Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: Renato.Oliv em 25 de Janeiro de 2012, 15:01

Título: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Renato.Oliv em 25 de Janeiro de 2012, 15:01
TATUAGENS, PIERCINGS E OUTROS ADEREÇOS SOB O PONTO DE VISTA ESPÍRITA


Alguém nos questionou se se usar uma tatuagem na pele teria influência sobre o perispírito. Há dirigentes de casas espíritas advertindo que todas as pessoas que fizeram ou pensam em gravar tatuagens ou usar piercings, automaticamente estarão em processo de obsessão. Alguns cristãos baseiam-se nas Antigas Escrituras, onde encontramos advertência aos israelitas de “que não deveriam marcar o corpo, fazer cicatrizes com açoites como autoflagelo, por nenhum motivo.”.(1)
Conhecemos líderes espíritas convictos de que pessoas que tatuam o corpo inteiro ou o enchem de piercings são espíritos primários que ainda carregam lembranças intensas de experiências pretéritas, sobretudo dos tempos dos bárbaros, quando belicosos e cruéis serviam-se dessas marcas na pele para se impor ante os adversários.
Positivamente não identificamos pontos de caráter prático no uso de tatuagens, especialmente se a lesão imposta ao próprio corpo for por mero capricho. Isso sim, refletirá invariavelmente no perispírito, já que, sendo o corpo físico (templo da alma) um consentimento divino para nossas provas e expiações, devemos mantê-lo dignamente protegido e saudável. Entretanto, será que o uso de piercings e tatuagens sobrepujam qualidades morais? Quem pode penetrar na intimidade do semelhante e saber o que aí ocorre?
Sob a percepção histórica, a tatuagem é uma técnica ancestral que se esvai na memória cultural das civilizações. Antigamente eram aplicadas para marcar o corpo de um escravo com o símbolo do proprietário. Gravavam-se os corpos das prostitutas com o emblema de um reino, governo ou estado. Servia também para estigmatizar o corpo da mulher adúltera. Ainda hoje é tradição o seu uso no corpo de príncipes de tribos beduínas, africanas e das ilhas do pacífico.
Presentemente, servem para marcar o corpo de membros de gangues, grupos de atletas esportistas (surfe, motociclismo), "beatniks" (movimento sociocultural nos anos 50 e princípios dos anos 60 que subscreveram um estilo de vida antimaterialista, na sequência da 2.ª Guerra Mundial.), hippies, roqueiros e alastrados principalmente entre jovens comuns dos dias de hoje.
Os que se tatuam devem procurar identificar seus motivos íntimos. Recordemos que o corpo é o templo do Espírito e não nos pertence, portanto, é importante preservá-lo contra agressões que possam mutilar a sua composição natural. Há os que usam vários brincos, piercings e outros adereços. Haveria a mutilação espiritual por causa desses apetrechos? Talvez sim, provavelmente não! O certo é que o perispírito é efetivamente lesado pela defecção moral, desequilíbrio emocional que leva a suicídios diretos e indiretos; vícios físicos e mentais, rancores, pessimismos, ambição, vaidade desmesurada, luxúria.
Esfola-se o corpo espiritual todas as vezes que se prejudica o semelhante através da maledicência, da agressividade, da violência de todos os níveis, da perfídia. Destarte, analisado por esse prisma, os adereços afetam menos o corpo perispirítico. Principalmente porque na atualidade muitos desses adornos que ferem o corpo físico podem ser revertidos, já na atual encanação, e naturalmente não repercutirá no tecido perispiritual.
André Luiz elucida que o perispírito não é reflexo do corpo físico; este é que reflete a alma. “As lesões do corpo físico só terão, pois, repercussão no corpo espiritual se houver fixação mental do indivíduo diante do acontecido ou se o ato praticado estiver em desacordo com as leis que regem a vida.”.(2) As tatuagens e as pequenas mutilações que alguns indivíduos elaboram como forma de demonstrar amor a exemplo de alguém que grava o nome do pai ou da mãe no corpo de modo discreto não trariam, logicamente, os mesmos efeitos que ocorreriam com aqueles que se tatuam de modo resoluto, movimentados por anseios mais grosseiros.
Curiosamente, muitas pessoas, retornando ao plano espiritual, podem optar pelo uso dos adornos aqui discutidos. Segundo o autor do livro Nosso Lar, “os desencarnados podem, sob o ponto de vista fluídico, moldar mentalmente e de maneira automática, no mundo dos Espíritos, roupas e objetos de uso e gosto pessoal. Destarte, é perfeitamente possível, embora lamentemos, que um ser no além-túmulo permaneça condicionado aos vícios, modismos e tantas outras coisas frívolas da sociedade terrena.”.(3)
No que concerne às tatuagens especificamente, por ser um tipo de insígnia permanente, pode, sem dúvida, ocasionar conflitos mentais. A começar na atual encarnação, quando chega a ocasião em que o tatuado se arrepende, após ter mudado de idéia, em relação à finalidade da tatuagem. Concebamos que seja o apelido, sobrenome, o desenho ou algum emblema de alguma pessoa que já não estima, não ama ou qualquer outra silueta que já não aceita em seu corpo. Então, o que era um mero enfeite, culmina cansando a estética e torna-se um problema particular de complexa solução.
Então, por que a pessoa se permite tatuar? Nas culturas primitivas se usavam tatuagens com finalidades mágicas, para evocar a interferência de divindades, para o bem ou o mal. Hoje é, para muitos indivíduos, uma espécie de ritual de passagem, envolvendo a integração num grupo. Pode ser também de identificação. Pela tatuagem a pessoa está dizendo algo de si mesma.
Nas estruturas dos códigos espíritas não há espaços para proibições. Não obstante, a Doutrina dos Espíritos oferece-nos subsídios para ponderação a fim de que decidamos racionalmente sobre o que, como, quando, onde fazer ou deixar de fazer (livre-arbítrio). Evidentemente que não é o uso de tatuagens que retratará a índole e o caráter de alguém. Todavia, não podemos perder de vista que alguns modelos de tatuagens, com pretextos sinistros, podem ser classificados (sem anátemas) como censuráveis e inadequados para um cristão de qualquer linhagem.
Nesse contexto, é importante compreender a pessoa de forma integral. As características anunciadas no corpo são resultados de seus estados mentais, reflexos das experiências culturais, aprendizados e interpretação de mundo. Como dissemos, o Espiritismo não proíbe nada e fornece-nos as explicações para os fenômenos psíquicos. Assim sendo, as recomendações doutrinárias não combatem, porém conscientizam! Não são indiferentes aos dramas existenciais e demonstram como edificar e marchar no mais acautelado caminho.
Dissemos que o uso piercings e outros adereços e da própria tatuagem por si só não caracteriza alguém com ou sem moralidade. Investiguemos porém as causas dessas atitudes. Quais sãos os anseios, os sonhos, as crenças dos que cobrem seus corpos com tais marcas? Tatuagens, piercings, são estágios transitórios. Importa alcançar, porém, se tais indivíduos estão mutilados psíquica, emocional e espiritualmente. O que os conduz muitas vezes a despedaçar a barreira da ponderação e do juízo? Por que atentam contra si submetendo-se a dores e sofrimentos incompreensíveis? Para uns o motivo é o modismo. Outros, todavia, ainda se acham atrelados a costumes de outras existências físicas e trafegam do mundo inconsciente para o consciente, derivando na transfiguração do corpo biológico.

