Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 05 de Dezembro de 2012, 16:34

Título: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Dezembro de 2012, 16:34
                                                                   VIVA JESUS!




           Boa-tarde! queridos irmãos.



                 A evolução do Espírito no
reino mineral
 


No Evangelho consta a orientação segura de Jesus no sentido de que Deus trabalha incessantemente. Uma das ações constantes da Divindade, certamente, é a criação contínua de princípios espirituais (o Espírito nas suas expressões iniciais, somente com a aquisição da razão, no reino hominal, é que passa a ser denominado Espírito, que, conceitualmente, é o nome que se dá aos seres inteligentes da criação), uma vez que, conforme as recentes descobertas científicas, o Universo está em expansão.

A física quântica revela-nos que o espírito, na sua essência, é energia pura, portanto, à medida que somos criados por Deus, inicia-se a nossa trajetória evolutiva no rumo da plenitude.

Sabe-se que o princípio espiritual é criado simples e ignorante, sem complexidade, de forma que estagiará milhões de anos nos reinos inferiores da criação (mineral, vegetal e animal), onde desenvolverá funções mais complexas e conquistará a individualidade, habilitando-se para o despertar da inteligência e do senso moral.

Em nosso nível de evolução, ainda é para nós uma incógnita a forma como Deus cria o princípio espiritual, e como o reino mineral aproxima-nos desse período inicial da criação. Naturalmente notamos que os Espíritos superiores são muito econômicos quando tratam desse assunto, porque nos faltam palavras e conhecimento para uma compreensão mais abrangente. Certamente, com o avanço da ciência, que se dá em um ritmo acelerado, futuramente teremos mais orientações sobre a evolução do princípio espiritual no reino mineral.

A benfeitora Joanna de Ângelis, na obra “Iluminação Interior”, na primeira lição (A Divina Presença), assevera que: ”... Manifestando-se em sono profundo nos minerais através dos milhões de milênios, germina, mediante processo de modificação estrutural, transferindo-se para o reino vegetal...”.

Nesse mesmo sentido, Emmanuel, na obra “O Consolador”, diz que: “A escala do progresso é sublime e infinita. No quadro exíguo dos vossos conhecimentos, busquemos uma figura que nos convoque ao sentimento de solidariedade e de amor que deve imperar em todos os departamentos da natureza visível e invisível. O mineral é atração. O vegetal é sensação. O animal é instinto. O homem é razão. O anjo é divindade”. (Obra citada, questão nº 79.)

Registre-se que tais Espíritos, conforme mencionaram Divaldo Franco e Chico Xavier, fizeram parte da equipe de benfeitores espirituais que atuaram na codificação do Espiritismo e revelam seus compromissos superiores nos livros que ditaram aos aludidos médiuns, portanto, como é que nós, os espíritas, colocamos em dúvida ou simplesmente supomos que Joanna de Ângelis e Emmanuel estão nos enganando (desculpem-me a franqueza, mas é um desabafo deste subscritor, que estuda o Espiritismo há quase 30 anos).

Aliás, não nos esqueçamos de que Joanna de Ângelis foi Joana de Cusa, portanto, imaginemos o nível de compromisso que esse Espírito tem com o Cristo. (Vale a pena ler a história de Joana de Cusa na obra “Boa Nova”, de Francisco Cândido Xavier.)

Ademais, o mais importante é que as mensagens de Joanna e Emmanuel estão em perfeita sintonia com a codificação espírita, portanto, com Allan Kardec, mesmo quando afirmam que a evolução do princípio espiritual inicia-se no reino mineral.

É sabido que o mineral é um corpo natural sólido e cristalino formado pelo resultado de processos físico-químicos em ambientes geológicos e possuem como características a cor, o brilho, a tenacidade, a dureza, a clivagem, o traço, a densidade e a tenacidade.

O mineral está submetido às forças de atração e repulsão, que terão um efeito evolutivo sobre o princípio espiritual recém-criado, notadamente na sua estrutura energética inicial, conforme orientação de Joanna de Ângelis.

Assim sendo, percebemos a exatidão da informação dos benfeitores espirituais quando, na questão nº 540 de “O Livro dos Espíritos”, dizem que “... É assim que tudo serve, tudo se encadeia na Natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo, pois ele sempre começa pelo átomo”.

Enfatize-se que o benfeitor espiritual Camilo, na obra “Nos Passos da Vida Terrestre”, no capítulo I, através da mediunidade do confrade José Raul Teixeira, além de ratificar a informação de que o princípio espiritual desenvolve-se em contato com as forças do reino mineral, ainda nos esclarece que o átomo primitivo referido na questão acima é o átomo da matéria cósmica primitiva, ainda ignorado pelos estudos humanos.

Vejamos, ainda, a brilhante resposta que consta da questão nº 607-A, de O Livro dos Espíritos, quando Allan Kardec pergunta se a alma foi o princípio inteligente dos seres inferiores da criação: “Não dissemos que tudo se encadeia na natureza e tende à unidade? É nesses seres, que se está longe de conhecer plenamente, que o princípio inteligente se elabora, individualiza-se pouco a pouco, e ensaia para a vida. De certa forma, é um trabalho preparatório, como o da germinação, em seguida ao qual, o princípio inteligente sofre uma transformação e se torna Espírito...”.

