o estado dos Espíritos imperfeitos que se acham em expiação até alcançarem a purificação completa, que os levará à categoria dos Espíritos bem-aventurados. Operando-se essa purificação por meio das diversas encarnações, o purgatório consiste nas provas da vida corporal.

"Mundos de Expiações e de Provas- ESE

13 – Que vos direi, que já não conheçais, dos mundos de expiações, pois que basta considerar a Terra que habitais? A superioridade da inteligência, num grande número de seus habitantes, indica que ela não é um mundo primitivo, destinado à encarnação de Espíritos ainda mal saídos das mãos do Criador. Suas qualidades inatas são a prova de que já viveram e realizaram um certo progresso, mas também os numerosos vícios a que se inclinam são o indício de uma grande imperfeição moral. Eis porque Deus os colocou num mundo ingrato, para expiarem suas faltas através de um trabalho penoso e das misérias da vida, até que se façam merecedores de passar para um mundo mais feliz.

14 – Não obstante, não são todos os Espíritos encarnados na Terra que se encontram em expiação. As raças que chamais selvagens constituem-se de Espíritos apenas saídos da infância, e que estão, por assim dizer, educando-se e desenvolvendo-se ao contato de Espíritos mais avançados. Vem a seguir as raças semicivilizadas, formadas por esses mesmos Espíritos em progresso. Essas são, de algum modo, as raças indígenas da Terra, que se desenvolveram pouco a pouco, através de longos períodos seculares, conseguindo algumas atingir a perfeição intelectual dos povos mais esclarecidos

Os Espíritos em expiação aí estão, se assim nos podemos exprimir como estrangeiros. Já viveram em outros mundos, dos quais foram excluídos por sua obstinação do mal, que os tornava causa de perturbação para os bons.
(* um pequeno parêntese ; Aqui se encontram nós, ou melhor 99.99% da humanidade visto que quem não está em expiação na Terra seriam os os espíritos selvagens- estes sim estariam aqui por mero aprendizado- e os missionários, tirando estas exceções segundo os espíritos , os demais estão aqui em expiação( lembrando que a expiação também é uma forma de aprendizado pois o objetivo da expiação é que o espírito aprenda pela pedagogia da dor o que não conseguiu aprender pelo o amor e assim, mudar uma conduta através da reflexão trazida pelo sofrimento.
Sobre isso vale a pena ler o que diz esta passagem do ESE:

"A lei humana alcança certas faltas e as pune. O condenado pode então dizer que sofreu a conseqüência do que praticou. Mas a lei não alcança nem pode alcançar a todas as faltas. Ela castiga especialmente as que causam prejuízos à sociedade, e não as que prejudicam apenas os que as cometem. Mas Deus vê o progresso de todas as criaturas. Eis por que não deixa impune nenhum desvio do caminho reto. Não há uma só falta, por mais leve que seja, uma única infração à sua lei, que não tenha conseqüências forçosas e inevitáveis, mais ou menos desagradáveis. Donde se segue que, nas pequenas como nas grandes coisas, o homem é sempre punido naquilo em que pecou. Os sofrimentos conseqüentes são então uma advertência de que ele andou mal. Dão-lhe as experiências e o fazem sentir, a diferença entre o bem e o mal, bem como a necessidade de se melhorar, para evitar no futuro o que já foi para ele uma causa de mágoas. Sem isso, ele não teria nenhum motivo para se emendar, e confiante na impunidade, retardaria o seu adiantamento, e portanto a sua felicidade futura.")

Foram relegados, por algum tempo, entre os Espíritos mais atrasados, tendo por missão fazê-los avançar, porque trazem uma inteligência desenvolvida e os germes dos conhecimentos adquiridos. È por isso que os Espíritos punidos se encontram entre as raças mais inteligentes, pois são estas também as que sofrem mais amargamente as misérias da vida, por possuírem mais sensibilidade e serem mais atingidas pelos atritos do que as raças primitivas, cujo senso moral é mais obtuso.

15 – A Terra nos oferece, pois, um dos tipos de mundos expiatórios, em que as variedades são infinitas, mas têm por caráter comum servirem de lugar de exílio para os Espíritos rebeldes à lei de Deus. Nesses mundos, os Espíritos exilados têm de lutar, ao mesmo tempo, contra a perversidade dos homens e a inclemência da natureza, trabalho duplamente penoso, que desenvolve a uma só vez as qualidades do coração e as da inteligência. È assim que Deus, na sua bondade, torna o próprio castigo proveitoso para o progresso do Espírito
."
Continua..

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2012, 13:24
Continuação:

"Causas Anteriores das Aflições- ESE
(...)
 O homem não é, portanto, punido sempre, ou completamente punido, na sua existência presente, mas jamais escapa às conseqüências de suas faltas. A prosperidade do mau é apenas momentânea, e se ele não expia hoje, expiará amanhã, pois aquele que sofre está sendo submetido à expiação do seu próprio passado. A desgraça que, à primeira vista, parece imerecida, tem portanto a sua razão de ser, e aquele que sofre pode sempre dizer: “Perdoai-me, Senhor, porque eu pequei”.
(...)
É dessa maneira que se explicam, pela pluralidade das existências e pelo destino da Terra, como mundo expiatório que é, as anomalias da distribuição da felicidade e da desgraça, entre os bons e os maus neste mundo. Essa anomalia é apenas aparente, porque só encaramos o problema em relação à vida presente; mas quando nos elevamos, pelo pensamento, de maneira a abranger uma série de existências, compreendemos que a cada um é dado o que merece, sem prejuízo do que lhe cabe no Mundo dos Espíritos, e que a justiça de Deus nunca falha.

O homem não deve esquecer-se jamais de que está num mundo inferior, onde só é retido pelas suas imperfeições. A cada vicissitude, deve lembrar que,se estivesse num mundo mais avançado, não teria de sofrê-la, e que dele depende não voltar a este mundo, desde que trabalhe para se melhorar.
(...)

Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento por que se passa neste mundo seja necessariamente o indício de uma determinada falta; trata-se freqüentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas a prova nem sempre é uma expiação. Mas provas e expiações são sempre sinais de uma inferioridade relativa, pois aquele que é perfeito não precisa ser provado. Um Espírito pode, portanto, ter conquistado um certo grau de elevação, mas querendo avançar mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual será tanto mais recompensado, se sair vitorioso quanto mais penosa tiver sido a sua luta. Esses são, mais especialmente, os casos das pessoas de tendência naturalmente boas, de alma elevada, de sentimentos nobres inatos, que parecem nada trazer de mal de sua precedente existência, e que sofrem com resignação cristã as maiores dores, pedindo forças a Deus para suportá-las sem reclamar. Podem-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam reclamações e levam à revolta contra Deus.
( * da leitura deste parágrafo, percebemos que é possível que exista aqui sofrimento sem ser apenas em caráter expiatório, mas apenas de almas que estão passando por provas que já não tem nada a expiar. Porém basta olhar ao nosso redor e perceber que este não é o estado da maioria da humanidade, dentre a qual nós também nos incluímos.
Aqui na terra se sofre por provas e por expiações sendo que o componente expiatório predomina.
)

 O sofrimento que não provoca murmurações pode ser, sem dúvida, uma expiação, mas indica que foi antes escolhido voluntariamente do que imposto; é a prova de uma firme resolução, o que constitui sinal de progresso.

Os Espíritos não podem aspirar à perfeita felicidade enquanto não estão puros; toda  mancha lhes impede a entrada nos mundos felizes. Assim acontece com os passageiros de um navio tomado pela peste, aos quais fica impedida a entrada numa cidade, até que estejam purificados. É nas diversas existências corpóreas que os Espíritos se livram, pouco a pouco, de suas imperfeições. As provas da vida fazem progredir, quando bem suportadas; como expiações, apagam as faltas e purificam; são o remédio que limpa a ferida e cura o doente, e quanto mais grave o mal, mais enérgico deve ser o remédio. Aquele, portanto, que muito sofre, deve dizer que tinha muito a expiar  e alegrar-se de ser curado logo. Dele depende, por meio da resignação, tornar proveitoso o seu sofrimento e não perder os seus resultados por causa de reclamações, sem o que teria de recomeçar
."

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: rtt em 16 de Outubro de 2012, 14:59
Não penso que devemos permanecer na terra para sempre. O que penso é que sair deste para mundos mais adiantados não deveria ser um fim em si mesmo, mas uma consequência secundária do verdadeiro objetivo que é o progresso individual aliado a solidariedade com todos os outros.

Olá RTT,
Entendo seu ponto de vista mas pensemos juntos:
É egoísmo querer passar de ano ate chegar a faculdade?
É egoísmo se privar do contato com a família para morar fora se formar em medicina e depois devolver isso para a humanidade?
Um professor é egoísta por almejar o diploma de modo a depois instruir futuramente outros irmãos?
Se ele não pensasse primeiro na sua evolução e no seu objetivo nunca viria a se tornar professor e consequentemente não teria condições de compartilhar o seu conhecimento com aqueles que tem fome de saber.
É egoísmo querer buscar novos horizontes e adquiri outros conhecimentos para depois compartilhá-los com nosso irmãos?
 Esta é a jornada do espírito, evoluir sempre
Se ficarmos estacionados na Terra sob o pretexto de ajudar o planeta ad eternum ,caminharemos muito devagar e teremos menos condições de auxiliar nosso irmãos.
As almas que realmente transformaram o mundo e fizeram diferença na humanidade foram almas muito evoluídas que adquiriram grande bagagem de conhecimento e depois retornaram para dividir isso com outros espíritos menos esclarecidos.
Os espíritos após chegarem a níveis mais avançados continuam retornando a mundos menos avançados para instruir suas humanidades, eles não se tornam egoístas que apenas pensam na sua evolução como um fim em si mesmo.
Penso que este é o destino de todos nós, fatalmente em algum momento atingiremos a angelitude e nos tornaremos também um dia espíritos superiores e mais adiantados em relação a outra coletividade.
Se pensarmos na história da humanidade, de tempos em tempos são enviados irmãos à Terra para trazer idéias, conceitos e costumes mais avançados de modo a impulsionar o progresso material e moral e assim  auxiliar na evolução dos homens.
Estes espíritos mais avançados, mais experimentados já aprenderam a lição que vem ensinar e por isso nossos costumes muitas vezes lhes parecem tão chocantes aponto de operarem verdadeiras revoluções e transformações morais e sociais.
Um dia seremos nós que estaremos a reencarnar em um mundo menos avançado para levar um pouco de conhecimento ,mas se ficarmos estacionados num mesmo globo sob o pretexto de ajudarmos aqueles irmãos que lá ficaram não teremos oportunidade de obter os recursos( mais conhecimento) de modo a ajudá-los de forma mais eficiente.
Primeiro subimos os degraus para depois descermos ,quando assim for da  vontade do pai, por isso amigo não se preocupe porque os espíritos nunca se esquecem do sofrimento alheio e além disso não existe apenas a Terra no universo, mas muitas outras moradas onde também existe dor e sofrimento e onde também poderemos ser úteis dentro dos desígnios divinos.
Não é egoísmo querer melhorar e adquirir conhecimento, principalmente quando depois iremos dividir isso com a humanidade.
Enquanto uns saem para continuar o curso pedagógico em outrso orbes outros chegam destes mundos mais felizes para ensinar seus irmãos, é um intercâmbio espiritual que nunca pára pois onde houver sofrimento existirá sempre o amparo divino.
grande abraço
Susana

Sim, tudo que foi falado é verdade. Estar em outros mundos pode ser com certeza muito útil. Faço a distinção de que enquanto estamos na terra, estamos por algum motivo, e será mais eficaz aproiveitar isso, como naquela alegoria que comentei sobre um viajante.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2012, 16:41
Entendi. ;)
abraço
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 16 de Outubro de 2012, 19:18
Olá Susana

Penso que é importante salientar a diferença entre estado de imperfeição e de culpa moral.

Os espiritos explicam isso muito bem, nos textos que transcreveu.

A ignorância dos espiritos existe porque Deus os criou ignorantes. A ignorância não é um crime moral.

Imagino que o facto de sermos criaturas geradas para se tornarem livres, e não máquinas, tem esse preço. A liberdade implica aprendizagem de comportamento e não imposição de comportamento. Caso contrário seriamos máquinas, e não seres humanos.

A verdadeira causa dos males que o homem cria para si mesmo e para os outros, é a ignorância, a incapacidade de compreender, de seleccionar e de tomar para seu próprio governo a informação correcta.

À incapacidade do próprio espírito, somam-se as limitações que o seu corpo de carne, a sua história na encarnação presente, o ambiente social em que está inserido, etc.

Desta forma não podemos ver as pessoas, mesmo as que nos parecem agir de forma completamente insensível e cruel, como espiritos criminosos irrecuperáveis. Mas mais como espiritos ignorantes, que eventualmente podem ser perigosos, como os animais selvagens o podem ser, se não tivermos cuidado.

A dificuldade de fazer um julgamento moral, na nossa situação de encarnados, é que nós não temos condições de isenção. Só se estivéssemos na pele do outros é que tínhamos condições de garantir que éramos ou não melhores do que ele.

Não há livre-arbitrio, aqui na Terra. A capacidade de decisão existe mas é reduzida. Para uma pessoa poder escolher livremente, e ser completamente imputável, ela tinha de ter consciência plena dos impactos das suas acções nos outros e em si mesmo. Mas para isso teria de ser um espírito perfeito, e não um espírito encarnado na Terra. Quanto mais elevado é o espírito maior a sua capacidade de decisão, mas imagino que, mesmo um espírito elevado, encarnado, terá menos capacidade de decisão, ou seja mais limitações, do que quando não está na carne.

As pessoas são culpadas dos seus erros e não podemos estar a desculpá-las, no contexto da justiça terrena, porque isso poderia colocar em risco a força da dissuasora da lei, para além de deixar que criaturas insensíveis e cruéis se movimentassem livremente, e prejudicassem gravemente os que não são assim. Apesar de tudo a protecção está longe de ser eficaz. Muitas vezes a justiça terrena não cumpre bem a sua função.

A maldade, do ponto de vista espiritual é quase sinónimo de ignorância. O conceito de culpa faz sentido em relação à justiça terrena,  mas não faz muito sentido do ponto de vista espiritual.

bem hajam
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 16 de Outubro de 2012, 19:56
      Para Susana

      Susana (em msg q não consegui localizar) escreveu: Este estudo tem uma sequência, primeiro identificamos o  problema, sua causa, para, ao longo do estudo, abordarmos a terapêutica de cura.

      Cel: minha jovem, pois é pela necessidade imprescindível de encontrar solução (cura) para os problemas que devemos nos empenhar sempre. E a solução só virá qdo soubermos identificar suas <causas> (como vc disse) e, se possível, removê-las. No entanto, mesmo sem removê-las, o simples fato de conhecê-las nos ensinará muitas coisas, talvez <todas> as coisas, pois conheceremos a causa de <todos> os problemas q, afinal, todas elas e todos eles se resumem <num só>: a ignorância!

      Por isso, sempre pergunto: qual é a causa q tem como efeito o sermos maus? Qual é a causa q tem como efeito as desigualdades, entre uns e outros, q apresentamos?

      Sabemos q a causa não está no desigual uso do livre-arbítrio porq, lá no início, no ato da criação, sendo todos perfeitamente iguais, nossos livres-arbítrios são, também, iguais.

      E perceba q este tema é de máxima importância pois, das desigualdades resultam obras, pensamentos, desejos desiguais, q, consequentemente, nos levam a destinos enormemente desiguais, uns, para o amor e a felicidade e outros, para o ódio e a infelicidade. 

