Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 22 de Março de 2020, 07:12

Título: Você se abençoa?
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Março de 2020, 07:12
                                                               VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.




                     
Você se abençoa?



 
Tenho a honra de deixar claro que este artigo foi escrito baseado nos ensinamentos do doutor José Carlos de Lucca, em seu livro Dentro de Mim, Editora InterVidas, página O Que Está Faltando?

Vamos começar com uma pergunta que nos remete, infelizmente, ao passado, creio eu. Você se lembra do tempo em que crianças pediam a bênção aos pais ou aos avós?

Como era bom ser abençoado pela mãe ou pelo pai! Da mesma forma pelos avós com os seus cabelos brancos!

Parecia que um escudo invisível nos tornava inatingíveis de todos os males que pudessem existir nessa vida!

E a Doutrina Espírita justifica essa sensação como sendo de fato uma realidade porque energias benéficas que partiam desses corações amorosos realmente alcançavam-nos promovendo uma grande segurança.

Além das pessoas queridas podemos contar também com as bênçãos de Deus que é nosso Pai e Criador. Imaginem como deve ser a bênção Dele em relação a cada um de nós!

Mas será que realmente cremos que essa bênção acontece? Vivemos pedindo como se Ele estivesse muito longe e alheio às nossas dificuldades.

Por exemplo, o sol que desponta todos os dias trazendo um novo dia, luz e calor para a manutenção da vida no planeta não é uma bênção de Deus?

A chuva que fecunda o solo e proporciona o alimento não é uma bênção de Deus? O lar que nos acolhe não é uma bênção de Deus? A presença de pais amorosos zelando por nossas vidas desde pequenos não é uma bênção de Deus? Os ensinamentos da Doutrina dos Espíritos proporcionando-nos força e coragem para enfrentarmos nossas dificuldades não é uma bênção de Deus? A própria oportunidade da reencarnação não é uma imensa bênção de Deus?

O que estaria faltando em nossas vidas? Não seria o desejo de nos abençoarmos de uma forma mais sincera e intensa?

E quando é que não nos abençoamos senão quando ferimos a Lei de Amor que impera em todo Universo?

Quando ferimos as Leis soberanas da Vida criamos um escudo que impede ou dificulta muito a bonança que poderia e pode se fazer presente em nossa romagem terrena.

Vamos passar aos ensinamentos do livro mencionado acima.

O problema é que, amiúde, não conseguimos captar inteiramente essas bênçãos, porque estamos mergulhados em energias negativas que nós mesmos produzimos, seja pelo modo de falar, seja pelo modo de pensar, seja pelo sentir, seja pelo de agir. Os pensamentos negativos, o coração avinagrado pelo ressentimento, a mente tomada pela revolta, o Espírito abatido pelo vitimismo, a falta de confiança em nós mesmos, a ausência de amor próprio, a crença num destino de fracassos, a maledicência, a vingança, a intolerância, a indiferença à dor alheia; tudo isso cria um campo energético contrário às bênçãos que nos são enviadas pelos que nos amam.

Será que não incidimos em nenhuma dessas condições anteriores?

Vamos remover o escudo “antibênçãos” que instalamos em nosso dia a dia quando nos enquadramos em uma ou mais das condições mencionadas pelo autor do livro?



              Ricardo Orestes Forni









                                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!