Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => Estudos mensais => Tópico iniciado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Maio de 2012, 16:36

Título: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Maio de 2012, 16:36
Olá a todos
 
   Venho nesta oportunidade que me foi oferecida contribuir com os estudos deste Fórum que a todos nós recebe
Participo com um texto extraido do Livro Espírita codificado por Allan Kardec
O Evangelho Segundo O Espiritismo,com o tema; A Lei do Amor, Cap XI, item 8
instrução esta nos dada pelos Espíritos, demonstrando em suas livres expressões o compromisso maior com o nosso progresso.

Lei do Amor (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXowcWp2SllKYmo0I3dz)

A lei de amor

8. O amor resume a doutrina de Jesus toda inteira, visto que esse é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso feito. Em sua origem, o homem só tem instintos; quando mais avançado e corrompido, só tem sensações; quando instruído e depurado, tem sentimentos. E o ponto delicado do sentimento é o amor, não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior que condensa e reúne em seu ardente foco todas as aspirações e todas as revelações sobre-humanas. A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres; extingue as misérias sociais. Ditoso aquele que, ultrapassando a sua humanidade, ama com amplo amor os seus irmãos em sofrimento! ditoso aquele que ama, pois não conhece a miséria da alma, nem a do corpo. Tem ligeiros os pés e vive como que transportado, fora de si mesmo. Quando Jesus pronunciou a divina palavra -amor, os povos sobressaltaram-se e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo.

O Espiritismo a seu turno vem pronunciar uma segunda palavra do alfabeto divino. Estai atentos, pois que essa palavra ergue a lápide dos túmulos vazios, e a reencarnação, triunfando da morte, revela às criaturas deslumbradas o seu patrimônio intelectual. Já não é ao suplício que ela conduz o homem: condu-lo à conquista do seu ser, elevado e transfigurado. O sangue resgatou o Espírito e o Espírito tem hoje que resgatar da matéria o homem.

Disse eu que em seus começos o homem só instintos possuía. Mais próximo, portanto, ainda se acha do ponto de partida, do que da meta, aquele em quem predominam os instintos. A fim de avançar para a meta, tem a criatura que vencer os instintos, em proveito dos sentimentos, isto é, que aperfeiçoar estes últimos, sufocando os germes latentes da matéria. Os instintos são a germinação e os embriões do sentimento; trazem consigo o progresso, como a glande encerra em si o carvalho, e os seres menos adiantados são os que, emergindo pouco a pouco de suas crisálidas, se conservam escravizados aos instintos. O Espírito precisa ser cultivado, como um campo. Toda a riqueza futura depende do labor atual, que vos granjeará muito mais do que bens terrenos: a elevação gloriosa. E então que, compreendendo a lei de amor que liga todos os seres, buscareis nela os gozos suavíssimos da alma, prelúdios das alegrias celestes. - Lázaro. (Paris, 1862.)

...........................................................................

   Quero ao mesmo tempo participar no possível do meu alcance ,para aprender sobre este tema , sobre estas palavras,sobre esta força, com a participação dos colegas sem dúvidas.
 
Amor
 
Palavra esta que desde a minha infância intimedei-me em escrever e de vermelho no rosto jamais me ousava pronunciar...
Até hoje sou assim...um pouco apenas.
 
Esta palavra por si só as vezes me leva as lágrimas, e eu não sei explicar.
 
Não saberia fazer perguntas neste início e talvez nem embalar os estudos eu poderia,
mas recorro aos participantes tal iniciativa,tal carinho, tal atenção.
 
Ofereço a todos este  pensamento de Luiz Camões que agora encontrei.
 
Amor é um brado afeito
Que Deus no Mundo pôs e a Natureza
Para aumentar as coisas que criou.
De amor está sujeito
Tudo quanto possui a redondeza;
Nada sem este efeito se gerou.
Por ele conservou
A causa principal o Mundo amado
Donde o pai famulento foi deitado.
As coisas ele as ata e as conforma
Com O Mundo,e reforma
A matéria. Quem há que não o veja?
Quanto meu mal deseja, sempre forma.

.........

e esta frase do Cristo;


"Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai se não por mim."

Conto carinhosamente com a participação de todos.

deixo uma pergunta inicial, abrangendo justamente o titulo do tópico;

A lei do amor

Amor! Lei?
O que esta afirmação nos remete?

Abraços e avante
Título: Re: A lei do Amor
Enviado por: M.Altino em 01 de Maio de 2012, 17:15
Amigo Moisés antes  de tudo  um grande obrigado  pelo tema escolhido que muitos nos vai ajudar a pensar  e  repensar na  maravilhosa palavra  ( Amor ) e  como  e  podemos  entender  dentro do contexto que estamos inseridos,  e  da forma  de entendimento que cada possa ter  desta lei.
O Livro dos espíritos  nos  ensina  que  o Amor é uma  virtude  que  sempre acompanha  cada ser  e muito mais  uma mãe quando sente  que  é  nessa doação  que  temos muitas vezes de  compreender o grande significado do Amor  Maternal
 Questão  890. O amor maternal é uma virtude ou um sentimento instintivo, comum aos homens e aos animais?
     — É uma coisa e outra.
A Natureza deu à mãe o amor pelos filhos, no interesse de sua conservação; mas, no animal, esse amor é limitado às necessidades materiais: cessa quando os cuidados se tornam inúteis. No homem, ele persiste por toda vida e comporta um devotamento e uma abnegação que constituem virtudes; sobrevive mesmo à própria morte, acompanhando o filho além da tumba. Vedes que há nele alguma coisa mais do que no animal.
Um grande  abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Sr.91 em 01 de Maio de 2012, 17:23
O amor é a fonte de toda felicidade humana. Conheçêmos ainda pouco dele, pois só amamos mais facilmente a nossa familia, nossos amigos e pessoas que pensam como nós. Entretanto, mais meritório é ter amor por quem nos é indiferente, e nem muito conheçemos. Não podemos, de fato, ter esse sentimento para com eles com a mesma intensidade, por isso acredito que a consideração e o respeito já é um grande passo .

Entendo como Lei, algo natural e que existe desde de o principio. Logo, o amor é uma lei que está escrita em nossas consciências e que atraves do veiculo fisico nos presenteia com a sensação de amar e do bem querer .
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 01 de Maio de 2012, 17:50
Boa tarde a todos

Amigo Moises desejo-lhe sucesso na condução deste estudo, cujo tema considero
o objetivo principal de nossa existência.

anexo um video  pertinente ao tema:-


A LEI DO AMOR!.wmv (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWd0UWQ3Wm1rTFZzJmFtcDtsaXN0PUZMY2FqeGt2ZjJDdWI0OHFKUTFzNlMxdyZhbXA7aW5kZXg9OTEmYW1wO2ZlYXR1cmU9cGxwcF92aWRlbyM=)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Maio de 2012, 18:26
Amigo Moisés antes  de tudo  um grande obrigado  pelo tema escolhido que muitos nos vai ajudar a pensar  e  repensar na  maravilhosa palavra  ( Amor ) e  como  e  podemos  entender  dentro do contexto que estamos inseridos,  e  da forma  de entendimento que cada possa ter  desta lei.
O Livro dos espíritos  nos  ensina  que  o Amor é uma  virtude  que  sempre acompanha  cada ser  e muito mais  uma mãe quando sente  que  é  nessa doação  que  temos muitas vezes de  compreender o grande significado do Amor  Maternal
 Questão  890. O amor maternal é uma virtude ou um sentimento instintivo, comum aos homens e aos animais?
     — É uma coisa e outra.
A Natureza deu à mãe o amor pelos filhos, no interesse de sua conservação; mas, no animal, esse amor é limitado às necessidades materiais: cessa quando os cuidados se tornam inúteis. No homem, ele persiste por toda vida e comporta um devotamento e uma abnegação que constituem virtudes; sobrevive mesmo à própria morte, acompanhando o filho além da tumba. Vedes que há nele alguma coisa mais do que no animal.
Um grande  abraço de muita paz
Manuel Altino

Obrigado Manuel Altino
realmente o Amor materno realça em potÊncial grandioso este tema

Me fez lembrar de uma das características centrais das psicografias do Chico Xavier,
as notícias trasidas do Além Túmulo dos filhos que as mães em sofrimento buscavam ante aquele Médium de Minas Gerais...

Fator este, motivoo de inúmeras críticas e sensuras, vidas de muitos espíritas descompromissados com o carater INEQUÍVOCO  da Doutrina Espírta,
CARATER DE CONSOLAR.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 01 de Maio de 2012, 18:30
Não destoando em nada do que escreve o mano Moisés, eu, particularmente não posso pensar em estudar a lei do amor, sem a v er inserida em seu justo lugar, como uma lei tríplice em sua abrangência, pois os Espíritos a apresentam como Lei de Amor, Justiça e Caridade.
Por que?
Porque meus manos, para que se possa amar, mesmo no quinhão a que possamos poder utilizar nesse momento encarnatório pelo qual passamos agora, não o conseguiremos fazer bem se destacamos somente um desses momentos que aparecem na nominação desta lei Natural.
Assim é que, se damos apenas mais forção ao tentar entender ao amor, deixando de lado os dois outros componentes, ficamos desfocados do todo que a lei abrange e muito dificilmente, conseguiremos, não sem outro encarnar, compreender toda a beleza do édito divino.
Kardec em OESE, faz remissão apenas ao amor, para nos fazer compreender uma coisa muito simples: o amot é um sentimento e não pode ser separado desse patamar.
quando se diz sobre amor, indicando coisas se está falando diretamente não para o campo do sentimento mas sim para o estágio anterior do qual já nos desvencilhamos, ou seja, o campo das sensações.
Em poucas palavras, quem obra pelo amor, há de fazê-lo segundo o estado tríplice da lei, porém quem obra pelo campo das sensações, pouco distará da materialidade em que se ache envolvido.
Abração,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Maio de 2012, 18:31
O amor é a fonte de toda felicidade humana. Conheçêmos ainda pouco dele, pois só amamos mais facilmente a nossa familia, nossos amigos e pessoas que pensam como nós. Entretanto, mais meritório é ter amor por quem nos é indiferente, e nem muito conheçemos. Não podemos, de fato, ter esse sentimento para com eles com a mesma intensidade, por isso acredito que a consideração e o respeito já é um grande passo .

Entendo como Lei, algo natural e que existe desde de o principio. Logo, o amor é uma lei que está escrita em nossas consciências e que atraves do veiculo fisico nos presenteia com a sensação de amar e do bem querer .


Irmão Viajante do Espaço
não há o que acrescentar em suas colocações
recheadas todas de sublimidade

Realmente mereces o nome que adotaste neste Fórum
e nos trouxe uma bela explanação, digna de quem já andou por incontáveis paragens.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Maio de 2012, 18:36
Não destoando em nada do que escreve o mano Moisés, eu, particularmente não posso pensar em estudar a lei do amor, sem a v er inserida em seu justo lugar, como uma lei tríplice em sua abrangência, pois os Espíritos a apresentam como Lei de Amor, Justiça e Caridade.

Moura

Moura
agradeço as suas palavras
que sinto como uma sábia advertência

Já nos dizia um sábio
se me lembro bem Victor Hugo é o nome dele

" É fácil ser bom dificil é ser Justo"

acrescentando suas colocações insiro

" e preciso é ser caridoso"
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Sr.91 em 01 de Maio de 2012, 18:36
O amor é a fonte de toda felicidade humana. Conheçêmos ainda pouco dele, pois só amamos mais facilmente a nossa familia, nossos amigos e pessoas que pensam como nós. Entretanto, mais meritório é ter amor por quem nos é indiferente, e nem muito conheçemos. Não podemos, de fato, ter esse sentimento para com eles com a mesma intensidade, por isso acredito que a consideração e o respeito já é um grande passo .

Entendo como Lei, algo natural e que existe desde de o principio. Logo, o amor é uma lei que está escrita em nossas consciências e que atraves do veiculo fisico nos presenteia com a sensação de amar e do bem querer .


Irmão Viajante do Espaço
não há o que acrescentar em suas colocações
recheadas todas de sublimidade

Realmente mereces o nome que adotaste neste Fórum
e nos trouxe uma bela explanação, digna de quem já andou por incontáveis paragens.

Abraços
Obrigado de verdade Companheiro Moises por suas palavras .
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Maio de 2012, 18:51
Boa tarde a todos

Amigo Moises desejo-lhe sucesso na condução deste estudo, cujo tema considero
o objetivo principal de nossa existência.




Obrigado Ken
vou oferecer este video para os meu amigos do face
realmente um presentão

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Kazaoka em 02 de Maio de 2012, 00:10
Jesus lhe disse:

"Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o maior e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Estes dois mandamentos contêm toda a lei e os profetas. (Mateus, XIII:30-40)."


Tudo o que vivenciamos e tudo o que buscamos está circunscrito neste espaço entre o homem, ser imperfeito, e Deus a absoluta perfeição. A Terra é o campo onde Deus semeou para nós os germens das virtudes que devemos aprender a cultivar. E a Lei maior, a do Amor, é apender a colher entre espinheiros o fruto de vida que a árvore do Cristianismo nos oferece.

                                                                      bom estudo para todos nós!!!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 02 de Maio de 2012, 11:43
Olá a todos.

Do amor decorrem todas as virtudes. Todos temos, no íntimo, essa centelha divina, cabendo-nos fazê-la germinar e desenvolver, ajustando-nos, assim, à lei de amor. Um dia, todos seremos virtuosos e, em conseqüência, felizes.

Gostaria de propor as seguintes perguntas para o estudo:

1 - O que faz desenvolver em nós o amor divino?
2 - Qual o efeito da lei de amor para o homem?
3 - O que devemos fazer para nos ajustar à lei de amor?

Um abraço.
J.Anne
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 02 de Maio de 2012, 17:53
Jesus lhe disse:
... A Terra é o campo onde Deus semeou para nós os germens das virtudes que devemos aprender a cultivar. E a Lei maior, a do Amor, é apender a colher entre espinheiros o fruto de vida que a árvore do Cristianismo nos oferece.

                                                                      bom estudo para todos nós!!!

Olá kazaoKa

Sempre instutivas as suas colocações.
Bonita visão que colocou sobre a nossa Terra e realmente bem iluminada.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 02 de Maio de 2012, 17:59


Citar
1 - O que faz desenvolver em nós o amor divino?

Será a capacidade e o entendimento que vão nos colocando,
 cada vez mais próximos do Nosso Pai Celestial?

Citar
2 - Qual o efeito da lei de amor para o homem?
Será a segurança em sua caminhada?

Citar
3 - O que devemos fazer para nos ajustar à lei de amor?
será esta constante prática de amarmos os nossos semelhantes como a nós mesmo?


Citar
J.Anne

Obrigado pela suas constribuições
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Camila T Cunha em 02 de Maio de 2012, 18:52
 ;)  Muito bom mesmo. Gostei também!
      Ser melhor nos faz ser feliz, a Lei de Amor é sem dúvida uma Lei Divina que acalma nossos corações.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 03 de Maio de 2012, 00:08
Olá a todos.

1-Será a capacidade e o entendimento que vão nos colocando,
cada vez mais próximos do Nosso Pai Celestial?
Não basta termos capacidades e etendimentos para nos aproximarmos do Pai, se não praticarmos as Suas Leis.

Também o que desenvolve em nós o amor divino são as ações benéficas de pessoas bondosas, cujo amor nos contagia. Em última instância, para os mais rebeldes, o tempo e a dor.

2- Qual o efeito da lei de amor para o homem?
Será a segurança em sua caminhada?
-Segurança não, mas melhoramento moral para a raça humana e felicidade durante a vida terrestre e após esta. Os mais rebeldes também a ela se ajustarão, ainda que mais tarde, quando observarem os benefícios da prática dessa lei.

O Espiritismo contribui para que essa lei seja mais claramente compreendida e seus efeitos rapidamente sentidos.

3-Será esta constante prática de amarmos os nossos semelhantes como a nós mesmo?
Sim, sem dúvida. Mas para amarmos uns aos outros, temos que começar de etapa a etapa, como primeiro passo, tolerar os que convivem conosco, buscando perdoar quem nos ofende, auxiliando o próximo, na medida de nossas possibilidades, enfim, atendendo fielmente ao chamamento de Jesus, contido no amai-vos uns aos outros.

Não basta apenas o homem deixar de fazer aos outros aquilo que não quer que lhe façam, mas deve ele também fazer aos outros tudo aquilo que gostaria lhe fizessem.

OBS: algumas respostas foram tiradas do site cvdee.org.br, pois eu não saberia expressar-me assim tão bem.

Um abraço.
J.Anne
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Kazaoka em 03 de Maio de 2012, 02:26
Não deixem de assistir este power point. Vale a pena!!!

Trata-se de uma coletânea de conceitos do que seja o Amor na opinião de crianças com idades entre 4 e 8 anos.

 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 03 de Maio de 2012, 10:46
Amigos  e  companheiros de estudo um bom dia  a todos  e  é  dentro deste lindo tema que todos podemos  meditar  .... ...  afinal o que é  o Amor  como o entendemos na nossa vida  são tudo perguntas que  sempre  colocamos na nossa  vida.
Mas vamos   também tentar compreender  que o amor  só  é verdadeiro quando existe  caridade para  com  o próximo e muito mais  para com cada um de nós.
Vejam  que passa pelo amor  não perdermos  a nossa dignidade e  não  sermos  apensa  comandados por alguém que  nos  impele  a  sermos  apenas mais  um motivo de  trabalho, dizendo que é tudo pelo  amor .
Não amigos o Amor  é apenas uma condição de  aceitar o  outro , ou o próximo com verdadeiro sentimento de  compreensão.
Então seria muito bom meditarmos na questão 880 do Livro dos  Espíritos  que  nos pode  fazer compreender melhor  este lindo tema
Caridade e amor do próximo
886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?
“Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.”
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Maio de 2012, 13:28
Olá a todos.

1-Será a capacidade e o entendimento que vão nos colocando,
cada vez mais próximos do Nosso Pai Celestial?
Não basta termos capacidades e etendimentos para nos aproximarmos do Pai, se não praticarmos as Suas Leis.

Também o que desenvolve em nós o amor divino são as ações benéficas de pessoas bondosas, cujo amor nos contagia. Em última instância, para os mais rebeldes, o tempo e a dor.

2- Qual o efeito da lei de amor para o homem?
Será a segurança em sua caminhada?
-Segurança não, mas melhoramento moral para a raça humana e felicidade durante a vida terrestre e após esta. Os mais rebeldes também a ela se ajustarão, ainda que mais tarde, quando observarem os benefícios da prática dessa lei.

O Espiritismo contribui para que essa lei seja mais claramente compreendida e seus efeitos rapidamente sentidos.

3-Será esta constante prática de amarmos os nossos semelhantes como a nós mesmo?
Sim, sem dúvida. Mas para amarmos uns aos outros, temos que começar de etapa a etapa, como primeiro passo, tolerar os que convivem conosco, buscando perdoar quem nos ofende, auxiliando o próximo, na medida de nossas possibilidades, enfim, atendendo fielmente ao chamamento de Jesus, contido no amai-vos uns aos outros.

Não basta apenas o homem deixar de fazer aos outros aquilo que não quer que lhe façam, mas deve ele também fazer aos outros tudo aquilo que gostaria lhe fizessem.

OBS: algumas respostas foram tiradas do site cvdee.org.br, pois eu não saberia expressar-me assim tão bem.

Um abraço.
J.Anne


Olá !
Obrigado pelos seus complementos
são instrutivos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Maio de 2012, 13:30
Não deixem de assistir este power point. Vale a pena!!!

Trata-se de uma coletânea de conceitos do que seja o Amor na opinião de crianças com idades entre 4 e 8 anos.

 

Extrai esta mensagem;

"QUANDO ALGUÉM TE AMA, A FORMA DE FALAR SEU NOME É DIFERENTE“
 
BILLY, 4 ANOS
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Maio de 2012, 13:33

886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?
“Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.”
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino

Olá Manuel Altino

Agora me fez lembrar um dito de Jesus sobre si mesmo

"Eu vim para servir e não ser servido"

O Nosso Mestre é inconfundível


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Maio de 2012, 13:49
A LENDA DE ASHTAR


Há muito tempo atrás...
Depois do mundo ser criado e da vida completá-lo.
Houve num dia, numa tarde de céu azul e calor ameno. Um encontro entre Deus e um de seus incontáveis anjos.
Deus estava sentado, calado sob a sombra de um pé de jabuticaba. Lentamente e sem pecado, Deus erguia suas mãos e então colhia uma ou outra fruta. Saboreava sua criação negra e adocicada. Fechava os olhos e pensava...
Permitia-se um sorriso piedoso.
Foi então que das nuvens um de seus muitos arcanjos desceu e veio em sua direção.
Ele tinha asas lindas, brancas, imaculadas...
Ajoelhou-se aos pés de Deus e falou.
"Senhor, visitei sua criação como pediste. - Fui a todos os cantos. Estive no sul, no norte, no leste e oeste. Vi e fiz parte de todas as coisas. Observei cada uma de suas crianças humanas. E por ter visto, vim até o senhor para tentar entender.
Por que cada uma das pessoas sobre a terra tem apenas uma asa?
Nós anjos temos duas... Podemos ir até o amor que o senhor representa sempre que desejarmos. Podemos voar para a liberdade sempre que quisermos.
Mas os humanos com sua única asa não podem voar. Não podem voar com apenas uma asa...
"Deus na brandura dos gestos, respondeu pacientemente ao seu anjo.”
"Sim, eu sei disso. Sei que fiz os humanos com apenas uma asa...
" Intrigado com a consciência absoluta de seu senhor, o anjo queria entender e perguntou:
"Mas por que o senhor deu aos homens apenas uma asa quando são necessárias duas asas para poder-se voar... Para poder ser livre?
"  Conhecedor que era de todas as respostas Deus não teve pressa para falar... Comeu outra jabuticaba, obscura e suave. Então respondeu... -
"Eles podem voar sim meu anjo. Dei aos humanos apenas uma asa para que eles pudessem voar, mais e melhor que Eu ou vocês arcanjos.... Para voar, meu pequeno amigo, você precisa de suas duas asas... Embora livre, sempre estará sozinho. Talvez da mesma maneira que Eu... Mas os humanos... Os humanos com sua única asa precisarão sempre dar as mãos para alguém a fim de terem suas duas asas. Cada um deles tem na verdade um par de asas... Uma outra asa em algum lugar do mundo que completa o par. Assim eles aprenderão a respeitarem-se, pois ao quebrar a única asa de outra pessoa, pode estar acabando com as suas próprias chances de voar. Assim meu anjo, eles aprenderão a amar verdadeiramente outra pessoa... Aprenderão que somente permitindo-se amar eles poderão voar. Tocando a mão de outra pessoa em um abraço correto e afetuoso eles poderão encontrar a asa que lhes falta e poderão finalmente voar. Somente através do amor irão chegar até onde estou... Assim como você meu anjo. “Eles nunca, nunca estarão sozinhos quando forem voar.”
Então, Deus silenciou em seu sorriso.
O anjo compreendeu o que não precisava ser dito.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 03 de Maio de 2012, 18:45
Boa tarde a todos

O amor é a celeste atração das almas e dos mundos, a potência divina que liga os Universos, os governa e fecunda; o amor é o olhar de Deus! Não se designe com tal nome a ardente paixão que atiça os desejos carnais. Esta não passa de uma imagem. de um grosseiro simulacro do amor. O amor é o sentimento superior em que se fundem e se harmonizam todas as qualidades do coração; é o coroamento das virtudes humanas, da doçura, da caridade, da bondade; é a manifestação na alma de uma força que nos eleva acima da matéria, até alturas divinas, unindo todos os seres e despertando em nós felicidades íntimas que se afastam extraordinariamente de todas as volúpias terrestres.

Léon Denis




Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: igor gon em 04 de Maio de 2012, 02:36
AMOR é sentimento que DEUS nos concede para estarmos sempre ao seu lado e sempre em harmonia com sua criação tanto com a natureza quanto com uns com os outros, nossa missão é conserva esse sentimento sempre dentro de nos, mesmo se que por muitas vezes seja submetido a provas ou ate mesmo rejeitado como disse nosso querido Chico.
A pratica do amor sendo no carinho quanto na caridade nos traz a certeza que estamos no caminho certo e em evolução.
AME UNS AOS OUTROS HOJE E SEMPRE, COMO CRISTO NOS AMA.
EU DESEJO A TODOS OS IRMÃO DE TODAS AS PATRIAS QUE AMOR DE DEUS SEMPRE ESTEJA AO NOSSO LADO.
ASSIM SEJA
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 04 de Maio de 2012, 10:34
Amigos  e companheiros de estudo mais uma vez  venho aqui  colocar  mais  um dado para que  esta questão da lei do amor  seja  mais  compreendida e  debatida.
Amor implica Caridade  que por vezes  tanta falta faz  nesta humanidade  onde prolifera  quase  sempre o comodismo  e poder  do dinheiro,
Falar  de Amor  é muito mais  do que  tudo o que possamos entender , é  algo sublime  e  que  a Caridade  pode  nos ajudar a  sermos mais amorosos para com todos.
 Desfrutamos a vida pela caridade de Deus, desfrutamo-la pelos valores do amor, pela caridade de Jesus.
Em todo o trabalho que fizermos, não nos esqueçamos da caridade, pois ela ilumina a vida e nos faz viver na plenitude do amor.
A benevolência é tão grande, que ela se manifesta de modo diferente para cada criatura, de acordo com o seu entendimento.
Eis aí a justiça nos caminhos da fraternidade.
Quando encontramos um rico, devemos sentir o mesmo amor que ao depararmos com um pobre; devemos despertar a alegria por estarmos diante de um ser humano.
Os bens materiais pertencem a um só dono e todos nós somos herdeiros, para usarmos sem que o abuso nos prejudique a vida.
Não podemos enganar a vida, manifestando o que não somos, para termos o que não possuímos.
O polimento social tem o poder de mudar por fora, mas a intimidade permanece do modo que a evolução atingiu.
As mudanças de dentro é que mudam por fora.
O que conquistamos são valores eternos, e o que mostramos sem a conquista é breve e o vento leva.
A caridade não pode ser aparente, sem vida própria.
A verdadeira é luz do coração, na maturidade da alma.
Os que desejam viver na ilusão são como aqueles a quem se refere o Evangelho, que recebem a luz, mas permanecem nas trevas.
Amigos  então não será  esta  um maneira de entender   a Lei do Amor pela  caridade que  devemos ter.
Deixo  para  meditarem.........
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: fernandes adalberto em 04 de Maio de 2012, 13:37
O AMOR É UMA DÁDIVA DE DEUS.
 Para cultiva-lo precisamos entende o nosso proximo,
e doutrinar o nosso interior.
Fernandes Adalberto
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: zarthur em 04 de Maio de 2012, 14:17
Excelente o tema.
Dizem que na Terra o verdadeiro amor só surge após Jesus.
Moura está coberto de razão quando menciona as três pedras angulares da evolução.
Apenas ouso dizer que se nosso amor não for incondicional, ainda não é o verdadeiro amor a que se refere o Evangelho.

Um exemplo desta exigência (incondicionalidade) que caracteriza o amor é a do homem que abre mão de sua felicidade e permite que sua mulher parta, com outro, por entender que ela estará buscando a felicidade que não tinha ao seu lado. Ainda que lhe cause profunda dor.

O Amor não prende, a tudo renuncia.
Chora para não fazer chorar; sofre para não fazer sofrer,
E ainda assim, vejam! é pleno de alegria.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: filhodobino em 04 de Maio de 2012, 15:46
Amados do meu coração,
A todos os estudantes da lei de amor, desejo saúde e Paz!

A lei do amor, bem entendida, e bem sentida, por um Espírita atento, aos exemplos do Mestre Jesus, o Cristo de Deus, precisa ser alimento para a grande massa ainda indouta, e ignorante das coisas do amor, do servir, do doar sem espera de retribuição, pois como o Cristo de Deus demonstrou, amor sem limites e mais aos humildes, e sempre escravizados pelos doutos e já entendidos...
Nesse diapasão, me preocupo sempre nos estudos, e quando posto, tento mover os olhos da reflexão para os mais necessitados e nisso incluo os que ainda mantém os olhos-fechados, visando somente os prazeres do receber, dos gozos da matéria, e ainda alegam que possuem o livre arbítrio... falo em livre arbítrio, aqui,  não para destoar do tema, mas porque é preciso explicar sem ensinar, que o amor ensina, quem ama educa, ...

O passado passou, o presente é o "como o nome diz um presente", que Deus nos concedeu nesta encarnação, a vida na matéria para aprendermos e evoluirmos aproveitando as oportunidades que diariamente nos são concedidas para melhorarmos nosso amanhã.

Então quando se fala em livre arbítrio, o "olhos-fechados", pensa, como eu próprio pensava, que o amanhã seria problema a ser resolvido amanhã, que precisava viver e viver bem o hoje, e isso seria o bastante... mas, não o é...

Precisamos mais... isso é o mínimo do mínimo... e quem continuar pensando assim, só receberá amanhã o mínimo, e não adiantará queixar-se... como é geral a queixa...

peço vênia pois para replicar aqui o que já postei alhures, pois tem tudo a ver...

Citar
Amados do meu coração, Saúde e paz a todos...
Esta questão é linda, e muito importante para todos refletirem, e é consoladora para quem se submete às dores da reforma intima, da educação do seu ego, e se disponibiliza a servir.

O filhodobino não é um estraga-prazeres, mas, precisamos alertar, com mais segurança, é à aquele que possui um saber ainda insipiente, para melhorarmos o nível médio da cultura Espírita, do nosso povo tão sofrido...
A fome da humanidade é o saber...
Essa questão, é importante, quando informados que desse modo se dá para quem já abriu os olhos e se dispôs a servir, doar, ajudar na gigantesca tarefa evolutiva do nosso planeta.

À massa popular, o que regula também está escrito na própria resposta ... É Deus... ou seja a sua lei natural que determina as afinidades...
Então o poder da livre escolha (o tal do livre-arbítrio)  do  "olhos-fechados" é exercitado por seu gentil protetor, que escolherá de acordo com o que for melhor para a evolução do "olhos-fechados" seu protegido...
Então vejamos... Não podemos coletivizar o que é individuador no curso normal da evolução naturalmente assistida.
Saúde e Paz!

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-livro-dos-espiritos/a-questao-336/30/#ixzz1tuZAFYeF
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Kazaoka em 04 de Maio de 2012, 17:57
A palavra amor serve para designar um sentimento que, supostamente, julgamos benévolo e dentro da essência do sentimento. Mas, muitas vezes, esse sentimento manifesta-se nas suas formas nefastas como; amor próprio exacerbado ao qual damos o nome de egoismo, amor possessivo que chamamos de protetor, amor cego que chamamos de incondicional, etc..

O Amor é um sentimento nobre, porém. com múltiplas facetas. E são as facetas que fazem com que nos percamos na busca da vivência plena da sua versão mais sublime. 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: filhodobino em 05 de Maio de 2012, 01:10
Amados do meu coração...
Companheiros do estudo mensal a lei do amor... Saúde e Paz!

O Cristo de Deus, declarou a base, universalmente aceita para amar...
Não fazer a outrem o que não queira para si...

Dois pontos e uma equação muito difícil de ser posta em prática...
Mas, uma ideia unica no mundo se fez presente, para resolver essa parábola...
Um homem, deu exemplo cabal, prometeu e cumpriu que mandaria uma informação mais explicita, e esta bendita doutrina, tornou-se a pedra angular como única fortalecida na razão, na logica, e no abstrato.

Anotemos tudo de bom que cada seguimento religioso, desenvolver até hoje, unamos a doutrina do Cristo de Deus e teremos uma base perfeita para começarmos a entender a melhor trajetória para a lei do amor, e ai, teremos agregado, uma perfeição em justiça, e uma perfeição em amor ao próximo como a si mesmo, e por conseguinte à própria vida, e a vida de outrem.

Igualdade, é algo que não pode existir entre nós, senão seria o caos...
Então a lei de amor cobre a diferença das desigualdades e nivela pelo respeito à luta de cada um pelo seu próprio progresso, e ainda sobrarão alguns nacos para doarmos sem esperar reciprocidade.

O discurso é longo, e já vimos e cansamos de ouvir, não adianta passar pelas religiões, nem pela cultura, nem pela ciência, nem pelos interesses, nem pelos desinteresses, porque tudo que envolver idéias coletivas de aperfeiçoamento esbarrará nas nossas diferenças...

O Espiritismo dando tratos pessoais, pela compreensão da mediunidade e da relação de afinidade, seja entre encarnados e entre desencarnados, ou vice-versa, ou versa-vice, dá prioridade ao atendimento pessoal, no que consegue, no mínimo consolar, o que já é muito porque o desespero anda a não sei quantas, e ninguém conhece a solução.

Não adianta culpar a ou b...
Não adianta dizer que não é possível, pois Um homem, provou o contrário e os Espíritos estão todos os dias a revelar que é possível, e até a ciência já está admitindo a possibilidade de se pelo menos dar um chance ao amor...

Vejam já não mais é o aquecimento global o problema, agora dizem que vai é esfriar...

Pinto que acompanha pato, morre afogado...
Ninguém gosta da ideia de que nossa evolução é assistida, mas todo mundo prega que amor é assistir a outrem...
Faça você... Faço Eu... esqueçamos o façamos nós... e amemos que é bom demais.

Saúde e Paz!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Kazaoka em 05 de Maio de 2012, 02:45

Igualdade, é algo que não pode existir entre nós, senão seria o caos...
Então a lei de amor cobre a diferença das desigualdades e nivela pelo respeito...

...Ninguém gosta da ideia de que nossa evolução é assistida, mas todo mundo prega que amor é assistir a outrem...

Saúde e Paz!

Bino, fiz questão de chamar a atenção para as duas frases acima pelas verdades que elas trazem. Muito obrigado!!!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 05 de Maio de 2012, 10:37
Um Bom dia  a todos  os companheiros de estudo e  mais  uma vez  cá estamos a falar do Amor ........ Mas  como podemos  entender o amor na sua  plenitude...... será que  por  vezes confundimos o Amor  com outros sentimentos  mais  humanos !!!! não penso assim e sinto que o Amor é algo Pleno Universal aliado à prática da Caridade e Humildade ...é   dar  sem esperar receber ....é algo de muito importante  na vida.
Como se diz  o Amor vence todas  as barreiras e para que o Amor  prevaleça temos  sempre de passar pelo perdão de tudo.
Vejam então que  esta Lei  maravilhosa é muito mais do que simplesmente Amar..
Amar é servir, compreender, auxiliar, abençoar, libertar...
Que o teu amor seja paz e vida, alegria e esperança naqueles a quem ofertas dedicação e carinho.
Não te permitas travar os passos dos entes queridos com situações psicológicos, porque toda afeição possessiva é sinônimo de sofrimento.
Um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 05 de Maio de 2012, 13:13
Bom dia a todos

Como novamente estuda-se sobre "Amor", volto a postar o texto de Osho, do livro
Amor, Liberdade e Solitude:-


 Como posso amar melhor?

O amor se basta, ele não precisa de melhorias. Ele é perfeito como é e de maneira nenhuma precisa ser mais perfeito.

O próprio desejo demonstra um mal-entendido a respeito do amor e de sua natureza. Pode-se ter um círculo perfeito? Todos os círculos são perfeitos; se eles não forem perfeitos, não são círculos.

A perfeição é intrínseca a um círculo, e a mesma lei diz respeito ao amor. Não se pode amar menos nem mais, pois ele não é uma quantidade. Ele é uma qualidade, que é imensurável.

Sua própria pergunta mostra que você nunca provou o que é o amor e que está tentando esconder sua falta de amor no desejo de saber “como amar melhor”. Ninguém que conhece o amor pode fazer essa pergunta.

O amor precisa ser entendido não como um encantamento biológico — isso é sensualidade e existe em todos os animais; nada há de especial nisso. Isso existe mesmo nas árvores; essa é a maneira da natureza se reproduzir. Nada há de espiritual nisso e nada especialmente humano.

Assim, o primeiro ponto é fazer uma clara distinção entre sensualidade e amor. A sensualidade é uma paixão cega; o amor é a fragrância de um coração silencioso, sereno e meditativo. O amor nada tem a ver com a biologia, com a química ou com os hormônios.

O amor é o voar de sua consciência para reinos mais elevados, além da matéria e além do corpo. No momento em que você entende o amor como algo transcendental, ele deixa de ser uma questão fundamental.

A questão fundamental é como transcender o corpo, como conhecer algo dentro de você que esteja além, além de tudo que seja mensurável. Esse é o significado da palavra matéria. Ela vem da raiz sânscrita matra, que significa medida; ela significa aquilo que pode ser medido. A palavra metro vem da mesma raiz.

A questão fundamental é como ir além do mensurável e penetrar no imensurável. Em outras palavras, como ir além da matéria e abrir os olhos para uma consciência maior. E não existe limites para a consciência — quanto mais você fica consciente, mais percebe o quanto ainda existe à sua frente.

Quando a pessoa atinge um cume, um outro cume surge à sua frente. Essa é uma peregrinação eterna.







Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Marlenedd em 05 de Maio de 2012, 13:54
Bom dia, amigo Moisés!

Permite-me fazer uma afirmação, e ao mesmo tempo, perceber a tua ideia sobre isto:

No mundo em que vivemos não há amor, há apenas paixão.

O que me dizes dessa minha afirmação?

Votos sinceros de bom estudo, meu amigo Moisés... (sem borrachas, isto é só para a gente!)

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 14:57
Bom dia, amigo Moisés!

Permite-me fazer uma afirmação, e ao mesmo tempo, perceber a tua ideia sobre isto:

No mundo em que vivemos não há amor, há apenas paixão.

O que me dizes dessa minha afirmação?

Votos sinceros de bom estudo, meu amigo Moisés... (sem borrachas, isto é só para a gente!)


Olá

Penso que há os dois sentimentos, tanto a paixão como o amor

Sobrepuja pela sua sublimidade e ação inconfudível ante a ação da lei maior; o amor.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 15:04
Bom dia a todos

Como novamente estuda-se sobre "Amor", volto a postar o texto de Osho, do livro
Amor, Liberdade e Solitude:-


 Como posso amar melhor?

O amor se basta, ele não precisa de melhorias. Ele é perfeito como é e de maneira nenhuma precisa ser mais perfeito.

O próprio desejo demonstra um mal-entendido a respeito do amor e de sua natureza. Pode-se ter um círculo perfeito? Todos os círculos são perfeitos; se eles não forem perfeitos, não são círculos.

A perfeição é intrínseca a um círculo, e a mesma lei diz respeito ao amor. Não se pode amar menos nem mais, pois ele não é uma quantidade. Ele é uma qualidade, que é imensurável.

Sua própria pergunta mostra que você nunca provou o que é o amor e que está tentando esconder sua falta de amor no desejo de saber “como amar melhor”. Ninguém que conhece o amor pode fazer essa pergunta.

O amor precisa ser entendido não como um encantamento biológico — isso é sensualidade e existe em todos os animais; nada há de especial nisso. Isso existe mesmo nas árvores; essa é a maneira da natureza se reproduzir. Nada há de espiritual nisso e nada especialmente humano.

Assim, o primeiro ponto é fazer uma clara distinção entre sensualidade e amor. A sensualidade é uma paixão cega; o amor é a fragrância de um coração silencioso, sereno e meditativo. O amor nada tem a ver com a biologia, com a química ou com os hormônios.

O amor é o voar de sua consciência para reinos mais elevados, além da matéria e além do corpo. No momento em que você entende o amor como algo transcendental, ele deixa de ser uma questão fundamental.

A questão fundamental é como transcender o corpo, como conhecer algo dentro de você que esteja além, além de tudo que seja mensurável. Esse é o significado da palavra matéria. Ela vem da raiz sânscrita matra, que significa medida; ela significa aquilo que pode ser medido. A palavra metro vem da mesma raiz.

A questão fundamental é como ir além do mensurável e penetrar no imensurável. Em outras palavras, como ir além da matéria e abrir os olhos para uma consciência maior. E não existe limites para a consciência — quanto mais você fica consciente, mais percebe o quanto ainda existe à sua frente.

Quando a pessoa atinge um cume, um outro cume surge à sua frente. Essa é uma peregrinação eterna.



Ken
obrigado pela sua contribuição

Mas de minha parte confesso que tenho algumas dificuldadse de entender e definir os pensamentos do OSHO, não sou um leitor assiduo deste autor, mas tenho lido algumas de suas colocações em artigos.

Nesta questão sobre o Amor
me identifico com as lições do Cristo.
sinto-as mais palpaveis.

Eu não consigo tirar os pés do chão
tudo para mim precisa de um ponto inicial

E vejo o amor
tão proximo e tão possível.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 15:13
Um Bom dia  a todos  os companheiros de estudo e  mais  uma vez  cá estamos a falar do Amor ........ Mas  como podemos  entender o amor na sua  plenitude...... será que  por  vezes confundimos o Amor  com outros sentimentos  mais  humanos !!!! não penso assim e sinto que o Amor é algo Pleno Universal aliado à prática da Caridade e Humildade ...é   dar  sem esperar receber ....é algo de muito importante  na vida.

Manuel Altino

Manuel Altino
Poderia me explicar sobre esta sua colocação;
" sentimentos mais humanos "
Por gentileza
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 05 de Maio de 2012, 15:40
Amigo Moisés  quando falo de sentimentos mais  humanos é  apenas uma forma de expressão quanto ao valor da caridade e humildade que todos devemos ter .
Pois  quando se fala de amor  logo eu penso que  um dos maiores sentimentos (humanos) é  meditar e  ter atitudes de  tolerância  e compreensão para com todos e  sentindo que  como disse antes o verdadeiro amor  é sublime, e  tem na caridade e no Perdão a sua grande  força.
Penso que  lhe posso ter esclarecido um pouco e me desculpe  se não fui bem compreendido.
Um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 17:58
Amigo Moisés  quando falo de sentimentos mais  humanos é  apenas uma forma de expressão quanto ao valor da caridade e humildade que todos devemos ter .
Pois  quando se fala de amor  logo eu penso que  um dos maiores sentimentos (humanos) é  meditar e  ter atitudes de  tolerância  e compreensão para com todos e  sentindo que  como disse antes o verdadeiro amor  é sublime, e  tem na caridade e no Perdão a sua grande  força.
Penso que  lhe posso ter esclarecido um pouco e me desculpe  se não fui bem compreendido.
Um grande abraço de muita paz
Manuel Altino

Olá Manuel

muito obrigado
entendi sim , as suas colocações
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 18:12

Um exemplo desta exigência (incondicionalidade) que caracteriza o amor é a do homem que abre mão de sua felicidade e permite que sua mulher parta, com outro, por entender que ela estará buscando a felicidade que não tinha ao seu lado. Ainda que lhe cause profunda dor.


Não devemos nos esquecer que temos responsabilidades para com o outro
e o nosso Lar
é alvo constante de ataques

Um lar é um projeto Divino
para forma-lo deve ser muito pensado
para destruí-lo muitos não pensam no que estão fazendo e não medem suas consquências

de minha parte
tomaria cuidado em afirmar está incondicionalidade
e o que ela realmente exige em se falando de amor,
de lei.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 18:13
AMOR é sentimento que DEUS nos concede para estarmos sempre ao seu lado e sempre em harmonia com sua criação tanto com a natureza quanto com uns com os outros, nossa missão é conserva esse sentimento sempre dentro de nos, mesmo se que por muitas vezes seja submetido a provas ou ate mesmo rejeitado como disse nosso querido Chico.
A pratica do amor sendo no carinho quanto na caridade nos traz a certeza que estamos no caminho certo e em evolução.
AME UNS AOS OUTROS HOJE E SEMPRE, COMO CRISTO NOS AMA.
EU DESEJO A TODOS OS IRMÃO DE TODAS AS PATRIAS QUE AMOR DE DEUS SEMPRE ESTEJA AO NOSSO LADO.
ASSIM SEJA

Obrigado Igor,
pelas sua contribuição
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 05 de Maio de 2012, 18:18
A alguns pode parecer esta minha postagem como fora do tema, mas não está.
Vemos muitas vezes pessoas a falar em meditação etc.
O Espiritismo como ciência e filosofia, trás sim um apelo intenso à meditação mas devemos ter em mente o dicionario, antes de nos perfilarmos sob entendimento diverso do que o termo medicação quer dizer, em especial para nós, espíritas.
Do dicionário:
meditação
me.di.ta.ção
sf (lat meditatione) 1 Ato ou efeito de meditar; reflexão. 2 Oração mental. 3 Contemplação religiosa. sf pl Pensamentos, estudos, reflexões.
Nossa doutrina não nos pede, hora alguma para que façamos uma meditação sob o caráter identificado ao número três do verbete do dicionarista (Contemplação religiosa).
Pede-nos sim e espera de todos os seus estudantes responsáveis, que tenham para com todos os ensinos doutrinários dentro do estudo que fizerem de seus temas, o comportamento enumerado  como 1: (reflexão).
Refletir, é arrazoar sobre um tema, uma idéia um ato, esta reflexão, se produzida sob a óptica doutrinária, trás como consequência, uma visão mais clara, elencando as possibilidades morais e intelectuais que o tema possa sugerir.
Porém, não raro o que se vê e tristemente é uma pregação sobre um meditar quase budista, ou cheio de misticismos, atrelado não à visão Espírita, mas sim ao conteúdo espiritualista.
Esta a confusão que tenho anotado.
Abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 05 de Maio de 2012, 18:24
Boa lembrança mano Moisés...
Basta que pensemos:
Onde estamos nós?
Na terra, um mundo de provas e expiações. Onde o mal ainda se sobrepõe ao bem (vide ESE).
Qual o mundo que nos está primeiramente acima deste em que estamos?
O mundo de regeneração.
Ora, se após ao Mundo de Regeneração ainda nos caberá adentrar-mos a outros mundos, mais evoluídos, é que estamos bem, ao início da caminhada e por conseguinte, só poderemos pensar numa incondicionalidade relativa ao estado em que estamos hoje.
Logo, não falamos de incondicionalidade, mas sim de parcela desta e que por motivo de nossa imperfeição ainda nos seja difícil de alcançar.
Abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: zarthur em 05 de Maio de 2012, 18:52
Amigos, Moura e Moises;
estamos de fato refletindo sobre algo que ainda não compreendemos em toda a sua extensão.
O Amor sem reservas e condições.
Jesus, a dois mil anos deu sua vida para exemplificar o amor, e dizia, "nenhuma prova de amor é maior que dar a vida pelos seus amigos".
O exemplo citado, da esposa trânsfuga, é forte e prosaico.
Evidente que aquele que ama sabe preservar os patrimônios da verdadeira vida, mas não será a custa da força ou truculência que alcançará o objetivo.
Basta dizer que o Espiritismo ensina " não separe o homem o que Deus uniu", mas o casal em permanente litígio, promovendo insegurança e mau exmplo no lar... já está separado por Deus, pois ali já não existe o amor.

Apenas uma última colocação: não devemos nos preocupar pelo fato de ainda não possuirmos o verdadeiro amor. Qualquer gesto que a ele se assemelhe, em nosso mundo, é um degrau que nos aproxima daquele santo ideal.


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 19:43
A alguns pode parecer esta minha postagem como fora do tema, mas não está.
Vemos muitas vezes pessoas a falar em meditação etc.
O Espiritismo como ciência e filosofia, trás sim um apelo intenso à meditação mas devemos ter em mente o dicionario, antes de nos perfilarmos sob entendimento diverso do que o termo medicação quer dizer, em especial para nós, espíritas.
Do dicionário:
meditação
me.di.ta.ção
sf (lat meditatione) 1 Ato ou efeito de meditar; reflexão. 2 Oração mental. 3 Contemplação religiosa. sf pl Pensamentos, estudos, reflexões.
Nossa doutrina não nos pede, hora alguma para que façamos uma meditação sob o caráter identificado ao número três do verbete do dicionarista (Contemplação religiosa).
Pede-nos sim e espera de todos os seus estudantes responsáveis, que tenham para com todos os ensinos doutrinários dentro do estudo que fizerem de seus temas, o comportamento enumerado  como 1: (reflexão).
Refletir, é arrazoar sobre um tema, uma idéia um ato, esta reflexão, se produzida sob a óptica doutrinária, trás como consequência, uma visão mais clara, elencando as possibilidades morais e intelectuais que o tema possa sugerir.
Porém, não raro o que se vê e tristemente é uma pregação sobre um meditar quase budista, ou cheio de misticismos, atrelado não à visão Espírita, mas sim ao conteúdo espiritualista.
Esta a confusão que tenho anotado.
Abraços,
Moura

Moura
ainda não consigo construir bem os meus pareceres sobres tal questão "Meditar"
sobre as práticas citadas por vocE acima...

Mas estou indo por esta sua linha de conclusão e comportamento.

Não é o assunto do tema
mas parece-me que as lições de Buda
foram escritas duzentos anos após seu desencarne
logo
a tradição oral tem maior fragilidade quanto aos enxertos
(observação apenas pessoal)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 19:49
Amigos, Moura e Moises;
estamos de fato refletindo sobre algo que ainda não compreendemos em toda a sua extensão.
O Amor sem reservas e condições.
Jesus, a dois mil anos deu sua vida para exemplificar o amor, e dizia, "nenhuma prova de amor é maior que dar a vida pelos seus amigos".
O exemplo citado, da esposa trânsfuga, é forte e prosaico.
Evidente que aquele que ama sabe preservar os patrimônios da verdadeira vida, mas não será a custa da força ou truculência que alcançará o objetivo.
Basta dizer que o Espiritismo ensina " não separe o homem o que Deus uniu", mas o casal em permanente litígio, promovendo insegurança e mau exmplo no lar... já está separado por Deus, pois ali já não existe o amor.

Apenas uma última colocação: não devemos nos preocupar pelo fato de ainda não possuirmos o verdadeiro amor. Qualquer gesto que a ele se assemelhe, em nosso mundo, é um degrau que nos aproxima daquele santo ideal.

Zarthur

Não nos esqueçamos que não há da minha parte uma sensura as suas colocações,
pelo contrário,
há sim é um aproveitamento da sua postagem para o andamento do tópico


Mas ainda a prosa pode levar a ao desentendimento da questão e do objetivo
suas colocações é forte sim, não resta dúvidas
mas não pode ser um proscedor generalizado como mensagem de comportamento de quem sabe o que é o amor.


Creio que se a lição do amor  nos é passada
é pelo fato de que a alcançamos sim
é para nós todos

è lição de casa, lição de vida
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 20:49
Citar
zarthur
...
Basta dizer que o Espiritismo ensina " não separe o homem o que Deus uniu", mas o casal em permanente litígio, promovendo insegurança e mau exemplo no lar... já está separado por Deus, pois ali já não existe o amor.

esta assim mesmo no o Evangelho segundo o Espiritismo.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Maio de 2012, 20:53
Citar
Zarthur
Apenas uma última colocação: não devemos nos preocupar pelo fato de ainda não possuirmos o verdadeiro amor. Qualquer gesto que a ele se assemelhe, em nosso mundo, é um degrau que nos aproxima daquele santo ideal.

Boa colocação

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 05 de Maio de 2012, 22:50
Boa noite a todos

Meu amigo Moises, concordo plenamente contigo, as lições que nos foram deixadas por Jesus  são incomparáveis, sendo a principal:-


“Mateus Cap : 22
36 Mestre, qual é o grande mandamento na lei?
37 Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento.
38 Este é o grande e primeiro mandamento.
39 E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.
40 Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas”


Costumo citar alguns textos de Osho, ou de outros,  que considere esclarecedores, e por não ter preconceitos, porem confesso que também não concordo com boa parte da literatura que Osho nos deixou.

Concluindo considero o Amor à sublimação de todas as virtudes, onde não há  fronteiras nem preconceito, e esse Amor se encontra dentro de nós,  como um diamante bruto necessitando ser lapidado, e sua lapidação dar-se-á toda vez que tentarmos  praticá-lo, pois só conseguiremos transmiti-lo um dia,  pelos nossos exemplos.
 
 

 
 


 

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 05 de Maio de 2012, 23:18
Sim meus caros irmãos,essa é a lei maior de Deus,ela nos foi colocada de uma forma imperativa,
para que possamos evoluir,como poderemos ter progresso se não exercitarmos o amor,junto ao
nosso semelhante e irmão principalmente?Jesus em suas falas em seus sermões,deixou para
nós uma mensagem muito importante quando foi dita: " Amai-vos uns aos outros,como eu vos
amei ".Então apartir,desse entendimento a lei do amor deve ser exercitada.
fiquem na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Maio de 2012, 00:33
Boa noite a todos

Meu amigo Moises, concordo plenamente contigo, as lições que nos foram deixadas por Jesus  são incomparáveis, sendo a principal:-


“Mateus Cap : 22
36 Mestre, qual é o grande mandamento na lei?
37 Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento.
38 Este é o grande e primeiro mandamento.
39 E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.
40 Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas”


Costumo citar alguns textos de Osho, ou de outros,  que considere esclarecedores, e por não ter preconceitos, porem confesso que também não concordo com boa parte da literatura que Osho nos deixou.

Concluindo considero o Amor à sublimação de todas as virtudes, onde não há  fronteiras nem preconceito, e esse Amor se encontra dentro de nós,  como um diamante bruto necessitando ser lapidado, e sua lapidação dar-se-á toda vez que tentarmos  praticá-lo, pois só conseguiremos transmiti-lo um dia,  pelos nossos exemplos.
 


Ken
de minha parte fiz minhas próprias colocações
mas não apontava para um preconceito de minha parte quanto ao Osho,

Apenas não consigo assimilar bem as propostas dele...
Pode ser uma falha minha no campo da assimilação, da compreensão...

Mas confesso que sou arraigado de muitos preconceitos e como.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 06 de Maio de 2012, 01:19
Moises

Falei em preconceito genericamente, não vi nenhum em sua resposta, e me perdoe
se minha mensagem causou-lhe esta impressão.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 06 de Maio de 2012, 10:38
Amigos  um bom dia  de muita paz  e continuando a meditar no valor do amor nas nossas vidas, e  como este sentimento pode ajudar a que todos os homens  sintam mais um pouco de paz , mas  sintam que  é sempre  por vezes muito complicado fazer  do Amor  algo que nos torne  diferentes.
Vejamos  temos  colocado muitas coisas  que são de grande valor  para compreendermos  e meditarmos.
Mas   dou comigo a  reflectir.... como  sou na vida ........... realmente tento colocar na prática tudo que vou sabendo......
Este  é  um trabalho  de aprendizado que cabe  a cada um de nós, esta  a razão do que vamos  lendo .
Se desejamos  partilhar o concerto das bênçãos divinas. 
Ama e serve, sem exigir do ser amado e sem a vontade de  ser  servido.
Quem ama realmente nada pede, nada reclama, nada exige e nada procura senão a alegria do objeto amado, para que o amor se estenda, a multiplicar-se soberano e sem fim.
 Enquanto esperas o manto ilusório das considerações humanas, teu amor sofre a vizinhança da vaidade.
Enquanto aguardas a compreensão dos outros, o teu amor experimenta a inquietante aproximação do egoísmo.
O amor puro é o reflexo do criador em todas as criaturas.
O amor é de origem divina.
Quanto mais se doa, mais se multiplica sem jamais se esgotar.
Amigos  ao escrever este  pequeno texto como sinta  que um dos grandes trabalhos de cada um de nós  é compreender  o Amor  e fazer Dele uma Lei onde todo o homem possa ser feliz.
Pode ser uma utopia  minha  .............. mas deixei -me sonhar.
Pelo menos que  este estudo possa  ajudar muitas pessoas e que entendam o Amor  é importante ...............
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Hebe M C em 06 de Maio de 2012, 14:39
Bom dia Moisés,
Sei que o estudo do mês sempre se baseia nas obras da Codificação, mas um  livro psicografado que li e gostei muito foi " Amor imbatível amor" de Joanna de Angelis pelo medium Divaldo Franco.
Segue um pequeno trecho para ilustrar o estudo.


Livro: Amor Imbatível Amor: Capítulo 62-AMOR QUE LIBERTA         
Amor Imbatível Amor - Joanna de Angelis
Escrito por Joana de Ângelis   



"A vigência do amor no ser humano constitui a mais alta conquista do desenvolvimento psicológico e também ético, porqüanto esse estágio que surge como experiência do sentimento concretiza-se em emoções profundamente libertadoras, que facultam a compre­ensão dos objetivos essenciais da existência humana, como capítulo valioso da vida.
O amor suaviza a ardência das paixões canalizan­do-as corretamente para as finalidades a que se pro põem, sem as aflições devastadoras de que se reves­tem.
No emaranhado dos conflitos que às vezes o assal­tam, mantém-se em equilíbrio norteando o comporta­mento para as decisões corretas.
Por isso é sensato e sereno, resultado de inumerá­veis conquistas no processo do desenvolvimento inte­lectual.
Enquanto a razão é fria, lógica e calculada, o amor é vibrante, sábio e harmônico.
No período dos impulsos, quando se apresenta sob as constrições dos instintos, é ardente, apaixonado, cer­cado de caprichos, que o amadurecimento psicológico vai equilibrando através do mecanismo das experiên­cias sucessivas.
Orientado pela razão faz-se dúlcido e confiante, não extrapolando os limites naturais, a fim de se não tornar algema ou converter-se em expressão egoísta.
Não obstante se encontre presente em outras emo­ções, mesmo que em fase embrionária, tende a desen­volver-se e abarcar as sub-personalidades que manif es­tam os estágios do primitivismo, impulsionando-as para a ascensão, trabalhando-as para que alcancem o estágio superior.
É o amor que ilumina a face escura da personali­dade, conduzindo-a ao conhecimento dos defeitos e auxiliando-a na realização inicial da auto-estima, pas­so importante para vôos mais audaciosos e necessários.
A sua presença no indivíduo confere-lhe beleza e alegria, proporciona-lhe graça e musicalidade, produ­zindo irradiação de bem-estar que se exterioriza, tor­nando-se vida, mesmo quando as circunstâncias se apre sentam assinaladas por dificuldades, problemas e do­res, às vezes, excruciantes.
Vincula os seres de maneira incomum, possuindo a força dinâmica que restaura as energias quando com­balidas e conduz aos gestos de sacrifício e abnegação mais grandiosos possíveis.
O compromisso que produz naqueles que se unem possui um vínculo metafísico que nada interrompe, tor­nando-se, dessa forma, espiritual, saturado de esperan­ças e de paz.
O amor, quando legítimo, liberta, qual ocorre com o conhecimento da verdade, isto é, dos valores perma­nentes, os que são de significado profundo, que supe­ram a superficialidade e resistem aos tempos, às cir­cunstâncias e aos modismos.
Funciona como elemento catalisador para os altos propósitos existenciais.
A sua ausência abre espaço para tormentos e ansi­edades que produzem transtornos no comportamento, levando a estados depressivos ou de violência, porqüanto, nessa circunstância, desaparecem as motivações para que a vida funcione em termos de alegria e de fe­licidade.
Quando o amor se instala nos sentimentos, as pes­soas podem encontrar-se separadas, ele, porém, perma­nece imperturbável. A distância física perde o sentido geográfico e o espaço desaparece, porque ele tem o poder de preenchê-lo e colocar os amantes sempre pró­ximos, pelas lembranças de tudo quanto significa a arte e a ciência de amar. Uma palavra evocada, um aroma sentido, uma melodia ouvida, qualquer detalhe desen­cadeia toda uma série de lembranças que o trazem ao tempo presente, ao momento sempre feliz.
O amor não tem passado, não se inquieta pelo fu­turo. E sempre hoje e agora.
O amor inspira e eleva dando colorido às paisa­gens mais cinzentas, tornando-se estrelas luminosas das noites da emoção.
Não necessita ser correspondido, embora o seu ca­lor se intensifique com o combustível da reciprocida­de.
Não há quem resista à força dinâmica do amor.
Muitas vezes não se lhe percebe a delicada presen­ça. No entanto, a pouco e pouco impregna aquele a quem se direciona, diminuindo-lhe algumas das desa­gradáveis posturas e modificando-lhe as reações con­flitivas.
Na raiz de muitos distúrbios do comportamento pode ser apontada a ausência do amor que se não rece­beu, produzindo uma terra psicológica árida, que abriu espaço para o surgimento das ervas daninhas, que são os conflitos.
O amor não se instala de um para outro momento, tendo um curso a percorrer.
Apresenta os seus pródromos na amizade que des­perta interesse por outrem e se expande na ternura, em forma de gentileza para consigo mesmo e para com aquele a quem se direciona.
É tão importante que, ausente, descaracteriza o sen­tido de beleza e de vida que existe em tudo.
A sua vigência é duradoura, nunca se cansando ou se amargurando, vibrando com vigor nos mecanismos emocionais da criatura humana.
Quando não se apresenta com essas características de libertação, é que ainda não alcançou o nível que o legitima, estando a caminho, ufilizando-se, por enquanto, do prazer do sexo, da companhia agradável, do in­teresse pessoal egoístico, dos desejos expressos na con­duta sensual: alimento, dinheiro, libido, vaidade, res­sentimento, pois que se encontra na fase alucinada do surgimento...
O amor é luz permanente no cérebro e paz contí­nua no coração."

Um abç
Hebe
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Maio de 2012, 14:51
Manuel Altino

Obrigado pela sua valiosa reflexação

.......

Hoje pela manhã fui assisti a uma palestra no Centro Espírita Emmanuel, creio ser o pimeiro cento espírita fundado em São Bernardo do Campo...pelo menos foi esta a informação que obtive...

Palestra realizada pelo Sr. Forte...creio que é assim o nome dele

Ele nos envolveu-nos num assunto interessante poderando-nos quanto a prática Evangélica
e o local preciso para tal aplicação

Evidenciou o Lar, a nossa casa, o local onde moramos..como sndo o ambiente mais preciso
para tal realização...
certificou-nos que não somos refrmadores do mundo...não mudaremos o mundo, não abe a nós...e que em grande parte seria até um pretenção desmedida...
Mas o Lar...o lar é o nosso ambiente o nosso mundo.

Salientou que quando não estamos bem do corpo físico, buscamos este ou aquele medicamento, quer seja analgésio, antibiótico, ou mesmo um chá dando com esta colocação as importâncias que devamos dar as necessidades espirituais que possuimos...novamente expos o Evangelho em conjunto com a Bondade do Cristo.

Meditei um pouco nesta palestra querendo transferir para este tópico; A Lei do AMOR, esta questão importante para o nosso crescimento pessoal e coletivo, que é a vida em FAMÍLIA, a vida na nossa Casa, assim como ela é , assim como ela está...este espaço que nos foi possibilitado pelas vias da Providência Divina.

Ante esta lei sublime
e extraindo estas questões das Citações acima do amigo Manuel Altino;

Citar
[manuel Altino
Vejamos  temos  colocado muitas coisas  que são de grande valor  para compreendermos  e meditarmos.
Mas   dou comigo a  reflectir.... como  sou na vida ........... realmente tento colocar na prática tudo que vou sabendo......
Este  é  um trabalho  de aprendizado que cabe  a cada um de nós, esta  a razão do que vamos  lendo .
Se desejamos  partilhar o concerto das bênçãos divinas. 
Ama e serve, sem exigir do ser amado e sem a vontade de  ser  servido.
Quem ama realmente nada pede, nada reclama, nada exige e nada procura senão a alegria do objeto amado, para que o amor se estenda, a multiplicar-se soberano e sem fim.
 Enquanto esperas o manto ilusório das considerações humanas, teu amor sofre a vizinhança da vaidade.
Enquanto aguardas a compreensão dos outros, o teu amor experimenta a inquietante aproximação do egoísmo.
O amor puro é o reflexo do criador em todas as criaturas.
O amor é de origem divina.
Quanto mais se doa, mais se multiplica sem jamais se esgotar.

Goastara que participassem conosco com relexões

Sobre A lei do amor e a importãncia da prática do amor na família, na nossa família,
como o objetivo maior de ao nos mudarmos, ao valorizarmos todos os papéis em nossa família, mudarmos este mundo em suas bases mais sólidas, que são as famílias.

Abraços




 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Maio de 2012, 14:53
Sim meus caros irmãos,essa é a lei maior de Deus,ela nos foi colocada de uma forma imperativa,
para que possamos evoluir,como poderemos ter progresso se não exercitarmos o amor,junto ao
nosso semelhante e irmão principalmente?
Jesus em suas falas em seus sermões,deixou para
nós uma mensagem muito importante quando foi dita: " Amai-vos uns aos outros,como eu vos amei ".Então apartir,desse entendimento a lei do amor deve ser exercitada.
fiquem na paz.

Obrigado Antonio por nos fazer relembrarmos das lições do Cristo

Um abraço
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 06 de Maio de 2012, 15:44
Bom dia a todos

Amigo Moises, segue um texto sobre a familia:-



VIDA EM FAMÍLIA

Os filhos não são cópias xerox dos pais, que apenas produzem corpo, graças aos  mecanismos do atavismo biológico.

As heranças e parecenças físicas são decorrências dos gametas, no entanto, o caráter, a inteligência e o sentimento procedem do Espírito que se corporifica pela reencarnação, sem maior dependência dos vínculos genéticos com os progenitores.

Atados por compromissos anteriores, retornam, ao lar, não somente aqueles seres a quem se ama, senão aqueloutros a quem se deve ou que estão com dívidas...

Cobradores empedernidos surgem na forma fisiológica, renteando com o devedor, utilizando-se do processo superior das Leis de Deus para o reajuste de contas, no qual, não poucas vezes, se complicam as situações, por indisposições dos consortes...

Adversários reaparecem como membros da família para receber amor, no entanto, na batalha das afinidades padecem campanhas de perseguição inconsciente, experimentando o pesado ônus da antipatia e da animosidade.

A família é, antes de tudo, um laboratório de experiências reparadoras, na qual a felicidade e a dor se alternam, programando a paz futura.

Nem é o grupo da bênção, nem o élan da desdita.

Antes é a escola de aprendizagem e redenção futura.
 
Irmãos que se amam, ou se detestam, pais que se digladiam no proscênio doméstico, genitores que destacam uns filhos em detrimento dos outros, ou filhos que agridem ou amparam pais, são Espíritos em processo de evolução, retornando ao palco da vida física para a encenação da peça em que fracassaram, no passado.
 
A vida é incessante, e a família carnal são experiências transitórias em programação que objetiva a família universal.

Abençoa, desse modo, com a paciência e o perdão, o filho ingrato e calceta.

Compreende com ternura o genitor atormentado que te não corresponde às aspirações.

Desculpa o esposo irresponsável ou a companheira leviana, perseverando ao seu lado, mesmo que o ser a quem te vinculas queira ir-se adiante.

Não o retenhas com amarras de ódio ou de ressentimento. Irá além, sim, no entanto, prossegue tu, fiel, no posto, e amando...

Não te creias responsável direto na provação que te abate ante o filho limitado, física ou mentalmente.

Tu e ele sois comprometidos perante os códigos Divinos pelo pretérito espiritual.

O teu corpo lhe ofereceu os elementos com que se apresenta, porém, foi ele, o ser espiritual, quem modelou a roupagem na qual comparece para o compromisso libertador.

Ante o filhinho deficiente não te inculpes. Ama-o mais e completa-lhe as limitações com os teus recursos, preenchendo os vazios que ele experimenta.

Suas carências são abençoados mecanismos de crescimento eterno.

Faze por ele, hoje, o que descuidaste antes.
 
A vida em família é oportunidade sublime que não deve ser descuidada ou mal baratada.

Com muita propriedade e irretorquível sabedoria, afirmou Jesus, ao doutor da Lei:
“Ninguém entrará no reino dos céus, se não nascer de novo...

E a Doutrina Espírita estabelece com segurança:
“Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre — é a lei. Fora da caridade não há salvação.”


Joanna de Angelis - Divaldo Pereira Franco
Da obra: S.O.S. Família

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Maio de 2012, 15:45
Bom dia Moisés,
Sei que o estudo do mês sempre se baseia nas obras da Codificação, mas um  livro psicografado que li e gostei muito foi " Amor imbatível amor" de Joanna de Angelis pelo medium Divaldo Franco.


Olá Hebe
Bom dia

Muito instrutivo este texto
tenho lido pouca coisa de Joana de Angelis
mas ao falar da alma, dos sentimentos, dos caminhos do nosso crescer
ela é muito profundo e precisa
atinge realmente o alvo para as nossas compreensões

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Maio de 2012, 15:56
Ken

Que belo texto
vem de encontro com a palestra que ouvi pela manhã deste dia

Valeu mesmo.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 06 de Maio de 2012, 15:58
Eis outro texto pertinente:-





A Família e a Lei de Reencarnação


ONTEM, atraiçoamos a confiança de um companheiro, induzindo-o à derrocada moral.

HOJE, guardamo-lo na condição do parente difícil, que nos pede sacrifício incessante.

ONTEM, abandonamos a jovem que nos amava, inclinando-a ao mergulho na lagoa do vício.

HOJE, temo-la de volta por filha incompreensiva, necessitada do nosso amor.

ONTEM, colocamos o orgulho e a vaidade no peito de um irmão que nos seguia os exemplos menos felizes.

HOJE, partilhamos com ele, à feição de esposo despótico ou de filho-problema, o cálice amargo da redenção.

ONTEM, esquecemos compromissos veneráveis, arrastando alguém ao suicídio.

HOJE, reencontramos esse mesmo alguém na pessoa de um filhinho, portador de moléstia irreversível, tutelando-lhe, à custa de lágrimas, o trabalho de reajuste.

ONTEM, abandonamos a companheira inexperiente, à míngua de todo auxílio, situando-a nas garras da delinqüência.

HOJE, achamo-la ao nosso lado, na presença da esposa conturbada e doente, a exigir-nos a permanência no curso infatigável da tolerância.

ONTEM, dilaceramos a alma sensível de pais afetuosos e devotados, sangrando-lhes o espírito, a punhaladas de ingratidão.

HOJE, moramos no espinheiro, em forma de lar, carregando fardos de angústia, a fim de aprender a plantar carinho e fidelidade.

À frente de toda dificuldade e de toda prova, abençoa sempre e faze o melhor que possas.

Ajuda aos que te partilham a experiência, ora pelos que te perseguem, sorri para os que te ferem e desculpa todos aqueles que te injuriam...

A humildade é a chave de nossa libertação.

E, sejam quais sejam os teus obstáculos na família, é preciso reconhecer que toda construção moral do Reino de Deus, perante o mundo, começa nos alicerces invisíveis da luta em casa.

Emmanuel
“Amor e Vida em Família” - Chico Xavier


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Maio de 2012, 16:46

Citar
Ken
...E, sejam quais sejam os teus obstáculos na família, é preciso reconhecer que toda construção moral do Reino de Deus, perante o mundo, começa nos alicerces invisíveis da luta em casa.


São Mateus, 12,46-50

Jesus falava ainda à multidão, quando veio sua mãe e seus irmãos e esperavam do lado de fora a ocasião de lhe falar.
Disse-lhe alguém: Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar-te.
Jesus respondeu-lhe: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?
E, apontando com a mão para os seus discípulos, acrescentou: Eis aqui minha mãe e meus irmãos.
 Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.



Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Camila T Cunha em 06 de Maio de 2012, 18:05
                             Lindas e puras as respostas das crianças! Nesta idade elas não sabem definir um tema ainda, apenas dar exemplo sobre ele!
                           Amei (por falar em amor) este: "Amor é quando seu cachorro lambe sua cara, mesmo depois que você deixa ele sozinho o dia inteiro". Amar é perdoar e compreender, sempre, quem é mãe sabe.  ;)
                           
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Edna☼ em 06 de Maio de 2012, 19:52
Olá a todos  :)

Moisés, parabéns pelo lindo tema escolhido para este mês, temos aí a nossa grande lição: aprender a amar.

Jesus através do seu exemplo amou o tempo todo, e até nos momentos finais em que esteve por aqui,  não é mesmo?


A lei do amor
Amor! Lei?
Sim! e neste sentido temos um capítulo dedicado a "Lei da Justiça, Amor e Caridade".


"Amai-vos uns aos outros, eis toda a lei, divina lei pela qual Deus governa os mundos.
O amor é a Lei de atração para os seres vivos e organizados, e a atração é a lei de amor para a matéria inorgânica."

São Vicente de Paulo


http://www.musicaespirita.net/denis-soares/apenas-amar-legendado-video_4c817e216.html


É isso aí vamos deixar o am♥r fluir e a tudo envolver.

Bons estudos a todos!

Abraços fraternos sempre,

Edna ;)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 06 de Maio de 2012, 23:58
Boa noite irmãos.
Acho o tema perfeito.
Acredito que o sentimento a que chamamos de amor, é algo tão sublime, tão elevado que é dificil de definir.
Dentro do amor, encontramos a forma mais sublime, o amor de mãe. Costumo dizer que todas as mães são santas, porquanto, embora existam exceções obviamente, qual a mãe que não sacrifica a ultima gota de sangue por um filho?
Tive um exemplo em casa com a minha, ja falecida e tenho outro com uma sogra de uma elevação inquestionável, dentro da sua simplicidade.
Mas o amor é ainda maior, nele cabem sentimentos fundamentais para nossa elevação.
O amor se manifesta no carinho que temos por nosso semelhante, em especial aqueles que são mais proximos, mas tambem no respeito aqueles que não são próximos.
A capacidade de perdoar as ofensas e os ofensores, de compreender as dificuldades da caminhada que cada um de nós precisa empreender, tambem são um exercício importante desse sentimento nobre.
Alguem ja disse que "a caridade é o amor em ação" e isso tambem é uma das formas mais sublimes de se amar, doar-se, dar de si em prol do semelhante, tal como o samaritano da parábola.
O amor é o sentimento que acaba com o egoismo.
Quanto mais aprendermos a amar de forma incondicional nosso semelhante, menos orgulhosos e egoistas seremos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 07 de Maio de 2012, 10:23
Amigos  e companheiros de estudo sempre o mesmo tema  que muito tem para cada um de nós meditar.
Muito se pode dizer  sobre  o Amor  e suas Leis  que deviam reger  a vida da cada um de nós.
Se me permitem vou colocar apenas um texto para  que possamos  compreender esta maravilha  do que é o amor, e que  a mim pessoalmente me transmite muitos ensinamentos e  pensei em partilhar  para todos .........
Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO, mesmo sabendo que as rosas não falam...
Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro que nos espera pode não ser tão alegre...
Que eu não perca a VONTADE DE VIVER, mesmo sabendo que a vida é, em muitos momentos, dolorosa...
Que eu não perca a vontade de TER GRANDES AMIGOS, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas...
Que eu não perca a vontade de AJUDAR AS PESSOAS, mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver, reconhecer e retribuir esta ajuda...
Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo que inúmeras forças querem que eu caia...
Que eu não perca a VONTADE DE AMAR, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo pode não sentir o mesmo sentimento por mim...
Que eu não perca a LUZ E O BRILHO NO OLHAR, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo escurecerão meus olhos...
Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda são dois adversários extremamente perigosos...
Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas...
Que eu não perca o SENTIMENTO DE JUSTIÇA, mesmo sabendo que o prejudicado possa ser eu...
Que eu não perca o meu FORTE ABRAÇO, mesmo sabendo que um dia meus braços estarão fracos...
Que eu não perca a BELEZA E A ALEGRIA DE VER, mesmo sabendo que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...
Que eu não perca o AMOR POR MINHA FAMÍLIA, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia...
Que eu não perca a vontade de DOAR ESTE ENORME AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado...
Que eu não perca a vontade de SER GRANDE, mesmo sabendo que o mundo é pequeno...
E acima de tudo...
Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente!
Que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois...
A VIDA É CONSTRUÍDA NOS SONHOS E CONCRETIZADA NO AMOR!
Autor  desconhecido
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 07 de Maio de 2012, 13:47
Bom dia a todos

Moises, sua referencia a Mateus 12:46-50, nos deixa muito claro, que Jesus nunca perdia uma oportunidade para transmitir seus ensinamentos, cuja visão sempre era espiritual, por esse motivo,  os que não conhecem o conjunto de seus ensinamentos, vêem em  alguns momentos contradições em suas palavras, porem basta nos reportar ao “Amar ao próximo como a si mesmo”,  para dirimirmos qualquer duvida, pois tudo que Jesus nos ensinou  se resume em uma só palavra  “Amor”.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Maio de 2012, 13:55
Olá a todos  :)

Jesus através do seu exemplo amou o tempo todo, e até nos momentos finais em que esteve por aqui,  não é mesmo?

A lei do amor
Amor! Lei?
...
Sim! e neste sentido temos um capítulo dedicado a "Lei da Justiça, Amor e Caridade".


"Amai-vos uns aos outros, eis toda a lei, divina lei pela qual Deus governa os mundos.
O amor é a Lei de atração para os seres vivos e organizados, e a atração é a lei de amor para a matéria inorgânica."

São Vicente de Paulo


http://www.musicaespirita.net/denis-soares/apenas-amar-legendado-video_4c817e216.html

É isso aí vamos deixar o am♥r fluir e a tudo envolver.


Edna ;)



Obrigado Edna pela sua contribuição
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Maio de 2012, 13:58
Manuel Altino

Obrigdo por nos trazer estes pensamentos do Nosso amável amigo;

Francisco Xavier

Citar
...Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas...
Que eu não perca o SENTIMENTO DE JUSTIÇA, mesmo sabendo que o prejudicado possa ser eu...
Que eu não perca o meu FORTE ABRAÇO, mesmo sabendo que um dia meus braços estarão fracos...

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Maio de 2012, 14:00
                             Lindas e puras as respostas das crianças! Nesta idade elas não sabem definir um tema ainda, apenas dar exemplo sobre ele!
                           Amei (por falar em amor) este: "Amor é quando seu cachorro lambe sua cara, mesmo depois que você deixa ele sozinho o dia inteiro". Amar é perdoar e compreender, sempre, quem é mãe sabe.  ;)
                           

Chegamos a rir com estas colocações

valeu Camila

Sou destes que para compreender o amor e a necessidade de práticá-lo,
terei que me esforçar muito...muitão.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Maio de 2012, 14:01

O amor é o sentimento que acaba com o egoismo.
Quanto mais aprendermos a amar de forma incondicional nosso semelhante, menos orgulhosos e egoistas seremos.


Boa Gustavo

Parabéns pela bela citação
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Maio de 2012, 14:03
Bom dia a todos

Moises, sua referencia a Mateus 12:46-50, nos deixa muito claro, que Jesus nunca perdia uma oportunidade para transmitir seus ensinamentos, cuja visão sempre era espiritual, por esse motivo,  os que não conhecem o conjunto de seus ensinamentos, vêem em  alguns momentos contradições em suas palavras, porem basta nos reportar ao “Amar ao próximo como a si mesmo”,  para dirimirmos qualquer duvida, pois tudo que Jesus nos ensinou  se resume em uma só palavra  “Amor”.


Pois é!

Veja que os séculos estão passando
os milênios chegam-nos
e o Mestre não desiste de nós
Ele está sempre presente
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 07 de Maio de 2012, 14:45
Amigo Moises, relativo a sua resposta, para descontrair vou responde-la,
me utilizando de maneiras regionais
:D

Graças a Deus, Uai!
Bah! Graças a Deus
Graças a Deus, Pô!
Ó xente! Graças a Deus
Graças a Deus, meu!
Graças a Deus, cara!
Graças a Deus, sô!
Graças a Deus.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 08 de Maio de 2012, 10:49
Um Bom Dia a todos os  companheiros de  estudo desta  maravilhosa  Lei do Amor , como por vezes é fácil falar  do Amor , mas  como é difícil Amar incondicionalmente, pois  tudo isso implica uma grande  condição ...... a de Perdoar... só  assim se pode  entender  o Amor e suas qualidades e nos tornarmos  mais  fortes na nossa caminhada  individual.
Importa reconhecer que à medida que se nos dilata o afastamento da animalidade quase absoluta, para a integração com a humanidade, o amor assume dimensões mais elevadas, ...
tanto para os que se verticalizam na virtude.
Cujos sentimentos se elevam para as Esferas Superiores.
O amor se ilumina e purifica, mas ainda é instinto sexual nos mais nobres aspectos, aliando - se  às forças com que se afinam em luminosa  ascensão para Deus.
Cujas emoções se complicam, o amor se requinta, mudando  o instinto sexual em constante exigência de satisfação imoderada do "EU”.
 Então  a Psicanálise, que vê na atividade sexual a procura incessante de prazer, concordamos em que uns, na própria elevação, demandam o prazer da Criação, identificando-se com a Origem Divina do Universo.
 Enquanto que outros se fixam no encalço do prazer desenfreado e egoístico .
Os primeiros aprendem a amar com Deus.
Os segundos aspiram a ser amados a qualquer preço.
 A energia natural do sexo, inerente à própria vida em si, gera cargas magnéticas em todos os seres, pela função criadora......
Então é mais uma meditação e  podemos compreender  que  por vezes tudo está no nosso Eu e  somos  quase sempre as primeiras vitimas  dos  nossos excessos....vamos  ser mais conscientes  e pensar  que  este tema  não pode ser tratado apenas  de leve ânimo .mas sim  com a confiança de que  a vida  sem amor  não tem sentido e muito importante  todo o Amor  como disse atrás implica Perdoar  sempre ..........
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altinio
       
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: DANNYLEMOS em 08 de Maio de 2012, 13:37
O amor é a fonte de toda felicidade humana. Conheçêmos ainda pouco dele, pois só amamos mais facilmente a nossa familia, nossos amigos e pessoas que pensam como nós. Entretanto, mais meritório é ter amor por quem nos é indiferente, e nem muito conheçemos. Não podemos, de fato, ter esse sentimento para com eles com a mesma intensidade, por isso acredito que a consideração e o respeito já é um grande passo .

Entendo como Lei, algo natural e que existe desde de o principio. Logo, o amor é uma lei que está escrita em nossas consciências e que atraves do veiculo fisico nos presenteia com a sensação de amar e do bem querer .

olá viajante,
como vc frisou o amor que sentimos é nada mais que nossos instintos,já que somos seres imperfeitos.Amamos a família,pois o primeiro contato com outros seres é a família,mesmo com todas as diferenças existentes nela.Quando ao outro âmbito do amor,seguimos para além da família.Começam a existir os amigos ou conhecidos que nunca nos fizeram mal algum.Amamos por serem pessoas que de alguma forma nos quer bem.Quando chegamos aos nossos inimigos,por assim dizer,aquelas pessoas que não conseguem sair ou não querem sair de uma faixa vibratória mais baixa,é onde o AMOR seria meritório.Amar um inimigo é "humanamente impossível" pensamos,mas para o nosso pai celeste é o mérito da questão.

Quero deixar uma mensagem de casemiro cunha:

ESPERA E AMA SEMPRE
Casemiro Cunha

Não elimine a esperança
De uma alma triste ou ferida
Que a esperança é a luz eterna
Nas grandes noites da vida.
Feliz daquele que espera,
No caminho da amargura,
Pois toda a dor vem e passa.
No coração da criatura.
Ama e crê. Espalha o bem.
Porque, na Terra, em verdade,
É infeliz quem cuida apenas
Da própria felicidade.
59
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Atma em 08 de Maio de 2012, 14:02
(http://)
Queridos amigos, saudações fraternais.

O Evangelho Segundo o Espiritismo
por ALLAN KARDEC – tradução de José Herculano Pires

I – A Lei do Amor
 
LÁZARO
Paris, 1862

                    8 – O amor resume toda a doutrina de Jesus, porque é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso realizado. No seu ponto de partida, o homem só tem instintos; mais avançado e corrompido, só tem sensações; mais instruído e purificado, tem sentimentos; e o amor é o requinte do sentimento. Não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior, que reúne e condensa em seu foco ardente todas as aspirações e todas as revelações sobre-humanas. A lei do amor substitui a personalidade pela fusão dos seres e extingue as misérias sociais. Feliz aquele que, sobrelevando-se à humanidade, ama com imenso amor os seus irmãos em sofrimento! Feliz aquele que ama, porque não conhece as angústias da alma, nem as do corpo! Seus pés são leves, e ele vive como transportado fora de si mesmo. Quando Jesus pronunciou essa palavra divina, — amor — fez estremecerem os povos, e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo.

            O Espiritismo, por sua vez, vem pronunciar a segunda palavra do alfabeto divino. Ficai atentos, porque essa palavra levanta a lápide dos túmulos vazios, e a reencarnação, vencendo a morte, revela ao homem deslumbrado o seu patrimônio intelectual. Mas já não é mais aos suplícios que ela conduz, e sim à conquista do seu ser, elevado e transfigurado. O sangue resgatou o Espírito, e o Espírito deve agora resgatar o homem da matéria.

            Disse que o homem, no seu início, tem apenas instintos. Aquele, pois, em que os instintos dominam, está mais próximo do ponto de partida que do alvo. Para avançar em direção ao alvo, é necessário vencer os instintos a favor dos sentimentos, ou seja, aperfeiçoar a estes, sufocando os germes latentes da matéria. Os instintos são a germinação e os embriões dos sentimentos. Trazem consigo o progresso, como a bolota oculta o carvalho. Os seres menos adiantados são os que, libertando-se lentamente de sua crisálida, permanecem subjugados pelos instintos.

            O Espírito deve ser cultivado como um campo. Toda a riqueza futura depende do trabalho atual. E mais que os bens terrenos, ele vos conduzirá à gloriosa elevação. Será então que, compreendendo a lei do amor, que une a todos os seres, nela buscareis os suaves prazeres da alma, que são o prelúdio das alegrias celestes

*

FÉNELON
                                                                    Bordeaux, 1861
 
            9 – O amor é de essência divina. Desde o mais elevado até o mais humilde, todos vós possuís, no fundo do coração, a centelha desse fogo sagrado. É um fato que tendes podido constatar muitas vezes: o homem mais abjeto, o mais vil, o mais criminoso, tem por um ser ou um objeto qualquer uma afeição viva e ardente, à prova de todas as vicissitudes, atingindo freqüentemente alturas sublimes.

            Disse por um ser ou um objeto qualquer, porque existem, entre vós, indivíduos que dispensam tesouros de amor, que lhes transbordam do coração, aos animais, às plantas, e até mesmo aos objetos materiais. Espécies de misantropos a se lamentarem da humanidade em geral, resistem à tendência natural da alma, que busca em seu redor afeição e simpatia. Rebaixam a lei do amor à condição do instinto. Mas, façam o que quiserem, não conseguirão sufocar o germe vivaz que Deus depositou em seus corações, no ato da criação. Esse germe se desenvolve e cresce com a moralidade e a inteligência, e embora freqüentemente comprimido pelo egoísmo, é a fonte das santas e doces virtudes que constituem as afeições sinceras e duradouras que vos ajudam a transpor a rota escarpada e árida da existência humana.

            Há algumas pessoas a quem repugna a prova da reencarnação, pela idéia de que outros participarão das simpatias afetivas de que são ciosas. Pobres irmãos! O vosso afeto vos torna egoísta. Vosso amor se restringe a um círculo estreito de parentes ou de amigos, e todos os demais vos são indiferentes. Pois bem: para praticar a lei do amor, como Deus a quer, é necessário que chegueis a amar, pouco a pouco, e indistintamente, a todos os vossos irmãos. A tarefa é longa e difícil, mas será realizada. Deus o quer, e a lei do amor é o primeiro e o mais importante preceito da vossa nova doutrina, porque é ela que deve um dia matar o egoísmo, sob qualquer aspecto em que se apresente, pois além do egoísmo pessoal, há ainda o egoísmo de família, de casta, de nacionalidade. Jesus disse: “Amai ao vosso próximo como a vós mesmos”; ora, qual é o limite do próximo? Será a família, a seita, a nação? Não: é toda a humanidade! Nos mundos superiores, é o amor recíproco que harmoniza e dirige os Espíritos adiantados que os habitam. E o vosso planeta, destinado a um progresso que se aproxima, para a sua transformação social, verá seus habitantes praticarem essa lei sublime, reflexo da própria Divindade.

            Os efeitos da lei do amor são o aperfeiçoamento moral da raça humana e a felicidade durante a vida terrena. Os mais rebeldes e os mais viciosos deverão reformar-se, quando presenciarem os benefícios produzidos pela prática deste princípio: “Não façais aos outros os que não quereis que os outros vos façam, mas fazei, pelo contrário, todo o bem que puderdes”.

