Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 26 de Agosto de 2009, 19:51

Título: Felicidade possível
Enviado por: dOM JORGE em 26 de Agosto de 2009, 19:51
                                        VIVA JESUS!



O auto-conhecimento é a chave do sucesso em nossa vida. Se me tenho como íntimo de mim próprio, sei que os percalços da vida são tombos que me propiciam de baixo olhar pra cima e elevar-me. Se me conheço, sei que as glórias são o resultado de meu trabalho com dedicação. Os dissabores são nuvens passageiras que teimam em ficar, mas que se dissipam a luz da minha verdade.
Enfim, se ando comigo sabendo-me quem sou, nada poderá obstaculizar minha evolução, porque sou dono e artífice de minha reforma íntima.

 " O segredo não é correr atrás das borboletas, mas cuidar do seu jardim pra que elas venham até vc. " ( Mario Quintana )


Segue para vcs, meus queridos irmãos, um texto desse espirito de "amor", que transpira nas linhas que escreve, uma forma de se viver a vida retamente, mas com o "amor "como bandeira desfraldada.


                                           PAZ, MUITA PAZ!



                                            FELICIDADE POSSÍVEL



 
Acreditavas que a felicidade seria semelhante a uma ilha fantástica de prazer constante e paz permanente. Um lugar onde não houvesse preocupação, nem se apresentasse a dor; no qual os sorrisos brilhassem nos lábios, e a beleza engrinaldasse de festa as criaturas.
Uma felicidade feita de fantasias parecia ser a tua busca.
 Planejastes a vida, objetivando encontrar esse reino encantado, onde, por fim, descansasses da fadiga, da aflição e fruísses a harmonia.
 Passam-se anos, e somas frustrações, anotando desencantos e amarguras, sem anelada conquista.
Lentamente, entregas-te ao desânimo, e sentes que estás discriminado no mundo, quando vês as propagandas apresentadas pela mídia, nas quais desfilam os jovens, belos e jubilosos, desperdiçando saúde, robustez, corpos venusinos e apolíneos, usando cigarros e bebidas famosas, brincando em iates de luxo, ou exibindo-se em desportos da moda, invejáveis, triunfantes... 
Crês que eles são felizes...
                                           * * *
 Não sabes quanto custa, em sacrifício e dor, alcançar o topo da fama e permanecer lá.
 Sob quase todos aqueles sorrisos, que são estudados, estão a face da amargura e as marcas do ressaibo, do arrependimento.
 Alguns envenenaram a alma dos charcos por onde andaram, antes de serem conhecidos e disputados.
Muitos se entregaram a drogas perturbadoras, que lhes consomem a juventude, qual ocorreu com as multidões de outros, que os anteciparam e desapareceram. 
Esquecidos e enfermos, aqueles que foram pessoas-objeto, amargam hoje a miséria a que se acolheram ou foram atirados.

                                                * * *
Felicidade, porém, é conquista íntima.
Todos os que se encontram na Terra, nascidos em berços de ouro ou de palha, homenageados ou desprezados, belos ou feios, são feitos do mesmo barro frágil de carne, e experimentam, de uma ou de outra forma, vicissitudes, decepções, doenças e desconforto.
Ninguém, no mundo terreno, vive em regime especial. O que parece, não excede a imagem, a ilusão.
                                              * * *
Se desejas ser feliz, vive, cada momento, de forma integral, reunindo as cotas de alegria, de esperança, de sonho, de bênção, num painel plenificador.
As ocorrências de dor são experiências para as de saúde e de paz.
A felicidade não são coisas: é um estado interno, uma emoção.
Abençoa os acidentes de percurso, que denominas como desdita, segue na direção das metas, e verás quantas concessões de felicidade pela frente, aguardando por ti.
Quem avança monte acima, pisa pedregulhos que ferem os pés, mas também flores miúdas e verdejante relva, que teimam em nascer ali colocando beleza no chão.
Reúne essas florezinhas em um ramalhete, toma das pedras pequeninas fazendo colares, e descobrirás que, para a criatura ser feliz, basta amar e saber discernir, nas coisas e nos sucessos da marcha, a vontade de Deus e as necessidades para a evolução.
 
[Joanna de Ângelis]
[Divaldo P. Franco]
[Momentos Enriquecedores]
[Editora LEAL]
[/b]
Título: Re: FELICIDADE POSSÍVEL
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Maio de 2011, 17:46
                                     VIVA JESUS!


