Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Espiritismo & Jovens => Tópico iniciado por: Taprobana em 18 de Dezembro de 2008, 13:26

Título: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 18 de Dezembro de 2008, 13:26
Olá amigos!

Sabemos que esta e outras práticas idênticas, são correntes e constantes nos dias de hoje e frequentemente ensaiadas, como primeiro contacto experimental com o mundo da espiritualidade.

Por esta experiencia já passaram muitos de nós adultos e também sabemos que este ensaio é tido como uma “brincadeira” favorita, no meio de muitas das nossas crianças e jovens.

Sabendo dos perigos que muitos apontam decorrentes deste tipo de actividade, proponho aos nossos amigos uma reflexão acerca desta realidade, abordando os contornos mais positivos ou mais negativos que ela contém e que tipo de consequências dai podem advir.  ::)

Um abraço, amigos!
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Zuleica em 18 de Dezembro de 2008, 13:56
Oiie..primeira! Aff! cheguei!

 Bom dia amigos!

Esta experiência tenho na minha vida.

Importante alertar os mais jovens sobre o assunto.Sempre que converso sobre isto esclareço que não deve ser feito.

Minha experiência foi negativa.

Foi brincadeira de adolescentes e adquirí obssessor que ficou semanas me atrapalhando.

Ele diariamente aparecia pra mim.. para assustar.

Com 14 anos de idade cheguei dormir na cama com meus pais.. (pedia pra eles)tal o pavor que vivi.

A noite tinha verdadeiro terror de ficar só.

Foi grande dificuldade.

Nunca permití e informei meus filhos para não fazer esta prática.

Um homem baixo de terno marron aparecia diversas vezes.O estilo da roupa, muito diferente, como se fosse do século passado..Muita antiga.Diferente das usadas no momento do fato.

Usava um chapéu da mesma cor sobre os olhos, eu só via nariz e boca.O rosto ficava pouco á mostra.

Ele brincava tipo de esconde ..esconde comigo.Conseguia me aterrorizar.

Eu o via e trocava de aposentos.Passava alguns minutos..e lá tava ele chegando novamente.Ou num canto da porta, ou na beira da janela etc.

Procurei centro espírita e fiz muito tempo desobessessão.

Espero ter colaborado com o tópico!

Abraço fraterno á todos!






Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: SB em 18 de Dezembro de 2008, 14:51
Olá,

Este assunto é sempre um pouco polémico, contudo nao basta dizer que nao se deve.
É necessário construir ou fomentar esta advertencia, para poder haver esclarecimento, sendo que não vejo situações positivas neste "jogo".

O jogo do copo deve-se em primeiro esclarecer que nao é uma prática espirita.

Depois devemos alertar, para que o que se passa é que aquelas pessoas, unidas pelo pensamento, abrem-se à manifestação de Espíritos que podem não ser bem intencionados.



Devemos entender que nesta pratica invocamos Espiritos, e o Espiritismo diz que nos devemos acautelar a quando de uma evocação. Isto porque devemos ter em atenção a nossa capacidade moral e intelectual a um nivel preparado e educado para o recebimento de qualquer entidade.

Isto é, o jogo do copo acaba por ser um reunião mediunica.

Assim, reuniões mediúnicas frívolas, que é o que acontece neste tipo de jogo, atraem Espíritos que se prestam a brincadeiras ou a atitudes dentro dessa mesma afinidade, frivolidade, que podem ser de muito mau gosto, de muito mau uso...

Por isso, não é raro acontecer que as mensagens recebidas desta forma sejam assustadoras para os adolescentes e ate adultos.

A realçar que nesta interecção com o outro lado, estamos a abrir portas para a obsessão grave, pois a exposição é grande.
Por esta razão tambem nao ser de admirar os exemplos infidaveis de pessoas que desde adolescentes na pratica do jogo do copo, passaram a sofrer a nivel psicologico, pois esta situação trás estigmas que por vezes passam a cicatrizes psicológicas mt graves.

Atenção, com este jogo!

Abraços



Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 18 de Dezembro de 2008, 19:03
Olá amiga Zuleica, olá amiga Susana, olá amigos!

O exemplo ditado pela amiga Zuleica, vivenciado por ela mesmo, é um entre muito outros idênticos que acredito existirem um pouco por todo o lado.

No entanto, apesar dos aspectos negativos que por vezes dai recorrem, abre-se ao mesmo tempo uma oportunidade para que através dessas vivencias, possam surgir novos caminhos que levem á descoberta da nossa real condição de seres espirituais.

Penso ser francamente improvável, evitar que a curiosidade daqueles que necessitam de provar a sua existência espiritual através dos próprios olhos, seja travada através da palavra sem que antes vivenciem este ou outro tipo de experiencia.

Sabemos também, tal como afirma a amiga Susana, que o “Jogo do Copo” não é uma prática espírita, mas neste momento, dadas as circunstâncias sociais em que vivemos, talvez seja da competência de cada um de nós, mais elucidados acerca da doutrina, estar alerta, no sentido de tentar proporcionar que essa oportunidade possa ser vivida de forma mais proveitosa possivel.

Uma atitude recriminatória pode não ter os mesmos resultados da que tem, uma aproximação a todos aqueles que necessitam nesse preciso momento, que o seu percurso seja iluminado através do conhecimento.

Por muito que saibamos dos perigos que esse tipo de “brincadeira” acarreta, ela de facto acontece, sem que nada seja possível fazer para o evitar, a não ser, proporcionar o conhecimento que nos foi transmitido nas obras de Kardec para que esses processos sejam entendidos.

São também conhecidos casos que lamentavelmente acabam, como diz a amiga Susana, sem que algumas dessas crianças jovens e mesmo adultos, saiam ilesos dessa aventura, transportando então as feridas mais ou menos profundas dai resultantes.

Sendo que compete a todos nós o criar de condições para que as nossas crianças tenham uma vida o mais saudável possível a quem apontar responsabilidades perante estes factos?

Neste propósito gostaria de louvar as várias iniciativas levadas a cabo por muitos dos nossos irmãos, no sentido de remar contra esta maré, tentando difundir os conhecimentos necessários junto dessa população mais jovem.

No entanto, os sistemas de ensino instituídos, não possibilitam que estas matérias sejam aprendidas no local que penso ser o mais adequado: a escola de ensino oficial.

Por estes motivos, abrem-se então oportunidades para que a mistificação obsessiva seja posta em prática, daqui resultando os inúmeros guetos espirituais que se observam um pouco por todo o lado, incluindo aqueles formados por grupos de jovens e adolescentes que levam a cabo cultos a “divindades”, umas vezes por eles próprios criados, outras vezes adoptando uma das mais variadas correntes místicas por aí estão disponíveis.

Muitos deles, não conseguindo libertar-se desse jugo, transformam-se em adultos que interiorizaram a espiritualidade de forma diversa daquela que pensamos ser a mais adequada, dando então muitas vezes origem a várias posturas e práticas espirituais por demais conhecidas entre nós.

Felizmente o medo da “morte” e dos “mortos” afasta a maioria de um percurso menos proveitoso e aqueles cuja curiosidade move, na mais das vezes acabam por afastar-se dessas vivencias na medida que a vida os reclama.

No entanto gostaria de formular algumas questões que me assaltam o espírito, na expectativa de estas poderem reflectidas em conjunto:

Sabendo nós que tudo o que acontece está debaixo da alçada da providência divina, sabendo também que a espiritualidade superior está sempre presente, ainda mais quando realmente é necessária, como o tipo de situações que descrevemos e debatemos neste tópico parece indicar, sabendo também que este fenómeno acontece neste momento, em grande escala e em termos planetários, até que ponto não fará parte também do plano global traçado, que tem como finalidade levar a verdade consolada a todos os Homens?  ???

Deveriam os espíritas proporcionar aos milhares de seres que necessitam de ver para querer, uma oportunidade, de forma que essa “aventura” fosse levada a cabo com as condições mínimas necessárias?  ???

Não poderiam esses nossos irmãos que crêem necessitar desse tipo de experiencia, terem assim reunirem condições mais adequadas para darem sequência às suas dúvidas, imediatamente suportadas pela codificação?  ???

Não seria esta atitude profiláctica, talvez até reduzindo assim o numero de irmãos que se deslocam às salas de desobsessão, por motivos relacionados por este tipo de actividades?  ???

No fundo, de que forma devemos dar a conhecer a verdade que nos está confiada?  ???

