Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: Lucas LF em 25 de Outubro de 2010, 21:24

Título: Colônias Espirituais
Enviado por: Lucas LF em 25 de Outubro de 2010, 21:24
(http://2.bp.blogspot.com/_q_ivp6S3sGM/Ssv0V8jFYfI/AAAAAAAAE_8/E6D78ycY3SA/s1600-h/cidadeespiritual1.jpg)


Olá, gostaria de saber mais sobre as Colônias Espirituais, como elas são, como é a vida nelas, alimentação etc...


(http://1.bp.blogspot.com/_q_ivp6S3sGM/Stf9fKxH39I/AAAAAAAAFsw/BF_GdCyxcqk/s1600-h/COLONIA+ESPIRITUAL5.bmp)



Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Naudelino em 25 de Outubro de 2010, 23:33
Olá não sei explicar muito detalhado sobre as coloniais,mais devemos de lembrete,que os espíritos nos ensina que no mundo espiritual é igual a nossa vida aqui na terra. Fala se de coloniais mais é como se fosse no nosso mundo normal,e de acordo com a nossa evolução e aonde vamos nos habitar no plano espiritual.  Todos nos queremos um lugar bom, coloniais,nosso lar,etc. So que devemos de evoluirmos,se quisermos ser recompensado,acho que é mais o menos iço.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Lucas LF em 25 de Outubro de 2010, 23:43
Vlw ;D
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: AMBonfim em 29 de Outubro de 2011, 02:51
Caro Lucas,

Para ter uma idéia de como é uma Colônia Espiritual, leia o Livro "Nosso Lar", de Chico Xavier. Inclusive este livro é encontrado gratuitamente na Internet.

O que se deve ter em mente é o seguinte, em relação à vida no Mundo dos Espíritos: Se aqui na Terra todos se misturam, bons e maus, virtuosos e viciosos, no Mundo Espiritual não existe essa mistura que tanto faz sofrer as pessoas de bem. Là, cada qual se reúne por afinidades, ou seja, os maus não se misturam com os bons...
"Onde estiver o teu coração, aí estará o teu tesouro", disse Jesus...

Saudações.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Lucazan em 29 de Outubro de 2011, 10:04
(http://2.bp.blogspot.com/_q_ivp6S3sGM/Ssv0V8jFYfI/AAAAAAAAE_8/E6D78ycY3SA/s1600-h/cidadeespiritual1.jpg)

Olá, gostaria de saber mais sobre as Colônias Espirituais, como elas são, como é a vida nelas, alimentação etc...

(http://1.bp.blogspot.com/_q_ivp6S3sGM/Stf9fKxH39I/AAAAAAAAFsw/BF_GdCyxcqk/s1600-h/COLONIA+ESPIRITUAL5.bmp)

Caro Lucas,

Colônias Espirituais, ou qual outro nome que se de a estes lugares, são locais onde espíritos que se encontram materializados se reúnem, nem todos os espíritos que desencarnam passam ou são obrigados a ir para uma colônia.

Estas colônias são criadas ou produzidas através da manipulação do fluido universal, sobre o qual o espírito tem um poder que não podemos compreender, pois basta a sua vontade para que o fenômeno aconteça.

Por ser espíritos inferiores não conhecem as naturezas deste fenômenos que produzem e acreditarem que ainda possuem um corpo similar a corpo físico, eles continuam a ter as necessidades que tinham quando encarnados.

Para esse espíritos que se encontram nestas colônias, e enquanto estiverem materializados tudo será como uma continuidade da vida carnal. Portanto, sempre atestaram a veracidades de tudo que vivenciam nesta colônias o que para eles é a mais pura realidades, eles se alimentam, dormem e trabalham como se nada tivesse mudados, como se o espírito necessitasse destas coisas, mas pouco a pouco a verdade lhes vem as olhos e o conhecimento de si mesmo lhe mostram a verdadeira realidade em que vivem e eis que o espírito renascem para a sua vida espiritual.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: hcancela em 29 de Outubro de 2011, 10:08
Olá amigos(as)


Livro dos Espiritos...


1012 Haverá lugares determinados no universo destinados às
penalidades e aos prazeres dos Espíritos, conforme seus méritos?
– Já respondemos a essa questão. As penalidades e os prazeres são
inerentes ao grau de perfeição dos Espíritos; cada um tira de si mesmo o
princípio de sua própria felicidade ou infelicidade; e como estão por toda
parte, nenhum lugar localizado nem fechado está destinado a um ou a outro.
Quanto aos Espíritos encarnados, eles são mais ou menos felizes ou
infelizes conforme o mundo que habitem seja mais ou menos avançado.
1012 a Em vista disso, o inferno e o paraíso não existiriam como
o homem os representa?
– São apenas figuras: existem Espíritos felizes e infelizes por toda parte.
Entretanto, como também dissemos, os Espíritos da mesma ordem se
reúnem por simpatia; mas podem se reunir onde quiserem quando são
perfeitos.A localização exata dos lugares de penalidades e recompensas existe
apenas na imaginação do homem e provém da tendência de materializar e
circunscrever as coisas das quais eles não podem compreender a essência infinita.

1013 O que se deve entender por purgatório?
– Dores físicas e morais: é o tempo de expiação. É quase sempre na
Terra que fazeis vosso purgatório e onde sois obrigados a expiar vossas
faltas.
G O que o homem chama de purgatório é igualmente uma figura pela
qual se deve entender não como um lugar qualquer determinado, mas
como o estado dos Espíritos imperfeitos, que estão em expiação até a
purificação completa que deve elevá-los ao plano dos Espíritos bemaventurados.
Essa purificação, operando-se nas diversas encarnações,
faz com que o purgatório consista nas provas da vida corporal.

1014 Como se explica que Espíritos, que pela sua linguagem
revelam superioridade, tenham respondido a pessoas muito sérias a
respeito do inferno e do purgatório, de acordo com a idéia corrente
que se faz desses lugares?
– Eles falam uma linguagem que possa ser compreendida pelas pessoas
que os interrogam, e quando essas pessoas se mostram convictas
de certas idéias evitam chocá-las bruscamente para não ferir suas convicções.
Se um Espírito quisesse dizer, sem precauções oratórias, a um
muçulmano que Maomé não foi profeta, seria muito mal compreendido.
1014 a Concebe-se que assim possa ser com a maioria dos Espíritos
que desejam nos instruir; mas como se explica que Espíritos
interrogados sobre sua situação tenham respondido que sofriam torturas
do inferno ou do purgatório?
– Quando são inferiores e ainda não completamente desmaterializados,
conservam parte de suas idéias terrenas e transmitem suas impressões se
servindo de termos que lhes são familiares. Eles se encontram num meio
que lhes permite sondar o futuro apenas imperfeitamente, e é por isso que
freqüentemente Espíritos errantes, ou recém-desencarnados, falarão como
se estivessem encarnados. Inferno pode se traduzir por uma vida de provações
extremamente dolorosa, com a incerteza de haver outra melhor.
Purgatório, por uma vida também de provações, mas com consciência de
um futuro melhor. Quando passais por uma grande dor, não dizeis que
sofreis como um condenado? São apenas palavras, e sempre no sentido
figurado.
1015 O que se deve entender por uma alma penada?
– Um Espírito errante e sofredor, incerto de seu futuro, e a quem podeis
proporcionar o alívio que, muitas vezes, solicita ao se comunicar
convosco.
1016 Em que sentido se deve entender a palavra céu?
– Acreditais que seja um lugar, como os Campos Elíseos7 dos antigos,
onde todos os bons Espíritos estão indistintamente aglomerados com
a única preocupação de desfrutar, durante a eternidade, de uma felicidade
passiva? Não. É o espaço universal; são os planetas, as estrelas e todos
os mundos superiores onde os Espíritos desfrutam de todas as suas qualidades
sem os tormentos da vida material nem as angústias próprias à
inferioridade.
1017 Alguns Espíritos disseram estar habitando o quarto, o quinto
céu, etc.; o que quiseram dizer com isso?
– Se lhes perguntais qual céu habitam é porque tendes uma idéia de
muitos céus sobrepostos, como os andares de uma casa. Então, eles
respondem conforme vossa linguagem. Mas, para eles, essas palavras,
quarto e quinto céu, exprimem diferentes graus de depuração e, conseqüentemente,
de felicidade. É exatamente como quando se pergunta a
um Espírito se ele está no inferno; se é infeliz, dirá que sim, porque para ele
inferno é sinônimo de sofrimento; porém, ele sabe muito bem que não é
uma fornalha. Se fosse um pagão diria que estava no Tártaro.
G O mesmo acontece com muitas outras expressões semelhantes,
como: cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira, segunda ou terceira
esfera, etc., que não passam de expressões usadas por certos
Espíritos, quer como figuras, quer algumas vezes por ignorância da realidade
das coisas e até mesmo das mais simples noções científicas.
De acordo com a idéia restrita que se fazia antigamente dos lugares
de sofrimentos e recompensas, e principalmente com a opinião de que
a Terra era o centro do universo, de que o céu formava uma abóbada e
que havia uma região de estrelas, colocava-se o céu em cima e o inferno
embaixo. Daí as expressões: subir ao céu, estar no mais alto dos
céus, estar precipitado no inferno. Hoje a ciência demonstra que a Terra
não passa de um dos menores planetas, sem importância especial. Entre
milhões de outros, traçou a história de sua formação e descreveu
sua constituição; provou que o espaço é infinito, que não há nem alto
nem baixo no universo, e assim impôs a rejeição à idéia de situar o céu
acima das nuvens e o inferno nos lugares baixos. Quanto ao purgatório,
nenhum lugar lhe fora designado. Estava reservado ao Espiritismo dar
sobre todas essas coisas a explicação mais racional, grandiosa e, ao
mesmo tempo, mais consoladora para a humanidade. Assim, pode-se
dizer que levamos em nós mesmos nosso inferno e nosso paraíso e,
quanto ao purgatório, nós o encontramos em nossa encarnação, em
nossas vidas físicas.
7 - Campos Elíseos: na Mitologia, lugar onde se encontravam, após a morte, as almas dos heróis e dos justos.N.E

Saudações fraternas
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 29 de Outubro de 2011, 15:37
Amigo Cancela,
permita-me usar a  sua postagem para apenas ressaltar em cores outras o que a obra básica ensina e que é o que deve ser seguido por todos os Espíritas.

"1012 Haverá lugares determinados no universo destinados às penalidades e aos prazeres dos Espíritos, conforme seus méritos?
– Já respondemos a essa questão. As penalidades e os prazeres são inerentes ao grau de perfeição dos Espíritos; cada um tira de si mesmo o princípio de sua própria felicidade ou infelicidade; e como estão por toda parte, nenhum lugar localizado nem fechado está destinado a um ou a outro.
Quanto aos Espíritos encarnados, eles são mais ou menos felizes ou infelizes conforme o mundo que habitem seja mais ou menos avançado.
1012 a Em vista disso, o inferno e o paraíso não existiriam como o homem os representa?
São apenas figuras: existem Espíritos felizes e infelizes por toda parte. Entretanto, como também dissemos, os Espíritos da mesma ordem se reúnem por simpatia; mas podem se reunir onde quiserem quando são perfeitos.A localização exata dos lugares de penalidades e recompensas existe apenas na imaginação do homem e provém da tendência de materializar e circunscrever as coisas das quais eles não podem compreender a essência infinita.

1013 O que se deve entender por purgatório?
– Dores físicas e morais: é o tempo de expiação. É quase sempre na Terra que fazeis vosso purgatório e onde sois obrigados a expiar vossas faltas.
O que o homem chama de purgatório é igualmente uma figura pela qual se deve entender não como um lugar qualquer determinado, mas como o estado dos Espíritos imperfeitos, que estão em expiação até a purificação completa que deve elevá-los ao plano dos Espíritos bem aventurados.
Essa purificação, operando-se nas diversas encarnações, faz com que o purgatório consista nas provas da vida corporal.

1014 Como se explica que Espíritos, que pela sua linguagem revelam superioridade, tenham respondido a pessoas muito sérias a respeito do inferno e do purgatório, de acordo com a idéia corrente que se faz desses lugares?
Eles falam uma linguagem que possa ser compreendida pelas pessoas que os interrogam, e quando essas pessoas se mostram convictas de certas idéias evitam chocá-las bruscamente para não ferir suas convicções.
Se um Espírito quisesse dizer, sem precauções oratórias, a um muçulmano que Maomé não foi profeta, seria muito mal compreendido.
1014 a Concebe-se que assim possa ser com a maioria dos Espíritos que desejam nos instruir; mas como se explica que Espíritos interrogados sobre sua situação tenham respondido que sofriam torturas do inferno ou do purgatório?
Quando são inferiores e ainda não completamente desmaterializados, conservam parte de suas idéias terrenas e transmitem suas impressões se servindo de termos que lhes são familiares. Eles se encontram num meio que lhes permite sondar o futuro apenas imperfeitamente, e é por isso que freqüentemente Espíritos errantes, ou recém-desencarnados, falarão como se estivessem encarnados. Inferno pode se traduzir por uma vida de provações extremamente dolorosa, com a incerteza de haver outra melhor.
Purgatório, por uma vida também de provações, mas com consciência de um futuro melhor. Quando passais por uma grande dor, não dizeis que sofreis como um condenado? São apenas palavras, e sempre no sentido figurado.
1015 O que se deve entender por uma alma penada?
– Um Espírito errante e sofredor, incerto de seu futuro, e a quem podeis proporcionar o alívio que, muitas vezes, solicita ao se comunicar convosco.
1016 Em que sentido se deve entender a palavra céu?
– Acreditais que seja um lugar, como os Campos Elíseos dos antigos, onde todos os bons Espíritos estão indistintamente aglomerados com a única preocupação de desfrutar, durante a eternidade, de uma felicidade passiva? Não. É o espaço universal; são os planetas, as estrelas e todos os mundos superiores onde os Espíritos desfrutam de todas as suas qualidades sem os tormentos da vida material nem as angústias próprias à inferioridade.
1017 Alguns Espíritos disseram estar habitando o quarto, o quinto céu, etc.; o que quiseram dizer com isso?
– Se lhes perguntais qual céu habitam é porque tendes uma idéia de muitos céus sobrepostos, como os andares de uma casa. Então, eles respondem conforme vossa linguagem. Mas, para eles, essas palavras, quarto e quinto céu, exprimem diferentes graus de depuração e, conseqüentemente, de felicidade. É exatamente como quando se pergunta a
um Espírito se ele está no inferno; se é infeliz, dirá que sim, porque para ele inferno é sinônimo de sofrimento; porém, ele sabe muito bem que não é uma fornalha. Se fosse um pagão diria que estava no Tártaro.
O mesmo acontece com muitas outras expressões semelhantes, como: cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira, segunda ou terceira esfera, etc., que não passam de expressões usadas por certos Espíritos, quer como figuras, quer algumas vezes por ignorância da realidade das coisas e até mesmo das mais simples noções científicas.
De acordo com a idéia restrita que se fazia antigamente dos lugares de sofrimentos e recompensas, e principalmente com a opinião de que a Terra era o centro do universo, de que o céu formava uma abóbada e que havia uma região de estrelas, colocava-se o céu em cima e o inferno embaixo. Daí as expressões: subir ao céu, estar no mais alto dos
céus, estar precipitado no inferno. Hoje a ciência demonstra que a Terra não passa de um dos menores planetas, sem importância especial. Entre milhões de outros, traçou a história de sua formação e descreveu sua constituição; provou que o espaço é infinito, que não há nem alto nem baixo no universo, e assim impôs a rejeição à idéia de situar o céu acima das nuvens e o inferno nos lugares baixos. Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe fora designado. Estava reservado ao Espiritismo dar sobre todas essas coisas a explicação mais racional, grandiosa e, ao mesmo tempo, mais consoladora para a humanidade. Assim,    pode-se dizer que levamos em nós mesmos nosso inferno e nosso paraíso e,
quanto ao purgatório, nós o encontramos em nossa encarnação, em nossas vidas físicas.
7 - Campos Elíseos: na Mitologia, lugar onde se encontravam, após a morte, as almas dos heróis e dos justos.N.E"

Acredito que os ressaltos que faço mostrem bem, a concepção dos Espíritos Superiores e que, por assim dizer, coloca uma pá de cal na estória das colônias.
Abraços,
Moura

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Junior Torres em 13 de Fevereiro de 2012, 18:53
Olá,gostei muito desse tópico poruqe foi bem direto. :)Eu entendo que nao existe um lugar definido,mas algum irmão poderia me explicar um monte de espírito vivendo a mesma ilusao de andré luiz em nosso lar?

agradeço .
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 13 de Fevereiro de 2012, 19:06
Torres, não há tantos de nós que julgam que seus times são sempre melhores que o dos outros?
Não existem entre nós, muitos que não gostam de TV?
Muitos que adorem estar mais na moda do que os outros?
Todos não são diferentes entre si, mesmo alimentando os mesmos gostos?
Tudo provém do estado em que se encontra o Espírito, se mais materialista, mais apegado estará nas coisas materiais, se menos, irá se adornar das coisas que alimentem ao Espírito.
simples assim.
Abraços,
moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: rwer em 13 de Fevereiro de 2012, 22:49
[attachimg=1 align=left width=144]Grande Lucas,[attachimg=2 align=right width=100]

Se você já leu Violetas na Janela, de Patrícia, conheceu a Colônia São Sebastião.  Ela fica nos céus de Minas Gerais e abriga antigos moradores de São Sebastião do Paraíso.

