Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Espiritismo & Jovens => Tópico iniciado por: Atma em 11 de Outubro de 2008, 03:50

Título: Livre Arbítrio.
Enviado por: Atma em 11 de Outubro de 2008, 03:50
— Por que muitos combatem o Espiritismo, mas na verdade têm pavor dele? perguntou-nos o instrutor.

Foi-nos explicado que, mesmo os nossos acusadores, no fundo, acreditam na existência dos espíritos mas não desejam envolver-se, por considerar a Doutrina Espírita uma volta à espiritualidade, lugar onde aprendemos a nos tornar bons e onde prometemos que, quando encarnados, cumpriríamos com os nossos deveres.

A Doutrina Espírita aguça as lembranças, muitas nada boas. Quem a combate está fazendo com que sérios compromissos sejam adiados. Embora ata¬cando o Espiritismo, sabem que os espíritos existem e que nada impede a morte do corpo físico. As grandes inteligências que buscaram a verdade espírita no século passado assombraram a sociedade materialista da época; os estudos da Doutrina foram iniciados por homens respeitáveis e de cultura admirável.

Aberto um tempo para perguntas, Luanda acionou o botão em sua cadeira:

— Será que esse medo que alguns possuem não é causado por algumas proibições da Doutrina?
Resposta: A Doutrina nada proibe, ela apenas deve alertar para o perigo dos excessos. Desde que coibimos os espíritas, estamos indo contra a Doutrina do Cristo. Ele nada proibiu, apenas foi um grande professor, e devemos recordar que se Deus nos deu o livre-arbítrio, quem tem condição moral de o negar a alguém?
— Mas já vi Centro Espírita que só falta proibir que seus freqüentadores cortem os cabelos — falei. Tudo é proibido, tudo vai contra a Doutrina.
Oinstrutor, dirigindo-se ao nossso grupo, indagou:
— Podem citar, por exemplo, o que está sendo proibido nessas Casas?
— Constatamos que alguns espíritas são contra certas datas comemorativas, falou Tomás. Como proceder com as crianças e os jovens? Dizer-lhes que o Natal virou comércio? É justo matar o sonho de uma criança porque somos espíritas? Ou proibir um jovem de brincar carnaval porque é uma festa pagã? No dia em que todos os lares festejam a Páscoa, é certo dizer a uma criança que o coelho é uma bobagem? Será que não são essas proibições que fazem com que muitos se afastem das Casas Espíritas? Devemos recordar que o encarnado convive hoje em uma sociedade onde o consumismo impera. Não é mais prudente, desde a evangelização infanto-juvenil, fazer nascer nos corações ainda jovens os reais valores, sem proibi-ção?
— A Doutrina é límpida, explicou-nos o instrutor, e as idéias dos homens merecem uma análise. Na época em que vivemos, os espíritas precisam buscar as necessidades atuais da juventude, que não é a de cem anos atrás. Hoje o jovem convive com a droga, o sexo, com a liberdade excessiva e ainda mais com uma sociedade materialista. O jovem que está interessando-se pela Doutrina tem de encontrar na Casa informações bem direcionadas, com métodos atualizados, para serem discutidos os temas do dia-a-dia. Para a criança e o jovem de hoje não basta dizer “não pode”. Temos de provar por que eles não podem ter este ou aquele procedimento. Também como o jovem, a criança — não esqueçamos — vive na época da informática e da cibernética, e não será através de proibi¬ções que vamos fazer germinar nessas mentes, repletas de jogos eletrônicos, brinquedos violentos, videocassetes, filmes aquém da moral, os valores da Doutrina Espírita. Quê fazer, então? Apresentar a Codificação como ela é, caminhando com Jesus e dando as mãos para o mundo atual, não olvidando que a criança de hoje foi o adulto de ontem e que, devido a múltiplas idas e vindas, muito já aprendeu e maior facilidade encontra para assimilar as bases doutrinárias. Notem bem: sem proibição, apenas apresentando os valores reais da alma, oferecendo lições no sentido de que ser digno não é obrigação nem favor, é um direito que Deus nos outorgou para ser conquistado. Portanto, ser digno é uma conquista própria. As almas indignas, sem valores, são criaturas que não possuem forças para lutar contra as próprias fraquezas. Para lidar com a criança e o jovem necessitamos nos educar primeiro, para depois tentar transmitir-lhes o muito que a Doutrina oferece. Os estudos têm de partir das obras básicas e dos clássicos da Doutrina. Principalmente o jovem, se ele vai adentrar uma universidade, ao chegar nela que o faça buscando como baga-gem os reais valores doutrinários; que materialismo algum possa levá-lo a esquecer o que aprendeu na Casa Espírita. Lembramos, nesse item 9 da Introdução de O Livro dos Espíritos, que a Doutrina conseguiu prender a atenção de homens respeitáveis, que não tinham interesse algum em propagar erros nem tempo a perder com futilidades. O jovem inteligente terá uma literatura ao nível do seu intelecto. A Casa terá apenas de ajudá-lo nos estudos. Existe livro mais cativante do que Deus na Natureza, de Camille Flammarion? Este é um livro para ser analisado minuciosamente por jovens que já estão-se preparando para enfrentar a universidade. A Doutrina é muito rica em elucidações, basta seguirmos o roteiro certo. Outro livro muito bom para ser estudado pelos jovens: O Espiritismo perante a Ciência, de Gabriel Delanne, que, juntamente com o de Flammarion, poderá ser encontrado em uma boa livraria espírita. O jovem deve ler e discutir sobre os livros, estudando-os com afinco. Apesar de terem sido escritos há vários anos, seus temas são muito atuais e creio que o jovem estudante da era moderna vai adorar lê-los.
— Não irão achar esses livros muito difíceis? perguntou Siron.
— Infelizmente, vários dirigentes de Mocidades subestimam o nível intelectual daqueles que as freqüentam e fogem desses livros, que são verdadeiras enciclopédias espíritas. A juventude tem de estudar primeiro as obras básicas, depois os clássicos da Doutrina, tendo um jovem ou um dos dirigentes da Casa com capacidade intelectual para bem interpretá-los, consultando dicionários, enfim, não deixando passar qualquer pergunta sem resposta, linha por linha, parágrafo por parágrafo. Não importa o tempo que vai durar o estudo; o que importa é que seja aprendida a Doutrina.