            Não acrediteis na esterilidade e no endurecimento do coração humano, que cederá, mesmo de malgrado, ao verdadeiro amor. Este é um imã a que ele não poderá resistir, e o seu contato vivifica e fecunda os germes dessa virtude, que estão latentes em vossos corações. A Terra, morada de exílio e de provas, será então purificada por esse fogo sagrado, e nela se praticarão a caridade, a humildade, a paciência, a abnegação, a resignação, o sacrifício, todas essas virtudes filhas do amor. Não vos canseis, pois, de escutar as palavras de João Evangelista. Sabeis que, quando a doença e a velhice interrompem o curso de suas pregações, ele repetia apenas estas doces palavras: “Meus filhinhos, amai-vos uns aos outros!”.

            Queridos irmãos, utilizai com proveito essas lições: sua prática é difícil, mas delas retira a alma imenso benefício. Crede-me, fazei o sublime esforço que vos peço: “Amai-vos”, e vereis, muito em breve, a Terra modificada tornar-se um novo Eliseu, em que as almas dos justos virão gozar o merecido repouso.
       
*

                                   SANSÃO
                   Membro da Sociedade Espírita de Paris, 1863
 
            10 – Meus queridos condiscípulos, os Espíritos aqui presentes vos dizem pela minha voz: Amai muito, para serdes amados! Tão justo é este pensamento, que nele encontrareis tudo quanto consola e acalma as penas de cada dia. Ou melhor: fazendo isso, de tal maneira vos elevareis acima da matéria que vos espiritualizareis antes mesmo de despirdes o vosso corpo terreno. Os estudos espíritas ampliaram a vossa visão do futuro, e tendes agora uma certeza: a do vosso progresso para Deus, com todas as promessas que correspondem às aspirações da vossa alma. Deveis também vos elevar bem alto, para julgar sem as restrições da matéria, e assim não condenar o vosso próximo, antes de haver dirigido o vosso pensamento a Deus.

            Amar, no sentido profundo do termo, é ser leal, probo, consciencioso, para fazer aos outros aquilo que se deseja para si mesmo. É buscar em torno de si a razão íntima de todas as dores que acabrunham o próximo, para dar-lhes alívio. É encarar a grande família humana como a sua própria, porque essa família irá reencontrar um dia em mundos mais adiantados, pois os Espíritos que a constituem são, como vós, filhos de Deus, marcados na fronte para se elevarem ao infinito. É por isso que não podeis recusar aos vossos irmãos aquilo que Deus vos deu com liberalidade, pois, de vossa parte, seríeis muito felizes se vossos irmãos vos dessem aquilo de que tendes necessidade. A todos os sofrimentos, dispensai pois uma palavra de ajuda e de esperança, para vos fazerdes todo amor e todo justiça.

            Crede que estas sábias palavras: “Amai muito, para serdes amados”, seguirão os seus cursos. Esta máxima é revolucionária e segue uma rota firme e invariável. Mas vós já haveis progredido, vós que me escutais: sois infinitamente melhores do que há cem anos; de tal maneira vos modificastes para melhor, que aceitais hoje sem repulsa uma infinidade de idéias novas sobre a liberdade e a fraternidade, que antigamente teríeis rejeitado. Pois daqui a cem anos aceitará também, com a mesma facilidade, aquelas que ainda não puderam entrar na vossa cabeça.

            Hoje, que o movimento espírita avançou bastante, vede com que rapidez as idéias de justiça e de renovação, contidas nos ditados dos Espíritos, são aceitas pela metade das pessoas inteligentes. É que essas idéias correspondem ao que há de divino em vós. É que estais preparados por uma semeadura fecunda: a do último século, que implantou na sociedade as grandes idéias de progresso. E como tudo se encadeia, sob as ordens do Altíssimo, todas as lições recebidas e assimiladas resultarão nessa mudança universal do amor ao próximo. Graças a ela, os Espíritos encarnados, melhor julgando e melhor sentindo, dar-se-ão as mãos até os confins do vosso planeta. Todos se reunirão, para entender-se e amar-se, destruindo todas as injustiças, todas as causas de desentendimento entre os povos.

            Grande pensamento de renovação pelo Espiritismo tão bem exposto em O Livro dos Espíritos, tu produzirás o grande milagre do século futuro, o da reunião de todos os interesses materiais e espirituais dos homens, pela aplicação desta máxima bem compreendida: Amai muito, para serdes amados
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 08 de Maio de 2012, 14:08
Penso irmãos, que é o amor o principio de todo o bem. O abraço fraterno é cria do amor, sê se caridoso por imenso amor, se justo é, é pelo amor que ao longo do tempo lapidou o caráter.

Logo amor deveria ter cadeira cativa enquanto disciplina desde as primeiras séries das nossas tradicionais escolas. Parece bobo uma vez que amor é sentimento, e sentimento não se ensina, se sente. Mas será que não é passível de ser estimulado? Quantos papais nunca viram os filhos produto de seus atos? Quantas mamães são desprovidas de condições estruturais para proporcionar ao seu rebento a experimentação de sensações e sentimentos de mais fino trato? Menciono os pais que, sob meu prisma, são os responsáveis diretos pela formação do ser nos seus novos primeiros meses sob a roupagem física. Por estas falhas que ocorrem no processo de amadurecimento do ser é que penso que o amor, sendo o princípio de todo o bem e sendo parte latente em todo ser enquanto criatura do Criador, que concebo como sendo puro amor e bondade,  deveria ser estimulado de forma mais direta nas escolas ou outro mecanismo que o valha, por certo se abreviaria um pouco o processo evolutivo dos homens, tanto enquanto encarnado, na sua convivência social quanto como espírito, cuja a meta é a perfeição.

 Não é suficiente conhecer a física, fazer complicados cálculos matemáticos, se expressar com perfeição na sua língua, conceber onde fica o Norte e sair por aí destruindo, mesmo que seja sonhos, desrespeitando o mais fraco, quer seja a mulher o idoso, o gay, a criança etc. Simplificando: não sendo bacana.

 Por isso,  será que não esta na hora do Estado desenvolver uma  idéia nova de educação, voltada, também para formação do individuo enquanto a pessoa humana que deve ser? Claro que alguém já pensou nisto mesmo que seja com o intuito apensas de por freios às violências atuais, e mudanças devem estar a caminho.

Se impróprios proferi, perdão. Veja que o próprio perdão é obra do amor

Abraços fraternos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: se_vero em 08 de Maio de 2012, 15:14
Bom dia a todos

Moisés

Você pergunta se o Amor é uma lei. Penso que nossa Humanidade já está preparada para receber as inscrições eternas que a regem e, por isso mesmo, a despeito da precariedade de nossa forma de expressão, ouso avançar um pouco sobre este assunto e dizer que o Amor não é uma lei, e, sim, uma CONQUISTA.
Aqueles que têm incrustado, como uma pedra preciosa de valor incalculável, o Amor em seu coração, já não mais sofrem as misérias a que estamos subjugados. Seus espíritos transcenderam a névoa que se faz sobre o entendimento, a compreensão e o conhecimento.

Abraços
Rogerio
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: HenriqueSouza em 08 de Maio de 2012, 15:20
Olá a todos
 
   Venho nesta oportunidade que me foi oferecida contribuir com os estudos deste Fórum que a todos nós recebe
Participo com um texto extraido do Livro Espírita codificado por Allan Kardec
O Evangelho Segundo O Espiritismo,com o tema; A Lei do Amor, Cap XI, item 8
instrução esta nos dada pelos Espíritos, demonstrando em suas livres expressões o compromisso maior com o nosso progresso.

Lei do Amor (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXowcWp2SllKYmo0I3dz)

A lei de amor

8. O amor resume a doutrina de Jesus toda inteira, visto que esse é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso feito. Em sua origem, o homem só tem instintos; quando mais avançado e corrompido, só tem sensações; quando instruído e depurado, tem sentimentos. E o ponto delicado do sentimento é o amor, não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior que condensa e reúne em seu ardente foco todas as aspirações e todas as revelações sobre-humanas. A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres; extingue as misérias sociais. Ditoso aquele que, ultrapassando a sua humanidade, ama com amplo amor os seus irmãos em sofrimento! ditoso aquele que ama, pois não conhece a miséria da alma, nem a do corpo. Tem ligeiros os pés e vive como que transportado, fora de si mesmo. Quando Jesus pronunciou a divina palavra -amor, os povos sobressaltaram-se e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo.

O Espiritismo a seu turno vem pronunciar uma segunda palavra do alfabeto divino. Estai atentos, pois que essa palavra ergue a lápide dos túmulos vazios, e a reencarnação, triunfando da morte, revela às criaturas deslumbradas o seu patrimônio intelectual. Já não é ao suplício que ela conduz o homem: condu-lo à conquista do seu ser, elevado e transfigurado. O sangue resgatou o Espírito e o Espírito tem hoje que resgatar da matéria o homem.

Disse eu que em seus começos o homem só instintos possuía. Mais próximo, portanto, ainda se acha do ponto de partida, do que da meta, aquele em quem predominam os instintos. A fim de avançar para a meta, tem a criatura que vencer os instintos, em proveito dos sentimentos, isto é, que aperfeiçoar estes últimos, sufocando os germes latentes da matéria. Os instintos são a germinação e os embriões do sentimento; trazem consigo o progresso, como a glande encerra em si o carvalho, e os seres menos adiantados são os que, emergindo pouco a pouco de suas crisálidas, se conservam escravizados aos instintos. O Espírito precisa ser cultivado, como um campo. Toda a riqueza futura depende do labor atual, que vos granjeará muito mais do que bens terrenos: a elevação gloriosa. E então que, compreendendo a lei de amor que liga todos os seres, buscareis nela os gozos suavíssimos da alma, prelúdios das alegrias celestes. - Lázaro. (Paris, 1862.)

...........................................................................

   Quero ao mesmo tempo participar no possível do meu alcance ,para aprender sobre este tema , sobre estas palavras,sobre esta força, com a participação dos colegas sem dúvidas.
 
Amor
 
Palavra esta que desde a minha infância intimedei-me em escrever e de vermelho no rosto jamais me ousava pronunciar...
Até hoje sou assim...um pouco apenas.
 
Esta palavra por si só as vezes me leva as lágrimas, e eu não sei explicar.
 
Não saberia fazer perguntas neste início e talvez nem embalar os estudos eu poderia,
mas recorro aos participantes tal iniciativa,tal carinho, tal atenção.
 
Ofereço a todos este  pensamento de Luiz Camões que agora encontrei.
 
Amor é um brado afeito
Que Deus no Mundo pôs e a Natureza
Para aumentar as coisas que criou.
De amor está sujeito
Tudo quanto possui a redondeza;
Nada sem este efeito se gerou.
Por ele conservou
A causa principal o Mundo amado
Donde o pai famulento foi deitado.
As coisas ele as ata e as conforma
Com O Mundo,e reforma
A matéria. Quem há que não o veja?
Quanto meu mal deseja, sempre forma.

.........

e esta frase do Cristo;


"Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai se não por mim."

Conto carinhosamente com a participação de todos.

deixo uma pergunta inicial, abrangendo justamente o titulo do tópico;

A lei do amor

Amor! Lei?
O que esta afirmação nos remete?

Abraços e avante

Parabéns pelo tema Moíses.

Abraços.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 08 de Maio de 2012, 16:56
Meu nobre irmão Moises e demais partipantes deste estudo.Em se falando de amor,geralmente
as pessoas colocam suas posições a esse respeito tão sómente na visão do amor carnal,dei-
-xando de avaliar outras formas de amor,e também amar as outras coisas.Deus quando colo-
-cou para nós essa lei,à colocou de uma forma imperativa,condicionando o nosso progresso,e
a nossa evolução ao exercício constante dela.Como bem disse o nosso irmão Altino,falar de amor e fácil,difícil é interpretar esse amor universal,e amar de uma forma incondicional.
Amor,esse sentimento nobre que vem da alma e que engrandece o nosso espírito,vem da grandeza de Deus,da sua sabedoria,cabe todos nós execitá-lo para sermos merecedores da
sua bondade.A todo momento estamos sendo colocado a prova pelo nosso pai,se verdadeira-
-mente estamos exercitando este amor verdadeiro.
fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 08 de Maio de 2012, 17:22
Boa tarde a todos,
Deixando um breve comentário sobre o tema direi que:

Não há amor sem vivência do perdão, como alguém já o disse e alguém já o escreveu.
A mensagem de Jesus é sublime, o estudo do Espiritismo, desoprime e consola.

Poderemos no entanto falar  dessa Lei do amor sem nos trairmos!

Podemos vivenciá-la de uma forma ou de outra mas como seres imperfeitos que ainda somos muito temos que aprender sofrendo e fazendo sofrer.

Mas tem a fé e é ela que nos dá esse força. “A Luz que dissolve as trevas” como escreveu Emmanuel em psicografia de Francisco Cândido Xavier

E tem a oração

A prática do bem, simples e infatigável pode modificar a rota do destino, de vez que o pensamento claro e correto, com ação edificante, interfere nas funções celulares, tanto quanto nos eventos humanos, atraindo em nosso favor, por nosso reflexo melhorado e mais nobre, amparo, luz e apoio, segundo a lei do auxílio.
Francisco Cândido Xavier - Pensamento e Vida - pelo Espírito Emmanuel.
Retirado do blog de António Ramos Alves – muito Bom esse espaço.


Pai, que hoje eu possa saber fazer silêncio!
Que os maus pensamentos se calem e que os meus ouvidos sejam surdos para más palavras e maledicências.
Que os meus olhos possam apenas enxergar o bem em todas as coisas por pior que elas pareçam.
Que o meu ego se emudeça e se afaste de julgamentos e condenações.
Que a minha alma se expanda e tenha compaixão por todos os seres vivos.
Que em meu silêncio eu veja que há tempo para fazer preces pelos que já se foram.
Que eu consiga perceber cada recado Teu através das Tuas criações.
Que eu compreenda que a Tua voz é a única que me sopra a verdade nas 24 horas dos meus dias.
Que eu ouça em cada minúsculo ser a grandeza da Tua obra.
Que eu perceba nessa grandeza o quanto és desprovido de orgulho.
Pai, que hoje eu possa saber fazer silêncio!
Que eu saiba calar na hora exata e nessa hora lembrar-me de observar que na música da vida só prevalece a Tua arte...
 ...e que em meio a qualquer som Tu sempre soarás mais alto e jamais hás de calar-Te.

Silvia Schmidt
Da Obra: Preces sem Pressa


Eu espirito em evolução,
 me confesso tão imperfeita
mas capaz de aqui deixar uma mensagem que espero seja de esperança e que afinal são outros espíritos que trazem junto de nós outros,  como sendo na verdade esta uma grande comunhão dos que adoram Deus que é o Espírito,
 em espírito e verdade.
Muita paz.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Rose Ferreira em 08 de Maio de 2012, 18:53
Olá a todos
 
   Venho nesta oportunidade que me foi oferecida contribuir com os estudos deste Fórum que a todos nós recebe
Participo com um texto extraido do Livro Espírita codificado por Allan Kardec
O Evangelho Segundo O Espiritismo,com o tema; A Lei do Amor, Cap XI, item 8
instrução esta nos dada pelos Espíritos, demonstrando em suas livres expressões o compromisso maior com o nosso progresso.

Lei do Amor (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXowcWp2SllKYmo0I3dz)

A lei de amor

8. O amor resume a doutrina de Jesus toda inteira, visto que esse é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso feito. Em sua origem, o homem só tem instintos; quando mais avançado e corrompido, só tem sensações; quando instruído e depurado, tem sentimentos. E o ponto delicado do sentimento é o amor, não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior que condensa e reúne em seu ardente foco todas as aspirações e todas as revelações sobre-humanas. A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres; extingue as misérias sociais. Ditoso aquele que, ultrapassando a sua humanidade, ama com amplo amor os seus irmãos em sofrimento! ditoso aquele que ama, pois não conhece a miséria da alma, nem a do corpo. Tem ligeiros os pés e vive como que transportado, fora de si mesmo. Quando Jesus pronunciou a divina palavra -amor, os povos sobressaltaram-se e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo.

O Espiritismo a seu turno vem pronunciar uma segunda palavra do alfabeto divino. Estai atentos, pois que essa palavra ergue a lápide dos túmulos vazios, e a reencarnação, triunfando da morte, revela às criaturas deslumbradas o seu patrimônio intelectual. Já não é ao suplício que ela conduz o homem: condu-lo à conquista do seu ser, elevado e transfigurado. O sangue resgatou o Espírito e o Espírito tem hoje que resgatar da matéria o homem.

Disse eu que em seus começos o homem só instintos possuía. Mais próximo, portanto, ainda se acha do ponto de partida, do que da meta, aquele em quem predominam os instintos. A fim de avançar para a meta, tem a criatura que vencer os instintos, em proveito dos sentimentos, isto é, que aperfeiçoar estes últimos, sufocando os germes latentes da matéria. Os instintos são a germinação e os embriões do sentimento; trazem consigo o progresso, como a glande encerra em si o carvalho, e os seres menos adiantados são os que, emergindo pouco a pouco de suas crisálidas, se conservam escravizados aos instintos. O Espírito precisa ser cultivado, como um campo. Toda a riqueza futura depende do labor atual, que vos granjeará muito mais do que bens terrenos: a elevação gloriosa. E então que, compreendendo a lei de amor que liga todos os seres, buscareis nela os gozos suavíssimos da alma, prelúdios das alegrias celestes. - Lázaro. (Paris, 1862.)

...........................................................................

   Quero ao mesmo tempo participar no possível do meu alcance ,para aprender sobre este tema , sobre estas palavras,sobre esta força, com a participação dos colegas sem dúvidas.
 
Amor
 
Palavra esta que desde a minha infância intimedei-me em escrever e de vermelho no rosto jamais me ousava pronunciar...
Até hoje sou assim...um pouco apenas.
 
Esta palavra por si só as vezes me leva as lágrimas, e eu não sei explicar.
 
Não saberia fazer perguntas neste início e talvez nem embalar os estudos eu poderia,
mas recorro aos participantes tal iniciativa,tal carinho, tal atenção.
 
Ofereço a todos este  pensamento de Luiz Camões que agora encontrei.
 
Amor é um brado afeito
Que Deus no Mundo pôs e a Natureza
Para aumentar as coisas que criou.
De amor está sujeito
Tudo quanto possui a redondeza;
Nada sem este efeito se gerou.
Por ele conservou
A causa principal o Mundo amado
Donde o pai famulento foi deitado.
As coisas ele as ata e as conforma
Com O Mundo,e reforma
A matéria. Quem há que não o veja?
Quanto meu mal deseja, sempre forma.

.........

e esta frase do Cristo;


"Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai se não por mim."

Conto carinhosamente com a participação de todos.

deixo uma pergunta inicial, abrangendo justamente o titulo do tópico;

A lei do amor

Amor! Lei?
O que esta afirmação nos remete?

Abraços e avante



Olá Moises... belo texto sobre o amor.
Aos poucos vamos nos depurando e nos tornando melhores de compreensão, para sentir o verdadeiro amor.

Ofereço esta mensagem que escrevi, com a permisão, é de coração.

Alguns já ouviram-me, me sentiram, me quiseram...
Mas poucos, muito poucos sabem o que sou!
Poucos conseguem seguir minha trajetória que não é de glamour, tem dificuldades, choros,
decepções, mas as doses vem sempre acompanhadas de proteção e fortalecidas pela luz.
Essas lições lhe são caras, tenho certeza disso, um dia terá sua meta alcançada e passará
a me ver como realmente sou.
Sou... a brisa na onda do mar, quando para lá for;
Sou... o vento suave que visita o céu, desfilando por entre folhas numa tarde de calor;
Sou... a abundância dos sons misteriosos da mata, misto de pássaros que entoam hino da vida criados em forma de flor;
Sou... a emoção que visita delicadamente seu coração quando me permite pulsar estrondosamente dentro de ti;
Sou... apenas o que não compreende, mas quer muito sentir.
Não sabes por onde começar porque me quer de uma só vez, mas que tal tentar em pequenas doses para não se assustar?
Quando se entregar admitindo que necessita iniciar este construir sentirás o que Sou em Ti!
Sou apenas o que quer ser, verdadeiro SER integral, contemplando sua luz interior, comungando puro amor, numa serenidade resplandecente por onde passar.
Ofereça o melhor, doe-se e reconhecerás este caminho que me traz a ti, com desprendimento e generosidade, vivendo uma vida plena neste agora, o bem precioso que tens!!!
Paz sempre!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Graziene em 08 de Maio de 2012, 20:27
;)  Caros amigos de estudo, creio que cheguei um pouco tarde, mas nao gostaria de passar sem comentar este tema. Para mi é realmente um tema muito abrangente e importante, pois o amor sempre vem acompanhado dos outros sentimentos dos quais sao todos irmaos...a caridade, a benevolencia....a humildade...estou relendo um livro que se chama "Amor e Renuncia" psicografado por Marly Beretta Olim Marote, espirito Longínus e no capitulo 19, pagina 236, ele discorre em um trecho"...o amor nao guarda ressentimentos, nao guarda rancores, tudo esquece. E vê na pessoa amada e querida o ser mais perfeito do mundo. O amor coloca o ser amado em grande pedestal, orlado de flores e embora sejamos macerados, e nossas carnes rasgadas por espinhos, esquecemos nossas dores, afim de proporcionar a felicidade do ser querido e amado. O amor é destituído de egoísmo, de vaidade, nao tem barreiras. Como podes ver o amor material, quem é mae sofre, aniquila-se em prol do filho amado, chega a perder-se, podando as raias da razao, do raciocínio... Isto é considerado normal perante Deus; porém quando ultrapassa os limites a mae terá de responder quando inquirida. "Mae, pai o que fizestes do ser a vós confiados?". Eu creio, em meus parcos conhecimentos que o amor seja qual for, ele tem que ser acompanhado da razao...pois é com ela que poderemos dicernir o que eu posso fazer ao outro que gostaria que fizesse por mi?!  ", no meu caso sempre penso no meu semelhando, e tenho dúvidas claro como todos...e sempre tenho na minha mente esta passajem (...o amor é ser legal, conciencioso e fazer aos outros o que eu gostaria que fizessem por mim....), isso sempre é dificil para o ser humano, pois sempre estamos cobrando algo do nosso semelhando...cobramos presença, cobramos atençoes...e nunca pensamos se somos do tipo cobradores quenao fazem aquilo que cobramos nos outros...e creio que o amor resolve tudo isso.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Lisa Carvalho em 08 de Maio de 2012, 20:46
Bom dia a todos

Moises, sua referencia a Mateus 12:46-50, nos deixa muito claro, que Jesus nunca perdia uma oportunidade para transmitir seus ensinamentos, cuja visão sempre era espiritual, por esse motivo,  os que não conhecem o conjunto de seus ensinamentos, vêem em  alguns momentos contradições em suas palavras, porem basta nos reportar ao “Amar ao próximo como a si mesmo”,  para dirimirmos qualquer duvida, pois tudo que Jesus nos ensinou  se resume em uma só palavra  “Amor”.

Que assim seja!!!

Pois é!

Veja que os séculos estão passando
os milênios chegam-nos
e o Mestre não desiste de nós
Ele está sempre presente
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Lisa Carvalho em 08 de Maio de 2012, 20:50
Uma das principais leis do amor diz respeito ao fato de que ele deve ser dado sem esperar nada em troca. Quantas pessoas são capazes de continuar a amar alguém sem que sejam correspondidas?
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Lisa Carvalho em 08 de Maio de 2012, 20:53
"É claro que o ideal do amor é a reciprocidade, mas nem sempre o outro pode nos dar aquilo que esperamos dele. O ego faz com que sentimentos como a raiva, o ressentimento e o desejo de vingança substituam o amor quando este é contrariado ou deixa de existir por parte do ser amado.Mas se estivermos dispostos a mudar esta regra e guiar-nos por uma dimensão mais elevada do nosso ser, mesmo que nosso desejo pelo outro seja contrariado, podemos cultivar uma dimensão superior do amor, que consiste em querer o melhor para aquela pessoa, ainda que não seja ao nosso lado. Este é um grande desafio para aqueles que desejam sair-se vencedores na luta contra a negatividade e o egoísmo."

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 08 de Maio de 2012, 20:55
Bom dia a todos

Moisés

Você pergunta se o Amor é uma lei. Penso que nossa Humanidade já está preparada para receber as inscrições eternas que a regem e, por isso mesmo, a despeito da precariedade de nossa forma de expressão, ouso avançar um pouco sobre este assunto e dizer que o Amor não é uma lei, e, sim, uma CONQUISTA.
Aqueles que têm incrustado, como uma pedra preciosa de valor incalculável, o Amor em seu coração, já não mais sofrem as misérias a que estamos subjugados. Seus espíritos transcenderam a névoa que se faz sobre o entendimento, a compreensão e o conhecimento.

Abraços
Rogerio
Bom dia a todos

Moisés

Você pergunta se o Amor é uma lei. Penso que nossa Humanidade já está preparada para receber as inscrições eternas que a regem e, por isso mesmo, a despeito da precariedade de nossa forma de expressão, ouso avançar um pouco sobre este assunto e dizer que o Amor não é uma lei, e, sim, uma CONQUISTA.
Aqueles que têm incrustado, como uma pedra preciosa de valor incalculável, o Amor em seu coração, já não mais sofrem as misérias a que estamos subjugados. Seus espíritos transcenderam a névoa que se faz sobre o entendimento, a compreensão e o conhecimento.

Abraços
Rogerio

Olá se_vero
realmente o amor é uma conquista
sendo uma lei
Um ensinamento e
uma busca

Lembremos desta passagem do mestre ante a sua colocação de conquista

São Mateus, 13;44.

O Reino dos céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: procura em 08 de Maio de 2012, 23:09
Olá Muita Paz

O Amor é a unica Lei de Deus, tudo o resto são desdobramentos.

É algo que ainda não compreendemos e se parece com uma novelo de lã, Começa por algo muito pequeno e vai crescendo com o enrolar da fio de lã,

O Amor começa por aqueles que estão mais próximos. Qunado soubermos amar estes entes mais próximos, estamos em condições de dar outro pequeno passo, passando a englobar outros no nosso Amor, num crescendo conforme formos evoluindo espiritualmente.

Exemplo temos muitos ao longo da história da humanidade, sendo Jesus o nosso modelo maior.

Deixo de seguida um pequeno texto do livro "Pesquisa sobre o amor" do professor José Herculano Pires:

Isso nos mostra o aspecto fundamental do Amor, que o define
como a busca do outro. Se não há compromissos cruzados no
itinerário existencial do Ser e ele encontra facilmente o outro, a
existência do par é tão feliz quanto o pode ser na Terra. É o amor
inalterável que une os dois Seres como se fossem um só, vencendo
todas as dificuldades e contratempos da existência, ignorando
o fastio da rotina. Nenhum outro pode substituir qualquer dos
dois, e se um morrer o outro continuará fiel à sua memória até o
fim da vida. Vemos então que a essência do Amor é a afinidade, a
sintonia perfeita dos Seres que atingiram o mesmo grau de evolução
espiritual. Isto parece tanto mais certo quando notamos que se
aplica igualmente ao Amor do Próximo e ao Amor a Deus. O
Amor ao Próximo é difuso, abstrato, mas se concretiza e para isso
se centraliza no conceito do humano. Concebendo a Humanidade
como a espécie a que pertencemos, encontramos em cada criatura
os motivos da afinidade que nos fazem perdoar os seus defeitos e
amá-la como um reflexo de nós mesmos. O Amor a Deus provém
da idéia inata de Deus no homem, segundo a tese cartesiana, e de
nossa afinidade com esse Arquétipo Divino que também desejamos
atingir no processo de transcendência. Quando a nossa intenção
coincide, na medida relativa possível, com essa idealização
profunda da alma, a lei de adoração se manifesta em plenitude e
amamos a Deus em Espírito e Verdade. Não amamos um ídolo,
uma figura humana de Deus, mas a sua essência manifestada na
grandeza e beleza da sua obra, em que nos integramos.



Muita Paz em Cristo Jesus
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: edneisantos em 09 de Maio de 2012, 04:06
Moisés... não sei nem o que dizer, pois me acho pouco competente, raso, no que se refere o tema... Só lhe agradeço, apenas isto. Muito obrigado pelo vídeo! :)

................

PS: alguem pode me ajudar a seber Como coloco minha Foto como a de vcs ficam, ao lado dos posters?? Obrigado!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 09 de Maio de 2012, 11:26
Um bom dia  a Todos  e  continuando a meditar neste  estudo onde  o Amor  faz  todo o sentido para a vida de cada um de nós .
Gostava de  partilhar  este texto de um livros  muito bom sobre  o amor  ...... Amor  Imbatível Amor .....  onde podemos   meditar sobre o Amor  ------ Perdão
                                                           AMOR - PERDÃO
Quando vige o amor nos sentimentos, não há lugar para o ressentimento.
Não obstante, face à estrutura psicológica do ser humano, a afetividade espontânea sempre irrompe intentando crescimento, de modo a administrar as paisagens que constituem os objetivos existenciais.
Não conseguindo atingir as metas, porque se depara com a agressividade inerente ao processo de desenvolvimento intelectomoral que ainda não se pôde instalar, sente-se combatida e impelida ao recuo.
Tal ocorrência, nos indivíduos menos equipados de valores éticos, gera mal estar e choques comportamentais que se podem transformar em transtornos aflitivos.
Quando isso sucede, o ser maltratado refugia-se na mágoa, ancorando-se no desejo de desforço ou de vingança.
A injustiça de qualquer natureza é sempre  uma agressão à ordem natural que deve viger em toda a parte, especialmente no homem que, por instinto, defende-se antes de ser agredido, arma-se temendo ser assaltado, fica à espreita em atitude defensiva...
Tudo quanto lhe constitui ameaça real ou imaginária torna-se-lhe temerário e, por mecanismo de defesa, experimenta as reações fisiológicas específicas que decorrem das expectativas psicológicas.
A raiva, sob esse aspecto, é uma reação que resulta da descarga de adrenalina na corrente sangüínea, quando se está sob tensão, medo, ansiedade ou conflito defensivo.
O medo que, às vezes, a inspira, impulsiona àagressão, em cujo momento assume o comando das atitudes, assenhoreando-se da mente e da emoção.
A criatura humana, portanto, convive com esses estados emocionais que se alternam de acordo com as ocorrências, e que se podem transformar em transtornos desesperadores tais o ódio, o pânico, a mágoa enfermiça.
A mágoa ou ressentimento, segundo os estudos da Dra. Robin Kasarjian, instala-se nos sentimentos em razão do Self encontrar-se envolto por sub-personalidades, que são as qualidades morais inferiores, aquelas herdadas das experiências primárias do processo evolutivo, tais a inveja, o ciúme, a malquerença, a perversidade, a insatisfação, o medo, a raiva, a ira, o ódio, etc.
Quando alguém emite uma onda inferior — sub-personalidade — a mesma sincroniza com uma faixa equivalente que se encontra naquele contra quem é direcionada a vibração, estabelecendo-se um contato infeliz, que provoca idêntica reação.
A partir daí estabelece-se a luta com enfrentamentos contínuos, que resultam em danos para ambos os litigantes, que passam a experimentar debilidade nas suas resistências da saúde física, emocional, psíquica, econômica, social...
Naturalmente, porque a alteração do comportamento se reflete na sua existência humana.
Sentindo-se vilipendiado, ofendido, injustiçado, o outro, que se supõe vítima, acumula o morbo do ressentimento e cultiva-o, como recurso justo para descarregar o sofrimento que lhe está sendo imposto.
Essa atitude pode ser comparada à condução de “uma brasa para ser atirada no adversário que, apesar disso, enquanto não é lançada queima a mão daquele que a carrega”.
O ressentimento, por isso mesmo, é desequilíbrio da emoção, que passa a atitude infeliz, profundamente infantil, qual a de querer vingar-se, embora sofrendo os danos demorados que mantém esse estado até quando surja a oportunidade.
O amor, porém, proporciona a transformação das subpersonalidades em superpersonalidades, o que impede a sintonia com os petardos inferiores que lhes sejam disparados.
Em nossa forma de examinar a questão do ressen timento e da estrutura psicológica em torno do Self, acreditamos que, em se traçando uma horizontal, e partindo-se do fulcro em torno de um semicírculo para baixo, teríamos as sub personalidades, e, naquele que está acima da linha reta, defrontamos as superpersonalidades, mesmo que, nas pessoas violentas e mais instintivas, em forma embrionária.
Toda  vez que é gerada uma situação de antagonismo entre os indivíduos, as subpersonalidades se enfrentam, distendendo ondas de violência que encontram guarida no campo equivalente da pessoa objetivada.
Não houvesse esse registro negativo e a agressão se perderia, por faltar sintonia vibratória que facultas - se a captação psíquica.
O ressentimento, portanto, é efeito também da onda perturbadora que se fixa nos painéis da emotividade, ampliando o campo da subpersonalidade semelhante que se transforma em gerador de toxinas que terminam por perturbar e enfermar quem o acolhe.
Sob o direcionamento do amor, a subpersonalidade tende a adquirir valores que a irão transformar em sentimentos elevados — superpersonalidades — anulando, lentamente, a sombra, o lado mau do indivíduo, criando campo para o perdão.
É provável que, na primeira fase, o perdão não seja exatamente o olvidar da ofensa, apagando da memória a ocorrência desagradável e malfazeja.
Isso virá com o tempo, na medida que novas conquistas éticas forem sendo armazenadas no inconsciente, sobrepondo-se às mazelas dominantes, por fim, anulando-lhes as vibrações deletérias que são disparadas contra o adversário, ao tempo em que desintegram as resistências daquele que as emite.
Não revidar o mal pelo mal é forma de amar, concedendo o direito de ser enfermo àquele que se transforma em agressor, que se compraz em afligir e perturbar.
Nessa condição — estágio primário do processo de desenvolvimento do pensamento e da emoção — é natural que o outro pense e aja de maneira equivocada.
O amor-perdão é um ato de gentileza que a pessoa se dispensa, não se permitindo entorpecer pelos vapores angustiantes do desequilíbrio ou desarticular-se emocionalmente sob a ação dos tóxicos do ódio ressentido.
O homem maduro psicologicamente é saudável, por isso, ama-se e perdoa-se quando se surpreende em erro, pois que percebe não ser especial ou alguém irretorquível.
Compreendendo que o trabalho de elevação se dá mediante as experiências de erros e de acertos, proporciona-se tolerância, nunca porém sendo complacente com esses equívocos, a ponto de os não querer corrigir.
É atitude de sabedoria perdoar-se e perdoar, porquanto a conquista dos valores éticos é consequência natural do equilíbrio emocional, patamar de segurança para a aquisição da plenitude.
O amor é força irradiante que vence as distonias da violência vigente no primarismo humano, gerador das subpersonalidades.
Surge como expressão de simpatia que toma corpo na emoção, distendendo ondas de felicidade que envolvem o ser psicológico e se torna força dominadora a conduzir os objetivos essenciais à vida digna.
Fonte proporcionadora do perdão, confunde-se com esse, porque as fronteiras aparentes não existem em realidade, desde que um somente tem vigência quando o outro se pode expressar.
Amor é saúde que se expande, tornando-se vitalidade que sustenta os ideais, fomenta o progresso e desenvolve os valores elevados que devem caracterizar a criatura humana.
Insito em todos os seres, é a luz da alma, momentaneamente em sombra, aguardando oportunidade de esplender e expandir-se.
O amor completa o ser, auxiliando-o na auto-superação de problemas que perdem o significado ante a sua grandeza.
Enquanto viger nos sentimentos, não haverá lugar para os resíduos enfermiços das sub-personalidades, que se transformarão em claridade psicológica, avançando para os níveis superiores do sentimento, quando a auto-realização conseguirá perdoar a tudo e a todos, forma única de viver em plenitude.
Com um grande Abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Vitor Santos em 09 de Maio de 2012, 11:31
Olá amigo Moisés

Parabéns pelo tema escolhido e pela forma como o apresentaste!

O amor é a compreensão, e a aplicação à nossa vida, do principio de que todos somos igualmente importantes para Deus.

Se nós olhássemos e tratássemos todas as pessoas como sendo tão importantes como nós mesmos, independentemente de serem ou não:


A lei do amor seria a lei da Terra. A Terra seria um planeta de regeneração e nós seriamos felizes, pois a maior parte dos nossos problemas são criados por nós mesmos. 

Para avaliarmos o nosso nível moral, observemos em nós mesmos a forma como olhamos e tratamos o próximo.   

Ainda há poucos anos tivemos na Terra um exemplo de alguém que compreendia a lei do amor: Teresa de Calcutá.

Ela tratava com carinho e com as suas próprias mãos os mais pobres dos pobres, como ela dizia. Os seus haveres eram pouco mais que uma esteira, sobre a qual dormia.

Não precisamos de exigir de nós próximos tal capacidade de amar, mas, como vemos, é um exemplo que nos mostra que é possível fazer bem mais do que aquilo que fazemos. Assim os Bons espíritos nos inspirem a fé em Deus e na infinita bondade do Criador, a fé na imortalidade e individualidade da alma e a fé nas capacidades de que a natureza nos dotou. A fé é a mãe da coragem, da força, da paciência e da resignação (no que queríamos, mas não podemos alterar, na nossa vida).

bem hajam     

   
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 09 de Maio de 2012, 12:19
No capítulo 11, item 9, de "O Evangelho segundo o Espiritismo", elaborado por Allan Kardec, encontramos belíssima mensagem do Espírito Fénelon sobre o amor, como lei divina:
"O amor é de essência divina. Desde o mais elevado até o mais humilde, todos vós possuís, no fundo do coração, a centelha desse fogo sagrado.".

Como sentimento divino que é, o amor está na base de todos os ensinamentos de Jesus, que o coloca como condição básica de nossa felicidade, presente e futura. Tão importante é esse sentimento que Jesus o recomenda até para os nossos adversários e inimigos, deixando claro que Deus ama a todos indistintamente ao dizer que "faz o seu sol nascer sobre bons e maus, sobre justos e injustos".

Ao afirmar que o amor, como semente divina que todos possuímos, é encontrada em todos os seres, desde os mais primitivos até os mais espiritualizados, isso significa que esse sentimento apresenta vários níveis, conforme o grau de evolução de cada ser.

Passando por várias experiências, em múltiplas existências, esse sentimento vai se aperfeiçoando.

Analisando o amor pelo aspecto evolutivo, podemos encontrá-lo nos seguintes níveis:
1.O amor no estágio infantil.
É aquele que não cogita em amar mas sim em ser amado, ser cuidado, ser amparado. É o nível que está mais próximo do instinto de sobrevivência, dependendo de alguém que o proteja e ampare. É o que encontramos nos primeiros anos de existência das crianças. No entanto, há pessoas que atravessam toda uma existência nesse padrão evolutivo, tudo querendo receber de amores e cuidados, nada oferecendo em troca.

2.O amor no estágio egoísta.
Esse nível se confunde com o anterior. É mantido pela exagerada importância que a pessoa faz de si mesma, colocando-se como o centro das atenções. Ela ama mas, o mais importante, é o que ela sente ou deseja, e não o que a pessoa amada sente ou deseje. Infelizmente, a maioria de nós ainda apresenta esses dois níveis.

3.O amor amadurecido.
As pessoas que já atingiram esse nível colocam o outro como o ser mais importante. Já sabem compartilhar, repartir, conceder, dimensionar as necessidades daqueles a quem amam. Não se sentem diminuídos, nem humilhados, ao ceder em favor da felicidade de seus amados. Preocupam-se mais em amar do que sentirem-se amados.

Não há uma linha divisória entre esses níveis. Em nossas relações habituais, no dia a dia, seja em família, no trabalho ou na vida social, eles se confundem, conforme as situações enfrentadas ou as pessoas com quem nos relacionamos. Resta saber, portanto, qual desses três níveis é que mais nos caracteriza.

Mas ainda há um quarto nível de amor:
aquele exemplificado por Jesus. É o nível mais alto a ser atingido. Jesus era o próprio amor, amadurecido, gerando frutos, deixando sementes...Ele é a própria mensagem de amor... Esse é o nível ao qual devemos aspirar.

"O exercício do amor verdadeiro não pode cansar o coração". (Emmanuel)

Verificando na frase de Emmanuel que somente o amor verdadeiro não se cansa, isso significa que, ao nos sentirmos cansados diante de alguma situação ou alguém, precisamos analisar se o sentimento que nos move em relação a esse alguém ou a essa situação é o amor verdadeiro. Somente esse sentimento, de natureza divina, é que nos dará a coragem necessária para continuarmos em frente, até que tudo se equilibre, em nós e ao nosso redor.

O amor verdadeiro deve ser a motivação maior de nossa vida!
Nenhum outro sentimento é tão cantado e versejado! Entre tantas rimas e frases, destacaremos uma do músico e compositor Almir Sater, em um de seus sucessos mais recentes: a música "Tocando em frente". No seu refrão há um trecho que afirma: "É preciso amor pra poder pulsar". Grande verdade! O amor é isso mesmo! Uma energia que pulsa dentro de nós! E tudo que pulsa produz vibrações; e tudo o que vibra, irradia; e tudo o que irradia, atrai; e tudo o que atrai, impulsiona! Grandes verdades, tanto no aspecto moral como no filosófico e, nesse caso, inclusive no aspecto científico!

Sendo assim, analisemos se estamos colocando o amor verdadeiro em tudo o que fazemos, seja no campo familiar, como no profissional, entre amigos e colegas, na vida social...

Fonte: http://geak2002.blogspot.pt/2010/10/o-exercicio-do-amor-verdadeiro-nao-pode.html
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 09 de Maio de 2012, 14:42
Meu nobre irmão Altino,muito impotante e também esclarecedor o texto que vc postou para nós.
Motivado pela ingnorância, deixamos muitas vezes de exercitar e praticar a lei do amor,quanto
maior for a ingnorância mais difícil se torna para as pessoas praticar o amor.Quando se guarda
dentro de si,ódio,rancor,mágoa,torna-se mais dificultoso perdoar,perdão esse, tão necessário
a nossa evolução e progresso.Foi dito e nos foi ensinados que devemos perdoar,setenta vezes
sete...,mas muitos por guardar esses recentimentos não conseguem verdadeiramente perdoar.
A doutrina Espírita,sendo ela o nosso consolador,nos esclarece e nos fortalece,dando-nos   a
certeza de que devemos praticar a caridade,o perdão,a indulgência para com todos os nossos
irmãos,para tenhamos a certeza de que estamos verdadeiramente exercitando a lei do amor.
Fique na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 09 de Maio de 2012, 15:03
Bom dia a todos

O Mandamento Maior.
Fazermos aos Outros o que Queiramos Que os Outros nos Façam.
Parábola dos Credores e dos Devedores

Os fariseus, tendo sabido que ele tapara a boca dos saduceus, reuniram-se; e um deles, que era doutor da lei, para o tentar, propôs-lhe esta questão: - "Mestre, qual o mandamento maior da lei?" - Jesus respondeu: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante a esse: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. - Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos." (S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.)
Fazei aos homens tudo o que queirais que eles vos façam, pois é nisto que consistem a lei e os profetas. (Idem, cap. VII, v. 12.)
Tratai todos os homens como quereríeis que eles vos tratassem. (S. LUCAS, cap. VI, v. 31.)

O reino dos céus é comparável a um rei que quis tomar contas aos seus servidores. - Tendo começado a fazê-lo, apresentaram-lhe um que lhe devia dez mil talentos. - Mas, como não tinha meios de os pagar, mandou seu senhor que o vendessem a ele, sua mulher, seus filhos e tudo o que lhe pertencesse, para pagamento da dívida. - O servidor, lançando-se-lhe aos pés, o conjurava, dizendo: "Senhor, tem um pouco de paciência e eu te pagarei tudo." - Então, o senhor, tocado de compaixão, deixou-o ir e lhe perdoou a dívida. - Esse servidor, porém, ao sair, encontrando um de seus companheiros, que lhe devia cem dinheiros, o segurou pela goela e, quase a estrangulálo, dizia: "Paga o que me deves." - O companheiro, lançando-se aos pés, o conjurava, dizendo: "Tem um pouco de paciência e eu te pagarei tudo." - Mas o outro não quis escutá-lo; foi-se e o mandou prender, par tê-lo preso até pagar o que lhe devia.
Os outros servidores, seus companheiros, vendo o que se passava, foram, extremamente aflitos, e informaram o senhor de tudo o que acontecera. - Então, o senhor, tendo mandado vir à sua presença aquele servidor, lhe disse: "Mau servo, eu te havia perdoado tudo o que me devias, porque mo pediste. - Não estavas desde então no dever de também ter piedade do teu companheiro, como eu tivera de ti?" E o senhor, tomado de cólera, o entregou aos verdugos, para que o tivessem, até que ele pagasse tudo o que devia.
É assim que meu Pai, que está no céu, vos tratará, se não perdoardes, do fundo do coração, as faltas que vossos irmãos houverem cometido contra cada um de vós. (S. MATEUS, cap. XVIII, vv. 23 a 35.)
"Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós", é a expressão mais completa da caridade, porque resume todos os deveres do homem para com o próximo. Não podemos encontrar guia mais seguro, a tal respeito, que tomar para padrão, do que devemos fazer aos outros, aquilo que para nós desejamos. Com que direito exigiríamos dos nossos semelhantes melhor proceder, mais indulgência, mais benevolência e devotamento para conosco, do que os temos para com eles? A prática dessas máximas tende à destruição do egoísmo. Quando as adotarem para regra de conduta e para base de suas instituições, os homens compreenderão a verdadeira fraternidade e farão que entre eles reinem a paz e a justiça. Não mais haverá ódios, nem dissensões, mas, tão-somente, união, concórdia e benevolência mútua.


KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo 11. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 09 de Maio de 2012, 16:30
      Severo    (ref #76)

      Novo amigo, perfeitasua colocação; o amor é uma conquista, não vem com o correr do tempo, nem pelo esforço nosso, mas pela compreensão, q a observação de como a vida é com humanos e não humanos, eventualmente, nos traz.
...........................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 17:14
Penso irmãos, que é o amor o principio de todo o bem. O abraço fraterno é cria do amor, sê se caridoso por imenso amor, se justo é, é pelo amor que ao longo do tempo lapidou o caráter.

Logo amor deveria ter cadeira cativa enquanto disciplina desde as primeiras séries das nossas tradicionais escolas.
Abraços fraternos


Olá Mega

bilhante observação

O amor ser disciplina escolar

Gostei da idéia.

Abracemos esta idéia
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 17:15



Parabéns pelo tema Moíses.

Abraços.

Obrigado Henrique
o tema é nosso.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 17:17
Uma das principais leis do amor diz respeito ao fato de que ele deve ser dado sem esperar nada em troca. Quantas pessoas são capazes de continuar a amar alguém sem que sejam correspondidas?


Vamos dizer Lisa
que o amor é a principal lei
justamente por não caber nos espaço da barganha.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 09 de Maio de 2012, 17:25
É exatamente assim mano Moisés.
Abração,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 17:26
Meu nobre irmão Moises e demais partipantes deste estudo.Em se falando de amor,geralmente
as pessoas colocam suas posições a esse respeito tão sómente na visão do amor carnal,dei-
-xando de avaliar outras formas de amor,e também amar as outras coisas.Deus quando colo-
-cou para nós essa lei,à colocou de uma forma imperativa,condicionando o nosso progresso,e
a nossa evolução ao exercício constante dela.Como bem disse o nosso irmão Altino,falar de amor e fácil,difícil é interpretar esse amor universal,e amar de uma forma incondicional.
Amor,esse sentimento nobre que vem da alma e que engrandece o nosso espírito,vem da grandeza de Deus,da sua sabedoria,cabe todos nós execitá-lo para sermos merecedores da
sua bondade.A todo momento estamos sendo colocado a prova pelo nosso pai,se verdadeira-
-mente estamos exercitando este amor verdadeiro.
fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.


Antonio
em se tratando da nossa forma de agir ,verdadeiramente muito nos confundimos,
talvez por pouco acrediarmos nesta lei, que se realiza com a nossa ação.

Mas entendo que o Amor em nós
possibilita-nos a boa conduta em todos os campos das nossas ações...

Ficamos como posso dizer;

Ficamos embevecidos por  estarmos em sintonia com esta força Divina.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 17:30
Boa tarde a todos,
Deixando um breve comentário sobre o tema direi que:

Não há amor sem vivência do perdão, como alguém já o disse e alguém já o escreveu.
A mensagem de Jesus é sublime, o estudo do Espiritismo, desoprime e consola.

Poderemos no entanto falar  dessa Lei do amor sem nos trairmos!

Podemos vivenciá-la de uma forma ou de outra mas como seres imperfeitos que ainda somos muito temos que aprender sofrendo e fazendo sofrer.

Mas tem a fé e é ela que nos dá esse força. “A Luz que dissolve as trevas” como escreveu Emmanuel em psicografia de Francisco Cândido Xavier

E tem a oração

A prática do bem, simples e infatigável pode modificar a rota do destino, de vez que o pensamento claro e correto, com ação edificante, interfere nas funções celulares, tanto quanto nos eventos humanos, atraindo em nosso favor, por nosso reflexo melhorado e mais nobre, amparo, luz e apoio, segundo a lei do auxílio.
Francisco Cândido Xavier - Pensamento e Vida - pelo Espírito Emmanuel.
Retirado do blog de António Ramos Alves – muito Bom esse espaço.


Pai, que hoje eu possa saber fazer silêncio!
Que os maus pensamentos se calem e que os meus ouvidos sejam surdos para más palavras e maledicências.
Que os meus olhos possam apenas enxergar o bem em todas as coisas por pior que elas pareçam.
Que o meu ego se emudeça e se afaste de julgamentos e condenações.
Que a minha alma se expanda e tenha compaixão por todos os seres vivos.
Que em meu silêncio eu veja que há tempo para fazer preces pelos que já se foram.
Que eu consiga perceber cada recado Teu através das Tuas criações.
Que eu compreenda que a Tua voz é a única que me sopra a verdade nas 24 horas dos meus dias.
Que eu ouça em cada minúsculo ser a grandeza da Tua obra.
Que eu perceba nessa grandeza o quanto és desprovido de orgulho.
Pai, que hoje eu possa saber fazer silêncio!
Que eu saiba calar na hora exata e nessa hora lembrar-me de observar que na música da vida só prevalece a Tua arte...
 ...e que em meio a qualquer som Tu sempre soarás mais alto e jamais hás de calar-Te.

Silvia Schmidt
Da Obra: Preces sem Pressa


Eu espirito em evolução,
 me confesso tão imperfeita
mas capaz de aqui deixar uma mensagem que espero seja de esperança e que afinal são outros espíritos que trazem junto de nós outros,  como sendo na verdade esta uma grande comunhão dos que adoram Deus que é o Espírito,
 em espírito e verdade.
Muita paz.



Obrigado Oliva Prado por sua grandiosa contribuição

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 17:39

Olá Moises... belo texto sobre o amor.
Aos poucos vamos nos depurando e nos tornando melhores de compreensão, para sentir o verdadeiro amor.

Ofereço esta mensagem que escrevi, com a permisão, é de coração.

Alguns já ouviram-me, me sentiram, me quiseram...
Mas poucos, muito poucos sabem o que sou!
Poucos conseguem seguir minha trajetória que não é de glamour, tem dificuldades, choros,
decepções, mas as doses vem sempre acompanhadas de proteção e fortalecidas pela luz.
Essas lições lhe são caras, tenho certeza disso, um dia terá sua meta alcançada e passará
a me ver como realmente sou.
Sou... a brisa na onda do mar, quando para lá for;
Sou... o vento suave que visita o céu, desfilando por entre folhas numa tarde de calor;
Sou... a abundância dos sons misteriosos da mata, misto de pássaros que entoam hino da vida criados em forma de flor;
Sou... a emoção que visita delicadamente seu coração quando me permite pulsar estrondosamente dentro de ti;
Sou... apenas o que não compreende, mas quer muito sentir.
Não sabes por onde começar porque me quer de uma só vez, mas que tal tentar em pequenas doses para não se assustar?
Quando se entregar admitindo que necessita iniciar este construir sentirás o que Sou em Ti!
Sou apenas o que quer ser, verdadeiro SER integral, contemplando sua luz interior, comungando puro amor, numa serenidade resplandecente por onde passar.
Ofereça o melhor, doe-se e reconhecerás este caminho que me traz a ti, com desprendimento e generosidade, vivendo uma vida plena neste agora, o bem precioso que tens!!!
Paz sempre!


Olá Rose Ferreira
Muito bonito o que escreveste

Por gentileza
este espaço é de todos nós

e ensina-nos a refletir como expuseste a sua reflexão

abraços

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 17:57
Citar
Graziene 
Caros amigos de estudo, creio que cheguei um pouco tarde, mas nao gostaria de passar sem comentar este tema. Para mi é realmente um tema muito abrangente e importante, pois o amor sempre vem acompanhado dos outros sentimentos dos quais sao todos irmaos...a caridade, a benevolencia....a humildade...


sem dúvidas Graziane
a abrangência deste tema é insuperável em alcance
envolve tudo o que existe , existiu e existirá

Citar
estou relendo um livro que se chama "Amor e Renuncia" psicografado por Marly Beretta Olim Marote, espirito Longínus e no capitulo 19, pagina 236, ele discorre em um trecho"...o amor nao guarda ressentimentos, nao guarda rancores, tudo esquece.
E vê na pessoa amada e querida o ser mais perfeito do mundo. O amor coloca o ser amado em grande pedestal, orlado de flores e embora sejamos macerados, e nossas carnes rasgadas por espinhos, esquecemos nossas dores, afim de proporcionar a felicidade do ser querido e amado. O amor é destituído de egoísmo, de vaidade, nao tem barreiras. Como podes ver o amor material, quem é mãe sofre, aniquila-se em prol do filho amado, chega a perder-se, podando as raias da razao, do raciocínio... Isto é considerado normal perante Deus; porém quando ultrapassa os limites a mae terá de responder quando inquirida. "Mae, pai o que fizestes do ser a vós confiados?". Eu creio, em meus parcos conhecimentos que o amor seja qual for, ele tem que ser acompanhado da razãoo...

Não resta duvidas que as nossas ações devem ser todas ponderadas
tems que avaliar sempre as nossas atitudes.

Citar
pois é com ela que poderemos dicernir o que eu posso fazer ao outro que gostaria que fizesse por mim?!  ",

relembra-nos o mandamento cristão
a regra de ouro.
Citar
no meu caso sempre penso no meu semelhando, e tenho dúvidas claro como todos...e sempre tenho na minha mente esta passajem (...o amor é ser legal, conciencioso e fazer aos outros o que eu gostaria que fizessem por mim....), isso sempre é dificil para o ser humano, pois sempre estamos cobrando algo do nosso semelhando...cobramos presença, cobramos atençoes...e nunca pensamos se somos do tipo cobradores quenao fazem aquilo que cobramos nos outros...e creio que o amor resolve tudo isso.

sempre é bom pensamor os dois lados
penso assim também

creio que esta reflexão, ou melhor, esta maneira de pensra
é o "senso de justiça" que está dispertando em nós.

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 18:31
"É claro que o ideal do amor é a reciprocidade, mas nem sempre o outro pode nos dar aquilo que esperamos dele. O ego faz com que sentimentos como a raiva, o ressentimento e o desejo de vingança substituam o amor quando este é contrariado ou deixa de existir por parte do ser amado.Mas se estivermos dispostos a mudar esta regra e guiar-nos por uma dimensão mais elevada do nosso ser, mesmo que nosso desejo pelo outro seja contrariado, podemos cultivar uma dimensão superior do amor, que consiste em querer o melhor para aquela pessoa, ainda que não seja ao nosso lado. Este é um grande desafio para aqueles que desejam sair-se vencedores na luta contra a negatividade e o egoísmo."



sem dúvidas Lisa
boa observação

muitas vezes nem o mundo pode nos dar o que esperamos do mundo.
é como se ele tive um limite, um teto, uma cota

Mas
confiemos sempre ...há uma providência
há o Cristo
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 18:33
Olá Muita Paz

O Amor é a unica Lei de Deus, tudo o resto são desdobramentos.

É algo que ainda não compreendemos e se parece com uma novelo de lã, Começa por algo muito pequeno e vai crescendo com o enrolar da fio de lã,

O Amor começa por aqueles que estão mais próximos. Qunado soubermos amar estes entes mais próximos, estamos em condições de dar outro pequeno passo, passando a englobar outros no nosso Amor, num crescendo conforme formos evoluindo espiritualmente.

Exemplo temos muitos ao longo da história da humanidade, sendo Jesus o nosso modelo maior.

Deixo de seguida um pequeno texto do livro "Pesquisa sobre o amor" do professor José Herculano Pires:

Isso nos mostra o aspecto fundamental do Amor, que o define
como a busca do outro. Se não há compromissos cruzados no
itinerário existencial do Ser e ele encontra facilmente o outro, a
existência do par é tão feliz quanto o pode ser na Terra. É o amor
inalterável que une os dois Seres como se fossem um só, vencendo
todas as dificuldades e contratempos da existência, ignorando
o fastio da rotina. Nenhum outro pode substituir qualquer dos
dois, e se um morrer o outro continuará fiel à sua memória até o
fim da vida. Vemos então que a essência do Amor é a afinidade, a
sintonia perfeita dos Seres que atingiram o mesmo grau de evolução
espiritual. Isto parece tanto mais certo quando notamos que se
aplica igualmente ao Amor do Próximo e ao Amor a Deus. O
Amor ao Próximo é difuso, abstrato, mas se concretiza e para isso
se centraliza no conceito do humano. Concebendo a Humanidade
como a espécie a que pertencemos, encontramos em cada criatura
os motivos da afinidade que nos fazem perdoar os seus defeitos e
amá-la como um reflexo de nós mesmos. O Amor a Deus provém
da idéia inata de Deus no homem, segundo a tese cartesiana, e de
nossa afinidade com esse Arquétipo Divino que também desejamos
atingir no processo de transcendência. Quando a nossa intenção
coincide, na medida relativa possível, com essa idealização
profunda da alma, a lei de adoração se manifesta em plenitude e
amamos a Deus em Espírito e Verdade. Não amamos um ídolo,
uma figura humana de Deus, mas a sua essência manifestada na
grandeza e beleza da sua obra, em que nos integramos.



Muita Paz em Cristo Jesus

Obrigado Procura
muito bom trazer "Herculano" para este circulo de aprendizado

como diz o Cristo

Procura e encontarás

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 18:38
Moisés... não sei nem o que dizer, pois me acho pouco competente, raso, no que se refere o tema... Só lhe agradeço, apenas isto. Muito obrigado pelo vídeo! :)

................

PS: alguem pode me ajudar a seber Como coloco minha Foto como a de vcs ficam, ao lado dos posters?? Obrigado!

Ollá Ednei

O tema pertence ao Fórum
e é um assunto nosso
pertence a nós

e em suas palavras há algo de fundamental
que jamais poderemos esquecer

A gratidão
A gratidão como hábito, como costume, como vestimenta, com alimento...

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 09 de Maio de 2012, 19:54
"Ainda que eu falasse a lingua dos homens, e a lingua dos anjos, sem amor eu nada seria".
Acho essa frase muito interessante e perfeitamente adequada para esse tópico, pois tenho visto muito se falar em pesquisa, ciência, confirmação e conceitos similares.
Não que discorde desses conceitos, muito pelo contrário, acho que a ciência e a filosofia são o grande diferencial da Doutrina Espirita.
Mas como o irmão moises citou em algum post, acho que esta na hora de estudarmos a Doutrina do Evangelho.
Trabalhei durante 7 anos em uma isntituição de pesquisa, com alguns dos pesquisadores mais bem conceituados das suas areas não apenas no Brasil, mas no mundo. Todos doutores, alguns com doutorado no exterior.
Entretanto presenciei doutoras discutindo, quase brigando por um drive de computador.
Agredindo colegas verbalmente, com ofensas, intrigas e até calunias, tentando prejudicar profissionais sérios e trabalhadores, apenas por birra ou vaidade.
Costumava dizer que sabiam tudo sobre "a asa azul da borboleta amarela", mas estudaram tanto que esqueceram de ser gente.
Enterraram-se tanto em suas pesquisas cientificas que esqueceram de amar.
Amar na forma mais simples que é um bom dia, um boa tarde, como está.
Amar na forma de respeitar os colegas que desempenham funções consideradas menos nobres, mas sem as quais suas "maravilhosas" pesquisas não aconteceriam.
"Ainda que eu falasse a lingua dos homens..."
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 20:18
Um bom dia  a Todos  e  continuando a meditar neste  estudo onde  o Amor  faz  todo o sentido para a vida de cada um de nós .
Gostava de  partilhar  este texto de um livros  muito bom sobre  o amor  ...... Amor  Imbatível Amor .....  onde podemos   meditar sobre o Amor  ------ Perdão
                                                           AMOR - PERDÃO
Quando vige o amor nos sentimentos, não há lugar para o ressentimento.
Não obstante, face à estrutura psicológica do ser humano, a afetividade espontânea sempre irrompe intentando crescimento, de modo a administrar as paisagens que constituem os objetivos existenciais.
Não conseguindo atingir as metas, porque se depara com a agressividade inerente ao processo de desenvolvimento intelectomoral que ainda não se pôde instalar, sente-se combatida e impelida ao recuo.
Tal ocorrência, nos indivíduos menos equipados de valores éticos, gera mal estar e choques comportamentais que se podem transformar em transtornos aflitivos.
Quando isso sucede, o ser maltratado refugia-se na mágoa, ancorando-se no desejo de desforço ou de vingança.
A injustiça de qualquer natureza é sempre  uma agressão à ordem natural que deve viger em toda a parte, especialmente no homem que, por instinto, defende-se antes de ser agredido, arma-se temendo ser assaltado, fica à espreita em atitude defensiva...
Tudo quanto lhe constitui ameaça real ou imaginária torna-se-lhe temerário e, por mecanismo de defesa, experimenta as reações fisiológicas específicas que decorrem das expectativas psicológicas.
A raiva, sob esse aspecto, é uma reação que resulta da descarga de adrenalina na corrente sangüínea, quando se está sob tensão, medo, ansiedade ou conflito defensivo.
O medo que, às vezes, a inspira, impulsiona àagressão, em cujo momento assume o comando das atitudes, assenhoreando-se da mente e da emoção.
A criatura humana, portanto, convive com esses estados emocionais que se alternam de acordo com as ocorrências, e que se podem transformar em transtornos desesperadores tais o ódio, o pânico, a mágoa enfermiça.
A mágoa ou ressentimento, segundo os estudos da Dra. Robin Kasarjian, instala-se nos sentimentos em razão do Self encontrar-se envolto por sub-personalidades, que são as qualidades morais inferiores, aquelas herdadas das experiências primárias do processo evolutivo, tais a inveja, o ciúme, a malquerença, a perversidade, a insatisfação, o medo, a raiva, a ira, o ódio, etc.
Quando alguém emite uma onda inferior — sub-personalidade — a mesma sincroniza com uma faixa equivalente que se encontra naquele contra quem é direcionada a vibração, estabelecendo-se um contato infeliz, que provoca idêntica reação.
A partir daí estabelece-se a luta com enfrentamentos contínuos, que resultam em danos para ambos os litigantes, que passam a experimentar debilidade nas suas resistências da saúde física, emocional, psíquica, econômica, social...
Naturalmente, porque a alteração do comportamento se reflete na sua existência humana.
Sentindo-se vilipendiado, ofendido, injustiçado, o outro, que se supõe vítima, acumula o morbo do ressentimento e cultiva-o, como recurso justo para descarregar o sofrimento que lhe está sendo imposto.
Essa atitude pode ser comparada à condução de “uma brasa para ser atirada no adversário que, apesar disso, enquanto não é lançada queima a mão daquele que a carrega”.
O ressentimento, por isso mesmo, é desequilíbrio da emoção, que passa a atitude infeliz, profundamente infantil, qual a de querer vingar-se, embora sofrendo os danos demorados que mantém esse estado até quando surja a oportunidade.
O amor, porém, proporciona a transformação das subpersonalidades em superpersonalidades, o que impede a sintonia com os petardos inferiores que lhes sejam disparados.
Em nossa forma de examinar a questão do ressen timento e da estrutura psicológica em torno do Self, acreditamos que, em se traçando uma horizontal, e partindo-se do fulcro em torno de um semicírculo para baixo, teríamos as sub personalidades, e, naquele que está acima da linha reta, defrontamos as superpersonalidades, mesmo que, nas pessoas violentas e mais instintivas, em forma embrionária.
Toda  vez que é gerada uma situação de antagonismo entre os indivíduos, as subpersonalidades se enfrentam, distendendo ondas de violência que encontram guarida no campo equivalente da pessoa objetivada.
Não houvesse esse registro negativo e a agressão se perderia, por faltar sintonia vibratória que facultas - se a captação psíquica.
O ressentimento, portanto, é efeito também da onda perturbadora que se fixa nos painéis da emotividade, ampliando o campo da subpersonalidade semelhante que se transforma em gerador de toxinas que terminam por perturbar e enfermar quem o acolhe.
Sob o direcionamento do amor, a subpersonalidade tende a adquirir valores que a irão transformar em sentimentos elevados — superpersonalidades — anulando, lentamente, a sombra, o lado mau do indivíduo, criando campo para o perdão.
É provável que, na primeira fase, o perdão não seja exatamente o olvidar da ofensa, apagando da memória a ocorrência desagradável e malfazeja.
Isso virá com o tempo, na medida que novas conquistas éticas forem sendo armazenadas no inconsciente, sobrepondo-se às mazelas dominantes, por fim, anulando-lhes as vibrações deletérias que são disparadas contra o adversário, ao tempo em que desintegram as resistências daquele que as emite.
Não revidar o mal pelo mal é forma de amar, concedendo o direito de ser enfermo àquele que se transforma em agressor, que se compraz em afligir e perturbar.
Nessa condição — estágio primário do processo de desenvolvimento do pensamento e da emoção — é natural que o outro pense e aja de maneira equivocada.
O amor-perdão é um ato de gentileza que a pessoa se dispensa, não se permitindo entorpecer pelos vapores angustiantes do desequilíbrio ou desarticular-se emocionalmente sob a ação dos tóxicos do ódio ressentido.
O homem maduro psicologicamente é saudável, por isso, ama-se e perdoa-se quando se surpreende em erro, pois que percebe não ser especial ou alguém irretorquível.
Compreendendo que o trabalho de elevação se dá mediante as experiências de erros e de acertos, proporciona-se tolerância, nunca porém sendo complacente com esses equívocos, a ponto de os não querer corrigir.
É atitude de sabedoria perdoar-se e perdoar, porquanto a conquista dos valores éticos é consequência natural do equilíbrio emocional, patamar de segurança para a aquisição da plenitude.
O amor é força irradiante que vence as distonias da violência vigente no primarismo humano, gerador das subpersonalidades.
Surge como expressão de simpatia que toma corpo na emoção, distendendo ondas de felicidade que envolvem o ser psicológico e se torna força dominadora a conduzir os objetivos essenciais à vida digna.
Fonte proporcionadora do perdão, confunde-se com esse, porque as fronteiras aparentes não existem em realidade, desde que um somente tem vigência quando o outro se pode expressar.
Amor é saúde que se expande, tornando-se vitalidade que sustenta os ideais, fomenta o progresso e desenvolve os valores elevados que devem caracterizar a criatura humana.
Insito em todos os seres, é a luz da alma, momentaneamente em sombra, aguardando oportunidade de esplender e expandir-se.
O amor completa o ser, auxiliando-o na auto-superação de problemas que perdem o significado ante a sua grandeza.
Enquanto viger nos sentimentos, não haverá lugar para os resíduos enfermiços das sub-personalidades, que se transformarão em claridade psicológica, avançando para os níveis superiores do sentimento, quando a auto-realização conseguirá perdoar a tudo e a todos, forma única de viver em plenitude.
Com um grande Abraço de muita paz
Manuel Altino

Manuel Altino

Devemos estudar este texto muitas vezes
e refletir profundamente nas instruções contidas em suas linhas

Tão importante que ele é.

abraços

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 20:20
Olá amigo Moisés

Parabéns pelo tema escolhido e pela forma como o apresentaste!

O amor é a compreensão, e a aplicação à nossa vida, do principio de que todos somos igualmente importantes para Deus.

Se nós olhássemos e tratássemos todas as pessoas como sendo tão importantes como nós mesmos, independentemente de serem ou não:

  • Da nossa família
  • Da mesma cor de pele 
  • Do mesmo sexo 
  • Da mesma opção sexual 
  • Da mesma opção politica 
  • Do mesmo clube desportivo 
  • Do mesmo nível económico 
  • etc. 

A lei do amor seria a lei da Terra. A Terra seria um planeta de regeneração e nós seriamos felizes, pois a maior parte dos nossos problemas são criados por nós mesmos. 

Para avaliarmos o nosso nível moral, observemos em nós mesmos a forma como olhamos e tratamos o próximo.   

Ainda há poucos anos tivemos na Terra um exemplo de alguém que compreendia a lei do amor: Teresa de Calcutá.

Ela tratava com carinho e com as suas próprias mãos os mais pobres dos pobres, como ela dizia. Os seus haveres eram pouco mais que uma esteira, sobre a qual dormia.

Não precisamos de exigir de nós próximos tal capacidade de amar, mas, como vemos, é um exemplo que nos mostra que é possível fazer bem mais do que aquilo que fazemos. Assim os Bons espíritos nos inspirem a fé em Deus e na infinita bondade do Criador, a fé na imortalidade e individualidade da alma e a fé nas capacidades de que a natureza nos dotou. A fé é a mãe da coragem, da força, da paciência e da resignação (no que queríamos, mas não podemos alterar, na nossa vida).

bem hajam     

   

Vitor Santos

uma das vozes mais ponderadas e sensatas deste Fórum

bela contrubuição

abração
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 20:24

"O exercício do amor verdadeiro não pode cansar o coração". (Emmanuel)

Verificando na frase de Emmanuel que somente o amor verdadeiro não se cansa, isso significa que, ao nos sentirmos cansados diante de alguma situação ou alguém, precisamos analisar se o sentimento que nos move em relação a esse alguém ou a essa situação é o amor verdadeiro. Somente esse sentimento, de natureza divina, é que nos dará a coragem necessária para continuarmos em frente, até que tudo se equilibre, em nós e ao nosso redor.

O amor verdadeiro deve ser a motivação maior de nossa vida!
Nenhum outro sentimento é tão cantado e versejado! Entre tantas rimas e frases, destacaremos uma do músico e compositor Almir Sater, em um de seus sucessos mais recentes:
a música "Tocando em frente". No seu refrão há um trecho que afirma:
 "É preciso amor pra poder pulsar".
Grande verdade!
O amor é isso mesmo!
Uma energia que pulsa dentro de nós!
E tudo que pulsa produz vibrações; e tudo o que vibra, irradia;
 e tudo o que irradia, atrai; e tudo o que atrai, impulsiona! Grandes verdades, tanto no aspecto moral como no filosófico e, nesse caso, inclusive no aspecto científico!

Sendo assim, analisemos se estamos colocando o amor verdadeiro em tudo o que fazemos, seja no campo familiar, como no profissional, entre amigos e colegas, na vida social...

valeu Anne

abração
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 20:27
ken

Obrigado por mais um texto

e os provindo da fonte do Evangelho tem sabor especial

Pois é a voz do CRisto
que ecoa a nós,
rompendo tempo e espaço.

valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 20:35
"Ainda que eu falasse a lingua dos homens, e a lingua dos anjos, sem amor eu nada seria".
Acho essa frase muito interessante e perfeitamente adequada para esse tópico, pois tenho visto muito se falar em pesquisa, ciência, confirmação e conceitos similares.
Não que discorde desses conceitos, muito pelo contrário, acho que a ciência e a filosofia são o grande diferencial da Doutrina Espirita.
Mas como o irmão moises citou em algum post, acho que esta na hora de estudarmos a Doutrina do Evangelho.
Trabalhei durante 7 anos em uma isntituição de pesquisa, com alguns dos pesquisadores mais bem conceituados das suas areas não apenas no Brasil, mas no mundo. Todos doutores, alguns com doutorado no exterior.
Entretanto presenciei doutoras discutindo, quase brigando por um drive de computador.
Agredindo colegas verbalmente, com ofensas, intrigas e até calunias, tentando prejudicar profissionais sérios e trabalhadores, apenas por birra ou vaidade.
Costumava dizer que sabiam tudo sobre "a asa azul da borboleta amarela", mas estudaram tanto que esqueceram de ser gente.
Enterraram-se tanto em suas pesquisas cientificas que esqueceram de amar.
Amar na forma mais simples que é um bom dia, um boa tarde, como está.
Amar na forma de respeitar os colegas que desempenham funções consideradas menos nobres, mas sem as quais suas "maravilhosas" pesquisas não aconteceriam.
"Ainda que eu falasse a lingua dos homens..."



Gustavo

sabe!

Não precisamos dizer-te o quanto és grande

Precisamos sim é continuar ouvindo sempre destas grandezas ditas acima.
Aproveitando suas colocações

Já nos dizia uma escritora

" Enganam-se os Homens que pensam que é fácil ser Simples"

parece-me que é Clarice Lispector

Avance sempre

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 09 de Maio de 2012, 21:07
Caro Moises.
Obrigado pela generosidade do irmão.
Esses anos que trabalhei nessa instituição aprendi, não sem um pouco de sofrimento, alguns valores fundamentais.
Exercitei a paciência, a tolerância, a compreensão.
"De que adianta conquistar o mundo, se perder sua alma..."
Acho fundamental o estudo da DE, compreender, pesquisar, ler muito, mas se nãoconseguirmos colocar em pratica aquilo que citei, do amor fraternal, de que adianta tanto conhecimento.
Se nosso conhecimento não puder ajudar nossos irmãos a crescerem, seremos como o servo mau e preguiçoso que enterrou seu talento.
Amar tambem e fundamentalmente é auxiliar nossos irmãos nessa caminhada.
Nem que seja apenas compreendendo-os na lentidão de sua marcha.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 09 de Maio de 2012, 22:33
Jesus recomendou que o amor deve ser a pedra angular de todas as construções. Considerou-o como o mandamento maior e sintetizou toda a Lei e os profetas no amor a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

Nessa diretriz de aspecto tríplice estão presentes todas as realizações humanas, suas ambições e metas.

O amor a Deus significa o respeito e a ação preservadora da vida em todas as suas expressões, tornando-se o ser parte integrante d’Ele, consciente do conjunto cósmico.

A responsabilidade perante a Natureza, não a agredindo nem a vilipendiando, antes contribuindo para o seu desenvolvimento e harmonia, expressa o amor que contribui para a obra divina, homenageando-lhe o Autor.

O amor ao próximo é conseqüência daquele que se dedica ao Genitor, demonstrando a fraternidade que a todos deve unir, por Lhe serem filhos diletos que marcham de retorno ao Seu seio.
Sem este sentimento para com o seu irmão, eis que se desnorteia na solidão e enfraquece-se, descoroçoando-se nas atividades iluminativas.

O amor a si mesmo sem a paixão ególatra eleva-o à culminância da plenitude, auxiliando-o no desenvolvimento dos ignorados tesouros que lhe jazem adormecidos.

Esse amor se manifesta como forma de preservar e dignificar a existência física, harmonizando-se com o conjunto geral, tornando- se um pólo de irradiação de alegria, paz e bem-estar que a todos impregna.

Observa se te encontras na condição de cumpridor da recomendação do Mestre. Nessa síntese perfeita defrontas todas as necessidades para a tua atual existência e a solução para todos os teus problemas.
Avalia com serenidade a tua conduta em relação a Deus, ao próximo e a ti mesmo.

Caso te encontres em falta com algum dos postulados da tríade superior, propõe-te em corrigir a deficiência, em alterar a conduta para a plenificação.

Certamente descobrirás a necessidade de amar o Pai Celeste e o próximo conforme as tuas possibilidades. No entanto, tens restrições ou paixões com referência a ti mesmo.

Em uns períodos detestas-te, enquanto que noutros justificaste, confessando-te vítima dos outros.

Necessário que te ames com retidão.

Dedica-te à meditação salutar em torno das tuas deficiências, para corrigi-las, e dos teus valores, para ampliá-los. Usa de severidade sem crueza e de amor sem pieguismo, para te colocares em rota de equilíbrio, de crescimento.

Amar-se é maneira de aprimorar-se em espírito, em emoção e em corpo. Sem nenhum desprezo por qualquer componente do conjunto harmônico que és, ama-te, lutando com tenacidade para te superares cada dia mais, estabelecendo novas diretrizes e alvos promissores que lograrás, sendo generoso, ativo e perseverante no bem, em relação a ti mesmo.

Do Livro: Momentos de Saúde.
Ditado por Joanna de Ângelis, psicografado por Divaldo Pereira Franco
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 22:43
Caro Moises.
Obrigado pela generosidade do irmão.
Esses anos que trabalhei nessa instituição aprendi, não sem um pouco de sofrimento, alguns valores fundamentais.
Exercitei a paciência, a tolerância, a compreensão.
"De que adianta conquistar o mundo, se perder sua alma..."
Acho fundamental o estudo da DE, compreender, pesquisar, ler muito, mas se nãoconseguirmos colocar em pratica aquilo que citei, do amor fraternal, de que adianta tanto conhecimento.
Se nosso conhecimento não puder ajudar nossos irmãos a crescerem, seremos como o servo mau e preguiçoso que enterrou seu talento.
Amar tambem e fundamentalmente é auxiliar nossos irmãos nessa caminhada.
Nem que seja apenas compreendendo-os na lentidão de sua marcha.

Pois é Gustavo

Este Mundo imensurável que nos rodeia e que representa ao mesmo tempo apenas o "mundo" que alcançamos dele.
Este Mundo que nos serve de morada, mas ao mesmo tempo o usamos como motivo de queda...e também degrau a glória

Nada como dividir as lições do bem, aprendidas no bem, bem que praticamos em conjunto com o bem que recebemos.

Avancemos

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 09 de Maio de 2012, 22:46
Jesus recomendou que o amor deve ser a pedra angular de todas as construções. Considerou-o como o mandamento maior e sintetizou toda a Lei e os profetas no amor a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

Nessa diretriz de aspecto tríplice estão presentes todas as realizações humanas, suas ambições e metas.

O amor a Deus significa o respeito e a ação preservadora da vida em todas as suas expressões, tornando-se o ser parte integrante d’Ele, consciente do conjunto cósmico.

A responsabilidade perante a Natureza, não a agredindo nem a vilipendiando, antes contribuindo para o seu desenvolvimento e harmonia, expressa o amor que contribui para a obra divina, homenageando-lhe o Autor.

O amor ao próximo é conseqüência daquele que se dedica ao Genitor, demonstrando a fraternidade que a todos deve unir, por Lhe serem filhos diletos que marcham de retorno ao Seu seio.
Sem este sentimento para com o seu irmão, eis que se desnorteia na solidão e enfraquece-se, descoroçoando-se nas atividades iluminativas.

O amor a si mesmo sem a paixão ególatra eleva-o à culminância da plenitude, auxiliando-o no desenvolvimento dos ignorados tesouros que lhe jazem adormecidos.

Esse amor se manifesta como forma de preservar e dignificar a existência física, harmonizando-se com o conjunto geral, tornando- se um pólo de irradiação de alegria, paz e bem-estar que a todos impregna.

Observa se te encontras na condição de cumpridor da recomendação do Mestre. Nessa síntese perfeita defrontas todas as necessidades para a tua atual existência e a solução para todos os teus problemas.
Avalia com serenidade a tua conduta em relação a Deus, ao próximo e a ti mesmo.

Caso te encontres em falta com algum dos postulados da tríade superior, propõe-te em corrigir a deficiência, em alterar a conduta para a plenificação.

Certamente descobrirás a necessidade de amar o Pai Celeste e o próximo conforme as tuas possibilidades. No entanto, tens restrições ou paixões com referência a ti mesmo.

Em uns períodos detestas-te, enquanto que noutros justificaste, confessando-te vítima dos outros.

Necessário que te ames com retidão.

Dedica-te à meditação salutar em torno das tuas deficiências, para corrigi-las, e dos teus valores, para ampliá-los. Usa de severidade sem crueza e de amor sem pieguismo, para te colocares em rota de equilíbrio, de crescimento.

Amar-se é maneira de aprimorar-se em espírito, em emoção e em corpo. Sem nenhum desprezo por qualquer componente do conjunto harmônico que és, ama-te, lutando com tenacidade para te superares cada dia mais, estabelecendo novas diretrizes e alvos promissores que lograrás, sendo generoso, ativo e perseverante no bem, em relação a ti mesmo.

Do Livro: Momentos de Saúde.
Ditado por Joanna de Ângelis, psicografado por Divaldo Pereira Franco


J.anne

que linda e verdadeira esta mensagem

Um tripé...um apoio verdadeiro ao nosso caminhar

Em consonância com esta, a A lei do Amor.
"Deus, o Próximo e Nós

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: zilda regina o.a. pinto em 09 de Maio de 2012, 22:49
Olá a todos
 
   Venho nesta oportunidade que me foi oferecida contribuir com os estudos deste Fórum que a todos nós recebe
Participo com um texto extraido do Livro Espírita codificado por Allan Kardec
O Evangelho Segundo O Espiritismo,com o tema; A Lei do Amor, Cap XI, item 8
instrução esta nos dada pelos Espíritos, demonstrando em suas livres expressões o compromisso maior com o nosso progresso.

Lei do Amor (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXowcWp2SllKYmo0I3dz)

A lei de amor

8. O amor resume a doutrina de Jesus toda inteira, visto que esse é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso feito. Em sua origem, o homem só tem instintos; quando mais avançado e corrompido, só tem sensações; quando instruído e depurado, tem sentimentos. E o ponto delicado do sentimento é o amor, não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior que condensa e reúne em seu ardente foco todas as aspirações e todas as revelações sobre-humanas. A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres; extingue as misérias sociais. Ditoso aquele que, ultrapassando a sua humanidade, ama com amplo amor os seus irmãos em sofrimento! ditoso aquele que ama, pois não conhece a miséria da alma, nem a do corpo. Tem ligeiros os pés e vive como que transportado, fora de si mesmo. Quando Jesus pronunciou a divina palavra -amor, os povos sobressaltaram-se e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo.

O Espiritismo a seu turno vem pronunciar uma segunda palavra do alfabeto divino. Estai atentos, pois que essa palavra ergue a lápide dos túmulos vazios, e a reencarnação, triunfando da morte, revela às criaturas deslumbradas o seu patrimônio intelectual. Já não é ao suplício que ela conduz o homem: condu-lo à conquista do seu ser, elevado e transfigurado. O sangue resgatou o Espírito e o Espírito tem hoje que resgatar da matéria o homem.

Disse eu que em seus começos o homem só instintos possuía. Mais próximo, portanto, ainda se acha do ponto de partida, do que da meta, aquele em quem predominam os instintos. A fim de avançar para a meta, tem a criatura que vencer os instintos, em proveito dos sentimentos, isto é, que aperfeiçoar estes últimos, sufocando os germes latentes da matéria. Os instintos são a germinação e os embriões do sentimento; trazem consigo o progresso, como a glande encerra em si o carvalho, e os seres menos adiantados são os que, emergindo pouco a pouco de suas crisálidas, se conservam escravizados aos instintos. O Espírito precisa ser cultivado, como um campo. Toda a riqueza futura depende do labor atual, que vos granjeará muito mais do que bens terrenos: a elevação gloriosa. E então que, compreendendo a lei de amor que liga todos os seres, buscareis nela os gozos suavíssimos da alma, prelúdios das alegrias celestes. - Lázaro. (Paris, 1862.)

...........................................................................

   Quero ao mesmo tempo participar no possível do meu alcance ,para aprender sobre este tema , sobre estas palavras,sobre esta força, com a participação dos colegas sem dúvidas.
 
Amor
 
Palavra esta que desde a minha infância intimedei-me em escrever e de vermelho no rosto jamais me ousava pronunciar...
Até hoje sou assim...um pouco apenas.
 
Esta palavra por si só as vezes me leva as lágrimas, e eu não sei explicar.
 
Não saberia fazer perguntas neste início e talvez nem embalar os estudos eu poderia,
mas recorro aos participantes tal iniciativa,tal carinho, tal atenção.
 
Ofereço a todos este  pensamento de Luiz Camões que agora encontrei.
 
Amor é um brado afeito
Que Deus no Mundo pôs e a Natureza
Para aumentar as coisas que criou.
De amor está sujeito
Tudo quanto possui a redondeza;
Nada sem este efeito se gerou.
Por ele conservou
A causa principal o Mundo amado
Donde o pai famulento foi deitado.
As coisas ele as ata e as conforma
Com O Mundo,e reforma
A matéria. Quem há que não o veja?
Quanto meu mal deseja, sempre forma.

.........

e esta frase do Cristo;


"Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai se não por mim."

Conto carinhosamente com a participação de todos.

deixo uma pergunta inicial, abrangendo justamente o titulo do tópico;

A lei do amor

Amor! Lei?
O que esta afirmação nos remete?

Abraços e avante
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 09 de Maio de 2012, 22:54
Sim Zilda, o amor é uma Lei.
Aliás uma lei tríplice, pois que como lei natural diz-se-lhe: Lei do Amor, Justiça e Caridade.
consta esta lei, entre as leis naturais.
Abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: dOM JORGE em 09 de Maio de 2012, 23:07
                                                                     VIVA JESUS!



           Boa-noite! queridos irmãos.


