Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Lei de Causa e Efeito => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 24 de Julho de 2013, 11:41

Título: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Julho de 2013, 11:41
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                      O JUSTO NÃO PODE PAGAR PELO PECADOR



     Analisando sem achismo pessoal, fanatismo religioso, extremismo comportamental ou discriminação preconcebida, com certeza absoluta chega-se a conclusão de que no mundo existem muitas injustiças, porém, ninguém vive injustiçado. Cada indivíduo é o único responsável, perante a Justiça Divina, por tudo que lhe acontecer. Não há como pulverizar responsabilidade, tampouco, culpas. Por essa afirmativa é crível afirmar-se que ninguém poderá ser responsabilizado pelos erros dos outros.

Com essa observação lógica, claudica aquele argumento secular: - “o justo paga pelo pecador”.

     Acreditar que isso poderia acontecer seria no mínimo:

     - desdenhar-se do amor, da bondade e principalmente da verdadeira Justiça Divina;

     - duvidar peremptoriamente da seriedade, e de um dos sacrossantos e encorajadores ensinamentos trazidos por Jesus, o Cristo: - “A cada um será dado conforme a sua obra”;

     - evidenciar o descrédito no adágio popular consagrado desde antanho: - “nada acontece por acaso”;

     - ignorar a veracidade filosófica quando diz: - “não há efeito sem causa, tudo tem uma razão de ser”; e

     - sepultar nas profundezas da ignorância a “Lei de causa e efeito, ação e reação”, que é Universal.

     Agora fica o impasse.

     É desumano não sensibilizar-se diante das dores físicas, psicológicas, morais, espirituais pelas quais um ser humano é acometido?

     Será justo não apiedar-se quando catástrofes tenebrosas devastam habitações e ceifam vidas de pessoas incautas?

     Evidentemente que seria desumano. Entretanto, é injusto atribuí-las aos desígnios ou a vontade soberana de Deus. Ele jamais usará da Sua Suprema Soberania para fazer Seus filhos sofrerem sem uma causa justa.

     O sofrimento está diretamente proporcional à culpabilidade de casa um. Caso contrário, o senso de justiça torna-se inexistente. O ser humano já nasceria predestinado às vicissitudes nefastas que o levaria à miséria humana de todos os jaezes sem perspectivas de dias melhores. Nesse caso de que adiantaria para ele seguir os mandamentos de Lei do Amor preconizados e ensinados pelo Cristo ?

     O bom-senso induz a pensar que o Cristo está certo. “A cada um conforme a sua obra”. Portanto, ao justo não é concebível pagar pelos pecados dos outros.



               Pedro de Almeida Lobo









                                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Ninguém é vítima senão de si mesmo
Enviado por: Vitor Santos em 24 de Julho de 2013, 12:55
Olá amigos

A palavra justiça tem duas conotações distintas. Uma coisa é a justiça no contexto terreno/ mundano. Tem a haver com as relações entre os encarnados na Terra. Outra coisa é a justiça divina, que tem a haver com a imparcialidade de Deus. Todos os espíritos são igualmente importantes para Deus, e para todos os efeitos.

A justiça terrena tem a sua utilidade. Mas ela é muito imperfeita e, muitas vezes, muito injusta. Ninguém merece ser tratado de forma injusta. Tratar alguém injustamente é sempre um erro. Não há desculpas para ser injusto ou omisso (fechando os olhos à injustiça quando podemos actuar para a anular ou minimizar) alegando que a injustiça terrena é uma consequência da justiça divina. Jesus nunca disse tal coisa. Pelo contrário Jesus de Nazaré ensinou-nos a não sermos violentos nem vingativos. A sermos seres de paz e amor.

Todavia, se analisarmos a vida de um espírito, desde que foi criado até ao estado de espírito puro, constatamos que tudo o que lhe acontece, enquanto encarnado, não só lhe pode ser útil como é justo. Isto porque todos os espíritos estão submetidos às mesmas regras do jogo. Deus é imparcial. Não há espíritos privilegiados uns em relação aos outros. Nas mesmas circunstâncias todos são tratados da mesma forma.

Todavia o homem encarnado não tem dados para avaliar a justiça divina, apenas a justiça terrena. Dai que é uma especulação sem qualquer utilidade estar a tentar relacionar aquilo que nos acontece na Terra com a justiça divina. Até porque a nossa preocupação deve centrar-se em não cometer nem ser conivente com injustiças terrenas, sem questionarmos se há razões extra-terrenas para isso ou não.

