Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Espiritualismo => Tópico iniciado por: Atma em 07 de Setembro de 2008, 21:01

Título: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Atma em 07 de Setembro de 2008, 21:01

UMBANDA

Pergunta: Quem são os “pretos-velhos”, “exus” e “pombas-giras” que incorporam na Umbanda? Se são espíritos de luz, por que há necessidade de cigarro, cachaça e sons barulhentos?

Emmanuel - Para espíritos de luz, ou seja, espíritos superiores e puros, não existem necessidades materiais. Os espíritos que trabalham nos terreiros, em sua grande maioria, são aqueles que ainda guardam grandes necessidades das sensações terrenas e por isso usam os médiuns para absorve-las; quando não têm, fazem-no através dos despachos. São, na classificação da Doutrina Espírita, chamados de espíritos mais simples.
É claro que existem aqueles outros que, mesmo tendo condição moral mais elevada, manifestam-se nos terreiros de Umbanda, guardando os procedimentos ali adotados.

CANDOMBLÉ

Pergunta: Qual a diferença entre as entidades de luz da Doutrina Kardecista e os orixás do Candomblé, que são reverenciados em seus templos com bons pratos, roupas tradicionais e músicas? Isso não seria prendê-los ao materialismo?

Emmanuel - Primeiro; devemos esclarecer que a Doutrina não é Kardecista e sim dos Espíritos. Allan Kardec foi o codificador dessa Doutrina, ou seja, através de método científico, reuniu e compilou, com a ajuda de vários médiuns, as informações que hoje conhecemos editadas nos livros básicos da Doutrina Espírita.
Quanto à diferença entre “entidades de luz”, ou seja, espíritos de luz e os orixás do Candomblé; esta reside no fato de que os espíritos de luz encontram-se em elevada condição de evolução moral, estando, portanto, livres das sensações materiais.
Sem dúvida que as oferendas que recebem os “orixás” os prendem à matéria.

Pantão de respostas - Chico xavier.
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: A.Omelczuk em 24 de Abril de 2009, 14:58
Hoje percebo que há uma grande discussão em torno deste Assunto, sobre a questão de espiritos trabalhadores na UMBANDA,  se são inferiores, superiores, se tem apêgo a matéria, por fumarem, beberem, etc.

Ocorre que vivemos em um mundo embora vivamos todos acostados em uma esfera onde a densidade da energia reina em nosso cotidiano, obrifgatóriamente somos regidos por essas.

Apesar de sermos espíritos em processo de evolução temos nosso corpo animal, que por sua própria natureza precisa de alguma forma atender as necessidades materiais de todos os sentidos que possuímos, ou seja, Tato, olfato, paladar, audição e visão,m sem mencionarmos os desejos de satisfazer essas sensações.

O assunto em pauta mesmo que tratássemos de forma reduzida é um campo muito vasto a ser arguido já que tudo o que sabemos é muito pouco perto da verdade absoluta e todo o conhecimento que a Humanidade possui hoje sobre o assunto é ainda é basilar ou relativo.

Não sou nenhum conhecedor nato das coisas da espiritualidade, mas posso oferecer alguns apontamentos que podem trazer um pouco mais de esclarecimento a quem busca respostas.

Porque as Entidades que se manifestam na Umbanda utilizam-se de artefatos, comidas, bebidas, fumo, ervas, plantas etc.?

Em um primeiro plano julga-se inapropriadamente e indevidamente que os materiais utilizados por essas entidades servem apenas para satisfazer as necessidades deles próprios por estarem apegados ainda aos nuances da matéria.

As entidades que trabalham neste segmento tem como fundamento as energias da natureza ao seu dispor na propagação da caridade, são verdadeiros obreiros que transmutam a matéria em benefício da espiritualidade.

Tudo e todo o tipo de matéria existente tem seus princípio energéticos e cada qual com suas próprias peculiaridades e particularidade, cada qual com sua função, pois se assim não o fosse não haveria diversidade na criação divina.

Os princípio energéticos das substâncias utilizadas em um centro de Umbanda ou Candomblé produzem efeitos necessários aos trabalhos, somados com a força vital doada pelos médiuns da corrente e dos próprios médiuns que recebem as entidades fornece material suficiente para que o trabalho produza efeitos no campo espiritual na transmutação da matéria em energia.

Para que se tenha uma noção melhor da complexidade de um simples trabalho em um centro de Umbanda precisariamos enxergar além dos olhos carnais, para cada  entidade  incorporada em um "terreiro" há uma enorme quantidade de espíritos danto suporte e proteção aos trabalhadores.