      Mas, e como fazer para se chegar à verdadeira causa do problema identificado? Quem sabe mergulhar no passado de, sabe-se lá quantos centilhões de anos, para lá identificar a verdadeira causa? A verdadeira causa não está naquilo q agora, na superfície do problema podemos ver; ela está lá, quase fora de nossa compreensão (digo “quase” porq há aqueles q a compreendem), nas profundezas da vida, lá no início, na criação do espirito. Em geral, nessa investigação, ficamos na superfície e nos satisfazemos com isso.

      Observe: (como já dialogamos antes) porq aquele homem comete atrocidades? Dirão: porq é mau, um déspota, descrente, vingativo e o q mais for, não é assim? Mas, vamos nos aprofundando mais na investigação: e porq ele é mau, vingativo, descrente etc? Dirão: porq é invejoso,  ciumento, transgressor das leis (divinas ou humanas), egoista, orgulhoso etc. E continuaríamos a perguntar: mas porq ele é invejoso, transgressor...? E as perguntas só terão fim qdo chegarmos à causa q iniciou a seqüência de causas q têm como efeito o fato de, neste instante, aquele homem ser bondoso ou maldoso! Por isso o "não julgueis!"; todos os julgamentos q fazemos podem ser injustos!

      Susana: O que ocorre é que a única forma de mudar pensamentos  e sentimentos é através de disciplina e firme propósito de se melhorar. Então como fazer?

      Primeiro, iniciando um sincero processo de autoconhecimento, pois só podemos identificar o que precisamos melhorar quando olhar com verdade para dentro de nós mesmos.                               

      Cel: minha amiga, esse trabalho de autoconhecimento (tão citado popularmente), só nos habilita a conhecer os defeitos, imperfeições, q <neste momento> apresentamos; porém, o fato de conhecê-los não nos ensina como solucioná-los. Se conheço q sou orgulhoso, esse conhecimento me oferece a solução para ser humilde? Se sou egoísta, maldoso, desonesto, cheio de desejos inconfessáveis etc, conhecer q o sou, me capacita a deixar de sê-lo? Pelo autoconhecimento, pode, sim, alguém perceber todas suas imperfeições, q em sua natureza não existe amor, q é egoísta etc (todas as imperfeições nos relacionamentos se resumem na falta de amor), mas não lhe traz a solução para o problema. Por isso, minha pergunta de sempre: como substituir o desamor por amor? Se sou egoísta, pelo fato de ficar conhecendo q o sou, isso me fará deixar de ser egoísta? O mesmo podemos perguntar com relação a todos os defeitos; saber q os temos não nos fará possuidores das virtudes que os anularão.

      Susana: Ouvir críticas também ajuda, porque se várias pessoas diferentes dizem a mesma coisa a meu respeito é porque elas estão percebendo algo que talvez eu não esteja percebendo, então o próximo muitas vezes pode ser o seu mestre.

      Cel: essa é uma visão da psicologia e, como vc mesma colocou, “<talvez> aquelas pessoas estão percebendo”, “algo q “<talvez> vc não esteja percebendo”, certo?! Nunca existe uma certeza absoluta, mas apenas suposição de certeza.
 
      E, mesmo q essa certeza (q não é absoluta) possa trazer algo de bom, será apenas à possibilidade de modificar “atitudes e procedimentos”; nunca a de modificar o íntimo. Se muitos lhe disserem q vc é má, seu intimo se tornará melhor? Vc até poderá mudar atitudes, mas o íntimo continuará o mesmo. Ninguém se transforma em bom por perceber q é mau! A verdadeira transformação não vem de um autoconhecimento q nos leva a perceber as imperfeições q, agora, possuímos, mas de um autoconhecimento muito mais profundo, q, afastando o véu de ignorância q cobre nossa mente, nos mostra <quem> e <o que> realmente somos, não dentro da vida encarnada limitada e finita, mas dentro da existência total.

      Susana: Depois, tomada consciência sobre nossas imperfeições é necessário buscar todo recurso terapêutico para nos melhorar. Não existe receita de bolo, mas vários caminhos.

      Cel: minha amiga, a receita q leva a esse autoconhecimento mais profundo é uma só; não há alternativa. O conhecer q somos imperfeitos, não nos faz perfeitos, mas o conhecer o q somos dentro do Absoluto em q estamos, nos faz completamente livres de todas as algemas q nos prendem ao mundo.

      Susana: Como colocar amor num coração vazio? Primeiro: plantando o amor dentro de si. Qualquer trabalho voluntário constante tem o poder e operar grandes transformações. Diante da dificuldade alheia saímos do nosso casulo e quando sentimos o próximo, suas necessidades, naturalmente nos tornamos mais compassivos e amorosos.

      Cel: aí está uma prova da dificuldade de compreender! Vc entende q pode plantar amor num coração q não tem amor?! Como fazer isso? Por isso o mestre disse: “quem puder compreender, compreenda!”.

      Susana: Todas as pessoas que conheci que desenvolveram algum tipo de atividade nesse sentido tiveram visíveis melhoras na forma como se relacionavam com o mundo, se tornaram mais virtuosas.

      Cel; minha amiga, vc pode acertar qdo diz “melhoras no relacionamento com o mundo”; contudo, nunca poderá afirmar, de sã consciência, q se tornaram mais  virtuosas! As virtudes de alguém não são por nós conhecidas (muitas vezes, nem por esse alguém), pois não lhe penetramos no íntimo do coração; ficamos apenas no exterior.  Veja q, se alguém procede como se virtuoso fosse, isso, de modo nenhum, mostra ou o torna virtuoso em seu íntimo.
.................................................................
..............................
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2012, 20:56

A ignorância dos espiritos existe porque Deus os criou ignorantes. A ignorância não é um crime moral.

Imagino que o facto de sermos criaturas geradas para se tornarem livres, e não máquinas, tem esse preço. A liberdade implica aprendizagem de comportamento e não imposição de comportamento. Caso contrário seriamos máquinas, e não seres humanos.

A verdadeira causa dos males que o homem cria para si mesmo e para os outros, é a ignorância, a incapacidade de compreender, de seleccionar e de tomar para seu próprio governo a informação correcta.


Eu diria um pouco mais, a maior parte dos males humanos é causada por excesso de amor próprio, ou melhor egoísmo. É quando colocamos nossas necessidade e desejos acima do próximo.
Hilter tinha plena consciência de que matar seres humanos era errado mas para satisfazer uma desejo pessoal levou a cabo sue intento. O holocausto dos judeus não se  deu por ignorância de Hitler mas por egoísmo.

Desta forma não podemos ver as pessoas, mesmo as que nos parecem agir de forma completamente insensível e cruel, como espiritos criminosos irrecuperáveis. Mas mais como espiritos ignorantes, que eventualmente podem ser perigosos, como os animais selvagens o podem ser, se não tivermos cuidado.

Concordo e nunca vi o ser humano como algo irrecuperável e nem o Pai nos vê assim e a maior prova disso são a infinitas oportunidades reencarnatórias que são concedidas a seus filhos.
Nós somos contumazes contraventores cósmicos e temporariamente fomos exilados neste planeta para que possamos refazer as lições que negligenciamos e nos harmonizar ,através da expiação, com as leis divinas que violamos. E isso está na doutrina.

A dificuldade de fazer um julgamento moral, na nossa situação de encarnados, é que nós não temos condições de isenção. Só se estivéssemos na pele do outros é que tínhamos condições de garantir que éramos ou não melhores do que ele.

Não há livre-arbitrio, aqui na Terra. A capacidade de decisão existe mas é reduzida. Para uma pessoa poder escolher livremente, e ser completamente imputável, ela tinha de ter consciência plena dos impactos das suas acções nos outros e em si mesmo. Mas para isso teria de ser um espírito perfeito, e não um espírito encarnado na Terra. Quanto mais elevado é o espírito maior a sua capacidade de decisão, mas imagino que, mesmo um espírito elevado, encarnado, terá menos capacidade de decisão, ou seja mais limitações, do que quando não está na carne.

Com certeza Vitor, agora existem coisas que já sabemos ser erradas e que quando praticamos não podemos alegar ignorância, principalmente depois do legado moral que nos deixou o Mestre Jesus. Não haveria a necessidade de nenhuma lei humana se as pessoas apenas observassem este simples e sábio preceito moral: Não fazer o próximo o que não queres que faça a ti.
Se apenas esta regra básica ensinada por todos os Instrutores da humanidade fosse respeitada não precisaríamos nem da metade das leis que existem neste planeta.
Nós até poderíamos alegar ignorância até 2000 anos atrás, mas não depois de Cristo porque ele nos mostrou o caminho e jogou luz sobre nossa ignorância.
Hoje, um político que é corrupto e desvia verbas públicas não pode alegar ignorância e dificuldade de escolher entre o certo e errado. Ele é plenamente responsável pelas suas atitudes porque mesmo que não houvesse uma lei humana dizendo que roubar era errado isso vai contra o código moral instutuído por Jesus.
Assim como um estuprador que violenta alguém para satisfazer seus desejos também não pode alegar que igorava que forçar alguém a fazer sexo era errado , neste caso novamente a origem do mal não se reporta a ignorância acerca da conduta mas sim ao egoísmo onde o indivíduo coloca a satisfação de sua necessidade acima do bem estar do próximo.
Nestes casos não há ignorância ,como no caso de um espírito menos experimentado por exemplo, mas sim egoísmo.
Por mais que sejamos ainda pouco evoluídos e tenhamos muita coisa a prender quanto a outras já somos bem sabidinhos e quanto a estas coias não se pode alegar desconhecimento.

As pessoas são culpadas dos seus erros e não podemos estar a desculpá-las, no contexto da justiça terrena, porque isso poderia colocar em risco a força da dissuasora da lei, para além de deixar que criaturas insensíveis e cruéis se movimentassem livremente, e prejudicassem gravemente os que não são assim. Apesar de tudo a protecção está longe de ser eficaz. Muitas vezes a justiça terrena não cumpre bem a sua função.

Com certeza, não tenho  a menor dúvida, mas para isso existe a justiça divina que é muito mais ampla o que a justiça dos homens. Mais uma vez, não confundir justiça com vingança. A vingança é apena um ato de revide,onde se extravasa a raiva contida.
A justiça divina visa trazer reequilíbrio as leis universais que foram violadas e tem uma finalidade pedagógica.

A maldade, do ponto de vista espiritual é quase sinónimo de ignorância. O conceito de culpa faz sentido em relação à justiça terrena,  mas não faz muito sentido do ponto de vista espiritual.
Então , pela codificação existem espíritos que mal saíram das mãos do criador, e segundo os espíritos estes sim seriam os verdadeiros ignorantes e consequentemente, pelo fato de seu livre arbítrio ainda ser muito pouco desenvolvido, igualmente não são responsabilizados pro seus atos até que tenham compreensão deles.
Mas nós não nos encontramos neste caso, somos ignorantes quanto a muitas coisas mas existem outras que já conhecemos ao avesso e quanto a estas não poderemos alegar ignorância.
abraços
susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2012, 21:23
      Susana (em msg q não consegui localizar) escreveu: Este estudo tem uma sequência, primeiro identificamos o  problema, sua causa, para, ao longo do estudo, abordarmos a terapêutica de cura.

      Cel: minha jovem, pois é pela necessidade imprescindível de encontrar solução (cura) para os problemas que devemos nos empenhar sempre. E a solução só virá qdo soubermos identificar suas <causas> (como vc disse) e, se possível, removê-las. No entanto, mesmo sem removê-las, o simples fato de conhecê-las nos ensinará muitas coisas, talvez <todas> as coisas, pois conheceremos a causa de <todos> os problemas q, afinal, todas elas e todos eles se resumem <num só>: a ignorância!
[/b]
Ô Coronel, faz isso não. De novo não....
Isso foi dito quando do seu primeiro comentário e depois disso já expliquei tanta, mas tanta coisa......inclusive este comentário que de novo não tem nada, é um repeteco de todos os demais.
Não me faça repetir tudo de novo amigo. Já falamos muito neste estudo sobre isso e me recuso a discutir o que já foi discutido.

      Por isso, sempre pergunto: qual é a causa q tem como efeito o sermos maus? Qual é a causa q tem como efeito as desigualdades, entre uns e outros, q apresentamos?
Coronel apesar da sua insistência  em ignorar as respostas que lhe são dadas tenho muito apreço e simpatia por você então é só por isso que pela milésima vez lhe digo que cada escola tem um conteúdo programático, que não será dado ao homem conhecer todos os mistérios da vida nesta breve encarnação, que temos que nos resignar que existem coisas que só serão ensinadas em outros cursos e que os detalhes do desenvolvimento do livre  arbítrio é uma destas coisas. O livre arbítrio existe, por ora isso basta. Por mais que filosofe horas e horas, dias e dias existem coisas que o amigo não irá compreender antes de desencarnar.

     Observe: (como já dialogamos antes) porq aquele homem comete atrocidades? Dirão: porq é mau, um déspota, descrente, vingativo e o q mais for, não é assim? Mas, vamos nos aprofundando mais na investigação: e porq ele é mau, vingativo, descrente etc? Dirão: porq é invejoso,  ciumento, transgressor das leis (divinas ou humanas), egoista, orgulhoso etc. E continuaríamos a perguntar: mas porq ele é invejoso, transgressor...? E as perguntas só terão fim qdo chegarmos à causa q iniciou a seqüência de causas q têm como efeito o fato de, neste instante, aquele homem ser bondoso ou maldoso! Por isso o "não julgueis!"; todos os julgamentos q fazemos podem ser injustos!

      Susana: O que ocorre é que a única forma de mudar pensamentos  e sentimentos é através de disciplina e firme propósito de se melhorar. Então como fazer?

      Primeiro, iniciando um sincero processo de autoconhecimento, pois só podemos identificar o que precisamos melhorar quando olhar com verdade para dentro de nós mesmos.   
                           

      Cel: minha amiga, esse trabalho de autoconhecimento (tão citado popularmente), só nos habilita a conhecer os defeitos, imperfeições, q <neste momento> apresentamos; porém, o fato de conhecê-los não nos ensina como solucioná-los. Se conheço q sou orgulhoso, esse conhecimento me oferece a solução para ser humilde? Se sou egoísta, maldoso, desonesto, cheio de desejos inconfessáveis etc, conhecer q o sou, me capacita a deixar de sê-lo? Pelo autoconhecimento, pode, sim, alguém perceber todas suas imperfeições, q em sua natureza não existe amor, q é egoísta etc (todas as imperfeições nos relacionamentos se resumem na falta de amor), mas não lhe traz a solução para o problema. Por isso, minha pergunta de sempre: como substituir o desamor por amor? Se sou egoísta, pelo fato de ficar conhecendo q o sou, isso me fará deixar de ser egoísta? O mesmo podemos perguntar com relação a todos os defeitos; saber q os temos não nos fará possuidores das virtudes que os anularão.

Coronel eu lhe falei sobre a importância da meditação como ferramenta para mudar pensamentos e do trabalho voluntário como valioso recuso terapêutico para degelar corações, existe sim meios o que não existe é milagre.
As ferramentas para reforma íntima estão á disposição de todos, basta querer usá-las.
Mas sinceramente, não irei debater isso novamente com o amigo, pois percebo que andamos em círculo e como disse antes, tempo é um recurso valioso.

      Susana: Ouvir críticas também ajuda, porque se várias pessoas diferentes dizem a mesma coisa a meu respeito é porque elas estão percebendo algo que talvez eu não esteja percebendo, então o próximo muitas vezes pode ser o seu mestre.
.

