Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Comunicabilidade dos Espíritos => Tópico iniciado por: Gigii em 27 de Dezembro de 2007, 09:27

Título: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 27 de Dezembro de 2007, 09:27
Caros companheiros

Quando estudei o tema pareceu-me muito claro no LM, no entanto na prática fiquei um pouco surpreendida pelo seguinte:

. o medium pode estar consciente sem no entanto recordar a mensagem que transmitiu

. o medium não controla os pensamentos que surgem, mas distingue os seus dos “do outro”

Ora fiquei aqui com a dúvida: se o medium está consciente, mas não recorda o teor da mensagem, será que não ficam gravados na memória os pensamentos do espirito comunicante porque estes não são pensamentos do próprio, ou é por outro motivo?

E o que dizer sobre este médium: é consciente ou inconsciente?

Um grande abraço
Gi

Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Vitor Santos em 27 de Dezembro de 2007, 11:44
Olá Regina

A minha resposta não se baseia na minha prática pessoal, mas naquilo que eu já observei (que é pouco) e penso sobre isso (que pode estar errado, mas tb estamos aqui para aprender e raciocinar em conjunto):

Citar
o medium pode estar consciente sem no entanto recordar a mensagem que transmitiu

Citar
Psicofonia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Psicofonia (do grego psyké, alma e phoné, som, voz), de acordo com a Doutrina Espírita, é o fenômeno mediúnico no qual um espírito se comunica através da voz de um médium.

A Doutrina Espírita identifica duas classe principais de psicofonia:

a consciente - quando o médium afirma ter percebido mentalmente ou escutado uma fala proveninete de um espírito que desejava se comunicar, tendo-a reproduzido com o seu aparelho fonador; e
a inconsciente ou sonambúlica - quando o médium afirma não saber o que disse, fazendo entender, neste caso, que o espírito comunicante ter-se-ia utilizado diretamente de seu aparelho fonador, por estar ele, médium, inconsciente.
Como se verifica em toda classificação espírita, esta deve ser entendida como didática, sabendo-se haver uma diversidade de nuances entre uma e outra classe.

Allan Kardec, em O Livro dos Médiuns chama os médiuns psicofônicos inconscientes de médiuns falantes.

Encontrei esta definição muito clara de psicofonia na Wikipédia.

É preciso ter em linha de conta (ver sublinhado), que as pessoas não têm de se enquadrar rigorosamente nos tipos definidos em o Livro dos Médiuns. Pode haver mistura de faculdades mediunicas na mesma pessoa.

Se o médium não está a controlar as suas cordas vocais e a zona correspondente no cérebro, permitindo que outro Espirito o faça, é um médium inconsciente e é natural que não se lembre do que disse. É esse o caso de que fala?

Pode suceder que o médium seja consciente e esteja a captar a mensagem do espirito e a re-transmitir a mesma. Nesse caso pode lembrar-se do que disse, de forma permanente, ou pode acontecer que a lembrança se vá perdendo rápidamente (como as memórias de um sonho, que queremos reter e nos fogem - não sei porque é que isto acontece). E pode acontecer que se lembre de umas coisas e esqueça outras. A memória tb pode ser apagada por razões emocionais (aquelas coisas que fazem o médium perder o controle e não conseguir controlar o medo, o sentimento de aflição, etc.). É esse o caso?
 
Citar
o medium não controla os pensamentos que surgem, mas distingue os seus dos “do outro”

Até os nossos próprios pensamentos são dificeis de controlar, quanto mais os que não são nossos. É essa uma das nossas grandes dificuldades. Que eu saiba ninguém controla racionalmente os seus pensamentos. Quem abre e fecha as portas da nossa atenção são as emoções. Elas só deixam entrar o racional quando querem. É assim porque a inteligência racional é mais perfeita, mas demasiado lenta para operar em caso de emergência. Quando enfrentamos uma emergência dentro do automóvel, por exemplo, não há tempo para usar o raciocinio e deduzir todos os passos que devemos dar. Desliga-se o sistema normal e entramos em emergência. A nossa atenção fica toda centrada no problema e agimos de forma instintiva. Ninguém é capaz de deixar de retirar a mão rapidamente quando a coloca numa superficie que sente que está muito quente, por exemplo.

Para controlar a 100% os nossos pensamentos tinhamos de controlar primeiro, a 100%, as nossas emoções. Não acredito que isso seja possivel enquanto estamos no corpo de carne, num estado normal de vigilia. Umas pessoas têm mais dominio outras menos, mas ninguém tem 100% de dominio.

A distinção entre os nossos pensamentos e os do "outro" é nitida quando a sintonia entre os dois não é grande e somos induzidos a actuar de forma que não diz com aquilo que somos. Caso contrário é complicado distinguir, a menos que a pessoa sinta a presença do "outro" e já esteja alerta.

Citar
E o que dizer sobre este médium: é consciente ou inconsciente?

Se o médium não se lembra porque as suas cordas vocais e as áreas cerebrais que a controlam estão a ser usadas por outro espirito, é sempre inconsciente. Se o médium não se lembra porque se esqueceu logo a seguir, será consciente.

bem haja
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 27 de Dezembro de 2007, 13:02
Olá Vitor  :)

Antes de mais quero lhe agradecer a sua resposta pronta e esclarecedora.

Desde há algum tempo que noto dificuldade em conseguir abordar este assunto com mediuns que conheço, pois em conversa, quando questionados sobre os mecanismos da mediunidade, muitos se escusam a comentar o que sentem, o que pensam sobre o assunto.

É certo que definir se é médium consciente ou inconsciente não tem, para a comunicação em si grande importância, no entanto, parece-me interessante que se conheça todo o processo de "recepção" da mensagem de forma a evitar distorções, bem como para aprendermos e compreendermos melhor como tudo se processa.

Já afirmei aqui antes: eu gosto de aprender e sobretudo investigar. Mesmo quando as situações acontecem comigo procuro encontrar respostas para que eu não fique com dúvidas.

Ora, nesta situação em particular, a duvida, como já expus e o Vitor esclareceu muito bem, é que mesmo estando em estado de vigilia, consciente, como poderia esquecer a mensagem transmitida.

Na verdade, inicialmente, ou melhor no inicio da comunicação, as palavras ficaram na memória, ou pelo menos uma pequena recordação do que foi dito, mas a dado momento, sem perder a consciencia (sem desmaiar ou ficar em transe), as palavras saíam sem pensar, e destas não existe qualquer recordação. Aliás, nesse espaço de tempo, segundo os companheiros que presenciaram, o corpo fisico transformou-se rapidamente, em especial o rosto que ganhou o aspecto de outra pessoa.

Portanto, poderiamos dizer que numa mesma comunicação existiriam momentos de consciencia e inconsciencia?

Durante toda a comunicação a sensação foi de bem estar fisico (aliás um certo estado de flutuação ou de boiar em cima da água), mas no final , o corpo fisico sentiu uma especie de taquicardia. Isso é normal acontecer?

Fico muito grata pelos esclarecimentos que possam auxiliar a este meu estudo.

Um grande abraço
Gi
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: SB em 27 de Dezembro de 2007, 15:04
Olá Regina,

Sim, pode ser ou dar-se de forma consciente ou inconsciente na mesma mensagem a transportar....

Regina, entendo o que quer dizer...durante alguns tempos tb existiu algumas duvidas a esse respeito, mas hoje isso nao é problema pra mim, pq nao dou essa importância.

Quero dizer, que de alguma forma nos vamos conhecendo cada vez mais e assim perceber com uma maior fluidez e segurança do que é nosso e não...no entanto existe algo que devemos considerar, todas ou quaisquer mensagens devem ser de forma doutrinaria e de ajuda, logo nao importa muito se minha ou nao, nao lhe dou essa importância, se é que me faço entender...

Quanto á parte consciente ou inconsciente, tb surgiram algumas duvidas cmg, mas tb aprendi a nao dar grande importância, pq aprendi a perceber que se eu recordo a mensagem ela tb será para mim e de aprendizagem, se inconsciente, é pq essa mensagem realmente deveria chegar a quem de direito...e pronto...deu-se, é seguir caminho!