A questão nº 607-A está inserida no capítulo XI, da 2ª parte de O Livro dos Espíritos, que trata dos reinos inferiores (mineral, vegetal e animal), portanto, quando os Espíritos superiores aduzem que é nesses seres inferiores da criação que o princípio inteligente se elabora e individualiza-se, incluem, obviamente, o reino mineral.

Quando se utiliza a frase de que Deus jamais uniria um Espírito a uma pedra (“A Gênese”, capítulo XI, item 10), convém assinalar que tal assertiva é verdadeira, porque seria um retrocesso da evolução que o Espírito, já no estágio da razão, ou que ainda estivesse como princípio espiritual nos reinos vegetal e animal, com a sua estrutura energética inicial elaborada, tivesse que regressar ao reino mineral.

Convém citar a obra “Evolução Anímica”, de Gabriel Delanne, com o escopo de compreendermos um pouco mais o significado da evolução do princípio espiritual no reino mineral.

Esse autor, numa comparação magnífica, nos diz que no reino mineral propicia a solidez, a conquista simbólica da estrutura óssea do princípio espiritual. (Capítulo II, item “A Evolução da Alma”.)

Dessa forma, dentro de nossa linguagem ainda empobrecida, poderíamos dizer que Deus cria o princípio espiritual, que se expressa inicialmente como um foco de energia dispersa, sendo que no reino mineral essa energia se submeteria à ação da lei de atração e repulsão, que basicamente gera a aglutinação da matéria, a fim de que possa conquistar a solidez, obtendo uma estrutura energética mais individualizada, no rumo da complexidade.

É por esse motivo que Joanna de Ângelis fala de modificação estrutural, não obstante nos faltem conhecimento e palavras para melhor nos expressarmos quanto a esse período evolutivo do princípio espiritual.

Quando falamos que o princípio espiritual é um foco de energia, obviamente não se trata de uma energia qualquer, porque no ato da criação Deus está gerando seus filhos, que povoarão o Universo, tanto que na questão nº 27 de O Livro dos Espíritos os benfeitores espirituais revelam que existem três coisas que são o princípio de tudo, isto é, Deus, espírito e matéria  - a trindade universal.

Na escalada evolutiva, após estagiar no reino mineral, que apenas servirá para questões estruturais do princípio espiritual, este irá para o reino vegetal, onde começará a desenvolver funções mais complexas, pois já começará a experimentar as sensações rudimentares, a respiração, a alimentação, a sensibilidade e terá um sistema nervoso ainda embrionário, portanto, estará submetido a uma vida mais organizada, onde estará presente a vitalidade.

Após milhões de anos, estará habilitado a ingressar no reino animal, onde, através do instinto, começará a desenvolver as bases da inteligência, que permitirá ao princípio espiritual converter-se em espírito, quando adquirir a razão, permitindo-o o ingresso no reino hominal, não podendo ser esquecido que há os elos de transição entre esses reinos, que poderão se dar em outros mundos ou nas regiões espirituais.

Por esse motivo, mostra-se inquestionável e verídica a frase de Léon Denis, na obra “O Problema do Ser, do Destino e da Dor”, a saber: “Na planta, a inteligência dormita; no animal sonha; só no homem acorda, conhece-se, possui-se e torna-se consciente”.

Note-se que Léon Denis fala da inteligência e não do espírito. Este, sim, dorme no mineral, sonha no vegetal, agita-se no animal e acorda no hominal, numa representação da escalada evolutiva do espírito, que, fatalmente, atingirá a perfeição relativa.

Reflitamos sobre a seguinte frase: “Deus prossegue criando sem cessar. O Seu psiquismo dá nascimento a verdadeiros fascículos de luz, que contêm em germe toda a grandeza da fatalidade do seu processo de evolução”. (Joanna de Ângelis, na obra “Iluminação Interior”, no capítulo “A Divina Presença”.)

Diante do exposto, passamos a compreender a profunda assertiva de João, o discípulo de Jesus, quando diz que “DEUS É AMOR”, de tal sorte que somos expressões do seu infinito amor e estamos destinados à angelitude, cabendo-nos a tarefa de desenvolver o “deus interno” que há dentro de nós, através da busca da verdade e do bem.


           Alessandro Vianna Vieira de Paula






                                                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Vitor Santos em 05 de Dezembro de 2012, 17:32
Olá

Gostava de perceber de onde veio a ideia de que as pedras têm alma, ou que há uma alma que anima as pedras, ou muitas pedras. Não consigo achar qualquer lógica a essa ideia.

Allan Kardec não pensava assim. Os espiritos não lhe ditaram tal coisa. Isso para mim é claro. O Livro dos Espíritos esclarece esta questão:

Citar
Seres orgânicos e inorgânicos (comentário anterior à questão 60)

Os seres orgânicos são os que têm em si uma fonte de atividade íntima que lhes dá a
vida. Nascem, crescem, reproduzem-se por si mesmos e morrem. São providos de órgãos
especiais para a execução dos diferentes atos da vida, órgãos esses apropriados às
necessidades que a conservação própria lhes impõe. Nessa classe estão compreendidos os
homens, os animais e as plantas. Seres inorgânicos são todos os que carecem de vitalidade, de movimentos próprios e que se formam apenas pela agregação da matéria. Tais são os minerais, a água, o ar, etc.

