Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 03 de Agosto de 2011, 10:28

Título: Pedra sobre pedra
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Agosto de 2011, 10:28
                                       VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Pedra sobre pedra
                 .
Em suas pregações, nosso senhor Jesus Cristo faz uso das mais diversas formas de expressão. Uma dessas formas é conhecida por nós como sermão.

   Há vários sermões nos Evangelhos. Certamente, o mais conhecido e comentado é o sermão do Monte (Mateus: V, VI e VII), onde o Mestre Galileu cita as Bem-Aventuranças.

   Nosso escopo nesse trabalho é enfatizar singelo trecho de outro sermão, por nós conhecido como Sermão Profético, também citado nas notas de Mateus, na íntegra.

   Logo no 2º versículo (capítulo XXIV), Jesus responde a interpelação dos apóstolos, com referência às edificações do majestoso templo de Salomão:

   - Não vedes tudo isso? Amém vos digo que não será deixada aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.

   Usaremos, para essa análise, o mesmo método de abordagem utilizado por Emmanuel, quando da escrita (psicografia de Chico Xavier) da série de livros na qual interpreta passagens dos Evangelhos (“Caminho, Verdade e Vida”, “Pão Nosso”, “Vinha de Luz”, “Fonte Viva”, “Ceifa de Luz”, “Palavras de Vida Eterna”, etc.), isolando pequenos trechos do versículo 2, para apreciação.

   Aplicando as citadas palavras às nossas vidas (já que os ensinamentos de Jesus são eternos, e não podem ficar circunscritos a uma época ou local), o Cristo sugere que não nos escondamos atrás de fatores que não nos trarão felicidade.

   Vemos com freqüência irmãos fugindo às responsabilidades, usando como justificativa, fatores e situações notoriamente ilusórias:

- Dinheiro;

- Posses;

- Títulos universitários;

- Cargos políticos;

- Colocações profissionais;

- Poder, etc.

   Nessa fase pela qual passamos, de plena transição para uma categoria  de mundo mais justo, todas essas convenções (sociais, políticas, econômicas, profissionais) tendem a ser desfeitas, e nova organização (em todos esses aspectos) deve surgir.

   Levemos em conta, nesse momento da discussão, outro ensinamento de Jesus:

   -... A todo aquele que muito foi dado, muito lhe será requerido... (Lucas, XII: 48).

   Segundo essas palavras, quanto maior o poder que tivermos em mãos, maiores serão as nossas responsabilidades, quanto ao uso que fizermos dessa dádiva, que precisa ser usada para o bem geral.

   Sugere nosso Governador Espiritual também que não nos acomodemos, pois só restarão as pedras usadas em pleno acordo com a Lei de Deus. Nessa situação, surge a dúvida: como agir? De que forma usar as bênçãos que recebemos?

   Essa sublime revelação nos foi dada pelo Espírito da Verdade, em resposta à questão número 642 de “O Livro dos Espíritos”:

   Para agradar a Deus e assegurar a sua posição futura, bastará que o homem não pratique o mal?

“Não; cumpre-lhe fazer o bem no limite de suas forças, porquanto responderá por todo mal que haja resultado de não haver praticado o bem”.

   Os Espíritos Superiores nos mostram a responsabilidade de cada um de nós, não só pelo mal que praticamos, mas também pelo bem que deixamos de realizar!

   Usando como referência moral a Parábola dos Talentos (Mateus, XXV: 14 a 30 – também inserida no Sermão Profético), concluiremos que todas as dádivas recebidas por nós, vindas do Criador, devem gerar frutos! É necessário que nossos talentos (agora, no sentido literal) sejam usados para o bem de todos (respostas dadas às questões 629 e 886 de “O Livro dos Espíritos”), pois assim nossas ações estarão em pleno acordo com a Lei de Deus.

   Ainda pensando na Parábola dos Talentos, Jesus fará uso de nossos conhecimentos e de nossas habilidades, na reestruturação das bases sociais do nosso planeta. Não mais enfatizando o lucro nem vantagens pessoais, as relações humanas basear-se-ão no Evangelho de Jesus, simplificando-as através do amor ao próximo.

   No livro “Emmanuel”, o orientador de Francisco Cândido Xavier (capítulo XXXV) nos diz que “todas as reformas sociais, necessárias em vossos tempos de indecisão espiritual, têm de processar-se sobre a base do Evangelho”.

   Essa interessantíssima colocação de Emmanuel nos ensina a pensar no bem comum, excluindo de nós o egoísmo, arraigado em nosso psiquismo há milênios.

   Toda fase de reestruturação é complexa e demorada, e seria desnecessário dizer que o Mestre de Nazaré necessita de nosso apoio, pois a “destruição” das estruturas sociais, políticas, econômicas e (até) familiares já se iniciou.

   A renovação das bases sociais já teve início. Cabe a nós, que estamos em pleno processo de evangelização própria, colaborar com Jesus de Nazaré, apascentando suas ovelhas.

André Luiz Iesi Sobreiro (Severinia/SP)

É professor de ensino fundamental, orador e dirigente espírita na cidade de Severinia/SP.



                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Pedra sobre pedra
Enviado por: Sylvia Campos em 03 de Agosto de 2011, 14:40
Ótima reflexão!!