Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: Victor Passos em 12 de Agosto de 2007, 18:21

Título: Sensações do desencarne
Enviado por: Victor Passos em 12 de Agosto de 2007, 18:21
  SENSAÇÕES DO DESENCARNE

O corpo é o acervo da dor, mas a percepção dela ocorre na alma. A exemplo aqueles que  amputaram um membro e tem sensações de dor no membro retirado. Isto porque o  cérebro guarda a impressão da existência do membro.O mesmo ocorre no sofrimento do Espírito, após o desencarne.
O perispírito é o nucleão das sensações exteriores. No corpo, os órgãos captam essas sensações. Destruído o corpo, a sensação torna-se geral.
Não se pode confundir, as sensações do perispírito, com as do corpo. Resgatado do corpo, o Espírito pode sofrer, mas esse sofrimento não é físico.
A morte física e o desencarne não ocorrem simultaneamente. O ser perece quando o veiculo corporeo deixa de ser activo.
O Espírito desencarna assim que se completa o desenlace, o que pode demorar tempo incerto , pois depende do grau evolutivo  de cada um.
O perispírito se desprende mais depressa ou menos do corpo; após a desencarne o Espírito não percebe a situação em que está.
Não se julga morto,  situação essa que dura enquanto houver alguma ligação entre o corpo e o perispírito. Enfim encontra-se em estado de perturbação.
Geralmente o Espírito fica preso ao corpo enquanto tiver nele as impressões da vivência corpórea.
Os materialistas , julgam que a vida se apaga com a morte, que não compartilham dos objetivos superiores, vivem do vício e paixão, ficam aprisionados por mais tempo..
Certamente os Espiritos superiores, podem fazer a libertação de imediato, logo que se desse a morte do corpo.porém  o desencarnante maiores  dificuldades de adaptação à realidade espiritual.
Não deixa porém de tomar as sensações desagradáveis, ao ver a sua decomposição carnal, A exemplo, um suicida, pode nos dizer que sente os vermes a corroerem-no.
Esses vermes não lhe roíam o perispírito, nem o Espírito; mas sim ,o corpo.
Eram as sensações que estavam com o corpo, o qual ainda estava ligado ao perispírito, iludindo-o, fazendo-o  pensar ser real.
Durante a vida, o corpo recebe impressões exteriores e as transmite ao Espírito por intermédio do perispírito, este, desprendido do corpo, experimenta a sensação, porém, como já existe o corpo que limita a dor, ela se lhe torna geral.
O perispírito, é o nucleo  transmissor, porque no Espírito está a consciência, Do mesmo modo, se o Espírito não tivesse perispírito, não teria acesso à sensação da dor. Assim se passa com Espíritos purificados. Quanto mais puros, mais etérea é a essência do perispírito, a influência material diminui à medida que o Espírito progride, isto é,o perispirito se torna menos grosseiro..
Os Espiritos Superiores não sofrem as sensações da matéria, cujo envoltório etéreo não encontra analogia neste mundo. Isso não acontece com os espiritos inferiores que seu perispírito é  mais denso, os quais percebem os nossos sons e odores, eles ouvem o som da nossa voz, entretanto percebem-nos não pela palavra, mas pela transmissão do pensamento.
Nos primeiros instantes da morte, a visão do Espírito é turba e confusa. Torna-se mais lúcida, à medida que se desprende, até alcançar a nitidez .

Continua
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 12 de Agosto de 2007, 18:22
Continuação

Uma vez, quando livres do nosso grosseiro envoltório, instrumento dos nossos espinhos, podemos continuar a sofrer, e muito, e por longo tempo, mas também podemos deixar de sofrer, mesmo a partir do instante do desenlace corporal.
Os sofrimentos deste mundo independem, algumas vezes, de nós; muito mais vezes, contudo, são devidos à nossa vontade, tais sofrimentos são efeitos de causas que nos teria sido possível evitar.  Sofrer resulta dos laços que ainda nos prendem à matéria; quanto mais livre estivermos da influência desta, ou, por outra, quanto mais desmaterializado nos acharmos, menos dolorosas sensações experimentaremos.
Diluindo as nossas paixões mundanas, não alimentando ódios, inveja, ciúme, orgulho e egoísmo, vitalizando bons sentimentos; praticando o bem; não dando às coisas deste mundo importância que não merecem, estaremos a dar o passo para a nossa depuração moral e desapego , logo também a diminuir as sensações da matéria que são nefastas.Dessa maneira,não ficarão lembranças dolorosas e não advira mais nenhuma sensação ruim, porque só atingiram o corpo físico e não a alma.
O sofrimento e a tardia lucidez acontece ,porque a ignorância , o egoísmo e orgulho,das paixões mundanas nos levaram até lá, só nos podemos lamenta<r de nós mesmos.
Nunca é tarde , façamos já deste momento, uso da nossa vontade na mudança.
Por isso “ Cada um Segundo suas Obras”

Muita Paz
Victor Passos



Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 12 de Agosto de 2007, 23:50
Olá Vitor, por favor escareça-me quanto a seguinte citação que fez no seu post:

Citar
A morte física e o desencarne não ocorrem simultaneamente. O ser perece quando o veiculo corporeo deixa de ser activo.
[/color]

Certamente eu não entendi o que nos quiz transmitir....para mim, moret física e desencarne são sinónimos.
será que me escapou alguma coisa?

Abraços

Olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 13 de Agosto de 2007, 00:26
Hummm… :P

O caso da dor corporal depois da morte, ou o não sentir-se dor no caso dos espíritos superiores.

No primeiro caso, a dor, é sentida da mesma forma como antes da morte, mas so por isto:
Dever-se-á saber que a morte não existe, e por isso o nosso caminho continua de igual forma, mas em outro plano.
A dor é sentida para quem o conhecimento desse mesmo plano, não existe, ou para quem vive muito na parte terrena, sem desenvolver a sua espiritualidade.
No segundo caso, na situação de um espírito superior, tem a ver com a moral e espiritualidade, quanto ela mais elevada for, mais conhecimento sobre si mesmo terá, e por isso a morte quando é encontrada no seu caminho é aceite com naturalidade. Assim, ao encontra-se no outro plano o reconhecerá com facilidade e se entregará a sua vida após morte com menos consequências.

O facto de não sabermos ou de recearmos o desconhecido, faz-nos cair em ilusões e desta forma, agarramo-nos ao que conhecemos, á vida que temos e que vivemos, e isto pode se enquadrar no egoísmo e orgulho falado pelo Vítor, este egoísmo e orgulho não quer dizer de todo sentimentos fortes e maus….mas que enquanto pouco sabedores do que somos e do que nos espera, vamos vivendo nesta sociedade, cultura e vivências familiares que nos causam consequências que possam provocar algumas atitudes que podem nos fazer cair com menos agrado do que se fossemos perfeitos, mas não o somos e por isso não vamos desejar por isso sermos um espírito para já superior.

Mas contudo podemos perceber o que é a morte, que é vida, e que para lá podemos conquistar coisas muito boas.

Mas este assunto pode continuar a ser extenso, pois existem outras tantas situações que nos fazem sentir depois da morte a continuação nesta vida, por exemplo e nao conseguir fazer esse desprendimento...

Temos um exemplo, no filme do “Espírito do Amor” quando o Patrick Swayze morre vemos ele a continuar a correr já depois de ter levado o tiro e ter morrido, só breves minutos mais tarde percebemos que ele morreu da mesma forma que ele enquanto personagem desse mm filme, tb não se apercebe da sua própria morte, senão quando olha para trás e ve o seu próprio corpo ali deitado…é um bom exemplo esta imagem…

Deixo-vos o filme, so um cadinho...para quem nao viu...

http://www.youtube.com/watch?v=qIQ4G8DPoY4

Existem muitas situações que nos poderão fazer a todos ou não, vivenciar a situação de vivos já enquanto desencarnados…até por amor...

Por isso ter que existir algum tempo, imprevisível claro, mas depende essencialmente e preferencialmente ao conhecimento de si mesmo e do mundo que o rodeia, para que o desenlace corpo/espírito se desprenda com mais facilidade, sem dor (sofrimento).

Tudo é muito simples, e não como transparece o texto que o Vítor nos deixa, que parece quase avassalador .

Abraços

P.S: Tb aguardo resposta á pergunta da Aruanda.
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 13 de Agosto de 2007, 09:40
Ola Bom-dia
Amigas Olga e Susana
Muita Paz

     Estou feliz por poder esclarecer, se não se importam escrevo duas respostas em uma...dentro do pouco que sei e está lá tudo, mas realmente não sou Drº e escrevo muito rabuscado, me desculpem.
     Sou fraco em Português...rsrsr... Me  perdoem brinco ,estou bem disposto....

Citar
A morte física e o desencarne não ocorrem simultaneamente. O ser perece quando o veiculo corporeo deixa de ser activo.

   É apenas uma questão de interpretação ,vejamos agora....

Não podemos confundir, as sensações do perispírito, que se tornou independente, com as do corpo.
Liberto do corpo, o Espírito pode sofrer, mas esse sofrimento não é corporal.
A dor que sente não é física propriamente dita: é um mero  sentimento íntimo, que o próprio Espírito nem sempre compreende bem,  isso porque a dor não está localizada e porque não é provocada exteriormente, será mais uma lembrança do que uma realidade, o que não torna a dor menor.
A morte física e o desencarne não ocorrem simultaneamente. O indivíduo só morre quando o corpo físico deixa de funcionar.
O Espírito desencarna quando se completa o desligamento do perispirito , ora isso pode demorar algumas horas ou alguns dias, dependendo do grau de adiantamento de cada um.


Espero que agora esteja perceptível.

SUSANINHA PARA SI AGORA...

Citar
O caso da dor corporal depois da morte, ou o não sentir-se dor no caso dos espíritos superiores.

No primeiro caso, a dor, é sentida da mesma forma como antes da morte, mas so por isto:
Dever-se-á saber que a morte não existe, e por isso o nosso caminho continua de igual forma, mas em outro plano.
A dor é sentida para quem o conhecimento desse mesmo plano, não existe, ou para quem vive muito na parte terrena, sem desenvolver a sua espiritualidade.
[/color]

Não será bem assim se percebi, tem a resposta na da Olga aí em cima.

Citar
Por isso ter que existir algum tempo, imprevisível claro, mas depende essencialmente e preferencialmente ao conhecimento de si mesmo e do mundo que o rodeia, para que o desenlace corpo/espírito se desprenda com mais facilidade, sem dor (sofrimento).