Um abraço, amigos.
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Victor Passos em 18 de Dezembro de 2008, 19:15
Ola muita paz Companheiros

   Meus amigos amigos concordo plenamente com vocês , quando alertam, para a perigosidade deste jogo, assim como pode destruir toda uma envolvência familiar...
   Já tratamos obsessões que foram provocadas pelo mesmo.
    O que é na realidade para os que desconhecem

Tabuleiro Ouija


O Tabuleiro Ouija ou Tábua Ouija é qualquer superfície plana com letras, números ou outros símbolos em que se coloca um indicador móvel, utilizada supostamente para comunicação com espíritos. Os participantes colocam os dedos sobre o indicador que então se move pelo tabuleiro para responder perguntas e enviar mensagens. Na verdade, há um jogo de tabuleiro registrado no Departamento de Comércio estadounidense com o nome de Ouija, mas a designação passou a servir a qualquer tabuleiro que se utiliza da mesma idéia.

No Brasil, há uma variante conhecida como a brincadeira do copo ou o jogo do copo, em que um copo faz as vezes do indicador para as respostas. Existem também apoios para a utilização de lápis durante as sessões.

 Origem

O princípio que baseia o tabuleiro Ouija ficou conhecido depois de 1848, ano em que duas irmãs estadounidenses, Kate e Margaret Fox, supostamente contactaram um vendedor que havia morrido anos antes e espalharam uma febre espiritualista pelos Estados Unidos e Europa[. Há também indícios de que o princípio teria sido aperfeiçoado por um espiritualista por volta de 1853, chamado M. Planchette, que teria inventado o indicador de madeira que é utilizado até hoje.

Explicação científica

Cientistas e cépticos em geral atribuem o funcionamento do tabuleiro Ouija ao efeito ideomotor. Segundo eles, as pessoas participantes da sessão involuntariamente exercem uma força imperceptível sobre o indicador utilizado, e a conjunção da força exercida por várias pessoas faz o objeto se mover. O físico inglês Michael Faraday realizou experimentos que provaram que movimentos inexplicáveis (nesse caso, das mesas girantes) atribuídos a fontes ocultas eram na verdade realizados pelos participantes dos experimentos.

O mágico ilusionista e cético americano James Randi cita em seu livro An Encyclopedia of Claims, Frauds, and Hoaxes of the Occult and Supernatural que, quando vendados, os participantes do tabuleiro Ouija não conseguem produzir mensagens inteligíveis.

Explicação espiritualista

Espiritualistas que acreditam que é possível fazer contato real com o mundo dos mortos argumentam que vendar os olhos dos participantes da mesa prejudica suas supostas capacidades mediúnicas. A idéia que fundamenta o argumento é que o espírito utilizaria os sentidos do participante durante as sessões. A maioria dos adeptos dessa teoria acredita que o tabuleiro não tem poder em si mesmo, servindo apenas como ferramenta para o médium se comunicar com o mundo dos espíritos.

 Críticas

Além das tradicionais críticas dos cépticos, o tabuleiro Ouija também é criticado entre os espiritualistas. O famoso Edgar Cayce declarou-os perigosos[. Críticos avisam que maus espíritos poderiam enganar os participantes e possuí-los espiritualmente.

No meio especializado, há diversos avisos contra o uso do tabuleiro por pessoas desavisadas. Há também notícias de tablóides relatando casos de suposta possessão demoníaca em decorrência de sessões envolvendo espíritos malignos.

A Igreja Católica é crítica com o tabuleiro e a brincadeira do copo, assim como as experiências de seus fiéis no Espiritismo em geral. A recomendação dos padres é que os fiéis se mantenham distantes de participações nesse tipo de evento . Da mesma forma, Igrejas Pentecostais costumam acusar as práticas espíritas como "brincadeiras com demônios"

Guardai-vos das insolências...orai e vigiai...

VICTOR PASSOS
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Zuleica em 18 de Dezembro de 2008, 20:25
Amigos!

Sou totalmente contra.. na minha experiência tive sofrimento.

Este tipo de atividade é muito perigosa e não deve ser efetuada, pois a pessoa corre perigo de obsessão espiritual.

 Como é uma prática fútil, sem objetivos nobres, focalizando apenas a curiosidade, são os espíritos inferiores e por vezes obstinados no mal que se apresentam, pois os espíritos bons  não perdem tempo.


        Nessas sessões com o copo estão presentes espíritos despreparados e, às vezes, com um pouco de maldade, o que pode tornar a “brincadeira” perigosa.

 O copo realmente se mexe por existir um ou mais médiuns nessas sessões, mesmo que sejam crianças. “De repente, numa dessas brincadeiras, as crianças resolvem parar e o espírito não quer.

E nesse momento que podem começar a acontecer alguns problemas.


ALGUNS PROBLEMAS PODEM SURGIR NO CONTATO COM OS ESPÍRITOS.

“O contato com espíritos legais” ...é sempre sadio, pois eles portam energias conscienciais elevadas. Porém, o contato com entidades enfermiças causa sérias intoxicações na aura do médium.

Isso pode acarretar sérios distúrbios nas vibrações dos chacras e do campo energético (duplo etérico).

 Além disso, há o risco de distúrbios psíquicos, com alterações de personalidade e o surgimento de tendências estranhas no jeito de ser do médium desavisado.

Pode-se dizer que muitas obsessões espirituais começam por aí.

Não custa nada relembrar o toque espiritual de Jesus: “Orai e vigiai”.


Abçs.
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: SB em 18 de Dezembro de 2008, 21:08
Concordo com a Zuleica, quando diz que é contra este tipo de experiencia..

Deixo mais informação que nos mostrará forma como divulgar os seus malificios.


JOGO DO COPO PODE CONDUZIR À MORTE

"As associações espiritas estão preocupadas com a prática do ‘Jogo do copo’ por jovens sem preparação e alertam para a sua perigosidade, pois há centenas de relatos de adolescentes perturbados com o desafio, alguns dos quais tentaram o suicídio ou recorreram a tratamento médico. 


O jogo, que parece simples e inofensivo, baseia-se num copo que se move em direcção às letras de um abecedário colocado em cima de uma mesa e forma palavras em resposta às perguntas dos jogadores.

Sofia, de 15 anos, fez uma sessão para falar com os espíritos e assim tentar saber notícias do primo falecido num desastre de moto. Juntou-se com uns amigos e ao perguntar quem estava presente, a resposta foi: “Satanás”. Ficou assustadíssima. Vera, de 17 anos, mostra-se confusa com o resultado, pois acha que falou com espíritos “bons e maus” e um deles “disse--lhe” para não se rir durante a sessão.

Daniela conta que está “obcecada” e quando tem um “furo” na escola vai jogar com alguns amigos, mas tem receio e dúvidas se lhe pode acontecer alguma coisa de mal.

Outra jovem relata uma sessão com uma amiga que tinha perdido a mãe e num dos dias um dos espíritos anunciou ser sua mãe e levou-a a revoltar-se contra o pai, tendo de recorrer a um psicólogo. Devido a uma sessão, uma adolescente passou a sofrer de pânico, faltava às aulas e um dia tomou uma caixa inteira de comprimidos, sendo assistida no hospital.

À partida, parece absurdo que um copo virado para baixo, apenas com a ajuda da energia de cada um, colocando o dedo indicador na borda, possa deslocar-se sozinho na direcção das letras e formar frases que respondem às perguntas, mas é nisso mesmo que acreditam os jovens que praticam o ‘Jogo do copo’.

O jogo “pode ter graves consequências”, alerta a Associação de Divulgadores de Espiritismo de Portugal (ADEP), com sede nas Caldas da Rainha, que tem recebido no seu sítio na Internet inúmeras mensagens sobre a experiência.

José Lucas, da ADEP, esclarece que não se trata de uma sessão espírita, mas de um “meio de comunicação com o mundo espiritual, onde é usado um copo como “guia” e um conjunto de letras e algarismos. O mal está no seu uso por pessoas impreparadas e apenas para satisfação de curiosidades”, podendo tornar-se perigoso, pois “a pessoa corre perigo de obsessão espiritual. Sendo uma prática sem objectivos nobres são os espíritos inferiores e por vezes obstinados no mal que se apresentam, pois os espíritos bons e nobres não perdem tempo com futilidades”.

José Lucas disse conhecer “variadíssimos casos de obsessão espiritual de pessoas que brincaram com o assunto sem terem preparação e demoraram muito tempo a libertar-se”. Há também relatos de jovens com problemas psiquiátricos. Em Inglaterra, o jogo inspirou um filme de terror intitulado ‘O jogo dos espíritos’ e no Brasil deu origem à publicação do livro ‘Copos que andam’. A curiosidade começou nas escolas, tornou-se ‘moda’ e muitos são os que se questionam se serão os “copos que andam” apenas uma “ingénua” brincadeira.

EXPERIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS

Em Portugal, à semelhança do que acontece noutros países, existem centenas de relatos de experiências mal sucedidas com o ‘Jogo do copo’ e descrições de jovens com problemas psiquiátricos devido a este desafio chegaram também à Associação Cultural Espírita (ACE), com sede nas Caldas da Rainha.

Ana Oliveira, presidente da ACE, reconheceu que “muitas vezes os espíritos que se manifestam são brincalhões e provocam problemas aos jovens”. “O objectivo dos jovens é terem certeza de que há comunicabilidade com os espíritos, acham engraçado o copo mexer-se, ir direito às letras e formar frases, só que às vezes fazem perguntas sobre as famílias e ficam transtornados com as respostas. Por exemplo, recebem respostas de que um amigo vai morrer e às vezes as coisas acontecem e eles ficam com medo e em pânico”, explicou a responsável da ACE, adiantando: “No espiritismo nós nunca fazemos perguntas aos espíritos”.

“O que parecia ser um simples e inofensivo jogo já teve consequências graves, com os jovens perturbados a terem de recorrer a psiquiatras”, adiantou a presidente da Associação Cultural Espírita.

ENERGIA E POUCO ATRITO AJUDAM

A transferência de energia entre os jogadores pode justificar o movimento do copo. Não haverá uma explicação cientificamente provada para o fenómeno, mas há especialistas que sustentam que basta estudar a Física, pois o copo move-se sobretudo em superfícies lisas. Há também quem explique que o copo causa pouco atrito e isso faz com que se desloque, sugerindo a quem não acredite que o tente fazer em materiais como alumínio, ferro ou azulejo. "


Fonte: Jornal "Correio da Manhã"
Poderão encontra-lo em arquivo aqui: http://web.archive.org/web/20080106080848/http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=80784&idCanal=10&currPos=20
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 19 de Dezembro de 2008, 10:45
Olá amigos!

Estamos evidentemente em completa concordância em relação aos perigos que acarretem este tipo de experiencias.

No entanto, indo ao reencontro com as reflexões anteriormente levadas a cabo por mim próprio na anterior participação, sabemos ser inevitável acontecer, visto que a necessidade que muitos de nós têm de vivenciar experiencias que confirmam aquilo que já sentem ser verdade, é por vezes irresistível.

Conforme referir o amigo Vítor Passos, já teve oportunidade de tratar desopressões provocadas pelos mesmos. Os casos apresentados no jornal “O correio da manhã” vêm confirmar aquilo que já sabemos. Esta realidade é preocupante pelo lado negativo que temos vindo a apontar, descrita também pela reflexão da amiga Zuleica, mas por outro lado, confirma que a espiritualidade é cada vez mais percepcionada pela nossa humanidade. 

Sabemos que nas sessões de desobsessão e outras levadas a cabo nos centros espíritas, por motivos de elevação e nobreza dos propósitos, a espiritualidade superior cria condições para que não sejam os próprios médiuns também vitimas de obsessão.

A questão que me assola o espírito e que não foi aqui ainda reflectida, é até que ponto, o propósito da instrução daqueles que ainda procuram a verdade acerca da sua condição de seres espirituais, que a isso estão disponíveis, mas que necessitam de vivenciar a experiencia do contacto com o mundo espiritual, para a comprovarem, não é ela também suficientemente elevada para ser assistida pela espiritualidade superior, se for levado a cabo dentro dos mesmos moldes que conhecemos como necessários, para evitar os males que daí advêm.

Obviamente que não proponho a realização do jogo do copo nos centros espíritas, mas sim tentar reflectir no que podem os espíritas fazer, para que esta realidade possa ser encaminhada no sentido da verdade.

Um abraço, amigos!
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: António Luís em 19 de Dezembro de 2008, 12:53
(...) mas que necessitam de vivenciar a experiencia do contacto com o mundo espiritual, para a comprovarem, não é ela também suficientemente elevada para ser assistida pela espiritualidade superior (...)

Pelo estudo que tenho feito, não me parece que o que muitas vezes é importante para nós o seja para os Espíritos.
Estamos numa altura em que o Homem tem um amadurecimento muito grande, o que o faz pensar por si e sempre analisar tudo com espírito crítico. Ora se o Homem está à espera de revelações espirituais no sentido de, orgulhosamente, comprovar o quer que seja, então penso que o caminho não é por aí. Creio que para os Espíritos essa não será a prioridade. Quem hoje desacredita (tem todo o direito) amanhã acreditará, confiemos no tempo; quando chegar a altura as coisas aparecerão.

Obviamente que não proponho a realização do jogo do copo nos centros espíritas, mas sim tentar reflectir no que podem os espíritas fazer, para que esta realidade possa ser encaminhada no sentido da verdade.

O Centro Espírita tem um papel de primordial importância: a divulgação da doutrina.
Penso não ser prioridade fazer acreditar, o que quer que seja, a quem quer que seja.

O caminho passará pelo estudo, pela interiorização da doutrina, penso ser o mais importante.
No entanto amigo, entendo os seus porquês, mas esta é a minha opinião.

Grande abraço
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 19 de Dezembro de 2008, 14:58
Olá amigo!

Penso que as suas considerações estão dotadas de lógica, clarividência e fundamento.  :)

Obrigado, Toni
Um abraço
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Andreza em 20 de Dezembro de 2008, 02:31
Olá amigos!!!
 Bem, quando era adolescente, também tive essa experiência e foram várias vezes...e o resultado foi extremamente horrível para mim e minha família também!Na época, eu via sempre um espírito de uma idosa que parecia uma bruxa,as portas do meu roupeiro batiam à noite e minha irmã também via. Como ela tinha apenas 12 anos, ficou com muitos traumas, pois ela e minha mãe, além disso, ouviam a boneca dela falar! Entre muitas outras coisas que aconteciam...parece estória de filme,mas infelizmente aconteceu.
 Penso que os adolecentes já estão mais suscetíveis à espíritos zombeteiros, por causa de sua transição, revolução hormonal...então meu conselho é:evite mais esse problema para suas vidas, porque considero desnecessário e ainda pode levar à fins trágicos, e isso com apenas uma brincadeira que parece boba, mas não é. Não fiquem curiosos com uma coisa tão ruim como essa, se querem saber sobre espíritos, estudem os livros de Kardec!!!
 Espero ter ajudado pelo menos alguns jovens que ainda pensavam em fazer essa "brincadeira".
 Fiquem em paz, abraços!
 Andreza
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Zuleica em 20 de Dezembro de 2008, 10:48
Amigos..Bom dia!

Não é fazendo brincadeira do copo que vamos reforçar nossa fé.

Também não é por aí, que convenceremos pessoas... que somos seres imortais.

Amigo Taprobana ......colocou texto acima :


"que me assola o espírito e que não foi aqui ainda reflectida, é até que ponto, o propósito da instrução daqueles que ainda procuram a verdade acerca da sua condição de seres espirituais, que a isso estão disponíveis, mas que necessitam de vivenciar a experiencia do contacto com o mundo espiritual, para a comprovarem...."

Fomos criados simples e ignorantes.

Homem viveu na "era" do instinto, passamos para as sensações e agora estamos rumo aos sentimentos.

Conforme nossas experiências, vamos adquirindo consciência, e percebemos a nossa grande vida planetária.

Com a Evolução, cada um, naturalmente, vai despertar para a "era" do Espirito.

Cada um ao seu tempo!

Ao despertar, encontrará a "Força Divina" que nos rege.

Poderemos auxiliar!

Através da divulgação das obras espíritas.

Iremos instruindo pessoas que estão a procura da Verdade.

O depoimento da amiga Andreza vem comprovar, mais uma vez.. que é negativa esta prática.

Não podemos manipular "energias" que desconhecemos.

Se brincarmos com fogo sairemos queimados.

Luz e Paz á todos!




Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 20 de Dezembro de 2008, 20:29
Olá amiga Zuleica!

Agradeço a sua reflexão que proporciona a oportunidade de entender um pouco melhor os motivos que regem as coisas da vida.
 :)
Obrigado, amiga!
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: hcancela em 20 de Dezembro de 2008, 21:16
Olá amigos(as)

Permitam-me esta singela participação?