No Volume II - Vivendo no Mundo dos Espíritos, temos um Capítulo inteiro sobre Colônias.

Vamos ver um pedaço?


[attachimg=3 align=left width=625]

[attachimg=4 align=left width=625]

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Aimoré em 13 de Fevereiro de 2012, 23:16
A questão 1012 de o LE e as questões seguintes explicam sobre a existência do paraíso,inferno e purgatório.Falam sobre a ideia católica dada a esses lugares.Paraíso:lugar onde os bons vivem eternamente felizes na ociosidade.Inferno:lugar onde os maus vivem eternamente nas chamas e sofrendo.Pugatório:lugar de transição.Esses lugares,segundo a concepção católica, são lugares "circunscritos e fechados".Esses lugares não existem.Os Espíritos não falam nada contra a existência de planos espirituais.Falam de Espíritos simpáticos(no bem ou no mal) que se reúnem.Por que não podem se reunir em planos plasmados por suas condições espirituais?Esses planos não são" circunscritos e fechados".Segundo André Luiz os Espíritos circulam entre eles de acordo com sua melhoria de sentimentos e em várias atividades(de acordo com sua evolução).
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 26 de Fevereiro de 2012, 14:54
Mano Aimoré,
infelizmente André não pode falar em nome da DE.
abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alcidiomichel em 26 de Fevereiro de 2012, 17:04
A moral é a seguinte amigos, colônias espirituais existem na imaginação de alguns espíritos, pois as criações fluídicas não são permanentes, são temporárias, pois são criadas pelo pensamento, sendo fugídeas como este. Tipo Nosso Lar que André Luiz diz existir à pelo menos 500 anos, não há base para isso na codificação. Mas a codificação kardeciana explica as visões desses espíritos, leiam em O Céu e o Inferno, as pessoas que viram cidades cercadas por muros no mundo espiritual.

Não esqueçam o que o espírito de Swedenborg(médium que falava das cidades espirituais) falou à Kardec sobre isso na Revista Espírita de 1859:

[...]Evocação de Swedenborg. - À evocação, feita pelo senhor Allan Kardec, respondeu: Fale, meu velho amigo. - Honrais-me com o título de vosso velho amigo, e não obstante estarmos longe de sermos contemporâneos, e não vos conheça senão pelos vossos escritos. -É verdade, mas eu, eu te conheço há muito tempo. - Desejaríamos vos dirigir várias perguntas sobre diversos pontos da vossa doutrina, mas, tendo em vista a hora avançada, nosso objetivo é somente perguntar-vos se consentiríeis em fazê-lo na próxima sessão. - R. Com prazer. Deixai-me, desde hoje, fazer uma correção aos meus escritos, correção importante para mim. Quando escrevi minha doutrina, pretendi, segundo os conselhos do mundo celeste que me ditava, que cada povo se encontrava, no céu, numa esfera separada, e que o caráter distintivo, de cada nação, apareceria ainda não por indivíduos, mas por grandes famílias. A experiência me convenceu que isso não é assim.

Não há também outros pontos sujeitos a contestações? - R. Sim, muitos outros, mas este é
um dos mais importantes.[...]
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 26 de Fevereiro de 2012, 17:06
De acordo mano Alcidio!
Abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Aimoré em 26 de Fevereiro de 2012, 18:19
A moral é a seguinte amigos, colônias espirituais existem na imaginação de alguns espíritos, pois as criações fluídicas não são permanentes, são temporárias, pois são criadas pelo pensamento, sendo fugídeas como este. Tipo Nosso Lar que André Luiz diz existir à pelo menos 500 anos, não há base para isso na codificação. Mas a codificação kardeciana explica as visões desses espíritos, leiam em O Céu e o Inferno, as pessoas que viram cidades cercadas por muros no mundo espiritual.

Não esqueçam o que o espírito de Swedenborg(médium que falava das cidades espirituais) falou à Kardec sobre isso na Revista Espírita de 1859:

[...]Evocação de Swedenborg. - À evocação, feita pelo senhor Allan Kardec, respondeu: Fale, meu velho amigo. - Honrais-me com o título de vosso velho amigo, e não obstante estarmos longe de sermos contemporâneos, e não vos conheça senão pelos vossos escritos. -É verdade, mas eu, eu te conheço há muito tempo. - Desejaríamos vos dirigir várias perguntas sobre diversos pontos da vossa doutrina, mas, tendo em vista a hora avançada, nosso objetivo é somente perguntar-vos se consentiríeis em fazê-lo na próxima sessão. - R. Com prazer. Deixai-me, desde hoje, fazer uma correção aos meus escritos, correção importante para mim. Quando escrevi minha doutrina, pretendi, segundo os conselhos do mundo celeste que me ditava, que cada povo se encontrava, no céu, numa esfera separada, e que o caráter distintivo, de cada nação, apareceria ainda não por indivíduos, mas por grandes famílias. A experiência me convenceu que isso não é assim.

Não há também outros pontos sujeitos a contestações? - R. Sim, muitos outros, mas este é
um dos mais importantes.[...]


Note que o Espírito se desculpa pelo fato de ter dito "cada povo se encontrava, no céu, numa esfera separada",mas não fala nada contra os Espíritos se reunirem de acordo com suas sintonias.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 26 de Fevereiro de 2012, 18:45

Aimoré
Note que o Espírito se desculpa pelo fato de ter dito "cada povo se encontrava, no céu, numa esfera separada",mas não fala nada contra os Espíritos se reunirem de acordo com suas sintonias.

E se desculpa também pela sua imprevidência ... a de se submeter a facinação...
não observar o que fazia.

resumindo...um suprasumo
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Aimoré em 26 de Fevereiro de 2012, 18:51

Aimoré
Note que o Espírito se desculpa pelo fato de ter dito "cada povo se encontrava, no céu, numa esfera separada",mas não fala nada contra os Espíritos se reunirem de acordo com suas sintonias.

E se desculpa também pela sua imprevidência ... a de se submeter a facinação...
não observar o que fazia.

resumindo...um suprasumo

Também isso.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: rwer em 26 de Fevereiro de 2012, 19:47
Alô, amiguinhos coloniais ou não,

Colônias e cidades do Astral são descritas em dezenas de ótimos livros mediúnicos.

Não, os livros de Kardec não falam de edificações astrais, ao menos de modo claro. Ao tempo da Codificação, havia diversos médiuns ingleses e estadunidenses que recebiam comunicações sobre vida objetiva no Além.  Mas na Europa Latina as descrições eram sempre vagas.

Foi por isso que o pesquisador espírita Ernesto Bozzano (Itália, 1862-1943), ao fazer seus estudos e escrever livros sobre a vida pós-morte, preferiu as comunicações de língua inglesa: por serem mais abertas, diretas. Não contornavam os assuntos.

Todos os livros mediúnicos abaixo falam claramente de cidades espirituais. Alguns, com mais detalhe que outros.



A Vida Além do Véu (1913 a 1918) - O primeiro volume – As Regiões Inferiores do Céu – é editado no Brasil pela FEB.

Cartas de Uma Morta (1935) – Chico Xavier juntou as cartinhas que recebera de sua mãe e as entregou para serem publicadas em livro.

Nosso Lar (1943) – Dispensa apresentações. Os 9 livros abaixo são sua continuação.

Os Mensageiros

Missionários da Luz

Obreiros da Vida Eterna

No Mundo Maior

Ação e Reação

Entre a Terra e o Céu

Libertação

Sexo e Destino

E a Vida Continua

Voltei (1949) – Irmão Jacob conta suas experiências ao médium Chico Xavier.

Memórias de Um Suicida (publicado pela primeira vez em 1955, mas o ditado mediúnico é bem mais antigo.)

Devassando o Invisível (1963)  – é escrito pela médium, segundo suas experiências e estudos.

A Vida Além da Sepultura (1957) – Atanagildo, a convite de Ramatis, relata minuciosamente sua desencarnação no Século XX.  E sua chegada à Metrópole do Grande Coração.

A Sobrevivência do Espírito (1958) – Continuação das observações de Atanagildo.

Semeando e Colhendo (1967) – Também de Atanagildo.

Bate-papo com o Além (1982) – Silveira Sampaio escreve por Dona Zíbia.

O Mundo em que Eu vivo (1986) – (Idem)

Violetas na Janela (1993) – Também dispensa apresentações. (E eu adoro.)[attachimg=1 align=right width=200]

Vivendo no Mundo dos Espíritos (1993) – Continuação de Violetas.

A Casa do Escritor (1993) – Idem.

O Voo da Gaivota (1996) – Último livro de Patrícia pela médium Vera Marinzeck.

Pelas Portas do Coração (1995) – Lúcius/Dona Zíbia Gasparetto.

A História de Um Anjo (1999) – O médium Roger Botini Paranhos e seu mentor Hermes narram curiosas observações sobre a vida de um elevado Espírito e sua missão atual.

Flores de Maria (2003) – Rosângela, morta aos 14, conta sua vidinha de menina no educandário Flores de Maria. (Amo esse livro.)


Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Aimoré em 26 de Fevereiro de 2012, 20:06
Alô, amiguinhos coloniais ou não,

Colônias e cidades do Astral são descritas em dezenas de ótimos livros mediúnicos.

Não, os livros de Kardec não falam de edificações astrais, ao menos de modo claro. Ao tempo da Codificação, havia diversos médiuns ingleses e estadunidenses que recebiam comunicações sobre vida objetiva no Além.  Mas na Europa Latina as descrições eram sempre vagas.

Foi por isso que o pesquisador espírita Ernesto Bozzano (Itália, 1862-1943), ao fazer seus estudos e escrever livros sobre a vida pós-morte, preferiu as comunicações de língua inglesa: por serem mais abertas, diretas. Não contornavam os assuntos.

Todos os livros mediúnicos abaixo falam claramente de cidades espirituais. Alguns, com mais detalhe que outros.



A Vida Além do Véu (1913 a 1918) - O primeiro volume – As Regiões Inferiores do Céu – é editado no Brasil pela FEB.

Cartas de Uma Morta (1935) – Chico Xavier juntou as cartinhas que recebera de sua mãe e as entregou para serem publicadas em livro.

Nosso Lar (1943) – Dispensa apresentações. Os 9 livros abaixo são sua continuação.

Os Mensageiros

Missionários da Luz

Obreiros da Vida Eterna

No Mundo Maior

Ação e Reação

Entre a Terra e o Céu

Libertação

Sexo e Destino

E a Vida Continua

Voltei (1949) – Irmão Jacob conta suas experiências ao médium Chico Xavier.

Memórias de Um Suicida (publicado pela primeira vez em 1955, mas o ditado mediúnico é bem mais antigo.)

Devassando o Invisível (1963)  – é escrito pela médium, segundo suas experiências e estudos.

A Vida Além da Sepultura (1957) – Atanagildo, a convite de Ramatis, relata minuciosamente sua desencarnação no Século XX.  E sua chegada à Metrópole do Grande Coração.

A Sobrevivência do Espírito (1958) – Continuação das observações de Atanagildo.

Semeando e Colhendo (1967) – Também de Atanagildo.

Bate-papo com o Além (1982) – Silveira Sampaio escreve por Dona Zíbia.

O Mundo em que Eu vivo (1986) – (Idem)

Violetas na Janela (1993) – Também dispensa apresentações. (E eu adoro.) (Ligação para o anexo)

Vivendo no Mundo dos Espíritos (1993) – Continuação de Violetas.

A Casa do Escritor (1993) – Idem.

O Voo da Gaivota (1996) – Último livro de Patrícia pela médium Vera Marinzeck.

Pelas Portas do Coração (1995) – Lúcius/Dona Zíbia Gasparetto.

A História de Um Anjo (1999) – O médium Roger Botini Paranhos e seu mentor Hermes narram curiosas observações sobre a vida de um elevado Espírito e sua missão atual.

Flores de Maria (2003) – Rosângela, morta aos 14, conta sua vidinha de menina no educandário Flores de Maria. (Amo esse livro.)




Também sou da opinião que na época da codificação haviam assuntos mais prioritários a serem tratados,por isso o tema "Colônias Espirituais" não foi abordado.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 26 de Fevereiro de 2012, 22:20
Aimoré me responda sinceramente:
Alguma destas obras recebeu a outorga do CUEE que as faz doutrina?
Se não recebeu então bau bau, malhou-se em ferro frio.
Falamos de doutrina meu mano.
Veja que mesmo estas obras que você elenca surguiram em tempos diferentes e isso já frustra segundo a doutrina qualquer exame.
Há de ser todas de ocorrência num mesmo tempo, em partes diferentes do globo, vindas de vários Espíritos e psicografadas por vários e diferentes médiuns desconhecidos entre si.
Se não foi  assim e nessa ordenação, não podem ser doutrina e nem podem traduzir algo de novo, mesmo porque vieram de Espíritos Errantes, e não de superiores como a própria formulação deixada por e Espíritos da mesma classe legou ao codificador.
Um estudo mais tranquilo do ESE item dois da introdução ao estudo da DE lhe fará ver isso com clareza.
Abração,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Edil Curvelo em 26 de Fevereiro de 2012, 22:40
Em nosso mundo globalizado, dotado de meios de comunicação sofisticados como a internet, quem em sã consciência acreditaria em médiuns desconhecidos entre si? Hoje esse método seria facilmente fraudado pelos que de má fé assim o desejassem.

Um abraço,
Edil

Há de ser todas de ocorrência num mesmo tempo, em partes diferentes do globo, vindas de vários Espíritos e psicografadas por vários e diferentes médiuns desconhecidos entre si.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alexfidelis em 27 de Fevereiro de 2012, 02:26
Não se esqueçam da Segunda parte (ou livro 2 em algumas edições) do livro O Céu e o Inferno de Allan Kardec. Nessa parte há relatos selecionados por AK para ilustrar o momento da passagem (morte) e em muitos dessas comunicações os espíritos contam o que há no plano espiritual.

Para ajudar nas pesquisas e estudos na Doutrina Espírita usem o site http://www.edesp.eu, ainda em construção mas dá para quebrar o galho.