Tudo é muito simples, e não como transparece o texto que o Vítor nos deixa, que parece quase avassalador .

Bem antes demais; o rápido ou lento desprendimento não depende só do conhecimento do mundo que o rodeia, mas acima de tudo dos valores morais e da sua conduta na vivência que acaba de terminar, quanto mais evoluido estiver , mais rapidamente se dá o desenlace.
Quanto à dor ,a amiga é muito positivista, pois nós somos tão frágeis moralmente ,que raramente cumprimento o acervo de provação aqui ou noutro plano a que nos sujeitamos. A duração do desprendimento é muitas das vezes uma provação para o espírito que parte.
  Susana não digo que é avassalador ,você é que pinta o quadro como se tudo fosse muito fácil e não é.
Somos espiritos em evolução e garanto-lhe muito pequeninos. Inclusive à quem pense que por ser Espirita , já vai ser mais fácil...puro engano ,até porque como deve saber quanto maior o conhecimento maior a responsabilidade...

Espero ter esclarecido, sabendo porém que não sou dono da verdade...
Nem terei concerteza as vossas capacidades, porém esta é a forma como interpreto o tema.

Quanto ao filme ,muito grato por acaso tenho-o em dvd. É lindo.
E com muita paz ,lhes desejo um óptimo dia.

 E um sorriso que espero que gostem...

Abraço fraterno

Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 13 de Agosto de 2007, 10:17
Olá,

Gosto muito mais quando se tenta exprimir, do que quando nos tras textos como este...alem de nao estar assinado, penso que nao será seu, pois do texto inicial para a sua explicação esta bastante diferente...Acredite que existem muitos textos que só para "mestrados" em espiritismo se conseguem traduzir.
Eu percebi o texto, entendo e ate conheço a maioria, quase todos os que coloca a aqui, mas acredite que para muita gente e algumas que até entram aqui pela primeira vez, nao percebem...acredite!

Meu caro amigo, eu sou conhecida entre amigos, por tornar as coisas muito positivas, nunca faceis, pois quem me conhece sabe que a minha vida nunca foi facilitada em situação alguma, mas sim tenho um espirito bastante positivo e principalmente responsavel, mas ainda assim tenho consciencia perfeita que sim as coisas são muito simples, nós ser humano é que temos a tendência de as complicar, tem a ver com a nossa condição ainda imperfeita  ;)

Áhhh e enquanto o espirita se enquadrar no pequenino ser que quer ser...pouco ou nada consegue aprender para alem do pequenino.

Sabe Vitor, o pensamento é o contacto dos espiritos, vc sabe, eu tb sei...mas enquanto nos mantivermos num pensamento limitado, os nossos conhecimentos limitados serão.

A Lei da Afinidade ou Atracção, prevalece a tudo, por isso meu amigo, nao gosto que se diga, "não sou Dr.º" ou sou isto ou aquilo...as vezes ate me dá a parecer que o espiritismo nao diz nada quanto a isso, por se estarem sempre a inferiorizar...Não interessa muito se somso pequeninos, para aquilo que nós sabemos que poderemos vir a ser!
Importa é esta vida actual, e o grande que poderemos ser AGORA!
O que realizarmos nesta nos tronará ainda maiores noutras!

Mas e nesta, agopra, que importa pensar...
e assim...
Será que nao poderemos ter inteligencia de outras vidas?
Será que não poderemos se-lo nesta?
Ou será que é mais facil admitir que somos isto e nao podemos ser mais do que isso?
Será egoismo querermos mais e melhor para nós mesmos? Pois para mim nao é egoismo, sem esta vontade nunca serão caridosos consigo mesmos, assim nunca com os outros.
Será que as condições desta vida mos condicionam?
Pois o espiritismo ensina-me que somos nós que temos que fazer por nós e diz-me que ser eng.º dr.º. empregado balcao ou senhora da limpeza, nada interfere, nao passa de preconceitos...até pq o conhecimento está á nossa mão e é so querer!
Pois que temos que ser muito, para podermos dar muito.

Ainda lhe digo, sabe realmente no que eu acredito?
Que quanto mais obstaculos temos pela vida, mais provas nos dão de que somos grandes!

óh se acredito, tenho razões para acreditar, e poderia dizer infelizmente, mas hoje nao digo...hoje digo, sim felizmente, acredito nisso!

Talvez senao acredita-se nisso, nao teria forças para estar aqui hoje...


Quanto ao assunto, sabemos nós que a dor fisica depois da morte é uma letargia perante o espirito desencarnado.

Mas continuo, a morte fisica é o mesmo que desencarne

Abraço
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 13 de Agosto de 2007, 11:23
Citar
A morte física e o desencarne não ocorrem simultaneamente. O indivíduo só morre quando o corpo físico deixa de funcionar.
O Espírito desencarna quando se completa o desligamento do perispirito , ora isso pode demorar algumas horas ou alguns dias, dependendo do grau de adiantamento de cada um.


Pode ser que você esteja certo mas, até hoje, sempre percebi que a  morte física acontece PRECISAMENTE quando se dá o desligamento do perispirito com o corpo.

esse desligar pode ser lento ou rápido , por isso se diz que a pessoa está "moribunda" é quando se está a dar lentamnete esse corte.

O que me parece que o Vitor quiz dizer é que em certos casos o ser que "morre/desencarna" não se apercebe disso  e, pensa ainda estar vivo (como o exemplo do filme colocado pela Suzana) ,aí ele, espirito desencarnado (já sem corpo) continua a sentir-se ligado  a ele (corpo) mas, isso é uma sensação .
Na realidade já está morto/desencarnado.

E, aproveito para dizer que também não podemos fazer do desencarne algo de transcendente porque como em tudo, o que iremos sentir nessa hora  depende do que realmente acreditamos mas, acima de tudo da forma como vivemos a nossa vida...aí sim, vamos ter a diferença.

Por isso, é importante que pensemos na morte de forma natural mas acima de tudo não devemos esquecer que essa passagem vai depender de como vivemos a vida e nos sabemos amar para podermos amar os outros ,como nos diz o evangelho : "amar aos outros como  a si mesmo".

Abraços
Olga

Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 13 de Agosto de 2007, 14:36

 Ola Amigas
Muitas Paz

       Susana por acaso o texto é meu e estava assinado.
       Susaninha,compreendo e aceito perfeitamente a sua positividade,e é dessa forma que devemos ser. Porém quando se trata da realidade,é um pouco diferente.
        Sei perfeitamente que estamos num plano de provas e expiações e que a felicidade é relativa.
   É bom quando como você se vê força e positividade.Sabe apesar do conhecimento parco quer tenho ainda não consigo ser positivista em tudo...mas o tempo me ensinará e ajudará...
   Grato pela generosidade, realmente sei que apesar da idade, ou posição social trazemos conhecimentos do pretérito,quando digo que ainda sou muito pequenino ,é porque por exemplo ,neste Forum tem gente com muito conhecimento superior incluindo vocês, logo por vezes posso expressar-me mau,e não ser entendido, mas acabaremos por nos perceber melhor.

         Vou repetir novamente para Olga e para si....

Citar
A morte física e o desencarne não ocorrem simultaneamente. O indivíduo só morre quando o corpo físico deixa de funcionar.
O Espírito desencarna quando se completa o desligamento do perispirito , ora isso pode demorar algumas horas ou alguns dias, dependendo do grau de adiantamento de cada um.

  A morte física ou seja dos órgãos dá-se antes do desligamento do perispirito, porque esse desligamento depende do grau evolutivo de cada individuo.Por outras palavras a entrada no mundo espiritual,pode não ser momentanea e geralmente não o é.Por isso disse morte física e desencarne para diferenciar.

Mas atenção se calhar estou errado, pode ser que seja de outra forma.
  Estou aqui para aprender e pode ser que venham mais comentários para esclarecer...
 
  Abraço fraterno
  Muita paz

Victor Passos

Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 13 de Agosto de 2007, 15:59
Bem, então vou deixar aqui uma questão:

Como se explica que se diga então que falamos de "desencarne" (linguagem espirita) quando na linguagem comum se diz "morte"?

Pela sua explicação...não é a mesma coisa...(claro que eu posso não ter compreendido)

Abraços

Olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 13 de Agosto de 2007, 16:38
Ola amiga Olga
Boa tarde
Muita Paz

    Está dificil ,mas aqui vai,aconselho-a a ir ao dicionário e verá a diferenças....desencarnar quer dizer-abandonar ( o espirito) a carne ou seja passar para o mundo espiritual.
     A morte não fala em espirito..veja...por favor
     O corpo não vai para o lado espiritual é essa diferença que estou tentando fazer..
A morte só se dá com o rompimento do cordão perispiritual,e é disso que falo.
e me desculpe que não vou ao encontro da sua duvida.

   Muita paz
   Abraço fraterno

Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 13 de Agosto de 2007, 16:43
Citar
A morte só se dá com o rompimento do cordão perispiritual,e é disso que falo.

Absolutamente de acordo.

Apenas não consigo entender a sua linguagem...
Gostava que em vez de me mandar ao dicionário me dissesse em que livro da codificação está essa explicação,assim eu iria ler e tentar perceber onde  e de que forma não estou a entender o que me diz.

Obrigada
olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 13 de Agosto de 2007, 17:48
Ola Olga
Muita Paz

     Minha amiga não foi por maldade que disse parta ir ao dicionário, pois foi apenas para verificar a diferença.
Porém como está muito preocupada com o que eu afirmei,e quer vê-lo na Codificação e sei porquê....Aconselho então:

     Livro dos Espiritos
   
      questão 238- Percepção,sensações e sofrimentos dos eEspiritos.
       questão 257 - Ensaio Teórico da sensação dos Espiritos
        Questão 309

      Penso que lá poderá perceber melhor que eu, pois está dificil fazê-la perceber.
      Porém ninguém é obrigado a estar de acordo e respeito tanta persistência, é sinal que quer provar algo,porém eu não quero, mas quero sim aprender...se estiver errado alguém me elucide...agradeço...


Muita Paz
Abraço fraterno
Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 13 de Agosto de 2007, 17:56
Lamento muito que não tenha percebido que a dúvida não é por mim...eu não tenho dúvidas.

Apenas estamos num fórum e temos que ser entendidos por todos...não me parece ser o caso.

Alguma pessoa que entre aqui e não conheça  o espiritismo, certamente ficaria com a dúvida que eu coloquei. Daí a minha questão.

As perguntas que refere, se bem me lembro, não dão a explicação para o que o Vitor diz....mas, vou voltar  a ler sobre o assunto mais logo que agora não tenho tempo.

