Forum Espirita

GERAL => Audiovisuais => Cinema & Vídeo => Tópico iniciado por: macili em 24 de Abril de 2015, 20:09

Título: Ovóides
Enviado por: macili em 24 de Abril de 2015, 20:09
Ovóides (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUZ5X2ViNmNZQnQwIw==)
Título: Re: Ovóides
Enviado por: HamLacerda em 24 de Abril de 2015, 20:41
Alguém sabe dizer se existe este termo na literatura mediúnica estrangeira? Porque parece que esse negócio de ovóides só aparece na literatura mediúnica brasileira.

Se alguém tiver alguma informação sobre algo parecidos a "ovóides" em livros mediúnicos estrangeiros, por favor, nos informe aqui.






Título: Re: Ovóides
Enviado por: wender100%espirita em 24 de Abril de 2015, 20:46
nada disso e falado nas obras fundamentais. paz e luz
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Tulinha em 24 de Abril de 2015, 20:47
Que absurdo é esse, gente? O que isso tem a ver com a Doutrina Espírita??? Totalmente contra os postulados do Espiritismo...
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 00:19
E isto te deixa perplexa ?

Toma cuidado com o que fala, em se tratando de defender a DE
Pois que em se tratando de Espiritismo
conceituado por kardec
este o coloca como ciência de observação
e também diz que o espiritismo não disse tudo em se tratando de ultima palavra

Logo observar não é tão somente fazer um partido pelas opiniões dos outros
e esboçar perplexidades gratuitas como arroubos frenéticos

Estudemos a nossa realidade física

Se o nosso mundo físico apresenta tantas perplexidades em se tratando de corpo
carnal que é a sede temporária do espírito reencarnante
imaginemos o corpo perespiritual ?

kardec mesmo diz que
do conhecido parte-se para o desconhecido

Conheçamos o nosso limite
e busquemos ampliar o nosso rol de conhecimento
E busquemos sempre como Kardec nos orienta
examinar as coisas isentos de ideias preconcebidas

Espiritismo é um ramo de atividade progressiva
esta claro em sua doutrina.

Título: Re: Ovóides
Enviado por: Marcos W. Silva em 25 de Abril de 2015, 04:46


        Olá amigos,

        a maior dificuldade que vejo é a apresentação dos supostos temas, tais ovóides, como se fizessem parte dos princípios espíritas ao invés de apresentá-los como teses.

        Como imaginar uma substância de textura gelatinosa em uma dimensão na qual sequer as criaturas tem como tocarem-se, materialmente falando?

        Apresentando-se como tese ou a visão pessoal de... ou da... tudo se acalma. Mas, tem de virar princípio doutrinário... aí complica. Mas, vamos lá. Duro é reler, estudar Kardec e confirmar que o sofrimento é todo consciencial, e quanto mais se aprofunda mais as teses se desmoronam.

         Observar, estudar... abraços.



       
Título: Re: Ovóides
Enviado por: psi em 25 de Abril de 2015, 04:55
Pergunto aos amigos, qual o tamanho e a forma do perispírito quando da união deste com o zigoto durante o processo da embriogênese? Para se amoldar molécula a molécula ao corpo em formação, não sofre o perispírito um processo natural de restringimento até o formato aproximado do óvulo com a consequente perda da forma humanizada?

Conhecendo a propriedade da plasticidade do perispírito, onde se encontra a perplexidade se considerarmos que esse processo de restringimento, natural durante a fase embrionária do corpo humano, possa ser também desencadeado por uma patologia do espírito?

Segundo os amigos espirituais, a ovoidização ou miniaturização do períspirito ocorre no plano espiritual quando o espírito perde o contato com a realidade em que vive, fechando-se dentro de si mesmo  num monoideismo qualquer. Essa fuga da atividade consciente da realidade seria o mecanismo desencadeador da contração perispiritual, a mesma que ocorre durante o início do ciclo reencarnatório, só que por um processo não natural. 

Sabendo que o perispírito interage com os nossos pensamentos, como esse corpo que acompanha o espírito na erraticidade se comportaria se o espírito que o amolda se fechasse em torno de si mesmo sem qualquer interatividade com a realidade externa?
Fazendo uma analogia grosseira, se a musculatura de nosso corpo não for exercitada, ela atrofia. Da mesma forma, se o períspirito não interagir com o espírito ao qual está ligado, ele também sofreria um processo de contração involuntário.

