Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Auto-Conhecimento => Tópico iniciado por: Luz Serena em 02 de Dezembro de 2011, 11:31

Título: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 02 de Dezembro de 2011, 11:31

Bom dia com sorrisos!![attach=1]


Passando pelos médicos e hospitais denotamos um fato incontestável: muita gente sofre de Depressão!

Em Portugal tem um slogan que diz: " a depressão mata"...
Á luz da medicina convencional é doença!

-E a luz da doutrina  espirita?

Nas pesquisas que efectuei, encontrei varias respostas sendo uma das mais acessíveis a que posto de seguida.

Estejamos pois atentos aos sinais de depressão para que ela não se infiltre no nosso corpo e dê azo a situações de desequilibro espirituais gravosas.

************************                                                ********************

Citar
A depressão á luz da doutrina espirita

A depressão pode ser conceituada como uma alteração do estado de humor, uma  tristeza intensa, um abatimento profundo, com desinteresse pelas coisas. Tudo  perde a graça, o mundo fica cinza, viver torna-se tarefa difícil, pesada, com  idéias fixas e pessimistas.
Poderíamos considerá-la como uma emoção estragada. As emoções naturais  devem ser passageiras, circularem normalmente, sem desequilibrar o ser. A  tristeza por exemplo, é uma emoção natural, que nos leva a entrar em contato  conosco, à introspecção e à reflexão sobre nossas atitudes. Agora, uma vez  estagnada, prolongada, acompanhada de sentimento de culpa, nos leva a depressão.
Podemos dividir a "depressão" em três formas, de acordo com o  fator causal:Depressão Reativa ou Neurose Depressiva:- esta depende de um  fator externo desencadeante, geralmente perdas ou frustrações, tais como  separação, perda de um ente querido, etc.Depressão Secundária a Doenças Orgânicas acidente vascular  cerebral ("Derrame"), tumor cerebral, doenças da tireóide, Depressão Endógena: por deficiência de neurotransmissores. Exs.:  depressão do velho, depressão familiar e psicose maníaco-depressiva.
Estima-se que a depressão incida em cerca de 14% da população, ou seja,  temos no Brasil cerca de 21 milhões de deprimidos.Ela afeta todo o ser, acarretando uma série de desequilíbrios orgânicos,  sobretudo, comprometendo a qualidade de vida, tornando a criatura infeliz e com  queda do seu rendimento pessoal.

André Luiz cita nas suas obras que os estados da mente são projetados sobre  o corpo através dos bióforos que são unidades de força psicossomáticas, que se  localizam nas mitocôndrias. A mente transmite seus estados felizes ou infelizes  a todas as células do nosso organismo, através dos bióforos. Ela funciona ora  como um sol irradiando calor e luz, equilibrando e harmonizando todas as  células do nosso organismo, e ora como tempestades, gerando raios e faíscas  destruidoras que desequilibram o ser.

Segundo Emmanuel, a depressão interfere na mitose (divisão) celular,  contribuindo para o aparecimento do câncer e de outras doenças imunológicas,  sobretudo a deficiência imunitária facilitando às infecções.

Na depressão existe uma perda de energia vital no organismo, num processo  de desvitalização.O indivíduo perde energia por dois mecanismos principais:

1º) Perde sintonia com a Fonte Divina de Energia Vital: o indivíduo não se  armando como deve, com sentimento de auto-estima em baixa, afasta de si mesmo,  da sua natureza divina, elo de ligação com a fonte inesgotável do Amor Divino.  Além do mais, o indivíduo ao se fechar em seus problemas e suas mágoas, cria um  ambiente vibracional negativo, que dificulta o acesso da espiritualidade Maior  em seu benefício.

2º) Gasto Energético Improdutivo: o indivíduo ao invés de utilizar o seu  potencial energético para desenvolver potencialidades evolutivas, vivendo  intensamente as experiências e os desafios que a vida lhe apresenta, desperdiça  energia nos sentimentos de auto-compaixão, tristeza e lamentações. Sofre e não  evolui.







DrWilson Ayub Lopes
Continua.....................................
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 02 de Dezembro de 2011, 12:29
    Tenhamos Fé e Alegria![attach=1]

Continuando a análise da depressão á vista da doutrina espirita,encontramos o tema que nos fala da causa da mesma.
Na esperança que seja util e motivo para mudar de postura e conduta de vida aqui deixo o Texto!.

CAUSAS  PRINCIPAIS
A depressão está freqüentemente  associada a dois sentimentos básicos: a tristeza e culpa degenerada em remorso.
Quando por algum motivo  infringimos a lei natural, ao tomarmos consciência do erro cometido, temos dois  caminhos a seguir:
1 -  Erro>Consciência>Arrependimento>Tristeza>Reparação
2 -  Erro>Consciência>Culpa-remorso (idéia fixa)>Depressão
O primeiro caminho é meio natural  de nosso aperfeiçoamento. Uma vez tomando consciência de nossas imperfeições e  erros cometidos, empreendemos o processo de regeneração através de lições  reparadoras.
De outra maneira, se ao invés de  nos motivarmos a nos recuperarmos, nós nos abatermos, com sentimento de  desvalia, de auto-punição, e permanecermos atrelados ao passado de erros, com  idéias fixas e auto-obsessivas, nós estaremos caminhando para o estado de  depressão, que é improdutivo no sentido de nossa evolução.
Outra condição que nos leva à  depressão é citada pelo espírito de François de Geneve no Evangelho Segundo o  Espiritismo, Cap. V, Item 5 (A Melancolia), onde relata que uma das causas da  tristeza que se apodera de nossos corações fazendo com que achemos a vida  amarga é quando o Espírito aspira a liberdade e a felicidade da vida  espiritual, mas, vendo-se preso ao corpo, se frustra, cai no desencorajamento e  transmite para o corpo apatia e abatimento, se sentindo infeliz. Para François  Geneve então, a causa inicial é esta ânsia frustrada de felicidade, liberdade  almejada pelo espírito encarnado, acrescido das atribulações da vida com suas  dificuldades de relacionamento interpessoal, intensificada pelas influências  negativas de espíritos encarnados e desencarnados.
Outro fator que está determinando  esta incidência alarmante de depressão nos nossos dias é o isolamento, a  insegurança e o medo que estão acometendo as pessoas na sociedade  contemporânea.
Absorvido pelos valores  imperantes como o consumismo, a busca do prazer imediato, a competitividade, a  necessidade de não perder, de ser o melhor, de não falhar, o homem está de  afastando de si e de sua natureza. Adota então uma máscara (persona), que  utiliza para representar um "papel" na sociedade. E, nesta vivência  neurotizante, ele deixa de desenvolver suas potencialidades, não se abre, nem  expõe suas emoções, pois estas demonstram o que de fato ele é. Enclausurado,  fechado nesta carapaça de orgulho e egoísmo, ele se isola e se sente sozinho.  Solidão, não no sentido de estar só, mas de se sentir só. Mais do que se sentir  só é a insatisfação da pessoa com a vida e consigo mesma.
O indivíduo nessa situação  precisa se cercar de pessoas e de coisas para ficar bem, pois, desconhece que  ele se basta pelo potencial divino que tem.
A solidão é conseqüência de sua  insegurança, de sua imaturidade psicológica. Nos primeiros anos de vida, a  criança enquanto frágil e insegura, é natural que tenha necessidade de que as  pessoas vivam em função delas, dando-lhes atenção e proteção. É a fase do  egocentrismo, predominantemente receptiva. Com o seu amadurecimento, começa a  criar uma boa imagem de si, tornando-se mais seguro, e a partir de então, passa  a se doar, a se envolver e a participar mais do a mundo. O que acontece é que  certas pessoas, por algum motivo, têm dificuldades neste processo de  amadurecimento afetivo, mantendo-se essencialmente receptivas e não participativas,  exigindo carinho, respeito e atenção, sem se preocuparem da mesma forma com os  outros. Fazem-se de vítimas, pobre coitados, sem as responsabilizarem por si.
Conseguem o seu equilíbrio às  custas das conquistas exteriores. A primeira frustração que se deparam, não  toleram, pois expõe suas fraquezas e isto motiva um quadro de depressão.
Em alguns idiomas, doença e vazio  têm a mesma tradução. A doença seria decorrente de um vazio de sentimentos que  gera depressão e adoece o ser.
Um indivíduo quando perde a  capacidade de se amar, quando a auto-estima está debilitada, passa a ter  dificuldade de amar o semelhante, pois o sentimento de amor, de generosidade  para com o próximo, é um sentir de dentro para fora. Este sentimento de amor ao  próximo, nada mais é do que uma extensão do nosso amor, da nossa sintonia com o  Deus interior que nós temos em nós. A pessoa que tem dificuldade nesta  composição de amar a si e, por conseqüência, amar o próximo, deixa de receber o  amor e a simpatia do outro, e não consegue entra em sintonia com a fonte  sublime inesgotável do Amor Divino. Nós limitamos aquilo que recebemos de Deus,  na medida do quanto doamos ao próximo. Quem ama muito, muito recebe. Quem pouco  ama, pouco recebe. Esse afastamento de si, e por conseguinte de Deus, gera a  tristeza, o vazio, a depressão e a doença.


Continua-.........
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Dezembro de 2011, 17:05
Olá

Sob a palavra depressão é usual encontrar um vasto conjunto de situações. Mas, em termos médicos, trata-se de uma doença, bem definida, embora possa apresentar vários graus de gravidade. A auto-culpa por tudo e mais alguma coisa é um dos sintomas comuns. A pior coisa que podem fazer a uma pessoa em depressão é tentarem convencer a pessoa de que ela é a culpada da situação, ainda que essa seja a verdade. Agravar o sentimento de culpa existente é contribuir para o agravamento da situação. Não se trata de ser hipócrita, mas de não carregar com o dedo na ferida, agravando-a.