71. A inteligência é atributo do princípio vital?

Não, pois que as plantas vivem e não pensam: só têm vida orgânica. A inteligência
e a matéria são independentes, porquanto um corpo pode viver sem a inteligência. Mas, a
inteligência só por meio dos órgãos materiais pode manifestar-se. Necessário é que o
Espírito se una à matéria animalizada para intelectualizá-la.”

Os minerais e as plantas

585. Que pensais da divisão da Natureza em três reinos, ou melhor, em duas
classes: a dos seres orgânicos e a dos inorgânicos? Segundo alguns, a espécie humana
forma uma quarta classe. Qual destas divisões é preferível?

“Todas são boas, conforme o ponto de vista. Do ponto de vista material, apenas há
seres orgânicos e inorgânicos. Do ponto de vista moral, há evidentemente quatro graus.”
Esses quatro graus apresentam, com efeito, caracteres determinados, muito embora
pareçam confundir-se nos seus limites extremos. A matéria inerte, que constitui o reino
mineral, só tem em si uma força mecânica. As plantas, ainda que compostas de matéria
inerte, são dotadas de vitalidade. Os animais, também compostos de matéria inerte e
igualmente dotados de vitalidade, possuem, além disso, uma espécie de inteligência
instintiva, limitada, e a consciência de sua existência e de suas individualidades. O homem,
tendo tudo o que há nas plantas e nos animais, domina todas as outras classes por uma
inteligência especial, indefinida, que lhe dá a consciência do seu futuro, a percepção das
coisas extramateriais e o conhecimento de Deus.


Esta ideia parece ter sido tirada da Teosofia, e é falso que Leon Denis tenha escrito isso. Basta ir ler o que ele disse, no Livro "O problema do ser, do destino e da dor":

Citar
A lei do progresso não se aplica somente ao homem; é universal. Há, em todos os reinos da Natureza, uma evolução que foi reconhecida pelos pensadores de todos os tempos. Desde a célula verde, desde o embrião errante, boiando à flor das águas, a
cadeia das espécies tem-se desenrolado através de séries variadas, até nós. Cada elo dessa cadeia representa uma forma da existência que conduz a uma forma superior, a um organismo mais rico, mais bem adaptado às necessidades, às manifestações crescentes da
vida; mas, na escala da evolução, o pensamento, a consciência e a liberdade só aparecem passados muitos graus. Na planta a inteligência dormita; no animal ela sonha; só no homem acorda, conhece-se, possui-se e torna-se consciente; a partir daí o progresso, de alguma sorte fatal nas formas inferiores da Natureza, só se pode realizar pelo acordo da vontade humana com as leis Eternas.
 
Esta afirmação de que os calhaus têm alma, ou que há uma alma, ou uma espécie de alma, que anima todos os calhaus, ou parte dos calhaus, é completamente ridícula. E não tem qualquer  fundamento, no âmbito da doutrina espirita. E dizer isto em público, a titulo de espiritismo, faz cair no  ridículo a doutrina dos espiritos. Mas não é proibido...

bem hajam
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: alexfidelis em 05 de Dezembro de 2012, 19:02
A física quântica revela-nos que o espírito, na sua essência, é energia pura,...

Por favor, teria como citar fonte desta afirmação?

Abraço!
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Pat Melo em 05 de Dezembro de 2012, 21:38
Sobre este assunto eu penso assim:

INVOLUÇÃO

“No sentido amplo, evolução significa desenvolvimento; teoria da ancestralidade comum. Acredita-se que todos os seres vivos evoluíram por processos naturais a partir de formas de vida anteriores e mais simples.” (GEISLER, 2002)

No sentido espiritual, o homem involuiu, o que significa regressão; retrocesso nada comum. Porque foi o próprio homem quem deu a partida dessa condição quando desobedeceu a Deus.

Não, o processo não foi  natural. O ser humano foi criado perfeito - verdadeira obra prima do Criador. Sem doenças etcs... A medida que ele foi sobrevivendo fora da presença do Criador, foi  se distanciando, se degradando, se corrompendo  moral e esteticamente, se transformou num ser cada vez mais distante de Deus.

Quando o homem pensou que podia se cuidar sozinho, sem a  proteção do Criador  – afinal ele conhece o homem por dentro e por fora -  assumiu o risco de se extinguir; de sumir da face da terra.

Não acredito em evolução espiritual, neste mundo de hoje não vejo isso. Pelo contrário o ser humano nos surpreende a cada dia realizando verdadeiras atrocidades. Essa teoria para mim não se sustenta.
Patricia.
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: alexfidelis em 05 de Dezembro de 2012, 22:26
Sobre este assunto eu penso assim:

INVOLUÇÃO

...

