Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: Victor Passos em 20 de Julho de 2007, 09:36

Título: Negro João
Enviado por: Victor Passos em 20 de Julho de 2007, 09:36
 
Negro João    19/01/2002

Quando o Negro João caminhava em direcção à reunião à volta da fogueira, seu coração pressentia que naquela noite algo diferente iria acontecer.
Recordou o Negro João que o pequenino sinhô caíra adoentado, com uma febre que parecia não ter cura.
O Sinhô trouxe da cidade o médico que veio, mas não levou a doença do menino embora, ao contrário, avisou a Sinhá que a medicina não tinha como curar a criança e só um milagre de Deus poderia salvar sua vida.
E a tristeza, nessa hora, tomou conta de toda a fazenda.
O Sinhô e a Sinhá não sabiam mais a quem recorrer e os negros se entristeceram, porque não teriam mais a peraltice do pequenino a brincar aos seus pés.
Mas a noite chegou e o Negro João estava a pedir a todos os negros que orassem a Deus pela vida da criança, quando, para sua surpresa maior, viu o Sinhô e a Sinhá se aproximarem do fogo, carregando a criança nos braços e, sem palavra nenhuma, entregaram a criança para que ele, Negro João, orasse por ela.
Nessa hora o Negro João dirigiu o seu olhar para o Alto, e como se fitasse as estrelas, pediu em voz alta:
“Senhor, vós que criastes todas as criaturas iguais, olha para nós, Senhor, e atenda o pedido que vai no coração de cada um, devolvendo a vida a este pequenino”.
E junto com suas palavras iam o pensamento daquele Sinhô e daquela Sinhá, que tinham vencido a barreira do orgulho da raça e se ajoelhavam diante daquele Negro em quem confiavam, nessa hora, mais do que tudo na vida.
E junto com as palavras do Negro João iam os pensamentos de todos os negros que compreendiam o gesto de amor que os Sinhôs estavam fazendo, pois nunca um branco estivera reunido com eles à volta da fogueira.
E o Negro João, com lágrimas nos olhos, devolveu a criança aos pais com uma tosse diferente, com uma tosse que não se sabia ainda do que era.
Mais à noite, mesmo sob os cuidados paternos, a tosse continuava, e junto com ela vinha um catarro que saía do peito da criança. E isso foi a noite inteira.
Mas, de manhã, quando o Sol trazia as necessidades das novas tarefas de cuidado com a terra e com os animais, mesmo que ninguém tivesse dormido à noite, de manhã, a febre já tinha deixado o corpo infantil e o catarro que tinha saído a noite inteira parou junto com a tosse.
E a criança, que tinha sido desenganada pela medicina da Terra, se levantou da cama pedindo comida, pois estava com fome.
E o Negro João compreendeu que o verdadeiro milagre não era o retorno da saúde do corpo, mas a conquista da humildade que venceu a barreira do orgulho e da vaidade, motivada pelo amor de uma mãe por seu filhinho.


Reuniões à volta da fogueira p. 11 de 107


Muita paz