Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Convívio => Tópico iniciado por: Dalmo Rebelo em 12 de Outubro de 2011, 20:05

Título: Será que os erros são dos outros ou nossos?
Enviado por: Dalmo Rebelo em 12 de Outubro de 2011, 20:05
Recebi a Mensagem abaixo por e-mail, ela me fez refletir e resolvi compartilhar com os irmãos aqui no forum.

Esposa Surda...

Um senhor idoso telefona ao médico para marcar
uma consulta para a sua mulher.
A secretária pergunta:
- Qual o problema de sua esposa?
- Surdez. Não ouve quase nada...
- Então o senhor vai fazer o seguinte: antes de trazê-la, faça um teste para facilitar o diagnóstico do médico.
Sem que ela esteja olhando, o senhor fala em tom normal, até perceber a que distância ela consegue ouví-lo.
E quando vier, diga ao médico a que distância o Sr. estava quando ela o ouviu.
- Certo?
- Está certo.
À noite, enquanto a mulher preparava o jantar, o velhote decidiu fazer o teste.
Mediu a distância que estava em relação à mulher.
E pensou:
"Estou a 15 metros de distância. Vai ser agora!"
- Maria, o que temos para jantar?
Silêncio...
Aproxima-se a 10 metros:
- Maria, o que temos para jantar?
Silêncio...
Fica a uma distância de 5 metros:
- Maria, o que temos para jantar?
Não ouve nada...
Por fim, encosta-se às costas da mulher e volta a perguntar:
- Maria! O que temos para jantar?

- FRANNNNGO... Já é a quarta vez que eu respondo!

NORMALMENTE, NA VIDA, PENSAMOS QUE AS
DEFICIÊNCIAS SÃO DOS OUTROS E NÃO NOSSAS!
Título: Re: Será que os erros são dos outros ou nossos?
Enviado por: Thyago Costa em 13 de Outubro de 2011, 20:31
muito bom! Obrigado por compartilhar...
Título: Re: Será que os erros são dos outros ou nossos?
Enviado por: Hebe M C em 13 de Outubro de 2011, 20:51
Boa Tarde,

Um texto que recebi de um amigo por e-mail

"QUANDO CRITICAMOS MOSTRAMOS NOSSO PRÓPRIO RETRATO...

          Como asseguram renomados psicólogos, todos nós, mesmo inconscientemente, projetamos para fora de nós facetas, características nossas, físicas ou mentais, das quais não gostamos. No entanto, elas continuam sendo nossas e nos acompanham feito uma "sombra". A Sombra pode conter não só aspectos maus, demoníacos e agressivos, que repudiamos, mas também aspectos bons, divinos e nobres, que esquecemos de que nos pertencem. Ainda que repudiados, continuam sendo nossos, continuam a operar e continuamos a percebê-los; mas, como julgamos que não são nossos, vemo-los como se pertencessem a outras pessoas e acreditamos, ou que nos ameaçam, ou que o outro tem qualidades excepcionais que nós não temos. Assim, quando temos o impulso para fazer algo, parece que o meio ambiente é que nos está empurrando para agir e, em lugar de interesse, sentimos pressão; em lugar de desejo, obrigação. A energia continua sendo nossa, mas devido à projeção, sua fonte parece estar fora de nós e, assim, em vez de sentir que a energia é nossa, nós nos sentimos martelados por ela, forçados pelo que parecem ser forças exteriores. E podemos projetar, não só emoções positivas de interesse, impulso, desejo, mas também emoções negativas de raiva, ressentimento, ódio, rejeição. Em vez de entender que estamos com raiva de alguém, achamos que esse alguém está com raiva de nós; em vez entender que odiamos, achamos que o mundo nos odeia; em vez de entender que rejeitamos, achamos que somos rejeitados.
          Podemos, também, projetar idéias, qualidades ou traços positivos ou negativos. A pessoa apaixonada projeta todo seu potencial no amado e, logo se sente dominada pela suposta bondade, sabedoria, beleza, competência, do ente querido. Entretanto, a beleza está nos olhos do contemplador, e a pessoa apaixonada está, muitas vezes, apaixonada por aspectos projetados do seu próprio ego.
          Fato semelhante ocorre nos casos de admiração, inveja etc. Nossa tendência natural, frente a um aspecto não desejável de nós mesmos, é simplesmente negá-lo e projetá-lo para fora da consciência, o que é impossível, pois os aspectos repudiados continuam sendo nossos e não deixam de nos perseguir. Nossa luta com as maldades do mundo geralmente é nossa luta com “nossa” própria Sombra. A irritação, a negativa violenta é a evidência da projeção.
          As críticas que fazemos dos outros, geralmente, não passam de trechos não-percebidos de nossa própria auto-biografia.   
          Por isso os estudiosos da mente humana dizem: “Para se conhecer de fato uma pessoa, basta prestar atenção ao que ela fala a respeito dos outros”.
          Perceba Deus em você."