Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 18 de Julho de 2013, 13:08

Título: Origem das raças negra e amarela na Terra
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Julho de 2013, 13:08
                                                                 VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.




                      Origem das raças negra e amarela
na Terra

Parte 1



“Lendo a matéria de sua lavra ‘Os sãos não precisam de médico’ na publicação referenciada, onde se informa que os Espíritos que formaram as raças de homens brancos vieram de Capela e que as raças negra e amarela, àquela oportunidade, já se encontravam por aqui, nos vem uma pergunta: de onde e quando vieram tais Espíritos (negros e amarelos)?”

O livro A Caminho da Luz 1 (cap. II) permite-nos concluir que essas raças (negra e amarela), existentes na Terra – à época mundo primitivo –, evoluíram aqui mesmo, num processo natural, e com a intervenção paciente e constante dos “operários de Jesus”, ao longo de séculos.

Quanto à origem e quando surgiram os Espíritos que animaram os corpos das raças negra e amarela, é enigma insondável para nós, em nosso estágio atual.

Na mesma obra, Emmanuel indica, às páginas 30 e 31:

“As forças espirituais que dirigem os fenômenos terrestres, sob a orientação do Cristo, estabeleceram, na época da grande maleabilidade dos elementos materiais, uma linhagem definitiva para todas as espécies, dentro das quais o princípio espiritual encontraria o processo de seu acrisolamento, em marcha para a racionalidade.

Os peixes, os répteis, os mamíferos tiveram suas linhagens fixas de desenvolvimento e o homem não escaparia a essa regra geral.”  (Grifos nossos.)

Divaldo P. Franco (em palestra na Argentina: Parte II, deste artigo) diz o mesmo.

Como surgiram na Terra os primeiros homens – Em A Gênese 2, capítulo XI, ‘Gênese Espiritual’, item 29, o surgimento dos primeiros homens é claramente indicado:

“Quando a Terra se encontrou em condições climáticas apropriadas à existência da espécie humana, encarnaram nela Espíritos humanos. De onde vinham? Quer tenham sido criados naquele momento; quer tenham procedido, completamente formados, do espaço, de outros mundos, ou da própria Terra, a presença deles neste planeta, a partir de certa época, é um fato. (...) Revestiram-se de corpos adequados às suas necessidades especiais, às suas aptidões, e que, fisiologicamente, tinham as características da animalidade. Sob a influência deles e por meio do exercício de suas faculdades, esses corpos se modificaram e aperfeiçoaram: é o que a observação comprova. Deixemos, pois, de lado a questão da origem, por enquanto insolúvel (...)”. (Grifos nossos.)

Evoluíram como desdobramento do princípio inteligente e da ação de Espíritos superiores, a serviço de Jesus, que presidiu a formação da Terra e a governa.

Sobre o tema, eis algumas questões de O Livro dos Espíritos 3:

Questão 48: Podemos conhecer a época do aparecimento do homem e dos outros seres vivos na Terra?

“Não; todos os vossos cálculos são quiméricos.”

Questão 49: Se o gérmen da espécie humana se encontrava entre os elementos orgânicos do globo, por que os homens não mais se formam espontaneamente, como em sua origem?

“O princípio das coisas está nos segredos de Deus. Entretanto, pode dizer-se que os homens, uma vez espalhados pela Terra, absorveram em si mesmos os

elementos necessários à sua formação, para os transmitir segundo as leis da reprodução. Deu-se o mesmo com as diferentes espécies de seres vivos.” – (Grifamos.)

Tudo se encadeia na obra da Criação – Núcleo do argumento contido na questão:

Questão 607-a. – Assim, poder-se-ia considerar a alma como tendo sido o princípio inteligente dos seres inferiores da Criação?

“Já não dissemos que tudo se encadeia na Natureza e tende para a unidade? É nesses seres, que estais longe de conhecer inteiramente, que o princípio inteligente se elabora, se individualiza pouco a pouco e se ensaia para vida. É, de certo modo, um trabalho preparatório, como o da germinação, por efeito do qual o princípio inteligente sofre uma transformação e se torna Espírito. (...).” (Grifamos, salvo na palavra Espírito, em que o grifo é do original.)