Não acredito em evolução espiritual, neste mundo de hoje não vejo isso. Pelo contrário o ser humano nos surpreende a cada dia realizando verdadeiras atrocidades. Essa teoria para mim não se sustenta.
Patricia.

Resposta a pergunta 805 de O Livro dos Espíritos: "Sim, já o dissemos, o Espírito que progrediu não regride mais. ..."

Se observarmos a humanidade desde a época da descoberta do fogo, invenção da roda, até hoje, é evidente uma evolução e não involução. Digo em todos os aspectos (culturais, sociais, legais etc).

As vezes temos a impressão de vermos a humanidade regredir quando observarmos apenas um pequeno período, mas de maneira geral percebe-se um progresso claro.
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Kazaoka em 06 de Dezembro de 2012, 00:11
Como já está bem claro na codificação espírita. lá no OLE, no comentário que Kardec faz após a questão 613 da referida obra, que a origem do espírito é um dos mistérios não revelados ao homem e considerando que o artigo apresentado na abertura deste tópico sugere um sistema que a própria doutrina não avaliza, então sinto-me à vontade para expor o meu questionamento;

"Se este fosse o sistema correto, o que habilitaria um princípio inteligente que habita um elemento mineral ascender na sua escala evolutiva? Ou seja, o que daria a ele o merecimento ou justificativa para deixar de ser uma pedra para seu um pau? E que vantagem haveria nisso?"

Que me perdoem os ditos Espíritos que endossam tal idéia. Respeito o que eles representam para o Espiritismo mas acho uma idéia sem nexo esta da evolução do espírito começando nos minerais.
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Anton Kiudero em 06 de Dezembro de 2012, 01:28

A resposta a questão do tópico e relevantada pelos amigos Vitor e Kazaoka encontra-se estampada no Livro dos Espíritos. Até mesmo o atomo e mesmo cada eletron que circula ao seu derredor é impulsionado por um agente de Deus, um principio inteligente ainda totalmente inconsciente do que esta executando.

539 - A produção de certos fenômenos, das tempestades, por exemplo, é obra de um só Espírito, ou muitos se reúnem, formando grandes massas, para produzi-los?

Reúnem-se em massas inumeráveis.”

540 - Os Espíritos que exercem ação nos fenômenos da Natureza operam com conhecimento de causa, usando do livre-arbítrio, ou por efeito de instintivo ou irrefletido impulso?

“Uns sim, outros não. Estabeleçamos uma comparação. Considera essas miríades de animais que, pouco a pouco, fazem emergir do mar ilhas e arquipélagos. Julgas que não há aí um fim providencial e que essa transformação da superfície do globo não seja necessária à harmonia geral? Entretanto, são animais de ínfima ordem que executam essas obras, provendo às suas necessidades e sem suspeitarem de que são instrumentos de Deus. Pois bem, do mesmo modo, os Espíritos mais atrasados oferecem utilidade ao conjunto. Enquanto se ensaiam para a vida, antes que tenham plena consciência de seus atos e estejam no gozo pleno do livre-arbítrio, atuam em certos fenômenos, de que inconscientemente se constituem os agentes. Primeiramente, executam. Mais tarde, quando suas inteligências já houverem alcançado um certo desenvolvimento, ordenarão e dirigirão as coisas do mundo material. Depois, poderão dirigir as do mundo moral.

É assim que tudo serve, que tudo se encadeia na Natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo, que também começou por ser átomo. Admirável lei de harmonia, que o vosso acanhado espírito ainda não pode apreender em seu conjunto!”




Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: MarcosBorges em 06 de Dezembro de 2012, 02:18
"Se observarmos a humanidade desde a época da descoberta do fogo, invenção da roda, até hoje, é evidente uma evolução e não involução. Digo em todos os aspectos (culturais, sociais, legais etc)."


Se esboçarmos na mente um situação inusitada como um catastrofe planetaria, no momento quando a humanidade está na condição de provas e expiação, dizimasse em 5 decadas bilhões de pessoas e todo o acesso a tecnologia. Restando em toda Terra uns 100.000 humanos. Inicialmente grupos pequenos, em torno de 10.000 individuos estaria isolados geograficamente um dos outros. Em um prazo de 100 anos, os espiritos que reencarnassem são evolutivamente identicos aos do periodo antes da grande catastrofe planetaria. Contudo, o que garante que tecnologicamente esses descententes, em grupos isolados de 20.000, não estariam produzindo fogo, contruindo abrigos, vestimentas e ferramentas, caçando e plantando, como os povos neolíticos do passado? E o que garante que por pressão da lei sobrevivência não venha a forçar o desenvolvimento leis mais rigidas apropriadas as novas condições? Outros grupos podem se considerados invasores pois é forte o instinto de sobrevivencia e mata para sobreviver se torna constante.

Aos nossos olhos se trata de um retrocesso tecnologico e até legislativo. Novos estilos de vida produziriam nova cultura e leis, com elementos culturais antigos influenciado pelos antepassados.
Para olhares estranhos parecem que vivem em primitivas condições de vida, mas não são primitivos em relação a evolução espiritual.

