Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: Victor Passos em 12 de Abril de 2009, 18:52

Título: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Victor Passos em 12 de Abril de 2009, 18:52
 O Genoma Humano e a Identidade do Espírito

    As pesquisas sobre o Genoma Humano fazem surgir controvérsias a respeito da identidade de cada indivíduo. Porém o Espiritismo ensina: a individualidade pertence ao Espírito imortal
“Por uma aberração da inteligência, pessoas há que só vêem nos seres orgânicos a ação da matéria e a esta atribuem todos os nossos atos.” Esta frase aparece no início do comentário de Allan Kardec às questões 147 e 148 de O Livro dos Espíritos[1], a respeito do Materialismo. Os avanços no sequenciamento da molécula do DNA de vários seres vivos, incluindo o ser humano, estão permitindo aos cientistas descobrir as causas de uma série de doenças, como o câncer, proporcionar o desenvolvimento de produtos geneticamente modificados (os produtos transgênicos) e abrir perspectivas quanto à manipulação dos genes ainda durante o processo de formação do feto. Porém, essas pesquisas tem gerado o surgimento de questões éticas como a clonagem de um indivíduo e, recentemente, a questão do comportamento humano ser conseqüência de determinados genes1.

 

É sobre essa última questão que desejamos discutir nesta matéria. Ela se enquadra na afirmativa acima de Kardec e o destaque que o Genoma Humano tem recebido da mídia nacional e internacional revela a crença materialista por detrás dele. Motivados por um artigo publicado na revista internacional Journal of Molecular Biology (abril de 2002)[2] e por uma matéria publicada na revista Pesquisa Fapesp Especial (abril de 2003)[3] apresentaremos uma discussão sobre o assunto que consideramos ser de grande interesse ao movimento espírita já que ele envolve a questão da identidade ou individualidade dos Espíritos.

 

No artigo da referência [2], o professor de Bioética da Faculdade de Medicina da Universidade de Genebra (Suíça), Prof. Dr. Alex Mauron, questiona a crença de que todas as características do ser humano, incluindo os comportamentos e sentimentos de ordem psicológicas, são comandados pelos genes. Ele batiza essa idéia de “Metafísica genômica” pelo fato do Genoma ser considerado como sendo a “alma” de cada indivíduo. Os Espíritos são bastante claros a esse respeito [1]: “

    361. Qual a origem das qualidades morais, boas ou más, do homem?

    “São as do Espírito nele encarnado. Quanto mais puro é esse Espírito, tanto mais propenso ao bem é o homem.”

     

    370. Da influência dos órgãos se pode inferir a existência de uma relação entre o desenvolvimento dos do cérebro e o das faculdades morais e intelectuais?

    “Não confundais o efeito com a causa. O Espírito dispõe sempre das faculdades que lhe são próprias. Ora, não são os órgãos que dão as faculdades, e sim estas que impulsionam o desenvolvimento dos órgãos.”(Grifos nossos).

Um argumento apresentado por Mauron contrário à idéia de que a identidade de uma pessoa está diretamente associada ao seu Genoma é a existência de gêmeos monozigóticos, isto é, que possuem o mesmo Genoma. Desde que dois ou mais gêmeos são indivíduos diferentes, com comportamentos e identidades diferentes, fica evidente que não é o Genoma que determina a identidade. Porém, o professor Mauron não defende nenhuma tese espiritualista. Ele acredita que, em algum momento ao longo do desenvolvimento embrionário, existe algum tipo de evento material que determina a emergência da identidade pessoal do indivíduo. Essa “crença” (note que essa idéia não possui prova científica) reflete a postura materialista por parte do professor Mauron e da comunidade científica.

 

Por outro lado, apenas para vermos a importância de estarmos cientes dessas discussões, cabe mencionar que a idéia de que o Genoma determina a identidade de uma pessoa, desde o momento da concepção, favorece a luta contra o aborto e contra o uso de embriões humanos nas pesquisas científicas.

 

Portanto, pelo menos para defender a vida, essa idéia materialista tem alguma serventia.

 

O Espiritismo sela a questão ao ensinar que a causa de nossos comportamentos e de nossa identidade reside na nossa alma ou Espírito. As questões 150 e 152 de O Livro dos Espíritos[1] elucidam: 

    “150. A alma, após a morte, conserva a sua individualidade?

    “Sim; jamais a perde. Que seria ela, se não a conservasse?”

