Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: aruanda em 02 de Março de 2009, 00:22

Título: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: aruanda em 02 de Março de 2009, 00:22
"CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO?
(19.02.06)


 ..... 

Recentemente, confrades nos perguntaram se poderia e como seria realizado um casamento no centro espírita. Considerando que o assunto é de alta gravidade e de grande repercussão, deliberamos escrever o presente texto. Lembrando aos consultantes, sem muitas delongas, que não existe um "casamento espírita" numa casa espírita.

O Espiritismo é uma doutrina filosófico-religiosa, com aspectos científicos e conseqüências éticas e morais, mas não se constitui numa estrutura clerical formalizada. Desta forma, diferente de outras correntes religiosas, não comporta em suas práticas nenhum cerimonial, rito, ou aspecto específico ligado ao casamento. Ou seja, não há cerimônia de casamento religioso espírita.

"O Espiritismo não tem sacerdotes e não adota e nem usa em suas reuniões e em suas práticas: altares, imagens, andores, velas, procissões, sacramentos, concessões de indulgência, paramentos, bebidas alcoólicas ou alucinógenas, incenso, fumo, talismãs, amuletos, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais ou quaisquer outros objetos, rituais ou formas de culto exterior". (1)

Por muitas razões, não há espaço no universo doutrinário para a celebração de um "casamento religioso espírita", até porque, se o Espiritismo tem seu pilar religioso é, porém, destituído de rituais ou formas de culto exterior, tornando-se, portanto, incompatível com a celebração da cerimônia formal e ritualizada do casamento, que exige obrigatoriamente uma carga de formalidade na sua celebração. Contudo "é inadmitida a realização de atos formais dentro da Doutrina Espírita" (2) A rigor o casamento é contrato jurídico solene, eminentemente formal. "Isto quer dizer que tal ato deve ser sempre acompanhado de fórmulas ou formalidades, até mesmo porque não há casamento sem cerimônia formal, ainda que variável quanto ao ritual seguido"(3)

Muitos ingressam para as hostes do Espiritismo e logo se sentem tentados a enxertar os seus hábitos à realidade doutrinária. Há, por isso, os que pretendem ter um batismo espírita; há aqueles que aguardam ansiosamente por realizar um casamento espírita; e o que dizer de um confessionário "mediúnico"? e os paramentos especiais para os dirigentes dos centros?

Existem aqueles que forçam o caminho "legal". É importante aguçarmos a vigília até porque "tentar utilizar o Poder Judiciário para chancelar a celebração de "casamento religioso espírita", como ato autêntico do Espiritismo, "seria violar a liberdade de crença protegida constitucionalmente dos adeptos do Espiritismo, ao impor ou chancelar pelas vias judiciais um ritual que não é admitido em hipótese alguma dentro do Espiritismo codificado por Allan Kardec."(4)

Sobre isso, chega-nos informações que o Ministério Público da Bahia entende que casamento em centro espírita pode ter efeitos civis(5) pois que "a negação de efeitos civis a casamento realizado em centro espírita violaria os valores constitucionais da dignidade da pessoa humana e da liberdade religiosa, aludindo que, como o Brasil é um Estado laico, não poderia recusar efeitos civis a casamentos celebrados por líderes de qualquer religião ou crença.(6)

Mas, no Espiritismo mesmo tendo seus fundamentos religiosos (repetiremos isso mil vezes), não se admite a prática de rituais. Inexiste autoridade religiosa ou sacerdotal espírita. Portanto, "casamento religioso espírita" é um contrato jurídico inexistente. Com muita lógica o Poder Judiciário não autoriza o registro civil do mencionado "casamento espírita", sob o fundamento de que o presidente de um centro espírita não se constitui como uma autoridade religiosa.

A propósito! Um presidente de centro espírita pode ser investido na qualidade de autoridade religiosa ou sacerdotal espírita?. Bem! Se segue a coerência dos postulados espíritas, não pode ser investido na qualidade de autoridade religiosa ou sacerdotal. Não se pode falar em sacerdote ou autoridade religiosa no Movimento Espírita, já que a noção de autoridade supõe a existência de hierarquia religiosa entre seus adeptos ou entre as instituições espíritas, o que não é aceitável.

