Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 23 de Janeiro de 2014, 10:45

Título: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: dOM JORGE em 23 de Janeiro de 2014, 10:45
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.



                      A custosa Reforma Íntima



                       MAIS DO QUE UMA NECESSIDADE, ELA É UM TIMONEIRO.
 
O Espiritismo, como filosofia nos ensina a analisar questões, como ciência nos mostra certezas raciocinadas e como religião nos mostra que há algo Maior do que a nossa simplória visão consegue observar – até mesmo aqueles que já atingiram um grau de maturidade espiritual e estão aqui por missão –, pois a depuração do Espírito e a evolução não findam, pois há sempre o que aprender, nada permanece imutável (exceto as leis divinas) e há sempre trabalhos a fazer, seja lá que grau de evolução o Espírito atingiu. Posso dizer isso, baseado em uma simples frase de um Espírito de altíssimo grau de evolução – Meu pai trabalha até agora, e Eu também – dita pelo nosso (não só do Espiritismo, mas de todas as religiões/filosofias cristãs) Mestre Jesus de Nazaré.
 
É sobre essa evolução que se trata esse pequeno texto.
 
O Espírito desde sempre consegue ir adquirindo qualidades e habilidades, tanto materiais como espirituais. É através das vicissitudes que passamos pelas encarnações que já tivemos, que iremos acrescentando e desenvolvendo ao nosso Espírito, essas habilidades e qualidades. Até mesmo nos erros aprendemos, pois é um fator a mais que forçará, seja pela dor ou não, o desenvolvimento dessas qualidades. Porém não use isso como desculpa para errar. O erro consciente gera mais responsabilidade na vida, tanto material como espiritual, pois nas condições atuais, elas caminham juntas, digamos para 99% (“chuto”) das pessoas que aqui estão na Terra, onde ainda teremos que reencarnar mais vezes em solo dessa densidade até conseguirmos ir para outras moradas menos densas e mais felizes.
 
O que nos possibilitará evoluir? A resposta é uma só: Reforma Íntima. Outros dizem que não existe reforma íntima, o que existe é construção íntima, outros mais utilizam outros termos. O que importa mesmo não é a denominação, mas sim o seu significado e sua prática. Eu optei em escrever Reforma Íntima com iniciais maiúsculas porque ela independe de religião para ser colocada em prática, não é propriedade de uma religião ou filosofia, não é nenhuma diretriz exclusiva de algum culto ou doutrina. A Reforma Íntima com letra maiúscula no início da grafia é porque designa domínios do saber, o autoconhecimento. É verdade que apesar de não pertencer exclusivamente a algum segmento como dito acima, muitos acham essencial o apoio de alguma doutrina por achar que se ganha mais força para fazê-la. Isso é algo muito individual de cada um e não se deve entrar nesse mérito. A conceituação de Reforma Íntima é a busca pelo autoconhecimento, onde visa uma análise de pontos (geralmente agudos/gritantes a priori) de nossa personalidade, hábitos e deficiências morais e depois com muito trabalho íntimo corrigi-los. Teoricamente tudo é muito simples, mas na prática é onde começam as dificuldades. Para obter hesito é preciso muita renúncia, muita disciplina, muita força de querer, auto perdão (que é diferente de auto piedade), perseverança, calma, uma capacidade mental para si observar a todo o momento, uma constante fonte inspiradora e apaziguadora para buscar forças em momentos de aflições, entre vários outros elementos. Muitas pessoas que começam a Reforma Íntima não persistem, porque não tem calma para fazê-la, querem virar “santo(a)” ou acabar com todas as mazelas mais agudas de uma só vez. Está aí uma estratégia não muito eficiente, porque nada dá saltos, tudo deve ser construído em bases sólidas, de preferência uma por vez, aos poucos, trabalhando o problema/ponto com parcimônia, buscando um amadurecimento da questão íntima a ser melhorada. Geralmente todos nós temos algo que conseguimos identificar de forma rápida a ser melhorada, é por onde devemos começar todo o trabalho. Esse trabalho espiritualmente falando vai aos poucos mudando o seu padrão vibratório para melhor e assim suas companhias espirituais irão melhorar, pois terás acesso a Espíritos simpáticos a sua causa de evolução e irão sutilmente ajudar no processo. Além disso, a mudança de padrão vibratório lhe fará ser beneficiado pela egrégora energética que você estiver ligado pelo seu padrão vibratório, podendo assim, conseguir se fortalecer e evitar quedas de padrão vibratório ou oscilações bruscas. Claro que isso depende do seu querer, da sua força em permanecer no padrão de melhora conseguido. Para isso prosperar deve-se ter todos aqueles elementos citados mais acima e mais alguns outros. Entendeu agora o porquê do custosa Reforma Íntima? É um custo e tanto abdicar-se de suas paixões materiais, abdicar de hábitos viciosos que podem estar sendo cultivados a anos ou até de outras vidas, trabalhar um lado da personalidade que lhe puxa para fora do bom senso e etc. É importante entender que todo começo é difícil e poderão acontecer quedas, mas trabalhe! Saia da acomodação. Idealize e imagine o quanto melhor poderá ser daqui um tempo, do que hoje é! Vai ficar até quando vivendo como se não existisse algo Maior? Dê uma olhada em fotos do Universo e pergunte para si mesmo, qual o seu papel. Viver sem tentar ser melhor? Apenas viver esperando a morte, vivendo paixões materiais, cultivando hábitos viciosos e personalidades sem virtudes de toda sorte?
 
