Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: Shadowrun em 28 de Setembro de 2011, 23:34

Título: Espiritismo & Física Quântica - Um alerta aos espíritas
Enviado por: Shadowrun em 28 de Setembro de 2011, 23:34
Li um artigo muito interessante e gostaria de compartilhá-lo com vocês

Física Quântica e Espiritismo I: Um Alerta!

Alexandre Fontes da Fonseca

Apesar dos fenômenos ao nível quântico revelarem uma realidade muito diferente da que estamos habituados, carecemos ainda de maiores pesquisas antes de afirmar que a Física Quântica está confirmando os princípios espiritualistas.

A Física Quântica tem sido considerada, no meio espírita, como em alguns grupos religiosos, como sendo aquela que vai confirmar a existência de Deus e do espírito. Nesta matéria, temos um ponto de vista mais cuidadoso do que é normalmente apresentado. De fato, os fenômenos ao nível quântico têm feito os cientistas se sentirem incomodados e perplexos já que eles mostram que na realidade os nossos cinco sentidos nos fazem crer numa verdade ilusória. Porém, isso não significa que a Física Quântica esteja admitindo a existência de “algo exterior” ou “além da matéria”, conforme proposto pelas doutrinas espiritualistas. O movimento espírita deve, portanto, ser cuidadoso ao divulgar idéias ligadas aos fenômenos espíritas e àquelas propostas pela Física.

Nesta matéria um importante alerta é feito: afirmativas como “o perispírito causa a flutuação do vácuo quântico”, “a Física Quântica prova a existência de Deus” e “o espaço-tempo negativo representa o mundo espiritual”. Estas afirmativas carecem de credibilidade tanto científica como espírita, porque não foram obtidas conforme critérios científicos e da Doutrina Espírita. Não se sabe como essas conclusões foram obtidas e que passos teóricos e experimentais foram seguidos para obtenção do resultado final. Para que uma afirmativa seja considerada científica, não basta que ela envolva um assunto científico e nem que o autor dessa afirmativa seja cientista. É preciso que seja apresentada uma explicação mais detalhada e doutrinariamente embasada.

Apesar das nobres intenções de nossos irmãos que divulgam essas idéias, elas podem trazer consequências negativas para o movimento espírita. Para entendermos melhor o enfoque do problema, citamos Kardec (ítem VII da Intro-dução de O Livro dos Espíritos[1]): “Na ausência de fatos, a dúvida é a opinião do homem prudente”. Esta é a principal razão pela qual se deve tomar cuidado na divulgação de idéias e teorias espíritas que utilizem conceitos das outras ciências. Como os paradoxos da Física Quântica ainda não foram resolvidos pelos cientistas, é prudente esperarmos pelo desenvolvimento das pesquisas nesta área, de modo que possamos, como espíritas, nos posicionarmos melhor perante elas. Pelo simples fato de que nem todos os resultados experimentais da teoria quântica foram totalmente explicados, não autoriza ninguém a afirmar, por exemplo, que Deus ou o espírito é que estão por trás desses fenômenos. Esta atitude é equivocada, não-científica e, o que é pior, expõe o Espiritismo a críticas desnecessárias, afastando as pessoas que trabalham no meio científico e que conhecem bem o assunto.

Novas descobertas causam enormes revisões nos modelos teóricos existentes, demonstrando a fragilidade e o caráter efêmero das recentes teorias da Física. Recentemente tivemos a oportunidade de comentar a respeito desta fragilidade na Física, devido a uma importante descoberta na Física de partículas, e comparar com a solidez da Doutrina Espírita que passou incólume perante todos os descobrimentos do século XX[2]. Esta solidez se dá justamente porque o Espiritismo é uma doutrina baseada em fatos experimentais[2]1.

Comumente critica-se a comunidade científica por não se interessar pelas questões espiritualistas, no entanto, essa postura é bastante prudente. Imaginem se a Ciência desse crédito a toda teoria espiritualista que diz basear-se na Física Quântica para provar a existência de Deus, do espírito ou qualquer outro princípio. Uma pesquisa rápida na internet mostra que existem grupos e seitas religiosas que se utilizam da Física Quântica para darem respaldo aos mais variados assuntos. É importante saber que a comunidade científica prefere rejeitar tais idéias do que se arriscar com uma que seja completamente equivocada. Não foi isso que Kardec nos orientou com relação a novas questões? O espírito de Erasto nos orienta: “mais vale repelir 10 verdades que admitir uma só mentira, uma só teoria falsa[4].

Por outro lado, esta afirmação não impede ao leitor de estudar e pesquisar seriamente tais fenômenos. Propostas teóricas serão sempre bem vindas. Porém, é preciso que o pesquisador entenda perfeitamente tanto as informações científicas quanto a Doutrina Espírita. É necessário que cada proposta teórica seja consistente tanto com os fenômenos materiais, quanto com os doutrinários aos quais se referem. Um ponto importantíssimo é que qualquer idéia ou sugestão não comprovadas científicamente deve ser divulgada e declarada como tal e não como uma certeza científica. Isto é importante, pois orienta os futuros leitores quanto ao atual status da pesquisa em determinados assuntos.

Na próxima matéria pretendemos explicar porque alguns fenômenos ao nível quântico geram uma idéia de que algo de origem divina esteja por trás deles. Comentaremos alguns pontos positivos e negativos a respeito da recente proposta espiritualista feita pelo físico Prof. Dr. Amit Goswami para solucionar os paradoxos da Física Quântica.

Lembremos ainda o ceticismo de Allan Kardec com relação às mesas girantes antes de conhecer melhor as causas do fenômeno. Achava ele que se tratava de um frívolo divertimento sem objetivo muito sério. Mas após constatar o fenômeno, buscou interpretá-lo à luz dos conhecimentos científicos da época. E, percebendo que os fatos tinham origem inteligente, Kardec iniciou um longo e paciente trabalho de pesquisa onde, somente após muita observação, estudo e questionamento, publicou sua primeira obra, O Livro dos Espíritos. Caros irmãos de ideal espírita, a ciência se desenvolveu muito desde então, porém, o exemplo do Codificador permanece tão atual quanto o foi em sua época. Sigamos o seu exemplo trabalhando na pesquisa espírita com muita perseverança, paciência, observação, meditação, estudo e, só então, depois de muita análise e muita autocrítica, é que devemos levar a público os frutos de nossa pesquisa. Não é necessário pressa, mas sim que tenhamos cuidado naquilo que estivermos informando. Nada como um pequeno passo após o outro. As gerações futuras agradecerão nossos esforços de hoje.

Referências:

[1] Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, FEB, 76a. Edição, (1995).

[2] A. F. da Fonseca, Revista Internacional de Espiritismo, março, p. 93 (2003).

[3] F. Capra, O Tao da Física I, Editora Cultrix LTDA, 15a. Edição, (1993).

[4] A. Kardec, Revista Espírita 8, p.257, (1861).


1 Na matéria da referência [2] o leitor encontrará, também, um comentário a respeito das críticas ao famoso livro “O Tao da Física”[3].

Fonte: http://www.espirito.org.br/portal/artigos/geae/fisica-quantica-1.html

Obs: Os grifos são do próprio site.

