Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Espiritismo & Jovens => Tópico iniciado por: Victor Passos em 04 de Junho de 2007, 18:04

Título: Crianças no Divórcio
Enviado por: Victor Passos em 04 de Junho de 2007, 18:04


   CRIANÇAS NO DIVÓRCIO

“ Estamos no carrilhão do que não se deve fazer! Afim de não tomar uma ressaca!”                                 cravo

  A Humanidade progride cientificamente, mas em termos morais estamos muito longe de sermos um manto de exemplo!
   O modernismo, o poder e a ambição tomaram caminho exacerbado, ao ponto de os sentimentos passarem a ser banais no seio dos casais e repercutindo-se nos filhos.
     Não chegando isso temos os conflitos religiosos, as recidivas económicas que geram desemprego, não esquecendo as guerras que tornam os seres mais preocupados com o materialismo do que com aqueles que os rodeiam. Tudo isto tem reflexos no comportamento nos lares, pois os valores do equilíbrio recaiem na violência e nas separações dos casais , que por sua vez vão alterar a vivência dos seus filhos, sem se perguntarem se é bom ou mal para o futuro dos filhos!
   Somos nós que elaboramos o Mundo consoante os nossos actos, por isso temos que repensar os mesmos.
    Os lares a ter uma realidade pervertida, onde a violência, o ciúme e ódios se juntam dificultando a tarefa educativa. Infelizmente já leva proporções alarmantes, pois os divórcios e separações aumentaram em tremendamente. Não sendo contra a emancipação da mulher, entendo no entanto que foi o primeiro passo para o desequilíbrio, porque a Mãe alicerce dum lar deixa de ter os contactos normais do dia-a-dia para com os filhos e marido e pouco tempo, o cansaço dos empregos acaba por fazer estragos, aparecem as discussões e daí à separação é um passo. Após a separação os filhos vão ser reflexo desse desamor e procurar preencher a vaga, por vezes da pior forma. Porquê?! Passa haver escolhas, um quer o Pai, outro quer a Mãe, as disputas estas escolhas trazem logo à partida ressentimentos que não serão ressarcimos tão cedo de tais mazelas. Os filhos passarão a ser uns revoltados, tornam-se mais frios de sentimentos e o exemplo do que passaram será sempre negativo nas suas vidas, encaminhando-se muitas vezes para caminho de fuga como as drogas e desregramento do comportamento, tanto psiquicamente como moralmente. Aos Pais olhem à vossa volta, aí está a delinquência e a marginalidade não queiram ter esse peso consciencial pois a dor virá depois e somos responsáveis pelo que da separação advier.
   Os jovens sentindo carência passam a querer ser visto e procuram todos os meios para se mostrarem perante os outros. Seja perdem o próprio sentido de respeito por eles próprios. Vejam à vossa volta: as suas vestes, os brincos, os cabelos de cores mais loucas etc…É isto que vai ser melhor para eles?!
   Deixo a resposta para os Pais, e que mais vale ter uma vida sem romantismo e ter uma tarefa cumprida onde o amor possa extravasar os confins do coração e alienar todos planos de vida equilibrada e harmoniosa.
 Por vezes é necessário perdermos, para conquistarmos os valores da vida, tomai-vos pois de tolerância, diálogo e aconchegai-vos à vida que escolhestes, porque o tempo nesta vida é uma simples passagem e necessário é semear boa semente para colher a verdadeira felicidade, porque ela não pertence a este mundo.


“Não faças da vida, um livro de angústia e pesadelo! Aprende a saber aceitar, mesmo que isso custe, porque a felicidade que proporcionares aos outros, te será relevada! “                                   

cravo

  " Sementes da Vida"
Victor Passos
Título: Re: Crianças no Divórcio
Enviado por: SB em 05 de Junho de 2007, 21:50
Ola Vitor

Desculpe-me mas nao posso concordar com o texto na maioria do que ele diz.

A criança nao sofre com o divorcio. Nem pq a mãe tem que ir trabalhar.

A criança sofre pelas atitudes dos pais sendo estes divorciados ou não.

Será que nao há desamor num casamento?

Será que todo o casamento faz as crianças felizes?