Através da Reforma Íntima, descobrirá algumas qualidades/virtudes que estavam adormecidas, suas potencialidades irão se desenvolvendo e aos poucos você vai observar uma ampliação do seu Eu. Perceberá que a Paz, a Caridade, a Fé e o Amor irão ser sempre motivos de alegria quando exercidos e sentidos para com o próximo e para com você mesmo. Deve-se buscar o melhor para si, isso é se amar! Todo esse conjunto lhe fortalecerá para conseguir passar melhor por suas provas e expiações e talvez a própria melhoria de pontos que você deve corrigir são suas próprias provas e expiações, pois elas estão intimamente ligadas a nossa evolução.
 
Os entrelaços diários da vida fazem com que foco seja apenas na resolução dos problemas, e é esquecido que deve-se tratar a causa, para que o efeito seja a solução. O estudo do assunto é muito importante para que seja melhor aprofundado as questões da Reforma Íntima e das Leis Divinas. Como complemento do incentivo acima, recomendo inicialmente as seguintes obras para leitura e estudo:
 
-As Leis Morais (Rodolfo Calligaris);
-O caminho reto (Léon Denis);
-O Evangelho Segundo Espiritismo (Allan Kardec) – estudo diário – e
-Trabalho no Bem e Auto Reforma Moral (Luiz Guilherme Marques).
Por isso, digo que a Reforma Íntima é mais que uma necessidade, Ela é o timoneiro!
A direção segura para você conseguir a paz interior e caminhar pela trilha de felicidade que o Mestre Jesus preparou para nós!


        Douglas França Fonseca









                                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: lconforjr em 23 de Janeiro de 2014, 14:59
..........

      Desculpem, o comput náo esta colocando ponto de interrog, nem til, nem acentos. Varias teclas deixaram de funcionar. Mas, vamos tentar escrever.

      Acredito que o amigo dON, como sempre faz, náo respondera esta msg. Por isso peco a um dos companheiros que, se desejar raciocinar um pouco como a DE manda, a responda.

      Vamos la.

      - Se todo efeito tem sua causa, qual a causa de ser custosa a reforma intima (interrogaáo).

      - Se e por náo termos feito ainda a RI que erramos e, consequentemente, sofremos...

      - e se todos os sofrimentos, segundo a doutrina, sáo merecidos e justos, o náo termos feito, ainda, a reforma intima, devido ao fato de ela ser custosa, e justificativa para nossos sofrimentos (interr).

.................. 

   
Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Anton Kiudero em 24 de Janeiro de 2014, 22:18
O texto, como muitos outros semelhantes no meio espírita, advoga com propriedade a importância da reforma intima e a sugere. Mas como a Doutrina Espírita desconhece como se processa esta reforma, pois é outro seu proposito, falha ao não mostrar o caminho ou processo para a sua realização.