Todos nós somos (energia,fluidos,etc.)o nosso corpo fisico é energia condensada,
como tal, o que sai dos nossos pensamentos são energia, que depois de sair do nosso cérebro em forma de pensamento, vai para algum lugar;dai Jesus nos ter dito que orassemos e vigiassemos,para não cairmos em tentação.
Não sei se consegui explicar o que queria,mas...Penso que seja o jogo do copo,ou outro jogo qualquer(podia ser o jogo do lápis ou do prato)enfim:não interessa qual!
Ao iniciarmos algum tipo de prática com o pensamento nos espiritos,estamos concerteza atrai-los,tanto mais eles vivem á nossa volta ,acreditemos ou não.
Ora só nas reuniões sérias com o objetivo de auxilio e aprendizado,é,que os bons espiritos participam e nos auxiliam,todo o resto(salvo excepções)atraimos os espiritos brincalhões,zombeteiros,malfazejos,etc.
De fato e diz-me a experiência que devemos ter o máximo de cuidado,ao mexer com forças que ainda estamos no inicio de as conhecer,porque podemos ganhar graves problemas psicológicos,por vezes de dificil resolução.
Para terminar queridos amigos(as)somos aquilo que pensamos,cuidado com os nossos pensamentos e tudo ficará bem.
Tudo passa,quer nas alegrias ,quer nas tristezas.

SAUDAÇÕES FRATERNAS
CANCELA
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Zuleica em 20 de Dezembro de 2008, 22:49
Cancela muito boa a sua colaboração.

Aproveitando o espaço onde estamos falando de energia,fluido, quero convidá-los para assistir a o programa onde explica sobre passes e fluidos...Programa Vida Além da Vida.

Explicarei passo á passo:

Vc vá no link do Centro Espírita União....abaixo:

http://www.ceu-uniao.org.br/

Depois de abri-lo, acima mais a direita ..clica "Televisão"

Vai abrir diversos programas ..todos muito bons.

Vá no que diz "passes" e clica aí...
 Tem a 1ª parte e a segunda.

Muito bom programa.


Adoro Dona Nena Galves.Ela que apresenta abertura dos programas.

Nena e o marido sempre deram muito apoio e hospedaram Chico Xavier, quando ele vinha a São Paulo, para se apresentar nos meios de comunicação.

O casal manteve amizade com Chico por mais de 30 anos.

Estou colocando abaixo a lista dos programas.

Não deixe de ver também o programa ...A vida de Chico Xavier ..onde Dona Nena relata um pouco da personalidade de Chico.

Aproveitem que é bem edificante o conteudo.

Abraço Fraterno!



Programa Vida além da Vida

Programas disponíveis:

A Mediunidade de Paulo
A vida de Chico Xavier
Aborto
Aborto II
Aniversário de Allan Kardec
Bienal Entrevista com Nestor Mazzoti
Bienal I (Lançamento do Livro Amor e Renúncia)
Bienal III
Carnaval
Casa Espírita
Chico Xavier
Compreendendo o Sobrenatural
Entrevista com Marilu Martinelli - I
Entrevista com Marilu Martinelli - II
Entrevista Nena Galves com Heloisa Pires - I
Entrevista Nena Galves com Heloisa Pires - II
Entrevista Nena Galves com Neimer Masotti
Entrevista Suzana Maia Mousinho e Dr. Oswaldo de Castro
Especial de Ano Novo
Familia saudável, Paz na sociedade
Gravidez
Homeopatia
Liberdade Plena
Mediunidade e Carnaval
Os Mansos e Pacíficos
Otimismo e Pessimismo
Passes
Pluralidade dos Mundos
Poder
Preces
Programa 083 - Yvone Pereira
Programa 084 - Yvone Pereira parte 2
Programa 085 - Yvone Pereira Parte 3 entrevista com Gerson Sestine
Programa Especial: Entrevista com Dr. Oswaldo de Castro
Reecarnação e Perdão
Reencarnação
Reencarnação e Perdão
Reencarnação e Perdão I
Reencarnação e Perdão II
Respeito e Educação
Saúde Física e Mental
Superstição 
 

Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: SB em 12 de Janeiro de 2009, 17:03
Este assunto sempre foi uma preocupação para mim, relativamente ás crianças.
Sempre fui muito consciente dos perigos, nesta situação, pensando que tenho duas crianças e que elas fazem o seu proprio caminho.

Devo dizer que as minhas crianças conhecem o espiritismo a nivel de estudo de acordo com a sua vontade, não lhes imponho o estudo frequente, nem frequentam nenhum centro...já frequentaram...ela adorou, ate uma certa altura, ele nem por isso.

No entanto incute-lhes diariamente com todo o amor os ensinamentos que eu vou recebendo desta doutrina.

Sei que na educação, a psicologia e o tempo estarão sempre a nosso favor, e como em tudo, tudo tem o seu tempo.

E heis que então chegou a vez da minha Ritinha se confrontar com esta polemica do jogo do copo.

5ª feira passada, veio ter comigo para lhe falar tudo sobre o que sabia sobre o jogo do copo.

Expliquei-lhe tranquilamente.

Expliquei-lhe dos perigos deste jogo. Ela pq minha causa ja tendo algum conhecimento é mais facil explicar-lhe. Pela lei das afinidades. Pelos espiritos grosseiros e brincalhoes. Pela falta de criterio, e pela falta de moralidade e seriedade que importa neste jogo.

Fi-la lembrar-se sobre algumas conversas que ja haviamos tido sobre os espiritos e das varias experiencias que eu já tinha com os espiritos, percebendo que eu mesma nunca precisei de usar um copo...ou mesmo sabendo da forma seria com que levo este assunto e foquei as obsessões um maior perigo....Ela sorria compreendendo :)

Compreendi também o lado dela. Que entre ela e os amigos existia a fugosa curiosidade e a empulgante, emocionante vontade do desconhecido que tornava vulnerável e apetecivel esta opção...facil de sermos levados por ideias destas.

Entendo, claro que entendo... mas que agora ja sabia dos perigos e seria opcional para ela apartir daquele momento correr esse risco, ou não...a responsabilidade teria que pesar...

Ela acabou por perceber que não era uma boa brincadeira. Mas como havia ela de conseguir dizer aos amigos tudo o que ela ja compreendera, para ela era facil, mas e os amigos?

Então propus:

Que trouxesse os seus amigos lá para casa, faziamos um lanche e falavamos sobre o assunto.

Foi o que aconteceu.
Foi maravilhoso. Os miudos tem ideias radiantes e estao sedentos de querer saber...foi um lanche mt divertido ao mesmo tempo que era advertido :)

Acabei por perceber que os terei la outras vezes para lanchar e para saber mais sobre o outro mundo...eles adoraram.

Tambem percebi que é um assunto que nunca conseguirão ter com os seus pais. :(

Sei que este 7 meninos e meninas, com idades compreendidas entre os 11 e os 13 anos, não farão este jogo, e conseguiram ganhar mais respeito pelo que se passa em redor deles.

Quem sabe todos juntos depois poderão alertar outros amigos lá na escola?! ;)

Sei que não podemos evitar determinados acontecimentos na vida das nossas crianças, nem nas pessoas, mas poder ter a oportunidade de alerta-las já é um previlegio
O que farão com a informação que passamos?
Será unicamente á responsabilidade de cada uma.

Embora saiba que sempre estarei cá, sem recriminações para ajudar se tiver que ser, como mãe e/ou como amiga.


Abraços

Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 12 de Janeiro de 2009, 22:53
Olá Susana, olá amigos!

É possível constatar que uma grande parte das crianças experimenta este tipo de envolvimento com o mundo espiritual.

Também tenho algumas experiencias pessoais a este nível.

Um dos meus filhos, há uns tempos atrás confessou-me que quando mais novos, um grupo de amigos na escola secundária, se divertia a comunicar com espíritos utilizando uma pequena tábua e uma moeda.

Fizeram múltiplas experiencias testando a veracidade das comunicações que recebiam e no caso deles sempre obtiveram provas para eles irrefutáveis de veracidade.

Entretinham-se por exemplo, a brincar com as funcionárias que por ali passavam propondo desafios de adivinhação, que consistiam em que cada uma delas escrevesse num papel algo que só mesmo elas soubessem, como por exemplo o nome de um familiar e curiosamente conseguiam através deste método respostas condizentes com as perspectivas do desafio que lançavam.

Neste caso particular, hoje e já há algum tempo, no entanto bem mais tarde do que à data do inicio deste tipo de aventuras que já vinha desde a escola primária, ele é conhecedor da forma como se processam os mecanismos da mediunidade e também dos princípios básicos da doutrina espírita… mas… e todas as outras crianças que não têm ainda esse tipo de oportunidade de conhecimento? Parece que ficam completamente à mercê dos ditados que a vida lhes trouxer.