Quando o deprimido começa a sair da depressão, recupera a capacidade de avaliar as causas que o levam à depressão. Nessa altura poderá aprender a prevenir-se para o futuro. A prevenção é sempre o melhor remédio.

Na minha opinião, o que leva as pessoas à depressão é a falta de resignação perante a impotência de resolver algo que considera imprescindível na sua vida, mas que não consegue resolver. A revolta, o ressentimento, a incapacidade de aceitar da situação em que se encontra, faz com que as pessoas reajam para mudar a situação, numa primeira fase, lutando até ao esgotamento, e numa segunda fase completamente esgotadas, já sem energia e sem forças, caindo na cama, incapacitadas para o trabalho e para a sua vida normal.

A incapacidade de gerar o sustento para si e para a família é uma solicitação brutal, que leva, quase inevitavelmente, à depressão. Vivemos um periodo de grande desemprego, em Portugal e em grande parte do mundo e, estou certo, muitas famílias portuguesas estarão a passar pela depressão. É importante alertar as pessoas que, felizmente, se encontram saudáveis, para terem paciência e serem benevolentes para com estas pessoas, pois ninguém está livre.

Já conheci pessoas que pareciam inabaláveis depois de passar por situações muito difíceis, como acidentes de automóvel quase mortais, que pareciam quase imunes a problemas graves, ficarem em grande depressão quando viram a sua fonte de sustento a falir ou na iminência de falir. As pessoas sentem-se inúteis e impotentes, perdem a vontade de viver. O homem tem necessidades, e a lei da sobrevivência não o deixa esquecer-se delas, como é óbvio para todos nós. É preciso respeitar e dar valor a todos aqueles que estão desesperados.     

bem hajam
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 02 de Dezembro de 2011, 19:22
    Gratidão pela Vossa  colaboração no tópico:


Eis algumas das formas que podem auxiliar no tratamento da depressão, espero ter oportunidade de emitir mais detalhadamente a minha opinião como ser humano e como espirita pequenininha, ao longo do tempo em que este post for vivendo.
Até la, vamos emanando força, energia, Amor para quem por algum motivo se encontra em Depressão![attach=1]


Citar
TRATAMENTO
A depressão é um  sintoma que nos diz que não estamos nos amando como deveríamos.
O caminho para  sairmos dela é preencher este vazio com a recuperação da auto-estima e do amor  em todos os sentidos. Primeiro, procurando nos conhecer e nos analisar, com o  intuito de nos descobrirmos, sem nos julgarmos, sem nos punirmos ou nos  culparmos. E depois, nos aceitarmos como somos, com todas as nossas limitações,  mas sabendo que temos toda potencialidade divina dentro de nós, esperando para  desabrochar como sementes de luz. Isto nada mais é do que desenvolver a fé em  si e no criador, sentimento este que transforma e que nos liga diretamente a  Deus.
Uma pessoa  consciente de sua riqueza interior passa a ter segurança e fé nas suas  potencialidades infinitas, começando a gostar e acreditar em si, amando-se e a  partir de então, sentindo necessidade de expandir este sentimento a tudo e  todos. Começa assim a se despertar para os verdadeiros valores da vida  espiritual, se transformando numa pessoa feliz e sorridente, pois onde existe  seriedade, há algo de errado; a seriedade está ligada ao ser doente. Sorria e  seja feliz amando e servindo sempre.
A terapia contra a  depressão se baseia no amar e no servir, se envolvendo em trabalhos úteis e no  serviço do bem. Seja no trabalho profissional, no trabalho do lazer, ou no  trabalho de servir ao próximo, o indivíduo se ocupa, exercita o amor, e deixa  de se envolver com as lamentações, pois a infelicidade faz seu ninho no escuro  dos sentimentos de cada um. Dificilmente conheceremos um deprimido, entre  aqueles que trabalham a serviço do bem.
Para doarmos este  amor, não basta somente fazermos obras de caridade, temos que nos tornarmos  caridosos; antes de fazermos o bem temos que ser bons. Darmos um pão, um  agasalho, mais junto colocarmos uma boa dose de afeto e carinho. Ser acima de  tudo generosos, que é a caridade com afeto. As pessoas estão com fome de amor,  de calor humano, um ombro amigo, um abraço, um aconchego e uma palavra de  carinho.
Às vezes, com um  simples sorriso, um bom dia, um olhar afetuoso, nós estamos doando energia e  transmitindo vida.
O homem alcançou um  enorme progresso intelectual, satisfazendo suas necessidades materiais com os  avanços tecnológicos. Porém, ainda se depara com enormes dificuldades na  convivência fraterna com o seu semelhante. Estamos cada vez mais próximos um  dos outros através dos meios de comunicação e, no entanto, mais afastados  emocionalmente. Agora, o homem está sentindo a necessidade premente de  desenvolver a afetividade, de se envolver, amar e sentir o seu semelhante.
Temos que  ressuscitar e liberar a criança que está esquecida dentro de nós. Para  resgatarmos esta criança que adormece em nós, é necessário que vejamos o mundo  de forma positiva e otimista.
A nossa criança interior, geralmente se encontra  retraída e oprimida, porque a vida nos apresenta de forma desagradável; ainda  não vivemos de forma natural, espontânea e isto gera ansiedade e sofrimento.  Como a criança é movida pelo prazer, ela se recolhe e não se manifesta.
A criança não se  julga, não se pune. Ela apenas vive o hoje, o agora, integrada perfeitamente a  Deus e à natureza. "Deixai vir a mim as criancinhas porque o reino dos  céus é de quem vos assemelham" - com estas palavras quis Jesus dizer que  teremos que ser puros, autênticos, integrados com a nossa natureza divina, sem  fugas ou máscaras, para alcançarmos a nossa evolução espiritual. Ter atitudes  simples, como lidar com animais, brincar com crianças, atividades criativas  como a pintura, tocar um instrumento, fazer pequenas tarefas domésticas,  cozinhar, manter uma conversa amena, contar um caso, ver um bom filme, escutar  uma música, cantar, sorrir, ouvir com atenção, olhar com ternura, tocar as  pessoas, abraçar, fazer um elogio sincero, curtir a natureza, admirar o por do  sol, etc. Estas são tarefas que muito lhe ajudará a reencontrar o equilíbrio e  a harmonia interior.
Manter sempre o bom  humor. Aquele que tem no ideal de servir uma meta de vida, será sempre uma  pessoa feliz. Na vida o que mais importa é o amor e o bem querer das pessoas,  viver suas emoções; não se deixar afetar por coisas pequenas. Muitas vezes nos  deixamos abater por problemas, que se olharmos com olhos de Espíritos Eternos  em passagem pela Terra, não valorizaríamos.
Substituir  sentimentos de auto-piedade por vibrações em favor dos que sofrem. Se olharmos  com atenção e interesse ao nosso redor, veremos que existem pessoas com  problemas muito piores, que o nosso a pedir socorro.
Procurar praticar  atividades físicas regulares, como a caminhada, um esporte, um lazer. A mente  parada começa a criar pensamentos negativos, que se assemelham a lixos  amontoados dentro de casa. Com estas atividades, você estará desviando sua  mente destes pensamentos deletérios.
Tornar-se  empreendedor, dinâmico, criando idéias novas e construtivas em benefício do  semelhante, com motivação para implementá-las, junto ao grupo ou a comunidade  que pertence. Não fique estagnado esperando que a coisas aconteçam em seu  favor. Aja em favor do próximo e não se surpreenda se você for o mais  beneficiado.
Leituras  edificantes, uma conversa com um amigo, um terapeuta ou um orientador  espiritual, ajuda você a ver o problema por um outro ângulo.
A oração é um  recurso indispensável no processo de recuperação. Através dela estabelecemos  sintonia com a Espiritualidade Maior, facilitando o caminho para que nos  inspirem e revigorem nossas energias.
Não nascemos para  sofrer. A vontade de Deus é a nossa alegria e a nossa felicidade. Se sofrermos  é por nossa causa. Os nossos problemas e nossas dificuldades devem ser  interpretadas como instrumentos para nossa evolução.
Nunca devemos nos  deprimir ou nos revoltar contra eles. O melhor aprendizado, é aquele que  tiramos de nossa própria vida.
Vocábulo  "crise" em algumas línguas podem ter dois significados: a  oportunidade ou perigo. Oportunidade de crescimento ou perigo de queda.
O que importa é  sabermos que os problemas , que deparamos na vida só surgem quando já temos  condições de solucioná-los. Como disse o Mestre Jesus: " O Pai não coloca  fardos pesados em ombros fracos". Deste modo, ficamos mais fortes ao saber  que temos todas as condições interiores, para enfrentar as dificuldades que a  vida nos apresenta.
Ter consciência, que acima de tudo, tem um Deus maior a zelar por nós e que  nunca nos abandona. Confiar em Jesus e seguir seu exemplo de vida: "Eu sou  o Bom Pastor; tende bom ânimo; não se turbe o vosso coração; vinde a mim vós  que andais afatigados, cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei".