Trecho retirado do Livro "Cascata de Luz" de Irene Pacheco ditado pelo Espírito Luiz Sérgio.
Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Conforti em 29 de Março de 2010, 15:38
Amigos,

Longe de mim a intenção de criticar quem quer que seja, ou de criticar o que seja sem que haja motivo para isso. Apenas a obrigação de tentar fazer compreender e de nos livrar de tantas ilusões, culpas, remorsos e medos tolos.

LIVRE ARBITRIO, UMA TENTATIVA DE EXPLICAR O INEXPLICAVEL.

Sempre se tentou encontrar uma explicação, uma justificativa para o sofrimento e os problemas do mundo. Dentro da concepção, adotada pelas religiões, de um Deus soberanamente bom e justo, a responsabilidade de todos os problemas do mundo só poderia recair sobre os ombros das pobres criaturas, os homens, que teriam feito mau uso de seu livre-arbítrio. Que Deus lhes deu vontade livre para pensar e fazer e, dentro dessa liberdade, mesmo as leis divinas estando impressas eternamente em sua mente, não as obedecem e, assim, agem erradamente. Do mesmo modo limbo, céu, inferno, pecados e castigos, pecado original, méritos e deméritos nasceram dessa tentativa de explicar aquilo que ainda é inexplicável, e das observações daquilo que acontece na vida.
Desde sempre o homem buscou explicações para tudo que lhe sucedia, particularmente, se lhe fosse desagradável. Porque o homem sofre? A causa, como asseguram as diversas crenças e religiões, “não’ pode ser o Deus, para nós ainda desconhecido. A causa, portanto, só pode estar no homem. Será verdade essa maneira de ver as coisas?
Os mistérios sempre desafiaram o homem, pela sua ânsia de compreender e de dominar a natureza e o semelhante. Na tentativa de desvendar o mistério da existência do mal, criou-se a figura de sua personificação, Satanás, um ser a quem foi concedida autorização pata atormentar os homens com suas tentações e a suscitar toda espécie de sofrimento do mundo. Mas a existência dessa figura, ou do sofrimento, de modo algum se coaduna com a concepção de um Criador de amor e misericórdia. Como não poderia ser Deus o causador do sofrimento, chegou-se à explicação “lógica”(?) de que, se o homem sofre, sofre porque agiu erradamente; se é feliz, é feliz porque agiu acertadamente. Sem dúvida, se o homem age erradamente pode prejudicar a si próprio e a semelhantes. Não é isso que vemos no dia-a-dia do mundo, desde os mais inocentes desentendimentos até os conflitos e guerras mais cruéis e destruidoras de tudo que o próprio homem construiu? Então o homem sofre porque age erradamente, mas não porque, como ensinam as doutrinas, esse sofrimento está previsto numa lei que lhe impõe punição, mesmo que educativa, por seu procedimento incorreto. É a lei de causa e efeito: se causou um dano, pode sofrer se esse dano o atingir; e pode fazer outros sofrerem, também; isto é lógico. Qualquer tentativa de explicar, como dizem as religiões, que o seu sofrimento vem de sua responsabilidade e culpa, isto é, que sofre como um castigo ou punição, mesmo que educativo-instrutiva, não cabe dentro da idéia de um Criador onisciente, onipotente e amoroso que, por sua onisciência, saberia desde sempre o que cada uma de suas criaturas faria de errado e de certo, de conformidade com suas leis ou das leis da vida e, de antemão, também sabia o que, cada uma, individualmente, sofreria devido aos seus desacertos. Seria como o fabricante de brinquedos que, mesmo sabendo que um brinquedo, por estar defeituoso, destruiria, mataria, seria perigoso, produziria tantas dores, assim mesmo o faz e o entrega às crianças. Quem é o responsável? O brinquedo, as crianças, o fabricante?