      Susana: Como colocar amor num coração vazio? Primeiro: plantando o amor dentro de si. Qualquer trabalho voluntário constante tem o poder e operar grandes transformações. Diante da dificuldade alheia saímos do nosso casulo e quando sentimos o próximo, suas necessidades, naturalmente nos tornamos mais compassivos e amorosos.

      Cel: aí está uma prova da dificuldade de compreender! Vc entende q pode plantar amor num coração q não tem amor?! Como fazer isso? Por isso o mestre disse: “quem puder compreender, compreenda!”.

Eu já disse, quem já teve a oportunidade de fazer trabalho voluntário sabe do que estou falando.  Aqui não estou me referindo a levar uma sopinha uma vez na semana e nem em dar presentes e roupas no natal.
 Estou falando de entrega, de compromisso com o próximo, de engajamento.
 Eu já vi verdadeiras maravilhas se operarem em pessoas áridas, secas de temperamento insuportável através da prática de um trabalho edificante então a resposta é o próximo.
O próximo é a ponte entre Deus e os Homens.

      Susana: Todas as pessoas que conheci que desenvolveram algum tipo de atividade nesse sentido tiveram visíveis melhoras na forma como se relacionavam com o mundo, se tornaram mais virtuosas.

      Cel; minha amiga, vc pode acertar qdo diz “melhoras no relacionamento com o mundo”; contudo, nunca poderá afirmar, de sã consciência, q se tornaram mais  virtuosas! As virtudes de alguém não são por nós conhecidas (muitas vezes, nem por esse alguém), pois não lhe penetramos no íntimo do coração; ficamos apenas no exterior.  Veja q, se alguém procede como se virtuoso fosse, isso, de modo nenhum, mostra ou o torna virtuoso em seu íntimo.

Olha Coronel, vai me desculpar mas posso afirmar sim. Eu não disse que se tornaram pessoas perfeitas mas sim pessoas melhores.
Posso afimar sim que houve mudanças quando vejo um apessoa que chutava cachorro na rua mudar a ponto de se engajar em uma ONG de proteção aos animais. Posso dizer que há mudança sim quando um alcóolatra deixa de beber e passa a dedicar seu tempo a auxiliar 24 horas, inclusive de madrugada, jovens dependentes durante o período de abstinência.
Me desculpe mas não vejo isso como um maquiagem mas como mudanças efetivas porque as pessoas que conheçi e que mudaram radicalmente depois da experiência do voluntariado não são nem de longe excelentes atores, ao contrário são pessoas impulsivas e transparentes que exteriorizam com muita facilidade o que se passa em suas almas.
Se o amigo acha que não funciona, paciência, eu estou dizendo que funciona e existem presídios que já adotam algo nesse sentido e têm obtidos excelentes resultados na diminuição da violência dos detentos.
Mas cada um acredita no que quer.
abraços
Susana
P.S: Já avisei o amigo há algumas páginas atrás: traga algo novo.
O estudo é dinâmico e não comporta argumentações repetitivas. Não vou responder o que já foi respondido inúmeras vezes.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2012, 21:29
Amigo Coronel,
Como você costuma de tempos em tempos repetir os mesmos comentários então cabe lembrar ao amigo  que há algumas páginas atrás quando trouxe o mesmo questionamento do seu último comentário, lhe apresentei uma resposta que pelas razões expostas acima cabe também aqui.
Novamente:

Coronel a lei se chama: lei de causa e efeito.
Lembra do exemplo da pedra que jogamos para cima e cai na cabeça?
É exatamente este o mecanismo.
Jogamos a pedra há algumas encarnações e hoje ela está caindo de volta.
Isso não é punição mas mero reflexo dos atos praticados, porém para todo aquele que ainda não desenvolveu o espírito de renúncia, abnegação e resignação estes efeitos se consistem em verdadeiras punições, castigos.
O efeito punitivo se verifica no modo como o espírito vivencia  a consequência de seus atos.
Exemplo: se nasço com um grave deformidade física( sem as mãos) mas me resigno e procuro ser o mais feliz possível dentro desta condição, estou recebendo o efeito de uma ação passada mas não sofro.
É claro que o espírito gostaria de dispor de todos os membros em perfeito estado, mas ele se conforma com sua situação e tem aceitação.
Tem irmãos nessa situação que pintam, dirigem e são exemplos de superação.
Por outro lado um outro espírito na mesma situação, também colhendo o que plantou não aceita sua condição e se revolta contra a providência divina. para este irmão, o "efeito da causa" neste caso se reveste em verdadeira punição ,pois sua falta de aceitação o leva a sentir a consequência de seus atos como castigo.
Uma situação pode ser vista como punição ou aprendizado, depende da ótica e maturidade do observador.
Uma coisa é certa, colhemos sempre o que plantamos ,mas podemos ser gratos porque Deus permite que através desta perfeita e misericordiosa lei aliviemos nossas culpas e remorsos pelas desarmonias que causamos e possamos seguir em frente.
Amigo Coronel, não tente sondar o insondável.
Você pode ler todos os livros, conhecer toda a ciência que existem respostas que não vai encontrar nessa encarnação.
Esqueça um pouco essa idéia fixa de querer descobrir todos os porquês da vida, o que existe hoje é o que temos condições de compreender.
Existem ensinamentos que não podermos aprender aqui, ainda faltam outros degraus que apenas serão subidos em outros planos.
O livre arbítrio existe, isso basta agora os detalhes, o momento em que o homem que era simples e ignorante começa a fazer escolhas equivocadas, bem isso não é matéria deste curso.
Trabalhe a resignação e a confiança em Deus. Se algo lhe choca a razão a ponto  de duvidar da bondade divina, pode estar certo de que Deus não erra e no momento oportuno entenderá o que por ora lhe parece incompreensível.
O lema do meu Estado é trabalhe e confie, é justamente isso que viemos fazer aqui: trabalhar pela nossa melhoria, confiando na sabedoria divina.
Busque a instrução e o conhecimento mas sempre tendo em mente que não nos será dado conhecer os detalhes dos mistérios da vida nesta existência. Então saibamos discernir o que é possível conhecer e o que se encontra nos domínios do insondável.
Em vez de pensar no que não temos ou exaltar nossas dores e sofrimentos, agradeçamos esta bendita oportunidade reenarcarnatória de renascimento ,pois existem milhões de espíritos em estado de culpa e remorso que padecem sofrimentos morais torturantes e que aguardam ansiosamente a oportunidade de reencarnar mesmo que nas piores condições imagináveis.

Por pior  que seja o sofrimento ainda assim devemos ser gratos  simplesmente por estarmos vivos.
Acho que o vídeo abaixo responde todas as suas perguntas.

História de Nick Vujicic (legendado em português) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PU8tYlBXemwwa2hZI3dz)
" E eu senti que Deus havia respondido a minha pergunta.
A pergunta foi:
Por quê?
Por quê Tu me fizeste dessa forma?
E a resposta foi:
Você confia em mim?"

Oração da Serenidade
Deus, concedei-me,
A serenidade para aceitar as coisas que eu não posso modificar;
Coragem para modificar as coisas que posso, e
Sabedoria para perceber a diferença.

abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 16 de Outubro de 2012, 22:57
Olá Susana

Quando digo ignorância, refiro-me à ignorância às leis da natureza de âmbito espiritual. Não quero dizer que as pessoas que cometem crimes os cometam por ignorância da lei, ou porque não sabem que violam os valores éticos aceites pela maioria das pessoas como correctos. A definição de culpa, em termos da justiça terrena, é útil.

Partindo do principio que a evolução espiritual significa aumento da felicidade do espírito, todo aquele que não queira evoluir espiritualmente está a negar a si mesmo a possibilidade de evoluir para ser mais feliz.

Se o comportamento virtuoso leva à evolução espiritual, então leva à felicidade. Eu acredito que leva a mais felicidade, ainda aqui na Terra, para quem não limite o conceito de felicidade ao conceito de prazer material, mas é essencialmente nas encarnações seguintes que esse aumento da felicidade vai produzir efeitos.

Logo um espírito que não segue aquilo que o pode tornar mais feliz, das duas uma: ou é ignorante em relação às leis espirituais da natureza, ou é masoquista. Os egoístas normalmente não são masoquistas.     


A maior parte das pessoas não age considerando-se a si e aos outros espiritos imortais, nem mostra, na sua acção, a certeza de conhecer as leis espirituais da natureza. A maioria, diga o que disser, age, a maioria das vezes, como se fosse apenas um corpo de carne mortal.

O problema é que nem todos os espiritos estão em condições de compreender as leis espirituais da natureza. E se não as compreendem não as podem aceitar, nem agir de acordo com elas.

Não se trata apenas do conhecimento intelectual do que disse Jesus, do que disseram os espiritos, ou do que disseram outros mestres espirituais que pisaram a Terra. Porque, para além de conhecer é necessário interiorizar, de modo a que a nossa forma natural de agir seja de acordo com esse conhecimento. E para  interiorizar, é preciso estar muito convicto que se trata de algo que corresponde a um modelo da realidade.

E há muitas teorias diferentes da vida, todas a dizer que são as que descrevem melhor a realidade. Como saber qual é a correcta?

Imagino que os homens cujo espírito já evoluiu mais um pouco, têm uma vaga intuição de que são um espírito, e de que a virtude é o caminho certo. E aceitam essa possibilidade porque o seu interior lhes dá eco ao que aprendem nesse sentido, enquanto encarnados. É quase como relembrar...

A evolução espiritual é um acto de vontade, mas não é apenas um acto de vontade. O amadurecimento do espírito leva o seu tempo. É preciso muitas encarnações. As crianças para chegar a adultas têm de passar pela infância. Não basta ensinar a uma criança de 6 anos o que é ser adulto para ela ser adulta, porque ela não compreende o que lhe dizemos. Só à medida que vai amadurecendo é que vai sendo capaz de compreender.

bem haja
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 17 de Outubro de 2012, 00:10
Quando digo ignorância, refiro-me à ignorância às leis da natureza de âmbito espiritual. Não quero dizer que as pessoas que cometem crimes os cometam por ignorância da lei, ou porque não sabem que violam os valores éticos aceites pela maioria das pessoas como correctos. A definição de culpa, em termos da justiça terrena, é útil.

Partindo do principio que a evolução espiritual significa aumento da felicidade do espírito, todo aquele que não queira evoluir espiritualmente está a negar a si mesmo a possibilidade de evoluir para ser mais feliz.

Se o comportamento virtuoso leva à evolução espiritual, então leva à felicidade. Eu acredito que leva a mais felicidade, ainda aqui na Terra, para quem não limite o conceito de felicidade ao conceito de prazer material, mas é essencialmente nas encarnações seguintes que esse aumento da felicidade vai produzir efeitos.

Logo um espírito que não segue aquilo que o pode tornar mais feliz, das duas uma: ou é ignorante em relação às leis espirituais da natureza, ou é masoquista. Os egoístas normalmente não são masoquistas.     

Sim Vitor, faz sentido. os egoístas de masoquistas não têm nada, ao contrário prezam tanto o seu bem estar e amor próprio que não pensam duas vezes antes de passar por cima do outro para satisfazer seus desejos.
O problema é que mesmo partindo do princípio de que eles são egoístas por ignorância das leis espirituais ainda assim isso não é justificativa para isentá-los da responsabilidade de seus atos porque na verdade são ignorantes porque querem uma vez que existe todo um legado espiritual espalhado pelos quatro cantos do mundo.
Nunca se difundiu tanto conhecimento espiritual. Muito do que era oculto e de domínio de poucos grupos fechados hoje se encontra em qualquer banca de esquina. Quem quiser realmente ter acesso as leis espirituais poderá encontrá-las.
Mas infelizmente muitos gostam de permanecer na ignorância para não ter que enfrentar dilemas de consciência então a ignorância acaba sendo uma saída cômoda para justificar a iniquidade e o egoísmo que se encontra camuflado.

A maior parte das pessoas não age considerando-se a si e aos outros espiritos imortais, nem mostra, na sua acção, a certeza de conhecer as leis espirituais da natureza. A maioria, diga o que disser, age, a maioria das vezes, como se fosse apenas um corpo de carne mortal.
O problema é que nem todos os espiritos estão em condições de compreender as leis espirituais da natureza. E se não as compreendem não as podem aceitar, nem agir de acordo com elas.
Não se trata apenas do conhecimento intelectual do que disse Jesus, do que disseram os espiritos, ou do que disseram outros mestres espirituais que pisaram a Terra. Porque, para além de conhecer é necessário interiorizar, de modo a que a nossa forma natural de agir seja de acordo com esse conhecimento. E para  interiorizar, é preciso estar muito convicto que se trata de algo que corresponde a um modelo da realidade.

Sim, é verdade mas também não se esforçam para encontrar.
O homem que humildemente pedir ao Pai auxílio, o encontrará na medida de sua compreensão e necessidade.
Para alguns, a espiritualidade intuirá a busca pelo centro espírita, outros o centro de umbanda, outros o templo evangélico, outros a meditação. Existem vários caminhos para as almas que ainda precisam de Mestres e que ainda vacilam na caminhada da vida. E cada um deles pode proporcionar algum conforto e esclarecimento porque todos são expressões do amor divino.
Conheço pessoas paupérrimas que não sabem sequer ler, mas que sempre buscaram uma comunhão com Deus dentro de suas limitações. Não conhecerão nunca o livro dos espíritos ma cultivaram o hábito simples e acessível a todos de trazer Deus para suas vidas e tê-lo como um verdadeiro pai onde buscam conforto e forças para enfrentar os desafios da vida.
Para isso não se precisa de livro, de curso, de erudição, cultura, de nada. Basta boa vontade e humildade.
É uma ferramenta de elevação moral  acessível a todos nós, só que para o homem materialista e ateísta que não crê  em nada que não seja no seu frágil e perecível  uniforme de carne realmente será um longo processo despertar do sono da ilusão. Possivelmente serão necessárias outras encarnações para que comece a plantar a semente crística e seu coração.
Para aqueles que têm dificuldade de compreender as leis divinas o simples ato de falar sinceramente com Deus já auxilia muito e ajuda a elevar o padrão vibratório, além de ser algo democrático e gratuito, portanto acessível a todos.
 O problema maior não é nem o desconhecimento das leis espirituais ,mas a ignorância da existência de Deus e consequentemente a ausência do hábito de buscar estar próximo da Divindade.
Quando trazemos Deus para nossas vidas deixamos de falar com Deus e passamos a escutá-LO através da nossa voz interior.


E há muitas teorias diferentes da vida, todas a dizer que são as que descrevem melhor a realidade. Como saber qual é a correcta?
Imagino que os homens cujo espírito já evoluiu mais um pouco, têm uma vaga intuição de que são um espírito, e de que a virtude é o caminho certo. E aceitam essa possibilidade porque o seu interior lhes dá eco ao que aprendem nesse sentido, enquanto encarnados. É quase como relembrar...

Sim, existe um texto muito interessante que postei aqui no estudo chamado " Os vários níveis do ser humano".
Aqui na Terra encontramos espíritos em vários níveis evolutivos, uns mais evoluídos, outros menos mas ao final a maioria esmagadora violou em algum momento as leis cósmicas. Quando isso se deu por ignorância e incapacidade de uso do livre arbítrio o LE nos diz que não há que se falar em responsabilidade , mas a partir do momento em que o homem tem consciência das repercussões morais de seus atos ele passa a responder por eles.
E segundo o LE todos nós somos conhecedores intuitivos destas leis porque elas se encontram gravadas na consciência do homem.