O que me preocupa é que eu não sei a resposta e nem tenho ideia do que é possível fazer neste momento, tendo em conta a sociedade em que vivemos, completamente de costas voltadas para esta realidade.


Um abraço, amigos.
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: SB em 13 de Janeiro de 2009, 09:31
Citar
O que me preocupa é que eu não sei a resposta e nem tenho ideia do que é possível fazer neste momento, tendo em conta a sociedade em que vivemos, completamente de costas voltadas para esta realidade.

Ola Taprobana,

Não me preocupa assim tanto a sociedade. Claro que penso nisso, mas não devo me preocupar, desta forma.

A doutrina ensinou-me  a viver um passo de cada vez.

Tudo tem as suas causas, os seus porquês.

Nós não fomos ja uns dos que viveu na sociedade sem conhecimento da Doutrina?

Não houve evolução em nós?

Claro que sim.

Devemos nos preocupar com os problemas da sociedade sim, mas fazer disso um assunto de aprendizagem, para quando ele se deparar directamente conosoco estarmos preparados para o enfrentar.

Senão estariamos a sofrer por antecipação e por dor alheia, despender energia desnecesseraria...

Não quero parecer fria nem insensivel, mas os problemas que cada um de nós ultrapassa são tantos se vamos á procura de outros tantos que nao nos afectam directamente, que será de nós?

Houve um tempo em que sofria so de pensar pq tinha eu conhecimento da Doutrina e por exemplo meus pais ou outros mais chegados nao tinham acesso, por a negarem, ou por simplesmente nao lhe fazer ressonância ou mesmo pro coisas até muito simples...mas não tinham.

Percebi depois que primeiramente temos que passar por outras tantas coisas para que estejamos preparados para receber esta ou outra Doutrina. Foi assim comigo e com todos, senao nesta vida, noutras.

Tudo tem o seu tempo e devemos apenas gastar energias com aquilo que vem ter conosco. Ainda assim, devemos pensar se estão a ser bem gastas ou bem canalizadas.

Não vale a pena despendermos demais. Porque nesse demais está o pouco que talvez necessitemos para nós e neste nós está envolvido os que nos rodeiam.

Se todos os que ja conhecem esta Doutrina (ou mesmo outras cristãs), mas se todos fizermos um bocadinho por nós, estaremos a fazer um bem maior pela humanidade ;)

Abraços

Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 13 de Janeiro de 2009, 10:42
Olá Susana!

Tenho de confessar, que a minha participação neste fórum é a primeira experiencia que a vida me proporcionou de debater e conversar acerca de espiritismo.

A forma como até a mim chegou a oportunidade de conhecer esta doutrina foi repentina e violenta, no sentido de que, de um dia para o outro senti necessidade de estudar um tema que até à data estava longe de ser incluído no meu mundo de observações.

Tratou-se de um percurso que iniciei sozinho e assim se manteve até aos dias de hoje e que se desenrola faz já alguns anos.

Portanto, a perspectiva que me é possível ter acerca destas verdades, terá forçosamente de ser parcial, no sentido de que, existem decerto múltiplos factores de observação até aqui descorados e que fazem com que, na medida que a troca de ideias, pontos de vista, experiencias se desenrola, vai resultando num processo de aprendizagem mais abrangente e por isso mesmo, que caminha no sentido de ser possível encontrar outro tipo de abordagem que não raras vezes vai modificando aquilo que nos parece de importância primeira.

Um dos factores que não me tinha ainda merecido atenção especial, apesar de ter já incluído na minha biblioteca, vários livros de autores que comunicam nessa área, é exactamente o processo de auto-conhecimento que tanto parece estar presente nas reflexões que levas a cabo.

E passo a passo, essa necessidade vai surgindo na medida que a posição doutrinária e intuitiva, vai sendo reenquadrada na observação dos factos que vão ao encontro da reflexão que fazes na tua anterior intervenção neste tópico e com a qual concordo evidentemente, assim como por outras chamadas de atenção que tenho tido a felicidade de usufruir por parte de outros amigos participantes neste fórum, pelo que a cada um de vós quero agradecer.

Um abraço, amigos
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: SB em 13 de Janeiro de 2009, 12:17
Entendo-te mt bem :)

Na realidade o auto-didacta aprende de uma forma estrondosamente bem e acerca de tudo e de si mesmo ;)

É verdade que aplico aqui (e não só aqui no FE), muito o auto conhecimento, porque é base e demais importante para o espirito, já que tudo parte de si enquanto espirito e tudo se encontra nele.

Se pensarmos um pouco damos conta da Lei de Causa/Efeito que perte de nós.
Da Lei da Afinidade pelo que somos, enfim...

Pensando mais um pouco tudo o que nos rodeia é o nosso reflexo. Os nossos filhos são o nosso reflexo...os nossos amigos são o nosso reflexo....ate a profissão tem a dizer algo de nós pela nossa participação.

Tudo esta em nós e se olharmos ao nosso redor podermos sempre nos reconhecer...

Como Saint-Exupery disse, lembrei-me agora  :D..."Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós." e aqui está o acto de aprendermos (evolução, pelo que recebemos) e sermos (pelo que acabamos de conhecer/viver de nós) ;)

Não interessa muito que o que possamos fazer para participar na nossa evolução, desde que saibamos ser verdadeiros conosco, do que sabemos ou não sabemos que seja ouvido ou não, importa que quando verdadeiros, em algum momento e em algum lugar estara (essa participação no ser que somos) a fazer algo por nós mesmos, não só pelos outros. ;)

Abraços

NOTA para a EQ do FE: Reparei agora que o FE colocou este Topico no espaço da Criança...Apesar de se falar aqui em crianças e seja um grupo de maior risco, penso que não é um assunto para crianças nem de espiritismo...em minha opinião seria de se colocar mais em outros temas, visto o Jogo do Copo não ser uma pratica Espirita, antes mais uma preocupação para os espiritas. É apenas uma observação, e pode estár muito errada. ;)

Um beijinho  ;)
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 13 de Janeiro de 2009, 12:57
Muito bem amiga Susana!  :)

Citar
Não interessa muito que o que possamos fazer para participar na nossa evolução, desde que saibamos ser verdadeiros conosco, do que sabemos ou não sabemos que seja ouvido ou não, importa que quando verdadeiros, em algum momento e em algum lugar estara (essa participação no ser que somos) a fazer algo por nós mesmos, não só pelos outros.

De facto, como alertas, sempre será possível e haverá todo o tempo necessário para que as coisas se desenrolem segundo a sua ordem natural.

De nada nos adianta agir em conformidade com aquilo que vamos aprendendo e que define um espírito de evolução condizente com as nossas aspirações, se essa acção for levada a cabo de forma forçada e contra-natura, pois a nossa real identidade a cada instante se manifesta e descobre a condição íntima que transportamos.

Assim, penso nunca ser possível a competência sem que os atributos necessários tenham de facto sido adquiridos.  E essa aquisição só pode ser feita quando o caminho a percorrer estiver concluído.

Por muito que nos tentem ajudar, somente as nossas próprias pernas o poderão fazer. E tal como referes, a primeira acção a tomar é tentar identificar em nós mesmos todos os pormenores que possam estar já sujeitos a reavaliação, dentro dos parâmetros que caracterizam a nossa realidade espiritual.

De que nos serviria o conhecimento da forma como as coisas se desenrolam, se nos mantivermos parados sem possibilidades de as acompanhar?

Porque motivo nos havemos de preocupar com o futuro que não conhecemos, se não formos competentes na observação do presente?

De facto, somente o instante em que vivemos faz parte da nossa própria existência. Enquanto vivermos imersos ou na recordação ou na perspectiva de futura felicidade estaremos de facto parados, desaproveitando a oportunidade que o presente em cada instante nos vai oferecendo.

Por isso mesmo, devemos estar sempre despertos e atentos na observação do momento exacto em que a vida se desenrola, para que assim seja possível aos nossos olhos, ver, aos nossos ouvidos, ouvir, e ao nosso coração, sentir.

Um abraço Susana, um abraço amigos.
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: SB em 13 de Janeiro de 2009, 15:17
Citar
Porque motivo nos havemos de preocupar com o futuro que não conhecemos, se não formos competentes na observação do presente?

De facto, somente o instante em que vivemos faz parte da nossa própria existência. Enquanto vivermos imersos ou na recordação ou na perspectiva de futura felicidade estaremos de facto parados, desaproveitando a oportunidade que o presente em cada instante nos vai oferecendo.