Cada pessoa vive em circunstâncias diferentes. Para avaliar os outros, de um ponto de vista moral, teríamos de ser capazes de nos colocar na pele deles. Na pele daquele que nos parece espiritualmente menos maduro, mais ignorante, do ponto de vista espiritual, não sabemos se seriamos piores ou melhores.

A ideia de que as injustiças terrenas são justiça divina significava que, ao estarmos a actuar sobre essas injustiças estaríamos a fazer mal, pois estávamos a interferir e a colocar areia na justiça divina. Se algo é justo porquê interferir? - Se um pedófilo ataca uma criança, e se a criança merece isso, uma vez que é justiça divina, porquê prender o pedófilo? Se um homicida mata pessoas, porquê prendê-lo se ele é instrumento da justiça divina?

Penso que a mistura do conceito de justiça divina com o conceito de justiça terrena é prejudicial ao progresso moral e social da humanidade. A anarquia seria deixar actuar a justiça divina. As autoridades policiais deveriam ser banidas. O sistema de justiça terrena seria um sistema que violava a justiça divina...

Do ponto de vista da nossa vida milenar de espíritos, não há injustiças. Mas essa análise teria de ser realizada analisando a história de milhões de anos. Nesses milhões de anos, em sucessivas reencarnações, o espírito pode ser alvo de injustiça, como ser causa de injustiça, no mundo onde se encontra. Mas isso são experiências pelas quais o espírito tem de passar para aprender e evoluir.
     

bem hajam
Título: Re: Ninguém é vítima senão de si mesmo
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Julho de 2013, 14:13


   A ideia de que as injustiças terrenas são justiça divina significava que, ao estarmos a actuar sobre essas injustiças estaríamos a fazer mal, pois estávamos a interferir e a colocar areia na justiça divina. Se algo é justo porquê interferir? - Se um pedófilo ataca uma criança, e se a criança merece isso, uma vez que é justiça divina, porquê prender o pedófilo? Se um homicida mata pessoas, porquê prendê-lo se ele é instrumento da justiça divina?
..............
..............Penso que a mistura do conceito de justiça divina com o conceito de justiça terrena é prejudicial ao progresso moral e social da humanidade. A anarquia seria deixar actuar a justiça divina. As autoridades policiais deveriam ser banidas. O sistema de justiça terrena seria um sistema que violava a justiça divina...
.......

É!
 uma observação sensata
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Fabiano Dantas em 24 de Julho de 2013, 17:59
dOM JORGE,

"O bom-senso induz a pensar que o Cristo está certo. 'A cada um conforme a sua obra'. Portanto, ao justo não é concebível pagar pelos pecados dos outros".


É incrivel como os espíritas isolam versículos bíblicos tirando-os de seus contextos para favorecer suas doutrinas. Nem sequer se dão ao trabalho de analisar toda a passagem para verificar se, de fato, o texto diz tal coisa. Aqui está um belo exemplo disso. "Cada um conforme a sua obra", é brincadeira, né? Nem ao menos se cita a referência para que os leitores possam conferi-la (se é que algum tem essa preocupação).

A referência desta frase de Cristo é Mateus 16.27 que diz o seguinte: "Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras". Este texto não é de modo algum um afirmação da suposta "justiça reencarnacionista" por parte de Jesus, mas antes uma promessa anexada ao ensino de sua segunda vinda (coisa que os espíritas não acreditam). Se é pra citar frases de Cristo, que as citem completas e não pinçadas, partidas, distorcidas. E o pior é que parece que a maioria das pessoas que as citam nem procuraram lê-la diretamente na fonte, ou seja, no Novo Testamento. Citam uma frase tirada de seu contexto, pois se vier com ele (o contexto), não apoiará o seu dogma.

"Com essa observação lógica, claudica aquele argumento secular: - 'o justo paga pelo pecador'".

De acordo com a "lógica" kardecista-humanista sim. De acordo com a lógica bíblica, não. A Bíblia ensina que não existem justos, que todos são pecadores e que estão apartados da comunhão com Deus (Rm 3.9-12,23). Então, Cristo, o Filho de Deus, sendo ele mesmo o prórprio Deus (Tito 2.13), encarnou (não reencarnaou) em forma humana e ofereceu um sacrificio perfeito pelos homens (Hb 9.11-14; 1Jo 2.1-2), para que todos aqueles que se achegam a Ele em fé e arrependimento sejam salvos da condenação de seus pecados (Ef 2.8,9; Jo 14.1; At 3.19; 17.30).

