Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Auto-Conhecimento => Tópico iniciado por: Rose FRA em 23 de Julho de 2011, 07:49

Título: Equilíbrio e Extremos
Enviado por: Rose FRA em 23 de Julho de 2011, 07:49
Amigos,


mais um texto para alegrar o nosso sabado de sol!!

Sempre queremos estar em equilibrio, mas isso nao se consegue 100% todos os dias de nossas vidas.  Vamos aproveitar as dicas para termos um equilibrio e saber que podemos entrar e "chegar aos extremos", porém com mais vontade de buscar o centro natural que se encontra dentro de nós.


Desejando a todos que se dediquem a entrar em contato consigo mesmo, para conhecer-se melhor, a estudar e entender o que passa dentro dos nossos coracoes.... deixo aqui um texto do livro: Plenitude Mediunica de Joao Nunes Maia, ditador pelo Espírito de Miramez.


Todos nós temos um aprendizado na vida... encontre o seu!!  Esse texto fala bem fundo aos coracoes dos médiuns, porém estou deixando aqui, porque todos nós somos voluntários a uma caminhada mais edificante, buscando educar a mediunidade, quem a tem e buscando educar o espirito de cada um de nós, mesmo que nao tenha descoberto ainda, a sua mediunidade...

Estude, se eduque com espírito em evolucao, procure educar sua mediunidade, aqueles que já a tem e a conhecem de perto... mas os estudos estao sempre nos cercando, nos ajudando e nos levando ao EQUILIBRIO....


Paz a todos.... e que o equilibrio esteja sempre batendo a nossas porta do coracao, para juntar-se com a razao.


Com carinho

Rose



Equiilíbrio e Extremos


Preste atencao na sua própria vida, analise os seus feitos, se estao condizentes com a harmonia da natureza.  Bem sabemos que a harmonia mais perfeita no universo se esconde nas dobras das leis naturais, que sustentam tudo o que existe, pelas bêncaos de Deus.


Sabemos que em tudo se nos apresentam os extremos e o centro, que nos cabe estudar, compreendendo que devemos fugir dos primeiros, sentindo o fio da balanca que esforcando-nos para viver no meio, sem contudo desprezarmos os extremos, pois eles serviram de degraus para encontrarmos o melhor para a paz de consciência e rompermos as nossas atividades, na seuência do bem, de modo que as fibras do coracao se harmonizassem com a consciência.


Omédium nao pode desprezar o esforco próprio na conquista de si mesmo, porque o medianeiro desequilibrado fornece campo para os Espíritos indesejados, que podem corromper seus sentimentos de amor e de caridade, abrindo brechas para que o mal cresca, perturbando muitas pessoas...  E geralmente o desequilíbrio mediúnico nos convoca para as paixoes inferiores, somando em sua vida os desleixos que expulsam a paz.


As pessoas dotadas dos dons aflorados nao podem perder o aprimoramento dessas qualidades espirituais, desdobrando seus pensamentos em forcas que poderao ajudar aos que sofrem e ajudar aos que padecem de todos os tipos de perturbacoes, mas, nao pensem que somente porque sao médiuns vao viver em plena felicidade.  A mediunidade é instrumento recebido de Deus como misericórdia, para que se conquiste o equilíbrio da nossa vida, ante a vida universal.


Observemos os primeiros passos que se deve dar na aquisicao da harmonia da vida:  se se é dado ao trabalho, que mantenha boa disposicao, mas nao exagere no labor, antes que possa suergir a queda da vitalidade orgânica.   Lembre-se da aquisicao de novas forcas para o amanha,, tendo equilíbrio que produzirá mais em qualquer servico que for abracado.  Qualquer coisa a que for chamado fazer, que se esforce para que se realize com mais perfeicao;  se está conversando, nao fele em demasia, nem tao pouco passa para a mudez.  Aproveite a oportunidade e comunique o necessário, lembrando-se do aproveitamento das energias que recebeu o seu coracao, cota distribuída por Deus para a harmonia das criaturas.


Equilíbrio é, pois, nao desperdicar a luz, nem acumulá-la, a lei do progresso obriga-nos a fazer circular todos os valores, porque pertencem a Deus.  E a alegria pura se encontra na doacao com e pelo amor, em todos os exercícios da caridade.


Médiuns!... Nao gastem tempo com coisas banais: aproveitem esse tempo no bem imortal, que edifica e ilumina.


Verdadieramente, a plenitude mediúnica está longe de ser exercida na Terra pois, para tal, requer uma vida de perfeita unidade com Jesus.  O médium precisa ter uma vida reta no que tange ao amor espiritual; precisa manter equilíbrio nas suas mais profundas emocoes; precisa lembrase-se sempre do perdao, aquele que esquece por completo todas as ofensas, ainda mais, ajudando o ofensor a corrigir seus desequilíbrios.  Precisa ser diligente por onde passa, deixando o rastro de caridade, sem nada exigir em troca.  Que seja paciente, humilde e trabalhador, sem anunciar o que faz de bem ao próximo.  Que seja estudioso das leis universais, e respeite-as.  Que ore e vigie com fé, para que essa luz limpe a sua mente dos inconvenientes, deixando que a mediunidade seja exercida no ambiente da plenitude do equilíbrio, na esfera da Terra, com os olhos e o coracao fixados no campo celestial.