Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Comunicabilidade dos Espíritos => Tópico iniciado por: SB em 04 de Janeiro de 2007, 22:56

Título: Papel dos mediuns nas comunicações espiritas
Enviado por: SB em 04 de Janeiro de 2007, 22:56
Para compreendermos o papel que o medium desempenha na comunicação espirita, é preciso saber que:

A faculdade mediunica é uma capacidade inerente a todos os seres humanos, como a faculdade de respirar. O espirito encarnado une-se ao corpo molécula a molécula, através do perispirito, que é a forma do organismo, constituindo um todo indivisivel. Disto resulta um interacção psico-fisiológica, isto é, um conjunto de acções e reacções recíprocas entre a alma – ser pensante e encarnado, e o corpo – veiculo de manifestações daquele. Assim, se a alma se manifesta através do organismo, age e reage por meio deste, podemos concluir que a faculdade mediunica tem raizes orgânicas e é accionada pela alma, ser inteligente.

Um espirito ao comunicar-se com o medium o faz por intermédio da combinação de fluidos perispiriticos dos dois seres (espirito e medium) formando como que um atmosfera fluidico-espiritual comum às duas individualidades, atmosfera esta que torna favoravel a transmissão do pensamento, que se faz assim de espirito e alma e, esta, pela acção que exerce sobre o corpo, exterioriza o conteudo desse pensamento pelos diferentes tipos de faculdades (psicografia, psicofonia, etc)

A formação dessa atmosfera depende de dois elementos fundamentais:

a) a afinidade fluidica do medium e do espirito

b) a sintonia do pensamento (sintonia vibratoria ou assimilação da corrente mental).

Estes dois pontos, são básicos na comunicação e se aplicam a quase todos os tipos de faculdades mediunicas e a qualquer grau de passividade do medium (consciente, semi-consciente ou inconsciente). Essa passividade é apenas uma questão de aptidão própria a cada medium e da forma de manifestação e nao da essência do fenómeno, que se processa sempre dentro da mecânica exposta.
Podemos observar, assim, que a alma do medium ( ou o medium), sempre participa do fenómeno da comunicação, de uma forma ou de outra. Ele é o veiculo e o filtro do pensamento do espirito.

Agora com alguns, outros, detalhes (mais a baixo):

a) os diferentes estados do medium no fenómeno mediunico;

b) as maneiras pelas quais os espiritos actuam sobre as possibilidades dos mediuns diante dos estimulos pelos espiritos;

c) considerações finais sobre o papel dos mediuns.

(continua)
Título: Estado do Medium no fenómeno mediunico
Enviado por: SB em 04 de Janeiro de 2007, 22:58
Estado do Medium no fenómeno mediunico:

No momento que exerce a faculdade o medium está num estado mais ou menos acentuado de crise.
Conforme o tipo de faculdade que possui (escrevente por exemplo), o seu estado nao difere de modo sensivel normal.

Esse estado de crise também pode adquirir a forma de sonambulismo ou de extâse.

O sonambulismo natural é um estado de independencia do espirito em que suas faculdades adquirem maior amplitude. A alma tem percepções que no estado normal se acham embotadas.
Nesse estado o espirito poderá servir-se de seu próprio corpo, para produzir certas acções, como se serve de uma mesa ou de outro objecto no fenómeno das manisfestações fisicas, ou mesmo como se utiliza da mão do medium nas comunicações escritas (Livro dos Espiritos, questão 425).
“Os estado de extâse é um sonambulismo mais apurado. A alma do extático ainda é mais independete “ (Livro dos Espiritos, questao nº 439).

Estes dois estados podem favorecer bastante o animismo, isto é, a manifestação da própria alma do medium que, adquirindo um certo grau de liberdade, pode recobrar suas qualidades de espirito e dar comunicações escritas ou verbais pela sua propria organização fisica.

Pode ainda comunicar-se por outros mediuns, o que já seria uma comunicação entre encarnados.

Para distinguirmos se uma comunicação é de cunho anímico ou de espirito desencarnado, é preciso estudo e observação, baseados no conteudo das comunicações, para diferenciarmos o que pode pertencer à individualidade do medium e o que pertence realmente a um espirito que lhe é estranho.

(continua)
Título: Reacção dos Mediuns diante dos estimulos transmitidos pelos espiritos
Enviado por: SB em 04 de Janeiro de 2007, 23:01
Reacção dos Mediuns diante dos estimulos transmitidos pelos espiritos:

Na comunicação “o espirito do medium é o interprete, porque está ligado ao corpo que serve para falar e por ser necessário uma cadeia entre vós e os espiritos que se comunicam, como é preciso um fio eléctrico para comunicar à grande distancia uma noticia, na extremidade do fio, uma pessoa inteligente, que receba e transmita”

O Espirito do medium influencia patente sobre as comunicações que transmite, podendo, inclusive, ao assimilar, as ideias dos espiritos alterá-las conforme as suas tendencias, sendo nesse caso, um mau interprete. Dai, os espiritos procurarem normalmente os interpretes que mais se afinizam com eles para que a comunicação seja fiel e autentica. Neste caso, diremos que o medium é que deixa participar o fenómeno, o que jamais ocorre, mesmo quando considerado inconsciente.