A segunda parte vem logo abaixo ↓↓
Título: Re: Espiritismo & Física Quântica - Um alerta aos espíritas
Enviado por: Shadowrun em 28 de Setembro de 2011, 23:42
Física Quântica e Espiritismo II: Comentando Alguns Paradoxos

Alexandre Fontes da Fonseca

Os fenômenos ao nível quântico apresentam características completamente diferentes das que observamos no nosso cotidiano. No entanto, é prematuro crer que eles sejam causados por agentes de ordem divinos ou espirituais.

Na matéria anterior[¹], apresentamos um alerta a respeito de algumas afirmativas envolvendo idéias da Física Quântica e idéias espíritas ou espiritualistas. Pretendemos aqui comentar por que os paradoxos oriundos dos fenômenos quânticos geram a idéia de que Deus ou algo espiritual sejam a causa ou a origem de tais fenômenos. Pretendemos, também, discutir a respeito de uma proposta espiritualista feita pelo professor de Física Quântica, Prof. Dr. Amit Goswami, em seu livro “O Universo Auto-Consciente”[²], para solucionar esses paradoxos. O Prof. Goswami foi um dos convidados internacionais no IV Congresso Nacional da Associação Médico Espírita do Brasil ocorrido em São Paulo, entre os dias 19 e 20 de junho de 2003.

Um dos fenômenos de natureza quântica que desperta exclamação nas pessoas leigas em geral é o chamado Salto Quântico, onde uma partícula “desaparece” da posição (ou estado) em que está e “aparece” em outra posição (ou estado) sem viajar através das posições (ou estados) intermediários entre o ponto (estado) inicial e final. Esse fenômeno sugere o pensamento de que a partícula se desmaterializa na posição inicial e se materializa, em seguida, na posição final. Assim, surge a idéia de se comparar esse fenômeno com o que a Doutrina Espírita descreve como sendo o efeito físico de materialização de objetos. O erro ocorre, primeiramente, porque partículas isoladas não são comparáveis a objetos macroscópicos. Pensar que “a partícula é desmaterializada aqui e materializada ali” é uma forma “clássica” de se pensar, isto é, é uma forma de pensar de acordo com o nosso costume de analisar os movimentos dos objetos macroscópicos. Não existe suficiente informação para concluir se o fenômeno de materialização ou desmaterialização de objetos macroscópicos ocorre da mesma forma como descrito com um salto quântico. Vale lembrar que os mecanismos do salto quântico são ainda uma incógnita para a Ciência.

Outra característica interessante é a chamada dualidade onda-partícula onde um objeto quântico, apresenta características ora de partícula, ora de onda, dependendo de como “olhamos” para ela, isto é, de como o experimento é feito para detectá-la. O aspecto que chama a atenção é o caráter subjetivo do resultado do experimento: ele depende da nossa escolha. Voltaremos a esse ponto adiante.

Existe um postulado da Mecânica Quântica chamado colapso da função de onda. Por função de onda, entende-se uma função matemática associada às propriedades físicas de uma dada partícula ou sistema formado por um conjunto delas. Segundo a Mecância Quântica, o estado de uma partícula, antes de se fazer uma medida, é representado por uma superposição de todas as situações possíveis. Apenas após a medição é que algum dentre os possíveis valores de uma dada grandeza física se manifesta. É dito, então, que a função de onda colapsou para o estado representado pelo valor da grandeza medida. A partir daí, dependendo da propriedade física, se não houverem interferências externas, a partícula se caracterizará por possuir o mesmo valor que foi medido para a tal propriedade. Aqui, como no caso da dualidade onda-partícula, o observador tem um papel decisivo na caracterização das propriedades das partículas.

Um outro fenômeno que foi constatado experimentalmente é o chamado fenômeno de não-localidade. Num arranjo experimental conhecido como “experiência de Einstein-Podolsky-Rosen” verificou-se ser possível o envio de uma informação de modo instantâneo de um ponto a outro do espaço. O salto quântico e o colapso da função de onda seriam, também, exemplos de fenômenos não-locais.

Não é preciso citar outros exemplos para percebermos que esses fenômenos que acontecem com as partículas da matéria são completamente diferentes daquilo que vemos ao nível macroscópico. Esse caráter estranho e misterioso que tais fenômenos apresentam têm levado alguns irmãos nossos do movimento espírita a formularem extrapolações de ordem espiritualista para explicá-los. Apesar da intenção nobre de verificar o acordo entre o Espiritismo e os avanços da Ciência, tais estudos precisam ser feitos com um rigor ainda maior do que aquele que caracteriza um trabalho usual de pesquisa científica, pois a responsabilidade de divulgar uma idéia espírita ligada à Ciência é muito grande. Imagine o leitor o que pensará um cientista ao ler alguma interpretação errada de algum conceito científico. Poderemos afastar o seu interesse no Espiritismo por causa de uma idéia ou colocação errada.

Desejamos comentar algo a respeito do trabalho do Prof. Dr. Amit Goswami que propõe a chamada Filosofia Idealista como solução para os paradoxos que apresentamos anteriormente. Segundo Goswami[²] uma solução seria postular-se a existência de uma consciência maior ou consciência cósmica que seria onipresente (para resolver o problema da não-localidade) e estaria ligada a cada ser humano (para resolver o problema do colapso da função de onda).

Esta proposta é interessante do ponto de vista espiritualista e, ao nosso ver, se constitui na primeira proposta espiritualista mais séria envolvendo questões de ordem científica. Note que utilizamos a palavra espiritualista e não espírita. A razão para isso é que, em nossa análise, apesar da proposta do Prof. Goswami introduzir a existência de uma consciência que poderia ser considerada, em princípio, como o Criador, ela não resolve o problema do Espírito. Segundo a sua proposta, a nossa consciência individual não existiria de forma independente do corpo físico. Isso está em franco desacordo com a Doutrina Espírita que afirma que somos a “individualização do princípio inteligen-te”[³] (questão 79 de O Livro dos Espíritos), e que o princípio inteligente independe da matéria.

Como o Prof. Goswami foi um convidado especial no MEDINESP 2003, é preciso reafirmar o alerta que fizemos na matéria anterior[¹] de modo a orientar o leitor a receber as suas idéias e opiniões com precaução. Faço minhas as palavras do espírito de Erasto (Revista Espírita [4]): é preferível “rejeitar 10 verdades do que aceitar uma só mentira”(grifos nossos).

Aproveitamos, ainda, esta oportunidade para convidar o leitor amigo ao exercício da ponderação quando ler ou ouvir dizer, mesmo dentro do movimento espírita, que disciplinas científicas como a Física, a Química ou a Biologia estão provando as idéias espíritas. Devemos ter cuidado com o material divulgado que leva o adjetivo de espírita. Mesmo as pesquisas mais sérias, como é o caso da proposta do Prof. Goswami, não podem ser tomadas como verdades resolvidas. Seria interessante consultar vários profissionais da área de Física, Química ou Biologia antes de se dar crédito a essa ou aquela proposta ou teoria. Seria de grande importância que os autores e escritores que divulgam trabalhos espíritas nesses campos que publiquem a explicação completa dos mecanismos de suas propostas. Isso nos ajuda a fazer uma análise crítica de cada idéia. Uma afirmativa não tem valor científico só porque está ligada a um tema científico. Mesmo autores que são profissionais em Ciência devem ser questionados já que isso não é garantia de que suas idéias são verdadeiras.