                  O AMOR É A FORÇA MAIS ABSTRATA E MAIS PODEROSA QUE O MUNDO POSSUI (GANDHI)


                 O Evangelista João anotou na sua magna escritura que Deus é amor. O vidente de Patmos expôs que o Divino mestre indicou um novo mandamento: “Que nos amássemos uns aos outros como Ele nos amou, pois somente assim nos reconheceríamos como discípulos do Cristo.”.(1) Nas instruções dos Benfeitores, aprendemos que o amor e a sabedoria são duas asas que nos conduzem ao pináculo da evolução. Essas alegorias são identificadas como desenvolvimento moral e avanço intelectual; ambas são imperativas ao avanço espiritual, sendo lícito, porém, ponderar a ascendência do amor sobre a ciência, uma vez que o componente intelectivo sem amor pode proporcionar abundantes perspectivas de queda, na reprodução das provas, enquanto que o progresso moral nunca será demasiado, fortalecendo a essência mais admirável das potências espirituais.
A presente geração, amputada de maiores anseios espirituais, intrinsecamente hedonista, sensual, consumista, conferindo a si mesma as mais elevadas aquisições de caráter prático na província da razão, produziu os mais extensos desequilíbrios nos cursos evolutivos do planeta, com o seu imperdoável alheamento do amor.
Diz-se que “o amor é a força mais abstrata e, também, a mais poderosa que o mundo possui”, consoante afirmou Mahatma Gandhi, e nessa confiança, o iluminado da Índia conseguiu sozinho neutralizar o ódio de milhões de compatrícios jugulados sob o tacão do império britânico.
"A natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado".(2) Alguns estudiosos pragmáticos afirmam que o "amor" é a decorrência de ajustada reação química conduzida pelo cérebro. Nos argumentos inconsistentes, os "especialistas" propõem uma análise dos sentimentos apenas como resultante de um aglomerado de forças nervosas, movimentando células físicas geridas pela combinação de substâncias neurotransmissoras. Obviamente o amor não se traduz nisso.
Até porque o amor não se deixa decifrar, repelindo toda tentativa de definição. Por isso, a poesia, campo mítico por excelência, encontra, na metáfora, a tradução melhor da paixão, como se esta fosse o amor. Nesse imbróglio, o psiquiatra William Menninger, dos EUA, vociferou: "o amor é um sentimento que a gente sente quando sente que vai sentir um sentimento que jamais sentiu".(!) (3)
 
Esse vazio conceptual deve-se à dificuldade de manifestação do amor na forma de solidariedade e fraternidade no mundo contemporâneo. A ampliação dos centros urbanos cunhou a “Era da alienação”, a síndrome da multidão solitária, das adesões afetivas frágeis. As pessoas estão lado a lado, mas suas relações são de contiguidade e brutal desconfiança.
O verdadeiro amor é o convite para banir o egoísmo. Se a pessoa for muito centrada em si, não será capaz de ouvir o apelo do próximo. É a sublimidade dos bons sentimentos dirigidos ao outro, porém, sem que haja limites ou condições para que expressemos tais sentimentos de vínculo fraterno; é o abraço, o olhar sereno, o aperto de mão, as palavras de ânimo e respeito, os ouvidos atentos para ouvir serenamente; tudo isso em função do semelhante, contudo, sem que venhamos impor ao próximo que nos recompense; e, mais ainda, que todo esse sentimento possa alcançar as pessoas, não apenas nossos consanguíneos, mas também amigos próximos e companheiros de jornada humana.
Em síntese, tudo o que possamos idealizar sobre o amor pode se consubstanciar como parcela deste sentimento, mas ele é muito maior e mais abrangente, até porque o bem-querer, a bondade, a tolerância, a alegria, a proximidade só poderão ser um fragmento do amor quando não tiverem laços no apego, na imperiosa necessidade de permuta, no egoísmo que exigem sempre condições e regras.
Em suma, o amor só será verdadeiro e incondicional quando for dilatado por todos nós, a todas as coisas e a todos os seres que nos cercam, nessa estupenda experiência humana que é a própria vida.
Jorge Hessen

http://jorghessen.net
Referência bibliográficas:
(1)           (João:13 vs 34-35)
(2)           Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed FEB , 2000, questão 938-a
(3)           Menninger, William. ABC da psiquiatria, São Paulo: Editora IBRASA, 1973






                                                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Raquel Freire em 10 de Maio de 2012, 01:00
A nossa própria existência parte do principio do amor de Deus para conosco, portanto o cerne de nosso ser é constituído de amor, não há salvação fora dele. Quem ama ao próximo faz-se caridoso,justo e afã de todas as outras peculiaridades luminosas. Partilhar deste tema é imprescindivel para que se tenha uma compreensão do ensinamento mor do mestre Jesus, que consiste essencialmente no amor, não o sensual, que nada tem haver com o qual tratamos, e sim o amor fraterno, incondicional, que parte do Alto e nos povoa a alma por completo. Do amor parte a misericórdia e o perdão, o amor dissipa qualquer treva e é por ele que alcançaremos os degraus da escada evolutiva. O nosso espiríto eleva-se e resplandece em luz devido às raízes luminosas do amor que nos implantou Deus, divino arbítro de mãos augustas.
Parabenizo-o pelo tema, espero que ele se estenda ainda mais e seja o acrescimo a muitos que vierem a contatá-lo.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Camila T Cunha em 10 de Maio de 2012, 01:26
                  A pergunta 15 do capítulo do Evangelho Amar ao Próximo como a si mesmo:
                  Um homem está em perigo de morte; para salvá-lo, é preciso expor-se a própria vida. Mas é sabido que esse homem é um malfeitor, e que, se escapar, poderá cometer novos crimes. Deve-se, apesar disso, expor-se para salvá-lo?
                 Resposta: Esta é uma questão muito grave, e que pode, naturalmente, apresentar-se ao espírito. Eu responderei segundo meu progresso moral, uma vez que se trata de saber se se deve expor sua própria vida em favor de malfeitor. O devotamente é cego: socorre-se a um inimigo, deve-se, pois, socorrer também ao inimigo da sociedade, ou seja, ao malfeitor. Credes que é apenas da morte que se irá arrancar este infeliz? Talvez seja de toda sua vida passada. Pois, de vida, o homem perdido volta-se sobre sua vida passada, ou melhor, ela se apresenta diante dele. Talvez a morte esteja chegando cedo demais para ele; a reencarnação poderá ser terrível. Lançai-vos, arrancai-o de sua condenação. Então, talvez esse homem, que morreria insultando-vos, irá atirar-se em vossos braços. Em todo caso, não é preciso que vos pergunteis se deveis ou não fazer isso: é preciso ir ao socorro dele, pois, salvando-o, obedecerei a esta voz do coração que vos diz: " Podes salvá-lo: salva-o." (Lamennais. Paris, 1862).
             Esta voz que é nossa consciência, a manifestação de Deus em nós, que devemos aprender a ouvi-la e que sempre é Amor, paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: jose galdino da silva em 10 de Maio de 2012, 02:02
Apenas gostaria de anexar o seguinte: " A caridade é a lei de amor em ação".A frase não é de minha autoria e sim uma recepção intuitiva. Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 10 de Maio de 2012, 03:48
      JAnne    (ref #11)

      A nova companheira de estudos, JAnne (JA) escreveu: Do amor decorrem todas as virtudes. Todos temos, no íntimo, essa centelha divina, cabendo-nos fazê-la germinar e desenvolver, ajustando-nos, assim, à lei de amor. Um dia, todos seremos virtuosos e, em conseqüência, felizes.

      Cel: perfeito o q a JAnne trouxe. Gostaria de, para levar os amigos a refletirem, fazer esta pergunta: “Do amor decorrem todas virtudes”, isto é, o amor é a causa de todas as virtudes, como disse a Anne, “mas o amor decorre de quê? Qual e a causa do amor?”.

      JAnne: Gostaria de propor as seguintes perguntas para o estudo:
      1 - O que faz desenvolver em nós o amor divino?

      Cel: a observação do q a vida é com humanos e não humanos; isso pode, “eventualmente” (não desenvolver o amor divino em nós, pois ele está totalmente obliterado, oculto pela carne q nos impede de conhecer a verdade q liberta, mas) trazer a compreensão q pode nos levar a entrar no caminho de conhecer o q é, verdadeiramente, o amor.
 
      2 - Qual o efeito da lei de amor para o homem?

      Cel: absoluta felicidade.

      3 - O que devemos fazer para nos ajustar à lei de amor?

      Cel: a resposta é a mesma de sua questão n. l.
 ....................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 10 de Maio de 2012, 04:03
      Igor Gon   (ref #23)

      Igor, nosso novo amigo, escreveu: AMOR é sentimento que DEUS nos concede para estarmos sempre ao seu lado e sempre em harmonia com sua criação tanto com a natureza quanto com uns com os outros, nossa missão é conserva esse sentimento sempre dentro de nos, mesmo se que por muitas vezesss e seja submetido a provas ou ate mesmo rejeitado como disse nosso querido Chico.

      Cel: novo companheiro, para refletir, apenas uma pergunta: se Deus nos concede o sentimento de amor, porq muitos o esquecem? Ou não é concedido a todos? Porq vemos tanta falta de amor em toda parte deste mundo?
..........................................

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 10 de Maio de 2012, 12:06
Olá,

O amor está enraizado no íntimo de todos os seres pensantes, esperando somente ser identificado , para realizar a meta para o qual se destina.

Gandhi afirmava que "por mais duro que alguém seja, derreterá no fogo do amor; se não derreter, é porque o fogo não é bastante forte."

"Não exige sacrifício nem qualquer imposição externa, pois que pulsa, mesmo quando ignorado , realizando o seu propósito até o momento em que vibre de beleza e harmonia, dominando as paisagens que o agasalham.... " (joanna de Ângelis/Divaldo Franco).

Muita Paz

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 14:41
                                                                     VIVA JESUS!



           Boa-noite! queridos irmãos.


                  O AMOR É A FORÇA MAIS ABSTRATA E MAIS PODEROSA QUE O MUNDO POSSUI (GANDHI)


                 O Evangelista João anotou na sua magna escritura que Deus é amor. O vidente de Patmos expôs que o Divino mestre indicou um novo mandamento: “Que nos amássemos uns aos outros como Ele nos amou, pois somente assim nos reconheceríamos como discípulos do Cristo.”.(1) Nas instruções dos Benfeitores, aprendemos que o amor e a sabedoria são duas asas que nos conduzem ao pináculo da evolução. Essas alegorias são identificadas como desenvolvimento moral e avanço intelectual; ambas são imperativas ao avanço espiritual, sendo lícito, porém, ponderar a ascendência do amor sobre a ciência, uma vez que o componente intelectivo sem amor pode proporcionar abundantes perspectivas de queda, na reprodução das provas, enquanto que o progresso moral nunca será demasiado, fortalecendo a essência mais admirável das potências espirituais.
A presente geração, amputada de maiores anseios espirituais, intrinsecamente hedonista, sensual, consumista, conferindo a si mesma as mais elevadas aquisições de caráter prático na província da razão, produziu os mais extensos desequilíbrios nos cursos evolutivos do planeta, com o seu imperdoável alheamento do amor.
Diz-se que “o amor é a força mais abstrata e, também, a mais poderosa que o mundo possui”, consoante afirmou Mahatma Gandhi, e nessa confiança, o iluminado da Índia conseguiu sozinho neutralizar o ódio de milhões de compatrícios jugulados sob o tacão do império britânico.
"A natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado".(2) Alguns estudiosos pragmáticos afirmam que o "amor" é a decorrência de ajustada reação química conduzida pelo cérebro. Nos argumentos inconsistentes, os "especialistas" propõem uma análise dos sentimentos apenas como resultante de um aglomerado de forças nervosas, movimentando células físicas geridas pela combinação de substâncias neurotransmissoras. Obviamente o amor não se traduz nisso.
Até porque o amor não se deixa decifrar, repelindo toda tentativa de definição. Por isso, a poesia, campo mítico por excelência, encontra, na metáfora, a tradução melhor da paixão, como se esta fosse o amor. Nesse imbróglio, o psiquiatra William Menninger, dos EUA, vociferou: "o amor é um sentimento que a gente sente quando sente que vai sentir um sentimento que jamais sentiu".(!) (3)
 
Esse vazio conceptual deve-se à dificuldade de manifestação do amor na forma de solidariedade e fraternidade no mundo contemporâneo. A ampliação dos centros urbanos cunhou a “Era da alienação”, a síndrome da multidão solitária, das adesões afetivas frágeis. As pessoas estão lado a lado, mas suas relações são de contiguidade e brutal desconfiança.
O verdadeiro amor é o convite para banir o egoísmo. Se a pessoa for muito centrada em si, não será capaz de ouvir o apelo do próximo. É a sublimidade dos bons sentimentos dirigidos ao outro, porém, sem que haja limites ou condições para que expressemos tais sentimentos de vínculo fraterno; é o abraço, o olhar sereno, o aperto de mão, as palavras de ânimo e respeito, os ouvidos atentos para ouvir serenamente; tudo isso em função do semelhante, contudo, sem que venhamos impor ao próximo que nos recompense; e, mais ainda, que todo esse sentimento possa alcançar as pessoas, não apenas nossos consanguíneos, mas também amigos próximos e companheiros de jornada humana.
Em síntese, tudo o que possamos idealizar sobre o amor pode se consubstanciar como parcela deste sentimento, mas ele é muito maior e mais abrangente, até porque o bem-querer, a bondade, a tolerância, a alegria, a proximidade só poderão ser um fragmento do amor quando não tiverem laços no apego, na imperiosa necessidade de permuta, no egoísmo que exigem sempre condições e regras.
Em suma, o amor só será verdadeiro e incondicional quando for dilatado por todos nós, a todas as coisas e a todos os seres que nos cercam, nessa estupenda experiência humana que é a própria vida.
Jorge Hessen

http://jorghessen.net
Referência bibliográficas:
(1)           (João:13 vs 34-35)
(2)           Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed FEB , 2000, questão 938-a
(3)           Menninger, William. ABC da psiquiatria, São Paulo: Editora IBRASA, 1973
                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!

Olá Dom Jorge!

Sou fã dos artigos deste seu xará

ele escreve muito bem
e nos sensibiliza ao mesmo tempo que nos instrui

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 14:45
A nossa própria existência parte do principio do amor de Deus para conosco, portanto o cerne de nosso ser é constituído de amor, não há salvação fora dele.
 
Quem ama ao próximo faz-se caridoso,justo e afã de todas as outras peculiaridades luminosas.

 Partilhar deste tema o amor é imprescindivel para que se tenha uma compreensão do ensinamento mor do mestre Jesus, que consiste essencialmente no amor, não o sensual, que nada tem haver com o qual tratamos, e sim o amor fraterno, incondicional, que parte do Alto e nos povoa a alma por completo.

Do amor parte a misericórdia e o perdão, o amor dissipa qualquer treva e é por ele que alcançaremos os degraus da escada evolutiva.

O nosso espiríto eleva-se e resplandece em luz devido às raízes luminosas do amor que nos implantou Deus, divino arbítro de mãos augustas.

Parabenizo-o pelo tema, espero que ele se estenda ainda mais e seja o acrescimo a muitos que vierem a contatá-lo.

Olá Raquel

Profundo são os seus pensamentos
possuis aquela sabedoria de economizar no conteúdo e esbanjar na qualidade

Parabéns!
abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 14:47
                  A pergunta 15 do capítulo do Evangelho Amar ao Próximo como a si mesmo:
                  Um homem está em perigo de morte; para salvá-lo, é preciso expor-se a própria vida. Mas é sabido que esse homem é um malfeitor, e que, se escapar, poderá cometer novos crimes. Deve-se, apesar disso, expor-se para salvá-lo?
                 Resposta: Esta é uma questão muito grave, e que pode, naturalmente, apresentar-se ao espírito. Eu responderei segundo meu progresso moral, uma vez que se trata de saber se se deve expor sua própria vida em favor de malfeitor. O devotamente é cego: socorre-se a um inimigo, deve-se, pois, socorrer também ao inimigo da sociedade, ou seja, ao malfeitor. Credes que é apenas da morte que se irá arrancar este infeliz? Talvez seja de toda sua vida passada. Pois, de vida, o homem perdido volta-se sobre sua vida passada, ou melhor, ela se apresenta diante dele. Talvez a morte esteja chegando cedo demais para ele; a reencarnação poderá ser terrível. Lançai-vos, arrancai-o de sua condenação. Então, talvez esse homem, que morreria insultando-vos, irá atirar-se em vossos braços. Em todo caso, não é preciso que vos pergunteis se deveis ou não fazer isso: é preciso ir ao socorro dele, pois, salvando-o, obedecerei a esta voz do coração que vos diz: " Podes salvá-lo: salva-o." (Lamennais. Paris, 1862).
             Esta voz que é nossa consciência, a manifestação de Deus em nós, que devemos aprender a ouvi-la e que sempre é Amor, paz.

Camila

belo texto

poderemos parafrasear em seu texto

Podes praticar a lei do amor; pratique.

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 14:49
Apenas gostaria de anexar o seguinte:

" A caridade é a lei de amor em ação".

A frase não é de minha autoria e sim uma recepção intuitiva. Abraços

Boas palavras
fortes intuições

valeu José
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 14:53
      Igor Gon   (ref #23)

      Igor, nosso novo amigo, escreveu: AMOR é sentimento que DEUS nos concede para estarmos sempre ao seu lado e sempre em harmonia com sua criação tanto com a natureza quanto com uns com os outros, nossa missão é conserva esse sentimento sempre dentro de nos, mesmo se que por muitas vezesss e seja submetido a provas ou ate mesmo rejeitado como disse nosso querido Chico.

      Cel: novo companheiro, para refletir, apenas uma pergunta: se Deus nos concede o sentimento de amor, porq muitos o esquecem? Ou não é concedido a todos? Porq vemos tanta falta de amor em toda parte deste mundo?
..........................................



Coronel

O Objetivo deste tópico nunca será a celeuma
estamos tratando do sentmento Maior e de trato Incondicional...
Esta a razão de não obter neste tópico resposta ao seu inquerimento...

A busca do amor deve ultrapassar estas pairagens que apontas...
Até por que todos contribuem opara o bem de todos


abraços

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 15:17
      JAnne    (ref #11)

      A nova companheira de estudos, JAnne (JA) escreveu: Do amor decorrem todas as virtudes. Todos temos, no íntimo, essa centelha divina, cabendo-nos fazê-la germinar e desenvolver, ajustando-nos, assim, à lei de amor. Um dia, todos seremos virtuosos e, em conseqüência, felizes.

      Cel: perfeito o q a JAnne trouxe. Gostaria de, para levar os amigos a refletirem, fazer esta pergunta: “Do amor decorrem todas virtudes”, isto é, o amor é a causa de todas as virtudes, como disse a Anne, “mas o amor decorre de quê? Qual e a causa do amor?”.

      JAnne: Gostaria de propor as seguintes perguntas para o estudo:
      1 - O que faz desenvolver em nós o amor divino?

      Cel: a observação do q a vida é com humanos e não humanos; isso pode, “eventualmente” (não desenvolver o amor divino em nós, pois ele está totalmente obliterado, oculto pela carne q nos impede de conhecer a verdade q liberta, mas) trazer a compreensão q pode nos levar a entrar no caminho de conhecer o q é, verdadeiramente, o amor.
 
      2 - Qual o efeito da lei de amor para o homem?

      Cel: absoluta felicidade.

      3 - O que devemos fazer para nos ajustar à lei de amor?



      Cel: a resposta é a mesma de sua questão n. l.
 ....................................................


Paulo o Apostolo dos Gentios

Nos assevera que o Cristo viveu em nosso meio em corpo de carne

Confiemos que a lição do Cristo nos foi ministrada neste eduncandário Terrestre
que nos serve de morada
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 15:19
Olá,

O amor está enraizado no íntimo de todos os seres pensantes, esperando somente ser identificado , para realizar a meta para o qual se destina.

Gandhi afirmava que "por mais duro que alguém seja, derreterá no fogo do amor; se não derreter, é porque o fogo não é bastante forte."

"Não exige sacrifício nem qualquer imposição externa, pois que pulsa, mesmo quando ignorado , realizando o seu propósito até o momento em que vibre de beleza e harmonia, dominando as paisagens que o agasalham.... " (joanna de Ângelis/Divaldo Franco).

Muita Paz



Obrigado Si

Pela postagem
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 10 de Maio de 2012, 15:43
Amigos voltando a  meditar mais um pouco neste  belo tema  da Lei do Amor  senti que depois  de meditar mais uma vez  neste tema  e no que  fui lendo  de todos os companheiros de estudo, vamos  então mais uma vez  meditar neste  belo texto para  vermos  que o Amor  é  a plenitude  do tudo o que  podemos ter na vida.

                                                      AMOR  DE  PLENITUDE
Em qualquer circunstância a terapia mais eficiente é amar.
O amor possui um admirável condão que proporciona felicidade, porque estimula os demais sentimentos para a conquista do Self, fazendo desabrochar os tesouros da saúde e da alegria de viver, conduzindo aos páramos da plenitude.
Ao estímulo do pensamento e conduzido pelo sentimento que se engrandece, o amor desencadeia reações físicas, descargas de adrenalina, que proporcionam o bem-estar e o desejo de viver na sua esfera de ação.
Inato no ser humano, porque procedente do Excelso Amor, pode ser considerado como razão da vida, na qual se desenvolvem as aptidões elevadas do Espírito, assinalado para a vitória sobre as paixões.
Mesmo quando irrompe asselvajado, como impulso na busca do prazer, expressa-se como forma de ascensão, mediante a qual abandona as baixadas do bruto, que nele jaz para fazer desabrochar o anjo para cuja conquista marcha.
A sua essência sutil comanda o pensamento dos heróis, a conduta dos santos, a beleza dos artistas, a inspiração dos gênios e dos sábios, a dedicação dos mártires, colocando beleza e cor nas paisagens mais ermas e sombrias que, por acaso, existam.
Pode ver um poema de esperança onde jaz a morte e a decomposição, já que ensina a lei das transformações de todas as coisas e ocorrências, abrindo espaço para que seja alcançada a meta estatuída nas Leis da Criação, que é a harmonia.
Mesmo no aparente caos, que a capacidade humana não consegue entender, encontra-se o Amor trabalhando as substâncias que o constituem, direcionando o labor no rumo da perfeição.
O homem sofre e se permite transtornos psicológicos porque ainda não se resolveu, realmente, pelo amor, que dá, que sorri de felicidade quando o ser amado é feliz, liberando-se do ego  a pouco e pouco, enquanto desenvolve o sentido de solidariedade que deve viver em tudo e em todos, contribuindo com a sua quota de esforço para a conquista da sua realidade.
Liberando-se dos instintos básicos, ainda em predomínio, o ser avança, degrau a degrau, na escada do progresso e enriquece-se de estímulos que o levam a amar sem cessar, porqüanto todas as aspirações se resumem no ato de ser quem ama.
A síntese proposta por Jesus em torno do amor, é das mais belas psicoterapias que se conhece: Amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, em uma trilogia harmônica.
Ante a impossibilidade de o homem amar a Deus em plenitude, já que tem dificuldade em conceber o Absoluto, realiza o mister, invertendo a ordem do ensinamento, amando-se de início, a fim de desenvolver as aptidões que lhe dormem em latência, esforçando-se por adquirir valores iluminativos a cada momento, crescendo na direção do amor ao próximo, decorrência natural do auto-amor, já que o outro é extensão dele mesmo, para, finalmente amar a Deus, em uma transcendência incomparável, na qual o amor predomina em todas as emoções e é o responsável por todos os atos.
Diante, portanto, de qualquer situação, é necessário amar.
Desamado, se deve amar.
Perseguido, é preciso amar.
Odiado, torna-se indispensável amar.
Algemado a qualquer paixão dissolvente, a libertação vem através do amor.
Quando se ama, se é livre.
Quando se ama, se é saudável.
Quando se ama, se desperta para a plenitude.
Quando se ama, se rompem as couraças e os anéis que envolvem o corpo, e o Espírito se movimenta produzindo vida e renovação interior.
O amor é luz na escuridão dos sentimentos tumultuados, apontando o rumo.
O amor é bênção que luariza as  dores  morais.
O amor proporciona paz.
O amor é estímulo permanente.
Somente, portanto, através do amor, é que o ser humano alcança as cumeadas da evolução, transformando as aspirações em realidades que movimenta na direção do bem geral.
O amor de plenitude é, portanto. o momento culminante do ato de amar.
Desse modo, através do amor, imbatível amor, o ser se espiritualiza e avança na direção do infinito, plenamente realizado, totalmente saudável, portanto, feliz.
Joana D” Angelis
com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ZERUELA em 10 de Maio de 2012, 16:55
Acredito que a lei de amor abarca todas as outras leis, ou seja vamos aprendendo nas reencarnações sobre paixões, emoções, sentimentos, etc.etc. e no final, se é que podemos falar em final, estaremos usufruindo do amor Divino em nós e junto com Ele, então perderemos nos evos todos as capacitações introdutórias e teremos somente o Amor, então não consigo ainda conceber o que seja o amor, não vejo nós no estágio que estamos com conhecimento suficiente para distinguí-lo, podemos sim apreciar a estrada da fraternidade, caridade, humildade etc.etc esta a estrada que nos farão prontos para o Amor.
bjs no coração de todos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 18:23
Acredito que a lei de amor abarca todas as outras leis, ou seja vamos aprendendo nas reencarnações sobre paixões, emoções, sentimentos, etc.etc. e no final, se é que podemos falar em final, estaremos usufruindo do amor Divino em nós e junto com Ele, então perderemos nos evos todos as capacitações introdutórias e teremos somente o Amor, então não consigo ainda conceber o que seja o amor, não vejo nós no estágio que estamos com conhecimento suficiente para distinguí-lo, podemos sim apreciar a estrada da fraternidade, caridade, humildade etc.etc esta a estrada que nos farão prontos para o Amor.
bjs no coração de todos.

Olá
Zé !!  (é isto mesmo seu nick?)

Gostei da sua franqueza
ela é fundamental

É bom expormos nossa posição
Obrigado pela sua

Ajuda muito a nós que lemos e refletimos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 10 de Maio de 2012, 18:27
O amor, como comumente se entende na Terra, é um sentimento, um impulso do ser, que o leva para outro ser com o desejo de unir-se a ele. Mas, na realidade, o amor reveste formas infinitas, desde as mais vulgares até as mais sublimes. Princípio da vida universal, proporciona à alma, em suas manifestações mais elevadas e puras, a intensidade de radiação que aquece e vivifica tudo em roda de si; é por ele que ela se sente estreitamente ligada ao Poder Divino, foco ardente de toda a vida, de todo o amor.

Acima de tudo, Deus é amor. Por amor, criou os seres para associá-los às suas alegrias, à sua obra. O amor é um sacrifício; Deus hauriu nele a vida para dá-la às almas. Ao mesmo tempo que a efusão vital, elas receberiam o princípio afetivo destinado a germinar e expandir-se pela provação dos séculos, até que tenham aprendido a dar-se por sua vez, isto é, a dedicar-se, a sacrificar-se pelas outras. Com este sacrifício, em vez de se amesquinharem, mais se engrandecem, enobrecem e aproximam do Foco Supremo.

O amor é uma força inexaurível, renova-se sem essar e enriquece ao mesmo tempo aquele que dá e aquele que recebe. É pelo amor, sol das almas, que Deus mais eficazmente atua no mundo. Por ele atrai para si todos os pobres eres retardados nos antros da paixão, os Espíritos cativos na matéria; eleva-os e arrasta-os na espiral da ascensão infinita para os esplendores da luz e da liberdade.

O amor conjugal, o amor materno, o amor filial ou fraterno, o amor da pátria, da raça, da Humanidade, são refrações, raios refratados do amor divino, que abrange, penetra todos os seres, e, difundindo-se neles, faz rebentar e desabrochar mil formas variadas, mil esplêndidas florescências de amor.

Até às profundidades do abismo de vida, infiltram-se as radiações do amor divino e vão acender nos seres rudimentares, pela afeição à companheira e aos filhos, as primeiras claridades que, nesse meio de goísmo feroz, serã como a aurora indecisa e a promessa de uma vida mais elevada.

É o apelo do ser ao ser, é o amor que provocará, no fundo das almas embrionárias, os primeiros rebentos do altruísmo, da piedade, da bondade. Mais acima, na escala evolutiva, entreverá o ser humano, nas primeiras felicidades, nas únicas sensações de ventura perfeita que lhe é dado gozar na Terra, sensações mais fortes e suaves que todas as alegrias físicas e conhecidas somente das almas que sabem verdadeiramente amar.

Assim, de grau em grau, sob a influência e irradiação do amor, alma desenvolver-se-á e engrandecerá, verá alargar-se o círculo de suas sensações. Lentamente, o que nela não era senão paixão, desejo carnal, ir-se-á depurando, transformando num sentimento nobre e desinteressado; a afeição a um só ou a alguns converter-se-á na afeição a todos, à família, à pátria, à Humanidade. E a alma adquirirá a plenitude de seu desenvolvimento quando for cpaz de compreender a vida celeste, que é toda amor, e a participar dela.

Léon Denis, de O problema do ser, do destino e da dor, Capítulo V.

Um abraço
J.Anne
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 18:37
Amigos voltando a  meditar mais um pouco neste  belo tema  da Lei do Amor  senti que depois  de meditar mais uma vez  neste tema  e no que  fui lendo  de todos os companheiros de estudo, vamos  então mais uma vez  meditar neste  belo texto para  vermos  que o Amor  é  a plenitude  do tudo o que  podemos ter na vida.

                                                      AMOR  DE  PLENITUDE
...Em qualquer do amor, imbatível amor, o ser se espiritualiza e avança na direção do infinito, plenamente realizado, totalmente saudável, portanto, feliz.
Joana D” Angelis
com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino

Manuel

Obrigado por mais um belo texto

Quantas dores são curadas em nós
por nós mesmo
ao lermos demorada e saborosamente cada colocação

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 18:41
Trago aqui uma "trovinha" postado pelo Moura
referendando seu amado Pai

"Ser bom, ser simples e honrado,
ter aberto o coração,
é meio caminho andado
em busca da perfeição."
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Maio de 2012, 18:45
Caro Zé.
Interessante sua postagem # 132. Acho que é por ai.
O amor verdadeiro, em sua plenitude, acho que vamos demorar a conhecer.
Mas a caridade, a fraternidade, o perdão, a compreensão, o companheirismo, o carinho, entre outras virtudes, que demonstramos e praticamos com nossos semelhantes são o veículo que nos fara acelerar o processo de compreensão e principalmente de vivência do amor.
São esses sentimentos, que compõe o verdadeiro amor. Sentimentos que devemos destinar a todos os seres humanos, nossos irmãos de jornada, mas que ainda exercitamos mais com os nossos proximos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Maio de 2012, 18:46
O amor, como comumente se entende na Terra, é um sentimento, um impulso do ser, que o leva para outro ser com o desejo de unir-se a ele. Mas, na realidade, o amor reveste formas infinitas, desde as mais vulgares até as mais sublimes. Princípio da vida universal, proporciona à alma, em suas manifestações mais elevadas e puras, a intensidade de radiação que aquece e vivifica tudo em roda de si; é por ele que ela se sente estreitamente ligada ao Poder Divino, foco ardente de toda a vida, de todo o amor.

Acima de tudo, Deus é amor. Por amor, criou os seres para associá-los às suas alegrias, à sua obra. O amor é um sacrifício; Deus hauriu nele a vida para dá-la às almas. Ao mesmo tempo que a efusão vital, elas receberiam o princípio afetivo destinado a germinar e expandir-se pela provação dos séculos, até que tenham aprendido a dar-se por sua vez, isto é, a dedicar-se, a sacrificar-se pelas outras. Com este sacrifício, em vez de se amesquinharem, mais se engrandecem, enobrecem e aproximam do Foco Supremo.

O amor é uma força inexaurível, renova-se sem essar e enriquece ao mesmo tempo aquele que dá e aquele que recebe. É pelo amor, sol das almas, que Deus mais eficazmente atua no mundo. Por ele atrai para si todos os pobres eres retardados nos antros da paixão, os Espíritos cativos na matéria; eleva-os e arrasta-os na espiral da ascensão infinita para os esplendores da luz e da liberdade.

O amor conjugal, o amor materno, o amor filial ou fraterno, o amor da pátria, da raça, da Humanidade, são refrações, raios refratados do amor divino, que abrange, penetra todos os seres, e, difundindo-se neles, faz rebentar e desabrochar mil formas variadas, mil esplêndidas florescências de amor.

Até às profundidades do abismo de vida, infiltram-se as radiações do amor divino e vão acender nos seres rudimentares, pela afeição à companheira e aos filhos, as primeiras claridades que, nesse meio de goísmo feroz, serã como a aurora indecisa e a promessa de uma vida mais elevada.

É o apelo do ser ao ser, é o amor que provocará, no fundo das almas embrionárias, os primeiros rebentos do altruísmo, da piedade, da bondade. Mais acima, na escala evolutiva, entreverá o ser humano, nas primeiras felicidades, nas únicas sensações de ventura perfeita que lhe é dado gozar na Terra, sensações mais fortes e suaves que todas as alegrias físicas e conhecidas somente das almas que sabem verdadeiramente amar.

Assim, de grau em grau, sob a influência e irradiação do amor, alma desenvolver-se-á e engrandecerá, verá alargar-se o círculo de suas sensações. Lentamente, o que nela não era senão paixão, desejo carnal, ir-se-á depurando, transformando num sentimento nobre e desinteressado; a afeição a um só ou a alguns converter-se-á na afeição a todos, à família, à pátria, à Humanidade. E a alma adquirirá a plenitude de seu desenvolvimento quando for cpaz de compreender a vida celeste, que é toda amor, e a participar dela.

Léon Denis, de O problema do ser, do destino e da dor, Capítulo V.

Um abraço
J.Anne

Obrigado J Anne

Por nos trazer Leon Denis

Lendo os livros deste Autor; Leon Denis
descobrimos coisas muito interessantes das práticas,
dos comportamentos, dos costumes, das religiões, das sabedorias
 da nossa velha humanidade

O que são os recursos mediúnicos aliado aos estudos ao bom gênio!

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 10 de Maio de 2012, 20:56
Amar ao Próximo
Leda de Almeida Rezende Ebner
de Ribeirão Preto, SP

Para muitos, uma utopia, palavras de efeito...

Para quem aceita os ensinos de Jesus como o único caminho para a felicidade e a paz dos homens, amar ao próximo é um ideal a ser conquistado.

Que humanidade feliz seremos, quando a maior parte dos homens se dispuser a olhar o outro como a um irmão, independente da nacionalidade, da cor da pele, da religião, da sua maneira de ser!

Amar a todos os povos da Terra, procurar compreendê-los na sua história, na sua cultura, orando pelos que se consideram inimigos, para que eles possam perdoar-se uns aos outros para viverem em paz!...

Amar a todos de um mesmo país, respeitando as diferenças físicas, intelectuais, sociais e morais, todos buscando o bem coletivo e todos tendo suas necessidades materiais e espirituais satisfeitas!...

Amar a todos de uma mesma cidade, irmanando-se todos com as mesmas oportunidades de estudo, de trabalho, de convivência...

Amar aos que encontramos no trabalho, nos ônibus, nas ruas, nas lojas, nas filas, nos encontros casuais, vendo-os como pessoas iguais a nós, com inteligência, sentimentos, emoções, que lutam, que sonham...

Amar nossos familiares!

Como amar a todos? Que é amar? Segundo o dicionário: "sentir amor ou ternura por, ter afeição, dedicação, devoção ou querer bem a".

Como sentir ternura ou afeição a quem nos maltrata, a quem nos incomoda!?

Muitos amaram a todos, dos quais destacamos Jesus, o Espírito mais puro, que se dispôs, por Amor, a viver na Terra, numa renúncia e dedicação plenas, para mostrar-nos as leis morais e como devemos proceder para desenvolvê-las em nós. Destacamos também, Francisco de Assis, renunciando a uma vida rica, privilegiada, afastando-se até da convivência familiar, para viver, com liberdade, o amor aos seus irmãos em Deus.

Como desenvolver esse amor que nada exige, que vê o outro, qualquer outro, como um irmão, se temos grande dificuldade em amar familiares, vizinhos, companheiros de trabalho?

Amor é conquista interna de cada indivíduo. O amor pleno está em nós, em nossa essência, visto que somos filhos de Deus, Amor Absoluto.

É nossa tarefa desenvolver esse potencial divino em nós, para que a inteligência não nos leve a permanecermos no orgulho e no egoísmo.

Amar a família! À primeira vista, todos amam suas famílias, mas nem todos os familiares se amam. É aí, no entanto, que temos o próximo mais próximo e é em seu seio que devemos e podemos exercitar o amor, porque é nela que esse sentimento é mais egocêntrico, mais possessivo, mais exigente, Amamos querendo que o outro nos faça feliz, que o outro seja como queremos que ele seja, que siga nossos ideais, nossas verdades.

Não sabemos amar ao outro, amamos a nós próprios: somos egoístas aparentemente bem intencionados.

Amar é confiar, é aceitar e respeitar as diferenças individuais, é querer ver o outro feliz e colaborar para tal.

A família é assim, o melhor lugar para o exercício constante do amor. Para isso, é necessário que os membros mais conscientes da necessidade do amor em nossas vidas e da valorização da família para a satisfação dessa necessidade, amem a todos com desprendimento, sem exigências pessoais, se doem num exercício permanente de renúncia, de humildade em benefício dos demais. "Muito se pedirá a quem muito foi dado", asseverou Jesus.

Amor na família inclui também amar as pessoas que partilham dessa convivência, como empregados domésticos que, muitas vezes, ficam anos e anos, recebendo tratamento diferenciado, embora concorram (e muito) com seu trabalho e dedicação à paz e à harmonia no lar. Por quê excluí-los das alegrias do convívio familiar?

Como viveríamos muito mais felizes no lar, por conseqüência, fora dele, se buscássemos amar a todos que ali adentram!

Consideremos ainda que, quanto mais diferenciados de nós, sejam nossos próximos, melhor para nós, porque são os diferentes que nos ensinam; os iguais facilitam a convivência, mas podem nos levar a uma parada no crescimento espiritual, pela acomodação ao bem-estar desse convívio. As pessoas mais difíceis de serem amadas por nós, forçam-nos a maiores esforços ao controle das nossas reações negativas, auxiliam-nos ao controle de nossas reações negativas, auxiliam-nos a nos conhecer melhor e, assim, nossa auto-educação continua se fazendo.

Lembremo-nos sempre: aqueles a quem temos dificuldade de amar, provavelmente, sentem o mesmo em relação a nós, vendo-nos também como pessoas difíceis.

Precisamos aprender olhar cada pessoa com olhos de simpatia, vontade de gostar dela. Com esta atitude estaremos facilitando o desenvolvimento do amor em nós, ainda que o outro não nos corresponda da mesma maneira.

Jesus nos ensinou: "Amai aos inimigos". Se devemos amar até a quem nos faz mal deliberadamente, quanto mais devemos amar aos que convivem conosco, aos que nos encontramos no dia-a-dia!...

Amar ao próximo, desenvolvendo o amor em nós, deve ser a nossa meta, se queremos ser, a cada dia, pessoas melhores, mais felizes.

O amor ao próximo leva-nos a amarmo-nos sem egoísmo e sem ilusões; leva-nos a amar a Deus e suas leis, trazendo-nos a paz interior, porque então, estaremos sempre rodeados de amigos, de pessoas a quem desejamos tudo o que queremos para nós.

E só assim, vamos nos transformando em melhores esposos, melhores pais, melhores filhos, melhores vizinhos, amigos, irmãos e melhores cidadãos!

(Jornal Verdade e Luz Nº 180 de Janeiro de 2001)

Um abraço
J.Anne
Título: Re: A lei do Amor
Enviado por: Deborah Forca e luz em 10 de Maio de 2012, 22:38
O pai...!                                                                                                                   
 Nos perdoai pelos tropeços da vida, em que por mais que a verdade é concedida ao nosso saber, mais falhamos por não entender a grandeza do seu ideal.                                                           
 Perdoai-nos com o desespero que nos faz esquecer de Ti,a ponto de não aceitarmos as nossas provas com mais resignação.                                       
Perdoai nos da ancia  sempre de querermos que se faça a nossa vontade, e não a Sua.                                                                             
Perdoai nos pelas nossas mazelas adquirida pelo orgulho e pela vaidade desvairada a nos enraizarmos feito uma planta mortífera, proliferando  toda a sua volta,contaminando os afins.                 
 Fazei-nos mais humildes, para que não possamos nos iludibriar com pequenas obras,sem o menos ter á iniciando.                                   
Fazei-nos que se não  enxerguemos as ciladas em nossos caminhos, possamos apenas compriende -las,aceitando-as.                                 
Que nossos ouvidos aprendam a diferenciar as palavras mal soadas,colocando as como aprendizado para nossa vida.                   
Fazei-nos que nossos lábios não vomitem palavras,é sim soem cânticos suaves.                                                                                         Pai!                                                                                                                                                     
 Obrigado por existir que um dia possamos ser dignos de vosso grandioso AMOR.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 11 de Maio de 2012, 00:10
Olá,

O amor verdadeiro, é aquele que se estabelece em todos os segmentos sociais, culturais, científicos, religiosos, artísticos, priorizando sempre a criatura humana, seu obejetivo, sua razão de existir...Comanda as consciências e os sentimentos, nunca permitindo que alguém deseje, ou faça com outrem, aquilo que não gostaria que lhe fosse feito...

Quando essa compreensão abarcar a humanidade, conduzindo-os pela trilha da evolução, o progresso será real , profundo e plenificador....

Comecemos , então desde agora, com esse compromisso de amar, não pensando em resultados, exceto os do próprio amor.
O futuro se encarregará de levar o amor até onde não consigamos chegar, e isso sim, é o que se faz importante.   

Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 11 de Maio de 2012, 01:17
Boa noite a todos

Amigo Moises, creio que este texto sempre é oportuno:-

Advento do Espírito de Verdade

Venho, como outrora aos transviados filhos de Israel, trazer-vos a verdade e dissipar as trevas. Escutai-me. O Espiritismo, como o fez antigamente a minha palavra, tem de lembrar aos incrédulos que acima deles reina a imutável verdade: o Deus bom, o Deus grande, que faz germinem as plantas e se levantem as ondas. Revelei a doutrina divinal.
 
Como um ceifeiro, reuni em feixes o bem esparso no seio da Humanidade e disse: "Vinde a mim, todos vós que sofreis."

Mas, ingratos, os homens afastaram-se do caminho reto e largo que conduz ao reino de meu Pai e enveredaram pelas ásperas sendas da impiedade. Meu Pai não quer aniquilar a raça humana; quer que, ajudando-vos uns aos outros, mortos e vivos, isto é, mortos segundo a carne, porquanto não existe a morte, vos socorrais mutuamente, e que se faça ouvir não mais a voz dos profetas e dos apóstolos, mas a dos que já não vivem na Terra, a clamar: Orai e crede! pois que a morte é a ressurreição, sendo a vida a prova buscada e durante a qual as virtudes que houverdes cultivado crescerão e se desenvolverão como o cedro.

Homens fracos, que compreendeis as trevas das vossas inteligências, não afasteis o facho que a clemência divina vos coloca nas mãos para vos clarear o caminho e reconduzirvos, filhos perdidos, ao regaço de vosso Pai.

Sinto-me por demais tomado de compaixão pelas vossas misérias, pela vossa fraqueza imensa, para deixar de estender mão socorredora aos infelizes transviados que, vendo o céu, caem nos abismos do erro. Crede, amai, meditai sobre as coisas que vos são reveladas; não mistureis o joio com a boa semente, as utopias com as verdades.

Espíritas! amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo.

No Cristianismo encontram-se todas as verdades; são de origem humana os erros que nele se enraizaram. Eis que do além-túmulo, que julgáveis o nada, vozes vos clamam: "Irmãos! nada perece. Jesus-Cristo é o vencedor do mal, sede os vencedores da impiedade." -

 O Espírito de Verdade. (Paris, 1860.)

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 11 de Maio de 2012, 12:53
Bom dia a todos

Mais Amor

Malgrado a nuvem da incompreensão, cuja sombra permite lamentáveis atritos e rudes embates que esfacelam as elevadas programações traçadas para o êxito da tua tarefa, reserva-te mais amor.

Não obstante os raios dispendidos pela malquerença agora sistemática, que produzem dor, certeiramente dirigidos, doa mais amor.

Enquanto a maledicência grassa arrebanhando mentes frívolas e companheiros invigilantes, que se comprazem na disseminação das idéias espúrias, faculta-te mais amor.

Embora a suspeita semeie surdas acrimônias e acusações que sabes ser indébitas, no labor em que profligas o mal, concede-te mais amor.

Apesar da ausência dos mínimos requisitos de consideração ao teu serviço edificante, por parte deles - aqueles que se permitem somente a censura ou a lisonja mentirosa, a acusação ou o azedume contumaz - continua com mais amor.

*
Muitas vezes parece impossível sequer suportar quantos nos ferem e magoam injustamente - dentro, porém, da programática de recuperação que nos impomos experimentar pelos erros passados - quanto mais conceder-lhes o amor. Todavia, animosidade como afeição resultam de atitudes mentais e emocionais que podemos condicionar com o livre querer.

Se consideras que o opositor se encontra enfermo, ser-te-á mais fácil amá-lo. Se tiveres em mente que ele está mal informado, tornar-se-á melhor para ti desculpá-lo.

Se pensares que ele não conseguiu alcançar o que em ti combate e não possui fôrças para compartir o teu êxito ou a tua oportunidade feliz, farsa-á lógico entendê-lo e amá-lo.

Revidando, porém, acusação por acusação, suspeita por suspeita, ira com ira, mui difícil a reconciliação e a paz, paz e reconciliação a que amanhã ou depois serás constrangido a realizar.

Toda obra em começo na retaguarda, que ficou ao abandono, ou qualquer aquisição negativa permanecem aguardando o responsável.

O milagre da vida chama-se amor.

Quando crescemos em espírito, lamentamos tardiamente a mesquinhez em que teimávamos permanecer.

A visão da montanha, na direção da paisagem, apaga as sombras temerosas das furnas e cobre o charco transposto na baixada, quando o sol da alegria distende claridade festiva ampliando os horizontes.

*
Não te apoquentes, portanto, ante o triunfo enganoso do engôdo ou a vitória da irresponsabilidade.

Catalogado pelo Estatuto Divino com a função de crescer, tens a destinação de mais amor.
Assim, em qualquer circunstância de tempo ou lugar, em claro céu ou sombrio firmamento, na saúde ou na doença, na realização ou na queda, no poder ou na dependência, entre amigos ou adversários, para a tua plenitude e perfeita paz, ama muito mais e distende sempre mais amor porque só o amor tem a substância essencial para traduzir a realidade do Pai em nossas vidas.

*
"Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de tôda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante a este: Amarás o teu próximo como a ti mesmo". Mateus: capítulo 22º, versículo 37.

*
"O amor é de essência divina e todos vós, do primeiro ao último, tendes, no fundo do coração, a centelha dêsse fogo sagrado".
 Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo 11º - Item 9.

Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Florações Evangélicas. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. Capítulo 39. Salvador, BA: LEAL

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 13:36
Amar ao Próximo
Leda de Almeida Rezende Ebner
de Ribeirão Preto, SP

Para muitos, uma utopia, palavras de efeito...

Para quem aceita os ensinos de Jesus como o único caminho para a felicidade e a paz dos homens, amar ao próximo é um ideal a ser conquistado.

Que humanidade feliz seremos, quando a maior parte dos homens se dispuser a olhar o outro como a um irmão, independente da nacionalidade, da cor da pele, da religião, da sua maneira de ser!

Amar a todos os povos da Terra, procurar compreendê-los na sua história, na sua cultura, orando pelos que se consideram inimigos, para que eles possam perdoar-se uns aos outros para viverem em paz!...

Amar a todos de um mesmo país, respeitando as diferenças físicas, intelectuais, sociais e morais, todos buscando o bem coletivo e todos tendo suas necessidades materiais e espirituais satisfeitas!...

Amar a todos de uma mesma cidade, irmanando-se todos com as mesmas oportunidades de estudo, de trabalho, de convivência...

Amar aos que encontramos no trabalho, nos ônibus, nas ruas, nas lojas, nas filas, nos encontros casuais, vendo-os como pessoas iguais a nós, com inteligência, sentimentos, emoções, que lutam, que sonham...

Amar nossos familiares!

Como amar a todos? Que é amar? Segundo o dicionário: "sentir amor ou ternura por, ter afeição, dedicação, devoção ou querer bem a".

Como sentir ternura ou afeição a quem nos maltrata, a quem nos incomoda!?

Muitos amaram a todos, dos quais destacamos Jesus, o Espírito mais puro, que se dispôs, por Amor, a viver na Terra, numa renúncia e dedicação plenas, para mostrar-nos as leis morais e como devemos proceder para desenvolvê-las em nós. Destacamos também, Francisco de Assis, renunciando a uma vida rica, privilegiada, afastando-se até da convivência familiar, para viver, com liberdade, o amor aos seus irmãos em Deus.

Como desenvolver esse amor que nada exige, que vê o outro, qualquer outro, como um irmão, se temos grande dificuldade em amar familiares, vizinhos, companheiros de trabalho?

Amor é conquista interna de cada indivíduo. O amor pleno está em nós, em nossa essência, visto que somos filhos de Deus, Amor Absoluto.

É nossa tarefa desenvolver esse potencial divino em nós, para que a inteligência não nos leve a permanecermos no orgulho e no egoísmo.

Amar a família! À primeira vista, todos amam suas famílias, mas nem todos os familiares se amam. É aí, no entanto, que temos o próximo mais próximo e é em seu seio que devemos e podemos exercitar o amor, porque é nela que esse sentimento é mais egocêntrico, mais possessivo, mais exigente, Amamos querendo que o outro nos faça feliz, que o outro seja como queremos que ele seja, que siga nossos ideais, nossas verdades.

Não sabemos amar ao outro, amamos a nós próprios: somos egoístas aparentemente bem intencionados.

Amar é confiar, é aceitar e respeitar as diferenças individuais, é querer ver o outro feliz e colaborar para tal.

A família é assim, o melhor lugar para o exercício constante do amor. Para isso, é necessário que os membros mais conscientes da necessidade do amor em nossas vidas e da valorização da família para a satisfação dessa necessidade, amem a todos com desprendimento, sem exigências pessoais, se doem num exercício permanente de renúncia, de humildade em benefício dos demais. "Muito se pedirá a quem muito foi dado", asseverou Jesus.

Amor na família inclui também amar as pessoas que partilham dessa convivência, como empregados domésticos que, muitas vezes, ficam anos e anos, recebendo tratamento diferenciado, embora concorram (e muito) com seu trabalho e dedicação à paz e à harmonia no lar. Por quê excluí-los das alegrias do convívio familiar?

Como viveríamos muito mais felizes no lar, por conseqüência, fora dele, se buscássemos amar a todos que ali adentram!

Consideremos ainda que, quanto mais diferenciados de nós, sejam nossos próximos, melhor para nós, porque são os diferentes que nos ensinam; os iguais facilitam a convivência, mas podem nos levar a uma parada no crescimento espiritual, pela acomodação ao bem-estar desse convívio. As pessoas mais difíceis de serem amadas por nós, forçam-nos a maiores esforços ao controle das nossas reações negativas, auxiliam-nos ao controle de nossas reações negativas, auxiliam-nos a nos conhecer melhor e, assim, nossa auto-educação continua se fazendo.

Lembremo-nos sempre: aqueles a quem temos dificuldade de amar, provavelmente, sentem o mesmo em relação a nós, vendo-nos também como pessoas difíceis.

Precisamos aprender olhar cada pessoa com olhos de simpatia, vontade de gostar dela. Com esta atitude estaremos facilitando o desenvolvimento do amor em nós, ainda que o outro não nos corresponda da mesma maneira.

Jesus nos ensinou: "Amai aos inimigos". Se devemos amar até a quem nos faz mal deliberadamente, quanto mais devemos amar aos que convivem conosco, aos que nos encontramos no dia-a-dia!...

Amar ao próximo, desenvolvendo o amor em nós, deve ser a nossa meta, se queremos ser, a cada dia, pessoas melhores, mais felizes.

O amor ao próximo leva-nos a amarmo-nos sem egoísmo e sem ilusões; leva-nos a amar a Deus e suas leis, trazendo-nos a paz interior, porque então, estaremos sempre rodeados de amigos, de pessoas a quem desejamos tudo o que queremos para nós.

E só assim, vamos nos transformando em melhores esposos, melhores pais, melhores filhos, melhores vizinhos, amigos, irmãos e melhores cidadãos!

(Jornal Verdade e Luz Nº 180 de Janeiro de 2001)

Um abraço
J.Anne

J Anne

este tetxo é uma verdadeira cartilha
para se adiquirir a paz de espirito.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: yanmin0302 em 11 de Maio de 2012, 13:42
Boas Dicas.  (http://www.bosin.info/g.gif)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 13:44
O pai...!                                                                                                                   
 Nos perdoai pelos tropeços da vida, em que por mais que a verdade é concedida ao nosso saber, mais falhamos por não entender a grandeza do seu ideal.                                                           
 Perdoai-nos com o desespero que nos faz esquecer de Ti,a ponto de não aceitarmos as nossas provas com mais resignação.                                       
Perdoai nos da ancia  sempre de querermos que se faça a nossa vontade, e não a Sua.                                                                             
Perdoai nos pelas nossas mazelas adquirida pelo orgulho e pela vaidade desvairada a nos enraizarmos feito uma planta mortífera, proliferando  toda a sua volta,contaminando os afins.                 
 Fazei-nos mais humildes, para que não possamos nos iludibriar com pequenas obras,sem o menos ter á iniciando.                                   
Fazei-nos que se não  enxerguemos as ciladas em nossos caminhos, possamos apenas compriende -las,aceitando-as.                                 
Que nossos ouvidos aprendam a diferenciar as palavras mal soadas,colocando as como aprendizado para nossa vida.                   
Fazei-nos que nossos lábios não vomitem palavras,é sim soem cânticos suaves.                                                                                         Pai!                                                                                                                                                     
 Obrigado por existir que um dia possamos ser dignos de vosso grandioso AMOR.


Deborah
Obrigado por nos lembrar desta ação
ação esta que jamais devemos esquecer
a de
Conversarmos com Deus

Sempre será uma ação indispensável da nossa parte
Tenhamos este hábito
habituemos a esta ação

Conversar com Deus
Com o nosso Criador
Falar um pouco de nós

Extasiarmo-nos nesta fonte de Amor
que é Deus
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 13:47
Olá,

O amor verdadeiro, é aquele que se estabelece em todos os segmentos sociais, culturais, científicos, religiosos, artísticos, priorizando sempre a criatura humana, seu obejetivo, sua razão de existir...Comanda as consciências e os sentimentos, nunca permitindo que alguém deseje, ou faça com outrem, aquilo que não gostaria que lhe fosse feito...

Quando essa compreensão abarcar a humanidade, conduzindo-os pela trilha da evolução, o progresso será real , profundo e plenificador....

Comecemos , então desde agora, com esse compromisso de amar, não pensando em resultados, exceto os do próprio amor.
O futuro se encarregará de levar o amor até onde não consigamos chegar, e isso sim, é o que se faz importante.   

Muita Paz

A humanidade sempre precisará de alguem que se disponha
a orientá-la para o dia de amanhã

Obrigado Si
por tão importante mensagem
aponta-nos os resultados que muito e que sempre nos beneficiará

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 13:50
Boa noite a todos

Amigo Moises, creio que este texto sempre é oportuno:-

Advento do Espírito de Verdade

Venho, como outrora aos transviados filhos de Israel, trazer-vos a verdade e dissipar as trevas. Escutai-me. O Espiritismo, como o fez antigamente a minha palavra, tem de lembrar aos incrédulos que acima deles reina a imutável verdade: o Deus bom, o Deus grande, que faz germinem as plantas e se levantem as ondas. Revelei a doutrina divinal.
 
Como um ceifeiro, reuni em feixes o bem esparso no seio da Humanidade e disse: "Vinde a mim, todos vós que sofreis."

Mas, ingratos, os homens afastaram-se do caminho reto e largo que conduz ao reino de meu Pai e enveredaram pelas ásperas sendas da impiedade. Meu Pai não quer aniquilar a raça humana; quer que, ajudando-vos uns aos outros, mortos e vivos, isto é, mortos segundo a carne, porquanto não existe a morte, vos socorrais mutuamente, e que se faça ouvir não mais a voz dos profetas e dos apóstolos, mas a dos que já não vivem na Terra, a clamar: Orai e crede! pois que a morte é a ressurreição, sendo a vida a prova buscada e durante a qual as virtudes que houverdes cultivado crescerão e se desenvolverão como o cedro.

Homens fracos, que compreendeis as trevas das vossas inteligências, não afasteis o facho que a clemência divina vos coloca nas mãos para vos clarear o caminho e reconduzirvos, filhos perdidos, ao regaço de vosso Pai.

Sinto-me por demais tomado de compaixão pelas vossas misérias, pela vossa fraqueza imensa, para deixar de estender mão socorredora aos infelizes transviados que, vendo o céu, caem nos abismos do erro. Crede, amai, meditai sobre as coisas que vos são reveladas; não mistureis o joio com a boa semente, as utopias com as verdades.

Espíritas! amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo.

No Cristianismo encontram-se todas as verdades; são de origem humana os erros que nele se enraizaram. Eis que do além-túmulo, que julgáveis o nada, vozes vos clamam: "Irmãos! nada perece. Jesus-Cristo é o vencedor do mal, sede os vencedores da impiedade." -

 O Espírito de Verdade. (Paris, 1860.)



Olá ken

nesta mensagem
encontra-se a orientação precisa a nós

O verdadeiro papel do Espiritismo

acima de nós reina a imutável verdade:
o Deus bom,
o Deus grande,
que faz germinem as plantas e se levantem as ondas. Revelei a doutrina divinal.
 
A caminho do Pai vamos
e Jesus é a nossa Estrada, nosso Farol, nosso Guia, nosso Amigo...Nosso Irmão.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 14:02
Bom dia a todos

Mais Amor

Malgrado a nuvem da incompreensão, cuja sombra permite lamentáveis atritos e rudes embates que esfacelam as elevadas programações traçadas para o êxito da tua tarefa, reserva-te mais amor.

Não obstante os raios dispendidos pela malquerença agora sistemática, que produzem dor, certeiramente dirigidos, doa mais amor.

Enquanto a maledicência grassa arrebanhando mentes frívolas e companheiros invigilantes, que se comprazem na disseminação das idéias espúrias, faculta-te mais amor.

Embora a suspeita semeie surdas acrimônias e acusações que sabes ser indébitas, no labor em que profligas o mal, concede-te mais amor.

Apesar da ausência dos mínimos requisitos de consideração ao teu serviço edificante, por parte deles - aqueles que se permitem somente a censura ou a lisonja mentirosa, a acusação ou o azedume contumaz - continua com mais amor.

*
Muitas vezes parece impossível sequer suportar quantos nos ferem e magoam injustamente - dentro, porém, da programática de recuperação que nos impomos experimentar pelos erros passados - quanto mais conceder-lhes o amor. Todavia, animosidade como afeição resultam de atitudes mentais e emocionais que podemos condicionar com o livre querer.

Se consideras que o opositor se encontra enfermo, ser-te-á mais fácil amá-lo. Se tiveres em mente que ele está mal informado, tornar-se-á melhor para ti desculpá-lo.

Se pensares que ele não conseguiu alcançar o que em ti combate e não possui fôrças para compartir o teu êxito ou a tua oportunidade feliz, farsa-á lógico entendê-lo e amá-lo.

Revidando, porém, acusação por acusação, suspeita por suspeita, ira com ira, mui difícil a reconciliação e a paz, paz e reconciliação a que amanhã ou depois serás constrangido a realizar.

Toda obra em começo na retaguarda, que ficou ao abandono, ou qualquer aquisição negativa permanecem aguardando o responsável.

O milagre da vida chama-se amor.

Quando crescemos em espírito, lamentamos tardiamente a mesquinhez em que teimávamos permanecer.

A visão da montanha, na direção da paisagem, apaga as sombras temerosas das furnas e cobre o charco transposto na baixada, quando o sol da alegria distende claridade festiva ampliando os horizontes.

*
Não te apoquentes, portanto, ante o triunfo enganoso do engôdo ou a vitória da irresponsabilidade.

Catalogado pelo Estatuto Divino com a função de crescer, tens a destinação de mais amor.
Assim, em qualquer circunstância de tempo ou lugar, em claro céu ou sombrio firmamento, na saúde ou na doença, na realização ou na queda, no poder ou na dependência, entre amigos ou adversários, para a tua plenitude e perfeita paz, ama muito mais e distende sempre mais amor porque só o amor tem a substância essencial para traduzir a realidade do Pai em nossas vidas.

*
"Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de tôda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante a este: Amarás o teu próximo como a ti mesmo". Mateus: capítulo 22º, versículo 37.

*
"O amor é de essência divina e todos vós, do primeiro ao último, tendes, no fundo do coração, a centelha dêsse fogo sagrado".
 Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo 11º - Item 9.

Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Florações Evangélicas. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. Capítulo 39. Salvador, BA: LEAL



Ken

Este texto situa-nos verdadeiramente no palco da vida,
da nossa vida;

Ante a significação do amor!

Que papel estamos representando?

Ou qual papel queremos representar,viver e carregar?

Muito oportuno este texto

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 11 de Maio de 2012, 14:07
A minha religião "É o Amor ao próximo"

Assistindo a um programa de entrevista na televisão, registramos um fato interessante.

O repórter estava entrevistando um ex-jogador de futebol que foi contemporâneo de Pelé, Garrincha, e outros mestres do esporte. A entrevista transcorria de maneira agradável, pois o repórter conduziu a conversa fazendo correlação entre o futebol e a vida cotidiana.

Em vários momentos o entrevistado deixou transparecer a sua boa conduta perante a vida. Era um jogador exemplar; um esposo dedicado e fiel; um pai amável e companheiro; não era dado a farras e bebedeiras; sempre foi benquisto pelos colegas de profissão.
Em cada item desses, o repórter questionava: "por que você age assim?" E ele respondia: "é por causa da minha religião."

Os valores expressados pelo desportista causavam agradável impressão ao telespectador. O seu exemplo de vida certamente despertou a curiosidade de muitos, para saber qual era a religião que ele professava.O repórter, como que captando a curiosidade geral, fez a pergunta tão esperada: "e qual é a sua religião?"

Para surpresa de todos, o ex-jogador disse convicto: "a minha religião, é que eu não tenho religião. Como sei que a minha vida vai acabar no túmulo, quero deixar para meus familiares uma boa imagem, um bom exemplo."

O que mais nos impressionou no depoimento daquele homem, foi a sua disposição firme de ser honrado, nobre, digno, mesmo acreditando que sua vida acaba no túmulo. Podemos dizer que seu exemplo deve provocar sérias reflexões naqueles que professam uma religião, que acreditam na imortalidade da alma, que têm fé em Deus, e não agem como tal.

Alguns acreditam, sinceramente, que o fato de seguirem esta ou aquela religião, basta para que tenham sua felicidade futura garantida. Para que tenham um lugar de destaque no além. No entanto, podemos afirmar, sem sombra de dúvidas, que o que importa para as leis divinas, não é a bandeira religiosa que se ostenta, mas as obras realizadas.

As leis de Deus darão a cada um segundo as suas obras. Nada mais. Nada menos. Se assim não fosse, não seria justo. E Deus é a suprema justiça. A religião, portanto, é um meio para que se atinja um fim, que é o aperfeiçoamento do ser humano.

Se a missão das religiões é ocupar-se com a alma, conduzindo-as a Deus, podemos concluir que a melhor religião é a que maior número de homens de bem fizer, e menos hipócritas. Se a pessoa tem boa índole e não deseja se vincular a esta ou aquela religião, não deixará de entrar no reino dos céus, pois o reino dos céus, como afirmou Jesus, está dentro de nós, e não fora.

No caso do ex-jogador, a sua religião é a sua própria consciência. E sua consciência é uma bússola segura. De tudo isto podemos concluir que mais importante do que ter uma religião, é ser um homem de bem.

Não queremos dizer com isto que não existam e não existirão homens de bem no seio das religiões, isso não. A história registrou e ainda registrará grandes vultos no meio religioso. Homens livres para amar a todos, sem barreiras nem preconceitos.

O homem verdadeiramente livre e bom entende que nós somos todos filhos de Deus. Quando praticarmos o amor ao próximo como a nós mesmos cumpriremos o nosso objetivo na terra. Uma grande família; uma família que se abraça mais, e sabe respeitar a todos independente de credo, raça e condição social.

Quando o amor nortear nossas vidas, não precisaremos mais lutar e matar em nome de Deus. Estaremos mais fortes para enfrentar outros tipos de desafios; respiraremos ares de paz e união.

Pense nisso

Procure ser melhor hoje do que foi ontem, e melhor amanhã, do que está sendo hoje.

Seja um homem de bem, tentando acertar o máximo que puder para que, quando alguém lhe perguntar qual a sua religião, você possa responder: "a minha religião é o amor."

Pense nisso!

Autor: Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita.
Publicado em: Blog Espiritualidade e Ciência

Um abraço
J.Anne
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 11 de Maio de 2012, 15:00
Olá,

Aproveitando a citação anterior...

"Para surpresa de todos, o ex-jogador disse convicto: "a minha religião, é que eu não tenho religião. Como sei que a minha vida vai acabar no túmulo, quero deixar para meus familiares uma boa imagem, um bom exemplo." "

Peço espaço para complementar:
quando alguém oferece amor a outras pessoas, ele se vai agigantando e abraçando outros que encontra pela frente , porque faz que se desenvolva o seu "germe" que permanece aguardando os estímulos para desenvolver-se, terminando por abarcar todo mundo..

A religião mais eficiente é aquela, portanto, que se fundamenta no amor real, essência da vida legítima.

Cultivar o amor no pensamento, externá-lo nas palavras e vivê-lo nas ações, sem a preocupação de haveres ou não alcançado o seu ponto culminante.
Santo Agostinho dizia estar apaixonado pelo Amor....se fizermos o mesmo, nunca mais poderemos viver sem ele no coração.

Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 15:14
Pois é

Ante a expectativa do Túmulo!
o valor moral a ser deixado como herança.
forte exemplo este.

Realmente adianta crer e não viver o se crê?

a entrevista do Jogador me fez lembrar estes dizeres de

Madre Tereza

ENTRE VOCÊ E DEUS
Madre Teresa de Calcutá



Muitas vezes, as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas.
Perdoe-as, assim mesmo.
 
Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro.
Seja gentil, assim mesmo.
 
Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e inimigos verdadeiros.
Vença, assim mesmo.
 
Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo.
Seja honesto e franco, assim mesmo.
 
Se você tem paz e é feliz, as pessoas podem sentir inveja.
Seja feliz, assim mesmo.
 
O bem que você faz hoje pode ser esquecido amanhã.
Faça o bem, assim mesmo.
 
Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante,
Dê o melhor de você, assim mesmo.
 
Veja você que, no final das contas é
Entre Você e Deus e não entre você e os homens.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 11 de Maio de 2012, 15:28
Olá,

É assim....mesmo !!! No final das contas eu e Deus.

Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 11 de Maio de 2012, 15:40
Olá,

Amor e conflitos

Quem racionaliza demais o amor e dispara as aspirações como flechas para que o alcancem, perde-lhe o contato, o benefício que o mesmo exterioriza.

É necessário deixar à margem o receio de ser amado e abrir-se para o amor dos outros. Não poucas vezes, os conflitos de inferioridade, de narcisismo, de superioridade fecham o indivíduo no seu círculo esmagador, impedindo-o de expandir-se, de tornar-se receptivo ao amor que vem da Vida e àquele que procede das demais criaturas.
Pensa-se que o amor se encontra sempre à frente, esperando, necessitando de ser encontrado. Pode ser exatamente o contrário: o amor está atrás do indivíduo, tentando alcançá-lo enquanto ele corre a buscá-lo em outra direção.
Se estivermos abertos, receptivos, ele acontece .... deixemos que se aposse por inteiro..!!


Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 11 de Maio de 2012, 16:12
Caríssimos.
É sempre entre nós e Deus. Alias acho que o grande problema de padres e pastores contra a DE é exatamente esse, a DE nos ensina, como Jesus citou inumeras vezes, que não precisamos de intermediários para chegar ao reino de Deus. Basta nos amarmos.
"Amai-vos uns aos outros como eu vos amei, e todos saberão que sois meus discípulos".
Ainda chegaremos a condição de amar incondicionalmente a todos.
Enquanto esse dia não chega, vamos exercitando a tolerância, a paciência e o perdão, na medida da nossa inferioridade, que cada passo a mais é fundamental nessa caminhada.
E essas virtudes são fundamentais na compreensão do amor ao próximo.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 19:22
Olá,

Amor e conflitos

Quem racionaliza demais o amor e dispara as aspirações como flechas para que o alcancem, perde-lhe o contato, o benefício que o mesmo exterioriza.

É necessário deixar à margem o receio de ser amado e abrir-se para o amor dos outros. Não poucas vezes, os conflitos de inferioridade, de narcisismo, de superioridade fecham o indivíduo no seu círculo esmagador, impedindo-o de expandir-se, de tornar-se receptivo ao amor que vem da Vida e àquele que procede das demais criaturas.
Pensa-se que o amor se encontra sempre à frente, esperando, necessitando de ser encontrado. Pode ser exatamente o contrário: o amor está atrás do indivíduo, tentando alcançá-lo enquanto ele corre a buscá-lo em outra direção.
Se estivermos abertos, receptivos, ele acontece .... deixemos que se aposse por inteiro..!!


Muita Paz

Si muitas vezes nos encontramos assim
como dizes;

"É necessário deixar à margem o receio de ser amado e abrir-se para o amor dos outros."
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 19:26

Caríssimos.

.......
"Amai-vos uns aos outros como eu vos amei, e todos saberão que sois meus discípulos".

Gustavo

"Caríssimos"

esta colocação, este tratamento nos remete a Paulo de Tarso
o Gigante do cristianismo que não viu o Cristo,

Mas que também retrata de si mesmo os inúmeros combates que venceu,
mesmo morrendo em si mesmo.

Como ser reconhecido como discipulo do Mestre?

tarefa dificil!


Amor

Que palavra é esta tão pequena
que balança o Mundo e sacode o nosso intimo?

Avancemos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 19:51
Deixo neste momento
uma música

Presenteando todos os participantes
que contribuem constantemente para o andamento deste tópico

e a todos que leram
e nem que seja em uma frase aqui dita
encontraram-se aptos e renovados
a viver este verbo

O verbo Amor

Em muitos momentos
recorremos ao Criador
soliciatndo que nos reerga
para que possamos prosseguir na caminhada
que Ele mesmo
apontou
para que o encontrássemos

Seus dedos
indicam sempre o Nosso Coração,

Salmo 23 em música espírita (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUtNX2lvTXp1bkprIw==)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: filhodobino em 11 de Maio de 2012, 21:27
Amados do meu coração,
Para falar de amor, eu pensei, vários dias, pesquisei poemas, nenhum tinha minhas feições sobrepostas às feições de minha mãe, num mesmo quadro, até que me lembraram, o que mais me fez feliz pelas mãos de minha mãe, e pelo seu carinho...
"minha enxadinha trabalha bem...
Corta matinhos num vai e vem...
minha enxadinha agora vai descansar...
para amanhã recomeçar...
Adeus rocinha,
adeus trabalho,
a ti plantinhas ... o doce orvalho...
Só pode ser Deus o autor, mas penso em Cecília Meireles, talvez me engano, mas pelo amor de mãe, perdoem minha falta de jeito na qualificação dos créditos, ficou universal...
Estou feliz, e sei que ela se lembra daquela tarde noite, enquanto ouvíamos o "direito de nascer"... novela radiofônica, que não perdíamos, nosso único meio de comunicação era um velho radio que esquenta tanto que de hora precisava ser desligado, para as soldas não derreterem, e o Albertinho Limonta, era meu ídolo, e mamãe Dolores, representava a minha própria mãe... velhos tempos... e o amor  permanece em nossos corações bravios como não desejássemos que fossem, porém só desejar não basta...
Pai, enquanto houver possibilidades, permita-me evoluir, e poder seguir nos rastros de minha mãe...
Que é extensível a toda mamãe...
Saúde e Paz!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: filhodobino em 11 de Maio de 2012, 21:59
Para falar de amor, não encontro como não ligar, nossas tardes, mamãe eu e meus irmãos em volta do velho rádio, a ouvir a radionovela o Deireito de Nascer, ainda tão aviltado...mas o assunto é amor, em nome das mamães deixemos a dor de lado e permitam me usar essa ferramenta maravilhosa e revivenciar, migalhas que não não voltam mais, exceto na lembrança dos que se amam de verdade, mãe e filho, e para completar não perdíamos também as propagandas...Logo depois...e nos intervalos as propagandas inesquecíveis..

Trecho da radionovela O direito de nascer (Rádio Nacional - Anos 1950) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXhVamZGWTRCZ3dZIw==)

Propagandas antigas de rádio (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXE5V09KaDVWb2g0JmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)
Saúde e Paz!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 11 de Maio de 2012, 22:06
Amados do meu coração,
Para falar de amor, eu pensei, vários dias, pesquisei poemas, nenhum tinha minhas feições sobrepostas às feições de minha mãe, num mesmo quadro, até que me lembraram, o que mais me fez feliz pelas mãos de minha mãe, e pelo seu carinho...
"minha enxadinha trabalha bem...
Corta matinhos num vai e vem...
minha enxadinha agora vai descansar...
para amanhã recomeçar...
Adeus rocinha,
adeus trabalho,
a ti plantinhas ... o doce orvalho...
Só pode ser Deus o autor, mas penso em Cecília Meireles, talvez me engano, mas pelo amor de mãe, perdoem minha falta de jeito na qualificação dos créditos, ficou universal...
Estou feliz, e sei que ela se lembra daquela tarde noite, enquanto ouvíamos o "direito de nascer"... novela radiofônica, que não perdíamos, nosso único meio de comunicação era um velho radio que esquenta tanto que de hora precisava ser desligado, para as soldas não derreterem, e o Albertinho Limonta, era meu ídolo, e mamãe Dolores, representava a minha própria mãe... velhos tempos... e o amor  permanece em nossos corações bravios como não desejássemos que fossem, porém só desejar não basta...
Pai, enquanto houver possibilidades, permita-me evoluir, e poder seguir nos rastros de minha mãe...
Que é extensível a toda mamãe...
Saúde e Paz!

Novela "O Direito de Nascer" (TV Tupi, 1964/1965) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWxiYVVYMnk4OGNZIw==)


O JARDIM

Leia mais: http://criartes.webnode.com.br/products/o-jardim/
http://criartes.webnode.com.br/products/o-jardim/

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: L@CERD@ em 12 de Maio de 2012, 06:22
"Se alguém diz que ama a Deus, mas não ama seu semelhante,é mentiroso"
Isto foi escrito pelo Apóstolo São João, e expressa uma grande verdade. Deus está dentro de todas as criaturas. Então se temos raiva de alguém,isto atinge o próprio Deus que nele habita.
Demonstraremos nosso amor a Deus, que não vemos,sabendo amar as criaturas que vemos e que vivem em torno de nós.(minutos de sabedoria)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: L@CERD@ em 12 de Maio de 2012, 06:39
SEGUNDO DOMINGO DO MÊS DE MAIO  DIAS DAS MÃES, EXTERNO TODO MEU AMOR A MINHA QUERIDA MAMÃE E TAMBÉM A TODAS MÃES DO PLANETA, QUE AMAM SEUS  FILHOS E MUITAS VEZES, OS FILHOS DAS OUTRAS,INCONDICIONALMENTE E DESINTERESSADAMENTE PELO SIMPLES FATO DE SEREM MÃES. QUE DEUS AS ABENÇOE..... Muita Paz  a todos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mizica em 12 de Maio de 2012, 06:49
 :) Paz a todos!

Ola Moises, permita-me felicitá-lo pelo belo tema escolhido. Parabéns!!

Falar de Amor parece fácil, mas não é. A gente fica buscando palavras mas elas parecem ser incompletas, imprecisas... Amor vai além de qualquer conceito ou definição. Sempre faltará dizer um pouco mais sobre o Amor. É assunto inesgotável e palpitante.
Gostei muito do vídeo que deixo aqui como sugestão para assistirem. A pequena história mostra como o amor pode fazer toda a diferença na vida de uma pessoa ... reflitamos.
É meu compartilhar para o bom êxito deste belo trabalho. Espero que gostem!!

http://youtu.be/gBRd5L2QOKI

Voce pode fazer a diferença - Reflexão (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWdCUmQ1TDJRT0tJJmFtcDtmZWF0dXJlPXlvdXR1LmJlIw==)

Bom sábado com o carinho da
Mizica
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mizica em 12 de Maio de 2012, 07:06
Contribuindo:

" O amor e a caridade são o complemento da lei de justiça, pois amar ao próximo é fazer-lhe todo o bem que nos seja possível e que desejaríamos que nos fosse feito.Tal o sentido destas palavras de Jesus: "Amai-vos uns aos outros como irmãos" Allan Kardec
Livro dos Espíritos, parte 3ª, capítulo XI, referente a questão nº 886, item Caridade e Amor do próximo

Amar? Sempre ... Auxiliar? Sempre mais.

Com carinho
Mizica
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 12 de Maio de 2012, 11:06
Bons Dias, mais uma vez  passando por aqui deixo essa reflexão

É a estrutura do amor que nos faz falta

Quando não nos deixam sermos gratos como fica a gratidão!
Quem muito foi ajudado espera poder viver em conformidade com o bem alcançado.
A doação é um impositivo superior que liberta as presas do ódio no geral não somente o maior beneficiado.
A perseguição pela destruição do bem-estar alheio é ferrugem que acabará por surgir por todos os lados como elemento destrutivo.

Assim resumo esta vida a um nunca pararmos de justificar os erros que se impõe nas nossas vidas e a uma busca de paz e consolo na sabedoria milenar e no Evangelho de Jesus Cristo.
Porque é essa estrutura de amor que nos faz falta.

- precisamos mais de consolo do que somos capazes de consolar. ( bem me desculpem os outros )
Por isso estamos sempre há espera de que o outro seja melhor do que é, seja a tal pessoa que só porque se afirma espiritual já deva ser uma fortaleza um exemplo de espiritualidade.

Na realidade é muito bom quando conhecemos pessoas assim.

Muita paz a todos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 12 de Maio de 2012, 12:27
Amigos  e companheiros  de estudo  não podia  de deixar passar  este dia  que é muito especial para todos  as mães  meditando um pouco num pequeno texto onde  a mãe é  a grande força  do amor.
Amor  sem esperar nada em troca .
Amor  total e  sempre o vivendo  por vezes com muito sofrimento e sempre pronta  a  ajudar.
O amor materno é semente divina lançada no coração da mãe, para que ela possa cuidar com mais eficiência dos seus filhos.
A mãe de amanhã vai reconhecer o verdadeiro amor para com seus filhos, porque ele, além das necessidades, prejudica e cria dificuldades para o filho, que deve aprender muitas coisas a sós, sem a intervenção dos pais.
No mundo espiritual notam-se muitas mães sofrendo com as lições que os filhos devem aprender, desejando, e mesmo pedindo, para que eles não sofram o que eles mesmos criaram, embora eles precisem passar por determinados testemunhos.
Vejam então  que ao falar do Amor temos  sempre  que  pensar no amor  de Mãe ..... Único  ...Maravilhoso .
Com um grande abraço de muita paz
e  um abraço a todas as Mães ................
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 12 de Maio de 2012, 12:37
Bom dia a todos

Dez Maneiras de Amar a Nós Mesmos

1 - Disciplinar os próprios impulsos.
 
2 - Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

3 - Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

4 - Aceitar sem revolta a crítica e a reprovação.

5 - Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

6 - Evitar as conversações inúteis.

7 - Receber o sofrimento o processo de nossa educação.

8 - Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

9 - Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10 - Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.


André Luiz
Psicografia.:Francisco Cândido Xavier
Livro.: Paz e Renovação

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 13:36
"Se alguém diz que ama a Deus, mas não ama seu semelhante,é mentiroso"
Isto foi escrito pelo Apóstolo São João, e expressa uma grande verdade. Deus está dentro de todas as criaturas. Então se temos raiva de alguém,isto atinge o próprio Deus que nele habita.
Demonstraremos nosso amor a Deus, que não vemos,sabendo amar as criaturas que vemos e que vivem em torno de nós.

(minutos de sabedoria)

Boa citação de

Carlos Torres Pastorinho
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 13:37
SEGUNDO DOMINGO DO MÊS DE MAIO  DIAS DAS MÃES, EXTERNO TODO MEU AMOR A MINHA QUERIDA MAMÃE E TAMBÉM A TODAS MÃES DO PLANETA, QUE AMAM SEUS  FILHOS E MUITAS VEZES, OS FILHOS DAS OUTRAS,INCONDICIONALMENTE E DESINTERESSADAMENTE PELO SIMPLES FATO DE SEREM MÃES. QUE DEUS AS ABENÇOE..... Muita Paz  a todos.

Muito bem lembrado L@cerd@
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 13:42
:) Paz a todos!

Ola Moises, permita-me felicitá-lo pelo belo tema escolhido. Parabéns!!

Falar de Amor parece fácil, mas não é. A gente fica buscando palavras mas elas parecem ser incompletas, imprecisas... Amor vai além de qualquer conceito ou definição. Sempre faltará dizer um pouco mais sobre o Amor. É assunto inesgotável e palpitante.
Gostei muito do vídeo que deixo aqui como sugestão para assistirem. A pequena história mostra como o amor pode fazer toda a diferença na vida de uma pessoa ... reflitamos.
É meu compartilhar para o bom êxito deste belo trabalho.
 Espero que gostem!!

Bom sábado com o carinho da
Mizica


Realmente é assim

ando vasculhando os poemas e mensagens que tratam deste tema
e pare-me pouco...ou não sei se e isso
é...é inesgotável este tema

Obrigado pela sua contribuição
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 12 de Maio de 2012, 13:42
PAIXÃO,AMOR E ÓDIO.Sentimentos que  podemos ter,mas que se deve saber bem administrar.A
Paixão cria dependência e aprisiona,O Amor liberta,fotalece,e nos aproxima de Deus.O Ódio
escraviza,mata e nos afasta de Deus.Cabe verdadeiramente a nós sabermos quando e como
estamos com esses sentimentos,Deus nos dá a inteligência,nós devemos buscar através de
nossa fé e nossos ensinamentos aprendidos,qual o sentimento que devemos ter para termos
progresso e evolução.
fiquem na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 13:44
Contribuindo:

" O amor e a caridade são o complemento da lei de justiça, pois amar ao próximo é fazer-lhe todo o bem que nos seja possível e que desejaríamos que nos fosse feito.Tal o sentido destas palavras de Jesus: "Amai-vos uns aos outros como irmãos" Allan Kardec
Livro dos Espíritos, parte 3ª, capítulo XI, referente a questão nº 886, item Caridade e Amor do próximo

Amar? Sempre ... Auxiliar? Sempre mais.

Com carinho
Mizica

Obrigado Mizica

pela citação do Codificador
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 13:46
Bons Dias, mais uma vez  passando por aqui deixo essa reflexão

É a estrutura do amor que nos faz falta

Quando não nos deixam sermos gratos como fica a gratidão!
Quem muito foi ajudado espera poder viver em conformidade com o bem alcançado.
A doação é um impositivo superior que liberta as presas do ódio no geral não somente o maior beneficiado.
A perseguição pela destruição do bem-estar alheio é ferrugem que acabará por surgir por todos os lados como elemento destrutivo.

Assim resumo esta vida a um nunca pararmos de justificar os erros que se impõe nas nossas vidas e a uma busca de paz e consolo na sabedoria milenar e no Evangelho de Jesus Cristo.
Porque é essa estrutura de amor que nos faz falta.

- precisamos mais de consolo do que somos capazes de consolar. ( bem me desculpem os outros )
Por isso estamos sempre há espera de que o outro seja melhor do que é, seja a tal pessoa que só porque se afirma espiritual já deva ser uma fortaleza um exemplo de espiritualidade.

Na realidade é muito bom quando conhecemos pessoas assim.

Muita paz a todos.


Obrigado Oliva
por nos lembrar novamente do Evangelho
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 14:06
Amigos  e companheiros  de estudo  não podia  de deixar passar  este dia  que é muito especial para todos  as mães  meditando um pouco num pequeno texto onde  a mãe é  a grande força  do amor.
Amor  sem esperar nada em troca .
Amor  total e  sempre o vivendo  por vezes com muito sofrimento e sempre pronta  a  ajudar.
O amor materno é semente divina lançada no coração da mãe, para que ela possa cuidar com mais eficiência dos seus filhos.
A mãe de amanhã vai reconhecer o verdadeiro amor para com seus filhos, porque ele, além das necessidades, prejudica e cria dificuldades para o filho, que deve aprender muitas coisas a sós, sem a intervenção dos pais.
No mundo espiritual notam-se muitas mães sofrendo com as lições que os filhos devem aprender, desejando, e mesmo pedindo, para que eles não sofram o que eles mesmos criaram, embora eles precisem passar por determinados testemunhos.
Vejam então  que ao falar do Amor temos  sempre  que  pensar no amor  de Mãe ..... Único  ...Maravilhoso .
Com um grande abraço de muita paz
e  um abraço a todas as Mães ................
Manuel Altino


Manuel Altino

Estas informações
sempre nos instrume

Obrigado novamente pela paticipação
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 14:08
Bom dia a todos

Dez Maneiras de Amar a Nós Mesmos

1 - Disciplinar os próprios impulsos.
 
2 - Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

3 - Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

4 - Aceitar sem revolta a crítica e a reprovação.

5 - Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

6 - Evitar as conversações inúteis.

7 - Receber o sofrimento o processo de nossa educação.

8 - Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

9 - Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10 - Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.


André Luiz
Psicografia.:Francisco Cândido Xavier
Livro.: Paz e Renovação



Boa mensagem Ken

vamos a aula
a pratica exige-nos estes esforços

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 14:11
PAIXÃO,AMOR E ÓDIO.Sentimentos que  podemos ter,mas que se deve saber bem administrar.A
Paixão cria dependência e aprisiona,O Amor liberta,fotalece,e nos aproxima de Deus.O Ódio
escraviza,mata e nos afasta de Deus.Cabe verdadeiramente a nós sabermos quando e como
estamos com esses sentimentos,Deus nos dá a inteligência,nós devemos buscar através de
nossa fé e nossos ensinamentos aprendidos,qual o sentimento que devemos ter para termos
progresso e evolução.
fiquem na paz.

Antonio

Não nos esqueçamos que toda comprensão
quanto a estas palavras

realmente depende de nós
nos unirmos

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Maio de 2012, 14:13
Alienigena chega nos céus e decide nos ajudar.
(http://www.bosin.info/omsh.gif)

Que bom yanmin

que a DªAlnigena pode nos ajudar

sejamos gratos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 12 de Maio de 2012, 15:08
APRENDER A AMAR

De que vale a vida? Qual o motivo de estarmos aqui? São tantos os problemas, que temos dificuldades em responder a essas perguntas.

Ouve-se com frequência os noticiários das catástrofes naturais, que nos assustam. Outras vezes, são crimes hediondos que chocam.

Dias há em que a saúde nos falta, outros em que o nosso amor se despede e parte para onde os olhos não enxergam. E ainda outros são dias de problemas no seio da família e no trabalho.

Jesus, ao afirmar que neste mundo só teríamos aflições, lembra-nos que a vida é escola a nos dar lições, nem todas permeadas pela alegria e a satisfação.

Porém, qual a finalidade dessas lições? O que a vida espera de cada um de nós, ao nos impor desafios pesados, aflições que nos perturbam e nos exigem tanto da alma? Em outras palavras, o que a vida quer de nós?

Jesus foi indagado a respeito, quando, utilizando o linguajar da época, alguém Lhe perguntou qual o maior mandamento da Lei de Deus.

Para o religioso que O indagara, entender o mandamento da Lei de Deus significava entender o próprio objetivo da vida.

E Jesus foi claro ao responder que o objetivo maior da vida é o de amar. Seja o amor a Deus, o amor ao próximo ou o amor a si mesmo, devemos aprender a amar.

Desta forma, seja o que for que nos ocorra, essas situações serão sempre dádivas da vida a nos oferecer possibilidades para o aprendizado do amor.

Seja o que quer que venha a nos suceder, lembremos que no fundo e no final de tudo, está o aprendizado para o amor.

Por isso, a atitude mais sábia que podemos ter perante a vida é a de amar. Amar incondicionalmente.

Pensando dessa forma, Richard Allens escreveu um poema que diz o seguinte:
Quando ames, dá tudo o que tenhas
E quando tenhas chegado ao teu limite, dá ainda mais
E esquece a tua dor.
Porque frente à morte, só o amor que tenhamos dado e recebido é que contará. Todo o mais: as vitórias, as lutas, os embates ficarão esquecidos em nossas reflexões.

E conclui o poeta:
E se tenhas amado bem, então tudo terá valido a pena.
E o prazer que encontrarás nisso durará até o final. Porém, se não o tenhas feito, a morte sempre te chegará muito rápida, e afrontá-la será por demais terrível.

Assim, compreendemos que a única coisa que importa é o amor. Tudo o mais, nossas conquistas, nossos títulos, o dinheiro que temos ou a posição social que desfrutamos, é secundário.

O que fazemos não é importante. A única coisa que importa é como fazemos. E o que realmente importa é que o façamos com amor.

Por isso, antes que a morte nos convide a retornar ao grande lar, antes que nossa jornada de aprendizado aqui se conclua, aproveitemos o tempo e as lições para que o amor comece a ganhar espaço em nosso mundo íntimo.

Aproveitemos os dias valiosos da existência. A cada nascer do sol aceitemos o convite ao aprendizado do amor que se renova.

Entendendo a vida por esse prisma, tenhamos a certeza que as dores amenizarão e as ansiedades repousarão na certeza de que Deus vela por todos, aguardando que as lições do Seu amor se façam em cada um de nós.

Redação do Momento Espírita, com poema extraído do cap.
El capullo y la mariposa, do livro Conferencias: Morir es de
vital importancia, de Elizabeth Klüber Ross, ed. Luciérnaga.
Em 13.08.2010.

Um abraço
J.Anne
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: procura em 12 de Maio de 2012, 22:20
Olá Amigos Muita Paz

Como já tinha afirmado em outra mensagem, o Amor é a lei primordial de Deus que se manifesta de várias formas à nossa volta e que nos consideramos com outros nomes e como outras leis.


Do livro "Pesquisa sobre o Amor" - Professor José Herculano Pires

A endopatia é um processo afetivo de sintonia, em que dois
seres que se amam confundem-se num só, como dois vasos comunicantes
num sistema de indução recíproca. Não se realiza a fusão
real, mas há uma espécie de mistura psíquica, uma relação magnética
em que os sentimentos de ambos se transpõem, fazendo que
um se sinta de certa maneira o outro. A ligação endopática do Ser
do Homem com o Ser do Mundo é uma manifestação do Amor
Telúrico. O Homem ama a Terra, Gea, a matriz que o gerou no
mistério das suas entranhas carregadas de forças desconhecidas.
Sente-se terra, como queria Schiller, e a Terra o retribui envolvendo-
o no seu magnetismo. Os gregos diziam, com razão, que a
Terra é um Ser Vivo. No plano das relações espírito e matéria a
endopatia é um ato mediúnico, pelo qual o espírito livre do corpo
material se liga ao médium, espírito encarnado, para lhe transmitir
o seu pathus, toda a sua situação psico-emotiva em dado momento.
Dessa mesma maneira os corpos celestes circulam em torno
dos sóis, os satélites em torno dos planetas e, no microcosmo, as
partículas em torno do núcleo atômico. A lei de gravidade é a
mesma da endopatia, e ambas nada mais são do que manifestações
diferenciadas da lei suprema da Criação, que é a Lei do Amor. Em
nossa pequenez, em nossa impotência, não podendo abranger a
totalidade cósmica senão em pensamento, damos nomes diferentes
a manifestações diversas de um mesmo poder. Assim, fragmentamos
a realidade em várias realidades, que na verdade são
apenas uma realidade com múltiplos aspectos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 13 de Maio de 2012, 01:11
      Moisés d Cerq   (ref #35)

      Amigo Moisés, permita-me tentar ajudar qto ao texto de Osho:

      Texto de Osho: Como posso amar melhor?! O amor se basta, ele não precisa de melhorias. Ele é perfeito como é e, de maneira nenhuma, precisa ser mais perfeito.

