Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: Mourarego em 06 de Abril de 2012, 20:06

Título: E agora Doutora?
Enviado por: Mourarego em 06 de Abril de 2012, 20:06
E Agora Doutora?


Sempre tive, do mundo e de tudo  que me cerca, uma visão crítica.
Leio, avalio segundo a cartilha que o tema contenha e no caso de doutrinas como a Espírita, sempre que leio algo, pra emitir uma opinião, mergulho novamente no assinto e de dentro da doutina extraio minha convicção.
Por que ajo assim?
Ora, porque sou Espírita, e procuro, quando o tema me chegue de um relato de um confrade ou de uma palestra, e mesmo de uma resposta num fórum espírita, tenha de antes de qualquer palavra que haja de emitir, saber se o que li, ouvi ou presenciei ser dito, tenha base na nossa doutrina.
Esta a consciência lógica que me faz assim agir.
Quando então é o Movimento Espirita que se pronuncia, pela voz ou escrita de algum confrade ou representante de alguma associação Espírita, tenha ela a especificidade que tenha, então mais ainda me reforço no teor doutrinário.
Este caso é mais um dos que me fizeram sempre, andar londe das associações Espíritas.
É que notei logo a começo, quando fui convidado a integrar uma associação Espírita aqui do Rio de Janeiro, que a maioria destas quer dar luz de verdade espírita a um pensamento ou mesmo convicção tida por alguns de seus integrantes e quando estes estejam aboletados diante de uma mesa dirigente ai a coisa toma matiz de pura verdade, quando verdadeiramente só tenha o caráter de opiniões pessoais, mesmo corretas e justas, mas infeoismente não é o que acontece como neste caso que lhes relato abaixo:
Observava eu, domingo próximo passado, um programa retransmitido pela Rede TV, programa este que é transmitido em caráter nacional.
Como quase sempre, gostava eu da explicação dada pelo mano Raul Teixeira, sempre polido e educado se bem que peque, a meu ver pela prolixidade, causa de muitos desentendimentos aos que o Escutem...
Ele explicava sobre um tem que já foi objeto de muita troca de mensagens aqui no FE, “A forma tida pelos Ets”.
Decerto não credito mais que pouca relevância ao tema, mas entendo perfeitamente que sendo ele causa de muitos desentendimentos e achismos, convinha já que fora instado a responder, que o Raul, explanasse oq ue fez muito bem.
Porém, sempr tem essa porcaria do “porém” né?
O assunto que seguiu-se, já na voz de outro convidado, a Dra. Marlene Nobre, uma integrante da AMR-BR, (Associação Médico Espírita do Brasil), me deixou mais que intrigado, triste mesmo.
O Assunto era sobre experiências com células tronco e claro, o tema suscita muita controvéricia em razão do grande número de “Espiritólicos” existentes no Brasil.
Não se fale mal da capacidade e conhecimento médico da Doutora Marlene Nobre, no campo estritamente da medicina; Não se fale em tom afirmativo, que a Dra. Não tenha conhecimento daquilo que a doutrina espírita ensina nas páginas codificadas por Allan Kardec.
Todavia, a doutora Marlene Nobre, falando em nome da associação que reperesenta, teceu um comentário que base alguma tem da doutrina.
Falando em células troncos, ela faz crer que desde a célula ovo já ajq um Espírito ligado a esta.
Não se pode dizer que não haja, pois segundo a doutrina Nas questões de números 344, 345 estão a insruções tidas pelo criterium de Verdade.
Vejamos:
344. Em que momento a alma se une ao corpo?
– A união começa na concepção, mas não se completa senão no
instante do nascimento. Desde o momento da concepção, o Espírito
designado para tomar determinado corpo a ele se liga por um laço
fluídico que se vai encurtando cada vez mais, até o instante em que a
criança vem à luz; o grito que então se escapa de seus lábios anuncia
que a criança entrou para o número dos vivos e dos servos de Deus.

345. A união entre o Espírito e o corpo é definitiva desde o momento da
concepção?
Durante esse primeiro período o Espírito poderia renunciar a tomar o
corpo que lhe foi designado?
– A união é definitiva, no sentido em que outro Espírito não, poderia
substituir o que foi designado para o corpo, mas, como os laços que o
prendem são mais frágeis, fáceis de romper, podem ser rompidos pela vontade do Espírito que recua ante a prova escolhida. Nesse caso, a criança não vinga.