Continua....   
Título: Re: A Depressão ... Querer a Cura!
Enviado por: Luz Serena em 02 de Dezembro de 2011, 20:59
                 Boa noite:[attach=1]Seguindo o tópico, aqui fica mais um texto para lançar  alguns pensamentos problemáticos, discordantes  sobre a depressão na perspectiva espirita, e como cura-la...
Será que basta querer, e os Nossos guias benfeitores farão todo o resto para que a saude volte???
Questiono!!!!Voltarei com algumas opiniões! !!
Citar
Depressão, uma visão espírita (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5sdXplc3Bpcml0YS5uZXQvaW5kZXgucGhwL2RlcHJlc3Nhby11bWEtdmlzYW8tZXNwaXJpdGEv)                 
 
                                              Desde passado longínquo autoridades médicas e psicológicas têm   buscado explicações para os estados depressivos, considerando apenas   como estado mórbido. Será apenas distúrbio somático, decorrente de   síndromes nervosas?
Mais recentemente já se começo a pensar que a depressão, causas e   conseqüências poderiam ter outras  configurações, a partir de estudos   até mesmo do comportamento humano.
Não haveria também causas espirituais? Dizemos espirituais e não   religiosas, pois qualquer nome que se dê, sabemos que o corpo humano é   constituído do corpo e alma (espírito),sem contar que a doutrina   espírita encontra um outro componente, o perispírito.
Como objeto de estudos dentro da doutrina espírita fomos buscar em   renomados autores encarnados, especialistas quanto ao mecanismo da mente   e nos desencarnados como forma de conhecer a visão Espírita da   depressão.
O ponto de partida é um texto extraído do Boletim da Associação   Médico-Espírita do Estado do Espírito Santo, de autoria do médico Dr.   Wilson Ayub Lopes, que buscou em obras espíritas elementos para seu   artigo “A DEPRESSÃO NA VISÃO ESPÍRITA’.
A leitura desse texto,  demonstra  bem a conceituação médica da   depressão, enriquecida com preciosos esclarecimentos de espíritos   evoluídos registrados na bibliografia doutrinária., concluindo pelo nexo   causal entre moléstia e pertubação do espírito. Vamos então procurar   uma síntese de informações para se entender como o mundo espiritual pode   ter influências no surgimento de depressões, nas suas  variadas   manifestações.
Claro, óbvio , que a primeira obra seja o EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, de Allan Kardec, na tradução de J. Herculano Pires.
Os elementos que coligimos fomos buscar no Capítulo V – Bem   aventurados os aflitos…, o que já nos prenuncia um estado espiritual   para um grande número de depressões a que os seres humanos estão   sujeitos.
O que são aflições? São alterações do modo de vida  que se   transformam em vicissitudes, que têm uma causa justa e considerando que   Deus é justo, a causa é, por conseqüência, justa.
Segundo Kardec, essas vicissitudes tem duas causas distinta, podendo ser originária da vida presente ou de outras vidas.
Porque a ligação de vicissitudes com depressão? Simplesmente porque,   segundo o Dr. Ayub, a depressão decorre ou é “uma alteração do estado de   humor, uma tristeza intensa, um abatimento profundo”.
E Kardec complementa que as vicissitudes são as aflições de que a   pessoa é tomada, as decepções, as frustrações, enfim, vários   acontecimentos que deprimem o estado de espírito, como se costuma dizer   em linguagem mais accessível
A quem cabe a culpa por essas aflições? Kardec responde que “cabem   senão a si mesmo”, pois por orgulho ou falta de conhecimento, atribuem à   falta de sorte, à Providência, sua má estrela, sem pensar que sua má   estrela é sua própria falta de compreensão.
Segundo o Dr. Ayub, a depressão se apresenta sob três formas,   decorrentes do fenômeno causal.  Algumas são comportamentais, outras   advem de um estado mórbido e ainda as que fogem ao controle do homem,   são de caráter imponderável, e ocorrem dentro da misericórdia divina: a   perda de um ente querido, um acidente fatal, reveses da fortuna,   flagelos naturais.
Muitas vezes a depressão decorre de um sentimento de culpa ou de   arrependimento, sendo estes casos diretamente decorrentes da ação ou   omissão do homem.
Analisando a depressão originária de vidas passadas, se o espírito   encarnado volta a deixar de cumprir seus compromissos dentro do seu   livre arbítrio; escolhida a ação, depois se arrepende e fica com a   consciência culpando-o, talvez até mesmo por vislumbres de lembranças do   passado.
Não foi o que ocorreu com Pedro e com Judas? Ambos se arrependeram e   caíram num estado depressivo, do qual só a fé e a força de vontade podem   tirar desse estado.
Vimos que Pedro se arrependeu, pediu perdão, e se reabilitou perante Cristo, o que não conseguiu Judas Iscariote.
Este, deprimido e arrependido viu no suicídio a única forma de se   redimir do seu erro. Aqui vale uma pergunta não propriamente dentro do   tema, mas para reflexão: essa  sua traição não estaria dentro dos   desígnios de Deus, pois com todo Seu poder poderia ter evitado a prisão   de Jesus? A nós parece que estava escrito!
Segundo pesquisadores, a depressão se apresenta sob formas   diferentes, com intensidade e/ou duração variáveis. E também que todo   depressivo, em regra geral é triste, mas a recíproca não é verdadeira.
Porque estamos defendendo a posição, com certeza com boas companhias,   de que a depressão em muitos e muitos casos pode ser conseqüência de   uma causa espiritual?
Não nos disse Jesus, “no mundo tereis aflições..?”
Vamos também transcrever um trecho de Kardec:
“O Espiritismo é a ciência nova que vem revelar aos homens, por meio   de provas irrecusáveis, a existência  e a natureza do mundo espiritual e   suas relações com o mundo corpóreo. Ele no-lo mostra, não mais como   coisa sobrenatural, porém, ao contrário, como uma das forças vivas e sem   cessar atuantes da Natureza, como a fonte de uma imensidade de   fenômenos até hoje incompreendidos e, por isso, relegados para o domínio   do fantástico e do maravilhoso. É a essas relações que o Cristo alude   em muitas circunstâncias e daí vem que muito do que ele disse permaneceu   ininteligível ou falsamente interpretado. O ESPIRITISMO É A CHAVE COM O   AUXÍLIO DA QUAL TUDO SE EXPLICA DE MODO FÁCIL (Evangelho Segundo o   Espiritismo, capítulo I).
Porque não buscarmos na luz da Doutrina o que o Espiritismo e os   espíritos evoluídos e benfeitores dos encarnados sob a proteção de   Jesus, pode dar a propósito do tema?
Nós, espíritas convictos, sabemos que a reencarnação é a chave que   recebemos da Misericórdia Divina para o aperfeiçoamento do nosso   Espírito, e nesse caminho encontramos sempre os Espíritos que nos amam e   se preocupam com o nosso estado corpóreo e espiritual. São Bons   Espíritos que nos acompanham, nos dão assistência sempre e,   principalmente, nos fortalecem intuindo para o caminho do êxito na   missão.
  Assim, todo encarnado deprimido vai encontrar na Doutrina excelente   aliada para recuperação da sua saúde . Basta querer encontrar o remédio   certo, na medida certa, e na hora certa.
  De: Nery Porchia
Título: Comportamento depressivo....
Enviado por: Luz Serena em 03 de Dezembro de 2011, 15:59
De novo no tópico da depressão:

Graças a Deus que nem todos os seres reencarnados estão em estado depressivo, mas acredito que muitos de Nós estamos, e negamos ,pois parece coisa ruim.

Inumeros sao os estudo sobre este estado comportamental, e a tentativa para atenuar seus sintomas.

A Depressão emerge dum estado do Espirito,que ao reencarnar traçou passar por este problema de saúde,que afecta  tanto o físico como o espiritual.
Veja-se alguns elementos identificativos de que o ser está a passar por estado depressivo:[attach=1]

[Comportamento Depressivo 
 depressão é um mal-estar muito presente na civilização, neste fim de   século.
Grave é aquele processo depressivo que afeta, de diferentes   maneiras, o humor, o pensamento, as funções corporais e o comportamento   de uma pessoa.

Na depressão, muitas vezes, o pensamento se torna   negativo em relação a si mesmo, ao presente e ao futuro.
 As pessoas   deprimidas podem ter dificuldades para se concentrar e memorizar e com   freqüência têm problemas para tomar decisões. À medida em que a   depressão vai se tornando mais grave, pode ocorrer o sentimento de   menosprezo e desespero. As pessoas que pensam que a vida não vale mais a   pena ser vivida apresentam com freqüência idéias suicidas.
O que pode causar a depressão?
Alguns boletins médicos apresentam como possíveis causas:
Dificuldades numa relação;
Preocupações financeiras;
]Estresse
"Perdas" de entes queridos
]Herança   genética - alguns pesquisadores acreditam que pessoas com   suscetibilidade genética podem tornar-se mais vulneráveis à depressão;
Fatores fisiológicos ou bioquímicos - que hoje se constitui em interessante área de pesquisa
Acredita-se   que a depressão seja causada por um desequilíbrio entre substâncias   químicas cerebrais (neurotransmissores).
 Outros fatores fisiológicos   seriam algumas doenças, vários remédios e também o álcool e outras   substâncias das quais as pessoas abusam.

Numa   avaliação social, Dr. Washington Loyello, professor adjunto de   Psiquiatria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, opina: - "A   valorização exacerbada do dinheiro e das posições sociais somada ao   incessante apelo ao consumismo faz com que o homem ocidental sofra uma   série de tensões e frustrações que podem acabar culminando com o   aparecimento de algum distúrbio mental".
 Para o psiquiatra, "no sistema   capitalista, onde a criação artificial de necessidades funciona como   força motriz, o homem é espicaçado através da propaganda a um consumo   desnecessário de bens, o que o leva a envidar esforços cada vez maiores a   fim de obtê-los. Evidentemente que a conquista desse objetivo gera um   imenso desgaste, enquanto seu fracasso acarreta uma enorme gama de   frustrações
. Não há então uma solução de satisfação. Somos sempre   arremessados em extremos insatisfatórios".
Ainda   assinala o médico, em adição aos aspectos competitivos da sociedade e da   criação de necessidades, estão as reais situações de dificuldades.

"Há   pessoas que não têm como comer ou dormir direito, não dispõem de um   mínimo de condições de sobrevida". E para Loyello, ansiedade e depressão   seriam as conseqüências mais comuns e ilustrativas do caos pós-moderno.