Perante questões controversas, as mensagens kardecianas buscam na intimidade do ser o seu real problema. Convidam-nos ao autoconhecimento e ao estágio do auto-aprimoramento. Sugere-nos sensatez, autoestima, altivez, comedimento e a busca incessante de Deus, o Exclusivo Ente, que facultara-nos completar de contentamento e paz de consciência.


Jorge Hessen
http://jorgehessen.net

Referência bibliográfica:

(1)    Levítico 19.28; Deuteronômio 14.1-2.
(2)    Xavier, Francisco Cândido e Vieira , Waldo. Evolução em dois mundos, ditado pelo Espírito André Luiz, Rio de Janeiro, Ed. FEB, 1959
(3)    Xavier, Francisco Cândido. Nosso Lar, ditado pelo Espírito André Luiz, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1955
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 25 de Janeiro de 2012, 15:34
Criticando o texto:
"Alguém nos questionou se se usar uma tatuagem na pele teria influência sobre o perispírito. Há dirigentes de casas espíritas advertindo que todas as pessoas que fizeram ou pensam em gravar tatuagens ou usar piercings, automaticamente estarão em processo de obsessão. Alguns cristãos baseiam-se nas Antigas Escrituras, onde encontramos advertência aos israelitas de “que não deveriam marcar o corpo, fazer cicatrizes com açoites como autoflagelo, por nenhum motivo.”.(1)
Conhecemos líderes espíritas convictos de que pessoas que tatuam o corpo inteiro ou o enchem de piercings são espíritos primários que ainda carregam lembranças intensas de experiências pretéritas, sobretudo dos tempos dos bárbaros, quando belicosos e cruéis serviam-se dessas marcas na pele para se impor ante os adversários.
Positivamente não identificamos pontos de caráter prático no uso de tatuagens, especialmente se a lesão imposta ao próprio corpo for por mero capricho. Isso sim, refletirá invariavelmente no perispírito, já que, sendo o corpo físico (templo da alma) um consentimento divino para nossas provas e expiações, devemos mantê-lo dignamente protegido e saudável. Entretanto, será que o uso de piercings e tatuagens sobrepujam qualidades morais? Quem pode penetrar na intimidade do semelhante e saber o que aí ocorre?
Sob a percepção histórica, a tatuagem é uma técnica ancestral que se esvai na memória cultural das civilizações. Antigamente eram aplicadas para marcar o corpo de um escravo com o símbolo do proprietário. Gravavam-se os corpos das prostitutas com o emblema de um reino, governo ou estado. Servia também para estigmatizar o corpo da mulher adúltera. Ainda hoje é tradição o seu uso no corpo de príncipes de tribos beduínas, africanas e das ilhas do pacífico.
Presentemente, servem para marcar o corpo de membros de gangues, grupos de atletas esportistas (surfe, motociclismo), "beatniks" (movimento sociocultural nos anos 50 e princípios dos anos 60 que subscreveram um estilo de vida antimaterialista, na sequência da 2.ª Guerra Mundial.), hippies, roqueiros e alastrados principalmente entre jovens comuns dos dias de hoje.
Os que se tatuam devem procurar identificar seus motivos íntimos. Recordemos que o corpo é o templo do Espírito e não nos pertence, portanto, é importante preservá-lo contra agressões que possam mutilar a sua composição natural. Há os que usam vários brincos, piercings e outros adereços. Haveria a mutilação espiritual por causa desses apetrechos? Talvez sim, provavelmente não! O certo é que o perispírito é efetivamente lesado pela defecção moral, desequilíbrio emocional que leva a suicídios diretos e indiretos; vícios físicos e mentais, rancores, pessimismos, ambição, vaidade desmesurada, luxúria.
Esfola-se o corpo espiritual todas as vezes que se prejudica o semelhante através da maledicência, da agressividade, da violência de todos os níveis, da perfídia. Destarte, analisado por esse prisma, os adereços afetam menos o corpo perispirítico. Principalmente porque na atualidade muitos desses adornos que ferem o corpo físico podem ser revertidos, já na atual encanação, e naturalmente não repercutirá no tecido perispiritual.