Ainda sobre os paradoxos da Mecânica Quântica, vale lembrar que para a comunidade científica eles ainda não foram completamente pesquisados e esclarecidos. A atitude mais prudente é esperar pelo desenvolvimento dessas pesquisas de modo a termos mais certezas e seguranças sobre o assunto.

Como físico, posso dizer que, apesar de não conhecermos ainda os seus mecanismos mais profundos, os fenômenos descobertos pela Física Moderna não estão em desacordo com os princípios básicos da Doutrina Espírita. E o que considero, particularmente, importantíssimo: eles (os fenômenos da Física Moderna) não sugerem que ela (a Doutrina Espírita) precise ser atualizada.

Referências:

[¹] A. F. da Fonseca, Jornal Alavanca n. 485, p. 5, (2003) & Boletim Geae Número 465 de 4 de Novembro de 2003.

[²] A. Goswami, O Universo Autoconsciente, Editora Rosa dos Tempos, 4a. Edição (2001).

[³] A. Kardec, O Livro dos Espíritos, FEB, 76a. Edição (1995).

[4] A. Kardec, Revista Espírita 8, p.257, (1861).


Alexandre Fontes da Fonseca – afonseca@rutchem.rutgers.edu

Department of Chemistry, Rutgers, The State University of New Jersey, Piscataway, New Jersey, 08854-8087, USA

Instituto de Física da Universidade de São Paulo, São Paulo, S.P.

(Publicado no Boletim GEAE Número 465 de 4 de novembro de 2003)

Fonte: http://www.espirito.org.br/portal/artigos/geae/fisica-quantica-2.html

Mais artigos do autor: http://aeradoespirito.sites.uol.com.br/A_ERA_DO_ESPIRITO_-_Portal/ARTIGOS/Indice/INDICE_ArtigosAF.html
Apesar de ser apenas uma opinião pessoal do autor, é muito animador esse comentário vindo de um cientista.
Citar
Como físico, posso dizer que, apesar de não conhecermos ainda os seus mecanismos mais profundos, os fenômenos descobertos pela Física Moderna não estão em desacordo com os princípios básicos da Doutrina Espírita. E o que considero, particularmente, importantíssimo: eles (os fenômenos da Física Moderna) não sugerem que ela (a Doutrina Espírita) precise ser atualizada.
Título: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Maio de 2015, 15:19
                                                                   VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.



                        Física Quântica e Espiritismo: Um alerta




                       
 
Apesar dos fenômenos ao nível quântico revelarem uma realidade muito diferente da que estamos habituados, carecemos ainda de maiores pesquisas antes de afirmar que a Física Quântica está confirmando os princípios espiritualistas.
 
 
A Física Quântica tem sido considerada, no meio espírita, como em alguns grupos religiosos, como sendo aquela que vai confirmar a existência de Deus e do espírito. Nesta matéria, temos um ponto de vista mais cuidadoso do que é normalmente apresentado. De fato, os fenômenos ao nível quântico têm feito os cientistas se sentirem incomodados e perplexos já que eles mostram que na realidade os nossos cinco sentidos nos fazem crer numa verdade ilusória. Porém, isso não significa que a Física Quântica esteja admitindo a existência de “algo exterior” ou “além da matéria”, conforme proposto pelas doutrinas espiritualistas. O movimento espírita deve, portanto, ser cuidadoso ao divulgar idéias ligadas aos fenômenos espíritas e àquelas propostas pela Física.
 
Nesta matéria um importante alerta é feito: afirmativas como “o perispírito causa a flutuação do vácuo quântico”, “a Física Quântica prova a existência de Deus” e “o espaço-tempo negativo representa o mundo espiritual”. Estas afirmativas carecem de credibilidade tanto científica como espírita, porque não foram obtidas conforme critérios científicos e da Doutrina Espírita. Não se sabe como essas conclusões foram obtidas e que passos teóricos e experimentais foram seguidos para obtenção do resultado final. Para que uma afirmativa seja considerada científica, não basta que ela envolva um assunto científico e nem que o autor dessa afirmativa seja cientista. É preciso que seja apresentada uma explicação mais detalhada e doutrinariamente embasada.
 
 Apesar das nobres intenções de nossos irmãos que divulgam essas idéias, elas podem trazer conseqüências negativas para o movimento espírita. Para entendermos melhor o enfoque do problema, citamos Kardec (item VII da Introdução de O Livro dos Espíritos [1]): “Na ausência de fatos, a dúvida é a opinião do homem prudente”. Esta é a principal razão pela qual se deve tomar cuidado na divulgação de idéias e teorias espíritas que utilizem conceitos das outras ciências. Como os paradoxos da Física Quântica ainda não foram resolvidos pelos cientistas, é prudente esperarmos pelo desenvolvimento das pesquisas nesta área, de modo que possamos, como espíritas, nos posicionarmos melhor perante elas. Pelo simples fato de que nem todos os resultados experimentais da teoria quântica foram totalmente explicados, não autoriza ninguém a afirmar, por exemplo, que Deus ou o espírito é que estão por trás desses fenômenos. Esta atitude é equivocada, não-científica e, o que é pior, expõe o Espiritismo a críticas desnecessárias, afastando as pessoas que trabalham no meio científico e que conhecem bem o assunto.
 
Novas descobertas causam enormes revisões nos modelos teóricos existentes, demonstrando a fragilidade e o caráter efêmero das recentes teorias da Física. Recentemente tivemos a oportunidade de comentar a respeito desta fragilidade na Física, devido a uma importante descoberta na Física de partículas, e comparar com a solidez da Doutrina Espírita que passou incólume perante todos os descobrimentos do século XX [2]. Esta solidez se dá justamente porque o Espiritismo é uma doutrina baseada em fatos experimentais [2]1.
 
Comumente critica-se a comunidade científica por não se interessar pelas questões espiritualistas, no entanto, essa postura é bastante prudente. Imaginem se a Ciência desse crédito a toda teoria espiritualista que diz basear-se na Física Quântica [3] para provar a existência de Deus, do espírito ou qualquer outro princípio. Uma pesquisa rápida na internet mostra que existem grupos e seitas religiosas que se utilizam da Física Quântica para darem respaldo aos mais variados assuntos. É importante saber que a comunidade científica prefere rejeitar tais idéias do que se arriscar com uma que seja completamente equivocada. Não foi isso que Kardec nos orientou com relação a novas questões? O espírito de Erasto nos orienta: “mais vale repelir dez verdades que admitir uma só mentira, uma só teoria falsa” [4].
 
Por outro lado, esta afirmação não impede ao leitor de estudar e pesquisar seriamente tais fenômenos. Propostas teóricas serão sempre bem vindas. Porém, é preciso que o pesquisador entenda perfeitamente tanto as informações científicas quanto a Doutrina Espírita. É necessário que cada proposta teórica seja consistente tanto com os fenômenos materiais, quanto com os doutrinários aos quais se referem. Um ponto importantíssimo é que qualquer idéia ou sugestão não comprovadas cientificamente deve ser divulgada e declarada como tal e não como uma certeza científica. Isto é importante, pois orienta os futuros leitores quanto ao atual status da pesquisa em determinados assuntos.
 