      Cel: estas palavras estão perfeitas. Qdo o amor desperta na compreensão de alguém, ele não é um começo de amor, nem mais ou menos amor; não existe um pouco de amor ou amor q aumenta; nem pequeno amor ou grande amor, nem amor iniciante, nem semente de amor. Amor é amor, um sentimento completo, inteiro, nem aumenta, nem diminui, incondicional. Conforme Jesus e Paulo, a mais excelsa das virtudes.

      O q acontece, é q não conhecemos o amor genuíno e o confundimos com o sentimento humano a q dão o nome de amor. O verdadeiro amor, o mundo o desconhece, pois só surge com a iluminação, com a perda de todas as ilusões e, consequentemente, de todos os apegos (aos atrativos do mundo), qdo tomamos conhecimento de quem somos na verdade.  Por isso, sábios afirmaram: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará!”; “Conhecei-vos a vós mesmos e sereis deuses!”.

      Osho: O próprio desejo demonstra um mal-entendido a respeito do amor e de sua natureza.

      Cel: isso significando q o amor não vem pelo desejo de tê-lo, ou pelo desejo de amar o q quer q seja, nem pelo aconselhamento dos mestres, nem o praticamos qdo desejamos pratica-lo. O amor é espontâneo, natural; sua manifestação independe da vontade de quem já o tem em si; o verdadeiro amor, não se pode aprendê-lo com alguém, nem ensina-lo a quem quer q seja. Ele nasce qdo se consegue uma compreensão total do q a vida é com humanos e não humanos, e se o íntimo já estiver preparado para o compreender...

      Osho: Sua própria pergunta mostra que você nunca provou o que é o amor e que está tentando esconder sua falta de amor no desejo de saber “como amar melhor”. Ninguém que conhece o amor pode fazer essa pergunta.

      Cel: isto é, quem faz essa pergunta ainda não sabe o q é amor; o amor não exige q se compreenda o q ele mesmo é; nem pesa as conseqüências q poderão vir de sua manifestação, nem se quem o pratica poderá ser tachado de tolo, injusto, ignorante; não tem endereço determinado. Amor é amor; apenas isso! 

      Osho: O amor precisa ser entendido não como um encantamento biológico — isso é sensualidade e existe em todos os animais; nada há de especial nisso. Isso existe mesmo nas árvores; essa é a maneira da natureza se reproduzir. Nada há de espiritual nisso e nada especialmente humano. Assim, o primeiro ponto é fazer uma clara distinção entre sensualidade e amor. A sensualidade é uma paixão cega; o amor é a fragrância de um coração silencioso, sereno e meditativo. O amor nada tem a ver com a biologia, com a química ou com os hormônios.

      Cel: isto é, a sensualidade, ou o sexo, é fisiológico, biológico; o amor é, podemos dizer, psicológico, um sentimento puro, sem mácula de espécie alguma.

      Osho: ... o amor está além da matéria e além do corpo... é transcendental... A questão fundamental é como transcender o corpo, como conhecer algo dentro de você que esteja além de tudo que seja mensurável... como penetrar no imensurável. Em outras palavras, como ir além da matéria e abrir os olhos para uma consciência maior.

      Cel: isto é, o amor não vem das experiências/lições q a escola da vida nos proporciona incessantemente; estas poderão, sim, e eventualmente, fazer-nos compreender q é preciso transcender, ir além daquilo q somos e q aprendemos com a vida (q é uma escola do bem e do mal!). A escola pode até mesmo apontar o caminho para q cheguemos ao amor, mas não nos leva a ele.
.............................................................
      Moisés: ... E vejo o amor tão proximo e tão possível.

      Cel: é verdade; ele está mais próximo do q imaginamos: em nós mesmos, mas só o podemos viver se, como diz o Osho, transcendermos a nós mesmos. Só assim, será possível; antes, será arremedo de amor.
.....................................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ohfmann em 13 de Maio de 2012, 03:38
Não destoando em nada do que escreve o mano Moisés, eu, particularmente não posso pensar em estudar a lei do amor, sem a v er inserida em seu justo lugar, como uma lei tríplice em sua abrangência, pois os Espíritos a apresentam como Lei de Amor, Justiça e Caridade.
Por que?
Porque meus manos, para que se possa amar, mesmo no quinhão a que possamos poder utilizar nesse momento encarnatório pelo qual passamos agora, não o conseguiremos fazer bem se destacamos somente um desses momentos que aparecem na nominação desta lei Natural.
Assim é que, se damos apenas mais forção ao tentar entender ao amor, deixando de lado os dois outros componentes, ficamos desfocados do todo que a lei abrange e muito dificilmente, conseguiremos, não sem outro encarnar, compreender toda a beleza do édito divino.
Kardec em OESE, faz remissão apenas ao amor, para nos fazer compreender uma coisa muito simples: o amot é um sentimento e não pode ser separado desse patamar.
quando se diz sobre amor, indicando coisas se está falando diretamente não para o campo do sentimento mas sim para o estágio anterior do qual já nos desvencilhamos, ou seja, o campo das sensações.
Em poucas palavras, quem obra pelo amor, há de fazê-lo segundo o estado tríplice da lei, porém quem obra pelo campo das sensações, pouco distará da materialidade em que se ache envolvido.
Abração,
Moura
Com certeza mano MOURA!
No meu entender, como mero aprendiz que sou, o Amor, segundo Jesus, não existe senão em conjunto com a Caridade e a Justiça.
Fraternal abraço!
ohfmann
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: JACY R SENA em 13 de Maio de 2012, 04:14
Todos nós viemos a esse plano, com a missão de aprender a perdoar, se redimir de faltas passadas,compreender e aceitar as coisas da vida e com tudo isso conhecer e sentir no seu interior o significado  do que é o amor, e o amor maior é o de DEUS por todos nos seus filhos, e seguindo o parâmetro,temos o amor de mãe por seus filhos, netos que é tão perfeito , que a mesma é capaz de sacrificar tudo em sua vida em prol dessas criaturas que lhe são tão caras nessa existência.                                                                                                                                Feliz dia das MÃES, para todos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 13 de Maio de 2012, 11:06
Amigos  e companheiros  deste  estudo onde  sempre  vamos  colocando muitas  coisas  sobre a Lei do Amor, o que é muito bom.
Mas  uma grande verdade  nos  é colocada  na vida  falamos  e  quase que sabemos que na vida só o Amor  faz sentido e por muito que  saibamos , sintam que  o mais importante é saber  dividir  esse Amor  para que  todos possam beneficiar  do que cada um de nós pode dar ........Assim deve ser o Amor  na partilha , na doação, no compreender o outro .....
A miséria que  grassa pelo mundo,que entulha as avenidas do mundo, mistura - se à lei da
 natureza moral, que enche  os edifícios e residências de luxo como os guetos da
promiscuidade libertina.
O que podes fazer, parece te  quase sem sentido ou significado, perante grande  e  volumoso
problema.
Apesar disso, não te escuses de auxiliar.
Se não consegues ir à causa do problema, minimizar lhe os efeitos.
Desde que não podes erradicar, de um golpe, a fome, a enfermidade, sempre podes dividir do que possuis, com aquele que nada tem.
Quando repartes com amor, multiplicas a esperança, favorecendo a alegria.
Então é desta maneira  que  então podemos sentir  o Amor  e  na vida  sentimos  que  esse amor  passa pela doação..........mas  um dado ainda mais importante  temos  que  meditar que  dó de ama  e sente o verdadeiro  Amor  Perdoando e tendo Caridade .
Um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 13 de Maio de 2012, 11:11
Partilhando convosco mais um Iluminado pensamento e muita paz a todos

“EU AMO MAIS DO QUE POSSO SUPORTAR, ISSO FAZ DE MIM IMORTAL”
Anna Himmel


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 13 de Maio de 2012, 11:35
Vou também tentar partilhar esse som convosco
Bryan White - Love is the Right Place

http://youtu.be/bok3a29Z1ac

Bryan White - Love is the Right Place (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWJvazNhMjlaMWFjJmFtcDtmZWF0dXJlPXlvdXR1LmJlI3dz)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 13 de Maio de 2012, 12:59
Bom dia a todos

Complementando o texto colocado pelo nosso amigo M. Altino, cuja retórica nos é sempre muito prazerosa, vou repetir o que  já havia dito alhures, o "Amor" em meu conceito é a
plenitude de todas as virtudes, ou seja, só o estaremos praticando, quanto em nossas atitudes sempre estiverem contidas a humildade, tolerância, indulgência, caridade, perdão, etc.

Uma poesia aos amigos:-

Mais Amor

Rogas à vida o roteiro
Da Esfera Superior,
E a vida responde sempre:
Meditar com mais amor.

Procurando, desse modo,
Caminho renovador,
Em toda dificuldade,
Apóia com mais amor.

Se esperas pelo futuro
Como ninho aberto em flor,
Arando a terra do sonho,
Trabalha com mais amor.

Recebe, pois, o infortúnio
Com desassombro e valor,
Se a provação recrudesce,
Suporta com mais amor.

Tolera com paciência
A nuvem do dissabor;
Buscando nova alegria,
Ampara com mais amor.

Caluniaram-te a vida?
Perdoa seja a quem for.
Quem vive para a verdade,
Entende com mais amor.

Amigos desavísados
Trouxeram-te sombra e dor?
Diante de todos eles,
Auxilia com mais amor.

Feriram-te as esperanças
Brandindo verbo agressor?
Não critiques nem te queixes...
Espera com mais amor.

Ante o jogo de ilusões
Que o mal te venha a propor,
No cultivo da humildade,
Resiste com mais amor.

Se desejas alcançar
A comunhão do Senhor,
Arrima-te à caridade
E serve com mais amor.

Xavier, Francisco Cândido; Baccelli, Carlos A.. Da obra: Brilhe Vossa Luz.
Ditado pelo Espírito Casimiro Cunha. 4 edição. Capítulo 15. Araras, SP: IDE. 1987

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 13 de Maio de 2012, 20:44
      Filhodobino    (ref #29)

      Novamente, para fazer refletir:

      Filhodobino escreveu: O Cristo de Deus, declarou a base, universalmente aceita para amar...: “Não fazer a outrem o que não queira para si...”.

      Cel: meu amigo e xará; não terão sido essas palavras de Jesus pronunciadas para nada mais além do q incentivar um relacionamento mais harmonioso entre os já tão sofridos seres humanos, naquela época em q os poderosos eram a lei? Mesma intenção tiveram muitos daqueles homens de cujas palavras os demais convencionaram religiões: tentaram trazer harmonia entre os homens, para uma vida mais sem conflitos.

      Nessas palavras de Jesus, nada está q ensine uns a amarem os outros (porq, observe, amar ninguém ensina, como, também, ninguém aprende amar com as palavras de outrem!), mas somente incitamento para q se tratem bem. Se nessas palavras, Jesus está ensinando <o que fazer> para amar, nenhuma lição nos deu sobre <como> fazer despertar amor em nosso coração, pois de nada adianta dizer “amem os semelhantes”, se não se ensina “como fazer para ter amor pelos semelhantes”!

      Observe q podemos estar atendendo a essas palavras de Jesus, isto é, podemos até mesmo não fazer aos outros o q não queremos q nos façam, apenas pelo receio de q, esses outros, do mesmo modo, ajam contra nós; e isso nada tem a ver com relação a amor.
.....................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 13 de Maio de 2012, 21:10
      MAltino    (ref #184)

      Altino escreveu: ...Assim deve ser o Amor  na partilha,  na doação, no compreender o outro... Apesar disso, não te escuses de auxiliar. Se não consegues ir à causa do problema, minimizar lhe os efeitos. Desde que não podes erradicar, de um golpe, a fome, a enfermidade, sempre podes dividir do que possuis, com aquele que nada tem.
Quando repartes com amor, multiplicas a esperança, favorecendo a alegria... mas  um dado ainda mais importante  temos  que  meditar que  dó de (só se?) ama  e sente o verdadeiro  Amor  Perdoando e tendo Caridade .

      Cel: meu caro amigo de Vila Nova de Gaia, tenho certeza de q se vc bem refletir verá q amor ninguém consegue ensinar, como, também, ninguém consegue aprender com palavras ou exemplos de quem quer q seja. O amor não nasce de se tentar compreender o q seja ele e q, mesmo q tenhamos amor em nossa natureza/coração, não seremos capazes de ensinar a outrem a te-lo.

      O amor só nasce do “conhecer a Verdade q liberta” (e “tudo o mais vos virá por acréscimo!”).
..................................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 13 de Maio de 2012, 22:24
      Moisés    (re #34)
     
      Amigos Marlene e Moisés, me permitam entrar na conversa, dar um pitaco, como dizem.

      Marlene (msg ant, a Moisés): Permite-me fazer uma afirmação, e ao mesmo tempo, perceber a tua idéia sobre isto: “No mundo em que vivemos não há amor, há apenas paixão”. O que me dizes dessa minha afirmação?

      Moisés respondeu: Penso que há os dois sentimentos, tanto a paixão como o amor. Sobrepuja pela sua sublimidade e ação inconfundível ante a ação da lei maior; o amor.

      Cel: a amiga Marlene está certa; o mundo não conhece o amor nesse sentido de “lei maior”; só conhece o pseudo-amor, como afeto, atração, dependência, admiração, reconhecimento, respeito, amizade etc. O amor verdadeiro só vem pelo “conhecer a Verdade q liberta”, como disse Jesus, qdo “tudo o mais vos virá por acréscimo!”.
..................................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 14 de Maio de 2012, 03:06
      Mano Moura   (ref #41)

      Moura escreveu: Vemos muitas vezes pessoas a falar em meditação etc. O Espiritismo... trás sim um apelo intenso à meditação, mas devemos ter em mente o  dicionário, antes de nos perfilarmos sob entendimento diverso do que o termo meditação quer dizer, em especial para nós, espíritas.

      Cel: meu mano e amigo Moura, vc está coberto de razão. A  meditação espírita e de muitas, talvez, todas as religiões, nada tem a ver com a meditação no sentido transcendental ou místico... esta meditação é não discursiva, sem reflexões, imaginações, pensamentos, visualizações, orações, súplicas, agradecimentos, expectativas em relação ao futuro, ou lembranças. Para q haja a meditação de q falo, a mente/ego/eu tem de estar em total silêncio, vazia, para q, metaforicamente, haja “espaço” para Deus entrar, e “silêncio” para q possamos ouvi-lo. Não sendo assim, apenas será uma “tentativa” de meditação. Como disse o profeta do Ant Test: “<Silencia-te> e sabe: eu sou Deus!”, como disse Jesus: “falar ao Pai em <oculto>, q o Pai, em <oculto>, responderá”.
................................................................
     
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 14:20
APRENDER A AMAR

De que vale a vida? Qual o motivo de estarmos aqui? São tantos os problemas, que temos dificuldades em responder a essas perguntas.

Ouve-se com frequência os noticiários das catástrofes naturais, que nos assustam. Outras vezes, são crimes hediondos que chocam.

Dias há em que a saúde nos falta, outros em que o nosso amor se despede e parte para onde os olhos não enxergam. E ainda outros são dias de problemas no seio da família e no trabalho.

Jesus, ao afirmar que neste mundo só teríamos aflições, lembra-nos que a vida é escola a nos dar lições, nem todas permeadas pela alegria e a satisfação.

Porém, qual a finalidade dessas lições? O que a vida espera de cada um de nós, ao nos impor desafios pesados, aflições que nos perturbam e nos exigem tanto da alma? Em outras palavras, o que a vida quer de nós?

Jesus foi indagado a respeito, quando, utilizando o linguajar da época, alguém Lhe perguntou qual o maior mandamento da Lei de Deus.

Para o religioso que O indagara, entender o mandamento da Lei de Deus significava entender o próprio objetivo da vida.

E Jesus foi claro ao responder que o objetivo maior da vida é o de amar. Seja o amor a Deus, o amor ao próximo ou o amor a si mesmo, devemos aprender a amar.

Desta forma, seja o que for que nos ocorra, essas situações serão sempre dádivas da vida a nos oferecer possibilidades para o aprendizado do amor.

Seja o que quer que venha a nos suceder, lembremos que no fundo e no final de tudo, está o aprendizado para o amor.

Por isso, a atitude mais sábia que podemos ter perante a vida é a de amar. Amar incondicionalmente.

Pensando dessa forma, Richard Allens escreveu um poema que diz o seguinte:
Quando ames, dá tudo o que tenhas
E quando tenhas chegado ao teu limite, dá ainda mais
E esquece a tua dor.
Porque frente à morte, só o amor que tenhamos dado e recebido é que contará. Todo o mais: as vitórias, as lutas, os embates ficarão esquecidos em nossas reflexões.

E conclui o poeta:
E se tenhas amado bem, então tudo terá valido a pena.
E o prazer que encontrarás nisso durará até o final. Porém, se não o tenhas feito, a morte sempre te chegará muito rápida, e afrontá-la será por demais terrível.

Assim, compreendemos que a única coisa que importa é o amor. Tudo o mais, nossas conquistas, nossos títulos, o dinheiro que temos ou a posição social que desfrutamos, é secundário.

O que fazemos não é importante. A única coisa que importa é como fazemos. E o que realmente importa é que o façamos com amor.

Por isso, antes que a morte nos convide a retornar ao grande lar, antes que nossa jornada de aprendizado aqui se conclua, aproveitemos o tempo e as lições para que o amor comece a ganhar espaço em nosso mundo íntimo.

Aproveitemos os dias valiosos da existência. A cada nascer do sol aceitemos o convite ao aprendizado do amor que se renova.

Entendendo a vida por esse prisma, tenhamos a certeza que as dores amenizarão e as ansiedades repousarão na certeza de que Deus vela por todos, aguardando que as lições do Seu amor se façam em cada um de nós.

Redação do Momento Espírita, com poema extraído do cap.
El capullo y la mariposa, do livro Conferencias: Morir es de
vital importancia, de Elizabeth Klüber Ross, ed. Luciérnaga.
Em 13.08.2010.

Um abraço
J.Anne

Obrigado J.Anne

por mais esta reflexão

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 14 de Maio de 2012, 14:32
Olá,

" Não creiais na esterilidade e no endurecimento do coração humano, ele cede , a seu malgrado, ao amor verdadeiro; é um ímã ao qual não pode resistir , e o contato desse amor vivifica e fecunda os germes dessa virtude que está nos vossos corações em estado latente. " ESE capítulo XI.


Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 14:37


Um pouco de música para todos nós
a arte , a  letra , a hormonia



Pra Você Guardei O Amor
Nando Reis

 Pra você guardei o amor
 Que nunca soube dar
 O amor que tive e vi sem me deixar
 Sentir sem conseguir provar
 Sem entregar
 E repartir
 
 Pra você guardei o amor
 Que sempre quis mostrar
 O amor que vive em mim vem visitar
 Sorrir, vem colorir solar
 Vem esquentar
 E permitir
 
 Quem acolher o que ele tem e traz
 Quem entender o que ele diz
 No giz do gesto o jeito pronto
 Do piscar dos cílios
 Que o convite do silêncio
 Exibe em cada olhar
 
 Guardei
 Sem ter porque
 Nem por razão
 Ou coisa outra qualquer
 Além de não saber como fazer
 Pra ter um jeito meu de me mostrar
 
 Achei
 Vendo em você
 E explicação
 Nenhuma isso requer
 Se o coração bater forte e arder
 No fogo o gelo vai queimar
 
 Pra você guardei o amor
 Que aprendi vendo os meus pais
 O amor que tive e recebi
 E hoje posso dar livre e feliz
 Céu cheiro e ar na cor que o arco-íris
 Risca ao levitar
 
 Vou nascer de novo
 Lápis, edifício, tevere, ponte
 Desenhar no seu quadril
 Meus lábios beijam signos feito sinos
 Trilho a infância, terço o berço
 Do seu lar
 
 Guardei
 Sem ter porque
 Nem por razão
 Ou coisa outra qualquer
 Além de não saber como fazer
 Pra ter um jeito meu de me mostrar
 
 Achei
 Vendo em você
 E explicação
 Nenhuma isso requer
 Se o coração bater forte e arder
 No fogo o gelo vai queimar
 
 Pra você guardei o amor
 Que nunca soube dar
 O amor que tive e vi sem me deixar
 Sentir sem conseguir provar
 Sem entregar
 E repartir
 
 Quem acolher o que ele tem e traz
 Quem entender o que ele diz
 No giz do gesto o jeito pronto
 Do piscar dos cílios
 Que o convite do silêncio
 Exibe em cada olhar
 
 Guardei
 Sem ter porque
 Nem por razão
 Ou coisa outra qualquer
 Além de não saber como fazer
 Pra ter um jeito meu de me mostrar
 
 Achei
 Vendo em você
 E explicação
 Nenhuma isso requer
 Se o coração bater forte e arder
 No fogo o gelo vai queimar

Pra você guardei o amor - Legendado (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTFPVG56OGNab0lrIw==)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 15:21
Olá Amigos Muita Paz

Como já tinha afirmado em outra mensagem, o Amor é a lei primordial de Deus que se manifesta de várias formas à nossa volta e que nos consideramos com outros nomes e como outras leis.


Do livro "Pesquisa sobre o Amor" - Professor José Herculano Pires

A endopatia é um processo afetivo de sintonia, em que dois
seres que se amam confundem-se num só, como dois vasos comunicantes
num sistema de indução recíproca. Não se realiza a fusão
real, mas há uma espécie de mistura psíquica, uma relação magnética
em que os sentimentos de ambos se transpõem, fazendo que
um se sinta de certa maneira o outro. A ligação endopática do Ser
do Homem com o Ser do Mundo é uma manifestação do Amor
Telúrico. O Homem ama a Terra, Gea, a matriz que o gerou no
mistério das suas entranhas carregadas de forças desconhecidas.
Sente-se terra, como queria Schiller, e a Terra o retribui envolvendo-
o no seu magnetismo. Os gregos diziam, com razão, que a
Terra é um Ser Vivo. No plano das relações espírito e matéria a
endopatia é um ato mediúnico, pelo qual o espírito livre do corpo
material se liga ao médium, espírito encarnado, para lhe transmitir
o seu pathus, toda a sua situação psico-emotiva em dado momento.
Dessa mesma maneira os corpos celestes circulam em torno
dos sóis, os satélites em torno dos planetas e, no microcosmo, as
partículas em torno do núcleo atômico. A lei de gravidade é a
mesma da endopatia, e ambas nada mais são do que manifestações
diferenciadas da lei suprema da Criação, que é a Lei do Amor. Em
nossa pequenez, em nossa impotência, não podendo abranger a
totalidade cósmica senão em pensamento, damos nomes diferentes
a manifestações diversas de um mesmo poder. Assim, fragmentamos
a realidade em várias realidades, que na verdade são
apenas uma realidade com múltiplos aspectos.

Olá Procura

Segue o endereço do livro citado;

http://editorafranciscano.com.br/doc/Pesquisa_sobre_o_Amor.pdf

e o brigado pela sua contribuição

Bem dificil e também bem amplo para compreender esta questão da "endopatia"
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 15:23
Olá,

" Não creiais na esterilidade e no endurecimento do coração humano, ele cede , a seu malgrado, ao amor verdadeiro; é um ímã ao qual não pode resistir , e o contato desse amor vivifica e fecunda os germes dessa virtude que está nos vossos corações em estado latente. " ESE capítulo XI.


Muita Paz

Olá Si
Oportuna esta citação

Muito obrigado

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 16:05
Todos nós viemos a esse plano, com a missão de aprender a perdoar, se redimir de faltas passadas,compreender e aceitar as coisas da vida e com tudo isso conhecer e sentir no seu interior o significado  do que é o amor, e o amor maior é o de DEUS por todos nos seus filhos, e seguindo o parâmetro,temos o amor de mãe por seus filhos, netos que é tão perfeito , que a mesma é capaz de sacrificar tudo em sua vida em prol dessas criaturas que lhe são tão caras nessa existência.                                                                                                                                Feliz dia das MÃES, para todos.

Olá Jacy

Todos viemos sim a este Plano para aprender
e também para ensinarmos uns aos outros estas lições indispensáveis a todos nós

Nisto consiste a sistematização em nós dos ensinos Evangélicos,
é a pedagogia da luz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 16:16
Amigos  e companheiros  deste  estudo onde  sempre  vamos  colocando muitas  coisas  sobre a Lei do Amor, o que é muito bom.
Mas  uma grande verdade  nos  é colocada  na vida  falamos  e  quase que sabemos que na vida só o Amor  faz sentido e por muito que  saibamos , sintam que  o mais importante é saber  dividir  esse Amor  para que  todos possam beneficiar  do que cada um de nós pode dar ........Assim deve ser o Amor  na partilha , na doação, no compreender o outro .....
A miséria que  grassa pelo mundo,que entulha as avenidas do mundo, mistura - se à lei da
 natureza moral, que enche  os edifícios e residências de luxo como os guetos da
promiscuidade libertina.
O que podes fazer, parece te  quase sem sentido ou significado, perante grande  e  volumoso
problema.
Apesar disso, não te escuses de auxiliar.
Se não consegues ir à causa do problema, minimizar lhe os efeitos.
Desde que não podes erradicar, de um golpe, a fome, a enfermidade, sempre podes dividir do que possuis, com aquele que nada tem.
Quando repartes com amor, multiplicas a esperança, favorecendo a alegria.
Então é desta maneira  que  então podemos sentir  o Amor  e  na vida  sentimos  que  esse amor  passa pela doação..........mas  um dado ainda mais importante  temos  que  meditar que  dó de ama  e sente o verdadeiro  Amor  Perdoando e tendo Caridade .
Um grande abraço de muita paz
Manuel Altino


Obrigano Manuel Altino
por mais este esclarecimento

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 16:20
Bom dia a todos

Complementando o texto colocado pelo nosso amigo M. Altino, cuja retórica nos é sempre muito prazerosa, vou repetir o que  já havia dito alhures, o "Amor" em meu conceito é a
plenitude de todas as virtudes, ou seja, só o estaremos praticando, quanto em nossas atitudes sempre estiverem contidas a humildade, tolerância, indulgência, caridade, perdão, etc.

Uma poesia aos amigos:-

Mais Amor

Rogas à vida o roteiro
Da Esfera Superior,
E a vida responde sempre:
Meditar com mais amor.

Procurando, desse modo,
Caminho renovador,
Em toda dificuldade,
Apóia com mais amor.

Se esperas pelo futuro
Como ninho aberto em flor,
Arando a terra do sonho,
Trabalha com mais amor.

Recebe, pois, o infortúnio
Com desassombro e valor,
Se a provação recrudesce,
Suporta com mais amor.

Tolera com paciência
A nuvem do dissabor;
Buscando nova alegria,
Ampara com mais amor.

Caluniaram-te a vida?
Perdoa seja a quem for.
Quem vive para a verdade,
Entende com mais amor.

Amigos desavísados
Trouxeram-te sombra e dor?
Diante de todos eles,
Auxilia com mais amor.

Feriram-te as esperanças
Brandindo verbo agressor?
Não critiques nem te queixes...
Espera com mais amor.

Ante o jogo de ilusões
Que o mal te venha a propor,
No cultivo da humildade,
Resiste com mais amor.

Se desejas alcançar
A comunhão do Senhor,
Arrima-te à caridade
E serve com mais amor.

Xavier, Francisco Cândido; Baccelli, Carlos A.. Da obra: Brilhe Vossa Luz.
Ditado pelo Espírito Casimiro Cunha. 4 edição. Capítulo 15. Araras, SP: IDE. 1987



Ken
Obrigado Novamente
por sua participação
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 14 de Maio de 2012, 16:24
Partilhando convosco mais um Iluminado pensamento e muita paz a todos

“EU AMO MAIS DO QUE POSSO SUPORTAR, ISSO FAZ DE MIM IMORTAL”
Anna Himmel




Obrigado Oliva
pela Música
e pela imagenm

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 14 de Maio de 2012, 16:39
Olá,

O Trabalho do amor em benefício da plenificação humana é lento, mas inevitável.
Jesus amou sem distinção e foi assassinado. No entanto, o Seu exemplo vem edificando vidas aos milhões, que tentam segui-lO, embora as limitações de que se encontram possuídas.

Gandhi, amando, igualmente ofereceu a vida, porque não poderia morrer senão pela agressividade dos violentos que, dessa forma, demonstrariam a sua própria fraqueza...

O amor é a solução. Todavia muitas criaturas dele se utilizam para esgrimir suas paixões , exibir seus conflitos, competir nas suas ambições.
Separam-se parceiros por ninharias; amigos se afastam por mínimas incompreensões; companheiros se antagonizam por mal-entendimentos injustificáveis, todos vítimas de pertinaz orgulho e vil egoísmo que os impedem de compreender , de tolerar, de buscar esclarecimentos, de tentar fraternidade.
Sempre que insatisfeitos, com ou sem razão plausível, investem contra, quando poderiam avançar na direção , sempre a favor...


Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Denize Moreira em 14 de Maio de 2012, 17:43
                   Boa Tarde
     Plantio de Amor
Queridos irmãos, antes de plantar vosso trigo, retirem da terra o joio, e preparem a semeadura  da sementeira para que o plantio seja abundante e com fertilidade. Vossa plantação seja de amor, e que deste amor, frutos de paz se façam presentes, que o amor se faça em todas as sementeiras, e que a paz não venha a ser sufocada com o joio da tristeza e do egoísmo. O plantio é nossa maior fonte de amor a ser recolhido, para que aqueles que não alcançaram ainda o labor desta paz possam se sentir numa lavoura, onde o amor eram as flores, e os espinhos irão se formar para que os frutos sejam protegidos da dor, que neste mundo se faz necessária.
Meus querido irmãos, somos vossos adubadores hoje, amanhã e sempre; que a paz do nosso Mestre se faça presente em vossas plantações e no labutar terrestre.
                                                                                                                                                                            Um irmão e amigo
            Recebida em reunião mediúnica no CELV, em  13/11/2011
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 14 de Maio de 2012, 20:27
Boa tarde a todos

Este texto sempre vale a pena reler :-


Amor e Matizes


Alcança-se a plenitude terrena quando se consegue amar.

Amar, sem qualquer condicionamento ou imposição, constitui meta que todos devem perseguir, a fim de atingir o triunfo existencial.

O amor é um diamante que, para poder brilhar, necessita ser arrancado da ganga que o envolve no seu estágio primário. Nasce do coração no rumo da vida, expandindo-se na razão direta em que conquista espaço interno, sempre mais expressivo e irradiante.

É realização do sentimento que se liberta do egoísmo, que se transmuda em compaixão, em solidariedade, em compreensão.

Possuidor de emoções superiores, expressa o nível de evolução de cada ser, à media que se agiganta.

Quando alguém empreende a tarefa de ser aquele que ama, ocorre uma revolução significativa no seu psiquismo, e todo ele se transforma numa chama que ilumina sem consumir-se, numa tranqüilidade que não se altera.

Não poucas vezes, aquele que desperta para o amor experimenta frustração e conflito, por não ser entendido ou esperar que os resultados do seu empenho sejam imediatos e logo a plantação de ternura seja abençoada pelas flores perfumadas da recompensa.

Trata-se, essa reflexão incorreta, de algum remanescente ainda egoística em torno de equivocado conceito sobre o amor.

É muito gratificante acompanhar o desenvolvimento de qualquer empresa, observando os resultados que apresenta, os frutos que produz, as gratificações que oferece. No entanto, não é essa a resposta do empreendimento afetivo.

Não estando as criaturas acostumadas ao amor, mas sim à convivência com as utopias, os interesses mesquinhos e competitivos, quando o defrontam, afligem-se, desconfiam, reagem negativamente, recusam-no. É perfeitamente natural essa conduta, porque defluente do desconhecimento dos inexcedíveis benefícios do amor.

Tudo quanto é inusitado inspira suspeição.

Porque alguém não se sente em condições de amar, não acredita que outrem se encontre nesse patamar do sentimento elevado.

O amor, porém, que insiste e persevera, termina por vencer quaisquer resistências, porque não se impõe, não gera perturbação, não toma, somente oferece.

O amor torna o ser compreensivo e dedicado, emulando-o a prosseguir na sementeira da bondade, do bem-estar próprio e geral.

O amor é sempre mais enriquecedor para quem o cultiva e esparze-o do que para os demais.

O amor apresenta-se em variados matizes, que são resultados das diversas facetas da mesma gema, refletindo a luz em tonalidades especiais, conforme o ângulo de sua captação.

Expressa-se num misto de ternura e de companheirismo, de interesse pelo êxito do outro e de compreensão das suas dificuldades, de alegria pelas suas conquistas e de compaixão pelos seus desaires, de generosidade que se doa e de cooperação que ajuda.

Mesmo quando não aceito, não se entristece nem descamba em reações psicológicas de autopiedade, reservando-se o luxo de manter ressentimento, ou de propor o afastamento de quem o não recebe.

Pelo contrário, continua na sua tarefa missionária de enriquecer, às vezes, desaparecendo da presença para permanecer em vibrações de doçura e de paz, sustentando o opositor e diluindo-lhe as impressões perturbadoras.

Deve ser enunciado ou pode manter-se em silêncio, a depender das circunstâncias, das ocorrências, dos fenômenos que se derivam dos relacionamentos.

O importante é que transforme em ação paciente e protetora, sem asfixiar nem dominar a quem quer que seja.

Nunca desfalece, quando autêntico, embora haja momentos em que a sua luz bruxuleia um pouco, necessitando do combustível da oração que o fortalece, por vincular a criatura ao seu Criador, do qual promana como inefável recurso de plenitude.

Quando os racionamentos humanos experimentarem o estímulo do amor, os famigerados adversários da sociedade - guerras, calamidades, fome, violência, vícios - desaparecerão naturalmente, porque desnecessários entre os seres, em razão dos eus conflitos, agora atenuados, não mias buscarem esses mecanismos infelizes de sobrevivência, de exaltação do ego ou de dominação arbitrária do seu próximo.

O amor tudo pode e tudo vence. Não se afadigando mediante a pressa, estende-se ao longo do tempo como hálito que mantém a vida e brisa cariciosa que a beneficia.

Onde se apresenta o amor, os espectros do ódio, do ciúme, da cizânia, da maledicência, da perversidade, da traição, do orgulho, se diluem, cedendo-lhe o espaço para a fraternidade, a confiança irrestrita, a união, a estimulação, a bondade, a fidelidade, a simplicidade de coração.

O amor é um tesouro que mais se multiplica, à medida que se reparte, jamais desaparecendo, porque a sua força reside na sua própria constituição, que é de origem divina.

Nada obstante, o amor não conive, não se amolenta, não serve de capacho para facultar a ascensão dos fracos aos estágios superiores, nem se submete ante a exploração dos perversos e dos astutos.

É alimento do Espírito e irradiação do magnetismo universal.

Enquanto se deseja ser amado, embora não amando, ser compreendido, apesar de não ser compreensivo, não se atinge a meta do desenvolvimento espiritual. Nesse ser, que assim age, permanece a infância psicológica que deseja auferir sem dar, desfrutar sem oferecer,
O amor compraz-se na reciprocidade, porém, não a torna indispensável, porque existe com a finalidade exclusiva de tronar feliz aquele que o cultiva, enriquecendo aqueloutro a quem se dirige.

Em razão disso, é rico de valores, multiplicando-se incessantemente e oferecendo apoio, plenificação e paz a quem o ignorando, por indiferença ou desequilíbrio.

Afinal, sendo de essência divina, nunca será demasiado repetir-se que o amor é a emanação da vida, é a alma de Deus.


Franco, Divaldo Pereira. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. Página psicografada pelo médium Divaldo P.Franco, no dia 20 de setembro de 2002, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia..

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 15 de Maio de 2012, 11:21
Bom dia e  muito amor no coração
..estava lendo esse texto num blog e resolvi traze-lo até aqui fazendo um pequeno comentário que me parece relevante e que se enquadra no tema do fórum  A importância desse  Amor que tudo suporta, tudo transforma, tudo vivifica e de nós homens só depende, vou citar Emmanuel Kant , o esforço para fazer a reforma interior.

Infelizmente o Deus estudado pela teologia não corresponde ao Deus interpretado pela psicologia e filosofia. Jesus apresentou um Deus que não condena, não faz guerras para impor sua vontade, não agride, não discrimina, mas um Deus generoso, afetivo, sereno.
Você discrimina prostitutas? Ele as abraça. Você rejeita drogados? Ele os ama. Você dá as costas a muçulmanos ou budistas por não serem cristãos? Ele é deslumbrado por eles. Não importa a opção sexual, a religião, a cultura a nacionalidade. Jesus nos apresentou um pai preocupadíssimo com cada ser humano.    Augusto Cury

 Por isso é que o Espiritismo é tão importante em nossas vidas.
… estamos ainda despertando para essa consciência Maior em nós e com ela a aprender a viver o perdão; a ultrapassar as consequências dos erros passados de vidas em comum.
Aliás vejo pelos postes que acabei de ler que assim é.
E também é real o termos que conviver com as doenças emocionais que se manifestam na mente e no corpo e que requerem tratamentos que só agora começam a surgir e nem sempre são de fácil acesso seja exterior seja interior.

Muita paz e boa semana a todos

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 20:10
Olá,

O Trabalho do amor em benefício da plenificação humana é lento, mas inevitável.
Jesus amou sem distinção e foi assassinado. No entanto, o Seu exemplo vem edificando vidas aos milhões, que tentam segui-lO, embora as limitações de que se encontram possuídas.

Gandhi, amando, igualmente ofereceu a vida, porque não poderia morrer senão pela agressividade dos violentos que, dessa forma, demonstrariam a sua própria fraqueza...

O amor é a solução. Todavia muitas criaturas dele se utilizam para esgrimir suas paixões , exibir seus conflitos, competir nas suas ambições.
Separam-se parceiros por ninharias; amigos se afastam por mínimas incompreensões; companheiros se antagonizam por mal-entendimentos injustificáveis, todos vítimas de pertinaz orgulho e vil egoísmo que os impedem de compreender , de tolerar, de buscar esclarecimentos, de tentar fraternidade.
Sempre que insatisfeitos, com ou sem razão plausível, investem contra, quando poderiam avançar na direção , sempre a favor...


Muita Paz

Olá Si

mais uma reflexão de peso
que nos direciona
e também com
fortes aponta qentos quanto ao equivocado prosceder.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 20:13
                   Boa Tarde
     Plantio de Amor
Queridos irmãos, antes de plantar vosso trigo, retirem da terra o joio, e preparem a semeadura  da sementeira para que o plantio seja abundante e com fertilidade. Vossa plantação seja de amor, e que deste amor, frutos de paz se façam presentes, que o amor se faça em todas as sementeiras, e que a paz não venha a ser sufocada com o joio da tristeza e do egoísmo. O plantio é nossa maior fonte de amor a ser recolhido, para que aqueles que não alcançaram ainda o labor desta paz possam se sentir numa lavoura, onde o amor eram as flores, e os espinhos irão se formar para que os frutos sejam protegidos da dor, que neste mundo se faz necessária.
Meus querido irmãos, somos vossos adubadores hoje, amanhã e sempre; que a paz do nosso Mestre se faça presente em vossas plantações e no labutar terrestre.
                                                                                                                                                                            Um irmão e amigo
            Recebida em reunião mediúnica no CELV, em  13/11/2011


Obrigado Mary Helem

Por nos trazer esta mensagem do além
relebrou-nos realmente o Nosso Mestre Jesus
e suas reflexões ate as coisas do campo, da agricultura, do trabalho, do plantar e do colher

Muito Obrigado pela sua participação

É de muita importaância esta mensagem

abraços
 e muita paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 20:31
Boa tarde a todos

Este texto sempre vale a pena reler :-


Amor e Matizes


Alcança-se a plenitude terrena quando se consegue amar.

Amar, sem qualquer condicionamento ou imposição, constitui meta que todos devem perseguir, a fim de atingir o triunfo existencial.

O amor é um diamante que, para poder brilhar, necessita ser arrancado da ganga que o envolve no seu estágio primário. Nasce do coração no rumo da vida, expandindo-se na razão direta em que conquista espaço interno, sempre mais expressivo e irradiante.

É realização do sentimento que se liberta do egoísmo, que se transmuda em compaixão, em solidariedade, em compreensão.

Possuidor de emoções superiores, expressa o nível de evolução de cada ser, à media que se agiganta.

Quando alguém empreende a tarefa de ser aquele que ama, ocorre uma revolução significativa no seu psiquismo, e todo ele se transforma numa chama que ilumina sem consumir-se, numa tranqüilidade que não se altera.

Não poucas vezes, aquele que desperta para o amor experimenta frustração e conflito, por não ser entendido ou esperar que os resultados do seu empenho sejam imediatos e logo a plantação de ternura seja abençoada pelas flores perfumadas da recompensa.

Trata-se, essa reflexão incorreta, de algum remanescente ainda egoística em torno de equivocado conceito sobre o amor.

É muito gratificante acompanhar o desenvolvimento de qualquer empresa, observando os resultados que apresenta, os frutos que produz, as gratificações que oferece. No entanto, não é essa a resposta do empreendimento afetivo.

Não estando as criaturas acostumadas ao amor, mas sim à convivência com as utopias, os interesses mesquinhos e competitivos, quando o defrontam, afligem-se, desconfiam, reagem negativamente, recusam-no. É perfeitamente natural essa conduta, porque defluente do desconhecimento dos inexcedíveis benefícios do amor.

Tudo quanto é inusitado inspira suspeição.

Porque alguém não se sente em condições de amar, não acredita que outrem se encontre nesse patamar do sentimento elevado.

O amor, porém, que insiste e persevera, termina por vencer quaisquer resistências, porque não se impõe, não gera perturbação, não toma, somente oferece.

O amor torna o ser compreensivo e dedicado, emulando-o a prosseguir na sementeira da bondade, do bem-estar próprio e geral.

O amor é sempre mais enriquecedor para quem o cultiva e esparze-o do que para os demais.

O amor apresenta-se em variados matizes, que são resultados das diversas facetas da mesma gema, refletindo a luz em tonalidades especiais, conforme o ângulo de sua captação.

Expressa-se num misto de ternura e de companheirismo, de interesse pelo êxito do outro e de compreensão das suas dificuldades, de alegria pelas suas conquistas e de compaixão pelos seus desaires, de generosidade que se doa e de cooperação que ajuda.

Mesmo quando não aceito, não se entristece nem descamba em reações psicológicas de autopiedade, reservando-se o luxo de manter ressentimento, ou de propor o afastamento de quem o não recebe.

Pelo contrário, continua na sua tarefa missionária de enriquecer, às vezes, desaparecendo da presença para permanecer em vibrações de doçura e de paz, sustentando o opositor e diluindo-lhe as impressões perturbadoras.

Deve ser enunciado ou pode manter-se em silêncio, a depender das circunstâncias, das ocorrências, dos fenômenos que se derivam dos relacionamentos.

O importante é que transforme em ação paciente e protetora, sem asfixiar nem dominar a quem quer que seja.

Nunca desfalece, quando autêntico, embora haja momentos em que a sua luz bruxuleia um pouco, necessitando do combustível da oração que o fortalece, por vincular a criatura ao seu Criador, do qual promana como inefável recurso de plenitude.

Quando os racionamentos humanos experimentarem o estímulo do amor, os famigerados adversários da sociedade - guerras, calamidades, fome, violência, vícios - desaparecerão naturalmente, porque desnecessários entre os seres, em razão dos eus conflitos, agora atenuados, não mias buscarem esses mecanismos infelizes de sobrevivência, de exaltação do ego ou de dominação arbitrária do seu próximo.

O amor tudo pode e tudo vence. Não se afadigando mediante a pressa, estende-se ao longo do tempo como hálito que mantém a vida e brisa cariciosa que a beneficia.

Onde se apresenta o amor, os espectros do ódio, do ciúme, da cizânia, da maledicência, da perversidade, da traição, do orgulho, se diluem, cedendo-lhe o espaço para a fraternidade, a confiança irrestrita, a união, a estimulação, a bondade, a fidelidade, a simplicidade de coração.

O amor é um tesouro que mais se multiplica, à medida que se reparte, jamais desaparecendo, porque a sua força reside na sua própria constituição, que é de origem divina.

Nada obstante, o amor não conive, não se amolenta, não serve de capacho para facultar a ascensão dos fracos aos estágios superiores, nem se submete ante a exploração dos perversos e dos astutos.

É alimento do Espírito e irradiação do magnetismo universal.

Enquanto se deseja ser amado, embora não amando, ser compreendido, apesar de não ser compreensivo, não se atinge a meta do desenvolvimento espiritual. Nesse ser, que assim age, permanece a infância psicológica que deseja auferir sem dar, desfrutar sem oferecer,
O amor compraz-se na reciprocidade, porém, não a torna indispensável, porque existe com a finalidade exclusiva de tronar feliz aquele que o cultiva, enriquecendo aqueloutro a quem se dirige.

Em razão disso, é rico de valores, multiplicando-se incessantemente e oferecendo apoio, plenificação e paz a quem o ignorando, por indiferença ou desequilíbrio.

Afinal, sendo de essência divina, nunca será demasiado repetir-se que o amor é a emanação da vida, é a alma de Deus.


Franco, Divaldo Pereira. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. Página psicografada pelo médium Divaldo P.Franco, no dia 20 de setembro de 2002, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia..



Olá ken

Que aula nos proporcionas com este texto
de Joanna de Ângelis
Uma verdadeira aula para a nossa compreensão

abração
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 20:36
Bom dia e  muito amor no coração
..estava lendo esse texto num blog e resolvi traze-lo até aqui fazendo um pequeno comentário que me parece relevante e que se enquadra no tema do fórum  A importância desse  Amor que tudo suporta, tudo transforma, tudo vivifica e de nós homens só depende, vou citar Emmanuel Kant , o esforço para fazer a reforma interior.

Infelizmente o Deus estudado pela teologia não corresponde ao Deus interpretado pela psicologia e filosofia. Jesus apresentou um Deus que não condena, não faz guerras para impor sua vontade, não agride, não discrimina, mas um Deus generoso, afetivo, sereno.
Você discrimina prostitutas? Ele as abraça. Você rejeita drogados? Ele os ama. Você dá as costas a muçulmanos ou budistas por não serem cristãos? Ele é deslumbrado por eles. Não importa a opção sexual, a religião, a cultura a nacionalidade. Jesus nos apresentou um pai preocupadíssimo com cada ser humano.    Augusto Cury

 Por isso é que o Espiritismo é tão importante em nossas vidas.
… estamos ainda despertando para essa consciência Maior em nós e com ela a aprender a viver o perdão; a ultrapassar as consequências dos erros passados de vidas em comum.
Aliás vejo pelos postes que acabei de ler que assim é.
E também é real o termos que conviver com as doenças emocionais que se manifestam na mente e no corpo e que requerem tratamentos que só agora começam a surgir e nem sempre são de fácil acesso seja exterior seja interior.

Muita paz e boa semana a todos



Oliva Prado

Obrigado por expor a sua preocupação com este tópico,
sua atenção e sua dedicação

Obrigado mesmo.

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 15 de Maio de 2012, 20:38
Ensina-nos a amar

Nos primeiros anos da era cristã, Cafarnaum era apenas uma aldeia de pescadores situada à margem do mar da Galileia.

Jesus, deixando Nazaré, foi habitar em Cafarnaum. Foi ali que, em certa noite, Simão Pedro, Seu discípulo, emocionado O interrogou:

"Amigo, na minha modesta existência e pobreza moral de homem do mar, jamais imaginei quanto grandioso é o amor. Ajuda-me, dizendo-me qual o primeiro passo que deverei dar na conquista do novo caminho.

Ensina-nos a amar, a mim e a todos aqueles que te seguimos."

O Amigo Incomparável relanceou o dúlcido olhar pelo arquipélago de estrelas e deteve-o na face do pescador, orvalhada por lágrimas e suores de emoção, logo lhe respondendo:

"Ama Simão, em qualquer circunstância e situação, por mais adversas se te apresentem. O amor é o primeiro e o último passo de quem busca a perfeição e ruma na direção do Excelso Pai.

Nunca te detenhas no exame do mal de qualquer procedência, que gera sombras, perturbando-te.

Ademais, guarda na mente e no coração que tudo quanto te acontecer tem uma razão de ser, embora não o saibas, não te exaltando no triunfo nem te desesperando na dor.

Preserva a tua paz no vasilhame da consciência honrada, mesmo quando erres, porque ela é a base para tua felicidade futura, mediante a tranquilidade dos teus sentimentos nobres.

Nunca revides mal por mal, confiando em nosso Pai e entregando-te a Ele sem reservas nem receios.

Porque Ele cuidará de ti investindo os mais preciosos recursos da inspiração e dando-te resistência para os enfrentamentos necessários ao teu processo de evolução.

Perdoa sempre e sempre a tudo e a todos, até mesmo àquilo e àquele que aparentemente não mereçam perdão. O braço da Divina Justiça utiliza-se, às vezes, da aparente injustiça para corrigir e educar os infratores das Soberanas Leis.

Nunca te permitas dúvidas a respeito da lei de causa e de efeito. Conforme a tua semeadura, assim se te apresentará a colheita.

Ninguém passa no mundo livre do sofrimento no seu processo de depuração das tendências inferiores, lapidando as arestas morais e espirituais do ser humano.

Desse modo, tudo possui uma razão própria de ser. Quanto a ti, porém, faze sempre o bem, o melhor que estiver ao teu alcance, não esperando aplauso, nem temendo reproche.

E já estarás amando..."

* * *

Jesus marcou a Sua passagem terrestre de forma permanente, deixando a todos os seres humanos um roteiro de segurança para a conquista da plenitude.

Apesar de transcorridos vinte séculos desde aqueles inesquecíveis e formosos dias das Suas jornadas pela Palestina, é importante que lembremos constantemente Dele como nosso Guia e Modelo.

Coloquemo-nos no lugar de Simão Pedro, escutando os ensinamentos contidos nas doces palavras do nosso Divino Amigo.

Glorioso será o dia em que passemos a amar verdadeiramente!

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 9, do livro
A mensagem do amor imortal, pelo Espírito Amélia Rodrigues,
psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 21.06.2011


Um abraço
J.Anne
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 20:40
Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
 Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.
 
(...)
 
Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
 Deixo-te a minha saudade
 - a melhor parte de mim.
 
Cecília Meireles

...................

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 20:59
 
"Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira."

 Che Guevara

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 21:02
As Bem-Aventuranças

"E Jesus vendo a multidão subiu num monte, e sentando-se, aproximaram-se dele os discípulos.
E abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo:
Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus.
Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.
Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.
Bem-aventurados os que tem fome e sede de Justiça, porque serão fartos.
Bem-aventurados os misericordiosos, porque encontrarão a Misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a face e Deus.
Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da Justiça, porque deles é o Reino dos Céus.
Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem, perseguirem e mentirem, dizendo todo mal contra vós por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque é grande vosso galardão nos céus, porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós."

Mateus 5, 1-12
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 21:15
Sobre Amor,
de Kahlil Gibran

Pois, Almitra pediu ao profeta,
 fala-nos do amor.
 E ele levantou a cabeça e olhou em cima do povo, e uma grande tranqüilidade caiu em cima deles.
 e com uma voz grande disse:
 
Quando o amor o chamar, siga-o, ainda que suas maneiras sejam duras e íngremes;
 e quando as asas dele o abraçar, renda-se a ele, embora a espada escondida dentro de suas penas possam o ferir.
 E quando ele o falar, acredite nele...
 Ainda que a voz dele possa despedaçar os seus sonhos,
 como o vento frio do norte devasta o jardim florido...
 
Por que, além de o coroar, ele também o crucifica.
 Para além de seu crescimento, ele existe para a sua podação.
 
Mesmo quando ele subir a sua altura para acariciar os seus ramos mais macios que estremecem ao sol,
 também ele o desceria a suas raízes e agitá-las-ão aderidas à terra...
 Como polias do milho, recolhê-lo-á para si mesmo
 O debulha para fazê-lo despido...
 O peneira para libera-lo das suas cascas...
 O moe até que fique branco e puro..
 E o amassa até que seja moldável...
 Pois, ele o cozinha em seu forno sagrado para você tornar-se pão sagrado...
 Para a Sagrada Festa de Deus!
 
Tudo isso o amor vai fazer para você,
 só para você saber todos os segredos do seu coração...
 E para que neste conhecimento, você chege a ser um fragmento do coração da Vida...
 
Mas, se com medo, você só procurar a paz e o prazer do amor,
 É melhor que você cubra a sua nudez, e saia do caminho do amor,
 Para ficar no mundo sem estações,
 Onde riria, mas não todas as suas risadas,
 e choraria, mas não todas as suas lágrimas...
 
O Amor só da de si mesmo, e pega nada mas do que si mesmo...
 O Amor não possui, e não pode ser possuído...
 Por que o Amor é bastante á si mesmo.
 
Quando você amar, não deve falar,
 Deus fique no meu coração...
 mas fale, Eu fico no coração de Deus!
 E nem pense que possa dirigir o curso de Amor...
 Por que, o Amor, se achar você merecedor, dirigir o seu curso...
 O Amor só tem um desejo: para satisfazer de si mesmo...
 Mas, se você ama, e necessite ter desejos, deixe eles ser os seguintes:
 Derreter e ser como um ribeirão corrente,
 para cantar a sua canção pela madrugada.
 Saber a dor de tanta ternura...
 Ser ferido pelo seu próprio conhecimento de Amor...
 e sangrar com abundância da felicidade....
 Acordar com a coração alado
 e agradecer mais um dia de Amor.
 Descansar ao meio do dia e meditar no êxtase do amor...
 
E voltar a noite com agradecimento...
 
Então, dormir com uma prece no coração para a sua amada,
 e uma canção de louvor no seus lábios.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 15 de Maio de 2012, 22:44
   
Materialismo e Espiritismo


 ........."Conta-se que o Dr. Adolfo Bezerra de Menezes orientava, no Rio, uma reunião de estudos espíritas, com a palavra livre para todos os circunstantes, quando, após comentários diversos, perguntou se mais alguém desejava expressar-se nos temas da noite.
Foi então que renomado materialista, seu amigo pessoal, lhe dirigiu veemente provocação:

- Bezerra, continuo ateu e, não somente por meus colegas mas também por mim, venho convidá-lo a debate público, a fim provarmos a inexpugnabilidade de Materialismo contra as pretensões do Espiritismo.
E previno a você que o Materialismo já levantou extensa lista de médiuns fraudulentos; de chamados sensitivos que reconheceram os seus próprios enganos e desertaram das fileiras espíritas;
dos que largaram em tempo o suposto desenvolvimento das forças psíquicas e fizeram declarações, quanto às mentiras piedosas de que se viram envoltos;
dos ilusionistas que operam em nome de poderes imaginários da mente;
e, com essa relação, apresentaremos outro rol de nomes que o Materialismo já reuniu, os nomes dos experimentadores que demonstraram a inexistência da comunicação com os mortos;
dos sábios que não puderam verificar as fictícias ocorrências da mediunidade;
dos observadores desencantados de qualquer testemunho da sobrevivência; e dos estudiosos ludibriados por vasta súcia de espertalhões...
Esperamos que você e os espíritas aceitem o repto.

Bezerra concentrou-se em preces, alguns instantes, e, em seguida, respondeu, aliando energia e brandura:

- Aceitamos o desafio, mas tragam também ao debate aqueles que o Materialismo tenha soerguido moralmente no mundo;
os malfeitores que ele tenha regenerado para a dignidade humana;
os infelizes aos quais haja devolvido o ânimo de viver;
os doentes da alma que tenha arrebatado às fronteiras da loucura;
as vítimas de tentações escabrosas que haja restituído à paz do coração;
as mulheres infortunadas que terá arrancado ao desequilíbrio;
os irmãos desditosos de quem a morte roubou os entes mais caros, a a cujo sentimento enregelado na dor terá estendido o calor da esperança;
as viúvas e os órfãos, cujas energias terá escorado; para os caluniados aos quais terá ensinado o perdão das afrontas;
os que foram prejudicados por atos de selvageria social mascarados de legalidade, a quem haverá proporcionado sustentação para que olvidem os ultrajes recebidos;
os acusados injustamente, de cujo espírito rebelado terá subtraído o fel da revolta, substituindo-o pelo bálsamo da tolerância;
os companheiros da Humanidade que vieram do berço cegos ou mutilados, enfermos ou paralíticos, aos quais terá tranqüilizado com princípios de justiça, para que aceitem pacificamente o quinhão de lágrimas que o mundo lhes reservou;
os pais incompreendidos a quem deu força e compreensão para abençoarem os filhos ingratos e os filhos abandonados por aqueles mesmos que lhes deram a existência, aos quais auxiliou para continuarem honrando e amando os pais insensíveis que os atiraram em desprezo e desvalimento;
os tristes que haja imunizado contra o suicídio;
os que foram perseguidos sem causa aparente, cujo pranto terá enxugado nas longas noites de solidão e vigília, afastando-os da vingança e da criminalidade;
os caídos de toda as procedências, a cujo martírio tenha ofertado apoio para que se levantem...

Nesse ponto da resposta, o velho lidador fez uma pausa, limpou as lágrimas que lhe deslizavam no rosto e terminou:

- Ah! meu amigo, meu amigo!... Se vocês puderem trazer um só dos desventurados do mundo, a quem o Materialismo terá dado socorro moral para que se liberte do cipoal do sofrimento, nós, os espíritas, aceitaremos o repto.

Profundo silêncio caiu na pequena assembleia, e, porque o autor da proposição baixasse a cabeça, Bezerra, em prece comovente, agradeceu a Deus as bênçãos da fé e encerrou a sessão."

* XAVIER, Francisco Cândido. "Estante da Vida". Pelo Espírito Irmão X. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1969
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ohfmann em 16 de Maio de 2012, 03:00

"Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira."

 Che Guevara


Moisés, meu irmão!
Estava maravilhado com tuas citações, mas fiquei perplexo ao ler uma citação atribuída a um homem, (nem se sabe ao certo ser ele o autor) que nem de longe foi espírita e nem espiritualizado, que usou seu tempo de encarnado para pregar e fomentar guerras infames e cruéis ditaduras, que levaram a morte, milhares de pessoas. Me perdoe o irmão, mas na minha opinião, independente de perdoar tais atos, não significa que devamos compactuar com a figura de herói que muitas pessoas querem dar a este homem, muito menos cita-lo como exemplo, quando se está a falar de justiça, caridade e amor!
Fraternal, abraço!
ohfmann
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 16 de Maio de 2012, 11:00
Amigos e companheiros  deste estudo  onde  muito se  diz sobre o amor  e suas Leis .
Mas  uma pergunta ....será  que para  o Amor  haverá uma lei ?.
Somente o homem deve  sentir que  toda a sua vida  tem um sentido ..... o de Amar  sempre e  sentir  que só por   desse  sentimento pode   sentir  que  é  a meta da sua vida .
Muito falamos   e  dizemos que o Amor  deve  ser um sentimento lindo , muito bem  plenamente de acordo , mas  sintam que  quando entendermos o Amor  ............ que não tem Lei , mas  sim como condição de vida  de cada homem .
Então  vejam como nos ensinou o Mestre  Jesus  quando nos disse  " Amai-vos uns  aos outros  com  Eu vos Amo" , será uma Lei , ou o que todos os homens  devem ter por  missão na vida .
Amigos   realmente o falar  do Amor  é  algo muito sério  e   bastante  delicado mas é  o que  todos temos  de  tentar fazer  durante  a nossa estadia  neste planeta .
Mais  uma coisa  e que por muitas vezes parece que não entendemos , Sintam  que  este maravilhoso  dom de  Amar  é  o grande  veiculo que  leva todo o homem ao Perdão .
Pois amigos  se não perdoamos   como podemos  dizer  que o Amor  é  lindo, esquecendo que  todo o Amor passa pelo  perdão.
Amigos   e companheiros  me desculpem  o ter  dito estas coisas mas  senti que  temos  que  entender  mais  que apenas  meditar  nesta  tal lei do amor .
Mas  sim  que  todos estas meditações  nos levem a  entender  e  modificar mais um pouco na nossa vida .
Não basta  apenas saborear lindas  colocações ..mas  o importante  é  colocar na vida.
Fazer  do amor  ao próximo ,  ao vizinho , ao companheiro de trabalho , ao que se cruza  todos os dias  na  nossa vida e  mesmo aos que por vezes nos  dizem coisas menos boas ............. isto é amor .
E depois ainda mais  uma  coisinha .no nosso lar  como agimos  perante  as lutas diárias  que por vezes  surgem ,  como agimos,  então sim  é  o Amor  que  tem de vencer  .
Amor  feito de compreensão de carinho e ajuda é  esta  a grande  meta de cada um de nós ,
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 16 de Maio de 2012, 11:59
Bom dia!

Vejo muita razão no enunciado do Sr. Augusto Cury. Talvez a origem esteja no Velho Testamento que apresenta ao homem um Deus muito nervoso, por que não dizer violento, empreendedor de guerras. Estando aí o motivo pelo qual Eu acredito que boa parte do Velho Testamento, veja bem, não falo da Bíblia como um todo, apenas de partes do Velho Testamento, não tenham sido inspirada por Deus, pelo menos não pelo Deus no qual acredito, que é toda a perfeição e amor, tal qual nos apresentou o Cristo na sua passagem pelo plano terra.

Abraços fraternos! Que o amor, pai de todas as qualidades, adorne nossa realidade, ainda se imaginária. Rsrs
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Morel Felipe em 16 de Maio de 2012, 13:59

"Excelente o tema.
Dizem que na Terra o verdadeiro amor só surge após Jesus.
Moura está coberto de razão quando menciona as três pedras angulares da evolução.
Apenas ouso dizer que se nosso amor não for incondicional, ainda não é o verdadeiro amor a que se refere o Evangelho.

Um exemplo desta exigência (incondicionalidade) que caracteriza o amor é a do homem que abre mão de sua felicidade e permite que sua mulher parta, com outro, por entender que ela estará buscando a felicidade que não tinha ao seu lado. Ainda que lhe cause profunda dor.

O Amor não prende, a tudo renuncia.
Chora para não fazer chorar; sofre para não fazer sofrer,
E ainda assim, vejam! é pleno de alegria."

Gosto de exemplos práticos; no nosso estágio evolutivo nem sempre conseguimos interiorizar abstrações, embora também sejam úteis e até necessárias. E como exemplo prático, o acima citado não poderia ser melhor. Exemplifica bem o que procuramos compreender.
www.espiritoimortal.com.br (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5lc3Bpcml0b2ltb3J0YWwuY29tLmJy)

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/a-lei-do-amor-42101/15/#ixzz1v2Lb9hrA
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 16 de Maio de 2012, 14:29
Olá,

"Amar no sentido profundo da palavra, é ser leal, probo, consciencioso, para fazer aos outros o que se quereria para si mesmo; é procurar ao redor de si o sentido íntimo de todas as dores que oprimem nossos irmãos, para abrandá-las; é encarar a grande família humana como a sua.
Não podemos recusar aos nossos irmãos o que Deus nos deu livremente. " (ESE Cap.XI)

Não poucas vezes , arregimentam-se membros de movimentos pacifistas, que vão para as ruas brigar, entrar em choque , gritar pelos seus direitos, defender os fracos, utilizando-se dos recursos da força..... da guerra. 

Nada mais paradoxal!!!  Havendo conflito interno, que produz agressividade no indivíduo, ele não tem condições de propor equilíbrio aos outros, harmonia, respeito pelos direitos das minorias, dos fracos, dos excluídos....Somente quando se está enriquecido de amor, podendo compreender os opositores, aqueles que ainda se comprazem em combater com violência , em perseguir insanamente, em infelicitar, prejudicando a sociedade, com o que se prejudicam também sem dar-se conta, é que se torna válida a ação em favor da paz.


Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 16 de Maio de 2012, 15:54
Bom dia a todos

Amigo Moises, este é um outro texto que sempre deve ser relido :-

O Homem de Bem

O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. Se ele interroga a consciência sobre seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez todo o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem.

Deposita fé em Deus, na Sua bondade, na Sua justiça e na Sua sabedoria. Sabe que sem a Sua permissão nada acontece e se lhe submete à vontade em todas as coisas.
 
Tem fé no futuro, razão por que coloca os bens espirituais acima dos bens temporais.
Sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções são provas ou expiações e as aceita sem murmurar.

Possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem esperar paga alguma; retribui o mal com o bem, toma a defesa do fraco contra o forte, e sacrifica sempre seus interesses à justiça.

Encontra satisfação nos benefícios que espalha, nos serviços que presta, no fazer ditosos os outros, nas lágrimas que enxuga, nas consolações que prodigaliza aos aflitos. Seu primeiro impulso é para pensar nos outros, antes de pensar em si, é para cuidar dos interesses dos outros antes do seu próprio interesse. O egoísta, ao contrário, calcula os proventos e as perdas decorrentes de toda ação generosa.

O homem de bem é bom, humano e benevolente para com todos, sem distinção de raças, nem de crenças, porque em todos os homens vê irmãos seus.

Respeita nos outros todas as convicções sinceras e não lança anátema aos que como ele não pensam.

Em todas as circunstâncias, toma por guia a caridade, tendo como certo que aquele que prejudica a outrem com palavras malévolas, que fere com o seu orgulho e o seu desprezo a suscetibilidade de alguém, que não recua à idéia de causar um sofrimento, uma contrariedade, ainda que ligeira, quando a pode evitar, falta ao dever de amar o próximo e não merece a clemência do Senhor.

Não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança; a exemplo de Jesus, perdoa e esquece as ofensas e só dos benefícios se lembra, por saber que perdoado lhe será conforme houver perdoado.

É indulgente para as fraquezas alheias, porque sabe que também necessita de indulgência e tem presente esta sentença do Cristo: "Atire-lhe a primeira pedra aquele que se achar sem pecado."

Nunca se compraz em rebuscar os defeitos alheios, nem, ainda, em evidenciá-los. Se a isso se vê obrigado, procura sempre o bem que possa atenuar o mal.
 
Estuda suas próprias imperfeições e trabalha incessantemente em combatê-las. Todos os esforços emprega para poder dizer, no dia seguinte, que alguma coisa traz em si de melhor do que na véspera.

Não procura dar valor ao seu espírito, nem aos seus talentos, a expensas de outrem; aproveita, ao revés, todas as ocasiões para fazer ressaltar o que seja proveitoso aos outros.

Não se envaidece da sua riqueza, nem de suas vantagens pessoais, por saber que tudo o que lhe foi dado pode ser-lhe tirado.

Usa, mas não abusa dos bens que lhe são concedidos, porque sabe que é um depósito de que terá de prestar contas e que o mais prejudicial emprego que lhe pode dar é o de aplicá-lo à satisfação de suas paixões.

Se a ordem social colocou sob o seu mando outros homens, trata-os com bondade e benevolência, porque são seus iguais perante Deus; usa da sua autoridade para lhes levantar o moral e não para os esmagar com o seu orgulho. Evita tudo quanto lhes possa tornar mais penosa a posição subalterna em que se encontram.

O subordinado, de sua parte, compreende os deveres da posição que ocupa e se empenha em cumpri-los conscienciosamente.

Finalmente, o homem de bem respeita todos os direitos que aos seus semelhantes dão as leis da Natureza, como quer que sejam respeitados os seus.

Não ficam assim enumeradas todas as qualidades que distinguem o homem de bem; mas, aquele que se esforce por possuir as que acabamos de mencionar, no caminho se acha que a todas as demais conduz.


Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico Federação Espírita Brasileira. 1996.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 16 de Maio de 2012, 15:59
Prezada Mega.
Entendo sua colocação sobre o velho testamento e te garanto que ja pensei assim.
Entretanto após estudar a DE e conviver com a diversidade de conceitos e entendimentos tenho uma outra visão.
Acabei de postar em outro tópico, que no meu entendimento precisamos separar FORMA de CONTEÚDO.
Quero dizer com isso, que o velho testamento nos tras uma mensagem, que na minha opinião é sim de "inspiração divina".
Entretanto, a forma como essa mensagem nos é apresentada é a forma adequada ao momento evolutivo do planeta e das pessoas que o habitavam.
Ainda hoje temos, enquanto coletividade humana, a dificuldade de entender Deus, limitando-nos a temê-lo, imagina naqueles tempos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Maio de 2012, 19:20

"Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira."

 Che Guevara


Moisés, meu irmão!
Estava maravilhado com tuas citações, mas fiquei perplexo ao ler uma citação atribuída a um homem, (nem se sabe ao certo ser ele o autor) que nem de longe foi espírita e nem espiritualizado, que usou seu tempo de encarnado para pregar e fomentar guerras infames e cruéis ditaduras, que levaram a morte, milhares de pessoas. Me perdoe o irmão, mas na minha opinião, independente de perdoar tais atos, não significa que devamos compactuar com a figura de herói que muitas pessoas querem dar a este homem, muito menos cita-lo como exemplo, quando se está a falar de justiça, caridade e amor!
Fraternal, abraço!
ohfmann

Olá Ohfmann

Longe de minha parte fazer apologia a ninguém
e também aceito suas colocações
e seus pareceres

e muito menos pretendo dar um parecer de moralista.

fiquemos na paz

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Maio de 2012, 19:24
Bom dia!

Vejo muita razão no enunciado do Sr. Augusto Cury. Talvez a origem esteja no Velho Testamento que apresenta ao homem um Deus muito nervoso, por que não dizer violento, empreendedor de guerras. Estando aí o motivo pelo qual Eu acredito que boa parte do Velho Testamento, veja bem, não falo da Bíblia como um todo, apenas de partes do Velho Testamento, não tenham sido inspirada por Deus, pelo menos não pelo Deus no qual acredito, que é toda a perfeição e amor, tal qual nos apresentou o Cristo na sua passagem pelo plano terra.

Abraços fraternos! Que o amor, pai de todas as qualidades, adorne nossa realidade, ainda se imaginária. Rsrs

Mega

Não nos esqueçamos que o Espiritismo é reencarnacionista
e afirma esta lei justamente na misericórdia de Deus

A história da Bíblia
é a nossa  história
este relatado passado
são fraguimentos do nosso passado.

Hoje já estamos melhores...melhorando

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Maio de 2012, 19:32

"Excelente o tema.
Dizem que na Terra o verdadeiro amor só surge após Jesus.
Moura está coberto de razão quando menciona as três pedras angulares da evolução.
Apenas ouso dizer que se nosso amor não for incondicional, ainda não é o verdadeiro amor a que se refere o Evangelho.

Um exemplo desta exigência (incondicionalidade) que caracteriza o amor é a do homem que abre mão de sua felicidade e permite que sua mulher parta, com outro, por entender que ela estará buscando a felicidade que não tinha ao seu lado. Ainda que lhe cause profunda dor.

O Amor não prende, a tudo renuncia.
Chora para não fazer chorar; sofre para não fazer sofrer,
E ainda assim, vejam! é pleno de alegria."

Gosto de exemplos práticos; no nosso estágio evolutivo nem sempre conseguimos interiorizar abstrações, embora também sejam úteis e até necessárias. E como exemplo prático, o acima citado não poderia ser melhor. Exemplifica bem o que procuramos compreender.
www.espiritoimortal.com.br (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5lc3Bpcml0b2ltb3J0YWwuY29tLmJy)

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/estudos-mensais/a-lei-do-amor-42101/15/#ixzz1v2Lb9hrA

Morel Felipe

Obrigado pela sua participação

Não nos esqueçamos
que a responsabilidade também é prova de amor
e a felicidade é um estado de espírito...ante nossas tarefas.

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Maio de 2012, 19:35
Prezada Mega.
Entendo sua colocação sobre o velho testamento e te garanto que ja pensei assim.
Entretanto após estudar a DE e conviver com a diversidade de conceitos e entendimentos tenho uma outra visão.
Acabei de postar em outro tópico, que no meu entendimento precisamos separar FORMA de CONTEÚDO.
Quero dizer com isso, que o velho testamento nos tras uma mensagem, que na minha opinião é sim de "inspiração divina".
Entretanto, a forma como essa mensagem nos é apresentada é a forma adequada ao momento evolutivo do planeta e das pessoas que o habitavam.
Ainda hoje temos, enquanto coletividade humana, a dificuldade de entender Deus, limitando-nos a temê-lo, imagina naqueles tempos.

Obrigado Gustavo

Por mais uma participação

Os relatos do Velho testamento sempre nos trará fortes reflexões
estejamos sempre abertos a todas as análises
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Maio de 2012, 19:36
Bom dia a todos

Amigo Moises, este é um outro texto que sempre deve ser relido :-

O Homem de Bem

O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. Se ele interroga a consciência sobre seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez todo o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem.

Deposita fé em Deus, na Sua bondade, na Sua justiça e na Sua sabedoria. Sabe que sem a Sua permissão nada acontece e se lhe submete à vontade em todas as coisas.
 
Tem fé no futuro, razão por que coloca os bens espirituais acima dos bens temporais.
Sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções são provas ou expiações e as aceita sem murmurar.

Possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem esperar paga alguma; retribui o mal com o bem, toma a defesa do fraco contra o forte, e sacrifica sempre seus interesses à justiça.

Encontra satisfação nos benefícios que espalha, nos serviços que presta, no fazer ditosos os outros, nas lágrimas que enxuga, nas consolações que prodigaliza aos aflitos. Seu primeiro impulso é para pensar nos outros, antes de pensar em si, é para cuidar dos interesses dos outros antes do seu próprio interesse. O egoísta, ao contrário, calcula os proventos e as perdas decorrentes de toda ação generosa.

O homem de bem é bom, humano e benevolente para com todos, sem distinção de raças, nem de crenças, porque em todos os homens vê irmãos seus.

Respeita nos outros todas as convicções sinceras e não lança anátema aos que como ele não pensam.

Em todas as circunstâncias, toma por guia a caridade, tendo como certo que aquele que prejudica a outrem com palavras malévolas, que fere com o seu orgulho e o seu desprezo a suscetibilidade de alguém, que não recua à idéia de causar um sofrimento, uma contrariedade, ainda que ligeira, quando a pode evitar, falta ao dever de amar o próximo e não merece a clemência do Senhor.

Não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança; a exemplo de Jesus, perdoa e esquece as ofensas e só dos benefícios se lembra, por saber que perdoado lhe será conforme houver perdoado.

É indulgente para as fraquezas alheias, porque sabe que também necessita de indulgência e tem presente esta sentença do Cristo: "Atire-lhe a primeira pedra aquele que se achar sem pecado."

Nunca se compraz em rebuscar os defeitos alheios, nem, ainda, em evidenciá-los. Se a isso se vê obrigado, procura sempre o bem que possa atenuar o mal.
 
Estuda suas próprias imperfeições e trabalha incessantemente em combatê-las. Todos os esforços emprega para poder dizer, no dia seguinte, que alguma coisa traz em si de melhor do que na véspera.

Não procura dar valor ao seu espírito, nem aos seus talentos, a expensas de outrem; aproveita, ao revés, todas as ocasiões para fazer ressaltar o que seja proveitoso aos outros.

Não se envaidece da sua riqueza, nem de suas vantagens pessoais, por saber que tudo o que lhe foi dado pode ser-lhe tirado.

Usa, mas não abusa dos bens que lhe são concedidos, porque sabe que é um depósito de que terá de prestar contas e que o mais prejudicial emprego que lhe pode dar é o de aplicá-lo à satisfação de suas paixões.

Se a ordem social colocou sob o seu mando outros homens, trata-os com bondade e benevolência, porque são seus iguais perante Deus; usa da sua autoridade para lhes levantar o moral e não para os esmagar com o seu orgulho. Evita tudo quanto lhes possa tornar mais penosa a posição subalterna em que se encontram.

O subordinado, de sua parte, compreende os deveres da posição que ocupa e se empenha em cumpri-los conscienciosamente.

Finalmente, o homem de bem respeita todos os direitos que aos seus semelhantes dão as leis da Natureza, como quer que sejam respeitados os seus.

Não ficam assim enumeradas todas as qualidades que distinguem o homem de bem; mas, aquele que se esforce por possuir as que acabamos de mencionar, no caminho se acha que a todas as demais conduz.


Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico Federação Espírita Brasileira. 1996.



Olá ken

estava realmente fazendo falta a este tópico
textos provindo do O Evangelho Segundo o Espiritismo
e este veio em bom momento.

valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Maio de 2012, 19:43
Olá,

"Amar no sentido profundo da palavra, é ser leal, probo, consciencioso, para fazer aos outros o que se quereria para si mesmo; é procurar ao redor de si o sentido íntimo de todas as dores que oprimem nossos irmãos, para abrandá-las; é encarar a grande família humana como a sua.
Não podemos recusar aos nossos irmãos o que Deus nos deu livremente. " (ESE Cap.XI)

Não poucas vezes , arregimentam-se membros de movimentos pacifistas, que vão para as ruas brigar, entrar em choque , gritar pelos seus direitos, defender os fracos, utilizando-se dos recursos da força..... da guerra. 

Nada mais paradoxal!!!  Havendo conflito interno, que produz agressividade no indivíduo, ele não tem condições de propor equilíbrio aos outros, harmonia, respeito pelos direitos das minorias, dos fracos, dos excluídos....Somente quando se está enriquecido de amor, podendo compreender os opositores, aqueles que ainda se comprazem em combater com violência , em perseguir insanamente, em infelicitar, prejudicando a sociedade, com o que se prejudicam também sem dar-se conta, é que se torna válida a ação em favor da paz.


Muita Paz

Olá Si

Você me fez lembrar um passagem que aconteceu com Madre Tereza de Calcutá,
mas não sei se é verdade...mas o conto em si se encerrado no mito ou não, nos trá suma bela reflexão...

Um amigo que me conto...

Dizia-me ele que Um Grupo Ativista a havia convidado para paratcipar de uma passeata
contra a Guerra...não sei se passeata ou manifestações...
Bom...
No que Madre Tereza lhe respondeu
não me posicionarei "contra" coisa alguma...
no que surpreende-se o que a convidara

e a Madre completa

Não posso me posicionar contra isto ou aquilo
mas posso me posicionar a favor disto ou daquilo
no caso...a favor da paz...

parece-me quec abe no campo da parábola
ao nos posicionarmos contra algo, evidenciamos esta força; a contrária
e ao nos posicionarmos a favor
também nos favorecemos por esta força, a favorável aos nossos interesses.

Como se, ou melhor, para  nos lembrarmos sempre
que tudo que se lança no Universo, fruto de nossos atos,
ele nos lança de volta...

se me lembro bem foi isto

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Maio de 2012, 19:52
Amigos e companheiros  deste estudo  onde  muito se  diz sobre o amor  e suas Leis .
Mas  uma pergunta ....será  que para  o Amor  haverá uma lei ?.
Somente o homem deve  sentir que  toda a sua vida  tem um sentido ..... o de Amar  sempre e  sentir  que só por   desse  sentimento pode   sentir  que  é  a meta da sua vida .
Muito falamos   e  dizemos que o Amor  deve  ser um sentimento lindo , muito bem  plenamente de acordo , mas  sintam que  quando entendermos o Amor  ............ que não tem Lei , mas  sim como condição de vida  de cada homem .
Então  vejam como nos ensinou o Mestre  Jesus  quando nos disse  " Amai-vos uns  aos outros  com  Eu vos Amo" , será uma Lei , ou o que todos os homens  devem ter por  missão na vida .
Amigos   realmente o falar  do Amor  é  algo muito sério  e   bastante  delicado mas é  o que  todos temos  de  tentar fazer  durante  a nossa estadia  neste planeta .
Mais  uma coisa  e que por muitas vezes parece que não entendemos , Sintam  que  este maravilhoso  dom de  Amar  é  o grande  veiculo que  leva todo o homem ao Perdão .
Pois amigos  se não perdoamos   como podemos  dizer  que o Amor  é  lindo, esquecendo que  todo o Amor passa pelo  perdão.
Amigos   e companheiros  me desculpem  o ter  dito estas coisas mas  senti que  temos  que  entender  mais  que apenas  meditar  nesta  tal lei do amor .
Mas  sim  que  todos estas meditações  nos levem a  entender  e  modificar mais um pouco na nossa vida .
Não basta  apenas saborear lindas  colocações ..mas  o importante  é  colocar na vida.
Fazer  do amor  ao próximo ,  ao vizinho , ao companheiro de trabalho , ao que se cruza  todos os dias  na  nossa vida e  mesmo aos que por vezes nos  dizem coisas menos boas ............. isto é amor .
E depois ainda mais  uma  coisinha .no nosso lar  como agimos  perante  as lutas diárias  que por vezes  surgem ,  como agimos,  então sim  é  o Amor  que  tem de vencer  .
Amor  feito de compreensão de carinho e ajuda é  esta  a grande  meta de cada um de nós ,
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino 

Olá Manuel Altino

Boa observação a sua

E olha que O PERDÂO é um ato indispensável
a prática do amor.

Uma das colocações que sempre usamos nos trabalhos obssessivos
que temos a oportunidade de atuar, é esta do perdão...

O desencarnado ante sua posição que no momento da lide; é de algoz
mesmo que na realidade dos fatos possa este ter sido a vitima...
Indispensável se faz a prátca do perdão
e torna-se uma das conquistas e das realizações mais emocionantes...
O algoz se recolhe...perdoa...
Roga a Deus
E com auxílio Maior ante as lições da eternidade
busca refazer-se nesta caminhada que é a vida de bem viver.

Abraços

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 16 de Maio de 2012, 22:01
      Mega    (ref #75)

      Mega escreveu: ... o amor deveria ter cadeira cativa enquanto disciplina desde as primeiras séries das nossas tradicionais escolas. Parece bobo uma vez que amor é sentimento, e sentimento não se ensina, se sente. Mas será que não é passível de ser estimulado?

      Cel: o amigo colocou bem: amor não se ensina; no entanto, também não se aprende com palavras ou exemplos de outrem. O amor tem de nascer em nossa natureza, por nosso próprio esforço, necessidade q surge, eventualmente, quando compreendemos, pela observação constante de como é a vida com humanos e não humanos, q essa solução precisa ser encontrada. Então, podemos, também eventualmente, perceber q as ciências, medicinas, psicologias, filosofias, religiões, enfim, o mundo, não tem  solução para acabar com os sofrimentos, e passamos a procura-la em todas as direções, atendendo mesmo ao sábio conselho q está no LM, cap 3, item 35, q é a repetição, com mais clareza, da recomendação de Paulo: “Estudai de tudo e guardai o que for bom!”.
..........................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 16 de Maio de 2012, 23:12
      Lisa Carvalho    (ref #84)

      Lisa, nossa nova companheira de estudos colocou:
      “É claro que o ideal do amor é a reciprocidade, mas nem sempre o outro pode nos dar aquilo que esperamos dele...”

      Cel: Lisa, desculpe-me discordar e comentar: se na prática do amor, isto é, de ações q beneficiem o próximo, houver qualquer perspectiva ou interesse em q haja reciprocidade, isso não é amor, não é nada mais q um arremedo de amor! O verdadeiro amor não espera nem reconhecimento, nem compensação, seja do beneficiado, ou de Deus. Se espera, não será nada mais q um pseudo-amor, falso amor.

      O verdadeiro amor é incondicional, não busca ganhos, nem se importa com perdas, não tem endereçamento determinado, não se preocupa com a opinião dos outros, com o q dirão, q o agente é um tolo, ignorante ou o q seja, se ama este ou aquele, o bom ou o mau, o virtuoso ou o vicioso.
     
      Assim, o ideal do amor não é a reciprocidade; é, apenas, amar!
..................................................

 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 17 de Maio de 2012, 11:19
Bom dia a todos
não querendo sair muito do tema mas vejo que Mega acabou por tocar num assunto que evidencia precisamente a nossa realidade psíquica e que no fundo coloca o espirita de quem se espera de forma natural  o auxilio fraterno  a evidente condicionante – fraterno dentro de suas possibilidades e habilidades já que também nós os que estamos nos matriculando nesta escola estamos nos revelando em níveis  e graus de funcionalidade muito dispares.

Felizmente graças ao processo evolutivo já aqui referenciado por Gustavo Rettenmaeir ,  de que somos fruto e cooperadores estamos conseguindo  alcançar uma inteligência capaz de nos ajudar a separar o caduco do novo; o certo do errado, o irracional do racional; graças  ao esforço que a ciência, a filosofia e a experiência humana ou terrena têm efectuado e ao que cada um de nós pode alcançar dentro deste universo tão dispare.
Mas  até os que se encontram em processo de renascimento podem uma vez ou outra ficar paralisados pela densidade de um pensamento que  ainda é alimentado por muitos.

Abraços fraternos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 17 de Maio de 2012, 12:02
Sim  amigo, não me esqueço que fomos nós ou a nossa espécie no passado que fez ou mesmo escreveu aquelas atrocidades. O que quis dizer foi tão somente que alguns livros da bíblia não parecem ser de inspiração divina e sim, leis dos homens rudes da época, aludida a Deus para impor medo nos seres e garantir-lhe o cumprimento. Foi a era do temor, banida da terra quando o mestre Jesus nos trouxe a era do amor. Talvez tudo aquilo tenha sido útil pelo tamanho da nossa animalidade na época e, por isso e somente por isso, permitida por Deus. Agora aceitar que o próprio Deus inspirou o livro de Deuteronômio por exemplo, é concebe-lo... pelo imenso respeito e amor que lhe devoto, nem tenho coragem de grafar.

Abraços fraternos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 17 de Maio de 2012, 12:24
Há uma maneira popular em dizer que o amor cega e tira uma pessoa da razão,para mim não
corresponde a uma verdade,chega ser um mito.Acredito sim,que aqueles que exercitam o amor
torna-se menos críticos,menos arrogantes,menos prepotentens,menos amarguradas.Tornando-as
mais amigas,mais brandas,mais indulgentes,mais solidárias,mais felizes,mais vivas e próximas de
Deus,pois a sua alma e o seu espírito estão em sitonia com as forças da natureza.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinta grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 17 de Maio de 2012, 13:37
Prezada Mega.
Entendo sua colocação sobre o velho testamento e te garanto que ja pensei assim.
Entretanto após estudar a DE e conviver com a diversidade de conceitos e entendimentos tenho uma outra visão.
Acabei de postar em outro tópico, que no meu entendimento precisamos separar FORMA de CONTEÚDO.
Quero dizer com isso, que o velho testamento nos tras uma mensagem, que na minha opinião é sim de "inspiração divina".
Entretanto, a forma como essa mensagem nos é apresentada é a forma adequada ao momento evolutivo do planeta e das pessoas que o habitavam.
Ainda hoje temos, enquanto coletividade humana, a dificuldade de entender Deus, limitando-nos a temê-lo, imagina naqueles tempos.

Irmão, o Deus no qual creio e credito o fato da minha existência não inspiraria tamanhas estranhezas. Acreditar nisso seria trazê-lo ao nível dos homens, e, ao contrário somos nós que engatinhamos no processo de aproximação do nível do Criador. Creio sinceramente que aquelas passagens, por exemplo, de Deuteronômio e Livitico eram as leis dos mais fortes nas suas áreas à época, aludidas a Deus para que tivesse credibilidade e fossem cumpridas. Deus assim permitiu, tão somente. Claro que tentou inspirar coisas bem melhores em ambos (opressores e oprimidos), mas como ainda somos hoje, eramos muitississsisissssimo rebeldes e não lhe dava ouvidos, então permitiu a existência do mau uso do seu nome nos desmandos para coibir males, quem sabe maiores. Sabe quando o fim justifica meio? Mas hoje, em plena era do amor, meus olhos, inspirados nos exemplos de Jesus, não me permitem crer que tenha sido conforme esta escrito, ipsis literis. E acho mais, acho que os espíritos da codificação não entraram nesse mérito a contento, por que, sem fazê-lo a coisa não foi fácil, livros foram queimados, alguns, já contemporâneos, nos acham demônios só por que somos espíritas e cremos em reencarnação. Sabedores de maiores complicações e entraves, escolheram fazer vista grossa. Isso tudo por que creio na perfeição de Deus desde sempre, pois do contrario haveríamos de conceber que Deus vem evoluindo conosco.