"Acreditar que isso poderia acontecer seria no mínimo:desdenhar-se do amor, da bondade e principalmente da verdadeira Justiça Divina";

Não de acordo com Paulo: "Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores". Romanos 5.8

"duvidar peremptoriamente da seriedade, e de um dos sacrossantos e encorajadores ensinamentos trazidos por Jesus, o Cristo: - 'A cada um será dado conforme a sua obra'"

Já mostrei que este versículo não significa isso. Mas se quiser levar a sério os ensinamentos de Cristo, que se atente para este aqui: "Porque isto é o meu sangue; o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados" (Mateus 26:28). O próprio Jesus ensinou a realidade de seu sacrifício e que se alguém  acreditar assim estará duvidando dos ensinamentos de Cristo é desconhecer muito da pessoa de Jesus. É uma forma de pensar muitíssimo incoerente.

"- evidenciar o descrédito no adágio popular consagrado desde antanho: - “nada acontece por acaso”;
 - ignorar a veracidade filosófica quando diz: - “não há efeito sem causa, tudo tem uma razão de ser”; e
 - sepultar nas profundezas da ignorância a “Lei de causa e efeito, ação e reação”, que é Universal".


Nada disso impõe uma barreira lógica ao ensinamento de que o Justo (Jesus Cristo) morreu pelos injustos (seres humanos pecadores). Além do mais, penso que adágios populares não sejam regras de fé pra ninguém.

De fato, nenhum ser humano pode ser culpado pelas faltas de outro e isso se dá pelo fato de nunhum ser justo. Mas no caso de Jesus é diferente. Ele nunca pecou (Hebreus 4.15), sendo santo durante toda a sua vida nesta terra. Por isso, teve ele condições de se oferecer em sacrificio pelos pecados dos homens e assim salvá-los.

Abraços.
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Julho de 2013, 22:01
Olá Fabiano

Seria bom citar
a Biblia também
pois são tantas traduções
e indo a fonte(s)
e comparando
ficam textos diferentes

Mas concordo com você
que os espíritas citam versículos
para nos favorecermos

Bom!
é
deve ser esta a razão
que buscamos ser otimistas
procuramos fazer bem as nossas escolhas

Mas sobre você
uma vez indo a fonte
o que você pegaria
que não o favorecesse?


Já que foste buscar água
que dessedenta!

Abraços

(Obrigado por nos levar a leitura)


///////////////

Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Vitor Santos em 25 de Julho de 2013, 09:49
Olá amigo Fabiano

Ao dizer que aqui na Terra todos somos pecadores sou forçado a concordar consigo. Pecar é errar. E aqui na Terra todos somos espíritos aprendizes e não sábios. Os aprendizes erram, é normal. Isso resulta da falta de maturidade.

O amigo diz que Jesus vai voltar. Não me admirava, apesar de ser um grande sacrifício, para o espírito mais avançado que pisou a Terra. Não deve ser uma missão muito agradável para quem já ultrapassou a miséria espiritual e já não é deste mundo há muito tempo.

Todavia, se a reencarnação não existe, quando Jesus voltar já não estaremos cá para o receber. Serão outros os que cá estão. De que é que isso nos adiantaria? Ou o amigo acha que os ossos dos mortos se vão reerguer dos túmulos, tipo tele-filme do Michael Jackson, quando Jesus voltar?

Se os homens sobrevivem à morte, não estamos a falar do corpo de carne, pois esse todos sabemos o que lhe acontece... Jesus não disse que vinha dar a boa nova de que a vida é eterna?

bem haja 
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Julho de 2013, 19:08
Bom!

O texto inicial do tópico
sugere
uma reflexão

a questão do justo e a do pecador

Existem muitas questões que elvolvem-nos em prejuizo,
mas de onde não temos culpa
mas mesmo assim saimos prejudicados.

