Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: Ignarus em 09 de Outubro de 2010, 23:57

Título: RUMO A ANGELITUDE
Enviado por: Ignarus em 09 de Outubro de 2010, 23:57
RUMO A ANGELITUDE
Irmão Saulo

Nos termos da Doutrina Espírita, do demônio nasce o homem e do homem nasce o anjo. Estamos todos no rumo da angelitude. Nossa humanidade (nossa natureza humana) caracteriza-se pela imperfeição, pelo predomínio dos instintos, pelos resíduos da animalidade ainda atuantes em nossa constituição psicossomática. Mas esses resíduos vão sendo eliminados na lapidação das vidas sucessivas. E como somos conscientes do processo de lapidação a que estamos sujeitos, podemos e devemos ajudar esse processo.

Basta um olhar atento ao nosso redor para verificarmos a realidade dessa concepção. As criaturas humanas estão dispostas numa escala progressiva que vai do bandido ao santo. O malfeitor de hoje será o cidadão honesto do futuro. E este, por sua vez, será o santo de amanhã, dependendo esse amanhã, em grande parte, do esforço evolutivo do interessado. Porque o ser consciente apressa ou retarda a sua própria evolução.

O chamado para o serviço do bem é a oportunidade que Deus oferece à criatura imperfeita para acelerar a sua caminhada rumo à perfeição. Quem não aproveita a oportunidade divina, apegando-se por comodismo ou displicência aos seus defeitos, desculpando-se com as imperfeições naturais que ainda carrega, furta-se ao cumprimento do dever espiritual. Mas as leis da evolução não o deixarão parado por muito tempo. Por isso ensinou Jesus: "Quem se apegar à sua vida perdê-la-á, mas quem a perder por amor a mim salvá-la-á".

O comodista será sacudido e alijado do seu comodismo, mais hoje, mais amanhã, pela vergasta da dor. O sofrimento é tão grande na Terra porque maior é o comodismo dos homens. A seara continua imensa e os trabalhadores ainda são tão poucos! Não somos anjos para ser perfeitos e puros, mas trazemos em nós as potencialidades da angelitude. Se não acelerarmos a nossa lapidação pelo serviço, o lapidário oculto - e que está oculto em nós mesmos - agirá como convém para completar a sua obra.

Do livro “Na Era do Espírito”. Psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires. Espíritos Diversos.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
Título: Re: RUMO A ANGELITUDE
Enviado por: Irm em 10 de Outubro de 2010, 00:33
Muito bom esse texto de Herculano, só acho que não podemos tratar bandidos igual a inocentes. Para bandidos cruéis, que dilaceram vidas inocentes, a prisão perpétua; e para as pessoas de bem, a liberdade e o apoio necessário à educação, à saúde e a uma vida digna.
Título: Re: RUMO A ANGELITUDE
Enviado por: belina em 10 de Outubro de 2010, 01:58
Ignarus
Adorei seu texto. DEUS é infinitamente bondoso e irá dar sempre uma chance para os que não cumprem as suas leis.


Pietro nao fique zangado comigo,mas eu nao concordo com você quando diz bandidos cruéis que dilaceram vidas inocentes a prisão perpétua....
Na minha opinião todos nós temos o lado escuro e o lado da luz. Nós não somos perfeitos , assim somos como uma moeda  de duas faces.
Se jesus perdoa a todos, porque não perdoarmos nós também? Ao julgarmos e condenarmos estamos a ser melhores?
Quem sabe o que fomos em outras encarnações? Fomos melhores ou piores? Que tenham o castigo por não obedecerem às leis da sociedade, até posso concordar, mas que sejam tratados como filhos de Deus como nós, ou seja com dignidade, porque senão estaremos a ser também algozes.

Qual será o maior castigo do ser humano senão perder a sua liberdade?
Qual a garantia que temos que não iremos fazer o mesmo? Nós estamos feitos , mas não acabados!
Orar pelos inimigos é o que Jesus nos ensina. Fácil amarmos um amigo, parentes,mas e um inimigo? bem difícil nao é?