Outro   psiquiatra - Dr. Eustáquio Portela Nunes, nos dá sua opinião, dentro do   contexto social: - "A depressão é, para este final de século o que a   histeria foi para seu início. Esse fato se deve às vertiginosas   transformações operadas no período.
A depressão resulta da ausência e   esperança, da incerteza em relação ao que está por vir. Entre os   deprimidos é onde ocorre o maior número de suicídios.
 O homem paga um   alto tributo por ser o único animal que se angustia, uma sensação   essencialmente ligada ao medo do futuro. É
 o único ser vivo na natureza   que sabe que vai morrer e chega um momento, geralmente na idade média da   vida, em que o presente cobra do passado os sonhos irrealizados e é   nessa fase que a depressão encontra terreno fértil para se instalar".
"Outro   aspecto da depressão, uma sensação de perda de pontos de apoio, é   semelhante à experimentada com a morte de entes queridos.
A perda   está vinculada a idéias de diminuição, subtração, desvalorização, que   produzem um sentimento de tristeza, desânimo e desinteresse pela vida",   analisa Dr. Washington Loyello.
As estatísticas   apontam a quarta década da vida como a época mais propícia ao surgimento   do mal, embora outros dados já indiquem uma alteração na saúde mental   de jovens na faixa etária entre 15 e 24 anos -- a taxa de suicídio   triplicou nos últimos 20 anos, segundo a Associação Mundial de   Psiquiatria.

"O amplo espectro de sintomas da depressão compreende   tristeza, diminuição da vontade, sentimento exagerado de culpa, perda de   perspectiva, desejo de fuga da vida, redução da mobilidade e da   capacidade cognitiva, além de insônia ou hiperssonia".
Esses   aspectos são abordagens psicossociais que a comunidade médica apresenta   dentro de seu campo de ação.
 E o aspecto espiritual, seria relevante,   no caso da depressão?

Sem dúvida, e a Doutrina Espírita nos coloca   alguns pontos que, refletidos, leva-nos a considerar não somente os   aspectos psicofísicos e sociais.

O princípio   doutrinário da reencarnação nos permite raciocinar sobre a imensa   bagagem da qual o espírito imortal é portador.
 Ora, essa bagagem tem   conteúdo positivo e negativo que foi acumulado ao longo das vidas   sucessivas.
O espírito registra todo o seu quadro comportamental através   do perispírito, que o intermedeia ao corpo físico.
 Muitas seqüelas   graves que se apresentam como doença no corpo são resultados de   distúrbios comportamentais que se apresentaram no passado remoto ou   recente. A depressão pode ser um quadro desses, agravado pelos agentes   externos.

O corpo físico somatiza desequilíbrios do espírito.

Há,   ainda, o assédio espiritual de outros seres, já desencarnados, que a   Doutrina Espírita caracteriza como processo obsessivo, influenciando   aquele que já se encontra predisposto às influenciações dessa natureza.
  Ou seja, o processo depressivo indica um espírito angustiado, que ainda   não conseguiu achar um denominador comum nas suas ações, um espírito que   se debate nas suas emoções sobre as quais perdeu o controle.
Joanna   de Ângelis, através da psicografia de Divaldo Pereira Franco, assim se   expressa: - "Ao lado das diversificadas patologias desesperadoras do   momento os fenômenos psicológicos de desequilíbrio alastram-se   incontroláveis. A mole humana passou a sofrer o efeito desses   sofrimentos que se generalizaram.
A doença, todavia, é resultado do   desequilíbrio energético do corpo em razão da fragilidade emocional do   espírito que o aciona.

Os vírus, as bactérias e os   demais microorganismos
 devastadores não são os responsáveis pela   presença da doença, porquanto eles se nutrem das células quando se   instalam nas áreas em que a energia se debilita. Causam fraqueza física e   mental, favorecendo o surgimento da doença, por falta da restauração da   energia mantenedora da saúde.
 Os medicamentos matam os invasores, mas   não restituem o equilíbrio como se deseja, se a fonte conservadora não   irradia a força que sustenta o corpo. Momentaneamente, com a morte dos   micróbios, a pessoa parece recuperada, ressurgindo, porém, a situação em   outro quadro patológico mais tarde.
A conduta moral e mental dos   homens, quando cultiva as emoções da irritabilidade, do ódio, do ciúme,   do rancor, das dissipações, impregna o organismo, o sistema nervoso, com   vibrações deletérias que bloqueiam áreas por onde se espraia a energia   saudável, abrindo campo para a instalação das enfermidades, graças à   proliferação dos agentes viróticos degenerativos que ali se instalam[  (Plenitude - Alvorada Editora
Título: Re: A Depressão ...A Autocura!!!!!!!
Enviado por: Luz Serena em 03 de Dezembro de 2011, 16:11
continuação do post anterior:


A importância da cura primordial da Alma para superar a Depressão![attach=1]
A medicina tradicional recomenda o tratamento com   medicamentos capazes de contornar rapidamente os sintomas e mais o   acompanhamento psicoterápico. A Doutrina Espírita vai além, considerando   que o significado da vida é muito mais amplo que conquistas sociais.
Ainda   utilizamos Joana de Ângelis que traduz o pensamento espírita: - "O   Espiritismo vem conclamando o homem para o respeito a Deus, a si mesmo,   ao próximo, a todas as expressões vivas ou no que lhe constituem o   ambiente em que está localizado, para aprender e ser feliz, assim   adquirindo a sua plenitude. Considerando a problemática humana,   existente no próprio indivíduo - o desconhecimento de si mesmo e tendo   em vista os urgentes fatores que desencadeiam o sofrimento, arrastando   multidões à sandice, ao desalento, à alucinação, às fugas inglórias pelo   suicídio e pelos vícios, propõe que o homem conheça a si próprio a fim   de se trabalhar. Quase sempre as terapias tradicionais removem os   sintomas sem alcançarem as causas profundas das enfermidades. A cura   sempre provém da força da própria vida, quando canalizada corretamente".
Adquirir   uma consciência responsável é meta nossa, na presente encarnação, o que   nos facilitaria a educação do pensamento e a disciplina dos hábitos.
Educar o pensamento é direcioná-lo de forma positiva, edificante, firmando-o em propósitos saudáveis.
Um processo de autocura inclui, segundo ainda Joanna de Ângelis na mesma obra:
1) Observar o pensamento para que irradie energias positivas:2) Manter sintonia mental com Deus, fonte do poder.
3) Cuidar do aspecto físico: descanso, dieta, higiene, ordem nas atividades.
4) Canalização dos pensamentos e das emoções para o amor, a compaixão, a justiça, a equanimidade e a paz.
A   obsessão é estudada em profundidade pelo Espiritismo - fatores causais -   e a Casa Espírita propõe métodos corretos para atender os que se acham   envolvidos.
O amor seria o primeiro medicamento para a terapia antiobsessiva.
A   mediunidade é grande oportunidade para identificar e curar obsessões e,   devidamente educada, aplicada em finalidades relevantes.
A desobsessão é terapia especializada da Casa Espírita mas o processo implica em reforma moral do obsidiado.
O deprimido precisa curar a alma, a fim de que se instale a alegria, a paz, a saúde integral.
É uma luta longa, mas o esforço para levá-la a termo construirá bases morais sólidas, naquele que se dispõe a realizar.
"Se os médicos são malsucedidos, tratando da maior parte das moléstias, é que tratam do corpo, sem tratarem da alma.
Ora, não se achando o todo em bom estado, impossível é que uma parte dele passe bem".
(O Evangelho Segundo o Espiritismo - Allan Kardec - Introdução - item XIX - Resumo da Doutrina de Sócrates e Platão - FEB).
Título: Re: A Depressão ...Sintonia Positiva....
Enviado por: Luz Serena em 03 de Dezembro de 2011, 18:55
Boa noite irmãos;[attach=1]
Estou  aqui ponderando, pensando, buscando soluções para postar algo que auxilie os irmãos deprimidos a superar tal estado de espírito.
sinto que a muitos falta a Fé para acreditar que se trata de um momento, vivenciado hoje, mas que amanhã já terá sido ultrapassado.
Isto acontece porque não acreditamos em nossos poderes e nas ajudas que vem da espiritualidade.
Também temos dificuldade em entregar nas mãos de Deus os problemas que nos deprimem, e aguardar que no momento certo eles se dissipem.
Acreditem que tudo Passa, tudo se cura, tudo se trata, tudo é passageiro, e só persiste porque o alimentamos.
Por amor de Deus, sorriam mais, cantem mais, abracem mais, colham mais flores, ouçam as aves do céu, fotografem com a vista os lirios do campo, e AMEM-Se!!!!!

Voltarei sempre com palavras de ãnimo, com presentes de doçura, com abraços de Luz envolventes e que falam de Deus!
Até lá, fica mais um texto, que é um pouco cientifico, tambme é espiritual, mas com escrita dificil, e pouco facil de entender para quem não entende bem os palavroes de gente que estudou! Falam assim mas são gente boa, amam-nos e estudam-nos porque querem a nossa Felicidade. Pensemos nisto,agora e agradeçamos os medicos, os mediuns, os trabalhadores dos Centros Espiritas, os que fazem prece por Nós em casa, e a todos os que nos rodeiam, pois todos são necessários para a nossa recuperação na saúde do corpo e da Alma! Com todo o meu amor,minha prece e meu carinho, deixo-vos em leitura!