Tudo isso é necessário para que os processos espirituais desenvolvidos no terreiro de Umbanda seja de pleno acerto e aplicação.

Quando levantamos certas questões para o mundo espiritual temos que nos ater e considerar que existe uma gama gigantesca de problemas espirituais e de vários tipos motivadas por um infinidade de fatores.

Basta imaginarmos que algém que tenha uma unha encravada procure um Neurocirurgião para resolver seu problema, ou vice-versa.

Imagine alguém com problema de queda de Cabelo procurar um Gastroenterologista para se curar.

Ou um psiquiátra para cuidadar de uma vasectomia.

Agora eleve esses principios às potencialidades da complexidade da espiritualidade. O que me diz?

Cada qual com seu trabalho, cada um com sua função, ou como queira "cada um no seu quadrado"

Recentemente uma garota indigenena foi picada por uma cobra que possuía um veneno muito forte, a menina sobreviveu, mas segundo os médicos suas pernas deveriam ser amputadas em razão das consequencias toxicológicas do veneno.

A família da menina ignorou o diagnóstico médico e levou até o Hospital o Pagé de sual aldeia para o tratamento, para a surpresa dos médicos os resultados foram extraordinários e a amputação foi descartada.

Se pensar friamente  um Pagé, sem nenhm doutorado, que usa substâncias naturais, utiliza-se de fumo, provavelmente usa alguma substância narcótica para entrar em contato com o mundo espiritual, está eivado por espíritos de baixo grau evolutivo em seu trabalho.

Considere isso e reflita.

Ocorre que muitos médiuns que se doam a esse trabalho muitas vezes desconhecem esses princípios e os processos que os rodeiam, e nem por isso deixam de prestar um ótimo serviço à caridade.

Isto  não significa que inexista um movimento expeculativo  espiritual promovido por entidades duvidosas que desvirtuem esse processo para atingir seus funestos desejos, existem lugares e lugares, médiuns e médiuns, mas isso não pode ser considerado como regra e sim exceção.

Todos os grupos religiosos independente de dogma, assim como as casas espirítas ou de "mesa Branca" são passíveis aos ataques destes irmãos desvirtuados.

Basta a queda de um princípio moral para que tudo desabe e se infecte com os movimentos expeculativos das trevas.

As obras de Kardec, são essenciais e basilares para o desenvolvimento do espírito Humano, embora basilares, mas tratam de forma superficial as diversas questões da espiritualidade, ainda há muito a se aprender e a descobrir, mas acredito que todos estamos no caminho da luz independente do caminho que escolhamos para nós mesmos.


Quanto aos Orixás é uma outra questão que  acho posso dar alguns poucos esclarecimentos. se for o caso coloco-me a disposição.


Um fraterno abraço.

Ailton.

(desculpe-me pelos erros de Português, prometo que os corrijo assim que puder)
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Fernanda S. em 24 de Abril de 2009, 16:23
Olá amigos!

Se me perguntam minha religião, respondo com convicção: espírita, mas confesso também sem o menor embaraço que admiro por demais o trabalho de caridade e amor que a Umbanda desempenha na vida das pessoas.

Tenho amigas umbandistas que vez ou outra me convidam para visitar seu terreiro e é com imensa felicidade que vou até lá. Sinto lá o equilíbrio e a segurança como na minha Casa Espírita. Há muitas diferenças, sem dúvida, mas o trabalho transcorre com o objetivo principal de ajuda ao próximo. E observo as muitas pessoas humildes que lá chegam cheias de angústia e de lá saem aliviadas. Se assemelha até ao resultado num atendimento fraterno, mas atinge pessoas bem humildes que sentem afinidade com a linguagem simples.

Então, resumindo, admiro e sou simpática à Umbanda pura (pois há terreiros que se dizem umbandistas, mas escorregam), mas minha religião e meu porto seguro é o Espiritismo sem dúvida.

Recomendo a quem se interesse pelo tema, o livro Tambores de Angola do Robson Pinheiro e tem uma mensagem muito bonita nesse link também:  http://cethrio.vilabol.uol.com.br/modelos/arqs_pensamentos/arqs_pensamentos9998.htm (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2NldGhyaW8udmlsYWJvbC51b2wuY29tLmJyL21vZGVsb3MvYXJxc19wZW5zYW1lbnRvcy9hcnFzX3BlbnNhbWVudG9zOTk5OC5odG0=)


Beijinhos!


Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: A.Omelczuk em 24 de Abril de 2009, 18:52
Sou Umbandista de corpo, coração e Espírito, não nego, não sinto vergonha, muito pelo contrário, amo muito o que faço, porque faço e pelo que faço.

Amo também a Doutrina Espírita, e confesso que aprendo muito apesar de saber quase nada, já caminhei muito nessa jornada e sei que ainda é o princípio de uma longa viagem.

A Umbanda ainda é muito incompreendida e alvo de conceitos falhos e muito preconceito, mesmo o velado, esse é o pior tipo de preconceito, acredito eu.

Mas continuamos na luta, na imperfeição das facetas humanas a caridade não tem preteridos, não escolhe cor, raça ou religião, está lá inerte esperando que nós a ponhamos em movimento, pois o amor é que impulsiona a vida o mundo, as pessoas as coisas os sentimentos mais sublimes, e esse sentimento está em todos os lugares.
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Ramon em 04 de Novembro de 2009, 19:10
 
  Li, gostei e divulgo do Portal Panorama.

Umbanda e Candomblé. Torres Gêmeas Afro-brasileiras. Preconceito, Estigma, Mídia e Ordenamento Jurídico.

Publicado por Visitante em 01/10/2006 (4406 leituras)
 
Os adeptos de religiões, que se originaram na África, devem sentir profunda dor na alma diante das agressões verbais via rádio e TV. Este tipo de comportamento que produz marcas infamantes aponta para o desconhecimento do universo do império da lei. Com a liberdade divorciada da responsabilidade pode-se atacar pessoas e/ou religiões, com a "demonização"   (4) como técnica. Não é necessário doutoramento em Ciências Jurídicas para perceber que se trata de manobra perigosa, principalmente porque atenta contra a paz e desrespeita direito fundamental.
 
Continua em
 
http://www.panoramaespirita.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=5962 (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wYW5vcmFtYWVzcGlyaXRhLmNvbS5ici9tb2R1bGVzL3NtYXJ0c2VjdGlvbi9pdGVtLnBocD9pdGVtaWQ9NTk2Mg==)
 
Paz
Ramon

 
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Ma3434 em 10 de Dezembro de 2009, 11:16
A Umbanda não é uma religião fácil de seguir.
Como ex médim de Umbanda, posso dizer que cada terreiro é de um jeito.
E, quase sempre do jeito que o dirigente acha que deve ser.
A maioria não tem estudo aprofundado.
Em inúmeros trabalhos que participei cansei de ouvir os Exus dizerem que iam amarrar esse ou aquele espírito. As entidades são mais materialistas, possui ainda imperfeições, melindres, autoritarismo, etc. Claro que tem outras que são mais caridosas. No entanto, é muito dificil separar quem é quem. Dizem que só fazem o bem, e se precisam amarrar ess ou aquele é para quebrar trabalho de magia negra. Você vê bebida alcólica, comida, velas, pontos, etc, etc... Eles usam a energia desses elementos, para fazer o que? Hoje, não sou tão ingenua e mais crítica. Acho que a única coisa que quebra magia negra, que é uma espécie de obessão grave, é o evangelho de Jesus.
Jesus é o caminho mais seguro, não vamos nos afastar muito daquilo que ele ensinou.
O espíritismo ensina que tudo vem do pensamento, não precisamos de apetrechos.
Vela não ilumina o caminho de ninguém, o que ilumina é oração e evangelização.
Vamos estudar e refletir os ensinamentos de Allan Kardec e procurar vivenciar a doutrina espírita se baseando no exemplo daqueles que deram bons exemplos, como Xico Xavier.

Abraço
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Marcio Slobodzian em 15 de Dezembro de 2009, 12:58
Se a pessoa não tiver amor dentro de sí mesmo, não ha vela e nem evangelização para ajudar, e quando o caboclo das sete encruzilhada falou sobre a umbanda foi isso.. ``A prática da caridade (amor fraterno), seria a tônica desse culto, que teria como base o Evangelho de Cristo e como mestre supremo, Jesus.´´

mais não é bem isso que algumas casas seguem.