         Boa-tarde! queridos irmãos.

               O SEGREDO PARA SER FELIZ


Há muitos e muitos anos, vivia na India um sábio, de quem se dizia que guardava em um cofre encantado, um grande segredo, que o fazia ser vencedor em todos os aspectos da vida, e por isso se considerava o homem mais feliz do mundo.
Muitos reis, com inveja, ofereceram a ele poder e dinheiro pelo cofre, e até tentaram roubá-lo, mas em vão. Quanto mais eles queriam o cofre, mais infelizes se tornavam, pois a inveja não os deixava viver. Assim os anos foram-se passando, e o sábio era cada dia mais feliz.
Um dia, um menino chegou até o sábio e disse- lhe: - Também gostaria de ser sábio como o senhor. Por que não me ensinas o que devo fazer para conseguir a felicidade? O sábio, ao ver a simplicidade e pureza do menino, disse-lhe: - Eu vou te ensinar o segredo da felicidade. Venha comigo e preste bastante atenção. Na verdade, são dois os cofres onde guardo o segredo para ser feliz. O nome dos cofres são mente e coração, e o grande segredo, não é nada mais nada menos do que uma série de passos que você deve seguir por toda a a vida..
O primeiro passo é saber que existe a PRESENÇA DE DEUS em todas as coisas da vida; portanto deves amá- lO e dar graças a Ele, por tudo o que tens.
O segundo passo é que deves amar a ti mesmo, e todos os dias, ao levantar e ao deitar, deves afirmar: eu sou importante, eu sou capaz, eu tenho valor, eu sou inteligente, eu sou carinhoso, eu espero muito de mim, e não há obstáculo que eu não possa vencer. Isto se chama AUTO ESTIMA.
Terceiro passo - Você deve pôr em prática todas as suas afirmações. Por exemplo, se você se acha inteligente, deve agir com inteligência; se você crê que é capaz, faça o que se propôs fazer. Se você ainda não estabeleceu metas em sua vida, trate de estabelecê-las e lute por elas, até conseguir atingi-las. Este passo se chama MOTIVAÇÃO.
O quarto passo consiste em NÃO TER INVEJA DE NINGUÉM, seja pelo que os outros possuam, ou pelo que são. Eles já alcançaram a sua meta. Agora, lute você por alcançar a sua.
O quinto passo é que não deves GUARDAR RANCOR em seu coração, contra ninguém. Este sentimento não te fará feliz. Deixe que as leis de Deus façam justiça. PERDOE E ESQUEÇA.
Sexto Passo. Não deves pegar o que não é seu. Lembre-se que de acordo com as leis da natureza, amanhã será tirado de você algo de maior valor.
 sétimo passo é: NÃO MALTRATES A NINGUÉM. Todos os seres criados tem direito ao respeito, amor e carinho.
E por último... acorde sempre com um sorriso nos lábios, observe ao teu redor e descubra o lado bom e bonito de cada coisa. Pense em quão afortunado você é, em ter tudo o que tens, e ajude ao próximo, sem esperar recompensa. Olhe as pessoas e descubra nelas qualidades, e dê também a elas o segredo para serem vencedoras, porque só assim todos poderemos ser MUITO FELIZES!!!

            Samuel Arango


                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: FELICIDADE POSSÍVEL
Enviado por: dOM JORGE em 01 de Janeiro de 2012, 03:46
                                          VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

               
A felicidade está em nós

Na questão 920 de O Livro dos Espíritos, Kardec pergunta aos Espíritos Superiores se o homem pode gozar, sobre a Terra, de uma felicidade completa. Respondem que, tendo em vista esse homem viver sobre o planeta em provas e expiações, depende dele amenizar seus males e ser tão feliz quanto se pode ser sobre a Terra, visto ser ele o artífice de sua própria infelicidade, uma vez desviado que se encontra da prática das leis de Deus. Conclui-se, portanto, que a felicidade plena, como tantos desejam, não é possível por ora.

É sabido que vivemos cercados de problemas de toda ordem, mas também não ignoramos que essas atribulações são inerentes à própria vida, tendo em vista o grau evolutivo em que a humanidade terrena se encontra. Defrontamo-nos, assim, com problemas pessoais, profissionais e aqueles que envolvem a sociedade na qual estamos inseridos. Observamos que, independentemente de posição social, intelectual ou profissional, todos têm dificuldades pela existência na qual transitam.