Quantos e quantos não ha, que para sustentar o seu casamento revertem suas frustações para os filhos?!

Ou quantos nao superam um casamento em função dos filhos e no peso do sacrificio esquessecem do amor de pais?!

Tudo é muito relativo.

Obvio que os filhos seriam sem duvida mt mais felizes dentro de uma familia harmonioza, e cheia de amor, mas infelizmente  isso nem sempe acontece.

Deem-me um motivo porque levar um casamento adiante quando nao existe amor?

Quando somos infelizes, dificilmente faremos os outros felizes.

A desumanidade nao está no divorcio, está nos valores e no bom senso de cada um.

A doutrina e quando o evangelho segundo o espiritismo me fala em casamento e divorcio, diz-me que o divorcio é uma regra do mundo do homem, enquanto fisico e nao enquanto espirito, pq os casamentos espirituais esses nao sao feitos aqui...

O divorcio nao existe nas Leis de Deus.

Alem de que hoje uma mulher nao trabalhar é um luxo nos dias de hoje.

Acho este texto mt ultrapassado.

Acho que todos se esquecem que todas as pessoas que se cruzam no nosso caminho, ja se cruzaram numa outra vida, e a separação seja ela por divorcio, seja ela pela distancia, com ou sem amor, sao situações que devemos ultrapassar com a maior dignidade possivel, e aprendendo a perdoar e resgatar as falhas....

Quanto ao desapego nas crianças ou a sua dor numa separação, pensemos que nada acontece por acaso. Aqui existe duas situações, uma delas por vidas passadas, outra pelo amor que lhe deve ser dirigido.

Os laços familiares, são a nossa melhor escola por isso será sempre uma aprendizagem para ambas as partes, sempre no amor.

Abraços
Título: Re: Crianças no Divórcio
Enviado por: Victor Passos em 06 de Junho de 2007, 20:09
 
  Ola minha amiga
   Muita paz

   Antes de mais muito prazer ,também sou de Portugal..Viana do Castelo

    Quanto a não concordar com o texto e estar desactualizado, respeito a sua opinião , porém lamento dizer-lhe que está longe da sua realidade, porque ele é bem actual,infelizmente os valores do respeito mutuo, passaram a ser tratados nefastamente e trocados pelo prazer desmedido , não tenho duvidas que o divórcio prejudica os nossos filhos ,veja por onde caiem, esses adolescentes depois dos Pais se divorciarem!...Porque será que a violência aumentou?!
   Claro que ambos sabemos que o divorcio  apenas um ponto civil de desunir o que já estava separado, mas não tenho duvidas nenhumas, mesmo não sendo o dono da verdade, mas sendo esta a realidade que o meu estudo apresenta e vários sociólogos e psicólogos o dizem, mas não quero a bandeira da razão,mas da compreensão:

   L.E.--Casamento e celibato

695. Será contrário à lei da Natureza o casamento, isto é, a união permanente de dois seres?
“É um progresso na marcha da Humanidade.”

696. Que efeito teria sobre a sociedade humana a abolição do casamento?
“Seria uma regressão à vida dos animais.”
O estado de natureza é o da união livre e fortuita dos sexos. O casamento
constitui um dos primeiros actos de progresso nas sociedades humanas, porque estabelece a solidariedade fraterna e se observa entre todos os povos, se bem que em condições diversas. A abolição do casamento seria, pois, regredir à infância da Humanidade e colocaria o homem abaixo mesmo de certos animais que lhe dão o exemplo de uniões constantes.

697. Está na lei da Natureza, ou somente na lei humana, a indissolubilidade
absoluta do casamento?

“É uma lei humana muito contrária à da Natureza. Mas os homens podem modificar suas leis; só as da Natureza são imutáveis.”

Todo sacrifício pessoal, tendo em vista o bem e sem
qualquer ideia egoísta, eleva o homem acima da sua condição material.

Claro que não vamos ser cobaias da dor e aceitar um casamento doloroso, o Lar é ponto de encontro para reajuste e a separação não vai alterar a divida ou cobrança que possas ter com o parceiro da união, porque mais oportunidades través da reencarnação aparecerão para cumprimento dos deveres mútuos.