Na próxima matéria pretendemos explicar porque alguns fenômenos ao nível quântico geram uma idéia de que algo de origem divina esteja por trás deles. Comentaremos alguns pontos positivos e negativos a respeito da recente proposta espiritualista feita pelo físico Prof. Dr. Amit Goswami para solucionar os paradoxos da Física Quântica.
 
Lembremos ainda o ceticismo de Allan Kardec com relação às mesas girantes antes de conhecer melhor as causas do fenômeno. Achava ele que se tratava de um frívolo divertimento sem objetivo muito sério. Mas após constatar o fenômeno, buscou interpretá-lo à luz dos conhecimentos científicos da época. E, percebendo que os fatos tinham origem inteligente, Kardec iniciou um longo e paciente trabalho de pesquisa onde, somente após muita observação, estudo e questionamento, publicou sua primeira obra, O Livro dos Espíritos. Caros irmãos de ideal espírita, a ciência se desenvolveu muito desde então, porém, o exemplo do Codificador permanece tão atual quanto o foi em sua época. Sigamos o seu exemplo trabalhando na pesquisa espírita com muita perseverança, paciência, observação, meditação, estudo e, só então, depois de muita análise e muita autocrítica, é que devemos levar a público os frutos de nossa pesquisa. Não é necessário pressa, mas sim que tenhamos cuidado naquilo que estivermos informando. Nada como um pequeno passo após o outro. As gerações futuras agradecerão nossos esforços de hoje.

Referências
[1] Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, FEB, 76a. Edição, (1995).
[2] A. F. da Fonseca, Revista Internacional de Espiritismo, março, p. 93 (2003).
[3] F. Capra, O Tao da Física I, Editora Cultrix LTDA, 15a. Edição, (1993).
[4] A. Kardec, Revista Espírita 8, p.257, (1861).
 
1 Na matéria da referência [2] o leitor encontrará, também, um comentário a respeito das críticas ao famoso livro “O Tao da Física” [3].


          Alexandre Fonseca









                                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: skidwasted em 22 de Maio de 2015, 17:16
O que me dizem destes vídeos?
https://www.youtube.com/watch?v=ipoVloo0AAE
https://www.youtube.com/watch?v=CNwA4wLWCv0
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Vitor Santos em 22 de Maio de 2015, 20:32
Amigo Jorge

Já é costume o amigo citar aqui artigos interessantes. Este, para mim, é inequivocamente um deles.

A expressão "física quântica" é uma expressão que se tornou um cliché muito usado no âmbito da literatura e palestras relacionadas com espiritualidade.

Dean Radin, Phd, um reconhecido investigador cientifico destas áreas, num dos seus livros diz que a palavra "quântica" é associada a tanta coisa e dita por milhões de pessoas que não sabem sequer do que estão a falar, a pontos de ter a usar para captar a atenção e para não ofender as pessoas que falam nisso, no âmbito em questão.

Quando uma mentira é repetida milhares de vezes acaba por ser tomada como verdade, pelo menos para quem não percebe e/ou não pensa um pouco no assunto. A mecânica quântica, como é mais correto chamar, porque não é uma física alternativa, mas um ramo da física convencional, não é uma mentira. É uma teoria cientifica, já com 100 anos, ou mais, devidamente comprovada.A ligação da mesma à espiritualidade, levada à letra, é que é a mentira que pegou e é largamente propagada. Segundo a minha opinião, não querendo ofender e respeitando quem não pensa assim. Na verdade não é bem uma mentira, mas uma extensão de um modelo cientifico para fora dos limites em que ele faz sentido.

O artigo que o Jorge cita explica isso muito bem, tendo em conta o respeito pelas ideias alheias, sem qualquer tipo de agressividade. Gostei muito.
   
O que me apetece dizer, quando me chegam com  palavreado que inclui a palavra "quântica", é que vão estudar do que estão a falar. Sobretudo ás pessoas mais instruídas nas área cientifico-tecnológicas, que têm obrigação de ser cuidadosas e menos trapalhonas. A maioria das pessoas nem bases matemáticas tem para entender o que significa mecânica quântica, ainda que o queira. O estudo que as pessoas alegam ter, em regra, é ver uns vídeos de propaganda a determinadas pessoas que querem vender livros, e são tão de confiança quanto o lobo que garante à ovelha que não lhe morde.




Para compreender a questão não é preciso ter bases matemáticas. Basta pensar um pouco. Com efeito o espiritualismo moderno, que nasceu na época de Kardec, mais ou menos, tal como os Yoguis, por exemplo, explicam que o homem não é um corpo de carne mortal, mas um espirito imortal, associado temporariamente ao corpo. Esse espirito ou alma é algo inteligente, criativo, autónomo e não uma máquina subtil.

Se eu acreditasse que o espirito é uma máquina natural, embora construida a partir de uma substância com um comportamento diferente do que a matéria comum, com outras propriedades, eu seria o que costumamos chamar de "materialista". Só acreditaria que o homem é uma mera máquina natural e mortal, de carne, a que chamamos corpo.

É a diferença entre o ser espiritual e uma máquina natural, ou construida pelo homem, um dos princípios basilares das ideias espiritualistas, que as distinguem das materialistas. Um ser espiritual é autónomo e criativo, tem vontade própria, é consciente de si mesmo e é imortal. Imortal no sentido em que reconhece, nas respetivas memórias, um fio de ligação, uma linha continua, entre o que foi e o que é, apesar de se ir transformando e aperfeiçoando.

É a crença na existência desse ser espiritual imortal que caracteriza os espiritualistas modernos. E eu desafio qualquer pessoa a demonstrar, através da mecânica quântica, ou seja porque teoria ou via cientifica for, que somos espíritos imortais.


Os estudos que se podem fazer, nesse sentido, e por enquanto, não é detetar nem explicar a existência dos espíritos por via de modelos teóricos científicos. É mais um estudo tipo detetive, conferindo informações dadas pelos espíritos que as pessoas não podiam saber de outra forma, registando previsões de acontecimentos que ninguém, em particular, controla, é um familiar nosso se apresentar a um médium antes de sabermos que ele faleceu, é um efeito físico inexplicável de outra forma, etc., etc. E até isso é cada vez mais difícil porque com a sofisticação tecnológica as técnicas dos profissionais do ilusionismo quase parecem mesmo magia. Daí as experiências terem de ser controladas em ambiente cientificamente altamente controlado,

Se acredita que alguém lhe pode apresentar livros e/ou palestras que expliquem cientificamente, em termos das ciências ditas exatas, tal como quem explica uma reação química ou um fenómeno da física, seja através da mecânica quântica ou de outra disciplina, a prova de que os espíritos existem, está muito enganado. E bem pode esperar sentado pelo dia em que isso irá acontecer... :D       

A ciência pode ter um importante papel, mas para usar no controle e registo filmado e de outros indicadores importantes, para garantir a exclusão de explicações alternativas,o controle rigoroso das experiências com médiuns, tal como faz a Dra Julie Beischel e respetiva equipa, na Universidade do Arizona, por exemplo. Mas a base da comprovação continua a ser da mesma natureza de que a que Kardec fazia, embora com meios incomparavelmente mais sofisticados: através de médiuns.