Penso na verdade com todos os factos sobre a mediunidade que me ocorre não serão de ajuda e doutrinarios só para os outros, mas essencialmente para o nosso aprimoramento e aprendizagem continua, pq a mediunidade ajuda-nos nisso...nao é primordial termos ferramentas para ajudar apenas só os outros, mas a nós de varias formas!

É importante diferenciar, o estudo mediunico com imparcialidade da nossa propria mediunidade.

Podemos estudar a mediunidade com neutralidade do que nos é inerente e retirarmos disso mtas aprendizagens, mas ao contrario, pela nossa experiencia tiramos resultados  ;)

O melhor que devemos fazer conosco é nao nos quetionarmos muito em relação a nós, em circunstancias mediunicas, sem a intenção do auto-conhecimento, senao isso trará algumas angustias, pelas não respostas momentaneas. Ao passo se nos aceitarmos, de boa fe, estaremos a servir para o bem, não só para nós como para tb a humanidade!

Tudo é mt simples. Aprendi a ver-me e a ver a vida, que tudo é como é, é tal qual como deve ser, se algo tem que chegar a nós, isso chegará, nao vale a pena questionarmo-nos mt pq se deu assim ou nao daquela forma...ou pq foi consciente hoje e inconsciente ontem! Tudo tem um motivo, e isso não está nas nossas mãos saber....mas está nas nossas mãos deixar fluir para o melhor de nós e para os outros... ;)


beijinhos
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Vitor Santos em 27 de Dezembro de 2007, 16:47
Olá Susana

Citar
...todas ou quaisquer mensagens devem ser de forma doutrinaria e de ajuda, logo nao importa muito se minha ou nao, nao lhe dou essa importância, se é que me faço entender...

Parece-me que este teu conselho é sábio.

bem hajas
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 27 de Dezembro de 2007, 17:31
Obrigado Susana e Vitor. Concordo com o que dizem.

Aliás sempre achei o mesmo, o mais importante é o teor das mensagens.
Mas nesse aspecto não tenho duvidas, nem da mediunidade em si... Apenas coloquei a questão em termos do mecanismo. Mas já fiquei mais esclarecida.

Beijinhos
Gi
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 27 de Dezembro de 2007, 19:09
Meus amigos, desde que me liguei ao espiritismo, sempre existiram essas situações em relação aos médiuns conscientes e inconscientes (ou semi-conscientes)
Na minha humilde opinião, a única diferença é que os conscientes se lembram durante alguns momentos de quase todo o teor da mensagem e, os outros não.
Gostava, no entanto, de deixar um alerta.
Normalmente quando um médium é inconsciente, se não tiver algum conhecimento, utilizará essa inconsciência como desculpa para qualquer situação menos "correcta" que possa ter....por exemplo:
Às vezes usam linguagem menos correcta e, quando alertados para o facto, dizem "não ter culpa", visto, serem inconscientes.
Claro que as coisas não funcionam assim.
Os médiuns não controlam as entidades pelo corpo físico mas, pela postura moral e, ao serem inconscientes o seu perispirito (do médium) vai exactamente ter o mesmo papel que se fosse consciente..."controlar a entidade" no caso de esta (entidade) querer provocar ou dizer algo de menos correcto.
No entanto, um médium tem que acima de tudo ter um equilíbrio emocional para não se deixar envolver nem pelo sofrimento da entidade e um equilíbrio moral (humildade) para não ficar vaidoso com mensagens que possa transmitir.
Como diz a Susana, não é muito importante se a mensagem é nossa ou da entidade, desde que o teor seja bom mas, é importante que o médium não se vanglorie disso.
Eu falo por experiencia e, sempre costumo dizer que a mediunidade não é o que mais me atrai no espiritismo mas, realmente se bem exercida pode ajudar muita gente e ao próprio médium.

Será que compliquei tudo? ??? ::)

Abraços
Olga
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: SB em 28 de Dezembro de 2007, 10:05
Não, não complicaste Olga! 

Referiste um ponto muitissimo importante, a meu ver!

É realmente importante as pessoas perceberem/saberem, que a Lei da Afinidade na mediunidade é crucial, e devemos dar credito realmente a valores elevados, e nao tanto ao acto em si!

Pois realmente existe quem abuse da mediunidade pela exuberância, uns pq a tem, outros ate nem por isso...o ego faz dessas coisas, e a falta de responsabilidade também. ;)

Beijinhos
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 28 de Dezembro de 2007, 19:30

É importante diferenciar, o estudo mediunico com imparcialidade da nossa propria mediunidade.

Podemos estudar a mediunidade com neutralidade do que nos é inerente e retirarmos disso mtas aprendizagens, mas ao contrario, pela nossa experiencia tiramos resultados  ;)

Amiga Susana

É isso mesmo que eu tenho feito. As minhas questões ou dúvidas são em relação ao estudo. Gosto de clarificar, pois quando estamos a dar formação, as questões surgem e há que dar respostas concretas.
Aliás o trabalho de Kardec teve imenso mérito, não só pela divulgação da mediunidade como uma capacidade natural do espirito (não digo do homem, pois existem relatos que mesmo no mundo espiritual, os espiritos, pela acção do perispirito recebem também comunicações de outros espiritos inferiores), mas pelo estudo aprofundado dos seus mecanismos.

O mecanismo da mediunidade é tão importante que o espirito André Luiz escreveu 2 livros sobre o tema. E ainda hoje existem duvidas. E ainda hoje, médicos investigam esses mesmos mecanismos para conhecer melhor os "instrumentos" que temos ao nosso dispor.

O melhor que devemos fazer conosco é nao nos quetionarmos muito em relação a nós, em circunstancias mediunicas, sem a intenção do auto-conhecimento, senao isso trará algumas angustias, pelas não respostas momentaneas.

Talvez eu veja a mediunidade de forma um pouco diferente. Para mim, é algo inerente ao próprio ser, algo natural que alguns trazem já desenvolvido, outros podem desenvolver.
Mas para ser um instrumento útil de comunicação há que conhecer bem como funciona.

Discordo com o principio de que quem é medium tem de servir a toda a hora.
Muitos médiuns entram no centro espírita e dizem-lhe que para ficarem bem têm de frequentar os trabalhos mediunicos,têm de servir...O que acontece é que os mediuns vão, anos e anos "servindo", e depois perguntamos-lhes o que realmente fazem e porque o fazem e não sabem explicar.
De alguns já escutei "disparates" do género: "enquanto eu estou inconsciente a dormir ao lado do corpo, o espirito entra no meu corpo e usa-o como achar melhor".
Outros médiuns, com o receio de "não servir", "incorporam" (termo tão usado mas que em nada tem a ver com o feito)em casa, de manhã á noite, quando é preciso, isto porque o espírito quer falar...
Ora, os espiritos são como nós, e sejam amigos, familiares ou antipáticos, devem ter disciplina. Se vamos ao médico ou ao advogado marcamos dia e hora, porque hão de os espiritos agir quando lhes convém?
Daqui se depreende que com a minha mediunidade sou mais exigente do que com a dos outros.

(continua)

Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 28 de Dezembro de 2007, 19:30
A Olga focou um ponto importantissimo:
Normalmente quando um médium é inconsciente, se não tiver algum conhecimento, utilizará essa inconsciência como desculpa para qualquer situação menos "correcta" que possa ter....por exemplo:
Às vezes usam linguagem menos correcta e, quando alertados para o facto, dizem "não ter culpa", visto, serem inconscientes.
Claro que as coisas não funcionam assim.

Afirmo e continuo a afirmar que todo o médium tem a possibilidade de dizer "não" quando desejar, mesmo aquele que se diz inconsciente.

Eu tenho dito "não" muitas vezes e continuarei a fazê-lo, sempre que achar que de nada útil resultaria numa comunicação.
Eu sei, eu sei...me dirão que qualquer dia irei levar uns puxões de orelhas  ;) Pois bem...já levei  :D Tantos que até deixei de "viajar" tanto á noite, etc, etc. ::)
Mas continuo a ter a opinião de que existem milhares de outras formas de fazer uso da mediunidade para além de participar em reuniões de desobsessão, e que nem todos, mesmo no uso delas têm necessáriamente de escrever livros, participar em curas, etc, etc...