Muitas vezes, essa dificuldade não está no campo individual, mas surge quando nos relacionamos com o outro, situação inevitável de quem vive em sociedade – somos seres gregários por excelência. Outras vezes, a situação se inverte: o outro é que tem problemas no relacionamento conosco, apesar dos nossos esforços em diminuir os pontos de atrito – todo esforço para o estabelecimento da harmonia é salutar.

Por conta de tantas situações de desajuste, ouvimos, frequentemente, as pessoas dizerem que a felicidade não é deste mundo. O interessante é que, muitas vezes, são criaturas que têm à sua disposição todos os recursos que facilitam sua vida, ou seja, que não lhes trazem problemas de ordem material. Muitos que se dizem infelizes têm a juventude, ou a beleza, ou a fortuna e, às vezes, as três juntas, bens tão cobiçados pela maioria das pessoas.

Diante dessa constatação, é importante perguntarmos: se a maioria das pessoas deseja esses bens e se muitas são infelizes, apesar de possuí-los, por que os desejam? O Evangelho nos lembra que ainda somos criaturas ligadas a tudo que é material e que poucos de nós buscam, verdadeiramente, libertarem-se dessas amarras. Felicidade e bens materiais caminham juntos, no nosso julgamento, ainda, tão estreito.

Os que buscam essa libertação são aqueles que já compreenderam que, além do corpo físico, somos um ser espiritual, e isto representa uma vitória do Espírito sobre a matéria. E começam a entender que os valores materiais não são suficientes para preencher esse vazio que se forma em suas vidas, em um determinado momento. A beleza física já não faz sentido por ser apenas externa e como tudo o que a ela se assemelha, o tempo se encarrega de transformar. A fortuna já não compra mais o que realmente se necessita. A juventude, somente, já não representa mais a força necessária para se continuar caminhando com segurança.

Em cada um desses elementos há um vazio que precisa ser preenchido. Então, o que falta? Falta o despertar para os verdadeiros valores. Falta acordar para os novos dias que estão se anunciando para nós. Falta a conscientização de que somos Espíritos em evolução, e não corpos que se deterioram com o tempo. Somos Espíritos imortais, habitando, temporariamente, corpos mortais, finitos.

Como preencher esse vazio? O primeiro passo é a aceitação dessa nova realidade, com o entendimento e a coragem de voltar sobre os próprios passos e reiniciar a caminhada com novos propósitos e firmeza de decisão. É imprescindível abandonar os velhos valores que nada acrescentam em nossa vida e nem nos fazem criaturas melhores. É indiscutível negar que necessitamos buscar a fortuna da sabedoria, a juventude da esperança – força renovadora que nos impulsiona à frente, constantemente – e a beleza da prática do amor, pela caridade com o próximo e igualmente conosco. “A luz com a qual clareamos caminhos alheios é crédito perante a vida, entretanto, somente a luz que fazemos no íntimo nos pertence e é fonte de liberdade e equilíbrio, paz e riqueza na alma.”¹

Esse processo, nas palavras de Ermance Dufaux, exige tempo, disposição incansável de recomeçar, meditação, cultivo de novos hábitos, oração, renúncia, capacidade de sacrifício, vigilância mental, vontade ativa, disciplina sobre os desejos, diálogo fraternal, dever cumprido e amparo espiritual. E dizemos nós, não todos ao mesmo tempo e, por isso mesmo, o Criador nos concede a misericórdia da reencarnação.

Muitos dizem que a felicidade não é desse mundo. Certamente que é! Não a felicidade plena, porque nossa existência, nesse momento, não comporta, mas é do mundo de luz que cada um cria dentro de si, na luta contra suas tendências inferiores, que estão sempre nos afastando de Deus, e que tanto nos pesam.

A felicidade é possível, sim, neste mundo. Não do mundo de necessidades fantasiosas, fictícias que criamos, mas do mundo do amor ao próximo pela tolerância, pela aceitação do outro como ele é, pela alegria de poder ser útil sem querer nada em troca, pelo cumprimento do dever realizado, sem levar em conta sua importância ou seu tamanho. E os Espíritos Superiores nos alertam para isso na questão 926 ³, dizendo que aquele que sabe limitar seus desejos e vê sem inveja os que estão acima de si, poupa-se de muitas decepções nesta vida.  O mais rico, dizem textualmente, é aquele que tem menos necessidade.