"Livro dos Espíritos
II – Conhecimento da Lei Natural
619. Deus proporcionou a todos os homens os meios de conhecerem a sua lei?

- Todos podem conhecê-la, mas nem todos a compreendem; os que melhor a compreendem são os homens de bem e os que desejam pesquisá-la.Não obstante, todos um dia a compreenderão, porque é necessário que o progresso se realize.

Comentário de Kardec: A justiça da multiplicidade de encarnações do homem decorre deste princípio. pois a cada nova existência sua inteligência se torna mais desenvolvida e ele compreende melhor o que é o bem e o que é o mal. Se tudo tivesse de se realizar numa só existência, qual seria a sorte de tantos milhões de seres que morrem diariamente no embrutecimento da selvageria ou nas trevas da ignorância, sem que deles dependa o próprio esclarecimento? (Ver os itens 171a 222.)

620. A alma, antes de sua união com o corpo, compreende melhor a lei de Deus do que após a encarnação?

— Ela a compreende segundo o grau de perfeição a que tenha chegado e conserva a sua lembrança intuitiva após a união com o corpo; mas os maus instintos do homem freqüentemente fazem que ele a esqueça.

621. Onde está escrita a lei de Deus?

— Na consciência’.
626. As leis divinas e naturais só foram reveladas aos homens por Jesus e antes dele só foram conhecidas por intuição?

- Não dissemos que elas estão escritas por toda a parte? Todos os homens que meditaram sobre a sabedoria puderam compreendê-las e ensiná-las desde os séculos mais distantes. Por seus ensinamentos, mesmo incompletos, eles prepararam o terreno para receber a semente. Estando as leis divinas escritas no livro da Natureza, o homem pôde conhecê-las sempre que desejou procurá-las. Eis porque os seus princípios foram proclamados em todos os tempos pelos homens de bem, e também porque encontramos os seus elementos na doutrina moral de todos os povos saídos da barbárie, mas incompletos ou alterados pela ignorância e a superstição.


Deste modo pode-se concluir que estando as leis divinas escritas na consciência e relembradas posteriormente por todos os grandes Instrutores da Humanidade não há que se falar em ignorância para justificar hoje nosso erros porque só permanece na ignorância quem quer por questões de conveniência.
Conhecer a verdade implica também em assumir responsabilidades e nem todos estão dispostos a fazê-lo.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 17 de Outubro de 2012, 15:09
Olá Amiga Susana

Citar
Deste modo pode-se concluir que estando as leis divinas escritas na consciência e relembradas posteriormente por todos os grandes Instrutores da Humanidade não há que se falar em ignorância para justificar hoje nosso erros porque só permanece na ignorância quem quer por questões de conveniência.
Conhecer a verdade implica também em assumir responsabilidades e nem todos estão dispostos a fazê-lo.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/lei-de-causa-e-efeito-43687/285/?action=post;num_replies=294#ixzz29YoTw4RD


O problema desta sua afirmação é que nela está implícito que você conhece a verdade. E que consegue por-se na pela do outros, para os julgar moralmente. Cada um sabe de si, e é livre de dizer que é dono da verdade. O que acontece é que os outros podem ou não acreditar nisso.

Eu não tenho assim essas certezas todas...Talvez seja defeito meu, mas não consigo acreditar que ninguém na Terra tenha a posse da verdade. A doutrina espirita até vai mais longe: nem todos os espiritos conhecem a verdade, muitos são ignorantes. Quanto mais os espiritos encarnados na Terra, sujeitos às limitações de um corpo de carne.

As pessoas que se aproximam mais da verdade, em meu entender, serão talvez pessoas como Jesus, como Francisco Assis, etc. Mas mesmo essas, imagino que não estão completamente livres, para manifestar a sua inteligência e a sua sabedoria, enquanto estão na carne. O que me leva a pensar que se trata de espiritos sábios é que essas pessoas não se limitam a dizer, mas são um exemplo vivo daquilo que dizem. E por isso é que deixam marcas, na humanidade. Fazem algo que é muito difícil para o comum dos homens. Provam as suas afirmações com os seus actos.

Você fala como se as religiões todas dissessem o mesmo, apenas com umas ligeiras variações. Mas não é bem assim. O que é virtude para uns nem sempre o é para os outros. O que é mal para uns nem sempre o é para os outros. A minha opinião é diferente, mas opiniões são opiniões.

Se as pessoas conhecessem a verdade (admitindo que ela condiz com a doutrina espirita, que é os espíritas pensam, mas que não é o que a maioria da população humana pensa...),  e apenas a estivessem a desprezar, saberiam que são espiritos imortais, que a encarnação é apenas um pequeno instante, e que a virtude era o melhor, porque é o que as conduz à felicidade. Se não eram virtuosas não era por egoismo, mas por fraqueza, admitindo que queriam ser felizes. Ou então não queriam ser felizes...

O egoismo nasce da ideia de escassez e do instinto de sobrevivência. Os animais também são egoístas, pois num meio hostil, se a comida não chegar para todos, cada um tem de se safar. Ninguém consegue competir pela vida com outra pessoa de ânimo leve. É uma guerra. A sociedade humana criou formas de as pessoas poderem assegurar as suas necessidades de forma mais evoluída que os animais, mas ainda de uma forma que está muito longe de ser eficaz e justa.

O egoismo só faz sentido porque temos um corpo de carne que tem necessidades materiais num meio onde há escassez. Os espiritos desencarnados não precisam de competir pela sobrevivência. Aqueles que continuam nessa base, após a morte do corpo, ainda estão psicologicamente condicionados pela encarnação terrestre. Isso não é ignorância?

Eu concordo que há pessoas muito más, que prejudicam o próximo cruelmente, quase sem barreiras morais.  E não acho que sejam desculpáveis, em termos de justiça humana. Mas não posso concordar que sejam sábios teimosos e perversos. Acho que são ignorantes, e digo-o à luz da própria doutrina espirita.

A doutrina espirita diz que a virtude conduz à felicidade e, se a verdade for consonante com a doutrina espirita, o sábio é aquele que sabe isso. Se o sabe, se sabe que esse é o caminho da felicidade, se quer ser feliz, e não é virtuoso, então é porque não é capaz de seguir o caminho que sabe que é o que mais lhe convêm. A isso chama-se fraqueza, não egoismo, nem maldade.

Mas aquelas pessoas que são mais perversas e cruéis não é por fraqueza, mas porque os seus espiritos ainda são atrasados. Só posso imaginar que seja por ignorância.

Os fracos já um pouco mais sábios, mais próximos do conhecimento, não desejam nem simpatizam com o mal. Podem fazê-lo, mas por via de circunstâncias muito complicadas, que não conseguiram evitar. Os espiritos atrasados fazem o mal de propósito, muitas vezes são cruéis sem a menor necessidade disso.

bem hajam
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 18 de Outubro de 2012, 02:06
Citar
Deste modo pode-se concluir que estando as leis divinas escritas na consciência e relembradas posteriormente por todos os grandes Instrutores da Humanidade não há que se falar em ignorância para justificar hoje nosso erros porque só permanece na ignorância quem quer por questões de conveniência.
Conhecer a verdade implica também em assumir responsabilidades e nem todos estão dispostos a fazê-lo.


O problema desta sua afirmação é que nela está implícito que você conhece a verdade. E que consegue por-se na pela do outros, para os julgar moralmente. Cada um sabe de si, e é livre de dizer que é dono da verdade. O que acontece é que os outros podem ou não acreditar nisso


Quem me dera Vitor conhecer a verdade. É justamente por isso que busco o contato com Deus, por não saber a verdade então peço ao Pai que me guie através da minha voz interior.
Eu não poderia no estágio evolutivo em que me encontro conhecer toda a verdade, mas o pouco que consegui aprender até agora foi o suficiente para dar uma guinada na minha ida, mudar radicalmente meus valores e passar a ser mais responsável pelos meus atos.
Vitor eu não encontrei a verdade mas nunca deixei de buscá-la e o que encontrei até agora me trouxe paz de espírito. Não cheguei até o final da escada mas pelo menos saí da inércia que sempre me dominou a via inteira e comecei a subí-la, está certo que ainda estou nos primeiros degraus mas este pouco caminho já percorrido foi o suficiente para jogar luz nas trevas da minha ignorância e me trazer um pouco mais de lucidez.

Eu não tenho assim essas certezas todas...Talvez seja defeito meu, mas não consigo acreditar que ninguém na Terra tenha a posse da verdade. A doutrina espirita até vai mais longe: nem todos os espiritos conhecem a verdade, muitos são ignorantes. Quanto mais os espiritos encarnados na Terra, sujeitos às limitações de um corpo de carne.

Olha Vitor pode ser que ninguém na Terra tenha  a posse da verdade mas te asseguro que existem homens desde sempre que chegaram o mais perto possível dela dentro do que nos é permitido chegar enquanto neste planeta.
Os orientais em especial conseguem fazer isso através de muita disciplina e dedicação.
O que nos parece impossível eles fazem com a mesma naturalidade com que escovam os dentes a diferença é que são discretos e nada vaidosos e não ficam exaltando suas virtudes.
Não sei se o amigo já leu Autobiografia de um Iogue mas se não, recomendo a leitura.
Depois deste livro percebi que a iluminação está ao alcance de todos e é possível encontrar as respostas para muitos dos grandes enigmas da vida através da meditação.
Infelizmente nós ocidentais não temos este hábito que deveria ser mais incentivado. Quando oramos falamos com Deus, quando meditamos O escutamos.
Percebo no amigo uma grande sinceridade quando expõe seus questionamentos. O que posso dizer é que a busca espiritual é algo muito íntimo e pessoal, cada um acha Deus através de um caminho.
Pode ser que o espiritismo ainda não tenha conseguido infundir no amigo uma certeza inabalável quanto a algumas questões metafísicas.
Sim, é natural que com o tempo o que nos bastou há 200 anos atrás não nos baste mais porque estamos em constante processo de evolução, mas os principios não mudam. A reencarnação , a pluralidade de existência, a comunicação com os mortos são pontos atemporais e que também se encontram espalhados por outras seitas e religiões muito mais antigas que o espiritismo então alguma sabedoria e fundo de verdade deve existir aí.


As pessoas que se aproximam mais da verdade, em meu entender, serão talvez pessoas como Jesus, como Francisco Assis, etc. Mas mesmo essas, imagino que não estão completamente livres, para manifestar a sua inteligência e a sua sabedoria, enquanto estão na carne. O que me leva a pensar que se trata de espiritos sábios é que essas pessoas não se limitam a dizer, mas são um exemplo vivo daquilo que dizem. E por isso é que deixam marcas, na humanidade. Fazem algo que é muito difícil para o comum dos homens. Provam as suas afirmações com os seus actos.
Sim, é esperado que um professor ensine com desenvoltura aquilo que veio ensinar. Ele estudou aquilo profundamente antes de seus alunos. As grandes almas iluminadas que estiveram sobre este planeta não nasceram iluminadas mas trabalharam pela sua iluminação e atingindo determinado patamar evolutivo se tornam aptas a ensinarem lições para seus irmãos menos experimentados.


Você fala como se as religiões todas dissessem o mesmo, apenas com umas ligeiras variações. Mas não é bem assim. O que é virtude para uns nem sempre o é para os outros. O que é mal para uns nem sempre o é para os outros. A minha opinião é diferente, mas opiniões são opiniões.
Sabe Vitor, existe uma regra áurea comum a todas as religiões. Esta é a única regra realmente importante, todas as demais são secundárias.
O Ensinamento Universal (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWF2YTBuTlpDXzhJIw==)


O egoismo nasce da ideia de escassez e do instinto de sobrevivência. Os animais também são egoístas, pois num meio hostil, se a comida não chegar para todos, cada um tem de se safar. Ninguém consegue competir pela vida com outra pessoa de ânimo leve. É uma guerra. A sociedade humana criou formas de as pessoas poderem assegurar as suas necessidades de forma mais evoluída que os animais, mas ainda de uma forma que está muito longe de ser eficaz e justa.
Sim, você disse tudo: os animais também são egoístas, então isso mostra que o egoísmo está ligado a animalidade e  o homem racional deve se esforçar para vencer a animalidade.
Ademais, existem pesquisas científicas que mostram que em alguns casos os animais são altruístas.
Que sacrificam seu bem estar em prol de outro ser.
Tem uma experiência muito interessante feita com macacos que vale a pena dar uma conferida:
http://www.ted.com/talks/lang/pt-br/frans_de_waal_do_animals_have_morals.html

O egoismo só faz sentido porque temos um corpo de carne que tem necessidades materiais num meio onde há escassez. Os espiritos desencarnados não precisam de competir pela sobrevivência. Aqueles que continuam nessa base, após a morte do corpo, ainda estão psicologicamente condicionados pela encarnação terrestre. Isso não é ignorância?
A meu ver isso é apego.
Considero o apego como um traço de inferioridade não necessariamente como ignorância.


Eu concordo que há pessoas muito más, que prejudicam o próximo cruelmente, quase sem barreiras morais.  E não acho que sejam desculpáveis, em termos de justiça humana. Mas não posso concordar que sejam sábios teimosos e perversos. Acho que são ignorantes, e digo-o à luz da própria doutrina espirita.
Sim, poderiam ser consideradas ignorantes mas como eu disse antes, muitos querem permanecer nesta ignorância porque é conveniente.
Porque conhecer a espiritualidade implica muitas vezes em mudar hábitos e comportamentos em se desapegar de alguma paixões e prazeres aos quais não estão dispostos a abrir mão.
Vitor esta ignorância seria desculpavel se não tivéssemos uma série de leis morais espalhadas aos quatro cantos do mundo. Depois da vinda de Jesus e de seu legado, fica muito difícil alegar ignorância.
Não fazer ao próximo o que não quer que faça a ti é uma regra muito clara que engloba: mentir, trair, roubar, matar, etc...
Os espíritos foram claros: A lei de Deus está escrita na consciência de cada um. Como os homens a esqueceram ou a ignoraram Deus enviou seus reveladores para lembrar aos homens desta lei, que é a regra áurea ensinada por todos os grandes mestres.
Assim, se hoje continuamos ignorantes é porque queremos porque o caminho já foi ensinado.
Jesus já dizia que o caminho que leva ao Pai é o caminho difícil, a porta estreita e a maioria das pessoas prefere o caminho fácil, a porta larga.
Sim pelo nível evolutivo é esperado que os homens ainda sejam egoístas mas isso não é desculpa para não se esforçar para se modificar, identificando o egoísmo devemos nos esforçar incessantemente para vencer esta fraqueza porque enquanto não o fizermos não conseguiremos ter o direito de encarnar em mundos mais felizes e harmoniosos e ficaremos estagnados neste plano.
Questão 121 do LE-  Por que é que alguns Espíritos seguiram o caminho do bem e outros o do mal?
 
“Não têm eles o livre-arbítrio? Deus não os criou maus; criou-os simples e ignorantes, isto é, tendo tanta aptidão para o bem quanta para o mal. Os que são maus, assim se tornaram por vontade própria.
Questão 123 do LE- Por que há Deus permitido que os Espíritos possam tomar o caminho do mal?
 
“Como ousais pedir a Deus contas de Seus atos? Supondes poder penetrar-lhe os desígnios? Podeis, todavia, dizer o seguinte: A sabedoria de Deus está na liberdade de escolher que Ele deixa a cada um, porquanto, assim, cada um tem o mérito de suas obras.”
 
