Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: Dothy em 04 de Dezembro de 2012, 11:24

Título: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Dothy em 04 de Dezembro de 2012, 11:24


Melindres

Não permita que suscetibilidades lhe conturbem o coração.

Dê aos outros a liberdade de pensar, tanto quanto você é livre para pensar como deseja.

Cada pessoa vê os problemas da vida em ângulo diferente.

Muita vez, uma opinião diversa da sua pode ser de grande auxílio em sua experiência ou negócio, se você se dispuser a estudá-la.

Melindres arrasam as melhores plantações de amizade.

Quem reclama, agrava as dificuldades.

Não cultive ressentimentos.

Melindrar-se é um modo de perder as melhores situações.

Não se aborreça, coopere.

Quem vive de se ferir, acaba na condição de espinheiro.


XAVIER, Francisco Cândido. Sinal Verde. Pelo Espírito André Luiz. CEC.
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Mourarego em 04 de Dezembro de 2012, 16:43
Meus manos, sob o tema melindres,
venho lhes trazer uma troca de mensagens entre Erasto de Carvalho Prestes, (já falecido), Espírita de quatro costados, e homem bom e íntegro.
A razão para a troca de emails se deveu a um artigo deste meu Mestre, ao qual tracei algumas linhas demonstrando um erro.
Eis então o que ele gentilmente fez colocar no periódico que fazia, a suas expensas, publicar todos os meses e que me fez criar este artigo:

"NO TERRENO DAS HIPÓTESES

Moura Rêgo

Se existem escolhos aos que militam na divulgação da Doutrina Espírita, um deles, sem dúvida é o terreno hipotético.
Somos todos nós, e disso todos o sabemos, Espíritos ainda em começo de viagem, ainda muito ignorantes no que diz respeito ao mundo espiritual que nos cerca e ao mundo moral, que enquadra, formata e sutiliza o Espírito, colocando-o, segundo suas aquisições, ou no terreno mais adiantado, ou segundo sua pouca transformação adquirida, em terreno mais andrajoso.
Dessa forma, tornam-se as hipóteses, um verdadeiro perigo ao divulgador espírita, quando este descura do necessário estudo e conhecimento do tema sobre o qual deseja traçar alguma hipótese.
Meu bom e dileto amigo Erasto de Carvalho Prestes, divulgador incansável da doutrina dos Espíritos, editor e repórter do jornal O Franco Paladino, é desses que prima por uma escrita escorreita, um dizer acertado e verdadeiro, nunca destoante da doutrina espírita.
Dia destes, porém, sabendo-o pessoa que pondera sobre o que recebe, enviei-lhe um email em particular, dando-lhe conta de algumas discordâncias minhas a respeito de um tema sobre o qual este tribuno das letras espíritas, a Evolução das Espécies e a concordância de Kardec a Darwin.
Em seu estudo, no jornal que comanda na Internet e na forma escrita convencional, Erasto fazia crer que o codificador concordava com o que Darwin acreditava ser o correto, dando conta de uma evolução em linha reta. Na verdade Kardec nunca se colocou ao lado dessa tese Darwinista.
Pois bem, meu amigo Erasto, tomando conhecimento de meu email, fez o que todo bom espírita e estudante sério da doutrina faz: Estudou os pontos que anotara eu em meu email, e estudou-os criteriosa e gravemente. Mas não parou por ai, com a mesma seriedade com que trata seus estudos, tomou da pena e redigiu resposta às este seu amigo, não mais na forma particular, como a usada por mim, mas deu publicidade ao que me respondia. Não para que este amigo de vocês saísse como vencedor em contenda que não existira entre nós, mas pela imensa responsabilidade que tem pelos seus escritos e para com o público que o acompanha já há bastante tempo, como eu mesmo.
Esta forma gentil de responder à qualquer um que lhe envie cartas ou emails, é o marco deste incansável paladino do saber espírita.
Em seu enunciado, constante ao número setenta (70) de seu afamado jornal, Erasto retrata meu pequeno discordar, e embrenha-se em resposta inteligente, na forma de pensar e no uso da norma culta. Este o Erasto, cuja fidalguia e humildade o faz chamar-se “O Pequeno”, este meu bom amigo Erasto.
Por certo trás ainda vívidas as aulas tomadas ao ai, o saudoso Severino Prestes Filho, outro baluarte da doutrina em tempos passados, e as faz reais em sua escrita discrição e educada forma de se dirigir a seu público, sem rudezas ou pieguismos.
Permito-me, neste momento, picar de sua escrita um tópico para que, dando forma ao que até agora possa ter parecido a leitor incauto, apenas exortações elogiosas, posamos todos nós apreciar seu senso de responsabilidade e sua eterna vontade de acertar sempre. Diz ele, citando a começo o codificador:
“Assim, do ponto de vista corpóreo puramente anatômico, o homem pertence à classe dos mamíferos, à ordem dos bímanos.
Em resumo: como homem de ciência que era Allan Kardec encarou com naturalidade a teoria da origem e evolução das espécies. E, como de fato existe mesmo muita semelhança entre as formas externas do corpo do homem e do macaco, “não considerou impossível que corpos de homens tenham sido a transformação dos corpos de macacos (antropóides superiores). É bem provável, pois, segue Erasto, que corpos de macacos tenham servido de vestidura aos primeiros Espíritos humanos, que encarnaram na Terra, forçosamente, pouco adiantados, pouco evoluídos, ou seja, primitivos.”
E alinhava fechando  discurso, ao final:
“Mas para Kardec, tudo não passava de hipótese, “de modo algum colocada como princípio doutrinário.”
Ao que eu, fazendo minhas suas instruções, realço:
Não há como, caro amigo, haver desafinação entre o pensamento esposado pelo codificador por você ou mesmo por este velho amigo,Moura Rêgo. O destaque dado por você a característica de teoria não deixa Margem à especulações levianas ou discordâncias sem berço ou origem, alias, valho-me deste para afiançar-lhe o seguinte:
Sob o meu ponto de vista, unicamente no terreno hipotético e ligando-se apenas ao veículo físico que conhecemos como corpo, deveria sim o primeiro dos homens, ter se utilizado de vestidura mais fortalecida, que o ajudasse ante as intempéries do tempo a que s projetava naqueles primórdios da vida inteligente neste orbe.
O que seria o primeiro Espírito encarnado sob a forma hominal senão um ser que estaria apenas Há uns centímetros a frente do antropóide superior.
Todavia, vale a lembrança, estes centímetros tomam proporção de anos luz, se cogitarmos da natureza que o revestia Espiritualmente. Se o anterior antropóide superior, não pensava, não conjeturava, não utilizava senão aquela espécie de inteligência anotada com sutileza pelo codificador com INSTINTO, aquele que lhe se lhe seguiu, de espécie e essência outras, tomando o apelido de homem, este por menor que fosse o uso que desse ao atributo que o faz ser um ser a parte na creação, a INTELIGÊNCIA, este já pensava e urdia seus atos, mesmo que tosca e primitivamente, como primitivo jornadeava, naqueles tempos.
A nota do codificador quanto a natureza puramente física desta semelhança, e notem que  termo semelhança não trás em si a noção de igualdade, por favor, já premunia ao estudante aplicado da letra espírita, contra qualquer erro de apreciação que escapasse ao parâmetros anotados pelo codificador.
Assim, amigo e “guru”, Erasto, todo este contingente emaranhado de consignações, tem o fito de aplaudir-lhe o gesto de extrema gentileza que seja o de responder a este seu amigo, deixando bem clara a sua posição e livrando aos seus leitores de conclusões eivadas de erros.
Esta a alegria que sinto em ser mais que seu amigo, seu aluno!
Abraços.
Rio de Janeiro, 16 de abril de 2009.

Fico muito feliz em ter me lembrado deste que é dos exemplos que já tive de humildade e seriedade de parte de alguém a quem tenha contestado, um dos mais patentes, e que demonstra bem, que se possa contestar algo ou alguma colocação sem que a outra parte se melindre.
Abraços,
Moura

Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: luciabessa em 04 de Dezembro de 2012, 17:36
O melindre é o atestado de que possuimos ainda muitas arestas a serem aparadas, nesta ou em outras paragens!

Muita luz!
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Mourarego em 05 de Dezembro de 2012, 14:02
É isso mesmo Lucinha!
Eu diria: O Melindre é o RG do imperfeito.
Abração,
Moura
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Marcos W. Silva em 05 de Dezembro de 2012, 14:49


Melindres

Não permita que suscetibilidades lhe conturbem o coração.

Dê aos outros a liberdade de pensar, tanto quanto você é livre para pensar como deseja.

Cada pessoa vê os problemas da vida em ângulo diferente.

