Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Auto-Conhecimento => Tópico iniciado por: Anton Kiudero em 19 de Abril de 2010, 13:33

Título: Reforma intima
Enviado por: Anton Kiudero em 19 de Abril de 2010, 13:33
Reforma intima

Tão falada, insinuada, vendida e comprada, a reforma intima é ainda uma ilustre desconhecida neste plano. Quando muito, é algo materializado que muitos se apressam a realizar, apenas para descobrirem mais tarde que na realidade não reformaram nada. Tomo a liberdade de colocar como a vejo, solicitando que pensem, meditem e coloquem suas idéias e sentimentos na telinha.

Vou iniciar dizendo o que a reforma intima não é. Não é a pratica de qualquer ato externo a nós. Como o próprio nome diz, é INTIMA, ou seja interna, realizada em nosso mundo interno e não no mundo externo. Segundo, se é REFORMA, deve alterar alguma coisa neste mundo interno. Por alterar entende-se modificar total e completamente, a partir de agora e para todo o porvir. Ou seja, não é apenas tirar o pó dos móveis, porém trocar os moveis. Terceiro, reforma intima, não se ensina e tampouco se aprende, se faz. Quarto, se não se ensina e tampouco se aprende, não é propriedade de qualquer escola de pensamento, religião, seita, escola ou supermercado.

Assim, reforma intima é a mudança profunda no nosso interior, o espírito, que deverá a partir do momento desta reforma sentir e tomar atitudes diferentes, que passam a integrar sua personalidade espiritual. Ou em outras palavras o espírito que fez a reforma intima, quando encarnado, modificou as características de sua personalidade profunda, que levará para as próximas encarnações. É um processo cumulativo no qual nada se perde. Isto somente pode ser realizado durante a imersão na inconsciência da encarnação, caso contrário não terá validade, nada se altera e o espírito não evolui. A encarnação tem então esta precisa função, permitir que o espírito, após a aprendizagem no plano espiritual, passe por uma encarnação onde passará por provas auto-propostas e realize reformas duradouras em si mesmo.

Definido o que é a tal reforma intima, resta descobrir o que deve ser reformado, ou seja o que devemos jogar fora e o que devemos colocar no lugar. Também aqui vamos começar pelo que não deve ser reformado.

Primeiro, não estamos falando de atitudes, segundo, não estamos falando de conceitos e de opiniões, terceiro, tampouco estamos falando de desejos e paixões, quarto, não estamos falando de qualquer coisa que possamos compreender.

Na verdade, é tudo que podemos compreender, ou seja, a nossa compreensão é o que devemos reformar.

E o que devemos colocar em seu lugar? Absolutamente nada, pois que tudo o que colocarmos, o que apreendemos, estudamos, constatamos ou acharmos por pura sacação nossa, será imediatamente transformado em uma nova compreensão e acabamos por não reformar coisa alguma.

Assim, nada do que fizermos, pensarmos, sentirmos ou imaginarmos será útil para realizar a reforma intima.

Então, se a reforma íntima não é nada do que imaginamos ser, se não há nada a ser reformado e muito menos para colocar no lugar de outra coisa, como é que ficamos?

Bem, gente, estamos falando da reforma intima do espírito e não do conjunto de sensações e compreensões que achamos que somos nós, mas que não existem fora de nossa consciência, pois é apenas o ser humano.

O corpo continuará a exigir um monte de coisas, desejos e vontades. O ego continuará a exigir este e outro monte de coisas além de julgar e classificar a tudo o que percebe. E isto ninguém conseguirá mudar. Corpo e ego agem segundo a sua natureza, de “ser” humano, e este é o seu papel.

Reforma íntima, vista sob este prisma, é a condição em que o espírito se coloca, acima do corpo que vivencia e acima do ego que lhe alimenta as paixões, sentindo o primeiro e ouvindo ao segundo porém não acreditando em uma única palavra do que lhe dizem. É o senhor de si mesmo e não escravo do que lhe sugerem.

Nos vedas isto foi figurado como “aquele que cavalga o tigre”. O tigre representa o eu material, o ser humano. No Gênesis foi figurado na imagem da serpente que trazendo o conhecimento do bem e do mal ejetou o espírito do paraíso fazendo-o vivenciar longas eras até voltar a desaprender a distinguir o bem do mal. Temos também a imagem de São Jorge matando o dragão com a sua lança. O ser superior matando a sua contra-parte inferior.

Há muitas imagens mais criadas em todos os povos e em todas as épocas para mostrar o mesmo fenômeno.

Reforma íntima todas as religiões pregam, mas não sabem explicar o que deve ser feito para realiza-la. Não conseguem realmente mostrar o que cada um deve reformar em si para poder alcançar a elevação espiritual. Afirmar que alguém tem que ser humilde, toda a religião afirma, mas não consegue explicar ao ser humanizado como acabar com sua soberba... Informar que a vida deve ser vivida com amor as doutrinas informam, mas ensinar a não ter raiva, elas não conseguem.

Reflitam e cotinuem...
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Renato_ em 19 de Abril de 2010, 14:17
Olá Anton,

Muito bom o seu texto.

Me diga uma coisa: essa palavra "Reforma Íntima" está no LE, ou será que ela é uma invenção do Emmanuel ou dos espíritas??

Na minha opinião, você nem deveria ter aberto esse tópico usando esta palavra, porque o seu significado já está deturpado no Movimento Espírita.

Eu colocaria no lugar auto-conhecimento.

O que é parábola do grão de mostarda senão o auto-conhecimento?? "A fé é como esse grão de mostarda, que é a menor das sementes, mas que quando germina se torna uma árvore tão grande de modo que as aves  do céu vêm fazer ninhos em seus ramos".

Pois, o grão de mostarda é o potencial latente que está dentro de nós, esperando o momento de nós, a partir do auto-conhecimento, dar impulso para esse potencial latente desabrochar.

A árvore grande é isso que você chama de "desumanização do Espírito", ou seja, o desenvolvimento da auto-consciência, e as aves do céu que vêm fazer ninhos em nós, é a humanidade, porque, o único bem que se pode fazer, é a partir do bem que fizermos a nós mesmos - auto-conhecimento, auto-amor - de forma que, a pessoa que se ama e se auto-conhece, automaticamente se torna útil, irradia de maneira natural bençãos e benesses para todos.

É assim que eu entendo a coisa. Reforma Íntima = auto-conhecimento. 

abçs,


Renato


 
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 19 de Abril de 2010, 14:23

Olá!

É o caminho da inocência, voltarmos à percepção das criancinhas como Cristo nos ensinou.

É a altura em que ainda não somos dualistas, estamos unidos ao Pai. É o dar a outra face.

É o caminho do meio, que não vê mal nem bem e que por isso mesmo termina com os sofrimentos como nos ensinou Buda.

É também o caminho da equanimidade, serenidade, igualdade constante em qualquer situação da vida, O senhor da mente como nos ensinou Krishna.

E outros mais...


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Jorge em 19 de Abril de 2010, 15:35

Olá!

É o caminho da inocência, voltarmos à percepção das criancinhas como Cristo nos ensinou.

É a altura em que ainda não somos dualistas, estamos unidos ao Pai. É o dar a outra face.

É o caminho do meio, que não vê mal nem bem e que por isso mesmo termina com os sofrimentos como nos ensinou Buda.

É também o caminho da equanimidade, serenidade, igualdade constante em qualquer situação da vida, O senhor da mente como nos ensinou Krishna.

E outros mais...


Namasté

Olá Namasté,

Bela visão sobre este assunto!

Abraços
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 19 de Abril de 2010, 17:15

Olá!