Alguns sistemas que quizeram explicar os fenomenos espiritas, achavam que a verdadeira mediunidade estava num corpo inerte.

O espirito manifestante se identificava com o mesmo, transmitindo-lhe vida e inteligencia, e deram a esses objectos o nome de mediuns inertes. Isto, porém cai por terra, se racionalizarmos sobre a impossibilidade de se admitir que um papelão que receba esses atributos, fale ou escreva por si mesmo, sem concurso de um medium. Seria um efeito singular e um contra-senso um homem se transtormar em máquina, e um objecto inerte adquirir inteligência.

Quando um homem agita colérico um pau, não podemos admitir que o pau esta preso de cólera, nem mesmo a mão que o segura, mas sim o pensamento que dirige a mão.
Em sintese, o espirito não se transforma em objecto ou em pau, nem se domicilia neles.

Para o espirito só há uma lingua – a do pensamento, não dispondo da linguagem articulada.

 Assim, “quando se dirige ao espirito encarnado do medium, não lhe fala inglês, nem francês porém, a lingua universal que é a do pensamento. Para exprimir suas ideias numa linguagem articulada, transmissivel, toma as palavras ao vocabulario do medium."

Os mediuns xenoglotas (que falam em idiomas que lhe são desconhecidos), são raros e os espiritos só produzem esse tipo de fenómeno quando julgam que isso pode ter alguma utilidade. Uma pessoa analfabeta, poderá como medium escrever, porém com grande dificuldade mecânica. Da mesma forma um medium muito pouco inteligente poderá transmitir comunicações de ordem elevada.

“ mediunidade propriamente dita independe da inteligência, bem como das qualidades morais. Em falta de instrumento melhor, pode o espirito servir-se daquele que tem à mão. Porém, é natural que, para as comunicações de certa ordem, prefira o medium que lhe ofereça menos obstaculos materiais.”

“Salvo algumas excepções, o medium exprime o pensamento dos espiritos pelos meios mecanicos que lhe estão à disposição e também que a expressão desse pensamento pode e deve mesmo, as mais das vezes, ressentir-se da imperfeição de meios. Assim, o homem inculto, o campónio, poderá dizer as mais belas coisas, expressar as mais elevadas e mais filosóficas ideias, falando como campónio, porquanto, conforme se sabe, para os espiritos o pensamento a tudo sobrepuja.” 

Por isto, apegar-se a certas incorrecções de linguagem, de estilo e de ortografia para criticar os espiritos, é futilidade.

(continua)
Título: Conderações gerais sobre o papel dos Mediuns nas Comunicações
Enviado por: SB em 04 de Janeiro de 2007, 23:02
Conderações gerais sobre o papel dos Mediuns nas Comunicações

Os espiritos se comunicam com os encarnados da mesma forma que se comunicam com os proprios espiritos tao só pela irradiação do pensamento. Quando encontram num medium o cérebro cheio de conhecimentos latentes, obtidos em vidas anteriores e na existência actual que facilitam a comunicação, dele se servem de preferência. Isto ocorre porque o pensamento se comunica instantaneamente de espirito a espirito (sintonia vibratoria).
Os espiritos encontram no cérebro do medium os elementos próprios a dar sentido á palavra correspondete aos seus pensamentos quer o medium seja intuitivo, semi-mecânico, ou mecânico.

“Essa a razão porque, seja qual for a diversidade dos espiritos que se comunicam com um medium, os ditados que este obtém, embora procedente de espiritos diferentes, trazem, quanto à forma e ao colorido, o cunho que lhe é pessoal...É exactamente como quando observais panoramas ou objectos observados, sejam por isso de afectar uma tonalidade que provém das cores das lunetas.”

Finalizando, concluimos que o conhecimento da teoria para os observadores dos fenomenos mediunicos e para os candidatos a medium é fundamental, pois ela explica em que condições eles se processam, dando-lhes a segurança, para interpretarem todos os factos de origem mediunica, bem como, entenderem a função do medium e dos espiritos nas comunicações.

Encontram esta informação para estudo em:

Allan Kardec – O Livro do Espiritos, 2ª parte, Cap XIX
Idem, revista Espirita, 1859 (Outubro) e 1861 (Julho e Agosto).
Título: Re: Papel dos mediuns nas comunicações espiritas
Enviado por: Mourarego em 06 de Janeiro de 2007, 17:01
Olá Susaninha!
Um belo 2007 a tie aos teus!
Tu continuas a nos brindar com a tua inteligência e preparo, obrigado por esse tópico!
Moura
Título: Re: Papel dos mediuns nas comunicações espiritas
Enviado por: Ann@ em 16 de Abril de 2007, 23:00
Minha amiga,

pelo tempo que fiquei fora ainda estou lendo alguns post e não podia deixar de te parabenizar por este, é ótimo.

beijinhos

Ana
Título: Re: Papel dos mediuns nas comunicações espiritas
Enviado por: sarm em 29 de Fevereiro de 2008, 18:22
Olá Susana. Na fase de aprendizagem em que estou, ler este teu testemunho encheu-me a alma.
Obrigada

Sonia
Título: Re: Papel dos mediuns nas comunicações espiritas
Enviado por: suealbernaz em 12 de Setembro de 2010, 00:55
Gabriel,

Sinto o mesmo zumbido que você.