Percebemos que temos de, urgente e necessariamente, repensar as concepções religiosas. Ou vamos permanecer cheios de ilusões, esperanças, remorsos e, sobretudo, culpas e medos. Vivemos dentro dessa tremenda ilusão de que a criatura é responsável pelo seu próprio sofrimento. Em certo sentido, esta é uma verdade; contudo, no sentido de que sofre porque fez outros sofrerem é um enorme absurdo. Não há punições infringidas por ninguém, nem por Deus, nem pelo próprio homem. O que acontece é que o ser humano está fechado na escuridão de sua enorme ignorância e nada vê, nada percebe, nada interpreta corretamente. Ele está com os olhos “cheios de terra”, como disse Teresa de Ávila; com os olhos “cheios de espessas trevas”, como disse Jesus. Essa é toda a causa do sofrimento que existe no mundo: os olhos “tapados”, a ignorância que só pode ser dissipada com o conhecimento da verdade que liberta. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Não há culpados, ninguém a ser responsabilizado
(CONTINUO)
Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Conforti em 29 de Março de 2010, 15:41
Amigos,

(continuando)

LIVRE-ARBITRIO, UMA TENTATIVA DE...

É evidente que nós, que a sociedade deve tomar suas precauções. É como o escorpião que pica e envenena. É de sua natureza agir assim. Não é culpado e nada sofrerá pelo mal que possa causar. O mesmo ocorre com o homem: é de sua natureza, ser, ainda, aquilo que ele é; é de sua natureza agir como age. Evidentemente, se temos por perto um animal perigoso, nos afastamos dele ou o afastamos de nós e dos nossos para que nenhum mal nos cause. Do mesmo modo, um homem perigoso, perverso, criminoso, ou dementado, deve ser afastado do convívio da sociedade para que a ninguém prejudique. Mas ninguém tem culpas de como pensa e de como age; cada um, apenas, é o que é. Cada um age de conformidade com aquilo, que em sua compreensão, mais ou menos deficiente, acha que deve agir. O problema é que estamos fechados nesta casca espessa de ignorância e imaginamos e criamos e inventamos um sem numero de explicações, respostas para nossas interrogações acerca da vida. Só isso. Essas respostas, por mais que nos esforcemos, que imaginemos, que raciocinemos, nunca vamos atingir. Enquanto o homem não afastar esse espesso véu de ilusões, enquanto não romper essa ignorância, que não o deixa conhecer a verdade, continuará sofrendo e fazendo outros sofrerem. Essa é a vida e o sofrimento. Não há como fugir disso. A única solução é buscar o conhecimento da verdade citada por tantos sábios. É afastar o obstáculo que não nos deixa conhecer a verdade. E, isso é difícil. porque esse obstáculo é o próprio “ego”, a própria mente onde estão armazenadas as ilusões e suposições recebidas, desde que viemos à existência, daquilo que a cultura, as tradições, os costumes, crenças e religiões nos transmitiram. E como afastar esse obstáculo, se ele é nossa mente e, por conseqüência, ele é nós mesmos? Como ensinou o profeta do Antigo Testamento, “Aquieta-te e sabe: eu sou Deus”; como ensinou Jesus, “Quando quiseres falar com teu Pai, fecha-te em teu quarto e, em silencio, em oculto fala a teu Pai que em oculto te ouve”.  Sempre o ‘silencio’ da mente. 
Aquietar a mente, falar ocultamente, silenciosamente, estas são as recomendações dos sábios...