Primeiro uma observação importante. Reforma intima significa reforma interior, do espirito e não reforma exterior das atitudes. Não guarda qualquer relação com qualquer doutrina ou moral, é universal. Assim, para realizarmos a reforma interior, devemos primeiro saber o que deve ser reformado e depois como reforma-lo.

Todo espirito que vivencia uma encarnação veste a personalidade desta encarnação, o ego, que traz em si todos os gêneros de prova solicitados pelo espírito. Desta forma, ao solicitar determinado gênero de provas o espirito esta na realidade formatando o seu ego ou personalidade e também os processos mentais que guiarão o ego durante o curto período de provas.

Todas as provas, portanto são provas ao qual o ego se submete e as quais o espirito assiste, já que ele não é o ego. Mas o espirito não sabe disso por se apaixonar pelo ego, sofrer com ele, alegrar-se com ele e principalmente acreditar completa e cegamente no que o ego lhe transmite.

Agora, as provas. Todas as provas que possamos imaginar sejam quais forem sempre são 0provas morais, relacionadas ao apego que criamos a coisas, pessoas ou conceitos e que nos permitem (ao espírito) experimentar o egoísmo e aceita-lo ou não. Alimentá-lo ou deixa-lo a mingua para que pereça.

Reforma intima, portanto é vitória do espirito sobre o ego, a não submissão ao ego ou se preferirem outra expressão muito utilizada a “morte do ego”.

Então se todas as provas são morais, quais são e como nos conduzirmos frente a elas?

As provas se agrupam em três grandes grupos, cada qual com suas incontáveis manifestações. No entanto se nos prendermos às manifestações jamais conseguiremos erradicar a essência do egoísmo mesmo vivenciando inúmeras experiências e provas.

Para realizar a Reforma Intima devemos combater as suas raízes. Removendo-se as raízes, todas as manifestações secundarias fenecem como fenece uma planta se a arrancarmos da terra onde esteve enraizada.

Três são os Gêneros de Prova que o espírito solicita vivenciar e todas as provas enquadram-se dentro de apenas três gêneros globais.

O primeiro gênero de prova refere-se aos apegos materiais. Este gênero comporta todas as provas que nos relacionam a coisas. Que nos mostrem o excesso, a falta, o aparecimento ou desaparecimento, por qualquer meio de algo a que nos apegamos materialmente. Ganhar ou perder objetos ou dinheiro, ser furtado, algo ser quebrado, envelhecido, esquecido são o que caracterizam este grupo que em resumo refere-se ao “é meu”, “eu tenho”.
 
O segundo gênero de prova refere-se aos apegos sentimentais. Este gênero comporta todas as provas que nos relacionam a outros espíritos encarnados. O nascimento dos filhos ou a ausência deles, os pais e a sua morte, os cônjuges e a separação por divergências ou morte, as amizades e as traições ou falsidades que denotam, o ciúme, enfim tudo que acontece entre nós e outro ser e a que nos apegamos sentimentalmente. Ganhar ou perder pessoas, ter ou não o controle sobre pessoas é o que caracteriza este grupo que em resumo refere-se ao “eu amo” e ao “eu não amo”.

O terceiro gênero de prova refere-se aos apegos morais. Este gênero comporta todas as provas que nos relacionam ao pensamento e a mente. O saber alguma coisa, o ter certeza de algo, o achar que esta certo e os demais estão errados, a crença em religiões, ciência, filosofias, times de futebol, pátrias e doutrinas, enfim tudo que acontece entre nós e nossa mente e a que nos apegamos sentimentalmente. O que caracteriza este grupo é o “eu sei”.

Pronto, agora temos algo com que lidar. Definimos todas as provas como morais, ou seja, provas de apegos e como o apego é uma expressão do egoísmo veremos como lidar com elas todas de uma só vez ao invés de tentarmos eliminar as cegas um pequeno defeito aqui e outro acolá.