Um nobre amigo cita O Evangelho segundo o Espiritismo (cap. III, item 14): havia na Terra (em 1863) três grupos de Espíritos: os que sempre viveram aqui e ainda eram primitivos; os que sempre viveram aqui e já apresentavam alguma evolução, e os estrangeiros, provenientes de outros mundos.

Entende que não só o sistema de Capela supriu a Terra de Espíritos. Que a raça amarela teve origem em outra parte, pelos traços especiais de sua cultura (tradições religiosas e a forma especial de registrar as palavras, diferente de árabes, gregos e judeus). Certamente iniciaram sua evolução em outro orbe, que não a Terra. Isso justificaria essa cultura tão diferente das demais. Suposições respeitáveis, mas desconhecemos fontes mediúnicas que as sustentem.

Criacionismo ou Evolucionismo? – Duas correntes de pensamento opõem-se, sobre a origem da raça humana na Terra. Uma defende somente o Criacionismo; a outra, o Evolucionismo.

Joanna de Ângelis 4 harmoniza essas tendências, com dados atuais de Ciência:

“Duas alternativas, pois, se confrontam em antagonismo, (Criacionismo e Evolucionismo) que é mais resultante de interpretação de conteúdos do que de legitimidade factual, podendo ser solucionado o impasse através da associação de ambas as teorias.

O Psiquismo Divino concebeu e elaborou a vida, graças a uma programação que se concretizou no processo evolucionista, etapa a etapa, com os intervalos correspondentes ao período da morte, em que o psiquismo prosseguiu experimentando continuidade evolutiva, retornando em formas primitivas que se fizeram cada vez mais complexas, até atingir as expressões superiores nos animais evoluídos, culminando no ser humano.

Essa possibilidade não deve ser descartada, quando se pode constatar o autógrafo de Deus no genoma após decodificado, no qual se encontra toda a história dos diversos seres nos seus estranhos códigos responsáveis pelas informações contidas especialmente em cada célula do corpo humano, num conjunto de três bilhões de letras... (...).” (Grifos da autora espiritual.)

Antes, no mesmo texto, ela já advertira:

“(...) considerar-se que o Evolucionismo consegue explicar em toda a sua complexidade o milagre da vida, sem a necessidade do Criacionismo ou da presença de um Autor, é oferecer-lhe uma transcendência que se assemelha à própria Divindade.”

Recente descoberta científica corrobora a ideia que harmoniza Criacionismo e Evolucionismo:

Os interessados podem ler, via Internet, artigo que noticia esse fato em “Ciência e Saúde”, postado em 01/10/2009, intitulado Ancestral humano mais antigo mostra que homens e macacos evoluíram paralelamente. (O link que remete à matéria  é http://noticias.uol.com.br.)

Eis pequena parte dele, que diz:

“A descoberta do mais antigo ancestral dos humanos já conhecido contraria a ideia de que os homens teriam evoluído de chimpanzés primitivos, afirma um estudo publicado na edição dessa sexta-feira (2) da revista americana ‘Science’. O trabalho aponta para uma evolução paralela de macacos e humanos após a separação das duas famílias, milhões de anos atrás. O pivô da discussão é o fóssil de uma fêmea da espécie Ardipithecus ramidus. Batizada de Ardi, ela tem 4,4 milhões de idade.” (Grifamos.)

(Este artigo será concluído na próxima edição desta revista.)

 

Bibliografia:

1. XAVIER, Francisco C. A Caminho da Luz. Pelo Espírito Emmanuel. 22. Ed. Rio de Janeiro: FEB, 1996.

2. KARDEC, Allan. A Gênese. Trad. Evandro N. Bezerra. Rio de Janeiro: FEB, 2009. cap. XI, ‘Gênese Espiritual’, it. 29;

3. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Trad. Evandro N. Bezerra. 2. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Q. 48, 49 e 607-a.

4. FRANCO, Divaldo P. Joanna de Angelis, Espírito, mensagem Crença em Deus, recebida na Áustria em 1º de junho de 2007 e publicada em Reformador, edição de maio 2008.