O que é certo é que cada vez mais aparecem jovens com mediunidade a querer saber o que é e como usá-la e está nas nossas mãos esclarecer o melhor que podermos, com objectividade.

Como os amigos falaram, não é possível separar a mediunidade dos valores morais do medium. Essa é a base da transformação, a nossa, a de todos que anseiam por se tornar mais virtuosos.
Estamos todos de acordo nisso.
Agora, eu continuo com este meu espirito de investigar para me conhecer melhor e auxiliar outros a se conhecerem também. Conhecer melhor o "acto em si" é também conhecer melhor a nossa natureza e a dos demais.
Perdi muitos anos a assistir a reuniões mediúnicas onde o que importava eram as mensagens e nada se explicava. No final descobriu-se que "falar lindo e bem" muitos espiritos são capazes bem como os próprios médiuns...resultado a partir de certa altura não havia mediunidade nenhuma, mas como nada se questionava....

Mas é a minha visão da mediunidade, uma visão muito mais pedagógica que assistencialista.

Abraços  :-*

Gi
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 28 de Dezembro de 2007, 19:49
Citar
Mas continuo a ter a opinião de que existem milhares de outras formas de fazer uso da mediunidade para além de participar em reuniões de desobsessão, e que nem todos, mesmo no uso delas têm necessáriamente de escrever livros, participar em curas, etc, etc...

Absolutamente de acordo.
Eu, como já disse não sou adepta das reuniões de mediunidade...a não ser que o caso assim o exija.
Existem muitas outras formas de ajudar e, eu continuo a pensar que um bom dialogo com uma boa estrutura e com o tempo que a pessoa precisar é na maioria das vezes bem mais eficaz que um trabalho mediúnico porque responsabiliza a pessoa para o que quer, deve e precisa mudar mas, com consciência e segurança.

Alias, gostava de acrescentar que há cerca de uma hora me telefonou uma amiga que foi ontem a um centro espírita, muito conhecido e que a primeira coisa que lhe disseram é que devia assistir a trabalhos mediúnicos para se ir habituando.

Agora, imaginem, uma pessoa que precisa se equilibrar emocionalmente até porque acabou de ser submetida a uma intervenção cirúrgica grave, debater-se com esta situação.
Claro que eu lhe disse afirmativamente...não vás. Estudo e leitura para compreender e aprender, isso sim...mais nada.
Caso para dizer que era bom que certos "espíritas" estudassem mais um pouco.
Por isso estou em absoluto acordo com a Regina.

Abraços
olga
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: SB em 28 de Dezembro de 2007, 21:32

O melhor que devemos fazer conosco é nao nos quetionarmos muito em relação a nós, em circunstancias mediunicas, sem a intenção do auto-conhecimento, senao isso trará algumas angustias, pelas não respostas momentaneas.

Talvez eu veja a mediunidade de forma um pouco diferente. Para mim, é algo inerente ao próprio ser, algo natural que alguns trazem já desenvolvido, outros podem desenvolver.
Mas para ser um instrumento útil de comunicação há que conhecer bem como funciona.


Olá Regina, estamos de acordo, talvez eu nao tenha me clarificado muito.

Porque precisamente por nos ser inerentes é que nao devemos muito nos quetionar nisso, sem a intenção do Auto-conhecimento.

Espero que possa ter sido mais clara agora, tanto para ti como para outros que leram da mesma forma ;) nao  questionando a mediunidade como um objetivo generalizado... 

Quanto ao restante gostei bastante da tua participação Regina, e da da Olga  :) deveria-se levantar mais o veu....e desmitificar um pouco do que se tem vindo a fazer  ;)

beijinhos para as duas
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 29 de Dezembro de 2007, 20:03
Obrigado Olga, obrigado Susana...estamos em sintonia...vamos pois tentar desmistificar o melhor possível estas questões  ;)

Um abraço muito apertadinho com votos de um ano de 2008 cheio de boas surpresas, de conquistas e dias felizes... :-*

Gi
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Vitor Santos em 30 de Dezembro de 2007, 17:51
Olá

Quando se diz que um espirito tem de ter afinidade com o médium para o abordar, isto não me parece muito exacto, a avaliar pelo pouco que já me foi dado observar.

A prova disso é que há pessoas têm maus pensamentos que reconhecem não ser delas (como já disse a Regina), que repugnam de imediato, pois, em juizo perfeito, nunca lhes passaria pela cabeça agir de acordo com esse tipo de pensamentos, que podem induzir à crueldade e a todas as formas de maldade.

É sempre através das fragilidades dos médiuns (sejam ostensivos ou pessoas que não se apercebem da sua mediunidade) que os maus espiritos atacam. Comprendo isso. Mas quando as pessoas dizem que tem de haver afinidade entre o obsessor e o obsedado, dá a entender que ambos terão um nivel moral equivalente. É sempre assim? Um espirito mau só ataca médiuns maus? Ou pode atacar pessoas que, não sendo, óbviamente, perfeitas, não sejam más (ou seja, não façam intencionalmente o mal)?

bem hajam
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 30 de Dezembro de 2007, 22:19
Citar
É sempre através das fragilidades dos médiuns (sejam ostensivos ou pessoas que não se apercebem da sua mediunidade) que os maus espiritos atacam

Eu não concordo que existam "maus espiritos" , apenas seres ignorantes e infelizes e que não sabem de outro modo manifestar a sua infelicidade...tal como a maioria dos encarnados.

Citar
Mas quando as pessoas dizem que tem de haver afinidade entre o obsessor e o obsedado, dá a entender que ambos terão um nivel moral equivalente.

Vitor, tem que hever afinidade, seja desta vida mas, de certeza de vidas passadas porque ninguem sofre uma obsessão se não tiver dado motivos para isso.


Citar
É sempre assim? Um espirito mau só ataca médiuns maus?


Continuo a pensar que não existem médiuns maus, pessoas más ou espiritos maus...apenas seres em evolução e que se encontram na mesma faixa vibratória de pensamentos, sentimentos ou acções.

Citar
Ou pode atacar pessoas que, não sendo, óbviamente, perfeitas, não sejam más (ou seja, não façam intencionalmente o mal)?

Aqui fazia um parentises :

se estás a falar de obsessão, acredito que não
se estás a falar de uma influência espiritual pontual , sim,pode acontecer  a todos nós em qualquer altura mas, é porque demos também sintonia, o que é natural acontecer neste mundo em que vivemos que ainda sofre muitas imperfeições.

abraços
Olga

Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Vitor Santos em 31 de Dezembro de 2007, 13:33
Olá Olga

Espiritos nem bons nem maus somos todos. Umas vezes fazemos intencionalmente o bem e somos bons, outras vezes fazemos intencionalmente o mal e somos maus.

Quando digo espiritos maus, refiro-me aqueles que fazem intencionalmente o mal, que são rancorosos/ vingativos, e não aqueles que estão desorientados ou aflitos, mas não têm intenção de fazer mal a ninguém.

Todas as pessoas que conheço que trabalham em associações espiritas como médiuns e com quem já falei no assunto me dizem que passaram por obsessões com ou sem problemas psiquiátricos. De acordo com a tua visão das coisas, todos eles se sintonizavam com espiritos intencionalmente maus e tinham um nivel moral bastante baixo quando começaram (eram vingativos, pelo menos).

bem hajas
 
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: FENet em 31 de Dezembro de 2007, 14:31
Olá :)

Este é um tema interessante.

Existem espíritos ainda ignorantes que não sabendo fazer melhor, permanecem no erro. O mal é a ausência do bem.

O facto de "sofrer" com a mediunidade tem a ver com a pessoa e não com a faculdade ou a comunicabilidade dos espíritos. Existem pessoas que tiveram mediunidade desde sempre, ou que surgiu numa determinada fase da vida e que não passaram por qualquer tipo de perturbação ou obsessão. Conheço várias pessoas que assim foi.

É importante referir que a mediunidade é uma faculdade neutra, não um dom para alguém especial, e que normalmente surge como meio para auxiliar a progressão moral da pessoa que muitas vezes no passado permaneceu no erro, vindo agora com uma oportunidade de se auto-aprimorar e ajudar o próximo.