Pensamento, Sintonia e Energias
Citar
Carlos Augusto Parchen
O ser humano é um complexo, que pode ser avaliado sobre diferentes visões:   científica, religiosa, filosófica, holística, etc. Cada visão tem suas   particularidades e abordagens, que enfatizam as “cores” da sua proposta ou linha   de pensamento.
No entanto, um ponto de convergência começa a se consolidar como aceito pela   maioria das visões: o componente energético do ser humano, e as sua interfaces   com a natureza e com os outros seres da criação.
Com o desenvolvimento científico e os avanços tecnológicos, cada vez mais se   estuda, diagnostica e teoriza sobre energias no complexo humano, como o   pensamento emite energias, como se sintoniza e absorve energias do ambiente,   etc.
O espiritismo kardecista enfatiza a questão energética do ser humano,   colocando o componente energético e suas relações como tão ou mais importante   que o componente material (físico, orgânico).
A base dos sistemas de auto-ajuda está na mentalização positiva, ou seja, na   geração de energias positivas ao redor da pessoa.
A natureza é um imenso oceano de vibrações e energias, onde os seres   transitam, influenciando e sendo influenciado por essa torrente energética e   vibratória.
A física quântica, com suas teorias complexas e revolucionárias, traz à luz   da discussão científica, o componente não material nos fenômenos da natureza, o   elemento “organizador” da estrutura material e de seus fenômenos.
As colocações que fizemos até agora, visam chamar nossa atenção para a   questão energética e sua influência e relações em nossa vida. Vamos abordar a   questão específica dos nossos pensamentos e de nossa sintonia energética e   vibratória.
O ser humano absorve energias das mais diversas, de forma automática, e as   metaboliza em sua estrutura energética, que o espiritismo denomina de   perispírito. Essa absorção e metabolização, faz parte normal do funcionamento do   complexo humano, ocorrendo de maneira automática, ou seja, é um processo   inconsciente ou transparente, numa linguagem mais moderna, que ocorre   independente da percepção ou decisão voluntária da pessoa.
  (http://www.espirito.org.br/portal/palestras/carlos-parchen/pensamento/pensamento-1.gif)
Essas energias absorvidas são constituídas das energias e vibrações do   ambiente em que estamos inseridos, e se constituem de elementos presentes na   natureza (como o Fluído Cósmico Universal, radiações eletromagnéticas, etc.), de   fluídos (emissões energéticas de processos orgânicos ou perispirituais de outros   seres da criação) e de vibrações e pensamentos advindos de outros seres humanos   ou espíritos.
A metabolização no nosso complexo, transforma essas energias absorvidas em   componentes específicos da nossa “circulação” energética, distribuindo estes em   todo o nosso organismo físico e perispiritual, servindo como verdadeiro   “alimento” para o complexo humano.
Por ser um processo automático, a absorção de energias pelo nosso organismo   está ajustado, naturalmente e automaticamente, ao padrão energético e vibratório   específico do indivíduo, ou seja, ao nível vibratório correspondente ao seu   estado mental e espiritual do momento.
Isso significa dizer que as energias absorvidas pelo indivíduo são do mesmo   padrão vibratório em que ele se encontra no momento, ou seja, nosso complexo   energético tem uma espécie de “filtro”, que deixa passar apenas as energias com   as quais afinamos e sintonizamos.
Evidentemente, um estado de desequilíbrio no nosso campo mental e espiritual,   promove imediatamente um reajuste no nosso sistema energético, o que nos leva   também a sintonia com determinado tipo de energia, que passará a ser “filtrada”   para o nosso sistema energético, incorporando-se, pela metabolização ao sistema   perispiritual e físico.
O equilíbrio ou o desequilíbrio no campo mental e espiritual do indivíduo,   determina, portanto, que “qualidade” ou “tipo” de energia será absorvido por   ele.
  (http://www.espirito.org.br/portal/palestras/carlos-parchen/pensamento/pensamento-2.gif)
  (http://www.espirito.org.br/portal/palestras/carlos-parchen/pensamento/pensamento-3.gif)
Se estamos equilibrados, harmonizados, vibrando no bem, nosso “filtro”   promove a absorção de boas energias, correspondentes ao nosso “patamar   vibratório”, bloqueando a absorção de padrões energéticos “ruins”.
Se estamos desequilibrados, desarmonizados, invigilantes com nossos   pensamentos, nosso patamar vibratório se ajusta com energias “ruins”, e nosso   filtro bloqueia a absorção das energias boas e promove a assimilação de energias   desequilibradas.
É fácil deduzir que se absorvemos um determinado padrão energético, com uma   certa “qualidade”, seja ela positiva (boa) ou negativa (ruim), a metabolização   dessas energias produz componentes energéticos de qualidade similar, que se   distribuem pelo nosso organismo físico e perispiritual, afetando-o com a   qualidade inerente ao tipo e qualidade da energia absorvida.
Também podemos inferir que o padrão vibratório/energético absorvido, uma vez   metabolizado em nosso complexo perispirítico, reforça o estado vibratório   (patamar) que permitiu sua absorção, ou seja, reforçamos o estado de equilíbrio   ou desequilíbrio em que nos encontramos. Por isso é necessário a vigilância   constante sobre nossa sintonia mental/espiritual, para que não nos deixemos   levar pelos pensamentos inadequados, pelas vibrações negativas, pelos   sentimentos menos dignos, pelas emoções descontroladas, pois isso permitirá que   iniciemos um processo de absorção de energias negativas, que por sua vez   reforçam nosso estado de desequilíbrio, o que pode, em persistindo esta   situação, colocar-nos em contato com seres desequilibrados, causar-nos doenças e   desequilíbrios físicos, psíquicos e espirituais.
Em contrapartida, a vigilância para que nosso pensamento, nossa sintonia   permaneça sempre elevada, voltada a prática do bem, do amor e da caridade,   permite que, constantemente, fiquemos sintonizados e absorvendo as energias   equilibradas, o que reforça nosso equilíbrio e bem estar físico, psíquico e   espiritual, trazendo a sensação agradável de estar em sintonia com energias   elevadas. Esse é o retorno, a recompensa imediata de quem pratica o amor e a   caridade. Traz o prazer em se praticar o bem.
  (http://www.espirito.org.br/portal/palestras/carlos-parchen/pensamento/pensamento-4.gif)
Ao entender este mecanismo, podemos afirmar que é muito importante que   busquemos, com um esforço constante, com muita consciência, uma mentalização   positiva para o nosso foco mental, para os nossos pensamentos, em todas as   etapas e momentos de nossa vida, em casa, no trabalho, no lazer, no   trânsito...., de modo a garantir a sintonia com um patamar energético mais   elevado, com a conseqüente absorção e metabolização de energias benéficas e   reforçadoras de nosso comportamento no caminho do bem.
De outra forma, deve ser evitado que nosso foco mental vague em paragens   menos dignas. Temos que zelar para que nosso pensamento não seja direcionado   para as coisas negativas e destruidoras. Não devemos focar a negatividade, os   problemas, as inconformidades, nem sintonizar com a desgraça, pois nesse caso   nos comportaremos como urubus, que voam alto apenas para focalizar a carniça,   para dela se alimentar.
Pensamento no bem, pensamento calmo, pensamento positivo, pensamento criador,   foco no amor e na caridade. Esse é o caminho da mentalização, da sintonia e da   absorção das boas energias. Lembremo-nos que as palavras expressam pensamentos.   Que saiam de nossas bocas as boas palavras e de nosso coração as boas atitudes.
Devemos sempre ter em mente que a energização que nos envolverá, depende, em   cada instante, apenas de nossa atitude mental, e que na aplicação prática de   nossa vida, a ligação com o alto se faz na aplicação das boas virtudes, com o   exercício constante do bem, seja em que atividade estivermos.
Nosso bem estar depende apenas de nós mesmos.
Carlos Augusto Parchen
  Dezembro de 2000
  Centro Espírita Luz Eterna – CELE
  Sociedade Espírita Fraternidade – SEF
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 05 de Dezembro de 2011, 15:50
  Saúde física e espiritual para todos ;[attach=1]

Seria maravilhoso se tudo se transformasse como por toque de magia,mas nada acontece assim!
Contudo, para que algo em Nossa vida aconteça, temos que o Querer!
Atenção á depressão,pois se não for tratada pode conduzir a situações muito graves e tenebrosas para o espírito!
Um dos perigos da Depressão é o suicídio.
Deixo um pequeno texto, para terminar o tema em termos de literatura pesquisada.
Cuidar do corpo e da Mente é preciso para ter vida sã e Fé num hoje sempre melhor!


SUICÍDIO
Uma das causas de suicídio é o indivíduo se achar impotente e fraco para enfrentar suas dificuldades. Ele se julga inferior, incapaz, vítima da sociedade, desprezando a força que tem. Aí os problemas passam uma dimensão muito maior, e ele se vê impossibilitado para resolvê-los.
Segundo esta linha de raciocínio, não existe pessoa "fraca" a ponto de não suportar um problema, que ele julga, de certa forma, demasiado para si. O que de fato ocorre é que esta criatura não teve força de mobilizar a sua vontade própria para enfrentar aquele desafio. Preferiu fugir, acreditando poder se libertar daquela situação. Só que não irá conseguir, pois a morte é apenas uma mudança de estado. A pessoa continua sendo a mesma, com os mesmos sentimentos e os mesmos problemas.
O mais grave é que o suicida acarreta danos ao seu perispírito. Quando voltar a reencarnar, além de enfrentar os velhos problemas ainda não solucionados, terá acrescido a necessidade de reajustar a sua lesão perispiritual.
Devemos ter a vontade firme de eliminar o mal invasivo da depressão, e vários caminhos podem ser percorridos: tratamento medicamentoso (às vezes necessário), trabalho espiritual incluindo a desobsessão, água fluidificada, passes magnéticos, trabalho beneficente, mudança de atitude mental, etc.
Após iniciado o processo de recuperação é necessário que nos tornemos vigilantes, pois é muito comum a melhora cíclica, com altos e baixos. "Vigiai e orai". É importante aproveitar os períodos de melhora para empreender trabalhos edificantes no bem, consolidando as conquistas efetuadas.
Uma coisa fundamental que devemos ter consciência é que ninguém e nada tem a capacidade de nos fazer infelizes se não quisermos. O centro de gravidade do nosso equilíbrio psico-emocional tem que estar localizado dentro de nós e não nas coisas exteriores.
Não se deve condicionar a sua felicidade a algo que aconteça ou esperar que alguém o faça feliz. Estando com o seu centro de equilíbrio estável, se amando e se aceitando como é, você passa a viver o agora e aceitar as pessoas e as circunstâncias como elas são. Além disto, passamos a ver as qualidades do outro e não os seus defeitos, pois, geralmente vemos o outro como um reflexo do nosso estado íntimo.
Não aceite o convite para sofrer, que venha de outra pessoa ou de você para você mesmo. Proteja-se. Emita pensamentos bons.
Nada pode abalar aquele que alcançou o amor, a paz, a harmonia interior e sobretudo a Fé em Deus.