Vejam só, amigos, um exemplo simples de como nossas escolhas não dependem de nosso livre-arbítrio, de nossa vontade: você caminha por uma estrada que, de repente, se bifurca; por qual das duas vai prosseguir? Ninguém decide ou escolhe como num jogo de cara-ou-coroa, nem num estalar de dedos. Sempre analisamos, por mais simples que essa analise seja, qual a estrada a seguir; a mais vantajosa, a mais sombreada, a que tem menos obstáculos a transpor. E porque essa analise é necessária e produtiva? Porque, pelas experiências anteriores na nossa vivencia de todos os dias, já aprendemos alguma coisa. Aprendemos que devemos continuar por aquela cuja ponte não está quebrada, pela mais sombreada, pela cujo pavimento é melhor etc. Só não age assim aquele que está desesperado, enlouquecido, descontrolado e, por isso, pode até continuar sua marcha pela estrada pior, ou cometer desatinos, como vemos no mundo. Até para escolhermos entre guloseimas, analisamos: se o apetite é grande, a maior; se não, a mais apetitosa ou que nos parece mais saborosa etc. Logo, nosso dito “livre-arbítrio” nunca é totalmente livre: está sempre atrelado, preso ao conhecimento, à compreensão anterior, que já temos das coisas e do mundo. E se não é totalmente livre, não é livre-arbítrio. Todas as escolhas que fazemos e todas as decisões que tomamos estão totalmente presas ao nosso passado e, assim, portanto, não agimos totalmente livres. Do mesmo modo acontece em todos os aspectos da vida coletiva ou individual. Sempre, qualquer decisão, escolha ou arbítrio, depende totalmente da experiência anteriormente adquirida. Não escolhemos livremente. Talvez, por isso o apóstolo Paulo tenha afirmado: “É o Senhor que opera em nós o pensar e o fazer”. E os sábios: “Aquele que pensa que escolhe é imaturo”. Pense nisso!


Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Atma em 29 de Março de 2010, 18:38
continuando...

Determinismo e livre-arbítrio coexistem na vida, entrosando-se na estrada dos destinos, para a elevação e redenção dos homens.

O Consolador- Emmanuel - FCX

Deus quer que todos os seus filhos tenham a própria individualidade, creiam nele como possam, conservem as inclinações e gostos mais consentâneos com o seu modo de ser,  
trabalhem como e quanto desejem e habitem onde quiserem.  

        Somente exige  e exige com rigor que a justiça seja cumprida e respeitada.
«A cada um será dado segundo as suas obras.» Todos receberemos, nas Leis da Vida,...

o que fizermos,  
pelo que fizermos,  
quanto fizermos e  
como fizermos.  

        De conformidade com os Preceitos Divinos, podemos viver e conviver uns com os outros, consoante os padrões de escolha e afetividade que elejamos; entretanto, em qualquer plano de consciência, do mais inferior ao mais sublime, o prejuízo ao próximo, a ofensa aos outros, a criminalidade e a ingratidão colhem dolorosos e inevitáveis reajustes, na pauta dos princípios de causa e efeito que impõem amargas penas aos infratores. Somos livres para desenvolver as nossas tendências, cultivá-las e aperfeiçoá-las, mas devemos concordar com os Estatutos do Bem Eterno, cujos artigos e parágrafos estabelecem sejam feitas e mantidas, no bem de todos e no amparo desinteressado aos outros, as garantias de nosso próprio bem.