Os casos de quase morte, que são relatos feitos por pessoas, também só são de interesse, como comprovação quando a pessoa, em estado de quase morte cerebral, descreve factos que ocorreram sem que ela, de modo algum os pudesse conhecer por outras vias,   

Os casos de crianças que afirmam que se lembram da última encarnação, também são válidos apenas quando a criança descreve factos que ocorreram na vida carnal anterior e que ela nem os pais nem ninguém lhos pudesse ter transmitido por outra via, que veem a ser confirmados.   
   
Podemos olhar para um moribundo, examiná-lo com instrumentação cientifica, da cabeça os pés, nos mais pequenos detalhes, que não vamos encontrar nele um espirito imortal. Todavia ele poderá descrever um familiar que lhe aparece que ele nunca conheceu, nesta encarnação, por ter falecido antes dele o conhecer. E essa sim, será uma comprovação.   
 
Bem hajam
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Maio de 2015, 01:39
Já não é mais suficiente as lentes que aumentam ou as lentes que diminuem...
E mesmo os sentidos que captam o visível e o invisível...
quem dirá o imensurável !
Já não são mais precisos

O descobrir e o saber parece-me que é invejado pelo inventar
ou melhor...encoberto

E a verdade todos querem ter a patente
mesmo que seja  por trapacear

Estou ficando velho...
Logo logo chega minha hora de continuar


Estou muito atrasado para este mundo(utópico) que pintam
devo buscar outro mais atrasado
Esta é a minha verdade

Não entendo nada destas físicas
mesmo estudando.
A onda eu já entendo (na mente)

Saudades das pedras
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: lconforjr em 25 de Maio de 2015, 02:31

..............

      Amigos, é preciso pensar e refletir muito a respeito do que foi colocado na msg inicial, comparando-o com o conteúdo das revelações que deram nascimento à  física quântica e que dividiram a ciência do mundo em "antes" e "depois" delas, 

      Esta, de início, causou enormes perturbações àqueles renomados cientistas (entre eles, os famosos Einstein, Plank, Bhor), que chegaram a duvidar do que as experimentações científicas lhes mostravam. Foi qdo Eistein, perturbado e duvidando da realidade que a nova ciência mostrava, disse: "mas Deus não joga dados!!".

      Posteriormente, depois de, com outros, ter tentado provar que a nova física estava errada (realizando experimentos q deveriam  provar isso e desacreditá-la, mas que, ao contrário do que esperava, vieram a dar mais credibilidade à nova física) convencido, teria dito: "mas, se não é Deus, quem é que está jogando!".

     Chegaram a afirmar, como Einstein: "não há mais um só palmo de chão firme, sobre o qual se possa edificar alguma coisa!", e, tb Einstein: "toda a ciência do mundo tem de ser reinterpretada, pois acreditávamos que estávamos investigando o mundo, mas apenas tínhamos nas mãos uma mal feita caricatura do mundo!".

     Outros, perturbados e assombrados, diziam: "Como a natureza pode ser tão absurda?!"; e diziam isto que parece ser uma mentira: "a realidade está se mostrando mais estranha do que a ficção!".

     E essas perturbações somente desapareceram qdo, pesquisando, investigando e comparando, se percebeu q, aquilo que as revelações mostravam, estranho e perturbador, podia ser explicado, ou era a mesma coisa q  tradições milenares (de milênios antes de Cristo),  tentavam ensinar ao mundo. Com os sofisticados e caríssimos laboratórios e instrumentos de pesquisa de última geração, os cientistas, somente agora,  séculos depois, chegavam às mesmas revelações que homens decididos a encontrar o sentido da vida, a buscar Deus, já haviam chegado apenas com o instrumento da própria mente.

      Os amigos poderão entender melhor o que digo, se estudarem a obra (como muitos disseram, mais fascinante dos últimos tempos): "O Tao da Física", do tb renomado Ken Wilber.     

.................................

Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Vitor Santos em 25 de Maio de 2015, 20:30
Olá amigo Iconforjr

A mecânica quântica, como muito bem explicou, citando nomes de cientistas que estavam no auge no inicio do séc. XX, pode ter criado estupefação e entusiasmo. Mas a mecânica quântica foi integrada na física e na química e hoje é um conjunto de conhecimentos científicos, como quaisquer outros. Hoje a mecânica quântica já não causa espanto, pois os estudos da mesma começaram à 100 anos, ou mais.

Todavia desafio o amigo para me informar sobre qualquer artigo cientifico, em revistas credíveis, peer-reviewed que relacione espiritualidade e mecânica quântica. A ciência jamais fez essa associação. Livros e filmes de ficção cientifica talvez.

E já agora, se sabe tanto disso, gostava que me explicasse a relação que existe entre a mecânica quântica e a crença que nós somos espíritos imortais, provisoriamente associados a corpos de carne mortais, tal como a DE nos ensina, baseado em trabalhos científicos, artigos peer-reviewed, publicados na Nature e/ou outras do mesmo tipo. 

Eu até gostava de ser surpreendido e de ser eu que estou enganado. E que, sem eu saber, a ciência já tenha descoberto, aceitado e comprovado que somos espíritos imortais. Seja via mecânica quântica, seja por outra via. Era uma grande alegria para mim, mas Infelizmente não é assim. Talvez um dia o venha a ser, mas não conto que possa ser nesta minha encarnação. Por agora essa conversa de que  a ciência confirma o espiritismo, só descredibiliza o espiritismo perante a ciência. Para se afirmar algo devem-se apresentar as evidências do que dizemos.

Cientistas reformados sensacionalistas, a querer vender livros, documentários e palestras, fora do âmbito do trabalho cientifico que realizaram, como cientistas, podemos encontrar. Por exemplo Amit Goswami. Mas uma coisa é ciência, outra é ficção cientifica. Eles que demonstrem primeiro lá aos colegas cientistas as teorias deles, pois são as pessoas que têm conhecimentos e meios que podem atestar as hipóteses que eles lançam,

Bem haja
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Norizonte da Rosa em 26 de Maio de 2015, 00:50
Citar
Por outro lado, esta afirmação não impede ao leitor de estudar e pesquisar seriamente tais fenômenos. Propostas teóricas serão sempre bem vindas. Porém, é preciso que o pesquisador entenda perfeitamente tanto as informações científicas quanto a Doutrina Espírita. É necessário que cada proposta teórica seja consistente tanto com os fenômenos materiais, quanto com os doutrinários aos quais se referem. Um ponto importantíssimo é que qualquer idéia ou sugestão não comprovadas cientificamente deve ser divulgada e declarada como tal e não como uma certeza científica. Isto é importante, pois orienta os futuros leitores quanto ao atual status da pesquisa em determinados assuntos.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/accao-do-dia/fisica-quantica-e-espiritismo-um-alerta/#ixzz3bCGdbPh6

(grifo meu).

Texto muito bom!

É natural que ao lermos, tenhamos nossas conclusões e até convicções (ninguém lê algo e deixa de tirar suas conclusões e  opinar, baseado no que se leu, é natural); o problema é quando essas convicções pessoais viram afirmações com caráter de certeza.
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Vitor Santos em 26 de Maio de 2015, 10:40
Olá amigo Norizonte

Completamente de acordo. E o que você diz não se aplica apenas a afirmações que ligam ou tentam ligar a ciência ao espiritismo. Aplica-se a todas as afirmações. Particularmente todos aqueles que optaram por ser vozes do espiritismo em Associações Espiritas, nas Federações Espiritas, em eventos Espiritas, tanto sob forma escrita como em palestras. São esses que o público toma como rosto do espiritismo, e que realmente o são, para o exterior. Têm uma responsabilidade acrescida.