Tem uma diferença que alguns lugares cultuam as entidades da umbanda com precitos do candomblé..e isso acaba fazendo muitos filhos sofrerem por falta de responsabilidade se certos dirigentes da casa..isso eu não aceito mesmo.
é mesma coisa eu montar uma casa de Allan Kardec, e banhar seus filhos com sangue para purificar eles..rsrsrs.. fala serio..
mais vamos lembrar que o corpo é terrrreno, a alma não. o que se planta aqui nem sempre é colhido aqui mesmo.. e talvez na eternidade da alma..
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Mourarego em 15 de Dezembro de 2009, 15:37

UMBANDA

Pergunta: Quem são os “pretos-velhos”, “exus” e “pombas-giras” que incorporam na Umbanda? Se são espíritos de luz, por que há necessidade de cigarro, cachaça e sons barulhentos?

Emmanuel - Para espíritos de luz, ou seja, espíritos superiores e puros, não existem necessidades materiais. Os espíritos que trabalham nos terreiros, em sua grande maioria, são aqueles que ainda guardam grandes necessidades das sensações terrenas e por isso usam os médiuns para absorve-las; quando não têm, fazem-no através dos despachos. São, na classificação da Doutrina Espírita, chamados de espíritos mais simples.
É claro que existem aqueles outros que, mesmo tendo condição moral mais elevada, manifestam-se nos terreiros de Umbanda, guardando os procedimentos ali adotados.

Como se vê Emmanuel chuta mas não acerta o gol.
Fala com extrema discrepância e sem nenhum conhecimento do que seja Umbanda.
Médiuns não absorvem energia alguma dos trabalhos que são "pontes" para dar-lhes cumprimento.
Todo e qualquer material de plano, quer dizer aqueles coisas que são pedidas pelos guias, têm suas energias transmutadas em específicos que ajudarão no trabalho a ser executado, logo, usa-se isso que transmutado naquilo, torna-se em bálsamo para a dor do consulente.
Ora, se o trabalho é para um ser que sofre, porque o remédio seria ingerido pelo médium?
Pior ainda diz: "na classificação da doutrina Espírita são chamados de Espíritos mais simples" esquece-se Emmanuel que o Espírito foi creado "Simples e ignorante", segundo a mesma doutrina.
Das duas uma: OU não foi Emmanuel quem respondeu, ou ele andava "meio desligado" igual a letra da música da Rita Lee e os Mutantes.


CANDOMBLÉ

Pergunta: Qual a diferença entre as entidades de luz da Doutrina Kardecista e os orixás do Candomblé, que são reverenciados em seus templos com bons pratos, roupas tradicionais e músicas? Isso não seria prendê-los ao materialismo?

Emmanuel - Primeiro; devemos esclarecer que a Doutrina não é Kardecista e sim dos Espíritos. Allan Kardec foi o codificador dessa Doutrina, ou seja, através de método científico, reuniu e compilou, com a ajuda de vários médiuns, as informações que hoje conhecemos editadas nos livros básicos da Doutrina Espírita.
Quanto à diferença entre “entidades de luz”, ou seja, espíritos de luz e os orixás do Candomblé; esta reside no fato de que os espíritos de luz encontram-se em elevada condição de evolução moral, estando, portanto, livres das sensações materiais.
Sem dúvida que as oferendas que recebem os “orixás” os prendem à matéria.
Aqui Emmanuel também se esquece de quem é aquele que "manda" no Camdomblé e qual o sincretismo que se faz.
Final de papo: Ou a retórica de Emmanuel mostra-o em roupagem discriminatória, ou ele se perde nos comentários quando aborda um tema do qual não conhece nem a pontinha.
abraços,
Moura

Pantão de respostas - Chico xavier.
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Wilsonmoreno em 24 de Fevereiro de 2014, 23:54
Espíritos que pedem bebida e cigarros.

1)As pessoas que se entregam ao vicio da bebida e do fumo passam a atrair a assistência nociva de espíritos desencarnados que também possuem tais vícios, espíritos obsessores.
Cada vicio é uma porta aberta para a influencia negativa de espíritos inferiores e perturbadores do plano astral, para afastar esses espíritos viciosos temos que nos libertar dos vícios torpes da bebida e do cigarro, tudo é uma questão de sintonia no mundo espiritual, os encarnados bons, corretos, honestos, com pensamentos elevados e nobres vão entrar em sintonia com os espíritos de luz, os encarnados maldosos, falsos, picaretas, desonestos, com maus pensamentos e vícios, vão entrar em sintonia com espíritos inferiores e obsessores.
O Bem tem sintonia com o Bem.
O mal tem sintonia com o mal.
Imaginemos uma pessoa que se entrega a bebida, cachaça, cigarros, charutos, ela passa a atrair a companhia de espíritos desencarnados que também gostam da bebida e do fumo, os semelhantes atraindo os semelhantes.
Os espíritos viciosos são Vampiros psíquicos que vampirizam os encarnados que possuem vícios, esses médiuns que trabalham com cachaça e charutos são vampirizados por espíritos que possuem os mesmos vícios.
Os espíritos de luz ou bons espíritos não possuem necessidades matérias e nem apego as coisas mátrias, vamos concluir, que somente espíritos apegados a matéria trabalham com médiuns que usam charutos, cigarros e cahaça.
Eles são canecos vivos ou piteiras vivas para as entidades viciosas do plano astral.
Vejamos uma observação de Ramatis sobre essa questão.