BIBLIOGRAFIA
Kardec, Allan - O Evangelho Segundo o Espiritismo - 2ª edição - FEB - cap. V, item 25
Franco, Divaldo Pereira - O Homem Integral - 3ª edição - Livraria Espírita Alvorada
Xavier, Francisco Cândido - Missionários da Luz - FEB - 21ª edição
Revista Espírita Allan Kardec - Ano X - n. 37
Xavier, Francisco Cândido - O Consolador - FEB - 13ª edição
Silva, Marco Aurélio (Dr) - Editora Best Seller

( Texto extraído do BOLETIM DA ASSOCIAÇÃO MÉDICO-ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO )[/center]
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Regis Mesquita em 05 de Dezembro de 2011, 20:35
Legal, gostei dos textos aqui colocados.
Obrigado!

Regis Mesquita
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 05 de Dezembro de 2011, 21:08
Oi Regis!
 
Grata pela apreciaçao do tema.
Gostaria que mais utentes do Forum participassem. Afinal há tanto ser sofrendo de depressão!
 
Que tal se você desse uma ajuda, ja vi que gosta de Terapias de vidas passadas, e sabemos que os estados  depressivos de hoje podem estar interligados a ocorrencias de vidas passadas.
 Poderia  nos dar a sua opinião,e me ajudar a  orientar(desculpem a convição) os seres em depressão a descobrir como superá-la,aceitando-a,e aceitando o tratamento entrando no interior, fazendo a tal reforma intima, e passar a entender que tudo pode ser curado, precisa Ter Fé e Apoio!!!!
 
Aguardo seu contributo!
Receba meu abraço de Luz!
 
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: hcancela em 05 de Dezembro de 2011, 21:15
Olá amigos(as)


Neste link tem algo para se ler em relação a este assunto.

http://www.forumespirita.net/fe/mensagens-de-animo/o-que-ha-por-tras-da-depressao-(1)/

No entanto muito mais se forem até ao fim desta página e em assuntos relacionados, muitos outros temos para aprender, não esquecendo porém o Livro dos Médiuns, nossa referência doutrinária.

Saudações fraternas
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 05 de Dezembro de 2011, 21:29
Grata Hcancela;
 
Já li o post e verifiquei que tem a parte 2 , que tambem é muito interessante pois tem exercicios de relaxamento, terapeuticos para quem  sofre deste Mal, o qual paenas vem, e ocorre porque o paciente pode com ele.
Porem sabemos, que o Criador não dá fardo maior do que o que podemos carregar, portanto suportemos a prova  e Vamos  ter força para chegar a bom termo com ela, vencendo mais um proposito reencarnatorio!
A alegria  virá!
Abraço  de Luz Serena
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 06 de Dezembro de 2011, 10:14
Afasta essa tristeza;[attach=1]

Joanna de Angelis,  falando sobre a depressão refere que a tristeza perturbadora é manto que agasalha  o quadro de qualquer depressão.sabemos que a Terra é um planeta Escola em que todos somos aprendizes!A todos falta algo que não conseguirá obter neste Planeta nesta reencarnação,algo que não lograremos conquistar.

O homem sentirá sempre falta daquilo que desperdiçou no passado, e como foi desperdiçado, escasseia, está é uma das leis da espiritualidade : a quem muito é dado muito Será pedido!

Na verdade sofremos porque queriamos ter o que outro tem, quando esse outro pode sofrer e lamentar-se por não ter o que nós temos!

há que aprender a ser Feliz com o que se tem, e ter Fé no que esta para vir,pois a seu tempo tudo virá!

Acredita, amigo, irmão que enquanto estiveres a tirar espinho do corpo do teu irmão de caminho, a tua dor será mitigada e anestesiada, importante é amar o que se é, aceitar-se tal como existe, e viver com o que se tem, agradecendo  pelos laços de Ternura que nos unem á espiritualidade que nos guia e cuida!

Com meu abraço sereno  fica a mensagem de joanna de angellis

Citar
Conquanto brilhe o sol da oportunidade feliz,
abrindo campo para a ação e para a paz, a
sombra teimosa da tristeza envolve-te em
injustificável depressão.

Gostarias de arrancar das carnes da alma este
espinho cravado que te faz sofrer, e, por não
o conseguires, deixas-te abater.

Conjecturas a respeito da alegria, do corpo
jovem, dos prazeres convidativos, e lamentas
não poder fruir tudo quanto anelas.

A tristeza, porém, é doença que, agasalhada,
piora o quadro de qualquer aflição.

A sua sombra densa altera o contorno dos
fatos e das coisas, apresentando fantasmas
onde existe vida e desencanto no lugar em
que está a esperança.

Ela responde pela instalação de males sutis
que terminam por desequilibrar o organismo
físico e a maquinaria emocional.

Luta contra a tristeza, reeducando-te
mentalmente.

Não dês guarida emocional as suas
insinuações.

Ninguém é tão ditoso quanto supões ou
te fazem crer.

A Terra é o planeta-escola de aprendizes
incompletos, inseguros.

A cada um falta algo, que não conseguirá
conquistar.

Resultado do próprio passado espiritual, o
homem sente sempre a ausência do que
malbaratou.

A escassez de agora é conseqüência do
desperdício de outrora.

A aspiração tormentosa é prova a que todos
estão submetidos, a fim de que valorizem
melhor aquilo de que dispõem e a outra falta.

Lamentas não ter algo que vês noutrem,
todavia, alguém ambiciona o que possuis
e não dás valor.

Resigna-te, pois, e alegra-te com tudo
quanto te enriquece a existência neste
momento.

Aprende a ser grato à vida e àqueles que
te envolvem em ternura, saindo da tristeza
pertinaz para o portal de luz, avançando
pelo rumo novo.

Jesus, que é o "Espírito mais perfeito" que
veio à Terra, sem qualquer culpa, foi
incompreendido, embora amando; traído,
apesar de amar, e crucificado, não
obstante amasse.

Desse modo, sorri e conquista o teu espaço,
esquecendo o teu espinho e arrancando
aquele que está ferindo o teu próximo.

Oportunamente, descobrirás que, enquanto
te esqueceste da própria dor, lenindo a dos
outros, superaste-a em ti, conseguindo a
plenitude da felicidade, que agora te rareia.


Pelo Espírito de Joanna de Ângelis
Divaldo P. Franco
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 06 de Dezembro de 2011, 15:35
Boa tarde amigos:

 [attach=1]

Reli o post que  hcancela recomendou ontem na mensagem que aqui deixou.
è elucidativo, interessante e aborda da depressao de forma diferente daquela que tenho explanado no meu topico.
Assim, porque tudo é conhecimento, tomei a liberdade de ir buscar o tópico e colar aqui, para que quem passar leia e entenda algo mais sobre a melhor forma de vier,que é Amando a vida.

Abraço de Luz Serena


Citar
A depressão é uma enfermidade que não mata mas rouba de suas vítimas a plenitude de ser.

Quem sofre desse mal vive apenas parcialmente e durante as crises pode tornar-se completamente nulo.

A   ciência informa que ela ocorre principalmente por falhas na produção de   certas substâncias químicas e cuida de tratá-la com remédios que   compensem essas deficiências.

Pergunto: o que leva o organismo a produzir essas substâncias de forma deficitária?

Durante   os longos anos em que busquei desesperadamente recursos internos para   controlar uma enxaqueca de sofrimentos superlativos e uma depressão   aniquiladora, que não encontravam alívio em nenhuma forma de tratamento,   fui descobrindo, através de pesquisas, observações e experimentações   alguns fatores fundamentais como, por exemplo, a existência do sistema   energético e seu papel nos mecanismos ligados às funções orgânicas,   inclusive à sua química. Restava saber como utilizar esses conhecimentos   visando o fim que me havia proposto, o alívio daquele tormento e, quem   sabe, a sua cura.

Guiando-me então pelo caminho entrevisto fui   estabelecendo, pouco a pouco, um roteiro de procedimentos mediante os   quais consegui finalmente controlar aqueles males.

Sintetizando:   sabemos que nosso sistema energético é formado pela bioenergia e a   “psicoenergia “ ou energia psíquica. A bioenergia é a que nutre ou faz   funcionar o organismo e nós a assimilamos dos alimentos, da água, do   ar... e a sua emanação, a partir do corpo, pode ser fotografada com a   câmara kirlian. O livro Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro,   das jornalistas Sheila Ostrander e Lynn Schroeder, narra detalhadamente   a descoberta e as pesquisas soviéticas relacionadas ao corpo   bioplásmico (energético) e suas emanações visíveis e fotografáveis sob   determinados fatores.

Já a “psicoenergia” é gerada pelo   pensamento e as emoções. É tão sutil que ainda não se consegue   detectá-la através de aparelhos, mas sua existência tem sido   cientificamente comprovada. São bastante conhecidas aquelas experiências   feitas em universidades norte-americanas com plantas que receberam   vibrações de amor por grupos de pessoas e as outras que receberam   vibrações de ódio, sendo que as primeiras cresceram mais belas e   viçosas, enquanto as segundas murcharam e muitas morreram. Igualmente,   foram bastante divulgadas aquelas outras realizadas em grandes hospitais   americanos, quando parte dos internos recebeu preces de grupos de   oração, apresentando significativas melhoras em relação ao grupo   controle, sem falar nas inúmeras outras, ligadas à telepatia.