E, em minha opinião, se o movimento espirita for inteligente e coeso deve manifestar-se em público apenas em matérias de consenso. Caso queiram debater devem fazê-lo em reuniões particulares. De outra forma, as pessoas que encontram o movimento pela primeira vez, no caminho delas, ao ouvir ou ler coisas diferentes, encontram logo motivo para deduzir falta de credibilidade: a falta de coerência e o caos doutrinário, em geral. Não encontram apenas uma mensagem espirita essencial, mas várias. Algumas contraditórias, em alguns aspetos.   

Em reuniões particulares, e mesmo aqui no fórum, é diferente (também dependendo do tópico em que se está), porque as pessoas não tomam as afirmações como representativas do movimento espirita, pelo menos as que entendem o espirito do fórum. Embora este último seja baseado na Doutrina Espirita é um espaço plural, de debate. Esperam-se opiniões diferentes senão não exisitiria debate. Muitas pessoas que aqui escrevem não são espiritas e manifestam ideias diferentes, algumas até opostas à Doutrina Espirita, e muitas servem-se mesmo do fórum para propagar outras doutrinas, umas de forma "fraudulenta", a titulo de espiritismo, outras, com mais lisura, explicando que não estão a tentar ensinar e/ou aprender espiritismo, mas a expressar-se sobre outras correntes de pensamento.

Se este fórum deixar de ser plural deixa de ser interessante. Mas há moderadores, que, por vezes, não entendem isso e empobrecem o mesmo. Todavia, em geral, temos de admitir que existem aqui pluralidade de opiniões e debates de âmbito alargado.

O fórum renasceu, numa 2ª "encarnação", precisamente porque na 1ª encarnação estava associado a uma organização que tinha caráter de orgão responsável e muito visivel do movimento espirita e morreu. Foi um grupo de pessoas que, em particular, resolveram dar continuidade ao projeto, entre as quais eu mesmo, mas desta feita independente da organização que promoveu a primeira encarnação.

Bem haja 
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: lconforjr em 26 de Maio de 2015, 20:20

...............

      Amigos, corrijo o que errei na resp #4, em: Ontem às 02:31: o autor do livro "O Tao da Física" é Fritijof Capra.

................
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: lconforjr em 26 de Maio de 2015, 21:21
Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta

     Ref resp #2 em: 22 de Maio de 2015, 20:32, de Vitor

     Conf: é isso mesmo, amigo Vitor, e a palavra “quântica” é tão usada por tantos e por quem não sabe o que seja a ciência do mesmo nome, como a palavra “misticismo” ou “místico”, que muitos acreditam que se referem a coisas pelos menos esquisitas, fantasiosas, ou que não merecem consideração.

      Quanto ao seu desafio, “E eu desafio qualquer pessoa a demonstrar, através da mecânica quântica, ou seja porque teoria ou via cientifica for, que somos espíritos imortais”, vc também tem razão; primeiramente, pq a ciência não tem condições de fazer isso, talvez nunca tenha; trata apenas de coisas relativas ao que é perceptível  pelos sentidos objetivos, ao mundo material, aquilo que têm forma, cor, som, odor, sabor, peso, enfim, palpáveis, embora já, de uns tempos para cá, se aventure a tratar de coisas impalpáveis, pela psiquiatria e psicologia.

      O que acontece de muito interessante, e estranho e perturbador inclusive para os próprios cientistas, em relação à mecânica quântica, é o fato de se haver constatado que suas revelações, de início absurdas, perdiam o absurdo, pois podiam ser explicadas, ou mesmo eram semelhantes, ou até mesmo iguais, ao que tradições espiritualistas, ou pesquisadores, já desde séculos ou milênios antes de Cristo, tentavam ensinar ao mundo; com os sofisticados e avançados laboratórios e instrumentos de pesquisa de última geração, os cientistas, somente agora, séculos ou milênios depois, chegaram às mesmas revelações que homens, decididos a encontrar um sentido para a vida, a buscar Deus, já haviam chegado apenas com o instrumento da própria mente. 

      Assim, as revelações das tradições espiritualistas explicam a física quântica, do mesmo modo que a física quântica explica as revelações das tradições espiritualistas!

.............
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 27 de Maio de 2015, 00:56
Uma vez li uma notícia
de que a física quântica provava a existência de Deus
e postada até por religiosos

Bom !

Sorri né !

Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Vitor Santos em 27 de Maio de 2015, 11:28
Olá amigo Iconforjr

As noções de mecânica quântica normalmente evocadas são antigas, pouco mais recentes do que a DE de Allan kardec. Não houve novidades nos últimos 50 anos em relação aos conceitos básicos da mecânica quântica. Ao que estudei quando aprendi as bases da física, da química e de outras disciplinas durante a minha formação académica, e ao longo da vida, sobre esses assuntos, nada se pode inferir da mecânica quântica que possa ser considerado um indicio de que somos espíritos e que não somos apenas um corpo de carne mortal. Não sou um perito em mecânica quântica, nem um cientista, mas tenho alguma formação nestas áreas. Por isso podem escapar-me conhecimentos. Mas nesses videos e artigos não científicos, mas que são apresentados como tal, por vezes, o que eu identifico não são conceitos que eu ja nao conheça, o que eu identifico são dissertações fantasiosas, em nome da ciência, generalizações inválidas. Se tomarmos isso como uma linguagem alegórica, em que se fazem analogias com conceitos científicos, são aceitaveis. Se tomassemos isso a letra seriam um aproveitamento fradulento para enganar quem não está dentro dos assuntos, ou não tem bases académicas para os compreender.A própria linguagem dos yoguis, pessoas treinadas segundo métodos baseadas nos ensinamentos de Patanjali, quando falam nos siddhis, ou seja fenómenos paranormais, também não e cientifica e clara. E alegórica, pois les tentam explicar o que percecionam e as habilidades de que são capazes (umas reais outras lendárias), Mas o que eles percecionam só quem vive a experiencia deles compreende. Portanto comparar as palavras dos gnósticos e religiosos da antiguidade com conceitos científicos seria comparar dados positivos, evidencias demonstraveis no âmbito da ciência com conceitos vagos, simbólicos, que resultam de experiências pessoais com a ciência. Ainda que se possam considerar verdades, se bem entendidos, para aqueles que as experenciaram, pelo menos, ainda que possam produzir evidencias palpáveis.

A mediunidade e algo que e experimentado pelos médiuns ostensivos. Todavia, esses médiuns terão dificuldade de descrever o qu se passa com eles, em transe, porque não há termo de comparação para quem nunca viveu esse tipo de experiencia, que são a maioria das pessoas. Mas isso não significa que são fenómenos mal explicados ou que são fraudes. Uma pessoa que tivesse vivido isolada num pais equatorial, sempre quente tem dificuldade de compreender o conceito de frio, pois nunca viveu a experiencia de ter frio (o exemplo fraco, mas creio que se percebe o que quero dizer.

Em conclusão podemos fazer divagações em torno do paranormal e da ciência, fazer comparações simbólicas, mas dificilmente podemos dizer que a ciência e os sábios antigos se referiam ao mesmo. Isso implicaria um estudo muito profundo, baseado em dados históricos e antropológicos, que dificilmente produzia resultados aceitaveis.