Uma questão que repercute em reflexão para a possibilidade da reencarnação
é a nascência em deficiência física e seja ela de que ordem for

No dia a dia
Encontramos muitas pessoas que se acidentam fisicamente no decorrer
da vida...mas estas nasceram sãs!
...e esses acidentes atuais ... estes provocados por elas ou por outros
até ai
está tudo dentro do alcance de nossas investigações
remontamo-nos nos efeitos e chegamos as causas
Tipo:
está aleijado da perna devido a fratura e um esmagamento do musculo...e ai segue
está cego de tal olho devido ao ferimento com algo pontiagudo que perfurou tal aordem
...e ai segue

Mas para aquelas que nascem deficientes
e deficiências estas de variadas ordens
o que teria sido a causa de suas atuais deficiencias?
seriam erros dos pais?
pode ser!

Mas sendo que a lei é "cada um segundo as suas obras"
isso para o nosso juizo reconhecer um Soberano Juiz...
...livrando-nos assim de tantos males que nos apontam gratuitamente...

questionamos!
onde está então a causa destas deficiências para estes nasciturnos

Poderemos apontar varias ações no momento da gravidez
que podem gerar deficiencias naqueles que irão nascer
mas serão todas as gravidez?

Jeremias (profeta)
nos diz;
"que os dentes dos filhos não podem ficar embotados se os pais comem frutos verdes"
creio também que Izaias e Ezequiel o dizem.

Então
Respondendo-nos a possibilidade da reencarnação
E o consecutivo entendimento da existência de um corpo  semimaterial...
E este corpo, com inúmeros recursos de registros e transferências  dos mesmos...
Como uma “matiz” inicial para cada renovo
Ai entra o Estudo espírita
Numa, vamos dizer, complexa e gigantesca estrutura de apresentação, teorias  estudos e entendimentos...

Abraços




Título: Re: Ninguém é vítima senão de si mesmo
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Julho de 2013, 05:11

Se um pedófilo ataca uma criança, e se a criança merece isso, uma vez que é justiça divina, porquê prender o pedófilo? Se um homicida mata pessoas, porquê prendê-lo se ele é instrumento da justiça divina?



O fato de um Espírito ser instrumento da Justiça Divina não o isenta de responsabilidade!

Qualquer Espírito pode ser colocado em condições de praticar um mal, mas não é a isso obrigado!

Enfim, devemos ter sempre em mente que Deus é Onisciente!

Título: Re: Ninguém é vítima senão de si mesmo
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 26 de Julho de 2013, 12:38

Se um pedófilo ataca uma criança, e se a criança merece isso, uma vez que é justiça divina, porquê prender o pedófilo? Se um homicida mata pessoas, porquê prendê-lo se ele é instrumento da justiça divina?



O fato de um Espírito ser instrumento da Justiça Divina não o isenta de responsabilidade!

Qualquer Espírito pode ser colocado em condições de praticar um mal, mas não é a isso obrigado!

Enfim, devemos ter sempre em mente que Deus é Onisciente!

Bem colocado meu caro, essa a grande questão na minha opinião, ninguem esta isento de suas responsabilidades perante as leis de Deus.
Ainda que a misericórdiade Deus seja infinita, suas leis são imutáveis e a todos alcaçam.
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Vitor Santos em 26 de Julho de 2013, 13:16
Olá amigo Brenno

Citar
O fato de um Espírito ser instrumento da Justiça Divina não o isenta de responsabilidade!

Qualquer Espírito pode ser colocado em condições de praticar um mal, mas não é a isso obrigado!

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/auto-conhecimento/ninguem-e-vitima-senao-de-si-mesmo/30/#ixzz2a9UvP7G9

A questão que eu coloquei não foi se o espírito tem responsabilidade ou não. No sistema de justiça humano, normal, pelo menos nos países civilizados, as pessoas são condenadas quando se lhe atribui a responsabilidade da prática de um crime. Isto porque se considera que houve uma injustiça que é preciso reparar e porque é preciso dissuadir as pessoas de praticar crimes. Eu concordo com o sistema de justiça, porque considero que cometer um crime é uma injustiça.

Mas aqueles que consideram que o que comete um crime não pratica injustiça, porque, segundo eles, não há injustiças, para serem coerentes deveriam defender que a justiça humana não deveria existir. Para que serve um sistema de justiça senão há injustiça?

A nossa responsabilidade perante Deus também só existe se praticarmos uma injustiça. Ora, para aqueles que dizem que não injustiças, não existe responsabilidade.