Esse processo patológico do períspirito se encontra citado em obras de vários autores espirituais, entre eles, André Luiz, Manoel Philomeno, Adamastor, etc.


Um abraço


PSI
 

Título: Re: Ovóides
Enviado por: Marcos W. Silva em 25 de Abril de 2015, 05:01
     
         Olá psi,

          tempo/espaço para os espíritos não tem analogia com tempo/espaço para o homem. Não é uma questão de formas ou tamanhos. Quando assim se expressam agem como encarnados.

         Abraços

Título: Re: Ovóides
Enviado por: psi em 25 de Abril de 2015, 05:10
Olá Marcos

Embora se trate de energia em outro padrão vibratório, todo o períspirito tem uma forma e um tamanho, através dos quais todo o espírito se faz reconhecer perante os seus pares.

Um abraço

PSI
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Inacio David em 25 de Abril de 2015, 12:08
Eu acredito , como Kardek nos ensina a olhar tudo que não esta provado seja visto como tese é possivel que! ... Não podemos afirmar que tudo oque esta nas obras complementares esta cem por cento certo pois a maioria das coisas que lá está ainda não passaram pelo mesmo processo comprobatórios semelhantes as  obras básicas de Kardek . Mas também não devemos nos colocar contra a novas teorias so porque são teorias há que se fazer valer o bom senso que todo espirita deve ter e que nos estimula a estudar e pesquisar.Enfim todo espirita tem que estar abertoe pronto a infinitos conhecimentos fazendo sempre suas análises e estudos baseados na fé raciocinada e na lógica ficando tudo o que não esta confirmafo reservado para o futuro.  Portanto preconceito  jamais e estar atrelado a conceitos tambem não , mente aberta total sim  sempre , aceitando as possibilidades e aguardado que elas se confirmem ou atravez da pesquuisa do estudo confirmando-as. Muita paz e luz a todos e isso... acredito ... que o divino mestre Jesus espera de nós.
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 13:07


        Olá amigos,

        a maior dificuldade que vejo é a apresentação dos supostos temas, tais ovóides, como se fizessem parte dos princípios espíritas ao invés de apresentá-los como teses.

        Como imaginar uma substância de textura gelatinosa em uma dimensão na qual sequer as criaturas tem como tocarem-se, materialmente falando?

        Apresentando-se como tese ou a visão pessoal de... ou da... tudo se acalma. Mas, tem de virar princípio doutrinário... aí complica. Mas, vamos lá. Duro é reler, estudar Kardec e confirmar que o sofrimento é todo consciencial, e quanto mais se aprofunda mais as teses se desmoronam.

         Observar, estudar... abraços.



       

Mesmo em nosso plano o sofrimento é também consciencial
e kardec coloca que o ambiente fluídico para os espíritos
é como o ambiente físico o é para nós..

A questão da deformação perespiritual, tal como se apresenta
nas obras de AL
torna-se perplexa quando em trabalhos mediúnicos com pessoas
que nunca leram "AL" ....descrevem tais aparências
e se fosse somente Ovóides em suas formas
estava muito simples.

O principio espírita
que se cobra
está ao nosso alcance
ao nosso lado
a requisição já diz;

Princípio
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 13:13
O video exposto

"como uma animação"

retrata o cotidiano dos trabalhos que venho participando,
isso é tão comum
que não se dá tanta importância no sentido de ser algo polêmico...

Mas nem todas as atividades espíritas praticadas por variados grupos
mediúnicos atendem para as mesmas ações.

Se diferenciam e muito

Cada grupo e ou pessoa acessa
aquilo que o ambiente lhe é possível mostrar


Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 14:06
- 93 - O Espírito propriamente dito tem alguma cobertura ou está, como pretendem alguns, envolvido numa substância qualquer?

- O Espírito está revestido de uma substância vaporosa para os teus olhos, mas ainda bem grosseira para nós; muito vaporosa, entretanto, para poder elevar-se na atmosfera e se transportar para onde queira.