Desta abordagem primária já se pode entender que o vocábulo “definitivo”, se encontra explicado na resposta dada na questão 345 do Livro dos Espíritos, uma obra básica que todos os Espiritas devem seguir mesmo os que sejam diretores desta ou daquela Associação.
Mas sigamos ainda neste campo  onde demonstrarei quye a obra báasica segue caminho totalmente divergente das aferições da Dra. Marlene Nobe.
Relembro: A afirmação dela diz que desde a célula ovo já se encontra ali um Espírito ligado, dando ao vocábulo “ligado” a explicitação de coisa feita, acabada, quando na verdade nem mesmo o Espíito está dentro ou ligado diretamente ao corpo,  mas sim o laço perispiritual é que se liga e de forma tênue, o que é bastante diferente.
A questão de número 353 de OLE vem aclarar mais um cadinho esta parte da concepção e união do Espírito ao corpo...

353 . A união do Espírito com o corpo não está completa e definitivamente consumada, senão depois do nascimento, pode considerar-se o feto como tendo uma alma?
-O espírito que o dever animar existe, de qualquer maneira, fora dele.
Propriamente falando, ele não tem uma alma, pois a encarnação está apenas em vias de se realizar, mas está ligado à alma que deve possuir.

Notam os amigos a divergência para com a afirmação feita no vídeo pela Dra. Marlene Nobre?
É assim, e por estar associada não com a doutrina mas com outras obras não doutrinárias que se começa a fomentar a confusão no meio espírita.

Sendo assim uma célula ovo, não contém dentro de si, como quer fazer entender a dra. um Espírito, já que a encarnação nem mesmo está próxima de acontecer nesse ponto da concepção.
A Dra. Marlene também nos fala que em virtude desta ligação, a célula ovo tenha de ser tratadao como algo que já detenha direitos de humano, o que é uma abstração concernete a ela e não à doutrina.
Dizer-se sobre dignidade é outra abstração digna de riso.
Em que me baseio para afirmar tal coisa?
Ora, na questão de número 354 de OLE, ou seja da nossa doutrina.

354 . Como se explica a vida intra-uterina?
- É uma planta que vegeta. A criança vive a vida animal. O Homem possui em si a vida animal e a vida vegetal, que completa, ao nascer, com a vida espiritual.

Não é preciso que sejamos médicos ou cientistas para qe possamos entender sem margem de dúvidas a esta colocação doutrinária.

Uma planta não tem ou contem nenhuma atribuição que lhe faça ser mais ou menos digna, é apenas uma planta, não pensa, não age de per si, não raciocina, portanto não tem nem virtudes nem defeitos. Não lhe cabem as atribuiçoes morais.
Francamente, fico preocupado com esse tipo de colocação pois que sempre pensop no imenso mar de novos adeptos da doutrina que possam ser enganados e levados a erros ao lerem tais afirmações ditas em nome de associação que pensem ser séria e reperesentar a doutrina espírita.
Porém, dentro do direito que me cabe de alertar, afirmo que uma, ou melhor todas as associações espíritras são compostas por estudantes da doutrina, e que portanto devem dar ao conteúdo doutrinário extrema fidelidade.
Poderia seguir analisando todo o teor do vídeo mas deixo este aqui, por seu endereço na Internet, para ue vocês mesmo o vejam e raciocinem dentro do patamar doutrinário espírita.
http://programatransicao.tv.br/programa-05/mundo-alem-005-video_1cc3ed2f8.html

Rio de Janeiro, 06 de abril de 2012.]
Moura Rêgo.
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: MariaR em 06 de Abril de 2012, 20:14
Muito interessante a sua explanação, Moura Rego. Faz todo o sentido essa sua precisão. É fundamental conhecer-se muito bem o Livro dos Espíritos, bem como as restantes obras da Codificação, assim evita-se fazer estas afirmações que não são muito exatas e podem induzir as pessoas que ainda não conhecem tão bem a doutrina em erro. Muita paz e luz sempre.
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Atlante em 06 de Abril de 2012, 20:29
Moura, meu mano.

Parece que a coisa melhorou, graças a Deus.

