Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: Marccello em 11 de Julho de 2010, 17:27

Título: Jesus - O Pastor de Almas
Enviado por: Marccello em 11 de Julho de 2010, 17:27

    Em cada religião do mundo Cristo desempenha um papel diferente. Para as não cristãs, é apenas uma figura histórica ligada ao aspecto religioso do homem, porém sem nenhuma influência entre os adeptos. Os muçulmanos aceitam-no como importante profeta. Católicos elevam-no à categoria de parte do próprio Deus pelo dogma da Santíssima Trindade. Para os protestantes, embora não reconheçam essa qualidade, Jesus é figura importante como verdadeiro e único salvador do homem. Basta que se tenha fé. E para os espíritas?

     O Espiritismo, enquanto religião caracterizada não pela institucionalização, hierarquia, rituais, sacramentos, etc., mas como manifestação do sentimento de religiosidade e pelas suas conseqüências morais, considera-se cristã. Isto porque possui como modelo absoluto a figura de Jesus. Um dos três livros fundamentais de seu corpo doutrinário é "O Evangelho Segundo o Espiritismo", obra que traz os textos e ensinamentos mais importantes do Mestre, analisados por Espíritos de alta estirpe e complementados por Allan Kardec. Os princípios morais da crença espírita estão todos calcados no evangelho de Jesus, em toda sua pureza, sem os lamentáveis desvirtuamentos que sofreu ao longo do tempo.

     Mas não basta "pregar", relembrar e aderir formalmente ao conjunto de idéias que constitui a essência do ensinamento de Cristo. É preciso praticá-lo. E o adepto do Espiritismo é convidado permanentemente a trabalhar a sua reforma íntima procurando ser hoje melhor que ontem e amanhã melhor ainda do que hoje. Procura-se sempre alcançar a felicidade ao praticar o bem, dar de graça o que de graça recebeu (mediunidade), perdoar setenta vezes sete, mostrar caridade para com todos sem exclusão de qualquer credo, raça, nacionalidade, condição social. Valoriza-se a fé atuante, a paciência, a tolerância, o amor ao semelhante e ao Criador.

     O Espiritismo vê a presença de Jesus como o mais evoluído ser que já habitou entre nós, porém também Ele como criatura ou filho de Deus. Foi um ser especial quando aqui esteve, mas sem qualquer caráter de privilégio, da mesma forma que outros seres de ordem superior como os denominados anjos. Em algum momento, em algum mundo, Cristo também trilhou pelos caminhos da reencarnação até atingir o grau evolutivo que lhe permitiu assumir tão relevante missão aqui na Terra. A razão repudia a idéia de um Deus composto que pode se manifestar dividido e uma de suas partes dirigir-se ao resto de si mesmo chamando-o de Pai. Esse aspecto de sua individualidade em relação a Deus está bem explícito em várias das próprias declarações quando afirma categoricamente que são seres distintos. Inúmeras vezes referiu-se a Deus como Pai, o que seria um contra-senso caso ele fizesse parte do próprio. Aliás, a instituição do dogma da Trindade divina foi implantado no ano de 340 como conseqüência do Concílio de Nicéia de 325, que promoveu a divinização de Jesus. Por sua vez, as raízes desta tríade provêm do Bramanismo e da influência persa.

     Relativamente à sua vida biológica, o Espiritismo mantém opinião clara tanto quanto ao nascimento como às vicissitudes pelas quais passou e ainda sobre o reaparecimento após o suplício no Calvário. Nasceu, viveu e morreu como homem. Jesus teve uma vida totalmente igual a qualquer outro ser humano em termos de constituição morfológica e necessidades fisiológicas. Foi gerado naturalmente por José e Maria, o que põe por terra a tese da virgindade de sua mãe. Nasceu de parto normal, viveu num corpo de carne e não de natureza fluídica como ingenuamente ainda insistem em defender alguns grupos isolados dentro do movimento espírita. Se assim não fora, Jesus teria sido o maior embusteiro da história da humanidade. Teria fingido que se alimentava, que bebia e principalmente que sofria todas as ignominiosas agressões físicas que culminaram com a imolação na cruz.

Continua...     
Título: Re: Jesus - O Pastor de Almas
Enviado por: Marccello em 11 de Julho de 2010, 17:28
    Ao contrário de outras correntes religiosas, o Espiritismo não aceita que Cristo tenha ressuscitado, fato que, como sabemos, constitui impossibilidade científica. Jesus reapareceu a algumas pessoas, inclusive aos discípulos, através do seu perispírito ou corpo espiritual. O perispírito pode, ocasionalmente, mesmo no homem comum, adquirir presença observável e até mesmo tangibilidade. O desaparecimento do corpo do túmulo pode ter sido o resultado da ação de ladrões, delito muito comum à época, ou, mais provavelmente, tenha sido desintegrado pelo próprio Cristo, como forma de sustentar a crença de sua sobrevivência à morte, o que, de outro modo, seria muito difícil de explicar àquelas pessoas incultas.

     Essa volta à vida, tida como milagrosa, como de resto muitos outros atos realizados durante a sua curta vida pública, encontram explicações racionais no conhecimento da fenomenologia espírita. Podemos afirmar que todos os milagres, sem exceção, ainda que inabituais entre a maioria dos homens, não constituem ruptura das leis naturais que governam o nosso planeta. São tão possíveis que diversas outras pessoas, chamadas médiuns, em todos os tempos, lugares, religiões e culturas, também os realizaram e continuam realizando: levitação, curas, transfiguração, materializações, transportes, etc.