                    Gebaldo José de Souza









                                                                                                              PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Origem das raças negra e amarela na Terra
Enviado por: Ganimedes em 18 de Julho de 2013, 21:47
Evidências da Arqueologia Contra a Teoria da Evolução

Os cientistas Michael A. Cremo e Richard L. Thompson, autores do livro“A História Secreta da Raça Humana”, mostram centenas de evidencias que provam que a história arqueológica da vida na Terra é completamente diferente daquilo que é ensinado nas instituições de ensino e publicada pela mídia. Evidências arqueológicas contestam fortemente a Teoria da Evolução de Darwin.

Do livro "A História Secreta da Raça Humana" >>
"Porém, depois de todas as provas, incluindo as dos próprios humanos antigos e dos antropopitecos vivos, serem objetivamente avaliadas, o padrão que se obtém é o da coexistência contínua, e não o da evolução seqüencial."
_______________________________________________________________________

Allan Kardec, também, pensava de maneira diferente do que afirma a ciência acadêmica, hoje, sobre a evolução da raça humana.
Este trecho foi extraído do livro "O Livro dos Espíritos" >>
"Considerações e concordâncias bíblicas relativas à criação."
"Ora, para que tenha havido cruzamento de raças era necessário que tivesse havido raças distintas. Como explicar então a sua existência dando-lhes um tronco comum...?"

A História Secreta da Raça Humana - Evolução Provada Falsa - Ciência Honesta (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXlnOVRZam1uSnljIw==)
                     
A conscientização é mais do que saber o que se passa ao seu redor, é acima de tudo um processo histórico.
Hoje, já está mais do que na hora de se perguntar:
_ De onde veio o ser humano da Terra?
_ Como a vida foi semeada no planeta?

Existe muito trabalho lá fora; muito mais do que podemos imaginar.

Do livro "A História Secreta da Raça Humana", de Michael A. Cremo e Richard L. Thompson >>


"Tendo revisto a história das descobertas africanas relativas à evolução humana, podemos fazer as seguintes observações sumárias. (1) Existe uma quantidade significativa de provas oriundas da África que sugerem que seres semelhantes a humanos anatomicamente modernos estiveram presentes no Pleistoceno Inferior e no Plioceno. (2) A imagem convencional do Australopithecus como um bípede terrestre bem humanóide parece ser falsa. (3) O status do Australopithecus e do Homo erectus como ancestrais humanos é questionável. (4) O status do Homo habilis como uma espécie distinta é questionável. (5) Mesmo nos limitando às provas aceitas convencionalmente, a multiplicidade de elos evolucionários propostos entre os hominídeos na África apresenta um quadro muito confuso. Combinando essas descobertas ... concluímos que a evidência total, incluindo ossos fósseis e artefatos, é bastante compatível com o ponto de vista de que humanos anatomicamente modernos têm coexistido com outros primatas há dezenas de milhões de anos."

Pleistoceno Inferior - entre 1 milhão e 806 mil e 781 mil anos atrás, aproximadamente.
Plioceno - entre 5 milhões e 2 milhões de anos atrás.

Muita paz.
Título: Re: Origem das raças negra e amarela na Terra
Enviado por: nação de Aruanda em 19 de Julho de 2013, 00:04
caros amigos
muita ciência, muita cultura, muita especulação confunde, e se torna desnecessário na tarefa de consolar, acolher  e orientar os necessitados na pratica da caridade, evoluindo para o patamar de se ter uma visão de quem dita estas normas, de um ser superior, e inaccessível, impondo naque que busca consolo uma distancia causada pela sofisticação diante da simplicidade. no espiritismo precisamos chegar mais perto da simplicidade como exemplificou o mestre Jesus, e não diante de conhecimento para poucos, como exemplificava os fariseus.
pensemos nisto.
Título: Re: Origem das raças negra e amarela na Terra
Enviado por: san-fer7 em 19 de Julho de 2013, 03:01
Olá Amigos,
Pelo que entendi,pela explanação do artigo acima,
a raça branca,proveniente de espíritos vindos de Capela seria atribuída a origem "Criacionista" e as raças negra e amarela "Evolucionista",é isso?
Em que ponto a Criação e a Evolução teriam atingido os patamares da igualdade?
Fraterno Abraço.
Título: Re: Origem das raças negra e amarela na Terra
Enviado por: nação de Aruanda em 19 de Julho de 2013, 12:36
citar
Olá Amigos,
Pelo que entendi,pela explanação do artigo acima,
a raça branca,proveniente de espíritos vindos de Capela seria atribuída a origem "Criacionista" e as raças negra e amarela "Evolucionista",é isso?
Em que ponto a Criação e a Evolução teriam atingido os patamares da igualdade?