Citar
Porém ninguém é obrigado a estar de acordo e respeito tanta persistência, é sinal que quer provar algo,porém eu não quero, mas quero sim aprender...se estiver errado alguém me elucide...agradeço..

Realmente ninguem é obrigado a estar de acordo...se não estivessemos a falar do assunto em questão, aí tem que hever unanimidade, não acha?
E, se estar a questionar é sinónimo de "querer provocar algo", lamento muito que assim pense:

1º -não me conhece para dizer isso (quem me conhece sabe que não provoco nada, DIGO o que penso)
2º- pensava que aqui neste fórum havia liberdade de questionar..o que acho é bom também para provocar dinamismo.

parece que me enganei

Abraços

Olga

Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 13 de Agosto de 2007, 19:17
Ora penso que todos já chegamos á conclusão e como nos diz Allan Kardec em o Ceu e o Inferno “A sensação dolorosa da Alma, por ocasião da morte, está na razão direta da soma dos pontos de contatos existentes entre o corpo e o perispírito, e também da maior ou menor dificuldade que apresenta o rompimento.”

Quanto a isto acho que as duvidas foram culmatadas rapidamente, pelo que entendi.

Certo é que a duvida da Aruanda, foi clara e talvez não entendida pelo Sr Vitor Passos, por estar reencaminhar esta ao dicionario e posteriormente ao livros dos espiritos para refletir sobre o tema.~

Tenho consciencia que não é essa a duvida que aqui se punha, o tema, mas a palavra desencarnar e morte fisica.

Que queiram quer não vao dizer a mm coisa, neste contexto e no texto inicial.

Como parte vital inactiva  da-se o desencarne, o desembaraço entre a parte matéria e espírito pode em inúmeras vezes estar em tão grande afinidade que o seu desprendimento demore mais ou menos tempo é incerto, isto acontece,  mas tb se pode dar o caso de órgãos vitais estarem ainda activos podendo  haver desprendimento da alma.

Logo aqui, existe parte vital orgânica que ainda pode sobreviver e o espírito já ter desencarnado.

Por isso ter achado muito interessante a importância dada pela Aruanda nesta questão.

É que os assuntos espíritas são muito complexos e deveremos ter algum cuidado na responsabilidade na qual a mesma, me chamou á atenção no facto de se ser espírita.

É que este é um Forum espírita, mas não é só para espíritas!

Abraços
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Mourarego em 13 de Agosto de 2007, 22:18
Pois é isto mesmo amigo Victor, não se lhe pode colocar óbice ao pensamento trazido.

Se o agente da comunicação do espírito é o perispírito, quando o corpo fenesce (o que nada tem a ver com desencarnação posto que morrer é a sustação da atividade cerebral, e para a doutrina morrer significa apenas que o Espírito se desentrelaçou do corpo físico, ora, como esse desentrelaçamento pode variar segundo a qualidade do Espírito, alguns há que têm o Espírito mais tempo atrelado à carne, como exemplo citaria os materialistas.)
Então há o cessar da atividade do fluido vital no corpo, este para de promover a organização do veículo carnal, mas o Espírito não consegue se desatrelar do vaso físico fácil e rapidamente, como faz nos caos com Espíritos mais esclarecidos.
Dessarte, algumas sensações como a de dor, por exemplo, ficam ainda atreladas, ilusoriamente, no campo mental do Espírito, e este, ignorante das leis naturais, e em muitos casos nem se dando por falecido, prossegue como se vivo estivesse, "sentindo", dor ou frio. Importa que saibamos que esse frio e essa dor não passam de ilusões as quais o Espírito pensa serem verdadeiras.

Fechando a visão somente sobre a dúvida da maninha Aruannda, morte física diz respeito somente à matéria e não importa no dizer-se desencarnar, este só acontece após a ruptura total do liame que liga o Espírito ao corpo.
Espero ter me expressado claramente.
Abraços,
Moura
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 13 de Agosto de 2007, 22:44
As vezes ate penso que o Mourarego puxa pela spessoas como quem puxa pelos times de futebol....(ate uso vocabulario brasileiro e tudo, deve ser influencia do reclame do scolari  ;D)

Mourareg, bastava que conclui-se a sua resposta com o seu ultimo paragrafo, pois nao vejo nada de difeente do que ja foi dito...  ;)

Abraços

Ahhhh, nao se esqueçam quando morrer alguem, vosso conhecido, nao usem a palavra desencarnar...pois pode estar a ser inocuamente mal usada, morte fisica estará sempre correcta   :P

É assim que se deve entender?
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 13 de Agosto de 2007, 22:47
Citar
.... e para a doutrina morrer significa apenas que o Espírito se desentrelaçou do corpo físico, .....

Estamos de acordo.


Citar
ora, como esse desentrelaçamento pode variar segundo a qualidade do Espírito, alguns há que têm o Espírito mais tempo atrelado à carne, como exemplo citaria os materialistas.)

Ser materialista não significa forçosamente não ser boa pessoa e pessoa com moral...logo é uma afirmação pouco correcta (segundo a minha perspectiva ,é claro)
Agora uma pergunta:
Estar o espirito  ligado ao corpo tem a ver com a evolução do próprio espirito mas, o ser já está "morto /desencarnado"..ou não é assim?

Citar
Então há o cessar da atividade do fluido vital no corpo, este para de promover a organização do veículo carnal, mas o Espírito não consegue se desatrelar do vaso físico fácil e rapidamente, como faz nos caos com Espíritos mais esclarecidos.
Dessarte, algumas sensações como a de dor, por exemplo, ficam ainda atreladas, ilusoriamente, no campo mental do Espírito, e este, ignorante das leis naturais, e em muitos casos nem se dando por falecido, prossegue como se vivo estivesse, "sentindo", dor ou frio. Importa que saibamos que esse frio e essa dor não passam de ilusões as quais o Espírito pensa serem verdadeiras

Penso que aqui está  aresposta para a questão anterior:  
Citar
algumas sensações como a de dor, por exemplo, ficam ainda atreladas, ilusoriamente, no campo mental do Espírito, e este, ignorante das leis naturais, e em muitos casos nem se dando por falecido

Afinal está falecido /morto /desencarnado?


Citar
Fechando a visão somente sobre a dúvida da maninha Aruannda, morte física diz respeito somente à matéria e não importa no dizer-se desencarnar, este só acontece após a ruptura total do liame que liga o Espírito ao corpo.

Mas se foi dito que era uma ilusão do espirito...logo está feito o corte .

Desculpe Moura mas, realmente devo estar pouco inteligente porque também não entendi o que quer dizer.

abraços

olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 14 de Agosto de 2007, 10:37
Ola minhas amigas
Muita Paz e harmonia em vossos corações.

   Entrei neste Forum, e algo já percebi, vou aprender muito, porque nele estão irmãos com uma grandeza de conhecimentos e experiência , que só me fazem sentir, mais forte e com vontade de estudar mais.
    Minhas amigas penso que a resposta de Nosso grande amigo Moura Rego é elucidativa e concisa.
     Por outro lado ,fico triste porque tiram-se ilações erradas daquilo que expresso,quando enviei a Olguinha minha amiga ao dicionário foi sem maledicência, porque eu também foi ,afim de confirmar onde estava o meu erro , e lamento também quando diz e erradamente,que disse
Citar
E, se estar a questionar é sinónimo de "querer provocar algo", lamento muito que assim pense:
Não falei em provocar,desculpa falei em provar

Veja-se o que disse;

Citar
é sinal que quer provar algo,porém eu não quero,

Sabe porque digo isto,porque não sou dono da verdade.
Assim como não sou obrigado apesar de tentar fazê-lo, para me tornar perceptível, mudar a minha forma de escrever , a não ser que o meu português seja primitivo....

Amigas vocês pertencem à Coordenação do Fórum Espirita, logo entendo que tem muito mais conhecimento que eu e valores ,por isso não vejam ervas daninhas onde não existem...
Sou pessoa de paz e não de conflito ,apesar de haver quem pense que sou do contra....rsrsrs...brincando.
Quanto ao questionar,duvidar,não concordar,aceitar, ...é isto que faz dum  Fórum ser muito útil, senão não o era....seria antes um colégio da inquisição.
E garanto-lhes se fosse assim não estaria aqui.

Tenham um dia pleno de alegria, de paz e harmonia
Espero que gostem das rosas....

Abraço fraterno

Victor Passos

Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 14 de Agosto de 2007, 10:52
Ola Amigo Moura
Muita Paz

    Como sempre directo e conciso,nas suas afirmações , prova de que neste Forum tem na sua Coordenação pessoas que muito podem ajudar o Espiritismo,a ser mais esclarecido e divulgado.
     
 Bem-haja ter conhecido irmãos ,que fazem da verdade a sua bandeira.


Muita Paz e harmonia

Abraço fraterno

Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 14 de Agosto de 2007, 12:50
Sabe amigo Vitor, não vou responder a esta sua colocação...penso que é melhor ficarmos por aqui.

Paz e harmonia é bom para todos.

Só gostava de realçar uma questão: ser ou não ser da direcção do fórum não me parece ser muito importante para as respostas que cada um de nós dá, sabe porquê?

Porque nós respondemos com os conhecimentos que temos como "pessoas" e não como admnistradores do fórum ...isso é apenas um áparte.

fico muito feliz com a sua "amizade" com o amigo Moura que aliás também faz parte da equipe.

Abraços
Olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Mourarego em 14 de Agosto de 2007, 17:42
Citar
.... e para a doutrina morrer significa apenas que o Espírito se desentrelaçou do corpo físico, .....

Estamos de acordo.


Citar
ora, como esse desentrelaçamento pode variar segundo a qualidade do Espírito, alguns há que têm o Espírito mais tempo atrelado à carne, como exemplo citaria os materialistas.)

Ser materialista não significa forçosamente não ser boa pessoa e pessoa com moral...logo é uma afirmação pouco correcta (segundo a minha perspectiva ,é claro)
Aruanda, ninguém falou em mau ou bom. apenas em materiualista e espirtualista, só isso. O materialista mesmo sendo não bom, mas ótimo, não chega a conhecer e nem a acreditar em nada que não consiga apalpar , ver ou repetir em laboratório, logo, não pode estar de acordo com a doutrina sobre o Espírito e por isso fica mais tempo em estado de torpor quando volta a erraticiadade, e mesmo quando acorda, mais daz vezes pensa não estar morto e continua a fazer oq ue lhe aprazia fazer antes, o que vai consistir no seu "castigo". Esse texto, com algumas palavras diferentes está em OLE.