Abraços
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Fernando B. em 27 de Fevereiro de 2012, 13:52
Bom pessoal, apesar das divergências que existem e creio que sempre existirão em torno do assunto, o que é bom na minha opnião pois é graças a estas divergências que o assunto é sempre discutido aqui e em muitos outros lugares e é debatendo que aprendemos e podemos trocar ideias e experiências adquirindo sempre novos conhecimentos e "conhecimento adquirido jamais será um tempo perdido."

Mas voltando ao assunto, creio que talvez possamos chegar ha um consenso de que tudo depende da sintonia e do grau de evolução de cada Espirito, ou seja, em resumo, na erraticidade estaremos reunidos pela afinidade e evolução.

Aqueles Espiritos mais evoluidos e desprendidos da materia não terão a necessidade de ir para um Colônia Espiritual, tal qual é descrito por André Luiz em Nosso Lar, por exemplo. Aqueles Espiritos, como eu, que ainda estão fortemente ligados a materia estarão reunidos através das afinidades e sintonia em Colônias como as que são descritas por André Luiz.

Continua...
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Fernando B. em 27 de Fevereiro de 2012, 13:54
...Continuação

Se pensarmos em nosso Fórum Espirita como se ele fosse um mundo, quando por exemplo desencarnar o Moura, a Hebe, o Alcidio, etc., todos eles estarão reunidos na erraticidade em um local que não é circunscrito e que nada tem a ver com as colônias relatadas nos livros de André através da psicografia do Chico. ( Pelo amor de Deus hein gente, isso é
só exemplo para ilustrar melhor a situação, não quero que ninguem vá dessa pra uma melhor antes da hora!
:) )

E quando chegar a vez do Ram, do Moises, a minha vez, etc., estaremos todos nós lá reunidos em colônias como as que são descritas em Nosso Lar.

Eu por exemplo, como sou aqui de São Sebastião do Paraíso, Minas Gerais, irei para a colonia São Sebastião, como lembrou o Ram em um trecho do livro Violetas na Janela quando Patricia nos diz ter ido para esta colonia que fica localizada nos Céus de Minas Gerais.

Enfim meus queridos amigos, as divergências sempre existirão, até porque estamos em um mundo onde os Espiritos estão estagiando em escolas diferentes, o que não quer dizer que A ou B está correto ou errado, ou que A ou B está com a verdade absoluta, até porque se assim fosse com certeza não estaria por aqui. Estamos aqui para aprendermos a conviver uns com os outros, amando e respeitando uns aos outros como Jesus nos ensinou.

Essa é apenas a minha humilde visão do pouco que ainda enxergo sobre as leis soberanas de Deus!

Abraços a todos e uma boa semana!
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 27 de Fevereiro de 2012, 14:50
Torres, não há tantos de nós que julgam que seus times são sempre melhores que o dos outros?
Não existem entre nós, muitos que não gostam de TV?
Muitos que adorem estar mais na moda do que os outros?
Todos não são diferentes entre si, mesmo alimentando os mesmos gostos?
Tudo provém do estado em que se encontra o Espírito, se mais materialista, mais apegado estará nas coisas materiais, se menos, irá se adornar das coisas que alimentem ao Espírito.
simples assim.
Abraços,
moura

Moura, suponha que duas pessoas, completamente diferentes, com alto grau de esquizofrenia, acreditem viver em um mundo visualmente diferente do que realmente vivem. Então essas duas pessoas se encontram em determinado local e cada uma descreve a outra como que é esse local. Pode essas duas pessoas, entrar num acordo sobre a paisagem que descrevem? Se a ilusão que cada uma vive é peculiar as criações mentais particulares, podem elas participar exatamente da mesma ilusão? Como?

O conto Nosso Lar narra passagens em que André Luiz entra em contato com pessoas em faixa de sintonia mental de evidente pertubação, no entanto, ambos concordam estar no mesmo lugar. Mesmo assim o local existe apenas nas mentes de ambos?

Um grande Abraço!
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 27 de Fevereiro de 2012, 15:16
OLM, mano Danilo, nos ensina como distinguir isso!
Porém, os espíritos da classe, note bem, não estou falando de um Espírito que me seja relativamente superior, por isso faço sempre a distinção colocando o "S" do superior, em caixa alta, mas sim falo dos Espíritos Da classe que vem em OLE entitulada como Espíritos superiores, que se quadra na Segunda ordem: Espíritos Bons.

O amigo pode estudar em OLM:
OLM
Capítulo XXIV
IDENTIDADE DOS ESPÍRITOS
A começar pelo item 262
Abraços,
Moura

Mano Edil primeiro me esclareça: A brincadeira já acabou né?
Meu amigo, o CUEE só pode se feito nos mesmos moldes do efetuado por Allan kardec.
Nada de Internet e tudo a ver com cartas escritos e para serem abertas no mesmo horário e dia aprazados isso em todos os CEs em que for efetivado o processo.
Não acredito que o amigo não soubesse disso!
Um processo, se quer ter a titulação de científico não pode ser feito por via diferente para obter o mesmo fim.
abraços,
Moura

E como saber se é um Espírito Superior que está transmitindo tal mensagem, ou revelação?

Abraços!
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 27 de Fevereiro de 2012, 15:57
OLM, mano Danilo, nos ensina como distinguir isso!
Porém, os espíritos da classe, note bem, não estou falando de um Espírito que me seja relativamente superior, por isso faço sempre a distinção colocando o "S" do superior, em caixa alta, mas sim falo dos Espíritos Da classe que vem em OLE entitulada como Espíritos superiores, que se quadra na Segunda ordem: Espíritos Bons.

O amigo pode estudar em OLM:
OLM
Capítulo XXIV
IDENTIDADE DOS ESPÍRITOS
A começar pelo item 262
Abraços,
Moura

Mano Edil primeiro me esclareça: A brincadeira já acabou né?
Meu amigo, o CUEE só pode se feito nos mesmos moldes do efetuado por Allan kardec.
Nada de Internet e tudo a ver com cartas escritos e para serem abertas no mesmo horário e dia aprazados isso em todos os CEs em que for efetivado o processo.
Não acredito que o amigo não soubesse disso!
Um processo, se quer ter a titulação de científico não pode ser feito por via diferente para obter o mesmo fim.
abraços,
Moura

E como saber se é um Espírito Superior que está transmitindo tal mensagem, ou revelação?

Abraços!

(Após a leitura do capítulo indicado)

Disso, entendo que você diz que o método CUEE nos permite, não apenas garantir a autenticidade da comunicação, mas qualificar o espírito de que se recebe a mensagem. No entanto, minha pergunta foi feita com propósito. Pergunto como sabemos se o espírito é da classe Espíritos Superiores (Com S maiúsculo) porque tenho notícia da codificação de que estes espíritos reúnem em sí a sabedoria, a bondade e a ciência, e que seriam, em teoria, os que poderiam nos transmitir de forma mais justa e acertada a realidade do mundo espiritual, sem os preconceitos oriundos da materialidade dos espíritos menos avançados, como Emmanuel, e André Luiz.

Supondo que até aqui você concorda comigo, prossigamos:

Logo, não basta o espírito ser bom, para que esteja habilitado a nos instruir plenamente sobre todos os assuntos. Ele deve também ter a sabedoria e o conhecimento. Oras, mas como identificar estes espíritos realmente avançados, senão pelo método que Kardec utilizou? Colocando a prova e examinando, não somente a linguagem, como propõe o capítulo que você me indicou, mas o conteúdo daquilo que ele transmite? Um espírito que não saiba resolver uma equação simples, não pode ser colocado no rol dos Superiores, por mais irrepreensível que seja a sua linguagem.
Sendo Allan Kardec uma pessoa extremamente qualificada em ciências, e dotado de grande senso moral, foi designado em sua missão a fazer a distinção destes espíritos, e desse modo ele codificou a Doutrina Espírita.

Se tudo o que eu falei está certo, prossigamos...

Eu te perguntei: Como saber se quem fala são Espíritos Superiores? Você me indicou o método do capítulo XIV do livro dos médiuns, que permite identificar apenas os "espíritos bons".

Se tudo o que eu falei até agora está certo, segue a minha reflexão:

Aplicar o método do CUEE, hoje, com estes critérios, não nos trará comunicações melhores que as de Emmanuel e André Luiz. Ambos também possuem linguagem irrepreensível, que demonstram bondade, sabedoria, e elevação espiritual.



Abraços!

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 27 de Fevereiro de 2012, 16:11
O CUEE é outra coisa maninho Danilo.
Se, os Espíritos que ditaram os ensinos já se sabe que sejam da classe dos Espíritos superiores (ver ESE item dois da intro ao Est. da DE), nem se precisa de aferição.
Já para reconhecimento da qualidade dos Espíritos segue-se o indicado no meu post anterior.

Amigo deixe de querer colocar a André ou a Emmanuel que são ainda Espíritos em Errancia, logo não atingiram á classe dos Superiores, pois que estes apenas reencarnam em missão de progresso para o mundo.
Eles podem ser, relativamente superiores a nós, posto que detêm maior visão das coisas como um todo, por estarem na Erraticidade, mas ainda necessitam de reencarnarem para conseguirem chegar na casse dos superiores e por enquanto são apenas Bons Espíritos e Não Espíritos na classe dos Bons Espíritos.
abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alexfidelis em 27 de Fevereiro de 2012, 17:31

E como saber se é um Espírito Superior que está transmitindo tal mensagem, ou revelação?

Abraços!

Danilo, respondendo a sua pergunta:
O Céu e o Inferno - Capitulo 10 item 13 - Leia na íntegra aqui: www.edesp.eu (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2JpdC5seS93TUo1ZUY=)
"Reconhece-se a categoria dos Espíritos pela sua linguagem. A dos Espíritos verdadeiramente bons e superiores é sempre digna, nobre, lógica, livre de contradições. É uma linguagem que revela sabedoria, benevolência, modéstia e a mais pura moral, sendo concisa e sem palavrórios inúteis. Quanto aos Espíritos inferiores, ignorantes ou orgulhosos, a falta de ideias é quase sempre suprida pela abundância de palavras. Todo pensamento evidentemente falso, toda máxima contrária à verdadeira moral, todo conselho ridículo, toda expressão grosseira, trivial ou simplesmente frívola, enfim, todo o sinal de malevolência, de presunção ou de arrogância são provas incontestáveis da inferioridade do Espírito.
— Os Espíritos superiores só se ocupam das comunicações inteligentes destinadas à nossa instrução. As manifestações físicas ou puramente materiais pertencem mais especialmente às atribuições dos Espíritos inferiores, vulgarmente designados por Espíritos batedores. Como entre nós, os trabalhos pesados cabem aos carregadores e não aos sábios. Seria absurdo que os Espíritos, mesmos os que ainda são pouco elevados, gostassem de fazer demonstrações (grifo meu)

Kardec foi bem claro, simples e direto na sua explicação.

Abraço
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 27 de Fevereiro de 2012, 17:45
É de se anotar também, mano Alex,
que uma leitura de apenas uma comunicação de um Espírito ou mesmo de algumas, não nos dá margem a fazermos uma assertiva completa sobre a natureza moral ou Classe a que pertença um Espírito.
Já tive a oportunidade de ver, comunicações muito inteligentes e apuradas, sobre os mais variados princípios bíblicos feitas por Espíritos enganadores, e eles se não insistimos muito não se deixam conhecer, começando daí muitas e graves obsessões.
Os caras sabem muito e dificilmente se chega a uma conclusão sobre sua natureza moral.
Diante da enxurrada de páginas escritas, que as lemos, por vezes rápida e sob pouca oportunidade de conferência com os ensinos básicos da dourina, por vezes e não são raras, muitos acabam por creditar a eles uma superioridade que eles estão longe de ter.
Numa delas o Espírito chegou e com grande maestria a consertar o meu latim, numa assertiva que fiz nessa língua e estudei esta língua com afinco por muitos anos.
E ele estava totalmente correto no conserto que fez.
É importante que busquemos páginas diferentes de um mesmo Espírito antes de consignarmos sobre sua qualidade moral.
abração,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: rwer em 28 de Fevereiro de 2012, 00:06
Ô, mano Moura, ninguém precisa dessa complexidade pra saber do caráter de um autor.

Pelo fruto se conhece a árvore.  Se o fruto é bom, de teor elevado e faz bem às pessoas, então o autor é bom, elevado e benéfico.

Seja vivo ou morto, quem escreve sempre revela seu caráter. 

Há autores que escrevem muito, são prolixos e têm personalidade depurada. Kardec era assim.



[attachimg=1 align=right width=150]Colônias espirituais são o que há de mais lógico, em se tratando de sociedades do Além. Todos os livros que citei antes tratam delas com a maior naturalidade, porque isto é natural.

Estranho seria que as pessoas morressem e ficassem feito folhas ao vento, tendo como único ponto de referência os objetos do mundo físico.

Na lista que mostrei em outra página, ficou faltando essa preciosidade: Morri! E agora?. É ditado por vários Espíritos, sob a coordenação de Antônio Carlos.  Eles contam como ocorreu sua desencarnação (Morri!) e o que encontraram no Astral (E agora?).







Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: psi em 28 de Fevereiro de 2012, 04:24
Ram, e os livros de Manoel Philomeno, Miramez, Victor Hugo, Rochester, Ângelo Inácio, Adamastor, Lancellin, etc. etc. Vamos engrossar essa lista aí, rapaz.  :D

Difícil mesmo é encontrar um autor espiritual que fale sobre o mundo espiritual e não faça a descrição de alguma colônia.

Um abraço.


PSI

 
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 28 de Fevereiro de 2012, 14:28
Moura, estou estudando o capítulo que indicastes do ESE. Você reparou que eu estava muito leigo no assunto. É porque faz dois anos que não leio esse capítulo. Depois de estudá-lo novamente, preciso te fazer outra pergunta, muito importante sobre o CUEE. Realmente eu não estava pronto para entrar nesse assunto, mas ainda estou com uma "sensação estranha" sobre ele.
Enquanto isso, se quiser, pode responder minha dúvida sobre o "compartilhamento de ilusões" dos espíritos, no plano espiritual. Isso é importante pra mim...Estou dedicando muito tempo no estudo dos livros do André Luiz, preciso saber se ele não é mentiroso...

Abraços!
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 28 de Fevereiro de 2012, 14:31
Mano Ram,
então, a seu ver, os espíritos superiores que deram esta opinião em sua maioria, e mesmo o codificador, estavam errados, não?
Amigo Ram, há Espíritos na classe dos Levianos e dos Pseudos-sábios que sabem muito mais que nós.
E não será por uma simples leitura que se os conhecerá e nem rapidamente.
em minha postagem apenas citei, o que diz a doutrina.
abraços,
Moura

Ô, mano Moura, ninguém precisa dessa complexidade pra saber do caráter de um autor.

Pelo fruto se conhece a árvore.  Se o fruto é bom, de teor elevado e faz bem às pessoas, então o autor é bom, elevado e benéfico.

Seja vivo ou morto, quem escreve sempre revela seu caráter. 

Há autores que escrevem muito, são prolixos e têm personalidade depurada. Kardec era assim.



(Ligação para o anexo) Colônias espirituais são o que há de mais lógico, em se tratando de sociedades do Além. Todos os livros que citei antes tratam delas com a maior naturalidade, porque isto é natural.

Estranho seria que as pessoas morressem e ficassem feito folhas ao vento, tendo como único ponto de referência os objetos do mundo físico.

Na lista que mostrei em outra página, ficou faltando essa preciosidade: Morri! E agora?. É ditado por vários Espíritos, sob a coordenação de Antônio Carlos.  Eles contam como ocorreu sua desencarnação (Morri!) e o que encontraram no Astral (E agora?).








Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 28 de Fevereiro de 2012, 14:33
Mano Danilo,
é claro que existe tal compartilhamento de ilusões, afinal falamos, como a doutrina esclarece, sobre comunhão de pensamentos, que é o nome dado pelo codificador a este compartilhamento.
abraços,
Moura

Moura, estou estudando o capítulo que indicastes do ESE. Você reparou que eu estava muito leigo no assunto. É porque faz dois anos que não leio esse capítulo. Depois de estudá-lo novamente, preciso te fazer outra pergunta, muito importante sobre o CUEE. Realmente eu não estava pronto para entrar nesse assunto, mas ainda estou com uma "sensação estranha" sobre ele.
Enquanto isso, se quiser, pode responder minha dúvida sobre o "compartilhamento de ilusões" dos espíritos, no plano espiritual. Isso é importante pra mim...Estou dedicando muito tempo no estudo dos livros do André Luiz, preciso saber se ele não é mentiroso...

Abraços!
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: ken em 28 de Fevereiro de 2012, 14:50
Ram e Psi, se querem ver livros espiritas / espiritualistas, aqui estão mais de 700

http://www.4shared.com/dir/13956255/b9295f52/QUASE_600_LIVROS_ESPRITAS.html
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 28 de Fevereiro de 2012, 15:21
Mano Danilo,
é claro que existe tal compartilhamento de ilusões, afinal falamos, como a doutrina esclarece, sobre comunhão de pensamentos, que é o nome dado pelo codificador a este compartilhamento.
abraços,
Moura

Moura, estou estudando o capítulo que indicastes do ESE. Você reparou que eu estava muito leigo no assunto. É porque faz dois anos que não leio esse capítulo. Depois de estudá-lo novamente, preciso te fazer outra pergunta, muito importante sobre o CUEE. Realmente eu não estava pronto para entrar nesse assunto, mas ainda estou com uma "sensação estranha" sobre ele.
Enquanto isso, se quiser, pode responder minha dúvida sobre o "compartilhamento de ilusões" dos espíritos, no plano espiritual. Isso é importante pra mim...Estou dedicando muito tempo no estudo dos livros do André Luiz, preciso saber se ele não é mentiroso...

Abraços!

Moura, vc deve ser uma pessoa ocupada, eu entendo. Não quero te forçar a responder algo que no fundo, talvez, não queira. Mas para minha instrução, devo fazer o melhor possível. Então eu insisto nesse ponto: Não me lembro de nada na codificação que nos dá esclarecimentos sobre "vários espíritos compartilhar a mesma ilusão". Logo, suponho, se você diz que do princípio do "compartilhamento de pensamentos", deduziu pela existência do "compartilhamento de ilusões", provavelmente deve se apoiado em algum raciocínio para partir de uma coisa e chegar em outra, porque pensamento e ilusão são coisas diferentes. Oras, pensamento é algo muito mais simples que ilusão. O pensamento é uma vibração, um código. Para compartilhar um pensamento, basta que um emita essa vibração e que o outro capte. A ilusão, já é a simulação de toda uma realidade que não existe. É muito mais complexa, e possui causas que se perdem no imenso universo íntimo do espírito.
Queria saber qual raciocínio é esse. Se ele expressa o ensino da codificação, o se não é apenas uma opinião, ou uma hipótese sua.

Na posição que eu estou, agora, não consigo compreender, nem mesmo em situações análogas na vida terrestre, como que dois loucos, ou dois delirantes, participam da mesma ilusão. Oras, a ilusão é uma mentira, como pode duas ou mais mentes diferentes criar mentiras exatamente iguais? É apenas uma dúvida, não tenho opinião formada. Com mais esclarecimentos, eu poderia me mover dessa posição.


Ou isso tem uma explicação, ou André Luiz, Emmanuel e outra penca de espíritos são mentirosos.

Abraços!


Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 28 de Fevereiro de 2012, 15:28
Mano Danilo,
decerto sou mesmo ocupado e deixo muito sem fazer a custa de gostar de estar entre vocês todos.
todos os dias durmo as 4 ou cinco da manhã para poder deixar tudo bem perfeitinho dentro das outras atividades que mantenho.
Porém não me canso em poder ser útil e por isso não se preocupe.
Meu amigo, se OLE fosse trazer todas as respostas bem escritinhas e de modo a lhe dizer, olha Isso é sobre isso e aquilo é sobre aquiloutro, a obra não teria fim.
Todo a mensagem Espírita tem características a atender à generalidade e por isso é Universal.
Mas para lhe responder a pergunta feita lhe diria sem medo de errar: sobre esta questão, a reposta que nos ensina, que os espíritos reúnam-se por afinidades, por ser trazida no plural já lhe contempla e diz sobre o que o amigo quer saber.
Sendo assim se são afins e esta afinidade comece pela confluência nos mesmo gostos e pensamentos, fica ainda mais clara a questão.
abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 28 de Fevereiro de 2012, 16:23
ok Moura, mas enquanto postava, eu acrescentei esse trecho no meu post.

O pensamento é uma vibração, um código. Para compartilhar um pensamento, basta que um emita essa vibração e que o outro capte. A ilusão, já é a simulação de toda uma realidade que não existe. É muito mais complexa, e possui causas que se perdem no imenso universo íntimo do espírito.

E a questão central ficou sem resposta, que é: como que dois loucos, ou dois delirantes, participam da mesma ilusão. Oras, a ilusão é uma mentira, como pode duas ou mais mentes diferentes criar mentiras exatamente iguais? Note que isso não tem nada a ver com as leis das afinidades.

Tentei tornar mais claro onde estava a minha dúvida. Bom, reconheço o seu esforço, mas não consegui me mover da minha ignorância. Sim é bem verdade que os espíritos se reúnem por afinidades. Mas disso eu entendo algo completamente diferente de "espíritos reunidos delirando a mesma ilusão". Lembrando sempre que nessa ilusão, fazem parte: paisagens naturais, música, entretenimento, estudo, trabalho, descanso, alimentação, cursos, curas, progressos espirituais, socialização, política, organizações complexas de grupos, famílias, estações de trabalho, compartilhamento de experiências, e outra infinidade de coisas concretamente vividas e experimentadas
Se todo esse grupo estivesse reunido nesses fatos ilusórios e inexistentes por simples semelhança de afinidades, onde estaria a ordem e o controle? 
Outra prova de que essa explicação é defeituosa, ou incompleta, é do fato de nem todos os espíritos de Nosso lar terem perfeita similitude de pensamentos. Mesmo lá existe dissensões, debates, espíritos rebeldes que não aceitam o auxilio ofertado e espíritos perturbados, em faixa de pensamento totalmente diversa dos que os auxiliam. Há os que conservam a intemperança, o ódio, e o sentimento de vingança, ainda que impedidos de praticar maldades. Há também os espíritos da governadoria, notadamente superiores aos demais habitantes, que de certo, participam da mesma ilusão, estabelecendo a ordem da colônia e aspirando os planos de elevação, assim como os espíritos que estagiam no ministério da União Divina, que de certo, também "pensam" que são espíritos elevados, desprendidos das teias da matéria e também vivem uma ilusão dentro da colônia. Há de se perguntar também, em meio essa
imensa turba de delírios e alucinações, onde estão localizados esses espíritos, ou seja, se estão na superfície da Terra, como não percebem a presença dos encarnados perambulando na mesma colônia, distraídos de todos estes acontecimentos, e se estão suspensos no ar, como não achar bizarro essa turba flutuante, vagueando no nada, em meio às nuvens, acreditando que vivem numa colônia.

Não é a toa que André Luiz nos descreveu todos esses detalhes, para que reflitamos nesse sentido, para que não fossem dadas a esses problemas refutações simplistas, tais como "Os espíritos se reúnem por semelhança de afinidades."

Ou tudo isso tem uma explicação, nas linhas do pensamento ortodoxo, ou André Luiz e uma penca de espíritos são mentirosos. Temos que ir por um caminho ou por outro. Não sendo mais possível avançar em um, partimos para o outro.

Então, qual é a proposta da tão cientifica, tão racional e tão dinâmica doutrina espírita? Ignorar todos esses fatos e se fechar somente no que está constatado pelos seus métodos de sobrevivência, e marginalizar estas obras do seu campo de estudos, ou refletir na solução destes problemas, e encará-los?

abraços!







Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 28 de Fevereiro de 2012, 16:34
Uma coisa mano Danilo, é falarmos em termos gerais, já outra é tentarmos falar sobre características delineadas por transtornos de qualquer monta, mormente os psíquicos.
Eu não me atrevo a falar sobre os loucos, porém falar e dentro da generalidade exposta pela doutrina das ilusões a que todo Espírito se submete, ou se submeteu antes.
alguns destes conseguem sair do estado, outros, pela crença e crédito de verdade que lhes dêem às mesmas ilusões pensam-na como realidades.
Num exemplo bem simples:
Sou fluminense Campeão), e todos os que também o sejam participam da mesma felicidade em se verem campeões, ora isso é uma ilusão já que nem eu e nem eles jogamos as partidas, logo, não somos campeões mas sim o time.
Na mesma linha, todos os torcedores de um time, têm a ilusão de serem torcedores do melhor time, mas ora, ganhar só indica que o time foi melhor que o outro naquele jogo. se fosse mesmo o melhor time não perderia nunca.
Abraços,
Moura

ok Moura, mas enquanto postava, eu acrescentei esse trecho no meu post.

O pensamento é uma vibração, um código. Para compartilhar um pensamento, basta que um emita essa vibração e que o outro capte. A ilusão, já é a simulação de toda uma realidade que não existe. É muito mais complexa, e possui causas que se perdem no imenso universo íntimo do espírito.

E a questão central ficou sem resposta, que é: como que dois loucos, ou dois delirantes, participam da mesma ilusão. Oras, a ilusão é uma mentira, como pode duas ou mais mentes diferentes criar mentiras exatamente iguais?

Tentei tornar mais claro onde estava a minha dúvida. Bom, reconheço o seu esforço, mas não consegui me mover da minha ignorância. Sim é bem verdade que os espíritos se reúnem por afinidades. Mas disso eu entendo algo completamente diferente de "espíritos reunidos delirando a mesma ilusão". Lembrando sempre que nessa ilusão, fazem parte: paisagens naturais, música, entretenimento, estudo, trabalho, descanso, alimentação, cursos, curas, progressos espirituais, socialização, política, organizações complexas de grupos, famílias, estações de trabalho, compartilhamento de experiências, e outra infinidade de coisas concretamente vividas e experimentadas
Se todo esse grupo estivesse reunido nesses fatos ilusórios e inexistentes por simples semelhança de afinidades, onde estaria a ordem e o controle? 
Outra prova de que essa explicação é defeituosa, ou incompleta, é do fato de nem todos os espíritos de Nosso lar terem perfeita similitude de pensamentos. Mesmo lá existe dissensões, debates, espíritos rebeldes que não aceitam o auxilio ofertado e espíritos perturbados, em faixa de pensamento totalmente diversa dos que os auxiliam. Há os que conservam a intemperança, o ódio, e o sentimento de vingança, ainda que impedidos de praticar maldades. Há também os espíritos da governadoria, notadamente superiores aos demais habitantes, que de certo, participam da mesma ilusão, estabelecendo a ordem da colônia e aspirando os planos de elevação, assim como os espíritos que estagiam no ministério da União Divina, que de certo, também "pensam" que são espíritos elevados, desprendidos das teias da matéria e também vivem uma ilusão dentro da colônia. Há de se perguntar também, em meio essa
imensa turba de delírios e alucinações, onde estão localizados esses espíritos, ou seja, se estão na superfície da Terra, como não percebem a presença dos encarnados perambulando na mesma colônia, distraídos de todos estes acontecimentos, e se estão suspensos no ar, como não achar bizarro essa turba flutuante, vagueando no nada, em meio às nuvens, acreditando que vivem numa colônia.

Não é a toa que André Luiz nos descreveu todos esses detalhes, para que reflitamos nesse sentido, para que não fossem dadas a esses problemas refutações simplistas, tais como "Os espíritos se reúnem por semelhança de afinidades."

Ou tudo isso tem uma explicação, ou André Luiz e uma penca de espíritos são mentirosos. Temos que ir por um caminho ou por outro. Não sendo mais possível avançar em um, partimos para o outro.

Então, qual é a proposta da tão cientifica, tão racional e tão dinâmica doutrina espírita? Ignorar todos esses fatos e se fechar somente no que está constatado pelos seus métodos de sobrevivência, e marginalizar estas obras do seu campo de estudos, ou refletir na solução destes problemas, e encará-los?

abraços!








Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 28 de Fevereiro de 2012, 16:41
Danilo, ir por esta linha de pensamento é grande erro:
"Ou tudo isso tem uma explicação, ou André Luiz e uma penca de espíritos são mentirosos."
Já foi postado e inúmeras vezes, por mim e por outros que ter como mentirosas as descrições de André é ir contra o princípio das ilusões.
aliás há mesmo um ditado popular que se relaciona com isso "Quem ama ao feio, bonito lhe perece".
Já faz tempo que a maioria dos que estudam a doutrina com seriedade deixaram de dizer sobre mentiras.
Acho que é na Re que num exemplo  temos a historieta sobre dois amigos que decidiam na compra de uma casa.
Compra não feia embora a casa service aos dois em tamanho e especificidade.
O porque está em que um  não gostava das paredes na cor em que estavam e o outro, olhando uma das paredes, via-a de cor diferente, e os dois não se acertaram mesmo sabendo que a casa tendo quatro lados, poderia conter cores diferentes em algumas paredes.
abraços,
Moura
Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/off-topic/colonias-espirituais-30715/30/#ixzz1nhAUzJRk
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 28 de Fevereiro de 2012, 16:48
Desculpe voltar ao tema, mas esqueci um ponto:
Uma mentira é dita conscientemente mano Danilo, com intenção bem delineada.
Já uma ilusão é um processo muito de mais meandros e nestes não entra a condição mentirosa, mas sim a irreal.
Quando se está iludido, não se delira, pois este ato é próprio dos adoecidos, mesmo os loucos o são.
A ilusão não provoca delírios mas sim devaneios.
Do dicionário: "Imaginação, fantasia, sonho".
Já para a mentira o dicionarista assim expõe:
"1 Ato de mentir; afirmação contrária à verdade, engano propositado."
Abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Edil Curvelo em 28 de Fevereiro de 2012, 17:17
Esse dialogo entre Danilo e Moura é oportuno para se tocar no seguinte ponto:
O fato de uma colônia e usa estrutura serem tidas como uma espécie de ilusão, não que dizer no entanto que não existam.
Como comentado pelo Danilo, Espíritos elevados podem estar "presentes" na colônia, mas isso não quer dizer vivam a ilusão da colônia. Podem estar lá, verem as plasmações que compõem a estrutura da colônia, auxiliarem e instruírem outros Espíritos e etc. No entanto podem não "acreditarem" em nada do que vêem, ouvem ou sintam nesta colônia. Isto porque, para eles, tudo isso pode já ser desnecessário, inclusive a existência da colônia em si, com sua estrutura formal. Mas apesar disso permanecem lá, ou visitam periodicamente na missão de auxiliar seus irmãos ainda em diversos estágios de ignorância.  Então pode ser sim uma ilusão, mas para aqueles que já atingiram determinado patamar evolutivo, e portanto já não presos a certas necessidades. Para estes, no que diz respeito a própria condição, essas coisas podem ser inconsistentes e até inúteis, mas existem assim mesmo.

Dado que tudo no universo seja obra do pensamento, o que poderia não existir em qualquer local e a qualquer tempo? Não é algo para refletir?