Para matar estar charada, só vejo uma possibilidade. Temos de considerar que a injustiça existe na Terra. Todavia, do ponto de vista da vida do espírito imortal não existe injustiça, apenas ignorância espiritual. A reencarnação é o processo de aprendizagem, o progresso espiritual é a recompensa. Não se portando bem, o homem estagna, não progride espiritualmente, continua a encarnar em mundos inferiores, onde o sofrimento o espera. O purgatório é cá na Terra, não é depois...

bem haja
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Norizonte da Rosa em 26 de Julho de 2013, 15:20
De fato, nenhum ser humano pode ser culpado pelas faltas de outro e isso se dá pelo fato de nunhum ser justo. Mas no caso de Jesus é diferente. Ele nunca pecou (Hebreus 4.15), sendo santo durante toda a sua vida nesta terra. Por isso, teve ele condições de se oferecer em sacrificio pelos pecados dos homens e assim salvá-los.



Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/auto-conhecimento/ninguem-e-vitima-senao-de-si-mesmo/#ixzz2aA0WsiJ1

Amigo Fabiano, desculpe-me se faço alguma pergunta ofensiva (não é intenção) mas não pude deixar de ler e notar essa parte que reproduzi acima.

A questão seria saber como o amigo afirma que ninguém pode ser culpado pela falta dos outros pelo fato de ninguém ser justo e sendo Jesus um justo então poderia ser culpado? não entendi essa parte.

Quanto a Jesus ter resgatado os pecados por ser justo e ter se sacrificado; como que um sacrifício apagaria os pecados dos outros? Ainda que eu não tenha grande conhecimento de Bíblia, poderia arriscar e dizer que poderia ter dado prova, com o sacrifício resignado (mas teria sido buscada essa morte para chamarmos de sacrifício, ou foi apenas resignação) de que o que importa na verdade é o Espírito, dando um testemunho disso. Do contrário teria que renegar o que pregava, ou levantar seus seguidores contra o poder.

Abraço.
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 29 de Julho de 2013, 02:03
"como você pode ter certeza que tal passagem é mais bem traduzida na versão grega do que nas outras duas versões francesas que você citou? Ademais quase todas as traduções em inglês e português são parecidas com as duas primeiras versões citadas por você. Por que a versão grega seria a melhor? Será que é por que ela sugere reencarnação?"

Meu querido, não disse que uma ou outra é "mais bem traduzida", nem tão pouco afirmei que a terceira citação, mais próxima do entendimento reencarnacionista é verdadeira.
O que quero deixar claro para o amigo, é que é perfeitamente viável encontrar o conceito reencarnacionista na bíblia, e que o povo hebreu sabia desse processo, ao qual chamava ressurreição.
Porem, em meu entendimento ressurreição pressupõe, você voltar a vida, com o mesmo corpo, a mesma "personalidade". Como poderia Jesus, sendo Jesus, ser "Isaias, Jeremia, ou um dos profetas", pelo principio da ressurreição?
Da mesma forma a questão do cego de nascença, como alguem poderia nascer cego por culpa dos próprios pecados, sem ter tido uma vida anterior na qual os tivesse cometido?
Se o discipulo de Jesus tinha essa duvida, é por que acreditava nessa possibilidade.
Alias, a pagina da livraria Sefer, especializada em publicações judaicas possui, ou possuia, a venda um livro do Rabino Avraham Brandwein, cuja tradução simples, do ingles é reencarnação de almas. Alias ai vai o link de um artigo sobre isso:http://www.chabad.org.br/biblioteca/artigos/almas/home.html.
Pretendo, apenas deixar claro que o entendimento feito acerca dos livros, qualquer livro, a bíblia inclusive, é algo muito pessoal, e respeitável.
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Mourarego em 29 de Julho de 2013, 17:17
No frigir dos ovos,
sob o condão doutrinário ninguém paga pelo que outro tenha feito, cada um é artífice ou feitor, de sua alegria ou de sua tristeza ou dor.
Abraços,
Moura
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Brenno Stoklos em 29 de Julho de 2013, 17:36
No frigir dos ovos,
sob o condão doutrinário ninguém paga pelo que outro tenha feito, cada um é artífice ou feitor, de sua alegria ou de sua tristeza ou dor.
Abraços,
Moura


Realmente, amigo Moura,

Voltemos ao assunto do tópico.

Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Vitor Santos em 29 de Julho de 2013, 17:41
Olá amigo Moura

Citar
No frigir dos ovos,
sob o condão doutrinário ninguém paga pelo que outro tenha feito, cada um é artífice ou feitor, de sua alegria ou de sua tristeza ou dor.
Abraços,
Moura

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/auto-conhecimento/ninguem-e-vitima-senao-de-si-mesmo/45/#ixzz2aS9IFOxU

Se com "ninguém", o amigo quer dizer: "nenhum espirito", eu concordo. Se com "ninguém" o amigo quer dizer "nenhum encarnado na Terra", eu não concordo. Eu acho que o encarnado pode estar aqui nesta Terra, neste corpo, a viver uma experiência que também depende de quem é o espírito, da sua história milenar, mas que o nos acontece é fruto de muitos factores. O que é mesmo fruto da vida anterior é o corpo que é escolhido para aquele espírito.

Na Terra existem mesmo injustiças. Mas essas injustiças podem ser a experiência mais adequada e mais útil para o desenvolvimento espiritual do espírito. Podem ser vistas como um beneficio pelo próprio espírito, depois de desencarnar. Todavia não posso entender que um acto de pedofilia, por exemplo, possa ser justo, seja de que forma for. Não pode ser um acto de um espírito avançado.

Bem haja   
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Brenno Stoklos em 30 de Julho de 2013, 05:33


Se com "ninguém", o amigo quer dizer: "nenhum espirito", eu concordo. Se com "ninguém" o amigo quer dizer "nenhum encarnado na Terra", eu não concordo.

Bem haja


Não existe nenhum "encarnado na Terra" que não seja um Espírito.

As injustiças cometidas pelos encarnados só o são desse ponto-de-vista (dos encarnados). As Leis Divinas não se enganam, logo, ninguém, encarnado ou desencarnado, sofre senão as consequências de seus próprios atos.

Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Mourarego em 30 de Julho de 2013, 15:42
Sim Victor, eu só falo de Espíritos, e no caso os desencarnados.
Afinal, quando encarnado o Espírito mais das vezes age na marginalidade para com a lei natural e por isso sofre as consequências, nesta ou na outra encarnação.
abraços,
Moura
Olá amigo Moura

Citar
No frigir dos ovos,
sob o condão doutrinário ninguém paga pelo que outro tenha feito, cada um é artífice ou feitor, de sua alegria ou de sua tristeza ou dor.
Abraços,
Moura

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/auto-conhecimento/ninguem-e-vitima-senao-de-si-mesmo/45/#ixzz2aS9IFOxU

Se com "ninguém", o amigo quer dizer: "nenhum espirito", eu concordo. Se com "ninguém" o amigo quer dizer "nenhum encarnado na Terra", eu não concordo. Eu acho que o encarnado pode estar aqui nesta Terra, neste corpo, a viver uma experiência que também depende de quem é o espírito, da sua história milenar, mas que o nos acontece é fruto de muitos factores. O que é mesmo fruto da vida anterior é o corpo que é escolhido para aquele espírito.

Na Terra existem mesmo injustiças. Mas essas injustiças podem ser a experiência mais adequada e mais útil para o desenvolvimento espiritual do espírito. Podem ser vistas como um beneficio pelo próprio espírito, depois de desencarnar. Todavia não posso entender que um acto de pedofilia, por exemplo, possa ser justo, seja de que forma for. Não pode ser um acto de um espírito avançado.

Bem haja   
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: hcancela em 30 de Julho de 2013, 17:09
Olá amigos(as)

Deixemos a Biblia em paz, (não faltam tópicos a falar disso) e voltemos ao tema, que é!... ::)

"O justo não pode pagar pelo pecador"

Claro que não pode, em qualquer mundo, seja este materialista ou Espiritual, porque o bom senso nos diz,que isso não faria sentido, a não ser; Nas sociedades ditas Democráticas, em que os políticos fazem e desfazem a seu belo prazer,e conseguirem virar a seu favor o contrário, do tipo Leis que os protejam do povo e não ao contrário. ;D.

Aquele abraço
Título: Re: O justo não pode pagar pelo pecador
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 30 de Julho de 2013, 19:50
Cancela meu caro, realmente acho que o debate sobre as traduções e entendimento acerca da biblia fugiram um pouco do tópico.
Mas para análise, acho que serviu.
E temos de ver uma outra coisa que julgo interessante: oconceito de justiça.
Jesus deixou claro que "a cada um segundo suas obras.". E se não me engano, existem no VT alguns profetas que sustentam algo parecido.
Para mim, qualquer referencia contrária a esse conceito, foge ao entendimento minimo de justiça.