Por esse simples fato não se é possível realizar um casamento espírita, nem muito menos buscar o reconhecimento civil deste ato. Precisamos, portanto, ser enfáticos e relembrar muitas vezes que não se admite no Espiritismo, sob nenhuma hipótese, a figura dessa autoridade religiosa ou sacerdotal espírita para validar uma cerimônia de casamento. Por isso mesmo não lhe pode ser atribuída validade civil exatamente por não ter o Espiritismo uma casta de sacerdotes, nem um celebrante investido de autoridade religiosa.

Precisamos admitir que não é possível ser espírita e, ao mesmo tempo, esposar princípios contrários ao Espiritismo. Vamos pela lógica: se o Espiritismo é uma Doutrina que não admite, por exemplo, o culto de imagens, e se alguém, apesar de ler e compreender a doutrina adora imagens e "crê no fogo do inferno e outros dogmas irreconciliáveis com o Espiritismo, evidentemente não é espírita. Quem assim ainda pensa pode ser simpatizante, mas não é adepto da doutrina"(7)

Aos fatos supracitados, não queremos radicalizar e afirmar que o espírita não possa realizar uma reunião social fraterna para o evento. Em lugar do sacerdote, terá um amigo que realizará uma prece em favor do casal e, em lugar da Igreja, utilizará os espaços do lar, ou um local adequado para reunir os amigos e familiares. Não deve, em hipótese alguma, utilizar as instalações do centro espírita.

Tudo é uma questão de lógica doutrinária.


Jorge Hessen
E-Mail: jorgehessen@gmail.com
Site: http://jorgehessen.net (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2pvcmdlaGVzc2VuLm5ldA==)

FONTES:
1- www.febnet.org.br (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5mZWJuZXQub3JnLmJy)
2- Deolindo Amorim. O Espiritismo e as Doutrinas Espiritualistas, CELD, 6ª ed., 1996, p. 97 - "O Espiritismo não tem culto material; O Espiritismo não tem ritual; O Espiritismo não prescreve qualquer forma de paramento nem comporta o formalismo de funções sacerdotais."
3- Camilo de Lelis Colani Barbosa. Direito de Família - Manual de Direitos do Casamento, Suprema Cultura, 1ª ed., 2002, p. 37.
4- Deolindo Amorim. Ob. Cit., p. 230 - "O que não é possível é justificar um ritual espírita,...".
5- Exmª. Desembargadora Lucy Lopes Moreira - Corregedora-Geral de Justiça do Estado da Bahia - em consonância com o Espiritismo codificado por Allan Kardec, com a Lei e com a Constituição Federal de 1988, agiu corretamente ao indeferir o requerimento que pretendia atribuir efeitos civis a uma cerimônia de matrimônio realizada pressupostamente sob a chancela do Espiritismo.
6- Disponível em acessado em 17/02/2006
7- Deolindo Amorim. Ob. Cit., p. 149.
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Carlos Ribeiro em 02 de Março de 2009, 17:32
Gostei do texto, mas gostaria de colocar sobre o assunto uma outra questão que julgo pertinente. E que dizer das pessoas que se dizem espíritas e casam pela igreja católica? Serão espíritas ou "espiriteiros"?
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Elsamar em 03 de Março de 2009, 15:42

Por muitas razões, não há espaço no universo doutrinário para a celebração de um "casamento religioso espírita", até porque, se o Espiritismo tem seu pilar religioso é, porém, destituído de rituais ou formas de culto exterior, tornando-se, portanto, incompatível com a celebração da cerimônia formal e ritualizada do casamento, que exige obrigatoriamente uma carga de formalidade na sua celebração. Contudo "é inadmitida a realização de atos formais dentro da Doutrina Espírita" (2) A rigor o casamento é contrato jurídico solene, eminentemente formal. "Isto quer dizer que tal ato deve ser sempre acompanhado de fórmulas ou formalidades, até mesmo porque não há casamento sem cerimônia formal, ainda que variável quanto ao ritual seguido"(3)


Aruanda,

independentemente de o espiritismo ter ou não rituais ou formas de culto exterior, o único casamento válido que produz efeitos é o casamento civil. Penso que isto é assim tanto em Portugal como no Brasil.
O casamento é um negócio jurídico denominado contrato. Este contrato é celebrado entre duas pessoas através das suas declarações de vontade, tutelado pela ordem jurídica, através do qual os contraentes adquirem direitos e deveres e é o único que produz efeitos na esfera jurídica das pessoas. Este casamento será celebrado numa conservatória de registo civil ou noutro local escolhido pelos noivos perante o conservador.
O casamento católico ou qualquer outro casamento religioso não produz qualquer efeito, a não ser na cabeça das pessoas.
O casamento deveria simbolizar a união de duas almas que se amam, mas infelizmente não é isso que a realidade nos mostra.