Por isso mesmo, devemos estar sempre despertos e atentos na observação do momento exacto em que a vida se desenrola, para que assim seja possível aos nossos olhos, ver, aos nossos ouvidos, ouvir, e ao nosso coração, sentir.

Nem imagina a alegria que me dá ler isto que escreveu. Parabens, por já ter esta percepção!

Amigo, já fugimos um pouco ao tema, mas fico mt contente com este resultado :)

Abraços
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 13 de Janeiro de 2009, 17:05
Olá Susana!

Eu também fico muito feliz quando as coisas assim são possíveis de acontecer.

Obrigado, amiga!  :D

Um abraço, amigos
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: priiiiscila em 22 de Janeiro de 2009, 19:13
Olá,

Este assunto é sempre um pouco polémico, contudo nao basta dizer que nao se deve.
É necessário construir ou fomentar esta advertencia, para poder haver esclarecimento, sendo que não vejo situações positivas neste "jogo".


concordo. Ate pq eu ja brinquei de compasso e nunca tive problemas, era divertido ve-lo girando e acertar a pergunta. Nao tive pesadelos, nem aconteceu nada, entao achava q nao tinha problema, q era exagero dos adultos. mas oq se deve fazer é um estudo com os jovens explicando tim tim por tim tim sobre o jogo. Eles (nos) precisam estudar, precisam conhecer a realidade do mundo.
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Suany em 31 de Julho de 2009, 21:07
Olá amigos,

Também fiz esta "brincadeira" aos 13 anos.Na época fizemos perguntas de adolescente: quando irei casar? Quantos filhos terei? Enfim...Hoje aos 29 anos e com um pouco de conhecimento, tenho noção que não se brinca com a espiritualidade.E agradeço a Deus por ter encontrado o espiritismo que sempre esclarece sempre as minhas dúvidas.

Um abração!

Suany França
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Victor Passos em 01 de Agosto de 2009, 15:29
Ola muita paz e harmonia
Amiga Suany


Espiritismo e Você


          "... Tornar-se espírita não é santificar-se automaticamente, não significa privilégio e nem expressa cárcere interior.

          É oportunidade de libertação da alma com responsabilidades maiores ante as Leis da Criação.

          É reencarnar-se moralmente, de novo, dentro da própria vida humana.

          Convicção espírita é galardão abençoado no aprendizado multimilenar da evolução.

          Desse modo, nem prevenção, nem invigilância constituem caminhos para semelhante conquista.

          Urge sustentar perseverança e paciência na execução justa de todos os deveres.

          Evite arrancar abruptamente as raízes defeituosas, mas profundas, de suas atividades; empreenda qualquer renovação pouco a pouco.

          Contenha os ímpetos de defesa intempestiva das suas idéias novas; sedimente primeiro os próprios conhecimentos.

          Espiritismo é Claridade Eterna.

          Gradue a intensidade da luz que você vislumbrar, para que seus olhos não sejam acometidos pela cegueira do fanatismo.

          Muitos irmãos nossos ainda se debatem nas lutas de subnível, porque não se dispuseram a aceitar a realidade que você está aceitando, mas, também, outros muitos palmilharam o lance da experiência que hoje você palmilha e nem por isso alcançaram êxitos maiores, na batalha íntima e intransferível que travamos conosco, em vista da negligência a que ainda se afazem.

          * * * * *

          Crença não nos exime da consciência.

          Acertar ou cair são problemas pessoais.

          Tudo depende de você.

          Quem persiste na ilusão, abraça a teimosia.

          Quanto mais se edifica a inteligência, mais se lhe acentua o prazer de servir.

          Obedeça, pois, o chamamento do Senhor, emprestando boa-vontade ao engrandecimento da redenção humana, através do trabalho ativo e incessante nos diversos setores em que se lhe possa desenvolver a colaboração.

          Conserve-se encorajado e confiante.

          Alegria serena, em marcha uniforme, é a norma ideal para atingir-se a meta colimada.

          Eleve anseios e esperanças, tentando sublimar emoções e cometimentos.

          Acima de tudo, consolide no coração a certeza de que revelação maior é aquela que nos preceitua o dever de procurar com Jesus a nossa libertação do mal e, em nosso próprio benefício, compreendamos a real posição do Mestre como Excelso Condutor de nosso mundo, em cujo infinito amor estamos construindo o Reino de Deus em nós."

Livro: O Espírito da Verdade
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier/ Waldo Vieira

Muita paz e harmonia

VICTOR PASSOS
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Carina nina em 07 de Agosto de 2009, 19:55
Olá, sei que isso é bobagem, e estou muito arrependida pelo o que fiz. Não sei se vc pode me ajudar, mas estou procurando ajuda em todo lugar. Vc pode me ajudar?
Bem, eu e mais 2 amigo (André e Lucas) fomos fazer o famoso ‘’jogo do copo’’ (ouija). Fomos fazer ele em uma antiga clinica que tmbm era um convento extremamente católico. Mas aquilo lá já esta abandonado e não há ningm lá. Mas sei que há 3 pessoas enterradas lá: A madre superiora, um medico e sua mulher(que provavelmente inauguraram a clinica.)
Pois bem, começamos o jogo, e o copo começou a se mexer. Era uma mulher, velha,e ela falou q tmbm não tinha morrido de velhice e. nem de doença.Ela tmbm disse que era um espírito mau.  Mas ela não revelou seu nome. Eu admito que estava com muito medo.pois eu senti uma grande energia vindo do copo que não podia ser dos meus amigos, que tmbm estavam assustados.  Até que o copo começou a se mexer descontroladamente, aí eu falei que queria ir embora, e meu amigo perguntou ao copo? A Carina pode ir embora? E o copo foi em direção ao não. Fiquei tremendo de medo. Meu coração estava saltando da boca. Até que o copo sai do tabuleiro, mas no jogo, se o copo sair do tabuleiro que dizer que o espírito pode se libertar e pode dar possessão. E meu amigo fez algo de errado: meu amigo tirou o dedo e colocou o copo devolta ao meio do tabuleiro. Então o copo foi novamente bem rápido para fora do tabuleiro, mas dessa vez, sem nossos dedos no copo. Eu e meu amigo Lucas saímos correndo de medo, sem permissão para sair, e o André ficou lá sozinho. E encerrou o jogo sem a permissão do espírito. André não lavou o copo com água(o ideal) nem jogou ele em rio. Ele simplesmente teve uma idéia absurda? Jogou o copo no lixo. Fomos tentar achar o copo para lavá-lo e então encerrar a sessão, mas não achamos mais o copo.(o lixo foi levado) E essa é a historia. . Mau amigo, André que se diz Bruxo, falou que nos devíamos fazer outra sessão para pedir ao espírito ir embora, pois eu sei que depois dessa noite, nunca mais dormi direito. Sinto um peso enorme na minha consciência, tenho muito medo, ouço coisas, ruídos quando vou dormir, sei que pode ser coisa da minha cabe;a, mas sei que agora não estou mais sozinha. Fiz muitas orações de banimento entre outras. O que posso fazer para mim esquecer disso ? e se for mesmo um espírito me seguindo, o que eu faço para ele ir embora? O que faço para não ter mais medo? Podes me ajudar? Esse é o meu e-mail: cahh_nina@hotmail.com (por favor, preciso muito de sua ajuda)
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 08 de Agosto de 2009, 00:26
Olá Carina nina.

Tente raciocinar comigo e veja se isto que lhe quero dizer faz sentido para si.

Se os espíritos existem, não passam de pessoas que já morreram e por qualquer motivo andam por aqui e alguns gostam de se fazer notar, de dar nas vistas,  sempre que podem.

No entanto, nós mesmo somos um espírito que ainda esta unido ao corpo. Quando morrer vamos ser um espírito igualzinho a esses que conheceu no jogo do copo.

Portanto, que sentido faz ter medo de alguém que é exactamente igual à Carina? Feito no mesmo material? Seria o mesmo que ter medo de cada um dos seus amigos que gostam de contar histórias para se divertirem a assusta-la.

Se o mundo dos espíritos é real, ele é igual ao que vivemos agora, com pessoas boas, más, divertidas, sérias, brincalhonas, etc...

O que fazemos se conhecemos alguém que não gostam? Passamos a não lhe dar importância e esquecemos que ele existe e procuramos novos amigos. Sempre que ele toca à nossa porta não abrimos, sempre que ele telefona, não atendemos e assim até que ele desiste.