Continua...
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 18 de Outubro de 2012, 02:14
A doutrina espirita diz que a virtude conduz à felicidade e, se a verdade for consonante com a doutrina espirita, o sábio é aquele que sabe isso. Se o sabe, se sabe que esse é o caminho da felicidade, se quer ser feliz, e não é virtuoso, então é porque não é capaz de seguir o caminho que sabe que é o que mais lhe convêm. A isso chama-se fraqueza, não egoismo, nem maldade.
Penso que quem quer mudar muda, que  não quer arruma desculpa.
Amigo respeito seu pensar  mas creio que a fonte de toda a desdita humana é o apego e o apego anda de braços dados com o egoísmo.

Mas aquelas pessoas que são mais perversas e cruéis não é por fraqueza, mas porque os seus espiritos ainda são atrasados. Só posso imaginar que seja por ignorância.
Tudo vai depender do nível de consciência de cada um. Só aí é que se pode dizer se há responsabilidade ou ignorância.
Se eu amanhã no exercício de minha função em deixo corromper e recebo propina não posso dizer que sou ignorante. Fui ganaciosa( olha o tal apego de novo) e sabia que moralmente isso era errado, mas coloquei meu prazer acima disso. Não tenha dúvidas de que serei responsabilizada espiritualmente e acho muito justo que eu seja.
Minha conduta é muito mais grave do que a de um índio canibal que por exemplo, devorou seu semelhante porque ele sim era ignorante e há quem muito foi dado muito será exigido. A responsabilidade é proporcional ao nível de entendimento moral.

Amigo Vitor,
Aqui estou apenas especulando em cima de tudo o que li, especialmente da doutrina espírita.
Quando ela não elucida a dúvida costumo me socorrer de outras doutrinas.
Creio que em todas as filosofias encontraremos uma peça do quebra cabeças porque Deus não privilegia nenhum dos seus filhos e espalhou porções de luz por todo o planeta para que todos  pudessem conhecer pelo menos parte da verdade.
O espiritismo respondeu muitas perguntas, mas não todas.
E isso foi proposital , resta agora ir em busca do que não foi dito mas sempre tendo em mente que por mais longe que cheguemos há um limite que não conseguiremos ultrapassar nesta encarnação, pois se tudo que tivéssemos que aprender fosse ser ensinado aqui não teríamos necessidade de continuar encarnando em outros mundos.

P.S: Percebo que parte das suas indagações tem mais a ver com aquele tópico sobre as espiritismo e forças psicológicas então poderemos desenvolver o assunto lá só para não fugir tanto do assunto que seria mais restrito a ação da lei de causa e efeito na gênese das enfermidades.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 18 de Outubro de 2012, 02:29
Para o amigo Coronel:

Questão 14 do LE- Deus é um ser distinto, ou será, como opinam alguns, a resultante de todas as forças e de todas as inteligências do Universo reunidas?
 
“Se fosse assim, Deus não existiria, porquanto seria efeito e não causa. Ele não pode ser ao mesmo tempo uma e outra coisa.
“Deus existe; disso não podeis duvidar e é o essencial. Crede-me, não vades além. Não vos percais num labirinto donde não lograríeis sair. Isso não vos tornaria melhores, antes um pouco mais orgulhosos, pois que acreditaríeis saber, quando na realidade nada saberíeis. Deixai, conseqüentemente, de lado todos esses sistemas; tendes bastantes coisas que vos tocam mais de perto, a começar por vós mesmos. Estudai as vossas próprias imperfeições, a fim de vos libertardes delas, o que será mais útil do que pretenderdes penetrar no que é impenetrável.”

Questão 17 do LE -É dado ao homem conhecer o princípio das coisas?
 
“Não, Deus não permite que ao homem tudo seja revelado neste mundo.”

 Questão 18 do LE-  Penetrará o homem um dia o mistério das coisas que lhe estão ocultas?
 
“O véu se levanta a seus olhos, à medida que ele se depura; mas, para compreender certas coisas, são-lhe precisas faculdades que ainda não possui.

Questão 19 do LE. Não pode o homem, pelas investigações científicas, penetrar alguns dos segredos da Natureza?
 
“A Ciência lhe foi dada para seu adiantamento em todas as coisas; ele, porém, não pode ultrapassar os limites que Deus estabeleceu.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: antevazin em 18 de Outubro de 2012, 03:39
Prezada Susana , não existe verdade maior quando vc falou que o ser humano não aceita se reformar intimamente por ter de abrir mão de suas paixões.
Abraços.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: MarcosBorges em 18 de Outubro de 2012, 04:46
Oi Suzana

Todas as vivências quando encarnado, sejam elas consequências de nossos atos e intensões ou, sejam produtos das contigêngias de se estar em um corpo orgânico e em um ambiente socio-economico-cultural contemporaneo, provavelmente comum em um planeta de provas e expiações, são ricas as experiências na qual devemos tirar aproveitamento cujo o objetivo é de nos tornamos não somente melhor intelectualmente e materialmente mas sermos homens bem.

Como diz os espiritos, na questão 25 as oportunidades e condições de aproveitamento são equitativos durante as reencarnações. Não existem, portanto, previlégios nas encarnações seja em que condição de vida planetaria que nos encontremos pois, somos nós que construimos o nosso destino e, as inúmeras situações, parte do processo encarnatorio e das contigencias do mesmo, atuam com coadjuvante (catalisadores) no processo.

Assim a encarnação se expressa como um castigo quando não fazemos um bom aproveitamento dessas experiências encarnatorias. Uma outra forma de ver é colocar o castigo como estado ilusório de vivências que continuamente insistimos em seguir; o desejo egostico de posse e as varias facetas do orgulho são as ilusões que nos induz aos sofrimentos que se tornam dores morais e podem se somatizarem.


O esclarecimento dos espiritos na questão 25 é tão objetiva que nem precisa de recurso da analogia.


No paragrafo em negrito, os comentarios de Kardec toca num ponto muito discutido, pelo menos nos estudos que já fiz do ESDE.

Na minha opinião, a encarnação seja em que estado evolutivo que nos encontramos tem o proprosito de desenvolver a inteligência e o senso moral. A equatitividade é lei de justiça e, portanto, está presente em qualquer momento do processo encarnatório e em qualquer estado evolutivo. Assim desde o momento que a intenção é matar o próximo e tomar posse de uma propriedade que não é sua por direito, as consequências da lei já está começado a produzir efeitos seja em que estágio evolutivo intelecto-moral nos encontremos. A forma como o espírito lida com essas consequências (a percepção de castigo) vai depender do grau de compreensão intelecto-moral do "não fazer (intenção) ao próximo (e extendendo a toda a natureza) aquilo que não gostaria para mim". Quando maior esse grau de compreensão mais vivencia um estado de castigo (produto dos objetos da ilusão) pois, apos o desencarne, sente o peso do recomeço de nova existência corporal.

Este é o desdobramento que faço dos comentários de Kardec.

Abraço fraterno
Marcos Borges   
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 18 de Outubro de 2012, 12:17
Sim, Marcos.
Eu falei exatamente isso ao longo do estudo.
O objetivo é sempre o aprendizado , porém exite um componente expiatório na medida em que suportamos os efeitos de nossos atos e muitas vezes estes efeitos geram certo sofrimento, daí que dependendo da maturidade da alma eles podem ser vistos apenas como aprendizado ou como expiação.
Como A maior parte de nós ainda não tem muita habilidade para lidar com o as intempéries da vida de forma resignada, então é que as situações da vida se convertem em verdadeira expiação.
O que não se pode negar é que colhemos o que plantamos em algum momento. Esta é a lei, inclusive não só falada pelos espíritos, mas também por Jesus.
Nossos atos geram consequências que nos alcançam em encarnações futuras, os espíritos se referem a estas consequências como expiação porque sabem que pelo nosso estágio evolutivo ainda não temos maturidade para ver o sofrimento  de uma forma mais abrangente. Em vez de dizer que devemos pagar pelo o que fizemos prefiro dizer que viemos nos harmonizar com as leis que violamos e assumir as consequências de nossos atos. É deste modo que compreendo o componente expiatório, que não deixa de ser um aprendizado mas quando digo que não viemos aqui por mero aprendizado é poque também estamos aqui colhendo o que plantamos, agora se esta colheita será vista como expiação ou não vai depender unicamente da maturidade espiritual do espírito.
E esta colheita também é uma forma de aprendizado, não se sofre por sofrer mas para internalizar uma lição que foi negligenciada quando tivemos a oportunidade de aprend~e-la pelo amor. A dor é o último recurso empregado pela espiritualidade para acordar consciências adormecidas.
Acho que as coisas ficam mais claras quando entendemos expiação como " consequências da violação das leis universais ".
abraços
Susana

Questão 983 do LE-Não experimenta sofrimentos materiais o Espírito que expia suas faltas em nova existência? Será então exato dizer-se que, depois da morte, só há para a alma sofrimentos morais?
 
“É bem verdade que, quando a alma está reencarnada, as tribulações da vida são-lhe um sofrimento; mas, só o corpo sofre materialmente. “Falando de alguém que morreu, costumais dizer que deixou de sofrer. Nem sempre isto exprime a realidade. Como Espírito, está isento de dores físicas; porém, tais sejam as faltas que tenha cometido, pode estar sujeito a dores morais mais agudas e pode vir a ser ainda mais desgraçado em nova existência. O mau rico terá que pedir esmola e se verá a braços com todas as privações oriundas da miséria; o orgulhoso, com todas as humilhações; o que abusa de sua autoridade e trata com desprezo e dureza os seus subordinados se verá forçado a obedecer a um superior mais ríspido do que ele o foi.
Todas as penas e tribulações da vida são expiação das faltas de outra existência, quando não a conseqüência das da vida atual. Logo que daqui houverdes saído, compreendê-lo-eis. (273, 393 e 399)
O homem que se considera feliz na Terra, porque pode satisfazer às suas paixões, é o que menos esforços emprega para se melhorar. Muitas vezes começa a sua expiação já nessa mesma vida de efêmera felicidade, mas certamente expiará noutra existência tão material quanto aquela.

Questão 984 do LE-  As vicissitudes da vida são sempre a punição das faltas atuais?
 
“Não; já dissemos: são provas impostas por Deus, ou que vós mesmos escolhestes como Espíritos, antes de encarnardes, para expiação das faltas cometidas em outra existência, porque jamais fica impune a infração das leis de Deus e, sobretudo, da lei de justiça. Se não for punida nesta existência, sê-lo-á necessariamente noutra. Eis porque um, que vos parece justo, muitas vezes sofre. É a punição do seu passado.”
[/b] (393)

Questão 764 do Livro dos Espíritos:
Disse Jesus: Quem matou com a espada, pela espada perecerá. Estas palavras não consagram a pena de talião e, assim a morte dada ao assassino não constitui uma aplicação dessa pena?
 
“Tomai cuidado! Muito vos tendes enganado a respeito dessas palavras, como acerca de outras.  
  A pena de talião é a justiça de Deus. É Deus quem a aplica. Todos vós sofreis essa pena a cada instante, pois que sois punidos naquilo em que haveis pecado, nesta existência ou em outra.

 Aquele que foi causa do sofrimento para seus semelhantes virá a achar-se numa condição em que sofrerá o que tenha feito sofrer. Este o sentido das palavras de Jesus. Mas, não vos disse ele também: Perdoai aos vossos inimigos? E não vos ensinou a pedir a Deus que vos perdoe as ofensas como houverdes vós mesmos perdoado, isto é, na mesma proporção em que houverdes perdoado, compreendei-o bem?”
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 18 de Outubro de 2012, 15:25
Olá Marcos,
Fiz uma seleção de alguns trechos de comentários que foram postados ao longo do estudo e que penso que têm relação com o que você trouxe:

Amigos,
Penso que há uma certa confusão da lei de causa e efeito com vingança.
Em outro tópico, sobre egoísmo, expliquei de uma forma alegórica como que funciona o mecanismo.
Assim, quando jogamos uma pedra para o alto e ela cai na nossa cabeça, isso foi uma vingança da pedra ou uma mera consequência natural de um ato provocado por mim?
É desta forma que penso que funciona a lei de causa e efeito, nós colhemos o que plantamos não por vingança divina ou castigo mas como mero reflexo de nossas atitudes.
Toda ação gera uma reação, isso é uma lei da física que ao final é apenas uma reflexão em âmbito material da lei universal da causa e efeito.
O problema no caso é que ás vezes jogamos a tal pedra há muito tempo e ela demora para cair na nossa cabeça, daí  o dia que cai, como não nos lembramos de quando jogamos, ficamos surpresos.
abraços
Susana

Segundo o livro dos espíritos o sofrimento nos animais não tem caráter expiatório, do que se conclui então que são apenas experiências necessárias para seus aprendizados.
Segundo Herculano Pires considera  “os animais sofrem porque evoluem, e toda evolução é acompanhada das dores do parto que anunciam as transações evolutivas para planos superiores...”.
Emmanuel, em página intitulada Animais e Sofrimento, pisicografada por Chico Xavier, complementa:
 “... Ninguém sofre tão somente para resgatar o preço de alguma coisa. Sofre-se também angariando os recursos preciosos para obtê-la. Assim é que o animal atravessa longas eras para instruir-se... Para atingir a auréola da razão, deve conhecer comprida fieira de experiências... Na posição de espírito sublime, não mais conhece a dor.”
Por outro lado a codificação diz que a origem do sofrimento humano está em parte relacionado aos equívocos passados e presentes.
Temos assim que os animais sofrem pela própria natureza do aprendizado e que nós também, só que além disso também sofremos por conta do reflexo de nossas ações passadas.
Assim, uma doença em um animal nunca terá um fim expiatório, já no homem ela poderá ou não ser fruto de uma expiação do que se conclui que todo sofrimento na terra é sempre para aprendizado, terá um fim útil, mas no casos dos homens além pura  finalidade pedagógica ,ele também pode ter como objetivo reparar desarmonias causadas nas leis universais.
Então penso que poderíamos dizer que , nos humanos, as doenças: são todas por aprendizado, mas podem também ter por finalidade a expiação ou serem meras consequências de atos praticados.



" E passando Jesus, viu um homem cego de nascença.

 Perguntaram-lhe os seus discípulos: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?

 Respondeu Jesus: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi para que nele se manifestem as obras de Deus."

" Esta pergunta dos discípulos: foi o pecado desse homem que foi a causa dele ser cego desde nascença? Indica a intuição de uma existência anterior, de outro modo não teria sentido; porque o pecado que seria a causa de uma enfermidade de nascença deveria ser cometido antes do nascimento,e, por conseguinte, numa existência anterior.
Se Jesus visse aí uma falsa idéia teria dito: como esse homem poderia pecar antes de nascer?
(...) A Gênese"

 -As questões do Livro dos Espíritos são claras ao dizer que uma doença pode ter origem em uma vida anterior, e ainda usam a palavra punição para aqueles que nasceram com algum tipo grave de deficiência intelectual.
O trecho da obra A Gênese vai ao encontro desta afirmação.
Se você observar, no texto de abertura do estudo tem uma passagem de Jesus, onde ele claramente diz que a origem da doença daquele homem foram seus pecados e diz que para que continue são não deve mais pecar para que não lhe suceda algo pior.
Pergunto: se os pecados não fora praticados nesta vida, uma vez que sua enfermidade era de nascença, onde afinal que se encontra a causa deste efeito?
Importante dizer que nem todas as doenças são oriundas da lei de causa e efeito, pois no caso citado acima do evangelho de João, temos que a enfermidade se deu por prova, para que se cumprisse a vontade de Deus.
Porém, a esmagadora maioria das enfermidades não são apenas provas, mas também resgates onde nos harmonizamos com leis que eventualmente tenhamos transgredido em outras existências.
As doenças que você diz serem por força da genética são também oriunda de nossas ações, uma vez que a genética também está subordinada a lei de causa e efeito.
 A genética exprime no corpo físico as lições que a alma precisa aprender.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 18 de Outubro de 2012, 15:26

Continuação resposta a Marcos:


Sim amigo, só que pergunto: expiar significa purgar, pagar uma falta, reparar um erro, tem um sentido um pouco mais profundo do que o mero sofrimento, é um sofrimento relacionado a uma falta.
Deste modo quem se encontra em um mundo de provas e expiações é porque transgrediu as leis divinas.
Você mesmo disse que aqui é um presídio, quem vai para o presídio é porque cometeu alguma falta.
O que fizemos ontem foi determinante para que estejamos aqui hoje, não é castigo mas mera reparação ás leis universais.
O espírito é herdeiro de si mesmo, e somos responsáveis pelos desequilíbrios que causamos, daí a necessidade de assumirmos suas consequências.