Boa tarde amigo Jorge!
---------------

Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)

Chamaram-no os Deuses, ainda tão novo, à região inferior onde a mágoa não chega e o prazer não desce. Sem duvida que o fizeram pelo dom evidente da sua sabedoria não perfeita, mas mais perfeita que a nossa. Aqueles actores (...) de que somos apenas os títeres, sabem em sua razão mais lata, por que influxo das estrelas, baixou tão cedo à terra-origem o seu filho que mais a amou. Tudo nos é velado, sonho, entre um sono e outro sono, esta curta visão radiosa do perfeito e incompleto universo.
 
Por detrás de todas as variações permanece, inalterável substância de uma forma mutante, um conceito do universo especialmente pagão, e que as modas não atingem. É difícil fazer ver isto – como qualquer outra coisa – a quem o não sente. A indiferença à dor, o aceitamento orgulhoso, posto que passivo, do destino, não bastam para formar um estóico: falta o estoicismo. A busca, embora moderada, dos prazeres, céptica para com outra espécie de benefícios a esperar do mundo, não é suficiente para que o seu culto mereça o nome de epicurista: falta o epicurismo. Do mesmo modo a aceitação de muitos deuses – que a outra coisa não monta a hagiologia do cristismo católico, sendo suficiente para sintoma de politeísmo, não basta para que este politeísmo se possa considerar como idêntico ao dos pagãos: falta o paganismo.
 
Em Alberto Caeiro vemos a substância sem os atributos. Caeiro não tem a sensibilidade pagã, porque não vive na era pagã. O que há nele de maravilhoso é que também não tem a sensibilidade cristã. Isto o distingue de todos quantos – desde a Renascença até hoje – quiseram nomear-se pagãos.

---

O que nós vemos das coisas são as coisas.
Porque veríamos nós uma coisa se houvesse outra?
Porque é que ver e ouvir seria iludirmo-nos
Se ver e ouvir são ver e ouvir?

O essencial é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê,
Nem ver quando se pensa.

Mas isso (triste de nós que trazemos a alma vestida!),
Isso exige um estudo profundo,
Uma aprendizagem de desaprender
E uma sequestração na liberdade daquele convento
De que os poetas dizem que as estrelas são as freiras eternas
E as flores as penitentes convictas de um só dia,
Mas onde afinal as estrelas não são senão estrelas
Nem as flores senão flores,
Sendo por isso que lhes chamamos estrelas e flores.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Jorge em 19 de Abril de 2010, 17:37
Boa tarde Namasté,

Obrigado por partilhar esse excelente texto!

Contem uma mensagem onde está implícito um caminho ...

Caminho da auto-libertação através do auto-conhecimento!

Abraço.
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 19 de Abril de 2010, 18:55

Olá!

Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)

Acho tão natural que não se pense
Que me ponho a rir às vezes, sozinho,
Não sei bem de quê, mas é de qualquer coisa
Que tem que ver com haver gente que pensa...

Que pensará o meu muro da minha sombra?
Pergunto-me às vezes isto até dar por mim
A perguntar-me coisas...
E então desagrado-me, e incomodo-me
Como se desse por mim com um pé dormente...

Que pensará isto de aquilo?
Nada pensa nada.
Terá a terra consciência das pedras e plantas que tem?
Se ela a tiver, que a tenha...
Que me importa isso a mim?
Se eu pensasse nessas coisas.
Deixaria de ver as árvores e as plantas
E deixava de ver a Terra,
Para ver só os meus pensamentos...
Entristecia e ficava às escuras.
E assim, sem pensar, tenho a Terra e o Céu.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 20 de Abril de 2010, 01:45

Olá!

Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)

(Isto é talvez ridículo aos ouvidos
De quem, por não saber o que é olhar para as coisas,
Não compreende quem fala delas
Com o modo de falar que reparar para elas ensina.)

Mas se Deus é as flores e as árvores
E os montes e sol e o luar,
Então acredito nele,
Então acredito nele a toda a hora,
E a minha vida é toda uma oração e uma missa,
E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos.

Mas se Deus é as árvores e as flores
E os montes e o luar e o sol,
Para que lhe chamo eu Deus?
Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar;
Porque, se ele se fez, para eu o ver,
Sol e luar e flores e árvores e montes,
Se ele me aparece como sendo árvores e montes
E luar e sol e flores,
É que ele quer que eu o conheça
Como árvores e montes e flores e luar e sol.

E por isso eu obedeço-lhe
(Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?),
Obedeço-lhe a viver, espontaneamente,
Como quem abre os olhos e vê.
E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes,
E amo-o sem pensar nele,
E penso-o vendo e ouvindo,
E ando com ele a toda a hora.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 20 de Abril de 2010, 04:39

Olá!

" Huberto Rohden "
O Sermão da Montanha

Não adianta analisar esse documento máximo da experiência crística. Só o compreende quem o viveu e vivenciou.
E, para preludiar o advento do reino de Deus sobre a face da terra, é necessário que cada homem individual realize dentro de si mesmo esse reino; que reserve cada dia, de manhã cedo, meia hora para se interiorizar totalmente no seu Eu Divino, no seu Cristo Interno, pela chamada meditação.

Durante a meditação, o homem se esvazia de todos os conteúdos de seu ego humano sem nada sentir, nada pensar, nada querer, expondo-se incondicionalmente à invasão da plenitude divina.
Onde há uma vacuidade acontece uma plenitude. O homem vazio de si é plenificado por Deus.

Mas, não se iluda! Quem vive 24 horas plenificado pelas coisas do ego — ganâncias, egoísmos, luxúrias, divertimentos profanos — não pode esvaizar-se desegoficar-se, em meia hora de meditação; esse se ilude e mistifica a si mesmo por um misticismo estéril. É indispensável que o homem que queira fazer uma meditação fecunda e eficiente, viva habitualmente desapegado das coisas supérfluas e se sirva somente das coisas necessárias para uma vida decentemente humana. Luxo e luxúria são lixo e tornam impossível uma vida em harmonia com o espírito do Cristo e do Evangelho.

O homem que queira ser crístico, não apenas cristão, necessita de viver uma vida 100% sincera consigo mesmo, e não se iludir com paliativos e camuflagens que lhe encubram a verdade sobre si mesmo.

Vai, leitor, conhece-te a ti mesmo! Realiza-te a ti mesmo! e serás profundamente feliz.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Jorge em 20 de Abril de 2010, 10:11
Olá, bons dias companheiros,

Para mim Reforma Íntima está contida nesta bela oração de Francisco de Assis:

Se a conseguissemos colocar em prática logo ao começar o dia ... que maravilhoso seria!

Abraços.
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 20 de Abril de 2010, 12:54

Olá!

Ponto de Mutação
http://www.youtube.com/watch?v=USOeu0_q4J8 (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVVTT2V1MF9xNEo4)


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Chris Rea em 20 de Abril de 2010, 14:29
Olá amigo Dim-dim,

Esse video realmente vem confirmar que a realidade é descrita dentro de um ponto de vista relativo, isto é, cada observador tem a sua realidade conforme o seu ponto de observação!

Quem já teve o privilégio de ver o nosso mundo fora dele apercebeu-se de quão ínfimo é o ser humano, de quão ínfimo é o nosso planeta no contexto da nossa galáxia ... enquanto que nós aqui na sua superfície já temos outra opinião!  ;)

Obrigado amigo por partilhar esse video!

Abraços
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 21 de Abril de 2010, 14:51

Olá!

Helena Petrovna Blavatsky
Traduzido por Fernando Pessoa
 A Voz do Silêncio

O Livro dos Preceitos Áureos - alguns dos quais são pré-budísticos, ao passo que outros pertencem a uma época posterior - contém uns noventa pequenos tratados distintos. Destes aprendi de cor, há muitos anos, trinta e nove. Para traduzir os outros, teria de me referir a apontamentos dispersos entre um número de papéis e notas, representando um estudo de 20 anos e nunca postos em ordem, demasiado grandes para que a tarefa fosse fácil. Nem poderiam ser, todos, traduzidos e dados a um mundo por demais egoísta e atado aos objetos dos sentidos, para que pudesse estar preparado a receber, com a devida atitude do espírito, uma moral tão elevada. Porque, a não ser que um homem se entregue perseverantemente ao culto do conhecimento de si próprio, nunca poderá de bom grado dar ouvidos a conselhos desta natureza.
 