Assim como o germe de um fruto é envolvido pelo perisperma, da mesma forma o Espírito propriamente dito está revestido de um envoltório que, por comparação, pode-se chamar de perispírito.
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Marcos W. Silva em 25 de Abril de 2015, 14:25


         Olá,

         amigo Moisés, a palavra 'princípio' com a utilizei não tem o caráter de começo ou início de algo. Utilizei-a no sentido de regra que norteia um conjunto de fenômenos, e estão contidos em Kardec. Se a obra O Céu e o Inferno diz que os sofrimentos são conscienciais e o AL diz outra coisa... paciência.

         Também dirijo reuniões mediúnicas há anos, e a questão 'ovóide'... em têrmos práticos não altera o trabalho, principalmente porque quem o faz em realidade são os espíritos encarregados da ação com os sofredores.

         Agora se se deixasse claro que o espírito PENSA que é ovóide, não diria nada. Ademais uma pergunta. Qual a diferença em se ver ou não o que um espírito inferior pensa? Não precisa amigo. Só pelo relato dele já se percebe o equívoco a imaginação. Senão... esqueçam-se os princípios que aprendemos em OLE.

         O que há, não raro, é o engendramento de "terapias necessárias" depois do advento das novidades...  já tem gente falando em passes para ovóides... amigos, a doutrina é toda moral. Mudou o pensamento o perispírito... muda...

         abraços



         

               
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 15:46
    A quem não conhece a verdadeira constituição do mundo invisível, parecerá estranho que os Espíritos que, segundo eles, são seres abstratos, imateriais, indefinidos, sem corpo, sejam vítimas dos horrores da fome; mas o espanto cessa quando se sabe que esses mesmos Espíritos são seres como nós; que eles têm um corpo, fluídico é verdade, mas que não é menos da matéria; que, em deixando o seu envoltório carnal, certos Espíritos continuam a vida terrestre com as mesmas vicissitudes durante um tempo mais ou menos longo. Isto parece singular, mas isto é, e a observação nos ensina que tal é a situação dos Espíritos que viveram mais da vida material do que da vida espiritual, situação freqüentemente terrível, porque a ilusão das necessidades da carne se faz sentir, e se têm todas as angústias de uma necessidade impossível de ser saciada. O suplício mitológico do Tântalo acusa, entre os antigos, um conhecimento mais exato do que se supõe do estado do mundo de além-túmulo, mais exato sobretudo do que entre os modernos.
Muito diferente é a posição daqueles que, desde esta vida, se desmaterializaram pela elevação de seus pensamentos e sua identificação com a vida futura; todas as dores da vida corpórea cessam com o último suspiro, e o Espírito plana logo, radioso, no mundo etéreo, feliz como o prisioneiro livre de sua prisão.
Quem nos disse isto? É um sistema, uma teoria? Alguém disse que deveria ser assim e se acreditou em sua palavra? Não; foram os próprios habitantes do mundo invisível que o repetiram em todos os pontos do globo, para ensinar os encarnados.
Sim, legiões de Espíritos continuam a vida corpórea com as suas torturas e suas angústias; mas quais? Aqueles que estão ainda muito enfeudados na matéria para dela se destacar instantaneamente. Isto é uma crueldade do Ser supremo? Não, é uma lei da Natureza inerente ao estado de inferioridade dos Espíritos e necessária ao seu adiantamento; é um prolongamento misto da vida terrestre durante alguns dias, alguns meses, alguns anos, segundo o estado moral dos indivíduos. Seriam bem-vindos para taxar de barbárie essa legislação, aqueles que preconizam penas eternas, irremissíveis, e as chamas do inferno como um efeito da soberana justiça?
Podem pô-lo em paralelo com uma situação temporária, sempre subordinada à vontade do indivíduo de progredir, à possibilidade de avançar por novas encarnações? Aliás, não depende de cada um escapara essa vida intermediária que não é francamente nem a vida material nem a vida espiritual? Os Espíritas disso escapam naturalmente, porque, compreendendo o estado do mundo espiritual, antes de nele entrar, se dão imediatamente conta de sua situação.
As evocações nos mostram uma multidão de Espíritos que crêem ser ainda deste mundo: os suicidas, os supliciados que não desconfiam que estão mortos, e sofrem o seu gênero de morte; outros que assistem ao seu enterro como ao de um estranho; os avaros que guardam seus tesouros, os soberanos que crêem ainda comandar e que ficam furiosos por não serem obedecidos; depois de grandes desastres marítimos, os náufragos que lutam contra o furor das ondas; depois de uma batalha, os soldados que se batem e ao lado disto os Espíritos radiosos, que nada têm mais de terrestre, e são para os encarnados o que a borboleta é para a lagarta. Pode-se perguntar de que servem as evocações então que elas nos fazem conhecer, até em seus mais ínfimos detalhes, esse mundo que nos espera a todos ao sair deste? É a Humanidade encarnada que conversa com a Humanidade desencarnada; o prisioneiro que conversa com o homem livre. Não, certamente, elas não servem para nada ao homem superficial que não a vê senão como um divertimento; elas não lhe servem mais do que a física e a química divertidas não servem para a sua instrução; mas para o filósofo, o observador sério que pensa no dia seguinte da vida, é uma grande e salutar lição; é todo um mundo novo que se descobre; é a luz lançada sobre o futuro; é a destruição dos preconceitos seculares sobre a alma e a vida futura; é a sanção da solidariedade universal que liga todos os seres. Pode-se estar enganado, diz-se; sem dúvida, como pode sê-lo em todas as coisas, mesmo sobre aquelas que se vê e que se toca: tudo depende da maneira de observar.