Como não existe retrogração de sua condição evolutiva, permanecem então estacionados ou pode conduzir a novos debitos que devem expiar? Assim a humanidade mesmo em condição tecnologica distinta ainda seria estaria na condição de provas e expiação e não primitiva.   


Abraço fraterno
Marcos
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: psi em 06 de Dezembro de 2012, 04:55
É observando no reino mineral os átomos e moléculas e o magnetismo que os une que o princípio inteligente começa a perceber a estrutura elementar da matéria para futuramente poder agir sobre ela.

É observando no reino vegetal como se dá a absorção da água, o transporte da seiva, a formação dos frutos, que o princípio inteligente começa a ter os primeiros contatos no campo das sensações orgânicas.

Apesar de não ter uma ação pró-ativa nos reinos mineral e vegetal, isso não impede que o princípio inteligente esteja ali presente de forma passiva como observador, angariando percepções e sensações que futuramente ser-lhe-ão úteis na ação sobre a matéria orgânica. Isso não quer dizer que esteja "encarnado" a uma pedra ou uma planta. Essa ligação do princípio inteligente com o reino mineral e vegetal se dá em mundos primitivos muito antes da existência de espécies animais mais complexas.

É estagiando no reino animal que o princípio inteligente começa a desenvolver o instinto através do pensamento descontínuo ou fragmentado. É aqui que verdadeiramente começa o ciclo evolutivo reencarnatório para o princípio inteligente e sua ação sobre os corpos orgânicos, desde as espécies mais rudimentares. 

É na espécie humana que as inteligências começam a desenvolver a razão através do pensamento contínuo, passando a ter o livre-arbítrio e a responsabilidade moral de seus atos.     

Léon Denis definiu de forma poética e naturalista: A alma dorme na pedra, sonha no vegetal, agita-se no animal e acorda no homem.


Um abraço


PSI
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Kazaoka em 06 de Dezembro de 2012, 10:39
Como já havia dito em meu post anterior, está claro na codificação que a origem do espírito e sua progressão ainda é um dos mistérios guardados por Deus. Por isso, tanto os que creem que nossa evolução começou no seixo e os que acreditam que já fomos criados espíritos humanos, encontram subsídios na obra da codificação que dá sustentação a ambos os sistemas.

Da parte que sustenta o meu pensamento, cito a que me chama mais a atenção;

O Livro dos Espíritos, comentário de Kardec no fechamento do capítulo XI:

"O ponto de partida dos Espíritos é uma dessas questões que se ligam ao princípio das coisas e que estão nos segredos de Deus. Não é permitido ao homem conhecê-lo de maneira absoluta, e ele somente pode fazer a esse respeito suposições, construir sistemas mais ou menos prováveis. Os próprios Espíritos estão longe de conhecer tudo; sobre o que não sabem podem também ter opiniões pessoais mais ou menos sensatas.

É assim, por exemplo, que nem todos pensam a mesma coisa a respeito das relações que existem entre o homem e os animais. Segundo alguns, o Espírito só alcança o período de humanidade após ter sido elaborado e individualizado nos diferentes graus dos seres inferiores da Criação; segundo outros, o Espírito do homem teria sempre pertencido à raça humana, sem passar pela experiência animal.

O primeiro desses sistemas tem a vantagem de dar um objetivo ao futuro dos animais, que formariam assim os primeiros anéis da cadeia dos seres pensantes; o segundo está mais de acordo com a dignidade do homem e pode se resumir no seguinte modo:

As diferentes espécies de animais não procedem intelectualmente umas das outras pelo caminho da progressão; assim, o espírito da ostra não se torna sucessivamente o do peixe, do pássaro, do quadrúpede e do quadrúmano8. Cada espécie constitui um tipo absoluto, física e moralmente, e cada indivíduo tira na fonte universal a soma do princípio inteligente que lhe é necessário, segundo a perfeição de seus órgãos e a obra que deve cumprir nos fenômenos da natureza, e que, em sua morte, volta à fonte universal. As espécies de animais dos mundos mais avançados que o nosso (veja a questão 188) são igualmente raças distintas, apropriadas às necessidades desses mundos e ao grau de adiantamento dos homens de lá, dos quais são auxiliares, mas que não procedem daqueles da Terra, espiritualmente falando. Não ocorre o mesmo com o homem. Do ponto de vista físico, ele forma evidentemente um anel da cadeia dos seres vivos; mas, do ponto de vista moral, entre o animal e o homem há uma separação. O homem possui alma ou Espírito, a centelha divina que lhe dá o sentido moral e um valor intelectual que falta aos animais e é nele o ser principal, preexistindo e sobrevivendo ao corpo ao conservar sua individualidade. Qual é a origem do Espírito? Onde está seu ponto de partida? Forma-se a partir do princípio inteligente individualizado? Está aí um mistério que seria inútil tentar penetrar e sobre o qual, como já dissemos, não se pode construir mais do que sistemas. O que é constante e resulta ao mesmo tempo do raciocínio e da experiência é a sobrevivência do Espírito, a conservação de sua individualidade após a morte, sua faculdade progressiva, seu estado feliz ou infeliz de acordo com seu adiantamento no caminho do bem e todas as verdades morais que são a conseqüência desse princípio. Quanto às relações misteriosas que existem entre os homens e os animais, está aí, nós repetimos, o segredo de Deus, como muitas outras coisas cujo conhecimento atual não importa ao nosso adiantamento e sobre as quais seria inútil insistir."

Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: psi em 06 de Dezembro de 2012, 12:37
...É assim, por exemplo, que nem todos pensam a mesma coisa a respeito das relações que existem entre o homem e os animais. Segundo alguns, o Espírito só alcança o período de humanidade após ter sido elaborado e individualizado nos diferentes graus dos seres inferiores da Criação; segundo outros, o Espírito do homem teria sempre pertencido à raça humana, sem passar pela experiência animal...

Olá kazaoka

Apesar desse comentário de Kardec ao término do cap XI do LE citar essas duas hipóteses, consta no LE apenas uma resposta diretamente respondida pelos espíritos superiores sobre essa questão. E essa resposta é taxativa indo ao encontro da primeira hipótese citada por Kardec. Segue abaixo a referida pergunta e sua resposta:


607-Ficou dito que a alma do homem, na sua origem, se assemelha ao estado de infância da vida corpórea, que a sua inteligência apenas desponta, e que ela ensaia para a vida. Onde cumpre o espírito essa primeira fase? 

_Numa série de existências que precederam o período a que chamais de humanidade.

607-a - Parece, assim, que a alma teria sido o princípio inteligente dos seres inferiores da criação?

_ Não dissemos que tudo se encadeia na natureza, e tende à unidade? É nesses seres, que estais longe de conhecer inteiramente, que o princípio inteligente se elabora, se individualiza pouco a pouco, e ensaia para a vida, como dissemos. É, de certa maneira, um trabalho preparatório, como o da germinação, a seguir ao qual o princípio inteligente sofre uma transformação, e se torna espírito. É então que começa para ele o período de humanidade, e com este a consciência do seu futuro, a distinção do bem e do mal e a responsabilidade dos seus actos. Como depois do período da infância vem o da adolescência, depois a juventude, e por fim a idade madura. Nada há, de resto, nessa origem, que deva humilhar o homem. Os grandes génios sentem-se humilhados por terem sido fetos informes no ventre materno? Se alguma coisa deve humilhá-los, é a sua inferioridade perante Deus, e a sua impotência para sondar a profundidade dos seus desígnios e a sabedoria das leis que regulam a harmonia do Universo. Reconhecei a grandiosidade de Deus nessa admirável harmonia que faz a solidariedade de todas as coisas da Natureza. Crer que Deus pudesse ter feito qualquer coisa sem objectivo, e criar seres inteligentes sem futuro, seria blasfemar contra a sua bondade, que se estende sobre todas as criaturas.



Um abraço


PSI
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Mourarego em 06 de Dezembro de 2012, 15:47
Amigos resta uma questão: Há Espírito num mineral?
abraços,
Moura
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Anton Kiudero em 06 de Dezembro de 2012, 15:57
Amigos resta uma questão: Há Espírito num mineral?

Claro que não. Mas há uma centelha espiritual a que se deu o nome de 'principio inteligente' e que por exemplo, pode existir como eletron, circulando a volta de um nucleo atomico por bilhões de anos antes de executar outra tarefa um pouco mais complexa.

Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: alexfidelis em 06 de Dezembro de 2012, 16:39
Quando os espíritos da codificação ditaram:

"...desde o átomo primitivo até o arcanjo, que também começou por ser átomo. ...",

quiseram eles referir ao mesmo átomo da matéria??? Então quer dizer que o espírito (não matéria) evoluiu apartir de uma matéria, o átomo (que é composto de protons, neutrons, eletrons e que são feitos de outras matérias subatômicas menores como quarks, bósons etc)???


Como diz Kardec:
"...nós repetimos, o segredo de Deus, como muitas outras coisas cujo conhecimento atual não importa ao nosso adiantamento e sobre as quais seria inútil insistir."
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Kazaoka em 06 de Dezembro de 2012, 16:43

Olá kazaoka

Apesar desse comentário de Kardec ao término do cap XI do LE citar essas duas hipóteses, consta no LE apenas uma resposta diretamente respondida pelos espíritos superiores sobre essa questão. E essa resposta é taxativa indo ao encontro da primeira hipótese citada por Kardec. Segue abaixo a referida pergunta e sua resposta:


Caro amigo, somente argumentando sobre o pensamento que me é próprio e que, pelo o que já havia explicado com relação à liberdade que a DE nos dá de aceitarmos um ou a outro sistema que explique algo que ainda está sob os mistérios de Deus a progressão do espírito, por exemplo. Trago uma das questões que a resposta dada pelo Espírito contradiz o pensamento da resposta dada por outro Espírito na questão que você nos trouxe;

591 Nos mundos superiores as plantas são, como os outros seres, de uma natureza mais perfeita?

– Tudo é mais perfeito; mas nesses mundos superiores as plantas são sempre plantas, os animais são sempre animais e os homens, sempre homens.