E, contudo, esta moral enche tomos e tomos da literatura oriental, sobretudo nos Upanishads. "Mata todo o desejo de viver" - diz Krishna a Arjuna. (Esse desejo mora apenas no corpo, veículo do ser encarnado, e não na própria Individualidade, que é “eterna, indestrutível, que não mata nem é mortal”.) "Mata a sensação", ensina o Sutta Nipata; "olha do mesmo modo para o prazer e para a dor, para o ganho e para a perda, para a vitória e para a derrota". E ainda "busca abrigo só no eterno" (ibid.) "Destrói o sentido da existência separada" - repete Krishna de variadas maneiras. "O Espírito (Manas), que segue os sentidos vagabundos torna a alma (Budhi) tão inerte como o barco que o vento arrasa sobre as águas" (Bhagavad Gita, II 67).

Por isso se julgou melhor fazer uma escolha judiciosa só entre aqueles tratados que mais sirvam aos poucos verdadeiros místicos que há na Sociedade Teosófica, e que com certeza se ajustem às suas necessidades. Só esses compreenderão estas palavras de Krishna-Christos, a Personalidade Superior.

"Sábios, não choreis nem pelos vivos nem pelos mortos. Nunca deixei de existir, nem vós, nem estes reis dos homens; nem no futuro deixará qualquer um de nós de existir"
(Bhagavad Gita, II 11-12).


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Anton Kiudero em 21 de Abril de 2010, 15:36
Ola dim dim,

Segue anexo o livro completo que voce referenciou.

Tambem uma pequena parte do mesmo, ja postada muitas vezes, mas que é sempre bom relembrar, é o minimo ou ponto inicial a partir do qual todo buscador sincero da reforma intima começa a trilhar o seu caminho consciente em busca do Pai.

Anton

E então ao ouvido interior falará A Voz do Silêncio e dirá:

Se a tua Alma sorri ao banhar-se ao sol da tua vida; se a tua Alma canta dentro da sua crisálida de carne e de matéria; se a tua Alma chora dentro do seu castelo de ilusão; se a tua Alma se esforça por quebrar o fio de prata que a liga ao Mestre; sabe, ó discípulo, que a tua Alma é da terra.

Quando ao tumulto do mundo a tua Alma que desabrocha dá ouvidos; quando à voz clamorosa da grande ilusão a tua Alma responde; quando se assusta ao ver as lágrimas quentes da dor, quando a ensurdecem os gemidos da angústia, quando a Alma se retira, como a tartaruga tímida, para dentro da concha da personalidade, sabe, ó discípulo, que do seu Deus silencioso a tua Alma é um sacrário indigno.

Quando, já mais forte, a tua Alma vai saindo do seu retiro seguro; quando, deixando o sacrário protetor, estende o seu fio de prata e avança; quando, ao contemplar a sua imagem nas ondas do espaço, ela murmura, "Isto sou eu" - declara, ó discípulo, que a tua Alma está presa nas teias da ilusão.

Esta terra, discípulo, é a sala da tristeza, onde existem, pelo caminho das duras provações, armadilhas para prender o teu Eu na ilusão chamada "a grande heresia".


Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Anton Kiudero em 21 de Abril de 2010, 16:22
Voltando ao post inicial deste tópico, não ha nada que possamos fazer para realizar a reforma intima além de fazer a reforma intima...

Qualquer outra coisa que tentemos fazer estará sempre enquadrada na mesmice do passado. Não reformaremos nada, apenas mudamos as ilusões de lugar.

Apesar de conselhos e receitas não servirem para nada se não forem aplicados, aos que os solicitaram por email, MP e MSN, seguem algumas sugestões para começar a cuidar de si.

Não acredite no que lhe diz a sua mente. Voce não tem a importância que a sua mente lhe atribui. O que voce possui não é seu, poderá desaparecer em um instante. As pessoas que voce ama, não ama... Voce ama ao que voce acredita que são e elas poderão mudar a qualquer instante. As suas idéias são todas egressas de algum passado e nem sempre se aplicam ao agora e muito menos ao amanha, portanto não creia que sabe algo.

Voce é espirito e esta vivenciando um filme que se chama "minha vida" onde voce mesmo determinou a idéia mestra e que o Pai preencheu de efeitos especiais. Cabe a voce não se envolver com os efeitos especiais, os sons e luzes, o foguetório e o silencio, fixe-se apenas na essência do que esta sendo mostrado a cada instante. Esta essência é a sua prova.

Não se alegre e nem se entristeça com as alegrias e tristezas dos personagens do filme. Apenas observe. Observe os pensamentos que lhe vem a mente em paz e não julgue e nem acuse a ninguém. Não tome partido. Lembre-se que são apenas personagens de seu filme.

Não se preocupe com conhecimento que é da mente. Não se preocupe com sentimentos que são da personalidade. Não se preocupe com o que acontece a sua volta que isto são as ações de Deus. Apenas observe a tudo e a todos, mas principalmente a voce mesmo.

Com o tempo, voce irá perceber-se como espirito que é, vivenciando o seu filme e não mais como um dos personagens, joguete de desconhecidas forças que tenta em vão compreender.

Isto é o inicio da reforma intima que em seu bojo trara inumeras pequenas alterações sutis que voce ira descobrir lentamente e que os que o cercam não compreenderão. Alias voce será alijado dentre os seus, será um extranho no ninho, um ET ou mesmo um louco.



Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 22 de Abril de 2010, 00:22

Olá!

" YOGUE RAMACHARACA "

O segredo da teoria yogue e dos ensinamentos sobre o desenvolvimento das forças mentais está na palavra domínio. O estudante de Yoga chega a possuir este domínio por dois caminhos.

O primeiro caminho consiste em subordinar todos os sentimentos, todas as impressões dos sentidos, etc., ao domínio do «Eu» ou da vontade; e obtém-se este domínio afirmando a supremacia do «Eu» sobre as faculdades, emoções, etc.

O segundo caminho está no desenvolvimento e aperfeiçoamento do instrumento mental, e o yogue entra nele depois de haver afirmado o domínio do «Eu» sobre a mente; deste modo torna esta capaz de trabalhar melhor e o seu domínio estende-se por um território maior.

Para obtermos conhecimentos, será necessário fazermos o mais proveitoso uso dos instrumentos mentais que achamos à nossa disposição. E havemos de desenvolver e aperfeiçoar esses instrumentos.
...

O homem ou a mulher que reconhece o «Eu» no seu interior, pode, com um pequeno esforço de vontade, rodear-se de uma aura mental que repelirá as ondas de pensamento adversário, emanadas de outras mentalidades.

E mais que isso: — o reconhecimento habitual do «Eu» e alguns momentos de meditação sobre ele todos os dias, por si mesmos erigirão tal aura; e a saturação com uma vitalidade que retorna o pensamento adversário e o faz voltar à fonte de origem, onde poderá convencer a mente que o originou de que está em erro e que deve deixar de fazer essas práticas perigosas.

Entendereis melhor isto se vos recordardes que todos os fenómenos de influências mentais pertencem ao «ilusório» lado da existência — ao lado negativo — e que o lado real e positivo há-de necessariamente ser mais forte.

Nada pode influenciar o que em vós é real — e quanto mais aproximado estais do real, em conhecimento e entendimento, tanto mais forte vos tornais. Este é o segredo de tudo. Pensai nele.
...