Afirmo o divorcio prejudica a educação dos filhos ...e muito ao ponto de fazer dos jovens filhos seres revoltados.

 Deixo aqui esta mensagem de Emanuel, não para vincar razões ,porque sou um aprendiz, mas como sou Pai de dois filhos e tenho feito estudos com jovens por isso acho que a realidade é bem presente.


Título: Re: Crianças no Divórcio continuação
Enviado por: Victor Passos em 06 de Junho de 2007, 20:10
CENTRO ESPÍRITA “ NOSSO LAR “
J acupi rang a - SP.
Rua Augusto José de Macedo, 372 - Centro - 11.940-000 – Jacupiranga – SP. - DAM - 28/10/04
Pág. : 23

D I V Ó R C I O

1. Compreendendo-se que muitos casamentos resultam em uniões infelizes e, às vezes, até mesmo profundamente antipáticas, induzindo os cônjuges ao divórcio, como interpretar a fase de atracção recíproca, repleta de alegria e esperança, que caracterizou o namoro e o noivado?
Resp. : Qualquer pessoa que aspire a um título elevado passa pela fase de encantamento. Esfalfa-se o professor pela ascensão à cátedra. Conseguindo o certificado de competência, é imperioso entregar-se ao estudo incessante para atender às exigências do magistério. Esforça-se o académico pela conquista do diploma que lhe autorize o exercício da profissão liberal. Laureado pela distinção, sente-se compelido a trabalho infatigável, de modo a sustentar-se na respeitabilidade em que anela viver. --- Assim também o matrimónio.
2. Como interpretar as contrariedades e desgostos domésticos?
Resp. : O homem e a mulher aguardam o casamento, embalados na melodia do sonho, entretanto, atingida a convivência no lar, surgem as obrigações, decorrentes do pretérito, através do programa de serviço traçado para
cada um de nós pela reencarnação, que nos compele a retomar, na intimidade, todos os nossos erros e desacertos.
Fácil, dessa forma, reconhecer que todas as dificuldades domésticas são empeços, trazidos por nós próprios, das existências passadas.
3. De modo geral, que é, nas leis do destino, o marido faltoso?
Resp. : Marido faltoso é aquele mesmo homem que, um dia, inclinamos à crueldade e à mentira.
4. E a esposa desequilibrada?
Resp. : Esposa desequilibrada é aquela mulher que, certa feita, relegamos à necessidade e à viciação.
5. Quem são os filhos problemas?
Resp. : Filhos problemas são aqueles mesmos espíritos que prejudicamos, desfigurando-lhes o carácter e envenenando-lhes os sentimentos.
6. Qual a função essencial do lar e da família?
Resp. : No caminho familiar, purificam-se impulsos e renovam-se decisões. Nele encontramos os estímulos ao trabalho e as tentações que nos comprovam as qualidades adquiridas, as alegrias que nos alentam e as dores que nos corrigem.
7. Como é encarado o divórcio nos planos superiores de espírito?
Resp. : O divórcio conquanto às vezes necessário, não é caminho salvador quando lutas se agravem. Ninguém  colhe flores do plantio de pedras.
Só o tempo consegue dissipar as sombras que amontoamos com o tempo. Só o perdão incondicional apaga as ofensas; apenas o bem extingue o mal.

8. Existem casos francamente insolvíveis nos casamentos desventurados; não será o divórcio o mal menor para evitar maiores males?

Resp. : Muitos dizem que o divórcio é válvula de escape para evitar o crime e não ousamos contestar. Casos surgem nos quais ele funciona, por medida lamentável, afastando males maiores, qual amputação que evita a morte, mas será sempre quitação adiada, à maneira de reforma no débito contraído.

9. Por mais ríspidas se façam as lutas, no casamento, é melhor permanecer dentro delas?

Resp. : Pagar é libertar-se, aprender é assimilar a lição.

Espírito : Emmanuel
Psicografia : Francisco Cândido Xavier
Livro : Leis de Amor - Cap. IV



Abraço fraterno e muita paz amiga
Victor Passos
Título: Re: Crianças no Divórcio
Enviado por: Gigii em 27 de Novembro de 2008, 13:54
JT, já falei sobre este assunto noutro tópico,mas aproveito para lhe dar a minha opinião aqui sobre alguns dos seus pensamentos:

Citar
Espero ser o exemplo, um bom exemplo. Hei-de falar da mãe sempre bem

Isto já será o bastante para estar no bom caminho na educação do seu filho.