Partindo do que afirmas, não vi o video, não me parece muito abonatório esse tipo de afirmação feita pela Dra.
Mas também me parece que teu raciocinio está um pouco confuso.
Não nos esqueçamos que os conhecimentos científicos dos nossos tempos são muito mais avançados do que eram no tempo de Kardec, no que respeita a esta questão.
Um espírito ligado a um ovulo, sabendo que a mulher em cada periodo fertil produz diversos ovulos, isto implicaria tantos espíritos quantos ovulos produzidos em cada periodo fertil. Ena pa, quantos espiritos seriam na vida duma mulher?
Atlante
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Mourarego em 06 de Abril de 2012, 20:41
Mano Atlante,
estou por aqui mas fugido, a dona patroa foi passear com as meninas e então pude estar com vocês.
Bem, quanto ao artigo, vê-se claramente que dou crédito claro á codificação.
Não sou confuso mano, pois tudo estra atrelado não ao que escreva mas sim ao que a norma espírita codificada esclareça e estes esclarecimentos sim é que vão contrários e de encontro às afirmações da Dra. Marlene.
Se o amigo tivesse visto o vídeo saberia que nem mesmo ela pode diagnosticar o quinhão de suas afirmações e o pior disso tudo é que ela afirma em nome da associação e eu mesmo conheço a vários participantes desta associação que tem visão totalmente contrário a dela entende?
Eu não só assisti ao vídeo como também ao programa e vi numa de suas últimas colocações uma tendência a chamar ao que lhe vão em contrário  como sendo ignorantes ou imbecis...
Ela usa daquele conhecido modo escondido que faz referência ao que lhe digo mano.
Porém, a Dra. tem como todos nós um único dever, o de seguir fielmente o disposto pela codificação, em termos de matéria Espírita e foi nesse ponto que fiz o artigo.
Ser diretor daqui ou dali não me dá senão a responsabilidade maior de afirmar em favor da codificação pois ela sendo obra de Deus, foi transmitida a nós  por Espíritos Superiores, que estão bem acima de qualquer doutor, a começar deste seu amigo.
abração mano  (quer um pouco de hipertensão? hehehe)
Moura
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: tuler em 06 de Abril de 2012, 20:59
Atlante,
Entendi ovo ou zigoto, que é a fusão dos gametas masculinos e femininos na fecundação, e não o óvulo feminino não fertilizado.
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Mourarego em 06 de Abril de 2012, 21:07
O que têm a ver os óvulos para com os espíritos?
Se não fecundados e tendo previsão de ter o corpo que formarão, a eles indicado um Espírito para reencarnar, estes não vingam.
Não há a obrigação para o óvulo de sempre dar origem a um feto, muitos se esvaem no período menstrual.
Entendam bem falamos em célula ovo, e embriões mesmo que em estado inicial, não mais em óvulos, pois que estes, para o caso já tenham sido fecundados e entrado no período conceptivo que está bem além do simples óvulo.
Segundo a doutrina, há corpos para os quais nunca tenham sido designados Espíritos logo estes não vingarão.
Abraços,
Moura
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Atlante em 06 de Abril de 2012, 23:20
Olá

Temos que entender do que falamos, para passarmos a falar a mesma lingua.

Se estamos falando de óvulo, estamos falando do elemento feminino que permite o surgimento de um corpo físico. Como tal estamos falando do elemento não fecundado. Aqui quer queiramos quer não, não existe qualquer espirito ligado.
A partir do momento em que o óvulo é fecundado e passa a constituir um embrião, já existe um espirito ligado.
O termo ligado significa apenas isso, nada mais.

Quando digo que o raciocinio do mano Moura está confuso é porque nosso companheiro retira ilações do termo ligado que eu não retiraria.
Pelo facto de se afirmar ligado não podemos deduzir que esse ligamento é definitivo. Até conclusão de todo o processo muito falta realizar. Mas isto não significa que o espirito reencarnante não esteja ligado ao embrião e posteriormente ao feto.
E isto em nada altera as questões que nosso mano coloca retiradas de OLE.

O problema, nesta matéria, é percebermos como se desenvolve o corpo físico na sua situação intra-uterina e quem é o responsável por esse desenvolvimento. Mas isso levar-nos-á a outro tipo de debate.

Atlante   
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Augusto Simon em 07 de Abril de 2012, 02:32
Olá pessoal!

Atlante! Pelo que li e ouvi, tanto o Moura quanto a Marlene falam em célula ovo, e não em óvulo. Assim como o Tuler já observou.
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Atlante em 07 de Abril de 2012, 02:34
Olá

Terão que me explicar o que é isso de célula ovo.

