Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 12 de Abril de 2020, 23:19

Título: Eu adoro os pobres!
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Abril de 2020, 23:19
                                                              VIVA JESUS!




              Boa-noite! queridos irmãos.




                     
Eu adoro os pobres!

 
Eu adoro os pobres! Digo isso com o peito aberto de satisfação. E com conhecimento de causa. Afinal, sou filho, neto e sobrinho de operários. Meus avós paternos eu não conheci. Meus avós maternos sim. E muito bem! Ambos eram tecelões, o mesmo destino que tiveram minha mãe e a maioria dos meus tios. Cresci frequentando a casa dos meus avós, uma casa de vila operária. Neste local, eu brincava com descendentes de alemães, africanos, italianos... Todos filhos e/ou netos de operários, assim como eu.

Foi nesse caldo de vida simples e batalhadora que fui criado. Sempre estudei em escola pública, meus pais moravam de aluguel e só foram ter casa própria quando eu tinha 21 anos. Mesmo assim, financiada. Fui o primeiro da família a falar idiomas e ter curso superior, sempre frequentei ambientes de gente rica, tenho amigos ricos que gostam muito de mim, sou tido como inteligente, culto, articulado, bem informado, circulo com desenvoltura pelos mais variados ambientes, inclusive os luxuosos... No entanto, nunca perdi de vista o ambiente simples em que fui criado. E como cursei duas faculdades na área de humanas, agucei ainda mais o meu pendor para a questão da justiça social, saúde e educação de qualidade para todos, informação imparcial acessível a todo mundo etc.

Fora isso, o Espiritismo, religião da família de minha mãe que adotei como filosofia de vida, fez a grande caridade de apurar meu senso de justiça social e de olhar os pobres, simples e oprimidos, com os olhos do coração. Tive a sorte de ter sido evangelizado e conduzido por gente lúcida, sensível e com trajetórias semelhantes à minha. Para completar, a maioria dos meus companheiros de mocidade espírita e de encontros estaduais de juventude pensa como eu. Por isso, doutrina espírita, para mim, sempre foi e sempre será uma proposta seríssima de revolução social à luz da imortalidade da alma e do amor ao próximo.

Tenho o hábito de tratar com humanidade e simpatia moradores de rua, vendedores de bala, pedintes etc. Já abracei alguns, fiz carinho no rosto, tratei sem medo eventuais suspeitos que de suspeitos nada tinham e ganhei a amizade deles... Devo isso à minha família e à minha formação religiosa e acadêmica.

Certa vez, levei minha mãe para visitar um amigo morador da Zona Sul carioca. Ele enviuvara e estava morando com a filha, também amiga de minha mãe. Depois de um período de prosa, fomos os quatro almoçar num restaurante próximo. À saída, uma senhora socialmente carente nos abordou. Estava com uma receita na mão e pediu dinheiro para comprar o remédio. Era visível a aflição dela. Talvez estivesse sentindo a dor que o medicamento iria aplacar. Os amigos de minha mãe ignoraram solenemente a mulher. Eu e minha mãe é que demos atenção a ela, conversamos, ouvimos seu relato e providenciamos o montante para a compra do remédio enquanto os amigos arrogantes de minha mãe aguardavam no carro. Fiquei indignado com aquilo. Ao final do dia, já em Petrópolis, eu e minha mãe lamentamos com nossos familiares sobre a falta de sensibilidade de pai e filha. Como eles, há muitos, infelizmente.

Eu sonho com um mundo pleno de oportunidades para todos! Isso se chama espiritualizar a matéria. Vamos evoluindo e descobrindo a cura para doenças, melhorando o transporte e a moradia, aperfeiçoando a educação e a saúde, dando o ensejo de progresso material e espiritual a todos... Ricos e pobres sempre haverá, creio. Mas poucos com tanto e muitos sem nada tendem a desaparecer. Afinal, todos merecem ter oportunidades para estudar e prosperar.

Os pobres, como eles são fortes e dignos! Como admiro a coragem que eles possuem de, todos os dias, enfrentar o transporte público, ganhar pouco, viver com o orçamento apertado e, mesmo assim, seguir em frente, com garra e bom humor. Talvez seja por isso que uma das minhas músicas preferidas seja “Gente Humilde”, magistral composição de Chico Buarque, Vinícius de Morais e Garoto. A turma do subúrbio, o povo que anda de trem, as casas simples com cadeiras na calçada, as festas de aniversário com bolo e guaraná, a hospitalidade pra lá de acolhedora... Só quem entra numa casa simples e come uma comida caseira feita com carinho pode entender! Eu entendo, graças a Deus!


 
          Marcelo Teixeira









                                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!