Muita vez, uma opinião diversa da sua pode ser de grande auxílio em sua experiência ou negócio, se você se dispuser a estudá-la.

Melindres arrasam as melhores plantações de amizade.

Quem reclama, agrava as dificuldades.

Não cultive ressentimentos.

Melindrar-se é um modo de perder as melhores situações.

Não se aborreça, coopere.

Quem vive de se ferir, acaba na condição de espinheiro.


XAVIER, Francisco Cândido. Sinal Verde. Pelo Espírito André Luiz. CEC.

Não é raro a solução de algum empecilho vir através de alguém que sequer imaginávamos.
Às vezes ficamos indiferentes diante de alguém fundamental em nossos planos, e por um simples melindre desperdiçamos oportunidades valiosas. Por isso o melhor é não rotular, não estabelecer parâmetros para os outros, na dúvida sejamos cautelosos, mas, jamais melindrosos.

Abraços.

 
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: hcancela em 05 de Dezembro de 2012, 15:55


Melindres

Não permita que suscetibilidades lhe conturbem o coração.

Dê aos outros a liberdade de pensar, tanto quanto você é livre para pensar como deseja.

Cada pessoa vê os problemas da vida em ângulo diferente.

Muita vez, uma opinião diversa da sua pode ser de grande auxílio em sua experiência ou negócio, se você se dispuser a estudá-la.

Melindres arrasam as melhores plantações de amizade.

Quem reclama, agrava as dificuldades.

Não cultive ressentimentos.

Melindrar-se é um modo de perder as melhores situações.

Não se aborreça, coopere.

Quem vive de se ferir, acaba na condição de espinheiro.


XAVIER, Francisco Cândido. Sinal Verde. Pelo Espírito André Luiz. CEC.
Bem oportuna Dotty, pelas razões por nós conhecidas..kk

Beijos
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Antonio Renato em 06 de Dezembro de 2012, 11:02
Melindres.Não me toques,sou imperfeito,inacabado,posso até me desmanchar,isto mesmo,
preciso: Amadurecer,crescer moralmente, ficar forte e não melindrar diante das afrontas.Isto
dirá:Eu evoluí.
Fiquem na paz.
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Dothy em 06 de Dezembro de 2012, 23:45
Melindres.Não me toques,sou imperfeito,inacabado,posso até me desmanchar,isto mesmo,
preciso: Amadurecer,crescer moralmente, ficar forte e não melindrar diante das afrontas.Isto
dirá:Eu evoluí.
Fiquem na paz.

Olá amigos
Agradeço a todos que participaram enriquecendo este assunto
Então Antonio, muitas vezes eu me senti assim... Ofendida, afrontada, chateada por não ter minhas vontades ou até caprichos atendido e o fato de não querer aceitar outas opiniões contrárias a minhas foi um passo ao melindre
E assim como eu vários são acometidos deste mal.  Em centros espiritas, em familias, com amigos,no trabalho,  pessoas que deixam de se falar, se separam, outras que perdem valiosas oportunidade de servir, aprender, crescer e evoluir.
É isto ai... Deixar destes não me toques é um caminho para não entrar no tal ofensa do melindre
abraços
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Mourarego em 07 de Dezembro de 2012, 14:26
Maninha Dothy, deixe-me falar um cadinho sobre este aceitar opiniões contrárias...
Parece-me bastante claro que para alguns, quando estes tomem contato com uma opinião contrária a deles, estes nem pensem, logo deletam a opinião e nem se prestam a ver se ele tem base na doutrina.
Eu tomo a isso como natural do Espírito Imperfeito, já que em tal estado é difícil mesmo que se tenha outro certo enquanto este nos diga que estamos em erro.
Natural também, é o fato de que não seja  simples se aceitar algo contrário ao nosso pensamento e de plano.
Toda opinião contrária deve ser sim, analisada, compulsada com a DE para se poder reter o ensinamento que a opinião traga se bem embasada na doutrina.
O que não se deve fazer é como resposta, dar-se patadas em quem nos veio em contradita.
Abraços,
Moura
Título: Re: Cuidado com o... Melindre.
Enviado por: Dothy em 07 de Dezembro de 2012, 15:34
a.
O que não se deve fazer é como resposta, dar-se patadas em quem nos veio em contradita.
Abraços,
Moura

É verdade Moura
Creio que em muitos casos o mais comum é este... O dar patadas
abraços