Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 10 de Setembro de 2016, 14:49

Título: Os desafios da transformação moral
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Setembro de 2016, 14:49
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.



                      Os desafios da
transformação moral



“Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.” (O Evangelho segundo o Espiritismo, Cap. XVII, item 4)
Esta sentença tão conhecida, mas geralmente incompreendida, contém duas características bem claras e indispensáveis para identificar o verdadeiro espírita. São como dois eixos, um vertical, outro horizontal.
O vertical pode caracterizar a transformação moral, como um simples símbolo. Assim, a transformação moral indicaria o nível do progresso realizado. Quanto mais alto, maior o desenvolvimento do Espírito. Por causa disso, talvez, muitas pessoas se acham excluídas da categoria de verdadeiros espíritas, imaginando que essa “transformação moral” seja algo extraordinário. Mas não é assim. Acontece como uma mãe que observa seu filho e diz: “Meu filho está mais paciente depois que começou a frequentar a igreja.” Esse “estar mais paciente” é transformação moral.
O eixo horizontal indica o progresso realizado segundo o tempo. Um processo paulatino, constante, de todos os dias. É nesse eixo que está a assertiva “pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más”. Há aqui, novamente, um equívoco que fica evidente quando muitas pessoas dizem, em vez de “domar”, “vencer”. Domar uma má inclinação é bem diferente de vencê-la. O segredo da compreensão desta sentença é o verbo domar.
Emmanuel nos diz que é “imprescindível renunciarmos aos nossos pequenos desejos que nos são peculiares, para alcançar a capacidade de sacrifício que estruturará nossa evolução em mais altos níveis.” Domar/renunciar, vencer/sacrificar.
O inconsciente é aquilo que realmente somos e que geralmente desconhecemos. Para conhecermos a nós mesmos é preciso prestar atenção em nossos atos. Atos comuns, atos de fala e atos em situações singulares. Ele seria como um cavalo selvagem, que cumpre domarmos. Pelo contrário, seríamos causadores de danos a nós mesmos e aos outros, especialmente na esfera íntima. Como bons cavaleiros, depois de verificar os problemas a serem solucionados, nos colocamos no trabalho de domar. Não é tão fácil quanto pode parecer, porque nosso inconsciente quer manifestar-se livremente, buscando sempre a realização de desejos ou de morbidades. Quando finalmente conseguimos domá-lo, ainda assim é ele que nos leva, mas obedecendo ao nosso comando e à direção que lhe indicamos. Percebemos, então, que os desejos continuam os mesmos, mas renunciamos à sua manifestação, e tomamos a energia  desses desejos para a construção de atos superiores.
Allan Kardec, trinta anos antes da psicanálise, compreendeu muito bem essa nuança entre domar e vencer. De fato, ainda não somos capazes de vencer nossas más tendências, mas podemos renunciar à sua manifestação.
Aquilo que foi traduzido por quase todos como a origem de nossas tentações com o termo “concupiscência” deveria ser traduzido por “desejos ardentes”, porque vem do verbo latino concupisco (desejar ardentemente), de onde nos viria, no latim tardio, o termo concupiscentia.
A renúncia, como diz Emmanuel, é uma espécie de treino que nos  permitirá, no futuro, sacrificar os desejos ruins.



              Editorial-O Consolador








                                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Os desafios da transformação moral
Enviado por: lconforjr em 10 de Setembro de 2016, 18:28
Buscando ter uma fé-raciocinada: Porq é tão extremamente difícil a transformação moral? E, sendo ela tão difícil, qual é a justificativa para os sofrimentos que a lei divina nos manda, enqto não realizamos essa transformação? E porq temos de nos transformar moralmente? O Criador não nos criou prejudicados qto a nossa moral, já necessitados dessa transformação. Sendo assim, porq é necessária essa transformação?
.