O ego existe como corpo de provas para o espirito e sem dúvida é essencial para a manutenção do corpo material em nosso plano. Mas se não somos o corpo que vestimos de nada serve ao espírito, além de prova. Lembramos que todos os espíritos em todos os graus evolutivos até alcançarem o estado de espíritos puros ou da sétima vibração segundo algumas escolas, possuem egos, sempre com um conjunto de provas atinente com sua vibração.

Então chegamos ao ponto. Como lidar com os apegos criados pelo ego para servirem de provas. Como já afirmamos no inicio, a reforma é interior e, portanto não há qualquer ação exterior a ser desenvolvida. Não é pela caridade ou por ser bom que alguém faz a reforma intima. Caridade e ser bom ainda são obra do ego e apego a algum conceito de caridade e de bondade.

A reforma intima se realiza de forma muito simples. Se o ego ou a mente é a prova, ignore a mente. Não acredite em uma única palavra que lhe sugira, porque invariavelmente será uma prova. E isto acontece centenas e milhares de vezes ao dia e não uma vez a cada dez anos como alguns pensam.

Perdeu algo que lhe era caro ao coração. Diga “e dai” e siga em frente sem pensar e repensar e sem perder a equanimidade. Ganhou na Mega Sena? Diga “e daí” e continue a sua vida como se nada houvesse acontecido. Perdeu o dinheiro da Mega Sena? Diga “e daí” e continue em paz interior.  Conseguiu casar com a pessoa por quem se apaixonou? Ótimo, diga “e daí” e continue casado. A pessoa não era o que parecia? Ótimo, diga “e dai” e vá em frente. Morreu a mãe, o pai, um filho? É causador de saudade, mas não de sofrimento. Diga “e dai” e vá em frente. Alguém diz algo que é contrário ao que você pensa, a sua verdade? E a quem isto importa? Diga apenas “e dai” e permita que cada um pense o que deseja pensar.

Resumindo, treine o desapego de todas as coisas, pessoas e conceitos e seja feliz, sem o enorme peso dos apegos que sufoca a alma enquanto encarnada e por muito tempo após o desencarne, às vezes por centenas de encarnações.

Mas se não desejar treinar o desapego, não treine, continue apegado ao que é seu e viva no dualismo do prazer e da dor até o dia em que exausto, chegue o seu momento.


Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Janeiro de 2014, 06:04

Mas como a Doutrina Espírita desconhece como se processa esta reforma



E quem conhece então?

Os adeptos da ilusionística, que atribuem à Deus  o cometimento de seus crimes?

Que consideram Deus como assassino, pedófilo, ladrão, etc...?


Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Anton Kiudero em 25 de Janeiro de 2014, 13:08

Mas como a Doutrina Espírita desconhece como se processa esta reforma


E quem conhece então?
Os adeptos da ilusionística, que atribuem à Deus  o cometimento de seus crimes?
Que consideram Deus como assassino, pedófilo, ladrão, etc...?


O iludido amigo, que ao inves de ler o que foi escrito le apenas o que a sua mente lhe mostra, sempre peremptorio em suas colocações, apenas demonstra desconhecer em absoluto o que seja a reforma intima, o que deve ser reformado e como deve ser reformado, tal como a DE que jamais teve o proposito de ensinar isto.

Pode procurar a vontade e não encontrará esta expressão em lugar algum do OLE.

Este tema, que é objetivo do espirito na encarnação, foi estudado por milenios em outras culturas e esta disponivel a quem  deseja sinceramente ser senhor da mente e não mais escravo da mente.

Caso dominasse o tema, ha tempos já teria realizado a reforma em si mesmo ao inves de prender-se a ilusão de haver lido o que ninguem escreve

Recomendo que estude o texto e aponte as suas dúvidas que tentaremos esclarecer cada uma a seu tempo. Ou não.


 
Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Janeiro de 2014, 17:19

Este tema, que é objetivo do espirito na encarnação



Ilusionismos à parte, a Verdade sobre o tema, que foi revelado pela Doutrina Espírita, é a que se segue:


                                           Objetivo da encarnação

132. Qual o objetivo da encarnação dos Espíritos?

“Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê-los chegar à perfeição. Para uns, é expiação; para outros, missão. Mas, para alcançarem essa perfeição, têm que sofrer todas as vicissitudes da existência corporal: nisso é que está a expiação. Visa ainda outro fim a encarnação: o de pôr o Espírito em condições de suportar a parte que lhe toca na obra da criação. Para executá-la é que, em cada mundo, toma o Espírito um instrumento, de harmonia com a matéria essencial desse mundo, a fim de aí cumprir, daquele ponto de vista, as ordens de Deus. É assim que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta.”