Um abraço,
Edil
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 28 de Fevereiro de 2012, 17:21
Danilo, ir por esta linha de pensamento é grande erro:
"Ou tudo isso tem uma explicação, ou André Luiz e uma penca de espíritos são mentirosos."
Já foi postado e inúmeras vezes, por mim e por outros que ter como mentirosas as descrições de André é ir contra o princípio das ilusões.
aliás há mesmo um ditado popular que se relaciona com isso "Quem ama ao feio, bonito lhe perece".
Já faz tempo que a maioria dos que estudam a doutrina com seriedade deixaram de dizer sobre mentiras.
Acho que é na Re que num exemplo  temos a historieta sobre dois amigos que decidiam na compra de uma casa.
Compra não feia embora a casa service aos dois em tamanho e especificidade.
O porque está em que um  não gostava das paredes na cor em que estavam e o outro, olhando uma das paredes, via-a de cor diferente, e os dois não se acertaram mesmo sabendo que a casa tendo quatro lados, poderia conter cores diferentes em algumas paredes.
abraços,
Moura
Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/off-topic/colonias-espirituais-30715/30/#ixzz1nhAUzJRk

Ok Moura, sigamos então este senso. Partiremos apenas do princípio de que tudo o que André Luiz descreveu sobre a sua possível ilusão foi verdade, ou seja, que não passou intencionalmente, nenhuma informação falsa sobre o que viu e viveu. Isto facilita muito as coisas para nós, porque estaremos diante de um fenômeno mental verdadadeiro. Mas foi dentro dessa hipótese a maioria das minhas observações, e as perguntas ficaram ainda sem resposta.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 28 de Fevereiro de 2012, 18:04
Esse dialogo entre Danilo e Moura é oportuno para se tocar no seguinte ponto:
O fato de uma colônia e usa estrutura serem tidas como uma espécie de ilusão, não que dizer no entanto que não existam.
Como comentado pelo Danilo, Espíritos elevados podem estar "presentes" na colônia, mas isso não quer dizer vivam a ilusão da colônia. Podem estar lá, verem as plasmações que compõem a estrutura da colônia, auxiliarem e instruírem outros Espíritos e etc. No entanto podem não "acreditarem" em nada do que vêem, ouvem ou sintam nesta colônia. Isto porque, para eles, tudo isso pode já ser desnecessário, inclusive a existência da colônia em si, com sua estrutura formal. Mas apesar disso permanecem lá, ou visitam periodicamente na missão de auxiliar seus irmãos ainda em diversos estágios de ignorância.  Então pode ser sim uma ilusão, mas para aqueles que já atingiram determinado patamar evolutivo, e portanto já não presos a certas necessidades. Para estes, no que diz respeito a própria condição, essas coisas podem ser inconsistentes e até inúteis, mas existem assim mesmo.

Dado que tudo no universo seja obra do pensamento, o que poderia não existir em qualquer local e a qualquer tempo? Não é algo para refletir?

Um abraço,
Edil

Perfeito Edil, muito bem observado.
O próprio pensamento é alguma coisa, pois ele é uma assimilação do fluido cósmico universal, e mesmo que a colônia fosse parte da imaginação de André Luiz, seria plasmada de algum modo, logo seria alguma coisa, logo existiria. No entanto, o ponto central da questão é: Se os objetos e tudo que é descrito no Nosso Lar são plasmações do pensamento de André Luiz, ou se são a própria matéria quintessenciada, do mundo espiritual, num estado relativamente tangível. Está justamente aí o ponto onde eu quero que o moura explica sua teoria.
Penso que a plasmagem do pensamento é de uma origem muito mais etérea. Essa matéria, sendo uma criação espontânea do pensamento consciente ou inconsciente do espírito, conforme indica a codificação, não poderia ter forma, rigidez e estabilidade, para que todas as experiências descritas no Livro pudessem ser vividas.

E com estes apontamentos, posso propor também essa reflexão:

Suponha que André Luiz esteja em Nosso Lar sentado à margem de um belo lago com uma ponte. Segundo a hipótese do amigo moura, tudo quanto existe nesse local, o lago, a grama, o céu, as nuvens e a ponte são imagens plasmadas cuja causa é a mente de André Luiz, porque exterioriza no ambiente o seu estado mental. Se um espírito aparece passando por cima dessa ponte, ele necessariamente, segundo essa hipótese, está passando sobre a ponte plasmada por André Luiz. Suponha que André Luiz ande até a ponte, e se assegure que esse Espírito também não é uma ilusão plasmada da sua mente, mas um espírito real, que ele reconhece e se relaciona. Ao perguntar para esse espírito onde ele se localiza, o espirito lhe responde que se localiza em cima de uma ponte. Ao apontar-lhe uma região, e pedir para lhe descrever, esse espírito descreve essa região exatamente da forma que André Luiz vê. Ao passar um gato, ou um pássaro, ambos vêem esse animal e concordam que é realmente um animal, que é realmente um gato e que é realmente um pássaro. Oras, tudo em Nosso Lar está em função da mente de André Luiz? Não. Consentimos que André Luiz não é mentiroso, que os fatos descritos no livro realmente foram percebidos por ele. E os fatos evidenciam que outros espíritos participam das mesmas experiências.
Logo, não é racional essa teoria.

Dir-se-ia que o outro espírito plasma de sua mente imagens idênticas, quanto ao espaço e a localização. Novamente, como é possível tão perfeita sincronia de pensamento, e consequentemente, de manipulação e assimilação de fluido cósmico, se a causa de tais ilusões, como já concordamos, é a exteriorização do estado mental de espíritos diferentes um do outro?

Não encontramos caminho na hipótese de André Luiz ser mentiroso. Não encontramos caminho na hipótese de André Luiz estar vivendo uma ilusão isolada, e também não encontramos, até agora, uma explicação racional nesse caminho, de todos os espíritos estarem compartilhando a mesma ilusão.

Abraços!



Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 28 de Fevereiro de 2012, 18:17
Citar
ok Moura, mas enquanto postava, eu acrescentei esse trecho no meu post.

O pensamento é uma vibração, um código. Para compartilhar um pensamento, basta que um emita essa vibração e que o outro capte. A ilusão, já é a simulação de toda uma realidade que não existe. É muito mais complexa, e possui causas que se perdem no imenso universo íntimo do espírito.

E a questão central ficou sem resposta, que é: como que dois loucos, ou dois delirantes, participam da mesma ilusão. Oras, a ilusão é uma mentira, como pode duas ou mais mentes diferentes criar mentiras exatamente iguais? Note que isso não tem nada a ver com as leis das afinidades.

Tentei tornar mais claro onde estava a minha dúvida. Bom, reconheço o seu esforço, mas não consegui me mover da minha ignorância. Sim é bem verdade que os espíritos se reúnem por afinidades. Mas disso eu entendo algo completamente diferente de "espíritos reunidos delirando a mesma ilusão". Lembrando sempre que nessa ilusão, fazem parte: paisagens naturais, música, entretenimento, estudo, trabalho, descanso, alimentação, cursos, curas, progressos espirituais, socialização, política, organizações complexas de grupos, famílias, estações de trabalho, compartilhamento de experiências, e outra infinidade de coisas concretamente vividas e experimentadas
Se todo esse grupo estivesse reunido nesses fatos ilusórios e inexistentes por simples semelhança de afinidades, onde estaria a ordem e o controle? 

Outra prova de que essa explicação é defeituosa, ou incompleta, é do fato de nem todos os espíritos de Nosso lar terem perfeita similitude de pensamentos. Mesmo lá existe dissensões, debates, espíritos rebeldes que não aceitam o auxilio ofertado e espíritos perturbados, em faixa de pensamento totalmente diversa dos que os auxiliam. Há os que conservam a intemperança, o ódio, e o sentimento de vingança, ainda que impedidos de praticar maldades. Há também os espíritos da governadoria, notadamente superiores aos demais habitantes, que de certo, participam da mesma ilusão, estabelecendo a ordem da colônia e aspirando os planos de elevação, assim como os espíritos que estagiam no ministério da União Divina, que de certo, também "pensam" que são espíritos elevados, desprendidos das teias da matéria e também vivem uma ilusão dentro da colônia. Há de se perguntar também, em meio essa
imensa turba de delírios e alucinações, onde estão localizados esses espíritos, ou seja, se estão na superfície da Terra, como não percebem a presença dos encarnados perambulando na mesma colônia, distraídos de todos estes acontecimentos, e se estão suspensos no ar, como não achar bizarro essa turba flutuante, vagueando no nada, em meio às nuvens, acreditando que vivem numa colônia.

Não é a toa que André Luiz nos descreveu todos esses detalhes, para que reflitamos nesse sentido, para que não fossem dadas a esses problemas refutações simplistas, tais como "Os espíritos se reúnem por semelhança de afinidades."

Ou tudo isso tem uma explicação, nas linhas do pensamento ortodoxo, ou André Luiz e uma penca de espíritos são mentirosos. Temos que ir por um caminho ou por outro. Não sendo mais possível avançar em um, partimos para o outro.

Então, qual é a proposta da tão cientifica, tão racional e tão dinâmica doutrina espírita? Ignorar todos esses fatos e se fechar somente no que está constatado pelos seus métodos de sobrevivência, e marginalizar estas obras do seu campo de estudos, ou refletir na solução destes problemas, e encará-los?

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/index.php?action=post;quote=260955;topic=30715.30#ixzz1nhaYEj6F





Desculpe voltar ao tema, mas esqueci um ponto:
Uma mentira é dita conscientemente mano Danilo, com intenção bem delineada.
Já uma ilusão é um processo muito de mais meandros e nestes não entra a condição mentirosa, mas sim a irreal.
Quando se está iludido, não se delira, pois este ato é próprio dos adoecidos, mesmo os loucos o são.
A ilusão não provoca delírios mas sim devaneios.
Do dicionário: "Imaginação, fantasia, sonho".
Já para a mentira o dicionarista assim expõe:
"1 Ato de mentir; afirmação contrária à verdade, engano propositado."
Abraços,
Moura

Ok Moura, vc diferenciou mundo bem mentira de ilusão. Eu me enganei na utilização das palavras. Em algumas partes, quando usei a palavra mentira , eu realmente quis dizer mentira, no sentido de enganar intencionalmente, "pegadinha do malandro" (parte escrita em vermelho). Em outras partes, no lugar de mentira, quis dizer irreal, não verdadeiro, ilusório (parte escrita em negrito). Mas apesar da utilização incorreta das palavras, o pensamento continua exatamente o mesmo, e minhas perguntas continuam sem respostas.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Edil Curvelo em 28 de Fevereiro de 2012, 19:06
O problema, Danilo, ao meu ver, está em se considerar que haja apenas uma modalidade possível de plasmação no mundo espiritual; aquela que é "fugaz como o pensamento". Como se por exemplo aqui só fosse possível criar esculturas de areia. Pois eu creio que essa tenha sido apenas demonstração de uma forma simples é primária do dito fenômeno.

Um abraço,
Edil
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Aimoré em 28 de Fevereiro de 2012, 22:16
Esse dialogo entre Danilo e Moura é oportuno para se tocar no seguinte ponto:
O fato de uma colônia e usa estrutura serem tidas como uma espécie de ilusão, não que dizer no entanto que não existam.
Como comentado pelo Danilo, Espíritos elevados podem estar "presentes" na colônia, mas isso não quer dizer vivam a ilusão da colônia. Podem estar lá, verem as plasmações que compõem a estrutura da colônia, auxiliarem e instruírem outros Espíritos e etc. No entanto podem não "acreditarem" em nada do que vêem, ouvem ou sintam nesta colônia. Isto porque, para eles, tudo isso pode já ser desnecessário, inclusive a existência da colônia em si, com sua estrutura formal. Mas apesar disso permanecem lá, ou visitam periodicamente na missão de auxiliar seus irmãos ainda em diversos estágios de ignorância.  Então pode ser sim uma ilusão, mas para aqueles que já atingiram determinado patamar evolutivo, e portanto já não presos a certas necessidades. Para estes, no que diz respeito a própria condição, essas coisas podem ser inconsistentes e até inúteis, mas existem assim mesmo.

Dado que tudo no universo seja obra do pensamento, o que poderia não existir em qualquer local e a qualquer tempo? Não é algo para refletir?

Um abraço,
Edil

Gostei do raciocínio amigo Edil.Abraços.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: rwer em 29 de Fevereiro de 2012, 02:16
Ram, e os livros de Manoel Philomeno, Miramez, Victor Hugo, Rochester, Ângelo Inácio, Adamastor, Lancellin, etc. etc. Vamos engrossar essa lista aí, rapaz.  :D

Difícil mesmo é encontrar um autor espiritual que fale sobre o mundo espiritual e não faça a descrição de alguma colônia.

Um abraço.
PSI

Ô, Psi, realmente a lista poderia ser muito maior.  Mas eu só citei os que já li.

[attachimg=1 align=right width=150]Outro dia, passei pela Livraria Cultura e achei um livro mediúnico que me pareceu excelente: Leon Tolstoi, por ele mesmo (A perplexidade de um gênio perante a vida após a morte). É da médium Célia Xavier de Camargo.  Lembro de ter lido uns parágrafos sobre a Colônia espiritual em que Tolstoi vive.  Ele falava dos jardins, coisa assim.  Mas ainda não posso botar na lista, por não o ter lido todo.

Eis a lista de livros coloniais, agora atualizada com o Morri! E agora?

A Vida Além do Véu (1913 a 1918) - O primeiro volume – As Regiões Inferiores do Céu – é editado no Brasil pela FEB.

Cartas de Uma Morta (1935) – Chico Xavier juntou as cartinhas que recebera de sua mãe e as entregou para serem publicadas em livro.

Nosso Lar (1943) – Dispensa apresentações. Os 9 livros abaixo são sua continuação.

Os Mensageiros

Missionários da Luz

Obreiros da Vida Eterna

No Mundo Maior

Ação e Reação

Entre a Terra e o Céu

Libertação

Sexo e Destino

E a Vida Continua


Voltei (1949) – Irmão Jacob conta suas experiências ao médium Chico Xavier.

Memórias de Um Suicida (publicado pela primeira vez em 1955, mas o ditado mediúnico é bem mais antigo.)

Devassando o Invisível (1963)  – é escrito pela médium, segundo suas experiências e estudos.

A Vida Além da Sepultura (1957) – Atanagildo, a convite de Ramatis, relata minuciosamente sua desencarnação no Século XX.  E sua chegada à Metrópole do Grande Coração.

A Sobrevivência do Espírito (1958) – Continuação das observações de Atanagildo.

Semeando e Colhendo (1967) – Também de Atanagildo.

Bate-papo com o Além (1982) – Silveira Sampaio escreve por Dona Zíbia.

O Mundo em que Eu vivo (1986) – (Idem)

Violetas na Janela (1993) – Também dispensa apresentações. (E eu adoro.)

Vivendo no Mundo dos Espíritos (1993) – Continuação de Violetas.

A Casa do Escritor (1993) – Idem.

O Voo da Gaivota (1996) – Último livro de Patrícia pela médium Vera Marinzeck.

Pelas Portas do Coração (1995) – Lúcius/Dona Zíbia Gasparetto.

A História de Um Anjo (1999) – O médium Roger Botini Paranhos e seu mentor Hermes narram curiosas observações sobre a vida de um elevado Espírito e sua missão atual.

Flores de Maria (2003) – Rosângela, morta aos 14, conta sua vidinha de menina no educandário Flores de Maria. (Amo esse livro.)

Morri! E agora?


Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 29 de Fevereiro de 2012, 14:10
Mano Edil,
responda-me, de que ordem são os espíritos que respondem na obra básica?
Exato! OS da classe dos superiores.
Então há de se ter sempre em mente este ensino sobre eles que temos em OLE:
"Os Espíritos superiores, nunca se contradizem, só falam daquilo que conhecem e do que podem falar.
Ora, eles não iriam, textual e pontuadamente, dizerem que são ilusões, se houvesse mais de uma classe de plasmação.
Pense nisso!
abração,
Moura

O problema, Danilo, ao meu ver, está em se considerar que haja apenas uma modalidade possível de plasmação no mundo espiritual; aquela que é "fugaz como o pensamento". Como se por exemplo aqui só fosse possível criar esculturas de areia. Pois eu creio que essa tenha sido apenas demonstração de uma forma simples é primária do dito fenômeno.