Existem casos excepcionais de mediunato (em missão) que conhecemos pelo trabalho que desenvolvem em prol do próximo - o Chico Xavier é um bom exemplo.
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 31 de Dezembro de 2007, 15:25
Olá Companheiros  :)

Já estamos nas últimas horitas do ano...está na altura da auto-avaliação... ;)

Bem, respondendo ao amigo Vitor...

Quando se diz que um espirito tem de ter afinidade com o médium para o abordar, isto não me parece muito exacto, a avaliar pelo pouco que já me foi dado observar.

Compreendo o que quis dizer a Olga, no entanto Vitor, a meu ver, você tem alguma razão.
Existem vários casos relatados na literatura espírita em que espíritos do passado, que se mantém no erro, continuam a "perseguir" espiritos, por vezes encarnados, que já se encontram no entanto noutro nivel de evolução. Aliás, é exactamente quando esses espiritos já evoluidos, voltam á terra, que os perseguidores do passado se aproveitam da oportunidade de os tentar influenciar de algum modo.
O próprio Divaldo Pereira Franco, afirmou já várias vezes publicamente, que durante 15 ou 20 anos (já não me lembro exactamente) teve com ele um "perseguidor" (não é própriamente um obsessor, pois não influenciou o visado) que não "arrancava o pé" do lado dele, tentanto encontrar oportunidade para o prejudicar.
Um dia, vendo que Divaldo "adoptava" aquela que tinha sido sua mãe (do chamado obsessor) noutra vida, eis que ele desiste e se junta a ele como amigo.
Por isso, nem sempre há realmente afinidade vibratória. O que existe é uma história ou vivência em comum, um elo de ligação, mas que facilmente se dissipa na espiritualidade, pois cada espirito se une aqueles da mesma evolução.


 Um espirito mau só ataca médiuns maus? Ou pode atacar pessoas que, não sendo, óbviamente, perfeitas, não sejam más (ou seja, não façam intencionalmente o mal)?


Penso que em parte já respondi á sua questão. Concordo que não devemos considerar maus médiuns, nem maus espíritos. Como disse a Olga e o Vasco, é um principio errado.
Um espirito com propensão para fazer mal, por ignorancia, escolhe, obviamente, os mediuns menos esclarecidos.
Mas isto não é regra. Penso que não devemos generalizar.
No entanto, se eu estou alerta, tenho conhecimentos, se posso até comunicar directamente com esses espiritos que me são antipáticos, mesmo que eles insistam, mesmo que estejamos em sintonia ou afinidade espiritual, eu não vou deixar "que me conduzam".
Por isso a necessidade, a importância do estudo e compreensão da mediunidade.
O conhecimento é o melhor antídoto para a obsessão. Seguido do sentimento de amor que devemos dedicar a todos os seres.

Olhe Vitor, acho que já comentei, há uns tempos atrás, ao voltar para o corpo fisico, durante a noite,já no meu quarto, vi ao meu lado 2 espiritos masculinos, muito zangaditos comigo... Um deles relembrou-me de um certo passado que tive, e de algo que lhe prometi e não cumpri, e mostrou-se muito decidido a não me largar até que eu volte a estar perto dele. O outro assistia á conversa e era uma espécie de "mestre" (no mau sentido infelizmente) do outro.
Ora, depois daquela conversinha pouco simpática, quando "acordei" senti-m deveras surpreendida: eu tinha 2 obsessores e nunca tinha dado por isso :)

Ora, talvez de forma consciente eu não tivesse percebido, mas depois juntei 2+2 e constatei que nesta ou naquela situação ali tinha havido "mão" daqueles companheiros.
Desde esse dia comecei a estudar todas as noites, propositadamente temas para "eles". Na minha meditação conversava e convidava-os a colaborar comigo em certo serviço. Nada de mais, nada que toda a gente não pode fazer.
Se eles andam comigo? Ai isso não sei...mas se andam é porque gostam da companhia e vão tendo a oportunidade me auxiliar nas minhas tarefas ;).

(E quem sabe não existem muitos outros, que eu nem sei quem sejam?!)


O facto de "sofrer" com a mediunidade tem a ver com a pessoa e não com a faculdade ou a comunicabilidade dos espíritos.

Exactamente o que eu penso. Mediunidade é uma missão e não uma provação. E todos nós temos a nossa missão, com ou sem mediunidade.

Um grande abraço
Gi
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 31 de Dezembro de 2007, 16:35
Citar
Existem vários casos relatados na literatura espírita em que espíritos do passado, que se mantém no erro, continuam a "perseguir" espiritos, por vezes encarnados, que já se encontram no entanto noutro nivel de evolução. Aliás, é exactamente quando esses espiritos já evoluidos, voltam á terra, que os perseguidores do passado se aproveitam da oportunidade de os tentar influenciar de algum modo

Penso que não compreendemos a sintonia da mesma forma.
Regina

Neste caso que a Regina expôs também há sintonia,do passado distante e, o obsessor vai servir como uma "prova" para ver se a pessoa realmente mudou MESMO.
Sabemos que  somos humanos e, também temos muita literatura em que seres já evoluidos voltam a "cair". Aliás nos livros de André Luis isso é muitas vezes abordado.
Só quando o obsessor se convence mesmo que perdeu,( e, isso só é conseguido através de atitudes de amor, tolerância e muita compreensão) , então vai embora, exactamente como no caso que contou.


Vitor

Citar
Todas as pessoas que conheço que trabalham em associações espiritas como médiuns e com quem já falei no assunto me dizem que passaram por obsessões com ou sem problemas psiquiátricos. De acordo com a tua visão das coisas, todos eles se sintonizavam com espiritos intencionalmente maus e tinham um nivel moral bastante baixo quando começaram (eram vingativos, pelo menos).


Vitor, antes de mais ,não entendo porue colocaste aqui a questão da psiquiatria.
As pessoas podem ter problemas  de psiquiatria não por serem médiuns mas, por não serem equilibradas seja em que área da vida for.

Eu não disse que as pessoas tinham que ser más para serem influenciadas...o que disse, ou quiz dizer foi que de alguma forma, seja do passado ou do presente existe alguma sintonia... quer gostemos ou não.
Aliás, existe a ideia que ser médium é ser especial...bem pelo contrário.
Normalmente o chamado médium d e"tarefa" (termo comum) é alguem que veio com um mediunidade ostensiva, porque muito errou no passado e a mediunidade é uma ferramente que ele pode usar com amor e, dessa forma limar os problemas que eventualmente provocou.
O que acontece é que normalmente as pessoas não aceitam com facilidade a sua mediunidade e negam até ao extremo que  a tenham.
Depois admiram-se de entrar em sofrimento, não é a mediunidade que provoca o sofrimento mas, sim a atitude perante a situação.
Sempre que vejo uma pessoa que aceita a sua sensibilidade de uma forma normal e, tenta estudar e compreender o que se passa com ela, dificilmente entra em situações de crise e, olha que já tenho muitos anos de experiencia.
Aliás ,penso que isso acontece com  a nossa vida em todos os aspectos, não achas?
quando enfrentamos os problemas eles deixam de nos afectar porque perdem força.

Abraços
Olga
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Vitor Santos em 31 de Dezembro de 2007, 20:22
Olá

Eu agradeço as respostas, mas continuo com dúvidas. Perdoem-me se já vos estou a maçar.

Eu vou dar um exemplo (hipotético), para colocar melhor a minha dúvida.

Suponhamos que alguém foi juiz na vida passada. Nessa condição julgou e condenou à morte, de forma justa, à luz da lei da época, um individuo sanguinário, que matava sem dó nem piedade e que se provou ter cometido muitos homicidios cruéis. Para ele a vida humana não tinha qualquer valor. Matava por qualquer razão menor. Esse individuo ficou com raiva do juiz e jurou vingança. Entretanto desencarnaram os dois.

Vamos supor que o que foi criminoso ainda não reencarnou e não se arrependeu, continuando completamente endurecido. Entretanto encontra o que foi juiz, que entretanto reencarnou, e decide vingar-se dele.