     

    152. Que prova podemos ter da individualidade da alma depois da morte?

    “Não tendes essa prova nas comunicações que recebeis? Se não fôsseis cegos, veríeis; se não fôsseis surdos, ouviríeis; pois que muito amiúde uma voz vos fala, reveladora da existência de um ser que está fora de vós.”

A chave para o problema da identidade de cada indivíduo está na pré-existência da alma que a traz consigo. A prova disso são as comunicações dos Espíritos que ao desencarnarem deixaram apenas o corpo físico e levaram tudo o que aprenderam. Lamentamos que a humanidade não reconhece isso como comprovação da sobrevivência da alma. O Genoma, do ponto de vista da Doutrina Espírita, é, portanto, apenas uma ferramenta do Espírito que o recebe para cumprir determinada tarefa no mundo material.

 

A compreensão desse importante detalhe está diretamente ligado ao problema levantado pelo professor titular de Ética e Filosofia Política da Universidade de São Paulo, Prof. Dr. Renato Janine Ribeiro, em sua matéria publicada na revista Pesquisa Fapesp Especial de abril de 2003 (referência [3]). O professor Ribeiro também questiona a expectativa de que a descoberta completa do Genoma Humano resolverá todos os problemas do ser humano, mormente, os de ordem psicológica e comportamental. Ele não discorda que esse avanço ajudará a resolver muitos problemas com doenças e insuficiências do ser humano. Mas ele questiona um outro aspecto que é de grande importância para nós espíritas.

 

O problema pode ser apresentado da seguinte forma, nas palavras do próprio autor[3]: “... há uma enorme tendência do ser humano a querer considerar-se coisa, objeto.” A idéia de que somos dirigidos pelas nossas características genéticas significa que não temos a liberdade de escolha. Apesar de não gostarmos dessa idéia, o professor Ribeiro argumenta que até mesmo a liberdade não é tão valorizada pois “ela implica responsabilidades”[3]. E como as pessoas tem fugido às responsabilidades, uma conseqüência é que: “... diante disso é comum desejar-se algo que resolva nossos problemas independentemente de nós mesmos.”

 

Não interessa o que causou nossos problemas e doenças mas sim como resolvê-los. “... se eu puder solucioná-los com um remédio ou cirurgia, não preciso responsabilizar-me, a fundo, por eles. Tratarei a mim mesmo como um objeto.”(Grifos nossos). Assim, a pesquisa do Genoma Humano favorece a filosofia do ser objeto e nos faz lembrar daquele antigo argumento dos que se eximem da reforma íntima: “... o espírito é forte, mas a carne é fraca”. Hoje, esse argumento se torna “... mas o genoma é fraco...”. É mais fácil crer que os nossos temperamentos desequilibrados são decorrentes dos nossos genes do que nos esforçarmos por reformar nossas tendências. É mais fácil acreditar que um dia a Ciência, com uma cirurgia, nos fará seres perfeitos do que acreditar no esforço próprio. Felizes que somos por conhecer a Doutrina Espírita que nos ensina perfeitamente o que é causa e o que é efeito. A causa reside em nosso Espírito. O efeito são os nossos atos, palavras e pensamentos. O corpo físico é apenas instrumento para que possamos trabalhar na obra da co-criação.

 

Nesta matéria apresentamos e discutimos algumas questões éticas sobre o Genoma Humano, abordadas no meio acadêmico, que esbarram em ensinamentos espíritas. Acreditamos ser importante que o movimento espírita tenha ciência dessas questões e de como o Espiritismo se posiciona diante delas. No item 7 do capítulo XIX de O Evangelho Segundo o Espiritismo[4] Kardec afirma: “Fé inabalável só o é a que pode encarar de frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.” Nossa intenção aqui foi a de “encarar” essas questões sobre o Genoma Humano mostrando que os ensinamentos dos Espíritos constituem uma perfeita solução para elas.

 

1 Um gene é um pedaço da molécula do DNA que é codificado numa proteína, que por sua vez, terá uma determinada função na célula ou no organismo de um ser vivo. Estima-se que o ser humano tenha entre 30 mil e 120 mil genes.

 

Referências

[1] A. Kardec, O Livro dos Espíritos, Editora FEB, 76a. Edição, (1995).

[2] A. Mauron, Journal of Molecular Biology Vol. 319, p. 957, (2002).

[3] R. J. Ribeiro, Pesquisa Fapesp Especial de abril, p. 38, (2003).

[4] A. Kardec, O Evangelho Segundo o Espiritismo, Editora FEB, 112a. Edição, (1996).

 
Alexandre Fontes da Fonseca

ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA INTERNACIONAL DE ESPIRITISMO, JANEIRO DE 2004, PGS. 624-626

 

 

Publicado nesta HP: A ERA DO ESPÍRITO, com a autorização do autor.

