Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 11 de Outubro de 2014, 08:43

Título: A imensa alegria de viver
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Outubro de 2014, 08:43
                                                               VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                      A imensa alegria de viver



              A imensa alegria de viver


É preciso, ou não, sentir alegria de viver? Claro que sim! A vida é um dom sublime e devemos sentir uma imensa alegria ao vivê-la!

Pois, então, vamos a certas considerações.

Os negócios de uma empresa iam, como se diz “de vento em popa” e os donos sentiam uma imensa alegria de viver.

A saúde inunda nosso corpo físico e sentimos disposição e temos uma imensa alegria de viver.

Nossos pais, nossos filhos, nossos entes queridos, enfim, estão todos bem e sentimos uma imensa alegria de viver.

Estamos em perfeito equilíbrio emocional, sem a visita da depressão ou coisas semelhantes, e na posse desse estado de alma sentimos uma imensa alegria de viver.

Colocadas essas considerações que nos levam à alegria de viver, vamos compará-las a alguns ensinamentos ditados por Joanna de Ângelis na página psicografada por Divaldo em cinco de junho de 2014, em Vitry-sur-Seine, França.

“Enquanto a barca da reencarnação navegava nas águas tranquilas do prazer, todos os acontecimentos eram enriquecidos pelos sorrisos, pela imensa alegria de viver.

Tinhas a impressão de que te encontravas no verdadeiro paraíso, sem maiores preocupações com o processo de evolução.

Inesperadamente, porém, foste surpreendido por ocorrências imprevistas e te encontras tomado de surpresa e desencanto, acreditando-te desamparado e sem o socorro da divina Providência.

Sucede que a Terra é escola abençoada que faculta o progresso intelecto-moral dos Espíritos que nela reencarnam.

Nesse sentido, o sofrimento se apresenta como benfeitor, por despertar a consciência adormecida e propor-lhe a visão correta para o comportamento durante a existência.

Sempre surgem, em todas as vidas, esses fenômenos inesperados, porque eles fazem parte do programa de iluminação da humanidade.

Ninguém há que se encontre indene à sua ocorrência.

Eles se apresentam e esperam ser bem recebidos, mesmo marchetando a alma e retirando a aparente tranquilidade.

O físico é o mundo das ilusões e das fantasias.

O espiritual é aquele de onde se procede e para onde se retorna.”

*

Nessas poucas linhas que reproduzimos da mensagem de Joanna, conseguimos entender a verdadeira imensa alegria de viver de Chico Xavier que, mesmo com todos os problemas que enfrentou no seio familiar, no meio espírita e fora dele, realmente era feliz. A imensa alegria de viver inundava-lhe o interior do ser. Entendia ele que estava de retorno “de onde se procede e para onde se retorna”. A alegria de viver não se assentava na paz transitória dos dias vividos no uniforme do corpo físico, mas na paz de consciência que o mundo nos permite conquistar quando enfrentamos e vencemos a nós mesmos diante dos obstáculos que se apresentam durante a nossa jornada pela escola da Terra.

Podemos, da mesma forma e pelos mesmos motivos, citar o exemplo de Divaldo, que, enfrentando problemas que só ele mesmo poderia descrever, apresenta-se sempre feliz e agradecido a Deus pelo dom da vida. Como bem frisou Joanna, ninguém há que se encontre imunizado contra os problemas da jornada terrestre. Não voltamos para viajar placidamente pelo mundo como se estivéssemos nos instalado num hotel cinco estrelas em uma suíte de alto valor. Aliás, os problemas são exatamente os agentes que a Lei coloca em nosso caminho para que encontremos as soluções que nos afligem o Espírito. Não fossem eles e estacionaríamos. Estacionados, ficaríamos longe da perfeição. E quanto mais longe da perfeição para a qual fomos criados por Deus, mais longe estaremos da felicidade e da paz que tanto desejamos, mas que procuramos nas águas calmas de uma existência física sem problemas. Quando pequenas ondas agitam o mar de nossa existência, agarramo-nos ao barco frágil do corpo e nos desesperamos, nos desequilibramos, exatamente como fizeram um dia os Apóstolos no mar da Galileia. A grande diferença é que já temos dois mil anos de lições de Cristianismo que deveriam ter instalado dentro de nós a bússola da fé em Deus.