Allan Kardec.
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 16:24
Parece-me
que caça-se o livre arbitreo !
dito no livro dos principios

Hipnotiza-se
e se auto hipnotiza
somos hipnotizáveis

Sugestões
e Auto sugestões

Bloqueia-se o raciocínio
e impõem-se um modo de agir
sugere também ?

Fascinamo-nos
Fascináveis!

Os vegetais e animais
têm seus parasitas
entre os seus

As crias sugam as matrizes

Eis a natureza

se somos elementos desta
qual a razão de sermos diferentes?

Sementes secam
Arvores não vingam
Animas são alimentos

Mas como principio
há o enunciado
que somos mais influenciados
do que supomos
passamos por ordinários

E Kardec lança sua revista
com apresentação de estudos psicológicos !

Uma coisa é o comportamento
Outra é o estado
que pode sim provir do modos do comportar.

A economia existencial
é abundante








Título: Re: Ovóides
Enviado por: Marcos W. Silva em 25 de Abril de 2015, 17:43


         Moisés,

         em nível de pensamento, em se observando tratar-se de equívoco por parte do espírito tudo se explica amigo. É bom compreender isso. Mas a imaginação é fértil e começa a engendrar, a criar um edifício em cima de uma tese.

        O que são mono- ideia, ideia-fixa ou formas-pensamentos do AL? São estados mentais nos quais os espíritos se encontram devido ao seu apego à matéria, ao homem, ao físico... no texto que você postou está claro isso.

        Naturalmente cada um acredita e entende como quiser, mas engendrar terapias que  suplantam a necessidade de autoeducação, suplantam a necessidade de desmaterializarem-se  "pseudo-terapias libertárias e seus passes mirabolantes com conotação de magia nos movimentos... que dispensam o uso da inteligência, do estudo... pra quê?! Isso aí é lá com os médiuns.

        Quem é o Consolador?!... o foco desvia-se devagarinho... daqui a pouco tudo serve, tudo consola... menos a doutrina. Já se fala em frieza de Kardec, claro, o que se quer não é mudança. O que se quer são soluções rápidas. Terapias. Desobssessão cheia de pacientes e salas de estudo vazias...

        Sou a favor de se separe o que é princípio doutrinário daquilo que ainda é tese. Que se deixe claro, e aí cada um tire suas conclusões.

        Abraços



         

         

       
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 17:55
Sem dúvidas Marco

Toda advertência
é bem vinda

Neste campo de aprendizado.


Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 22:26
O livro dos Médiuns:

Eis aqui a resposta que, sobre este assunto, deu um Espírito:

“O que uns chamam perispírito não é senão o que outros chamam envoltório material fluídico. Direi, de modo mais lógico, para me fazer compreendido, que esse fluido é a perfectibilidade dos sentidos, a extensão da vista e das idéias. Falo aqui dos Espíritos elevados. Quanto aos Espíritos inferiores, os fluidos terrestres ainda lhes são de todo
inerentes; logo, são, como vedes, matéria. Daí os sofrimentos da fome, do frio, etc., sofrimentos que os Espíritos superiores não podem experimentar, visto que os fluidos terrestres se acham depurados em torno do pensamento, isto
é, da alma. Esta, para progredir, necessita sempre de um agente; sem agente, ela nada é, para vós, ou, melhor, não a podeis conceber.
O perispírito, para nós outros Espíritos errantes, é o agente por meio do qual nos comunicamos convosco, quer indiretamente, pelo vosso corpo ou pelo vosso
perispírito, quer diretamente, pela vossa alma; donde, infinitas modalidades de médiuns e de comunicações.

“Agora o ponto de vista científico, ou seja: a essência mesma do perispírito.
Isso é outra questão.
Compreendei primeiro moralmente.
Resta apenas uma discussão sobre a natureza dos fluidos, coisa por ora inexplicável. A ciência ainda não sabe bastante, porém lá chegará, se quiser caminhar com o Espiritismo. O perispírito pode variar e mudar ao infinito.
A alma é o pensamento: não muda de natureza.
Não vades mais longe, por este lado; trata-se de um ponto que não pode ser explicado. Supondes que, como vós, também eu não perquiro?
Vós pesquisais o perispírito; nós outros, agora, pesquisamos a alma. Esperai, pois.”

 — Lamennais.

..........

O perispírito
faz, portanto, parte integrante do Espírito, como o corpo o faz do homem. Porém, o perispírito, só por só, não é o Espírito, do mesmo modo que só o corpo não constitui o homem, porquanto o perispírito não pensa. Ele é para o Espírito o que o corpo é para o homem: o agente ou instrumento de sua ação.

...

...Mas a matéria sutil do perispírito não possui a tenacidade, nem a rigidez da matéria compacta do corpo; é, se assim nos podemos exprimir, flexível e expansível, donde resulta
que a forma que toma, conquanto decalcada na do corpo, não é absoluta, amolga-se à vontade do Espírito, que lhe pode dar a aparência que entenda, ao passo que o invólucro sólido lhe oferece invencível resistência. ..

....

Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 22:47
A Gênese

...   O perispírito representa importantíssimo papel no organismo e numa multidão de afecções, que se ligam à fisiologia, assim como à psicologia.

Afecção

s.f. Toda modificação, ou alteração, capaz de expressar uma doença; quaisquer sinais de patologias no corpo.
Psicologia. Condição mórbida caracterizada por alterações no modo de perceber ou de interpretar; falta de normalidade psíquica.
(Etm. do latim: affectio.onis)

....

...Sendo os fluidos o veículo do pensamento, este atua sobre os fluidos como o som sobre o ar; eles nos trazem o pensamento, como o ar nos traz o som. Pode-se pois dizer, sem receio de errar, que há, nesses fluidos, ondas e raios de pensamentos, que se cruzam sem se confundirem, como há no ar ondas e raios sonoros.
Há mais: criando imagens fluídicas, o pensamento se reflete no envoltório perispirítico, como num espelho; toma nele corpo e aí de certo modo se fotografa. Tenha um homem, por exemplo, a idéia de matar a outro: embora o corpo material se lhe conserve impassível, seu corpo fluídico é posto em ação pelo pensamento e reproduz todos os matizes deste último; executa fluidicamente o gesto, o ato que intentou praticar. O pensamento cria a imagem da vítima e a cena inteira é pintada, como num quadro, tal qual se lhe desenrola no espírito.
...

..O princípio dos fenômenos psíquicos repousa, como já vimos, nas propriedades do fluido perispiritual, que constitui o agente magnético; nas manifestações da vida espiritual durante a vida corpórea e depois da morte; e, finalmente, no estado constitutivo dos Espíritos e no papel que eles desempenham como força ativa da Natureza. Conhecidos
estes elementos e comprovados os seus efeitos, tem-se, como conseqüência, de admitir a possibilidade de certos fatos que eram rejeitados enquanto se lhes atribuía uma origem sobrenatural...

....

Título: Re: Ovóides
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Abril de 2015, 23:02
A Gênese
...É ainda nas propriedades do fluido perispirítico que se encontra a explicação deste fenômeno. A transfiguração, explicada no cap. XIV, nº 39,
é um fato muito comum que,em virtude da irradiação fluídica, pode modificar a aparência de um indivíduo; mas, a pureza do perispírito de Jesus permitiu que seu Espírito lhe desse excepcional fulgor.
...