Tal como acontece entre as pessoas vivas, só podem interferir na nossa vida se lhe prestarmos atenção e se sentirmos medo, focalizamos os nossos sentidos nessas pessoas e assim elas aproveitam para se divertir... sim porque os espíritos que andam por aqui devem morrer de tédio sem nada para fazer que não seja entrar em jogos do copo, ou outras coisas mais e sempre que podem aqueles de mau feitio divertem-se tal como na escola quando somos ainda novos brincamos com aqueles nossos amigos que são medrosos...

Eu já passei pela fase que esta e também cheguei a ter esse tipo de medo... no entanto foi assim que eu superei. Viva a vida que é maravilhosa e aproveite para fazer tudo aquilo que quer e deseja. O mundo dos mortos temos tempo em conhecer ou de novo reviver conforme assim for o caso quando essa hora para nós chegar. Mas neste momento todos os dias acordamos e temos o calor e a luz do sol que nos convida a viver com o máximo de energia positiva e concretizar tudo aquilo que queremos fazer sem outro tipo de preocupação que não seja viver!

Se por acaso lhe apetecer e achar que isso pode ser para si uma forma de aproveitar as muitas coisas que a vida oferece, pode entreter-se a ler o Livro dos Espíritos de Allan Karcec. Ele explica como funciona esse negocio de spirits.

Que seja feliz.  ;)


Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Diegas em 08 de Agosto de 2009, 04:27
'...O que faço para não ter mais medo? Podes me ajudar?...'

Olá, Carina nina

Devemos ter medo dos vivos e não dos mortos, pois estes fazem menos mal do que aqueles.

O que pode fazer para não ter medo ?

Esqueça o que houve e bola pra frente, pois o medo é uma criatura psicologica construída por nós mesmos (há sempre quem goste de viver sob fortes impactos e/ou emoções)


Abç
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Mourarego em 08 de Agosto de 2009, 16:51
vejam como são as coisas...
No campo dos precursores do Espiritismo encontramos a família Fox, lembram?
Pois bem, devido ao grande alarido que as manifestações que haviam naquela casa pequena de madeira, formou-se um grupo para verificar a veracidade dos acontecidos.
Sabem como se conseguiu chegar a um denominador mais credível?
Um pastor, esqueço-lhe o nome, montou uma réplica em papel de uma tábua oija.
Quer dizer, reuniu na folha que afixou em uma madeira, o alfabeto, e a menina Foz, pediu ao Espírito que riscasse as letras das respostas. Assim foi feito.
Nesse sistema descobriu-se onde estava o corpo do defunto.
Resumo da ópera: é a intenção que forma o vínculo. Se boa, desvenda o que pode ser desvendado. Se má, estabelece possibilidade para obsessões.
Abraços,
Moura
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Victor Passos em 08 de Agosto de 2009, 17:12
Ola muita paz e harmonia
Amigo Moura rego

     Nada acrescentar , corretissimo seu pensamento...
     Se a intenção e pensamento forem cuidados e respeitavéis , teremos , razoabilidade, caso seja a intenção materialista ou de interesses mundanos , e viciosos então encaminhamo-nos para sermos possivelmente mais um dos muitos obsidiados que estão necessitando de tratamento.

Muita paz e harmonia

VICTOR PASSOS
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: sensitive em 08 de Agosto de 2009, 17:26
Olá!

È verdade que muitos o fazem por pura curiosidade.
Outros com intenção de procurar uma resposta.
Também fui uma delas! ver para querer.  ::)
Bom, na verdade não vi nada, fui expulsa, ao juntar-me a mesa fiz uma preçe a pedir protecção e auxílio dos bons espíritos, acho que não agradou a um espírito presente,pois mandou-me ir embora.
Tive que sair, mas não me arrependo,sei de antemão que foi um espírito leviano, avisei o grupo, mas este quis continuar na mesma.
O que tenho para dizer,é que não vale a pena ter curiosidade nesse campo, nada de benefico nos trás.


Abraço


Sensitive


Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 08 de Agosto de 2009, 23:23
1 - É comum encontrar nos meios espíritas Kardecistas a convicção que é possível obter do mundo espiritual proveitosas comunicações desde que o seu propósito seja elevado.

2 - Consoante a intenção ou o objectivo que move o médium assim obtém correspondência vibratória com o mundo espiritual.

Apesar de 2 ser passível de ser verificado como verdadeiro através da experimentação de facto, já o mesmo não se pode afirmar acerca de 1.

Não esta demonstrado de forma alguma, ou seja, nem através de conhecimentos empíricos nem filosóficos, que o bem ou o elevado corresponde de facto aquilo que os indivíduos reconhecem individual ou colectivamente.

Não parece ser de bom-tom a censura ou o julgamento de conduta. Tendo em consideração a cultura ocidental e tomando por exemplo Jesus, nada aponta para que a submissão a doutrinas de bem e de mal seja o caminho da salvação.

Nietzsche aponta Sócrates como o “pai” do “Bem”, do “Bom”, do “Belo” e consequentemente acusa o filósofo de ser o responsável pela morte do coro trágico grego e da submissão do espírito de Dionísio ao de Apolo, ou seja, a submissão da liberdade de acção à castração das vontades em nome do “Bem”, do “Bom”, do “Belo”.

No entanto nem Sócrates nem Nietzsche são suficientemente competentes para demonstrar de forma inequívoca a sua “Verdade Universal” pois esta pura e simplesmente é impossível de ser demonstrada. A metafísica tem do ponto de vista do Homem um objecto impossível de atingir, que cada vez mais dele se afasta na proporção directa da evolução do seu “saber”.

Porque motivo, para além da consciência de si como espírito livre (quando assim acontece), pode um espírito ter mais conhecimento de facto de uma “Verdade” que para o Homem é impossível de atingir?

Não fazem esses espíritos parte da nossa sociedade global? Que tipo de mais-valias podem advir dessa esfera de vida para a que actualmente vivenciamos?

A revelação profética dos espíritos, está contida e esgota-se na obra de Kardec. Para além disso, acreditar que em cada médium existe o potencial da revelação divina através dos espíritos “elevados” vai para além daquilo que a razão mo permite.

Taprobana
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Mourarego em 09 de Agosto de 2009, 17:15
Desmentindo os Espíritos Reveladores, amigo Traprobana?
Abraços,
Moura
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 09 de Agosto de 2009, 20:10
Não amigo Mourarego, não desmintindo os espiritos que são reveladores pois isso não é possivel ser levado a cabo através da razão!

Estou é questionando o que é, o que são, quem são, como são e onde e quando se manifestam os espíritos reveladores, enquadrando e comparando com o papel que desde sempre tiveram no decurso da história da humanidade.

Reflicto acerca do tipo de utilidade que tem para a evolução no Amor os conteúdos anormalmente distantes desse objecto, os que abordam matérias que comprovadamente desconhecem, os que transmitem teorias comprovadamente falsas e os que demonstram completa incompetência cultural ao nível do discurso filosófico, em múltiplas vertentes que esta disciplina contém, independentemente se esses autores-espiritos foram ou não editados por Kardec.

Resumindo, cumpro o conselho do próprio Kardec não prestando qualquer tipo de vassalagem intelectual nem submetendo a evidencia racional a dogmas ou partidos.

Se assim estiver disposto, tenho todo o interesse em debater este tipo de posição que neste momento de forma inevitável a minha razão pessoal me enquadra, no entanto dentro das regras deste fórum para que os conteúdos não sejam apagados uma vez que tenho perfeita consciência do meu discurso não ortodoxo, que potencia mal entendidos e disputas de ideias ou conceitos que se tornaram dogmáticos dentro da doutrina espírita, ou seja, isto só é possivel esgrimindo argumentos enquadrados na lógica discursiva do objecto a ser tratado de forma ostensiva e directa.