Somos os responsáveis pela construção desse novo mundo. Se erramos nas nossas escolhas, o fizemos por desconhecimento de que havia outro caminho; mas, hoje, ao entendermos isso, nos colocamos em condição de aceitar o outro, pois sabemos que ele ignora hoje, o que desconhecíamos ontem.

“A felicidade, tão procurada no mundo da transitoriedade, está em nós, no ato de penetrarmos na desconhecida gleba do eu, arando esse terreno fértil para que floresça a Divindade da qual somos todos portadores. Essa é a felicidade dos Espíritos Superiores, conforme assertiva da codificação; todavia, pode ser a nossa, ainda agora...” ¹

Sejamos, pois, os iniciadores dessa transformação que atingirá todo planeta, tornando-nos um ponto de luz a espalhar o exemplo do amor por onde passarmos. 

 

Bibliografia:

1 - Ermance Dufaux – Mereça Ser Feliz – [psicografado por] Wanderley S. de Oliveira, Editora INEDE, Belo Horizonte/MG, 2. ed., 2003, Capítulo 2.

2 – KARDEC, Allan – O Livro dos Espíritos – Livro IV, Capítulo I – Penas e Gozos Terrestres.

3 - KARDEC, Allan – O Evangelho segundo o Espiritismo – Cap. 5 – Bem–aventurados os Aflitos, item 20.


           Leda Maria Flaborea





                                                           PAZ, MUITA PAZ! 
Título: Re: FELICIDADE POSSÍVEL
Enviado por: dOM JORGE em 27 de Abril de 2012, 17:08
                                                                       VIVA JESUS!



          Boa-tarde! queridos irmãos.


                 FELICIDADE


 
     A felicidade é nossa aspiração máxima. Está na natureza do homem querer ser feliz. Ninguém diria, em sã consciência, que não deseja ser feliz.

    A felicidade é fundamental para o bem estar de todos. Quando estamos felizes, pensamos melhor, agimos melhor e gozamos de mais saúde. Até mesmo nossos cinco sentidos funcionam melhor. A memória se aguça sobremaneira e a tensão mental se desfaz quando acalentamos pensamentos agradáveis.

     A medicina moderna define a felicidade como sendo um “estado de espírito em que os nossos pensamentos são agradáveis uma boa parte do tempo”.

     Já a felicidade na visão espiritualista se dá quando “a criatura humana consegue se harmonizar com Deus”, e por isso, na fase evolutiva em que nos situamos, é impossível alcançá-la de maneira total, mas apenas relativamente. Neste planeta de provas e expiações ainda não podemos obter a felicidade plena, mas depende apenas de nós sermos tão felizes quanto pudermos sobre a terra.

     O ser humano tem buscado ao longo dos séculos, um rumo capaz de lhe proporcionar a paz, mas infelizmente, continua perdido, não sabendo qual caminho seguir. Sem rumo e árido de valores espirituais sofre imensamente.

     Essa procura tem levado muita gente a buscar a felicidade fora de si, onde jamais a encontrará.  O homem está cada vez mais perdido, mais sem rumo e sem direção, pois, em vez de procurar a felicidade dentro de si, espera encontrá-la nos prazeres e nas facilidades terrenas.

     Uma hilariante situação serve para identificar essa ambígua posição

     Um corredor em desabalada carreira se aproxima de outro corredor e pergunta:

     ---Aonde você vai com tanta pressa

     E o colega responde:

     ---Não sei.

     E o outro então propõe:

     ---Vamos, então depressa, senão chegaremos atrasados.

     A verdade é que a imensa maioria das pessoas está perdida, não sabendo onde encontrar a felicidade que tanto almeja, e se comporta ora como os citados corredores, ora como náufragos em alto-mar, que quanto mais água salgada bebe, mais sede sente. Querem viver a vida e ser felizes consumindo-se em vícios e prazeres terrenos, e quanto mais se entregam aos prazeres, mais se infelicitam.

     Sócrates nos propôs como um dos caminhos para a felicidade conhecermos a nós mesmos. O Espírito da Verdade nos acena com uma frase símbolo do Espiritismo: “Amaí-vos, este é o primeiro ensinamento, instruí-vos, este é o segundo”. Jesus nos exorta ao amor incondicional, até mesmo aos inimigos, a fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem.

