Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Amizade => Tópico iniciado por: Dothy em 13 de Novembro de 2012, 13:06

Título: Não há morte
Enviado por: Dothy em 13 de Novembro de 2012, 13:06





          Saudades querida Mizica
Amiga e colaboradora do FE

Depois que partiram do círculo carnal aqueles a quem amas, tens a impressão de que a vida perdeu a sua finalidade.

As horas ficaram vazias, enquanto uma angústia que te dilacera e uma surda desesperação que te mina as energias se fazem a constante dos teus momentos de demorada agonia.

Estiveram ao teu lado como bênção de Deus, clareando o teu mundo de venturas com o lume da sua presença e não pensaste, não te permitiste acreditar na possibilidade de que eles te pudessem preceder na viagem de retorno.

Cessados os primeiros instantes do impacto que a realidade te impôs, recapitulas as horas de júbilo enquanto o pranto verte incessante, sem confortaste, como se as lágrimas carregassem ácido que te requeima desde a fonte do sentimento à comporta dos olhos, não diminuindo a ardência da saudade...

Ante essa situação, o futuro se te desdobra sombrio, ameaçador, e interrogas como será possível prosseguir sem eles.

O teu coração pulsa destroçado e a tua dor moral se transforma em punhalada física, a revolver a lâmina que te macera em largo prazo.

Temes não suportar tão cruel sofrimento.

Conseguirás, porém, superá-lo.

Muito justas, sim, tuas saudades e sofrimentos.

Não, porém, a ponto de levar-te ao desequilíbrio, à morte da esperança, à revolta...

Os seres a quem amas e que morreram, não se consumiram na voragem do aniquilamento. Eles sobreviveram.

A vida seria um engodo, se se destruísse ante o sopro desagregador da morte que passa.

A vida se manifesta, se desenvolve em infinitos matizes e incontáveis expressões. A forma se modifica e se estrutura, se agrega e se decompõe passando de uma para outra expressão vibratória sem que a energia que a vitaliza dependa das circunstâncias transitórias em que se exterioriza.

Não estão, portanto, mortos, no sentido de destruídos, os que transitaram ao teu lado e se transferiram de domicílio.

Prosseguem vivendo aqueles a quem amas. Aguarda um pouco, enquanto, orando, a prece te luarize a alma e os envolvas no rumo por onde seguem.

Não te imponhas mentalmente com altas doses de mágoas, com interrogações pressionantes, arrojando na direção deles os petardos vigorosos da tua incontida aflição.

Esforça-te por encontrar a resignação.

O amor vence, quando verdadeiro, qualquer distância e é ponte entre abismos, encurtando caminhos.

Da mesma forma que anelas por volver a senti-los, a falar-lhes, a ouvir-lhes, eles também o desejam.

Necessitam, porém, evoluir, quanto tu próprio.

Se te prendes a eles demoradamente ou os encarceras no egoísmo, desejando continuar uma etapa que ora se encerrou, não os fruirás, porque estarão na retaguarda.

Libertando-os, eles prosseguirão contigo, preparar-te-ão o reencontro, aguardar-te-ão...

Faze-te, a teu turno, digno deles, da sua confiança, e unge-te de amor com que enriqueças outras vidas em memória deles, por afeição a eles.

Não penses mais em termos de "adeus" e, sim, em expressões de "até logo mais".



Joanna de Ângelis

Divaldo Pereira Franco

Título: Re: Não há morte
Enviado por: Dothy em 13 de Novembro de 2012, 18:08
Boa tarde amigos e irmãos
Trago a vós com depoimento próprio um pouco sobre a nossa querida amiga e colaboradora do FE,  Mizica que desencarnou na segunda- feira

 Sobre Amélia
Sou bibliotecária, trabalho por conta própria. Canto em coral e atualmente tenho um trabalho como cantora no Coral Flor de Lótus da UFPa, sou contralto. Também canto na noite, quando surgem oportunidades...Cantar é meu vício, minha vida, meu amor...
Gosto de praia e de sol, sempre que posso estou na internet, conversando com meuas amigos, me informando, aprendendo ...gosto de fazer amigos, gosto de sinceridade, gosoto de viver ... bem.

Nasceu a 18 de Abril de 1957
a 11/11/2012
Título: Re: Não há morte
Enviado por: Felipa em 14 de Novembro de 2012, 00:11
Saudades eternas...Um até breve amiga Mizica

2) Esta prece foi ditada a um médium de Bordeaux, no momento em que passava, diante de suas janelas, o enterro de um desconhecido.

Senhor Todo-Poderoso, que vossa misericórdia se estenda sobre nossa irmã  que acaba de deixar a Terra!
Que vossa luz brilhe a seus olhos!
Tirai-o das trevas; abri seus olhos e seus ouvidos!
Que vossos bons Espíritos o envolvam e lhe façam ouvir as palavras de paz e de esperança!
Senhor, por mais indignos que sejamos, ousamos implorar vossa misericordiosa indulgência em favor desta nossa irmã que acaba de ser chamado do exílio; fazei com que seu retorno seja o do filho pródigo.
Perdoai, meu Deus, as faltas que possa ter cometido, para vos lembrardes somente do bem que haja feito.
Vossa justiça é imutável, nós o sabemos, mas vosso amor é imenso.
Nós vos suplicamos para apaziguar a vossa justiça por essa fonte de bondade que emana de vós.
Que a luz se faça para vós, nossa irmã, que acabais de deixar a Terra!
Que os bons Espíritos do Senhor desçam até vós, vos rodeiem e vos ajudem a sacudir as vossas correntes terrenas! Compreendei e vede a grandeza do Nosso Senhor: submetei-vos, sem murmurar, à sua justiça, mas não desacrediteis nunca da sua misericórdia.
Irmã! Que um sério exame do vosso passado vos abra as portas do futuro, ao vos fazer compreender as faltas que deixastes atrás de vós e o trabalho que vos resta fazer para repará-las!
Que Deus vos perdoe e que seus bons Espíritos vos sustentem e vos encorajem!
Vossos irmãos da Terra orarão por vós e vos pedem para orar por eles.
Que assim seja!
Título: Re: Não há morte
Enviado por: Dothy em 14 de Novembro de 2012, 00:23
Aqui está a última postagem da nossa amiga um dia antes de sua partida

Ela aprendeu e deixou como doce lembrança para todos nós...



http://www.forumespirita.net/fe/mensagens-de-animo/um-dia-a-gente-aprende-44931/msg300884/#msg300884