André Luiz elucida que o perispírito não é reflexo do corpo físico; este é que reflete a alma. “As lesões do corpo físico só terão, pois, repercussão no corpo espiritual se houver fixação mental do indivíduo diante do acontecido ou se o ato praticado estiver em desacordo com as leis que regem a vida.”.(2) As tatuagens e as pequenas mutilações que alguns indivíduos elaboram como forma de demonstrar amor a exemplo de alguém que grava o nome do pai ou da mãe no corpo de modo discreto não trariam, logicamente, os mesmos efeitos que ocorreriam com aqueles que se tatuam de modo resoluto, movimentados por anseios mais grosseiros.
Curiosamente, muitas pessoas, retornando ao plano espiritual, podem optar pelo uso dos adornos aqui discutidos. Segundo o autor do livro Nosso Lar, “os desencarnados podem, sob o ponto de vista fluídico, moldar mentalmente e de maneira automática, no mundo dos Espíritos, roupas e objetos de uso e gosto pessoal. Destarte, é perfeitamente possível, embora lamentemos, que um ser no além-túmulo permaneça condicionado aos vícios, modismos e tantas outras coisas frívolas da sociedade terrena.”.(3)
No que concerne às tatuagens especificamente, por ser um tipo de insígnia permanente, pode, sem dúvida, ocasionar conflitos mentais. A começar na atual encarnação, quando chega a ocasião em que o tatuado se arrepende, após ter mudado de idéia, em relação à finalidade da tatuagem. Concebamos que seja o apelido, sobrenome, o desenho ou algum emblema de alguma pessoa que já não estima, não ama ou qualquer outra silueta que já não aceita em seu corpo. Então, o que era um mero enfeite, culmina cansando a estética e torna-se um problema particular de complexa solução.
Então, por que a pessoa se permite tatuar? Nas culturas primitivas se usavam tatuagens com finalidades mágicas, para evocar a interferência de divindades, para o bem ou o mal. Hoje é, para muitos indivíduos, uma espécie de ritual de passagem, envolvendo a integração num grupo. Pode ser também de identificação. Pela tatuagem a pessoa está dizendo algo de si mesma.
Nas estruturas dos códigos espíritas não há espaços para proibições. Não obstante, a Doutrina dos Espíritos oferece-nos subsídios para ponderação a fim de que decidamos racionalmente sobre o que, como, quando, onde fazer ou deixar de fazer (livre-arbítrio). Evidentemente que não é o uso de tatuagens que retratará a índole e o caráter de alguém. Todavia, não podemos perder de vista que alguns modelos de tatuagens, com pretextos sinistros, podem ser classificados (sem anátemas) como censuráveis e inadequados para um cristão de qualquer linhagem.
Nesse contexto, é importante compreender a pessoa de forma integral. As características anunciadas no corpo são resultados de seus estados mentais, reflexos das experiências culturais, aprendizados e interpretação de mundo. Como dissemos, o Espiritismo não proíbe nada e fornece-nos as explicações para os fenômenos psíquicos. Assim sendo, as recomendações doutrinárias não combatem, porém conscientizam! Não são indiferentes aos dramas existenciais e demonstram como edificar e marchar no mais acautelado caminho.
Dissemos que o uso piercings e outros adereços e da própria tatuagem por si só não caracteriza alguém com ou sem moralidade. Investiguemos porém as causas dessas atitudes. Quais sãos os anseios, os sonhos, as crenças dos que cobrem seus corpos com tais marcas? Tatuagens, piercings, são estágios transitórios. Importa alcançar, porém, se tais indivíduos estão mutilados psíquica, emocional e espiritualmente. O que os conduz muitas vezes a despedaçar a barreira da ponderação e do juízo? Por que atentam contra si submetendo-se a dores e sofrimentos incompreensíveis? Para uns o motivo é o modismo. Outros, todavia, ainda se acham atrelados a costumes de outras existências físicas e trafegam do mundo inconsciente para o consciente, derivando na transfiguração do corpo biológico.