E a Vida continua -André Luiz-FCX


 A liberdade de que gozam os habitantes terrestres não é, nem poderia ser, de caráter absoluto, diante da condição do nosso mundo de expiações e provas.

        Da liberdade plena só gozam, por conquista, os Espírito puros, aqueles que chegaram ao ápice da escala evolutiva e que se colocam a serviço do Criador, a Inteligência Suprema. Jesus é o exemplo e o modelo para a Humanidade terrestre.

Revista "Reformador" Nº2.100  Março/2004


 Sem o livre-arbítrio, o homem não teria nem culpa por praticar o mal, nem mérito em praticar o bem. E isto a tal ponto está reconhecido que, no mundo, a censura ou o elogio são feitos à intenção, isto é, à liberdade de pensar.  
A Doutrina Espírita admite no homem o livre-arbítrio em toda a sua plenitude e, se lhe diz que, praticando o mal, ele cede a uma sugestão estranha e má, em nada lhe diminui a responsabilidade, pois lhe reconhece o poder de resistir, o que evidentemente lhe é muito mais fácil do que lutar contra a sua própria natureza. Assim, de acordo com a Doutrina Espírita, não há arrastamento irresistível: o homem pode sempre cerrar ouvidos à voz oculta que lhe fala no íntimo, induzindo-o ao mal, como pode cerrá-los à voz material daquele que lhe fale ostensivamente. Pode-o pela ação da sua vontade, pedindo a Deus a força necessária e reclamando, para tal fim, a assistência dos bons_Espíritos.  Foi o que Jesus nos ensinou por meio da sublime prece que é a oração dominical, quando manda que digamos: "Não nos deixes sucumbir à tentação, mas livra nos do mal."  Conseguintemente, as faltas que cometemos têm por fonte primária a imperfeição do nosso próprio Espírito, que ainda não conquistou a superioridade moral.  

 A Doutrina Espírita admite no homem o livre-arbítrio em toda a sua plenitude e, se lhe diz que, praticando o mal, ele cede a uma sugestão estranha e má, em nada lhe diminui a responsabilidade, pois lhe reconhece o poder de resistir, o que evidentemente lhe é muito mais fácil do que lutar contra a sua própria natureza. Assim, de acordo com a Doutrina Espírita, não há arrastamento irresistível: o homem pode sempre cerrar ouvidos à voz oculta que lhe fala no íntimo, induzindo-o ao mal, como pode cerrá-los à voz material daquele que lhe fale ostensivamente. Pode-o pela ação da sua vontade, pedindo a Deus a força necessária e reclamando, para tal fim, a assistência dos bons Espíritos.  Foi o que Jesus nos ensinou por meio da sublime prece que é a oração dominical, quando manda que digamos: "Não nos deixes sucumbir à tentação, mas livra-nos do mal."  Conseguintemente, as faltas que cometemos têm por fonte primária a imperfeição do nosso próprio Espírito, que ainda não conquistou a superioridade moral.  

O Livro dos Espiritos-Kardec
 

 


 
Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Conforti em 29 de Março de 2010, 22:27
Amigos,



Somente fica no ar uma pergunta:

Se “Deus exige, e exige com rigor, que a justiça seja cumprida e respeitada”, deduz-se daí, que nem sempre a justiça é respeitada. E a pergunta é esta: qual a razão de a justiça ser respeitada por alguns e não ser respeitada por outros?
Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Daniel Armilest em 10 de Janeiro de 2014, 11:15
Amigos,



Somente fica no ar uma pergunta:

Se “Deus exige, e exige com rigor, que a justiça seja cumprida e respeitada”, deduz-se daí, que nem sempre a justiça é respeitada. E a pergunta é esta: qual a razão de a justiça ser respeitada por alguns e não ser respeitada por outros?

Meu caro amigo, boa pergunta.