O alcoólatra, seja o que se embriaga com o uísque caríssimo ou o que se entrega à cachaça pobre, não passa de um "caneco vivo", pelo qual muitos espíritos desencarnados e viciados se esforçam para beber "etericamente" e aliviar a sua sede ardente de álcool.

 Todos os beberrões desencarnados vivem à cata de "canecos vivos", na Terra.
(...) Os espíritos desencarnados e ainda escravos das paixões e vícios da carne – em virtude da falta do corpo físico – são tomados de terrível angústia ante o desejo de ingerir o álcool com o qual se viciaram desbragadamente no mundo físico. (...) os encarnados que se viciam com bebidas alcoólicas passam também a ser acompanhados de espíritos de alcoólatras já desencarnados, ainda escravos do mesmo vício aviltante, que tudo fazem para transformar suas vítimas em "canecos vivos" para saciarem seus desejos.

2) Vou colocar uma pergunta.
Os espíritos de luz ou espíritos elevados precisam de bebida, cachaça, cigarros, charutos, velas?????
Qual a sua resposta???

Devemos raciocinar com bom senso, no Espiritismo a fé tem que ser raciocinada, sem fantasias e superstições.
Espiritos desencarnados que pedem coisas matérias, são espíritos apegados a matéria, somente isso.
Não estou atacando ninguém, eu estou raciocinando.

Vejamos uma observação muito importante de Raul Teixeira sobre essa questão.

Nós espíritas pensamos o seguinte: ESPÍRITOS QUE PEDEM CHARUTO, BEBIDAS ALCOÓLICAS, COMIDA, SANGUE DE UM IRMÃO INFERIOR (ANIMAL) OU MESMO HUMANO, QUE PARTICIPAM DE TRABALHOS DE VINGANÇA OU OUTRA MALDADE QUALQUER, PRECISAM DE ESCLARECIMENTO CRISTÃO. ELES AINDA ESTÃO APEGADOS À COISAS MATERIAIS E SENTIMENTOS INFERIORES. Seria incoerente falarmos de Jesus e nos propor fazer maldade seja lá a quem for. Como podemos pedir ajuda a quem precisa de ajuda? Se Espíritos resolvessem problemas, Chico Xavier, que foi muito mais merecedor que muitos de nós, não teria sofrido com doenças e problemas. Já que vivia em contato direto com eles. Então, sigamos o conselho do apóstolo Paulo:"Não creiais em todos os espíritos, mas examinai se eles são de Deus." (João 4:1). Paulo sabia que todos os Espíritos são de Deus, mas o propósito de alguns não são divino. Por isso, precisamos ter cuidado para não nos confundirmos, não nos aliarmos, não incentivarmos, não nos comprometermos com a lei divina. O Espiritismo é uma doutrina sem sacerdotes, sem dogmas, sem rituais, não adota em suas reuniões e em suas práticas qualquer tipo de paramentos ou vestes especiais (as vestes brancas devem ser as que nos cobrem o espírito e o nosso perispírito); não utilizamos sal grosso, plantas, amuletos, etc. (porque o nosso coração é nosso escudo, quando nele mora o amor); não adotamos cálice com vinho ou bebidas alcoólica (os espíritas não devem alimentar o vício do álcool nem do fumo, porque precisamos estar lúcidos para apreciar a beleza da vida); não utilizamos incenso, mirra, velas (porque são coisas materiais e nós usamos a prece para nos sustentar o espírito); não temos altares, imagens, andores, procissões, pagamento pelos trabalhos espirituais, talismãs, sacrifício animal, santinhos, administração de indulgências, confecção de horóscopos, exercício da cartomancia, quiromancia, astrologia, numerologia, cromoterapia, pagamento de promessas, despachos, riscos de cruzes e pontos, não temos curas espirituais com cortes, orações milagrosas para resolver problemas sentimentais, financeiros, etc.