Perante questões controversas, as mensagens kardecianas buscam na intimidade do ser o seu real problema. Convidam-nos ao autoconhecimento e ao estágio do auto-aprimoramento. Sugere-nos sensatez, autoestima, altivez, comedimento e a busca incessante de Deus, o Exclusivo Ente, que facultara-nos completar de contentamento e paz de consciência.

Jorge Hessen"

Nesse texto, creio ver o Jorge perdido entre o falso detalhismo que tenta expor e com os erros de conceituação que trás; e digo que é ele quem traga pois que é ele quem vem corroborar as opiniões de Espíritos que nada têm de escrito na obra codificada, sendo-lhes portanto apenas opiniões dadas e não doutrina.
Releiam os pontos marcados no texto original e coloquem-nos a frente daquilo que é do escrito doutrinário que irão se aperceber dos erros.
Jorge, e já disse isso, domina a técnica da escrita dita Espírita, mas esse domínios não faz serem verdadeiros os conceitos que passa.
Para finalizar sem correr o risco de me estender muito  acosto, abaixo a relação que ele dá das fontes nas quais se baseou: Vejam se nelas há o nome do codificador...

Referência bibliográfica:

(1)    Levítico 19.28; Deuteronômio 14.1-2.
(2)    Xavier, Francisco Cândido e Vieira , Waldo. Evolução em dois mundos, ditado pelo Espírito André Luiz, Rio de Janeiro, Ed. FEB, 1959
(3)    Xavier, Francisco Cândido. Nosso Lar, ditado pelo Espírito André Luiz, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1955.
Amigos, um texto lido por um Espirita, não pode ter, como consideração um simples "gostei" ou "não gostei", há que ser estudado diante das obras básicas pois o que se quer e se procura é identificar os itens que estando em confluência para com os Ensinos dos Espíritos Superiores, possam ser adotados por nós, como uma boa opinião.
Abraços,
Moura




Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Gê Barrim em 25 de Janeiro de 2012, 16:00
Amigo Moura...

Quando comecei a ler o texto me senti ridícula por ter feito 3 tatuagens... eu sempre achei lindo, por achar lindo, meu pai sempore me rpoibiu até q um dia permitiu, eu tinha 18 ou 19 anos qdo fiz a primeira, que na minha mente era pra ser uma nova fase... eu acho muito bonito pessoas quem tem desenhos delicados tatuados, flores, pássaros, nome de alguém que ama, homenagens a Deus... embora eu saiba que a vida é eterna, a gnt vive agora em um mundo material, sei lá acho q é um jeito material de demostarr AMOR...
Claro confesso que agora fikei meio confusa, acho q se tivesse lido isso antes, talves nao teria feito nehuma, mas não posso me arrpender pq agora tenho que conviver com elas neh?!
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Kazaoka em 25 de Janeiro de 2012, 16:13
O corpo físico é o meio de manifestação do Espírito. O uso que o Espírito faz do corpo, com todos os recursos que o corpo material oferece, resulta em ações exteriores que nos permite perceber indicativos de traços da personalidade do Ser espiritual que nele habita. Não diz tudo, mas nos dão mostras de caracteres e tendências.
Se conhecemos o Cristão pelas suas obras, podemos ter um perfil do Espírito pela natureza de suas manifestações.   
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Ace em 25 de Janeiro de 2012, 16:42
Amigo Moura...

Quando comecei a ler o texto me senti ridícula por ter feito 3 tatuagens... eu sempre achei lindo, por achar lindo, meu pai sempore me rpoibiu até q um dia permitiu, eu tinha 18 ou 19 anos qdo fiz a primeira, que na minha mente era pra ser uma nova fase... eu acho muito bonito pessoas quem tem desenhos delicados tatuados, flores, pássaros, nome de alguém que ama, homenagens a Deus... embora eu saiba que a vida é eterna, a gnt vive agora em um mundo material, sei lá acho q é um jeito material de demostarr AMOR...
Claro confesso que agora fikei meio confusa, acho q se tivesse lido isso antes, talves nao teria feito nehuma, mas não posso me arrpender pq agora tenho que conviver com elas neh?!


Eu tenho 10 tatuagens, já viu se eu me arrependesse? eheh
Eu não sou viciado em tatuagens, neste momento nem tenho vontade de fazer mais nenhuma e já me acostumei de tal maneira que tem dias que nem me lembro que as tenho.
O que importa são as atitudes, pensamentos que temos, o desapego, etc. Deus julga pela intenção, não é assim? O problema é que existe muita gente que gosta de inventar e falar falar falar, mas não se pode "escutar" tudo o que falam. Como se costuma dizer "tem coisas que me entrem por um ouvido a 100 e saem pelo outro a 1000." :)

Abraços. Paz.

Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Inge em 25 de Janeiro de 2012, 16:49
POr favor, irmãos, entendam minha opinião como apenas isso: uma simples opinião, já que o espiritismo sempre nos convida ao aprimoramento e a reflexão de nossas escolhas.
Quanto ao uso de tatuagens, acredito que o perigo de se discutir o que é certo ou errado, principalmente quando se é espírita, cuja lição primordial é amar o outro como a si mesmo, independente de quem seja o outro, é cair na tentação do julgamento e do controle do irmão encarnado. Não tenho tatuagens, mas as entendo como expressão da alma que habita aquele corpo, e refletem um momento ínfimo daquela alma, mesmo se considerarmos toda sua existência atual. Nunca somos os mesmos, nem mesmo no minuto seguinte. Se nada foi informado na doutrina espírita, não criemos nós, espíritos falhos e cheios de imperfeições, regras, pois elas tenderão sempre a apontar o dedo e julgar o irmão, como já ocorre em muitas religiões que mais desagregam do que unem. A proposta do criador é que todos se tenham como irmãos. Tentemos enveredar por esse caminho, independente da escolha feita pelo outro, que só trará dissabores a ele mesmo, e não a nós. Por que importunarmo-nos com a pele do irmão? Apenas a alma é imortal. Não devemos nunca julgar o outro, pois entendo que a tatuagem da ira, inveja, orgulho e preconceito, invisível aos olhos humanos, mas claras e transparentes ao olho do Criador, são muito mais abomináveis que simples marcações corporais. Antes, devemos cuidar para que o irmão esteja em paz consigo. O véu do esquecimento é uma dádiva divina porque não nos permite lembrar que os irmãos mais próximos foram, em encarnações pretéritas, carrascos nossos. Esses mesmos que nascem no seio familiar e a quem amamos muito, apesar dos desencontros naturais em face das pendências de vidas passadas. Pois, se o espiritismo nos ensina a olhar para frente, para que julgarmos as pessoas? Para que dizer-lhes que estão certos ou errados? Não sabemos nada, estamos apenas tentando seguir o melhor caminho. Jesus convidou um ladrão a casa de seu Pai. Façamos o mesmo com quem quer que seja. Apenas o amor é regra! O resto, é dúvida!

Com os meus cordiais cumprimentos a todos os irmãos de caminhada!
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Luiz Otavio CS em 25 de Janeiro de 2012, 17:45
Diante de idéias próprias e dogmas....Não há que falar.
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 25 de Janeiro de 2012, 17:48
Oi Gê,
eu não fiz e não farei nenhuma tatuagem ou colocarei piersings.
mas não o faço porque mesmo achando alguns desenhos muito bonitos e que demonstram o grau de aprimoramento do artista que os faz, nunca tive vontade em ter no corpo mais que as marcas que os tombos de moto já me deixaram hehehe.
Há desenhos, muito bonitos e mesmo aqueles que mostram a Beth Boop, também os acho lindos.
Não gosto da ostentação de suásticas não pelo desenho em si mas pelo apelo que eles traem, estes sim refletindo uma idéia que a sabemos errada.
Digo com toda a certeza que a doutrina já me passou que em nenhum momento o perispírito será enodoado por alguma delas, isso não é aceito pela doutrina.
Portanto, não devemos nos sentir receosos.
Basta que não tomemos nosso corpo com out door ambulante com fazem alguns, estes, podem mesmo sofrer limitações de fundo trabalhista não conseguindo empregos em algumas áreas.
Abração,
Moura

Amigo Moura...

Quando comecei a ler o texto me senti ridícula por ter feito 3 tatuagens... eu sempre achei lindo, por achar lindo, meu pai sempore me rpoibiu até q um dia permitiu, eu tinha 18 ou 19 anos qdo fiz a primeira, que na minha mente era pra ser uma nova fase... eu acho muito bonito pessoas quem tem desenhos delicados tatuados, flores, pássaros, nome de alguém que ama, homenagens a Deus... embora eu saiba que a vida é eterna, a gnt vive agora em um mundo material, sei lá acho q é um jeito material de demostarr AMOR...
Claro confesso que agora fikei meio confusa, acho q se tivesse lido isso antes, talves nao teria feito nehuma, mas não posso me arrpender pq agora tenho que conviver com elas neh?!
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 25 de Janeiro de 2012, 17:49
Mas de quais idéias o amigo fala mano Luiz Otávio? As do autor?
Abraços,
Moura