não se tem provas científicas de que esta ou aquela raça veio da estrela capela, o que se tem são escritos romanceados de espíritos que sugere através de médiuns a existência de migrações de espíritos expulsos desta estrela e exilados no planeta terra, o que a ciência dos espíritos nos mostra é que houve uma evolução do estado animal para o estado hominal onde o homem passou a pensar, sendo classificado como homo-sapiens daí o raciocínio começou a evoluí, entendo que a criação é diferente da evolução no que diz respeito ao raciocínio, já que a evolução do ser precisa do corpo físico para isto e as leis da natureza determina que esta evolução seja feita de modo lendo e gradual, como diz a DE, a natureza não dá saltos, e tudo está encadeado ao seu tempo e a evolução não tem cor.
abraços fraterno
Título: Re: Origem das raças negra e amarela na Terra
Enviado por: Ganimedes em 19 de Julho de 2013, 13:32
Evidências da Arqueologia Contra a Teoria da Evolução

Os cientistas Michael A. Cremo e Richard L. Thompson, autores do livro“A História Secreta da Raça Humana”, mostram centenas de evidencias que provam que a história arqueológica da vida na Terra é completamente diferente daquilo que é ensinado nas instituições de ensino e publicada pela mídia. Evidências arqueológicas contestam fortemente a Teoria da Evolução de Darwin.
Hoje, já está mais do que na hora de se perguntar:
_ De onde veio o ser humano da Terra?
_ Como a vida foi semeada no planeta?

Existe muito trabalho lá fora; muito mais do que podemos imaginar.

Do livro "A História Secreta da Raça Humana", de Michael A. Cremo e Richard L. Thompson >>
"Tendo revisto a história das descobertas africanas relativas à evolução humana, podemos fazer as seguintes observações sumárias. (1) Existe uma quantidade significativa de provas oriundas da África que sugerem que seres semelhantes a humanos anatomicamente modernos estiveram presentes no Pleistoceno Inferior e no Plioceno. (2) A imagem convencional do Australopithecus como um bípede terrestre bem humanóide parece ser falsa. (3) O status do Australopithecus e do Homo erectus como ancestrais humanos é questionável. (4) O status do Homo habilis como uma espécie distinta é questionável. (5) Mesmo nos limitando às provas aceitas convencionalmente, a multiplicidade de elos evolucionários propostos entre os hominídeos na África apresenta um quadro muito confuso. Combinando essas descobertas ... concluímos que a evidência total, incluindo ossos fósseis e artefatos, é bastante compatível com o ponto de vista de que humanos anatomicamente modernos têm coexistido com outros primatas há dezenas de milhões de anos."

Pleistoceno Inferior - entre 1 milhão e 806 mil e 781 mil anos atrás, aproximadamente.
Plioceno - entre 5 milhões e 2 milhões de anos atrás.

A pergunta que a Ciência faz agora é: De onde eles vieram?

Muita paz.
Título: Re: Origem das raças negra e amarela na Terra
Enviado por: dOM JORGE em 20 de Julho de 2013, 13:10
                                                                  VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                        Origem das raças negra e amarela
na Terra

Parte 2 e final




João Neves da Rocha – da Equipe do Projeto Manoel P. de Miranda – redigiu precioso artigo (em seis partes), com o título Evolução; e publicado nas edições de 2009, da revista Presença Espírita, editada pelo “Centro Espírita Caminho da Redenção”, de Salvador-BA.

Eis excertos de sua Parte V:

“Como se processou a transição entre a vida animal e a encarnação dos primeiros homens? Esta a questão de que trataremos neste artigo da série.