Baseados nos ensinamentos de Joanna, temos sentido uma imensa alegria de viver? Ou ainda nos agarramos desesperados ao barco do corpo físico diante dos problemas da vida, sem compreender que retornamos, a cada dia que passa, para onde viemos?



            Ricardo Orestes Forni








                                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!

Título: Re: A imensa alegria de viver
Enviado por: lconforjr em 11 de Outubro de 2014, 17:27
Re: A imensa alegria de viver

      Referencia msg inicial de 111014, às 08:43, de dOn Jorge.

      Sem dúvida, não é fácil entender a doutrina. Assim, vamos raciocinar para procurar entendê-la melhor. Considerando o que diz o texto de Ricardo Orestes Forni, perguntamos:

      - onde estão esses que sentem, ou q deveriam sentir, a ‘imensa alegria de viver’, se todos estamos, conforme a DE, num mundo de expiações que implicam sofrimentos para todos sem exceção, e muitas vezes desesperadores e mesmo insuportáveis?

      - o q significa dizer q é ‘preciso’ sentir alegria de viver? Ser preciso sentir essa alegria, como é q podemos resolver esse problema? Não sentimos, mas temos de sentir?!! Como é q se faz isso? Como é q aquele q está sofrendo, ou vendo os seus queridos sofrerem de modo torturante, deve faz para ‘sentir imensa alegria de viver’?

      - como aqueles q são submetidos a sofridas e multiplicadas encarnações a se estenderem por milhões de anos deverão fazer para sentir essa imensa alegria, se tantos abandonam a vida por não suportar os sofrimentos q na vida estão passando?

      - como entender q a Terra é uma escola abençoada que faculta o progresso intelecto-moral dos Espíritos que nela reencarnam, se esse progresso se resolve em fazer q todos, sem exceção de ninguém, sofram as consequências terríveis da lei de causa e efeito? Isso significa q, como já perguntado acima, o sofrimento é um dos métodos mais eficientes criados por Deus, para fazer evoluir?

      - se é o sofrimento q nos dará uma visão correta para nosso comportamento durante a existência, como se afirmar q todos os sofrimentos são aplicados com perfeita justiça, se a lei nos fará sofrer antes mesmo de termos uma visão correta de qual tem de ser nosso comportamento?

      - como se dizer q o sofrimento se apresenta como um benfeitor e q ‘faz parte do programa de iluminação da humanidade’ e q ‘ninguém há q esteja indene de sua ocorrencia’? Isso significa q o processo evolutivo criado por Aquele q é Sabedoria, Amor e Justiça, tem como método mais eficiente trazer sofrimentos, dores e lágrimas para todos, para q se aprenda a não mais errar e, sobretudo, para q se aprenda a amar?

      - se o mundo físico é o mundo das ilusões e das fantasias, como se explica que é, exatamente num mundo de ilusões e fantasias que viemos aprender?

      Texto: Aliás, os problemas são exatamente os agentes que a Lei coloca em nosso caminho para que encontremos as soluções que nos afligem o Espírito. Não fossem eles e estacionaríamos.

      Conf: novamente se afirma que temos de forçosamente sofrer pois q o plano divino para nossa evolução se baseia nos mais terríveis sofrimentos pois, se não sofrermos ficaremos estacionados em nossa caminhada rumo ao aperfeiçoamento! É isso mesmo? Esse é o plano de Deus, a lição de Deus: “se quer evoluir, sofra!”?? E devemos crer q aquele q passa por enormes sofrimentos aprende a amar? Ou aprende a odiar, a descrer, até a odiar Aquele q criou a lei de causa e efeito, q é exatamente isso que tantas vezes vemos no mundo?

      Texto:... A grande diferença é que já temos dois mil anos de lições de Cristianismo que deveriam ter instalado dentro de nós a bússola da fé em Deus.

      Conf: aqui, para compreender, temos de fazer uma pergunta: se já se passam 2000 anos das lições do Cristianismo, qual é a causa de ainda não as termos aprendido? E, se alguns aprenderam e outros não, qual é a causa dessa tremenda desigualdade?

      Texto: Baseados nos ensinamentos de Joanna, temos sentido uma imensa alegria de viver? Ou ainda nos agarramos desesperados ao barco do corpo físico diante dos problemas da vida, sem compreender que retornamos, a cada dia que passa, para onde viemos?