Paz e luz
Belina
Título: Re: RUMO A ANGELITUDE
Enviado por: assimsoueu em 10 de Outubro de 2010, 02:16
Palavras sábias, só Deus poderá julgar, será  que  o próprio, em sã consciencia, fará o seu julgamento perante a Luz divina?
Graças a Deus
Título: Re: RUMO A ANGELITUDE
Enviado por: Irm em 10 de Outubro de 2010, 08:08
Eu sinceramente acho que bandidos de alta perversidade que fazem sequestros com tortura, estupros violentos e assassinatos hediondos não merecem terem a chance de na atual encarnação serem libertados e reincidirem como ocorre em uma grande porcentagem dos casos como vemos nos meios de comunicação diaramente. Não importa tanto o que fomos em outras vidas, mas o que somos agora e uma pessoa que hoje é meiga e inocente, deve receber toda a proteção da sociedade e do sistema para que não seja atingida pela ação demoníaca de espíritos que muitas vezes têm a dureza de coração de Iscariotes, César, Herodes e tantos outros verdugos.
Título: Re: RUMO A ANGELITUDE
Enviado por: Ignarus em 10 de Outubro de 2010, 16:47
Olá irmão Pietro!

Tens certeza de que estás certo?
Tens condições de julgar um espírito filho de Deus e amado por êle tanto quanto tu?
Será que um dia num passado longínquo também não cometestes crimes hediondos?
Quem de nós, perante a Divindade, é inocente ou culpado?
Tens certeza que violência se combate com violência?
Por que alimentar o sentimento de ódio e vingança se sabemos que somente o amor salva a todos?
Os crimes contra a sociedade tem que ser e serão punidos, senão nesta vida, nas próximas. Mas levar no coração o ódio e o desejo de vingança é permancer estagnado no crime junto com o criminoso.
Lembre-se que Jesus foi crucificado entre criminosos e estes no momento da agonia enxergaram e verdade e se libertaram.

Confie em Deus, nosso Pai de Amor, Sabedoria e Justiça! Só Êle é capaz de julgar. A nós compete-nos somente entender, orar e confiar no Pai. Aliás o amor é que desperta e liberta ao passo que a condenação contumaz e vingativa  somente leva à revolta que fortalece cada vez mais o ódio e a violência.

Aliás, nada é por acaso! até aqueles que sofrem com os malfeitores da sociedade, talvez estejam resgfatando seus maus atos pretéritos. Suba mais alto, meu amigo, e procure enxergar a verdade, só assim poderemos compreender e perdoar.

Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste. Mateus 5.43-48

Talvez nenhum ensinamento de Jesus seja, hoje, tão difícil de ser seguido como este mandamento do "amai os vossos inimigos". Há mesmo quem sinceramente julgue impossível colocá-lo em prática. Consideramos fácil amar quem nos ama, mas nunca aqueles que abertamente e insidiosamente procuram prejudicar-nos. Outros ainda, como o filósofo Nietzsche, sustentam que a exortação de Jesus para amarmos os nossos inimigos prova que a ética cristã se destina somente aos fracos e aos covardes, e nunca se pode aplicar aos corajosos e aos fortes. Jesus – dizem eles – era um idealista sem sentido prático.

Apesar dessas dúvidas prementes e persistentes objeções, o mandamento de Jesus desafia-nos hoje com nova urgência.

Insurreições sobre insurreições demonstram que o homem moderno caminha ao longo de uma estrada semeada de ódios, que fatalmente o conduzirão à destruição e à condenação. O mandamento para amarmos os nossos inimigos, longe de ser uma piedosa imposição de um sonhador utópico, é uma necessidade absoluta para podermos sobreviver. O amor pelos inimigos é a chave para a solução dos problemas do nosso mundo. Jesus não é um idealista sem sentido prático; é um realista prático.

Estou certo de que Jesus compreendeu a dificuldade inerente ao ato de amar os nossos inimigos. Nunca pertenceu ao número dos que falam fluentemente sobre a simplicidade da vida moral. Sabia que toda a verdadeira expressão de amor nasce de uma firme e total entrega a Deus. Quando Jesus diz: "Amai os vossos inimigos", não ignora a dificuldade dessa imposição e conhece bem o significado de cada uma das suas palavras. A responsabilidade que nos cabe como cristãos é a de descobrir o significado desse mandamento e procurar apaixonadamente vivê-lo toda a nossa vida.

Abçs


Abçs