Diante de idéias próprias e dogmas....Não há que falar.
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 25 de Janeiro de 2012, 18:07
Irmãos.
Existe o conceito de que "a carne é fraca" e que por esse motivo, flagela-se a carne para purgar os pecados na tentativa de salvar o espirito.
Temos de preservar nosso corpo, como sendo um presente que Deus nos dá para evoluirmos, uma vez que imprescindível em nosso atual estágio evolutivo.
Da mesma forma, nosso corpo esta adequado as necessidades que nosso espirito possui para crescer, através das provas e desafios que lhe cabem.
A maneira como utilizamos o corpo pode ate definir nosso carater sim.
Mas o que é mais grave, alguem que, por um conceito próprio de amor tatua o nome do filho por exemplo e procura educá-lo dentro de princípios cristãos, ou alguem que mantem o corpo "limpo" por fora, mas afunda-se nos vicios degradantes da bebida ou das drogas?
Creio que seja fundamental não julgar a conduta de ninguem.
"Não julgue alguem pela aparência a menos que você conheça Deus pessoalmente".
"Só é verdadeiramente feliz quem não tem medo do ridículo".
Não lembro quem fez essas citações, mas são ótimas para se pensar.
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 25 de Janeiro de 2012, 18:34
Boa postagem mano Gustavo!!
Eu diria que mesmo o conhecer a Deus pessoalmente tenha de ser bem analisado...
Se o cara nos aparece de barbas longas e com aquela cara de quem comeu jiló, ai mano é "sair batido", porque Deus não é hehehe
Abração,
Moura
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Edil Curvelo em 25 de Janeiro de 2012, 18:55
Não gosto de tatuagens e menos ainda de piercings. Mas considero essas coisas mais ou menos no mesmo nível dos brincos, anéis, maquiagem, etc. É fruto dos desejos de adorno de cada um, embora possam sim revelar traços da personalidade não vejo motivo para polêmicas ou julgamentos. No que diz respeito ao corpo, deve-se sim haver um pequeno receio a nível de intoxicação por metais e outras substâncias. Fora isso, as questões morais que possam prender uma pessoa a este tipo de práticas, dizem respeito a consciência de cada um. Cada um tem seus motivos, por isso não há porque rotular ou criar preconceitos.

O alimentação inadequada, os excessos e má qualidade dos pensamentos e sentimentos, são muitíssimo mais prejudiciais ao corpo do que essas práticas, no entanto pouco vejo as pessoas se preocuparem com isso. 

Um abraço,
Edil 
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 25 de Janeiro de 2012, 19:15
Exatamente mano Edil!
Abração,
Moura
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Gê Barrim em 25 de Janeiro de 2012, 19:44
Espero que ninguém tenha me interpretado mal...
somente direcionei minha resposta ao Amigo Moura, por ser a ultima resposta que tinha no tópico...

Não julgo ninguém, essa coisa de tatuagem é muito particular, posso dizer que refletindo um pouco, fico na dúvida se faria mais alguma... Tenho muita vontade de tatuar o nom,e do meu filho, e uma frase de agradecimento a Deus...
Eu sei que amor pelo meu filho eu demonstro no dia a dia, na criação dele, e sei que Deus ficaria muito grato se eu fizesse menos besteiras, machuca-se menos pessoas... mas na minha opinião é um jeito de mostrar que to tentando... talvez seja infantil, mas eu gosto de falar como eu sinto e assim poder refletir ouvindo o q os outros falam sobre meu jeito de sentir...
Pra mim tatuagem não é uma agressão ao corpo físico, (embora doa bastante)pra mim é  um jeito de faze-lo mais bonito... como usar brincos, pulseiras...

Gosto muuito desse espaço...

Obrigada a todos...
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 25 de Janeiro de 2012, 19:47
Minha filha, com 14 anos me pediu e eu neguei, então ela me perguntou quando eu iria deixar ela fazer uma tatuagem e eu lhe respondi: Quando de sei aniversário de 40 anos hehehe.
Aos 17 ela chegou em casa com um esparadrapo  diferente na costa e quando retirou o dito cujo, embaixo estava a tatuagem.
O que fiz? Nadica.... Pra que?
Abraços,
Moura
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 25 de Janeiro de 2012, 21:10
Particularmente adimiro Jorge Hessen

Sobre o texo
e segundo o que entendi do mesmo
eu não colocaria nenhuma represália.

Pelo contrário a argumentação do texto orienta sempre
para a questão de se saber o que faz.


Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Ace em 25 de Janeiro de 2012, 22:26
Que é um defeito da alma ninguém pode negar, aliás, há quem negue por conveniencia e consegue encontrar argumentos tão verdadeiros que leva todos a crer ser uma virtude, mas convenhamos, não é de natureza espiritual, portanto um defeito.

Mas um defeito tão relativo, de pessoa para pessoa, que não é suscetível de ser julgado, as vezes fraco em uma, forte em outra, por causa da demasiada vaidade ou por orgulho; por inveja; por ter seguido os outros; por se achar que terá uma personalidade mais forte perante os outros por usar uma tatuagem; por ignorância e logo depois se arrependeu; por se achar que será diferente pois não gosta do comum... tudo isso é um defeito da alma, mas que varia de pessoa em pessoa. Isto é, no fundo de toda tatuagem existe uma fraqueza da alma. No entanto são coisas que existe em todos nós em graus diferentes, a diferença é que ao colocar uma tatuagem a pessoa está publicando seu defeito (por isso surgiu essa ideologia comum que quem usa tatuagem tem personalidade forte), enquanto que nas outras permanecem ocultos. Como as pessoas não gostam de ver o defeito alheio, criticam os dos outros, pois pensam que é mais fácil consertar os outros.