Abraço


Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: aruanda em 04 de Março de 2009, 00:18
olá Elsamar

  concordo consigo mas, achei o artigo do Jorge Hessen muito interessante.
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Elsamar em 04 de Março de 2009, 10:20
E eu também Aruanda, por isso o li ;)

 :-*
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Le em 04 de Março de 2009, 15:03
É certo que no Brasil por questões de sobrevivência, no período da ditadura de Getúlio, o movimnto espírita se registou como religião.
Esse faco evitou o que aconteceu em Portugal que, ao manter-se fiel aos princípios doutrinários de Kardec o movimento Espírita foi proíbido e os seus bens confiscados pelo estado.

Não se deve, em meu modesto entender, passar a gerir o movimento como mais uma religião e passar a ter os princípios identicos aos das várias religiões.

No que respeita ao casamento a Elsamar já deu uma resposta mas a sua resposta penso que deveia ser complementada.

O casamento religioso não pode ser considerado como uma questão que só tem importãncia na cabeça das pessoas. Deve ser e é quanto a mim, muito mais que isso. É o verdadeiro compromisso entre as partes para uma vida a dois  com objectivos bem definidos a atingir quiasquer que sejam as vicissitudes que surjam ao longo da jornada a dois.

Na sociedade em que vivemos devemos respeitar os preceitos pelo que a assinatura do contrato civil do casamento é, quanto a mim, uma obrigação para que se possam ter direitos e respeitar obrigações.
Como contrato que é em qualquer momento se pode proceder à sua cessação promovendo a competente acção de divórcio com as competentes responsabilidades e direitos de ambas as partes contratantes, à luz da legislação em vigôr.

Como no acto religioso se está perante algo que ultrapassa os compromissos humanos este acto deve ser devidamente ponderado e assumido com toda a responsabilidade por forma a cumprir os preceitos instituidos para o casamento à luz da religião que se segue.

Como Espiritismo não é religião penso que não se pode, nem deve, colocar a questão do casamento Espírita.

Muita paz para todos   
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Elsamar em 04 de Março de 2009, 15:36

O casamento religioso...
 ...Deve ser e é quanto a mim, muito mais que isso. É o verdadeiro compromisso entre as partes para uma vida a dois  com objectivos bem definidos a atingir quiasquer que sejam as vicissitudes que surjam ao longo da jornada a dois.


Olá Leão,

Estou completamente de acordo consigo, em relação a estas suas afirmações.
Infelizmente, na realidade não é assim que as coisas se passam. Em Portugal, como país maioritariamente católico (agora até é moda as pessoas dizerem que são católicas não praticantes, como se isso existisse), ainda se realizam muitos casamentos católicos, não porque as pessoas sintam o passo que estão a dar, mas porque é bonito, por imposição da família ou por outra razão qualquer, que não o verdadeiro compromisso perante Deus.
Quando duas almas se sentem unidas e decididas a viver juntas as alegrias e as tristezas, nem sequer precisam de casar. Precisam sim, de se amar e respeitar.



Como Espiritismo não é religião penso que não se pode, nem deve, colocar a questão do casamento Espírita.
 

Aqui é que já não estou de acordo. Eu sei que há espíritas que defendem que o Espiritismo não é uma religião, mas para mim, é.
É através do Espiritismo que eu me religo a Deus.

Abraço

Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Tonnya em 03 de Abril de 2009, 23:59
Eu acho que o casamento é a união de dois seres unidas pelo o amor sincero e também pela afinidade. Não é preciso ir para o religioso registrar essa união. Deus já está abençoando.

Quanto ao Espiritismo ser religião, eu acredito que ele seja religião porque é baseado no evangelho de Jesus e ciências porque estudamos a vida após a morte.

Um abraço

Tonnya
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Rone em 04 de Abril de 2009, 00:56
Muito interessante o texto!


Á pouco tempo atrás procurei me informar sobre como seria o "casamento espírita" dentro da fraternidade que frequento. Me explicaram da mesma forma que no texto, deixando bem claro tudo.