Por compromisso e fidelidade à verdade, saibam todos: estou divagando, não sinto inspiração nem nada de anormal, se existe auxilio a esse pensamento, desconheço, não descarto, claro.
Se errada estou que o Pai não me permita o castigo, é como penso, é a verdade que me satisfaz hoje, isso por que o amo e não gosto de vê-lo de outra forma, que não, pura bondade e amor.

Abraços fraternos.

Solicito informação sobre em qual tópico postou para me facilitar o acesso.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 14:42
      Mega    (ref #75)

      Mega escreveu: ... o amor deveria ter cadeira cativa enquanto disciplina desde as primeiras séries das nossas tradicionais escolas. Parece bobo uma vez que amor é sentimento, e sentimento não se ensina, se sente. Mas será que não é passível de ser estimulado?

      Cel: o amigo colocou bem: amor não se ensina; no entanto, também não se aprende com palavras ou exemplos de outrem. O amor tem de nascer em nossa natureza, por nosso próprio esforço, necessidade q surge, eventualmente, quando compreendemos, pela observação constante de como é a vida com humanos e não humanos, q essa solução precisa ser encontrada. Então, podemos, também eventualmente, perceber q as ciências, medicinas, psicologias, filosofias, religiões, enfim, o mundo, não tem  solução para acabar com os sofrimentos, e passamos a procura-la em todas as direções, atendendo mesmo ao sábio conselho q está no LM, cap 3, item 35, q é a repetição, com mais clareza, da recomendação de Paulo: “Estudai de tudo e guardai o que for bom!”.
..........................................................


Amigo Coronel

Com o Amor se realiza tudo

Não só se ensina
Como também aprendemos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 17 de Maio de 2012, 14:52
Bom dia a todos

Moises segue texto também pertinente ao estudo :-

A Afabilidade e a Doçura

A benevolência para com os seus semelhantes, fruto do amor ao próximo, produz a afabilidade e a doçura, que lhe são as formas de manifestar-se.

Entretanto, nem sempre há que fiar nas aparências. A educação e a frequentação do mundo podem dar ao homem o verniz dessas qualidades.

Quantos há cuja fingida bonomia não passa de máscara para o exterior, de uma roupagem cujo talhe primoroso dissimula as deformidades interiores! O mundo está cheio dessas criaturas que têm nos lábios o sorriso e no coração o veneno; que aso brandas, desde que nada as agaste, mas que mordem à menor contrariedade; cuja língua, de ouro quando falam pela frente, se muda em dardo peçonhento, quando estão por detrás.

A essa classe também pertencem esses homens, de exterior benigno, que, tiranos domésticos, fazem que suas famílias e seus subordinados lhes sofram o peso do orgulho e do despotismo, como a quererem desforrar-se do constrangimento que, fora de casa, se impõem a si mesmos.

Não se atrevendo a usar de autoridade para com os estranhos, que os chamariam à ordem, acham que pelo menos devem fazer-se temidos daqueles que lhes não podem resistir.

Envaidecem-se de poderem dizer: "Aqui mando e sou obedecido", sem lhes ocorrer que poderiam acrescentar: "E sou detestado."

Não basta que dos lábios manem leite e mel. Se o coração de modo algum lhes está associado, só há hipocrisia.

Aquele cuja afabilidade e doçura não são fingidas nunca se desmente: é o mesmo, tanto em sociedade, como na intimidade. Esse, ao demais, sabe que se, pelas aparências, se consegue enganar os homens, a Deus ninguém engana. 

Lázaro. (Paris, 1861.)
Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita Brasileira. 1996.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Maio de 2012, 14:53
"Irmão, o Deus no qual creio e credito o fato da minha existência não inspiraria tamanhas estranhezas. Acreditar nisso seria trazê-lo ao nível dos homens, e, ao contrário somos nós que engatinhamos no processo de aproximação do nível do Criador. Creio sinceramente que aquelas passagens, por exemplo, de Deuteronômio e Livitico eram as leis dos mais fortes nas suas áreas à época, aludidas a Deus para que tivesse credibilidade e fossem cumpridas"
Minha irmã, vou tentar ser mais claro, pois foi exatamente isso que eu escrevi.
No momento em que Isaias nos diz que "a ira de Deus cairá sobre a Babilonia e os pecadores serão mortos". Is, 13, ele esta nos passando uma mensagem, um CONTEÚDO, de uma FORMA.
No meu entendimento, o conteúdo é o de que Deus com sua justiça perfeita, fara com que os "pecadores", sejam responsabilizados pelos seus "pecados".
Acho que essa mensagem, esta de acordo com a Lei de Causa e Efeito.
Entretanto a Forma, a expressão "ira", é incompativel com o Deus bom e misericordioso que conhecemos, mas fundamental para que aquele povo rude, violento e ignorante entendesse.
É obvio que não podemos entender a biblia, como vocêr diz "ipsis literis" e por isso debemos separar a forma, ou seja a aneira como os profetas e escritores da biblia a escreveram, daquilo que esta nas entrelinhas, nos conceitos transmitidos.
Afinal Jesus nos disse que não veio para mudar a lei, mas para fazê-la cumprir.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: J.Anne em 17 de Maio de 2012, 15:00
Amor e Liberdade.

Revista Espírita
(Sociedade, 27 de janeiro de 1860. Méd. Sr. Roze.)

Deus é amor e liberdade; é pelo amor e pela liberdade que o Espírito se aproxima dele. Pelo amor ele se cria, em cada existência, novas relações que se aproximam da unidade; pela liberdade escolhe o bem que o aproxima de Deus. Sede ardentes em propagar a nova fé; que o santo ardor que vos anima jamais vos faça atingir a liberdade de outrem. Evitai, por uma insistência muito grande junto da incredulidade orgulhosa e temível, de exacerbar uma resistência meio vencida e quase a se render. O reino do constrangimento e da opressão acabou; o da razão, da liberdade e do amor fraterno começa. Não será mais pelo medo e a força que os poderosos da Terra adquirirão o direito de dirigir os interesses morais, espirituais e físicos dos povos, mas pelo amor e a liberdade.

ABEILLARD.

Um abraço
J.Anne
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 17 de Maio de 2012, 15:23
      Mega    (ref #75)

      Mega escreveu: ... o amor deveria ter cadeira cativa enquanto disciplina desde as primeiras séries das nossas tradicionais escolas. Parece bobo uma vez que amor é sentimento, e sentimento não se ensina, se sente. Mas será que não é passível de ser estimulado?

      Cel: o amigo colocou bem: amor não se ensina; no entanto, também não se aprende com palavras ou exemplos de outrem. O amor tem de nascer em nossa natureza, por nosso próprio esforço, necessidade q surge, eventualmente, quando compreendemos, pela observação constante de como é a vida com humanos e não humanos, q essa solução precisa ser encontrada. Então, podemos, também eventualmente, perceber q as ciências, medicinas, psicologias, filosofias, religiões, enfim, o mundo, não tem  solução para acabar com os sofrimentos, e passamos a procura-la em todas as direções, atendendo mesmo ao sábio conselho q está no LM, cap 3, item 35, q é a repetição, com mais clareza, da recomendação de Paulo: “Estudai de tudo e guardai o que for bom!”.
..........................................................

Mas pode ser estimulado, assim acredito. E é responsabilidade nossa contribuir para que aconteça. Não nos esqueçamos.
 Assim penso amigo, partindo do principio de que a centelha do amor, que é a origem de todo o bem, existe em todas as criatura do Criador, daí poder ser acelerado o processo de afloramento.

Sábia a colocação de Paulo, é o meu "crivo do amor" devo ter copiado dele...rs

Abraços


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:16
      Lisa Carvalho    (ref #84)

      Lisa, nossa nova companheira de estudos colocou:
      “É claro que o ideal do amor é a reciprocidade, mas nem sempre o outro pode nos dar aquilo que esperamos dele...”

      Cel: Lisa, desculpe-me discordar e comentar: se na prática do amor, isto é, de ações q beneficiem o próximo, houver qualquer perspectiva ou interesse em q haja reciprocidade, isso não é amor, não é nada mais q um arremedo de amor! O verdadeiro amor não espera nem reconhecimento, nem compensação, seja do beneficiado, ou de Deus. Se espera, não será nada mais q um pseudo-amor, falso amor.

      O verdadeiro amor é incondicional, não busca ganhos, nem se importa com perdas, não tem endereçamento determinado, não se preocupa com a opinião dos outros, com o q dirão, q o agente é um tolo, ignorante ou o q seja, se ama este ou aquele, o bom ou o mau, o virtuoso ou o vicioso.
     
      Assim, o ideal do amor não é a reciprocidade; é, apenas, amar!
..................................................

 


Olá Coronel

Bem na verdade a praticarmos o amor não esperamos a recompensa como mencionas,
mas também não se merece receber as ofensas.

São João, 18;19-23

   O sumo sacerdote indagou de Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina.
Jesus respondeu-lhe: Falei publicamente ao mundo. Ensinei na sinagoga e no templo, onde se reúnem os judeus, e nada falei às ocultas.
Por que me perguntas?
Pergunta àqueles que ouviram o que lhes disse.
Estes sabem o que ensinei.
A estas palavras, um dos guardas presentes deu uma bofetada em Jesus, dizendo:
É assim que respondes ao sumo sacerdote?
Replicou-lhe Jesus: Se falei mal, prova-o, mas se falei bem, por que me bates?


Coronel

O ideal do amor é a fraternidade
logo contamos com a reciprocidade...

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:18
Bom dia a todos
não querendo sair muito do tema mas vejo que Mega acabou por tocar num assunto que evidencia precisamente a nossa realidade psíquica e que no fundo coloca o espirita de quem se espera de forma natural  o auxilio fraterno  a evidente condicionante – fraterno dentro de suas possibilidades e habilidades já que também nós os que estamos nos matriculando nesta escola estamos nos revelando em níveis  e graus de funcionalidade muito dispares.

Felizmente graças ao processo evolutivo já aqui referenciado por Gustavo Rettenmaeir ,  de que somos fruto e cooperadores estamos conseguindo  alcançar uma inteligência capaz de nos ajudar a separar o caduco do novo; o certo do errado, o irracional do racional; graças  ao esforço que a ciência, a filosofia e a experiência humana ou terrena têm efectuado e ao que cada um de nós pode alcançar dentro deste universo tão dispare.
Mas  até os que se encontram em processo de renascimento podem uma vez ou outra ficar paralisados pela densidade de um pensamento que  ainda é alimentado por muitos.

Abraços fraternos


Boas ponderações Oliva Prado

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:26
Sim  amigo, não me esqueço que fomos nós ou a nossa espécie no passado que fez ou mesmo escreveu aquelas atrocidades. O que quis dizer foi tão somente que alguns livros da bíblia não parecem ser de inspiração divina e sim, leis dos homens rudes da época, aludida a Deus para impor medo nos seres e garantir-lhe o cumprimento. Foi a era do temor, banida da terra quando o mestre Jesus nos trouxe a era do amor. Talvez tudo aquilo tenha sido útil pelo tamanho da nossa animalidade na época e, por isso e somente por isso, permitida por Deus. Agora aceitar que o próprio Deus inspirou o livro de Deuteronômio por exemplo, é concebe-lo... pelo imenso respeito e amor que lhe devoto, nem tenho coragem de grafar.

Abraços fraternos

A inspiração Divina
é a nossa existência
o mais
o mal propagado
são nossas ações, pelo mau, inspiradas..

Voltemos ao Amor

Como nos assegura kardec;

"Fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão face a face, em todas as épocas da humanidade."

...

E se não da para encarar!
alguma razão há
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:29
Há uma maneira popular em dizer que o amor cega e tira uma pessoa da razão,para mim não
corresponde a uma verdade,chega ser um mito.Acredito sim,que aqueles que exercitam o amor
torna-se menos críticos,menos arrogantes,menos prepotentens,menos amarguradas.Tornando-as
mais amigas,mais brandas,mais indulgentes,mais solidárias,mais felizes,mais vivas e próximas de
Deus,pois a sua alma e o seu espírito estão em sitonia com as forças da natureza.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinta grandeza nos abençoe sempre.

Penso assim Antonio

Pois o amor  não nos confere o prazer do patamar da ignorância,
eleva-nos sempre ao mais saber...
logo ao  amarmo-nos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:31
Bom dia a todos

Moises segue texto também pertinente ao estudo :-

A Afabilidade e a Doçura

A benevolência para com os seus semelhantes, fruto do amor ao próximo, produz a afabilidade e a doçura, que lhe são as formas de manifestar-se.

Entretanto, nem sempre há que fiar nas aparências. A educação e a frequentação do mundo podem dar ao homem o verniz dessas qualidades.

Quantos há cuja fingida bonomia não passa de máscara para o exterior, de uma roupagem cujo talhe primoroso dissimula as deformidades interiores! O mundo está cheio dessas criaturas que têm nos lábios o sorriso e no coração o veneno; que aso brandas, desde que nada as agaste, mas que mordem à menor contrariedade; cuja língua, de ouro quando falam pela frente, se muda em dardo peçonhento, quando estão por detrás.

A essa classe também pertencem esses homens, de exterior benigno, que, tiranos domésticos, fazem que suas famílias e seus subordinados lhes sofram o peso do orgulho e do despotismo, como a quererem desforrar-se do constrangimento que, fora de casa, se impõem a si mesmos.

Não se atrevendo a usar de autoridade para com os estranhos, que os chamariam à ordem, acham que pelo menos devem fazer-se temidos daqueles que lhes não podem resistir.

Envaidecem-se de poderem dizer: "Aqui mando e sou obedecido", sem lhes ocorrer que poderiam acrescentar: "E sou detestado."

Não basta que dos lábios manem leite e mel. Se o coração de modo algum lhes está associado, só há hipocrisia.

Aquele cuja afabilidade e doçura não são fingidas nunca se desmente: é o mesmo, tanto em sociedade, como na intimidade. Esse, ao demais, sabe que se, pelas aparências, se consegue enganar os homens, a Deus ninguém engana. 

Lázaro. (Paris, 1861.)
Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita Brasileira. 1996.



Olá Ken

Bela advertência esta
extraida do O Evangelho Segundo o Espiritismo

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:33
"Irmão, o Deus no qual creio e credito o fato da minha existência não inspiraria tamanhas estranhezas. Acreditar nisso seria trazê-lo ao nível dos homens, e, ao contrário somos nós que engatinhamos no processo de aproximação do nível do Criador. Creio sinceramente que aquelas passagens, por exemplo, de Deuteronômio e Livitico eram as leis dos mais fortes nas suas áreas à época, aludidas a Deus para que tivesse credibilidade e fossem cumpridas"
Minha irmã, vou tentar ser mais claro, pois foi exatamente isso que eu escrevi.
No momento em que Isaias nos diz que "a ira de Deus cairá sobre a Babilonia e os pecadores serão mortos". Is, 13, ele esta nos passando uma mensagem, um CONTEÚDO, de uma FORMA.
No meu entendimento, o conteúdo é o de que Deus com sua justiça perfeita, fara com que os "pecadores", sejam responsabilizados pelos seus "pecados".
Acho que essa mensagem, esta de acordo com a Lei de Causa e Efeito.
Entretanto a Forma, a expressão "ira", é incompativel com o Deus bom e misericordioso que conhecemos, mas fundamental para que aquele povo rude, violento e ignorante entendesse.
É obvio que não podemos entender a biblia, como vocêr diz "ipsis literis" e por isso debemos separar a forma, ou seja a aneira como os profetas e escritores da biblia a escreveram, daquilo que esta nas entrelinhas, nos conceitos transmitidos.
Afinal Jesus nos disse que não veio para mudar a lei, mas para fazê-la cumprir.

Gustavo

A lei de Deus sim
Jesus a cumpriu

sempre nos é proveitoso
estudar e analisar o conteúdo Biblico
muitas daquelas ações
estão entre nós até os dias de hoje
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:35
Amor e Liberdade.

Revista Espírita
(Sociedade, 27 de janeiro de 1860. Méd. Sr. Roze.)

Deus é amor e liberdade; é pelo amor e pela liberdade que o Espírito se aproxima dele. Pelo amor ele se cria, em cada existência, novas relações que se aproximam da unidade; pela liberdade escolhe o bem que o aproxima de Deus. Sede ardentes em propagar a nova fé; que o santo ardor que vos anima jamais vos faça atingir a liberdade de outrem. Evitai, por uma insistência muito grande junto da incredulidade orgulhosa e temível, de exacerbar uma resistência meio vencida e quase a se render. O reino do constrangimento e da opressão acabou; o da razão, da liberdade e do amor fraterno começa. Não será mais pelo medo e a força que os poderosos da Terra adquirirão o direito de dirigir os interesses morais, espirituais e físicos dos povos, mas pelo amor e a liberdade.

ABEILLARD.

Um abraço
J.Anne


J.Anne
boas citações

são bem vidas

Lembrou-nos Jesus
sobre o reino de Deus

O Reino de amor
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:37
      Mega    (ref #75)

      Mega escreveu: ... o amor deveria ter cadeira cativa enquanto disciplina desde as primeiras séries das nossas tradicionais escolas. Parece bobo uma vez que amor é sentimento, e sentimento não se ensina, se sente. Mas será que não é passível de ser estimulado?

      Cel: o amigo colocou bem: amor não se ensina; no entanto, também não se aprende com palavras ou exemplos de outrem. O amor tem de nascer em nossa natureza, por nosso próprio esforço, necessidade q surge, eventualmente, quando compreendemos, pela observação constante de como é a vida com humanos e não humanos, q essa solução precisa ser encontrada. Então, podemos, também eventualmente, perceber q as ciências, medicinas, psicologias, filosofias, religiões, enfim, o mundo, não tem  solução para acabar com os sofrimentos, e passamos a procura-la em todas as direções, atendendo mesmo ao sábio conselho q está no LM, cap 3, item 35, q é a repetição, com mais clareza, da recomendação de Paulo: “Estudai de tudo e guardai o que for bom!”.
..........................................................

Mas pode ser estimulado, assim acredito. E é responsabilidade nossa contribuir para que aconteça. Não nos esqueçamos.
 Assim penso amigo, partindo do principio de que a centelha do amor, que é a origem de todo o bem, existe em todas as criatura do Criador, daí poder ser acelerado o processo de afloramento.

Sábia a colocação de Paulo, é o meu "crivo do amor" devo ter copiado dele...rs

Abraços




Mega

boas observações
gostei das suas colocações.

Já pensou se o Amor não for estimulado?

acabará a mundo

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 17 de Maio de 2012, 16:54
Amigos,
vou falar de jeito bem fácil para ser melhor assimilado:
Se é certo que o amor, não espere por resposta, também é certo que isso só se dá em mundos regenerados.
Na terra, onde estamos, seria uma hipocrisia sem conta afirmar-se que o Zé, não espere da maria, uma resposta que o sustente.
Se ele dá, e Maria não, por certo, com o correr dos tempos haverá um distanciamento e a ruptura do vínculo que os ligava.
A causa está na imperfeição de que somos adornados, é simples.
Não se esqueçam nunca somos Espíritos Imperfeitos, e não bons Espíritos.
Erramos mais do que acertamos, esperamos mais do outro do que damos a ele e mais que isso, sempre nos achamos vítimas de um desamor que na verdade poucas vezes existe.
De que serve esta postagem?
Ora para demonstra claramente que não podemos ainda amar incondicionalmente. amamos dentro daquilo de que somos dotados, uns mais, outros menos e que, por isso mesmo devamos ter para com nossos companheiros, a justa medida, entendendo que ele ou ela também vive a imperfeição e que por isso pode errar.
Abração,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 16:59
Amigos,
vou falar de jeito bem fácil para ser melhor assimilado:
Se é certo que o amor, não espere por resposta, também é certo que isso só se dá em mundos regenerados.
Na terra, onde estamos, seria uma hipocrisia sem conta afirmar-se que o Zé, não espere da maria, uma resposta que o sustente.
Se ele dá, e Maria não, por certo, com o correr dos tempos haverá um distanciamento e a ruptura do vínculo que os ligava.
A causa está na imperfeição de que somos adornados, é simples.
Não se esqueçam nunca somos Espíritos Imperfeitos, e não bons Espíritos.
Erramos mais do que acertamos, esperamos mais do outro do que damos a ele e mais que isso, sempre nos achamos vítimas de um desamor que na verdade poucas vezes existe.
De que serve esta postagem?
Ora para demonstra claramente que não podemos ainda amar incondicionalmente. amamos dentro daquilo de que somos dotados, uns mais, outros menos e que, por isso mesmo devamos ter para com nossos companheiros, a justa medida, entendendo que ele ou ela também vive a imperfeição e que por isso pode errar.
Abração,
Moura

Obrigado Moura por sua participação

Lição dificil está do amor

mas sempre compensatória

Prossigamos
aparando-nos uns aos outros

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 17 de Maio de 2012, 17:03
Sabe mano Moisés,
numa de minhas palestras cheguei a causar um certo mal estar e disse me disse quando afirmei isso que disse acima.
A verdade capital é que a maioria dos espíritas só está preparada para ser enquadrada como regenerados, seres boníssimos mas abrigam todos mais ou menos vícios dos quais não se querem libertar.
Eu sei muitos dos meus e os tenho e digo sobre eles abertamente.
Consigo lutar contra todos sendo mais eficiente em uns do que em outros, esta a minha prova maior.
Abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 17 de Maio de 2012, 17:23
Naturalmente meu irmão Moises,vc não entrou em discordância com a minha posição,mas dentro
da sua linha de raciócinio complementou o que coloquei.Esse tema de estudo foi muito bem esco-
-lhido,ele é muito extenso,por mais que nos aprofundemos,mais temos respostas,é como se nós
abrissemos um baú sem o fundo buscando uma jóia guardada,e o amor está lá,e em cada vez
que o abrimos,encontramos uma outra jóia mais preciosa.Valeu ,fique na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 17:41
Sabe mano Moisés,
numa de minhas palestras cheguei a causar um certo mal estar e disse me disse quando afirmei isso que disse acima.
A verdade capital é que a maioria dos espíritas só está preparada para ser enquadrada como regenerados, seres boníssimos mas abrigam todos mais ou menos vícios dos quais não se querem libertar.
Eu sei muitos dos meus e os tenho e digo sobre eles abertamente.
Consigo lutar contra todos sendo mais eficiente em uns do que em outros, esta a minha prova maior.
Abraços,
Moura

Aproveitando sua deixa

No OESE

Santo Agostinho nos recomenda este exercício
o do auto reconhecimento
uma avaliação diária sobre nossos atos
e o esforço continuo pra nos melhorarmos
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 17:44
Naturalmente meu irmão Moises,vc não entrou em discordância com a minha posição,mas dentro
da sua linha de raciócinio complementou o que coloquei.Esse tema de estudo foi muito bem esco-
-lhido,ele é muito extenso,por mais que nos aprofundemos,mais temos respostas,é como se nós
abrissemos um baú sem o fundo buscando uma jóia guardada,e o amor está lá,e em cada vez
que o abrimos,encontramos uma outra jóia mais preciosa.Valeu ,fique na paz.

Antonio
é muito bom ler seus comentários
eles estão sempre ao nosso alcance

valeu mesmo
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 17 de Maio de 2012, 17:51
Sobre o Mea culpae:
Exatamente mano Moisés e é este comportamento que me faz afirmar com conhecimento sobre as minhas falhas.
Se são muitas ainda e destas poucos posso ser mais eficiente na luta contra elas, é que ainda tenho de caminhar e me esforçar mais para conseguir sucesso também com as outras.
abração,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 18:11
Sobre o Mea culpae:
Exatamente mano Moisés e é este comportamento que me faz afirmar com conhecimento sobre as minhas falhas.
Se são muitas ainda e destas poucos posso ser mais eficiente na luta contra elas, é que ainda tenho de caminhar e me esforçar mais para conseguir sucesso também com as outras.
abração,
Moura

Moura

Não precisa nem comentar
agente nota

rsrsrsrs

(brincadeira)

valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 18:15
Gosto muito desta música
gosto do Raul também

Ante nossas Imperfeições

Ouçamos esta canção

e prossigamos

Tente Outra Vez (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXU3ZVFJazFQZkFzJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)


Tente Outra Vez
Raul Seixas

 Veja!
 Não diga que a canção
 Está perdida
 Tenha fé em Deus
 Tenha fé na vida
 Tente outra vez!...
 
 Beba! (Beba!)
 Pois a água viva
 Ainda tá na fonte
 (Tente outra vez!)
 Você tem dois pés
 Para cruzar a ponte
 Nada acabou!
 Não! Não! Não!...
 
 Oh! Oh! Oh! Oh!
 Tente!
 Levante sua mão sedenta
 E recomece a andar
 Não pense
 Que a cabeça agüenta
 Se você parar
 Não! Não! Não!
 Não! Não! Não!...
 
 Há uma voz que canta
 Uma voz que dança
 Uma voz que gira
 (Gira!)
 Bailando no ar
 Uh! Uh! Uh!...
 
 Queira! (Queira!)
 Basta ser sincero
 E desejar profundo
 Você será capaz
 De sacudir o mundo
 Vai!
 Tente outra vez!
 Humrum!...
 
 Tente! (Tente!)
 E não diga
 Que a vitória está perdida
 Se é de batalhas
 Que se vive a vida
 Han!
 Tente outra vez!...
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 17 de Maio de 2012, 18:18
Vocês devem notar são os meus desacertos hehehe!
Abração,
Moura

Sobre o Mea culpae:
Exatamente mano Moisés e é este comportamento que me faz afirmar com conhecimento sobre as minhas falhas.
Se são muitas ainda e destas poucos posso ser mais eficiente na luta contra elas, é que ainda tenho de caminhar e me esforçar mais para conseguir sucesso também com as outras.
abração,
Moura

Moura

Não precisa nem comentar
agente nota

rsrsrsrs

(brincadeira)

valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 17 de Maio de 2012, 18:19
Sobre a música do Raul, ao tempo em que ela estourou, eu a colocava sempre, na Sala Filosofia Espírita, dizendo ser a música de letra mais Espírita que conheço.
abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 17 de Maio de 2012, 18:27
"Minha irmã, vou tentar ser mais claro, pois foi exatamente isso que eu escrevi."

Caro Gustavo, não li o que postou em outro tópico, não informou em qual  postou e ainda não tive tempo de procurar. Mas havia entendido o que disse aqui.

 Mas sem querer polemizar, sequer ter razão, como explicar por exemplo Deuteronômio 20-16  " Mas, das cidades destes povos, que o Senhor teu Deus te dá em herança, nada que tem fôlego deixarás com vida;"  Sob meu prisma não há entrelinhas a ser lida. É destruição. Logo não creio ter vindo de Deus. Porém respeito quem consegue encontrar outra interpretação.

Abraços fraternos
Estejamos sempre com Deus


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 19:07
Sobre a música do Raul, ao tempo em que ela estourou, eu a colocava sempre, na Sala Filosofia Espírita, dizendo ser a música de letra mais Espírita que conheço.
abraços,
Moura

É
realmente ela nos aviva
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 17 de Maio de 2012, 19:33
Querida Mega.
A história nos mostra que a monarquia europeia se considerava assim por "direito divino", e os reis eram entronizados pelo papa.
Acho que isso daria um outro tópico, mas vou tentar resumir o que penso.
O povo hebreu foi escolhido por Deus para "Governar a terra". Esse era o entendimento que os hebreus tinham. Governar a terra era poder temporal, material. Dessa forma, os hebreus empreenderam conquistas territoriais, utilizando-se como fator motivacional, a sua fé no Deus único, cujo objetivo seria em seu entendimento governar a terra com eles, os quais implantariam o seu reino na terra. Alias muitos ainda hoje pensam dessa forma.
Uma campanha militar, como a que eles empreendiam levava a vilência, a existência de derrotados, os quais como eles próprios mostraram mais tarde, certamente iriam lutar por sua liberdade. O mais facil era acabar com eles.
dentro do que escrevi agora, encontramos não apenas a passagem citada,mas praticamente todo o velho testamento.
E ai reitero que precisamos separar a forma do conteúdo.
Conquistar terras, oprimir povos mais fracos, impor-lhes seus cultos e tradições, isso é a FORMA encontrada pelos hebreus do velho testamento, para disseminar O CONTEÚDO da mensagem divina que nos mostra que existe apenas um unico Deus, o qual nos criou para a felicidade que será realizada quando conseguirmos viver como irmãos.
Os hebreus se colocaram na condição de "escolhidos", ignorando que todos são filhos do mesmo Deus e que é Ele, Deus, que ira, através das suas leis imutaveis e justas governar a terra, e não sacerdotes de qualquer religião.
Quanto a ter vindo de Deus, a ordem para matar, obviamente que não, mas a incapacidade dos "médiuns" da época, aliada ao seu desejo de poder, acabou realizando essa distorção.
Alias, o que foram as cruzadas e o tribunal do santo oficio se não uma completa distorção das mensagens sublimes de Jesus, feitas por homens que se diziam seus mensageiros?
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 19:39
A PAZ QUE TRAGO EM MEU PEITO

A paz que trago hoje em meu peito é diferente da paz que eu sonhei um dia…
Quando se é jovem ou imaturo, imagina-se que ter paz é poder fazer o que se
quer, repousar, ficar em silêncio e jamais enfrentar uma contradição ou uma
decepção.
Todavia, o tempo vai nos mostrando que a paz é resultado do entendimento de
algumas lições importantes que a vida nos oferece.
A paz está no dinamismo da vida, no trabalho, na esperança, na confiança, na
fé…
Ter paz é ter a consciência tranqüila, é ter certeza de que se fez o melhor
ou, pelo menos, tentou…
Ter paz é assumir responsabilidades e cumpri-las, é ter serenidade nos
momentos mais difíceis da vida.
Ter paz é ter ouvidos que ouvem, olhos que vêem e boca que diz palavras que
constroem.
Ter paz é ter um coração que ama…
Ter paz é brincar com as crianças, voar com os passarinhos, ouvir o riacho
que desliza sobre as pedras e embala os ramos verdes que em suas água se
espreguiçam…
Ter paz é não querer que os outros se modifiquem para nos agradar, é
respeitar as opiniões contrárias, é esquecer as ofensas.
Ter paz é aprender com os próprios erros, é dizer não quando é não que se
quer dizer…
Ter paz é ter coragem de chorar ou de sorrir quando se tem vontade…
É ter forças para voltar atrás, pedir perdão, refazer o caminho,
agradecer…
Ter paz é admitir a própria imperfeição e reconhecer os medos, as fraquezas,
as carências…
A paz que hoje trago em meu peito é a tranqüilidade de aceitar os outros
como são, e a disposição para mudar as próprias imperfeições.
É a humildade para reconhecer que não sei tudo e aprender até com os
insetos…
É a vontade de dividir o pouco que tenho e não me aprisionar ao que não
possuo.
É melhorar o que está ao meu alcance, aceitar o que não pode ser mudado e
ter lucidez para distinguir uma coisa da outra.
É admitir que nem sempre tenho razão e, mesmo que tenha, não brigar por ela.
A paz que hoje trago em meu peito é a confiança naquele que criou e governa
o mundo…
A certeza da vida futura e a convicção de que receberei, das leis soberanas
da vida, o que a elas tiver oferecido.
Pense nisso!
Às vezes, para manter a paz que hoje mora em teu peito, é preciso usar um
poderoso aliado chamado silêncio.
Lembra-te de usar o silêncio quando ouvir palavras infelizes.
Quando alguém está irritado.
Quando a maledicência te procura.
Quando a ofensa te golpeia.
Quando alguém se encoleriza.
Quando a crítica te fere.
Quando escutas uma calúnia.
Quando a ignorância te acusa.
Quando o orgulho te humilha.
Quando a vaidade te provoca.
O silêncio é a gentileza do perdão que se cala e espera o tempo, por isso é
uma poderosa ferramenta para construir e manter a paz.
Pense nisso!
 
Chico Xavier
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ZERUELA em 17 de Maio de 2012, 20:00
Para Moises
Zeruela é meu nick, pois me chamo José do Carmo Ruela
Acredito que a lei de Amor é a mais ampla e perfeita das leis, sendo assim abarca todas as outras, quando Paulo fala do Amor ele não nos diz o que o Amor é, mas diz que tudo devemos fazer com Amor, mas o Amor é criado como uma planta milenar, nós começamos por conhecer e traduzimos pouco a pouco para nosso SER, então conhecemos a fraternidade, caridade, amizade, amor de mae etc.etc, vamos pouco a pouco aglutinando os conhecimento em nosso SER, quando passa a SER então não pensamos nem agimos diferentemente de nosso SER, o amor um dia fará parte então de nosso SER, sentiremos, pensaremos e agiremos com AMOR pois ele estará desabrochado na nossa essencia.
um abraço a todos.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 17 de Maio de 2012, 21:12
Para Moises
Zeruela é meu nick, pois me chamo José do Carmo Ruela
Acredito que a lei de Amor é a mais ampla e perfeita das leis, sendo assim abarca todas as outras, quando Paulo fala do Amor ele não nos diz o que o Amor é, mas diz que tudo devemos fazer com Amor, mas o Amor é criado como uma planta milenar, nós começamos por conhecer e traduzimos pouco a pouco para nosso SER, então conhecemos a fraternidade, caridade, amizade, amor de mae etc.etc, vamos pouco a pouco aglutinando os conhecimento em nosso SER, quando passa a SER então não pensamos nem agimos diferentemente de nosso SER, o amor um dia fará parte então de nosso SER, sentiremos, pensaremos e agiremos com AMOR pois ele estará desabrochado na nossa essencia.
um abraço a todos.

Valeu José do Carmo

pela sua colaboração
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: JACY R SENA em 18 de Maio de 2012, 00:08
 Não se pode definir o amor, sem  se conhecer o que seja a fé,a caridade e a humildade,pois sem esses sentimentos o ser humano tende a viver em conflitos e desavenças com tudo e todos que o cercam.Pois estamos aqui nesse plano para aprendermos  mesmo que seja sofrendo,temos que acreditar que DEUS sempre está nos conduzindo,com seu infinito amor,para nos tornarmos pessoas melhores.Que todos tenham um bom aprendizado com tudo que está sendo ensinado com os debates desse forum.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 18 de Maio de 2012, 11:35
Amigos  e companheiros  deste estudo tenho seguido  com muita atenção todos os textos colocados e  demonstra uma grande variedade  de  opiniões  muita válidas e  que muito tem ajudado a  compreender  todo este  Tema .
Para  dar mais um contributo e que possamos entender a palavra  amar  senti que era muito bom meditar neste texto de Joana  D" Angelis  do livro ..... Amor  Imbatível Amor ... sobro o medo da amar  e   como muitas vezes o podemos superar.
A insegurança emocional responde pelo medo de amar.
Como o amor constitui um grande desafio para o Self, o indivíduo enfermiço, de conduta transtornada, inquieto, ambicioso, vítima do egotismo, evita amar, a fim de não se desequipar dos instrumentos nos quais oculta a debilidade afetiva, agredindo ou escamoteando-se em disfarces variados.
O amor é mecanismo de libertação do ser, mediante o qual, todos os revestimentos da aparência cedem lugar ao Si profundo, despido dos atavios físicos e mentais, sob os quais o ego se esconde.
O medo de amar é muito maior do que parece no organismo social.
As criaturas, vitimadas pelas ambições imediatistas, negociam o prazer que denominam como amor ou impõem-se ser amadas, como se tal conquista fosse resultado de determinados condicionamentos ou exigências, que sempre resultam em fracasso.
Toda vez que alguém exige ser amado, demonstra desconhecimento das possibilidades que lhe dormem em latência e afirma os conflitos de que se vê objeto.
O amor, para tal indivíduo, não passa de um recurso para uso, para satisfações imediatas, iniciando pela projeção da imagem que se destaca, não percebendo que, aqueloutros que o louvam e o bajulam, demonstrando-lhe afetividade são, também, inconscientes, que se utilizam da ocasião para darem vazão às necessidades de afirmação da personalidade, ao que denominam de um lugar ao Sol, no qual pretendem brilhar com a claridade alheia.
Vemo-los no desfile dos oportunistas e gozadores, dos bulhentos e aproveitadores que sempre cercam as pessoas denominadas de sucesso, ao lado das quais se encontram vazios de sentimento, não preenchendo os espaços daqueles a quem pretendem agradar, igualmente sedentos de amor real.
O amor está presente no relacionamento existente entre pais e filhos, amigos e irmãos.
Mas também se expressa no sentimento do prazer, imediato ou que venha a acontecer mais tarde, em forma de bem-estar.
Não se pode dissociar o amor desse mecanismo do prazer mais elevado, mediato, aquele que não atormenta nem exige, mas surge como resposta emergente do próprio ato de amar.
 Quando o amor se instala no ser humano, de imediato uma sensação de prazer se lhe apresenta natural, enriquecendo-o de vitalidade e de alegria com as quais adquire resistência para a luta e para os grandes desafios, aureolado de ternura e de paz.
O amor resulta da emoção, que pode ser definida como uma reação intensa e breve do organismo a um lance inesperado, a qual se acompanha dum estado afetivo de concentração penosa ou agradável, do ponto de vista psicológico.
Também pode ser definida como o movimento emergente de um estado de excitamento de prazer ou dor.
Como consequência, o amor sempre se direciona àqueles que são simpáticos entre si e com os quais se pode manter um relacionamento agradável.
Este conceito, porém, se restringe à exigência do amor que se expressa pela emoção física, transformando-se em prazer sensual.
Sob outro aspecto, háo amor profundo, não necessariamente correspondido, mas feito de respeito e de carinho pelo indivíduo, por uma obra de arte, por algo da Natureza, pelo ideal, pela conquista de alguma coisa superior ou transcendente, para cujo logro se empenham todas as forças disponíveis, em expectativa de um prazer remoto a alcançar.
As experiências positivas desenvolvem os sentimentos de afetividade e de carinho, as  desagradáveis  propõem  uma postura de reserva ou que se faz cautelosa, quando não se apresenta negativa.
No medo de amar, estão definidos os traumas de infância, cujos reflexos se apresentam em relação às demais pessoas como projeções dos tormentos sofridos naquele período.
Também pode resultar de insatisfação pessoal, em conflito de comportamento por imaturidade psicológica, ou reminiscência de sofrimentos, ou nos seus usos indevidos em reencarnações transatas.
De alguma forma, no amor, há uma natural necessidade de aproximação física, de contato e de contiguidade com a pessoa querida.
Quando se é carente, essa necessidade torna-se tormentosa, deixando de expressar o amor real para tornar-se desejo de prazer imediato, consumidor.
Se for estabelecida uma dependência emocional, logo o amor se transforma e torna-se um tipo de ansiedade que se confunde com o verdadeiro sentimento.
Eis porque, muitas vezes, quando alguém diz com aflição eu o amo, está tentando dizer eu necessito de você, que são sentimentos muito diferentes.
O amor condicional, dependente, imana uma pessoa à outra, ao invés de libertá-la.
Quando não existe essa liberdade, o significado do eu o amo, o transforma na exigência de você me deve amar, impondo uma resposta de sentimento inexistente no outro.
O medo de amar também tem origem no receio de não merecer ser amado, o que constitui um complexo de inferioridade.
Todas as pessoas são carentes de amor e  dele credoras, mesmo quando não possuam recursos hábeis para consegui-lo.
Mas sempre haverá alguém que esteja disposto a expandir o seu sentimento de amor, sintonizando com outros, também portadores de necessidades afetivas.
O medo, pois, de amar, pelo receio de manter um compromisso sério, deve ser substituído pela busca da afetividade, que se inicia na amizade e termina no amor pleno.
Tal sentimento é agradável pela oportunidade de expandir-se, ampliando os horizontes de quem deseja amigos e torna-se companheiro, desenvolvendo a emoção do prazer pelo relacionamento desinteressado, que se vai alterando até se transformar em amor legítimo.
Indispensável, portanto, superar o conflito do medo de amar, iniciando-se no esforço de afeiçoar-se a outrem, não gerando dependência, nem impondo condições.
Somente assim a vida adquire sentido psicológico e o sentimento de amor domina o ser.
Com um abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Maio de 2012, 13:09
Não se pode definir o amor, sem  se conhecer o que seja a fé,a caridade e a humildade,pois sem esses sentimentos o ser humano tende a viver em conflitos e desavenças com tudo e todos que o cercam.Pois estamos aqui nesse plano para aprendermos  mesmo que seja sofrendo,temos que acreditar que DEUS sempre está nos conduzindo,com seu infinito amor,para nos tornarmos pessoas melhores.Que todos tenham um bom aprendizado com tudo que está sendo ensinado com os debates desse forum.

legal Jacy

Gostei das suas palavras

Realmente Deus nos atrai
seu amor por nós é irresistível

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 18 de Maio de 2012, 13:16
Bom dia a todos

O Homem no Mundo

Um sentimento de piedade deve sempre animar o coração dos que se reúnem sob as vistas do Senhor e imploram a assistência dos bons Espíritos.
 
Purificai, pois, os vossos corações, não consintais que neles demore qualquer pensamento mundano ou fútil.

Ele vai o vosso espírito àqueles por quem chamais, a fim de que, encontrando em vós as necessárias disposições, possam lançar em profusão a semente que é preciso germine em vossas almas e dê frutos de caridade e justiça.

Não julgueis, todavia, que exortando-vos incessantemente à prece e à evocação mental, pretendamos vivais uma vida mística, que vos conserve fora das leis da sociedade onde estais condenados a viver.

 Não, vivei com os homens da vossa época, como devem viver os homens.
 
Sacrificai às necessidades, mesmo às frivolidades do dia, mas sacrificai com um sentimento de pureza que as possa santificar.

Sois chamados a estar em contacto com espíritos de naturezas diferentes, de caracteres opostos: não choqueis a nenhum daqueles com quem estiverdes.

Sede joviais, sede ditosos, mas seja a vossa jovialidade a que provém de uma consciência limpa, seja a vossa ventura a do herdeiro do Céu que conta os dias que faltam para entrar na posse da sua herança.

Não consiste a virtude em assumirdes severo e lúgubre aspecto, em repelirdes os prazeres que as vossas condições humanas vos permitem.

Basta reporteis todos os atos da vossa vida ao Criador que vo-la deu, basta que quando começardes ou acabardes uma obra, eleveis o pensamento a esse Criador e lhe peçais, num arroubo dalma, ou a sua proteção para que obtenhais êxito, ou a sua bênção para ela, se a concluístes.
 
Em tudo o que fizerdes, remontai à Fonte de todas as coisas, para que nenhuma de vossas ações deixe de ser purificada e santificada pela lembrança de Deus.

A perfeição está toda, como disse o Cristo, na prática da caridade absoluta, mas os deveres da caridade alcançam todas as posições sociais, desde o menor até o maior.

Nenhuma caridade teria a praticar o homem que vivesse insulado.

Unicamente no contacto com os seus semelhantes, nas lutas mais árduas é que ele encontra ensejo de praticá-la.

Aquele, pois, que se isola priva-se voluntariamente do mais poderoso meio de aperfeiçoar-se, não tendo de pensar senão em si, sua vida é a de um egoísta. (Capítulo V, no. 26.)

Não imagineis portanto, que, para viverdes em comunicação constante conosco, para viverdes sob as vistas do Senhor, seja preciso vos cilicieis e cubrais de cinzas. Não, não, ainda uma vez vos dizemos. Ditosos sede, segundo as necessidades da Humanidade, mas, que jamais na vossa felicidade entre um pensamento ou um ato que o possa ofender, ou fazer se vele o semblante dos que vos amam e dirigem.

Deus é amor, e aqueles que amam santamente ele os abençoa.

Um Espírito Protetor. (Bordéus, 1863.)
Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita Brasileira. 1996.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Morel Felipe em 18 de Maio de 2012, 14:44
Sobre a música do Raul, ao tempo em que ela estourou, eu a colocava sempre, na Sala Filosofia Espírita, dizendo ser a música de letra mais Espírita que conheço.
abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Morel Felipe em 18 de Maio de 2012, 14:55
Peço desculpas por fugir um pouco ao tema, mas não posso perder o ensejo: Me dou conta, mais uma vez, do quanto damos importância às nossaspróprias opiniões, como se fôssemos donos da vedade! Digo isso porque, cerca de um ano atrás, quando comecei a acompanhar o Forum Espírita, de imediato me deparei com uma série de pontos de vista do Mourarego que divergiam com o que eu penso. Isso já foi o suficiente para criar uma certa prevenção contra tudo o que ele expressa. Com o tempo, fui percebendo grandes verdades no que ele afirma, além de inegável coerência. Agora, ao ler seu comentário sobre a música do Raul, A tendência é de me identificar com ele, pois compartilho plenamente com sua opinião sobre esta música. Raul Seixas foi talvez o principal responsável, através de sua obra, para que eu descobrisse que existe muito mais além do que nos permitem ver, muito mais além do que normalmente vemos. Abraços a todos, e obrigado.
www.espiritoimortal.com.br (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5lc3Bpcml0b2ltb3J0YWwuY29tLmJy)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Maio de 2012, 15:43
Amigos  e companheiros  deste estudo tenho seguido  com muita atenção todos os textos colocados e  demonstra uma grande variedade  de  opiniões  muita válidas e  que muito tem ajudado a  compreender  todo este  Tema .
Para  dar mais um contributo e que possamos entender a palavra  amar  senti que era muito bom meditar neste texto de Joana  D" Angelis  do livro ..... Amor  Imbatível Amor ... sobro o medo da amar  e   como muitas vezes o podemos superar.
A insegurança emocional responde pelo medo de amar.
Como o amor constitui um grande desafio para o Self, o indivíduo enfermiço, de conduta transtornada, inquieto, ambicioso, vítima do egotismo, evita amar, a fim de não se desequipar dos instrumentos nos quais oculta a debilidade afetiva, agredindo ou escamoteando-se em disfarces variados.
O amor é mecanismo de libertação do ser, mediante o qual, todos os revestimentos da aparência cedem lugar ao Si profundo, despido dos atavios físicos e mentais, sob os quais o ego se esconde.
O medo de amar é muito maior do que parece no organismo social.
As criaturas, vitimadas pelas ambições imediatistas, negociam o prazer que denominam como amor ou impõem-se ser amadas, como se tal conquista fosse resultado de determinados condicionamentos ou exigências, que sempre resultam em fracasso.
Toda vez que alguém exige ser amado, demonstra desconhecimento das possibilidades que lhe dormem em latência e afirma os conflitos de que se vê objeto.
O amor, para tal indivíduo, não passa de um recurso para uso, para satisfações imediatas, iniciando pela projeção da imagem que se destaca, não percebendo que, aqueloutros que o louvam e o bajulam, demonstrando-lhe afetividade são, também, inconscientes, que se utilizam da ocasião para darem vazão às necessidades de afirmação da personalidade, ao que denominam de um lugar ao Sol, no qual pretendem brilhar com a claridade alheia.
Vemo-los no desfile dos oportunistas e gozadores, dos bulhentos e aproveitadores que sempre cercam as pessoas denominadas de sucesso, ao lado das quais se encontram vazios de sentimento, não preenchendo os espaços daqueles a quem pretendem agradar, igualmente sedentos de amor real.
O amor está presente no relacionamento existente entre pais e filhos, amigos e irmãos.
Mas também se expressa no sentimento do prazer, imediato ou que venha a acontecer mais tarde, em forma de bem-estar.
Não se pode dissociar o amor desse mecanismo do prazer mais elevado, mediato, aquele que não atormenta nem exige, mas surge como resposta emergente do próprio ato de amar.
 Quando o amor se instala no ser humano, de imediato uma sensação de prazer se lhe apresenta natural, enriquecendo-o de vitalidade e de alegria com as quais adquire resistência para a luta e para os grandes desafios, aureolado de ternura e de paz.
O amor resulta da emoção, que pode ser definida como uma reação intensa e breve do organismo a um lance inesperado, a qual se acompanha dum estado afetivo de concentração penosa ou agradável, do ponto de vista psicológico.
Também pode ser definida como o movimento emergente de um estado de excitamento de prazer ou dor.
Como consequência, o amor sempre se direciona àqueles que são simpáticos entre si e com os quais se pode manter um relacionamento agradável.
Este conceito, porém, se restringe à exigência do amor que se expressa pela emoção física, transformando-se em prazer sensual.
Sob outro aspecto, háo amor profundo, não necessariamente correspondido, mas feito de respeito e de carinho pelo indivíduo, por uma obra de arte, por algo da Natureza, pelo ideal, pela conquista de alguma coisa superior ou transcendente, para cujo logro se empenham todas as forças disponíveis, em expectativa de um prazer remoto a alcançar.
As experiências positivas desenvolvem os sentimentos de afetividade e de carinho, as  desagradáveis  propõem  uma postura de reserva ou que se faz cautelosa, quando não se apresenta negativa.
No medo de amar, estão definidos os traumas de infância, cujos reflexos se apresentam em relação às demais pessoas como projeções dos tormentos sofridos naquele período.
Também pode resultar de insatisfação pessoal, em conflito de comportamento por imaturidade psicológica, ou reminiscência de sofrimentos, ou nos seus usos indevidos em reencarnações transatas.
De alguma forma, no amor, há uma natural necessidade de aproximação física, de contato e de contiguidade com a pessoa querida.
Quando se é carente, essa necessidade torna-se tormentosa, deixando de expressar o amor real para tornar-se desejo de prazer imediato, consumidor.
Se for estabelecida uma dependência emocional, logo o amor se transforma e torna-se um tipo de ansiedade que se confunde com o verdadeiro sentimento.
Eis porque, muitas vezes, quando alguém diz com aflição eu o amo, está tentando dizer eu necessito de você, que são sentimentos muito diferentes.
O amor condicional, dependente, imana uma pessoa à outra, ao invés de libertá-la.
Quando não existe essa liberdade, o significado do eu o amo, o transforma na exigência de você me deve amar, impondo uma resposta de sentimento inexistente no outro.
O medo de amar também tem origem no receio de não merecer ser amado, o que constitui um complexo de inferioridade.
Todas as pessoas são carentes de amor e  dele credoras, mesmo quando não possuam recursos hábeis para consegui-lo.
Mas sempre haverá alguém que esteja disposto a expandir o seu sentimento de amor, sintonizando com outros, também portadores de necessidades afetivas.
O medo, pois, de amar, pelo receio de manter um compromisso sério, deve ser substituído pela busca da afetividade, que se inicia na amizade e termina no amor pleno.
Tal sentimento é agradável pela oportunidade de expandir-se, ampliando os horizontes de quem deseja amigos e torna-se companheiro, desenvolvendo a emoção do prazer pelo relacionamento desinteressado, que se vai alterando até se transformar em amor legítimo.
Indispensável, portanto, superar o conflito do medo de amar, iniciando-se no esforço de afeiçoar-se a outrem, não gerando dependência, nem impondo condições.
Somente assim a vida adquire sentido psicológico e o sentimento de amor domina o ser.
Com um abraço de muita paz
Manuel Altino


Olá Manuel Altino

Novamente em uma profunda análise
nos coloca este novo texto


Mais uma vez obrigado pela sua colaboração

E destaco estas colocações;


Citar
Mas sempre haverá alguém que esteja disposto a expandir o seu sentimento de amor, sintonizando com outros, também portadores de necessidades afetivas.
O medo, pois, de amar, pelo receio de manter um compromisso sério, deve ser substituído pela busca da afetividade, que se inicia na amizade e termina no amor pleno.
Tal sentimento é agradável pela oportunidade de expandir-se, ampliando os horizontes de quem deseja amigos e torna-se companheiro, desenvolvendo a emoção do prazer pelo relacionamento desinteressado, que se vai alterando até se transformar em amor legítimo.
Indispensável, portanto, superar o conflito do medo de amar, iniciando-se no esforço de afeiçoar-se a outrem, não gerando dependência, nem impondo condições.
Somente assim a vida adquire sentido psicológico e o sentimento de amor domina o ser.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Maio de 2012, 15:48
Bom dia a todos

O Homem no Mundo

Um sentimento de piedade deve sempre animar o coração dos que se reúnem sob as vistas do Senhor e imploram a assistência dos bons Espíritos.
 
Purificai, pois, os vossos corações, não consintais que neles demore qualquer pensamento mundano ou fútil.

Ele vai o vosso espírito àqueles por quem chamais, a fim de que, encontrando em vós as necessárias disposições, possam lançar em profusão a semente que é preciso germine em vossas almas e dê frutos de caridade e justiça.

Não julgueis, todavia, que exortando-vos incessantemente à prece e à evocação mental, pretendamos vivais uma vida mística, que vos conserve fora das leis da sociedade onde estais condenados a viver.

 Não, vivei com os homens da vossa época, como devem viver os homens.
 
Sacrificai às necessidades, mesmo às frivolidades do dia, mas sacrificai com um sentimento de pureza que as possa santificar.

Sois chamados a estar em contacto com espíritos de naturezas diferentes, de caracteres opostos: não choqueis a nenhum daqueles com quem estiverdes.

Sede joviais, sede ditosos, mas seja a vossa jovialidade a que provém de uma consciência limpa, seja a vossa ventura a do herdeiro do Céu que conta os dias que faltam para entrar na posse da sua herança.

Não consiste a virtude em assumirdes severo e lúgubre aspecto, em repelirdes os prazeres que as vossas condições humanas vos permitem.

Basta reporteis todos os atos da vossa vida ao Criador que vo-la deu, basta que quando começardes ou acabardes uma obra, eleveis o pensamento a esse Criador e lhe peçais, num arroubo dalma, ou a sua proteção para que obtenhais êxito, ou a sua bênção para ela, se a concluístes.
 
Em tudo o que fizerdes, remontai à Fonte de todas as coisas, para que nenhuma de vossas ações deixe de ser purificada e santificada pela lembrança de Deus.

A perfeição está toda, como disse o Cristo, na prática da caridade absoluta, mas os deveres da caridade alcançam todas as posições sociais, desde o menor até o maior.

Nenhuma caridade teria a praticar o homem que vivesse insulado.

Unicamente no contacto com os seus semelhantes, nas lutas mais árduas é que ele encontra ensejo de praticá-la.

Aquele, pois, que se isola priva-se voluntariamente do mais poderoso meio de aperfeiçoar-se, não tendo de pensar senão em si, sua vida é a de um egoísta. (Capítulo V, no. 26.)

Não imagineis portanto, que, para viverdes em comunicação constante conosco, para viverdes sob as vistas do Senhor, seja preciso vos cilicieis e cubrais de cinzas. Não, não, ainda uma vez vos dizemos. Ditosos sede, segundo as necessidades da Humanidade, mas, que jamais na vossa felicidade entre um pensamento ou um ato que o possa ofender, ou fazer se vele o semblante dos que vos amam e dirigem.

Deus é amor, e aqueles que amam santamente ele os abençoa.

Um Espírito Protetor. (Bordéus, 1863.)
Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita Brasileira. 1996.



ken

Novamente uma bela contribuição

Gostei deste texto
ele pondera-nos quanto a nossa realidade, a nossa verdade,
não somente nas buscas do espírito,
mas também nas nossas responsabilidades de relação social e seja ela qual for.

Eis as razões de não nos confundirmos
O Espiritismo não pretende nos tirar das nossas vidas
Ele auxilia-nos o nosso viver em todos os aspectos.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ZERUELA em 18 de Maio de 2012, 15:53
Imagine assim:
Amor um encontro entre a força divina e o divino que existe em nós, um dia vamos respirar e viver na força do amor divino, o Amor é a essencia da criação de todo Universo, materializando o amor podemos dizer que quando Deus criou o Principio Material e Principio Espiritual, dinamizou-os com a sua força o AMOR, então estamos numa jornada onde vamos pouco a pouco aprendendo sobre esta força, buscamos inicialmente no Egoísmo, o desejo de satisfação pessoal, Orgulho etc, com o tempo descobrimo uma das força que o Amor nos emana, a fraternidade entre nós, como um elo de uma corrente, onde um puxa o outro, numa jornada de interdependencia e aprendizado, mais um pouco vamos percebendo que o amor é um encontro, Eu e Deus, então busco através do próximo e da minha intenção de melhorar o mundo esta ligação, com o passar do tempo descubro que fazendo ao outro, cresço e aprimoro minha condição de aprendizado do amor, então percebo que na célula primeira de aprendizado a familia, ainda me encontro longe do Amor, pois ainda graça o egoísmo e orgulho, preciso refazer muitas e muitas vezes a caminhada, recebo lições e exemplos de grandes mestres, e então vislumbro finalmente como posso ser mais feliz, buscando o grande encontro, este encontro com o Amor será como uma destruição construtiva de tudo que imagino e tudo que considero verdade hoje, pois o AMOR é com certeza maior que tudo que eu possa imaginar.

paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Maio de 2012, 16:15
Peço desculpas por fugir um pouco ao tema, mas não posso perder o ensejo: Me dou conta, mais uma vez, do quanto damos importância às nossaspróprias opiniões, como se fôssemos donos da vedade! Digo isso porque, cerca de um ano atrás, quando comecei a acompanhar o Forum Espírita, de imediato me deparei com uma série de pontos de vista do Mourarego que divergiam com o que eu penso. Isso já foi o suficiente para criar uma certa prevenção contra tudo o que ele expressa. Com o tempo, fui percebendo grandes verdades no que ele afirma, além de inegável coerência. Agora, ao ler seu comentário sobre a música do Raul, A tendência é de me identificar com ele, pois compartilho plenamente com sua opinião sobre esta música. Raul Seixas foi talvez o principal responsável, através de sua obra, para que eu descobrisse que existe muito mais além do que nos permitem ver, muito mais além do que normalmente vemos. Abraços a todos, e obrigado.
www.espiritoimortal.com.br (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5lc3Bpcml0b2ltb3J0YWwuY29tLmJy)

Valeu Morel
pelas suas palavras

Como disse um filósofo;

Aqui é o mundo das opiniões.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Maio de 2012, 16:19
Imagine assim:
Amor um encontro entre a força divina e o divino que existe em nós, um dia vamos respirar e viver na força do amor divino, o Amor é a essencia da criação de todo Universo, materializando o amor podemos dizer que quando Deus criou o Principio Material e Principio Espiritual, dinamizou-os com a sua força o AMOR, então estamos numa jornada onde vamos pouco a pouco aprendendo sobre esta força, buscamos inicialmente no Egoísmo, o desejo de satisfação pessoal, Orgulho etc, com o tempo descobrimo uma das força que o Amor nos emana, a fraternidade entre nós, como um elo de uma corrente, onde um puxa o outro, numa jornada de interdependencia e aprendizado, mais um pouco vamos percebendo que o amor é um encontro, Eu e Deus, então busco através do próximo e da minha intenção de melhorar o mundo esta ligação, com o passar do tempo descubro que fazendo ao outro, cresço e aprimoro minha condição de aprendizado do amor, então percebo que na célula primeira de aprendizado a familia, ainda me encontro longe do Amor, pois ainda graça o egoísmo e orgulho, preciso refazer muitas e muitas vezes a caminhada, recebo lições e exemplos de grandes mestres, e então vislumbro finalmente como posso ser mais feliz, buscando o grande encontro, este encontro com o Amor será como uma destruição construtiva de tudo que imagino e tudo que considero verdade hoje, pois o AMOR é com certeza maior que tudo que eu possa imaginar.

paz

Olá José do Carmo

fez nos lembrar de um pensamento
creio que Chinês

" Queres mudar o Mundo?
  Dê quatro voltas primeiramente
  em torno de seu lar"

Realmente não podemos esquecer da Família
e de sua função primordial para a nossa realidade.

A nossa família
assim mesmo como ela é.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 18 de Maio de 2012, 16:25
Amigo Moises, o texto a seguir considero de suma importancia, pois nos chama à atenção para uma autoanálise em nossas atitudes cotidianas :-

O Homem Honesto Segundo Deus ou Segundo os Homens

Nota: as respostas deste texto foram dadas pelo Espírito JOSEPH BRÊ, falecido em 1840, ao ser evocado em Bordéus, por sua neta, em 1862. O texto foi extraído do livro "O Céu e o Inferno" de Allan Kardec.


1. - Caro avô, podeis dizer-me como vos encontrais no mundo dos Espíritos, dando-me quaisquer pormenores úteis ao nosso progresso?

R. Tudo que quiseres, querida filha. Eu expio a minha descrença; porém, grande é a bondade de Deus, que atende às circunstâncias. Sofro, mas não como poderias imaginar: é o desgosto de não ter melhor aproveitado o tempo aí na Terra.


2. - Como? Pois não vivestes sempre honestamente?
R. Sim, no juízo dos homens; mas há um abismo entre a honestidade perante os homens e a honestidade perante Deus. E uma vez que desejas instruir-te, procurarei demonstrar-te a diferença.

Aí, entre vós, é reputado honesto aquele que respeita as leis do seu país, respeito arbitrário para muitos. Honesto é aquele que não prejudica o próximo ostensivamente, embora lhe arranque muitas vezes a felicidade e a honra, visto o código penal e a opinião pública não atingirem o culpado hipócrita.

Em podendo fazer gravar na pedra do túmulo um epitáfio de virtude, julgam muitos terem pago sua dívida à Humanidade! Erro! Não basta, para ser honesto perante Deus, ter respeitado as leis dos homens; é preciso antes de tudo não haver transgredido as leis divinas.

Honesto aos olhos de Deus será aquele que, possuído de abnegação e amor, consagre a existência ao bem, ao progresso dos seus semelhantes, aquele que, animado de um zelo sem limites, for ativo na vida; ativo no cumprimento dos deveres materiais, ensinando e exemplificando aos outros o amor ao trabalho; ativo nas boas ações, sem esquecer a condição de servo ao qual o Senhor pedirá contas, um dia, do emprego do seu tempo; ativo finalmente na prática do amor de Deus e do próximo.

Assim o homem honesto, perante Deus, deve evitar cuidadoso as palavras mordazes, veneno oculto sob flores, que destrói reputações e acabrunha o homem, muitas vezes cobrindo-o de ridículo. O homem honesto, segundo Deus, deve ter sempre cerrado o coração a quaisquer germens de orgulho, de inveja, de ambição; deve ser paciente e benévolo para com os que o agredirem; deve perdoar do fundo dalma, sem esforços e sobretudo sem ostentação, a quem quer que o ofenda; deve, enfim, praticar o preceito conciso e grandioso que se resume "no amor de Deus sobre todas as coisas e do próximo como a si mesmo".

Eis aí, querida filha, aproximadamente o que deve ser o homem honesto perante Deus. Pois bem: tê-lo-ia eu sido? Não. Confesso sem corar que faltei a muitos desses deveres; que não tive a atividade necessária; que o esquecimento de Deus impeliu-me a outras faltas, as quais, por não serem passíveis às leis humanas, nem por isso deixam de ser atentatórias à lei de Deus.

Compreendendo-o, muito sofri, e assim é que hoje espero mais consolado a misericórdia desse Deus de bondade, que perscruta o meu arrependimento. Transmite, cara filha, repete tudo o que aí fica a quantos tiverem a consciência onerada, para que reparem suas faltas à força de boas obras, a fim de que a misericórdia de Deus se estenda por sobre eles. Seus olhos paternais lhes calcularão as provações. Sua mão potente lhes apagará as faltas.


Allan Kardec. Da obra: O Céu e o Inferno. 40 edição. Extraído do capítulo 3 - 2a. Parte - Espíritos em condições medianas. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 18 de Maio de 2012, 18:25
Amigo Moises, o texto a seguir considero de suma importancia, pois nos chama à atenção para uma autoanálise em nossas atitudes cotidianas :-

O Homem Honesto Segundo Deus ou Segundo os Homens

Nota: as respostas deste texto foram dadas pelo Espírito JOSEPH BRÊ, falecido em 1840, ao ser evocado em Bordéus, por sua neta, em 1862. O texto foi extraído do livro "O Céu e o Inferno" de Allan Kardec.


1. - Caro avô, podeis dizer-me como vos encontrais no mundo dos Espíritos, dando-me quaisquer pormenores úteis ao nosso progresso?

R. Tudo que quiseres, querida filha. Eu expio a minha descrença; porém, grande é a bondade de Deus, que atende às circunstâncias. Sofro, mas não como poderias imaginar: é o desgosto de não ter melhor aproveitado o tempo aí na Terra.


2. - Como? Pois não vivestes sempre honestamente?
R. Sim, no juízo dos homens; mas há um abismo entre a honestidade perante os homens e a honestidade perante Deus. E uma vez que desejas instruir-te, procurarei demonstrar-te a diferença.

Aí, entre vós, é reputado honesto aquele que respeita as leis do seu país, respeito arbitrário para muitos. Honesto é aquele que não prejudica o próximo ostensivamente, embora lhe arranque muitas vezes a felicidade e a honra, visto o código penal e a opinião pública não atingirem o culpado hipócrita.

Em podendo fazer gravar na pedra do túmulo um epitáfio de virtude, julgam muitos terem pago sua dívida à Humanidade! Erro! Não basta, para ser honesto perante Deus, ter respeitado as leis dos homens; é preciso antes de tudo não haver transgredido as leis divinas.

Honesto aos olhos de Deus será aquele que, possuído de abnegação e amor, consagre a existência ao bem, ao progresso dos seus semelhantes, aquele que, animado de um zelo sem limites, for ativo na vida; ativo no cumprimento dos deveres materiais, ensinando e exemplificando aos outros o amor ao trabalho; ativo nas boas ações, sem esquecer a condição de servo ao qual o Senhor pedirá contas, um dia, do emprego do seu tempo; ativo finalmente na prática do amor de Deus e do próximo.

Assim o homem honesto, perante Deus, deve evitar cuidadoso as palavras mordazes, veneno oculto sob flores, que destrói reputações e acabrunha o homem, muitas vezes cobrindo-o de ridículo. O homem honesto, segundo Deus, deve ter sempre cerrado o coração a quaisquer germens de orgulho, de inveja, de ambição; deve ser paciente e benévolo para com os que o agredirem; deve perdoar do fundo dalma, sem esforços e sobretudo sem ostentação, a quem quer que o ofenda; deve, enfim, praticar o preceito conciso e grandioso que se resume "no amor de Deus sobre todas as coisas e do próximo como a si mesmo".

Eis aí, querida filha, aproximadamente o que deve ser o homem honesto perante Deus. Pois bem: tê-lo-ia eu sido? Não. Confesso sem corar que faltei a muitos desses deveres; que não tive a atividade necessária; que o esquecimento de Deus impeliu-me a outras faltas, as quais, por não serem passíveis às leis humanas, nem por isso deixam de ser atentatórias à lei de Deus.

Compreendendo-o, muito sofri, e assim é que hoje espero mais consolado a misericórdia desse Deus de bondade, que perscruta o meu arrependimento. Transmite, cara filha, repete tudo o que aí fica a quantos tiverem a consciência onerada, para que reparem suas faltas à força de boas obras, a fim de que a misericórdia de Deus se estenda por sobre eles. Seus olhos paternais lhes calcularão as provações. Sua mão potente lhes apagará as faltas.


Allan Kardec. Da obra: O Céu e o Inferno. 40 edição. Extraído do capítulo 3 - 2a. Parte - Espíritos em condições medianas. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita



Olá Ken

Estas suas colocações extraidas das Obras Espíritas
está de encontro com esta citação do próprio Allan Kardec

"O Espiritismo não tem nacionalidade.
Está por fora de todos os cultos particulares,
não é imposto por nenhuma classe da sociedade,
pois cada um pode receber instruções de parentes e amigos de além túmulo."

Valeu pela contribuição

Abraços
 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 18 de Maio de 2012, 23:22
Olá,

Amor e Conciliação

..........."Mestre, qual é o maior mandamento da lei ?  Jesus lhe respondeu: Amareis o Senhor vosso Deus de todo vosso coração, de toda a vossa alma e de todo vosso espírito. Eis aí o maior mandamento. O segundo, que é semelhante a este: Amareis vosso próximo como a vós mesmos..."

O Amor é conciliador, no entanto não se acumplicia com aquilo que é incorreto.
A conciliação , que é filha direta do perdão e da compaixão, faculta o desusado júbilo do sentimento, que tudo apaga e esquece.

Os relacionamentos não são muitos fáceis, porque cada um tem a sua própria historiografia escrita na sua maneira de ser. Dificilmente dois indivíduos respondem da mesma forma aos apelos do amor, seguindo, não poucas vezes , veredas diferentes.

Esse é um dos momentos mágicos do amor e da conciliação: saber onde parar, quando prosseguir e como fazê-lo...
O Mestre do amor referiu-se com imensa propriedade: Reconcilia-te com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele.
Para que haja essa (RE)conciliação é necessário que o amor impere no país dos sentimentos, oferecendo paz e perdão ao ofensor, sem o que o gesto de busca e encontro perderia o seu significado, por manter apenas uma posição exterior.

Ninguém jamais amou, conforme Jesus o fez.
Dividiu a História da Humanidade, mais pelo amor do que pelas palavras e pelos feitos.
Ele é o símbolo do amor , porquanto , não amado, continuou amando, e prosseguirá até a eternidade.

Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 19 de Maio de 2012, 12:33
Em muitas das vezes,algumas pessoas por terem sofrido uma grande desilusão,motivadas pelo seu espírito não fortalecido,chegam a dizer que perderam a capacidade de amar, quando na verdade nada lhes aconteceu,se pararem para e raciocinar constatará essa verdade,pois  há
dentro de si em estado latente,a bondade, caridade e a solidariedade.O que lhe falta então:O perdão a si mesmo,e em oração dizer,senhor perdoa-me e dai-me forças para continuar exerci-
-tando a tua lei maior.
Fiquem na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 13:07
Olá a todos!

Bom dia

Uma mensagem que recebi e quero partilhar com todos que frequentam este tópico;

DAR E RECEBER
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 13:09
Em muitas das vezes,algumas pessoas por terem sofrido uma grande desilusão,motivadas pelo seu espírito não fortalecido,chegam a dizer que perderam a capacidade de amar, quando na verdade nada lhes aconteceu,se pararem para e raciocinar constatará essa verdade,pois  há
dentro de si em estado latente,a bondade, caridade e a solidariedade.O que lhe falta então:O perdão a si mesmo,e em oração dizer,senhor perdoa-me e dai-me forças para continuar exerci-
-tando a tua lei maior.
Fiquem na paz.

Valeu Antonio

Pela preciosa colocação
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 13:11
Olá,

Amor e Conciliação

..........."Mestre, qual é o maior mandamento da lei ?  Jesus lhe respondeu: Amareis o Senhor vosso Deus de todo vosso coração, de toda a vossa alma e de todo vosso espírito. Eis aí o maior mandamento. O segundo, que é semelhante a este: Amareis vosso próximo como a vós mesmos..."

O Amor é conciliador, no entanto não se acumplicia com aquilo que é incorreto.
A conciliação , que é filha direta do perdão e da compaixão, faculta o desusado júbilo do sentimento, que tudo apaga e esquece.

Os relacionamentos não são muitos fáceis, porque cada um tem a sua própria historiografia escrita na sua maneira de ser. Dificilmente dois indivíduos respondem da mesma forma aos apelos do amor, seguindo, não poucas vezes , veredas diferentes.

Esse é um dos momentos mágicos do amor e da conciliação: saber onde parar, quando prosseguir e como fazê-lo...
O Mestre do amor referiu-se com imensa propriedade: Reconcilia-te com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele.
Para que haja essa (RE)conciliação é necessário que o amor impere no país dos sentimentos, oferecendo paz e perdão ao ofensor, sem o que o gesto de busca e encontro perderia o seu significado, por manter apenas uma posição exterior.

Ninguém jamais amou, conforme Jesus o fez.
Dividiu a História da Humanidade, mais pelo amor do que pelas palavras e pelos feitos.
Ele é o símbolo do amor , porquanto , não amado, continuou amando, e prosseguirá até a eternidade.

Muita Paz

Obrigado Si

Pelo belo texto
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 13:18
Amai-vos

"Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade." - João.
(I JOÃO, 3:18.)  

Por norma de fraternidade pura e sincera, recomenda a Palavra Divina: "Amai-vos uns aos outros."

Não determina seleções.

Não exalta conveniências.

Não impõe condicionais.

Não desfavorece os infelizes.

Não menoscaba os fracos.

Não faz privilégios.

Não pede o afastamento dos maus.

Não desconsidera os filhos do lar alheio.

Não destaca a parentela consangüínea.

Não menospreza os adversários.

E o apóstolo acrescenta: "Não amemos de palavra, mas através das obras, com todo o fervor do coração."

O Universo é o nosso domicílio.

A Humanidade é a nossa família.

Aproximemo-nos dos piores, para ajudar.

Aproximemo-nos dos melhores, para aprender.

Amarmo-nos, servindo uns aos outros, não de boca, mas de coração, constitui para nós todos o glorioso caminho de ascensão.


"Emmanuel"
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 19 de Maio de 2012, 14:17
Bom dia Mano Moisés, com relação ao texto do Chico # 262  - Muito Lindo.

Descobri uma coisa fantástica sobre o perdão. Descobri que parece ser até um ato de egoísmo de quem perdoa de tão bom que é perdoar. O coração fica leve, o sorriso fica fácil, a paz reina em plenitude, tudo parece entrar nos eixos, por assim dizer. Perdoar o outro é fácil e gostoso...Agora, amigos, nos perdoar é duroooo. É difícil você conceber que foi uma pessoa que nao gosta de ser.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mega em 19 de Maio de 2012, 14:28
Mano Moura,  fico pensando: Será que esse amor que é cria da libido é mesmo amor? Conjectura comigo: Amor é fonte de todo o bem. Porem o amor da libido parece ser, na maioria dos casos, fonte de inquietações e sofrimentos. Quer seja pelo medo de perder, pela demora a chegar, pelo esquecimento de uma data, por palavras menos amenas etc, etc. Nesse amor, mesmo nos momentos de harmonia reina a preocupação com as incertezas futuras. Daí o futuro que ainda não é, desequilibra o presente. Sintetizando, o que mais se vê é pessoas sofrendo por amor. Se o amor é fonte do bem, não deveria fazer sofrer, logo esse amor que provoca namoro e casamento não deveria se chamar amor. Se é amor, é só por instantes. Até por que raro é o amor que suporta o casamento. O que não quer dizer que se separam, a maioria fica ali, naquela vidinha mais ou menos. Isso não parece bom.  Claro, tudo isto não é por acaso, faz parte do processo de aprendizagem, de aperfeiçoamento, da lapidação do espírito, só penso que amor não é um nome que adjetiva bem esta situação.

Pode até ser amor, mas não nosso, e sim de Deus, ao nos permitir passar por esta escola que se chama convivencia.
Por outro lado, o que vale a vida, sob a ótica de estar vivo e querer estar, são os nossos afetos. sei não, acho que podia ter outro nome.
   
Saúde de corpo e de alma a todos os irmãos!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 19 de Maio de 2012, 14:40
Meu nobre irmão Moisés,muito bonito e também nos leva uma reflexão a mensagem que você
postou para enriquecer o nosso estudo,"dar e receber".Em muitas das vezes sabemos dá e
não sabemos receber,ou vice-versa.Há uma oração em forma de canção que é muito conheci-
-da por todos nós,que é a de Francisco de Assis,quando ela nos alerta:...que é dando que se recebe,é perdoando que se é perdoado,amar e ser amado...,não sei bem se a ordem é essa,
mas na verdade é também desta maneira que exercitamos a lei do amor.
Fique na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 15:31
Bom dia Mano Moisés, com relação ao texto do Chico # 262  - Muito Lindo.

Descobri uma coisa fantástica sobre o perdão. Descobri que parece ser até um ato de egoísmo de quem perdoa de tão bom que é perdoar. O coração fica leve, o sorriso fica fácil, a paz reina em plenitude, tudo parece entrar nos eixos, por assim dizer. Perdoar o outro é fácil e gostoso...Agora, amigos, nos perdoar é duroooo. É difícil você conceber que foi uma pessoa que nao gosta de ser.

Abraços

Olá Mega

Muitas vezes e por circunstâncias outras
vamos nos deixando ser o que os outros querem que sejamos...
ai perdemos um pouco de nós
deixamos até de nos reconhecer
outros fatores nos dirigem, nos conduzem
e o prejuizo vai aumentando, aumentando

Bom...

Devemos sim nos perdoar também ...e como devemos

Até por que a nossa reerguida servirá de exemplos
áqueles que dirigimos as nossas palavras comprometidos que ficamos
com os seus avanços
Por carinho. por compaixão...por amor

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 15:37
Meu nobre irmão Moisés,muito bonito e também nos leva uma reflexão a mensagem que você
postou para enriquecer o nosso estudo,"dar e receber".Em muitas das vezes sabemos dá e
não sabemos receber,ou vice-versa.Há uma oração em forma de canção que é muito conheci-
-da por todos nós,que é a de Francisco de Assis,quando ela nos alerta:...que é dando que se recebe,é perdoando que se é perdoado,amar e ser amado...,não sei bem se a ordem é essa,
mas na verdade é também desta maneira que exercitamos a lei do amor.
Fique na paz.

Certo Antonio

Vamos sempre lembrar de Francisco de Assis

....Ó Mestre,

 Fazei que eu procure mais;

Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e
é morrendo que se vive para a vida eterna.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 15:47
Mano Moura,  fico pensando: Será que esse amor que é cria da libido é mesmo amor? Conjectura comigo: Amor é fonte de todo o bem. Porem o amor da libido parece ser, na maioria dos casos, fonte de inquietações e sofrimentos. Quer seja pelo medo de perder, pela demora a chegar, pelo esquecimento de uma data, por palavras menos amenas etc, etc. Nesse amor, mesmo nos momentos de harmonia reina a preocupação com as incertezas futuras. Daí o futuro que ainda não é, desequilibra o presente. Sintetizando, o que mais se vê é pessoas sofrendo por amor. Se o amor é fonte do bem, não deveria fazer sofrer, logo esse amor que provoca namoro e casamento não deveria se chamar amor. Se é amor, é só por instantes. Até por que raro é o amor que suporta o casamento. O que não quer dizer que se separam, a maioria fica ali, naquela vidinha mais ou menos. Isso não parece bom.  Claro, tudo isto não é por acaso, faz parte do processo de aprendizagem, de aperfeiçoamento, da lapidação do espírito, só penso que amor não é um nome que adjetiva bem esta situação.

Pode até ser amor, mas não nosso, e sim de Deus, ao nos permitir passar por esta escola que se chama convivencia.
Por outro lado, o que vale a vida, sob a ótica de estar vivo e querer estar, são os nossos afetos. sei não, acho que podia ter outro nome.
   
Saúde de corpo e de alma a todos os irmãos!


Mega

Vou participar desta questão

Não é atoa que Deus é chamado de o Esposo da alma
se me lembro bem , também é uma colocação de Jesus,
e vem de encontro com a nossa perfeita segurança
Deus nos Ama infinitamente

bem na verdade o amor conjugal nos trás inúmeras questões a serem analisadas

mas não nos esqueçamos que nesta vida, a vida que ora levamos
 é o papel que representamos
e é a lição precisa.

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 19 de Maio de 2012, 16:44
Sim meu nobre irmão Moisés,esse amor conjugal em muitas das vezes nos serve de pano de
fundo ou papel de parede para justificar esse sentimento,que na verdade não diz que   
verdadeiramente  estamos exercitando a lei do amor na sua forma correta,temos a nescessi-
-dade e a vontade de está junto aquela pessoa,por instinto animal ou por afetividade,pois
dado a nossa imperfeição,ainda não chegamos a esse intendimento.É o que eu penso.
Fique na paz.
Ps.Fique tranquilo que o mano Moura é cabeça feita(usando de um bom carioquês,kkkkkk),ele
não vai se chatear por ter respondido por ele ao nosso irmão Mega.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 19 de Maio de 2012, 17:11
Boa tarde a todos

A Indulgência

Sede indulgentes com as faltas alheias, quaisquer que elas sejam; não julgueis com severidade senão as vossas próprias ações e o Senhor usará de indulgência para convosco, como de indulgência houverdes usado para com os outros.

Sustentai os fortes: animai-os à perseverança.
 
Fortalecei os fracos, mostrando-lhes a bondade de Deus, que leva em conta o menor arrependimento; mostrai a todos o anjo da penitência estendendo suas brancas asas sobre as faltas dos humanos e velando-as assim aos olhares daquele que não pode tolerar o que é impuro.

Compreendei todos a misericórdia infinita de vosso Pai e não esqueçais nunca de lhe dizer, pelos pensamentos, mas, sobretudo, pelos atos: "Perdoai as nossas ofensas, como perdoamos aos que nos hão ofendido."

Compreendei bem o valor destas sublimes palavras, nas quais não somente a letra é admirável, mas principalmente o ensino que ela veste.

Que é o que pedis ao Senhor, quando implorais para vós o seu perdão? Será unicamente o olvido das vossas ofensas? Olvido que vos deixaria no nada, porquanto, se Deus se limitasse a esquecer as vossas faltas, Ele não puniria, é exato, mas tampouco recompensaria.

A recompensa não pode constituir prêmio do bem que não foi feito, nem, ainda menos, do mal que se haja praticado, embora esse mal fosse esquecido.

Pedindo-lhe que perdoe os vossos desvios, o que lhe pedis é o favor de suas graças, para não reincidirdes neles, é a força de que necessitais para enveredar por outras sendas, as da submissão e do amor, nas quais podereis juntar ao arrependimento a reparação.

Quando perdoardes aos vossos irmãos, não vos contenteis com o estender o véu do esquecimento sobre suas faltas, porquanto, as mais das vezes, muito transparente é esse véu para os olhares vossos.

Levai-lhes simultaneamente, com o perdão, o amor; fazei por eles o que pediríeis fizesse o vosso Pai celestial por vós. Substitui a cólera que conspurca, pelo amor que purifica.

Pregai, exemplificando, essa caridade ativa, infatigável, que Jesus vos ensinou; pregai-a, como ele o fez durante todo o tempo em que esteve na Terra, visível aos olhos corporais e como ainda a prega incessantemente, desde que se tornou visível tão-somente aos olhos do Espírito.

Segui esse modelo divino; caminhai em suas pegadas; elas vos conduzirão ao refúgio onde encontrareis o repouso após a luta.

Como ele, carregai todos vós as vossas cruzes e subi penosamente, mas com coragem, o vosso calvário, em cujo cimo está a glorificação.


João, bispo de Bordéus. (1862.)
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo X, item 18. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 18:36
Sim meu nobre irmão Moisés,esse amor conjugal em muitas das vezes nos serve de pano de
fundo ou papel de parede para justificar esse sentimento,que na verdade não diz que   
verdadeiramente  estamos exercitando a lei do amor na sua forma correta,temos a nescessi-
-dade e a vontade de está junto aquela pessoa,por instinto animal ou por afetividade,pois
dado a nossa imperfeição,ainda não chegamos a esse intendimento.É o que eu penso.
Fique na paz.
Ps.Fique tranquilo que o mano Moura é cabeça feita(usando de um bom carioquês,kkkkkk),ele
não vai se chatear por ter respondido por ele ao nosso irmão Mega.

Olá Antonio

A Mega
fez umas colocações boas
que nos leva a reflexão
nem que seja pessoal

O casal tornam-se mantenedores do Lar
função esta que lhes faculta imensas responsabilidades
competindo-lhes antecipar muitas possibilidades antes de
determinadas atitudes

A Mega
fez menção ao sentimento
que , não sei como, torna-nos um dependente quase que manietado
ante este mesmo sentimento de temos por alguém..
entendi assim.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Maio de 2012, 18:54
Boa tarde a todos

A Indulgência

Sede indulgentes com as faltas alheias, quaisquer que elas sejam; não julgueis com severidade senão as vossas próprias ações e o Senhor usará de indulgência para convosco, como de indulgência houverdes usado para com os outros.

Sustentai os fortes: animai-os à perseverança.
 
Fortalecei os fracos, mostrando-lhes a bondade de Deus, que leva em conta o menor arrependimento; mostrai a todos o anjo da penitência estendendo suas brancas asas sobre as faltas dos humanos e velando-as assim aos olhares daquele que não pode tolerar o que é impuro.

Compreendei todos a misericórdia infinita de vosso Pai e não esqueçais nunca de lhe dizer, pelos pensamentos, mas, sobretudo, pelos atos: "Perdoai as nossas ofensas, como perdoamos aos que nos hão ofendido."

Compreendei bem o valor destas sublimes palavras, nas quais não somente a letra é admirável, mas principalmente o ensino que ela veste.

Que é o que pedis ao Senhor, quando implorais para vós o seu perdão? Será unicamente o olvido das vossas ofensas? Olvido que vos deixaria no nada, porquanto, se Deus se limitasse a esquecer as vossas faltas, Ele não puniria, é exato, mas tampouco recompensaria.

A recompensa não pode constituir prêmio do bem que não foi feito, nem, ainda menos, do mal que se haja praticado, embora esse mal fosse esquecido.

Pedindo-lhe que perdoe os vossos desvios, o que lhe pedis é o favor de suas graças, para não reincidirdes neles, é a força de que necessitais para enveredar por outras sendas, as da submissão e do amor, nas quais podereis juntar ao arrependimento a reparação.

Quando perdoardes aos vossos irmãos, não vos contenteis com o estender o véu do esquecimento sobre suas faltas, porquanto, as mais das vezes, muito transparente é esse véu para os olhares vossos.

Levai-lhes simultaneamente, com o perdão, o amor; fazei por eles o que pediríeis fizesse o vosso Pai celestial por vós. Substitui a cólera que conspurca, pelo amor que purifica.

Pregai, exemplificando, essa caridade ativa, infatigável, que Jesus vos ensinou; pregai-a, como ele o fez durante todo o tempo em que esteve na Terra, visível aos olhos corporais e como ainda a prega incessantemente, desde que se tornou visível tão-somente aos olhos do Espírito.

Segui esse modelo divino; caminhai em suas pegadas; elas vos conduzirão ao refúgio onde encontrareis o repouso após a luta.

Como ele, carregai todos vós as vossas cruzes e subi penosamente, mas com coragem, o vosso calvário, em cujo cimo está a glorificação.