Sabemos   então, que parte da energia psíquica provém dos nossos pensamentos e   emoções, parte recebemos do ambiente exterior, tanto dos locais por onde   nos movemos, quanto dos agentes que no-las direcionam, e temos razões   para crer que outra parte procede do nosso inconsciente, esse porão   saturado de imagens mentais de toda natureza, carregadas com energias   compatíveis.

A “psicoenergia” pode ser de boa ou má qualidade.   No primeiro caso a sua fonte geradora mais poderosa é o amor, seguida do   otimismo, alegria sã, fé, oração... No segundo temos o ódio, a inveja, o   mau humor, o estresse, o medo, a ansiedade, sentimentos de frustração,   hábito da lamúria e assemelhados. Essa energia, quando negativa ou de má   qualidade, cria bloqueios no sistema energético formando áreas   enfermiças em órgãos predispostos. Além disso, provoca desequilíbrios no   sistema de produção da química orgânica, como no caso dos   neurotransmissores, gerando estados de espírito negativos desde mau   humor, irritação, até a depressão em todos os seus níveis. Também   provoca dificuldades de concentração, insônia ou excesso de sono,   pesadelos e os mais diversos tipos de mal-estar, estando igualmente na   raiz da maioria das enxaquecas.

Esse fato venho constatando   diuturnamente. Quando me sinto cansada, irritada ou percebo os primeiros   sintomas de uma possível depressão, cuido logo de fazer o que chamo de    “varredura energética” e, conforme vou conseguindo realizá-la, meus   estados de espírito se modificam na mesma rapidez e intensidade. Num   determinado momento parece que o mundo está desabando, que nada vai dar   certo, as perspectivas se mostram ameaçadoras, enquanto um desalento   incontrolável toma conta do psiquismo. Minutos depois, com a mera   “limpeza” do sistema energético as expectativas já são outras,   carregadas de otimismo e confiança, enquanto um suave bem-estar vai   tomando conta do ser.

É simplesmente impressionante observar na   prática como isto é real, e constatar que o estado natural do ser humano   é estar de bem com a vida.

Clique aqui para ler mais:  http://www.forumespirita.net/fe/mensagens-de-animo/o-que-ha-por-tras-da-depressao-(1)/#ixzz1fljZK7I9 (http://www.forumespirita.net/fe/mensagens-de-animo/o-que-ha-por-tras-da-depressao-%281%29/#ixzz1fljZK7I9)
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 06 de Dezembro de 2011, 17:53
    PROVIDÊNCIAS ANTI-DEPRESSIVAS


Deixo aqui um  resumo de algumas das providências mais importantes que  podem fazer a pessoa doente alterar as  causas e vencer a depressão:



* analisar sempre as próprias condutas, o impacto dos acontecimentos constrangedores, a       situação pessoal e as contrariedades marcantes no presente ou no passado,  para diagnosticar, corretamente as causas da depressão;

*iniciar logo um tratamento    espiritual e médico, com o envolvimento dos familiares e dos amigos, para  obter eficiência;

*buscar a cura pela  conscientização das causas e pelo emprego da força de vontade: para       melhorar , é preciso querer sarar;

* não Ter vergonha de recorrer a todos os recursos necessários e disponíveis na sociedade;
*persistir na obtenção da       cura, mesmo se os resultados iniciais forem lentos;

*valorizar as condutas       cristãs e os ensinamentos religiosos e espirituais, que melhoram as       faculdades da alma e lhe permitem externar suas forças;

*confiar na ajuda   espiritual, invocando-a pela prece;

*pedir, humildemente, a  ajuda dos familiares e amigos;

*tentar esquecer os erros  cometidos, deixar no passado os fatos marcantes, perdoar as faltas  próprias e dos melhantes e fugir da rememoração dos acontecimentos  chocantes que ainda exercem ação sobre as emoções, os sentimentos, a mente   e os pensamentos;

*procurar manter  atividades sadias , levar uma vida simples e descomplicada, readquirir       hábitos salutares e valorizar a prática das virtudes





Mensagem extraída do livro “ Equilíbrio Íntimo pelo  Espiritismo “ - Geziel Andrade )


Abraço[attach=1]
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 07 de Dezembro de 2011, 15:55

Boa tarde irmãos  com alegria!

Deixo um texto do link recomendado, que nos ilucida sobre alguns exercicos que podem ser efectuados para realxar a adquirir um temperamento mais calmo e mais sereno!
Deixo-Vos o texto, e boa leitura ,muito apreendimento e evoluçao na Saude.

Abraços[attach=1]



Citar
Nesta fase de transição por que passa a nossa humanidade, uma época   saturada de dificuldades as mais diversas, desde aquelas ligadas à   sobrevivência que trazem a criatura sob o chicote de lutas insanas,   fustigada pelas incertezas, até as violências de toda natureza que sofre   em seu cotidiano, tudo isto e ainda outros fatores estão forçando maior   sensibilização no sistema nervoso de grande parte das pessoas. Daí o   acréscimo dos efeitos desse estresse generalizado que se manifestam na   forma de depressão, enxaqueca, distúrbios psíquicos os mais diversos,   além de inúmeras outras enfermidades de natureza psicossomática.

Na   primeira parte deste trabalho fizemos a seguinte indagação: o que leva o   organismo a produzir algumas substâncias químicas de forma deficitária,   resultando em enfermidades como é o caso da depressão?

Respondemos   a essa pergunta falando sobre o sistema energético, fator regulador do   nosso equilíbrio físico e psíquico, já que é ele quem provê o organismo   das energias necessárias ao seu funcionamento, tendo-se em conta que os   estados de espírito são também resultantes do quimismo orgânico.

O   sistema energético é formado pela bioenergia e pela energia “psi”   (pensamento e emoção), mas vamos falar apenas sobre a segunda, já que a   primeira é bastante conhecida.

Sabemos que parte da energia “psi”   provém dos nossos pensamentos e emoções, parte recebemos do ambiente   exterior, tanto dos locais por onde nos movemos, quanto dos agentes que   no-las direcionam, e, temos razões para crer que outra parte procede do   nosso inconsciente, esse porão saturado de imagens mentais de toda   natureza, carregadas com energias compatíveis.

Podemos também   entender que nesta fase de transição em que vivemos está havendo uma   catarse mais abundante das energias pesadas que se acumularam no   inconsciente das pessoas ao longo das eras. Quem não acredita na   reencarnação pode situá-las no inconsciente coletivo. Quem crê na   reencarnação pode entender que elas refletem vivências da própria   criatura, nesta e em passadas encarnações. Outra observação importante é   a de que provavelmente é essa catarse que está trazendo à tona tanta   perversidade, tanta corrupção generalizada, tanta inclinação para os   mais baixos valores humanos, que se observa nos últimos anos. Por este   enfoque é até possível ver uma luz no final do túnel, quando todo esse   lixo acabar de vir à tona e puder ser devidamente tratado ou   encaminhado.

Mas, voltando à questão, é importante saber o que fazer para manter o sistema energético em boas condições.

O   primeiro passo é o relaxamento, após algumas respirações profundas,   feitas calma e compassadamente, que ajudam a harmonizar e equilibrar os   ritmos internos. Quem se habitua a exercícios de relaxamento consegue   relaxar quase instantaneamente, através de um simples comando mental.   Esse é um poderoso recurso antiestresse, que dá ao organismo melhores   condições para cuidar de si mesmo.

A seguir repassamos, de forma   resumida, alguns dos exercícios constantes do livro de nossa autoria   Enxaqueca – Depressão, cujo subtítulo é, se eu consegui, você também   pode.

1 - Visualize o ar em torno de si carregado de energias   luminosas, procedentes das regiões mais altas e nobres da vida. Inspire   por uma das narinas, por exemplo, a direita. Não é preciso tampar a   narina esquerda, basta mentalizar o ar penetrando só pela direita. Leve   mentalmente a energia do ar através do olho direito, da testa, do olho   esquerdo, saindo pela narina esquerda ao expirar. É claro que o ar não   vai fazer essa viagem mas a energia dele sim, desde que você o queira.   Se não conseguir na primeira experiência continue tentando até sentir o   friozinho da energia do ar passando por onde você quiser. Depois   continue a fazer essa varredura através de toda a cabeça e a nuca; em   seguida leve-a através da cabeça, descendo pela coluna, para as pernas e   saindo pelos pés. É possível que encontre bloqueio em alguma parte da   trajetória energética. Se isto acontecer, importa insistir naquele ponto   até conseguir desbloqueá-lo. Faça seu próprio roteiro de acordo com   suas necessidades.

 2 – Faça algumas respirações profundas para   harmonizar os ritmos internos, elevando ao mesmo tempo o pensamento ao   Criador de todas as coisas. Sinta o seu interior como um dínamo gerando   energias poderosas que você comanda pelo pensamento, podendo   dinamizá-las ainda mais. Sinta o poder dessas energias crescendo dentro   de você, extrapolando os limites do seu corpo e formando em torno de si   um poderoso campo magnético. Pense com firmeza que você é uma fonte de   energias poderosas que o protegem sempre. Mas tenha sempre em mente que a   causa primária dessa força é o Criador e que você deve usar a sua   energia somente para o bem.

3 - Faça um exercício de relaxamento e   comece a sentir amor por si mesmo. Sinta os seus pés, pensando na   importância que eles tem para você e dirija-lhes uma vibração (emoção)   de gratidão e amor. O mesmo com relação às pernas, coxas, quadris,   abdômen, e assim por diante, até amar todo o seu corpo. Em seguida passe   para a roupa que está vestindo, o ambiente onde se encontra, os móveis,   piso, janelas, portas etc. Depois passe para as pessoas do seu   convívio, os conhecidos e desconhecidos, a humanidade, o nosso planeta.   Sinta amor por tudo e todos, porque essa é a mais poderosa das energias   de natureza positiva.

