Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 28 de Maio de 2015, 09:37

Título: Instruções finais
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Maio de 2015, 09:37
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos




                     
Instruções finais



Quando atenderes a um desses pequeninos é a mim que atendes
 “(...) Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e Se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: entendeis o que vos tenho feito?”  (João 13:12)

Remontando à cena da última ceia de Jesus com Seus discípulos vamos encontrá-los celebrando a festividade que comemorava a fuga do povo hebreu do Egito. Era um momento de aconchego com Jesus, em que reinavam a confiança e a tranquilidade, estando, a maioria deles, felizes naquele instante em que se dedicavam ao convívio com o Mestre, pois podiam ouvi-Lo e compartilhar de Sua presença calorosa.
Prevendo os fatos dolorosos que se seguiriam àquela festividade, no intuito de deixar mais uma lição, não só para aqueles que desfrutavam de Sua companhia naquele momento, mas também para a posteridade, Jesus levantou-Se e retirou Sua capa, cingindo-Se[1] com uma toalha, como era típico dos serviçais das casas nobres da época, e começou a lavar os pés dos discípulos, fato que gerou surpresa, diante do não entendimento do significado daquela atitude. Pedro chegou mesmo a afirmar que jamais permitiria que o Mestre lhe lavasse os pés, pois, para ele, isso era inadmissível. Jesus, no entanto, responde: “se eu não te lavar, não terás parte comigo”[2]. Diante dessa afirmativa, dita com tanta ênfase e autoridade, Pedro permite que aquele ato se concretizasse, de acordo com a vontade do Mestre.
Voltando, em seguida ao seu lugar, Jesus continuou Sua exemplificação, e ofereceu a todos o pão e o vinho, para que todos se alimentassem, completando a ação com as belíssimas palavras: “Fazei isso em memória de mim”[3].
Muito significativa é a resposta de Jesus a Pedro, pois esta indicava que, para se ter parte com o Mestre, deve o verdadeiro discípulo aceitar as situações que se lhe apresentarem durante sua vida, por mais absurdas que possam parecer.  Porém, o homem que só consegue raciocinar as coisas do Céu através das coisas da Terra, logo materializou o ensinamento em um ato simbólico, buscando simplificar e possibilitar a sua prática, imaginando, dessa forma, poder ter parte com Jesus, pelo simples cumprimento de uma formalidade. A pergunta feita por Jesus continua vibrando: “Entendeis o que vos tenho feito?”
Na faixa de evolução em que nos encontramos, o ser humano necessita ainda representar o ensino do Mestre em algo palpável, para que possa ser realizado sem maior dificuldade. Mas a simbologia do ato transcende quaisquer ações materialistas, exigindo-nos maior grau de raciocínio e entendimento: Jesus é um Mestre de ação. Usava a palavra para comunicar, no entanto agia sempre em consonância com Sua fala, demonstrando, pelo exemplo, aquilo que ensinava. Dessa maneira, devemos sempre procurar a significação maior, mais ampla, nos menores atos praticados por Ele, para encontrarmos o verdadeiro ensinamento.
Nessa passagem há a exemplificação da necessidade do servir, reforçando o mandamento que todo cristão deve ter como lema: “que vos ameis uns aos outros como eu vos amei”[4]. Porquanto, ser um servidor é corresponder ao padrão que Jesus indicou para Seus seguidores: “Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros.”[5], ensino profundo que deve ser observado por todos, indistintamente...
O Divino Mestre deixa como exemplificação máxima a humildade, indicando-nos que essa deve ser a opção do verdadeiro cristão, que será reconhecido por sua capacidade de desprendimento. Deixa, às vésperas do encerramento de Sua missão terrena, a mensagem do servir àqueles que nos rodeiam, pois todos somos irmãos em Cristo. Esse ensino assume, no entanto, maior significância para o espírita convicto, pois está devidamente esclarecido sobre o mundo espiritual, devendo essa sua capacidade de servir estender-se além dos limites do mundo corpóreo.
No entanto, o exercício da humildade é uma tarefa muito difícil, como bem o sabemos, pois nosso orgulho grita com voz insidiosa para buscarmos primeiramente os próprios interesses, em detrimento do auxílio ao nosso próximo. Ainda, a maioria de nós tem muito mais o desejo de ser servido. Queremos ser recompensados e receber as pompas a que acreditamos ter direito. Consequentemente, ousamos colocar Jesus, e Seus mensageiros, na posição de nossos serviçais, exigindo que nos atendam em todos os nossos desejos, por mais mesquinhos que estes possam ser, constituindo-se essa atitude, em essência, uma total subversão de Seu ensinamento.
Após ter sofrido o doloroso peso da ignorância humana, Jesus ressurge resplendente, primeiro a Maria de Magdala, e, no mesmo dia, segundo relata-nos o Evangelho de Lucas (24:13), aparece a dois de Seus discípulos no caminho de Emaús. Estes não O reconheceram de imediato. Conversaram por todo o caminho, contando estes, ao peregrino estranho, o que ocorrera em Jerusalém naqueles dias, e o Mestre, ensinando-lhes uma vez mais, relembrava-os de tudo que já havia sido previsto a respeito da vinda do Messias, citando Moisés e os profetas.
O reconhecimento só aconteceu quando os viajantes, já assentados à mesa da refeição, percebem a presença do Mestre quando Este, ao repartir o pão, serve-o aos companheiros de viagem. Gostaríamos de reforçar que Jesus só foi reconhecido quando serviu aos discípulos.
Será que reconhecemos o Cristo quando se apresenta em nossas vidas?!
Ele está ao nosso lado verdadeiramente, através de Seus ensinos, mas, com frequência, não O reconhecemos. Revela-se o Divino Amigo em nossas vidas toda vez que temos a oportunidade de lavar os pés de nosso próximo, ou seja, atender aos necessitados, amparar o que está desiludido, orientar aqueles que andam pelas trevas do erro e do desespero.
Tal qual os discípulos da cena imorredoura de Emaús, não enxergamos o Cristo, pois estamos enceguecidos pelo nosso orgulho e vaidade, pelo egoísmo que nos impede de reconhecê-LO nos necessitados que se aproximam de nós. Nossa visão está turvada pelos intensos apelos da nossa inferioridade espiritual, que nos impede de perceber que nunca estamos sozinhos, e que as dificuldades do caminho nada mais são do que oportunidades para o exercício do mandamento que Jesus nos deixou: “amai o vosso próximo como a vós mesmos”.
Praticar a caridade é o melhor meio de servirmos ao nosso próximo, pois esta é o amor vivido e verdadeiro; amor que não cobra e não espera recompensa... O verdadeiro amor apenas dá e compreende as dificuldades do outro até para, eventualmente, poder receber.
Paulo de Tarso, o apóstolo dos gentios, conclama-nos: “sede meus imitadores, como também eu, de Cristo”.[6] Imitar o Cristo significa não se restringir a atos mecânicos, mas sim, fundamentalmente, exercitar o amor sincero no serviço àqueles que compartilham o nosso caminho. Somente assim seremos reconhecidos por Jesus como Seus verdadeiros seguidores. “Fazei isso em memória de mim!”
 
 
[1] Cingir: Amarrar em volta da cintura.

[2] João 13:8.

[3] Lucas 22:19.

[4] João 13:34.

[5] João 13:14.

[6] I Coríntios 11:1.


             Paulo Oliveira








 
                                                                                                            PAZ, MUITA PAZ!