João, bispo de Bordéus. (1862.)
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo X, item 18. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.



valeu Ken

por mais esta colocação

O perdão não é apenas o esquecimento
mas também o amparo que restabelece

assim mesmo como queremos que o Nosso Pai
que estás nos Céus faz conosco

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 20 de Maio de 2012, 10:14
Amigos  e companheiros de estudo  como é  bom todos  estarmos  conscientes de que  o Amor  só é possível, se  colocarmos  o Perdão como uma  grande condição na  nossa vida , pois para  viver   essa  forma de  sentirmos  o grande valor  do Amor  é perdoando,,,,,,,quantas  vezes?.......... sempre  e  gostava de partilhar  esta  mensagem  para  melhor  entendermos o seu valor.....
Programa para Perdoar
“... Perdoai e sereis perdoados.” (Lucas – 6:37)
Esforce-se para impedir que a ofensa se converta em mágoa.
Silencie o sucesso infeliz em que se viu envolvido.
Acautele-se, face aos comentários que lhe tragam os maledicentes e os levianos.
Reflita, maduramente, valorizando o ensejo e retirando proveito da lição que o alcança em forma de sofrimento.
Se você é inocente, exulte.
Se é culpado, tranquilize-se diante do pagamento.
Não fique remoendo, mentalmente, o acontecido.
Pense na hipótese de o seu agressor estar enfermo.
A posição da vítima é sempre melhor.
Enseje ao desafeto oportunidade para a reparação e o retorno.
Se tudo estiver, aparentemente, contra você, fiscalizado por uns, perseguido por outros, mantenha inalterada sua confiança em Deus, que tudo sabe.
Desgraça verdadeira é perseguir, inquietar, comprazer-se na dor alheia, envenenar-se com o azedume e a cólera.
Perdoando, você estará sempre em paz, podendo auferir mais tarde as vantagens de haver sido enganado, perseguido ou ultrajado, com o espírito livre de outros débitos, de que, então, se encontrará liberado.
 “Momentos de Decisão”, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Marco Prisco)
 Com  um grande abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 20 de Maio de 2012, 14:12
Meu nobre irmão altino,isso é muito verdadeiro,quando perdoamos verdadeiramente o nosso
irmão por um ato que ele tenha cometido contra nós,estamos praticando,o amor,estamos sim
sendo indulgentes também.Evidentemente somos sabedores de sermos imperfeitos,espíritos
em evolução,mas há aqueles que são mais ainda,muito embora tenham  níveis intelectuais
elevados,e quando dizem que perdoam um irmão apenas o fazem para satisfazer o seu ego,
é como costuma-se dizer popularmente:Da boca para fora,mais na verdade ainda guardam rancor e ressentimentos,que irá atrapalhar o seu progresso.
Fique na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 14:20
Amigos  e companheiros de estudo  como é  bom todos  estarmos  conscientes de que  o Amor  só é possível, se  colocarmos  o Perdão como uma  grande condição na  nossa vida , pois para  viver   essa  forma de  sentirmos  o grande valor  do Amor  é perdoando,,,,,,,quantas  vezes?.......... sempre  e  gostava de partilhar  esta  mensagem  para  melhor  entendermos o seu valor.....
Programa para Perdoar
“... Perdoai e sereis perdoados.” (Lucas – 6:37)
Esforce-se para impedir que a ofensa se converta em mágoa.
Silencie o sucesso infeliz em que se viu envolvido.
Acautele-se, face aos comentários que lhe tragam os maledicentes e os levianos.
Reflita, maduramente, valorizando o ensejo e retirando proveito da lição que o alcança em forma de sofrimento.
Se você é inocente, exulte.
Se é culpado, tranquilize-se diante do pagamento.
Não fique remoendo, mentalmente, o acontecido.
Pense na hipótese de o seu agressor estar enfermo.
A posição da vítima é sempre melhor.
Enseje ao desafeto oportunidade para a reparação e o retorno.
Se tudo estiver, aparentemente, contra você, fiscalizado por uns, perseguido por outros, mantenha inalterada sua confiança em Deus, que tudo sabe.
Desgraça verdadeira é perseguir, inquietar, comprazer-se na dor alheia, envenenar-se com o azedume e a cólera.
Perdoando, você estará sempre em paz, podendo auferir mais tarde as vantagens de haver sido enganado, perseguido ou ultrajado, com o espírito livre de outros débitos, de que, então, se encontrará liberado.
 “Momentos de Decisão”, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Marco Prisco)
 Com  um grande abraço de muita paz
Manuel Altino

Olá Manoel Altino

Novamente uma ótima relexão para nós

destaco estas passagens;

Se você é inocente, exulte.
Se é culpado, tranquilize-se diante do pagamento.
Não fique remoendo, mentalmente, o acontecido.
Pense na hipótese de o seu agressor estar enfermo.
A posição da vítima é sempre melhor.
Enseje ao desafeto oportunidade para a reparação e o retorno.


Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 14:24
Meu nobre irmão altino,isso é muito verdadeiro,quando perdoamos verdadeiramente o nosso
irmão por um ato que ele tenha cometido contra nós,estamos praticando,o amor,estamos sim
sendo indulgentes também.Evidentemente somos sabedores de sermos imperfeitos,espíritos
em evolução,mas há aqueles que são mais ainda,muitos embora tenham  níveis intelectuais
elevados,e quando dizem que perdoam um irmão apenas o fazem para satisfazer o seu ego,
é como costuma-se dizer popularmente:Da boca para fora,mais na verdade ainda guardam rancor e ressentimentos,que irá atrapalhar o seu progresso.


Fique na paz.

Olá Antonio  suas colocações
nos remete as lições do Cristo;

Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.
(São Mateus 7,21)

valeu
e abraços

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 20 de Maio de 2012, 15:51
Bom dia a todos

Se você puder

 
Se você puder, hoje ainda:
 
- olvide contratempos e mostre um sorriso mais amplo para aqueles que lhe compartilham a vida;

- dê mais um toque de felicidade e beleza em seu recanto doméstico;

- faça a visita, mesmo ligeira, ao doente que você deseja reconfortar;

- escreva, ainda que seja simples bilhete, transmitindo esperança e tranqüilidade em favor de alguém;

- melhore os seus conhecimentos, no setor de trabalho a que esteja empregando o seu tempo;

- estenda algo mais de otimismo e de alegria aos que se encontrem nas suas faixas de convivências;

- procure esquecer, mas esquecer mesmo, tudo o que se lhe faça motivo de tristeza ou aborrecimento;

- leia alguma página edificante e escute música que pacifique o coração;

- dedique alguns minutos à meditação e à prece;

- pratique, pelo menos, uma boa ação sem contar isso a ninguém.

Estas indicações de apoio espiritual se forem observadas, farão grande bem aos outros, mas especialmente a você mesmo.


Respostas da Vida
Pelo Espírito André Luiz   -     Francisco Cândido Xavier


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 15:52
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?

Luís de Camões
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:04
De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.

William Shakespeare
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:06
À DESCOBERTA DO AMOR

Ensaia um sorriso
e oferece-o a quem não teve nenhum.
Agarra um raio de sol
e desprende-o onde houver noite.
Descobre uma nascente
e nela limpa quem vive na lama.
Toma uma lágrima
e pousa-a em quem nunca chorou.
Ganha coragem
e dá-a a quem não sabe lutar.
Inventa a vida
e conta-a a quem nada compreende.
Enche-te de esperança
e vive á sua luz.
Enriquece-te de bondade
e oferece-a a quem não sabe dar.
Vive com amor
e fá-lo conhecer ao Mundo.

Mahatma Gandhi
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ZERUELA em 20 de Maio de 2012, 17:10
Excluindo algumas partes gosto muito deste texto sobre o Amor
Kahlil Gibran
Quando o amor vos chamar, segui-o,
Embora seus caminhos sejam agrestes e escarpados;
E quando ele vos envolver com suas asas, cedei-lhe,
Embora a espada oculta na sua plumagem possa ferir-vos;
E quando ele vos falar, acreditai nele,
Embora sua voz possa despedaçar vossos sonhos
Como o vento devasta o jardim.
Pois, da mesma forma que o amor vos coroa,
Assim ele vos crucifica.
E da mesma forma que contribui para vosso crescimento,
Trabalha para vossa queda.
E da mesma forma que alcança vossa altura
E acaricia vossos ramos mais tenros que se embalam ao sol,
Assim também desce até vossas raízes
E as sacode no seu apego à terra.
Como feixes de trigo, ele vos aperta junto ao seu coração.
Ele vos debulha para expor vossa nudez.
Ele vos peneira para libertar-vos das palhas.
Ele vos mói até a extrema brancura.
Ele vos amassa até que vos torneis maleáveis.
Então, ele vos leva ao fogo sagrado e vos transforma
No pão místico do banquete divino.
Todas essas coisas, o amor operará em vós
Para que conheçais os segredos de vossos corações
E, com esse conhecimento,
Vos convertais no pão místico do banquete divino.
Todavia, se no vosso temor,
Procurardes somente a paz do amor e o gozo do amor,
Então seria melhor para vós que cobrísseis vossa nudez
E abandonásseis a eira do amor,
Para entrar num mundo sem estações,
Onde rireis, mas não todos os vossos risos,
E chorareis, mas não todas as vossas lágrimas.
O amor nada dá senão de si próprio
E nada recebe senão de si próprio.
O amor não possui, nem se deixa possuir.
Porque o amor basta-se a si mesmo.
Quando um de vós ama, que não diga:
“Deus está no meu coração”,
Mas que diga antes:
"Eu estou no coração de Deus”.
E não imagineis que possais dirigir o curso do amor,
Pois o amor, se vos achar dignos,
Determinará ele próprio o vosso curso.
O amor não tem outro desejo
Senão o de atingir a sua plenitude.
Se, contudo, amardes e precisardes ter desejos,
Sejam estes os vossos desejos:
De vos diluirdes no amor e serdes como um riacho
Que canta sua melodia para a noite;
De conhecerdes a dor de sentir ternura demasiada;
De ficardes feridos por vossa própria compreensão do amor
E de sangrardes de boa vontade e com alegria;
De acordardes na aurora com o coração alado
E agradecerdes por um novo dia de amor;
De descansardes ao meio-dia
E meditardes sobre o êxtase do amor;
De voltardes para casa à noite com gratidão;
E de adormecerdes com uma prece no coração para o bem-amado,
E nos lábios uma canção de bem-aventurança.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:32
AMOR É SÍNTESE

Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu.
Se ninguém resiste a uma análise profunda,
Quanto mais eu...

Ciumento, exigente, inseguro, carente
Todo cheio de marcas que a vida deixou
Vejo em cada grito de exigência
Um pedido de carência, um pedido de amor.

Amor é síntese
É uma integração de dados
Não há que tirar nem pôr
Não me corte em fatias
Ninguém consegue abraçar um pedaço
Me envolva todo em seus braços
E eu serei o perfeito amor.

Mário Quintana
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:34
I Corintios 13;1-13

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;
mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor.

Paulo de Tarso
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:36
Excluindo algumas partes gosto muito deste texto sobre o Amor
Kahlil Gibran
Quando o amor vos chamar, segui-o,
Embora seus caminhos sejam agrestes e escarpados;
E quando ele vos envolver com suas asas, cedei-lhe,
Embora a espada oculta na sua plumagem possa ferir-vos;
E quando ele vos falar, acreditai nele,
Embora sua voz possa despedaçar vossos sonhos
Como o vento devasta o jardim.
Pois, da mesma forma que o amor vos coroa,
Assim ele vos crucifica.
E da mesma forma que contribui para vosso crescimento,
Trabalha para vossa queda.
E da mesma forma que alcança vossa altura
E acaricia vossos ramos mais tenros que se embalam ao sol,
Assim também desce até vossas raízes
E as sacode no seu apego à terra.
Como feixes de trigo, ele vos aperta junto ao seu coração.
Ele vos debulha para expor vossa nudez.
Ele vos peneira para libertar-vos das palhas.
Ele vos mói até a extrema brancura.
Ele vos amassa até que vos torneis maleáveis.
Então, ele vos leva ao fogo sagrado e vos transforma
No pão místico do banquete divino.
Todas essas coisas, o amor operará em vós
Para que conheçais os segredos de vossos corações
E, com esse conhecimento,
Vos convertais no pão místico do banquete divino.
Todavia, se no vosso temor,
Procurardes somente a paz do amor e o gozo do amor,
Então seria melhor para vós que cobrísseis vossa nudez
E abandonásseis a eira do amor,
Para entrar num mundo sem estações,
Onde rireis, mas não todos os vossos risos,
E chorareis, mas não todas as vossas lágrimas.
O amor nada dá senão de si próprio
E nada recebe senão de si próprio.
O amor não possui, nem se deixa possuir.
Porque o amor basta-se a si mesmo.
Quando um de vós ama, que não diga:
“Deus está no meu coração”,
Mas que diga antes:
"Eu estou no coração de Deus”.
E não imagineis que possais dirigir o curso do amor,
Pois o amor, se vos achar dignos,
Determinará ele próprio o vosso curso.
O amor não tem outro desejo
Senão o de atingir a sua plenitude.
Se, contudo, amardes e precisardes ter desejos,
Sejam estes os vossos desejos:
De vos diluirdes no amor e serdes como um riacho
Que canta sua melodia para a noite;
De conhecerdes a dor de sentir ternura demasiada;
De ficardes feridos por vossa própria compreensão do amor
E de sangrardes de boa vontade e com alegria;
De acordardes na aurora com o coração alado
E agradecerdes por um novo dia de amor;
De descansardes ao meio-dia
E meditardes sobre o êxtase do amor;
De voltardes para casa à noite com gratidão;
E de adormecerdes com uma prece no coração para o bem-amado,
E nos lábios uma canção de bem-aventurança.

Olá José do Carmo

Tambem gosto de Kalil

Valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:36
Quando o amor acenar,
siga-o ainda que por caminhos
ásperos e íngremes.
Debulha-o até deixá-lo nu.
Transforma-o,
livrando-o de sua palha.
Tritura-o,
até torná-lo branco.
Amassa-o,
até deixá-lo macio;
e,então,submete ao fogo
para que se transforma em pão
para alimentar o corpo e o coração!

Khalil Gibran
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:43
(...) farei o possível para não amar demais as pessoas, sobretudo por causa das pessoas. Às vezes o amor que se dá pesa, quase como uma responsabilidade na pessoa que o recebe. Eu tenho essa tendência geral para exagerar, e resolvi tentar não exigir dos outros senão o mínimo.

É uma forma de paz...

Clarice Lispector
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:45
"Há certas horas, em que não precisamos de um amor, não precisamos da paixão desmedida, não queremos beijo na boca e nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama.
Há certas horas,
que só queremos a mão no ombro,
o abraço apertado ou mesmo o estar ali,
quietinho,
ao lado,
sem nada dizer..."

William Shakespeare
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 20 de Maio de 2012, 17:48
É  difícil falar dessa realidade que é o amor  principalmente quando queremos vivê-la.
Parece que a ideia que temos do amor está sempre além da experienciada, da que se vive.
..mas lá está a questão dos débitos e créditos acertos e desacertos da lei de causa e efeito.

Partilhando momentos de reflexão nesse fórum Espírita sobre o Amor
que está muito interessante  como um  canteiro de  flores coloridas,  assim alguém já o disse e escreveu falando de sentimentos.

Abraços
O P
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 17:54
É  difícil falar dessa realidade que é o amor  principalmente quando queremos vivê-la.
Parece que a ideia que temos do amor está sempre além da experienciada, da que se vive.
..mas lá está a questão dos débitos e créditos acertos e desacertos da lei de causa e efeito.

Partilhando momentos de reflexão nesse fórum Espírita sobre o Amor
que está muito interessante  como um  canteiro de  flores coloridas,  assim alguém já o disse e escreveu falando de sentimentos.

Abraços
O P


Olá Oliva

Creio que não é tão somente esta ânsia , e nem este querer viver...
Mas acima de tudo
é o que precisamos

O Amor é o que precisamos.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 20 de Maio de 2012, 17:57
É  difícil falar dessa realidade que é o amor  principalmente quando queremos vivê-la.
Parece que a ideia que temos do amor está sempre além da experienciada, da que se vive."
E é isso mesmo Oliva.
A grande questão é que sempre querermos vivenciar o amor num estágio que nos está ainda superior.
É como disse, um dia, o poeta Gonzaguinha, "Viver, e não ter a vergonha de ser feliz..."
Porém, que saibamos viver e sermos felizes dentro de nossas acanhadas posses de hoje.
Abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:11
O amor é como a lua, se não cresce, míngua.

Provérbio chinês
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 20 de Maio de 2012, 18:24
Uai mano mas a lua só mingua após o quarto crescente ou lua nova.
Abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 20 de Maio de 2012, 18:36
Moisês e Moura
Vou responder  com a seguinte explanação

  O mundo está cheio de mendigos e enfermos da alma que precisam de ser ajudados.

Por mais dura ou dourada que seja a nossa vida, sempre  há outras e outras que reaparecem iguais as que par nós pareciam distantes.

E ficamos paralisados diante de tanta enfermidade.

Em  não podendo ser a ajuda ideal para eles pelo menos façamos esforços para não nos tornar-mos como tal. (a tal expressão que costumo usar não andar de cavalo para burro)

Ainda que eu diga por experiência própria que quando o corpo adoece dificilmente  seremos ajuda para alguém mas sim o que precisa de ser ajudado.


E diante de tanta discrepância lembrar que  se há organizações que minimizam os sofrimentos humanos  elas  precisam que as deixem fazer o seu trabalho o melhor que podem e sabem fazer já que outros não surgem para fazer melhor.

Muita paz
Partilhando: - Momentos de reflexão nesse fórum Espírita sobre o Amor
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:40
Uai mano mas a lua só mingua após o quarto crescente ou lua nova.
Abraços,
Moura

Creio que o autor citava os quartos
as ocultas
e mostrava as faces fazes nuas
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:49
Com tempo e paciência, a folha da amoreira se transforma num vestido de seda.

Provérbio chinês
 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:51
Purifica o teu coração antes de permitires que o amor entre nele, pois até o mel mais doce azeda num recipiente sujo.
(Pitágoras)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:52
Amar não é apoderar-se do outro para completar-se, mas dar-se ao outro para completá-lo.
(Lao-Tsé)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:54
Não confundas o amor com o delírio da posse, que acarreta os piores sofrimentos.
Porque, contrariamente à opinião comum, o amor não faz sofrer.
O instinto de propriedade, que é o contrário do amor, esse é que faz sofrer.
(…) Eu sei assim reconhecer aquele que ama verdadeiramente:
é que ele não pode ser prejudicado.
O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca.
 (Antoine de Saint-Exupéry, in “Cidadela”)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:55
Não ames pela beleza, pois um dia ela acabará.
Não ames por admiração, pois um dia desiludir-te-ás.
Ama apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação.

(Madre Teresa de Calcutá)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:56
Ama e faz o que quiseres.
Se calares, calarás com amor;
se gritares, gritarás com amor;
se corrigires, corrigirás com amor;
se perdoares, perdoarás com amor.
Se tiveres o amor enraizado em ti, nenhuma coisa senão o amor serão os teus frutos.

(Santo Agostinho)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 18:58
Você diz que ama a chuva, mas você abre o seu guarda-chuva quando chove.
Você diz que ama o sol, mas você procura um ponto de sombra quando o sol brilha.
Você diz que ama o vento, mas você fecha as janelas quando o vento sopra.
É por isso que eu tenho medo…
quando você também diz que me ama.”

William Shakespeare
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 19:04
Moisês e Moura
Vou responder  com a seguinte explanação

  O mundo está cheio de mendigos e enfermos da alma que precisam de ser ajudados.

Por mais dura ou dourada que seja a nossa vida, sempre  há outras e outras que reaparecem iguais as que par nós pareciam distantes.

E ficamos paralisados diante de tanta enfermidade.

Em  não podendo ser a ajuda ideal para eles pelo menos façamos esforços para não nos tornar-mos como tal. (a tal expressão que costumo usar não andar de cavalo para burro)

Ainda que eu diga por experiência própria que quando o corpo adoece dificilmente  seremos ajuda para alguém mas sim o que precisa de ser ajudado.


E diante de tanta discrepância lembrar que  se há organizações que minimizam os sofrimentos humanos  elas  precisam que as deixem fazer o seu trabalho o melhor que podem e sabem fazer já que outros não surgem para fazer melhor.

Muita paz
Partilhando: - Momentos de reflexão nesse fórum Espírita sobre o Amor


Olá Oliva!
esta questão nos faz refletir constantemente...

Confiemos no Mestre
.............

O homem de bem tira boas coisas de seu bom tesouro. O mau, porém, tira coisas más de seu mau tesouro.

(São Mateus 12,35)

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mourarego em 20 de Maio de 2012, 19:15
Oliva,
a doença não impõe limite a qualquer sentimento e a caridade é um deles.
Exemplos:
Amazonas Hércules, este eu sempre cito por ser um exemplo de abnegação.
Vivendo em catre mal cheiroso, hanseniano oque era, nunca deixou de prestar a sua ajuda a quem o procurasse.

Chico, quase cego, empurrado muita vez quer por Emmanuel, quer por seu filho adotivo, quando nem mesmo em pé conseguia ficar, sempre trouxe alento, boas palavras e tranquilidade, aos que os ladeavam.
Abraços,
Moura
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 22:29

Os elogios rápidos

Um velho aproximou-se do grupo que estava reunido em torno de Al-Yajihi. Durante muito tempo, ficou escutando o que o sábio ensinava; no final, comentou com um dos discípulos:

- Eis um homem que tem a sabedoria de Deus! A tarde de hoje ficará marcada para sempre em meu coração!

Animado, o discípulo foi contar para o mestre. Al-Yajihi, porém, não deu importância às palavras do velho, comentando:

- Muito cuidado com os elogios rápidos. Aqueles que, na primeira tarde, são capazes de ver qualidades que não tens, também rapidamente descobrem defeitos que nunca possuistes.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 22:37
Prece do Índio Americano


Oh grande espírito, cuja voz eu escuto nos ventos, e cuja respiração dá vida a todo o mundo - escute-me.

Eu estou perante você, um dos seus filhos. Eu sou pequeno e fraco. Eu preciso de sua Força e Sabedoria. Deixe-me caminhar em sua beleza e faça meus olhos observarem para sempre o pôr do sol vermelho e púrpura.

Faça minhas mãos respeitarem as coisas que você fez, meus ouvidos aguçados para escutar sua voz.

Faça-me sábio, para que eu possa conhecer as coisas que Você ensinou ao meu povo, as lições que Você escondeu em cada folha e em cada rocha.

Eu busco a força não para ser superior a meus irmãos, mas para ser capaz de lutar com meu maior inimigo: "Eu mesmo". Prepare-me para ir até Você, com as mãos limpas e olhos corretos, então, quando a vida desvanecer-se assim como o pôr-do-sol, meu espírito irá até Você sem nenhuma mancha.

Deixe sua voz sussurrar em nossos ouvidos através do vento oeste no final do dia. Deixe-nos ser confortados com amor por nossos irmãos e irmãs sem nenhuma guerra.

Deixe-nos preservar boa saúde mentalmente e fisicamente para solucionar nossos problemas e realizar algo para as futuras gerações. Deixe-nos ser sinceros com nós mesmos e nossa juventude e fazer do mundo um lugar melhor para viver.

Falcão Amarelo, Chefe Sioux

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 22:42
Não ande atrás de mim, talvez eu não saiba liderar.
Não ande na minha frente, talvez eu não queira seguí-lo.
Ande ao meu lado, para podermos caminhar juntos.

Provérbio Ute
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 22:43
Aprenda como deter o julgamento
Aprenda a escutar
Entre em contato com seu próprio eu interior
Olhe para a vida com alegria
Jamais chore por algo que não pode chorar por você
 

Cheewa James
Modoc

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 22:45
Sabedoria da Terra

Terra, ensina-me a quietude, como a relva é silenciosa pela luz.
Terra, ensina-me a sofrer, como as velhas pedras sofrem com a lembrança.
Terra, ensina-me a humildade, como as flores são humildes em seus primórdios.
Terra, ensina-me a acarinhar, como a mãe que envolve seu bebê.
Terra, ensina-me a coragem, como a árvore que se eleva solitária.
Terra, ensina-me a limitação, como a formiga que rasteja no solo.
Terra, ensina-me a liberdade, como a águia que paira no céu.
Terra, ensina-me a resignação, como as folhas que morrem no outono.
Terra, ensina-me a regeneração, como a semente que brota na primavera.
Terra, ensina-me a esquecer de mim mesmo, como a neve que derrete esquece sua vida.
Terra, ensina-me a lembrar da bondade, como os campos áridos choram com a chuva.

"UTE"
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 22:46
 "Quando eu tinha dez anos, olhei a Terra, os Rios, o Céu e os Animais ao meu redor, e não pude deixar de ver que eles provinham de algum grande poder. Fiquei tão ansioso para entender esse poder que comecei a indagar as Arvores e os Arbustos. Era como se as Flores estivessem me falando e eu queria perguntar; "QUEM FEZ VOCÊ?"

      Eu olhava as Pedras cobertas de musgo; algumas delas pareciam Ter traços de Homem, mas não podiam me responder. Então tive um sonho, e neste sonho uma pequena Pedra redonda apareceu e me disse que o criador de tudo era WAKAN TANKA, e que, a fim de honra-lo, eu deveria honrar seus trabalhos na natureza.

     A Pedra disse que minha curiosidade me havia tornado merecedor de ajuda sobrenatural e que, se eu estivesse tratando uma pessoa doente, deveria pedir seu auxílio, que todas as forças da Natureza me ajudariam a encontrar a Cura."
(Wakan significa misterioso, Tanka, grande)
 

BUFALO-BRAVO "FEITICEIRO SIOUX"
 

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 20 de Maio de 2012, 23:00
Ame,ame sempre,ame sem preconceitos,ame a sua família,ame seus filhos,seus irmãos,seus
amigos,ame até mesmo o seu inimigo.
                                                  (Antonio Renato)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 23:20
Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

William Shakespeare
...

Aprendi através da experiência amarga a suprema lição: controlar minha ira e torná-la como o calor que é convertido em energia. Nossa ira controlada pode ser convertida numa força capaz de mover o mundo.

Mahatma Gandhi
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 23:22
O AMOR...

O Amor é a coisa mais divina, com palavras não vais mostrar
Não demonstrarás dizendo, com gestos podes passar
É a coisa mais sublime, nem todos experimentaram
Os que tiveram Consciência Divina, foram só os que alcançaram

É tudo que é divino, é símbolo da perfeição
É despido do mal, é só meiguice e perdão...
Está acima da vida, e da vida é o padrão...
Os que não fizerem assim, com ele não viverão

Ele começa em tudo, que Deus no mundo criou
Quem nunca observou isso, no mundo sempre enganou
Sempre usou os outros, dizendo que muito amou
Foi só quem pensou em si, nos outros nunca pensou

Satisfez os seus desejos, sempre enganou que amou
Quando quem o amava caiu, ele logo abandonou
Buscou a beleza externa, para dentro nunca olhou
A beleza espiritual, que ele nunca buscou

Cuidado com quem diz que te ama, se por ele alguém já sofreu
É porque somente explorou, e tornou escravo seu
Ele nunca amou na vida, nunca teve amor, já morreu
Quem nele acreditou, foi fraco e se perdeu

Quem ama não escandaliza, vai com respeito tratar
Não usa não se aproveita, não vai escandalizar
Usa com equilíbrio, quando o momento chegar
Quando estiver na altura, de poder se equilibrar

O amor é sentimento, que jamais podes tocar
É aquilo que tu sentes, e não podes enxergar
É a alma, não é o corpo, que tu podes tocar
Se pensares que o teu corpo é impulso, nunca deixe te tocar

Jôe Luiz - Espírito de Luz
Psicografada Pelo Médium Rui Souza
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 23:24
Ame,ame sempre,ame sem preconceitos,ame a sua família,ame seus filhos,seus irmãos,seus
amigos,ame até mesmo o seu inimigo.
                                                  (Antonio Renato)

Sem dúvidas Antonio

suas colocações são mandamentos
que nos exigirá
ao Amor
se entregar
E assim será em todos os momentos

Abração
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Maio de 2012, 23:26
A Força de Deus

Para onde te voltes,
Deus é a Presença única,
 total,
pulsante,
e é o poder real,
permanente,
inigualável,
que atua sem cessar.
Tudo vibra e se movimenta graças à Sua força, ao impulso inicial, que dEle procede.
É imperioso abrires a mente e o coração, conscientemente, a essa energia, a fim de te deixares penetrar, adquirindo os recursos que dela fluem e assim tornando-te usina reguladora, a irradiar em todas as direções.
Ao fazê-lo, envolverás os demais individuos em bençãos, modificando a estrutura ambiental, e os enriquecendo de valores insuperáveis.
O medo e a dúvida, a mágoa e a insensatez cederão lugar à confiança e à coragem, abrindo espaço para os logros elevados do Espírito eterno.
Se adotas pensamentos de depressão ou de violência, de enarmonia ou de escassez neste ambiente repleto de vida, isolas-te, alienando-te do poder de Deus e buscando a fraqueza de ti mesmo.
Todavia, se te permites impregnar pela pujança da Sua vitalidade, essa paz segue em tua direção e te envolve em sucessivas ondas que te resguardam das agressões e hostilidades de fora, que jamais te alcançarão

Texto retirado do livro "Alegria de Viver" de Divaldo P. Franco pelo espiríto Joanna de Ângelis
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 21 de Maio de 2012, 10:42
Amigos e companheiros  depois  de muito se dizer  sobre o Amor , ainda não temos palavras  certas  para  medirmos a grande dimensão do Verdadeiro Amor como seja um sentimento sublime e  maravilhoso que  penso que todos nós  ainda o não podemos  viver na sua plenitude.
Então para dar mais um pequeno contributo e todos meditarem e  como temos   muitas  vezes que nos despojar  de muitas  coisas na vida e assim sermos capazes de entender  o Amor  com  forma de estar na vida.

                                         Amor  Sempre

Amigos que se fazem diferentes?
Amor para eles.
Adversários que se revelam mais duros e intransigentes?
Amor para eles.
Espíritos infelizes, cuja presença nos comprometa a segurança?
Amor para eles.
Criaturas de nível diverso do nosso que se convertam em portadoras de discórdia e incompreensão?
Amor para elas.
Mensageiros das trevas que nos testam a capacidade de elevação para a luz?
Amor para eles.
O amor, meus filhos, é o dissolvente de todo mal.
Procuremos executar as nossas tarefas nas bases da caridade e do amor uns para com os outros, na certeza de que nesses alicerces venceremos sempre.
Espírito: BATUÍRA
Médium: Francisco Cândido Xavier
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 21 de Maio de 2012, 12:53
Bom dia a todos

Simplicidade e Pureza de Coração

Bem-aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus. (S. Mateus, cap. V, v. 8.)

Apresentaram-lhe então algumas crianças, a fim de que ele as tocasse, e, como seus discípulos afastassem com palavras ásperas os que lhas apresentavam, Jesus, vendo isso, zangou-se e lhes disse: “Deixai que venham a mim as criancinhas e não as impeçais, porquanto o reino dos céus é para os que se lhes assemelham. - Digo-vos, em verdade, que aquele que não receber o reino de Deus como uma criança, nele não entrará.” - E, depois de as abraçar, abençoou-as, impondo-lhes as mãos. (S. MARCOS, cap. X, vv. 13 a 16.)

A pureza do coração é inseparável da simplicidade e da humildade. Exclui toda ideia de egoísmo e de orgulho. Por isso é que Jesus toma a infância como emblema dessa pureza, do mesmo modo que a tomou como o da humildade.

Poderia parecer menos justa essa comparação, considerando-se que o Espírito da criança pode ser muito antigo e que traz, renascendo para a vida corporal, as imperfeições de que se não tenha despojado em suas precedentes existências. Só um Espírito que houvesse chegado à perfeição nos poderia oferecer o tipo da verdadeira pureza.

E exata a comparação, porém, do ponto de vista da vida presente, porquanto a criancinha, não havendo podido ainda manifestar nenhuma tendência perversa, nos apresenta a imagem da inocência e da candura.

Daí o não dizer Jesus, de modo absoluto, que o reino dos céus é para elas, mas para os que se lhes assemelhem.

Pois que o Espírito da criança já viveu, por que não se mostra, desde o nascimento, tal qual é? Tudo é sábio nas obras de Deus. A criança necessita de cuidados especiais, que somente a ternura materna lhe pode dispensar, ternura que se acresce da fraqueza e da ingenuidade da criança. Para uma mãe, seu filho é sempre um anjo e assim era preciso que fosse, para lhe cativar a solicitude. Ela não houvera podido ter-lhe o mesmo devotamento, se, em vez da graça ingênua, deparasse nele, sob os traços infantis, um caráter viril e as ideias de um adulto e, ainda menos, se lhe viesse a conhecer o passado.

Aliás, faz-se necessário que a atividade do princípio inteligente seja proporcionada à fraqueza do corpo, que não poderia resistir a uma atividade muito grande do Espírito, como se verifica nos indivíduos grandemente precoces.

Essa a razão por que, ao aproximar-se-lhe a encarnação, o Espírito entra em perturbação e perde pouco a pouco a consciência de si mesmo, ficando, por certo tempo, numa espécie de sono, durante o qual todas as suas faculdades permanecem em estado latente.

E necessário esse estado de transição para que o Espírito tenha um novo ponto de partida e para que esqueça, em sua nova existência, tudo aquilo que a possa entravar. Sobre ele, no entanto, reage o passado. Renasce para a vida maior, mais forte, moral e intelectualmente, sustentado e secundado pela intuição que conserva da experiência adquirida.

A partir do nascimento, suas ideias tomam gradualmente impulso, à medida que os órgãos se desenvolvem, pelo que se pode dizer que, no curso dos primeiros anos, o Espírito é verdadeiramente criança, por se acharem ainda adormecidas as ideias que lhe formam o fundo do caráter. Durante o tempo em que seus instintos se conservam amodorrados, ele é mais maleável e, por isso mesmo, mais acessível às impressões capazes de lhe modificarem a natureza e de fazê-lo progredir, o que toma mais fácil a tarefa que incumbe aos pais.

O Espírito, pois, enverga temporariamente a túnica da inocência e, assim, Jesus está com a verdade, quando, sem embargo da anterioridade da alma, toma a criança por símbolo da pureza e da simplicidade.


Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita Brasileira. 1996.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 21 de Maio de 2012, 13:05
Amarás servindo

 

Ainda quando escutes alusões em torno da suposta decadência dos valores humanos, exaltando a força das trevas, fará da própria alma lâmpada acesa para o caminho.

Mesmo quando a ambição e o orgulho te golpeiem de suspeitas e de rancores o espírito desprevenido, amarás servindo sempre.

Quando alguém te aponte os males do mundo, lembrar-te-ás dos que te suportaram as fraquezas da infância, dos que te auxiliaram a pronunciar a primeira oração, dos que te encorajaram os ideais de bondade no nascedouro, e daqueles outros que partiram da Terra, abençoando-te o nome, depois de repetidos exemplos de sacrifício para que pudesses livremente viver. Recordarás os benfeitores anônimos que te deram entendimento e esperança, prosseguindo fiel ao apostolado de amor e serviço que te legaram...

Para isso, não te deterás na superfície das palavras.

Colocar-te-ás na posição dos que sofrem, a fim de que faças por eles tudo aquilo que desejarias que te fizessem nas mesmas circunstâncias.

Ante as vítimas da penúria, imagina o que seria de ti nos refúgios de ninguém, sob a ventura da noite, carregando o corpo exausto e dolorido a que o pão mendigado não forneceu suficiente alimentação; renteando com os doentes desamparados, reflete quanto te doeria o abandono sob o guante da enfermidade, sem a presença sequer de um amigo para minorar-te o peso da angústia; à frente das crianças despejadas na rua, pensa nos filhos amados que aconchegas ao peito, e mentaliza o reconhecimento que experimentarias por alguém que os socorresse se estivessem desvalidos na via pública; e, perante os irmãos caídos em criminalidade, avalia o suplício oculto que te rasgarias entranhas da consciência, se ocupasses o lugar deles, e medita no agradecimento que passarias a consagrar aos que te perdoassem os erros, escorando-te o passo, das sombras para a luz.

Ainda mesmo quando te vejas absolutamente a sós, no trabalho do bem, sob a zombaria dos que se tresmalham temporariamente no nevoeiro da negação e do egoísmo, não esmorecerás. Crendo na misericórdia da Providência Divina e nas infinitas possibilidades de renovação do homem, seguirás Jesus, o Mestre e Senhor, que, entre a humildade e a abnegação, nos ensinou a todos que o amor e o serviço ao próximo são as únicas forças capazes de sublimar a inteligência para que o Reino de Deus se estabeleça em definitivo nos domínios do coração.


Autor: Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Maio de 2012, 14:24
Amigos e companheiros  depois  de muito se dizer  sobre o Amor , ainda não temos palavras  certas  para  medirmos a grande dimensão do Verdadeiro Amor como seja um sentimento sublime e  maravilhoso que  penso que todos nós  ainda o não podemos  viver na sua plenitude.
Então para dar mais um pequeno contributo e todos meditarem e  como temos   muitas  vezes que nos despojar  de muitas  coisas na vida e assim sermos capazes de entender  o Amor  com  forma de estar na vida.

                                         Amor  Sempre

Amigos que se fazem diferentes?
Amor para eles.
Adversários que se revelam mais duros e intransigentes?
Amor para eles.
Espíritos infelizes, cuja presença nos comprometa a segurança?
Amor para eles.
Criaturas de nível diverso do nosso que se convertam em portadoras de discórdia e incompreensão?
Amor para elas.
Mensageiros das trevas que nos testam a capacidade de elevação para a luz?
Amor para eles.
O amor, meus filhos, é o dissolvente de todo mal.
Procuremos executar as nossas tarefas nas bases da caridade e do amor uns para com os outros, na certeza de que nesses alicerces venceremos sempre.
Espírito: BATUÍRA
Médium: Francisco Cândido Xavier
Com um grande abraço de muita paz
Manuel Altino



Olá Manuel Altino

Novamente uma valiosa lição para nós todos
O Amor vestindo todo o nosso comportamental

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 21 de Maio de 2012, 15:18
Alguem ja escreveu, e eu concordo, que a caridade é o amor em ação.
Só consegue praticar a verdadeira caridade, quem consegue, ainda que imperfeitamente, amar seu semelhante.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Maio de 2012, 15:19
Bom dia a todos

Simplicidade e Pureza de Coração

Bem-aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus. (S. Mateus, cap. V, v. 8.)

Apresentaram-lhe então algumas crianças, a fim de que ele as tocasse, e, como seus discípulos afastassem com palavras ásperas os que lhas apresentavam, Jesus, vendo isso, zangou-se e lhes disse: “Deixai que venham a mim as criancinhas e não as impeçais, porquanto o reino dos céus é para os que se lhes assemelham. - Digo-vos, em verdade, que aquele que não receber o reino de Deus como uma criança, nele não entrará.” - E, depois de as abraçar, abençoou-as, impondo-lhes as mãos. (S. MARCOS, cap. X, vv. 13 a 16.)

A pureza do coração é inseparável da simplicidade e da humildade. Exclui toda ideia de egoísmo e de orgulho. Por isso é que Jesus toma a infância como emblema dessa pureza, do mesmo modo que a tomou como o da humildade.

Poderia parecer menos justa essa comparação, considerando-se que o Espírito da criança pode ser muito antigo e que traz, renascendo para a vida corporal, as imperfeições de que se não tenha despojado em suas precedentes existências. Só um Espírito que houvesse chegado à perfeição nos poderia oferecer o tipo da verdadeira pureza.

E exata a comparação, porém, do ponto de vista da vida presente, porquanto a criancinha, não havendo podido ainda manifestar nenhuma tendência perversa, nos apresenta a imagem da inocência e da candura.

Daí o não dizer Jesus, de modo absoluto, que o reino dos céus é para elas, mas para os que se lhes assemelhem.

Pois que o Espírito da criança já viveu, por que não se mostra, desde o nascimento, tal qual é? Tudo é sábio nas obras de Deus. A criança necessita de cuidados especiais, que somente a ternura materna lhe pode dispensar, ternura que se acresce da fraqueza e da ingenuidade da criança. Para uma mãe, seu filho é sempre um anjo e assim era preciso que fosse, para lhe cativar a solicitude. Ela não houvera podido ter-lhe o mesmo devotamento, se, em vez da graça ingênua, deparasse nele, sob os traços infantis, um caráter viril e as ideias de um adulto e, ainda menos, se lhe viesse a conhecer o passado.

Aliás, faz-se necessário que a atividade do princípio inteligente seja proporcionada à fraqueza do corpo, que não poderia resistir a uma atividade muito grande do Espírito, como se verifica nos indivíduos grandemente precoces.

Essa a razão por que, ao aproximar-se-lhe a encarnação, o Espírito entra em perturbação e perde pouco a pouco a consciência de si mesmo, ficando, por certo tempo, numa espécie de sono, durante o qual todas as suas faculdades permanecem em estado latente.

E necessário esse estado de transição para que o Espírito tenha um novo ponto de partida e para que esqueça, em sua nova existência, tudo aquilo que a possa entravar. Sobre ele, no entanto, reage o passado. Renasce para a vida maior, mais forte, moral e intelectualmente, sustentado e secundado pela intuição que conserva da experiência adquirida.

A partir do nascimento, suas ideias tomam gradualmente impulso, à medida que os órgãos se desenvolvem, pelo que se pode dizer que, no curso dos primeiros anos, o Espírito é verdadeiramente criança, por se acharem ainda adormecidas as ideias que lhe formam o fundo do caráter. Durante o tempo em que seus instintos se conservam amodorrados, ele é mais maleável e, por isso mesmo, mais acessível às impressões capazes de lhe modificarem a natureza e de fazê-lo progredir, o que toma mais fácil a tarefa que incumbe aos pais.

O Espírito, pois, enverga temporariamente a túnica da inocência e, assim, Jesus está com a verdade, quando, sem embargo da anterioridade da alma, toma a criança por símbolo da pureza e da simplicidade.


Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. 112 edição. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br. Federação Espírita Brasileira. 1996.



Olá Ken

O que observamos neste texto e em todos os textos do OESE
é as suas  conformidades que possuem em suas explicações antes as passagens Evangélicas,
Ler e estudar o OESE é ao mesmo tempo o mesmo que reler e reestudar O Livro dos Espíritos,
São lições exemplificadas para o nosso melhor entendimento das Revelações Divinas.

valeu mesmo
Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Maio de 2012, 15:59
Amarás servindo

 

Ainda quando escutes alusões em torno da suposta decadência dos valores humanos, exaltando a força das trevas, fará da própria alma lâmpada acesa para o caminho.

Mesmo quando a ambição e o orgulho te golpeiem de suspeitas e de rancores o espírito desprevenido, amarás servindo sempre.

Quando alguém te aponte os males do mundo, lembrar-te-ás dos que te suportaram as fraquezas da infância, dos que te auxiliaram a pronunciar a primeira oração, dos que te encorajaram os ideais de bondade no nascedouro, e daqueles outros que partiram da Terra, abençoando-te o nome, depois de repetidos exemplos de sacrifício para que pudesses livremente viver. Recordarás os benfeitores anônimos que te deram entendimento e esperança, prosseguindo fiel ao apostolado de amor e serviço que te legaram...

Para isso, não te deterás na superfície das palavras.

Colocar-te-ás na posição dos que sofrem, a fim de que faças por eles tudo aquilo que desejarias que te fizessem nas mesmas circunstâncias.

Ante as vítimas da penúria, imagina o que seria de ti nos refúgios de ninguém, sob a ventura da noite, carregando o corpo exausto e dolorido a que o pão mendigado não forneceu suficiente alimentação; renteando com os doentes desamparados, reflete quanto te doeria o abandono sob o guante da enfermidade, sem a presença sequer de um amigo para minorar-te o peso da angústia; à frente das crianças despejadas na rua, pensa nos filhos amados que aconchegas ao peito, e mentaliza o reconhecimento que experimentarias por alguém que os socorresse se estivessem desvalidos na via pública; e, perante os irmãos caídos em criminalidade, avalia o suplício oculto que te rasgarias entranhas da consciência, se ocupasses o lugar deles, e medita no agradecimento que passarias a consagrar aos que te perdoassem os erros, escorando-te o passo, das sombras para a luz.

Ainda mesmo quando te vejas absolutamente a sós, no trabalho do bem, sob a zombaria dos que se tresmalham temporariamente no nevoeiro da negação e do egoísmo, não esmorecerás. Crendo na misericórdia da Providência Divina e nas infinitas possibilidades de renovação do homem, seguirás Jesus, o Mestre e Senhor, que, entre a humildade e a abnegação, nos ensinou a todos que o amor e o serviço ao próximo são as únicas forças capazes de sublimar a inteligência para que o Reino de Deus se estabeleça em definitivo nos domínios do coração.


Autor: Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier


Olá Ken

Para mim Emannuel é Magistral
Sua posição ante nossa realidade é magnífica
Conviveu conosco em espírito ,mas como um de nós, como encarnado...No período que lhe competia
Falou-nos como se encarnado estivesse, atentando conscientemente para a nossa realidade física e consciencial antes nossas saberes espirituais
Trouxe-nos a sua ótica sem ofuscar-nos, deixando-nos ver seus pareceres respeitando as nossas ânsias e limitações, ensinando-nos com bondade e atenção.
Nunca escondeu-nos sua personalidade disciplinada e disciplinadora, mas atendia a todos
como uma familiar muito próximo e muito amado.
Comunicou-nos seus conhecimentos ante todos os nossos meios de comunicação sem exigir especialidades, comungando nossoas conqustas como se suas também fossem.
Pemitiu ser pesquisado, investigado, negado, ameaçado, julgado, apelidado...Mas falou a alma humana como um verdadeiro Discípulo do Mestre Jesus, e o é, visto isto pelos livros que nos trouxe acalmando nossas almas ante as próprias prédicas do Evangelho do Senhor.

Emmanuel trouxe-nos com sua participação e a nossa experimentação, quer pela expectativa de uns e a convivência de outros, a realização de inúmeros fenômenos estudados pelo espíritismo,
reascendendo em nós a atenção redobrado para os estudos e a prática das lições  kardequianas.

Dialogou com os nossos Sábios
Atendeu nossos infortunados
Percorreu territórios
Descortinou o intimo

Sempre atento ao maior exponente para a nossa salvação
que é e atende para o campo do amor e da instrução.

Em todas suas dissertações reverendou-nos o Cristo
e no Evangelho buscava pautar toda a sua Conduta.

Obrigado Ken
por mais um texto
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Maio de 2012, 16:18
Alguem ja escreveu, e eu concordo, que a caridade é o amor em ação.
Só consegue praticar a verdadeira caridade, quem consegue, ainda que imperfeitamente, amar seu semelhante.

Olá Gustavo

belas colocações

Lembremo-nos
que o começo para este amar verdadeiramente
é um começo...
e a nossa decisão em todos os nossos atos será bem recompensada e auxiliada
para atingirmos todos os fins possiveis.

Abração.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 21 de Maio de 2012, 16:33
Meu nobre irmão Moisés e Ken,eu também concordo plenamente,que o espírito de Emmanuel,   
não foi só de bondade mas também de muita humildade,através do Chico Xavier,ele nos trouxe
muitas lições de aprendizado,se à aplicarmos bem os seus ensinamento,estaremos melhores na
nossa caminhada evolutiva.
Fiquem na paz.
 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Maio de 2012, 18:36
Meu nobre irmão Moisés e Ken,eu também concordo plenamente,que o espírito de Emmanuel,   
não foi só de bondade mas também de muita humildade,através do Chico Xavier,ele nos trouxe
muitas lições de aprendizado,se à aplicarmos bem os seus ensinamento,estaremos melhores na
nossa caminhada evolutiva.
Fiquem na paz.
 

Antonio
boa colocação

Lembremo-nos sempre

Que a pauta que nos remete a Moral
é sempre a Evangélica

Estudemos os conceitos de Buda
e de tantos outros Santos
que expressaram suas bondades no trato para com os seus semelhantes ,
a coerência com O Evangelho é na rísca.

Como nos diz Kardec
A Humanidade é Universal
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ZERUELA em 21 de Maio de 2012, 19:08
Eu utilizo muitas mensagens e livro do Emmanuel na nossa casa, para abertura dos trabalhos e sempre são de bomtom, mas também reconheço que existem alguns senões nas obras do Emanuel, por exemplo o consolador, mas assim como existem alguns senões nas obras de A.Luiz, mas existem senões também na Biblia e nas obras de Kardec, então senões por senões, precisamos lembrar do CUEE e buscar entender no conjunto da obra o que ela trouxe de positivo para a humanidade, e reconheço que tanto Chico, Emanuel, Andre Luiz são aqueles que trouxeram a divulgação num nível que não teriamos da DE sem suas informações e mensagens.

paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Maio de 2012, 19:54
Eu utilizo muitas mensagens e livro do Emmanuel na nossa casa, para abertura dos trabalhos e sempre são de bomtom, mas também reconheço que existem alguns senões nas obras do Emanuel, por exemplo o consolador, mas assim como existem alguns senões nas obras de A.Luiz, mas existem senões também na Biblia e nas obras de Kardec, então senões por senões, precisamos lembrar do CUEE e buscar entender no conjunto da obra o que ela trouxe de positivo para a humanidade, e reconheço que tanto Chico, Emanuel, Andre Luiz são aqueles que trouxeram a divulgação num nível que não teriamos da DE sem suas informações e mensagens.

paz

O Rei convidou dois homens para entrarem na Floresta do seu Reino
para que em seu intimo pudesse avaliá-los quanto as aquizições de cargos,
que outrora ambos haviam requerido ante o Soberano

Deu-lhes um prazo para que após esta visitação
lhes apresentassem um relatório daquilo que haviam
notado na Floresta real.

Um fez suas notações e endereçou-as ao Soberano
conferindo-lhe sua estupefação
dizia este ao Monarca
 _ Meu Amado Senhor...percorri de um extremo ao outro,e motivado cada vez mais ante aquilo que via, continuei percorrendo para confirmar minhas observações, encontrei nestas paragens
madeira o suficiente para manter seu reino abastecido de "carvão vegetal" por mais de duas decadas...Poupando inclusive os gastos com o Exército Real nos combates para conquistas de novas terras...e outros povos! ...

O Outro realizando o mesmo intento, também enviou ao Rei suas observações

 _ Meu Senhor e meu Rei, fico maravilhado de pertencer ao Vosso Reino,e desde já gradeço-lhe infinitamente a Vossa magnânima consessão, em permitir-me tal escursão.
 Descrevo-lhe, Minha Magestade, com imensa alegria o que tenho visto, ante minha pequena capacidade mediante tão importante ofício
  A Floresta Real Possui o solo mais fértil de toda esta região deste lado do Continente, a quatidade de animais para serem descritos precisaria de uma cometivia com especialistas muito bem preparados ante tal necessidade de avaliação e reconhecimento, a Flora Real possui imensa quantidade de espécies próprias para a fabricação de remédios, fora a quantidade imensa de lagos e rios que poderão abastecer sem muito investimentos toda a Cidade Real, aém das que a circunvizinha
  Magestade, peço desculpas, sei que não sou um perito, mas na minha humilde posição, reconheço que deveremos multiplicar a capacidade de nossas forças militares, pois estas terras causam cobiça aos mais afastados Reinos tamanha a sua riqueza...

....

Penso que assim são as Obras que lemos

Para os Oponentes do Espiritismo todos os seus livros e os livros que tratam ou referendam seus contepuds devem ser queimados, pois não vivem as maravilhas das benesses Espíritas

Para Outros
um móvel que se arrasta sem explicação aparente
possui a mesma força que ergue o véu que cobre nossa fragil percepção


valeu

José do Carmo
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 21 de Maio de 2012, 23:02
Meu nobre irmão Moisés,muito bem colocado o que diz o nosso irmão José do Carmo,quanto a
prática de usar as mensagens de Emmanuel na abertura dos trabalhos na casa em que ele
desenvolve os seus trabalhos mediúnicos.Eu tenho o  Emmanuel como um espírito
benfeitor,pois foi através das suas orientações que o Chico Xavier desenvolveu um trabalho
magnifico junto ao seus irmãos necessitados,embora muitos não o considerem assim,e que o
Chico não era espírita,não o era no que diz respeito a seguir de uma maneira filosófica a dou-
-trina de Kardec,mas na prática o era,muito mais do que os de carteirinha que defendem a uma
bandeira,pois teve toda a sua vida dedicada a prática do amor,da caridade,da benevolência,do
carinho para com todos.Chico era um exemplo de humildade a ser seguido,não é isso que a nossa doutrina nos ensina?Então pra que nos serve todo esse aprendizado se não  colocamos
em prática o que aprendemos,ficaremos então toda caminhada preso as retóricas dos que de-
-fendem de uma forma eloquente,baseado nos seus conhecimentos da Doutrina Espírita,que só é espírita aqueles que estudam as codificações?.Por essas razões eu quero muito estudar e
aprender sobre a Doutrina Espírita,mas quero muito mais colocar na prática o que ela nos ensina.
Fiquem na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 22 de Maio de 2012, 10:52
Olá,

Amor a si mesmo....

Somente quando nos amamos, é que podemos ampliar o sentimento nobre.!!!
O amor a si mesmo,  deverá ser desenvolvido através da auto-análise , meditação... porque , ínsito no ser, necessita de estímulos para desdobrar-se , enriquecendo a vida.
Sem esse amor, nós não dispomos de recursos para encorajar o nosso próximo ....

Compreendendo a finalidade da existência terrena , nós despertamos para o amor a nós mesmos, trabalhamos sem desespero, confiamos sem inquietação, servimos sem humilhação, produzimos sem servilismo e avançamos sem tensões perturbadoras no rumo dos objetivos essenciais da vida.   

Durante muito tempo, nós colecionamos o amargo da insatisfação conosco mesmo, atribuindo-nos fracassos que, na realidade, jamais ocorreram, infelicidades que não têm justificativas, quando fazemos comparações com outras pessoas que acreditamos ditosas e sem problemas.
Nesse conflito, tentamos amar-nos , em luta feroz por acumular dinheiro, conseguir destaque na sociedade, tornar-nos pessoa  importante, invejada... Quando começamos a amar de verdade, descobrimos que são as pequenas coisas , aquelas aparentemente sem grande importância , que constituem significados alentadores.

O amor a si mesmo, desempenha uma ação autoterapêutica, porque liberta dos conflitos de autopunição, de autocensura e de autocompaixão.

Afasta-se o egoísmo, que não consegue alojamento.
Pensemos nisso...

Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: M.Altino em 22 de Maio de 2012, 11:54
Amigo e companheiros de estudo como este  tema  é sempre muitas vezes  polémico e pode  dentro desta polémica trazer sempre uma luz  para que possamos  todos aprender mais um pouco e muitas vezes  vejo nas mensagens de Emanuel uma luz  para minha orientação na vida  tentado seguir os conselhos  sempre no melhor sentido.
Então mais uma vez partilho esta mensagem que muitas vezes me tem feito meditar e  quero partilhar com todos .
                                                Amar  sempre 

Nenhum de nós procure destaque injustificável.
Na direção ou na subalternidade, basta - nos o privilégio de cumprir o dever que a Vida nos assinala discernindo e elucidando, mas auxiliando e amando sempre.
Ainda mesmo quando te vejas absolutamente a sós.
No trabalho do bem.
Sob a zombaria dos que se tresmalham temporariamente no nevoeiro da negação e do egoísmo, não esmorecerás.
Crendo na misericórdia da Providência Divina e nas infinitas possibilidades de renovação do homem.
Seguirás Jesus, o Mestre e Senhor.
Que entre a humildade e a abnegação.
Nos ensinou a todos que o amor e o serviço ao próximo são as únicas forças capazes de sublimar a inteligência para que o Reino de Deus se estabeleça em definitivo nos domínios do coração.
Emmanuel
Chico Xavier
Com um carinhoso abraço de muita paz
Manuel Altino
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 22 de Maio de 2012, 13:10
Bom dia a todos

Amas o Bastante?

"Perguntou-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me?" - (JOÃO, capítulo 21, versículo 17.)

Aos aprendizes menos avisados é estranhável que Jesus houvesse indagado do apóstolo, por três vezes, quanto à segurança de seu amor. O próprio Simão Pedro, ouvindo a interrogação repetida, entristecera-se, supondo que o Mestre suspeitasse de seus sentimentos mais íntimos.

Contudo, o ensinamento é mais profundo.

Naquele instante, confiava-lhe Jesus o ministério da cooperação nos serviços redentores. O pescador de Cafarnaum ia contribuir na elevação de seus tutelados do mundo, ia apostolizar, alcançando valores novos para a vida eterna.

Muito significativa, portanto, a pergunta do Senhor nesse particular. Jesus não pede informação ao discípulo, com respeito aos raciocínios que lhe eram peculiares, não deseja inteirar-se dos conhecimentos do colaborador, relativamente a Ele, não reclama compromisso formal. Pretende saber apenas se Pedro o ama, deixando perceber que, com o amor, as demais dificuldades se resolvem. Se o discípulo possui suficiente provisão dessa essência divina, a tarefa mais dura converte-se em apostolado de bênçãos promissoras.

É imperioso, desse modo, reconhecer que as tuas conquistas intelectuais valem muito, que tuas indagações são louváveis, mas em verdade somente serás efetivo e eficiente cooperador do Cristo se tiveres amor.


Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Caminho, Verdade e Vida.
Ditado pelo Espírito Emmanuel.
28 edição. Capítulo 97. Brasília: FEB. 2009.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 22 de Maio de 2012, 13:24
Oliva,
a doença não impõe limite a qualquer sentimento e a caridade é um deles.
Exemplos:
Amazonas Hércules, este eu sempre cito por ser um exemplo de abnegação.
Vivendo em catre mal cheiroso, hanseniano oque era, nunca deixou de prestar a sua ajuda a quem o procurasse.

Chico, quase cego, empurrado muita vez quer por Emmanuel, quer por seu filho adotivo, quando nem mesmo em pé conseguia ficar, sempre trouxe alento, boas palavras e tranquilidade, aos que os ladeavam.
Abraços,
Moura


Bom Dia e muita paz a todos

Moura
…o seu comentário pede uma pequenina observação
Parece-me que para chegar ao pé de tão sublimes figuras ainda haverão muitas vidas a ser vividas por muitos de nós que aqui trocam ideias.

E a doença é na minha opinião limitativa não porque afecte o sentimento da caridade de quem é portador dela  mas sim porque dependendo da enfermidade esta  limita a acção do seu portador ou inibe-o de se fazer útil e claro principalmente quando somos jovens.

  As armas que servirão para a transformação da terra são as armas do amor, da mansidão e da fraternidade.
Apesar de sabermos disto e por sabermos disto é que tudo é tão difícil.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 14:25
Meu nobre irmão Moisés,muito bem colocado o que diz o nosso irmão José do Carmo,quanto a
prática de usar as mensagens de Emmanuel na abertura dos trabalhos na casa em que ele
desenvolve os seus trabalhos mediúnicos.Eu tenho o  Emmanuel como um espírito
benfeitor,pois foi através das suas orientações que o Chico Xavier desenvolveu um trabalho
magnifico junto ao seus irmãos necessitados,embora muitos não o considerem assim,e que o
Chico não era espírita,não o era no que diz respeito a seguir de uma maneira filosófica a dou-
-trina de Kardec,mas na prática o era,muito mais do que os de carteirinha que defendem a uma
bandeira,pois teve toda a sua vida dedicada a prática do amor,da caridade,da benevolência,do
carinho para com todos.Chico era um exemplo de humildade a ser seguido,não é isso que a nossa doutrina nos ensina?Então pra que nos serve todo esse aprendizado se não  colocamos
em prática o que aprendemos,ficaremos então toda caminhada preso as retóricas dos que de-
-fendem de uma forma eloquente,baseado nos seus conhecimentos da Doutrina Espírita,que só é espírita aqueles que estudam as codificações?.Por essas razões eu quero muito estudar e
aprender sobre a Doutrina Espírita,mas quero muito mais colocar na prática o que ela nos ensina.
Fiquem na paz.


Olá Antonio

Agradeço novamente suas contribições

Muita paz

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 14:27
Olá,

Amor a si mesmo....

Somente quando nos amamos, é que podemos ampliar o sentimento nobre.!!!
O amor a si mesmo,  deverá ser desenvolvido através da auto-análise , meditação... porque , ínsito no ser, necessita de estímulos para desdobrar-se , enriquecendo a vida.
Sem esse amor, nós não dispomos de recursos para encorajar o nosso próximo ....

Compreendendo a finalidade da existência terrena , nós despertamos para o amor a nós mesmos, trabalhamos sem desespero, confiamos sem inquietação, servimos sem humilhação, produzimos sem servilismo e avançamos sem tensões perturbadoras no rumo dos objetivos essenciais da vida.   

Durante muito tempo, nós colecionamos o amargo da insatisfação conosco mesmo, atribuindo-nos fracassos que, na realidade, jamais ocorreram, infelicidades que não têm justificativas, quando fazemos comparações com outras pessoas que acreditamos ditosas e sem problemas.
Nesse conflito, tentamos amar-nos , em luta feroz por acumular dinheiro, conseguir destaque na sociedade, tornar-nos pessoa  importante, invejada... Quando começamos a amar de verdade, descobrimos que são as pequenas coisas , aquelas aparentemente sem grande importância , que constituem significados alentadores.

O amor a si mesmo, desempenha uma ação autoterapêutica, porque liberta dos conflitos de autopunição, de autocensura e de autocompaixão.

Afasta-se o egoísmo, que não consegue alojamento.
Pensemos nisso...

Muita Paz

Nossa Si !


que colocações ricas essas suas

Muito esclarecedoras

Abraços e tenhamos um bom dia.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 14:29
Amigo e companheiros de estudo como este  tema  é sempre muitas vezes  polémico e pode  dentro desta polémica trazer sempre uma luz  para que possamos  todos aprender mais um pouco e muitas vezes  vejo nas mensagens de Emanuel uma luz  para minha orientação na vida  tentado seguir os conselhos  sempre no melhor sentido.
Então mais uma vez partilho esta mensagem que muitas vezes me tem feito meditar e  quero partilhar com todos .
                                                Amar  sempre 

Nenhum de nós procure destaque injustificável.
Na direção ou na subalternidade, basta - nos o privilégio de cumprir o dever que a Vida nos assinala discernindo e elucidando, mas auxiliando e amando sempre.
Ainda mesmo quando te vejas absolutamente a sós.
No trabalho do bem.
Sob a zombaria dos que se tresmalham temporariamente no nevoeiro da negação e do egoísmo, não esmorecerás.
Crendo na misericórdia da Providência Divina e nas infinitas possibilidades de renovação do homem.
Seguirás Jesus, o Mestre e Senhor.
Que entre a humildade e a abnegação.
Nos ensinou a todos que o amor e o serviço ao próximo são as únicas forças capazes de sublimar a inteligência para que o Reino de Deus se estabeleça em definitivo nos domínios do coração.
Emmanuel
Chico Xavier
Com um carinhoso abraço de muita paz
Manuel Altino

Manuel Altino

Obrigado por estas citações de Emmanuel

valeu mesmo

Sempre oportunas são estas mensagens
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 14:36
Bom dia a todos

Amas o Bastante?

"Perguntou-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me?" - (JOÃO, capítulo 21, versículo 17.)

Aos aprendizes menos avisados é estranhável que Jesus houvesse indagado do apóstolo, por três vezes, quanto à segurança de seu amor. O próprio Simão Pedro, ouvindo a interrogação repetida, entristecera-se, supondo que o Mestre suspeitasse de seus sentimentos mais íntimos.

Contudo, o ensinamento é mais profundo.

Naquele instante, confiava-lhe Jesus o ministério da cooperação nos serviços redentores. O pescador de Cafarnaum ia contribuir na elevação de seus tutelados do mundo, ia apostolizar, alcançando valores novos para a vida eterna.

Muito significativa, portanto, a pergunta do Senhor nesse particular. Jesus não pede informação ao discípulo, com respeito aos raciocínios que lhe eram peculiares, não deseja inteirar-se dos conhecimentos do colaborador, relativamente a Ele, não reclama compromisso formal. Pretende saber apenas se Pedro o ama, deixando perceber que, com o amor, as demais dificuldades se resolvem. Se o discípulo possui suficiente provisão dessa essência divina, a tarefa mais dura converte-se em apostolado de bênçãos promissoras.

É imperioso, desse modo, reconhecer que as tuas conquistas intelectuais valem muito, que tuas indagações são louváveis, mas em verdade somente serás efetivo e eficiente cooperador do Cristo se tiveres amor.


Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Caminho, Verdade e Vida.
Ditado pelo Espírito Emmanuel.
28 edição. Capítulo 97. Brasília: FEB. 2009.



Olá ken

suas mensagens sempre precisas

fez lembrar-me de uma frase de uma música de Zé Ramalho

a música é ; Sinônimos

Onde tem esta afirmação

 "O Sinônimo de Amor é Amar"

eis;

Zé Ramalho-Sinônimos ( Ao Vivo ) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PW4xNGNIOTd1VFMwI3dz)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 14:41
Oliva,
a doença não impõe limite a qualquer sentimento e a caridade é um deles.
Exemplos:
Amazonas Hércules, este eu sempre cito por ser um exemplo de abnegação.
Vivendo em catre mal cheiroso, hanseniano oque era, nunca deixou de prestar a sua ajuda a quem o procurasse.

Chico, quase cego, empurrado muita vez quer por Emmanuel, quer por seu filho adotivo, quando nem mesmo em pé conseguia ficar, sempre trouxe alento, boas palavras e tranquilidade, aos que os ladeavam.
Abraços,
Moura


Bom Dia e muita paz a todos

Moura
…o seu comentário pede uma pequenina observação
Parece-me que para chegar ao pé de tão sublimes figuras ainda haverão muitas vidas a ser vividas por muitos de nós que aqui trocam ideias.

E a doença é na minha opinião limitativa não porque afecte o sentimento da caridade de quem é portador dela  mas sim porque dependendo da enfermidade esta  limita a acção do seu portador ou inibe-o de se fazer útil e claro principalmente quando somos jovens.

  As armas que servirão para a transformação da terra são as armas do amor, da mansidão e da fraternidade.
Apesar de sabermos disto e por sabermos disto é que tudo é tão difícil.



Olá Oliva

Relembrei-me das colocações de Kardec em o OLE

"Não é o Sofrimento que nos faz evoluir
O que nos faz Evoluir é praticar a caridade "

Foste feliz em suas observações

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 22:08
O perdão, um conto budista.

Dois monges cuidavam do jardim do templo. Um deles estava podando o roseiral quando, num momento de descuido, os espinhos rasgaram a manga de seu hábito e feriram seu braço, fazendo-o sentir muita dor. O monge, então, olhou para o roseiral e disse:

- Eu te perdôo.

Algum tempo depois, o segundo monge também se aproximou do roseiral e feriu o braço, o que o levou a sentir muita dor. Olhando para as rosas, ele disse:

- Não há nada a perdoar.

Ao voltarem para o templo, os dois monges perceberam que ambos tinham ferimentos semelhantes. Ao conversarem sobre o que havia acontecido, um começou a questionar a atitude do outro. Como não conseguiram chegar a uma conclusão sobre qual deles tinha agido da maneira certa, decidiram contar o episódio ao abade do templo e pedir sua opinião.

- Você foi arrogante, disse o abade ao primeiro monge. - E você agiu certo, disse ele ao segundo monge.

O primeiro monge ficou surpreso e questionou o abade.

- Como assim? Então não devemos perdoar sempre? Por que eu errei ao perdoar o roseiral que me feriu?

O abade respondeu:
- Devemos perdoar sempre, desde que exista algo para perdoar. O roseiral é um ser inanimado, que não se move por vontade própria. Ele não feriu você deliberadamente, nem poderia. Você é que se descuidou e se feriu no roseiral. Ao dizer que o perdoava, você atribuiu a ele uma culpa que ele não tem. Com isso, você ignorou sua responsabilidade como ser consciente que é e ainda usou o perdão como demonstração de superioridade. Isso é arrogância.

Talvez nossos conflitos acerca do perdão pudessem ser resolvidos mais facilmente se, antes de debatermos se devemos ou não perdoar, refletíssemos, em primeiro lugar, se realmente existe algo a ser perdoado.

E você, já refletiu sobre isso e analisou quantas vezes agiu como o primeiro monge com arrogância e considerando estar certo?
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 22:33
Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.
Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.
Não acredite em algo simplesmente porque esta escrito em seus livros religiosos.
Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.
Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.
Mas depois de muita análise e observação, se você vê que algo concorda com a razão, e que conduz ao bem e beneficio de todos, aceite-o e viva-o.

Buda
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Maio de 2012, 23:00
A POESIA SUAVE DE JESUS

A POESIA SUAVE DE JESUS.wmv (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVYzaFBaVk5yb3I0Iw==)


A POESIA SUAVE DE JESUS

O evangelho de Jesus é um poema à simplicidade. Não requer explicações metafísicas nem elasticidade filosófica para entendê-lo.


“Olhai as aves do céu; não semeiam nem ceifam, mas nosso Pai Celestial as alimenta.”
É a lição do desprendimento.

“Aquele que põe a mão no arado e olha para trás, não está apto ao reino de Deus.”
É a lição da perseverança.

“Aquele que estiver sem pecado que atire a primeira pedra.”
É a lição da auto-análise.

“Quando fordes convidados para um banquete, senta no último lugar.”
É a lição da humildade.

“Aquele que quer ser o maior, que seja o que mais serve.”
É a lição da caridade.

“Vinde a mim todos vós que estás aflitos e sobrecarregados , e eu vos aliviarei.”
É a lição do acolhimento.

“Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração.”
É a lição da delicadeza.

“Reconcilia-te com o teu inimigo, enquanto estás a caminho com ele.”
É a lição da paz.

“Saiu o semeador a semear sua semente.”
É a lição do trabalho.

“Para entrar no reino do céu é necessário nascer de novo.”
É a lição da volta.

“O filho do homem veio para servir, e não para ser servido.”
É a lição da nobreza.

“Seja o vosso falar , sim sim e não não.”
É a lição da firmeza.

“Tratai a todos como gostarias de ser tratado.”
É a lição da justiça.

“Vai e não peques mais!”
É a lição da resistência.

“Lázaro, levanta-te e anda!”
É a lição da fé.


Procure Jesus nas coisas simples; na lágrima, no afago, na alegria pura, no trabalho honesto, no gesto fraterno, no poema à vida, enfim, em tudo que eleva e ilumina. Por isso é tão difícil para a ciência e para a filosofia encontrá-lo.

 Texto de Luiz Gonzaga Pinheiro.


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 23 de Maio de 2012, 00:54
Mano Moises, por uma condição minha, me emociono com facilidade, esse video com esse texto é fantástico, é possivel conseguir uma cópia?
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2012, 01:25
serve do Paraguai ? ?

Brincadeiras

já conhecia este texto em um pps
busquei na net e encontrei este video no You Tube

foi isso

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 23 de Maio de 2012, 12:28
Meu nobre irmão Moisés,todos nós devemos ter essa visão prática,em que as verdades não
são absolutas.Em tudo se deve ter uma visão crítica e raciocinar antes de ter uma conclusão.
Fique na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 23 de Maio de 2012, 13:46
Bom dia a todos

Amigo Gustavo, o texto "A poesia suave de Jesus" em PPS segue anexo
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 23 de Maio de 2012, 15:24
Ciência e Amor

"A ciência incha, mas o
amor edifica.” •Paulo. (1 CORINTIOS, 8:1.)


A ciência pode estar cheia de poder, mas só o amor beneficia. A ciência, em todas as épocas, conseguiu inúmeras expressões evolutivas. Vemo-la no mundo, exibindo realizações que pareciam quase inatingíveis. Máquinas enormes cruzam os ares e o fundo dos oceanos. A palavra é transmitida, sem fios, a longas distâncias. A imprensa difunde raciocínios mundiais. Mas, para essa mesma ciência pouco importa que o homem lhe use os frutos para o bem ou para o mal. Não compreende o desinteresse, nem as finalidades santas.

O amor, porém, aproxima-se de seus labores e retifica-os, conferindo-lhe a consciência do bem. Ensina que cada máquina deve servir como utilidade divina, no caminho dos homens para Deus, que somente se deveria transmitir a palavra edificante como dádiva do Altíssimo, que apenas seria justa a publicação dos raciocínios elevados para o esforço redentor das criaturas.
 
Se a ciência descobre explosivos, esclarece o amor quanto à utilização deles na abertura de estradas que liguem os povos; se a primeira confecciona um livro, ensina o segundo como gravar a verdade consoladora.

A ciência pode concretizar muitas obras úteis, mas só o amor institui as obras mais altas. Não duvidamos de que a primeira, bem interpretada, possa dotar o homem de um coração corajoso; entretanto, somente o segundo pode dar um coração iluminado.
 
O mundo permanece em obscuridade e sofrimento, porque a ciência foi assalariada pelo ódio, que aniquila e perverte, e só alcançará o porto de segurança quando se render plenamente ao amor de Jesus Cristo.


Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Caminho, Verdade e Vida.
Ditado pelo Espírito Emmanuel.
16a edição. Lição 152. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1996.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2012, 16:00
Meu nobre irmão Moisés,todos nós devemos ter essa visão prática,em que as verdades não
são absolutas.Em tudo se deve ter uma visão crítica e raciocinar antes de ter uma conclusão.
Fique na paz.

Antonio
Acredito que vou ficar com a visão prática
me conforta mais
e está mais ao meu alcance e necessidades

Abração.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2012, 16:01
Bom dia a todos

Amigo Gustavo, o texto "A poesia suave de Jesus" em PPS segue anexo


Obrigado Ken pela sua atenção

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2012, 16:11
Ciência e Amor

"A ciência incha, mas o
amor edifica.” •Paulo. (1 CORINTIOS, 8:1.)


A ciência pode estar cheia de poder, mas só o amor beneficia. A ciência, em todas as épocas, conseguiu inúmeras expressões evolutivas. Vemo-la no mundo, exibindo realizações que pareciam quase inatingíveis. Máquinas enormes cruzam os ares e o fundo dos oceanos. A palavra é transmitida, sem fios, a longas distâncias. A imprensa difunde raciocínios mundiais. Mas, para essa mesma ciência pouco importa que o homem lhe use os frutos para o bem ou para o mal. Não compreende o desinteresse, nem as finalidades santas.

O amor, porém, aproxima-se de seus labores e retifica-os, conferindo-lhe a consciência do bem. Ensina que cada máquina deve servir como utilidade divina, no caminho dos homens para Deus, que somente se deveria transmitir a palavra edificante como dádiva do Altíssimo, que apenas seria justa a publicação dos raciocínios elevados para o esforço redentor das criaturas.
 
Se a ciência descobre explosivos, esclarece o amor quanto à utilização deles na abertura de estradas que liguem os povos; se a primeira confecciona um livro, ensina o segundo como gravar a verdade consoladora.

A ciência pode concretizar muitas obras úteis, mas só o amor institui as obras mais altas. Não duvidamos de que a primeira, bem interpretada, possa dotar o homem de um coração corajoso; entretanto, somente o segundo pode dar um coração iluminado.
 
O mundo permanece em obscuridade e sofrimento, porque a ciência foi assalariada pelo ódio, que aniquila e perverte, e só alcançará o porto de segurança quando se render plenamente ao amor de Jesus Cristo.


Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Caminho, Verdade e Vida.
Ditado pelo Espírito Emmanuel.
16a edição. Lição 152. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1996.


Olá Ken

desde pequeno, e olha que faz tempo...
ouço minha mãe repetir-me esta frase de São Paulo
constantemente


"A Ciência incha, mas o Amor edifica"

te agradeço

Agora com as explicações de Emmanuel tudo ficou mais nitido.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 23 de Maio de 2012, 19:34
Obrigado Ken, ja salvei.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2012, 21:50
O mensageiro do amor

Falava-se na reunião, com respeito à preponderância dos sábios na Terra, quando Jesus tomou a palavra e contou, sereno e simples:
— Há muitos anos, quando o mundo perigava em calamitosa crise de ignorância e perversidade, o Poderoso pai enviou-lhe um mensageiro da ciência, com a missão de entregar-lhe gloriosa mensagem de vida eterna. Tomando forma, nos círculos da carne, o esclarecido obreiro fez-se professor e, sumamente interessado em letras, apaixonou-se exclusivamente pelas obras da inteligência, afastando-se, enojado, da multidão inconsciente e declarando que vivia numa vanguarda luminosa, inacessível à compreensão das pessoas comuns.
Observando-o incapaz de atender aos compromissos assumidos, o Senhor Compassivo providenciou a viagem de outro portador da ciência que, decorrido algum tempo, se transformou em médico admirado.
O novo arauto da Providência refugiou-se numa sala de ervas e beberagens, interessando-se tão somente pelo contato com enfermos importantes, habilitados à concessão de grandes recompensas, afirmando que a plebe era demasiado mesquinha para cativar-lhe a atenção.
O Todo-Bondoso determinou, então, a vinda de outro emissário da ciência, que se converteu em guerreiro célebre. Usou a espada do cálculo com mestria, pôs-se à ilharga de homens astuciosos e vingativos e, afastando-se dos humildes e dos pobres, afirmava que a única finalidade do povo era a de salientar a glória dos dominadores sanguinolentos.
Contristado com tanto insucesso, o Senhor Supremo expediu outro missionário da ciência, que, em breve, se fez primoroso artista. Isolou-se nos salões ricos e fartos, compondo música que embriagasse de prazer o coração dos homens provisoriamente felizes e afiançou que o populacho não lhe seduzia a sensibilidade que ele mesmo acreditava excessivamente avançada para o seu tempo.
Foi, então, que o Excelso Pai, preocupado com tantas negações, ordenou a vinda de um mensageiro de amor aos homens.
Esse outro enviado enxergou todos os quadros da Terra, com imensa piedade. Compadeceu-se do professor, do médico, do guerreiro e do artista, tanto quanto se comoveu ante a desventura e a selvageria da multidão e, decidido a trabalhar em nome de Deus, transformou-se no servo diligente de todos. Passou a agir em benefício geral e, identificado com o povo a que viera servir, sabia desculpar infinitamente e repetir mil vezes o mesmo esforço ou a mesma lição.
Se era humilhado ou perseguido, buscava compreender na ofensa um desafio benéfico à sua capacidade de desdobrar-se na ação regeneradora, para testemunhar reconhecimento à confiança do Pai que o enviara.
Por amar sem reservas os seus irmãos de luta, em muitas situações foi compelido a orar e pedir o socorro do Céu, perante as garras da calúnia e do sarcasmo; entretanto, entendia, nas mais baixas manifestações da natureza humana, dobrados motivos para consagrar-se, com mais calor, à melhoria dos companheiros animalizados, que ainda desconheciam a grandeza e a sublimidade do Pai Benevolente que lhes dera o ser.
Foi assim, fazendo-se o último de todos, que conseguiu acender a luz da fé renovadora e da bondade pura no coração das criaturas terrestres, elevando-as a mais alto nível, com plena vitória na divina missão de que fora investido.
Houve ligeira pausa na palavra doce do Messias e, ante a quietude que se fizera espontânea no ruidoso ambiente de minutos antes, concluiu ele, com expressivo acento na voz:
— Cultura e santificação representam forças inseparáveis da glória espiritual. A sabedoria e o amor são as duas asas dos anjos que alcançaram o Trono Divino, mas, em toda parte, quem ama segue à frente daquele que simplesmente sabe.

Livro JESUS NO LAR – Cap. IX - Francisco Cândido Xavier - Pelo Espírito Neio Lúcio
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2012, 21:57
A  PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO    
Evangelho de Lucas cap.15 vers. 11 a 32)   
 
Certo homem tinha dois filhos ;
o mais moço deles disse ao pai : Pai, dá-me  a parte dos bens que me cabe . E ele repartiu os haveres. 
Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu , partiu para uma terra distante e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente.       
Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade . 
Então , ele foi e se agregou a um dos cidadãos daquela terra ., e este o mandou para os seus campos a guardar porcos.
Ali, desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam ; mas ninguém  lhe dava nada .
Então, caindo em si, disse : Quantos trabalhadores de meu pai têm  pão com fartura, e eu aqui morro de fome !
Levantar-me-ei , e irei ter com o meu pai, e lhe direi : Pai, pequei contra o céu e diante de ti ;
já não sou digno de ser chamado teu filho ; trata-me como um dos teus trabalhadores ;
E, levantando-se , foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou .
E o filho lhe disse : Pai, pequei contra o céu e diante de ti ; já não sou digno de ser chamado teu filho.-
O pai, porém, disse aos seus servos :
Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés;
trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemos-nos ;
porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se
Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças.
Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo .
E ele informou : veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde .
Ele se indignou e não queria entrar, saindo, porém, o pai procurava conciliá-lo.
Mas ele respondeu a seu pai. Há tantos anos  que te sirvo sem jamais  transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos ;
vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes , tu mandaste matar para ele o novilho cevado
Então, lhe respondeu o pai : Meu filho, tu sempre estás comigo ; tudo o que é meu é teu.
Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse  teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado .   

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2012, 22:05
NUNCA DESISTA DE AMAR

O amor é eterno e maravilhoso em sua essência, capaz de realizar as mais importantes transformações em um ser humano.

Alguns vivem o amor em sua plenitude pelo simples fato de dispor dele em abundância. Aprenderam a amar, a se entregar ao ser amado e a estabelecer relacionamentos criativos. Outros sofrem com seu relacionamento amoroso. Depois de algumas decepções, tendem a se isolar e a adotar uma postura cética em relação ao amor. Preferem ficar em casa no sábado à noite, assistindo a um filme. Passam todos os fins de semana sozinhos. Nunca aceitam o convite de um colega para sair. No início, sentem-se aliviados, pois acham melhor evitar problemas do que sair em busca do amor. Mas, depois de algum tempo, a solidão começa a apertar o coração.

Nunca desista de amar. Assuma sempre o risco de demonstrar seu amor, mesmo que a outra pessoa não vá aceitá-lo, porque amar alguém não é um problema nem um defeito; é uma virtude. Se ela não aceitar o seu amor, o problema não é seu, pois, uma vez que você descobriu o jeito de amar, ficará faltando apenas encontrar um companheiro para a viagem a dois.

Se você está só, abra o seu coração, coloque um sorriso no rosto, retome o brilho nos olhos e acredite que a vida lhe prepara maravilhosas surpresas. Tenho a esperança de que com esta nossa conversa você tenha conseguido mais energia e inspiração para desfrutar melhor o Amor, uma realidade valiosa demais para ser banalizada.

E lembre-se: você é o autor da sua vida e é capaz de escrever uma história de amor muito linda, na qual receba e dê muito amor. Saiba sempre que amar pode dar certo, desde que você cuide do Amor com muito carinho e sabedoria.

O amor é eterno e maravilhoso em sua essência, capaz de realizar as mais importantes transformações em um ser humano, mas as pessoas atualmente se machucam muito porque não aprenderam a amar de uma forma plena.

O problema não está no amor. O ser humano não consegue ser feliz sozinho. Desistir de amar é deixar de lado uma parte fundamental da própria vida, e por isso mesmo é triste ver tantas pessoas tratarem o amor com desprezo, acharem as manifestações de romantismo algo feio e, principalmente, desistirem de viver um grande amor. Vale a pena amar, acreditar no amor, entregar-se ao amor. O amor satisfaz os nossos mais profundos desejos de compreender e ser compreendido, de valorizar e ser valorizado, de dar e receber.

Amar pode dar certo

O ser humano só pode existir em paz consigo mesmo se puder se relacionar com uma pessoa a quem diga, com palavras e gestos, "eu te amo" e de quem ouça com total sinceridade: "Eu também te amo".

Mas amar supõe evoluir todos os dias, conhecer o outro cada vez melhor, construir com ele um lugar no mundo em que as pessoas, ao entrar, sentirão que ali existe vida, carinho sincero, vontade de acertar.

Nos momentos de crise ou de mágoa, dizer "eu te amo" ao parceiro é ter a coragem de lhe dizer que ele fez algo de que você não gostou.

Nos momentos de alegria e êxtase, dizer "eu te amo" é saber compartilhar essa alegria com quem você ama, abrindo seu coração sem reservas.

Nos momentos de dor, dizer "eu te amo" é talvez não dizer nada, mas deixar evidente ao outro que você está ao seu lado aconteça o que acontecer.

Nos momentos em que você perceber que errou, a melhor maneira de dizer "eu te amo" é simplesmente dizer: "Desculpe pelo meu erro".

Nos momentos em que o outro errou, e está triste porque cometeu o erro, a melhor maneira de dizer "eu te amo" é se aproximar lentamente dele, colocar a mão em seu ombro e dizer suavemente: "Tudo bem, já ficou para trás".

Amar pode dar certo é a frase mais simples possível para traduzir a convicção de que nascemos para amar e ser amados, e que nossa felicidade consiste em realizar essa missão.

Roberto Shinyashiki
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 23 de Maio de 2012, 23:04
No momento da alegria eu te digo:Quero dividir contigo o meu amor.
No momento da tristeza eu te digo:Estou aqui para acalentar você com o meu amor.
No momento da dor eu te digo:Estou aqui com o meu amor para suprimir essa dor.
Verdadeiramente, a  todo momento se faz necessário o amor.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 24 de Maio de 2012, 00:51
Olá,

Mais um complemento...
" É necessário aprender-se a amar, porquanto o amor também se aprende."

No entanto, nem todos os seres, encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

Quem não recebeu amor não sabe o que ele significa, nem como brindá-lo. Especialmente quem lhe sofreu carência na infância, ressente-se por toda existência, tendo dificuldade de identificá-lo, quando surge, ou expressá-lo , quando já o possui.

Nessa ausência de sentimento de amor, confundem-se exigência e posse, capricho e morbidez com o nobre sentido da vida, ficando-se à margem da sua manifestação libertadora.
Se fixarmos no sentimento, experimentaremos uma mudança de comportamento, de saúde e todo nosso ser se transforma pela sua meiga "melodia".

O amor é de essência divina.....é o grande lutador contra o egoísmo , por fomentar a solidariedade e o bem geral.


Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:20
No momento da alegria eu te digo:Quero dividir contigo o meu amor.
No momento da tristeza eu te digo:Estou aqui para acalentar você com o meu amor.
No momento da dor eu te digo:Estou aqui com o meu amor para suprimir essa dor.
Verdadeiramente, a  todo momento se faz necessário o amor.

Verdade Antonio

Este verbo
é o nectar em embriaga os Santos

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:25
Olá,

Mais um complemento...
" É necessário aprender-se a amar, porquanto o amor também se aprende."

No entanto, nem todos os seres, encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

Quem não recebeu amor não sabe o que ele significa, nem como brindá-lo. Especialmente quem lhe sofreu carência na infância, ressente-se por toda existência, tendo dificuldade de identificá-lo, quando surge, ou expressá-lo , quando já o possui.

Nessa ausência de sentimento de amor, confundem-se exigência e posse, capricho e morbidez com o nobre sentido da vida, ficando-se à margem da sua manifestação libertadora.
Se fixarmos no sentimento, experimentaremos uma mudança de comportamento, de saúde e todo nosso ser se transforma pela sua meiga "melodia".

O amor é de essência divina.....é o grande lutador contra o egoísmo , por fomentar a solidariedade e o bem geral.


Muita Paz


Olá Si
palavras bem colocadas

Realmente nesta caminhada,
como podemos dar aquilo que não recebemos,
ensinar aquilo que não aprendemos,
e usar aquilo que não conquistamos
e nem a ter aquilo que não nos convenceu
, quem dirá distribuir aquilo que ainda é vazio em nós
Assim também é com o Amor
A ação da verdadeira Fraternidade.

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:28


Oração Celta

Oração Celta.AVI (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTF4UndpQld0WXVBIw==)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:29
ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS


ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWxYeU1oWlp5NG1nJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:37

Música que Chico Xavier Gostava - LILI (HI LILI, HI LO)

Música que Chico Xavier Gostava - LILI (HI LILI, HI LO) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWdTN1hKRHdzQmtzJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:40
Oração Celta
 
 Que jamais, em tempo algum, o teu coração acalente ódio.
 Que o canto da maturidade jamais asfixie a tua criança interior.
 Que o teu sorriso seja sempre verdadeiro.
 Que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida.
 Que a música seja tua companheira de momentos secretos contigo mesmo.
 Que os teus momentos de amor contenham a magia de tua alma eterna em cada beijo.
 
 Que os teus olhos sejam dois sóis olhando a luz da vida em cada amanhecer.
 Que cada dia seja um novo recomeço, onde tua alma dance na luz.
 Que em cada passo teu fiquem marcas luminosas de tua passagem em cada coração.
 Que em cada amigo o teu coração faça festa, que celebre o canto da amizade profunda      que liga as almas afins.
 
Que em teus momentos de solidão e cansaço, esteja sempre presente em teu coração a lembrança de que tudo passa e se transforma, quando a alma é grande e generosa.
Que o teu coração voe contente nas asas da espiritualidade consciente, para que tu percebas a ternura invisível, tocando o centro do teu ser eterno.
Que um suave acalanto te acompanhe, na terra ou no espaço, e por onde quer que o imanente invisível leve o teu viver.
Que o teu coração sinta a presença secreta do inefável!
 
Que os teus pensamentos e os teus amores, o teu viver e a tua passagem pela vida, sejam sempre abençoados por aquele amor que ama sem nome. Aquele amor que não se explica, só se sente.
 Que esse amor seja o teu acalento secreto, viajando eternamente no centro do teu ser.
 Que a estrada se abra à sua frente.
 Que o vento sopre levemente às suas costas.
 Que o sol brilhe morno e suave em sua face.
 
Que respondas ao chamado do teu Dom e encontre a coragem para seguir-lhe o caminho.
Que a chama da raiva te liberte da falsidade.
Que o ardor do coração mantenha a tua presença flamejante e que a ansiedade jamais te ronde.
Que a tua dignidade exterior reflita uma dignidade interior da alma.
Que tenhas vagar para celebrar os milagres silenciosos que não buscam atenção.
 
Que sejas consolado na simetria secreta da tua alma.
Que sintas cada dia como uma dádiva sagrada tecida em torno do cerne do assombro.
Que a chuva caía de mansinho em seus campos…
 
E, até que nos encontremos de novo…
Que os Deuses lhe guardem na palma de Suas mãos.
Que despertes para o mistério de estar aqui e compreendas a silenciosa imensidão da tua presença.
 
Que tenhas alegria e paz no templo dos teus sentidos.
Que recebas grande encorajamento quando novas fronteiras acenarem.
Que este amor transforme os teus dramas em luz, a tua tristeza em celebração e os teus   passos cansados em alegres passos de dança renovadora.
Que jamais, em tempo algum, tu esqueças da Presença que está em ti e em todos os seres.
 