     Sabemos, no entanto, que a felicidade é uma conquista interior, não estando, portanto, subordinada a nenhum bem externo. Jesus, quando interrogado pelos fariseus sobre quando haveria de vir o reino dos céus, respondeu-lhes: “O reino dos céus não vem com aparência exterior. Nem dirão ei-lo aqui ou ei-lo ali, porque o reino dos céus está dentro de cada um de vós”. (Luc 17:20-21)

     A felicidade não está, pois, fora de nós, onde sempre a procuramos, e sim dentro de nós, onde raramente a encontramos.

     Se os bens materiais trouxessem a verdadeira felicidade, a Suíça, que é um dos países mais ricos do mundo e com um dos melhores índices per capita do planeta, não seria uma das nações com maior número de suicídios do mundo.

     A felicidade não consiste na prosperidade material, pois mesmo nas famílias ricas existem muitas pessoas infelizes, apesar do muito dinheiro que possuem. Em contraposição, há pessoas que, mesmo não tendo nenhum bem material, sentem-se felizes.

     A história dos dá o exemplo do famoso filósofo grego Diógenes, que morava num barril, não adulava os ricos e poderosos, era completamente livre e sentia-se imensamente feliz. Dizem que certo dia o rei Alexandre Magno, que ouvira a fama desse filósofo, foi vê-lo e lhe disse:

     ---Diga o que queres, e eu o atenderei, seja qual for o seu desejo.

     Então, Diógenes respondeu:

     ---Só desejo uma coisa, majestade. Eu estava desfrutando a luz do céu até o momento em que vossa majestade se colocou diante do meu barril, fazendo sombra. Por favor, não obstrua a luz do sol. Este é o meu único pedido.

     Mesmo morando num barril e não possuindo nenhum outro bem material, ele era livre e feliz.  Fazendo uma comparação entre esse filósofo e as pessoas que, mesmo sendo ricas, sentem-se infelizes e acabam se suicidando, percebemos que a felicidade do ser humano não depende de bens materiais.

     Se dinheiro trouxesse felicidade, os ganhadores da loteria seriam pessoas eternamente felizes e sem problemas. Os famosos adorariam andar por nossas ruas, apesar do assédio dos fãs. Não haveria nenhuma felicidade entre as pessoas que tivessem problemas a resolver, pois seria uma falácia a idéia de que crescemos na dificuldade.

     Entendamos de uma vez por todas que “o inferno ou paraíso não é um lugar circunscrito, pois cada um possui dentro de si mesmo o princípio de sua felicidade ou infelicidade”.


Sergito de Souza Cavalcanti





                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Felicidade possível
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Maio de 2012, 13:53
                                                                     VIVA JESUS!



           Bom-dia! queridos irmãos.


                   Sobre a Felicidade

 
     “O coração tem mil caminhos para a FELICIDADE, quando procuramos aceitar a vontade de Deus.” (Jaques Davenport)


     “Jesus não nos deu a FELICIDADE somente para a satisfação pessoal e sim para que aprendamos a estendê-la a outros seres.”
(Madalena Vilamil)


(Frases do livro "Renúncia" de Emmanuel,
psicografia de Chico Xavier)

*****

*****
     “Os grandes corações nunca estão totalmente FELIZES; falta-lhes a FELICIDADE dos outros.” (Jean de La Bruyére)


     “O melhor meio de conservar a FELICIDADE é partilhá-la.”
(George Gordon Noel)


     “Faça o que for necessário para ser FELIZ. Mas não se esqueça que a FELICIDADE é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.”
(Mário Quintana)
*****
FELICIDADE
Só a leve esperança, em toda a vida,
Disfarça a pena de viver, mais nada;
Nem é mais a existência, resumida,
Que uma grande esperança malograda.


O eterno sonho da alma desterrada,
Sonho que a traz ansiosa e embevecida,
É uma hora feliz, sempre adiada
E que não chega nunca em toda a vida.


Essa FELICIDADE que supomos,
Árvore milagrosa que sonhamos
Toda arreada de dourados pomos,


Existe, sim: mas nós não a alcançamos
Porque está sempre apenas onde a pomos
E nunca a pomos onde nós estamos.
(Vicente de Carvalho)



             Manancial de Luz





                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Felicidade possível
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Maio de 2012, 17:34
                                                                     VIVA JESUS!



          Boa-tarde! queridos irmãos.