O «Eu» resistirá às tempestades da vida da personalidade como uma rocha resiste à tormenta. E saberá que, quanto mais se adianta na realização do conhecimento, mais apto estará para dominar estas tempestades e ordenar-lhes que cessem.
Como diz o Mestre Yogue: «O «Eu» é eterno. Passa por fogo, ar e água, ileso e sem impedimento. A espada e a lança não o podem matar nem ferir. O «Eu» não pode morrer. As provações da vida física são para ele meros sonhos. Permanecendo seguro no conhecimento do «Eu», pode o homem rir-se à vista das piores coisas que o mundo lhe pode oferecer e, estendendo a sua mão, pode ordenar-lhes que desapareçam nas trevas donde emergiram. Bemaventurado quem pode dizer «Eu» com o necessário entendimento».


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 22 de Abril de 2010, 00:36

Olá!

" YOGUE RAMACHARACA "

«Mas isto é uma posição absurda para o homem, o herdeiro de todos os séculos; ser enfeitiçado pelas criaturas fantásticas do seu próprio cérebro. Se um seixo nos incomoda na nossa bota, tiramo-lo para fora.

Quando temos o necessário conhecimento, podemos, com igual facilidade, tirar da nossa mente uma ideia nociva que a invade. Sobre isto não deveria haver dúvida, nem duas opiniões. A coisa é evidente, clara e bem compreensível.

Deveria ser-vos tão fácil expulsar da vossa mente um pensamento intruso e desagradável, como sacudir da vossa bota uma pedrinha; e enquanto o homem não puder fazê-lo, é insensato falar dele como de um senhor sobre a Natureza e todos os demais. Ele é um mero escravo e presa dos fantasmas alados que lhe voam pelos corredores do cérebro.

«As faces tristes e cheias de cuidados, das quais encontramos milhares até no meio das classes ricas e civilizadas, provam-nos muito claramente como é raro obter-se o referido domínio sobre a mente.

Com efeito, como é raro encontrar-se um homem! E como é comum ver-se uma criatura perseguida por pensamentos tirânicos de cuidados ou desejos, que se curva sob o seu domínio — ou talvez se orgulhe de correr alegremente em obediência àquele que segura as rédeas, julgando-se e considerando que está livre; uma criatura com quem não é possível conversar confidencialmente, por causa dessa presença de um estranho na sua mente que não cessa de espiar.

«E uma das mais importantes doutrinas de Raja Yoga a afirmação de que é necessário adquirir-se o poder de dominar pensamentos ou matá-los instantaneamente, quando for necessário.

Esta arte exige, naturalmente, certa prática; mas, como outras artes, não apresenta mistérios ou dificuldades, quando a pessoa chegou a manejá-la. E merece ser praticada. Podemos até proclamar solenemente que a nossa vida começa a ser verdadeira vida somente quando temos adquirido esta arte.

Na realidade, quando, em vez de sermos dominados por pensamentos individuais nos tornamos senhores deles, na sua imensa multidão, variedade e capacidade, e os podemos dirigir, despachar e empregar à vontade (porque Ele faz os ventos Seus mensageiros e o fogo flamejante Seu ministro), a vida vem a ser Uma coisa tão vasta e grande que, comparando-a com o que foi anteriormente, achamos que o estado anterior aparece como antenatal, como existência de uma criança antes do nascimento.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 22 de Abril de 2010, 22:03

Olá!

A verdade: Krishnamurti

"A verdade existe minuto por minuto, na vida de relação, e temos de vê-la em cada ato, cada pensamento e cada sentimento que surge, em nossas relações. A verdade não é coisa que se possa acumular, armazenar; temos de achá-la de novo, no pensamento e no sentimento, a cada instante - o que não representa um processo acumulativo e, por conseguinte, não depende do tempo. Quando dizeis que, com o tempo, compreendereis, graças à experiência ou ao saber, estais justamente impedindo a compreensão, porque esta não resulta de acumulação alguma. Podeis acumular saber, mas isso não é compreensão. A compreensão surge quando a mente está livre do conhecimento.

Quando a mente não exige a satisfação de desejos, quando não procura experiência, há tranqüilidade; e quando a mente está tranqüila, só então haverá compreensão. Só quando vós e eu estamos verdadeiramente dispostos a ver claramente as coisas tais como são, é que se nos oferece a possibilidade de compreensão. A compreensão vem, não por meio de disciplinamento, não por meio da compulsão, de coerção, mas, sim, quando a mente está tranqüila e disposta a ver as coisas com lucidez. A serenidade da mente nunca se pode conseguir por meio da compulsão, sob qualquer forma, consciente ou inconsciente; tem de ser espontânea. A liberdade não está no fim, mas no começo; porque o fim e o começo não são diferentes, o meio e o fim são idênticos. O começo da sabedoria é a compreensão do processo total de nós mesmos, e esse autoconhecimento, essa compreensão, é meditação."
...

" Compreensão "

INTERROGANTE: Não se pode estabelecer um meio de nos compreendermos uns aos outros, uma compreensão "comum"?


KRISHNAMURTI: Sabeis o que significa a palavra "compreensão" - não segundo o dicionário - o que significa "compreender"? Quando compreendeis uma coisa? A compreensão é um processo intelectual, emocional? Só compreendemos quando nossa mente está atenta e completamente em silêncio. Se tagarelo enquanto falais, como posso compreender o que dizeis? Se estou comparando o que dizeis com o que li ou sei ou experimentei, como pode haver comunicação entre nós? Tenho de ouvir-vos com atenção, zelo, afeição. E, desse zelo, dessa afeição, desse silêncio vem a compreensão, tanto verbal como não verbal. Eis a base comum. E, quanto à questão da meditação, ela não pode ser examinada no espaço de uns poucos minutos, pois é uma questão sobremodo complicada; temos de aprender a meditar, e não ser ensinados pelo orador "como meditar". No momento em que introduzis o "como", estais no caminho errado. Permiti-me sugerir-vos, respeitosamente: nunca peçais a ninguém o "como".

Não faltará quem, pressurosamente, vos ofereça um método, mas, se vedes a nocividade do "como", essa própria percepção é suficiente.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 23 de Abril de 2010, 18:19

Olá!

Consciência

Quando o homem está consciente de si próprio como entidade separada, continuamente busca o exterior para encontrar auxilio, para sua subsistência, para seu bem-estar; e desse modo cria ele desordem em lugar de ordem, e por causa dessa desordem surgem as superstições, as ilusões, as cerimônias.

Trata-se, portanto, da maneira, do processo mediante o qual cada um pode realizar essa realidade interior que assegura a tranqüilidade da vida, não a estagnação, não a paz que obscurece, que destrói, porém essa tranqüilidade que é a fonte da compreensão viva e eterna.

É somente por meio do esforço individual que a verdade pode ser realizada, não por meio de associações de qualquer espécie que sejam. Não podereis, por via de uma instituição, encontrar a verdade, pois a verdade habita em vós mesmos e as instituições não podem ajudar o indivíduo a encontrar a verdade. Não importam quais sejam elas. Todas tendem a tornarem-se cada vez mais formalistas e a verdade cada vez mais delas se distancia. Precisais buscar a verdade por vós mesmos, como indivíduos; visto que ela mora em vós, não no exterior. Quando o individuo se houver compreendido a si mesmo, viverá num ambiente de perfeita harmonia e não contribuirá para a desordem do mundo.

A partir do momento em que vós, como indivíduos, tende resolvido vosso problema particular, tenhais realizado a verdade por vós mesmos, não mais contribuireis para a crueldade, para as guerras, para a espantosa tirania e desgraça que imperam no mundo.

É importante que cada individuo compreenda, não os adornos superficiais da vida, mas como, pelo continuamente deixar de parte a consciência que cria a separação, se pode ele tornar apercebido dessa realidade interior que reside em todas as coisas.

Krishnamurti – Palestra realizada em Londres – 1931 – Do livro: Coletânea de Palestras


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 28 de Abril de 2010, 02:32

Olá!

A reforma íntima é a busca constante de Deus, é entrega total, o amar a Deus sem condições ou reservas. A busca da totalidade do ser.