 
 
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: procura em 12 de Abril de 2009, 20:06
Boa tarde

Se entrarmos por este caminho, teremos de sofrer as consequÊncias futuras. Se não for nesta exsitÊncia, será numa outra.

É pena muitas vezes algumas pessoas da ciÊncia ainda reagirem e pensarem desta forma, induzindo os outros irmãos em erro.

Missão do homem inteligente na Terra
13. Não vos ensoberbais do que sabeis, porquanto esse saber tem limites muito estreitos no mundo em que habitais. Suponhamos sejais sumidades em inteligência neste planeta: nenhum direito tendes de envaidecer-vos. Se Deus, em seus desígnios, vos fez nascer num meio onde pudestes desenvolver a vossa inteligência, é que quer a utilizeis para o bem de todos; é uma missão que vos dá, pondo-vos nas mãos o instrumento com que podeis desenvolver, por vossa vez, as inteligências retardatárias e conduzi-las a ele. A natureza do
instrumento não está a indicar a que utilização deve prestar-se? A enxada que o jardineiro
entrega a seu ajudante não mostra a este último que lhe cumpre cavar a terra? Que diríeis, se esse ajudante, em vez de trabalhar, erguesse a enxada para ferir o seu patrão? Diríeis que é horrível e que ele merece expulso. Pois bem: não se dá o mesmo com aquele que se serve da sua inteligência para destruir a idéia de Deus e da Providência entre seus irmãos? Não levanta ele contra o seu senhor a enxada que lhe foi confiada para arrotear o terreno? Tem ele direito ao salário prometido? Não merece, ao contrário, ser expulso do jardim? Sê-lo-á, não duvideis, e atravessará existências miseráveis e cheias de humilhações, até que se curve diante dAquele a quem tudo deve.
A inteligência é rica de méritos para o futuro, mas, sob a condição de ser bem empregada. Se todos os homens que a possuem dela se servissem de conformidade com a vontade de Deus, fácil seria, para os Espíritos, a tarefa de fazer que a Humanidade avance.
Infelizmente, muitos a tomam instrumento de orgulho e de perdição contra si mesmos. O homem abusa da inteligência como de todas as suas outras faculdades e, no entanto, não lhe faltam ensinamentos que o advirtam de que uma poderosa mão pode retirar o que lhe
concedeu. - Ferdinando, Espírito protetor. (Bordéus, 1862.)
Evangelho -Kardek[/color
]

A cada um as suas obras.

Bem Hajam
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Victor Passos em 12 de Abril de 2009, 23:22
Ola Amigo Procura
Muita paz

     Meu bom Amigo poderia dizer que estou de acordo quanto à sua intenção, mas não a favor da questão que coloca no começo;
Citar
Se entrarmos por este caminho, teremos de sofrer as consequÊncias futuras. Se não for nesta existência, será numa outra.

É pena muitas vezes algumas pessoas da ciÊncia ainda reagirem e pensarem desta forma, induzindo os outros irmãos em erro.

    Sempre teremos que sofrer as consequências das nossas acções , se não for nesta vida numa outra , sabendo que a lei de causa e efeito está aí para todos nós, não por causa de cientistas entenderem que poderão descobrir todo o mapeamento do Genoma humano de forma a perceberem da nossa existência, porque as celulas são importantes como descoberta mas para a nuance importante do tratamneto de doenças, como poder prever com mais antecedência a presença de un cancer ou outro problema, no entanto não quer dizer que tenhamos que generalizar, pois é importante que todos busquem a sua verdade e ao mesmo tempo possam estudar formas de atenuar o sofrimento, humano.
  Porém o problema não está no estudo , mas nos espiritos que ainda acham que são donos da verdade e são orgulhosos e egoistas, este é que é o maior mau da estadia terrena...

   Muita paz meu bom Amigo
  Abraço fraterno


VICTOR PASSOS
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: procura em 13 de Abril de 2009, 08:50
Bom dia amigo Victor Passos

Talvez não dito as coisas de uma forma totalmente transparente.

Sou totalmente a favor das pesquisas cientificas, pois só assim podemos progredir.

Muitas vezes vejo que os espiritas tÊm uma mala pata com a ciÊncia, que não é o meu caso.

Temos de perceber que no estágio que nos encontramos, a ciÊncia ainda caminha de uma forma puramente material. Se calhar já poderia ter evoluido um bocadinho mais, mas quem sou eu para fazer julgamentos.
A ciÊncia já chegou à fase em que tem de reconhecer que aquilo que chamamos de matéria não é tudo. Mas como todos somos ainda muito orgulhosos, por vezes somos renitentes em aceitar o óbvio e que está à nossa vista.