Vamos supor também, que, na vida presente, o individuo que foi juiz, é um espirito arrependido, a tentar levar a sua vida o melhor possivel, uma pessoa que não faz, intencionalmente, mal a ninguém. Em geral é uma pessoa generosa (enfim, que está muito longe da perfeição, mas já tem um nivel moral incomparávelmente superior ao obsessor).

Mas, ainda no campo das hipóteses, o que foi juiz tem, entre outros, um defeito, que é ser um bocado preguiçoso. Pode ser permitido ao espirito endurecido aproveitar-se disso, sugerindo-lhe pensamentos que o induzam ou potenciem a preguiça, para o prejudicar, com probabilidade de  sucesso, pois aproveita uma fragilidade real da pessoa (pelo menos enquanto ela não vence a fragilidade) ou não?

Se é possivel um espirito de menor elevação moral atacar um encarnado com maior elevação moral, ainda que aproveitando alguns defeitos ainda não resolvidos do segundo, não se trata de propriamente de sintonia, pois são dois espiritos completamente diferentes que nunca se misturariam/ cruzariam se não fosse o desejo de vingança do obsessor. Como é que dois espiritos completamente diferentes podem entrar em sintonia?

Bem sei que o problema é o defeito do obsedado, que é a preguiça. Se não fosse preguiçoso nunca seria atacado por aí. Mas todos temos fragilidades e todos podemos ser vulneráveis, mesmo aos espiritos de menor nivel moral do que nós ou não?

Talvez o meu problema seja o significado espirita da palavra "sintonia". 

bem hajam
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: SB em 01 de Janeiro de 2008, 13:14
É tudo mesmo uma questão de energias, logo de sintonia, sendo  a sintonia aqui identificada, como que atmosfera fluidico-espiritual em comum ás individualidades dos espíritos.

Talvez para se entender melhor como se dá esse processo, seria melhor clarificar como se dá a comunicabilidade.

Vou dar o exemplo de Divaldo por ser um médium reconhecido.

Quando se dá a comunicabilidade de espíritos superiores com Divaldo, os espíritos elevados, sempre mas sempre, descem a sua energia (forças fluidicas), pq  nao existem espiritos encarnados perfeitos, tornando-a ao mesmo nível da de Divaldo, para então se conseguir a tal sintonia e se dar a comunicação.

Ora, o mesmo acontece o contrario.
Sendo de elevada moral um medium ou espirito encarnado, pode ele dar fluidicamente "abertura" (desce a sua faixa vibratoria ou força fluidica) e assim ser visitado por um espirito menos esclarecido (seja ele vingativo ou mau).

Não necessitamos de ser maus, realmente, mas basta uma angustia, uma fragilidade ate física, qualquer precauço que nos possa acontecer na vida quontidiana, que nos faça enfranquecer de algum modo...assim sendo ficamos expostos,( que a nossa imperfeição enquanto espirito enacarnados, já é nos muito propria nessa exposição) a qualquer espírito ou qualquer situação menos agradavel.

Não é por acaso que Jesus nos diz, Orai e Vigiai…Exactamente por esse processo, o controlo que podemos ter sobre as nossas fragilidades.

“Os fluidos estão sujeitos  a impulsão da mente do Espírito, quer encarnado ou desencarnado; o pensamento e as emoções dão-lhe uma determinada estrutura, de maior ou menor densidade, conforme a pureza ou a harmonia com que são emitidos. Quanto mais elevados são os pensamentos e as emoções, os fluidos são mais harmónicos, agradaveis, luminosos, saudaveis. Quanto mais inferiores, mais desarmonicos, desagradáveis e doentios.
Constantemente estamos irradiando de nós o que realmente somos, e impregnando com esse fluido particular as coisas, o ambiente, os objectos e influindo sobre as pessoas que aceitam e assimilam essa energia.
Educando o nosso pensamento, podemos irradiar uma quantidade maior de fluidos de qualidade superior, que metabolizamos com a nossa mente.
Daí, a importância de mantê-la sempre em estado de elevação”


Emmanuel, Psicografia de Francisco Xavier em Seara dos Médiuns.

Beijinhos a todos
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Vitor Santos em 01 de Janeiro de 2008, 19:13
Olá Susana

Não compreendo muito bem, e, por esse motivo, não gosto de usar,  essa linguagem da energia, de nivel vibratório, etc.

Tenho tomado para mim, que, quando se diz que dois espiritos estão em sintonia, trata-se de dois espiritos de nivel moral relativamente próximo. Ou seja: sintonia é o mesmo que nivel moral equivalente. Nivel vibratório é, para mim, o mesmo que nivel moral.

De acordo com o que é dito pelo espirito Emmanuel no teu post e no Livro dos Espiritos: o perispirito reflecte a elevação moral do espirito, podendo ir de uma sombra negra ao vermelho do rubi. Enquanto que entre nós, que estamos aqui no corpo de carne, podemos esconder, pelo menos até certo ponto, as nossas misérias, para os espiritos desencarnados somos um livro aberto.

O que tomo para mim quando se fala de fluidos de um espirito, é o perispirito desse espirito. Mas os espiritos que nos são superiores não podem baixar o nivel moral e, consequentemente, não podem vestir um perispirito que não seja adequado ao seu nivel moral, como também os que nos são inferiores poderão vestir um perispirito mais perfeito do que aquele que lhe é dado ter, a não ser melhorando-se. É assim? O perispirito tem o grau de evolução correspondente ao seu nivel moral ou pode ser afectado por factores externos?

Mas no exemplo do Divaldo, a definição que tenho tomado para mim de sintonia e de fluido não encaixa. Pois não acredito que um espirito superior desça o seu nivel moral ou a qualidade do seu perispirito quando se comunica e, muito menos ainda, que um espirito consiga elevar momentaneamente o seu nivel moral. Julgo que as manifestações fisicas, como é o caso dos médiuns que escrevem compulsiva e automáticamente, nunca resultam da acção directa de um espirito superior. Penso que o espirito superior usa outros espiritos seus inferiores para produzir este efeito. Não será?
_________________________________________________________
 
Citar
Não necessitamos de ser maus, realmente, mas basta uma angustia, uma fragilidade ate física, qualquer precauço que nos possa acontecer na vida quontidiana, que nos faça enfranquecer de algum modo...assim sendo ficamos expostos,( que a nossa imperfeição enquanto espirito enacarnados, já é nos muito propria nessa exposição) a qualquer espírito ou qualquer situação menos agradavel.

Desta tua afirmação depreendo que todos nós (uma vez que somos todos médiuns em maior ou menor grau) estamos sujeitos à má influência de espiritos moralmente próximos, mas também dos inferiores a nós.

Uma pessoa leva uma vida exemplar, que demonstra uma inequivoca elevação moral, mas fez mal a alguém na vida passada, apesar de se ter arrependido e seguido o caminho do bem. Mas como, em geral, todos aqui na terra têm fragilidades, nem que sejam pouco importantes e/ou temporárias, essa pessoa pode ser atacada, com sucesso, por um espirito vingativo a quem ela atingiu no passado, mesmo que esse espirito vingativo tenha um nivel moral, em geral, muito inferior aquele de quem se quer vingar. É assim?

bem hajas
 
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 01 de Janeiro de 2008, 20:14
Citar
Pois não acredito que um espirito superior desça o seu nivel moral ou a qualidade do seu perispirito quando se comunica e, muito menos ainda, que um espirito consiga elevar momentaneamente o seu nivel moral.
Vitor, o maior exemplo de um espirito superior ter descido o seu nivel vibratório( não moral) , energético ,foi Jesus.