Só assim funciona e Deus fala conosco, o resultado ou o efeito sente-se no relaxamento interior do corpo, como um vazio, os sentidos exteriores suspendem-se, fica-se, estampado na face, com aspecto de "bobo" como diz Krishna, ou de sonâmbulo nas palavras da doutrina. É a inocência de Cristo.

O amor a esta busca tem que ser único e superior a pais, mães, filhos, a sexo, seja o que for. Os apêgos à matéria, às formas, impedem a ligação à totalidade do ser.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Edna☼ em 28 de Abril de 2010, 04:20
Boa noite a todos!

De uma forma simples, sinto que alguns passos antecedem a reforma íntima.

É um desafio diário descobrir a si mesmo, o que realmente se passa no nosso mundo interior, o auto-conhecimento, esse encontro consigo mesmo é difícil, pois, por vezes não somos o que pensávamos e o que queríamos ser.

Daí acho fundamental o auto-amor, a auto-aceitação, para de forma consciente, aos poucos, reciclar e transformar...

Abraços,

Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 01 de Maio de 2010, 21:14

Olá!

" Allan Kardec "

Filosofia.
(Sociedade, 3 de fevereiro de 1860. Méd Sr. Colin )

Escrevei estas coisas: O homem! Que é ele! De onde sai! para onde vai! - Deus! A Natureza!

Ditados Espontâneos

A criação! O mundo! Sua eternidade no passado, no futuro! Limite da Natureza, relações do ser infinito com o ser particular? Passagem do infinito ao finito? - Perguntas que deve ter feito o homem, criança ainda, quando viu pela primeira vez com sua razão, acima de sua cabeça, a marcha misteriosa dos astros; sob seus pés a Terra, alternativamente revestida com roupa de festa sob o lépido hálito da primavera, ou coberta com um manto de tristeza sob o sopro gelado do inverno; quando se viu ele mesmo, pensando, sentindo, por um instante, lançado, nesse imenso turbilhão vital, entre ontem, dia de seu nascimento, e amanhã, dia de sua morte. Perguntas que se colocaram todos os povos, em todas as idades e em todas as suas escolas, e que, entretanto, não permaneceram menos enigmas para as gerações seguintes; perguntas bem dignas, contudo, para cativar o espírito investigador de vosso século e o gênio de vosso país. - Se, pois, houver entre vós um homem, dez homens, tendo consciência da alta gravidade de uma missão apostólica, e vontade de deixarem um sinal de sua passagem aqui para servir de ponto de referência à posteridade, eu lhes direi: por muito tempo transigistes com os erros e os preconceitos de vosso tempo; para vós, a época das manifestações materiais e físicas passou; o que chamais evocações experimentais não pode mais vos ensinar grande coisa, porque, ornais freqüentemente, só a curiosidade está em jogo; mas a era filosófica da doutrina se aproxima. Não fiqueis, pois, por mais tempo agarrados à madeira logo carcomida do pórtico, e penetrai audaciosamente no santuário celeste, tendo orgulhosamente à mão a bandeira da filosofia moderna, sobre a qual escrevereis sem medo: misticismo, racionalismo. Fazei ecletismo no ecletismo moderno; fazei-o como os Antigos, apoiando-vos sobre a tradição histórica, mística e legendária, mas tendo cuidado sempre em não sair da revelação, luz que nos faltou a todos em recorrendo às luzes dos Espíritos superiores votados missionariamente à marcha do espírito humano. Esses Espíritos, por elevados que sejam, não sabem todas as coisas: só Deus as conhece; além disso, de tudo que sabem, não podem tudo revelar. Onde estaria, em que se tornaria, com efeito, o livre arbítrio do homem, sua responsabilidade, o mérito e o demérito; e, como sanção, o castigo, a recompensa?

Entretanto, posso alinhar o caminho que vos mostro, com alguns princípio fundamentais;

escutai, pois, estas coisas:
1- A alma tem o poder de se esquivar à matéria;
2- De se elevar bem acima da inteligência;
3- Esse estado é superior à razão;
4- Ele pode colocar o homem em relação com o que escapa às suas faculdades;
5- O homem pode provocá-lo pela prece a Deus, por um esforço constante da vontade, reduzindo, por assim dizer, a alma ao estado de pura essência, privada de atividade sensível e exterior; pela abstração, em uma palavra, de tudo o que há de diverso, de múltiplo, de indeciso, de turbilhonante, de exterioridade na alma;

6-Existe no eu concreto e complexo do homem uma força completamente ignorada até aqui: procurai-a, pois.


MOISÉS, PLATÃO, DEPOIS JULIANO.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 01 de Maio de 2010, 22:15

Olá!

Filosofia: a Liberdade
http://www.youtube.com/watch?v=PsOSN0GMQpU&feature=related (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVBzT1NOMEdNUXBVJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQ=)


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 02 de Maio de 2010, 02:44

Olá!

" Allan Kardec "

A Morada dos Eleitos

Teu esquecimento me afligia; não me deixes mais tão longo tempo sem chamar-me; sinto-me disposto a conversar contigo e dar-te conselhos. Guarda-te de crer em tudo o que os outros Espíritos poderiam dizer-te: talvez te arrastassem para um mau caminho. Sé prudente com tudo, a fim de que Deus não te tire a missão que te encarregou de cumprir, a saber: de ajudar a levar ao conhecimento dos homens a revelação da existência de Espíritos ao redor deles. Todos não estão no estado de apreciar e compreender a alta importância dessas coisas, cujo conhecimento Deus não permite ainda senão aos eleitos. Um dia virá em que essa ciência, cheia de consolações e de grandeza, será o quinhão da Humanidade inteira, e onde não mais se encontrará um incrédulo. Os homens não poderão compreender, então, que tão palpável verdade pudera ser posta em dúvida um só instante, pelo mais simples dos mortais. Em verdade, eu te o digo, não se passará meio século, antes que os olhos de todos sejam abertos e os ouvidos franqueados a essa grande verdade: que os Espíritos circulam no espaço e ocupam diferentes mundos, segundo seu mérito aos olhos de Deus; que a verdadeira vida está na morte, e que é necessário que o homem seja várias vezes resgatado, antes de obter a vida eterna, à qual todos deverão chegar através de mais ou menos séculos de sofrimentos, segundo foram mais ou menos fiéis à voz do Senhor.

UM AMIGO.

Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 02 de Maio de 2010, 14:57

Olá!

" Allan Kardec "

A Vaidade.
(Pela senhora Lese..., médium.)

Quero falar-te da vaidade que se mistura a todas as ações humanas: ela deslustra os mais doces pensamentos; invade o coração, a cabeça. Planta má, abafa em seu germe a bondade; todas as qualidades são aniquiladas pelo seu veneno. Para lutar contra ela, é necessário empregar a prece; só ela dá a humildade e a força. Esquecei-vos, sem cessar, de Deus, homens ingratos! Ele não é para vós senão o socorro implorado na angústia, e nunca o amigo que se convida ao banquete da alegria. Ele vos deu, para iluminar o dia, o Sol, irradiação de sua glória, e para clarear a noite, as estrelas, flores de ouro. Por toda parte, ao lado dos elementos necessários à Humanidade, colocou o luxo necessário à beleza de sua obra. Deus vos tratou como o faria um hospedeiro generoso que multiplica, para receber seus convidados, o luxo de sua casa e a abundância de seu festim. Que fazeis, vós que não tendes senão o vosso coração para oferecer-lhe? Longe de adorná-lo de alegrias e de virtudes, longe de oferecer-lhe as primícias de vossas esperanças, não o desejais, não o convidais a penetrar em vós, senão quando o luto e as ásperas decepções vos fatigaram muito e vos enrugaram. Ingratos! Que esperais para amar a vosso Deus? A infelicidade e o abandono. Oferecei-lhe, pois, antes o vosso coração livre de dores; oferecei-lhe, como homens de pé, e não como escravos ajoelhados, vosso amor purificado de temor, e ele se lembrará, na hora do perigo, de vós, que não o esquecestes na hora da felicidade.