Vou realçar essa observação do Raul Teixeira.
Nós espíritas pensamos o seguinte: ESPÍRITOS QUE PEDEM CHARUTO, BEBIDAS ALCOÓLICAS, COMIDA, SANGUE DE UM IRMÃO INFERIOR (ANIMAL) OU MESMO HUMANO, QUE PARTICIPAM DE TRABALHOS DE VINGANÇA OU OUTRA MALDADE QUALQUER, PRECISAM DE ESCLARECIMENTO CRISTÃO. ELES AINDA ESTÃO APEGADOS À COISAS MATERIAIS E SENTIMENTOS INFERIORES.

Nessas observações do Raul Teixeira, vemos que somente espíritos materializados apegados as sensações matérias é que pedem essas coisas como, bebida, cigarros, charutos, despachos e sacrifícios de pobres animais.
Os espíritos de luz não necessitam de coisas matérias.
Isso é lógico e racional basta estudar o Espiritismo para ver essa Verdade.

Perguntamos.
Raul Teixeira esta errado ou certo nessa observação??????
Qual a sua resposta?????

Muitas entidades que trabalham nesses lugares estão muito materializadas e condicionadas a vida terrena, querem manter as sensações da matéria, querem beber, fumar e até transar.
Esses espíritos viciosos encostam o seu perispirito no perispirito do encarnado que esta bebendo, fumando ou transando e passam a sentir as mesmas coisas, é o chamado encosto.
Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Wilsonmoreno em 25 de Fevereiro de 2014, 00:03
UMBANDA

Pergunta: Quem são os “pretos-velhos”, “exus” e “pombas-giras” que incorporam na Umbanda? Se são espíritos de luz, por que há necessidade de cigarro, cachaça e sons barulhentos?

Emmanuel - PARA ESPÍRITOS DE LUZ, OU SEJA, ESPÍRITOS SUPERIORES E PUROS, NÃO EXISTEM NECESSIDADES MATERIAIS. Os espíritos que trabalham nos terreiros, em sua grande maioria, são aqueles que ainda guardam grandes necessidades das sensações terrenas e por isso usam os médiuns para absorve-las; quando não têm, fazem-no através dos despachos. São, na classificação da Doutrina Espírita, chamados de espíritos mais simples.
É claro que existem aqueles outros que, mesmo tendo condição moral mais elevada, manifestam-se nos terreiros de Umbanda, guardando os procedimentos ali adotados.

CANDOMBLÉ

Pergunta: Qual a diferença entre as entidades de luz da Doutrina Kardecista e os orixás do Candomblé, que são reverenciados em seus templos com bons pratos, roupas tradicionais e músicas? Isso não seria prendê-los ao materialismo?

Emmanuel - Primeiro; devemos esclarecer que a Doutrina não é Kardecista e sim dos Espíritos. Allan Kardec foi o codificador dessa Doutrina, ou seja, através de método científico, reuniu e compilou, com a ajuda de vários médiuns, as informações que hoje conhecemos editadas nos livros básicos da Doutrina Espírita.
Quanto à diferença entre “entidades de luz”, ou seja, espíritos de luz e os orixás do Candomblé; esta reside no fato de que OS ESPÍRITOS DE LUZ ENCONTRAM-SE EM ELEVADA CONDIÇÃO DE EVOLUÇÃO MORAL, ESTANDO, PORTANTO, LIVRES DAS SENSAÇÕES MATERIAIS.
SEM DÚVIDA QUE AS OFERENDAS QUE RECEBEM OS “ORIXÁS” OS PRENDEM À MATÉRIA.

Plantão de respostas - Chico xavier.

Emmanuel é bem claro, somente espíritos apegados as sensações matérias é que pedem cigarros, charutos, cachaça e despachos, ou seja, espíritos atrasados.
Perguntamos.
Emmanuel esta certo ou errado nessa questão??????


Título: Re: Umbanda e Candomblé
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Fevereiro de 2014, 03:29
Espíritos ...........
................encosto.


Emmanuel esta certo ou errado nessa questão??????



Está errado,

Pois que fala do que não conhece e falta com a Caridade:


"Toda crença é respeitável, quando sincera e conducente à prática do bem".

839. Será repreensível aquele que escandalize com a sua crença um outro que não pensa como ele?

“Isso é faltar com a caridade e atentar contra a liberdade de pensamento".

                                                                O Livro dos Espíritos