Para reencarnar na terra, Jesus, um espirito já muito superior há 2007 anos teve que ajustar os eu teor vibratório à energia da terra.
Portanto, se isso for importante os espiritos superiores podem realmente baixar o seu teor vibratório . Aliás, em André Luis isso é muito bem explicado.
Normalmente não fazem isso porque existem entidades mais próximas de nós que nos ajudam.
Claro que um espirito não pode nunca elevar o seu teor vibratório . Isso pode acontecer momnetaneamente em momentos de oração.
Nivel vibratório não é o mesmo que nivel moral.
Uma pessoa pode ser moralmente menos boa mas ter momentos de nivel vibratório elevado , como uma pessoa pode ser moralmente "boa" e ter momentos de vibração má.
È nesses momentos que podemos ser influenciados se realmente existir alguma ligação do passado com a entidade.
No entanto, isso não é uma obsessão mas, sim uma influencia temporaria porque quem tem moral elevada , normalmente dá  a volta ...exemplo do Divaldo.
Abraços
Olga
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: SB em 01 de Janeiro de 2008, 21:14
A Olga já respondeu por mim…

Sem afinidades, ou sintonia, não está um  médium apto para poder traduzir com fieldade a comunicação.
Na mediunidade todos nós sabemos que independe da inteligência e da moral.
Logo não podemos colocar a questão nesse prisma, baixar ou elevar em questão moral para se dar uma comunicação, mas pela sintonia fluidica.
A questão moral elevada do médium torna-se importante porque toma um controle sobre a faculdade que possui e impedirá que os “maus” espíritos se apoderem dessas mesmas faculdades.

“ Os Espíritos superiores baixam o seu teor vibratório, aproximando-se do nosso, envolvendo-se com os fluidos grosseiros de nosso ambiente, tornando-se assim  mais acessíveis: o médium em transe, por sua vez, se eleva através do preparo antecipado e da disciplinação dos recursos mediúnicos, podendo, dar-se a interacção entre dois psiquismos – o de desencarnado e o do médium, criando-se a condição para a comunicação. Um  baixa e o outro sobe vibratoriamente podendo dar-se a comunicação.
O caso contrário também pode acontecer. Médiuns com boa capacidade vibratória poderão baixar suas vibrações para servirem de instrumento de entidades inferiores, a fim de que estas sejam esclarecidas e orientadas. Uma vez terminada a tarefa o médium retornará ao seu padrão vibratório normal não lhe ficando sensações desagradáveis próprias do espírito comunicante, mas sim o bem – estar de ter cumprindo o seu dever de cristão.”


Martins Peralva em  Estudando a Mediunidade

Abraços
 :)
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: vitor_goncalves em 02 de Janeiro de 2008, 12:03
Olá a todos

Que todos nós tenhamos um Bom Ano de Espiritualidade

Tenho agora analisado este tema, que é bastante interessante, mas bastante difícil.
Como todos nós temos a nossa Verdade Relativa, vou expor a minha verdade da agora.

A comunicação entre os espiritos desencarnados e os encarnados tudo passa através das Mentes. Os desencarnados estão a viver num plano vibratório diferente do que os encarnados (mundo fisico), é por isso que os encarnados não tem possibilidade de verem os desencarnados. Todos nós encarnados temos a mediunidade, ou seja esse "dom" de comunicação entre os planos de vibração diferentes, mas grande parte de nós tem esse "dom" bloqueado por razões que a nós nos escapa e que tem a ver com a Lei de Causa e Efeito. A melhor maneira de tentar perceber (na minha opinião) como se processsa a comunicação,seria através do electromagnetismo, com uma explicação feita pela "Técnica da Mediunidade" de Torres Pastorino.
No entanto na mediunidade não podemos esquecer uma parte importante o ANIMISMO.
O animismo é a intervenção consciente do nosso espirito. Não há comunicação dum médium que seja a 100% de outro espirito, pois terá de ter mais ou menos uma parte de animismo, poderá haver é uma comunicação dum médium a 100% de animismo. O estudo do animismo é também difícil de perceber, mas com um doutrinador experiente e atento ele por vezes consegue perceber.
Quando chega a altura de reencarnarmos, temos em função da Lei de Causa e Efeito (karma) uma programação possível para a pudermos cumprir. Claro que vamos ter obsessores, pois todos nós temos obsessores. Nas centenas e centenas de vidas que já fizemos, desde que começamos por sermos "espiritos ignorantes" e fazermos todas as imperfeições possiveis e imaginárias adquirimos uma enorme quantidade de obsessores e fomos também obsessores de outros, nas vidas antigas e quiça mais modernas, portanto não é agora que estamos livres dos nossos obsessores e os iremos ter nas nossas futuras vidas. Um obsessor vingativo não nos é fácil descobrir, se não estiver já programado.
Mas atenção há um espirito (ou talvez, mais que um), que nos acompanha sempre e nos vigia e procedem de maneira que nós não nos desviamos ou nos desviam dos limites do nosso Livre Arbítrio, são os chamados "milagres".

Um abraço

Vítor Gonçalves
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 02 de Janeiro de 2008, 12:33
 
Citar
Os desencarnados estão a viver num plano vibratório diferente do que os encarnados (mundo fisico), é por isso que os encarnados não tem possibilidade de verem os desencarnados
.

Vitor, isto não é absolutamente verdade porque há muitas pessoas que vêm os desencarnados e muito bem.

Citar
Todos nós encarnados temos a mediunidade, ou seja esse "dom" de comunicação entre os planos de vibração diferentes, mas grande parte de nós tem esse "dom" bloqueado por razões que a nós nos escapa e que tem a ver com a Lei de Causa e Efeito
.

Também penso que não temos "dom" nenhum ..apenas uma caracteristica mais ou menos desenvolvida de acordo com  a necessiddae ou evolução que possuimos.

Citar
No entanto na mediunidade não podemos esquecer uma parte importante o ANIMISMO.
O animismo é a intervenção consciente do nosso espirito. Não há comunicação dum médium que seja a 100% de outro espirito, pois terá de ter mais ou menos uma parte de animismo, poderá haver é uma comunicação dum médium a 100% de animismo. O estudo do animismo é também difícil de perceber, mas com um doutrinador experiente e atento ele por vezes consegue perceber
.

Realmente o animismo existe mas, não me parece que seja assim tão grave.
Num trabalho mediunico bem organizado e com uma equipa bem unida,certamente isso poucas vezes acontece e, se por vezes acontece é para ajudar o próprio médium.
Se existe um grupo de trabalho em que isso é corrente, então o melhor será parar e estudar e voltar mais tarde a trabalhar.
Agora, é natural que o médium interfira de algum modo mas, de forma leve nas mensagens .
É um ser humano e, portanto não consegue ficar completamente (neste estado evolutivo),fora do contexto mas, isso não é assim tão grave.

Citar
Claro que vamos ter obsessores, pois todos nós temos obsessores. Nas centenas e centenas de vidas que já fizemos, desde que começamos por sermos "espiritos ignorantes" e fazermos todas as imperfeições possiveis e imaginárias adquirimos uma enorme quantidade de obsessores e fomos também obsessores de outros, nas vidas antigas e quiça mais modernas, portanto não é agora que estamos livres dos nossos obsessores e os iremos ter nas nossas futuras vidas.

Meu amigo, eu posso ter algum obsessor mas, graças a deus já não sou e espero não voltar a ser obsessor de ninguem....senão então que andamos cá aprender?
essa forma de ver as coisas na minha opinião é muito drástica e perigosa porque pode levar as pessoas a pensar que afinal vão ter obsessores de qualquer forma e, portanto não vale  a pena mudar.
Só iremos ter obsessores no futuro se nesta vida não cumprimirmos minimamente a lei :Amar  aos outros como  a nós mesmos".
Sabe , para mim o nosso pior obsessor somos nós mesmos com os nossos pensamentos que atraimos os outros e, às vezes chega só o nosso pensamento para nos destruirmos.

 
Citar
Um obsessor vingativo não nos é fácil descobrir, se não estiver já programado.

Gostava , se possivel me explicasse  ,porque não entendi o que quer dizer por programado. Isso dá  a ideia de que se está programado não dá hipótese de que mesmo que a pessoa tenha uma atitude de mudança vai sofrer horrores do obsessor?
Pode ter influencias, como já falamos atraz mas, continuar com obsessão mesmo que mude o comportamento? Então onde fica o nosso livre arbitrio?

Abraços
Olga


Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 02 de Janeiro de 2008, 12:58
Uma pessoa leva uma vida exemplar, que demonstra uma inequivoca elevação moral, mas fez mal a alguém na vida passada, apesar de se ter arrependido e seguido o caminho do bem. Mas como, em geral, todos aqui na terra têm fragilidades, nem que sejam pouco importantes e/ou temporárias, essa pessoa pode ser atacada, com sucesso, por um espirito vingativo a quem ela atingiu no passado, mesmo que esse espirito vingativo tenha um nivel moral, em geral, muito inferior aquele de quem se quer vingar. É assim?