Se num mundo superior a planta será sempre planta, os animais sempre animais e os homens sempre homens, porquê no nosso a inteligência teria que excursionar pelos diversos reinos?
Ou será que a gente deixa a Terra no nosso grau mais alto de espiritualização para integrar o mundo superior entrando pelo reino mineral de tais mundos!?

Quanto a darmos o status de verdade incontestável ao que encontramos como respostas dadas pelos Espíritos sobre esta questão, relembro mais uma vez os dizeres de Kardec quando discorreu sobre este assunto:

"O ponto de partida dos Espíritos é uma dessas questões que se ligam ao princípio das coisas e que estão nos segredos de Deus. Não é permitido ao homem conhecê-lo de maneira absoluta, e ele somente pode fazer a esse respeito suposições, construir sistemas mais ou menos prováveis. Os próprios Espíritos estão longe de conhecer tudo; sobre o que não sabem podem também ter opiniões pessoais mais ou menos sensatas."
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Pat Melo em 06 de Dezembro de 2012, 16:55
Sobre este assunto eu penso assim:

INVOLUÇÃO

...

Não acredito em evolução espiritual, neste mundo de hoje não vejo isso. Pelo contrário o ser humano nos surpreende a cada dia realizando verdadeiras atrocidades. Essa teoria para mim não se sustenta.
Patricia.

Resposta a pergunta 805 de O Livro dos Espíritos: "Sim, já o dissemos, o Espírito que progrediu não regride mais. ..."

Se observarmos a humanidade desde a época da descoberta do fogo, invenção da roda, até hoje, é evidente uma evolução e não involução. Digo em todos os aspectos (culturais, sociais, legais etc).

Sim o progresso é Bíblico, quanto ao declínio da moralidade da humanidade também é Bíblico:

Daniel 12:4 Tu, porém, Daniel, cerra as palavras e sela o livro, até o fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará.

Muitos correrão de uma parte  para outra, é exatamente como vivemos hoje, nessa correria incessante, engarrafamentos, trabalho, pressa, querendo ter sempre mais do que já tem, nunca nos sentimos satisfeitos com nada, não temos mais paciência com o próximo e a consequência:aumento das doenças  psicossomáticas. Etcs...

E realmente não há o que negar o progresso. A ciência se multiplicará.

A ciência cresce a  ética e o comportamento humano decai: 

 Mateus 24:12  e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.

Mateus 24:11 Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos;

Mateus 10:21 Um irmão entregará à morte a seu irmão, e um pai a seu filho; e filhos se levantarão contra os pais e os matarão.

2 Timóteo 3:1-4  Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos;
2 pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios,
3 sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem,
4 traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,~

Quanto a evolução:
Consideremos a crença dos egípcios acerca da origem do próprio homem, ou seja, sua ciência antropológica. Ao observarem que o rio Nilo, em cujas margens as principais cidades do Egito haviam sido construídas, transbordava todos os anos (de julho a setembro), inundando extensas regiões agrícolas e depositando sobre a terra um lodo fertilizante, os egípcios passaram a acreditar que o primeiro homem havia sido gerado de certos vermes brancos encontrados naquele lodo proveniente da enchente anual do rio.

     Tendo sido educado “Em toda a ciência dos egípcios”, o lógico seria MoisÉs fazer uso de tais crendices ao escrever sobre o aparecimento do homem sobre a face da Terra. Mas o que escreveu Moisés? “Então formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra, e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente”, Gn 2.7.

O nosso espírito não evoluiu de uma pedra, ou vermes, ou plantas, não tem o menor sentido esta teoria. Deus nos criou humanos e o fôlego de vida é a nossa alma.

Boa tarde a todos!

Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: psi em 06 de Dezembro de 2012, 21:16
... Trago uma das questões que a resposta dada pelo Espírito contradiz o pensamento da resposta dada por outro Espírito na questão que você nos trouxe;

591 Nos mundos superiores as plantas são, como os outros seres, de uma natureza mais perfeita?

– Tudo é mais perfeito; mas nesses mundos superiores as plantas são sempre plantas, os animais são sempre animais e os homens, sempre homens.

Se num mundo superior a planta será sempre planta, os animais sempre animais e os homens sempre homens, porquê no nosso a inteligência teria que excursionar pelos diversos reinos?

Olá kazaoka

Desculpe, amigo, mas não há nenhuma contradição entre a questão que o amigo trouxe e a 607. E seria no mínimo estranho que Kardec mantivesse na doutrina duas respostas contraditórias sobre um mesmo tema.

Por mais adiantado que seja o mundo, plantas serão sempre plantas, animais sempre animais e homens sempre homens.

Fazendo uso de outras questões do mesmo capítulo, temos que:

PLANTAS- tem apenas a vida orgânica e estão animadas do fluido vital. Todavia, nenhuma inteligência age de forma direta sobre ela, mesmo em mundos superiores. Por mais avançado que seja a sua fisiologia em mundos superiores, nunca haverá um princípio inteligente agindo sobre ela.