Um abraço,
Edil
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Edil Curvelo em 29 de Fevereiro de 2012, 14:41
Então me diga também amigo Moura, de que classe ou mentalidade eram os homens para os quais os Espíritos estavam se dirigindo?...
Não estou falando de contradições, mas sim talvez de limitações, exclusões e exceções.
Também não disse que deixariam de ser ilusões por se tratarem de modalidades diferentes. Uma coisa não deixa de ser o que é só por que dura mais ou é mais consistente.
A própria matéria com a qual lidamos aqui é sugerida pela DE como uma ilusão quando esta diz que poderia deixar de existir sem afetar o mundo espiritual.
Parece que não sou só eu que estou precisando pensar um pouco...

Um abraço,
Edil
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 29 de Fevereiro de 2012, 14:52
Mano Edil,
permita-me sem nenhum eivo de malícia, que lhe peça para ir ao ESE e procurar por aquele ensino que diz sobre a prudência que orna aos Espíritos Superiores.
Falem eles para qualquer dos grupos de Espíritos encarnados ou não.
Logo não existem exceções ou limitações que não aquelas que as ordens do Creador diga, expliquei sobre isso até este ponto.
Veja também o porque de que existam essas limitações.
mas mano Edil, é sair do trilho afirmar que a DE ensine que a matéria seja uma ilusão.
O amigo une duas explicações sobre pontos diferentes e as refaz para um terceiro, seu.
O Espírito pode existir sem a matéria bruta, o corpo e assim o faz na erraticidade ou mesmo em sua forma primordial que é a de ser Espírito.
Isso torna a matéria uma ilusão?
Difícil esta explicação mano.
Lembre-se de que é dito, "ao Espírito nada material este necessita".
Abração,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Edil Curvelo em 29 de Fevereiro de 2012, 16:48
Ok Amigo Moura, entendo perfeitamente o que quer dizer. Mas quando me refiro à matéria como uma ilusão, me baseio em que seja ela energia condensada, desacelerada. Que no fundo ela não é o que aparenta ser. Mas realmente não vem ao caso nos estendermos nesse assunto.

Se o amigo isola a frase: "ao Espírito nada material este necessita", poderia-se até mesmo questionar a necessidade do Espírito encarnar. Acho que essa afirmação, como outras, não deve sair do contexto ao qual foi aplicada, concorda?

Trago aqui um trecho de AG para que reflitamos sobre ele e talvez façamos comentários:

"Os fluidos não possuem qualidades sui generis, mas as que adquirem no
meio onde se elaboram; modificam-se pelos eflúvios desse meio, como o ar
pelas exalações, a água pelos sais das camadas que atravessa. Conforme as
circunstâncias, suas qualidades são, como as da água e do ar, temporárias ou
permanentes, o que os torna muito especialmente apropriados à produção de
tais ou tais efeitos
."

Temos aqui uma menção de que os fluídos podem adquirir qualidades "permanentes"? Isso poderia nos levar a algo que pretendemos sustentar em relação às colonias? Aguardo opiniões.

Um abraço,
Edil
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 29 de Fevereiro de 2012, 18:12
A palavra matéria

Ela acaba representando um papel que se não pela sua sutilidade e utilidade
acaba por confundir as observações, evido a sua amplitude, ao seu alcance.

ela esta em vários papeis na codificação.

matéria de materialismo
matéria de matéria de estudo
matéria de oposta a fluído
matéria de vibração do mundo físico
matéria de densidade
matéria de visível
matéria de conteúdo
matéria de entendimento
matéria de confusão.
Matéria de mundo
matéria local
matéria de percepção

Mas existe somente dois elementos gerais apresentado pela DE,
que é "espírto e matéria"
e Deus acima de tudo

Da matéria propriamente dita
obseva-se ao infinito de suas possibilidades,
 quer seja suas combinações ou suas  manifestações

E o Espírito idem,e em questões de seu atributo, ainteligencia
surge-nos
de simples e ignorante ao SER ante as proximidades de DEus.

Tudo isto no campo doutrinário que em sua grande maioria exposta o está em teoria
concebíveis e até compreensíveis
que se aloja no campo que ainda se expressa como crença.
Até pelo comportamento da DE, que é não se impor.



Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alcidiomichel em 29 de Fevereiro de 2012, 18:56
É por isso que gosto tanto do Espiritismo, seus membros nunca aceitam as coisas cegamente, coisa que acontece com a maioria das religiões.

Bom debate!
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 29 de Fevereiro de 2012, 19:31
Mano Edil, só gostaria de permanecer no âmbito da doutrina pois este é o foco do Fórum, e por isso posto o que diz a doutrina em OLE parte I, cap 2 item 2. questão 22.

"22. Define-se geralmente a matéria como aquilo que tem extensão, que pode impressionar os sentidos e é impenetrável. Essa definição é exata?
– Do vosso ponto de vista, sim, porque só falais daquilo que percebeis. Mas a matéria existe em estados que não conheceis. Ela pode ser, por exemplo, tão etérea e sutil que não produza nenhuma impressão nos vossos sentidos; entretanto, será sempre matéria, embora não o seja
para vós.
– A matéria é o liame que escraviza o espírito; é o instrumento que ele usa, e sobre o qual, ao mesmo tempo, exerce a sua ação.
De acordo com isto, pode-se dizer que a matéria é o agente, o intermediário, com a ajuda do qual e sobre o qual o espírito atua."
Abraços,
Moura

Ok Amigo Moura, entendo perfeitamente o que quer dizer. Mas quando me refiro à matéria como uma ilusão, me baseio em que seja ela energia condensada, desacelerada. Que no fundo ela não é o que aparenta ser. Mas realmente não vem ao caso nos estendermos nesse assunto.

Se o amigo isola a frase: "ao Espírito nada material este necessita", poderia-se até mesmo questionar a necessidade do Espírito encarnar. Acho que essa afirmação, como outras, não deve sair do contexto ao qual foi aplicada, concorda?

Trago aqui um trecho de AG para que reflitamos sobre ele e talvez façamos comentários:

"Os fluidos não possuem qualidades sui generis, mas as que adquirem no
meio onde se elaboram; modificam-se pelos eflúvios desse meio, como o ar
pelas exalações, a água pelos sais das camadas que atravessa. Conforme as
circunstâncias, suas qualidades são, como as da água e do ar, temporárias ou
permanentes, o que os torna muito especialmente apropriados à produção de
tais ou tais efeitos
."

Temos aqui uma menção de que os fluídos podem adquirir qualidades "permanentes"? Isso poderia nos levar a algo que pretendemos sustentar em relação às colonias? Aguardo opiniões.

Um abraço,
Edil

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 29 de Fevereiro de 2012, 19:39
Só para não perdermos de vista essa reflexão:

Graças ao fórum e a contraposição das diferentes ideias, é que todos nós, acredito, nos motivamos a estudar mais, descobrir e evoluir.
Mas certos debates, acabam passando dessa faixa, e quando voltamos a repetir os velhos argumentos, sem variação no fundo do pensamento, é porque estagnamos na tentativa de simplesmente provar para o outro que se está "certo" e ele está "errado". Então nenhum proveito mais haverá, nem pra quem debate, e nem pra quem lê.

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 29 de Fevereiro de 2012, 19:58
Mais um exemplo mano Danilo,
urdido no generalismo. este porém, é o elemento reducionista que faz perseverar dúvidas e que não alimenta a chama do Conhecimento, já que não é um bom óleo.
Veja que há coisa inalteráveis e que diante delas nada mais há que se inventar ou duvidar:
Dois mais dois, será sempre quatro.
mesmo que um mais três também o sejam ou que cinco menos um também seja de igual resultado.
O que se perguntou e é nesta pergunta que se deve fulcrar a nossa resposta, porém foi: qual o resultado, na adição, que se obtêm entre dois mais dois?
Abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 29 de Fevereiro de 2012, 20:39
Concordo Moura. Mas o que não vejo é a demonstração da imorredoura lógica, que o amigo se diz possuidor. Gostaria de compreendê-la, e também ser possuidor destas luzes, que o amigo nos tenta passar, sobre tais questões em que todos nós nos debatemos em dúvidas. Mas apesar do meu esforço, da minha vontade de aprender, do reconhecimento que tenho da minha própria ignorância, não consigo me mover um centímetro na direção de tuas idéias. Ao contrário, me afasto delas, a cada falácia, a cada contradição, a cada argumento meu ignorado.

Não será melhor para a tua causa, abandoná-la temporariamente? pois está insistindo em coisa que está dando errado.

Abraços!

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 29 de Fevereiro de 2012, 20:46
Mano Danilo, para compreender a lógica da qual não me afasto basta que o amigo persevere no mesmo estudo que faço há mais de 25 anos.
A lógica não é de outro senão dos Espíritos Superiores, eu apenas os repito.
Sei tudo? Claro que não, mas dos princípios básicos que são aquilo que é fonte dos debates que temos, destes eu tenho de saber.
Abração,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alcidiomichel em 01 de Março de 2012, 23:16
Por favor leiam este texto de Sergio Aleixo: Escritor e palestrante espírita. Vice-presidente da Associação de Divulgadores do Espiritismo do Rio de Janeiro:


http://ensaiosdahoraextrema.blogspot.com/2011_08_04_archive.html
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Março de 2012, 23:29
Vice-presidente da Associação de Divulgadores do Espiritismo do Rio de Janeiro:

!!!

Alcidio
Você votou nele?

ou é como a CBF?
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alcidiomichel em 01 de Março de 2012, 23:40
Moisés,

Não votei mas votaria se tivesse a oportunidade, também votaria em alguns aqui que participam do Fórum.

Quem estuda sabe, quem têm a codificação kardeciana como base, erra pouco. Noto que o pensamento de Sergio Aleixo é como o de Herculano Pires, uns dos poucos que divulgam o Espiritismo como realmente é, sem mistificações.


Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 02 de Março de 2012, 16:04
Pois é mano Alcídio,
falo como Serjão paulatinamente pelo face ou por email.
conheço o cara já de anos e o tenho como muito conhecedor da doutrina.
aliás temos nós dois uma discrepância que de tempo sem tempos voltamos ao debate, isso já há mais de 6 anos hehehe.
Gosto muito do oque ele escreve.
abraços,
Moura

Por favor leiam este texto de Sergio Aleixo: Escritor e palestrante espírita. Vice-presidente da Associação de Divulgadores do Espiritismo do Rio de Janeiro:


http://ensaiosdahoraextrema.blogspot.com/2011_08_04_archive.html
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 02 de Março de 2012, 18:15
Por favor leiam este texto de Sergio Aleixo: Escritor e palestrante espírita. Vice-presidente da Associação de Divulgadores do Espiritismo do Rio de Janeiro:


http://ensaiosdahoraextrema.blogspot.com/2011_08_04_archive.html

Olá Alcídio, quanto ao texto do Sérgio, no que toca a existências de colônias, para o missivista não ao que contestar, e o mesmo trás afirmações para corroborar do Espírito Erasto sobre o assunto (RE maio/1863).

Uma das condições de sua cegueira moral é de aprisionar mais violentamente nos laços da materialidade e, conseguintemente, de os impedir que se afastem das regiões terrestres ou similares à Terra. E, assim como a maioria dos desencarnados, cativos na carne, não pode perceber as formas vaporosas dos Espíritos que os cercam, também a opacidade do envoltório dos materialistas lhes impede a contemplação das entidades espirituais que se movem, tão belas e tão radiosas, nas altas esferas do império celeste.
 Erasto
Abraços,


Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 03 de Março de 2012, 00:00
Mano Luiz Fernando,
adorei o seu grifo a esta parte: "(...)de os impedir que se afastem das regiões terrestres ou similares à Terra."

Gostaria de fazer mais clara a citação, lembrando uma questão de OESE em que se aprende que a terra não é o único mundo de provas e expiações, pois que existem outros mais solidários a ela.
É neste sentido que Erasto nos ensina.
Abração,
Moura

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/off-topic/colonias-espirituais-30715/60/?action=post;num_replies=67#ixzz1o0UvfW00
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 03 de Março de 2012, 00:12
Olá a todos,
Olá Moura,

Não vá tão rápido assim, primeiro vá na fonte (revista espírita maio 1863).

E depois faça sua postagem novamente.

Abraços,
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 03 de Março de 2012, 14:00
Mano Luiz, est´[a é a comunicação da qual o amiogo excerta o último parágrafo, veja qual é o tema:

"PERGUNTAS E PROBLEMAS.
Os Espíritos incrédulos e materialistas.
(Sociedade Espírita de Paris, 27 de março de 1863.)
Pergunta. - Na evocação do Sr. Viennois, feita na última sessão, encontra-se esta frase: "Vossa prece emocionou muitos Espíritos levianos e incrédulos." Como Espíritos podem ser incrédulos? O meio onde se encontram não é para eles a negação da incredu-lidade?
Pedimos aos Espíritos que consintam se comunicar e tratar esta questão, se julga-rem a propósito.
Resposta (médium, Sr. d'Ambel). - A explicação que me pedis não está escrita am-plamente em vossas obras? Perguntais-me por que os Espíritos incrédulos se emociona-ram? Mas vós mesmos não dissestes que os Espíritos que se acham na erraticidade ali entraram com suas aptidões, seus conhecimentos e sua maneira de ver passadas? Meu Deus! sou ainda muito novato para resolver, para a vossa satisfação, as questões espi-nhosas da Doutrina; posso, no entanto, por experiência, por assim dizer fracamente ad-quirida, responder às questões de fatos. Geralmente, crê-se, no mundo que habitais, que a morte vem de repente modificar as opiniões daqueles que dele se vão, e que a venda da incredulidade é violentamente arrancada daqueles que negam a Deus sobre a Terra: aí está o erro, porque a punição começa justamente, para aqueles, permanecendo na mesma incerteza relativamente ao Senhor de todas as coisas, e para conservar sua dúvi-da da Terra. Não, crede-me, a visão obscurecida da inteligência não percebe instantane-amente a luz; procede-se na erraticidade com ou ao menos tanto de prudência quanto sobre a Terra, e não se projetam os raios da luz elétrica sobre os olhos daqueles que es-tão doentes da vista, para curá-los.
A passagem da vida terrestre para a vida espiritual oferece, isto é certo, um período de confusão e de perturbação para a maioria daqueles que desencarnam; mas há alguns, quando vivos já libertos dos bens da Terra, que cumprem essa transição tão facilmente quanto uma pomba que se eleva no ar. É fácil de vos dar conta dessa diferença, exami-nando os hábitos dos viajantes que embarcam para atravessar os oceanos; para alguns a viagem é uma partida de prazer, para a maioria é um sofrimento vulgar, mas acabrunhan-te, que durará até o momento do desembarque. Pois bem! por assim dizer, ocorre o mesmo para o viajor da Terra ao mundo dos Espíritos. Alguns se libertam rapidamente, sem sofrimento e sem perturbação, ao passo que outros são submetidos ao mal da tra-vessia etérea; mas ocorre isto: é que do mesmo modo que os viajores que tocam a Terra ao sair do navio encontram sua firmeza e sua saúde, do mesmo modo que o Espírito que transpôs todos os obstáculos da morte acaba por se encontrar, como no seu ponto de partida, com a consciência limpa e clara de sua individualidade.
É, pois, certo, meu caro senhor Kardec, que os incrédulos e os materialistas absolu-tos conservam a sua opinião além do túmulo até a hora em que a razão ou a graça tiver despertado em seu coração o pensamento verdadeiro de que se encontra enterrado. Daí essa difusão de idéias nas manifestações e essa divergência nas comunicações dos Es-píritos de além-túmulo; daí alguns ditados ainda manchados de ateísmo ou de panteísmo.
Permiti-me, finalizando, retornar a questões que me são pessoais. Agradeço-vos por me terem feito evocar; isto me ajudou a me reconhecer; agradeço-vos também as conso-lações que dirigistes à minha mulher, e vos peço continueis vossas boas exortações, a fim
de sustentá-la nas provas que a esperam. Quanto a mim, estarei sempre junto dela e a inspirarei.
VIENNOIS.
Pergunta. - Compreende-se a incredulidade em certos Espíritos, mas não se compreende o materialismo, uma vez que seu estado é um protesto contra o reino absoluto da matéria e o nada após a morte.
Resposta (médium, Sr. d'Ambel). - Uma palavra somente: todos os corpos sólidos ou fluídicos pertencem à substância material; isto está bem demonstrado. Ora, aqueles que, durante sua vida, não admitiam senão um princípio na Natureza, a matéria, não percebem, freqüentemente, ainda depois da sua morte senão esse princípio único, e absoluto. Se refletísseis nos pensamentos que os dominaram toda a sua vida, os encontrareis certamente, ainda hoje, sob a inteira subjugação desses mesmos pensamentos. Outrora se consideravam como corpos sólidos; hoje se consideram como corpos fluídicos, eis tudo. Notai bem, eu vos peço, que se percebem sob uma forma nitidamente circunscrita, toda vaporosa que ela seja, e idêntica à que tinham sobre a Terra no estado sólido ou humano. De tal sorte que não vêem, em seu novo estado, senão uma transformação de seu ser na qual não tinham pensado; mas ficam convencidos de que é uma progressão para o fim ao qual chegarão quando estiverem suficientemente libertos, para se apagarem no grande todo universal. Não há nada de tão renitente do que um sábio, e eles persistem em pensar que esse fim, por ser retardado, por isso não é menos inevitável."
Uma das condições de sua cegueira moral é de encerrá-los mais violentamente nos laços da materialidade e, conseqüentemente, de impedi-los de se afastarem das regiões terrestres ou similares à Terra; e do mesmo modo que a grande maioria dos encarnados, aprisionados na carne, não podem perceber as formas vaporosas dos Espíritos que o cercam, do mesmo modo a opacidade do envoltório dos materialistas lhes interdita con-templar as entidades espirituais que se movem tão belas e tão ra-diosas, nas altas esfe-ras do império celeste.
ERASTO.