A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo. Deus, porém, na Sua sabedoria, quis que nessa mesma ação eles encontrassem um meio de progredir e de se aproximar Dele. Deste modo, por uma admirável lei da Providência, tudo se encadeia, tudo é solidário na Natureza.

133. Têm necessidade de encarnação os Espíritos que, desde o princípio, seguiram o caminho do bem?

Todos são criados simples e ignorantes e se instruem nas lutas e tribulações da vida corporal. Deus, que é justo, não podia fazer felizes a uns, sem fadigas e trabalhos, conseguintemente sem mérito.

a) - Mas, então, de que serve aos Espíritos terem seguido o caminho do bem, se isso não os isenta dos sofrimentos da vida corporal?

Chegam mais depressa ao fim. Demais, as aflições da vida são muitas vezes a conseqüência da imperfeição do Espírito. Quanto menos imperfeições, tanto menos tormentos. Aquele que não é invejoso, nem ciumento, nem avaro, nem ambicioso, não sofrerá as torturas que se originam desses defeitos".

                                                                 O Livro dos Espíritos


Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: lconforjr em 26 de Janeiro de 2014, 11:59
...............

      Porq é, realmente, custosa a reforma íntima? Resposta: Porq ninguém consegue realizá-la.

      Pois, o que é reforma íntima senão a reforma de sentimentos? E quem é capaz ou tem poder de reformar seus próprios sentimentos? Pode ter o desejo, a vontade, mas não tem o poder de fazê-lo.

      Nenhuma religião, filosofia, psicologia, escola, ciência, ou doutrina popular sabe ensinar como fazer a RI! E não sabe porq não existe o que fazer, já que não temos o poder de manipular nossos próprios sentimentos!

      Sendo assim, como é que vamos substituir, em nossa natureza íntima, os sentimentos que necessitam de reforma, por sentimentos “reformados ou corrigidos”? Por exemplo: como é que podemos fazer para que em nós, em vez do sentimento de ódio, exista o sentimento de amor?  O que é que devemos fazer?

      Não temos como modificar qualquer sentimento que exista em nós, como tb não temos como fazer para atrairmos, para nós, um sentimento bom, nem para repelir um sentimento mau. Essa operação está fora de nosso alcance pois não existe em nós o poder de manioular qualquer sentimento que possamos imaginar, seja bom ou mau, elevado ou baixo, como o de bem-querer, de raiva, de ódio, de amor pelos semelhantes, de medo, dó, angústia, empatia, alegria, tristeza, felicidade ou infelicidade!

      Tentem fazer isso, e verão que, por mais que se esforcem, não conseguirão.

      Ninguém, absolutamente ninguém sabe fazer isso e, portanto, ninguém fará uma reforma íntima, pelo desejo ou vontade de se reformar. Não há como fazer isso, pois ninguém tem controle ou comando sobre qualquer sentimento que seja.

      Os sentimentos, de qualquer natureza, não somos nós mesmos que os colocamos em nosso íntimo. Eles vêm da vida, se incorporam em nossa natureza devido ao que a vida nos mostra. Nada mais, nada menos do que isso! 

      Assim, nossa reforma interior depende, não de nós, mas do que a vida, com  suas experiências/lições incessantes, nos mostra em nosso dia-a-dia.

...........



Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Brenno Stoklos em 27 de Janeiro de 2014, 05:32

Porq .................
.............................dia.



Que credibilidade podem ter essas afirmações do amigo uma vez que são baseadas apenas em suas convicções pessoais?


Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: lconforjr em 31 de Janeiro de 2014, 02:48
      Brenno Stoklos  (ref #7, de 270114)

      Conf escreveu (em msg #6, de 260114): "... ninguém sabe fazer a reforma íntima, e ninguém tem como fazê-la... Pois, o que é reforma íntima senão a reforma de sentimentos? E quem é capaz ou tem poder de reformar seus próprios sentimentos? Pode ter o desejo, a vontade, mas não tem o poder de fazê-lo.

      "Nenhuma religião, filosofia, psicologia, escola, ciência, ou doutrina popular sabe ensinar como fazer a RI! E não sabe porq não existe o que fazer, já que não temos o poder de manipular nossos próprios sentimentos!"
.............

      Brenno: Que credibilidade podem ter essas afirmações do amigo uma vez que são baseadas apenas em suas convicções pessoais?

      Conf: meu jovem, é claro que estão baseadas em minhas convicções pessoais; se não fossem, porq as colocaria aqui? 

      E mais uma coisa: não devemos mesmo ter credibilidade (acreditar) que essas afirmações sejam verdades! Se acreditamos em qualquer coisa que seja, devido a estarem escritas, onde quer que estejam, corremos o risco de “comer gato por lebre!”, não?

      O que podemos fazer (e devemos fazer se queremos compreender) é raciocinar como a doutrina, e todos aqueles que são sensatos aconselham. Quem desejar entender, tenho certeza, refletirá, raciocinará!

      E não é preciso raciocinar muito para entender.

      Vc, meu amigo, nem que deseje, nem que reúna toda sua força de vontade, toda sua energia, desejo, esforço, conseguirá manipular qualquer um de seus sentimentos, por mais simples que seja. Para ter certeza, basta vc se observar!

      Ninguém, nem vc, nem eu, temos a capacidade ou poder de modificar nossos sentimentos, de fazer que surja o sentimento de amor, ou que desapareça o sentimento de ódio; ou que surja o sentimento de solidariedade e que se vá o de egoísmo; que surja o de humildade e que se vá o de orgulho... e assim por diante, relativamente a todos e quaisquer sentimentos que nossa imaginação possa conceber.

      Não comente apenas; tente perceber que isso que coloquei acima é uma verdade. Basta se observar! Nada mais!
     
      Esta questão é semelhante àquela relativa a não sermos verdadeiramente donos de nossos pensamentos. Se vc não fizer o teste de se observar, do mesmo modo que não fez aquele teste para provar que os pensamentos não são nossos, nunca vai saber se é verdade ou não!

      Se o amigo acredita que aquelas afirmações acima não são verdadeiras, tente demonstrar que não são que, essa demonstração, com certeza, nos ajudará a raciocinar melhor.
.....................
Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Brenno Stoklos em 01 de Fevereiro de 2014, 00:16

ninguém ...............
...................



“Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar. Perguntai ainda mais: “Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?”
“Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado.
“O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual. Mas, direis, como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhosos julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, inquiri como a qualificaríeis, se praticada por outra pessoa. Se a censurais noutrem, não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor, pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca ao vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. Perscrute, conseguintemente, a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de
melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas; dê balanço no seu dia moral para, a exemplo do comerciante, avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.
“Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços? Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. Ora, esta exatamente a idéia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo, visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro, de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma.

                                                                                                           SANTO AGOSTINHO

                                                               O Livro dos Espíritos


Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Eng. Rosemberg em 08 de Maio de 2014, 22:59
Prezado lconforjr,

Como um estudioso da DE, gostaria que aprofundasse mais em suas colocações, pois, sinceramente, não estou a entende-las, e como sei que seu objetivo primordial é contribuir, gostaria que melhor discorresse sobre seu ponde de vista acerca da Reforma Íntima.
Vc acha que ela é impossível de ser feita por vontade do indivíduo? Por mais que se esforce, com atitudes praticas, para mudar seu mode de agir e pensar, o indivíduo nunca conseguirá mudar? Desculpe se mal lhe compreendi, mas isso mesmo que quis dizer??

Fraterno abraço
Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: lconforjr em 09 de Maio de 2014, 16:42
Re: A custosa Reforma Íntima

      Ref: resp #10, 080514, às 22:59, do Eng Rosemberg´

      Sempre procurando ter uma "fé raciocinada"

      Conf: Meu novo companheiro de estudos; um aprofundamento a que vc se refere demandaria resposta muito longa, pois sobre vários assuntos. Assim, lhe peço ser mais específico, e aponte questões que lhe interessam, quantas desejar. Aos poucos, podemos chegar lá.