Que o teu viver seja pleno de Paz e Luz!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:43
Oração do Pai Nosso


Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o Vosso nome.

Venha a nós o Vosso Reino.

Seja feita a Vossa vontade, assim na Terra como no Céu.

O pão nosso de cada dia nos daí hoje.

Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.

E não nos deixei cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

Jesus Cristo,
Mateus, 6:9-13
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 14:45
Doce é sentir -

Meninas Cantoras de Petrópolis

Doce é sentir em meu coração
Humildemente vai nascendo o amor.
Doce é saber não estou sozinha
Sou uma parte de uma imensa vida.
Que generosa reluz em torno a mim
Imenso dom do seu amor sem fim.

O céu nos deste e as estrelas claras
Nosso irmão sol, nossa irmã a lua
Nossa mãe terra com frutos, campos,
Flores, Fogo e o vento, o ar e a água pura
Fonte de vida de tua criatura.
Imenso dom do seu amor sem fim
Imenso dom do seu amor sem fim.



Doce é sentir - Meninas Cantoras de Petrópolis (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTZRUFNCR0p6T2QwI3dz)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 24 de Maio de 2012, 16:43
Olá,

Que lindas.....são anjos ??????
Melodia suave, julgo ser dos anjos.

Mais um pouquinho sobre o Amor.....
Amor e casamento....

Em face da necessidade da reprodução dos seres, no homem e na mulher expressa-se como a força de atração dos sexos, que supera os impulsos primários e oferece estabilidade emocional para toda uma existência de união e de lutas renovadoras.

O amor faz-se responsável pelo equilíbrio e pela felicidade dos parceiros, quando existe o interesse entre duas pessoas que aspiram união.
Certamente, o relacionamento amoroso no casamento não transcorrerá sempre sem incidentes ou dificuldades, no entanto, para que sejam ultrapassados esses impedimentos, a lealdade e o companheirismo tornam-se essenciais...
Não podemos esquecer..., sem a submissão que humilha, através dos mecanismos das imposições e chantagens emocionais, o amor dialoga sem agressividade, discorda sem ressentimento, discute sem aspereza, esclarece os conflitos e preenche os espaços vazios... os afastamentos...
   
Muitas vezes podemos observar, quando um dos cônjuges silencia diante da injustiça, inevitavelmente  passa a acumular mágoa e a confiança cede lugar à suspeição , indo em direção ao desrespeito e desconsideração.
O amor é generoso, compreensivo, compartilha com todas as situações, mas não aprova o erro para agradar , nem se desculpa de cooperar.....seja qual for o momento.

" O amor dulcifica e transforma para melhor, jamais se impondo ou constrangendo..."

Um relacionamento de amor é uma admirável experiência de aprendizagem constante, em cujo período de vigência apresenta sempre fatos novos e desafiadores.

Quando o amor real suplantar os interesses imediatos do sexo, e a necessidade do companheirismo e da ternura sobrepujar as inquietações do desejo, o matrimônio se transformará em união ideal de corpos e de almas a serviço da Vida.

Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 17:43
Olá,

Que lindas.....são anjos ??????
Melodia suave, julgo ser dos anjos.

Mais um pouquinho sobre o Amor.....
Amor e casamento....

Em face da necessidade da reprodução dos seres, no homem e na mulher expressa-se como a força de atração dos sexos, que supera os impulsos primários e oferece estabilidade emocional para toda uma existência de união e de lutas renovadoras.

O amor faz-se responsável pelo equilíbrio e pela felicidade dos parceiros, quando existe o interesse entre duas pessoas que aspiram união.
Certamente, o relacionamento amoroso no casamento não transcorrerá sempre sem incidentes ou dificuldades, no entanto, para que sejam ultrapassados esses impedimentos, a lealdade e o companheirismo tornam-se essenciais...
Não podemos esquecer..., sem a submissão que humilha, através dos mecanismos das imposições e chantagens emocionais, o amor dialoga sem agressividade, discorda sem ressentimento, discute sem aspereza, esclarece os conflitos e preenche os espaços vazios... os afastamentos...
   
Muitas vezes podemos observar, quando um dos cônjuges silencia diante da injustiça, inevitavelmente  passa a acumular mágoa e a confiança cede lugar à suspeição , indo em direção ao desrespeito e desconsideração.
O amor é generoso, compreensivo, compartilha com todas as situações, mas não aprova o erro para agradar , nem se desculpa de cooperar.....seja qual for o momento.

" O amor dulcifica e transforma para melhor, jamais se impondo ou constrangendo..."

Um relacionamento de amor é uma admirável experiência de aprendizagem constante, em cujo período de vigência apresenta sempre fatos novos e desafiadores.

Quando o amor real suplantar os interesses imediatos do sexo, e a necessidade do companheirismo e da ternura sobrepujar as inquietações do desejo, o matrimônio se transformará em união ideal de corpos e de almas a serviço da Vida.

Muita Paz

Olá Si

Valeu

Em se falando de amor
Não poderemos jamais esquecer do matrimônio...Namoro...União...
Esta força que nos remete ao outro.

e este texto expressou muito bem as finalidades, os objetivos e os compromissos

valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: demis em 24 de Maio de 2012, 19:03
Olá,

Que lindas.....são anjos ??????
Melodia suave, julgo ser dos anjos.

Mais um pouquinho sobre o Amor.....
Amor e casamento....

Em face da necessidade da reprodução dos seres, no homem e na mulher expressa-se como a força de atração dos sexos, que supera os impulsos primários e oferece estabilidade emocional para toda uma existência de união e de lutas renovadoras.

O amor faz-se responsável pelo equilíbrio e pela felicidade dos parceiros, quando existe o interesse entre duas pessoas que aspiram união.
Certamente, o relacionamento amoroso no casamento não transcorrerá sempre sem incidentes ou dificuldades, no entanto, para que sejam ultrapassados esses impedimentos, a lealdade e o companheirismo tornam-se essenciais...
Não podemos esquecer..., sem a submissão que humilha, através dos mecanismos das imposições e chantagens emocionais, o amor dialoga sem agressividade, discorda sem ressentimento, discute sem aspereza, esclarece os conflitos e preenche os espaços vazios... os afastamentos...
   
Muitas vezes podemos observar, quando um dos cônjuges silencia diante da injustiça, inevitavelmente  passa a acumular mágoa e a confiança cede lugar à suspeição , indo em direção ao desrespeito e desconsideração.
O amor é generoso, compreensivo, compartilha com todas as situações, mas não aprova o erro para agradar , nem se desculpa de cooperar.....seja qual for o momento.

" O amor dulcifica e transforma para melhor, jamais se impondo ou constrangendo..."

Um relacionamento de amor é uma admirável experiência de aprendizagem constante, em cujo período de vigência apresenta sempre fatos novos e desafiadores.

Quando o amor real suplantar os interesses imediatos do sexo, e a necessidade do companheirismo e da ternura sobrepujar as inquietações do desejo, o matrimônio se transformará em união ideal de corpos e de almas a serviço da Vida.

Muita Paz

Olá Si

Valeu

Em se falando de amor
Não poderemos jamais esquecer do matrimônio...Namoro...União...
Esta força que nos remete ao outro.

e este texto expressou muito bem as finalidades, os objetivos e os compromissos

valeu

 Será que hoje existe amor entre homem e mulher? Não creio.
 Hoje em dia erxiste "amor" pelo corpo fisico e nada mais. É a minha opinião e a expriência que tenho desta vida.

 Abraços,

Demis
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Maio de 2012, 20:28
Olá,

Que lindas.....são anjos ??????
Melodia suave, julgo ser dos anjos.

Mais um pouquinho sobre o Amor.....
Amor e casamento....

Em face da necessidade da reprodução dos seres, no homem e na mulher expressa-se como a força de atração dos sexos, que supera os impulsos primários e oferece estabilidade emocional para toda uma existência de união e de lutas renovadoras.

O amor faz-se responsável pelo equilíbrio e pela felicidade dos parceiros, quando existe o interesse entre duas pessoas que aspiram união.
Certamente, o relacionamento amoroso no casamento não transcorrerá sempre sem incidentes ou dificuldades, no entanto, para que sejam ultrapassados esses impedimentos, a lealdade e o companheirismo tornam-se essenciais...
Não podemos esquecer..., sem a submissão que humilha, através dos mecanismos das imposições e chantagens emocionais, o amor dialoga sem agressividade, discorda sem ressentimento, discute sem aspereza, esclarece os conflitos e preenche os espaços vazios... os afastamentos...
   
Muitas vezes podemos observar, quando um dos cônjuges silencia diante da injustiça, inevitavelmente  passa a acumular mágoa e a confiança cede lugar à suspeição , indo em direção ao desrespeito e desconsideração.
O amor é generoso, compreensivo, compartilha com todas as situações, mas não aprova o erro para agradar , nem se desculpa de cooperar.....seja qual for o momento.

" O amor dulcifica e transforma para melhor, jamais se impondo ou constrangendo..."

Um relacionamento de amor é uma admirável experiência de aprendizagem constante, em cujo período de vigência apresenta sempre fatos novos e desafiadores.

Quando o amor real suplantar os interesses imediatos do sexo, e a necessidade do companheirismo e da ternura sobrepujar as inquietações do desejo, o matrimônio se transformará em união ideal de corpos e de almas a serviço da Vida.

Muita Paz

Olá Si

Valeu

Em se falando de amor
Não poderemos jamais esquecer do matrimônio...Namoro...União...
Esta força que nos remete ao outro.

e este texto expressou muito bem as finalidades, os objetivos e os compromissos

valeu

 Será que hoje existe amor entre homem e mulher? Não creio.
 Hoje em dia erxiste "amor" pelo corpo fisico e nada mais. É a minha opinião e a expriência que tenho desta vida.

 Abraços,

Demis

Olá Moço

não é bem amor ao corpo físico
talvez este esteja mais no campo dos desejos, da cobiça...do que do Amor

Mas existe sim,
 amor entre Homem e Mulher e como existe.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 24 de Maio de 2012, 23:19
      Moisés de Cerq   (ref #240)

      (Amigo Moisés, como é q se exclui esse sublinhado e esse tipo de fonte q vieram em sua msg?)

      Lisa, nossa nova companheira de estudos colocou (msg ant): “É claro que o ideal do amor é a reciprocidade, mas nem sempre o outro pode nos dar aquilo que esperamos dele...”.

      Cel (msg ant): Lisa, desculpe-me discordar e comentar: se na prática do amor, isto é, de ações q beneficiem o próximo, houver qualquer perspectiva ou interesse em q haja reciprocidade, isso não é amor, não é nada mais q um arremedo de amor! O verdadeiro amor não espera nem reconhecimento, nem compensação, seja do beneficiado, ou de Deus. Se espera, não será nada mais q um pseudo-amor, falso amor.
      O verdadeiro amor é incondicional, não busca ganhos, nem se importa com perdas, não tem endereçamento determinado, não se preocupa com a opinião dos outros, com o q dirão, q o agente é um tolo, ignorante ou o q seja, se ama este ou aquele, o bom ou o mau, o virtuoso ou o vicioso.
      Assim, o ideal do amor não é a reciprocidade; é, apenas, amar!
..................................................
      Moisés colocou: Bem na verdade a praticarmos o amor não esperamos a recompensa como mencionas, mas, também, não se merece receber as ofensas. O ideal do amor é a fraternidade logo contamos com a reciprocidade.

      Cel: amigo Moisés, sinto discordar, novamente mas, o verdadeiro amor, nada espera em retorno; nem q o alvo de nosso amor aja, igualmente, com amor para conosco; nem q as leis de Deus nos beneficiem. Amor é amor, e nenhuma condição exige para se manifestar. Aquele q pensa em reciprocidade não possui, ainda, o verdadeiro amor, um amor incondicional.
......................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: JACY R SENA em 25 de Maio de 2012, 00:51
MOISÉIS, o amor verdadeiro, na minha concepção é o amor sem cobranças,falsidades,cobiças;É doar-se por inteiro,sem nunca esperar algo em troca, o amar tem que ser singelo,sublime, tem que sair de dentro do coração ,isso pode acontecer no exato momento em que o ser humano aprende a perdoar e se perdoar e exercer  a caridade, a humildade e o respeito a seu semelhante.                                                                               Que todos fiquem na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 25 de Maio de 2012, 00:54
Com toda certeza meu irmão Moisés,bem colocado,existe sim amor entre um homem e uma
mulher,quem se diz contrário é porque ainda não teve essa oportunidade,mas um dia poderá
ter.E viva o amor.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Maio de 2012, 01:35
      Moisés de Cerq   (ref #240)

      (Amigo Moisés, como é q se exclui esse sublinhado e esse tipo de fonte q vieram em sua msg?)

      Lisa, nossa nova companheira de estudos colocou (msg ant): “É claro que o ideal do amor é a reciprocidade, mas nem sempre o outro pode nos dar aquilo que esperamos dele...”.

      Cel (msg ant): Lisa, desculpe-me discordar e comentar: se na prática do amor, isto é, de ações q beneficiem o próximo, houver qualquer perspectiva ou interesse em q haja reciprocidade, isso não é amor, não é nada mais q um arremedo de amor! O verdadeiro amor não espera nem reconhecimento, nem compensação, seja do beneficiado, ou de Deus. Se espera, não será nada mais q um pseudo-amor, falso amor.
      O verdadeiro amor é incondicional, não busca ganhos, nem se importa com perdas, não tem endereçamento determinado, não se preocupa com a opinião dos outros, com o q dirão, q o agente é um tolo, ignorante ou o q seja, se ama este ou aquele, o bom ou o mau, o virtuoso ou o vicioso.
      Assim, o ideal do amor não é a reciprocidade; é, apenas, amar!
..................................................
      Moisés colocou: Bem na verdade a praticarmos o amor não esperamos a recompensa como mencionas, mas, também, não se merece receber as ofensas. O ideal do amor é a fraternidade logo contamos com a reciprocidade.

      Cel: amigo Moisés, sinto discordar, novamente mas, o verdadeiro amor, nada espera em retorno; nem q o alvo de nosso amor aja, igualmente, com amor para conosco; nem q as leis de Deus nos beneficiem. Amor é amor, e nenhuma condição exige para se manifestar. Aquele q pensa em reciprocidade não possui, ainda, o verdadeiro amor, um amor incondicional.
......................................................


Olá Coronel
não entendi sua pergunta inicial
mas eu digito as vezes diretamente com estes caracteres [ quote ][ /quote ]
e a mensagem no meio...ou [ b][/b ] e o que eu quero em negrito no meio...
(tem que ser juntos sem espaços)

.... Quanto a sua resposta no fim do seu texto
..compreendo a sua colocação...

mas Jesus disse que se nossos filhos nos pedem pão, não lhes daremos uma serpente...

O Amor é verbo que se conjuga
logo a questão da reciprocidade
e em se falando em Amor
melhor ainda

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Maio de 2012, 01:40
MOISÉIS, o amor verdadeiro, na minha concepção é o amor sem cobranças,falsidades,cobiças;É doar-se por inteiro,sem nunca esperar algo em troca, o amar tem que ser singelo,sublime, tem que sair de dentro do coração ,isso pode acontecer no exato momento em que o ser humano aprende a perdoar e se perdoar e exercer  a caridade, a humildade e o respeito a seu semelhante.                                                                               Que todos fiquem na paz.

Olá
Sua concepção é maravilhosa
pertencem aos de alma iluminada

Parabéns

E eu vou caminhando
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Maio de 2012, 01:44
Com toda certeza meu irmão Moisés,bem colocado,existe sim amor entre um homem e uma
mulher,quem se diz contrário é porque ainda não teve essa oportunidade,mas um dia poderá
ter.E viva o amor.

Sim sim
Mas
Algumas vezes Antonio

Este homem e esta mulher
ou estes que se amam

Estão como posso dizer...
obscurecidos ante a luz do verdadeiro amor
isso acontece
isso é da gente

Estamos vindo

E a oportunidade também se faz, se luta, se conquista
e pode levar algumas vidinhas
algumas só.

Como diz a canção

Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 25 de Maio de 2012, 09:30
Bom Dia  Participantes e intervenientes deste debate espírita e espiritual.

       Já que se falou do casamento e das uniões amorosas entre os humanos e porque já passei por outros debates aqui no fórum como o do homosexualismo, mas podíamos incluir a violência doméstica, o desamor á vida num geral que ocasiona todos os crimes, etc…. oportunidade de postar um ponto de vista que  foi uma resposta cabal que encontrei  um dia desses no Livro dos Espíritos porque a bem ver das coisas o mundo para quem o observa á luz de lei de Deus  e da criação só pode ser perfeito e se é para lá que caminhamos segundo o que a doutrina nos ensina  é há luz  desse elucidativo que podemos compreender  os diversos géneros de amor desejo como frisou Moisés, pelos quais  passamos no nosso processo de lapidação.

Livro dos Espíritos – Parte terceira – Leis Morais –Cap.I Lei divina ou natural – II Conhecimento da lei natural
621 Onde está escrita a lei de Deus?
– Na consciência.

621 a Uma vez que o homem traz inscrita na consciência a lei de Deus, há necessidade que lhe seja revelada?
– Ele a esqueceu e a menosprezou; Deus quis que ela fosse lembrada.

Portanto penso que sempre que temos que analisar os nossos comportamentos um tanto ou quanto
paradoxais lembremo-nos que eles são a resposta óbvia da nossa imperfeição e que fazem parte de um processo natural de purificação que nos leva a compreender  gradualmente o que se  pode ou não fazer.

 E como diz a que questão 795
A lei natural é imutável e sempre a mesma para todos; a lei humana é variável e progressiva: somente ela pode consagrar, na infância da humanidade, o direito do mais forte.

E realmente só o amor e a compaixão nos podem ajudar a viver  neste mundo fazendo-nos parar se for necessário para suportarmos as nossas fraquezas ou agindo auxiliando porque é  integrando que se melhora o modus vivendi.

Eu, tão imperfeita também me confesso bastante abalada pelo mundo em que estamos inseridos e apesar desta ajuda que é a revelação espírita muitas vezes sucumbo pela negativa deixando os nervos tomarem conta do meu ser.

Abraços
O P

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 25 de Maio de 2012, 10:16
Permitam-me fazer um pequeno comentário aos áudio vídeos postados pelo colaborador Moisés

 Incrível, tantas estátuas que já se fizeram de S. Francisco;
 um tal de Camus diz que  “As grandes ideias vêm ao mundo em silêncio, como as pombas". Se prestarmos atenção, vamos conseguir ouvir, em meio ao tumulto de impérios e nações, o leve farfalhar das asas, a suave agitação da vida e da esperança.
Ao longo destes anos tenho visto essa oração que lhe é atribuída com diversas nuances.

Linda essa oração celta.

 A POESIA SUAVE DE JESUS de Luiz Gonzaga Pinheiro
Parece-me que o texto em si supera o vídeo  apesar de termos de valorizar o bom  trabalho dos actores e actrizes seus interpretes.

A musica que Chico gostava é  mesmo um louvor à vida,  algo que ele soube  tão bem  transmitir em sua obra, e que nós tantas vezes nos esquecemos de reverenciar, não é?

Bem e agora não tenho tempo para ouvir mais nada.
Abraço
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: dOM JORGE em 25 de Maio de 2012, 10:58
                                                                     VIVA JESUS!




         Bom-dia! queridos irmãos.



                  O Amor como Lei  

Lázaro (Espírito), em mensagem publicada por Kardec, diz que
a Lei de Amor substitui a personalidade pela fusão dos seres
e aniquila as misérias sociais, porque o amor é o agente
eficaz capaz de superar obstáculos
 

 
Madre Tereza de Calcutá
 
 O amor é Lei da Vida. Nele nos movemos, ele nos sustenta, a ele nos destinamos. Criados pelo amor de um Pai que nos destina à felicidade – a ser construída pelo mérito dos próprios esforços – e sempre amparados pelo amor de irmãos mais experientes e que já galgaram degraus de sabedoria e iluminação interior, situamo-nos todos como aprendizes.

Felizmente, porém, sempre guiados por seres luminosos que, tendo alcançado maturidade, se voltam para nos orientar a difícil e lenta caminhada. Madre Teresa de Calcutá se dizia o lápis de Deus, afirmando que quem escrevia era o Senhor. Chico Xavier se dizia um cisco. Irmã Dulce afirmou que a miséria é falta de amor entre os homens. 
 
 
Na mesma linha de raciocínio, Jesus – a maior referência que temos em termos de amor, pureza e grandeza – também afirmou que não veio destruir a lei, mas dar-lhe cumprimento. Como afirma Kardec, esse dar-lhe cumprimento quer dizer desenvolvê-la, dar-lhe seu verdadeiro sentido e apropriá-la ao grau de adiantamento dos homens (1). Não é preciso dar exemplo, pois a vida e os atos morais e ensinos de Jesus são muito claros. 

Todavia, o que se percebe é que vultos da grandeza de Madre Teresa, Chico Xavier ou Irmã Dulce seguem pelo mesmo caminho. (2) São Espíritos maduros, conscientes,        experimentados         e
 
 
Chico Xavier
 
 
essencialmente exemplificadores da Lei de Amor, que outra não é senão a da caridade. A mesma caridade – que, diga-se, está muito além da esmola e mais nos relacionamentos – que inspirou Vicente de Paulo, Francisco de Assis e outros expressivos ou anônimos nomes que viveram e vivem suas vidas no sentido de aliviar, beneficiar, amparar e atender às necessidades de seus irmãos de caminhada.
 
 O desprendimento desses vultos, a obediência a que se submetem, a humildade – e ao mesmo tempo firmeza – e resignação, que demonstram e vivem, falam mais que mil palavras do sentido e consciência íntimas já adquiridas no objetivo de vivenciarem o amor. Afinal, quando indagado sobre o maior mandamento da Lei, a resposta do Mestre da   Humanidade  fo i clara:   “Amareis  o
 
Senhor vosso Deus de todo o vosso coração, de toda a vossa alma e todo o vosso espírito; é o maior e o primeiro mandamento. E eis o segundo, que é semelhante àquele: amareis vosso próximo como a vós mesmos. Toda a lei e os profetas estão contidos nesses dois mandamentos”, conforme anotou Mateus.
 

Jesus é o inspirador dos que dignificam nossa
condição humana

Por outro lado, a síntese da Lei de Amor, expressa no “Fazei aos homens tudo o que quereis que eles vos façam, porque é a lei e os profetas”, na anotação de Mateus, e no “Tratai todos os homens da mesma forma que quereríeis que eles vos tratassem”, no registro de Lucas, igualmente seguem no mesmo sentido desse amor, atenção e cuidados para com o próximo, sem esquecer que o mesmo proceder deve ser aplicado a nós mesmos, o que não é vaidade, mas expressão também de amor, uma vez que devemos da mesma forma nos respeitar e amar.

Tais considerações nos levam de volta aos exemplos citados no início do presente capítulo. Que motivações levaram Irmã Dulce e Madre Teresa a agir como agiram? Que força é essa que as movimentavam em favor dos pobres e desvalidos, esquecidos, enfermos e abandonados? Da mesma forma, Chico Xavier – inspirador no Brasil das iniciativas em favor dos pobres – granjeou respeito nacional.

Esses exemplos, entre tantos outros que podem ser citados – inclusive os anônimos – seguem no mesmo sentido: atender às necessidades, buscar aquele que sofre para amenizar-lhes as dificuldades, estender o olhar compassivo da compaixão, oferecer a mão amiga, a palavra estimuladora e de carinho e, essencialmente, amar, como recomenda a Lei Divina e ensinou o Mestre da Humanidade. Aliás, vale dizer, Jesus é o Supremo Inspirador desses nobres vultos que dignificam nossa condição humana.

As extensas filas de pessoas que buscam sopa em diferentes instituições – de variadas denominações religiosas no Brasil –, que se acumulam para receberem a cesta de Natal, que buscam os bazares de roupas usadas e doadas, que necessitam do socorro médico e odontológico gratuito, que se beneficiam dos cursos profissionalizantes igualmente gratuitos, ou ainda do corte de cabelo, entre outras ações voluntárias, de diferentes iniciativas, vêm-nos dizer dessa força solidária, inspirada pelo amor, que move tanta gente em toda a parte. Aqui falamos do Brasil, mas não é outra a força que move a Cruz Vermelha Internacional, entre tantas outras ONGs espalhadas pelo planeta.

A solidariedade, inspirada do amor, move-se...

O amor é, aliás, o responsável pelas Santas Casas de Misericórdia, Casas São Vicente de Paulo, asilos, orfanatos, creches, APAEs, entre tantas iniciativas, em suas origens, ainda que sujeitas à burocracia, exigências e necessidades de nosso tempo. É o amor, esse agente eficaz capaz de superar obstáculos e inspirar tais ações. É que a solidariedade, inspirada do amor, move-se...

Por isso, o Espírito Lázaro (3) enfatiza: “(...) A Lei de Amor substitui a personalidade pela fusão dos seres e aniquila as misérias sociais. (...)”. Ora, esse aniquilar das misérias sociais (convido o leitor a ampliar o significado da expressão miséria social, que, óbvio, não se resume à fome ou à miséria material) é justamente a iniciativa, ou as iniciativas, de amenizar as dificuldades alheias. E os vultos citados no presente capítulo foram mestres em nos ensinar como fazê-lo, exemplificando, especialmente através do desprendimento e da compaixão, esse ir ao encontro das dificuldades alheias.

No capítulo XI de O Evangelho segundo o Espiritismo, item 9, o Espírito Fénelon também afirma: “(...) para praticar a lei de amor, tal como Deus a entende, é preciso que chegueis, progressivamente, a amar todos os vossos irmãos, indistintamente (...) Deus o quer, e a lei de amor é o primeiro e o mais importante preceito de vossa nova doutrina, porque é a que deverá, um dia, matar o egoísmo, sob qualquer forma que ele se apresente (...)”. 

Na elaboração da presente abordagem é preciso um esforço enorme para resistir ao desejo de fazer outras transcrições, tamanha a monumental beleza do capítulo XI do citado livro que Kardec intitulou Amar o próximo como a si mesmo. 

As considerações do Codificador e as mensagens selecionadas e incluídas no subtítulo Instruções dos Espíritos fazem do capítulo um precioso documento para bem entendermos essa notável Lei do Amor. Interessante porque no mesmo capítulo há abordagens também sobre a caridade para com os criminosos que se ampliam no capítulo seguinte, o número XII, intitulado Amai os Vossos Inimigos, igualmente com valiosas considerações e mensagens sobre vingança, ódio e ainda os inimigos desencarnados.

É que o amor não se esgota!

Por isso não é por acaso que o capítulo XIII, na sequência, aborda Os infortúnios ocultos, O óbolo da viúva, A caridade material e a caridade moral, A Beneficência e A Piedade, entre outros subtítulos. Note-se que tudo segue no sentido da caridade, tudo para nos ensinar que precisamos respeitar, entender e auxiliar o próximo, apesar de seus equívocos e dificuldades, mesmo porque todos nós igualmente necessitamos de tudo isso


               Orson Peter Carrara                                ( continua )






                                                                                            ´PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: dOM JORGE em 25 de Maio de 2012, 11:14
                                                                     VIVA JESUS!



          Bom-dia! querifdos irmãos.



                  Fora da caridade não há salvação

Kardec usou esse título para o capítulo XV da terceira obra da Codificação do Espiritismo, já referida no presente capítulo. Abrindo o capítulo com a conhecida Parábola do Bom Samaritano, o Codificador afirma em suas considerações iniciais, no item 3, que “Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade, quer dizer, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho. (...)”. 

Da mesma forma utilizou-se da 1ª Epístola aos Coríntios, cap. XIII, v. de 1 a 7 e 13, de Paulo, justamente abordando a caridade, que, segundo o Apóstolo, “(...) é paciente; é doce e benfazeja; a caridade não é invejosa; não é temerária e precipitada; não se enche de orgulho; não é desdenhosa; não procura seus próprios interesses; não se melindra e não se irrita com nada; não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre (...)”.

Allan Kardec faz-nos, então, refletir seriamente sobre a virtude excelente da caridade, em considerações oportuníssimas que o leitor encontra no item 8 do citado capítulo XV e premia o estudioso com a mensagem ditada pelo próprio Paulo em 1860, justamente com o título Fora da Caridade não há salvação, autêntica bandeira do Espiritismo. 

Na referida mensagem, que encerra o capítulo, que devemos constantemente ler, reler, divulgar e estudar, lemos o seguinte:

 “(...) Nada exprime melhor o pensamento de Jesus, nada resume melhor os deveres do homem, do que esta máxima de ordem divina: o Espiritismo não podia provar melhor a sua origem do que dando-a por regra, porque ela é o reflexo do mais puro Cristianismo; com um tal guia o homem não se perderá jamais. Aplicai-vos, pois, meus amigos, em compreender-lhe o sentido profundo e as consequências, e em procurar, por vós mesmos, todas as suas aplicações. Submetei todas as vossas ações ao controle da caridade, e vossa consciência vos responderá; não somente ela vos evitará fazer o mal, mas vos levará a fazer o bem: porque não basta uma virtude negativa, é preciso uma virtude ativa; para fazer o bem é preciso sempre a ação da vontade; para não fazer o mal basta, frequentemente, a inércia e negligência (...)”.

O incomparável Sermão da Montanha

Não poderia concluir o capítulo sem referir-me ao incomparável Sermão da Montanha. Tamanha é sua expressão, de orientação e conforto, que ele não pode ser esquecido. Ao contrário, deve e precisa ser estudado para estar conosco nas lutas internas e externas de nosso caminho evolutivo. Pois que diretamente ligado à caridade, inclusive para conosco mesmo, precisa aqui ser lembrado com ênfase, ainda que rapidamente.

Muitas obras foram escritas e inspiradas pelo seu valioso conteúdo, de autores encarnados e desencarnados. Desejamos, todavia, sugerir aos leitores o conhecimento de algumas obras específicas, muito valiosas por si só no entendimento desse conforto expresso no inesquecível Sermão da Montanha:

O Segredo das Bem-Aventuranças, de José Lázaro Boberg, Editora EME. Uma obra notável, de quase 400 páginas, dividida em sete partes e que fornece substancioso estudo ao leitor. Não deixe de conhecer;
A Voz do Monte, de Richard Simonetti, Editora FEB. O conhecido e lúcido autor, com sua costumeira didática, oferece valioso estudo, destacando trechos do texto original;
Jerônimo Mendonça e Chico Xavier: A fórmula da felicidade, Editora Mythos. De autoria de Jamiro dos Santos Filho, a obra compara o Sermão da Montanha como a única Fórmula da Felicidade, revelada por Chico a Jerônimo;
Diversos livros da consagrada autora Therezinha Oliveira, de Campinas. A fecunda autora tem vários livros publicados sobre estudos do Evangelho. Sugerimos pesquisa por nome de autor, por tratar-se de estudiosa muito dedicada e com ótimos trabalhos publicados pela Editora CEAK.
 

Notas:

(1) O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo I, item 3.

(2) Os exemplos de Madre Teresa, Chico Xavier e Irmã Dulce oferecem material vasto para estudos e reflexões em torno dessa virtude extraordinária, que é a caridade, fruto, sem dúvida, da Lei de Amor, estabelecida pelo Criador e apresentada à Humanidade por Jesus de Nazaré, o modelo e guia de todos nós.

(3) O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo XI, item 8.


          Orson Peter Carrara






                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 25 de Maio de 2012, 13:08
OLá,

Quem ama estua de felicidade , porque se encontra pleno de ternura e de compaixão, de fraternidade e de paixão.
Não espera fruir de imediato quaisquer resultados, apenas se coloca em posição de oferecer e de ajudar os outros no seu desempenho moral.
O amor é um privilégio que deve ser conseguido com esforço e dedicação , porquanto a sua é uma resposta de incomparável bem-estar e de satisfação íntima incomum.

Nós lutamos pela aquisição de coisas,pelas projeções sociais, pelo poder temporal,pela beleza física, pelas situações invejáveis, pensando em encontrar a felicidade, para logo despertarmos vazios de sentimentos , tediosos e amargurados, solitários e sofridos. 
Somos os felizes na aparência e infelizes na realidade.

"O amor esplende na natureza, convidando à reflexão e ao trabalho como recursos preciosos de elevação e de felicidade."(Joanna De Ângelis-Garimpo de Amor)

Muita Paz 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Maio de 2012, 13:55
Um video a todos

ganhei de presente hoje pela manhã

Abraços a todos

ESCALERA DE LA VIDA (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTNSR19WUmFxQWFRJmFtcDtmZWF0dXJlPXlvdXR1LmJlIw==)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Maio de 2012, 15:09
Bom Dia  Participantes e intervenientes deste debate espírita e espiritual.

       Já que se falou do casamento e das uniões amorosas entre os humanos e porque já passei por outros debates aqui no fórum como o do homosexualismo, mas podíamos incluir a violência doméstica, o desamor á vida num geral que ocasiona todos os crimes, etc…. oportunidade de postar um ponto de vista que  foi uma resposta cabal que encontrei  um dia desses no Livro dos Espíritos porque a bem ver das coisas o mundo para quem o observa á luz de lei de Deus  e da criação só pode ser perfeito e se é para lá que caminhamos segundo o que a doutrina nos ensina  é há luz  desse elucidativo que podemos compreender  os diversos géneros de amor desejo como frisou Moisés, pelos quais  passamos no nosso processo de lapidação.

Livro dos Espíritos – Parte terceira – Leis Morais –Cap.I Lei divina ou natural – II Conhecimento da lei natural
621 Onde está escrita a lei de Deus?
– Na consciência.

621 a Uma vez que o homem traz inscrita na consciência a lei de Deus, há necessidade que lhe seja revelada?
– Ele a esqueceu e a menosprezou; Deus quis que ela fosse lembrada.

Portanto penso que sempre que temos que analisar os nossos comportamentos um tanto ou quanto
paradoxais lembremo-nos que eles são a resposta óbvia da nossa imperfeição e que fazem parte de um processo natural de purificação que nos leva a compreender  gradualmente o que se  pode ou não fazer.

 E como diz a que questão 795
A lei natural é imutável e sempre a mesma para todos; a lei humana é variável e progressiva: somente ela pode consagrar, na infância da humanidade, o direito do mais forte.

E realmente só o amor e a compaixão nos podem ajudar a viver  neste mundo fazendo-nos parar se for necessário para suportarmos as nossas fraquezas ou agindo auxiliando porque é  integrando que se melhora o modus vivendi.

Eu, tão imperfeita também me confesso bastante abalada pelo mundo em que estamos inseridos e apesar desta ajuda que é a revelação espírita muitas vezes sucumbo pela negativa deixando os nervos tomarem conta do meu ser.

Abraços
O P



Olá Oliva
Obrigado pela sua contribuição

Retribuindo;

Código de Ética dos Índios Norte Americanos - Code of Ethics of the North American Indians (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUtKTFA3RE9BcVJrJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQjd3M=)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Maio de 2012, 15:12
Permitam-me fazer um pequeno comentário aos áudio vídeos postados pelo colaborador Moisés

 Incrível, tantas estátuas que já se fizeram de S. Francisco;
 um tal de Camus diz que  “As grandes ideias vêm ao mundo em silêncio, como as pombas". Se prestarmos atenção, vamos conseguir ouvir, em meio ao tumulto de impérios e nações, o leve farfalhar das asas, a suave agitação da vida e da esperança.
Ao longo destes anos tenho visto essa oração que lhe é atribuída com diversas nuances.

Linda essa oração celta.

 A POESIA SUAVE DE JESUS de Luiz Gonzaga Pinheiro
Parece-me que o texto em si supera o vídeo  apesar de termos de valorizar o bom  trabalho dos actores e actrizes seus interpretes.

A musica que Chico gostava é  mesmo um louvor à vida,  algo que ele soube  tão bem  transmitir em sua obra, e que nós tantas vezes nos esquecemos de reverenciar, não é?

Bem e agora não tenho tempo para ouvir mais nada.
Abraço


Obrigado

Que bom que gostou

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Maio de 2012, 15:28
                                                                     VIVA JESUS!




         Bom-dia! queridos irmãos.



                  O Amor como Lei  

Lázaro (Espírito), em mensagem publicada por Kardec, diz que
a Lei de Amor substitui a personalidade pela fusão dos seres
e aniquila as misérias sociais, porque o amor é o agente
eficaz capaz de superar obstáculos
 
................
.............
                                                                                            ´PAZ, MUITA PAZ!

Obrigado Dom Jorge

por este texo

destaco estas citação


“Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade, quer dizer, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho. (...)”. 


Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 26 de Maio de 2012, 09:25
Bom Dia a todos
Depois de lidas as últimas postagens

Penso que nunca havemos de nos cansar de escutar a sabedoria dos mais velhos.
“O conhecimento torna a alma jovem e diminui a amargura da velhice. Colhe, pois, a sabedoria. Armazena suavidade para o amanhã.” Leonardo da Vinci

Gostava de partilhar esse Microsoft Office PowerPoint 97-2003 Slide Show (.pps) Tudo é Amor.pps

  mas não sei se vai dar. Fica a intenção

Abraço
O P
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 26 de Maio de 2012, 13:18
Bom dia a todos

Amiga Oliva, estou anexando o PPT Tudo é Amor, seria o mesmo que você
se refere?

Sds

ken
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 26 de Maio de 2012, 14:09
Olá,


Juizo Final
Clara Nunes
Composição: Nelson Cavaquinho/Elcio Soares


O Sol há de brilhar mais uma vez
A luz há de chegar aos corações
Do mal será queimada a semente
O amor será eterno novamente

É o juízo final
A história do bem e do mal
Quero ter olhos pra ver
A maldade desaparecer

........
O Sol há de brilhar mais uma vez
A luz há de chegar aos corações
Do mal será queimada a semente
O amor será eterno novamente



....."do mal será queimada a semente...o amor será eterno novamente!"

Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 26 de Maio de 2012, 14:11
CONQUISTA ÍNTIMA

Todos os estados enfermiços da alma se assemelham, no fundo, aos estados enfermiços do corpo, solicitando remédio adequado que lhes patrocine a cura.

E a impaciência que tantas vezes gera rixas inúteis é um deles, pedindo o específico da calma que a desterre do mundo íntimo.

Como, porém, obter a serenidade, quando somos impulsivos por vocação ou por hábito?

Justo lembrar que assim como nos acomodamos, obedientes, para ouvir o professor trazido a ensinar-nos, é forçoso igualmente assentar a emotividade, na carteira do raciocínio, a fim de educá-la, educando-nos; e, aplicando os princípios de fraternidade e
de amor que abraçamos, convidaremos os nossos próprios sentidos à necessária renovação.
Feito isso, perceberemos que todo instante de turvação ou desequilíbrio, é instrumento de teste para avaliação de nosso próprio aproveitamento.

Aprenderemos, por fim, que, diante da crítica, estamos convocados à demonstração de benevolência; diante da censura, é preciso exercer a bondade; à frente do pessimismo, somos induzidos a cultivar a esperança; ante a condenação, somos indicados à bênção; e que, renteando com quaisquer aparências do mal, é imperioso pensar no bem, dispondo-nos a servi-lo.

Entregando-nos com sinceridade a semelhantes exercícios de compreensão e tolerância, estaremos em aula profícua, para a aquisição de valores eternos no terreno do espírito.
É assim que, em matéria de paciência, se a paciência nos foge, urge reconhecer que, perante as circunstâncias mais constrangedoras da vida, estamos, todos nós, no justo momento de conquistá-la.


Emmanuel
Psicografia.: Francisco Cândido Xavier
Livro.: Rumo Certo

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 15:02
Olá,


Juizo Final
Clara Nunes
Composição: Nelson Cavaquinho/Elcio Soares


O Sol há de brilhar mais uma vez
A luz há de chegar aos corações
Do mal será queimada a semente
O amor será eterno novamente

É o juízo final
A história do bem e do mal
Quero ter olhos pra ver
A maldade desaparecer

........
O Sol há de brilhar mais uma vez
A luz há de chegar aos corações
Do mal será queimada a semente
O amor será eterno novamente



....."do mal será queimada a semente...o amor será eterno novamente!"

Muita Paz


Obrigado SI
pela postagem


JUÍZO FINAL - Clara Nunes (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWRDUFJrUVVyeHpRIw==)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 15:04
Citar
Oliva Prado
Bom Dia a todos
Depois de lidas as últimas postagens

Penso que nunca havemos de nos cansar de escutar a sabedoria dos mais velhos.
“O conhecimento torna a alma jovem e diminui a amargura da velhice. Colhe, pois, a sabedoria. Armazena suavidade para o amanhã.” Leonardo da Vinci

Gostava de partilhar esse Microsoft Office PowerPoint 97-2003 Slide Show (.pps) Tudo é Amor.pps

  mas não sei se vai dar. Fica a intenção


Bom dia a todos

Amiga Oliva, estou anexando o PPT Tudo é Amor, seria o mesmo que você
se refere?

Sds

ken


Valeu ken
Valeu Oliva
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 15:09
CONQUISTA ÍNTIMA

Todos os estados enfermiços da alma se assemelham, no fundo, aos estados enfermiços do corpo, solicitando remédio adequado que lhes patrocine a cura.

E a impaciência que tantas vezes gera rixas inúteis é um deles, pedindo o específico da calma que a desterre do mundo íntimo.

Como, porém, obter a serenidade, quando somos impulsivos por vocação ou por hábito?

Justo lembrar que assim como nos acomodamos, obedientes, para ouvir o professor trazido a ensinar-nos, é forçoso igualmente assentar a emotividade, na carteira do raciocínio, a fim de educá-la, educando-nos; e, aplicando os princípios de fraternidade e
de amor que abraçamos, convidaremos os nossos próprios sentidos à necessária renovação.
Feito isso, perceberemos que todo instante de turvação ou desequilíbrio, é instrumento de teste para avaliação de nosso próprio aproveitamento.

Aprenderemos, por fim, que, diante da crítica, estamos convocados à demonstração de benevolência; diante da censura, é preciso exercer a bondade; à frente do pessimismo, somos induzidos a cultivar a esperança; ante a condenação, somos indicados à bênção; e que, renteando com quaisquer aparências do mal, é imperioso pensar no bem, dispondo-nos a servi-lo.

Entregando-nos com sinceridade a semelhantes exercícios de compreensão e tolerância, estaremos em aula profícua, para a aquisição de valores eternos no terreno do espírito.
É assim que, em matéria de paciência, se a paciência nos foge, urge reconhecer que, perante as circunstâncias mais constrangedoras da vida, estamos, todos nós, no justo momento de conquistá-la.


Emmanuel
Psicografia.: Francisco Cândido Xavier
Livro.: Rumo Certo



Olá ken

Ótima lição nos trás este texto;

Aprenderemos, por fim, que,
diante da crítica, estamos convocados à demonstração de benevolência;
diante da censura, é preciso exercer a bondade;
à frente do pessimismo, somos induzidos a cultivar a esperança; ante a condenação, somos indicados à bênção;
e que, renteando com quaisquer aparências do mal, é imperioso pensar no bem, dispondo-nos a servi-lo.



valeu

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 26 de Maio de 2012, 15:16
Homem inteligente

Reunião pública de 22-5-59.

Questão 592 (Livro dos Espíritos)



Em verdade, o homem inteligente não é aquele que apenas calcula, mas sim o que transfunde o próprio raciocínio em emoção. Para compreender a vida e sublimá-la. Podendo senhorear as riquezas do mundo, abstém-se do excesso para viver com simplicidade, sem desrespeitar as necessidades alheias. Guardando o conhecimento superior, não se encastela no orgulho, mas aproxima-se do ignorante para auxiliá-lo a instruir-se. Dispondo de meios para fazer com que o próximo se lhe escravize ao interesse, trabalha espontaneamente pelo prazer de servir. E, entesourando virtudes inatacáveis, não se furta à convivência com as vítimas do mal, agindo, sem escárnio ou condenação, para libertá-las do vício. O homem inteligente, segundo o padrão de JESUS, é aquele que, sendo grande, sabe apequenar-se para ajudar aos que caminham em subnível, consagrando-se ao bem dos outros, para que os outros lhe partilhem a ascensão para DEUS.


Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 15:42
Homem inteligente

Reunião pública de 22-5-59.

Questão 592 (Livro dos Espíritos)



Em verdade, o homem inteligente não é aquele que apenas calcula, mas sim o que transfunde o próprio raciocínio em emoção. Para compreender a vida e sublimá-la. Podendo senhorear as riquezas do mundo, abstém-se do excesso para viver com simplicidade, sem desrespeitar as necessidades alheias. Guardando o conhecimento superior, não se encastela no orgulho, mas aproxima-se do ignorante para auxiliá-lo a instruir-se. Dispondo de meios para fazer com que o próximo se lhe escravize ao interesse, trabalha espontaneamente pelo prazer de servir. E, entesourando virtudes inatacáveis, não se furta à convivência com as vítimas do mal, agindo, sem escárnio ou condenação, para libertá-las do vício. O homem inteligente, segundo o padrão de JESUS, é aquele que, sendo grande, sabe apequenar-se para ajudar aos que caminham em subnível, consagrando-se ao bem dos outros, para que os outros lhe partilhem a ascensão para DEUS.


Emmanuel / Francisco Cândido Xavier



Brilhante texto

valeu
...........

Ajudai-vos uns aos outros a carregar os vossos fardos,
 e deste modo cumprireis a lei de Cristo.

(Gálatas 6,2)

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 26 de Maio de 2012, 16:28
.Ken
Algo sempre me diz que quando estes postes aparecem aqui é porque há alguém que tem a capacidade de os postar bem e ficamos todos felizes.
Na verdade parece-me que esta é uma versão com o mesmo texto mas com imagens associadas.
Agradecida pela ajuda.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 26 de Maio de 2012, 17:31
Amigo Moises, estou anexando o PPS "Um dia a gente aprende", que vale a pena ser visto.

Abraço

ken

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 26 de Maio de 2012, 17:58
Se Amar fosse fácil..., mais um PPS que vale a pena ser visto
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 26 de Maio de 2012, 19:46
Meus irmão.Recebi de uma irmã também espírita,um texto muito bonito que é bem próprio ao
nosso estudo mensal,estou colocando-o para compartilhamento e comentários sobre o mesmo:

              " Vivendo Amando e Aprendendo ".
                      Autora:Rosana Braga.
                                                                 (Adaptação)

   Vivemos para amar,amamos para aprender e aprendemos para viver melhor.E assim por
diante,numa sucessão de tentativas,enganos dores,alegrias,perdas ganhos e,enfim,evolução!
É o exercício da vida que tanto nos exige,ainda que seja absolutamente justo,também pode
ser melhor praticando,se levarmos em conta uma bela frase de Cora Coralina:"Feliz daquele
que ensina o que aprende e aprende o que ensina".Então hoje resolvi relacionar os meus mais
importantes aprendizados,para que possamos trocar nossa sabedoria e compartilhar as nossas dores...Precisamos ouvir mais a voz do nosso coração;precisamos respeitar os nossos limites sem derrespeitar os limites do outro;podemos sentir mais felicidade quando conseguirmos perdoar os erros do outro;atrairmos mais as pessoas certas quanto mais nos conhecemos e demonstramos quem somos;o amor parece que nos torna mais frágeis e vulneráveis,mas na
verdade,nos torna mais fortes e corajosos;o fim de um relacionamento não significa necessaria-
-mente,que ele não deu certo;nem sempre as pessoas estão prontas para viver o amor,mas isso não impede que elas se preparem,independente da idade ou condição social;sofrimento não é um castigo,mas uma maravilhosa oportunidade que a vida nos dá de aprendermos algo
sobre qual estávamos resistindo;nosso mundo externo é reflexo do nosso mundo interno.Portanto,para conquistarmos o que desejarmos,precisamos antes,construir nossos
sonhos dentro da gente;o amor é um dos caminhos mais difíceis para a nossa evolução,mas é
também um dos mais gratificantes e prazerosos;não existem regras no amor.Podemos apenas
nos decidir para sermos cada dia melhores e mais verdadeiros,afim de que ele seja eterno en-
-quanto dure...A felicidade,tanto para conosco mesmo quanto para com o outro,é fundamental e deve ser uma escolha que fazemos por nós mesmos e nunca pelo outro;retribuir é nobre,mas vingar-se é ferir a si mesmo,e enfim,que todos nós nos arrisquemos no amor,ao invés de nos fecharmos numa ilusória segurança,perdendo a preciosa oportunidade de sermos felizes!
Fiquem na paz.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 21:33
Amigo Moises, estou anexando o PPS "Um dia a gente aprende", que vale a pena ser visto.

Abraço

ken



Obrigado Ken

muito bom

UM DIA A GENTE APRENDE… WILLIAM SHAKESPEARE
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 21:34
Se Amar fosse fácil..., mais um PPS que vale a pena ser visto

Se Amar Fosse Fácil!
 

Se amar fosse fácil,
 Não haveria tanta gente amando mal,
Nem tanta gente mal amada.

Se amar fosse fácil,
Não haveria tanta fome,
Nem tantas guerras,
Nem gente sem sobrenome.

Se amar fosse fácil,
Não haveria crianças nas ruas sem ter ninguém,
Nem haveria orfanatos,
Porque as famílias serenas adotariam mais filhos,
Não haveria filhos mal concebidos,
Nem esposas mal amadas.

Se amar fosse fácil,
Não haveria assaltantes
E as mulheres gestantes não tirariam seu feto,
Nem haveria assassinos,
Nem preços exorbitantes
Nem os que ganham demais,
Nem os que ganham de menos.
Se amar fosse fácil,
Nem soldados haveria,
Pois ninguém agrediria,
No máximo, ajudariam no combate ao cão feroz.

Mas, o amor é sentimento que depende de um "eu quero", seguido de um "eu espero"
 E a vontade é rebelde, o homem,
Um egoísta que maximiza seu "eu".
 
Por isso, o amor é difícil.
Mas, não se ama por ser fácil,
Ama-se porque é preciso!

..............

Valeu ken
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 21:39
Meus irmão.Recebi de uma irmã também espírita,um texto muito bonito que é bem próprio ao
nosso estudo mensal,estou colocando-o para compartilhamento e comentários sobre o mesmo:

              " Vivendo Amando e Aprendendo ".
                      Autora:Rosana Braga.
                                                                 (Adaptação)

   Vivemos para amar,amamos para aprender e aprendemos para viver melhor.E assim por
diante,numa sucessão de tentativas,enganos dores,alegrias,perdas ganhos e,enfim,evolução!
É o exercício da vida que tanto nos exige,ainda que seja absolutamente justo,também pode
ser melhor praticando,se levarmos em conta uma bela frase de Cora Coralina:"Feliz daquele
que ensina o que aprende e aprende o que ensina".Então hoje resolvi relacionar os meus mais
importantes aprendizados,para que possamos trocar nossa sabedoria e compartilhar as nossas dores...

Precisamos ouvir mais a voz do nosso coração;
precisamos respeitar os nossos limites sem derrespeitar os limites do outro;
podemos sentir mais felicidade quando conseguirmos perdoar os erros do outro;
atrairmos mais as pessoas certas quanto mais nos conhecemos e demonstramos quem somos;
o amor parece que nos torna mais frágeis e vulneráveis,mas na
verdade,nos torna mais fortes e corajosos;
o fim de um relacionamento não significa necessariamente,que ele não deu certo;
nem sempre as pessoas estão prontas para viver o amor,mas isso não impede que elas se preparem,independente da idade ou condição social;
sofrimento não é um castigo,mas uma maravilhosa oportunidade que a vida nos dá de aprendermos algo sobre qual estávamos resistindo;
nosso mundo externo é reflexo do nosso mundo interno.
Portanto,para conquistarmos o que desejarmos,precisamos antes,construir nossos
sonhos dentro da gente;
o amor é um dos caminhos mais difíceis para a nossa evolução,mas é
também um dos mais gratificantes e prazerosos;
não existem regras no amor.
Podemos apenas nos decidir para sermos cada dia melhores e mais verdadeiros,afim de que ele seja eterno enquanto dure...
A felicidade,tanto para conosco mesmo quanto para com o outro,é fundamental e deve ser uma escolha que fazemos por nós mesmos e nunca pelo outro;
retribuir é nobre,mas vingar-se é ferir a si mesmo,e enfim,que todos nós nos arrisquemos no amor,ao invés de nos fecharmos numa ilusória segurança,perdendo a preciosa oportunidade de sermos felizes!
Fiquem na paz.

Antonio

Bela reflexão

Própria para fazer um "pps" com imagens e música
e distribuir mundo afora

genial

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 26 de Maio de 2012, 21:55
Se Amar fosse fácil..., mais um PPS que vale a pena ser visto.

perderam o arquivo?.. anexo novamente


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 23:45
O Mago e o Menino


O Mago e o Menino - Poemas by Jmal (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXJfMi1hcG1iaFhZI3dz)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Maio de 2012, 23:50
O menino e o monge

Um dia uma criança chegou diante de um pensador e perguntou-lhe:
”Que tamanho tem o universo?
”Acariciando a cabeça da criança,ele olhou para o infinito e respondeu:
”O universo tem o tamanho do seu mundo.
”Perturbada,ela novamente indagou:
”Que tamanho tem meu mundo?
”O pensador respondeu:
”Tem o tamanho dos seus sonhos.
Se seus sonhos são pequenos,
sua visão será pequena,
suas metas serão limitadas,
seus alvos serão diminutos,
sua estrada será estreita,
sua capacidade de suportar as tormentas será frágil.
Os sonhos regam a existência com sentido.
Se seus sonhos são frágeis,
sua comida não terá sabor,
suas primaveras não terão flores,
suas manhãs não terão orvalho,
sua emoção não terá romances.
A presença dos sonhos transforma os miseráveis em reis,
faz dos idosos,jovens,
e a ausência deles transforma milionários em mendigo,
s faz dos jovens idosos.
Os sonhos trazem saúde para a emoção, equipam o frágil para ser autor da sua história,fazem os tímidos terem golpes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades.
Sonhe!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 27 de Maio de 2012, 00:01
O sábio e o pássaro

Conta-se que certa vez um jovem maldoso e inconsequente resolveu pregar uma peça em velho mestre.
 
- Quero ver se esse velho é realmente sábio, como dizem – pensou – Vou esconder um passarinho em minhas mãos. Depois, em presença de seus discípulos, vou perguntar-lhe se está vivo ou morto. Se ele disser que está vivo, eu o esmagarei e o apresentarei morto. Se ele falar que está morto eu abrirei a mão e o pássaro voará.
Realmente, uma armadilha infalível, como só a maldade e a ignorância podem conceber.
 Aos olhos de quem presenciasse o encontro, qualquer que fosse a sua resposta, o sábio estaria incorrendo em erro.
 E lá se foi o jovem mal-intencionado com sua armadilha perfeita.
 
Diante do ancião acompanhado dos aprendizes, fez a pergunta fatal:
 
- Mestre, este passarinho que tenho preso em minhas mãos, está vivo ou morto?
 
O sábio olhou bem fundo em seus olhos, como se examinasse os recônditos de sua alma, e respondeu:
 
- Meu filho, o destino desse pássaro está em suas mãos.


...........

"A decisão sobre o que fazer com nossa vida sempre está em nossas próprias mãos."
 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 27 de Maio de 2012, 11:59
Bom Dia
Por ser tão difícil amar é que buscamos alento.
É o que estamos procurando encontrar no Espiritismo.
E deve ser por isso que estamos aqui.

“Quem já conhece Jesus, amortece no algodão da paciência os golpes que lhe são desferidos e no suavizar dos sentimentos nobres diminui a força dos petardos mentais venenosos da alucinação alheia ….
Informado da alta significação da vida, o espírita não duela, não revida o mal, não mata nunca.” posto cartão em baixo.

Palavras do Espírito Vianna de Carvalho Sobre as quais vou tecer esse comentário:
..que nós estamos a receber e que vão levar o tempo que for necessário para que cada um de nós as possa vivenciar completamente ou naturalmente tal como toda esta grande doutrina do amor.
Mas o mais importante é que elas cheguem até nós.

Aliás eu vou colar aqui esse paragrafo do texto de Sérgio Biagi Gregório
9) Qual o novo paradigma espírita?
O Espiritismo, à semelhança do Socratismo e do Cristianismo, traz um novo paradigma para a humanidade, e pode ser interpretado como uma nova espada.  Não será aceita sem lutas, controvérsias e oposições.  Sua pujança não está nas disputas sangrentas, mas na modificação interior que proporciona a cada um de seus adeptos. A questão da espada será muito mais uma guerra de cada um contra si mesmo e contra todo o mal, fazendo com que possamos ser "promotores da paz".

...mas nós temos uma herança tão pesada sobre nossa cabeça que é realmente penoso.

Haja esperança.
Abraços
 



.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 27 de Maio de 2012, 12:13
Seguindo o ultimo poste.

Falamos neste fórum sob diversos temas  nessa observância  que é referenciada por Sto. Agostinho no Livro dos Espíritos Conhece-te a ti mesmo tal qual segundo fonte que consultei diz estar
Cinzelado na pedra viva, no frontispício do Templo de Delfos, reza um antigo adágio: “HOMO NOSCE TE IPSUM” (Homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses).

Mas esta leva-nos penso eu a uma outra
“Decifra-me ou te devorarei...”
 Quem não procurar a explicação para todas as suas dores e tribulações pode realmente ser devorado.
E parece-me que isto se dá precisamente quando começamos a despertar o olho interno se assim se pode chamar. Passamos a ter duas vistas uma que capta o exterior e outra que capta o vedado e cuidar dessas duas vistas sem que uma interfira negativamente na outra sem que interfiramos nas leis da criação que tudo ama e tudo vivifica é que é a grande desafio que só o tempo pode ajudar a realizar.
( não sei se me expliquei de forma correta mas foi o que consegui)
..portanto haja esperança.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 27 de Maio de 2012, 13:03
Ken
Se poder e se o Moisés concordar coloquem essa musica no ar Kenny G You raise me up
Pois parece que é  o amor que vem do alto que nos dá forças para acreditar que podemos continuar..
http://youtu.be/52kBbsjhyd8
Kenny G - You Raise Me Up (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTUya0Jic2poeWQ4JmFtcDtmZWF0dXJlPXlvdXR1LmJlIw==)

só estou a partilhar mensagens de esperança.
Fraterna mente O P
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 27 de Maio de 2012, 15:20
Bom Dia
Por ser tão difícil amar é que buscamos alento.
É o que estamos procurando encontrar no Espiritismo.
E deve ser por isso que estamos aqui.

“Quem já conhece Jesus, amortece no algodão da paciência os golpes que lhe são desferidos e no suavizar dos sentimentos nobres diminui a força dos petardos mentais venenosos da alucinação alheia ….
Informado da alta significação da vida, o espírita não duela, não revida o mal, não mata nunca.” posto cartão em baixo.

Palavras do Espírito Vianna de Carvalho Sobre as quais vou tecer esse comentário:
..que nós estamos a receber e que vão levar o tempo que for necessário para que cada um de nós as possa vivenciar completamente ou naturalmente tal como toda esta grande doutrina do amor.
Mas o mais importante é que elas cheguem até nós.

Aliás eu vou colar aqui esse paragrafo do texto de Sérgio Biagi Gregório
9) Qual o novo paradigma espírita?
O Espiritismo, à semelhança do Socratismo e do Cristianismo, traz um novo paradigma para a humanidade, e pode ser interpretado como uma nova espada.  Não será aceita sem lutas, controvérsias e oposições.  Sua pujança não está nas disputas sangrentas, mas na modificação interior que proporciona a cada um de seus adeptos. A questão da espada será muito mais uma guerra de cada um contra si mesmo e contra todo o mal, fazendo com que possamos ser "promotores da paz".

...mas nós temos uma herança tão pesada sobre nossa cabeça que é realmente penoso.

Haja esperança.
Abraços
 



.



Olá Oliva

se me lembro bem
há uma citação nas Obras Kardequianas
em que diz

que o Espiritismo empreende a maior batalha,
só que no campo das idéias
Não mais nos campos de guerra,entre as fronteiras das terras
mas no intimo de cada ser e de cada coletividade
(mais ou menos assim)

Obrigado pela sua contrinuição

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 27 de Maio de 2012, 15:23
Seguindo o ultimo poste.

Falamos neste fórum sob diversos temas  nessa observância  que é referenciada por Sto. Agostinho no Livro dos Espíritos Conhece-te a ti mesmo tal qual segundo fonte que consultei diz estar
Cinzelado na pedra viva, no frontispício do Templo de Delfos, reza um antigo adágio: “HOMO NOSCE TE IPSUM” (Homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses).

Mas esta leva-nos penso eu a uma outra
“Decifra-me ou te devorarei...”
 Quem não procurar a explicação para todas as suas dores e tribulações pode realmente ser devorado.
E parece-me que isto se dá precisamente quando começamos a despertar o olho interno se assim se pode chamar. Passamos a ter duas vistas uma que capta o exterior e outra que capta o vedado e cuidar dessas duas vistas sem que uma interfira negativamente na outra sem que interfiramos nas leis da criação que tudo ama e tudo vivifica é que é a grande desafio que só o tempo pode ajudar a realizar.
( não sei se me expliquei de forma correta mas foi o que consegui)
..portanto haja esperança.


Olá Oliva
Gostei da sua Explicação
muito interessante
e bem objetiva

fazemos parte sim , e creio que não só destas duas realidades
mas de muitas outras, que envolvem a nossa existência

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 27 de Maio de 2012, 15:26
Ken
Se poder e se o Moisés concordar coloquem essa musica no ar Kenny G You raise me up
Pois parece que é  o amor que vem do alto que nos dá forças para acreditar que podemos continuar..
http://youtu.be/52kBbsjhyd8
Kenny G - You Raise Me Up (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTUya0Jic2poeWQ4JmFtcDtmZWF0dXJlPXlvdXR1LmJlIw==)


Obrigado Oliva
por esta contribuição
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 27 de Maio de 2012, 15:36
Duelo Banjo x Violão

O filme Amargo Pesadelo estava sendo rodado no interior dos Estados Unidos.
O diretor fazia a locação em um posto de gasolina nos confins do mundo, onde aconteceria uma cena entre vários atores contracenando com o proprietário desse posto, onde ele também morava com sua mulher e filho autista que nunca saía do terreno da casa...
Num dos cortes para refazer a cena do abastecimento, um dos atores, que também era músico e sempre andava acompanhado do seu instrumento de cordas, aproveitando o intervalo da gravação e, ao perceber a presença do rapaz "diferente" que dedilhava um banjo na varanda da casa, aproximou-se e começou a repetir a sequência musical dele...
Como houve uma 'resposta musical" por parte do rapaz, o diretor captou a importância da cena e mandou filmar.
Assim, aquela parada para abastecimento foi providencial e registrou a cena mais marcante que o diretor teve a felicidade de "encaixar" no filme.
Vale a pena o duelo, a beleza do momento e, mais que tudo, a alegria do rapaz.
Sua expressão é pura: inicia-se distante, mas, à medida que toca o banjo, ela cresce com a música e vai se deixando levar por ela, até surgir um sorriso contagiante, transmitindo a todos a sua alegria!
A alegria de um autista, resgatada por alguns momentos graças a um violão forasteiro, é registrada com maestria. Ele brilha, cresce e exibe o sorriso preso nas dobras da sua deficiência, que a magia da música traz à superfície.
Depois, ele volta para dentro de si, deixando a sua parcela de beleza eternizada "por acaso" no filme.

Observações:

01) O protagonista é John Voight, o pai da Angelina Jolie, que teve a companhia do canastrão Burt Reynolds, da mesma escola do Stallone...
02) O rapaz é realmente autista;
03) A cena foi acidental, não estava nos planos do filme;
04) A alegria do pai curtindo o duelo dos banjos, dançando, e a felicidade da mãe captada numa janela da casa são reais
05) A reação do autista foi autêntica, quando o ator/músico quis cumprimentá-lo.

É uma cena importante demais para não ser partilhada, pois não há pessoas inferiores, há pessoas diferentes!


Duelo Banjo x Violão (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PW05S0c5RnNCcXc0JmFtcDtmZWF0dXJlPWZ2d3JlbCM=)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 27 de Maio de 2012, 19:01
      Moisés de Cerq    (ref #360)

      O amigo Moisés trouxe o texto “A suave poesia de Jesus”, com sugestivas palavras do Mestre, e uma tentativa de dar-lhes, frase por frase, uma interpretação ou explicação correta, q passamos a comentar:

      Essa interpretação está cheia de sábios conselhos para q todos tenhamos um mundo e um futuro melhor; desses, cito os seguintes:
      - seja simples e humilde,
      - seja desprendido, pois tudo Pai nos dará,   
      - persevere sempre nos seus intentos de melhorar,
      - analise-se para descobrir seus defeitos e vícios,
      - seja caridoso,
      - acolha os irmãos necessitados,
      - trate a todos com delicadeza,
      - perdoe aqueles q fazem o mal a vc e a seus queridos,
      - com eles, seja pacífico, e seja justo (!),     
      - abandone a inércia, a preguiça e trabalhe em benefício dos seus e do demais,
      - não pratique nunca o mal,
      - seja resistente a essas tentações,
      - tenha fé; acredite q tudo Deus proverá,
      - seja honesto,
      - somente se interesse por aquilo q eleva e ilumina,

      É um texto de Luiz Gonzaga Pinheiro, repleto de ensinamentos belos, sugestivos, portadores de esperanças de um mundo melhor e mais pacífico e de felicidades para todos. Nos diz, com palavras elevadas, <o que> devemos fazer para q a vida e o mundo sejam melhor para todos. No entanto, lhe falta alguma coisa, mais importante do q ensinar <o que> fazer; lhe falta ensinar o <como> fazer.

      Pois quem sabe <como> encher de amor seu coração, quem sabe <como> adquirir compreensão e vontade para fazer tudo isso?

      O <como> nunca é ensinado. Ninguém, nem qualquer crença ou religião, sem exceção, sabe o <como> fazer!
.....................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 27 de Maio de 2012, 22:21
      Moisés de Cerq    (ref #390)

      O amigo Moisés escreveu: ... não entendi sua pergunta inicial
mas eu digito as vezes diretamente com estes caracteres [ quote ][ /quote ]
e a mensagem no meio...ou [ b][/b ] e o que eu quero em negrito no meio...
(tem que ser juntos sem espaços)

    Cel: é q suas msg têm vindo com linhas sublinhadas e com fonte de cor fraca e, nem o sublinhado, nem a cor da fonte, consigo mudar! O q será isso?

      Cel: amigo, agora fui eu q não compreendi, essa sua colocação  “ mas Jesus disse que se nossos filhos nos pedem pão, não lhes daremos uma serpente...”.

      Moisés: O Amor é verbo que se conjuga
logo a questão da reciprocidade
e em se falando em Amor
melhor ainda

      Cel: concordo, Moisés, melhor ainda pois mostra q o outro foi sensível ao ato amoroso recebido; mas, a reciprocidade não é necessária e nem se pensa nela, se o amor é genuíno.

      Abraços


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 27 de Maio de 2012, 22:21
Boa noite a todos

A Caridade Material e a Caridade Moral

"Amemo-nos uns aos outros e façamos aos outros o que quereríamos nos fizessem eles."

Toda a religião, toda a moral se acham encerradas nestes dois preceitos. Se fossem observados nesse mundo, todos seríeis felizes: não mais aí ódios, nem ressentimentos.

Direi ainda: não mais pobreza, porquanto, do supérfluo da mesa de cada rico, muitos pobres se alimentariam e não mais veríeis, nos quarteirões sombrios onde habitei durante a minha última encarnação, pobres mulheres arrastando consigo miseráveis crianças a quem tudo faltava.

Ricos! pensai nisto um pouco. Auxiliai os infelizes o melhor que puderdes. Dai, para que Deus, um dia, vos retribua o bem que houverdes feito, para que tenhais, ao sairdes do vosso invólucro terreno, um cortejo de Espíritos agradecidos, a receber-vos no limiar de um mundo mais ditoso.

Se pudésseis saber da alegria que experimentei ao encontrar no Além aqueles a quem, na minha última existência, me fora dado servir!...

Amai, portanto, o vosso próximo; amai-o como a vós mesmos, pois já sabeis, agora, que, repelindo um desgraçado, estareis, quiçá, afastando de vós um irmão, um pai, um amigo vosso de outrora. Se assim for, de que desespero não vos sentireis presa, ao reconhecê-lo no mundo dos Espíritos!

Desejo compreendais bem o que seja a caridade moral, que todos podem praticar, que nada custa, materialmente falando, porém, que é a mais difícil de exercer-se.

A caridade moral consiste em se suportarem umas às outras as criaturas e é o que menos fazeis nesse mundo inferior, onde vos achais, por agora, encarnados. Grande mérito há, crede-me, em um homem saber calar-se, deixando fale outro mais tolo do que ele. É um gênero de caridade isso. Saber ser surdo quando uma palavra zombeteira se escapa de uma boca habituada a escarnecer; não ver o sorriso de desdém com que vos recebem pessoas que, muitas vezes erradamente, se supõem acima de vós, quando na vida espírita, a única real, estão, não raro, muito abaixo, constitui merecimento, não do ponto de vista da humildade, mas do da caridade, porquanto não dar atenção ao mau proceder de outrem é caridade moral.

Essa caridade, no entanto, não deve obstar à outra. Tende, porém, cuidado, principalmente em não tratar com desprezo o vosso semelhante. Lembrai-vos de tudo o que já vos tenho dito: Tende presente sempre que, repelindo um pobre, talvez repilais um Espírito que vos foi caro e que, no momento, se encontra em posição inferior à vossa.

Encontrei aqui um dos pobres da Terra, a quem, por felicidade, eu pudera auxiliar algumas vezes, e ao qual, a meu turno, tenho agora de implorar auxílio.

Lembrai-vos de que Jesus disse que todos somos irmãos e pensai sempre nisso, antes de repelirdes o leproso ou o mendigo. Adeus, pensai nos que sofrem e orai. Irmã Rosália. (Paris, 1860.)

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 27 de Maio de 2012, 23:42

Olá Moises,

Conhecimento de Si Mesmo

919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?

"Um sábio da antigüidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo."

a) - Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?

"Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar.

Perguntai ainda mais: "Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?"

"Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado.

"O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual. Mas, direis, como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhosos julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, inquiri como a qualificaríeis, se praticada por outra pessoa. Se a censurais noutrem, não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor, pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca ao vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. Perscrute, conseguintemente, a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas; dê balanço no seu dia moral para, a exemplo do comerciante, avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.

"Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços? Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. Ora, esta exatamente a idéia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo, visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro, de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma. Por isso foi que primeiro chamamos a vossa atenção por meio de fenômenos capazes de ferir-vos os sentidos e que agora vos damos instruções, que cada um de vós se acha encarregado de espalhar. Com este objetivo é que ditamos O Livro dos Espíritos."

SANTO AGOSTINHO.

Comentário de Kardec: Muitas faltas que cometemos nos passam despercebidas. Se, efetivamente, seguindo o conselho de Santo Agostinho, interrogássemos mais amiúde a nossa consciência, veríamos quantas vezes falimos sem que o suspeitemos, unicamente por não perscrutarmos a natureza e o móvel dos nossos atos.
A forma interrogativa tem alguma coisa de mais preciso do que qualquer máxima, que muitas vezes deixamos de aplicar a nós mesmos. Aquela exige respostas categóricas, por um sim ou não, que não abrem lugar para qualquer alternativa e que são outros tantos argumentos pessoais. E, pela soma que derem as respostas, poderemos computar a soma de bem ou de mal que existe em nós.

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 76.ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1995. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 28 de Maio de 2012, 13:42
      Si     (ref #374)

      Amiga, por favor, não estranhe tantas perguntas; a intenção é fazer refletir pois, pela reflexão, podemos melhor compreender o q estudamos ou falamos.

      Si, nossa nova amiga, escreveu: Mais um complemento... : “É necessário aprender-se a amar, porquanto o amor também se aprende".

      Cel: amiga, o amor nem se ensina nem se aprende com palavras e exemplos; só desperta com esforço e trabalho próprios, e se o entendimento já tiver chegado ao ponto de compreender sua necessidade. No entanto, como a frase q vc citou diz q se pode aprender, deveríamos refletir e tentar entender como é q se aprende ou se ensina a amar.

      Si: No entanto, nem todos os seres, encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

      Cel: e qual é a causa de tão grande diferença q faz uns aptos e outros não e, em conseqüência, leva uns para a felicidade e outros para terríveis sofrimentos? Dessa falta de aptidão para amar, caberá responsabilidade ao homem?
Se não cabe, qual será a razão da existência da divina lei de causa e efeito, q nos traz terríveis conseqüências?
.........................................................


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 14:15
      Moisés de Cerq    (ref #360)

      O amigo Moisés trouxe o texto “A suave poesia de Jesus”, com sugestivas palavras do Mestre, e uma tentativa de dar-lhes, frase por frase, uma interpretação ou explicação correta, q passamos a comentar:

      Essa interpretação está cheia de sábios conselhos para q todos tenhamos um mundo e um futuro melhor; desses, cito os seguintes:
      - seja simples e humilde,
      - seja desprendido, pois tudo Pai nos dará,   
      - persevere sempre nos seus intentos de melhorar,
      - analise-se para descobrir seus defeitos e vícios,
      - seja caridoso,
      - acolha os irmãos necessitados,
      - trate a todos com delicadeza,
      - perdoe aqueles q fazem o mal a vc e a seus queridos,
      - com eles, seja pacífico, e seja justo (!),     
      - abandone a inércia, a preguiça e trabalhe em benefício dos seus e do demais,
      - não pratique nunca o mal,
      - seja resistente a essas tentações,
      - tenha fé; acredite q tudo Deus proverá,
      - seja honesto,
      - somente se interesse por aquilo q eleva e ilumina,

      É um texto de Luiz Gonzaga Pinheiro, repleto de ensinamentos belos, sugestivos, portadores de esperanças de um mundo melhor e mais pacífico e de felicidades para todos. Nos diz, com palavras elevadas, <o que> devemos fazer para q a vida e o mundo sejam melhor para todos. No entanto, lhe falta alguma coisa, mais importante do q ensinar <o que> fazer; lhe falta ensinar o <como> fazer.

      Pois quem sabe <como> encher de amor seu coração, quem sabe <como> adquirir compreensão e vontade para fazer tudo isso?

      O <como> nunca é ensinado. Ninguém, nem qualquer crença ou religião, sem exceção, sabe o <como> fazer!
.....................................


Olá Coronel

O Como fazer está explícito

Praticando o verbo do amor
colocando em prática os ensinos em conformidade com nossas capacidades

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 14:24
      Moisés de Cerq    (ref #390)

      O amigo Moisés escreveu: ... não entendi sua pergunta inicial
mas eu digito as vezes diretamente com estes caracteres [ quote ][ /quote ]
e a mensagem no meio...ou [ b][/b ] e o que eu quero em negrito no meio...
(tem que ser juntos sem espaços)

    Cel: é q suas msg têm vindo com linhas sublinhadas e com fonte de cor fraca e, nem o sublinhado, nem a cor da fonte, consigo mudar! O q será isso?

      Cel: amigo, agora fui eu q não compreendi, essa sua colocação  “ mas Jesus disse que se nossos filhos nos pedem pão, não lhes daremos uma serpente...”.

      Moisés: O Amor é verbo que se conjuga
logo a questão da reciprocidade
e em se falando em Amor
melhor ainda

      Cel: concordo, Moisés, melhor ainda pois mostra q o outro foi sensível ao ato amoroso recebido; mas, a reciprocidade não é necessária e nem se pensa nela, se o amor é genuíno.

      Abraços



Concordo Coronel...boas observações estas suas...
Observemos!
A flor é reciproca?
estas formas que criam as plantas em suas épocas de reproduções
atendem suas necessidades para perpetuarem-se

bem na verdade não estamos a pescar e reciprocidade
aqui ou acolá, se a reciprocidade está em nós.
e nem nos dará a reciprocidade aquele que não a possui...
" Flores ou espinhos!"
mas observando um Jardim
repleto de variadas espécies e com suas flores de multiplas formas,
a de se observar que não esperam a reciprocidade,
mas
por serem genuínas, dão se coletivamente
o ambiente favorece
os afins se beneficiam uns aos outros
pelo próprio carater que se lhes infundiram.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 28 de Maio de 2012, 14:26
      Amigos,

      Moisés de Cerq     (ref #386)

      Amigo de Cerqueira, bom dia.
 
      Na msg de referência, foi colocado:

      “Em se falando de amor... não poderemos jamais esquecer do matrimônio...namoro...união... esta força que nos remete ao outro.  Mas existe sim amor entre Homem e Mulher e como existe”.

       Cel: amigos, já q falamos de amor, sentimento de mãe para o filhinho, entre homem e mulher, ou com relação ao próximo ou ao q seja, me permitam dizer q ninguém, nem o mundo, senão aqueles q chegaram “lá”, conhecem o <verdadeiro> amor.  Antes de chegar a se desfazer das chamadas imperfeições, dos apegos aos ilusórios atrativos do mundo, esse sentimento será apenas um pseudo-amor, afeto, amizade, admiração, respeito, atração por alguém ou algo, desejo, dependência, gratidão; esse sentimento estará, sempre, relacionado a uma condição. Logo, não é amor genuíno, pois este é incondicional. 
.............................................

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 14:27
Boa noite a todos

A Caridade Material e a Caridade Moral

"Amemo-nos uns aos outros e façamos aos outros o que quereríamos nos fizessem eles."

Toda a religião, toda a moral se acham encerradas nestes dois preceitos. Se fossem observados nesse mundo, todos seríeis felizes: não mais aí ódios, nem ressentimentos.

Direi ainda: não mais pobreza, porquanto, do supérfluo da mesa de cada rico, muitos pobres se alimentariam e não mais veríeis, nos quarteirões sombrios onde habitei durante a minha última encarnação, pobres mulheres arrastando consigo miseráveis crianças a quem tudo faltava.

Ricos! pensai nisto um pouco. Auxiliai os infelizes o melhor que puderdes. Dai, para que Deus, um dia, vos retribua o bem que houverdes feito, para que tenhais, ao sairdes do vosso invólucro terreno, um cortejo de Espíritos agradecidos, a receber-vos no limiar de um mundo mais ditoso.

Se pudésseis saber da alegria que experimentei ao encontrar no Além aqueles a quem, na minha última existência, me fora dado servir!...

Amai, portanto, o vosso próximo; amai-o como a vós mesmos, pois já sabeis, agora, que, repelindo um desgraçado, estareis, quiçá, afastando de vós um irmão, um pai, um amigo vosso de outrora. Se assim for, de que desespero não vos sentireis presa, ao reconhecê-lo no mundo dos Espíritos!

Desejo compreendais bem o que seja a caridade moral, que todos podem praticar, que nada custa, materialmente falando, porém, que é a mais difícil de exercer-se.

A caridade moral consiste em se suportarem umas às outras as criaturas e é o que menos fazeis nesse mundo inferior, onde vos achais, por agora, encarnados. Grande mérito há, crede-me, em um homem saber calar-se, deixando fale outro mais tolo do que ele. É um gênero de caridade isso. Saber ser surdo quando uma palavra zombeteira se escapa de uma boca habituada a escarnecer; não ver o sorriso de desdém com que vos recebem pessoas que, muitas vezes erradamente, se supõem acima de vós, quando na vida espírita, a única real, estão, não raro, muito abaixo, constitui merecimento, não do ponto de vista da humildade, mas do da caridade, porquanto não dar atenção ao mau proceder de outrem é caridade moral.

Essa caridade, no entanto, não deve obstar à outra. Tende, porém, cuidado, principalmente em não tratar com desprezo o vosso semelhante. Lembrai-vos de tudo o que já vos tenho dito: Tende presente sempre que, repelindo um pobre, talvez repilais um Espírito que vos foi caro e que, no momento, se encontra em posição inferior à vossa.

Encontrei aqui um dos pobres da Terra, a quem, por felicidade, eu pudera auxiliar algumas vezes, e ao qual, a meu turno, tenho agora de implorar auxílio.

Lembrai-vos de que Jesus disse que todos somos irmãos e pensai sempre nisso, antes de repelirdes o leproso ou o mendigo. Adeus, pensai nos que sofrem e orai. Irmã Rosália. (Paris, 1860.)

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.



ken

Novamente valeu

Ken
ressalto esta passagem do texto, que nos levará a fortes reflexões;

Encontrei aqui um dos pobres da Terra, a quem, por felicidade, eu pudera auxiliar algumas vezes, e ao qual, a meu turno, tenho agora de implorar auxílio.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 14:30

Olá Moises,

Conhecimento de Si Mesmo

919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?

"Um sábio da antigüidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo."

a) - Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?

"Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar.

Perguntai ainda mais: "Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?"

"Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado.

"O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual. Mas, direis, como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhosos julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, inquiri como a qualificaríeis, se praticada por outra pessoa. Se a censurais noutrem, não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor, pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca ao vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. Perscrute, conseguintemente, a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas; dê balanço no seu dia moral para, a exemplo do comerciante, avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.

"Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços? Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. Ora, esta exatamente a idéia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo, visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro, de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma. Por isso foi que primeiro chamamos a vossa atenção por meio de fenômenos capazes de ferir-vos os sentidos e que agora vos damos instruções, que cada um de vós se acha encarregado de espalhar. Com este objetivo é que ditamos O Livro dos Espíritos."

SANTO AGOSTINHO.

Comentário de Kardec: Muitas faltas que cometemos nos passam despercebidas. Se, efetivamente, seguindo o conselho de Santo Agostinho, interrogássemos mais amiúde a nossa consciência, veríamos quantas vezes falimos sem que o suspeitemos, unicamente por não perscrutarmos a natureza e o móvel dos nossos atos.
A forma interrogativa tem alguma coisa de mais preciso do que qualquer máxima, que muitas vezes deixamos de aplicar a nós mesmos. Aquela exige respostas categóricas, por um sim ou não, que não abrem lugar para qualquer alternativa e que são outros tantos argumentos pessoais. E, pela soma que derem as respostas, poderemos computar a soma de bem ou de mal que existe em nós.

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 76.ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1995. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.



Olá Ken

Ontem mesmo fiz menção a esta passagem de Santo Agostinho
estávamos numa aula (encontro) sobre o O Livro dos Médiuns
Estes exames diários, estas reflexões sobre os nossos atos
muito nos ajudarão

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 14:33
      Si     (ref #374)

      Amiga, por favor, não estranhe tantas perguntas; a intenção é fazer refletir pois, pela reflexão, podemos melhor compreender o q estudamos ou falamos.

      Si, nossa nova amiga, escreveu: Mais um complemento... : “É necessário aprender-se a amar, porquanto o amor também se aprende".

      Cel: amiga, o amor nem se ensina nem se aprende com palavras e exemplos; só desperta com esforço e trabalho próprios, e se o entendimento já tiver chegado ao ponto de compreender sua necessidade. No entanto, como a frase q vc citou diz q se pode aprender, deveríamos refletir e tentar entender como é q se aprende ou se ensina a amar.

      Si: No entanto, nem todos os seres, encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

      Cel: e qual é a causa de tão grande diferença q faz uns aptos e outros não e, em conseqüência, leva uns para a felicidade e outros para terríveis sofrimentos? Dessa falta de aptidão para amar, caberá responsabilidade ao homem?
Se não cabe, qual será a razão da existência da divina lei de causa e efeito, q nos traz terríveis conseqüências?
.........................................................




Olá Coronel
Aproveitando sua análise
apenas exponho meu entendimento

Peso que o Amor se ensina sim
Aja visto denominar-mos Jesus e tantos outros que nos vocacionam para o bem,
de Mestres
O Mestre Divino
O Mestre da Arte
O Mestre da escrita
O Mestre da música

Enfim

O Amor se ensina sim...ao meu ver.


E o Mestres dos Mestres
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 14:39
      Amigos,

      Moisés de Cerq     (ref #386)

      Amigo de Cerqueira, bom dia.
 
      Na msg de referência, foi colocado:

      “Em se falando de amor... não poderemos jamais esquecer do matrimônio...namoro...união... esta força que nos remete ao outro.  Mas existe sim amor entre Homem e Mulher e como existe”.

       Cel: amigos, já q falamos de amor, sentimento de mãe para o filhinho, entre homem e mulher, ou com relação ao próximo ou ao q seja, me permitam dizer q ninguém, nem o mundo, senão aqueles q chegaram “lá”, conhecem o <verdadeiro> amor.  Antes de chegar a se desfazer das chamadas imperfeições, dos apegos aos ilusórios atrativos do mundo, esse sentimento será apenas um pseudo-amor, afeto, amizade, admiração, respeito, atração por alguém ou algo, desejo, dependência, gratidão; esse sentimento estará, sempre, relacionado a uma condição. Logo, não é amor genuíno, pois este é incondicional. 
.............................................



Não vou dizer Pseudo
Por não ser falso
mesmo que seja preciso

O amor como a cor
possui suas matizes

Como a luz
possui intensidades

Em se formando o amor em nós
trás a nós o que é preciso
para alcançá-lo em sua plenitude.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 28 de Maio de 2012, 14:50
Bom dia a todos

Amai-Vos


"Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade." - João. (I JOÃO, 3:18.)

Por norma de fraternidade pura e sincera, recomenda a Palavra Divina: "Amai-vos uns aos outros."

Não determina seleções.

Não exalta conveniências.

Não impõe condicionais.

Não desfavorece os infelizes.

Não menoscaba os fracos.

Não faz privilégios.

Não pede o afastamento dos maus.

Não desconsidera os filhos do lar alheio.

Não destaca a parentela consangüínea.

Não menospreza os adversários.

E o apóstolo acrescenta: "Não amemos de palavra, mas através das obras, com todo o fervor do coração."

O Universo é o nosso domicílio.

A Humanidade é a nossa família.

Aproximemo-nos dos piores, para ajudar.

Aproximemo-nos dos melhores, para aprender.

Amarmo-nos, servindo uns aos outros, não de boca, mas de coração, constitui para nós todos o glorioso caminho de ascensão.


XAVIER, Francisco Cândido. Vinha de Luz.
Pelo Espírito Emmanuel. 14.ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1996. Capítulo 130.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 28 de Maio de 2012, 18:00
      Amigos foristas,     

      O amigo Moisés, em msg #408, cita Ken, q trouxe o texto: “Conquista Íntima”, q fala sobre os estados enfermiços da alma.

      Texto:  “... E a impaciência, que tantas vezes gera rixas inúteis, é um deles, pedindo o específico da calma que a desterre do mundo íntimo.

      Cel: amigos, me permitam perguntar: se a impaciência é uma “enfermidade” da alma, como é q a adquirimos? Nós mesmos, por livre e espontânea vontade, escolhemos inocular em nós o vírus dessa doença? E o remédio específico, a calma, como substituirmos em nós a impaciência por ele? Basta querer e afirmar: a partir de amanhã vou deixar de ser impaciente e serei sempre calmo?

      Texto: Como, porém, obter a serenidade, quando somos impulsivos por vocação ou por hábito?

      Cel: aqui bem cabe outra questão: porq será q hábitos e vocações são desiguais entre os homens? Porq uns os terão voltados para o bem e outros, para o mal?

      Texto: Justo lembrar que assim como nos acomodamos, obedientes, para ouvir o professor trazido a ensinar-nos, é forçoso igualmente assentar a emotividade, na carteira do raciocínio, a fim de educá-la, educando-nos; e, aplicando os princípios de fraternidade e de amor que abraçamos, convidaremos os nossos próprios sentidos à necessária renovação.
      Aprenderemos, por fim, que, diante da crítica, estamos convocados à demonstração de benevolência; diante da censura, é preciso exercer a bondade; à frente do pessimismo, somos induzidos a cultivar a esperança; ante a condenação, somos indicados à bênção; e que, renteando com quaisquer aparências do mal, é imperioso pensar no bem, dispondo-nos a servi-lo.
      Entregando-nos com sinceridade a semelhantes exercícios de compreensão e tolerância, estaremos em aula profícua, para a aquisição de valores eternos no terreno do espírito.
     É assim que, em matéria de paciência, se a paciência nos foge, urge reconhecer que, perante as circunstâncias mais constrangedoras da vida, estamos, todos nós, no justo momento de conquistá-la.
     
      Cel: o restante do texto exige pergunta igual à acima.  É necessário q observemos q, milhares de msg, textos, etc, de religiões, crenças e doutrinas, sempre nos dizem, ou ensinam,  <o que fazer> para sermos melhores sob todos os aspectos: seja paciente e calmo; transforme seu maus hábitos e más inclinações, em hábitos e vocações para o bem; não perca a serenidade, não seja impulsivo nem emotivo; ante a crítica, seja benevolente; cultive a esperança, convença-se de q esse é o caminho certo a seguir... e muitas coisas mais.