Uma das coisas que me chocou por algum tempo, era quando estava entre amigos, e chegava meu ex marido, a gente continuava na mesma conversa animada,e quando ele se afastava diziam: "mas vocês dão se tão bem, falam tudo um com o outro..."
E porque não haveria de ser assim?
Lembro também que um dia fui á festinha do dia da mãe, no jardim de infància do meu filho, e a educadora dele comentou: "ah seu ex marido falou de si no dia dos Pais, com tanto carinho...fiquei até admirada."

Pois mostre JT isso mesmo, que nada mudou quanto a ser amigo e respeitador! Seu filho irá admirá-lo por isso.

Citar
Não me venham dizer que isto já estava programado no mundo dos espíritos, porque isso eu não aceito.

Se me permite vou-lhe aconselhar a aceitar isso mesmo, pois nada nos acontece por acaso. Ou acha que seu filho a partir de agora tem o seu caminho (que antes traçou na espiritualidade) alterado, só porque os pais lhe apeteceram? Medite sobre isso...

Citar
Tenho consciência que nada fiz que merecesse isto


Infelizmente é impossível termos conhecimento disso, ou consciência de que forma os nossos sentimentos e acções prejudicam ou beneficiam alguém. Só Deus, Pai bondoso, sabe.

Citar
[Também não me venham dizer, que a causa está nas vidas passadas

E porque não? Todo o nosso plano de existencia tem em conta o passado; algo que não podemos ignorar. Mas é certo que também mudamos interiormente, para melhor,pois estamos a progredir. No entanto, há situações que temos de passar, para o nosso próprio bem.  

Citar
Agora só me resta aceitar e respeitar a nova condição

Ora aí está!! Você não sabe do futuro...as alegrias que ainda hão de vir...quem sabe na companhia de alguém que o espera... ;)
Título: Re: Crianças no Divórcio
Enviado por: SB em 27 de Novembro de 2008, 15:01
Bem...eu tenho a mm opinião da tendresse...

Mas tenho que dizer uma coisa...não coloquem os filhos nem á frente do casamento, nem entre o casamento...nisto sim, quem sofre são eles...as vezes, magoas quase incontornaveis.

O meu ex marido, durante 5 anos, se afastou dos filhos, pq pensava ele que me magoaria a mim...

Sim, magou muito mais o filhos...houve uma grande luta da minha parte para que isso nao os afectasse...mas claro que afectou...mas ainda assim nao muito, comparado com alguns dos seus colegas que tem os dois pais em casa, e nao lhes dao a atenção devida :P

Hoje é um melhor pai...percebeu (porque a vida o obrigou a ver isso) que pode ser muito mais!

 Em trabalho há coisa de um ano teve que ir morar para muito mais longe, depois mais longe ainda...e nessa distancia o amor falou mais forte....hoje mm á distancia, é mais pai do que quando estava a 5 minutos deles...isto para dizer que o Amor, vence distancias e tempo...porque Amor emana-se.

Garanto-lhe que a separação, ocorreu em nós no aperfeiçoamento enquanto pais :)

É claro que elas adoravam ver seus pais juntos, claro que sim....no entanto eles tb percebem que seus pais sao mais felizes agora, do que antes.

Sim, porque a felicidade deles nestes primeiros anos, depende da nossa  ;)

E queria aqui deixar uma nota:
Queria que nao me lessem na aprovação do Divorcio, porque eu aprovo a união e o Amor..gostava que me lessem dando oportunidade a situações que são diferentes e que merecem por isso ser pensadas de forma diferente, porque independente de qual seja a situação, tudo tem sempre uma melhor solução, sempre com tendencia á felicidade, desde que façamos por isso ;)

Abraços
Título: Re: Crianças no Divórcio
Enviado por: Victor Passos em 12 de Dezembro de 2008, 18:23
 Meus bons irmãos
Muita paz