Atlante
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Augusto Simon em 07 de Abril de 2012, 02:51
Pode ser da Wikipedia? Tem acadêmicos que não aceitam muito os seus artigos, mas enfim...

"A célula-ovo (zigoto) sofre sucessivas divisões originando células menores chamadas blastômeros. A divisão da célula-ovo até a formação dos blastômeros recebe o nome de clivagem"

É o Zigoto!
A grosso modo o ovulo fecundado pelo espermatozóide.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Embriog%C3%A9nese
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ovo
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Le em 07 de Abril de 2012, 10:51
Mano Moura, bom dia e bom regresso.

Também fiquei confuso com a sua abordagem do tema.

Não fui sequer ver e ouvir o vídeo mas gostaria que comentasse a questão anterior, ou sej, a nº 344.

Célula-ovo? a dúvida neste caso prende-se com o facto de o ovo jão ser uma célula mas um par de células( óvulo[femina] + espermatezóide[maculina].

No que concere à concepção quando e como ela acontece?

Quando se dá início a uma nova vida?

Quando temos finalmente um ser humano completo?

É que no ciclo hoje conhecido temos:
Concepção
Fecundação
Nidação
Parto, ou nascimento do novo ser, momento a partir do qual o novo ser inicia a sua etapa no mundo terreno.

Se puder comentar e reponder a estas minhas questões/dúvidas ficarei muito grato.

Desejos de continuação de recuperação das saúde física e de muita poaz espiritual

Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Le em 07 de Abril de 2012, 10:53
Em tempop:
correcção=

Célula-ovo? a dúvida neste caso prende-se com o facto de o OVO já não ser uma célula mas um par de células( óvulo[femina] + espermatezóide[maculina].
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Le em 07 de Abril de 2012, 11:23
Mano Moura

Afinal pelo pude ler desde a minha colocação de dúvidas, no que diz respeito à Célula-Ovo, esta é definida pela embriologia que considera a junção de óvulo/espermatezóide (duas células enquanto individualizadas, uma só célula após o proceso de fecundação.
Será?

Bem, a ciência ao longo dos tempos já afirmou muios concitos mas também o seu contrário e isto tem levado ao aumento do conhecimento cada vez mais profundo das coisas.

Como nos é instruído tudo ver, ouvir e pesar à luz da razão e ir aumentando o conhecimento a cada momento.

aprender inclusivamente com os nossos próprios erros.

Muita paz 
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Atlante em 07 de Abril de 2012, 12:56
Pode ser da Wikipedia? Tem acadêmicos que não aceitam muito os seus artigos, mas enfim...

"A célula-ovo (zigoto) sofre sucessivas divisões originando células menores chamadas blastômeros. A divisão da célula-ovo até a formação dos blastômeros recebe o nome de clivagem"

É o Zigoto!
A grosso modo o ovulo fecundado pelo espermatozóide.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Embriog%C3%A9nese
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ovo

Eh pa pera aí, a coisa assim está preta.
Isto anula tudo aquilo que afirmei anteriormente. Peço desculpa por isso.
Neste caso já se deu a fecundação do óvulo, ou seja, já se deu a concepção.
Então, meus amigos, assim já tem um espirito ligado sim.
Não nos esqueçamos que o perispirito é o modulador do corpo físico e que a modulação do corpo começa logo no princípio.

Para opinar melhor teria que ouvir o video, mas como não estou disponível para dispender meia hora do meu tempo, fico por aqui.
Esta guerra não é mais minha. :D

Atlante
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Mourarego em 07 de Abril de 2012, 17:49
Mano Atlante, dizer-se "ali já tem um Espírito ligado" é falar-se reducionalmente e por isso muitas ilações erradas se faz.
Veja, quem se une é o perispírito, (conforme a obra básica), o espírito, com diz a resposta que anotei no artigo, está não dentro mas ainda fora daquilo que se há de tornar em corpo e mesmo a ligação perispiritual é de forma tênue, podendo ser quebrada por vontade do Espírito reencarnante.
Logo, não há senão para que outro espírito não venha a tomar aquilo que lhe será corpo, do outro essa visão finalista.
Há também corpos para os quais nunca foram designados Espíritos e isso já de per si anula essa afirmação feita pela Dra.
Para final, se falamos em corpos, zigotos ou concepção estamos tratando da parte material e não da espiritual, que supera e vai além da primeira e material parte.
A ciência meu mano Atlante, é imprópria e não tem cabedal de conhecimentos para aferir a coisa espiritual,
A frase não é minha mas de Kardec.
Abraços,
Moura
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Le em 07 de Abril de 2012, 19:14
No que concere à concepção quando e como ela acontece?