Recorreremos a dados da Ciência e à Conferência proferida por Divaldo, em Buenos Aires-Argentina, por ocasião do encerramento do Primeiro Encontro de Evangelizadores da Infância (...).(1)

(...) Do Catarrino descende o antropoide que se divide em dois ramos: o ancestral desaparecido – o antropopiteco (2) – e o próprio antropoide que permanecerá símio. (...)

Os antropólogos e os paleontólogos dizem que deste antropopiteco ereto saíram dois biótipos: o antropopiteco chamado Homo pekinensis e o antropopiteco Homem da África do Sul, além de outros, demonstrando que não houve uma criação determinada num só lugar; como a Terra tinha os elementos especiais para construir a Vida, esta se apresentou em muitas partes do Planeta. (...) (Grifamos.)

Isto mesmo estabelece o LE, na questão 53: O homem surgiu em vários pontos do globo?

‘Sim, e em diversas épocas, e essa é também uma das causas da diversidade das raças. (...).”

O Elo Perdido: o que significa essa expressão – Voltemos ao conferencista: “(...) Desse antropopiteco, há um momento em que (as doutrinas de) Charles Darwin, João Batista Lamarck, Alfred Russel Wallace, Buffon se detêm e já não podem explicar, porque subitamente aparece na Terra o Homo Sapiens, há cerca de cinco ou dez mil anos. E se perguntam: ‘Que ocorreu? Onde estão os fósseis que guardam as marcas do processo da evolução? Esses fósseis se perderam...? A isso se chama o Elo Perdido.

Allan Kardec, o Codificador da Doutrina Espírita, (...) estabeleceu no maravilhoso livro A Gênese a história do Planeta, demonstrando que houve uma realidade imanente e uma realidade transcendente: a Terra tinha os elementos essenciais à Vida, mas estava a intervenção Divina elaborando a vida e a Criação...

Se as coisas ocorressem ao acaso, a mitose celular – as divisões – dar-se-ia aleatoriamente e formaria monstros; não teria um finalismo. (...)

Porque, no momento em que os antropopitecos bifurcam-se, há um fator que não é mesológico ou filogenético, equivale dizer: não é hereditário, porque se o fosse a herança seria a mesma. (...) É aí que entramos com dois elementos: o elemento imanente que a Terra possuía, Psiquismo Divino, e os Espíritos de fora que ela recebeu, exilados. (...)”. (O primeiro grifo é do original; este último é nosso.)

Estão aí citados por Divaldo, de forma velada, os dois modos de propulsão ao salto evolutivo, na Terra, do ser irracional para o racional: o primeiro, quando o Deus Imanente, presente e atuante na alma do símio, acionado pelo Deus transcendente, desperta a potência nele adormecida em maravilhoso insight que redunda na criação do homem; e o segundo quando o Espírito alienígena mergulha nas carnes desse homem primitivo recentemente criado, a fim de acelerar o progresso do psiquismo e das formas.

A explicação dada pelo médium Divaldo Franco – “Uma ação em dois tempos – assim pensamos: primeiro, a Criação Divina do homem; depois, a ação da Providência Divina trazendo a cooperação de fora, necessária e oportuna.”

Divaldo continua explicando: “(...) este psiquismo sai do ponto inicial e vai complexando-se até o antropopiteco. Esse antropopiteco é terráqueo, sua evolução é a mesma da Terra. Nesta circunstância, quando num planeta superior seres rebeldes, crendo-se iguais a Deus, promovem uma revolução – de ética, de cultura, de civilização, de sentimento –, como fazemos hoje na Terra, porque não temos AMOR (...) que ocorre? (...)

Então, desse planeta (...) caem (esses seres rebeldes) num mundo primitivo, num inferno (...)

Eles vieram habitar os corpos dos pitecantropos que ainda não estavam de pé. (...) Encarnaram-se em corpos fabricados pelo psiquismo terráqueo, sob controle e direção divinos. A partir daquele momento já não é o terráqueo que reencarna, mas tão-somente esse de fora, em corpos atrasados: SEU CÉREBRO É SÍMIO, mas o ESPÍRITO pensa.