ANIMAIS- terá um princípio inteligente a ele ligado, que agirá por instinto sobre o corpo físico. Por mais avançado que seja a inteligência instintiva que o animar em mundos superiores, ela sempre será um princípio inteligente, jamais um espírito. Se assim não fosse, estaríamos a defender a metempsicose.

HOMENS- terá sempre um espírito a ele ligado seja em que grau de evolução estiver o mundo.

A questão 607 afirma que sobre os animais age um princípio inteligente, e sobre os homens, um espírito, que já fora um princípio inteligente, mas que sofrera uma "transformação" capacitando-o a ter pensamentos contínuos e fazer uso da razão, possibilitando que responda pelos seus atos através da lei da causa e efeito em função de seu livre-arbítrio. Como se vê, não há nenhuma contradição entre a questão que o amigo trouxe e a 607. É preciso fazer a diferenciação entre um princípio inteligente e um espírito.

Um abraço


PSI         
Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: Kazaoka em 06 de Dezembro de 2012, 23:17
Questões do OLE:

23 O que é o Espírito?

– Espírito é o princípio inteligente do universo

Então não dá para separar uma coisa da outra.

24 Espírito é sinônimo de inteligência?

– A inteligência é um atributo essencial do Espírito, mas ambos se confundem num princípio comum, de modo que, para vós, são a mesma coisa.

60 É a mesma força que une os elementos da matéria nos corpos orgânicos e inorgânicos?

– Sim, a lei de atração é a mesma para tudo.

Então o que une os elementos que formam os compostos materiais é a força de atração e não uma vontade de um princípio inteligente (projeto de espírito). Nesse caso exclui-se o reino dos minerais como estação de estágio de princípios inteligentes em evolução.

61 Há uma diferença entre a matéria dos corpos orgânicos e a dos inorgânicos?

– A matéria é sempre a mesma, mas nos corpos orgânicos está animalizada.

62 Qual é a causa da animalização da matéria?

– Sua união com o princípio vital.

Ainda aqui, na animalização da matéria, o que concorre para isso é a ação de um outro princípio que não é o inteligente.

71 A inteligência é um atributo do princípio vital?

– Não, uma vez que as plantas vivem e não pensam: apenas têm a vida orgânica. A inteligência e a matéria são independentes, uma vez que um corpo pode viver sem inteligência. Porém, a inteligência só pode manifestar-se por meio dos órgãos materiais. É preciso a união com o Espírito para prover de inteligência a matéria animalizada.

Diante do que foi exposto nas questões citadas e nas outras que fazem parte deste trecho Kardec fez a seguinte divisão entre os seres da Criação:

☼ A inteligência é um dom especial, próprio de algumas classes de seres orgânicos e que lhes dá, com o pensamento, a vontade de agir, a consciência de sua existência e de sua individualidade, assim como os meios de estabelecer relações com o mundo exterior e de proverem as suas necessidades.

Podem distinguir-se assim:

1º) os seres inanimados, formados apenas de matéria, sem vitalidade nem inteligência: são os corpos brutos;

2º) os seres animados que não pensam, formados de matéria e dotados de vitalidade, mas desprovidos de inteligência;

3º) os seres animados pensantes, formados de matéria, dotados de vitalidade e tendo a mais um princípio inteligente que lhes dá a faculdade de pensar.


72 Qual é a fonte da inteligência?

– Já o dissemos: a inteligência universal.

72a Podemos, então, dizer que cada ser tira uma porção de inteligência da fonte universal e a assimila, como tira e assimila o princípio da vida material?

– Isso é apenas uma comparação, mas não é exata. A inteligência é um dom próprio de cada ser e constitui sua individualidade moral. Por fim,há coisas que não são dadas ao homem penetrar, e essa por enquanto é uma delas.


Título: Re: A evolução do Espírito no reino mineral
Enviado por: psi em 07 de Dezembro de 2012, 02:55
Podem distinguir-se assim:

1º) os seres inanimados, formados apenas de matéria, sem vitalidade nem inteligência: são os corpos brutos;

2º) os seres animados que não pensam, formados de matéria e dotados de vitalidade, mas desprovidos de inteligência;

3º) os seres animados pensantes, formados de matéria, dotados de vitalidade e tendo a mais um princípio inteligente que lhes dá a faculdade de pensar.[/i]

   

A questão 71 corrobora o resumo que fiz em meu post anterior:

No item 1 está o reino mineral ( matéria sem vitalidade e inteligência )
No item 2 está o reino vegetal ( matéria com vitalidade, mas sem inteligência )
No item 3 está o reino animal ( matéria com vitalidade e um princípio inteligente que lhe dá a capacidade de pensar )

No cap. XI os espíritos superiores se utilizam da terminologia "princípio inteligente" como a inteligência que anima os animais inferiores ( itens 606 e 607 ) para diferenciá-la do "espírito," inteligência que anima a espécie humana.

Enfim, é tudo uma questão de terminologia. Poderíamos, após a leitura do cap XI do LE, desdobrar o item 3 em:

3.1- espécies de animais inferiores ( matéria com vitalidade e um princípio inteligente- inteligência instintiva )
3.2- espécie humana ( matéria com vitalidade e um espírito- inteligência racional )

Um abraço

PSI