Quando um espírito é Superior sua transfiguração operada por si mesmo
tende a se relacionar a um excepcional fulgor

Bom se o perispírito sofre transfigurações ...conforme estudo na Gênese

de que principio estamos falando?

penso eu  que é das infinitas possibilidades como foram grifadas acima

Visto estas colocações

Abre possibilidades para a existência de espíritos com seus perespiritos deformados ?
em comparação com a forma natural e esplendorosa que pode vir a ser ?

Não pode vir a iluminar-se?


(todas as colocações objetivando estudos)
Título: Re: Ovóides
Enviado por: wender100%espirita em 27 de Abril de 2015, 00:45
 item 93 de O Livro dos Espíritos Kardec desevolve mais o conceito de perispírito:

O Espírito, propriamente dito, nenhuma cobertura tem, ou, como pretendem alguns, está sempre envolto numa substância qualquer?
“Envolve-o uma substância, vaporosa para os teus olhos, mas ainda bastante grosseira para nós; assaz vaporosa, entretanto, para poder elevar-se na atmosfera e transportar-se aonde queira.”
paz e luz
Título: Re: Ovóides
Enviado por: wender100%espirita em 27 de Abril de 2015, 00:57
O que mais me deixa perplexa é a quantidade de pessoas que acreditam em AL e Emmanuel e dizem que isso é Doutrina Espírita...

Mas não é a DE que tem em seu enunciado o respeito as crenças alheias ?

O que mais te deixa perplexa ?

Claro em relação ao alcance de seus conhecimentos
respeitar é uma coisa, acreditar e outra completamente diferente,  isso ja foi explicado debatido mais de um zilhão aqui no forun, doutrina Espirita são as obras fundamentais codificadas por Kardec, fora isso são livros mediunicos de opiniões pessoais não é Doutrina, quer acreditar em Andre Luiz não tem problema, mas essas informações não é uma revelação, a não ser que a ciência prove dai e claro que a Doutrina espirita as aceitará pois acompanha o progresso, mas ate lá e apenas uma informação dada atraves de um espirito, somente isso. paz e luz
Título: Re: Ovóides
Enviado por: Silvio Matos em 07 de Julho de 2015, 23:41
Pelo que observei nos comentários, temos dois tipos de fenômeno relacionados a ovóides:

O próprio espírito que em terrível sensação de sofrimento transforma seu períspirito em algo parecido com ovóide. Isso até pode ser aceitável como informação para estudo e confirmação. Pois o espírito pode dar forma a seu períspirito, mesmo que por pouco tempo.

Outra situação, espíritos obsessores que se transformam em ovóides, se moldam com o períspirito de suas vítimas e grudados as aterrorizam. Isso está no livro Libertação de André Luiz/Chico.

Esse caso não tem respaldo nas obras fundamentais. Espíritos obsessores não precisam se transformar em ovóides para atormentar suas vitimas.

Livro: Libertação de André Luiz/Chico.

"Descemos alguns metros e encontramos esquálida mulher estendida no solo.Gúbio nela fixou os olhos muito lúcidos e, depois de alguns momentos, recomendou-nos seguir-lhe a observação acurada.
— Vês, realmente, André? — inquiriu, paternal.
Percebi que a infeliz se cercava de três formas ovóides, diferençadas entre si nas disposições e nas cores, que me seriam, porém, imperceptíveis aos olhos, caso não desenvolvesse, ali, todo o meu potencial de atenção.
— Reparo, sim— expliquei, curioso —, a existência de três figuras vivas, que se lhe justapõem ao perispírito, apesar de se expressarem por intermédio de matéria que me parece leve gelatina, fluida e amorfa.
Elucidou Gúbio, sem detença:
— São entidades infortunadas, entregues aos propósitos de vingança e que perderam grandes patrimônios de tempo, em virtude da revolta que lhes atormenta o ser. Gastaram o perispírito, sob inenarráveis tormentas de desesperação, e imantam-se, naturalmente, à mulher que odeiam, irmã esta que, por sua vez, ainda não descobriu que a ciência de amar é a ciência de libertar, iluminar e redimir."