Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: Mourarego em 03 de Janeiro de 2006, 14:27

Título: O Poder das Palavras - Ou O Que os Nossos Pensamentos Exaltam no Que Lemos
Enviado por: Mourarego em 03 de Janeiro de 2006, 14:27
O Poder das Palavras
Ou: O Que os Nossos Pensamentos Exaltam no Que Lemos

Moura Rêgo


   Já vai longe o tempo em que o homem grunhia qual outros animais.
   Mais ainda o tempo em que o homem pensava de forma material tão somente, porém, há entre nós, uma significativa parcela de companheiros de estrada encarnatória que não almejam mais que o ar que respiram, ou mesmo não se preocupam muito com o que esteja por detrás da notícia lida, do estudo feito. Dessa maneira, empregam o seu tempo ou a maior parte deste, no ócio do saber, descurando do aprendizado que lhes seria útil, minorando-lhes os tempos difíceis, e ajudando-os a expungirem de si mesmos, as mazelas que ainda carreiam nesta existência.

   A razão destas constatações iniciais, é chamar-lhes a atenção para essa inconseqüente maneira de afivelar pensamentos que partindo de premissa errada, têm sua conclusão em desalinho para com a verdade.
   
        Vejamos:
   
        Certa vez, um homem conhecido, prestando seus serviços À importante cadeia noticiosa, traça um olhar crítico sobre certa ocorrência que os dias fazem gritar nas manchetes dos matutinos. Este conjunto de pensamentos, lido em uma certa residência, faz enfurecer ao leitor. Apresso-me a dizer que o leitor nada tinha a ver com o ocorrido.
   Em outra residência, porém, a mesma notícia e crítica, acende um debate sobre pontos morais, da ocorrência, retirando, os participantes daquele debate, um conjunto de ensinamentos que os fará, com certeza, agirem de maneira melhorada no por vir próximo.

   Se os amigos repararam no título deste pequeno artigo, notaram que diz respeito a duas coisas, dois momentos, situações estas, porém, advindas não das palavras lidas, mas do estado de ânimo com que as lemos. Assim o homem se torna lobo do homem, dessarte, diminuem, muitos, a distância que  os separa da animalidade que ainda existe em qualquer de nós. Dificultando-nos a marcha para o progresso vindouro, atrasando-nos o caminhar vacilante de agora.

   A pressa no julgar induz em julgamento eivado de sérios vícios, quer de entendimento, quer de tipo quer de pessoa. Somente uma leitura sem compromissos para com qualquer tendência, deixará o campo aberto para um raciocínio lógico, encimado por moral forte e robusta, que reavaliando estruturas das palavras, norteando o pensamento em rumo do aprendizado seguro, haverá de coibir a ação de nossa vontade primeira interior, que mais das vezes é o grito da cólera ou o apupo do desdém, fazendo de nós, leitores de antes, juízes equivocados de agora, réus confessos no nosso próprio amanhã.

   A palavra tem sim sua força, emite vibração. Porém a cor desta vibração pode ser ou abrandada, ou fortificada, pelo jeito com que ou ouvinte ou o leitor a leu ou a ouviu. Nunca a ação é tão solidária quanto na leitura ou na audição, mormente quando não vemos a quem escutamos ou lemos.
   Mas todo este falar, todo este pensar, só nos quer dizer para que tenhamos muita, mas muita atenção mesmo para conosco mesmo, ainda mais quando estivermos a ler, é notório que traçamos em nosso subconsciente, perfis com os quais nos afinamos ou nos desalinhamos no campo das idéias, e então, facilmente, por este fator, somos vítimas de nossos próprios pensares, se leio algo do Zé, e dele desgosto, já leio com reticências, a colocar óbices, porém se as mesmas palavras nos chegassem de Maria, com quem nos alinhamos nos pensamentos, ah, seriam palavras doces e amenas, que nos serviriam de grande ensino.
Assim somos todos nós, uns mais outros menos, poucos há que fogem a este olhar mais apurado, mas ninguém está fadado a assim continuar pelo resto dos tempos.
   Este um dos matizes mais fortes da Doutrina Espírita, o de trazer o esclarecimento à razão e uma razão esclarecida, faz o Espírito em provação, um ser resignado, porém um lutador mais persistente e consecutivamente um vencedor no combate contra as imperfeições.

Muita paz.
Rio de Janeiro, 03 de janeiro de 2006.
Título: Re: O Poder das Palavras - Ou O Que os Nossos Pensamentos Exaltam no Que Lemos
Enviado por: Anamar em 03 de Janeiro de 2006, 16:04
Olá maninho Moura,

Gosto destas “coisas” que escreves, continua a escrever assim, que eu gosto de ler.
Inspirei-te pelo poder das palavras?

Chauzão, vou sair,  só volto amanhã. Depois continuamos.

Anamar
Título: Re: O Poder das Palavras - Ou O Que os Nossos Pensamentos Exaltam no Que Lemos
Enviado por: Mourarego em 04 de Janeiro de 2006, 12:14
Oi maninha Anamar,
adorei a piada sobre a "inspiração"!!!!
E a maninha sempre faz parte delas, pode crer!
Abraços,
Moura
Título: Re: O Poder das Palavras - Ou O Que os Nossos Pensamentos Exaltam no Que Lemos
Enviado por: sansarae em 18 de Fevereiro de 2010, 19:05
Realmente  faz muita diferença o estado de ânimo com que lemos ou ouvimos algo. E quantas vezes somos intolerantes e intolerados. Necessitamos, prestar mais atenção a esta excelente orientação! Muito Obrigada!
Título: Re: O Poder das Palavras - Ou O Que os Nossos Pensamentos Exaltam no Que Lemos
Enviado por: Geraldo Magela Vieira d em 16 de Agosto de 2010, 00:15
 Indibitavelmente o modo como recebemos uma informação influirá sobremaneira no juízo crítico que faremos de tal leitura ou tais palavras. Existe na literatura um modo de abordar a literatura,proposta por vários estudiosos, e em especial por Robert Jauss, cahamada de Estética da Recepção. Ela nos ensina a abordar os textos de acordo com as nossas leituras pretéritas a fim de identificar-lhe a natureza e a sua reformução da função. Só iremos entender Machado de Assis se e somente se tivermos feito leituras que nos propiciem o entendimento que se faz necessário para tal mister. Assim deve ser com todas as leituras e interpretações que nos cheguem. Estamos dispostos a sermos sinceros, sem dois pesos e duas medidas? Avante.....Eia.....Avacemos e aprendamos ininterruptamente. A ordem Divina é a do progresso moral e intelectual. Amemos a agradeçamos até pelos (inimigos) que nos projetam para a lida da vida.