      Rosemberg pergunta: Vc acha que ela (a RI) é impossível de ser feita por vontade do indivíduo? ... é isso mesmo que quis dizer??

      Conf: novo amigo, foi isso mesmo que eu quis dizer. Veja: primeiramente, precisamos compreender porq a necessidade da reforma íntima. Reforma só se faz naquilo que está deformado, que necessita de reforma, certo? Então, precisamos saber porq é que estamos deformados intimamente! Nós mesmos nos deformamos? E qual seria a causa de fazermos isso?

      E precisamos saber o que é a “vontade” a que vc se refere, de onde ela vem. É criação nossa? Nasce em nosso íntimo, espontaneamente, ou porq as experiências/lições da vida, fazem que ela nasça ou não em nós, forte ou fraca, ou nenhuma, de fazer ou não fazer isto ou aquilo? Se somos nós que a criamos, porq a fazemos às vezes mais forte, às vezes mais fraca, ou mesmo nula? Como é que a criamos, isto é, com que elementos, ou baseados em que? Não será a escola de espíritos, esta escola do bem e do mal, que faz, com o incessante aprendizado que nos proporciona, que a vontade nasça em nós, e uma vontade direcionada para a tentativa de realizar o que escolhemos realizar? E perceba que aquilo que escolhemos realizar também resulta do que essa escola nos faz compreender que devemos realizar, concorda?

     Rosem: Por mais que se esforce, com atitudes praticas, para mudar seu modo de agir e pensar, o indivíduo nunca conseguirá mudar? Desculpe se mal lhe compreendi, mas é isso mesmo que quis dizer??

      Conf: o modo de pensar ou de agir, depende da prática, ou da compreensão? Que prática fará que mudemos nosso modo de agir ou pensar? Se vc praticar a caridade por toda sua vida, aprenderá a ser caridoso, ou apenas criará em vc um costume, o costume de praticar a caridade?!

      E a prática de amor ao próximo, fará a mesma coisa: lhe poderá trazer apenas um costume pois, para que pratiquemos um amor verdadeiro ao próximo, isso não exige que, antes, saibamos como fazer para ter amor, para amar? E como é que devemos fazer para aprender a como ter amor ou a amar? Quem é que nos ensina isso, qual doutrina, qual religião ou religioso, qual instrutor ou mestre?

      Jesus ensinou a "como" fazer para que nasça amor em nosso coração, a "como" colocar amor num coração vazio de amor?! Ou ensinou, apenas, a que procedamos “como” se nosso coração estivesse cheio de amor, perdoando, auxiliando... agindo “como” pessoas simples, humildes, solidárias, caridosas?

      Abç.

.....................
Título: Re: A custosa Reforma Íntima
Enviado por: Brenno Stoklos em 10 de Maio de 2014, 06:24

Jesus ensinou a "como" fazer para que nasça amor em nosso coração...............

      Abç.



Fazei aos homens tudo o que queirais que eles vos façam, pois é nisto que
consistem a lei e os profetas.

Tratai todos os homens como quereríeis que eles vos tratassem. (S. LUCAS, cap.
VI, v. 31.)



"Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós", é a expressão mais completa da caridade, porque resume todos os deveres do homem para com o próximo. Não podemos encontrar guia mais seguro, a tal respeito, que tomar para padrão, do que devemos fazer aos outros, aquilo que para nós desejamos. Com que direito exigiríamos dos nossos semelhantes melhor proceder, mais indulgência, mais benevolência e devotamento para conosco, do que os temos para com eles?
A prática dessas máximas tende à destruição do egoísmo. Quando as adotarem para regra de conduta e para base de suas instituições, os homens compreenderão a verdadeira fraternidade e farão que entre eles reinem a paz e a justiça. Não mais haverá ódios, nem dissensões, mas, tão-somente, união, concórdia e benevolência mútua".

                                               O Evangelho Segundo o Espiritismo