Conheço alguns espíritas que já se casaram na igreja, por acharem bonito, por ser algo que alegra os seus pais que seguem os costumes católicos, e não vejo mal nenhum nisto, pois o que importa é o que está no coração.

Infelizmente hoje em dia o casamento perdeu seu real valor e significado...
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Le em 05 de Abril de 2009, 12:06
Bom dia e um bom domingo para todos.

Apreciando a colocação de Tonnya e de Rone comento com a transcrição o que a Enciclopédia Portuguesa e Brasileira define para a palavra Amor:

Cito: Amor, Substantivo masculino.
                   Necessidade da natureza de que resulta a aproximação dos sexos e é a causa da reprodução das espécies. Cópula.
                    No ser humano acompanha-se essa precisão,  de sentimentos da alma ou do espírito, que a distinguem dos animais.
fim de citação.

Casamento:
Contrato celebrado entre homem e mulher, regido pelas normas da lei civil (no caso Português pelo Códigi Civil), que definem os direitos e deveres de ambas as partes.

Quando se fala em casamento religioso, qualquer que seja o cedo que se professe, este acto religioso vai sempre confirmar o casamento ( o casamento civil), que caducará se no prazo estipulado não entrar nos serviços de Registo Civil a confirmação da organização religiosa de que o casamento se consumou.
Consumado o acto os dois seres ficam obrigados, porque assim o declararam, aos compromissos civis e religiosos.

É com base nestes pressupostos que não é aceitável que se venha um dia mais tarde a querer ou exigir o divórcio por parte daqueles que celebraram o casamento religioso ao abrigo do casamento que a confissão religiosa define com indissolúvel o casamento que se celebra à luz dos seus preceitos.

No momento da tomada de decisão devem as partes estar bem conscientes de todos os compromissos que se propõe assumir e que auando os assume o faz de livre e vontade pelo que deverá assumir com respeito e exigindo respeito recíproco.

Casamento Espírita?
Se houver casamento (civil), o compromisso entre as partes para que sigam os preceitos da doutrina é, quanto a mim, perfeitamente livre e o cumprimento desse compromisso respeita a ambas as partes.

Fiquem na paz e que o Mestre nos ilumine a todos


   

Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Luizahelena em 06 de Abril de 2009, 05:28
Citar
Aos fatos supracitados, não queremos radicalizar e afirmar que o espírita não possa realizar uma reunião social fraterna para o evento. Em lugar do sacerdote, terá um amigo que realizará uma prece em favor do casal e, em lugar da Igreja, utilizará os espaços do lar, ou um local adequado para reunir os amigos e familiares. Não deve, em hipótese alguma, utilizar as instalações do centro espírita.

Concordo plenamente que o Centro Espírita não é lugar para realizar casamentos e batizados. Mas já fui a vários casamentos em que foi chamado um espírita para falar para que não faltasse o aspecto religioso no casamento e foi benéfico tanto para o casal quanto para quem assistia.
Seja qual for a religião, o importante é que o casal esteja consciente do que estão celebrando e muitas vezes podem acreditar que o religioso é o mais importante do que o civil nesse momento.
Não podemos saber ao certo o que passa na cabeça das pessoas, as razões que levaram o casal realizar o casamento daquela forma. Ás vezes fazemos suposições baseados nos nossos próprios pensamentos. A meu ver acho que precisamos de mais cuidado nos julgamentos pois podemos ferir com as nossas palavras. Cada um tem seu tempo para se libertar de certos costumes religiosos arraigados por várias encarnações.

Exemplo: Uma amiga que trabalhava comigo na Casa Espírita há muitos anos, disse particularmente pra mim que acendia velas em casa nas suas orações, costume que aprendeu com a mãe. Uma excelente colaboradora na casa, mas disse que era difícil deixar de fazer isso. Eu disse que o pensamento e o seu sentimento eram mais importantes, ela disse que sabia mas ainda não conseguiu de desprender das velas que a ajudava a canalisar o pensamento. Enfim, cada um tem seu tempo. De que adiantaria julgá-la, discutir se ela tinha vontade, amor e estudo para trabalhar?!

Muita paz amigos!

Luiza.
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: sophiearvor em 06 de Abril de 2009, 14:01
Se para quem casa o espaço de uma casa espírita é o local onde se sentem em harmonia plena para fazê-lo, não vejo mal.  Só há que ter cuidado para que não se torne um ritual e a casa espírita  um espaço diferente do fim para que foi planeado, até no plano espiritual.