Um abraço


Bem Haja
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Anton Kiudero em 13 de Abril de 2009, 09:38
Quem é a causa primaria por tras do genoma?
E quem é a causa primaria dos estudos sobre o genoma?
Existe algo no universo que não seja criação divina?

Se não existe, a ciencia assim como as filosofias e as religiões são o estudo das manifestações de Deus e todas levam do mesmo ponto ao mesmo ponto.

De Deus à Deus e jamais deixam de estar em Deus.
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Victor Passos em 13 de Abril de 2009, 14:48
Ola Amigo Procura
Muita paz

     Estamos de acordo por vezes as palavras é que não saiem como nós procuramos...não é AMIGO ...PROCURA...rrsrs
     Sorria sem maldade, ainda me há-de dizer o significado do seu nome!?


     Assimilamos bom AMIGO PROCURA

     Abraço fraterno

       VICTOR PASSOS
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Victor Passos em 13 de Abril de 2009, 14:59
Ola Amigo Kudero
Muita paz

     Você não cansa de caminhar...rsrsr
sem maldade.

     Kudero bom Amigo, é bem verdade que tudo tem uma causa e efeito, e neste caso como em todos...tudo vai ao encontro de Deus...porém se nós estamos em margem de valores entre a primitividade e a probalidade, teremos e deveremos estudar a melhor forma de podermos sair do labirinto da ignorância, e só através do estudo voluntarioso, poderemos crescer, porque como sabe, só nos completaremos quando estivermos em ambos niveis de igualdade entre a moral e o intelectual.
    Se nos mantivermos na escuridão, então não evoluiremos,e isso seria contra a essência das almas..

Muita paz e harmonia

Victor Passos

Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Anton Kiudero em 13 de Abril de 2009, 15:46

porém se nós estamos em margem de valores entre a primitividade e a probalidade, teremos e deveremos estudar a melhor forma de podermos sair do labirinto da ignorância, e só através do estudo voluntarioso, poderemos crescer, porque como sabe, só nos completaremos quando estivermos em ambos niveis de igualdade entre a moral e o intelectual.


Amigo Victor,

Mas será que o objetivo da encarnação é estudar para sair do labirinto da ignorancia? Ou é passar por provas morais? A bem da verdade não me recordo nem mesmo das ultimas 10 linguas que devo ter aprendido e utilizado nas ultimas dez encarnações, na verdade mal e mal me exprimo em portugues... O pouco que sei do mundo foi conseguido a duras penas nas escolas que frequentei. E o que dizer das multidões que nem ao mesmo tem acesso a qualquer escola e estudo?

Os espíritos ja conhecemos toda a mecanica e tecnica do universo e para isto tivemos um longuissimo aprendizado. O que nos falta é a aprendizagem moral que so conseguimos quando encarnados vivenciando realidades e reagindo a elas. É os que os espiritos nos ensinam mas isto não impede que os espiritos encarnados pensem ser o motor da evolução...

Fique sempre em Deus,
Anton

Em tempo: caminho, caminho e não paro de caminhar sem jamais sair do lugar.... alias, existem lugares?
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Victor Passos em 13 de Abril de 2009, 16:07
Ola Amigo Kudero
Muita paz e harmonia

     
Citar
Mas será que o objetivo da encarnação é estudar para sair do labirinto da ignorancia? Ou é passar por provas morais? A bem da verdade não me recordo nem mesmo das ultimas 10 linguas que devo ter aprendido e utilizado nas ultimas dez encarnações, na verdade mal e mal me exprimo em portugues...

     Meu bom Amigo , nem todas as provações são para sofrer , mas também por missão, elas tem o condão de permitir o crescimento moral, espiritual e intelectual.
     Como sabe são essas provas que nos trazem ensinamento dos valores que temos que moldar, até porque se existe uma causa existe um efeito, aqui o efeito será além de superar fragilidades preteritas e presentes, elas são então também a forma de nos iluminar a caminhada.
    Quando ao seu passado o seu aprendizado não morre com o corpo, mas vais crescendo pelas vidas sucessivas, e tudo que tem de conhecimento ficará inapto em si, não é por mero acaso que todos temos determinadas tendencias para fazer algo por afinidade, e aí temos o ponto aonde chocamos com o cinhecimento do passado, porque se assim não fosse, estariamos sempre detidos nos escombros do primitivismo..e de nada serviria vir aqui em passagem por este e outros planos .