Olá Vitor Santos, pelo que me foi dado aprender a resposta é sim. Sim pode acontecer assim. Pode estar sugeita á sua influência. Pode, ou não, ser bem sucedida nessa "vingança". Depende da atitude do visado.

Quanto ao que a Susana explicou, e bem,eu acrescentaria um exemplo do mundo fisico.
Se formos visitar uma tribo indigena, preparamo-nos para comunicar com eles, usando dos seus vocábulos limitados e ainda reduzidos. Se olharmos para aquela sociedade, veremos que tudo o que têm é ainda primitivo. Mas se tentarmos mostrar-lhes objectos da nossa civilização a forma de usá-los será para eles de todo incompreensivel.
Com aquela tribo será impensável falarmos de coisas simples como leis,democracia, direitos, etc. Ou falar de electricidade para quem só conhece o fogo.
Portanto um ser mais evoluido, é capaz de conviver, compreender outro menos evoluido, mas o contrário é impossível, porque para compreender é necessária a vivência pela aprendizagem e o desenvolvimento cognitivo adequado.


Caro Vitor Gonçalves, para além da dúvida que a Olga levantou, e que eu também não entendi, fiquei também sem compreender o que quis dizer com esta afirmação...

Mas atenção há um espirito (ou talvez, mais que um), que nos acompanha sempre e nos vigia e procedem de maneira que nós não nos desviamos ou nos desviam dos limites do nosso Livre Arbítrio, são os chamados "milagres".


Só iremos ter obsessores no futuro se nesta vida não cumprimirmos minimamente a lei :Amar  aos outros como  a nós mesmos".
Sabe , para mim o nosso pior obsessor somos nós mesmos com os nossos pensamentos que atraimos os outros e, às vezes chega só o nosso pensamento para nos destruirmos.

Exactamente. Isto é importante. Até porque nos preocupamos tanto com os obsessores desencarnados, mas existem imensos encarnados que são obsessores de quem os rodeia e por vezes até de si próprios.... ::)

Muito interessante amigos a participação de todos.

Um grande abraço :-*
Gi
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Jorge em 02 de Janeiro de 2008, 14:13
Olá a todos,

"Mas atenção há um espirito (ou talvez, mais que um), que nos acompanha sempre e nos vigia e procedem de maneira que nós não nos desviamos ou nos desviam dos limites do nosso Livre Arbítrio, são os chamados "milagres"."

Se calhar o nosso amigo queria dizer em vez de "milagres", anjos da guarda ou espíritos protectores.

Saudações espíritas
Jorge

Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: vitor_goncalves em 02 de Janeiro de 2008, 15:37
Olá Olga
Olá Regina
Eu quando disse "dom" foi uma maneira de dizer, mas aceito, mais correcta de dizer ser uma caracteristica nossa. Quando as pessoas vêm desencarnados claro que tem mediunidade activa, pouco ou muita. Julgo que presentemente começa haver mais pessoas com mediunidade activa, mesmo sem saber. Mas temos que ter em atênção do seguinte: cristãos, islâmicos, judaicos, budistas, hinduistas, ateus, africanos asiáticos, etc. TODOS somos FILHOS de DEUS.
O animismo existe sempre, principalmente em sessões de Desenvolvimento Médiunico, basta um médium já desenvolvido se sentir mais orgulhoso e poderoso na sua mediunidade para o animismo aparecer logo (ser ele mesmo). Isto é que eu tenho observado e me ensinado, que pode não ser correcto.
Nós estamos num Mundo de Provação, nem sei quando virá o Mundo de Regenaração. Na Provação creio estarmos em Dualidade, isto quer dizer, toda a acção que praticarmos teremos que a compensar com uma acção do lado contrário, para a podermos anulá-la. Quando anularmos todas as acções que fizemos neste Mundo Fisico, parece-me que só uma maneira é deixarmos de reencarnar para este mundo, e continuarmos a nossa evolução noutro plano.
Quando reencarnamos, a nossa vida é programada no astral, com a coordenação dos Espiritos Superiores, e assim fica marcada, onde nascemos, quem são os nossos pais, a nossa família, os nossos filhos, que vida prevista faremos, as nossas doenças, ect.. Fica assim composta mais uma das nossas vidas. Mas atenção é quase impossível cumprimos a nossa "missão". Nesta vida temos o nosso Livre Arbítrio para fazermos aquilo que decidirmos, somos livres, mas temos limites. Esses limites estão na nossa Mente. Basta pensarmos que há momentos que desejamos fazer determinadas tropelias maldosas, e que é a nossa mente (cérebro), que nos impõe para não os praticarmos.
Todos nós sabemos que temos um Guia que nos vigia, que nos segue, mas nada interfere nas nossas decisões, mas que interfere naquelas posições "a liberdade acaba quando não respeita a liberdade do outro". Ele sofre quando nós transgredimos, mas aceita, porque esse foi o nosso Livre Arbítrio.
Sejamos realistas nós ainda estamos atrasados, mas havemos de ultrapassar todo este nosso desafio e chegarmos ao AMOR REAL.
Uma coisa devemos saber NÂO HÀ INJUSTIÇAS NO MUNDO, TUDO ESTÁ CORRECTO

Um abraço

Vítor Gonçalves
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Jorge em 02 de Janeiro de 2008, 15:45
Amigo Vitor Gonçalves,

"... NÂO HÀ INJUSTIÇAS NO MUNDO, TUDO ESTÁ CORRECTO"

Onde é que eu já li isto? ;)

A meu ver tudo estará correcto quando o nosso planeta que é uma grande escola tiver alunos que se esforçam verdadeiramente para superarem os seus defeitos com a ajuda do Mestre dos Mestres: JESUS.

Saudações espíritas.
Jorge
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: vitor_goncalves em 02 de Janeiro de 2008, 16:36
Olá Jorge

Você tem razão. A frase está mal feita, o que eu queria dizer é que eles eram o que nos faziam "milagres".
O chamar guia, protector ou anjo da guarda para mim tanto faz. O companheiro que está noutro plano que não vejo que me acompanha é o meu grande amigo que tanto me ajuda e que tanto tem sofrido comigo. Para ELE O MEU GRANDE OBRIGADO e que DEUS o proteja na sua Vida.

Um abraço

Vítor Gonçalves
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Jorge em 02 de Janeiro de 2008, 16:48
Olá amigo Vitor Gonçalves,

"O companheiro que está noutro plano que não vejo que me acompanha é o meu grande amigo que tanto me ajuda e que tanto tem sofrido comigo. Para ELE O MEU GRANDE OBRIGADO e que DEUS o proteja na sua Vida."

Apreciei bastante a sua gratidão para com o seu Guia Espiritual, e deixou-me a pensar que de facto esquecemo-nos muito de agradecer aos nossos guias espirituiais pela ajuda incondicional que os mesmos nos prestam. É que eu também já tenho sofrido bastante pelo facto de me esquecer de que a minha mediunidade não permite desvios à conduta recta. E na maior parte das vezes só me lembro dele quando estou bem aflitinho.

Enfim, o meu profundo agradecimento por me ter feito despertar para esta questão.

Saudações espíritas.
Jorge
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 02 de Janeiro de 2008, 18:46
Citar
Quando as pessoas vêm desencarnados claro que tem mediunidade activa, pouco ou muita. Julgo que presentemente começa haver mais pessoas com mediunidade activa, mesmo sem s
aber

As pessoas que vêm deesencarnados têm vidência. Se isso quer dizer mediunidade activa,concordo. Se com activa quer dizer de trabalho, não é verdade porque muitas pessoas nem sabem o que é mediunidade e vêem desencarnados.


 
Citar
Mas temos que ter em atênção do seguinte: cristãos, islâmicos, judaicos, budistas, hinduistas, ateus, africanos asiáticos, etc. TODOS somos FILHOS de DEUS.

Claro que todos somos filhos de Deus. não percebi foi o porquê desta observação neste contexto.