Bem haja






Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 27 de Maio de 2015, 13:41
Obrigado Vitor Santos
pela colocação bem elaborada

Nos direcionam muito bem aos estudos.
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: lconforjr em 27 de Maio de 2015, 13:51
Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
      Ref resp #11 em: 270515, às 11:28, de Vitor Santos

      Bom dia, amigos.
      Bom dia, amigo Vitor.

      Certamente, vc tem razão em tudo isso que disse: as noções da quântica são recentes, novas, de cem anos para cá. Mas, observe: são a repetição do antigo, pois reproduzem (e foi isto que perturbou cientistas de conceito ilibado e respeitados pelo mundo, inclusive em seu próprio meio científico) as noções de milênios atrás, de muitos séculos antes de Cristo, trazidas por aqueles que se determinaram a encontrar um significado para a vida.

      Como afirmam os grandes pesquisadores, estudiosos, pensadores, e que também nós, por um estudo demorado, atento, criterioso, profundo, poderemos, eventualmente, constatar, é a verdade, às vezes exata, daquilo a que me referi em respostas recentes, neste mesmo tópico. A quântica quase nada de novo trouxe de novo ao conhecimento dos homens; é apenas a repetição do velho conhecimento dos buscadores de Deus.

      Também, acredito que nada se pode inferir da mecânica quântica que possa ser considerado um indicio de que somos espíritos e que não somos apenas um corpo de carne mortal; como já colocado acima, a perplexidade é a notável semelhança de conhecimento recente, com a sabedoria antiga.

      O que podemos constatar é que, resultante do estudo profundo desses cientistas quânticos, eles asseguram, quanto à questão de sermos ou não espíritos, que “a mente é a única coisa que não tem plural”, que “só existe uma mente e nós somos essa mente”, semelhante ao que aqueles sábios antigos afirmavam, mas muitos consideravam absurdo, como muitos ainda hoje consideram: “a doença do homem é ver dois onde só existe um!”.

      E ninguém precisa ser perito em mecânica quântica, nem ser cientista, para chegar a entender o que estamos dizendo; basta fazer a comparação entre as conclusões (não entre os caminhos das experimentações científicas e fórmulas matemáticas, dos quais tiraram essas conclusões) a que chegou a nova física, com as conclusões a que chegaram aqueles antigos buscadores de Deus. Sem dúvida, se nessas comparações não formos atentos, podem nos escapar muitas das evidencias e não chegaremos a uma compreensão.

      Por isso citei Fritjof Capra, que foi um dos que fizeram essas comparações e, conhecedor da sabedoria desses nossos longínquos antepassados, com seu trabalho, ajudou a desfazer aquela já referida perturbação inicial (“como a natureza pode ser tão absurda?”, “a realidade está se mostrando mais estranha do que a ficção”, “Deus não joga dados”, “tudo que a ciência já nos fez conhecer, tem de ser reinterpretado”, “acreditávamos que estudávamos o mundo, mas só tínhamos em nossas mãos uma mal feita caricatura dele”, “não há mais um só palmo de solo firme sobre o qual possamos construir alguma coisa” etc.

      Bem hajam.
................
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: Vitor Santos em 27 de Maio de 2015, 18:35
Olá

Citar
O que podemos constatar é que, resultante do estudo profundo desses cientistas quânticos, eles asseguram, quanto à questão de sermos ou não espíritos, que “a mente é a única coisa que não tem plural”, que “só existe uma mente e nós somos essa mente”, semelhante ao que aqueles sábios antigos afirmavam, mas muitos consideravam absurdo, como muitos ainda hoje consideram: “a doença do homem é ver dois onde só existe um!”.

Caro amigo, não posso concordar porque a ciência só fala em mente no âmbito de outras ciências que não que inclui a mecânica quântica. A obra escrita que refere também não é cientifica. Mas julgo que percebi a ideia que quer passar.

A DE diz que nós somos apenas espíritos imortais. Que somos um só. Por isso estamos de acordo em relação ao número de seres espirituais que cada um de nós é.

Todavia em relação à mente, depende da definição de mente que o amigo utiliza.

O homem encarnado é um espirito imortal mas em condições especiais. Está associado a um corpo de carne. A mente é como o espirito, um "eu", mas amnésico em relação ao respetivo passado, para montante do nascimento carnal. Em estado normal de consciência, quando acordado, depende do cérebro como intermediário do espirito.

O que eu chamo mente é o "eu" que eu me sinto e perceciono enquanto encarnado. Olho para mim e para os outros e não vejo espíritos, nem o meu próprio espirito, vejo corpos de carne. Nem sequer posso demonstrar a mim mesmo e/ou a outras pessoas que sou um espirito. Esse "eu" não é constante. Varia muito, dependendo de muitos fatores. Se eu estiver cheio de febre não me sinto como quando estou de saúde, aquilo que perceciono parece-me diferente. Não me lembro das encarnações e erraticidades anteriores, enquanto o espirito, em principio lembra. 

Assim, o que me parece, mas que não posso assegurar, é apenas o que me diz a minha intuição, é que o "eu" a que eu chamo mente e que, reforço, para mim mente é o "eu" que me sinto e perceciono enquanto estou na carne, e está localizado no cérebro. Depende das minhas memórias cerebrais para se lembrar do que já se passou. O meu espirito é uma das componentes que interage com a minha mente, mas não é a única. As pessoas poderão atingir estados anómalos de consciência, mas não estou a falar nessas experiências. O espirito regista o que se passa na mente, mas a mente não regista o que passa no espirito, em regra, e em estado normal de consciência.

O "EU" que me sentirei depois da morte carnal terá memórias que podem abranger milénios da minha vida de espirito. Não sente a pressão das necessidades carnais. Não fica doente. A menos que se "vire para dentro" e fique incapaz de percecionar o universo e a si mesmo, e que se concentre nas lembranças do que a mente percecionava, no passado recente. Esse "EU" que é o espirito não é a mente. Durante a perturbação da transição o espirito poderá comportar-se como se fosse a mente, talvez.           

Aqui há alguns anos eu imaginava a mente com uma imagem mental: Um aparelho de televisão. Este último depende do sinal ou sinais de TV que recebe. A ligação ao espirito seria um dos cabos de entrada/ saída de sinal. A ligação ao cérebro e a todo o sistema nervoso, via cérebro, os sinais sensoriais, etc. seriam outro ou outros cabos de sinal de TV que chegavam ao aparelho de TV . A minha mente era o "eu" que olhava para o ecrã.     
 
Na minha conceção de mente, ela é mortal. Só existe com o corpo de carne vivo. O espirito é imortal. E essa diferença diz tudo.

Bem haja   
Título: Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta
Enviado por: lconforjr em 27 de Maio de 2015, 21:02
Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta

      Ref resp #14 em: 270515, às 18:35, de Vitor

      Conf disse (msg ant): “O que podemos constatar é que, resultante do estudo profundo desses cientistas quânticos, eles asseguram, quanto à questão de sermos ou não espíritos, que “a mente é a única coisa que não tem plural”, que “só existe uma mente e nós somos essa mente”, semelhante ao que aqueles sábios antigos afirmavam, mas muitos consideravam absurdo, como muitos ainda hoje consideram: “a doença do homem é ver dois onde só existe um!”.
....
      Vitor: Caro amigo, não posso concordar porque a ciência só fala em mente no âmbito de outras ciências que não que inclui a mecânica quântica. A obra escrita que refere também não é cientifica. Mas julgo que percebi a ideia que quer passar.