                A felicidade não é
deste mundo


Todos nós desejamos encontrar a felicidade um dia, mas, para realizar essa vontade ou esse desejo, é necessário trabalhar os valores pertinentes ao Espírito.  Achamos que a felicidade é desfrutar unicamente dos bens  materiais que estamos vendo ou pegando, haja vista que vivemos presos às posses, imaginando que ser feliz é juntar tesouro material sobre a terra.

É importante observar que temos que desenvolver a capacidade de enxergar a vida por outro prisma, visto que temos uma visão pequena sobre as questões espirituais.

Se não trabalharmos o desapego material enquanto estamos na estrada, ficaremos atrasados por nossa  própria culpa, visto que o Mestre Jesus nos chama atenção dizendo que cada um de nós deve trabalhar as questões espirituais que são perenes, eternas e duradouras.

Se não fizermos isso, ficaremos presos às posses por não entendermos a proposta do Cristo, quando Ele disse para não juntarmos tesouros na Terra e, sim, no Céu. Jesus nos chama atenção para que cada um de nós dê o devido valor aos bens espirituais que são eternos, mais do que aos bens materiais que são passageiros.

Através da  Doutrina Espírita, encontramos as respostas e a chave para a felicidade futura que tanto O Evangelho segundo o Espiritismo nos fala em sua obra. É a partir deste capítulo intitulado A Vida Futura, que buscamos entender, de maneira racional, a possibilidade de vivermos outras experiências referentes à vida espiritual, deixando claro que todos nós temos várias existências para evoluirmos espiritualmente e trabalharmos os desapegos até chegarmos à perfeição.

Por isso temos que compreender e acreditar nas explicações racionais que a Doutrina Espírita nos dá. Então, como não acreditar nas vidas sucessivas para vencer os desapegos? Como não acreditar nessas possibilidades educativas através da reencarnação para melhorar os nossos defeitos? Como ficariam a vida, os atos, os  acertos  e os desacertos dos seres humanos, se acreditássemos em uma única existência? Será que a vida só teria sentido se  buscarmos unicamente as coisas materiais em detrimento dos valores espirituais? Será que o único objetivo do homem na Terra é juntar bens materiais?

Tudo isso ficaria sem explicação e sem nexo se admitirmos uma única existência. Todos viveriam focados unicamente para a atual encarnação, buscando obter tudo de maneira desorganizada, correndo contra o tempo para obter cada vez mais recursos materiais. A sociedade ficaria desorganizada e não teria regras definidas. Cada um poderia criar suas próprias regras, sabendo que não existiria mais; muitos irmãos fariam de tudo para desfrutar a vida como se  ela fosse a última, e não haveria mais razão para sonhar e para viver. Muitos irmãos lutariam para, cada vez mais, ajuntar tesouros na Terra, passando por cima dos mais fracos, justificando que a vida é pra ser vivida.

Com o advento da Doutrina Espírita, tudo isso muda de sentido a partir dos seus postulados; temos a ciência e a certeza da continuidade das existências, ficamos  por dentro de tudo que diz respeito às múltiplas possibilidades de crescimento espiritual e das experiências que ainda temos que passar para evoluir. Por isso, na Doutrina Espírita  seremos convidados a estudar as problemáticas humanas de um ponto de vista racional, estruturando os nossos pensamentos a partir da lógica e da razão.

Portanto, a Doutrina Espírita nos mostra que a felicidade não é deste Mundo, quando coloca para a humanidade que a verdadeira felicidade se encontra no mundo espiritual e não na Terra. Ela coloca que na Terra vivemos momentos felizes, mas que não são duradouros e eternos. Segundo O Livro dos Espíritos, a Terra é uma pálida visão do mundo espiritual. Podemos começar a construir a nossa felicidade aqui, mas sabedores de que a verdadeira felicidade está ou se encontra no mundo espiritual, que é a nossa verdadeira morada.


      Marco Antonio Pinho






                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Felicidade possível
Enviado por: Carmen.gbi em 22 de Maio de 2012, 17:51
                                        VIVA JESUS!
 
A felicidade não são coisas: é um estado interno, uma emoção.
Abençoa os acidentes de percurso, que denominas como desdita, segue na direção das metas, e verás quantas concessões de felicidade pela frente, aguardando por ti.
Quem avança monte acima, pisa pedregulhos que ferem os pés, mas também flores miúdas e verdejante relva, que teimam em nascer ali colocando beleza no chão.
Reúne essas florezinhas em um ramalhete, toma das pedras pequeninas fazendo colares, e descobrirás que, para a criatura ser feliz, basta amar e saber discernir, nas coisas e nos sucessos da marcha, a vontade de Deus e as necessidades para a evolução.
 