Como se vê ao título Erasto fala sobre Espíritos incrédulos e materialistas.
Estes estão mais resos na condição de cegueira moral (palavras de Erasto), e por isso ficam encerrados na materialidade, perpetuando seus pensamentos de quando encarnados.

Eu porém citei o ESE, quando fala de mundos solidários a Terra, e a condição materialista de muitos Espíritos não os deixa, pela mesma razão compreendem que a Terra não é o único mundo de provas e expiações existente.
Logo, Tanto Erasto quanto eu falamos da mesma coisa.
como uma obra de Kardec não fala aqui uma coisa, para alhures falar outra, sobre o mesmo assunto que é a condição de apego às idéias materialistas, não há divergência, mano.
abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 03 de Março de 2012, 14:23
como uma obra de Kardec não fala aqui uma coisa, para alhures falar outra, sobre o mesmo assunto que é a condição de apego às idéias materialistas, não há divergência, mano.
abraços,
Moura

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/off-topic/colonias-espirituais-30715/60/?action=post;num_replies=70#ixzz1o3ybCQNa

Olá Moura,

Como não há divergência meu mano!
Erasto fala e deixa explícito que tão somente: das regiões terrestres ou similares à Terra.
O que o Moura fala é de outros mundos de provas e expiações, parte de preposto verdadeiro e doutrinário para querer demonstrar que na realidade Erasto não estava falando dos planos espirituais ligados à Terra, e sim de outros mundos.
Se Erasto falou destas regiões e Kardec aceitou-a é porque existem.
E em nota o codificador compara esta mensagem com outra de Lamennais de uma possível informações contraditórias. E após questionar o Espírito este se explica.
Mas, em nenhum momento, Kardec não aceita a informação de regiões terrestres e/ou similares à Terra.
Não dá para esconder o Sol com uma peneira.
Abraços,
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 03 de Março de 2012, 14:35
Similares em progresso e moral mano Luiz.
Somente assim é o ditado dos Espíritos Superiores e mesmo o de Erasto, um deles.
A terra não é o único mundo de provas e expiações pois que a mundos a ela solidários.

Similar = equivalente.
Equivalente apenas em teor de progresso intelectual e moral.
Abraços
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 03 de Março de 2012, 17:35
Olá Moura,

Não tenho este compreender conforme você diz, somente para defender que nas obras básicas não há citações de colônias e/ou lugares circunscrito.

Quando Erasto diz: "...de os impedir que se afastem das regiões terrestres ou similares à Terra."

Ele quer informar que estes Espíritos ficam presos (não se afastam), do mundo dos encarnados (regiões terrestres), e quando cita "ou similares à Terra", fica claro que são regiões circunscritas.
Está clarisssímo, felizmente seus entendimentos não fazem doutrina. Fico com a resposta de Erasto.
Abraços,

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Março de 2012, 17:48
Alcídio

Quem estuda sabe, quem têm a codificação kardeciana como base, erra pouco. Noto que o pensamento de Sergio Aleixo é como o de Herculano Pires, uns dos poucos que divulgam o Espiritismo como realmente é, sem mistificações.

Olá Alcídio

Gosto também de suas observações , nem todas é claro eu compreendo.

Mas aproveitando sua deixa
há alguma citação do Sr. Herculano Pires
ante esta questão;

"Colônias Espirituais"
Cidades ou até agrupamentos
que possa me indicar

? ? ?
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Março de 2012, 18:17
Encontrei esta colocação de Heculano Pires as questões dos livros de André Luiz

Deve servir a nós todos quando dizemos que os livros de André Luiz
são uma nova Doutrina

Vejamos que neste texto até um tradutor das obras de Kardec se confunde;

.............


Há uma revelação luisina?


Começaremos transcrevendo uma crônica sua assinada com o pseudônimo "Irmão Saulo" intitulada "Há uma revelação luisina?", a qual refuta um artigo de Salvador Gentile (diretor de "Anuário Espírita", editado em Araras, Estado de São Paulo), a propósito da obra Nosso Lar, psicografada por Chico Xavier. A crônica de Herculano Pires estampada no "Diário de São Paulo" reveste-se de importância porque ao surgirem as primeiras obras do Espírito André Luiz alguns líderes, demonstrando imaturidade doutrinária, proclamaram nas tribunas e pelos jornais que elas eram a "Quarta Revelação"...

Leiamos as considerações de Herculano Pires:

"O aparecimento em Tóquio de uma edição japonesa do livro Nosso Lar, de André Luiz, leva o confrade Salvador Gentile a reviver, no "Anuário Espírita 1969", a tese da "revelação luisina". Essa tese conquistou certa voga no meio espírita (alguns dizem "andréluisina"), mas arrefeceu logo porque Emmanuel e André Luiz foram os primeiros a botar água na fervura. Gentile a ressuscita em termos de revisionismo doutrinário, de "superação" de Kardec, não se esquecendo de criticar "os ortodoxos que fazem de Kardec um dogma intangível". Respeitar a codificação é ser dogmático, segundo as acusações dos divinistas e outros "renovadores".

Gentile parte da suposição de que a obra de Kardec ficou em generalidades. Deseja informações particulares, mais concretas, que André Luiz fornece sobre a vida dos Espíritos. Mas se tivessem recorrido ao prefácio de Emmanuel no livro Os Mensageiros veria que essa concretização é simbólica e, portanto, abstrata. A obra de André Luiz é ilustrativa da revelação espírita, e não propriamente complementar, no sentido de superação que o articulista pretende. É uma grande e bela contribuição nos estudos espíritas, mas sua pedra de toque é a codificação.

O que mais impressionou a Gentile foi a "revelação" de cidades espirituais no espaço. Mas a Bíblia já nos falava da Jerusalém Celeste e as revelações antigas estão cheias de ideias semelhantes. Tratam-se de planos ainda materializados da vida espiritual e não dos planos superiores. A Revista Espírita apresenta numerosos relatos dessa vida que se assemelha à terrena. Mas Gentile vai mais longe e afirma que certos conceitos de Kardec são reformulados em Nosso Lar, por exemplo: o conceito de espíritos errantes, o de acampamento, o de perispírito sem órgãos de tipo material.

A crítica de Gentile a esses conceitos não tem razão. Kardec explica no item 226 de O Livro dos Espíritos que são errantes todos os espíritos que ainda terão de reencarnar-se, mesmo os mais evoluídos. A erraticidade não implica apenas a permanência em planos inferiores, mas uma condição do espírito em seu processo evolutivo. Trata-se de um conceito relativo, ou seja, que diz respeito à relação do espírito com a sua passagem pelas fases inferiores da encarnação terrena. O conceito ou a noção de acampamento não tem em Kardec a aplicação que Gentile lhe deu. Refere-se aos mundos transitórios e não aos planos espirituais. O de perispírito sem órgãos físicos, que não necessita de restauração de suas forças, é também relativo e está bem explicado no item 254, onde se lê isto, em letras de forma: "A espécie de fadiga que os espíritos podem provar está na razão da sua inferioridade, pois quanto mais se elevam, de menos repouso necessitam".

Partindo de premissas falsas, o articulista só poderia chegar a conclusões falsas. Não há nenhuma razão para se falar em "revelação luisina", mesmo porque a própria tese de Kardec é a da revelação contínua a partir da aceitação e do conhecimento da mediunidade. Antes de pensar em "novas revelações", o de que precisamos com urgência é de estudo sistemático e mais aprofundado da obra de Kardec, incluindo não só os tomos da Codificação, mas também a Revista Espírita, por ele mesmo indicada como indispensável ao bom conhecimento da doutrina."




Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: rwer em 03 de Março de 2012, 19:08
Alô, galerinha,

Vamos deixar bem claro (duvido, rsrs):  "Colônias Espirituais" não são obra espírita. São construções de pessoas astrais, feitas com matéria do ambiente astral.  Elas são tão espirituais quanto as nossas cidades. 

Não se deixe enrolar pelas palavras. "Espiritual" pode ser qualquer coisa feita por Espíritos, estejam encarnados em corpo físico ou apenas na carne astral.

Já o mundo astral, o Universo Astral, imensamente maior que o Universo Físico, isso deveria ser objeto de estudo por parte dos que aceitam sua existência.

Não existe um "mundo espírita" – salvo se isto significa a comunidade dos adeptos do Espiritismo.

Se André Luiz ou Ramatis nos falam de colônias, isso não implica sejam revelações espíritas. São apenas informações mediúnicas.

Quem construiu essas cidades não teve a preocupação de adequá-las aos livros terrenos, óbvio.

Colônias astrais: você ainda vai morar em uma...



Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Silvio Matos em 03 de Março de 2012, 19:19
Pois é Moisés,........é por essas e muitas outras que Herculano é considerado o Maior Pensador Espírita do Brasil.

J. Herculano Pires(1914-1979), jornalista, filósofo, poeta, tradutor e pensador espírita paulista.

Aqui no fórum comentamos muito sobre a importância do estudo ds obras básicas, entendo também ser importante conhecer como o Espiritismo chegou no Brasil e como foi sua divulgação, administração e que caminho resolveu trilhar até os dias atuais. E uma boa indicação de leitura é:

"O livro de Gélio Lacerda da Silva, intitulado "CONSCIENTIZAÇÃO ESPIRITA"

,.....é excelente, pois ele mostra, com riqueza de detalhes, o péssimo rumo que tomou o movimento espirita brasileiro, dirigido e orientado pela Federação Espírita (roustainguista) Brasileira. É um trabalho de pesquisa doutrinária sério, que precisava ser mais divulgado na comunidade espírita, pois só diz verdades que precisam ser conhecidas, principalmente, dos jovens estudiosos da doutrina. Constantemente, eu o consulto para transcrever em meu boletim, "O Franco Paladino", tudo de bom que ele nos apresenta."  (Erasto Prestes).

Abç
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Março de 2012, 19:58
Silvio

Me chamou a atenção para estas observações de Herculano Pires;

Sobre Cidades espirituais

Mas a Bíblia já nos falava da Jerusalém Celeste e as revelações antigas estão cheias de ideias semelhantes. Tratam-se de planos ainda materializados da vida espiritual e não dos planos superiores.

...

..o conceito de espíritos errantes, o de acampamento, o de perispírito sem órgãos de tipo material.
A crítica de Gentile a esses conceitos não tem razão. Kardec explica no item 226 de O Livro dos Espíritos que são errantes todos os espíritos que ainda terão de reencarnar-se, mesmo os mais evoluídos. A erraticidade não implica apenas a permanência em planos inferiores, mas uma condição do espírito em seu processo evolutivo. Trata-se de um conceito relativo, ou seja, que diz respeito à relação do espírito com a sua passagem pelas fases inferiores da encarnação terrena. O conceito ou a noção de acampamento não tem em Kardec a aplicação que Gentile lhe deu. Refere-se aos mundos transitórios e não aos planos espirituais
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 03 de Março de 2012, 21:14
Sobre Cidades espirituais
 Tratam-se de planos ainda materializados da vida espiritual e não dos planos superiores.

 O conceito ou a noção de acampamento não tem em Kardec a aplicação que Gentile lhe deu. Refere-se aos mundos transitórios e não aos planos espirituais
Olá Moisés,

Este artigo mostra através da crítica sobre Salvador, o entendimento de J. Herculano Pires.

Sobre cidades espirituais, Herculano ao colocar que tratam-se de planos ainda materializados da vida espiritual, demonstra que, que o que era para o Salvador Gentile "revelação", mas, para Herculano Pires já se encontrava nas obras espiritas e na Bíblía.

Quanto a citação: " O conceito ou a noção de acampamento não tem em Kardec  a  aplicação que Gentile lhe deu.  Refere-se aos mundos transitórios e não aos planos espirituais."

Este entendimento que tinha Gentile, de que a explicação de planos espirituais estavam nos ensinos espíritas como mundo transitório, alguns forista também aqui defendem confundindo mundos transitórios com planos espirituais.

Ainda bem que temos Herculano Pires para nos elucidar.
Abraços,


Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Março de 2012, 21:34
Luiz Francisco

Não somente por Herculano Pires, que também concordo

Mas nós também somos capazes de compreender e decifrar esta "sintese"
que é a Doutrina.

em cojunto e em estudo aliada a vida prática
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 03 de Março de 2012, 22:24
Sabe mano Moisés, muitas das discrepâncias só ocorrem pela maneira como vamos entendendo as palavras lidas ou escutadas...
Vemos várias vezes em OLE, Kardec se referir ao termo "alma", não lhe dando a aferição de Espírito encarnado, como na resposta dos Espíritos Superiores que ensinam: "Alma é o Espírito encarnado".
Ora se sabemos a distinção feita pelos Espíritos Superiores, verificaremos sem demora que Kardec ali, quis empregar o vocábulo mais alargadamente. Tal como o vulgo melhor entende até hoje.
Quantos expositores e professores de cursinhos espíritas falam alma sem a conotação de ser o Espírito encarnado? quantos mais, usam o termo Espírito com um "meu" ou um "seu, na frente para designar que seja o dele, orador ou o nosso, assistentes.
Eu não tenho um "meu Espírito" eu sou um Espírito esta a visão da obra básica, todavia, se eu sei disso, basta modificar quando ouvir para aprender segundo a doutrina pois que, afinal de contas mano, é ela o divisor de águas para tudo em termos de doutrina.
A questão então é não mantermos a praxis de entendermos dura e friamente o que a letra nos apresente mas sim de nos lembrarmos dos ensinos que a DE promove em suas obras básicas.
Tal é este o meu entendimento.Abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alcidiomichel em 03 de Março de 2012, 23:38
Muito bom Moises,

Aqui neste próximo link temos a matéria de Herculano sobre Andre Luiz por Sergio Aleixo um pouco mais completa:

http://ensaiosdahoraextrema.blogspot.com/2010_09_02_archive.html
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 03 de Março de 2012, 23:41
A do Serjão é dez! Já a conheço.
Abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Silvio Matos em 04 de Março de 2012, 14:34
A coisa toda é muito sutil. Desde o prefácio de “Nosso Lar”, o juízo do “leitor amigo” fora anestesiado pela seguinte conclamação: “[...] em nosso campo doutrinário, precisamos, em verdade, do ESPIRITISMO e do ESPIRITUALISMO, mas, muito mais, de ESPIRITUALIDADE”. Minimizada, assim, a importância superlativa da Doutrina Espírita para a análise das comunicações mediúnicas, a forçosa consequência é uma leitura completamente emocional, onde o leitor, já desarmado, obedece docilmente ao primeiro imperativo do prefaciador: “Guarde a experiência dele [de André Luiz] no livro d’alma”. Perdido de vista o único farol capaz de revelar a natureza encapelada do mar tempestuoso dos ditados de André Luiz, o “leitor amigo” passa a aceitá-los na íntegra, apenas porque encerram lições da mais pura moral. Naufrágio certo à vista.