      Conf: mas, como entender isso se estamos presos ao corpo físico, não por nossa vontade, mas pela vontade de Deus cujo processo evolutivo, q criou para nós, exige isso?!

.................
Título: Re: A imensa alegria de viver
Enviado por: Antonio Renato em 11 de Outubro de 2014, 21:42
Meu nobre(nobre na alma)irmão Coronel,os seus questionamentos são válidos e têm
fudamentos,fica realmente difícil pelos menos em nosso estágio de evolução,entender
que possamos ter uma imensa alegria de viver em um mundo que se tenha que sofrer
para poder evoluir. No OLE encontramos trechos onde os espíritos nos diz que muitas
coisas e acontecimentos ainda foge a nossa compreensão e que ainda não estamos
preparados para tal,deve ser por aí então.
Título: Re: A imensa alegria de viver
Enviado por: Olé em 12 de Outubro de 2014, 20:39
A imensa alegria de viver apenas surge quando o pensamento, eu, se torna consciente do seu próprio movimento na memória - que é tempo, divisivo, conflituante, discriminador e inventor de todas as ilusões que geram todo o tipo de sofrimentos na natureza e nos seres sencientes, que são o "Templo do Senhor"-, e para.
Título: Re: A imensa alegria de viver
Enviado por: fernandes adalberto em 13 de Outubro de 2014, 13:35
 Só tenho á dizer:
  Viva a vida!!!!!!!!!
Título: Re: A imensa alegria de viver
Enviado por: lconforjr em 13 de Outubro de 2014, 20:30
Re: A imensa alegria de viver

      Referencia resp #2 em: 111014, às 21:42, de ARenato.

      ARenato comentou:... fica realmente difícil pelos menos em nosso estágio de evolução, entender que possamos ter uma imensa alegria de viver em um mundo que se tenha que sofrer para poder evoluir. No OLE encontramos trechos onde os espíritos nos diz que muitas coisas e acontecimentos ainda fogem a nossa compreensão e que ainda não estamos preparados para tal, deve ser por aí então.

      Conf: meu querido amigo, então como é q vamos entender a doutrina? Pq é q a doutrina recomenda raciocinar (fé raciocinada), se não podemos entendê-la? Onde estará alguém q sinta essa imensa alegria de viver, dentro desse verdadeiro caos de misérias, desgraças, dores e lágrimas que é a vida q Deus nos deu para viver?

...........
Título: Re: A imensa alegria de viver
Enviado por: Antonio Renato em 14 de Outubro de 2014, 00:09
Meu irmão Coronel,volto à afirmar que concordo com a sua linha de raciócinio em que é
para nós difícil entender não a Doutrina Espirita em si,mas no ter imensa alegria onde
só há sofrimento.Entretanto se olharmos por outra ótica de visão veremos que todos
nós estamos neste mundo de provas e expiações onde há sofrimentos de diferentes
graus é porque merecemos pelo que temos que resgatar,caso contrário estariamos em
um mundo mais evoluido,assim eu penso.
Título: Re: A imensa alegria de viver
Enviado por: lconforjr em 14 de Outubro de 2014, 03:46
Re: A imensa alegria de viver

      Referencia resp #6 em: 131014, às 00:09, de ARenato.

      ARenato:... é para nós difícil entender, não a Doutrina Espirita em si, mas no ter imensa alegria onde só há sofrimento. Entretanto se olharmos por outra ótica de visão veremos que todos nós estamos neste mundo de provas e expiações onde há sofrimentos de diferentes graus é porque merecemos pelo que temos que resgatar, caso contrário estaríamos em um mundo mais evoluído, assim eu penso.

      Conf: Mas a doutrina, tb, é muito difícil de entender, meu querido amigo, pois todos sofremos de modo terrível por cometermos erros e mais erros, e nem mesmo sabemos pq os cometemos! Não sabemos nem mesmo pq um é bom e o outro é mau! E, portanto, nem sabemos pq sofremos! Ensina a doutrina q sofremos agora, pq no passado fomos maus, mas não nos diz pq fomos maus, como tb não nos diz pq é q, se podemos escolher fazer o bem, escolhemos fazer o mal!

.................