Georges. (Espírito familiar.)


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Tathi_G em 02 de Maio de 2010, 15:29
Não compreendi algumas partes do texto:



"Bem, gente, estamos falando da reforma intima do espírito e não do conjunto de sensações e compreensões que achamos que somos nós, mas que não existem fora de nossa consciência, pois é apenas o ser humano.

O corpo continuará a exigir um monte de coisas, desejos e vontades. O ego continuará a exigir este e outro monte de coisas além de julgar e classificar a tudo o que percebe. E isto ninguém conseguirá mudar. Corpo e ego agem segundo a sua natureza, de “ser” humano, e este é o seu papel."



Ele diz que não é possivel mudar nosso ego? Que devemos nos conformar em sermos egoístas (egoísmo = ego predominante).

E quando eu falo de reforma íntima, penso que se trata de correção dos nossos defeitos e vícios. Então, o que são essas compreensões e sensações senão frutos da forma como encaramos a vida?

Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 02 de Maio de 2010, 16:56
Não compreendi algumas partes do texto:



"Bem, gente, estamos falando da reforma intima do espírito e não do conjunto de sensações e compreensões que achamos que somos nós, mas que não existem fora de nossa consciência, pois é apenas o ser humano.

O corpo continuará a exigir um monte de coisas, desejos e vontades. O ego continuará a exigir este e outro monte de coisas além de julgar e classificar a tudo o que percebe. E isto ninguém conseguirá mudar. Corpo e ego agem segundo a sua natureza, de “ser” humano, e este é o seu papel."



Ele diz que não é possivel mudar nosso ego? Que devemos nos conformar em sermos egoístas (egoísmo = ego predominante).

E quando eu falo de reforma íntima, penso que se trata de correção dos nossos defeitos e vícios. Então, o que são essas compreensões e sensações senão frutos da forma como encaramos a vida?



O texto não é meu bem como o tópico não fui eu que o iniciei, mas quanto a essas dúvidas das duas citações que fez, encontra-se logo no parágrafo abaixo a explicação, no meu entender.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Marcinha 41 em 07 de Maio de 2010, 03:10
Olá, bons dias companheiros,

Para mim Reforma Íntima está contida nesta bela oração de Francisco de Assis:

Se a conseguissemos colocar em prática logo ao começar o dia ... que maravilhoso seria!

Abraços.

Estou muito feliz, irmão por relembrar a oração que minha mãe nos ensinou quando pequenos... Ainda mais porque não sabia que era deste nosso Irmão Amado Francisco de Assis.
   Muito grata por isso!
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Anton Kiudero em 16 de Maio de 2010, 14:15

Se a conseguissemos colocar em prática logo ao começar o dia ... que maravilhoso seria!


Nada e ninguem lhe impede de colocar isto em pratica a cada momento. So voce mesmo. Então, consiga agora. E se não der certo, tente de novo até conseguir...
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Anton Kiudero em 16 de Maio de 2010, 14:30
Não compreendi algumas partes do texto:

Citar
"Bem, gente, estamos falando da reforma intima do espírito e não do conjunto de sensações e compreensões que achamos que somos nós, mas que não existem fora de nossa consciência, pois é apenas o ser humano.

O corpo continuará a exigir um monte de coisas, desejos e vontades. O ego continuará a exigir este e outro monte de coisas além de julgar e classificar a tudo o que percebe. E isto ninguém conseguirá mudar. Corpo e ego agem segundo a sua natureza, de “ser” humano, e este é o seu papel."

Ele diz que não é possivel mudar nosso ego? Que devemos nos conformar em sermos egoístas (egoísmo = ego predominante).

E quando eu falo de reforma íntima, penso que se trata de correção dos nossos defeitos e vícios. Então, o que são essas compreensões e sensações senão frutos da forma como encaramos a vida?

Ninguem altera o ego, porque o ego é o conjunto de desejos, instrumentos, conceitos e reações que são a prova que voce pediu a Deus para passar. E sendo exterior ao espirito, reformar o ego não daria em coisa alguma, o ego existe por pouco tempo, uns 70/80 anos em media e depois morre.

Mas cabe a voce, espirito imorrivel, que esta provando o seu ego, reagir positivamente ou negativamente a tudo o que este lhe sugere.

Se alguem lhe der uma paulada, porque foi isto que voce solicitou para se testar, voce pode pegar um pau maior e devolver a paulada ou ficar quieto ate acabar a pauleira. Isto é dar a outra face. Se alguem xingar a sua mãe, voce pode xingar a mãe e a avó dele ou ficar quieto até os animos se acalmarem.... Veja que voce sempre perceberá as afrontas que o ego recebe, mas a prova não são as afrontas e sim as respostas interiores que voce der as afrontas...
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Marccello em 16 de Maio de 2010, 16:51

Se alguem lhe der uma paulada, porque foi isto que voce solicitou para se testar, voce pode pegar um pau maior e devolver a paulada ou ficar quieto ate acabar a pauleira. Isto é dar a outra face. Se alguem xingar a sua mãe, voce pode xingar a mãe e a avó dele ou ficar quieto até os animos se acalmarem.... Veja que voce sempre perceberá as afrontas que o ego recebe, mas a prova não são as afrontas e sim as respostas interiores que voce der as afrontas...

Boa tarde amigas e amigos!

Complementando o nosso amigo Anton...

Devemos ter paciência conosco! A reforma é lenta e gradativa e às vezes, dolorosa  É preciso que não nos cobremos demais, que saibamos conviver com as descobertas de nossos vícios, sem culpas, sem remorsos, que só nos deixam mais infelizes. Não podemos nos esquecer da Infinita misericórdia  de Deus, que não criou leis para nos punir; ao contrário, Ele está sempre de braços abertos para nos compreender A natureza não dá saltos. Vícios de muitos anos precisam de tempo para ser modificados.

Um dia, quando a reforma estiver completa, tudo estará arrumado, bem disposto, no lugar correto.

A Doutrina Espírita é libertadora. Não vamos nos deixar ficar prisioneiros de nós mesmos. Se não começamos ainda, façamos a partir de hoje essa reforma. Vamos olhar para dentro de nós, verificarmos alguns vícios e trabalharmos nele durante o restante do ano. E assim, com o desejo sincero da reforma íntima, vamos trocando valores negativos por positivos.

Grande abraço! ;)

Muita paz. :)
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 17 de Maio de 2010, 21:18

Olá!

" Allan Kardec "

Enquanto o homem se perde nas sutilezas de uma metafísica abstrata e incompreensível para pesquisar as causas de nossa existência moral, Deus coloca diariamente ao alcance de nossos olhos e nossas mãos os meios mais simples e evidentes para o estudo da psicologia experimental.

O êxtase é o estado em que a independência da alma e do corpo se manifesta de maneira mais sensível e torna-se de certo modo palpável.

No sonho e no sonambulismo, a alma percorre os mundos terrestres. No êxtase, penetra num mundo desconhecido, dos Espíritos etéreos, com os quais entra em comunicação, sem, entretanto, ultrapassar certos limites que não teria como transpor sem romper totalmente os laços que a ligam ao corpo. Sente-se num estado resplandecente completamente novo que a circunda, harmonias desconhecidas na Terra a arrebatam, um bem-estar indefinível a envolve. A alma desfruta por antecipação da beatitude celeste e pode-se dizer que põe um pé sobre o limiar da eternidade.

No estado de êxtase o aniquilamento do corpo é quase completo; tem apenas, por assim dizer, a vida orgânica e sente que a alma está a ele ligado apenas por um fio que um pequeno esforço extra faria romper para sempre.