      Conf: são da quântica, dos depoimentos de cientistas quânticos (Einstein, Schrodinger, Heisenberg, Plank, Von Neuman, Bohr, Capra), e de obras por eles escritas (neste caso, Capra, Schrodinger, Heisenberg) as referencias que faço à “mente”. Agora, se esses homens notáveis merecem nossa credibilidade, ou se os que em seus livros se reportaram aos seus depoimentos, a merecem, isso é outra coisa. E, como vc mesmo disse, não é por termos considerado por muito tempo algo como sendo verdade, que será verdade. A própria ciência, e a história, têm muitos exemplos disso. Também, não devemos esquecer que, no início, Einstein e outros, duvidando do que a nova ciência lhes mostrava, realizaram experiências com a finalidade de comprovar que aquelas revelações estavam erradas; porém, com o resultado desse trabalho, vieram reforçar a certeza de q estavam corretas. E, mesmo hoje, as conclusões da quântica ainda são alvo de investigação por cientistas.

      Cientistas quânticos e espiritualistas afirmam que, enfim, as velhas e tradicionais adversárias, de vários séculos, religião e ciência, podem se dar as mãos, pois a compreensão das duas, sobre a vida e o mundo, são semelhantes.

      Vitor: Todavia em relação à mente, depende da definição de mente que o amigo utiliza.

      Conf: não sou eu que defino a mente; são os físicos citados; para eles, as mentes individuais, na situação em que estão, em todos e quaisquer instantes (dançando, chorando, sofrendo, matando, abençoando) são a Mente Universal, a Consciência Universal ou Una, que tudo inclui e tudo é, com o que tb concordam aqueles buscadores de Deus.

      Vitor: O que eu chamo mente é o "eu" que eu me sinto e perceciono enquanto encarnado... Esse "eu" não é constante. Varia muito, dependendo de muitos fatores.

      Conf: vc, qdo encarnado, é a sua mente, agora "ego", defesa psicológica inconscientemente criada por vc mesmo, sua defesa frente ao mundo ameaçador ao derredor. Acredita-se único e independente de tudo o mais, pois estará com suas ações e percepções estorvadas por estar vestindo uma pesada vestimenta material e se expressando através de um cérebro que perturba sua compreensão e lhe faz agir da maneira que age. E sua percepção varia muito, pq a vida  em vc e em torno de vc é dinamismo, movimento e mudança sem fim.       
     
      Bem haja.   
..................................
Título: Espiritismo e física quântica.
Enviado por: lconforjr em 21 de Agosto de 2015, 22:27
Re: Física Quântica e Espiritismo: Um alerta

      Como tentei mas não consegui localizar o tópico que tem o título acima, neste coloco uma resposta que devia colocar lá, referida    à resp #14 em: 27 05 15, às 18:35, de Vitor.

      Conf disse (msg ant): “O que podemos constatar é que, resultante do estudo profundo desses cientistas quânticos, eles asseguram, quanto à questão de sermos ou não espíritos, que “a mente é a única coisa que não tem plural”, que “só existe uma mente e que nós somos essa mente”, semelhante ao que aqueles sábios antigos afirmavam (mas muitos consideravam absurdo, como muitos ainda hoje consideram): “a doença do homem é ver dois onde só existe um!”.
....
      Vitor: Caro amigo, não posso concordar porque a ciência só fala em mente no âmbito de outras ciências que não que inclui a mecânica quântica. A obra escrita que refere também não é cientifica. Mas julgo que percebi a ideia que quer passar.

      Conf: são dos depoimentos de cientistas quânticos (Einstein, Schrodinger, Heisenberg, Plank, Von Neuman, Bohr, Capra etc), e de obras por eles escritas, as referencias que faço à “mente”. Agora, se esses homens notáveis merecem nossa credibilidade, ou se os que em seus livros se reportaram aos seus depoimentos, a merecem, isso é outra coisa. E, como vc mesmo disse, não é por termos considerado por muito tempo algo como sendo verdade, que esse algo será mesmo verdade. A própria ciência e a história, têm muitos exemplos disso. Também, não devemos esquecer que, no início, Einstein e outros, perturbados e duvidando do que a nova ciência lhes mostrava, realizaram experiências com a finalidade de comprovar que aquelas novas revelações estavam erradas; porém, com o resultado desse trabalho, vieram a reforçar a certeza de q estavam corretas. E, mesmo hoje, as conclusões da quântica ainda são alvo de investigação por cientistas.

      Cientistas quânticos e espiritualistas afirmam que, hoje, as velhas e tradicionais adversárias, de vários séculos, religião e ciência, podem se dar as mãos, pois a compreensão das duas, sobre a vida e o mundo, é semelhante.

      Vitor: Todavia em relação à mente, depende da definição de mente que o amigo utiliza.

      Conf: não sou eu que defino a mente; são os físicos citados; para eles, as mentes individuais, em qualquer situação em que estejamos, em todos e quaisquer instantes (dançando, chorando, sofrendo, matando, abençoando) são a Mente Universal, a Consciência Universal ou Una, que tudo inclui e tudo é, com o que tb concordam aqueles antigos buscadores de Deus bem como os atuais.

      Vitor: O que eu chamo mente é o "eu" que eu me sinto e perceciono enquanto encarnado... Esse "eu" não é constante. Varia muito, dependendo de muitos fatores.

      Conf: pois é, meu amigo, porq esse “eu” varia muito dependendo de “n” fatores? E esses fatores dependem de quê? Reflita um pouco: é vc mesmo que faz com que sua mente “varie muito”, ou ela varia mesmo contra sua vontade? Afinal, vc é mesmo o dono de seus pensamentos?

      Conf: vc, qdo encarnado, é a sua mente, a que vc chama de “eu”, de “ego”, mas procure perceber se vc tem comando sobre ela ou é ela que comanda vc? Se a mente é dominada por nossos pensamentos, nós os comandamos ou não? Vc é realmente dono de seus pensamentos? Já percebeu qual é a origem deles? Vc tem capacidade de “manipular” seus pensamentos ou o que mais esteja em sua mente, como sentimentos, desejos, vontades, decisões, escolhas? Ou apenas pode, mas não em todos os casos, dominar, não seu íntimo, mas apenas suas manifestações exteriores? Vc já tentou mudar um sentimento de ódio, por mais leve que seja, em um sentimento de amor? Perceba que vc pode controlar, embora nem sempre, seus procedimentos exteriores, mas, nunca, saberá controlar seu próprio coração, nunca seu íntimo! Tente perceber isso!
     
      Vc mesmo, como todos nós, qdo encarnados, criamos, inconscientemente, uma defesa psicológica, que será nossa defesa frente ao mundo ameaçador ao derredor. Cada um se acredita único e independente de tudo o mais, pois estará com suas ações e percepções estorvadas por estar vestindo uma pesada vestimenta material e se expressando através de um cérebro que perturba sua compreensão e lhe faz agir da maneira que vc age. E sua percepção varia muito, pq a vida  em vc e em torno de vc é dinamismo, movimento e mudança sem fim.       

      Bem haja.
...............