Quando se dá início a uma nova vida?

Caríssimo MouraRêgo

A questão Célula-Ovo como disse constatei que definição é a de que as duas células passam a ser consideradas apenas uma. Estranho mas!!.

Gostaria de qualquer forma de ter a sua opinião sobre as questões que coloquei e que gostaria de ver esclarecidas para poder raciocinar e equacionar as restantes questões.

Um bom fim de semana
Le

cópias das questões colocadas:

Quando temos finalmente um ser humano completo?

É que no ciclo hoje conhecido temos:
Concepção
Fecundação
Nidação
Parto, ou nascimento do novo ser, momento a partir do qual o novo ser inicia a sua etapa no mundo terreno.

Se puder comentar e reponder a estas minhas questões/dúvidas ficarei muito grato.



Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/e-agora-doutora/?action=post;num_replies=14#ixzz1rNZoHFuw
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Atlante em 07 de Abril de 2012, 20:31
Moura, meu mano

É necessário termos muita atençaõ na leitura que fazemos do que está escrito.
Vê o que afirmas

Veja, quem se une é o perispírito, (conforme a obra básica), o espírito, com diz a resposta que anotei no artigo

O perispirito tem individualidade? Não tem.
O Espírito não está sempre ligado ao perispirito? Claro que está.
Então estando o perispirito ligado ao corpo o Espírito também está.

E esta ligação se dá no acto da concepção, conforme informa a questão  344.
344. Em que momento a alma se une ao corpo?
– A união começa na concepção, mas não se completa senão no
instante do nascimento

O que está em causa é se há ligação do espirito ou não. E esta não deixa dúvidas.
Que tipo de ligação existe não está em causa porque seja ela qual for é sempre uma ligação.

As deduções que podem fazer depois não dizem respeito à afirmação proferida. Devemos entender as coisas na sua forma mais simples.

Se existem corpos que se desenvolvem sem que tenham espíritos ligados também não tem muito interesse para esta questão. Aqui o mque estamos falando é do processo reencarnatório. Se não existir espírito ligado ao corpo este também não sobrevive. No entanto devo dizer que esta questão me levanta algumas dúvidas.

Atlante
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: zarthur em 08 de Abril de 2012, 12:50
Caros amigos;
em primeiro lugar, feliz regresso, mano Moura.
Vc sabe que sempre pego no seu pé, nesta questão do que é Espiritismo e do que não é.
Este tema, renascimento na carne é minuciosamente estudado na obra Missionários da Luz, de ALuiz, mas que infelizmente muitos confrades sequer leem pois consideram "apócrifa"...  rematada tolice.
Percebo em todas as discussões, dos dois lados confrontantes: um, com explicações claras e racionais, detalhadas até onde se pode compreender. O outro lado, vago, impreciso, pleno de lacunas. Por quê? Porque este último se aferra à Codificação, como se ela estivesse pronta e acabada... o que contraria o Próprio Kardec, na obra A Gênese, na qual gasta várias páginas explicando o carater progressista da Doutrina. Interessante que ali, ele chega a ser enfático quando diz que o desenvolvimento do Espiritismo aguarda o esforço dos "homens" e dos espíritos.
No caso em pauta, a entidade reencarnante é conduzida por seus mentores até ao lar que o receberá e alí, por algum tempo, passa a receber as impressões do ambiente, e inicia-se um processo de vinculação fluídica, ainda tênue, mas que se intensifica com o passar dos dias. Neste ínterim, vai perdendo a consciência de si mesmo e assumindo forma infantil e chegado o momento da concepção, ele será conduzido à intimidade materna, intensificando ainda mais a sua perturbação, ou seja, a inconsciência, mas, como diz o LivEsp. ainda não é definitivo o laço... embora se fortaleça dia a dia. etc...
Quem quiser saber mais, compre o livro. rsrsrs.