Agora uma pergunta:
Estar o espirito  ligado ao corpo tem a ver com a evolução do próprio espirito mas, o ser já está "morto /desencarnado"..ou não é assim?
O ficar mais tempo ligado ao corpo tras a lume algumas outras situações, maninha. Como a de morrer-se em meio a fase mais forte de nossa vida, quer dizer bem novo, e por acidente muitas vezes. Assim morre-se e o Espírito continua ligado ao corpo até que se esvaia o último pingo de fluido vital.
Assim o cabra morreu mas não desencarnou, que significa dizer, liberar-se da carne.

Citar
Então há o cessar da atividade do fluido vital no corpo, este para de promover a organização do veículo carnal, mas o Espírito não consegue se desatrelar do vaso físico fácil e rapidamente, como faz nos caos com Espíritos mais esclarecidos.
Dessarte, algumas sensações como a de dor, por exemplo, ficam ainda atreladas, ilusoriamente, no campo mental do Espírito, e este, ignorante das leis naturais, e em muitos casos nem se dando por falecido, prossegue como se vivo estivesse, "sentindo", dor ou frio. Importa que saibamos que esse frio e essa dor não passam de ilusões as quais o Espírito pensa serem verdadeiras

Penso que aqui está  aresposta para a questão anterior:   
Citar
algumas sensações como a de dor, por exemplo, ficam ainda atreladas, ilusoriamente, no campo mental do Espírito, e este, ignorante das leis naturais, e em muitos casos nem se dando por falecido

Afinal está falecido /morto /desencarnado?
Aruanda, estar morto significa ter o cérebro parado, sem ação. Isso para a ciência, desencarnar, é o mesmo que ter o Espírito se libertado da carne.
Agora se o cara morreu na flor da idade, logo, repleto de fluido vital, por certo não desencarnará senão depois de cessar a ação deste fluido.
Logo morrer é uma coisa, desencarnar outra.

Citar
Fechando a visão somente sobre a dúvida da maninha Aruannda, morte física diz respeito somente à matéria e não importa no dizer-se desencarnar, este só acontece após a ruptura total do liame que liga o Espírito ao corpo.

Mas se foi dito que era uma ilusão do espirito...logo está feito o corte .
Esta é outra situação maninha. Depois de liberto da carne, o que resta àquele tipo de Espírito são as sensações que na carne sentiu, por isso o frio ou a dor. Mas estas não passam de ilusão em que ele acredita, pois Espíritos não tendo corpo físico não podem sentir dor material ou sensações ue só o corpo faz com que se sinta.

Desculpe Moura mas, realmente devo estar pouco inteligente porque também não entendi o que quer dizer.
Fui eu quem complicou maninha, espero tyer melhorado a escrita agora.
Moura

abraços

olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 09 de Setembro de 2007, 17:08
Quanto tempo pode durar desde a morte física até ao desencarne? Pode durar anos? O facto de um suicida "sofrer" depois do suicidio está relacionado com o facto de ter morrido fisicamente, mas não desencarnado?
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 10 de Setembro de 2007, 11:26
Ola Amiga Angela
Muita Paz


        Excelente questão amiga, e dentro do meu parco conhecimento vou tentar ajudar.
         Antes de mais cada caso é sempre um caso diferente, pois mesmo com suicidas ,terão as suas atenuantes, através do garante de algumas obras boas executadas por ele em caridade.
        No entanto todos sabemos que o acto suicida , é por demais doloroso,tendo em conta relatos de irmãos nessas situações.
        O tempo quantificado , não é certo  ,sendo que lhe digo que sua presença junto ao corpo será no minimo, o tempo que deixou por ter de vivência aqui neste plano terra. A exemplo, se esse irmão tinha que viver até aos 70 anos,nesta vivência e se suicidou aos 30 anos, concerteza terá de espera esse tempo até aos 70 anos, mais o da expiação ou provação a que estiver sujeito por seu valor moral e sua conduta perante os outros,isto sabendo  desde logo que o suicidio é fragilidade penosa em absoluto..
    Isto sabendo que é sempre um irmão que sofrerá imenso ,pela sua fuga da vida dessa forma brutal.
  Lembro que isto não é um valor conclusivo, porque do outro lado não existe tempo nem espaço, porém estes irmãos geralmente sofrem imenso e acompanham a putrefacção do corpo afim de valorizarem a vida,.
     Espero ter sido perceptível, caso tenha duvidas por favor questione.


Muita Paz
Victor Passos
 
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 10 de Setembro de 2007, 23:11
Olá amigo Victor, muita paz para si também.
Obrigada pela resposta, mas continuo com uma dúvida já antiga, eu já tinha lido em relatos de suicidas que, tal como disse, o espirito teria de esperar até à idade em que seria suposto morrer para começar o seu processo de separação. E aí eu pergunto, e no caso de acidentes ou até homicidios, em que a pessoa não escolhe morrer. Será que este "acidente" já era suposto acontecer pelas leis dividas ou será que estes espiritos também passarão por um processo identico aos suicidas mas sem o sofrimento moral?
Desculpe se a pergunta não fizer sentido, mas já que se disponibilizou, eu aproveitei para colocar a dúvida que há já algum tempo me acompanha.

Abraços



   
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: ClaudiaC. em 10 de Setembro de 2007, 23:41
Angela

Achei sua questão muito interessante, e sua dúvida tem fundamento.
A mim ficou parecendo que ao encarnar teríamos um ticket " encarnação válida até 15 - Novembro de 2045", com uma observação em letras miúdas " O retorno ao ambiente espiritual somente deverá ser feito após esta data." Desculpem a brincadeira, mas foi a minha sensação.
Acredito que alguns espíritos fiquem presos aos corpos, não pelo suicidio em si, mas de acordo com seus méritos ou sua evolução.
Não acredito que possamos fazer correlações diretas, fez isso acontece aquilo. Lembro de ter lido em algum lugar, uma estória onde um homem bom, generoso, caridoso, cuidava de crianças e um dia se machucou numa máquina e perdeu um dedo, incorfomado reclamou aos céus, fui sempre tão bom, generoso e o que me acontece, perco um dedo! Ele ouve então a resposta, que por ter sido um bom homem caridoso e gerenoso, por todo o bem que praticara perdeu um dedo, que ficasse feliz, pois inicialmente era para perder o braço.

Para refletir-mos vai uma outra pergunta, no plano espíritual, o uso do cigarro, drogas, bebidas, ou atos que prejudiquem o organismo físico diminuindo o seu tempo de encarnação é considerado um suicídio. Desta forma, se fumamos por 30 anos, diminuindo o tempo de reencarnação em 8 anos, ficaremos ligados ao corpo por 8 anos além do período da Lei de Ação e Reação por ter cometido o suicídio?? ???
Sendo assim, pouco são os afortunados que se desligam rapidamente. Huuumm melhor eu começar a me preparar.. ;D

Bjs
Claudia
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 11 de Setembro de 2007, 00:18
Olá Claudia,
Gostei da sua forma divertida de encarar a questão. :D
Provavelmente e acho que já li sobre isso, existirão uns "hospitais" onde tratarão desses casos.
Mas uma coisa é certa, há medida que vou tendo mais conhecimento sobre o espiritismo, mais consciente fico das minhas responsabilidades. Sou responsável por tudo aquilo que faço e pelo que não faço a nível moral, pelo planeta que habito, e, agora tomei consciência que também o sou pelo corpo físico que "me emprestaram", e continuando a brincadeira, vou-me esforçar para que chegue ao final da data bem conservado.
 
Beijo
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 11 de Setembro de 2007, 19:48
Ola Amiga Claudia
Muita Paz

  Antes de responder a nossa Amiga Angela dentro dos parcos conhecimentos que tenho ,quero fazer aqui um apêndice...

  É importante que os membros deste Fórum,se comecem a habituar a interpretar e estudar melhor os posts, porque sinceramente ,se em vez de se ironizar, porque não se concorda ,refutassem com respostas validas,coisa que não vi... melhoraria a divulgação e o esclarecimento dos membros.
    Mais ainda sendo Espíritas ou não devemos respeitar as opiniões com lealdade e deixarmos de ironias e presunção,porque ninguém é dono da verdade, sei que cada um dá de si o melhor, e tratando-se de esclarecer um membro ,é importante que unamos esforços, para conjuntamente com o excelente Grupo de Coordenadores fazermos deste Fórum ...não só um ponto de divulgação e esclarecimento, mas de demonstração pratica de amor pelo próximo.
   Se a Amiga leu bem eu disse que cada caso é um caso...falei um exemplo de tempo, mas apenas para que a Amiga Ângela percebe-se a intenção da resposta...Mas vai verificar agora porque quem estuda, fala com certezas e não vozes do dúbio!....
    Veja se tem a atitude da Amiga Susana que acrescentou e bem, sem critica...estaria a contribuir na ajuda para a Ângela.Enfim...
 Lamento que entre Espíritas haja estas ironias , vamos respeitar mais e ajudar mais...e deixarmo-nos de presunção negativa.
Aconselho a ler o “Livro dos Espiritos” e se possível” Memorias de um Suicida.”..

Muita Paz
Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 11 de Setembro de 2007, 20:01
Ola Amiga Angela
Muita Paz

                  Esta resposta lhe dará resposta para sua dúvida e reforçará o que foi dito por mim anteriormente...
                     Esta está na Codificação Espirita ,mais precisamente no Livro dos Espiritos.

Separação da alma e do corpo

154. É dolorosa a separação da alma e do corpo?

“Não; o corpo quase sempre sofre mais durante a vida do que no momento da morte; a alma nenhuma parte toma nisso. Os sofrimentos que algumas vezes se experimentam no instante da morte são um gozo para o Espírito, que vê chegar o termo do seu exílio.”

Na morte natural, a que sobrevém pelo esgotamento dos órgãos, em consequência da idade, o homem deixa a vida sem o perceber: é uma lâmpada que se apaga por falta de óleo.

. Como se opera a separação da alma e do corpo?

“Rotos os laços que a retinham, ela se desprende.”

a) - A separação se dá instantaneamente por brusca transição? Haverá alguma linha de demarcação nitidamente traçada entre a vida e a morte?

“Não; a alma se desprende gradualmente, não se escapa como um pássaro cativo a que se restitua subitamente a liberdade. Aqueles dois estados se tocam e confundem, de sorte que o Espírito se solta pouco a pouco dos laços que o prendiam. Estes laços se desatam, não se quebram.”