      Contudo, ninguém e nenhuma religião nos ensinam o <como fazer>... e, não ensinam porq não sabem.   

      De que adianta saber <o que> fazer se não se sabe o <como> fazer.
............................................


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 18:09
Bom dia a todos

Amai-Vos


"Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade." - João. (I JOÃO, 3:18.)

Por norma de fraternidade pura e sincera, recomenda a Palavra Divina: "Amai-vos uns aos outros."

Não determina seleções.

Não exalta conveniências.

Não impõe condicionais.

Não desfavorece os infelizes.

Não menoscaba os fracos.

Não faz privilégios.

Não pede o afastamento dos maus.

Não desconsidera os filhos do lar alheio.

Não destaca a parentela consangüínea.

Não menospreza os adversários.

E o apóstolo acrescenta: "Não amemos de palavra, mas através das obras, com todo o fervor do coração."

O Universo é o nosso domicílio.

A Humanidade é a nossa família.

Aproximemo-nos dos piores, para ajudar.

Aproximemo-nos dos melhores, para aprender.

Amarmo-nos, servindo uns aos outros, não de boca, mas de coração, constitui para nós todos o glorioso caminho de ascensão.


XAVIER, Francisco Cândido. Vinha de Luz.
Pelo Espírito Emmanuel. 14.ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1996. Capítulo 130.



Olá ken

Emmanuel possui a qualidade de bem escrever
cirurgicamente

Com precisão

Com endereço certo

Valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Maio de 2012, 18:15
      Amigos foristas,     

      O amigo Moisés, em msg #408, cita Ken, q trouxe o texto: “Conquista Íntima”, q fala sobre os estados enfermiços da alma.

      Texto:  “... E a impaciência, que tantas vezes gera rixas inúteis, é um deles, pedindo o específico da calma que a desterre do mundo íntimo.

      Cel: amigos, me permitam perguntar: se a impaciência é uma “enfermidade” da alma, como é q a adquirimos? Nós mesmos, por livre e espontânea vontade, escolhemos inocular em nós o vírus dessa doença? E o remédio específico, a calma, como substituirmos em nós a impaciência por ele? Basta querer e afirmar: a partir de amanhã vou deixar de ser impaciente e serei sempre calmo?

      Texto: Como, porém, obter a serenidade, quando somos impulsivos por vocação ou por hábito?

      Cel: aqui bem cabe outra questão: porq será q hábitos e vocações são desiguais entre os homens? Porq uns os terão voltados para o bem e outros, para o mal?

      Texto: Justo lembrar que assim como nos acomodamos, obedientes, para ouvir o professor trazido a ensinar-nos, é forçoso igualmente assentar a emotividade, na carteira do raciocínio, a fim de educá-la, educando-nos; e, aplicando os princípios de fraternidade e de amor que abraçamos, convidaremos os nossos próprios sentidos à necessária renovação.
      Aprenderemos, por fim, que, diante da crítica, estamos convocados à demonstração de benevolência; diante da censura, é preciso exercer a bondade; à frente do pessimismo, somos induzidos a cultivar a esperança; ante a condenação, somos indicados à bênção; e que, renteando com quaisquer aparências do mal, é imperioso pensar no bem, dispondo-nos a servi-lo.
      Entregando-nos com sinceridade a semelhantes exercícios de compreensão e tolerância, estaremos em aula profícua, para a aquisição de valores eternos no terreno do espírito.
     É assim que, em matéria de paciência, se a paciência nos foge, urge reconhecer que, perante as circunstâncias mais constrangedoras da vida, estamos, todos nós, no justo momento de conquistá-la.
     
      Cel: o restante do texto exige pergunta igual à acima.  É necessário q observemos q, milhares de msg, textos, etc, de religiões, crenças e doutrinas, sempre nos dizem, ou ensinam,  <o que fazer> para sermos melhores sob todos os aspectos: seja paciente e calmo; transforme seu maus hábitos e más inclinações, em hábitos e vocações para o bem; não perca a serenidade, não seja impulsivo nem emotivo; ante a crítica, seja benevolente; cultive a esperança, convença-se de q esse é o caminho certo a seguir... e muitas coisas mais.

      Contudo, ninguém e nenhuma religião nos ensinam o <como fazer>... e, não ensinam porq não sabem.   

      De que adianta saber <o que> fazer se não se sabe o <como> fazer.
............................................




Olá Coronel

Suas observações apontam para uma qualidade
a de que lê e medita
e busca algo no que medita

O Como fazer está escancarado
devemos substituir as ações antigas pelas ações das lições novas
tornar hábito

Fazer
Realizar
Registrar
Praticar
promover

e ai vai

Obrigado pelas suas reflexões
Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 28 de Maio de 2012, 18:28
      Moisés de Cerq    (ref #416)

      O amigo trouxe o texto “Se Amar Fosse Fácil!”

      Cel: isso, é evidente, acontece com todos os q estão ainda apegados aos atrativos do mundo, com aqueles q, ainda, não tem verdadeiro amor despertado em seu coração. Tb não se ama bem ou mal; amor não tem categorias, nem gradações. Issó so existe com aquilo a q, os homens, erradamente, dão o nome de amor.

      Texto:  Mas, o amor é sentimento que depende de um "eu quero",

      Cel: percebam, meus amigos q, aí, há outro equívoco pois, nem mesmo aquilo a q, erradamente, damos o nome de amor, depende de um simples “eu quero”; há tantas condições a serem consideradas inclusive para q exista afeto, amizade, respeito, atração, admiração, gratidão...

      Texto: Por isso, o amor é difícil.
Mas, não se ama por ser fácil,
Ama-se porque é preciso!

      Cel: Se se ama porq é <preciso> amar, esse amor será apenas algo como uma obrigação ou dever, ou desejo de conquistar méritos; logo, um falso amor.
...........................................


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Mizica em 29 de Maio de 2012, 04:29
 :) Ola!

Caro Moisés. Venho aqui novamente, deixar minha humilde contribuição para o seu belo trabalho. Apresento um texto que me instigou a reflexão e pensei em compartilhar com todos. Espero seja do agrado de alguns, quiça de muitos, mas talvez certamente não será de todos. Mesmo assim, leiam...
Vejo estar próxima a conclusão desse projeto. Parabenizo-o, caro irmão, pela condução do estudo esperando vê-lo mais amiúde e em outros trabalhos do FE. Obrigada por tudo.

Partilho o texto a seguir ...

Meu carinho e admiração
Mizica

O AMOR É A FORÇA MAIS ABSTRATA E MAIS PODEROSA QUE O MUNDO POSSUI (GANDHI)

O Evangelista João anotou na sua magna escritura que Deus é amor. O vidente de Patmos expôs que o Divino mestre indicou um novo mandamento: “Que nos amássemos uns aos outros como Ele nos amou, pois somente assim nos reconheceríamos como discípulos do Cristo.”.(1) Nas instruções dos Benfeitores, aprendemos que o amor e a sabedoria são duas asas que nos conduzem ao pináculo da evolução. Essas alegorias são identificadas como desenvolvimento moral e avanço intelectual; ambas são imperativas ao avanço espiritual, sendo lícito, porém, ponderar a ascendência do amor sobre a ciência, uma vez que o componente intelectivo sem amor pode proporcionar abundantes perspectivas de queda, na reprodução das provas, enquanto que o progresso moral nunca será demasiado, fortalecendo a essência mais admirável das potências espirituais.
A presente geração, amputada de maiores anseios espirituais, intrinsecamente hedonista, sensual, consumista, conferindo a si mesma as mais elevadas aquisições de caráter prático na província da razão, produziu os mais extensos desequilíbrios nos cursos evolutivos do planeta, com o seu imperdoável alheamento do amor.
Diz-se que “o amor é a força mais abstrata e, também, a mais poderosa que o mundo possui”, consoante afirmou Mahatma Gandhi, e nessa confiança, o iluminado da Índia conseguiu sozinho neutralizar o ódio de milhões de compatrícios jugulados sob o tacão do império britânico.
"A natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado".(2) Alguns estudiosos pragmáticos afirmam que o "amor" é a decorrência de ajustada reação química conduzida pelo cérebro. Nos argumentos inconsistentes, os "especialistas" propõem uma análise dos sentimentos apenas como resultante de um aglomerado de forças nervosas, movimentando células físicas geridas pela combinação de substâncias neurotransmissoras. Obviamente o amor não se traduz nisso.
Até porque o amor não se deixa decifrar, repelindo toda tentativa de definição. Por isso, a poesia, campo mítico por excelência, encontra, na metáfora, a tradução melhor da paixão, como se esta fosse o amor. Nesse imbróglio, o psiquiatra William Menninger, dos EUA, vociferou: "o amor é um sentimento que a gente sente quando sente que vai sentir um sentimento que jamais sentiu".(!) (3)

Esse vazio conceptual deve-se à dificuldade de manifestação do amor na forma de solidariedade e fraternidade no mundo contemporâneo. A ampliação dos centros urbanos cunhou a “Era da alienação”, a síndrome da multidão solitária, das adesões afetivas frágeis. As pessoas estão lado a lado, mas suas relações são de contiguidade e brutal desconfiança.
O verdadeiro amor é o convite para banir o egoísmo. Se a pessoa for muito centrada em si, não será capaz de ouvir o apelo do próximo. É a sublimidade dos bons sentimentos dirigidos ao outro, porém, sem que haja limites ou condições para que expressemos tais sentimentos de vínculo fraterno; é o abraço, o olhar sereno, o aperto de mão, as palavras de ânimo e respeito, os ouvidos atentos para ouvir serenamente; tudo isso em função do semelhante, contudo, sem que venhamos impor ao próximo que nos recompense; e, mais ainda, que todo esse sentimento possa alcançar as pessoas, não apenas nossos consanguíneos, mas também amigos próximos e companheiros de jornada humana.
Em síntese, tudo o que possamos idealizar sobre o amor pode se consubstanciar como parcela deste sentimento, mas ele é muito maior e mais abrangente, até porque o bem-querer, a bondade, a tolerância, a alegria, a proximidade só poderão ser um fragmento do amor quando não tiverem laços no apego, na imperiosa necessidade de permuta, no egoísmo que exigem sempre condições e regras.
Em suma, o amor só será verdadeiro e incondicional quando for dilatado por todos nós, a todas as coisas e a todos os seres que nos cercam, nessa estupenda experiência humana que é a própria vida.
                                                                                                                         Jorge Hessen                                                                                                                                                                   
Referência bibliográficas:                                                                             
(1) (João:13 vs 34-35)
(2) Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed FEB , 2000, questão 938-a
(3) Menninger, William. ABC da psiquiatria, São Paulo: Editora IBRASA, 1973
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 29 de Maio de 2012, 09:50
[Attachimg=1 align=center]

Como alguém disse e escreveu:

- Ante as tribulações a fé e o amor em Cristo e a ansia de viver mais.

Exatamente quando é o contrário que tenta tomar conta de nós. 
Por isso é que quando vem um momento de reflexão todo o espírito se acalma.
Aproveito já para felicitá-lo Moisés pela maneira vivaz com que coordenou este tema que é inesgotável. Como é bom poder comunicar um pouco que seja e por isso a presença de todos é valorosa.

Um Bem-haja  a todos, sempre.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Maio de 2012, 12:54
                                                                     VIVA JESUS!



         Bom-dia! queridos irmãos.


                 Problemas do amor

 "...que vosso amor cresça cada vez mais  no pleno conhecimento e
em todo o discernimento." – Paulo (Filipenses, 1:9.)


O amor é a força divina do Universo.

É imprescindível, porém, muita vigilância para que não a desviemos na justa aplicação.

Quando um homem se devota, de maneira absoluta, aos seus cofres perecíveis, essa energia, no coração dele, denomina-se "avareza"; quando se atormenta, de modo exclusivo, pela defesa do que possui, julgando-se o centro da vida, no  lugar em que se encontra, essa mesma força converte-se nele em "egoísmo"; quando só vê motivos para louvar o que representa, o que sente e o que faz, com manifesto desrespeito pelos  valores alheios, o sentimento que predomina em sua órbita chama-se "inveja".

Paulo, escrevendo à amorosa comunidade filipense, formula indicação de elevado alcance. Assegura que "o amor deve crescer, cada vez mais, no conhecimento e no discernimento, a fim de que o aprendiz possa aprovar as coisas que são excelentes".

Instruamo-nos, pois, para conhecer.

Eduquemo-nos para discernir.

Cultura intelectual e aprimoramento moral são imperativos da vida, possibilitando-nos a manifestação do amor, no império da sublimação que nos aproxima de Deus.

Atendamos ao conselho apostólico e cresçamos em valores espirituais para a eternidade, porque, muitas vezes, o nosso amor é simplesmente querer e tão-somente com o "querer" é possível desfigurar, impensadamente, os mais belos quadros da vida.

 

Do cap. 91 do livro Fonte Viva, de Emmanuel, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.







                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 29 de Maio de 2012, 13:08
Bom dia a todos

Amai os vossos Inimigos

Amar os inimigos é, para o incrédulo, um contra-senso. Aquele para quem a vida presente é tudo, vê no seu inimigo um ser nocivo, que lhe perturba o repouso e do qual unicamente a morte pensa ele, o pode livrar. Daí, o desejo de vingar-se. Nenhum interesse tem em perdoar, senão para satisfazer o seu orgulho perante o mundo. Em certos casos, perdoar-lhe parece mesmo uma fraqueza indigna de si. Se não se vingar, nem por isso deixará de conservar rancor e secreto desejo de mal para o outro.

Para o crente e, sobretudo, para o espírita, muito diversa é a maneira de ver, porque suas vistas se lançam sobre o passado e sobre o futuro, entre os quais a vida atual não passa de um simples ponto. Sabe ele que, pela mesma destinação da Terra, deve esperar topar aí com homens maus e perversos; que as maldades com que se defronta fazem parte das provas que lhe cumpre suportar e o elevado ponto de vista em que se coloca lhe torna menos amargas as vicissitudes, quer advenham dos homens, quer das coisas. Se não se queixa das provas, tampouco deve queixar-se dos que lhe servem de instrumento. Se, em vez de se queixar, agradece a Deus o experimentá-lo, deve também agradecer a mão que lhe dá ensejo de demonstrar a sua paciência e a sua resignação. Esta idéia o dispõe naturalmente ao perdão. Sente, além disso, que quanto mais generoso for. tanto mais se engrandece aos seus próprios olhos e se põe fora do alcance dos dardos do seu inimigo.

O homem que no mundo ocupa elevada posição não se julga ofendido com os insultos daquele a quem considera seu inferior. O mesmo se dá com o que, no mundo moral, se eleva acima da humanidade material. Este compreende que o ódio e o rancor o aviltariam e rebaixariam. Ora, para ser superior ao seu adversário, preciso é que tenha a alma maior, mais nobre, mais generosa do que a desse último.


KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo 12. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 29 de Maio de 2012, 20:04
"Amor  paz,gentileza gera gentileza".Isso se lia em um cartaz que era conduzido por  pessoa
que se tornou muito querido pelo povo carioca e que ficou conhecido como:" O Profeta Gentile-
-za,essas palavras escritas de uma forma até mesmo errada,era por assim dizer o seu mote de campanha pela paz e pelo amor,hoje dia 29 de Maio se homenageia esta figura.Na época,para alguns era um louco,para outros alguém que queria aparecer,mas ele seguia em frente com
esta sua missão em pedir pela paz,pelo amor e pela gentileza entre todos.
Conta-se não sei se verdadeiro,que este nosso irmão ,já desencarnado,era um empresário do
setor de transportes e que depois de sofrer uma grande desilusão,se vestiu todo de branco e
saiu pelas ruas do Rio de Janeiro como um eremita,conduzindo sempre um grande cartaz com
palavras escritas fazendo este chamamento,o nosso irmão Moura deve lembrar bem dele,pois
época já estava como eu nesta cidade.
fiquem na paz,no amor e gerando sempre gentileza.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 30 de Maio de 2012, 16:20
Bons Dias ( hoje já nem tento colocar uma carinhosa  imagem no começo, reconheço minha total incapacidade)

Encontrei o seguinte  texto nos meus CDS e vou partilhar se acharem bem.

Através dele fui ler o capítulo 18 do Nosso Lar “amor alimento das almas “ que vem de encontro a quase tudo que se falou aqui e até me lembrei de um outro debate do fórum Amor entre os casais espiritualizados. Lindo.
pena que dure só enquanto meditamos sobre.

Desculpem não sei se é só do meu computador mas tenho tido uns problemas para me ligar à net.

O AMOR É AGENTE DE CURA
Curar as doenças do ser  humano é algo que desafia incessantemente os homens de ciência. Isto se dá de forma permanente, porquanto ao lograrem bons resultados terapêuticos frente a esta ou àquela enfermidade, logo outra surge pondo à prova a inteligência e a persistência desses homens dedicados a minorar o sofrimento alheio.
Chega agora, e de forma bem categórica, o grande efeito curador do amor, tornando-se a exteriorização desse sentimento uma autêntica panacéia no meio científico.
O mais interessante desse novo tipo de "medicamento" é que ele não custa nada, pode ser ministrado por qualquer pessoa e se aplica com o paciente perto ou longe do seu curador.
Antes de curar com o amor, muitos médicos estudiosos do assunto chegaram a seguinte conclusão: quando se consegue que as pessoas curadoras amem a si mesmas, algumas coisas incrivelmente maravilhosas começam a acontecer, abrangendo não só o aspecto psicológico mas sobretudo o físico.
Ao tomar uma postura psicológica altamente positiva, o mundo físico do paciente sofre também alteração semelhante, melhora, cura-se. Necessário, assim, ao terapeuta induzir seus pacientes e a eles próprios a sentirem e expressarem o amor. Compete, antes de tudo, ao terapeuta, transmitir de forma persuasiva ao seu paciente que ele é amado pelo seu curador e que ele, doente é criatura digna de ser amada.
O amor é importante na cura porque é o mais significativo elemento da vida humana, constituindo-se, sem embargo, como a síntese da vida em sua expressão holística. Sugerimos a leitura do capítulo 18 do livro " Nosso Lar", da série André Luiz, psicografia de Chico Xavier, cujo título é "Amor - Alimento das Almas", edição da FEB.
O amor deve ser doado de forma espontânea, nunca compulsoriamente. Amar não se impõe, é um ato de livre escolha. Ninguém deve ser constrangido a amar, porque amar é movimentação energética do espírito que se transmite e somente assim o faz quem a tem; não se falsifica condição energética sem a ter.
Erroneamente se fala em "amor verdadeiro", o que levaria à suposição da existência do "amor falso". Ora, amor é amor, sem gradação alguma, e nós aduzimos: não se conjuga, em essência, o verbo amar no passado (eu amei), porque quem ama nunca deixa de amar. No presente e no futuro, tudo bem (eu amo, eu amarei) mas no passado, não. É uma heresia do amor.
Várias são as formas de passarmos a nos amar. Podemos recorrer à meditação, à oração, utilizar a música em busca do bem-estar interior ou simplesmente nos colocarmos diante de um espelho e dizermos a figura ali refletida que a ama, a quer muito, que ela é muito bela e que tudo fará por amá-la para sempre, com total fidelidade.
O trabalho do terapeuta é o de colocar o paciente de novo no caminho reto, ou seja, aquele caminho que o levará a se valorizar, auto perdoar-se e amar-se. Isto significa fazer com que o paciente se sinta capaz de contribuir para um mundo melhor, ofertando-lhe o seu amor.

continua

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 30 de Maio de 2012, 16:24
continuação

O contato físico para a cura (não é o sexual) tem significativa importância, é conveniente. E quando se ama, não se deve alimentar o receio de abraçar o paciente, demonstrar carinho por ele através do afago, da carícia, do toque afetivo.
O pior no trabalho de cura é a raiva, mais ainda a não expressa. Raiva não é ressentimento, como muitos possam crer. A raiva pode ser positiva, ao passo que a alimentação do ressentimento pode conduzir pessoas até mesmo ao crime. Aquilo que não se diz é, geralmente, o que mais dano provoca na criatura, doente ou candidata a adoecer.
Os nervos do ressentido se torna um gatilho prestes a disparar a exagerada sensibilidade, pronto a explodir por qualquer motivo insignificante, nessas horas apresentando um tipo de reação desproporcional ao fator desencadeador do ressentimento.
O verdadeiro terapeuta não é alguém que lança olhar superior sobre o doente, mas aquele que considera o trabalho de cura como um diálogo e um aprendizado, tanto para o paciente quanto para o curador. Paciente e terapeuta entram naturalmente num processo através do qual um termina por curar o outro, porque passa a haver entre os dois uma integração perfeita, um sentindo o que atinge o outro, tal o grau de confidência a que chegaram. Essa interação se dá quando existe algo favorável ou desfavorável que está sendo vivenciado por um dos dois.
Chegaram os estudiosos da terapia do amor à conclusão, até certo ponto já do conhecimento público, que o fundamental é amar o que se está fazendo. Sem isto é melhor não tentar essa atividade de cura, sob pena de haver um certo desgaste no paciente, sua descrença aflorar mais, sua impossibilidade, assim, de curar-se, de encontrar o seu próprio caminho.
Por índole ancestral o ser humano somente valoriza o que perde. Quando a coisa perdida está à plena disposição pouco ou nada significa.
A vida saudável e seu dinamismo pulsante dentro de nós não o percebemos quando estamos bem. Somente quando o véu da morte paira sobre a nossa cabeça nos chocamos com a possibilidade do seu envolvimento.
Recobrando a saúde, voltando a disposição de realizar, sentimo-nos gratos, lembramo-nos de Deus e a Ele costumamos agradecer quando alguém nos diz: "Como você está bem!". "Graças a Deus", é a nossa resposta, invariavelmente.
O que é a cura? É toda uma movimentação química que ocorre no interior das nossas células, conduzindo-nos à retomada da ligação com a vida na plenitude de nossa capacidade de ação.
Curar-se é alcançar maiores níveis de capacidade de amar a nós, ao próximo e à vida, é aquele estado que nos conduz à vida mais plena. Vamos, com isso, notando que curar-se é, em essência. um fenômeno espiritual, pelo fato de ter sua gênese no espírito saudável, feliz, que se ama. Devemos buscar objetivamente a saúde do espírito, e não apenas do corpo, sendo esse procedimento o que os médicos mais atualizados estão fazendo.
A síntese da mensagem de Jesus é que chegássemos ao patamar da nossa cura espiritual, ao dizer que prosseguíssemos vivendo e que não continuássemos pecando.

A cura analisada mais detidamente pelos pesquisadores da área ainda é um mistério. A medicina moderna apoia-se em observações que, em sua essência, são inexplicáveis. Chega-se à conclusão de que ninguém conhece a atuação de droga alguma. Lógico que a maioria dos médicos prefere ignorar que não sabe de fato o que ocorre, afirma apenas que tal remédio é eficiente, isso basta. Que importa, nessas horas, como se dá o restabelecimento do organismo, que mecanismo são acionados e como interagem? O cliente se curou ou foi curado, é tudo que basta.
A cura ainda permanece na fronteira existente entre o saber da ciência e a força do pensamento. É desta região, se assim podemos chamar, que se origina a cura. Chegar a este ponto crucial é o desafio existente.
No tratamento que conduz à cura existe um elemento que ultrapassa a técnica e que é fator vital unificador de todos os agentes e métodos de cura que só agora começa a ser explorado e utilizado - o amor.
O amor tem força curativa, porque leva ao relacionamento afetivo, a capacidade de nos fundir, de nos tornar unos, mesmo que seja por breves intervalos connosco mesmo, com o próximo, com a vida. " O amor é alimento das almas".
Disseram os autores do livro aqui utilizado como apoio ("Curar, Curar-se" organizado por Richard Carlson, Ph.D e Benjamin Shield, Editora Cultrix) que precisamos encontrar um estado de harmonia entre nossas consciências intuitiva e espiritual. Para tanto, é necessário termos em conta que o processo de cura envolve a comunhão de três forças: 1) Participação original e espontânea na vida, livre de julgamentos; 2) Perceber as profundezas de onde emana o nosso envolvimento com a Vida; e 3) Amar incondicionalmente.
Vale buscar a síntese do que acima acabamos de registrar, isto é, que amar é imprescindível e o maior amor que já esteve aqui chama-se Jesus. Urge vivermos seus ensinos como a única forma de curar-se e de nos curarmos. Quem se cura, pode curar. Agora, quem ainda não alcançou a própria cura...
O Espiritismo, pois, ensina a amar quando afirma a necessidade de praticarmos a caridade para atingirmos a felicidade de viver.

ADÉSIO ALVES MACHADO
Escritor, Orador e Radialista.
Autor dos livros: Ser, Crer e Crescer - Elucidações Para uma Vida Melhor;
Diálogo com Deus - Preces de MEIMEI Verdades que o tempo não apaga

confesso que hoje nem sequer devia estar aqui porque estou negando o que leio, mas enfim,os outros são mais importantes que eu.

até uma próxima

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 18:58
      Moisés de Cerq    (ref #416)

      O amigo trouxe o texto “Se Amar Fosse Fácil!”

      Cel: isso, é evidente, acontece com todos os q estão ainda apegados aos atrativos do mundo, com aqueles q, ainda, não tem verdadeiro amor despertado em seu coração. Tb não se ama bem ou mal; amor não tem categorias, nem gradações. Issó so existe com aquilo a q, os homens, erradamente, dão o nome de amor.

      Texto:  Mas, o amor é sentimento que depende de um "eu quero",

      Cel: percebam, meus amigos q, aí, há outro equívoco pois, nem mesmo aquilo a q, erradamente, damos o nome de amor, depende de um simples “eu quero”; há tantas condições a serem consideradas inclusive para q exista afeto, amizade, respeito, atração, admiração, gratidão...

      Texto: Por isso, o amor é difícil.
Mas, não se ama por ser fácil,
Ama-se porque é preciso!

      Cel: Se se ama porq é <preciso> amar, esse amor será apenas algo como uma obrigação ou dever, ou desejo de conquistar méritos; logo, um falso amor.
...........................................




Olá Coronel

Precisamos do Oxigênio
nos é preciso
nos matém

Assim disse osbre o Amor.

Existem técnicas de respirar corretamente
para o nosso bem
e nos ajuda muito

Muitas situações
nos são ofericido o oxigênio
por vias externas
e salva vidas

Assim é amor
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:09
:) Ola!

Caro Moisés. Venho aqui novamente, deixar minha humilde contribuição para o seu belo trabalho. Apresento um texto que me instigou a reflexão e pensei em compartilhar com todos. Espero seja do agrado de alguns, quiça de muitos, mas talvez certamente não será de todos. Mesmo assim, leiam...
Vejo estar próxima a conclusão desse projeto. Parabenizo-o, caro irmão, pela condução do estudo esperando vê-lo mais amiúde e em outros trabalhos do FE. Obrigada por tudo.

Partilho o texto a seguir ...

Meu carinho e admiração
Mizica

O AMOR É A FORÇA MAIS ABSTRATA E MAIS PODEROSA QUE O MUNDO POSSUI (GANDHI)

O Evangelista João anotou na sua magna escritura que Deus é amor. O vidente de Patmos expôs que o Divino mestre indicou um novo mandamento: “Que nos amássemos uns aos outros como Ele nos amou, pois somente assim nos reconheceríamos como discípulos do Cristo.”.(1) Nas instruções dos Benfeitores, aprendemos que o amor e a sabedoria são duas asas que nos conduzem ao pináculo da evolução. Essas alegorias são identificadas como desenvolvimento moral e avanço intelectual; ambas são imperativas ao avanço espiritual, sendo lícito, porém, ponderar a ascendência do amor sobre a ciência, uma vez que o componente intelectivo sem amor pode proporcionar abundantes perspectivas de queda, na reprodução das provas, enquanto que o progresso moral nunca será demasiado, fortalecendo a essência mais admirável das potências espirituais.
A presente geração, amputada de maiores anseios espirituais, intrinsecamente hedonista, sensual, consumista, conferindo a si mesma as mais elevadas aquisições de caráter prático na província da razão, produziu os mais extensos desequilíbrios nos cursos evolutivos do planeta, com o seu imperdoável alheamento do amor.
Diz-se que “o amor é a força mais abstrata e, também, a mais poderosa que o mundo possui”, consoante afirmou Mahatma Gandhi, e nessa confiança, o iluminado da Índia conseguiu sozinho neutralizar o ódio de milhões de compatrícios jugulados sob o tacão do império britânico.
"A natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado".(2) Alguns estudiosos pragmáticos afirmam que o "amor" é a decorrência de ajustada reação química conduzida pelo cérebro. Nos argumentos inconsistentes, os "especialistas" propõem uma análise dos sentimentos apenas como resultante de um aglomerado de forças nervosas, movimentando células físicas geridas pela combinação de substâncias neurotransmissoras. Obviamente o amor não se traduz nisso.
Até porque o amor não se deixa decifrar, repelindo toda tentativa de definição. Por isso, a poesia, campo mítico por excelência, encontra, na metáfora, a tradução melhor da paixão, como se esta fosse o amor. Nesse imbróglio, o psiquiatra William Menninger, dos EUA, vociferou: "o amor é um sentimento que a gente sente quando sente que vai sentir um sentimento que jamais sentiu".(!) (3)

Esse vazio conceptual deve-se à dificuldade de manifestação do amor na forma de solidariedade e fraternidade no mundo contemporâneo. A ampliação dos centros urbanos cunhou a “Era da alienação”, a síndrome da multidão solitária, das adesões afetivas frágeis. As pessoas estão lado a lado, mas suas relações são de contiguidade e brutal desconfiança.
O verdadeiro amor é o convite para banir o egoísmo. Se a pessoa for muito centrada em si, não será capaz de ouvir o apelo do próximo. É a sublimidade dos bons sentimentos dirigidos ao outro, porém, sem que haja limites ou condições para que expressemos tais sentimentos de vínculo fraterno; é o abraço, o olhar sereno, o aperto de mão, as palavras de ânimo e respeito, os ouvidos atentos para ouvir serenamente; tudo isso em função do semelhante, contudo, sem que venhamos impor ao próximo que nos recompense; e, mais ainda, que todo esse sentimento possa alcançar as pessoas, não apenas nossos consanguíneos, mas também amigos próximos e companheiros de jornada humana.
Em síntese, tudo o que possamos idealizar sobre o amor pode se consubstanciar como parcela deste sentimento, mas ele é muito maior e mais abrangente, até porque o bem-querer, a bondade, a tolerância, a alegria, a proximidade só poderão ser um fragmento do amor quando não tiverem laços no apego, na imperiosa necessidade de permuta, no egoísmo que exigem sempre condições e regras.
Em suma, o amor só será verdadeiro e incondicional quando for dilatado por todos nós, a todas as coisas e a todos os seres que nos cercam, nessa estupenda experiência humana que é a própria vida.
                                                                                                                         Jorge Hessen                                                                                                                                                                   
Referência bibliográficas:                                                                             
(1) (João:13 vs 34-35)
(2) Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed FEB , 2000, questão 938-a
(3) Menninger, William. ABC da psiquiatria, São Paulo: Editora IBRASA, 1973


Olá Mizica
Boa reflexão esta do Senhor Hessen

O Amor é a sede, a morada onde habita todos os sentimentos bons

É a estrutura ápice para a nossa edificação
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:13
Código: [Seleccione]
[attachimg = 1 align=center [attach=1][img][/img]]Como alguém disse e escreveu:
- Ante as tribulações a fé e o amor em Cristo e a ansia de viver mais.
Exatamente quando é o contrário que tenta tomar conta de nós. 
Por isso é que quando vem um momento de reflexão todo o espírito se acalma.
Aproveito já para felicitá-lo Moisés pela maneira vivaz com que coordenou este tema que é inesgotável. Como é bom poder comunicar um pouco que seja e por isso a presença de todos é valorosa.
Um Bem-haja  a todos, sempre.


Olá Oliva

Obrigado

este é um trabalho que pertence aos participantes
a todos nós

abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:17
                                                                     VIVA JESUS!



         Bom-dia! queridos irmãos.


                 Problemas do amor

 "...que vosso amor cresça cada vez mais  no pleno conhecimento e
em todo o discernimento." – Paulo (Filipenses, 1:9.)


O amor é a força divina do Universo.

É imprescindível, porém, muita vigilância para que não a desviemos na justa aplicação.

Quando um homem se devota, de maneira absoluta, aos seus cofres perecíveis, essa energia, no coração dele, denomina-se "avareza"; quando se atormenta, de modo exclusivo, pela defesa do que possui, julgando-se o centro da vida, no  lugar em que se encontra, essa mesma força converte-se nele em "egoísmo"; quando só vê motivos para louvar o que representa, o que sente e o que faz, com manifesto desrespeito pelos  valores alheios, o sentimento que predomina em sua órbita chama-se "inveja".

Paulo, escrevendo à amorosa comunidade filipense, formula indicação de elevado alcance. Assegura que "o amor deve crescer, cada vez mais, no conhecimento e no discernimento, a fim de que o aprendiz possa aprovar as coisas que são excelentes".

Instruamo-nos, pois, para conhecer.

Eduquemo-nos para discernir.

Cultura intelectual e aprimoramento moral são imperativos da vida, possibilitando-nos a manifestação do amor, no império da sublimação que nos aproxima de Deus.

Atendamos ao conselho apostólico e cresçamos em valores espirituais para a eternidade, porque, muitas vezes, o nosso amor é simplesmente querer e tão-somente com o "querer" é possível desfigurar, impensadamente, os mais belos quadros da vida.

 

Do cap. 91 do livro Fonte Viva, de Emmanuel, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.







                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!

OLá Dom

Valeu pelo texto

Citar Paulo de Tarso
é buscar fontes valiosas para o bem da nossa instrução

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:23
Bom dia a todos

Amai os vossos Inimigos

Amar os inimigos é, para o incrédulo, um contra-senso. Aquele para quem a vida presente é tudo, vê no seu inimigo um ser nocivo, que lhe perturba o repouso e do qual unicamente a morte pensa ele, o pode livrar. Daí, o desejo de vingar-se. Nenhum interesse tem em perdoar, senão para satisfazer o seu orgulho perante o mundo. Em certos casos, perdoar-lhe parece mesmo uma fraqueza indigna de si. Se não se vingar, nem por isso deixará de conservar rancor e secreto desejo de mal para o outro.

Para o crente e, sobretudo, para o espírita, muito diversa é a maneira de ver, porque suas vistas se lançam sobre o passado e sobre o futuro, entre os quais a vida atual não passa de um simples ponto. Sabe ele que, pela mesma destinação da Terra, deve esperar topar aí com homens maus e perversos; que as maldades com que se defronta fazem parte das provas que lhe cumpre suportar e o elevado ponto de vista em que se coloca lhe torna menos amargas as vicissitudes, quer advenham dos homens, quer das coisas. Se não se queixa das provas, tampouco deve queixar-se dos que lhe servem de instrumento. Se, em vez de se queixar, agradece a Deus o experimentá-lo, deve também agradecer a mão que lhe dá ensejo de demonstrar a sua paciência e a sua resignação. Esta idéia o dispõe naturalmente ao perdão. Sente, além disso, que quanto mais generoso for. tanto mais se engrandece aos seus próprios olhos e se põe fora do alcance dos dardos do seu inimigo.

O homem que no mundo ocupa elevada posição não se julga ofendido com os insultos daquele a quem considera seu inferior. O mesmo se dá com o que, no mundo moral, se eleva acima da humanidade material. Este compreende que o ódio e o rancor o aviltariam e rebaixariam. Ora, para ser superior ao seu adversário, preciso é que tenha a alma maior, mais nobre, mais generosa do que a desse último.


KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo 12. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet.org.br.



OLá Ken

Mais um texto da Coodificação

e como sempre as razões estão expostas
para a prática do Amor

No "passado" e  "futuro"
colocações claras que apontam o alcance dos ensinos espíritas
esclarecendo-nos o motivo real do ensino Maior

Amar

ainda mais na questão dos inimigos

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:27
"Amor  paz,gentileza gera gentileza".Isso se lia em um cartaz que era conduzido por  pessoa
que se tornou muito querido pelo povo carioca e que ficou conhecido como:" O Profeta Gentile-
-za,essas palavras escritas de uma forma até mesmo errada,era por assim dizer o seu mote de campanha pela paz e pelo amor,hoje dia 29 de Maio se homenageia esta figura.Na época,para alguns era um louco,para outros alguém que queria aparecer,mas ele seguia em frente com
esta sua missão em pedir pela paz,pelo amor e pela gentileza entre todos.
Conta-se não sei se verdadeiro,que este nosso irmão ,já desencarnado,era um empresário do
setor de transportes e que depois de sofrer uma grande desilusão,se vestiu todo de branco e
saiu pelas ruas do Rio de Janeiro como um eremita,conduzindo sempre um grande cartaz com
palavras escritas fazendo este chamamento,o nosso irmão Moura deve lembrar bem dele,pois
época já estava como eu nesta cidade.
fiquem na paz,no amor e gerando sempre gentileza.

Olá Antonio

Em meio a tantas mensagens e figuras, personagens e citações
te agradeço ter trazido a nós a pessoa de Gentileza

Gosto muito desta música que relembra este "homem"
e me emociono com sua imagem

Obrigado e abraços

Marisa Monte - Gentileza (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PW1wREhRVmh5VXJZI3dz)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:41
Bons Dias ( hoje já nem tento colocar uma carinhosa  imagem no começo, reconheço minha total incapacidade)

Encontrei o seguinte  texto nos meus CDS e vou partilhar se acharem bem.

Através dele fui ler o capítulo 18 do Nosso Lar “amor alimento das almas “ que vem de encontro a quase tudo que se falou aqui e até me lembrei de um outro debate do fórum Amor entre os casais espiritualizados. Lindo.
pena que dure só enquanto meditamos sobre.

............
[/color]



Olá Oliva

Excelente reflexão este texto;

Eis o Capitulo 18 (Nosso Lar)

AMOR, ALIMENTO DAS ALMAS
Quando a oração terminou, a dona da casa nos convidou para uma sopa e
algumas frutas, que mais pareciam concentrados de fluidos deliciosos. Muito surpreso,
ouvi D. Laura explicar com graça:
- Afinal, nossas refeições aqui são muito mais agradáveis que na Terra. Em
“Nosso Lar”, há residências que as dispensam quase por completo, mas nas zonas do
Ministério do Auxílio não podemos ficar sem os concentrados fluídicos, tendo em vista os
serviços pesados impostos pelas circunstâncias. Gastamos muita energia. É necessário
renovar sempre as forças.
- Mas isso – disse uma das moças – não quer dizer que somente nós, os
funcionários do Auxílio e da Regeneração, dependemos de alimentos. Nenhum Ministério,
inclusive o da União Divina, os dispensa. O que muda é o tipo. Na Comunicação e no
Esclarecimento há um grande gasto de frutos. Na Elevação, o consumo de sucos e
concentrados não é pequeno. E na União Divina, os fenômenos de alimentação chegam a
processos incríveis.
Meu olhar de dúvida ia de Lísias para D. Laura, ansioso por maiores explicações.
Todos achavam graça da minha natural surpresa, mas a mãe de Lísias satisfez minha
vontade, explicando:
- Você talvez ainda não saiba que o que mais sustenta as criaturas é o amor. De
vez em quando, recebemos em “Nosso Lar” grandes comissões de instrutores, que nos
trazem orientações relativas à alimentação espiritual. Todo sistema de alimentação, nas
várias dimensões, tem o amor como a base mais profunda. O alimento físico propriamente
dito, mesmo aqui, é só uma questão de materialidade passageira, como no caso dos
veículos terrestres que precisam de graxa e óleo. A alma, em si, nutre-se apenas de amor.
Quanto mais nos elevarmos no plano evolutivo da Criação, mais entenderemos esta
verdade. Você não concorda que o amor seja o alimento do universo?
Essas considerações me davam muito conforto. Percebendo minha satisfação
íntima, Lísias comentou:
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:42
- Tudo se equilibra no amor infinito de Deus e, quanto mais evoluído é o ser, mais
sutil o seu processo de alimentação. O verme, no subsolo do planeta, nutre-se
essencialmente de terra. O animal maior colhe na planta os elementos do seu sustento,
assim como a criança quando mama na mãe. O homem colhe o fruto, transforma-o de
acordo com o seu paladar e serve-o em casa para a família. Nós, desencarnados,
necessitamos de substâncias suculentas, com uma característica mais fluídica, e, à
medida que a criatura evolui, mais delicado se torna o processo.
- E não vamos nos esquecer da questão dos veículos – acrescentou D. Laura –
porque, no fundo, o verme, o animal, o homem e nós, dependemos completamente do
amor. Todos nos movemos nesse amor e sem ele não existiríamos.
- É impressionante! – comentei emocionado.
- Não se lembra do ensino evangélico do “amai-vos uns aos outros”? – prosseguiu
a mãe de Lísias – Essas orientações de Jesus não visavam somente a caridade, com que
todos nós aprenderemos, mais cedo ou mais tarde, que a prática do bem é, nada mais,
nada menos, que um dever. Ele também nos aconselhava a nos alimentarmos uns aos
outros, com fraternidade e simpatia. O homem encarnado um dia saberá que a conversa
amiga, o gesto afetuoso, a bondade recíproca, a confiança mútua, a compreensão, o
interesse fraterno – bens que se derivam naturalmente do amor maior – são sólidos
alimentos para a vida. Quando reencarnados na Terra, sofremos grandes limitações, mas
quando voltamos para cá percebemos que toda a estabilidade da alegria é uma questão
apenas de alimentação espiritual. Baseados nesses bens, lares, vilas, cidades e nações da
Terra são formados.
Lembrei-me instintivamente das teorias sobre o sexo, amplamente difundidas no
mundo, e D. Laura, talvez adivinhando meus pensamentos, comentou:
- E que ninguém diga que é apenas uma questão de sexo. O sexo é uma
manifestação sagrada do amor divino universal, mas é também uma expressão isolada do
potencial infinito. Entre os casais mais espiritualizados, o carinho e a confiança, a
dedicação e o entendimento mútuos ficam muito acima da união física, a qual se torna,
para eles, apenas uma realização pa ssageira. A troca magnética é o fator que estabelece o
ritmo necessário à manifestação mais equilibrada. Para que a alegria se alimente, basta
estarem juntos e, às vezes, apenas que se compreendam.
Aproveitando a pausa mais longa, Judite acrescentou:
- Em “Nosso Lar” aprendemos que a vida física se equilibra no amor, sem que a
maior parte dos homens perceba. Almas gêmeas, almas irmãs, almas afins, são pares e
grupos numerosos. Unindo-se umas às outras, amparando-se mutuamente, conseguem
equilíbrio na Terra. No entanto, quando o companheiro falta, a criatura mais fraca costuma
cair no meio do caminho.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 19:43
- Como você vê, André, - completou Lísias – mesmo nisso é possível relembrar o
Evangelho do Cristo: “nem só de pão vive o homem.”
Antes que pudéssemos fazer outros comentários, a campainha tocou.
O enfermeiro se levantou para atender.
Dois rapazes simpáticos entraram na sala.
- Estes são – disse Lísias, falando gentilmente – nossos irmãos Polidoro e Estácio,
companheiros de serviço no Ministério do Esclarecimento.
Cumprimentos, abraços e alegria.
Depois de alguns minutos, D. Laura falou sorridente:
- Todos vocês trabalharam muito hoje. Aproveitaram bem o dia. Não estraguem o
programa amoroso por nossa causa. Não esqueçam do passeio ao Campo da Música.
Percebendo a preocupação de Lísias, D. Laura acrescentou:
- Pode ir, meu filho. Não deixe Lascínia esperar tanto. André ficará comigo até que
possa acompanhar você nesses programas.
- Não se incomode comigo. – falei instintivamente.
D. Laura ainda acrescentou com um sorriso amável:
- Hoje ainda não vou poder participar das atividades do Campo. Minha neta recém
desencarnada está em casa se recuperando.
Todos saíram muito alegres. A dona da casa, fechando a porta, virou-se para mim
e explicou sorrindo:
- Vão em busca do alimento de que estávamos falando. Os laços afetivos são
mais belos e mais fortes aqui. O amor, André, é o pão divino das almas, o sustento
sublime dos corações.

.................

Valeu Oliva
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 30 de Maio de 2012, 20:48
Falar de Amor
é ao mesmo tempo falar de pessoas

divido com todos este video
que fala um pouquinho

de;
Francisco Waldomiro Lorenz

Histórias Extraordinárias: "Muitas Vidas" (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVNzWGNuNHEwU3drIw==)

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 31 de Maio de 2012, 02:02
      Moisés de Cerq      (ref #440)

      Amigo, boa tarde.
       
      Em msg anterior, foi colocado:

      “Em se falando de amor... não poderemos jamais esquecer do matrimônio...namoro...união... esta força que nos remete ao outro.  Mas existe sim amor entre Homem e Mulher e como existe”.

       Cel (mag ant): amigos, já q falamos de amor, sentimento de mãe para o filhinho, entre homem e mulher, ou com relação ao próximo ou ao q seja, me permitam dizer q ninguém, nem o mundo, senão aqueles q chegaram “lá”, conhecem o <verdadeiro> amor.  Antes de chegar a se desfazer das chamadas imperfeições, dos apegos aos ilusórios atrativos do mundo, esse sentimento será apenas um pseudo-amor, afeto, amizade, admiração, respeito, atração por alguém ou algo, desejo, dependência, gratidão; esse sentimento estará, sempre, relacionado a uma condição. Logo, não é amor genuíno, pois este é incondicional. 
.............................................
      Moisés: Não vou dizer pseudo, por não ser falso,
mesmo que seja preciso. O amor, como a cor,
possui suas matizes, como a luz possui intensidades.

      Cel: meu amigo, o <amor verdadeiro> não possui categorias, classificações; se lhe damos qualidades de maior ou menor, não passa de afeto etc, pois o genuíno amor não se prende a condições.

      Moisés: Em se formando o amor em nós, trás a nós o que é preciso para alcançá-lo em sua plenitude.

      Cel: e como se forma o amor em quem ainda não possui amor no coração ou em sua natureza? Espontaneamente? E o q é q o amor “ao se formar em nós”, como vc disse, nos trás q nos fará alcançá-lo em sua plenitude?  Não entendi, amigo.
..........................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 31 de Maio de 2012, 03:10

      Moisés de Cerq   (ref #439)

      Cel para Si, (msg anterior): o amor nem se ensina nem se aprende com palavras e exemplos; só desperta com esforço e trabalho próprios, e se o entendimento já tiver chegado ao ponto de compreender sua necessidade. Porém, como a frase q vc citou diz q se pode aprender, deveríamos refletir e tentar entender como é q se aprende ou se ensina a amar.

      Si(msg ant): No entanto, nem todos os seres, encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

      Cel (m ant): e qual é a causa de tão grande diferença q faz uns aptos e outros não e, em conseqüência, leva uns para a felicidade e outros para terríveis sofrimentos? Dessa falta de aptidão para amar, caberá responsabilidade ao homem?
Se não cabe, qual será a razão da existência da divina lei de causa e efeito, q nos traz terríveis conseqüências?
.........................................................
      Moisés: Peso que o Amor se ensina sim, aja visto denominar-mos Jesus e tantos outros que nos vocacionam para o bem
de Mestres
O Mestre Divino
O Mestre da Arte
O Mestre da escrita
O Mestre da música

      Cel: me permita dizer q, esses q vc citou, podem nos despertar vocação para o belo, artes, música etc; nunca para o amor... Para este, temos de chegar pelas nossas próprias pernas.

      Moisés: O Amor se ensina sim... ao meu ver.
     
      Cel: amigo Moisés, ninguém nem mesmo nos ensina a ter afeto, amizade, admiração, dependência, atração, aquilo q chamei de pseudo-amor. Tudo isso é a vida, com todas suas numerosas experiências ou lições, pelas quais passamos, q pode nos ensinar.
Contudo, o <verdadeiro e incondicional>amor, só pode ser despertado pelo nosso esforço e compreensão e, como coloquei acima, se já as experiências da vida já nos fizeram amadurecer ao ponto de entender q, efetivamente, ele é necessário para todos. 

      Os exemplos e as palavras dos Grandes apenas nos “aconselham” q amemos a tudo e a todos; e, se o amigo bem refletir, verá q fizeram isso com o objetivo de trazer um melhor relacionamento entre os homens, sempre tão cheios de ódio, conflitos, ciúmes, inveja, rivalidades, maldades etc, pelos defeitos morais q apresentam. Parábolas, ensinamentos, mandamentos, como o decálogo, conselhos apresentam, tão somente, “regras de bem-conviver e de bem sobreviver”; não nos apresentam o q poderíamos chamar de “regras de salvação”.   

      Assim, disse um sábio: “Como chamar de cristão, ou de bom, àquele q ama por mandamento, ou ordem, ou obrigação?
..................................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 13:56

      Moisés de Cerq   (ref #439)

      Cel para Si, (msg anterior): o amor nem se ensina nem se aprende com palavras e exemplos; só desperta com esforço e trabalho próprios, e se o entendimento já tiver chegado ao ponto de compreender sua necessidade. Porém, como a frase q vc citou diz q se pode aprender, deveríamos refletir e tentar entender como é q se aprende ou se ensina a amar.

      Si(msg ant): No entanto, nem todos os seres, encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

      Cel (m ant): e qual é a causa de tão grande diferença q faz uns aptos e outros não e, em conseqüência, leva uns para a felicidade e outros para terríveis sofrimentos? Dessa falta de aptidão para amar, caberá responsabilidade ao homem?
Se não cabe, qual será a razão da existência da divina lei de causa e efeito, q nos traz terríveis conseqüências?
.........................................................
      Moisés: Peso que o Amor se ensina sim, aja visto denominar-mos Jesus e tantos outros que nos vocacionam para o bem
de Mestres
O Mestre Divino
O Mestre da Arte
O Mestre da escrita
O Mestre da música

      Cel: me permita dizer q, esses q vc citou, podem nos despertar vocação para o belo, artes, música etc; nunca para o amor... Para este, temos de chegar pelas nossas próprias pernas.

      Moisés: O Amor se ensina sim... ao meu ver.
     
      Cel: amigo Moisés, ninguém nem mesmo nos ensina a ter afeto, amizade, admiração, dependência, atração, aquilo q chamei de pseudo-amor. Tudo isso é a vida, com todas suas numerosas experiências ou lições, pelas quais passamos, q pode nos ensinar.
Contudo, o <verdadeiro e incondicional>amor, só pode ser despertado pelo nosso esforço e compreensão e, como coloquei acima, se já as experiências da vida já nos fizeram amadurecer ao ponto de entender q, efetivamente, ele é necessário para todos. 

      Os exemplos e as palavras dos Grandes apenas nos “aconselham” q amemos a tudo e a todos; e, se o amigo bem refletir, verá q fizeram isso com o objetivo de trazer um melhor relacionamento entre os homens, sempre tão cheios de ódio, conflitos, ciúmes, inveja, rivalidades, maldades etc, pelos defeitos morais q apresentam. Parábolas, ensinamentos, mandamentos, como o decálogo, conselhos apresentam, tão somente, “regras de bem-conviver e de bem sobreviver”; não nos apresentam o q poderíamos chamar de “regras de salvação”.   

      Assim, disse um sábio: “Como chamar de cristão, ou de bom, àquele q ama por mandamento, ou ordem, ou obrigação?
..................................................


Olá Coronel
Bom dia!

As opiniões são lançadas por nós
para o bem do tópico
o assunto é discutido e analisado

Ante a Luz da Doutrina
expressa-se uma Lei

A lei do Amor

Os nosso pais nos ensinam o bem prosceder para melhor nos relacionarmos em nossa vida
com as demais pessoas, eis ai um ensino e uma dedicação...reconhecidamente o Amor,
faz parte da lei.
Os nossos mestres escolares nos ensinam os caracters das letras e seus valores, para bem nos relaionarmos em nossa vida com as demais pessoas, eis ai um ensino e uma dedicação...reconhecidamente o Amor,
faz parte da lei.
Os nossos superiores profissionais nos ensinam os fundamentos dos serviços, para bem nos relacionarmos em nossa vida com as demais pessoas, eis ai um ensino e uma dedicação...reconhecidamente o Amor, faz parte da lei.
Acreditamos também que foi um Ato de amor por parte do Criador, os fundamentos que estabeleceram as forças que nos chamaram nossa existência, além ter segundo nossas investigações, terem no Criado a origem de todas as leis que nos beneficiam nos relacionamentos com todas as demais obras que atribuimos também serem de origem Divina,
eis ai um ensino e uma dedicação...reconhecidamente o Amor...faz parte da lei.

talvez para muitos pensadores
O Amor
esta lei Maior
Não se ensina, não de divide, não se exemplifica, não se conquista
justamente por fazerem estes apontamentos definições que fazem parte
de seus entendimentos.

Mas, penso eu, se até os atomos possuem percusos e forças, limites e espaços que defimem
seus valores...
Quem dirá nós os Homens,
que contemos em nós
bilhares destes pequenos!

Ante esta magnifica força
O Amor...

Eu penso assim
talvez seja por que assim aprendi
apenas isso.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 13:59
Oração Refazente

Almas da Terra,


Quando o fragor das inquietações estiver a ponto de estraçalhar-vos, se nas encruzilhadas não souberdes o caminho a seguir e todas as rotas vos parecerem acesso a abismos; quando insuportável desesperação vos houver arrastado a conclusões infelizes que vos pareçam ser a única solução; quando os infortúnios em vos excruciando tendei a tornar-vos indiferentes ao próprio sofrimento:

tendes o veículo da oração e dispondes do acesso à meditação remediadora.

Talvez, não vos sejam supressos os problemas, nem afastadas as dificuldades; no entanto, dilatareis a visão para melhor e mais apurado discernimento, lobrigareis mais ampla compreensão da Vida e das suas legítimas realidades, experimentareis a presença de forças ignotas que vos penetrarão. Vitalizando-vos, elevar-vos eis a zonas psíquicas relevantes donde volvereis saturados de paz com possibilidades de prosseguirdes não obstante quaisquer difíceis conjunturas existentes ou por existirem.


Porque a prece apazigua e a meditação refaz. A oração eleva enquanto a reflexão sustenta. O pensamento nobre comungando com Deus, em Deus está a Vida, e dialogando em conúbio de amor extravaza as impurezas e se impregna com as sublimes vibrações da afetividade, que se converte em força dinâmica para sustentar as combalidas potencialidades que, então, se soerguem e não mais desfalecem.

Não vos arrojeis desastradamente nas valas da ira irrefreável ou nas vagas da insensatez. Antes que vou assaltem os demônios do crime, erguei-vos do caos, pensando e orando. Há ouvidos atentos que captarão vossos apelos e cérebros poderosos que emitirão mensagens respostas que não deveis desconsiderar. Amores que vos precederam no além-túmulo vigiam e esperam por vós. Amam e aguardam receptividade. Não vos enganeis nem vos desespereis. Tende tento. Falai ao Pai na prece calma e silenciai para o ouvirdes através da inspiração clarificadora. Nada exijais. Quem ora não impõe.

Orar é abrir a alma, externar estados íntimos, refugiar-se na Divina Sabedoria, a fim de abastecer-se de entendimento penetrando-se de saúde interior. E quando retornardes da incursão pela prece exultar, apagando as sombrias expressões anteriores, superando as marcas das crises sofridas e espargindo alegrias em nome da esperança que habitarás em vós.

Trabalhando pelo Bem o Homem ora. Orando na aflição ou na alegria, o Homem trabalha. E orando conseguirá vencer toda a tentação, integrar-se com plenitude no Espírito da Vida que flui da Vida abundante com forças superiores para trabalhar e vencer.

Autor: Victor Hugo (Espírito)
Psicografia de Divaldo Franco 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 14:05

O ESPÍRITO

Deus é meu Pai.
A Natureza é minha Mãe.
O Universo é meu Caminho.
A Eternidade é meu Reino.
A Imortalidade é minha Vida.
A Mente é meu Lar.
O Coração é meu Templo.
A Verdade é meu Culto.
O Amor é mimha Lei.
A Forma em si é minha Manifestação.
A Consciência é meu Guia.
A Paz é meu Abrigo.
A Experiência é minha Escola.
O Obstáculo é minha Lição.
A Dificuldade é meu Estímulo.
A Alegria é meu Cântico.
A Dor é meu Aviso.
A Luz é minha Realização.
O Trabalho é minha Bênção.
O Amigo é meu Companheiro.
O Adversário é meu Instrutor.
O Próximo é mei Irmão.
A Luta é minha Oportunidade.
O Passado é minha Advertência.
O Presente é minha Realidade.
O Futuro é minha Promessa.
O Equilibrio é minha Atitude.
A Ordem é minha Senha.
A Beleza é meu Ideal.
A Perfeição é meu Destino.

Livro Aulas da Vida de Francisco Cândido Xavier
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 15:44

Pequeno conto chinês

 

Era uma vez uma jovem chamada Sun Tui que se casou com o filho de um mercador e foi morar juntamente com a sogra, essa uma megera, Depois de algum tempo, Sun, começou a ver que não se adaptava à sogra. Seus temperamentos eram muito diferentes e ela se irritava com os hábitos e costumes da sogra, que a criticava cada vez com mais insistência ao mesmo tempo que deixava todas as tarefas da casa para Sun Tui fazer (um costume segundo as tradições chinesas) Era um tal de "Sun Tui, faz minhas tranças" para cá, "Sun Tui, dê de comer aos porcos" para lá, um inferno para a jovem que era ainda quase uma criança. Sun Tui não tinha nem um minuto de descanso e odiava a sogra.

Desesperada, um dia ela foi ao mestre herborista da vila implorar um veneno para colocar no chá da sogra. Contou, chorando, toda a triste história de suas desgraças, e o especialista em ervas decidiu ajudá-la. "Vou lhe dar um veneno potentíssimo, de ação lenta e segura", disse ele. "Mas é preciso dá-lo aos pouquinhos, todos os dias. Assim, ninguém suspeitará de você nem de mim quando sua sogra morrer. Nesse período, para evitar suspeitas, você deve fingir tratar sua sogra com todo carinho, satisfazendo seus caprichos com alegria, cuidando dela com amor e tolerância", continuou o herborista. "Só assim poderei ajudá-la", concluiu.

Sun Tui aceitou imediatamente as condições e desdobrou-se em cuidados. Antecipava os desejos da megera, trazia flores e mimos para arrancar seus sorrisos, caprichava nos bolos e doces que servia no lanche da tarde. A casa vivia brilhando e ela não reclamava mais ao marido. Mas não se esquecia de colocar o veneno no chá da sogrinha toda noite.

Acontece que, com as novas atitudes da nora, a megera amoleceu. Num dia pedia para Sun Tui sentar e descansar aos seus pés, enquanto lhe contava uma história. No outro, separava um lindo corte de brocado para a jovem fazer um vestido. Ou então presenteava-a com pulseiras e anéis de jade, para que pudesse ficar mais bonita. Quem as visse, pensaria que eram mãe e filha.
Sun Tui também começou a abrandar. O carinho, o cuidado e a preocupação com a sogra passaram a ser reais. E certo dia, arrependida por ter tido vontade de matar sua antiga inimiga, voltou desesperada ao herborista - dessa vez para implorar por um antídoto.

O mestre escutou pacientemente as lamúrias de Sun Tui e lhe pediu o veneno de volta. Ela, obediente, entregou o pacotinho. Diante dos olhos arregalados da menina, o herborista despejou o conteúdo de uma só vez no próprio chá e tomou. Sorrindo. O velho herborista, que conhecia a alma humana, tinha usado de um artifício para despertar o coração da menina. Nunca houve veneno e nem era preciso o antídoto. Sun Tui tinha aprendido a amar
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Si em 31 de Maio de 2012, 16:54
OLá Moisés,

Ótima lembrança através desta mensagem (já conhecida) .... mas sempre atual para uma boa reflexão nos dias atuais !!!

Obrigada.
Muita Paz
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Antonio Renato em 31 de Maio de 2012, 17:13
Estou vivendo esta vida,mas já vivi outras mais,se dessas nada restou é porque não houve
amor.Mas se nessa em que eu estou,venho cultivando o amor,e nele muito aprendi:Ser amigo,
companheiro,tolerante,indulgente,caridoso,solidário,humilde e mais próximo de Deus,se assim continuar,ás outras que virão,bem melhor será.
Meu nobre irmão Moisés e demais membros deste fórum que participaram desse nosso estudo
mensal.Foi muito bom,foi gratificante ter participado das discussões de um tema tão vasto,que
é a lei do amor,lei esta maior de todas que nos foi colocada por Deus,e que nos direciona melhor,quando à aplicamos bem para a nossa evolução.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 31 de Maio de 2012, 17:15
      Moisés de Cerq    (ref #465)

      Cel (msg anterior, a Si: o amor nem se ensina nem se aprende com palavras e exemplos; só desperta com esforço e trabalho próprios, e se o entendimento já tiver chegado ao ponto de compreender sua necessidade.

      Si(msg ant): ...nem todos encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

      Cel (m ant): e qual é a causa de tão grande diferença q faz uns aptos e outros não e, em conseqüência, leva uns para a felicidade e outros para terríveis sofrimentos? Dessa falta de aptidão para amar, caberá responsabilidade ao homem? Se não cabe, qual será a razão da existência da divina lei de causa e efeito, q nos traz terríveis conseqüências?
.........................................................
      Moisés: Penso que o Amor se ensina, sim, aja visto Jesus e tantos outros que nos vocacionam para o bem  de Mestres, Mestre Divino,  Mestre da Arte,  Mestre da escrita,  Mestre da música.

      Cel: esses q vc citou, podem despertar vocação para o belo etc; nunca para o amor... Para este, temos de chegar pelas nossas próprias pernas.

      Moisés: O Amor se ensina sim... ao meu ver...
     
      Cel: amigo, ninguém nem mesmo nos ensina a ter afeto, amizade, admiração, dependência, atração, aquilo q chamei de pseudo-amor. Tudo isso é a vida, com todas suas numerosas experiências ou lições, pelas quais passamos, q nos ensina
.
      Contudo, o <verdadeiro e incondicional>amor, só pode ser despertado pelo nosso esforço e compreensão e, como coloquei acima, se já as experiências da vida já nos fizeram amadurecer ao ponto de entender q, efetivamente, ele é necessário para todos. 

      Os exemplos e as palavras dos Grandes apenas nos “aconselham” q amemos a tudo e a todos; e, se o amigo bem refletir, verá q fizeram isso com o objetivo de trazer um melhor relacionamento entre os homens, sempre tão cheios de ódio, conflitos, ciúmes, inveja, rivalidades, maldades etc, Parábolas, ensinamentos, mandamentos, como o decálogo, conselhos apresentam, tão somente, “regras de bem-conviver e de bem sobreviver”; nunca o q  podemos chamar de “regras de salvação”.

      Assim, disse um sábio: “Como chamar de cristão, ou de bom, àquele q ama por mandamento, ou ordem, ou obrigação?
..................................................
      Moisés: As opiniões são lançadas por nós  para o bem do tópico...

      Cel: meu amigo Moisés, se vc bem observar, verá q não me baseio em opiniões, mas em revelações q vêm de desde milênios a.C. Nunca coloco, aqui, algo q seja apenas opinião e faço isso, exatamente para o bem do tópico, de todos nossos estudos; quem se baseia em opiniões pode estar sempre errando redondamente, concorda? Opinião é, apenas, sugestão, imaginação, coisas incertas q podem se revelar reais ou falsas, certo?

      Moisés: o assunto é discutido e analisado, ante a Luz da Doutrina expressa-se uma Lei, a lei do Amor. Nossos pais nos ensinam o bem prosceder para melhor nos relacionarmos em nossa vida com as demais pessoas: eis ai um ensino e uma dedicação...reconhecidamente o Amor.

      Cel: as crianças aprendem a amar, pelas palavras ou exemplos dos pais? Elas ouvem e podem, obedientemente, manifestar atos semelhantes aos q os pais lhe mostram com palavras ou exemplo mas, esses, atos são externos, não mudam o íntimo; valem, portanto, apenas, para o relacionamento com os demais, pois ações exteriores não tornam um coração, ainda vazio de amor, em um cheio de amor, concorda? É o q muitos fazem: praticam caridade, buscam o bem do próximo, por obediência aos preceitos dos mestres e das religiões; como muitos ensinaram sobre isso, muitos os fazem porq pensam q devem atender essas lições; outros, por interesse de ganhos ou de méritos para um futuro de recompensas; outros, por receio de q, se não agirem assim, as freqüente ameaças das doutrinas se cumpram, como punições, inferno, umbral, obsessões, ou encarnações multiplicadas q podem se estender por milhões de anos! Isso é amor? Ou interesse pessoal?

      Tudo q os mestres ensinaram e q as religiões nos comunicam, visa, exatamente, a um relacionamento melhor; por isso, podemos chamar esses ensinos de “regras de bem-conviver”, ou “de bem sobreviver”...   

      As “regras de salvação”, muitos ensinaram e ainda ensinam, mas as religiões e crenças se esqueceram de repassá-las para seus seguidores; estão, tb, em palavras de Jesus, Paulo e outros q, com o correr dos séculos, após tantas adulterações feitas à conveniencia de poderosos, ficaram esquecidas, pelo tempo ou por serem vistas com suspeita, em face de se assemelharem a preceitos de outras doutrinas....

      Tudo q vc colocou sobre ensinamentos de pais, professores, profissionais, superiores etc, pode ser, nada mais, do q realizado por obrigação, por obediência aos interesses de governantes e leis, regras, regulamentos, patrões, modos de proceder, apenas! É isso q filhos, alunos,  profissionais aprendem: a obedecer e a progredir, visando o lucro próprio ou das profissões, ou sucesso na vida.

      Moisés: Acreditamos que foi um Ato de amor por parte do Criador,..

      Cel: pelas doutrinas é isso mesmo, e nada tem a ver com ensinar ou aprender amor, pois, pelas doutrinas, o Criador é amor.

      Moisés: Mas, penso eu, se até os atomos possuem percusos e forças, limites e espaços que defimem  seus valores... Quem dirá nós os Homens, que contemos em nós bilhares destes pequenos!

    Cel: não entendi bem sua comparação! Se está dizendo q tudo está perfeito, harmonizado (é isso q vc quer dizer?) desde os átomos etc, porq tantos de nós, são tão deformados fisicamente e moralmente?...

      Moisés: penso assim, talvez por que assim aprendi.

      Cel: vc, amigo, pensa q é assim porq lhe ensinaram q é assim, e porq amor não se consegue ensinar, nem se consegue aprender, senão por esforço próprio (esforço seu ou meu) e se a vida já nos levou ao ponto de compreender. Um abraço!
...................................................
 .


Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: ken em 31 de Maio de 2012, 17:34
Boa tarde a todos

Amigo Moises, para mim o texto que coloco a seguir, tem tudo haver com o tema.:-

Respostas no caminho

Trazendo sua consciência tranqüila, nos deveres que a vida lhe deu a cumprir, você pode e deve viver a sua vida tranqüila, sem qualquer necessidade de ser infeliz.

Auxilie os outros sem afligir-se demasiado com os problemas que apresentem, porque eles mesmos desejam solucioná-los por si próprios.

Não se fixe tão fortemente nos aspectos exteriores dos acontecimentos e sim coloque sua visão interna nos fatos em curso, a fim de que a compreensão lhe clareie os raciocínios.

Dedique-se ao seu trabalho com todos os recursos disponíveis, reconhecendo que se houver alguma necessidade de modificação em suas atitudes, a sua própria tarefa lhe fará sentir isso sem palavras.

Se você experimentou algum fracasso na execução dos seus ideais, não culpe disso senão a você mesmo, refletindo na melhor maneira de efetuar o reajuste.

Se você realizar corretamente seu trabalho, os seus clientes ou beneficiários virão de longe procurar o valor de sua experiência e de seu concurso.

Em qualquer indecisão valorize os pareceres dos amigos que lhe falem do assunto, mas conserve a convicção de que a decisão será sempre de você mesmo.
 
Uma atitude de simpatia para com o próximo é sempre uma porta aberta em seu auxílio agora e no futuro.

Mesmo nas horas mais aflitivas, procure agir com serenidade e discernimento, porque de tudo quanto fizemos, colheremos sempre.

A desculpa ante as faltas de que você tenha sido vítima, invariavelmente, é ação em seu próprio favor.

Quando provações e dificuldades lhe pareçam aumentadas, guarde paciência e otimismo, trabalhando e servindo na certeza de que Deus faz sempre o melhor.


Respostas da Vida Pelo Espírito
André Luiz
Francisco Cândido Xavier





Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Oliva Prado em 31 de Maio de 2012, 18:11
[attachimg=1 align=center]
Tem um poema que me parece oportuno partilhar convosco  de uma escritora brasileira que inclusive até nasceu neste mês, hoje desencarnada de nome Maria Dinorah Luz do Prado, poema esse que gosto muito e que descobri faz já muitos ciclos solares e lunares lembro-me dele ás vezes, como agora, e que diz assim:
Nem tudo o que busco é flor.
Nem tudo o que encontro, luz.
Nem tudo o que amo  é céu.
Nem tudo o que crio, cor.
Mas tudo o que encontro é busca,
E tudo o que busco, amor.
Hora nua, seu título - uma pequena homenagem a essa poetisa.
e muita paz a todos

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 18:21
      Moisés de Cerq    (ref #465)

      Cel (msg anterior, a Si: o amor nem se ensina nem se aprende com palavras e exemplos; só desperta com esforço e trabalho próprios, e se o entendimento já tiver chegado ao ponto de compreender sua necessidade.

      Si(msg ant): ...nem todos encontram-se aptos para amar, pois nem sempre aprendem como se ama e como se expressa o amor.

      Cel (m ant): e qual é a causa de tão grande diferença q faz uns aptos e outros não e, em conseqüência, leva uns para a felicidade e outros para terríveis sofrimentos? Dessa falta de aptidão para amar, caberá responsabilidade ao homem? Se não cabe, qual será a razão da existência da divina lei de causa e efeito, q nos traz terríveis conseqüências?
.........................................................
      Moisés: Penso que o Amor se ensina, sim, aja visto Jesus e tantos outros que nos vocacionam para o bem  de Mestres, Mestre Divino,  Mestre da Arte,  Mestre da escrita,  Mestre da música.

      Cel: esses q vc citou, podem despertar vocação para o belo etc; nunca para o amor... Para este, temos de chegar pelas nossas próprias pernas.

      Moisés: O Amor se ensina sim... ao meu ver...
     
      Cel: amigo, ninguém nem mesmo nos ensina a ter afeto, amizade, admiração, dependência, atração, aquilo q chamei de pseudo-amor. Tudo isso é a vida, com todas suas numerosas experiências ou lições, pelas quais passamos, q nos ensina
.
      Contudo, o <verdadeiro e incondicional>amor, só pode ser despertado pelo nosso esforço e compreensão e, como coloquei acima, se já as experiências da vida já nos fizeram amadurecer ao ponto de entender q, efetivamente, ele é necessário para todos. 

      Os exemplos e as palavras dos Grandes apenas nos “aconselham” q amemos a tudo e a todos; e, se o amigo bem refletir, verá q fizeram isso com o objetivo de trazer um melhor relacionamento entre os homens, sempre tão cheios de ódio, conflitos, ciúmes, inveja, rivalidades, maldades etc, Parábolas, ensinamentos, mandamentos, como o decálogo, conselhos apresentam, tão somente, “regras de bem-conviver e de bem sobreviver”; nunca o q  podemos chamar de “regras de salvação”.

      Assim, disse um sábio: “Como chamar de cristão, ou de bom, àquele q ama por mandamento, ou ordem, ou obrigação?
..................................................
      Moisés: As opiniões são lançadas por nós  para o bem do tópico...

      Cel: meu amigo Moisés, se vc bem observar, verá q não me baseio em opiniões, mas em revelações q vêm de desde milênios a.C. Nunca coloco, aqui, algo q seja apenas opinião e faço isso, exatamente para o bem do tópico, de todos nossos estudos; quem se baseia em opiniões pode estar sempre errando redondamente, concorda? Opinião é, apenas, sugestão, imaginação, coisas incertas q podem se revelar reais ou falsas, certo?

      Moisés: o assunto é discutido e analisado, ante a Luz da Doutrina expressa-se uma Lei, a lei do Amor. Nossos pais nos ensinam o bem prosceder para melhor nos relacionarmos em nossa vida com as demais pessoas: eis ai um ensino e uma dedicação...reconhecidamente o Amor.

      Cel: as crianças aprendem a amar, pelas palavras ou exemplos dos pais? Elas ouvem e podem, obedientemente, manifestar atos semelhantes aos q os pais lhe mostram com palavras ou exemplo mas, esses, atos são externos, não mudam o íntimo; valem, portanto, apenas, para o relacionamento com os demais, pois ações exteriores não tornam um coração, ainda vazio de amor, em um cheio de amor, concorda? É o q muitos fazem: praticam caridade, buscam o bem do próximo, por obediência aos preceitos dos mestres e das religiões; como muitos ensinaram sobre isso, muitos os fazem porq pensam q devem atender essas lições; outros, por interesse de ganhos ou de méritos para um futuro de recompensas; outros, por receio de q, se não agirem assim, as freqüente ameaças das doutrinas se cumpram, como punições, inferno, umbral, obsessões, ou encarnações multiplicadas q podem se estender por milhões de anos! Isso é amor? Ou interesse pessoal?

      Tudo q os mestres ensinaram e q as religiões nos comunicam, visa, exatamente, a um relacionamento melhor; por isso, podemos chamar esses ensinos de “regras de bem-conviver”, ou “de bem sobreviver”...   

      As “regras de salvação”, muitos ensinaram e ainda ensinam, mas as religiões e crenças se esqueceram de repassá-las para seus seguidores; estão, tb, em palavras de Jesus, Paulo e outros q, com o correr dos séculos, após tantas adulterações feitas à conveniencia de poderosos, ficaram esquecidas, pelo tempo ou por serem vistas com suspeita, em face de se assemelharem a preceitos de outras doutrinas....

      Tudo q vc colocou sobre ensinamentos de pais, professores, profissionais, superiores etc, pode ser, nada mais, do q realizado por obrigação, por obediência aos interesses de governantes e leis, regras, regulamentos, patrões, modos de proceder, apenas! É isso q filhos, alunos,  profissionais aprendem: a obedecer e a progredir, visando o lucro próprio ou das profissões, ou sucesso na vida.

      Moisés: Acreditamos que foi um Ato de amor por parte do Criador,..

      Cel: pelas doutrinas é isso mesmo, e nada tem a ver com ensinar ou aprender amor, pois, pelas doutrinas, o Criador é amor.

      Moisés: Mas, penso eu, se até os atomos possuem percusos e forças, limites e espaços que defimem  seus valores... Quem dirá nós os Homens, que contemos em nós bilhares destes pequenos!

    Cel: não entendi bem sua comparação! Se está dizendo q tudo está perfeito, harmonizado (é isso q vc quer dizer?) desde os átomos etc, porq tantos de nós, são tão deformados fisicamente e moralmente?...

      Moisés: penso assim, talvez por que assim aprendi.

      Cel: vc, amigo, pensa q é assim porq lhe ensinaram q é assim, e porq amor não se consegue ensinar, nem se consegue aprender, senão por esforço próprio (esforço seu ou meu) e se a vida já nos levou ao ponto de compreender. Um abraço!
...................................................
 .




Sr. Coronel

Está ficando Kilométrica a lista de nossas postagens
é!
Estamos aprendendo

Abração
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 18:25
OLá Moisés,

Ótima lembrança através desta mensagem (já conhecida) .... mas sempre atual para uma boa reflexão nos dias atuais !!!

Obrigada.
Muita Paz

Valeu Si

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 18:28
Estou vivendo esta vida,
mas já vivi outras mais,
e dessas nada restou é porque não houve amor.
Mas se nessa em que eu estou,
venho cultivando o amor,
e nele muito aprendi:
Ser amigo,companheiro,tolerante,indulgente,caridoso,solidário,humilde
e mais próximo de Deus,
se assim continuar,
ás outras que virão,
bem melhor será.
Meu nobre irmão Moisés e demais membros deste fórum que participaram desse nosso estudo
mensal.Foi muito bom,foi gratificante ter participado das discussões de um tema tão vasto,que
é a lei do amor,lei esta maior de todas que nos foi colocada por Deus,e que nos direciona melhor,quando à aplicamos bem para a nossa evolução.
Fiquem na paz,e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.

Valeu Antonio

Fiquemos todos nós

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 18:35
Boa tarde a todos

Amigo Moises, para mim o texto que coloco a seguir, tem tudo haver com o tema.:-

Respostas no caminho

Trazendo sua consciência tranqüila, nos deveres que a vida lhe deu a cumprir, você pode e deve viver a sua vida tranqüila, sem qualquer necessidade de ser infeliz.

Auxilie os outros sem afligir-se demasiado com os problemas que apresentem, porque eles mesmos desejam solucioná-los por si próprios.

Não se fixe tão fortemente nos aspectos exteriores dos acontecimentos e sim coloque sua visão interna nos fatos em curso, a fim de que a compreensão lhe clareie os raciocínios.

Dedique-se ao seu trabalho com todos os recursos disponíveis, reconhecendo que se houver alguma necessidade de modificação em suas atitudes, a sua própria tarefa lhe fará sentir isso sem palavras.

Se você experimentou algum fracasso na execução dos seus ideais, não culpe disso senão a você mesmo, refletindo na melhor maneira de efetuar o reajuste.

Se você realizar corretamente seu trabalho, os seus clientes ou beneficiários virão de longe procurar o valor de sua experiência e de seu concurso.

Em qualquer indecisão valorize os pareceres dos amigos que lhe falem do assunto, mas conserve a convicção de que a decisão será sempre de você mesmo.
 
Uma atitude de simpatia para com o próximo é sempre uma porta aberta em seu auxílio agora e no futuro.

Mesmo nas horas mais aflitivas, procure agir com serenidade e discernimento, porque de tudo quanto fizemos, colheremos sempre.

A desculpa ante as faltas de que você tenha sido vítima, invariavelmente, é ação em seu próprio favor.

Quando provações e dificuldades lhe pareçam aumentadas, guarde paciência e otimismo, trabalhando e servindo na certeza de que Deus faz sempre o melhor.


Respostas da Vida Pelo Espírito
André Luiz
Francisco Cândido Xavier







Olá Ken

Esta é a mensagem  que preciso
foi bem endereçada

Abraços

valeu
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 18:37
(Ligação para o anexo)
Tem um poema que me parece oportuno partilhar convosco  de uma escritora brasileira que inclusive até nasceu neste mês, hoje desencarnada de nome Maria Dinorah Luz do Prado, poema esse que gosto muito e que descobri faz já muitos ciclos solares e lunares lembro-me dele ás vezes, como agora, e que diz assim:
Nem tudo o que busco é flor.
Nem tudo o que encontro, luz.
Nem tudo o que amo  é céu.
Nem tudo o que crio, cor.
Mas tudo o que encontro é busca,
E tudo o que busco, amor.
Hora nua, seu título - uma pequena homenagem a essa poetisa.
e muita paz a todos



Olá Oliva

Interessante e oportuna mesmo
gostei
tudo a ver com a  participação de todos neste tópico

Abraços
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 18:40



PRECE DE CÁRITAS


PRECE DE CÁRITAS (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUh6eno3cHE5MGEwJmFtcDtmZWF0dXJlPXNoYXJlIw==)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 18:51
Dick e Rick - IRONMANS

O desejo do filho era correr, mas com sua deficiência não poderia faze-lô.
Então o pai decidi coloca-lo numa cadeira de rodas e correr com o seu filho.
E Rick, o filho diz ao pai que quando está correndo parece que sua deficiência desaparece.
Dick, o pai, diz que não é ele que está correndo, que ele apenas empresta suas pernas e braços para seu filho.
E quando perguntaram para Rick o que ele faria se pudesse andar, todos achavam que ele dirria que queria jogar basquete, ou futebol, mas a primeira coisa que ele gostaria de fazer se pudesse andar seria colocar o seu pai em uma cadeira de rodas e empurra-lo...


Dick e Rick - IRONMANS (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PThCdGplSnEtUkhFIw==)
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 19:16
Bom

O mês de maio está acabando
Este  mês dedicado ao estudo, ao aprendizado...a amizade
dedicado as conversas e as opiniões...
a liberdade e a aquilo que nos prende

A Lei do Amor

que foi a pauta de nossas reflexões

Quantas postagens nos remeteram ao nosso interior,
a nossa alma.

Quero agradecer esta oportunidade única
a todos deste Fórum
a todos os amigos que compartilharam neste mes
com suas presenças iluminadas e abençoadas

Quantas almas modificadas!
Quantos corações dulcificados!
Quanta paz estabelecida!

Quanta verdade demonstrada!
Quanta emoção vivida1

Quanta Luz !

Agradeço a todos
e preparemo-nos o nosso espírito
para mais um mes que se iniciará.

Que assim seja

Abraços
e Avancemos

Jesus Alegria dos Homens - J. S. Bach

Jesus Alegria dos Homens - J. S. Bach (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTFVV0xhQmlDSlg0JmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)



Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 31 de Maio de 2012, 19:48
Aos participantes;

Manuel Altino,Viajantedoespaço,Ken,Moura rego,kazaoka,J.Anne,Camila T Cunha,Igor gon,fenandes Adalberto,Zarthur,Filhodobino,Marlenedd,Antonio Renato Barbosa,Hebe M C, Edna☼,Gustavo Rettenmaier,DANNYLEMOS,Atma,Mega,se_vero,Henrique souza,Oliva Prado,Rose Ferreira,Graziene,Lisa Carvalho,procura,edneisantos,vitor santos,Coronel,Zilda regina o.a.pinto,Dom Jorge,raquel Freire,José Galdino da Silva,Si,Zeruela,Debora Força e luz,yanmin0302,L@CERD@,Dothy,Ran Wer,MIzica,ofhmann,Jacy R Sena,Mary Helem,Morel Felipe,demis,

Muito Obrigado

Celine Dion - Ave Maria (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXZYdzNIajZ2Um9jJmFtcDtmZWF0dXJlPWZ2d3JlbCM=)

Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Conforti em 31 de Maio de 2012, 23:04
      Amigos,

      Bonitos, claros, profundos esses conselhos q constam destas msg (de todas!). São milhares ou mais q vemos dia após dia. No entanto, como seguir ou praticar o q eles recomendam?

      Será verdade q ninguém <percebe> q dizer ou ensinar: seja caridoso, não seja mau, impaciente, ciumento, orgulhoso, egoísta, mentiroso, ame e perdoe seus inimigos etc, nenhuma valia tem?

      Todos ensinam <o que fazer> para melhorar seu íntimo mas, o muitíssimo mais importante, e q ninguém, nem alguma doutrina ou crença, ensina é o <como> fazer isso.

      É o mesmo q o professor aconselhar para um aluno, q não está conseguindo resolver um problema: "<o que vc deve fazer>, é extrair a raiz cúbica desse número";  e só! O aluno nada fará porq o professor não lhe ensinou o <como fazer> isso!
 
      E é isso q acontece com <todas> as religiões e crenças: ensinam, apenas, <o que fazer>; nunca o <como fazer>!! Ensinam: "ame o próximo", como se bastasse essa palavra para q alguém passe a "amar o próximo"!.
..............................................
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Kazaoka em 01 de Junho de 2012, 01:48
Parabéns Moisés pelo grande espaço oferecido a todos para o aprofundamento no estudo sobre o tema proposto, e pela forma dedicada e amorosa que conduziu este estudo.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Kazaoka em 01 de Junho de 2012, 02:14
"Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante a esse: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. - Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos." (S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.)

Como poderemos amar o próximo da forma que ele necessita e merece, se ainda não conseguimos amar a nós mesmos como deveríamos, ou melhor, como necessitamos e como merecemos?

Antes de amar ou de ser amado, devemos procurar a nos amarmos, a buscar o despertamento na nossa essência o gérmen adormecido do Amor Divino que Deus deu a cada um de nós. Se temos que arrastarmos o peso do próprio pecado temos, também, a força viva do amor que nos impulsiona rumo a um futuro certo. Tomemos cuidado com as distrações da caminhada e não percamos o foco que a fé nos proporciona e nos guia rumo à relativa perfeição.
Evitemos as comparações e idolatrias e busquemos ser o melhor de nós mesmos na condição e no instante que vivemos. 
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: JACY R SENA em 01 de Junho de 2012, 02:17
Caro amigo MOISES,estou recente no forum, mas tenho a declarar que estou gostando de todos os tópicos apresentados, os comentários servem para grandes aprendizados, e reflexões;espero que doravante eu participe bastante e no que me for possivel eu contribua para o bom andamento e entendimento da doutrina. Que nosso amor maior esteja em cristo e nossos irmãos.                                                                                                                               MUITA LUZ E MUITA PAZ PARA TODOS.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Junho de 2012, 13:46
      Amigos,

      Bonitos, claros, profundos esses conselhos q constam destas msg (de todas!). São milhares ou mais q vemos dia após dia. No entanto, como seguir ou praticar o q eles recomendam?

      Será verdade q ninguém <percebe> q dizer ou ensinar: seja caridoso, não seja mau, impaciente, ciumento, orgulhoso, egoísta, mentiroso, ame e perdoe seus inimigos etc, nenhuma valia tem?

      Todos ensinam <o que fazer> para melhorar seu íntimo mas, o muitíssimo mais importante, e q ninguém, nem alguma doutrina ou crença, ensina é o <como> fazer isso.

      É o mesmo q o professor aconselhar para um aluno, q não está conseguindo resolver um problema: "<o que vc deve fazer>, é extrair a raiz cúbica desse número";  e só! O aluno nada fará porq o professor não lhe ensinou o <como fazer> isso!
 
      E é isso q acontece com <todas> as religiões e crenças: ensinam, apenas, <o que fazer>; nunca o <como fazer>!! Ensinam: "ame o próximo", como se bastasse essa palavra para q alguém passe a "amar o próximo"!.
..............................................

Coronel
Coronel

Meu amigo Coronel

Sua patente
revela sua capacidade

Aprendamos a amar

Abraços

e novos estudos já se iniciaram.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Junho de 2012, 13:47
Caro amigo MOISES,estou recente no forum, mas tenho a declarar que estou gostando de todos os tópicos apresentados, os comentários servem para grandes aprendizados, e reflexões;espero que doravante eu participe bastante e no que me for possivel eu contribua para o bom andamento e entendimento da doutrina. Que nosso amor maior esteja em cristo e nossos irmãos.                                                                                                                               MUITA LUZ E MUITA PAZ PARA TODOS.

Olá Jacy
Obrigado pela participação
estamos aprendendo
e em conjunto

Abraços

participemos dos novos estudos do mes de Junho
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Junho de 2012, 13:48
Parabéns Moisés pelo grande espaço oferecido a todos para o aprofundamento no estudo sobre o tema proposto, e pela forma dedicada e amorosa que conduziu este estudo.

valeu amigo

avancemos sempre
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: Marlenedd em 01 de Junho de 2012, 14:15
Kazaoka: ""Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante a esse: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. - Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos." (S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.)

Como poderemos amar o próximo da forma que ele necessita e merece, se ainda não conseguimos amar a nós mesmos como deveríamos, ou melhor, como necessitamos e como merecemos?"


Aí é que está o engano, Kazaoka. O primeiro mandamento ensina-nos a amar, em primeiro lugar, Deus acima de tudo e todas as coisas.

Quando amamos Deus acima de tudo e todas as coisas amamos o abstrato, o desconhecido ao extremo de nos esquecermos de nós próprios e dos outros. Só nessa situação, e com a prática, podemos então cumprir o segundo mandamento do Cristo.

Antes disso tudo é egoísmo, meu amigo.
Título: Re: A lei de Amor
Enviado por: mariacida em 25 de Junho de 2012, 03:56
Não destoando em nada do que escreve o mano Moisés, eu, particularmente não posso pensar em estudar a lei do amor, sem a v er inserida em seu justo lugar, como uma lei tríplice em sua abrangência, pois os Espíritos a apresentam como Lei de Amor, Justiça e Caridade.

Moura

Moura
agradeço as suas palavras
que sinto como uma sábia advertência

Já nos dizia um sábio
se me lembro bem Victor Hugo é o nome dele

" É fácil ser bom dificil é ser Justo"

acrescentando suas colocações insiro

" e preciso é ser caridoso"