A preocupação do Espírita, é em relação ao uso de contraceptivos, principalmente no que diz respeito ao estágio de desenvolvimento do processo reencarnatório, quando pensa se pode ou não interromper a gestação à luz do Espiritismo.

Não se pode fundamentar um conceito baseado unicamente nos casos excepcionais. É assim que o LivEsp trata do fato de que pode haver um corpo sem que lhe seja destinado um espírito. As gestações psicológicas, hoje, são muito conhecidas... este é o caso a que se refere o LivEsp
Grande abraço a todos
Arthur


Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Mourarego em 08 de Abril de 2012, 16:14
Mano Le,
Se avaliarmos com atenção as seguintes questões e OLE chegamos rapidinho às respostas:
"353 . A união do Espírito com o corpo não está completa e definitivamente consumada, senão depois do nascimento, pode considerar-se o feto como tendo uma alma?
-O espírito que o dever animar existe, de qualquer maneira, fora dele.
Propriamente falando, ele não tem uma alma, pois a encarnação está apenas em vias de se realizar, mas está ligado à alma que deve possuir.
354 . Como se explica a vida intra-uterina?
- É uma planta que vegeta. A criança vive a vida animal. O Homem possui em si a vida animal e a vida vegetal, que completa, ao nascer, com a vida espiritual."

Exponho eu: Ora se a vida intra-uterina é a mesma da planta que vegeta, não há nela vida inteligente mas apenas a vida vegetativa, logo não há ainda, aquilo que se conhece como homem, ou o ser que Deus levou  a possibilidade de conhecê-lo.
Sendo assim, tal como na resposta à questão 353 acima, vemos que o homem está completo após o primeiro choro do indivíduo.
Não que ele já possa obrar por si mesmo pois que a consciência só se estabelece momentos mais tarde, porém ali já há um espírito, ou o motor inteligente de suas ações, consumadamente ligado.
Esta a minha visão.
abraços,
Moura

No que concere à concepção quando e como ela acontece?

Quando se dá início a uma nova vida?

Caríssimo MouraRêgo

A questão Célula-Ovo como disse constatei que definição é a de que as duas células passam a ser consideradas apenas uma. Estranho mas!!.

Gostaria de qualquer forma de ter a sua opinião sobre as questões que coloquei e que gostaria de ver esclarecidas para poder raciocinar e equacionar as restantes questões.

Um bom fim de semana
Le

cópias das questões colocadas:

Quando temos finalmente um ser humano completo?

É que no ciclo hoje conhecido temos:
Concepção
Fecundação
Nidação
Parto, ou nascimento do novo ser, momento a partir do qual o novo ser inicia a sua etapa no mundo terreno.

Se puder comentar e reponder a estas minhas questões/dúvidas ficarei muito grato.



Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/e-agora-doutora/?action=post;num_replies=14#ixzz1rNZoHFuw
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Mourarego em 08 de Abril de 2012, 16:28
Mano Zarthur,
mas a Dra. em momento algum toca no tema das gestações psicológicas e nem eu também, pois que o tema é outro e começa e termina no que ela quis trazer de "novidade", que é a afirmação que em alguns embriões congelados há um Espírito ligado a ele, isso sim, rematada tolice.
Se assim o fosse, veja o amigo que existiriam duas premissas corretas:
1: Deus não sabe de tudo e portanto não é omniciente, o que lhe retiraria um pressuposto de divino não é mesmo?
Não sabendo de tudo erraria, tal com na conjectura feita em tom de doutrina pela Dra.
Pois que não há um Espírito ligado a um embrião congelado pois que este não está em vias de vingar com o um ser consumadamente acabado.
2: Ou então apenas por brincadeira Deus, haveria de ter feito uma "pegadinha" para com o Espírito que se ligou ao embrião congelado não é mesmo?
A dúvida então é respondida em pelo menos duas questões:

A:355 . Há, como o indica a Ciência, crianças que desde o ventre da mãe não têm possibilidade de viver? E com que fim acontece isso?
- Isso acontece freqüentemente, e Deus o permite como prova, seja
para os pais, seja para o Espírito destinado a encarnar.

356 . Há crianças natimortas que não foram destinadas à encarnação de um Espírito?
- Sim, há as que jamais tiveram um Espírito destinado aos seus corpos: nada devia cumprir-se nelas. É somente pelos pais que essa criança nasce.

356-a Uma ser desta natureza pode chegar ao tempo normal de nascimento?
-Sim, algumas vezes, mas então não vive.