Durante a vida, o Espírito se acha preso ao corpo pelo seu envoltório semi-material ou perispírito. A morte é a destruição do corpo somente, não a desse outro invólucro, que do corpo se separa quando cessa neste a vida orgânica. A observação demonstra que, no instante da morte, o desprendimento do perispírito não se completa subitamente; que, ao contrário, se opera gradualmente e com uma lentidão muito variável conforme os indivíduos. Em uns é bastante rápido, podendo dizer-se que o momento da morte é mais ou menos o da libertação. Em outros, naqueles sobretudo cuja vida toda material e sensual, o desprendimento é muito menos rápido, durando algumas vezes dias, semanas e até meses, o que não implica existir, no corpo, a menor vitalidade, nem a possibilidade de volver à vida, mas uma simples afinidade com o Espírito, afinidade que guarda sempre proporção com a preponderância que, durante a vida, o Espírito deu à matéria. É, com efeito, racional conceber-se que, quanto mais o Espírito se haja identificado com a matéria, tanto mais penoso lhe seja separar-se dela; ao passo que a atividade intelectual e moral, a elevação dos pensamentos operam um começo de desprendimento, mesmo durante a vida do corpo, de modo que, em chegando a morte, ele é quase instantâneo. Tal o resultado dos estudos feitos em todos os indivíduos que se têm podido observar por ocasião da morte. Essas observações ainda provam que a afinidade, persiste entre a alma e o corpo, em certos indivíduos, é, às vezes, muito penosa, porquanto o Espírito pode experimentar o horror da  decomposição. Este caso, porém, é excepcional e peculiar a certos géneros de vida e a certos géneros de morte. Verifica-se com alguns suicidas.

161. Em caso de morte violenta e acidental, quando os órgãos ainda se não enfraqueceram em consequência da idade ou das moléstias, a separação da alma e a cessação da vida ocorrem simultaneamente?

“Geralmente assim é; mas, em todos os casos, muito breve é o instante que medeia entre uma e outra.”

Perturbação espiritual

163. A alma tem consciência de si mesma imediatamente depois de deixar o corpo?


“Imediatamente não é bem o termo. A alma passa algum tempo em estado de perturbação.”

164. A perturbação que se segue à separação da alma e do corpo é do mesmo grau e da mesma duração para todos os Espíritos?

“Não; depende da elevação de cada um. Aquele que já está purificado, se reconhece quase imediatamente, pois que se libertou da matéria antes que cessasse a vida do corpo, enquanto que o homem carnal, aquele cuja consciência ainda não está pura, guarda por muito mais tempo a impressão da matéria.”

165. O conhecimento do Espiritismo exerce alguma influência sobre a duração, mais ou menos longa, da perturbação?

“Influência muito grande, por isso que o Espírito já antecipadamente compreendia a sua situação. Mas, a prática do bem e a consciência pura são o que maior influência exercem.”

Por ocasião da morte, tudo, a princípio, é confuso. De algum tempo precisa a alma para entrar no conhecimento de si mesma. Ela se acha como que aturdida, no estado de uma pessoa que despertou de profundo sono e procura orientar-se sobre a sua situação. A lucidez das idéias e a memória do passado lhe voltam, à medida que se apaga a influência da matéria que ela acaba de abandonar, e à medida que se dissipa a espécie de névoa que lhe obscurece os pensamentos.

Continua
Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 11 de Setembro de 2007, 20:05
continuação

Muito variável é o tempo que dura a perturbação que se segue à morte. Pode ser de algumas horas, como também de muitos meses e até de muitos anos. Aqueles que, desde quando ainda viviam na Terra, se identificaram com o estado futuro que os aguardava, são os em quem menos longa ela é, porque esses compreendem imediatamente a posição em que se encontram.
Aquela perturbação apresenta circunstâncias especiais, de acordo com os caracteres dos indivíduos e, principalmente, com o gênero de morte. Nos casos de morte violenta, por suicídio, suplício, acidente, apoplexia, ferimentos, etc., o Espírito fica surpreendido, espantado e não acredita estar morto. Obstinadamente sustenta que não o está. No entanto, vê o seu próprio corpo, reconhece que esse corpo é seu, mas não compreende que se ache separado dele. Acerca-se das pessoas a quem estima, fala-lhes e não percebe por que elas não o ouvem.
Semelhante ilusão se prolonga até ao completo desprendimento do perispírito. Só então o Espírito se reconhece como tal e compreende que não pertence mais ao número dos vivos. Este fenómeno se explica facilmente. Surpreendido de improviso pela morte, o Espírito fica atordoado com a brusca mudança que nele se operou; considera ainda a morte como sinonimo de destruição, de aniquila mento. Ora, porque pensa, vê, ouve, tem a sensação de não estar morto. Mais lhe aumenta a ilusão o fato de se ver com um corpo semelhante, na forma, ao precedente, mas cuja natureza etérea ainda não teve tempo de estudar. Julga-o sólido e compacto como o primeiro e, quando se lhe chama a atenção para esse ponto, admira-se de não poder palpálo.
Esse fenómeno é análogo ao que ocorre com alguns sonâmbulos inexperientes, que não crêem dormir. É que têm sono por sinonimo de suspensão das faculdades. Ora, como pensam livremente e vêem, julgam naturalmente que não dormem. Certos Espíritos revelam essa particularidade, se bem que a morte não lhes tenha sobrevindo inopinadamente.
Todavia, sempre mais generalizada se apresenta entre os que, embora doentes, não pensavam em morrer. Observa-se então o singular espectáculo de um Espírito assistir ao seu próprio enterramento como se fora o de um estranho, falando desse ato como de coisa que he não diz respeito, até ao momento em que compreende a verdade. A perturbação que se segue à morte nada tem de penosa para o homem de bem, que se conserva calmo, semelhante em tudo a quem acompanha as fases de um tranquilo despertar. Para aquele cuja consciência ainda não está pura, a perturbação é cheia de ansiedade e de angústias, que aumentam à proporção que ele da sua situação se compenetra.
Nos casos de morte colectiva, tem sido observado que todos os que perecem ao mesmo tempo nem sempre tornam a ver-se logo. Presas da perturbação que se segue à morte, cada um vai para seu lado, ou só se preocupa com os que lhe interessam.

Espero que o Livro dos Espiritos tenha respondido Amiga Angela

Muita paz
Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 11 de Setembro de 2007, 20:29
Obrigada amigo Victor.

Fiquei esclarecida com o que li. O tempo desencarne está mais relacionado com o estado de evolução do espírito do que com o tipo de morte.

Tudo de bom
Um abraço
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: ClaudiaC. em 11 de Setembro de 2007, 21:22
Victor

A internet é muitas vezes injusta na sua neutralidade. Ela não envia junto nossas emoções ou sensações, ela apenas envia palavras isentas e neutras.
Não tive em momento algum intenção de ironizar, ser desleal ou desmerecer sua opinião. Nem me passou pela cabeça que você ou outra pessoa  pudesse interpretar assim. E peço perdão humildemente se o ofendi de alguma forma. Tomarei mais cuidado para não repetir. Mas também não acho que a seriedade não possa andar junto com a alegria.
Também sou um espírito imperfeito, procurando o melhor caminho para a evolução, não me julgue tão asperamente por um sentimento que está em você, talvez eu não mereça....ou talvez mereça ...

Bjs carinhosos
Claudia

Ps: só para lembrar foi você que citou o tempo mínimo..."O tempo quantificado , não é certo  ,sendo que lhe digo que sua presença junto ao corpo será no minimo, o tempo que deixou por ter de vivência aqui neste plano terra."
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Ana Ang em 11 de Setembro de 2007, 23:56
Olá amigos :)

Ângela,

Considero o suicídio um tema extremamente delicado para ser tratado em poucas palavras ou rapidamente. A princípio, todos concordamos que não é o melhor caminho por aquelas cinco razões básicas bastante difundidas no meio espírita, contudo, existem sempre os detalhes de cada caso e que somente a pessoa pode avaliar integralmente.

Lembrei de citar o célebre livro de Ivone Pereira, Memórias de um suicida, que aborda o tema com muita propriedade. Ele contém os ensinamentos necessários para quem convive com pessoas sujeitas a esta tendência, mas também fortes relatos de um Espírito que o praticou e arrependeu-se, não sendo, portanto, indicado a quem já sofre os prejuízos de uma depressão ou a triste realidade próxima de si. Na minha opinião, deve figurar entre as fontes de estudo dos espíritas que trabalham nesses casos dignos de compaixão e respeito, e sentem-se em condições de auxiliar de alguma maneira.

Pode ser baixado aqui (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5lc3Bpcml0aXNtb2dpLmNvbS5ici9saXZyb3NkLmh0bQ==).

Um artigo interessante (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5lc3Bpcml0by5jb20uYnIvcG9ydGFsL2FydGlnb3MvZGl2ZXJzb3Mvc3VpY2lkaW8vc3VpY2lkaW8temVuYWlkZS5odG1s).

Um grande abraço :)
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 12 de Setembro de 2007, 00:35

  É importante que os membros deste Fórum,se comecem a habituar a interpretar e estudar melhor os posts, porque sinceramente ,se em vez de se ironizar, porque não se concorda ,refutassem com respostas validas,coisa que não vi... melhoraria a divulgação e o esclarecimento dos membros.
    Mais ainda sendo Espíritas ou não devemos respeitar as opiniões com lealdade e deixarmos de ironias e presunção

Vitor,

Pedia-lhe que relesse melhor a sua resposta para a claudia, pq sinceramente tudo o que lhe diz não me parece que seja coerente para um irmão fraterno, ou será?

Nao vi nada do que tentou transmitir á Claudia, na resposta dela, fosse realmente assim tao ironico e tao persunçoso, para lhe dizer sinceramente nao deixo de concordar e compreendo.


E Por enteder tb eu tenho uma historia para contar;

Era um jovem que nao gostava o pai.
Quando estava acamado num lar o rapaz raramente ia ver o seu pai, mas um dia teve um impulso e foi visita-lo.
Enquanto lá estava, reparou que o tubo de respiração do pai se tinha desligado, e ele estava com dificuladade em respirar.
O Rapaz nessa altura podia escolher.
Ou deixar o pai morrer ou ir chamar a enfemeira.
Pensou nisso por um instante e chamou a enfermeira.
30 anos depois o rapaz ja homem maduro, teve um tragico acidente de viação, poderia ter sido fatal, mas facturou apenas o femur.

Ele tinha passado pelo teste que veio a salvar-lhe a vida, um teste que ele proprio determinou antes da sua reencarnação.