[Joanna de Ângelis]
[Divaldo P. Franco]
[Momentos Enriquecedores]
[Editora LEAL][/i]



Oi, dOM JORGE e demais amigos


Boa tarde!

De todos os textos que você postou nesse tópico ainda tenho a minha grande preferência pelo de Joanna de Angelis e cito um pedacinho dele acima.

Não sei se não é possível a felicidade neste mundo em que vivemos ... talvez não a felicidade plena que como não a conhecemos nem podemos avaliar ou mesmo comparar com o que sentimos ainda. Mas de qualquer forma há a felicidade possível  , como o título de seu tópico já nos diz e aproveito outra de suas postagens e digo que devemos ser felizes o tanto quanto se possa na terra.

920. Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra?
“Não, por isso que a vida lhe foi dada como prova ou
expiação. Dele, porém, depende a suavização de seus
males e o ser tão feliz quanto possível na Terra.”
( do L.E , Allan Kardec)
Título: Re: Felicidade possível
Enviado por: Carmen.gbi em 18 de Julho de 2012, 02:16


Boa noite!


O SEGREDO DA FELICIDADE

Porpôs-lhes outra parábola dizendo: O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo. - Mateus, 13:24

O homem peregrina pelos tempos em busca da felicidade.
Não a encontrando, afunda na ilusão e transfere para o prazer fugaz sua concepção primária do que é ser feliz. Não fruindo o estado de plenitude que anseia, deprime-se, revolta-se e dirige-se para as sendas da dor pelos atalhos da fuga e da irresponsabilidade.
Outras vezes, espera que Deus, nos roteiros da religião, lhe entregue a alegria tão esperada em uma bandeja dourada, sem esforços ou sacrifícios, resolvendo-lhe os problemas da existência.
Não se engane ante a luz meridiana da Verdade em sua consciência. Você sabe que a vida é aquilo que dela fazemos.
Inicie sua obra de paz na intimidade. Comece refletindo com mais sabedoria no teor de suas escolhas perante a vida, evitando transferir sua cota de responsabilidade nos acontecimentos que cercam seus passos.
Felicidade é construção individual; não se esqueça jamais de que ela começa e acaba em você mesmo.

(do livro : Lições para o autoamor , Wanderley Oliveira pelo espírito Ermance Dufaux)
Título: Re: Felicidade possível
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Julho de 2012, 12:30
                                                                      VIVA JESUS!



         Bom-dia! queridos irmãos.



                 Minha doce luz, Carmen. A nossa querida irmã Joanna de Ângelis, instrui-nos em todas as suas mensagens de forma que sejamos seres a nos descobrir a cada dia, assim desvendando nos refolhos de nossa alma, todas as potencialidades latentes, em  gérmen, que são o " presente " divino a nós concedido. Mas cabe-nos trabalhar para que cada um desses predicados tenham vida, e possam ser canais de escoamento por onde passem nossas virtudes.

                  Observo a minha trajetória e posso ser prova viva dessa descoberta. Pois o texto que " colei " data do ano de 2009, e nesses 3 anos em que estudei cotidianamente a Nossa Doutrina Espírita, em que bebi na fonte inesgotável da vida de relação, onde pude açambarcar da nossa Mãe Natureza seus indicativos, nos textos, nas palestras, aqui, nesse sítio onde muito se aprende sabendo ser seletivo, confesso a todos vocês que agora me lêem esse dOM JORGE de hoje ilustrou-se, depurou-se, introjetou em seu arcabouço espiritual ensinamentos mais vigorosos, mais conscientes, que perfilam ao lado daqueles predicados que vieram á tona nesse meu conhecimento em busca de mim mesmo. Estou a cada dia mais renovado, mais ascensionado, mais ilustrado, todavia isso não me garante o " céu ", sei que muito ainda tenho que lutar para angariar créditos a meu desiderato num lugar melhor na vida.

                 Portanto, minha doce luz Carmen, essa empresa a que todos nós envidamos esforços para alcançar o pódio é a nossa meta diária, o fito de cada um para sermos também um com o Pai.



                                                                       dOM JORGE


                                                                                      PAZ, MUITA PAZ!