Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: Amigos fraternos em 25 de Março de 2009, 21:55

Título: A Reforma íntima
Enviado por: Amigos fraternos em 25 de Março de 2009, 21:55



 É hora de abandonarmos os antigos costumes e seguirmos o mestre Jesus em seus exemplos  de amor, conhecermos-nos a fundo a nossa identidade espiritual e aprofundarmos-nos nas práticas do bem e do amor. Para isso uma boa dose de caridade, bom vontade e persistência para nós ajudar a substituir antigos sentimentos contrários a fraternidade e o perdão, antigos sentimentos que nos envenenam a alma e nos afastam do divino mestre. Paciência e perseverança no nosso dia a dia, fraternidade para com o nosso próximo são atitudes bem seguras para uma verdadeira mudança interior e consoante com Deus.
 
Irmão Lázaro
Psicografia de André Valente
Data: 25/03/2009
 
Título: Re: A Reforma íntima
Enviado por: lucineide.c em 27 de Março de 2009, 05:44
                            Reforma Moral

         Se o homem tiver dúvidas com relação à sua condição de Espírito imortal, que continuará a existir e a progredir depois da morte do corpo físico,ele vai se apegar aos valores materiais, que são temporários; se, ao contrário, estiver convicto de sua imortalidade,administrará os bens materiais com o dever de cuidar de algo por tempo determinado, findo o qual deixará na matéria o que é da matéria, concentrando-se na conquista de valores espirituais ,estes sim permanentes.
          Uma única reforma se faz necessária, que está na base de todas as demais: é a reforma moral do ser humano, a qual consiste em substituir o orgulho pela humildade e o egoísmo pela fraternidade. Esta reforma será sempre mais consistente quanto mais convicto estiver o ser humano de sua imortalidade.
           Com esta reforma moral constrói-se uma paz duradoura, evita-se a guerra entre seres e nações, elimina-se a miséria e a ignorância e distribuem-se com igualdade os valores econômicos entre todos.Isto porque não se pode pretender uma sociedade justa constituída por seres injustos, nem ,tampouco,uma sociedade fraterna e solidária constituída por seres violentos.


       Reformador/ outubro de 2005.