Abraços!
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: janne em 24 de Abril de 2009, 11:19
 Olá amigos... não sei primeiro qual o mal em assumir que espiritismo é religião ??? Tenho filhos adolecentes e por isso mesmo acredito que tanto para mim quanto para elas é no minimo confortavel saber que elas podem sim assumir com amor e a cada dia mais concientes conforme estudam e aprendem a doutrina ,   dizer sou espirita . Conversando com minha filha de 16 anos que sonha em se casar de véu e grinalda ( nada  contra ,não será a primeira e nem a ultima a sonhar)ela me perguntou sobre um possivél casamento espirita e uma confrade nossa  nos contou de um casamento  de espiritas (  leiam  casamento de espiritas e não um casamento espirita)
 E ela nos contou que  os noivos fizeram uma festa onde reuniram os amigos e apos assinarem os papel do casamento  civil  uma amiga oradora espirita  fez uma breve esplanação sobre o amor e  foi proferida uma bela prece e todos os convidados  entre eles diversos de outras religioes se sentiram emocionados com a simplicidade e beleza do momento .  Estamos falando de algo simples porém que para jovens cheios de ideais não prejudicou ou arranhou a doutrina espirita acredito particularmente que ocorre tantas coisa dentro de instituições espiritas tão mais sérias e que devemos combater , acho que rituais são realmente dispensaveis , porém algo como uma prece sempre será bem vinda em qualquer situação . e voltando ao assunto religioso  :  acho que os pais espiritas devem sim encaminhar seus filhos desde cedo a evangelização espirita infantil , já ouvi espiritas dizerem que preferem deixar livres a opção religiosa dos filhos  a minha opinião volto a dizer é que é importante para a formação das crianças.
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Le em 24 de Abril de 2009, 14:31
Ainda sobre o tema penso que deveria ser de ter em atenção em cada momento que as coisas são o que são e não como entendemos que deveriam ser ou como desejariamos que fossem.

Em Português (como noutro qualquer idioma segundo julgo) dizer-se casamento de espíritas não é o mesmo que casamentos Espírita.

Quanto ao espiritismo ser ou não religião eu coloco a seguinte questão:
     -No Espiritismo há um organismo de cúpula que debate e define após esse       debate quis os preceitos a seguir com todo o rigor por todos os Centros Espírita?
     -No Espiritismo há ritos, paramentos específicos para acto desenvolvido nos Centros Espíritas, de forma a que em qualquer Centro seja rigorosamente igual a todos os outros Centros?

Se a resposta a estas duas questões(não são necessárias mais) é um não teremos então que Espiritismo não é uma Religião.

Notem que eu ou qualquer de vós pode praticar um acto religioso, de ligação ou religação a DEUS, que isso não se transforma numa religião.

Uma Religião é muito mais e à medida que vai crescendo e criando os mecanismos de autoregulação vai criando sistemas de controlo dos crentes e os registos das várias religiões nos informa que sempre acaba por dominar e subjugar mesmo o conjunto dos crentes.

Não, não goataria de ver o Espiritismo transformado em mais uma organização religiosa em que uns quantos iluminados( ou autoiluminados) passassem a determinar o e como fazer em cada situação.

Cumprimentos e desejos de muita paz.
Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Fernanda S. em 24 de Abril de 2009, 15:04
Gostei do texto, mas gostaria de colocar sobre o assunto uma outra questão que julgo pertinente. E que dizer das pessoas que se dizem espíritas e casam pela igreja católica? Serão espíritas ou "espiriteiros"?

Olá Carlos!

Busquei sua resposta lá no início... rs

Bom, eu não casei de verdade nem no civil nem no religioso. Preferi a União Estável que agora é outra alternativa (mais barata) cá no Brasil. Dá a um casal que já vive há um determinado tempo juntos, todos os direitos legais do casamento.

Mas me senti na obrigação de defender os espíritas que se casam na Igreja Católica (ou outro segmento), pois existem famílias que são parte católica, parte espírita e não participar da cerimônia religiosa implicaria em ofensa a crença das outras pessoas da família.
Não esqueçamos que para eles, está destinado o inferno àquele que "peca contra a castidade". Então, entrando na cabeça de um católico podemos ver porque tantos espíritas casam em igrejas católicas, batizam seus filhos e etc.