4 - Quando acordar à noite e também pela   manhã, como primeiríssima providência, imprima em si mesmo os valores do   bem-estar, do contentamento. Impregne todo o seu corpo, todo o seu ser   com a idéia de bem-estar e faça tudo o que puder para manter esse estado   de espírito durante o dia. Não se permita deixar-se contaminar pelos   ambientes ou situações negativas. Isto se torna mais fácil quando   tomamos uma decisão, firme e definitiva, de um esforço contínuo para   consegui-lo. Para isso, é importante ter essa decisão como prioridade na   pauta do cotidiano, ou seja, trazê-la sempre à mente, renovando o   comando mental, assumindo a atitude proposta, a cada instante. Com o   tempo essa atitude passa a ser natural, automática. 

Saara Nousiainen
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 10 de Dezembro de 2011, 13:42
    Bom dia irmãos ,

num dos post anteriores referi que o suicídio é uma das consequências  emergentes do estado depressivo no seu limite.É importante como espíritas analisarmos o suicídio á luz da DE.Fiz um pequeno estudo que vai infra, e espero seja ilucidativo para percebermos que temos que auxiliar muito quem sofre de depressao, pois que se se cruzam no nosso caminho, algo tem para nos fazer entender..quanto mais não seja alertar para a necessidade de atuar dando auxilio espiritual.[attach=1]Suicídio      Introdução   

 O suicídio é considerado como a falta mais grave passível de ser  cometida pela criatura humana. O suicida viola o instinto de conservação, força  admirável da qual é dotado o princípio espiritual e que dá a ele a vontade e a  obstinação de lutar pela sua sobrevivência.
Embora seja um crime de conseqüências tão funestas, e combatido por  todos as religiões, seus índices têm crescido de forma significativa,  especialmente nos países desenvolvidos e nas classes mais bem favorecidas  economicamente.
 Causas         Várias condições são anotadas como  responsáveis pelas diversas causas de autocídio: dificuldades econômicas, perda  de ente querido, frustração amorosa, complexo de culpa, viciações múltiplas,  etc.
     Allan Kardec, sintetizando a questão,  afirma que
“se excetuarmos os que se verificam por força  da embriaguez e da loucura, é certo que, sejam quais forem os motivos  particulares, a causa geral é sempre o descontentamento.”
     Joanna de Ângelis [Após a Tempestade]  completando o tema diz que a base real do autocídio está no orgulho ferido. O  suicida é uma alma extremamente orgulhosa que, ante o descontentamento, prefere  a morte ao esforço nobre para superação do obstáculo ou da frustração. Lembra  Joanna, que a vontade do suicida é
“destruir Deus, mas como isso não é possível,  ele destrói a si mesmo que é a mais sublime criação de Deus.”
 - Consequências         Allan Kardec [LE - qst 957] diz:
“As conseqüências do suicídio são as mais  diversas. Não há penalidades fixadas e em todos os casos, elas são sempre  relativas às causas que o produziram. Mas uma conseqüência a que o suicida não  pode escapar é o desapontamento. De resto, a sorte não é a mesma para todos,  dependendo das circunstâncias. Alguns expiam sua falta imediatamente, outros  numa nova existência que será pior do que aquela cuja curso interromperam.
Há, porém, as conseqüências que são comuns a todos os  casos de morte violenta; as que decorrem da interrupção brusca da vida.  Observa-se a persistência mais prolongada e mais tenaz do laço que liga o  Espírito ao corpo, porque este laço está quase sempre em todo o vigor no  momento em que foi rompido. Na morte natural ele enfraquece gradualmente e, às  vezes, se desata antes mesmo da extinção completa da vida. As conseqüências  desse estado de coisas são o prolongamento do estado de perturbação, seguido da  ilusão que, durante um tempo mais ou menos longo, faz o Espírito acreditar que  ainda se encontra no número dos vivos.
A afinidade que persiste entre o Espírito e o corpo  produz, em alguns suicidas, uma espécie de recuperação do estado do corpo sobre  o Espírito, que assim se ressente dos efeitos da decomposição, experimentando  uma sensação cheia de angústias e de horror. Este estado pode persistir tão  longamente quanto tivesse de durar a vida que foi interrompida.
Em alguns casos, o suicida não se livra das conseqüências  da sua falta de coragem e, cedo ou tarde, expia essa falta, de outra maneira. É  assim, que certos Espíritos que haviam sido muito infelizes na Terra, disseram  haver se suicidado na existência precedente e estar voluntariamente submetidos  a novas provas, tentando suportá-las com mais resignação.”
     De forma didática, podemos separar em três  fases o processo de reparação do suicídio:
1ª Fase -  Expiação na Erraticidade: Corresponde ao  sofrimento do suicida no mundo espiritual logo após o seu desencarne.
2ª Fase -  Reencarnação Compulsória: Consiste na  existência corporal que segue àquela onde ele cometeu o suicídio. Geralmente é  de curta duração, objetivando recompor o corpo espiritual lesado.
3ª Fase -  Reencarnação como Teste: Trata-se de uma nova  existência física onde o Espírito faltoso vai deparar-se com a mesma condição  frustrante que o levou ao suicídio no passado para superá-la e, assim, concluir  o resgate do erro.
 18.4  - Agravantes e Atenuantes         Não existem duas faltas iguais.
     Uma série de circunstâncias, agravantes ou  atenuantes, vão estar relacionadas ao ato de auto-extermínio, como por exemplo,  o tipo de suicídio, sua motivação básica, a presença ou não de distúrbios  psíquicos ou obsessão.
     Algumas observações de Kardec:
“O suicídio mais severamente punido é aquele  que é o resultado do desespero, que visa a redenção das misérias terrenas.”
“Não se pode chamar de suicida aquele que devidamente se  expõe à morte para salvar o seu semelhante.”
“O louco que se mata não sabe o que faz.”
“As mulheres que, em certos países, voluntariamente se  matam sobre os corpos de seus maridos, obedecem a um preconceito e geralmente o  fazem mais pela força do que pela própria vontade. Acreditam cumprir um dever,  o que não é característica do suicídio.”
  Papel do Espiritismo         A religião, a moral e todos os filósofos  condenam o suicídio como contrário à Lei Natural, mas estava reservado ao  Espiritismo demonstrar, pelo exemplo dos que sucumbiram, que o suicídio não é  apenas uma falta, uma infração a uma moral, consideração que pouco importa para  certos indivíduos, mas um fato estúpido, pois que nada ganha quem o pratica,  pelo contrário piora e em muito sua situação espiritual. Em [ESE - cap. V it  14-16] encontramos o seguinte pensamento:
“A calma e a resignação adquiridas na maneira  de encarar a vida terrena, e a fé no futuro, dão ao Espírito uma serenidade que  é o melhor preservativo da loucura e do suicídio. Com efeito, a maior parte dos  casos de loucura é provocada pelas vicissitudes que o homem não tem forças de  suportar. O mesmo se dá com o suicídio. Se excetuarmos os que se verificam por  força da embriaguez e da loucura, é certo que, sejam quais forem os motivos  particulares, a causa geral é sempre o descontentamento. Ora, aquele que está  certo de ser infeliz apenas um dia, e de se encontrar melhor nos dias  seguintes, facilmente adquire paciência. Ele só se desespera se não vir um  termo para o seu sofrimento. E o que é a vida humana, em relação à eternidade,  senão bem menos que um dia?
O espírita tem, portanto, para opor a idéia do suicídio,  muitas razões: a certeza de que sobrevindo sua vida, chega a um resultado  inteiramente contrário ao que esperava. Por isso o número de suicídios que o  Espiritismo impede é considerável, e podemos concluir que quando todos forem  espíritas não haverá mais suicídios conscientes.”
 Bibliografia    •      O Livro dos Espíritos - Allan  Kardec
•      O Evangelho Segundo o  Espiritismo - Allan Kardec
•      O Céu e o Inferno - Allan  Kardec
•      Memórias de um Suicida - Yvonne  Pereira.
•      Após a Tempestade - Joanna de  Ângelis/Divaldo Franco
Título: Re: A Depressão ...
Enviado por: Luz Serena em 14 de Dezembro de 2011, 18:34
Olá, não deprima!

Depressão é  cansaço de viver, é não aceitar a vida como ela é !
 pois, é  a “doença prisão”  que tira a liberdade da criatura rebelde, viciada em ter seus caprichos  atendidos.
 
É uma intimação de leis da vida convocando a alma a mudanças inadiáveis.

Em resumo,   depressão é a reação da alma que não aceitou sua realidade pessoal como  ela é, estabelecendo um desajuste interior que a incapacita para viver  plenamente.

A  terapêutica está no intimo  da criatura.

Aprender a ouvir os ditames da  consciência: eis o que pouco fazem quando se encontram sob sanção da  depressão(por incapacidade provocada pela doença, ou porque entendem não valer a pena, ou porque não aceitam que estão deprimidos).

 Este é o estado denominado ‘consciência tranquila’, ou seja,  quando o self supera as tormentas da culpa e do medo, da  ansiedade e do instinto de posse.
 
Aprendendo a arte de ouvir esse guia  infalível,  a criatura caminha para o sossego íntimo, a serenidade, a  plenitude, a alegria.

Para se viver sem deprimir fundo é  necessário ingerir três  medicações com freqüência:

1.Acreditar  que merece a felicidade, assim como todos os seres humanos (ser feliz é  contentar-se com o que se é, sem que isso signifique estacionar; é o  amor a si);

2.Parar de  encontrar motivos externos para suas dores, encontrando-lhes as causas  íntimas (dentro de cada um está a cura para todos os seus males);

3.Parar de  pensar em felicidade para depois da morte e tentar ser feliz ainda em  vida (a felicidade resulta da habilidade de consolidar o sentido da vida  a partir do “olhar de impermanência”).

Vamos lá tentar não deprimir, a auxiliar quem está em depressão abanando-os,acordando-os para a vida.

Gratidão em meu abraço