Há aqui uma coisa muito importante sobre o livre-arbítrio: A sua definição. E para definirmos alguma coisa precisamos de um meio comum de partida, para depois ampliá-lo.

Significado
O livre arbítrio é a liberdade que existe na vontade efetivamente se determinar.

Assim o termo "livre" do livre-arbítrio "mede" a liberdade da vontade. Se não tivessemos leis, teriamos mais liberdade.

Tudo o que coagir a vontade de se realizar limita o livre arbítrio.

Respondendo a sua pergunta:

É por causa do livre-arbítrio. Cada consciência vai escolher conforme o que é intimamente. Se alguem é mal, isso é um efeito de uma causa e esta causa reside no sentimento e empatia adiquiridos pelas variadas veredas da reencarnação.

Se alguem é bom isso se dá pelo sentimento e empatia que adquiriram nas infindaveis veredas da reencarnação, expiando todas as leis de Deus que tenham transgredido.

O fato de um ou outro macularem as Leis de Deus reside na ignorância e na subserviência do seu espírito à matéria.
Conforme nos depuramos, menos poder tem a matéria no espírito e mais nos desenvolvemos e nos libertamos.

Oque achou?

Muita Paz.



Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Brenno Stoklos em 20 de Janeiro de 2014, 02:52

— Por que muitos combatem o Espiritismo?



Eleuterofobia!


Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Vitor Santos em 20 de Janeiro de 2014, 10:53
Ola amigos

O maior inimigo do espiritismo e o actual movimento espirita, em minha opiniao, na medida em que esta a destruir os fundamentos da doutrina espirita, misturando ideias novas e incoerentes com as anteriores.

Inimigos das religioes ou dos anti-religiao, sao pessoas intolerantes e fanaticas, sejam elas religiosas ou anti-religiao. A espiritualidade  e sinonimo de cooperacao, uniao, tolerancia, e nao de combate, nem de competicao. O movimento espirita nasceu como um movimento virado para a espiritualidade e nao para a religiao, tentando demarcar-se da postura dogmatica e divisionista das instituicoes religiosas tradicionais. Hoje e cada vez mais um movimento com uma postura dogmatica, religiosa.

Perdoem-me se estou a ver mal as coisas, mal ou bem e o que sinto e penso sinceramente. Se estou a ser influenciado por espiritos inimigos do espiritismo, cabe aos espiritas com conhecimento do assunto demonstra-lo. E, quem sabe, ate poderao ajudar-me a ultrapassar essa situacao.

O meu interesse e encontrar razoes para crer que nao sou apenas um corpo de carne mortal. E e essa linha de  raciocinio que da sentido ao estudo de doutrinas espiritualistas. Mas nao me basta conversa. Sao necessarias evidencias confiaveis. Para mim isto nao e uma Guerra contra ninguem, mas um trabalho de investigacao. Talvez essa investigacao nao me conduza a lado nenhum, mas para mim faz sentido. Ser escravo de um corpo de carne mortal, viver apenas para me manter vivo, tambem nao faz sentido, se a vida e so isso...

Bem hajam

Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Brenno Stoklos em 20 de Janeiro de 2014, 14:45
Ola amigos

O maior....................
................................ isso...

Bem hajam


O maior inimigo do espiritismo e o actual movimento espirita, em minha opiniao, na medida em que esta a destruir os fundamentos da doutrina espirita, misturando ideias novas e incoerentes com as anteriores.

O amigo está coberto de razão!


Perdoem-me se estou a ver mal as coisas

Pelo contrário.

O amigo está a ver claramente!


Mas nao me basta conversa. Sao necessarias evidencias confiaveis.

Isso o amigo só encontrará na própria Doutrina Espírita, estudando-a por si mesmo ou em uma Casa Espírita que se paute exclusivamente pelos preceitos doutrinários, o que, infelizmente, é raríssimo!


Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: lconforjr em 20 de Janeiro de 2014, 18:20
.................

      Por que muitos combatem o espiritismo?

      Por várias razões:

      - descrença: muitos não acreditam em qualquer religião!

      - ignorância: muitos acreditam que os diabos existem e que o espiritismo nada mais é do que sua manifestação.