Eu mesma, quando disse que não me casaria, foi um bafafá, mas como meu "namorido" também não quis se casar na igreja, todos acabaram por aceitar tranquilamente. Caso eles tivessem ficado tristes ou se meu companheiro também quisesse, eu aceitaria passar pelo ritual do casamento para manter a harmonia na minha família.

Até no Livro dos Espíritos tem uma questão que envolve esse assunto. Já a li, tenho certeza, mas não recordo o seu número. Procurei na net, mas não achei. Se você quiser, pesquiso e te digo, ok?

Beijinhos!

Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Marco Rauch em 24 de Abril de 2009, 22:13

 A união ou casamento perante o livro dos espiritos:

Resumo das questões 695 e 696 (casamento):

- A união livre e fortuita dos sexos é um estado natural. O casamento é um dos primeiros atos de progresso das sociedades humanas , porque ele estabelece a solidariedade fraternal e se encontra entre todos os povos, ainda que em condições diversas. A abolição do casamento seria o rtorno a infância da humanidade, e colocaria o homen abaixo mesmo de certos animais que lhe dão o exemplo de uniões constantes.

Resumo das questões 697, 698 e 699 (Celibato):

- Deus não pode se contradizer, nem achar mau o que fez; não pode ver mérito na violação de sua lei. Mas se o celibato, por si mesmo, não é um estado meritório, o mesmo não ocorre quando constitui, pela renúncia as alegrias da familia, um sacrificio feito em proveito da Humanidade. Todo sacrificio pessoal com objetivo do bem, e sem dissimulação do egoismo, eleva o ho,em acima de sua condição material
.

Assim entendo:

A união deve existir, fora nos casos de sacrificio em pró do bem, o livro não cita como ela deve ser, através de igrejas, civil ou etc.., desde que exista a união verdadeira e livre, a maneira que cada um deve seguir é indiferente, desde que seja em nome de Deus.

Quanto a ser religião ou nâo:

O Espiritismo pode ser encarado como religião, sem contudo apresentar as caractérisitas que estas possue. Pode ser posto entre as filosofias e, nesse terreno, apresenta logo condições de vivo destaque, porque oferece possibilidades novas de conhecimentos mais amplos e mais elevados. Pode ser considerado uma ciência, no que se refere ao conhecimento da vida cósmica, e também nesse terreno ganha relevância, porque permite soluções de problemas até hoje considerados insolúveis, oferecendo meios de analisá-los direta e objetivamente. Está na raiz e na essência de todos os conhecimentos, engloba-os todos e pode ser considerado uma. espécie de cúpula a rematar, pelo alto, a vasta e complexa estrutura do pensamento religioso, na sua evolução até o presente.

Entretanto, apesar de integrar-se em todas as manifestações da religiosidade humana, representada pelas doutrinas que vimos estudando,o Espiritismo tem origem diferente. Senão, vejamos :

Nada possui dos cultos primitivos do totemismo, conquanto os efeitos resultantes da adoração de objetos, animais, plantas e elementos da Natureza sejam, até certo ponto, frutos da intervenção de forças e entidades dos planos da vida espiritual inferior.

Não é o fundamento das concepções da trilogia chinesa mas, no entretanto, está ali bem expresso e vivo no culto prestado aos antepassados e nas práticas que os chineses utilizam para o intercâmbio que com eles mantêm, após a morte.

 Não descende do hinduísmo, porque não admite separações de castas, nem privilégios sacerdotais.

 Do vedismo não tem as cerimônias supersticiosas, a prática de sortilégios, o misticismo grosseiro; do bramanismo, a rigidez impiedosa, as limitações desesperadoras e o conceito da metempsicose, que admite o retrocesso do espírito às formas da vida animal inferior.

 Se oferece muitos pontos de contato com o budismo, no que respeita à fraternidade e ao sentimento de caridade para com o próximo, todavia não aceita dele essa concepção gnóstica de poder o homem viver sem Deus, evoluindo unicamente pela renúncia e gelo desapego das coisas do mundo, porque sabe que as coisas materiais são necessárias e úteis à elevação do espírito, porque é com auxílio do mundo material que pode realizar as experiências da sua própria evolução; por isso mesmo não aceita o isolamento, o ascetismo, o anacoretismo, mas, ao contrário, aconselha o trabalho em comum no campo da vida social, a partilha das dores e das alegrias, dos erros e dos acertos, para que o ser humano possa subir em perfeito equilíbrio, adquirindo da vida um conhecimento integral e completo.