Para arrematar, a questão 356.b fecha o tema:

356-b . "Toda criança que sobrevive tem, necessariamente ,um Espírito encarnado?
- Que seria ela, sem um Espírito? Não seria um ser humano."
Repare que nela está a confirmação do exposto acima.

Ainda há mais uma que versa sobre o que o Espírito faz quando nota que o corpo a quem foi designado não haverá chance de vida:

"346. Que acontece ao Espírito, se o corpo que ele escolheu morre antes de nascer?
– Escolhe outro."
Não vou comentar sobe o livro "Missionários", por se tratar de obra sem o respaldo do CUEE não sendo, portanto, uma opinião pessoal do Espírito que o ditou.
abraços,
Moura


Caros amigos;
em primeiro lugar, feliz regresso, mano Moura.
Vc sabe que sempre pego no seu pé, nesta questão do que é Espiritismo e do que não é.
Este tema, renascimento na carne é minuciosamente estudado na obra Missionários da Luz, de ALuiz, mas que infelizmente muitos confrades sequer leem pois consideram "apócrifa"...  rematada tolice.
Percebo em todas as discussões, dos dois lados confrontantes: um, com explicações claras e racionais, detalhadas até onde se pode compreender. O outro lado, vago, impreciso, pleno de lacunas. Por quê? Porque este último se aferra à Codificação, como se ela estivesse pronta e acabada... o que contraria o Próprio Kardec, na obra A Gênese, na qual gasta várias páginas explicando o carater progressista da Doutrina. Interessante que ali, ele chega a ser enfático quando diz que o desenvolvimento do Espiritismo aguarda o esforço dos "homens" e dos espíritos.
No caso em pauta, a entidade reencarnante é conduzida por seus mentores até ao lar que o receberá e alí, por algum tempo, passa a receber as impressões do ambiente, e inicia-se um processo de vinculação fluídica, ainda tênue, mas que se intensifica com o passar dos dias. Neste ínterim, vai perdendo a consciência de si mesmo e assumindo forma infantil e chegado o momento da concepção, ele será conduzido à intimidade materna, intensificando ainda mais a sua perturbação, ou seja, a inconsciência, mas, como diz o LivEsp. ainda não é definitivo o laço... embora se fortaleça dia a dia. etc...
Quem quiser saber mais, compre o livro. rsrsrs.

A preocupação do Espírita, é em relação ao uso de contraceptivos, principalmente no que diz respeito ao estágio de desenvolvimento do processo reencarnatório, quando pensa se pode ou não interromper a gestação à luz do Espiritismo.

Não se pode fundamentar um conceito baseado unicamente nos casos excepcionais. É assim que o LivEsp trata do fato de que pode haver um corpo sem que lhe seja destinado um espírito. As gestações psicológicas, hoje, são muito conhecidas... este é o caso a que se refere o LivEsp
Grande abraço a todos
Arthur



Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Le em 08 de Abril de 2012, 18:44
Mano Moura

Onde está no seu texto inicial que o referido pela Drª Marlene se referia a embriões congelados?
Quando da colocação do embrião congelado no útero feminino, an zona de nidação, se dará por certo reinício ao processo, neste caso o de gestação porquanto os de concepção e de fecundação se processaram em tempo oportuno e deram origem ao Ovo que se congelou.
Será a oportunidade para uma nova reencarnação de um espírito para que possa dar continução à sua evolução.

Relembro a necessidade de definição o amis clara possível de:
Concepção
Fecundação
Gestação
Nascimento (parto)
 
  Depois,
Vida como encarnado até à morte como tal e retorno à vida Espiritual, a vida plena e eterna.

Um abraço e desejos de que esteja a ter um bom domingo com os cuidados que lhe
são obrigatórios pois que deve cuidar da ferramenta daquele (espírito) que dá vida a esse seu corpo físico.

Muita paz........



""O assunto que seguiu-se, já na voz de outro convidado, a Dra. Marlene Nobre, uma integrante da AMR-BR, (Associação Médico Espírita do Brasil), me deixou mais que intrigado, triste mesmo.
O Assunto era sobre experiências com células tronco e claro, o tema suscita muita controvéricia em razão do grande número de “Espiritólicos” existentes no Brasil.""


Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Atlante em 08 de Abril de 2012, 19:13
Muito bem

Todo o debate começou pela afirmação de o espirito estar ou não ligado à tal célula ovo ou seja ao óvulo fertilizado pelo espermatezoide que, como sabemos, passa a constituir um embrião.
Faça-se as afirmações que se fizerem, busquem-se as questões que muito bem se quiserem, em todo o processo de reencarnação o espirito se liga ao corpo a partir do momento da concepção.
A ligação é tenue? Claro que é.
Pode não chegar ao nascimento? Claro que pode, e por diversas razões.
O espirito está fora do corpo? Claro que está.
Mas nenhum destes factos nega a ligação do espírito ao corpo em formação.

Tudo o que se possa dizer a seguir foge da questão proposta, quer queiramos, quer não.

Agora coloca-se a questão dos embriões congelados.
Mas esta já é outra questão que nada tem a ver com o que vinha sendo debatido.
Nós vinhamos falando sobre o processo reprodutor na sua sequência natural.
Quando afirmamos que em concepção estamos falando do embrião implantado no utero materno. Seguindo o processo natural de reprodução.
Se falarmos na reprodução medicamente assistida temos que levar em consideração que o processo reprodutor apenas tem seu inicio aquando da implantação dos óvulos fertilizados, ou embriões, no utero materno. Só a partir desse momento haverá um espírito ligado ao embrião. Mas atenção que o processo de ligação é rigorosamente igual ao outro. Devemos considerar o momento0 da concepção o momento de implantação.
Para que este processo tenha exito necessário é que exista um espirito ligado ao embrião, caso contrário o processo vai falhar.

Sobre o nresto deixo apenas uma pergunta:
Como se desenvolve um corpo físico sem um espírito que lhe esteja ligado?

Apenas mais uma nota

Quando eu me emancipo de meu corpo ( emancipação da alma ) deixo de estar ligado ao corpo?
Claro que não. No entanto estou fora dele.

Atlante
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: zarthur em 08 de Abril de 2012, 23:09
Caro Moura;
"planta que vegeta" não significa que existe um vegetal no útero. rsrsrs
Mesmo a planta que vegeta no solo está em constante desenvolvimento. É que a expressão - vida vegetativa - é usada com frequência, pela medicina, nos casos do coma sem atividade cerebral.
Já a expressão usada pelo espírito que responde a Kardec, indica um vida simples, embrionária, em silencioso desenvolvimento.
Agora, se toda a vida intra uterina fosse destituída da vitalidade espiritual, quer dizer que, no momento exato em que a criança nasce surge uma "milagrosa mudança", de planta que vegeta, em corpo espiritual.
Repito; embora a Marlene não toque no assunto, dizer-se que não existe vida espiritual no feto seria escancarar as portas ao aborto... é isso que os espíritos da codificação ensinam?
Grande abraço a todos
Arthur
Título: Re: E agora Doutora?
Enviado por: Mourarego em 09 de Abril de 2012, 18:56
Mano Zarthur,
Embriões congelados é o tema do vídeo em que a Dra. Marlene Nobre opinou.
O amigo não o viu porque não assistiu ao vídeo.
abraços,
Moura
Mano Moura

Onde está no seu texto inicial que o referido pela Drª Marlene se referia a embriões congelados?
Quando da colocação do embrião congelado no útero feminino, an zona de nidação, se dará por certo reinício ao processo, neste caso o de gestação porquanto os de concepção e de fecundação se processaram em tempo oportuno e deram origem ao Ovo que se congelou.
Será a oportunidade para uma nova reencarnação de um espírito para que possa dar continução à sua evolução.

Relembro a necessidade de definição o amis clara possível de:
Concepção
Fecundação
Gestação
Nascimento (parto)
 
  Depois,
Vida como encarnado até à morte como tal e retorno à vida Espiritual, a vida plena e eterna.

Um abraço e desejos de que esteja a ter um bom domingo com os cuidados que lhe
são obrigatórios pois que deve cuidar da ferramenta daquele (espírito) que dá vida a esse seu corpo físico.

Muita paz........



""O assunto que seguiu-se, já na voz de outro convidado, a Dra. Marlene Nobre, uma integrante da AMR-BR, (Associação Médico Espírita do Brasil), me deixou mais que intrigado, triste mesmo.
O Assunto era sobre experiências com células tronco e claro, o tema suscita muita controvéricia em razão do grande número de “Espiritólicos” existentes no Brasil.""