 


" As paixões e os excessos de toda espécie, por sua vez, criam em nossos organismos condições malsãs, freqüentemente transmissíveis pela hereditariedade.
    Allan Kardec


Querida Edna,
 Esta frase elide qualquer dúvida sobre a aplicação da lei de causa e efeito e a transmissão de nossas fraquezas pelo mecanismo da hereditariedade, é a genética a serviço do espírito moldando no corpo físico as desarmonias da alma.
Temos então, aqui a  lei de causa e efeito embasada pelo próprio codificador.
Este texto que você trouxe foi fundamental para ajudar a responder a algumas questões do estudo.
abraços fraternos
Susana

Vamos por partes, você chegou a ler o exemplo da pedra?
Quando jogamos uma pedra e ela cai isso não ocorre por uma cobrança, mas é mera consequência de um ato, toda ação gera uma reação.
O maior sofirmento que o espírito passa, após a desencarnação é o sofrimento moral pelos atos que lhe pesam na consciência.
É como um efeito bumerangue onde tudo o que fizemos volta para nós.
Creio que nós quando desencarnamos e temos maior consciência dos nossos equívocos pedimos as provas difíceis justamente para que possamos ficar em paz com nossa consciência, então a "expiação" acaba sendo um ato voluntário, só que quando encarnamos , nos esquecemos disso.
Iremos , de uma forma ou de outra nos deparar com as consequência de nossas ações, mas muitas vezes o próprio espírito faz isso com aceitação , se antecipa e pede que tenha a oportunidade de reparar suas faltas.
Assim é que,quando não passamos pela dificuldade com entendimento e aceitação, o mero ajuste e reequilíbrio das leis universais se torna uma verdadeira expíação
Não sei exatamente como se manifesta os detalhes da lei de causa e efeito e espero que através da troca de experiências  durante este estudo, possa compreender melhor este processo.
Mas a  sua existência está prevista não só na doutrina como permeia toda a Bíblia:
" Quem fere pela espada pela espada será ferido"
" De nenhuma maneira sairás daqui enquanto não pagares o último centil"
"Pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará."
" A cada um segundo suas obras."

Lei de causa e efeito não é vingança e nem lei de talião.
Na lei de talião temos a vingança; na lei de causa e efeito temos responsabilidade e consequência.
 

Boa Noite a todos!
Hoje estava lendo o Livro dos Espíritos e me deparei com a questão 764 que explicava o sentido da frase de Jesus" Quem matou pela espada, perecerá pela espada."
Interessante que na mesma questão os espíritos ainda falam sobre a existência da lei de causa e efeito e suas consequências, inclusive mostrando que podemos sofrê-las tanto em função de atos cometidos nesta existência quanto nas anteriores.
Como isso já foi levantado anteriormente aqui no estudo aproveito então para trazer a explicação dos espíritos para refletirmos:

Questão 764 do Livro dos Espíritos:
Disse Jesus: Quem matou com a espada, pela espada perecerá. Estas palavras não consagram a pena de talião e, assim a morte dada ao assassino não constitui uma aplicação dessa pena?
 
“Tomai cuidado! Muito vos tendes enganado a respeito dessas palavras, como acerca de outras.  
  A pena de talião é a justiça de Deus. É Deus quem a aplica. Todos vós sofreis essa pena a cada instante, pois que sois punidos naquilo em que haveis pecado, nesta existência ou em outra.

 Aquele que foi causa do sofrimento para seus semelhantes virá a achar-se numa condição em que sofrerá o que tenha feito sofrer. Este o sentido das palavras de Jesus. Mas, não vos disse ele também: Perdoai aos vossos inimigos? E não vos ensinou a pedir a Deus que vos perdoe as ofensas como houverdes vós mesmos perdoado, isto é, na mesma proporção em que houverdes perdoado, compreendei-o bem?”

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Vitor Santos em 18 de Outubro de 2012, 15:29
Olá Susana

A questão aqui não é a mesma que no tópico das forças psicológicas. A questão aqui é entender o que nos diz a própria doutrina espirita e saber se as pessoas sabem e não querem, sabem e não são capazes, ou se não sabem. 

Quando você diz que os espiritos fazem mal por que lhes convém, está a dizer que eles usam critérios baseados na vivência terrestre. Pensam como sendo apenas corpos de carne. Ora, se eles pensassem que são essencialmente espiritos, percebiam que a conveniência terrestre pode não condizer com a conveniência do espírito.

Se uma pessoa não opta pelo que lhe dá mais felicidade não está a seguir o que lhe é mais conveniente, a não ser que ignore o que lhe é mais conveniente. Pode é não ser capaz de realizar o que mais lhe convém, mesmo sabendo o que é. Isso já é outra coisa.

Ao contrário do que você possa pensar, eu tenho fé. Trata-se de algo que é inerente à minha pessoa, e não de uma decisão racional. A razão ajuda-me a aprofundar a fé, mas não me parece que esteja na origem do fenómeno.

Se eu atravessar um período de redução de fé, automaticamente sinto como que um vazio que me impele a fazer qualquer coisa para voltar a sentir a fé com mais força novamente. A figura de Jesus de Nazaré está muito ligada à minha fé. Mas não é um fé puramente mística, pois eu tive a necessidade de ler o novo testamento da Biblia com os meus próprios olhos. Sentia que o sentido das palavras de Jesus não condizia com os catecismos católicos. Foi essa leitura que me fez depois aceitar o espiritismo como uma doutrina válida e não o oposto. Logo a minha referência essencial é Jesus e não o espiritismo.

O que me encanta em Jesus é simultaneamente consentido pela da razão e pelo coração. São as duas coisas.

Maria de Nazaré, por exemplo, é uma figura que eu respeito muito, mas não sinto o mesmo nela que em Jesus. Eu não conheço Maria de Nazaré a não ser por ser a mãe de Jesus e por umas escassas passagens bíblicas, em que nem é demonstrado que ela fosse uma seguidora das ideias de Jesus. Enfim a minha fé não tem origem na razão, mas não é alheia à razão. E daí a diferença para mim entre Jesus e a sua mãe.

Contudo, lá por eu ter fé, não quer dizer que as outras pessoas a tenham que ter. E pot eu ter fé não quer dizer que não tenha dúvidas.

Há dois tipos de ateus materialistas. Os que o são por preconceito, e os que o são genuinamente. Os primeiros jamais se admitem espiritualistas em público, mas junto de pessoas da sua confiança são capazes de revelar que são crentes, ou pelo menos que têm dúvidas. Os segundos são convictos, não têm mesmo fé.
     
Eu conheço pessoas que acredito que são descrentes autênticos e não por preconceito, pois tenho intimidade suficiente com elas para chegar a essa conclusão. E também conheço pessoas que eu percebo que são descrentes por preconceito. E entre essas pessoas encontram-se pessoas muito integras, muito honestas, bons pais, bons cônjuges bons amigos, bons filhos. Que têm uma vida exemplar, em termos éticos.  E conheço pessoas que se dizem cheias de fé que não parecem ser lá grande exemplo moral. Há de tudo, em todas as crenças e descrenças. Que pensar disto? - que as qualidades morais não dependem de crenças espirituais, ou pelo menos não dependem só de crenças espirituais...

Por isso não acho que seja fundamentada a afirmação de que as pessoas não sabem porque não querem. Nem acho que ser ateu materialista é moralmente reprovável. Respeito o que cada um sente e pensa, mesmo quando é diferente do que eu sinto e penso. Gostava de ter certezas absolutas, mas não as tenho. E se as tivesse para mim, tinha-as para os outros, ou seja podia prová-las cientificamente. A fé é o ponto de partida, mas a certeza é algo que tem de ser baseado na razão. Uma coisa é conhecer fenómenos outra é explicá-los racionalmente sem sombra de dúvidas.

Muitas das pessoas que têm experiências de quase morte ficam com uma fé tão forte que até parece uma certeza. Mas uma coisa é ter a experiência e outra é saber que outra pessoa a teve. Mas mesmo dessas pessoas que tiveram essas experiências, algumas  dizem que têm medo de estar loucas, pelo menos numa primeira fase, apesar de ser uma experiência que lhes pareceu muito real, e não idêntica a um sonho.

A dúvida faz parte do jogo da vida, não acha? Se Deus quisesse que o espírito encarnado na Terra tivesse a certeza absoluta, então teria arranjado forma de o fazer. Ou será que, para Deus há impossíveis? 

bem haja
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 18 de Outubro de 2012, 15:54
Ser ateu ou materialista apenas não é crime, nem reprovável.
Ser ateu materialista significa que aquele indivíduo não consegue sentir Deus e isso é sim uma grande pena porque Deus nos permeia só que muitas vezes estamos  tão embotados pelo intelecto que não O percebemos.
Eu não passei a acreditar em Deus depois que conheci o espiritismo. Sempre tive uma inutição íntima sobre sua existência. Existem ateus que também têm esta intuição mas a ignorarm porque a julgam fruto de imaginação.
O essencial é invisível aos olhos e por mais que se tente racionalizar as questões metafísicas elas transcednem qualquer racionalização.
Nós precisamos passar pelo caminho da razão para crer em Deus  porque perdemos a conexão com o divino então foi necessário tentar levar a espiritualidade através do intelecto já que perdemos a capacidade de sentir e intuir.
De qualquer forma Vitor o tema do estudo é se a lei de causa e efeito está relacionada com as enfermidades que tarzemos e desenvolvemos nesta encranação.
No debate com voc~e e o amigo Coronel acabei me desviando do tema central, o que é natural porque um assunto acaba levando a outro, mas existem outros tópicos onde já foram desenvolvidas discussões no mesmo sentido que a que desenvolvemos agora.
Já estamos falando sobre ateísmo e materalismo o que não está diretamente reclacionado com o tópico.
Poderíamos discutir estas questões sem problemas, só que aqui não é o local mais adequado apenas por uma quetsão de organização.
Já fui advertida algumas vezes por acabar desviando a discussão do título do tópico e que deveria me ater apenas ao que estivesse diretamente ligado a ele, então é só por isso que peço ao amigo para que deenvolvamos esta conversa em outro tópico.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Mourarego em 18 de Outubro de 2012, 16:27
Pitaqueando, gostaria de comentar sobre o vocábulo "expiação.

Do dicionário:
"expiação
ex.pi.a.ção
sf (lat expiatione) 1 Ato ou efeito de expiar. 2 Penitência ou cerimônias para abrandar a cólera divina. 3 Sofrimento de pena ou castigo imposto a delinqüente. sf pl Preces para aplacar a divindade ou para purificar os lugares profanados. E. suprema: pena capital."

Para facilitar a minha conversa vou ficar apenas com os itens2 e 3 ok?
2 Penitência ou cerimônias para abrandar a cólera divina.

Ora, aqui se pode entender que por "Expiar", é o penitenciar-se, ou seja, o sofrer as vicissitudes que nos chegam em resposta a erros pretéritos, porém, é da forma pela qual se toma esta vicissitude, que a expiação pode tomar um significado mais inserido no tema religioso, ou seja, por ação da não resignação com que tomamos e passamos, pela vicissitude,  sofremos mais e sem a correta compreensão do  porque estamos passando.
Esta a imposição divina, quer dizer, o entendimento que também a De nos trás ao vocábulo Expiar.

3 Sofrimento de pena ou castigo imposto a delinqüente. sf pl Preces para aplacar a divindade ou para purificar os lugares profanados.

Deste item, o início já comprova o que disse acima, todavia é do final que vamos tentar empreender maior entendimento:

O que quer explicar a idéia de expiar como "prece para aplacar a divindade?"
Simples, a idéia não se resume apenas ao ato de orar à Divindade mas sim e mais importante, à idéia de se passar por algo que não foi expressão de nosso pedido de provas a serem passadas e que nos chegam sem aviso.
Sem aviso porque sob o véu do esquecimento em que todos somos mantidos enquanto encarnados, não podemos atinar de plano, sobre a razão da vicissitude que nos lanceta no momento e daí partimos para as reclamações, chamadas de murmurações, pelo conteúdo religioso.
É esta a visão que os ensinos, nos dizem sobre a citação "Haverá choro e ranger de dentes".
A divindade, se a tomamos por Deus, não necessita de ser aplacada porque é toda calma tolerância e benignidade.
Deus, toda a perfeição reunida, omniciente e omnipresente, não se enfurece e nem se exalta, estando sempre prenhe de amor.
Esta a visão filosófica que tenho.
abraços,
Moura
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Antonio Renato em 20 de Outubro de 2012, 15:04
Caros irmãos e irmães.Pensemos da seguinte maneira:Acordar,levantar,se hengienizar, alimen-
-tar-se,iniciar as tarefas diárias,dias após dias,por toda a sua existencia material,o espírito
apenas animou o seu corpo.Teria este evolução?Haveria um reação por estas ações,baseada
na Lei de Causas e Efeitos?Que resposta teria para Deus quem desta forma perder-se esta
oportunidade de evoluir nesta encarnação.Se pararmos para  refletir,veremos então que há
uma necessidade maior além de tão somente viver por viver,sem dá sentido a esta vida,muito
embora que nesse nosso mundo de provas e expiações,haverá sempre dificuldades para se caminhar.
Fiquem na paz.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 20 de Outubro de 2012, 18:19
      Susana    (ref msg 290)

      Texto trazido pela amiga Susana: “A ignorância dos espíritos existe porque Deus os criou ignorantes. A ignorância não é um crime moral”.

      Cel: no entanto, minha querida amiga, a doutrina afirma q, frequentemente, a Lei nos pune, exatamente pelo fato de sermos ignorantes! Pois, se ignorância não é “crime”, porq as penalidades? (lembre-se de q essa “ignorância” não se refere às coisas da vida, eventos,  fenômenos etc, mas “às coisas de Deus, ou do espírito”). Erramos, é evidente, porq somos ignorantes pois, se fôssemos sábios, não erraríamos!

      Portanto, qual é a razão das punições, tão citadas pelas religiões?! O ignorante das coisas de Deus merece ser punido? Nem a falha justiça dos homens pune o ignorante! Devemos, então, entender q as chamadas punições são apenas “recapitulação de lições”, certo? Mas, serão recapitulação os terríveis e muitas vezes insuportáveis sofrimentos q vemos no mundo? São recapitulação os cânceres, as enfermidades e eventos q trazem dores e lágrimas? Serão os sofrimentos torturantes a recapitulação do processo de ensino criado pelo Ser de Infinito Amor e de Infinita Sabedoria?! Será q somente dores desesperadoras conseguem mostrar à criatura divina o caminho recuperador? Que os espíritos criados pela Sabedoria e pela Perfeição, são tão absurdamente imperfeitos e broncos q só entendem a linguagem das desgraças e tragédias q, sobre eles e seus queridos, a Lei faz q se abatam?