 Se existem no Judaísmo, em relação ao Espiritismo - em todas as manifestações de espiritualidade que ele demonstra, bem como no intercâmbio com as entidades espirituais superiores - estreitos contatos e similitudes doutrinárias; se o Judaísmo é religião monoteísta e matriz do cristianismo, todavia sua organização sacerdotal, exclusivista e com visos de predestinação racista, oferece diferenças profundas com o Espiritismo, que é universalista, despido de formulas, e essencialmente regenerador do espírito humano

 E quanto ao Islam ? O fanático fatalismo islâmico não encontra lugar na doutrina que reconhece o livre-arbítrio como um dos atributos mais importantes do ser humano em evolução. Apesar de também monoteísta e imortalista, o Islam, pelo exclusivismo religioso, que o levou da propagação de seus dogmas pela força, afasta-se do Espiritismo, que prega a fraternidade entre todos os homens e a. tolerância sob todas as formas e condições.

 E como situá-lo em face do cristianismo oficial? As religiões organizadas, visando o poder temporal, apesar de se apoiarem nos testamentos sagrados dos hebreus e nos Evangelhos cristãos, usam, de interpretações literais, afeiçoadas a seus próprios interesses, sem esforço de penetração mais profunda e sem exemplificação evangélica na vida prática, mormente no que respeita ao próprio indivíduo.

 O Espiritismo norteia os homens para o conhecimento evangélico segundo o espírito e não segundo a letra, e para sua exemplificação em todos os atos da vida individual; visa, sobre toda outra qualquer atividade, cristianizar a humanidade, evangelizando-a.


Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: Marco Rauch em 24 de Abril de 2009, 22:19
 
 O Espiritismo é, pois, o mais avançado e perfeito sistema de iniciação espiritual dos tempos modernos, e as claridades dos seus ensinamentos iluminam os caminhos do adepto, como jamais o conseguiram, quaisquer outras das doutrinas até hoje conhecidas e professadas, porque desde o seu advento realizou, entre muitas outras, estas coisas notáveis:

 1°) colocou as verdades essenciais ao alcance de toda a humanidade, sem distinções ou limitações de qualquer natureza, salvo as referentes à própria negatividade individual;

2°) completou o quadro dos conhecimentos espirituais, compatíveis com o entendimento dos homens desta época, transmitindo esclarecimentos ainda não revelados até o presente;

3°) eliminou a necessidade de iniciações secretas e sectárias, generalizando seus conhecimentos para toda a massa do povo, sobretudo popularizando o intercâmbio entre os mundos, pela mediunidade;

4°) demonstrou que o progresso espiritual só pode ser realizado em boas condições mediante o desenvolvimento, equilibrado e, recíproco, do sentimento e da inteligência;

5°) revelou que o Cristo - o Verbo - é o arquiteto da estruturação e da organização da vida neste planeta, medianeiro entre Deus e os homens, e que seu Evangelho é a síntese da mais alta moral e a norma da mais elevada realização espiritual;

6°) evidenciou que o conhecimento das coisas de Deus não deve nem pode ser adquirido por métodos contemplativos, no isolamento das coisas do mundo, mas, ao contrário, pio convívio de todos os seres, ao contato das dores, das misérias e das imperfeições de todos os homens, porque a vida, ela mesma, é que fornece experiência, sabedoria e elementos de aperfeiçoamento;

7°) libertou o homem da escravização religiosa e do esforço, quase sempre improdutivo, da especulação filosófica, ofertando-lhe conhecimento reais, concludentes, lógicos e completos, todos eles, como já dissemos anteriormente, passíveis de demonstração experimental.

 Vimos que o Espiritismo está no âmago de todas as doutrinas, conquanto não dependa item descenda de nenhuma delas.

 É ele então uma doutrina à parte, original ou, diferente?

Não. O Espiritismo é a grande árvore, que tem muitos galhos, cada qual apontado num sentido e dotado de fisionomia, própria, conquanto sem muitas diferenciações no conjunto.
O Espiritismo, todavia, não é simplesmente, uma nova árvore nascida isolada e de feição especial, mas também uma força nova, que veio, cobriu todos os ramos da árvore antiga, uniu-os entre si, fechou todas as lacunas, sobrelevou-se a todos e prolongou, a árvore para cima, tornando-a mais forte, mais alta, mais perfeita.