     Jesus foi um homem especialíssimo, espírito extremamente evoluído mas não era e não é Deus. Veio nos dar o testemunho de conduta ideal, divulgando e praticando o amor e a fraternidade incondicionais. Mesmo quando afirmou que ninguém iria ao Pai se não fosse por Ele, não desejou excluir budistas, hindus ou muçulmanos. Quis fazer entender que o caminho para Deus seria conquistado por atitudes com as quais Ele exemplificou: sacrifícios, doação, perdão, coragem, fé e todas as demais virtudes. E esta possibilidade está aberta a todos os indivíduos e não-somente a um grupo qualquer de privilegiados escolhidos. Todos são filhos de Deus e conforme suas palavras "do rebanho do Pai, nenhuma ovelha se perderá".

     Finalmente, para o Espiritismo, o maior papel representado pelo Cristo na Terra não foi o de salvador porque cada um deve salvar a si mesmo. Ele expressou isso quando disse que "a cada um, segundo suas obras". Nem mesmo o sacrifício de sua vida que foi apenas o ponto culminante de uma trajetória estabelecida. A grande missão de Jesus entre nós foi a revolução nas idéias, substituindo o rigor da lei mosaica de talião pela lei do amor. A sua marca inapagável, mal compreendida até hoje, é verdade, foi revelar um pouco da natureza de Deus, do futuro dos homens e com isso despertar neles os sentimentos capazes de se transformar mais tarde em virtudes duradouras, aquisições imprescindíveis ao crescimento da criatura divina. Mal entendido e muito pouco seguido, Jesus deixou um legado de lições que vivenciou intensamente até o extremo final, provando na cruz e após ela que, afinal, de nada importam as riquezas, as aparências farisaicas, o poder material e, sim, a verdadeira vida, a espiritual com seus autênticos tesouros imunes à ação das intempéries, das traças e dos ladrões. (1)
(1) CZERSKI, Wilson. Espiritismo - Uma visão panorâmica Ed. O Clarim.

     Obras consultas pelo autor:
     . Cristianismo e Espiritismo - Léon Denis - FEB;
     . Cristianismo - a mensagem esquecida - Hermínio C. de Miranda - O Clarim;
     . Casos Controvertidos do Evangelho - Paulo Alves Godoy - FEESP;
     . Jesus e Atualidade - Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis - Pensamento;
     . Nas Pegadas do Mestre - Pedro Camargo (Vinícius) - FEB.

Muita paz. :)
Título: Re: Jesus - O Pastor de Almas
Enviado por: Fernando Meira em 13 de Julho de 2010, 17:45
Obrigado por compartilhar!
adoreii!
Título: Re: Jesus - O Pastor de Almas
Enviado por: Marccello em 13 de Julho de 2010, 23:12
Boa noite amigo Fernando!

É magnífico estudar Jesus!

Grande abraço! ;)

Muita paz. :)
Título: Re: Jesus - O Pastor de Almas
Enviado por: macili em 01 de Agosto de 2010, 22:38
Marccello, gostei muito deste resumo do estudo de Jesus.

Obrigada por te-lo compartilhado.

Abraços fraternos
Macili

Título: Re: Jesus - O Pastor de Almas
Enviado por: Marccello em 02 de Agosto de 2010, 00:10
Boa noite amiga Macili!

Dentro do tema,  Entrevista com Divaldo Pereira Franco, para a Revista Espírita Allan Kardec, em dezembro de 2000:

Pergunta: O Espírito de Jesus alcançou a Sua evolução, sujeitando-se às mesmas Leis a que se sujeitaram os demais Espíritos? Há espiritualistas que afirmam que Jesus evoluiu em linha reta. Como entender essa afirmativa?

Divaldo: Estudar Jesus e Sua personalidade para defini-los em breves linhas parece-me uma ousadia sem limite a que não me atrevo. Podemos, no entanto, apresentar algumas considerações, dentro do espírito de liberdade de pensar. Acredito que todos os Espíritos foram criados em igualdade de condições, convidados a crescer de forma equivalente. Se Jesus evoluiu em linha reta é porque, certamente, as Suas foram sempre opções corretas, não necessitando de re-aprender, reparar ou reencarnar, pelo menos, na Terra.

Acredito que Ele é o Guia Espiritual do Planeta como bem acentua Leon Denis e confesso que, para mim, a Sua foi uma evolução em outra Esfera que me escapa, porquanto, Ele o disse, e aceito-o sem discussão: "E antes que vós fosseis, Eu já era." O certo é que, ao vir ter conosco, no mundo, Ele já sintetizava a perfeição relativa que nos é dado contemplar, sendo, por isso mesmo, o Espírito mais perfeito que Deus ofereceu aos homens para servir-lhes de modelo e guia, conforme questão 625, de O Livro dos Espíritos.

Grande abraço! ;)

Muita paz. :)
Título: Re: Jesus - O Pastor de Almas
Enviado por: macili em 02 de Agosto de 2010, 02:12
Sábia resposta de Divaldo Franco.

Jesus é o nosso querido Mestre, espírito de luz intensa. Devemos seguir seus ensinamentos,
praticá-los no nosso dia-a-dia e agindo dessa maneira evoluiremos espiritualmente e seremos felizes!

Um forte abraço
Macili