Nesse estado, todos os pensamentos terrestres desaparecem para dar lugar ao sentimento puro, que é a própria essência de nosso ser imaterial. Inteiramente envolto nessa contemplação sublime, o extático encara a vida apenas como uma paragem momentânea. Para ele tanto o bem quanto o mal, as alegrias grosseiras e misérias aqui da Terra são apenas incidentes fúteis de uma viagem cujo término que avista o deixa feliz.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Marccello em 18 de Maio de 2010, 00:32

"A Reforma Íntima é tão difícil, por sermos o resultado de milenares elaborações no bojo do tempo e das reencarnações, que para se conseguir resultados apreciáveis é necessário: dar-lhe absoluta prioridade,  ter um programa evolutivo fácil e objetivo.
Então, no bojo de muitas reflexões e ajuda dos irmãos maiores, fomos conseguindo anotar idéias e conclusões, construindo este programa evolutivo muito simples e de fácil aplicação..."

Agenda Mínima para Evoluir: vale apena conferir!

http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/agenda-minima-para-evoluir/ (http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/agenda-minima-para-evoluir/)

Muita paz. :)
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dim-dim em 20 de Maio de 2010, 19:18

Olá!

SOBRE O NÃO-SABER OU A EXPERIÊNCIA DA LIBERDADE EM MESTRE ECKHART
por Adriana Andrade de Souza.

Assim o Mestre nos diz: “um homem pobre é aquele que nada quer...” E continua:
Se agora alguém me perguntasse o que seja isso propriamente: <<Um homem pobre que nada quer>>, eu responderia dizendo: Enquanto o homem ainda tiver consigo que sua vontade seja querer fazer a vontade de Deus, a qual ama acima de tudo, então este homem não tem a pobreza à qual nos referimos. Pois este homem ainda possui uma vontade com a qual quer satisfazer a Vontade de Deus. E isto não é verdadeira pobreza. Portanto tenha o homem verdadeira pobreza, deve ele estar tão vazio de sua vontade criada, quando ele se encontrava, quando ainda não era.

O último degrau da pobreza, ou o puro desprendimento consiste no esvaziamento do próprio saber:

O homem que tenha esta pobreza deve viver de tal modo que nem sequer saiba que vive a si mesmo, nem a Verdade, nem Deus. Deve antes estar de tal modo vazio de todo saber, que não saiba, nem conheça, nem sinta que Deus vive nele. Mais ainda: deve estar vazio de todo conhecimento que nele vive. Pois quando o homem ainda se encontrava na essência eterna de Deus, aí não havia nele nenhum outro. O que aí vivia era ele próprio. Dizemos portanto que o homem deve estar vazio de seu próprio saber, assim como ele o fazia quando ainda não era, permitindo que Deus opere o que queira e o homem permaneça vazio.

Ao homem exterior pertence tudo aquilo que se prende à alma, e contudo está revestido de carne e misturado com ela e (por isso) opera juntamente com e em cada órgão corporal, com o olho, por exemplo, ou com o ouvido, a língua, a mão, etc. A isso tudo a Escritura chama de homem velho, homem terreno, homem exterior, homem inimigo, homem servil.
O outro homem que há em nós é o homem interior; e este, a Escritura lhe chama homem novo, homem celeste, homem jovem, amigo, e homem nobre. E é deste que fala Nosso Senhor ao dizer que <<um homem nobre partiu para uma terra distante e tomou posse de um reino e voltou.>>

Um tal homem “volta para casa mais rico” do que quando “saiu”. Quem assim tivesse “saído” de si mesmo seria devolvido a si mesmo no sentido mais próprio. E tudo que ele deixou na multiplicidade, ser-lhe-á restituído integralmente na simplicidade, pois encontra a si mesmo e todas as coisas no instante presente da unidade. E quem assim tivesse “saído” retornaria à casa muito mais nobre do que quando “saiu”. Um tal homem vive numa liberdade solta e pura nudez, pois não precisa envolver-se com nenhuma coisa, nem assumi-la, nem pouco nem muito, pois tudo que é o próprio de Deus é seu próprio.


Namasté
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Março de 2011, 10:48
                                    VIVA JESUS!


      Bom-dia! queridos irmãos.


              Reforma íntima sem ônus desnecessário
Sabemos que a dor e o sofrimento não são bons. Bom é o que podemos fazer da dor e do sofrimento. Desse modo, o que é significativo na pedagogia do Cristo é que nos é possível colocar um olhar positivo sobre o que é negativo e, assim, fazer algo de bom em relação ao sofrimento e à dor.

E porque aqui estamos, e a caminho, cabe-nos recordar, em razão da nossa imortalidade, uma das bandeiras do Espiritismo: a reforma íntima.

Acredito que a finalidade da reforma íntima é nos fazer pessoas melhores, é nos humanizar, o que nos aproximará de Deus. Vontade, esforço, disciplina, sim, mas sem culpa.

Quando penso na necessidade da instrução, da auto-educação, revelada pelo Consolador Prometido, lembro-me das palavras de Pestalozzi, o educador suíço:

“O homem é como a árvore. Na criança recém-nascida estão ocultas as faculdades que lhe hão de desdobrar-se durante a vida; os órgãos do seu ser gradualmente se formam, em uníssono, e constroem a humanidade à imagem de Deus.”

Desse modo, tomados pela certeza da filiação divina e da imortalidade, precisamos aprofundar nosso entendimento: a reforma íntima apenas exige o nosso consentimento integral para o esforço de melhora, mas despido do fardo da culpa que, claramente, nos afasta do Pai e de Jesus.

Creio que internalizar nosso compromisso de aprendizado do amor e da caridade deve nos tornar mais leves e mais mansos, pois, com isso, nosso passo avançará mais confiante e menos sujeito a estados depressivos e aflitivos.

A reforma íntima se explicita no próprio conselho de José, o Espírito protetor, que generosamente nos dá sua instrução no Evangelho de Jesus: “Sede, pois, severos para convosco”. No entanto, tal imperativo não deve ser entendido como uma atitude de inflexibilidade a nós mesmos. Autodisciplina não significa tortura ou castigo. Nossa prática de aperfeiçoamento simplesmente implica bom senso e auto-exame constante.

Quando sofremos pelo mal que ainda não conseguimos vencer, isso em nada nos faz pessoas melhores. Um caminho para luz que queira dissimular a sombra, corre o risco de ser um caminho de ilusão e de frustrações, que gera enfermidades e infelicidade.

Neste ponto, recordemos Pedro, o apóstolo de Jesus. Pedro negou o Mestre. Pedro errou. Mas Pedro não se enclausurou em seu desespero, no inferno da sua culpa. Acreditou que o Cristo poderia perdoar seu equívoco, enraizado na sua fragilidade, na sua covardia. Aplicou a si mesmo o perdão e foi perdoado.

E o que é o perdão?

O perdão é uma das condições para que nossa vida continue a ser vivível, pois se inicialmente ele é uma questão de inteligência e de compreensão, em seguida se apresenta também como uma questão de liberação, de alforria para a paz interior.

Quando Jesus perdoa a mulher adúltera, por exemplo, o amoroso Mestre nos ensina que o perdão nos acorda para uma dimensão divina de nós mesmos: somos capazes de misericórdia, somos capazes de Deus.

Quanto mais vivo, mais percebo que o segredo para o caminho rumo ao Pai é não desistir da melhora. Devemos agir com insistência. E melhora real só conseguiremos com auto-estima, com respeito pelas nossas qualidades positivas e vigilância com o “homem velho”, que ainda mora em nós.

A reforma íntima inclui, portanto, a prática do amor por si mesmo, mas também pelo próximo. Já, em relação ao outro, é exigida de nós a segunda parte do conselho de José, o Espírito protetor: “Sede (...) indulgentes para com os outros”.

Do ponto de vista prático, vivemos em sociedade, pois precisamos, para progredir, da convivência, da sociabilidade. Assim, em cada encontro humano podemos exercitar a atitude da tolerância. Devemos ampliar a compreensão e reduzir o julgamento; ampliar o diálogo e reduzir o monólogo interno acusatório. Devemos treinar a escuta, pois se os seres humanos se escutam, eles se compreendem.