Citar
O animismo existe sempre, principalmente em sessões de Desenvolvimento Médiunico, basta um médium já desenvolvido se sentir mais orgulhoso e poderoso na sua mediunidade para o animismo aparecer logo (ser ele mesmo)

Sim Vitor, isso pode acontecer mas, normalmnete nesses casos existe mais a obsessão e os "falsos profetas" que se utilizam do médium vaidoso e desprevenido.
O animismo surge maioritariamente em médiuns que estão a começar e, normalmente não é com má intenção...apenas por insegurança.

Citar
Nós estamos num Mundo de Provação, nem sei quando virá o Mundo de Regenaração. Na Provação creio estarmos em Dualidade, isto quer dizer, toda a acção que praticarmos teremos que a compensar com uma acção do lado contrário, para a podermos anulá-la. Quando anularmos todas as acções que fizemos neste Mundo Fisico, parece-me que só uma maneira é deixarmos de reencarnar para este mundo, e continuarmos a nossa evolução noutro plano.

temos 2 asas que têm que estar equilibradas para conseguirmos  a nossa evolução :a intelectual e a afectiva.
podemos saber muito mas, se não soubermos amar, compreender, tolerar, certamente não evoluiremos como também podemos amar em excesso e com isso não percebemos quem somos donde vimos ,para onde vamos e o que estamos cá  a fazer....também teremos que compreender (quer sejamos espiritas ou não).

Citar
Quando reencarnamos, a nossa vida é programada no astral, com a coordenação dos Espiritos Superiores, e assim fica marcada, onde nascemos, quem são os nossos pais, a nossa família, os nossos filhos, que vida prevista faremos, as nossas doenças, ect.. Fica assim composta mais uma das nossas vidas. Mas atenção é quase impossível cumprimos a nossa "missão". Nesta vida temos o nosso Livre Arbítrio para fazermos aquilo que decidirmos, somos livres, mas temos limites. Esses limites estão na nossa Mente.

Eu atrever-me -ia  aacrescentar que nascemos SEMPRE para sermos felizes ...não  conseguimos é fazer isso. Ninguem nasce para ser infeliz, mesmo com problemas, temos sempre a capacidade de tentar compreender e aceitar( sofre menos quem sabe sofrer) logo, pode ser mais feliz.
cada vez mais acredito que tudo depende de nós e da nossa postura perante  a vida.

Abraços
Olga
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: vitor_goncalves em 03 de Janeiro de 2008, 15:09
Olá Olga

Sobre a passagem de que "todos somos filhos de Deus" o que queria dizer, mas não disse, é que todas as pessoas que desconhecem a Doutrina Espirita ou não a aceitam, existem algumas que têm mediunidade, mas que a combatem pela medicina, ou por vezes passam por torturas.
Aqui alguns tempos li um livro sobre "Religião e Ciência" em que descriviam que em algumas cidades dos EU (e não eram tão poucas como isso), os Museus Naturais, não assinalavam as datas previstas para os animais pré-históricos, pois que o povo só aceitava que a Terra tinha sido feita há cerca de seis mil anos. São os criacionistas.

Eu no entanto acredito que há pessoas que são agnósticas ou ateus, mas que fazem uma vida de bem, auxiliando as outras pessoas, que quando desencarnam seguem uma vida no plano astral tal qual como outras que tem o conhecimento.Eu como doutrinador numa reunão mediunica já me apareceu um desencarnado que tinha sido ateu, e que se mostrou já com o devido conhecimento, mostrando-se arrenpendido da vida que tinha feito e pedindo desculpa de todo o mal que teria provocado.

Agora concordo consigo que deveriamos fazer uma vida feliz, pois a vida que aceitamos foi aquela que escolhemos para o nosso bem.
Todos os problemas que passamos deveriamos os enfrentar com uma paz e um sorriso.
Não me recordo que nos "Envagelhos" se diga que Jesus nas torturas que Ele sofreu que Ele tivesse dado um lamento de dor.
Qualquer pessoa que se transcende a si própria, ela não tem dor. Mas isso é quse impossivel.

Um abraço

Vítor Gonçalves

PS: Aminha "veia literária" não é nada famosa, peço desculpa por não conseguir em computador exprimir aquilo que é correcto.
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: aruanda em 03 de Janeiro de 2008, 15:41
Amigo Vitor, o que interessa é a nossa boa vontade em comunicar uns com os outros e, espero que o amigo continue por aqui muito tempo  a colocar as suas questões.

E, concoro com o que disse, só não tinha percebido.

Abraços
Olga
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 23 de Fevereiro de 2008, 00:52
Companheiros

Como já obtive algumas respostas ás minhas dúvidas iniciais, venho aqui partilhar convosco o que aprendi:

. a sensação de taquicardia e calor intenso é provocada pela diferença vibracional que existe entre o espirito comunicante e o médium; ou seja, sendo o espirito mais elevado moralmente que o medium, no contacto perispiritual, há um aumento da temperatura do corpo e dos batimentos cardiacos...O que causa isso precisamente ainda não encontrei explicação objectiva...terei de investigar...
Após o afastamento do espirito comunicante, o corpo do medium sente uma especie de tremuras provocadas pela mesma situação...

Com o tempo essas sensações vão desaparecendo, especialmente se o medium se esforçar em "servir com humildade".

Por agora é só... ;)

Beijinhos
Gi



Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Joao Manuel Santos em 23 de Fevereiro de 2008, 12:03
Olá Jeanette

Como sou apenas um dos que procura estudar não posso falar de experiências pessoais no campo que abordou.
Tenho contudo assistido ao longo dos anos a comunicações várias com diferentes médiuns.
No campo das pesquisas passadas ao papel sugiro que procure a seguinte obra:
                    DO SISTEMA NERVOSO À MEDIUNIDADE
           do Drº Ary Lex, médico pela Univ de S. Paulo,
 com bons seviços prestados à causa da Doutrina espírita.

Possívelmente ficará mais esclarecida sobre como funcionam muitos dos mecanismos.
Espero que goste como eu próprio gostei pela forma clara e racinoal,não dogmática, como os assuntos são esclarecido e fundamentados.

Um abraço fraterno

João Manuel Santos

Extensivos aos companheiros de fórum.
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: SB em 23 de Fevereiro de 2008, 14:06
É um bom livro sim senhor, João M. Santos ;)

Regina, os sintomas nao desaparecem por desaparecer...

Quando temos conhecimento do processo, ou de como as coisas funcionam, conosco mesmo, com expontaneadade acontece sem qualquer transtorno.

O que dizes que depois desaparece, é esclarecimento que deveremos ter, não so como funciona como a de nós mesmos, e nao pq os sitomas acabam por desaparecer por si só.  É o esclarecimento, o treinamento e a confiança de si mesmo que faz com que tudo se mostre naturalmente como comer e dormir ;)

Um espirito elevado, quando se aproxima do medium para se dar a incorporação por exemplo, ele baixa a sua energia ou faixa vibratória e o medium eleva a sua, para nessa sintonia dar-se assim a incorporação sem qq sintoma que possa causar embaraços ou trsnstornos...

E independemente da mediunidade, a cada momento temos oportunidade de servir humildemente...
A mediunidade, servirá para a humanidade. Um dos papeis principais da mediunidade, é para nós mesmos nos anteciparmos em nossa evolução, pois nao a temos ao acaso, e pq nao existem acasos, sabemos que é uma oportunidade de adiatamento ao nosso espirito, contudo mais dificil do que sem a mediunidade, ao contrário do que a maioria julga...por isso ser tao importante o esclarecimento!

Beijinhos
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Gigii em 24 de Fevereiro de 2008, 22:36
Olá João Manuel

Obrigado pela sugestão de leitura...irei procurar. Sabe se existe á venda em Portugal?

Um grande abraço
Gi
Título: Re: MEDIUNIDADE DE PSICOFONIA SEMI-INCONSCIENTE?
Enviado por: Joao Manuel Santos em 25 de Fevereiro de 2008, 12:06
Bom dia Jeanette

Procure em:
Victor Osório
Largo Rodrigues Cordeiro, 4 cave esqª
abinete 2
1700-339 LISBOA
Tente contacto por mail, se ainda não tiver sido alterado, victorosorio@mail.telepac.pt

Espero e desejo que consiga e que venha a gostar da obra.

Um abraço fraterno com desejo de muita paz

João Manuel Santos