      Texto: Imagino que o facto de sermos criaturas geradas para se tornarem livres, e não máquinas, tem esse preço. A liberdade implica aprendizagem de comportamento e não imposição de comportamento. Caso contrário seriamos máquinas, e não seres humanos.

      Cel: aqui, sinto ter q discordar: primeiramente, não existe liberdade, em nenhuma circunstância, tempo ou lugar; nem mesmo a de pensamento. Segundo: há sim, em todas as religiões, crenças e doutrinas, a “imposição de comportamentos”: “se vc não fizer assim, vc será punido!”. Todas as religiões, e toda literatura religiosa, o tempo todo, estão nos lembrando as ameaças de q estão repletas, conforme suas concepções. E isso ocorre com todas as doutrinas religiosas do mundo: Deus, o Todo Poderoso, pune, e de modo terrível, os transgressores da Lei!

      Texto: A verdadeira causa dos males que o homem cria... é a ignorância, a incapacidade de compreender, de selecionar e de tomar para seu próprio governo a informação correta.

      Cel: aí, vc foi perfeita: todos os erros dos homens vêm de sua ignorância, q os torna incapazes de compreender a “informação correta”. E, a amiga há de concordar q, até aqui, ainda não conseguimos perceber qualquer justificativa para a existência da terrível lei divina de causa e efeito, nos moldes q as doutrinas a apresentam: imposição de cruéis punições aos recalcitrantes, aos maus, egoístas, orgulhosos etc.

      O espírito encarnado é possuidor de todos os defeitos morais e das mais monstruosas imperfeições, exatamente pelo fato de ser ignorante das coisas do espírito, e não pelo fato de haver, por sua vontade, ou escolha, se tornado possuidor dessas imperfeições.

      Texto: Eu diria um pouco mais, a maior parte dos males humanos é causada por excesso de amor próprio, ou melhor egoísmo. É quando colocamos nossas necessidade e desejos acima do próximo.

      Cel: novamente, a amiga foi feliz no q disse: a maior parte dos males humanos tem origem no egoísmo (embora Kardec afirme q <todos> os males se originam do fato de os homens usarem mal seus livres-arbítrios”). Pode ser isso, se considerarmos q o mau uso do livre-arbítrio resulte do egoísmo, sentimento “natural” a todos. Mas, alguém já se perguntou, se os males têm como causa o egoísmo, o egoísmo tem como causa o quê? Parece q ninguém!

      Texto: ... não podemos ver as pessoas... como espíritos criminosos irrecuperáveis; mas mais como espíritos ignorantes, que podem ser perigosos, como os animais selvagens o podem ser...

      Cel: novamente, perfeito!
     
      Texto: Nós somos contumazes contraventores cósmicos e temporariamente fomos exilados neste planeta para que possamos refazer as lições que negligenciamos e nos harmonizar, através da expiação, com as leis divinas que violamos. E isso está na doutrina.

      Cel: amiga, mas se violamos as leis divinas por sermos ignorantes, nada sofreremos, senão o “repetição de ano”, para “refazer as lições q negligenciamos”, concorda? No entanto, de modo  incompreensível, há doutrinas q afirmam q essas lições são refeitas através de sofrimentos, dores e lágrimas, torturantes e desesperadoras! Cânceres, loucura... fazem parte das lições negligenciadas?!

      Texto: Não há livre-arbitrio, aqui na Terra.

      Cel: nem na Terra, nem além da Terra! Livre-arbitrio nunca é livre pois está sempre preso ao passado ou às exigências do futuro.

      Texto: Com certeza, agora existem coisas que já sabemos ser erradas e que quando praticamos não podemos alegar ignorância, principalmente depois do legado moral que nos deixou o Mestre Jesus. Não haveria a necessidade de nenhuma lei humana se as pessoas apenas observassem este simples e sábio preceito moral: Não fazer o próximo o que não queres que faça a ti.

      Cel: e, amiga, qual é a causa q leva as pessoas a não observarem esse preceito? Já a conhece? Se a conhece, com certeza, conhece também q não há culpas, nem culpados!

      Texto: ... onde o indivíduo (estuprador etc) coloca a satisfação de sua necessidade acima do bem estar do próximo...

      Cel: amiga Susana, de novo caímos (e isso sempre acontece) na questão das desigualdades pois, porq nem todos agem  como age o estuprador, ou de modo egoísta?

      Texto:... somos bem sabidinhos e quanto a estas coias não se pode alegar desconhecimento.

      Cel: novamente aquela questão: qual é a causa de, mesmo a pessoa conhecendo q está errada e q poderá sofrer terrivelmente por isso, assim mesmo pratica o erro?

      Quanto ao restante do texto, podemos dizer q qualquer comentário, será repetição de comentários já feitos.
................................

Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 22 de Outubro de 2012, 21:04
      Susana   (ref msg #294)

      Amigos, para q ninguém leve minhas respostas para o lado pessoal, vou endereçá-las a todos e não somente àquele cujo nome indico no início da msg. Essa indicação serve apenas para vincular a msg (anterior), cujo conteúdo respondo, com a msg/resposta (posterior), para q não se perca o “fio da meada”.
.......................................
      Texto da msg #294: Partindo do principio que a evolução espiritual significa aumento da felicidade, todo aquele que não queira evoluir espiritualmente está a negar a si mesmo a possibilidade de evoluir para ser mais feliz.

      Cel: o q, por si só, condena a sanidade desse, pois só  desequilibrados mentalmente buscam a infelicidade.

      Texto: Logo um espírito que não segue aquilo que o pode tornar mais feliz: ou é ignorante em relação às leis espirituais da natureza, ou é masoquista.

      Cel: ou desequilibrado mental.

      Texto: O problema é que mesmo partindo do princípio de que eles são egoístas por ignorância das leis espirituais, ainda assim isso não é justificativa para isentá-los da responsabilidade de seus atos porque, na verdade, são ignorantes porque querem uma vez que existe todo um legado espiritual espalhado pelos quatro cantos do mundo.

      Cel: amigo, sinceramente, é-me incompreensível a compreensão a q vc chegou!! É isso q vc pensa? Já raciocinou convenientemente sobre o q disse, como, aliás, recomenda a DE? Como é q concluiu q os ignorantes são ignorantes porq querem ser ignorantes? São outros desequilibrados mentais?!

      Texto: Nunca se difundiu tanto conhecimento espiritual. Muito do que era oculto e de domínio de poucos grupos fechados hoje se encontra em qualquer banca de esquina. Quem quiser realmente ter acesso as leis espirituais poderá encontrá-las.

      Cel: sinto ter de discordar, novamente: é verdade q há extensa literatura a respeito! Está por aí, ao acesso de muitos (não de todos). No entanto, como afirmar q todos compreendem q devem procurar conhecê-la?  Será q todos compreendem q são necessárias para conhecer a vida, para abandonar as imperfeições e ser mais feliz?! E todos estão motivados a se tornarem melhores em relação aos demais? Vc sabe q não! A questão é de <compreensão>, e não de estar muito difundido o conhecimento espiritual, por mais extensa q seja essa difusão! Nem todos, ou mesmo poucos, compreendem, concorda? Estejam em qualquer “banca de esquina” essas obras nem mesmo serão olhadas pois não chamarão a atenção de quem não se interesse por elas. Logo, não se pode dizer q “não é justificativa para isentá-los da responsabilidade de seus atos”. Não são responsáveis, pois a compreensão q possuem dessas coisas é, ainda, deficiente ou pequena demais para q se interessem por lê-las. ! Lembre-se q Jesus disse: “Quem puder compreender, compreenda!”; nem todos podiam e nem todos, mesmo agora, têm condições de compreender! Aqueles q compreendem <profundamente> (não <superficialmente>, como muitos seguidores de doutrinas, mas <profundamente>!) agirão de acordo com o q compreenderam, pois “compreender é agir”!

      Texto: Mas infelizmente muitos gostam de permanecer na ignorância para não ter que enfrentar dilemas de consciência; então a ignorância acaba sendo uma saída cômoda para justificar a iniquidade e o egoísmo que se encontram camuflados. A maior parte das pessoas não age considerando-se a si e aos outros espíritos imortais, nem mostra, na sua acção, a certeza de conhecer as leis espirituais da natureza. A maioria, diga o que disser, age, a maioria das vezes, como se fosse apenas um corpo de carne mortal.

      Cel: sim, e aí está a prova q não é verdade dizer q os q não conhecem as leis, não conhecem porq não querem! O restante do texto prova a mesma coisa.

      Texto: O problema é que nem todos os espíritos estão em condições de compreender as leis espirituais da natureza. E se não as compreendem não as podem aceitar, nem agir de acordo com elas.
      Não se trata apenas do conhecimento intelectual do que disse Jesus, do que disseram os espiritos, ou do que disseram outros mestres espirituais que pisaram a Terra. Porque, para além de conhecer é necessário interiorizar, de modo a que a nossa forma natural de agir seja de acordo com esse conhecimento. E para  interiorizar, é preciso estar muito convicto que se trata de algo que corresponde a um modelo da realidade.  Infelizmente, poucos se esforçam para as encontrar.

      Cel: aqui, também, há algo a comentar: porq alguém se esforçará para encontrar, ou compreender as leis espirituais, se não tem seu interesse, crença ou vontade voltados para isso?

      Texto: O homem que humildemente pedir ao Pai auxílio, o encontrará na medida de sua compreensão e necessidade... E cada um deles pode proporcionar algum conforto e esclarecimento porque todos são expressões do amor divino.
      Conheço pessoas paupérrimas que não sabem sequer ler, mas que sempre buscaram uma comunhão com Deus dentro de suas limitações.

      Cel: toda essa argumentação do texto vem reforçar a verdade de q ninguém procura ou não procura o conhecimento espiritual porq quer procurar ou porq não quer procurar pois, somente a compreensão de q é necessário, confortador, útil, consolador, inspirador, levará alguém a procurá-lo!

      Texto: Para isso (para encontrar o conhecimento espiritual, é isso?) não se precisa de livro, de curso, de erudição, cultura. Basta boa vontade e humildade.
 
     Cel: vc diz: “basta boa vontade e humildade!”; o amigo acredita q se alguém deseja ter boa vontade, basta querer? E como ter boa vontade para se obter aquilo q nem se sabe q existe, ou nem sabe q é benéfico q conheçamos? A boa vontade de encontrar esse conhecimento só pode nascer da compreensão de que ele é necessário e benéfico!!!
      E quanto à “basta humildade!”, o q o amigo quer dizer com isso? A humildade está ao alcance de nossa vontade? Só poderemos ter humildade em nossa natureza, nunca pela vontade de tê-la, mas, como tudo o mais, pela compreensão de que ela é necessária.

      Texto: A humildade é uma ferramenta de elevação moral  acessível a todos nós.

      Cel: aqui, de novo, discordo totalmente: é ferramenta de elevação moral, mas de modo nenhum acessível a todos!

        Texto: Aqui na Terra encontramos espíritos em vários níveis evolutivos, uns mais evoluídos, outros menos mas, ao final, a maioria esmagadora violou em algum momento as leis cósmicas. Quando isso se deu por ignorância e incapacidade de uso do livre arbítrio o LE nos diz que não há que se falar em responsabilidade , mas a partir do momento em que o homem tem consciência das repercussões morais de seus atos ele passa a responder por eles. E segundo o LE todos nós somos conhecedores intuitivos destas leis porque elas se encontram gravadas na consciência do homem.

      Cel: e, aqui, vai uma pergunta q ninguém responde definitivamente: se todos somos conhecedores dessas leis porq agimos tão diferentemente em relação a elas, uns obedecendo-as, outros desprezando-as propositadamente? Somos, também, desequilibrados mentais?! E mais uma: se vc é conhecedor intuitivo dessas leis, porq muitas vezes as desobedeceu, mesmo estando em sua consciência o conhecimento das consequências terríveis q lhe virão por desobedecê-las?

      Texto: ... estando as leis divinas escritas na consciência... não há que se falar em ignorância para justificar hoje nosso erros porque só permanece na ignorância quem quer por questões de conveniência.
Conhecer a verdade implica também em assumir responsabilidades e nem todos estão dispostos a fazê-lo.

      Cel: discordo totalmente; como já vimos no início, somente o masoquista, o ignorante, o desequilibrado metal, o totalmente ignorante agirá irresponsavelmente em relação às leis espirituais!
E, aqui, lhe faço uma pergunta: se vc é conhecedor intuitivo das leis, porq as desobedeceu no passado e ainda, no presente, as desobedece? Porq vc não resiste à vontade de desobedecê-las? Não tem forças para isso?  E tem culpa por não ter forças para isso?
      Os sofrimentos, por mais cruéis q sejam, vêm exatamente do fato de desobedecê-las e, mesmo assim, estamos a desobedecê-las o tempo todo e, consequentemente, nos dirigindo, também o tempo todo, a sofrer as desesperadoras consequências da lei de causa efeito!
      Sendo assim, porq as desobedecemos? Vc tem alguma resposta, em particular uma q justifique a existência da terrível lei divina de causa e efeito?

      A codificação recomenda q raciocinemos acerca da fé, acerca da crença. Vamos, então, raciocinar; não, simplesmente, aceitar tudo o q está escrito, como muitos fazem.
.......................................


Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Marcos W. Silva em 23 de Outubro de 2012, 02:36
Vou dar um pitaco também:

" Todo pecado e blasfêmia serão perdoados ao homem; mas o pecado contra o Espírito Santo não lhes será perdoado, nem neste mundo, nem no vindouro" - Jesus

"Todo pecado, cometido na ignorância da Lei, será, portanto, perdoado ao homem." - Vinícius.

" Toda falta porém praticada com conhecimento de causa, constitui pecado sem perdão. [...] Pecado que não tem perdão é pecado que deve ser reparado, é dívida contraída cujo pagamento será exigido. [...] uma vez pago o último ceitil, o devedor ficará isento de ônus. - Vinícius - Nas Pegadas Do Mestre.

Entenda-se pecado como erro, faltas, deslizes... quando Jesus se refere ao pecado contra o Espírito Santo, entendamos os atos reprovados pela consciência, geradores das matrizes da culpa, com a qual nos punimos.

Frases populares:
                            "erra-se na ignorância, na ignorância paga-se." (não há sofrimento moral)

                            "o homem com um dia de Evangelho não pode ser mais o mesmo."
                                                                                                               (a consciência cobra)

Abraços.





Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Zé Ninguém em 23 de Outubro de 2012, 17:37
Olá Marcos,
Obrigada pelo pitaco rs ;)
Muito esclarecedores os textos trazidos pelo amigo.
abraços
Susana
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 28 de Outubro de 2012, 18:22
      Susana      (ref msg 296 e 297)

      A amiga Susana trouxe o texto “O Ensinamento Universal”. Convido os amigos a raciocinarem sobre ele.   

      Texto: O egoísmo nasce da ideia de escassez e do instinto de sobrevivência.

      Cel: por essas palavras, o egoísmo, como também faz ver a DE ao dizer q é resultante de estarmos na carne, é um sentimento “natural” e normal a humanos e não humanos, nascido desde q percebem o mundo ameaçador em que vivem. Podemos dizer q o egoísmo é <necessário> à sobrevivência neste mundo a q somos, forçosamente, mandados.

      Texto: os animais também são egoístas, então isso mostra que o egoísmo está ligado a animalidade e  o homem racional deve se esforçar para vencer a animalidade... Os espíritos desencarnados não precisam de competir pela sobrevivência.