Como a reforma íntima visa à nossa melhora, amadurecer espiritual e emocionalmente supõe a superação da fase do conflito pela fase do consenso. Se alguém, por exemplo, diz algo contrário ao que eu penso e sou capaz de entender esse contrário como complementar, retirando disso algo positivo, vou crescer em consciência e em compreensão. Uma ciência fechada ao diálogo com a religião, com o transcendente, por exemplo, cria bombas e armas nucleares, mata a vida no lugar de promovê-la.

Não se pode mudar a sociedade sem primeiro transformar a si mesmo. É por aí que é preciso começar. Por nós. Começar por estar em paz e comprometido com um agir orientado pela tolerância. Precisamos somente fazer a nossa parte e é só isso que nos é pedido.

A reforma íntima, no lastro da pedagogia de Jesus, não é aquela que diz: “você deve”, mas sim a que diz “você pode”. Você pode não mentir, você pode servir, você pode ser honesto, você pode ser feliz. Você pode.

Jesus, o Educador Amoroso, nos convida à caridade e ao amor e, fatalmente, todos nós amaremos. E “amaremos” é um futuro, um devir, uma esperança. Nós amaremos, como Jesus nos ama. E esta certeza sustenta os nossos passos em direção a Ele e ao nosso Pai. Não importa que alguns estejam à nossa frente, outros atrás e ainda outros ao nosso lado. O segredo é seguir, o segredo é insistir. Com alegria, com esperança. Todos nós podemos.

                Eugênia Picknia


                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Reforma intima
Enviado por: Anton Kiudero em 28 de Março de 2011, 12:43
Me desculpem os amigos, mas vejo muita falação, muita craneação, muitos pensamentos, muitas mentes tentando impor as suas ideias...

Reforma intima é um mergulho no desconhecido. Quem a faz, nada pode esperar, nem pensar o que vai acontecer. Se o fizer de 'caso pensado' não reforma coisa alguma, apenas troca os moveis de lugar.

Reforma intima na essencia é ver o mundo como espirito e não como ser humano. É simplesmente ver o mundo como Cristo o via e ensinava a ver e não como os homens o veem. Reforma intima é o produto de uma ousadia. A ousadia de ser diferente sem se preocupar com o que os outros dizem, sem se preocupar em ser chamado de bobo, louco ou errado. Reforma intima é não apegar-se a qualquer livro, regra, lei ou postulado escrito por seres humanos.

Reforma intima é como deixar-se cair no vazio sem saber o que existe abaixo e ser incondicionalmente feliz com isto.

É amar a Deus, incondicionalmente, acima de qualquer coisa.

E nada existe que impeça que cada um a realize imediatamente. Apenas o comodismo o impede. Não há gradualismos neste processo. Por isto a declaração de Jesus: Muitos serão chamados e poucos os escolhidos.

Chamados voces ja foram. Neste texto e em inumeros outros, portanto escolham-se enquanto é tempo...




Título: Re: Reforma intima
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Abril de 2011, 11:07
                                     VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

               Buscar o melhor,
aproveitar o tempo 


No estudo em grupo do livro Obreiros da Vida Eterna, de autoria do Espírito André Luiz, psicografado por Chico Xavier, fomos  alertados pelas palavras do orientador Jerônimo e desejamos partilhar o estudo com os nossos queridos leitores.

No capítulo II, denominado “Santuário da Bênção”, é-nos trazido precioso ensinamento, quando trata dos frequentadores da instituição por ele dirigida: “Procura-se então o Santuário, sem qualquer preparação intima. Nossos amigos prosseguem repetindo o cenário da Crosta, em que os devotos procuram os templos, como os negociantes buscam mercados”.     Diante de observações tão claras e sérias, achamos importante que nós, os encarnados, atentemos para o fato de que as criaturas viventes, quase num todo, também procuram as instituições religiosas na busca apenas de encontrar soluções para  os seus problemas ligados a  interesses pessoais,  dificuldades de ordem material ou simplesmente para cumprirem com uma obrigação de fundo místico e religioso.

Uma vez presumindo haver resolvido seus problemas, voltam-se ao cotidiano, na continuação da mesma vivência anterior, sem nenhuma preocupação com os ensinamentos mais profundos recebidos.

Raros são os que despertam para o verdadeiro sentido do existir. São criaturas ainda envolvidas com as facilidades materiais que a vida  proporciona aos incautos que permanecem sedentos da satisfação proporcionada pelos prazeres instintivos ligados exclusivamente ao mundo material.

É importante verificarmos que muitos espíritas também assim procedem. Admiram as palestras, adoram os bons palestrantes;  retiram-se da Casa Espírita, felizes e convencidos de que cumpriram com o seu papel de bons Espíritas.

Não se preocupam, no entanto, em se esforçarem na tomada de  uma posição  para as mudanças necessárias ao bom aproveitamento da existência terrena. Procedem como muitos dos profitentes de qualquer outro credo religioso. Não assumem responsabilidade com o trabalho educativo voltado para a conscientização da prática do bem e do amor ao próximo, como aprendemos com Jesus.

Agem diferentemente do cego de Jericó. Este, que andava pelas estradas e aldeias suplicando o necessário, para viver, buscava também solução para os seus problemas de ordem material.

No entanto, quando teve notícias de Jesus; quando soube dos prodígios que realizava; de Suas curas, não só das doenças do corpo, mas também as da alma, como aconteceu com Maria Madalena, a mulher equivocada; Zaqueu, o publicano; Levi, o cobrador de impostos, entre  muitos outros. Diante dos seus ensinamentos e atitudes que a todos encantava, por seu amor à humanidade sofredora, não teve dúvidas em buscá-lo.

Quando teve conhecimento que Jesus caminhava em sua direção, mesmo sem vê-Lo, não teve dúvidas e gritou: “Jesus, Filho de David, tem compaixão de mim”. Muitos da  multidão que o acompanhava, julgando que ele estivesse perturbando o ambiente com seus gritos, tentaram impedir que continuasse clamando, mas, cheio de  confiança, gritava mais alto: “Jesus, Filho de David, tem compaixão de mim”.

Jesus, ouvindo o seu pedido, aproximou-se, repreendeu os que o impediam que se aproximasse e perguntou: “Que queres que te faça?” e ele, rapidamente, sem titubear, lançou longe a capa que portava e respondeu: “Que eu veja Senhor!”. Só desejava o que presumia ser o mais importante para sua vida: a visão. Ele queria ver para ser independente. Ganhar o pão com o seu trabalho, ser digno e renovar sua vida. Passou a seguir Jesus. Estava renovado espiritualmente. Ao influxo  dos ensinamentos do Mestre, compreendeu o porquê da Vida e não mais deixou de O acompanhar.

Esta é a parte mais interessante da história de Bartimeu. Cheio de reconhecimento pelo benefício recebido, transformou sua Vida. Tornou-se um homem renovado.

O exemplo de Bartimeu é muito importante para todos. Aprendemos com ele que é preciso nos despojarmos da capa dos velhos costumes,  hábitos, procedimentos, pensamentos e sentimentos deteriorados que trazemos de muito longe. Renovação e mudanças são as palavras de ordem.

Quantos de nós, que recebemos dádivas, favores, esclarecimentos e orientações doutrinárias a respeito de nossos novos deveres, com o conhecimento das lições do Espiritismo, não notamos que, por tais verdades nos elucidarem, nossa responsabilidade fica mais comprometida, pois agora sabemos por que nascemos e quais os objetivos de existirmos  na Terra.

Não harmoniza com a nova doutrina o indiferentismo às mudanças necessárias para daqui em frente, a exemplo de Bartimeu, buscarmos aproveitar o tempo perdido, pois, segundo Emmanuel, sempre é tempo de começar, mas é importante começarmos ainda hoje.

          Édo Mariani


                                                              PAZ, MUITA PAZ!