Que ocorre, então, quando esse Espírito pensa?

Possuindo a função de pensar e atuando através de um cérebro atrasado, a função impulsiona o órgão a se desenvolver. Por isso, este antropopiteco, subitamente se divide: aqueles nos quais estão encarnados os terráqueos, de psiquismo atrasado em corpos atrasados, e os de fora, que produzem corpos melhor equipados. (...)”

Desse momento – porque a evolução foi muito rápida – não houve fósseis. (...) saltou do Antropopitecus, o eretus, para o Homo Sapiens.

Quando este homem sábio começou a raciocinar e a construir corpos por hereditariedade, compatíveis com o seu perispírito, ocorreu uma coisa curiosa: os Espíritos que eram do psiquismo da Terra ficaram retidos, por um período, sem reencarnar. (...)” 

A chegada dos Espíritos estrangeiros deu-se em várias ocasiões – Grifamos, exatamente pela “coisa curiosa” de que nos fala o tribuno baiano. Como explicar, em termos de lei natural, a preferência para uns e o impedimento para outros – de reencarnarem? Pela sintonia, será a resposta.

Visualizemos uma região qualquer onde os Espíritos de fora tenham inicialmente se instalado: um contingente dessas almas encarnou, enquanto outro ficou à espera da oportunidade para fazê-lo. Com a reprodução e o consequente aumento da população de descendentes, os demais, automática e gradativamente, são atraídos para a encarnação. Depois, pondo-se em marcha para outras terras, à medida que dominavam os autóctones, os substituíam, inevitavelmente, pela mesma lei de sintonia.

Situemos agora as razões da Administração Espiritual do Planeta em permitir que assim acontecesse: não procedem de igual modo os homens quando querem rapidamente melhorar o plantel de seus rebanhos? Primeiro compram excelentes reprodutores e excelentes matrizes; em seguida, transferem o gado de pior qualidade genética para outros sítios; e numa terceira fase, já com o melhor plantel aumentado, misturam-no com o antigo, para melhorar todo o rebanho.

Tirados do cenário das reencarnações, para onde foram esses terráqueos? Ficaram inativos? Ficaram na Terra, em suas dimensões espirituais.(...)”.

Sei que foi longa a transcrição, mas não diria melhor, nem tão claramente, como o fez João Neves da Rocha, em seu excelente trabalho!

Consultado quanto a este artigo, comentou, belamente:

“Bem sabemos que o mergulho, na Terra, dos Espíritos que vieram de fora deu-se não uma única vez, mas através de algumas (ou diversas) levas, em regiões diferentes e em diferentes épocas. Nem sempre as pessoas atinam para essa ideia como também não consideram a informação de que já eram, lá, em sua origem, de diferentes grupos étnicos, de diferentes culturas como de diversos estágios evolutivos.”

Como se vê, o assunto é vasto e fascinante. Recomendo que se leia a íntegra do artigo do bom baiano, que nos oferece muitas outras informações preciosas sobre o tema. Merece, pois, ser lido e meditado!

 

Notas:

(1) Evolución, Edições “La Idea”, Órgão da Federação Espiritista Argentina. Tradução, do Espanhol para o Português, pelo autor: 

(2) Animal fóssil intermediário entre o macaco e o homem. Também conhecido como australopiteco.

 

Bibliografia:

XAVIER, Francisco C. A Caminho da Luz. Pelo Espírito Emmanuel. 22. Ed. Rio de Janeiro: FEB, 1996.

KARDEC, Allan. A Gênese. Trad. Evandro N. Bezerra. Rio de Janeiro: FEB, 2009. cap. XI, ‘Gênese Espiritual’, it. 29;

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Trad. Evandro N. Bezerra. 2. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Q. 48, 49 e 607-a.

FRANCO, Divaldo P. Joanna de Ângelis, Espírito, mensagem Crença em Deus, recebida na Áustria em 1º de junho de 2007 e publicada em Reformador, edição de maio 2008.



                 Gebaldo José de Sousa









                                                                                                               PAZ, MUITA PAZ!