Taprobana
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Mourarego em 09 de Agosto de 2009, 21:29
Amigo Traprobana,
você foi feliz na colocação feita, o que gerou a minha piada em resposta!
contudo, se falando em amor, veja que foi por amor a todos nós, e indiscutivelmente por amor ao ser creação divina que jesus tenha observado "Conhecereis a Verdade e Ela vos libertará".
Ora´é o conhecimento que nos vai apontar a Verdade da qual o Rabi falou, e se ele nos alertou e foi por amor, ai está a fonte e o fulcro do amor que banha todos os aspectos da doutrina.
Foi por amor que recebendo dos Ministros de Deus, os ensinos a serem revelados, fizeram os Espíritos Superiores, desses ensinos e da sua correta revelação a sua missão.
Tendo então recebido os cinquenta e um cadernos, O então Rivail, estudando-os viu ali o nascimento de nova doutrina e também por amor, não a seu nome ilustra, mas sim ao conjunto dos ensinamentos recebidos e que seriam dispostos em forma de códigos, que resolveu adotar o nome de seu tempo de Drúida, Allan Kardec.
Ora, é a caridade e o bem ao próximo, atributos deste amor, que expressam qualquer das colocações dos Espíritos, desde as mais dulcificadas às mais duras, como as de Erasto.
Dessarte, não poderia ser de outra forma que se constituisse essa nova ordem de coisas, o Espiritismo, e em assim sendo tinham os Espíritos de repassarem todoas as informações recebidas dos Ministros de Deus, em toda a sua pujante inteligência Justiça e Bondade.
como estas repercutiriam sobre uma grande soma de assuntos gerais, tomando da generalidade desses assuntos, eles responderam as perguntas levadas a efeito pelo codificador, e as analisaram, completaram, reformaram ou excluíram aquelas que não se prestassem em todo teor ao melhoramento moral e intelectual dos Espíritos em ordem reencarnatória nos diversos mundos.
Também por este motivo suscitaram médiuns diferentes, desconhecidos entre si, e em vários lugares para validarem suas mensagens, sempre recebidas em qualquer dos quadrantes da terra, da mesma maneira, para a melhor compreensão e propagação da notícia dos Espíritos Reveladores.
Este um pequeno resumo, feito para relembrar-lhe algo que sei que o amigo apenas quis ver reescrito para a lembrança de todos deste fórum.
Abraços,
Moura
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 10 de Agosto de 2009, 00:56
Amigo Moura

Antes de mais agradeço a amabilidade da sua atenção e saiba que é para mim um prazer levar a cabo esta troca de impressões, não sendo estas minhas palavras de circunstância mas sim sentidas. É muito difícil encontrar alguém com quem seja possível debater este tipo de questões e assim potenciar a evolução no saber e na constatação do erro ou ignorância.

Apesar de ser para mim neste momento ainda impossível saber de outra forma que não através da crença, da intuição, do instinto ou da minha consciência onde estão escritas as leis de Deus, cerca da assertividade das múltiplas questões abordadas pela obra de Kardec e que parecem ser de facto a continuação lógica da mesma tarefa que os espíritos que anteriormente entre nós e ao longo dos tempos pretéritos encarnaram com a mensagem de Amor, tenho a felicidade de ter podido comprovar em termos empíricos, portanto derivados da experiencia directa, a coincidência e conformidade das respostas que os espíritos dão a um determinado numero de questões que eu mesmo tive, por acaso do destino, oportunidade de formular e que, como aliás já aqui tive oportunidade de referir neste espaço de conversa, são quase textualmente iguais às que passado algum tempo tive oportunidade de ler no O Livro do Espíritos que tornou impossível o cepticismo e o alheamento que este tipo de matérias em mim e à data despertavam.

No entanto e de facto, nenhuma utilidade tem essa constatação pois, tal como a certeza que tenho acerca da imortalidade da alma obtida através do mesmo método experimental, nada pode contribuir em termos do saber, pois e surpreendentemente, este tipo de experimentação é ignorada por aqueles que hoje detêm do ponto de vista cultural conhecimentos mais cuidados e aprofundados a propósito das questões da metafísica, o que lamento profundamente.

Immanuel Kant, de uma devoção e fé em Deus inquestionável, foi curiosamente um dos progenitores do agnosticismo, apesar de nunca ter conhecido este seu filho pois desencarnou antes do seu nascimento, coloca sob as costas da moral e da religião a responsabilidade do conhecimento de Deus e da imortalidade da alma pois do ponto de vista filosófico na sua Critica da Razão Pura, provou com uma competência extraordinária a incapacidade que os Homens têm em adquirir este tipo de conhecimento que não dessa forma.

Assim, é então fundamental, que no decurso das investigações metafísicas que aqui levamos a cabo e que em conjunto estudamos, determinar aquilo que é da estrita competência do conhecimento do Homem, ou seja, o que faz parte das matérias que vai aprendendo no decurso do seu processo evolutivo, daquilo que lhe é impossível conhecer de outra forma que não através da crença, da fé, da sua natureza intima, imortal e divina.

Prezado amigo. Não está em questão, pelo menos de momento, a possibilidade do espiritismo não ser uma revelação de natureza profética e muito menos a competência de Allan Kardec em levar a cabo a tarefa que extraordinariamente concluiu, no entanto devemos fazer a nossa parte. E a nossa parte não é alimentar a enorme quantidade de revelações divinas que diariamente são editadas cada qual a mais fantástica, que colocam em questão a edificação espírita, mas sim refinar aquilo que foi transmitido à época pelos espíritos, separando o trigo do joio, de acordo com o evoluir das nossas competências tanto ao nível do conhecimento cientifico, como ao nível da admissão da constatação crescente da nossa total incapacidade para conhecer ou mesmo reconhecer a obra de Deus.

Taprobana
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Mourarego em 10 de Agosto de 2009, 01:40
Palavras arrazoadas, amigo Traprobana,
sabe, há muitos que tendo fé e crença em Deus, desistem, ante aos dissabores accarretados por esta fé. Não digo que este seja o caso de kant, ou de tantos confrades que se recolheram, se fecharam, conheço alguns no Brasil, eu mesmo, como disse no texto, já senti essa vontade de jogar a toalha, mas algo superior a esta vontade me impeliu ao continuar e eu obedeci.
A estrada nunca foi fácil, mas fácil, nem mesmo o é encontrarmos a tal felicidade e ela consiste em gostar de tudo que se tem ou se consegue, mesmo não tendo tudo o que se quer.
Abração,
Moura
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 10 de Agosto de 2009, 02:08
Obrigado amigo Moura.  ;)

Um abraço
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: MARIANAAA em 10 de Agosto de 2009, 03:48
IRMAÕS SOU A PROVA VIVA DO QUANTO IMPORTANTE E FUNDAMENTAL É A FÉ EM NOSSAS VIDAS,A UM ANO ATRAS PERDI A FÉ EM TUDO,EU QUE SEMPRE FUI ESPIRITA.PERDI MEU AMADO FILHO DE MANEIRA CRUEL E BRUTAL,FAZ 3 MESES QUE VOLTEI A ORAR E ACREDITAR,PORQUE A FALTA DE FÉ ESTAVA ACABANDO COMIGO E COM MINHA FAMILIA.MINHA ESTÓRIA É LONGA E AOAS POUCOS VOU CONTANDO A TDS QUE TIVEREM INTERESSE EM OUVIR E A ME AJUDAR,ESPERO RECEBER IMAILS DE VCS.FIQUEM NA PAZ DE DEUS
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Lucas LF em 19 de Dezembro de 2010, 11:58
 Olá amigos, eu nunca joguei o jogo mas por relatos de amigos meus alguns espíritos dizem "se saírem todos irão morrer" ou coisas do gênero , eu gostaria de saber se os espíritos que sintonizam nesses "jogos" mesmo sendo inferiores, levianos, eles tem esse poder de provocar a morte? Ou ate mesmo manipular a pessoa para cometer algo como o suicídio?

Aguardo a resposta, Abraços Lucas.
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Taprobana em 19 de Dezembro de 2010, 20:18
Boa noite, Lucas LF

Pessoalmente estou convicto, pelas experiências que levei a cabo que existem efeitos, ou seja, consequências ao nível do universo mental gerado pelo cérebro das pessoas, cuja causa estará na prática de várias actividades mediunicas, onde se inclui o Jogo do Copo.

Não sabendo de facto qual a proveniência desses efeitos, existem variadas propostas, teorias, doutrinas que apresentam explicações quase todas elas possíveis de serem aceites, sejam provenientes de correntes espiritualistas ou materialistas.

Cumprimentos
Joaquim

Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Mourarego em 19 de Dezembro de 2010, 20:21
Lucas,
quem se mete com Espírito ignorantes e brincalhões há de passar por essas coisas.
Espírito algum pode ou tem o poder de matar ou fazer com que alguém se suicide. Suicídio tal como  assassinato é ato de Espírito, quer dizer, tem que haver a vontade em retirar a vida do outro ou a sua própria.
Se os Espíritos tudo pudessem para que e de que serviria Deus?
abraços,
Moura
Título: Re: O jogo do copo – Quem quer experimentar?
Enviado por: Lucas LF em 19 de Dezembro de 2010, 20:32
Vlw ajudo muito  ;D