Carambaaa!!!!

Não conhecia esse artigo do Sergio, muito bom! Estou virando seu fã! Opsss,....sem idolatria.  ;D

Abç
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 04 de Março de 2012, 15:54
Mano Silvio  conheço o Serjão desde há muito.
Hoje em dia ele continua a se esmerar mais ainda, falando com muito mais clareza.
Abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: alcidiomichel em 05 de Março de 2012, 00:02
Caros amigos, vou aproveitar o momento e deixar o link do canal do Sergio Aleixo no Youtube para quem quiser dar uma olhada em algum tema.

http://www.youtube.com/user/sergiofaleixo
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 05 de Março de 2012, 01:31
Caros amigos, vou aproveitar o momento e deixar o link do canal do Sergio Aleixo no Youtube para quem quiser dar uma olhada em algum tema.

http://www.youtube.com/user/sergiofaleixo

Olá Alcídio,

Tal qual Herculano na crítica ao Salvador Gentile e Sérgio Aleixo texto deixado por vós,
aceitam as cidades em planos espirituais. A tal ponto do Aleixo mostrar paridade entre o texto de André Luiz com mensagem de São Luiz e Erasto.

Fica bem claro o entendimento do autor sobre colônias e ou outrosa nomes que dão de cidades nos planos espirituais.

Obrigado pelos textos trazidos.

Abraços,
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Silvio Matos em 05 de Março de 2012, 17:00
Luiz Francisco,.....não conheço o Sergio Aleixo pessoalmente, mas analisando o texto que o Alcidio indicou, entendi que o Livro Nosso Lar, conté muitos equivocos em relação a Codificação.

"O mestre lionês instrui-nos à prévia libertação do apego a necessidades impossíveis de serem satisfeitas depois da morte, porquanto não poderão deixar de ser, para o espírito livre, senão a tortura de um estado ilusório, quando não alucinatório. A perspectiva andreluizina já não é esta. Os desencarnados comeriam, beberiam, atenderiam a necessidades fisiológicas, sem que haja nisso, porém, qualquer motivo de censura. Uma encruada moral vegetariana de fundo trata de legitimar a alimentação consumida pelos “mocinhos” da história, deixando aos “vilões” a condenação pelo interesse em alimentação menos elevada. Valha-nos o Espírito de Verdade"!

Abç
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 05 de Março de 2012, 17:18
Luiz Francisco,.....não conheço o Sergio Aleixo pessoalmente, mas analisando o texto que o Alcidio indicou, entendi que o Livro Nosso Lar, conté muitos equivocos em relação a Codificação.

"O mestre lionês instrui-nos à prévia libertação do apego a necessidades impossíveis de serem satisfeitas depois da morte, porquanto não poderão deixar de ser, para o espírito livre, senão a tortura de um estado ilusório, quando não alucinatório. A perspectiva andreluizina já não é esta. Os desencarnados comeriam, beberiam, atenderiam a necessidades fisiológicas, sem que haja nisso, porém, qualquer motivo de censura. Uma encruada moral vegetariana de fundo trata de legitimar a alimentação consumida pelos “mocinhos” da história, deixando aos “vilões” a condenação pelo interesse em alimentação menos elevada. Valha-nos o Espírito de Verdade"!

Abç


Olá Silvio,

Você entendeu corretamente, pois tanto o texto de Herculano quanto do Aleixo, criticam o livro e alguns ou vários assuntos.

Mas, como o tópico aqui é sobre colônias, colarei novamente o entendimento de Herculano e do Aleixo:

Sobre cidades espirituais, Herculano ao colocar que tratam-se de planos ainda materializados da vida espiritual,

E, Aleixo: Como entender que espíritos encarnados na Terra, ao dormirem seus corpos, atendam ao chamado de antigas afeições ou busquem prazeres ainda mais baixos nesses “mundos inferiores”? Vão a outros planetas, nos quais, seguramente, não estão encarnados? Trata-se, pois, aqui, de referência a certos “mundos intermediários”, “viveiros da vida eterna”, frequentados também por encarnados durante o sono do corpo; neste caso, infelizmente, “mundos intermediários” que se encontram “em atraso no progresso”, conforme nos ensinara o presidente espiritual da Sociedade Científica fundada por Kardec na França. Ali, em 27-03-1863, o severo Erasto ainda revelaria, de modo patente, que a cegueira moral dos incrédulos e materialistas os pode aprisionar mais aos laços da matéria e “impedir que se afastem das regiões terrestres ou similares à Terra”. Esta menção é por demais clara e dispensa comentários.

Mas, o mais importante é reler na fonte destes textos.

Abraços,


Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 05 de Março de 2012, 18:18

“[...] em nosso campo doutrinário, precisamos, em verdade, do ESPIRITISMO e do ESPIRITUALISMO, mas, muito mais, de ESPIRITUALIDADE”.  


Quer dizer que com esta frase Emmanuel hipnotiza os Leitores?

o Sr. Aleixo quis dizer isto por usar a palavra espiritualidade com mais importância na frase do que o espiritismo?

A de se concordar com Emmanuel que inicia a frase posicionando a questão do nosso papel no campo doutrinário.

.....................................


KARDEC  E  A  ESPIRITUALIDADE

Todas as missões dignificadoras dos grandes vultos humanos são tarefas do Espírito. Precisamos compreender a santidade do esforço de um Edson, desenvolvendo as comodidades da civilização, o elevado alcance das experiências de um Marconi, estreitando os laços da fraternidade, através da radiotelefonia. Apreciando, porém, o labor da inteligência humano, é obrigados a reconhecer que nem todas essas missões têm naturalmente uma repercussão imediata e grandiosa no Mundo dos Espíritos.

Daí a razão de examinarmos o traço essencial do trabalho confiado a Allan Kardec. Suas atividades requisitaram a atenção do planeta e, simultaneamente, repercutiram nas esferas espirituais, onde formaram legiões de colaboradores, em seu favor.

Sua tarefa revelava ao homem um mundo diferente. A morte, o problema milenar das criaturas, perdia sua feição de esfinge. Outras vozes falavam da vida, além dos sepulcros. Seu esforço espalhava-se pelo orbe como a mais consoladora das filosofias; por isso mesmo, difundia-se, no plano invisível, como vasto movimento de interesses divinos.

Ninguém poderá afirmar que Kardec fosse o autor do Espiritismo. Este é de todos os tempos e situações da humanidade. Entretanto, é ele o missionário da renovação cristã. Com esse título, conquistado a peso de profundos sacrifícios, cooperou com Jesus para que o mundo não morresse desesperado. E, contribuindo com a sua coragem, desde o primeiro dia de labor, organizaram-se nos círculos da espiritualidade os mais largos movimentos de cooperação e de auxílio ao seu esforço superior.

Legiões de amigos generosos da humanidade alistaram-se sob a sua bandeira cooperando na causa imortal. Atrás de seus passos, movimentou-se um mundo mais elevado, abriram-se portas desconhecidas dos homens, para que a ciência e a fé iniciassem a marcha da suprema união, em Jesus Cristo.

Não somente o orbe terrestre foi beneficiado. Não apenas os homens ganharam esperanças. O mundo invisível alcançou, igualmente, consolo e compreensão.

Os vícios da educação religiosa prejudicaram as noções da criatura, relativamente ao problema da alma desencarnada. As idéias de um céu injustificável e de um inferno terrível formaram a concepção do espírito liberto, como sendo um ser esquecido da Terra, onde amou, lutou e sofreu.

Semelhante convicção contrariava o espírito de sequência da natureza. Quem atendeu as determinações da morte, naturalmente, continua, além, suas lutas e tarefas, no caminho evolutivo, infinito. Quem sonhou, esperou, combateu e torturou-se não foi a carne, reduzida à condição de vestido, mas a alma, senhora da Vida Imortal.

Essa realidade fornece uma expressão do grandioso alcance  “da missão de Allan Kardec”, considerada no Plano Espiritual.

É justo o reconhecimento dos homens e não menos justo o nosso agradecimento aos seus sacrifícios “de missionário”, ainda porque apreciamos a atividade de um apóstolo sempre vivo.
 
Que Deus o abençoe.

O Evangelho nos fala que os anjos se regozijam quando se arrepende um pecador. E a tarefa santificada de Allan Kardec tem consolado e convertido milhares de  pecadores, neste mundo e no outro.


Emmanuel
(Francisco Cândido Xavier)

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Kazaoka em 05 de Março de 2012, 18:37
Citação de trecho do OLE que trata das sensações dos Espíritos, questão 257:

"Ao dizer que os Espíritos são inacessíveis às impressões de nossa matéria, estamos nos referindo aos Espíritos muito elevados, cujo envoltório etéreo não tem nada de semelhante ao que conhecemos aqui na Terra. O mesmo não ocorre com os de perispírito mais denso: estes percebem nossos sons e odores, mas não por uma parte limitada de sua individualidade, como quando encarnados. Pode-se dizer que neles as vibrações moleculares se fazem sentir em todo seu ser e chegam assim ao seu sensoriumcommune2, que é o próprio Espírito, embora de um modo diferente, o que produz uma modificação na percepção."

Os grifos dão destaque a pontos relevantes no que está sendo exposto pois, deixa evidente que muito do que abordamos em nossos círculos de discussões, muitas vezes desconsideramos que a determinadas discussões vale saber se estamos a falar de Espíritos de ordens superiores ou se estamos falando dos Terra-a-Terra.

284 Como os Espíritos, que não têm mais corpo, podem constatar a sua individualidade e se distinguir dos outros que os rodeiam?

– Eles constatam sua individualidade pelo perispírito, que os distingue uns dos outros, assim como pelo corpo se podem distinguir os homens.

285 Os Espíritos se reconhecem por terem coabitado a Terra? O filho reconhece seu pai, o amigo reconhece seu amigo?

– Sim, e assim de geração em geração.

285 a Como os homens que se conheceram na Terra se reconhecem no mundo dos Espíritos?

– Nós vemos nossa vida passada e a lemos como num livro; ao ver o passado de nosso amigos e inimigos, vemos sua existência da vida à morte.

286 A alma, ao deixar o corpo logo após a morte, vê imediatamente parentes e amigos que a precederam no mundo dos Espíritos?

– Imediatamente não é bem a palavra. Como já dissemos, ela precisa de algum tempo para reconhecer seu estado e se desprender da matéria.

287 Como a alma é acolhida em seu retorno ao mundo dos Espíritos?

– A do justo, como um irmão bem-amado que é esperado há muito tempo. A do mau, como um ser que se equivocou.

288 Que sentimento têm os Espíritos impuros quando vêem um mau Espírito chegando até eles?

– Os maus ficam satisfeitos ao ver seres à sua imagem e privados, como eles, da felicidade infinita, como, na Terra, um perverso entre seus iguais.

289 Nossos parentes e amigos vêm algumas vezes ao nosso encontro quando deixamos a Terra?

– Sim, eles vêm ao encontro da alma que estimam. Felicitam-na como no retorno de uma viagem, se ela escapou dos perigos do caminho, e a ajudam a se despojar dos laços corporais. É a concessão de uma graça para os bons Espíritos quando aqueles que amam vêm ao seu encontro, enquanto o infame, o mau, sente-se isolado ou é apenas rodeado por Espíritos semelhantes a ele: é uma punição.

(Não está muito parecido com um ambiente umbralino?)

290 Os parentes e amigos sempre se reúnem depois da morte?

– Isso depende de sua elevação e do caminho que seguem para seu adiantamento. Se um deles é mais avançado e marcha mais rápido do que o outro, não poderão permanecer juntos. Poderão se ver algumas vezes, mas somente estarão para sempre reunidos quando marcharem lado a lado, ou quando atingirem a igualdade na perfeição. Além disso, a impossibilidade de ver seus parentes e seus amigos é, algumas vezes, uma punição.

Nestas questões nota-se um ambiente social muito idêntico ao que ordinariamente vivenciamos por aqui.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: LuizFrancisco em 05 de Março de 2012, 19:40
Olá Kazaoka,

Muito bem lembrado o seu texto está pertinente ao tópico.

Abraços,
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Março de 2012, 18:46
Verdade mesmo

kazaoka você fez uma excelente postagem doutrinária.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Junior Torres em 06 de Março de 2012, 20:50
obrigado por me esclarecerem.Vi os vídeos de Sérgio Aleixo e entendi com base em Kardec sobre as colônias espirituais.Realmente posso dizer que ficava a ter meio temeroso em falar de tais colônias e umbrais que,segundo minha visão,nao se distiguem nada dos céus e da questão do inferno que  Igreja prega.Ao ver o vídeo comcei até mesmo me perguntar como eu essas Fábricas de tecidos e de alimentos em nosso lar passa tão despercebida.Acredito que tudo seja ilusão,por isso,nao negando a existência de tão realidade para os que dela participam.
abraços e obrigado
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 06 de Março de 2012, 21:44
Ante toda a realidade que nos antinge
a Vontade de Deus
a nossa compreensão
é uma imensa fábrica.

É que só pensamos numa linha de produção
numa chave e em um parafusos,numa caldeira
e na possivel embalagem

E esquecemos muitas vezes que o produto
mesmo que real
tem sua força maior no abstrato do objetivo moral
que ele representa
para o entendimento de nós mesmo.
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: zarthur em 07 de Março de 2012, 01:41
Se existe uma coisa que põe em xeque, mesmo uma monumental inteligência, é o fato de que ao defender um ponto de vista, torna-se cega à razão e à lógica.
Se nos déssemos ao trabalho de conhecer melhor o que vai em nossa alma, nossas motivações, então seríamos capazes de perceber quando a defesa da opinião passa a ser mais importante que a própria verdade.
A questão "André Luiz" ou "colônias espirituais" ressalta, de ambos os lados, o pouco apreço pela verdade.
Como é bom terçar armas no terreno das idéias quando a verdade é o alvo.
Caso contrário estaremos expondo brechas feias nas ameias da nossa razão, simplesmente por sermos opiniáticos.
Abraços do Arthur
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Anton Kiudero em 11 de Março de 2012, 13:19
Sugiro a leitura deste outro topico que pode ajudar alguns a compreender esta questão sob outra otica: 

http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/as-colonias-espirituais-o-umbral-etc-o-que-sao-como-sao-existem-mesmo/msg262779/#msg262779

Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: luiz carlos p c em 08 de Junho de 2012, 17:56
acho interessante este videonem que herculano demonstra um profundo respeito e admiração por Chico Xavier e por sua obra psicografada
confiram :
http://youtu.be/gWHh48-s380

um abraço
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 08 de Junho de 2012, 18:01
Luiz,
não há entre espíritas quem não respeite a importância do Chico como médium.
Afinal são mais de 512 livros lançados.
Por isso a tirada de chapéu do Herculano ao médium mineiro.
abraços,
Moura
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Danilo Henrique em 08 de Junho de 2012, 18:04
Corrigindo moura: São 412.
 ;D
Título: Re: Colônias Espirituais
Enviado por: Mourarego em 09 de Junho de 2012, 17:05
Valeu mano Danilo!
Abração,
Moura