      Cel: perfeito: o egoísmo está ligado à animalidade (ou seja, é inerente à matéria, ao corpo carnal); aos desencarnados esse é um sentimento q não há razão de existir. Como disse, no início, é um sentimento "natural", nascido do confronto entre nossa 'natureza' (a natureza q Deus nos deu) com a natureza q Deus deu ao mundo em q viemos viver.
     
      Texto: ... poderiam ser consideradas ignorantes mas, como eu disse antes, muitos querem permanecer nesta ignorância porque é conveniente.

      Cel: sinto muito discordar totalmente do escrito acima, pois só permanece na ignorância aquele q é realmente já ignorante (nunca pelo desejo de ser) e q, por ser ignorante, não sabe q há coisa melhor; ou o desequilibrado mental. Pois, quem “escolhe” permanecer na ignorância? Podemos dizer q apenas o dementado, mas este mesmo nem escolhe isso; ele apenas “é” ignorante!

      Texto: Porque conhecer a espiritualidade implica muitas vezes em mudar hábitos e comportamentos em se desapegar de alguma paixões e prazeres aos quais não estão dispostos a abrir mão.

      Cel: querida, me perdoe aquela tão repetida e, por isso, tão indesejada e cansativa pergunta: tudo tem uma ou mais causas, certo? Então, qual é a causa de uns serem assim e outros, não? Porq, mesmo estando (vou repetir o q vc disse) as leis morais espalhadas pelo mundo, a lei de Deus inscrita na consciência, o legado de Jesus, os mandamentos de Moisés, os enviados de Deus para as relembrarem aos esquecidos, a “regra áurea” dos mestres, o caminho já ensinado, muitos ainda seguem o caminho do mal?  O q existe nesses q se desviam, ou continuam desviados, q não existe nos demais? Qual é a causa dessa gigantesca desigualdade?

      Texto: Assim, se hoje continuamos ignorantes é porque queremos porque o caminho já foi ensinado...  a maioria das pessoas prefere o caminho fácil, a porta larga.... Sim pelo nível evolutivo é esperado que os homens ainda sejam egoístas, mas isso não é desculpa para não se esforçar para se modificar...

      Cel: vc diz q “isso não é desculpa”, certo? (Lembre-se do “não julgueis!”, pois todos nossos julgamentos são absolutamente incertos; sempre desconhecemos as causas do q está sendo julgado).

      Mas, então, qual é a razão, ou o motivo de não se esforçarem para se modificar?  A amiga sabe dizer? Melhorando a pergunta: qual é a causa de uns seguirem o bom caminho, a porta estreita, se esforçando para melhorar, e outros, não?

      Essa é a pergunta de sempre, q ninguém responde, mas q, se raciocinarmos profundamente, “eventualmente” poderemos encontrar sua resposta e, também “eventualmente”, muita coisa será esclarecida!...
...................................
      (ref msg 297)
      Texto: A doutrina espirita diz que a virtude conduz à felicidade e, se a verdade for consonante com a doutrina espirita, o sábio é aquele que sabe isso. Se o sabe, se sabe que esse é o caminho da felicidade, se quer ser feliz, e não é virtuoso, então é porque não é capaz de seguir o caminho que sabe que é o que mais lhe convêm. A isso chama-se fraqueza, não egoísmo, nem maldade.

      Cel: existirá alguém q, sábio das coisas do espírito, não as segue?! Isso só poderá acontecer se houver um impedimento irremovível! Se a fraqueza, de que espécie for, é um impedimento irremovível, nenhum desdouro há nisso!

      Lembre-se, amiga Susana, q ninguém é incapaz  porq quer ser incapaz (para seguir o caminho q ele sabe, lhe convém, como vc disse); do mesmo modo, ser fraco para realizar essa proeza, ninguém o é porq quer ser; nenhum desdouro há em ser incapaz ou fraco, porq não é o próprio espírito ou homem q se faz capaz e forte ou incapaz e fraco, por vontade própria... Logo, a coisa não é fácil como vc diz: “Penso que quem quer mudar muda, que  não quer arruma desculpa”.  Lembre-se q, embora muitos afirmem, inclusive doutrinas e religiões, “querer <não> é poder!”

      Outro ponto é a questão do apego: ninguém é apegado aos atrativos do mundo, porq quer ser apegado; aí estão afetos, vícios, fama, prestigio, beleza, dinheiro, poder, sexo, amizades, leituras, religiões etc q atraem a todos, muitas vezes de modo irresistível. E atraem muito mais do q os atrativos da vida espiritual, pois estes são apenas presumidos e imaginados, suposições ou crenças, enquanto os atrativos do mundo estão aí na frente de todos, perceptíveis, sentidos, invejados e se mostram, a todos, como reais fazedores de felicidades.  Os apegos do homem, muitos estão além de suas forças; muitos, q se dão conta dessas dificuldades, estão enchendo, todos os dias, os consultórios dos profissionais da saúde mental, ou as igrejas e templos, os grupos de ajuda, os CE, fazendo estudos, promessas e penitências; outros se desesperando, e outros até mesmo desistindo de viver. 

      Texto: Mas aquelas pessoas que são mais perversas e cruéis não é por fraqueza, mas porque os seus espíritos ainda são atrasados. Só posso imaginar que seja por ignorância. Tudo vai depender do nível de consciência de cada um. Só aí é que se pode dizer se há responsabilidade ou ignorância.

      Cel: A afirmação acima provoca uma série de questões (inclusive sobre o fato de q a Lei nos faz sofrer se somos responsáveis por erros) mas lhe apresento só uma: “se tudo depende do nível de consciência de cada um, de q depende o nível de consciência de cada um, o seu, o meu, o dos outros? Porq, se for ainda baixo, seremos responsáveis pelos erros q praticamos? Nós mesmos fazemos q nosso nível de consciência seja baixo ou elevado? Qual é a causa q tem como efeito os níveis de consciência serem desiguais? Essa questão é importante porq poderá, se bem raciocinada, nos levar a entender porq sofremos com a lei de causa e efeito e, afinal, porq todo mundo sofre.

      Susana: Se eu amanhã no exercício de minha função em deixo corromper e recebo propina não posso dizer que sou ignorante. Fui ganaciosa( olha o tal apego de novo) e sabia que moralmente isso era errado, mas coloquei meu prazer acima disso. Não tenha dúvidas de que serei responsabilizada espiritualmente e acho muito justo que eu seja.

      Cel: minha querida, e porq, nesse exemplo q vc deu, vc seria gananciosa, corrupta, apegada, egoísta e, consequentemente, vc aceitaria como justo ser responsabilizada e “punida”? Porq não agiu de outro modo se vc sabia e sabe q aquilo que estava fazendo é errado e provoca terríveis consequências da Lei?

      Amiga, tente responder por sua cabeça, por seu raciocínio pessoal, a essa única e última pergunta! Vc só terá a ganhar!
..........................................





Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 30 de Outubro de 2012, 15:12
      Marcos W Silva   (ref msg310)

      O amigo Marcos colocou: "Todo pecado e blasfêmia serão perdoados ao homem; mas o pecado contra o Espírito Santo não lhes será perdoado, nem neste mundo, nem no vindouro" – Jesus.

      Cel: amigos, vejam como a fé deve ser raciocinada e não simplesmente aceita pelo fato de termos total confiança em suas fontes. O q significa “o pecado contra o Espírito Santo”? Há, nas escrituras, muitas passagens de significado obscuro; essa é uma delas! Não podemos esquecer q, durante séculos, as escrituras sofreram modificações, muitas para satisfazer interesses de poderosos. Essa passagem não deve ser uma dessas mas, pelo q parece, não deixa de ter, como muitas outras, a intenção de evitar a transgressão da Lei, através de ameaças (pecado sem perdão), tão frequentemente existentes em todas as doutrinas. O objetivo deve ser provocar a obediência ao q a religião prescreve. 

      Texto: "Todo pecado, cometido na ignorância da Lei, será, portanto, perdoado ao homem." - Vinícius.

      Cel: aqui Vinicius foi perfeito, embora, pelo q podemos ver nos tópicos do fórum, muitos não concordam cem por cento com isso.

      Texto: "Toda falta porém praticada com conhecimento de causa, constitui pecado sem perdão. [...] Pecado que não tem perdão é pecado que deve ser reparado, é dívida contraída cujo pagamento será exigido. [...] uma vez pago o último ceitil, o devedor ficará isento de ônus. - Vinícius

      Cel: as palavras acima suscitam uma questão: qual é a causa q tem como efeito o fato de uns praticarem faltas com conhecimento de causa e, outros, não? Qual é a causa de uns praticarem pecados que não têm perdão, pecado q deve ser reparado, contraindo dívida q exige pagamento, o q significa sofrimentos muitas vezes torturantes e desesperadores? Todos os praticam? Nem todos? Porq nem todos?
..................................................



Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Conforti em 30 de Outubro de 2012, 20:06
      Antevazin      (ref msg#299)     

      O companheiro Antevazin escreveu: não existe verdade maior... que o ser humano não aceita se reformar intimamente por ter de abrir mão de suas paixões.

      Cel: amigo, sendo verdade absoluta q todo efeito tem uma causa, lhe proponho a seguinte questão: qual é a causa q tem como efeito o homem não querer abrir mão de suas paixões, mesmo sabendo q elas o prejudicam?

      Parece uma pergunta tola, pois de resposta evidente, não? Dirão: “é q as paixões o atraem irresistivelmente”, ou “é q não se esforça para se libertar das paixões”, ou coisa semelhante, certo? Então, poremos outra pergunta: “e qual é a causa de as paixões o atraírem irresistivelmente, ou de ele não se esforçar para se libertar delas?” Haverá, certamente, muitas respostas a essa pergunta, mas todas elas acabarão por cair na afirmação de q é pelo fato de o homem ser mais inclinado para o mal do q para o bem, e finalmente, porq usa mal seu livre-arbítrio, concorda? Pois, como diz a DE, “a causa de todos os males do mundo está no homem, pelo mau uso q faz de seu livre-arbítrio”.

      Mas, perceba q, com essa resposta, as perguntas ainda não terão fim pois podemos perguntar: “e qual é a causa q tem como efeito o fato de o homem ser mais inclinado para o mal do q para o bem? Ou de fazer mau uso de seu livre-arbítrio?”.

      Quem já se fez essas perguntas? Quem conseguiu chegar ao fim delas? Quem chegou a encontrar e conhecer quais são as mais profundas causas, as causas reais, verdadeiras q, lá, desde o longínquo passado (talvez, “zilhões” de séculos ou milênios atrás), resultam no efeito q o homem é neste instante? Afinal, o homem, segundo as doutrinas, na criação era apenas ignorante e simples, e se transformou num ser mau, egoísta, orgulhoso, impaciente, desonesto, perverso e pervertido, carregado das mais monstruosas imperfeições! Qual a causa disso?

      Amigo, como sou um chato (já me disseram isso mais de uma vez), devo estar repetindo muita coisa já postada. Mas, é q sou assim mesmo e “tento, teimo, bato”, sempre esperando q a porta se abra, nem q seja um pouquinho só! Por isso bato sempre nesta mesma tecla, uma pergunta a q ninguém (e nenhuma religião) consegue dar resposta definitiva: qual é, ou quais são as causas q tiveram (e q têm ainda) como efeito as desigualdades em q se transformou a perfeita igualdade inicial? Se o amigo raciocinar profundamente, talvez consiga dar resposta a essa pergunta e isso pode lhe ser de grande valia. De nada adiante pesquisar qual o motivo de sermos ou bons, honestos, humildes, ou maus, desonestos, egoístas e orgulhosos e, consequentemente, caminharmos ou para um futuro feliz ou para um futuro infeliz, se não chegarmos a encontrar as mais remotas causas q fazem q, hoje, sejamos o q somos; temos de ir até as mais profundas raízes da questão se verdadeiramente queremos ser justos, honestos, coerentes e aprender alguma coisa nestes estudos q estamos fazendo.
...........................
      Vamos continuar. Observe como temos de ir até as causas mais longínquas de um problema, dúvida ou questão, se realmente desejamos aprender e compreender as questões, sobretudo, da fé, ou da crença. Se não fizermos assim, vamos acabar comendo “gato por lebre”!

      Vamos a ilustrar o q digo: aquele homem, conhecido como sempre bêbado, briguento, agressivo, violento etc, fere, rouba ou mata. Muitos dirão: “mas ele é assim mesmo, sempre bêbado, mau caráter, violento, perigoso... devia estar na prisão etc!” e, pronto!, o julgamento está feito. Contudo, ninguém buscou as “verdadeiras” causas q resultaram no q ele é hoje: um bêbado, mau caráter, violento, perigoso, capaz de roubar, ferir, matar!     

      Esse é, via de regra, o julgamento q todos fazem! Apenas um pseudo-julgamento, um falso julgamento por incompleto q é, e pode ser, nada mais, do q uma tremenda injustiça!

      Se desejamos ser honestos, justos, coerentes <nunca>, <absolutamente nunca> podemos julgar alguém. Afinal. porq o mestre Jesus teria aconselhado: “não julgueis”? Porque, meus amigos, qualquer julgamento q fizermos será sempre injusto, pois nem vc, nem eu, absolutamente ninguém, tem condições de conhecer tudo aquilo q ocorreu e q resultou naquilo q o homem é hoje, mau ou bom, ou o q seja.

      Nós, é claro, somos o resultado de nosso passado, de todas as causas e efeitos q ocorreram antes deste exato momento, desde os mais remotos antepassados, em nossa linha ascendente, e, até mesmo, de tudo aquilo q lhes deu origem!

      Assim, se desejamos mesmo compreender, em particular o q nos ensinam as religiões, devemos nunca ficar na superfície da questão, mas mergulhar até o mais profundo dela, até suas raízes mais profundas. 
........................................
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: zecarroberto em 14 de Julho de 2014, 05:38
Muitos espíritas fazem confusão com a Lei de Causa e Efeito com Lei de Ação e Reação, que podem ser semelhantes, mas, não iguais, a primeira fala da parte moral e ou espiritual, a segunda somente da parte material ou física, penso que Ação e Reação seja aplicável na doutrina Espírita apenas em caráter educativo, devemos também obedecer as leis dos homens que regula a nossa convivência social.
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: zarthur em 23 de Julho de 2014, 10:41
Curiosa a colocação do Zeca, mas nunca encontrei tal referência em qualquer parte.
Poderia ajudar, Zeca?
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Hugo755 em 23 de Julho de 2014, 20:24
Amigos espíritas, se ainda têm alguma dúvida sobre a Lei de Causa e Efeito, consultem o livro " O Céu e o Inferno ".
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: Carmen.gbi em 28 de Julho de 2014, 18:57


Boa tarde!


Gostaria de retornar a colocação do Zeca e pedir que nos trouxesse mais algumas explicações a respeito da confusão que há entre Lei de Causa e Efeito e Lei de ação e reação.

Obrigada

Carmen
Título: Re: Lei de Causa e Efeito
Enviado por: lconforjr em 28 de Julho de 2014, 22:42
Re: Lei de causa e efeito


      O amigo Zecaroberto está coberto de razão.

      Sem dúvida todo efeito tem sua causa; isso é uma verdade científica, lógica e comprovada, porém somente com relação a efeitos materiais; essa é uma lei da física: "a cada ação corresponde uma reação de mesma intensidade e diametralmente oposta". Refere-se a corpos materiais apenas.

      Não é verdade científica com relação a efeitos morais. Qto aos efeitos morais, como a lei de causa e efeito moral, é apenas uma crença ou suposição ou mesmo, para alguns, convicção sem base científica, pois somente devida ao fato de terem total confiança nas fontes de onde vem esse ensinamento.

...................