   Realmente na razão do conceito de valores existênciais, a provação e expiação , são sempre veiculos que nos vinculam a momentos de claridade e até da busca de maior lucidez, daí acrescentar que o importante é sempre viver em harmonia uns com os outros e que só o Amor em toda sua grandeza supera , a nossa falta de carinho .
 O jugo esse, deixemo-lo para o Pai, porque na verdade , nada acontece por acaso, todo o momento existencial tem um aprendizado , quer nos maus e bons momentos, porém a dificuldade somos nós que a colocamos, porque o nosso livre-arbitrio, pode muito bem acionar a renunciar por tolerância e compreeensão.
    Quem, ama de verdade nunca deixa de o fazer, por isso faça da sua debilidade uma demonstração de amor e por sintonia almejará de fluidos que o ajudarão na sua caminhada...Tenha fé ...só Deus sabe quem está ceto...por isso façamos de nossa parte para merecer o seu apoio ...

Aqui fica este trecho que acho que reforça um pouca da verdsade , em que quem ama de verdadenunca deixa de o fazer....

Muita paz e harmonia em vossos corações

VICTOR PASSOS


O Que Deus Juntou

Irmão Saulo


É a lei do amor que une as almas. Os casamentos de interesse ou conveniência ligam apenas os corpos, quando os ligam. “O juramento pronunciado ao pé do altar se torna um perjúrio, se foi dito como simples fórmula”, ensina O Evangelho Segundo o Espiritismo. Disso resulta que há casamentos indissolúveis porque determinados pela lei do amor, que é lei de Deus, mas também existem casamentos insustentáveis porque feitos segundo as leis variáveis dos homens, obedecendo a interesses e conveniências puramente humanos ou a ilusões passageiras dos sentidos.

Essa a razão principal da separação de casais. O que Deus juntou pelo amor permanece unido pela própria força do amor. E se alguém o separar estará cometendo uma ação contrária à vontade divina. Mas o que os homens juntaram por interesse não tem estabilidade. Por isso os próprios homens criaram leis humanas que preservem a sociedade da desagregação produzida pelas separações inevitáveis. Kardec ensina: “O divórcio é uma lei humana, cuja finalidade e separar legalmente o que já estava separado de fato. Não é contrário à lei de Deus, pois só reforma o que os homens fizeram”.

Os que acusam o Espiritismo de divorcista não conhecem a posição verdadeira da doutrina ante esse problema. Manter a união legal de um casal já de fato separado é atentar contra a moral da sociedade, pois os casais separados se renovam com a formação de dois novos casais, ambos ilegítimos, dos quais resultarão naturalmente os filhos ilegítimos. Isso é um mal social, uma doença da sociedade, para a qual só existe um remédio que é o divórcio, legalizando a separação e permitindo a legitimidade dos novos lares constituídos. O Espiritismo é realista, vê as coisas como elas são e não como queríamos que fossem.

Mas, como vemos na mensagem de Emmanuel, o Espiritismo só admite o divórcio nos casos extremos, ensinando que as obrigações morais assumidas na vida terrena têm a sanção da lei divina de causa e efeito, de ação e reação. Jesus mesmo permitiu o divórcio, como vemos em Mateus, XIX:3-9. For causa dessa permissão evangélica a legislação do divórcio no Estado de Nova York só admite como motivo o adultério. As pessoas interessadas no esclarecimento do assunto devem ler o capítulo XXII de O Evangelho Segundo o Espiritismo.


Do livro “Na Era do Espírito”. Psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires. Espíritos Diversos.
Título: Re: Crianças no Divórcio
Enviado por: Diegas em 12 de Dezembro de 2008, 22:14
Já fui criança; todos fomos.

E, por experiência, mesmo com o passar dos anos, sei o quanto é difícil apagar a lembrança triste da separação entre meus pais. Obvio, que na cabeça deles a separação era a decisão mais acertada, a solução que coroava a liberdade. Mas independente de qual seja a causa da desunião, não importa, a criança quer ver os pais sempre juntinhos. Para ela pouco interessa quem está certo ou errado.

E, se a criança não demonstra na fisionomia ou no comportamento é por que soube conter as lágrimas no coração.


Abç