O rapaz tinha conseguido perdoar o pai no desrespeito ou das adversidades de outras vidas - e nao morria no acidente.

Se a nossa reencarnação determina uma morte precoce, é possivel, por exemplo, conseguir um adiatamento da vida pela mudança no coração.

Quando servimos a vida de coração ela nos será dada.

Nada é definitivo ate que nós o tornemos definitivo e nada é predestinado ate que nós o tornemos como nosso destino.

Se temos livre arbitrio para acumular vidas, tb temos livre abitrio para a transformar.

Os unicos limites ao nosso progresso são os que nós proprios estabelecemos.

Abraços




Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 12 de Setembro de 2007, 09:58
Ola Amiga Claudia
Muita Paz

        Quero antes demais dizer que sou um aprendiz da Doutrina, não tenho condão de ser dono da verdade.Erro como todos na minha imperfeição.
        Compreendo que por vezes sou mal percebido pela forma como escrevo ,

Citar
A internet é muitas vezes injusta na sua neutralidade. Ela não envia junto nossas emoções ou sensações, ela apenas envia palavras isentas e neutras.
Não tive em momento algum intenção de ironizar, ser desleal ou desmerecer sua opinião. Nem me passou pela cabeça que você ou outra pessoa  pudesse interpretar assim


Sabe  concerteza foi eu quem a percebi mal, ou terão sido também as emoções virtuais que me levaram a pensar isso...não quis magoar...por isso falei no geral, e reafirmo por achar importante, os membros mesmo que não concordem devem respeitar e tentar ajudar a esclarecer quem está enganado...sem ironias.

Me perdoe se fui ofensivo...

Muita paz e harmonia
 
Victor Passos   
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 12 de Setembro de 2007, 10:13
Ola Muita Paz
Amiga Susana

       
Citar
É importante que os membros deste Fórum,se comecem a habituar a interpretar e estudar melhor os posts, porque sinceramente ,se em vez de se ironizar, porque não se concorda ,refutassem com respostas validas,coisa que não vi... melhoraria a divulgação e o esclarecimento dos membros.
    Mais ainda sendo Espíritas ou não devemos respeitar as opiniões com lealdade e deixarmos de ironias e presunção

   Susana assino e reafirmo o que disse, sendo que falei no geral e no sentido construtivo, se é errado para si atendendo às emoções virtuais , foi aquilo que tentei dizer, pois pode ter uma ideia  e eu não ter a mesma opinião.
   Entendo que por muito sábia que seja uma pessoa deve respeitar e tentar ajudar, porque estou aqui para aprender...e se ironizam tudo se perde...

  Não vou falar mais sobre isso...Entenda quem quiser entender...

Agora quanto à historia, é um bom exemplo, que não faz prova nada, porque como como disse no meu post cada caso é um caso.... Tal como somos seres individuais....com morais diferentes...com atenuantes diferentes....obras diferentes...diferente será também o desencarne quanto ao libertar ou não do corpo e das suas sensações.pois dependerá sempre da sua historiografia de cada um... ...

Muita paz
Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 12 de Setembro de 2007, 10:44
Ola Vitor Passos,

Eu nao quero provar nada, os factos provam-se a si mesmos, muito menos julgar, mas deixe-me dize-lo, que para mim é grave quando alguem chama a outro ser presunçoso, nao pelo outro.

Quando temos necessidade de chamar atenção, devemos pensar como faze-lo educando, para em primeiro nao sermos nós os prejudicados. Para progredirmos devemos ser caridosos em primeiro conosco. Porque tudo o que pensarmos ou fizermos ao nosso proximo, retorna em dobro.

Se disse o que disse, foi por preocupação consigo mesmo. Porque quando oiço alguem a chamar presunçoso a alguem, sinto que não é o atacado, sê-lo...mas mais quem sente a presunção.

Quanto a ironias, ate a propria vida o é para nós quando com ela brincamos.

Que nao acho que tenha sido ironia da claudia, ela brincou achou engraçado a forma como quantificou os calculos feitos, não tem mal algum nisso, quando o vitor levou seriamente para outro sentido.

Entenda, que nada é calculado, e nada destinado, podemos alterar, transformar tudo. E como vc disse cada caso é um caso.

Pedia-lhe que nao fosse tao rigido e serio com a vida, perderá um maior sentido, a Alegria de viver!

Saibamos ter um equilibrio, um pé na terra outro no ar, como uma grande amiga minha diz  :D

Abraços Amigo
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 12 de Setembro de 2007, 11:38
Ola Amiga Susana

         Pensei que não tinha de tomar de novo este assunto, porque isto nada tem que ver com as questões do post...porém estamos a fazer aqui uma reflexão que agora sou quem diz não ser cuidada!...

   
Citar
Se disse o que disse, foi por preocupação consigo mesmo. Porque quando oiço alguém a chamar presunçoso a alguém, sinto que não é o atacado, sê-lo...mas mais quem sente a presunção.

  Antes demais não falei no sentido singular ,inclusive inclui-me porque falo no geral.. se é que percebe !...
 Você nesta  citação é que está a fazê-lo a titulo singular e como membro e Coodenador não deve fazer essa tal reflexão sobre jogos de valor de alguém a titulo pessoal.Porque não me conhece...e não lhe fica bem...

    Repare no que disse no post mais uma vez...para que não haja mais equívocos com o que escrevo.

   
Citar
    Mais ainda sendo Espíritas ou não devemos respeitar as opiniões com lealdade e deixarmos de ironias e presunção,porque ninguém é dono da verdade,

 
Citar
Lamento que entre Espíritas haja estas ironias , vamos respeitar mais e ajudar mais...e deixarmo-nos de presunção negativa.


  Repare bem falo no plural, estou no meio dessa afirmação....aquilo é para mim também...
   O que você não está a fazer!...mais ironia ,não é sinonimo de alegria....

Fiquemos por aqui...
   Susana não sou perfeito...penso até que ninguém o é...

   Fique bem e muita paz
   Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 12 de Setembro de 2007, 11:54
Fique em paz Amigo.

Eu nao me sinto equivocada, vc tb nao, estamos bem entao  ;)

Um forte abraço
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: ClaudiaC. em 12 de Setembro de 2007, 16:59
Voltando a reflexão do tema, se bem que não sei se se encaixa neste tema, se acharem que não, podem puxar minha orelha... ;D
Lembro de ter ouvido em uma palestra on line no PalTalk, que após o desencarne de um suicida, quando ele ainda se encontra ligado ao corpo físico ( corpo já sem vida), muitos espíritos viriam "vampirizar", sugando-lhe a energia vital.
Se alguém já leu algo sobre isto, poderia sugerir-me algum livro?

Bjs
Claudia
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 12 de Setembro de 2007, 17:26
Ola Cláudia
Muita paz

      Minha boa amiga vai em anexo um livro de Martins Peralva que penso ser muito util, vou procurar mais se achar envio.
      Fala do tema e está em word.chama-se "Estudando Mediunidade"..."Obsessão e desobsessão" de Suely Caldas..contendo vários textos da tematica ...também em word
      Espero ter servido.

       Muita Paz
        Victor Passos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 12 de Setembro de 2007, 18:13
Olá Anapl,

Obrigada pela sua resposta, queria dizer que também considero o suicidio um assunto muito delicado, mas não falei neste assunto pelo acto em si, mas pela comparação com situações de separação abrupta entre o espirito e o corpo. Pareceu-me na sua resposta alguma preocupação pelo facto de falar neste tema, se foi o caso agradeço-lhe, mas tenho perfeita noção de que é um acto completamente errado e nem eu nem ninguém próximo de mim pondera isso.
Li o artigo que recomendou e gostei bastante. Em relação ao livro já o li há uns tempos e como é um relato de casos concretos, daí nasceu a minha dúvida, se cada caso é um caso, ou se há umas regras que se aplicam a todos.
Mas pelo que percebi, cada caso é um caso, cada espirito tem o seu grau de evolução e cada um tem as suas provas por que passar para evoluir cada vez mais.

Um beijo
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 12 de Setembro de 2007, 19:03
Citar
Mas pelo que percebi, cada caso é um caso, cada espirito tem o seu grau de evolução e cada um tem as suas provas por que passar para evoluir cada vez mais.

Olá Angela, eu só li na diagonal os ultimos posts porque agora o trabalho começou mais a sério ::)(as férias acabaram e não há tanto tempo livre) mas ficou-me uma dúvida.

nesta citação que coloquei ,a Angela refere-se a provas quando encarnados, certo?

Eu aprendi quando comecei nos espiritismo que nós sempre temos 2 caminhos para evoluir: o do amor e o da dor.
normalmente escolhemos o da dor porque não olhando para dentro de nós não percebemos o quanto egoistas, intolerantes, impacientes e, porque nãoaté orgulhosos ainda somos...dai aparece a dor para "limar" as nossas arestas.Portanto vai depender exclusivamente de nós que as tais "provas" sejam mais ou menos dolorosas ou até não o sejam.

Quanto a forma como cada um desencarna,depende exactamente da forma como viveu e "morreu"...ninguem muda com a "morte" ,tudo é uma continuação e, a natureza não dá saltos, tudo tem o seu tempo de amadurecer .

Abraços

Olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 12 de Setembro de 2007, 21:54
Olá Olga, sim referia-me a provas enquanto encarnados.

E penso que nós antes de reencarnarmos temos consciencia dessas provas e até as aceitamos. Depois de encarnados é esquecemos e vivemos cada vida, tal como disse, de uma forma egoista, impaciente e orgulhosa, eu pelo menos identifico-me com estas caracteristicas que tento combater quando reflicto sobre os meus problemas e os dos outros.

No livro "Memórias de um suicida", o espirito de Camilo antes de reencarnar sabe até que idade é suposto viver e também sabe que vai cegar, penso que aos 40 anos, (a cegueira tinha sido o motivo pelo qual ele se suicidou na vida anterior), ou seja, todos nós devemos ter algo que devemos aperfeiçoar em cada vida que vivemos.

Por vezes eu penso, se reencarnei no planeta Terra, que é o das provas e expiações, não posso estar à espera que tudo seja muito fácil. Afinal não estou aqui na Terra de "férias" mas sim para "trabalhar".