 Trouxe conhecimentos que estavam revelados parcialmente em todas as demais doutrinas, completando-as, esclarecendo-as. Tem estado de uma certa forma coexistente desde sempre em todas elas, e somente com o seu advento os pontos obscuros puderam ser com preenchidos, os erros corrigidos e as falsas interpretações substituídas por outras mais reais.

 Qual destas doutrinas não prega ou não pregou a imortalidade, ou a vida post-mortem ?

Qual delas não reconhece a existência de um Deus soberano ou de uma hierarquia de entidades espirituais subordinadas ?

 Qual não prega o exercício do Bem como condição de salvação ou de progresso espiritual ?

Qual não reconhece um Criador e uma criação?

Tudo são pontos comuns.

Em qual delas não são reveladas manifestações de entidades que viveram na Terra?

E não há referências muitíssimo claras da posse de faculdades mediúnicas por parte de seus homens e mulheres, seus santos e heróis ?

São outros pontos comuns.


E a maioria das doutrinas citadas não admite ou demonstra a reencarnação ? As vidas sucessivas e a pluralidade dos mundos ?

E muitas delas não admitem também a involução e a evolução do ser individual?
Não são outros pontos comuns ?

 Mas então é de se perguntar: que é que o Espiritismo trouxe de novo ?

 E a resposta é: trouxe provas e alargou os conhecimentos. Se todos falam de imortalidade, se muitos pregam a reencarnação e as vidas sucessivas nos diferentes mundos do Universo, entretanto somente o Espiritismo trouxe as provas desses fatos os detalhou de forma objetiva; somente ele estabeleceu bases seguras e indiscutíveis do intercâmbio entre seres habitantes de mundos e esferas diferentes; colocou a mediunidade como fundamento desse intercâmbio e estabeleceu as regras para sua realização; desvendou novos campos no conhecimento da vida além-túmulo e nas relações dos seres habitantes dos diferentes mundos e esferas; mas, sobretudo, desenterrou o Evangelho da mistificadora capa das interpretações literais, fazendo-o ressurgir no seu verdadeiro aspecto e significado; com tudo isso deu novo alento à alma humana, novas seguranças nos corações descrentes e novos rumos aos espíritos imersos em perturbação religiosa. Trouxe as novas esperanças do Paracleto.

Por isso é que ele se chama o Consolador, a Terceira Revelação, o Cristianismo Revivido.

 Fontes : http://www.kardecismoonline.com.br/index.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5rYXJkZWNpc21vb25saW5lLmNvbS5ici9pbmRleC5odG1s)

"Religiões e Filosofias" - Edgard Armond (Caps. VII, VIII, IX e XI).

 Reumindo o espiritismo é tudo oque vc possa imaginar.

 Abraços fraternos a todos meus irmãos de forum;

 Marco



Título: Re: "CASAMENTO RELIGIOSO ESPÍRITA?" O QUE É ISSO? - Jorge Hessen
Enviado por: jlauria1 em 26 de Abril de 2009, 12:49
Bom dia, pessoal.... bom, primeiramente, gostei muito do texto principal, está nítido que a casa espírita não é o lugar mais apropriado para rituais.
Quanto ao espiritismo, não é um ritual, cerimônia, adoração de imagens, ou quaisquer outras coisas, que irão determinar o que é e o que não é religião.
Religião é tudo aquilo que liga a criatura (Nós) ao Criador (Deus), sendo assim, portanto, o espiritismo uma religião, obviamente.
Quanto ao casamento, achei perfeita a definição de que se pode ser feita, desde que não seja especificamente dentro da Casa Espírita, pois isso poderia fugir do propósito da Doutrina, visto que outras pessoas que vão aos centros por mera curiosidade, o transformaria em um centro de rituais e cerimônias, dado ao desconhecimento da doutrina.
Sou de acordo que se faça uma reunião eu um lugar mais propício e que se peça a algum amigo que faça uma prece em intenção ao casal. Digo isso, pois minha mãe, hoje desencarnada, se uniu ao seu segundo marido desta forma, foi uma reunião em casa e com um amigo a fazer uma prece, e nem por isso foi um ritual e muito menos tirou o objetivo da doutrina espírita.

bom, espero q tenha me feito entender e desde já agradeço a atenção de todos
fiquem com Deus
abraço fraterno
Juliano