Muita paz e harmonia

VICTOR PASSOS
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: procura em 13 de Abril de 2009, 16:15
Caro amigo Victor

Tento que a minha vida seja uma procura constante.

Não caminhamos no intuito de encontrar o caminho.
Tento a procura constante do conhecimento, da sabedoria, da ascensão espiritual.
Para mim a vida é essa procura.


Bem Haja

Muita Paz
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Anton Kiudero em 13 de Abril de 2009, 16:42

nem todas as provações são para sofrer , mas também por missão, elas tem o condão de permitir o crescimento moral, espiritual e intelectual. Como sabe são essas provas que nos trazem ensinamento dos valores que temos que moldar, até porque se existe uma causa existe um efeito, aqui o efeito será além de superar fragilidades preteritas e presentes, elas são então também a forma de nos iluminar a caminhada.


Amigo Victor,

Toda conversa deveria iniciar-se com a definição do sentido das palavras empregadas para evitar os usuais mal-entendidos.

Prova quer dizer teste e não possui qualquer conotação de valor, bom ou mal, agradavel ou desagradavel. Assim tudo o que acontece em nossas vivencias são provas em que temos  a oportunidade de nos aproximar ou afastar de Deus. Falta de alimento é uma prova assim como ganhar na loteria. Doença é uma prova assim como a saude também o é. Encontrar um inimigo que nos amarga a existencia é uma prova assim como encontrar um amigo que a adoçe tambem o é. E cada uma das provas são criadas por Deus continuamente baseados no genero de provas por nos solicitado.

E a cada instante e para cada prova existem apenas duas respostas. Ou amamos a Deus e dizermos interiormente "graças a Deus" ou acreditarmos que nós, algum outro espirito encarnado ou desencarnado ou mesmo alguma força da natureza foi a causa de alguma coisa que nos agradou ou desagradou e ao assim agirmos deixamos de amar a Deus naquele instante.   

A única coisa que o espírito leva da encarnação são as respostas as suas provas, todo o demais esfuma-se como se não tivesse existido. E quando encarna, tem que aprender tudo o que se relaciona com a nova encarnação, cultura, costumes, habitos, normas, conhecimentos, etc. E isto é a formação da personalidade ou ego que é o instrumento de provas do espírito. Ou seja, é a sua prova.

Fique com Deus,
Anton

Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Victor Passos em 13 de Abril de 2009, 17:17
Ola Amigo Kudero
Muita paz e harmonia

    Está a dar-me uma teoria que se chama -Nada. porque se tudo aquilo que aprende numa vivência não vai servir para a outra , para que servia tentarmos mudar a nossa conduta!?
   
    Nós começamos de novo em qualquer encarnação, conservando o que aprendemos na nossa individualidade, porque senão não haveria evolução...claro que quando nascemos de novo , vamos encontrar-nos num meio à altura das nossas necessidades evolutivas, afim de continuarmos o nosso crescimento....a ndividualidade como lhe digo está em crecimento contante...

Muita paz e harmonia

Abraço

VICTOR PASSOS
Título: Re: O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
Enviado por: Victor Passos em 13 de Abril de 2009, 17:23
Muita paz e harmonia Amigo Kudero

Lei da Evolução é o nome utilizado com mais freqüência hoje em dia pelos adeptos e estudiosos do espiritismo para se referir à Lei do Progresso, uma das dez "Leis Morais" a que alude Allan Kardec na Parte Terceira de O Livro dos Espíritos.

Segundo esse princípio, tudo o que existe está em contínua evolução, o Universo, os mundos e os seres, tanto os animados quanto os inanimados, isoladamente ou em conjunto.

"Ao mesmo tempo que todos os seres vivos progridem moralmente, progridem materialmente os mundos em que eles habitam. Quem pudesse acompanhar um mundo em suas diferentes fases, desde o instante em que se aglomeraram os primeiros átomos destinados e constituí-lo, vê-lo-ia a percorrer uma escala incessantemente progressiva, mas de degraus imperceptíveis para cada geração, e a oferecer aos seus habitantes uma morada cada vez mais agradável, à medida que eles próprios avançam na senda do progresso. Marcham assim, paralelamente, o progresso do homem, o dos animais, seus auxiliares, o dos vegetais e o da habitação, porquanto nada na Natureza permanece estacionário."[1]

A Lei da Evolução é intimamente relacionada à Lei de causa e efeito e à Lei da Reencarnação, sendo essencial o entendimento das três leis para compreensão do todo.