Tudo de bom
Um beijo
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: ClaudiaC. em 12 de Setembro de 2007, 22:34
Victor

Obrigada pelos livros, vou estudá-los.
Bjs
Claudia
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Gigii em 12 de Setembro de 2007, 23:07
Oi Aruanda

Concordo consigo...em parte. Talvez a dor seja uma ilusão do espirito enquanto encarnado...Talvez a dor nem exista...
O que acontece é que enquanto espiritos, nós somos mais altruistas e julgamo-nos capazes de conseguir fazer e ser muito mais, ignorando a dor fisica, pois que para o espirito ela é relativa.
Então quando projectamos (aqueles que já tem consciencia de algum progresso, claro e têm o livre arbitrio de escolher - veja-se "Os Missionários da Luz" de André Luis) a nova encarnação, as dificuldades são apenas etapas para superar, e aos olhos do espirito não existe qualquer preocupação com o sofrimento, pois sabemos que apenas o moral nos limita a ascenção.
Na terra, unidos ao corpo fisico, sem recordar os nossos compromissos, deixamo-nos levar pela "dor". Mas, como sabemos, uns á que face ao mesmo problema sentem dor, outros, seguem ilesos. Tudo está na forma como realmente encaramos a vida. Todas as soluções estão dentro de nós.
Se aceitarmos tudo com a confiança na divina sabedoria do Nosso Pai Celeste, não há dor que nos apanhe  ;)

Abraço a todos
Gi
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 13 de Setembro de 2007, 01:56
Sabe Ângela eu acredito mesmo que nós nascemos para sermos felizes e, que mesmo as coisas "menos boas" que nos acontecem, não deveriam ser vistas por nós como "provas" mas apenas como degraus que nos levam a uma colina mais alta de onde então podermos ter uma percepção mais abrangente da nossa vida...mas, às vezes não o conseguimos, é natural.
No entanto, tentei tirar do meu vocabulário as palavras, "pagar dívidas do passado" e "provas" pela simples razão de que é importante mantermos o pensamento positivo ...para mim esse é um dos maiores ensinamentos que aprendi com o espiritismo...viver o hoje fazendo o melhor que sei em todos os aspectos e sempre com o lema "fora da caridade não há salvação" e, assim terei amanhã o que construir hoje. O passado interessa tão sòmente como um alerta para não voltar a errar .

Regina

Citar
as dificuldades são apenas etapas para superar, e aos olhos do espirito não existe qualquer preocupação com o sofrimento, pois sabemos que apenas o moral nos limita a ascenção
.

não sei se a preocupação não existe ...o que penso é que na situação de reencarnar, o espírito se acha imbuido de tanta vontade de acertar que sente forças para superar tudo. na realidade nós não trazemos dificuldades maiores do que aquelas que podemos aguentar ...esquecemo-nos é muitas vezes disso porque a atracção pelo "aqui e agora" , por vezes é muito forte.

abraços
Olga
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 13 de Setembro de 2007, 15:30
Ola Olga
Muita Paz

         Realmente quando reencarnamos , todos trazemos o sentido direccional da felicidade, porém como todos sabemos relativa, porque a felicidade absoluta só no auge do amor a conseguiremos.
           Fico feliz por encarar e assim é que deve ser , todo o processo evolutivo ,seja pela dor ou amor ,com todo o positivismo, porque é um ponto de resistência importante, para as fragilidades da vivência em que caminhamos.
           Mas ,como sabe amiga , nem todos tem o esclarecimento à altura , para poder fazer-se presente perante as suas fragilidades.
            Quer queiramos quer não o mal está por cima do bem, atendendo que somos muito emotivos, e pouco reflectivos, caímos muitas vezes, pela nossa tendência viciosa, pela busca do fácil e porque também nos culpalizamos em demasia, isto para não falar do apego material.
           Temos que realmente viver um dia de cada vez e procurar , fazer sempre melhor no dia seguinte.
           No entanto reforço e todos sabemos isso , quanto maior o conhecimento maior a responsabilidade.
           Deus não coloca fardos pesados em ombros leves.

Muita Paz
Victor Passos
 
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 13 de Setembro de 2007, 19:00
Olá Olga,

Concordo em parte com a sua forma de pensar, porque depende do que chamamos de felicidade, se for aquela paz de espirito que depende de cada um, que a encontramos dentro de nós, aí sim acho que todos podemos ser felizes, mesmo quem tem muito pouco e tem uma vida cheia dificuladdes pode ser feliz, sabendo valorizar o que realmente é importante.

Mas se chamarmos felicidade a algo em que tudo é perfeito, em que olhamos à nossa volta e ninguém sofre, a fome, as guerras, nada disso exista, essa felicidade eu não acredito que seja possível encontrar a quem encarnou neste planeta, pelo menos durante os próximos tempos. Pelo menos, eu sinto isso, ou se calhar é porque ainda não evoluí o suficiente para ser mais paciente e ter mais fé no dia de amanhã. Tenho consciencia de que todos estamos em processos de evolução, mas muitas vezes tenho dificuldades em me sentir realmente feliz quando à minha volta há tanta infelicidade.

Bjo
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: jorge lobo em 13 de Setembro de 2007, 20:53
Olá a todos.
Claro que temos a obrigação de procurar a felicidade, no entanto tenhamos em mente que esta felicidade é sempre relativa. No Evangelho segundo o Espiritismo está bem claro que a verdadeira felicidade não é deste mundo e que estamos num mundo de provas e de expiações. Basta dar uma vista de olhos pelos numeros que vem nos jornais e ver a enorme quantidade de pessoas que vivem neste mundo em condições de miséria. A fome, o desemprego, a miséria, a violência, o ódio, as guerras, tantas coisas que tornam este mundo tão dificil. Quantas pessoas vivem sem tecto e sem pão? Milhões, infelizmente. Não se trata de ser pessimista mas sim realista. Mas todos nós evoluímos e um dia chegaremos a viver em mundos de verdadeira felicidade. Essa sim, é a mensagem consoladora que o Espiritismo nos trás.
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: aruanda em 13 de Setembro de 2007, 23:40
Angela , eu não disse que tudo era felicidade e bem estar ...apenas quiz dizer qué para mim é uma forma de estar na vida. È claro que tenho problemas mas, por exemplo posso ve-los como um aprendizado e não com angustia e sofrimento.

Não digo que é  fácil e se consiga sempre mas, podemos tentar e, eu acho que vale a pena...apenas isso.

Abraços
Olga

Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 14 de Setembro de 2007, 01:14


Mas se chamarmos felicidade a algo em que tudo é perfeito, em que olhamos à nossa volta e ninguém sofre, a fome, as guerras, nada disso exista, essa felicidade eu não acredito que seja possível encontrar a quem encarnou neste planeta, pelo menos durante os próximos tempos. Pelo menos, eu sinto isso, ou se calhar é porque ainda não evoluí o suficiente para ser mais paciente e ter mais fé no dia de amanhã. Tenho consciencia de que todos estamos em processos de evolução, mas muitas vezes tenho dificuldades em me sentir realmente feliz quando à minha volta há tanta infelicidade.


Angela,

Eu acredito na sabedoria Divina.
Nesses problemas socais, mundiais, eu nao compeendo a sua causa, mas acredito que existe um sentido por detrás de todos os acontecimentos.

Só assim consigo estar bem comigo propria, e ser uma pessoa alegre, porque aceito essa negatividade, como a positividade, tal qual o paragrafo que antecede a este que escreveu e citei.

Se somos conscientes de que apenas livres do corpo temos mais liberdade na nossa pureza e conhecimento, temos que aceitar a condição enquanto encarnados e aos limites de que isso é inerente. Não podemos exigir, de nós essa felicidade nessa liberdade, nessa pureza pq é impossivel. Isso seria procurar ilusoriamente algo inalcansavel e surgiria mais insegurança, mais carências, menos amor... Começamos por exigir dos outros e do mundo, que façam o mesmo que nós ou que seja diferente do que é, e isso acaba sempre mais por nos magoar, irritar, e fazer perder forças.

Todos nós temos um lado triste e um lado alegre, todos somos simpáticos e antipáticos, um lado agradavel e um desagradavel, não devemos evitar metade de nós, devemos receber e aceitar todas as nossas qualidades equilibradamente, pois só assim conseguimos ser inteiros, verdadeiros.

Tal qual e da mesma forma temos que aceitar o lado positivo e negativo dos acontecimentos.

E quando aceitamos tudo o que somos e tudo o que nos rodeia, podemos dar muito mais a nós mesmos. Podemos amar-nos e sentir Deus e compreendemos que apesar de aos nossos olhos ser cruel, confiamos que tudo tem um preposito. E isso traz-nos paz, tranquilidade e a felicidade terrena.

Por isso é normal, sentir-se dessa forma nesses dois pontos de vista que deixa, é isso que nos faz descirnir para evoluir.

Achei mesmo um bom raciocinio, nao devemos é imputar culpas ou viver a emoção do sofrimento, mas acreditarmos mais em nós e em Deus.

Um abraço





Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Ana Ang em 15 de Setembro de 2007, 20:55
Olá Ângela :)

Parece que me equivoquei quanto ao objetivo da tua pergunta...  :-[

Então vou recomendar outro livro, de Ernesto Bozzano, A Crise da Morte.  ;)

E como um resumo sobre o tema, gosto de citar Léon Denis. Anexei um texto do livro Depois da Morte.

Abraço fraterno!
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 15 de Setembro de 2007, 23:43
Olá Olga,

Concordo consigo de que essa é a melhor atitude para se ter com a vida. E só assim conseguiremos ser felizes. Tento pensar assim, mas por vezes só após umas reflexões é que consigo encaminhar o meu pensamento para esse caminho.

Bjo
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 16 de Setembro de 2007, 00:00
Olá Susana,

Actualmente eu também confio na Sabedoria Divina. E sinto uma paz interior muito maior.
Mas nem sempre a aceitei, fui educada na religião católica, e desde pequena, logo durante o inicio da catequese, eu achei que Deus era muito cruel, como é que Ele deixava que tantas pessoas tivessesm vidas repletas de sofrimento, e o que mais me revoltava era dizerem-me que os bébes se morressem antes de serem baptizados iriam para o inferno ou para o purgatório até ao Juizo Final, e eu pensava, que mal poderiam eles ter feito?
Por isto durante muitos anos, eu achei que fazia muito mais sentido não existir Deus, eu preferi não acreditar em nenhum Deus a acreditar num Deus cruel.
Foi assim até conhecer o espiritismo... Aí fiz as pazes com Deus. Tudo passou a ter um sentido, acreditando na reencarnação consigo compreender as diferentes vidas que cada um tem. Todos temos as mesmas oportunidades, apenas estamos em fases diferentes, mas todos estamos evoluindo. E acredito que Deus realmente nos ama da mesma forma.