      - medo: a crença de que muitos se tornam mentalmente desequilibrados devido ao espiritismo.

      - influência de outras religiões: que insuflem a crença de que é "pecado" lidar com espíritos;

      - influência da Bíblia: proibição de evocar os mortos; descrença na existência de reencarnações; para muitos a vida é uma só etc.

      - influência da ciência: que, pelos últimos 3 ou 4 séculos, foi adversária das religiões, devido a ainda não ter provas de que nada existe além do espaço-tempo.

      - influência de místicos: para os quais as religiões impedem o acesso à verdade e que são imaturos os que seguem qualquer religião.

............                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       
Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Brenno Stoklos em 20 de Janeiro de 2014, 23:38

      - medo:
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   


O medo real é o da Liberdade, do Livre-Arbítrio, e da responsabilidade que estes acarretam!


Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Vitor Santos em 21 de Janeiro de 2014, 13:59
Olá amigo Brenno

Citar
Mas nao me basta conversa. Sao necessarias evidencias confiaveis.

Isso o amigo só encontrará na própria Doutrina Espírita, estudando-a por si mesmo ou em uma Casa Espírita que se paute exclusivamente pelos preceitos doutrinários, o que, infelizmente, é raríssimo!

O estudo teórico da doutrina espirita é interessante, efectivamente. Trata-se de uma hipótese de explicação da vida, focada essencialmente nos aspectos espirituais e morais. Mas uma explicação coerente, bem elaborada, não é necessariamente uma descrição correcta da realidade. Quando eu digo isto não estou a chamar vigarista a ninguém, ou seja, não estou a dizer que se trata de uma fraude. Se eu acreditasse que era esse o caso, não teria perdido nem um minuto a estudar a doutrina espirita. Eu já a estudo há cerca de 13 anos. E, desde que a conheci, a minha fé esteve em alta durante vários anos.

Eu creio na existência dos fenómenos espíritas. Há pessoas a fazer demonstrações de ilusionismo e a alegar que é espiritismo, também, mas não me parece ser esse o caso das associações espíritas, obviamente. Estou convencido que, em regra, se trata associações constituídas por pessoas sérias e honestas, que estão ali a divulgar aquilo que elas mesmo crêem. A minha dúvida está na interpretação dos fenómenos e na exclusão de outras explicações possíveis, não na idoneidade e honestidade das pessoas. Mas essa dúvida não me impediu de ser um adepto da crença espirita e de ter fé.

Todavia, ao acompanhar o processo de degradação cognitiva e de entrada em demência severa de vários familiares próximos, no prazo de 2 a 3 anos, tem sido uma experiência marcante que me está a dificultar a fé na imortalidade da alma.

Claro que sempre acreditei que existia uma correlação mente-cérebro. Isso parece-me óbvio. Mas a experiência de assistir à degradação cognitiva e progressiva de três pessoas, até um ponto de grande severidade, foi um abanão fortíssimo na minha fé, um forte empurrão a favor da crença de que é o cérebro que produz a mente.

Evidentemente que, considerando o cérebro um emissor/receptor, uma espécie de modem de comunicação espírito-corpo, a degradação do mesmo pode dificultar essa comunicação. Todavia a inteligência não se deveria perder. Deveria ser uma experiência do tipo: um ser inteligente (espírito) a comunicar através de um meio de comunicação deficiente (cérebro). Será que o é, ou é a própria fonte da inteligência que está degradada? - Por vezes é o que parece.
   
bem haja
Título: Re: Livre Arbítrio.
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Janeiro de 2014, 15:24

Evidentemente que, considerando o cérebro um emissor/receptor, uma espécie de modem de comunicação espírito-corpo, a degradação do mesmo pode dificultar essa comunicação. Todavia a inteligência não se deveria perder. Deveria ser uma experiência do tipo: um ser inteligente (espírito) a comunicar através de um meio de comunicação deficiente (cérebro). Será que o é, ou é a própria fonte da inteligência que está degradada? - Por vezes é o que parece.
   
bem haja


Só o que posso dizer é que o amigo não tem condições de ver o que se passa na mente de seus parentes.

Vê apenas as reações de um corpo que é imperfeitamente comandado pelo seu Espírito.