Quem é melhor e quem é pior? Não há melhor nem pior por usar tatuagem, pois vaidade, orgulho, ignorância, egoismo etc todos nós temos em graus menores e maiores, mas alguma pessoas acham que por uma fazer o que ele não faz, que ela é mais imperfeita que ele! pura ignorância, isto é, um defeito que quem usa tatuagem pode não ter.

Se alguém se ofendeu, talvez porque não entendeu, eu não vou discutir, só peço que me mostre um só caso no qual seja uma virtude.



Hamlacerda


Eu tenho tatuagens e não as fiz por nenhuma dessas razões. Mais uma vez vejo pessoas a acharem-se donos da verdade, mas como já referi anteriormente, não me importo, falem à vontade eheh

Abraços! :D

Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Ace em 25 de Janeiro de 2012, 22:52
Eu tenho tatuagens e não as fiz por nenhuma dessas razões. Mais uma vez vejo pessoas a acharem-se donos da verdade, mas como já referi anteriormente, não me importo, falem à vontade eheh

Abraços! :D



E qual foi a razão?


As razões foram diferentes, mas falando da tatuagem que para mim tem mais significado, tenho Jesus tatuado num braço. Jesus é o modelo que devemos seguir, sempre que olho para ela lembro-me que devo ser melhor, praticar a reforma intima, lembra-me coisas positivas. Sim, eu sei que isto é uma visão um pouco material, mas senti necessidade de fazer a tatuagem, não fiz mal a ninguém, não me doeu praticamente nada e ficou um belo desenho eheh :)

O que queria dizer é que existem muitas pessoas que querem pôr defeitos e criticar tudo e acham-se sempre donos da verdade, mas alguém neste mundo é Deus para saber tudo? Pois, eu acho que não. Se uma pessoa ajuda os outros, pratica caridade, não faz mal a ninguém, sorri sempre, tem bons pensamentos, confia em Deus, etc. O que importa se ela tem tatuagens? Estamos num mundo de provas e expiações, ninguém vai se tornar perfeito já assim num estalar de dedos, né?

Abraços.

Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Felipa em 26 de Janeiro de 2012, 00:02
Olá Renato excelente o texto
Hoje com todo esse  modismos , é dificil  alguém conseguir  resistir ao impulso,
Nós temos  o livre arbitrio, e o espiritismo ou espirita nao tem e nem poderia ter nenhuma restrição sobre qualquer coisa que fizermos no nosso corpo fisico, pois o principal para o espirita não é as marcas do corpo fisico e sim as marcas em nossos atos e pensamentos. As boas ações é que valem.
O que se pode é conscientizar dos riscos que se  correm ao fazer o procedimento... e tem riscos...
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Tania Mara Checoli em 26 de Janeiro de 2012, 03:03
Nossa........eu tenho uma tatuagem na perna, e confesso que eu gosto da minha tatuagem. Tambèm digo que quero fazer um coracao pequenino na minha mao... para mim seria como tatuar o filho que eu perdi.......... nao sei...... se estoy mal.. me perdoem...
Tania


quote author=Mourarego link=topic=40264.msg255279#msg255279 date=1327513767]
Mas de quais idéias o amigo fala mano Luiz Otávio? As do autor?
Abraços,
Moura

Diante de idéias próprias e dogmas....Não há que falar.
[/quote]
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Renato.Oliv em 26 de Janeiro de 2012, 14:38
Olá queridos irmãos de jornada.

Obrigado pelos comentários, só fazem enriquecer o tópico.
Acredito que Jorge Hessen foi feliz em seu texto, por isso compartilhei.

Nós somos livres para fazer o que quisermos, mas certas escolhas dentro dessa liberdade tem preços amargos. Já dizia Paulo, o Apóstolo: "Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém.".

É o sentimento, a emoção, a intenção que se externa na tatuagem ou no piercing que pode ocasionar problemas ou não.
Muitos dizem que não se deve julgar os outros pela aparência, sim sem dúvida, porém, o texto de Jorge e a Doutrina Espírita não julga ou impõe nada, somente conscientiza e nos dá um exemplo de como o nosso psiquismo pode influenciar bem ou mal em nossa vida.

Muita paz,
Abraços fraternos.
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 26 de Janeiro de 2012, 14:49
Renatão deixe que eu te lembre:
Disse Jesus: "O que nasce da carne é a carne e o que provém do Espírito é Espírito".
Veja a diferenciação que o Rabi já mostrava existir e naquele tempo!
Logo, a seguir-se estas palavras, teremos que piersings, só se ligam a matéria, enquanto as intenções se ligam ao Espirito pelo campo da moralidade e elevação que tenham alcançado.
Abração,
Moura
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 03 de Fevereiro de 2012, 21:35
Belo conceito Moura.
São nossas intensões que definem nosso carater, que mostram o que realmente somos, ainda que seja exclusivamente para o Pai, "que escuta em silêncio".
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Ace em 09 de Fevereiro de 2012, 15:23
(https://fbcdn-sphotos-a.akamaihd.net/hphotos-ak-snc7/423294_2327866054972_1799328648_1464052_755981487_n.jpg)



 :)


Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Paulo Castro em 26 de Fevereiro de 2012, 23:24
Espera um pouco,então,me corrijam se eu estiver errado.eu sou tatuado,e eu gosto de tatuagens,e pretendo fazer mais,quer dizer então que o fato de eu ter tatuagens,eu não serei um bom espiritualista?o que um desenho na pele pode fazer com o nosso perispirito?
ou seja,pelo oq eu tenho lido nos textos aqui,os tatuados não são dignos de serem espiritualistas,eu acho que a minha arte corporal não tem nada haver com a minha crença,sou contra os piercings,embora eu use brincos,mas eu não creio que uma arte que surgiu na china antiga possa tirar o direito de uma pessoa que tenha tatuagens,brincos e piercings de seguir um caminho religioso seja ele qual for.não é a tatuagem que faz o mal carater,nem os brincos e piercings,pois o proprio cristo disse vinde a mim como estas,e isso na minha concepção é como nos encontramos nesta encarnação,mesmo com nossas ideias e nossas artes.uma coisa todos aqui podem ter certeza,vou ainda fazer algumas tatuagens,vou continuar usando brincos,vou manter o meus cabelos longos,vou continuar tocando minha guitarra na minha banda de metal extremo,e eu continuar seguindo o espiritismo.porque a minha fé tá em jesus e deus e na doutrina espirita,e na minha opinião,certos conceitos é de doutrinas chamadas dominadoras.eu vejo muito se falar aqui em renovação,porque então não se renovam tambem os conceitos.podem ter certeza eu vou continuar na doutrina,mas vivendo a minha vida sem me deter diante observações do seculo 18 ou 19.
 não estou tomando as dores para mim,mas a grande questão é que existem muitos iguais a mim,e não seguem doutrina alguma por esses pontos de vista antiquados,Será que ninguem percebe que com essas observações ridiculas,estão fechando as portas para que os tatuados tenham uma religião que possam seguir,simplesmente fecham as portas pela pele desenhada sem conhecer o carater de cada ser......me desculpem se pareço exaltado mas eu tinha que falar.muita paz e luz a todos.....
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 27 de Fevereiro de 2012, 14:40
Mano Paulo,
o que o Gustavo e mesmo eu dissemos antes é que as tatuagens não apresentam nenhum dano ao perispírito ou mesmo ao Espírito.
abraços,
Moura
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Paulo Castro em 27 de Fevereiro de 2012, 15:40
Amigo moura,então peço perdão pelo meu equivoco,pois na verdade,lí respostas absurdas e dogmaticas,o que não foi o seu caso,na verdade eu nem cheguei a ler suas respostas,pois mesmo sem nos conhecer e desde quando eu entrei para este forum Você em especial sempre falou com sabedoria.Obrigado pelo esclarecimento,e mais uma vez peço perdão pelo meu equivoco....

        muita paz e luz caro amigo.......
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Mourarego em 27 de Fevereiro de 2012, 16:21
Só para deixar claro:
Não existe, como afirmam outros espíritos, "nódoas perispirituais", "criptógramos carnudos", ou "tomadas mentais". Espírito é Espírito e não um ser que necessite de energia elétrica.
por outro lado, qualquer coisa que possa ser de malefício ao Espírito está sempre na condição da moralidade e não da organização física.
Assim tudo o que se relacionar com o físico (matéria bruta), não atinge ao Espírito (matéria quintessenciada.
abraços,
Moura
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Alex Gomes em 27 de Fevereiro de 2012, 18:21
Na minha humilde visão, a tatuagem é apenas mais um elemento do estilo sociocultural o qual cada um se afiniza, se identifica. Como o estilo de se vestir, por exemplo. Não tem necessariamente nenhuma relação com falha de caráter ou qualquer ligação com o espiritualmente nocivo. Foi citada a "vaidade" em um comentário, mas quais de nós não somos vaidosos? Somos seres espirituais, claro, mas também somos seres sociais. Vivemos inseridos num universo social com peculiaridades culturais que se modificam de tempos em tempos. Não vejo tatuagem como uma manifestação do exagero, sinceramente. Se formos falar em culto excessivo ao corpo físico como halterofilismo, excesso de cirurgias plásticas, aplicação desnecessária de silicone, etc, que claramente demonstram pura mania de grandeza estética, até concordaria. Mas tatuagem é apenas arte impressa no próprio corpo, sem a intenção direta de fazer dos tatuados melhores e mais bonitos do que ninguém. O que realmente importa é o nosso envolvimento com os propósitos da evolução espiritual. Propósitos estes fundamentalmente contextualizados na Doutrina do mestre Jesus. E não é a existência ou não de tatuagem que vai determinar isso.

Abçs, nobres irmãos!!
Título: Re: Tatuagens e Piercings Sob o Ponto de Vista Espírita
Enviado por: Ace em 27 de Fevereiro de 2012, 21:49
Amigo Paulo, eu tenho muitas tatuagens e como vocês no Brasil dizem "tô nem aí" para o que vão achar. Existe muita gente que pensa ser Deus e decidem inventar coisas, mas é fácil amigo, simplesmente deixe para lá e siga o seu caminho sempre livre e com Deus.

Abraços. :)