Um abraço

Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Gigii em 16 de Setembro de 2007, 00:07
Não se trata de ser pessimista mas sim realista. Mas todos nós evoluímos e um dia chegaremos a viver em mundos de verdadeira felicidade.

O que é a felicidade?

Abraço a todos
Gi
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 16 de Setembro de 2007, 00:35
Olá Anapl

Li e gostei do texto de Léon Denis, ajudou a consolidar a resposta à minha dúvida.

Em relação ao livro de Ernesto Bozzano - A Crise da Morte, procurei aqui no forum, no tópico dos livros espíritas mas não encontrei, penso que não tem.

Pesquisei na net, em formato de donwload e também não encontrei, se souber de algum site que disponibilize para download agradeço que mo diga, descobri um site de um jornal de divulgação espírita que contém um pequeno resumo do livro e fiquei ainda com mais vontade de o ler, se não existir em formato de donwload, procuro em livrarias, apesar de que em Portugal não há uma grande quantidade de livros espiritas disponiveis.

Obrigada pelas sugestões
Um bjo

 
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 16 de Setembro de 2007, 01:10
Olá Gi,  :)

A felicidade é um estado de espirito  ;)  :D

Beijinhos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: SB em 16 de Setembro de 2007, 01:43
Olá Angela,

Eu entendo, nasci e cresci em familia católica, e por tudo isso que falou e por muito mais eu nunca me identifiquei com o catolocismo.

Antes conhecer o espiritismo, eu adotava para mim e por isso uma religião, pensava eu, que só seria minha  ;).

Quando encontrei o Espiritismo nao o encontrei, apenas senti que afinal era compreendida e que nao estava sozinha, como pensava ate ai.

Mas claro sempre me revoltei, mas ao contrario da Angela, nao com Deus, mas com as pessoas que iam todo o domingo á missa, e faziam todo o ritual e nao o entendiam.

Mas agora que a Angela, tem consciencia dos factos, tudo pode se transformar.

Os seus ideais aproxima-se mais com a realidade, nao essa do sofrimento, mas a da esperança e da fé  ;)

Quando nos tornamos conscientes podemos retirar com segurança a melhor atitude a tomar perante nós, que reverterá uma melhor acção para os nossos e para o mundo.

Acredite nessa consciencia, aceite que nada é por acaso. Tudo tem um preposito, e nao está ao nosso alcance julgar os porquês, apenas perceber que tudo tem o seu caminho, todos nas mesma proporção. Tal como a Angela disse á Olga (Aruanda) em tempos diferenciados. Apenas em tempos diferenciados porque todos temos tempos diferentes, pelas etapas a que nos propromos vencer nesta vida, e pela forma como encaramos as vitorias.
É facil cair, mais dificil é erguer, mas a nossa atitude determina a vitoria!

Nada se perde, tudo se trasforma. Ja dizia Lavoisier  ;)

Beijinhos



P.S Deus tem para nós as mesmas expectativas que nós mães temos para os nossos filhos. Que consigamos de todas as vezes que caimos e nos levantamos, o melhor, sempre nos apoiando. ;)


Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Det's me!... em 16 de Setembro de 2007, 13:55
Oi Angela,

Td de bom.

Olá Anapl

Li e gostei do texto de Léon Denis, ajudou a consolidar a resposta à minha dúvida.

Em relação ao livro de Ernesto Bozzano - A Crise da Morte, procurei aqui no forum, no tópico dos livros espíritas mas não encontrei, penso que não tem.

Pesquisei na net, em formato de donwload e também não encontrei, se souber de algum site que disponibilize para download agradeço que mo diga, descobri um site de um jornal de divulgação espírita que contém um pequeno resumo do livro e fiquei ainda com mais vontade de o ler, se não existir em formato de donwload, procuro em livrarias, apesar de que em Portugal não há uma grande quantidade de livros espiritas disponiveis.

Obrigada pelas sugestões
Um bjo

 

eu tenho mts livros em formato electronico, mas realmente em portugues, a crise da morte do bozzano, nao tenho..... mas tenho em espanhol..... vou colocar aki em anexo.

nós portugueses entendemos bem o castelhano, pelo ke pode ser ke seja de alguma utilidade.

de qualquer jeito existem espaços cá em portugal, ke eventualmente podem ter as obras em questão.... essas e outras, se bem ke as de bozzano, se nao me falha a memória sao editadas pela edicel e lachatre.  vi o seu perfil e pelos vistos é do porto, o NEC - nucleo espirita cristão - rua de sta catarina, (mesmo junto ao marques), ou os caminheiros de luz na rua pedro hispano (mesmo em frente aos semaforos antes da casa de saude da boavista). ja nao vou nem a um sitio nem a outro faz mt tempo, mas os livros no nec sao mais baratos, se bem ke há mais probabilidades de encontrar a obra em questao nos caminheiros. (se necessitar de mais alguma informaçao.... disponha)

espero tenha sido de alguma utilidade

abçs

ps.... já agora ........benvinda ao forum

ps2... na hora de downloads do forum, estao sendo colocados alguns livros de autores espiritas, pelo que poderá lá tb se o desejarem colher informações e textos bem interessantes
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Victor Passos em 16 de Setembro de 2007, 14:24
Ola Amigas
Muita Paz

        Tendo em conta que a felicidade se liga às sensações, tem aqui colocações que se interligam e muito bem.
       Sendo que todos somos seres individuais, vemos a felicidade de forma diferente, porque como já sabem, os valores morais ,espirituais e intelectuais, é que farão a sensação do que será felicidade, porém e reforçando o que Susana disse, espero ajudar um pouco na questão da Regina.

       Se queres compreender a palavra 'felicidade', indispensável se torna entendê-la como recompensa e não como fim
Antoine de  Saint-Exupéry   

        A felicidade é um estado de espírito realmente.
       Todos sabemos que neste plano essa Felicidade é relativa, porém , muitas das vezes, não achamos felicidade, porque somos demasiados exigentes, e muito especialmente com aqueles nos rodeiam.
       Entendemos muitas vezes que a felicidade é ter respostas materiais, é tudo ser mais fácil,porém nem nos lembramos que a própria reencarnação já é uma felicidade, e que tudo que nos envolve, desde a Natureza..à Família...são consequência da mesma, porém todos temos que saber conhecer os seus limites.

A felicidade está em conhecer os nossos limites e em apreciá-los
Romain  Rolland   

 Quanto mais sentimos e conhecemos a felicidade, mais aptos estamos a cair, porque como em tudo, as facilidades, assim como na prova da riqueza, geram esquecimento do patamar que ocupamos e das obrigações e deveres que temos connosco e com os outros...

Quanto mais se é feliz menos se presta atenção à felicidade
 Alberto Moravia   
       
     Nós temos que aprender a conhecermo-nos, e ver em simplicidade,que tudo são valores de grandeza , até as coisas mais pequenas. Repare que basta não haver formigas para desequilibrar a Natureza.
     Se caímos em infelicidade é porque exigimos demais dela, colocando um preço muito alto para a obter.

A felicidade não consiste em fazer o que gostamos, mas em gostarmos do que fazemos
N.  Clarasó 
 
    Cada um é ser individual, que vê , e sente as emoções e reacções à sua altura, ou seja segundo a sua afinidade.
  A felicidade tanto está presente ou não , dependendo sempre de nós próprios e não dos outros.

Creio que a felicidade existe. A prova está em que, de repente, ela não existe
Françoise Giroud

  Entendo que quando nós nos sentimos bem connosco e com os outros é já um laço dessa felicidade, pois a consciência, das acções e reacções perante as formalidades da vivência é que nos levarão à felicidade plena, porém por enquanto, vamos trabalhando a nossa humildade  e amor, afim de que ela, se faça presente em cada passo de distribuição que fizermos, e se conseguirmos isso já é uma felicidade.

Muita Paz

Victor Passos


Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Ana Ang em 16 de Setembro de 2007, 19:28
Angela,

Infelizmente tb não encontrei o livro para download, apenas a versão em espanhol cedida pelo amigo Luís...

Para conseguires a versão impressa, talvez possas encomendar através de um centro espírita na tua região, mas não sei ao certo...

Abraço afetuoso! :)
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Angela em 17 de Setembro de 2007, 21:40
Obrigada Anapl e DragonFly,

Já guardei o ficheiro em espanhol, vou lê-lo, caso não o entenda, passo num Centro de cá do Porto e encomendo. Mas pela vista de olhos que já dei, acho que vou conseguir entender bem, o espanhol.

Beijinhos
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: DANNYLEMOS em 10 de Abril de 2012, 16:40
A muito tive o conhecimento de que a separação,o desencarne nada sofremos.Contudo,as dores do perispirito e a pertubação que se segue geralmente são bem dolorosas.Assistindo ao filme nosso lar pude confirmar minha teoria.O perispirito de muitos desencarnados,por vezes "machucados" pela doença,ou uma "vida desregrada" mostra-se um pouco corrompida,nao sei se fui feliz na minha colocação.
Título: Re: SENSAÇÕES DO DESENCARNE
Enviado por: Mourarego em 10 de Abril de 2012, 17:17
Gente, o que faz ter maior duração um desencarne é a maneira como tal Espírito esteja em moral.
Se mesmo esteja num estado de descrença, sobre as leis que regem ao desencarne, este se dará com menor velocidade.
Não há como se cogitar em tempo , só se sabe que para uns o desencarne total se dá em átimos, já para outros, descrentes, ignorantes ou mesmo materialistas, isso se dá em prazo variável mas sempre maior do que para os primeiros.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sensações do desencarne
Enviado por: DANNYLEMOS em 11 de Abril de 2012, 14:14
Gente, o que faz ter maior duração um desencarne é a maneira como tal Espírito esteja em moral.
Se mesmo esteja num estado de descrença, sobre as leis que regem ao desencarne, este se dará com menor velocidade.
Não há como se cogitar em tempo , só se sabe que para uns o desencarne total se dá em átimos, já para outros, descrentes, ignorantes ou mesmo materialistas, isso se dá em prazo variável mas sempre maior do que para os primeiros.
Abraços,
Moura
olá mourarego,
vc sempre vé muito feliz na sua colocação.mas me diga:e o perispirito?a recuperação deste se dá rápida ou lenta conforme o grau de evolução também?
Título: Re: Sensações do desencarne
Enviado por: Mourarego em 11 de Abril de 2012, 16:28
 Maninha Danny,
Sendo perispírito não mais que um agente do qual o Espírito se utiliza, tão logo aja o desencarne, custando o tempo que durar, ele estará integrado, ou ligado ao Espírito.
abraços,
Moura